HISTORIA DO HAITI - UMA BREVE HISTORIA

  • Published on
    30-Jun-2015

  • View
    681

  • Download
    0

Transcript

Pesquisar

Home Haiti (Pgina 3) Voltar

HAITI

Histria do HaitiO HAITI QUER RENASCERA primeira nao das Amricas a abolir a escravido clama por ajuda. Mais de 80% do povo vive abaixo da linha da pobreza. A convite da ONU, nossos soldados esto l para ajudar a populao a encontrar algo h muito perdido: a paz

A misria corri o Haiti de ponta a ponta. A foto desta pgina mostra um flagrante das ruas de Porto Prncipe, a capital. Se essa uma cena comum na cidade que, teoricamente, deveria ser o centro financeiro do pas, como a situao nas outras localidades mais distantes? Os dois milhes de habitantes de Porto Prncipe vivem cercados por lixo. O rgo que deveria remov-lo faliu faz tempo. gua potvel artigo de luxomisria corri o Haiti de ponta a ponta. A foto desta pgina mostra um flagrante das ruas de Porto Prncipe, a capital. Se essa uma cena comum na cidade que, teoricamente, deveria ser o centro financeiro do pas, como a situao nas outras localidades mais distantes? Os dois milhes de habitantes de Porto Prncipe vivem cercados por lixo. O rgo que deveria remov-lo faliu faz tempo. gua potvel artigo de luxo por ali. Quem no pode pagar para tla, lava a comida, o corpo, a roupa... no esgoto que corre a cu aberto. E os especialistas da poltica internacional observam que a situao deve piorar muito mais por l. E pensar que tudo poderia ser diferente... Ao avistar as caravelas de Cristvo Colombo invadindo o golfo da ilha de Quisqueya, naquela manh de dezembro de 1492, os ndios aruaques e carabas no imaginavam que ali surgiria a primeira nao americana a conquistar a independncia e a pr fim escravido. Menos ainda que, depois disso, teriam uma Histria trgica marcada por misria, guerras civis, furaces e doenas (entre elas a aids).

Histria do Haiti - Nao de desempregados

Desde o ano passado, uma tropa de 1.400 soldados brasileiros atua no pas em nome da paz e da ordem Para homenagear os reis da Espanha, que financiaram a viagem que o levou a descobrir a Amrica, Colombo chamou de Ilha Hispaniola aquela regio do planeta. Depois foi rebatizada de So Domingos. Hoje, considerada a segunda maior ilha das Grandes Antilhas (com 96% da populao de negros), abriga dois pases: a Repblica Dominicana, em dois teros de suas terras, e o Haiti, no tero restante. Visto no mapa, o Haiti tem a forma da cabea de um caimo - um pequeno crocodilo comum na regio -, com a boca aberta. O norte do pas banhado pelo Oceano Atlntico (ver mapa); o sul, pelo Mar do Caribe, e o oeste, pela Passagem de Sotavento. A leste, faz fronteira com a Repblica Dominicana. As principais cidades so Carrefour, Delmas e Cap-Hatien.

Mapa - Histria do Haiti Embora seja o francs a lngua oficial, s falado por 20% da populao. A maioria se expressa com o creole, mistura de francs antigo, espanhol, ingls e dialetos africanos. Quase 70% dos haitianos esto desempregados. A renda per capita do pas de 400 codlares, algo em torno de 1.100 reais. Adultos alfabetizados no passam de 45%. Quanto religio, 80% se declaram catlicos e 16%, protestantes - no entanto, mais da metade dos haitianos tambm pratica o vodu, crena inspirada em rituais africanos.

Histria do Haiti - A rebelio dos escravos

Bonifcio Alexandre, o atual presidente. Jean-Bertrand Aristide (abaixo), o ltimo presidente deposto Por que o francs o idioma oficial do Haiti? A explicao simples: em 1697, a Espanha entregou aos vizinhos europeus a parte oeste da ilha de So Domingos, onde est o pas. No demorou muito tempo para a Frana tornar as recm-adquiridas terras na mais prspera colnia da Amrica. Ali produzia e exportava caf, cacau, algodo e acar. Na passagem dos sculos 18 para 19, mais de meio milho de escravos negros labutam nas plantaes e engenhos de So Domingo sob o domnio de apenas 30 mil brancos e mestios. At que, em 1789, na Frana, os miserveis uniram-se e fizeram a Revoluo Francesa. A revolta na Frana influenciou a Histria do Haiti. Logo, o pas foi palco da maior rebelio negra da Histria e os escravos tornam-se os primeiros a conquistar a liberdade, nas Amricas. Dois anos depois, Toussaint Brda, um ex-escravo que depois passou a se chamar Toussaint L'Ouverture,torna-se governador geral. Mas os franceses logo interrompem os sonhos revolucionrios haitianos. Derrubam o governador e o deportam para Paris, onde foi morto nos calabouos de Napoleo. E prendem os outros lderes. Assim que reconquistaram a liberdade, os revolucionrios voltaram ativa. E tornaram-se cruis como seus feitores: invadiram casas, massacraram famlias inteiras de fazendeiros e envenenaram a gua para exterminar pessoas e animais. Como resposta, as tropas formadas por franceses e espanhis queimaram vivos muitos rebelados. Para ving-los, os revolucionrios enforcaram centenas de soldados e civis. O sangue jorrou durante anos nos confrontos dos negros contra franceses e espanhis. At que, em 31 de dezembro de 1803, os haitianos comemoram grande vitria. Sob a proteo da Inglaterra, Jacques Dessalines declara a independncia do pas, o rebatiza com o nome indgena de Haiti (que significa "terra da montanha") e se proclama imperador. A primeira nao das Amricas a abolir a escravido clama por ajuda. Mais de 80% do povo vive abaixo da linha da pobreza. A convite da ONU, nossos soldados esto l para ajudar a populao a encontrar algo h muito perdido: a paz

Histria do Haiti - Represso sangrenta

Da segunda metade do sculo 19 ao incio do sculo passado, 20 presidentes se sucederam no poder do Haiti. Desses, 16 foram assassinados ou depostos. Em 1915, os Estados Unidos invadiram o pas, sob pretexto de defender interesses prprios na ilha. E s foram embora em 1934. No fim dos anos 50, o mdico Franois Duvalier, conhecido como Papa Doc, eleito presidente do Haiti e no demora a revelar-se um feroz ditador. Esquadres da morte instauram no pas um regime de terror. Assassinaram opositores e perseguiram a Igreja Catlica. Em 1964 acontece o golpe fatal: com a ajuda da sangrenta guarda pessoal, conhecida como tontons macoutes (bichos-papes), Papa Doc passa a se autodenominar presidente vitalcio. Ele ficou no poder at sua morte, em 1971. Mas nem assim os haitianos livraram-se da tirania dos Doc. O poder foi para as mos de Jean- Claude Duvalier, o Baby Doc, filho de Papa, cujo "reinado" durou 15 anos. E s terminou quando ele decretou estado de stio para conter os protestos contra o governo que chefiava. Irada, a populao expulsou a famlia Duvalier do pas. Boicotado pelos pases ricos, o Haiti conhece o extremo empobrecimento. Em 1990, o padre JeanBertrand Aristide foi eleito presidente. Cinco meses depois, derrubado por um golpe militar. Aps trs anos, a Organizao dos Estados Americanos (OEA) e a Organizao das Naes Unidas (ONU) impem novas sanes econmicas ao pas. Os militares so forados a permitir a volta de Aristide ao poder para estancar o xodo de refugiados, realizar os ajustes econmicos exigidos pelo FMI e a promover eleies.

Histria do Haiti - Apoio dos brasileiros

Fanticos por futebol, os haitianos foram loucura na visita da Seleo Brasileira ao Pa Nesse meio tempo, parte do Haiti devastado por um furaco e o Congresso dos Estados Unidos veta o envio de dinheiro para minimizar a tragdia. Aristide cobra da Frana uma indenizao de 20 bilhes de dlares pelos 107 anos de escravido sofrida pelo povo. Mas no recebe um tosto. Acusado pela oposio de manipular as eleies de 2000, Aristide enfrenta trs anos de protestos e a crise se torna incontrolvel. Em 2004, conflitos armados eclodiram pelo pas. Sem foras para controlar a situao, Aristide foge para a frica do Sul. Assim, o poder vai para as mos de Bonifcio Alexandre, presidente da Suprema Corte. Por considerar a situao uma "ameaa paz e segurana da regio", a ONU estabelece a Misso das Naes Unidas para a Estabilizao no Haiti. Com o objetivo de garantir a

ordem, 6.700 soldados de diversas naes - entre elas Brasil, Canad, Chile e Frana - esto at hoje nas ruas daquele pas. Ao aceitar o convite para capitanear as foras de paz, o Brasil tenta provar que est apto a ocupar uma vaga no Conselho de Segurana, grupo de elite da ONU. E, de certa forma, tem o apoio do Haiti. L tambm o futebol a paixo. Para os haitianos, Ronaldos e Roberto Carlos so deuses e, conseqentemente, os 1.400 militares brasileiros, bem tratados por eles. Mas muitos criticam a misso brasileira. O deputado federal Fernando Gabeira, do PV, integra a lista. "Se o Brasil quiser ajudar o Haiti melhor mandar sementes em vez de tanques", diz. Ajuda verde-e-amarela J Antnio da Silva Pinto, subsecretrio de Planejamento da Secretaria Especial de Polticas de Promoo da Igualdade Racial (Seppir), que esteve no Haiti, em dezembro, durante a visita do ministro Celso Amorim, das Relaes Exteriores, garante: "O Brasil no est l como uma tropa de Exrcito, mas para realizar trabalhos de solidariedade". A Seppir promover este ano um show com grandes nomes da msica brasileira que ter como ingresso materiais escolares - tudo ser encaminhado ao Haiti. "A educao decisiva no processo em que se encontra o pas", completa Antnio. A msica de Caetano e Gil sugere que a gente reze pelo Haiti. Quem sabe nossas oraes ajudem para que a paz seja semeada por l e tragam nossos meninos de volta pra casa.

Fonte: racabrasil.uol.com.br

HAITIO Haiti um pas das Carabas que ocupa o tero ocidental da ilha Hispaniola, possuindo uma das duas fronteiras terrestres das Carabas, a fronteira que faz com a Repblica Dominicana, a leste. Alm desta fronteira, os territrios mais prximos so as Bahamas e Cuba a noroeste, Turks e Caicos a norte, e Navassa a sudoeste. Capital: Port-au-Prince.

Bandeira do Haiti

Histria do HaitiOs primeiros humanos no Haiti, tambm conhecidos como Hispaniola, chegaram ilha h mais de 1.000 anos aC, possivelmente 7.000 aC. Em 5 de dezembro de 1492, Cristvo Colombo chegou a uma grande ilha, qual deu o nome de Hispaniola. Mais tarde passou a ser chamada de So Domingos; dividida entre dois pases - a Repblica Dominicana e o Haiti - , a segunda maior das Grandes Antilhas, com a superfcie de 27.750 km e cerca de 9 milhes de habitantes. Com 641 quilmetros de extenso entre seus pontos extremos, a ilha tem formato semelhante cabea de um caiman (ou caimo) (pequeno

crocodilo abundante na regio), cuja "boca" aberta parece pronta a devorar a pequena ilha de Gonaive. O litoral norte abre-se para o oceano Atlntico, e o sul para o mar do Caribe (ou das Antilhas). A Ilha Hispaniola foi descoberta por Cristvo Colombo em 1492. J no fim do sculo XVI, quase toda a populao nativa havia desaparecido, escravizada ou morta pelos conquistadores. A parte ocidental da ilha, onde hoje fica o Haiti, foi cedida Frana pela Espanha em 1697. No sculo XVIII, a regio foi a mais prspera colnia francesa na Amrica, graas exportao de acar, cacau e caf. Aps uma revolta de escravos, a servido foi abolida em 1794. Nesse mesmo ano, a Frana passou a dominar toda a ilha. Em 1801, o ex-escravo Toussaint l'Ouverture tornou-se governador geral, mas, logo depois, foi deposto e morto pelos franceses. O lder Jacques Dessalines organizou o exrcito e derrotou os franceses em 1803. No ano seguinte, foi declarada a independncia e Dessalines proclamou-se imperador. Aps perodo de instabilidade, o pas dividido em dois e a parte oriental - atual Repblica Dominicana foi reocupada pela Espanha. Em 1822, o presidente Jean-Pierre Boyer reunificou o pas e conquistou toda a ilha. Em 1844, porm, nova revolta derrubou Boyer e a Repblica Dominicana conquistou a independncia. Da segunda metade do sculo XIX ao comeo do sculo XX, 20 governantes sucederam-se no poder. Desses, 16 foram depostos ou assassinados. Tropas dos Estados Unidos da Amrica ocuparam o Haiti entre 1915 e 1934, sob o pretexto de proteger os interesses norte-americanos no pas. Em 1946, foi eleito um presidente negro, Dusmarsais Estim. Aps a derrubada de mais duas administraes governamentais, o mdico Franois Duvalier foi eleito presidente em 1957. Franois Duvalier, conhecido como Papa Doc, instaurou feroz ditadura, baseada no terror policial dos tontons macoutes (bichos-papes) - sua guarda pessoal -, e na explorao do vodu. Presidente vitalcio, a partir de 1964, Duvalier exterminou a oposio e perseguiu a Igreja Catlica. Papa Doc morreu em 1971 e foi substitudo por seu filho, Jean-Claude Duvalier - o Baby Doc. Em 1986, Baby Doc decretou estado de stio. Os protestos populares se intensificaram e ele fugiu com a famlia para a Frana, deixando em seu lugar o General Henri Namphy. Eleies foram convocadas e Leslie Manigat foi eleito, em pleito caracterizado por grande absteno. Manigat governou de fevereiro a junho de 1988, quando foi deposto por Namphy. Trs meses depois, outro golpe ps no poder o chefe da guarda presidencial, General Prosper Avril. Depois de mais um perodo de grande conturbao poltica, foram realizadas eleies presidenciais livres em dezembro de 1990, vencida pelo padre esquerdista Jean-Bertrand Aristide. Em setembro de 1991, Aristide foi deposto num golpe de Estado liderado pelo General Raul Cedras e se exilou nos EUA. A Organizao dos Estados Americanos (OEA), a Organizao das Naes Unidas (ONU) e os EUA impuseram sanes econmicas ao pas para forar os militares a permitirem a volta de Aristide ao poder. Em julho de 1993, Cedras e Aristide assinaram pacto em Nova York, acordando o retorno do governo constitucional e a reforma das Foras Armadas. Em outubro de 1993, porm, grupos paramilitares impediram o desembarque de soldados norte-americanos, integrantes de uma Fora de Paz da ONU. O elevado nmero de refugiados Haitianos que tentavam ingressar nos EUA fez aumentar a presso americana pela volta de Aristide. Em maio de 1994, o Conselho de Segurana da ONU decretou bloqueio total ao pas. A junta militar empossou um civil, mile Jonassaint, para exercer a presidncia at as eleies marcadas para fevereiro de 1995. Os EUA denunciaram o ato como ilegal. Em julho, a ONU autorizou uma interveno militar, liderada pelos EUA. Jonaissant decretou estado de stio em 1 de agosto. Em setembro de 1994, fora multinacional, liderada pelos EUA, entrou no Haiti para reempossar Aristide. Os chefes militares Haitianos renunciaram a seus postos e foram anistiados. Jonaissant deixou a presidncia em outubro e Aristide reassumiu o Pas com a economia destroada pelas convulses internas.

