Edio n 78 - Agosto/2012

  • Published on
    21-Feb-2016

  • View
    215

  • Download
    0

DESCRIPTION

Edio de Agosto/2012 do Jornal Nosso Bairro. A publicao circula nos bairros Alto Terespolis, Cavalhada, Glria, Medianeira, Nonoai e Terespolis, em Porto Alegre (RS).

Transcript

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012

    Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012 Distribuio Gratuita

    A Sociedade Amigos daVila So Caetano (Savisc) pro-move Almoo Italiano dia 26de agosto, s 12h, em sua sedena Praa Simes Lopes Neto,89 (ao lado do Hospital Espri-ta). No cardpio galeto, mas-sa, polenta, saladas e sobreme-sa, com msica ao vivo de LuizLima. Os convites custam R$16,00 e as reservas devem serfeitas com Daniel (8413.4680)e Nilton (3336.7625).

    A comunidade do bairroTerespolis aguarda com ansieda-de, desde 2007, pela construode um Posto de Sade da Famlia(PSF) na rea localizada ao ladodo Ginsio de Esportes LupiMartins, que nos ltimos anos vemsendo utilizada como depsito delixo e esconderijo de marginais. AAssociao Comunitria do BairroTerespolis (ACBT) encabeou opleito, recentemente aprovadopelo Conselho Distrital de Sade,que anuncia para breve a cons-truo do prdio. Pg. 03

    Almooitalianona Savisc

    rea abandonada darlugar a Posto de Saderea abandonada darlugar a Posto de SadeANUNCIE

    ELIA

    NA

    F.

    MA

    INIE

    RI

    DIV

    ULG

    A

    O

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012

    nida em torno de um propsito, a comunida-de acaba por colher os frutos almejados, mes-mo que para isso tenha que esperar muito!

    Assim est sendo com o Posto de Sade da Famlia e,queremos crer, seja possvel tambm com a seguran-a no bairro. Incansvel, a Associao Comunitriado Bairro Terespolis (ACBT) segue em busca dos en-caminhamentos, demanda por demanda, at atingirseus objetivos. No entanto, resta lembrar que comodiz o ditado, uma andorinha no faz vero. preci-so lutar pelas causas que nos parecem importantes,mas de forma unida, coesa, seguindo todos na mes-ma direo e levantando a cada tropeo. Parabnscomunidade, que este seja o incio de um futuro maispromissor no nosso bairro!

    A editora

    Jornal Nosso Bairro um informativo do bairro Terespolis eadjascncias, com periodicidade mensal e distribuio gratui-ta, editado pela Oficina de Comunicao.

    Contatos editoriais e publicitrios:Fones - 51 3336.1862 / 9143.1546E-mail - nossobairropoa@gmail.comRede Social: www.facebook.com/jornalnossobairro

    Jornalista Responsvel:Eliana Freitas Mainieri - MTB 4665/RS

    Estagirio de Jornalismo: Alysson Freitas Mainieri

    Projeto Grfico e Design:Jos Francisco Alves - Fone - 51 9941.5777

    Comercializao Publicitria:Oficina de Comunicao

    Impresso: Zero Hora

    Tiragem: 10.000 exemplares

    Distribuio: gratuita

    Os artigos e colunas assinados so de inteira responsa-bilidade de seus respectivos autores.

    02

    U

    Editorial

    Mobilizao certeira!

    Hoje vamos abordar itens que aos poucos vo sendo deixados delado pela praticidade da vida; porm numa festa de 15 anos com umcerimonial bem montado fica extremamente bonito sair um pouco da-queles moldes rotineiros.

    Para uma festa de 15 anos alguns pontos que compem o ceri-monial tm um significado e um sentido todo especial nesta oca-sio, e quando as jovens tomam conhecimento do sentido e dossignificados destes momentos especiais do cerimonial de debutantes,sentiro o desejo de realizar sua festa com muita alegria e com tudoo que elas tm direito.

    Troca do VestidoA menina, agora uma jovem mulher, se despe de seus antigos

    trajes infantis para vestir-se como mulher. Esta sua nova fase muitoespecial, esta transformao marcar sua vida de forma harmoniosa esingela. quando a aniversariante recebe convidados para depois fazersua entrada triunfal.

    Entrega das JiasSempre dada pelo patriarca da famlia, pai ou av. Somente no

    caso de ausncia total do pai e a aniversariante ter sido criada e educadasomente pela me que pode ser dada pela figura feminina. Com umahomenagem com um rpido discurso e lhe entrega uma jia, que poderser um anel, uma pulseira ou um colar. A jia representa esta passagemdo tempo e completa a sua transformao.

    Troca do SapatoA troca do sapato da debutante representa o novo passo de sua

    vida, ela agora est pronta para dar seus prprios passos sozinha, eassumir responsabilidades diante da sociedade. Nos sapatos esto asintenes de que ela tenha discernimento, para que mantenha seuspassos firmes e constantes na estrada da vida e sabendo que ele e suafamlia estaro sempre por perto, dando apoio e rodeando-a de amor.Estes novos caminhos exigiro dela muita responsabilidade e amadure-cimento.

    Entrega da BonecaA debutante que agora j uma moa que usa jia e sapatos de

    salto alto vai finalizar esta passagem e entregar para outra criana omaior smbolo de sua infncia, a boneca. J no precisar mais dela,pois agora seus sonhos alcanaro outros patamares. Andar por outroscaminhos e passar a ver a vida com outros olhos.

    Recebimento do BuquA me, por sua vez, quer ofertar sua filha toda a delicadeza de

    sua alma, toda a grandeza do seu amor e manifestar a ela tudo o quelhe deseja de bom nesta nova fase de sua vida, para isso lhe oferece umbuqu onde as flores e suas cores tm um significado todo especial.

