Diario de Campo Pedagogia

  • Published on
    09-Dec-2015

  • View
    33

  • Download
    1

DESCRIPTION

diario de estagio pedagogia

Transcript

ApresentaoAs Diretrizes Curriculares da Educao de Jovens e Adultos (2006) apresenta como pblico alvo para essa modalidade de ensino alunos com maior idade, jovens e adultos que tentam superar a defasagem nos seus estudos com o objetivo de se inserir ou se manter no mercado de trabalho, se trata de um pblico diversificado e heterogneo.No entanto importante notar que uma educao voltada para um pblico que no teve acesso ao ensino regular ou que por algum motivo no o concluiu. Agora esto retomando as atividades escolares e o mtodo de ensino, deve priorizar as necessidades bsicas do indivduo e ao mesmo tempo promover uma aprendizagem que busca satisfazer os anseios dos alunos, pois necessrio observar a carga de conhecimentos que estas pessoas possuem, para que se possa oferecer um ensino satisfatrio.Diante disto, ressalto as dificuldades que os alunos demonstram com a matemtica, pois como j mencionado acima fazem parte de um contexto que apresenta realidades diferentes no que se refere idade, profisso que exercem, perodo que frequentaram ou no a escola ou ainda o grau de escolarizao, percebe-se nessa dinmica a realidade sociocultural, vontades e dificuldades na aquisio da aprendizagem, sobretudo da compreenso da matemtica, no entanto ao analisar o perfil da turma observada e fazendo relao com os estudos feitos sobre a modalidade EJA, essa modalidade atende adolescentes, jovens e adultos, que do ponto de vista de perspectivas, caminham em direes contrrias, no que se refere maturidade, desejos e sonhos.Portanto, a proposta de Interveno Pedaggica teve como objetivo, apresentar mtodos que puderam ser utilizados para melhorar a aquisio de aprendizagem dos alunos, e tendo como ponto principal de abordagens a aprendizagem matemtica, visto que estes possuem um vivencia maior e mais experincias de vida, que de certo modo precisa ser respeitada e valorizada pelos educadores. Tambm a forma como eles interpretam e solucionam os problemas na disciplina apontada, sendo que por passar algum tempo longe da escola comum a dificuldade de compreenso dos assuntos abordados.

Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs.- 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 14 e 15/07/2014Revisado em 02/08/2014No dia 14 de julho, cheguei s 18:50h, na Escola Municipal Altina Olivia Gonalves, para iniciar o Projeto de Interveno, objeto da disciplina Estgio Supervisionado III, como exigncia parcial para concluso desta etapa do curso de graduao em Pedagogia da Universidade Federal de Ouro Preto Centro de Educao Aberta e a Distncia. Como acordado com a coordenao pedaggica e com as professoras Maria Aparecida(Educao Matemtica), Cristiane(Corporeidade e Sade), ngela(Cdigos e Linguagem) e Professor Marco Abreu(Cincias Humanas), pois, me antecipando s frias adiantadas em funo da Copa do Mundo e j sendo conhecido pela turma da 2 etapa, foi consenso a necessidade do foco no desenvolvimento da compreenso matemtica, objeto de minha pesquisa.C.O. Como j sou conhecido pela turma, ficou fcil transitar entre os alunos para observar o andamento das atividades, uma vez que em sua grande maioria so atividades xerocadas e sempre pedem orientaes. O restante do tempo eu ficava corrigindo atividades, organizando material, providenciando recursos, entre outros. A professora Maria Aparecida deu um Boa noite aos alunos e logo em seguida me comeou a abordar o contedo alegando ser grande as atividades previstas. As expresses dos alunos demonstravam curiosidade e apreenso ao ver o contedo Reconhecimento de regularidades em sequncias numricas, inclusive a relativa a antecessor e sucessor.. Reginaldo, um rapaz alegre que sentava nas primeiras cadeiras da frente logo perguntou: Essa matria difcil fssora?. A professora continuou dizendo que a maioria das coisa so difceis at que se aprenda. Depois da explicao, a professora permitiu que eu apresentasse a atividade. To logo, comecei minha fala e fui logo dizendo que estaria com eles todos os dias do ms de julho e agosto. Desta forma, comecei sondando os conhecimentos prvios dos alunos a respeito do assunto. O que vocs sabem sobre os presidentes do Brasil? Uns falavam que nada, outros citaram a Dilma e anteriormente o Lula, expuseram suas opinies quanto realizao da copa do mundo no Brasil e teve at um senhor que lembrou de Fernando Collor de Melo, enfim todos queriam falar e mal dava para assimilar as respostas. Lcia perguntou para mim: fssor, verdade que usaram mais dinheiro que deviam para reformar estdios? Ouvi isso na televiso. verdade? Respondi para ela que muito dinheiro foi usado, e que se comparado a gastos de outros pases, daria para se construir novos e no apenas reform-los. Logo aps este momento distribumos as folhas com a atividade proposta. Todos observavam surpresos alguns presidentes que no conheciam e logo de dispuseram a responder as perguntas, ou seja, partindo dos conhecimentos prvios e vivncia dos alunos estimulando-os a nomear alguns presidentes do Brasil que foram apresentados em folha xerocada. Em seguida, registraram essas informaes no quadro e organizaram as informaes por ordem de mandato. E assim o projeto teve seu pontap inicial. C.O. perceptvel as dificuldades apresentadas por alguns, de modo geral os mais velhos, no entanto 2 jovens tambm apresentam dificuldades de compreenso das atividades mesmo com explicao oral.

