LNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Texto 1 ? 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21: ... do

  • Published on
    09-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 1 LNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 Texto 1 Sotaques no papel Feitos sem pretenso cientfica, dicionrios informais exploram as falas tpicas de estados brasileiros Em suas viagens para casa, de Braslia ao Piau, o jornalista Paulo Jos Cunha, de 57 anos, gosta de puxar uma cadeira e ouvir as histrias de dona Yara, sua me. Desses momentos familiares, o professor da Universidade Federal de Braslia (UnB) coletou grande parte dos verbetes e expresses tipicamente piauienses que deram origem Grande Enciclopdia Internacional de Piauis. O cirurgio vascular paraibano Antonio Soares da Fonseca Jr., de 61 anos, autor do Dicionrio do Portugus Nordestino, conta que primeiro escolhia aleatoriamente algum destino entre Rio Grande do Norte e Sergipe. Depois de pegar um avio de So Paulo, sentava na primeira mesa de boteco da regio e chamava o primeiro que passava para dividir uma cerveja. A era ligar o gravador e registrar o papo carregado de expresses, como o substantivo lapada (pancada), o verbo cascavilhar (procurar minuciosamente), a profisso capagato (tcnico agrcola) e a aprendiz de interjeio pronto (quando olhei, pronto!, tudo havia acabado). nesse ambiente informal de pesquisa emprica que a maioria dos dicionrios regionais concebida. Sem o peso da responsabilidade de seguir as metodologias exigidas pela academia, esses trabalhos so marcados pela despretenso e pelo bom humor. [...] De to encantado com o falar do catarinense, o comerciante, taxista e escritor Isaque de Borba Corra, de 47 anos, um autodidata em lingustica. Nada parecido com o Isaque que em 1981 lanou o Dicionrio do Papa-Siri, com expresses tpicas da regio de Cambori e do Vale do Itaja. Ele conta que tinha vergonha de dizer que estava montando um livro naqueles moldes. Hoje, termos como dialetologia (estudo dos traos lingusticos dos dialetos) e idiotismos (traos que mais caracterizam uma lngua em relao a outras que lhe so cognatas) so rotina na vida do autor que, em 2000, lanou uma obra mais evoluda, segundo sua avaliao: o Dicionrio Catarinense. [...] O trabalho desenvolvido pelos apaixonados por regionalismos visto com ressalvas pelos lexicgrafos profissionais. Mesmo o termo dicionrio para identificar as obras contestado, por exemplo, pelo lexicgrafo Francisco da Silva Borba, organizador do Dicionrio Unesp do Portugus Contemporneo, que rene cerca de 60 mil verbetes. Esses trabalhos so, na verdade, vocabulrios. o recolhimento de palavras de determinada regio explica. [...] Eles podem, assim, induzir a erro e oficializar verses equivocadas analisa o lexicgrafo Francisco Filipak, autor do Dicionrio Sociolingustico do Paran [...]. Diferentemente dos demais vocabulrios regionais, o de Filipak concebido como um dicionrio, de fato. Aps 30 anos de pesquisa, catalogao e seleo, ele reuniu os 6 mil verbetes que compem o estudo de 400 pginas. Seguindo risca a metodologia dos grandes dicionrios do pas, Filipak incluiu todas as designaes de cada verbete, citando suas variaes vocabulares tpicas s daquela regio. Hoje, com 83 anos, diz desconhecer outro dicionrio regional que tenha se guiado pelo mesmo rigor metodolgico. [...] Mesmo sendo de autores diletantes, os dicionrios regionais so valorizados pelos pesquisadores que formulam obras consagradas. Todos constam das prateleiras das equipes que atualizam os maiores dicionrios da lngua. BONINO, Rachel. Sotaques no papel. Lngua Portuguesa, ano II, n. 27, p. 18-21. [Adaptado] COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 2 Questo 01 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S) com relao aos fatos de linguagem do texto 1. 01. O uso das aspas em dicionrios (subttulo), dialetologia (linha 22) e idiotismos (linha 23) serve para indicar ironia, discordncia da autora em relao ao valor que outros atribuem aos termos. 02. A classificao elaborada por Antonio Soares da Fonseca Jr. (linhas 11 e 12), alm de informal, equivocada, porque o termo lapada seria mais bem enquadrado como verbo do que como substantivo e porque no existe uma classe dos aprendizes de interjeio. 04. O ttulo Grande Enciclopdia Internacional de Piauis (linhas 4-5), dado ao dicionrio elaborado por Paulo Jos Cunha, revela ao leitor a grande abrangncia e seriedade do trabalho dos lexicgrafos amadores. 08. O emprego dos termos informais boteco (linha 9) e papo (linha 10), que destoa um pouco do restante do texto, marcado pelo uso da variedade culta escrita, pode ser explicado em parte como reflexo do prprio assunto tratado, a informalidade com que Antonio Soares da Fonseca Jr. colhe dados para seu dicionrio. 16. O adjetivo diletantes (linha 43) funciona no texto como sinnimo de profissionais (linha 28), uma vez que o texto aproxima o trabalho dos autores diletantes, apaixonados por regionalismos, ao dos lexicgrafos profissionais. 32. As expresses de fato (linha 37), risca (linha 38), grandes dicionrios do pas (linha 39) e rigor metodolgico (linha 41), assim como a informao de que o dicionrio de Filipak consumiu 30 anos de pesquisa, catalogao e seleo (linha 37), servem ao mesmo fim argumentativo, que dar ao leitor uma impresso de solidez cientfica dessa obra. Questo 02 Com base no texto 1, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. O valor dos dicionrios regionais advm do seu carter emprico, isto , da relativa falta de rigor metodolgico com que so elaborados. 02. O trabalho dos dicionaristas diletantes, apesar de ser largamente emprico e no seguir mtodos cientficos rgidos, de algum interesse para os lexicgrafos profissionais. 04. O relato sobre Isaque de Borba Corra confirma o fato de que os dicionaristas regionais desenvolvem seu trabalho de forma emprica, sem buscar conhecimentos cientficos que o embasem. 08. Em seu trabalho de dicionarista, Antonio Soares da Fonseca Jr. obedece a certo rigor cientfico, porque escolhe o lugar onde far a pesquisa, o informante e o tpico da conversao. 16. Devido aos cuidados metodolgicos empregados em sua composio, o Dicionrio Sociolingustico do Paran no pode ser considerado mera obra emprica de pesquisador diletante. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 3 Questo 03 Com base no texto 1, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Observa-se que, nas linhas 29 e 35, quando o nome de um pesquisador introduzido no texto, segue-se um aposto, separado do restante do texto por vrgula(s), conforme previsto nas regras de pontuao. 02. O trecho traos que mais caracterizam uma lngua em relao a outras que lhe so cognatas (linhas 23-24) poderia ser reescrito como traos que mais caracterizam uma lngua em relao a outras que so cognatas delas, sem prejuzo ao sentido do texto. 04. No trecho Eles podem, assim, induzir a erro [...] (linha 34), se a palavra erro fosse substituda por falha, seria necessrio escrever Eles podem, assim, induzir falha [...], porque a presena do substantivo feminino implicaria uma crase, nesse contexto. 08. No trecho [...] ele reuniu os 6 mil verbetes que compem o estudo de 400 pginas (linhas 37-38), o pronome relativo que poderia ser substitudo por cujos, caso se desejasse um estilo mais formal. 16. Se seguidas risca as regras de colocao pronominal previstas na norma padro, o pronome se deveria aparecer anteposto ao verbo tenha em [...] diz desconhecer outro dicionrio regional que tenha se guiado pelo mesmo rigor metodolgico (linhas 40-41). 