FORENSIC A Fraude no Brasil Relatrio da Pesquisa 2009

  • Published on
    07-Jan-2017

  • View
    213

  • Download
    1

Transcript

  • FORENSIC

    A Fraude no BrasilRelatrio da Pesquisa 2009

    ADVISORY

  • Sumrio

    Sobre a pesquisa ....................................................................... 4

    Perfil dos participantes .............................................................. 5

    Breves concluses .................................................................... 6

    A conscincia da ocorrncia de fraudes .................................... 8

    As trs bruxas da fraude: quem, por que e o que ........... 9

    Tipificao do ato fraudulento ...................................................12

    As medidas tomadas e as formas de preveno ......................13

    Gesto de risco de fraude: estrutura

    e responsabilidades dos controles internos .........................19

    Sem confiana cega: adoo de decises informadas ............ 23

    Compliance anticorrupo: desconhecer no salvaguarda ... 26

    A KPMG Forensic .................................................................... 30

    Sobre a KPMG ......................................................................... 31

    Escritrios KPMG no Brasil ...................................................... 33

    Contatos .................................................................................. 34

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    3

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Fraude e m-conduta corporativa continuam a ser uma ameaa constante para as organizaes e tm aumentado nos ltimos anos, com uma tendncia progressiva.

    Esta a quarta edio da pesquisa A Fraude no Brasil, realizada pela KPMG Forensic. O objetivo da pesquisa obter um insight quanto ao nvel de conscientizao sobre fraudes, as tendncias e a natureza das fraudes sofridas por organizaes no Brasil e os meios para atenuar riscos de fraude.

    Com o aumento das atividades de rgos reguladores, visando promoo do comportamento tico, as organizaes ficaram sob maior presso para implementar melhores prticas de governana corporativa, divulgao corporativa e gesto de risco.

    A fraude, como qualquer outro risco, pode ser eficientemente gerenciada por meio de uma estratgia de gesto de risco adequada. Para atenuar de forma eficaz o risco de fraude, importante implementar um amplo programa de gesto de risco de fraude, que se estenda alm de um conjunto de controles internos sofisticados, em todos os nveis e divises de uma organizao.

    O questionrio do levantamento foi enviado no final de 2008 para mais de 1.000 organizaes dos mais variados segmentos de indstria. Os entrevistados incluram diretores-presidentes, diretores-financeiros, diretores de compliance, auditores internos, chefes de departamento e outros integrantes da Alta Administrao.

    Aproveitamos a oportunidade para expressar nosso agradecimento s pessoas e organizaes que despenderam seu tempo respondendo ao questionrio. O resultado no teria sido atingido sem o apoio dos entrevistados e de todos aqueles que possibilitaram este levantamento.

    Tambm gostaramos de agradecer queles leitores que utilizaro estes resultados em benefcio de sua organizao. Nosso levantamento fundamenta a mensagem essencial de que a melhor forma de coibir fraudes possuir uma boa cultura tica e

    controles eficazes no ambiente de trabalho.

    Jos Carlos A. Simes Werner Scharrer

    Scio responsvel Scio

    KPMG Forensic KPMG Forensic

    Apresentao

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    4

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    . Sobre a pesquisa

    50% dos entrevistados

    crem que a tendncia

    do nvel de fraudes

    crescente, enquanto 63%

    acreditam que a perda de

    valores sociais e morais a

    maior causa de crescimento

    dos atos fraudulentos.

    O Relatrio da Pesquisa 2009 A Fraude no Brasil uma tentativa de fornecer

    informaes sobre os antecedentes de fraude, suas consequncias e, mais

    importante, identificar as principais salvaguardas contra elas.

    Em comparao com as nossas apuraes em levantamentos anteriores, houve um aumento no nmero de empresas que sofreram fraude nos ltimos quatro anos. difcil avaliar o custo de fraudes para os negcios, pois nem todas as fraudes ou abusos so descobertos, nem toda fraude descoberta relatada e nem sempre se busca ao civil ou penal. O custo de fraudes no para em uma cifra monetria seguida de muitos zeros. Sua natureza insidiosa infiltra-se e corri os elementos

    essenciais sobre os quais todos os negcios se aliceram: confiana e lealdade.

    As constataes expostas neste relatrio originaram-se de respostas a questionrios

    enviados em fins de 2008 para as maiores organizaes de todo o Pas, que atuam

    nos setores pblico e privado.

    O questionrio buscou informaes dos entrevistados com o objetivo de chegar s

    tendncias a seguir descritas.

    Cenrio de fraude existente no Brasil

    Extenso do risco de fraude percebido em diferentes indstrias

    Quem so os potenciais perpetradores de fraude

    Fatores que aumentam o risco de fraude

    Tipo de fraudes

    Medidas existentes adotadas para combater fraudes

    Nesta edio da pesquisa, foram aprofundadas as questes relativas gesto de

    risco de fraude, bem como ao nvel de conhecimento e prtica dos entrevistados

    sobre a legislao nacional e internacional que visa minimizao dos atos

    fraudulentos.

    Tambm foram abordados aspectos fundamentais relativos ao ato fraudulento no

    que se refere a valores, formas geradoras, circunstncias facilitadoras e medidas

    punitivas.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    5

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Diretor-Presidente

    Diretor-Financeiro e/ou Administrativo

    Controller

    Diretor/Gerente da Auditoria/Reviso Interna

    Diretor/Gerente de Recursos Humanos

    Outros

    Acima de R$ 5 bilhes

    Entre R$ 3 bilhes e R$ 5 bilhes

    Entre R$ 1 bilho e R$ 3 bilhes

    Entre R$ 500 milhes e R$ 1 bilho

    Entre R$ 250 milhes e R$ 500 milhes

    Entre R$ 100 milhes e R$ 250 milhes

    Faixa de faturamento anual

    14%

    9%

    20%

    25%

    27%

    5%

    0 10 20 30 0 10 20 30

    Cargo do respondente

    15%

    26%

    13%

    26%

    5%

    15%

    Qumico e farmacutico

    Lojas de varejo

    Automotivo

    Infraestrutura e construo

    Agronegcio

    Bancos e seguradoras

    Informtica e eletroeletrnico

    Petrleo e gs

    Transporte e logstica

    Metalurgia

    Telecomunicaes

    Servios pblicos

    Papel e celulose

    Energia

    Outros

    Setor de atividade

    16%

    12%

    9%

    9%

    8%7%

    7%

    7%

    5%

    4%

    4%

    3%3%

    3% 3%

    A maioria das empresas que participaram desta pesquisa (52%) pertence ao ramo

    industrial, com faturamento anual concentrado nas faixas de R$ 250 milhes

    a R$ 3 bilhes (72%). Os respondentes do questiontio ocupam posies nas

    Diretorias Financeira, Administrativa ou de Auditoria e/ou de Reviso Interna.

