Livro - Aa (EMBRAPA 2005)

  • Published on
    26-Jul-2015

  • View
    671

  • Download
    39

Transcript

Sistemas de Produo 4

ISSN 1807-0043 Julho, 2005

Aa

Repblica Federativa do Brasil Luiz Incio Lula da Silva Presidente Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento Lus Carlos Guedes Pinto Ministro

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuria Conselho de Administrao Luiz Gomes de Souza Presidente Slvio Crestana Vice-Presidente Alexandre Kalil Pires Ernesto Paterniani Hlio Tollini Cludia Assuno dos Santos Viegas Membros Embrapa Amaznia Oriental Jorge Alberto Gazel Yared Chefe-Geral Gladys Ferreira de Sousa Chefe Adjunto de Comunicao e Negcios Oriel Filgueira de Lemos Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento Joo Baia Brito Chefe Adjunto Administrativo Diretoria-Executiva da Embrapa Slvio Crestana Diretor-Presidente Jos Geraldo Eugnio de Frana Kepler Euclides Filho Tatiana Deane de Abreu S Diretores-Executivos

ISSN 1807-0043 Julho, 2005

Sistemas de Produo 4AaOscar Lameira Nogueira Francisco Jos Cmara Figueiredo Antonio Agostinho Mller Editores Tcnicos

Belm, PA 2005

Autores

Alfredo Kingo Oyama Homma Eng. Agrn., D.Sc. Economia Rural, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1082 e-mail: homma@cpatu.embrapa.br Antonio Agostinho Mller Eng. Agrn., M.Sc. Ecologia, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1113 e-mail: amuller@cpatu.embrapa.br Carlos Hans Mller Eng. Agrn., M.Sc. Fruticultura, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1005 e-mail: hans@cpatu.embrapa.br Clio Armando Palheta Ferreira Econ., B.Sc., Socioeconomia, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1118 e-mail: celio@cpatu.embrapa.br Francisco Jos Cmara Figueirdo Eng. Agrn., D.Sc. Biologia Ambiental, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1140 e-mail: fjcf@cpatu.embrapa.br Ismael de Jesus Matos Vigas Eng. Agrn., D.Sc. Solos e Nutrio de Plantas, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1168 e-mail: ismael@cpatu.embrapa.br Joo Tom de Farias Neto Eng. Agrn., D.Sc. Gentica e Melhoramento de Plantas, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 32041030 e-mail: tome@cpatu.embrapa.br Jos Edmar Urano de Carvalho Eng. Agrn., M.Sc. Tecnologia de Sementes, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1005 e-mail: urano@cpatu.embrapa.br Kelly de Oliveira Cohen Eng. Qum., D.Sc. Tecnologia de Alimentos, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1025 e-mail: cohen@cpatu.embrapa.br Lindurea Alves de Souza Eng. Agrn., D.Sc.

Marcus Arthur Maral de Vasconcelos Eng. Agrn., M.Sc. Tecnologia de Alimentos, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1037 e-mail: mavasc@cpatu.embrapa.br Oscar Lameira Nogueira Eng. Agrn., D.Sc. Manejo de Culturas, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1169 e-mail: oscar@cpatu.embrapa.br Srgio de Mello Alves Qum. Ind., M.Sc. Qumica Agrcola, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1219 e-mail: sergio@cpatu.embrapa.br Walkymrio de Paulo Lemos Eng. Agrn., M.Sc. Entomologia, Embrapa Amaznia Oriental, Fone: (91) 3204-1107 e-mail: wplemos@cpatu.embrapa.br

ApresentaoO Sistema de Produo do Aa resulta de criterioso trabalho de reviso de publicaes, de conhecimentos e de informaes atuais obtidas junto aos atores da produo e do processamento de frutos, bem como sobre o alcance do mercado e comercializao do aa. Neste rduo trabalho tiveram papel importante os representantes de rgos da esfera governamental, como Banco da Amaznia S.A., Agncia de Desenvolvimento da Amaznia, Secretaria Executiva de Cincia, Tecnologia e Meio Ambiente e Empresa de Assistncia Tcnica e Extenso Rural do Par; de rgos no-governamentais e da iniciativa privada, como Programa Pobreza e Meio Ambiente na Amaznia, Frutos da Amaznia Ltda., Muan Alimentos, Pamar Indstria de Palmitos, Aa Palamaz e Granja Hiura, que, juntamente com os pesquisadores da Embrapa Amaznia Oriental, em seminrio realizado em 28 de junho de 2002, discutiram os pontos bsicos da cadeia produtiva do aaizeiro e, assim, tomava forma este instrumento de consulta prtica, agregando conhecimentos sobre o cultivo do aaizeiro, a comercializao e o processamento dos frutos. Este trabalho recebeu apoio financeiro da Secretaria Executiva de Cincia, Tecnologia e Meio Ambiente (SECTAM), Agncia de Desenvolvimento da Amaznia (ADA), Banco da Amaznia S/A e do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento de Tecnologia Agropecuria para o Brasil (PRODETAB). Os pesquisadores desta Unidade da Embrapa, recentemente organizaram e realizaram o WORKSHOP REGIONAL DO AAIZEIRO: Pesquisa, Produo e Comercializao. Este evento contou com a participao de 127 tcnicos, representando 51 instituies e empresas pblicas e privadas que, no perodo de 14 a 16 de junho de 2005, discutiram as questes mais relevantes da cadeia produtiva do aaizeiro e atualizaram os dados tcnicos que vinham sendo trabalhados na organizao deste livro. A Embrapa Amaznia Oriental tem a satisfao de disponibilizar sociedade e, de modo especial, aos produtores e processadores de frutos, pesquisadores, professores, extensionistas e tcnicos de instituies de crdito e desenvolvimento regional, esta publicao tcnica que ser de grande utilidade para impulsionar o desenvolvimento dessa importante cadeia produtiva regional.

Jorge Alberto Gazel Yared Chefe Geral Embrapa Amaznia Oriental

Sumrio

Introduo e importncia econmica Composio qumica do aa Ambiente edafo climtico Cultivar e produo de mudas Cultivo de aaizeiro em terra firme Cultivo de aaizeiro em vrzea Manejo de aaizais nativos Pragas e mtodos de controle Noces bsicas para o uso de agrotxicos Colheita e ps colheita Processamento embalagem e conservao Mercado e comercializao Coeficientes tcnicos, custos, rendimentos e rentabilidade Referncias Glossrio

Introduo e importncia econmicaO aaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) nativo da Amaznia brasileira e o Estado do Par o principal centro de disperso natural dessa palmcea. Populaes espontneas tambm so encontradas nos Estados do Amap, Maranho, Mato Grosso, Tocantins; e em pases da Amrica do Sul (Venezuela, Colmbia, Equador, Suriname e Guiana) e da Amrica Central (Panam). No entanto, na regio do esturio do Rio Amazonas que se encontram as maiores e mais densas populaes naturais dessa palmeira, adaptada s condies elevadas de temperatura, precipitao pluviomtrica e umidade relativa do ar. O aaizeiro se destaca, entre os diversos recursos vegetais, pela sua abundncia e por produzir, importante alimento para as populaes locais, alm de ser a principal fonte de matria-prima para a agroindstria de palmito no Brasil. As maiores concentraes ocorrem em solos de vrzeas e igaps, compondo ecossistemas de floresta natural ou em forma de macios conhecidos como aaizais, com rea estimada em 1 milho de hectares. Tambm ocorre em reas de terra firme, principalmente quando localizadas prximas s vrzeas e igaps. A produo de frutos, que provinha quase que exclusivamente do extrativismo, a partir da dcada de 1990, passou a ser obtida, tambm, de aaizais nativos manejados e de cultivos implantados em reas de vrzea e de terra firme, localizadas em regies com maior precipitao pluviomtrica, em sistemas solteiros e consorciados, com e sem irrigao. Dados estatsticos comprovam que cerca de 80% da produo de frutos tm origem no extrativismo, enquanto os 20% restantes so provenientes de aaizais manejados e cultivados em vrzea e terra firme. Dos frutos do aaizeiro extrado o vinho, polpa ou simplesmente aa, como conhecido na regio. O aa habitualmente consumido com farinha de mandioca, associado ao peixe, camaro ou carne, sendo o alimento bsico para as populaes de origem ribeirinha. Com o aa so fabricados sorvetes, licores, doces, nctares e gelias, podendo ser aproveitado, tambm, para a extrao de corantes e antocianina. As mais recentes pesquisas mostram o novo organograma do aproveitamento do fruto do aaizeiro. O caroo corresponde a 85% do peso total, do qual a borra utilizada na produo de cosmticos; as fibras em mveis, placas acsticas, xaxim, compensados, indstria automobilstica, entre outros; os caroos limpos na industrializao de produtos A4, como na torrefao de caf, panificao, extrao de leo comestvel, fitoterpicos e rao animal, alm de uso na gerao de vapor, carvo vegetal e adubo orgnico. A polpa representa 15% e aproveitada, de forma tradicional, no consumo alimentar, sorvetes e outros produtos derivados (Tinoco, 2005). O interesse pela implementao da produo de frutos tem se dado pelo fato do aa, antes destinado totalmente ao consumo local, ter conquistado novos mercados e se tornado em importante fonte de renda e de emprego. A venda de polpa congelada, para outros Estados brasileiros, vem aumentando significativamente com taxas anuais superiores a 30%, podendo chegar cerca de 12 mil toneladas. As exportaes de polpa ou na forma de mix, para outros pases, ultrapassam a mil toneladas por ano.

O incremento das exportaes vem provocando a escassez do produto e a elevao dos preos ao consumidor local, principalmente no perodo da entressafra, de janeiro a junho. O reflexo imediato da valorizao do produto resultou na expanso de aaizais manejados, em reas de vrzeas, e estimulou a implantao de cultivos racionais em terra firme. Os dados mais recentes estimam em mais de 15 mil hectares de reas manejadas e financiadas no Estado do Par, gerando aproximadamente 2 mil empregos diretos. No agronegcio do aa, no Par, estimado o envolvimento de 25 mil pessoas. Embora o aaizeiro ocorra naturalmente em grandes concentraes em toda a regio do esturio amaznico, a produo econmica de frutos creditada, basicamente, s microrregies homogneas de Camet (MRH 041), Furos de Breves (MRH 035) e Arari (MRH 036) que, ao longo dos ltimos 10 anos, contriburam com mais de 90% da produo estadual. Em termos de oferta de frutos, tm destacadas participaes os Municpios de Camet, Limoeiro do Ajuru, Abaetetuba, Igarap-Miri, Ponta de Pedras e Mocajuba, responsveis por cerca de 80% da produo paraense. A produo anual de frutos se mantm por volta de 160 mil toneladas, mas esperado sensvel aumento quando as reas de cultivo e de manejo apresentarem nveis satisfatrios de produtividade, estimados em 8 toneladas por hectare. Do total colhido, cerca de 20% consumido pelas famlias no local de produo. O valor anual da produo de frutos de aaizeiro, no Estado do Par, de aproximadamente 66 milhes de reais. Esta publicao rene informaes tecnolgicas e socioeconmicas sobre os sistemas de cultivo, manejo, transporte, processamento e comercializao, com vistas ao incremento do desempenho do agronegcio, melhoria da renda e da qualidade de vida dos agricultores e extrativistas envolvidos na explorao comercial do aaizeiro.

Composio qumica do aaO aa considerado alimento de alto valor calrico, com elevado percentual de lipdeos, e nutricional, pois rico em protenas e minerais. Nas reas de explorao extrativa, o aa representa a principal base alimentar da populao, notadamente dos ribeirinhos da regio do esturio do Rio Amazonas. A composio qumica e o valor nutricional do aa so discriminados na Tabela 1.

Tabela 1. Composio qumica e valor nutricional do aa.ComposiopH Matria seca Protenas Lipdios totais Acares totais Acares redutores Frutose Glicose Sacarose Fibras Brutas Energia Cinzas Sdio Potssio Clcio Magnsio Ferro Cobre Zinco Fsforo Vitamina B1 -Tocoferol (vitamina E)

Unidade% g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) g/100 g(1) Kcal/100g g/100 g(1) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2) mg/100 g(2)

Quantidade na matria seca5,80 15,00 13,00 48,00 1,50 1,50 0,00 1,50 0,00 34,00 66,30 3,50 56,40 932,00 286,00 174,00 1,50 1,70 7,00 124,00 0,25 45,00

(1)Matria seca; (2) Clculo por diferena. Fonte: Rogez (2000). O leo extrado do aa composto de cidos graxos de boa qualidade, com 60% de monoinsaturados e 13% de poliinsaturados. Com relao s protenas, possui teor superior ao do leite (3,50%) e do ovo (12,49%), enquanto o perfil em aminocidos semelhante ao do ovo.

O aa possui elevado teor de antocianinas, contendo cerca de 1,02 /100 g de extrato seco. As antocianinas so pigmentos naturais, pertencentes famlia dos flavonides, sendo estes responsveis pela cor do aa. Alm disto, possuem funo antioxidante, que assegura melhor circulao sangunea e protegem o organismo contra o acmulo de placas de depsito de lipdeos, causadores da arteriosclerose. O consumo dirio de um litro de aa do tipo mdio, com 12,5% de matria seca, contm 65,8 g de lipdios, o que corresponde a 66% da ingesto diria requerida; 31,5 g de fibras alimentares totais, o que equivale a 90% das recomendaes dirias e 12,6 g de protenas, o que corresponde de 25% a 30% da quantidade nutricional diria necessria. O aa rico em minerais, principalmente potssio e clcio e, dentre as vitaminas, pode ser destacada a vitamina E, um antioxidante natural que atua na eliminao dos radicais livres

Ambiente edafo climtico ClimaO esturio amaznico, pela sua posio geogrfica, baixa latitude e clima quente, considerado como regio tipicamente tropical. As temperaturas mdias anuais oscilam entre 22 oC e 27 oC, com as mximas variando de 28 oC a 33 oC e as mnimas de 17 oC a 23 oC. O total de brilho solar anual de 1.400 a 2.500 horas que, com a alta nebulosidade, os perodos de insolao correspondem de 35% a 60% do total de horas. A umidade relativa do ar varia entre 70% e 91%, e est estreitamente relacionada aos perodos pluviomtricos. A regio se beneficia com ndices pluviomtricos de 1.300 a 3.000 mm anuais, distribudos em 2 perodos, o mais chuvoso e o menos chuvoso (Bastos, 1972; Bastos et al. 1986). De acordo com a classificao de Kppen, a Regio Amaznica est situada no grupo de clima tropical chuvoso A, onde as temperaturas mdias dos meses no so inferiores a 18 oC, com oscilaes inferiores a 5 oC, exceto a cidade de Crceres, MT, que apresenta amplitude anual um pouco acima desse limite. Segundo Bastos (1972), a variedade climtica i se caracteriza por no ter vero ou inverno estacional. Os tipos climticos, Afi, Ami e Awi se diferenciam a partir do total pluviomtrico do ms com menor precipitao em relao ao total anual (Fig. 1). A definio das possibilidades ou limitaes do cultivo do aaizeiro, em reas da Regio Amaznica, exige o conhecimento da disponibilidade de gua no solo, de acordo com o balano hdrico que se baseia, alm da precipitao pluviomtrica, nas perdas de gua pelo processo de evapotranspirao. O aaizeiro encontra condies satisfatrias de cultivo nas faixas climticas com regular distribuio de chuvas e em reas que, mesmo com perodo seco definido, disponham de umidade satisfatria no solo, como nas vrzeas.

Fig. 1. Distribuio de tipos climticos na Amaznia Brasileira. Fonte: Bastos, 1982. O tipo Afi apresenta abundncia de chuvas durante todo o ano (acima de 2.500 mm anuais) e, no ms de menor precipitao, as chuvas alcanam mais de 60 mm, condies adequadas para o cultivo do aaizeiro. O Ami, intermedirio entre Afi e Awi, possui regime pluviomtrico anual que define uma estao relativamente seca, mas com precipitao total acima de 2.500 mm anuais. O tipo climtico Awi se caracteriza por ter ndice pluviomtrico anual entre 1.000 e 2.500 mm, com ntida estao seca. Quando cultivado em reas de terra firme, com tipo climtico Ami e Awi, com vistas a evitar a reduo ou paralisao do crescimento, florao e frutificao do aaizeiro, importante planejar, nos perodos menos chuvosos, a utilizao de sistema de irrigao, que garanta a suplementao hdrica s plantas (Bastos, 1972; Calzavara, 1972).

SolosOs solos so originados da decomposio de rochas superficiais e resultam de processos destrutivos, relacionados com a decomposio e desintegrao (fsica e qumica) dos minerais e de restos orgnicos (vegetais e animais); e construtivos, com a formao de novos corpos qumicos, orgnicos e inorgnicos. Desse modo, os solos apresentam textura, estrutura e composio qumica que iro influir no desenvolvimento das plantas, pois neles se fixam e extraem parte dos elementos necessrios sua sobrevivncia e desenvolvimento (Falesi, 1972). Na Amaznia brasileira predominam, pela superfcie que ocupam, dois padres de solos: os de terra firme (87%), com pH variando de 4,5 a 6,5 e, normalmente, pobres em

clcio; e os de vrzea (13%), situados s margens dos rios com influncia constante das mars (Nascimento & Homma, 1984). Os solos de terra firme, embora o aaizeiro seja espcie tpica de reas inundveis, so opes importantes para o cultivo dessa palmcea, mas sob condies com baixa deficincia hdrica. Solos de terra firme Os solos latosslicos, que ocorrem nas reas no-inundveis do esturio amaznico, so bem drenados, porosos, fortemente cidos e de baixa fertilidade. Dentre esses, a unidade pedogentica de maior importncia constituda pelos Latossolos Amarelo, Vermelhoamarelo e Vermelho-escuro (Latossolo Vermelho), que so solos profundos, fortemente desgastados, bem drenados, com textura variando de leve (arenosa) a muito pesada (argilosa). Apesar da baixa fertilidade natural, baixa soma de bases, baixa capacidade de troca de ctions e baixo ndice de saturao, respondem muito bem adubao, o que faz com que os atributos fsicos desses solos sejam mais importantes do que os qumicos (Falesi, 1972). Na implantao de aaizais em solos de terra firme, em sistemas de cultivo solteiro e consorciado, recomendvel a utilizao de reas exploradas com plantios sucessivos. As reas de pastagens degradadas ou as capoeiras finas (macegas) permitem menores custos de implantao do aaizal. As reas desmatadas para uso agrcola, no Estado do Par, ultrapassam os 200.000 km2, muitas das quais so passveis de serem utilizadas com sistemas produtivos, tais como os de aaizeiro. Por ser espcie florestal tpica da regio, com caractersticas de cultura permanente, indicado para as condies tropicais de grande precipitao pluviomtrica e elevada temperatura, onde exerce proteo permanente do solo. A grande intensidade e freqncia de chuvas ocorrentes na regio podem causar a desagregao das partculas dos solos provocando a sua eroso. Por isso, dada preferncia aos solos planos e com baixa declividade, bem como utilizar coberturas viva ou morta nas reas de plantio. Os solos concrecionrios no so recomendveis para o cultivo do aaizeiro, pois so obstculos penetrao das razes superficiais dessa espcie e concorrem para a reduo do nmero de brotaes, crescimento lento dos estipes e reduo do dimetro, com reflexos na produo (Calzavara, 1972). Solos de vrzea e igap Esses solos hidromrficos ocupam reas planas, baixas, de formao sedimentar recente, que margeiam os rios e apresentam extenses de alguns quilmetros de largura. Essas reas, ao longo do Rio Amazonas e seus afluentes, so distinguidas em vrzea alta, vrzea baixa e igap (Falesi, 1972). Os principais solos hidromrficos encontrados na Regio Amaznica, segundo Falesi (1986) so:

- Plintossolos ou Lateritas Hidromrficas: normalmente de baixa fertilidade; - Gleissolos hplicos, Gley Pouco Hmico ou Gley Hmico: resultante do acmulo de sedimentos e, por isso, tem fertilidade de mdia a alta. Esses devem ser os preferidos quando da aplicao do manejo de aaizais ou enriquecimento de ecotipos produtivos dessa palmcea, ou com outras espcies de rea inundvel, que tenham valor econmico; - Espodossolos ou Podzol Hidromrfico: so de baixa fertilidade e excessivamente cidos. O regime de inundaes peridicas nas reas de vrzea provocou a adaptao de algumas espcies vegetais, como o aaizeiro que desenvolveu mecanismos de adaptaes morfolgica e anatmica, representadas por razes areas com lenticelas e aernquimas. As estratgias fisiolgicas desenvolvidas pelas plantas desta palmcea, permitem manter as sementes viveis e as plntulas vivas, por perodos superiores a 15 dias, em ambiente anxico da vrzea baixa. A reduo do teor de oxignio em solo de igap, explica a menor freqncia de espcies arbreas e de aaizeiro, pois a germinao de sementes limitada e o crescimento das plntulas prejudicado. Quando o suprimento de oxignio normalizado, as sementes germinam e as plntulas retomam o seu desenvolvimento. Os solos de vrzea no apresentam boas propriedades fsicas, mas tm elevada fertilidade, por causa das sucessivas deposies de sedimentos, e pH de 4,5 a 5,5. As oscilaes do lenol fretico determinam a maior ou menor disponibilidade de gua e oxignio, provocando os processos de oxidao e reduo do ferro, responsveis pelo aparecimento de mosqueados, que caracterizam esses solos de terras inundveis. Em condies naturais, a densidade de aaizeiro nas populaes nativas maior nos solos de vrzea alta, seguida das de vrzea baixa. Nos igaps, as populaes de aaizeiro so menos densas, havendo tambm considervel reduo no nmero de perfilhos. Por isso, devem ser priorizados a implantao de cultivos racionais e o manejo de populaes nativas nas reas de vrzeas, sem excluir as de igap, que requerem prticas de manejos especficas e maior volume de investimento.

Sistema de produo CultivarO aaizeiro, por ser espcie algama (originria de cruzamentos), com ampla ocorrncia na Amaznia Continental, apresenta grande variao de tipos para os mais diversos caracteres de interesse, como precocidade, produtividade de frutos, rendimento de polpa e poca de produo. Os vrios tipos de aaizeiro foram definidos de acordo com a colorao de frutos, formas de inflorescncias e cachos, nmero de frutos por rquila e dimetro dos estipes. A partir dessas caractersticas resultaram, entre outras, as

denominaes de aa-roxo ou preto, aa-branco, aa-au, aa-espada e aa-sanguede-boi. O uso de cultivares adaptadas s diferentes condies de clima, solo e sistema de produo o princpio fundamental para a obteno de incrementos de produtividade e de qualidade de qualquer vegetal. A partir da dcada de 1990, a produo de frutos de aaizeiro, at ento proveniente da explorao extrativa, passou a contar, tambm, com a participao de aaizais nativos manejados e de cultivos, em vrzea e terra firme, em sistemas solteiros e consorciados. Nesses cultivos foram usadas sementes de origem gentica desconhecida, resultando em plantios heterogneos quanto produtividade e qualidade do fruto, em razo de no existir campos de produo de sementes, provenientes de matrizes selecionadas, obedecendo aos padres tcnicos exigidos para a certificao de sementes. O programa de melhoramento gentico da Embrapa Amaznia Oriental, com base na seleo fenotpica na coleo de germoplasma de aaizeiro, implantada em rea de terra firme, no Municpio de Belm, PA, lanou, em 2004, a cultivar BRS-Par, selecionada para as condies de terra firme, com bons nveis de produtividade de frutos. A cultivar BRS-Par (Oliveira & Farias Neto, 2005) resultou de 2 ciclos de seleo massal. O 1o visou avaliao de 849 plantas da coleo de germoplasma, para a produo de frutos por 3 anos consecutivos. Nesse ciclo foram identificadas e selecionadas 25 plantas promissoras, com produo acima de 25 kg de frutos/planta/ano. De cada planta selecionada foram colhidas e misturadas quantidades iguais de sementes para a produo de mudas, plantadas num lote isolado, em rea de terra firme no Municpio de Santa Izabel do Par. O 2o ciclo visou seleo de plantas para as caractersticas de perfilhamento e vigor. Antes do florescimento das plantas (3o ano), ocorreu eliminao daquelas com padro de desenvolvimento vegetativo e perfilhamento (estipe nico) indesejvel, de forma a permitir o intercruzamento, por meio de polinizao livre, apenas das plantas superiores. As sementes utilizadas para o lanamento da cultivar BRS-Par foram provenientes desse plantio, transformado em rea de produo de sementes (APS) ou de populao melhorada. A cultivar BRS-Par, por resultar de plantas de polinizao aberta ou cruzada, apresentar plantas que, obrigatoriamente, no reproduziro as mesmas caractersticas das plantas matrizes. Aos 3 anos de idade, os valores mdios de altura (4,2 m), circunferncia do dimetro altura do colo (58 cm), nmero de cachos/planta (4,4) e altura do 1o cacho (112 cm) foram considerados vantajosos em relao populao de origem (Fig. 2).

Foto: Joo Tom de Farias Neto

Fig. 2. Plantio de aaizeiro da cultivar BRS-Par.

A produo de frutos tem incio a partir do 3o ano, sendo possvel obter, nas 2 primeiras safras, produtividades de aproximadamente 3 toneladas por hectare/ano. No perodo inicial de produo, comum a desuniformidade de lanamento de cachos produtivos, mas com a tendncia de uniformidade a partir do 5o ano, com maior concentrao da produo de frutos no 2o semestre. De modo geral, estimado que, no 5o ano, a produtividade possa chegar a 4 toneladas e, a partir do 6o ano, ocorram aumentos progressivos que podero alcanar a 10 toneladas de frutos no 8o ano. Vale ressaltar que as caractersticas produtivas da cultivar BRSPar, avaliadas em um nico local (Santa Izabel do Par), com tipo climtico Ami, podero sofrer algumas alteraes em funo da interao gentipo x ambiente.