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Texto 2 Este ltimo passo acabou de desorientar completamente o Leonardo: ainda bem no tinham expirado as ltimas notas do canto, e j, passando-lhe rpido pela mente um turbilho de idias, admirava-se ele de como que havia podido inclinar-se por um s instante a Luisinha, menina sensaborona e esquisita, quando haviam no mundo mulheres como Vidinha. Decididamente estava apaixonado por esta ltima. O leitor no se deve admirar disto, pois no temos cessado de repetir-lhe que o Leonardo herdara de seu pai aquela grande cpia de fluido amoroso que era a sua principal caracterstica. Com esta herana parece porm que tinha ele tido tambm uma outra, e era a de lhe sobrevir sempre uma contrariedade em casos semelhantes. Jos Manuel fora a primeira; vejamos agora qual era, ou antes quem era a segunda. Se o leitor pensou no que h pouco dissemos, isto , que naquela famlia haviam trs primos e trs primas, e se agora acrescentarmos que moravam todos juntos, deve ter cismado alguma coisa a respeito. Trs primos e trs primas, morando na mesma casa, todos moos... no h nada mais natural; um primo para cada prima, e est tudo arranjado. Cumpre porm ainda observar que o amigo do Leonardo tomara conta de uma das primas, e que deste modo vinha a haver trs primos para duas primas, isto , o excesso de um primo. vista disto o negcio j se torna mais complicado. Pois para encurtar razo, saiba-se que haviam dois primos pretendentes a uma s prima, e essa era Vidinha, a mais bonita de todas; saiba-se mais que um era atendido e outro desprezado: logo, o amigo Leonardo ter desta vez de lutar com duas contrariedades em vez de uma. ALMEIDA, M. A. Memrias de um sargento de milcias. 24. ed. So Paulo: tica, 1995. p. 101-102. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 4 Questo 04 Com base no texto 2, na leitura do romance Memrias de um sargento de milcias e no contexto do Romantismo brasileiro, marque a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Da mesma forma que em outros romances romnticos, temos em Memrias de um sargento de milcias a figura do heri idealizado, apresentado como um homem puro, corajoso e de princpios morais elevados. 02. Uma importante caracterstica romntica, o final feliz, no se verifica em Memrias de um sargento de milcias, uma vez que Luisinha casa com Jos Manuel, e Leonardo acaba sozinho. Por outro lado, a histria cumpre risca o projeto romntico no que diz respeito crtica que faz falsa moral da burguesia. 04. O texto 2 sugere a inconstncia dos amores de Leonardo apresentada ao longo do romance: o rapaz, que antes sofria por amor a Luisinha, apaixona-se por Vidinha logo aps conhec-la. Pouco depois, tem um relacionamento com a amante do Toma-largura. Por fim, casa-se com Luisinha. 08. Caso a orao reduzida de infinitivo a de lhe sobrevir sempre uma contrariedade em casos semelhantes (linhas 9-10) fosse reescrita como uma orao desenvolvida, teramos a de que lhe sobrevinha sempre uma contrariedade em casos semelhantes. 16. No trecho Jos Manuel fora a primeira (linhas 10-11), temos um desvio na concordncia nominal, porque o adjetivo primeira deveria estar no masculino, de forma a concordar com Jos Manuel. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Texto 3 8. FRAQUE DO ATEU Sa de D. Matilde porque marmanjo no podia continuar na classe com meninas. Matricularam-me na escola modelo das tiras de quadros nas paredes alvas escadarias e um cheiro de limpeza. Professora magrinha e recreio alegre comeou a aula da tarde um bigode de arame espetado no grande professor Seu Carvalho. No silncio tique-taque da sala de jantar informei mame que no havia Deus porque Deus era a natureza. Nunca mais vi o Seu Carvalho que foi para o Inferno. [...] 27. FRIAS Dezembro deu luz das salas enceradas de tia Gabriela as trs moas primas de culos bem falados. Pantico norte-americava. E minha me entre mdicos num leito de crise decidiu meu apressado conhecimento viajeiro do mundo. ANDRADE, Oswald de. Memrias sentimentais de Joo Miramar. So Paulo: Globo, 1911. p. 47, 53. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 5 Questo 05 Com base no texto 3, na leitura do romance Memrias sentimentais de Joo Miramar e no contexto do Modernismo brasileiro, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Por influncia do Futurismo, com que teve contato na Europa, Oswald de Andrade usa pontuao mnima, como se pode perceber nos trechos acima, nos quais se omitiram vrgulas que seriam obrigatrias segundo as regras de pontuao da norma padro escrita. 02. No primeiro trecho, a frase nunca mais vi o Seu Carvalho que foi para o Inferno (linha 10), Andrade relata de modo telegrfico a morte do professor Carvalho, com quem Joo Miramar aprendeu a respeitar os valores catlicos. 04. Obra que pertence cronologicamente primeira fase do Modernismo brasileiro, Memrias sentimentais de Joo Miramar ostenta vrias caractersticas da literatura do perodo, como a diluio das fronteiras entre prosa e poesia e a experimentao, manifesta, entre outras coisas, nos neologismos e na sintaxe inovadora. 08. No trecho Dezembro deu luz das salas enceradas de tia Gabriela as trs moas primas de culos bem falados (linhas 15-16), observa-se a preocupao obsessiva de Miramar com futilidades, como a boa qualidade dos culos das primas. 16. Como se poderia esperar de um dos organizadores da Semana de Arte Moderna, Oswald de Andrade reafirma em Memrias sentimentais de Joo Miramar alguns princpios bsicos da esttica modernista, tais como a valorizao da linguagem regional e o refinamento dos cnones parnasianos. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 Texto 4 [...]. Depois Volta Seca chegou com um jornal que trazia notcias de Lampio. Professor leu a notcia para Volta Seca e ficou vendo as outras coisas que o jornal trazia. Ento chamou: Sem-Pernas! Sem-Pernas! [...] E leu uma notcia no jornal: Ontem desapareceu da casa nmero... da rua..., Graa, um filho dos donos da casa, chamado Augusto. Deve ter se perdido na cidade que pouco conhecia. coxo de uma perna, tem treze anos de idade, muito tmido, veste roupa de casimira cinza. A polcia o procura para o entregar aos seus pais aflitos, mas at agora no o encontrou. A famlia gratificar bem quem der notcias do pequeno Augusto e o conduzir a sua casa. O Sem-Pernas ficou calado. Mordia o lbio. Professor disse: Ainda no descobriram o furto... Sem-Pernas fez que sim com a cabea. Quando descobrissem o furto no o procurariam mais como a um filho desaparecido. Barando fez uma cara de riso e gritou: Tua famlia t te procurando, Sem-Pernas. Tua mame t te procurando pra dar de mamar a tu... Mas no disse mais nada, porque o Sem-Pernas j estava em cima dele e levantava o punhal. E esfaquearia sem dvida o negrinho se Joo Grande e Volta Seca no o tirassem de cima dele. Barando saiu amedrontado. O Sem-Pernas foi indo para o seu canto, um olhar de dio para todos. Pedro Bala foi atrs dele, botou a mo em seu ombro: So capazes de no descobrir nunca o roubo, Sem-Pernas. Nunca saber de voc... No se importe, no. Quando doutor Raul chegar vo saber... E rebentou em soluos, que deixaram os Capites da Areia estupefatos. AMADO, Jorge. Capites da areia. So Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 133-134. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 6 Questo 06 Com base no texto 4, na leitura do romance Capites da areia e no contexto do Modernismo brasileiro, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Capites da areia inclui-se entre as obras do chamado Regionalismo de 30, cujas temticas compreendem, entre outros aspectos, a denncia das mazelas sociais do Brasil. 02. Augusto apelidado pelos capites da areia de Sem-Pernas, devido a uma deficincia fsica abandona a casa dos pais aps ter furtado objetos de valor e se une aos capites da areia; a vergonha, mais que o temor do castigo, impede-o de voltar para casa. 04. A agresso de Sem-Pernas a Barando representa um ponto de virada na histria porque, a partir de ento, Sem-Pernas, que sempre fora calmo e reservado, passa a agredir os colegas, at que Pedro Bala o expulsa do grupo e ele comete suicdio. 