    Perfil dos participantes

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    6

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    A fraude continua a atingir as organizaes e a afetar os resultados finais

    Mais de 90% dos entrevistados reconheceram que a fraude um problema no

    ambiente corporativo no Brasil. Alm disso, 60% dos entrevistados acreditam que

    a fraude no Brasil poder aumentar nos prximos dois anos.

    O risco de fraude foi percebido como preponderante em todos os setores, sendo

    que maioria das organizaes (68%) no obtiveram xito na recuperao dos

    valores envolvidos nos atos fraudulentos.

    Quase 70% dos entrevistados sofreram fraude em sua organizao nos ltimos

    dois anos. Destes, 29% tiveram atos dolosos com a falsificao de cheques e

    documentos, enquanto 25% com roubos de ativos.

    Destas organizaes, 77% tiveram prejuzos financeiros estimados inferiores a

    R$ 1 milho, ao passo que 5% delas tiveram prejuzos que excederam

    R$ 10 milhes.

    O inimigo mora ao ladoOs entrevistados acreditam que o potencial mximo para a prtica de fraude existe

    dentro da organizao, incluindo a Alta Administrao e outros funcionrios. Entre

    as partes interessadas externas, os fornecedores e os prestadores de servios

    foram avaliados como representando o maior risco de fraude.

    De acordo com 73% dos entrevistados, a propina e os benefcios similares so

    a forma preponderante de fraude na realizao dos negcios que afeta uma

    organizao.

    72% das empresas monitoram formalmente a ocorrncia de fraudes e outras

    condutas imprprias, j que 70% delas mantm canais de comunicao que

    permitem relatar atos fraudulentos de forma annima.

    Ausncia de preparo para lidar com a fraudeA insuficincia de controles internos foi a rea crtica de preocupao para 64%

    dos entrevistados, como circunstncia facilitadora de atos fraudulentos, apesar de

    serem justamente os controles internos (25%) que mais permitiram a descoberta

    da fraude.

    Foram denunciadas pelos prprios funcionrios 24% das incidncias de fraude,

    seguido pelo relato de terceiros (22%).

    Mais de 50% dos entrevistados afirmaram que a diretoria de suas organizaes

    possui um bom conhecimento dos vrios riscos de fraude que enfrenta, alm de

    entender os riscos de fraudes aos quais a empresa est exposta ou enfrenta.

    Breves concluses

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    7

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Sem confiana cega: adoo de decises informadasA maioria das organizaes (64%) concorda ser importante conduzir verificaes

    de antecedentes (background checks) de todos os funcionrios e 86% dos

    entrevistados confirmam que suas organizaes realizam verificaes de

    antecedentes de novos fornecedores e prestadores de servios.

    Mais de 70% dos entrevistados do maior nfase ao histrico profissional nos

    backgrounds checks, seguido por 62% na anlise de antecedentes criminais.

    Para cerca de 70% dos respondentes, a espionagem corporativa e o crime

    organizado so grandes ameaas organizao.

    A restrio do acesso s informaes sensveis da empresa considerada

    a melhor forma de preveno espionagem corporativa para 78% dos

    entrevistados.

    Compliance anticorrupo: desconhecer no salvaguardaMais de 70% dos entrevistados acreditam que as empresas pagam propinas ou

    subornos facilitadores para realizar negcios no Brasil.

    A grande maioria dos entrevistados, entretanto, no possui conhecimentos

    adequados sobre as leis anticorrupo.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    8

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Crescente Estagnante Decrescente

    50% 26% 24%

    29%

    Concorda

    Concorda parcialmente

    Discorda

    Discorda parcialmente

    7%

    60%

    4%

    Os mecanismos de controles internos so eficientes

    Ao mesmo tempo em que esto aproveitando as oportunidades

    de negcios, as organizaes devem manter uma vigilncia rigorosa

    e oportuna em sua estrutura de controle.

    Frequentemente, os controles e os processos internos de uma organizao no

    so capazes de manter o passo com o crescimento na indstria, expondo-a

    ameaa de fraude. Assim, imperativo que as organizaes, ao mesmo tempo em

    que aproveitam oportunidades de negcios, mantenham uma vigilncia rigorosa

    e oportuna em suas estruturas de controle para obter insight quanto s melhores

    formas de projetar e avaliar controles destinados a coibir, detectar e responder

    apropriadamente fraude e conduta imprpria.

    A tendncia a atos fraudulentos no futuro

    A fraude continua a atingir e afetar os resultados das organizaes no Brasil. Mais

    de 50% dos entrevistados reconheceram que a fraude um problema crescente no

    Brasil e entendem a exposio das organizaes aos riscos de fraude. Os resultados

    do levantamento mostram que o risco de fraude predominante em todas as

    indstrias.

    A conscincia da ocorrncia de fraudes

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    9

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    O envolvimento de funcionrios frequentemente o principal ingrediente na prtica

    de fraudes (53%). Apesar de a maioria dos funcionrios fraudadores ser do staff,

    a Gerncia e Chefia somam 43% dos perpetradores. Isso indica a importncia

    crescente de se conduzir verificaes de pr-contratao e de due diligence em

    integridade e tambm de incutir uma cultura de atuao tica nas organizaes.

    O perfil tpico do funcionrio fraudador que ele homem (78%); pertence

    ao staff; tem de 26 a 40 anos de idade (65%); recebe um valor mensal entre

    R$ 1.000,00 e R$ 3.000,00; e possui de 2 a 5 anos de tempo na organizao.

    Funcionrios da empresa

    Prestadores de servios

    Fornecedores

    Clientes

    Outros

    61%

    4%

    8%

    13%

    14%

    Perpetradores de fraude

    Quem so os perpetradores? Conjuntamente (61%), os entrevistados acreditam que o potencial mais alto para a

    prtica de fraude existe dentro da organizao, incluindo a Alta Administrao. Entre

    as partes interessadas externas, os prestadores de servios e fornecedores foram

    percebidos como o maior risco de fraude respectivamente 14% e 13%.

