Jornal dos Bairros vero 2015

  • Published on
    08-Apr-2016

  • View
    220

  • Download
    4

DESCRIPTION

Edio conjunta de janeiro e fevereiro de 2015. Caxias do Sul RS Brasil Movimento Comunitrio UAB - Unio das Associaes de Bairros

Transcript

  • Ano 19 N 01

    Jornaldos

    BairrosJaneiro e

    Fevereiro 2015

    Publicao da Unio das Associaes de Bairros de Caxias do Sul - Filiada FRACAB e CONAM

    Ouro Verde tambm quer regularizaoFoto: Karine Endres

    Agenda

    A tragdia da habitao caxiense atinge tambm os moradores do loteamento Ouro Verde. Lotes sem infraestrutra, vendidos de forma irregular

    comprometem a segurana e sade dos moradores de Caxias. Pg. 11

    Assembleia Geral - 07/03 - 14h

    Rstica Comunitria - 08/03 - 09h

    Mateada pelo 8 de Maro - 22/03 - 14h

    Agenda Comunitria Inscries abertas!

    Campeonato Interbairros Srie Ouro e Feminino - at 28/02

    Rstica Comunitria - at 04/03

    Mais Bela da Melhor Idade - at 31 de maro

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015Opinio 02

    Editorial

    Jornal dos BairrosExpediente: Veculo da Unio das Associaes de Bairros de Caxias do Sul UAB - Rua Luiz Antunes, 80, Bairro Panazzolo Cep: 95080-000 - Caxias do SulFiliada Federao Riograndense de Associaes Comunitrias e de Moradores de Bairros (FRA-CAB) e a Confederao Nacional de Associaes de Moradores (CONAM) Presidente: Valdir Walter

    Diretor de Imprensa e Comunicao: Cludio Teixeira - claudiosteixeira@gmail.comEditora: Karine Endres - MTb. 12.764 - karine.endres@gmail.comReportagem: Karine EndresEditorao e Design Grfico: Karine Endres

    E-mail: jornaldosbairroscx@gmail.com Telefone: 3238.5348Tiragem: 10.000 exemplares

    Conselho Editorial:Antonio Pacheco de Oliveira, Cludio Teixeira, Flvio Fernandes, Karine Endres, Paulo Saussen e Valdir WalterEmail: uabcaxias@gmail.comComercial: 3219.4281Os textos assinados so de inteira responsabilidade de seus autores.

    O x da questo da Petrobras gua ter reajuste de 7,76%

    Edital de Comunicao e Convocao

    Eleies da diretoria da Associao Cultural Germnica de Caxias do Sul (Alles Gut)

    A Associao Cultural Germnica de Caxias do Sul, Alles Gut, informa a todos os seus scios que esto abertas as inscries para a eleio da sua nova diretoria, gesto 2015/2016. O perodo de registro para as chapas se en-cerra no dia 5 de maro de 2015.

    A Associao Germnica de Caxias do Sul tambm convoca todos os seus scios quites com a tesouraria a participaram da Assembleia Geral Eleitoral, que eleger a nova diretoria para gesto 2015/2016.

    A citada Assembleia ser realizada no dia 5 de maro, com primeira cha-mada s 19h30min e segunda chamada s 20h, com qualquer nmero de s-cios quites com a tesouraria.

    A Assembleia acontecer na Casa das Etnias, Avenida Independncia, n 2542, Bairro Panazzolo.

    Caxias do Sul, 16 de fevereiro de 2015.Diretoria da Associao Cultural

    Germnica de Caxias do Sul

    Os caxienses iro pagar um pouco a mais pela gua, a partir de 1 de maro.

    A prefeitura municipal de Caxias do Sul e o Samae informam que, de acordo com o decreto 17.288 de 2014, o per-centual de reajuste na Tarifa de gua de 7,76% passa a vigorar nas contas que possuem vencimento a partir do dia 1 de maro de 2015.

    Segundo a prefeitura, o clculo cor-responde mdia histrica projetada das despesas correntes, acrescida de valores necessrios para realizao dos investimentos planejados e pagamen-tos de juros e amortizao das opera-es de crdito contradas para realiza-o de obras.

    A Autarquia destaca que para con-sumidores em situao de vulnerabilida-de j vigora a Tarifa Social de gua e Es-goto, que prev descontos de 30%, 40% e 50% para famlias inscritas no Cadastro nico da Fundao de Assistncia Social (FAS). O percentual de desconto varia da seguinte forma: 30% para consumo entre 11m e 15m, 40% para consumo entre 6m e 10m e 50% para consumo at 5m. Para a tarifa de esgotamento sanitrio, o desconto ser de 50% para at 15m. Estima-se que 12 mil famlias do Cadastro nico da FAS sejam aten-

    didas com o benefcio.Para ter direito ao benefcio, ne-

    cessrio residir em moradia de carter unifamiliar (no mximo trs economias), apresentar contas anteriores de gua nas quais o nome do requerente aparea como proprietrio/usurio e usufruir de renda familiar de at trs salrios mni-mos ou meio salrio mnimo por pessoa/ms. Para os aposentados, pensionistas e pessoas com deficincia que residam sozinhas, a renda mensal deve ser de at um salrio mnimo.

    Aps a comprovao de enquadra-mento nesses critrios, o consumidor dever encaminhar ao SAMAE a solici-tao de Tarifa Social, juntamente com o comprovante emitido pela FAS. neces-srio comprovar a cada dois anos, junto ao SAMAE, a regularidade da inscrio no Cadastro nico da FAS.

    Para aquelas famlias que esto dentro do critrio de renda, mas no es-to inscritas no Cadastro nico, ne-cessrio que o titular da conta de gua procure a FAS para se inscrever no ca-dastro. Isto pode ser feito de segunda a sexta, das 8h s 14h (sem fechar ao meio-dia). A FAS atende na Rua Bento Gonalves, n 1253, Centro. O telefone (54) 3220-8700.

    Por Emir Sader

    Estava tudo pronto. A pantomima parecia funcionar conforme o desenha-do. Cada ator cumpria perfeitamente o seu papel. Tudo parecia indicar o final sonhado.

    Primeiro criou-se a imagem do caos da Petrobras, apesar da empresa bater recordes de produo. Mas o monop-lio privado da mdia encarregou-se de reverter o nome publico da empresa. O fundamental parecia ter sido feito: a re-verso da imagem da empresa de orgulho nacional para problema nacional.

    A se passou segunda fase da ope-rao. Empresa falida, solues: abertu-ra do capital estrangeiro no Pr-sal (lgi-co), contra o regime de partilha, fim dos componentes nacionais, vender o que d prejuzo, baixar o perfil da empresa ao mnimo. Solues e agentes: abriu-se o lbum de figurinhas e se colocou a cir-cular os novos heris da direita, que iam resgatar a Petrobras das garras estatizan-tes do PT e jog-la no colo do mercado. De Paulo Lehman a Henrique Meirelles, no faltou nenhum.

    Soltar periodicamente boatos para que a bolsa e as prprias aes da Petro-bras disparassem o preferido era que o Meirelles ja estaria assumindo -, para de-sovar aes compradas na baixa. E pre-parar as manchetes: Dilma se rende ao mercado, nomeia tal ou qual, mercado adora e Bolsa dispara.

    Corriam soltas as salivaes , orgas-mos mltiplos se multiplicavam pelas re-daes. Quando, de repente, s que no. Deu zebra. Dilma nomeia o presidente do Banco do Brasil.

    A acionou-se o plano B: Mercado se decepciona e Bolsa despenca! Onde est o dossi de denuncias do cara nomea-do? O que fazer agora? Dizer que a Dil-ma tentou todos os da lista do mercado

    e nenhum aceitou? Ou que o vicio esta-tizante dela prevaleceu? Dizer que houve muita divergncia dentro do governo, na Petrobras e no prprio PT.

    Passar a tomar o Bendine como v-tima privilegiada, para tentar que no se fortalea, que no se estabilize, que no dirija um processo de resgate e de forta-lecimento da Petrobras.

    A pantomima deu errado, essa que a verdade, quando at alguns no campo da esquerda davam a batalha por perdi-da. Os nomes no eram apenas nomes, representavam interesses radicalmente distintos. A grande maioria, do merca-do, que que jogou pesado contra a Pe-trobras, cuja simpatia haveria que recon-quistar, ento nada melhor que algum do mercado, para que o mercado fi-casse contente.