Produo de mudasO aaizeiro pode ser propagado pelas vias assexuada (retirada de perfilhos) e sexuada (germinao de sementes). A produo de mudas, por meio de perfilhos, indicada para a propagao, em pequena escala, de indivduos que apresentem caractersticas desejveis, como alta produtividade, elevado rendimento de polpa, maturao uniforme dos frutos no cacho e perodo de frutificao na entressafra. Esse processo deve ter o seu uso restrito aos trabalhos de melhoramento gentico, pelas dificuldades de serem obtidos perfilhos em nmero suficiente, alm de sua baixa taxa de sobrevivncia em viveiro ou no campo. A produo de mudas a partir de sementes o processo mais indicado para o estabelecimento de cultivos comerciais, pois possibilita produzir grande nmero de indivduos com menor custo, quando comparado com a propagao assexuada. Propagao assexuada Os perfilhos so emitidos na base do estipe do aaizeiro, em nmero varivel, dependendo do gentipo e das condies ambientais. A extrao de perfilhos tem uso restrito, por causa do pequeno nmero de plantas que podem ser obtidas por esse processo (Oliveira et al. 2000). Nesse processo de propagao, a taxa de multiplicao

baixa, quando comparada com a sexuada, sendo possvel extrair de 5 a 10 perfilhos por touceira a cada ano, enquanto uma nica planta pode produzir, anualmente, at 10 mil sementes. A extrao de perfilhos da planta-me realizada no perodo mais chuvoso do ano, quando so observadas maiores taxas de sobrevivncia no viveiro, porm, no ultrapassando os 60%. Os perfilhos devem ter a altura mnima de 50 cm e apresentarem, pelo menos, uma folha (flecha) ainda fechada. Os perfilhos esto intimamente ligados parte basal do estipe adulto e emitidos abaixo do coleto. Quando novos, os perfilhos no tm razes em nmero suficientes que garantam o desenvolvimento normal das mudas. Assim, quando do desmembramento, esses so mantidos junto planta-me por cerca de 60 dias, para o completo desenvolvimento do sistema radicular. Essas mudas podem ser transplantadas para sacos de plstico preto (15 x 35 cm), contendo substrato orgnico, constitudo de solo (60%) e matria orgnica (40%), e mantidas em viveiro com interceptao de 50% da radiao solar direta, ou plantadas diretamente no campo, quando a rea de cultivo estiver prxima ao campo de matrizes. Propagao sexuada A semente do aaizeiro envolvida por uma camada de fibras, recoberta por fina cutcula oleosa, apresenta um embrio diminuto, com abundante tecido endospermtico compacto, o perianto parcialmente fibroso, rico em slica e pobre em lipdios (gorduras), protenas e amido. O endocarpo lenhoso, sssil, de forma arredondada, com dimetro de 1 a 2 cm e peso de 0,8 a 2,3 g. O mesocarpo ou polpa tem a espessura de 1 a 2 mm e corresponde de 5% a 15% do volume do fruto (Carvalho et al. 1998; Rogez, 2000). O epicarpo corresponde fina camada externa do fruto, com colorao que pode variar, quando maduro, de verde (aa branco) a violceo (aa preto). O endocarpo, estrutura utilizada na propagao sexuada do aaizeiro, representa cerca de 73% do peso do fruto. Obteno de sementes e preparo de mudas A maioria dos plantios comerciais implantados no Estado do Par foi feita, at recentemente, a partir de sementes com caractersticas desconhecidas e noselecionadas. O aaizeiro por ser planta de fecundao cruzada (algama) favorece a segregao de suas caractersticas morfolgicas e produtivas, resultando na formao de plantios heterogneos, com produes desuniformes e de baixo rendimento de frutos e polpa. As sementes so obtidas de plantas-matrizes com caractersticas desejadas, com base no tipo de estipe (touceira), comprimento do entren (cicatriz foliar), nmero de cachos emitidos, produo de frutos, rendimento de frutos por cacho e de polpa por fruto. So bons parmetros de avaliao e seleo de plantas-matrizes, para a obteno de sementes, aquelas com produo de frutos superior a 5 latas/touceira e com o rendimento mnimo de 8 litros de polpa/lata com 14 a 15 kg de frutos.

Depois de colhidos, os frutos so submetidos ao processo de extrao da polpa, com a ajuda de mquinas despolpadoras ou batedeiras de aa. Aps o despolpamento, e antes da semeadura, as sementes so lavadas com gua potvel. O despolpamento manual pode ser usado para pequenas quantidades de sementes e consiste da remoo, com o auxlio de um estilete, do mesocarpo e do epicarpo. Acondicionamento de sementes As sementes de aaizeiro perdem a viabilidade rapidamente, pois apresentam comportamento recalcitrante, no suportando a secagem nem o armazenamento a temperaturas abaixo de 15 oC. Por esse motivo, no podem ser conservadas pelos processos convencionais de armazenamento, cujos pressupostos bsicos consideram a secagem e o armazenamento das sementes a baixas temperaturas. O ideal que sejam semeadas logo aps a colheita e o despolpamento, garantindo a germinao de aproximadamente 100%. Na impossibilidade de realizar a semeadura de imediato, as sementes so estratificadas em serragem (curtida ou esterilizada em gua fervente por duas horas), vermiculita ou carvo modo umedecidos previamente com gua. A areia ou solo no so indicados para a estratificao das sementes do aaizeiro, por serem demasiadamente pesados, dificultando o manuseio das embalagens. Alternativamente, as sementes de aaizeiro podem ser acondicionadas em sacos de plstico sem substrato, necessitando de tratamento prvio, por via mida, com fungicida especfico para sementes, seguido de secagem superficial mantendo o teor de umidade entre 25% e 30%. O modo prtico de ser obtido esse nvel de umidade dispondo as sementes, em camada nica, sobre papel jornal e mant-las sombra durante 24 horas. Necessidade de sementes A quantidade necessria de sementes para a produo de mudas, visando implantao de 1 hectare, depender do espaamento a ser adotado. Considerando que cada quilograma possui de 600 a 720 sementes e a necessidade de seleo de plntulas na sementeira e de mudas no viveiro, recomendvel a semeadura de aproximadamente 1.000 sementes (1,4 a 1,7 kg) para cada hectare a ser implantado no espaamento 5 x 5 m (400 mudas/hectare). Semeadura e Germinao de Sementes A semeadura pode ser feita diretamente em sacos de plstico preto ou em sementeiras preenchidos com substrato orgnico. As sementes tambm podem ser colocadas para germinar em sacos de plstico, dispostas em camadas estratificadas em serragem ou ainda sem este substrato. A emergncia de plntula do aaizeiro desuniforme, e se inicia por volta dos 22 dias aps a semeadura e se estabiliza aos 48 dias. Em mdia, a germinao requer cerca de 30 dias e a acelerao do processo ocorre com a imerso das sementes em gua morna durante 10 a 15 minutos (Carvalho et al. 1998).

As sementes germinadas so imediatamente repicadas para o viveiro. Quando a germinao das sementes realizada em sementeira ou em sacos de plstico, com ou sem substrato, a repicagem das plntulas para o viveiro efetuada antes da abertura do 1o par de folhas, no estdio denominado de "palito", normalmente com 5 a 7 cm de altura. Nessa condio, praticamente 100% das plntulas sobrevivem repicagem e apresentam desenvolvimento normal. Quando necessrio, realizada a poda das razes. Semeadura direta em saco plstico com substrato Este mtodo recomendado quando a quantidade de mudas a ser produzida pequena, entre 500 a 1.000. A semeadura direta de 50.000 sementes, por exemplo, ocupar uma rea de 500 m2 do viveiro, alm disso, nem todas as sementes germinam, o que exigir novas semeaduras. Por outro lado, a semeadura de duas ou mais sementes por saco implicar na eliminao das plntulas excedentes, onerando os custos operacionais. Os sacos de plstico devem ter dimenses mnimas de 15 cm de largura por 25 cm de altura. O substrato de enchimento dos sacos constitudo da mistura de 60% de solo, 20% de serragem e 20% de esterco curtido ou ainda da mistura de 60% de solo e 40% de cama de avirio. necessrio umedecer o substrato antes da semeadura e depois, com ajuda com a ajuda de um basto, so feitas pequenas covas com profundidade aproximadamente de 2 cm, onde as sementes so depositadas e cobertas por uma fina camada de substrato. Semeadura em sementeira Este mtodo indicado quando grande a quantidade de mudas a serem produzidas, pois implica em considervel economia de mo-de-obra e possibilita a realizao de criteriosa seleo de plntulas a serem transplantadas para os sacos de plstico com substrato. A rea ocupada com a sementeira bem pequena e permite o suprimento de gua, em quantidade adequada, e o controle de plantas invasoras. A semeadura de 50.000 sementes ocupar somente 50 m2 na sementeira. O substrato para o preparo da sementeira constitudo da mistura de areia lavada com serragem curtida, na proporo volumtrica de 1:1. As sementes so semeadas em sulcos distanciados de 4 cm, na profundidade de 1 cm, onde so distribudas 40 sementes por metro linear, o que permite a concentrao de 1.000 sementes por metro quadrado. A repicagem das plntulas para os sacos ser efetuada, preferencialmente, no estdio "palito", antes da abertura do 1o par de folhas. Pr-germinao de sementes estratificadas As sementes so colocadas para germinar dentro de sacos de plstico transparentes, com dimenses compatveis com a quantidade de sementes. A estratificao pode ser feita com serragem curtida, vermiculita ou carvo vegetal modo, previamente umedecido. Estes sacos devem ter o dobro do volume ocupado pelas sementes estratificadas mais o substrato, para que contenha oxignio suficiente s necessidades respiratrias das sementes e serem hermeticamente fechados para evitar o dessecamento muito rpido do substrato. Os sacos so mantidos, at a germinao das sementes, protegidos da radiao solar direta e temperatura ambiente.

Viveiro O local para instalao do viveiro deve ser de fcil acesso e prximo de fontes de gua, para a irrigao das mudas no perodo de menor pluviosidade. Deve ter boa drenagem e reduzida declividade, mas que permita o escoamento dos excedentes pluviomtricos e, preferencialmente, estar situado prximo ao local do plantio definitivo. Esse procedimento minimiza o excesso de movimentao das mudas e diminui os custos de transporte. A cobertura do viveiro pode ser feita com palhas de palmeiras (verdes, sadias e tratadas com mistura de inseticida e fungicida) ou sombrite (50% de interceptao da radiao solar) e com a altura mnima de 2 m. Essa cobertura suportada por uma armao de colmos de bambu ou outro material de mais fcil obteno no local, fixada com arame ou cordo de plstico. Os canteiros devem ter 1,5 m de largura por 20 m de comprimento, e distanciados entre si de 50 cm, para permitir a movimentao de pessoas. Os sacos de plstico a serem utilizados devem medir 15 x 25 cm, se as mudas permanecerem no viveiro de 6 a 8 meses; ou de 17 x 27 cm, caso sejam mantidas por perodo superior quele perodo. Esses sacos so perfurados no tero inferior para permitir a drenagem do excesso de gua. No viveiro, sempre que necessrio, so realizados os seguintes tratos de manuteno: capinas manuais nos sacos (mondas), manuteno dos drenos, irrigao no perodo menos chuvoso, adubaes (somente se o perodo de produo de mudas passar de 8 meses), manuteno da cobertura e seu gradual raleamento a partir do 8o ms, para permitir a adaptao das mudas radiao direta. As mondas peridicas so realizadas para eliminar as ervas invasoras, que exercem concorrncia por gua e luz. As mudas de aaizeiro necessitam de cerca de 2 litros de gua por dia, assim, se as chuvas no forem suficientes (2 mm/dia), haver a necessidade de irrigao, que deve ser realizada, preferencialmente, no incio da manh ou no final da tarde, evitando aplicar jato muito forte sobre as mudas ou substrato. Quando o perodo de produo de mudas passar de 8 meses, aplicada mensalmente, via foliar, soluo de uria a 0,5% (5 g de uria para 1 litro de gua). Para cada 100 mudas so necessrios 2 litros dessa soluo ou 20 mL por saco. Antes do transporte das mudas para o plantio no campo, realizado o toalete das mesmas, que consiste da eliminao de folhas secas e amarrio das folhas em torno da flecha. A Comisso Estadual de Sementes e Mudas do Par estabeleceu, para a produo de mudas fiscalizadas de aaizeiro obtidas de sementes, as seguintes normas e padres: - Apresentar altura uniforme, aspecto vigoroso, cor e folhagem harmnicas; - Possuir, no mnimo, cinco folhas fisiologicamente ativas (maduras), pecolos longos e as folhas mais velhas com fololos separados. O coleto deve apresentar a espessura da base maior que a da extremidade das mudas;

- Ter de 4 a 8 meses de idade, a partir da emergncia das plntulas; - Apresentar altura de 40 a 60 cm, medidos a partir do colo da planta; - Apresentar sistema radicular bem desenvolvido e ter suas extremidades aparadas quando ultrapassar o torro; - Isentas de pragas e molstias (Regulamento da Defesa Sanitria Vegetal); - A comercializao das mudas somente ser permitida em torres, acondicionadas em sacos de plstico, sanfonados e perfurados, ou equivalentes, com, no mnimo, 15 cm de largura e 25 cm de altura.

Cultivo de aaizeiro em terra firmeO preparo da rea deve contemplar a roagem, manual ou mecanizada, e as operaes de limpeza e de preparo do solo executadas durante o perodo da estiagem. Quando o cultivo do aaizeiro for em consorciao com culturas de ciclo curto, visando amortizao de custos, aconselhvel o preparo do solo de forma mecanizada. Abertura de covas e plantio As covas devem ter as dimenses de 40 x 40 x 40 cm e podem ser feitas com draga, enxadeco ou perfuratriz acoplada tomada de fora de trator. Essa operao realizada no incio do perodo mais chuvoso, para que as mudas se beneficiem da umidade do solo e possam ter um bom desenvolvimento inicial. No plantio, a poro de terra da camada superior da cova (20 cm) misturada com 200 g de superfosfato triplo e 5 litros de cama de avirio ou 10 litros de esterco de curral curtido. Essa mistura retornar cova que, aps o plantio da muda, ser devidamente preenchida com o solo da camada inferior, sob pequena presso para evitar a formao de bolhas de ar e posterior apodrecimento das razes. No momento do plantio, a muda retirada do saco de plstico, preservando o torro inteiro. O coleto da muda deve ficar ao nvel do solo. Cultivo solteiro O espaamento entre as plantas tem influncia sobre a taxa de sobrevivncia, crescimento, prticas culturais ou manejo, incio da produo e produtividade, com reflexos sobre o custo do processo de produo. Para produo de frutos, o espaamento recomendado para o aaizeiro o de 5 x 5 m ou, alternativamente, os espaamentos de 5 x 4 m e 6 x 4 m, com manejo de 3 a 4 estipes por touceira. Na Tabela 1, so propostos os nmeros de plantas e de estipes por hectare, de acordo com o espaamento e o manejo de touceiras adotados.

Tabela 2. Nmero de plantas e de estipes por hectare, segundo o espaamento e manejo adotados no plantio do aaizeiro.Espaamento (m) Plantas por hectare Estipes por touceira Estipes por hectare

5x5 5x5 5x5 6x4 6x4 6x4

400 400 400 416 416 416

3 4 5 3 4 5

1.200 1.600 2.000 1.248 1.664 2.080

Fonte: Embrapa Amaznia Oriental A adoo desses espaamentos propicia bom desenvolvimento em dimetro; reduz a altura das plantas, minimizando os riscos de tombamento, pela ao de ventos fortes; e facilita a operao de colheita. Embora seja pouco utilizado, possvel arranjar as plantas de aaizeiro no espaamento de 5 x 5 m, dispostas em forma de tringulos eqilteros (quincncio), que permite a densidade de 460 plantas por hectare, mantendo de 3 a 4 estipes por touceira. Cultivos associados e consorciados Nos plantios com associao de culturas, h a necessidade de ser aumentado o espaamento entre as linhas de aaizeiro, para evitar a competio entre as razes e as copas das plantas. Nesse caso, pode ser adotado o espaamento mnimo de 7 x 4 m (357 plantas/hectare), com o plantio de outra cultura nas entrelinhas. As linhas de plantio de aaizeiro devem ser dispostas no sentido nascente-poente. Por outro lado, considerando que nos cultivo solteiros so recomendados os espaamentos de 5 x 5 m, tanto para o aaizeiro como para o cupuauzeiro (Theobroma grandiflorum (Willd. Ex-Spreng.) Schum.), a consorciao dessas culturas exige, para que seja mantida a luminosidade necessria, garantindo bons nveis de produo do cupuauzeiro (cultura de porte mais baixo), o arranjo que distribua as plantas dessas espcies nos espaamentos de 5 x 10 m (Fig. 1). Para alguns especialistas, quando ocorre modificao dos espaamentos das culturas envolvidas, o consrcio passa a ser uma associao de plantas. Enquanto isso, nos consrcios so preservados os espaamentos recomendados para a cultura principal que, no caso do aaizeiro, 5 x 5 m. A associao ou consorciao com outras culturas anuais ou semiperenes, durante a fase de implantao e crescimento do aaizeiro, propicia renda ao produtor nos primeiros anos de estabelecimento do aaizal. Esses arranjos permitem que essa palmcea se beneficie dos tratos culturais e dos fertilizantes, qumicos e orgnicos, aplicados para suprir as necessidades das culturas anuais e perenes. Os arranjos de cultivos mistos de aaizeiro, quando duas ou mais espcies compem o sistema agroflorestal, possibilitam situaes mais vantajosas que na monocultura, notadamente quanto h diversificao e distribuio da produo, racionalizao do uso de mo-de-obra e maior equilbrio ambiental.

Fig. 3. Croqui da associao de aaizeiro e cupuauzeiro. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Dentre os sistemas de associaes e consorciaes praticados e recomendados para a regio, podem ser destacados os plantios, em terra firme, do aaizeiro com espcies anuais _ caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp.), milho (Zea mays L.) (e mandioca ou macaxeira) _ durante o 1o ano, e semiperenes _ maracujazeiro (Passiflora edulis Sims.), bananeira (Musa spp.), mamoeiro (Carica papaya L.) e abacaxizeiro (Ananas comosus (L.) Merril) _ at o 3o ano. Essas prticas permitem a reduo dos custos de implantao dos aaizais. O aaizeiro tambm pode ser consorciado com espcies perenes, como o cupuauzeiro, cacaueiro (Theobroma cacao L.) e cafeeiro (Coffea spp.). Os arranjos espaciais das culturas consorciadas podem, ainda, permitir o plantio de 20 a 25 essncias florestais por hectare, contribuindo para recuperar, preservar e valorizar o ecossistema. Associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com o maracujazeiro como cultura semiperene (Fig. 4).

Fig. 4. Croqui da associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com o maracujazeiro como cultura semiperene. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Esse sistema possibilita, ao agricultor, dispor de receita durante o ano inteiro, com bom nvel de produtividade do aaizeiro, no perodo de junho a fevereiro, e do cupuauzeiro, de novembro a maio. O aumento do espaamento, entre as touceiras de aaizeiro, garante incidncia de luz, em torno de 80%, sem nenhum prejuzo frutificao das plantas de cupuauzeiro. Associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com a bananeira como cultura semiperene (Fig. 5).

Fig. 5. Croqui da associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com a bananeira como cultura semiperene. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental - Observao: Aps o 3o ano, so eliminadas as bananeiras das linhas de cupuauzeiro, na direo nascente-poente (1), sendo mantida a densidade de 700 plantas/hectare durante 1 ano e 6 meses. Aps o 2o desbaste, so eliminadas as bananeiras das linhas de aaizeiro, sentido norte-sul (2), e, finalmente, so mantidas 300 touceiras/hectare. Associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com a macaxeira ou mandioca como cultura anual (Fig. 6a/6b). Consorciao de aaizeiro e maracujazeiro como cultura semiperene (Fig. 7).

Fig. 6a. Croqui da associao de aai-zeiro e cupuauzeiro, com o primeiro cultivo de macaxeira ou mandioca como cultura anual. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

Fig. 6b. Croqui da associao de aaizeiro e cupuauzeiro, com os cultivos (2o ao 4o ano) de macaxeira ou mandioca, como cultura anual. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

Fig. 7. Croqui da consorciao de aaizeiro e maracujazeiro como cultura semiperene. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Consorciao de aaizeiro com bananeira (Fig. 8).

Fig. 8. Croqui da consorciao de aaizeiro e bananeira, como cultura semiperene (A = cultivo at o 2o ano; B = cultivo aps o 3o ano, com desbaste). Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Consorciao de aaizeiro com a macaxeira ou mandioca (Fig. 9).

Fig. 9. Croqui da consorciao de aaizeiro e macaxeira ou mandioca, como cultura anual, cultivos do 1o ano (A) e 2o ano (B). Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Na Tabela 3, so apresentadas as estimativas de produtividades das espcies associadas ou consorciadas com o aaizeiro.

Tabela 3. Produtividades (t/hectare) estimadas de aaizeiro e de espcies associadas ou consorciadas. Anos aps plantios Cultura Espaamento 1 2 3 4 5 6 Aaizeiro (frutos) 5 x 5 m (3)1 5 x 10 m (4)1 10 x 10 m (5)1 5x5m 5 x 10 m 10 x 10 m 2 (3 x 5 m) x 2 m 17,00 4,00 4,00 4,00 0,60 0,60 0,60 5,60 3,00 2,00 0,96 0,96 0,96 8,80 12,00 5,00 7,00 3,00 4,50 1,44 1,44 1,44 1,80 1,80 1,80 -

Cupuauzeiro (polpa) Maracujazeiro (frutos)

2,5 x 2,5 m Bananeira (cachos) 2,5 x 5,0 m 5,0 x 5,0 m

22,90a 41,70a a b b 32,30 a 17,50 31,00 12,30 23,00b - 10,50a -

Macaxeira ou 4 (1 x 1 m) x 2 m mandioca 20, 80 3 (1 x 1 m) x 3 m 15,10 15,10 15,10 (razes) 1 Nmeros de estipes por touceira. a b , Produtividades seqenciais a partir de espaamentos modificados por desbastes. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Fatores que interferem nas associaes e consorciaes de plantas - Direo nascente-poente. Conhecido como caminho do sol, permite melhorar a eficincia no aproveitamento da radiao solar pelas plantas consorciadas. - Arquitetura e envergadura da copa. Nas espcies que crescem por lanamentos de ramos laterais ou plagiotrpicos (ex. freij cinza, Cordia goeldiana Huber) com grandes dimenses, os ramos mais baixos so eliminados, gradativamente, medida que surjam novos lanamentos. Com essa prtica facilitada a entrada lateral da luz solar. - Densidade da copa. Espcies de plantas com copa muito densa no se prestam para consrcio ou, quando muito, so usadas em pastagem, dispostas em grandes espaamentos. - Altura. Geralmente as plantas perenes consorciadas devem ter alturas diferentes, para que as copas ocupem estratos diferenciados. - Exigncia de luz. As plantas que suportam certo grau de sombreamento so as mais recomendadas para o estabelecimento de consrcios. O cupuauzeiro, por exemplo, no tem a sua produtividade afetada com at 20% de sombreamento. - poca de produo. As espcies consorciadas, preferencialmente, devem ter pocas diferentes de produo. No entanto, considerando a necessidade da gerao de receitas

para o agricultor, importante que uma dessas espcies possa ter a sua produo distribuda durante todo o ano (Fig. 10).

Fig. 10. Distribuio percentual da produo de frutos de aaizeiro e de cupuauzeiro durante o ano na microrregio de Belm, PA. Fonte: Bastos, 1972; Bastos et al. 1986 - poca de adubao. Quando h diferenciao de pocas de florescimento das plantas, as adubaes so efetuadas trs vezes por ano, sempre regida pelo perodo chuvoso. - Freqncia de adubao. As espcies que tm perfilhos em crescimento (bananeira) e com lanamentos mensais de folhas e cachos (aaizeiro), so adubadas a cada 2 meses. - Doses de adubos a aplicar. O adubo ministrado de acordo com a idade das plantas. As doses mais elevadas so ministradas gradativamente. - Manejo das espcies. Nos consrcios triplos h necessidade da realizao de desbastes, retirada de folhas e podas, ou o raleamento (densidade menor) ou a eliminao de uma das espcies. Adubao As informaes sobre a adubao do aaizeiro, em terra firme, ainda so de pouca consistncia do ponto de vista de resultado conclusivo de pesquisa. Os agricultores pioneiros no plantio de aaizeiro, em terra firme, tm utilizado prticas de adubao de seus aaizais que, se no esto corretas sob o ponto de vista tcnico, lhes permitem produzir frutos de aaizeiro de forma rentvel. De acordo com o que vem sendo praticado nos sistema de produo, h certo desperdcio de nutrientes, contornveis por meio de resultados de anlise de solo, tcnica bastante difundida e adotada pelo segmento produtivo, e de anlise de tecido foliar (tcnica ainda em desenvolvimento), que permitem a realizao de ajustes nas doses de nutrientes a serem aplicadas nos aaizais.

A princpio sero indicadas, com base nas informaes disponveis, no andamento dos estudos experimentais e nas experincias do setor produtivo, as doses de nutrientes teoricamente compatveis com as necessidades do aaizeiro, em cultivos solteiros, associados ou consorciados. Adubao para cultivo solteiro Quando do plantio, so aplicados, na cova, 10 litros de esterco de gado e 200 g de superfosfato triplo. No decorrer do ano, so efetuadas mais 3 aplicaes de adubos, constitudas de 100 g do formulado qumico 10-28-20 (NPK), distribudas em cobertura circular a 30 cm em torno da planta. No 1o ano aps o plantio, so aplicados 150 g do formulado 10-28-20, distncia de 50 cm da touceira. Nessa ocasio, juntamente com a adubao qumica, distribuir, tambm, 10 litros de esterco de gado. No 2o ano aps o plantio, as plantas de aaizeiro so adubadas com 3 aplicaes de 200 g do formulado 10-28-20 e mais 20 litros de esterco de gado, distribudos num raio a 100 cm da touceira. A partir do 3o ano aps o plantio, quando as plantas tiverem iniciado a fase produtiva, aumentada a oferta de potssio nas 3 aplicaes (incio, meio e final do perodo chuvoso), compostas de 290 g do formulado 10-28-20 (NPK), mais 110 g de cloreto de potssio e 20 litros de esterco de gado distncia de 150 cm da touceira. Na ltima aplicao anual, recomendvel disponibilizar de 10 a 20 g de brax, por touceira, na rea do coroamento. Adubao prtica para cultivos associados e consorciados - Aaizeiro: Na cova de plantio, so aplicados 10 litros de esterco e mais 200 g de superfosfato triplo. No ano do plantio, a cada 2 meses, so aplicados 50 g da mistura composta de 5 partes do formulado 10-28-20 (NPK) e mais 2 partes de cloreto de potssio. Nos anos seguintes, a cada 2 meses, so feitas adubaes com 100 g (1o ano), 150 g (2o ano), 200 g (3o ano) e com 250 a 300 g (a partir do 4o ano) da mistura (5 partes do formulado 10-28-20 e mais 2 partes de cloreto de potssio). A partir do 3 de cultivo, no haver a necessidade da aplicao de matria organica, mas nas adubaes qumicas devem ser guardadas as mesmas distncias das touceiras previstas para o 3 ano dos cultivo solteiro do aaizeiro. - Cupuauzeiro: Quando do plantio, so aplicados, na cova, 10 litros de esterco de gado e 200 g de superfosfato triplo. No decorrer do ano, a cada 2 meses, so aplicados, em torno da planta, 50 g do formulado 10-28-20 (NPK). No 1o ano, aps o plantio do cupuauzeiro, so aplicados de 10 a 20 litros de cama de avirio, mais 100 g de FTE (Fritted Trace Elements) Br 13 (incio das chuvas) e 6 aplicaes, espaadas de 2 meses, de 100 g do formulado 10-28-20 (NPK).

