EDIO 17 JUL.AGO.SET 2009

  • Published on
    09-Mar-2016

  • View
    218

  • Download
    5

DESCRIPTION

Osteoporose

Transcript

  • 2 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

    De onde

    Forr! Muita gente pensa que essa pala-vra, que define um tipo de baile no Nordeste, uma corruptela do ingls for all (para todos), que teria sua origem nos bailes po-pulares que os americanos da base area de Natal abriram para o povo, que reclamava a sua excluso em tais festas.

    No entanto, o termo originou-se em Recife, onde a Pernambuco Railway, uma firma inglesa operadora de bondes, realizava bailes somente as chefias.

    Ante a reclamao dos subordinados, eles passaram a promover bailes for all.

    Tambm no Recife, Maurcio de Nas-sau, ao conhecer o maravilhoso lugar onde hoje se encontra Olinda, exclamou:

    Oh, linda localidade para construir uma cidade!

    Da vem o nome daquela importante cidade turstica do nosso Brasil.

    J Abrolhos vem da expresso dos viajantes portugueses: Abra os olhos que sofrendo eliso, hoje Abrolhos.

    Por ser aquele acidente martimo prati-camente um recife, era preciso abrir os olhos para no ir de encontro a ele.

    Viver Melhor uma publicao trimestral de responsabilidade da Clnica Pr-VidaPrvida - Avenida marcolino martins Cabral, n 2075, Centro tubaro - santa Catarina. telefone: (48) 3631-1500 www.clicprovida.com.br

    Dr. Jaime Csar Souza - Diretoria executivaDr. Nei E. Fava - Diretoria executivaDr. Varne Viana - Diretoria executivaFbio Vandresen - gerente

    Projeto visual: Adriano Fernandes da silvaDiagramador - 03127sC-Dge-mail: adrianofernandes.silva@gmail.com

    Redao: marlia KenigJornalista - sC01312JPe-mail: comunicacao@clicprovida.com.br

    E frevo, de onde vem ?

    T f r e -vendo , dizia o povo ao se refe-rir quela agitada dana. Assim, para simplificar, virou frevo.

    Mas no s no Brasil que certas expresses tm uma origem curiosa.

    Nos Estados Unidos e Mxico, durante o conflito entre duas naes, os Mexicanos passaram a chamar os americanos de gringos, termo usado at os dias atuais porque, como os soldados americanos usavam uma farda verde,eles diziam greens go, que se pronuncia grin go e que quer dizer: vo embora!

    Dr. Jos Warmuth

    vem

  • DiagnsticoO critrio utilizado para diagnstico de osteoporose perda

    de 25% de massa ssea quando comparada com um adulto jovem saudvel. O estgio intermedirio denominado de osteopenia, quando a perda ocorrida varia de 10 a 25%. Para o diagnstico precoce, a densitometria ssea o exame mais indicado, ressaltam os mdicos entrevistados.

    Osteoporose Cuidado redobrado preciso lembrar que mulheres e homens acima de 75 anos esto predispostos doena. Por essa razo, nessa faixa etria, todos devem se submeter desintometria ssea, alerta a geriatra Isabel lorenzet. ela lembra que o objetivo do tratamento da osteosporose na geriatria prevenir fraturas. Isso porque h uma alta taxa de mortali-dade em idosos ao sofrer uma fratura. em um paciente idoso, uma fratura acarreta perda da mobilidade e funo, poden-do levar tambm depresso.

    PrevenoPara prevenir a osteo-

    porose, o consumo de leite e seus derivados um hbito mais do que necessrio. fundamental que o indivduo consuma leite, principal fonte de clcio, por toda a vida, frisa o ortopedista henri oli-vier. Como o brasil est em processo de envelhecimento, devemos trabalhar com essa nova demanda, favorecendo ao paciente maior qualidade de vida, explica. A atividade fsica, sobretudo, a muscula-o, essencial na preveno da osteoporose. este um dos fatores importantes para a recuperao do paciente, ressalta Dr. henri. A exposi-o ao sol entre as nove e as dez horas da manh outro hbito recomendvel para metabolizar a Vitamina D no organismo.