    S que essa conquista significaria atentar centralmente contra o carter pblico da Petrobras e entreg-la esfera mercantil, aos interesses privatistas. Os mesmos que chegaram a fazer com que ela se chamasse, por um dia, Petrobrax. Esse o x da questo. Quem resgata a Pe-trobras o mercado ou a esfera publi-ca? Depende do diagnstico que se faa. O da direita o de que os problemas da empresa vem do seu carter estatizante. O diagnstico da esquerda de que os problemas vieram da penetrao de inte-resses e comportamentos privatizantes no seio da empresa.

    No primeiro caso, se trataria de avanar na direo da privatizao da empresa, da sua imerso na dinmica do mercado. No segundo, de restabele-cer plenamente seu carter pblico, eli-minando interesses mercantis de dentro da empresa. Esse o x da questo da Pe-trobras, o mesmo x que o governo FHC quis introduzir no nome da empresa, mas a opinio pblica impediu.

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015

    Assembleia discute servios da RGE

    Movimento 03

    Presidentes querem soluo para postes inseguros

    Foto: Karine EndresNo dia 10

    de janeiro, os comunitaristas se reuniram em

    Assembleia Geral para apontar melhorias e reivindicar

    demandas quanto ao servio prestado pela Rio Grande Energia (RGE), concessionria de energia eltrica na

    regio.

    Prestao de contas

    No dia 7 de fevereiro, os comunita-ristas que participaram da AG tomaram conhecimento de alguns servios que po-dem ser prestados nos bairros, em parce-rias com outras instituies. Entre estas possibilidades est a presena da Linha da Pequena Empresa e atividades de sa-de em cooperao com o S.E.R Caxias.

    A AG tambm foi o momento dos comunitaristas colocarem em pauta as questes de cultura, j que a reunio contou com a presena da secretaria municipal da pasta, Rbia Frizzo.

    Rbia apresentou algumas mudan-as, como a do local do Carnaval de Rua, com os desfiles sendo realizados na Pl-cido de Castro, ao invs da Sinimb. Ela tambm falou da mudana prevista para a Feira do Livro de 2015, que dever ser realizada no Largo da Estao Frrea, e no mais na Praa Dante Alighieri.

    O Gerente de Rela-cionamento Poder Pbli-co e Grupo A da RGE, Joo Pedro de Quadros, repre-sentou a empresa na As-sembleia. Daniel Dalsoto, presidente do Petrpolis, falou sobre um poste na sua rua, que estaria incli-nado e colocando em ris-co a vida dos moradores. O presidente da Amob Con-quista, Valdoir Vidalechs, relata que na sua comunidade h problemas com pos-tes que foram trocados, mas esto sem luminria. Segundo ele, tambm existem coisas a serem solucionadas na rua Cas-siano Pasuch. Tem um poste que caiu e foi trocado, caiu e foi tracado de novo, e agora est escorado, alm de termos lu-minrias queimadas em duas ruas, afir-mou o presidente.

    Eoci Rogrio Ribeiro, o seu Ceci, pre-sidente do Planalto Frente, cobrou aten-dimento ao protocolo reivindicando que um poste caindo seja concertado. A RGE s toma providncia depois que o poste cai, afirmou ele. O relato sobre postes que esto caindo e que no h providn-cias foi repetido por diversos presiden-tes, como no caso do bairro Jardim Ado-rado, Loteamento Unio e Parada Cristal.

    J a presidente do loteamento Jar-

    dim Oriental, Maria Eliza Mar-que, a Ziza, reclamou do preo alto da energia e da falta de des-centralizao do atendimento da RGE, o que dificulta o aces-so aos moradores da periferia.

    Karina Gonalves, do Para-so Cristal, aproveitou a opor-tunidade para lembrar ao re-presentante da RGE que a sua comunidade tem o desejo de regularizar a situao junto empresa, buscando eliminar as ligaes clandestinas, que re-presentam um perigo.

    Lcia Klipel, diretora de Ha-bitao da UAB e moradora do Jardim Amrica, falou sobre o procedimento da troca de pos-tes em seu bairro. Trocaram os postes, mas deixaram os fios desligados, inclusive sem lumi-nria. Queremos providncias, reivindica.

    Ilves Maria Teixeira, do 1 de Maio tambm pediu que a empresa olhasse com cuidado para a troca de postes em sua comunidade. Tambm quero que prestem mais ateno, pois os nomes dos becos esto sen-

    do trocados, resultando em confu-so na entrega das faturas, afirmou ela.

    Joo Pedro de Quadros destacou os problemas que a empresa tem tido com os repetidos temporais, que causam dano na estrutura da rede. Ele tambm ressaltou que j est previsto um aumen-to na conta de luz de 2015, que poder chegar a 30%. Em relao aos descon-tos proporcionados s famlias de baixa renda, o Governo Federal mudou alguns

    critrios e a Rio Grande Energia precisa-r recadastrar todos os inscritos nesta categoria.

    Quanto s ligaes irregulares de energia, Joo Pedro lembrou que para que a ligao possa ser feita, primeiro necessrio que o loteamento seja regu-larizado. J as trocas de luminrias de-vem ser feitas pela prefeitura municipal. Inclusive, a prefeitura est adotando as luminrias de led, que se ligam automati-camente ao anoitecer e se desligam pela manh, relatou.

    Representante na RGENeste encontro dos comunitaristas

    tambm se trouxe a informao de que um representante comunitrio caxiense poderia acompanhar mais de perto as decises da gerncia da empresa, atra-vs de um assento que a Federao Rio-grandense de Associaes Comunitrias e Moradores de Bairros (Fracab) possui no Conselho Deliberativo da empresa. Durante a AG, Eoci Rogrio Ribeiro, o seu Ceci, foi escolhido para ser o repre-sentante dos comunitaristas junto RGE.

    Na oportunidade tambm foi realizada a prestao de contas da UAB, referente ao ltimo trimestre de 2014, pelo tesoureiro da enti-dade, Flvio Fernanandes. A pres-tao foi aprovada por unimidade, o que ressalta o bom trabalho que temos feito para deixar o caixa da Unio com sade fiscal, afirma Flvio.

    Diversas oportunidades so apresentadas em fevereiro

    Titulares

    Jaison BarbosaItacir de SouzaVilmar BoschettiSalvio FontesPedro Pereira

    Antes da secretria fazer uso da pa-lavra, representantes do S.E.R. Caxias es-tiveram presentes e buscaram parcerias com as Associaes, para desenvolver um trabalho de sade. Cristiane Ramos colocou disposio um servio para medio de glicose, presso e acompa-nhamento nutricional. O servio seria uma parceria entre Amob e o clube. O presidente de bairro que tiver interesse deve entrar em contato com a UAB.

    J o presidente da UAB, Valdir Wal-ter, trouxe a informao de que a RGE est disponibilizando um servio de im-presso das contas de luz diretamente na secretaria da UAB. E, tambm, toda a primeira segunda-feira do ms, um fun-cionrio da RGE estar na sede da Unio, para prestar esclarecimentos.

    Outra iniciativa importante para os moradores de bairros o empreende-

    dor individual. Rogrio Garcia, do Sebrae (Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas) divulgou a Linha da Pequena Empresa, que percorre os bairros agilizando a formalizao do pe-

    queno negcio. Segundo ele, presiden-tes de bairros interessados em contar com o servio no seu bairro devem en-trar em contato com a UAB, informando os locais.

    Dada a largada para as eleies comunitrias 2015

    J iniciou o processo eleitoral co-munitrio 2015, com a escolha da co-misso eleitoral que coordenar os tra-balhos. Os oito integrantes, sendo 5 ti-

    tulares e 3 suplentes, foram escolhidos na AG de fevereiro. Agora eles devem se reunir e encaminhar o regulamento eleitoral para aprovao de nova AG.

    Suplentes

    Alvaro VieceliRaimundo BertulezaPedro Ailton

    Confira quem compe a comisso:

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015Geral 04

    Maesa, tombada, a caminho do uso pblico

    Ato de assinatura da lei que garante que ascpectos arquitetnicos seram preservados

    Foto: caro de Campos | Divullgao

    Tombada, mas no ao cho, como parece. Ao contrrio, agora prdio da Maesa, oficialmente

    e legalmente, deve preservar suas caractersticas

    aquitetnicas originais, como um testemunho da histria de Caxias.

    O tombamento significa que o imvel passa a integrar o patrimnio histrico do Muni-cpio, garantindo a sua preser-vao e impossibilitando o seu aproveitamento comercial (ven-da do patrimnio imobilrio).

    O tombamento, que garan-

    te esse fim, foi assinado pelo prefeito Alceu Barbosa Velho no dia 28 de janeiro. O prdio da Metalrgica Abramo Eberle

    S/A (Maesa), foi doado ao Mu-nicpio pelo Estado em dezem-bro de 2014.