No 2o ano aps o plantio, so aplicados de 10 a 20 litros de cama de avirio e 100 g de FTE Br 13 (incio das chuvas), de 900 a 1.200 g do formulado 10-28-20, divididos em 3 parcelas iguais, aplicadas no incio, meio e fim do perodo chuvoso, e 30 g de brax aplicados no final do perodo chuvoso. A partir do 3o ano, so aplicados de 10 a 20 litros de cama de avirio e 100 g de FTE Br 13 (incio das chuvas), 1.500 g do formulado 10-28-20, divididos em 3 parcelas iguais, aplicadas no incio, meio e fim do perodo chuvoso, e 30 g de brax, no final do perodo chuvoso. - Maracujazeiro: Na cova de plantio so aplicados 10 litros de esterco + 200 g de superfosfato triplo. Do 10 ano aps o plantio em diante, so usados de 10 a 20 litros de esterco aplicados a cada 6 meses. - Bananeira: Na cova, antes do plantio, so colocados 10 litros de esterco e 200 g de superfosfato triplo. No 1o ano, so aplicados, a cada 2 meses, 200 g da mistura constituda de 5 partes do formulado 10-28-20 e 2 partes de cloreto de potssio. A partir do 2o ano, so aplicados de 10 a 20 litros de esterco a cada 6 meses. - Macaxeira ou mandioca: Aos 30 dias do plantio, colocado, por cova, 1 litro de esterco de gado e mais 25 g do formulado 10-28-20. Nas adubaes praticadas pelo agricultor, com a aplicao do formulado 10-28-20, ocorre certo desperdcio de nutrientes, principalmente do fsforo (P2O5). No entanto, a argumentao bsica de seu uso est associada ao custo de compra, pois a diferena mnima em relao aos outros formulados disponveis no mercado, como os 14-14-14 ou 10-10-10. No entanto, tambm importante considerar os aspectos tcnicos do equilbrio entre os nutrientes, para no haver distrbios no crescimento e na produo, e os aspectos ambientais que o desequilbrio nutricional pode provocar. Adubao compatvel s necessidades da cultura A seguir so descritas recomendaes de ordem tcnica, com indicaes que possam definir os nveis de adubao, a serem adotados em plantios de aaizeiro em rea de terra firme, do Estado do Par. Calagem Com antecedncia mnima de 90 dias do plantio das mudas no campo, so coletadas amostras compostas de solos, para anlise e definio das recomendaes de quantidades de calcrio a serem aplicadas, de modo que a saturao por bases atinja a 60%. Para o clculo da necessidade de calcrio (NC) utilizada a seguinte frmula: onde: NC = Necessidade de calcrio em tonelada por hectare; T = capacidade de troca de ctions; T = S + (H + Al+3);

S = (K+Ca+Mg+Na); V1 = valor da saturao por bases do solo antes da correo; V2 = valor da saturao por bases desejada (60%); PRNT = Poder Relativo de Neutralizao Total do Calcrio. A calagem dever ser realizada pelo menos 2 meses antes do plantio. Adubao Incorporar na cova, com dimenses de 40 x 40 x 40 cm, 10 litros de esterco de curral curtido ou 3 litros de esterco de galinha, 10 g por planta de FTE BR 13 e a dose de fsforo da Tabela 3 (1o ano), conforme os resultados da anlise do solo. A partir do 2o ano, so aplicados 20 g de FTE Br 13 por planta e as quantidades de N, P e K, indicadas nessa tabela, definidas com base nos resultados da anlise do solo. At o 1o ano, utilizado o superfosfato triplo como fonte de fsforo (P2O5) e, a partir do 2o ano, recomendvel usar o fosfato natural. A dose de magnsio (MgO) aplicada corresponde a 1/3 da recomendao da dose de potssio (K2) indicada na Tabela 4. Tabela 4. Recomendao de adubao para o aaizeiro cultivado em terra firme, em funo da anlise do solo. P no solo (mg.dm -3) K no solo (mg.dm -3) Idade N 0-10 11-20 P2 O5 g/touceira 15 50 30 70 45 120 60 150 75 180 90 210 105 240 >20 0-40 41-90 K2O 30 50 70 90 110 130 150 15 25 35 45 55 65 75 >90

1 ano 30 45 30 2 anos 60 75 45 3 anos 70 90 60 4 anos 80 100 75 5 anos 90 110 90 6 anos 100 120 105 7 anos 110 130 115 Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

importante executar, antes da adubao, o coroamento das plantas, para que os fertilizantes possam ser bem aproveitados. A poca de adubao est estreitamente relacionada com as caractersticas climtica, as quais influenciam, no s a absoro dos nutrientes pelas plantas, como tambm as condies de umidade do solo mais apropriadas, para melhor aproveitamento dos fertilizantes. A poca mais propcia para aplicao dos fertilizantes no incio das chuvas ou no final da estao chuvosa, quando a precipitao pluviomtrica comea a diminuir de intensidade. Os fertilizantes fosfatados so aplicados de uma s vez, no incio do perodo chuvoso.

As reas de terra firme da Amaznia possuem solos de baixa fertilidade qumica, mas possuem boas caractersticas fsicas, como aerao, drenagem, consistncia, profundidade e estrutura, e respondem bem s adubaes com elementos nutritivos. Por outro lado, a alta pluviosidade e temperatura elevada, do condies favorveis atividade microbiana no solo, provocando o desgaste da matria orgnica e, com isso, necessitando de aplicao de adubos orgnicos, para propiciar a fixao dos elementos qumicos, assim como para manter a cultura em condies de produzir satisfatoriamente. Nas reas submetidas ao clima Afi, a adubao realizada a cada 2 meses, dentro do perodo chuvoso, aps o plantio das mudas no campo. aconselhvel manter esse esquema de adubao nos 3 primeiros anos. Nas reas de clima Ami e Awi, a adubao realizada a cada 2 meses e haver a necessidade de irrigao das plantas. A primeira adubao anual coincide com o incio da estao mais chuvosa. Os adubos nitrogenados, potssicos e magnesianos, so parcelados em duas aplicaes. Aplicar 70% dos nitrogenados no incio das chuvas e os 30% restantes, no final da estao chuvosa, no caso dos potssicos recomendada a aplicao de 35% do total no incio das chuvas e, os 65% restantes, ao final do perodo chuvoso. Controle de plantas invasoras O controle das plantas invasoras pode ser realizado de forma integrada, combinando os diferentes mtodos de carter prtico com os tradicionais: Controle preventivo Devem ser evitadas as prticas que contribuam para espalhar as sementes de plantas invasoras. Alguns cuidados devem ser tomados, como a limpeza dos tratores, maquinas e implementos agrcolas; usar esterco ou matria orgnica fermentados; utilizar mudas isentas de plantas invasoras; proceder adequado preparo do solo, com a eliminao das plantas indesejveis. Controle manual Prtica realizada com maior freqncia sob condies de viveiro, e consiste de atividade identificada como a monda. Em condies de campo, so comuns as capinas, roagens e arranquos, notadamente em reas onde ainda persistem as plantas invasoras. Na fase inicial do crescimento do aaizeiro, aconselhvel a realizao do coroamento que consiste de capina ou roagem baixa, efetuada em torno das touceiras, para a eliminao das plantas invasoras, evitando a concorrncia e o sombreamento prejudiciais para as plantas novas. Controle mecnico O uso de roadeira rotativa ou grade, acoplada ao trator, indicado para controlar as plantas invasoras que se reproduzem sexuadamente, e deve ser executado antes do incio da produo de sementes. Quando as invasoras se reproduzem por rebrotamento,

razes ou batatas, no deve ser utilizada a grade, principalmente no perodo chuvoso, pois contribui para aumentar a infestao nas reas cultivadas. Visando reduzir custos de manuteno, pode ser realizada a roagem, mecnica ou manual, das linhas de plantio, deixando as entrelinha para serem roadas, mecanicamente, somente no perodo menos chuvoso. Por outro lado, tambm pode ser realizado o coroamento em torno das touceiras, deixando a roagem geral para ser realizada durante o perodo de estiagem. Controle fsico realizado pela cobertura do solo utilizando serragem, casca de arroz (Oryza sativa L.) ou outros materiais orgnicos. Esses materiais so distribudos em forma de coroamento, ocupando a rea de projeo da copa da planta. Entre os materiais orgnicos devem ser evitados os capins secos com semente, pois concorrem para aumentar a ocorrncia de espcies de gramneas e ciperceas invasoras. Como cobertura viva podem ser utilizadas, a partir do 1o ano da implantao do aaizal, nas entrelinhas de plantio, algumas plantas da famlia das leguminosas. Na associao com o aaizeiro, a leguminosa deve ter as seguintes caractersticas: boa adaptao s condies locais, porte herbceo, ciclo anual ou perene, hbito decumbente, produzir sementes e, principalmente, ter persistncia aps a roagem, de modo a renovar constantemente a biomassa para cobrir e proteger o solo. Um benefcio adicional da utilizao de leguminosa a de possibilitar a fixao simbitica de nitrognio atmosfrico. Controle qumico Realizado com uso de herbicidas especficos para o controle de gramneas que possam ocorrer na rea (ex.: glifosato a 1% que equivale a 200 mL diludos em 20 litros de gua). No comrcio existem outros herbicidas e as dosagens so aplicadas de acordo com a recomendao contida nas embalagens dos produtos. Para que essa prtica seja eficaz, sob o ponto de vista tcnico-econmico, deve ser levada em considerao a poca de aplicao, a idade do plantio e a possibilidade de combinao com outros mtodos de controle. No caso especfico de reas cultivadas com o aaizeiro, o controle das invasoras deve ser realizado no incio do perodo chuvoso. A aplicao do herbicida, misturado a um espalhante adesivo, deve ser realizada somente nas linhas de plantio, combinado com o controle mecnico no restante da rea. Irrigao O plantio do aaizeiro realizado, preferencialmente, nas reas de clima Afi, mas possvel cultiva-lo sob clima Ami e at mesmo Awi, desde que haja a suplementao de gua atravs de sistemas de irrigao nos perodos de menor precipitao pluviomtrica. Por ser uma espcie de ambiente mido, o aaizeiro muito exigente em gua. Assim aconselhvel o uso de irrigao, principalmente nos locais onde o perodo de estiagem prolongado. Essa prtica essencial no perodo de implantao da cultura, quando as

plantas necessitam de umidade em quantidade suficiente para a absoro de nutrientes e para no sofrerem estresse hdrico. Durante os 2 primeiros anos de cultivo, a irrigao, no perodo de estiagem, feita por micro asperso ou por gotejamento, pois nesse perodo as plantas ainda necessitam de pouca quantidade de gua. A partir do 3o ano, quando as plantas iniciam a florao, conveniente adotar o sistema de irrigao por gotejamento ou asperso, mas que possibilite maior disponibilidade ou vazo de gua. Desbaste e limpeza das touceiras O aaizeiro uma espcie florestal que foge a regra geral das palmeiras, pela exuberncia de sua brotao que ocorre em sua base. Nos aaizais, os primeiros perfilhos so normalmente emitidos entre 12 e 15 meses aps o plantio das mudas no campo, mas podem ser encontradas plantas desprovidas dessas brotaes e outras que apresentam at 10 perfilhos. Por esse motivo, anualmente, so realizadas a prtica de desbrota, que consiste da eliminao das brotaes excedentes. Quando do desbaste so mantidos somente os perfilhos bem desenvolvidos e em nmero compatvel com o plano de manejo estabelecido. Por ocasio do desbaste, efetuada a limpeza da touceira, eliminando as bainhas das folhas que ainda persistirem aps a queda das mesmas. Essa prtica favorece o crescimento das plantas em dimetro, o que possibilita a maior longevidade das plantas e maior produo de frutos.

Cultivo de aaizeiro em vrzeaNas vrzeas do esturio amaznico so encontradas quantidades expressivas de pequenas reas desmatadas, pelos moradores ribeirinhos, para utilizao com agricultura de subsistncia, em pequena escala (cana-de-acar, arroz, milho, banana, pastagem), as quais so abandonadas aps um curto perodo de utilizao. Essas reas podem ser reflorestadas com o plantio de aaizeiro, em sistemas de produo solteiro ou consorciado com espcies frutferas e/ou florestais. O cultivo de aaizeiro em vrzeas, por meio de plantios em reas desflorestadas, de manejo e de enriquecimento florestal, em associao com outras espcies frutferas e florestais, adaptadas a essas condies, incentivado e visto como uma das opes para tornar essas reas ribeirinhas mais produtivas e ecologicamente melhor protegidas (Nogueira & Homma, 1998). Seleo e preparo da rea Devem ser utilizadas as reas de vrzeas desmatadas, anteriormente cultivadas com espcies de ciclo curto ou que se encontrem com a cobertura vegetal caracterstica de capoeira rala. O preparo da rea consistir apenas de roagem manual, a ser realizada durante o final do perodo chuvoso (abril/maio), quando possvel a implementao de prticas agrcolas em funo do menor nvel das guas das mars. Essas reas desmatadas, geralmente, ocupam faixas de reas de vrzea alta, mas apropriadas aos cultivos de espcies anuais, semiperenes e perenes. (Fig. 11 e 12).Foto: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 11. Caractersticas da vegetao da rea de vrzea sele-cionada para a implantao do sistema de produo de aaizeiro em cultivo solteiro ou consorciado.

Fig. 12. Aspecto de rea de vrzea pronta para o plantioaps a eliminao da vegetao. Plantio e tratos culturais Nessas reas, o plantio realizado no incio do perodo de estiagem (maio/junho). Nesse perodo, mesmo durante a estiagem na regio, os solos das reas de vrzea so permanentemente midos, em decorrncia das mars peridicas que cobrem essas reas, com intervalos de 15 dias, com lmina de gua de aproximadamente 40 cm, impedindo que as plantas sejam submetidas a estresse hdrico. No caso da opo pelo plantio de aaizeiro em sistema solteiro, o espaamento a ser adotado de 5 x 5 m entre covas, com a manuteno de 3 a 4 estipes por touceira, cuja emisso, geralmente, ocorre entre 12 e 15 meses aps o plantio das mudas no campo. Durante os 2 primeiros anos, os espaos entre os aaizeiros podem ser aproveitados para o cultivo de espcies de ciclo rpido (hortalias, arroz, milho, banana). No sistema consorciado, as mudas de aaizeiro so plantadas em covas, obedecendo ao espaamento de 6 x 4 m, que permite abrigar a populao de 420 touceiras/hectare. Juntamente com o aaizeiro, pode ser cultivada a bananeira nas entrelinhas, guardando o mesmo espaamento dos aaizeiros, utilizando mudas de variedades adaptadas ao ecossistema de vrzea, com 420 plantas por hectare (Fig. 13). Junto com essas espcies, tambm podem ser cultivados o feijo caupi, maxixe e abbora, como opes de aproveitamento das reas limpas e de renda para o agricultor em curto prazo.

Foto: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 13. Sistema consorciado de aaizeiro e bananeira em rea de vrzea O sistema tambm contempla o plantio de uma espcie de fruteira (cupuau ou cacau), no espaamento de 6 x 4 m, com a populao de 420 plantas/hectare e de uma ou mais espcies de essncias florestais, no espaamento de 12 x 8 m, que garante a populao de 104 plantas/hectare. O croqui do sistema completo apresentado na Fig. 14. Os principais tratos culturais so os mesmos realizados nos cultivos em terra firme e constam de desbaste dos perfilhos, roagem, coroamento e limpeza dos estipes. No recomenda adubao qumica, face as boas condies de fertilidade natural dos solos de vrzea do esturio amaznico.

Fig. 14. Croqui do sistema de cultivo consorciado de aaizeiro fruteiras e essncias florestais, em rea de vrzea. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental.

Manejo de aaizais nativosDentre as possibilidades de explorao das reas de vrzeas, o aaizeiro tem se destacado como componente desse ecossistema, pela facilidade de reconstituir o revestimento florstico, alm de ser importante fonte de alimento e de renda para as populaes ribeirinhas. Nas vrzeas, quando h a ocorrncia de cobertura florestal, possvel fazer o manejo da vegetao visando o aumento da populao de aaizeiro ou o enriquecimento com o plantio de mudas dessa e de outras espcies de interesse comercial, conciliando, de modo racional e equilibrado, a proteo ambiental com o rendimento econmico. Nas reas destinadas para a produo de frutos, normalmente, so eliminados os estipes de aaizeiro excedentes das touceiras e, tambm, algumas plantas de outras espcies, com vistas reduo da concorrncia por gua, luz e nutrientes. Ambos os casos provocam sensveis alteraes nos fatores que afetam a produtividade dessa palmeira. No caso da explorao do palmito, so eliminadas grandes quantidades de estipes de aaizeiro em decorrncia da prpria atividade. O manejo de aaizeiro tem a condio de modificar a capacidade de suporte Xc1 para a capacidade limite Xc2 , equivalente a de um plantio racional. Com isto, so alterados os custos de extrao, a rentabilidade, a produtividade mxima sustentvel (PMS) e o ponto timo econmico (Fig. 15).

Fig. 15. Modificao da capacidade de suporte decorrente do manejo dos aaizais nativos. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental No caso do aaizeiro, que sofre duplo extrativismo (colheita de fruto e extrao de palmito), o crescimento do mercado de fruto proporcionou formao de populaes mais homogneas nas reas mais prximas dos grandes centros consumidores, decorrente da reduo da extrao de palmito. As conseqncias da formao dessas populaes homogneas devem ser bem avaliadas em todos os seus aspectos.

O manejo tem sido enfatizado como a forma de garantir a extrao sustentada dos recursos naturais. No extrativismo da madeira, pesca e caa, por exemplo, h a preocupao de serem igualadas as taxas de extraes com a capacidade de regenerao. No entanto, a taxa de extrao biolgica, muitas vezes, no garante a sustentabilidade econmica. O manejo de aaizais visa o aumento da capacidade de suporte e, com isso, obter taxas de extrao que assegurem maior rentabilidade atividade. As diferentes caractersticas quanto ao manejo dos recursos naturais, recomendam, portanto, cautela para determinadas propostas que procuram induzir a adoo da "colonizao extrativa" na Amaznia. Nos ltimos 10 anos, com a valorizao dos frutos do aaizeiro, h a tendncia de adensamento desta espcie e, como conseqncia indireta, a reduo da biodiversidade de vrzea, com a eliminao de plantas no-produtoras de frutos, como as palmeiras masculinas de buritizeiro (Mauritia flexuosa L.), cuja manuteno considerada desnecessria pelos ribeirinhos, mas de importncia para a produo de plen e produo de frutos nas plantas femininas. O fato das reas de ocorrncia de aaizeiro sofrerem inundaes dirias tem restringido a presso de uso da terra para fins agrcolas, permitindo a regenerao das populaes de aaizais. Com o gradativo crescimento do mercado de frutos, provvel que grandes reas do esturio amaznico sejam transformadas em populaes homogneas de aaizeiro ao longo das margens dos cursos d'gua. Por outro lado, outras transformaes antrpicas, levadas a efeito nos ltimos dois sculos e meio (extrao de madeira, abertura de canais, coleta de outros produtos extrativos etc.), juntamente com o processo de crescimento de populaes homogneas de aaizeiro, devem ter os seus efeitos sobre a biodiversidade melhor analisada. Muito embora esta atividade provoque danos ambientais menores do que as atividades agrcolas, em comparao com as reas de terra firme, se constitui um erro analisar as atividades extrativas considerando apenas do ponto de vista esttico, esquecendo seu dinamismo, as transformaes e as inter-relaes ao longo do tempo. O ribeirinho tem diante de si a alternativa de colher frutos ou extrair palmito do aaizeiro (Fig. 2), dependendo dos preos relativos destes dois produtos e do custo da mo-de-obra. Se o preo do fruto sobe, proporcionalmente, mais que o do palmito, a tendncia da ao extrativa de ser concentrada, com maior nfase, na colheita de frutos (A). Por outro lado, quando o preo do fruto menor, a tendncia de ser dada maior importncia para a extrao de palmito (B).

Fig. 16. Possibilidade de manejo de recursos extrativos no aumento da fronteira de produo e de eficincia. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Nas reas mais prximas do mercado e com facilidades de transporte, a extrao dos frutos do aaizeiro tem sido mais lucrativa e vantajosa. A relao de preo mais desvantajosa para o palmito foi a principal causa que motivou a conservao dos estoques de aaizeiro, quando comparada com as polticas ambientais restritivas e que no tiveram sucesso. Em reas distantes do mercado e com dificuldades de transporte, a extrao de palmito mais vantajosa. Apesar da grande disponibilidade de estoques de aaizeiro, estes podem ser aumentados com a prtica de manejo. O cenrio futuro para a expanso do cultivo do aaizeiro est relacionado com o crescimento dos mercados de fruto e palmito, fato que pode motivar a implantao de cultivos racionais, em outras regies do Brasil. Para muitos produtos extrativos, tanto para aqueles que exigem o aniquilamento do recurso como apenas a coleta, a extrao efetuada da forma mais racional possvel, a fim de no prejudicar a capacidade de suporte. bom lembrar que o manejo racional no implica na permisso de sua explorao ad infinitum, uma vez que depende das relaes econmicas, na qual o produto extrativo est inserido. Os produtos extrativos que se encontram em grandes estoques, tais como madeira, castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H.B.K.), babau (Orbygnia speciosa (Mart.) Barb. Rodr.) e aa, esforos devem ser efetuados para garantir a extrao o mais racional/sustentvel possvel. Isto asseguraria uma explorao por um perodo maior, bem como garantiria a sua conservao. Para muitos produtos extrativos, tal como o aa no Estado do Par, o manejo da floresta, para a coleta de frutos, tem como resultado os estoques mais homogneos e, conseqentemente, o aumento da produtividade da terra e da mo-de-obra. Esse fato no deve ser considerado como regra geral, como nos casos em que a extrao de outros produtos pode levar ao desaparecimento ou perda de recursos genticos importantes para o ecossistema.

As populaes de aaizeiro, encontradas em reas de florestas submetidas a constantes alteraes, so relativamente elevadas em comparao com a observada em regies com reduzida densidade demogrfica e, conseqentemente, baixa intensidade de explorao dos recursos naturais. A principal razo para que os aaizais do esturio amaznico apresentem grande concentrao de plantas de aaizeiro, o fato dessas reas serem intensamente exploradas pelos habitantes ribeirinhos, os quais praticam a eliminao das espcies consideradas de baixo valor comercial que ocorrem naturalmente nas reas de vrzea. Com isso, o aaizeiro, por ser considerado planta pioneira, domina o ambiente, chegando a formar populaes at 5 vezes maiores que aquelas observadas em reas de vrzea com a vegetao original pouco ou no-alterada, segundo alguns autores (Costa et al. 1973; Costa et al. 1974; Calzavara, 1976; Pollak et al. 1995). As prticas de manejo desenvolvidas pelos produtores ribeirinhos para a formao de aaizais, com a finalidade de produo de frutos, apesar de provocarem mudanas considerveis na composio florstica da floresta de vrzea, permitem aos aaizais manterem as caractersticas funcionais e estruturais da floresta, alm de propiciar ao produtor ribeirinho a concentrao de espcies de valor econmico (Brondizio et al. 1993). O inventrio da vegetao de floresta de vrzea no-manejada, no Municpio de Ponta de Pedras, possibilitou a identificao de 44 espcies, enquanto na floresta de vrzea, intensamente manejada para a formao de um aaizal, a ocorrncia foi de apenas 15 espcies. As prticas de manejo, aplicadas pelos ribeirinhos nas reas de aaizais nativos, afetam as condies ambientais e, conseqentemen-te, as plantas remanescentes. A grande capacidade de regenerao do aaizeiro, a partir de touceiras remanescentes do corte do palmito, e de sementes que germinam espontaneamente nas reas de vrzeas, tem possibilitado a formao de aaizais com elevada concentrao de plantas, mesmo em reas onde praticado, rotineiramente, o extrativismo do palmito. Essas populaes, alm de elevadas, so semelhantes quando comparadas com outras reas com diferentes idades aps o corte do palmito. Ao contrrio do que ocorre com algumas espcies de palmeiras nativas, o aaizeiro, em condies naturais, apresenta elevada taxa de germinao das sementes, cuja disperso ocorre das mais variadas formas, dando origem a grande quantidade de plantas jovens, capazes de sobreviver sob condies de sub-bosque, a espera de luminosidade para atingirem com mais rapidez a fase adulta. Essas condicionantes conferem vantagens espcie em se tratando de estratgia e equilbrio demogrficos da populao (Bullock, 1980; Sist, 1989). A forma de explorao sistemtica dos aaizais nativos de vrzea, pelos habitantes ribeirinhos, depende, fundamentalmente, da localizao do aaizal em relao aos principais conglomerados urbanos, tradicionalmente consumidores do aa, com destaque para a cidade de Belm e alguns municpios situados s suas proximidades. Mesmo com o processo de urbanizao, as populaes rurais que migraram para os centros urbanos, no abandonaram o hbito de consumo do aa.

