Fundeb Final Print Final

  • Published on
    19-Jan-2016

  • View
    107

  • Download
    0

Transcript

Mdulo FundebPrograma Nacional de Formao Continuada a Distncia nas Aes do FNDEMEC / FNDEBraslia, 20091a edioConteudistaslida Maria Loureiro LinoVander Oliveira BorgesColaboradorAdalberto Domingos da PazProjeto grficoVirtual Publicidade e Cespe/UnBEquipe Universidade Federal de Santa CatarinaAdaptao projeto grfico e diagramao Thiago Rocha OliveiraLaura Martins RodriguesIlustraesJoo Jair da Silva RomoRevisoVernica Ribas CrcioP 942p Brasil. Ministrio da Educao (MEC). Mdulo Fundeb: Braslia: MEC, FNDE, 2009. 166 p. : il. color. (Formao pela Escola) Acompanhado de caderno de atividades (50 p.)1. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao (FNDE). 2. Financiamento da Educao. 3. Polticas Pblicas - Educao. 4. Programas e Aes - FNDE. 5. Forma-o continuada a distncia - FNDE. 7. Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao. 8. Fundeb. I. Brasil. Minist. da Educao. II. Fundo Nac. de Desenv. da Educao. III. Ttulo. VI. Srie. CDU 371.217.1Sumrio onensContextualizao do mdulo _____________________________________________________________________ 7Plano de ensino ________________________________________________________________________________ 8Para comeo de conversa _______________________________________________________________________11Unidade I: As demandas por educao pblica de qualidade ___________________________________________15Introduo ___________________________________________________________________________________171. 1. Direitos, cidadania e democracia: a construo de uma nova sociedade ______________________________171.2. Educao para Cidadania: o conhecimento como instrumento poltico de emancipao _________________191.3. A escola pblica no Brasil: a luta pela democratizao, gratuidade e o financiamento pblico _____________221.3.1. O Perodo Colonial (1500 a 1822) __________________________________________________________231.3.2. O Perodo do Imprio (1822 a 1889) ________________________________________________________231.3.3. A educao nos primeiros tempos da Repblica ______________________________________________251.3.4. A educao dos anos trinta aos anos oitenta _________________________________________________271.3.5. A educao e o processo de (re)construo da democracia no Brasil ______________________________321.3.6. O Fundef e o financiamento do ensino fundamental ___________________________________________35Unidade II: Uma nova ordem: o Fundeb e a educao _________________________________________________39Introduo ___________________________________________________________________________________412.1. Conhecendo melhor o Fundeb ________________________________________________________________412.1.1. Aspectos gerais ________________________________________________________________________412.1.2. Os objetivos do Fundeb __________________________________________________________________462.1.3. Justificativa da existncia do Fundeb _______________________________________________________472.2. Os recursos financeiros do Fundeb: da composio aos critrios de distribuio ________________________492.2.1. A composio do Fundeb ________________________________________________________________492.2.2. Distribuio dos recursos: critrios e diretrizes ________________________________________________532.3. A rede de parceria do Fundeb _________________________________________________________________582.4. Informaes sobre o Fundeb: direito de todos ___________________________________________________632.4.1. Informaes bsicas _____________________________________________________________________632.4.2. Informaes bancrias ___________________________________________________________________64Unidade III: Os recursos financeiros do Fundeb: dos clculos distribuio ________________________________67Introduo ___________________________________________________________________________________693.1. Os clculos dos recursos do Fundeb ____________________________________________________________693.1.1. Valor por aluno/ano e fatores de ponderao: a busca da equidade ______________________________693.1.2. Clculo da contribuio estadual e municipal formao do Fundo _____________________________753.1.3. O clculo da complementao da Unio ____________________________________________________853.2. A distribuio dos recursos financeiros do Fundeb ________________________________________________88Unidade IV: Os recursos financeiros do Fundeb: da aplicao prestao de contas ________________________93Introduo ___________________________________________________________________________________954.1. A execuo do Fundeb ______________________________________________________________________964.1.1. Recursos do Fundeb: a remunerao dos profissionais do magistrio _____________________________984.1.2. Recursos do Fundeb: financiamento de outras despesas de manuteno e desenvolvimento do Ensino MDE _______________________________________________________1014.2. A aplicao dos recursos ____________________________________________________________________1094.2.1. A responsabilidade no processo de execuo _______________________________________________1094.2.2. O processo de fiscalizao _______________________________________________________________1104.3. A prestao de contas do Fundeb ____________________________________________________________1114.3.1. A obrigao legal ______________________________________________________________________1114.3.2. Prestao de contas dos recursos do Fundeb: etapas e responsabilidades ________________________1144.3.3. O fluxo da execuo e da prestao de contas do Fundeb _____________________________________115Unidade V: O controle social e atuao do CACS Fundeb _____________________________________________119Introduo __________________________________________________________________________________1215.1. O processo de democratizao da sociedade brasileira e os conselhos de acompanhamento social _______1215.1.1. Acompanhamento e controle social _______________________________________________________1215.1.2. Conselhos de acompanhamento social: definio e importncia ________________________________1235.1.3. A evoluo dos conselhos sociais _________________________________________________________1245.2. Conhecendo o conselho do Fundeb: da definio ao mandato _____________________________________1275.2.1. O que ? _____________________________________________________________________________1275.2.2. Constituio dos CACS: uma obrigao legal ________________________________________________1275.2.3. Composio do conselho do Fundeb ______________________________________________________1315.2.4. A indicao e o mandato ________________________________________________________________1345.3. Conselho do Fundeb: da renovao ao cadastramento ___________________________________________1375.3.1. A renovao do CACS ___________________________________________________________________1375.3.2. O cadastramento ______________________________________________________________________1385.3.3. Impedimentos para fazer parte do conselho do Fundeb _______________________________________1415.4. O Conselho do Fundeb trabalhando __________________________________________________________1435.4.1. Funcionamento do conselho _____________________________________________________________1435.4.2. Atribuies do conselho ________________________________________________________________1455.4.3. As obrigaes do Poder Executivo ________________________________________________________1475.4.4. A importncia do conselho e a valorizao de sua atuao _____________________________________147Retomando a conversa inicial ________________________________________________________________151Ampliando seus horizontes __________________________________________________________________155Referncias bibliogrficas _________________________________________________________________155Referncias webgrficas ___________________________________________________________________155Indicao dos textos legais (Legislao) ______________________________________________________156Composio da cesta do Fundeb: impostos, contribuies e transferncias ________________________157Glossrio __________________________________________________________________________________159Lista de abreviaturas ________________________________________________________________________163Contatos ________________________________________________________________________________164Anotaes ________________________________________________________________________________1657Contextualizao do MduloContextualizao do mduloO curso a distncia sobre o Fundeb faz parte do Programa Nacional de Formao Continuada a Distn-cia nas Aes do FNDE- Formao pela Escola, desenvolvido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao (FNDE). Como voc j sabe, o Formao pela Escola um programa que utiliza a metodologia de educao a distncia, com o objetivo principal de capacitar os agentes, parceiros, operadores e conselheiros envolvidos com a execuo, o acompanhamento e a avaliao de aes e programas no mbito do FNDE.O mdulo Fundeb tem por objetivo disponibilizar, informaes sobre o histrico da poltica de financiamen-to da educao pblica no Brasil, a concepo do Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fundeb, alm de seus principais objetivos, sua forma de execuo, detalhando inclusive sua operacionalizao e a prestao de contas. Pretende, ainda, sensibiliz-lo para a importncia do Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS - Fundeb) e para a execuo eficiente dessa poltica pblica.8Mdulo FundebPlano de ensinoCarga horria: 40hPerodo de durao: aproximadamente 30 diasObjetivos do mdulo:Este mdulo de estudo tem o objetivo de propiciar informaes e conhecimentos que permitam ao cursista::: conhecer o histrico das demandas por educao gratuita da sociedade brasileira e os processos de oferta e finan-ciamento da educao no pas;:: perceber o Fundeb como uma poltica pblica de financiamento da educao capaz de: promover equalizao na distribuio dos recursos; reduzir as desigualdades; contribuir para a universalizao da educao e valorizar os profissionais da educao:: compreender que o Fundeb cria mecanismos para o surgimento de uma nova concepo de gesto educacional, apoiada no princpio da colaborao, em que todas as unidades federativas possuem papis definidos no processo de execuo dos recursos provenientes do fundo;:: entender o Fundeb como uma poltica pblica de financiamento da educao suscetvel a processo de fiscalizao de sua execuo e de prestao de contas;:: identificar o Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS) do Fundeb como um rgo responsvel pela permanente vigilncia da aplicao dos recursos pblicos do fundo;:: predispor-se, como cidado, a acompanhar efetivamente a execuo do Fundeb em seu Estado ou municpio.Plano de ensino: Mdulo Fundeb9Contedo Programtico O contedo deste mdulo foi organizado em cinco unidades com os seguintes objetivos especficos:Unidade I - As demandas por uma educao pblica de qualidade:: Perceber a influncia da sociedade na elaborao de polticas pblicas educacionais.:: Identificar as principais etapas da educao brasileira, caracterizando-as.:: Proporcionar informaes sobre o financiamento dos sistemas de educao no pas, fundamentadas nos conceitos de utilidade pblica e transparncia.:: Conhecer as vrias polticas de financiamento da educao no Brasil, adotadas at a dcada de oitenta.:: Estabelecer relao entre os textos legais (Constituio de 1988, Lei 9.394/96 LDBEN e o Plano Nacional da Educa-o PNE) seus condicionantes sociais, polticos e econmicos e a realidade concreta da poltica de financiamento educacional.:: Focalizar o Fundef como poltica de financiamento do Ensino Fundamental e valorizao salarial do magistrio, mos-trando suas vantagens e limitaes.Unidade II Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao:: Conhecer os aspectos gerais do Fundeb: objetivos, caractersticas, justificativa de sua existncia, legislao pertinen-te e origens dos recursos financeiros.:: Compreender como so tratados os recursos do Fundeb por estado e Distrito Federal (um fundo para cada estado).:: Identificar, em relao ao Fundeb: os beneficirios diretos dos recursos do Fundo; os diversos segmentos da educao bsica que so atendidos; a progressividade do ingresso de recursos e matrculas; a sua vigncia; os parceiros da rede de relacionamento responsveis pela execuo do Fundeb e suas responsabilidades; os mtodos utilizados pelo governo federal para divulgar informaes sobre o Fundo.10Mdulo FundebUnidade III - Os recursos financeiros do Fundeb: dos clculos distribuio:: Compreender os procedimentos necessrios realizao do clculo do Fundeb em cada estado/Distrito Federal.:: Identificar a importncia dos fatores de ponderao para o clculo do Fundeb de cada estado/Distrito Federal.:: Entender a importncia do valor por aluno/ano para as sries iniciais urbanas do ensino fundamental calculado pelo governo federal, para a distribuio equitativa dos recursos do Fundo.:: Compreender a complementao da unio como consequncia da comparao entre os valores aluno/ano.:: Conhecer os critrios para a distribuio dos recursos do Fundo.Unidade IV - Os recursos financeiros do Fundeb: da aplicao prestao de contas:: Diferenciar as aes a serem financiadas com os recursos financeiros do Fundo.:: Apontar as principais etapas das aquisies efetuadas em relao s despesas de manuteno e desenvolvimento da educao bsica pblica.:: Identificar os responsveis pela execuo do Fundeb, suas competncias e as etapas deste processo.:: Identificar os responsveis pela fiscalizao da execuo dos recursos financeiros do Fundeb e suas competncias.:: Entender como e por que necessrio prestar contas dos recursos financeiros recebidos conta do Fundeb.:: Conhecer o processo de prestao de contas do Fundeb.:: Entender o fluxo de execuo do Fundeb.Unidade V - O Conselho do Fundeb e o Controle Social:: Compreender o controle social como meio de participao permanente da sociedade na gesto pblica e como direito assegurado pela Constituio Federal.:: Identificar os Conselhos Sociais como representaes capazes de exercer controle sobre a ao do Estado, supervi-sionando e avaliando as decises e aes administrativas, exigindo dos gestores pblicos a comprovao dos atos praticados.:: Conhecer a composio do CACS/Fundeb, bem como suas atribuies e competncias. :: Compreender o CACS/Fundeb como instncia responsvel pelo contnuo acompanhamento da aplicao dos recur-sos do fundo, garantindo a correta destinao desses recursos.Para comeo de conversa11Para comeo de conversaPrezado cursista um prazer dar prosseguimento ao processo de formao continuada nas aes do FNDE por meio do Formao pela Escola. Este programa oferece a voc a oportunidade de conhecer, com detalhes, os mais importantes programas, aes e projetos desenvolvidos pela Autarquia. Neste momento, queremos que voc se sinta bem vindo ao estudo de mais um tema de grande importncia no cenrio das polticas p-blicas educacionais: o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fundeb.Certamente voc, ao escolher este mdulo, est preocupado em conhecer mais profundamente a po-ltica de financiamento da educao adotada em nosso pas, inclusive compreender as consequncias da mesma para seu municpio, e/ou Estado. Sabemos que o seu interesse pelo assunto tornar o estudo desse mdulo prazeroso e agradvel.Conhecendo melhor o Fundeb voc poder como cidado, acompanhar mais de perto todo o processo de transferncia de recursos, a execuo desses e a devida prestao de contas. Saber se os recursos finan-ceiros esto, de fato, sendo empregados de acordo com as orientaes legais, e ainda, de maneira eficiente e eficaz. Quem sabe, em um futuro prximo, voc estar participando diretamente do acompanhamento e da fiscalizao do Fundo, colaborando diretamente na construo da educao que queremos deixar como herana para as futuras geraes.Nossa principal preocupao, em contrapartida ao seu empenho, conseguir trabalhar as mais impor-tantes informaes sobre o Fundo de maneira simples e objetiva. Temos certeza que dessa forma voc vai entender a importncia, a organizao e o funcionamento do Fundeb. Reflita sobre as perguntas abaixo:12Mdulo Fundeb Voc sabe o que o Fundeb, por que e quando ele foi criado? Quais os recursos que fazem parte do fundo e como efe-tuada a distribuio desses recursos financeiros?Qual etapa da educao contemplada pelo Fundeb e qual a relao entre Censo Escolar e o Fundo?Como calculado o valor aluno/ano?Quem administra o dinheiro do Fundeb e como devem ser aplicados seus recursos?Como realizada a fiscalizao da aplicao dos recursos do Fundeb?Existe algum rgo especfico que efetue o controle social da execuo e da prestao de contas do fundo?Qual o papel e a atuao do MEC em relao ao Fundeb?Quais so as sanes aplicveis aos responsveis pelas irre-gularidades praticadas?Voc notou que so muitas as questes que envolvem o Fun-deb, no verdade? Selecionamos somente algumas das muitas dvidas, para voc perceber que temos muito a conversar. Para facilitar essa viagem de conhecimento sobre o Fundeb, or-ganizamos este Mdulo em cinco unidades. Segue o resumo de cada uma: Unidade I - As demandas por educao pblica de qualidadeNa Unidade I procuraremos relacionar a escola pblica de qualidade com a formao de cidados cientes de seus direitos e deveres. Ainda, abordaremos os principais fatos que marcaram a educao brasileira, o papel do Estado como financiador da ins-tituio escolar e as polticas pblicas de financiamento adotadas em nosso pas at a criao do Fundef.Unidade II - Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao Na Unidade II falaremos sobre o processo de aprovao do Fundeb e a legislao que o regulamenta. Tambm es-tudaremos seus aspectos gerais: definio, objetivos e ca-ractersticas, origens dos recursos, participao dos entes federados na sua composio, os critrios de clculos, os segmentos da educao bsica atendidos, a rede de parce-ria que atua no mbito do Fundo e a divulgao de infor-maes.Unidade III - Os recursos financeiros do Fundeb: dos clculos distribuioNa Unidade III vamos discutir as questes prticas do Fundeb: os clculos dos Fundos estaduais e distrital, da complementao da Unio e as diretrizes para distribuio dos recursos financeiros do Fundo.Unidade IV - Os recursos financeiros do Fundeb: da aplicao prestao de contasA Unidade IV permitir a avaliao de dois temas fun-damentais: a aplicao dos recursos financeiros do Fundeb e a devida prestao de contas. Procuraremos identificar as atividades que podem ser financiadas com estes recursos, a aplicao dos recursos e o processo de fiscalizao da exe-cuo. Em relao prestao de contas, abordaremos a obrigao legal da mesma, suas etapas e responsveis.Unidade V - O Controle Social e a atuao do CACS/Fundeb Finalmente na Unidade V, refletiremos sobre o processo democratizao da sociedade brasileira e a organizao dos conselhos sociais. Vamos identificar o rgo que, em relao ao Fundeb, responsvel pelo acompanhamento e contro-le social, identificando aspectos como: composio, indica-o, mandato, cadastramento, funcionamento, atribuies, importncia do conselho e a valorizao de sua atuao.Para comeo de conversa13Assim, a leitura deste mdulo, a execuo das atividades previs-tas e a realizao do trabalho final devem possibilitar a voc alcan-ar os seguintes objetivos de aprendizagem::: Conhecer o histrico das demandas por educao gratuita da sociedade brasileira e os processos de oferta e financiamen-to da educao no pas.:: Perceber o Fundeb como uma poltica pblica de financia-mento da educao capaz de ::: Promover equalizao na distribuio dos recursos;:: Reduzir as desigualdades; :: Contribuir para a universalizao da educao;:: Valorizar os profissionais da educao.:: Compreender que o Fundeb cria mecanismos para o sur-gimento de uma nova concepo de gesto educacional, apoiada no princpio da colaborao, em que todas as uni-dades federativas possuem papis definidos no processo de execuo dos recursos provenientes do fundo.:: Entender o Fundeb como poltica pblica de financiamento da educao, sujeita a processo de fiscalizao de sua execu-o e de prestao de contas.:: Identificar o Conselho de Acompanhamento e Controle So-cial (CACS) do Fundeb como a instncia responsvel pela permanente vigilncia da aplicao dos recursos pblicos do fundo.:: Predispor-se, como cidado, a acompanhar efetivamente a execuo do Fundeb em seu Estado ou municpio.Leia e reflita sobre a histria que apresentamos a seguir:ProblematizandoEra um dia quente de abril. Naquela manh ensolarada, os professores de um pequeno municpio no interior do pas, realizavam mais uma agitada assembleia. Cada participante, segurando faixa, cartaz ou bandeirola, exigia respeito, melho-res condies de trabalho e aumento salarial. Em meio a muitas palavras de ordem, os lderes do movimen-to esclareciam que era o momento da classe estar unida con-tra os desmandos dos poderosos locais. A professora Corina subiu ao palanque improvisado, e conclamou todos os cole-gas a apoiarem o movimento. Concluiu sua fala, dizendo em alto e bom som:- Colegas, devemos nos unir e continuar nossa luta!Era consenso, de todos os participantes do movimento, que a prefeitura municipal poderia pagar melhor remunerao categoria. Todos sabiam que, dos recursos financeiros pro-venientes do Fundeb, no mnimo 60% (sessenta por cento) deveria ser aplicado no pagamento da remunerao desses profissionais. Era certo que o prefeito, Sr. Ribamar da Silva, no estava cumprindo essa regra legal e todos conclamavam: se lei, cumpra-se!Essa situao de tumulto, que se abateu sobre as escolas municipais nos ltimos meses, era na verdade fruto de al-guns acontecimentos locais que levaram os professores mobilizao: as constantes ameaas de suspender o paga-mento da gratificao aos professores do ensino infantil e fundamental, devido falta de legislao municipal que regulamentasse o Fundeb; o estado de vigilncia cons-tante, por parte dos diretores e coordenadores da rede municipal, que lembrava a fase da ditadura militar que aterrorizou o Brasil at o final da dcada de oitenta e a fal-ta de organizao do conselho do Fundeb no municpio.14Mdulo FundebInicialmente, os professores comearam a se mobilizar rea-lizando pequenas manifestaes pblicas, reunies, e pe-didos Cmara para receberem maiores esclarecimentos sobre o Fundeb. Para complicar ainda mais os acontecimentos o executivo local, observando a movimentao dos professores, optou pela radicalizao: no efetuou o pagamento do salrio de maro e a devida gratificao. Evidentemente tal situao irritou ainda mais os professores, que optaram pela greve.Aps a leitura deste texto, pense nas seguintes questes: Se voc estivesse no lugar dos professores, qual seria a sua posio?E se voc fosse pai de um dos alunos desse municpio onde os professores esto em greve, o que voc faria?Qual o papel que voc, como cidado, deve desempenhar neste contexto?No seria importante conhecer detalhes do funcionamento do Fundeb, para saber como agir e fazer com que seus direi-tos sejam respeitados?Convidamos voc, a partir da leitura e estudo deste mdulo, a conhecer melhor o Fundeb. Dessa forma, poder tambm ajudar sua comunidade escolar a acompanhar o planejamento, a execu-o e o processo de prestao de contas do Fundeb.As demandas por educao pblica de qualidadeUnidade IAs demandas por educao pblica de qualidade17IntroduoSeu filho estuda em uma escola pblica?Que tipo de escola voc quer para ele?Voc tem percebido melhoras na(s) escola(s) pblica(s) de seu municpio, de seu estado?O governo federal, em sua opinio, tem efetuado mudanas na educao brasileira?Nesta unidade discutiremos o lento processo de luta por uma escola pblica, gratuita e de qualidade que a sociedade brasileira empreendeu por muitos anos. Falaremos um pouco sobre as eta-pas da educao no Brasil ao apontar suas principais caractersti-cas, a legislao pertinente e as diversas polticas pblicas adota-das. Tambm comentaremos sobre a questo do financiamento da escola, ao mostrar como se deu o processo de vinculao de recursos originrios de impostos educao.Esperamos que ao final da leitura desta unidade voc consiga: :: perceber a influncia da sociedade na elaborao de polti-cas pblicas educacionais;:: identificar as principais etapas da educao brasileira, carac-terizando-as;:: proporcionar informaes sobre o financiamento dos siste-mas de educao no pas;:: conhecer as vrias polticas de financiamento da educao no Brasil, adotadas at a dcada de noventa;:: estabelecer relao entre os textos legais (constituio, leis e decretos etc.) seus condicionantes sociais, poltico-eco-nmicos e a realidade concreta da poltica educacional de financiamento da educao;:: focalizar o Fundef como poltica de financiamento do En-sino Fundamental e valorizao do magistrio, mostrando suas vantagens e limitaes.A partir de agora vamos conversar sobre trs conceitos, que es-to relacionados entre si e que so fundamentais para as nossas discusses neste Mdulo: direito, cidadania e democracia.1. 1. Direitos, cidadania e democracia: a construo de uma nova sociedadeLeia a definio de cidadania que apresentamos abaixo:A cidadania o direito a ter direitos... (Hannah Arendt)Voc j pensou sobre a definio de cidadania colocada acima?Voc concorda com a autora?Para conhecermos melhor este assunto vamos dar uma olhada rpida na questo da cidadania. A cidadania, como entendida hoje, um processo em constante construo, que teve origem his-trica nos movimentos em favor do reconhecimento dos direitos civis e sociais, no final do sculo XVII e incio do sculo XVIII. Nesse Hannah Arendt (1906-1975): terica poltica alem de ori-gem judaica que, durante o nazismo, foi perseguida, imi-grando para os Estados Unidos. Sua principal obra, As origens do totalitaris-mo (1951), consolida o seu prestgio como uma das figuras maiores do pen-samento polti-co ocidental.18Mdulo Fundebperodo, pensadores defendiam as ideias liberais de liberdade (de ir e vir, de pensamento, de religio, de reunio), de propriedade e de igualdade jurdica e poltica. A partir dessas lutas o ser humano passou a deter o status de cidado.Mas quem o cidado?A definio mais completa que encontramos para apresentar a voc a seguinte:Cidado aquele que participa da vida poltica do pas onde vive, so todos aqueles que habitam o mbito da soberania de um Estado e deste Estado recebem uma carga de direitos (civis e polticos; sociais, econmicos e culturais) e tambm deveres, dos mais variados.Valrio de Oliveira Mazzuoli. Disponvel em http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2074, acessado em 12 de dezembro de 2008, s 20h35.Certamente voc percebeu que cidadania implica em direitos e deveres, no ? Ela tambm est ligada a todos os direitos indivi-duais (civis, polticos, culturais e sociais). Para entendermos melhor esta relao, precisamos saber:O que so direitos individuais?Por direitos individuais, entendemos tudo quanto se refere dignidade da pessoa, tal como o direito vida, liberdade, segu-rana, propriedade, educao, sade etc.E quando estes direitos (de cada cidado) passaram a ser reconhecidos em todo o mundo?O reconhecimento dos direitos humanos foi conquistado atra-vs de incessantes lutas. Nos tempos modernos (sculos XVII e XVIII), a proteo aos direitos do homem estava restrita a algumas legislaes internas dos pases, como a inglesa de 1684, a ameri-cana de 1778 e a francesa de 1789. As questes humanitrias so-mente integraram a agenda internacional aps a Segunda Grande Guerra (1939-1945), em resposta as barbaridades cometidas pelos seguidores de Adolf Hitler contra a humanidade, que gerou um saldo de cerca de 11 milhes de mortos. Foi necessrio construir um conjunto de normas que protegesse a pessoa contra qualquer possibilidade de crueldade e protegesse o direito a vida. Neste contexto, dois importantes fatos fortaleceram esta luta: o surgimento da Organizao das Naes Unidas, em 1945, e a con-sequente aprovao da Declarao Universal dos Direitos Humanos, em 1948, que foi revigorada pela segunda Conferncia Mundial sobre Direitos Humanos, ocorrida em Viena, em 1993. A Organi-zao das Naes Unidas (ONU) foi fundada em 24 de outubro de 1945, e constituda por representantes de governos da maioria dos pases do mundo. Seu objetivo principal colocar em prtica mecanismos que possibilitem a segurana internacional, o desen-volvimento econmico, definio de leis internacionais, respeito aos direitos humanos e o progresso social.Surge, assim, no mbito da Organizao das Naes Unidas, a defesa de um sistema global de proteo dos direitos humanos Declarao Universal dos Direitos Huma-nos: aprovada em 10/12/1948 pela Assembleia das Naes Unidas, um documento que orienta as aes da Organizao das Naes Unidas ONU. constituda de trinta artigos em que esto enumerados os direitos de todos os seres huma-nos.As demandas por educao pblica de qualidade19Doutrina ou regime poltico baseado nos princpios da so-berania popular (Poder ou autoridade suprema do povo concretizada no ato de votar) e da distribuio equitativa de governo que se caracteriza, em essncia, pela liberdade do ato eleitoral, pela diviso dos poderes e pelo controle da autoridade, e dos poderes de deciso e de execuo.Voc certamente percebeu que existe direta relao entre de-mocracia e participao dos indivduos/cidado na vida poltica, no ? Pois para que essa participao ativa e consciente ocorra, cada cidado deve estar preparado para fazer escolhas, tomar de-cises, atuar em sua comunidade e na sociedade em que est in-serido.Como a educao colabora para o surgimento e a amplia-o desta participao democrtica?1.2. Educao para cidadania: o conhecimento como instrumento poltico de emancipaoUm importante pensador italiano, que passou dcadas estu-dando as relaes sociais e polticas, chamado Norberto Bbbio, afirmou em seu livro Estado, governo, sociedade: para uma teoria geral da poltica, que: e de garantias individuais que defendem os direitos fundamentais do homem (liberdade, educao, sade etc.), inclusive o combate tortura, discriminao racial, discriminao contra as mulhe-res, violao dos direitos das crianas, entre outros.Como voc viu, a educao faz parte dos direitos individuais le-gtimos de qualquer cidado!E como possvel conseguir o respeito a estes direitos, e tambm a educao?Muitos consideram a democracia como o nico regime poltico capaz de oferecer respeito, de fato, a estes direitos. Para Dornelles, autor do livro O que so direitos humanos, ela :a condio essencial para a realizao e satisfao efe-tiva das necessidades bsicas da existncia humana em todos os aspectos da vida referentes personalidade, cidadania, e tambm relativos participao do indiv-duo como membro de uma coletividade.O que democracia?Acreditamos que voc, muitas vezes, j discutiu este assunto com seus amigos, colegas de trabalho, familiares, no ? Vamos apresentar uma das clssicas definies de democracia, apresen-tada no dicionrio Aurlio Buarque:Emancipao: independncia, alforria, liber-tao.20Mdulo Fundebconhecimento e da informao na compreenso da realidade, transformando cada pessoa em um agente de transformao, um cidado mais participativo capaz de intervir em sua comunidade, preparado para o exerccio da cidadania.Qual o sentido de cidadania, neste contexto?Cidadania entendida como o acesso aos bens materiais e culturais produzidos pela sociedade, e ainda significa o exerccio pleno dos direitos e deveres previstos pela Constituio da Rep-blica. Portanto, necessrio sensibilizar esta comunidade e cada um dos seus componentes, para a compreenso e participao mais consciente na sociedade, questionando comportamentos, atitudes e valores, transformando cada um em um homem polti-co, pois afinal: Homem poltico aquele que tem conscincia hist-rica. Sabe dos problemas e busca solues. No aceita ser objeto. Quer comandar o seu prprio destino... Ator, no espectador. Criativo, no produto. Pedro Demo. Pobreza Poltica.Em relao aos alunos, a educao para a cidadania tambm visa desenvolver neles atitudes de auto-estima, respeito mtuo e regras de convivncia que conduzam formao de cidados solidrios, autnomos, participativos e civicamente responsveis. Pretende-se igualmente estimular a participao ativa dos alunos na vida da comunidade em que esto inseridos, pois com o conhecimento adquirido na escola, o aluno se prepara para a vida e passa a ter o poder de se transformar e de modificar o mundo onde vive.A democracia no se refere s ordem do poder p-blico do Estado, mas deve existir em todas as relaes sociais, econmicas, polticas e culturais. Comea na re-lao interindividual, passa pela famlia, a escola e cul-mina no Estado. Uma sociedade democrtica aquela que vai conseguindo democratizar todas as suas insti-tuies e prticas. Tambm importante lembrar que:A formao de uma cultura democrtica nasce do co-nhecimento enquanto instrumento poltico de liberta-o. Ela permitir o desenvolvimento dos potenciais de cada aluno-cidado no meio social em que vive. Roberto Carlos S. Galvo, disponvel em http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2074, acessado em 12 de dezembro de 2008, s 20h35.Neste contexto, como deve ser uma escola democrtica?Sabemos que a escola, alm de ser um lugar de aprendizagem e de convivncia social, deve proporcionar toda a comunidade es-colar um espao onde ocorram relaes humanas de convivncia, baseadas no respeito, na cooperao e na resoluo de conflitos. Para tanto, o desenvolvimento de competncias para a cidadania fundamental. A escola deve favorecer a tomada de conscincia poltica, ensinar cada participante de seu dia-a-dia a fazer uso do As demandas por educao pblica de qualidade21visa emancipao dos sujeitos sociais que esto inseridos em um determinado espao escolar. a partir da percepo do mundo, da sociedade e da educao, que a escola procura desenvolver co-nhecimentos, habilidades e atitudes que iro encaminhar a forma pela qual o indivduo vai se relacionar com a sociedade, com a na-tureza e consigo mesmo. Assim, a escola de qualidade aquela que contribui com a formao dos estudantes nos aspectos culturais, sociais, econ-micos, polticos e ambientais, para o desempenho de seu papel de cidado no mundo, ligado transformao de sua realidade.O ensino de qualidade envolve muitas variveis::: Existncia de ambiente educativo, em que o respeito, a ale-gria, a amizade, a solidariedade, a disciplina, o combate dis-criminao e o exerccio de direitos e deveres que garantam a socializao e a convivncia, desenvolvendo e fortalecen-do a noo de cidadania e igualdade entre todos.:: Direo inovadora, aberta, dinmica, apoiada pela comuni-dade escolar.:: Gesto que envolva a participao da comunidade escolar por meio dos Conselhos, Associaes de Pais e Mestres, en-tre outros rgos de representao.:: Projeto pedaggico participativo.:: Docentes bem preparados intelectual, emocional, comuni-cacional e eticamente, bem remunerados, motivados e com boas condies profissionais.:: Prtica pedaggica que estimule os alunos a buscar a apren-dizagem de forma autnoma.:: Relao afetiva entre professores e alunos que permita aos educadores conhec-los, acompanh-los e orient-los. :: Infra-estrutura adequada, que compreende um espao fsico dotado de organizao, limpeza, funcionalidade e cuidado.A educao emancipadora rompe com qualquer padro de qua-lidade, em decorrncia do prprio desenvolvimento das relaes sociais, no cabendo, portanto, modelos ou esquemas. Pode-se identificar, contudo, alguns atributos de uma escola, como:ser pluralista, porque admite correntes de pensa-mento divergentes com respeito diversidade, ao diferente; ser humanista, por identificar o homem como foco do processo educativo;ser democrtica, porque contribui para a conscienti-zao da comunidade escolar, dando clareza de seu papel poltico como instrumento para a emancipa-o e combate s desigualdades sociais. Agora que tratamos de escola democrtica e emancipadora, voc deve estar pensando:O que uma escola de qualidade? Ser que uma escola considerada de qualidade, cem anos atrs, ainda hoje seria vista assim? provvel que compartilhemos muitas ideias sobre o que uma escola de qualidade. A maioria das pessoas certamente con-corda com o fato de que uma escola boa aquela em que os alunos aprendem coisas essenciais para sua vida, como ler, escrever, re-solver problemas matemticos, conviver com os colegas, respeitar regras, trabalhar em grupo, conviver com as diferenas, preparar-se para o mercado de trabalho... Mas uma educao de qualidade 22Mdulo Fundeb cos, a escola tem condies de intervir para melhorar sua quali-dade conforme seus prprios critrios e prioridades. De qualquer maneira, conforme vimos antes, existem algumas variveis que ca-racterizam uma educao de qualidade, e que podem ser tomadas como indicadores a servir de parmetros para julgamento. Assim, mesmo entendendo a comunidade educativa como a primeira a definir uma escola de qualidade, no se pode e no se deve atribuir a ela a responsabilidade exclusiva pelo julgamento acerca dessa qualidade, menos ainda se antes no lhe forem dados a conhecer parmetros e variveis de uma educao de qualidade. Aps termos falado sobre estes temas to importantes, voc deve estar se perguntando:E como fica a questo da escola no Brasil?Como ocorreu a evoluo do sistema de ensino em nosso pas?Quais os principais fatos que marcaram esta evoluo?Quando o Brasil adotou o ensino pblico?Como financiada a educao pblica brasileira?Vamos l em busca de respostas para todas estas questes.1.3. A escola pblica no Brasil: a luta pela democratizao, gratuidade e o financiamento pblicoAo falarmos sobre o financiamento e a gratuidade do ensino em nosso pas precisamos lembrar que eles foram consequncia de :: Tecnologias acessveis, rpidas e renovadas.:: Alunos motivados, preparados intelectual e emocionalmen-te, com capacidade de gerenciamento pessoal e grupal.:: Garantia de acesso, permanncia e sucesso do aluno na jor-nada escolar. certo que: A escola que busca a qualidade precisa desenvolver o ser social em todas as suas dimenses: no econmico (insero no mundo do trabalho e da produo de bens e servios); no cultural (apropriao, desenvolvimento e sistematizao da cultura popular e cultura universal); no poltico (emancipao do cidado, tornando-o diri-gente do seu destino e partcipe ativo na construo do destino do grupo social ao qual pertence). Disponvel em http://portal.mec.gov.br/seb/index.php?option=content&task=view&id=768&Itemid=808, acessado em 17 de ja-neiro de 2009, s 14h20. Quem pode definir se uma escola tem qualidade ou no?A comunidade escolar onde esta escola est inserida , certa-mente, a primeira a ser capaz de definir se a mesma oferece um ensino de qualidade. Sabemos que no existe um padro ou uma receita nica para definir se uma escola de qualidade. Qualidade um conceito dinmico, reconstrudo constantemente. Cada es-cola tem autonomia para refletir, propor e agir na sua busca pela qualidade da educao. Compreendendo seus pontos fortes e fra-Fidalgo: Indivduo que tem ttulo de nobrezaCompanhia de Jesus: Ordem reli-giosa fundada em 1534 por Incio de Loyola. Os jesutas tiveram grande influncia na Eu-ropa dos sculos XVI e XVII, pois eram educadores e confessores de reis. Em 1549 chegou ao Brasil um grupo de seis mission-rios, liderados por Manuel da Nbre-ga, trazidos pelo governador-geral Tom de Sousa. Fo-ram responsveis pela educao no Brasil por mais de duzentos anos.23 vez que perderam acesso educao as populaes indgenas ou as das regies suburbanas que estudavam nas misses. Em 1772 foi criado o primeiro imposto exclusivo para financiar a manuteno dos ensinos primrio e mdio, inclusive o pagamento dos professores, conhecido por subsdio literrio. Era um impos-to que incidia sobre a carne, o vinho, o vinagre e a cachaa. Alm de representar poucos recursos financeiros, nunca foi cobrado com regularidade e os professores ficavam longos perodos sem receber vencimentos espera de uma soluo vinda de Portugal.Aps a fase pombalina, merecem destaques a mudana na edu-cao brasileira empreendidas com a chegada da Famlia Real ao nosso pas, expulsa de Portugal pelas tropas invasoras da Frana. A corte portuguesa se instalou no Rio de Janeiro e o regente - pessoa que rege, dirige ou governa - D. Joo VI determinou a criao de escolas e cursos superiores que atendiam prioritariamente as fam-lias lusitanas, e tambm gerou o fortalecimento da elite brasileira (minoria social prestigiada e dominante), que passou a deter, alm do poder econmico, o poder intelectual. Neste perodo os inves-timentos na rea educacional eram efetuados pelo governo portu-gus, radicalizado no Brasil at 24 de abril de 1821 e eram obtidos com a cobrana de vrios impostos sobre a populao brasileira. 