    As trs bruxas da fraude: quem, por que e o que

    Presidncia/Diretoria

    Gerncia

    Chefia

    Staff

    4%

    53%

    21%

    22%

    Posio hierrquica do fraudador

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    10

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Masculino

    Feminino

    Menos de 25 anos

    Entre 26 e 40 anos

    Entre 41 e 55 anos

    Acima de 55 anos

    78% 22%

    5% 65% 29% 1%

    Menos de 2 anos

    Entre 2 e 5 anos

    Entre 6 e 10 anos

    Acima de 10 anos

    16% 41% 20% 23%

    Tempo do fraudador na organizao

    Idade do fraudador

    Sexo do fraudador

    Abaixo de R$ 1.000,00

    Entre R$ 1.001,00 e R$ 2.000,00

    Entre R$ 2.001,00 e R$ 3.000,00

    Entre R$ 3.001,00 e R$ 4.500,00

    Entre R$ 4.501,00 e R$ 6.000,00

    Entre R$ 6.001,00 e R$ 7.500,00

    Acima de R$ 7.501,00

    2%

    29%

    22%

    16%

    8%

    7%

    16%

    Remunerao do fraudador

    0 10 20 30

    No seria errneo afirmar que a coluso entre o funcionrio e o fornecedor

    representa a principal ameaa a uma organizao. Isso tambm respaldado pelos

    resultados da pesquisa, em que a propina paga por fornecedores foi considerada a

    forma mais preponderante de fraude atualmente enfrentada por organizaes.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    11

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    As responsabilidades e a confiana inerentes

    e associadas a altos cargos, junto capacidade

    de sobrepujar controles internos, alm do acesso

    a informaes confidenciais da empresa que

    acompanham a posio gerencial, criam um risco

    de ocorrncia de atos fraudulentos.

    Insuficincia de sistemas de controles internos

    Particularidade do ramo em que a empresa atua

    Management override (possibilidade de a gerncia burlar os controles internos)

    Falta de conduo na empresa

    Outros

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    64%

    21%

    12%

    4%

    7%

    Circunstncias facilitadoras

    Por que as pessoas praticam fraudes?H trs importantes fatores que esto vinculados prtica de fraude: motivo,

    oportunidade e racionalizao, conjuntamente conhecidos como o Tringulo da Fraude.

    O motivo frequentemente se desenvolve a partir da presso financeira resultante

    do estilo de vida acima da capacidade financeira do fraudador, ou da lacuna entre

    a remunerao auferida e a responsabilidade detida pela pessoa, ou a presso em

    atender s metas financeiras, ou os complexos de superioridade da pessoa ou sua

    ganncia.

    A oportunidade geralmente ocorre por meio de fraqueza nos controles internos

    e cria uma atmosfera em que o fraudador acredita lhe ser possvel lograr xito e

    permanecer encoberto. A racionalizao o dialogo interno dos fraudadores que

    fornece a autojustificativa para suas aes.

    Na realidade, o risco de fraude enfrentado por organizaes deve-se a uma

    multiplicidade de razes, principalmente pela ausncia de mecanismos

    de natureza preventiva.

    Fundamentados nas opes que foram fornecidas aos entrevistados, o fator

    facilitador preponderante para perpetrao do ato fraudulento foi a insuficincia

    de sistemas de controles internos (64%).

    0 10 20 30 40 50 60 70

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    12

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Espionagem industrial/empresarial

    Carto de crdito

    Compras para uso pessoal

    Uso indevido de informaes

    Pagamentos no apropriados ("propinas")

    Contas de despesas (viagem, refeio, hospedagem etc.)

    Notas fiscais "frias"

    Roubos de ativos

    Falsificao de cheques/documentos/balanos

    Outros

    Sim

    No tem conhecimento

    No

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    2%

    3%

    5%

    6%

    12%

    12%

    14%

    25%

    29%

    7%

    Formas geradoras

    A grande maioria dos atos de fraude encontra-se na falsificao de cheques e

    documentos (29%) e no roubo de ativos (25%). A maior parte das perdas (77%)

    inferior a R$ 1 milho. Esse ndice diminuiu em relao ao nosso levantamento

    anterior (2004), quando o patamar ficou em 83%. Todavia, o percentual de perdas na

    faixa entre R$ 1 milho e R$ 5 milhes teve um acrscimo, passando a ser de 14%,

    contra 12% relatados anteriormente (2004). Em 68% dos casos de fraude no houve

    qualquer recuperao de valores, ndice bem superior aos 49% reportados em 2004.

    A organizao sofreu alguma fraude nos ltimos dois anos

    Tipificao do ato fraudulento

    Quase 70% dos entrevistados confirmaram que sofreram fraude em sua organizao

    nos ltimos dois anos. O nmero de ocorrncias de fraude manteve-se constante

    comparativamente ao resultado da pesquisa anterior, realizada em 2004.

    68%12%

    20%

    0 10 20 30

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    13

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    difcil avaliar o custo das fraudes para os negcios,

    pois nem todas as fraudes e abusos so descobertos,

    nem toda fraude descoberta relatada e nem sempre

    se busca ao civil ou penal.

    Acima de R$ 10 milhes

    Entre R$ 5 milhes e R$ 10 milhes

    Entre R$ 1 milho e R$ 5 milhes

    Abaixo de R$ 1 milho

    100%

    75%

    50%

    25%

    0%

    77%

    6% 4% 13% 9% 68%

    ndice de recuperao

    As medidas tomadas e as formas de preveno

    Uma vez que a maioria das organizaes geralmente est despreparada para

    combater a fraude e, frequentemente, tende a adotar uma abordagem tipicamente

    reativa para solucionar os problemas individualmente, muitas vezes elas lidam com

    a ponta de um iceberg, quando problemas maiores esto eventualmente esperando

    para eclodir.

    Vinculada ao temor que uma fraude permanea sem deteco, a preocupao com

    as medidas tomadas denota que, fundamentalmente, a melhoria dos controles

    internos primordial (93%), seguida da elaborao de um manual de comportamento

    profissional (57%) e do treinamento dos funcionrios (50%).