No perodo de 1994-2000, apesar de avanos como a eleio democrtica de dois presidentes, o Haiti viveu mergulhado em crises. Devido instabilidade, reformas polticas profundas no puderam ser implementadas. A eleio parlamentar e presidencial de 2000 foi marcada pela suspeita de manipulao por Aristide e seu partido. O dilogo entre oposio e governo ficou prejudicado. Em 2003, a oposio passou a clamar pela renncia de Aristide. A Comunidade do Caribe, Canad, Unio Europia, Frana, Organizao dos Estados Americanos e EUA, apresentaram-se como mediadores. Entretanto, a oposio refutou as propostas de mediao, aprofundando a crise. Em fevereiro de 2004, conflitos armados eclodiram em Gonaives, espalhando-se por outras cidades nos dias subseqentes. Gradualmente, os insurgentes assumiram o controle do norte do Haiti. Apesar dos esforos diplomticos, a oposio armada ameaou marchar sobre Porto Prncipe. Aristide deixou o pas em 29 de fevereiro e asilou-se na frica do Sul. De acordo com as regras de sucesso constitucional, o presidente da Suprema Corte, Bonifcio Alexandre, assumiu a presidncia, interinamente. Bonifcio requisitou, de imediato, assistncia das Naes Unidas para apoiar uma transio poltica pacfica e constitucional e manter a segurana interna. Nesse sentido, o Conselho de Segurana (CS) aprovou o envio da Fora Multinacional Interina (MIF) que, prontamente, iniciou seu desdobramento, liderada pelos EUA. Considerando que a situao no Haiti ainda constitui ameaa para a paz internacional e a segurana na regio, o CS decidiu estabelecer a Misso das Naes Unidas para a Estabilizao no Haiti (MINUSTAH), que assumiu a autoridade exercida pela MIF em 1 de junho de 2004. Para o comando do componente militar da MINUSTAH (Force Commander) foi designado o General Augusto Heleno Ribeiro Pereira, do Exrcito Brasileiro. O efetivo autorizado para o contingente militar de 6.700 homens, oriundos dos seguintes pases contribuintes: Argentina, Benin, Bolvia, Brasil, Canad, Chade, Chile, Crocia, Frana, Jordnia, Nepal, Paraguai, Peru, Portugal, Turquia e Uruguai.

Poltica do Haiti

O Haiti uma repblica presidencialista com um Presidente eleito e uma Assemblia Nacional. A constituio foi introduzida em 1987 e teve como modelo as constituies dos Estados Unidos da Amrica e da Frana. Foi parcial ou completamente suspensa durante alguns anos, mas voltou plena validade em 1994.

Geografia do HaitiO terreno do Haiti consiste principalmente de montanhas escarpadas com pequenas plancies costeiras e vales fluviais. O leste e a zona central um grande planalto elevado.

A maior cidade a capital Port-au-Prince, com 2 milhes de habitantes, seguindo-se-lhe Cap-Hatien com 600 000.

Economia do HaitiNo sculo XVIII, o Haiti, ento chamado de Saint-Domingue, e governado pelos franceses, era a mais prspera colnia no Novo Mundo. Seu solo enormemente frtil produzia uma grande abundncia de colheitas e atraiu milhares de colonizadores franceses. Desde o perodo de colonizao o Haiti possui uma economia primria. Produzia acar de excelente qualidade, que concorreu com o acar brasileiro no sculo XVII e junto com toda produo das Antilhas serviu para a desvalorizao do acar brasileiro na Europa. Aps vrios regimes ditatoriais, hoje em dia seu principal produto de exportao ainda continua sendo o acar, alm de outros produtos como banana, manga, milho, batata-doce, legumes, tubrculos e muito mais. Atualmente sua economia encontra-se destroada e em runas. O pas permanece extremamente pobre, sendo o mais pobre da Amrica e de todo Hemisfrio Ocidental, to miservel como Timor-Leste, Afeganisto, entre outros. 50,2% da populao analfabeta, a expectativa de vida de apenas 51 anos. Sua renda per capita um-tero da renda da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Demografia do HaitiEmbora a densidade populacional do Haiti suba em mdia a 270 habitantes por quilmetro quadrado, a sua populao est concentrada nas zonas urbanas, plancies costeiras e vales. Cerca de 95% dos Haitianos so de ascendncia africana. O resto da populao principalmente mulata, de ascendncia mista caucasiana-africana. Uma minscula minoria tem sangue europeu ou levantino. Cerca de dois teros da populao vivem em reas rurais. O francs uma das duas lnguas oficiais, mas falado s por cerca de 10% da populao. Quase todos os Haitianos falam Kryol (Crioulo), a outra lngua oficial do pas. O ingls cada vez mais falado entre os jovens e no sector empresarial.

Religio no HaitiO catolicismo romano a religio de estado, professada pela maioria da populao. Houve algumas converses ao protestantismo. Muitos Haitianos tambm praticam tradies vodu, sem ver nelas nenhum conflito com a sua f crist. A padroeira do Haiti, na Igreja Catlica, Nossa Senhora do Perptuo Socorro. Catlicos Protestantes Sem Vodu Sem ou outras 2,4%. 64% 23,6% filiao ou esprita 5% 5%

Fonte: pt.wikipedia.org

123

Pesquisar

Sobre o Portal | Politica de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal

HaitiHaiti Hino Nacional do Haiti Bandeira do Haiti Mapa do Haiti Voltar Continentes

]]]]]]]]]] ]]]]]]]]]]]]]]]]]

Pesquisar

Home Haiti Voltar

HAITI

Nome oficial: Repblica do Haiti Organizao do Estado: Repblica presidencialista Capital: Porto Prncipe rea: 27,750 Km2 Maiores cidades: Porto Prncipe, Jacmel, Gonaves e Cap Hatien Populao (2005): 8,121 milhes Unidade monetria: Gourde

Geografia e PopulaoO Haiti ocupa o oeste da ilha de Hispaniola (a Repblica Dominicana situa-se na poro oriental da ilha), no mar do Caribe. Seu relevo montanhoso e a agricultura a base da economia. a nao mais pobre

do continente americano e apresenta uma das mais elevadas densidades populacionais do mundo. O Haiti apresenta duas plancies montanhosas, que fecham o Golfo de Gonaives e so separadas por vales e outras plancies. A regio sul montanhosa, e l est localizado o ponto mais alto do pas, o Pico La Selle. O rio mais importante de todo o territrio haitiano o Artibonite, que se origina na pennsula do norte. Seu clima tropical, caracterizado pela pouca variao de temperatura nas estaes do ano. A temperatura mdia anual gira em torno de 27C e chuvas caem em maior quantidade nas zonas montanhosas. Os idiomas adotados no Haiti so o francs e o crole. Noventa e cinco porcento da populao negra, sendo os 5% restantes mulatos e brancos. Ainda que haja uma fora de trabalho estimada em 3,6 milhes, h escassez de mo-de-obra qualificada, e o ndice de analfabetismo de 47,1%. O Haiti sofre com uma altssima taxa de desemprego e subemprego; mais de dois teros da populao em empregos informais.

Sistema PolticoEm fins de 2003, um movimento unindo partidos polticos oposicionistas, organizaes civis e o setor privado comeou a clamar pela renncia do Presidente Aristide. A despeito de vrias iniciativas diplomticas da CARICOM e da Organizao dos Estados Americanos, uma rebelio armada eclodiu em fevereiro de 2004. Na iminncia de um banho de sangue, Aristide partiu para o exlio. Em 31 de janeiro de 2004, a Comunidade Caribenha (CARICOM) ofereceu-se como mediadora e apresentou um Plano de Ao Preliminar. Tal Plano, que contava com a concordncia de Aristide, previa reformas amplas, incluindo um novo gabinete. A oposio, no entanto, recusou-se a tomar parte nos planos. O ento Primeiro-Ministro Yvon Neptune tomou a iniciativa de implementar uma variante do plano proposto pela CARICOM para a instalao de um Governo Transitrio. Na noite de 29/2, o Representante Permanente do Haiti junto s Naes Unidas submeteu ao Conselho de Segurana cpia da carta de renncia de Aristide e um pedido de assistncia. Na mesma noite, foi aprovada, pelo CSNU, a Resoluo 1529 (2004), que autorizou tropas estrangeiras a entrarem em territrio haitiano. Em 4 de maro, foi nomeado o "Conselho Tripartite", que foi incumbido de selecionar sete pessoas eminentes que formariam o "Conselho de Sbios", o qual, por sua vez, selecionaria um novo PrimeiroMinistro. Em 5 de maro, o "Conselho de Sbios" foi escolhido e, em 9 de maro indicou Grard Latortue como Primeiro-Ministro. Nos dias subseqentes, o Primeiro-Ministro Interino do Haiti, juntamente com o Conselho de Sbios, nomeou o restante do governo entre tcnicos reconhecidos por sua competncia e no pela filiao partidria. Os 13 membros do Ministrio foram empossados em 17 de maro.

Poder Executivo Chefe de EstadoPresidente Interino Boniface Alexandre (desde 29 de fevereiro de 2004) que, como Chefe da Suprema Corte, sucedeu constitucionalmente Aristide.

Chefe de GovernoPrimeiro Ministro Interino Gerald Latortue (desde 12 de maro de 2004), escolhido pelo Conselho extraconstitucional de Pessoas Iminentes.

EleiesPresidente eleito por voto popular para um mandato de 5 anos. As prximas eleies sero realizadas em novembro de 2005. O primeiro ministro apontado pelo presidente e ratificado pela Assemblia Nacional.

Poder LegislativoA Assemblia Nacional do Haiti (Assemblee Nationale) bicameral, composta pelo Senado (27 membros com mandato de 6 anos, e 1/3 eleito a cada dois anos) e pela Cmara dos Deputados (83 membros eleitos pelo voto popular para mandato de quatro anos). A Assemblia Nacional parou de funcionar em janeiro de 2004, quando o mandato de todos os Deputados e de dois teros dos Senadores se expiraram. Substitutos no foram eleitos e o Presidente est atualmente governando por decreto.

EleiesEleies para o Senado e para a Cmara do Deputados sero realizadas em 2005.

Poder JudicirioA instncia mxima do judicirio haitiano a Suprema Corte (Cour de Cassation).

EconomiaComposio setorial do Produto Interno Bruto: Agricultura (30%), indstria (20%), servios (50%).

Pauta de exportao (2003)Vesturio e seus acessrios, de malha (71,4%), vesturio e seus acessrios, exceto de malha (10,5%), frutas, cascas de frutas e de meles (2,3%), demais produtos (15,8%).

Pauta de importao (2003)Vesturios e seus acessrios, de malha (13,9%), cereais (11,8%), veculos automveis, tratores e ciclos (6,9%), gorduras, leos e ceras animais e vegetais (4,6%), combustveis, leos e ceras minerais (4,4%), demais produtos (58,4%) .

Principais parceiros comerciais (2003)EUA (77,9 %), Repblica Dominicana (8,9%), Canad (5.3%).

Indicadores econmicosEstima-se que o PIB haitiano totalize US$ 4,3 bilhes em 2004. As exportaes estimadas para o mesmo ano totalizam US$ 338,1 milhes e as importaes, US$ 1,085 bilhes. A taxa anual de inflao estimada para 2004 de 22%.

