Introduo Bsica Internet e Suas Aplicaes na Medicina Curso Renato M.E. Sabbatini, PhD Silvia Helena Cardoso, PhD Instituto Edumed e UNICAMP.

  • Published on
    07-Apr-2016

  • View
    218

  • Download
    6

Transcript

  • Introduo Bsica Internete Suas Aplicaes na MedicinaCurso

    Renato M.E. Sabbatini, PhDSilvia Helena Cardoso, PhDInstituto Edumed eUNICAMP

  • Objetivos do CursoAdquirir conhecimentos bsicos sobre o que a Internet, quais so os seus princpios bsicos de funcionamento das ferramentas e funes principaisAdquirir noes prticas sobre a busca e localizao de informaes na Internet, especialmente atravs da pesquisa bibliogrfica em medicina

  • Tpicos do CursoO que a Internet e como funcionaFerramentas da InternetO que a WWW e como funcionaProcurando informao na InternetInformao mdica profissional na InternetPesquisa bibliogrfica na Internet

  • Parte IO que a Internet e como funcionaComo acessar a Internet

  • O Que uma Rede de ComputadoresUma rede um conjunto de recursos de hardware e software usado para interligar computadores e outros equipamentos de Informtica, de modo a permitir a transmisso de dados entre os mesmos e compartilhar recursos.TerminaisServidorPerifricosCabo

  • Tipos de Redes por AbrangnciaRedes de rea local LAN: Local Area NetworksRedes de rea ampla WAN: Wide Area NetworksRedes globais INTERNET

  • Interconexo de uma WANRoteadorLANLAN

  • Backbone AcadmicoRNP: Rede Nacional dePesquisaIncio: 1992Backbone ComercialEMBRATELIncio: set. 1995Backbones Brasileiros

  • CampinasPorto AlegreComo Funciona uma WAN

  • O Que a Internet ?Uma rede de redes de computadores (WAN global)Conecta computadores de diferentes marcas e modelos, e com diferentes sistemas operacionaisUtiliza uma linguagem padronizada e publicamente disponvel de intercomunicao (protocolos TCP/IP)Permite transitar qualquer tipo de informao digitalA maior rede de computadores do mundo, abrangendo quase todos os pases (250 milhes de usurios, 100 milhes de computadores)

  • Endereos Simblicos na Internet: O Domniowww.uol.com.brdomnio deprimeiro nveldomnio desegundo nvelredeIP: Endereo numrico que corresponde ao endereo simblico Ex,: para mail.uol.com.br o IP 200.231.204.140

  • Domnios de Primeiro Nveleduentidade educacionalcomempresa/companhiagoventidade governamentalorgorganizao no governamentalmilentidade militarnetadministrao da redear, brdomnio do pasmed, odo, cjb..Outros domnios novos no Brasil

  • Exemplos de Domniosharvard.eduunicamp.brmec.gov.brmicrosoft.combradesco.com.brinternic.netembratel.net.brjatene.med.br

    cdc.govamia.orgamb.org.brftp.simtel.orgwww.uol.com.brils.paho.orgobelix.unicamp.brpasteur.nib.unicamp.br

  • Mtodos de Conexo InternetConexo TemporriaConexo discada (ligao entre modems de udio via linha telefnica comum)Ativo apenas durante o uso: forma dominante para usurios domsticos, tende a desaparecerRecebe um IP temporrio, que se perde ao se interromper a conexoVelocidade muito limitada (atualmente 56 Kbps)

  • Mtodos de Conexo InternetConexo permanenteIdeal para servidores de redes locais e hostsCada vez mais usada para usurios finais: ser padro no futuroBaseada em tecnologias digitais:Modem de TV a cabo (cablemodem)SatliteLinhas privadas digitais LP, ADSL e ISDNPonte de rdioRecebe um IP fixo

  • Para se Conectar InternetMicrocomputadorPlaca de fax-modem ou modem especializadoSoftware de rede (Dial-Up ou LAN)Linha telefnica (comum, privada ou cabo)Assinatura de um provedor de acessoSoftwares de acesso Internet (Netscape, FTP, Email, etc.)

  • Conexo DiscadaMicrocomputadorServidorInternetUma maneira de se conectar a umprovedor Internet atravs do sistematelefnico

  • Comunicao de Dados: o ModemModem = Modulador DemoduladorEstabelece comunicao entre dois computadores atravs de uma mdia analgicaConverte pulsos digitais (0 e 1s) em sinais analgicos e vice-versaTipos: modem para linha telefnica, modem para TV a cabo, etc.

  • Conexo DiscadaPara conectar ao provedor: 1) O primeiro passo clicar no discador, que um software para acesso ao modem discado 2) Obtemos assim a telinha ao lado onde digitamos o nome do usurio, telefone do provedor e a senha necessrios para estabelecer esta conexo3) Ao clicar no boto conectar o computador iniciar o processso de conexo

    123

  • Software de Discagem DiretaPrograma de configurao: permite especificar parmetros como:Nome da conexo, local de origemNmero telefnico a ser discadoTipo de discagem: pulso ou tomNmero de bits, paridade, padro, velocidadePorta e caractersticas do modem usadoParmetros do protocolo TCP/IPLogin e senha de acesso

  • Conexo Via TV a Cabo

  • Banda Larga: ComparaoLinha Privada (IP ou ISDN): linha digital dedicada, usando fios comuns de telefonia, preo alto, velocidade baixa (64 Kb). Precisa mais de uma linha se quiser aumentar velocidadeADSL: usa linha telefnica j existente, simultaneamente voz, fax, Internet, vrias velocidades, preo baixo, linha dedicada at a central. Problemas: excesso de trfegoCable Modem: precisa ser assinante de TV a cabo, paga adicional fixo, diversas velocidades. Linha no dedicada, prejudicada por vrios usurios

  • Novidades na Conexo InternetProvedores de acesso a banda largaUOL, Terra, Ajato, etc.Provedores de acesso gratuitoInternet Gratis (iG) www.ig.com.brBOL: www.bol.com.brBradesco: www.bradesco.com.brBuscadores automticos de discagemEspecficos para um provedorPara vrios provedores gratuitos

  • Parte IIFerramentas da InternetCorreio eletrnico, listas de discusso, grupos de noticias, arquivos e acesso remoto

  • A Arquitetura Cliente-Servidor Clientecomputador que recebe os dadosServidorcomputador que envia os dadosIrede

  • Correio EletrnicoDestinatrioInternetMail HostRemetenteMail Host

  • Correio Eletrnico: Endereosabbatin@nib.unicamp.br

  • Softwares para Correio EletrnicoCliente de email: programa usado para acessar a caixa postal, descarregar e enviar mensagens, compor mensagens, classific-las e armazen-las em pastas locais, etc.Clientes embutidos em browsers: Netscape Messenger, Internet Explorer Mail, etc.Clientes especficos: Eudora, Outlook, etc.

  • Softwares para Email: Menus

  • Configurao do EmailServe para informar ao software cliente de email qual conta dever acessar, e como;Deve ser utilizado a primeira vez que se usa um software de email ou quando uma nova conta for aberta;Especificar:Nome do usurioNome da conta de emailDomnio do servidor de email (enviar e receber)Protocolo a ser usado (POP3, IMAP4)Opes de envio e recebimento, segurana, etc.

