LUTAS, CAPOEIRA E PRTICAS CORPORAIS DE Escalada Skate Slackline. Modalidades praticadas em gua Surfe Canoagem Stand up paddle Rafting Exemplificao das prticas corporais de aventura.

  • Published on
    06-Apr-2018

  • View
    213

  • Download
    1

Transcript

LUTAS, CAPOEIRA E PRTICAS CORPORAIS DE AVENTURALUTASPrticas corporais com importncia histrica e social. Objetivo: oposio entre indivduos. Foco: corpo da outra pessoa, a partir de aes de carter simultneo e imprevisvel.Observam-se as questes histricas nos trajes, nas saudaes, na organizao do ensino das modalidades.O enfrentamento fsico entre pessoas ocorre por meio de regras claramente estipuladas. CONCEITO...katas e katis: movimentos de forma e demonstrao caractersticos de algumas modalidades. So movimentos coreografadosAs modalidades de lutas esportivizadas classificam-se de acordo com a distncia na realizao das aes: curta, mdia, longa e mistaCLASSIFICAO...Quanto imprevisibilidade das aesAes de forma e demonstrao de carter mais previsvelAes de enfrentamento fsico direto, mais imprevisveisCURTAMaior proximidade entre os envolvidosAes: agarres, golpes, chaves, tcnica etc.MDIAMaior distncia entre os envolvidosAes: toques, socos e chutesLONGADistanciamento ainda maior entre os envolvidosUtilizao de implementos, como a espadaMISTAMistura duas ou mais distncias Aes: agarres, finalizaes, socos e chutesCLASSIFICAO...CURTAMaior proximidade entre os envolvidosAes: agarres, golpes, chaves, tcnica etc.MDIAMaior distncia entre os envolvidosAes: toques, socos e chutesLONGADistanciamento ainda maior entre os envolvidosUtilizao de implementos, como a espadaMISTAMistura duas ou mais distncias Aes: agarres, finalizaes, socos e chutesCLASSIFICAO...Greco-romanaJudSumoCURTAMaior proximidade entre os envolvidosAes: agarres, golpes, chaves, tcnica etc.MDIAMaior distncia entre os envolvidosAes: toques, socos e chutesLONGADistanciamento ainda maior entre os envolvidosUtilizao de implementos, como a espadaMISTAMistura duas ou mais distncias Aes: agarres, finalizaes, socos e chutesCLASSIFICAO...Kung fuBoxeCaratCURTAMaior proximidade entre os envolvidosAes: agarres, golpes, chaves, tcnica etc.MDIAMaior distncia entre os envolvidosAes: toques, socos e chutesLONGADistanciamento ainda maior entre os envolvidosUtilizao de implementos, como a espadaMISTAMistura duas ou mais distncias Aes: agarres, finalizaes, socos e chutesCLASSIFICAO...EsgrimaKendoCURTAMaior proximidade entre os envolvidosAes: agarres, golpes, chaves, tcnica etc.MDIAMaior distncia entre os envolvidosAes: toques, socos e chutesLONGADistanciamento ainda maior entre os envolvidosUtilizao de implementos, como a espadaMISTAMistura duas ou mais distncias Aes: agarres, finalizaes, socos e chutesCLASSIFICAO...MMALUTAS: CUIDADOS PEDAGGICOSGNEROCulturalmente meninas no podem lutar, exigindo diferentes estratgias e um trabalho de coeducao. Infraestrutura adequada (espao, materiais, equipamentos etc.); Controle da entusiasmo, evitando excitao ou ansiedade no desenvolvimento das prticas.SEGURANA Como podemos ensinar as lutas? Como incluir tambm as meninas nas aulas? Como podemos ensinar sem incentivar a criao de umambiente hostil baseado na violncia fsica e moral?LUTAS: CUIDADOS PEDAGGICOSFaixa EtriaFase de DesenvolvimentoPrincipais caractersticas O que enfatizar5-7 anosFase do movimentofundamental (estgio deproficincia)Habilidade: correr, saltar,pular, rolar. Construo dasrepresentaes mentais.Brincadeiras, atividades de empurrar, rolar,correr e pegar de modo ldico. Jogos geraispara os especficos.7-10 anosFase do movimentoespecializado (estgiode transio)Combinao demovimentos com maiorpreciso e controleBrincadeiras de oposio, movimentos dedistncia curta, mdia e longa, diversidadede jogos de oposio.11-13 anosFase do movimentoespecializado (estgiode aplicao)Tomada de deciso,ampliao da relao entrea tarefa, o ambiente, e oindivduo.Combinao de socos e chutes,aprendizagem das esquivas, aplicao demovimentos como rolamentos, agarres,toques etc.14 anos em dianteFase do movimentoespecializado (estgiode utilizao ao longoda vida)Ampliao do repertriomotor aprendido ao longoda vida, movimentos maisrefinados.Ampliao dos movimentos e combinaes,a lgica das diferentes modalidades,aprendizagem das prticas de distnciamista.Orientaes de atividades de Lutas por faixa etria e suas principais caractersticasCAPOEIRASe originou da unio de diversas culturas e etnias africanas escravas, em terras brasileiras, como uma luta de resistncia contra a escravido. Por sua origem, e por sua construo histrica, que hoje podemos consider-la como manifestao da cultura brasileira que evidencia elementos de luta, jogo e dana, arte, ofcio, brincadeira e esporte. CAPOEIRA no momento do jogo que o capoeirista sente se est brincando, jogando ou danando.Porm, luta