    Valor envolvido

    5%

    4%

    14%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    14

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    4%

    Sim

    Esto sendo planejadas

    No

    Melhoria dos controles internos

    Elaborao de um manual de comportamento profissional

    Treinamento dos funcionrios

    Investigaes especiais pela auditoria externa ou terceiros

    Sensibilizao da gerncia

    Aumento de recursos no Depto. de Reviso/Auditoria Interna

    Rodzio de funcionrios

    Outros

    93%

    57%

    50%

    34%

    31%

    24%

    12%

    3%

    Medidas para evitar futuros atos fraudulentos

    Existncia de diretrizes sobre integridade e tica profissional

    na organizao

    O impacto das preocupaes s quais os entrevistados atriburam uma

    classificao elevada conduz a um ambiente em que tanto inclinao quanto

    oportunidade coexistem. Isso poderia significar que organizaes no Brasil, que

    permaneam passivas em sua abordagem para lidar com fraudes, tornam-se um

    solo frtil e perfeito para que elas ocorram.

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100

    84%

    12%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    15

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    nfase na tica

    Aumento da transparncia nas operaes da empresa

    Implementao de programas de satisfao de funcionrios

    Amplos benefcios em seguridade social

    timos conhecimentos

    Bons conhecimentos

    Conhecimento razovel

    No conhece muito bem

    Grau de conhecimento da Diretoria da empresa

    sobre as diversas formas e prticas da fraude

    PrevenoAs organizaes frequentemente deixam de reconhecer sua vulnerabilidade fraude

    e conduta imprpria at que se tornem vtimas, muitas vezes nas mos de um

    funcionrio de confiana, um parceiro comercial de longa data ou at mesmo um

    integrante da equipe administrativa.

    Ficamos interessados em saber se os entrevistados entendiam nitidamente os

    diversos riscos de fraude e se eles estavam adequadamente preparados para lidar

    com qualquer incidente de fraude. Frequentemente, os controles internos esto

    mais voltados aos riscos comerciais e poucos deles realmente operam como

    controles antifraude.

    Mtodos utilizados para melhorar e

    desenvolver a lealdade dos funcionrios

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    76%

    62%

    43%

    17%

    12%

    52%

    30%

    6%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    16

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Sim

    Concorda parcialmente

    Discorda parcialmente

    No

    Concorda

    Concorda parcialmente

    Discorda

    Discorda parcialmente

    36% 58%

    Auditoria externa

    Acaso

    Investigaes especiais

    Reviso/Auditoria interna

    Informaes annimas

    Informaes de terceiros

    Informaes de funcionrios

    Controles internos

    2%

    6%

    15%

    19%

    21%

    22%

    24%

    25%

    Entendimento dos riscos de fraude que enfrenta

    e/ou a que a organizao est exposta

    Como as fraudes foram detectadas

    ConstataoA forma de constatao reflete o mecanismo de controle de fraude dentro de uma

    organizao, sua tica e cultura, e o nvel de tolerncia contra fraude. De acordo

    com nossos entrevistados, a maioria das fraudes (25%) foi detectada por meio de

    controles internos. Todavia, um bom nmero de fraudes tambm foi detectado por

    meio de informaes de funcionrios (24%) ou informaes de terceiros (22%),

    indicando que quase a maioria das fraudes foi detectada por denncias, alheias

    estrutura de controle de uma organizao.

    A Diretoria tem conscincia sobre as formas e prticas de fraude

    que podem ocorrer na empresa

    49%44%

    1%

    6%

    3% 3%

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    17

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Perdas de valores sociais e morais

    Insuficincia de sistemas de controles

    Impunidade

    Alterao na organizao da empresa

    Problemas econmicos

    Outros

    63%

    56%

    53%

    16%

    11%

    3%

    Causas para o crescimento de atos fraudulentos

    Nossa inferncia, a partir da leitura das respostas dos questionrios, que

    as organizaes precisam instituir controles para detectar e coibir fraudes

    especificamente. Alm disso, uma organizao deve tentar incutir valores ticos

    e prticas saudveis de negcios, para permitir aos funcionrios apontar casos de

    condutas imprprias cometidas por outros funcionrios.

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    18

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Ferramentas e procedimentos implementados

    Ferramentas de informtica (TI)

    Canal de denncia annima

    Background checks

    Fraud Risk Assessment

    Outros

    60%

    53%

    22%

    17%

    14%

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70

    Aes executadas aps a descoberta da fraude

    Investigao As medidas adotadas por organizaes dependem muito de sua perspectiva e

    tolerncia em relao a fraudes, bem como de seu desejo de tratar com os canais

    policiais e legais, caso optem por processar os perpetradores.

    Demisso dos envolvidos

    Denncia criminal

    Investigao pela auditoria interna

    Investigao pela auditoria independente

    Pedido de indenizao

    Comunicao seguradora

    Acordo sigiloso

    Reviso da eficcia dos procedimentos/processos antifraude

    55%

    31%

    33%

    4%

    9%

    1%

    2%

    30%

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60

    Em 30% dos casos, incidentes de fraude incentivaram as organizaes a revisar

    a eficcia de seus programas antifraude. Este um componente crtico de

    aprendizado, uma vez que, alm de lidar com o problema, importante que as

    organizaes tambm averiguem o limite at o qual existam outras reas de seus

    empreendimentos nas quais as fraudes possam permanecer encobertas.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    19

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    quase intrnseco

    natureza humana que,

    enquanto houver negcios

    e dinheiro, haver fraude.

    Todavia, pode-se reduzir

    o risco de fraude

    aplicando-se controles

    internos rigorosos para

    coibir fraudes.

    Auditoria interna

    rea de Compliance

    rea Jurdica

    rea interna com foco em fraudes

    Consultores externos

    Outros

    Em implementao

    Para desenvolver uma abordagem pr-ativa para lidar com fraudes, imperativo

    estabelecer canais de comunicao eficientes para notificao de conduta indevida.

    Quisemos que nossos entrevistados nos permitissem entender se eles possuam

    um canal de comunicao eficiente para lidar com casos de fraude, uma vez que

    muitas vezes aquilo que os controles deixam de detectar pode emergir se existir

    um meio de comunicao eficiente.

    55%

    20%

    16%

    13%

    6%

    13%

    12%

    A quem cabe implementar procedimentos

    e controles antifraudes na organizao

    A maioria dos entrevistados (55%) considera que auditoria interna a principal

    responsvel pela implementao de controles antifraude em suas organizaes.