  • Anexos de EmailUma mensagem de correio eletrnico pode ser usada tambm para enviar arquivos de computador de qualquer tipo, na forma de anexos (attachments)Esta facilidade permite o envio de imagens, sons, videoclipes, programas, arquivos compactados, etc.Os softwares clientes tm comandos para adicionar e recuperar anexos de mensagens

  • WebMail: O Que uma interface grfica baseada na Web, para acesso a caixas postais eletrnicas (email)Tem todas as funes de um software cliente autnomo de email; com a vantagem de poder ser utilizado em qualquer lugar onde haja uma conexo WebForma de acesso adicional dada pelos provedoresAcesso gratuito dado por sites (Yahoo, HotMail, etc.)

  • Lista de DistribuioDestinatrio AInternetListserverRemetenteMail HostDestinatrio B

  • Exemplo de Lista de DiscussoLista de Discusso MEDSAUDE-L sobre Medicina e Sade Para assinar: enviar mensagem de email para listproc@server.nib.unicamp.br Com texto contendo seu endereo de email: subscribe medsaude-l renato@sabbatini.comPara mandar mensagens para toda a lista: medsaude-l@server.nib.unicamp.brPara suspender a assinatura: enviar mensagem para listproc@server.nib.unicamp.br Com texto: unsubscribe medsaude-l

  • Tipos de Listas de DistribuioModeradas vs no moderadasUnidirecionais (boletins eletrnicos) versos multidirecionais (lista de discusso)Assinatura livre vs. assinatura autorizadaArquivadas vs. no arquivadasResumo dirio vs. envio individualNo precisa software especfico: funciona via email e/ou navegador Web

  • Grupo de NotciasUsurio AInternetMail HostRemetenteNewsgroup HostUsurio B

  • Hierarquia de Grupo de NotciasOs grupos de notcias so organizados de acordo com um sistema hierrquico que identifica a grande rea de conhecimento, a sub-rea e o tema especficoExemplos:sci.med.aids Discusso cientfica sobre AIDS (science/medical)alt.support.depression Grupo de suporte a depressivos (alternative/support)comp.databases.oracle Discusso de usrios do Oracle (computers/databases)

  • Hierarquias de Nvel Superior

    humanitieshumanidadesbionetbiologiabitlistasbiznegciosinfoinformaesschlescolacompcomputadoresrecrecreaoscicinciasocsociedadetalkdiscussesnewsnotciasmiscmiscelnea

  • Softwares para Acesso Grupos de NoticiasSoftware embutido no navegador (Netscape, Internet Explorer)Softwares clientes especficos (Ex.: Fort News Agent)Interfaces via Web (Ex.: DejaNews)

  • Grupos de Notcia e Listas de Discusso na WebGateways: programas que permitem integrar atravs de uma interface baseada na Web as funes de grupos de notcias e de listas de distribuioSites que oferecem possibilidade gratuita de se criar o prprio grupo ou lista:YahooGroups: www.yahoogroups.comMeuGrupo: www.meugrupo.com.br

  • Transferncia de Arquivos (FTP)ClienteServidor FTPFTPCpia LocalCpia do Servidor Software FTP DedicadoAcesso via browser WWW FTP do MS-DOSAcessoannimo ourestrito Software Servidor de FTP FTP via WebServer

  • Tipos de FTPFTP de acesso restrito: necessrio fornecer nome de acesso (login) e senha, para que o servidor FTP libere a capacidade de transferir arquivosFTP annimo: implementado por vontade do dono do diretrio, no exige senha e login

  • Software para FTPPode ser realizado diretamente pelo navegador da Web (protocolo ftp://)Pode ser realizado pelo Windows Explorer (verso 2000 do Windows)Pode ser realizado por softwares profissionais de FTP (Ex.: CuteFTP, WS FTP LE, etc.)Gerenciadores de download (Ex.: GetRight): permitem fazer vrios simultaneamente, recomear aps interrupo, refazer, etc.

  • Execuo Remota (TELNET)Permite que um terminal (cliente) acesse qualquer host ligado a Internet e execute diretamente seu sistema operacional e softwares locais, emulando um terminal remotoInternetProvedorTerminalComputador Remoto

  • Troca de Mensagens (IRC)Provedor 1Terminal 1Terminal 2Provedor 2Refletor ouRel(Servidor de IRC)InternetInternet

  • Softwares Clientes para IRCICQYahoo! MessengerAOL Messenger

  • Parte IIIO Que a World Wide Web

  • O Que a WWW? um servio disponvel atravs da Internet que permite a transmisso e acesso a documentos multimediais atravs do hipertexto (hipermdia)Usa um protocolo especial chamado HTTP (HyperText Transfer Protocol) e uma linguagem de especificao de documentos, chamada HTML (Hypertext MarkUp Language)Usa uma conveno de endereos eletrnicos para os recursos na rede chamada URL (Uniform Resource Locator)

  • O Que MultimdiaUtilizao de vrios meios de apresentao de informao em um mesmo produto:textoimagens estticasimagens dinmicas (animaes, vdeos)sonsIntegrao atravs de um software adequado de apresentao (GUI)Inclui um componente de interatividade

  • O Que Hipermdia um produto multimdia interligado de forma no linear, como em um hipertextoA navegao feita atravs de vnculos, ou linksOs vnculos provocam o carregamento e exibio de outros documentos ou meiosTem segmentos interativos e no interativos

  • O Que um Protocolo? uma conveno ou linguagem que permite a comunicao entre computadores atravs de uma rede O protocolo principal usado pela Internet o TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) h muitos outros protocolos sob o TCP/IP. exemplos: SMTP: ou Simple Mail Transfer Protocol FTP: ou File Transfer Protocol

  • Uniform Resource LocatorURLhttp://www.nlm.nih.gov/visible/sample.htmUm Formato de Endereo para a WWW:O Que a URL?

  • Software Cliente: Netscape, Internet Explorer (browser)Software Servidor: WWW ServerProtocoloClienteServidorIInternetA Tecnologia Pull (Puxar)

  • O Que o Browser?Um programa (cliente) que permite ler e extrair o contedo de pginas na Web, usando ou protocolo HTTP. O programa tambm permite identificar links dentro de um documento e em outros computadores, e pular para outros stios na Internet (navegao).

  • O Software Cliente do WWW (Browser)MenuferramentasEndereo

    rea de exibio

    Status

  • Tipos de BrowsersNetscape CommunicatorMicrosoft Internet ExplorerMosaicOperaetc.Todos funcionam de maneira similar e hoje esto disponveis gratuitamente atravs da Internet

  • Navegao na WWWBarra de menuEndereo de acessoBarra de ferramentasMicrosoft Internet Explorer

  • O Que um Link (Elo) ? uma frase ou palavra, usualmente de uma cor diferente ou sublinhado, que permite pular para outros sites ou pginas no mesmo computador ou em outras computadores. Normalmente o que se faz "clicar" o mouse em cima da frase ou palavra.

