diario 17 a 21 Maio

  • Published on
    08-Apr-2016

  • View
    220

  • Download
    5

DESCRIPTION

diario 17 a 21 Maio

Transcript

  • Centro de Cincias Sociais

    Licenciatura em Ensino Bsico 1 Ciclo

    Disciplina: Estgio

    4 Ano/ 2 Semestre

    Docente: Mestre Helena Paula

    2009/2010

    Dirio do Professor dos dias 17, 20 e 21 /5/10

    Durante esta semana fui eu novamente a orientar a turma.

    Comeamos o dia com o Conselho de planificao, que correu bem,

    conseguindo planificar bem a semana e informando os alunos de todas as

    actividades planeadas.

    Aps o Conselho de Planificao, a Helena leu-nos uma histria da

    mala Era uma vez que tinha como ttulo: A me Natureza e f-lo de uma

    forma clara. Juntamente com familiares conseguiu produzir um bom texto.

    Este estava escrito em forma de dilogo, respeitava as regras de

    pontuao, continha muitos adjectivos e apelava violao das regras da

    natureza assim como a valores como por exemplo: a reciclagem.

    Antes do intervalo, foi feita Escrita Livre e depois os alunos tiveram

    a aula de Msica.

    Na Matemtica Colectiva, trabalhei com os alunos, as reas (ver

    anexo2). Dei incio actividade dizendo-lhes que como investigadores que

    so tenho mais uma misso para eles e que devero abrir os seus Kits de

    investigadores, para verificar se l dentro existe algo de novo. Encontraram

    um envelope branco com um ponto de

    interrogao e com o nome de cada aluno. Ao

    abrir o envelope encontraram cinco

    quadrados vermelhos. Disse-lhes que seria a

    ferramenta para a descoberta. Expliquei o

    significado da palavra pentamin

    questionando-os sobre a palavra

    penta=cinco. Para comear a falar de rea, relembrei-lhes a actividade da

    semana passada para lhes fazer ver que a rea do quadrado precisamente

    igual a dois dos tringulos verdes.

  • 2

    Para que todos os alunos pudessem

    visualizar, fui buscar dois tringulos verdes,

    de papel e o Francisco quis vir frente

    colocar os tringulos dentro do quadrado,

    fazendo ver que a rea do quadrado igual

    a dois tringulos verdes.

    Depois expliquei-lhes a tarefa que

    estariam incumbidos de realizar enquanto investigadores. Esta passaria por

    descobrir qual o maior nmero de pentamins que possvel construir com

    os cinco quadrados. Expliquei que para a realizao desta tarefa, os

    quadrados tm de estar sempre unidos por

    um lado, nunca por um vrtice e o

    Diogo veio ao quadro exemplificar. Sempre

    que descobrissem uma figura diferente

    tinha de a resgitar na folha ponteada que

    foi entregue a cada aluno (ver anexo 2).

    Os alunos conseguiram descobrir os 12

    pentamins e no final afixei trs grandes folhas ponteadas, no quadro, e os

    alunos, de forma aleatria, foram desenhando as doze figuras. Este registo

    ficou exposto na sala, para que todos o possam consultar.

    Para planificar esta actividade tive em conta as competncias a serem

    desenvolvidas pelos alunos do 2 ano. Estas estavam previstas no bloco 2-

    Forma e espao (iniciao geometria) do programa curricular do 1 Ciclo e

    no Currculo Nacional do Ensino Bsico Competncias Essenciais

    (Geometria). Com esta actividade, pretendia que os alunos conseguissem

    reconhecer que figuras com formas diferentes, podem ser equivalentes (ter

  • 3

    a mesma rea), pretendia ainda que desenvolvessem a sua capacidade

    organizacional assim como a sua capacidade de visualizao espacial.

    A seguir ao almoo fizemos Tempo de Estudo Autnomo, onde tive

    oportunidade de ajudar alguns alunos no aprofundamento dos contedos

    disciplinares nomeadamente naqueles que lhes suscitam maiores

    dificuldades.

    No final foram feitas as tarefas e o Balano do dia.