    Os departamentos de compliance tambm foram considerados responsveis por

    implementar medidas antifraude (20%). Uma pequena proporo de entrevistados

    (13%) realmente afirmou que possua uma unidade dedicada ao controle de fraudes,

    responsvel pela implementao de procedimentos de controle de fraude em suas

    organizaes, enquanto 12% esto em fase de implementao.

    Essa constatao, alm do fato de que a maioria das auditorias internas e controles

    internos no serem totalmente ativados para se concentrar em fraudes, leva-nos

    a inferir que apenas um pequeno nmero de entrevistados estava estruturalmente

    organizado para se preparar para fraudes, j que possua um departamento dedicado

    ao combate de fraudes. H, portanto, uma pequena proporo de empresas em

    que as auditorias internas tm realmente um certo enfoque antifraude, e elas usam

    ferramentas limitadas de tecnologia forense e analtica de dados para identificar red

    flags.

    Gesto de risco de fraude: estrutura e responsabilidades dos controles internos

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    20

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Sim No

    Sim No

    Considerando-se que nos prximos anos a fraude relacionada tecnologia da

    informao ir crescer, importante que as organizaes voltem seu enfoque a

    ferramentas impulsionadas por tecnologia.

    Dado o volume e a frequncia em que as transaes podem ocorrer em um ambiente

    de TI, a magnitude das implicaes financeiras nesse tipo de fraude bastante

    expressiva. Isso se torna mais pronunciado em caso de organizaes que tm

    mecanismos imprprios de alerta precoce para coibir e detectar essas fraudes.

    A empresa monitora formalmente a ocorrncia de fraudes,

    corrupo ou conduta indevida

    Existem canais de comunicao que permitem relatos annimos

    de fraude, corrupo ou conduta indevida

    A maioria dos entrevistados (70%) afirma que possui canais de comunicao para

    denncias annimas de suspeita de fraude e conduta indevida. Todavia, apenas

    21% das fraudes foram detectadas por meio de comunicados annimos. Isso

    indica que, ainda que as organizaes acreditem ter um bom mecanismo de

    comunicao, os funcionrios podem no se sentir necessariamente seguros

    e confortveis em relatar uma conduta indevida.

    70%

    30%

    72%

    28%

    Uma grande proporo dos entrevistados (72%) acredita que suas organizaes

    monitoram formalmente o nmero de fraudes, casos de corrupo ou conduta indevida.

    O enfoque de ferramentas pr-ativas implementadas por organizaes concentra-se

    nas pessoas. No so muitas as organizaes que usam tecnologia forense como

    parte de seu conjunto de ferramentas preventivas.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    21

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Ainda que um problema

    seja conhecido ou

    suspeito, encontrar

    quem o responsvel

    e como est acontecendo

    pode revestir-se de

    grande dificuldade.

    Sim No

    Utilizao, de forma pr-ativa e em tempo real,

    da coleta e anlise de dados

    Tecnologia forense: inteligncia acionada por dadosA identificao de lacunas em dados durante auditorias, que podem ocasionar

    potencial erro de apresentao de demonstraes financeiras, um desafio que

    surge em funo das enormes quantidades de dados armazenados nos sistemas de

    uma organizao.

    Extrair indcios especficos de infraes a partir de grandes massas de dados suscita

    outros problemas. Embora, no caso de organizaes com sistemas empresariais

    sofisticados e bancos de dados centralizados, haja ferramentas e know-how

    disponveis em auditoria contnua e monitoramento contnuo, bem como prospeco

    analtica de dados, seus nveis de adoo pelas organizaes ainda est em um

    estgio bem inicial.

    A prospeco analtica de dados pode revelar padres e relacionamentos em

    conjuntos de dados, cujo valor aparente pode parecer no estar relacionado.

    Ela tambm ajuda a destacar atividades de fraude e comportamento irregular ou

    explicar o que existe por trs de discrepncias previamente identificadas. Dessa

    forma, trata-se de um meio poderoso de detectar fraude e eventual desvio das

    normas da organizao.

    O uso de prospeco pr-ativa de dados em organizaes no Brasil, entretanto,

    ainda precisa entrar no ritmo. Quase a metade (45%) dos entrevistados afirmou

    que suas organizaes no realizam nenhuma prospeco analtica pr-ativa de

    dados para detectar tendncias e padres de forma inteligente, o que pode produzir

    potenciais red flags.

    Isso significa que os dados no so analisados e que as anomalias talvez

    permaneam sem deteco.

    A maioria de entrevistados (68%) concordou que as ferramentas pr-ativas

    de prospeco de dados so eficientes na preveno ou deteco de fraudes

    nas organizaes. As respostas demonstram claramente que as organizaes

    esto percebendo os mritos de se usar ferramentas forenses avanadas de

    prospeco de dados para revelar red flags.

    55% 45%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    22

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Sim

    Parcialmente

    No

    Sim

    No tenho certeza

    No

    A auditoria interna utiliza processos tecnolgicos de informao

    para identificar red flags ou vulnerabilidades

    Uma vez que a auditoria interna surgiu como a funo responsvel por medidas

    antifraude na organizao, vantajoso para ela adotar anlise de dados forenses

    como parte de seu processo de auditoria interna.

    Essas ferramentas e tcnicas sofisticadas tero a vantagem adicional de

    assegurar que, em vez de uma amostra aleatria, uma quantidade maior de

    dados, se no todos eles, seja verificada para analisar anomalias em controles

    e parmetros de transaes.

    Isso aumenta as chances de identificar somente as transaes que falham nos

    conjuntos de normas definidos com base em pontuaes que indicam o potencial

    de fraude, isto , transaes de alto risco com red flags.

    Todavia, 29% de entrevistados revelaram que sua auditoria interna no se baseava

    na anlise pr-ativa de dados para identificar red flags durante a auditoria e 18%

    dos entrevistados afirmaram no estar seguros.

    Ferramentas de anlise de dados

    auxiliam na preveno de fraudes

    68%

    31%

    1%

    53%

    18%

    29%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    23

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    As organizaes celebram

    vrias alianas no decorrer

    de seu ciclo de vida

    comercial. Celebrar

    qualquer tipo de

    relacionamento sem uma

    avaliao adequada pode

    expor as organizaes a

    riscos financeiros e riscos

    de reputao.