    Sob o olhar de trs especialidades mdicas

    Viver Melhor | 3Julho / Agosto / setembro - 2009

    TratamentoO tratamento feito com

    base na reposio de clcio. Nas mulheres, realiza-se tambm a terapia de reposio hormonal (TRH), visto que justamente no perodo de baixa hormonal (climatrio) que muitas apresen-tam osteoporose. Na atualidade, utilizamos o hormnio no mais para prevenir, mas para tratar o problema, destaca a ginecolo-gista Graziela Porto. Em casos de osteospenia, o tratamento feito pela reposio de clcio com vitamina D em cpsulas. J para a osteosporose, usa-se desse recurso e tambm dos chamados bisfosfonatos, os quais se fixam nos ossos do paciente por at dez anos, finaliza Dr. Henri Olivier.

    Fonte auxiliar de pesquisa: www.

    abcdasaude.com.br

    Dra. Isabel Lorenzetgeriatra

    Dra. Graziela Portoginecologista

    Dr. Henri Olivierortopedista

    A osteoporose um dos problemas de sade pblica mais preocupantes em todo o mundo, sendo uma das patologias associadas ao envelhecimento. Por ter srias implicaes fsicas, deve ser diagnosticada o quanto antes. Sobre o tema, a equipe de Viver Melhor conversou com os mdicos Henri Olivier (ortopedista), Isabel Clasen Lorenzet (geriatra) e Graziela Gonalves Porto (ginecologista), da Clnica Pr-Vida.

    Pblico-alvoPor ser mais frequente nas

    mulheres na fase do climatrio, comum o ginecologista pedir que as pacientes realizem a como um dos exames de rotina, destaca Dra. Graziela Porto. A mdica ressalta que o exame deve ser fei-to a cada dois anos. As pacientes que apresentem os fatores de risco devem faz-lo anualmente. Con-forme a ginecologista, tambm as portadoras de bulimia ou anorexia nervosa tm predisposio doena, devido aos maus hbitos alimentares.

    Fatores de riscoMulheres magras, brancas

    ou asiticas, de baixa estatura, que tiveram a primeira mens-truao tardia, que faam uso de bebidas alcolicas, fumem, consumam caf preto em ex-cesso e tenham uma dieta pobre em clcio, esto mais propensas osteoporose. Aqueles que tenham um parente de primeiro grau que apresentou osteoporo-se, tambm. Ainda, o uso de an-ticonvulsionantes pode acarretar a perda de clcio no organismo.

  • 4 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Doenas respiratrias: preveno e cuidados

    Rinite, asma e bronquite so doenas que comumente se intensificam nos meses mais frios do ano. Sobretudo a asma e a rinite esto interligadas. A rinite consiste em uma reao imunolgica nasal que causa inflamao nasal, caracterizada por coriza, coceira no nariz e nos olhos, entupimento nasal, dentre outros sintomas. J a asma uma reao imunolgica no pulmo que causa inflamao nos brnquios, podendo levar ao inchao destes e provocando falta de ar e chiado no peito. Se buscar tratamento adequado, o portador pode voltar a viver sem sintomas, podendo at ser um atleta. Sobre a preveno,

    cuidados e tratamento destas patologias do sistema respira-trio, a equipe de Viver Melhor conversou com o pneumologista ngelo Ferreira da Silva Jnior.

    De acordo com Dr. nge-lo, tanto quem sofre de rinite quanto de asma deve evitar a presena de animais no interior do domiclio. Da mesma forma, os pacientes tambm devem evi-tar ter em casa cortinas e tapetes de tecido, carpetes, almofadas e bichos de pelcia, pois a se de-positam poeiras e caros. Existe

    uma intensidade de sintomas diferente de pessoa para pessoa. Quando ocorre mudana de temperatura, de ambiente, poeira e outros fatores desencadeantes, a crise pode acontecer. Tanto a rinite como a asma tm um componente gentico, ou seja, nascem com o indivduo. J a bronquite (inflamao nos brn-quios), tem como causa principal o tabagismo (cigarro).

    Dicas importantes A nebulizao um recurso mui-

    to eficaz aos asmticos. Deve, en-tretanto, ser utilizado pouco soro fisiolgico (no mximo trs ml), conduzindo algum medicamento. No se deve faz-la somente com o soro. os equipamentos, em casa, devem ser bem lavados e secar naturalmente. Cada aparelho deve ser usado por uma s pessoa.

    A tosse ,um dos primeiros sinais de asma, um alerta do organismo de que algo no vai bem. No se deve tomar medicamentos para a tosse sem orientao mdica. Isso porque a tosse pode tambm ser sintoma de problemas gstricos como o refluxo.

    A vacina da gripe deve ser minis-trada aos asmticos e bronquticos anualmente. Com ela, a incidncia de crises, no ano seguinte, pode diminuir em 50%. Na gestao, a mulher asmtica no pode deixar de usar a medicao inalatria para seu tratamento; uma medicao tpica, de efeito localizado, atuando diretamente nos pulmes e sem acarretar riscos ao beb.