08. Na composio das personagens que habitam o trapiche, Jorge Amado adota um procedimento semelhante: nenhum dos meninos mau por natureza, porm eles cometem ms aes por fora das circunstncias sociais. 16. No perodo A famlia gratificar bem quem der notcias do pequeno Augusto e o conduzir a sua casa (linhas 10-11), a expresso a sua casa poderia ser escrita como sua casa, sem que isso implicasse desrespeito norma padro. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 Texto 5 De vez em quando, os caboclos se punham a comparar o atual monge com o anterior, com o velho e bondoso Joo Maria do qual seus pais falavam sempre, venerando profeta que havia sido padrinho de todos eles. Muitos dos componentes do reduto haviam-no conhecido pessoalmente, com ele haviam privado. Do confronto, Jos Maria saa perdendo sempre. O santo era alto, no bebia lcool, no comia carne, no andava rodeado de mulheres, jamais aceitara dinheiro. Jos Maria era baixo e corpulento, pernas e braos curtos, em desproporo com o tronco avantajado. Joo Maria, sem favor nenhum, podia ser classificado como um ancio de boa aparncia. O monge atual, de belo no tinha mesmo nada: o nariz grande e chato, os lbios grossos, os dentes podres e encardidos. E, se no tinha o olhar bondoso e sereno do outro, de gnio tambm diferia zangava-se facilmente, era colrico e vingativo. Mas Joo Maria no voltara, no obstante a promessa feita. Ningum sabia por onde andava ele, nem se ainda era vivo. Mandara o irmo para cuidar da sua gente. Jos Maria, apesar dos defeitos, era irmo do outro, santo e milagroso por sua vez. Os caboclos acreditavam nele. Era o jeito. Em nada mais acreditavam. No tinham no qu. SASSI, Guido Wilmar. Gerao do deserto. 5. ed. Porto Alegre: Movimento, 2012. p. 45. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 7 Questo 07 Com base no texto 5 e na leitura do romance Gerao do deserto, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Evidencia-se uma importante caracterstica na composio das personagens de Gerao do deserto: em um eco tardio ao determinismo biolgico dos naturalistas do sculo XIX, Guido Sassi faz com que as caractersticas fsicas das personagens correspondam ao seu carter. 02. Jos Maria, apesar de representar para os jagunos um lder espiritual, tem atitudes moralmente reprovveis sob a tica de nossa sociedade, como dormir com duas meninas sob a alegao de que precisava de virgens para se comunicar com Deus. 04. Entre os eventos arrolados no texto para a ecloso do conflito do Contestado, esto os desmandos da companhia americana Lumber e a desapropriao de terras de posseiros. 08. No romance, Guido Sassi inova ao mostrar a Guerra do Contestado essencialmente como um evento poltico e ao representar os jagunos como heris, contrariando a viso oficial de que o fanatismo religioso teria exercido papel preponderante no conflito. 16. Gerao do deserto mostra que, no conflito do Contestado, a chefia dos redutos mudava frequentemente, sendo exercida, em certos momentos, por mulheres mais velhas, como Delminda e Luzia. 32. O trecho No tinham no qu. (linha 15) poderia ser reescrito como No tinham um porqu, sem que isso implicasse desrespeito norma padro. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Texto 6 AMADO Crime! E eu provo! Quer dizer, sei l se provo, nem me interessa. Mas a manchete est l, com todas as letras: CRIME! APRGIO Mas eu no entendo! AMADO (exultante e feroz) Aprgio, voc no me compra. Pode me cantar. Me canta! Canta! (rindo, feliz) Eu no me vendo! (muda de tom) Eu botei que. Presta ateno. O negcio bem bolado pra chuchu! Botei que teu genro esbarrou no rapaz. (triunfante) Mas no esbarrou. (lento e taxativo) Teu genro empurrou o rapaz, o amante, debaixo do lotao. Assassinato. Ou no ? (maravilhado) Aprgio, a pederastia faz vender jornal pra burro! Tiramos, hoje, est rodando, trezentos mil exemplares! Crime! Batata! APRGIO Tem certeza? AMADO Ou duvida? APRGIO (mais incisivo) Tem certeza? AMADO (srdido) So outros quinhentos! Sei l! Certeza, propriamente. A nica coisa que sei que estou vendendo jornal como gua. Pra chuchu. APRGIO (saturado de tanta misria) J vou. AMADO (fazendo uma insinuao evidente de miservel) Vem c. Escuta aqui. Sabe que. Sinceramente. Se eu fosse voc. Um pai. Se tivesse uma filha e minha filha casasse com um cara assim como o. Entende? Palavra de honra? Dava-lhe um tiro na cara! APRGIO Voc quer vender mais jornal? RODRIGUES, Nelson. O beijo no asfalto. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. p. 68. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 8 Questo 08 Com base no texto 6, na leitura da pea O beijo no asfalto e no contexto de produo dessa obra, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. A primeira fala do reprter Amado Ribeiro revela seu posicionamento de que o beijo dado no rapaz prestes a morrer encobria um crime passional. Tal certeza advm da apurao dos fatos aps interrogar Amador, a viva e Selminha. 02. Ao afirmar que a manchete do jornal j estava sendo impressa estampando o vocbulo crime (linhas 1-2), Amado revela que a manipulao da notcia pela imprensa sensacionalista pode levar o leitor a tomar como verdade aquilo que l. 04. Ao enunciar A nica coisa que sei que estou vendendo jornal como gua. Pra chuchu. (linhas 14-15), Amado Ribeiro revela uma importante faceta de sua personalidade: como um ingnuo incorrigvel, ele no tem conscincia clara do papel da imprensa e v somente as vantagens comerciais que uma notcia apelativa pode representar. 08. Nelson Rodrigues evidencia os sinais da modernizao presentes na sociedade carioca a partir da dcada de 1960: a renovao da imprensa, que se torna mais crtica e menos sensacionalista; os boatos propagados rapidamente pela multido; os valores e preconceitos tradicionais, aos quais as pessoas se apegam como se fossem padres morais eternos e imutveis. 16. As falas das personagens ao longo da obra so marcadas por frases curtas e incompletas, completadas apenas aps trechos extensos, repetidas com hesitao ou, ainda, sem nexo aparente. Tais escolhas do dramaturgo enfatizam o carter dbio de personagens que tentam ocultar seus reais interesses ou se mostram chocadas com o que se passa ao seu redor. 32. Considerando que Amado trata Aprgio por voc (linhas 4 e 18), o uso do pronome teu (linhas 6 e 7), assim como das formas imperativas canta (linha 4) e presta (linha 5), representa sinal de coloquialidade. Texto 7 As aparncias revelam Afirma uma Firma que o Brasil confirma: Vamos substituir o Caf pelo Ao. Vai ser durssimo descondicionar o paladar No h na violncia que a linguagem imita algo da violncia propriamente dita? CACASO. As aparncias revelam. In: WEINTRAUB, Fabio (Org). Poesia marginal. So Paulo: tica, 2004. p. 61. Para gostar de ler 39. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 9 Questo 09 Com base no texto 7, na leitura da coletnea de poemas Poesia marginal e no contexto de produo desses poemas, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Entre as temticas das quais se ocupou a poesia marginal da dcada de 1970, havia espao para painis sociais, para a memria afetiva e a pesquisa potica e para o registro literrio da intimidade. Sem grandes exageros, a nica regra era atender aos princpios da norma padro da lngua. 02. Os versos Vai ser durssimo descondicionar / o paladar podem ser entendidos metaforicamente como uma referncia a sacrifcios impostos populao, obrigada a acomodar-se a uma nova ordem econmica. 