Magazine empresarial out nov dez 2015

  • Published on
    25-Jul-2016

  • View
    213

  • Download
    1

DESCRIPTION

Magazine Empresarial out nov dez 2015 Peridico Informativo da Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

Transcript

  • ASSOCIAO EMPRESARIAL FAFE CABECEIRAS DE BASTO CELORICO DE BASTO

    EMPRESARIALMAGAZINE

    OUTNOVDEZ2015

    I N S TI TU I O D E U TI LI DAD E P B LI CA

    Escola Profissional de Fafe

    arrancou com mais turmas

    e mais alunos

    A oportunidade de arriscar

    em novos mercados

    Internacionalizao

    A Associao Empresarial tem vindo a desenvolver, desde h cinco anos, um conjunto de parcerias, protocolos e misses empresariais com vista aapoiar as empresas da regio, no seu processode internacionalizaoe oportunidadesde negcio.

    A LI Z

    A

    O

    OICA

    N

    RE

    TN

    I

    ASSOCIAO EMPRESARIAL RECLAMA

    MAIS APOIOS PARA O COMRCIO

    E PARA AS EMPRESAS

    Regresso da figura do Secretrio de Estado do Comrcio e a aprovao de um programa nacional de modernizao do comrcio com apoio de fundos comunitrios so algumas das propostas que a Associa-o Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto apresentou, durante a campanha eleito-ral para as Legislativas, aos candidatos socialistas pelo crculo eleitoral de Braga.

  • Jos Hernni Costa

    Presidente da Associao Empresarial de Fafe,

    Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    Caros associados,

    A internacionalizao constitui o grande desafio que a Associao Empresarial e as empresas tero pela frente nos anos vindouros, desafio este que j aceitamos, definimos como estratgico e prioritrio e ao qual j estamos a responder com um programa de misses empresariais, orientado para os mercados lusfonos, que representam oportunida-des de negcio para as empresas, nossas associadas.

    Para alm das misses empresariais, temos vindo a desenvolver um conjunto de parcerias e protocolos, com vista a apoiar os nossos associados no processo de internaciona-lizao, auxiliando-os e estimulando-os a arriscar novos mercados fora do pas.

    Temos adotado uma postura de apoio permanente aos associados, na estratgia de internacionalizao, centrada nas economias emergentes, nomeadamente dos pases da CPLP - Comunidade dos Pases de Lngua Portuguesa, que assumem um papel fundamental, no s pelo seu potencial intrnseco, mas tambm por se encontrarem inseridas em zonas regionais de integrao econmica com elevado potencial. O espao lusfono , sem dvida, uma oportunidade que no pode ser desperdiada.

    No entanto, a internacionalizao constitui apenas um dos eixos de ao da Associa-o Empresarial. Nesta quadra festiva, apresentamos um conjunto de iniciativas de apoio e dinamizao do comrcio local, algumas em colaborao com os respetivos municpios.

    Somos uma voz permanente e ativa das preocupaes dos nossos associados, reivin-dicando apoios para as empresas e para o comrcio, junto do poder local e central.

    Para os novos empresrios, disponibilizamos uma linha de apoio, sem qualquer custo, no mbito de um protocolo realizado com o IEFP.

    Ou seja, so muitas as frentes em que estamos a trabalhar, tentando proporcionar um ambiente mais favorvel aos negcios e s empresas, razo de ser desta instituio.

    Para terminar, e atendendo poca festiva que se aproxima, no podia deixar de enderear, em nome da Associao Empresarial, votos de Boas Festas. Aos nossos associados e familiares, um Bom Natal e um Feliz Ano Novo.

    Saudaes empresariais.

    E D I T O R I A L

    Fafe

    Rua Combatentes Grande

    Guerra, 491 - Ap. 79

    4820-250 Fafe

    t 253 599 278

    f 253 590 942

    aefafe@aefafe.pt

    Celorico de Basto

    Rua Serpa Pinto - Ed. IRB

    4890-226 Celorico de Basto

    t 255 323 884

    f 255 323 810

    d.celorico@aefafe.pt

    Cabeceiras de Basto

    Av. Dr. Francisco S Carneiro

    Refojos de Basto

    4860-150 CABECEIRAS DE BASTO

    t/f 253 664 764

    e-mail d.cabeceiras@aefafe.pt

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L

    FICHA TCNICAPropriedade: Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de BastoMorada: Rua Combatentes da Grande Guerra, 491 - Ap. 79 - 4820-250 FafeContactos: Telefone 253 599 278 - Fax 253 590 942 - E-mail aefafe@aefafe.ptDireo: Jos Hernni CostaCoordenao: Laurentino FerreiraRedao: Francisco Magalhes Costa

    Colaborao: Ana Joo Magalhes. Alice Soares, Fernando Coelho, Leonel Cunha, Liliane MorgadoLus Carvalho, Marta Oliveira, Natlia Carvalho, Natlia Magalhes, Sara Oliveira.Grafismo: Gabinete de Comunicao e Imagem da Associao Empresarial, Ricardo AlvesFotografia: Diogo Alves, Pedro Teixeira, arquivo fotogrfico da AssociaoImpresso: Tipografia do Ave, S.A.Tiragem: 1500 exemplares, dezembro de 2015Distribuio gratuita

    2

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Isento de registo da ERC ao abrigo do Decreto Regulamentar 8/99 de 09/06 art. 12. n. 1/A.

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O 3

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Os dias 16 e 17 de setembro marcaram o arranque do novo ano letivo da Escola Profissional de Fafe (Epfafe), com a habitual receo aos docentes e alunos, recebendo as boas vindas da parte da diretora Alice Soares, que, na oportunidade, apelou ao empenho e dedicao de toda a comunidade escolar.

    Alice Soares sublinhou a importncia da formao profissi-onal proporcionada pela Escola, no sentido de alcanar o reconhe-cimento do tecido empresarial e econmico da regio, dada a qua-lidade e componente tcnica dos cursos ministrados aos jovens.

    O ano letivo de 2015/2016 fica ainda marcado pelo aumen-to de turmas a que corresponde igualmente um acrscimo de alu-nos a frequentar esta escola, e um corpo docente composto por 23 professores.

    Bruxas, vampiros, mmias, monstros e super-heris foram algumas das criaturas demonacas fantasiadas pelos alunos da Escola Profissional de Fafe para celebra-rem a Festa de Halloween.

    Com muitos doces e travessuras mistura, o evento ficou marcado pelo concurso de abboras, um desfile tpico de persona-gens da poca e o tradicional Karaoke, transformando o espao escolar num ambiente de divertida animao e companheirismo de toda a comunidade educativa.

    Naquele que foi o Dia das Bruxas, a Escola Profissional de Fafe vestiu-se a rigor, entre alunos, professores e auxiliares, fazen-do jus a uma festividade que comeou a ganhar maior tradio na ltima dcada.

    Novo ano letivo marcado pelo

    aumento de turmas e alunos

    Qualidade dos cursos ministrados aposta da Escola Profissional de Fafe

    A Epfafe arranca com os cursos profissionais de nvel IV, com durao de trs anos, distribudos pelas seguintes reas: Tcnico de Gesto de Equipamentos Informticos, Tcnico de Vendas, Tcnico de Multimdia, Tcnico de Eletrnica e Automao de Computadores e um novo de Tcnico de Frio e Climatizao.

    Por sua vez, os cursos vocacionais de nvel II, com durao de um ano, contempla as seguintes reas de formao: Vendas, Secretariado e Informtica, Multimdia, Fotografia e Informti-ca, Frio, Climatizao e Informtica e Logstica, Comrcio e Turismo.

    A Epfafe vem registando, nos ltimos anos, uma taxa de sucesso escolar na ordem dos 72% em relao aos alunos que completaram os seus cursos, bem como uma taxa de empregabili-dade a rondar os 90%.

    A escola celebrou

    Festa de Halloween

  • Jos Hernni Costa

    Presidente da Associao Empresarial de Fafe,

    Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    Caros associados,

    A internacionalizao constitui o grande desafio que a Associao Empresarial e as empresas tero pela frente nos anos vindouros, desafio este que j aceitamos, definimos como estratgico e prioritrio e ao qual j estamos a responder com um programa de misses empresariais, orientado para os mercados lusfonos, que representam oportunida-des de negcio para as empresas, nossas associadas.

    Para alm das misses empresariais, temos vindo a desenvolver um conjunto de parcerias e protocolos, com vista a apoiar os nossos associados no processo de internaciona-lizao, auxiliando-os e estimulando-os a arriscar novos mercados fora do pas.