Durante a realizao da atividade a professora tambm colaborou ajudando nas dvidas com relao as questes. C.O. No foi fcil sair dos comentrios sobre os presidentes com a turma da sala, pois quem conhece esta turma sabe que enquanto os mais velhos se debruam a descrever suas experincias os mais jovens adoram aproveitar para sair da sala e se distrair, esse momento foi difcil. Eles colaboram, mas no pode ficar ociosos nem um minuto. Tinha vezes que a professora intervinha para contribuir com a organizao o que me deixava frustrada. Passei a entender que era s o primeiro dia e que assim mesmo. Acabei minha aula pensando nas estratgias para a aula do dia seguinte. Hoje 15 de julho, cheguei como de costume na sala dos professores por volta das 18:50h, com sacolas cheias de fruta. Os professores fizeram muita piada. Marco Abreu, professor de cincias humanas, muito educadamente disse: Comeou dieta hoje, Andr? (risos). Eu entrei na brincadeira e disse: Continuar gatinho depois dos 35 exige esforo. Esse momento foi hilrio. Em seguida eu e Professora Maria Aparecida caminhamos rumo sala. Entramos na sala e a professora deu continuao aula anterior com o objetivo de concretizar a interpretao e utilizao da linguagem matemtica, percebendo-a na linguagem corrente (textos, grficos, tabelas, infogrficos, etc).. Mal cumprimentamos a turma e se ouvia por todos os lados: O que isso? Pra que isso?. Pura brincadeira ao ver que se tratava da continuao do contedo. Esta etapa iniciamos a atividade partindo dos conhecimentos prvios dos alunos sobre sequncias numricas. Fizemos algumas contagens orais, explorando diversas sequncias com numerais de 2 e 3 ordens. Os alunos foram desafiados a realizarem clculos mentais com as seguintes expresses: antes, depois, entre, antecessor e sucessor. Desta forma perguntamos: Quantos nmeros temos entre 214 e 302? Qual o nmero que vem imediatamente depois do n189? Aps a atividade oral, os alunos foram reunidos em duplas, mas escolhidas por ns com o intuito de promover uma interao maior entre os mais velhos e os mais jovens. Receberam o baco de pinos e uma folha com situaes problemas para serem resolvidas. Os alunos, mais jovens foram um pouco resistentes quanto formao das duplas, mas a turma lidou bem com isso, uma vez que todos sabiam a verdadeira inteno dos interesseiros de planto. Finalizamos com a correo coletiva dos exerccios e socializao das respostas.C.O. Esta escola bem equipada em materiais pedaggicos, no me surpreendeu ter disponibilidade de bacos, uma vs que presenciei o acervo pedaggico sendo utilizado em outros estgios. Desta vez no fiquei com medo da atividade do dia no dar certo. Por diversos fatores como j ter abordado o tema anteriormente. Toda matria nova, creio eu, d um pouco de apreenso. Ao final deu certo. Nessa aula no dei muito espao para conversas, tinha de ser breve, pois s vezes atrapalha a concentrao de alguns senhores e senhoras. No mais, correu tudo bem e a aula foi um sucesso!Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs.- 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 16/07/2014Revisado em 02/08/2014

Dia 16 de julho, cheguei Escola Municipal Altina Olvia Gonalves s 19:00 horas como de costume, me encaminhei para sala da 2 etapa com a Professora Maria Aparecida, na qual estou fazendo meu estgio. A mesma entrou na sala, ajeitou seus materiais na mesa e deu um boa noite caloroso turma. Depois desse momento passou a fala para mim. Iniciei desejando uma tima noite a todos e perguntando como foi o dia deles. Fazendo essas sondagens com a turma, Weslei, um jovem que gosta de dar umas escapadas durante as aulas, relatou que passou o dia sem fazer nada e escutando funk. Todos riram muito, foi hilrio. Alm de mim, a professora tambm ajudava relatando seus afazeres dirios. Depois das inmeras falas, por vezes tumultuada (normal nesta turma de EJA) iniciei a atividade partindo dos conhecimentos prvios e vivncia dos alunos sobre os contedos abordando Transformar medidas de tempo (hora e minuto, hora e dia, dia e semana, semana e meses, meses e ano). Lanei a seguinte problematizao: Quantos minutos tem uma hora?, Ento conduzi os alunos a compreenderem que so necessrias converses para determinados clculos. Comentrios surgiam de lado e de outro quanto a parecer que o dia pequeno para se cumprir os afazeres. Todos concordaram rindo. Previamente pedi aos alunos que preenchessem uma tabela com horrios de sua rotina. A folha tinha uma tabela com duas colunas: uma para rotina e outra para hora e minuto. Na aula, calcularam a durao de sua rotina, ou seja, determinaram quanto tempo dormiram, quanto tempo levou para sair de casa e chegar escola, quanto tempo gastou na sada da escola at sua casa ou trabalho. Logo aps, os alunos explicaram como chegaram quele resultado. Em seguida entreguei uma atividade na qual resolveram os problemas envolvendo medidas de tempo. Como sempre as dificuldades na leitura e interpretao ditam o ritmo da turma, alguns jovens (o que me deixa espantado) alm de no dominarem a leitura, sentem vergonha em pedir ajuda. Logo aps, todos terminarem, fizemos a correo das atividades. A avaliao se deu atravs da observao contnua pela professora em relao ao desempenho dos alunos frente a resoluo dos problemas matemticos.C.O Apesar de tudo o dia foi muito proveitoso e o prximo encontro j muito esperado. As professoras me deixaram vontade e foram muito solcitas. Tenho experincia em sala de aula e sei que cada dia um dia cheio de desafios. A sala de aula isso. Ao final da aula alguns alunos fizeram comentrios de que gostaram da aula. Isso me fez ganhar o dia!

Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs.- 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 17e 18/07/2014Revisado em 02/08/2014 No dia 17 de julho, cheguei escola como de costume s 18:50h e me encontrei com a professora na sala dos professores j se aprontando para ir sala de aula. Cumprimentei-a e neste dia e logo notei que a Professora Maria Aparecida no estava bem. Disse a ela: Hoje voc no est bem, n! Ela me respondeu dizendo que dormiu mal na noite anterior devido a uma forte crise de enxaqueca e que estava um prego. Caminhamos em direo a turma que j estava com alguns nos esperando porta. Entramos para sala e ela j me deu a palavra. Dei boa noite a todos e logo em seguida ela tambm deu bem baixinho. Tomei a deciso de liderar a turma j que sabia do contexto da professora naquele dia. Falei bem baixinho no intuito de chamar a ateno de todos e funcionou. Todos comearam a me ouvir e iniciei o encontro do dia entregando Fazendo os seguintes questionamentos: Qual sua idade? Quantas pessoas moram com voc?. Estas perguntas iniciaram uma abordagem para que os alunos consigam ler informaes apresentadas em grficos e tabelas e resolvam situaes-problemas envolvendo adio ou subtrao de nmeros naturais a partir de dados obtidos em grficos e tabelas. Portanto esta atividade durou mais tempo, posto que em um primeiro momento apresentamos esses questionamentos com as opes a, b, c e d em um cartaz e solicitamos a cada aluno que registrasse no caderno a opo escolhida. Aps todos responderem, analisamos os dados, e propomos a construo dos grficos de barras primeiramente porque de mais fcil compreenso. Pedimos para que trouxessem revistas variadas na prxima aula.C.O. Apesar de hoje ter sido um dia difcil para a professora Maria Aparecida, foi timo para mim. Pude me entregar por inteiro turma. Senti-me com toda a liberdade, apesar de estar a pouco tempo com eles. Achei a atividade muito significativa para eles devido alta participao. Depois de um dia como esse d para sonhar com dias melhores para a educao.Hoje dia 18 de julho, cheguei por volta das 18:30h, depois de uma dia tumultuado. Todos estavam com cara de sono, bem desanimados e uma chuvinha convidava a no ir aula para ficar em casa. Dos 20 alunos da turma somente 13 estavam presentes. Desejei boa noite logo aps a professora. Imediatamente diante de tanta apatia ela pediu para que formassem duplas para resolver algumas atividades/questes dando prosseguimento ao contedo de leitura e interpretao de grficos. Fiquei andando pela sala dando assistncia a algumas duplas sempre com muita disposio os convidava a ler comigo as informaes das atividades. Logo depois ocorreu a socializao. Neste momento, as respostas dos alunos foram confrontadas, confirmadas ou retificadas. No h desnimo que aguente. infalvel! Algumas atividades leram lentamente me acompanhando, pois eles em sua maioria tm dificuldade de leitura. Fizemos a interpretao dos dados, com participao efetiva. Expliquei de forma bem ldica alguns dados mais cotidianos, conforme foi proposto. Propus logo em seguida a produo de um grfico de linha e outro de pizza com os dados da primeira aula. Depois de muita conversa, a turma foi unnime em afirmar que pizza seria uma boa pedida para terminar aquela noite com chave de ouro. Os alunos foram avaliados atravs da explorao da linguagem de grficos e tabelas, presente em vrios contextos, como jornais, revistas e em textos, ou seja, se conseguiram interpretar e coletar os dados, informaes, resolvendo situaes-problemas a partir de dados das tabelas e grficos.C.O. Antes de chegar ao momento da leitura j pensava que aquela atividade seria de mais difcil execuo se comparado aula anterior. A apatia daquele dia me assustava. Isso dificulta com certeza o trabalho de qualquer professor, mas nesse momento que o educador deve lanar mo de estratgias coletivas para motivar.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 21 e 22/07/2014Revisado em 05/08/2014