    Este dia foi positivo porque consegui, fazer um Conselho de

    Planificao com alguma dinmica, tive a capacidade de comentar bem o

    trabalho da Helena salientando o seu bom trabalho. No Tempo de Escrita

    Livre fui circulando pela sala e consegui gerir bem a turma. Na Matemtica

    Colectiva, consegui fazer com que os alunos estivessem sempre atentos e

    participassem nas tarefas. Fiz bem quando solicitei a ajuda de um aluno para

    mostrar como que a rea de um quadrado era igual a dois tringulos e

    tambm quando pedi a outro aluno que viesse exemplificar como que no

    devemos juntar os quadrados do pentamin. Penso que contribui para que os

    alunos interiorizassem o conceito de rea, para que todos os alunos

    entendessem que figuras diferentes podem ter a mesma rea. Assim sendo

    penso que foi um momento de matemtica positivo, onde os alunos, de uma

    forma divertida puderam aprender.

    O Tempo de Estudo Autnomo decorreu com normalidade, onde fui

    prestando apoio aos alunos que assim o solicitavam. Este apoio prestado,

    questionando os alunos, dando-lhes pistas e conduzindo-os s solues dos

    problemas.

    No final fizemos o Balano do dia e concordmos que tnhamos

    trabalhado bem durante o dia.

    Na Quinta-feira, o dia teve incio com a leitura d plano do dia e com o

    Ler, Mostrar e Contar. Para este dia estavam inscritos a Leonor Sousa, o

    Diogo, a Ana Rita e a Madalena. No querendo desvalorizar os trabalhos dos

    outros alunos gostaria de salientar o trabalho desenvolvido pelo Diogo que

    apresentou o texto Os lpis. E fao-o porque tem sido um dos alunos que

    se tem esforado e que tem evoludo bastante desde o incio do nosso

    estgio. um aluno que no incio tinha dificuldades na leitura e na escrita

    mas que de alguns dias a esta parte, vem melhorando bastante, j sendo

  • 4

    capaz de ler e escrever melhor. um aluno que mesmo tendo conscincia

    das suas dificuldades, gosta de apresentar as suas produes, o que faz com

    que a turma valorize o seu esforo. Isso nota-se nos comentrios que so

    feitos por parte dos colegas que vo sempre no sentido de o apoiar e de lhe

    dar mais fora para que continue a evoluir. Este facto, s possvel porque

    neste modelo de ensino -lhes dada a liberdade para trabalhar e comentar

    os outros trabalhos, fomentado nos alunos um esprito crtico. So

    momentos como o Ler, Mostrar e Contar que contribuem para que os alunos

    sejam valorizados pelo seu trabalho, fazendo com que se empenhem cada

    vez mais.

    Na Matemtica continumos a trabalhar

    com os pentamins atravs da resoluo de

    uma ficha de trabalho (ver anexo 3).Comecei

    por falar no Elmer que um elefante colorido e

    mostrei aos alunos a histria que ficou na

    biblioteca da sala para consulta. Depois dos

    alunos lerem as questes, expliquei que tinham

    de recortar e colar os pentamins, distribudos

    separadamente nos espaos em branco de

    forma a que o Elmer ficasse todo colorido.

    Depois pintaram o elefante. Enquanto

    preparava esta actividade pensei que os alunos

    iriam ter dificuldade em preencher os espaos vazios com os respectivos

    pentamins, mas contrariamente s minhas expectativas, souberam colocar

    cada pea no seu lugar. Por vezes,

    quando estamos a pensar fazer

    alguma coisa para trabalhar com os

    alunos, sentimos medo que alguma

    coisa corra mal e precisamente

    este medo que por vezes nos

    impede de arriscar e de inovar nas

    nossas actividades. Ao longo deste

    estgio aprendi vrias coisas e uma

    delas foi que no devemos menosprezar as crianas, pois elas sabem mais do

    que imaginamos.