  • ClienteServidorwww.nlm.nih.govIInternetSoftware cliente: Netscape, Internet ExplorerSoftware servidor: WWW ServerHTTPhttp://www.nih.nlm.gov/visvel/sample.htmBuscarConectarPedrA Tecnologia PullUma Transao em HTTP (1)

  • ClienteServidorwww.nlm.nih.govIInternetHttp://www.nih.nlm.gov/visvel/sample.htmConfirmarTransferirEncerrarsample.htmlogo.gifreturn.gifSoftware cliente: Netscape, Internet ExplorerSoftware servidor: WWW ServerHTTPA Tecnologia PullUma Transao em HTTP (2)

  • ClienteSoftware do browserHttp://www.nih.nlm.gov/visvel/sample.htmsample.htmlogo.gifreturn.gif

    The Visvel Human Project

    National Library of MedicineScript em HTMLVisualizao feita pelo browserComo Funciona o HTTP?AB

  • Arquivos VisualizveisOs browsers so capazes de visualizar diretamente apenas alguns tipos de arquivos:Texto (.TXT ou .HTML)Imagens (.JPEG, .JPG, .GIF, .PNG)Sons (.WAV)Os demais tipos de arquivos necessitam de programas auxiliares para serem visualizados ou tocados (so os chamados plug-ins)Alguns plug-ins j vem instalados, dependendo do tipo de browser e verso, outros precisam ser instalados pelo usurio.

  • Formatos de Dados ComunsHTMLHyperText Markup LanguageBrowserSGMLStandard Generalized Markup LanguageAplicaes AuxiliaresPDFPortable Data FormatAplicaes AuxiliaresFormatoVisualizado por:ASCIIBrowserPostScriptAplicaes AuxiliaresRTFRich Text FormatAplicaes AuxiliaresTXTHTMSGMPSPPDFRTFTipo

  • Formatos de Imagens na WebFormatoVisualizado por:GIFGraphic Interchange FormatBrowserGIFTipoJPEG Journalists Photo Experts Group BrowserJPGPNG Portable Network GraphicsBrowserPNGPCX, TIF, BMPAplicativos Auxiliares---

  • Formatos de udio/Vdeo na WebNetscapes Media Player (LiveAudio)Microsoft Media Player (udio e vdeo), NetShowMPEG 3 (Moving Pictures Experts Group): udio e vdeoWAV: Wave FileAVI: Audiovisual Interface (Windows)VXTreme, VDONetMIDI (msica)Apple QuickTime (.QT)Movie Format (.MOV)RealAudio (.RA), RealVideo/RealMedia (.RM)

  • Formatos de udio/VdeoFormatos que exigem download completo antes de poderem ser visualizados ou tocadosFormatos que podem ser visualizados/tocados medida em que vo sendo transmitidos (streaming)

  • Como Funciona o Streaming?Visualizao contnua dos pacotes de udio e/ou videoEnvia arquivo de audio e/ou video em pacotes pequenos e seriaisClienteServidor

  • Parte IVComo Procurar Informao na Internet

  • Necessidade de Mecanismos de BuscaA Internet e a Web so extremamente dinmicas, crescem continuamente, e os recursos esto localizados de forma distribuda (milhes de servidores)Essa biblioteca desorganizada, no entanto, pode ser totalmente indexada, graas tecnologia, e qualquer palavra de qualquer documento podem ser localizados em poucos segundosVerdadeira revoluo na disseminao e organizao do conhecimento humano

  • Como Procurar Informao na Internetndices Contm listas de todas as palavras existentes em documentos na Web, e onde elas ocorrem (URLs). Permite a busca por combinaes de palavras-chave. Operao automtica.Catlogos Contm listas de sites e home-pages da Web, categorizadas por assuntos e sub-assuntos. Operao semi-automtica (necessrio submeter).

  • ndices: Mecanismo de Busca um software que opera atravs da Web, baseado em um grande ndiceO ndice construido por softwares automticos (robs ou spiders) que varrem continuamente a Internet, buscando pginas e recuperando todas as palavras, imagens, etc.O usurio pode especificar palavras para realizar a busca. O software do mecanismo investiga a ocorrncia das palavras-chave no ndice, combina os resultados e devolve uma lista de URLs para o usurioImprescindveis para achar informao na Internet.

  • Mecanismos de Busca - Perfil

  • Mecanismo de Busca - Ordenao A ordenao dos resultados de uma busca obedece a critrios de relevncia:argumento encontrado no TITLE da pginaproximidade entre os argumentos no textonmero de ocorrncias dos argumentos de pesquisaargumentos em negrito ou em fonte maiorpopularidade da pgina (nmero de links que apontam para ela)

  • Tipo de Mecanismos ndices Genricos AltaVista (http://www.altavista.com ) Excite (http://www.excite.com ) FAST (http://www.alltheweb.com ) Google (http://www.google.com ) HotBot (http://www.hotbot.com ) Infoseek (http://infoseek.go.com ) Northern Light (http://www.northernlight.com ) Radar UOL (http://www.radaruol.com.br) Radix (http://www.radix.com.br)

  • Tipo de Mecanismos ndices Especializados Os ndices especializados no se preocupam em indexar toda a Web (focam sua busca dentro de um assunto definido, uma rea geogrfica ou tipo de recurso). Os ndices especializados so, na maioria das vezes, mais eficientes do que os mecanismos tradicionais

  • Mecanismos de Busca Especializados em MedicinaMedical World Search http://www.mwsearch.comMedHunt http://www.hon.chMedScopio (Brasil) http://www.medscopio.com.brDoctor Miner (Brasil) http://www.miner.uol.com.br

  • Estratgia de Busca: ndices Formule uma questo e seu escopo. Ex: quais so os tratamentos usados para demncia associada AIDS? Identifique os conceitos importantes dentro da questo (palavras chave). Ex: AIDS, tratamento, demncia Considere possveis sinnimos e variaes das palavras chaves. Ex: SIDA, terapia, etc.

  • Pesquisa Booleana Usa as palavras AND, OR, NOT (operadores booleanos) para expandir e limitar as buscasUsa lgica matemtica desenvolvida por George Boole no sculo XIX Permite combinar os termos de pesquisa. Mais teis em buscas complexasObtm resultados mais especficos

  • Pesquisa Booleana - AND combina palavras e/ou frases, buscando pginas apenas onde aparecem TODAS as palavras no mesmo textoSintaxe 1: soja AND transgnicaSintaxe 2: soja & transgnica

  • Pesquisa Booleana - OR combina palavras e/ou frases, buscando textos que tenham pelo menos uma das combinaes.Sintaxe 1: soja OR transgnicoSintaxe 2: soja | transgnico

  • Pesquisa Booleana - NOT exclue palavras e/ou frases dos resultados da pesquisa.Sintaxe 1: soja NOT transgnicoSintaxe 2: soja ! transgnico

  • Pesquisa Booleana - Proximidade NEAR, ADJ, FOLLOWED BY - alguns sites permitem que voc encontre pginas com as palavras de busca prximas uma da outra por um nmero x de palavras (evita-se encontrar documentos em que estas palavras aparecem sem ligao entre elas).