1.3.2. O Perodo do Imprio (1822 a 1889)O Perodo imperial de nossa histria foi aquele que ocorreu en-tre a proclamao da independncia, em 1822, at o surgimento da Repblica em 1889. Este perodo foi marcado por trs momen-tos importantes:um lento processo histrico. Para facilitar sua compreenso, vamos apresentar os principais fatos que marcaram os mais de quinhen-tos anos da histria da educao no Brasil, de maneira resumida.1.3.1. O Perodo Colonial (1500 a 1822)Quem era responsvel pela educao no Brasil Colonial?Quem financiava a educao neste perodo?Do descobrimento (1500) at a chegada dos jesutas (1549), na expedio de Tom de Sousa, fidalgo portugus indicado primeiro governador-geral do Brasil, a Educao fez-se sem escolas e sem despesas e Portugal no investiu nenhuma moeda no financia-mento da mesma.A prxima fase, de 1549 a 1759, a Educao foi entregue aos je-sutas, que impuseram um sistema escolar baseado na religio, na filosofia e no tradicionalismo. Seu financiamento era garantido a partir das rendas da Igreja, pois a Companhia de Jesus teve conces-ses de terras e privilgios comerciais. No foram aplicados, pela coroa portuguesa, recursos financeiros diretamente educao. Por mais de duzentos anos, a educao era acessvel exclusiva-mente elite branca e aos ndios aculturados.Em 1759 o primeiro ministro portugus, Marqus de Pombal, decidiu expulsar a ordem jesutica de todo o Imprio Portugus, inclusive do Brasil. Mesmo com a atuao de outras ordens religio-sa (beneditinos, carmelitas e franciscanos) que aqui trabalhavam, estabeleceu-se um caos completo nas escolas coloniais.Aps treze anos da expulso dos jesutas, foram introduzidas as aulas rgias, sistema no qual os professores eram nomeados pelo rei, para um cargo vitalcio. Elitizou-se mais a clientela escolar, uma Marqus de Pombal (1699-1782): 1 ministro portugus, realizou reformas polticas influenciadas pelo Iluminismo, dese-volvendo a agricul-tura, o comrcio e as finanas, com base nos princpios do mercantilismo. Aboliu a escra-vido indgena, reorganizou o sis-tema educacional e fundou a Com-panhia das ndias Orientais. Suas re-formas suscitaram grande oposio da nobreza e dos jesutas que foram expulsos das terras portuguesas em 1759. 24Mdulo Fundebtes de provncia eram os responsveis por definir os ordenados dos professores; os professores que no tivessem formao para ensi-nar deveriam providenciar a necessria preparao em curto prazo e s prprias custas; os contedos das disciplinas incluam ensina-mentos sobre os princpios da moral crist e da doutrina catlica e deveria ser dada preferncia ao ensino de leitura, Constituio do Imprio e Histria do Brasil. Novamente o governo afirmava estar preocupado em levar a instruo ao povo, sem providenciar, todavia, os recursos capazes de criar as condies necessrias para a existncia das escolas e para o trabalho dos professores.Aps a renncia de D. Pedro I, o Brasil conviveu com um pero-do de constantes crises e revoltas, conhecido por Periodo Regencial (1831- 1842). Nesta fase foi efetuada a aprovao do Ato Adicional de 6 de agosto de 1834, emenda a Constituio de 1824, que trans-feriu s assembleias legislativas das provncias o poder de legislar sobre a instruo pblica e repassava ao poder local o direito de criar estabelecimentos escolares, alm de regulamentar e promover a educao primria e secundria (artigo 10, pargrafo 2). Ao Go-verno Central ficava reservado o direito, a primazia e o monoplio do ensino superior. Em relao ao financiamento da educao, cada provncia contava com um imposto cobrado sobre a circulao de mercadorias para sustentar o sistema educacional. importante lembrar que a educao prosperava apenas nas provncias com forte mercado interno. Porm, muitas delas logo se defrontaram com as dificuldades para dar instruo de primeiras letras aos seus moradores. Neste perodo, o acesso escolarizao era precrio ou inexistente, tanto por falta de escolas, quanto de professores. Na prxima fase de nossa histria, o reinado de D. Pedro II (1842-1889), duas importantes reformas educacionais foram adotadas com o objetivo de minimizar a grave crise que o pas vivia, porm no clareavam a questo do financiamento da educao:Reforma de Couto Ferraz: buscava regulamentar a reforma do a) ensino primrio e secundrio do Municpio do Rio de Janeiro. A reforma oficializada por meio do Decreto n. 133-A, de 17 de 1 Imprio (1822 a 1831): o pas foi governado por D. Pedro I.Regncias (1831 a 1842): o pas foi governado por regentes, escolhidos pelo congresso da poca (C-mara e Senado). Foi um perodo de constantes cri-ses e revoltas.2 Reinado (1842 a 1889): perodo que D. Pedro II go-vernou o Brasil at a Proclamao da Repblica..Como foi organizada a educao brasileira neste perodo?Quais os grandes fatos que marcaram a educao nesta fase?Como era seu financiamento?Com a declarao da independncia, D. Pedro I proclamado im-perador do Brasil. Em resposta a muitas promessas feitas pelo regen-te, em 1823 foi criada a primeira Assembleia Constituinte e Legislati-va do Brasil para preparar e aprovar nossa primeira Constituio. Em relao educao, a nossa primeira constituio (Constituio de 1824) que vigorou at a Proclamao da Repblica em 1889, definia, em seu artigo 179, pargrafo XXXII (32), que A instruo primria gra-tuita para todos os cidados. Esse texto Constitucional no apontava as origens dos recursos necessrios para financiar esta educao.Para dar conta de gerar uma lei especfica para a instruo nacio-nal, foram promovidos muitos debates sobre a educao popular na Cmara e no Senado. Em 15 de outubro de 1827 foi editada a primeira Lei da Instruo Pblica, estabelecendo que em todas as cidades, vilas e lugares populosos haver escolas de primeiras letras que forem necessrias. Essa lei estabelecia ainda que os presiden-25 1.3.3. A educao nos primeiros tempos da Repblica Para darmos incio ao estudo desta fase, necessrio esclarecer que quando falamos em primeiros tempos da repblica, enfatiza-mos o perodo de 1889 a 1930, ou seja, as primeiras quatro dca-das.Aps a Proclamao da Repblica, o Governo Provisrio, chefia-do por Deodoro da Fonseca, assume a responsabilidade de rees-truturar o Brasil, nos aspectos poltico-administrativos, financeiros, entre outros. Desde os primeiros momentos a educao fez parte da agenda de governo. Pela primeira vez em nosso pas um Mi-nistrio era dedicado instruo pblica: o decreto n. 346, de 19 de abril de 1890, determinou a criao do Ministrio da Instruo Pblica, Correios e Telgrafos e sua direo coube a Benjamin Cons-tant (1836-1891) que props, em 8 de novembro do mesmo ano, uma importante reforma educacional, por meio do decreto 981.A reforma de Benjamin Constant ordenava o ensino no Distrito Federal (na poca a cidade do Rio de Janeiro) e, em termos gerais, defendia o ensino leigo (no religioso) influenciado pelos ideais do Positivismo, que surgiu no final do sculo XVIII. Essa doutrina propunha que a existncia humana deveria ser fundamentada em valores humanos, afastados da religio. Associava uma in-terpretao das cincias e uma classificao do conhecimento a uma tica humana e priorizava as cincias exatas (matemtica).Sem dvida a mudana mais significativa desta reforma foi a lai-cizao do ensino pblico por meio da institucionalizao da liber-dade de culto, o que provocou a expanso dos colgios privados. Iniciava-se, ainda que timidamente, a desoficializao do ensino. Benjamin Constant, no Ttulo VI, artigo 47 deste mesmo documen-to, ainda defendia o estabelecimento de um fundo escolar para auxiliar o desenvolvimento da instruo primria, secundria e normal do Distrito Federal.fevereiro de 1854, estabelecia a inspeo nos estabelecimen-tos de ensino pblicos e privados, as normas para a carreira de professor, o currculo escolar, dentre outros temas.Reforma de Lencio de Carvalho: baseada no Decreto n. 7.247 b) de 19 de abril de 1879, que instituiu, entre outras coisas, a criao de mais escolas tcnicas e a liberdade de ensino, o que possibi-litou o surgimento de colgios protestantes e positivistas. Esta reforma modificou, em parte, o nosso sistema educacional.De forma geral, podemos afirmar que a presena do Estado na educao do perodo imperial era quase imperceptvel. Era eviden-te a contradio da lei que propunha a educao primria para todos, mas na prtica no se concretizava, pois poucas eram as es-colas e poucos eram os professores. A sociedade escravista, autoritria e elitizada era organizada para atender aristocracia e a esta minoria era dado o direito ex-clusivo de se instruir. O pas chegou ao final do sculo XIX com suas estruturas polti-cas e sociais esgotadas, em decorrncia de muitos conflitos. Novas ideias conduziram o Brasil a adotar o sistema republicano em 15 de novembro de 1889. Vamos conhecer, a partir de agora, um pouco da histria da educao brasileira nos primeiros anos do perodo republicano.Voc acha que ocorreram profundas mudanas no sistema educacional?As escolas conseguiam atender toda a demanda existente?Existia alguma sistemtica para financiamento da educao neste perodo?Apresentaremos respostas a estas perguntas.Laicizao: Tornar laico ou leigo; excluir o elemento religioso ou eclesistico de uma organizao de ensino.Benjamin Constant (1836-1891): Militar, professor e estadista brasileiro. Adepto ao positivismo, difundiu sua ideias entre a jovem oficialidade do Exrcito brasileiro. Foi um dos principais ar-ticuladores da Procla-mao da Repblica em 1889, nomeado Ministro da Guerra e, depois, Ministro da Instruo Pblica no Governo Provisrio de Deodoro da Fon-seca.Imperceptvel: aquilo que no se percebe, que no se pode distinguir; insig-nificante.Aristocracia: tipo de organizao social e poltica em que o governo monopoli-zado por um nmero reduzido de pessoas privilegiadas no raro por herana; nobreza; casta; nata.26Mdulo Fundebcia Escolar, concedendo-lhe um status de Polcia Acadmica, passando o Governo a reprimir qualquer manifestao contr-ria as suas decises. Em relao vinculao de recursos para a Educao, sua pro-posta j era discutida no pas em 1921, quando foi realizada a Con-ferncia Interestadual do Ensino Primrio, no Rio de Janeiro, por convocao do Ministrio da Justia. Esta propunha que:os estados que aderissem a este acordo federativo aplicassem, a) pelo menos, 10% de sua receita na instruo primria;a subveno (auxlio financeiro, por via de regra, concedido pe-b) los poderes pblicos) da Unio variasse de 10 a 60% da impor-tncia despendida pelo estado acordante.Nesta proposta o Governo Federal apoiaria os estados par-ticipantes, pois abriria crditos no excedentes ao mximo de 300.000$ (trezentos mil ris) por cada estado. Este programa no foi alm da inteno.Com a urbanizao e o crescimento das atividades comercias e industriais, lentamente a sociedade brasileira passou a exigir mudan-as no sistema educacional, pois o mesmo era marcado pela insufi-ciente oferta de vagas, pelo baixo rendimento, pela discriminao dos iletrados, e pela manuteno da estrutura escolar que no aten-dia a uma sociedade mais complexa.Vamos estudar a partir de agora o perodo que abrange o incio dos anos 30 aos 80. Ser que foram efetuadas mudanas estruturais na educa-o brasileira?Qual a grande novidade deste perodo?Neste contexto de mudanas, em 1891 foi promulgada a pri-meira constituio republicana que consagrou o sistema educa-cional que existia no Brasil desde a poca do Imprio, mantendo a descentralizao e, na prtica, reservou: Unio a responsabilidade sobre a educao superior para todo o pas, o ensino secundrio para os Estados e a educao do Distrito Federal; aos Estados era delega-da a competncia para prover e legislar sobre a educa-o primria e o ensino profissionalizante.Esta situao de no interveno do governo central na auto-nomia das provncias e nos seus sistemas educacionais gerou uma desorganizao completa na educao do pas, ampliando o abis-mo entre a elite e as camadas populares que tinham dificuldade para ter acesso escola.As outras reformas aprovadas durante a Repblica Velha (1889-1930) foram:Lei Orgnica Rivadvia Corra (1911)a) : procurou alinhar-se ao pensamento liberal republicano, ratificando a desoficializao do ensino proposta por Constant, defendendo a autonomia di-dtica e administrativa das escolas.Reforma Carlos Maximiliano (1915)b) : imps a reoficializao do ensino brasileiro. Em certa medida houve retrocesso, pois foi decorrente dessa reforma a criao do exame de vestibular como forma de dificultar o ingresso de jovens ao nvel supe-rior.Reforma Rocha Vaz (1925)c) : ltima reforma da chamada Rep-blica Velha, foi considerada reacionria por ter dado ao Estado brasileiro o direito de controlar ideologicamente o sistema de ensino. Alm de implantar a instruo moral e cvica nos cur-rculos primrios e secundrios, ampliou os poderes da Pol-As demandas por educao pblica de qualidade27Neste documento, os pioneiros, dentre os quais, Fernando de Azevedo (1894-1974), Ansio Teixeira (1900-1971) e Loureno Fi-lho (1897-1970) j apontavam para a instituio de um fundo que especificasse as verbas que deveriam ser includas no oramento pblico a serem aplicadas exclusivamente no desenvolvimento das atividades educacionais. O texto original era o seguinte:A autonomia econmica no se poder realizar, a no ser pela instituio de um fundo especial ou escola, que, constitudo de patrimnios, impostos e rendas prprias, seja administrado e aplicado exclusivamente no desenvolvimento da obra educacional, pelos pr-prios rgos de ensino, incumbidos de sua direo. Manifesto dos Pioneiros da Educao Nova, 1932, p. 50. Dispon-vel em http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb07a.htm, aces-sado em 14 de maio de 2009, s 12h10.1.3.4. A educao dos anos trinta aos anos oitenta Em 1930 o presidente eleito Washington Luis foi derrubado por um movimento armado liderado por Getlio Vargas, que go-vernou o pas at 1945. A crise da produo cafeeira e o processo de urbanizao, puxado pelas indstrias mudaram a realidade do pas, criando inclusive novas exigncias educacionais. A presso pela expanso do sistema escolar foi ampliada e o Estado respon-deu mesma, de maneira improvisada: houve um crescimento na distribuio de oportunidades educacionais, porm sem que a escola tivesse condies de atender demanda existente, com qualidade de ensino. Os recursos pblicos escasseavam, pois eram direcionados para vrias novas demandas: saneamento, rodovias e fontes de energia. Em 14 de novembro de 1930 foi criado pelo decreto 10.402 o Ministrio da Educao e Sade Pblica. Era a segunda vez, no pe-rodo republicano, que se criava uma pasta ministerial para cuidar da educao. nesse perodo que a ideia da criao de um fundo de financia-mento para a educao no Brasil volta tona. Em 1932 foi redigi-do o Manifesto dos Pioneiros (1932), encabeado por eminentes educadores. Lembre-se:O Manifesto dos Pioneiros (da Educao Nova) um do-cumento escrito por 26 educadores, em 1932, que circulou em mbito nacional com a finalidade de oferecer diretrizes para uma poltica de educao. O documento defendia a educao como uma funo essencialmente pblica; a es-cola deveria ser nica e comum, sem privilgios econmicos de uma minoria; todos os professores deveriam ter formao universitria; o ensino deveria ser laico, gratuito e obrigatrio.28Mdulo Fundebrm suas determinaes durariam somente trs anos. Estabelecia, dentre outras coisas:o desenvolvimento da educao responsabilidade da Unio, a) dos Estados e dos Municpios;a necessidade de fixar as diretrizes da educao nacional e ela-b) borar um plano nacional de educao, que compreendesse todos os nveis de ensino. Este plano deveria ter sua execuo acompanhada pela Unio;criao de Conselhos de Educao nos Estados e Distrito Federal.c) A mais importante determinao deste texto legal encontra-se no artigo 156, e previa a vinculao de um percentual mnimo de todos os impostos para a Educao: a Unio e os municpios investiriam 10% de sua receita na manuteno e no desenvolvi-mento dos sistemas educativos e os Estados e o Distrito Federal, nunca menos de 20%. Finalmente a vinculao de recursos para a educao estava estabelecida, embora por pouco tempo.Com o golpe de estado de 1937 e o surgimento do Estado Novo, Vargas iniciou seu governo ditatorial e imps nao a Constitui-o de 1937 que tratava especificamente da questo educacional nos artigos 128 e 134. Em termos gerais, o texto legal no definia claramente o papel da Unio, dos Estados e Municpios em relao educao, porm determinava o ensino cvico, a obrigatoriedade e gratuidade do ensino primrio, o dever do Estado em contribuir com o desenvolvimento da arte, da cincia e do ensino, e ainda definiu que o ensino profissionalizante seria destinado s classes menos favorecidas. No mbito da educao houve um visvel re-trocesso em relao Constituio anterior, ainda que aquela (de 1934) no tenha sido cumprida naquilo que prometia em termos de vinculao dos recursos pblicos para a educao. deste momento a aprovao e o incio da implementao da Reforma Capanema (de 1942 a 1946), que promoveu no ensino brasileiro uma das suas maiores reformulaes, conhecida por Leis Orgnicas do Ensino. Foi um conjunto de reformas promulgadas Fernando de Azevedo (1894-1974): socilogo e edu-cador brasileiro, foi secretrio da educao em So Pau-lo e Rio de Janeiro. Tambm foi redator e o primeiro sig-natrio do Manifesto dos Pioneiros da Educao Nova.Ansio Teixeira (1900-1971): personagem central da histria da educao no Brasil nas dcadas de 1920 e 1930. Difundiu os pressupostos do movimento da Es-cola Nova, que tinha como princpio a nfase no desen-volvimento do intelecto e na capacidade de julgamen-to, em detrimento da memorizao. Reformou o siste-ma educacional da Bahia e do Rio de Janeiro, exercendo vrios cargos executivos. Participou da formulao do Manifesto da Escola Nova, em defesa do ensino pblico, gratuito, laico e obrigatrio.Loureno Filho (1897-1970): educador brasileiro co-nhecido sobretudo por sua participao no movimento dos pioneiros da Escola Nova. Foi duramente criticado por ter colaborado com o Estado Novo de Getlio, toda-via, sua contribuio para a educao brasileira mere-ceria ser melhor estudada. Sua obra nos revela diversas facetas do intelectual educador, extremamente ativo e preocupado com a escola em seu contexto social e nas atividades de sala de aula. Fonte: http://www.centrore-feducacional.com.br/lourefil.htmO manifesto influenciou o direcionamento do ensino contido na Constituio de 1934, fato que inaugurou uma nova fase do financiamento da Educao: a nova Carta Magna, aprovada pela Assembleia Constituinte, foi a primeira que contou com captulo especfico (artigos 148 a 158) referente Educao (e Cultura), po-Estado Novo: Perodo da histria republi-cana brasileira que vai de 1937 a 1945, quando Getlio Vargas era presidente do Brasil. Mar-cado por forte concentrao de poder no Execu-tivo Federal. Foi um dos perodos mais autoritrios da histria do pas.As demandas por educao pblica de qualidade29educacional, aparece pela primeira vez em uma Constituio brasileira a expresso diretrizes e bases, referindo-se educa-o em mbito nacional. Em termos gerais, a Carta Magna de 1946 aumentou a responsabilidade da Unio e dos municpios em relao educao. Por exemplo, referente vinculao dos recursos oramentrios, a Carta prev:Art. 169 - Anualmente, a Unio aplicar nunca menos de dez por cento, e os Estados, o Distrito Federal e os Municpios nunca menos de vinte por cento da renda resultante aos impostos na manuteno e desenvolvi-mento do ensino. Aprovao da 1 Lei de Diretrizes e Bases para a Educao c) Nacional (1961): Com o objetivo de colocar em prtica a de-terminao contida na Constituio de 1946, de construir uma lei de diretrizes educacionais, o ministro da Educao e Sade do governo Dutra, Clemente Mariani, constituiu uma comisso de educadores incumbida da elaborao de um projeto para a LDBEN. Essa comisso abarcou representantes das mais di-versas tendncias e elaborou um projeto que foi enviado ao Congresso em 1948, e arquivado em 1949, graas ao esforo de Gustavo Capanema, ex-ministro da ditadura Vargas. O citado projeto s comeou a ser discutido naquela casa em 1957. Os debates ocorridos giraram em torno da questo centralizao versus descentralizao do ensino e escola privada versus esco-la pblica. Em relao estrutura do ensino, manteve-se o pri-mrio de quatro anos. O ensino ginasial de quatro anos, subdi-vidido em: secundrio, comercial, industrial, agrcola e normal. O ensino colegial era de trs anos, subdividido em: comercial, agrcola e normal e ensino superior.J a Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional (Lei n 4.024/61) preceituava em seu art. 92, caput:por Gustavo Capanema, Ministro da Educao no Estado Novo. Por ele foram promulgadas as seguintes leis e decretos: Lei n 4.244/42 Lei do Ensino Secundrio; Decreto- lei n 4.073/42 Ensino Indus-trial; e Decreto-lei n. 4.048/42 que criou o SENAI. Tambm desta poca a criao do Fundo Nacional do Ensi-no Primrio - FNEP, institudo pelo Decreto n. 4.958/42, que tinha por objetivo a ampliao e melhoria do sistema escolar primrio de todo o pas. Este fundo, constitudo de tributos federais cria-dos para este fim, previa a aplicao dos recursos pelos Estados e Territrios, mediante a assinatura de convnios. Esses convnios pressupunham assistncia tcnica e financeira da Unio no desen-volvimento deste ensino nos Estados, desde que estes aplicassem um mnimo de 15% da renda proveniente de seus impostos em ensino primrio, chegando-se a 20% em cinco anos. Por sua vez, os Estados se obrigavam a fazer convnios similares com os Muni-cpios, mediante Decreto-lei estadual, visando repasse de recursos, desde que houvesse uma aplicao mnima inicial de 10% da ren-da advinda de impostos municipais em favor da educao escolar primria, chegando-se a 15% em cinco anos. Em 1944, o Decreto-lei n. 6.785 cria a fonte federal de onde proviriam tais recursos: um imposto de 5% incidente sobre consumo de bebidas.Com o fim do Estado Novo, inicia-se a fase republicana conheci-da por Repblica Populista (1945-1964), que se caracterizou pela chegada ao poder de lderes denominados populistas. No campo educacional, essa fase foi marcada, pela(o):Concluso da Reforma Capanema:a) completada em 1946, quando o pas j estava livre da ditadura Vargas. Nesse mesmo ano, entraram em vigor, algumas leis que a complementariam, dentre elas, o Decreto-lei n. 9.613/46 que tratava do ensino agrcola, o Decreto-lei n. 8.529/46 do ensino primrio e os De-cretos-lei n. 8.621 e 8.622/46, criando o SENAC.Promulgao da Constituio de 1946:b) inaugurou um regi-me liberal-democrtico, baseado no direito de todos, conce-bendo ao Estado o papel de propiciar esse direito. No aspecto Populista: aque-le que pratica a poltica fundada no aliciamento das classes sociais de menor poder aquisitivo.30Mdulo Fundeb:: a etapa educacional atendida era o ensino primrio e a faixa etria atendida: 7 a 11 anos;:: os investimentos obedeceriam as seguintes orientaes: 55% para o pagamento dos salrios dos professores; 7% para administrao e servios; 13% para a biblioteca e ma-terial de ensino; 15% para assistncia, alimentao e sade; e 10% para prdios e equipamentos. Portanto, 45% do custo total da escola se originariam das despesas no vinculadas ao pagamento dos professores;:: seriam criados Conselhos (nacional, estaduais e municipais) autnomos que gerenciariam os fundos. Em suma, a proposta de Ansio Teixeira: prope o clculo do custo/aluno/ano a partir da definio do salrio do professor, ex-pressando-se a uma preocupao real com a qualidade do ensino sem se preocupar inicialmente com o volume total de recursos a ser aplicado; prev um Conselho de Educao forte e com poderes para controlar a aplicao dos recursos do fundo e no apenas fis-calizar; prega uma educao para todos, quando considera todas as pessoas da faixa etria e no apenas as matriculadas, e estabele-ce um fundo de carter permanente, o que permitiria um contnuo aperfeioamento e sua definio, aplicao e fiscalizao.Surgimento dos Movimentos de Educao Popular:e) contri-buram para fortalecer a ideia de democratizao do ensino. Tais movimentos, surgidos em meados da dcada de 60, ti-nham como fundamento inserir a populao adulta na vida po-ltica do pas. Dentre eles podemos citar os Centros Populares de Cultura, os Movimentos de Cultura Popular e o Movimento de Educao de Base. O primeiro (CPC) mantinha uma estreita relao com a Unio Nacional dos Estudantes (UNE), defendia a utilizao de tcnicas do teatro de rua como forma de retratar os acontecimentos cotidianos, mas em linguagem compreen-svel pela populao. O segundo (MCP) fixou sua atuao na regio Nordeste do pas, em funo de exercer uma atividade A Unio aplicar, anualmente, na manuteno e de-senvolvimento do ensino, 12% (doze por cento), no m-nimo, de sua receita de impostos e os Estados, o Dis-trito Federal e os Municpios, 20% (vinte por cento), no mnimo.Reformulao do Fundo Nacional do Ensino Primrio - d) FNEP, institudo pelo Decreto n. 4.958/ 42: o educador An-sio Teixeira, na dcada de 1960, preocupado com o financia-mento da educao, apresentou uma proposta de reformular o FNEP para garantir recursos permanentes para o ensino prim-rio oficial, que por determinao constitucional (Constituio de 1946) deveria ser gratuito. Em termos gerais, a ideia de An-sio era redistribuir, por meio do fundo, entre municpios de um Estado da federao os recursos j existentes para essa etapa da educao, a partir da pr-fixao de um custo mdio anual, nacional, do aluno. O Fundo, de carter permanente, idealizado por Teixeira, previa que::: o custo/aluno/ano seria calculado a partir da definio do salrio do professor (no inferior a 1,5 salrio mnimo regio-nal vigente poca para uma carga de trabalho dirio de 6 horas);:: era composto por 20% das receitas de impostos dos mu-nicpios e Estados e 10% da receita de impostos da Unio, conforme determinao da Constituio de 1946. Se fosse necessrio, novos impostos seriam incorporados, alm da vinculao constitucional; :: os municpios que no atingissem o custo/aluno/ano com recursos prprios e estaduais receberiam uma complemen-tao da Unio;As demandas por educao pblica de qualidade31 aprovaram a Lei n 5.692/71, Lei de Diretrizes e Bases da Educa-f) o, que fixou as bases para o ensino de 1 e 2 graus, baseadas nos acordos MEC/USAID. Os tcnicos americanos efetuaram a reforma da educao pblica, em que os cursos primrio (5 anos) e ginasial (4 anos) foram fundidos, sendo chamados de primeiro grau, com 8 anos de durao e o curso cientfico fun-dido com o clssico passou a ser denominado segundo grau, com 3 anos de durao. O curso universitrio passou a ser de-nominado terceiro grau. demonstraram o predomnio da percepo economicista so-g) bre a educao, que defendia relao direta entre a produo e a educao.Em termos gerais os militares no conseguiram resolver a falta de oferta de vagas e a radicalizao das ideias da camada estu-dantil e intelectual, que ganhavam um carter poltico-ideolgico, se acirrou. Tambm empreenderam na educao nacional um esprito tecnocrtico e a mesma voltou-se para a preparao de mo de obra eficiente, originada das camadas populares, para o capitalismo industrial que se desenvolvia. Assim, tornou-se obri-gatrio o ensino profissionalizante no nvel mdio em todos os estabelecimentos. Na prtica, tal obrigatoriedade teve dificuldade de se efetivar e resultava, via de regra, em formao deficitria e desconectada das demandas da sociedade.Nos governos militares foi iniciado um perodo de lutas sociais pela volta da vinculao constitucional dos recursos para a educa-o, tendo como figura de destaque o senador Joo Calmon, que em 1974 publica o livro A Educao e o Milagre Brasileiro, denun-ciando a corroso dos recursos destinados Educao no pero-do militar. Aps vrias tentativas, em 11 de agosto de 1983 voltou carga as presses de Calmon que conseguiu fazer aprovar sua emenda, que elevou os mnimos estabelecidos anteriormente: sistemtica, requeria o apoio oficial do Estado, esse movimento foi responsvel pela deflagrao da campanha de p no cho tambm se aprende a ler, ocorrida no Rio Grande do Norte. Por ltimo, temos o MEB, ligado Confederao Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Unio. Estes movimentos foram si-lenciados a partir de 1964.Em 31 de maro de 1964, o Golpe Militar deu incio a outra fase de nossa histria, a Ditadura Militar, que se estendeu at meados da dcada de oitenta (1985). Essa fase foi marcada pela falta de democracia (autoritarismo), pela supresso de direitos constitucio-nais, pelo fim dos direitos polticos e sociais, pela censura, pela re-presso poltica e pela cessao, pela fora, do protesto social. Em relao educao, de maneira geral, os governos militares, dentre outras aes:Revogaram as vinculaes de porcentagens de arrecadao de a) impostos, forando o crescimento da oferta complementar de ensino privado. A vinculao de recursos perdeu o status cons-titucional e ficou limitada aos municpios.Instituram, pela Lei 4.440, de 27 de outubro de 1964 o salrio b) Educao, uma contribuio social recolhida pelas empresas, que passou a constituir uma fonte adicional de financiamento da expanso do ensino primrio/fundamental. A legislao re-ferente a esta contribuio sofreu alteraes durante os anos de ditadura militar. Aprovaram a Constituio de 1967, devidamente emendada c) em 1969. Declarava que a educao era um direito de todos e dever do Estado. Reformaram o ensino superior (Lei n 5.540/68) com o objetivo d) de atender s exigncias, tanto dos professores e estudantes, quanto as dos empresrios ligados ao regime militar, que viam a educao superior como um comrcio.Assinaram os e) acordos MEC/USAID. Acordos MEC-USAID: assina-dos a partir de 1966 com os Estados Unidos tinham por objetivo aperfei-oar o modelo educacional brasileiro.32Mdulo Fundebtuio de 1988, no propsito de instaurar a democracia no pas e de institucionalizar os direitos humanos. A norma constitucional consagrou, desde o seu Ttulo I: Dos Princpios Fundamentais, a nova concepo de cidadania: o cidado torna-se o indivduo a quem so conferidos direitos e deveres. A Carta de 1988, assim, foi a primeira a explicitamente prescrever que os direitos sociais so direitos fundamentais, que impossvel separar o valor da liberda-de (direitos civis e polticos) do valor da igualdade (direitos sociais, econmicos e culturais). E, baseando-se na crena de que a educa-o o melhor caminho rumo a uma sociedade mais justa e pacfi-ca, os participantes da Assembleia Constituinte definiram que:A educao, direito de todos e dever do Estado e da famlia, ser promovida e incentivada com a colabora-o da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exerccio da cidadania e sua qualificao para o trabalho. Constituio Federal de 1988, Art. 205.Como voc pode perceber, a nossa constituio estabeleceu que: :: a educao um direito de cada cidado, de todos ns que formamos a sociedade brasileira;:: os responsveis por assegur-la so o Estado e a famlia, ou seja, entrega ao Estado e ao cidado a tarefa de educar (de-ver) e ser educado (direito) para exercer a cidadania. assim que passa a vigorar a noo de Educao como Direito Pbli-co Subjetivo. E ainda este mesmo texto legal, em seu artigo 206, ao determi-nar os princpios do ensino, estabeleceu, dentre outros:Artigo nico O artigo 176 da Constituio Federal passa a vigorar com o acrscimo do seguinte pargra-fo:4 - Anualmente, a Unio aplicar nunca menos de tre-ze por cento, e os Estados, o Distrito Federal e os Mu-nicpios vinte e cinco por cento, no mnimo, da receita resultante de impostos, na manuteno e desenvolvi-mento do ensino.A Emenda Calmon no foi cumprida no governo Figueiredo o que chegou, inclusive, a gerar um pedido de impeachment. Com a campanha presidencial que se seguiu, o candidato Tancredo Ne-ves comprometeu-se com o cumprimento da Emenda. A regula-mentao veio com a Nova Repblica, durante o governo Sarney, atravs da Lei n 7.348/85. Assim, a Emenda Calmon, aprovada em 1983, foi aplicada somente em 1986, a partir do oramento votado em 1985. Finalmente o ensino pblico e gratuito, financiado por impostos vinculados, acabou prevalecendo.1.3.5. A educao e o processo de (re)construo da democracia no BrasilO fim do regime militar trouxe muitas mudanas para o pas?Quais as grandes mudanas que foram feitas para democrati-zar a educao e promover seu financiamento?Rompendo com o autoritarismo do regime militar, a nova or-dem social que surgiu com a redemocratizao aprovou a Consti-Educao como Direito Pblico Subjetivo: o Estado tem o dever de ofertar educao escolar e, ao mesmo tempo, fazer com que as pessoas em idade escolar obrigatria frequentem as aulas, sob pena de os correspon-dentes gover-nantes serem imputados em penalidades. De outro lado, as pessoas em idade escolar que se negarem a frequentar a escola, seus pais ou responsveis, tambm podem ser penalizados.As demandas por educao pblica de qualidade33A Unio aplicar, anualmente, nunca menos de 18%, e os Estados, o Distrito Federal e os Municpios 25%, no mnimo, da receita resultante de impostos, compreen-dida a proveniente de transferncias, na manuteno e desenvolvimento do ensino.Constituio Federal de 1988, Art. 212.Lembre-se:Receita a soma de valores recebidos durante um deter-minado perodo de tempo. No setor pblico, a soma de impostos, taxas, contribuies e outras fontes de recursos arrecadados para atender s despesas pblicas.Imposto a transferncia obrigatria de dinheiro ao gover-no, por parte de indivduos ou instituies; tributo.Transferncias correspondem a parcelas de recursos arre-cadados pelo Governo Federal e repassados aos Estados e Municpios, ou arrecadados pelos Estados e repassados aos Municpios, por fora de dispositivo da Constituio Federal.Certamente voc percebeu que no artigo 212, antes das por-centagens estabelecidas (18% para a Unio e 25% para Estados, Distrito Federal e Municpios) aparece a expresso no mnimo. Isso significa que a unidade federativa pode aprovar em sua Lei Orgnica ou em sua Constituio Estadual um percentual maior do que o determinado na constituio Federal, porm nunca de valor menor.IV - gratuidade do ensino pblico em estabelecimentos oficiais;Para que a gratuidade do ensino pblico fosse alcanada, o pr-prio texto legal, em um de seus dispositivos estabeleceu a vincula-o da receita de impostos para o financiamento da educao. Como voc viu no Mdulo de Competncias Bsicas, a Constituio Fe-deral, em seu artigo 212, definiu a porcentagem de recursos que a Unio, os estados, o Distrito Federal e os municpios devero aplicar na manuteno e desenvolvimento do ensino.Voc se lembra destas porcentagens? Vamos relembrar... Figura1: Porcentagem de investimento obrigatrio em educao - Constituio de 1988.Unio Mnimo18%Estado, Distrito Federale MunicpoMnimo25% E como o texto legal que fundamenta estas porcenta-gens?34Mdulo Fundebms a ms, isto , pode ocorrer a aplicao em percentuais inferiores em fraes do exerccio. necessrio, portanto, um planejamento para que a aplicao anual exigida seja cumprida pelos entes governamentais.Quais so as consequncias para o governo federal, para os estados, para o Distrito Federal e municpios da no aplicao dos percentuais, exigidos por lei, na educao?O que poder acontecer com os gestores pblicos?A situao muito sria! A no aplicao do mnimo exigido da receita resultante de impostos na manuteno e desenvolvimento do ensino sujeita:o estado e o Distrito Federal interveno da Unio (CF, art. 34, a) VII, e);o municpio interveno do Estado (CF, art. 35, III);b) rejeio das contas pelo Tribunal de Contas e pelo Poder Legis-c) lativo;a impossibilidade de recebimentos de repasses de transfern-d) cias voluntrias (celebrao de convnios) de rgos da ad-ministrao estadual e federal (no caso de municpios) e com rgos da administrao federal (no caso de Estados e Distrito Federal) (art. 76 e 87, 6, da LDB, art. 25, 1, IV, b, da LRF); a impossibilidade de realizao de operaes de crdito junto a e) instituies financeiras. Os gestores pblicos (presidente da repblica, Ministro da Edu-cao, governador, prefeito e secretrios de educao estaduais e municipais) podem ter de enfrentar processos por crime de res-ponsabilidade, de improbidade administrativa, pelo crime previsto no Cdigo Penal, art. 315 (aplicao de verba pblica diversa da Voc sabia que estes recursos no podem ser investidos em outras aes, como segurana, sade, infra-estrutura ou habitao?Isto mesmo! So os chamados recursos vinculados e devem ser aplicados exclusivamente na educao. De acordo com a Lei 9.394/1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional LDB, (art. 69), os recursos devem ser destinados manuteno e desen-volvimento do ensino pblico. Alguns aspectos da vinculao de recursos para a educao merecem destaque, dentre os quais:os percentuais incidem sobre a receita lquida dos seguintes a) impostos::: No caso da Unio: deduzir previamente da receita bruta de imposto a parcela transferida para estados, Distrito Federal e municpios, alm dos recursos dirigidos aos fundos consti-tucionais regionais e Desvinculao das Receitas da Unio DRU e somar os recursos de multas, juros e da dvida ativa de impostos.:: No caso dos estados: deduzir previamente, da receita bruta de Impostos, a parcela transferida aos municpios e somar os recursos transferidos pela unio, bem como o valor prove-niente de multa, juros e da dvida ativa de impostos.:: No caso do Distrito Federal e dos municpios, fazer incidir o percentual de 25% sobre toda a receita de impostos (pr-prios e transferidos), inclusive os recursos proveniente de multa, juros e da dvida ativa de impostos.a obrigao prevista tem carter de aplicao anual, isto , b) no h necessidade de aplicar o percentual mnimo obrigatrio Crime de responsabili-dade: infraes poltico-administrativas cometidas no desempenho das funes pblicas, pelo(s): presidente da repblica, ministros de Es-tado, ministros do Supremo Tribunal Federal, procurador-ge-ral da Repblica, do advogado-geral da Unio, governadores, integrantes do Ministrio Pblico e outras autoridades.Recurso vinculado: corresponde receita ou parcela de receita que arrecadada com destinao espe-cfica a um determi-nado setor, rgo ou programa, de acordo com a legislao vigente.As demandas por educao pblica de qualidade35Em meados da dcada de noventa, havia uma conscincia na-cional sobre o abandono da escola pblica, principalmente nas redes municipais, e da desvalorizao salarial do magistrio, tanto estadual como municipal. Discutia-se a necessidade de alavancar mais recursos federais, estaduais e municipais para a educao pblica. Percebia-se, tambm, a necessidade de maior equidade e controle na distribuio de verbas. Foi neste contexto que surgiu o Fundef.Em resposta a uma grande demanda social surgiu em 1996 o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorizao do Magistrio (Fundef), que foi o resultado de uma mudana na estrutura de financiamento do Ensino Fundamental. Este Fundo era composto por recursos vinculados que Estados, Distrito Federal e Municpios (25%) eram obrigados a investir na educao por determinao constitucional. Estes recursos tinham por base a arrecadao sobre os fundos (FPE, FPM) e os tributos (ICMS, IPI-Exportao e Receita da Lei Kandir), e representava 15% da arrecadao dos mais importantes impostos de estados e muni-cpios. No quadro a seguir so identificados estes tributos:prevista em lei). Ainda, com base na legislao eleitoral, podero tornar-se inelegveis.Lembre-se:Improbidade administrativa o ato cometido por agen-te pblico, durante o exerccio de funo pblica ou de-corrente desta, que importa vantagem ilcita, que causa prejuzo ao errio, ou que atenta contra os princpios da administrao pblica.Depois de estudarmos a vinculao da receita de impostos para o financiamento da educao, vamos falar do ltimo assunto desta unidade: o Fundef.1.3.6. O Fundef e o financiamento do ensino fundamentalO que foi o Fundef? Porque ele foi criado? Quais eram seus objetivos? Como ele era composto?Quais eram os critrios adotados para sua execuo e como ele funcionou?Para boa parte destas perguntas voc j tem respostas, no verdade? Vimos este contedo no Mdulo de Competncias Bsi-cas, quando estudamos a Unidade III, Financiamento da educao Bsica. A nossa proposta fazer uma pequena reviso deste tema to importante para que possamos compreender o Fundeb. Ento, vamos l?36Mdulo FundebQuadro n 1: Composio do FundefFundos/Tributos Descrio Porcentagemda arrecadaoFundo de Participao do Esta-do - FPETransferncia constitucional, prevista no art. 159, inciso I, alnea a, da Constituio Federal, formada por 21,5% da arrecadao lquida do Imposto sobre a Renda e Pro-ventos de Qualquer Natureza IR e do Imposto sobre Produtos Industrializados IPI, sendo arrecadadas pela Secretaria da Receita Federal SRF15%Fundo de Participao do Muni-cpio - FPMTransferncia constitucional (CF, Art. 159, I, b), formada por 22,5% da arrecadao do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados. A distribuio dos recursos aos Municpios realizada de acordo o nmero de habitantes.Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Servios - ICMSPrevisto no art.155, II, da Constituio, um imposto estadual, ou seja, somente os Governos dos Estados do Brasil e do Distrito Federal tm competncia para institu-lo. O principal fato gerador para sua incidncia a circulao de mercadoria, mesmo que se inicie no exterior.IPI-ExportaoParte correspondente a 10% do IPI (imposto federal, ou seja, somente a Unio tem competncia para institu-lo, conforme Art.153, IV, da Constituio Federal), que distribuda aos Estados proporcionalmente ao valor das respectivas exportaes, na forma prevista no art. 159, II, sendo que este repartem com os municpios, conf,. art. 159, 3.Lei Complementar n 87/96 (Lei Kandir)Prev o ressarcimento, pela Unio, em favor dos Estados e Municpios, a ttulo de compensao financeira pela perda de receitas (iseno de cobrana) assegurada para desonerar (baratear) exportaes de produtos primrios. A distribuio dos recursos do Fundef entre as redes estaduais e municipais era baseada no nmero de matrculas no Ensino Funda-mental, apuradas pelo Censo Escolar do ano anterior. Com isso chegava-se a um valor por aluno estadual: se este valor fosse inferior a um valor mnimo estabelecido pela Unio, o governo federal garantia uma complementao financeira mensal aos entes governamentais localizados no respectivo estado. Ainda, do valor do Fundo repassado a ente governamental, 60% devia ser destinado ao pagamento dos profissionais do magistrio em exerccio no Ensino Fundamental.As demandas por educao pblica de qualidade37Como ocorriam as denncias de irregularidades?A legislao do Fundef estabelecia que as denncias sobre irre-gularidades na aplicao dos recursos do Fundo fossem formaliza-das e encaminhadas ao Ministrio Pblico, para que a Promotoria de Justia promovesse a ao competente no sentido de obrigar o Poder Executivo a cumprir as determinaes contidas na lei do FUNDEF. Tambm deveriam ser encaminhadas ao Tribunal de Con-tas a que o Municpio/Estado esteja jurisdicionado, tendo em con-ta a competncia do Tribunal na forma prevista no art. 11 da Lei n. 9.424/96.Quais foram os pontos positvos e negativos do Fundef?O Fundo funcionou por nove anos (entre 1998 e 2006) e seus principais pontos negativos foram: a prtica do baixo valor mni-mo por aluno/ano, a pequena contribuio da Unio no montan-te do Fundo, a ineficincia dos conselhos de acompanhamento e controle social e a no cobertura da educao infantil, do ensino mdio e da Educao de Jovens e Adultos.Por outro lado, o Fundef contribuiu, de forma mais acentuada, para a incorporao e manuteno de alunos do ensino fundamen-tal nas redes pblicas estaduais e municipais de ensino fundamen-tal e para a melhoria da remunerao do magistrio dessa etapa da educao bsica, particularmente onde os salrios praticados eram muito baixos. Seu principal mrito talvez tenha sido o de Criado pela Emenda Constitucional n. 14, de setembro de 1996, e regulamentado pela Lei n. 9.424, de 24 de dezembro do mes-mo ano, e pelo Decreto n 2.264, de junho de 1997, o Fundef foi implantado, nacionalmente, em 1 de janeiro de 1998, quando passou a vigorar a nova sistemtica de redistribuio dos recursos destinados ao Ensino Fundamental.Quais eram os principais objetivos do Fundef?Seus principais objetivos eram criar no pas::: um sistema de financiamento que assegurasse um ensino de qualidade para todos os alunos do ensino fundamental da rede pblica;:: mecanismos de transferncias de recursos entre os trs nveis de governo (federal, estadual ou distrital e municipal) que bus-quem diminuir as desigualdades observadas no sistema educa-cional nacional.Como era feito seu acompanhamento social?Como vimos no mdulo Competncias Bsicas, qualquer pessoa poderia acompanhar a aplicao dos recursos do FUNDEF em seu Estado e em seu Municpio, mediante participao do Conselho de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEF. Este Conselho, obrigatrio por lei, tinha a atribuio de supervisionar a aplicao dos recursos do Fundo e acompanhar o Censo Escolar anual. Emenda Constitucio-nal: a modificao imposta ao texto da Constituio Federal aps sua promulga-o. Sua aprovao da competncia da Cmara dos Depu-tados e do Senado Federal.38Mdulo FundebEm SnteseNesta unidade falamos sobre a relao existente entre de-mocracia, participao e educao e o processo de luta por uma escola pblica, gratuita e de qualidade que a socieda-de brasileira empreendeu por muitos anos. Estudamos, de maneira objetiva, as caractersticas, a legislao, e as diver-sas polticas pblicas adotadas em cada etapa da educa-o no Brasil, desde o perodo colonial at os dias de hoje. Verificamos o processo de vinculao de porcentagens dos impostos recolhidos pelo governo federal, pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municpios educao, ideia que era discutida no Brasil ainda no incio do sculo XX e estava presente no Manifesto dos Pioneiros de 1932. A vinculao apareceu pela primeira vez na Constituio de 1934, porm foi deixada de lado pelos governos militares. Somente com a Emenda Calmon de 1983, a mesma volta a ser efetivamen-te observada no Brasil. Neste sentido, foi dado destaque ao Fundo de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino Funda-mental e de Valorizao do Magistrio Fundef, criado em 1996 com os objetivos de financiar a manuteno de alunos matriculados no ensino fundamental nas redes pblicas es-taduais, distrital e municipais e promover a melhoria da re-munerao do magistrio dessa etapa da educao bsica.proporcionar uma melhor redistribuio dos recursos financeiros a serem investidos na educao, mediante a utilizao de critrio ba-seado no nmero de alunos matriculados no ensino fundamental, com o objetivo de atenuar a enorme desigualdade regional exis-tente no Brasil. Vale ressaltar, tambm, a contribuio do Fundef para a transparncia e visibilidade na aplicao dos recursos rece-bidos para a educao e o devido aperfeioamento do processo de gerenciamento oramentrio e financeiro no setor educacional.AtividadesAps esta breve reviso do Fundef, pegue seu caderno de ativi-dades e realize as atividades 1 a 5.No prximo captulo estudaremos o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Pro-fissionais da Educao Fundeb.Uma nova ordem: o Fundeb e a EducaoUnidade IIUma nova ordem: o Fundeb e a Educao41:: compreender como so tratados os recursos do Fundeb por estado e Distrito Federal; :: identificar, em relao ao Fundeb: os beneficirios diretos dos recursos do Fundo; os diversos segmentos da educao bsica que so aten-didos; a progressividade do ingresso de recursos e matrculas; a sua vigncia; os parceiros da rede de relacionamento responsvel pela execuo do Fundeb e suas responsabilidades; os mtodos utilizados pelo governo federal para divulgar informaes sobre o Fundo.2.1. Conhecendo melhor o Fundeb2.1.1. Aspectos geraisPara comearmos a conversar sobre o Fundeb, leia a notcia abaixo, publicada na Revista Filantropia no ano de 2007, pois re-trata um pouco a forma como o Fundeb era percebido pelos espe-cialistas em educao, no momento em que ele era aprovado: De fato, o Brasil investe muito pouco em educao pblica, mesmo quando comparado com os pases vi-zinhos da Amrica Latina, como Chile, Argentina e M-xico [...] O Brasil gasta menos de mil dlares por aluno/ano, enquanto que estes pases investem em torno de dois mil dlares [...] Felizmente, para corrigir as limita-es do Fundef [...] surge agora uma esperana a toda aIntroduoComo voc pde perceber na unidade anterior a sociedade brasileira, lentamente, por meio de muitos movimentos de luta democrtica, conseguiu conquistar o direito escola pblica gra-tuita, direito este que est sacramentado na Constituio Federal de 1988. Na mesma unidade falamos sobre o processo de financiamen-to da educao brasileira, inclusive comentamos sobre o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorizao do Magistrio Fundef, que vigorou em nosso pas por nove anos, de 1998 at 2006.Qual era a finalidade do Fundef?Como poderiam ser utilizados os recursos deste fundo?Os recursos do Fundef financiavam a manuteno de alunos matriculados exclusivamente no ensino fundamental nas redes pblicas estaduais, distrital e municipais. Tambm permitiu a melhoria da remunerao do magistrio dessa etapa da educao bsica, particularmente em regies onde os salrios praticados eram muito baixos. A partir deste momento iniciaremos outra etapa de nosso estu-do: vamos avaliar de maneira mais detalhada o Fundo de Manu-teno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fundeb.No final desta unidade esperamos que voc seja capaz de::: conhecer os aspectos gerais do Fundeb: objetivos, caracters-ticas, justificativa de sua existncia, legislao pertinente e origens dos recursos financeiros;42 educao bsica [...] foi aprovado pelo Congresso Na-cional o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao (Fundeb) [...] Este novo alento para a educa-o surge num momento em que o pas tambm acor-da para a construo de um projeto [...] para sua edu-cao pblica [...] E o Fundeb um passo decisivo para vencer este desafio, que deve ser, de fato, de todos os brasileiros. Texto disponvel em: , acessa-do em 17/12/2008, s 12h10.Voc se lembra da definio do Fundeb? Sabe como ele est organizado? Conhece a sua finalidade e suas metas de atendimento??De maneira gradativa, ou seja, passo a passo, responderemos nesta unidade a todas estas questes. Para comear, em um pri-meiro momento, precisamos definir este fundo:O Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fun-deb, criado pela EC n. 53/2006 e regulamentado pela Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, um fundo especial, de natureza contbil, de mbito estadual, formado por recursos provenientes dos impostos, transferncias e contribuies dos Estados, Distrito Federal e Municpios, e complementa-do por recursos federais.Voc deve estar se perguntando:O que significam os termos fundo especial, fundo de mbito estadual, e fundo de natureza contbil?Vamos iniciar nosso estudo sobre o Fundeb, buscando enten-der a ideia de fundo especial. Para isso, precisamos dar uma olha-da no artigo 71 da Lei 4.320, de 17 de maro de 1964: Constitui fundo especial o produto de receitas espe-cificadas que, por lei, se vinculam realizao de de-terminados objetivos ou servios, facultada a adoo de normas peculiares de aplicao.Se trouxermos esta definio para a realidade do Fundo, po-demos notar que existem trs razes para afirmar que ele um fundo especial. O Fundeb::: formado por receitas especficas;:: possui objetivos determinados;:: possui normas prprias para aplicao de seus recursos.Mas, o que isso significa, na prtica? Vamos explicar melhor cada uma destas afirmativas.1 Razo: Ele composto por um conjunto de impostos, inclu-sive transferncias constitucionais, das trs esferas (campo, setor, ou ramo dentro do qual se exerce uma atividade, poder ou autori-dade) de poder, em cumprimento Constituio Federal:Transferncias constitucionais: ocorrem da esfera da Unio para os estados e Distrito Fede-ral, e tambm desses para os seus respectivos municpios.Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao43I - educao bsica, formada pela educao infantil, ensino fundamental e ensino mdio;II - educao superior. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, artigo 21.Agora voc j sabe que os recursos recolhidos para compor o Fundeb s podem ser utilizados para financiar a educao infantil (creches e pr-escolas), o ensino fundamental e o ensino mdio, em todas as suas etapas, modalidades e tipos de estabelecimen-tos, oferecidos nas redes pblicas (estadual, distrital e municipal).Em relao ao fundo especial ter um objetivo especfico de fi-nanciar a educao bsica pblica, aqui cabe uma pergunta: Somente os alunos das escolas pbli-cas podero ser considerados para efeito de repasses de recursos do fundo? Para esta pergunta a resposta No. A lei permite que os alu-nos das instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas, sem fins lucrativos e conveniadas com o poder pblico, na oferta de educao infantil e especial, tambm sejam considerados para efeito de repasses dos recursos. Mas importante destacar que os recursos (mesmo quando so considerados os alunos dessas ins-tituies) so creditados nas contas dos Estados e Municpios, que podero repass-los a essas instituies conveniadas, de acordo com os critrios definidos nos correspondentes convnios. A Unio, os Estados, o Distrito Federal e os Municpios devero assegurar, no financiamento da educao b-sica, a melhoria da qualidade de ensino, de forma a garantir padro mnimo definido nacionalmente. CF, Artigo 60, inciso XII, 1E ainda,[...] os Estados, o Distrito Federal e os Municpios des-tinaro parte dos recursos [...] manuteno e desen-volvimento da educao bsica e remunerao con-digna dos trabalhadores da educao, respeitadas as seguintes disposies: I - a distribuio dos recursos e de responsabilidades entre o Distrito Federal, os Estados e seus Municpios assegurada mediante a criao, no mbito de cada Estado e do Distrito Federal, de um Fundo de Manu-teno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao - Fundeb, de natureza contbil. CF, Artigo 60, inciso I.2 Razo: o Fundeb tem um objetivo especfico, que o de fi-nanciar a educao bsica pblica. Mas, o que significa educao bsica? A Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional, quando trata da educao escolar, define que existem dois nveis de educao:Modalidade: forma, aspecto ou caracterstica de uma coisa ou organizao. No caso especfico da educao bsica, modali-dade de ensino diz respeito s vrias formas de organizao de ensino urbano e rural: regular (presencial), es-pecial, de jovens e adultos, e pro-fissional, quando a mesma estiver vinculada direta-mente ao Ensino Mdio.44 Mdulo Fundeb:: comprovar finalidade no lucrativa e aplicar seus excedentes financeiros nestas modalidades de educao;:: assegurar a destinao de seu patrimnio a outra escola com o mesmo perfil ou ao poder pblico, no caso do encerra-mento de suas atividades;:: atender a padres mnimos de qualidade definidos pelo r-go normativo do sistema de ensino, inclusive, obrigatoria-mente, ter aprovados seus projetos pedaggicos;:: ter certificado do Conselho Nacional de Assistncia Social ou rgo equivalente, na forma do regulamento.3 Razo: o Fundeb possui uma norma legal especfica (Lei n. 11.494) que o regulamenta, define suas diretrizes, seus objetivos e normas prprias para composio, distribuio, aplicao, acom-panhamento, fiscalizao e prestao de contas dos recursos que o compem. Agora que j conclumos a explicao que caracteriza o Fun-deb como fundo especial, vamos trabalhar a caracterstica que o coloca na condio de fundo de mbito estadual. A legislao especfica estabeleceu o seguinte: institudo, no mbito de cada Estado e do Distrito Federal, um Fundo de Manuteno e Desenvolvimen-to da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissio-nais da Educao Fundeb. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, artigo 1.Como voc pode notar, foi determinada a criao de um fundo para cada Estado e um tambm para o Distrito Federal, num total de vinte e sete fundos. Isto significa que os recursos do Fundo, gerados dentro de um determinado estado, no so distribudos para outros estados. Os recursos do Fundo gerados dentro do Es-Qualquer instituio comunitria, confessional ou filantrpica que oferte educao especial, creche e pr-escola pode ser considerada para efeito dos repasses?Se voc respondeu No, acertou. A Constituio Federal clara em relao a esta questo. Leia a informao abaixo:Os recursos pblicos sero destinados s escolas pblicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitrias, confessionais ou filantrpicas, definidas em lei, que:I - comprovem finalidade no-lucrativa e apliquem seus excedentes financeiros em educao;II - assegurem a destinao de seu patrimnio a outra escola comunitria, filantrpica ou confessional, ou ao Poder Pblico, no caso de encerramento de suas ativi-dades. Constituio Federal, 1988, Art. 213.A Lei do Fundeb (Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007), co-erente s determinaes de nossa constituio, estabelece em seu artigo 8, pargrafos 1, 3 e 4, que instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas, pertencentes rede privada, que ofeream atendimento em educao infantil (creche e pr-escola) e educao especial, podero ser consideradas para efeito de distri-buio de recursos financeiros do Fundo, porm estas devem::: oferecer igualdade de condies para o acesso e permann-cia na escola e atendimento educacional gratuito a todos os seus alunos;Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao45corrente nica e especfica onde so depositados os recursos prove-nientes do Fundo. Tambm em cada uma destas contas so efetua-dos os lanamentos das movimentaes e aplicaes financeiras. O Fundeb , no aspecto contbil, o registro do valor da contribuio para sua formao, da receita recebida (com base no nmero de alu-nos) e das despesas realizadas, referentes aos investimentos efetua-dos na educao bsica, por estados, Distrito Federal e municpios. E quanto gesto do Fundo, de acordo com o art. 69, 5, da LDB, todos os recursos da educao devem ser administrados pela Secretaria de Educao. Com o Fundeb a regra a mesma. A gesto dos recursos deve ser realizado com a participao do(a) Secretrio(a) de Educao. Na prtica, isto quer dizer que os esta-dos, o Distrito Federal e os municpios no precisam criar secreta-rias (ou unidades equivalentes) em sua estrutura administrativa para cuidar dos recursos do fundo. Outra informao importante sobre o fundo a questo da sua vigncia: a Emenda Constitucional n. 53, de 19/12/2006, que o criou, estabeleceu o prazo de quatorze (14) anos, a partir de sua promulgao.Fique atento! O Fundeb ter vigncia de 2007 a 2020.E quanto a sua implantao, voc tem ideia de como ela est acontecendo?A implantao do Fundeb, iniciada em 1 de janeiro de 2007, est sendo realizada de forma gradual, de maneira que nos dois primeiros anos (2007 e 2008) os alunos foram considerados de for-tado do Amazonas, por exemplo, so distribudos e s podero ser investidos na educao bsica oferecida pelos governos estadual e municipais localizados no mbito daquele estado.Preste ateno! No caso do Fundeb, no deve ser uti-lizada a expresso fundo estadual, pois a mesma diz respeito a fundo vinculado, subordinado, ou atrelado ao governo estadual. O correto usar fundo de mbito esta-dual, como prev a lei.Agora, vamos discutir a caracterstica do Fundeb que o coloca como fundo de natureza contbil.Voc consegue imaginar o que isto significa?Sabe de que maneira o registro dos recursos do Fundo deve ocorrer?E afinal, quem o responsvel pela gesto financeira dos recursos do Fundo? simples. Significa afirmar que cada estado, o Distrito Federal e cada municpio dever fazer figurar em sua contabilidade os registros relativos tanto a sua contribuio formao do fundo (impostos, receitas e transferncias constitucionais recolhidas) quanto aos valores recebidos e aplicados, ou seja, cada ente go-vernamental deve considerar na sua contabilidade a movimentao de recursos do Fundo, registrando o valor que ofereceu em contri-buio formao do Fundo e o valor que recebeu em sua conta Vigncia: Tempo durante o qual uma coisa vigora ou est em execuo.Promulgar: ordenar a pu-blicao oficial; tornar pblico.46 Mdulo FundebO texto legal acima colocado indica dois objetivos que se com-plementam: financiar as aes de manuteno e desenvolvimen-to da educao bsica e, ao mesmo tempo, valorizar os trabalha-dores da educao. Voc deve estar querendo entender o que so estas aes, no est?No se preocupe. Explicaremos detalhadamente, mais a frente, o significado de cada uma delas.Mas, em sua opinio, qual o compromisso deste Fundo?Por quais razes ele foi criado?O compromisso do Fundeb : garantir a melhoria da qualidade do ensino e a consequente promoo da incluso scio-educa-cional.Para que este objetivo seja alcanado ser necessrio::: redistribuir os recursos vinculados educao, com base em regras especficas definidas no mbito do Fundeb; :: contribuir para ampliao do atendimento, ou seja, ampliar vagas em toda a educao bsica;:: assegurar meios financeiros que viabilizem avanos qualitati-vos nas milhares de escolas espalhadas em todo o pas;ma parcial. A partir do terceiro ano (2009), a distribuio de recur-sos do Fundo est considerando todo o universo de alunos da edu-cao bsica e, em relao aos recursos, os percentuais de receitas, provenientes dos Estados, Distrito Federal e Municpios atingem o patamar de 20% de contribuio, conforme previsto na lei. E como fica a parcela de contribuio da Unio?A parcela proveniente da Unio alcanar seu patamar pleno a partir de 2010, quando o governo federal dever assegurar, a ttulo de complementao, o equivalente a 10% do valor que os outros parceiros aportarem (entre 2007 e 2009 a Unio assegurou valor fixo estabelecido na legislao do Fundo).Agora que j tratamos do Fundeb sobre o aspecto legal, preci-samos identificar seus objetivos.2.1.2. Os objetivos do FundebQual o objetivo, ou melhor, os objetivos do Fundeb?Para responder a esta pergunta basta ler o artigo 2 da Lei do Fundeb (Lei n. 11.494) em que fica claro seu principal objetivo:[...] manuteno ao desenvolvimento da educao bsica pblica e a valorizao dos trabalhadores em educao, incluindo sua condigna remunerao, ob-servado o disposto nesta Lei.47equalizao de oportunidades educacionais e padro mnimo de qualidade do ensino mediante assistncia tcnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municpios. 2 Os Municpios atuaro prioritariamente no ensino fundamental e na educao infantil. 3 Os Estados e o Distrito Federal atuaro prioritaria-mente no ensino fundamental e mdio. Constituio Federal, artigo 211.Neste sentido, a oferta da educao bsica pblica de qualida-de de responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, com a participao da Unio. Mas, qual deve ser a participao do governo federal neste processo?Sabemos, por exemplo, que o governo federal o responsvel por suplementar os recursos a serem investidos na educao, pois:O dever do Estado com a educao ser efetivado me-diante a garantia de: atendimento ao educando[...] atravs de programas suplementares de material di-dtico-escolar, transporte, alimentao e assistncia sade. Constituio Federal, Art. 208, Inciso VII.:: promover a reduo de desigualdades entre os sistemas de ensino dos estados, do distrito federal e dos municpios; e:: valorizar os profissionais do magistrio, envolvidos com a educao bsica. Aps estas informaes iniciais, vamos dar uma olhada nas ra-zes pelas quais o governo federal fez um amplo debate em rela-o criao do Fundeb.2.1.3. Justificativa da existncia do Fundeb Voc j parou para pensar nos motivos pelos quais o governo federal resolveu criar o Fundeb?Para responder a esta questo to importante, precisamos pensar um pouco sobre as responsabilidades de cada esfera de poder envolvida com a educao e, ao mesmo tempo, avaliarmos a evoluo da educao brasileira nos ltimos vinte anos. Por exemplo, a nossa Carta Magna clara quando define as res-ponsabilidades de cada esfera de poder em relao educao no Brasil:A Unio, os Estados, o Distrito Federal e os Municpios organizaro em regime de colaborao seus sistemas de ensino. 1 A Unio organizar o sistema federal de ensino e o dos Territrios, financiar as instituies de ensino pblicas federais e exercer, em matria educacional, funo redistributiva e supletiva, de forma a garantirCarta Magna: constituio.48 Esta funo se concretiza na medida em que a legislao fede-ral (Lei n. 11. 494/Fundeb) estabelece como regra a distribuio automtica dos recursos do Fundo, com base em critrios e pa-rmetros j definidos. Dentre os critrios previstos, a distribuio de recursos com base no nmero de alunos e a participao da Unio, aportando recursos para composio do Fundo, assegu-ram redistribuio financeira e equalizao dentro de cada Estado (cada governo recebe um mesmo valor por aluno) e entre dife-rentes Estados e regies (os recursos da complementao fede-ral contempla os governos localizados nos Estados mais carentes, aproximando-os dos mais ricos). Com isso o governo Federal mi-nimiza as diferenas e avana na direo da garantia de condies iguais de acesso e permanncia de cada aluno na sala de aula. Outro aspecto, em relao justificativa de existncia do Fun-do, precisa ser examinado: pesquisas educacionais realizadas nos ltimos anos mostram que o Brasil ainda convive com enormes diferenas evidentes no momento em que comparamos as con-dies de ensino entre os Municpios, Estados, Distrito Federal e mesmo regies. Mas, podemos afirmar que o Fundeb tem contribudo para alterar esta realidade?Sim. A criao do Fundo tem assegurado: :: maior participao federal no aporte de recursos financeiros, contribuindo para elevao de investimentos no setor;:: equidade na distribuio dos recursos disponveis no mbito dos Estados, Distrito Federal e Municpios;:: transferncias automticas, regulares e transparentes;:: a incluso dos alunos beneficirios de todas as etapas e modali-dades da educao bsica;Neste aspecto, como j estudamos no Mdulo de Competn-cias Bsicas, importantes programas de suplementao foram criados para atender o ensino fundamental como o Programa Nacional de Alimentao Escolar - Pnae e o Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar Pnate. Como voc j sabe, essas aes executadas pelo FNDE so mdulos especficos oferecidos no mbito da Formao pela Escola. No se esquea! Em 28 de janeiro de 2009 foi assinada a Medida Provisria n. 455, que expande o atendimento desses programas de suplementao para toda a educa-o bsica. Assim, o FNDE repassa recursos financeiros do PDDE, Pnate e Pnae tambm para a educao infantil e ao ensino mdio.E o Fundeb pode ser considerado uma ao de suplementao?Sim, visto que, alm dos recursos dos estados, do Distrito Fede-ral e dos municpios, a Unio participa com recursos prprios para compor o Fundo, dentro do propsito de assegurar a ao supleti-va do governo federal, como determina nossa Constituio.E, em relao ao Fundo, como se efetiva a funo redistributiva, tambm prevista no artigo 211 da Cons-tituio Federal?Equidade: igualdade, equanimidade, imparcialidade.Parmetros: aquilo que serve de base ou norma; modelo; exemplo.Critrios: aquilo que serve de base para comparao, julgamento ou apreciao.Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao49:: a participao democrtica e efetiva da sociedade, por meio dos conselhos de acompanhamento e controle social, na verificao da aplicao dos recursos financeiros gerados e repassados no mbito do fundo, aos Estados, Distrito Federal e Municpios.Agora que j entendemos as razes que justificam o Fundeb, precisamos compreender como ele formado, ou seja, qual a sua com-posio.2.2. Os recursos financeiros do Fundeb: da composio aos critrios de distribuio2.2.1. A composio do FundebVoc tem ideia de quais recursos compem o fundo?Qual a origem destes recursos?Para responder a estas perguntas, precisamos relembrar o que falamos na Unidade I sobre o financiamento da educao no Brasil. Voc certamente se lembra que a nossa Constituio estabelece, em seu artigo 212, que a Unio aplicar, anualmente, nunca menos de 18% de sua receita resultante da coleta de impostos e os Estados, o Distrito Federal e os Municpios no mnimo 25%, no verdade?Mas o que essa determinao constitucional tem a ver com o Fundeb? que a origem de parte dos recursos do Fundeb proveniente da parcela de 25% dos impostos e transferncias dos Estados, Distrito Federal e Municpios, que devem ser aplicados anualmente na educao; assim como uma parte da cota da Unio ao Fundo (at 30% do seu montante), provm dos 18% dos impostos federais vinculados educao conforme prev a Constituio - o restante dos recursos da Complementao da Unio (mnimo de 70%) provm de qualquer outra fonte, exceto do Salrio Educao.Para voc poder identificar as diversas fontes de impostos e de transferncias constitucionais dos Estados, Distrito Federal e Munic-pios que compem o Fundeb e seus respectivos percentuais, e ainda a parcela de complementao da Unio, leia atentamente a tabela abaixo:50 Mdulo FundebQuadro n. 2 - Composio do Fundeb: impostos, receitas e transferncias constitucionais UFs Origem dos recursosParticipao no Fundo 1 Ano (2007)2 Ano (2008)3 Ano (2009) 2010 a 2020Estados, DF e MunicpiosReceitas que compunham o FundefFundo de Participao dos Estados (FPE)16,66% 18,33% 20,00% 20,00%Fundo de Participao dos Municpios (FPM)*Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Prestao de Servios (ICMS)Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional s exportaes (IPIexp)*Recursos relativos desonerao de exportaes (LC n 87/96)Receita da dvida ativa tributria, juros e multas**Novas ReceitasImposto sobre Transmisso Causa Mortis e doaes de bens ou direitos (ITCMD)6,66% 13,33% 20,00% 20,00%Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores (IPVA)Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (cota-parte dos Municpios) (ITRm)Imposto que a Unio venha a instituirUnioReceita que compunha o FundefComplementao Federal* R$ 2 bilhesR$ 3,2 bilhesR$ 5,1 bilhes10% da contribui-o total de Estados, DF e Municpios (*) 2008 e 2009: Valores originais atualizados pelo INPC(**) Dvida ativa, juros e multas: embora a Lei do FUNDEF no inclusse essas receitas na base de clculo de forma clara, na prtica as mesmas faziam parte da composio do Fundo.Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao51Fique atento! A descrio detalhada de cada um dos impostos, receitas e transferncias constitucionais iden-tificados na tabela encontram-se na lista Composio da Cesta do Fundeb: impostos, contribuies e transfern-cias, no final deste mdulo. Ao observarmos a tabela, podemos perceber que::: algumas receitas faziam parte da cesta do Fundef;:: em relao s novas receitas (ITCMD, IPVA, ITRm, Receita da dvida ativa tributria e Receita de impostos que a Unio ve-nha a instituir), as mesmas so incorporadas ao Fundo de forma gradual, na forma prevista na lei;:: a Unio contribuiu com o Fundo alocando recursos de for-ma crescente, e a partir de 2010 dever colocar na cesta do Fundeb 10% (dez por cento) dos recursos aportados pelos estados, Distrito Federal e Municpios;:: a composio do Fundo ocorreu de forma gradual e que a sua implementao plena s ocorrer a partir de 2010. Figura n. 2 - Composio do Fundeb 2007 a 2009.Alocar: destinar (fundo oramentrio, verba, etc) a um fim especfico.Aportar: contribuir; subsidiar.ITRITCMD IPVARecursos que faziam parte do FUNDEF 16,66% em 2007 18,33% em 2008 20% a partir de 2009Recursos novos 6,66% em 2007 13,33% em 2008 20% a partir de 2009Complementao da Unio 2007: R$ 2,00 bilhes 2008: R$ 3,00 bilhes 2009: R$ 4,50 bilhes 2010 em diante: no mnimo 10% da contribuio de Estados, Distrito Federal e MunicpiosComplementao da UnioRendimentos das eventuais aplicaes nanceiras com recursos do FundebJuros, Multas e Dvida Ativa sobre as fontes mes do FundebFPMICMSIPIexpFPE LC 8752 Mdulo FundebPara maior clareza, podemos visualizar a composio do Fun-deb por meio da seguinte representao:Para que voc possa visualizar melhor a composio atual do Fundeb, observe a figura abaixo:Figura n. 3 - Composio atual do Fundeb a partir de 2009FundebEstadoDistritoFederalMunicpiosContribui com 20%Contribui com 20%Contribui com 20%FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD e recursos da LC 87/96FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD, ITR e recursos da LC 87/96FPM, ICMS, IPIexp, IPVA, ITR e recursos da LC 87/96Na prxima unidade, quando estivermos falando sobre a exe-cuo do Fundeb, ou seja, quando detalharmos sua gesto e apli-cao dos recursos financeiros do Fundo, vamos explicar a com-posio dos fundos estaduais, o significado valor mnimo nacional por aluno/ano, a distribuio dos recursos e outros temas relacio-nados.Por enquanto vamos trabalhar uma ideia muito importante que interfere diretamente no Fundeb: a distribuio dos recursos do Fundo com base no nmero de alunos declarados no Censo Esco-lar. Ento, vamos l?53Os dados de nmero de matrculas podem ser al-terados a qualquer momento?Como fica o atendimento dos alunos que foram matriculados na rede oficial de ensino, aps a realizao do Censo 2008?No, os dados do Censo Escolar no podem ser alterados a qualquer momento. Portanto, no existe a possibilidade de in-corporar novas matrculas no Censo Escolar, depois de publicado oficialmente. Da mesma forma, os clculos do Fundeb tambm no so alterados, por mudanas no nmero de alunos. Portanto, Estados, Distrito Federal e Municpios devem dispensar especial ateno na hora de fornecer os dados e informaes coletadas por ocasio da realizao do Censo Escolar.E se ocorrer erros no momento em que o estado preencheu os dados do Censo, que procedimento deve ser adotado?As atualizaes dos dados do Censo Escolar s podero ocorrer no momento da realizao de um novo censo. Mas, em caso de erro cometido pelo Estado ou Municpio, o mesmo poder solici-tar correo dos dados junto ao INEP. Esta solicitao tem prazo definido: at trinta dias aps a primeira publicao (preliminar) dos dados no Dirio Oficial da Unio. Depois da publicao final do Censo no sero permitidas alteraes. muito importante que as datas de apresentao dos dados e de realizao de even-tuais correes sejam respeitadas.2.2.2. Distribuio dos recursos: critrios e diretrizesQual a relao existente entre Censo Escolar e distribuio dos recursos do Fundeb?Quando voc estudou o Mdulo de Competncias Bsicas, a Unidade V, algumas importantes informaes sobre os programas do FNDE foram apresentadas. Uma delas diz respeito ao fato de que todos os recursos (financeiros, ou por exemplo, livros didti-cos), repassados pela Autarquia a todos os seus parceiros, so cal-culados como base no nmero de alunos matriculados em cada segmento da Educao Bsica, e declaradas no Censo Escolar, rea-lizado pelo INEP. Por determinao legal o mesmo acontece com o Fundeb, pois:Para os fins da distribuio dos recursos de que trata esta Lei, sero consideradas exclusivamente as matr-culas presenciais efetivas, conforme os dados apura-dos no Censo Escolar mais atualizado, realizado anual-mente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Ansio Teixeira - INEP, considerando as ponderaes aplicveis. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, Art. 9.J que estamos falando em Censo Escolar, precisamos pensar nas seguintes questes:Censo Escolar: a coleta de informaes so-bre a educao bsica realizada anualmente, abrangendo todas as suas etapas/nveis (Educao Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Mdio) e modalidades (ensino regular, educao espe-cial, educao de jovens e adul-tos e educao profissional de nvel tcnico). A mesma realiza-da pelo INEP.54 Mdulo Fundebo bsica: enquanto os Estados e o Distrito Federal so respon-sveis por oferecer o Ensino Fundamental e Mdio, os Municpios respondem pela oferta do Fundamental e Infantil (creche e pr-escola). Desta forma, para efeito de clculos dos repasses a serem feitos por meio do Fundeb, so computadas as matrculas da edu-cao infantil e do ensino fundamental para os Municpios e as matrculas do ensino fundamental e mdio para os Estados.Alm dos alunos das escolas pblicas, tambm so considera-dos os alunos da educao infantil (creche e pr-escola) e edu-cao especial, atendidos nas escolas no pblicas, comunit-rias, confessionais ou filantrpicas, sem fins lucrativos, desde que tenham convnios com os governos estaduais e municipais. No quadro abaixo pode ser visualizado esse tratamento relativo considerao dos alunos na distribuio dos recursos do Fundeb, sendo identificados quais so e quais no so considerados nos clculos da distribuio.Agora que j sabemos que os clculos para efetuar os repasses de recursos do Fundeb utilizam como base o nmero de matrcu-las do Censo Escolar, precisamos pensar em outras questes: Como so computadas essas matrculas? Existe algum critrio para esta contagem?Quais so as matrculas computadas para o Estado e para o Distrito Federal? Que matrculas so contadas para o municpio?Como j vimos anteriormente, a Constituio Federal estabele-ce prioridades para atendimento das diferentes etapas da educa-Quadro n. 3 - Critrio de considerao dos alunos da distribuio dos recursos do Fundeb, com base na atuao prioritria dos entes governamentais.Segmento da Educao BsicaMatrculas nas escolasEstaduais Distritais Municipais Conveniadas (*)Educao Infantil (Creches) No Sim Sim SimEducao Infantil (Pr-Escola) No Sim Sim Sim (por 4 anos)Ensino Fundamental regular Sim Sim Sim NoEnsino Mdio Sim Sim No NoEducao Especial Sim Sim Sim SimEducao de Jovens e Adultos (Ensino Fundamental) Sim Sim Sim NoEducao de Jovens e Adultos (Ensino Mdio) Sim Sim No No(*) Consideradas a partir de 2008 (artigos 12, 13 e 14, do Dec. N. 6.253/2007, com a redao dada pelo Dec. N. 6.278/2007)Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao55do. Tambm importante notar que as instituies conveniadas s recebem recursos para a educao infantil e educao especial.Voc deve estar se perguntando: Como ocorreu o processo de atendimento dos alunos matriculados e declarados no Censo Escolar? Para o clculo e a distribuio dos recursos do Fundeb todos os alunos foram considerados desde o incio do Fundo?A incluso dos alunos no processo de distribuio dos recursos financeiros do Fundeb obedeceu a uma escala, pr-definida para os trs primeiros anos de implantao do Fundo. A tabela abaixo mostra como se deu essa incluso:Quais so as concluses possveis ao se avaliar este quadro?Em primeiro lugar, precisamos lembrar que o clculo e a distri-buio dos recursos financeiros do Fundeb ocorrem com base nas responsabilidades de cada esfera de poder em relao educao: a Unio responde pelo sistema federal de ensino e o dos Territ-rios; os Municpios atuaro prioritariamente no ensino fundamen-tal e na educao infantil; e os Estados e o Distrito Federal atua-ro preferencialmente no ensino fundamental e mdio. Com base nesta afirmativa podemos deduzir que o atendimento educao infantil (creches e pr-escolas) de responsabilidade dos munic-pios e, portanto, no mbito do Fundeb no so computados os alunos dessa etapa de ensino nos repasses de recursos para o esta-Quadro n. 4 - Fraes de matrculas consideradas para a distribuio dos recursos do Fundeb.Esfera Segmento da Educao BsicaFrao de Matrculas Considerada2007 2008 A partir de 2009Escolas pblicas (Estatuais, Distritais e Municipais)Educao Infantil (Creche e Pr-escola) 1/3 2/3 3/3Ensino Fundamental (Regular e Especial) 3/3 3/3 3/3Ensino Fundamental (EJA) 1/3 2/3 3/3Ensino Mdio (Regular, Profissional integrado e EJA) 1/3 2/3 3/3Escolas conveniadasEducao Infantil (Creche) - 2/3 3/3Educao Infantil (Pr-escola) - 2/3 3/3 (*)Educao Especial - 2/3 3/3(*) At 2011, sendo considerados por todo o perodo (2008 a 2011) os dados de matrculas do Censo Escolar de 2006.56 Mdulo FundebVamos tentar compreender as informaes contidas neste quadro. Para isso, vamos avaliar a situao da Educao Infantil (creche e pr-escola) no contexto da distribuio dos recursos fi-nanceiros do Fundo.Voc percebeu que em 2007 somente 1/3 (um ter-o) dos alunos matriculados nas escolas pblicas (esta-duais, distritais e municipais) nesta etapa da educao bsica foram considerados para efeito dos clculos de repas-se do Fundeb? Observou que em 2008 foram considerados 2/3 (dois teros) dos alunos matriculados e em 2009 foi considerada a totali-dade de alunos matriculados em escolas pblicas da Educa-o Infantil?Isto mesmo! A cada ano o Fundeb est ampliando seu alcance. A partir de 2009, como vimos, todos os alunos matriculados em escolas pblicas nas diversas etapas e modalidades de ensino, e declarados no Censo Escolar, sero considerados para fins de re-passes dos recursos financeiros do Fundeb. Certamente os alunos da educao infantil (creches e pr-escolas), do ensino fundamen-tal (regular, especial e EJA), do ensino mdio (regular, profissional integrado e EJA) tero acesso a uma escola melhor. No podemos esquecer que os alunos da educao infantil e educao especial declarados no Censo Escolar, atendidos por escolas de carter fi-lantrpico e conveniadas com o poder pblico, tambm podem contar com o mesmo benefcio.Ateno! Essa escala de incluso utilizada apenas para se efetuar a distribuio dos recursos. No serve de base para a utilizao dos recursos pelos Estados, Distrito Federal e Municpios. Estas instncias devero aplicar os recursos financeiros na educao bsica, indistintamente, beneficiando todos os alunos atendidos no segmento edu-cacional que compete ao respectivo governo (estadual, distrital ou municipal) atender, de acordo com sua respon-sabilidade de atuao prevista na constituio. importante lembrar que a instituio dos fundos e a aplicao de seus recursos no isentam os Estados, o Distrito Federal e os Municpios da obrigatoriedade da aplicao de 25% dos seus im-postos e transferncias na manuteno e no desenvolvimento do ensino, conforme prev a Constituio Federal, em seu artigo 212.Voc deve se lembrar que j falamos deste assunto na Unidade I, quando estudamos a questo dos recursos vinculados educao.E o que determina o artigo 212?Como um assunto to importante, vamos relembrar:A Unio aplicar, anualmente, nunca menos de dezoi-to, e os Estados, o Distrito Federal e os Municpios vinte e cinco por cento, no mnimo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transfern-cias, na manuteno e desenvolvimento do ensino. Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao57Sabemos que estes recursos so vinculados educao e no podem ser investidos em qualquer outra ao e que cada estado, o Distrito Federal e cada municpio tero os recursos vinculados e ainda os recursos do Fundeb para aplicar na educao em seu mbito de ao.No caso do Fundeb, buscando maior igualdade na distribuio dos recursos, a educao bsica foi desdobrada em dezenove seg-mentos, e j sabemos que as matrculas efetuadas nestes segmen-tos e declaradas no Censo Escolar influenciam diretamente nesta distribuio. Identificamos estes segmentos, na tabela abaixo:Quadro n. 5 Segmentos da Educao Bsica no mbito do FundebNveis de ensino/modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos)1. Creche pblica em tempo integral 11. Ensino fundamental em tempo integral 2. Creche conveniada em tempo integral 12. Ensino mdio urbano 3. Creche pblica em tempo parcial 13. Ensino mdio no campo 4. Creche conveniada em tempo parcial 14. Ensino mdio em tempo integral 5. Pr-escola em tempo integral 15. Ensino mdio integrado educao profissional 6. Pr-escola em tempo parcial 16. Educao especial 7. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 17. Educao indgena e quilombola 8. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 18. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 9. Anos finais do ensino fundamental urbano 19. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com avaliao no processo10. Anos finais do ensino fundamental no campo Na prxima unidade trabalharemos detalhes da operacionalizao do Fundeb: o clculo do valor aluno/ano utilizado como base para o repasse dos recursos financeiros do Fundo e distribuio dos recursos. 