  • 5

    Na Lngua Portuguesa, estava apreensivo, porque era a primeira vez

    que iria fazer Trabalho de Texto. Mas, comecei por me perguntar: O que

    Trabalho de Texto? Por Trabalho de Texto entendi a reescrita dos textos

    produzidos pelos alunos com a ajuda do professor e dos colegas. Este ser

    tambm um momento propcio para que as crianas possam mostrar os seus

    conhecimentos a nvel do funcionamento da lngua fazendo sugestes e

    comentrios ao texto inicial. Assim, este ser reescrito vrias vezes at que

    haja um consenso quanto sua forma final. Depois de fazer esta reflexo e

    de fazer o guio para o Trabalho de Texto (ver anexo 4), fiz a ficha de

    trabalho com o texto do Joaquim O Pompom (ver anexo 4). Este trabalho

    de casa j me ajudou a pensar no que iria ser feito e quando comemos

    realmente a trabalhar o texto do Joaquim, decorreu tudo com normalidade

    e no final estava bastante satisfeito com o produto final, o texto do

    Joaquim com a turma.

    Depois de ter distribudo a ficha pelos

    alunos, estes, foram preenchendo as colunas

    dos comentrios positivos, dos aspectos a

    melhorar e das perguntas ao autor. Terminada

    esta fase, necessrio saber gerir as

    diversas opinies da turma e ir registando, no

    quadro, aquelas que o autor acha que fica bem

    no seu texto.

  • 6

    Ao longo da reescrita o professor vai lendo vrias vezes o texto,

    sempre respeitando a pontuao, para que os alunos vejam se as alteraes

    efectuadas ao texto inicial ficaram boas ou no. Neste momento

    fundamental a interaco entre professor/aluno e aluno/aluno para criar

    uma certa dinmica e para que no se caia num desentendimento.

    indispensvel questionar os alunos, porque deste modo que iro

    desenvolver a capacidade de fundamentar os comentrios que fazem aos

    colegas.

    No Tempo de Estudo Autnomo, fui gerindo o ambiente da sala de

    aula e fui apoiando os alunos que solicitavam ajuda.

    Aps o almoo a Teresa apresentou a histria A lebre e a tartaruga.

    A actividade denominada Os livros e a leitura, tem por objectivo

    incentivar os alunos leitura. Este momento aproveitado pelos alunos para

    apresentarem aos colegas histrias que estejam a ler ou que j tenham lido.

    Uma das regras, combinadas no incio, que devem tentar trazer sempre um

    livro diferente, para que suscite interesse nos colegas e os leve sua

    leitura.

    A moral desta histria, como todos sabemos, o facto de que ns

    nunca devemos subestimar os outros e que devagar se vai ao longe.

    Aproveitando o momento disse aos alunos que no devem gozar daqueles que

    aprendem mais devagar at porque os alunos tm ritmos diferentes e o

    importante que todos aprendam.

    Posteriormente foram feitas as Tarefas e o Balano do dia, porque

    depois tiveram aula de Educao Fsica.

  • 7

    Para terminar a reflexo deste dia, queria referir que foi um dia

    bastante compensador para mim. Digo isto porque apesar de ser a primeira

    vez que fiz Trabalho de Texto e de estar nervoso, acabou por correr bem e

    fez-me gostar de mais um momento do Modelo de pedaggico que o MEM.

    Na Sexta-feira, comemos o dia com a leitura do plano do dia e com

    as tarefas. Depois fizemos o Ler, Mostrar e Contar onde apresentaram

    produes a Beatriz Pereira, o Diogo e a Helena juntamente com a Camila.

    Apesar dos dois primeiros alunos terem apresentado bons trabalhos

    (problema e lista de palavras com ou), gostei de ouvir a Helena e a Camila a

    lerem o seu texto. Durante a sua leitura apercebi-me que na construo do

    texto tinham recorrido lista de palavras da histria Os ovos misteriosos.

    Foi uma lista que fizemos, com os nomes das personagens da histria,

    que foi posteriormente afixada na parede junto dos outros ficheiros.

    curioso ver que os alunos servem-se de tudo o que dispem para utilizarem

    nos seus trabalhos e que nada deixado de parte.

    Na Lngua Portuguesa foi feita a

    ficha de trabalho do texto do Joaquim (ver

    anexo 5). Distribui-lhes a ficha e depois os

    alunos aleatoriamente foram lendo as

    questes enquanto eu explicava alguma

    dvida que eventualmente existisse. Depois

    de resolvida a ficha, os alunos colaram o

    texto do Joaquim nos seus cadernos e

    ilustraram-no.