    Novos funcionrios de alto escalo

    Novos fornecedores

    Novos prestadores de servio

    Novos contratos

    Novos investidores

    Outros

    No efetua

    A extenso de informaes coletadas durante a triagem do passado de um

    funcionrio determina o nvel de conforto ao selecionar um candidato. Nossos

    entrevistados consideram os critrios a seguir como informaes cruciais de uma

    pessoa na poca da contratao.

    Verificao de antecedentes (background checks)

    Sem confiana cega: adoo de decises informadas

    As organizaes podem adotar decises essenciais relativas contratao, aos

    parceiros de joint ventures, potenciais fornecedores e associados comerciais sem

    realizar a auditoria adequada, o que pode exp-las a risco de fraudes.

    A partir da nossa pesquisa, surgiu uma tendncia geral de que as organizaes esto

    se tornando cada vez mais conscientes dessas decises e so favorveis realizao

    de diversas verificaes antes de decidir trazer qualquer pessoa a bordo.

    Background checksA triagem do passado como parte do processo de contratao pode ajudar a atenuar

    o risco de pessoas indesejveis serem empregadas pelas organizaes. Uma grande

    parte de nossos entrevistados (64%) confirmou que suas organizaes realizam

    verificaes do passado de novos contratados de alto escalo, ou seja, no realizam

    estas verificaes para todos os nveis de funcionrios a serem contratados.

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70

    64%

    44%

    42%

    32%

    4%

    2%

    24%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    24

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Sim

    Desconhece

    No

    Sim

    Desconhece

    No

    O crime organizado como ameaa

    A espionagem corporativa como ameaa

    Espionagem corporativa e crime organizadoPara a maioria dos entrevistados, tanto a espionagem corporativa (69%) quanto o

    crime organizado (72%) representam uma sria ameaa para as organizaes.

    No caso do crime organizado, os maiores temores da forma de sua prtica recaem

    sobre fraudes (56%), roubos (50%) e utilizao de informaes privilegiadas (45%).

    Relevncia dos itens verificados nos backgrounds checks

    evidente que fraudes em currculos esto aumentando dia a dia, assim como

    o nmero de perpetradores de crimes em srie que so demitidos de suas

    organizaes anteriores, mas prosseguem por meio de outras organizaes, uma

    vez que seus empregadores subsequentes no fazem uma verificao completa das

    referncias junto organizao anterior, tampouco verificam outros aspectos de sua

    contratao, como formao acadmica, endereo e antecedentes criminais.

    Histrico do profissional

    Antecedentes criminais

    Educao/escolaridade

    Outros

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60 70

    72%

    62%

    35%

    7%

    69% 10%

    21%

    72% 12% 16%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    25

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Fraude

    Roubo

    Uso de informaes privilegiadas/confidenciais

    Suborno de empregados

    Competio ilegal

    Computer hacking

    Espionagem

    Lavagem de dinheiro

    Outros

    56%

    50%

    45%

    35%

    30%

    25%

    22%

    13%

    5%

    56%

    78%

    30%

    14%

    46%

    25%

    31%

    Restrio de acesso fsico a reas sensveis

    Restrio de acesso a informaes sensveis da empresa

    Acesso limitado de visitantes nos escritrios da empresa

    Destruio de qualquer informao documentada em papel

    Esforos contnuos na construo de lealdade em relao empresa

    Background checks para novos funcionrios, fornecedores e prestadores de servios que trabalham com informaes sensveis e confidenciais

    Verificao peridica eletrnica para detectar falhas e problemas

    Formas de preveno contra a espionagem corporativa

    Em termos de medidas tomadas para a preveno desses perigos, as restries

    de acesso fsico a informaes sensveis e a reas sensveis da empresa so

    predominantes (78% e 56%, respectivamente), seguido de esforos contnuos

    na construo da lealdade para com a organizao.

    Como o crime organizado pode ameaar a empresa

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    Nota: mltiplas respostas recebidas

    0 10 20 30 40 50 60

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    26

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Existem

    No tenho certeza

    No existem

    Compliance anticorrupo: desconhecer no salvaguarda

    Organizaes como a Transparency International classificam pases fundamentados

    em corrupo e propenso de exigir pagamentos de suborno. Quisemos entender

    as opinies de nossos entrevistados quanto ao pagamento de subornos no Brasil.

    A maioria dos entrevistados (73%) acredita seriamente que as empresas pagam

    subornos ou realizam pagamentos de facilitao.

    Os rgos reguladores esto, cada vez mais, apertando o cerco ao redor de prticas

    comerciais antiticas. Para fornecer um campo de atuao nivelado, o Ministrio de

    Justia dos EUA Department of Justice (DOJ) e a Comisso Norte-americana de

    Valores Mobilirios Securities and Exchange Commission (SEC) comearam a voltar

    seu enfoque na Lei norte-americana contra a prtica de corrupo Foreign Corrupt

    Practices Act (FCPA).

    A FCPA consiste de clusulas de controle contbil e antissuborno. Estas clusulas

    probem que pessoas dos EUA realizem pagamento ou ofeream pagar qualquer

    item de valor a qualquer funcionrio pblico estrangeiro com a finalidade de obter

    negcios de forma irregular.

    Pessoas dos EUA um termo definido na lei que inclui: todas as entidades

    comerciais organizadas nos Estados Unidos; todos os cidados e residentes norte-

    americanos; todas as empresas cotadas nas bolsas de valores norte-americanas,

    inclusive emitentes estrangeiros; e pessoas estrangeiras atuando dentro dos

    Estados Unidos.

    As propinas e outros benefcios na realizao de negcios no Brasil

    73%

    25%

    2%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    27

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Tambm questionamos nossos entrevistados sobre a Lei Sarbanes-Oxley como

    mecanismo de preveno aos atos fraudulentos. Constatamos que, dentro do

    universo dos que esto a ela submetidos (31%), quase a totalidade acredita que ela

    um mecanismo auxiliar na reduo dos riscos de incidncia de fraudes.

    No universo expressivo daqueles que no esto submetidos SOX (69%), foram

    descritas algumas das razes bsicas para justificar a ineficcia de sua aplicao:

    custo elevado na aplicao da Lei;

    cultura da organizao;

    fraudes de pequenos valores so despercebidos; e

    complexidade da legislao.

    A contraparte brasileira da FCPA a Lei n 10.467 sobre corrupo ativa em

    transao comercial internacional. Uma das principais razes para que as empresas

    voltem seu enfoque s leis anticorrupo a cultura preponderante de suborno no

    Pas. Dos entrevistados, 89% no possuem conhecimentos adequados sobre a lei

    brasileira.