Nas reas circunvizinhas a grandes centros urbanos, como Belm, a conscincia quase geral para a preservao dos aaizais, ou seja, destinando-os, preferencialmente, para a produo de frutos, pois, sabido que toda a produo obtida, ao longo do perodo de safra, facilmente comercializada, mesmo que a preos menores quando comparados com os alcanados durante a entressafra. Nessas reas, a extrao de palmito s ocorre quando o produtor ribeirinho necessita de capitalizao imediata, quando recorre sua "poupana", que o estoque de palmito disponvel no aaizal produtivo, pois, tem a conscincia de que o mesmo estar recomposto algum tempo depois. Nas localidades mais distantes, onde o tempo gasto com o transporte fluvial superior a 12 horas, inviabiliza a conservao e comercializao dos frutos, os ribeirinhos exploram, na maioria das vezes, quase que exclusivamente os aaizais nativos para a produo de palmito. Por essa razo, a indstria palmiteira, inicialmente instalada s proximidades de Belm, foi deslocada, gradativamente, para as regies onde a presso pela coleta de frutos ainda relativamente pequena, permanecendo apenas as "fabriquetas" que extraem, industrializam e comercializam o palmito sem qualquer forma de controle. Modelos de manejo bastante enfatizada na Amaznia, a adoo de prticas de manejo sustentvel de recursos naturais, como soluo ecolgica-econmica. Entretanto, considerando a facilidade quanto ao acesso a novos estoques de recursos naturais, o extrativismo em reas no-manejadas tem apresentado, em curto prazo, maiores vantagens econmicas. As florestas de vrzea, em que o aaizeiro um dos componentes mais importantes, so exploradas das mais variadas formas, principalmente, atravs de atividades extrativas (Anderson & Jardim, 1989; Oliveira Jr. & Nascimento, 1992; Anderson & Ioris, 1992; Brondizio et al. 1994). O diagrama da Fig. 3 representa o processo tradicional de explorao dessas florestas, com nfase para o extrativismo do aaizeiro visando s produes de fruto e palmito. A partir de resultados experimentais e de informaes obtidas junto aos ribeirinhos, que se dedicam ao extrativismo do aaizeiro e de outras espcies; ao plantio de enriquecimento de reas; e coleta de frutos e extrao de palmito, foram definidas algumas estratgias com vistas melhoraria do rendimento dos sistemas de explorao das florestas de vrzeas do esturio amaznico (Nogueira, 1997). Para que seja garantido o manejo de floresta, com rendimento sustentvel e explorao de forma cclica, no mnimo, devero ser observados os aspectos de avaliao do estoque disponvel, as taxas de incremento e a regenerao natural de cada espcie a ser explorada (Reis et al. 1993).

Ilustrao: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 17. Processo tradicional de uso do ecossistema de floresta de vrzeas do esturio amaznico. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Considerando a forma como os aaizais vm sendo explorados, e algumas prticas bem sucedidas realizadas pelos ribeirinhos, possvel propor, de modo racional e equilibrado, manejo de explorao de aaizais nativos, conciliando a proteo ambiental com o rendimento econmico. O pressuposto bsico deve estar voltado para o estabelecimento de florestas diversificadas de vrzeas , que possam proporcionar aos ribeirinhos rentabilidade maior que a obtida com a forma atual de explorao. Nesse contexto, deve ser considerado que o manejo e a explorao do maior nmero possvel de espcies, constituiro em aspectos favorveis para a manuteno da biodiversidade, evitando, com isso, o risco da formao de macios homogneos de aaizais (tendncia atual), e tambm favorecer o ressurgimento de espcies vegetais nativas, que praticamente desapareceram da regio. O diagrama representado na Fig. 4, prope o manejo e a utilizao das florestas de vrzeas, tendo o aaizeiro como componente principal, porm, consorciado com as espcies de ocorrncia natural na prpria rea e com outras introduzidas, caracterizando dessa forma o enriquecimento e a manuteno da biodiversidade.

Ilustrao: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 18. Proposta de explorao do ecossistema florestal de vrzea do esturio amaznico, com enriquecimento da biodiversidade na formao de florestas econmicas Ilustrao: Oscar Lameira Nogueira O processo consiste, basicamente, na eliminao das plantas de espcies consideradas de baixo valor comercial, cujos espaos livres surgidos so ocupados com o plantio de mudas de aaizeiro e de outras espcies com importncia econmica. No caso especfico do aaizeiro, tambm podem ser utilizadas plantas jovens. com 4 a 5 folhas e altura mdia de 50 cm, oriundas de germinao espontnea de sementes e transplantadas de reas prximas (Fig. 19).

Foto: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 19. Planta jovem de aaizeiro, provinda de germinao espontnea de semente, transplantada para o local de plantio . A eliminao das plantas pode ser feita por anelamento, derruba ou ateando fogo no tronco, dependendo do porte e da altura. Dentre as espcies utilizadas no enriquecimento, em conjunto com o aaizeiro, h de ser destacado o aproveitamento do cupuauzeiro, cacauzeiro, mangueira (Mangifera indica L.), viroleira (Virola surinamensis L.), andirobeira (Carapa guianensis Aubl.) e pau-mulato (Calycophyllum spruceanum L.). As espcies, como o taperebazeiro (Spondias mombin L.), buritizeiro, jenipapeiro (Genipa americana L.) e seringueira (Hevea brasiliensis H.B.K.), so encontradas, espontaneamente, nessas reas de vrzeas, havendo, no entanto, a necessidade de compatibilizar a densidade em funo da populao total de plantas que possa ser ideal. Nas Fig. 20 e 21, esto representados os detalhamentos dos procedimentos iniciais de raleamento da vegetao de vrzea, com a eliminao de espcies consideradas de baixos valores comerciais, seguido do remanejamento do plantio do aaizeiro e de outras espcies, respectivamente. Essas prticas possibilitam disponibilizar, para a explorao racional, florestas de vrzeas diversificadas e econmicas. Foto: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 20. Incio do processo de raleamento da vegetao de vrzea e enriquecimento com aaizeiro.

Foto: Oscar Lameira Nogueira

Fig. 21. Floresta de vrzea com aaizeiro associado outras espcies nativas . A grande vantagem econmica do manejo de aaizais, para a produo de frutos, induz implantao de sistemas direcionados, prioritariamente, para esse fim e devem levar em considerao todos os procedimentos mencionados anteriormente. Ao final do processo de implantao ser possvel dispor de sistema agroflorestal, caracterizado como aaizal de vrzea enriquecido com espcies nativas e introduzidas, constitudo de aproximadamente 400 a 500 plantas adultas de aaizeiro e 100 a 150 plantas de espcies frutferas e rvores de essncias florestais por hectare. Quando o interesse pela explorao dos aaizais manejados for, essencialmente, para a produo de palmito desaconselhvel o plantio de outras espcies, mas importante realizar o raleamento da vegetao, seguido do enriquecimento, nas reas de baixa concentrao, com mudas de aaizeiro. Na implantao de sistemas diversificados so recomendadas, preferencialmente, as reas de vrzea alta, por causa das facilidades de desenvolvimento das operaes necessrias ao estabelecimento e manuteno desses sistemas. No caso de reas de vrzea baixa, cujos solos permanecem quase sempre inundados, recomendado o enriquecimento por meio do manejo das touceiras de aaizeiro existentes, pois o plantio e a manuteno de outras espcies so praticamente inviveis. Operaes necessrias ao manejo Limpeza da rea A roagem o primeiro trabalho feito na rea e consiste da eliminao das plantas de menor porte e de cips, bem como da retirada de galhos, e visa facilitar o deslocamento de pessoas que implementaro as demais prticas. Raleamento da vegetao Nessa etapa so identificadas e eliminadas as rvores sem valor de mercado, mantendo aquelas produtoras de madeira, frutos, sementes, fibras, ltex, leos e fitoterpicos.

As rvores mais finas e as palmeiras podem ser eliminadas por meio de corte, e as mais grossas por anelamento, consistindo da retirada, em forma de anel de 25 a 100 cm de largura, de parte do crtex em torno do tronco, dependendo da espcie. As rvores preservadas devem estar bem distribudas, permitindo a penetrao da luz do sol na rea, facilitando o crescimento e o aumento da produo de frutos do aaizeiro e das outras espcies. Desbaste das touceiras Nos aaizais no-manejados, geralmente, as touceiras apresentam nmero excessivo de estipes. A prtica de desbaste visa eliminar o excesso de estipes, deixando de 3 a 4 em cada touceira, sendo eliminados aqueles muito altos, finos, defeituosos ou que apresentem pouca produo de frutos. Essa prtica realizada na entressafra, com aproveitamento dos palmitos. Aps o desbaste, so plantadas as mudas de aaizeiro nas reas mais espaadas, para que seja constituda a populao aproximada de 400 touceiras por hectare. Obteno de mudas As mudas de aaizeiro, para plantios nas reas com baixa concentrao dessa espcie, podem ser obtidas a partir de plantas jovens oriundas da germinao natural de sementes ou produzidas especificamente para esse fim. As mudas das outras espcies, que sero cultivadas em associao com o aaizeiro, tambm, podem ser produzidas s proximidades da rea em manejo ou adquiridas junto a produtores credenciados. Manuteno do aaizal Anualmente efetuada a eliminao das plantas de valor comercial desconhecido, para que o aaizal seja mantido limpo e mais produtivo. So eliminadas as brotaes novas, deixando somente as que substituiro os aaizeiros grandes indesejveis, com vistas a manter a populao recomendada. Para que os estipes do aaizeiro apresentem rpido crescimento em dimetro, indispensvel a realizao da limpeza das touceiras, que consiste da retirada das bainhas presas no estipe aps a morte da folha. Essa prtica mais necessria nas plantas jovens, pois nas adultas as bainhas se desprendem, naturalmente, junto com as folhas. Estimativas dos impactos positivos do manejo Impactos econmicos Os sistemas no-manejados propiciam a renda lquida de R$ 400,00/hectare. Com o manejado, a partir do 4 ano, possvel obter, ad infinitum, at R$ 700,00/hectare, correspondendo a 75% de aumento. Os custos com a tcnica de manejo so ressarcidos com a produo da primeira safra aps o manejo.

Outro aspecto importante, para a valorizao do mercado do fruto de aa, foi o desestmulo para extrao de palmito, nas reas mais prximas a Belm, pela maior lucratividade proporcionada, quase o dobro nos aaizais manejados para fruto, com a vantagem de possibilitar, a cada 3 anos, a extrao de palmito. Considerando que 1 hectare de aaizal no-manejado produz, em mdia 4,2 toneladas de frutos, h indicativo que algo em torno de 37 mil hectares estejam sendo explorados, no Estado do Par. Com as tcnicas de manejo, a produtividade de frutos aumenta para 8,4 toneladas, indicando a existncia de mais de 10 mil hectares de aaizais manejados, com o apoio de financiamento oficial. Com isso, houve o acrscimo de 42 mil toneladas de frutos, que representa R$ 48 milhes, sem a ocorrncia de mudanas espaciais nas reas s proximidades dos principais centros urbanos, reduzindo os impactos ambientais. Desse modo, houve substancial aumento da extrao para atender o crescente mercado exportador e de consumo local. Impactos sociais Com o emprego da tcnica de manejo, a produtividade da terra dobrada para a produo de fruto, o que no ocorre com a mo-de-obra, pela impossibilidade de mecanizao do processo de colheita, exigindo, dessa forma, o dobro da necessidade de esforo humano, em relao ao sistema no-manejado. Como o sistema manejado implica no uso adicional de 46 dias/homem/hectare decorrente do aumento da produtividade e das tcnicas de manejo, indica que pelo menos 2.000 empregos diretos tenham sido criados com os 15.000 hectares manejados. A explorao do aaizeiro de fundamental importncia para a sustentao econmica das populaes ribeirinhas dos Estados do Par e Amap. As atividades de extrao, transporte, comercializao e beneficiamento de frutos e palmitos de aaizeiro so as responsveis pela gerao de 25 mil empregos diretos, injetando anualmente mais de R$ 40 milhes na economia regional. Em 1999, as exportaes de palmito do Estado do Par, produziram a cifra de aproximadamente US$ 7,5 milhes, mas em 1992 alcanou cerca de US$ 29,3 milhes. Essa perda de participao, decorre da competitividade com a colheita de frutos, alm da destruio dos aaizais. A produo de frutos no Estado do Par cresceu de 91.581 toneladas, em 1994, para 156.046 em 2000, um aumento de aproximadamente 70%. Impactos ambientais O manejo dos aaizais nativos concilia a proteo ambiental com o rendimento econmico, de modo racional e equilibrado. O pressuposto bsico o estabelecimento de florestas de vrzea diversificadas, proporcionando, aos ribeirinhos, maior rentabilidade que os aaizais nativos na forma como so explorados atualmente. Nesse contexto, o manejo e a explorao do maior nmero possvel de espcies, so os aspectos favorveis para a manuteno do equilbrio da biodiversidade, evitando

assim o risco da formao de macios homogneos de aaizais e favorecendo o ressurgimento de espcies vegetais nativas que praticamente desapareceram da regio. Alcance da tecnologia No Estado do Par, com a adoo das tcnicas de manejo, esto sendo financiados mais de 6 mil pequenos produtores, correspondendo a mais de 15 mil hectares, para a extrao de palmito e colheita de frutos. Eficincia tecnolgica O emprego dessa tcnica de manejo no requer o uso de insumos, como corretivos e fertilizantes, nem, tampouco, a utilizao de recursos energticos modernos. Sob o ponto de vista ecolgico, as aes de manejo esto limitadas s reas existentes, sem a possibilidade de se estender a novas reas ou a de inserir novos recursos naturais

Pragas e mtodos de controleDentre os fatores que comprometem a produo racional do aaizeiro, pode ser destacada a ocorrncia de insetos. Com a expanso de cultivos comerciais na Regio Norte do Brasil, os problemas causados por esses organismos tm surgido com maior evidncia e aumentado a preocupao quanto aos prejuzos que vm causando ao aaizeiro. Diversos insetos so capazes de atacar o aaizeiro, desde a fase de sementeira at o plantio adulto. As pragas que atacam o aaizeiro ainda so pouco conhecidas, fato que d importncia s informaes sobre o assunto. Principais pragas a) Cerataphis lataniae Boisudval, 1867 (Heteroptera: Aphididae). Conhecida como o pulgo-preto-do-coqueiro, ataca mais intensamente o aaizeiro no viveiro e durante os 3 primeiros anos de vida no campo (Fig. 22).Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 22. Ataque do pulgo-preto-docoqueiro (Cerataphis lataniae) em aaizeiro jovem. - Descrio: Esse pulgo tem o formato circular, mede cerca de 2 mm de dimetro, tem a colorao quase preta e locomoo lenta, podendo ser de forma alada ou sem asas. Excreta uma substncia adocicada que atrai vespas, moscas e, principalmente, formigas, que impedem a presena de inimigos naturais dessa praga. Ataca, preferencialmente, a flecha da palmeira e a insero das folhas jovens ao estipe. - Ocorrncia: No Brasil, ocorre nos Estados do Amazonas, Bahia, Par, Paraba, Pernambuco, Piau, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Maranho, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e So Paulo. - Sintomas: Esse inseto provoca o atraso no desenvolvimento das mudas do aaizeiro, tornando-as raquticas e com as folhas amareladas, por causa da seiva que tanto as

ninfas como os adultos sugam para se alimentarem. - Controle: No viveiro, o controle feito separando as mudas atacadas das sadias e os insetos retirados manualmente com auxlio de um pano umedecido em gua. As mudas atacadas so mantidas isoladas fora do viveiro e observadas, por cerca de 10 dias, at que haja a certeza de que a praga foi completamente eliminada, quando ento podero retornar ao viveiro. Ainda no existe um mtodo de controle dessa praga no campo, por isso, deve haver o cuidado de no levar mudas atacadas para o plantio definitivo. b) Alleurodicus cocois (Curtis, 1846) (Heteroptera: Alyrodiae). Conhecida por mosca branca causa maior dano ao aaizeiro no viveiro, mas pode atacar essa palmcea nos primeiros anos de vida no campo. - Descrio: O adulto se assemelha a uma pequena mosca, tem a cor branca, mede cerca de 2mm de comprimento por 4mm de envergadura, possui 4 asas membranosas e cobertas por uma secreo pulverulenta. As ninfas medem cerca de 1mm de comprimento, tm colorao amarelada, rodeada de serosidade branca e vivem na face inferior da folha, onde excretam uma substncia adocicada, proporcionando o aparecimento de formigas e do fungo fumagina. As ninfas e os adultos formam colnias e, na maioria das vezes, ocupam toda a rea dos fololos. - Ocorrncia: A mosca branca ataca um grande nmero de fruteiras e diversas palmeiras. encontra de Norte ao Sul do Brasil (Silva et al. 1968). - Sintomas: Por se alimentar da seiva, torna a planta amarelada, debilitada e depois clortica, atrasando o desenvolvimento e a produo, podendo causar a morte do aaizeiro no caso de ataque severo. Esse inseto favorece o aparecimento do fungo fumagina, que provoca a diminuio na fotossntese da planta. - Controle: Tanto no viveiro como no campo, as medidas de controle so as mesmas propostas para C. lataniae. c) Atta spp. (Hymenoptera: Formicidae). Conhecidas popularmente por savas, tanajura e formigas-savas, atacam as plntulas do aaizeiro na sementeira, as mudas no viveiro e as plantas nos primeiros anos de vida no campo. No entanto, os ataques so mais drsticos na sementeira e no viveiro, em virtude das folhas estarem muito tenras (Fig. 23). As espcies mais comuns so: A. laevigata (sava-da-mata), A. cephalotes (savacabea-de-vidro) e A. sexdens sexdens (sava-limo-do-norte ou formiga-da-mandioca). - Descrio: So insetos sociais que vivem em ninhos subterrneos, onde se alimentam e se reproduzem. O ninho formado por dezenas ou centenas de cmaras ou panelas, com comunicao entre si por meio de galerias. No nvel do solo, chamam a ateno, pois formam montes de terra solta com muitos orifcios (olheiros). As savas se alimentam do fungo Gonylophora pholiota (Rhozitles) Moeller, 1893, que

so cultivados com folhas trazidas pelas prprias savas para o interior do sauveiro. - Ocorrncia: Essas savas so encontradas em todos os Estados do Brasil. A sava-damata, alm do aaizeiro ataca diversas fruteiras; a sava-cabea-de-vidro tambm ataca diversas fruteiras, assim como o aaizeiro, coqueiro (Cocos nucifera L.) e o dendezeiro (Elaeis guineensis Jack.) e a sava-limo-do-norte ou formiga-da-mandioca ataca o aaizeiro e outras palmeiras e fruteiras.Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 23. Ataque de savas (Atta spp.) em folhas jovens de aaizeiro . - Sintomas: As savas cortam os fololos do aaizeiro no viveiro, provocando o desfolhamento parcial ou total das mudas, concorrendo para o atraso no desenvolvimento ou at mesmo a morte da planta. - Controle: Como controle preventivo so observados os locais de instalaes dos viveiros. Devem ser evitadas as proximidades de reas de matas, pois so os

ambientes preferidos das savas. Outro fator a ser observado se existem sauveiros s proximidades e, quando se tratar de reas infestadas, esses so retirados e queimados, seguidos de tratamento do solo com inseticida. Essas providncias so de grande importncia, no s antes da instalao do viveiro, como antecedendo ao plantio do aaizeiro no local definitivo. O controle qumico com gases liquefeitos (metil bromide) o mais utilizado, mas podem ser aplicados produtos lquidos (termonebulizveis _ fenitrothion e deltametrin) e iscas granuladas (diflubenzuron), que so mais prticos, eficientes e econmicos. As savas tambm podem ser controladas por inimigos naturais, como fungos, nematides, caros parasitas, formigas predadoras e um coleptero da famlia Scarabaeidae, predador das rainhas (Della Lcia, 1993). Pode tambm ser feita a gradagem do terreno para destruir os ninhos no solo. d) Rhynchophorus palmarum Linnaeus, 1746 (Coleptera: Curculionidae). Conhecida por broca-do-olho-do-coqueiro, bicudo e broca-do-coqueiro (Fig. 24), ataca o aaizeiro, no campo, a partir dos 3 anos de idade, quando as plantas esto com o estipe suficientemente desenvolvido. Alm do aaizeiro, essa praga ataca outras palmeiras, principalmente o coqueiro e o dendezeiro. - Descrio: Essa praga possui hbito diurno e, pelo seu tamanho, facilmente vista voando dentro de plantaes atacadas. A larva, completamente desenvolvida, mede 75 mm de comprimento por 25 mm de largura, possui corpo recurvado de colorao branco-cremosa. A pupa tem a colorao amarelada, onde possvel observar todos os membros do besouro adulto. O adulto recm emergido, depois de algumas horas, comea a voar procura de fmea para acasalar e uma palmeira para se alimentar. O adulto vive de 45 a 60 dias e as fmeas pem, em mdia, 250 ovos durante o seu ciclo de vida. Na fase adulta um besouro de cor preto-aveludada, medindo, em mdia, 5 cm de comprimento, sendo possvel observar machos e fmeas em constantes acasalamentos, tanto no campo como sob condies de laboratrio (Bondar, 1940; Genty et al. 1978; Ferreira et al. 1998).

Foto: Paulo Manoel Pontes Lins

Fig. 24. Adultos (macho e fmea) de broca-do-coqueiro (Rhynchophorus palmarum). - Ocorrncia: O gnero Rhynchophorus encontrado disperso por todo o Brasil. - Sintomas: O aaizeiro atacado apresenta porte reduzido, folhas mais curtas e amareladas, com o pecolo bronzeado, reduo do nmero de folhas, reduo ou ausncia de cachos, inflorescncias abortadas e estipe com furos enegrecidos junto regio da coroa. Quando o aaizeiro est muito atacado, as folhas mais jovens so mais curtas e no se abrem completamente, tomando o formato de uma vassoura. Essa praga alm de fazer enormes galerias no estipe e na regio da coroa foliar, bloqueando a passagem dos nutrientes, provocando o enfraquecimento ou at a morte da planta, propicia a entrada de microrganismos como fungos, bactrias e vrus, ou insetos secundrios capazes de provocar novos danos. Alm disso, o vetor do nematide causador, nas palmceas, da doena conhecida por "anel-vermelho". - Controle: As plantas decadentes ou mortas, que so focos e servem de criadouro para a broca-do-coqueiro, quando eliminadas concorrem para a reduo da ocorrncia dessa praga. Tambm devem ser evitados ferimentos mecnicos acentuados durante a colheita dos cachos, para que os adultos no sejam atrados pela seiva exudada. Os estipes eliminados so cortados em pedaos e queimados fora da plantao. O uso de armadilhas o mtodo mais seguro para o controle dessa praga e pode ser feita com o aproveitamento de recipientes descartveis de plstico (20 litros), utilizados no envasamento de leo para mquinas agrcolas. A parte superior dos recipientes retirada e, no local, adaptada uma tampa de madeira, com um furo de aproximadamente 10 cm ao centro, no qual fixado um funil feito com a parte superior de garrafa de plstico descartvel de refrigerante (2 litros), com a parte afunilada voltada para dentro da armadilha, do modo a facilitar a entrada do inseto.

No interior da armadilha deve conter iscas compostas por feromnio de agregao sinttico rincoforol (trocados a cada 3 meses), mais 6 roletes de cana de acar (20 cm cada, cortados transversalmente). As armadilhas (Fig. 4) so colocadas em moires de madeira com 1 metro de altura e distribudas dentro do aaizal a cada 150 metros. A troca da cana deve ser feita a cada 15 dias, ocasio em que ser feita a coleta dos insetos capturados (Silva et al. 1998).Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 25. Armadilha para captura de adultos de broca-do-coqueiro. e) Mytilococcus (Lepidosaphis) bechii (Newman, 1869) (Heteroptera: Diaspididae). Conhecida por escama vrgula e cochonilha escama vrgula, ataca o aaizeiro no viveiro e nos primeiros anos de vida no campo. - Descrio: Seu corpo curvo, semelhante a uma vrgula ou um marisco, a colorao varia de marrom-clara a marrom-violeta. A fmea pe em mdia 50 ovos e mede cerca de 3 mm de comprimento (Gallo et al. 1988). - Ocorrncia: Encontrada dispersa por todo o Brasil. - Sintomas: Essa praga se fixa ao longo da nervura principal, na parte ventral dos fololos. Em decorrncia de sua constante suco da seiva, a planta fica, inicialmente, com as folhas amareladas e depois clorticas, atrasando o seu desenvolvimento e sua produo. - Controle: Como no existe nenhum inseticida registrado para o controle dessa praga em aaizeiro, podem ser adotadas aes preventivas, baseadas em cuidados de no instalar o viveiro prximo a plantas atacadas por esse inseto, para que no haja a possibilidade de ser levada planta atacada para o local de plantio definitivo.

- Ocorrncia: encontrado em todos os Estados da Regio Norte e em extensas reas das outras regies do Brasil. - Sintomas: Provoca a reduo no desenvolvimento da planta e, conseqentemente, o atraso no incio da fase produtiva, pela voracidade com que as ninfas e os adultos se alimentam. Outra maneira de ser detectado o ataque desse gafanhoto, pela observao de grande quantidade de fololos severamente cortados, que ficam cados no solo. - Controle: Deve ser feito com o uso de iscas colocadas na vegetao rasteira junta s palmeiras, quando o gafanhoto est, preferencialmente, no estdio de "mosquito" ou mesmo "saltes", pois nesses estdios vivem agregados para se protegerem. As iscas so preparadas com a mistura de: 10 kg de farelo de trigo, arroz ou milho; 0,5 kg de triclorfon 50%; 0,4 kg de acar mascavo; 0,8 kg de melao; e 6,5 L de gua. Esses componentes so bem misturados, at que seja alcanada a consistncia moldvel de massa (Gallo et al. 1988). h) Synale hylaspes (Cramer, 1782) (Lepidoptera: Hesperidae). Conhecida por lagartaverde-do-coqueiro ou lagarta-verde, ataca o aaizeiro (Fig. 27) no viveiro e nos primeiros anos de vida no campo. Ataca tambm outras palmeiras (Gallo et al. 1988). - Descrio: O adulto uma borboleta com 4,5 cm de envergadura, de cor prata com manchas brancas e translcidas nas asas anteriores, e branca, com a extremidade amarelo-dourada, nas asas posteriores. A lagarta, verde-clara brilhante, constri seu abrigo unindo as bordas do fololo com fortes filamentos brancos, cujo interior revestido por um p branco que tambm lhe reveste, permanece no abrigo durante o dia, sai noite para se alimentar e usa, tambm, esse abrigo para empupar (Bondar, 1940).Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 27. Danos provocados pela lagarta-verde-do-coqueiro ou agartaverde (Synale hylaspes).

f) Alleurothrixus floccosus (Maskell, 1895) (Heteroptera: Aleyrodiae). Conhecida por mosca branca ou piolho farinhento, ataca o aaizeiro no viveiro e as plantas jovens no campo. - Descrio: O adulto dessa praga, pelo ao seu formato e a sua cor, conhecida por mosca branca e o corpo recoberto por uma serosidade esbranquiada. As fmeas pem os ovos na face inferior da folha, e depois de 10 dias ocorre a ecloso das ninfas. Tanto as ninfas como os adultos so facilmente observados, pois so envolvidos por densa aglomerao flocosa, formada por filamentos cerosos de cor branca, chegando mesmo a cobrir toda a folha. Exudam um lquido aucarado, favorecendo o aparecimento de formigas, moscas e do fungo fumagina. - Ocorrncia: A mosca branca encontrada em todos os Estados do Brasil. - Sintomas: Os fololos, por causa do sugamento da seiva, inicialmente, ficam amarelados, depois a planta fica debilitada, atrasando seu desenvolvimento e, conseqentemente, a sua produo. - Controle: Pode ser o mesmo descrito para Alleurodicus cocois. g) Eutropidacris cristata (L., 1758) (Orthoptera: Acridiae). Conhecida por gafanhoto do coqueiro, gafanhoto e tucuro (Fig. 26), ataca o aaizeiro no viveiro e, principalmente, as plantas jovens no campo.Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 26. Ninfa do gafanhoto do coqueiro, gafanhoto e tucuro (Eutropidacris cristata). - Descrio: No Estado do Par, essa praga conhecida por gafanhoto, mede 110 mm de comprimento, as asas anteriores so verde-pardacentas e, as posteriores, esverdeadas com leve tonalidade azul. As fmeas pem os ovos no cho e, quando emergem, recebem o nome de "mosquitos", aps atingirem certo desenvolvimento so chamados de "saltes", cujas asas ainda so rudimentares, e s depois alcanam a fase adulta.