    Ex: cpi NEAR narcotrfico

  • Outras Estratgias de Busca (1)Adio + antes de uma palavra chave ou frase obriga que ela apareca entre os resultados relevantes. Ex: +AIDS +AZT tratamentoSubtrao - elimina dos resultados as pginas que contm a palavra chave ou frase. Ex: +AIDS AZT tratamentoFrase exata (entre aspas): Ex.: Adib JatenePrefixos: * pesquisa todas as palavras chave com a raiz antes do asterisco. Ex.: abdom*

  • Pesquisa Booleana: Uso de ParntesesOs operadores lgicos AND, OR, NOT, NEAR, etc., podem ser combinados usando parntesesA ordem de precedncia : NOT, AND/NEAR, ORExemplos:(AIDS or SIDA) and (treatment or therapy) AND NOT AZTCognitive near (disturbance or alteration or change)Renato Sabbatini AND (intelig* or cognit*)

  • Tipo de Mecanismos - MetaBuscadoresNo possuem ndices prpriosSubmetem as perguntas formuladas a vrios indexadores da Web, coletam os resultados obtidos, fazem uma formatao, eliminando resultados duplicados e geram uma listagem final. Adotam um mnimo denominador comum na forma como as pesquisas so submetidas.

  • Tipo de Mecanismos - MetaBuscadoresProfusion: http://www.profusion.comMetaCrawler: http://www.metacrawler.comBrasil : MetaMiner ( http://www.miner.com.br )Programas em seu computador que realizem metabuscas (gratuitos). Ex: Copernic99 - http://www.copernic.com, WebFerret (http://www.webferret.com)

  • Catlogos ou DiretriosFuncionam de forma diferente dos ndices. Organizados hierarquicamente por assuntosA busca e organizao das informaes feita por seres humanos e somente a home page de um site indexadaPossuem um mecanismo de busca interno por palavras-chavePodem ser genricos ou especializados

  • Exemplos de Catlogos GenricosYahoo ( http://www.yahoo.com)LookSmart ( http://www.looksmart.com)Open Directory (http://www.dmoz.org)Brasil: Cad ( http://www.cade.com.br)Yahoo Brasil: http://www.yahoo.com.br)Achei! (http://www.achei.com.br)IVOX ( http://www.ivox.com.br )

  • Catlogos Especializados em MedicinaMedical Matrix: http://www.medmatrix.orgMedWeb Plus: http://www.medwebplus.comAchoo! http://www.achoo.comHealthAtoZ: http://www.healthatoz.comCliniWeb: http://www.cliniweb.comMedline Plus: http://www.medlineplus.govCatlogos de especialidades ou reas especficas de medicina e sade. Metacatlogo: Harding MetaIndex

  • Usos, Vantagens e Desvantagens: ndicesSo bons para pesquisas muito especficas, com vrias palavras-chave e assuntos bem definidos Geralmente retornam nmero grande de URLsMuito poderosos, mas no discriminam qualidade Critrios de relevncia pouco inteligentes, facilmente enganadosPegam todas as pginas de um sitePodem ser usados para buscar outros tipos de arquivosSo atualizados com maior rapidez

  • Usos, Vantagens e Desvantagens:CatlogosSo bons para achar sites maiores ou mais genricos, dentro de um contextoGeralmente tem resultados mais restritos, mas deixam de fora muitos URLs relevantesCritrios de relevncia ausentes ou determinados por seres humanosPegam somente a pgina principal do siteAtualizao menos freqente

  • Outros Recursos de Busca (2)TITLE - pesquisar por ttulo do documento Ex: TITLE:American Heart AssociationHOST - traz pginas indexadas de um site. Ex: HOST:www.pfizer.com.brURL - traz pginas que contm este parmetro no texto de sua URL. Ex: URL:microsoftLINK - identifica todas as pginas que possuem um link definido para o parmetro. Ex: LINK: http://www.unicamp.br

  • Outros Recursos de Busca (3)Pesquisando dentro dos resultados (search within): os mecanismos permitem que voc faa uma pesquisa mais detalhada utilizando somente os resultados obtidos na primeira pesquisa;Pginas similares: realiza nova busca com as palavras-chave de um documento obtido em uma busca anteriorOutras pginas no mesmo siteLimitao: por data, idioma, regio do mundo, domnio (COM, BR, etc.)

  • Outros Recursos de Busca (4) Linguagem Natural: pode-se fazer consultas utilizando frases ou perguntas em linguagem natural, ou seja, como se estivesse perguntando a outra pessoa. Altavista, AskJeeves, GoogleEx: Why women crave chocolate ?Ex: Where can I find pathology images?Ex: When the microscope was discovered?Ex: What are the foods with high fiber content?Ex: What is the best soccer team?

  • Parte VInformao Mdica Profissional na Internet

  • Parte VIFazendo Pesquisas Bibliogrficas pela Internet

  • Tipos de Fontes BibliogrficasFontes primrias Contm trabalhos originais com conhecimento original e publicado pela primeira vez pelos autoresFontes secundrias Contm trabalhos no originais e que basicamente citam, revisam e interpretam trabalhos originais Fontes tercirias Contm ndices categorizados de trabalhos primrios e secundrios, com ou sem resumo

  • Bases de Dados BibliogrficasPara Acesso IndividualEm CD-ROM ou disquetePara Redes On-Line DedicadasFitas magnticas ou CD-ROMsEm Redes Pblicas (Internet e outras)Acesso gratuitoAcesso pago

  • Alguns Endereos na InternetMEDLINE PubMed http://www.ncbi.nlm.nih.gov/PubMedBioMedNet http://www.biomednet.comBIREME http://www.bireme.br

  • Estratgias de PesquisaUsando palavras livres do texto do autorVantagens: facilidade e rapidez de usoDesvantagens: perda de trabalhos devido sinonmia, etc.Usando palavras de vocabulrio padronizado (tesauro): MeSHVantagens: evita sinonmia, conceitos hierarquizadosDesvantagens: mais trabalhoso e demorado, problemas com vocbulos ainda no padronizados

  • Estratgias de PesquisaUso de palavras-chave (descritores)Uso de modificadores (categorias, como diagnstico, terapia, prognstico, complicaes, etc.)Uso de limitadores (data e tipo de publicao, idioma, tipo de trabalho, etc.)Busca por autores, instituies e geografiaBusca por ttulo de revistaBuscas avanadas (por campo, combinaes variadas, etc.)

  • Funes do Site de PesquisaComo selecionar e visualizar refernciasComo armazenar temporariamente referncias achadasComo lembrar pesquisas j feitasComo fazer e refinar uma pesquisa interativaComo gravar e imprimirComo exportar as referncias para um software de fichamentoComo acessar verses on-line do texto completoComo solicitar cpias pela Internet

  • Etapas de uma Pesquisa BibliogrficaDeterminao de um ponto de partidaLevantamento e fichamento das citaes relevantesAprofundamento e expanso da busca. Uso de publicaes terciriasSeleo das fontes a serem obtidasLocalizao das fontes e obtenoLeitura, sumarizao e redao

  • Ficha BibliogrficaAutoresTtuloFonte (revista, livro, anais, etc.), com dados completos de referncia (volume, ano, pginas, etc.)Palavras-chaveOutros dados: tipo de publicao, idioma, autoria do resumo, UID (nmero de identificao na base de dados), etc.Resumo e comentriosIdentificao de localizao do original (separata, biblioteca, estante, URL, etc.)