    ValsaO primeiro baile, a primeira valsa... Antigamente as moas espe-

    ravam ansiosas por esta data, pois seria a primeira vez que iriam a umbaile e danariam com o belo rapaz que representa a concretizao dosseus sonhos de menina. Dizem que de toda menina ainda hoje, elasno danam valsas, mas nesta noite ela sonha em encontrar o seuprncipe encantado.

    VelasAs 15 velas acesas nas mos das damas simbolizam os 15 anos de

    vida da debutante, e ao apagar cada vela, ela est finalizando umaetapa de vida.

    Os itens acima colocados no so necessariamente nesta ordem;tudo depende do estilo, local e nvel da festa, assim como o tema doevento em questo. Portanto, seu evento merece um bom projeto,curta tudo que tem direito e com certeza sua festa vai bombar.rtidacomo as atuais festas de aniversario de 15 anos.

    (Soyla Cidade - Cerimonialistasoylacidade@hotmail.com / www.facilitareeventos.com.br)

    Significados do

    cerimonial de 15 anos

    Nosso Vdeo Produes Digitais

    ANUNCIE

    NO

    JORNAL

    2 Encontro

    Famlia e Escola

    no Assuno

    Educao

    Para aproximar e integrar pais com o am-biente escolar, o Colgio Marista Assuno re-alizou no dia 11 de agosto, sbado, o 2 En-contro Famlia e Escola. Para esta edio, ocolgio convidou a pedagoga, orientadora edu-cacional e psicoterapeuta com mais de 35 anosde atuao em educao e sade, Maria LedaReis de vila, que abordou a arte de pensar orelacionamento entre pais e filhos.

    A temtica escolhida tem por objetivoreforar o papel dos pais na formao dos va-lores, princpios e metas de seus filhos, e ain-da, estimular a reflexo e o dilogo entre fam-lia e escola. O evento ocorreu no auditrio docolgio, gratuito e aberto ao pblico.

    ELIA

    NA

    F.

    MA

    INIE

    RI

    DIV

    ULG

    A

    O

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012 03

    E-mail: poa.acbt@gmail.comwww.portalteresopolis-acbt.blogspot.comwww.facebook.com/poa.acbt

    A ACBT NO BAIRRO E PELO BAIRRO

    01) POSTO DE SADE: A ACBT conquista Posto deSade para o bairro Terespolis. Aps 5 anos delutas e reivindicaes, finalmente foi aprovado noConselho Distrital de Sade, no dia 31 de julho, oprojeto do Posto de Sade da Famlia do BairroTerespolis. A ACBT entrou com o pedido em 2007,quando presidida pelo empresrio Pedro Pandolfo,e nestes anos o nosso Delegado no OramentoParticipativo, Sr. Dionsio Bohn, lutou incessan-temente por esta demanda, to ansiada por nossobairro. Inicialmente o Posto foi projetado para reascarentes (invases), mediante a intercesso e ar-gumentao do atual Presidente da ACBT, profes-sor Nei Colombo. A rea de atendimento do Postovai abranger o bairro Terespolis, visto que a sa-de um direito constitucional fundamental ga-rantido a todos os cidados. O Presidente da ACBTcomenta que esta mais uma etapa da ao co-munitria no bairro e manifestar sua felicidade porestar presidindo a ACBT neste momento to im-portante. No primeiro andar do prdio vai funcio-nar a Secretaria de Esportes, com academia e ati-vidades fsicas e no segundo andar ser o Posto deSade com atendimento familiar, clnico,odontolgico, ambulatorial e inclusive com coletade material para exames. O Posto ser construdona Rua Arnaldo Borher, prximo ao Ginsio de Es-portes. O projeto agora passa para a etapa de lici-taes e breve comear a construo do prdio.Assim finalmente o bairro Terespolis ter seu Postode Sade. Nossos agradecimentos a todos que jun-taram esforos nesse empreendimento comunit-rio em busca do bem estar e qualidade de vida emnosso bairro.

    02) PEIXE NA TAQUARA - Houve casa cheia nopeixe na taquara organizado pela Parquia NossaSenhora da Sade de nosso bairro. O almoo domi-nical foi ocasio para encontro de amizade e ale-gria no marco do salo paroquial. Parabns aosorganizadores.

    03) DESCARTE CONSCIENTE DE PIHAS E BATERI-AS - Conforme anunciado em edio anterior, aTcnica em Meio Ambiente Fernanda Giordani nostraz informaes e conselhos sobre esse tema, ehoje a vez das pilhas e baterias, de celulares,lanternas, rdios, mouses, e o que acontece quan-do no nos servem mais. Ateno: elas SO RES-DUOS TXICOS (Classe I), perigosos para a sadehumana e o meio ambiente, e NO PODEM SER MIS-

    TURADAS AO LIXO URBANO. Os fabricantes, comer-ciantes e distribuidores tm a responsabilidade dereceber as gastas, vencidas ou no usadas .(Resol.401/2008 do CONAMA e Lei Municipal 9851/2005).Na zona sul existem pontos de coleta, dentro doPrograma Papa-Pilhas: Av. Otto Niemeyer 2369;Rua Mrio Totta, 963; Trav. Pedra Redonda 400, etambm na Av. Azenha 855, e na Av. Carlos Go-mes 2120, assim como em alguns Supermercadose agncias bancrias.

    04) CH BENEFICENTE NA PARQUIA EPISCO-PAL - O salo paroquial da Igreja Episcopal foitambm marco de um prazeroso encontro (tam-bm com casa cheia), de vizinhos e amigos quepuderam degustar um gostoso ch, com salgados,tortas frias, bolos e bebidas refrescantes no sba-do, 4 de agosto, tarde, e houve tambm umsorteio de brindes surpresa entre os assistentes.Parabns equipe de organizao e aos colabora-dores e apoiadores.