    Asmticos e rinticos jamais devem varrer a casa, apenas passar pano mido no cho. Isso porque a poeira fica suspensa no ar por at oito horas, justifica Dr. ngelo.

    Quanto mais cedo a asma for trata-da, mais facilmente o indivduo ter controle sobre ela na vida adulta, podendo (desde que evitando os fatores que a desencadeiam) levar uma vida normal, refora o mdico.

    Tratamento corretoAs medicaes adequadas para tratamento da asma so inalat-

    rias (corticides e broncodilatadores). Xaropes base de acebrofilina, levodropropizina, dropropizina, acetilcistena, ambrosol e bambute-rol (que prometem acabar com a secreo (catarro)) so ineficazes no tratamento da asma. Deve-se tambm evitar os corticides injetveis ou orais, devido aos seus efeitos colaterais.

    No usarDr. ngelo alerta sobre

    o uso de descongestionantes nasais. Para conter a coriza, muitos rinticos fazem uso in-discriminado de medicamentos para descongestionar as vias areas. Estes so eficazes instan-taneamente. Contudo, provocam o que chamamos de efeito re-bote, piorando o quadro assim que o efeito passa. Alm disso, criam dependncia e podem provocar efeitos colaterais como a taquicardia.

    Viver Melhor | 3Julho / Agosto / setembro - 2009

    Dr. ngelo Ferreira da

    Silva JniorPneumologista

  • 6 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • A Influenza A (H1N1), que nos meios de comunicao tem sido tratada sob o nome de gripe suna, uma doena respiratria causada pelo vrus A. Devido a mutaes no vrus e transmisso de pessoa a pessoa, principal-mente por meio de tosse, espirro ou de secrees respiratrias de pessoas infectadas, o Ministrio da Sade, em seu site, traz diver-sas recomendaes.

    Influenza A (h1n1) esclarecimentos do Ministrio da Sade

    Viver Melhor | 7Julho / Agosto / setembro - 2009

    A) Aos viajantes que se destinam s reas afetadas:usar mscaras cirrgicas descartveis durante toda a permanncia em reas afetadas. substituir as mscaras sempre que necessrio.

    Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um leno, preferencialmente descartvel.

    evitar locais com aglomerao de pessoas.

    evitar o contato direto com pessoas doentes.

    No compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.

    evitar tocar olhos, nariz ou boca.

    lavar as mos frequentemente com gua e sabo, especialmente depois de tossir ou espirrar.

    em caso de adoecimento, procurar assistncia mdica e informar histria de contato com doentes e roteiro de viagens recentes s reas afetadas.

    No usar medicamentos sem orientao mdica.

    Viajantes procedentes, nos ltimos 10 dias, de reas com casos confirmados de influenza A (h1N1)em humanos e que apresentem febre alta repentina, superior a 38C, acompanhada de tossee/ou dores de cabea, musculares e nas articulaes, devem:

    Procurar assistncia mdica na unidade de sade mais prxima.

    Informar ao profissional de sade o seu roteiro de viagem.

    B ) Aos viajantes procedentes de reas afetadas:

    Novas medidas adotadas o que diz o ministrio da sade

    A orientao para as pes-soas, ao sentirem sintomas de gripe, procurem o mdico mais prximo.

    No h relao entre fazer ou no o exame de diagnsti-co com a evoluo da doena.

    se os sintomas forem leves, o mdico recomendar o iso-lamento domiciliar, perodo de afastamento do trabalho e vai prescrever tratamento dos sintomas. Nesses casos, no ser pedida confirmao via exame de laboratrio.

    se o caso inspirar cuidados ou for grave, o paciente ser encaminhado para um dos hospitais de referncia no tra-tamento da doena. No brasil, so 68.

    Para informaes adicionais sobre medidas preventivas es-tabelecidas pelas autoridades de sade das reas afetadas, acesse:

    organizao Pan-americana de sade (em espanhol)http://new.paho.org/hq/index.php?lang=es

    organizao mundial da sade (em ingls)www.who.int/csr/disease/swineflu/en/index.html

  • 8 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Centro de Oftalmologiadispe de novos e precisos exames

    Viver Melhor | 9Julho / Agosto / setembro - 2009

    O Centro de Oftalmologia Pr-Vida dispe comunidade mais dois novos exames: o OCT (Tomografia de Coerncia ptica) e a retinografia digital. A clnica a nica do Sul de Santa Catarina em que os mesmos podem ser realizados.