    Temos adotado uma postura de apoio permanente aos associados, na estratgia de internacionalizao, centrada nas economias emergentes, nomeadamente dos pases da CPLP - Comunidade dos Pases de Lngua Portuguesa, que assumem um papel fundamental, no s pelo seu potencial intrnseco, mas tambm por se encontrarem inseridas em zonas regionais de integrao econmica com elevado potencial. O espao lusfono , sem dvida, uma oportunidade que no pode ser desperdiada.

    No entanto, a internacionalizao constitui apenas um dos eixos de ao da Associa-o Empresarial. Nesta quadra festiva, apresentamos um conjunto de iniciativas de apoio e dinamizao do comrcio local, algumas em colaborao com os respetivos municpios.

    Somos uma voz permanente e ativa das preocupaes dos nossos associados, reivin-dicando apoios para as empresas e para o comrcio, junto do poder local e central.

    Para os novos empresrios, disponibilizamos uma linha de apoio, sem qualquer custo, no mbito de um protocolo realizado com o IEFP.

    Ou seja, so muitas as frentes em que estamos a trabalhar, tentando proporcionar um ambiente mais favorvel aos negcios e s empresas, razo de ser desta instituio.

    Para terminar, e atendendo poca festiva que se aproxima, no podia deixar de enderear, em nome da Associao Empresarial, votos de Boas Festas. Aos nossos associados e familiares, um Bom Natal e um Feliz Ano Novo.

    Saudaes empresariais.

    E D I T O R I A L

    Fafe

    Rua Combatentes Grande

    Guerra, 491 - Ap. 79

    4820-250 Fafe

    t 253 599 278

    f 253 590 942

    aefafe@aefafe.pt

    Celorico de Basto

    Rua Serpa Pinto - Ed. IRB

    4890-226 Celorico de Basto

    t 255 323 884

    f 255 323 810

    d.celorico@aefafe.pt

    Cabeceiras de Basto

    Av. Dr. Francisco S Carneiro

    Refojos de Basto

    4860-150 CABECEIRAS DE BASTO

    t/f 253 664 764

    e-mail d.cabeceiras@aefafe.pt

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L

    FICHA TCNICAPropriedade: Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de BastoMorada: Rua Combatentes da Grande Guerra, 491 - Ap. 79 - 4820-250 FafeContactos: Telefone 253 599 278 - Fax 253 590 942 - E-mail aefafe@aefafe.ptDireo: Jos Hernni CostaCoordenao: Laurentino FerreiraRedao: Francisco Magalhes Costa

    Colaborao: Ana Joo Magalhes. Alice Soares, Fernando Coelho, Leonel Cunha, Liliane MorgadoLus Carvalho, Marta Oliveira, Natlia Carvalho, Natlia Magalhes, Sara Oliveira.Grafismo: Gabinete de Comunicao e Imagem da Associao Empresarial, Ricardo AlvesFotografia: Diogo Alves, Pedro Teixeira, arquivo fotogrfico da AssociaoImpresso: Tipografia do Ave, S.A.Tiragem: 1500 exemplares, dezembro de 2015Distribuio gratuita

    2

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Isento de registo da ERC ao abrigo do Decreto Regulamentar 8/99 de 09/06 art. 12. n. 1/A.

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O 3

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Os dias 16 e 17 de setembro marcaram o arranque do novo ano letivo da Escola Profissional de Fafe (Epfafe), com a habitual receo aos docentes e alunos, recebendo as boas vindas da parte da diretora Alice Soares, que, na oportunidade, apelou ao empenho e dedicao de toda a comunidade escolar.

    Alice Soares sublinhou a importncia da formao profissi-onal proporcionada pela Escola, no sentido de alcanar o reconhe-cimento do tecido empresarial e econmico da regio, dada a qua-lidade e componente tcnica dos cursos ministrados aos jovens.

    O ano letivo de 2015/2016 fica ainda marcado pelo aumen-to de turmas a que corresponde igualmente um acrscimo de alu-nos a frequentar esta escola, e um corpo docente composto por 23 professores.

    Bruxas, vampiros, mmias, monstros e super-heris foram algumas das criaturas demonacas fantasiadas pelos alunos da Escola Profissional de Fafe para celebra-rem a Festa de Halloween.

    Com muitos doces e travessuras mistura, o evento ficou marcado pelo concurso de abboras, um desfile tpico de persona-gens da poca e o tradicional Karaoke, transformando o espao escolar num ambiente de divertida animao e companheirismo de toda a comunidade educativa.

    Naquele que foi o Dia das Bruxas, a Escola Profissional de Fafe vestiu-se a rigor, entre alunos, professores e auxiliares, fazen-do jus a uma festividade que comeou a ganhar maior tradio na ltima dcada.

    Novo ano letivo marcado pelo

    aumento de turmas e alunos

    Qualidade dos cursos ministrados aposta da Escola Profissional de Fafe

    A Epfafe arranca com os cursos profissionais de nvel IV, com durao de trs anos, distribudos pelas seguintes reas: Tcnico de Gesto de Equipamentos Informticos, Tcnico de Vendas, Tcnico de Multimdia, Tcnico de Eletrnica e Automao de Computadores e um novo de Tcnico de Frio e Climatizao.

    Por sua vez, os cursos vocacionais de nvel II, com durao de um ano, contempla as seguintes reas de formao: Vendas, Secretariado e Informtica, Multimdia, Fotografia e Informti-ca, Frio, Climatizao e Informtica e Logstica, Comrcio e Turismo.

    A Epfafe vem registando, nos ltimos anos, uma taxa de sucesso escolar na ordem dos 72% em relao aos alunos que completaram os seus cursos, bem como uma taxa de empregabili-dade a rondar os 90%.

    A escola celebrou

    Festa de Halloween

  • COMPRE NOCOMRCIO

    LOCAL

    N A T A L 2 0 1 5

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O4 5

    MAGAZINEEMPRESARIAL MAGAZINEEMPRESARIAL

    Ao abrigo do projeto XPTO+_Erasmus+, a Escola Profissional de Fafe (Epfafe) acompanha o percurso de 11 ex-alunos que, desde os passados dias 12 e 13 de setembro, partiram para vrios pases da Europa, rumo a uma nova experincia de estgio profissional.

    Itlia, Frana, Espanha e Irlanda so os pases que acolhem os jovens oriundos dos cursos de Venda e Multimdia, permitindo que a Epfafe, atravs de bolsas de estgio profissional financiadas, abrisse aos bolseiros as portas Europa do Conhecimento e da Competitividade, complementando, desta forma, a formao dos alunos com programas de excelncia certificados a nvel europeu.

    As mobilidades deste estgio profissional decorrem ao longo de 14 semanas, sendo que a primeira incluiu um curso intensivo da lngua do pas de destino, e as restantes semanas consistem na realizao de um estgio profissional e na participa-o em vrias atividades interculturais, sociais e pessoais.

    Os ex-alunos da Epfafe contemplados neste estgio profissi-onal so Tnia Silva, Liliana Freitas, Joo Paulo Gonalves, Lus Sousa e Vasco Baptista (Curso Tcnico de Vendas); Jos Carlos Gonalves, Carlos Cunha, Cludio Freitas, David Teixeira, Fbio Gonalves e Lus Castro (Curso Tcnico de Multimdia).

    Este ano s h boas razes para que o comrcio tradicio-nal de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto seja escolha preferencial na poca natalcia. A exemplo do ano transato, a Associao Empresarial volta a promo-ver, no mbito da Campanha de Natal, a Raspadinha de Natal, numa iniciativa que conta com a adeso de deze-nas de empresas locais.

    A Raspadinha de Natal contempla prmios aos seus clien-tes, por cada compra efetuada, sejam brindes ou descontos. Para o efeito, os estabelecimentos aderentes encontram-se sinalizados com o logotipo promocional nas montras.

    Com esta ao estima-se, segundo Hernni Costa, presiden-te da Associao Empresarial, que as vendas possam crescer subs-tancialmente, dinamizando e impulsionando, desta forma, o comrcio tradicional no perodo natalcio, atravs do aumento de fluxo de visitantes e, consequentemente, de consumidores.

    Na edio deste ano, uma vez mais, a animao da cidade de Fafe no perodo natalcio resulta de uma parceria entre a Associao Empresarial e o Municpio de Fafe, onde a Praa 25 de Abril volta a ser um ponto de passagem obrigatrio neste Natal, com a chegada do Pai Natal, no passado dia 4 de dezembro, alm da concentrao de parte dos divertimentos, nomeadamente a Casa do Pai Natal, o Mercado de Natal, a rvore Gigante e o carros-sel para fazer as delcias dos mais novos. Destaque tambm para os eventos musicais, com a atuao de coros e bandas filarmnicas, alm do concerto Lucky

    Alunos da Escola Profissional de Fafe exibem

    projetos multimdia, eletrnica e informtica

    A demonstrao de projetos nas reas de multimdia, eletrnica e informtica marcou a participao da EPFafe Mostra de Ensino Profissional, realizada, nos passados dias 2, 3 e 4 de dezembro, no Instituto de Design, em Guimares.

