Edicao 17 01 14

  • Published on
    30-Mar-2016

  • View
    213

  • Download
    0

DESCRIPTION

jornal Tribuna Feirense, Feira de Santana, Bahia

Transcript

  • www.tribunafeirense.com.br R$ 1ANO XIV - N 2.462FeIRA de SANtANA, SeXtA-FeIRA 17 de jANeIRO de 2014 redacao@tribunafeirense.com.brAteNdIMeNtO (75)3225-7500

    Acesse nosso site: www.tribunafeirense.com.br

    temos vagas (mas custa caro)

    Qualquer terreno facilmente vira estacionamento rotativo, mesmo que em precrias condies. Metade no tem autorizao para funcionar

    A dificuldade de estacionar no Centro fez florescer o negcio dos estacionamentos particulares. Vaga virou gnero de primeira necessidade e a fiscalizao constata frequentes abusos contra os consumidores.

    5

    4

    Z Neto sobre Ronaldo: ele no quer e esconde apoioO deputado lder do governo Wagner na Assembleia Legislativa se queixa de que o prefeito no reconhece publicamente os apoios que recebe, do estado e da Unio.

    ALONSO AMARAL

    Na inaugurao do Minha Casa Minha Vida no final do ano, o prefeito posou ao lado do governador, com a presena tambm dos deputados Z Neto e Fernando Torres

    Foto: Manu Dias

  • 2 Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014

    Hospital Universitrio da UeFS Precisamos formar mdicos maximamente eficientes e minimamente invasivos integridade fsica, econmica e afetiva do paciente

    Professor Csar Oliveira

    @Rolezinho s vai acontecer na Bahia, se a gente puder terceirizar aquela correria...

    @Algum precisa dar um rolezinho nas justificativas sociais mirabolantes dos rolezinhos

    @Sanha fiscal do governo federal tem dado um rolezinho no bolso dos brasileiros

    @Roseana Sarney cotada para fazer o papel das sete pragas do Egito na refilmagem do xodo

    @No governo de Roseana Sarney, os camares da despensa palaciana e os presidirios esto perdendo a cabea

    @Sarney o Minotauro e o Maranho seu labirinto

    @Mundo estranho: querem liberar maconha e controlar o tarja preta

    @Fazer corao com as mos uma espcie de arrocha da mmica

    @Tem tanta gente tentando matar a lngua portuguesa que desconfio que, ao invs de sete, ela tem cem milhes de vidas

    @Brasil tem tantas oportunidades que at um jovem que no sabe diferenciar capim de grama se torna o maior fazendeiro do pas!

    @Brasil arrecada com um furor de primeiro

    CandidatosA candidatura de Eliana Calmon ao Senado um

    alento de esperana em meio mesmice e biografias dos candidatos baianos.

    FeiraCom ascenso de

    Jairo Carneiro - fidalgo no trato, experiente - ao cargo de Secretrio de Agricultura, Feira retorna ao primeiro escalo da administrao Wagner, depois da temporada de Ildes. Ganha a cidade.

    Caixa econmicaAo que parece, os espantos no tem fim. A descoberta

    de que a Caixa passou a mo nas contas sem movimento de mais de 500 mil usurios, mamando R$600 milhes que usou na sua criativa contabilidade de lucros destas aes que chocam pela falta de respeito ao cidado, alm de ser uma avacalhao da instituio to ligada histria do pas.

    Misria humanaA bestialidade dos presdios do Maranho choca pela

    crueza das cenas, acrescida da morte da menina Ana Clara, queimada por bandidos. A bestialidade dos Sarney choca pela estupidez das suas declaraes, pai e filha, e pela intensidade com que usurpam e ocupam todos os negcios pblicos do estado. A bestialidade de Dilma, Cardoso (Justia), Maria do Rosrio (Direitos Humanos), advm do silncio, da cumplicidade, da responsabilidade que, afinal, lhes cabe, na misria humana que o estado governado por seu aliado.

    ACM Neto uma mudana radical entre os resultados do carnaval de Salvador,

    gerido pelo desastre monumental que foi Joo Henrique quando no se conseguia sequer saber os nmeros - e o que est anunciando ACM Neto, com um carnaval superavitrio. Alis, depois de um comeo sem grande impacto, o prefeito comea a apresentar resultados do trabalho na capital.

    Simples, mas muito bom

    Depois das operaes contra os aloprados do som alto, dos invasores das caladas com mesas e mercadorias, agora a prefeitura est guinchando os sem limite do trnsito, que param em fila dupla, tripla, onde der. So medidas simples, rotineiras, mas de extremo valor educativo e de excelentes resultados na vida comum do cidado.

    Relativismo moralAdequar tica s circunstncias convenincia. Relativismo

    moral - pegando moda na Europa - desculpa para justificar a violao de limites (at no rolezinho), dos valores sociais, administrativos e familiares. Ou fica-se com o discurso ou com o poder e lucro a qualquer custo, em que os fins justificam os meios, como dizia Trosky em A moral deles e a nossa. Ter os dois, impossvel.

    AniversrioA Bodega do Leegoza, no reme-

    reme desde janeiro de 2002, est completando aniversrio sem parar e sem sair de cima (da notcia). Devem ser poucas com esta durao. Aos poucos estou virando um dinossauro.

    Selma SoaresResponsvel pela melhor administrao

    do CUCA, a museloga Selma Soares, est de volta direo da entidade. Esperamos que possa manter o ritmo criativo da primeira vez, quando proporcionou o resgaste do Bando Anunciador e o sucesso do Festival de Sanfoneiros.

    mundo e oferece servios pblicos com a qualidade de aldeia tribal

    @O PT entendeu que preciso dar os anis, para poder meter a mo!

    @Os nmeros da economia no governo Dilma so to verdadeiros quanto uma bolsa Michael Khors da 25 de Maro!