  • Formato de um RegistroMEDLINEUI - 98107969AU - Banks WAAU - Akerstrom VAU - Kastin AJTI - Adsorptive endocytosis mediates the passage of HIV-1 across the blood- brain barrier: evidence for a post-internalization coreceptor.LA - EngMH - Cytoskeleton/metabolismMH - Endocytosis/*physiologyMH - HIV Envelope Protein gp120/*metabolismMH - HIV-1/*metabolismPT - JOURNAL ARTICLECY - ENGLANDAB - HIV-1 induces the AIDS dementia complex and infects brain endothelial and glial cells. Because the endothelial cells comprising the blood- brain barrier (BBB) do not possess CD4 receptors or galactosylceramide binding sites, it is unclear how HIV-1 negotiates the BBB. []AD - Veterans Affairs Medical Center and Tulane University School of Medicine, New Orleans, LA 70146, USA. bbbpts@mailhost.tcs.tulane.eduSO - J Cell Sci 1998 Feb;111 ( Pt 4):533-40

  • Softwares de Fichamento Softwares de gerenciamento bibliogrfico

    Especficos para a tarefaDisponveis como shareware e software comercialFormato fixo, campos controladosFcil digitao, mas tem que aprender a utilizarImporta automaticamente bancos bibliogrficosSofisticadas funes de classificao e pesquisa, obteno de relatrios e listas de citaesRealiza pesquisas lgicasAlguns softwares no permitem anotaesConcluso: melhor soluo possvel

  • Etapas da Pesquisa BibliogrficaAprofundamento e RefinamentoDeterminar as palavras-chave, autores e instituies mais relevantesMontar estratgia bem-pensada de buscaUtilizao de bases de dados bibliogrficosUtilizar funo See Related Comear do mais geral e ir ao particularComear do ano mais recente e retrocederExaminar listas de citaes

  • Etapas da Pesquisa BibliogrficaLocalizao e ObtenoFormas de obteno:Artigo em texto completo on-lineRevista/livro disponvel em bibliotecaEmprstimo inter-bibliotecasSeparata com colega ou orientadorSolicitar separata ao autorPedido on-lineAnalisar tempo vs. custoLeitura do resumo vs. texto original

  • Endereos de Projetos de Publicao On-LineHighwire Presshttp://highwire.stanford.eduBiolinehttp://www.bdt.org.br/biolineE*pubhttp://www.epub.org.brSciELOhttp://www.scielo.br

    Copyright 2000 Renato Marcos Endrizzi Sabbatini, Campinas, Brazil

    Todos os direitos reservados. Proibida a reproduo por quaisquer meios, no todo ou em parte, na forma de textos, imagens ou qualquer outro recurso eletrnico ou impresso.O aluno regularmente inscrito neste curso pode baixar uma nica cpia para visualizao em seu computador local, vetada qualquer forma de redistribuio ou comercializao, conforme as leis internacionais de direitos autorais.

    Nesta aula comearemos estudando de forma genrica o que so redes de computadores, e progrediremos at entender como funciona a maior rede de computadores (na verdade, uma rede de redes), a Internet. Este captulo tratar tambm de algumas ferramentas bsicas da Internet, como o correio eletrnico, os grupos de notcias e as listas de distribuio.As primeiras redes de computadores surgiram na dcada dos 70s, quando foram desenvolvidos equipamentos eletrnicos (interfaces de rede) e softwares que permitiram computadores serem interligados eletricamente e intercambiarem dados entre si. A maioria das redes ainda se conecta atravs de cabos e fios eltricos (chamado de barramento, ou bus , em ingls), e os computadores a ela ligados se diferenciam em dois tipos: servidores e terminais. Alm disso, determinados tipos de perifricos, como impressoras, podem ser ligados diretamente rede, ou indiretamente, atravs de um terminal ou servidor.De acordo com a abrangncia geogrfica, as redes podem se dividir em quatro tipos: locais, metropolitanas, de rea ampla e globais. As siglas correspondem ao nome em ingls. Vamos nos slides seguintes estudar as caracteristicas de cada tipo de rede e como elas se conectam.Como Funciona uma WAN?As LANs e MANs que fazem parte de uma WAN so interligadas atravs de roteadoresO roteador garante que as LANs e MANs recebam somente os dados a elas destinados e controla o fluxo de dados entre elasOs enlaces de comunicao usados na WAN podem variar muito de velocidade, mas os roteadores so interconectados em alta velocidade (backbone)

    O primeiro backbone a ser utilizado para servios de Internet no Brasil foi estabelecido pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico), que criou a Rede Nacional de Pesquisa. Esse backbone era contratado da Embratel, mas servia exclusivamente s faculdades e centros de pesquisa. At agosto de 1995, o nmero de usurios da Internet no Brasil era pequeno: cerca de 50 mil. A partir dessa data, o Ministrio das Telecomunicaes resolveu abrir a Internet para acesso comercial e privado, como j tinha acontecido nos EUA e em muitos outros pases, autorizando a Embratel a operar o seu prprio backbone e oferec-lo para operadores privados. Com isso, em apenas 5 anos, o nmero de usurios brasileiros da Internet subiu para cerca de 8 milhes (final de 2000), caracterizando uma das taxas de crescimento mais altas do mundo.Vemos aqui um exemplo muito simples para que voc entenda como uma mensagem roteada em uma WAN (por extenso, na Internet). Suponhamos que eu queira enviar uma mensagem de email de Campinas para Porto Alegre. A mensagem composta no meu computador em casa (cliente) e em seguida enviada para meu provedor de acesso (host) onde roda o programa de envio de email. Essa mensagem transita por uma srie de equipamentos roteadores atravs do backbone, at chegar ao provedor de meu amigo em Porto Alegre. Al ela fica armazenada at o computador cliente dele acessar a caixa postal e recuperar a mensagem.Como a mensagem (ou os roteadores) sabem como atravessar a rede at chegar ao seu destinatrio?O que a Internet, ento?No uma rede nica de computadores, como o caso de uma WAN tradicional ou tpica, mas sim uma complexissima rede de redes (LANs, MANs, WANs, etc.). Assume uma hierarquia: por exemplo, o meu computador na UNICAMP est ligado LAN da UNICAMP, MAN de alta velocidade de Campinas, esta est ligada rede acadmica estadual de So Paulo (chamada de ANSP). A ANSP, por sua vez, faz parte do backbone da RNP (nacional) e este est ligado Internet mundial atravs de vrias conexes aos EUA.A Internet teve enorme crescimento e aceitao pelo fato de poder interligar qualquer tipo de computador e sistema operacional, uma vez que trabalha com protocolos pblicos e abertos de rede, agrupados sob o conjunto denominado TCP/IP. uma rede de comutao por pacotes, com um sistema peculiar de endereamento atravs de nmeros (cada nodo da rede recebe um nmero como 410.356.76.5), chamados de nmeros IP (Internet Protocol). Atualmente a Internet est presente na grande maioria dos pases.O host o nome simblico de uma mquina especfica em uma rede maior. Por exemplo, a mquina de www, na rede de computadores do Universo On-Line. O tipo de domnio, tambm chamado de domnio de segundo nvel, atribuido geralmente de acordo com o tipo de domnio (por exemplo, COM para empresas, EDU para universidades, etc.). Finalmente existe o domnio de primeiro nvel, que corresponde ao pas onde est registrado (mas no necessariamente, hospedado), o nome de domnio completo. Os EUA so o nico pas dispensado desse sufixo final, mas opcional o uso de .US.Existem muitas combinaes possveis entre os componentes dos nomes.