    05) LAMENTADO FALECIMENTO - Cumpre-nos co-municar ao bairro a triste notcia do falecimentoda Sra. Helena Aubin, no dia 31/07 e de seu se-pultamento no dia 1 de agosto. Ela foi uma vizi-nha de muitos anos no bairro e de longa atuaoem nossa vida comunitria, desenvolvendo-se den-tro de nossa Associao, na qual trabalhou ocu-pando diferentes cargos, sempre com dedicao eempenho: delegada no OP, tesoureira, represen-tante da Comisso de Obras da Comunidade noSaneamento da rua Clemenciano Barnasque, nadcada do 90, delegada do bairro e representantepela ACBT perante a STF. Enfim, uma vida plena,tanto a nvel pessoal quanto comunitrio. Rece-bam seus familares o reconhecimento e a home-nagem da ACBT pessoa e trabalho da Sra. Helenae tambm nossas condolncias pelo seu retorno casa do Pai.

    06) SAVISC - Nossos parabns Sociedade irmde So Caetano pela sua promoo do dia 29 dejulho, e nos praze anunciar seu prximo almoono domingo, 26 de agosto, na sua sede da PraaSimes Lopes Neto, com um cardpio de galeto,saladas, maionese, massas e sobremesas, tudo aoinacreditvel preo de R$ 16,00, e com a msicade Luiz Lima.

    07) CORAL DOCEMAR - O Coral Docemar, que temcomo regente o Maestro Irani Mariani , reuniu-sede forma especial no domingo, 5 de agosto, emalmoo festivo para fazer um momento especial pelapassagem dos 70 anos de seu regente, o MaestroIran, e tambm para abenoar e dar graas a Deuspela casa nova, onde comear em breve a funcio-nar, a poucos metros da atual. Parabns ao Coral,ao regente e sua esposa, e sucesso no trabalho r-duo e dedicado da Instituio que ele preside.

    Enrique Illarze MT/SPES/RS-Jorn.15.335

    Coluna ACBT

    inalmente vai sair do papel aconstruo de um Posto deSade da Famlia (PSF) na

    rea abandonada que sediou a bi-blioteca e a Associao dos Ex Alu-nos do Colgio Cruzeiro do Sul, naRua Arnaldo Bohrer, ao lado do Gi-nsio de Esportes Lupi Martins.Abandonada prpria sorte, a casaali existente foi completamentedestruda e teve o material deconstruo roubado diante do olharperplexo da comunidade, que des-de 2007 pleiteia o Posto.

    Nos ltimos anos, a rea vemsendo utilizada como depsito delixo e esconderijo de marginais,

    trazendo muitos transtornos e pre-ocupao para os moradores, so-bretudo os do entorno, e transe-untes. O pleito da Associao Co-munitria do Bairro Terespolis(ACBT) parece que finalmente teveeco junto s autoridades da reae recentemente foi aprovado noConselho Distrital de Sade, a ins-tncia descentralizada do Conse-lho Municipal de Sade de PortoAlegre, com funo de planeja-mento, avaliao, fiscalizao edeliberao das aes de sade emconsonncia com as normas doSistema nico de Sade (SUS), nasua rea de abrangncia.

    PSF finalmente

    vai sair do papel

    Aps insistente pedido feito em 2007 por parte da ACBT, obairro Terespolis conquista melhorias na sade com a criao deum Posto de Sade. Importante trabalho da Associao que trarbenefcios a todos os moradores do local e dos bairros prximos.Quando construdo, a sade da Zona Sul dever estar em alta, j queao redor de Terespolis tambm existem Postos de Sade nos bair-ros Glria, Partenon e Cruzeiro.

    A luta da Instituio e dos moradores no pode parar antes deatingidos os objetivos almejados. Isso vale para todas as outrasesferas, principalmente por Segurana, que continua muito prejudi-cada na regio. Estaremos sempre olhando atentamente.

    Alysson Freitas Mainieri Estudante de Jornalismo PUCRS

    Olhar atento

    Direitos conquistados

    Comunidade lamenta a

    perda de Enio Mascarello

    F

    A comunidade de Terespolis lamenta o falecimento do engenheiro e profes-sor universitrio Enio Vincio Mascarello, tradicional morador do bairro. Aprecia-dor de poesia, ele lanou em 2008, na Feira do Livro de Porto Alegre, a obra ANavalha de Occam (Dilogo de uma boca s), reunindo uma srie de poesias etextos com reflexes e indagaes sobre a vida, o universo e outros tpicos. OJornal Nosso Bairro se associa dor da famlia e dos amigos diante dessa lacunadeixada por ele em nossos coraes.

    Comunidade

    ELIA

    NA

    F.

    MA

    INIE

    RI

    A Sociedade Porto-Alegrense de Auxlio aosNecessitados (Spaan) apresentou o Projeto de Pro-teo Integral de Longa Permanncia Pessoa Ido-sa. A Spaan tambm divulgou o apoio recebido daempresa Gerdau. A doao de 112 mil e 500 reaisao projeto, ocorreu por meio do Fundo Municipaldo Idoso. Os recursos sero destinados recons-truo e recuperao do Pavilho Residencial B, ochamado Prdio 2, com rea total construda de884 metros quadrados e melhorias em geral navida dos idosos da sociedade.

    Spaan recebe doao da Gerdau

    DIV

    ULG

    A

    O

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 201204

    Jovem esgrimista da

    Asasepode participa

    dos Jogos Paralmpicos

    Comunidade

    o dia 12 de agosto o atleta de es-grima paraolmpica da Associaode Servidores da rea de Seguran-

    a Portadores de Deficincias (Asasepode),Jovane Guissone, embarcou, junto comEduardo Nunes (um de seus tcnicos) paraas Paraolimpadas de Londres. O atleta, ini-cialmente, far a aclimatao na cidade deManchester e depois ir para Londres parti-cipar dos Jogos Paralmpicos. O esgrimistaJovane est classificado para competir nasmodalidades de florete e espada, que serorealizadas nos dias 4 e 5 de setembro. Essaparticipao nos Jogos Paralmpicos consti-tui-se num prmio no s para o esgrimistaJovane, mas tambm para todos os seus com-

    panheiros de treinamento e tcnicos, porconta do enorme trabalho e dedicao detoda a equipe da Asasepode.