- Ocorrncia: encontrada nos Estados da Bahia e Sergipe (Silva et al. 1968) e, no Estado do Par, foi encontrada atacando o aaizeiro nos Municpios de Belm e de Tom-Au. - Sintomas: A lagarta se alimenta do limbo foliar, tornando-o esgarado, seco e com a colorao amarronzada. - Controle: Quando o ataque ocorre no viveiro, as lagartas so retiradas manualmente para no infestar as mudas sadias que esto prximas. Por isso, so imprescindveis as inspees mais intensas, quando da produo de mudas. Ainda no existe um mtodo para controlar o ataque dessa praga, no campo, em aaizeiro. Entretanto, em coqueiro, o controle feito com o uso dos inseticidas carbaryl a 0,16% i.a. ou trichlorphon a 0,15 i.a. (Ferreira et al. 1998). i) Hemisphaerota tristis (Bohheman,1850) (Coleptera: Crysomeliade). Conhecida por inseto-rodilha (Fig. 28)Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 28. Sintomas de ataque de insetorodilha (Hemisphaerota tristis) em aaizeiro. - Descrio: O adulto um besouro de cor azul escura, corpo relativamente esfrico com cerca de 4 mm de comprimento, por 3,2 mm de largura. A larva brancoamarelada; com o corpo coberto de seus prprios excrementos, formando para se proteger uma espiral em forma de rodilha. Adultos e larvas alimentam-se da face inferior dos fololos raspando os mesmos, fazendo ranhuras no sentido longitudinal do fololo (Bondar, 1940). - Ocorrncia: A sua distribuio foi feita atravs da Colmbia, Suriname e Brasil (Genty et al. 1978). No Brasil, a ocorrncia dessa espcie foi registrada na Bahia, por Silva et al. (1968), e, em Sergipe, por Ferreira et al. (1998). Alm desses Estados, h registros de ocorrncia no Amazonas, Par e Amap. - Sintomas: O aaizeiro atacado tem os fololos esgarados longitudinalmente, tornando-os secos, com as cores marrons, que se rompem, facilmente, pela ao do vento. As palmeiras atacadas exibem desenvolvimento e produo reduzidos.

- Controle: No existe nenhum tipo de controle para essa praga em aaizeiro. Em coqueiro, controlada com inseticidas fosforados (Ferreira et al. 1998). j) Brassolis sophorae (Linnaeus, 1758) (Lepidoptera: Nyphalidae). Conhecida por lagarta-das-folhas; lagarta-das-folhas-do-coqueiro e brassolis (Fig. 29).Foto: Antonio Agostinho Mller

Fig. 29. Adulto de lagarta-das-folhas, lagarta-das-folhasdo-coqueiro e brassolis (Brassolis sophorae). - Descrio: O adulto uma mariposa cujas asas, anteriores e posteriores, so marromescuras, com uma faixa transversal de cor alaranjada e expanso mdia de 8,5 cm. Seu hbito de voar crepuscular vespertino. O ciclo de vida, do estdio de ovo fase adulta, de cerca de 100 dias (Ferreira et al. 1998). A crislida, inicialmente, verde-clara, depois se torna marrom. A lagarta cremosa e apresenta listras longitudinais escuras ao longo do corpo. Sua cabea, castanho-avermelhada, possui bastante movimentao em relao ao corpo e recoberta por uma fina camada de pelos. Possui hbito gregrio, constri os seus ninhos para se proteger, unindo vrios fololos em forma de sacos alongados, onde permanece durante a noite, ficando pendurado nas folhas. - Ocorrncia: Ocorre em quase todos os pases tropicais da Amrica do Sul (Lever, 1969) e, no Brasil, nos Estados do Amazonas, Bahia, Esprito Santo, Maranho, Minas Gerais, Mato Grosso, Par, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, So Paulo e Distrito Federal (Silva et al. 1968) e Sergipe (Ferreira & Leal, 1989). - Sintomas: As lagartas so muito vorazes, consomem grande quantidade de massa foliar, deixando somente as nervuras centrais dos fololos e da rquila, podendo ser encontradas mais de mil lagartas em um nico ninho. Como conseqncia, ocorre a diminuio da absoro de nutrientes retirados do solo. Dependendo da intensidade do ataque, pode ocorrer o atraso no desenvolvimento da planta, queda prematura dos frutos e a reduo da produo, ou ainda a morte da planta.

- Controle: A ocorrncia dessa praga pode ser controlada da seguinte forma: . Controle biolgico - Os ninhos examinados, so abertos, parcialmente, para a verificao da existncia de lagartas parasitadas pelo fungo Beauveria bassiana ou B. brongniartii, facilmente constatada pela presena de lagartas mortas e esbranquiadas. Caso seja positiva, os ninhos no so retirados do campo, para que o fungo possa ser disseminado dentro da plantao; e, no caso de ser negativa, os ninhos no-parasitados so retirados e as lagartas eliminadas. Em plantas altas usada uma vara, com gancho na ponta, para baixar a folha com o ninho, quando isso no for possvel, so verificadas as fezes amontoadas no solo, cuja colorao esbranquiada, pela presena dos esporos, indica que as lagartas esto parasitadas dentro do ninho. Outros agentes biolgicos que se destacam so o fungo Bacillus thuringiensis, no controle das lagartas (Ferreira & Leal, 1989), e os parasitides, bastantes eficientes no controle das crislidas. No Par, muito comum a ocorrncia em plantaes de dendezeiro e de coqueiro, parasitides tanto em crislidas como em ovos; . Controle mecnico - Consiste da retirada dos ninhos no parasitados por microrganismos, de dentro da plantao; . Controle qumico - No existe nenhum inseticida registrado e liberado no mercado para essa praga em aaizeiro. Existe recomendao de uso do trichlorphon a 0,4% i.a. e do carbaryl a 0,35% i.a. em casos de altas infestaes em plantaes de coqueiro. k) Opsiphanes invirae (Huebner, 1818) (Lepidoptera: Brassolidae). Conhecida por lagarta-desfolhadora e opisifane (Fig. 30).Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 30. Adulto de lagarta-desfolhadora ou opisifane (Opsiphanes invirae). - Descrio: O adulto uma mariposa cujas asas anteriores so negras, com uma faixa larga amarela na parte mediana e duas pontuaes da mesma cor na parte superior. A lagarta de cor verde-clara brilhante, com duas listras finas longitudinais amarelas-claras ao longo do corpo, cujo abdmen termina por dois prolongamentos caudais, sua cabea cor-de-rosa com dois cornos ceflicos em forma de espinho, e vivem na face

inferior dos fololos. Alimenta-se dos fololos causando danos planta, em virtude da alta voracidade. A crislida, inicialmente, verde-clara brilhante, depois se torna marrom com listras transversais e longitudinais rseo-ferrugem. No possui nenhuma proteo externa em seu corpo, quando est para empupar permanece dependurada em algum ponto da planta, at a emergncia do adulto, principalmente nos fololos prximo ao estipe, quando a populao grande podem tambm empupar na vegetao rasteira junto ao aaizeiro. - Ocorrncia: Essa praga est distribuda por toda a parte setentrional das Amricas do Sul e Central (Lepesme, 1947). No Brasil, est presente em quase todos os Estados (Silva et al.1968; Ferreira et al. 1998), mas, no Par, s foi constatada, em 2003, atacando aaizeiros jovens e adultos. - Sintomas: O aaizeiro, quando atacado, apresenta grande parte dos fololos destrudos desordenadamente, no entanto, ataca com maior freqncia o coqueiro e o dendezeiro. - Controle: O controle dessa mariposa, pode ser feito com armadilhas feitas com o aproveitamento de lates cilndricos, com 80 cm de comprimento e 15 cm de dimetro, cortados transversalmente, ou vasilhas de plstico cortadas de maneira a formar uma janela para entrada dos insetos adultos. No interior das armadilhas, colocado o inseticida trichlorphon a 0,1% do produto comercial. As armadilhas devem ficar suspensas a 1 metro do solo, fixas em suportes de madeira, distncia uma das outras de 150 m. Devem ser realizadas inspees peridicas, com vistas constatao da ocorrncia dessa praga e avaliao dos danos causados. l) Eupalamides dedalus (Cramer, 1775) (sin. Castnia dedalus, Lepidoptera: Castniidae). Conhecida por broca-do-estipe, broca-da-coroa-foliar e broca-dos-cachos-do-dendezeiro (Fig. 31).Foto: Lindurea Alves de Souza

Fig. 31. Larva e adulto broca-do-estipe, broca-da-coroa-foliar e broca-dos-cachos-do-dendezeiro (Eupalamides dedalus). - Descrio: O adulto uma mariposa com asas marrom-escura e reflexos violeta, a envergadura das asas da fmea varia de 170 a 205 mm e dos machos de 170 a 185 mm. Possui duas fileiras de pontuaes amarelas esbranquiadas acompanhando o contorno das asas posteriores e, na parte mdia das asas anteriores, h uma faixa amarela transversal com pontuaes da mesma cor nas extremidades. Na cabea chama ateno o tamanho grande dos olhos. A longevidade do macho, em mdia, de 12 a 13 dias e, das fmeas, de 15 a 18 dias. No perodo de 12 a 17 dias, o nmero de ovos postos pela fmea varia de 200 a 500,

com uma mdia de 265, dos quais a maioria colocada nos 5 primeiros dias e, em cada local de postura, a fmea deposita de 2 a 30 ovos, o que indica a grande capacidade de disperso da espcie (Korkytkowski & Ruiz, 1979b). A postura feita em grupos de 2 a 8 ovos (Ray, 1973). O ovo mede de 5 a 6mm de comprimento, por 2mm de largura, com formato ovalado e provido de 5 estrias longitudinais proeminentes, semelhantes a um gro de arroz. Inicialmente esbranquiado, depois levemente rosado e, finalmente, escuro quando se aproxima a ecloso da larva. A incubao do ovo varia de 10 a 15 dias (Korkytkowski & Ruiz, 1979a). A larva possui colorao branca leitosa, cabea fortemente esclerificada de cor castanha brilhante e com mandbulas negras muito fortes. Ao emergir, mede aproximadamente 7 mm de comprimento e pode alcanar de 110 a 130 mm no ltimo estdio de seu desenvolvimento. Seu hbito de vida do tipo "minador", constri galerias no estipe do aaizeiro, junto coroa, onde permanece durante todo seu desenvolvimento, que varia de 144 a 403 dias, com uma mdia de 233 dias. No final de seu desenvolvimento a lagarta passa por um perodo de pr-pupa, durante 19 dias, em mdia (Korkytkowski & Ruiz, 1979b). No final do ciclo, transfere-se para a regio superior do estipe onde empupa. A pupa de cor castanho-escura brilhante e mede de 64 a 95 mm de comprimento; o casulo formado pela pupa marrom escuro e confeccionado com as fibras da palmeira, fortemente compactadas (Korkytkowski & Ruiz 1979b). O perodo pupal foi estimado por Korkytkowski & Ruiz (1979a) em aproximadamente 30 dias, e o ciclo biolgico completo de aproximadamente 14 meses. A mariposa possui comportamento matutino e vespertino muito caracterstico, voando somente por um perodo de 10 a 15 minutos nas primeiras horas da manh (6h s 6h15m) e nas primeiras horas da noite (18h s 18h15m), permanecendo, durante o dia, pousada no estipe prximo a copa da palmeira, o vo rpido e silencioso, e se realiza a uma altura entre 1 a 4 metros. - Ocorrncia: encontrada, em plantaes de dendezeiro, coqueiro e algumas palmeiras nativas, na Venezuela, Suriname, Guiana, Brasil (Regio Norte), Colmbia, Equador, Peru e Panam, (Ray, 1973; Genty et al. 1978; Korkytkowski & Ruiz, 1979b). Em 1996, foi detectada a presena dessa praga atacando os estipes de aaizeiro e de bacabeiras (Oenocarpus maropa H. Karst e O. minor Mart.), palmeiras nativas da Regio Norte. No Estado do Par, o primeiro registro desta praga atacando diversas palmeiras foi por Silva et al. (1968). - Sintomas: O ataque, inicialmente, ocorre na regio da insero da folha (axila foliar). Aps a emergncia, as larvas se dispersam pela coroa da palmeira e na medida que crescem, caminham em direo ao estipe fazendo enormes galerias, danificando seus tecidos, impedindo a circulao e o transporte de nutrientes para a regio da copa, causando grandes prejuzos produo (Schuilling & Dinther, 1980). O estipe, junto coroa, fica totalmente perfurado e enegrecido em decorrncia da oxidao da seiva, que escorre por meio das galerias abertas externamente. Como conseqncia, as folhas ficam carcomidas ao nvel dos pecolos, que pendem junto ao estipe e terminam por cair.

Concomitantemente, com os prejuzos causados pelas larvas desse inseto, possvel encontrar danos simultneos de larvas de Rhynchophorus palmarum atrados pelo odor de fermentao dos tecidos danificados pelas larvas da broca-do-estipe (Risco, 1996). Este autor estima que a forte incidncia dessa broca no coqueiro pode reduzir a produo em at 50% e, concorrer para a ocorrncia de problema mais srio, propiciando o ataque de broca-do-coqueiro, principal vetor do agente causal da doena "anel-vermelho". - Controle: No existem informaes sobre o controle dessa praga em aaizeiro, entretanto, podem ser utilizadas algumas prticas de controle adotadas para o coqueiro e o dendezeiro, como a poda das folhas infestadas e a coleta manual de crislidas e adultos, reduzindo consideravelmente a populao da praga (Genty et al. 1978). O inseticida carbosulfan, na concentrao de 0,02% de i.a., pulverizado na coroa foliar do coqueiro, tem sido eficiente no controle dessa praga. (Lins et al. 1998; Ohashi et al. 1998; Souza et al. 1998). Pouco se conhece sobre a ao de agentes naturais que tenham ao efetiva de controle dessa praga no campo. Outras pragas a) Caracis: So moluscos, providos de conchas, com cerca de 10 mm de comprimento, encontrados por toda a planta, principalmente nos 2 primeiros anos de vida no campo. So encontrados, principalmente, na flecha e nos fololos mais jovens, raspando os mesmos para se alimentarem. O controle pode ser feito por meio de catao manual, realizada periodicamente nas plantas jovens. b) Lesmas: So moluscos desprovidos de conchas, mas com hbito alimentar semelhante ao dos caracis. Atacam o aaizeiro tanto no viveiro como palmeiras jovens no campo. Alimentam-se raspando os fololos mais jovens e as flechas. Ocorrem, com maior freqncia, na poca chuvosa e em lugares mais midos. Dependendo da populao, podem causar srios problemas s mudas de aaizeiro ou ainda nos primeiros anos de vida. O controle pode ser feito atravs da catao manual nas plantas e limpezas ao redor do viveiro, retirando os pedaos de madeiras podres, uma vez que se reproduzem em material vegetal mido e em decomposio.

Noes bsicas para o uso de agrotxicosOs agrotxicos, produtos e agentes qumicos ou biolgicos, cuja finalidade a de preservar, a flora e a fauna, da ao danosa de outros seres vivos considerados nocivos, so distribudos em grupos de produtos classificados como inseticidas (controlam as pragas), fungicidas (agem sobre os fungos), herbicidas (combatem as plantas invasoras), bactericidas (controlam as bactrias), acaricidas (eliminam os caros), nematicidas (agem sobre os nematides do solo), moluscidas (combatem as lesmas) e raticidas (agem sobre os ratos). O uso de agrotxicos tem sido questionado pelos ambientalistas, ecologistas e bilogos, pois so produtos qumicos que, quando aplicados de forma indiscriminada e inadequada, causam problemas flora, fauna e ao prprio homem. O uso de agrotxicos nos cultivos de aaizeiro ainda so limitados, pois se restringem a poucas aes no controle de pragas, em sementeiras, viveiros e no campo. O uso de fungicidas praticamente inexiste, pois o "anel-vermelho", at ento referido em alguns trabalhos entomolgicos, associados s aes provocadas pela broca-do-coqueiro, vetor do nematide causador dessa doena, no atingiram ainda estgios de comprometimento econmico produo de frutos. Escolha do agrotxico Para que sejam obtidos resultados eficientes, no controle desses seres nocivos dentro da atividade agrcola, so observados, como princpios bsicos, se a incidncia de doena, praga ou concorrncia de plantas invasoras justifica o controle, e se o uso de agrotxico provoca desequilbrio cultura e ao meio ambiente. importante avaliar, quando da deciso do combate nocividade, se o agrotxico recomendado para o controle desejado, tendo sempre em mente a preocupao de escolher produtos menos txicos. Quando houver a necessidade do uso de dois produtos prudente verificar se no h incompatibilidade e no deve ser esquecido o respeito ao intervalo mnimo entre a aplicao e a colheita. Cuidados especiais no uso e manuseio de agrotxicos O uso de agrotxicos exige de seus manuseadores o conhecimento bsico sobre o modo de ao, as doses recomendadas, a hora e a poca de aplicaes, a formulao do produto (p-molhvel, concentrado emulsionvel, p seco), a classe toxicolgica e sobre os cuidados durante e aps as aplicaes no controle de doenas, pragas e plantas invasoras nas culturas de importncia socioeconmica, assim como na manipulao das embalagens aps o esvaziamento das mesmas. Os agrotxicos, comercializados em embalagens do tipo pacote, caixa, lata e vidro, so dotados de rtulos, que devem ser sempre preservados, contendo informaes importantes sobre o produto, como: as culturas beneficiadas com a sua aplicao; as doenas, pragas ou plantas invasoras que podem ser tratadas; a melhor poca para controlar as doenas, pragas e plantas invasoras; a dosagem recomendada; o intervalo entre as aplicaes; a carncia ou intervalo entre a ltima aplicao e a colheita, para que o agrotxico no contamine os alimentos; a compatibilidade, quando da

possibilidade e necessidade de se aplicar mais de um produto ao mesmo tempo; os cuidados a serem tomados pelo aplicador, para no se contaminar; e sobre a formulao do produto e a indicao do princpio ativo. Nas propriedades, os agrotxicos devem ser armazenados ou guardados longe do alcance de crianas e de animais, e evitados os lugares midos, a cu aberto e prximo das habitaes. As embalagens devem ser mantidas sempre fechadas e os produtos conservados na embalagem original. Quando do manuseio, aps a abertura das embalagens, o produtos no deve ser tocado sem a observao dos cuidados necessrios, como os usos de equipamentos de proteo individual (EPI), tais como luvas, culos e mscara para evitar o contato e a inspirao do produto. As embalagens devem ser recolhidas e encaminhadas para terem o destino final, de acordo com a legislao regulamentada pelo Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento. Na impossibilidade de cumprimentos das normas de proteo, devem ser inutilizadas e enterradas em locais adequados, mas sempre longe de rios, fontes e igaraps; e, nos casos de embalagens abertas ou rasgadas, as mesmas devem ser mantidas em sacos de plstico. Os agrotxicos so poderosos contaminantes que necessitam, quando usados, de cuidados que minimizem ou neutralizem os seus efeitos prejudiciais ao homem, animais, alimentos e ao ambiente. As aes que devem ser postas em prtica, com vistas reduo do perigo da contaminao, esto relacionadas com o uso e lavagens dos pulverizadores, as aplicaes do produto, os cuidados com o aplicador e o destino final dos resduos e embalagens. Esses temas so regulamentados por leis especficas e detalhados quanto aos seus usos e aplicaes, como a Lei n 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispe sobre a pesquisa, a experimentao, a produo, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercializao, a propaganda comercial, a utilizao, a importao, a exportao, o destino final dos resduos e embalagens, o registro, a classificao, o controle, a inspeo e a fiscalizao de agrotxicos, seus componentes e afins, e d outras providncias. Parte dessa lei, foi regulamenta pelo Decreto n 3.179, de 21.09.1999, que dispe sobre a especificao das sanes aplicveis s condutas e atividades lesivas ao meio ambiente e alterada pela Lei 9.974, de 06 de junho de 2000, que trata especificamente sobre o destino das embalagens vazias. Tcnica de aplicao Os defensivos qumicos so os meios mais perigosos, porm eficazes, que o agricultor dispe para o controle de doenas, pragas e plantas invasoras, que comprometem a rentabilidade de suas lavouras. No entanto, por causa dos seus usos indiscriminados e inadequados, vm causando danos ao ambiente e ao prprio homem, mesmo quando so necessrios poucos gramas de ingrediente ativo por hectare para controlar as doenas, pragas e plantas invasoras.

Formulao e modo de aplicao Os defensivos so comercializados nas formulaes slidas (p e granulado); lquidas (p-molhvel ou emulsionvel), e gasosas, sendo estas ltimas de uso bastante restrito. As formulaes na forma de p seco contm 0,5% a 10% de ingrediente ativo e a aplicao feita com polvilhadora ou polvilhadeira. Essas formulaes tm baixas concentraes, por isso o custo da aplicao, por unidade de rea, maior. As desvantagens da aplicao de p esto relacionadas ao fato das partculas serem levadas pelo vento a longas distncias, a baixa aderncia das mesmas, o que facilita a lavagem pela chuva, e ao alto risco de inalao das partculas pelos aplicadores. As formulaes granulares so aplicadas a lano e oferecem maior segurana aos aplicadores. Os grnulos tambm contm baixa concentrao de ingrediente ativo sendo, portanto, de custo mais alto como ocorre com os ps-secos. O maior problema com o uso de granulados o fato de terem ao sistmica, por isso vm sendo desenvolvidos produtos microencapsulados, de liberao lenta, que reduz mais os riscos de contaminao do aplicador. As formulaes lquida, p-molhvel ou concentrado emulsionvel, so aplicadas em pulverizadores, constitudos de bomba de presso e de bico. O bico a parte mais importante do pulverizador, pois so usados diferentes tipos para que sejam conseguidos espectros de gotas desejados e mais eficientes. Os bicos so usados para fracionar o lquido em gotas e, alm do tipo universal, so classificados de acordo com a energia utilizada em: - Bicos de impacto, leque ou cone (energia hidrulica): so de baixa presso e gotas grandes, usados na aplicao de herbicidas; - Pneumtico e vertical (energia gasosa): usados para as aplicaes em folhagem de arbustos e rvores, e espacial de aerossis; - Disco rotativo e gaiolas (energia centrfuga): usados para aplicao de herbicidas em volumes pequenos com gotas de tamanho quase uniformes; - Vibratrio (energias cintica e trmica): empregados para produzir grandes gotas (herbicidas) e neblina ou fumaa, uso em recinto fechado ou floresta, respectivamente; - Eletrohidrodinmico (energia eltrica): utilizados na aplicao de produtos oleosos e volumes reduzidos (0,5 a 1,5 L/hectare). As dosagens dos agrotxicos usados nas lavouras podem ser expressas em quantidades do produto por unidade de rea (hectare ou alqueire) ou pela quantidade do produto por 100 litros de gua (180 g/100 L; 210 mL/100 L; 320 cc/100 L). De acordo com os volumes de agrotxicos aplicados nas lavouras, quando tambm levado em considerao o porte das culturas, existem pelo menos 5 tipos de aplicaes de defensivos, a saber: alto volume, normalmente so aplicados de 600 a 1.000 L/hectare; mdio volume, de 200/600 a 600/1.000 L/hectare; baixo volume, de 50/200

a 200/500 L/hectare; muito baixo volume 5/50 a 50/ 200 L/hectare; e ultrabaixo volume de 5 L/hectare, para plantas rasteiras e rvores/arbustos, respectivamente. O tamanho das gotas, que tm grande importncia na eficincia da aplicao de diferentes defensivos, com o mnimo de contaminao ambiental, foi definido ou classificado pela Organizao Mundial de Sade (1976) em: - Aerossol: distribui gotas com dimetro mdio do volume inferior a 50 micrmetros (1 micrmetro = 0,001 milmetro); - Nebulizao: distribui gotas com dimetro mdio do volume inferior a 50 micrmetros; pulverizao fina, distribui gotas com dimetro mdio do volume entre 50 e 100 micrmetros; e - Pulverizao grossa: distribui gotas com dimetro mdio do volume superior 400 micrmetros. O preparo da calda uma operao que oferece perigo ao aplicador e ao ambiente, pois o defensivo qumico est concentrado. A preparao da calda no deve ser feita s proximidades de poos, rios e igaraps, pois no caso de ocorrer vazamentos e respingos resultar em contaminao, principalmente, daqueles que usaro a gua para consumo e sobrevivncia. Os principais cuidados no preparo da calda so: o p no deve ser colocado diretamente no tanque do pulverizador, antes h a necessidade de mistur-lo com um pouco de gua, em balde ou outro tipo de vasilha, para a obteno de uma mistura mais homognea, assim evitada a deposio do produto no fundo do tanque do pulverizador, que pode provocar entupimento de bicos e provocar desgastes no equipamento; o defensivo no deve ser colocado no pulverizador vazio, abastecer antes com certa quantidade de gua, que no afete a concentrao da calda de aplicao; usar gua limpa no preparo da calda, com isso no haver o entupimento e menor ser o desgaste do equipamento; adicionar o espalhante-adesivo, aps o preparo da calda, para evitar a formao de espuma; e aplicar a mistura no mesmo dia em que foi preparada. Antecedendo aplicao do agrotxico, o equipamento de distribuio, pulverizador costal (manual e motorizado), pulverizador de barra ou atomizador, deve ser regulado, de modo a garantir a vazo correta da calda e o volume a ser aplicado na rea, planta, etc. considerada na operao. importante observar que, quando das aplicaes de agrotxicos, comum o desgaste dos bicos aps algumas horas de trabalho, assim precisam ser substitudos para no haver prejuzos pulverizao.

