Entrevista em Profundidade como Tcnica de Pesquisa Qualitativa ...

  • Published on
    10-Jan-2017

  • View
    214

  • Download
    2

Transcript

  • Sade Coletiva

    ISSN: 1806-3365

    editorial@saudecoletiva.com.br

    Editorial Bolina

    Brasil

    DA SILVA, ANA LCIA

    Ensaios em Sade Coletiva: Entrevista em Profundidade como Tcnica de Pesquisa Qualitativa em

    Sade Coletiva

    Sade Coletiva, vol. 2, nm. 7, 2005, p. 71

    Editorial Bolina

    So Paulo, Brasil

    Disponvel em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84220794001

    Como citar este artigo

    Nmero completo

    Mais artigos

    Home da revista no Redalyc

    Sistema de Informao Cientfica

    Rede de Revistas Cientficas da Amrica Latina, Caribe , Espanha e Portugal

    Projeto acadmico sem fins lucrativos desenvolvido no mbito da iniciativa Acesso Aberto

    http://www.redalyc.org/revista.oa?id=842http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84220794001http://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=84220794001http://www.redalyc.org/fasciculo.oa?id=842&numero=20794http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84220794001http://www.redalyc.org/revista.oa?id=842http://www.redalyc.org

  • Silva AL Entrevista em Profundidade como Tcnica de Pesquisa Qualitativa em Sade Coletiva

    Sade Coletiva 2005;02(7):71 71

    Ensaio em sade coletiva

    ANA LCIA DA SILVADoutora em Enfermagem

    Instituto da SadeVice-Coordenadora do Programa de Ps-Graduao da Coordenadoria do Controle de Doenas da

    Secretaria de Estado da Sade do Estado de So Paulo

    Ensaios em Sade Coletiva:Entrevista em Profundidade

    como Tcnica de Pesquisa Qualitativa em Sade Coletiva

    As pesquisas em Sade Coletiva tambm podem ser pautadas utilizando-se como tcnica para coleta de dados, a entrevista individual em profun-didade e no diretiva que uma forma de apreen-der os sentidos/significados nos discursos dos su-jeitos. Esta tcnica busca expressividade no grupo a ser estudado.

    A tcnica de entrevista em profundidade deve ser iniciada com perguntas de carter mais concre-to, fatuais e relacionadas s experincias cotidianas dos sujeitos, para gradativamente passar a pergun-tas que envolvam reflexes mais abstratas e julga-mentos. As perguntas so formuladas exatamente para irem alm da espontaneidade em direo ao que, por vrias razes, no comumente dito. Com freqncia, o no dito, por exemplo, uma premissa implcita que se omite, pode ser o contedo prin-cipal relacionado ao objeto de pesquisa. Os con-tedos implcitos s podem ser captados aps al-gum tempo de dilogo com o entrevistado porque nos minutos iniciais, h uma inibio da espon-taneidade prevalecendo contedos do superego em relao ao ego e os contedos afloram apenas aps um perodo de relaxamento, onde as defesas conscientes so quebradas quando, ento, pode-

    se apreender o implcito na narrativa discursiva. No se pode induzir perguntas. importante que ocorra o discurso livre. A interveno do pesqui-sador dever ocorrer somente para aprofundar a compreenso de contedos relativos ao fenmeno que est sob foco. Entrevistas pautadas sob esta tica podem ter durao prolongada, chegando durao de uma hora ou mais.

    Neste tipo de entrevista, a arte do investigador consiste em no condicionar respostas, mas per-mitir ao entrevistado falar livremente e com isto, descobrir as tendncias espontneas em lugar de canaliz-las. Nessa forma de abordagem no se pode trabalhar ao mesmo tempo com um grande nmero de pessoas. Se se desejar trabalhar, por exemplo, com grupos, a abordagem necessaria-mente ter que ser outra, por exemplo, o grupo focal, que largamente utilizado nas pesquisas em Sade Coletiva.

    Finalizando, trs exemplos de questionamentos para entrevista em profundidade: Como para voc trabalhar no Programa de Sa-de da Famlia? Fale um pouco...Conte-me o que quiser sobre sua ltima gravidez.O que para voc ter sade? E o que estar doente?

    * * * * *

    Ensaio.indd 71 9/14/05 11:29:59 AM

Recommended

View more >