    A Asasepode uma organizao no-governamental, sem fins lucrativos, funda-da em 2000. Nosso propsito desenvolvere executar aes de incluso social na defe-sa dos direitos de portadores de deficinciafsica. Dessa maneira, busca romper precon-ceitos melhorando a qualidade de vida des-sas pessoas, independente do grau de com-prometimento fsico e da situaosocioeconmica que possua. A Asasepodecontribui para a auto-estima e para a am-pliao dos nveis de autonomia da pessoaportadora de deficincia.

    N

    Palestra gratuita sobre a PatagniaNo dia 15 de setembro (sbado), s 10h, no Espao Cultural da Agenda 21-

    Conservacionismo e Expedies, na Av. Eng Ludolfo Boehl, 333, bairro Terespolis ( de-fronte ao Terespolis Tnis Clube) acontece a palestra informativa e ilustrativa com o tema:Patagnia - Terra do Fogo,19 Expedio. O evento tem entrada gratuita e vagas limitadas,com apresentao de Vitor Soli.

    Sero apresentadas 50 ilustraes digitalizadas com informaes sobre vrios lugaresa serem visitados nesta expedio, como Pennsula Valdz, Punta Tombo, Bosquesfossilizados,Costa Sul do Atlntico, Terra do Fogo, Ushuaia, Travessia do Estreito de Maga-lhes, Punta Arenas, Puerto Natales,Parque Torres del Paine, as geleiras de Perito Moreno eRuta 40, com material e informaes adquiridas por mais de 20 anos de viagens e pesquisaspara este local. As reservas devem ser feitas pelo e-mail: agenda21ecotur@yahoo.com.brou pelo fone: 51.3372.3761 com Vitor ou Lcia.

    Escola teve quadra

    esportiva recuperadaA Escola Estadual Dr. Victor de Britto, teve sua quadra de esportes recuperada, a partir

    de um trabalho desenvolvido em parceria entre o Deputado Estadual Cassi Carpes e a empre-sa Paradigma, possibilitando assim, o retorno da prtica esportiva pelos alunos. A Direo daescola manifestou seu agradecimento por esta ao, apontando a recuperao do local comomais uma forma de desenvolvimento escolar.

    A Sociedade Amigos da Vila So Caetano (Savisc) teve casa cheia no dia 29 de julho, porocasio de seu tradicional Almoo Brasileiro, com feijoada completa acompanhada de couve,batata doce, farofa, laranja, arroz, saladas e sobremesa. A msica foi de Luiz Lima.

    Feijoada na Savisc com casa cheia

    1.000 cartes devisita coloridos -brilho - a partir

    de R$ 75,00

    1.000 cartes devisita coloridos -brilho - a partir

    de R$ 75,00

    F.: 51 3336.1862 / 9143.1546

    DIV

    ULG

    A

    O

    ELIA

    NA

    F.

    MA

    INIE

    RI

    DIV

    ULG

    A

    O

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012

    Cultura

    Suas obras esto em praas, prdios,galerias e museus do Brasil e do mun-do. Com intensa produo, j assinou

    cerca de 30 mil peas, entre mltiplos e ni-cas. Para marcar as quatro dcadas de trajet-ria artstica do premiado escultor gacho Gut,a Galeria de Arte Paulo Capelari inaugura noprximo sbado, dia 11 de agosto, s 11h, aexposio intitulada Gut 40 Anos de Es-culturas. A individual ficar aberta visitaopblica at o dia 31 de agosto.

    O artista apresenta 30 esculturas em fer-ro, alumnio e fibra de vidro, finalizadas nosltimos dois anos. So figuras aladas, que sin-tetizam o tema da liberdade, trao recorrenteem toda a sua obra. Pretendo mostrar a evo-luo de uma tcnica, de um trabalho quecomeou a ser esboado h muitos anos, masque s recentemente conseguiu ganhar formae expresso,comenta. A arte tem uma fun-o simblica. Persigo uma ideia de simplifi-cao da forma, de unicidade. Tento dizer omximo, com o mnimo, afirma.

    Em seu processo de criao, Gut partede desenhos para expressar suas ideias. De-pois passa para a fase de reproduo, em queestes conceitos so transferidos para os maisdiversos materiais: madeira, pedra, fibra devidro, ferro, alumnio ou bronze, tudo servede matriz para a sua criao.

    Nascido Carlos Augusto da Silva, Gut

    ingressou aos 13 anos no Atelier Livre da Pre-feitura Municipal de Porto Alegre, onde estu-dou e recebeu orientaes tcnicas no pero-do compreendido entre 1974 e 1977. Eramos anos de chumbo, relembra. Quando to-dos procuravam retratar a ditadura em suasobras eu decidi falar sobre liberdade, conta.O tema viria a se tornar sua marca registra-da, simbolizado pelas famosas figuras ala-das. Tornou-se profissional ainda na adoles-cncia. A partir de 1975 passou a frequentarcoletivas e sales, onde obteve prmios, en-tre eles, o do 1 Salo Nacional Casa Velha,em Novo Hamburgo (1982).