    Ex-alunos da EPFAFE realizam estgio profissional em pases da Europa

    Numa iniciativa da Associao Nacional de Escolas Profissionais (ANESPO), com o apoio da Agncia Nacional para a Qualificao e o Ensino Profissional (ANQEP), a Escola Profissional de Fafe fez-se representar pelos professores Herclio Costa e Antnio Almeida, e por 13 alunos dos cursos de Tcnico de Multimdia e Tcnico de Eletrnica, Automao e Computadores.

    Na rea de multimdia, o destaque vai para a demonstrao de um estdio de televiso, com a apresentao de alguns projetos ligados criao de uma marca de bebidas e s novas tecnologias.

    Outros trabalhos em demonstrao no evento dedicado ao Ensino Profissional teve a ver com a maquete designada de Fbrica Inteligente, concebida pelos alunos do curso de Tcnico de Informtica de Gesto, e os projetos Cubo de Leads,Robot, Detetor de Distncia e Comandos Bluetooth (sem fios), criados por alunos do curso de Tcnico de Eletrnica, Automao e Computadores.

    A Mostra de Ensino Profissional que juntou as escolas profissionais da regio Norte do pas , serviu de ponto de encontro para a troca de conhecimentos e de experincias ao nvel do trabalho que feito nas escolas profissionais.

    RASPADINHA DE NATAL DO COMRCIO LOCAL

    As atividades natalcias da Associao Empresarial esten-dem-se ainda aos concelhos de Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, com a habitual animao de rua, como forma apelativa de incentivo ao consumo, a chegada e presena da figura do Pai Natal, recriando o esprito de Natal nas principais artrias das respectivas sedes concelhias.

    Tambm nestes dois concelhos as atividades de Natal con-templam ainda a instalao da Casa do Pai Natal, um parque de insuflveis, a animao de rua e a distribuio de bales e gulosei-mas pelas crianas. No caso de Cabeceiras de Basto, assinala-se, pela primeira vez, a promoo do chamado Mercadinho de Natal.

    Durante o perodo natalcio, o comrcio tradicional vai estar aberto todos os dias, incluindo os fins de semana, das 9 s 19 horas, encerrando apenas nos dias 25 de dezembro e 1 de janeiro.

    Chegada do Pai Natal abriu, em ambiente de grande alegria e animao, festejos natalcios

    nas sedes dos concelhos de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celoricode Basto deseja a todos os seus associados e familiares um Feliz

    Natal e um Ano Novo repleto de novas conquistase sucessos pessoais.

    Que o ano de 2016 possa trazer mais sadee mais prosperidade para todos ns.

    O Presidente da Direo, Jos Hernni Costa

    AVISORegime Jridico da Ouriveraria e das Contrastarias

    A Lei n. 98/2015 de 18 de agosto que entrou em vigor em 16 de Novembro de 2015, estabelece o regime jurdico

    da ourivesaria e das contrastarias e outros, da qual destacamos a matria relativa compra e venda de artigos com

    metal precioso usados, uma vez que impe maiores restries e obrigaes que impendem sobre o vendedor, quer

    quanto ao comprador, quanto pea e polcia judiciria. Para qualquer esclarecimento adicional os associados

    devero dirigir-se s instalaes da Associao.

  • COMPRE NOCOMRCIO

    LOCAL

    N A T A L 2 0 1 5

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O4 5

    MAGAZINEEMPRESARIAL MAGAZINEEMPRESARIAL

    Ao abrigo do projeto XPTO+_Erasmus+, a Escola Profissional de Fafe (Epfafe) acompanha o percurso de 11 ex-alunos que, desde os passados dias 12 e 13 de setembro, partiram para vrios pases da Europa, rumo a uma nova experincia de estgio profissional.

    Itlia, Frana, Espanha e Irlanda so os pases que acolhem os jovens oriundos dos cursos de Venda e Multimdia, permitindo que a Epfafe, atravs de bolsas de estgio profissional financiadas, abrisse aos bolseiros as portas Europa do Conhecimento e da Competitividade, complementando, desta forma, a formao dos alunos com programas de excelncia certificados a nvel europeu.

    As mobilidades deste estgio profissional decorrem ao longo de 14 semanas, sendo que a primeira incluiu um curso intensivo da lngua do pas de destino, e as restantes semanas consistem na realizao de um estgio profissional e na participa-o em vrias atividades interculturais, sociais e pessoais.

    Os ex-alunos da Epfafe contemplados neste estgio profissi-onal so Tnia Silva, Liliana Freitas, Joo Paulo Gonalves, Lus Sousa e Vasco Baptista (Curso Tcnico de Vendas); Jos Carlos Gonalves, Carlos Cunha, Cludio Freitas, David Teixeira, Fbio Gonalves e Lus Castro (Curso Tcnico de Multimdia).

    Este ano s h boas razes para que o comrcio tradicio-nal de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto seja escolha preferencial na poca natalcia. A exemplo do ano transato, a Associao Empresarial volta a promo-ver, no mbito da Campanha de Natal, a Raspadinha de Natal, numa iniciativa que conta com a adeso de deze-nas de empresas locais.

    A Raspadinha de Natal contempla prmios aos seus clien-tes, por cada compra efetuada, sejam brindes ou descontos. Para o efeito, os estabelecimentos aderentes encontram-se sinalizados com o logotipo promocional nas montras.

    Com esta ao estima-se, segundo Hernni Costa, presiden-te da Associao Empresarial, que as vendas possam crescer subs-tancialmente, dinamizando e impulsionando, desta forma, o comrcio tradicional no perodo natalcio, atravs do aumento de fluxo de visitantes e, consequentemente, de consumidores.

    Na edio deste ano, uma vez mais, a animao da cidade de Fafe no perodo natalcio resulta de uma parceria entre a Associao Empresarial e o Municpio de Fafe, onde a Praa 25 de Abril volta a ser um ponto de passagem obrigatrio neste Natal, com a chegada do Pai Natal, no passado dia 4 de dezembro, alm da concentrao de parte dos divertimentos, nomeadamente a Casa do Pai Natal, o Mercado de Natal, a rvore Gigante e o carros-sel para fazer as delcias dos mais novos. Destaque tambm para os eventos musicais, com a atuao de coros e bandas filarmnicas, alm do concerto Lucky

    Alunos da Escola Profissional de Fafe exibem

    projetos multimdia, eletrnica e informtica

    A demonstrao de projetos nas reas de multimdia, eletrnica e informtica marcou a participao da EPFafe Mostra de Ensino Profissional, realizada, nos passados dias 2, 3 e 4 de dezembro, no Instituto de Design, em Guimares.

    Ex-alunos da EPFAFE realizam estgio profissional em pases da Europa

    Numa iniciativa da Associao Nacional de Escolas Profissionais (ANESPO), com o apoio da Agncia Nacional para a Qualificao e o Ensino Profissional (ANQEP), a Escola Profissional de Fafe fez-se representar pelos professores Herclio Costa e Antnio Almeida, e por 13 alunos dos cursos de Tcnico de Multimdia e Tcnico de Eletrnica, Automao e Computadores.

    Na rea de multimdia, o destaque vai para a demonstrao de um estdio de televiso, com a apresentao de alguns projetos ligados criao de uma marca de bebidas e s novas tecnologias.

    Outros trabalhos em demonstrao no evento dedicado ao Ensino Profissional teve a ver com a maquete designada de Fbrica Inteligente, concebida pelos alunos do curso de Tcnico de Informtica de Gesto, e os projetos Cubo de Leads,Robot, Detetor de Distncia e Comandos Bluetooth (sem fios), criados por alunos do curso de Tcnico de Eletrnica, Automao e Computadores.

    A Mostra de Ensino Profissional que juntou as escolas profissionais da regio Norte do pas , serviu de ponto de encontro para a troca de conhecimentos e de experincias ao nvel do trabalho que feito nas escolas profissionais.

    RASPADINHA DE NATAL DO COMRCIO LOCAL

    As atividades natalcias da Associao Empresarial esten-dem-se ainda aos concelhos de Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, com a habitual animao de rua, como forma apelativa de incentivo ao consumo, a chegada e presena da figura do Pai Natal, recriando o esprito de Natal nas principais artrias das respectivas sedes concelhias.

    Tambm nestes dois concelhos as atividades de Natal con-templam ainda a instalao da Casa do Pai Natal, um parque de insuflveis, a animao de rua e a distribuio de bales e gulosei-mas pelas crianas. No caso de Cabeceiras de Basto, assinala-se, pela primeira vez, a promoo do chamado Mercadinho de Natal.