    Bons conhecimentos

    Pouco conhecimento

    Desconheo

    Bons conhecimentos

    Pouco conhecimento

    Desconheo

    Nos ltimos cinco anos, houve um crescimento marcante no nmero de casos

    enquadrados na FCPA, contra a prtica de corrupo, ajuizados pelo governo norte-

    americano contra empresas norte-americanas e suas subsidirias estrangeiras, bem

    como emitentes estrangeiros listados nas bolsas dos Estados Unidos.

    Alguns desses casos tambm foram ajuizados contra diretores, funcionrios e

    agentes de terceiros. As penalidades lanadas contra essas entidades tm sido

    substanciais.

    A maioria dos nossos entrevistados (74%) desconhece ou tem pouco conhecimento

    sobre a FCPA.

    Conhecimento do FCPA

    36%38%26%

    Conhecimento da Lei n 10.467

    11% 40% 49%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    28

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    As respostas nos levam a questionar se o desconhecimento a razo de

    organizaes no estarem em conformidade com essas leis, embora isso nunca seja

    um motivo slido para no atrair clusulas penais nos termos de quaisquer delas.

    Nesse cenrio, altamente imperativo que as organizaes implementem

    programas adequados de treinamento para assegurar que seus funcionrios

    cumpram os regulamentos estipulados.

    O treinamento necessrio no somente para assegurar a conformidade, como

    tambm para assegurar que no ocorram violaes no intencionais s leis, em razo

    do desconhecimento ou, devido de outra forma, da negligncia.

    A maioria das organizaes (46%) realiza tanto auditorias peridicas de compliance

    como ministram treinamentos sobre as leis anticorrupo.

    Nos ltimos cinco anos,

    houve um crescimento

    marcante no nmero de

    casos enquadrados na FCPA ajuizados pelo governo

    norte-americano contra

    empresas norte-americanas

    e suas subsidirias,

    bem como emitentes

    estrangeiros listados nas

    bolsas dos Estados Unidos.

    A empresa est submetida Lei Sarbanes-Oxley

    Sim

    No

    Sim

    No

    A SOX um mecanismo na reduo dos riscos de fraude

    31%

    92%

    69%

    8%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    29

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    A falta de conformidade com as leis anticorrupo pode acarretar graves implicaes

    para as empresas. Com o DOJ e a SEC fortalecidos diante da FCPA, empresas que

    realizarem negcios em bolsas de valores norte-americanas ou nelas registradas

    tero de assegurar que cumprem essas leis.

    Empresas brasileiras esto adotando a cultura de nveis menores de tolerncia

    corrupo e ao suborno. Um nmero bastante elevado (93%) dos entrevistados

    afirmou que suas organizaes possuam tolerncia zero ao suborno, enquanto

    7% ainda acreditam que as organizaes somente recorrem a essas prticas

    quando se deparam com situaes imperativas.

    Treinamento sobre leis anticorrupo e cdigo de tica

    Ambos

    Auditorias peridicas de compliance

    Nvel de tolerncia ao pagamento de propinas ou outros benefcios

    93%

    Tolerncia zero

    Somente quando o pagamento inevitvel

    Programas de compliance para prevenir prticas de corrupo

    19%

    46%

    35%

    7%

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    30

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    . A KPMG Forensic

    A fraude tornou-se uma questo cada vez mais debatida nas organizaes. Esse

    tema tem sido muito discutido e gerado nas empresas uma forte cultura contra

    fraudes e crimes corporativos. Acreditamos que essa preocupao esteja crescendo

    e que ainda h muito a ser feito.

    A KPMG Forensic assessora empresas na avaliao de vulnerabilidade a riscos e

    na investigao de fraudes, alm de prestar assessoria em disputas judiciais e/ou

    extrajudiciais como assistente tcnica, rbitra ou mediadora.

    A rea de Forensic da KPMG oferece um servio independente, pr-ativo e

    responsivo, com resultados confiveis, utilizando efetivamente seus recursos

    de tecnologia da informao, contbeis, financeiros e diversos outros voltados

    preveno, deteco e investigao da suposta fraude e de problemas ligados

    fraude na soluo de litgios de ordem jurdica e comercial.

    Contamos com profissionais habilitados em conhecimentos contbeis, jurdicos,

    financeiros e em outras reas e atendemos clientes de diversos segmentos, desde

    governo e rgos regulamentares, bancos, seguradoras, grandes empresas de

    capital aberto, firmas menores e empresas familiares.

    Os servios que fornecemos incluem:

    Investigaes de fraude

    Gesto de risco de fraude

    Servios de tecnologia forense

    Integrity due diligence

    Servios de verificao de antecedentes (background checks)

    Assistncia em litgios como perito, assistente tcnico, rbitro ou mediador

    Compliance com prticas antilavagem de dinheiro

    Servios de tica comercial

    Servios de propriedade intelectual

    Servios de FCPA (lei contra a prtica de corrupo no exterior)

    dos EUA e com prticas antissuborno

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    31

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    . Sobre a KPMG

    A KPMG oferece servios de Audit, Tax e Advisory para apoiar organizaes nacionais

    e internacionais a gerenciar seus riscos e obter sucesso nos variados ambientes em

    que atuam.

    AuditFatores como qualidade, transparncia e independncia so fundamentais para gerar

    confiana em relao integridade das informaes financeiras disponibilizadas para

    os investidores e demais stakeholders; estes mesmos fatores so observados na

    anlise profissional slida e equilibrada na entrega das auditorias.

    Para atender a esses requisitos, a KPMG no Brasil conta com profissionais dotados

    de conhecimento nas diversas reas de Contabilidade (Lei das SAs, IFRS, US GAAP,

    CVM, BACEN etc.) e requerimentos de Auditoria do CFC, Ibracon, PCAOB e IFAC.

    TaxContamos com profissionais experientes em diferentes tipos de tributos e naqueles

    que incidem diretamente sobre setores especficos da economia.

    Do ponto de vista corporativo, a governana fiscal uma prioridade crescente,

    ao mesmo tempo em que a legislao torna-se mais complexa.