No dia 21 de julho, a aula seria um pouco diferente no s em proposta mas tambm em concepo. Por isso teria que arrumar a sala de vdeo e confirmar se todos os equipamentos estavam funcionando perfeitamente. Combinei com a professora de esper-los na sala de vdeo. Feito isso, por volta das 19:10h eles comearam a entrar na sala que j estava escura igual a um cinema (nem precisa falar que eles adoraram). Expliquei a eles que iramos assistir um filme. Enquanto poucos ficaram afoitos, a maioria nem viria a aula se soubesse antes. Neste dia eles assistiram ao filme O Caador de Pipas e com direito a pipoquinha. Mesmo que em um primeiro momento eles no percebam, mas o desenvolvimento na compreenso textual est diretamente ligada aprendizagem matemtica. Na aula anterior foi perceptvel essa deficincia coletiva. Ento nada melhor que a escolha de um filme que pudesse prender-lhes a ateno. Assim como eu, a coordenadora Penha se surpreendeu com o comportamento da turma. Os alunos amaram o filme, ao ponto de ocorrerem diversas interaes durante o filme.C.O. Foi incrvel como este filme mexeu com o emocional dos alunos, em alguns momentos deixamos a turma sozinha para buscar a pipoca e nenhum momento ocorreu qualquer prtica que faltasse o respeito.Cheguei escola no dia 22 de julho, um pouco mais cedo que o habitual, por volta das 18:40h, neste dia a proposta realizar uma redao sobre o filme assistido no dia anterior. Para isso entregamos uma folha com um desenho que estimulasse a lembrana acerca do filme. Depois de todos escreverem com muita dificuldade, diga-se de passagem recolhemos as folhas para correo, porm, pedimos que a turma fizessem uma grande roda para a realizao de um pequeno debate sobre o que foi visto. Todos queriam falar de uma nica vez, ento os organizei em sentido horrio a falar um de cada vez. Uns falaram da amizade, das dificuldades de uma pessoa, da traio e inclusive de violncia (algo que tem certa freqncia nesta comunidade) Todos deram sua contribuio. Dava gosto de v-los expressar suas opinies e ver as produes finais.C.O. A escrita uma atividade muito rica aps um estmulo visual como um filme, mesmo que no gostem em funo da dificuldade de escrever, eles se expressam profundamente atravs disso. importante frisar que mesmo longe da escola h algum tempo eles precisam ser incentivados constantemente com esse tipo de manifestao. Eu fico muito empolgado quando os vejo to participativos, muito lindo mesmo.

Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 23 e 24/07/2014Revisado em 05/08/2014 Dia 23 de julho, cheguei por volta das 18:40h, dei um boa noite animado a eles e j perguntei se trouxeram os objetos que pedimos ao final da aula do dia anterior. O objetivo nesta fase que ao final os alunos consigam identificar formas geomtricas no ambiente; explorar as caractersticas de cada uma das formas observadas; representar figuras planas e slidos geomtricos; resolver situaes problemas relacionadas com as formas geomtricas planas e espaciais. Sendo assim, iniciamos a atividade partindo dos conhecimentos prvios e vivncias dos alunos. Apresentei os blocos lgicos e exploramos as formas geomtricas e suas caractersticas. Todos estavam bem atentos, em seguida propus aos alunos a observao da sala de aula com todos os objetos presentes, a fim de identificarem as diversas formas. Utilizamos imagens para sensibilizar os alunos a observarem a geometria na natureza, nas construes/ arquitetura, nos slidos e em contextos prximos, como o caso da sala de aula. Aps a explorao oral, os alunos apresentaram as embalagens solicitadas na aula anterior. Em grupo, agruparam as embalagens de acordo com critrios estabelecidos por eles. Levantei questionamentos como: - Que diferena h entre uma caixa de bombons e a embalagem do jogo de varetas? - Como se pode obter uma figura plana com a caixa de bombons? Pedi para os alunos escolherem uma embalagem e desmont-la, a fim de identificar em cada uma delas as diversas formas. Para finalizar essa proposta, realizar a socializao das identificaes das figuras planas atravs de atividade impressa onde iniciei dizendo que hoje eles observaram detalhadamente o ambiente ao redor e perceberam que os objetos tm uma forma, seja na rua, em casa, na sala de aula. Todos eles apresentam formas bem variadas, ento pedi para que iniciassem a atividade.C.O. Acho importante citar um aluno desta turma, ele se chama Reginaldo muito srio e interessado, est o tempo todo questionando, posso dizer que ele dita o ritmo nas atividades. No dia 24 de julho, cheguei s 19:00 em ponto, pois atrasei em levar meu filho para casa de minha sogra. s 19:10h fomos para a sala de aula para continuidade do proposto na aula anterior e to logo entramos pedi a eles que organizassem as carteiras em trios para a realizao de uma atividade. Pedi que em cada um dos trios elegessem um profissional da rea de construo civil. Ento os orientei para que observem o ambiente em sala de aula, e o que conseguissem ver pela janela e registrassem no caderno as formas geomtricas encontradas. Utilizamos as imagens para sensibilizar os alunos sobre a geometria na natureza, nas construes/ arquitetura, nos slidos e em contextos prximos, como o caso da sala de aula. Tambm pedimos que falassem o que observaram para socializem oralmente as observaes. Depois, mesmo com alguns circulando sem necessidade pela sala, distribumos papel A3, pincel e giz de cera para cada trio. Pedi que desenhassem um cmodo retangular de uma casa, o qual deveria ser azulejado. O trio escolheu as medidas do cmodo e dos azulejos que achavam conveniente, assim os entendidos construtores apareceram. Dando prosseguimento atividade, solicitamos que os trios encontrassem quantos azulejos seriam necessrios para assentar neste cmodo. Como cada trio teve liberdade para definir as medidas do cmodo, para finalizar, convidei cada trio para socializar a atividade proposta com a turma. Expor a atividade no mural de sala e propor a resoluo da situao-problema (atividade em comum) aos trios e depois compartilhar a correo, chamando ateno para as diferentes formas de resoluo. A avaliao foi verificar em cada grupo a integrao para o desenvolvimento da atividade proposta e atendimento habilidade. C.O. Confesso que fiquei um pouco aflito de pensar em sair da sala com os alunos, Alguns jovens aproveitam para se dispersarem. tenso, e eu no queria correr tanto risco, por isso propus que observassem pelas janelas.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 25 a 30/07/2014Revisado em 10/08/2014Dia 25 de julho cheguei por volta das 18:40h e me encontrei com a professora, como havamos acertado anteriormente, trabalharamos geometria explorando a conhecida Pipa.Este trabalho tem como objetivo incentivar os alunos a olhar a pipa como um objeto de estudo das figuras geomtricas dos polgonos no seu formato conhecendo a histria da pipa e o poema do pintor Portinari.Ao receber os alunos em sala, como de praxe, propomos uma conversa informal sobre o papagaio, brincadeiras com a pipa e como confeccionar uma pipa. Ento, aps este momento onde as mais remotas lembranas vieram tona partimos para leitura da obra de Cndido Portinari:Meninos soltando papagaios. Todos os dia gosto de soltar papagaioMais os meus amigos gosto de brincarE o papagaio gosto de soltarNas frias gosto de viajarE o meu papagaio esqueo de levarMais quando chego lEu vou logo no mercadoPara comprar o meu papagaioPara brincar com os meus amigosDesta forma, neste primeiro momento os alunos desenvolveram suas habilidades de infncia com lembranas ldicas, explicando como empinava a pipa, papagaio e os truques para empinar corretamente.C.O Diga-se de passagem, pensei que no daria muita discusso entre os mais jovens e os mais experientes da turma. Me enganei, pois gerou bastante discusso principalmente as tcnicas de confeco da pipa.

