GREMIO ESTUDANTIL O ESTIMULO PARA O ? Fundamental voc estava frequentando quando se juntou a chapa

  • Published on
    22-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 233 GRMIO ESTUDANTIL: O ESTMULO PARA O PROTAGONISMO JUVENIL NO ENSINO FUNDAMENTAL Ana Carolina Franco dos Santos1; Flvia da Silva Ferreira Asbahr2 1Mestre em educao assistida por Televiso digital pela Unesp Bauru, especialista em Psicopedagogia pelas Faculdades Fnix e graduada em Pedagogia pela Unesp Bauru. Coordenadora Pedaggica da Emef NER Lydia Alexandrina Nava Cury; 2Professora assistente do departamento de Psicologia e do Programa de Ps-Graduao em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, da Faculdade de Cincias, UNESP-Bauru. Doutora em Psicologia pelo programa de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano do Instituto de Psicologia (USP), com estgio de doutorado sanduche na Universidad Carlos III de Madrid. Possui graduao em psicologia pela Universidade Estadual Paulista Jlio de Mesquita Filho (2000) e mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de So Paulo (2005). RESUMO Este artigo tem como objetivo principal analisar a importncia do Grmio estudantil enquanto movimento para o protagonismo juvenil. Diante dos inmeros ataques a democracia na atual conjuntura poltica o fortalecimento dos movimentos estudantis se apresenta de demasiada importncia, tornando-se assim espao de resistncia, de dilogo e de participao. O trabalho buscar nos referenciais tericos da rea subsdios para evidenciar a importncia do Grmio nas escolas de Ensino Fundamental. A metodologia ser um Estudo de Caso para apresentar o reflexo do Grmio no protagonismo juvenil de duas alunas egressas de uma Escola Municipal da Prefeitura de Bauru integrante do Projeto Grmios. Palavras chave: Movimento estudantil. Democracia. Grmio estudantil. INTRODUO Este artigo tem como objetivo analisar a importncia do Grmio Estudantil enquanto movimento capaz de estimular o protagonismo juvenil. Partir da experincia de uma escola integrante do projeto de implementao de Grmios Estudantis na Prefeitura Municipal de Bauru (parceria entre Secretaria de educao e departamento de Psicologia da Unesp Bauru). O Grmio Estudantil enquanto movimento estudantil de representatividade ressurge na histria do Brasil aps a redemocratizao quando foi sancionada a lei 7.398 que garante aos alunos o direito de se organizarem na forma de Grmios Estudantis. Segundo Carlos (2006) as principais mudanas legais ps ditadura foram a extino dos Centros Cvicos escolares que haviam sido institudos durante o regime militar, a criao do Conselho de Escola Deliberativo (Lei Complementar Federal: 444/85 art 95) e a criao do Grmio Estudantil (Lei Federal n 7.398 de novembro de 1985). Zonta et.al. (2016) afirmam que o Grmio Estudantil representa os interesses dos estudantes na escola e oportuniza reflexes que podem resultar em diferentes aes na comunidade escolar como um todo. Para avaliar a importncia da participao no Grmio Estudantil por duas alunas que j terminaram o Ensino Fundamental em 2015 e 2016, a metodologia escolhida ser o Estudo de Caso, pois trar uma amostra das percepes dessas ex alunas (de uma escola de Ensino Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 234 Fundamental da Prefeitura de Bauru) integrantes de Grmios daquela Unidade Escolar acerca da relevncia da experincia para o protagonismo juvenil delas na atualidade. A escolha da metodologia se deve a relevncia cientfica do Estudo de Caso como abordagem qualitativa e a forma com que o mesmo utiliza-se da complexidade da realidade. Sobre a pertinncia desse mtodo para o estudo de fenmenos da atualidade aponta Godoy (1995): O estudo de caso tem se tornado a estratgia preferida quando os pesquisadores procuram responder s questes "como" e "por qu" certos fenmenos ocorrem, quando h pouca possibilidade de controle