    Durante o perodo natalcio, o comrcio tradicional vai estar aberto todos os dias, incluindo os fins de semana, das 9 s 19 horas, encerrando apenas nos dias 25 de dezembro e 1 de janeiro.

    Chegada do Pai Natal abriu, em ambiente de grande alegria e animao, festejos natalcios

    nas sedes dos concelhos de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celoricode Basto deseja a todos os seus associados e familiares um Feliz

    Natal e um Ano Novo repleto de novas conquistase sucessos pessoais.

    Que o ano de 2016 possa trazer mais sadee mais prosperidade para todos ns.

    O Presidente da Direo, Jos Hernni Costa

    AVISORegime Jridico da Ouriveraria e das Contrastarias

    A Lei n. 98/2015 de 18 de agosto que entrou em vigor em 16 de Novembro de 2015, estabelece o regime jurdico

    da ourivesaria e das contrastarias e outros, da qual destacamos a matria relativa compra e venda de artigos com

    metal precioso usados, uma vez que impe maiores restries e obrigaes que impendem sobre o vendedor, quer

    quanto ao comprador, quanto pea e polcia judiciria. Para qualquer esclarecimento adicional os associados

    devero dirigir-se s instalaes da Associao.

  • I N T E R N A C I O N A L I Z A O

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L6

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Associao Empresarial faz parcerias com a Cmara de Comrcio Brasil/Albnia/Rio de Janeiro e Associa-o dos Comerciantes de Material de Construo de So Paulo.

    Disponibilizar oportunidades de negcio entre Portugal, Brasil e Albnia foi o objetivo de dois protocolos assinados, no

    A OPORTUNIDADE DE ARRISCAR EM NOVOS MERCADOS

    Apostar no Brasil

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto tem vindo a desenvolver, desde h cinco anos, um conjunto de parcerias,

    protocolos e misses empresariais com vista a apoiar as empresas da regio, no seu processo de internacionalizao e oportunidades de negcio.

    passado dia 2 de julho, em Fafe, entre a Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto e a Cmara de Comr-cio Brasil/Albnia/Rio de Janeiro e a Associao dos Comerciantes de Material de Construo de So Paulo.

    A cerimnia protocolar contou com as presenas Jos Her-nni Costa, da parte da Associao Empresarial, e de Lamartine Holanda, em representao daquelas entidades empresariais estrangeiras.

    Os protocolos assinados inserem-se na estratgia da Associ-ao Empresarial de reforar o seu papel de apoio e promoo nas relaes com aqueles organismos empresariais ao nvel tcnico, informativo e na dinamizao da economia e internacionalizao do tecido empresarial das reas abrangentes pelas trs entidades associativas.

    Neste contexto, a Associao Empresarial tem j em perspe-tiva a realizao at ao final do primeiro trimestre de 2016 de duas misses empresariais, uma a S. Paulo, e outra ao Rio de Janeiro, com objetivos claros de planos de exportao e internacionaliza-o das empresas da regio, a exemplo do que j vem sucedendo com outros mercados da CPLP (Comunidade de Pases de Lngua Portuguesa).

    Recorde-se que a Associao Empresarial tem vindo a inte-grar e a participar ativamente em diversas instituies e associaes, como a Confederao do Comrcio e Servios de Portugal (CCP), Confederao Empresarial da CPLP (CE-CPLP), Unio de Exporta-dores da CPLP, Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Marroquina (CCILM), Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Senegal (CCILS), Conselho Empresarial do Tmega e Sousa e Conselho Empresarial da Regio do Ave e Cvado.

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto esteve presente, entre 24 e 28 do passa-do ms de novembro, em Marrocos, atravs de uma dele-gao chefiada pelo director-geral Laurentino Ferreira, com a finalidade de estreitar relaes empresariais com instituies congneres locais.

    Esta delegao, a exemplo de outras j realizadas quele pas africano, integrou-se, uma vez mais, na estratgia de interna-cionalizao delineada pela Associao Empresarial para os empresrios portugueses na procura e concretizao de novas oportunidades de negcio no mercado de Marrocos.

    No entanto, esta visita foi mais ampla e com objetivos bem definidos no mbito da formao e consultadoria. Realizaram-se reunies com entidades associativas locais, nomeadamente com a Confdration Gnrale des Enterprises du Maroc (CGEM), o Groupement Interprofessionnel dAid au Conseil (GIAC), na pessoa da sua directora Farah Bahtit, e com a Federao de Comrcio e Servios de Marrocos (FCS), na pessoa do Seu director Taib Mohamed. Nestas reunies foram apresentadas e analisadas a possibilidade da reproduo no reino de Marrocos de modelos de programas europeus de formao, destinados capacitao empresarial. A comitiva portuguesa foi composta por Liliane Morgado, responsvel pelo departamento de internacionalizao, Carlos Ribeiro, consultor especialista em programas forma-o/ao, e a equipa de apoio a esta associao em Marrocos, Carlos Pedro e Lakbir Hanafi .

    A visita foi aproveitada tambm para a preparao do lana-mento de novos projetos com a Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Marroquino, onde a Associao Empresarial assume o cargo

    Voltar a Marrocos

    da vice-presidncia, bem como uma aproximao nova Cmara de Comrcio deste pais, designada por Cmara do Comrcio, Indstria e Servios de Portugal em Marrocos.

    Esta deslocao ao reino de Marrocos foi muito positiva, j que as nossas propostas foram muito bem acolhidas por todas as entidades com quem mantivemos contacto, ficando da nossa responsabilidade remetermos novos dossiers que espelhem os resultados destas reunies. Temos conscincia que com a experincia que adquirimos ao longo destes anos ser uma mais valia para o tecido empresarial daquele pas disse Laurentino Ferreira.

    Esta visita foi antecedida pela deslocao, no passado ms de outubro, do director-geral Laurentino Ferreira a Casabalanca, onde se multiplicou em contatos diretos com empresrios ligados fileira da construo e instituies empresariais marroquinas.

    Laurentino Ferreira esteve reunido com Rui Cordovil, responsvel do AICEP (Agncia para o Investimento e Comrcio Externo de Portugal) e Jos Maria Teixeira, presidente da Cmara de Comrcio e Indstria de Servios de Portugal em Marrocos, bem como responsveis por outras estruturas de apoio s empresas, nomeadamente o Groupement Interprofessionnel dAid au Conseil (GIAC) e o Office de la Formation Professionnelle et de la Promotion du Travail (OFPPT).

    O diretor da Associao Empresarial teve ainda a oportunidade de encetar contactos com empresrios marro-quinos ligados ao setor da construo.

    Associao Empresarial aposta no

    desenvolvimento do seu departamento

    de formao em Casablanca

    A LI Z

    A

    O

    OICA

    N

    RE

    TN

    I

    O Gabinete de Apoio Internacionalizao da Associao Empresarial apoia a sua empresa:

    > No diagnstico empresa > Na avaliao da sua capacidade para exportar e o seu grau de preparao para enfrentar o mercado global > No encaminhamento para uma seleo de mercados externos mediante a rea de negcio > Na elaborao da candidatura aos programas de incentivo existentes

    Para mais informaes, contacte o Gabinete de Apoio Internacionalizao Telefone 253 599 278

    Email international@aefafe.pt

    I N T E R N A C I O N A L I Z A O

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O 7

  • I N T E R N A C I O N A L I Z A O

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L6

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Associao Empresarial faz parcerias com a Cmara de Comrcio Brasil/Albnia/Rio de Janeiro e Associa-o dos Comerciantes de Material de Construo de So Paulo.

    Disponibilizar oportunidades de negcio entre Portugal, Brasil e Albnia foi o objetivo de dois protocolos assinados, no

    A OPORTUNIDADE DE ARRISCAR EM NOVOS MERCADOS

    Apostar no Brasil

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto tem vindo a desenvolver, desde h cinco anos, um conjunto de parcerias,

    protocolos e misses empresariais com vista a apoiar as empresas da regio, no seu processo de internacionalizao e oportunidades de negcio.

    passado dia 2 de julho, em Fafe, entre a Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto e a Cmara de Comr-cio Brasil/Albnia/Rio de Janeiro e a Associao dos Comerciantes de Material de Construo de So Paulo.

    A cerimnia protocolar contou com as presenas Jos Her-nni Costa, da parte da Associao Empresarial, e de Lamartine Holanda, em representao daquelas entidades empresariais estrangeiras.

    Os protocolos assinados inserem-se na estratgia da Associ-ao Empresarial de reforar o seu papel de apoio e promoo nas relaes com aqueles organismos empresariais ao nvel tcnico, informativo e na dinamizao da economia e internacionalizao do tecido empresarial das reas abrangentes pelas trs entidades associativas.