Dia 28 de julho, cheguei por volta das 18:40h como de costume e fui para sala, onde os alunos que veem de nibus especial j haviam chegado. Aps todos chegarem a professora pediu que pegassem o livro didtico de matemtica para fazermos algumas atividades de reconhecimento das formas geomtricas. Neste dia sem muitas surpresas, a professora pediu que trouxessem no dia posterior os materiais necessrios para confeco da pipa.C.O. Os alunos precisam e se sentem muito vontade fazendo exerccios de fixao. No significa que no apresentam dificuldades que considero comum nesta modalidade de ensino. Precisam de acompanhamento pontual e sempre.No dia 29 de julho, aps um final de semana com tempo hbil para que os alunos providenciassem os materiais da pipa, comeamos a confeccionar o papagaio. Os homens ajudavam as mulheres, e alguns mais experientes davam aula para os mais jovens na confeco. Ento comeamos trabalhando o contedo dos Polgonos no formato da pipa: ngulos, vrtices, diagonais, eixos, polgonos e a arte final, decorando-a de vrias maneiras inclusive com a arte do mosaico. A compreenso de sua geometria, medio e entendimento de como se comporta a pipa quando est sendo empinada tais como: medio da linha, o tempo e clima ambiental, os perigos com o uso do cerol na rea urbana e o melhor local para se brincar com o papagaio. Neste contexto, compartilhando ideias entre eles sobre a pipa, aprenderam a utilizar o transferidor, e sentiram dificuldade para reconhecer as diagonais da pipa, fizeram uma avaliao registrando a aula nas seguintes questes:

Questo 1: O que vocs acharam da aula de matemtica? Todos os alunos responderam que a aula foi proveitosa, boa e tima estudar matemtica com materiais concretos na confeco da pipa para conhecer geometria dos polgonos. Questo 2: Vocs conheciam os polgonos na pipa?