    Ciente da diversidade dos tributos no Brasil, nossa rea de Tax, atuando com equipes

    multidisciplinares, visa a atender s necessidades das empresas, estabelecendo

    polticas fiscais e processos capazes de viabilizar o cumprimento de obrigaes

    fiscais, auxiliando-as a estruturar suas operaes, sem perder de vista as

    oportunidades de reduo dos custos operacionais.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    32

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

    Advisory Para ser bem-sucedido no contexto global da atualidade, preciso aproveitar

    as oportunidades continuamente oferecidas pelo mercado. Ao mesmo tempo,

    fundamental administrar os possveis riscos originados por essas operaes.

    Nossa organizao pode de forma integrada assessor-lo no gerenciamento dos

    seus riscos e, assim, auxili-lo a assumir maiores desafios relacionados s suas

    finanas e a implementar estratgias que possam aprimorar os resultados.

    Oferecemos assessoria em:

    Risk Advisory Services

    Financial Advisory Services

    Human Resources Advisory Services .

    A KPMG entende que essas prticas trabalhadas em conjunto fornecem

    uma extensa gama de servios profissionais que, certamente, endeream as

    necessidades de nossos clientes, independentemente do local ou segmento

    de indstria. No Brasil, contamos com 16 escritrios e aproximadamente 2.400

    funcionrios, aliados a uma rede global presente em 144 pases, auxiliando nossos

    clientes com qualidade e competitividade.

  • A Fraude no Brasil

    Relatrio da Pesquisa 2009

    33

    Todas as informaes apresentadas neste documento A Fraude no Brasil: Relatrio da Pesquisa 2009 so de natureza genrica e no tm por finalidade abordar as circunstncias de nenhum indivduo especfico ou entidade. Embora tenhamos nos empenhado em prestar informaes precisas e atualizadas, no h nenhuma garantia de sua exatido na data em que forem recebidas nem de que tal exatido permanecer no futuro. Essas informaes no devem servir de base para se empreender qualquer ao sem orientao profissional qualificada, precedida de um exame minucioso da situao em pauta.

    KPMG e o logotipo KPMG so marcas comerciais e registradas da KPMG International, uma cooperativa sua.

    2009 KPMG Transaction and Forensic Services Ltda., uma sociedade brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes, afiliadas KPMG International, uma cooperativa sua. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. Setembro/2009

    Design e produo: ndice Arte Grfica e Editorao Ltda. (indice@indicecomunic.com.br)

    So Paulo

    Rua Dr. Renato Paes de Barros, 33

    04530-904 So Paulo, SP

    Tel (11) 2183-3000

    Fax (11) 2183-3001

    Av. Nove de Julho, 5109

    01407-905 So Paulo, SP

    Tel (11) 3245-8000

    Fax (11) 3245-8070

    Belo Horizonte

    Rua Paraba, 1122 - 13 andar

    30130-918 Belo Horizonte, MG

    Tel (31) 2128-5700

    Fax (31) 2128-5702

    Braslia

    SBS Quadra 2 - Bloco Q - Lote 03

    Salas 708 a 711 - Ed. Joo Carlos Saad

    70070-120 Braslia, DF

    Tel (61) 2104-2400

    Fax (61) 2104-2406

    Campinas

    Av. Baro de Itapura, 950 - 6 andar

    Edifcio Tiffany Office Plaza

    13020-431 Campinas, SP

    Tel (19) 2129-8700

    Fax (19) 2129-8728

    Curitiba

    Al. Dr. Carlos de Carvalho, 417 - 16 andar

    80410-180 Curitiba, PR

    Tel (41) 3544-4747

    Fax (41) 3544-4750

    Recife

    Av. Eng. Domingos Ferreira, 2589 - Sala 104

    51020-031 Recife, PE

    Tel (81) 3414-7950

    Fax (81) 3414-7951

    Ribeiro Preto

    Av. Wladimir Meirelles Ferreira, 1525

    Sala 106 - Jd. Botnico

    14021-630 Ribeiro Preto, SP

    Tel (61) 3323-6650

    Fax (61) 3323-6651

    Rio de Janeiro

    Av. Almirante Barroso, 52 - 4 andar

    20031-000 Rio de Janeiro, RJ

    Tel (21) 3515-9400

    Fax (21) 3515-9000

    Salvador

    Av. Tancredo Neves, 450 - Sala 1702

    Edifcio Suarez Trade - Caminho das rvores

    41820-901 Salvador, BA

    Tel (71) 3507-6600

    Fax (71) 3507-6601

    So Carlos

    Rua Sete de Setembro, 1950

    13560-180 So Carlos, SP

    Tel (16) 2106-6700

    Fax (16) 2106-6767

    Fortaleza

    Rua Desemb. Leite Albuquerque, 635

    Salas 501/502 - Aldeota

    60150-150 Fortaleza, CE

    Tel (85) 3307-5100

    Fax (85) 3307-5101

    Goinia

    R.03, Quadra C6, 880

    Lotes 73/75 Setor Oeste

    Ed. Office Tower - Salas 305 a 308

    74115-050 Goinia, GO

    Tel (62) 3604-7900

    Fax (62) 3604-7901

    Joinville

    Rua So Paulo, 31 - 1 andar - Bucarein

    89202-200 Joinville, SC

    Tel (47) 3205-7800

    Fax (47) 3205-7815

    Manaus

    Avenida Djalma Batista, 1661

    Salas 801/802 do Bloco B Tower - Chapada

    69050-010 Manaus, AM

    Tel (92) 2123-2350

    Fax (92) 2123-2367

    Porto Alegre

    Rua dos Andradas, 1001

    17 andar - Sala 1702

    90020-007 Porto Alegre, RS

    Tel (51) 3303-6000

    Fax (51) 3303-6001

    Escritrios KPMG no Brasil

  • Contatos

    Jos Carlos A. Simes(11) 3245-8383jcsimoes@kpmg.com.br

    Werner Scharrer(11) 3245-8318wscharrer@kpmg.com.br

    forensic@kpmg.com.br

    2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

  • 2

    009

    KP

    MG

    Tran

    sact

    ion

    and

    Fore

    nsic

    Ser

    vice

    s Lt

    da.,

    uma

    soci

    edad

    e br

    asile

    ira e

    firm

    a-m

    embr

    o da

    red

    e K

    PM

    G d

    e fir

    mas

    -mem

    bro

    inde

    pend

    ente

    s, a

    filia

    das

    K

    PM

    G In

    tern

    atio

    nal,

    uma

    coop

    erat

    iva

    su

    a. To

    dos

    os d

    ireito

    s re

    serv

    ados

    .

Recommended

View more >