    Aps o lanche, a Teresa e a Ana Rita

    apresentaram o Projecto sobre os dentes. Foi um trabalho bem elaborado

    porque apesar de existir imensa

    informao sobre este tema

    souberam pegar na informao

    mais pertinente e

    apresentaram-na aos colegas.

    Neste trabalho pudemos ficar a

    saber por exemplo: como

    escovar os dentes, quais so os

    alimentos mais saudveis, o

  • 8

    nmero de dentes que temos e at mesmo o nome dos dentes. Depois da

    apresentao foi dado um tempo para que os outros alunos colocassem

    questes e fizessem comentrios ao trabalho apresentado. Depois a Ana

    Rita e a Teresa distriburam uma folha a cada aluno onde constavam algumas

    questes sobre o seu trabalho. Terminada a ficha, foi feito um jogo,

    tambm este construdo pelas alunas e relacionado com o tema do trabalho.

    Uma vez que de tarde iriamos Ludoteca do Parque de Santa

    Catarina, optmos por no fazer o TEAutnomo e no seu lugar fizemos o

    Conselho de Cooperao onde envolvi-me mais na compreenso e resoluo

    das situaes conseguindo mudar a minha postura em Conselho. Foi um

    Conselho difcil devido a um caso que envolvia trs alunos. Esta situao

    decorreu no recreio e teve por base o facto de o Joaquim estar a jogar

    bola com o Francisco e o Rben ter pedido para entrar no jogo. O Francisco

    alegando que o Rben atirava sempre a bola para as rvores disse ao amigo

    Joaquim que se o Rben entrasse no jogo, ele sairia. O presidente do

    Conselho disse ao Joaquim para comentar e este desatou logo a chorar e

    disse que no queria dizer no ao Rben por que era tambm seu amigo e que

    s o fazia porque no queria perder o seu outro amigo (Francisco). Fiquei

    impressionado pois no estava nada espera de uma situao destas, mas

    estive bem na sua resoluo questionando o Francisco e colocando-o na

    posio do Joaquim, perguntando se gostaria de ser tratado daquela forma.

    Todos ns reflectimos um pouco sobre a amizade e sobre a partilha dos

    brinquedos e o assunto acabou por ficar resolvido. No final pude verificar o

    quanto importante observar os alunos no recreio porque s assim podemos

    detectar situaes como estas e s assim os podemos ajudar a serem

    melhores pessoas.

    Depois do almoo, fomos fazer uma visita Ludoteca do Parque de

    Santa Catarina com o objectivo de assistir a uma formao sobre a

    preveno rodoviria. Importa referir que o interesse nesta actividade

  • 9

    surgiu da apresentao de um Trabalho Projecto denominado A preveno

    rodoviria. Desta formao faziam parte duas actividades: a primeira seria

    uma conversa com um tcnico da Cmara Municipal do Funchal, onde seriam

    abordados temas relacionados com os cuidados a ter na estrada e com a

    sinalizao; a segunda consistia em conduzir um carrinho de cana no circuito

    existente para o efeito e devidamente sinalizado.

    Terminada a aula de conduo, foram lanchar e seguiu-se um momento

    de diverso.

    E deste modo terminava mais uma semana de estgio. Esta semana

    correu bem, penso que estive bem ao longo de toda a semana, consegui gerir

    bem os momentos, penso que fiz o meu melhor Conselho de Cooperao e

    terminei a semana bastante satisfeito com a minha prestao.

    Jos Joo Pereira Fernandes

    Aluno n2074906

  • 10

    ANEXOS

  • Anexo1

    Data Horas Momento de

    Trabalho

    Papis O que preciso? Aperfeioar Observaes Professor Alunos

    2

    feir

    a

    17

    /05

    /20

    10

    9.00 9.30

    Conselho semanal

    Planificar as actividades para a semana

    Fazer propostas de actividades

    Marcar parcerias, para T.E.A.