sobre os eventos estudados e quando o foco de interesse sobre fenmenos atuais, que s podero ser analisados dentro de algum contexto de vida real. (p. 25b) Uma das tcnicas fundamentais do estudo de caso a observao e a entrevista. Como instrumento utilizaremos do questionrio para levantar a trajetria no Grmio Estudantil dessas alunas e a importncia que elas desprendem para a experincia vivenciada. O questionrio ofertado tem como objetivo avaliar a participao no Grmio e os reflexos da experincia no protagonismo juvenil atual dessas educandas. Apresentamos abaixo o questionrio ofertado: Questionrio GRMIO ESTUDANTIL: O ESTMULO PARA O PROTAGONISMO JUVENIL NO ENSINO FUNDAMENTAL 1) Voc participou do Grmio em que ano? Qual ano (srie) do Ensino Fundamental voc estava frequentando quando se juntou a chapa vencedora? 2) Voc considerou a participao no Grmio uma experincia enriquecedora? 3) Voc pensa que ter integrado uma chapa de Grmio te ajudou a ser participativo na escola atual? 4) Voc percebe que a participao no Grmio te deixou mais democrtico? Voc considera a participao dos alunos no funcionamento da escola importante? 5) O que foi mais inesquecvel da sua participao no Grmio? 6) Voc aconselharia outros alunos a participarem do Grmio? Por qu? Com base nas respostas e na bibliografia vigente apresentaremos a relevncia do Grmio Estudantil para o estmulo ao protagonismo juvenil, ampliando os espaos de formao de identidades. DESENVOLVIMENTO Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 235 Em tempos de poltica polarizada, discurso de dio e notcias fantasiosas de grande relevncia o estudo de aes que possam desencadear protagonismo juvenil. Souza (2006) afirma que a noo de juventude contempornea utilizada para rever e reinterpretar eventos do passado. Segundo a autora podem ser apontados como movimentos de protagonismo juvenil diversos episdios da histria do Brasil como o movimento abolicionista, a Semana de Arte Moderna, a criao do Partido Comunista, o tenentismo, entre outros que no deram a juventude a importncia histrica que mereciam. Dessa forma pensamos ser relevante analisar por meio de um Estudo de Caso se as aes desenvolvidas com um Grmio Estudantil podem encorajar e estimular aes de protagonismo. Tendo em vista o carter aberto e subjetivo das questes apresentadas para as alunas ex participantes do Grmio organizamos as questes e as respostas em uma tabela para facilitar a comparao das percepes das alunas. Na sequncia da tabela voltaremos em cada questo para uma anlise mais detalhada das respostas. QUESTES ALUNA 1 ALUNA 2 Voc participou do Grmio em que ano? Qual ano (srie) do Ensino Fundamental voc estava frequentando quando se juntou a chapa vencedora? Participei no ano de 2015. Eu estava frequentando o 9 ano do Ensino Fundamental Em 2016. Estava no 9 na poca. Voc considerou a participao no Grmio uma experincia enriquecedora? Sim, com certeza ganhei grandes experincias, como cooperar em grupo, com diversas idades. Aprendi a respeitar, ainda melhor a viso do prximo. A olhar para alguns temas com prioridade. Que muitas vezes iremos correr contra o tempo para realizar algumas atividades. Sim, foi uma experincia que me trouxe muito aprendizado, com ela aprendi a ter mais responsabilidade, pois estava representando meus colegas ento tinha que cumprir aquilo que tinha prometido a eles Voc pensa que ter integrado uma chapa de Grmio te ajudou a ser participativo na escola atual? Sim, eu vejo que hoje, tenho mais liberdade para me expressar com as pessoas ao meu redor. Muito, porque me fez ter mais vontade de agir e mudar coisas na minha escola atual. E hoje j fao parte do Grmio da minha nova escola. Voc percebe que a participao no Grmio Claro, eu respeito melhor a opinio alheia, vejo que Sim, porque foi exatamente atravs da democracia que Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 236 te deixou mais