    Neste contexto, a Associao Empresarial tem j em perspe-tiva a realizao at ao final do primeiro trimestre de 2016 de duas misses empresariais, uma a S. Paulo, e outra ao Rio de Janeiro, com objetivos claros de planos de exportao e internacionaliza-o das empresas da regio, a exemplo do que j vem sucedendo com outros mercados da CPLP (Comunidade de Pases de Lngua Portuguesa).

    Recorde-se que a Associao Empresarial tem vindo a inte-grar e a participar ativamente em diversas instituies e associaes, como a Confederao do Comrcio e Servios de Portugal (CCP), Confederao Empresarial da CPLP (CE-CPLP), Unio de Exporta-dores da CPLP, Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Marroquina (CCILM), Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Senegal (CCILS), Conselho Empresarial do Tmega e Sousa e Conselho Empresarial da Regio do Ave e Cvado.

    A Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto esteve presente, entre 24 e 28 do passa-do ms de novembro, em Marrocos, atravs de uma dele-gao chefiada pelo director-geral Laurentino Ferreira, com a finalidade de estreitar relaes empresariais com instituies congneres locais.

    Esta delegao, a exemplo de outras j realizadas quele pas africano, integrou-se, uma vez mais, na estratgia de interna-cionalizao delineada pela Associao Empresarial para os empresrios portugueses na procura e concretizao de novas oportunidades de negcio no mercado de Marrocos.

    No entanto, esta visita foi mais ampla e com objetivos bem definidos no mbito da formao e consultadoria. Realizaram-se reunies com entidades associativas locais, nomeadamente com a Confdration Gnrale des Enterprises du Maroc (CGEM), o Groupement Interprofessionnel dAid au Conseil (GIAC), na pessoa da sua directora Farah Bahtit, e com a Federao de Comrcio e Servios de Marrocos (FCS), na pessoa do Seu director Taib Mohamed. Nestas reunies foram apresentadas e analisadas a possibilidade da reproduo no reino de Marrocos de modelos de programas europeus de formao, destinados capacitao empresarial. A comitiva portuguesa foi composta por Liliane Morgado, responsvel pelo departamento de internacionalizao, Carlos Ribeiro, consultor especialista em programas forma-o/ao, e a equipa de apoio a esta associao em Marrocos, Carlos Pedro e Lakbir Hanafi .

    A visita foi aproveitada tambm para a preparao do lana-mento de novos projetos com a Cmara de Comrcio e Indstria Luso-Marroquino, onde a Associao Empresarial assume o cargo

    Voltar a Marrocos

    da vice-presidncia, bem como uma aproximao nova Cmara de Comrcio deste pais, designada por Cmara do Comrcio, Indstria e Servios de Portugal em Marrocos.

    Esta deslocao ao reino de Marrocos foi muito positiva, j que as nossas propostas foram muito bem acolhidas por todas as entidades com quem mantivemos contacto, ficando da nossa responsabilidade remetermos novos dossiers que espelhem os resultados destas reunies. Temos conscincia que com a experincia que adquirimos ao longo destes anos ser uma mais valia para o tecido empresarial daquele pas disse Laurentino Ferreira.

    Esta visita foi antecedida pela deslocao, no passado ms de outubro, do director-geral Laurentino Ferreira a Casabalanca, onde se multiplicou em contatos diretos com empresrios ligados fileira da construo e instituies empresariais marroquinas.

    Laurentino Ferreira esteve reunido com Rui Cordovil, responsvel do AICEP (Agncia para o Investimento e Comrcio Externo de Portugal) e Jos Maria Teixeira, presidente da Cmara de Comrcio e Indstria de Servios de Portugal em Marrocos, bem como responsveis por outras estruturas de apoio s empresas, nomeadamente o Groupement Interprofessionnel dAid au Conseil (GIAC) e o Office de la Formation Professionnelle et de la Promotion du Travail (OFPPT).

    O diretor da Associao Empresarial teve ainda a oportunidade de encetar contactos com empresrios marro-quinos ligados ao setor da construo.

    Associao Empresarial aposta no

    desenvolvimento do seu departamento

    de formao em Casablanca

    A LI Z

    A

    O

    OICA

    N

    RE

    TN

    I

    O Gabinete de Apoio Internacionalizao da Associao Empresarial apoia a sua empresa:

    > No diagnstico empresa > Na avaliao da sua capacidade para exportar e o seu grau de preparao para enfrentar o mercado global > No encaminhamento para uma seleo de mercados externos mediante a rea de negcio > Na elaborao da candidatura aos programas de incentivo existentes

    Para mais informaes, contacte o Gabinete de Apoio Internacionalizao Telefone 253 599 278

    Email international@aefafe.pt

    I N T E R N A C I O N A L I Z A O

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O 7

  • C O M R C I O L O C A L

    8 9

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O

    ASSOCIAO EMPRESARIAL RECLAMA APOIOSAtraso no financiamento motiva preocupao

    O regresso da figura do Secretrio de Estado do Comrcio na composio do prximo elenco gover-namental e a aprovao de um programa nacional de modernizao do comrcio com apoio de fundos comunitrios so algumas das propostas que a Associ-ao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celo-rico de Basto apresentou, no passado ms de Setem-bro, em Fafe, durante a campanha eleitoral paras as Legislativas, aos candidatos socialistas pelo crculo eleitoral de Braga.

    O comrcio est em profunda crise, assistindo-se ao conti-nuado encerramento de estabelecimentos comerciais. urgente injetar dinheiro na economia, atravs da reduo da carga fiscal sobre as famlias e sobre as empresas, disse.

    Entre as propostas entregues aos candidatos socialistas numa visita realizada Associao Empresarial, Hernni Costa defendeu um maior desenvolvimento e articulao da rede exter-na da Agncia para o Investimento e Comrcio Externo de Portu-gal (AICEP), propondo, para o efeito, uma cooperao estreita com o tecido empresarial, a comear pelas associaes empresariais de base regional. Em causa, segundo o presidente da Associao Empresarial, est o papel de eficcia da AICEP no apoio internaci-onalizao das microempresas.

    A criao de um regime simplificado de IRC para as PME's, a par da implementao de um sistema fiscal que permita o paga-mento do IVA aquando da cobrana da fatura foram outras suges-tes apresentadas pelo presidente da Associao Empresarial aos candidatos socialistas.

    Ao nvel do crescimento econmico, Hernni Costa pug-nou por um novo regime facilitador para as empresas no acesso ao

    O presidente da Associao Empresarial de Fafe, Cabe-ceiras de Basto e Celorico de Basto, Jos Hernni Costa, manifestou-se preocupado com o atraso no desbloqueamento da linha de financiamento para as escolas profissionais, em especial as provenientes das candidaturas apresentadas no mbito do Programa Operacional de Capital Humano (POCH).

    Aquele responsvel associativo falava no incio dos traba-lhos da Assembleia Regional da Regio Norte da Associao Naci-onal de Escolas Profissionais (ANESPO), realizada, no passado dia 19 de novembro, na sede da Associao Empresarial, em Fafe, e que contou com a presena de mais de meia centena de representantes de estabelecimentos de ensino profissional.

    MAGAZINEEMPRESARIALF O R M A O

    Aproveitando a presena do presidente da ANESPO, Jos Lus Presa, no encontro regional, Jos Hernni Costa, lanou-lhe o desafio de uma rpida resoluo do financiamento das escolas profissionais, considerando que a situao pode-se tornar insus-tentvel para o bom funcionamento da rede do ensino profissi-onal do pas.

    A esta preocupao manifestada por Jos Hernni Costa no alheia o fato da Associao Empresarial ministrar, desde h 15 anos, o ensino profissional, atravs da Escola Profissional de Fafe, que, ao longo dos ltimos anos, vem registando uma taxa de sucesso escolar na ordem dos 72% em relao aos alunos que com-pletaram os seus cursos, bem como uma taxa de empregabilidade a rondar os 90%.

    Na oportunidade, o presidente da ANESPO corroborou das preocupaes transmitidas pelo presidente da Associao Empre-sarial, mostrando-se tambm desagradado com a situao, espe-rando, numa viso optimista, o desbloqueamento de uma parte do financiamento at ao final do ano em curso, atravs da linha de adiantamento criada para o efeito para as candidaturas aprovadas.

    No encontro da ANESPO, foi abordado e aprovado um memorando contendo um conjunto de reivindicaes a ser enviado ao Ministrio da Educao, tendo em vista o regular e bom funcionamento do ensino profissional.