    Definir tarefas para a semana

    Conscincia do trabalho do dia e da semana

    Propor actividades para a semana

    Inscrio para o trabalho com o professor ou colegas

    Agenda semanal

    Registo das parcerias

    Tarefas Desempenhar a sua tarefa

    9.30 9.45 Mala Era uma Vez Fazer um comentrio

    Ajudar/questionar se necessrio

    Apresentar a histria;

    Comentar a histria do colega.

    9.45 10.00

    Escrita Livre

    10.00 10.30

    Lanche

    10.30 11.30

    Educao Musical

    11.30 12.20

    Matemtica colectiva

    reas

    Ajudar os alunos a descobrirem os 12 pentamins;

    Definir uma unidade de medida, que ser o quadrado;

    Prestar apoio na investigao .

    Perceber dois tringulos compem a rea de um quadrado;

    Perceber a importncia de uma unidade de medida;

    Descobrir diferentes pentamins.

    Ficha de trabalho

    Materiais manipulveis

    12.20 Almoo

  • 14.00

    14.00 15.15

    T.E.A.

    Trabalho rotativo para

    ensino interactivo dos alunos que precisam de acompanhamento individualizado

    Estudo e aprofundamento dos contedos disciplinares, treino e produo intelectual dos alunos guiados por um plano individual de trabalho.

    15.15 15.30

    Tarefas Desempenhar a sua tarefa

    Balano do dia Reflexo acerca do trabalho do dia Plano semanal

  • Data Horas Momento de

    Trabalho

    Papis O que preciso? Aperfeioar Observaes Professor Alunos

    5

    feir

    a

    20

    /05

    /20

    10

    9.00 9.15 Plano do dia Reler o plano;

    Marcar parcerias.

    Conscincia do trabalho do dia

    Inscrio para o trabalho com o professor ou colegas.

    Plano Semanal.

    Registo das parcerias

    Tarefas Desempenhar a sua tarefa

    9.15 - 930 Ler, Mostrar e Contar

    Fazer comentrios

    construtivos de forma a melhorar/aperfeioar o trabalho dos alunos

    Comentar a comunicao dos colegas;

    Apresentar a sua comunicao.

    9.30 10.00 Matemtica Colectiva

    reas Orientar os alunos a

    calcularem as diferentes reas das figuras geomtricas

    Descobrir as diferentes reas das figuras geomtricas

    Materiais manipulveis

    10.00 10.30

    Lanche

    10.30 11.30

    Lngua Portuguesa

    Trabalho de texto do Joaquim

    Gerir as opinies dos alunos;

    Orient-los na melhoria do texto.

    Colocar aspectos positivos e aspectos a melhorar no texto do Joaquim;

    Colocar questes ao autor;

    Melhorar o texto.

    Ficha com o texto do Joaquim.

    11.30 12.20

    Tempo de Estudo

    Autnomo Trabalho rotativo para

    ensino interactivo dos alunos que precisam de acompanhamento individualizado.

    Estudo e aprofundamento dos contedos disciplinares, treino e produo intelectual dos

  • alunos guiados por um plano individual de trabalho.

    12.20 14.00

    Almoo

    14.00 14.15

    Livros e a Leitura e

    Mala Era uma Vez Fazer um comentrio

    Ajudar/questionar se necessrio

    apresentar o livro;

    comentar a escolha do colega;

    Apresentar a histria;

    Comentar a histria do colega.

    14.15 14.30

    Tarefas Desempenhar a sua tarefa

    Balano do dia Reflexo acerca do trabalho do dia Plano semanal

    14.30 15.30

    Educao Fsica

  • Data Horas Momento de

    Trabalho

    Papis O que preciso? Aperfeioar Observaes Professor Alunos

    6

    feir

    a

    21

    /05

    /20

    10

    9.00 9.15 Plano do dia Reler o plano

    Marcar parcerias

    Conscincia do trabalho do dia

    Inscrio para o trabalho com o professor ou colegas

    Plano Semanal

    Registo das parcerias

    Tarefas Desempenhar a sua tarefa

    9.15 - 930 Ler, Mostrar e Contar

    Fazer comentrios

    construtivos de forma a melhorar/aperfeioar o trabalho dos alunos

    Comentar a comunicao dos colegas

    Apresentar a sua comunicao

    9.30 10.00 Lngua Portuguesa

    Ficha de trabalho

    do texto do

    Joaquim

    Apoiar os alunos em eventuais dvidas.