democrtico? Voc considera a participao dos alunos no funcionamento da escola importante? precisamos abrir o leque para outras oportunidades. A escola construda pelos alunos, ningum melhor que os mesmos para dizer o que preciso ser feito no ambiente para que haja melhora. eu tive oportunidade de participar do Grmio. Importantssimo, pois quem faz a escola o aluno ento eles tambm tm que ter voz. O que foi mais inesquecvel da sua participao no Grmio? Na escola, tivemos um curso de vdeo/filmagem e afins, no qual aprendemos muito sobre no s a gravar, mas como a ganhar nossos eleitores. Tambm, por ser Diretora de Imprensa, a dar recados, tirar fotos, ouvir opinies dos alunos. O que foi mais inesquecvel foi a forma que a chapa fez cada proposta apresentada, por mais difcil que era sempre tentvamos fazer o nosso melhor. E no fim conclumos com sucesso! Voc aconselharia outros alunos a participarem do Grmio? Por que? Sem dvida. O grmio abrange todos os temas em que se pode pensar. No s poltico, democrtico, social, enfim, tudo a que se relaciona a uma sociedade. Aprende a ser cidado e exercer cidadania. Sim, uma experincia que nos faz crescer e aprender pois vemos que nem tudo fcil, que tem obstculos a serem vencidos, que temos que ser o exemplo para os nossos colegas e representar eles da melhor forma possvel, mas que no fim quem ganha somos ns, porque samos com uma bagagem pra vida. Na primeira questo perguntamos o ano que as alunas participaram do Grmio. A Aluna 1 disse que foi em 2015 e a Aluna 2 afirmou ser em 2016. Ambas estavam no 9 ano do Ensino Fundamental II. Percebemos que no final do Ensino Fundamental o jovem est mais em busca de identidade e procurando novas perspectivas para vivenciar. Espaos para discutir representatividade e empoderamento se tornam valiosos. Martins (2010) enfatiza o valor dos movimentos sociais nesse contexto, logo podemos relacionar com os Grmios Estudantis. Contudo, a escola, ao que parece, tem se mostrado um local propcio para efetivao do processo de construo identitria. As situaes vividas em seu cotidiano refletem uma ao particular de seus atores de acordo com suas vivncias e experincias. A autonomia, que um objetivo dos movimentos sociais nas sociedades complexas, demonstra mudanas importantes nas formas de representatividade e deixa claro que, na atualidade, as organizaes polticas tradicionais parecem no ser o paradigma a ser seguido quando o tema participao social da juventude. (MARTINS, 2010, p. 63) Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 237 Sendo o Grmio Estudantil um movimento muito mais prximo dos jovens e suas necessidades contemporneas v-se a relevncia da organizao e da educao para a participao e democracia. Martins (2010) diz que h uma infinidade de possibilidades para o jovem contemporneo, sendo a participao estudantil uma dentre as tantas possveis. Na segunda questo questionamos se as jovens acharam a experincia enriquecedora. A Aluna 1 disse Sim, com certeza ganhei grandes experincias, como cooperar em grupo, com diversas idades. Aprendi a respeitar, ainda melhor a viso do prximo. A olhar para alguns temas com prioridade. Que muitas vezes iremos correr contra o tempo para realizar algumas atividades. A Aluna 2 afirmou Sim, foi uma experincia que me trouxe muito aprendizado, com ela aprendi a ter mais responsabilidade, pois estava representando meus colegas ento tinha que cumprir aquilo que tinha prometido a eles. Ambas falaram sobre cumprir metas, responsabilidade. Quando a Aluna 1 fala em estipular prioridades, correr contra o tempo e a Aluna 2 diz a responsabilidade de cumprir com as promessas, ambas relatam que o Grmio nesse caso auxiliou a se responsabilizar com a escola e com o grupo. Zonta et.al. (2016) diz que O Grmio representa uma das primeiras oportunidades de participao organizada para os(as) jovens e tem um grande potencial transformador. (p. 