04. Nos poemas reunidos em Poesia marginal, os autores enfocam a denncia e a crtica social de uma maneira sisuda, sem apelar para o humor, pois visam conferir credibilidade ao que dito. 08. A frase Vamos substituir o Caf pelo Ao pode ser interpretada como uma referncia abertura do pas para a exportao de minrios, defendida por empresrios e pelo Governo poca da Ditadura Militar. 16. No primeiro e segundo versos, no jogo de palavras Afirma, Firma e confirma, repete-se o segmento firma; isso pode ser interpretado como uma referncia influncia das grandes empresas nas polticas estatais. 32. Na estrofe final, observa-se como Cacaso procura desvincular a linguagem das prticas sociais, ao propor que no h violncia nas palavras em si, mas apenas na realidade a que elas se referem. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 Texto 8 Culpa de um, culpa de outro, tornaram a vida insuportvel na Alemanha. Mesmo antes de 14 a existncia arrastava difcil l, Frulein se adaptou. Veio pro Brasil, Rio de Janeiro. Depois Curitiba onde no teve o que fazer. Rio de Janeiro. So Paulo. Agora tinha que viver com os Sousa Costas. Se adaptou. ...der Vater... die Mutter... Wie geht es ihnen?... A ptria em alemo neutro: das Vaterland. Ser! Vejo Serajevo apenas como bandeira. Nas pregas dela brisam... etc. (Aqui o leitor recomea a ler este fim de captulo do lugar em que a frase do etc. principia. E assim continuar repetindo o cnone infinito at que se convena do que afirmo. Se no se convencer, ao menos convenha comigo que todos esses europeus foram uns grandissssimos canalhes.) ANDRADE, Mrio. Amar, verbo intransitivo: idlio. Rio de Janeiro: Agir, 2008. p. 35. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 10 Questo 10 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S) sobre o romance Amar, verbo intransitivo, de Mrio de Andrade, e o contexto histrico ao qual a obra se refere. 01. As passagens em alemo evidenciam a influncia que a cultura germnica exerceu sobre a sociedade brasileira desde o incio do sculo XIX, aproximadamente, at meados do sculo XX. 02. A narrativa deixa entrever a preferncia de Mrio de Andrade pela raa alem, que apontada na obra como modelo de erudio, determinao e fora, em consonncia com os princpios do movimento integralista, no qual Mrio foi figura de destaque. 04. A razo de Elza ter sido contratada era da ordem da profilaxia. Ela deveria proteger o menino Carlos das influncias mundanas e de suas consequncias, como a sfilis, o alcoolismo, o vcio do jogo e a explorao por mulheres aventureiras. 08. Em grandissssimos canalhes (linha 10), o superlativo formado com a reduplicao da slaba ssi e o aumentativo intensificam o mau juzo que o narrador faz do carter dos europeus. 16. No romance, temos duas formas de narrao que se alternam: uma delas se atm descrio dos eventos, falas, emoes e pensamentos das personagens, enquanto a outra, reproduzida no texto 8 entre parnteses, revela opinies, julgamentos e comentrios bastante pessoais emitidos pelo narrador. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 Texto 9 O MEU SECRETRIO Desde que contratei os servios do meu secretrio, comecei a perceber como vinha agindo de modo errado todos esses anos. Para comeo de conversa, eu era um cara displicente no que se referia a roupas, ao vesturio em geral, aos detalhes que compem uma boa aparncia. O primeiro ato do meu secretrio, logo que assumiu a sua funo, foi pronunciar uma breve mas lgica dissertao sobre a importncia da aparncia pessoal em todos os setores da vida pblica e privada. um ponto chave, concluiu ele, voc tem de criar uma imagem e um estilo para que enfim as pessoas acreditem naquilo que voc deseja que elas acreditem... Depois disso, ele arregaou as mangas e ps mos obra. Visitamos as melhores lojas, gastei uma pequena fortuna em camisas, sapatos, gravatas e outras peas. Ameacei resistir ao uso de gravatas, por consider-lo um costume idiota e incmodo. Tolices, disse o meu secretrio, voc nem imagina o efeito que uma gravata causa a determinada classe de pessoas. Enfim, creio que os nossos esforos no foram inteis. Hoje at encontro gente que ri das minhas velhas piadas. SOUZA, Silveira de. Ecos no poro. v. 2. Florianpolis: EdUFSC, 2011. p. 13. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 11 Questo 11 Com base no texto 9 e na leitura do livro de contos Ecos no poro, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Quando o secretrio afirma voc nem imagina o efeito que uma gravata causa a determinada classe de pessoas (linhas 12-13), deixa implcito que as pessoas que igualmente dispem de estudo e sabem se vestir adequadamente ficam bem impressionadas com quem se veste de modo similar. 02. Ao afirmar Hoje at encontro gente que ri das minhas velhas piadas (linha 14), o narrador sugere que o uso de um guarda-roupa renovado fez com que passasse a reencontrar antigos conhecidos. 04. O protagonista do conto revela sua disposio pessoal para contrapor-se ao secretrio quando afirma considerar o uso de gravatas um costume idiota e incmodo e quando resiste a essa prtica e a outras que considerava inconvenientes. 08. Para compor os seus contos, Silveira de Souza explora estruturas caractersticas de outros gneros, como a epstola, o depoimento e o relato de memrias, diversificando suas narrativas no que se refere ao narrador e forma adotada. 16. No trecho Ameacei resistir ao uso de gravatas, por consider-lo um costume idiota e incmodo (linhas 10 e 11), a substituio de consider-lo por considerar-lhe estaria em desacordo com a norma padro escrita da lngua portuguesa. Texto 10 Fonte: Jim Davis. Garfield. Folha de So Paulo. Disponvel em: . Acesso em: 21 ago. 2012. Questo 12 Considerando o texto 10, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. A tenso criada pela seriedade da afirmao inicial expressa-se no silncio e na imobilidade das personagens no segundo quadrinho e depois quebrada quando o homem diz ao gato que aquilo que afirmara no se aplica necessariamente a eles. 02. Se a palavra muito em Existe muito para ns aprendermos sobre o mundo fosse substituda por muitas coisas, o verbo existir poderia ser mantido no singular Existe muitas coisas para ns aprendermos sobre o mundo sem que isso implicasse desrespeito norma padro escrita da lngua portuguesa. 04. Observa-se que a conscincia de que no se pode aprender tudo contrape-se ao desejo do homem e do gato de aprender mais sobre o mundo. 08. Se, no ltimo quadrinho, em vez do verbo ir tivssemos o verbo pronominal dispor-se, a frase deveria ser reescrita como No que a gente se dispunha a aprender. 16. A interjeio Ufa, no terceiro quadrinho, expressa o cansao que o gato antev como consequncia do longo aprendizado que ele e o dono tm diante de si. 32. Percebe-se, no texto, que o pronome ns e sua variante informal a gente foram usados, respectivamente, de forma a sugerir um tom mais srio e categrico na afirmao inicial do homem (aprender sobre o mundo mostra-se um grande desafio) e um tom mais leve na sua afirmao final (que exclui a si e ao gato da tarefa de aprender sobre o mundo). COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 12 INGLS Questo 13 Select the CORRECT proposition(s). Regarding the dictionary mentioned in Text 1, it is correct to state that: 01. the Dictionary of American Regional English is a result of one of Americas most ambitious lexicographical projects. 02. Joan Houston Hall is the only lexicographer responsible for the dictionary published by Harvard University. 04. the dictionary which is a product of a group of students from Harvard consists of almost 60,000 terms. 08. the Dictionary of American Regional English is also known as DARE. 16. the inclusion of newer terms in the Dictionary of American Regional English suggests that the state of regional English isnt so bad. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 Text 1 The Dictionary of American Regional English Joan Houston Hall, a lexicographer, is concerned about the use of regionalisms throughout the country. She works in one of Americas most ambitious lexicographical projects, which culminates with the publication of a dictionary by Harvard University Press, 50 years after the project was inaugurated by Frederic G. Cassidy. Mr. Cassidy, who died in 2000, did not make it to the end of the alphabet. But to scholars and language lovers the work he set in motion is an invaluable guide to the way Americans not only speak but also live. The dictionary includes nearly 60,000 terms, many of them reflecting the countrys rural and agricultural past. But among the pages and pages of names for wildflowers and farm implements, DARE, as the dictionary is commonly known, includes enough newer terms to suggest that the state of regional English isnt quite as bad as may suggest the laments about the homogenizing forces of urbanization, mass media and the Internet. Ms. Hall recognizes that the extremes of regional speech are disappearing; however, she is pleased to find out that there are still lots of regional words. If it has become harder to find many different terms for outdated expressions, thats partly because people today are more likely to be talking about fast food or traffic. In fact, in the age of Twitter and Facebook, linguists say, the interactions that most powerfully shape our speech are still local and face to face. In sum, American English actually has more words for the same things than ever before. Adapted from: . Accessed on August 14th, 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 13 Questo 14 Select the CORRECT proposition(s) about Text 1. 01. The Dictionary of American Regional English is a scientific article about a scientific experiment. 02. The text adapted from The New York Times was released originally in February 25th, 2012. 04. The text is about a dictionary whose project was started by Frederic G. Cassidy. 08. The text was written by Joan Houston Hall, a lexicographer who works with dictionaries. 16. The Dictionary of American Regional English is a text printed in the mass media about people who like dictionaries. Questo 15 Select the proposition(s) which presents (present) CORRECT explanations for the expressions below, as they are used in Text 1. 01. not only but also (line 9): adding information 02. nearly (line 10): indicating distance 04. more likely to (line 20): expressing probability 08. in fact (line 21): emphasizing information 16. in sum (line 22): providing additional ideas 32. actually (line 23): reinforcing ideas Text 2 Gabriela, Clove and Cinnamon Gabriela, Clove and Cinnamon is a Brazilian modernist novel. It was written by Jorge Amado in 1958 and it is widely considered one of his finest works. The action of the novel begins in 1925 in the provincial port of Ilhus in Brazil's northeastern state of Bahia. The book tells two separate but related tales: first, the romance between Nacib Saad and Gabriela. Second, it describes the political struggle between the old guard of Cacao growers and the forces of modernization, in the person of Mundinho Falco. It can be read simultaneously as an unusual, charming love story, a description of the political and social forces at work in 1920s Brazil, a somewhat satirical depiction of Latin American aspirations to "modernity", and a celebration of the local culture and pleasures of Bahia. Adapted from: . . Accessed on August 17th, 2012. Image from: http://www.amazon.com/gp/customer-media/product-gallery/ 0307276651/ref=cm_ciu _ pdp_images_0?ie=UTF8&index=0&isremote=0>. Accessed on Augus 7th,2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 14 Questo 16 Select the CORRECT proposition(s). According to the review of the novel Gabriela, Clove and Cinnamon, it is 01. an attractive love story and a portrayal of the political and social forces interacting in Brazil in the twentieth century. 02. a typical and common love story which combines regional society customs with a satirical depiction of Latin America aspirations to "modernity". 04. an account to some extent satirical of Latin American aspirations to "modernity". 08. a book that is composed of two different stories which are interconnected. 16. one of Jorge Amados best novels which takes place in the second decade of the twentieth century in Brazil. 32 a book which should be read concurrently with any other Jorge Amados modernist novel. 64. a story which combines love, enjoyment, political and social aspects focused on a provincial region in the northeast of Brazil. Questo 17 Choose the CORRECT proposition(s) to complete the text above. 01. what many chiefly transforming refuse occurrence 02. which some significantly experiencing avoid presence 04. there various largely renovating decline attendance 08. who few extensively increasing change existence 16. that several considerably undergoing escape incidence Text 3 Introducing Cordel Image from: . Accessed on August 17th, 2012. Brazil's "literatura de cordel" is a kind of folk-popular poetry ______ involves both the oral and written traditions and is very popular in northeastern Brazil. After a hiatus of ______ years when its production fell ______ because of economic and social change in Brazil, it is ______ a revival due primarily to the personal computer and printer which allow poets to ______ the high cost of typographies and printing shops. In addition, there is a large ______ of "cordel" type poetry on the internet. Adapted from: . Accessed on August 17th, 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 15 Questo 18 Select the proposition(s) which contains (contain) CORRECT answers for the following questions, according to the text above. 01. Do the film and the play have the same name? Yes, they do. 02. Which came first, the movie or the play? The play did. 04. Were Joo Grilo and Chic brave guys? No, they werent. 08. Where does the action take place? In the northeast of Brazil. 16. What happens at the end of the film? Joo Grilo and Chic go to hell. 32. Was the film a success everywhere? Yes, it was. Text 4 O Auto da Compadecida O Auto da Compadecida is a 2000 Brazilian comedy film, directed by Guel Arraes, with a screenplay by Arraes and Adriana Falco. It is based on the 1955 play of almost the same name by Ariano Suassuna. The plot concerns the adventures of Joo Grilo (Matheus Natchergaele) and Chic (Selton Mello), the most cowardly of men. The lively Joo Grilo and the tricky Chic are poor guys who cheat a bunch of people in a small northeast Brazilian town. But when they die, they have to be judged by Christ, the Devil and the Virgin Mary, before they are admitted to paradise. The film was a critical and commercial success in Brazil and in some South American countries like Chile and Venezuela. It was not as well-received in English-speaking countries. Adapted from: . . Accessed on August 17th, 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 16 Questo 19 Consider the following situation: Peter, who is visiting the south of Brazil, prepared a churrasco gacho as described below. Did he follow the recipe in Text 5? Select the CORRECT proposition(s), according to Text 5. 01. He set the fire and immediately put the meat over it. 02. He turned the skewers only when the meat was almost ready. 04. He mixed the water, the salt and the garlic together. 08. He took out all the fat from the meat. 16. He returned the meat to the grill after cutting some slices. 32. He covered the meat kept on the grill with the salty liquid. Questo 20 Select the CORRECT proposition(s) to complete the following sentence. The text Churrasco Gacho gives information about: 01. the kinds of meat that can be used. 02. the price of the ingredients. 