Colheita e ps-colheitaO aaizeiro inicia seu ciclo de produo de frutos com a idade entre 3 e 4 anos. A sua inflorescncia formada por um conjunto de ramos com nmeros variveis de flores masculinas e femininas que, aps o desenvolvimento dos frutos, conhecido por cacho. O florescimento ocorre durante todos os meses do ano, com o pico entre os meses de fevereiro e julho. Aps a abertura (antese) e fecundao das flores, so necessrios, aproximadamente, de 5 a 6 meses para os frutos atingirem a fase de colheita. A produo anual de cachos frutferos por touceira depende da fertilidade e umidade do solo, e da luminosidade. Cada cacho, freqentemente, contm algumas centenas de frutos que, quando maduros, tm a colorao roxo-escura, por isso muitas vezes denominado de roxo ou preto, sendo exceo o aaizeiro do tipo branco, com a colorao verde (Fig. 32). Na Regio do Esturio Amaznico se destacam duas pocas perfeitamente diferenciadas para a produo de frutos de aaizeiro: - Safra de inverno: Corresponde poca das chuvas e os frutos, nesse perodo, normalmente so colhidos em diferentes estgios de maturao, tm a colorao roxoazulada e o aa produzido considerado de qualidade inferior. - Safra de vero: Ocorre no perodo de estiagem, com um volume de produo de duas a trs vezes maior que a safra de inverno. Os cachos apresentam maior homogeneidade quanto ao estgio de maturao e o aa obtido tem a colorao vermelho-arroxeada, o qual considerado de melhor qualidade sensorial.Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 32. Frutos de aaizeiros dos ecotipos preto e branco.

No Estado do Amap a produo de frutos mais acentuada no perodo compreendido entre janeiro e junho, com picos de produo de fevereiro a abril e, no Estado do Amazonas, a produo vai de janeiro a agosto. Portanto, existem variaes entre as diferentes regies produtoras quanto ao perodo de produo de frutos. Procedimentos de colheita A colheita se inicia aos 180 dias aps a antese, ocasio em que o epicarpo apresenta uma colorao roxo-escura ou verde-escura, ambas recobertas por uma camada acinzentada. A colheita uma operao onerosa e difcil, pois os estipes atingem facilmente de 10 a 15 metros de altura, com o perigo de quebra ou tombamento dos mesmos. Durante a operao de colheita devem ser estabelecidos certos padres, como realiz-la na poca certa e de higiene ainda no campo. A colheita deve ser seguida de imediata seleo, com a remoo de produtos indesejveis comercializao e ao processamento. Os produtos rejeitados no devem ser mantidos sobre o solo por longos perodos, pois so focos de contaminao dos produtos sadios (Chitarra, 1990). O colhedor escala o estipe com auxlio de uma peconha e corta o cacho, na sua base, tendo o cuidado para que no se desprenda uma quantidade elevada de frutos das rquilas (Fig. 33). Aps o corte, o cacho normalmente depositado ao solo, mas recomendado faze-lo sobre lona ou toalha de plstico, pois com essa prtica possvel evitar a maior contaminao dos frutos.Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 33. Escalador com cacho de aaizeiro colhido e o detalhe do uso de peconha. Um escalador habilidoso capaz de passar de um estipe para outro, em uma mesma touceira, sem descer ao solo, coletando, em funo do peso, de 3 a 5 cachos em uma nica escalada. Normalmente, um bom escalador capaz de colher de 150 a 200 kg de frutos numa jornada de trabalho de 6 horas. A colheita, preferencialmente, deve ser realizada pela manh, pois as chuvas, normalmente acompanhadas de ventos fortes, ocorrem com maior freqncia no perodo vespertino e tornam mais difcil a escalada nos estipes, que ficam mais escorregadios.

A Embrapa Amaznia Oriental testou, com sucesso, um equipamento na colheita de cachos de pupunheira (Bactris gasipaes H.B.K.), que, certamente, pode ser utilizado na otimizao do processo de colheita de cachos de aaizeiro. Consiste de uma vara de alumnio, com 6 metros de comprimento, contendo na sua extremidade superior uma lmina, para o corte do cacho; um recipiente, para a depositao do cacho e uma roldana, permitindo a descida e a subida desse recipiente, facilitando a operao de colheita em reas com explorao intensa e racionalizada, dando maior segurana ao colhedor, pois dispensa a necessidade de escalar o aaizeiro. Procedimentos de ps-colheita Debulha Aps a colheita dos cachos, ainda no aaizal, so realizadas as operaes de debulha e de catao, que consistem da liberao dos frutos dos cachos e da seleo dos frutos de acordo com a colorao ou estgio de maturao (Fig. 34), respectivamente. Os frutos do aaizeiro so classificados em:Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 34. Debulha de frutos de aaizeiro em paneiros e amostra de frutos excludos durante a seleo. - Vitrin: os frutos apresentam grande parte da casca (epicarpo) com a colorao roxoescura e o restante a verde-escura, no estando em condies de colheita; - Par ou Parau: os frutos apresentam a colorao roxo-escura intensa, com brilho na superfcie da casca, mas ainda no no ponto ideal de colheita; - Tura: os frutos apresentam a casca com a tonalidade roxo-escura intensa, mas recoberta por uma camada de p com a tonalidade branco-acinzentada, que caracteriza estdio adequado para a colheita dos frutos. Os frutos do aaizeiro devem ser debulhados, preferencialmente, sobre lonas ou plsticos (Fig. 35), ou ainda diretamente nas caixas de plstico, evitando o contato direto dos frutos com o solo ou com qualquer outro contaminante, como combustveis ou produtos qumicos. Nessa operao, feita a seleo visual e a eliminao de frutos atacados por insetos, doenas ou animais e daqueles contaminados por material fecal de aves. prudente a no-permanncia na rea, quando da debulha dos frutos, de animais domsticos, como precauo contaminao cruzada dos frutos.

Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 35. Debulha de frutos do aaizeiro sobre plstico. Os frutos colhidos devem ser removidos do campo de produo, o mais rpido possvel, como medida preventiva exposio desnecessria radiao solar direta. Na impossibilidade de imediata tomada dessa providncia, os frutos devem ser mantidos a sombras das rvores ou protegidos da radiao usando, para tal, folhas de aaizeiro ou de outras palmeiras. Deve ser ressaltado que existem iniciativas para o transporte dos frutos dentro do aaizal, atravs do uso de vagonetas, que se deslocam sobre trilhos (Fig. 36), e circulam entre as touceiras recolhendo as caixas de plstico contendo os frutos. Essa operao concorre para a reduo de danos mecnicos nos frutos e torna o produto menos susceptvel deteriorao e, conseqentemente, melhora a qualidade do aa.Fotos: Antonio Agostinho Mller, Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 36. Vagoneta usada no transporte de frutos de aaizeiro dentro da proprie-dade em rea de vrzea. Aps a debulha, os restos dos cachos so deixados no local e, com a decomposio, servem de adubo orgnico, mas podem ser utilizados na confeco de vassouras rsticas. Acondicionamento Os frutos, aps a colheita e debulha manual das rquilas, so acondicionados, rusticamente, em cestos, feitos com fibras vegetais, ou paneiros, confeccionados com fibras de jacitara (Desmoncus polyacanthus Mart.) ou de guarum (Ischinasiphon obliquus (Rud.) Koern.), com capacidade para comportar 14 ou 28 kg de frutos (Fig. 37). Os cestos ou rasas oferecem boa aerao, favorecendo a conservao dos frutos.

Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 37. Cestos usados para o acondicionamento de frutos de aaizeiro. O acondicionamento dos frutos tambm pode ser feito em caixas de plstico (Fig. 38) utilizadas na colheita e transporte de outras frutas, as quais possuem aberturas laterais facilitando a aerao,. Essas caixas so mais fceis de higienizar, resistentes e durveis, alm de proteger os frutos contra danos mecnicos, to comuns nos frutos do aaizeiro quando acondicionados em cestos ou paneiros, causado pelo empilhamento desses durante o transporte aos centros consumidores.Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 38. Caixas de plstico usadas no acondicionamento de frutos de aaizeiro. Quando do acondicionamento dos frutos, seja em cestos, paneiros ou caixas de plsticos, devem ser tomados os cuidados necessrios que evitem o contato desses recipientes com o solo, alm de exposies desnecessrias radiao direta dos raios solares, pois aumentam a possibilidade de ressecamento e deteriorao dos frutos. O uso de caixas de plstico minimiza a contaminao dos frutos, mesmo se mantidas indevidamente em contato com o solo, quando comparado ao que possa ocorrer quando acondicionados em cestos ou paneiros. Outra vantagem das caixas de plstico de ocupar menor espao e dar maior estabilidade carga durante o transporte, pois possuem encaixe perfeito quando sobrepostas, maximizando a utilizao dos espaos

e diminuindo a presso sobre os frutos. Entretanto, esse tipo de acondicionador tem o custo mais elevado, o que torna a sua popularizao mais lenta, quando comparado aos cestos e paneiros. Armazenamento Os locais de armazenamento, antes do transporte dos frutos para os locais de processamento, devem ser exclusivos para a estocagem do aa, sendo vetado a ambincia com outros alimentos, material de limpeza, combustveis, lubrificantes, peas de motores, defensivos agrcolas ou qualquer outro material que possa concorrer para a contaminao da produo. O ambiente de armazenagem deve ser preservado da ocorrncia de pragas que possam contaminar, direta ou indiretamente, os frutos. Ao final de cada safra, e no incio da prxima, recomendvel a limpeza do local de armazenamento, eliminando as sujidades, insetos ou qualquer outro material estranho ou indesejvel. Os frutos de aaizeiro so muito perecveis, por isso devem ser despolpados no tempo mximo de 24 horas, aps a colheita, quando estocados sob temperatura ambiente. O processo de degradao acelerado, principalmente, pelas temperaturas elevadas nas reas de produo e comercializao, o que torna a proteo contra radiao solar direta um fator importante para evitar a perda excessiva de gua, prejudicial a despolpa, pois provoca a diminuio do rendimento e o aa obtido apresentar cor inadequada, com restries da aceitabilidade quando da comercializao. A preservao de ps-colheita dos frutos do aaizeiro pode ser prolongada, a exemplo do que ocorre com outras frutas tropicais, mantendo-os em ambientes com temperatura em torno de 10 oC, muito embora no existam estudos formais sobre a conservao desses frutos em ambientes refrigerados. Transporte O horrio matutino fundamental para o transporte, pois os frutos esto com a temperatura mais baixa, o que reduz o processo de degradao. Quando o transporte realizado nas primeiras horas do dia, garante, dependendo da distncia, a chegada dos frutos nos grandes centros consumidores, como Belm, no dia seguinte ao da colheita. Quando o tempo entre a colheita e o despolpamento for superior a 48 horas, os frutos do aaizeiro tm sido transportados em sacos de polipropileno, com capacidade para at 60 kg, recobertos com gelo. No entanto, deve ser evitado o contado direto dos frutos com o gelo, que pode provocar queimaduras no epicarpo, diminuindo a qualidade do produto e aumentando a rea de exposio contaminao por microrganismos. No transporte fluvial, os barcos que transportam pescados tambm podem ser usados, desde que convenientemente higienizados. Na Regio Amaznica, o meio de transporte mais utilizado o fluvial, o que facilita o escoamento da produo de frutos de aaizeiro provenientes das reas de vrzeas. O transporte fluvial pode ser realizado em embarcao de pequeno porte (Fig. 39), com capacidade variando de 200 kg at poucas toneladas. Esse tipo de embarcao

cobre pequenas distncias e a operao de transporte, na maioria das vezes, realizada no perodo noturno e com o tempo entre 30 minutos a 3 horas. Quando h a necessidade de transportar volumes maiores de frutos, so utilizadas embarcaes com capacidade entre 10 e 20 toneladas. Os pequenos produtores ribeirinhos muitas das vezes comercializam as suas produes, em pontos distantes dos centros de consumo, para serem transportadas em barcos maiores.Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 39. Embarcao de pequeno porte utilizada no transporte de frutos de aa. A produo originada de reas de terra firme transportada, normalmente, por via rodoviria, em caminhes ou pequenos veculos utilitrios e os frutos so acondicionados em sacos de plstico, com capacidade para 60 kg, cestos, paneiros, caixas de plstico ou a granel. O transporte em recipientes no-adequados, como cestos e paneiros, pode provocar a ocorrncia de danos fsicos aos frutos, acelerando a sua degradao. Durante o transporte dos frutos, deve ser evitado o contato ou a ocupao de ambientes que transportem produtos qumicos, combustveis, graxas, defensivos qumicos e animais vivos, ou que acondicionem peixes, frangos e outras carnes, assim como qualquer outra substncia capaz de contribuir para a contaminao dos frutos do aaizeiro. Aps a descarga, o veculo utilizado para o transporte de frutos de aaizeiro, deve ser limpo, como medida preventiva propagao de microrganismos ou pragas, evitando danos aos prximos lotes a serem transportados. Durante a entressafra do aaizeiro, no Estado do Par, os processadores de Belm, principalmente, so supridos pelos frutos produzidos nos Estados do Maranho e do Amap. A produo vinda do Maranho transportada por via rodoviria e a do Amap, muitas das vezes, utiliza barcos dotados de cmaras frias ou em compartimento de carga com gelo.

Processamento embalagem e conservao O aa o produto extrado do epicarpo e do mesocarpo, partes comestveis do fruto do aaizeiro, aps amolecimento obtido por processos tecnolgicos adequados. Conforme legislao vigente, o aa processado classificado em: - Aa grosso ou especial (tipo A): a polpa extrada com a adio de gua apresenta, aps ser filtrada, mais de 14% de slidos totais e a aparncia muito densa; - Aa mdio ou regular (tipo B): a polpa extrada com a adio de gua apresenta, aps ser filtrada, de 11% a 14% de slidos totais e tem a aparncia densa; - Aa fino ou popular (tipo C): a polpa extrada com a adio de gua apresenta, aps ser filtrada, de 8% a 11% de slidos totais e a aparncia pouco densa. Processamento industrial A extrao do aa, pelo processo industrial, envolve as seguintes etapas: Recepo dos frutos Os frutos de aaizeiro chegam s unidades de processamento acondicionados em cestos, paneiros, rasas ou caixas de plstico, os quais so pesados (Fig. 40) e conduzidos para o processo de seleo. Seleo A seleo manual dos frutos, geralmente, realizada em mesas de ao inoxidvel, dotadas de peneiras, cujas dimenses possam reter os frutos, deixando passar as impurezas menores, como os restos de spalas, fragmentos de rquilas, terra, frutos chochos etc. (Fig. 41).Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 40. Recepo e pesagem de frutos de aaizeiro.

Foto: Marcus Arthur Maral de Vasconcelos

Fig. 41. Mesa para a seleo manual de frutos de aaizeiro. Nessa etapa, os frutos verdes e em estado fitossanitrio precrio, ou mesmo com qualquer outro tipo de defeito, que os torne inadequados ao processamento, devem ser retirados do lote. Em algumas indstrias de processamento, os frutos passam por um equipamento dotado de ventilador para a retirada das sujidades adquiridas na colheita, no transporte ou oriundas dos prprios frutos. Pr-lavagem, amolecimento e lavagem Os frutos de aaizeiro so transportados para um sistema composto de quatro lavagens em srie: Na 1a, os frutos so imersos em gua para a retirada das sujidades aderidas aos frutos (Fig. 42)Foto: Poema / UFPa

Fig. 42. Primeira lavagem de frutos de aaizeiro.. Na 2a, os frutos tambm so imersos em gua para o amolecimento do epicarpo e do mesocarpo, com a finalidade de facilitar o processo de despolpamento (Fig. 43). As variveis deste processo so a temperatura da gua e o tempo de imerso, em que, de acordo com os processadores, variam conforme a procedncia dos frutos e de seu grau de maturidade. A gua pode estar temperatura ambiente ou na de 40 C a 60 C, no devendo exceder a este valor. O tempo de amolecimento varia de 10 a 60 minutos e,

quanto maior for o grau de maturao, menor ser o tempo de imerso dos frutos. Esses valores so empricos, pois no existem, at o momento, experincias comprovando, tecnicamente, qual a temperatura da gua e o tempo de imerso adequados para que o epicarpo e o mesocarpo amoleam o suficiente para favorecer o despolpamento, sem afetar as propriedades da matria-prima;Foto: Poema / UFPa

Fig. 43. Segunda lavagem de frutos de aaizeiro. A 3a lavagem feita com gua clorada (20 ppm a 50 ppm1 de cloro ativo), por cerca de 20 a 40 minutos. A soluo de cloro para a lavagem no deve ser utilizada para vrias bateladas, pois o poder desinfetante da soluo diminui em virtude da oxidao e da evaporao do cloro. Na 4a, o excesso de cloro retirado por meio da lavagem por asperso com gua potvel. Despolpamento e refino Aps a lavagem e o amolecimento do epicarpo e do mesocarpo, os frutos so transferidos, por meio de esteira, at a base do transportador, do tipo rosca-sem-fim, que os conduz at o despolpador. No primeiro estgio do processamento, os frutos, com o auxlio de injeo de gua, so despolpados, cuja operao consiste da remoo da polpa do aa. Exemplo: Para preparar 1 L de soluo, com 50 ppm de cloro ativo, so necessrios 2,5 mL de hipoclorito de sdio a 2%. Constituda do epicarpo e do mesocarpo. Aps essa separao, os caroos saem pela rosca transportadora de resduo e a polpa obtida passa, por gravidade, para o tanque de refino (segundo estgio), quando, em peneiras apropriadas, so retidos outros resduos indesejveis. No terceiro estgio, o produto obtido transferido para o tanque de homogeneizao, onde procedida a homogeneizao do produto aa (Fig. 44).

Foto: Poema / UFPa

Fig. 44. Aspecto da despolpadeira industrial de frutos de aaizeiro. O aa obtido pelo despolpamento pode ser imediatamente embalado e congelado ou passar por tratamento trmico. No tratamento trmico (pasteurizao), o produto bombeado para o trocador de calor, do tipo tubular, sob a temperatura de 80 C a 85 C, durante 10 segundos, e imediatamente resfriado no prprio trocador de calor. No final do tratamento, o produto deve ser retirado com a temperatura de 5 C. Processamento tradicional ou semi-industrial Nesse tipo de processamento, so utilizadas as tradicionais mquinas despolpadeiras ou, popularmente denominadas de batedeiras, construdas em ao inoxidvel, modelo vertical, que procede ao despolpamento de bateladas de frutos de aaizeiro com a adio de gua. O processo tem incio com a alimentao da batedeira com os frutos (Fig.45), precedida do acionamento das palhetas, cujo movimento circular proporciona atrito com os frutos, seguido da progressiva adio de gua. O produto processado desce por gravidade, passando em peneira de malha fina, e o aa depositado em bacias de ao inoxidvel alimentao da batedeira com os frutos (Fig.46), precedida do acionamento das palhetas, cujo movimento circular proporciona atrito com os frutos, seguido da progressiva adio de gua. O produto processado desce por gravidade, passando em peneira de malha fina, e o aa depositado em bacias de ao inoxidvel.

Foto: Foto: Virgnia Martins da Matta

Fig. 45. Alimentao da batedeira com frutos de aaizeiro.

Foto: Foto: Virgnia Martins da Matta

Fig. 46. Aa recolhido da batedeira. O rendimento da extrao de aa varia de acordo com a procedncia, o perodo de produo, o intervalo de tempo entre a colheita e o tipo de processamento dos frutos. Na Tabela 5, esto descritos os valores de rendimentos de aa processados em despolpadeiras tradicionais ou semi-industriais.

Tabela 5. Redimento de extrao de aa, a partir da despolpa de 5 kg de frutos. RedimentoTipo Nascimento (1992) Guimares & Henrique Fraham (1996) Poulet (1997) Cavalcante (1991)

Aa fino Aa mdio Aa grosso

4,5 a 7,0 litros 3,0 a 4,5 litros 1,5 a 2,5 litros

2,5 litros 2,0 litros

2,5 litros 1,7 litros

6,0 litros

Fonte: Rogez (2000). Procedimentos de embalagem O aa, aps o tratamento trmico ou no, tem como embalagem primria o saco de polietileno de baixa densidade, sendo normalmente empregados aqueles com capacidade para 100, 500 e 1.000 g (Fig.47).Foto: Poema / UFPa

Fig. 47. Embalagem primria de aa. O produto embalado conduzido a um tnel de congelamento rpido, regulado a -40 C. Esse tipo de congelamento proporciona melhor qualidade ao aa, pois diminui a possibilidade de ocorrncia de alteraes qumicas, bioqumicas e microbiolgicas. Aps o congelamento, o aa deve ser armazenado em cmara fria (Fig. 48), com a temperatura entre -18 C e -20 C.Foto: Poema / UFPa

Fig. 48. Cmara fria para estocagem do aa.

Processos de conservao O aa quando no-submetido a processos de conservao, tem a vida de prateleira muito curta, no mximo 12 horas, mesmo sob refrigerao. A sua alta perecibilidade pode estar associada, principalmente, elevada carga microbiana presente no fruto, causada por condies inadequadas de colheita, acondicionamento, transporte e processamento. Os bolores e as leveduras esto presentes, naturalmente, na superfcie dos frutos de aaizeiro, enquanto as contaminaes por coliformes fecais, salmonelas e outros microrganismos patognicos so devidos ao seu manuseio inadequado. Alm desses fatores externos, o processo de degradao do aa decorre, tambm, de aes enzimticas, responsveis por mudanas nas suas propriedades organolpticas e nutricionais, com destaque para a peroxidase que, por ser a enzima mais termorresistente, a sua inativao utilizada como indicadora da eficincia nos tratamentos trmicos. A degradao do aa pode decorrer da ao da enzima polifenoloxidase. A adoo de boas prticas agrcolas (BPA) e de fabricao (BPF) minimizam a probabilidade de contaminao microbiolgica dos frutos e do aa durante o processamento, contribuindo para a conservao do produto. Em adio BPA e BPF, deve ser realizado um conjunto de etapas de procedimentos visando a obteno de produto seguro e de qualidade, tais como o branqueamento dos frutos, a pasteurizao, o congelamento ou a desidratao do aa. Branqueamento O branqueamento um tratamento trmico comumente aplicado aps a colheita, seleo e lavagem dos frutos, com o objetivo de inativar enzimas, fixar cor, remover gases dos tecidos, alm de diminuir a carga microbiana. Essa operao consiste em mergulhar os frutos em gua, temperatura pr-determinada ou utilizar vapor fluente ou superaquecido. O tempo e a temperatura variam conforme o tipo de matria-prima, a carga microbiana inicial, a dimenso e a forma do material a ser branqueado, o mtodo de aquecimento e o tipo de enzima a ser inativada. Aps serem submetidos ao branqueamento, os frutos devem ser, necessariamente, resfriados para evitar a contaminao por microrganismos termfilos e para no comprometer a sua textura. O resfriamento pode ser feito imergindo-os em banho de gua e gelo ou por meio de asperso de gua fria. No caso de frutos de aaizeiro, o branqueamento pode ser feito pela exposio temperatura de 80 C, por 10 segundos, pois tais condies reduzem a carga microbiana, porm no permitem inativar, por completo, as enzimas termorresistentes presentes. As temperaturas superiores a 80 C, ou tempos mais longos que 10 segundos, provocam a separao das matrias graxas. Alm disso, devem ser evitadas as condies drsticas de branqueamento para no modificar as propriedades organolpticas do fruto.

Pasteurizao A pasteurizao um tratamento trmico, cujo objetivo a destruio de clulas vegetativas dos microrganismos presentes nos alimentos. Este processo se aplica a alimentos que no podem sofrer tratamentos mais rigorosos, por afetar suas propriedades organolpticas e nutritivas, como o caso das frutas. A pasteurizao deve ser empregada em conjunto com outros mtodos de preservao, tais como a refrigerao e o congelamento. Para o aa, as indstrias costumam empregar temperaturas em torno de 80 C a 85 C, por 10 segundos, e, aps a pasteurizao, o mesmo imediatamente congelado (Fig.50).Foto: Poema / UFPa

Fig. 50. Pasteurizador para tratamento microbiolgico de aa. Congelamento o mtodo comumente utilizado para a conservao do aa. Com esse procedimento inibido o crescimento microbiano e retardado, praticamente, todo o processo metablico. Quanto menor a temperatura de armazenamento, mais lenta ser a atividade enzimtica. O congelamento do aa, sob temperaturas de -18 C a -20 C ou mais baixas, inibem, significativamente, as atividades das enzimas peroxidase e polifenoloxidase. Esse mtodo de conservao bastante oneroso, pois exige a necessidade da chamada "cadeia do frio", isto , o produto deve ser conservado baixa temperatura desde a produo at o consumo. Para as antocianinas, que so pigmentos naturais responsveis pela colorao roxa-avermelhada do aa, ocorre considerveis perdas. Desidratao A desidratao o mtodo de preservao de alimentos que utiliza energia trmica para remover parte ou a quase totalidade da gua. Com isso, possvel limitar ou evitar o crescimento de microrganismos ou outras reaes de ordem qumica. A remoo da gua proporciona, tambm, maior facilidade no transporte, armazenamento e manuseio do produto final.

O aa pode ser desidratado por atomizao (spray dryer), o mesmo processo empregado para a fabricao de leite em p. O produto conduzido cmara de secagem em finas gotculas, entrando em contato com a corrente de ar quente. Desse modo, a secagem se processa de maneira rpida e o produto resultante se apresenta na forma de p. Nesse processo, o tempo de secagem curto (1 a 10 segundos). Utilizando um spray dryer, modelo Mobile Minor Unit AS0340D, para a obteno de aa em p, podem ser aplicadas as seguintes condies operacionais: temperatura do ar de entrada de 135 C a 140 C; temperatura do ar de sada 85 C a 90 C e presso de trabalho de 4,9 a 6,2 kg/cm2. O aa em p, assim obtido, ter maior vida til de prateleira quando embalado em cartuchos plsticos aluminizados (Melo at al. 1988). importante ressaltar que todos os mtodos de conservao do aa provocam modificaes no seu sabor original, alm de encarecer o produto. Por isso, para a Regio Amaznica, seu consumo ainda se restringe compra do produto processado na hora. No entanto, em outras regies do Pas e do exterior, onde o aa bastante apreciado, o seu consumo s vivel se o mesmo passar por processo adequado de conservao.