Alguns disseram que nunca perceberam a geometria da pipa; outros ficaram admirados em como se aprende geometria com brincadeira de criana; alm de alguns ressaltarem a importncia de se colocar em prtica o que se aprende em sala de aula.C.O - Segundo as respostas, por ter vrias repetidas observei que eles sabem geometria pelos anos de estudo que tiveram: desconheciam a geometria da pipa ao confeccion-la, sentiram dificuldade com transferidor, sabiam utilizar compasso. Para relembrar a ludicidade do brinquedo e mostrar habilidade com papagaio expusemos as obras de arte dentro da sala.No dia 30 de julho, cheguei s 19:00 na escola carregando uma dor de garganta horrvel e tendo dado febre em um momento do dia, foi ento que explicando isso professora, dediquei-me a dar acompanhamento individualizado aos alunos com dificuldade nas atividades do livro didtico, principalmente no desenvolvimento da leitura e da escrita no qual so visivelmente deficientes, isto com certeza influencia na aprendizagem matemtica, alm de, estrategicamente, detectar algumas particularidades, passamos a conhecer as expectativas e anseios de cada aluno com relao disciplina.C.O. - Ensinar matemtica com materiais concretos na confeco de pipa um desafio para o ensino, ainda mais quando se entende que a matemtica s se ensina ou aprende, cumprindo a sequncia do livro didtico. Acrescendo ainda que pedimos aos alunos para trazerem panfletos de supermercado para o dia seguinte.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 31/07 e 01/08/2014Revisado em 10/08/2014No dia 31 de julho, cheguei s 18:40 e fui para sala dos professores onde conversei rapidamente com a coordenadora Penha Rosa que constantemente me aborda afim de verificar se tudo est correndo bem e se preciso de algo. Aps esta rpida conversa fui para sala de aula onde iniciamos uma abordagem sobre o sistema monetrio, fizemos um debate em sala sobre a importncia da lista de compras onde ento criamos uma lista de compras coletiva em um primeiro momento e uma lista individual logo em seguida, tendo como base as categorias dos produtos, comparando seus preos e trocando os panfletos entre si. Ao final foi pedido que trouxessem embalagens para dar continuidade.C.O. Aqui se destaca as vivncias entre homens e mulheres, jovens e adultos, donos e donas de casa. Alguns jovens buscaram ajuda com os mais velhos e foi visvel a falta de experincia em lidar com uma mera lista de compras. No dia 1 de agosto, cheguei s 18:40 e to logo iniciou a aula j dava para perceber que houveram muitas faltas. Conversando em off com a professora sobre isso, ela suspeitou que alguns alunos aproveitaram para matar aula uma vez que j sabiam o que seria abordado. Neste dia, uma vez que trouxeram as embalagens de produtos variados, discutimos as informaes contidas nas embalagens destacando no caderno as informaes que mais lhes chamaram a ateno onde logo em seguida pedimos que criassem seu prprio produto, ilustrando e colocando todas as informaes necessrias. Tambm estudamos a cartilha do consumidor debatendo o item que consideraram mais importante. A avaliao aqui foi de acordo com o aprendizado adquirido atravs das atividades realizadas sobre o assunto abordadoC.O. Para minha surpresa conhecer a cartilha do consumidor foi novidade para muitos. A surpresa na expresso de espanto e nos comentrios foi perceptvel. Ainda bem que consegui vrios exemplares onde evitou que tivesse que circular uma cartilha entre eles.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 05 e 06/08/2014Revisado em 10/08/2014Hoje 05 de agosto, cheguei s 18:40 e conversando com a professora decidimos que na sexta-feira teramos oficina de jogos, mas optamos em no comunicar a turma como estratgia de evitar fugas dos mais espertinhos. Enfim, pelo planejamento as atividades de hoje priorizam as quatro operaes com a resoluo de problemas. Aps uma explanao rpida sobre a importncia em ler atentamente para se compreender a situao, foi entregue a cada aluno uma cpia dos problemas. Em seguida professora pediu que se organizassem em pequenos grupos e resolvessem. Aps entregar a eles as respostas apresentadas pelas duplas discutiram os caminhos empregados e os resultados. Acompanhando de perto foi possvel ver que poucos perceberam o caminho mais fcil e determinaram o que apresentava a melhor adequao. Esta atividade busca desenvolver atitudes bsicas de compreenso, identificando a ideia central explorando pormenores contidos no texto como tambm desenvolver o raciocnio lgico e a capacidade de escuta.Dia 06 de agosto, continuao da aula com resoluo de problemas e hoje foi apresentado um texto de Elion Eliachar, muito instigante por sinal:Dilogo:Um homem chega numa repartio: - Sr. 4.324 est? - Quem devo anunciar? - Diga que o 5 395 439. - Infelizmente o Sr. 4 324 no est. No quer falar com o 33? - Melhor ainda, eu nem sabia que o 33 trabalhava aqui. -Trabalha sim, senhor. Ele assistente do Dr. 329 121, desde que o Dr. 421 foi transferido.Minutos depois aparece o 33. - Mas que prazer, h quanto tempo. Como vo seus irmos? - Todos bem. O 5 327 casou, o 78 826 est morando em So Paulo e o 45 877 assistente do General 4 594 em Braslia. - Em que posso servi-lo, 5 395 439? - Um probleminha. Eu estava no meu carro com o 444, e o 728 001. Quando o sinal abriu, veio o carro dirigido pelo Sr. 575 575 e bateu no nosso. Houve testemunhas: o 423 666, o 765 222 e o 888 888. O guarda 333 562 anotou tudo direitinho. - Deixa comigo, meu caro 5 395 439. Meu secretrio, o 321, resolve isso em um minuto. - Muito obrigado 33. - De nada, lembranas sua me, dona 877 425. - Minha me 877 435, 877425 o presidente da Repblica. - Perdo, mas os nomes so to parecidos, no ?Foi feita uma leitura deste dilogo juntamente com a turma, logo aps os alunos produziram um texto a respeito do texto apresentado com o objetivo de ampliar a partir da leitura e escrita a capacidade de entender para a transformao critica cidad e tambm como meio de expressar as ideias e opinies de forma oral e escrita para aprimorar sua capacidade comunicativa. Os alunos forma avaliados, atravs da participao perante os contedos apresentadosC.O. fato que eles possuem uma dificuldade imensa na leitura e na escrita, uma estratgia a leitura conjunta, pois vrios tem vergonha de ler em voz alta. Se no conhecesse esta turma a algum tempo, no teria pensado em contemplar atividades de leitura na aprendizagem matemtica. Penso tambm que deveria ter invertido esta sequncia de atividades para culminar na resoluo dos problemas.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 07/08/2014Revisado em 10/08/2014

Dia 07 de agosto, cheguei s 18:40 em ponto onde nesta quinta-feira a aula ser um incio porcentagem e juros com culminncia posterior na resoluo de problemas do dia a dia que envolvem porcentagem. Aps todos se acomodarem na sala de aula, iniciamos conversando sobre quem gosta de comprar, como pesquisam preos mais baratos, como sabem se realmente o produto tem desconto e do que se trata esse desconto que todo mundo gosta de pedir. Feita essa aula expositiva explicando que toda porcentagem refere-se a algum valor, e esse valor deve ser explicitado quando se fala de uma porcentagem: tantos por cento de alguma coisa. Por exemplo, quando se fala que o consumo de energia eltrica no Brasil aumentou 6% no ltimo ano, deve-se informar em relao a que os 6% se referem (aumentou 6% em relao ao consumo do ano anterior, ou dois anos antes etc) foi distribudo uma atividade com o seguinte questionamento:Analise as frases abaixo e d mais dois exemplos que ilustrem o uso de porcentagens.- Prova do ensino fundamental aponta que 57% no sabem matemtica.- Umidade do ar chega a 10% em Ribeiro Preto.- Na seleo, Mano Menezes possui aproveitamento de 60%.- O rendimento da poupana foi de 0,6235% em agosto.

Qual o significado da porcentagem em cada contexto? O que estes significados tm em comum? Observe o quadrado abaixo. Pinte nele uma regio que corresponda a 35% de sua rea total. Voc provavelmente precisar de uma rgua!

Desta maneira, a atividade transcorreu de forma harmnica e com intervenes de minha parte e da professora, lembrando que a interao entre eles foi muito til para a aprendizagem. Perguntando aleatoriamente para alguns se haviam gostado da aula, obtive respostas positivas, principalmente pelo despertamento de que possvel aprender matemtica. Como sugerido pela professora, observando diariamente os educandos fica mais fcil avali-los e identificar as necessidades individuais na aprendizagem e a prova em si, passa a ser uma mera formalidade.C.O. - Desta maneira, criamos um ambiente em sala mais agradvel, lanando mo da realizao de um trabalho manual, onde a monotonia vencida. Porm ocorreram vrias interrupes durante a aula, posto que alguns jovens sempre so os causadores destas interrupes em funo da utilizao do celular, que s permitido o uso durante a aula em extrema necessidade.

Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 08/08/2014Revisado em 10/08/2014Hoje 08 de agosto, seguindo com nosso planejamento, durante a semana reservamos um dia para a realizao de oficinas e atividades diferenciadas. Contudo, sem avisar previamente para evitar fugas de alguns. Esta oficina veio a partir do entendimento de que o predomnio de aulas convencionais e expositivas em sala de aula, centradas em contedo no motiva suficientemente os alunos, em virtude de espao fsico realizamos essa oficina com enfoque mais recreativo e de interao entre os alunos os jogo eram de diversos tipos desde Banco Imobilirio, cartas, de tabuleiro, Tangran, Torre de Hanoi, entre outros. Alm de muita interao, ocorreram tambm disputas acirradas entre alunos X professores e alunos X alunos.C.O. H de se observar que momentos como este deveriam ser uma prtica rotineira na escola, jogos pedaggicos no devem ser usados apenas como preenchimento de tempo ocioso, porm a maioria dos professores seguem o livro didtico risca. Fiquei surpreso em perceber que a escola possui jogos suficientes para desenvolvimento de atividades como essa.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 11 e 12/08/2014Revisado em 22/08/2014Dia 11 de agosto, hoje cheguei 18:30 escola juntamente com a professora Maria Aparecida. Era 19h e todos haviam chegado, ao entrarem na sala era um rosto mais surpreso que o outro com a disposio das cadeiras estrategicamente dispostas em forma de semicrculo para sair da rotina. Retornamos ao contedo de porcentagem e juros, visto que nesta segunda parte, os conceitos vistos na primeira parte foram aplicados em situaes problema da vida financeira, que envolvem juros em aplicaes e dvidas. Professora iniciou relembrando sobre porcentagem e introduzindo os juros de forma bem descontrada atravs de perguntas sobre emprstimos e contas atrasadas, nesse momento alm de muito atentos os alunos mais jovens aproveitaram para fazer brincadeiras uns com os outros. Eu li com a turma um texto sobre o assunto:**O juro pode ser compreendido como uma espcie de "aluguel sobre o dinheiro". A taxa seria uma compensao paga pelo tomador do emprstimo para ter o direito de usar o dinheiro at o dia do pagamento. O credor, por outro lado, recebe uma compensao por no poder usar esse dinheiro at o dia do pagamento e por correr o risco de no receber o dinheiro de volta (risco de inadimplncia).Expliquei que no dia a dia existem duas situaes que envolvem pagamento de juros, uma so as dvidas contradas exemplificando os emprstimos bancrios e credirios e os rendimento de aplicaes financeiras como a poupana.Diante disso a professora aprofundou a questo ensinando no quadro a maneira de se calcular. Desta forma distribumos os exerccios para tentarem fazer.C.O. A meu ver esta aula foi literalmente muito tensa em funo da dificuldade enfrentada pelos alunos. Muitos apresentaram dificuldades na compreenso mesmo sendo apenas uma introduo. Conversando com a professora posteriormente ela disse que tambm no esperava tanta dificuldade que seria necessria mais abordagens no dia seguinte.Dia 12 de agosto, cheguei 18:40 escola e como de costume nos dirigimos para sala de aula com o objetivo de reforar a aprendizagem sobre juros do dia anterior no qual muitos alegaram no ter compreendido. Entregamos uma folha de exerccio com problemas mais simples no qual os alunos se debruaram a tentar resolv-los. Ocorreram vrias intervenes, mas ao final constatei algum avano.C.O. - Aps a euforia inicial do projeto de interveno, agora eu posso falar do silncio, sabendo um pouco mais dos alunos e tambm conhecendo um pouco mais do trabalho docente. Devo dizer que um trabalho que eu amo, eu tambm reconheo que pode ser estressante porque voc tem que ter sempre as baterias totalmente carregadas, porque quando se encontra uma turma como esta, no qual esto ansiosos para aprender, no podemos decepcion-los. Eles no so os culpados pelas adversidades que a profisso impe. Mas, por sua vez, um trabalho que d muitas recompensas a nvel humano, como um sorriso, um olhar com espanto quando eles entendem algo que voc explica, esses pequenos detalhes so grandes no corao quando voc fazer um balano do dia.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 13 e 14/08/2014Revisado em 22/08/2014Dia 13 de agosto, cheguei s 18:50 escola e como planejado com a professora, hoje seria feita uma abordagem sobre frao. Iniciei a aula fazendo uma exposio do assunto, utilizando uma pizza de E.V.A. colada no quadro, apenas representando cada fatia com um nmero fracionrio sem dar significado a ele. Em seguida, entregamos o material com os exerccios para serem resolvidos pelos alunos. Porm, observamos que, havia necessidade de maior esclarecimento sobre o assunto.C.O. - os alunos gostam muito de atividades artstico-ldicas, porm eles preferem estudar os contedos das disciplinas, perece mais prtico. Isso foi fundamental para o planejamento, procurei desenvolver atividades relacionadas e aplicadas no cotidiano do aluno, mas de forma leve, que no se tornassem cansativas. Por percebermos a dificuldade dos alunos em compreender o tema frao decidimos retomar o tema desde seu princpio. Dia 14 de agosto, s 19:00 iniciamos a aula perguntando aos alunos o que eles entendiam sobre frao e qual era seu uso no dia a dia. Na atividade proposta, cada aluno escreveu seu nome num papel e contou o nmero de vogais presentes nele. Depois, pedimos que eles representassem em forma de frao a correspondncia entre a quantidade de consoantes e vogais em relao ao nmero total de letras do nome. Antes de iniciarem, exemplificamos a atividade utilizando os nossos nomes. Depois de realizada, os alunos compartilharam com a turma suas respostas, que foram sendo corrigidas quando necessrio.Durante as correes fomos fortalecendo a formao do conceito de frao e seu uso no cotidiano das pessoas. Os alunos trouxeram exemplos concretos da sua vida, como por exemplo o Reginaldo que exemplificou a marcao de combustvel do carro. Realizamos explicao sobre as representaes e a leitura de fraes, retomando o estudado. Para finalizar, levamos para a aula um bolo que deveria ser dividido em partes iguais e distribudo entre eles. medida que dividamos, crivamos suposies para que os alunos representassem atravs das fraes. Este momento foi muito interessante porque uma das alunas que estava tendo dificuldades em compreender o assunto, respondeu corretamente as suposies e ainda criou no final da atividade. Cada aluno recebeu uma fatia de bolo.C.O. - Consegui cumprir todas as etapas at aqui planejadas e programadas referentes aplicao do projeto de interveno, s vezes tendo que fazer ajustes necessrios para situaes e momentos. As expectativas e desafios foram grandes. At aqui muita emoo e com o sentimento de trabalho comprometido com o ensino e aprendizagem, cumprido de forma responsvel e desejvel, com muita interao e dinmica entre todos os envolvidosAndr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 18, 19 e 20/08/2014Revisado em 24/08/2014Hoje de 18 de agosto, aps um feriado local chegando s 18:40 na escola e encontrando com a coordenadora Penha que gentilmente me perguntou se estava gostando das aulas, alm de responder que sim agradeci pela ateno prestada e a informei que estava no fim das atividades at ento previstas e que esta semana seria dedicada reviso dos contedos afim de avali-los tambm de forma escrita como sugerido pela professora Maria Aparecida. Ento me dirigi para sala de aula onde a professora j se encontrava e iniciando a aula informou aos alunos sobre a semana de reviso, uma vez que normalmente ficam muito ansiosos ante a uma avaliao escrita. Neste dia dediquei-me a reforar as atividades de reviso, haja vistas que necessitam, tambm, de tempo e espao para receber suporte e ateno individual s suas necessidades no processo de aprendizagem, mediante atividades diversas, tais como orientao de estudos, de recuperao contnua e de observao orientada. Tambm percebi que os contedos foram significativos para os mesmos. Aos poucos, fomos realizando a correo da atividade, reforando a compreenso do contedo. Dia 19 e 20 de agosto demos continuidade na reviso do contedo aplicado nas ltimas semanas com atividades em folha xerocada que estrategicamente promoviam clculo mental e estimativo, familiarizando-os com formas e propriedades geomtricas simples, agrupamento de quantidades conforme as regras do sistema de numerao decimal, resoluo de problemas, leitura, interpretao e escrita das unidades de medidas alm de atividades com o sistema monetrio brasileiro de forma bem tranquila e progressiva. Na avaliao da aula realizada por eles os alunos mostraram-se satisfeitos com a dinmica das aulas at ento e com a forma como o contedo foi apresentado no decorrer das ltimas semanas.C.O. - Esses dias eu tive a oportunidade de ensinar coisas que so muito interessantes para a aprendizagem destes educandos. Hoje, assim como das outras vezes eu tinha sentimentos mistos em mim: curiosidade, inquietao, excitao ... tudo misturado com otimismo e confiana de que tudo ficaria bem. Para mim, ser educador nunca deixa de ser um pouco perturbador, mas ao mesmo tempo motivador este contato com os alunos. Pude perceber que alguns contam com mais frequncia e facilidade sobre seu cotidiano, falavam sem receio e algumas vezes pedem opinio. Desta forma, entendo que hora do educador criar vnculos de amizade com seus alunos, perceber seus anseios, medos e frustraes para no momento oportuno lanar mo deste vnculo em benefcio do prprio educando.Andr Luiz Ferreira Fris 19 hs. 22hs.E. M. Altina Olvia Gonalves Registro em 21/08/2014Revisado em 24/08/2014Hoje dia 21 de agosto, cheguei um pouco mais cedo s 18:30 e encontrando com a professora, lhe pedi que repetisse neste dia em especial a atividade de clculo mental com a bola, o qual presenciei no semestre passado. Concordando, prontamente busquei a bola no almoxarifado. Ento nos encaminhamos para a sala da 2 etapa que estava com 2 alunos at ento, e atendendo ao seu pedido organizamos a sala em meia lua. Esta atividade consiste em jogar a bola para o aluno e aps ele peg-la feita a pergunta com o clculo que queremos saber. Sendo assim, cada acerto contabilizado e em caso de erro dar-se a chance de resposta a algum voluntrio.Era 19h e todos haviam chegado, ao entrarem na sala era um rosto mais surpreso que o outro com a disposio das cadeiras, quando a professora iniciou a explicao de que seria uma avaliao, ento explicou como seria e iniciamos a atividade em ritmo experimental. Aps algumas jogadas que no sei ao certo quantas foram, a professora deu voz de valendo e comeou marcao dos acertos medida que aconteciam. Muitas risadas, mas tambm concentrao para pegar a bola e ouvir a pergunta. Desta maneira percebi de uma forma geral que vrios mexiam a boca expressando a resposta na mente se caso o receptor da bola errasse.Pouqussimos erros ocorreram, e estes no contentes cobravam repetidamente uma nova chance, aps a realizao desta dinmica, sorrisos estampados nos rostos e a sensao de misso cumprida.C.O.: Esta talvez tenha sido a avaliao mais dinmica que tenha participado at o momento, me fez refletir que estar em sala de aula motivado pela vontade de ensinar e com o desejo de aprendizado enriquecedor e proporciona uma aprendizagem recproca e dialgica. Desta maneira envolver os alunos propondo novas aes faz nascer o interesse e me deixa maravilhado com o aprendizado. Quando se trata de fazer um pequeno balano da minha experincia como educador estagirio, se torna muito difcil de resumir, porque tem sido um monte de sentimentos, experincias, alegrias e satisfaes, mas se olhar um pouco em minhas palavras todos os sentimentos positivos esto definidos aqui. Eu vivi e senti com meus 5 sentidos, 5 dias por semana. Comecei a relatar os meus sentimentos no primeiro dia, com as dvidas e medos do desconhecido, que logo se desvaneceu com a recepo que tive e o ambiente que me acolheu.ANLISE DOS RESULTADOSA turma da EJA apontada no projeto de interveno formada por 20 alunos com idade entre 18 e 58 anos, apresentam competitividade entre si na resoluo de atividades, independentemente da idade, entretanto, as dificuldades apresentadas em matemtica so especificamente as mesmas, sendo que alguns em nvel menor que os demais, so alunos espontneos no considerando diferentes, se relacionam com respeito uns com os outros e com os professores, adotam algumas brincadeiras prprias da idade.A interao entre professor e alunos acontece de forma respeitvel e contendo grande participao nas aulas, em que os alunos expressam suas opinies, sendo assim cito a opinio de uma aluna, durante a observao em sala de aula que chamou minha ateno sobre a importncia das propostas bem planejadas: "as coisas so aprendidas colocando em prtica e quanto mais voc pratica, melhor" entretanto, alguns alunos discordaram alegando que estudar matemtica montono, mas quando o professor utiliza jogos fica interessante, portanto, diante disso pude perceber que aceitam bem a ideia da utilizao ldica durante as aula.Outro ponto que observei e que merece reflexo perceber que a introduo de jogos dentro da sala de aula teve um efeito satisfatrio e conseguiu atingir o objetivo esperado, mas os professores ainda optam em sua maioria a seguir fielmente o livro didtico, posto que so cobrados quanto ao cumprimento do cronograma da escola, mesmo a escola possuindo jogos suficientes para desenvolver as atividades.Em relao a aquisio de aprendizagem, foi possvel perceber que aps utilizar os mtodos pedaggicos proposto a aprendizagem ocorreu de forma muito alm do esperado, e sendo aceita pela maior parte da turma. Tambm a introduo dos jogos permitiu maior entrosamento e colaborao entre os alunos, uma vez que, os trabalhos em grupos contribuiu para o surgimento de vrias explicaes e caminhos diferentes para chegar ao mesmo resultado. Alm disso, importante destacar outro elemento que fundamental: algumas explicaes dadas por certos alunos do grupo acabam por tornar a matemtica mais compreensvel do que o oferecido pelo professor ou que explicado no livro e portanto compartilhado entre elesEm se tratando de atividades ldicas na EJA, possvel perceber que alguns adultos, tem resistncia aos jogos, por acharem serem atividades desnecessrias, por isso importante o professor apresentar as atividades e conversar com eles sobre a importncia dos mtodos utilizados, mostrando ser apenas uma nova forma de ministrar o contedo e que facilitar a aprendizagem. Depois dessa experincia pude analisar ainda que aps a utilizao dos jogos, os alunos tanto jovens quanto adultos se sentem relaxados, mais harmonizados, isto refora a ideia de que os jogos contribuem para melhorar o comportamento dos alunos, deixando-os mais abertos ao dilogo no s referente disciplina abordada, mas tambm de nvel pessoal, eles se soltam mais.Sendo assim, interessante que o professor converse com os alunos e tente entender e procurar meios de adaptao de todos, para que estes se sintam mais vontade, porm sempre com o propsito de aprender.Dentro da proposta pedaggica apresentada, o trabalho cumpriu as metas propostas, mas sempre possvel aprimorar os mtodos atravs da experincia vivida em cada metodologia aplicada, visto que a aquisio acontece de formas diferentes, por isso nem sempre a mesma proposta pode ser usada em todas as turmas, pois depende dos alunos ingressos no projeto.Desta forma o objetivo do projeto apresentar mtodos que possam ser utilizados para melhorar a aquisio de aprendizagem dos alunos, tendo como ponto principal de abordagem a aprendizagem matemtica, a forma como eles interpretam e solucionam os problemas na disciplina apontada e a interao entre os alunos.Reforando esse ponto cito minha observao durante a interveno:C.O. H de se observar que momentos como este deveriam ser uma prtica rotineira na escola, jogos pedaggicos no devem ser usados apenas como preenchimento de tempo ocioso, porm a maioria dos professores seguem o livro didtico risca. Fiquei surpreso em perceber que a escola possui jogos suficientes para desenvolvimento de atividades como essa. (Dirio de Campo, projeto de interveno em matemtica na EJA, Frois, Andr Luiz,08/08/2014)