    Foi ainda aprovado a realizao da Mostra Regional de Provas de Aptido Profissional (PAP), cujo evento decorreu entre 2 e 4 de Dezembro, na cidade de Guimares.

    Em causa o desbloqueamento de verbas s escolas profissionais

    financiamento, o apoio concretizao de programas e aes de estmulo produo nacional, visando, desta forma, a reduo da dependncia de bens e produtos importados. J ao nvel da con-corrncia, props um papel mais eficaz do Estado na real avaliao dos problemas de concorrncia nos combustveis, bem como uma reviso dos mecanismos de formulao da poltica de preos das matrias-primas, energia, gs natural e combustveis.

    O presidente da Associao Empresarial considerou de vital a importncia a flexibilizao do mercado de trabalho e que, no mbito do Portugal 2020, o pas deve apostar na formao dos ativos e dos empresrios. Nesse sentido, apontou o reforo da auto-nomia das instituies de ensino e formao, por forma a potenci-ar a participao do tecido empresarial no desenho dos projetos educativos e formativos e respetiva oferta de servios.

    Mais de meia centena de comerciantes manifestaram-se contra a reduo do horrio de funcionamento dos esta-belecimentos de restaurao e bebidas no concelho fafense, cuja proposta do novo regulamento municipal aponta para o encerramento s 24 horas, exceo dos fins de semana e vsperas de feriado.

    Ciente das implicaes que a referida proposta municipal venha a ter no futuro funcionamento dos estabelecimentos comerciais e de prestao de servios do concelho de Fafe, a Associ-ao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    promoveu, no passado ms de novembro, nas suas instalaes, uma reunio com profissionais do setor, com o objetivo de auscul-tar a opinio dos comerciantes e, desta forma, avanar com uma proposta de salvaguarda dos interesses das partes envolvidas neste processo.

    Este processo entrou numa fase de audio e propsito da Associao Empresarial contribuir para a melhor soluo que salvaguarde os interesses dos comerciantes do concelho. Espera-mos, estou convicto disso, chegar a um consenso com o Municpio de Fafe sobre esta matria, disse o presidente da Associao Empresarial, Jos Hernni Costa.

    Uma das principais preocupaes da Associao Empresari-al prende-se com a reduo do horrio de funcionamento dos estabelecimentos de restaurao e bebidas: cafs, pastelari-as/confeitarias, casas de ch, cervejarias e similares, snack-bares, self-services, casas de pasto e restaurantes.

    O horrio de funcionamento das esplanadas e dos estabele-cimentos situados em edifcios de habitao e edifcios mistos outra medida a merecer alguma preocupao por parte da Associa-o Empresarial.

    A adaptao do novo regulamento municipal tem por objectivo uma limitao dos horrios dos estabelecimentos comerciais e de prestao de servios no concelho de Fafe, aten-dendo a critrios relacionados com a segurana e proteo da qua-lidade de vida dos cidados.

    Horrio de funcionamento do comrcio foi debatido na Associao Empresarial

    Em causa a nova proposta de regulamento municipal para o concelho de Fafe

    A medida Cheque-Formao, criada pela Portaria n. 229/2015,

    de 3 de agosto, constitui uma modalidade de nanciamento direto

    da formao, nomeadamente a entidades empregadoras, a ativos

    empregados e a desempregados.

    Esta medida tem como objetivo principal o incentivo

    formao prossional, constituindo-se como um

    instrumento potenciador da criao e da manuteno

    do emprego e do reforo da qualicao e

    empregabilidade. FORMAO

    CH QUE

    A com os seus 95 anosAssociao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    no apoio s empresas e enquanto entidade formadora certicada pela DGERT possui os recursos fsicos

    e humanos, bem como o know-how necessrio, para o desenvolvimento desta medida.

    Saiba mais. Contacte-nos!

    FA F E

    CABECEIRAS DE BASTO

    CELOR ICO DE BASTO

    EMPRESARIALASSOCIACO

    FAFE

    T 253 599 278

    e-mail aefafe@aefafe.pt

    Rua dos Combatentes

    da Grande Guerra, 491

    4820-250 Fafe

    CABECEIRAS DE BASTO

    T 253 664 764

    e-mail d.cabeceiras@aefafe.pt

    Av. Dr. Francisco S Carneiro

    Refojos de Basto

    4860-150 Cabeceiras de Basto

    CELORICO DE BASTO

    T 255 323 884

    e-mail d.celorico@aefafe.pt

    Rua Serpa Pinto

    Edifcio IRB

    4890-226 Celorico de Basto

    www.aefafe.pt/aefafecabeceirascelorico

  • C O M R C I O L O C A L

    8 9

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O

    ASSOCIAO EMPRESARIAL RECLAMA APOIOSAtraso no financiamento motiva preocupao

    O regresso da figura do Secretrio de Estado do Comrcio na composio do prximo elenco gover-namental e a aprovao de um programa nacional de modernizao do comrcio com apoio de fundos comunitrios so algumas das propostas que a Associ-ao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celo-rico de Basto apresentou, no passado ms de Setem-bro, em Fafe, durante a campanha eleitoral paras as Legislativas, aos candidatos socialistas pelo crculo eleitoral de Braga.

    O comrcio est em profunda crise, assistindo-se ao conti-nuado encerramento de estabelecimentos comerciais. urgente injetar dinheiro na economia, atravs da reduo da carga fiscal sobre as famlias e sobre as empresas, disse.

    Entre as propostas entregues aos candidatos socialistas numa visita realizada Associao Empresarial, Hernni Costa defendeu um maior desenvolvimento e articulao da rede exter-na da Agncia para o Investimento e Comrcio Externo de Portu-gal (AICEP), propondo, para o efeito, uma cooperao estreita com o tecido empresarial, a comear pelas associaes empresariais de base regional. Em causa, segundo o presidente da Associao Empresarial, est o papel de eficcia da AICEP no apoio internaci-onalizao das microempresas.

    A criao de um regime simplificado de IRC para as PME's, a par da implementao de um sistema fiscal que permita o paga-mento do IVA aquando da cobrana da fatura foram outras suges-tes apresentadas pelo presidente da Associao Empresarial aos candidatos socialistas.

    Ao nvel do crescimento econmico, Hernni Costa pug-nou por um novo regime facilitador para as empresas no acesso ao

    O presidente da Associao Empresarial de Fafe, Cabe-ceiras de Basto e Celorico de Basto, Jos Hernni Costa, manifestou-se preocupado com o atraso no desbloqueamento da linha de financiamento para as escolas profissionais, em especial as provenientes das candidaturas apresentadas no mbito do Programa Operacional de Capital Humano (POCH).

    Aquele responsvel associativo falava no incio dos traba-lhos da Assembleia Regional da Regio Norte da Associao Naci-onal de Escolas Profissionais (ANESPO), realizada, no passado dia 19 de novembro, na sede da Associao Empresarial, em Fafe, e que contou com a presena de mais de meia centena de representantes de estabelecimentos de ensino profissional.

    MAGAZINEEMPRESARIALF O R M A O

    Aproveitando a presena do presidente da ANESPO, Jos Lus Presa, no encontro regional, Jos Hernni Costa, lanou-lhe o desafio de uma rpida resoluo do financiamento das escolas profissionais, considerando que a situao pode-se tornar insus-tentvel para o bom funcionamento da rede do ensino profissi-onal do pas.

    A esta preocupao manifestada por Jos Hernni Costa no alheia o fato da Associao Empresarial ministrar, desde h 15 anos, o ensino profissional, atravs da Escola Profissional de Fafe, que, ao longo dos ltimos anos, vem registando uma taxa de sucesso escolar na ordem dos 72% em relao aos alunos que com-pletaram os seus cursos, bem como uma taxa de empregabilidade a rondar os 90%.

    Na oportunidade, o presidente da ANESPO corroborou das preocupaes transmitidas pelo presidente da Associao Empre-sarial, mostrando-se tambm desagradado com a situao, espe-rando, numa viso optimista, o desbloqueamento de uma parte do financiamento at ao final do ano em curso, atravs da linha de adiantamento criada para o efeito para as candidaturas aprovadas.

    No encontro da ANESPO, foi abordado e aprovado um memorando contendo um conjunto de reivindicaes a ser enviado ao Ministrio da Educao, tendo em vista o regular e bom funcionamento do ensino profissional.

    Foi ainda aprovado a realizao da Mostra Regional de Provas de Aptido Profissional (PAP), cujo evento decorreu entre 2 e 4 de Dezembro, na cidade de Guimares.

    Em causa o desbloqueamento de verbas s escolas profissionais

    financiamento, o apoio concretizao de programas e aes de estmulo produo nacional, visando, desta forma, a reduo da dependncia de bens e produtos importados. J ao nvel da con-corrncia, props um papel mais eficaz do Estado na real avaliao dos problemas de concorrncia nos combustveis, bem como uma reviso dos mecanismos de formulao da poltica de preos das matrias-primas, energia, gs natural e combustveis.