04. the quantities for each person. 08. the time the meat should stay on the grill. 16. the right size of the cuts. 32. the way to serve the churrasco gacho. Text 5 Churrasco: a typical food in the south of Brazil Brazilian food is varied and interesting. As it happens with every country, the cuisine of Brazil is strongly related to the history and culture of the country and varies from one region to another, sometimes in such a way that visitors might feel like they are in different countries. One of the most common foods in the southern region of Brazil is churrasco. A recipe of this popular food follows below: Recipe of Churrasco Gacho Ingredients: fine quality cuts of beef, lamb, veal, ribs, etc. salt mashed cloves of garlic water Preparation: Set the fire and be sure the coals are bright before putting on the meat. Assemble meat cuts on metallic skewers and set on the grill. Turn skewers frequently. When the meat begins to brown, make a salty liquid dissolving the salt in the water with the garlic and baste the meat with it. Hints: Cuts with more fat are the best for charcoal grilling. It takes about 1 hour above the fire. Serving: Cut slices from outside and serve. Keep meat warm on the grill while not serving. Always baste the meat waiting on the grill with the salty liquid to keep it juicy and fresh. Adapted from: . . Accessed on August 22nd, 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 17 MATEMTICA FORMULRIO 30o 45o 60o sen 21 22 23 cos 23 22 21 tg 33 1 3 an = a1+ (n-1) r nS2aa n1n =+ an = a1 qn 1 Sn 1q1)n(qa=1 = ( )()3 (x a)2 + (y b)2 = r2 dA,B= ( ) ( )22 ABAB yyxx + = D21 ,1yx1yx1yx D332211= ondeTp+1 = pnp xapn !pnp!n!pn)( =1seccosxx= Pn = n! COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 18 Questo 21 Considere a funo :f , dada por ( )1,x se xf xn se x e n x n n= < < + que associa a cada nmero real x o maior inteiro no superior a x . Veja alguns exemplos: 5 22f = , ( 12) 12f = , ( 2,3) 3f = . O grfico desta funo dado na figura a seguir. Com estas informaes, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. A funo f injetora. 02. Se m um nmero inteiro negativo, ento 1 12f m m = . 04. Existe uma infinidade de nmeros reais x tais que ( )f x x= . 08. A imagem da funo f o conjunto dos nmeros reais. 16. A soma das reas de todos os retngulos formados entre o grfico de f e o eixo X, quando x varia de n a n , n , 2n . 32. A funo f mpar. yx1 2 3 4-3 -2 -1123-1-2-3.. . . n-n . . . COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 19 Questo 22 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Uma conhecida marca de chocolate utiliza como embalagem um prisma regular de base triangular cuja aresta da base mede 3,5 cm. Se sua altura tem o dobro do permetro da base, ento sua rea lateral igual a 220,5 cm2. 02. Seja :f , ( ) | | cosf x x x= . Ento existem exatamente dois valores reais x tais que ( ) 0f x = . 04. Dadas as matrizes =120221A e =103051B , ento a matriz BAD = no admite inversa. 08. A equao 2log (cos ) 1x = tem exatamente duas solues no intervalo [ ]0,2 . 16. 23 14tg sec 14 3 + = 32. Sabemos que aplicando um capital 0C aps n meses a uma taxa i, obtemos o valor a ser resgatado fC atravs da seguinte equao ( )nf iCC += 10 . Dessa forma, uma pessoa que aplica um capital de R$10 000,00 a uma taxa de 1% ao ms durante trs meses deve resgatar um valor igual a R$ 10 303,01. 64. Quatro cidades, A, B, C, D, esto localizadas nos vrtices de um quadrado. As linhas nas figuras 1 e 2 so dois caminhos que interligam as quatro cidades. O ngulo AQB mede 120o e os segmentos AQ, BQ, CP e DP tm a mesma medida. Ento o comprimento do caminho na figura 1 menor do que o comprimento do caminho na figura 2. CBAD CBADPQFigura 1 Figura 2COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 20 A BDECQuesto 23 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Considere um octaedro regular inscrito em uma esfera de raio 6 cm. O volume do octaedro 288 cm3. 02. Na figura ao lado, ABCD um quadriltero e o segmento DB paralelo ao segmento CE. Ento a rea do quadriltero ABCD igual rea do tringulo ADE. 04. Na figura ao lado, o tringulo ABC retngulo e o ponto M o ponto mdio da hipotenusa AC. A perpendicular hipotenusa AC pelo ponto M cruza o segmento BC no ponto E, que est entre B e C. Ento a rea do tringulo MEC menor do que a metade da rea do tringulo ABC. 08. Na figura ao lado, o tringulo ABC equiltero e o quadriltero MNPQ um quadrado. Ento os pontos P e Q so pontos mdios dos lados BC e AC, respectivamente. 16. Se em um quadriltero as diagonais so bissetrizes dos ngulos internos, ento o quadriltero um losango. CBA MQNPB CAMECOPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 21 Questo 24 Na segunda-feira, um comerciante decide vender um produto com um desconto de 10%. Na sexta-feira, como no obteve muito sucesso, decide acrescentar um novo desconto de 20% sobre o valor obtido aps o primeiro desconto. Calcule o desconto total no preo original do produto. Questo 25 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. O conjunto soluo da inequao ( )542 31 1 04x x COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 22 rCsyxQMPC1C2C3C4Questo 27 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. As retas r e s so tangentes circunferncia C de centro ( )4,0 , como mostra a figura ao lado. Se 2xy = a equao da reta r, ento a equao da reta s 2xy = . 02. O ponto ( ),a b pertence reta 2 0x y = , est no primeiro quadrante e forma com os pontos ( )1,0 e ( )3,1 um tringulo com 5 unidades de rea. Ento 9a b+ = . 04. Para que a circunferncia 2 2 6 4 12 0x y x y+ + = e a reta y bx= tenham pelo menos um ponto em comum, o nmero real b deve pertencer ao conjunto 3 3 3 3; ou4 4S x x x + = < > . 08. Na figura ao lado, os eixos coordenados foram apagados, mas sabe-se que as circunferncias 1C e 2C tm centro no ponto (0,9) e raios 9 cm e 4 cm, respectivamente. A circunferncia 3C tem centro no ponto (0,3) e raio 1 cm. A circunferncia 4C tangente s circunferncias 1 2,C C e 3C , respectivamente nos pontos ,P Q e M . A distncia entre os centros das circunferncias 3C e 4C 3,5 cm. 16. Considere uma funo [ ]: 0,5f dada por 2 0 2( ) 4 8 2 53 3x se xf xx se x + = < A rea da regio limitada pelo grfico de f e pelo eixo X igual a 8 unidades de rea. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 23 Fonte: IBGE, Censo Demogrfico 2000/2010. [Adaptado] Questo 28 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. O lucro, em reais, para a comercializao de x unidades de um determinado produto dado por 21481120)( xxxL += . Ento, para que se tenha lucro mximo, deve-se vender 74 produtos. 02. Jonas possui um carro bicombustvel que funciona com gasolina e lcool ou com a mistura dos dois. Em certo posto de abastecimento, em virtude do preo, colocou 45 litros de combustvel, entre gasolina e lcool. Se a quantia de lcool colocada foi exatamente 54 da de gasolina, ento o total de gasolina nesse abastecimento foi de 20 litros. 04. Se x um nmero real positivo e ( )10 10log log 1x < , ento 1010x < . 08. No ano de 2014, o Brasil ir sediar a Copa do Mundo de Futebol. Em 1950, nosso pas j foi sede da Copa e na ocasio obtivemos o 2o lugar. Sabendo que as edies desse campeonato ocorrem de quatro em quatro anos, ento, contando as edies desde 1950 at a que acontecer em 2014, inclundo essas, tem-se um total de 16 Copas do Mundo de Futebol. 16. O fisiologista francs Jean Poisewille, no final da dcada de 1830, descobriu a frmula matemtica que associa o volume V de lquido que passa por um vaso ou artria de raio r a uma presso constante: Com isso, pode-se estimar o quanto se deve expandir uma veia ou artria para que o fluxo sanguneo volte normalidade. Portanto, uma artria que foi parcialmente obstruda, tendo seu raio reduzido metade, tem tambm o volume do fluxo sanguneo reduzido metade. 