    @Administrao pblica brasileira confunde balco de negcios com mesa de negociata

    @O tio do ditador Kim foi jogado a uma matilha de ces famintos, no que podemos chamar, talvez, de controle social da famlia

    @O nico regime com chances de mudar o Brasil o de ameaa constante aos congressistas

    @No Brasil, as grandes fortunas tm sempre um cheiro de adultrio do pblico com o privado

    @Triste educao brasileira que acha que qualidade ensinar punheta e uso de camisinha na escola

    @No sei porque tanta campanha das mulheres casadas contra o lcool: ele j juntou muito

    @Dirceu: depois de nosso homem em Havana, eis que surge nosso condenado no Panam

    @Raul Castro comeu um acaraj em Salvador! Pelo menos um cubano que come

    tuiter: Cesar Oliveira 10

  • Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014 3

    redacao@tribunafeirense.com.br

    Glauco Wanderley

    PavimentaoCorrendo atrs da ambiciosa meta de Jos Ronaldo

    de pavimentar 100% da cidade em seu mandato atual, a prefeitura publicou esta semana mais de 30 licitaes a serem realizadas em fevereiro e maro para obras em ruas de bairros e distritos. Todas em paraleleppedo. So do pacote anunciado no final de dezembro.

    desmembramentoA demanda na rea de engenharia (j houve dia com

    8 licitaes) fez com que a prefeitura decidisse criar uma comisso de licitao especfica para o setor, que inclui alm de pavimentao, a recuperao de praas, a reforma ou construo de escolas. A outra comisso responde pelo restante das licitaes.

    Revogao do lixoComo nunca houve deciso judicial definitiva da

    justia sobre a licitao para o servio de coleta do lixo e aterro sanitrio, a prefeitura decidiu revogar esta semana a licitao, que teria ocorrido em agosto, mas no aconteceu devido a uma liminar.

    A fim de contornar a questo que deu origem ao judicial de uma das concorrentes, o governo decidiu separar a licitao em duas, uma para operao de aterro sanitrio e outra para a coleta. Ambas esto marcadas para fevereiro.

    No ano passado, uma das concorrentes alegou que o edital exigia (o governo negou) que a empresa possusse aterro no municpio, condio que privilegiaria a Sustentare, nica a atender a este pr-requisito.

    Fui convidado esta semana pelo programa De olho na cidade, na Rdio Sociedade AM, conduzido pelo radialista Jorge Bianchi, para analisar o quadro eleitoral para 2014. Resumo aqui o comentrio, feito na entrevista ao reprter Kleiton Costa.

    A eleio ser mais competitiva, com a candidatura de Ldice da Mata. Ainda que ela no possa se apresentar como uma opositora de Wagner (pois s deixou o governo para seguir orientao nacional do PSB, que procura viabilizar Eduardo Campos para presidente), certamente conseguir votos que podem alterar o resultado da eleio. Portanto, ser muito diferente dos ltimos trs pleitos para o governo, polarizados entre PT e DEM.

    No h dvida de que o governo Wagner tem um forte desgaste com grande parte da populao. Seu principal ponto fraco, ele mesmo admite, a segurana pblica. de duvidar, porm, que este tema seja suficiente para impor uma derrota ao PT, considerando que a maior parte do eleitorado se constitui de pessoas pobres, favorecidas pelas polticas sociais

    em abril terminaA concluso da Nide Cerqueira foi inicialmente

    anunciada para fevereiro. Sempre enfatizando que a obra cumpria o cronograma, o deputado e lder do governo, Z Neto, passou a dizer depois que o prazo seria maro. Esta semana, enxertada em notcia sobre a avenida Pinto de Aguiar em Salvador, aparece a informao mais realista de que ser no ms de abril a entrega da obra. Mas sempre dentro do cronograma. Do incio da obra - em agosto do ano eleitoral de 2012 - at agora, metade dos 8 quilmetros ficaram prontos.

    Famfs ainda na mesmaFoi em janeiro de 2013 que a imprensa recebeu o

    primeiro convite para acompanhar visita de Z Neto com secretrio do estado Famfs (houve outras ao longo do ano). Nada se resolveu ainda. Segundo o deputado, no final do ano passado apareceu a possibilidade de soluo, por meio de uma outra entidade, que assumiria no lugar da Famfs, j que esta no consegue se desvencilhar de suas pendncias. A dvida se a nova organizao seria com ou sem a participao de Antnio Lopes, que sempre esteve frente da Famfs.

    At que enfimOutra confuso ancestral envolvendo o deputado

    a empresa Delta que presta servio rede estadual de educao, por meio de funcionrios terceirizados. Os funcionrios desta no receberam em dia nem mesmo quando o Ministrio Pblico do Trabalho interveio para solucionar casos envolvendo outras terceirizadas, inclusive na capital. O deputado diz ter perdido a pacincia. Tem que tirar a empresa, passou dos limites, vaticinou.

    Prognsticos eleitorais de 2014

    do partido e que vm se mantendo fieis ao PT na hora do voto. Na eleio estadual h forte influncia do plano federal, onde Dilma continua favorita.

    O desconhecimento da populao em relao a Rui Costa fcil de superar como foi superado o desconhecimento de Dilma, que era at dado momento to somente a candidata de Lula.

    A conjuntura baiana, entretanto, diferente da nacional, pois se Dilma tinha a empurr-la o presidente Lula, Rui Costa tem como padrinho Wagner, que, como dito, no est com essa bola toda. Ao mesmo tempo, a oposio tem o controle sobre os dois maiores colgios eleitorais do estado - Feira de Santana e Salvador - onde os prefeitos do DEM fazem mandatos com forte aceitao popular.