    De acordo com o oftalmologista thiago Azevedo borges de souza, o oCt (da sigla em ingls optical Coerence tomography) uma to-mografia destinada a pacientes que apresentem alteraes retinianas. Indivduos hipertensos, diabticos e com degeneraes retinianas devem realizar o procedimento quando indicado. um exame de alta preciso. Identifica de altera-es iniciais que a retinografia no consegue detectar, sendo muito til para patologias que afetam a m-cula. tambm um exame de alta preciso para pacientes com diag-nstico ou suspeita de glaucoma. o exame dura cerca de 15 minutos e o resultado imediato. um exame no invasivo, confortvel, seguro e que pode ser repetido sempre que necessrio.

    Preveno do glaucoma o glaucoma a principal causa

    de cegueira irreversvel em todo o mundo segundo a oms (organi-zao mundial de sade). muitas vezes, o paciente vem ao consult-rio e diagnosticamos uma alterao em sua presso ocular. embora uma Po diagnosticada acima do normal durante a consulta oftalmolgica seja o maior fator de risco para o paciente desenvolver glaucoma, apenas este achado no fecha o diagnstico do mesmo. o oCt consegue diagnosticar as primei-ras alteraes glaucomatosas no paciente, por fazer a anlise da ca-mada de fibras nervosas, sendo na atualidade um grande aliado para o diagnstico precoce da patologia, conclui Dr. thiago.

    A retinografia uma foto-grafia da retina ou do nervo ptico. Por meio do retingra-fo, composto por uma cmera fotogrfica digital, possvel captar imagens em detalhes do olho e transferi-las para um computador.

    A angiofluoresceino-grafia outra tcnica de exame oftalmolgico. Consiste na injeo de um corante (fluores-cena sdica) em uma veia do antebrao ou mo, avaliando o seu trajeto nos vasos da co-ride e retina. A retinografia e a angiofluoresceinografia so exames muito importantes na avaliao e acompanhamento

    Tomografia tica

    das doenas vitreorretinia-nas, tais como degenerao macular relacionada idade, retinopatia diabtica, retino-patia hipertensiva e doenas do nervo ptico, explica a oftalmologista Iara Mendes.

    Na atualidade, o retin-grafo digital utilizado pelos principais centros oftalmol-gicos do mundo e proporciona aos pacientes um exame de alta qualidade. Outro ponto importante a destacar a agili-dade do exame, que permite ao mdico fazer a avaliao das imagens, sua seleo e impres-so na hora para o paciente, Dra. Iara.

    Retinografia digital

    Dra. Iara Mendes

    oftalmologista

    Dr. Thiago Borges de Souza

    oftalmologista

  • O inverno a estao em que buscamos aconchego e calor. poca que favorece o amor e a unio entre as pessoas. Com base nesse princpio, a revista Viver Melhor apresenta, nessa reportagem, algumas das pousadas aconchegantes de nossa regio. Boa viagem!

    Destinos

    10 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

    Mais informaes:www.mazon.com.brwww.acolhida.com.br/destinos/santa-rosa/www.pousadahellmann.com.brwww.saltodasaguas.com.br/pousada.htmwww.santarosadelima.sc.gov.br/www.brasiladentro.com.br/.../urussanga_sc

    aconchegantes do sul do estado

    Santa Rosa de Lima

    Pousada

    Doce Encanto

    Em Santa Rosa de Lima, en-contram-se alguns lugares aconche-gantes. Dentre eles, a pousada Doce Encanto, de Leda e Valnrio. um ambiente familiar e muito recepti-vo. A comida tem aquele gostinho de interior, de comida caseira, feita na hora, j que a propriedade produz a maioria dos alimentos servidos, utilizando a agroecolo-gia como princpio de produo. A pousada era uma antiga estufa de fumo que foi cuidadosamente adaptada e transformada para receber e aconchegar. O turista tambm pode fazer trilhas na mata, conhecer uma agroindstria de processamento de cana-de-acar, entrando em contato com a vida no campo. Reservas podem ser feitas diretamente pelo telefone (48) 36540042, ou central de re-servas Acolhida na Colnia (48) 3654-0186.