    Responder s questes de interpretao do texto.

    Ficha de

    trabalho do

    texto do

    Joaquim.

    10.00 10.30 Lanche 10.30 11.30 Tempo Trabalho de

    Projectos Apoiar e

    acompanhar os grupos das profisses e das pinturas abstractas

    Ajudar no preenchimento dos novos planos dos projectos

    Continuao dos Trabalhos de Projecto

    Comeo de novos Projectos que visem desenvolver aprendizagens curriculares.

    11.30 12.20 Tempo de Estudo

    Autnomo

    Trabalho rotativo para ensino interactivo dos alunos que

    Estudo e aprofundamento dos contedos disciplinares, treino e

  • precisam de acompanhamento individualizado.

    produo intelectual dos alunos guiados por um plano individual de trabalho.

    12.20 14.00 Almoo 14.00 15.30 Visita

    Ludoteca do

    Parque de

    Santa Catarina

    para

    participarem

    numa aco

    de

    sensibilizao

    sobre a

    preveno

    rodoviria.

  • 17

    Anexo 2

    ACTIVIDADE DE MATEMTICA: REAS

    Irei comear a actividade dizendo-lhes que como investigadores que

    so tenho mais uma misso para eles e que devero abrir os seus Kits de

    investigadores, para verificar se l dentro existe algo de novo. Iro

    deparar-se com um envelope branco com um ponto de interrogao e com o

    nome de cada aluno (ver anexo1). Iro abrir o envelope e encontraro cinco

    quadrados vermelhos. Direi que se trata de um pentamin e que ser a

    ferramenta para a descoberta. Irei lhes falar sobre a actividade da semana

    passada para lhes fazer ver que a rea do quadrado precisamente igual a

    dois dos tringulos verdes.

    Depois explicarei qual a tarefa de que esto incumbidos de realizar

    enquanto investigadores. Esta passar por descobrir qual o maior nmero de

    pentamins que possvel construir com os cinco quadrados. Explico que

    para a realizao desta tarefa, os quadrados tm de estar sempre unidos

    por um lado, nunca por um vrtice. Sempre que descobrirem uma figura

    diferente registam-na na folha ponteada que ser entregue a cada aluno

    (ver anexo2).

    No final irei fazer passar uma folha A3 ponteada para que cada aluno

    possa desenhar cada figura diferente que construiu (no podem existir

    figuras iguais). Ao todo devero existir 12 figuras, se assim no acontecer

    eu direi que ainda existem outras possibilidades e se necessrio darei pistas

    para que os alunos consigam descobrir. Depois de completa com as 12

    figuras a folha A3 ser colocada no quadro para que todos a consigam

    visualizar.

    Para planificar esta actividade tive em conta as competncias a serem

    desenvolvidas pelos alunos do 2 ano. Estas esto previstas no bloco 2-

    Forma e espao (iniciao geometria) do programa curricular do 1 Ciclo e

    no Currculo Nacional do Ensino Bsico Competncias Essenciais

    (Geometria). Com esta actividade, pretendo que os alunos consigam

    reconhecer que figuras com formas diferentes, podem ser equivalentes (ter

    a mesma rea), possam desenvolver a sua capacidade organizacional assim

    como desenvolver a sua capacidade de visualizao espacial.

  • 18

    Anexo1

    envelope

    Pentamin

    Anexo2

  • 19

  • 20

    Considerando o como unidade de medida constri todos os

    pentamins possveis, utilizando os cinco quadrados que te foram dados.

    Regista-os no papel ponteado. No te esqueas de utilizar a rgua!

  • 21

    Anexo 3

    1. Para que o puzzle do elefante fique completo falta encaixar os sete

    pentamins, que esto desenhados em baixo.

    Tenta descobrir como os colocarias e pinta-os.

    2. Se a unidade de rea for a rea de um , qual a medida da rea do

    elefante?