Em relao aos recursos utilizados eles foram bem aceitos e tiveram os objetivos propostos alcanados, sendo que atravs dos mesmos foi possvel conhecer a realidade dos indivduos ingressos na EJA, suas histrias e dificuldades, foi um momento de crescimento, pois permitiu uma nova viso de aprendizagem a um pblico to diferenciado.DISCUSSO DOS RESULTADOSAps trabalhar com a turma da EJA, percebe-se que um grupo de alunos que voltam a escola depois de algum tempo com objetivo de recuperar o tempo perdido, porm, trata-se de indivduos que necessitam de mais ateno, pois so pessoas que trazem uma histria de vida complexa, incluindo vrios fatores como: famlia, emprego, dificuldade de aprendizagem, auto estima em baixa.Entretanto, ao realizar as atividades propostas fica visvel a participao de todos, o interesse de aprender e mostrar os resultados, a satisfao de acertar e sempre querendo buscar coisas novas.Durante as atividades foi possvel perceber algumas mudanas nos comportamentos, pois eles comeam a entender a disciplina de uma forma mais amena, inserindo elementos do cotidiano dentro da sala de aula.A proposta de interveno baseadas nas atividades citadas, proporcionam uma maior aproveitamento da disciplina e ao mesmo tempo oferece um momento de descontrao e harmonia entre professores e alunos.Outro ponto que deve ser respeitado em relao a Educao de Jovens e adultos, a experincia vivida, a forma como o indivduo v a vida, e como ele se relaciona no meio social, importante ressaltar que, trata-se de um grupo de pessoas que trabalham durante o dia, na maioria dos casos chegam cansados na sala de aula e em muitas das vezes sem muita disposio para a aprendizagem. Portanto, inserir novos conhecimentos baseados nos conhecimentos anteriores, advindo de experincias de vida e convvio dentro da sociedade, pois so pessoas que no possui apenas experincias escolares, mas sim tem vida ativa.Sendo assim, de acordo com FRIGOTTO Trata-se de uma educao e formao que desenvolvam habilidades bsicas no plano do conhecimento, das atitudes e dos valores, produzindo competncias para a gesto da qualidade, para a produtividade e competitividade e, consequentemente, para a empregabilidade. (FRIGOTTO, 1998, p. 45).