    Pousada Vitria(Pousada da Dida)

    A Pousada Vitria fica em meio natureza, cercada de rvo-res nativas, bromlias e orqudeas. So duas casas que podem receber at 14 pessoas. A comida servida caseira, sendo tudo preparado pela proprietria da pousada, a apicultora Dida. Quem se hos-peda na Pousada Vitria pode fazer uma trilha que leva a uma pequena cascata e pescar nos audes da propriedade. A pousada cercada de verde e o ar mido deixa o clima acolhedor propor-cionando aos visitantes doses de paz e tranquilidade. Reservas com a Acolhida na Colnia (48) 3654 0186 ou diretamente com a famlia (48) 3654 0048.

    Cantinho da Famlia O Cantinho da Famlia outra opo para passar momentos de

    descontrao com amigos e familiares. um bom lugar para realizar festas de confraternizao, de aniversrio e outros. um lugar marcado pela simplicidade e rusticidade, pela sua gastronomia colonial e pela hospitalidade. Para quem quiser tirar um dia de lazer e descanso em meio bela paisagem natural, um bom lugar. A pousada dispe de piscina, chal/pousada e refeitrio. Serve almoo colonial, caf da manh e jantar mediante reservas, que podem ser feitas pelo telefone (48) 9997-8749, com Nei ou ngela.

  • Viver Melhor | 11Julho / Agosto / setembro - 2009

    Pousada da

    Vincola MazonIdealizada pelo casal Patrcia

    Mazon e Antonio Carlos Freitas, segunda gerao de administradores da propriedade da Vincola Mazon, a Pousada da Vincola iniciou suas atividades em 1992. Inicialmente, contava com trs apartamentos e estrutura de alimentao na casa

    sede, tendo sido adaptadas todas as instalaes do stio da famlia. O

    perfil desse empreendimento conti-nuou fiel histria de ocupao da

    regio, aproveitando matria prima e recursos humanos locais.

    Em um perodo em que se acre-ditava que turismo rural se identifi-cava com fazendas e cavalgadas, o casal foi persistente na manuteno

    dos atrativos provenientes de seu meio rural: ocupado pelos imigran-tes italianos em colnias de 25 a 30 hectares, com processos produtivos prprios dessa colonizao. Assim, a paisagem local, aliada ao aten-dimento familiar gastronomia

    fazem da Pousada da Vincola Mazon um bom lugar para se

    conhecer. Para reservas, ligar para (48) 3465-1500,

    com Patrcia.

    Pousada

    Salto das guas

    A Pousada Salto das guas outro lugar que se prope a oferecer conforto aos visitantes. Dispe de sutes, restaurante, sala de eventos e um ambiente de natureza exuberante. Est

    A Pousada Hellmann foi fundada em janeiro de 2002 na localidade de Vargem do Cedro. Contava, no incio, com dez sutes, sendo logo depois am-pliada. Hoje, dispe de 17 sutes completas. A capacidade total da pousada de 50 pessoas. Serve-se jantar e caf da manh com comida colonial alem.

    A estrutura conta com pis-cina adulto e infantil com gua natural. H, ainda, uma cachoeira

    So Martinho

    Urussanga

    situada ao lado de uma das mais belas cachoeiras de Santa Cata-rina, cercada de Mata Atlntica preservada, com trilhas nas quais pode-se apreciar uma infinidade de bromlias e outras plantas na-

    tivas. Oferece servios de internet sem fio gratuito (wireless) em to-das as dependncias da Pousada. Reservas podem ser feitas pelo telefone: (48) 3645-0321.

    natural e mais uma artificial com peixes no interior da pousada. A pousada ainda promove cami-nhada ecolgica. Tem, ainda, um lago com pesque-pague e cancha

    de bocha. Para reservas e demais informaes, o telefone o (48) 3645-6166.

    Pousada Hellmann

  • 12 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Podalit: Sistema de balanceamento e geometria do corpo humano

    Desde junho ltimo, o Centro de Fisioterapia Pr-Vida dispe de um novo mtodo de diagnstico e tratamento. Trata-se da Podalit, que visa reprogramao postural atravs de palmilha. De acordo com o fisioterapeuta e coordena-dor do centro, Fabrcio de Souza, o mtodo auxilia na abordagem preventiva e teraputica. Busca integrar os conhecimentos entre a influncia dos ps e a postura, contribuindo para elevar sua qua-lidade de vida.

    Podoposturologia, o tratamentoSegundo Dr. Fabrcio, as al-

    teraes nos padres posturais podem ser observadas no exame de baropodometria. Essas altera-es podem desencadear dores na regio lombar, quadril, joelho, tornozelo e p. Ressalto que as mesmas podem ser prevenidas e tratadas atravs de da palmilha postural. Em diabticos, o exame detecta reas de hiperpresso

    O exame por meio do baropodmetro

    o baropodmetro eletr-nico um equipamento que se destina anlise dos pontos de presso plantar exercido pelo corpo, tanto em posio esttica quanto dinmica, in-dicando possveis anomalias na marcha e na postura, esclarece Dr. Fabrcio.

