Equipamento de Proteo Individual. NR 6 Equipamento de Proteo Individual De acordo com a NR-6 da Portaria n 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministrio.

  • Published on
    16-Apr-2015

  • View
    102

  • Download
    0

Transcript

  • Slide 1
  • Equipamento de Proteo Individual
  • Slide 2
  • NR 6 Equipamento de Proteo Individual De acordo com a NR-6 da Portaria n 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministrio do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento de Proteo Individual EPI: TODO DISPOSITIVO DE USO INDIVIDUAL DESTINADO A PROTEGER A SADE E A INTEGRIDADE FSICA DO TRABALHADOR.
  • Slide 3
  • Obrigatoriedade: A empresa obrigada: Fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco; Em perfeito estado de conservao e funcionamento;
  • Slide 4
  • Obrigatoriedade: Nas seguintes circunstncias: Sempre que as medidas de proteo coletiva forem tecnicamente inviveis ou no oferecerem completa proteo contra os riscos de acidentes do trabalho e/ou de doenas profissionais e do trabalho; Enquanto as medidas de proteo coletiva estiverem sendo implantadas; Para atender as situaes de emergncia.
  • Slide 5
  • Principais EPIs: Calados de Segurana:
  • Slide 6
  • Principais EPIs: Luvas de Segurana:
  • Slide 7
  • Principais EPIs: Cintos de Segurana:
  • Slide 8
  • Principais EPIs: Capacetes:
  • Slide 9
  • Principais EPIs: Protetor Auricular:
  • Slide 10
  • Principais EPIs: Protetor Facial:
  • Slide 11
  • Principais EPIs: Protetor Respiratrio:
  • Slide 12
  • Principais EPIs: culos:
  • Slide 13
  • Principais EPIs: Vestimenta:
  • Slide 14
  • Legalidade: CLT Consolidao das Leis de Trabalho / Captulo V da segurana e medicina do trabalho / Seo IV - do equipamento de proteo individual Art.166 - A empresa obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteo individual adequado ao risco e em perfeito estado de conservao e funcionamento, sempre que as medidas de ordem geral no ofeream completa proteo contra os riscos de acidentes e danos sade dos empregados.
  • Slide 15
  • Legalidade: CLT Consolidao das Leis de Trabalho / Captulo V da segurana e medicina do trabalho / Seo IV - do equipamento de proteo individual Art.167 - O equipamento de proteo s poder ser posto venda ou utilizado com a indicao do Certificado de Aprovao do Ministrio do Trabalho.
  • Slide 16
  • Comentrios: ANTES: Todo Dispositivo De Uso Individual Destinado a Proteger a Sade e a Integridade Fsica do Trabalhador.DEPOIS: Todo dispositivo OU PRODUTO, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado proteo de riscos susceptveis de ameaar a segurana e a sade no trabalho. Ex: Creme protetor
  • Slide 17
  • Comentrios: Extenso do Conceito: "Equipamento Conjugado de Proteo Individual", todo aquele composto por vrios dispositivos, que o fabricante tenha associado contra um ou mais riscos que possam ocorrer simultaneamente e que sejam suscetveis de ameaar a segurana e a sade no trabalho. Ex: o capacete de segurana, ao qual est acoplado, o protetor auditivo, tipo concha.
  • Slide 18
  • Inovaes na Lista de EPIs: Capacete, capuz (inovao), culos, Protetor facial, mscara de solda, Protetor auditivo (antes incorretamente protetor auricular), Respirador purificador de ar (inovao), respirador de aduo de ar, respirador de fuga (inovao), Vestimentas (inovao), Luvas,
  • Slide 19
  • Inovaes na Lista de EPIs: Creme protetor, Manga (inovao), braadeira (inovao), dedeira (inovao), Calado, meia (inovao), perneira, cala (inovao), Macaco (inovao), conjunto (inovao), vestimenta de corpo inteiro (inovao), Dispositivo trava-quedas (inovao), cinturo.
  • Slide 20