Relaes bilateraisO Brasil enviou duas misses diplomticas de alto nvel para contatos com dirigentes de pases da Caricom e com as foras polticas haitianas. Nos encontros mantidos, verificou-se a grande preocupao no Caribe com a situao no Haiti, e tambm grande disposio para ajudar a reintegrar o pas regio. A recepo da notcia de que o Brasil estava disposto a participar da Fora de Estabilizao das Naes Unidas foi excelente. Todos os interlocutores vem a participao brasileira como muito positiva e mesmo

essencial para assegurar que a reconstruo e a redemocratizao do Haiti se dem de forma respeitosa da soberania haitiana e coordenada com os pases da Caricom. O Brasil j est presente no Haiti com contingente de 1200 homens e o General Augusto Heleno Pereira Ribeiro comanda a fora militar da MINUSTAH. Diversos pases da Amrica do Sul mostraram interesse em coordenar-se com o Brasil e contribuir com tropas para a Misso da ONU (Argentina, Uruguai, Paraguai, Uruguai, Chile, e Peru). O Paraguai e a Guatemala desejam integrar seus efetivos ao contingente brasileiro e ficariam, em tal caso, sob o comando do General de Brigada Amrico Salvador de Oliveira, Comandante da Brigada Brasil na MINUSTAH. Na semana de 23 a 28 de agosto de 2004, ampla misso multidisciplinar brasileira, encabeada pela Agncia Brasileira de Cooperao e englobando inmeros representantes do Executivo e do Judicirio, visitar o Haiti, onde se reunir com autoridades do Governo de transio para identificar reas nas quais poder ser estreitada a cooperao entre os dois pases. Busca-se , por meio dessa cooperao, apoiar o Governo de Latortue na recuperao de estradas vicinais, no desenvolvimento de tecnologias agrcolas, nas reas de sade pblica (treinamento de multiplicadores e vacinao em massa), treinamento de magistrados e criao de cartrios, aperfeioamento da educao, entre outras atividades. No dia 25 de agosto, no mbito dessa misso, chegar ao Haiti uma usina modelo de beneficiamento de castanhas de caju, que ser doada pela EMBRAPA ao povo haitiano. Do ponto de vista bilateral, o Brasil pode contribuir significativamente na busca de uma soluo para a crise, especialmente participando de misso que eventualmente venha a ser enviada ao pas para apoiar a preparao de eleies, que so ponto crucial das providncias para reconduzir a situao poltica normalidade.

A misso das Naes Unidas para a estabilizao do Haiti - MINUSTAHEm relatrio divulgado em 19 de abril de 2004, o Secretrio-Geral das Naes Unidas recomendou uma misso multidimensional para, com enfoques tanto no curto quando no mdio e longo prazos, auxiliar na soluo dos problemas do pas e atacar suas causas. As principais reas de assistncia identificadas foram:

Dilogo nacional e reconciliao Processos eleitorais Construo de instituies Combate ao trfico de drogas Programas de desarmamento, desmobilizao e reintegrao de ex-combatentes Respostas violncia contra as mulheres Garantia do abastecimento de alimentos Restaurao da sade pblica Combate ao HIV/AIDS Apoio educao Apoio preservao do meio ambiente Programas de gerao de emprego

A MINUSTAH foi criada pela Resoluo 1542 (2004) do Conselho de Segurana, aprovada em 30 de abril. O mandato da MINUSTAH divide-se, de acordo com o pargrafo 7 da, em trs partes: 1. Estabelecer um ambiente seguro e estvel ( a parte colocada sob o escopo do Captulo VII) 2. Apoiar o processo poltico, inclusive a realizao de eleies na data mais prxima possvel 3. Apoiar, monitorar e informar a respeito da situao de Direitos Humanos.

Alm disso, a MINUSTAH deve coordenar-se com outros parceiros (OEA, por exemplo) para auxiliar o Governo transitrio na investigao de violaes de Direitos Humanos e do Direito Humanitrio, e desenvolver uma estratgia para a reforma e fortalecimento do Judicirio haitiano (pargrafo 9). Deve, tambm, auxiliar a prover e coordenar a assistncia humanitria e o acesso de agentes humanitrios populao necessitada (pargrafo 10). Por fim, o sistema das Naes Unidas como um todo, outros rgos (OEA, CARICOM) e outros Estados devem contribuir para a promoo do desenvolvimento econmico e social do Haiti, em particular no longo prazo, de forma a alcanar a estabilidade e combater a pobreza (pargrafo 13) e auxiliar o Governo Transitrio do Haiti no desenvolvimento de uma estratgia de longo prazo de desenvolvimento.

Principais Acordos Bilaterais em vigorConveno de Arbitramento: 21/11/1912 Acordo Administrativo para a Troca de Correspondncia Oficial em Malas Diplomticas, por Via Comum: 19/03/1951 Acordo Administrativo para a Troca de Correspondncia Oficial em Malas Diplomticas Especiais por Via Area: 23/5/1951 Convnio de Intercmbio Cultural: 5/5/1973

Protocolo de Intenes para o Desenvolvimento de Programas de Cooperao nas reas de Energia e Minerao: 26/9/83 Acordo sobre a Criao da Comisso Mista Brasil-Haiti: 14/9/84

Fonte: www2.mre.gov.br

HAITIHaiti Hati Republic of Haiti

Nome oficial do HaitiRpublique d'Hati - Repiblik Dayti.

Capital do HaitiPorto Prncipe (Port-au-Prince).

Nacionalidade do HaitiHaitiana.

Idioma do HaitiFrancs e crioulo (oficiais). Francs a lngua oficial, embora 90% da populao fala crioulo - um dialeto que combina o francs com vrios dialetos africanos.

Religio do Haiti

Cristianismo 96,1% (catlicos 80,3%, protestantes 15,8%), sem filiao 1,2%, outras 2,7% (1982). A religio oficial a catlica, mas a influncia africana arcante em prticas religiosas como o vodu.

Localizao do HaitiLeste da Amrica Central.

Caractersticas do HaitiOcupa a parte oeste da ilha Hispaniola - costa recortada pelo golfo de Gonaves e com vrias ilhas (Gonaves e de la Tortue, principais); relevo montanhoso com macios (N e S); planalto central e plancie (SE).

Populao do Haiti7,4 milhes (1997); composio: afro-americanos e eurafricanos 96%, europeus meridionais 3%, outros 1% (1996).

Principais Cidades do HaitiCarrefour, Delmas, Cap Hatien.

Patrimnios da humanidadeParque Histrico Nacional com o Palcio de Sans Souci; o Stio Ramiers; e La Citadelle.

Diviso administrativa do Haiti9 departamentos subdivididos em distritos e comunas.

Moeda (numismtica) do HaitiGourde. Cdigo internacional ISO 4217: HTG. O gourde a unidade monetria do Haiti e est dividida em 100 cntimos. A palavra "Gourde" significa uma americana tropical evergreen that produces large round gourds... Localizado no Caribe, Haiti banhado ao norte pelo Oceno Atlntico e ao sul pelo Mar do caribe, a oeste da Repblica Dominicana. O Haiti a primeira colnia de maioria negra a conquistar a libertao dos escravos, em 1794, e a independncia, em 1804. Ocupa o lado oeste da ilha Hispaniola (a Repblica Dominicana tem os outros dois teros da ilha), no mar do Caribe. Seu relevo montanhoso e a agricultura, a base de sua economia. o primeiro territrio americano a ser descoberto por Cristvo Colombo! o pas mais pobre da Amrica Central. Nos ltimos anos apresenta ligeiro avano na qualidade de vida de sua populao. A taxa de analfabetismo, por exemplo, que em 1985 era de 62%, diminui para 55% em 1995.

Histria do Haiti

A ilha Hispaniola descoberta por Cristvo Colombo em 1492. Os espanhis ocupam, de incio, apenas o lado oriental. No final do sculo XVI, quase toda a populao de ndios arauaques havia sido dizimada. A parte ocidental da ilha, onde hoje fica o Haiti, cedida Frana pela Espanha em 1697 e renomeada Saint Domingue. No sculo XVIII a mais prspera das colnias francesas: graas aos escravos africanos, exporta acar, cacau e caf. Foi entre 1795 a 1804, uma colnia francesa. Em 1844, a parte oriental da ilha tornou-se Repblica Dominicana.

Ex-escravos no poderInfluenciados pela Revoluo Francesa, os escravos - cujo nmero superava em dez vezes o de franceses e mestios - se rebelam em 1791 e trs anos depois conquistam a abolio da escravatura. O ex-escravo Toussaint L'Ouverture comanda em 1794 um exrcito local que defende a colnia contra foras inglesas e espanholas, ganhando para a Frana o domnio de toda a ilha. Em 1801, Toussaint convoca uma Assemblia que o nomeia governador vitalcio e promulga uma Constituio, mas logo depois preso e enviado Frana, onde morre. Os generais Jacques Dessalines e Alexandre Ption expulsam definitivamente os franceses em 1803, e a independncia declarada em 1804. Dessalines proclama-se imperador, mas, aps seu assassinato, em 1806, o pas se divide em dois, e a parte oriental (atual Repblica Dominicana) retomada pela Espanha. Em 1822, o presidente Jean-Pierre Boyer consegue reunificar a nao, mas a unio no sobrevive a sua derrubada em 1844. Para proteger seus privilgios comerciais no pas, os EUA ocupam o Haiti entre 1915 e 1934, favorecendo a elite mulata Haitiana, que vive em conflito com a populao negra.

DuvalierismoAps novo perodo de instabilidade, o mdico negro Franois "Papa Doc" Duvalier eleito presidente em 1957 e instaura uma ditadura baseada no terror dos tontons macoutes (bichos-papes), sua guarda pessoal, e no vodu - culto originrio do Benin (frica), semelhante ao candombl. Presidente vitalcio a partir de 1964, Papa Doc, como Duvalier fica conhecido, extermina a oposio e persegue a Igreja Catlica. Sua morte, em 1971, conduz ao poder seu filho Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc. Ao final de 15 anos de desequilbrio econmico e social, represso poltica e corrupo, os protestos populares se intensificam e, em 1986, Baby Doc foge para a Frana, deixando em seu lugar uma junta chefiada pelo general Henri Namphy.

Aristide depostoSob nova Constituio realizam-se eleies presidenciais livres em dezembro de 1990, vencidas pelo padre de esquerda Jean-Bertrand Aristide. Empossado em fevereiro de 1991, Aristide deposto em setembro em um golpe de Estado liderado pelo general Raoul Cdras.

A ONU e os EUA impem sanes econmicas ao pas para forar a volta de Aristide, que, em julho de 1993, assina um pacto com Cdras, em Nova York, prevendo seu retorno ao cargo. Em outubro, grupos paramilitares impedem o desembarque de soldados norte-americanos de uma Fora de Paz da ONU no Haiti. O crescimento do xodo de refugiados Haitianos para os EUA aumenta as presses de Washington pela volta de Aristide. Em maio de 1994, o Conselho de Segurana da ONU decreta o bloqueio total ao pas. Os EUA denunciam como ilegal a manobra da junta Haitiana que colocara o civil mile Jonassaint na Presidncia e em julho obtm autorizao da ONU para uma interveno militar no Haiti.

Interveno norte-americanaO ex-presidente e mediador dos EUA Jimmy Carter obtm um acordo com Cdras: em troca de anistia, os militares deixam o poder, e tropas norte-americanas entram no pas em setembro de 1994 para assegurar o retorno legalidade. Aristide volta e reassume como presidente em outubro, escolhendo Smarck Michel seu primeiro-ministro. Em maro de 1995, as foras dos EUA comeam a ser substitudas por soldados da ONU. O Exrcito dissolvido em abril. O Movimento Lavalas - uma aliana de trs partidos ligados a Aristide - ganha a maioria das cadeiras nas eleies legislativas de junho de 1995 e, em dezembro, seu candidato Ren Prval eleito presidente com 87,9% dos votos.

Novo governoA posse de Prval, em 7 de fevereiro de 1996, a primeira no Haiti em que um presidente eleito entrega o poder a um sucessor tambm escolhido em eleies. No final do ms, o economista Rony Smarth aprovado primeiro-ministro pelo Congresso. Em maro, Prval anuncia plano de privatizar as estatais, desencadeando uma onda de protestos. Em agosto, o Lavalas responsabilizado pelo assassinato de dois lderes direitistas. Aristide, que anuncia sua inteno de concorrer Presidncia no ano 2000, afasta-se do Lavalas e funda em novembro o movimento Famlia Lavalas. Em janeiro de 1997, a Repblica Dominicana decide expulsar os imigrantes ilegais Haitianos, mas interrompe o envio diante dos protestos do Haiti chegada dos primeiros 16 mil deportados. No pas crescem os protestos contra a adoo de um programa de ajuste e corte de gastos pblicos acertado pelo primeiro-ministro Smarth com o FMI. Smarth sobrevive a um voto de desconfiana do Congresso, em maro, mas a crise poltica se acentua, e menos de 10% dos eleitores votam nas eleies legislativas e municipais de abril. Uma greve dos professores fecha as escolas do pas, no qual o desemprego atinge 70% da populao ativa. A fome se alastra no interior. Smarth renuncia em junho, porm continua no cargo at outubro. Em julho, o contingente da ONU deixa o Haiti. Em novembro, o presidente Prval indica Herv Denis para o cargo de primeiro-ministro, deciso que ainda precisa ser ratificada pelo Congresso...

Contribuio brasileira: Em 2004, o governo do Brasil envia tropas do exrcito ao pas para promover a paz e ajudar o povo Haitiano...

Fonte: www.girafamania.com.br

HaitiNome oficial: Repblica do Haiti Capital: Porto Prncipe Nacionalidade: haitiana Idioma oficial: francs e crioulo Religio: catlica 68.5% (1995) Territrio: 27.797 Km2 Moeda: gourde Populao: 6.964.549 (2001) Populao urbana: 34% (1998) Taxa de crescimento demogrfico: 1,77% ao ano (1995-2000) PIB (em milhes de US$): 3.800 (2000) Renda per capita: US$ 1.000 Crescimento do PIB: 1,2% (2000) Fora de trabalho: 2,3 milhes Exportaes (em milhes de US$): 186 (2000) Importaes (em milhes de US$): 1.200 (2000) Principais cidades: Porto Prncipe (884.472 hab), Carrefour (290.204 hab), Cap-Hatien (102.233 hab) Dados 1996 Produo agrcola Principais produtos: caf, manga, cana-de-acar, arroz, banana, milho, batatadoce e arroz. Pecuria: eqinos, bovinos, caprinos, aves.