    Concluso: no fcil, mas perfeitamente possvel vencer Rui Costa, embora os nomes de Paulo Souto e Geddel, hoje os mais provveis a concorrer pela oposio, sofram rejeio significativa do eleitorado, cada um por suas razes.

    Um cenrio alis - coisa que esqueci de ressaltar no rdio - que pode fazer com que Ldice da Mata venha a surpreender, abocanhando uma vaga em um eventual segundo turno.

    Faz tempo que o eleitor de Feira de Santana no concede aos candidatos locais votos suficientes para constituir uma espcie de bancada feirense, nem na Assembleia Legislativa nem na Cmara Federal. Portanto, no d para ficar otimista com um possvel aumento da representao da cidade.

    Temos em Braslia Fernando Torres e Colbert Filho. Este, ficou na suplncia em 2010. Como novo aliado de Jos Ronaldo, perder votos de quem o identificava como oposio no municpio. Ronaldo far esforo suficiente para compensar estas perdas em outubro? S as urnas diro.

    Fernando Torres em 2010 teve apoio do ento prefeito Tarczio e do prprio Ronaldo. Este agora adversrio e aquele no tem mais a mquina da prefeitura. Ancorado em seu poderio econmico, Torres pode permanecer em Braslia, ainda que tenha que buscar foras/votos em outros municpios, como j est fazendo. Outro candidato a federal mais em evidncia Z Chico, que ter pela frente a muito difcil tarefa de superar os figures do DEM no estado.

    Na Assembleia Legislativa, Targino

    Perspectivas dos feirenses Machado conhece o caminho das pedras, j tendo sido eleito diversas vezes. Carlos Geilson provou em duas eleies seguidas - uma em que se elegeu e outra em que quase chegou l - que tem luz prpria. Com o mandato na mo, cumpriu com destaque seu papel de oposicionista, o que o credencia a retornar.

    Pelo PT, Z Neto tem votos em Feira e em toda a Bahia. A espinhosa misso de lder do governo tem seus bnus. Seu correligionrio e adversrio interno ngelo Almeida se articula h muito e pode conseguir fazer-lhe companhia no Legislativo estadual.

    Esto na Assembleia atualmente Jos de Arimatia e Graa Pimenta. O primeiro eleito pela igreja Universal. No propriamente um representante de Feira de Santana. A deputada alm de no contar mais com o marido Tarczio no poder, teve em quatro anos uma das atuaes mais irrelevantes que se possa imaginar. Difcil acreditar em seu retorno. Mais lideranas fortes no h. Eventuais vitrias de outros, como Lulinha, vo depender da imprevisibilidade do coeficiente eleitoral.

  • 4 Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014

    ASSIM FALOUROSeANA SARNeY, governadora do Maranho (PMdB)

    Um dos problemas que esto piorando a segurana que o estado est mais rico, o que aumenta o nmero de habitantesO Maranho, controlado pela famlia Sarney desde 1966, tem o segundo pior IDH entre os estados brasileiros

    ZeCA BALeIRO, compositor e cantor maranhense, nascido em 1966

    No presdio de Pedrinhas, cabeas so cortadas. Resta saber se, para alm dos muros da priso, algum um dia ir para a guilhotina

    ACM e Wagner tm uma relao que a gente pode chamar at de parceria. Mas entre Z Neto e Z Ronaldo essa trgua nunca chega. Por qu?

    Em Salvador, o contato poltico-administrativo feito diretamente entre prefeito e governador. No tem deputado, no tem pessoas Pode ter e deve ter, secretrios. Da prefeitura e do estado.

    Por que Z Ronaldo e Z Neto no chegam a um entendimento?

    Olha, de minha parte no h desentendimento nenhum. Em Salvador no tem isso. Logo no incio, Nelson Pellegrino, que foi o candidato que perdeu para ACM Neto, comeou com aquele rano da campanha, depois viu que no era o caminho dele. Eu nunca mais vi opinio de Pellegrino na imprensa, no li mais nada. Ou seja, ele deve ter administrado e viu que estava cometendo um erro. Quando me encontro com o governador, no vejo nada de anormal nem problema nenhum. Eu sempre disse desde o incio que Feira grande. maior que Z Ronaldo, maior que qualquer ser humano que milita na atividade poltica ou privada. Se Feira tudo isso, tem de ser respeitada como ela . Pra voc ter xito nas conquistas da cidade, no precisa de aval do deputado A, B ou C. No podemos ter nada condicionado para Feira, ter obrigao de passar pela mo de um poltico A ou B. Eu era lder do governo na Assembleia Legislativa da Bahia [Ronaldo foi lder de Paulo Souto por quatro anos]. Jos Raimundo Pereira de Azevedo prefeito de Feira. Ele queria fazer uma grande obra, que era a abertura da Olmpio Vital. Era um volume de dinheiro muito grande para desapropriar todos aqueles imveis e a obra em si, que era a avenida e o SAC, que foi feito tudo na mesma poca. Naquela poca Z Raimundo tava conversando com Paulo Souto para fazer isso e em momento algum Z Raimundo se reuniu com Jos Ronaldo, lder do governo, para poder isso ser liberado. A conversa foi diretamente Z Raimundo-Paulo Souto. E o governador atendeu sem nenhuma dificuldade.

    Somos uma grande cidade. Essas coisas no precisam estar acontecendo. Eu quando me encontro com o deputado, cumprimento, ele me cumprimenta, tenho participado de alguns eventos de coisas que so feitas entre o governo federal, o estadual, e o municipal. Ningum nunca me me viu ter uma queixa, uma reclamao contra o governo federal. Porque nunca fiz. Fui prefeito oito anos e sempre disse que tive em Braslia um bom relacionamento. Sou de novo e tive no primeiro ano um timo relacionamento. O que a gente precisa colocar os interesses da cidade acima dos poltico-partidrios.