58 Mdulo Fundeb2.3. A rede de parceria do FundebAo pensarmos no Fundeb, no podemos deixar de falar do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao FNDE. Voc deve estar se perguntando:Qual o papel do FNDE neste processo?Quais so as responsabilidades da Autarquia em relao ao Fundeb?O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao FNDE o responsvel por toda operacionalizao do Fundo, no mbito do MEC. Entre outras responsabilidades, calcula e encaminha para divulgao, por meio de ato conjunto dos Ministrios da Educao e da Fazenda, os parmetros operacionais do Fundo para cada exerccio, com base nos dados do Censo Escolar, nas previses de receitas e nos fatores de ponderao aplicveis, fornece ao Banco do Brasil informaes para subsidiar a distribuio dos recursos (inclusive da Complementao da Unio). Tambm se coloca disposio da sociedade, por meio dos seguintes contatos:Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao FNDEDiretoria FinanceiraCoordenao-Geral de Operacionalizao do Fundeb e de Acompanhamento e Distribuio da Arrecadao do Salrio-educao CGFSEEndereo: SBS, Quadra 2, Bloco F, Edifcio FNDE, 12 andar, Sala 1.201 CEP: 70.070-929 Braslia/DFTelefones: 0800-616161, (0xx61) 2022-4232Fax: (0xx61) 2022-4664E-mail: Fundeb@fnde.gov.brUma nova ordem: o Fundeb e a Educao59d) na realizao de estudos tcnicos com vistas a definio do valor referencial anual por aluno que assegure padro mni-mo de qualidade do ensino;e) no monitoramento da aplicao dos recursos dos Fundos, por meio de sistema de informaes oramentrias e finan-ceiras e de cooperao com os Tribunais de Contas dos Esta-dos e Municpios e do Distrito Federal; f) na realizao de avaliaes dos resultados da aplicao desta Lei, com vistas a adoo de medidas operacionais e de na-tureza poltico-educacional corretivas, devendo a primeira dessas medidas se realizar em at 2 (dois) anos aps a im-plantao do Fundo. De maneira resumida, podemos afirmar que o Ministrio da Educao, alm de ser responsvel por garantir os recursos fe-derais que complementam o Fundeb, coordena e acompanha as aes do Fundo em mbito nacional, oferecendo apoio e orienta-es tcnicas s instituies e pessoas fsicas, e ainda realiza ava-liaes de resultados decorrentes da implantao do Fundeb, sen-do essas atribuies desempenhadas pelo FNDE, por delegao de competncia prevista no art. 10 do Dec. 6.319/2007. Depois de falarmos do FNDE e do Mec, vamos identificar um outro importante rgo que participa ativamente da execuo do Fundeb: a Comisso Intergovernamental de Financiamento para Educao Bsica de Qualidade. Esta comisso tem sua formao e atribuies previstas nos artigos 12 e 13 da Lei do Fundeb (Lei n 11.494, de 20 de junho de 2007) e foi instituda no mbito do Ministrio da Educao. Qual a sua composio?Esses canais de comunicao com o FNDE podem ser utilizados para obteno de informaes/orientaes e encaminhamento de eventuais reclamaes/denncias que, ao chegarem autar-quia, so encaminhadas ao Ministrio Pblico e ao Tribunal de Contas (para conhecimento e adoo das providncias julgadas necessrias) e comunicadas ao governo denunciado (para adoo das providncias julgadas pertinentes, junto aos rgos de fiscali-zao/controle mencionados).Agora, vamos falar do Ministrio da Educao- MEC.Afinal, quais so as responsabilidades do MEC quanto ao Fundeb?No artigo 30, da Lei do Fundeb (Lei n 11.494, de 20 de junho de 2007), so definidas claramente todas as responsabilidades do MEC. Leia atentamente o texto: O Ministrio da Educao atuar:a) no apoio tcnico relacionado aos procedimentos e critrios de aplicao dos recursos dos Fundos, junto aos Estados, Distrito Federal e Municpios e s instncias responsveis pelo acompanhamento, fiscalizao e controle interno e ex-terno;b) na capacitao dos membros dos conselhos;c) na divulgao de orientaes sobre a operacionalizao do Fundo e de dados sobre a previso, a realizao e a utilizao dos valores financeiros repassados, por meio de publicao e distribuio de documentos informativos e em meio ele-trnico de livre acesso pblico;60 Mdulo FundebA Comisso Intergovernamental constituda por 11 (onze) membros, a saber::: 1 (um) representante do Ministrio da Educao;:: 5 (cinco) representantes dos secretrios estaduais de educa-o, sendo um de cada uma das 5 (cinco) regies poltico-administrativas do Brasil indicado pelas sees regionais do Conselho Nacional de Secretrios de Estado da Educao - CONSED;:: 5 (cinco) representantes dos secretrios municipais de edu-cao, sendo um de cada uma das 5 (cinco) regies polti-co- administrativas do Brasil indicado pelas sees regionais da Unio Nacional dos Dirigentes Municipais de Educao -UNDIME.Em relao composio da Comisso podemos afirmar que ela muito democrtica, pois cada regio brasileira tem sua repre-sentao, e a maioria de seus membros escolhida pelo Conselho de Secretrios Estaduais de Educao - Consed e pela Unio dos Dirigentes Municipais de Educao - Undime. E quais so suas atribuies?Suas mais importantes atribuies so as seguintes:a) especificar anualmente as ponderaes aplicveis entre di-ferentes etapas, modalidades e tipos de estabelecimento de ensino da educao bsica, para estabelecimento do valor/aluno anual;b) fixar anualmente o limite proporcional de apropriao de recursos pelas diferentes etapas, modalidades e tipos de es-tabelecimento de ensino da educao bsica;c) fixar anualmente a parcela da complementao da Unio a ser distribuda para os Fundos por meio de programas dire-cionados para a melhoria da qualidade da educao bsica, bem como respectivos critrios de distribuio dos recursos financeiros; d) elaborar, requisitar ou orientar a elaborao de estudos tc-nicos sobre o Fundeb.E quanto importncia da participao de cada membro da Comisso?A participao na Comisso Intergovernamental de Financia-mento para a Educao Bsica de Qualidade funo no remu-nerada de relevante interesse pblico, e seus membros, quando convocados, faro jus a transporte e dirias.Alm do FNDE, do Mec e da Comisso Intergovernamental, o Fundeb conta com diversos parceiros que atuam no acompanha-mento e fiscalizao da execuo dos recursos financeiros do Fun-do. Que tal identificarmos cada um deles?Quais so os parceiros que junto com o FNDE, o MEC e a Comisso Intergovernamental, formam a rede do Fundeb?Quais as responsabilidades de cada um? a) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Ansio Teixeira Inep: responsvel pelo Censo Escolar, coleta de in-Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao61sais da Complementao da Unio aos governos beneficirios, e v) valor do FUNDEF/2006, atualizado, para servir de parme-tro mnimo no mbito do Fundeb, na forma prevista na lei do Fundo. Ainda pode ser consultado para obteno de informa-es sobre valores repassados por cada ente governamental (estado ou municpio), por origem dos recursos e por ms.f) Banco do Brasil: responsvel pelo crdito, nas contas bancrias especficas de cada ente governamental, mantidas no prprio Banco do Brasil ou na Caixa Econmica Federal, dos valores do Fundo devidos aos Estados, ao Distrito Federal e aos Munic-pios. Alm disso, disponibiliza informaes sobre valores re-passados por ente governamental (estadual ou municipal), por origem dos recursos e por data de crdito.g) Caixa Econmica Federal: responsvel, tambm, pela manu-teno de contas especficas de depsitos de recursos do Fun-do, devidos aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municpios.h) Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb - CACS/Fundeb: colegiado que tem como funo principal acompanhar e controlar a distribuio, a transferncia e a apli-cao dos recursos do Fundo, no mbito das esferas federal, estadual, distrital e municipal. O CACS, sua formao, seus ob-jetivos e responsabilidades e seu funcionamento ser tratado detalhadamente em uma unidade especfica (Unidade V).Em relao s responsabilidades dos rgos da unio, no que diz respeito ao Fundeb, apresentamos um resumo retratado na fi-gura a seguir.formaes sobre a educao bsica (Educao Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Mdio), que subsidia a distribuio dos recursos financeiros do Fundeb, e pela realizao, em parceria com o FNDE, de pesquisas de interesse do Fundo.b) Ministrio Pblico (Federal, Estadual, Distrital ou Municipal): mesmo no sendo instncia de fiscalizao de forma especfi-ca, tem a atribuio de zelar pelo cumprimento da lei. Nesse aspecto, recebe denncias de eventuais irregularidades detec-tadas e apontadas pelo cidado comum, pelo conselheiro do Fundeb ou ainda pelos Tribunais de Contas, tomando provi-dncias formais no mbito do Poder Judicirio.c) Tribunais de Contas dos Estados e Municpios: responsvel pela fiscalizao da aplicao dos recursos do Fundeb, a defi-nio dos critrios da Prestao de Contas, bem como sua ava-liao tcnica. Possuem poderes de aplicar penalidades, caso sejam comprovadas irregularidades, sobretudo relacionadas aplicao de recursos do Fundo e Prestao de Contas.d) Tribunal de Contas da Unio e a Controladoria-Geral da Unio: responsveis pela fiscalizao dos recursos do Fundo, no mbito federal. Estas instncias tm a prerrogativa legal de examinar e aplicar penalidades, na hiptese de existir alguma irregularidade.e) Ministrio da Fazenda/Secretaria do Tesouro Nacional: rece-be dos Estados e do Distrito Federal, at o dia 31 de janeiro, os valores da arrecadao efetiva da cesta de impostos e das transferncias do Fundeb efetuadas em suas esferas, dados estes que permitiro a realizao de ajustes do Fundo do ano anterior. Divulga, em conjunto com o MEC, os seguintes par-metros operacionais do Fundo para cada exerccio: i) valor m-nimo nacional por aluno/ano, ii) previso de receitas do Fundo, por Unidade Federada, iii) distribuio da Complementao da Unio ao Fundo, por Estado, iv) cronograma de repasses men-62 Mdulo FundebDisponibiliza os recursos da Complementao da Unio.Calcula e divulga parmetros operacionais doFundo para cada exerccio, com base nos dadosdo Censo Escolar, nas previses de receitas enos fatores de ponderao aplicveisRealiza o CENSO ESCOLAR (dados que permitem a distribuio dos recursos).Fiscaliza os recursos do Fundo, no mbitofederal e aplica penalidades, na hiptese deexistir alguma irregularidade na suaoperacionalizao/execuo.Fornece ao Banco do Brasil informaes para distribuio dos recursos e crdito nas contas especficas mantidas no prprio Banco do Brasil ou na Caixa Econmica FederalCredita recursos financeiros em todas as contas do Fundeb (estaduais, distrital e municipais), abertas no BB ou CEF.Atua conjuntamente com o FNDE/MECno clculos e divulgao dos parmetrosdo Fundo.Unio(Governo Federal)Ministrio da Fazenda eSecretaria do Tesouro NacionalMEC/FNDEMEC/InstitutoAnsio TeixeiraTribunal de Contas eControladoria-GeralBanco doBrasilFigura n. 4 - Os papis da Unio no contexto do Fundeb.Agora, outro tema merece nossa ateno: a divulgao de dados e informaes sobre o Fundeb.Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao632.4. Informaes sobre o Fundeb: direito de todosO governo federal tem feito alguma campanha para divulgar o que o Fundeb, seus objetivos e funcionamento?Voc sabe qual a importncia do Fundo?Ser que voc a, no interior de nosso pas, pode saber quanto de recursos seu municpio recebeu, conta do Fundeb?2.4.1. Informaes bsicasAs informaes e orientaes tcnico-operacionais sobre o Fundo, baseadas na sua legislao bsica, so divulgadas por meio de:a) Material impresso produzido e distribudo pelo FNDE/MEC: A produo e distribuio do mate-rial impresso (manuais, folders, cartazes etc) so realizadas de forma pontual ou ocasional, com renovao e redistribuio em funo de modi-ficaes/atualizaes na legislao bsica que ensejam a necessidade de reedies e novas ti-ragens, de modo a assegurar que as pessoas e instituies, principalmente aquelas direta ou in-diretamente envolvidas na operacionalizao do Fundo, possam contar com instrumento de orien-tao atualizado. b) Meio digital: Qualquer cidado poder ter acesso a todas as informaes sobre o Fundo. Siga os se-guintes passos:1) Acesse a pgina do FNDE (www.fnde.gov.br).2) Procure esquerda da tela o cone Fundeb, e clique nele.Folder: impresso pro-mocional cons-titudo de uma nica folha com duas ou mais dobras.cone: Figura para identificar e/ou acionar, na tela do computador, programa ou recurso de pro-grama.64 Mdulo FundebQual o objetivo do governo federal em divulgar estas informaes?O objetivo democratizar o acesso s informaes sobre o Fun-deb, no que diz respeito sua operacionalizao, especialmente sobre seu funcionamento, distribuio, aplicao e comprovao da utilizao dos recursos repassados, alm do acompanhamento e fiscalizao. 2.4.2. Informaes bancriasE como fica a divulgao das informa-es bancrias?A cada distribuio (crdito) de recursos na conta especfica do Fundo, o banco depositrio (Banco do Brasil ou Caixa Econmica Federal) gera um aviso de crdito ao governo estadual ou munici-pal mantenedor da conta. Caso esse aviso no seja recebido, uma segunda via pode ser solicitada na agncia bancria de manuten-o e movimentao da conta. Qualquer pessoa pode solicitar uma segunda via do extrato da conta onde os recursos so depositados?No. Somente o titular da conta ou qualquer representante das instncias de acompanhamento/fiscalizao (Conselho do Fun-3) Ao abrir a pgina do Fundeb, busque no centro da pgina o cone Consultas.4) Neste cone, por exemplo, so colocadas disposio infor-maes sobre: as estimativas anuais de repasses (por estado e munic-pio); os repasses financeiros realizados (por estado; por origem dos recursos; por ente governamental; por ano, ms e/ou data); o nmero de alunos considerados na distribuio dos re-cursos (por segmento da educao bsica; por ente go-vernamental); os coeficientes de distribuio de recursos, por ente go-vernamental; o valor estimado por aluno/ano, por estado; o valor mnimo nacional por aluno/ano.Em relao aos dados eletrnicos, alm do stio do FNDE existe alguma outra fonte de informaes sobre o Fundeb?Se voc respondeu SIM a esta pergunta, acertou. Existe um sis-tema chamado Sistema Integrado de Administrao Financeira Siafi que pode ser acessado para a obteno de informaes sobre os repasses realizados no mbito do Fundeb, sendo possvel o acesso a dados desdobrados, como valores por UF, por origem dos recursos, por esfera de governo, por ms, dentre outros. Po-rm, o Siafi s pode ser utilizado pelas instituies que dispem de acesso a ele (Congresso Nacional e rgos de controle). Uma nova ordem: o Fundeb e a Educao65deb, Cmara de Vereadores, Assembleias Legislativas, Ministrio Pblico e Tribunais de Contas) devidamente identificado.As informaes de crdito dos recursos financeiros do Fundeb podem ser solicitadas para a agncia banc-ria onde mantida a conta especfica do Fundo?A agncia bancria onde mantida a conta especfica do Fun-do, quando solicitada, tambm oferece extrato bancrio da conta do Fundeb do municpio aos vereadores e da conta do Fundeb do governo estadual aos deputados estaduais, como tambm aos membros dos Conselhos de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb (no mbito da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios), aos representantes do Ministrio Pblico (pro-motores e procuradores da Repblica) e dos Tribunais de Contas (dos estados/municpios e da Unio).66 Mdulo FundebAtividadesUnidade II em snteseNesta unidade demos incio ao estudo sobre o Fundeb, percebendo o mesmo como um fundo especial, de natureza contbil, de mbito estadual, formado por parcela financeira de recursos federais e por recursos provenientes dos impostos e das transferncias dos Estados, Distrito Federal e Municpios. Tambm identi-ficamos o objetivo especfico do Fundo, de financiar a Educao Bsica pblica, que compreende: a educao infantil (creches e pr-escolas), o ensino funda-mental e o ensino mdio, em todas as suas etapas, modalidades, e tipos de esta-belecimentos, oferecidos nas redes pblicas (estadual, distrital e municipal). Ficamos sabendo que instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas, pertencentes rede privada, que ofeream atendimento em educao infantil (creche e pr-escola) e educao especial, podero ter seus alunos considerados para efeito de distribuio de recursos financeiros do Fundo. Ainda foram discu-tidas questes relativas a normas legais, vigncia, atendimento efetuado pelo Fundo, relao existente entre Fundeb e o Censo Escolar, e disponibilidade de informaes.De todos os temas trabalhados at aqui, o mais importante diz respeito a maior equidade proporcionada pelo Fundeb, decorrente dos critrios de distribuio dos recursos disponveis no mbito dos Estados, Distrito Federal e Municpios, que, ao mesmo tempo, assegura maior participao federal no aporte de recur-sos financeiros, contribuindo assim para elevao de investimentos na educa-o bsica.Agora vamos dar uma paradinha em nossos estudos e realizar os exerccios da Unidade II, ou seja, os itens 6 a 13, de nosso Ca-derno de Atividades. Na prxima unidade, como j falamos ante-riormente, veremos a questo da operacionalizao do Fundeb.Os recursos financeiros do Fundeb: dos clculos distribuio Unidade IIIOs recursos financeiros do Fundeb693.1. Os clculos dos recursos do FundebLeia a notcia abaixo: O texto acima deixou claro que a distribuio dos recursos do Fundeb tem por base o valor aluno/ano estabelecido de manei-ra diferenciada por etapa (Educao Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Mdio) e modalidade de ensino (presencial, especial, de jovens e adultos, e profissional, quando a mesma estiver vincula-da diretamente ao Ensino Mdio) da educao bsica.Vamos, a partir de agora, explicar este tema, com mais detalhes.3.1.1. Valor por aluno/ano e fatores de ponderao: a busca da equidadePara pensarmos em clculo de recursos do Fundeb, precisa-mos entender dois elementos, definidos pelo governo federal, que fundamentam este clculo: o valor aluno/ano e os fatores de ponderao.IntroduoNa unidade anterior falamos sobre os aspectos gerais do Fun-deb, como definio, objetivos e caractersticas, as origens dos recursos, e ainda os aspectos legais como a legislao, a participa-o da Unio dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios na composio do Fundo, os segmentos da educao bsica atendi-dos e a rede de parceria responsvel pela execuo e fiscalizao do Fundo. J nesta unidade trataremos da operacionalizao dos recursos do Fundo, que inclui elementos como: os fatores de pon-derao, o clculo do valor por aluno/ano, os segmentos da edu-cao bsica atendidos com os recursos financeiros do Fundeb e o processo de distribuio dos mesmos.O estudo desta unidade tem por objetivo fazer com que voc seja capaz de::: compreender os procedimentos necessrios para efetuao do clculo do Fundeb estadual/distrital.:: identificar a importncia dos fatores de ponderao para o clculo do Fundeb de cada Estado/Distrito Federal.:: entender a importncia do valor/aluno anual para as sries iniciais urbanas do ensino fundamental calculada pelo go-verno federal para a distribuio equitativa dos recursos do Fundo.:: compreender a Complementao da Unio como conse-quncia da comparao entre os valores aluno/ano para as sries iniciais urbanas calculados pelos estados e governo federal.:: conhecer os critrios para a distribuio dos recursos do Fundo.Segundo o MEC, um dos objetivos do Fundeb univer-salizar o atendimento na educao bsica, a partir da re-distribuio equitativa de recursos entre o estado e seus municpios. Ser estabelecido um valor mnimo por alu-no, com valores diferenciados por etapa e modalidade de ensino da educao bsica de todo o Pas [...]Fundeb: esperana de uma educao possvel, de 07/12/2006, disponvel em: , acessado em 28/12/2008, s 21h15.70 Mdulo FundebComo voc j estudou no Mdulo de Competncias Bsicas, Unidade III - Financiamento da Educao Bsica, o fundo de m-bito estadual, ou seja, existem 27 fundos diferentes: um para cada Estado e um para o Distrito Federal. Portanto, tambm existem 27 valores aluno/ano diferentes.Mas, afinal, voc sabe o que o valor/aluno e o que ele significa? Qual a relao entre este valor e a distribuio equitativa de recursos? O valor aluno/ano um valor referencial utilizado para efeito de distribuio dos recursos financeiros do Fundo, recursos estes que destinam-se a cobrir o custo anual da manuteno de um aluno nas escolas da rede pblica de ensino. Em termos prticos, para cada Estado, ou para cada Fundo (j que temos um Fundo por Estado), calculado um valor aluno/ano especfico para cada um dos dezenove segmentos da educao bsica considerados no Fundo.Qual a base do clculo a ser feito para se obter o valor aluno/ano ? Primeiramente calcula-se o valor por aluno/ano para as sries iniciais do ensino fundamental urbano (valor base). O valor para os demais segmentos calculado a partir do valor base. Por exemplo, para se ter o valor por aluno/ano do ensino mdio, basta multi-plicar o valor base (aluno/ano para as sries iniciais do ensino fun-damental urbano) pelo fator de ponderao do ensino mdio. O mesmo clculo feito para se ter o valor por aluno/ano de qual-quer segmento considerado no Fundo (os fatores de ponderao so apresentados na Tabela 5).O que o valor mnimo nacional por aluno/ano para as sries iniciais do ensino fundamental urbano e qual sua importncia?Alm do valor por aluno/ano de cada Estado e o Distrito Fe-deral, tambm calculado e publicado pelos Ministrios da Edu-cao e da Fazenda, o valor mnimo nacional por aluno/ano. Esse mnimo representa o menor valor por aluno assegurado com os recursos do Fundeb, de maneira que, para os Estados cujo valor por aluno/ano tenha ficado abaixo desse mnimo, o Governo Fe-deral assegure a diferena financeira correspondente, com recur-sos da Complementao da Unio, que ser vista mais frente. Assim, nenhum Estado ficar com recursos por aluno/ano inferior a esse mnimo. So considerados no clculo do valor mnimo na-cional as seguintes variveis do Fundo::: total geral da receita prevista para o Fundo no exerccio (con-tribuio de Estados, DF e Municpios);:: nmero de alunos matriculados, por segmentos da educao bsica considerados;:: fatores de ponderao do valor por aluno/ano;:: valor da Complementao da Unio para o exerccio (depois de deduzida parcela de at 10% direcionada melhoria da qualidade da educao bsica, caso seja estabelecida para o exerccio).Os recursos financeiros do Fundeb71Para 2009, o valor mnimo nacional por aluno/ano para os anos iniciais do ensino funda-mental urbano foi estabelecido em R$ 1.350,09. A cada ano esse valor definido e publica-do at 31 de dezembro de cada ano, para vigorar no ano seguinte.Aqui cabem duas perguntas:Estes calculados so processados de maneira unifor-me, para todos os segmentos da educao bsica?Houve alguma preocupao em respeitar as diferenas que cada etapa e modalidade da educao bsica apresenta? Houve, por parte do governo federal, uma preocupao em respeitar as diferenas de cada segmento, no clculo do Fundeb. Para tanto foram criados os fatores de ponderao, ndices criados com o objetivo de reconhecer que a manuteno do aluno, em cada segmento, possui um custo especfico que deve ser levado em considerao no momento de clculo dos recursos do Fundo. importante lembrar que foram definidos pela Comisso Intergovernamental de Financia-mento para Educao Bsica de Qualidade do Ministrio da Educao, os dezenove segmentos da educao bsica e identificados anualmente, para cada um destes segmentos, um fator de ponderao especfico, conforme previsto no inciso I do artigo 13 da Lei n 11.494/2007.Observe a tabela dos fatores de ponderao de 2009, e no se esquea que os mesmos tm direta influncia nos clculos dos recursos financeiros do Fundo.Uniforme: que s tem uma forma, que no varia.Segmento: poro de um todo; seo; por-o bem delimi-tada, destacada de um conjunto.72 Mdulo FundebTabela n. 1 - Fatores de Ponderao 2009, definidos pela Comisso Intergovernamental de Financiamento para Educao Bsica de Qualidade do Ministrio da EducaoNveis de ensino/modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos) Fatores de Ponderao 20091. Creche pblica em tempo integral 1,102. Creche conveniada em tempo integral 0,953. Creche pblica em tempo parcial 0,804. Creche conveniada em tempo parcial 0,805. Pr-escola em tempo integral 1,206. Pr-escola em tempo parcial 1,007. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 1,008. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 1,059. Anos finais do ensino fundamental urbano 1,1010. Anos finais do ensino fundamental no campo 1,1511. Ensino fundamental em tempo integral 1,2512. Ensino mdio urbano 1,2013. Ensino mdio no campo 1,2514. Ensino mdio em tempo integral 1,3015. Ensino mdio integrado educao profissional 1,3016. Educao especial 1,2017. Educao indgena e quilombola 1,2018. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 0,8019. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com ava-liao no processo 1,00Fonte: Portaria/MEC n 932, 30/07/2008.Os recursos financeiros do Fundeb73Para entendermos melhor os Fatores de Ponderao para os diversos segmentos da Educao Bsica vamos tomar como exemplo dois fatores: o fator para o ensino mdio urbano (1,20) e o fator para educao de jovens e adultos com avaliao no processo (0,80).O que estes fatores representam?Qual a relao entre estes dois fatores e o de ponderao Anos iniciais do ensino fundamental urbano?O fator para o ensino mdio urbano (1,20) significa que o valor por aluno/ano para este segmento 20% superior ao valor por aluno/ano dos anos iniciais do ensino fundamental urbano. J o fator 0,80 para educao de jovens e adultos com avaliao no processo significa que o valor por aluno/ano para esse segmento corresponde a 80% do valor por aluno/ano dos anos iniciais do ensino fundamental urbano, e assim por diante.Observe a tabela a seguir, que traz a ttulo de exemplo os valo-res aluno/ano nacionais.Esses fatores representam a preocupao de atender de ma-neira diferenciada os dezenove segmentos em que a educao bsica foi dividida, pois cada etapa/modalidade/tipo de estabe-lecimento possui caractersticas prprias e, consequentemente, o valor/aluno deve ser diferente.Voc percebeu que na tabela acima foi destacado o fator de ponderao Anos iniciais do ensino fundamental urbano?Porque este fator to importante?Ele importante porque em funo deste fator base que os fatores de ponderao dos outros segmentos da educao bsica so definidos.Mas, qual a explicao para esta escolha?Por que este valor considerado fator base para os clcu-los dos outros fatores de ponderao?A resposta a esta pergunta simples: as sries iniciais do ensi-no fundamental o segmento quantitativamente mais expressivo no universo de alunos da educao bsica, ou seja, o nmero de matrculas neste segmento maior. 74 Mdulo FundebTabela n. 2: Exemplos de valor mnimo nacional por aluno/ano, por segmento da Educao Bsica 2009.Nveis de ensino/modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos)(A) Valor mnimo nacional por aluno/ano (valor base)(B) Fatores de Ponderao 2009 (C ) Valor mnimo por aluno/ano (de-mais segmentos) (C = A B)1. Creche pblica em tempo integral 1,10 1.485,102. Creche conveniada em tempo integral 0,95 1.282,593. Creche pblica em tempo parcial 0,80 1.080,074. Creche conveniada em tempo parcial 0,80 1.080,075. Pr-escola em tempo integral 1,20 1.620,116. Pr-escola em tempo parcial 1,00 1.350,097. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 1.350,09 1,00 1.350,098. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 1,05 1.417,599. Anos finais do ensino fundamental urbano 1,10 1.485,1010. Anos finais do ensino fundamental no campo 1,15 1.552,6011. Ensino fundamental em tempo integral 1,25 1.687,6112. Ensino mdio urbano 1,20 1.620,1113. Ensino mdio no campo 1,25 1.687,6114. Ensino mdio em tempo integral 1,30 1.755,1215. Ensino mdio integrado educao profissional 1,30 1.755,1216. Educao especial 1,20 1.620,1117. Educao indgena e quilombola 1,20 1.620,1118. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 0,80 1.080,0719. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com avaliao no processo 1,00 1.350,09Quando se pensa em fatores de ponderao, necessrio considerar que: Os recursos financeiros do Fundeb75verno estadual.Por contribuio municipal formao do Fundo, entende-se a parte dos recursos do Fundeb no mbito do respectivo estado, constituda pelos impostos e transferncias que pertencem aos governos municipais localizados naquele estado. O mesmo clcu-lo pode ser feito tambm para cada municpio isoladamente. Agora que j definimos a contribuio estadual e contribuio municipal formao do Fundo, vamos entender como a mesma calculada. Para tanto, vamos lembrar que a partir de 2009 cada Estado e o Distrito Federal contribuem com 20% sobre determina-dos impostos e transferncias. Observe a tabela abaixo para lembrarmos a composio da cesta do Fundeb.Tabela n. 3 - Composio do Fundeb: impostos e transferncias constitucionais.:: Educao bsica de tempo integral: a jornada escolar com durao igual ou superior a sete horas dirias, durante todo o perodo letivo, compreendendo o tempo total que um mesmo aluno permanece na escola ou em atividades esco-lares.:: Anos iniciais do ensino fundamental: so as primeiras qua-tro ou cinco sries ou os primeiros quatro ou cinco anos do ensino fundamental de oito ou de nove anos de durao, conforme o caso.:: Anos finais do ensino fundamental: so as quatro ltimas sries ou os quatro ltimos anos do ensino fundamental de oito ou de nove anos de durao.3.1.2. Clculo da contribuio estadual e municipal formao do Fundo O que contribuio estadual e contribuio mu-nicipal formao do Fundo?Voc deve estar se lembrando que quando estudamos a com-posio do Fundeb, no Captulo II deste Mdulo, comentamos que este fundo contbil era formado por recursos financeiros ori-ginrios de diversas fontes de impostos e de transferncias consti-tucionais. Tambm afirmamos que os estados e municpios contri-buam para a formao do Fundo de maneira semelhante, porm com clculos realizados sobre fontes diferentes. Por contribuio estadual formao do Fundo, entende-se a parte dos recursos do Fundeb no mbito do respectivo estado, constituda pelos impostos e transferncias que pertencem ao go-Preste Ateno! Alm das contribuies estadual e mu-nicipal para a formao do Fundeb, ainda est prevista a Complementao da Unio, composta por recursos alocados pelo governo federal para compor o Fundo. De-talhes da complementao sero vistos mais frente. 76 Mdulo FundebTabela n. 3 - Composio do Fundeb: impostos e transferncias constitucionais.Impostos e Transferncias que entram na formao do FundebQuotas-Partes pertencentes aos Estados, Distrito Federal e MunicpiosContribuio formao do Fundeb, a partir de 2009Estado (a)Munic-pios (b)Total (c = a+b)Distrito Federal (d) Estados Municpios Distrito FederalFundo de Participao dos Estados (FPE) 100% 0 100% 100%20% de a 20% de b 20% de dFundo de Participao dos Municpios (FPM) 0 100% 100%Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Prestao de Servios (ICMS) 75% 25% 100% 100%Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional s exportaes (IPIexp)* 75% 25% 100% 100%Recursos relativos desonerao de exportaes (LC n 87/96) 75% 25% 100% 100%Imposto sobre Transmisso Causa Mortis e doaes de bens ou direitos (ITCMD) 100% 0 100% 100%Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores (IPVA) 50% 50% 100% 100%Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (cota-parte dos Municpios) (ITRm) 0 100% 100% 100%E como feito o clculo dos recursos por Estado/Distrito Federal/Municpios?Este clculo muito simples. Basta somar toda a arrecadao dos impostos, transferncias e contribuies que compem o Fundeb e calcular 20% (vinte por cento) em cima deste total. O valor encontrado o recurso que o Estado, Distrito Federal ou Municpios dever contribuir para formao do fundo.77Para facilitar a compreenso deste procedimento, vamos tentar calcular a cota estadual do estado fictcio de Araga do Centro. Va-mos supor que este estado tenha realizado uma detalhada previso oramentria dos recursos originrios dos impostos, transferncias e contribuies do Fundeb, para o exerccio de 2009, conforme a tabela abaixo:Tabela n. 4 - Previso de receita do Fundeb do Estado de Araga do Centro e contribuio do Estado e seus municpios formao do Fundo em 2009.Impostos e Transferncias que entram na formao do FundebQuotas-Partes pertencentes ao Estado de Agua-ra do Centro e seus MunicpiosContribuio estadual e municipal formao do Fundeb - 2009Estado (a) Municpios (b)Impostos e transferncias gerados (c=a+b)Estado (20% de a) Municpios (20% de b)Total (20% de c)Fundo de Participao dos Estados (FPE) 793.938.236,97 - 793.938.236,97 158.787.647,39 - 158.787.647,39Fundo de Participao dos Municpios (FPM) - 359.842.301,23 359.842.301,23 - 71.968.460,25 71.968.460,25Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Prestao de Servios (ICMS)519.447.304,42 173.149.101,47 692.596.405,89 103.889.460,88 34.629.820,29 138.519.281,18Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional s exportaes (IPIexp)*269.439.157,17 89.813.052,39 359.252.209,56 53.887.831,43 17.962.610,48 71.850.441,91Recursos relativos desonerao de exportaes (LC n 87/96)85.488,88 28.496,29 113.985,17 17.097,78 5.699,26 22.797,03Imposto sobre Transmisso Causa Mortis e doaes de bens ou direitos (ITCMD)959.818,32 - 959.818,32 191.963,66 - 191.963,66Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores (IPVA)79.672.956,05 79.672.956,05 159.345.912,11 15.934.591,21 15.934.591,21 31.869.182,42Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (cota-parte dos Municpios) (ITRm)- 27.598.789,96 27.598.789,96 - 5.519.757,99 5.519.757,99Total 1.663.542.961,81 730.104.697,40 2.234.301.747,10 332.708.592,36 146.020.939,48 478.729.531,84Fictcio: em que hfico; imagi-nrio.78 Mdulo Fundebque este faa os crditos nas contas especficas de cada ente go-vernamental beneficirio, no prprio Banco do Brasil ou na Caixa Econmica Federal. Os depsitos nas contas especficas do Fundeb so realizados de acordo com o nmero de alunos atendidos e com a efetiva ar-recadao dos recursos dos impostos e transferncias que com-pem a cesta bsica do Fundeb.Agora que j sabemos com quanto o estado e seus municpios contribuem para a composio do Fundeb, precisamos descobrir o valor por aluno/ano do estado.O que o valor aluno/ano estadual?Qual a sua importncia?Quais os elementos que influenciam o clculo do valor alu-no/ano do estado?O valor aluno/ano estadual (ou Distrital) corresponde capa-cidade de financiamento por aluno no ano letivo, no mbito de cada Estado, calculada com base nos recursos do Fundeb, prove-niente da contribuio do governo estadual e dos governos muni-cipais localizados naquele Estado e no quantitativo de alunos das redes estadual e municipal, tambm localizados naquele Estado. Somente com o clculo do valor/aluno ano estadual que podem ser distribudos os recursos financeiros do Fundeb. Como voc j sabe, o Fundeb de mbito estadual, portanto, para cada estado calculado seu valor aluno/ano. Este clculo leva em considerao os seguintes elementos::: os recursos provenientes da contribuio do governo estadu-al e dos governos municipais do estado considerado;Suponhamos que no imaginado Estado de Araga do Centro, durante o ano de 2009 sero gerados R$ 2.234.301.747,10 exclu-sivamente dos impostos, e transferncias que compem a cesta do Fundo. 20% deste valor totaliza R$ 478.729.531,84 e consti-tui o Fundeb parcial (sem Complementao da Unio) no mbito do Estado, sendo que deste total R$ 332.708.592,36 corresponde contribuio do governo estadual formao do Fundo e R$ 146.020.939,48 contribuio dos governos municipais, confor-me clculo demonstrado no quadro acima.Que fatores poderiam prejudicar esta previso oramentria?Em termos prticos, uma crise econmica pode trazer desem-prego e um consequente abalo ao comrcio. Alm disso, poder afetar as exportaes. Tudo isto certamente prejudicar direta-mente a arrecadao de impostos da cesta do Fundo (ICMS, IPIexp etc.). O simples fato de cidados no pagarem o IPVA de seus car-ros podem afetar a receita do Fundeb.Quem arrecada e quem deposita os recursos da contribuio dos Estados e Municpios formao do Fundo?Os responsveis pela arrecadao dos impostos e transfern-cias dos Estados e Municpios que entram na formao do Fundo so os governos estaduais, que arrecadam 100% do ICMS, ITCMD e IPVA, e o Governo Federal, que arrecada os demais. Estes go-vernos, depois de arrecadarem os recursos, separam a parcela de 20% que forma o Fundo e a disponibiliza ao Banco do Brasil para Os recursos financeiros do Fundeb79:: o nmero de alunos declarados pelas escolas estaduais e mu-nicipais ou distritais no ltimo Censo Escolar;:: o nmero de alunos da educao infantil e da educao es-pecial, atendidos pelas escolas conveniadas;:: os fatores de ponderao, definidos pela Comisso Intergo-vernamental de Financiamento para Educao Bsica de Qualidade que atua diretamente no Fundeb, j apresenta-dos na Tabela n. 5 Fatores de Ponderao 2009 para os diver-sos segmentos da Educao Bsica.Preste Ateno! No se incluem nesta etapa de clculo os recursos da complementao da Unio.No so considerados os alunos da educao infantil aten-didos e declarados pelas escolas estaduais.No so considerados os alunos do ensino mdio atendi-dos e declarados pelas escolas municipais.Voc deve estar se perguntando:Como feito o clculo do valor por aluno/ano por estado?A primeira etapa deste clculo obter o nmero de alunos ponderados para o Estado/Distrito Federal.E como se faz isto?Aps ser calculado o valor de contribuio do Estado e dos seus municpios para o Fundo (20% sobre a receita da cesta do Fundeb), toma-se o nmero de alunos de cada segmento da edu-cao bsica declarados no ltimo Censo Escolar e multiplica-se pelos fatores de ponderao definidos anualmente pela Comisso Intergovernamental, com validade nacional (Veja Tabela n. 2).Para tornar mais fcil a sua compreenso, vamos apresentar o nmero de alunos ponderados do Estado de Araga do Centro, conforme tabela a seguir:80 Mdulo FundebTabela n. 5 Fatores de Ponderao, N. de alunos matriculados e N. de alunos ponderados do Estado de Araga do Centro 2009.Nveis de ensino/ modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos) (A) Fatores de Pon-derao - 2009 (B) N. de alunos ma-triculados no mbito do Estado - (b)(C ) N de matriculas ponderadas de Araga do Centro (A X B)1. Creche pblica em tempo integral 1,10 12.739 14.012,902. Creche conveniada em tempo integral 0,95 6.720 6.384,003. Creche pblica em tempo parcial 0,80 3.896 3.116,804. Creche conveniada em tempo parcial 0,80 5.720 4.576,005. Pr-escola em tempo integral 1,20 10.890 13.068,006. Pr-escola em tempo parcial 1,00 7.932 7.932,007. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 1,00 98.845 98.845,008. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 1,05 9.983 10.482,159. Anos finais do ensino fundamental urbano 1,10 51.885 57.073,5010. Anos finais do ensino fundamental no campo 1,15 11.652 13.399,8011. Ensino fundamental em tempo integral 1,25 27.870 34.837,5012. Ensino mdio urbano 1,20 52.981 63.577,2013. Ensino mdio no campo 1,25 1.100 1.375,0014. Ensino mdio em tempo integral 1,30 10.930 14.209,0015. Ensino mdio integrado educao profissional 1,30 8.198 10.657,4016. Educao especial 1,20 6.237 7.484,4017. Educao indgena e quilombola 1,20 6.426 7.711,2018. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 0,80 8.523 6.818,4019. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com avaliao no processo 1,00 7.800 7.800,00Total *** 350.327 383.360,25Os recursos financeiros do Fundeb81 A nossa prxima etapa calcular o valor por aluno/ano para os Anos iniciais do ensino fundamental urbano do estado de Ara-gua do Centro. J vimos anteriormente que, no mbito do Fun-deb, este valor ser utilizado como base para o clculo dos valores por aluno/ano dos outros dezoito segmentos da educao bsi-ca, pois esta etapa de ensino que possui maior nmero de ma-trculas.Este clculo implica no uso da seguinte frmula:VA = F / NPO que esta frmula significa?Para entend-la precisamos identificar cada um de seus ele-mentos:VA = o valor por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano, no Estado.F = o total de recursos do Fundo no Estado, sem a Complementao da Unio.NP = o nmero de matrculas do Estado, ponderadas pelos fatores apresentados na Tabela Fatores de Ponde-rao 2009 para os diversos segmentos da Educao B-sica.No caso de Araga do Centro (nosso exemplo), o clculo o seguinte: Valor por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamen-tal urbano de Araga do Centro em 2009 = R$ 478.729.531,84 (contribuio do Estado e seus Municpios ao Fundeb em 2009) / (dividido) por 383.360,25 (n. total de alunos ponderados no m-bito do Estado).Valor por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano de Araga do Centro em 2009 = R$ 1.248,77Qual o prximo passo?O prximo passo calcular o valor por aluno /ano do estado para os demais dezoito segmentos da educao bsica. Para isso basta levar em considerao o valor aluno/ano para os anos ini-ciais do ensino fundamental urbano do estado de Araga j calcula-do, e multiplic-lo pelos fatores de ponderao oficiais, aprovados pela Comisso Intergovernamental, na forma apresentada na ta-bela a seguir:82 Mdulo FundebTabela n. 6 Valor por aluno/ano do Fundeb do Estado de Araga do Centro 2009Nveis de ensino/ modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos)(A) Valor aluno Sries Iniciais /Estado (B) Fator de Pon-derao vigente(C) Valor por aluno/ano no Estado de Araga do Centro (A X B)1. Creche pblica em tempo integral 1,10 1.373,652. Creche conveniada em tempo integral 0,95 1.186,333. Creche pblica em tempo parcial 0,80 999,024. Creche conveniada em tempo parcial 0,80 999,025. Pr-escola em tempo integral 1,20 1.498,526. Pr-escola em tempo parcial 1,00 1.248,777. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 1.248,77 1,00 1.248,778. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 1,05 1.311,219. Anos finais do ensino fundamental urbano 1,10 1.373,6510. Anos finais do ensino fundamental no campo 1,15 1.436,0911. Ensino fundamental em tempo integral 1,25 1.560,9612. Ensino mdio urbano 1,20 1.498,5213. Ensino mdio no campo 1,25 1.560,9614. Ensino mdio em tempo integral 1,30 1.623,4015. Ensino mdio integrado educao profissional 1,30 1.623,4016. Educao especial 1,20 1.498,5217. Educao indgena e quilombola 1,20 1.498,5218. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 0,80 999,0219. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com avaliao no processo 1,00 1.248,77Os recursos financeiros do Fundeb83Voc no est curioso para saber quanto Araga do Centro ter de recursos em 2009, por intermdio do Fundeb, para atender os alunos da educao bsica que esto matriculados em suas escolas?Ser que com base nas informaes que construmos pode-mos fazer este clculo?Com muita tranquilidade poderemos fazer uma projeo deste valor. Ser nossa prxima etapa de clculos. Precisaremos multi-plicar o valor por aluno/ano de cada segmento pelo n. de alunos matriculados e declarados no ltimo Censo Escolar no mbito do Estado de Araga do Centro. Observe a tabela a seguir:84 Mdulo FundebTabela n. 7 Estimativa dos recursos do Fundo no mbito do Estado de Araga do Centro 2009, desdobrados por segmento da educao bsica.Nveis de ensino/ modalidades da Educao Bsica considerados (Segmentos)(A) Valor por aluno/ano no Estado de Araga do Centro(B) N. de alunos ma-triculados e declara-dos no CensoEstimativa de Re-cursos anuais por segmento - C = (AxB)1. Creche pblica em tempo integral 1.373,65 10.239 14.064.802,352. Creche conveniada em tempo integral 1.186,33 6.422 7.618.611,263. Creche pblica em tempo parcial 999,02 1.896 1.894.141,924. Creche conveniada em tempo parcial 999,02 5.720 5.714.394,405. Pr-escola em tempo integral 1.498,52 8.390 12.572.582,806. Pr-escola em tempo parcial 1.248,77 5.932 7.407.703,647. Anos iniciais do ensino fundamental urbano 1.248,77 92.845 115.942.050,658. Anos iniciais do ensino fundamental no campo 1.311,21 9.973 13.076.697,339. Anos finais do ensino fundamental urbano 1.373,65 59.185 81.299.475,2510. Anos finais do ensino fundamental no campo 1.436,09 10.652 15.297.230,6811. Ensino fundamental em tempo integral 1.560,96 25.989 40.567.789,4412. Ensino mdio urbano 1.498,52 51.981 77.894.568,1213. Ensino mdio no campo 1.560,96 1.100 1.717.056,0014. Ensino mdio em tempo integral 1.623,40 9.930 16.120.362,0015. Ensino mdio integrado educao profissional 1.623,40 8.198 13.308.633,2016. Educao especial 1.498,52 5.237 7.847.749,2417. Educao indgena e quilombola 1.498,52 6.425 9.627.991,0018. Educao de jovens e adultos com avaliao no processo 999,02 9.523 9.513.667,4619. Educao de jovens e adultos integrada educao profissional de nvel mdio, com avaliao no processo 1.248,77 8.800 10.989.176,00Total 338.437 462.474.682,74Os recursos financeiros do Fundeb85Estes fundos so formados por recursos originrios dos Estados (Distrito Federal) e dos Municpios e por recursos assegurados pelo Governo Federal (Complementao da Unio). Sabemos que a Lei que rege o Fundeb (Lei n 11.494/2007) j especificou os valores originais da Complementao da Unio para o Fundeb, como tambm a determinao de que esses va-lores deveriam ser atualizados pelo ndice Nacional de Preos ao Consumidor INPC, conforme demonstrado na tabela a seguir:Tabela n. 8 - Complementao da Unio para o Fundeb.Ano Valores originais defi-nidos na leiValores atualizados pelo INPC2007 R$ 2.000.000.000,00 R$ 2.012.400.000,002008 R$ 3.000.000.000,00 R$ 3.174.300.000,002009: R$ 4.500.000.000,00. R$ 5.070.150.000,002010 em dianteno mnimo 10% da contribuio de Estados, Distrito Federal e MunicpiosNo se esquea! De 2007 2009, para compor o Fun-deb, alm da contribuio de 20% dos Estados, Distri-to Federal e Municpios, calculados sobre os impostos e transferncias que formam o Fundo, o Governo Federal (Unio) colaborar com um valor financeiro j definido para cada exerccio. J de 2010 a 2020 a Unio colaborar com, no mnimo, 10% do valor da contribuio de Estados, Distrito Federal e Municpios. Aqui cabe uma pergunta:Na coluna C (Estimativa de recursos anuais por segmento), voc vai encontrar os valores financeiros correspondentes a cada segmento da educao bsica deste Estado, no mbito do Fun-deb, em 2009. Na ltima linha, o valor total da soma desses seg-mentos dever coincidir com o total da contribuio do Estado e de seus Municpios para composio do Fundeb. Esta informao muito importante, pois demonstra a distribuio dos recursos financeiros do Fundeb entre os entes governamentais localiza-dos no mbito do Estado.Em relao ao Fundeb do Estado de Araga do Centro, os cl-culos que fizemos at aqui permitiram que soubssemos:a) a previso de receita do Fundo de mbito estadual em 2009 = R$ 478.729.531,84 (vide Tabela n 4);b) a contribuio do governo estadual de Araga do Centro para formao do Fundeb = R$ 332.708.592,36 (vide Tabela n 4);c) a contribuio dos municpios de Araga do Centro para for-mao do Fundeb = R$ 146.020.939,48 (vide Tabela n 4);d) o nmero de matrculas (alunos declarados no Censo) pondera-das do estado de Araga do Centro = 383.360,25 (vide tabela n 5);e) o valor aluno/ano de 2009 para os anos iniciais do ensino fun-damental urbano (R$ 1.248,77) e para os demais segmentos da educao bsica (Tabela n 6).Agora, precisaremos avaliar outro assunto muito importante: a complementao da Unio ao Fundeb.3.1.3. O clculo da complementao da UnioComo afirmamos anteriormente, o Fundeb um fundo con-tbil de mbito estadual, sendo que existem, na verdade, vinte e sete fundos: um para cada Estado e um para o Distrito Federal. 86 Mdulo Fundebtado seja contemplado novamente. Isso porque as variveis que determinam esses clculos variam de um ano para o outro. Da mesma forma o inverso pode ocorrer, ou seja, um determinado Estado que no foi contemplado em um determinado exerccio, em outro pode ser.Lembre-se! Caso o valor por aluno/ano seja inferior ao mnimo nacional por aluno/ano vigente, torna-se neces-sria a garantia de recursos federais, a ttulo de comple-mentao ao Fundo no mbito do Estado. Essa comple-mentao ocorre, portanto, com o objetivo de assegurar o valor mnimo estabelecido. Dessa forma, haver comple-mentao da Unio apenas naqueles Estados cujo per capi-ta se situe abaixo do mnimo nacional. A complementao no alcana todos os Estados, apenas aqueles com menor valor per capita.Que tal avaliarmos o exemplo do Estado de Ara-ga do Centro e vermos se este Estado tem direito Complementao da Unio?Ento vamos l!Se a Complementao da Unio conhecida, quais os Estados que so contemplados com esses recursos?No incio desta unidade vimos que o Governo Federal calcula, para cada Estado e o Distrito Federal, um valor por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano e que, utilizando os fatores de ponderao, so calculados os valores por aluno/ano para os demais segmentos da educao bsica. Sabemos tambm que o valor mnimo nacional por aluno/ano calculado e publica-do pelo Governo Federal, com base nas variveis (receitas e alu-nos) e fatores de ponderao, e representa o limite mnimo per ca-pita de recursos assegurados nos repasses, e que, para 2009, este valor de R$ 1.350,09. Com essas informaes, pode-se saber se um determinado Estado ter, ou no, recursos da Complementa-o da Unio ao Fundo.Vamos ver como isso funciona?O processo muito simples. s comparar o valor por aluno/ano para as sries iniciais do ensino fundamental urbano, calcu-lado para o Estado, com o valor mnimo nacional por aluno/ano, tambm calculado para o exerccio. Se o valor do Estado for me-nor do que o valor mnimo nacional, o Estado ter direito a rece-ber a complementao da Unio ao Fundeb naquele exerccio, correspondente diferena.Mas ateno: O fato de um determinado Estado ser contem-plado com recursos da Complementao em um determinado exerccio, no garante que no exerccio seguinte este mesmo Es-Os recursos financeiros do Fundeb87Tabela n 10 Clculo da Complementao da Unio.(A) Matrculas ponderadas do Estado 383.360,25(B)Valor mnimo nacional por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano definido no mbito do Fundeb1.350,09C = (A x B)Recursos mnimos necess-rios para atender os alunos da educao bsica declarados no Censo, com base no valor mni-mo nacional por aluno/ano517.570.839,92(D)Contribuio do Estado e seus municpios para formao do Fundo (20% sobre a cesta de impostos e transferncias)478.729.531,84E = (C - D) Complementao da Unio 38.841.308,08F = (D + E) Total de recursos do Fundeb no Estado de Aragua do Centro 517.570.839,92Agora que sabemos que Araga do Centro deve receber, a ttulo de Complementao da Unio ao Fundeb no valor de R$ 38.841.308,08 importante destacar que tanto o governo esta-dual, quanto os governos municipais localizados no Estado de Araga do Centro recebero sua parcela desses recursos. Ora, se no Estado de Araga do Centro o Fundeb formado por R$ 478.729.531,84 de recursos da contribuio do governo estadu-al e seus municpios e de 38.841.308,08 de Complementao da Unio, o total do Fundo neste Estado de R$ 517.570.839,92.Tabela n 9 - Comparao entre os valores aluno/anoValor aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano - 2009Estado de Araga do Centro Valor mnimo nacionalR$ 1.248,77 R$ 1.350,09Como voc pode perceber, o valor por aluno/ano de Araga menor, portanto, este Estado tem direito Complementao da Unio.E como esta complementao calculada?Para calcular o valor da Complementao da Unio ao Fundo, no mbito de qualquer Estado, faz-se a seguinte operao:a) Total de alunos da educao bsica ponderados do Estado (mul-tiplicado) pelo valor mnimo nacional por aluno/ano.b) O resultado dever compor equao de subtrao com os re-cursos da contribuio do Estado e seus Municpios.Vamos calcular a complementao da Unio de Ara-ga do Centro?88 Mdulo Fundeb:: o mnimo de 90% do valor anual, mediante distribuio com base no nmero de alunos declarados no Censo Escolar, na perspectiva da garantia do valor mnimo nacional por alu-no/ano.:: at 10% do valor anual pode ser direcionado por meio de programas de melhoria da qualidade da educao bsica, de acordo com deciso e critrios definidos pela Comisso Intergovernamental de Financiamento para Educao B-sica de Qualidade. Caso a Comisso delibere no distribuir esses 10% desta maneira, a totalidade dos recursos da Com-plementao da Unio ser distribuda de acordo com o cri-trio referido do item anterior.Alm disto, em relao aos recursos da Complementao, ne-cessrio observar que::: os valores definidos para os exerccios de 2007 a 2009 so atuali-zados pelo ndice Nacional de Preos ao Consumidor INPC;:: a Unio no poder utilizar recursos do Salrio Educao para garantir a Complementao ao Fundo;:: no mximo 30% do valor anual da Complementao pode ser assegurado com recursos dos 18% dos impostos, que a Unio obrigada a colocar na educao;:: os repasses dos recursos da Complementao da Unio ocorrem mensalmente, de acordo com cronograma de repasses men-sais, definido e publicado pelo Governo Federal no final de cada ano, com os valores a serem repassados no ano seguinte. Quem distribui os recursos do Fundeb?Como a arrecadao dos recursos que compem o Fundo re-alizada pela Unio e pelos Governos Estaduais, a disponibilizao Precisamos saber agora:Como ocorre a distribuio dos recursos do Fundo para os Estados, Distrito Federal e Municpios?3.2. A distribuio dos recursos financeiros do FundebVoc j sabe que se o valor por aluno/ano para os anos iniciais do ensino fundamental urbano for inferior ao valor mnimo nacio-nal por aluno/ano vigente, torna-se necessria a garantia de recur-sos federais, a ttulo de Complementao ao Fundo, no mbito do Estado. Essa complementao ocorre, portanto, com o objetivo de assegurar o valor mnimo estabelecido. Dessa forma, haver Com-plementao da Unio apenas naqueles estados cujo per capita se situa abaixo do mnimo nacional. Lembre-se! A Complementao da Unio no alcana todos os Estados. Ela ocorre apenas naqueles Estados com valor per capita abaixo do mnimo. importante destacar que os recursos de Complementa-o da Unio que entram na composio do Fundo so distribu-dos e repassados aos Estados e Municpios beneficirios da se-guinte forma:INPC: criado pelo Ins-tituto Brasileiro de Geografia e Estatstica IBGE - tem como objetivo oferecer a variao dos preos no mer-cado varejista, mostrando as-sim, o aumento do custo de vida da populao.Os recursos financeiros do Fundeb89cendo o mesmo com os valores provenientes das demais fontes. Veja a tabela abaixo:Quadro n. 6 - Periodicidade dos repasses dos recursos financeiros do Fundeb.Origem dos recursos Periodicidade do crditoICMS SemanalmenteFPE, FPM, IPIexp e ITRm DecendialmenteDesonerao de Exportaes (LC 87/96) e Complementao da UnioMensalmenteIPVA e ITCMD Conforme cronograma de cada EstadoNo podemos esquecer:a) os repasses so realizados em funo do valor efetivamen-te arrecadado, que sofre variaes de um ms para outro. Essas variaes acontecem, inclusive, em relao a valores provenientes da mesma fonte especfica (ICMS, por exem-plo), cuja arrecadao comumente apresenta oscilaes (para mais ou para menos) de um perodo para outro; b) apenas os repasses da complementao da Unio tm seus valores previamente conhecidos, j que os valores mensais so calculados e publicados no final do exerccio (para vigo-rar no exerccio seguinte), por meio de Portaria Interministe-rial dos Ministrios da Educao e da Fazenda.Existe algum outro critrio adotado pelo FNDE/Mec para a distribuio dos recursos do Fundeb?dos recursos gerados realizada periodicamente pelo Tesouro Nacional (no caso dos recursos arrecadados pelo Governo Fede-ral) e pelos rgos Fazendrios dos Governos Estaduais (no caso dos recursos arrecadados pelos Governos Estaduais), ao Banco do Brasil, que procede a distribuio e o crdito dos recursos nas con-tas dos Estados e Municpios beneficirios.Quando ocorrem os repasses dos re-cursos do Fundeb? Depois de conhecidos os coeficientes de distribuio dos re-cursos do Fundo, o repasse a cada Estado e Municpio se proces-sa de forma automtica. O agente financeiro do Fundo aplica os coeficientes fornecidos pelo FNDE sobre o total de recursos a ser distribudo em cada Estado, obtm com isso o valor devido a cada governo beneficirio e credita esse valor na conta especfica do Fundeb desses beneficirios.Esses crditos acontecem em vrias datas dentro do ms, pois os impostos e transferncias que alimentam o Fundeb tm perio-dicidades diferentes de repartio dos seus recursos. Com isso, dependendo da origem dos recursos do Fundeb, os crditos cor-respondentes ocorrem semanalmente, decendialmente, ou men-salmente.O quadro abaixo esclarece esta frequncia. So creditados au-tomaticamente (sem necessidade de convnio ou instrumento similar) na conta especfica do Fundo no Banco do Brasil ou da Caixa Econmica Federal, sendo os depsitos realizados em datas distintas (nas mesmas datas dos crditos dos recursos das fontes mes, ou seja, das fontes que alimentam o Fundo). Nas mesmas datas de transferncia do FPM aos Municpios. Por exemplo, os recursos do Fundeb originrios do FPM so creditados, aconte-Decendial-mente: de dez em dez dias.90 Mdulo FundebAqui temos uma novidade! A distribuio dos recursos do Fun-deb realizada com base em coeficientes de distribuio dos re-cursos, calculados para cada ente governamental (Estado, Distrito Federal e Municpio) e divulgados pelo FNDE/MEC. Este coeficiente, multiplicado pelo total de recursos do Fundo de um determinado Estado ou do Distrito Federal, resulta no valor financeiro que cada esfera de governo (municipal, estadual ou distrital) ir receber do montante total de recursos do Fundo daquele Estado.No clculo destes coeficientes so consideradas as seguintes variveis e critrios::: valor da receita que compe o Fundo (originria dos Estados, Municpios e Unio);:: nmero de alunos matriculados;:: fatores de ponderao definidos;:: garantia do valor por aluno/ano verificado em cada Estado no Fundef em 2006 (ltimo ano de vigncia daquele fundo), no mbito do ensino fundamental;:: garantia do valor mnimo nacional por aluno/ano verificado no Fundef em 2006, no mbito do ensino fundamental;:: apropriao de, no mximo, 15% dos recursos do Fundo, em cada Estado, para a educao de jovens e adultos.O envolvimento de vrias informaes, critrios e condies faz com que o clculo destes coeficientes seja relativamente com-plexo. Esse clculo realizado pelo FNDE/Mec anualmente, que divulga os coeficientes para conhecimento pblico e para utiliza-o no sistema informatizado do Banco do Brasil, para fins de cr-ditos em contas especficas mantidas no prprio Banco do Brasil ou na Caixa Econmica Federal, de todos os recursos referentes ao Fundeb, sendo que esses crditos ocorrem em diferentes datas no decorrer do ms, conforme j esclarecido.Os coeficientes de distribuio calculados esto na pgina do FNDE para consulta. de fcil acesso, basta voc seguir os seguin-tes passos:a) Acesse a pgina do FNDE (www.fnde.gov.br).b) Procure esquerda da tela o cone Fundeb, e clique nele.c) Ao abrir a pgina do Fundeb, busque no centro da pgina o cone Dados estatsticos.Ao abrir o cone Dados Estatsticos, voc facilmente identifi-car o arquivo coeficientes de distribuio, conforme mostramos a seguir:Coeficiente: nmero cons-tante pelo qual se multiplica uma varivel.91H possibilidade de ocorrer atrasos nos repasses dos recursos do Fundeb?Em face da natureza das transferncias dos recursos do Fundeb - repasses constitucionais automticos com crditos realizados sem necessidade de autorizaes ou celebrao de convnios - a regularidade uma importante caracterstica dos crditos realiza-dos nas contas especficas do Fundo. Isso faz com que tais crditos ocorram normalmente, sem atrasos, com a mesma periodicida-de em que so creditados os valores das fontes (FPM, FPE, ICMS, IPIexp, LC 87/96, ITCMD, IPVA e ITR) alimentadoras do Fundeb, fa-cilitando a programao e a utilizao dos recursos, por parte dos Estados e Municpios.Precisamos tratar de mais uma questo sobre a execuo do Fundeb: o limite de apropriao de recursos educao de jovens e adultos - EJA.Existe algum critrio especial na distribuio dos recursos do Fundo envolvendo a educao de jovens e adultos?Sim, a legislao determina que no momento em que o Go-verno Federal efetua a distribuio dos recursos, no permitido comprometer mais de 15% do total de recursos do fundo naquele Estado com a educao de jovens e adultos. A aplicao, que realizada pelos Estados e Municpios, no est submetida a esta regra. Em outras palavras, caso o nmero total de matrculas da educao de jovens e adultos de determinado Estado, multipli-cado pelo valor aluno/ano desta modalidade de ensino, implicar num valor financeiro superior a 15% do total dos recursos previs-tos para aquele Estado no ano, o valor por aluno/ano da EJA ter que ser reduzido, de forma que o limite de comprometimento dos recursos para esta modalidade permanea abaixo dos 15% do Fundo. Mas importante esclarecer que esse critrio utilizado apenas no momento da distribuio dos recursos, no da aplica-o pelo Estado ou Municpio.O que o princpio da anualidade e qual a sua impor-tncia para a execuo do Fundo?Na organizao do Fundo, o princpio da anualidade encontra-se presente o tempo todo, pois elementos como as estimativas (previso, avaliao, clculo, oramento preliminar) de receitas, os clculos do valor por aluno, o valor mnimo para os diversos segmentos da educao bsica, as matrculas, a aplicao dos re-cursos, o ajuste de contas, e a programao oramentria so efe-tuados anualmente. Os recursos do Fundo, por originarem-se da parcela dos impostos e transferncias vinculados educao, con-sequentemente, tambm se submetem a essa regra geral da anu-alidade. Dessa forma, tanto a programao oramentria quanto a aplicao dos princpios devem se apoiar nessa regra. Com base no princpio da anualidade que deve ser observada, no se permite a transferncia das obrigaes que, por lei, devem ser cumpridas em cada exerccio, para outro exerccio.Mas o que isto significa?Programao Oramentria: documento que discrimina, no caso do Fun-deb, a receita e a despesa para o exerccio se-guinte. reali-zada pelo Poder Executivo.92 Mdulo Fundeb simples. Os parceiros do Fundeb no podem deixar de realizar programao anual da aplicao dos recursos e de executar essa aplicao dentro do exerccio em que os repasses so realizados aos Estados, Distrito Federal, Municpios. Todos esto submetidos a esta norma.Assim, o oramento e a execuo financeira devem ocorrer de forma que: :: 25% das receitas de impostos e transferncias dos Estados, Distrito Federal e Municpios sejam aplicados na educao no ano em que so disponibilizadas para utilizao;:: 100% do valor repassado (creditado) conta do Fundeb se-jam efetivamente aplicados no mesmo exerccio em que os valores financeiros so creditados nas contas especficas do Fundo.O limite mnimo de 60% dos recursos do Fundeb para paga-mento da remunerao dos profissionais do magistrio tambm deve ser observado anualmente, ou seja, se foi cumprido em rela-o aos valores anuais.A exceo a essa regra limita-se permisso de que at 5% do valor total repassado conta do Fundeb no ano sejam aplicados no primeiro trimestre do ano seguinte. O valor correspondente deve ser objeto de abertura de crdito adicional, no oramento do ano seguinte, com efetivao do pagamento no decorrer do 1 trimestre.Chegamos ao fim de mais uma unidade. Esperamos que voc tenha conseguido entender todas as informaes que disponibili-zamos. Agora, pegue seu Caderno de Atividades e realize os exer-ccios 14 a 16, desta Unidade.AtividadesUnidade III em snteseNesta unidade trabalhamos os detalhes da operacionalizao do Fundeb. Afirmamos que esta operacionalizao, que envol-ve clculos dos Fundos e a distribuio dos recursos, ocorre de acordo com as diretrizes definidas pela Comisso Intergoverna-mental de Financiamento para Educao Bsica de Qualidade.Vimos o processo de clculo do Fundo dos Estados e Distrito Federal, que implica em saber quanto de recursos da cesta de impostos, transferncias e contribuies sero arrecadados no ano, o valor de contribuio composio do Fundo recolhido por estes parceiros na conta especfica do Fundeb, a quantida-de de alunos matriculados e declarados no Censo Escolar que devero ser atendidos, a utilizao de elementos como os fato-res de ponderao e os valores aluno/ano para os segmentos da educao bsica.Falamos sobre a complementao da Unio para a composio do Fundo. Explicamos como realizado o seu clculo e esclare-cemos que somente os Estados que calcularam o valor aluno/ano para as sries iniciais urbanas do ensino fundamental abai-xo do valor nacional tero direitos a esta complementao.Outro assunto abordado foi a questo da distribuio dos re-cursos, que depende do clculo de um coeficiente de distri-buio e de um sistema informatizado que facilita os devidos crditos para os Estados, Distrito Federal e Municpios.Porm, de todas as informaes que foram colocadas nesta unidade, o que mais importa a confirmao que, no mbito do Fundeb, existe a preocupao com a distribuio equnime dos recursos financeiros do Fundo, fator que certamente cola-bora para a construo de uma escola mais igualitria, justa, e consequentemente mais democrtica.Os recursos financeiros do Fundeb: da aplicao prestao de contasUnidade IVOs recursos financeiros do Fundeb95ser feitas pelos Estados, Distrito Federal e Municpios e tam-bm por recursos provenientes da Unio;b) este Fundo formado por receitas especficas, possui objeti-vos determinados e normas prprias para aplicao de seus recursos;c) o compromisso do Fundeb garantir a melhoria da quali-dade do ensino na educao bsica e promover a incluso scio-educacional de centenas de milhares de alunos, nos quatro cantos do Brasil;d) a distribuio dos recursos leva em conta elementos como: critrios definidos na legislao especfica do Fundo, os de-zenove segmentos da educao bsica, os fatores de pon-derao, os dados do Censo Escolar, os valores por aluno/ano nacional e por Estado, dentre outros;e) para receber os recursos do Fundeb, os entes federados no precisam de qualquer tipo de solicitao, nem elaborar pla-no de trabalho ou celebrar convnio, pois os recursos dos Fundos so repassados automaticamente para contas ni-cas e especficas dos Governos Estaduais, do Distrito Federal e dos Municpios;f) sua execuo possvel pela atuao de uma rede de parce-ria muito ampla, formada pelo MEC e seus rgos (FNDE e INEP) pelo Ministrio Pblico (Federal, Estadual, Distrital ou Municipal), pelos Tribunais de Contas dos Estados, do Distri-to Federal e Municpios, pelo Tribunal de Contas da Unio e a Controladoria-Geral da Unio, pelo Ministrio da Fazenda/Secretaria do Tesouro Nacional, pelo Ministrio do Planeja-mento, pelas instituies bancrias (Banco do Brasil e Caixa Econmica Federal), e ainda pelo Conselho de Acompanha-mento e Controle Social do Fundeb.IntroduoNa unidade anterior falamos sobre a operacionalizao dos re-cursos do Fundo, que inclui elementos como: o clculo do valor por aluno/ ano, os fatores de ponderao, os segmentos da edu-cao bsica atendidos com os recursos financeiros do Fundeb e o processo de distribuio dos recursos. Nesta unidade vamos tra-balhar outros importantes aspectos do Fundeb: sua execuo de fato, identificando inclusive as aes que devem ser financiadas com recursos do Fundo, o processo de fiscalizao que ocorre des-de a formao do Fundo at sua plena execuo, e ainda detalhes da prestao de contas.O estudo desta unidade tem por objetivo fazer com que voc seja capaz de::: diferenciar as aes a serem financiadas com os recursos fi-nanceiros do Fundo;:: apontar as principais etapas das despesas efetuadas com ma-nuteno e desenvolvimento da educao bsica pblica;:: identificar os responsveis pela execuo do Fundeb, suas competncias e as etapas deste processo;:: identificar os responsveis pela fiscalizao da execuo dos recursos financeiros do Fundeb e suas competncias;:: entender como e por que necessrio prestar contas dos re-cursos financeiros recebidos conta do Fundeb;:: conhecer o processo de prestao de contas do Fundeb;:: entender o fluxo de execuo do Fundeb;Antes de apresentarmos detalhes da aplicao dos recursos fi-nanceiros do Fundeb, importante lembrar que;a) o Fundeb um fundo especial, de natureza contbil, de m-bito estadual, e formado pelas contribuies que devero 96 Mdulo Fundeb4.1. A execuo do FundebComo vimos at agora, os recursos do Fundeb destinam-se ao financiamento de aes de manuteno e desenvolvimento da educao bsica, independentemente da modalidade em que o ensino oferecido (regular, especial ou de jovens e adultos), da sua durao (tempo integral ou tempo parcial), da idade dos alu-nos (crianas, jovens ou adultos), do turno de atendimento (matu-tino e/ou vespertino ou noturno) e da localizao da escola (zona urbana, zona rural, rea indgena ou quilombola).Mas, o que significa aes de manuteno e de-senvolvimento do ensino MDE?So todas as despesas realizadas que visam alcanar os objeti-vos bsicos da educao nacional: educao de qualidade para todos!Mas, qualquer ao relacionada educao pode ser financiada com estes recursos?Se voc respondeu no a esta pergunta, acertou. A Lei de Dire-trizes e Bases da Educao Nacional (Lei n. 9.394, de 20 de dezem-bro de 1996) estabelece claramente, em seus artigos 70 e 71, tanto as aes consideradas como de manuteno e desenvolvimento do ensino, que podem ser financiadas com recursos do Fundeb, quanto as aes que no so de manuteno e desenvolvimento do ensino, que, logicamente, no podem ser financiadas com es-tes recursos.Os recursos financeiros do Fundeb97Quadro n 7 - Aes financiveis e no financiveis com os recursos do Fundeb.Aes financiveis Aes no financiveisI - remunerao e aperfeioamento do pessoal docente e demais profissionais da educao;I - pesquisa, quando no vinculada s instituies de ensino, ou, quando efetivada fora dos sistemas de ensino, que no vise, precipuamente, ao aprimoramento de sua qualidade ou sua expanso, como por exemplo: pesquisas poltico/eleitorais ou destinadas a medir a popularidade dos governantes, ou ainda, de integrantes da administrao e pesquisa com finalidade promocional ou de publicidade da administrao ou de seus integrantes;II - aquisio, manuteno, construo e conservao de instalaes e equipamentos necessrios ao ensi-no;II - subveno a instituies pblicas ou privadas de carter assistencial, des-portivo ou cultural. Pode-se citar como exemplo recursos para distribui-o de cestas bsicas, financiamento de clubes ou campeonatos esporti-vos, manuteno de festividades tpicas/ folclricas do Municpio;III uso e manuteno de bens e servios vinculados ao ensino;III - formao de quadros especiais para a administrao pblica, militares ou civis, inclusive diplomticos que no atuem nem executem atividades voltadas diretamente para o ensino; IV - levantamentos estatsticos, estudos e pesquisas vi-sando precipuamente ao aprimoramento da quali-dade e expanso do ensino;IV - programas suplementares de alimentao, assistncia mdico- odonto-lgica, farmacutica e psicolgica, programas assistenciais aos alunos e seus familiares e outras formas de assistncia social V - realizao de atividades necessrias ao funciona-mento dos sistemas de ensino;V - obras de infra-estrutura, ainda que realizadas para beneficiar direta ou indiretamente a rede escolar, como: calamento de ruas, rede de esgoto, iluminao pblica, pontes, viadutos ou melhoria de vias etc;VI - amortizao e custeio de operaes de crdito des-tinadas a atender ao disposto nos incisos deste ar-tigo;VI - pessoal docente e demais trabalhadores da educao, quando em des-vio de funo ou em atividade alheia manuteno e desenvolvimento do ensino ou em funes comissionadas em outras reas de atuao no dedicadas educao.VII - aquisio de material didtico-escolar e manuten-o de programas de transporte escolar.De modo geral, para ficar mais claro, os recursos do Fundo no podem ser aplicados pelos Estados, DF e Municpios em:98 Mdulo Fundeb:: despesas de manuteno e desenvolvimento da educao bsica.Agora, vamos ver detalhadamente cada uma destas aes. 4.1.1. Recursos do Fundeb: a remunerao dos profissionais do magistrioOs recursos do Fundeb devem ser empregados exclusivamente em aes de manuteno e desenvolvimento da educao bsica pblica, particularmente na valorizao do magistrio, conforme determinao legal:Pelo menos 60% (sessenta por cento) dos recursos anuais totais dos Fundos sero destinados ao paga-mento da remunerao dos profissionais do magis-trio da educao bsica em efetivo exerccio na rede pblica. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, art. 23, inciso II.Voc percebeu que no artigo 23, citado acima, propositada-mente foram grifadas trs ideias muito importantes: remunerao, profissionais do magistrio e efetivo exerccio. O que estes conceitos significam?Por remunerao devemos entender o total de pagamentos (salrio, encargos sociais incidentes e gratificaes como: tem-po de servio, titulao, dentre outras, previstas na lei de cargos :: aes do ensino superior;:: educao oferecida por instituies de ensino de natureza privada que no atendam alunos da educao especial, de creches e pr-escola, e no sejam comunitrias, confessio-nais ou filantrpicas, sem fins lucrativos e conveniadas com o poder pblico;:: etapas da educao bsica de responsabilidade de outro ente governamental;:: despesas de outros exerccios, ainda que relacionadas ma-nuteno e ao desenvolvimento da educao bsica;:: aes no caracterizadas como de manuteno e desenvolvi-mento da educao bsica.Ainda em relao aos recursos do Fundeb, os mesmos no po-dero ser utilizados: como garantia ou contrapartida de operaes de crdito, internas ou externas, contradas pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municpios que no se destinem ao financiamento de projetos, aes ou programas considerados como ao de manuteno e desenvolvimento do ensino para a educao bsica. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, art. 23, inciso II.E, afinal, quais so as aes financiveis?:: a remunerao dos profissionais do magistrio da educao bsica pblica;Os recursos financeiros do Fundeb99ou de etapas da educao bsica de responsabilidade de outro ente governamental ou do setor privado (mesmo que de instituio comunitria, confessional ou filantrpica con-veniada com o poder pblico);b) inativos, mesmo que egressos da educao bsica pblica;c) pessoal da educao que no seja integrante do grupo de profissionais do magistrio, como profissionais que atuam na assistncia social, mdico-odontolgica, farmacutica e psicolgica;E os profissionais de educao que se encontram em situaes especiais podem ter sua remunerao paga com os recursos do Fundeb?Para responder a esta pergunta vamos apresentar trs casos especficos: 1 Caso: profissionais do magistrio dos Municpios e do Dis-trito Federal cedidos para instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas, sem fins lucrativos e conveniadas com o Munic-pio onde se localiza, para atuao no segmento das creches e da educao especial (infantil e fundamental) e nos quatro primei-ros anos do Fundo, tambm na educao pr-escolar, sero con-siderados, no mbito do respectivo municpio, como em efetivo exerccio do magistrio, para fins de remunerao com a parcela mnima dos 60% do Fundeb.2 Caso: profissionais do magistrio dos Estados cedidos para instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas, sem fins lucrativos e conveniadas com o Governo Estadual, para atuao na educao especial (fundamental e mdio), sero considerados, e salrios) devidos aos profissionais do magistrio da educao, integrantes do quadro de servidores do Estado, Distrito Federal ou Municpio. J os profissionais do magistrio da educao so os professores e profissionais que oferecem suporte pedaggico e/ou assessoramento pedaggico direto ao exerccio da docncia: direo ou administrao escolar, planejamento, inspeo, super-viso, orientao educacional e coordenao pedaggica. Quanto ao termo efetivo exerccio, devemos compreender a atuao efe-tiva no desempenho das atividades de magistrio na educao bsica, com vnculo contratual em carter permanente ou tempo-rrio com o estado, DF ou municpio, regido tanto por regime ju-rdico especfico do ente governamental contratante quanto pela Consolidao das Leis do Trabalho CLT.Ateno! Exclusivamente os profissionais do magistrio, em efetivo exerccio na rede pblica, podem ter suas re-muneraes pagas com a parcela mnima de 60% do Fun-deb.Que tipo de profissional da educao no pode ter sua remunerao paga com recursos do Fundeb?A parcela de recursos financeiros do Fundo no pode ser desti-nada ao pagamento de profissionais:a) integrantes do quadro de magistrio do ensino superior 100 Mdulo Fundeb:: salrio famlia, quando as despesas correspondentes reca-rem sobre o empregador;:: encargos sociais (Previdncia e FGTS) devidos pelo empre-gador, correspondentes remunerao paga na forma dos itens anteriores, observada a legislao federal, estadual e municipal sobre a matria.E, afinal, quais as despesas relacionadas aos recur-sos ou vantagens recebidas pelos profissionais da educa-o no podem ser custeadas com os recursos do Fundeb?No deve compor a remunerao, para fins de cumprimento da aplicao mnima de 60% do Fundeb, as despesas realizadas a ttulo de::: auxlio-transporte ou apoio equivalente, destinado a asse-gurar o deslocamento do profissional de ida e volta para o trabalho;:: auxlio-alimentao ou apoio equivalente;:: apoio financeiro para aquisio de vesturio utilizado no tra-balho ou benefcio equivalente; :: assistncia social, mdica, psicolgica, farmacutica, odonto-lgica oferecida diretamente pelo empregador ou mediante contratao de servios oferecidos por entidades especializa-das, sob a forma de planos de sade ou assemelhados, em suas variadas modalidades e formas de pagamento e cobertura;:: previdncia complementar;:: PIS/Pasep;:: servios de terceiros, ainda que contratados para substitui-o de profissionais do magistrio.no mbito do respectivo Governo Estadual, como em efetivo exer-ccio do magistrio, para fins de remunerao com a parcela mni-ma dos 60% do Fundeb.3 Caso: professores terceirizados (vinculados a cooperativas ou outras entidades) que eventualmente estejam atuando sem vnculo contratual direto (permanente ou temporrio) com o Es-tado, Distrito Federal ou municpio a que prestam servios no podero ser remunerados com a parcela de recursos vinculada remunerao do magistrio, pois esses recursos no se destinam ao pagamento de servios de terceiros, cuja contratao se d por meio de processo licitatrio prprio. Ressalta-se que o ingresso na carreira de magistrio deve dar-se por meio de concurso pblico de provas e ttulos, conforme estabelecem a Constituio Federal (art. 37, II) e a LDB (art. 67, I). Mas, o que de fato pode ser considerado paga-mento de remunerao dos profissionais do magistrio da educao bsica, em efetivo exerccio?De modo geral, os itens que compem esta remunerao, para fins da aplicao do mnimo de 60% do Fundo, incluem: :: salrio ou vencimento;:: 13 salrio, inclusive 13 salrio proporcional;:: 1/3 de adicional de frias;:: frias vencidas, proporcionais ou antecipadas;:: gratificaes inerentes ao exerccio de atividades ou funes de magistrio, inclusive gratificaes ou retribuies pelo exerccio de cargos ou funes de direo ou chefia;:: horas extras, aviso prvio, abono;101do Fundeb deve ser aplicada compreende:I - Remunerao e aperfeioamento do pessoal docente e dos profissionais da educao, contemplando: a) Remunerao e capacitao, sob formao continuada de trabalhadores da educao bsica, com ou sem cargo de di-reo e chefia, incluindo os profissionais do magistrio e ou-tros servidores que atuam na realizao de servios de apoio tcnico-administrativo e operacional, nestes esto includa a manuteno de ambientes e instituies do respectivo sis-tema de ensino bsico. b) Remunerao do(a) secretrio(a) de Educao do respecti-vo ente governamental (ou dirigente de rgo equivalente) apenas se a atuao deste dirigente se limitar educao, e, no segmento da educao bsica que compete ao ente governamental oferecer prioritariamente, na forma do art. 211, 2 e 3 da Constituio Federal.c) Formao inicial e/ou continuada de professores da educa-o bsica, sendo:Formao Inicial: relacionada habilitao para o exerccio profissional da docncia, de conformidade com o dispos-to no art. 62 da LDB, que estabelece, para os docentes da educao bsica, exigncia de formao em nvel superior (licenciatura plena, na rea exigida), mas admite como for-mao mnima a de nvel mdio, modalidade normal, para o exerccio da docncia na educao infantil e nas sries ini-ciais do ensino fundamental. Nesta etapa de formao, de-vem ser includas as aes para a habilitao de professores leigos; de conformidade com a poltica, planos, diretrizes e critrios definidos no mbito dos respectivos poderes pbli-cos estaduais e municipais. Formao Continuada: voltada para a atualizao, expan-so, sistematizao e/ou aprofundamento dos conhecimen-Cumprida a exigncia mnima relacionada garantia de 60% para remunerao do magistrio, os recursos restantes (de at 40% do total) devem ser utilizados para despesas diversas con-sideradas como de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino MDE.Voc deve estar se perguntando:Quais os critrios para a utilizao deste recurso?Quais so as despesas consideradas como Manuteno e Desenvolvimento do Ensino MDE?Vamos responder a estas perguntas no prximo item.4.1.2. Recursos do Fundeb: financiamento de outras despesas de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino MDEOs investimentos em despesas de Manuteno e Desenvolvi-mento do Ensino MDE devem ser realizadas para todos os n-veis da educao bsica, na forma prevista no artigo 70 da Lei n. 9.394/96 (LDB), observado o seguinte critrio::: Estados: despesas com MDE no mbito dos ensinos funda-mental e mdio;:: Distrito Federal: despesas com MDE no mbito da educao infantil e dos ensinos fundamental e mdio;:: Municpios: despesas com MDE no mbito da educao in-fantil e do ensino fundamental.O conjunto de despesas com MDE no qual essa parcela de 40% Auxiliar de servi-os gerais (ma-nuteno, lim-peza, segurana, preparao da merenda etc), auxiliar de ad-ministrao (ser-vios de apoio administrativo), secretrio escolar, dentre outros, lotados e em exerccio nas escolas ou rgo/unidade administrativa da educao b-sica pblica.102 e) reforma total ou parcial de instalaes fsicas (rede eltrica, hidrulica, estrutura interna, pintura, cobertura, pisos, muros, grades etc) das instituies de ensino da educao bsica.III - Uso e manuteno de bens vinculados ao sistema de ensino:a) aluguel de imveis e equipamentos;b) manuteno de bens e equipamentos (mo de obra espe-cializada, materiais e peas de reposio diversas, lubrifican-tes, combustveis, reparos etc);c) conservao das instalaes fsicas utilizadas na educao bsica (reparos, limpeza etc);d) despesas com servios de energia eltrica, gua e esgoto, servios de comunicao e informtica etc.IV - Levantamentos estatsticos, estudos e pesquisas visando ao aprimoramento da qualidade e expanso do ensino:a) levantamentos estatsticos (relacionados ao sistema de ensi-no) objetivando o aprimoramento da qualidade e a expan-so da educao bsica;b) organizao de banco de dados, realizao de estudos e pesquisas que visem elaborao de programas, planos e projetos voltados educao bsica.V - Realizao de atividades necessrias ao funcionamento do ensino: Despesas inerentes ao custeio das diversas atividades relacio-nadas ao adequado funcionamento dos estabelecimentos de ensino da educao