Produo industrialPrincipais indstrias: alimentcia, siderurgia (ferro e ao), txtil, petroqumica (plstico e borracha). Riquezas da terra: mrmore, argila e calcrio.

Principais parceiros comerciais: EUA, Japo, Frana, Canad, Itlia e Blgica.

HISTRIAO Haiti ocupa um tero da ilha Hispaniola (outros dois teros pertencem Repblica Dominicana). O pas declarou-se independente, em 1804. Em 1822, anexou ao seu territrio a Repblica Dominicana, mas em 1844 foi obrigado a devolver a soberania, pressionado pelas revoltas da populao dominada. Em 1850, Faustin Soulouque proclamou-se imperador com o nome de Faustino I, mas foi deposto em 1859 por um movimento militar, seguindo-se um longo perodo de instabilidade poltica. Em 1915, aps o assassinato do presidente Vibrun Guillaue, os Estados Unidos ocuparam militarmente o pas, onde ficaram at 1934, temendo que seus investimentos fossem prejudicados. A paz poltica voltou a ser perturbada em1946, com a derrubada do ento presidente Lescot. Seguiram-se os mandatos de Dumarsais Estim e de Pablo Eugenio Magloire. Este ltimo renunciou, criando uma situao catica que se estendeu at 22 de outubro de 1957, quando subiu ao poder Francisco Duvalier. Em 1964, Duvalier (que morreu em 1971) se nomeou presidente vitalcio do pas.

GEOGRAFIAO Haiti ocupa o lado Oeste da ilha de Santo Domingo (a Repblica Dominicana est na poro Leste), uma das que formam as Grandes Antilhas, no mar do Caribe. Na regio Sul est o ponto mais alto do pas, o Pico La Selle (2.680m). O clima tropical, caracterizado pela pouca variao dos termmetros nas estaes do ano. A temperatura mdia anual de 27C, e chuvas caem em maior quantidade nas zonas montanhosas. a nao mais pobre do continente americano e apresenta uma das mais elevadas densidades populacionais do mundo (299,27 habitantes por km2).

Mapa do Haiti

POLTICAO pas uma Repblica que adota a forma mista de governo e dividido administrativamente em nove Departamentos. O presidente eleito pelo voto direto, para mandato de 5 anos. O primeiro-ministro indicado pelo presidente, mas seu nome deve ser ratificado pelo Congresso.

A Assemblia Nacional do Haiti (Poder Legislativo) bicameral. O Senado composto por 27 membros, com mandato de 6 anos, sendo 1/3 renovado a cada dois anos. A Cmara dos Deputados integrado por 83 membros, com mandato de quatro anos. A Constituio em vigor data de 1987.

ECONOMIACerca de 75% da populao haitiana vive da agricultura, que emprega dois teros da mo-de-obra do pas. O setor representa 31,2% do PIB nacional, contra apenas 7,3% das indstrias. O fracasso dos acordos com credores internacionais, no final de 1995, resultou em aumento dos gastos pblicos e alta da inflao. Essa situao fez com que os potenciais investidores nacionais e internacionais ficassem espera do que ocorreria com o novo governo e com a sada das foras de paz da ONU. H necessidade de o governo impor medidas econmicas impopulares para obter a ajuda do exterior e melhorar a capacidade de o Haiti atrair o capital estrangeiro. De qualquer forma, ainda continuar dependendo, a mdio prazo, da ajuda internacional. O pas exporta basicamente produtos agrcolas (9%) e manufaturados leves (81,6%). Em contrapartida, importa principalmente produtos alimentcios (28,3%), bens manufaturados (21,8%), combustvel e lubrificantes (10,6%) e matrias-primas (2,4%). As relaes Brasil-Haiti tm sido bastante modestas. H muitas reas de cooperao possvel entre o Brasil e aquele pas, entre as quais atividades agropecurias, formao de sindicatos, minerao, educao distncia, metalurgia, processamento de frutas tropicais, embalagem de alimentos, criao de micro-empresas, indstria de bens de consumo, produo de artigos artesanais, irrigao, hotelaria, turismo e sistemas de transporte coletivo.

Fonte: www.portaljapao.org.br

Haiti

Nome Oficial: Republique d'Hati Capital do Haiti: rea: 27.750 km Populao: 8,528 Idiomas Oficiais: Moeda: Nacionalidade: Principal Cidade: Porto Prncipe, Carrefour, Cap-Hatien

(Repblica Porto (143 milhes Francs,

do

Haiti) Prncipe maior) (2005) Creole Gourde Haitiana

Fonte: www.webbusca.com.br

HaitiNome oficial: Repblica do Haiti (Rpublique d'Hati/Repiblik Dayti). Nacionalidade: haitiana. Data nacional: 1 de janeiro (Independncia). Capital: Porto Prncipe. Cidades principais: Porto Prncipe (884.472), Carrefour (290.204), Cap-Hatien (102.233) (1996). Idioma: francs e crioulo (oficiais). Religio: cristianismo 92,6% (catlicos 68,5%, protestantes 24,1%), outras 7,4% (1995).

Geograifia do HaitiLocalizao: Hora rea: Clima: tropical. Amrica local: 27.400 Central, mar do -2h. km2. Caribe.

Populao do HaitiTotal: 8,2 milhes (2000), sendo afro-americanos e eurafricanos 96%, europeus meridionais 3%, outros 1% (1996). Densidade: 299,27 hab./km2. Populao urbana: 34% (1998). Populao rural: 66% (1998). Crescimento demogrfico: 1,7% ao ano (1995-2000). Fecundidade: 4,38 filhos por mulher (1995-2000). Expectativa de vida M/F: 51/56 anos (1995-2000). Mortalidade infantil: 68 por mil nascimentos(1995-2000). Analfabetismo: 51,4% (2000). DH (0-1): 0,440 (1998).

Poltica do HaitiForma de governo: Repblica com forma mista de governo. Diviso administrativa: 9 departamentos subdivididos em distritos e comunas. Principais partidos: Organizao do Povo em Luta (OPL), Movimento da Organizao do Pas (MOP), Famlia Lavalas (FL). Legislativo: bicameral - Senado, com 27 membros (1/3 renovvel a cada 2 anos); Cmara dos

Deputados, com 83 membros. Ambos eleitos por voto direto para mandatos de 6 e 4 anos, respectivamente. Constituio em vigor: 1987.

Economia do HaitiMoeda: gourde. PIB: US$ 3,9 bilhes (1998). PIB agropecuria: 30% (1998). PIB indstria: 20% (1998). PIB servios: 50% (1998). Crescimento do PIB: -1,7% ao ano (1990-1998). Renda per capita: US$ 410 (1998). Fora de trabalho: 3 milhes (1998). Agricultura: Os principais so o caf, cana-de-acar, banana, milho, batata-doce e arroz. Pecuria: eqinos, bovinos, caprinos, aves. Pesca: 5,6 mil t (1997). Minerao: mrmore, argila, calcrio. Indstria: alimentcia, siderrgica (ferro e ao), txtil, petroqumica (plstico e borracha). Exportaes: US$ 175 milhes (1998). Importaes: US$ 797 milhes (1998). Principais parceiros comerciais: EUA, Japo, Frana, Canad, Itlia e Blgica.

Defesa do HaitiGastos: US$ 47 milhes (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

HAITI"Alm do sol, as praias e os hotis de luxo tem uma mistura misteriosa e assustadora de arte, histria, cultura e magia. "

Haiti um pas do Caribe que ocupa o tero ocidental da ilha Hispaniola, possuindo uma das duas fronteiras terrestres das Carabas, a fronteira que faz com a Repblica Dominicana, a leste. Alm desta fronteira, os territrios mais prximos so as Bahamas e Cuba a noroeste, Turks e Caicos a norte, e Navassa a sudoeste. Capital: Port-au-Prince.

Diverso no Haiti

Em vrios balnearios de praia podem alugar-se botes para navegar a vela e esquiar Em alguns deles organizam-se programas de mergulho em profundidade completos, com instrutor e tramitao dos certificados respectivos. Nas guas de Haiti os mergulhadores esperientes podero gozar das melhores condies do Caribe para praticar o seu esporte, pois a costa ainda no est invadida pelos turistas.

Transportes no HaitiHait tem quase 5.000 quilmetros de estradas, e nem todas so transitveis durante a poca de chuvas. Alm do taxi, tambm podem-se percorrer de carro, mini-nibus e kombis. Mas o mais barato e tpico so os tap-tap, (chamados assim pelo barulho que faz o motor), pequenos caminhes abertos atrs, com assentos para os pasajeiros. Param em qualquer lugar, e a tarifa mais cara aquela que permite-lhe ir ao lado do condutor.

Aluguel de CarrosAs principais companhas de aluguel de carros tm escritrios em Porto Prncipe ou Ptionville, mas tambm posvel alug-los no aeroporto. Faa conta que muitas companhas esto dispostas a oferecer tarifas especiais se pensar em alugar o veculos por una semana ou mais. Convm pois ligar com antecedncia e pedir sempre um tratamento preferencials. No preciso uma carta de conduo especial, a internacional d perfeitamente. Lembre-se de dirigir pela direita.

DinheiroO Gourde a unidade monetria das Honduras e est dividida em 100 centavos. Por questes de segurana, a troca de moeda deve ser feita de preferncia nas raras casas de cmbio. aconselhvel o respeito dos conselhos habituais de segurana:

no passear durante a noite ou em locais isolados evitar as praias desertas transporte consigo uma cpia do passaporte

ComprasCom um pouco de pacincia e dilogo poder conseguir magnficas obras a preos muito acessveis em algumas das galeras e mercados de Porto Prncipe e Cabo Haitiano, principalmente.Artigos interessantes so as esculturas e talhas de madeira, artigos de mimbre, joalhara de cobre e de carey, roupa bordada a mo, objetos de ferro forjado e um rico e variado artesanato relacionado com os ritos do vudu. O principal mercado o Mercado do Ferro em Porto Prncipe, e o mais tradicional o de Kenscoff, perto da capital.

Capital do HaitiPorto Prncipe (em francs Port-au-Prince e em crioulo haitiano Proprens) a capital e a maior cidade do Haiti. Localiza-se no sudoeste do pas e um porto no golfo de Gonaives. A populao da cidade soma 2,5 a trs milhes de habitantes. Foi fundada em 1749 pelos franceses.

Clima do HaitiO clima tropical, com temperaturas quentes variando entre os 25 e 32 graus centigrados nas zonas costeiras. A poca de chuvas extende-se de abril at novembro, normalmente so breves mas intensas.

Idioma do Haiti

O idioma oficial o francs, embora esteja muito extendido o crole (crioulo), mistura de francs e lnguas indgenas africanas. Tambm est muito extendido o ingls e, pela vizinhana com a Repblica Dominicana, o espanhol.

Fonte: www.souturista.com.br

123

Pesquisar

Sobre o Portal | Politica de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal

HaitiHaiti Hino Nacional do Haiti Bandeira do Haiti Mapa do Haiti Voltar Continentes

]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]] ]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]

Pesquisar

Home Haiti (Pgina 2) Voltar

HAITI

INFORMAO PRTICACLIMAO clima tropical, com temperaturas quentes variando entre os 25 e 32 graus centigrados nas zonas costeiras. A poca de chuvas extende-se de abril at novembro, normalmente so breves mas intensas.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEMAconselhamos roupas de algodo, calado confortvel, capa de chuva, culos de sol, chapu ou bon, protetor solar e repelente contra insetos.

DIFERENA HORRIAEm Haiti os relgios vo cinco horas por trs com respeito ao horrio GMT.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEMAconselhamos roupas de algodo, calado confortvel, capa de chuva, culos de sol, chapu ou bon, protetor solar e repelente contra insetos.

DIFERENA HORRIAEm Haiti os relgios vo cinco horas por trs com respeito ao horrio GMT.

IDIOMAO idioma oficial o francs, embora esteja muito extendido o crole (crioulo), mistura de francs e lnguas indgenas africanas. Tambm est muito extendido o ingls e, pela vizinhana com a Repblica Dominicana, o espanhol.

RELIGIOA religio principal a catlica, praticada oficialmente pelo 80% da populao. O 10% so protestantes (batista, principalmente), e o outro 10% pratica o vudu. H que lembrar, porm, que um grande nmero de haitianos combinam os cultos catlico e vudu.

ELETRICIDADEA rede eltrica de 10 volts a 60 Hz.

EMERGNCIA-SADE-POLICIAMENTOAs autoridades haitianas no exigem nenhuma vacina obrigatria. muito recomendada, no obstante, a profilaxis anti-malaria, no beber gua da torneira, no comer alimentos sem cozinhar e evitar as frutas sem pelar e os cubitos de gelo. Para emergncias mdicas ou policiais o melhor solicitar ajuda nas recepes dos hotis. Embora os nveis de criminalidade contra turistas no so alarmantes, tm-se observado alguns assaltos a estrangeiros, pelo que bom manter certas precaues para evitar problemas. bom assim mesmo no levar objetos valiosos vista, e fazer ateno a mostrar dinheiro em pblico. Salvo se viajar com um grupo, escolha o transporte privativo melhor do que o pblico, e evite sempre passear s a noite fora das zonas propriamente tursticas.

CORREIOS E TELEFONIA

O servio de correios ainda deficiente, pelo que ser melhor reservar as necessidades postais para a vizinha Repblica Dominicana, no caso de ir l depois. O escritorio principal dos correios est em Porto Prncipe. Para ligar Haiti tem que marcar 00-509 e a seguir o nmero de assinante (no existem prefixos para as diferentes cidades).

FOTOGRAFIA melhor levar consigo todo o material fotogrfico que vai utilizar, pois o material que pode comprar em Haiti nem sempre da melhor qualidade, e os preos podem ser elevados. O mesmo pode-se dizer da revelao de filme, sendo aconselhvel lev-los Repblica Dominicana se vai fazer alguma passagem por l.