    Essa relao limita as possibilidades de investimento do estado em Feira?

    No sei. De minha parte parte no. No levo isso em considerao. No sei se o governador leva. Mas eu no levo.

    Glauco Wanderley

    A diferena dele para ACM Neto que ACM Neto valoriza o apoio do estado, do governo federal. o que pensa o lder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Z Neto, sobre o prefeito de Feira de Santana, Jos Ronaldo. A dificuldade de relacionamento entre os dois - em contraste com a parceria que se verifica entre o prefeito da capital e o governador Wagner - foi um dos temas da longa entrevista concedida pelo prefeito feirense na edio da Tribuna Feirense na semana passada (veja nesta pgina o que o prefeito falou sobre o assunto).

    No entendimento do petista, Ronaldo esconde deliberadamente a ajuda que recebe e isso desde o governo Lula, que Z Neto reputa como grande timoneiro do desenvolvimento de Feira de Santana.

    O deputado considera que o Luz para Todos promoveu uma revoluo nos distritos, mas Ronaldo no deu crdito ao governo federal. Voc pensa que ele quando saiu por a inaugurando disse a algum que foi de Lula? Ou falou em algum programa que era do governo federal?, critica.

    A avaliao do petista que Ronaldo no evoluiu e precisa aprender a valorizar as parcerias. O problema nem s com o governo estadual. Ele esconde todo o apoio que tem do governo federal, esconde o que tem do governo estadual e faz questo de no citar.

    No fundo, segundo o petista, Ronaldo no gosta do apoio. Os exemplos que menciona so o clebre caso da avenida Ayrton Senna, que a prefeitura far com emenda ao oramento do senador Joo Durval,

    Z Neto diz que Ronaldo esconde e rejeita parcerias

    dispensando uma outra que viria por meio de Fernando Torres; e duas praas esportivas: uma quadra a ser construda no Feira X e um campo de futebol a ser reformado no Feira IX, com dinheiro de emenda parlamentar do senador Walter Pinheiro, no valor de R$ 240 mil. O dinheiro voltou para Braslia, porque as providncias necessrias no foram adotadas. A prefeitura alegou que o terreno era do estado, a quem caberia dar andamento ao processo. O deputado chama a explicao de desculpa esfarrapada, j que as reas so institucionais e, independente do proprietrio, a prefeitura quem tem poder de deciso sobre elas e precisa dar autorizao para construo. claro que ele no queria, acusa o petista.

    Neto questiona se, alm dele, o deputado Fernando Torres tambm um empecilho, j que sua verba foi dispensada. Ele dizer que eu empato? Ao contrrio, eu ajudo. Quem dera todo governo tivesse um deputado que diariamente quer interlocuo e quer ajudar a cidade, garante.

    De acordo com Z Neto, o prefeito feirense tem acesso ao estado e j se reuniu com vrios secretrios, com o governador e com o presidente da Embasa. Mas no estaria correspondendo, pois na

    Sade, prejudica a gesto estadual. Para sufocar a gente, permanentemente. Agora mesmo tem 20% de corte do SUS. S no HTO cortou 30% das cirurgias, sobrecarregando de forma excessiva nosso governo e nosso atendimento, avalia, referindo-se ao impacto sobre o Clriston Andrade. Ser que isso a por causa de Z Neto ou a histria outra?, indaga.

    NATAL E MCMV

    Outros exemplos da ingratido que Z Neto julga existir so no Minha Casa Minha Vida e no Natal Encantado, grande sucesso da administrao municipal no final do ano. A gente ajudou por demais o Natal de Feira, com orquestra sinfnica, com bal, tudo vindo do governo do estado. Pergunta quantas pessoas souberam disso? Qual foi a propaganda institucional que fez agradecendo ao governo ou pelo menos citando o governo no que estava ajudando?, comenta.

    J no programa habitacional, que basicamente federal, a ao da prefeitura, na viso de Neto, visa diminuir a importncia poltica da participao do governo Dilma. Ele faz propaganda do Minha Casa Minha Vida, e diz que fruto de convnio com a Caixa. Parece que foi um financiamento que ele pegou. Quem ouve a

    propaganda pensa que . Se bem que o povo no to bobo, aposta.

    Lembrado de que o prprio governo estadual usa muito o programa em suas propagandas, o deputado atribui um papel fundamental do seu governo para o programa ter alcanado sucesso localmente. Sem apoio poltico do governo estadual, nosso, tinha condies de Feira de Santana estar com 32 mil casas, sem contrapartida praticamente nenhuma, em cinco anos de programa? S agora que comearam, com muito atraso, duas avenidas para construir, que era obrigao desde o comeo. a cidade do brasil que mais tem unidades habitacionais. Se no fosse a Embasa, dando contrapartida, para segurar o programa e o governo estadual, com o governador Jaques Wagner, no tnhamos em Feira hoje nem 2 mil casas. Foi algum prefeito que foi l buscar? Voc acha que foi? Foi por causa da cor dos olhos dele?, dispara.

    Apesar do julgamento desfavorvel, o lder do governo se diz aberto a se reunir com o desafeto. Estou disposio, no tenho problema nenhum pessoal com ele. O problema poltico existe, mas temos que contornar isso. Se ele quiser conversar comigo, estou disposio. No h problema nenhum, garante.

    Na entrega de casas no final de dezembro, ocorreu um encontro geral de desafetos

    Ronaldo: Feira no precisa de aval de deputado

    Na entrevista Tribuna semana passada, Ronaldo comentou sobre o relacionamento com Z Neto e o governo do estado nos termos reproduzidos abaixo

  • Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014 5

    No deixe a Lagoa Grande secar de indiferena.

    Vamos salvar o

    Parque.