    Existem dois mtodos de conexo de um terminal Internet: conexo temporria e conexo permanente.Na conexo temporria, o terminal recebe um IP provisrio do provedor, que fica ativo apenas durante a conexo. Geralmente so conexes discadas, ou seja, atravs de linhas telefnicas comuns, de voz, por isso tm velocidade limitada. ainda a mais usada para usurios domsticos.A conexo permanente, mesmo para usurios domsticos, est se tornando uma realidade, e ser o padro no futuro, pois recebe um IP fixo. Permite o estabelecimento de hosts servidores. A conectividade geralmente de banda mais larga (mais rpido).A linha telefnica comum (POTS: Plain Old Telephone System) ou celular, e as linhas digitais (ISDN: Integrated Services Digital Network) so discadas, ou seja, preciso haver dois nmeros telefnicos em cada extremidade, que sero interconextados por uma chamada atravs de uma central comutada (switching network). A conexo pode ser desligada depois de usada e geralmente tarifada por tempo de uso e distncia. J nos modems de conexo direta (no discada), como modems para cabo (cablemodems) e modems digitais de alta velocidade (DSL: Digital Subscriber Lines), a tarifao plana (preo fixo, independente do uso) e a conexo permanente, sem necessidade de discagem.O modem o equipamento bsico para todas as conexes discadas temporrias, e tambm para algumas permanentes (por exemplo, o xDSL e via TV a cabo utilizam modems especiais, de mais alta velocidade). Os modems podem ser comprados em duas variedades: placas internas e consoles externos. Os modems analgicos trabalham convertendo os sinais digitais dos computadores para pulsos audveis que possam ser transmitidos pela rede telefnica. J os modems para TV a cabo (Cablemodems) e linhas digitais, como ISDN e xDSL trabalham com sinais digitais especiais, transmissveis por cabos a longas distncias.Alm do computador, do modem e da linha, preciso existir um software que permita fazer a conexo, seja atravs de discagem, seja atravs de linha permanente. Aqui vemos algumas funes desse software. Sistemas operacionais como o Windows j tem esse software embutido (DialUp, por exemplo).Ao longo de 2000 ocorreram muitas novidades na Internet brasileira. Uma delas foi o surgimento de provedores especializados em acesso alta velocidade (banda larga), em virtude do provimento de infraestrutura para tal em muitas cidades (ADSL e cablemodem). Em segundo lugar, surgiram os provedores de acesso gratuito, das quais vrios j faliram, por insuficincia de modelo econmico, tendo, no entanto, alguns deles ainda sobrevivido. O grande nmero de opes de discagem propiciou tambm o surgimento de softwares de discagem sequencial (que pegam vrios nmeros e vo discando um aps o outro) para o mesmo ou para vrios provedores gratuitos ou pagos.

    Como funciona a WWW? Qual o conceito por trs dela?Primeiro precisamos entender que a WWW possui uma arquitetura chamada cliente-servidor. sempre uma dupla, ligada atravs de uma rede: o computador-cliente e o computador-servidor. Atravs da rede (e de um protocolo adequado, como o HTTP), eles conversam entre si e decidem onde est o recurso procurado pelo cliente, como envi-lo, etc.Como funciona o correio eletrnico?Usando um programa especial (cliente de email), o remetente compe a mensagem, adiciona o endereo postal do destinatrio (segundo os padres de endereos de email da Internet, veja o prximo slide) e estabelece uma conexo com seu provedor. Este tem um programa servidor de mail, que o envia atravs do sistema de roteamento de mensagens da Internet at o computador hospedeiro do servio de email do destinatrio. Este, usando um programa cliente de leitura de email, l o email. Um endereo de resposta pode estar incluido na mensagem para permitir rpido envio no sentido inverso.O endereo de email padronizado para a Internet tem dois componentes separados pelo sinal de arroba (@). A primeira parte o nome da conta de email registrada no servidor de mail. Pode ser o nome da pessoa, por exemplo. A segunda parte o nome completo do domnio onde est rodando o programa servidor de mail. Existe apenas uma conta de email para cada endereo completo, mas uma pessoa pode ter vrias contas, desde que tenham nomes distintos (de conta ou de servidor).Este slide serve para ilustrar o menu dos dois principais programas de e-mail.Descrever o menu de forma suscinta.O envio de anexos transforma o email em uma poderosa ferramenta de comunicao na divulgao de contedo, software e muitas outras coisas, com amplas aplicaes na educao a distncia.Como funciona uma lista de distribuio?Tambm chamada de mailing list ou mala direta, a distribuio comea com o remetente enviando uma mensagem para um endereo especial de email, o qual servido por um software chamado processador de listas (existem vrios, como listserv, listproc, majordomo, etc.) situado em algum servidor de email (pode ser no prprio provedor do rementente ou em outro lugar qualquer da Internet).O servidor de listas dispe de um banco de dados com todos os endereos de emails das pessoas que assinaram a lista. Desse modo, ele envia automaticamente uma cpia da mensagem para cada um dos mail hosts dos destinatrios.Os programas servidores de listas tm vrios comandos que permitem assinar, interromper a assinatura, obter uma lista dos assinantes, etc.Uma discusso on-line pode ocorrer quando um dos destinatrios puder mandar uma mensagem para o mesmo listserver. Essa mensagem redistribuida, tomando conhecimento todos os seus assinantes e assim por diante.No necessrio um software cliente especial para a lista de distribuio, uma vez que baseada no email comum.Os comandos podem variar ligeiramente conforme o tipo de servidor de listas usado.Outro servio/protocolo interessante da Internet o Newsgroup, ou Grupo de Notcias.Ele anlogo a um quadro de avisos, por isso chamado tambm de Bulletin Board (BB).O usurio no recebe a mensagem em sua caixa postal. Ele tem que usar um cliente especial (que tambm pode ser um browser da Web) para acessar um servidor de grupo de notcias (Newsgroup Host). Quem quiser mandar uma mensagem para um grupo de noticias geralmente usa o seu email e um endereo especial. Tambm possvel contribuir mensagens atravs do software cliente especial. A mensagem fica afixada (em ingls posted) na rea determinada do grupo, para que todos possam acessar via o software cliente.Tambm muito utilizado para discusses em grupo, embora tenha um mecanismo diferente. Existem sistemas que combinam as duas funes, de acordo com a opo do usuario: lista de distribuio via email e quadro de avisos.Os grupos de notcias so um recurso muito antigo da Internet, anterior mesmo web. Como tambm um par cliente-servidor (como tudo na Internet), foram desenvolvidos clientes especiais chamados newsreaders (leitores de notcias) para acessar os grupos. Para facilitar a classificao dos diversos interesses, foi criado um sistema hierrquico de assuntos, podendo ter at quatro nveis, e comeando com algumas reas bem gerais, como cincias, humanidades, computadores, etc. (hierarquia superior) e depois se subdividindo em milhares de reas possveis. O nome de um grupo, portanto, identificado atravs de um composto dos vrios niveis, da esquerda para a direita, separado por pontos.Estas so as principais hierarquias toplevel de nvel superior. So dezenas de milhares de grupos de notcias nas trs ou quatro niveis de hierarquia permitidos.A transferncia de arquivos outro servio implementado na Internet atravs de um protocolo (File Transfer Protocol, ou FTP). Ele permite que arquivos de qualquer tipo armazenados no servidor sejam transferidos gradativamente at estarem inteiramente copiados no disco local do cliente, ou no sentido inverso:Descarregamento (downloading): transferncia do servidor para o clienteCarregamento (uploading): transferncia do cliente para o servidor