    Ao longo destes 40 anos de dedicao escultura, Gut conquistou reconhecimentonacional. J exps na Bienal de So Paulo esuas obras integram o acervo de importan-tes espaos culturais, como o Museu de Artede So Paulo e o Museu de Arte do Rio Gran-de do Sul. Sua obra tambm est presenteem prdios de centros profissionais, comona sede do SENAC, em Porto Alegre. Entresuas mais recentes contribuies, est aescultura denominada O Tambor, erguidana Praa Brigadeiro Sampaio, no Centro His-trico de Porto Alegre, a qual integra o pro-jeto Museu de Percurso do Negro. Atualmen-te, responsvel pela restaurao dos mo-numentos e por todo o conjunto escultricoda Praa da Alfndega e da Matriz.

    Cultura

    40 anos de esculturas

    em exposio na Capital

    05

    A comemorao que marca os 10 anos de Adolescer chega ao seu pice, emagosto, com a realizao da temporada no Theatro So Pedro. As apresentaesocorrem no dia 25 de agosto, sbado, s 21h, e no dia 26, domingo, s 18h. Asvendas antecipadas dos ingressos j comearam, e eles podero ser retirados nabilheteria do TSP, nos seguintes dias e horrios: dias teis, das 13h s 18h30min (emque no h espetculos noturnos) e das 13h s 21h (com espetculos noite). Aossbados, das 15h s 21h, e aos domingos das 15h s 18h.

    Numa linguagem atual e bem humorada, jovens atores da nova gerao encarnamdiferentes papis e personagens, representando situaes da vida real, em uma su-cesso de cenas curtas que lembram a linguagem da internet e do videoclipe. O textode Vanja Ca Michel reflete sobre o comportamento tpicos da adolescncia, reunindofragmentos de Moacyr Scliar, Carlos Drummond de Andrade, sob a superviso dopsiquiatra Jos Outeiral.

    Ingressos antecipados para Adolescer

    venda no Theatro So Pedro

    DIV

    ULG

    A

    O

    Toca S/A realiza lanamento

    de seu primeiro lbum

    A banda Toca S/A realiza no prximodia 28 de agosto, tera-feira, s 20h, noTeatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura Ma-rio Quintana, em Porto Alegre, o show delanamento de seu primeiro CD. O lbumfoi produzido ao longo de 2011 e 2012, deforma independente, dentro de um concei-to de produo colaborativa. Trata-se deuma prtica de gesto que cada vez maisganha espao entre os artistas e produto-res culturais, que normalmente esto forados canais tradicionais de produo e di-fuso e que buscam novas alternativaspara viabilizar seus trabalhos. A Toca S/A formada porCissa Laval (voz), Lucas So-breiro (guitarra, violo e voz), BetoPorcher (violo e teclados),Mauro Guerra(contrabaixo) e Daniel Moraes (bateria,percusso e vocais.

    Sobre a banda, o msico e composi-tor Beto Porcher arrisca uma definio.Afirmar que somos uma banda de amigosseria incompleto. Mais do que uma coleti-vidade musical, somos um grupo de obsti-nados por arte, para quem a msica temuma s finalidade: sensibilizar pessoas.

    Despreocupados com rtulos, o gru-po constri suas msicas dentro de umaesttica prpria, apresentando um traba-lho que tem fuses rtmicas, singularidadeharmnica e melodia essencialmente po-pular. Este primeiro lbum rene um apa-nhado potico de temas do cotidiano, bus-cando instigar diferentes vises sobre lu-gares, sentimentos e relaes. Reflete, tam-bm, essa trajetria de amadurecimento doproduto musical, recentemente comprova-da pela conquista do 1 Lugar no 6 Festi-val de Arte e Cultura Seiva da Terra 2012.

    HistricoA Toca S/A , hoje, uma feliz resul-

    tante de diversas experincias artsticasprotagonizadas pelos seus integrantes. Asemente do grupo veio de Beto Porcher,que j compunha compulsivamente quan-do integrava a banda Viramundel, ao ladodo baterista Daniel Moraes. Naquela pocahouve um marco determinante para o fu-turo: a conquista do 1 Lugar no VI Festi-val de Msica de Porto Alegre (2003), querepresentou um misto de reconhecimentoe instigao. A expressividade da canoMinha Parte, um rock-baio com hibridismomusical, demonstrava a nascente de umestilo com alma prpria.

    Em meados de 2007, atuando de for-ma mais autnoma e experimental, Beto

    resolve enveredar pelos pubs e cafs da Ca-pital dando vazo livre expresso artsti-ca. Uma das parcerias formadas nessa po-ca foi com seu ex-colega de ensino mdioLucas Sobreiro, vocalista e violonista deinfluncias regionalistas, amante das tra-dies gachas e dos bons causos. Jun-tos, passaram a idealizar um trabalho vol-tado ampliao esttica das leituras so-bre o cotidiano sul-brasileiro. Pouco tem-po depois, com as baquetas novamenteritmadas por Daniel Moraes e sua vertentepop-digital-drummer, surgia um embriochamado Toca dos Gatos, verdadeira pane-la de presso que fez borbulhar instintosmusicais e aguou o paladar da inovao ,cuja coroao foi um show memorvel noTeatro Bruno Kiefer (2008).

    O ano de 2009 trouxe mais mudan-as. Cissa Laval foi encontrada despre-tensiosamente em um site na internet eassumiu a incumbncia de dividir comLucas o vocal do grupo. Empolgada, abanda investe pesado na produo inde-pendente e promove a captao de udioe vdeo em um show no Teatro do SESC,com direito primeira sesso de foto-grafias, que seria essencial formaode sua identidade artstica. S faltavauma coisa: a confirmao do trabalho comuma temporada de shows.

    Em 2010 os gatos resolvem sair datoca, encorajados pela apario docontrabaixista Mauro Guerra que maistarde seria conhecido como o Mr. M. Aconseqncia natural dos acontecimen-tos foi a realizao de diversos shows emcasas noturnas da capital, como aquelesem que foi subvertido de brasilidade orenomado templo do Rock'n Roll - SargentPeppers Pub, culminando em umaintimista temporada de shows no Insti-tuto Cultural. A conquista do 3 Lugarno IV Festival Seiva da Terra (2010) foidecisiva: estava formado o time.