    VALMA SILVA

    Com uma frota de mais de 200 mil veculos, estacionar carros no centro de Feira de Santana uma daquelas tarefas simples que se tornam um problema que se agrava. Com a determinao judicial de suspenso da licitao da Zona Azul, que reorganizaria as vagas pblicas, por enquanto no h perspectiva de resoluo. Quem se aproveita so os donos de estacionamento privativo, que no contentes com o lucro, praticam vrios abusos e infraes contra os consumidores.

    O Cdigo de Defesa do Consumidor e leis municipais estabelecem diversos direitos dos usurios que so desrespeitados. No total, so mais de 16 artigos legais que se dedicam a regulamentar o funcionamento desses espaos. Em 2013, nada menos que 90 dos 120 estacionamentos

    Consumidor lesado nos estacionamentos privados

    de Feira de Santana foram notificados pelo Ministrio Pblico e pela Superintendncia de Defesa do Consumidor (Procon), por irregularidades diversas.

    Na mais recente fiscalizao, em parceria do Procon e Ministrio Pblico, foram emitidos autos de infrao para quatro estacionamentos e outros quatro acabaram interditados. Em apenas trs no foram encontrados problemas.

    Uma das questes mais urgentes a prpria regularizao. Para existirem legalmente, precisam ter inscrio municipal, emitida pela Sefaz, pagar IPTU (Imposto sobre a Propriedade Territorial e Urbana), ISS (Imposto Sobre Servio de qualquer natureza), TFF (Taxa de Fiscalizao de Funcionamento) e TLP (Taxa de Licena de Publicidade). A maioria no atende a esses pr-

    requisitos.Isso j demonstra

    que aquele estabelecimento est funcionando de forma irregular. Os donos devem pagar os tributos como qualquer comerciante. No h desculpa para no pag-los, j que trata-se de uma atividade bem rentvel, aponta Svio, que v no constante surgimento de novos empreendimentos no ramo uma demonstrao da lucratividade do negcio.

    Os donos de estacionamento precisam entender que esto prestando um servio comunidade e que isso se d mediante regras. No podem se achar no direito de fazerem o que bem entenderem, pois a lei existe para todas as pessoas, todos os segmentos. Vamos lutar at o fim para que se faa valer o Cdigo de Defesa do Consumidor e impere o direito do cidado avisa o promotor Svio Nascimento.

    Quem precisa utilizar estacionamento privativo tem que mexer no bolso sem pena. O valor mdio de R$ 5,00 por hora. As mulheres que gostam de passar a manh de sbado em compras no centro da cidade, por exemplo, gastam pelo menos R$ 20,00 com o servio. Mesmo que eu chegue cedo no encontro vaga disponvel, ento j coloco o valor do estacionamento no oramento das compras, afirma a professora Ftima Nunes da Costa. Mas Ftima no sabia que a partir da segunda hora, pode

    Publicidade dos direitos(leis e preos devem estar expostos ao consumidor)

    10 minutos de tolerncia (quem fica menos tempo no precisa pagar)

    Cobrana fracionada de meia em meia hora (no vale cobrar o valor de uma hora para quem fica 20 minutos, por exemplo)

    Metade do valor a partir da segunda hora(no local em que a hora R$ 5, quem fica duas horas paga R$ 7,50)

    Leis que devem ser observadas

    Usurios desconhecem direitos que possuempagar metade da primeira. Nunca tive a sorte de estacionar em um local com essa regra. A partir de agora vou ficar mais ligada, promete.

    A estudante Maria Julia Vasconcelos tambm no sabia da cobrana fracionada a partir da segunda hora. Nunca vi a placa, e ningum jamais me disse. Acho que as leis precisam ser mais divulgadas para a gente poder cobrar o cumprimento delas. Acredito que, assim como eu, muita gente no sabe.

    A empresria Carla Arapiraca conhece a

    regra que concede 10 minutos de tolerncia, mas no consegue exercer o direito. s vezes vou fazer algo rpido, como ir a um caixa eletrnico ou pegar uma encomenda. Mesmo assim sou cobrada e preciso pagar, ainda que argumente. Como j recebeu multa por parada em fila dupla, sempre recorre aos estacionamentos.

    O aposentado Marlos Brando reclama do nmero reduzido de vagas para deficientes e idosos. Conta que s vezes precisa procurar bastante at encontrar uma vaga

    para ele, que tem 66 anos. Isso um desrespeito com o consumidor, com o cidado, protesta.

    Suzana Mendes, coordenadora do Procon, orienta os consumidores que no tiverem seus direitos garantidos a solicitar o cupom fiscal do estacionamento e se dirigirem at a sede do rgo (fica na rua Castro Alves, 635), para que sejam adotadas as devidas providncias previstas em lei, como advertncia, multa e at mesmo cassao do alvar de funcionamento e interdio.

    A proliferao de estacionamentos mostra a lucratividade do negcio, segundo o promotor

    ALONSO AMARAL

  • 6 Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014

    Adilson Simas

    FeIRA ONteMadilson-simas@bol.com.br

    Me Socorro, destaque de 1970

    Waldick canta e pede votos

    Inaugurao desprestigiadaCom o ttulo Rei

    Morto, o jornal Feira Hoje disse na sua edio de sbado, 10 de maro de 1979: Poucas pessoas compareceram ontem inaugurao do prdio da agncia do Baneb embora muitos tenham sido os convites enviados. Alguns desses convidados, mais sinceros, chegaram mesmo a confidenciar o motivo da ausncia: temiam ser vistos em companhia do governador Roberto Santos cujo mandato expira no prximo dia 15 -, por pessoas ligadas ao futuro governador ACM, cujo mandato comea no mesmo dia

    A edio do semanrio Feira Hoje que circulou no sbado, 2 de janeiro de 1971, foi bastante disputada nas bancas de jornais e revistas da cidade, por conta da coluna Machadadas, assinada pelo jornalista Franklin Machado, trazendo, com a sua irreverncia, a relao Os Melhores de 1970 nos diversos segmentos da vida feirense.