  • responsabilidade do Empregador: Adquirir o adequado ao risco de cada atividade; Exigir seu uso; Fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo rgo nacional competente em matria de segurana e sade no trabalho; Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservao;
  • Slide 21
  • responsabilidade do Empregador: Substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado; Responsabilizar-se pela higienizao e manuteno peridica; e, Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada.
  • Slide 22
  • responsabilidade do Empregado: Usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; Responsabilizar-se pela guarda e conservao; Comunicar ao empregador qualquer alterao que o torne imprprio para uso; e, Cumprir as determinaes do empregador sobre o uso adequado.
  • Slide 23
  • Responsabilidade da DRTE: Fiscalizar e orientar quanto ao uso adequado e a qualidade do EPI; Recolher amostras de EPI; e, Aplicar, na sua esfera de competncia, as penalidades cabveis pelo descumprimento da NR-6.
  • Slide 24
  • rea da Sade: Os profissionais devem evitar contato direto com matria orgnica. O uso de barreiras protetoras extremamente eficiente na reduo do contato com sangue e secrees orgnicas. Dessa forma, a utilizao do equipamento de proteo individual torna-se obrigatria em determinados atendimentos.
  • Slide 25
  • rea da Sade:
  • Slide 26
  • Luvas: Devem ser usadas para prevenir contato da pele das mos com sangue, secrees ou mucosas, durante a prestao de cuidados; Para manipular instrumentos e superfcies.
  • Slide 27
  • Luvas: 1 par de luvas exclusivo para cada paciente, descartando-as aps o atendimento. O mercado dispe de diversos tipos de luvas para cada paciente, segundo as finalidades de uso:
  • Slide 28
  • Luvas:
  • Slide 29
  • Luvas descartveis de vinil ou ltex para procedimentos: As de vinil no oferecem boa adaptao, e servem para a realizao de procedimentos como exame clnico, remoo de sutura; e como sobreluva; as de ltex oferecem boa adaptao, e so usadas em procedimentos clnicos.
  • Slide 30
  • Luvas: Luvas cirrgicas estreis descartveis: Confeccionadas com ltex de melhor qualidade, oferecem melhor adaptabilidade; seu uso indicado em procedimentos cirrgicos.
  • Slide 31
  • Luvas: Luvas para limpeza geral: So de borracha grossa, utilizadas para servios de limpeza e descontaminao de instrumentos, equipamentos e superfcies; So reutilizveis, se no estiverem furadas ou rasgadas; Devem ser descontaminadas aps o uso.
  • Slide 32
  • Mscaras: A mscara deve ser escolhida de modo a permitir proteo adequada. Portanto, use apenas mscara de tripla proteo. E quando de atendimento de pacientes com infeco ativa, particularmente tuberculose, use mscaras especiais.
  • Slide 33
  • Protetores Oculares: Tm por finalidade proteger a mucosa ocular de contaminaes e acidente ocupacional. Os protetores oculares mais indicados possuem vedao perifrica e melhor adaptao ao rosto. Os culos comuns no oferecem proteo adequada.
  • Slide 34
  • Protetores Oculares: Aps o uso, os protetores oculares devem ser descontaminados. Se possvel,os protetores oculares tambm devem ser fornecidos aos pacientes, pois alguns procedimentos constitui riscos de contaminao. Na falta de protetores, uma alternativa recomendar que o paciente permanea com seus olhos fechados.
  • Slide 35
  • Avental: O avental deve ser usado sempre. A roupa branca (uniforme) no o substitui. No use as roupas comuns durante o atendimento, pois elas ficaro contaminadas, tornando-se fontes de infeco para o profissional, sua equipe e seus familiares. O avental deve ter colarinho alto e mangas longas, podendo ser de pano ou descartvel.
  • Slide 36
  • Gorro: Proporciona uma barreira efetiva para o profissional, sua equipe e paciente. Protege contra gotculas de saliva, aerossis e sangue contaminados. (Dentista)

Recommended

View more >