    Autoproclamada Toca S/A em 2011,a banda se emancipa tambm artisticamen-te, passando preparao do seu primeirolbum. O disco reflete essa trajetria deamadurecimento do produto musical, essatentativa de recontar o cotidiano. Umaexaltao mudana de olhar, para aredescoberta do dia-a-dia e a reinvenodas relaes do indivduo. Uma tentativade ver poesia onde haveria s palavras, verobra de arte onde haveria s espao, ver onovo nascendo do trivial. Para saber maissobre a banda, acesse: www.toca-sa.com.

    Mauro Guerra, Beto Porcher, Daniel Moraes (em cima), Cia Laval e Lucas Sobreiro

    formam a banda

    TIA

    GO

    TR

    IND

    AD

    E

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 201206

    Direitos do consumidor

    A Agncia Nacional de Sade Suplementar (ANS) divulgou nodia 3 de agosto o ndice de Reclamaes dos consumidores comrelao s operadoras de planos de sade. O ndice calculado combase em reclamaes dos consumidores de planos privados de sadecontra uma operadora com registro ativo na agncia nos ltimosseis meses, alm da mdia do nmero de consumidores desta opera-dora no mesmo perodo. com base nestes dados que so construdasas mdias divulgadas no ranking, que apresentou evoluo notvelnos ltimos anos.

    Ao se comparar o ndice de junho de 2012 com os anos anteri-ores percebemos a evoluo do nmero de reclamaes. O valor dondice de junho de 2012 (0.65) foi o maior desde julho de 2010(0.39). Esta situao preocupante na medida em que, mesmocom os esforos da ANS em apurar e punir condutas das operadorasque desrespeitam os direitos dos consumidores, no percebemos acoibio destas condutas, mas sim seu aumento", afirma a advogadado Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Joana Cruz.

    Os dados foram obtidos com base no disque ANS (0800 7019656), no formulrio eletrnico disponvel no site da agncia, porcartas ou atendimento presencial, em um dos 12 Ncleos da ANSespalhados pelo Pas.

    Para permitir a comparao, o ndice de Reclamaes mos-trado de acordo com o porte das operadoras, divididas em grandeporte (superior a 100 mil beneficirios), mdio porte (de 20 mil a100 mil beneficirios) e pequeno porte (inferior a 20 milbeneficirios). E embora seja uma mdia calculada a partir dos da-dos fornecidos, o ndice atualizado mensalmente com as reclama-es dos 24 meses anteriores, alm da possibilidade de reviso dosndices j divulgados.

    Entre as de grande porte, por exemplo, as que obtiveram maiorndice de reclamaes por consumidor, segundo a ANS, foram GrenLine, Sul Amrica e Itlica Sade. J entre as de mdio porte, IdealSade, Unimed do Centro-Oeste e Tocantins e Sade Medicol tive-ram os piores ndices.

    Metodologia questionvelAs nicas reclamaes computadas so aquelas consideradas

    procedentes pela agncia. O Idec critica a metodologia aplicadapara a apurao do ndice, uma vez que somente as demandas con-sideradas procedentes pela ANS so contabilizadas. O caso das de-mandas referentes a negativas de coberturas merece destaque, poisa ANS somente ir considerar procedente uma reclamao de nega-tiva de procedimento que conste no seu Rol de Eventos e Procedi-mentos em Sade.

    Ou seja, a negativa de um procedimento que conste na clas-sificao da Organizao Mundial de Sade (OMS) e que, segundo alei de planos de sade e o entendimento do Idec, deve ser coberto,mas que no est no Rol da ANS, no integrar as reclamaesapuradas para a elaborao do ndice. o caso dos transplantes derins, corao, pulmo e fgado, dentre outros", acrescenta aadvogada.

    O Idec reivindica repetidamente a necessidade de sanes pu-nitivas a operadoras de planos de sade que desrespeitam os direi-tos dos usurios. Recentemente, o Instituto obteve, por meio da Leide Acesso Informao, os dados das empresas que mais negamcobertura a procedimentos. A negativa de cobertura est entre asprincipais reclamaes dos consumidores de planos de sade.

    Comprou veculo zero e no

    recebeu no prazo estipulado?

    Saiba como proceder

    O bom desempenho da eco-nomia alavancou os planos de sa-de, que so cada vez mais ofertadospelos empregadores, viraram prio-ridade na pauta dos sindicatos eobjeto de desejo das famlias queperderam a confiana no SUS. Maso mercado prometeu mais do quepoderia entregar: h mais clientesdo que a disponibilidade de mdi-cos, hospitais e laboratrios.

    Os resultados da pesquisaapontam que as redes pblica e pri-vada nunca estiveram to prxi-mas em matria de atendimentoprecrio: mais de trs horas de es-

    pera em prontos-socorros lotados,dificuldade de marcar consultas,falta de vaga de internao at emUTI e demora para exames, den-tre outros. A situao agravadapela proliferao de planos bara-tos e populares, com rede dimi-nuta, que no prestam um aten-dimento razovel.