    Entre os eleitos, o jornalista apontou o boi que todas as noites vem limpar os restos alimentcios na Praa da Matriz como o melhor patrulheiro noturno e o jegue que fica no entroncamento do Anel

    de Contorno com a Rodovia Transnordestina como o melhor guarda de trnsito. Franklin conclui a longa lista apontando Maria do Socorro Romo, a Me Socorro, como o grande destaque de 1970 explicando:

    - Me Socorro, conhecida no terreiro como Mataluanda, durante todo ano recebeu (nem sempre luz do dia ou s escuras) a nossa alta sociedade...

    Em agosto de 1976 a cidade vivia em ritmo era eleitoral, a campanha agitando a sede e os distritos, com os candidatos Colbert Martins (MDB) e ngelo Mrio de Carvalho (Arena) sendo recebidos por milhares de pessoas em todos os comcios.

    Mesmo com a efervescncia poltica, a Euterpe Feirense trouxe mais uma atrao artstica e como se tratava do bomio Waldick Soriano, ampla foi a cobertura da imprensa. Com a inseparvel indumentria - terno preto, culos escuros e chapu cowboy - Waldick causou delrios logo na primeira

    msica: Renunciar seria a soluo, mas no apagaria de nossa alma cruel paixo....

    Na sua edio n 694 o jornal Feira Hoje destacou o pedido feito por Waldick Soriano antes de encerrar o show, com o carro chefe Justia de Deus:

    - Estou aqui tambm para pedir que os meus fs votem no candidato Colbert Martins...

    15, mas que s termina quatro anos depois. O prefeito Colbert Martins que esteve no ato, em nome da cidade, disse aos assessores ao ler a notinha publicada no Etc&Tal do jornal:

    - Em casa de poltico sem mandato nasce limo nos passeios

    Segundo balano divulgado pela direo do HDPA (Hospital Dom Pedro de Alcntara), cerca de 82% dos atendimentos realizados at outubro do ano passado pelo hospital foram pelo SUS (Sistema nico de Sade), percentual bem acima do mnimo de 60% exigido das entidades filantrpicas, como o caso da unidade feirense.

    Nos primeiros dez meses de 2013 foram realizados 331.647 atendimentos na unidade, dos quais 280.590 pelo

    HdPA tem 80% dos atendimentos pelo SUS

    SUS e 51.057 particulares. Os pacientes do SUS fizeram mais de 205 mil exames laboratoriais, foram submetidos a 681 tomografias computadorizadas, 1.111 ecocardiogramas e 1.699 mamografias, entre outros procedimentos.

    No setor de Pronto Atendimento, o ortopdico atendeu 14.563 pacientes exclusivamente pelo SUS e fez outros 5.952 atendimentos clnicos. O HDPA o nico hospital credenciado rede pblica que faz cirurgia da cabea e do pescoo.

    Na Unidade de

    Cardiologia, foram realizados mais de 1,2 mil atendimentos, com destaque para o cateterismo exame para verificar a presena de entupimento nas artrias, bem como observar o funcionamento das vlvulas e msculo cardacos, importantes para se chegar a um diagnstico preciso. Os pacientes cardiolgicos do HGCA (Hospital Geral Clriston Andrade) so transferidos para o Dom Pedro quando necessitam de procedimento cardiovascular.

    Alm deste setor, o HDPA oferece atendimento na rea de oncologia, os nicos servios de alta complexidade da unidade credenciados ao SUS. No perodo citado foram realizadas 15.822 sesses de quimioterapia 1.396 pessoas esto em tratamento e 820 novos pacientes foram admitidos e 619 de radioterapia (com 126 pessoas em tratamento). Em mdia, 245 cirurgias oncolgicas so realizadas mensalmente.

    A presidente Dilma Rousseff escreveu ontem (16) em sua conta no Twitter que o governo federal ir investir R$ 1 bilho para que os moradores do semirido tenham acesso gua. A meta entregar 269 mil cisternas.

    Segundo Dilma, a evoluo do programa de cisternas d a segurana de que o governo ir cumprir a meta. Em 2011, entregamos 88 mil cisternas. Em 2012, 150 mil. Em 2013, 238 mil, relatou a presidente. Com as cisternas, a chuva armazenada em um

    dilma promete mais um bilho para cisternas

    reservatrio capaz de garantir gua para atender a uma famlia de cinco pessoas em um perodo de estiagem de oito meses, explicou.

    De acordo com o Ministrio do Desenvolvimento Social, o programa financia a construo de cisternas de placas de cimento. Trata-se de uma tecnologia simples e de baixo custo, na qual a gua da chuva captada do telhado por meio de calhas e armazenada em um reservatrio.

    DECRETO N 9.106, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013.

    Dispe sobre autorizao e reconhecimento e confisso de dvida da Fundao Hospitalar de Feira de Santana com a EMPRESA BAIANA DE GUAS E SANEAMENTO S/A EMBASA.