    Consiste em uma platafor-ma barosensvel com sensores piezoeltricos conectados a um computador o qual utiliza um software apropriado para visua-lizar imagens coloridas e dados estatsticos com alto valor diag-nstico. Identifica agentes diretos ou indiretos que proporcionam ao indivduo uma instabilidade corprea, que mais tarde sero impressas sob a forma de grficos ou planilhas.

    Pelo baropodmetro, pos-svel detectar a estabilidade do corpo no espao, ou seja, as os-cilaes posturais e o equilbrio por meio da quantificao da posio corporal em relao sua base de suporte que assegu-ra o centro de gravidade do indi-vduo, finaliza o fisioterapeuta.

    Fonte auxiliar de pesquisa:www.podoposturologia.com.br/podo.htm

    em determinadas regies dos ps, onde tambm atravs de palmilhas, essas reas podem ser mais bem distribudas, evitando a formao de lceras, e em casos mais graves a amputao.

    As palmilhas mecnicas so indicadas para p plano, p cavo (p chato), calcneo valgo (voltado para dentro), calcneo varo (volta-do para fora), esporo de calcneo,

    fascete (inflamao da fscia, membrana que fica entre a pele e o msculo) plantar, tendinites, metatarsalgias, perna curta anat-mica, hlux valgo (dedo polegar do p inclinado para fora, o que pode ocasionar joanete) e dores na regio da planta do p.

    Viver Melhor | 13Julho / Agosto / setembro - 2009

    Podem tambm, ser inseridos elementos de EVA com espessura de um a quatro milmetros em locais pr-definidos pela avaliao baropodomtrica e parmetros posturais. Tais elementos fornecem informaes ao sistema nervoso. Como resposta, o corpo produz um reequilbrio atravs das reaes reflexas dos msculos, corrigindo a postura, nivelando a bacia e diminuindo a toro do tronco. Contribui, consequentemente, para maior congruncia das articulaes, amenizando a sobrecarga, principalmente na coluna vertebral.

    Elementos EVA

    Dr. Fabrcio de Souza

    Fisioterapeuta

  • Os sofrimentos da mente tm sido alvo de discusso em todo o mundo. Atualmente, tan-to nos crculos mdicos quanto nos meios de comunicao, a questo tm ganho espao e amplitude. A novelista Glria Perez aborda o tema em Cami-nhos das ndias, trama veicu-lada pela Rede Globo. Nela, o jovem Tarso, interpretado pelo ator Bruno Gagliasso, sofre de esquizofrenia.

    A esquizofrenia uma doen-a mental que se caracteriza por uma distoro do pensamento, da sensopercepo (isto , dife-renciar o que real do que no ). De acordo com a psiquiatra Patrcia Leiko Frana Goto, da Pr-Vida, na atualidade, a doena atinge 1% da populao em geral.

    No se sabe ao certo a causa da doena. Como fatores im-portantes, esto o componente gentico (hereditariedade) e a integrao de alguns aspectos (biolgicos, psicossociais, am-bientais) a um fator estressor (a perda de algum querido, pres-ses no trabalho, dificuldades sociais, etc.). A esquizofrenia no escolhe classe social. A prevalncia da doena igual em homens e mulheres. Nos

    Sofrimento mental: um mal da vida moderna

    Transtorno bipolar

    De acordo com a Associao brasileira de transtorno bipolar (Abtb), no Pas, estima-se que cerca de 1,8 a 15 milhes de brasileiros sejam portadores do tb, nas suas diferentes formas de apresentao. o trans-torno caracterizado por alteraes de humor que se manifestam em sintomas depressivos alternando-se com episdios de euforia (tambm denominados de mania), em diferen-tes intensidades. existem dois tipos bsicos de bipolaridade.

    o tb 1, que atinge 1% da po-pulao mundial, caracterizado pela alternncia entre a depresso ou euforia. o tb 2, que atinge 8% da populao, marcado por epi-sdios depressivos e de hipomania (episdios mais leves de euforia). . o fator hereditrio em cerca de 50% dos pacientes o mais relevante. Filhos de portadores da doena tm maior predisposio para desenvolver o tb, explica a psiquiatra.

    segundo estudo realizado pela organizao mundial de sade (oms) nos anos 90, a doena foi a sexta maior causa de incapacitao em todo o mundo. em geral, a do-ena atinge mulheres e a faixa etria mdia a meia idade.