    Sem contar o fenmeno dosplanos ditos "falsos coletivos" -queaceitam duas pessoas ou mais me-diante a simples apresentao deum CNPJ e que escapam da regu-lamentao mais rigorosa. Comoconsequncia, usurios de planos

    buscam socorro no SUS, que ficano prejuzo, j que as operadorasno ressarcem os valores do aten-dimento aos cofres pblicos.

    preciso que o governo re-gule a expanso desordenada dosplanos de sade e melhore o fi-nanciamento do sistema pblico,cada vez mais distante de umacobertura universal de qualida-de. S assim os cidados deixa-ro de ter o pior dos dois mun-dos. (Fonte: Mrio Scheffer - Pro-fessor da Faculdade de Medicinada USP e membro do ConselhoDiretor do Idec)

    O mercado prometeu mais do que

    poderia entregar aos consumidores

    importante que o consumidor,antes de escolher a concessi-onria em que far a compra

    de seu carro zero quilmetro, faauma pesquisa no site do Procon ena internet em geral sobre possveisreclamaes quanto ao atraso naentregas de veculos, para que noseja surpreendido posteriormente.No ato da compra, o consumidortem o direito de saber se o produtoest disponvel em estoque, afirmao advogado do Instituto Nacional deDefesa do Consumidor ( Idec),Christian Printes. Mesmo no caso deo veculo no estar disponvel deimediato, a concessionria deve in-formar em quanto tempo o produtopoder ser entregue.

    Um cuidado que o consumidordeve ter, no caso de o veculo noestar disponvel em estoque, fazercom que as informaes relativas aoprazo de entrega constem no con-trato ou na nota fiscal para a entre-ga do veculo. A falta de informaosobre o prazo de entrega caracte-rizada como prtica abusiva (art.39,XII, CDC). Tambm, a fim de impe-dir ou, ao menos tentar impedir, quehaja a entrega do veculo fora doprazo, o consumidor pode negociarcom a concessionria que seja esti-pulada uma multa no contrato casoo veculo no seja entregue no pra-zo acordado, desde que haja a acei-tao, por parte do fornecedor nes-se sentido.

    Se mesmo assim houver atrasona entrega, o consumidor est pro-tegido pelo CDC (Cdigo de Defesado Consumidor), que prev que essaprtica se caracteriza comodescumprimento de oferta (art.35).

    Nesse caso, o consumidor poderexigir tanto da concessionria quan-to do fabricante do veculo, alterna-tivamente: o cumprimento foradoda entrega do veculo ou outro ve-culo equivalente ou ainda o cance-lamento da compra com a devolu-o da quantia paga com a devidacorreo monetria, explica Printes.Caso o consumidor seja lesado comesse atraso, ele pode ainda pedir,judicialmente, uma indenizao pe-los prejuzos sofridos.

    No caso de o consumidor op-tar por um veculo equivalente, temdireito a um veculo de mesmo valordaquele que foi pago e no entre-gue, o qual deve estar disponvel deimediato para o consumidor. Se oveculo for de menor preo, ele temdireito de receber a diferena dovalor anteriormente pago e o queele de fato adquiriu.

    O procedimento que o consu-midor deve seguir entregar umareclamao, por escrito, concessi-onria e/ou ao fabricante, requisi-tando a entrega do veculo ou deum equivalente, ou, caso no hajamais interesse na aquisio do ve-culo, o cancelamento da compra.

    Nessa ltima alternativa o con-sumidor tem direito devoluo in-tegral do dinheiro j pago. Esse tipo

    de situao pode gerar dano moral,dependendo do caso. Por exemplo,havendo a demora excessiva na en-trega do veculo cumulada com faltade informaes precisas ao consu-midor, por parte do fornecedor, so-bre quando o veculo ser entregue,ele pode tentar, judicialmente, umaindenizao. Deste modo, se ficarcomprovado algum prejuzo efetivodecorrente da falta da entrega doveculo, o consumidor pode, sim,tentar reaver judicialmente os danosmateriais e morais eventualmentesofridos, acrescenta o advogado.

    Se o problema no for resolvi-do aps o contato inicial com a con-cessionria e/ou fabricante, o con-sumidor deve se dirigir a um rgode defesa do consumidor, como oProcon, e fazer uma reclamaoquanto falta de entrega do veculono prazo estipulado. Se nem mesmocom a interveno dos rgo de de-fesa do consumidor o problema forresolvido, o consumidor tem o direi-to de entrar com uma ao judicial,atravs de um JEC (Juizado EspecialCvel), se o valor da pretenso doconsumidor for de at 40 salriosmnimos, lembrando que, se essevalor no for superior a 20 salriosmnimos, sequer ser necessria apresena de um advogado.

    DIVULG

    AO

    Planos de sade: ndice

    de reclamaes da ANS

    apresenta piora em 2012

    Fique Alerta!

    DIVULG

    AO

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 2012 07

    Sade

    rianas que sabem pelo menos duaslnguas conseguem resolver clcu-los matemticos e ser mais criati-

    vas que as demais, revela um estudo da Uni-versidade de Strathclyde, em Glasgow, naEsccia. A pesquisa foi feita com 121 alu-nos escoceses e italianos do ensino funda-mental que dominavam ingls ou italiano 62 deles tambm conheciam o idioma galico(falado no Reino Unido) ou sardo (lnguaromnica da ilha italiana de Sardenha).

    Os voluntrios bilngues, em mdiacom 9 anos de idade, completaram as ta-refas com mais sucesso, e os que conheci-am galico foram ainda melhores que osfalantes de sardo. As habilidades para al-

    Crianas bilngues tm

    crebro mais gil e criativo

    ternar os idiomas tambm poderiam ser-vir para a agilidade em outros tipos deraciocnio, segundo os autores.

    As crianas que sabiam galico ti-nham uma formao melhor porque apren-diam a lngua e a literatura da regio noensino formal do colgio. J os falantesde sardo vinham de uma antiga tradiooral, sem padronizaes.

    De acordo com o professor LauchlanFraser, que liderou o estudo, o bilinguismo visto como benfico na infncia, tanto parao vocabulrio quanto para a compreensodas ideias. Alm disso, a ateno seletiva foco em uma informao importante tam-bm beneficiada. (Fonte: G1)

    CO ronco infantil pode sugerir que a criana sofra de doenas respiratrias comuns

    da infncia.O ronco comum, principalmente na faixa etria entre dois e nove anos. O alerta

    foi feito pelo Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de SoPaulo (HC/FMUSP).