    O presidente da Associao Empresarial considerou de vital a importncia a flexibilizao do mercado de trabalho e que, no mbito do Portugal 2020, o pas deve apostar na formao dos ativos e dos empresrios. Nesse sentido, apontou o reforo da auto-nomia das instituies de ensino e formao, por forma a potenci-ar a participao do tecido empresarial no desenho dos projetos educativos e formativos e respetiva oferta de servios.

    Mais de meia centena de comerciantes manifestaram-se contra a reduo do horrio de funcionamento dos esta-belecimentos de restaurao e bebidas no concelho fafense, cuja proposta do novo regulamento municipal aponta para o encerramento s 24 horas, exceo dos fins de semana e vsperas de feriado.

    Ciente das implicaes que a referida proposta municipal venha a ter no futuro funcionamento dos estabelecimentos comerciais e de prestao de servios do concelho de Fafe, a Associ-ao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    promoveu, no passado ms de novembro, nas suas instalaes, uma reunio com profissionais do setor, com o objetivo de auscul-tar a opinio dos comerciantes e, desta forma, avanar com uma proposta de salvaguarda dos interesses das partes envolvidas neste processo.

    Este processo entrou numa fase de audio e propsito da Associao Empresarial contribuir para a melhor soluo que salvaguarde os interesses dos comerciantes do concelho. Espera-mos, estou convicto disso, chegar a um consenso com o Municpio de Fafe sobre esta matria, disse o presidente da Associao Empresarial, Jos Hernni Costa.

    Uma das principais preocupaes da Associao Empresari-al prende-se com a reduo do horrio de funcionamento dos estabelecimentos de restaurao e bebidas: cafs, pastelari-as/confeitarias, casas de ch, cervejarias e similares, snack-bares, self-services, casas de pasto e restaurantes.

    O horrio de funcionamento das esplanadas e dos estabele-cimentos situados em edifcios de habitao e edifcios mistos outra medida a merecer alguma preocupao por parte da Associa-o Empresarial.

    A adaptao do novo regulamento municipal tem por objectivo uma limitao dos horrios dos estabelecimentos comerciais e de prestao de servios no concelho de Fafe, aten-dendo a critrios relacionados com a segurana e proteo da qua-lidade de vida dos cidados.

    Horrio de funcionamento do comrcio foi debatido na Associao Empresarial

    Em causa a nova proposta de regulamento municipal para o concelho de Fafe

    A medida Cheque-Formao, criada pela Portaria n. 229/2015,

    de 3 de agosto, constitui uma modalidade de nanciamento direto

    da formao, nomeadamente a entidades empregadoras, a ativos

    empregados e a desempregados.

    Esta medida tem como objetivo principal o incentivo

    formao prossional, constituindo-se como um

    instrumento potenciador da criao e da manuteno

    do emprego e do reforo da qualicao e

    empregabilidade. FORMAO

    CH QUE

    A com os seus 95 anosAssociao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

    no apoio s empresas e enquanto entidade formadora certicada pela DGERT possui os recursos fsicos

    e humanos, bem como o know-how necessrio, para o desenvolvimento desta medida.

    Saiba mais. Contacte-nos!

    FA F E

    CABECEIRAS DE BASTO

    CELOR ICO DE BASTO

    EMPRESARIALASSOCIACO

    FAFE

    T 253 599 278

    e-mail aefafe@aefafe.pt

    Rua dos Combatentes

    da Grande Guerra, 491

    4820-250 Fafe

    CABECEIRAS DE BASTO

    T 253 664 764

    e-mail d.cabeceiras@aefafe.pt

    Av. Dr. Francisco S Carneiro

    Refojos de Basto

    4860-150 Cabeceiras de Basto

    CELORICO DE BASTO

    T 255 323 884

    e-mail d.celorico@aefafe.pt

    Rua Serpa Pinto

    Edifcio IRB

    4890-226 Celorico de Basto

    www.aefafe.pt/aefafecabeceirascelorico

  • I N S T I T U C I O N A L

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L10

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O11

    E V E N T O S

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Formao No Financiada

    Curso

    Higiene e Segurana Alimentar no Setor das Carnes - RECICLAGEM REA: No aplicvel / Durao Sala: 7 h

    Higiene e Segurana Alimentar no Setor das Carnes - INICIAO

    Dados Gerais Incio Local

    REA: No aplicvel / Durao Sala: 15 h

    2016

    2016

    Fafe

    Fafe

    Formao No Financiada / Formao Modular Certicada VIDA ATIVA

    Curso

    Tcnico de Apoio Economia Social - Nvel 4

    UFCDs: 7208; 7209; 7217; 7222; 7227

    Dados Gerais Incio Local

    REA: 762 Trabalho Social e Orientao

    Durao Sala: 200h2016 Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Tcnicas de Apoio para o Comrcio, Indstria e Servios - Nvel 4

    UFCDs: 0355; 0368; 0357; 3839; 0350

    REA: 0341 Comrcio

    Durao Sala: 200h2016

    Tcnicas de Apoio para o Comrcio, Indstria e Servios - Nvel 2

    UFCDs: 0364; 0351; 0355; 0357; 0360

    REA: 0341 Comrcio

    Durao Sala: 200h2016

    ATIVAO TEUFUTURO

    PLANO DE FORMAOPara mais informaes, contacte os nossos servios atravs do telefone 253 590 075

    Associao Empresarial apoia desempregados

    Numa ao concertada com o Instituto de Emprego e Formao Profissional (IEFP), a Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto vai apoiar desempregados na criao da sua prpria empresa, no mbito da medida de Apoio Tcnico Criao e Consolidao de Projetos (ATCP).

    Para o efeito, a Associao Empresarial procedeu, no final do passado ms de julho, em Santarm, assinatura de um proto-colo de cooperao com o IEFP, que contou com a presena de Jos Hernni Costa, presidente daquela estrutura associativa, e do Secretrio de Estado do Emprego, Octvio de Oliveira.

    Pelo referido protocolo, a Associao Empresarial constitui uma das entidades credenciadas pelo IEFP para prestar apoio tc-nico a pessoas em situao de desemprego e que pretendam criar o seu prprio negcio -, cuja medida, numa fase inicial, contempla a ajuda prvia aprovao do apoio, com vista ao desenvolvi-mento de competncias e criao e estruturao do projeto, nomeadamente no que concerne conceo e elaborao de planos de investimento e de negcio.

    Por outro lado, o beneficirio apoiado nos dois primeiros anos de atividade da empresa, com vista consolidao do pro-jeto, abrangendo uma fase de acompanhamento do plano apro-vado, e outra fase de consultadoria, esta ligada com aspetos relaci-onados com a gesto e operacionalidade da empresa.

    Uma jornada solidria foi vivida no passado dia 11 de novembro, na praa 25 de Abril, em Fafe, com a reali-zao da Feirinha de So Martinho, uma iniciativa dos alunos da Escola Profissional de Fafe que visou a angari-ao de receitas a favor da jovem fafense Carolina Mar-tins, que padece, desde os primeiros anos da sua vida, de Lucemia Linfoblstica Aguda.

    Produtos tradicionais, jogos populares e danas e cantares ao som de concertinas e bombos foram os principais ingredientes desta primeira edio, que contou com 14 barraquinhas de venda dos mais genunos produtos da poca de outono, desde bolos e doces de abbora e leguminosas at aos frutos variados, passando ainda pelo sabor da castanha assada, como o principal produto tpico dos festejos do S. Martinho.

    A Feirinha de So Martinho revelou-se um sucesso, quer pela adeso das pessoas e compras realizadas quer pela motivao, empenho e entusiasmo demonstrado por toda a comunidade escolar, desde pais e encarregados de educao, professores, auxili-ares de educao e alunos.

    De acordo com a Direo da Escola Profissional de Fafe, os objetivos deste certame foram totalmente alcanados, enalte-cendo o esprito solidrio dos alunos no propsito da ajudarem a jovem Carolina Martins.

    Nesta linha de pensamento, o presidente da Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, Jos Hernni Costa, destacou o evento como uma forma de apelar ao esprito solidrio dos fafenses, ajudando quem mais precisa.

    Associando-se a esta jornada solidria, o vice-presidente da Cmara Municipal de Fafe, Pompeu Martins, presidiu abertura da Feirinha de So Martinho, no deixando, na oportunidade, de

    No mbito deste protocolo de cooperao, a Associao Empresarial estabelece com os destinatrios um plano de desen-volvimento personalizado da empresa com base num diagnstico completo da situao e das necessidades da empresa e dos seus promotores.