    Com tudo na Internet, este um par de programas cliente/servidor. Para que ocorra, deve haver programas de cada tipo instalados nas duas pontas do elo de FTP.Para FTP annimo, basta fornecer como login o termo anonymous e como senha o seu endereo de email.O protocolo TELNET permite que qualquer computador cliente ligado Internet simule a funo de um terminal local de um computador servidor qualquer (host de TELNET) desde que ele tambm esteja ligado Internet, e, bvio, permita esse acesso atravs de um nome de login e uma senha, fornecidos aos usurios.O Windows tem um software cliente de TELNET que pode ser usado para essa finalidade. Outro programa para Windows muito conhecido o HYPERTERMINAL.Entretanto, existem outros softwares clientes de TELNET que so mais usados por permitirem acesso criptografado (protegido contra hackers). O mais usado o SSH.A troca de mensagens em tempo real entre vrios terminais atravs da Internet tornou-se possvel com o desenvolvimento do protocolo IRC (Internet Relay Chat). Chat em ingls quer dizer bate-papo, ou conversa.Ele funciona da seguinte maneira: necessrio haver um computador servidor conectado a Internet, que sirva de ponto comum entre todos os participantes do IRC. Ele chamado de rel ou refletor e tem um software especfico para isso, alm de um endereo (URL) conhecido.As pessoas que querem entrar em um chat conectam-se a esse mesmo refletor, e passam a usar cada um o mesmo software cliente, que reproduz uma rea comum (tela de chat) onde todas as intervenes de cada participante podem ser visualizados em tempo real.Os primeiros software clientes de IRC no eram grficos, baseando-se apenas em caracteres, debaixo do UNIX. Posteriormente, foram desenvolvidos vrios clientes com interface grfica, como o mIRC, para Windows, que fez grande sucesso.

    Existem centenas de softwares disponveis para chats e mensagens instantneas baseadas no protocolo IRC. Os mais conhecidos so o ICQ, o Yahoo! Messenger e o AOL Messenger, que tm em conjunto algumas dezenas de milhes de usurios.Esses programas ficam rodando em background enquanto a pessoa trabalha no computador, e mensagens instantneas ou convites para participar de chats ocorrem em tempo real. uma verdadeira mania, que tem um grande impacto para a educao, pois so timos para montar cursos on-line sem grandes investimentos.Para conseguir:www.yahoo.comwww.aol.comwww.icq.com

    A World Wide Web foi inventada e desenvolvida em 1992/1993 por um jovem pesquisador do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN) em Genebra, Tim Berners-Lee. Seu objetivo foi disponibilizar na Internet documentos cientficos que usassem a tcnica de hipertexto para interligar contextualmente vrios documentos dispersos na rede. Para isso ele desenvolveu trs coisas:Um mecanismo de especificao de um documento capaz de ter vnculos de hipertexto em seu interior (HTML: Hypertext Markup Language) Um protocolo de transmisso e de acesso a esse documento a partir de qualquer ponto da Internet, chamado HTTP (Hypertext Transfer Protocol) Um sistema de endereos simblicos para localizar os servidores onde esto os documentos e os respectivos arquivos e diretrios, chamado de URL (Uniform Resource Locator)

    WWW: Rede de Alcance MundialHTTP: Protocolo de Transferncia de HipertextoHTML: Linguagem de Marcao de HipertextoURL: Localizador Uniforme de RecursoTipicamente, os produtos multimdia apresentam texto de alta qualidade tipogrfica, com elementos de nfase (negrito, itlico, sublinhado, etc.), cores, fontes distintas (Times New Roman, Helvetica, etc.) e tamanhos diferentes. Alm disso, permitem incluir ao lado do texto outros elementos grficos, como imagens estticas e dinmicas, e at sons. Cada elemento desse tem seu prprio formato, ou padro, digital.Para visualizar o documento multimdia preciso um software especial, chamado browser (visualizador ou navegador), que tem uma interface grfica do tipo Windows (Graphcal User Interface: GUI).A interatividade proporcionada por vrios mecanismos de navegao, que veremos a seguir.Por analogia com hipertexto, a hipermdia um documento multimdia com caractersticas de navegao no linear, proporcionada pelos vnculos, ou links. Quando se clica num link, o software visualizador provoca o carregamento de outro documento ou meio, localizado no mesmo ou em outro endereo. Os elementos interativos so proporcionados por botes, formulrios e outros elementos grficos e no grficos.Para que dois computadores possam estabelecer uma comunicao em um ou dois sentidos, necessrio que eles usem uma srie de mensagens e comandos padronizados, que ambos entendam e sejam capazes de realizar. Essa linguagem comum se chama protocolo. Cada servio da Internet, como email, transferncia de arquivos (FTP) e hipertexto (HTTP), etc., possui um protocolo prprio, que roda debaixo do conjunto comum de protocolos da Internet, o TCP/IPUm endereo tipico de um recurso ou documento hipermidia na WWW tem os seguintes componentes:http:// identifica o protocolo a ser utilizado (no caso, HTTP)Host: o nome simblico do computador que contm o recurso desejado.Diretrio: a pasta ou rea dentro do disco do Host onde se encontra o recurso desejado. Pode ter vrios nveis, separados por barras (/)Arquivo: o documento propriamente dito, que pode ser um texto codificado em HTML, uma imagem isolada, etc. Normalmente usa-se a extenso HTM ou HTML para explicitar um arquivo desse tipo.A WWW usa uma tecnologia denominada pull de cliente-servidor (significando puxar). Funciona assim: no computador cliente existe um software (como, por exemplo, o Netscape e o Internet Explorer, que so chamados de browsers ou visualizadores) que entra em contato com um outro software, no servidor (WebServer), estabelecendo comunicao atravs da Internet.O servidor envia os dados nele armazenados para o browser, que ento os visualiza no lado do cliente. O browser realiza todas as etapas de localizar, recuperar, extrair e visualizar o contedo multimdia do documento, utilizando o protocolo HTTP desenvolvido por Tim Berners-Lee. Ele tambm implementa a estrutura interna de vnculos (links) que permite ligar esse documento a outras URLs (navegao)