Mercado e comercializaoA explorao do aa de fundamental importncia para as economias dos Estados do Par, Maranho, Amap, Acre e Rondnia, especialmente para o primeiro e o terceiro, pois responde pela sustentao econmica das populaes ribeirinhas. Tem sido estimado que as atividades de extrao, transporte, comercializao e industrializao de frutos e palmito de aaizeiro so responsveis pela gerao de 25 mil empregos diretos e geram anualmente mais de R$ 40 milhes em receitas. A partir de 1992, quando foi atingido o pice das exportaes de palmito, a produo de frutos de aaizeiro experimentou crescimentos anuais significativos, em funo do aumento da competitividade da coleta de frutos, motivado por melhorias nos preos, e do aumento da fiscalizao, evitando a destruio maior dos aaizais. A produo de frutos de aaizeiro no Estado do Par cresceu de 92.021 toneladas, em 1997, para 122.322 toneladas, em 2002, um aumento de quase 33%. Em 2003, a produo foi de 160.000 toneladas. Com a expanso do consumo do aa, os ribeirinhos, nos ltimos anos, tm diminudo a extrao e venda de palmito para as indstrias processadoras e concentraram as suas atividades na coleta e venda de frutos, cuja valorizao teve efeito econmico e ecolgico positivo sobre a conservao de aaizais. A partir da dcada 1990, com o aumento da presso internacional para a preservao da Amaznia, os produtos florestais no-madeireiros ganharam importncia como alternativa para evitar desmatamentos e queimadas. Essa exposio da Amaznia, na mdia mundial, chamou a ateno para diversos frutos regionais, como o guaran, cupuau, aa, pupunha e o bacuri, entre os principais, que tiveram forte crescimento no mercado nacional e atraram o interesse do mercado internacional. A importncia socioeconmica do aaizeiro decorre, portanto, do seu enorme potencial de aproveitamento integral de matria-prima. O principal aproveitamento a extrao do aa, mas as sementes (caroos) do aaizeiro so aproveitadas no artesanato e como adubo orgnico. A planta fornece ainda um timo palmito e as suas folhas so utilizadas para cobertura de casas dos habitantes do interior da regio. Dos estipes adultos, 30% podem ser cortados de 5 em 5 anos e destinados fabricao de pastas e polpa de celulose para papel. Para a populao ribeirinha, uma das mais rentveis possibilidades comerciais proporcionadas pelo aaizeiro a produo e comercializao de seu fruto "in natura". A produo de frutos para o mercado local uma atividade de baixo custo e de excelente rentabilidade econmica. A valorizao do fruto do aaizeiro contribuiu, nos ltimos anos, para consolidar o manejo de aaizais nativos como a principal atividade do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Extrativismo (PRODEX), criado em junho de 1996, componente do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). Os grandes interesses pela cultura e por esses recursos, fizeram com que a rea manejada e de cultivo

passasse de 9.223 hectares, em 1996, para 18.816 hectares, em 2002, tanto para produo de frutos como para extrao de palmito, atendendo mais de 5 mil produtores, dos quais 92,1% so do Estado do Par. O forte crescimento do mercado de fruto de aa tem sido o indutor dessa expanso. A principal finalidade da utilizao do aaizeiro ainda para extrao do aa, embora nos ltimos anos tenha surgido um grande leque de alternativas para a cultura, em face do interesse despertado, aps estudos demonstrando excelentes oportunidades para o aproveitamento integral dessa palmeira pelas indstrias alimentcias, de corantes naturais, de cosmticos, de frmacos, de celulose e papel, entre outras (Melo et al. 1974; Melo et al. 1988; Nazar, 1998; Rogez, 2000). A concentrao de aaizeiro no esturio amaznico, com a rea estimada em 1 milho de hectares, torna a espcie um componente da floresta nativa, formando macios de aaizais naturais. Em decorrncia da facilidade de extrao de seus frutos, a espcie permite indstria instalada na regio o abastecimento seguro e fcil, com custo baixo da matria-prima e do transporte. Ao mesmo tempo, possibilita o aproveitamento permanente das reas de vrzea e igap, exploradas, anualmente, com o cultivo do arroz e cana-de-acar, evitando, dessa maneira, o abandono dessas reas e a sua transformao em capoeira desprovida de espcies valorizadas, fato bastante comum na agricultura itinerante regional. O aaizeiro uma espcie vegetal com grande potencial de aproveitamento por pequenos produtores e populaes ribeirinhas, desde que seja explorado de forma racional. O fruto e o aa possuem um mercado regional muito forte, por ser importante na alimentao diria das populaes locais, pelos seus altos valores nutricionais e de unnime preferncia popular por seu singular paladar. Em Belm estimada a existncia de mais de 3 mil pontos de venda de aa, comercializando diariamente 120 mil litros, atendendo, basicamente, as populaes de baixa renda. No Estado do Par, onde o aa faz parte de sua cultura, o consumo vem aumentando no decorrer dos anos, como conseqncia do processo de congelamento utilizado pelo consumidor, que faz com que o produto seja consumido durante todo o ano. A imigrao rural outro fator relevante para a ampliao do consumo urbano, tendo em vista que pessoas oriundas do interior acostumadas a tomar aa regularmente, mantm esse hbito quando imigram para as grandes cidades do Estado. Um dos grandes problemas do comrcio do aa a sua caracterstica de alta perecibilidade, mesmo sob refrigerao. Nas indstrias de sorvetes da regio comum submeter o aa concentrado temperatura de -40 oC, preservando grande parte de suas propriedades. A demanda pelo aa fora da regio tambm est em alta, com o produto tendo boas possibilidades de mercado, principalmente no Rio de Janeiro, So Paulo, Braslia, Gois e na Regio Nordeste. No Rio de Janeiro, o aa oferecido nas praias e se tornou muito popular entre os adeptos da "cultura da sade" e entre os freqentadores de academias. tambm vendido diretamente ao consumidor, onde a demanda pelo produto, antes considerado extico, crescente e comea a ganhar popularidade entre

os nativos e turistas. estimado que no Rio de Janeiro sejam consumidas 500 toneladas/ms, em So Paulo 150 toneladas/ms e outros Estados somam 200 toneladas/ms. Nesses locais, em alguns pontos de venda, o que se consome o aa fino que, misturado com outros produtos, perde o gosto, o odor e at o valor calrico da fruta. Alm da mistura com outros produtos, freqente o aumento da dosagem de gua, adequando de acordo com o preo oferecido. Este aspecto reala a importncia de se estabelecer critrios mais rgidos quanto ao teor de gua em mistura com o aa comercializado, sob risco de infringir danos sade dos consumidores e a perda de mercados no futuro. Em 2000, foi iniciada a exportao de polpa congelada de aa para os Estados Unidos e para a Itlia. Esse mercado externo vem crescendo 20% ao ano nos ltimos 3 anos, com a comercializao do aa concentrado em latas e com a popularizao da mistura com diversas outras frutas feitas em academias de ginstica. Futuramente, poder haver problemas com o registro da marca "aa", registrado em maro de 2001, tanto na Unio Europia como nos Estados Unidos da Amrica do Norte, que motivar pendengas judiciais e entraves comercializao. Como todo produto extrativo, difcil quantificar o volume ofertado de aa. A oferta brasileira est concentrada na Amaznia, especialmente no Estado do Par _ seu principal produtor, com 92% da oferta _ vindo em seguida o Maranho, Amap, Acre e Rondnia. A abertura de novos mercados tem contribudo para o aumento do dficit de matria-prima, principalmente na poca da entressafra. No Par, as microrregies Furos de Breves, Arari, Belm, Salgado, Camet e Guam, respondem por 97% da produo estadual, ou 119 mil toneladas. Em 2002, a microrregio Camet contribuiu com 77 mil toneladas. Por se tratar de um produto, cujo crescimento do mercado concorreu para o aumento dos nveis de preos, h necessidade de polticas pblicas que ampliem a oferta para atender os consumidores locais. Quanto aos preos do fruto na regio, h variaes importantes em funo, principalmente, da oferta local, da distncia do mercado consumidor e do tamanho desse mercado. A formao do preo se d no momento da chegada do intermedirio no local de comercializao. O preo de "abertura", o primeiro preo do dia, sempre o ltimo praticado no dia anterior. Com a chegada de barcos carregados de frutos esse preo comea a cair, dado o aumento da oferta. No Municpio de Igarap-Miri, no Par, em 2004, uma rasa de 28 kg custava R$ 12,00, mas poderia chegar a R$ 45,00 ou at R$ 60,00, na entressafra. O produtor tem um maior ou menor retorno financeiro de acordo com a distncia entre a sua propriedade e o mercado consumidor, em face do custo de transporte do produto at esse mercado.

Coeficientes tcnicos, custos, rendimentos e rentabilidadeAt a dcada de 1980, a explorao do aaizeiro (fruto, palmito e folhas) era feita somente de forma extrativa. A partir de 1990, o cultivo dessa palmcea na Regio Norte do pas, face ao aumento da demanda, experimentou sensvel crescimento, em razo de incentivos financeiros e disponibilizao de novas tcnicas de cultivo e manejo. O aaizeiro, por no ser espcie arbrea, no tem interesse para a indstria madeireira, mas de grande importncia para a preservao da floresta amaznica. Para o estabelecimento da cultura necessrio que o produtor rural conhea o custo de sua produo, para poder comparar com o preo de mercado e decidir pela manuteno ou no do plantio e da rea de explorao extrativa. A deciso de plantar culturas perenes, pela irreversibilidade da sua introduo ao sistema de cultivo, deve ser bem planejada. Os coeficientes tcnicos e rendimentos do cultivo e da explorao extrativa do aaizeiro, aqui tratados, foram extrados de trabalhos cientficos e teses defendidas por pesquisadores da Embrapa Amaznia Oriental e obtidos em viagens s regies maiores produtoras. Os custos de produo e a rentabilidade foram analisados com base no clculo dos seguintes indicadores financeiros: valor presente lquido, relao beneficio/custo e taxa interna de retorno. Os clculos foram executados em planilhas do programa Excel, atravs das seguintes frmulas:

onde: VPL= valor presente lquido; B/C= relao benefcio/custo; Bt = benefcio em cada ano do projeto; Ct = custo em cada ano do projeto; t = nmero de anos do projeto; i = taxa de desconto; e i* = taxa interna de retorno. O VPL o valor atual de uma sucesso futura de benefcios lquidos. calculado com base na aplicao de uma determinada taxa de desconto sobre os lucros financeiros da atividade, desde o momento futuro em que essa renda ou despesa ser realizada, at o presente. Quanto maior o VPL melhor ser o empreendimento.

Com a relao B/C podem ser comparados os diversos fluxos de benefcios e verificados se tem rentabilidade financeira. Quando a B/C igual a 1 indica o equilbrio ou equivalncia entre os benefcios e os custos. Quando for maior que 1, significa que os benefcios ultrapassam os custos, sendo a relao ideal para os proprietrios dos recursos produtivos. E quando a relao B/C menor que 1 indica que os custos so maiores que os benefcios. A TIR indica qual a taxa mxima de remunerao que o investimento paga como custo de oportunidade. Se a TIR maior que as taxas mdias de remunerao do capital que o mercado paga, ento o empreendimento vivel. Se for menor, convm investir em outras opes. Foi feita a anlise econmica dos trs sistemas de produo considerados neste estudo, foi calculado o benefcio lquido e o ponto de equilbrio para cada nvel de produo. O benefcio lquido a diferena entre as receitas e os custos de produo e o ponto de equilbrio mostra qual a quantidade mnima a ser produzida para que as receitas paguem os custos de produo. Tambm feito um resumo dos custos de cada sistema. Cultivo em rea de terra firme Os coeficientes tcnicos e os custos para a implantao de 1 hectare de aaizeiro para a produo de frutos em rea de terra firme, bem como para a sua manuteno a partir do 2 ano aps o plantio, constam da Tabela 6. Os dados dessa tabela mostram um fluxo de caixa bastante promissor. Foram estimados os benefcios lquidos do plantio at o 7 ano, quando tendem a se estabilizar.

Tabela 6. Custo de implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, para produo de frutos, em terra firme (R$). Discrimina Uni Pre 1 ano 2 ano 3 ano 4 ano 5 ano 6 ano 7 anoo Preparo da rea PlantioMarcao Abertura covas Adubao Plantio

d.d/h

o

Q

Valor

Q

Valor

Q

Valor

Q

Valor

Q

Valor

Q

Valor

Q

Valor

12,00 10 120,00

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

d/h d/h d/h d/h

12,00 1

12,00

12,00 10 120,00 12,00 1 12,00 1 12,00 12,00

Tratos culturaisRoagem Coroamento Desbaste d/h d/h d/h 12,00 8 12,00 4 12,00 12,00 3 12,00 1 3,00 96,00 48,00 36,00 12,00 8 4 1 3 2 96,00 8 48,00 4 12,00 1 36,00 3 24,00 2 96,00 8 48,00 4 12,00 1 36,00 3 24,00 2 72 96,00 8 48,00 4 12,00 1 36,00 3 24,00 2 16 108 96,00 8 48,00 4 12,00 1 36,00 3 24,00 2 321,0 151 0 96,00 48,00 12,00 36,00 24,00 8 4 1 3 2 96,00 48,00 12,00 36,00 24,00 606,00

Cobertura morta d/h Adubao Colheita d/h rasa1

153,00 202

IsumosPiquetes Adubos Calcrio Esterco Mudas Rasas de arum Total de custos mil kg mg m3 uma uma 10,0 1,30 0,25 0,4 4,00

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

20 180,0 234,0 240,0 312,0 240,0 312,0 240,0 312,0 240,0 240,0 260,00 312,00 312,00 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 10 25,00 0 70,00 2 70,00 2 70,00

35,00 2 0,50 2,50

70,00 2

70,00 2

70,00 2

70,00 2

42 210,00 0 1.037,0 0

-

520,0 0

-

598,0 0

-

826,5 0

-

939,5 0

-

1.073,5 0

-

1.234,0 0

1 rasa = 28 kg de frutos; Unid. = unidade; Q= quantidade; d/h = dias/homem; t= tonelada. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Os investimentos iniciais, sem considerar o custo da terra, que normalmente o produtor a possui recebida de herana de seus ascendentes, somam R$ 2.155,00, relativos aos gastos de implantao e manuteno nos 3 primeiros anos. J no 4 ano, quando tem incio a produo, a receita gerada supera os custos de manuteno em 4,5%, o mesmo ocorre nos anos subseqentes, quando essa margem de 38%, 69% e 96%, respectivamente para o 5, 6 e 7 anos. Dessa forma, o investimento feito nos 3 primeiros anos ser pago, com facilidade, at o 8 ano (Tabelas 7 e 8).

Tabela 7. Anlise econmica da implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, produo de frutos, em terra firme (R$). Perodos Produo Preo Valor da Custo Benefcio Ponto de (rasa)1 (A) produo total lquido equilbrio (B) (C) (B-C) (rasa) (C/A) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 72 108 151 202 202 202 202 202 1.037,00 (1.037,00) 520,00 598,00 826,50 939,50 (520,00) (598,00) 37,50 356,50 69 78 89 103 103 103 103 103

12,00 864,00 12,00 1.296,00 12,00 1.812,00 12,00 2.424,00 12,00 2.424,00 12,00 2.424,00 12,00 2.424,00 12,00 2.424,00

1.073,50 738,50 1.234,00 1.190,00 1.234,00 1.190,00 1.234,00 1.190,00 1.234,00 1.190,00 1.234,00 1.190,00

Ano 12 202 12,00 2.424,00 1.234,00 1.190,00 103 1 rasa = 28kg de frutos; valores entre parnteses so negativos Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Em reas onde for prolongado o perodo sem chuvas, recomendvel o uso de sistema de irrigao, principalmente na fase de implantao do cultivo. A adoo de sistema de irrigao contribuir, tambm, para a reduo dos perodos de entressafras e, para tanto, pode ser utilizada a irrigao por gotejamento, de baixo custo, adaptado na Embrapa Amaznia Oriental, mas que oneram o investimento em cerca de R$ 1.800,00 por hectare.

Tabela 8. Resumo do custo (R$) de implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, produo em terra firme. Perodos Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Mo obra 468,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 216,00 de Colheita 216,00 324,00 453,00 606,00 606,00 606,00 606,00 606,00 Insumos 569,00 304,00 382,00 394,50 399,50 404,50 412,00 412,00 412,00 412,00 412,00 412,00

Ano 12 216,00 606,00 Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Cultivo em rea de vrzea

Os coeficientes tcnicos e os custos de produo para implantao de 1 hectare de aaizeiro em rea de vrzea para a produo de frutos, bem como para a sua manuteno a partir do 2 ano aps o plantio, constam da Tabela 9. No h referncias aos custos com adubos, pois para essas condies de cultivo no h necessidade de prticas de adubao em razo da maior fertilidade desses solos. Foram estimados os benefcios lquidos do plantio at o 7 ano, quando tendem a se estabilizar. O fluxo de caixa do plantio tambm bastante promissor. Os investimentos iniciais, sem tambm considerar o custo da terra, somam R$ 1.666,00, relativos aos gastos de implantao e manuteno nos 3 primeiros anos. No 4 ano, quando iniciada a produo, a receita gerada supera os custos de manuteno em 98%, o mesmo ocorre nos anos subseqentes, quando essa margem de 188%, 222% e 241%, respectivamente para o 5, 6 e 7 anos. Dessa forma, o investimento feito nos 3 primeiros anos ser pago, com facilidade, at o 5 ano (Tabela 10). No cultivo em rea de vrzea no h abertura de cova padro, pois as dimenses necessrias so aquelas que permitam colocar o torro de terra para a preservao das razes da planta.

Tabela 9. Custo de implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, para produo de frutos, em rea de vrzea (R$). 1 ano 2 ano 3 ano 4 ano 5 ano 6 ano 7 anoDiscriminao Unid. Preo Preparo da rea PlantioMarcao Abertura covas Plantio Q d/h d/h d/h d/h 12,00 12,00 12,00 12,00 30 1 5 1 Valor 360,00 12,00 60,00 12,00 Q Valor Q Valor Q Valor Q Valor Q

Valor

Q

Valor

- - - -

-

-

- - - -

- - - -

- - - -

- - - -

Tratos culturaisRoagem Coroamento Desbaste Colheita d/h d/h d/h rasa1 12,00 12,00 12,00 3,00 24 6 288,00 72,00 24 288,00 16 6 1 72,00 12 1 192,00 16 192,00 8 12 6 1 72,00 12 96,00 8 96,00 8 96,00

- 1 12

- 1 12

- 1 12

72,00 216,00

- -

108 324,00 191 573,00

302 906,00

IsumosPiquetes Mudas Rasas de arum Total de custos mil uma uma 10,0 0,50 2,50 0,4 4,00 420 210,00 1.018,00

- - 372,00

-

276,00

- - 5 12,50 432,50

- - 7 17,50 449,50

- - 12 30,00 711,00

- - 19 47,50 1.061,50

1rasa = 28 kg de frutos; Unid. = unidade; Q= quantidade; d/h = dias/homem; t= tonelada. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

Tabela 10. Anlise econmica da implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, produo de frutos em rea de vrzea (R$). Perodos Produo Preo Valor da Custo Benefcio Ponto de (rasa)1 (A) produo total lquido equilbrio (B) (C) (B-C) (rasa) (C/A) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 72 108 191 302 302 302 302 302 12,00 864,00 1.018,00 (1.018,00) 372,00 276,00 432, 50 449, 50 711,00 (372,00) (276,00) 431, 50 846,50 1.581,00 36 37 59 88 88 88 88 88 88

12,00 2.292,00 12,00 1.812,00

12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50 12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50 12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50 12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50 12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50

Ano 12 302 12,00 3.624,00 1.061,50 2.562,50 1 rasa = 28kg de frutos Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

Com a taxa de desconto de 6% foram obtidos os seguintes ndices financeiros: TIR = 44,40%; VPL = R$ 9.448,65; e B/C = 2,48. Pelos clculos dos indicadores financeiros efetuados foi constatado que a TIR de 44,40% indica um retorno superior s taxas oferecidas pelo mercado para aplicaes financeiras; o valor presente lquido positivo, indicando a viabilidade econmica da atividade; e, a relao Benefcio/Custo maior que 1, demonstrando que os benefcios so 148% superiores aos custos de produo. Considerando o horizonte temporal de 12 anos e a estabilizao do plantio no 7 ano, quando a produo dever se manter estvel a partir da, outros indicadores econmicos vm confirmar a viabilidade do plantio: a) Margem de lucro: - Benefcio lquido acumulado / receita total acumulada = 63%

Mostra que o lucro lquido corresponde a mais de 60% do valor da receita total. - Benefcio lquido acumulado / custo total acumulado = 172% Mostra que o lucro lquido mais de 70% superior aos custos totais de produo. b) Rentabilidade: - Benefcio lquido acumulado / investimento inicial = 994% Mostra que o lucro lquido quase 10 vezes o valor dos investimentos feitos (gastos com implantao e manuteno at o 3 ano). Pelos dados da Tabela 11, pode ser constatado que a colheita o item de maior valor na composio do custo de produo, seguido dos gastos com mo-de-obra. Tabela 11. Resumo do custo (R$) de implantao e manuteno de 1 hectare de aaizeiro, produo de frutos em rea de vrzea. Perodos Mo de obra Colheita InsumosAno 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 804,00 372,00 276,00 204,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 216,00 324,00 573,00 906,00 906,00 906,00 906,00 906,00 906,00 214,00 12,50 17,50 30,00 47,50 47,50 47,50 47,50 47,50 47,50

Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Manejo de aaizais nativos Na composio dos custos foi considerado o manejo de 1 hectare de aaizal nativo com 800 plantas adultas, 900 estipes em produo e 2.700 cachos. Os coeficientes tcnicos e os custos de produo foram estimados at o 4 ano, quando tendem a se estabilizar, e os dados constam da Tabela 12.

No h investimento inicial no manejo, pois a produo inicia desde o 1o ano. Pelos dados da Tabela 13, pode ser observado que desde o 1 ano a atividade apresenta supervit no fluxo de caixa. At o 3 ano a receita superou o custo em 90%, 87% e 87%, respectivamente. A partir do 4 ano os custos e receitas tendem a se estabilizar a nveis altamente satisfatrios, tendo em vista que o manejo possibilita dobrar a produo de frutos a partir desse perodo. O supervit, a partir do 4 ano, foi de 198%, anualmente. Para a taxa de desconto de 6% foram obtidos os seguintes ndices financeiros: VPL = R$ 16.026,07; e B/C = 2,68. Pelos clculos dos indicadores financeiros efetuados foi observado que o valor presente lquido positivo, indicando a viabilidade econmica da atividade; e, a relao benefcio/custo maior que 1, demonstrando que os benefcios so 168% superiores aos custos de produo. Considerando o horizonte temporal de 12 anos e a estabilizao do plantio no 7 ano, quando a produo dever se manter estvel a partir da, a margem de lucro vem confirmar a viabilidade do plantio: Margem de lucro: - Benefcio lquido acumulado / receita total acumulada = 63% Mostra que o lucro lquido corresponde a mais de 60% do valor da receita total. - Benefcio lquido acumulado / custo total acumulado = 172% Mostra que o lucro lquido mais de 70% superior aos custos totais de produo. Os dados da Tabela 14, possibilitam constatar que a colheita o item de maior valor na composio do custo de produo, seguido dos gastos com mo-de-obra. Tabela 12. Produo, receita e custo de implementao e manuteno de 1 hectare de aaizal nativo manejado, em rea de vrzea para produo de frutos (R$). 1 ano 2 ano 3 ano 4 anoDiscriminao Unid. Preo d/h d/h d/h rasa1 d/h unid. Q Raleamento e roagem Transplantio de mudas Roagem semestral Colheita Desbaste Rasas de arum Total dos custos Valor Q Valor Q Valor Q Valor 12,00 30 360,00 12,00 3 36,00 12,00 40 480,00 40 480,00 40 3,00 151 453,00 151 453,00 151 453,00 151 12,00 7 84,00 1 84,00 1 84,00 1 2,50 9 22,50 9 22,50 9 22,50 9 955,50 967,50 967,50

480,00 453,00 84,00 22,50 1.215,00

1rasa = 28 kg de frutos; Unid. = unidade; Q= quantidade; d/h = dias/homem; t= tonelada. Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

Tabela 13. Anlise econmica da implementao e manuteno de 1 hectare de aaizal nativo, para produo de frutos em rea de vrzea (R$).Perodos Produo(rasa)1 Preo(A) Valor da produo(B)1.812,00 1.812,00 1.812,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00 3.624,00

Custo total (C)955,50 967,50 967,50 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00 1.215,00

Benefcio lquido (B-C)856,50 844,50 844,50 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00 2.049,00

Ponto de equilbrio(rasa) (C/A)79 80 80 101 101 101 101 101 101 101 101 101

Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12

151 151 151 302 302 302 302 302 302 302 302 302

12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00 12,00

1rasa = 28 kg de frutos Fonte: Embrapa Amaznia Oriental Tabela 14. Resumo de custo (R$) de implementao e manuteno de 1 hectare de aaizal nativo, para produo de frutos em rea de vrzea. Perodos Mo de obra Colheita InsumosAno 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 804,00 372,00 276,00 204,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 108,00 216,00 324,00 573,00 906,00 906,00 906,00 906,00 906,00 906,00 214,00 12,50 17,50 30,00 47,50 47,50 47,50 47,50 47,50 47,50

Fonte: Embrapa Amaznia Oriental

GLOSSRIOAaizal nativo: conjunto de plantas desta palmeira que vegetam em seu habitat natural formando adensamentos populacionais de vrias densidades. Acondicionamento: embalagem em recipientes adequados para a preservao das boas qualidades dos frutos ou sementes. Adesivo espalhante: produto usado em mistura com fungicidas, inseticidas, herbicidas e adubos lquidos, com vistas a minimizar as perdas dos mesmos pela ao de fatores externos (ex. chuvas). Aernquima: parnquima (tecido vegetal constitudo por clulas de membranas finas e no-lignificadas, que tm funo de armazenar produtos de reserva para a planta) com grandes espaos intercelulares aerferos. Possuem aernquima bem visvel muitas plantas aquticas submersas ou as palustres que desenvolvem alguns de seus rgos em meio pobre em oxignio. Algama: diz-se de plantas de fecundao cruzada, que consiste da unio de gametas de dois indivduos para a sua reproduo. Aminocidos: molculas orgnicas que contm pelo menos um grupamento amina (NH2) e um grupamento carboxila (COOH). Os aminocidos so os componentes das protenas. Anlise de sensibilidade: simulaes de situaes que podem ocorrer no mercado. Anatmicas: referem-se s formas e estruturas. A anatomia estuda a forma e a estrutura dos seres organizados. Anelamento: consiste da retirada, em forma de anel, de parte do crtex do caule da planta, com a finalidade de provocar a sua morte. Anxico: relativo a ambiente com deficincia de oxignio. Corresponde tambm deficincia de oxignio nos rgos ou nos tecidos vegetais. Antocianinas: pigmentos naturais de natureza glicosdica, pertencentes famlia dos flavonides, so as responsveis pela cor do aa. Nos animais tm a funo antioxidante e asseguram melhor circulao sangunea e protegem o organismo contra o acmulo de placas de gorduras, que podem levar a arteriosclerose nos humanos. rea do coroamento: rea em torno da planta ou da touceira que, normalmente, abrange a dois teros da projeo da coroa foliar, onde so distribudos os fertilizantes. Arranquo: ao dentro do controle de invasoras que consiste da eliminao, manual, de plantas indesejveis da rea de cultivo, puxando-as pela parte rea de modo a permitir, tambm, a retirada do sistema radicular.