    Assinado protocolo de cooperao com o IEFP na medida de Apoio Tcnico

    Criao e Consolidao de Projetos

    Feirinha de So Martinho

    com forte esprito solidrio

    A Associao Empresarial entregou donativo de 1840 euros

    famlia da jovem Carolina Martins, que sofre de Leucemia.

    expressar o envolvimento dos jovens em causas de natureza soli-dria e, por outro lado, na defesa das tradies do So Martinho. Esta iniciativa demonstrou a vitalidade da Escola Profissional de Fafe e o reforo da sua ligao comunidade, acrescentou.

    A Associao Empresarial promoveu, no pas-sado dia 20 de novembro, uma sesso de informao junto dos comerciantes sobre o Comrcio Seguro, iniciativa que contou com as presenas dos militares Cladia Magalhes e Jorge Mendes, da Seco de Pro-gramas Especiais, do Ncleo de Guimares da Guarda Nacional Republicana (GNR).

    O Comrcio Seguro um programa que tem por obje-tivo incrementar condies acrescidas de proteo e segurana aos comerciantes, no que respeita a furtos e assaltos a estabele-cimentos comerciais.

    Sesso de informao sobre Comrcio Seguro

    Nota: Os participantes desta tipologia de formao tm a possibilidade de realizarem Formao Prtica em Contexto de Trabalho durante 384 horas (cerca de 3 meses).

  • I N S T I T U C I O N A L

    A S S O C I A O E M P R E S A R I A L10

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    F A F E C A B E C E I R A S D E B A S T O C E L O R I C O D E B A S T O11

    E V E N T O S

    MAGAZINEEMPRESARIAL

    Formao No Financiada

    Curso

    Higiene e Segurana Alimentar no Setor das Carnes - RECICLAGEM REA: No aplicvel / Durao Sala: 7 h

    Higiene e Segurana Alimentar no Setor das Carnes - INICIAO

    Dados Gerais Incio Local

    REA: No aplicvel / Durao Sala: 15 h

    2016

    2016

    Fafe

    Fafe

    Formao No Financiada / Formao Modular Certicada VIDA ATIVA

    Curso

    Tcnico de Apoio Economia Social - Nvel 4

    UFCDs: 7208; 7209; 7217; 7222; 7227

    Dados Gerais Incio Local

    REA: 762 Trabalho Social e Orientao

    Durao Sala: 200h2016 Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Fafe / Cabeceiras de Basto / Celorico de Basto

    Tcnicas de Apoio para o Comrcio, Indstria e Servios - Nvel 4

    UFCDs: 0355; 0368; 0357; 3839; 0350

    REA: 0341 Comrcio

    Durao Sala: 200h2016

    Tcnicas de Apoio para o Comrcio, Indstria e Servios - Nvel 2

    UFCDs: 0364; 0351; 0355; 0357; 0360

    REA: 0341 Comrcio

    Durao Sala: 200h2016

    ATIVAO TEUFUTURO

    PLANO DE FORMAOPara mais informaes, contacte os nossos servios atravs do telefone 253 590 075

    Associao Empresarial apoia desempregados

    Numa ao concertada com o Instituto de Emprego e Formao Profissional (IEFP), a Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto vai apoiar desempregados na criao da sua prpria empresa, no mbito da medida de Apoio Tcnico Criao e Consolidao de Projetos (ATCP).

    Para o efeito, a Associao Empresarial procedeu, no final do passado ms de julho, em Santarm, assinatura de um proto-colo de cooperao com o IEFP, que contou com a presena de Jos Hernni Costa, presidente daquela estrutura associativa, e do Secretrio de Estado do Emprego, Octvio de Oliveira.

    Pelo referido protocolo, a Associao Empresarial constitui uma das entidades credenciadas pelo IEFP para prestar apoio tc-nico a pessoas em situao de desemprego e que pretendam criar o seu prprio negcio -, cuja medida, numa fase inicial, contempla a ajuda prvia aprovao do apoio, com vista ao desenvolvi-mento de competncias e criao e estruturao do projeto, nomeadamente no que concerne conceo e elaborao de planos de investimento e de negcio.

    Por outro lado, o beneficirio apoiado nos dois primeiros anos de atividade da empresa, com vista consolidao do pro-jeto, abrangendo uma fase de acompanhamento do plano apro-vado, e outra fase de consultadoria, esta ligada com aspetos relaci-onados com a gesto e operacionalidade da empresa.

    Uma jornada solidria foi vivida no passado dia 11 de novembro, na praa 25 de Abril, em Fafe, com a reali-zao da Feirinha de So Martinho, uma iniciativa dos alunos da Escola Profissional de Fafe que visou a angari-ao de receitas a favor da jovem fafense Carolina Mar-tins, que padece, desde os primeiros anos da sua vida, de Lucemia Linfoblstica Aguda.

    Produtos tradicionais, jogos populares e danas e cantares ao som de concertinas e bombos foram os principais ingredientes desta primeira edio, que contou com 14 barraquinhas de venda dos mais genunos produtos da poca de outono, desde bolos e doces de abbora e leguminosas at aos frutos variados, passando ainda pelo sabor da castanha assada, como o principal produto tpico dos festejos do S. Martinho.

    A Feirinha de So Martinho revelou-se um sucesso, quer pela adeso das pessoas e compras realizadas quer pela motivao, empenho e entusiasmo demonstrado por toda a comunidade escolar, desde pais e encarregados de educao, professores, auxili-ares de educao e alunos.

    De acordo com a Direo da Escola Profissional de Fafe, os objetivos deste certame foram totalmente alcanados, enalte-cendo o esprito solidrio dos alunos no propsito da ajudarem a jovem Carolina Martins.

    Nesta linha de pensamento, o presidente da Associao Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, Jos Hernni Costa, destacou o evento como uma forma de apelar ao esprito solidrio dos fafenses, ajudando quem mais precisa.

    Associando-se a esta jornada solidria, o vice-presidente da Cmara Municipal de Fafe, Pompeu Martins, presidiu abertura da Feirinha de So Martinho, no deixando, na oportunidade, de

    No mbito deste protocolo de cooperao, a Associao Empresarial estabelece com os destinatrios um plano de desen-volvimento personalizado da empresa com base num diagnstico completo da situao e das necessidades da empresa e dos seus promotores.

    Assinado protocolo de cooperao com o IEFP na medida de Apoio Tcnico

    Criao e Consolidao de Projetos

    Feirinha de So Martinho

    com forte esprito solidrio

    A Associao Empresarial entregou donativo de 1840 euros

    famlia da jovem Carolina Martins, que sofre de Leucemia.

    expressar o envolvimento dos jovens em causas de natureza soli-dria e, por outro lado, na defesa das tradies do So Martinho. Esta iniciativa demonstrou a vitalidade da Escola Profissional de Fafe e o reforo da sua ligao comunidade, acrescentou.

    A Associao Empresarial promoveu, no pas-sado dia 20 de novembro, uma sesso de informao junto dos comerciantes sobre o Comrcio Seguro, iniciativa que contou com as presenas dos militares Cladia Magalhes e Jorge Mendes, da Seco de Pro-gramas Especiais, do Ncleo de Guimares da Guarda Nacional Republicana (GNR).

    O Comrcio Seguro um programa que tem por obje-tivo incrementar condies acrescidas de proteo e segurana aos comerciantes, no que respeita a furtos e assaltos a estabele-cimentos comerciais.

    Sesso de informao sobre Comrcio Seguro

    Nota: Os participantes desta tipologia de formao tm a possibilidade de realizarem Formao Prtica em Contexto de Trabalho durante 384 horas (cerca de 3 meses).

  • ASSOCIAO EMPRESARIAL

    FAFE CABECEIRAS DE BASTO

    CELORICO DE BASTO

    ESTE CARTO

    OFERECE-LHE

    VANTAGENS.

    UTILIZE-AS!

    seainda no

    associado,

    inscreva-se.

    Juntos somos

    mais fortes.

    www.aefafe.pt

    NOME

    DA EM

    PRESA

    ASSO

    CIADA

    APOIO

    ADMIN

    ISTRA

    TIVO

    APOIO J

    URIDIC

    O

    APOIO

    INTER

    NACIO

    NALIZ

    AO

    VARIAD

    OS DES

    CONTOS

    E PROM

    OES

    CONS

    ULTO

    RIA

    ECONO

    MICA/F

    INANC

    EIRA

    FORMA

    O

    PROFISS

    IONAL

    COMU

    NICA

    O

    E MAR

    KETIN

    G

    Page 1Page 2Page 3Page 4Page 5Page 6Page 7Page 8Page 9Page 10Page 11Page 12