o tempo todo, pois sempre h uma preocupao com a movimentao do outro em oposio que imprevisvel, e caracterstica bsica das lutas formada por movimentos de ataque (golpes) e defesa (esquivas); e mesmo os coreogrficos podem ser utilizados para atacar ou para se defender. Durante todo o jogo, o alvo sempre o outro (mesmo sendo uma luta de quase nenhum contato).Capoeira Angola jogada em um ritmo mais lento, de forma rasteira, com grande utilizao das mos no solo, como apoio. um jogo malicioso e teatralizado, com movimentos encadeados que buscam surpreender o outro capoeirista. Capoeira Regional de ritmo rpido, com movimentos velozes e objetivos, realizados em um nvel mais alto - mais em p - e busca se aproximar do companheiro. Capoeira: por que ensin-la? Rico patrimnio cultural produzido e transformado historicamente.Pluralidade cultural identificar a importncia do conhecimento ereconhecimento do outro, valorizando o dilogo entre as culturas econvivendo com a diversidade.Usa instrumentos e elementos de grande possibilidade rtmica.BERIMBAU ATABAQUERECO RECOCAXIXIPANDEIRO AGOGA roda de Capoeira Prtica de movimentos contnuos e circulares se h um ataque, o outrodeve esquivar e vice-versa. Sem cooperao e atitude coletiva, no h roda.A roda formada por uma bateria de instrumentos, sendo os maisutilizados: berimbau, atabaque e o pandeiro. O berimbau dita o ritmo, aforma de jogar e o que ser realizado na roda.O ensino da capoeira amplia o acesso ao conhecimento das prticascorporais na escola, oferecendo uma diversidade de experincias motoras,rtmicas e sociais, alm de favorecer o acesso conhecimentos histricosbrasileiros.PRTICAS CORPORAIS DE AVENTURAA superao de obstculos naturais levou ahumanidade a criar tcnicas e equipamentosque serviram de base para as aventurasrealizadas atualmente, por esportistas einteressados em aventuras em finais desemana.A busca de um retorno essncia humana,de reaproximao com o meio natural, dedesafios e de superao de limites.O que levou a prtica corporal de aventuraPrticas corporaisAmbiente PessoalAs atividades podem ser organizadas de acordo comsensaes, emoes e recursos biotecnolgicos.Impactos AmbientaisPodem ser gerados pelas prticas de aventura emdiferentes nveis (elevados, medianos e reduzidos).Ambiente SocialAs atividades podem ser realizadas individualmente,em grupo sem colaborao, e com colaborao.Ambiente FsicoClassificao mais corriqueira, que se refere aomeio empregado para a realizao das atividades(ar, terra e gua).Exemplificao das prticas corporais de aventuraModalidades praticadas em TerraParkour Escalada Skate SlacklineModalidades praticadas em guaSurfe Canoagem Stand up paddle RaftingExemplificao das prticas corporais de aventuraExemplificao das prticas corporais de aventuraModalidades praticadas no ArAsa delta Bungee jump BalonismoPrticas Corporais de Aventura: por que ensin-las? Os esportes tradicionais no do conta deatender o interesse e necessidade de todos osalunos. Possibilidade de ampliar o acervo deconhecimento esportivo a ser ensinado naescola. Despertar e identificar o crescente interesse porprticas corporais de aventuras.Autonomia- LideranaConquista -estmuloTomada deriscosUnio familiarGrupo - tribosAprendizadoFuga de problemasRelaxamentofsicoCondicionamentofsicoNostalgiaCriatividadeDesfrutar da naturezaIntrospecoSegurana pessoalEnsinar e lideraroutras pessoasMotivaesRelevncia da prticaPessoalMelhoria de quadros emocionais, da autoestima, do desempenho acadmico e benefcios relacionados sadeAmbientalPotencializao das relaes entre os seres humanos e a natureza, ampliao do (re)conhecimento da relevncia do meio ambientalSocioculturalAmpliao da apreciao de reas de relevncia histrica e cultural, coeso e cooperao socialRiscos e seu gerenciamentoComo tratar?Implementando proposta de gesto de riscosPermanecer emlocais permitidosUtilizar locais adequados/previamente determinados (mantera qualidade dos mesmos).Conhecer antes de irPlanejar qualquer atividade ao ar livre (evitar/minimizarimpactos, maximizar os objetivos).Dar um fim apropriado aos resduosOrganizar as atividades para empregar, sempre que possvel,os sanitrios existentes, alm de encaminhar adequadamenteos resduos produzidos.Promover as atividades ao ar livre, de modo que osparticipantes no importunem os animais silvestres.Permitir que os animais silvestres mantenham-se silvestresConsiderar os demais e partilhar espaosConsiderar as outras pessoas (mesmos locais e horrios,porm diferentes objetivos). Os riscos no impedem a realizao, masgeram a demanda por abordagens especficasde gerenciamento (gesto de riscos).Adaptaes X Segurana H necessidade de desenvolver competnciasambientalmente relevantes (motivao, valores,atitudes, conhecimentos).Educao AmbientalOutras consideraesOBRIGADO!!!

Recommended

View more >