32. O sistema =+=+43231zyxzpyx um sistema possvel e indeterminado para 32=p . 64. Com base nos dados do grfico abaixo, pode-se concluir que, do ano de 2000 para o ano de 2010, o rendimento real mdio dos domiclios da Regio Centro-Oeste aumentou mais que 22%. R$ 0R$ 500R$ 1.000R$ 1.500R$ 2.000R$ 2.500R$ 3.000R$ 3.500Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste2.297 1.739 1.361 2.812 2.378 2.541 2.653 2.115 1.708 3.122 2.890 3.136 Rendimento real mdio mensal dos domiclios por Grandes Regies - 2010 ANO 2000 ANO 20104rkV =Disponvel em: . [Adaptado] Acesso em: 12 nov. 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 24 CLinha do nvel do olhoQPO8m10mQuesto 29 Assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Jogam-se simultaneamente dois dados, um vermelho e outro branco. A probabilidade de que a soma dos nmeros mostrados nas faces de cima seja menor ou igual a 6 12. 02. A Agncia Nacional de Telecomunicaes (ANATEL) determinou a incluso do dgito 9 frente de todos os nmeros de telefone celular do estado de So Paulo. Dessa forma, cada nmero de telefone ser constitudo de nove dgitos. Suponhamos que, em uma determinada regio, todos os nmeros de telefone comecem da seguinte forma: Sabendo que os algarismos 9, 8 e 6 permanecem fixos na posio apresentada, e que os nmeros de telefone celular so formados por dgitos distintos, ento nessa regio pode-se fazer 1 000 000 de nmeros de telefone diferentes. 04. Numa empresa, existem 7 funcionrios, entre eles Francisco. A direo-geral pediu para formar um grupo de trabalho com 4 desses funcionrios de modo que Francisco esteja nesse grupo, ento o nmero de maneiras distintas de formar esse grupo 35. 08. O termo independente do desenvolvimento de 1001xx + quando x um nmero real no nulo o termo de ordem 51. 16. A expresso 40.39.38. ... .11.1030!M = um nmero inteiro. 32. H exatamente 36 anagramas da palavra SORTE em que duas vogais no esto juntas. Questo 30 Em um centro de eventos na cidade de Madri, encontra-se um mural de Joan Mir (1893-1983) confeccionado pelo ceramista Artigas. O mural est colocado no alto da parede frontal externa do prdio e tem 60 m de comprimento por 10 m de altura. A borda inferior do mural est 8 m acima do nvel do olho de uma pessoa. A que distncia da parede deve ficar essa pessoa para ter a melhor viso do mural, no sentido de que o ngulo vertical que subtende o mural, a partir de seu olho, seja o maior possvel? O matemtico Regiomontanus (1436-1476) props um problema semelhante em 1471 e o problema foi resolvido da seguinte maneira: imagine uma circunferncia passando pelo olho O do observador e por dois pontos P e Q, verticalmente dispostos nas bordas superior e inferior do mural. O ngulo ser mximo quando esta circunferncia for tangente linha do nvel do olho, que perpendicular parede onde se encontra o mural, como mostra a figura. Com estas informaes, calcule a que distncia OC da parede deve ficar o observador para ter a melhor viso do mural de Joan Mir e apresente o resultado no carto-resposta. 9 8 6 ? ? ? ???COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 25 BIOLOGIA Questo 31 Considerando o acima exposto, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. As plulas anticoncepcionais contm hormnios que mimetizam a ao dos estrgenos e da progesterona, bloqueando a produo de vulos pelos ovrios. 02. Alm dos hormnios encontrados nas plulas anticoncepcionais, outras substncias lanadas no ambiente podem interferir no desenvolvimento do sistema reprodutor dos animais. 04. O estrgeno naturalmente produzido no ovrio humano e responsvel por provocar a proliferao das clulas do endomtrio. 08. A menstruao resultado da queda nas taxas de estrgenos e progesterona, o que, em mulheres que utilizam plula anticoncepcional, mimetizado pela interrupo da ingesto do anticoncepcional por alguns dias. 16. A urina produzida pelo sistema excretor contm apenas substncias txicas ao organismo, como representado pelo EE2. 32. As alteraes apresentadas nos peixes do sexo masculino se explicam porque o EE2 bloqueia a produo de testosterona. A Europa vai decidir como controlar mais uma fonte de poluio: a urina das mulheres que tomam plulas anticoncepcionais. Um dos componentes mais usados na composio de plulas anticoncepcionais o etinil-estradiol (EE2), uma molcula semelhante ao estrgeno. Ao contrrio do estrgenio produzido pelo corpo, o EE2 no rapidamente degradado pelo fgado e, portanto, pode ser administrado em doses extremamente baixas. Mas este fato tem uma consequncia importante: ele retirado intacto do sangue pelos rins e excretado na urina de todas as mulheres que tomam anticoncepcionais. A urina acaba no sistema de esgoto das cidades, que, depois de tratado, despejado nos rios. Diversos experimentos demonstram os efeitos nocivos do EE2 sobre a reproduo de peixes. Em algumas espcies de peixes, as doses de EE2 despejadas nos rios provocam alteraes nos testculos e impedem sua reproduo; em outras, provocam o aparecimento de indivduos transexuais. Disponvel em: . [Adaptado] Acesso em: 20 ago. 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 26 Questo 32 Fonte: QUINO, J. L. Toda Mafalda. So Paulo: Martins Fontes, 2003. A busca por novas formas de imunizao uma constante na humanidade. Sobre este tema, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Vacinas so mtodos de imunizao ativa, que contm em sua composio anticorpos contra o agente infeccioso. 02. Vacinas e soros so mtodos de imunizao que agem de forma semelhante na estimulao do sistema imunolgico. 04. As vacinas contm antgenos que induzem o organismo a produzir anticorpos especficos. 08. Um antgeno pode ser caracterizado como uma molcula capaz de promover a ativao do sistema imune, sendo esta molcula endgena ou exgena. 16. Espera-se que uma vacina induza a produo de anticorpos inespecficos. 32. Alergias e doenas autoimunes so respostas imunes nocivas ao organismo. Questo 33 Para responder pergunta abaixo, faa os clculos e apresente o resultado no carto-resposta. Um pesquisador, realizando vrios cruzamentos com coelhos, determinou que os genes A e B estavam a uma distncia de 10 UR (unidades de recombinao). Ao realizar o cruzamento entre indivduos AABB X aabb, obteve indivduos AaBb. Estes duplo-heterozigotos foram ento cruzados com indivduos aabb, obtendo-se 90 filhotes. Quantos destes filhotes espera-se que possuam o mesmo gentipo de seus pais? COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 27 Questo 34 A rvore filogentica abaixo se refere evoluo do grupo de vertebrados terrestres denominado Diapsida. Estudos paleontolgicos realizados nas ltimas dcadas evidenciam vnculos evolutivos entre dinossauros e aves modernas, como a semelhana na postura dos ovos, na construo dos ninhos e at em detalhes da anatomia ssea. Analise a rvore filogentica acima e assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Uma forte evidncia do parentesco entre dinossauros e aves foi a descoberta de penas em fsseis de dinossauros, estrutura antes vista como exclusiva das aves. 02. Os dinossauros, assim como as aves, por possurem fecundao interna e colocarem ovos com casca, eram independentes do meio aqutico para sua reproduo. 04. Entre os representantes vivos, os pterossauros so os parentes mais prximos das aves modernas. 08. As penas tiveram sua origem em animais com capacidade de voo, sendo importantes para esta finalidade por serem estruturas leves e impermeveis gua. 16. Todos os animais representados no grupo Diapsida possuem ovo amnitico. 32. A extino dos pterossauros ocorreu h aproximadamente 200 milhes de anos, no perodo Jurssico. 