271) Diante do compromisso despertado pelo movimento nas alunas podemos afirmar que: O Grmio Estudantil um rgo colegiado que representa os interesses dos(as) estudantes na escola e que possibilita reflexes que podem resultar em diferentes aes na comunidade escolar. tambm um espao de aprendizagem, cidadania, convivncia e trabalho em equipe. (ZONTA ET.AL., 2016, p. 271) Na questo trs as alunas foram questionadas se ter participado do Grmio auxiliou para que fossem mais participativas hoje nas escolas em que estudam. A Aluna 1 disse Sim, eu vejo que hoje, tenho mais liberdade para me expressar com as pessoas ao meu redor, enquanto a Aluna 2 disse Muito, porque me fez ter mais vontade de agir e mudar coisas na minha escola atual. E hoje j fao parte do Grmio da minha nova escola. Nesse item acho que fica evidente como a experincia empoderou as alunas como estudantes, ou para se expressar com mais confiana, quanto para se tornar membro de outro Grmio representando outros alunos. O grmio estudantil pode se tornar um lugar concreto de prtica social, e a escola, como arena relacional, pode se tornar lugar profcuo para o exerccio de experincias sociais de participao. (MARTINS, 2010, p. 61) Na pergunta quatro provocamos as alunas perguntando se elas pensam que a experincia com o Grmio as tornaram mais democrticas e se a participao dos alunos no funcionamento da escola importante. A Aluna 1 respondeu que Claro, eu respeito melhor a opinio alheia, vejo que precisamos abrir o leque para outras oportunidades. A escola construda pelos alunos, ningum melhor que os mesmos para dizer o que preciso ser feito no ambiente para que haja melhora. A Aluna 2 respondeu que Sim, porque foi exatamente atravs da democracia que eu tive oportunidade de participar do Grmio. Importantssimo, pois quem faz a escola o aluno ento eles tambm tm que ter voz. Em ambos os casos as alunas enalteceram a importncia da participao dos alunos, valorizaram a democracia. Na atual conjuntura social, educacional e poltica torna-se fundamental espaos de valorizao da democracia, de fortalecimento das vozes de resistncia Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 238 e do empoderamento dos excludos, por isso to relevante o fato das estudantes enaltecerem o processo democrtico e a participao estudantil. O autor nos mostra que, nos ltimos anos, o apoio democracia entre os nossos jovens gira em torno de 50%. Alguns fatores influenciam o maior ou menor apoio ao regime. As estatsticas analisadas pelo autor (Dados da pesquisa realizada pelo Instituto Cidadania 2003) mostram que medida que o nvel escolar aumenta, tambm, cresce o apoio democracia: 34% jovens escolarizados at o ensino fundamental, 59% at o ensino mdio e 72% dos que chegaram at a universidade. Outro fator de influncia na preferncia pelo regime democrtico a renda, quanto maior o poder aquisitivo maior a preferncia: 48% dos jovens com renda at dois salrios mnimos, 57% dos que esto entre dois e cinco salrios mnimos, 66% dos que esto entre cinco e dez salrios mnimos e 68% dos que declaram mais de dez salrios mnimos. (MARTINS, 2010, p. 49) Na citao acima vemos que quanto maior os espaos de reflexo, de participao, quanto maior o acesso ao saber historicamente construdo, melhor ser a valorizao da democracia. Logo a relevncia do Grmio na luta por uma escola pblica capaz de transmitir os contedos e ensinar para a humanizao. Na quinta pergunta questionamos uma experincia inesquecvel na trajetria com o Grmio. A Aluna 1 disse que Na escola, tivemos um curso de vdeo/filmagem e afins, no qual aprendemos muito sobre no s a gravar, mas como a ganhar nossos eleitores. Tambm, por ser Diretora de Imprensa, a dar recados, tirar fotos, ouvir opinies dos alunos. A Aluna 2 disse que O que foi mais inesquecvel foi a forma que a chapa fez cada proposta apresentada, por mais difcil que era sempre tentvamos fazer o