HORRIO COMERCIALAs lojas e mercados tm um horrio muito comprido, desde muito cedo de manh at a noite. Os bancos s abrem de manh, das 9 s 13, de segunda a sexta-feira.

GORJETASEm restaurantes e hotis geralmente inclui-se na conta um 10% em conceito de gorjeta. Quando no seja assim, aconselhamos deixar entre um l0 e um 15% da conta, segundo o servio recebido. Os taxistas no esperam gorjeta.

TAXAS E IMPOSTOSExiste uma taxa de sada do aeroporto.

FOTOGRAFIA melhor levar consigo todo o material fotogrfico que vai utilizar, pois o material que pode comprar em Haiti nem sempre da melhor qualidade, e os preos podem ser elevados. O mesmo pode-se dizer da revelao de filme, sendo aconselhvel lev-los Repblica Dominicana se vai fazer alguma passagem por l.

HORRIO COMERCIALAs lojas e mercados tm um horrio muito comprido, desde muito cedo de manh at a noite. Os bancos s abrem de manh, das 9 s 13, de segunda a sexta-feira.

GORJETASEm restaurantes e hotis geralmente inclui-se na conta um 10% em conceito de gorjeta. Quando no seja assim, aconselhamos deixar entre um l0 e um 15% da conta, segundo o servio recebido. Os taxistas no esperam gorjeta.

TAXAS E IMPOSTOSExiste uma taxa de sada do aeroporto

GORJETASEm restaurantes e hotis geralmente inclui-se na conta um 10% em conceito de gorjeta. Quando no seja assim, aconselhamos deixar entre um l0 e um 15% da conta, segundo o servio recebido. Os taxistas no esperam gorjeta.

Situao e Geografia do HaitiLOCALIZAO GEOGRFICAExtendendo-se por 27.400 quilmetros quadrados, Haiti ocupa a terceira parte da ilha La Espanhola, conhecida tambm como ilha de So Domingo. a segunda maior ilha das Antilhas e est situada no centro do arquiplago, muito perto do Trpico de Cncer. Haiti equidista de Miami, Estados Unidos e Caracas, Venezuela. Limita-se ao norte, sul e oeste com o Mar Caribe, e a leste com a Repblica Dominicana. As duas naes no esto claramente separadas por nenhuma fronteira natural, pelo que partilham muitos rios, vales e montanhas, fazendo do territrio uma s regio fsica. A mxima altitude La Selle, no sul do Haiti com 2.680 metros e o principal rio o Artibonite, que nasce na Repblica Dominicana e desemboca no Golfo de Gonave. Os outros rios do territrio so muito curtos e de rpidas correntes. A sua orografia vem caracterizada por um terreno predominantemente montanhoso, formado por duas cordilheiras maiores e uma menor situada entre elas. As costas do Haiti so, sobretudo rochosas, e distingue-se nela duas peninsulas, a peninsula de Saint Nicholas ao norte, e a do Tiburo ao sul, formando o Golfo de Gonave, onde situa-se uma pequena ilha do mesme nome. A capital do pas Porto Prncipe (Port au Prince). Outras cidades importantes so Cap Haitien, Gonaives, Les Cayes, Ptionville, Port-de-paix, Saint Marc e Jacmel.

FLORA E FAUNAA natureza de Haiti rica e variada, com predomnio de regies midas e pouco elevadas nas quais cresce a floresta tropical, rica em madeiras valiosas como o bano ou a caoba. O territrio haitiano possui mais de 4.000 espcies de plantas, das quais o 36% so endmicas (nativas). Estas apresentam uma grande semelhana com as plantas do resto do continente, pois so originrias das eras geolgicas, quando a ilha estava ligada massa continental. Das espcies endmicas salientam as orqudeas, supondo 67 gneros e mais de 300 variedades classificadas, como por exemplo a Oncidium hanekeni (tem forma de uma pequenssima "cacata"), a Polyradicion lindenii (com forma de rzinha), a Oncidium variegatum (com forma de anjo) ou a Leochilus laniatus (parece com uma freira). So espcies originrias a palma real, o guayacn, a chirimoia, a mandioca, o man, o tabaco, o milho, a batata, a goiaba, entre outras espcies. Plantas como o cacao, o abacate, os ctricos, o caf, a cana de acar ou as bananas foram introduzidas pelos indgenas nas suas migraes, assim como pelos espanhis durante os tempos da colonizao. Da fauna haitiana deve-se salientar ser tipicamente antilhana, quer dizer com um grande nmero de espcies inferiores, muitas aves e poucos mamferos. Dentre as espcies nativas de maior interesse, salientam as iguanas da rocha, o cocodilo americano e a juta dos gneros Solenodon e Plagidontia. Na ornitofauna podemos achar o zumbador, o guaraguao, o flautero, o barrancol e a cigua palmera. Dos poucos mamferos presentes na ilha salientam os manaties e as baleias corcundas. Os manaties so mamferos aquticos que habitam manglares, estuarios, desembocaduras de rios e lagoas a beira mar. As baleias corcundas emigram todos os anos desde as regies rticas para

reproduzirem-se. Estima-se que 85% das mais de 6.000 baleias corcundas da metade norte do Atlntico visitam estas guas. A melhor temporada para observ-las decorre entre novembro e abril. Graas s baleias procurarem guas pouco fundas perto das ilhas pode-se contempl-las de perto.

Histria do HaitiDADOS HISTRICOSAt meados do sculo XVII a histria do Haiti mistura-se com a histria da antiga colnia espanhola. Nesses tempos o que hoje Haiti era ocupado por piratas e corsrios franceses.

Os Tempos Pr-colombianosAntes da chegada de Colombo a Hispaniola ou "Quisqueya", como chamavam-na os indgenas tanos (habitantes pr-colombianos) estava ligada culturalmente ao resto das Antilhas. Os indianos da Espanhola eram principalmente tanos (o que significa "Os bons") e arawaks, mas no faltavam tambm alguns representantes dos macories e dos ciboney, povos em um estado de civilizao paleoltica e que habitavam tambm Cuba. Os tanos nunca foram uma civilizao comparvel, no que diz respeito ao desenvolvimento, a outras culturas como a maia, asteca ou inca, no entanto possuiam um nvel cultural muito maior ao dos outros aborgens antilhanos. Grandes artistas na pintura corporal praticavam a poesia e as danas rituais, alm do jogo da bola. No era um povo guerreiro viviam calmamente em pequenos grupos habitando choas cnicas feitas em madeira e fibra tranada. Na poca da chegada dos espanhis o reino estava organizado em diferentes cacicazgos e o seu mais famoso lder era mulher, Anacaona ("flor de ouro"); o seu trgico fim nas mos dos espanhis fez dela uma pea fulcral da histria pica da ilha.

A Descoberta e os Primeiros EspanhisColombo chegou ilha em 5 de dezembro de 1492, e foi precisamente nessa costa atlntica onde afundou a nau Santa Maria, na vspera de Natal do mesmo ano. A nova terra foi nomeada como A Espanhola, e com os restos da embarcao naufragada foi construido um forte que chamaram O Natal. Deve-se salientar que na ilha A Espanhola aconteceram muitos dos feitos que governaram o desenvolvimento do continente na poca colonial: aqui foi construida a primeira cidade do Novo Mundo (A Isabela, no territrio atualmente chamada Repblica Dominicana); tambm aqui funcionou o primeiro tribunal de justia, fez-se a primeira missa e a primeira cmara, sem esquecer o primeiro acordo de paz do continente americano, assinado nos arredores do Lago Enriquillo, em territrio dominicano. Cristvo Colombo deixou 48 homens no forte, sob mando de Diego de Arana e partiu rumo Espanha na Pinta. Quando voltou um ano depois acompanhado por 1.300 homens achou a pequena colnia destruida pelos tanos. Em pouco tempo construiram vrios estabelecimentos militares e formaram-se as primeiras cidades. A primeira metade do sculo XVI foi uma poca muito prspera para A Espanhola. So Domingo converteu-se na capital das Antilhas, na sede do arcebispado e economicamente, no porto mais importante do Caribe extendendo a sua jurisdio por todo o arquiplago. Pela zona setentrional da Amrica do Sul e inclusive at Honduras. Na segunda metade do sculo traz a conquista do Mxico e a crescente importncia da Havana, A Espanhola passou a jogar um rol de menor importncia. No perodo do seu mximo esplendor, A Espanhola teve tambm uma vida artstica muito ativa, graas s contribuies de artistas castelhanos. Porm, na segunda metade do sculo XVI e todo o sculo XVII foram tempos muito confusos, com os piratas a percorrer a zona e a progressiva perda de autoridade da Coroa Espanhola perante a crescente influncia francesa.

A Ocupao Francesa e a IndependnciaPassados duzentos anos, os espanhis tinham eliminado os tanos e arawaks nativos, no tempo que comeavam os tempos dos bucaneros, onde a ilha de A Tartaruga, na frente do que atualmente Cabo Haitiano (Cap Haitien), converteu-se na capital corsria do mundo. A primeria diviso da ilha fez-se em 1697, mediante o Tratado de Ryswick, na qual a Espanha era compelida a ceder metade da ilha Frana. Aps o traspasso, as duas colnias fizeram poucos contatos, embora em 1795, mediante o Tratado de Basilea, Frana ganhou todo o territrio da ilha at 1844, ano em que foram estabelecidas as fornteiras com a atual Repblica Dominicana. Os franceses repovoaram totalmente a ilha com escravos trazidos da frica e foi assim que a ilha entrou em uma nova poca de esplendor, chegando a ter pela colnia mais rica do mundo: nessa poca, Cap Franais (hoje Cap Haitien) era conhecida como "A Paris do Novo Mundo". A cana de acar, o caf e o ndigo fizeram dos colonos pessoas ricas at finais do sculo XVIII os escravos iniciaram um movimento de resistncia visando pr fim explorao. O poderoso sacerdote vudu Boukman deu o sinal para o alamento na ceremnia de Bois Cayman, em 20 de agosto de 1791. As centenas de plantaes de cana de acar e moinhos foram destrudas pelo fogo, assinalando o comeo da revolta. A personalidade mais notvel deste perodo foi Toussaint Louverture, um escravo negro que deteve os massacres e atingiu um compromisso mediante negociaes pacificas entre negros e brancos, declarando mais tarde a independncia da colnia. Napoleo respondeu enviando ao Haiti seu genro Leclerc com tropas. Toussaint foi apressado e deportado Europa, onde morreu em Fort de Jeux, perto de Besanon, em 7 de abril de 1803. Infelizmente, no viveu para poder vr o seu sucessor, Jean Jacques Dessalines, junto com os generais Henri Christophe, que construiram a Citadelle de la Ferrire, e Alexandre Ption, vencer os franceses e declarar a primeira repblica negra do Novo Mundo, em 1 de Janeiro de 1804 em Gonaives. A nova repblica chamou-se Haiti, uma palavra arawak que significa "terra montanhosa". Apesar deste trascendente acontecimento, as potencias europias rejeitaram reconhecer o Estado negro durante muitos anos, e Haiti ficou isolada. Os conflitos polticos internos levaram s rpidas mudanas no governo, mais de 60 at 1994. De 1915 a 1934 os Estado Unidos ocuparam Haiti e logo at comeos dos anos cinquenta continuaram sendo um poder por trs da cena.

O Sculo XXA poca mais trgica da histria do Haiti comeou em 1957 com a eleio de Franois Duvalier como presidente. Duvalier, que havia sido doutor, tornou-se um dos distadores mais cruis da sua poca, com o apoio dos Estados Unidos, pois este pas no queria ver o Haiti sob a influncia comunista, como tinha acontecido em Cuba. Duvalier, conhecido pelos haitianos como "Papa Doc" reprimiu brutalmente a elite mulata e acredita-se que o nmero das suas vtimas atinge 200.000 pessoas. Aps a sua morte, em 1971, o seu filho, Jean Claude Duvalier, tomou conta do poder e levou o pas para uma decadncia ainda maior. Em 6 de fevereiro de 1986, aps 29 anos de domnio criminoso, "Baby Doc" Duvalier foi obrigado a exilar-se, passando a viver na Frana onde viveu uma vida de milionrio. Apesar do exlio de "Baby Doc" a paz no veio logo ao Haiti. Em 1987 chegou a nova constituio, ao mesmo tempo que grandes revoltas aconteciam na cidade de Jean Rabel, ao noroeste do pas. No ano seguinte fazem-se as primeiras eleies aps a queda dos Duvalier e so ganhas por Leslie Manigat, que foi no obstante tirado do poder pela ao militar do general Henry Namphy. S dois meses depois o general Proper Avril derrota a Namphy e auto proclama-se presidente. Em 1989 fracassa um novo golpe de estado contra o governo. Como consequncia disto, o general Avril proclama o estado de stio e o mantm durante 9 dias. Aps dez dias de fortes protestos populares, Avril desiste em 10 de maro de 1990, tomando conta da presidncia Ertha Pascal-Trouillot, magistrada da corte suprema. Em dezembro desse mesmo ano, nas primerias eleies realmente democrticas no pas foi eleito presidente Jean Bertrand Aristide, um padre catlico. Apenas um ms depois, Roger Lafontan, ex-chefe dos Tontons Macoutes (a temvel polcia pessoal dos Duvalier) toma o Palcio Presidencial e obriga a desistir ao cargo de presidente, mas as foras leais ao