    Dra. Patrcia alerta para a alta taxa de mortalidade entre os porta-dores do transtorno. A maior causa, entre estes, o suicdio. o uso de bebidas e drogas comum nos indivduos portadores da doena e em geral agrava o prognstico. em geral, o tratamento feito com estabilizadores de humor, antide-pressivos e, em alguns casos, com an-tipsicticos. A psicoterapia tambm um recurso eficaz. A atividade fsica, nesse processo, tambm muito importante, contribuindo para que o paciente se sinta melhor, conclui Dra. Patrcia goto.

    Fonte de pesquisa: http://www.abrata.org.br/

    homens, em geral, a doena se manifesta mais cedo, geralmen-te dos dez aos 25 anos de idade. Nas mulheres, costuma eclodir entre os 25 aos 30 anos explica Dra. Patrcia.

    Existem vrios tipos de esquizofrenia. O personagem Tarso portador da esquizofre-nia paranoide, a qual marcada por delrios e alucinaes, bem como por ideias de referncia, quando o indivduo acredita que as pessoas esto falando dele.

    Ter um bom relacionamento interpessoal e uma vida afetiva so fatores que favorecem o paciente em seu tratamento. Este feito com base em medi-camentos aliados psicoterapia. importante buscar ajuda de um especialista. A esquizofrenia uma doena extremamente deteriorante. Assim, quanto mais cedo a famlia procurar ajuda mdica, melhor, alerta a psiquiatra.

    14 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Depresso, a doena do novo milnio

    A doena, aclamada como o mal de nossos dias, tambm um transtorno de humor. Os principais sintomas so tristeza, desnimo, apatia e angstia. A depresso diminui em muito o nvel de atividade do indivduo. Costuma haver, ainda, uma alterao na cognio (aten-o), diminuio da libido e alterao do sono. A idade mdia em que a depresso costuma ocorrer 40 anos, para ambos os sexos, destaca a psiquiatra Patrcia Frana Goto.

    A Organizao Mundial de Sade (OMS) estima que 100 milhes de pessoas em todo o mundo sofram com o problema. Na atualidade, a incidncia de depresso em jovens com menos de 20 anos tem aumentado. Isso se d, principalmente, pelo uso de drogas e abuso das bebidas alcolicas.

    A depresso ocorre mais comumente entre pessoas que no tm um relaciona-mento afetivo. Como as demais doenas psquicas, a depresso no escolhe nvel sociocultural ou econmico para ocorrer. importante reforar que um episdio de depresso no tratado pode durar entre trs semanas e um ano e meio, destaca a mdica. O tratamento feito por meio de antidepressivos e acompanhamento cont-nuo com o psiquiatra e o psicoterapeuta. A atividade fsica, nesse processo, tambm muito importante, contribuindo para que o paciente se sinta melhor, finaliza Dra. Patrcia Goto.

    Viver Melhor | 15Julho / Agosto / setembro - 2009

    Patrcia Frana Goto

    Psiquiatra

  • 16 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Ao longo de 18 anos de atu-ao, a Pr-Vida busca inovar constantemente em favor da qualidade de seus servios. A transferncia do antigo Pronto Atendimento (P.A) para instala-es mais amplas e confortveis no Medical Center, em outubro de 2008, foi uma dessas inova-es. A transformao do antigo P.A. em um Centro de Ortopedia foi outra mudana feita pela clnica.

    Sinalizao - Para facilitar a localizao do cliente nos novos ambientes, placas indicativas e sinalizao de piso esto dis-postas nas instalaes da clnica. Diante dessa mudana, nossa

    Reforma do Pronto Atendimento e do Centro de Ortopedia

    Pronto AtendimentoA modificao no espao

    fsico, segundo edna, favoreceu a organizao da equipe, bem como o conforto do cliente. Com esses novos espaos, podemos proporcionar ao clien-te melhor acomodao. hoje, dispomos de uma sala exclusi-va para acomodar os clientes que se submetero a cirurgias. temos tambm um espao dedicado s crianas. em cada iniciativa, visamos o bem-estar de nossos clientes, explica a coordenadora.

    Centro de Ortopedia No antigo P.A., funciona atu-

    almente o Centro de ortopedia Pr-Vida. Nesse novo espao, uma equipe de profissionais es-pecializados esto a disposio para atendimento na rea de or-topedia. o centro ainda dispe de sala de gesso, consultrios e uma ampla e confortvel sala de espera.