Balano hdrico: a comparao entre a quantidade de gua recebida pelo ambiente, atravs das chuvas, com a quantidade perdida pela evapotranspirao. Batelada: quantidade de matria-prima utilizada num ciclo de processamento. Benefcios lquidos: diferena entre a receita e os custos de produo. Biodiversidade: total de genes, espcies (plantas, animais e microrganismos) e ecossistemas de uma regio. Bolores: denominao vulgar aos fungos que proliferam sobre a matria mida susceptvel fermentao. BPA: boas prticas agrcolas, constitudas de aes que promovem a melhoria das atividades de produo e a qualidade dos produtos agrcolas. BPF: boas de fabricao, conjunto de aes que promovem a melhoria das atividades de processamento e a qualidade do produto final. Branqueamento: Tratamento trmico aplicado em frutas e hortalias, com objetivo de retirar ar dos tecidos, inativar enzimas, facilitar a limpeza e, no caso de frutos do aaizeiro, o despolpamento. Calagem: operao de adubar ou corrigir a acidez do solo, para fins agrcolas, com a aplicao de cal. Cama de avirio: composto orgnico constitudo do substrato (serragem, maravalha ou casca de arroz) usado no piso dos avirios misturado com os dejetos das aves confinadas. Ciperceas: plantas monocotiledneas da famlia Ciperaceae, que se assemelham s gramneas, das quais diferem por possurem o caule trgono (formato triangular). Classificao de Kppen: estabelece os tipos climticos tropicais chuvosos (Afi, Ami e Awi), com base nas temperaturas mdias dos meses, que nunca so inferiores a 18 oC e as variaes do clima no tm vero ou inverno estacional. Clima Afi: as chuvas so relativamente abundantes durante todo o ano, e a altura das chuvas do ms mais pobre superior a 60 mm. Clima Ami: o regime pluviomtrico anual define uma estao relativamente seca, mas o total de chuvas suficiente para manter o perodo. Clima Awi: o regime pluviomtrico anual relativamente elevado, mas com ntida estao seca. Coleto: poro intermediria entre o caule e a raiz das plantas lenhosas ou, no caso das palmeiras, do estipe com a raiz.

Coliformes fecais: expresso pela qual so tambm conhecidas as bactrias do grupo da Escherichia coli. Colmos: tipo de caule comum s gramneas, com ntida diferenciao dos ns e dos entrens, como no bambu (Bambusa vulgaris e B. arundinacea) e a na cana-de-acar (Saccharum officinarum). Concentrado emulsionvel: mistura lquida heterognea constituda de duas ou mais fases, normalmente no miscveis entre si, mas que so mantidas em suspenso uma na outra, graas a uma forte agitao ou por emulsionantes que modificam a tenso superficial. Consistncia moldvel: a mistura dos componentes da massa permite moldar objetos de formas variadas. Controle biolgico: utilizao de inimigos naturais no controle de organismos prejudiciais s plantas, com vistas reduo ou eliminao do uso de produtos qumicos no combate a pragas e doenas. Crislidas: denominao tcnica pupa (fase nos insetos de metamorfose completa, que se inicia aps o estdio de larva e precedida da forma definitiva do inseto _ ex. borboletas). Desidratado por atomizao: desidratao em equipamento conhecido como "spray dryer". Despolpamento: remoo da polpa ou mesocarpo do fruto do aaizeiro. Draga: ferramenta agrcola que serve para abrir covas para o plantio. Edfico: relativo constituio fsico-qumica do solo. Eluviao: remoo de material, em suspenso ou em soluo, de qualquer horizonte ou camada do solo. Emergncia da plntula: exteriorizao do processo de germinao da semente de aaizeiro. Empupar: corresponde fase em que os insetos de metamorfose completa iniciam o estdio de pupa. Endocarpo: parte interna do fruto que, no caso do fruto do aaizeiro, corresponde semente. Epicarpo: parte externa dos frutos que corresponde, no caso de frutos do aaizeiro casca. Escalador: operrio que realiza a colheita de cachos de frutos de aaizeiro.

Esclerificada: corresponde a tecidos resistentes que confere rigidez ou dureza, como no caso da cabea do inseto conhecido como broca-do-estipe. Espiral em forma de rodilha: enrolado com o formato de rosca. Estipe: caule das palmeiras. Estresse hdrico: reaes das plantas a agresses provocadas pelo dficit de disponibilidade, em quantidade suficiente, de gua no solo. Evapotranspirao: perdas de gua pela sua transformao em vapor, como a evaporao de gua do solo ou transpirao, que corresponde eliminao de gua pelos seres vivos. Fitossanitrio: corresponde ao aspecto sanitrio de um vegetal relativo ocorrncia de insetos-pragas e doenas. Fitoterpicos: produtos extrados de plantas que se prestam para o tratamento de doenas dos animais e do homem. Fixao simbitica: ato que resulta da relao harmnica entre seres diferentes para a fixao do nitrognio atmosfrico, realizada por microrganismos diazotrficos (ex. micorriza _ associao ntima da raiz de uma planta superior e o miclio de um fungo especializado). Fluxo de caixa: demonstrativo das despesas e das receitas geradas com o plantio. Folhas carcomidas: diz-se de folhas rodas ou corrodas. FTE (Fritted Trace Elements): so silicatos modos que contm misturas de micronutrientes (ferro, boro, cobre, zinco e mangans). Gases liquefeitos: gs que se reduz ao estado lquido em contato com o ar (ex. brometo de metila). Germoplasma: so indivduos que guardam as informaes genticas de diferentes ecotipos de aaizeiro, coletados nos centros de disperso natural das espcies. Horizontes genticos: referem-se s camadas que do origem ao solo, formando uma seqncia, chamada perfil. i.a.: ingrediente ativo. Larva: estdio imaturo de inseto, que sucede ao embrio, aps a sada do ovo, e antecede o estdio de pupa. Lenticelas: certas protuberncias visveis a olho nu, com abertura no formato de uma lentilha, que se abrem e fecham e so utilizadas pelas plantas para realizar as trocas gasosas.

Leveduras: so fungos responsveis pela fermentao, como a que ocorre nos frutos do aaizeiro. Lipdeos: so compostos orgnicos constitudos por steres de cidos graxos com lcoois. Mesocarpo ou polpa: parte interna comestvel do fruto do aaizeiro, situada entre o epicarpo e o endocarpo. Microrganismos: organismos visveis com o auxlio de microscpios. Microrganismos termfilos: microrganismos resistentes a temperaturas elevadas ou que se prolifera em ambientes muito quentes. Mix: formulaes em que o aa comercializado em mistura com xarope de guaran, banana e outras frutas frescas, secas ou cristalizadas. Mondas: eliminar as ervas invasoras com as mos. realizada, normalmente, em pequenas reas, como em viveiros. Monoinsaturado: dir-se do leo que contm cido graxo com uma dupla ligao (CH=CH). Morfolgica: refere-se s formas. Parte da Biologia que estuda a forma dos vegetais e animais. Ninfas: estdio pr-adulto dos insetos que no empupam. Nitrognio atmosfrico: nitrognio que faz parte da constituio do ar ou da atmosfera terrestre. NPK: smbolos qumicos dos nutrientes Nitrognio (N), Fsforo (P) e Potssio (K). Oscilaes: variaes, alteraes do mercado. Peconha: adereo usado nos ps do escalador de algumas palmeiras, normalmente confeccionada com folhas do aaizeiro ou outra palmeira, que facilita a subida no estipe da planta. Perecibilidade: est associada fermentao do aa, seja em prateleira ou sob refrigerao. Perfilhos: emisso de novas plantas, por propagao vegetativa, na base da touceira de aaizeiro. Peroxidase: enzima de ativao intracelular que decompe a gua oxigenada (H2O2) em gua (H2O) e oxignio (O2).

pH: uma escala para medir o potencial de hidrognio e serve para indicar o nvel de acidez ou alcalinidade das substncias. O pH medido em uma escala que vai de 0 a 7 para indicar acidez e de 7 a 14 para indicar alcalinidade. Quanto menor o pH, mais cido o solo. Quanto mais prximo de 7 o pH do solo, mais esse tende a ser neutro. Plantas clorticas: diz-se de plantas com folhas com tonalidade amarelada, pelas deficincias de nutrientes. Pluviosidade: refere-se intensidade de chuvas que ocorrem em determinada regio. Polifenoloxidase: enzima que pode estar associada degradao ou fermentao do aa. Poliinsaturados: dir-se do leo que contm cido graxos com muitas insaturaes. Polinizao aberta ou cruzada: quando o plen produzido em uma flor transportado para o estigma de uma flor de um outro indivduo da mesma espcie (alogamia). P-molhvel: forma de apresentao de defensivos agrcolas, que se dissolve em gua, soluo ou outro solvente. Propagao por via assexuada: tipo de propagao ou reproduo encontrada em vegetais, onde no h a participao dos rgos sexuais (flores), como ocorre com os perfilhos do aaizeiro. Propagao sexuada: tipo de propagao ou reproduo encontrada nos seres vivos onde h participao dos rgos sexuais (ex. germinao de sementes). Propriedades organolpticas: referem-se aos alimentos que esto em condies adequadas para serem ingeridos. Qualidade sensorial: conjunto de caractersticas relativas ao uso dos rgos dos sentidos que diferencia um produto. Importante na determinao do grau de aceitao do produto pelo consumidor. Quincncio: tipo de arranjo de plantas no campo, que espaadas entre si formam tringulos com lados iguais (eqiltero). Ramos laterais ou plagiotrpicos: ramificaes primrias ou secundrias do caule de uma planta. Rquilas: eixos primrios das inflorescncias. No caso especfico do aaizeiro, so os ramos do cacho onde se fixam os frutos. Rasa: espcie de paneiro muito usada no acondicionamento no transporte de frutos do aaizeiro. Refino: submeter o produto obtido pelo processamento a tratamentos que melhorem a sua qualidade microbiolgica (ex. pasteurizao).

Ribeirinhos: moradores das margens dos rios que, normalmente, vivem de atividades extrativistas. Salmonelas: so bactrias do gnero Salmonella, que depreciam a qualidade dos alimentos e so responsveis pela ocorrncia de doenas no homem (ex. febre tifide, febres paratifides dos tipos A, B, e C, e gastroenterites infecciosas). Seleo fenotpica: seleo de plantas com base no seu fentipo (aparncia geral do indivduo em face da sua constituio gentica (gentipo) e das influncias do meio). Seleo massal: mtodo de seleo dirigida, com coleta de sementes de indivduos de uma determinada populao, que expressam uma ou mais caractersticas desejveis (ex. alto rendimento, resistncia a doenas) para serem plantadas em safras subseqentes, at a obteno de indivduos que obtiveram gradual deslocamento na freqncia relativa de uma ou mais caractersticas de uma populao de plantas da mesma espcie. Semente recalcitrante: diz-se daquelas que no suportam a secagem e nem o armazenamento a temperaturas abaixo de 15 oC. Spalas: peas constituintes das flores, originadas de folhas modificadas, normalmente de colorao verde. Solos concrecionrios: so solos laterticos que possuem, no perfil, nodulaes endurecidas, normalmente de colorao avermelhadas, amareladas e violceas, denominadas de concrees laterticas ou piarra. Solos hidromrficos: so solos de reas planas, baixas, de formao sedimentar recente, que margeiam os rios. Solos latosslicos: so solos formados pelo processo de lavagem e eluviao da slica e bases, resultando em solo com elevada concentrao de sesquixidos de ferro e alumnio. Sombrite: malha tecida com fios de polietileno usada para cobertura de pr-viveiros e viveiros e confeces de telados. Existem diferentes tipos de malhas que reduzem a passagem de luz e dos raios solares. Substrato: material de constituio diversa (ex. vermiculita, terra preta, areia lavada, serragem curtida etc.) utilizado no preenchimento de sementeiras ou sacos usados na produo de mudas, que oferece as condies satisfatrias para a germinao, desenvolvimento, e fixao de plntulas e mudas. Sujidades: so materiais indesejveis encontrados na rea de cultivo como no produto colhido, oriundos da prpria cultura ou no. Tecido endospermtico: tecido que forma o endosperma ou albume, que envolve o embrio de algumas sementes.

Termorresistente: refere-se s enzimas que so capazes de sobreviver a tratamentos trmicos elevados, com perdas de suas atividades, mas sem inativao total. Tm como caracterstica a capacidade de regenerao ao encontrar as condies trmicas favorveis ao seu crescimento. Toalete: consiste da eliminao de folhas secas e do amarrio das folhas em torno da flecha do aaizeiro. Transformaes antrpicas: transformaes provocadas pela atividade humana. Unidade pedogentica: denominao de unidade de solo de acordo com os processos de sua formao. Vagoneta: espcie de caamba usada na coleta de frutos do aaizeiro que se deslocam sobre trilhos. Valor calrico: corresponde ao valor total de energia (kcal) fornecido pelos macronutrientes (carboidratos, lipdios e protenas) que constituem o alimento. Vermiculita: um silicato composto predominantemente de ferro, alumnio e clcio de larga, usada como substrato nas pesquisas de germinao de sementes. Vetor: agente transmissor de um organismo para determinado hospedeiro vegetal ou animal. Viveiro: lugar onde se semeiam os vegetais e no qual permanecem at as mudas alcanarem o estdio ideal para serem levadas para plantio no local definitivo.

Referncias

ANDERSON, A.B.; IORIS, E.M. Valuing the rain forest: economic strategies by smallscale forest extractivists in the Amazon estuary. Human Ecology, New York, v.20, n. 3, p. 337-369, 1992. ANDERSON, A.B.; JARDIM, M.A.G. Cost and benefits of floodplain forest management by rural inhabitants in the Amazon Estuary: a case study of aa palm production. In: BROWDER, J.O. (Ed.). Fragile lands of Latin America-Strategies for sustainable development. Colorado: University of Tulane, 1989. p.114-129. BASTOS, T.X. O estado atual dos conhecimentos das condies climticas da Amaznia brasileira. In: Instituto de Pesquisa Agropecuria do Norte (Belm, PA). Zoneamento agrcola da Amaznia: 1a aproximao. Belm, PA, 1972, p.68-122. (IPEAN. Boletim Tcnico, 54). BASTOS, T. X.; ROCHA, E. J. P. da; ROLIM, P.A.M.; DINIZ, T. D. de A. S.; SANTOS, E. C. R. dos; NOBRE, R. A. A.; CUTRIM, E. M. C.; MENDONA, R. L. D. de. O estado atual dos conhecimentos de clima da Amaznia brasileira com finalidade agrcola. In: SIMPSIO DO TRPICO MIDO, 1., 1984, Belm, PA. Anais... Belm, PA: Embrapa- CPATU, 1986. v.1, p. 19-36. (Embrapa-CPATU. Documentos, 36). BONDAR, G. Insetos nocivos e molstias do coqueiro (Cocos nucifera L.) no Brasil. Salvador: Tip. Naval, 1940. 156p. BRONDIZIO, E. S.; MORAN, E. F.; MAUSEL, P.; WU, Y. Dinmica da vegetao do Baixo Amazonas: anlise temporal do uso da terra integrando imagens Landsat TM, levantamentos florstico e etnogrfico. In: Simpsio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 7., 1993, Curitiba. Anais... Curitiba: SBSR, 1993. BRONDIZIO, E. S.; MORAN, E. F.; MAUSEL, P.; WU, Y. Land use change in the Amazon estuary: patterns of caboclo settlement and landscape management. Human Ecology,New York, v 22, n. 3, p.249-278, 1994. BULLOCK, S.M. The demography of an undergrowth palm in littoral Cameroun. Biotropica, Lawrence, v.12, n. 4, p. 247-255, 1980. CALZAVARA, B.B.G. As possibilidades do aaizeiro no esturio amaznico. 1976. p. 165-207. Trabalho apresentado no Simpsio Internacional sobre Plantas de interes economico del flora amaznica - IICA, Turrialba (Costa Rica), 1976. Editado por C. Villegas. CALZAVARA, B. B. G. As possibilidades do aaizeiro no esturio amaznico. Belm, PA: FCAP, 1972. 103 p. (FCAP. Boletim, 5).

CARVALHO, J.E.U. de; NASCIMENTO, W. M. O. do; MLLER, C. H. Caractersticas fsicas e de germinao de sementes de espcies frutferas nativas da Amaznia. Belm, PA: Embapa-CPATU, 1998. 18p. (Embrapa-CPATU. Boletim de Pesquisa, 203). CHITARRA, M. I. F. Ps-colheita de frutos e hortalias: fisiologia e manuseio. Lavras: ESAL/FAEPE, 1990. 320 p. COSTA, A. C. A.; SOUZA, C. B. de; BASTOS, L. M. P.; FROTA, M. I. da; FERREIRA, R. M.; DIAS, S. da F. Projeto palmito de aa Ltda. 2. ed. Belm, PA: IDESP, 1973. 283p. COSTA, M. F.; LOUREIRO, M. R. C.; ALBUQUERQUE, C. R. A. de; AMARAL FILHO, Z. P. do. Perspectivas para o aproveitamento integral da palmeira do aa. Belm, PA: IDESP, 1974 (IDESP. Srie Monografias, n. 14). DELLA LCIA, T. M. C. As formigas cortadeiras. Viosa, MG: Folha de Viosa, 1993. 262p. FALESI, I. C. Estado atual de conhecimento de solos da Amaznia brasileira. In: SIMPSIO DO TRPICO MIDO, 1., 1984, Belm,PA. Anais... Belm, PA: Embrapa-CPATU. 1986. v.1, p. 168-191. (EmbrapA-CPATU. Documentos, 36). FALESI, I. C. O estado atual dos conhecimentos sobre os solos da Amaznia brasileira. In: Instituto de Pesquisa Agropecuria do Norte (Belm, PA). Zoneamento agrcola da Amaznia: 1a aproximao. Belm, PA, 1972, p. 17-67. (IPEAN. Boletim Tcnico, 54). FERREIRA, J. M. S.; LEAL, E. C. Susceptibilidade da lagarta-da-folha-do-coqueiro, Brassolis sophorae L. (Lepidoptera: Brassolidae) ao fungo Beauveria brongniartii. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA E ENCONTRO SOBRE MOSCA-DAS-FRUTAS, 12., 1989, Belo Horizonte. Resumos... Belo Horizonte: SEB, 1989. p.253. FERREIRA, J. M. S.; LIMA, M. F.; SANTANA, D. L. de Q.; MOURA, J. I. L.; SOUZA, L. A. de. Pragas do coqueiro. In: FERREIRA, J.M.S.; WARWICK, D.R.N.; SIQUEIRA, L.A. (Eds.). A cultura do coqueiro no Brasil. 2. ed. rev. ampl. Braslia, DF: Embrapa-SPI/: Embrapa-CPACT, 1998. p.189-267. GALLO, D.; NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.;CARVALHO, R. P. L.; BATISTA, G. C. de.; BERTI FILHO, E.; PARRA, J. R. P.; ZUCCHI, R. A.; ALVES, S. B.;VENDRAMIN, J. D. Manual de entomologia agrcola. 2. ed. rev. ampl. So Paulo: Agronmica Ceres, 1988. p. 649. GENTY, P.; DESMIER DE CHENON, R; MORIN, J.P; KORKITKOWSKI, C.A. Les ravageurs du palmier a huile en Amrique Latine. Olagineux, Paris, v.33, n.7, p.352353, 1978.

KORKITKOWSKI, C.A.; RUIZ, E.R. Estado actual de las plagas de palma aceitera (Elaeis guineensis Jacquin) en Tananta (Huallaga central, San Martin, Peru). Revista Peruana de Entomologia, Lima, v.22, n.1, p.17-20, 1979a. KORKYTKOWSKI, C.A.; RUIZ, E.R. El barreno de los racimos de la palma aceitera, Castnia daedalus (Cramer), Lepidopt: Castniidae, en la plantacion de Tocache-Peru. Revista Peruana de Entomologia, Lima, v.22, n.1, p.49-53, 1979b. LEPESME, P. Les insectes des palmiers. Paris: Paul Lechevalier, 1947. 904p. LEVER, R.J.A.W. Pest of the coconut palm. Rome: FAO, 1969. 190p. LINS, P. M. P.; SOUZA, L. A.; MLLER, A. A.; SILVA, A. de B.; OHASHI, O. S. Avaliao de resduos de carbosulfan em frutos de coqueiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA 17.; ENCONTRO NACIONAL DE FITOSSANITARISTAS, 8., 1998, Rio de janeiro. Resumos... Rio de Janeiro: SEB, 1998. p. 655. MELO, C. F. M. de ; BARBOSA, W. C.; ALVES, S. de M. Obteno de aa desidratado. Belm,PA: Embrapa-CPATU, 1988. 13p. (Embrapa-CPATU. Boletim de Pesquisa, 92). MELO, C. F. M. de; WISNIEWSKI, A.; ALVES, S. de M. Possibilidades papeleiras do aaizeiro. Belm, PA: IPEAN, 1974. p.1-34. (IPEAN. Boletim Tcnico do IPEAN, 63) NASCIMENTO, C. N. B. do; HOMMA, A. K. O. Amaznia: meio ambiente e tecnologia agrcola. Belm, PA: Embrapa-CPATU, 1984. 282p. NAZAR, T. F. R. de; RIBEIRO, G. de J. F. Anlise quantitativa dos teores de corantes em frutos de aaizeiro. Belm, PA: Embrapa-CPATU, 1998, 18p. (Embrapa-CPATU. Boletim de Pesquisa, 210). NOGUEIRA, O. L. Regenerao, manejo e explorao de aaizais nativos de vrzea do esturio amaznico. Belm, PA: UFPa, 1997. 149p. (Tese Doutorado). NOGUEIRA, O. L.; HOMMA, A. K. O. A importncia do manejo de recursos extrativos em aumentar o "carrying capacity": o caso do aaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) no esturio amaznico. POEMAtropic, Belm, PA, v. 2, p.31-35, 1998. OHASHI, O. S.; SILVA, A. de B.; Souza, L. A.; MLLER, A. A.; LINS, P. M. P. Avaliao de resduos de carbosulfan em frutos de coqueiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 17.; ENCONTRO NACIONAL DE FITOSSANITARISTAS, 8., 1998, Rio de janeiro. Resumos... Rio de Janeiro: SEB, 1998. p.446. OLIVEIRA, M. do S. P. de; CARVALHO, J. E. U. de; NASCIMENTO, W. M. O. do. Aa (Euterpe oleracea Mart.) Jaboticabal: FUNEP, 2000. 51 p.

OLIVEIRA JNIOR., P. H. B. de; NASCIMENTO, M. J. M. Os trabalhadores rurais de Gurup (PA) em busca de alternativas econmicas: as estratgias e o mercado do palmito em conserva paraense. Reforma Agrria, Campinas, v. 21, n. 3, p.91-120, 1992. POLLAK, H.; MATTOS, M.; UHL, C. A profile of palm heart extraction in the Amazon estuary. Human Ecology, New York, v. 23, n. 3, p.357-385, 1995. RAY, B.K. Brassolis sophorae and Castnia daedalus chemical control of these major pest of coconut in Guyana. Journal of Economic Entomology, College Park _ MD, v.66, n.1, p.177-180, 1973. REIS, A.; REIS, M.S.; FANTINI, A.C. Manejo de rendimento sustentado de Euterpe edulis. So Paulo: USP, 1993. 59f. Mimeografado. RISCO, S. H. Castnia daedalus (Cramer, 1775) nova e perigosa praga nos coqueirais do projeto Sococo (Moju-PA). Moju: Sococo, 1996. 4p. Relatrio de consultoria apresentado em 18 de abril de 1996. ROGEZ, H. Aa: preparo, composio e melhoramento da conservao. Belm, PA: EDUFPA, 2000. 313p. SCHUILLING, M.; DINTHER, J. B. M. van. Ecology and control of Castnia daedalus, a major pest of oil palm in Brazil. Zeitschrift fr angewandte Entomologie, Hamburg, v.90, n.2, p.161-174, 1980. SILVA, A. G. da; GONALVES, C. R.; GALVO, de M.; GONALVES, A. J. I.; GOMES, J.; SILVA, M.;SIMONI, L. de. Quarto catlogo dos insetos que vivem nas plantas do Brasil: seus parasitas e predadores. Rio de Janeiro: Servio de Defesa Vegetal, 1968. t.II, 1622p. SILVA, A. de B.; MLLER, A. A.; SOUZA, L. A. de; OHASHI, O. S.; PAULO, R. B. Avaliao de iscas e armadilhas para captura de Rhynchophorus palmarum em dendezais. Belm, PA: Embrapa-CPATU, 1998. 18p. (Embrapa-CPATU. Boletim de Pesquisa, 200). SIST, P. Stratgies de rgnration de quelquer palmiers en fort guyanaise. Paris: Universit de Paris, 1989. 297p. SOUZA, L. A.; SILVA, A. de B.; MLLER, A. A.; LINS, P. M. P.; OHASHI, O. S. Teste de inseticidas para o controle de Eupalamides dedalus (Castnia) em coqueiros. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA 17.; ENCONTRO NACIONAL DE FITOSSANITARISTAS, 8., 1998, Rio de Janeiro. Resumos... Rio de Janeiro: SEB, 1998. p.447. TINOCO, A. C. Aa amaznico: novas perspectivas de negcio. Belm, PA: Embrapa Amaznia Oriental, 2005. 1 CD-ROM. Trabalho apresentado no Workshop Regional do Aaizeiro: pesquisa, produo e comercializao, Belm, PA, 2005.