Fundamentando esse ponto FONSECA (2007, p.14) salienta que necessrio "uma ao educativa dirigida a um sujeito de escolarizao bsica incompleta ou jamais iniciada e que ocorre aos bancos escolares na idade adulta ou na juventude".O ldico um recurso utilizado na aprendizagem como forma de oportunizar uma aprendizagem satisfatria e ao mesmo tempo permite maior interao entre os alunos e professores, quebrando a rotina da sala de aula, no caso da matemtica tornam as aulas mais interessantes e possibilitam o desenvolvimento do raciocnio lgico.Enfatizando esse ponto Almeida (1990, p.52) salienta que o jogo ser o ponto de partida para preparar o aluno para lidar com questes abstratas que exijam reflexo e inteligncia alm da elaborao de estratgias e de solues para as situaes problemas. Segundo Grando (2005, p.35) os jogos proporcionam algumas vantagens para a aquisio de aprendizagem tais como: fixao de conceitos j aprendidos, introduo e desenvolvimento de contedos, interdisciplinaridade, criatividade dentre outras.Portanto, o objetivo foi alcanado e conseguiu-se atingir os alunos da EJA com propostas que valorizaram sua aprendizagem sem dispers-los, visto que foi amplamente utilizado jogos e tarefas que proporcionam a capacidade de criar e construir, sem contudo dispersar os alunos, nem despertar desinteresse da turma.Entretanto, mesmo havendo um planejamento detalhado por parte do educador necessrio entender que talvez no consiga atingir todos os participantes da mesma maneira e ao mesmo tempo, visto que cada indivduo tem um tempo de aprender, e em se tratando da EJA preciso um cuidado maior, pois trata-se de pessoas que j viveram experincias ao longo da vida, por esse motivo o educador tem a preocupao de elaborar atividades diversas, embora entende que essa diversidade no garantia de xito total, desta forma, quando o professor propem uma atividade com metodologias e estratgias diferenciadas existe uma chance maior de aprendizagem e os resultados tendem a serem mais positivos, ainda mais se trabalhados de forma que o indivduo construa e abstraia seus conceitos por meio de materiais concretos que auxiliam a sua compreenso, contribuindo assim de forma significativa a assimilao dos contedos.REFERENCIAS BIBLIOGRFICASALMEIDA, Paulo Nunes. Educao Ldica: Tcnica e Jogos Pedaggicos. SP:Loyola,1990

GRANDO, R. C. O conhecimento matemtico e uso de jogos na sala de aula.Campinas 2000.

FONSECA, Maria C. F. R.; CARDOSO, Cleusa de A. Educao matemtica e letramento: textos para ensinar matemtica, matemtica para ler texto. In: NACARATO, A. M.; LOPES, C. E. (org). Escritas e Leituras na Educao Matemtica. Belo Horizonte: Autntica,2005.

FRIGOTTO, Gaudncio..A educao e formao tcnicoprofissional frente globalizao excludente e desemprego estrutural. In: SILVA, Luiz Heron da (org.). A escola cidad no contexto da globalizao. RJ: Vozes, 1998.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigao qualitativa em Educao: fundamentos, mtodos etcnicas. In: Investigao qualitativa em educao. Portugal: Porto Editora, 1994, p. 15-80.