    R:

    _______________________________________________________

  • 22

    Anexo 4

    Trabalho de texto

    O que Trabalho de Texto? Por Trabalho de Texto entendo a

    reescrita dos textos produzidos pelos alunos com a ajuda do professor e

    dos colegas. Este tambm um momento propcio para que as crianas

    mostrem os seus conhecimentos a nvel do funcionamento da lngua fazendo

    sugestes e comentrios ao texto inicial. Assim, este ser reescrito vrias

    vezes at que haja um consenso quanto sua forma final. Os alunos ao

    reescreverem os seus textos iro compreender que estes no so um

    produto acabado e que podero, a qualquer altura, serem alvo de

    modificaes.

    Sendo este momento colectivo, um momento que servir para

    comunicar, podemos ento incluir as produes dos alunos nos circuitos de

    comunicao.

    Descrio da actividade:

    1) Distribuir folha com a reviso de texto

    a) Texto

    b) Aspectos positivos

    c) Aspectos a melhorar

    d) Perguntas ao autor

    2) Autor do texto l-o em voz alta

    3) Cada aluno l e preenche, individualmente, a folha de reviso de texto

    enquanto o professor projecta o texto na tela

  • 23

    4) Autor do texto l-o

    5) Colegas e professor ajudam-no a:

    a) Ver se tudo aquilo que diz faz sentido

    b) Ver se os elementos de ligao entre as ideias esto bem

    c) Ver se preciso alterar ou completar a pontuao

    6) O autor responde s questes dos colegas

    a) Professor vai acrescentando no texto e lendo as alteraes

    7) Professor rel o texto final.

  • Nome:__________________Data:__/__/___

    Ficha de trabalho

    8) 9)

    O Pompom

    Era uma vez um animal peludo que se chamava Joca.

    Ele tinha 7 amigos que se chamavam Zeca, Chato, Gui, Gordo, Pico, Hartoo e

    Gil.

    Gostava muito dos seus amigos.

    Texto do Joaquim

    20/5/2010

    Comentrios positivos Aspectos a melhorar

    Perguntas ao autor

  • 25

    Anexo 5

    Nome: ______________________ Data: ___ /___ /____ Ficha de trabalho

    L o texto com ateno:

    Responde de acordo com o texto.

    1. Como eram os pompons?

    ______________________________________________________

    2. Quem eram os amigos que viviam com o Joca?

    ______________________________________________________

    ______________________________________________________

    ______________________________________________________

    2.1. Coloca-os por ordem alfabtica.

    3. Porque que o Joca gostava muito dos seus amigos?

    ______________________________________________________

    ______________________________________________________

    ______________________________________________________

    O Joca

    Era uma vez um pompom peludo que se chamava Joca.

    Ele vivia com sete pompons coloridos, brincalhes e pequenos que

    eram seus amigos. Chamavam-se: Zeca, Chato, Gui, Gordo, Pico, Hartoo e

    Gil. Eles costumavam jogar futebol e brincar corrente.

    Gostava muito dos seus amigos porque brincavam juntos e

    respeitavam-se.

    Texto do Joaquim

    com a turma 20/05/2010

  • 26

    4. Completa a tabela.

    Singular Plural

    Pompom Pompons

    Jardim

    Carruagem

    Viagem

    Flautim

    Tangram

  • 27

    O Joca

    Era uma vez um pompom peludo que se chamava Joca.

    Ele vivia com sete pompons coloridos, brincalhes e pequenos que

    eram seus amigos. Chamavam-se: Zeca, Chato, Gui, Gordo, Pico, Hartoo e

    Gil. Eles costumavam jogar futebol e brincar corrente.

    Gostava muito dos seus amigos porque brincavam juntos e

    respeitavam-se.

    Texto do Joaquim

    com a turma 20/05/2010

    O Joca

    Era uma vez um pompom peludo que se chamava Joca.

    Ele vivia com sete pompons coloridos, brincalhes e pequenos que

    eram seus amigos. Chamavam-se: Zeca, Chato, Gui, Gordo, Pico, Hartoo e

    Gil. Eles costumavam jogar futebol e brincar corrente.

    Gostava muito dos seus amigos porque brincavam juntos e

    respeitavam-se.

    Texto do Joaquim

    com a turma 20/05/2010