regime constitucional conseguem deter a tentativa de golpe de estado. Aristide toma conta do cargo em fevereiro mas derrotado pelo general Raoul Cedras em setembro. A OEA envia aos altos mandos militares uma mensagem na qual diz no reconhecer os membros da junta militar e que est a considerar o envio de uma fora multinacional. Pouco depois, a Assemblia da OEA vota por unanimidade uma resoluo de bloqueio do pas para obrigar o governo a trazer de volta o presidente Aristide. Enquanto que a cmara dos deputados e o senado haitianos, sob vigilncia de soldados armados, ratificaram como primeiro ministro a Jean Jacques Honoret, os Estados Unidos comeam a mandar de volta os refugiados haitianos interceptados no mar quando pretendem chegar a territrio norte-americano. Em janeiro de 1992, Aristide exilado nos Estados Unidos aceita a nomeao de Ren Theodore, lder do Partido Comunista Unificado, como primeiro ministro o que foi considerado um passo para a normalizao democrtica. Uns anos depois o mesmo Aristide assina um acordo com a ONU para anistiar os oficiais do exrcito implicados nos fatos acontecidos. Em julho Aristide e Cedras, que mantm-se como homem forte de Haiti concordam em cumprir a resoluo da ONU e dar o poder ao presidente legtimo em outubro de 1993. Ao mesmo tempo, segundo observadores da ONU e a OEA continuam as violaes dos direitos humanos dos partidrios do exilado Aristide. J em outubro, foras paramilitares ao servio dos generais golpistas impedem o desembarque das tropas de paz norte-americanas e canadenses que visavam supervisionar a reinstalao do poder a Aristide. Como consequncia, o Conselho de Segurana da ONU acorda reimpr o embargo do petrleo e armas ao pas e congelar as contas dos golpistas no exterior. Em fevereiro de 1994, a comisso de direitos humanos da ONU estima 3.000 mortos no pas desde o golpe militar. Em outubro desse mesmo ano, dois dias antes dos chefes militares golpistas marcharem para o exlio ao Panam, Aristide nomeia primeiro ministro a Smarck Michel. Em janeiro de 1995 o Banco Mundial anuncia que os donativos internacionais tm acordado uma ajuda de 660 milhes de dlares para o Haiti e o presidente Aristide, j instalado no poder anuncia a retirada forosa de 43 oficiais do exrcito. Em 31 de maro o presidente de Estados Unidos, Bill Clinton, de visita a Porto Prncipe reune-se com o secretrio general da ONU, Boutros Boutros-Ghali e transfere a responsabilidade da ordem no pas aos soldados de paz da ONU. Em junho com a situao normalizada a OEA celebra a sua Assemblia Geral no Haiti. Em novembro teve eleies presidenciais nas quais ganhou Ren Preval, atual presidente da nao, nomeado em fevereiro de 1996 para um mandato de cinco anos. O pas, embora continua sendo um dos mais pobres do continente americano tem recuperado a normalidade e esto a potenciar-se ao mximo as possibilidades tursticas do pas como fonte de ingressos.

Arte e Cultura do Haiti

A pinturaHaiti pode ser uma grande descoberta para o amante da pintura. Os seus folhetos tursticos afirmam que muitas vocaes de colecionadores de arte comearam neste pas. Certamente, a pintura no Haiti converte-se quase em uma arte de viver, invadindo caladas, paredes e casas. Por todas partes oferecerlhe-o pinturas. Sero mais ou menos boas, mas se souber escolher, (h grande variedade de preos), pode descobrir verdadeiros tesouros. Para ter a certeza, o melhor visitar alguma das galerias bem instaladas. Em Porto Prncipe, Cabo Haitiano ou Jacmel, h vendedores de arte que j tm selecionado o melhor. Se for curioso, as ruas oferecem todas as oportunidades. Muitos amadores tm encontrado obras mestras nas galerias assim como nas ruas e mercados. uma questo de ter bom olfato e sorte. O primeiro lugar a visitar o Centro de Arte em Porto Prncipe, onde tudo comeou. Dir-se-ia um "Quatrocento" do Caribe. Nos princpios dos anos quarenta, um jovem professor norte-americano, Dewitt Peters, ficou encantado com a arte do Haiti. Maravilhado pela vitalidade da pintura naif, decideu criar um lugar onde os pintores pudessem mostrar as suas obras. Foi o Centro de Arte, que cedo atrairia colecionadores do mundo inteiro. Uma mar de criadores invadiu Porto Prncipe, fazendo da pintura naif a sua entrada na cena cultural internacional. Este estilo pictrico surgiu no sculo XIX como uma manifestao sincrtica das propostas francesas e os estilos populares, especialmente os trazidos pela

cultura de raa negra. J durante o sculo XX este estilo comea a perfilar-se como propriamente haitiano, salientando nas pinturas os motivos indgenas e nacionais, com vivas cores e cenas costumeiras. Tambm pode descobrir no pas uma pintura erudita de grande qualidade. Os jovens pintores modernos surgem sucedidos no mundo da arte contempornea, e a pintura haitiana est representada atualmente nos melhores museus dos Estados Unidos e da Europa, e em algumas prestigiosas colees privadas. Existem muitas galerias de arte, dentre as quais salientam a Nader Art Gallery e a Galerie Marassa. Em Ptionville, a Nader Art Gallery est desde 1958, promocionando a arte pictrica haitiana no mundo inteiro, e as suas peas tm sido exibidas em museus do mundo todo, incluindo a Galeria Nationale du Grand Palais em Paris, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, a Galeria Bunkamura em Tquio, a Galeria Oas em Washington e o Centro de Arte de Maracaibo na Venezuela, entre outros. A galeria oferece uma grande seleo de arte haitiana naif, primitiva e contempornea em uma nova sala de 450 metros quadrados. H exposies cada ms, e o colecionador pode gozar nela da maior coligao de arte haitiana do mundo. Tambm em Ptionville, Galerie Massara tem exibido as suas obras em mais de 50 museus ao redor do mundo. Esta galeria est especializada na promoo de jovens talentosos da arte haitiana. Entre as grandes figuras da galeria, conta-se com Philippe Dodard, Gesner Armand, Tiga, Edouard Duval, Sacha Tbo, Levoy Exil e muitos outros. As colees incluem pintura, escultura, artesanato e acessrios.

MsicaAlm da pintura, a msica a segunda manifestao cultural da ilha (como na Repblica Dominicana), e tambm a que maior influncia tem tido fora de suas fronteiras. Existem vrias teorias sobre a origem do merengue. Supe-se ser um um rtmo mestio, tendo a sua origem na fuso das msicas africanas e o pasodoble espanhol. Nasceu entre 1844 e 1850, e os seus comeos foram difceis, pois considerava-se um rtmo vulgar com letras pouco musicais. O merengue um rtmo vibrante e rpido que faz danar de forma livre e ao qual quase impossvel no render-se. Os instrumentos mais tpicos do merengue so o acordeon, a gira e o bumbo. A gira uma espcie de ralho de lata com forma de cilindro oco, quando tocado emite um som "zumbador" compassado. Tem as suas origens no areito, uma srie de melodias e canes dos antigos aborgens das Antilhas. Por outro lado, o bumbo deve o seu particular som pele de chivo com a qual fabricado. O merengue compe-se de trs partes: um breve passeio e dois movimentos de oito figuras; a primeira delas realiza-se atravs de uma melodia pausada e vagarosa, enquanto que na segunda e terceira partes a msica cresce em rtmo, velocidade e intensidade. Mas o merengue no a nica dana da ilha, mas apenas a mais popular. Tambm existem muitos outros rtmos, a salsa um exemplo.

Gastronomia certamente paradoxal falar de gastronoma num dos pases mais pobres do mundo. A pesar de todo, como consequncia da rica mistura de culturas tana, europeia e africana, Haiti possui uma rica gastronoma cujos ingredientes principais so a carne de porco, o arroz, os peixes e o marisco. Entre os pratos mais tpicos encontram-se o chamado griot, preparado com carne de porco; o e lab, feito com lagosta, arroz e yon yon; acras, uma raz (malanga) frita e temperada com muitas espearias; o griot, carne de porco; e o tassot, sendo este per, vitela ou bode preparados com um marinado picante.

Compras no HaitiEntre as compras mais solicitadas pelos visitantes esto as pinturas haitianas de estilo naif, caracterizadas pelas suas vivas cores e assuntos da vida cotidiana do pas. Com um pouco de pacincia e dilogo poder conseguir magnficas obras a preos muito acessveis em algumas das galeras e mercados de Porto Prncipe e Cabo Haitiano, principalmente. Outros artigos interessantes so as esculturas e talhas de madeira, artigos de mimbre, joalhara de cobre e de carey, roupa bordada a mo,

objetos de ferro forjado e um rico e variado artesanato relacionado com os ritos do vudu. O principal mercado o Mercado do Ferro em Porto Prncipe, e o mais tradicional o de Kenscoff, perto da capital.

Populao e Costumes do HaitiA populao de Haiti de 6.731.500 habitantes (censo de 1995). A maior parte (95%) so de raa negra, sendo a lngua oficial o francs. Mantm-se algumas condutas e costumes de origem francesa, assim como de alguns grupos africanos, herana dos tempos da escravido. O carcter dos haitianos amvel e aprazvel, um pouco fatalista e indiferente s vezes, o que pode ser causa e efeito ao mesmo tempo da sua histria de dominaes (Espanha, Frana, as ditaduras dos Duvalier) e a mistura de catolicismo e budismo.

Entretenimento e Festividades no HaitiENTRETENIMENTOPor causa das extremas circumstncias polticas, econmicas e sociais vividas por Haiti nos ltimos anos, a sua infra-estrutura turstica no est plenamente desenvolvida, pelo que dificil encontrar atividades a realizar fora dos hotis. Aos poucos, as cidades vo recuperando a normalidade e com ela os lugares que tempo atrs albergaram certa atividade social comeam a recuper-la. Esse o caso da zona de Ptionville, na qual j posvel gozar uma vida noturna com aceitveis ofertas para praticar a salsa ou o merengue. Respeito s atividades de ar livre, salientam sobretudo os esportes aquticos, especialmente o mergulho. Qualquer pessoa, sem importarem sua idade ou experincia esportiva, pode realizar fcilmente o percurso at So Cay (Cayo Areioso). ste realiza-se em lanchas com fundo de vidro para poder observar tudo o que tem para oferecer "o arrecife mais precioso do Caribe". Al os visitantes podem usar um equipamento de mergulho para deleitar-se vindo as caprichosas formaes coralinas, a multitude de peixes de diferentes cores e outras maravilhas submarinas. Em vrios balnearios de praia podem alugarse botes para navegar a vela e esquiar Em alguns deles organizam-se programas de mergulho em profundidade completos, com instrutor e tramitao dos certificados respectivos. Nas guas de Haiti os mergulhadores esperientes podero gozar das melhores condies do Caribe para praticar o seu esporte, pois a costa ainda no est invadida pelos turistas. Os esportes nacionais so o futebol e as lutas de galos, embora estas esto sujeitas a uma forte perseguio pelas autoridades. Outro espectculo submarino digno de experimentar-se a explorao dos restos navais que esto nos fondos do Golfo de Gonaives. Dzias de embarcaes inglesas, holandesas, francesas e espanholas jazem no fundo do litoral haitiano, como testemunhas das lutas que tiveram lugar pelo seu dominio. Faa para ser acompanhado por guias mergulhadores experientes e goze do mais apaixonante e original museu submarino imaginvel.

FESTIVIDADESAs festas oficiais de Haiti so: 1 de janeiro Dia da Independncia, 2 de janeiro Dia dos Pais da Patria, 1 de maio Dia do Trabalho e a Agricultura, 18 de maio Dia da Bandeira e a Universidade, 17 de outubro Aniversrio da morte de Dessalines, 18 de novembro Aniversario da Batalha de Vertieres e 5 de dezembro Dia do Descobrimento. Alm destas, a iconografia catlica e as tradiciones indgenas e africanas geram grande nmero de celebraes, algumas de carter nacional, como o Carnaval, e outras no nvel local. Entre outros, celebrase SantoToms de Aquino, So Jose, So Marcos, So Felipe, So Isidro, So Joo Batista e So Pedro.

Transportes no Haiti

AvioDesde Europa, a melhor escolha para chegar diretamente a Porto Prncipe so os vos de Air France que saem de Paris no mnimo dois dias por semana. Desde Espanha, a proliferao de vos charter para a Repblica Dominicana tem diminuido muito o custo da viagem ao Haiti. Desde So Domingo, Air Dominicana tem vos diarios entre as capitais dos dois pases. Dentro de Haiti existem vos entre algumas das principais cidades, mas no aconselhvel utiliz-los pois no atingem os padres mnimos de segurana exigidos pelas autoridades aeronuticas internacionais. Sem sair da zona das Caraibas, Air France tem vrios vos semanais a Cayenne, Fort de France, Point-Pitre e So Joo. Air Jamaica a Kingston, ALM (Aerolneas Antillanas) a Curao e um vo semanal a Barranquilla, Panam e Paramaribo. American Airlines voa desde Miami duas vezes por dia a Porto Prncipe, igual que Nova Iorque. American Eagle cobre a rota So Joo-Porto Prncipe-Mirabel seis dias na semana. Air Canada voa vrios dias por semana desde Mirabel a Porto Prncipe, a mesma rota que faz Canada 3000. A companha Halissa Air voa a dirio desde Miami capital de Haiti, Aserca faz-o desde Caracas, e Copa desde Panam City. So Domingo fica a 40 minutos de avio desde Puerto Prncipe, Miami uma hora e So Joo de Puerto Rico uma hora e dez minutos.

BarcoH navios cargueiros privados pela costa, onde posvel arranjar transporte de uma vila a outra. Existem servios regulares entre Porto Prncipe e Jeremie e Porto Prncipe e Sod Cay. Desde Cabo Haitiano saem cargueiros que ligam Haiti com a Repblica Dominicana.