    Para o Prefeito, o tomba-

    mento da Maesa garantia da preservao da memria de tantas pessoas que trabalha-ram no complexo e participa-

    ram de momentos especiais na histria do Municpio. Po-deramos ter feito uma gran-de cerimnia para marcar este ato, mas preferimos fazer de uma forma mais simples e na primeira reunio da comisso para homenagear e valorizar essas pessoas que represen-tam a comunidade. So eles que vo definir o melhor uso da rea, disse.

    Como a Prefeitura tem um ano para apresentar ao governo do Estado o projeto de ocupa-o, uso e gesto do imvel, a comisso vai realizar 12 reuni-es, uma a cada ms, alm de quatro reunies extraordin-rias abertas comunidade para uma prestao de contas do trabalho realizado. A prxima reunio ficou agendada para o dia 23 de fevereiro.

    Comisso deve trabalharO dia da assinatura de tom-

    bamento do prdio da Maesa tambm foi o do primeiro en-contro da comisso especial

    para anlise do uso pblico do prdio. Ainda em janeiro, o pre-feito Alceu Barbosa Velho havia determinado que esta comis-

    so iniciasse seus trabalhos. A finalidade da comisso definir o melhor uso pblico do espa-o da Maesa.

    Cmara de Vereadores: Jaison Barbosa e Raimundo Bampi

    Secretaria Municipal da Cultura: Rubia Frizzo

    Secretaria Municipal do Planejamento:Gilberto Boschetti:

    Procuradoria-Geral do Municpio: Karin Comandulli

    S e r v i o A u t n o m o

    A comisso tem a seguinte composio:Municipal de gua e Esgoto (SAMAE): Edio Eli Frizzo

    Universidade de Caxias do Sul (UCS): Odacir Deonsio Graciolli

    Cmara de Inds t r ia , Comrcio e Servios de Caxias do Sul (CIC): Margarete Tomazini e Olivir Viezzer

    Associao de Engenheiros, Arquitetos, Agrnomos, Qumicos e Gelogos de

    Caxias do Sul (SEAAQ): Orlando Pedro Michelli

    Unio das Associaes de Bairros (UAB): Valdir Walter

    Faculdade da Serra Gacha (FSG): Nelson Felipe Vargas

    Conselho de Arquitetura e Urbanismo(CAU): nome definir pelo presidente da entidade em Porto Alegre

    O prdio da Maesa foi re-passado ao municpio pelo ex-governador Tarso Genro, por meio da Lei Estadual n 14.617, de 8 de dezembro de 2014. J o tombamento do prdio foi as-sinado pelo prefeito Alceu Bar-bosa Velho no dia 28 de janeiro deste ano.

    O patrimnio ocupa uma rea total de mais de cinco hec-tares (52.951,57 m), contan-do com prdios, ruas internas e at mesmo um espao de in-tegrao com a natureza com a presena de um pequeno lago, j que rea preservou uma nas-cente.Apenas uma poro da propriedade chegou a ser ava-liada em mais de R$ 30 milhes. A rea est localizada em zona nobre da cidade, no bairro Ex-posio, inclusive tendo ao lado

    a agora famosa rua Plcido de Castro.

    HistriaEm dezembro de 2010, a

    empresa Mundial, que, ante-riormente, ocupava o prdio da Maesa, o repassou ao Estado, a fim de quitar uma dvida. Hoje, a edificao est alugada para o Grupo Voges. O tombamen-to do complexo, assinado re-centemente pelo Executivo, j tinha sido solicitado em duas oportunidades. Em 2011, a ini-ciativa coube Mesa Diretora da Cmara Municipal de Caxias do Sul, que encaminhou o pedido administrao estadual. Em maio de 2012, a Unio das As-sociaes de Bairros (UAB) fez o mesmo, mas, desta vez, junto prefeitura.

    Saiba Mais:

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015Geral 05

    Est claro: uso do prdio com ampla rea de uso ser alvo de disputas

    Prefeitura quer atualizar cadastro com tamanho dos imveis

    A atividade foi no dia 3 de fevereiro e contou com a pre-sena da comisso respons-vel pela anlise, alm do pre-feito Alceu. Viemos conhecer as instalaes e percebemos que ser preciso investir muito nesse local para revitalizar o es-pao e fazer a manuteno da rea. Precisamos fazer um estu-do com muita seriedade, muita tranquilidade e muito dilogo, salientou o prefeito.

    Visita identifica necessidade de forte investimento

    Durante a primeira visita oficial

    da comisso s dependncias e interior

    da Maesa Prdio 2, j ficou constatado que ser necessrio

    um investimento forte para a recuperao do

    prdio.

    O prefeito se mostrou im-pressionado com o tamanho do local. Com certeza, ter que ser investido um grande valor para a restaurao do prdio. Mas uma coisa certa: no pode ficar como est, e no vai ficar, afirmou Alceu.

    O grupo foi recepcionado pelo presidente do Grupo Vo-ges, Osvaldo Voges, que tam-bm defende seus interesses, embora no sejam pblicos como se preconiza no uso do espao. O presidente da meta-lrgica ressaltou a relevncia de se discutir um cronograma que atenda aos interesses da empresa e tambm da comu-nidade.

    Jaison Barbosa, integran-te da comisso representando a Cmara de Vereadores e um dos lderes atuantes na pre-servao do prdio, defendeu a necessidade de se criar um plano para reunir ideias e cap-

    tar novos recursos. Ele defende que o prdio se torne 100% de uso pblico.

    Alm disso, o vereador

    informou que ser promovida audincia pblica a cada trs meses para que a comunida-de possa se inteirar dos acon-

    tecimentos e decises da co-misso, alm de poder opinar sobre as aes previstas para o local.

    Foto: caro de Campos | Divullgao

    A Prefeitura possui acer-vo das fotografias areas, em papel, de levantamentos ae-rofotogramtricos do munic-pio, datadas dos anos de 1955, 1964, 1979, 1988 e 1998. Mate-rial que, pelo manuseio, pelas aes do tempo e pelas condi-es de armazenamento ten-dem a deteriorar-se. Assim, vi-sando preservar as fotos, que servem de base para laudos tcnicos e tambm so regis-tros histricos do municpio, comeou a digitalizao deste material, bem como a obteno de mosaicos georreferenciados, possibilitando, alm da preser-vao do material, a publicao do acervo fotogrfico na web, atravs do sistema GeoCaxias, disponvel em http://geopubli-co.caxias.rs.gov.br:8814/geo-caxias/.

    A populao poder reali-zar anlises temporais e evolu-o histrica da ocupao do territrio do Municpio. O servi-o ter um custo de R$ 117 mil.

    A atualizao e melhoria do sistema de cadastro imobi-lirio da prefeitura j est sendo feito. O contrato com a empre-sa responsvel pelo servio foi assinado no dia 3 de fevereiro.

    A medida tem o objetivo de proporcionar o conhecimento da real ocupao do solo urba-no de Caxias e dar respaldo regularizao tributria de im-veis e correo dos valores pa-gos de IPTU.

    Para isso, ser feito um levantamento fotogrfico dos imveis, com o auxlio de um veculo equipado com cmeras

    Levantamento topogrfico das

    propriedades caxienses proporcionar que a prefeitura municipal

    atualize seus registros em relao ao

    tamanhos dos imveis em Caxias, resultando

    em atualizao dos valores do IPTU.

    fotogrficas que captam ima-gens em 360..

    A empresa contratada por meio de edital de concorrncia para realizar o servio a Enge-foto Engenharia e Aerolevanta-mentos S/A, de Curitiba. O in-vestimento da de aproxima-damente R$ 1,8 milho.

    A empresa far o levanta-mento fotogrfico das facha-das de lotes edificados dentro

    da rea urbana do Municpio; o recadastramento imobilirio de lotes edificados que estejam com algum tipo de inconsistn-cia frente a atual situao ca-dastral; o cadastramento de no-vos imveis localizados na rea urbana e que esto omissos no sistema de cadastro imobilirio; o levantamento de informaes complementares de prdios acima de quatro pavimentos;

    Digitalizao do Acervo

    a digitalizao e indexao do acervo de plantas de quadras atualmente em papel; e a digita-lizao e o georreferenciamento do acervo de plantas de parce-lamentos atualmente em papel.

    Os servios sero realiza-dos por meio de vistorias aos imveis por pessoal identifica-do para o levantamento de in-formaes, realizando entrevis-ta, fotografia e medies.