    O colaborador um outro ponto favorecido

    pelas reformas, de acordo com edna baesso, foi a satisfao dos colaboradores dos setores envolvidos. Pela reorganizao do ambiente, os colaboradores sentiram-se mais motivados. Isso eleva ainda mais a qualidade dos servios prestados, finaliza a coordenadora.

    Viver Melhor | 17Julho / Agosto / setembro - 2009

    Sinalizao de pisoAzuL leva ao medical Center;LARANJA leva ao edifcio Interclnicas, onde funcionam a administrao da Pr-Vida e alguns consultrios;VERDE leva ao Pronto Atendimento;VERMELHA leva Pr-Vida Diagnstico e ao Centro de ortopedia.

    Edna BaessoCoordenadora

    do Pronto Atendi-mento

    e do Centro de ortopedia

    equipe tambm foi ampliada. Dispomos de colaboradores ex-clusivos para orientar os clientes que chegam Pr-Vida, des-

    taca a coordenadora do Pronto Atendimento e do Centro de Ortopedia, Edna Baesso.

  • 18 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009

  • Saiba mais sobre a

    Cirurgia de cabea e pescoo Cirurgia de cabea e pescoo

    uma especialidade cirrgica que trata principalmente dos tumores benignos e malignos da tireoide, paratireoide, glandulas salivares, boca, faringe, laringe, cavidades nasais e paranasais, regio da face e couro cabeludo e dos tecidos moles do pescoo.

    Diagnstico Dentre os procedimentos

    diagnsticos realizados pelo cirurgio de cabea e pescoo destacam-se a videofaringo-laringoscopia, realizada para examinar, avaliar e, eventual-mente biopsiar leses da laringe e faringe (garganta). Por meio do vdeo laringoestroboscpio (na foto), possvel detectar patologias na laringe (cordas vocais), hipofaringe, garganta e a base da lngua. Pode-se per-ceber a presena de ndulos e tumoraes.

    Leses bucais, muitas ve-zes no percebidas a olho nu, tumores na garganta e laringe, bem como alteraes nas cordas vocais (caracterizadas por rou-quido que perdure mais de 15 dias), so detectadas por meio

    Tireoide Dentre as cirurgias mais co-

    mumente realizadas pela es-pecialidade, esto as tireoidec-tomias (retirada da tireoide), traqueostomias, cirurgias de glndulas salivares (partida, submandibular), tumores da boca e da laringe. De acordo com Dr. Cludio, a retirada de ndulos da glndula tireoide de respon-sabilidade do cirurgio de cabea e pescoo, sendo o carro-chefe da especialidade.

    A especialidade regula-mentada e reconhecida pela Associao mdica brasileira (Amb). tem uma rea de atuao (subespecialidade) denominada cirurgia crnio-maxilo-facial. esta trata especificamente das doenas do esqueleto craniofa-cial, como fraturas e alteraes sseas.

    o cirurgio de cabea e pes-coo trabalha tambm de forma multidisciplinar com outras es-pecialidades, como a endocrino-logia, a otorrinolaringologia, a gastroenterologia, e a oncologia bem como fonoaudiologia e nutrio.

    o cncer de boca algo rela-tivamente comum, como tambm os problemas relacionados ao esfago. Ambos relacionados aos hbitos de fumar e ingerir bebidas alcolicas. No caso do diagnstico do refluxo, por exemplo, traba-lhamos de forma integrada ao gastroenterologista, destaca o cirurgio.

    Viver Melhor | 19Julho / Agosto / setembro - 2009

    Dr. Cludio Sta-passoli Filho

    Cirurgio

    A formao do cirurgio de ca-bea e pescoo realizada nos centros formadores credencia-dos e tem durao de dois anos, com pr-requisito de formao em cirurgia geral.

    A cirurgia de cabea e pescoo uma especialidade mdica relativamente nova.

    Operamos tumores benignos e malignos da boca, laringe, tireide, ndulos no pescoo dentre outros, explica o cirur-gio de cabea e pescoo da Clnica Pr-Vida, Dr. Cludio Stapassoli Filho.

    do exame. um procedimento feito em consultrio, podendo ser realizado tanto pelo otorrino

    quanto pelo e cirurgio de cabea e pescoo, conclui Dr. Cludio.

    Fonte de pesquisa: http://www.sbccp.org.br/

  • 20 | Viver MelhorJulho / Agosto / setembro - 2009