Alternativas de TransportePara chegar do aeropuerto ao hotel de escolha, h taxis disponveis no aeroporto. Os taxis da ACGH so geralmente os que oferecem um melhor tratamento ao cliente e os mais seguros. Esto acreditados pela ACGH (Associao des Chauffeur-Guides d'Haiti), e fcil reconhecer aos condutores graas a sua guaiabera branca e ao pin da associao que sempre levam consigo. Levam pessoas a todos os vos. Asset, uma das principais agncias de viagens de Haiti, conta com diferentes micro-nibus com ar condicionado que por 10 dlares incluiem um servio de boas vinda ao viajante. melhor ligar antes de viajar (ou telefone: 45-10-15). Asset tambm dispe de servios charter de nibus e um tour multi-linge em Puerto Prncipe e em Cabo Haitiano. Para deslocar-se pela cidade, pode-se combinar com o condutor ACGH ir pegar-lo para sair onde precisar, ou pode-se ligar diretamente a ACGH e solicitar o servio. O telefone da agncia o 45-10-15. H que reparar que as garagens esto situadas no centro de Porto Prncipe, pelo que se quiser ser apanhando em Ptionville deve avisar com antecedncia. Pode encontrar fcilmente taxis particulares na zona de estacionamento do Hotel Montana, e naquela situada entre os hotis O Rancho e Vila Creole, em Ptionville. Provavelmente o hotel ser a melhor fonte de informaces sobre taxis. Geralmente os hotis tm feitos alguns acordos com taxistas que oferecem total garantia. Os taxis de ruaa podem diferenciar-se fcilmente pela grande dupla letra "o" pintada nas portas. As normativas sobre o servio de taxi tm melhorado muito nos dois ltimos anos, mas bom acordar o preo da viajem antes de iniciar o mesmo. Hait tem quase 5.000 quilmetros de estradas, e nem todas so transitveis durante a poca de chuvas. Alm do taxi, tambm podem-se percorrer de carro, mini-nibus e kombis. Mas o mais barato e tpico so os tap-tap, (chamados assim pelo barulho que faz o motor), pequenos caminhes abertos atrs, com assentos para os pasajeiros. Param em qualquer lugar, e a tarifa mais cara aquela que permite-lhe ir ao lado do condutor.

Aluguel de ViaturasOutra possibilidade para viajar por Haiti alugar um carro. As principais companhas de aluguel de carros tm escritrios em Porto Prncipe ou Ptionville, mas tambm posvel alug-los no aeroporto. Faa conta que muitas companhas esto dispostas a oferecer tarifas especiais se pensar em alugar o veculos por una semana ou mais. Convm pois ligar com antecedncia e pedir sempre um tratamento preferencials. No preciso uma carta de conduo especial, a internacional d perfeitamente. Lembrese de dirigir pela direita. Faa muita ateno quando estiver a dirigir: ao mau estado de muitas das estradas junta-se o perigo das costumes do haitiano ao volante, bastante anrquicos na sua interpretao do cdigo de circulao.

Movendo-se dentro do PasDesde Porto Prncipe chega-se a Cabo Haitiano por uma estrada relativamente nova mas montanhosa. A noite, no mnimo so quatro horas de viagem. Os tap-tap e as camionhonetes partem do mercado Mahogany, no porto. De caminho passa-se tambm por Gonaives, a terceira cidade do pas. Em Les Cayes, desde Porto Prncipe, a estrada aceitvelmente boa. Desde Les Cayes pode-se percorrer o suloeste do pas, em tap-taps ou em barcos costeiros. Para viajar por estrada entre Haiti e a Repblica Dominicana faz falta uma autorizao especial. Pelo norte, desde Cabo Haitiano, h uma estrada em mau estado com pouco trfego, mas no h servios de nibus que transitem por ela. Desde Porto Prncipe h servios de nibus pouco frequentes, nos quais dificil arranjar vaga. possvel encontrar no porto caminhes dispostos a levar passageiros Repblica Dominicana.

LOCAIS TURSTICOSPara descobrir Haiti temos dividido o pas em quatro zonas. Comearemos o nosso percurso por Porto Prncipe, a capital, para depois continuar para Jacmel. Daqui viajaremos a Cabo Haitiano e terminaremos com um belo percurso pelas Praias do Haiti. Em cada zona assinalamos os principais hotis e lugares onde ficar. No fim descrevemos algumas das Excurses mais interessantes que pode-se fazer no pas.

PORTO PRINCIPEPorto Prncipe uma cidade agitada: a vida no pra nunca. Durante o dia, vibra sob um sol fortssimo; a noite, ilumina-se com as luzinhas dos vendedores ambulantes. O vertiginoso espetculo das suas ruas far lembrar os turistas lugares como Estambul, Bangkok ou Nova Delhi, no obstante com um sabor nico, encontrado s no Caribe. impossvel descrever Porto Prncipe, o turista descobre-a com amor e gozo, sendo muito dificil no reparar no seu encanto especial. A capital de Haiti seduz pela intensidade da sua vida cotidiana, pela sua vitalidade e pelo sorriso dos seus habitantes. O calor humano e a amizade so os melhores passaportes para adentrar-se nesta "cidade de senhores farrapentos", como algum definiu-a em uma ocasio. Primeiro descobrir as peculiares viaturas para transporte pblico, os famosos tap-taps. No ver mais que tap-taps. Estranhos, barulhentos, ao ritmo dos ltimos merengues de moda, cobertos de luzes, decorados com legendas cheias de graa ou enigmticas: "A vida louca", "Minha doce Simone, no fim voltas-te!", "O fruto do meu trabalho", "Os funerais do reis de Frana", "Do eterno, ao fim!". O local de concetrao dos tap-taps de Porto Prncipe o Mercado de Ferro ou Mercado "Vallires", um edificio to peculiar como o resto da cidade. Imagine-se em um pavilho "Baltard" com minaretes: um edificio morisco no meio do Caribe. Dizem que o presidente Hippolyte o comprou, h um sculo, de uma empresa francesa que queria envia-lo Turquia. Hoje, o Mercado de Ferro est cheio de gente ocupada e barulhenta. Franquear a avalanche de propostas que invadir-lhe-o, e safar-se das montanhas de objetos espalhados por todas partes no uma tarefa fcil. Lmpadas, gaiolas, loua ou brinquedos desenhados com latas de conservas, sandlias

de borracha feitas com pneus velhos, tudo interessar, mas o Mercado de Ferro esconde verdadeiros tesouros. Entre as abundantes pinturas naif pode-se encontrar maravilhas; surpreendente a grande variedade de louas de caoba, cestos e chapus de palha, esculturas de madeira ou feitas com vasilhas de lata e todo tipo de artigos feitos a mo, alguns excelentes. Tudo isto valer o esforo feito. Deve negociar por puro prazer e deixar-se levar pelo capricho, porque os preos so incrivelmente baixos. Deixando o centro de Porto Prncipe, podemos dirigir-nos ao bairro administrativo, dominado pelo Palcio Nacional, cpia do Petit Palais de Versalles, um enorme edificio de luminosa brancura, j exorcisado dos macabros fantasmas da famlia Duvalier. Os habitantes da cidade passeiam agora sem medo pelos arredores do Palcio, smbolo da democracia reconquistada. A Esplanada dos Heris da Independncia exibe as esttuas dos fundadores do Haiti. O imperador Dessalines, o guerreiro Ption, o primeiro presidente de Haiti, o rei Christophe, Toussaint Louverture, e o mais amado de todos pelo povo: o Marron Inconnu, o escravo rebelde quebrando as correntes, soprando no seu lambi, smbolo da revolta contra todas as opresses. A praa de Champ de Mars, a qual rodeia o Palcio Nacional e est cheia de edificios construidos nos anos trinta. Nela encontra-se o Museu de Arte do Panton Nacional e a Casa Defly, adorvel construo do princpio deste sculo, transformada em museu da vida crioula e em armazm de antiguidades. Na Catedral da Santa Trindade, o visitante pode observar murais bblicos descrevendo a exploso da arte naif nos anos quarenta. A cidade de Porto Prncipe ultrapassa hoje um milho de habitantes e extende-se gradualmente para as alturas. Os bairros comerciais ocupam a beira do mar, com as ruas invadidas pelos vendedores ambulantes, enquanto que ao remontar-mos para as colinas o ar aligeira-se e a massa perde intensidade. Atrs de Champ de Mars extende-se Bois Verna, o bairro aristocrtico da cidade at os anos cinquenta. Passeando pelas suas labirnticas ruas e subindo para Pacot, entramos no paraso das Casas Gingerbread, um pouco velhas mas encantadoras. Estas elegantes residncias, muito apreciadas pelos habitantes da cidade e ternas pela sua decadncia suntuosa, a manifestao certa de uma arte do viver crioulo, hoje desaparecido. A maior parte so do princpio do sculo, e vale a pena visitar no bairro de Pacot as mais ousadas "gingerbread" da capital: a Casa Cordasco, a Casa Peabody, e o resto das suas irms. Subindo ainda mais encontra-se Ptionville, bairro residencial que com a sua natureza e as suas flores absorve as casas luxuosas dos privilegiados do pas, as discotecas, os elegantes restaurantes e os hotis mais caros da ilha. Um pouco mais acima, encontra-se a Destilaria de Ron Barbancourt. Esta destileria produz rum enriquecido com manga, coco, laranja e caf, entre outros sabores. Durante dcadas, Haiti foi famoso pelos seus ricos runs feitos com sumo de cana fermentado e destilado, em lugar de melao. Ainda mais interessante a lenda do Castelo de Barbancourt, morada de uma histria de amor clssica entre um homem de negcios e uma beleza haitiana. Nos anos trinta, o fabricante de perfumes alemo Rudolph Linge conheceu e apaixonou-se da ento Miss Haiti, Jane Babancourt. Casaram-se e voltaram ao seu pas natal. Graas s grandes plantaes de cana de acar da familia da sua esposa e a sua privilegiada narina para os aromas, Linge comeou a misturar licores de rum com o sucesso que j temos referido. Um dia quis ver um filme. Como no havia nenhum cinema em Haiti, apanhou um vo para Nova Iorque e viu "A Cenicienta" de Walt Disney e ficou encantado com o castelo do filme. Comprou uma fotografia do filme ao proprietrio do cinema, voltou casa, deixou a fotografia acima da mesa de um arquiteto e pediulhe: "Construia-me este castelo". O edificio agora um monumento a Linge, que morreu em 1991. Nos arredores extende-se a vila de Kenscoff, situada numa rea montanhosa que poupa o calor. As colinas vizinhas esto cobertas de solo de cultivo e bosques de pinheiros. Aqui esto as runas de Fort Alexandre e Fort Jacques, e desde este ltimo podem-se disfrutar de magnficas vistas da cidade e do seu porto.

E mais para acima ainda, na montanha de Boutilliers, pode-se contemplar, no pr-do-sol, a cidade de Porto Prncipe descendo desde as colinas at o mar, extendendo-se como um espelho abraando tenramente as guas da sua baa, uma das mais formosas do mundo.

OS ARREDORES DE PORTO PRINCIPEA cinquenta quilometros, em direo fronteira dominicana, depois passar Croix des Bouquets e Mirebalis, encontra-se Ville Bonheur, o centro mgico da ilha e destino de milhares de peregrinos entre o 12 e 16 de julho de cada ano. Aqui, na metade do sculo passado, numa palmeira ao p de uma cascata enorme, em Saut d'Eau, dizem que a Virgem Maria apareceu-se a um homem da zona chamado Fortun. Quando relatou a sua viso aos freires, estes no acreditaram no princpio e foram para esse lugar, que desde ento sagrado para os haitianos. E no s para os cristos mas tambm para os que acreditam no vudu, os quais vem na Virgem Maria a sua deusa Matresse Erzuli.

HOTIS EM PORTO PRINCIPEOs hotis no Haiti no so grandes blocos de cimento. Normalmente so estabelecimentos construidos sobre edificios histricos. Os que recomendamos so de cinco estrelas, com todos os servios que podem oferecer os hotis desta categoria: televiso, mini-bar, piscina, esportes, restaurantes, etc. Costumam ter poucas quartos, pelo que no sentir a presso das grandes massas de turistas. Para uma estadia comoda num ambiente tropical, o Hotel Olofsson oferece trs tipos de quartos: Os Standart esto situados no edificio "La Maternidad", construido pelos marines durante a ocupao norteamericana, quando o hotel serviu como hospital. As cabanas so cada uma delas nicas, espalhadas em redor dos jardins. Todas tm mveis antigos e banheiros modernos, e a maior parte possuem ar condicionado. Todas os quartos tm telefone, e as sutes incluem televiso. O restaurante situa-se no porto que est sobre os jardins e oferecem uma cozinha criolla. A famosa piscina, descrita na obra de Graham Greene "Os cmicos" o lugar perfeito para afastar-se de tudo. Mergulhe, arranje uma cortia e beba avidamente um ponche de fruta. A noite, o Oloffson tambm um lugar para alentar-se e se renovar com os espetculos cheios de ritmos de vudu cativadores, roupas exticas e coreografias interessantes. No lobby barroco do hotel pode-se disfrutar tambm de outros aspectos da cultura haitiana: a exibio de arte naif, conferncias e festas. H que assinalar que o hotel um dos mais conhecidos, pelo que lamentavelmente encontra-se muito deteriorado. Por outro lado o servio deixa muito a desejar. Um "Caribean clasico", o Hotel Villa Crole continua meio sculo de boas vindas aos viajantes distintos de Haiti, com um renome internacional para o servio discreto, alojamentos impecveis e um pessoal amistoso. Os 68 quartos esto situados num jardim, e todos possuem ar condicionado, televiso por satlite e um sistema de telefonia moderno. O hotel dispe de duas quadras de tnis, um ginsio e uma grande piscina. O Villa Crole muito conhecido pela sua espetacular coleo de arte haitiana. O visitante no deve esqueer provar o desejum debaixo das rvores de amendoas, com uma seleo completa de frutas tropicais e sucos. O almoo e o jantar podem ser servidos no recentemente inaugurado restaurante Villa Bele ou nas barbacoas e buffets ao redor da piscina. Situado em Ptionville, nas colinas sobre Porto Prncipe, o Villa Croloe fica perto do aeroporto e a s uns minutos das galeras de arte, cassinos e restaurantes de Haiti. Situado nas colinas de Ptionville, o Rancho Hotel mais parecido a um Palcio privado do que a um estabelecimento hoteleiro. As 95 quartos dispem de ar condicionado e televiso a cabo, e esto decoradas com mveis e objetos haitianos, trabalhados a mo. Tem dois restaurantes: O Continental Bar Restaurant, com uma atmosfera de patio de jardim, e o Gourmet Restaurant, com um belo pub feito de madeira inglesa e decorado com uma delicada mistura de antigidades e mveis modernos, embelezados com deliciosas pinturas haitianas. H tambm um Lobby Bar e um Pool Bar. O Rancho Hotel tambm possui um equipadssimo ginsio e vrias quadras de tnis. Aps o jogo, o hospede pode gozar tambm de uma sauna ou uma massagem por profissionais. Trs salas de conferncias ou banquetes que podem acolher entre 30 y 150 pessoas. O Hotel tambm dispe de casino, no qual pode-se jogar roleta, black jack e outros jogos. No caso o visitante quiser uma privacidade especial, existem vrias quartos VIP com esse propsito.