    O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, Estado da Bahia, no uso de suas atribuies que lhe so conferidas por Lei, atravs da Emenda n 29/2006, Lei Orgnica do Municpio,

    Considerando que a Lei n 3.393, de 27 de junho de 2013, autorizou o poder Executivo a firmar Termo de Confisso de divida e acordo de parcelamento e quitao de dbitos com EMPRESA BAIANA DE GUAS E SANEAMENTO S/A EMBASA,

    Considerando que a Fundao Hospitalar de Feira de Santana, pessoa jurdica de direito pblico, criada por Lei Municipal n 1.641, de 08 de julho de 1993, regulamentada pelo Decreto n 5.556, de 09 de junho de 2003 e pertencente a esta administrao pblica,

    DECRETA:

    Art. 1 - Fica autorizado a Diretora Presidente da Fundao Hospitalar de Feira de Santana e das unidades pertencentes a esta (Hospital Incia Pinto dos Santos, Hospital da Criana, Centro Municipal de Diagnstico por imagem CMDI e Centro Municipal de Preveno ao Cncer - CMPC), a reconhecer e confessar dvida decorrente do servio de fornecimento de gua e formar acordo de parcelamento com EMPRESA BAIANA DE GUAS E SANEAMENTO S/A EMBASA em at 36 (trinte e seis) meses.

    Art. 2 - As despesas decorrentes deste parcelamento correro por conta da dotao oramentria da Fundao Hospitalar de Feira de Santana.

    Art. 3 - Este Decreto entrar em vigor na data de sua publicao, revogadas as disposies em contrrio. Gabinete do Prefeito, 13 de dezembro de 2013.

    JOS RONALDO DE CARVALHOPREFEITO

    MARIO COSTA BORGESCHEFE DE GABINETE DO PREFEITO

    EXPEDITO CAMPODNIO ELOYSECRETRIO MUNICIPAL DA FAZENDA

    GILBERTE LUCAS DIRETORA PRESIDENTE DA FUNDAO HOSPITALAR DE

    FEIRA DE SANTANA

    PORTARIA N 001/2014

    O DIRETOR SUPERINTENDENTE MUNICIPAL DE TRNSITO, no uso de suas atribuies legais e com base nos arts. 171 e seguintes da Lei Complementar 001/94, considerando o que consta do Processo n 002-SMT/2013,

    RESOLVE:Art. 1 - Suspender a Sindicncia referente ao processo acima

    citado, em virtude dos membros encontrarem-se em gozo de frias, com efeito retroativo, de 01 de janeiro de 2014 at 05 de maro de 2014.

    Art. 2 - Esta Portaria entrar em vigor na data da sua publicao, revogadas as disposies em contrrio.

    Feira de Santana, 15 de janeiro de 2014.Francisco Antonio Brito Nogueira Jnior

    Diretor Superintendente

    PORTARIA N 002/2014

    O DIRETOR SUPERINTENDENTE MUNICIPAL DE TRNSITO, no uso de suas atribuies legais e com base nos arts. 171 e seguintes da Lei Complementar 001/94, considerando o que consta do Processo n 003-SMT/2013,

    RESOLVE: Art. 1 - Suspender a Sindicncia referente ao processo acima citado, em virtude dos membros encontrarem-se em gozo de frias, com efeito retroativo, de 01 de janeiro de 2014 at 05 de maro de 2014. Art. 2 - Esta Portaria entrar em vigor na data da sua publicao, revogadas as disposies em contrrio.

    Feira de Santana, 15 de janeiro de 2014.Francisco Antonio Brito Nogueira Jnior

    Diretor Superintendente

    PORTARIA N 003/2014O DIRETOR SUPERINTENDENTE

    MUNICIPAL DE TRNSITO, no uso de suas atribuies legais e com base nos arts. 171 e seguintes da Lei Complementar 001/94, considerando o que consta do Processo n 004-SMT/2013,

    RESOLVE: Art. 1 - Suspender a sindicncia referente ao processo acima citado, em virtude dos membros encontrarem-se em gozo de frias, com efeito retroativo, de 01 de janeiro de 2014 at 05 de maro de 2014. Art. 2 - Esta Portaria entrar em vigor na data da sua publicao, revogadas as disposies em contrrio.

    Feira de Santana, 15 de janeiro de 2014.Francisco Antonio Brito Nogueira Jnior

    Diretor Superintendente

    Rua Quintino Bocaiva - 701 - Ponto Central - Feira de Santana - (75)3225.7500/3223.6180

    classificados@tribunafeirense.com.br

  • Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014 7

    ordacHSon GonalVeS

    Um nico objetivo move o Fluminense de Feira em 2014: voltar elite do futebol baiano. E o comeo deste desafio j tem data definida. Ser no dia 16 de maro, com o trmino da competio previsto para 25 de maio para as equipes que chegarem final e conseqentemente garantirem suas vagas na 1 diviso do Campeonato Baiano em 2015.

    Alm do Fluminense de Feira, nico time do interior que bi-campeo baiano, tambm disputaro o chamado Torneio de Acesso: Jequi, Flamengo de Guanambi, Colo-Colo, Ipitanga, Itabuna, Ypiranga, Atltico de Alagoinhas, Jacobina e Lenico. Para se preparar para alcanar seu maior objetivo do ano, o Fluminense ter 60 dias de pr-temporada.

    A equipe ser comandada pelo tcnico Nlio Barbosa. Por enquanto a base a equipe

    Esta ser a segunda participao do Bahia de Feira na Copa do Brasil. O clube participou da competio em 2012, logo depois de ter conquistado o indito ttulo estadual. Na primeira fase jogou contra o Aquidauanense/MS, quando perdeu a partida de ida por 1 x 0, jogando em Dourados/MS, porm no segundo confronto em Feira de Santana reverteu a situao quando venceu por 2 x 0 e se classificou.

    O trabalho de pr-temporada do Fluminense de Feira, visando a disputa do Campeonato Baiano da 2 Diviso, est sendo iniciado com 30 jogadores pr-selecionados, todos oriundos das categorias de base. O tcnico Nlio Barbosa far uma espcie de peneira, selecionando atletas que vo compor o plantel da equipe para a competio que dever ser reforado com outros contratados.

    De acordo com o treinador, esse trabalho ser realizado em duas fases. Temos o perodo preparatrio bsico, com o trabalho fsico e aperfeioamento do trabalho ttico. A segunda fase o trabalho de transformao, que a gente denomina de afinamento, e a nossa expectativa encerrar esta etapa nos ltimos dias da pr-temporada, pontua.