    Foto: Luiz Chaves | Divullgao

    Vista rea de Caxias do Sul: imveis sero atualizados no cadastro da prefeitura

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015 06Mais Belas

    Melhor torcida

    Mais Bela Comunitria Estadual de CaxiasCaxias do Sul teve seu trabalho e a beleza de suas comunitaristas reconhecidos no concurso estadual Mais Bela Comunitria, realizado no dia 13 de dezembro, na praia de Salinas que

    fica prxima Cidreira.

    Fotos: Jnata Rubert

    Da esquerda para diretia, Talee Tavares, Nicole Soares, Nathlia Trindade e Ingrid Bonatto

    Nathlia Trindade que tambm porta a coroa de Mais Bela Comunitria de Caxias do Sul conquistou o ttulo mxi-mo da beleza comunitria esta-dual e Ingrid Bonatto, Segunda Princesa Municipal, confirmou sua beleza e simpatia conquis-tando a faixa de Primeira Prin-cesa Estadual. A atitude e ani-mao da torcida garantiu ain-da o trofu de melhor torcida.

    O ttulo de Segunda Prin-cesa ficou com a representante de Cruz Alta, Nicole Soares da Silva, e a faixa de simpatia foi levada pelo municpio de Bu-ti, atravs de Talee Tavares. Ao todo, 14 meninas participaram do concurso.

    Esta a segunda vez que ganhamos, com um intervalo de 14 anos. A outra caxiense Mais Bela Estadual foi Andra Vargas, no incio da dcada de 2000, relembra a diretora do departamento de Organizao das Mulheres, ngela Cordova.

    Foi muito importante tra-zermos este ttulo para Caxias, ainda mais considerando o tempo que passou da ltima conquista. Alm disso, im-portante a integrao entre as candidatas das diversas cida-des, que proporciona que elas conheam a realidade do movi-mento comunitrio no Estado, completa a diretora.

    Orgulho e Responsabilidade

    Nathalia Trindade destaca que a emoo tomou conta do momento do anncio dos no-mes. Alm disso, segundo ela, e o grande intervalo desde o lti-mo ttulo caxiense fez com que se motivasse ao mximo para conquistar o ttulo. uma hon-ra enorme saber que posso re-presentar todo o Estado como Mais Bela Comunitria. O ttulo muito gratificante, destaca a Mais Bela Estadual.

    Quero agradecer UAB pela oportunidade, minha fa-

    mlia que esteve presente co-migo e a todos os demais co-munitaristas que me apoiaram para chegar onde chegamos, afirma ainda.

    Foi muito emocionante poder representar minha cida-de. Foi sem palavras para mim, comenta a Princesa Estadual. um concurso diferente do de Caxias. A gente chega meio t-midas, com vrias meninas que no conhecemos. Eu e Nathlia conversamos sobre isso e deci-dimos que faramos disso uma experincia para conhecermos melhor a realidade de outros locais. Foi muito importante, porque pudemos ver como o movimento funciona em outras cidades e conhecer um pouco sobre um pouco de cada uma das meninas, afirma a inte-grante da corte.

    Alm disso, ela ainda des-taca a responsabilidade que sentiu, por ser a mais velha en-tre as candidatas. Como eu era a mais velha entre as candida-tas, senti um pouco de obriga-o de tentar envolver as me-ninas para alm de apenas um

    concurso de beleza, diz.

    Unio e EsforoArnbio Nulet, segundo

    vice-presidente da Fracab, des-taca o papel que este concur-so tem para as comunidades. um valor fora do normal. As comunidades se unem mui-to em torno disso, ele afirma.

    O dirigente comenta que por exemplo, em Cruz Alta, cidade onde ser realizada a prxima escolha, mais de 70 meninas participaram do ltimo concur-so municipal. Havia mais de 3 mil pessoas no pblico e 70 meninas concorrentes. O con-curso une mais a comunidade do que uma reivindicao, re-

    lata. Esse fator de aglutinao e unio fundamental para que a gente continue o concurso, finaliza.

    Segundo Arnbio, esto sendo esperados mais de 40 municpios inscritos na prxima edio do concurso, que ser realizado no dia 28 de novem-bro, em Cruz Alta.

    A torcida estava muito animada e colorida, a prova que garantimos o ttulo. Usa-mos muitos adereos de mos, o que contribuiu para o efeito esttico. As viagens tambm so animadas. Foi muito di-vertido, timo para a intera-o entre os participantes, comenta Shania Pandolfo, tam-bm diretora do departamento de Organizao das Mulheres.

    Para ns enquanto dire-toras foi muito emocionante trazer para Caxias os dois t-tulos mximos do concurso, complementa Shania.

    As duas estavam mui-to bem preparadas, inclusive por terem passado recente-

    mente por uma forma-o forte, no pr-con-curso muni-cipal.

    A n t e s da escolha, as meninas p a s s a r a m por entre-vista e acre-d i t a m o s que a for-mao dada em Caxias contribuiu muito nes-te sentido, diz ngela. Muita cor e animao garantiram o ttulo de melhor torcida para Caxias

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015 07Geral

    Mateada pelo 8 de Maro

    O departamento est or-ganizando a atividade do Oito de Maro, que ser realizada no dia 22 de maro.

    Est sendo organizada uma mateada no Parque dos Macaquinhos, com integra-o de outros departamentos da UAB.

    O incio ser s 14 horas,

    com previso de encerramento s 18h. Rede de Mulheres de Caxias do Sul apoia o evento.

    Entre as atividades esto sendo programadas shows, chi-marro, presena de represen-tantes da Economia Solidria, com a realizao da feira de ar-tesanato, e atividades de sa-de voltadas para a preveno.

    Fotos: Biscuit a arte que traz alegria | Divulgao

    Mais Bela da Melhor Idade

    Queremos lembrar a to-das as mulheres da terceira ida-de, que no porque j passa-ram dos cinquenta que esto excludas da sociedade, diz a diretora do departamento, Vil-ma Leite.

    O concurso est previsto para o dia 24 de maio e as ins-cries j esto abertas e se en-cerram em 31 de maro. O lo-

    cal da escolha ser definido de acordo com o nmero de participantes.

    Para concorrer necessrio ter mais de 50 anos, interesse pelo movimento comunitrio e representar um grupo ou entidade. Essa entidade no precisa ser diretamente liga-da ao movimento comunitrio, contemplando clubes de mes e sindicatos, por exemplo.

    Haver um pr-concurso, com a realizao de trs ativida-

    O departamento da Terceira Idade da UAB tambm est organizando um

    concurso, buscando aproximar mais

    mulheres da UAB e, tambm, promovendo a valorizao deste

    grupo.

    !

    Queremos lembrar a todas as mulheres da terceira idade, que no porque j passaram dos cinquenta que es-to excludas da socie-

    dade Vilma Leite.

    des formativas, buscando a in-tegrao e agregao de conhe-cimento sobre o movimento.

    Fique por dentro

    Confira as datas importantes para o concurso:

    >> Inscries: at 31 de maro

    >> Concurso: 24 de maio

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015 08Geral

    S esta mudana gerou uma enorme polmica na cida-de, j que defensores da preser-vao histrica no queriam o asfaltamento da via que passa justamente em reas importan-tes da arquitetura antiga de Ca-xias, como o prdio do Senai e da Maesa/Fbrica2.

    Descontentamentos e dis-putas parte, foi para a Plcido o Carnaval e a Incrveis do Rit-mo, do bairro Pioneiro, entrou para a histria, como sendo a primeira escola de samba a ven-cer na Plcido. A Sociedade Re-creativa Cultural e Carnavalesca Incrveis do Ritmo, com o tema Vixe, cabra da peste: a Incrveis no embalo do nordeste, con-quistou 197 pontos, anuncia-dos no dia 15 de fevereiro.

    Em segundo lugar, ficou a Mancha Verde, campe de 2014, com 196,4 pontos e em tercei-ro a Protegidos da Princesa com 193,6, seguidas ainda pela So Vicente com 188,1 pontos, P-rola Negra (181,9) e Acadmicos do Arsenal (178,7), que caiu par ao grupo de acesso. J a escola

    Incrveis do Ritmo faz histria na Plcido de Castro

    Este ano de 2015 entra na histria do Carnaval de Rua de Caxias do Sul. Pela primeira vez, a Sinimbu deixou de ser palco do corso do Momo,

    que foi para a Plcido de Castro.

    Filhos de Jardel foi a primeira colocada no grupo de acesso e desfila no grupo especial no ano que vem.

    O Carnaval de 2015 contou com a realizao da prefeitura municipal, atravs da secreta-ria de Cultura, e pela Associa-o das Entidades Recreativas, Esportivas, Culturais e Carna-valescas de Caxias do Sul e Re-gio Nordeste do Rio Grande do Sul (ASSENCAR). Nicole da Silva Ribeiro, Jennifer Pontes da Silva e Priscila Brz Alexandre, juntas com o Rei Momo Jlio Csar Machado, comandaram o Carnaval.