    O browser tem uma estrutura formada por um menu de opes e funes, uma barra contendo acesso a diversas ferramentas identificadas por cones, e uma rea de visualizao, onde aparece o documento hipermdia recuperado do servidor. Comumente existem duas outras barras, a que permite digitar-se o endereo URL do recurso desejado, e uma barra inferior que mostra o status da transferncia do arquivo pedido. O Netscape e o Internet Explorer, os dois browsers mais usados, so muito similares. No entanto, cada browser tem peculiaridades como aparncia da janela e dos botes, recursos multimdia, etc. Existem outros browsers. O primeiro browser grfico desenvolvido (o browser desenvolvido por Berners-Lee no era multimdia, s visualizava hipertexto) foi o Mosaic, desenvolvido por uma equipe de um centro de supercomputao da Universidade de Illinois nos EUA. Um dos tcnicos que programaram o Mosaic foi Marc Andreesen, que posteriormente saiu do centro e fundou a empresa Netscape, o primeiro browser comercial de sucesso, e que tinha muitas vantagens em relao ao Mosaic. Posteriormente, a Microsoft desenvolveu o seu prprio browser, o Internet Explorer, que aos poucos se tornou lder de mercado, basicamente por ser distribuido junto com as ltimas verses do MS Windows.Normalmente os browsers so softwares gratuitos e podem ser baixados da redewww.netscape.comwww.microsoft.com

    Normalmente o link aparece no hipertexto visualizado pelo browser como um texto de cor diferente e/ou sublinhado (por exemplo, a palavra Editorial no exemplo da esquerda). No entanto, pode estar em texto normal, ou ainda ser uma imagem (como no exemplo da direita). Voc sabe que um texto ou cone um elo ou link quando o cursor passa sobre ele e se transforma no cone de uma mo.Como funciona a tecnologia pull na Web?A iniciativa parte sempre do software cliente (computador do usurio). Ele deve digitar um endereo URL completo que especifique onde est o recurso desejado (no exemplo, http://www.nlm.nih.gov/visible/sample.htm). Ao se pressionar ENTER ou clicar no boto de busca, o software cliente despacha um pedido de localizao pela Internet, baseado nesse endereo simblico. O endereo simblico traduzido para um endereo numrico IP. Se ele for achado e trata-se de um servidor dotado de um WebServer, esse software responde, e estabelece-se uma conexo entre o cliente e o servidor. Em seguida, o servidor tenta localizar o recurso pedido em seu disco.Se esse arquivo (sample.htm, no exemplo dado) realmente existe, o computador servidor confirma para o cliente a sua existncia (ou transmite uma mensagem de erro, se no existe), e em seguida transfere o arquivo solicitado atravs da Internet. Esse arquivo (ou mais de um arquivo, como veremos a seguir), armazenado no disco local do cliente, e visualizado pelo browser. Em seguida a conexo encerrada.Note como foi pedido apenas o arquivo sample.htm, mas foram transferidos os arquivos logo.gif e return.gif (que so imagens do tipo GIF). Eles tambm so transferidos porque o servidor sabe que eles fazem parte do arquivo hipermdia, ao examinar os links internos do mesmo. Para cada arquivo transferido feita uma seqncia de confirmar, transferir, encerrar.Como funciona o HTTP, juntamente com o HTML?A pgina em A a que vai ser visualizada graficamente no software do browser (cliente). Note que ela tem uma imagem, um ttulo, um boto e um texto menor, tudo sobre um fundo branco. Quem criou essa pgina, desenvolveu um script (uma espcie de programa), em linguagem HTML. O quadro B mostra como esse script para produzir a pgina grfica. formada de vrios comandos entre os sinaisde < e >, e explicaremos melhor como funciona mais adiante. Para construir essa pgina precisamos de 3 arquivos: sample.htm (que a do script em B), logo.gif e return.gif (as duas imagens). por isso que o servidor Web as envia para o cliente.

    As primeiras verses (mais antigas) dos browsers, eram capazes de visualizar diretamente (sem converso) poucos tipos de arquivos. Essas formatos de arquivos (identificados por suas extenses, por exemplo, .TXT, .JPG. .WAV, etc.), identificam padres de representao binria de textos, imagens estticas e dinmicas, clipes de vdeo e udio, etc. Esses padres foram desenvolvidos por empresas, e adotadas de forma universalJPEG: Journalists Photo Experts GroupGIF: Graphics Interchange FormatPNG: Portable Network GraphicsWAV: Wave FileEtc.

    Os browsers mais modernos j incorporam vrios plug-ins, como para arquivos de animao grfica (Flash), realidade virtual (VRML), etc. Outros plug-ins (por exemplo, para arquivos de udio e vdeo do tipo RealAudio e RealVideo) precisam ser adquiridos (baixados na Internet) e instalados no computador onde est o browser que voc usa.Os formatos de dados/textos mais comuns existentes hoje na Web so mostrados aqui. O mais simples o texto no formatado simples (chamado de ASCII, ou American Standard Code for Information Interchange). Este e o texto simples formatado por HTML podem ser visualizados diretamente por qualquer browser, em qualquer verso. Existe tambm uma verso mais complexa da linguagem de marcao, chamada SGML, que j necessita de um aplicativo auxiliar. Outros formatos de texto de alta qualidade so o Adobe PostScript, o Adobe PDF e o padro RTF (Rich Text Format) e o formato DOC do MS Word. Todos esses necessitam de um plug-in para poderem ser visualizados pelo browser.Este slide mostra os principais tipos de formatos de imagens mais utilizados na Web.Os arquivos do tipo GIF podem ser formatados na forma de animaes grficas (GIFs animados).Existe tambm um nmero muito grande de formatos de udio e vdeo que podem ser disponibilizados pela Web. Tanto a Netscape quanto a Microsoft desenvolveram formatos nativos para seus browsers, como o LiveAudio e o NetShow, e que portanto funcionam automaticamente, com seus prprios plug-ins j instalados. O plug-in do Internet Explorer, por exemplo, pode visualizar ou tocar diretamente diversos formatos, como MPEG3, WAV, AVI, etc.

    Um dos formatos mais dominantes hoje em dia o desenvolvido pela empresa RealMedia. Necessita de um plug-in especial, o RealPlayer.

    As limitaes de velocidade na Internet para produes de udio e vdeo criaram uma barreira grande para a sua disponibilizao, principalmente para arquivos muito grandes, pois o browser tem que esperar ser descarregado todo o arquivo antes de comear a tocar. Os formatos WAV e AVI, por exemplo, padecem desse problema, por isso tem seu uso muito limitado a no ser para arquivos muito pequenos.Para resolver esse problema, foi criada a tecnologia de streaming, cuja visualizao basicamente independe do tamanho ou durao da midia original, podendo inclusive ser transmitido em tempo real (transmisso continua, de durao indeterminada). Isso revolucionou a Web quanto aos formatos de udio e vdeo.Como funciona o streaming?O servidor envia um arquivo de udio e/ou video na forma de pequenos pacotes, em srie. Ao invs de esperar que todo o arquivo binrio chegue ao cliente para comear a ser visualizado/tocado, o plug-in no browser cliente j os vai visualizando/tocando medida que vo chegando (execuo contnua).Existem vrios formatos streaming: RealVideo, RealAudio, MS MediaPlayer, VXTreme, etc.

Recommended

View more >