    Questionado quanto ao tempo hbil para profissionalizar alguns jogadores incorporados categoria de base do Fluminense, mas que h pouco tempo atuavam no futebol amador, o tcnico se mostra otimista.

    Fluminense inicia pr-temporada para disputa da Segunda diviso

    sub-20, que disputou a Copa So Paulo de Futebol Jnior. Mas os contatos j esto sendo feitos pela diretoria e alguns jogadores devem chegar na prxima semana. Entretanto o diretor Luis Paolilo diz que a filosofia para este ano valorizar as pratas da casa.

    Alguns do sub-20 j

    so profissionais, outros sero profissionalizados e integrados equipe principal. Essa a nossa filosofia, valorizar esses atletas que consideramos como patrimnio do Fluminense. Mas estamos em busca de outros jogadores

    diferenciados, revela o dirigente.

    PARCERIA COM O BAHIA

    Uma possibilidade que est gerando boas expectativas por parte de dirigentes e torcedores

    uma parceria com o Esporte Clube Bahia, na qual o Tricolor de Ao disponibilizaria a sua equipe B, formada por jogadores que no estejam sendo utilizados no time principal, ao Fluminense de Feira para a disputa do Baiano da 2 Diviso.

    Estamos mantendo contato com os dirigentes do Bahia, as conversas esto avanando e j demonstramos o nosso interesse nessa parceria, que ser boa para o Fluminense, pela qualidade dos jogadores que estaro vindo, e tambm para o Bahia, que ter uma alternativa para manter todos os atletas na ativa, completa.

    2 DIVISO

    A frmula do Campeonato Baiano da

    2 Diviso foi apresentada aos dirigentes dos clubes na ltima segunda-feira. Na primeira fase, entre 16 de maro e 11 de maio, os dez clubes ficaro em um mesmo grupo, onde todos se enfrentaro em jogos apenas de ida. Os rebaixados da elite em 2013 e os trs melhores colocados na Segunda Diviso do mesmo ano tero a vantagem de jogar cinco partidas em casa.

    O sistema de pontos corridos ser mantido e os dois primeiros colocados conquistaro o acesso Primeira Diviso de 2015. Ambos ainda disputaro, em jogos de ida e volta, o ttulo, nos dias 18 e 25 de maio. Alm dos trofus de campeo e vice, as duas equipes garantiro vagas na Copa Governador do Estado, que vale uma das vagas na Copa do Brasil.

    30 jogadores pr-selecionadosOs jogadores

    que chegarem para se incorporar a esse plantel vo se adaptar conforme a nossa organizao. Estabelecemos uma estratgia de preparao que torna mais fcil a adaptao destes atletas, explica Barbosa.

    O treinador tambm demonstra boas expectativas quanto ao aproveitamento dos jogadores que disputaram a Copa So Paulo de Futebol Jnior. Mas observa que h a possibilidade de no poder contar com todos, justamente pela boa atuao na competio. Alguns j esto despertando o interesse de outras equipes, a exemplo do goleiro Pavo.

    Se ele tem essa oportunidade de ir para o Palmeiras ou para o So Carlos, vai ser muito bom para o atleta e vamos torcer para isso. Mas se ele permanecer no Fluminense, claro que vamos dar a oportunidade a ele, pois se trata de um grande goleiro e demonstrou isso na Copa So Paulo, completa o treinador.

    Bahia de Feira e Corinthians agrada a diretoria Na segunda fase

    enfrentou o So Paulo. Foi apenas uma partida, mas o suficiente para que colocasse o clube e a cidade em destaque nacional: um estdio lotado, como h muito no se via, alm de toda a ateno da mdia nacional. Dois canais de TV abertos e um fechado transmitiram o jogo, que teve tambm o acompanhamento de diversas emissoras de rdio baianas e paulistas, alm de blogs, sites e jornais.

    O Corinthians um clube de grande apelo popular, com grande massa torcedora espalhada por todo o Brasil e atende s expectativas dos dirigentes do Bahia de Feira. Ns queramos muito um clube de grande apelo porque poderemos ter toda este aparato de novo, alm de podermos explorar bastante aes de marketing, no sentido de ter novamente o estdio lotado, como ocorreu quando jogamos aqui com o So Paulo, observou Jodilton Souza,

    presidente do Conselho Deliberativo do clube.

    Esta ser a segunda vez que o Corinthians vai jogar em Feira de Santana. A primeira foi em 2008, pelo Campeonato Brasileiro da Srie B, quando enfrentou o Bahia, que estava utilizando o Jia da Princesa, j que a Fonte Nova estava fechada e o Estdio Metropolitano de Pituau ainda estava sendo reconstrudo. Na oportunidade o time paulista que foi campeo da Srie B venceu o Bahia por 3 x 0.

    Rua Quintino Bocaiuva - 701 - Ponto Central - CEP 44075-002 - Feira de Santana - PABX (75)3225.7500/3223.6180

    OS teXtOS ASSINAdOS NeSte jORNAL SO de ReSPONSABILIdAde de SeUS AUtOReS.

    Fundado em 10.04.1999www.tribunafeirense.com.br / redacao@tribunafeirense.com.brFundadores: Valdomiro Silva - Batista Cruz - Denivaldo Santos - Gildarte Ramos

    Editor - Glauco Wanderley Diretor - Csar OliveiraEditorao eletrnica - Maria da Piedade dos Santos

    Presidente do Flu, Fbio Lucena (logo atrs do retroprojetor) na reunio da Federao Baiana de Futebol

  • 8 Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014

  • Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014 9

  • 10 Feira de Santana, sexta-feira 17 de janeiro de 2014