    Mais de 39 mil pessoas es-tiveram na Plcido nos dias 13 e 14 de fevereiro para prestigiar a cultura carnavalesca. Na sexta foi a vez das escolas do grupo de acesso e do intermedirio pas-sarem pela avenida, enquanto o sbado foi do grupo especial.

    A entrega da obra de asfal-tamento da Plcido aconteceu antes que o prefeito Alceu Bar-bosa Velho passasse as chaves de Caxias ao Rei Momo, devi-

    damente acompanhado de sua corte.

    Para o presidente do bair-

    ro Exposio, Lucas Diel, a pa-vimentao asfltica da Plcido de Castro humanizou a rea que

    Com 197 pontos, Incrveis do Ritmo trouxe o nordeste para a avenida e conquistou pblico e jurados. Abaixo, Nathlia Trindade, atual Mais Bela Comunitria

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015Geral 09

    Incrveis do Ritmo faz histria na Plcido de Castro

    * Filhos de Jar-del 187,9* XV de Novem-bro 185,2* Unidos da Tia Marta 181,1

    j era to bonita. A AMOB do Ex-posio agrade-ce esta obra to importante para todos ns. Aqui, a comunidade caxiense poder caminhar, tere-

    mos a presena de ciclistas e skatistas, porque a Plcido no s do Exposio, de Caxias. A cidade merecia um palco to importante para esta manifes-tao. uma via larga que abri-gar as pessoas sem prejudicar o trnsito, nem ningum, sa-lientou.

    O Prefeito Alceu destacou que o Carnaval de Rua de 2015 deve ser de amor e paz. Ns devemos dar o exemplo, por isso, peo a todos um carna-val de solidariedade, de paz, de muito amor, muita alegria e isso tudo que passou se torne num ato de solidariedade, porque o

    que precisamos hoje de paz e amor. O amor supera tudo e tem essa fora positiva, refor-ou, convidando a todos para se abraarem e fazer uma corrente positiva.

    Pelo grupo interme-dirio, entrou na avenida a Nao Verde e Branco, nica representante des-ta categoria. J pelo grupo de acesso desfilaram a VX de Novembro, Unidos da Zona Norte, Tia Marta e Filhos de Jardel. A Nao Verde e Branco entrou no grupo intermedirio por no ter desfilado em 2014 e sobe ao acesso em 2016.

    No grupo especial es-tiveram na avenida as es-colas So Vicente, Incr-veis do Ritmo, Protegidos da Princesa, Ar-senal, Mancha Verde e Prola Negra.

    Confira as notasGrupo Especial

    * Incrveis do Ritmo 197* Mancha Verde 196,4* Protegidos da Princesa 193,6* So Vicente 188,1* Prola Negra 181,9* Acadmicos do Arsenal: 178,7

    Grupo de Acesso

    Fotos: Antnio Lorenzetti | Divulgao

    Com 197 pontos, Incrveis do Ritmo trouxe o nordeste para a avenida e conquistou pblico e jurados. Abaixo, Nathlia Trindade, atual Mais Bela Comunitria

    Comunitaristas estiveram em peso na organizao do Carnaval 2015 (foto acima). Abaixo, a corte deste Carnaval fazendo a frente

    e recebendo o pblico (foto abaixo). E Tain Teixieria, Destaque Comunitrio de 2010 da UAB, Mais Bela Negra e Rainha do Carnaval

    mostrando que tem muito samba no p (foto no rodap)

  • Jornal dos Bairros10Janeiro e Fevereiro 2015 Sade

    Governo Municipal:

    Secretaria Municipal da SadeTitular: Dilma Maria Tonoli Tes-sari | Suplente: Dino Roberto Soares de Lorenzi

    Secretaria Municipal de Edu-cao:Titular: Deise Vieira Pereira |Su-plente: Gabriela Perozzo Ca-massola

    Secretaria de Obras e Servios PblicosTitular: Paula Karina Macha-do | Duplente: Mrcio Adria-no Deves

    Secretaria de Gesto e Finan-asTitular: Werther Vieira |Suplen-te: Mrcio Angeli

    Governo Estadual e Federal

    Secretaria Estadual da SadeTitular: Simone Cristina Borges Braz | Suplente: Bruna Campos de Csaro

    Governo do Ministrio do Tra-balho e Emprego Titular: Vanius Joo de Ara-jo Corte |Suplente: Ricardo Luiz Brand

    Prestadores de

    Eleitos novos conselheiros da SadeOs conselheiros de Sa-

    de, gesto 2015/2018, j esto eleitos. E empossados. O ato aconteceu no dia 2 de feverei-ro e deu oficialidade atuao de 36 conselheiros titulares e 36 suplentes.

    Eles esto divididos entre eles dez usurios representan-do os distritos sanitrios do Municpio, oito representantes de sindicatos, ONGs e entida-des da sociedade civil, nove re-presentantes dos trabalhadores de sade e nove representantes das entidades gestoras, como a Secretaria da Sade, presta-dores de servios e hospitais filantrpicos.

    A funo dos conselheiros de fiscalizar os servios de sade e a prestao de contas da SMS, bem como aprovar e propor projetos de polticas p-blicas na rea da sade.

    Aps a solenidade de pos-se, ser realizada a eleio para a nova mesa diretora que atuar na gesto 2015/2018.

    Eleio da mesa Aps a solenidade de pos-

    se, ocorreu a eleio para a nova mesa diretora que atua-r na gesto 2015/2018. Pau-lo Cardoso Alves foi reeleito presidente do controle social,

    alm dele foram eleitos Antnio Carlos dos Santos como vice-presidente, Marines de Jesus Fvero secretria para assun-tos de sade e Werther Vieira secretrio para assuntos admi-nistrativos.

    O presidente reeleito pediu que os conselheiros permane-am unidos durante a nova ges-to. "Nossa poltica a de unio e contamos com o apoio dos conselheiros locais para conti-nuarmos trabalhando por uma sade pblica de qualidade em Caxias do Sul", declarou Paulo Cardoso Alves.

    A mesa composta por dois conselheiros represen-

    Conhea os novos conselheiros

    Servios

    Comunidade Cientfica Titular: Gustavo Pauletti Wiener Vasconcellos | Sulente: Vivia-ne Davila Entidades Pblicas e Hospitais Universitrios e FilantrpicosTitular: Gilberto Uebel |Suplen-te: Vanessa Camatti Krauze Prestadores conveniadosTitular: Patrcia Zaparroli Schu-ck | Suplente: Dagoberto Go-doy

    Trabalhadores na rea da sade

    Conselho Regional De MedicinaTitular: Marlonei Silveira Dos Santos | Suplente: Elizabeth Tereza Bernardi Borges

    Conselho Regional de Psico-logiaTitular: Tatiane Baggio |Suplen-te: Manuele Montanari Araldi Conselho Regional de Fisiote-rapiaTitular: Rosemeri Suzin | Suplente:Tatiane Frizzo Sindicato Dos Odontologistas de Caxias Do Sul Titular: Lauro Severo Fontoura | Suplente: Francisco Herton

    Andretta Lopes

    Conselho Regional de Servio SocialTitular: Ilva Ina Santos Da CunhaSuplente: Daiana Maria Batista Conselho Regional de NutrioTitular: Alessandra Stefani Mat-tos | Suplente: Cntia Motter Brustolin Conselho Regional de FarmciaTitular: Valria Weiss Angeli | Suplente: Rita Maria Callega-ri Basso Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de SadeTitular: Marines de Jesus Fve-ro |Suplente: Clari Maria Muller Usurios dos Bairros

    e dos Distritos Sanitrios

    Regio CentroTitular: Eliseu Miguel Ferreira | Suplente: Paulo Silvio de Al-meida Gil Regio CruzeiroTitular: Itacir Pegoraro | Suplen-te: Jocemar Conceio Barbosa Regio EsplanadaTitular: Clair Helena Da Silvei-ra | Suplente: Jos Luiz Lemos Regio Desvio Rizzo

    Titular: Edi Maria Bolson |Su-plente: Maria Inez Faccin Regio ForquetaTitular: Valdomiro de Souza Mattos | Suplente: Ana Paula da Mota Santos Regio Ana RechTitular: Justina Ins Rech Ribei-ro | Suplente: Clodoveu Maria Xavier da Silva Regio GalpolisTitular: Jos Luiz da Silva Lapa | Suplente: Mrio Vtor Pinto Regio FtimaTitular: Paulo Cardoso Alves | Suplente: Claiton Garcia da Cruz Regio Santa Lucia - Cohab Titular: Elias Ferreira | Suplen-te: Mrcia Iara Carvalho Regio RuralTitular: Irani Maria Zorz | Su-plente: Volmir Perin