nosso melhor. E no fim conclumos com sucesso!. No discurso da Aluna 1 vemos como foi relevante o trabalho com o Grmio relacionado as mdias como um todo. Sodr (2012) salienta que independente das posies polticas, parece consensual a necessidade de todo projeto educacional contemporneo agir em sintonia com as exigncias postas pela tecnologizao do mundo e suas injunes do mercado global. Na fala da Aluna 2 vemos o trabalho com o Grmio propriamente dito e a alegria da concretizao das propostas. A sexta e ltima questo era se elas aconselhariam os alunos a participarem de Grmios. A Aluna 1 afirmou que Sem dvida. O grmio abrange todos os temas em que se pode pensar. No s poltico, democrtico, social, enfim, tudo a que se relaciona a uma sociedade. Aprende a ser cidado e exercer cidadania. A Aluna 2 disse que Sim, uma experincia que nos faz crescer e aprender pois vemos que nem tudo fcil, que tem obstculos a serem vencidos, que temos que ser o exemplo para os nossos colegas e representar eles da melhor forma possvel, mas que no fim quem ganha somos ns, porque samos com uma bagagem pra vida. Percebemos na fala das alunas que temos muito a avanar no Projeto Grmios mas tambm j alcanamos muitos dos objetivos propostos. Todo este trabalho desenvolvido com os Conselhos Escolares e Grmios Estudantis indica que o empoderamento e desenvolvimento crtico dos (as) diferentes atores (atrizes) do processo educativo possibilitado por vivncias de situaes de participao coletiva. (ZONTA ET.AL., 2016, p. 271) CONSIDERAES FINAIS Universidade do Sagrado Corao Rua Irm Arminda, 10-50, Jardim Brasil CEP: 17011-060 Bauru-SP Telefone: +55(14) 2107-7000 www.usc.br 239 O presente trabalho trouxe a perspectiva de duas ex alunas integrantes do Projeto Grmios, parceria Secretaria de Educao da Prefeitura Municipal de Bauru com a Psicologia Unesp Bauru. No decorrer do artigo trouxemos as percepes das alunas atravs de um questionrio focado na participao e envolvimento no Projeto. Compreendemos que apesar de ter muito a avanar em vrios quesitos o Projeto Grmio rompe com o escola autoritria, onde os alunos esto sempre em papel de coadjuvncia. Pensamos que as atividades desenvolvidas e at mesmo as que no ocorreram como planejado auxiliam os alunos a pensar e vivenciar a participao estudantil, experimentando desde a representatividade e empoderamento at o sentimento de frustao. Conclumos, portanto, que o envolvimento com movimentos estudantis como o Grmio, os Conselhos Escolares ou afins torna o educando mais capaz de se expressar, reivindicar direitos, expor sentimentos e anseios referentes a organizao e convvio escolar, ampliando a cidadania e tornam-se mais tolerante e democrtico. REFERNCIAS CARLOS, A. G. Grmio estudantil e participao do estudante. Dissertao (Mestrado em Educao) Pontifcia Universidade Catlica, So Paulo, 2006. GODOY, A. Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administrao de Empresas. So Paulo, v. 35, n. 3, Maio-Junho, 1995, p. 20-29. LIBNEO, J. C. Democratizao da escola pblica: a pedagogia crtico-social dos contedos. So Paulo: Ed. Loyola, 1984. MARTINS, F. A. S. A Voz do Estudante na Educao Pblica: um estudo sobre participao de jovens por meio do grmio estudantil. 2010. Dissertao (Mestrado em Educao) Faculdade de Educao da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2010. SODR, M. Reinventando a Educao: diversidade, descolonizao e redes. Petrpolis: Vozes, 2012. SOUZ, R. M. O discurso do protagonismo juvenil. Tese de doutorado. So Paulo: FFLCH-USP, 2006. ZONTA, C. ; FANTIN, F. C. B. ; ASBAHR, F. da S. F. ; MEIRA, M. E. M. ; SANTOS, S. M. P. . Gesto democrtica e instrumentos de representao: conselhos escolares e grmios estudantis. In: Afonso Mancuso de Mesquita; Fernanda Carneiro Bechara Fantin; Flvia da Silva Ferreira Asbahr. (Org.). Currculo Comum para o Ensino Fundamental Municipal. 2ed.: , 2016, v. , p. 263-279.