64. Todos os grupos representados na rvore filogentica possuem representantes vivos na atualidade. Compilado de: POUGH, F. Harvey; HEISER, John B.; JANIS, Cristine M. A vida dos vertebrados. 4. ed. So Paulo: Editora Atheneu, 2008 e HEDGES, S. Blair. Amniote phylogeny and the position of turtles. BMC Biology, v. 10, p. 1-2, 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 28 Questo 35 A fotossntese influenciada por diversos fatores ambientais, entre eles o da luminosidade, mostrada no grfico abaixo. Com relao luminosidade e aos fatores que influenciam a fotossntese, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. A taxa relativa de fotossntese influenciada diretamente pela luminosidade, independentemente da temperatura ambiente. 02. Em todas as faixas de temperatura, a fotossntese realizada com a mesma intensidade. 04. A quantidade de gs carbnico presente no ar (entre 0,03% e 0,04%) muito inferior quantidade que as plantas tm capacidade para utilizar no processo da fotossntese. 08. A disponibilidade de gua no um fator que influencie a fotossntese. 16. Temperaturas 40 C no prejudicam a fotossntese nem outras reaes metablicas na clula, pois, nesta faixa de temperatura, as enzimas passam a funcionar com mais eficincia. 32. Todos os comprimentos de onda da luz tm a mesma eficincia no processo da fotossntese. 64. A abertura e fechamento dos estmatos, importantes elementos na fotossntese, ocorre por influncia da luminosidade, da concentrao de gs carbnico na atmosfera e pela disponibilidade de gua. 6 8 10 4 2 10 20 30 40 50 Temperatura (oC) Taxa relativa de fotossntese Luminosidade Alta Baixa COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 29 Questo 36 A fim de realizar um trabalho de Biologia, um estudante adicionou misturas de ingredientes em cinco garrafas plsticas pequenas, conforme o quadro abaixo. Imediatamente aps a insero dos ingredientes, o estudante colocou bales no gargalo das garrafas, como demonstrado na ilustrao abaixo. Aps 10 minutos de incubao, o estudante conferiu os resultados. Em relao aos resultados deste experimento, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Nas garrafas 1 e 2 houve produo de gs e os bales inflaram. 02. No ocorreu produo de gs na garrafa 2. 04. O fermento biolgico composto de leveduras e a produo de gs resultado da fermentao, um processo de respirao aerbica desenvolvido por estes organismos. 08. O gs liberado aps a reao de fermentao o CO2. Alm dele, atravs da quebra da glicose, a fermentao promove a produo de ATP e pode ter como subproduto o lcool. 16. O balo da garrafa 1 inflou-se mais, em comparao com o da garrafa 2, porque o carboidrato presente na garrafa 1 predominantemente um dissacardeo, enquanto o da garrafa 2 um polissacardeo. 32. Temperaturas muito altas impedem a reao de fermentao por degradarem os carboidratos envolvidos antes que as leveduras possam ter acesso a eles. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 30 Questo 37 O neurnio uma clula altamente especializada, didaticamente dividida em trs regies: dendritos, corpo celular e axnio, conforme a figura abaixo. Considere o esquema de uma clula neural e assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Um neurnio em repouso apresenta concentraes dos ons de sdio e potssio semelhantes s encontradas no meio extracelular. 02. Em um neurnio em repouso, a superfcie interna da membrana plasmtica eletricamente negativa em relao superfcie externa. 04. Quando o impulso nervoso ocorre, h abertura dos canais de sdio e ocorre grande influxo deste on para o interior da clula atravs de transporte ativo. 08. O impulso nervoso ocorre sempre no sentido 3 2 1. 16. Se colocado em meio hipertnico, o neurnio acima ter sada de gua por osmose, um tipo de transporte de membrana que utiliza ATP. 32. Se colocado em meio hipotnico, o neurnio acima ter uma entrada passiva de gua por osmose, sendo a homeostase celular facilmente restabelecida por bombas de gua que ocorrem em toda membrana plasmtica. Questo 38 Os seres humanos desenvolveram uma sociedade baseada na utilizao de combustveis fsseis, entre eles o carvo. O acmulo de matria orgnica vegetal, ocorrido no perodo Carbonfero h 300 milhes de anos, gerou as reservas de carvo hoje exploradas. Porm, este processo de acmulo no mais aconteceu em funo do surgimento dos fungos, seres vivos capazes de degradar lignina e celulose. Considerando o exposto acima, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Os fungos so seres hetertrofos que apresentam parede celular composta de quitina, caracterstica compartilhada por algumas espcies de algas unicelulares. 02. Juntamente com as bactrias, os fungos compem um grupo de seres vivos decompositores da matria orgnica e responsveis pela ciclagem dos nutrientes na cadeia trfica. 04. Alguns fungos podem ser encontrados em associaes simbiticas com outros organismos. A associao de fungos com plantas forma as micorrizas e a de fungos com algas, os lquens. 08. As leveduras so fungos unicelulares capazes de realizar a fermentao, processo bioqumico utilizado na produo de alimentos como o iogurte. 16. A lignina e a celulose so molculas encontradas principalmente no citoplasma de clulas vegetais. Compilado de: GUYTON & HALL. Tratado de fisiologia mdica. 11. ed. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2006. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 31 Questo 39 Considerando o exposto acima, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. As mutaes originadas pela radiao nas borboletas em Fukushima, citadas no artigo, restringem-se aos fentipos e no afetaram seus gentipos. 02. Segundo Darwin, em seu clebre livro A Origem das Espcies por meio da Seleo Natural, as mutaes so o principal agente de variabilidade entre as espcies. 04. As mutaes gnicas e a recombinao gnica contribuem para a variabilidade gentica das populaes. 08. Uma mutao s ocorre quando envolve a mudana de um cdon no DNA. 16. Mutaes somente ocorrem em algumas regies da cadeia de DNA. 32. Todas as mutaes so perceptveis no fentipo dos indivduos que as possuem. 64. Apesar de ocorrerem muitas mutaes ao longo da cadeia de DNA, elas podem ser corrigidas por mecanismos que envolvem enzimas especializadas no reparo. Segundo o site Scientific Reports, ligado revista Nature, o desastre nuclear de Fukushima, ocorrido aps o terremoto de 11 de maro de 2011, j mostra efeitos na fauna local do nordeste japons. Cientistas encontraram borboletas que sofreram mutaes (foto abaixo) devido radiao liberada pelos reatores danificados da usina. Disponvel em: . [Adaptado] Acesso em: 12 set. 2012. COPERVE CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2013 PROVA 1: AMARELA 32 Questo 40 Os tecidos epiteliais so encontrados em uma variedade de organismos animais ou vegetais desempenhando diferentes funes. Com relao a este tecido, assinale a(s) proposio(es) CORRETA(S). 01. Os epitlios dos animais caracterizam-se por possurem muita substncia intercelular e ausncia de junes celulares. 02. Os tecidos epiteliais tm como principal caracterstica o fato de serem uniestratificados. 04. As microvilosidades so especializaes presentes no epitlio dos alvolos e tm como principal funo aumentar a capacidade de trocas gasosas (hematose). 08. A pele o melhor exemplo de tecido epitelial de revestimento. 16. O epitlio de revestimento das folhas o principal responsvel pela fotossntese. 32. Alguns epitlios so responsveis pela produo de secrees como a adrenalina, a tiroxina e o leite. 64. Todos os tecidos epiteliais so originados a partir da mesoderme na embriognese. SOMENTE ESTA PARTE PODER SER DESTACADA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 LNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRABIOLOGIA

Recommended

View more >