    Usurios

    Sindicato dos Trabalhadores RuraisTitular: Marcos Agostinho Ca-massola | Suplente: Bernardete Boniatti Onzi Sindicato dos Servidores Mu-

    nicipais Titular: Luiz Geraldo Zimmer-mann | Suplente: Marcos An-tonio da Silva Associao dos Aposentados e Pensionistas:Titular: Pedro Ribeiro Abreu |Suplente: Adrelino Dal Bosco Sindicato dos Trabalhadores Urbanos Titular: Antnio Carlos dos San-tos |Suplente: Jusmari Borges dos Santos Crianas e AdolescenteTitular: Cndido Tadeu Ama-ral |Suplente: Elaine Lcia Pri-gol Rosa Associao de Pessoas com PatologiaTitular: Cassiana Maria Pozzo Weber | Suplente: Simone Ja-ehn Associao de Pessoas com DeficinciasTitular: Ivan Froes | Suplente: Luiza Aparecida Silveira Pa-lhano Movimentos Sociais

    Organizados

    Titular: Maria Neli Oliveira Fer-ranti Suplente: Cleonice Arajo

    tantes dos usurios, um dos trabalhadores de sade e um representante dos gestores. O Conselho somente poder ser

    presidido por um representan-te dos usurios ou um repre-sentante dos trabalhadores de sade.

    Foto: caro de Campos | Divulgao

    Alceu empossa conselheiros da sade para gesto 2015/2018

  • Jornal dos Bairros11Janeiro e Fevereiro 2015 Bairros

    O loteamento foi embar-gado no fim da dcada de 90, pela fiscalizao da prefeitura municipal. Nesta poca, fomos intimados pela Procuradoria do Municpio e o Ministrio Pbli-co entrou no caso. Recorremos justia, para garantir nossos direitos de moradores, j que tambm fomos iludidos sobre a situao do loteamento, ex-plica Gilberto.

    Segundo ele, em 2009, uma deciso do Tribunal de Justia do RS foi favorvel aos moradores, determi-nando que estes po-deriam permanecer no local e condenando os loteadores a entregar toda a infraestrutura necessria par a regu-larizao.

    O Ministrio P-blico ficou com a res-ponsabilidade de fis-calizar o cumprimento desta deciso. Eu co-mecei a acompanhar

    Ouro Verde sofre com falta de regularizao

    Na maioria das vezes, es-tes moradores no tm nem co-nhecimento de que no contam com os servios de infraestru-tura bsicos para uma rea ser regularizada. E ainda, de que a prefeitura municipal no tem a obrigao de implementar es-tes servios e regularizar estas reas, vendidas de forma ilegal.

    Gilberto da Silva Coelho, presidente da Amob do Ouro Verde, conta um pouco da his-tria da sua luta pela regulari-zao. Ele relata que mora no loteamento desde 1997, quan-do havia comercial no rdio de cinco em cinco minutos, divul-gando o Ouro Verde. Os terre-

    A situao do loteamento Ouro Verde, localizado entre o De Zorzi e o Campos da Serra, uma situao tpica do processo de parcelamento do solo em Caxias do Sul. Proprietrios de reas rurais parcelam e vendem seus loteamentos, completamente sem infraestrutura, deixando a

    bomba nas mos dos moradores e da prefeitura.

    nos tinham um preo acessvel e compramos. A famlia que vendeu a rea tinha garantido que seria implementada a infra-estrutura de saneamento e luz, o que nunca aconteceu, relata.

    Hoje, cerca de cinquenta famlias moram no local, que no conta nem com energia regular ou saneamento bsico. Nossa gua trazida para c atravs de caminho pipa do Samae. s vezes a gente v que uma luta muito grande deles para conseguirem abastecer a caixa da gua. Eles precisam vir subindo, trancando as rodas do caminho para ir avanando, devagar. Tem dias que eles no

    conseguem subir at aqui, re-lata o presidente.

    A gurizada estava tendo muita diarreia e dor de barri-ga. Ento, pedi que o Samae fizesse uma limpeza na caixa

    da gua, o que conquistamos. Os funcionrios da empresa que fizeram o servio ficaram impressionados com a quanti-dade de sujeira que havia, re-lembra Gilberto.

    Segundo ele, os funcion-rios teriam questionado como que aquela gua estava sen-do consumida. Simplesmente porque s temos esta gua, respondeu o presidente.

    Comunidade no conta com nenhum servio regularizado: falta energia, gua, sanemanto e acesso ao bairro

    Foto: Karine Endres

    Disputapasso a passo esse processo, mas o MP de Caxias ficou para-do, lembra Gilberto.

    Foi ento que surgiu a Amob. Resolvemos que a me-lhor opo ento, para resolver o problema seria fundando uma Amob. Os moradores daqui en-to me nomearam presiden-te, porque eu j estava acom-panhando e indo atrs disso tudo, lembra o presidente. A associao foi fundada em abril de 2014.

    Gilberto Coelho conta ainda que depois da associa-o fundada, foi conseguida uma reunio com o Ministrio Pblico, com o intermdio da UAB. Ele queria saber porque o MP no havia acompanhado e feito cumprir a deciso do Tri-bunal. O que o MP no tinha feito desde a deciso de Porto Alegre, fizeram em uma sema-

    na, que foi solicitar ao juiz a alie-nao dos bens dos l o t e a d o -res . Pe lo que eu sei, hoje estes bens esto b loquea-dos, para que ha ja o cumpri-mento da

    Busca por justia e qualidade de vida

    sentena, que fornecer a in-fraestrutura necessria para um loteamento regular, expli-ca Gilberto

    Estamos com uma expec-tativa grande para que cum-pram essa sentena. Eu quero saber o que falta ou que fer-ramenta o poder pblico tem para fazer as obras necessrias? Afinal, a Justia j determinou que a famlia que vendeu os lotes conclua a regularizao, diz o presidente.

    Ele relata ainda que a fa-mlia Lorandi, responsvel pela venda dos lotes, j comeou a fazer a infraestrutura, atravs de uma incorporadora. Mas no d para entender o que esto fazendo, diz Gilberto. J colocaram os canos de es-goto, mas no ligaram com as casas. O esgoto continua indo para as fossas. J colocaram os canos para abastecimento

    de gua, mas tambm no liga-ram a lugar nenhum. Eu tenho a impresso de que fizeram isso para mostrar que esto traba-lhando, mas nada foi concludo at agora, lamenta.

    Segundo Gilberto, o pr-prio presidente do Samae, dio Eli Frizzo, teria dito que po-deria ligar a gua para a comu-nidade, mas que precisaria da orientao do Ministrio Pbli-co. Inclusive na ltima reunio que participamos com o MP, o promotor drio Gelatti disse que para termos gua, luz e es-goto aqui, s precisava de um canetao dele. O Valdir Walter, presidente da UAB, que estava presente na reunio ainda fez um comentrio e disse olha doutor, se o senhor precisar de umas canetas para dar esse ca-netao, avisa que a gente pega na UAB e traz aqui, comenta Gilberto com ironia.Caixa da gua abastecida por caminho pipa

  • 12Janeiro e Fevereiro 2015 BairrosJornal dos Bairros

    A Escola Infantil Marquinhos ser edificada na rua Geovani Menegoto, quadra n 3430, lote n 01, e contar com mais de 400 m de rea construda. O espao ter capacidade para 99 crian-as, o mesmo nmero de vagas oferta-das antes da interdio.

    Estamos fiscalizando quando de fato essa obra ir iniciar, porque at agora no vi-mos nem uma movimen-tao nesse sentido, disse Natal Fonseca, presidente da Amob.

    Depois da assinatura da ordem de incio j bus-camos informao junto Secretaria de Planejamen-to (Seplan), querendo uma cpia do contrato com a empresa responsvel pela obra, afirma Natal.

    Escola Marquinhos mais prxima da realidade

    A comunidade j contava com a escola, mas em 2009 a unidade foi interditada, com ris-co de desabamento.

    Desde ento, as crianas de zero a quatro anos incom-pletos da comunidade estavam

    As mes de crianas pequenas do So Victor Cohab esto esperanosas, aps seis anos de

    indefinies. Foi assinada no dia 4 de fevereiro a ordem de incio para a construo da nova sede da Escola Infantil Marquinhos, no bairro So

    Victor.

    sendo levadas para uma casa alugada no bairro Bela Vista.