Tambm sobre a montanha da velha cidade de Ptionville eleva-se o Kinam Hotel, originariamente uma manso gingerbread do sculo XIX, recm restaurada e ampliada para oferecer maiores confortos. Encontra-se situado entre as ruas Lamarre e Moise, frente praa de Saint Pierre, e a pouca distncia de lojas, galerias, restaurantes, o casino e a vida noturna de Ptionville. Possui 38 quartos e trs sutes atrativas, limpas, com banheiros modernos, telefone e televiso. No seu restaurante serve-se uma excelente comida criolla e francesa, e fica aberto desde as seis da manh at meia noite, igual ao bar da piscina, onde pode beber excelentes cocktails tropicais. Telefone: 57-65-25. O Christopher Hotel domina a colina sobre a qual est situado, e oferece aos seus residentes uma magnifica vista panormica de Porto Prncipe e sua baa. As 74 quartos so confortveis e amplas, e possuem terraas, ar condicionado, telefone e televiso. Dispe tambm de piscina, restaurante, bar e uma sala de conferencias para 550 pessoas. O Hotel Montana possui 85 quartos com ar condicionado, piscina, restaurante, bar e, sobretudo, uma espetacular vista de Porto Prncipe e a baa. Este hotel era um dos favoritos de jornalistas e tcnicos no periodo do embargo e da interveno internacional. A arquitetura no espetacular mas tem umas agradveis reas exteriores para passeiar ou tomar uns drinkes. Actualmente muito frequentado por homnes de negocios e turistas. O Visa Lodhe Hotel salienta pelo prtico das suas instalaes, pois est especialmente desenhado para as viagens de negocios. Est situado na estrada que leva ao aeroporto, e conta com 26 quartos com ar condicionado. O Villa de St-Louis Hotel est situado perto de Ptionville, a 10 minutos do aeroporto e a 15 do parque pblico de Champs de Mars, e o transporte pblico leva-lhe at a porte do hotel. Conta com 25 confortveis e espaosos quartos com ar condicionado e terraas com vistas da cidade e ao campo em volta. No restaurante oferece-se uma deliciosa comida de estilo continental e crioulo, com um agradvel servio. Os hspedes podem escolher para a sua estadia entre os planos europeu, continental ou americano. O hotel tem dois bares, e fica a pouca distncia dos principais lugares de lazer da capital. Dispe tambm de piscina e quadras de tnis e sadas para praticar mergulho ou visitar os principais locais turisticos de Porto Prncipe. O Prince Hotel est numa antiga manso restaurada, no alto de uma das colinas dominando Porto Prncipe. Conta com 20 quartos, decorados com uma mistura de estilo europeu e elegancia tropical e com ar condicionado, televiso a cabo, telefone e algumas delas com belas vistas baa. Entre as suas instalaes tambm h piscina, bar, e restaurante. O Coconut Villa Hotel encontra-se numa zona aprazvel rodeada de rvores tropicais a 3 quilometros do areoporto e do centro de Porto Prncipe. Tem 50 quartos com ar condicionado e alguns apartamentos mobilados de aluguel. Dispe tambm de piscina, barbacoa e um restaurante especializado em comida italiana e criolla. Muito perto do hotel h um centro comercial, dois bancos e um cinema.

HOTIS DE PRAIA PERTO DE PORTO PRNCIPEAs seguintes praias esto situadas ao norte de Porto Prncipe. Indo de carro para o norte pela Rota Nacional 1 observam-se as montanhas Chaine des Matheux direita, e as aguas da baa de Porto Prcipe esquerda. Embora os hotis de que vamos falar esto perto de Porto Prncipe, o pesado trfego nas estradas de aceso durante certas horas do dia faz com que seja muito dificil dormir neles para ir todos os dias cidade. Moulin Sur Mer um local restaurado de uma plantao colonial de 1750, atualmente mobilada com antiguidades. Est em Montrouis, a 50 minutos de Porto Prncipe. Nas suas instalaes, um museu chamado Muse Ogier-Fombrun uma obra arquitetonica mestra que faz referencia luta contra os colonos franceses pela independncia de Haiti. Les Boucaniers o nome do restaurante do hotel, situado na praia e especializado em marisco e comida criolla. Cada um ds espaosos e elegantes quartos est decorado artsticamente e tem o seu banheiro privado, terraa ou solarium. A piscina semi-olmpica e est rodeada por um prtico e um bar. Mas se quiser uma outra escolha, o hotel tem uma praia privativa de duzentos metros de branca areia. "Salle 1804" uma ampla zona de 600 metros quadrados, perfeita para conferncias, seminarios ou acontecimentos sociais como casamentos, banquetes, etc. Entre as

possibilidades de praticar esportes oferecidas por Moulin Sur Mer esto o tnis, racket ball, criquet, basketball, ping pong, voleibol, badmington, esqu aqutico, mergulho, mini-golf e outros. Para deslocarse pelas instalaes, o hotel pe a disposio dos hospedes uns simpticos automoveis eltricos. Telefone: 27-57-00. O hotel Kyona Beach est situado perto de Luly, a maior vila de pescadores, a 45 minutos (se no houver muito trfego) de Porto Prncipe. Kyona uma praia arenosa, e tem um bar e um restaurante. Dispe de 22 quartos com ventiladores no teto. H muitos espaos para crianas e sadas frequentes ao arquiplago de Les Arcadins. Telefone: 22-67-88. O Club Med est a uma hora e meia de distncia de Porto Prncipe, aps a cidade de Montrouis, numa preciosa praia. Dispe de 350 quartos com todos os confortos, assim como vrios restaurantes e umas completssimas instalaes desportivas. Telefone: 23-03-75. A 50 quilmetros de Porto Prncipe, o hotel Kalico apresenta-se sobre uma preciosa ilha, metade areia e metade rocha. Dispe de 40 quartos com ar condicionado, tnis, piscina, bar e restaurante. Est no corao da costa de Les Arcadins, numa esplendida praia de areia branca desde a qual obtm-se uma bela vista da costa e da ilha de La Gonave. Conta com modernas e amplas quartos, sutes, apartamentos e bungalows, todos equipamentados com ar condicionado. Tem um centro de conferncias e facilidades para a prtica do windsurf, tnis, sadas a cavalo, navegao, mergulho, pesca sub-aqutica, voleivol e futbol de praia. O seu restaurante, ao p da praia, est especializado em peixe, marisco e comida francesa. Sem dvida, este hotel o melhor da zona na modalidade "all include". Nestes momentos encontra-se fechado por obras de recondicionamento e melhora. A direo est a cargo de pessoas de origem libanesa. Telefone: 22-80-40.

JACMELSaindo de Porto Prncipe pela porta sul, comea o caminho a Jacmel. Aps um passeio de duas horas atraves de uma belssima paisagem montahosa, chegar baia que d o nome cidade e que, majestosa, extende a sua opulncia azul ao p das montanhas. A cidade, pequena prola, dorme no fundo da baia como um capricho esqueido pelo tempo, quase intacto nos vestgios do seu esplendor. As suas casas com balces de ferro forjado, so de principios deste sculo, a idade dourada do caf. Nessa poca a cidade fervilhava de animao, e ao seu porto chegavam cargueiros vindos do mundo inteiro. Atualmente, languidece com uma pequena comunidade de artistas haitianos, europeus e americanos, refugiados nela, animando o sonho das suas fantasias e transformando-o numa espcie de Ibiza do Caribe. Se tiver a sorte de visitar Jacmel na poca de Carnaval, h que perder-se sem pensar mais nada no mais belo e confidencial cortejo das ilhas. No seu ambente de festa, as mscaras de "papier mach", de estranhas cores, danam saidas diretamente dos seus sonhos e pesadelos. Jacmel a cidade de Prfte Duffaut, o seu pintor. Pintou incansavelmente a cidade e a baia, adornandoas com o caudal da sua imaginao. Jacmel tambm a cidade de Ren Dpestre, prmio Renaudot 1987. Hadriana, a sua famosa herona, igual do que outras personagens dos seus romances, passeia pelas ruas, as praas, as velhas casas da Jacmel, cidade de todos os sonhos. Nos arredores de Jacmel nao deixe de visitar o Bassin Bleu, uma srie de trs maravilhosas cataratas.

HOTIS EM JACMELO principal hotel da primeria categoria La Jacmelienne, com 40 quartos com ar condicionado. Est situado numa pitoresca praia e tambm tima para passear pelos arredores. O hotel encontra-se a poucos minutos a p do centro de Jacmel.

CABO HAITIANO

A viagem de Porto Prncipe a Cabo Haitiano (Cap Haitien) uma beleza inimaginvel. Aps passar a porta norte de Porto Prncipe econtrar os melhores hotis costeiros. Atravs das hortas, graneiros de Porto Prncipe, atravessam-se os campos de arroz que enchem a planicie at perder-se da vista. De seguida chegar a Monte Puilboreau, desde onde contempla-se a rica planicie do norte. A pode jogar com a sua imaginao e tentar visionar as imensas plantaes coloniais com as suas fbricas de acar, povoadas por milhares de escravos, riscadas por carros de bois carregados de cana. Descobrir o Cabo Haitiano, antiga capital da colnia. A porta da cidade, a "Barreira Bouteille", viu passar sob o seu arco a carruagem do rei Christophe. O Cabo agora uma pequena cidade portuaria, cheia de gente e muito vital. As suas ruas estreitas seguem o traado da cidade colonial. As casas antigas, cheias de encanto e de tenras cores, so do sculo XIX, a poca do reis Christophe. Entre os monumentos salienta a S, sita na Praa de Armas. A S, do sculo XVIII, est coroada por uma espetacular cpula prateada. O rei Christophe parece reinar ainda sobre toda a regio do Cabo. Mas a sua presena sente-se principalmente nas ruinas do seu Palcio, "Sans Souci". A monumental escada est intacta e a sua elegante silhueta destaca sobre a cor verde escuro da montanha, produzindo um efeito alucinante. O Palcio foi construido a imagem do Palcio do Federico II da Prusia e, embora um tremor de terra destruiu em 1842 a maior parte do edificio, pode-se ainda contemplar a monumentalidade que teve na sua poca de esplendor. Um dos muitos guias que acompanham o visitante pelas runas assinala para acima e explica: "A exatamente onde o Reis Christophe disparou-se uma bala de ouro como o seu revolver em 1820". Na verdade, certo: o rei tinha reprimido demais os seus sditos, os quais revoltaram-se propiciando o suicidio. Os suditos no tinham esquecido a morte de 20.000 pessoas pelos esforos realizados durante a construo da Cidadela. Cada pedra do imenso forte era trasportada a mo durante quilometros e depois carregada at 980 metros de altitude da montanha. O encanto da cidade mostra-se mais claramente quando sube Montanha do Bonete do Bispo e surge a Cidadela La Ferrire, construida por comando do Rei Christophe para proteger o pas dos franceses. Os franceses nunca voltaram, mas a Cidadela ficou al como testemunha da luta do povo haitiano pela independncia, dominando a baia de Acul. a maior fortaleza das Caraibas, com muralhas de 15 metros de largura, e capaz de abrigar mais de 10.000 pessoas. A construo durou 14 anos. Atualmente, ainda h mais de 250.000 balas de canho diante da fortaleza. O passeio de duas horas sobre mansas mulas desde Sans Souci at a Cidadela , sem dvida, um dos percursos mais interesantes nas Carabas. Outra das possibilidades de Cabo Haitiano contemplar o ponto exato onde Colombo ancorou os seus barcos na primeira viagem ao Novo Mundo, o 21 de dezembro de 1492, assim como o lugar em que afundou a Santa Maria, no que hoje a baa de Cabo Haitiano. Esta baa est ainda virgem, sem contato com ocidente, e facil levar uma lembrana valiosa da visita a Cabo Haitiano. Passeando pelas suas ruas ou visitando uma das trs boas galerias de arte pode-se comprar uma pintura naif da famosa "Escola do Cabo Haitiano". Talvez no possam oferecer-lhe a obra do famoso Philom Obin, mas h muitos pintores jovens no Cabo a encher de graa e cores delicadas as pitorescas ruas e o ambiente da cidade.

Fonte: www.rumbo.com.br

123

Pesquisar

Sobre o Portal | Politica de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal

HaitiHaiti Hino Nacional do Haiti Bandeira do Haiti Mapa do Haiti Voltar Continentes