    As infeces do aparelho respiratrio so mais frequentes nos primeiros anos devida, quando se desenvolve a imunidade a partir do contato com o ambiente, ressaltaa pediatra Filumena Gomes. "Com o incio da escolarizao, ela [criana] tem maiscontato com vrus e bactrias, e acaba tendo mais infeces que os adultos".

    AdenoideSegundo a pediatra, o rudo provocado pela obstruo da via respiratria pode

    ocorrer por causa do aumento do tecido adenoideano, de infeces respiratrias, ou daexistncia de alergias no tratadas.

    Existem tambm os casos de crianas que roncam por estarem em um processo dedoena respiratria aguda, como amidalite ou rinite alrgica no tratada.

    De acordo com a mdica, na maioria desses casos, o tratamento dos problemasrespiratrios leva o paciente a deixar de roncar.

    Mais importante, porm, do que interromper o incmodo do ronco impedir queo problema gere comprometimentos anatmicos mais graves no futuro. A pediatraexplica que o sistema respiratrio da criana est em desenvolvimento nesse perododa vida e o ronco prolongado, assim como suas causas, podem ocasionar sequelaspermanentes. "Algumas delas so o comprometimento dos aparelhos fonoaudiolgicoe respiratrio, alm de alterao ssea da face e da arcada dentria".

    PalatoOutros problemas associados ao ronco infantil so o desenvolvimento de um

    palato mais fundo, a alterao da formao da fala, da postura da lngua e da boca.Nesses casos, o uso excessivo de chupetas, mamadeiras e dedo levado boca porcrianas com mais de um ano, pode gerar problemas srios. "As causas do ronco nacriana podem ser menos graves que em adulto em um primeiro momento, mas, nascrianas, podem levar a consequncias de longo prazo".

    Filumena orienta que os pais verifiquem se a respirao durante o sono de seusfilhos ocorre pelo nariz e com a boca fechada. "Se essa respirao passa por outras viasque no o nariz, ela pode levar a deformidades anatmicas e funcionais". Se for cons-tatada alguma anormalidade, deve-se fazer uma avaliao com o pediatra e, se neces-srio, encaminhar a criana para um tratamento com profissionais especializados emdistrbios do sono. (Fonte: Dirio da Sade)

    Ronco em crianas

    pode ser indicador de

    infeces e alergias

    DIVULG

    AO

    Cerca de 30% dos cnceres

    esto relacionados obesidadeUma pesquisa da Universidade Estadu-

    al de Campinas (Unicamp) apontou que cer-ca de 30% dos cnceres esto relacionados obesidade. Com foco no cncer colorretal,o estudo desvendou os mecanismos do de-senvolvimento desta patologia e identificouque este tipo da doena afeta 30 mil brasi-leiros por ano, causando oito mil mortes.

    De acordo com a anlise, quando diag-nosticado no estgio inicial, o tumor podeser curado por meio de cirurgia em 90% doscasos. O estudo teve como base a utilizaoda inflamao provocada pelo tecido gordu-roso do desenvolvimento do cncercolorretal.

    Os cientistas injetaram substncias queinduzem o cncer colorretal em quatro gru-pos de camundongos: os nomeados de con-trole (magros); os que receberam dietashipercalricas; os geneticamente obesos; eos com defesas baixas e cncer.

    Os camundongos de controle apresen-taram os menores tumores e leses. J osgrupos de animais que receberam dietashipercalricas e os obesos por causa da ge-ntica, tiveram tumores em maior quanti-dade e tamanho. Os resultados comprova-ram a tese dos pesquisadores, de que a in-flamao da gordura corporal a grandecausadora do cncer colorretal.

    Para controlar a inflamao, os cien-tistas utilizaram uma droga usada em doen-as autoimunes. Segundo eles, a substnciatem o poder de deter o crescimento do tu-mor. "Pode ser que o bloqueio dessa via desinalizao abra possibilidades para novasformas de preveno, mas outros estudostm de ser feitos para avaliar a seguranadisso em humanos", afirmou Folha de S.Paulo, Jos Barreto Carvalheira, professorde oncologia da Unicamp e coordenador dotrabalho. (Fonte: Eco Desenvolvimento)

    DIVULG

    AO

  • Jornal Nosso Bairro - Ano VIII - N 78 - Agosto de 201208

    Ch na Igreja

    Episcopal

    reuniu bom

    pblico Sou fera, sou bicho, souanjo, sou Mulher! Com este temao Terespolis Tnis Clube estconvidando para o tradicionalEncontro Delas: Belas e Feras,que ser realizado dia 30 deagosto, s 20h, com jantar doBuffet Spiaggia e sonorizaodo Fama Festa Show. Haversorteio de um pacote de viagensde 7 dias em Porto Seguro, paraduas pessoas, com hotel e tras-lado. Mais informaes pelofone 3318.6232.

    Encontro Delas

    promete

    sucesso

    FO

    TO

    S:

    ELIA

    NA

    F.

    MA

    INIE

    RI

    O Piquete Trio da Canha, formado por 10 parceiros da rea de atacados e minimercados, congrega emseu grupo dois empresrios do bairro Terespolis como seus ativos integrantes: Nilton Bertoletti e RenatoLang. Eles ultimaram os preparativos para participao em mais um Acampamento Farroupilha, no piqueten 42, durante animado jantar gaudrio na residncia de Bertoletti, dia 9 de agosto. O Padre Enrique Illarzedever dar a bno ao piquete, a exemplo do que ocorreu ano passado.

    Piquete Trio da Canha est pronto

    para o Acampamento Farroupilha

    Um ch beneficente promo-vido pelas senhoras da Parquiada Ascenso da Igreja Episcopalfoi a tnica da tarde de 4 de agos-to, no salo de festas da igreja.Um delicioso ch com salgados edoces, com realizao de sorteiode brindes animou os presentes.