bsica, das quais pode-se destacar: a) servios diversos (vigilncia, limpeza e conservao, entre outros);b) aquisio do material de consumo utilizado nas escolas e de-mais rgos do sistema (papel, lpis, canetas, grampos, colas, fitas adesivas, gizes, cartolinas, gua, produtos de higiene e tos, na perspectiva do aperfeioamento profissional que, de forma contnua, deve ser promovido pelos estados, DF e municpios, mediante programas com esse objetivo, asse-gurados nos respectivos Planos de Carreira e Remunerao do Magistrio. Em relao a estes cursos, por se tratar de cursos livres, o MEC no realiza o credenciamento de insti-tuies que os oferecem. No entanto, torna-se necessria a verificao sobre eventuais exigncias relacionadas ao fun-cionamento dessas instituies junto aos Conselhos Estadu-ais ou Municipais de Educao. Mas, independentemente de eventuais exigncias nesse sentido, importante atentar para os aspectos da qualidade e da reconhecida capacida-de tcnica das pessoas (fsica ou jurdica) contratadas para a prestao desses servios.II - Aquisio, manuteno, construo e conservao de insta-laes e equipamentos necessrios ao ensino:a) aquisio de imveis j construdos ou de terrenos para construo de prdios destinados a escolas ou rgos do sistema de ensino bsico;b) ampliao, concluso e construo de prdios, poos, muros e quadras de esportes nas escolas e outras instalaes fsi-cas de uso exclusivo da educao bsica;c) aquisio de mobilirio e equipamentos voltados para o atendimento exclusivo das necessidades da educao b-sica pblica (carteiras, cadeiras, mesas, armrios, mimegra-fos, retroprojetores, computadores e perifricos, televisores, antenas etc);d) manuteno dos equipamentos existentes (mquinas, m-veis, equipamentos eletro-eletrnicos etc), inclusive com aquisio de produtos/servios necessrios ao seu funcio-namento (tintas, graxas, leos, combustveis, energia eltri-ca, assistncia tcnica, servios eltricos, mecnicos, hidru-licos, reparos, reformas, reposio de peas, revises etc);Custeio: despesas de custeio so as que se referem manuteno das atividades dos rgos do Governo, abrangendo basicamente os gastos com pessoal, material de consumo e servios de terceiros.Professores Leigos: Em relao educao bsica, so aqueles que atuam na edu-cao infantil e das sries iniciais do ensino fun-damental sem a formao em nvel mdio, na modalidade normal (antigo Magistrio) e os professores nas sries finais do ensino funda-mental e do en-sino mdio sem curso superior de licenciatura plena na rea especfica de atuao.103e conservao desses veculos, como combustveis, leos lubri-ficantes, consertos, revises, reposio de peas, servios me-cnicos etc;d) locao de veculos para o transporte de alunos da zona ru-ral, desde que essa soluo se mostre mais econmica e o(s) veculo(s) a ser(em) locado(s) rena(m) as condies necess-rias a esse tipo de transporte, de forma idntica s exigncias a serem observadas em relao aos veculos prprios.Aps termos detalhado cada uma das aes consideradas de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino MDE, precisamos que voc pense sobre uma importante questo:Como devem ser efetuadas as despesas e aquisi-es no mbito das aes de Manuteno e Desenvolvi-mento do Ensino MDE?As compras, aquisies ou contratao de servios, realiza-das com recursos pblicos devem seguir os dispostos da Lei n. 8.666/93 e suas alteraes e ocorrer por meio de um processo lici-tatrio legal, pois:A licitao destina-se a garantir a observncia do princ-pio constitucional da isonomia e a selecionar a propostalimpeza, tintas etc). VI - Amortizao e custeio de operaes de crdito destinadas a atender ao disposto nos itens acima:Quitao de emprstimos (principal e encargos) destinados a investimentos em educao bsica pblica (financiamento para construo de escola do ensino fundamental, por exemplo).VII - Aquisio de material didtico-escolar e manuteno de transporte escolar:a) aquisio de materiais didtico-escolares diversos destinados a apoiar o trabalho pedaggico na escola (material desportivo utilizado nas aulas de educao fsica; acervo da biblioteca da escola, como livros, atlas, dicionrios, peridicos; lpis; borra-chas; canetas; cadernos; cartolinas; colas etc);b) aquisio de veculos escolares apropriados ao transporte de alunos na zona rural devidamente equipados e identificados como de uso especfico nesse tipo de transporte, em observn-cia ao disposto no Cdigo Nacional de Trnsito (Lei n. 9.503, de 23.09.97). Os tipos de veculos destinados ao transporte de alunos, desde que apropriados ao transporte de pessoas, devem se encontrar licenciados pelos competentes rgos en-carregados da fiscalizao e dispor de todos os equipamentos obrigatrios, principalmente no que tange aos itens de segu-rana. Podem ser adotados tipos, modelos e marcas diferencia-das de veculos, em funo da quantidade de pessoas a serem transportadas, das condies das vias de trfego, dentre outras, podendo, inclusive, ser adotados veculos de transporte hidro-virio. O municpio pode, inclusive, utilizar-se dos recursos do Fundeb para bancar a sua contrapartida na aquisio de vecu-los financiados pelo programa Caminhos da Escola; c) manuteno de veculos utilizados no transporte escolar, garan-tindo-se tanto o pagamento da remunerao do(s) motorista(s) quanto dos produtos e servios necessrios ao funcionamento Amortizao: extinguir uma dvida aos poucos ou em prestaes. Abater (parte de uma dvida), efetuando o pagamento cor-respondente.A Lei de Diretri-zes e Bases da Educao (Lei n. 9.394/1996, art. 10, VII, e art. 11, VI), alterada pela Lei n. 10.709/2003, dispe que os governos dos Estados e dos Municpios sero responsveis pelo transporte escolar dos alunos de suas respectivas re-des de ensino.104 Mdulo Fundebmais vantajosa para a Administrao e ser processada e julgada em estrita conformidade com os princpios bsicos da legalidade, da impessoalidade, da moralida-de, da igualdade, da publicidade, da probidade admi-nistrativa, da vinculao ao instrumento convocatrio, do julgamento objetivo e dos que lhes so correlatos. Lei 8666/93, Art. 3.Quadro n 8 - Fundamentos constitucionais para compras, aquisies ou contratao de servios pela Administrao PblicaFundamentos Conceito legalIsonomia Princpio que resguarda o direito de todos poderem participar da licitao, em iguais condies.Legalidade Todos os atos da Administrao tm que estar em conformidade com a Lei (princpios legais). Impessoalidade Os atos da Administrao devem propiciar o bem comum da coletividade e no de indivduos, ou seja, resguar-dar o interesse pblico e evitar favoritismos e privilgios. Moralidade Diretriz a ser seguida, que prima pela honestidade, evitando conluios, acordos escusos, etc. A CF considera as hipteses de imoralidade = improbidade como crime, portanto, ato ilegal e est sujeito ao controle judicial.Igualdade No pode haver regras que impeam o acesso ao certame, de todos os interessados; Os licitantes devem ser tratados igualmente, em termos de direitos e obrigaes.Publicidade a divulgao oficial do ato da Administrao para a cincia do pblico em geral. Os atos devem ser ampla-mente divulgados, para garantir, inclusive, a transparncia da atuao administrativa. No havendo publicidade o ato ter seus efeitos anulados.Probidade AdministrativaAgir com retido no trato da coisa pblica, sob pena de incorrer na perda da funo pblica, suspenso dos direitos polticos, indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao errio, sem prejuzo da ao penal cabvel.Eficincia Competncia para se produzir resultados com dispndio mnimo de recursos e esforos. Representa uma medi-da segundo a qual os recursos so convertidos em resultados de forma mais econmica.Eficcia A eficcia mede a relao entre os resultados obtidos e os objetivos pretendidos, ou seja, ser eficaz conseguir atingir um dado objetivo. A eficcia de toda atividade administrativa est condicionada ao atendimento da lei.Agilidade Maior dinmica (rapidez) na aquisio de mercadorias e servios pela administrao pblica, minimizando custos.Efetividade Diz respeito capacidade de se promover resultados pretendidos.No caso especfico das despesas de financiamento da Manuten-o e Desenvolvimento do Ensino MDE (parcela de at 40% dos recursos do Fundeb) fundamental observar que toda e qualquer licitao deve ser realizada com eficincia, eficcia e agilidade.Para que voc compreenda claramente os fundamentos legais para as aquisies no mbito do poder pblico, observe os princi-pais conceitos sobre o tema apresentados no quadro abaixo:Os recursos financeiros do Fundeb105Com o objetivo de efetuar a licitao dentro das normas legais o rgo responsvel pelas aquisies e contrataes no mbito do Fundo dever optar por uma das trs modalidades de licitao, de acordo com o artigo 22 da Lei 8.666/93, ou seja:Quadro n. 9 - Modalidades de Licitao.Nome Modalidade Valor estimado da contratao (limites) (*)Convite:: realizada entre empresas que fornecem os produtos ou servios, objeto da li-citao;:: as empresas que participaro do processo licitatrio podem estar cadastradas ou no junto a Unidade Administrativa, basta manifestar interesse;:: o nmero de convidados no mnimo de 3 (trs);:: a unidade administrativa afixar, em local apropriado, com antecedncia de at 24 horas (vinte e quatro horas) a cpia do instrumento convocatrio; :: no necessrio publicar nem em jornais, nem em imprensa oficial.At R$ 80.000,00Tomada de preos:: corre entre interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condies exigidas para cadastramento at o terceiro dia anterior data do recebimento das propostas, observada a necessria qualificao;:: a divulgao se d por meio de jornal de circulao local, imprensa oficial e o prazo de 15 dias.At R$ 650.000,00Concorrncia:: realizada entre quaisquer interessados que, na fase de habilitao preliminar, comprovem possuir os requisitos mnimos de qualificao exigidos no edital para execuo de seu objeto;:: obrigatria a divulgao do Extrato do Instrumento Convocatrio (edital) em jornal de grande circulao, bem como na imprensa oficial (da Unio ou do Estado) com antecedncia mnima de 30 dias da data de abertura do certa-me.Acima de R$ 650.000,00106 Mdulo FundebO prego, na forma eletrnica, como modalidade de licitao do tipo menor preo, realizar-se- quando a disputa pelo fornecimento de bens ou servios comuns for feita distncia em sesso pblica, por meio de sis-tema que promova a comunicao pela internet.Ainda, para os preges, inclusive o eletrnico, esta mesma le-gislao determina que::: sejam condicionados aos fundamentos bsicos da Adminis-trao Pblica, j citados anteriormente;:: estejam fundamentados em um Termo de Referncia e/ou Projeto Bsico;:: ocorram em relao a qualquer montante de recursos finan-ceiros; :: seus meios de divulgao, observados os valores estima-dos para contratao, sejam os seguintes: Dirio Oficial da Unio, meio eletrnico (Internet), jornal de grande circula-o regional ou nacional;:: fundamentem-se em um edital que contenha a definio do objeto, o endereo eletrnico onde ocorrer a sesso pbli-ca, a data e hora de sua realizao.No mbito do Fundeb, podem ser utilizados tanto o Prego Presencial como o Prego Eletrnico, e os responsveis pela exe-cuo dos recursos do Fundo, podero utilizar os Portais Compras Net, Banco do Brasil, Caixa Econmica ou outros do prprio Esta-do da Federao. Voc j ouviu falar em Prego? Sabe os tipos de preges que existem e se eles podem ser utilizados para as compras e aquisies do Fundeb?O Prego uma nova modalidade de licitao, implementada pelo Governo Federal, que pode ser utilizada com qualquer mon-tante de recursos financeiros, e que, por sua vez, foi regulamenta-da pela seguinte legislao:a) Decreto n. 3.555, de 08/08/00: aprova o regulamento para a licitao na modalidade prego.b) Lei n. 10.520, de 17/07/02: institui no mbito da Unio, Es-tados, Distrito Federal e Municpios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituio Federal, o prego como modali-dade de licitao.c) Decreto n. 5.450, de 31/05/05: regulamenta o prego, na forma eletrnica, para aquisio de bens e servios co-muns.d) Decreto n. 5.504, de 05/08/05: estabelece a exigncia de utilizao do prego, preferencialmente na forma eletrni-ca, para entes pblicos e privados, nas contrataes de bens e servios comuns, realizadas em decorrncia de transfern-cias voluntrias de recursos pblicos da Unio, decorrentes de convnios ou instrumentos congneres ou consrcios pblicos.Sobre o Prego necessrio esclarecer que existem dois tipos: o Presencial e o Eletrnico, ambos possuem legislao prpria: o Presencial regulamentado pelo Decreto 3.555/00, enquanto que Eletrnico, implementado pelo Governo Federal, possui uma le-gislao especfica (Decreto n. 5.450, de 31/05/05) que prev, em seu artigo 2:Os recursos financeiros do Fundeb107Voc j ouviu falar do Sistema de Registro de Pre-os (SRP)?Sabe como este sistema de compras pode ser utilizado nos processos de aquisies no mbito do Fundeb?O SRP a modalidade de compra considerada mais recomen-dvel para as aquisies dos produtos ou servios necessrios para a Manuteno e Desenvolvimento do Ensino MDE por v-rias razes, dentre as quais:a) permite a realizao de licitao nica, em que se registraro os preos de vrios tipos de produtos para atender a mesma necessidade, garantindo o preo para at 12 meses, confor-me a Ata de Registro de Preos, eliminando assim, os custos da burocracia e os desgastes provenientes de grande quan-tidade de licitaes;b) prev a formulao de proposta sobre a qualidade e o preo unitrio do(s) produto(s), dentro dos limites mnimos e m-ximos estabelecidos pelo fornecedor e a no obrigatorieda-de de contratao por parte da Administrao Pblica;c) admite a aquisio em conformidade com o quantitativo e na ocasio em que for de interesse da Administrao, res-peitando os preos de mercado e, ainda, por mais de uma vez, desde que observados os limites estabelecidos no ato convocatrio de quantidade do produto estabelecido para aquele fornecedor;d) maior agilidade na contratao e otimizao dos gastos, uma vez que a realizao do SRP independe da liberao dos recursos oramentrios.E quais os elementos que fundamen-tam essas aquisies?So eles:a) Projeto Bsico ou Termo de Referncia elaborado: que ser o condutor das regras para se efetuar a compra. b) Edital de Licitao elaborado em conformidade com o proje-to bsico: dever conter informaes claras e concisas sobre o qu, como e para qu se pretende realizar uma determi-nada compra.c) O montante de recursos financeiros disponveis para a reali-zao da compra;d) Definio da modalidade a ser aplicada para se efetuar a compra: a mesma dever ser definida com base no volume total de recursos (Convite; Tomada de preos; Concorrncia; Prego Presencial ou Eletrnico).So necessrias ainda::: observao da exigncia de que as aquisies sejam realizadas no mbito da Administrao Pblica com eficincia, eficcia e agilidade, buscando meios de se preservar de maus forne-cedores e de realizar as compras de forma menos onerosa;:: assinatura de um contrato que estabelece as obrigaes das partes: comprador e fornecedor.108 Mdulo FundebAgora mais uma questo surge:Qual a origem dos recursos a serem repassados s instituies comunitrias, confessionais ou filantrpicas que mantm convnios com os governos estaduais, distrital e municipais?De acordo com o art. 8, 1, 3 e 4, da Lei n. 11.494/2007, os repasses de recursos do Fundeb a essas instituies, conta des-ses convnios, devero originar-se da parcela de MDE (at 40% do Fundo), exceto nas situaes especiais, quando o convnio com essas instituies se referir cesso de profissionais docentes dos quadros oficiais.Fique atento! A correta aplicao dos recursos do Fun-deb no isenta o Municpio da obrigao de aplicar nas etapas da educao bsica, que lhe cabe oferecer (edu-cao infantil e ensino fundamental), a parcela de 5% in-cidente sobre as mesmas transferncias constitucionais que compe o Fundo, mas que ficou fora dele e a parcela de 25% das receitas dos demais impostos e transferncias (que no entram na composio do Fundeb).Aps a licitao, quais as outras eta-pas das aquisies? So duas: o Recebimento e a Liquidao da despesa e paga-mento.a) Recebimento: nessa etapa, os fornecedores devem realizar a entrega dos produtos adquiridos e/ou servios contratados, conforme estabelecido no Contrato, os mesmos recebidos formalmente, por um servidor ou uma comisso, que deve-r atestar as respectivas notas fiscais a serem encaminha-das ao setor responsvel para a efetivao do pagamento. Concluda essa etapa, falta verificar ainda como se procede para realizar os pagamentos, o que, na linguagem contbil, chamamos de liquidao da despesa.b) Liquidao da despesa e pagamento: ocorre aps o cum-primento total do que foi contratado e, portanto, deve ser feita somente aps o fornecedor ter concludo todas as obri-gaes previstas no Edital de Licitao e no Contrato. Efe-tuados os devidos pagamentos, que podem ser feitos por ordem bancria ou cheque nominativo ao credor, encerra-se a etapa da compra.A apresentao dessas informaes sobre o processo de aquisies de produtos e contrataes de servios, no mbito das despesas de manuteno e desenvolvimento da educao bsica pblica, tem por objetivo permitir que voc tenha condies de acompanhar como os gestores do Fundeb executam o Fundo em seu Estado ou Municpio.Os recursos financeiros do Fundeb109O pagamento das despesas do Fundo, pelos Estados, Distrito Federal e Municpios, deve ser efetuado por meio de documento que identifique o credor, como por exemplo: :: cheque nominal, em favor do credor, a dbito da respectiva conta especfica do Fundeb no Banco do Brasil ou na Caixa Econmica Federal;:: ordem bancria ou documento equivalente; :: transferncia do valor financeiro correspondente para a insti-tuio bancria eleita a realizar o pagamento, na data de sua efetivao, levando-se em considerao o prazo necessrio compensao do valor da transferncia entre as institui-es bancrias envolvidas.E como fica a realizao de pagamentos de des-pesas, no mbito do Fundeb, a serem efetuadas em ou-tros bancos?A realizao de pagamento de despesas a serem cobertas com recursos do Fundeb junto a outra instituio bancria, distinta daquela onde a conta especfica do Fundo mantida, dever ser realizada mediante documento bancrio de transferncia do valor correspondente para a instituio eleita para o respectivo paga-mento por ocasio de sua realizao, considerando-se a antece-dncia mnima necessria para que os recursos estejam dispon-veis na instituio bancria do pagamento na data programada para sua efetivao. 4.2. A aplicao dos recursosAgora que j sabemos quais so as aes financiadas pelos recursos financeiros do Fundeb, precisamos dar uma olhada em alguns detalhes de sua execuo.4.2.1. A responsabilidade no processo de execuoQuem administra o dinheiro do Fundeb?Quem o responsvel pela movimentao ou execuo dos recursos do Fundeb?A gesto dos recursos do Fundo (programao, aplicao fi-nanceira, movimentao bancria, pagamentos etc) de respon-sabilidade do chefe do Poder Executivo e da autoridade respons-vel pela Secretaria de Educao ou rgo equivalente nos Estados, Distrito Federal e Municpios, na forma do disposto no art. 69, 5, da Lei n. 9.394/96 e art. 17, 7, da Lei 11.494/2007. Ela deve ser realizada utilizando-se a conta especfica do Fundo, mantida no Banco do Brasil ou Caixa Econmica Federal, onde os recursos devem ser movimentados.Como deve ser feita a movimentao bancria ou execuo dos recursos do Fundeb?110 Mdulo FundebMunicpios, o Ministrio Pblico, o Tribunal de Contas da Unio e a Controladoria-Geral da Unio.Quais so as responsabilidades do Tribunal de Contas dos Estados, Distrito Federal e Municpios em re-lao ao processo de fiscalizao do Fundeb?Estes tribunais so responsveis pela fiscalizao dos recursos do Fundeb, desde a composio do fundo, a aplicao dos mes-mos e verificao da prestao de contas. Na realizao desse trabalho, os tribunais editam instrues relacionadas forma, frequncia e aos meios utilizados para apresentao das presta-es de contas. Os Estados, o Distrito Federal e Municpios devem observar as orientaes emanadas dos tribunais nesse sentido. importante lembrar que cabe aos Tribunais de Contas exami-nar, julgar e propor aprovao, ou no, das contas dos administra-dores estaduais e municipais sobre o Fundo e aplicar penalidades, na hiptese de irregularidades. Quais so as responsabilidades do Mi-nistrio Pblico? O Ministrio Pblico, no exerccio da relevante atribuio de zelar pelo cumprimento da lei, atua na garantia da promoo da educao bsica pblica, gratuita e de qualidade, em cumprimen-to as determinaes constitucionais. Em relao ao Fundeb, o Mi-nistrio Pblico Federal e/ou Estadual toma providncias junto ao Poder Judicirio, quando necessrias, em face de irregularidades detectadas e apontadas pelos Conselhos e/ou Tribunais de Con-Os recursos do Fundeb podem ser aplicados no mer-cado financeiro?Os recursos do Fundo, creditados nas contas bancrias espec-ficas, cuja previso de efetiva utilizao seja programada para ter incio em perodo superior a quinze dias, devero ser aplicados pelos responsveis pela movimentao da conta, em operaes financeiras de curto prazo ou de mercado aberto, lastreadas em ttulos da dvida pblica, junto instituio bancria de movimen-tao da conta, com o objetivo de assegurar a manuteno do po-der de compra do valor financeiro repassado.Os rendimentos resultantes das aplicaes financeiras even-tualmente realizadas devem ser utilizados pelo Estado, DF e Mu-nicpio adotando-se os mesmos procedimentos, critrios e desti-nao estabelecidos para o valor principal dos recursos do Fundo. Os lanamentos bancrios e contbeis devero registrar esses ga-nhos financeiros e sua destinao de forma transparente e favor-vel ao acompanhamento pelo Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundo e pelos rgos de fiscalizao e controle, interno e externo. Agora vamos trabalhar outro assunto muito importante: a questo da fiscalizao da aplicao dos recursos do Fundo.4.2.2. O processo de fiscalizaoSabemos que os recursos do Fundeb devem ser investidos in-tegralmente na educao bsica e a fiscalizao em relao a esta aplicao de responsabilidade dos seguintes agentes fiscalizado-res: os Tribunais de Contas dos Estados, do Distrito Federal e dos Os recursos financeiros do Fundeb1114.3. A prestao de contas do FundebPara iniciarmos a nossa conversa sobre a prestao de contas precisamos pensar no seguinte: necessrio prestar contas dos recursos financei-ros do Fundeb?4.3.1. A obrigao legalComo voc sabe, o Fundeb envolve recursos pblicos e, sendo assim, necessrio prestar contas, porque isso um dever cons-titucional! A Constituio Federal, em seu artigo 70, pargrafo nico esta-belece que:Prestar contas qualquer pessoa fsica ou jurdica, p-blica ou privada, que utilize e arrecade, guarde, geren-cie ou administre dinheiros, bens e valores pblicos ou pelos quais a Unio responda, ou que, em nome desta, assuma obrigaes de natureza pecuniria.tas, ou mesmo provenientes de denncias dos cidados comuns, dentre outras origens.E qual a atuao do Tribunal de Contas da Unio e da Controladoria-Geral da Unio?Nos Estados onde h recursos federais compondo o Fundo, ou seja, a complementao da Unio, o Tribunal de Contas da Unio e a Controladoria-Geral da Unio tambm atuam nessa fiscalizao. Essas instncias de controle tm o poder de examinar e aplicar penalidades, na hiptese de irregularidades.Assim, o trabalho realizado pelo Ministrio Pblico, pelos Tri-bunais de Contas, e pela Controladoria-Geral da Unio, dadas as especificidades das atribuies e responsabilidades de cada um desses rgos, contribuem para o alcance do objetivo comum, que o de assegurar o efetivo cumprimento da Lei do Fundeb em benefcio de todos os alunos que esto matriculados na educao bsica.Na prxima unidade trataremos da atuao da sociedade civil no processo de fiscalizao e controle dos investimentos realiza-dos com os recursos do Fundeb. Aguarde...112 Mdulo FundebQuem deve prestar contas?A prestao de contas dos recursos financeiros do Fundeb de-ver ser efetuada pelo poder executivo (estadual, distrital ou mu-nicipal), responsvel por executar estes recursos, de acordo com as normas legais que regem o Fundo.Para que rgo a mesma deve ser entregue?A prestao de contas deve ser submetida ao Conselho de Acompanhamento Social do Fundeb para parecer e depois en-tregue ao Tribunal de Contas competente (estadual, distrital ou municipal).No se esquea! Enquanto o Conselho do Fundeb responsvel por efetuar um parecer sobre a prestao de contas, ao Tribunal de Contas cabe, conforme vimos anteriormente, examinar tecnicamente, julgar e propor aprovao, ou no, das contas dos administradores esta-duais e municipais sobre o Fundo e aplicar de penalidades, na hiptese de irregularidades.Mas, afinal o que significa prestar contas?Como vimos em outros mdulos da Formao pela Escola, para entendermos a expresso prestar contas, precisamos procurar o significado para cada uma destas palavras. O termo prestar apare-ce no dicionrio Aurlio com o seguinte significado: realizar, efe-tuar, praticar, por imposio legal ou contratual. J, para contas, a definio encontrada elemento de registro que rene lana-mentos de dbito ou crdito relativos a operaes de uma mesma natureza. Traduzindo estes termos tcnicos em uma linguagem mais simples: Prestar contas nada mais do que dar informao sobre algo pelo qual se responsvel.E o que prestar contas, em relao ao Fundeb?Trata-se de fornecer informaes confiveis e relevantes a respeito da execuo do Fundo, que possibilitem a avaliao de sua gesto.Agora que j sabemos da obrigatoriedade da prestao de contas, surge uma nova questo:113Se voc respondeu no a esta pergunta acertou. Cada Tribunal de Contas, dentro do seu espao de atuao, define os procedi-mentos, a forma de prestao de contas, os formulrios a serem uti-lizados e, inclusive, a data que a mesma dever ser entregue, pois:Os Estados, o Distrito Federal e os Municpios presta-ro contas dos recursos dos Fundos conforme os pro-cedimentos adotados pelos Tribunais de Contas com-petentes, observada a regulamentao aplicvel. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, Art. 27.Quais so os principais documentos que, certamente, compo-ro a prestao de contas?:: formulrio especfico: onde os dados da prestao de contas sero apresentados resumidamente;:: extrato da conta bancria do Fundeb: o documento que comprova toda a movimentao dos recursos financeiros;:: outros anexos: originais dos documentos que fundamenta-ram processos licitatrios (como editais e contratos), com-provantes de pagamentos (notas fiscais, recibos e faturas) e demais documentos comprobatrios das despesas realiza-das com recursos do Fundo; :: parecer: do Conselho de Acompanhamento Social do Fun-deb.Existe algum formulrio especfico usado para a prestao de contas?Qual o prazo comum a todos para a apresentao desta prestao de contas?114 Mdulo FundebEm relao a estas duas perguntas, a Lei do Fundeb deixa claro que:Os registros contbeis e os demonstrativos gerenciais mensais, atualizados, relativos aos recursos repassados e recebidos conta dos Fundos assim como os referen-tes s despesas realizadas ficaro permanentemente disposio dos conselhos responsveis, bem como dos rgos federais, estaduais e municipais de controle in-terno e externo, e ser-lhes- dada ampla publicidade, inclusive por meio eletrnico. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, Art. 25.Ainda, em relao questo da prestao de contas impor-tante saber:Quais so as penalidades em caso de comprovadas irregularidades na aplicao dos recursos do Fundeb?O que ocorre se a prestao de contas no for encaminhada no prazo estipulado ou contiver incorrees?O no cumprimento das disposies legais relacionadas apli-cao dos recursos do Fundeb acarreta sanes administrativas, civis e/ou penais aos responsveis. Agora vamos identificar as principais penalidades para os responsveis:Para os Estados e Municpios::: rejeio das contas, mediante parecer prvio do Tribunal de Contas competente, com o consequente encaminhamento 4.3.2. Prestao de contas dos recursos do Fundeb: etapas e responsabilidadesQual a periodicidade da comprovao da apli-cao dos recursos do Fundeb?A legislao estabelece a obrigatoriedade dos governos esta-duais, distrital e municipais apresentarem a comprovao da uti-lizao dos recursos do Fundo em trs momentos distintos, quais sejam::: mensalmente: ao Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb, mediante apresentao de demonstrativos e relatrios gerenciais sobre o recebimento e emprego dos re-cursos do Fundo. Esta determinao est contida no art. 25, da Lei do Fundeb (Lei n. 11.494/2007);:: bimestralmente: por meio de relatrios do Poder Executivo, resumindo a execuo oramentria, evidenciando as despe-sas de manuteno e desenvolvimento do ensino, em favor da educao bsica, conta do Fundeb ( 3, art. 165 da CF, art. 72 da Lei n. 9.394/1996 LDB e art. 52 da LC n. 101/2000);:: anualmente: ao respectivo Tribunal de Contas (Estadual/Munici-pal), de acordo com instrues dessa Instituio. Essa prestao de contas deve ser instruda com parecer do Conselho (art. 27 da Lei n. 11.494/2007, c/c artigos 56 e 57 da LC n. 101/2000).Quem poder ter acesso a estes documentos?Como dever ser realizada a divulgao das informaes sobre a prestao de contas?Os recursos financeiros do Fundeb115das por irregularidade insanvel e por deciso irrecorrvel do rgo competente, salvo se a questo houver sido ou es-tiver sendo submetida apreciao do Poder Judicirio (art. 1, g, Lei Complementar n 64/90).Agora que j sabemos das principais consequncias de irregu-laridades na execuo dos recursos ou em sua prestao de con-tas, ou ainda, da no entrega da mesma, vamos dar uma olhada no processo de execuo do Fundo, de maneira objetiva e resumida.Voc sabe como o fluxo de execuo e de presta-o de contas do Fundeb?4.3.3. O fluxo da execuo e da prestao de Contas do FundebVamos ver, a partir de agora, cada passo deste fluxo:1) A Unio e os Estados e Distrito Federal, como unidades trans-feridoras de recursos do Fundo (art. 16 da Lei n. 11.494/07), arrecadam as receitas que entram na sua composio e as disponibilizam ao agente financeiro (Banco do Brasil) para distribuio aos entes governamentais beneficirios, com base nos coeficientes de distribuio previamente calcula-dos e fornecidos pelo FNDE/MEC. 2) O Banco do Brasil, com as informaes repassadas pelo FNDE, credita estes recursos em todas as contas especficas do Fundo (uma para cada Estado, Distrito Federal e Munic-pios).3) Cada ente governamental beneficirio (Estados, Distrito Federal e Municpios) aplica os recursos de acordo com as orientaes do Fundo (60% - Remunerao do Magistrio e 40% - Outras Aes de MDE que objetivam a manuteno da questo ao respectivo Poder Legislativo e, caso a rejeio seja confirmada, autoridade competente e ao Ministrio Pblico;:: impossibilidade de celebrao de convnios junto adminis-trao federal (no caso de Estados) e junto s administraes federal e estadual (no caso de Municpios), quando exigida certido negativa do respectivo Tribunal de Contas; :: impossibilidade de realizao de operaes de crdito junto a instituies financeiras (emprstimos junto a bancos);:: perda da assistncia financeira da Unio (no caso de Estados) e da Unio e do Estado (no caso de Municpio), conforme artigos 76 e 87, 6, da LDB; :: interveno da Unio no Estado (CF, art. 34, VII, e) e do Estado no Municpio (CF, art. 35, III).Para o chefe do Poder Executivo estadual ou municipal::: sujeio a processo por crime de responsabilidade, se carac-terizados os tipos penais previstos no art. 1, III e XIV do De-creto-lei n. 201/67 (respectivamente, aplicar indevidamente verbas pblicas e negar execuo a lei federal). Nestes casos, a pena prevista de deteno de trs meses a trs anos. A condenao definitiva por estes crimes de responsabilida-de acarreta a perda do cargo, a inabilitao para exerccio de cargo ou funo pblica, eletivos ou de nomeao, pelo prazo de cinco anos (art. 1, 2, Decreto-lei n 201/67);:: sujeio a processo por crime de responsabilidade, se carac-terizada a negligncia no oferecimento do ensino obrigat-rio (art. 5, 4, LDB);:: sujeio a processo penal se caracterizado que a aplicao de verba pblica foi diversa prevista em lei (art. 315 Cdigo penal). A pena de 1 a 3 meses de deteno ou multa;:: inelegibilidade, por cinco anos, se suas contas forem rejeita-Interveno: nos regimes federativos, ato do poder central de impor medidas neces-srias a manter a integridade da Unio, quando algum dos seus membros est submetido a anormalidade grave e que prejudique o funcionamento da Federao.116 Mdulo Fundeb8) Ao receber a Prestao de Contas o poder executivo local apresenta a mesma ao Tribunal de Contas Estadual, Distrital ou Municipal, responsvel pela fiscalizao da aplicao dos recursos e pela avaliao tcnica da mesma.9) O Tribunal de Contas respectivo avalia a Prestao de Con-tas, considerando-a aprovada ou reprovada. Se comprova-das irregularidades, tanto no processo de formao do Fun-do como tambm na Prestao de Contas, os Tribunais de Contas competentes aplicam penalidades cabveis. Na figura n. 5 voc poder identificar cada um dos passos ex-plicados.do desenvolvimento da educao), conforme responsabi-lidades definidas na Constituio Federal (Estados: ensino fundamental e mdio; Distrito Federal: educao infantil, ensino fundamental e mdio e Municpios: educao infan-til e ensino fundamental).4) No processo de execuo dos recursos, ocorre o acompa-nhamento e o controle social sobre a distribuio, a trans-ferncia e a aplicao dos recursos dos Fundos, junto aos respectivos governos, no mbito da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios.5) O rgo Executor consolida a prestao de contas, de acor-do com os critrios e determinaes dos rgos de controle dos Estados, do Distrito Federal e Municpios (Tribunais de Contas).6) A prestao de contas submetida, pelo poder executivo, ao Conselho do Fundeb responsvel para avaliao e produo do parecer.7) Aps a apreciao e parecer, a prestao de contas devolvi-da pelo Conselho ao Poder Executivo respectivo, para as de-vidas providncias, at 30 (trinta) dias antes do vencimento do prazo para a apresentao da prestao de contas aos rgos de controle.Lembre-se: No caso da prestao de contas dos recur-sos financeiros do Fundeb o prazo para a sua apresen-tao ao Tribunal de Contas competente definido no mbito do prprio tribunal estadual, distrital ou munici-pal, observada a regulamentao aplicvel. MEC/INEP Realiza Censo Escolar e disponibiliza dados parasubsidiar distribuio de recursosComplementao da Unio (10% da contrib. de Estados, DF e Municpios)Calcula e divulga parmetros operacionais do FundebMEC / FNDE MF / STUnioFundebCom 20% do FPM, ICMS, IPIexp, IPVA, ITR e recursos da LC 87/96Com 20% do FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD, ITR e recursos da LC 87/96Com 20% do FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD e recursos da LC 87/96MunicpioEstadoDistritoFederalBanco do Brasil credita recursos nas contas especficas do Fundo(no BB ou CEF)Educao InfantilEnsino FundamentalEnsino MdioConselho do Fundeb Acompanha aplicao e opina sobre PC40%: Outrasaes de MDE60%: Remuneraodo MagistrioTribunais de Contas dosEstados/DF e Municpiosexercem controle externo3 Aplica4 Presta Contas2 Credita1 Contribui11322133 14244Subsidia Agente Financeirocom parmetros de distribuiode recursosFigura n 5 - Fluxo da execuo dos recursos financeiros do FundebOs recursos financeiros do Fundeb117MEC/INEP Realiza Censo Escolar e disponibiliza dados parasubsidiar distribuio de recursosComplementao da Unio (10% da contrib. de Estados, DF e Municpios)Calcula e divulga parmetros operacionais do FundebMEC / FNDE MF / STUnioFundebCom 20% do FPM, ICMS, IPIexp, IPVA, ITR e recursos da LC 87/96Com 20% do FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD, ITR e recursos da LC 87/96Com 20% do FPE, ICMS, IPIexp, IPVA, ITCMD e recursos da LC 87/96MunicpioEstadoDistritoFederalBanco do Brasil credita recursos nas contas especficas do Fundo(no BB ou CEF)Educao InfantilEnsino FundamentalEnsino MdioConselho do Fundeb Acompanha aplicao e opina sobre PC40%: Outrasaes de MDE60%: Remuneraodo MagistrioTribunais de Contas dosEstados/DF e Municpiosexercem controle externo3 Aplica4 Presta Contas2 Credita1 Contribui11322133 14244Subsidia Agente Financeirocom parmetros de distribuiode recursos118 Mdulo FundebAgora que j estudamos detalhadamente a execuo do Fun-deb e o processo de prestao de contas, propomos que voc d uma paradinha nos estudos para fazer os exerccios 17 a 23, desta Unidade, em seu Caderno de Atividades.AtividadesUnidade IV em snteseNessa unidade voc teve a oportunidade de observar que os recursos do Fundeb devem ser aplicados somente na remunerao dos profissionais do magistrio da educao bsica pblica (at 60% dos recursos) e nas despesas de manuten-o e desenvolvimento da Educao Bsica pblica (at 40% dos recursos). Fala-mos tambm do processo de fiscalizao da execuo do Fundeb que realizado pelos Tribunais de Contas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, o Mi-nistrio Pblico, o Tribunal de Contas da Unio e da Controladoria-Geral da Unio e a sociedade civil por meio do Conselho de Acompanhamento do Fundeb. Vimos que a prestao de contas de recursos pblicos um dever do cidado brasileiro, previsto na Constituio Federal de 1988, e que, em relao ao Fundeb, cabe ao poder executivo prestar contas da execuo do Fundo aos Tribunais de Contas dos Estados, ou do Distrito Federal, de acordo com a esfera de competn-cia. So esses tribunais que definem o prazo para essas prestaes de contas e ainda os detalhes das mesmas como: formulrios especficos e anexos que deve-ro compor a mesma.Comentamos o fato de que o no cumprimento das disposies legais relaciona-das aplicao dos recursos do Fundeb acarreta sanes administrativas, civis e/ou penais. Identificamos as principais consequncias aos responsveis (Estados, Distrito Federal, Municpios e para o chefe do Poder Executivo estadual ou mu-nicipal) pelas irregularidades na execuo dos recursos, pela sua prestao de contas, ou ainda, pela no entrega da mesma.O controle social e atuao do CACS FundebUnidade VO controle social e atuao do CACS Fundeb121IntroduoNa unidade anterior falamos sobre importantes aspectos do Fundeb: as aes que devem ser financiadas com recursos do Fun-do, os responsveis pela execuo e suas atribuies, o processo de fiscalizao da execuo do Fundo e, ainda, a prestao de con-tas. J nesta unidade, estudaremos o acompanhamento e controle social, um assunto fundamental para que ocorra a transparncia no uso dos recursos financeiros do Fundo. Abordaremos, inicial-mente, uma discusso sobre o significado deste tema e o histrico da evoluo dos conselhos de controle social no mundo e no Brasil. Logo em seguida, aprofundaremos nossos conhecimentos sobre o Conselho de Acompanhamento Social do Fundeb: legislao perti-nente, formao, responsabilidades, atuao, entre outros temas. No final do estudo desta unidade, esperamos que voc seja ca-paz de::: definir e caracterizar conselho de acompanhamento e controle social;:: identificar as principais etapas de evoluo dos conselhos no mundo e no Brasil;:: compreender o controle social como meio de participao con-tnua da sociedade na gesto pblica, direito assegurado pela Constituio Federal;:: identificar os Conselhos Sociais como representaes capazes de exercer controle sobre a ao do Estado, supervisionando e avaliando as decises e aes administrativas, exigindo dos gestores pblicos a comprovao dos atos praticados;:: conhecer a composio do CACS/ Fundeb, bem como o seu fun-cionamento, atribuies e competncias;:: compreender o CACS/ Fundeb como instncia responsvel pelo contnuo acompanhamento da aplicao dos recursos do fun-do, garantindo a correta destinao desses recursos;5.1. O processo de democratizao da sociedade brasileira e os conselhos de acompanhamento social5.1.1. Acompanhamento e controle socialO que acompanhamento e controle social?Como voc deve estar se lembrando, no Mdulo de Competn-cias Bsicas, Unidade IV O controle social no mbito das polticas pblicas para a educao, ns j demos incio discusso sobre a questo do acompanhamento e controle social e sua relao com a formao de conselhos. Vimos, por exemplo, que no Dicionrio Aurlio, o significado da palavra acompanhamento observar a marcha, a evoluo de. Quanto palavra controle, a definio que encontramos fiscalizao exercida sobre as atividades de pessoas, rgos, departamentos, produtos etc., para que tais ativi-dades ou produtos, no se desviem das normas preestabelecidas. Finalmente, o sentido da palavra social prprio dos scios de uma sociedade, comunidade ou agremiao.Mas afinal, o que acompanhamento e controle social?122Mdulo FundebPodemos considerar acompanhamento e controle social a ao fiscalizadora exercida pela sociedade sobre o Estado. O sig-nificado de acompanhamento e controle social complexo. De-pois de muitas pesquisas, selecionamos as definies mais conhe-cidas para apresentar a voc. Leia cada uma delas atentamente: o acompanhamento, a fiscalizao e o controle das decises a) e aes pblicas. a participao da sociedade no acompanhamento e verifi-b) cao da execuo das polticas pblicas, avaliando objetivos, processo e resultados. a participao da sociedade no controle dos gastos do go-c) verno. a capacidade que tem a sociedade organizada de atuar nas d) polticas pblicas, em conjunto com o Estado, para estabele-cer suas necessidades, interesses e controlar a execuo destas polticas. o direito da participao da sociedade no acompanhamento e) e verificao da gesto dos recursos federais empregados nas polticas pblicas.Voc percebeu que estas definies muitas vezes se com-plementam?Tambm