    Com a mudana, houve uma diminuio de 30 vagas ofertadas e a necessidade de uso de transporte pblico, o que gerou revolta na comunidade. Dezoito meses aps a primeira promessa, prefeitura assinada ordem de incio da obra

    Foto: caro de Campos

    DemoraA assinatura aconteceu um ano e

    oito meses aps a secretaria municipal da Educao, Marla Alves, participar de uma reunio na comunidade e prome-ter que a licitao para a construo do novo prdio seria feita ainda em 2013.

    Naquela reunio na comunidade, em 13 de junho de 2013, a secretaria disse que o municpio j possua a per-misso de uso do terreno, onde a es-cola ser construda. A permisso de uso foi dada pelo Governo do Estado e agora vamos iniciar a licitao. A obra deve iniciar no segundo semestre (de 2013) e a previso de 180 a 240 dias,

    FiscalizaoJ prometeram esse documento,

    mas no me entregaram ainda. A comu-nidade est ansiosa para saber quando a obra vai comear. E tambm queremos estar presentes, apoiando e fazendo a interlocuo com a comunidade, mas at o momento no tivemos esse res-paldo, fala o presidente

    Os moradores do So Victor tam-bm esto reivindicando a instalao de uma academia da melhor idade. J foram feitas trs licitaes para a ins-talao dessa academia, mas at agora nada, relata Natal.

    Segundo ele, nenhuma empresa

    Academia da Melhor Idade

    quer assumir a obra, j que a prefeitura est oferecendo menos do que custaria.

    Essa obra j foi orada em R$ 108 mil, mas a prefeitura est se propondo a pagar apenas R$ 78 mil. Logo empre-sa nenhuma quer assumir, diz o presi-dente.

    disse Marla. Mas a obra no iniciou e foi inclu-

    sive tema de uma audincia pblica na Cmara de Vereadores, em 6 de dezem-bro de 2013.

    Naquela audincia, representan-tes do governo do Estado esclareceram a situao do terreno onde ser cons-truda a escola, j que era propriedade estadual.

    O representante da secreta-ria estadual de Habitao, Aurlio Froener,afirmou que desde 2012 j ha-via um termo de cesso do terreno, per-mitindo a construo da escola infantil.

    Naquela audincia tambm, a secretaria ha-via prometido que a lici-tao para a obra seria feita ainda no primeiro trimestre de 2014.

    Agora com a assina-tura da ordem de incio, a expectativa que a obra seja concluda o quanto antes e as crianas vol-tem a estudar na comu-nidade.Em 13/07 de 2013 secretria vai ao bairro falar da escola

    Foto: Karine Endres

    Escola ser construda em terreno doado pelo Estado

    Foto: Karine Endres

  • Jornal dos Bairros

    Janeiro e Fevereiro 2015Geral

    Programa de qualificao gratuito continua

    Com o encerramento do programa Trabalho 10, a po-pulao de Caxias- principal-mente aquela que no pode pagar pelos cursos ficou com medo da perspectiva de ficar sem acesso formao.

    Mas um novo programa, si-milar ao anterior, j foi lanado pela prefeitura, com o apoio do Lefan - Legio Franciscana de Assistncia aos Necessitados.

    O lanamento do Mundo do Trabalho aconteceu no dia 5 e vai oportunizar comunida-de caxiense o acesso gratuito a 31 cursos de formao espec-fica, disponibilizados nesta pri-meira etapa do programa.

    A expectativa do secretrio de De-senvolvimento Eco-nmico, Trabalho e Emprego, Francis-co de Assis Spian-dorello, secretaria responsvel pelo programa, cerca de 1,2 mil pesso-as sejam atendi-das pelo Mundo do Trabalho, at o fim

    de 2015.Os cursos oferecidos so:

    Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Cabeleireiro, Auxiliar de Ins-petor e Analista de Qualidade, Biscuit, Biscuit Avanado, Bor-dado Ponto Cruz, Camareira, Depilao, Desenvolvimento de Liderana, Designer de So-brancelhas, Eletricidade Bsica, Francs, Francs Nivel II, Infor-mtica Bsica, Ingls, Ingls Nvel II, Italiano, Italiano Nvel II, LID e Metrologia, Liderana, Logstica, Manicure e Pedicu-re, Micropintura, Maquiagem, Operador de Injetora, Patcha-plique, Pintura em Tecido, Pin-tura e Textura Predial, Portaria e

    Recepo, Prticas em Vendas, Tortas, Doces e Salgados.

    As inscries j esto aber-tas e esto sendo realizadas junto ao Salo da Igreja dos Ca-puchinhos (Rua General Sam-paio, 161, Bairro Rio Branco), de segunda a sexta-feira, entre os dias 18 e 28 de fevereiro, das 13h30min s 18h30min e aos sbados das 8h15min s 11h. Para participar necessrio ter idade entre 14 e 59 anos.

    Documentao Necessria para a

    inscrioCpia do RG, CPF, Com-

    provante de Residncia e Com-provante de Ren-da de todos os membros da fa-mlia que residem no local. Quem no tiver o Com-provante de Ren-da, dever levar a Carteira de Traba-lho. Sero distri-budas, em mdia, 80 senhas dirias para atendimento.

    Inscries

    Salo da Igreja dos Capuchinhos (Rua General Sampaio, 161, Bairro Rio Branco).

    At o dia 28 de fevereiro.

    De segunda a sexta-feira - das 13h30min s 18h30min

    Sbados das 8h15min s 11h.

    Desde o dia 13 de feverei-ro, a Praa Joo Pessoa conta com banheiros ecolgicos. Esta praa onde costumeiramente se realiza as feiras de artesana-to, na esquina da Jlio de Casti-lhos com Feij Junior, no bairro So Pelegrino.

    O local conta com clara-boias para a entrada de luz na-tural para economia de energia

    Banheiros ecolgicos em So Pelegrino

    eltrica. A gua da chuva ser captada para o de acionamen-to de descargas.

    O novo espao tem 63 m de rea construda com banhei-ro masculino, banheiro femini-no e fraldrio. O local tambm conta com bebedouro, dep-sito com rea de servio e um local para a banca de revista. O investimento no Municpio foi

    na ordem de R$ 265 mil. A obra beneficia cerca de

    50 mil pessoas que circulam diariamente pela Praa. A cons-truo do novo prdio atende uma reivindicao antiga dos moradores e comerciantes da regio. Depois de 20 anos, o bairro So Pelegrino est sen-do contemplado com vrias obras. Esta administrao tem a conscincia da importncia da nossa regio como centro cultural, geogrfico, comercial e como segundo polo estudantil com cerca de 20 mil estudan-tes. Esses sanitrios e a revita-lizao desta praa como um todo so de suma importncia no s para os moradores, mas para todos que por aqui circu-lam diariamente. Agradecemos Prefeitura, destacou o presi-dente da Associao de Mora-dores do Bairro, Antoco Sartor.

    Foto: caro de Campos

  • Jornal dos Bairros14Janeiro e Fevereiro 2015 Geral

    Segunda a Sexta6h s 8h - Bom dia 87.5 - Osmar Gasperin8h s 10h - Voz dos Bairros - Jos Peroni

    11h s 12h - Manh do Ouvinte - Luciano Behm12h s 14h - Comunicao 87 - Cludio Teixeira14h s 16h - Agora de Tarde - Mauro Teixeira

    16h s 18h - Guigo Show - Rodrigo Fantinel18h s 19h - Momento Gacho - Marcelo Junior20h s 22h - Toque da Azarao - Daiane Mello

    Sbado8:30h s 10:30h - Atualizando Notcias - Antonio Pacheco10:30h s 12:30h - Sabado do Sucesso - Marclio Martins

    14h s 16h - Show de Bandas - Marcos Oliveira16h s 18h - Misturado - Claudio Renato

    18h s 20h - Som da Velha - Pedro Jardim e Michael Souza

    Domingo9h s 13h - Repontando Tradies - Albery de Mattos

    14h s 16h - Festival de Sucesso - Gilberto Godoy16 s 18h - A Hora do Colono - Marcos e Niva Fellippi

    18h s 20h - UAB Esportes - Flavio Fernandes, Pedro Jardim e Josmar Santos

    20h s 22h - UAB Mulher - Shania Pandolfo e Michael Souza

    |54| 3041.1273www.radiouabfm.comfacebook.com/radiouabfm87.5WhatsApp: 9683.8831

    Rua Francisco Getlio Vargas, n 1215, Bairro Petrpolis

    A UAB, atravs do seu de-partamento de Incluso Social, est dando sequencia s turmas de Introduo Informtica. Em 10 de dezembro, foi a oportuni-dades dos alunos de 2014 rece-beram seus certificados de con-cluso, na sede da UAB.