percebeu que acompanhamento e controle social es-to diretamente relacionados atuao da sociedade na fiscaliza-o e controle de polticas pblicas?Para efeito de nossos estudos deste mdulo sobre o Fundeb, vamos considerar a quinta definio apresentada (direito da par-ticipao da sociedade no acompanhamento e verificao da gesto dos recursos federais empregados nas polticas pbli-cas), pois sabemos que o Fundo composto por recursos que tem origem nos impostos pagos pelo povo e estes recursos devem ser aplicados na educao bsica pblica. Portanto, direito de cada cidado saber o que feito com esses recursos, ou seja, acompa-nhar, controlar e fiscalizar a execuo do Fundeb.E afinal, quando o Controle Social possvel?O Controle Social s possvel, quando todos ns compreende-mos a importncia de participar socialmente, ou seja, quando nos tornamos sujeitos de nossa prpria histria, atuantes e capazes de orientar e fiscalizar as aes do Estado, aqui entendido como poder pblico em geral.Como podemos fiscalizar a ao do Estado?Acreditamos que a primeira atitude buscar informaes ofi-ciais sobre a execuo das polticas pblicas. No caso da educao, podemos acessar stios na internet como o da Presidncia da Rep-blica (www.presidencia.gov.br), do Ministrio da Educao (www.mec.gov.br), do FNDE (www.fnde.gov.br), da Controladoria Geral da Unio (www.cgu.gov.br) etc. Outra atitude correta acompanhar a execuo destas polticas em seu Estado ou Municpio, solicitando, junto ao executivo local, as informaes necessrias. importante destacar que a participao em conselhos de controle social favo-rece a efetiva e eficiente fiscalizao das aes do Estado.O controle social e atuao do CACS Fundeb123Qual a importncia destes conselhos? O que eles represen-tam?Quais so suas principais caractersticas?Quais os papis que eles devem desempenhar?Vamos responder cada uma destas perguntas detalhadamente. Os conselhos de acompanhamento e controle social se constituem em canais de comunicao entre a sociedade civil e o poder p-blico (instrumentos fundamentais para a gesto pblica), seus principais papis so::: estimular a participao (individual e coletiva) e a formao de novas lideranas;:: manter fluxo de informao com as instituies que representa;:: alimentar-se permanentemente das opinies e vontades daque-les que representa;:: tornar pblicas as decises polticas e as negociaes;:: respeitar e defender as deliberaes;:: contribuir na generalizao das discusses e dos interesses co-letivos;:: contribuir na qualificao da participao social;:: cumprir e fazer cumprir o regimento interno;:: buscar maior transparncia na utilizao de recursos pblicos;:: consolidar a democracia e a participao popular no espao po-ltico;Como vimos anteriormente no Mdulo de Competncias Bsi-cas, as principais caractersticas desses conselhos so:Que tal conhecermos um pouco sobre este assunto?5.1.2. Conselhos de acompanhamento social: definio e importnciaE o que um conselho de acompanhamento e controle social? um espao de participao que permite aos cidados maior proximidade com a administrao pblica, por isso, constitui-se importante mecanismo de ampliao da democracia e de partici-pao poltica. Pode ser definido como:Arenas de debate e discusso, que buscam a constru-o de acordos e o acompanhamento e a fiscalizao de polticas pblicas.Como vimos no Mdulo de Competncias Bsicas, o espao no qual ocorrem a explicitao dos diversos interesses o reconhe-cimento da existncia de diferenas e da legitimidade do conflito e a troca de ideias como procedimento de tomada de decises so-bre a elaborao, acompanhamento, fiscalizao e avaliao das polticas pblicas. tambm um mecanismo criado por legislao especfica que estabelece sua composio, o conjunto de atribuies e a forma pela qual suas competncias sero exercidas.124Mdulo Fundeb :: integrao: criar estratgias de articulao e integrao do Con-selho - atravs de agendas comuns e fruns mais amplos - que contribuam para superar a setorizao e a fragmentao das polticas pblicas;:: articulao: dos conselhos com outras instncias de Controle So-cial como os Fruns e Comisses Temticas ampliando a partici-pao da sociedade no Controle Social das Polticas Pblicas;:: capacitao Continuada dos Conselhos: desenvolver um proces-so contnuo de formao dos Conselheiros, instrumentalizan-do-os para o efetivo exerccio do controle social.5.1.3. A evoluo dos conselhos sociaisQuando surgem os primeiros conselhos sociais no contexto mundial?A origem dos conselhos se perde no tempo e se confunde com a histria da poltica, da democracia e da participao. Os registros histricos indicam que os primeiros conselhos, como formas pri-mitivas de gesto dos grupos sociais, j existiam h quase trs mil anos. No povo hebreu, por exemplo, desde a poca de Moiss, foi institudo o conselho de ancios, conhecido por Sindrio, que reunia 70 sbios para auxiliar este lder nas decises sociopolticas, administrativas e jurdicas. No mundo antigo, que outras experincias de formao de conselhos temos notcias?Da mesma maneira que o povo hebreu, o mundo greco-roma-no, nos sculos IX e VII a.C., utilizou a estratgia de formao de espaos de poder e de deciso coletiva, como os conselhos de ancios Fora) mao plural: permite a participao de pessoas de qualquer crena religiosa, etnia, filiao partidria, con-vico filosfica, contando com a representao dos v-rios atores que constituem a sociedade brasileira;Representao do Estado e da sociedade civilb) : os con-selhos devem ser compostos por conselheiros, repre-sentantes do Estado e da sociedade civil;Natureza deliberativac) : capacidade prpria de decidir sobre a formulao, controle, fiscalizao, superviso e avaliao das polticas pblicas, inclusive nos assuntos referentes definio e aplicao do oramento, como instituio mxima de deciso;Natureza consultivad) : tem carter de assessoramento e exercido por meio de pareceres, aprovados pelos membros, respondendo a consultas do governo e da sociedade;Funo fiscalizadorae) : competncia para fiscalizar o cumprimento das normas e a legalidade de aes;Funo mobilizadoraf) : a que situa o conselho numa ao efetiva de mediao entre o governo e a sociedade.As condies para o fortalecimento dos Conselhos so as se-guintes::: autonomia: infra-estrutura (espao fsico e secretaria executiva) e condies de funcionamento autnomo;:: transparncia e socializao de informaes: para controlar o or-amento e os gastos pblicos;:: visibilidade: divulgao e publicizao das aes dos Conselhos;Publicizao: Ato de tornar pblico, divul-gar, espalhar; dar conheci-mento sobre algo.O controle social e atuao do CACS Fundeb125operrios ou de fbrica surgiriam na Espanha (1934-1937), na Hun-gria (1950) e na Polnia (1969-1970). Lentamente a ideia de formao de conselhos se espalha pelo mundo. Nos Estados Unidos os conse-lhos surgiram nas dcadas de 1960 e incio dos anos 1970, por meio do desenvolvimento de grupos de interesse, constituindo-se como organismos de presso da sociedade civil que atuaram no sentido de obter solues para amenizar os conflitos, sem interferir, no entanto, na poltica da cidade. J na Espanha, eles surgiram como forma de participao dos indivduos no processo de gesto das cidades.E quando os conselhos surgem no Brasil?Como ocorreu a evoluo destes conselhos?No Brasil estes conselhos de controle social surgem, sobretudo, das demandas de democratizao da sociedade, durante a ditadu-ra militar, no final da dcada de 1970 e incio da dcada de 1980. Inicialmente, nos primeiros anos de organizao, os conselhos eram, predominantemente, voltados ao atendimento de carncias imediatas, como linhas de nibus, verbas para certos setores etc. Na dcada de oitenta os canais de participao se alargam. Os mo-vimentos associativos populares passaram a reclamar participao do povo na gesto pblica. O desejo de participao comunitria se inseriu nos debates da Constituinte, que geraram, posterior-mente, a institucionalizao dos conselhos gestores de polticas pblicas no Brasil. Esses conselhos tinham um carter nitidamente de ao poltica e aliavam o saber letrado com o saber popular, por meio da representao das categorias sociais de base. Foram muitas as formas de organizao e as funes atribudas a esses conselhos, mas sua origem vinculava-se ao desejo de participao popular na formulao e na gesto das polticas pblicas.Ao mesmo tempo em que os conselhos populares, organiza-dos, sobretudo, por grupos de esquerda e de oposio ao regime (o Senado Romano ou a Gerousia Espartana) ou simplesmente de cidados (a Boul ateniense). Quando surgem os primeiros conselhos que efetuam a eleio dos seus representantes?A gesto da comunidade local por meio de um conselho, cons-titudo como representao da vontade popular (conselho po-pular), viria a ganhar sua mxima expresso na Comuna Italiana, instituda a partir do sculo X d.C. que, adotando a democracia representativa, elegia suas lideranas. O exemplo mais radical des-te tipo de conselho foi, sem dvida, a Comuna de Paris, em 1871. Embora com durao de apenas dois meses, viria a constituir-se na mais marcante experincia de autogesto de uma comunidade urbana. Os conselhos populares exerciam a democracia direta e/ou representativa como estratgia para resolver as tenses e conflitos resultantes dos diferentes interesses.Que tipo de conselho surge no sculo XX?Na primeira metade do sculo XX surgem os conselhos formados por grupos sociais identificados pelo ambiente de trabalho, como os conselhos de operrios. Neste sentido, podem ser citadas as experincias dos russos, no momento da Revoluo dos Sovietes de 1905 e a recriao deste tipo de conselho durante a Revoluo Socia-lista de 1917. Ainda fundamental citar a experincia alem dos Con-selhos de Fbricas a partir de 1918 e as experincias dos operrios italianos na dcada de vinte. Novas experincias de conselhos de Gerousia: assembleias de cidados da cidade grega de Esparta, com atribuies e organizao definidas.Boul: assem-bleias de cida-dos da cidade grega de Atenas, com atribuies e organizao definidas.126Mdulo Fundebe tecnologia, da defesa dos direitos da pessoa humana e de desen-volvimento urbano. Em diversas reas h conselhos atendendo a categorias sociais ou programas especficos. Na rea dos direitos humanos temos os conselhos dos direitos da mulher, da criana e do adolescente, do idoso e das pessoas portadoras de deficincia. No interior das organizaes pblicas (no tratamos aqui das de carter privado) vamos encontrar os conselhos prprios de defini-o de polticas institucionais, de gesto e de fiscalizao. No m-bito associativo temos conselhos de secretrios estaduais e muni-cipais de diversas reas (na educao temos o Consed e a Undime), conselhos de universidades (Andifes e outros, segundo as catego-rizaes das universidades). Ligados a programas governamentais, destacam-se na rea da educao os conselhos da alimentao escolar e o do Fundeb.No processo de gesto democrtica do que pblico, os con-selhos, hoje, so a expresso da sociedade organizada e exercem uma funo mediadora entre o governo e a sociedade. Estes r-gos devem ter a capacidade de levar at as instncias decisrias do Estado as crescentes e complexas demandas da sociedade. Um grande exemplo destes conselhos o Conselho de Acompanha-mento e Controle Social - CACS - do Fundeb, que vamos conhecer detalhadamente.Com certeza, em relao ao CACS Fundeb, voc pode ter muitas dvidas, como as seguintes:O que o CACS Fundeb? S existe um conselho do Fundeb?Por que sua instituio obrigatria?Quando ele deve ser criado? Qual a sua composio?Como so escolhidos seus membros?Existe algum impedimento para ser membro do CACS?De quanto tempo o mandato do conselheiro?Quais so as atribuies do CACS? Como seu funcionamento?militar, se destacaram como estratgia para ampliar e alargar a de-mocratizao do Estado, ocorreu proliferao de atores sociais at ento ausentes destes espaos: organizaes no governamentais (ONGs), associaes de profissionais (sindicatos), entidades de de-fesa de direitos humanos, de minorias, de meio ambiente, entre outras.Qual foi o grande marco nos anos oitenta, que permitiu a ampliao da participao popular, a criao dos conselhos e a democratizao de nossa sociedade?A Constituio de 1988 foi o marco do processo de redemocratiza-o do pas e instituiu um conjunto de direitos fundamentais, sociais e polticos que permitiu a consolidao de nosso regime democr-tico e participativo. Os direitos nela estabelecidos resultaram de um longo e conflituoso processo de mobilizaes sociais e polticas que marcaram os anos 1970 e 1980. A Constituio Cidad, na verdade, alargou o projeto de democracia, compatibilizando princpios da de-mocracia representativa e da democracia participativa e reconheceu a participao social como um dos elementos-chave na organizao das polticas pblicas. Neste sentido, ela props a criao de inme-ros conselhos reconhecidos como instncias de negociao e pactu-ao das propostas institucionais e das demandas da sociedade.Os conselhos se institucionalizaram em praticamente todo o conjunto de polticas sociais no pas e asseguram a presena de mltiplos atores sociais na formulao, na gesto, na implemen-tao ou no controle das polticas sociais. Representam hoje uma estratgia privilegiada de democratizao das aes do Estado. Nos espaos da federao temos conselhos municipais, estaduais ou nacionais, responsveis pelas polticas setoriais nas reas da educao, da sade, da cultura, do trabalho, dos esportes, da assis-tncia social, da previdncia social, do meio ambiente, da cincia Instncias decisrias: autoridade ou rgo respons-vel por decises, resolues, deliberaes.Atores sociais: todos que trabalham com demandas e reivin-dicaes de carter redistributivo e usam como principal estra-tgia a mobilizao coletiva dos envol-vidos nas questes pelas quais atuam.Redemocrati-zao: volta democracia; de-mocratizar (-se) novamente.Pactuao: ato de combinar, ajustar, contra-tar, convencio-nar.O controle social e atuao do CACS Fundeb127 5.2.2. Constituio dos CACS: uma obrigao legalA Lei Federal que regulamentou o Fundeb determinou que fos-sem constitudos conselhos de acompanhamento e controle social do Fundo a nvel federal, estadual, distrital e municipal.O acompanhamento e o controle social sobre a distri-buio, a transferncia e a aplicao dos recursos dos Fundos sero exercidos, junto aos respectivos gover-nos, no mbito da Unio, dos Estados, do Distrito Fede-ral e dos Municpios, por conselhos institudos especifi-camente para esse fim. Lei n. 11.494/2007, Art. 24.No mbito de cada esfera de governo, portanto, deve-se criar o correspondente Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb, no s porque a lei assim o determina, mas porque necessrio que a sociedade exera acompanhamento e controle social sobre a utilizao que cada governo faz dos recursos pbli-cos recebidos do Fundo.E como os Conselhos do Fundeb devem ser criados?No se preocupe. Todas estas questes, e ainda outras informa-es, sero apresentadas a seguir.5.2. Conhecendo o Conselho do Fundeb: da definio ao mandato5.2.1. O que ?O Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fun-deb um rgo dirigente cujos membros tm poderes idnticos (colegiado), formado por representaes sociais variadas e sua atuao deve acontecer com autonomia, sem subordinao e sem vinculao administrao pblica federal, estadual, distrital ou municipal. Com essas caractersticas, o Conselho no unidade administrativa do Governo federal, dos governos estaduais, distri-tal ou municipais. Preste ateno! Alm da Lei do Fundeb (Lei n. 11.494/2007), outro importante documento que estabele-ce procedimentos e orientaes sobre a criao, compo-sio, funcionamento e cadastramento dos Conselhos do Fundeb, de mbito Federal, Estadual, Distrital e Municipal, foi aprovado pelo FNDE em 10 de dezembro de 2008: a Por-taria/FNDE n. 430, de 10/12/2008. Esta portaria foi publi-cada no Dirio Oficial da Unio (DOU) n. 241, de 11/12/2008, seo 1, pgina 39-40.Autonomia: faculdade de se governar por si mesmo; direito ou faculdade de se reger (uma nao) por leis prprias; liberdade ou independncia moral ou inte-lectual.128Mdulo FundebOs CACS-Fundeb sero criados, no mbito da Unio, por meio de ato legal do Ministro de Estado da Educao e, no mbito dos Estados, Distrito Federal e Municpios, pelo Chefe do respectivo Poder Executivo, de acordo com a Cons-tituio dos Estados e as Leis Orgnicas do Distrito Federal e dos Municpios [...]. Portaria n. 430, de 10 de dezembro de 2008, art. 2.Como voc pode perceber, cada Conselho do Fundeb deve ser criado por lei especfica, aprovada pelo Legislativo responsvel e sancionada pelo Executivo. Para facilitar o processo de criao dos conselhos, o FNDE/MEC, responsvel pelo apoio tcnico aos Esta-dos, Distrito Federal e Municpios no que diz respeito ao Fundeb, preparou um Modelo de Projeto de Lei, com o objetivo de colaborar com a efetiva criao desses Conselhos de Acompanhamento e Controle Social. No um modelo imposto pelo MEC. Trata-se, apenas, de referencial a ser considerado como subsdio tcnico, devendo seu contedo ser aperfeioado/adaptado s particularidades e inte-resses de cada municpio, observados os limites e condies previstos na referida Lei do Fundeb (Lei n. 11.494/2007).E como possvel ter acesso a este Modelo?O acesso ao Modelo de Projeto de Lei de criao do Conselho do Fundeb muito fcil. Basta seguir os passos que voc j conhece:Acesse a pgina do FNDE (www.fnde.gov.br).1) Procure esquerda da tela o cone Fundeb e clique nele.2) Ao abrir a pgina do Fundeb, busque no centro da pgina o cone CONSULTAS.3) Ao abrir o cone Consultas, voc facilmente identificar o Modelo de Lei de criao do CACS/ Fundeb, conforme mostramos na prxima pgina:O controle social e atuao do CACS Fundeb129 130Mdulo FundebComo exemplo deste ato legal, disponibilizamos fragmentos da lei de criao do Fundeb do Distrito Federal.O controle social e atuao do CACS Fundeb131 LEI COMPLEMENTAR N. 793, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.(Autoria do Projeto: Poder Executivo)Dispe sobre a criao do Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manuteno e Desenvol-vimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao do Distrito Federal e d outras provi-dncias. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL FAZ SABER QUE A CMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPTULO I - DAS DISPOSIES PRELIMINARES Art. 1 Fica criado o Conselho de Acompanhamento e Controle Social CACS do Fundo de Manuteno e Desenvol-vimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fundeb do Distrito Federal [...]Disponvel em http://www.se.df.gov.br/300/30003002.asp?ttCD_CHAVE=78759, acessado em 13/01/2008 s 23h32. 5.2.3. Composio do Conselho do FundebNs j comentamos anteriormente que os Conselhos do Fundeb devem ser criados por legislao especfica e organizados nas trs esferas de governo: federal, estadual ou distrital e municipal.A composio destes conselhos igual nas trs esferas de poder?No. A composio dos conselhos guarda pequenas diferenas entre si. Por exemplo, no mbito federal o Conselho do Fundeb composto por, no mnimo, 14 (quatorze) membros, sendo: 132Mdulo FundebQuadro n. 10 - Composio do Fundeb a nvel federalQuantidade de representantes rgo ou segmento representadoAt 4 (quatro) Ministrio da Educao1 (um) Ministrio da Fazenda1 (um) Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto1 (um) Conselho Nacional de Educao1 (um) Conselho Nacional de Secretrios de Estado da Educao CONSED1 (um) Confederao Nacional dos Trabalhadores em Educao CNTE1 (um) Unio Nacional dos Dirigentes Municipais de Educao UNDIME2 (dois) Pais de alunos da educao bsica pblica2 (dois) Estudantes da educao bsica pblica, um dos quais indicado pela Unio Brasileira de Estudantes Secundaristas UBESJ em mbito estadual os Conselhos do Fundeb devero possuir, no mnimo, 12 (doze) membros, sendo:O controle social e atuao do CACS Fundeb133Quadro n. 11 - Composio do Fundeb a nvel estadualQuantidade de representantes rgo ou segmento representado3 (trs) Poder Executivo estadual, dos quais pelo menos 1 (um) da Secretaria Estadual de Educao ou equi-valente rgo educacional do Estado, responsvel pela educao bsica2 (dois) Poderes Executivos Municipais1 (um) Conselho Estadual de Educao1 (um) Seccional da Confederao Nacional dos Trabalhadores em Educao CNTE1 (um) Seccional da Unio Nacional dos Dirigentes Municipais de Educao UNDIME2 (dois) Pais de alunos da educao bsica pblica2 (dois) Estudantes da educao bsica pblica, sendo 1 (um) indicado pela entidade estadual de estudantes secundaristasNo caso do Distrito Federal, o Conselho do Fundeb deve ser constitudo por no mnimo 9 (nove) membros, a saber:Quadro n. 12 - Composio do Fundeb a nvel distritalQuantidade de representantes rgo ou segmento representado3 (trs) Poder Executivo distrital, dos quais pelo menos 1 (um) da Secretaria Estadual de Educao ou equi-valente rgo educacional do Estado, responsvel pela educao bsica1 (um) Conselho Estadual de Educao1 (um) Confederao Nacional dos Trabalhadores em Educao CNTE2 (dois) Pais de alunos da educao bsica pblica2 (dois) Estudantes da educao bsica pblica, sendo 1 (um) indicado pela entidade estadual de estudan-tes secundaristas134Mdulo Fundebos estudantes da educao bsica pblica podem ser represen-b) tados no Conselho do Fundeb pelos alunos do ensino regular, da Educao de Jovens e Adultos ou por outro representante escolhido pelos alunos para essa funo, desde que sejam es-colhidas e indicadas pessoas com mais de 18 (dezoito) anos ou emancipadas.E como fica a questo dos suplentes?Como prev o Art. 2, 2 da Portaria n. 430, para cada membro titular dever ser nomeado um suplente, representante da mesma categoria ou segmento social com assento no Conselho, que subs-tituir o titular em seus impedimentos temporrios, provisrios e em seus afastamentos definitivos.5.2.4. A indicao e o mandatoComo ocorre a indicao dos conselheiros?Os conselheiros, titulares e suplentes devero ser formalmente indicados, conforme estabelece a legislao do Fundeb (Art. 24, 3 - da Lei 11.494, de 20 de junho de 2007. e Art. 5 da Portaria n. 430, de 10 de dezembro de 2008):Finalmente, em mbito municipal o Conselho do Fundeb deve ser formado por, no mnimo, 9 (nove) membros, sendo:Quadro n. 13 - Composio do Fundeb a nvel municipalQuantidade de representantes rgo ou segmento representado2 (dois)Poder Executivo municipal, dos quais pelo menos 1 (um) da Secretaria Municipal de Edu-cao ou rgo educacional equivalente1 (um) Professores da educao bsica pblica1 (um) Diretores das escolas bsicas pblicas1 (um) Servidores tcnico-administrativos das esco-las bsicas pblicas2 (dois) Pais de alunos da educao bsica pblica2 (dois)Estudantes da educao bsica pblica, um dos quais indicado pela entidade de estudan-tes secundaristas importante esclarecer que integraro ainda os conselhos mu-nicipais do Fundeb, quando houver, 1 (um) representante do res-pectivo Conselho Municipal de Educao e 1 (um) representante do Conselho Tutelar indicados por seus pares.Ainda sobre a questo da representao nos Conselhos do Fun-deb, cabe esclarecer que:alm da composio mnima referida, outros segmentos sociais a) podero ser representados no CACS-Fundeb, desde que a nor-ma legal de criao do Conselho, no mbito federal, do Estado, do Distrito Federal e do Municpio, preveja esta composio, observado o limite mximo de 2 (dois) membros por represen-tao e demais regras estabelecidas da Portaria n 430, de 10 de dezembro de 2008;Suplente: pessoa que pode ser chamada a exercer certas fun-es, na falta daquela a quem elas cabiam efetivamente. Subs-tituto.O controle social e atuao do CACS Fundeb135Quadro n. 14 - Indicao de titulares e suplentes do CACS/ Fundeb.Esfera de poder rgo ou segmento representado Responsveis pela indicaoFederalMinistrio da Educao, Ministrio da Fazenda e Ministrio do Planeja-mento, Oramento e GestoMinistros de Estado ou respectivos Secre-trios-ExecutivosConselho Nacional de Educao (CNE); Conselho Nacional de Secretrios de Estado da Educao CONSED; Confederao Nacional dos Trabalha-dores em Educao CNTE e Unio Nacional dos Dirigentes Municipais de Educao UNDIMEPresidentes das entidadesEstadualPoder Executivo estadual ou distrital (incluindo Secretaria de Educao)Governadores dos Estados ou Secretrios de EducaoConselho Estadual de Educao; Confederao Nacional dos Trabalhado-res em Educao CNTE; Unio Nacional dos Dirigentes Municipais de Educao UNDIMEPresidentes das entidades Diretores, pais de alunos da educao e estudantes (educao bsica pblica)Pelo conjunto dos estabelecimentos de ensino ou por intermdio de suas entida-des de classe, mediante processo eletivo organizado para esse fimProfessores e servidores das escolas pblicasPelas entidades sindicais da respectiva categoriaDistritalPoder Executivo distrital (incluindo Secretaria de Educao)Governador do Distrito Federal ou Secre-trios de EducaoConselho Estadual de Educao e Confederao Nacional dos Trabalha-dores em Educao - CNTE Presidentes das entidadesDiretores, Pais de alunos e estudantes (educao bsica pblica)Por intermdio de suas entidades de clas-se ou instituies pblicas de ensinoProfessores e servidores das escolas pblicasPelas entidades sindicais da respectiva categoria136Mdulo FundebMunicipalPoder Executivo municipal (incluindo Secretaria de Educao) PrefeitosDiretores, pais de alunos e estudantes (educao bsica pblica)Pelo conjunto dos estabelecimentos de ensino ou por intermdio de suas entida-des de classe, mediante processo eletivo organizado para esse fim Professores e servidores das escolas pblicasPelas entidades sindicais da respectiva categoriaObs.: * No caso dos diretores, servidores tcnico-administrativos, pais de alunos da educao bsica e estudantes, a escolha dos representantes (titulares e suplentes) dever utilizar processo eletivo organizado para esse fim.Como ocorre a nomeao dos conselheiros?Como deve ser feita a oficializao deste Conselho?Antes de proceder nomeao dos conselheiros, os entes federados devero exigir a indicao formal dos representantes dos seg-mentos. Aps os recebimentos dos nomes indicados para conselheiros (titulares e suplentes) o chefe do poder executivo responsvel efetuar a correspondente nomeao dos mesmos, por meio de portaria ou ato legal equivalente, conforme o Art. 2 da Portaria/FNDE n. 430 de 10 de dezembro de 2008. O ato legal de nomeao dos membros do Conselho, dever conter::: o nome completo dos conselheiros;:: a situao de titularidade ou suplncia;:: a indicao do segmento por eles representado;:: o respectivo perodo de vigncia do mandato.O controle social e atuao do CACS Fundeb137belecido com durao de um ano, a reconduo do conselheiro poder ser por mais um ano. Se a durao do mandato for de dois anos, a reconduo poder ser por mais dois anos. A partir de agora estaremos abordando outros aspectos impor-tantes do CACS/Fundeb, como a questo da substituio de seus membros, os impedimentos para fazer parte do conselho e seu ca-dastramento junto ao FNDE/MEC.5.3. Conselho do Fundeb: da renovao ao cadastramento5.3.1. A renovao do CACSComo ocorre a renovao do CACS/Fundeb?E as substituies dos conselheiros?Como estabelece Portaria n. 430, de 10 de dezembro de 2008, Art. 5, pargrafo nico, a indicao dos conselheiros e suplentes dever ocorrer:at 20 (vinte) dias antes do trmino do mandato dos conselhei-1) ros anteriores;imediatamente, nas hipteses de afastamento do conselheiro, 2) titular ou suplente, em carter definitivo, antes do trmino do mandato.Aps a nomeao dos membros do CACS/Fundeb, somente se-ro admitidas substituies nos seguintes casos:mediante renncia expressa do conselheiro;1) por deliberao justificada do segmento representado;2) Lembre-se:Toda a documentao referente indicao, nomeao ou substituio dos conselheiros do CACS/Fundeb dever ser arquivada nas dependncias administrativas dos entes federados, pelo prazo de 05 (cinco) anos, a contar da data da aprovao da prestao de contas anual pelo rgo de controle externo, ficando disposio do FNDE e dos r-gos de fiscalizao e controle.E de quanto tempo o mandato de cada conselheiro? A Lei do Fundeb (Lei n. 11.494/2007), artigo 24, Pargrafo () 11, define que:Os membros dos conselhos de acompanhamento e controle tero mandato de, no mximo, 2 (dois) anos, permitida 1 (uma) reconduo por igual perodo.Mas o que significa isso?Significa que o mandato de cada conselheiro pode ser de at dois anos, sendo autorizada sua renovao por igual perodo, ou seja, se no ato legal de criao do conselho o mandato for esta-138Mdulo Fundeboutras situaes previstas nos atos legais de constituio e fun-3) cionamento do Conselho.Qual ser o tempo de mandato do conselheiro suplente?O mandato do conselheiro, nomeado para substituir membro que tenha se afastado antes do final do mandato, ter incio na data da publicao do ato de sua nomeao e se estender at a data do trmino do mandato daquele que foi substitudo.Nosso prximo tema de estudo o cadastramento dos Conse-lhos do Fundeb.5.3.2. O cadastramento Voc deve estar pensando:Porque necessrio cadastrar o Conselho?Quem responsvel pelo cadastramento?Como este cadastramento deve ser realizado? Quais os dados dos conselheiros que devero constar neste cadastramento?Vamos apresentar respostas a estas questes, uma a uma.Como vimos anteriormente, os nomes dos conselheiros titula-res e suplentes (indicados ou eleitos) so enviados ao Poder Execu-tivo (Estado, Distrito Federal, ou Municpio), para que seja realizada a nomeao, mediante publicao de ato legal.Quanto questo do cadastramento do Conselho junto ao FNDE/MEC, o mesmo dever ser feito pelo Poder Executivo res-ponsvel, conforme determinao legal. O cadastramento do Con-selho do Fundeb no mbito da Unio ser providenciado pela Se-cretaria de Educao Bsica do Ministrio da Educao.[...] incumbindo Unio, aos Estados, ao Distrito Fede-ral e aos Municpios [...] oferecer ao Ministrio da Edu-cao os dados cadastrais relativos criao e compo-sio dos respectivos conselhos. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, Art. 24, 10.Este cadastramento pode ser feito por meio de um sistema informatizado disponvel na pgina do FNDE. Parte do caminho voc j conhece. Basta acessar a pgina do FNDE (www.fnde.gov.br), clicar no cone Fundeb, que fica a esquerda da tela. Quando a pgina do Fundeb for aberta, localizar no centro da pgina o cone Cadastro de conselhos.Ao abrir o cone Cadastro de conselhos voc vai se deparar com a seguinte tela:O controle social e atuao do CACS Fundeb139Qualquer pessoa tem acesso ao sistema?Voc, com certeza, percebeu que para se ter acesso ao sistema de cadastramento do CACS/Fundeb necessrio que a pessoa te-nha uma senha especfica.Quem fornece esta senha?Quais os procedimentos a serem adotados em caso de perda da senha?A senha e as orientaes para acesso ao Sistema CACS/Fun-deb e cadastramento dos Conselhos sero fornecidas pelo FNDE s Secretarias de Educao dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. Em caso de perda ou extravio da senha, o responsvel pelo rgo da educao do Estado, do Distrito Federal e Municpio dever solicitar ao FNDE o novo cdigo de acesso ao sistema, me-diante contato pelo telefone 0800-616161, ou por meio de ofcio a ser encaminhado ao FNDE. Ainda, os dados cadastrais registrados no sistema, relativos aos nomes dos conselheiros, aos segmen-tos sociais representados, aos meios de contato com o Conselho e vigncia dos seus mandatos, sero disponibilizados no stio www.fnde.gov.br para consulta pblica.140Mdulo FundebQuais os dados dos conselheiros a serem registrados no sistema?Existem dois tipos de dados a serem registrados nos sistemas, durante o processo de cadastramento: os de preenchimento obriga-trio e os de preenchimento facultativo. Observe o quadro abaixo para identific-los.Quadro n. 15 - Dados dos conselhos e conselheiros no Sistema CACS/FundebDados de preenchimento obrigatrio* Dados de preenchimento facultativoI - tipo, nmero e data do ato de criao do Conselho e de nomeao de cada conselheiro;II - periodicidade das reunies do Conselho;III - endereo completo e telefone do Conselho;IV - data de incio e trmino do mandato dos conselheiros e da vigncia do mandato do Conselho;V - nome completo, CPF e sexo dos conselheiros titulares e suplentes;VI - quantidade de membros por segmento;VII - segmento que cada conselheiro representa;VIII - situao de titularidade ou suplncia do conselheiro;IX - indicao do Presidente do Conselho e, quando houver, do Vice-Presidente;X data de nascimento dos representantes dos estudantes.I - e-mail do Conselho;II - e-mail dos conselheiros;III - endereo dos conselheiros;IV - telefone dos conselheiros.OBS: *A ausncia de registro de qualquer dado obrigatrio no Sistema CACS/Fundeb impedir a concluso do cadastro do Conselho.Estes dados devem ser cadastrados de forma completa e atualizados sempre que houver alteraes na composio dos conselhei-ros.O controle social e atuao do CACS Fundeb141E qual o papel do FNDE neste processo?O FNDE, aps receber a documentao, efetuar a anlise de toda a documentao referente criao e composio dos conse-lhos. O resultado final da anlise da documentao realizada pela equipe tcnica do FNDE ser comunicado aos Conselhos do Fun-deb por meio eletrnico, enviado para o e-mail constante dos da-dos cadastrais do Conselho, informados no sistema CACS/Fundeb.Mas, qual o objetivo deste cadastramento e de sua constan-te atualizao?O grande objetivo do cadastramento garantir a transparncia em relao aos Conselhos do Fundeb, pois a partir da divulgao dos dados dos conselheiros, a sociedade, como um todo, poder acompanhar o desempenho destes conselhos.5.3.3. Impedimentos para fazer parte do Conselho do FundebA escolha dos conselheiros no pode recair sobre pessoas im-pedidas de participar do colegiado.Quem no pode participar do Conselho? A legislao que regula o Fundo estabelece alguma proibi-o?Existe alguma data limite para o cadastramento do CACS/Fundeb?Qual o prazo que os entes federados possuem para enviar os documentos para o FNDE? Para responder a esta questo basta ler o dispositivo legal a se-guir:O cadastramento dos Conselhos no Sistema CACS/Fundeb dever ocorrer at 28 de fevereiro de 2009 e o envio pelos entes federados, ao FNDE, da documenta-o [...] dever ocorrer no prazo de 5 (cinco) dias da data da concluso do cadastro. Portaria n. 430, de 10 de dezembro de 2008, Art. 11.Os Estados, o Distrito Federal e os Municpios devero encami-nhar, para fins de validao os dados dos conselheiros, a confir-mao do cadastro feito no Sistema CACS/Fundeb, cpia do ato de criao do conselho e de nomeao dos conselheiros para o seguinte endereo:Fundo Nacional de Desenvolvimento da EducaoSBS Quadra 2, Bloco F, Ed. FNDE, 12- andar, sala 1.201CEP 70070-929 - Braslia - DF142Mdulo FundebPara entender o significado de parentes consanguneos ou afins at o 3 grau, precisamos lembrar que o parentesco se estabelece pela relao de consanguinidade e a afinidade pelo matrimnio ou unio estvel. importante observar que o parentesco por afi-nidade (com sogros e cunhados) no se extingue com a dissoluo do casamento ou unio estvel. Agora, para ficar mais clara esta questo, observe atentamente o quadro abaixo:Quadro n. 17: Identificao de parentes consanguneos e parentes afinsGraus de parentesco consanguneos e afins (Cdigo Civil - Lei n. 10.406, de 10/01/2002, art. 1.591 a 1.595)1 grau 2 grau 3 graupai / me1sogro / sogra2filho / filha1av / av1neto / neta1irmo / irm1cunhado / cunhada2bisav / bisav1bisneto/ bisneta1tio / tia1sobrinho/ sobrinha1Legenda: 1 - Parentes consanguneos 2 - Parentes afinsGrupo IIb) - Responsveis pela administrao ou controle interno dos recursos do Fundo e seus parentes consanguneos e afins. So exemplos destes profissionais: tesoureiros, contadores, funcionrio de empresa de assessoria ou consultoria etc. Grupo IIIc) - Estudantes no emancipados.Mas, o que significa emancipao?O Artigo 24 da Lei do Fundeb (Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007), em seu 5 e o Artigo 4 da Portaria n. 430, de 10 de dezembro de 2008 definem claramente aqueles que no podem participar do CACS/Fundeb, em suas trs esferas (federal, estadual ou distrital e municipal). So eles:Grupo Ia) - Pessoas diretamente ligadas ao Poder Executivo, con-forme quadros a seguir:Quadro n 16 Impedimentos para participar do ConselhoEsfera do Poder Cargos PolticosImpedidos de Participar do ConselhoFederalPresidente da RepblicaCnjuges e parentes con-sanguneos ou afins at o 3 grauVice-Presidente da RepblicaMinistros de EstadoEstado ou DFGovernadorVice-GovernadorSecretrios Estaduais ou DistritaisMunicpioPrefeitoVice-PrefeitoSecretrios MunicipaisO que so parentes consanguneos ou afins at o 3 grau?Poder Executivo: responsvel pela exe-cuo do Fundo no mbito do Governo Federal, dos Estados e DF e MunicpiosO controle social e atuao do CACS Fundeb1435.4. O Conselho do Fundeb trabalhando5.4.1. Funcionamento do ConselhoQuais as primeiras aes que devem ser colocadas em prti-ca por esses conselhos?Internamente, o Conselho deve se organizar e para isso dever:eleger seu presidente;a) eleger seu vice-presidente (opcional);b) elaborar seu c) regimento interno.Em relao eleio do presidente e vice- presidente, ambos devem ser eleitos por seus pares, estando impedidos de ocupar tais funes os conselheiros representantes do Poder Executivo. Na hiptese do presidente do CACS/Fundeb renunciar a presidn-cia ou, por algum motivo, se afastar do Conselho em carter defini-tivo antes do final do mandato, caber ao colegiado decidir pela:manuteno do vice-presidente no exerccio interino da pre-1) sidncia, at que se cumpra o restante do mandato do titular, ou pela sua efetivao na presidncia do Conselho, com a con-sequente indicao de outro membro para ocupar o cargo de vice-presidente; designao de novo presidente, assegurando a continuidade 2) do vice at o final de seu mandato.Quanto questo do regimento interno, o mesmo dever ser ela-borado para definir os procedimentos e critrios de funcionamento Segundo o Cdigo Civil Brasileiro (Lei n. 10.406, de 10/01/2002), em seu artigo 5, a menoridade cessa aos dezoito anos completos, quando a pessoa fica habilitada prtica de todos os atos da vida civil. Alm disso, aos menores ser concedida emancipao nas se-guintes situaes::: pela concesso dos pais, ou de um deles na falta do outro, me-diante instrumento pblico, independentemente de homo-logao judicial, ou por sentena do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver dezesseis anos completos; :: pelo casamento;:: pelo exerccio de emprego pblico efetivo;:: pela colao de grau em curso de ensino superior;:: pelo estabelecimento civil ou comercial, ou pela existncia de relao de emprego, desde que, em funo deles, o menor com dezesseis anos completos tenha economia prpria.Grupo IVd) - Pais de alunos que: :: exeram cargos ou funes pblicas de livre nomeao e exo-nerao no mbito dos rgos do respectivo Poder Executivo gestor dos recursos; :: prestem servios terceirizados, no mbito dos Poderes Executi-vos em que atuam os respectivos conselhos.Agora que j sabemos os impedimentos para participar do CACS/Fundeb, vamos tratar de outros dois assuntos importantes que dizem respeito s responsabilidades e ao funcionamento des-te conselho.Regimento interno: conjunto de normas que regem o fun-cionamento de uma instituio.144Mdulo FundebO acesso ao Modelo de Regimento Interno do CACS muito f-cil, pois o mesmo tambm est disponvel no stio do FNDE. Basta voc seguir os passos que j conhece:Acesse a pgina do FNDE (www.fnde.gov.br).1) Procure esquerda da tela o cone2) Fundeb, e clique nele. Ao abrir a pgina do Fundeb, busque no centro da pgina o 3) cone consultas.Ao abrir o cone consultas voc identificar o Modelo de Re-gimento Interno para o CACS/Fundeb, conforme mostramos a se-guir:do Conselho. O MEC/FNDE elaborou, a ttulo de apoio tcnico, Mo-delo de Regimento Interno, que poder ser utilizado como material de orientao, no momento da elaborao do regimento interno do respectivo CACS/Fundeb. No se trata de um modelo imposto pelo MEC, mas apenas uma referncia a ser considerada como subsdio tcnico, devendo seu contedo ser aperfeioado/adaptado s par-ticularidades de cada municpio, observados os limites e condies previstos na referida Lei n. 11.494/2007, que regulamenta o Fundo.E como possvel ter acesso a este Modelo?O controle social e atuao do CACS Fundeb145:: licitao, empenho, liquidao e pagamento de obras e ser-vios custeados com recursos do Fundo;:: folhas de pagamento dos profissionais da educao, as quais devero discriminar aqueles em efetivo exerccio na educa-o bsica e indicar o respectivo nvel, modalidade ou tipo de estabelecimento a que estejam vinculados;:: documentos referentes aos convnios com as instituies sem fins lucrativos que efetuam atendimentos aos alunos no mbito da educao bsica;:: outros documentos necessrios ao desempenho de suas funes.Realizar visitas a obras, escolas e outras localidades onde este-3) jam sendo realizados ou oferecidos servios com a utilizao de recursos do Fundo, com o objetivo de verificar a efetiva e regular aplicao dos recursos e a adequabilidade, finalidade e utilidade do bem ou servio resultante dessa aplicao.Informar-se sobre todas as operaes e transaes financeiras 4) realizadas com recursos do Fundo, especialmente em relao destinao desses recursos, quando executados.Manifestar-se sobre a comprovao da aplicao dos recursos 5) do Fundo, emitindo posicionamento sobre a regularidade, ou no, da aplicao realizada, principalmente em relao a sua destinao para os segmentos da educao bsica da compe-tncia do respectivo ente governamental (Estado, DF ou Mu-nicpio) e ao cumprimento da aplicao mnima de 60% para remunerao do magistrio.Encaminhar Cmara de Vereadores (no caso de municpio) ou 6) Assembleia Legislativa (no caso de Estado e Distrito Federal) e s unidades de controle interno do respectivo Poder Executivo (estadual ou municipal, conforme o caso), bem como ao Tribu-nal de Contas do estado/municpio, cpia da manifestao for-mal emitida pelo Conselho sobre os demonstrativos, relatrios 5.4.2. Atribuies do ConselhoQuais so as atribuies do Conselho do Fundeb?Como os Conselhos do Fundeb devem se organizar, no seu dia-a-dia, para executar suas atribuies?Para conseguir executar suas responsabilidades e realizar o acompanhamento do Fundeb o CACS/Fundeb dever ainda:Reunir-se periodicamente, pelo menos uma vez por ms, para 1) analisar os demonstrativos e relatrios que so colocados pelo Poder Executivo disposio do colegiado para acompanha-mento permanente das aes realizadas com os recursos finan-ceiros recebidos do Fundo, verificando::: despesas realizadas;:: folhas de pagamento dos profissionais da educao;:: convnios firmados com instituies no pblicas (comunit-rias, confessionais ou filantrpicas, sem fins lucrativos) que oferecem atendimento na educao bsica;:: licitao, empenho, liquidao e pagamento de obras e ser-vios custeados com recursos do Fundo;:: folhas de pagamento dos profissionais da educao, as quais devero discriminar aqueles em efetivo exerccio na educa-o bsica e indicar o respectivo nvel, modalidade ou tipo de estabelecimento a que estejam vinculados;:: outros documentos necessrios ao desempenho de suas funes.Requisitar do Poder Executivo, quando necessrio, cpias dos 2) documentos para esclarecimento de quaisquer fatos relaciona-dos aplicao dos recursos do Fundeb, dentre os quais:Convnio: contrato entre dois ou mais rgos pblicos ou entre um rgo pblico e uma empresa privada.146Mdulo Fundebprovidncias formais, busquem soluo junto ao governante responsvel; ainda se necessrio, recorrer ao Ministrio Pblico (promo-3) tor de justia) e ao respectivo Tribunal de Contas (do estado/municpio) para apresentar o problema, fundamentando sua ocorrncia e juntando os elementos e documentos de prova disponveis.Neste contexto, uma pergunta se torna necessria:Qual a diferena na atuao dos rgos de controle e do CACS/Fundeb?Os rgos de controle e fiscalizao da ao pblica, dos quais so exemplos os Tribunais de Contas e o Ministrio Pblico, atuam na anlise e julgamento da gesto do Fundeb, inclusive na pres-tao de contas e ainda buscando respostas s denncias de irre-gularidades. J o Conselho, em contrapartida, avalia a prestao de contas, verificando se os procedimentos adotados pelo poder executivo no processo de execuo do Fundeb esto coerentes com a legislao do Fundo e encaminha os problemas e irregula-ridades identificados s autoridades constitudas, para que sejam adotadas providncias cabveis e aplicadas as penalidades, quan-do necessrias.E qual a relao entre o CACS/Fundeb e o Programa Na-cional de Apoio ao Transporte do Escolar Pnate?e documentos fornecidos pelo Poder Executivo relacionados aplicao dos recursos do Fundo.Supervisionar a elaborao do Censo Escolar e da 7) proposta or-amentria anual do respectivo Estado ou Municpio. Esta ativi-dade tem o objetivo de assegurar que os dados do Censo sejam apresentados adequadamente, no prazo estabelecido, e que o oramento seja elaborado de forma que os recursos sejam pro-gramados de acordo com a legislao, principalmente se est contemplando a educao bsica e se o mnimo de 60% do total anual est assegurado para fins de remunerao do magistrio.Acompanhar a elaborao e o cumprimento do Plano de Car-8) reira e Remunerao do Magistrio.Convocar o secretrio de Educao, ou servidor equivalente, 9) quando necessrio, e por deciso da maioria dos seus mem-bros, para apresentar-se no prazo de at trinta dias e prestar esclarecimentos sobre a movimentao e aplicao dos recur-sos do Fundo. E se no processo de avaliao da prestao de contas do Fun-deb for percebida pelo CACS alguma irregularidade, o que os con-selheiros devero fazer?Na hiptese de constatao de irregularidades relacionadas utilizao dos recursos do Fundeb, so recomendadas as seguintes providncias:reunir elementos (denncias, provas, justificativas, base legal 1) etc.) que possam esclarecer a irregularidade ou a ilegalidade praticada e, com base nesses elementos, encaminhar, por es-crito, pedido de providncias ao governante responsvel (se possvel apontando a soluo ou correo a ser adotada), de modo a permitir que os problemas sejam sanados no mbito do prprio Poder Executivo responsvel;na sequncia, se necessrio, procurar os vereadores do muni-2) cpio para que estes, pela via da negociao e/ou adoo de O controle social e atuao do CACS Fundeb147Quanto a este assunto a Lei do Fundeb clara:Aos conselhos incumbe, tambm, acompanhar a apli-cao dos recursos federais transferidos conta do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - Pnate e do Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento Educao de Jovens e Adultos e, ainda, receber e analisar as prestaes de contas refe-rentes a esses Programas, formulando pareceres con-clusivos acerca da aplicao desses recursos e encami-nhando-os ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao FNDELei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, Art. 24, 13.Isto mesmo. Ao CACS/Fundeb compete acompanhar a exe-cuo do Pnate e manifestar-se sobre as prestaes de contas, emitindo parecer conclusivo e encaminhando-o para o FNDE, de acordo com os prazos e formalidades estabelecidos em relao ao programa.5.4.3. As obrigaes do Poder Executivo O Poder Executivo tem duas grandes obrigaes em relao ao Conselho do Fundeb:oferecer infra-estrutura necessria que assegure o seu funcio-1) namento, como: local para reunies, meio de transporte, ma-teriais de expediente, equipamentos etc., de maneira que seja possvel a realizao peridica das reunies de trabalho, que permita ao Conselho desempenhar suas atividades e efetiva-mente exercer suas funes com autonomia;elaborar e disponibilizar, mensalmente, os registros contbeis 2) e os demonstrativos gerenciais mensais e atualizados relati-vos aos recursos repassados ou recebidos conta do Fundo, deixando-os, permanentemente, disposio do Conselho, in-clusive solicitaes de dados e informaes complementares formuladas sobre o assunto.;5.4.4. A importncia do conselho e a valorizao de sua atuaoO trabalho dos conselheiros no remunerado, mas a atuao de seus membros de grande importncia para a educao e: considerada atividade de relevante interesse social;1) assegura iseno da obrigatoriedade de testemunhar sobre 2) informaes recebidas ou prestadas em razo do exerccio de suas atividades de conselheiro e sobre as pessoas que lhes con-fiarem ou deles receberem informaes;veda, quando os conselheiros forem representantes de profes-3) sores, diretores, servidores ou estudantes das escolas pblicas, no curso do mandato::: exonerao ou demisso do cargo ou emprego sem justa causa ou transferncia involuntria do estabelecimento de ensino em que atuam;:: atribuio de falta injustificada ao servio ou aula, em fun-o das atividades do conselho;:: afastamento involuntrio e injustificado da condio de con-selheiro antes do trmino do mandato para o qual tenha sido designado.No cumprimento de suas atribuies e responsabilidades, im-portante ressaltar que o Conselho no gestor ou administrador dos recursos do Fundeb. Seu papel acompanhar toda a gesto desses recursos, ou seja, a previso oramentria, a distribuio e a aplicao dos recursos financeiros e a comprovao/prestao de contas do emprego desses recursos. 148Mdulo FundebCACS vimos elementos como: definio, composio, obrigatoriedade de criao, mandato dos conselheiros, responsabilidades, cadastramento e seu funcionamento.Esperamos que o Mdulo Fundeb tenha propiciado a voc uma reflexo sobre nosso papel de cidados na definio dos rumos de nosso pas, mediante a parti cipao e envol-vimento em programas e aes no campo da educao e nos conselhos que fazem o acompanhamento e o controle social dos pro gramas do FNDE: o CACS/Fundeb, o CAE e os conselhos escolares. Certamente voc vai querer conhecer melhor as polticas pblicas educacionais, e para isso conti-nue cursando os outros mdulos que o Programa Formao pela Escola vai colocar sua disposio. Tambm consulte a bibliografia sugerida ao final deste mdulo, no tpico Nos-sa conversa no se encerra aqui, e no stio www.fnde.gov.br.Entretanto, no basta apenas a instituio do Conselho do Fun-deb. Se o referido rgo no estiver adequadamente constitudo, com seus membros escolhidos de forma legtima e no estiver bem organizado e instrumentalizado, dificilmente poder desem-penhar o seu papel de forma efetiva e, consequentemente, no poder se constituir em espao de exerccio de acompanhamento e vigilncia cvica da aplicao dos recursos pblicos, condio in-dispensvel existncia de uma sociedade democrtica. AtividadesAps termos estudado detalhes sobreo CACS/Fundeb, solici-tamos que voc faa os exerccios 24 a 29 desta Unidade, no Caderno de Atividades.Unidade V em snteseChegamos, assim, ao final da ltima unidade deste mdulo. Nela, apresentamos um tema muito importante para o FNDE e para o Fundeb: o controle social. Falamos rapidamente do histrico do surgimento dos conselhos sociais no mundo e no Brasil, e vimos que sua organizao nada mais foi do que a conquista do direito da participao da sociedade no acom-panhamento da gesto pblica. Tambm relacionamos o sur-gimento destes conselhos com a ampliao da democracia participativa e da transparncia, vimos que estes rgos de-vem ter a capacidade de atuar desde as instncias decisrias do Estado s crescentes e complexas demandas da sociedade.Estudamos um importante exemplo desses conselhos: o Conselho de Acompanhamento e Controle Social CACS/Fundeb, que deve acompanhar detalhadamente a ges-to, execuo e prestao de contas do Fundo. Sobre oRetomando aconversa inicialRetomando a conversa inicial151Ns, ento, perguntamos:Ser que conseguimos responder as perguntas acima e ainda a todas as dvidas que voc tinha sobre o Fundeb? Ser que toda esta caminhada, unidade por unidade, foi signi-ficativa para voc?Foi importante, durante o desenrolar deste curso, comparti-lhar com seus colegas e seu tutor suas dvidas e seu aprendi-zado sobre o tema? Hoje voc possui maiores condies e conhecimentos para acompanhar efetivamente a execuo do Fundo em seu mu-nicpio, em seu Estado?Sabemos que s voc tem respostas para estas perguntas.Esperamos que ao longo da nossa conversa, voc tenha obti-do informaes e realizado reflexes a respeito do Fundeb, e que possa, agora, acompanhar todas as etapas da execuo do Fundo, do recebimento dos recursos, sua execuo at sua prestao de contas. Ter conhecimentos sobre o Fundo , sem dvida, impor-tantssimo e acreditamos que voc agora sabe da importncia do Fundo no contexto educacional de nosso pas, e da necessidade de sua participao. Por esta razo, sugerimos que voc considere esse material somente um comeo de conversa e amplie seus co-nhecimentos sobre esse tema, consultando outros materiais sobre Prezado cursista,Chegamos ao final deste Mdulo. Nas primeiras pginas coloca-mos um conjunto de perguntas sobre o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Pro-fissionais da Educao Fundeb, com o objetivo de dar incio s nossas reflexes, voc se lembra? Vamos dar uma olhada nelas?:: Voc sabe o que o Fundeb, por que e quando ele foi criado? Quais os recursos fazem parte do fundo e como efetuada a distribuio desses recursos financeiros?:: Qual etapa da educao contemplada pelo Fundeb e qual a relao entre Censo Escolar e o Fundo?:: Como calculado o valor aluno/ano?:: Quem administra o dinheiro do Fundeb e como devem ser apli-cados seus recursos?:: Como realizada a fiscalizao da aplicao dos recursos do Fundeb?:: Existe algum rgo especfico que efetua o controle social da execuo e da prestao de contas do fundo?:: Qual o papel e a atuao do MEC em relao ao Fundeb?:: Quais so as sanes aplicveis aos responsveis pelas irregula-ridades praticadas?A partir destas perguntas organizamos o Mdulo do Fundeb, na expectativa de que voc conhecesse esta importante poltica pblica de financiamento da educao bsica. Retomando a conversa inicial 152 Programas de Transporte do EscolarAgora, leia a parbola que escolhemos para fechar este mdulo.Durante uma forte tempestade, raios luminosos ca-am dos cus. Uma centenria rvore foi atingida por um desses raios e o incndio comeou. Rapidamente o fogo se alastrou e centenas de rvores, de todos os tamanhos, estavam queimando, queimando, queiman-do... As chamas espalhavam a destruio, o medo e a morte.Os animais, apavorados, corriam por todos os lados ten-tando salvar suas vidas. Em meio a esta destruio e a correria dos bichos, um pequeno beija-flor, corajosamente, voava at um pe-queno lago que ficava prximo, e trazia em seu bico gotinhas de gua e as jogava sobre as chamas. J fazia algum tempo que esta situao se repetia.O leo, o rei da floresta, observando a atitude daquele pequeno pssaro, perguntou para o beija-flor:- Oh, beija-flor, voc acha que vai conseguir apagar o incndio sozinho?Ao que o beija-flor respondeu: - Eu no sei se vou con-seguir, mas estou fazendo a minha parte.(Fbula utilizada por Herbert de Souza - Betinho - como metfora de solidariedade, adaptada para o mdulo)Como voc sabe, vivemos em um perodo agitado, marcado por problemas econmicos e sociais, entre o analfabetismo e a fome, entre a violncia e a insegurana. Mas, com certeza, queremos um Brasil melhor, onde todos tenham acesso a uma educao pblica de qualidade, onde no somente seja possvel o acesso escola, o assunto e/ou visitando a pgina do FNDE, no endereo www.fnde.gov.br.Na seo Problematizando, no incio do mdulo apresenta-mos uma situao fictcia, falando sobre a execuo do Fundeb em um pequeno municpio, no interior de nosso pas. Na histria, os professores realizavam mais uma agitada assembleia, exigindo respeito aos seus direitos, pois o executivo local no estava res-peitando a Lei do Fundeb. No investia, no mnimo, 60% (sessenta por cento) no pagamento dos salrios desses profissionais, e ainda, ameaava suspender o pagamento da gratificao aos professo-res do ensino infantil e fundamental devido falta de legislao municipal que a regulamentasse. O mesmo poder no efetuou o pagamento do salrio de agosto e da devida gratificao. Ainda, o Conselho do Fundeb no havia sido constitudo, como rege a legislao do Fundo.O que ser que aconteceu? Ser que voc, com todos os co-nhecimentos adquiridos sobre o Fundo, pode apontar quais as decises que devem ser tomadas para resolver o impasse, com base nas determinaes legais do Fundeb?Em nossa opinio, o poder executivo se viu obrigado a pagar a gratificao de abril a agosto. Os vereadores pediram maiores esclarecimentos sobre o Fundeb ao executivo, e abriram a sede do legislativo local para uma Audincia Pblica sobre o assunto. Por fim, abriu-se um canal de negociao entre o legislativo, o exe-cutivo e os professores. O Conselho do Fundeb foi devidamente constitudo. Todas essas vitrias foram construdas coletivamente e foram consequncias de uma luta democrtica. Retomando a conversa inicial153mas tambm a permanncia nela. Para que possamos alcanar este objetivo, cada um de ns tem que fazer a sua parte.Aja como o beija-flor, faa a sua parte! A educao de nosso pas agradece. O FNDE, o MEC, o governo federal e a escola con-tam com voc, com seu envolvimento, com sua participao.Tudo o que acontece no mundo, seja no meu pas, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. En-to eu preciso participar das decises que interferem na minha vida. Um cidado com um sentimento tico forte e conscincia da cidadania no deixa passar nada, no abre mo desse poder de participao. Herbert de Souza (Betinho)Ampliando seus horizontes155MELCHIOR, Jos Carlos de Arajo. O financiamento da educao no Brasil. So Paulo: EPU, 1987.NISKIER, Arnaldo. Educao brasileira: quinhentos anos de his-tria (1500-2000). 2 ed., Rio de Janeiro: Consultor, 1995.PARENTE, Lygia Bandeira de Mello. Participao social como ins-trumento para a construo da democracia: a interveno social na administrao pblica brasileira in: SOUZA JR., Jos Geraldo de. Sociedade democrtica, direito pblico e controle externo. Braslia: Tribunal de Contas da Unio. 2006.ROMNELLI, Otaza de Oliveira. Histria da Educao no Brasil (1930 a 1973). 7 Ed., Petrpolis: Vozes, 1985.SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar a democra-cia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilizao Brasileira, 2002.Referncias webgrficas AMARAL, Nelson Cardoso: Um novo Fundef? As ideias de Ansio Teixeira. Revista Educao e Sociedade, vol. 2, n. 75. Campinas. 2001. Disponvel em , acessado em 14 de maio, 12h 28.JAMIL, Carlos Roberto. Estado e polticas de financiamento em educao. Educ. Soc. vol.28, n. 100. Campinas. 2007. Disponvel em , acessado em 14 de maio de 2009, s 12h10.Referncias bibliogrficas BOBBIO, Norberto. Dicionrio de Cincia Poltica. 1 ed., So Pau-lo: Paz e Terra, 1988. ______. Estado, governo, sociedade: para uma teoria geral da poltica. 4 ed., Coleo Pensamento crtico, vol. 69. So Paulo: Paz e Terra. s/d.CUNILL GRAU, Nuria. Repensando o pblico atravs da socieda-de: novas formas de gesto pblica representao social. Rio de Janeiro: Renavan; Braslia, DF: Enap, 1998.DAGNINO, Evelina. Os movimentos sociais e a emergncia de uma nova noo de cidadania. In: DAGNINO, Evelina (Org.). Anos 90: poltica e sociedade no Brasil. So Paulo: Brasiliense, 1994.DEMO, Pedro. Charme da excluso social. Coleo Polmicas do Nosso Tempo, n 61. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.DEMO, Pedro. Pobreza poltica. Coleo polmicas de nosso tem-po n 27. So Paulo: Cortez: Autores Associados, 1990. DORNELLES, Joo Ricardo W. O que so direitos humanos. Cole-o primeiros passos, n 229. So Paulo: Brasiliense, 1989. DRAIBE, Sonia. A experincia brasileira recente de reforma dos programas sociais. v. 5. So Paulo: Socialis, 2001. GOHN, Maria da Glria. Conselhos gestores e participao so-ciopoltica. Coleo Questes da Nossa poca. So Paulo: Cortez, 2001.Ampliando seus horizontes156 Programas de Transporte do Escolarhttp://www.cnte.org.br/legislacao/legislacao.htmIndicao dos textos legais (Legislao)Portaria/FNDE n. 430, de 10/12/2008 - Estabelece procedimentos e orientaes sobre a criao, composio, funcionamento e ca-dastramento dos Conselhos de Acompanhamento e Controle So-cial do Fundeb, de mbito Federal, Estadual, Distrital e Municipal e revoga a Portaria n. 344, de 10 de outubro de 2008. Portaria/FNDE n. 344, de 10/10/2008 - Estabelece procedimentos e orientaes sobre a criao, composio, funcionamento e ca-dastramento dos Conselhos do Fundeb. Portaria/MEC n. 932, de 30/7/2008 - Aprova a Resoluo da Comis-so Intergovernamental de Financiamento para a Educao Bsi-ca de Qualidade, que define os fatores de ponderao do Fundeb para o exerccio de 2009.Portaria/MEC n. 144, de 28/1/2008 - Institui o Conselho de Acom-panhamento e Controle Social do Fundo de Manuteno e Desen-volvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao - Fundeb, no mbito da Unio. Resoluo/CNE n. 1, de 27/3/2008 - Define os profissionais do ma-gistrio, para efeito da aplicao do art. 22 da Lei n. 11.494/2007, que regulamenta o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da Educao Fundeb.Decreto n. 6.278, de 29/11/2007 - Altera o Decreto n. 6.253, de 13 de novembro de 2007, que dispe sobre o Fundo de Manuteno PETRARCA, Fernanda Rios. Participao poltica, problemas so-ciais e atuao em conselhos gestores municipais. Disponvel em ; acessado em 17 de janeiro de 2009, s 01h04.SILVA, Frederico Barbosa da, et al . Polticas sociais no Brasil: par-ticipao social, conselhos e parcerias. Disponvel em , Acessa-do em 15 de dezembro de 2008, s 12h35. COLOSSI, Nelson ET. AL. Participao dos conselhos socais na ad-ministrao pblica municipal e suas implicaes para a anlise da mudana organizacional. Disponvel em . Acessado em 18 de dezembro de 2008, s 08h18.MAZZUOLI, Valrio de Oliveira. Direitos humanos, cidadania e educao: Uma nova concepo introduzida pela Constitui-o Federal de 1988. Disponvel em . Acessado em 12 de dezembro de 2008, s 20h35. NASCIMENTO, Maria Isabel Moura. O imprio e as primeiras tentativas de organizao da educao nacional (1822-1889), disponvel em Manifesto dos Pioneiros da Educao Nova, 1932. Disponvel em . Acessa-do em 14 de maio de 2009, s 12h10.Ampliando seus horizontes157Composio da Cesta do Fundeb: impostos, contribuies e transferncias Fundo de Participao dos Estados (FPE): previsto no art. 159, inciso I, alnea a, da Constituio Federal, composto de 21,5% da arrecadao lquida do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza IR e do Imposto sobre Produtos Industriali-zados IPI, sendo arrecadadas pela Secretaria da Receita Federal SRF, contabilizadas pela Secretaria do Tesouro Nacional STN e distribudas pelo Banco do Brasil sob comando da STN. Constitui importante instrumento de redistribuio da renda nacional, visto que este promove a transferncia de parcela dos recursos arreca-dados em reas mais desenvolvidas para reas menos desenvol-vidas do Pas: 85% dos recursos so destinados aos Estados das Regies Norte (25,37%), Nordeste (52,46%) e Centro-Oeste (7,17%) e 15% aos Estados das Regies Sul (6,52%) e Sudeste (8,48%).Fundo de Participao dos Municpios (FPM): uma transfern-cia constitucional (CF, Art. 159, I, b), composto de 22,5% da arreca-dao do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Indus-trializados. A distribuio dos recursos aos Municpios feita de acordo o nmero de habitantes. So fixadas faixas populacionais, cabendo a cada uma delas um coeficiente individual. O mnimo de 0,6 para Municpios com at 10.188 habitantes, e, o mximo 4,0 para aqueles acima 156 mil. Do total de recursos 10% so des-tinados aos Municpios das capitais, 86,4% para os demais Munic-pios e 3,6% para o fundo de reserva a que fazem jus os Municpios com populao superior a 142.633 habitantes (coeficiente de 3.8), excludas as capitais.Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Prestao de Servi-os de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comuni-cao (ICMS): conforme Art.155, II, da Constituio, um imposto estadual, ou seja, somente os Governos dos Estados do Brasil e do Distrito Federal tm competncia para institu-lo. O principal fato gerador para sua incidncia a circulao de mercadoria, mesmo e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Pro-fissionais da Educao - Fundeb e regulamenta a Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Decreto n. 6.253, de 13 de novembro de 2007 - Regulamentao do Fundeb. Emenda Constitucional n. 53, de 20 de dezembro de 2006 - D nova redao aos artigos n. 7, 223, 30, 206, 208, 211 e 212 da Cons-tituio Federal e ao artigo 60 do Ato das Disposies Constitucio-nais Transitrias.Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007 - Regulamenta o Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valoriza-o dos Profissionais da Educao (Fundeb).Portaria/MEC n. 952, de 8 de outubro de 2007 - Transfere para o FNDE a gesto operacional do Fundeb.Portaria/MEC n. 48, de 31 de janeiro de 2007 - Estabelece os pro-cedimentos contbeis para registro dos recursos destinados ao Fundeb (Anexos 2 e 3). Portaria Normativa/MEC n. 4, de 27 de fevereiro de 2007 - Trata da distribuio proporcional dos recursos do Fundeb, quanto s matrculas pblicas presenciais efetivas de educao bsica.Resoluo/MEC n. 1, de 15 de fevereiro de 2007 - Institui as pon-deraes aplicveis distribuio proporcional dos recursos do Fundeb Medida Provisria n. 339, de 28 de dezembro de 2006 - Regula-menta o artigo 60 do Ato das Disposies Constitucionais Transi-trias.158 Programas de Transporte do Escolarrena de partilha ou doao. Os fatos geradores so: a transmisso de qualquer bem ou direito havido por sucesso legtima ou testa-mentria, inclusive a sucesso provisria; a transmisso por doao, a qualquer ttulo, de quaisquer bens ou direitos; a aquisio de bem ou direito em excesso pelo herdeiro ou cnjuge meeiro, na partilha, em sucesso causa mortis ou em dissoluo de sociedade conjugal.Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores (IPVA): um imposto estadual, ou seja, somente os Estados e o Distrito Federal tm competncia para institu-lo (Art.155, III da Constitui-o Federal). Tem como fato gerador a propriedade do veculo au-tomotor (automveis, motocicletas, embarcaes, aeronaves etc). Os contribuintes do imposto so os proprietrios de veculos au-tomotores. A alquota utilizada determinada por cada governo estadual, com base em critrio prprio. A base de clculo o valor venal do veculo, estabelecido pelo Estado que cobra o imposto. Sua funo do IPVA exclusivamente fiscal. Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural/cota-parte dos Mu-nicpios (ITRm): imposto municipal de apurao anual que pre-visto constitucionalmente no inciso VI do art. 153 da Constituio Federal. Tem como fato gerador a propriedade, o domnio til ou a posse de imvel por natureza, localizado fora da zona urbana do municpio, em 1 de janeiro de cada ano. Considera-se imvel rural a rea contnua, formada de uma ou mais parcelas de terras, localiza-da na zona rural do municpio. Contribuinte do ITR o proprietrio de imvel rural, o titular de seu domnio til ou o seu possuidor a qualquer ttulo. O domiclio tributrio do contribuinte o municpio de localizao do imvel, vedada a eleio de qualquer outro.Receita da dvida ativa tributria, juros e multas: o crdito da Fazenda Pblica proveniente de obrigao legal relativa a tributos, bem como os valores correspondentes respectiva atualizao monetria, multa e juros de mora e encargos.E demais Impostos que a Unio eventualmente venha a insti-tuir.que se inicie no exterior. A prestao de servio de transporte, no mbito intermunicipal e interestadual tambm caracteriza o fato gerador, bem como a prestao do servio de telecomunicao.Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional s ex-portaes (IPIexp): tem por base o IPI, que um imposto federal, ou seja, somente a Unio tem competncia para institu-lo (Art.153, IV, da Constituio Federal). Suas disposies esto regulamentadas pelo Decreto 4.544 de 2002. Os contribuintes do imposto podem ser o importador, o industrial, o comerciante ou o arrematador, ou a quem a lei os equiparar, a depender do caso. Os fatos geradores do IPI so: o desembarao aduaneiro do produto importado, a sa-da do produto industrializado do estabelecimento do importador, do industrial, do comerciante ou do arrematador e a arrematao do produto apreendido ou abandonado, quando este levado a leilo. A alquota utilizada varia conforme o produto. Determina-do produto tanto pode ser isento, quanto ter alquota de mais de 300% (caso de cigarros). As alquotas esto dispostas na Tipi (Ta-bela de Incidncia do Imposto sobre Produtos Industrializados). A base de clculo depende da transao. No caso de venda em ter-ritrio nacional, a base de clculo o preo de venda. No caso de importao, a base de clculo o preo de venda da mercadoria, acrescido do Imposto de Importao e demais taxas exigidas (fre-te, seguro, etc). Em caso de produtos que o governo queira estimu-lar, ele pode isent-lo do IPI. No caso de produtos que o governo queira frear o consumo (caso do cigarro, bebidas e produtos de luxo, por exemplo), o governo pode colocar alquotas proibitivas. Recursos relativos desonerao de exportaes (LC n. 87/96): o recurso advindo do ressarcimento recebido da Unio para os estados e Distrito Federal decorrentes da desonerao do ICMS nas exportaes.Imposto sobre Transmisso Causa Mortis e doaes de bens ou direitos (ITCMD): um imposto estadual, devido por toda pessoa fsica ou jurdica que receber bens ou direitos como herana, dife-Glossrio159GlossrioAcordos MEC-USAID: assinados a partir de 1966 com os Estados Unidos, tinha por objetivo aperfeioar o modelo educacional bra-sileiro. Alocar: destinar (fundo oramentrio, verba etc.) a um fim espe-cfico.Amortizao: extinguir uma dvida aos poucos ou em prestaes. Abater (parte de uma dvida), efetuando o pagamento correspon-dente.Ansio Teixeira: (1900 - 1971): personagem central da histria da educao no Brasil, nas dcadas de 1920 e 1930. Difundiu os pres-supostos do movimento da Escola Nova, que tinha como princ-pio a nfase no desenvolvimento do intelecto e na capacidade de julgamento, em detrimento da memorizao. Reformou o sistema educacional da Bahia e do Rio de Janeiro, exercendo vrios cargos executivos. Participou da formulao do Manifesto da Escola Nova, em defesa do ensino pblico, gratuito, laico e obrigatrio.Aportar: contribuir; subsidiar.Aristocracia: tipo de organizao social e poltica em que o gover-no monopolizado por um nmero reduzido de pessoas privile-giadas no raro por herana; nobreza; casta; nata. Arquivo: conjunto de dados ou de instrues, armazenado em meio digital e identificado por nome.Atores sociais: todos que trabalham com demandas e reivindica-es de carter redistributivo e usam como principal estratgia a mo-bilizao coletiva dos envolvidos nas questes pelas quais atuam.Autonomia: faculdade de se governar por si mesmo; direito ou faculdade de se reger (uma nao) por leis prprias; liberdade ou independncia moral ou intelectual.Benjamin Constant Botelho de Magalhes (1836-1891): militar, professor e estadista brasileiro. Adepto do positivismo, difundiu sua ideias entre a jovem oficialidade do Exrcito brasileiro. Foi um dos principais articuladores da Proclamao da Repblica em 1889, nomeado Ministro da Guerra e, depois, Ministro da Instruo Pbli-ca no Governo Provisrio de Deodoro da Fonseca. Boul: assembleias de cidados da cidade grega de Atenas, com atribuies e organizao definidas.Carta Magna: constituio.Censo Escolar: uma coleta anualmente informaes sobre a educao bsica, abrangendo todas as suas etapas/nveis (Educa-o Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Mdio) e modalidades (ensino regular, educao especial, educao de jovens e adultos e educao profissional de nvel tcnico). Esta pesquisa realizada pelo MEC/ INEP.Colegiado: rgo dirigente cujos membros tm poderes idnti-cos.Companhia de Jesus: ordem religiosa fundada em 1534 por In-cio de Loyola. Os jesutas tiveram grande influncia na Europa dos sculos XVI e XVII, pois eram educadores e confessores de reis. Em 1549 chegou ao Brasil um grupo de seis missionrios, liderados por Manuel da Nbrega, trazidos pelo governador-geral Tom de Sousa. Foram responsveis pela educao no Brasil por mais de duzentos anos.160 Programas de Transporte do EscolarConstituio Federal aps sua promulgao. Sua aprovao da competncia da Cmara dos Deputados e do Senado Federal.Ensino leigo: no religioso.Equidade: igualdade, equanimidade, imparcialidade.Esfera: campo, setor, ou ramo dentro do qual se exerce uma ativi-dade; extenso de poder ou autoridade. Estado Novo: perodo da histria republicana brasileira que vai de 1937 a 1945, quando foi Presidente do Brasil Getlio Vargas. Mar-cado por forte concentrao de poder no Executivo federal, foi um dos perodos mais autoritrios da histria do pas.Estimativa: previso, avaliao, clculo, oramento preliminar.Fidalgo: indivduo que tem ttulo de nobreza.Folders: impresso promocional constitudo de uma nica folha com duas ou mais dobras. Formao continuada: voltada para a atualizao e aprofunda-mento dos conhecimentos, na perspectiva do aperfeioamento profissional que, de forma contnua, deve ser promovido pelos Es-tados, Distrito Federal e Municpios, mediante programas assegu-rados nos planos de carreira do magistrio pblico. FPE e FPM: recursos recebidos pelos Estados, Distrito Federal e Municpios, por sua participao, estabelecida na Constituio e em lei, na arrecadao de tributos federais.Gerousia: assembleias de cidados da cidade grega de Esparta, com organizao e atribuies definidas.Hannah Arendt (1906/ 1975): terica poltica alem de origem ju-daica que, durante o nazismo, foi perseguida e emigrou para os Estados Unidos. Sua principal obra, As origens do totalitarismo (1951), consolida o seu prestgio como uma das figuras maiores do pensamento poltico ocidental.Convnio: contrato entre dois ou mais rgos pblicos ou entre um rgo pblico e uma empresa privada.Crime de responsabilidade: infraes poltico-administrativas co-metidas no desempenho das funes pblicas, pelo(s): presidente da repblica, ministros de Estado, ministros do Supremo Tribunal Federal, procurador-geral da Repblica, do advogado-geral da Unio, governadores, integrantes do Ministrio Pblico e de outras autoridades.Critrio: aquilo que serve de base para comparao, julgamento ou apreciao.Custeio: despesas de custeio so as que se referem manuteno das atividades dos rgos do Governo, abrangendo basicamente os gastos com pessoal, material de consumo e servios de terceiros.Decendialmente: de dez em dez dias.Declarao Universal dos Direitos Humanos: aprovada em 10/12/1948 pela Assembleia das Naes Unidas, um documento que orienta as aes da Organizao das Naes Unidas ONU. constituda de trinta artigos onde esto enumerados os direitos de todos os seres humanos.Educao como Direito Pblico Subjetivo: o Estado tem o dever de ofertar educao escolar e, ao mesmo tempo, fazer com que as pessoas em idade escolar obrigatria frequentem as aulas, sob pena de os correspondentes governantes serem imputados em penalidades. De outro lado, as pessoas em idade escolar, que se negarem a frequentar a escola, ou seus pais ou responsveis, tam-bm podem ser penalizados.Elite: minoria prestigiada e dominante no grupo, constituda por indivduos mais aptos e mais poderosos.Emancipao: independncia; alforria, libertao.Emenda Constitucional: a modificao imposta ao texto da 161AnotaesICMS: imposto sobre operaes relativas Circulao de Merca-dorias e sobre prestaes de Servios de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicao. de competncia dos Estados e do Distrito Federal. Sua regulamentao constitucional est pre-vista na Lei Complementar 87/1996 (a chamada Lei Kandir), al-terada posteriormente pelas Leis Complementares 92/97, 99/99 e 102/2000.cone: figura para identificar e/ou acionar, na tela do computador, programa ou recurso de programa.Imperceptvel: que no se percebe, que no se pode distinguir; insignificante.Imposto: transferncia obrigatria de dinheiro ao governo, por parte de indivduos ou instituies; tributo.Improbidade administrativa: ato cometido por agente pblico, durante o exerccio de funo pblica ou decorrente desta, que importam vantagem ilcita, ou que causam prejuzo ao errio, ou que atentam contra os princpios da administrao pblica.ndice Nacional de Preos ao Consumidor INPC: criado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica IBGE, em setembro de 1979, tem como objetivo oferecer a variao dos preos no mer-cado varejista, mostrando, assim, o aumento do custo de vida da populao. Calculado entre os dias 1 e 30 de cada ms, este ndice compe-se do cruzamento de dois parmetros: a pesquisa de pre-os referente alimentao, vesturio, habitao, transportes, sa-de, comunicao etc., efetuada em estabelecimentos comerciais e de prestao de servios, concessionria de servios pblicos e domiclios (para levantamento de aluguel e condomnio), das onze regies de maior produo econmica (Belm, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, So Paulo, Curitiba e Porto Alegre, Braslia e municpio de Goinia), cruzada com a pesquisa de oramento familiar (POF), que abrange famlias com renda de um a oito salrios mnimos.Instncias decisrias: autoridade ou rgo responsvel por deci-ses, resolues, deliberaes.Interveno: nos regimes federativos, ato do poder central de im-por medidas necessrias a manter a integridade da Unio, quando algum dos seus membros est submetido anormalidade grave e que prejudique o funcionamento da Federao.Laicizao: tornar laico ou leigo; excluir o elemento religioso ou eclesistico de uma organizao de ensino.Manifesto dos Pioneiros (da Educao Nova): documento es-crito por 26 educadores, em 1932, que irculou em mbito nacio-nal com a finalidade de oferecer diretrizes para uma poltica de educao. O documento defendia: a educao como uma funo essencialmente pblica; a escola deve ser nica e comum, sem pri-vilgios econmicos de uma minoria; todos os professores devem ter formao universitria; o ensino deve ser laico, gratuito e obri-gatrio.Marqus de Pombal (1699- 1782): 1 ministro portugus, realizou reformas polticas influenciadas pelo Iluminismo, desenvolvendo a agricultura, o comrcio e as finanas, com base nos princpios do mercantilismo. Aboliu a escravido, reorganizou o sistema educa-cional e fundou a Companhia das ndias Orientais. Suas reformas suscitaram grande oposio da nobreza e dos jesutas que foram expulsos das terras portuguesas em 1759.Modalidade: forma, aspecto ou caracterstica de uma coisa ou organizao. No caso especfico da educao bsica, modalidade de ensino diz respeito s vrias formas de organizao de ensino urbano e rural: regular (presencial), especial, de jovens e adultos, e profissional, quando a mesma estiver vinculada diretamente ao Ensino Mdio.Organizao das Naes Unidas (ONU): fundada em 24 de ou-tubro de 1945, constituda por representantes de governos da maioria dos pases do mundo. Seu objetivo principal colocar em 162 Programas de Transporte do EscolarProvncia: no Perodo Imprio Brasileiro (1822-1889) era cada uma das grandes divises administrativas, a qual tinha por chefe do Po-der Executivo um presidente. Publicizao: ato de tornar pblico, divulgar, espalhar; dar conhe-cimento sobre algo.Receita: a soma de valores recebidos durante um determinado perodo de tempo. No setor pblico, a soma de impostos, taxas, contribuies e outras fontes de recursos, arrecadados para aten-der s despesas pblicas.Recurso vinculado: corresponde receita ou parcela de receita que arrecadada com destinao especfica a um determinado se-tor, rgo ou programa, de acordo com a legislao vigente.Redemocratizao: volta democracia; democratizar (-se) nova-mente.Regente: pessoa que rege, dirige ou governa.Segmento: poro de um todo; seo; poro bem delimitada, destacada de um conjunto.Soberania popular: poder ou autoridade suprema do povo con-cretizada no ato de votar.Subveno: auxlio financeiro, por via de regra, concedido pelos poderes pblicos.Suplente: pessoa que pode ser chamada a exercer certas funes, na falta daquela a quem elas cabiam efetivamente. Substituto.Transferncias: correspondem a parcelas de recursos arrecada-dos pelo Governo Federal e repassados aos Municpios por fora de dispositivo da Constituio Federal. Uniforme: que s tem uma forma, que no varia.prtica mecanismos que possibilitem a segurana internacional, desenvolvimento econmico, definio de leis internacionais, res-peito aos direitos humanos e o progresso social. Pactuao: ato de combinar, ajustar, contratar, convencionar.Parmetros: aquilo que serve de base ou norma; modelo; exemplo.Parecer: opinio, juzo. Opinio fundamentada sobre determina-do assunto, emitida por especialista.Poder Executivo: responsvel pela execuo do Fundo no mbito do Governo Federal, dos Estados e DF e MunicpiosPopulista: aquele que pratica a poltica fundada no aliciamento das classes sociais de menor poder aquisitivo.Positivismo: doutrina que surgiu no final do sculo XVIII, e pro-punha que a existncia humana deveria ser fundamentada em valores humanos, afastados da religio. Associava uma interpreta-o das cincias e uma classificao do conhecimento a uma tica humana.Professores leigos: em relao educao bsica so aqueles que atuam na educao infantil e das sries iniciais do ensino fun-damental sem a formao em nvel mdio, na modalidade normal (antigo Magistrio) e os professores das sries finais do ensino fun-damental e do ensino mdio sem curso superior de licenciatura plena na rea especfica de atuao.Programao Oramentria: documento que discrimina, no caso do Fundeb, a receita e a despesa para o exerccio seguinte. reali-zada pelo Poder Executivo.Promulgar: ordenar a publicao oficial; tornar pblico.Proposta oramentria: plano financeiro de uma administrao para determinado exerccio; define o que se pretende fazer, o seu custo e a origem dos recursos.Glossrio163Valor aluno/ano: custo anual da manuteno de um aluno na educao bsica. Seu clculo leva em considerao o custo aluno/ano para o as sries iniciais do ensino fundamental urbano, calcu-lado pelo MEC/FNDE.Vigncia: tempo durante o qual uma coisa vigora ou est em exe-cuo. Lista de AbreviaturasCACS: Conselho de Acompanhamento e Controle SocialCF: Constituio FederalFNDE: Fundo Nacional de Desenvolvimento da EducaoFundeb: Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos Profissionais da EducaoFundef: Fundo de Manuteno e Desenvolvimento do Ensino Fun-damental e de Valorizao do MagistrioIBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e EstatsticaINEP: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais An-sio TeixeiraLDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educao NacionalMEC/ USAID: a fuso das siglas Ministrio da Educao (MEC) e United States Agency for International Development (USAID). MEC: Ministrio da Educao164 Programas de Transporte do EscolarContatosFundo Nacional de Desenvolvimento da Educao FNDEDiretoria FinanceiraCoordenao-Geral de Operacionalizao do Fundeb e de Acom-panhamento e Distribuio da Arrecadao do Salrio-educao CGFSESBS, Quadra 2, Bloco F, Edifcio FNDE, 12 andar, Sala 1.201CEP. 70.070-929 Braslia-DFTelefones - 0800 616161, (0xx61) 2022-4232Fax: (0xx61) 2022-4664E-mail: fundeb@fnde.gov.brSite: www.fnde.gov.br165AnotaesAnotaes________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________166 Programas de Transporte do Escolar___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________MduloFundeb_Parte1FUNDEB_Parte2_LauraFUNDEB_Parte3_LauraFUNDEB_Parte4_LauraMduloFundeb_Parte5