    Como os cursos da UAB representam uma inicializao ao mundo digital, na oportuni-dade a representante do centro de educao QI, Neuza Catu-zzo, esteve presente e explicou

    UAB continua incluindo alunos no mundo da informtica

    como funcionam os cursos da escola. Alm disso, ela sorteou diversos bnus de descontos, tanto para aulas de informtica quanto para as de ingls.

    Hoje precisamos de infor-mtica para as coisas bsicas do dia-a-dia. At mesmo para rece-bermos salrio no banco, preci-samos dominar noes bsicas de informtica, afirmou o pre-sidente da UAB, Valdir Walter.

    Para Janete Vargas, diretora de Incluso Social, esta uma

    oportunidade singela de se ini-ciar na informtica, mas que no deve ser desperdiada, j que gratuita e disponibilizada a to-dos os comunitaristas.

    No nosso curso, as pesso-

    as aprendem as noes bsicas de informtica, como iniciar as operaes em um computador, como utilizar os programas do dia-a-dia, internet, redes sociais e e-mail. Hoje, todos que quere-

    mos ser ativos no mundo con-temporneo precisamos destes recursos. Alm do mais, so fun-damentais para ajudar no traba-lho e na divulgao das ativida-des comunitrias, fala Janete.

    Fotos: Karine Endres

  • Jornal dos Bairros15Janeiro e Fevereiro 2015 Bem Estar

    Economia e preservao: produtos de limpeza ecolgicos

    A limpeza das nossas casas e locais de trabalho ou estudo so fundamentais para a sade e para o bem estar das pessoas. Porm, tambm neste quesito que mui-to dinheiro vai literalmente pelo ralo. A ironia vale tanto pelo cus-to destes produtos que costu-mam impactar bastante no valor total do supermecado assim como no impacto ambiental.

    Em geral, os produtos con-vencionais usados para a limpeza dos ambientes so os que mais geram a poluio domstica. De-tergentes industrializados justo aqueles que mais fazem espuma impactam diretamente nos cur-sos dos rios, criando uma pelcu-la sobre a gua que impede a sua oxigenao. Como consequn-cia, h proliferao de bactrias que poluem as guas e a mortan-dade de peixes.

    O cloro, querosene, abrasi-vos e outras combinaes mila-grosas tambm causam srios danos ao meio ambiente e nos-sa sade.

    Pensando nestas questes, o Jornal dos Bairros d sequencia na sua coluna de Bem Estar pro-pondo a utilizao de produtos menos nocivos ao ambiente e a nossa sade. Confira!

    Sabo de coco

    O sabo de coco j um pro-duto natural e pode ser usado para lavar a maioria das coisas. Para facilitar o uso pode-se dis-solv-lo em gua quente.

    Vinagre Branco

    Outro produto natural e que ajuda na limpeza de muitos tipos de produtos e superfcies.

    ParedesUtilize os produtos em

    partes iguais para a limpeza de paredes.

    Cheiro de xixi de criana

    Uma poro de vinagre branco na mquina de lavar: timo para tirar o cheiro de xixi das roupas de crianas.

    Cheiro de animaisDois teros de gua para

    um tero de vinagre uma tima soluo para retirar odores de fezes e urina de animais. Logo aps aplicar a mistura jogue um pouco de vinagre puro e deixe secar na-turalmente.

    MofoPara retirar mofo do re-

    junte de azulejos, esfregue-os com vinagre puro e aps duas horas lave o local com gua e sabo.

    Manchas de RoupasFaa uma mistura com

    partes iguais de vinagre e gua e com borrifador aplique-a so-bre manchas nas roupas an-tes de coloc-las na mquina de lavar.

    PanelasPara retirar resduos de

    alimentos queimados de pa-nelas, ferva gua com um pouco de vinagre (aproxima-damente quatro colheres de sopa) na panela e depois lave-a normalmente.

    Vidros e CristaisCopos brilhando apenas

    deixando-os de molho em

    uma bacia com gua e gotas de vinagre.

    Espelhos e VidrosTrs colheres de vinagre

    em um litro de gua morna para limpeza de rotina de janelas e espelhos.

    Por que o vinagre funciona

    O vinagre branco (voc pode usar tambm suco de li-mo) um cido fraco e permi-te desinfetar vasos sanitrios, bancadas e pias na cozinha, limpar vidros e metais, etc. Use-o em substituio ao lim-pador multiuso, desinfetante e amaciante de roupas.

    Inclusive d para usar como amaciante de roupas. Usando 2 colheres de sopa no enxague e as roupas j ficam macias por mais tempo.

    Se quiser, adicione gotas de essncia para perfumar.

    Receitas

    Por que o vinagre funciona

    Por que o vinagre funciona

    Desinfetante de Banheiro

    1 litro de lcool (de prefern-cia 70)1 sabo de coco neutroFolhas de Eucaliptogua

    Como fazer

    - Deixe as folhas de eucalipto (ou outra de sua preferncia) de molho no lcool por dois dias- Dissolva o sabo ralado em um litro de gua- Juntar a gua e a essncia de eucalipto e engarrafar

    Amaciante de Roupas4 colheres de sopa de Glicerina1 sabonete natural ralado2 colheres de sopa de Leite de Rosasgua

    Como Fazer

    - Dissolva o sabonete em um litro de gua- Acrescente 4 litros de gua fria, a glicerina e o Leite de Rosas

    - Misturar e engarrafarReceita de detergente natural01 pedao de sabo de coco neutro (produto natural)02 limes04 colheres de sopa de amon-aco (que biodegradvel)gua- Pique ou rale o sabo de coco e derreta-o em um litro de gua- Acrescente cinco litros de gua fria e esprema os limes- Despeje o amonaco e mis-ture bem

  • Jornal dos Bairros16Janeiro e Fevereiro 2015 Esporte

    Os jogadores e jogadoras de futebol j podem inscrever suas equipes na 8 Copa Inter-bairros de Futsal Feminino e no 21 Campeonato Interbairros Srie Ouro.

    As inscries ficam aber-tas at o dia 28 de fevereiro, na sede da UAB. Cada equipe pode inscrever dois atletas de outros bairros, valendo a regra para os dois campeonatos. Neste ano, diminuiu a quantidade de atle-tas que podem participar, sendo que agora no mnimo 10 e no mximo 12 jogadores.

    O projeto organizado pela UAB prev vinte equipes inscri-tas na srie Ouro e outras 12 no Feminino. Caso no haja 20 equipes inscritas, considerando as aptas a se inscrever (as que se mantiveram na Srie Ouro em

    8 Rstica e campeonatos de futebol esto com inscries abertas

    A UAB j deu a largada das atividades esportivas de 2015. No dia 8 de maro acontece a 8 Rstica Comunitria Cor-rida contra a Dengue, com apoio da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel).

    A largada ser s 9hrs para a mni rstica, com percurso de 3 mil metros e 30min para sua concluso e s 09h45 h a lar-gada para a rstica, com traje-to de 5,5 mil metros e encerra-mento aps 1h da largada.

    A largada e a chegada se-ro em frente a es-cola estadual Evaris-to de Antoni, na rua Genoveva rsula Or-landin, n 276, bairro So Jos.

    As inscries podem ser feitas at o dia 4 de maro, di-retamente na Smel. A inscrio 1kg de

    alimento no perecvel. A Smel fica na rua Vinte de Setembro, 2721, e atende no telefone 3901.1265.

    Os cem primeiros a che-gar ao final da rstica recebe-ro camisetas comemorativas e medalhas. E os cinquenta da minirrstica tambm sero agraciados com estes prmios. A escola com maior nmero de participantes ganhar um kit de material escolar, como j tradio na rstica comunit-ria Corrida contra a Dengue.

    Futebol tem incio

    2014 e que ascenderam da Srie Prata), outros times que partici-param da Prata em 2014 sero convidados a participar.

    O valor da inscrio de R$ 240,00 para a Ouro e R$ 200,00 para a feminino. A abertura est agendada para o 7 de maro, no Enxuto, para os dois campeo-Campes de 2013 comemoram

    Foto: Karine Endres

    antos. s 19h30min. Sero homenageados Se-

    bastio Nunes (Tio) na Ouro e Gema Refosco no feminino, ambos in memoriun. Sebastio fez carreira como rbitro de fu-tebol e Gema foi integrante do departamento da Terceira Ida-de da UAB.

    Foto: Karine Endres

    Belo Horizonte foi o campeo da Ouro em 2014