DENSIDADE APARENTE DOS RESDUOS DA CONSTRUO ? VI Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Porto

  • Published on
    21-Sep-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • VI Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 1

    DENSIDADE APARENTE DOS RESDUOS DA CONSTRUO CIVIL EM BELO HORIZONTE MG

    Kelry Borges de Vasconcelos (*), Dr. Carlos Fernando de Lemos *Engenheira Ambiental Ps-Graduada em Gesto Ambiental pela Universidade Federal de Viosa UFV. kelrybv@gmail.com.

    RESUMO Em uma rea privada de recebimento de resduos da construo civil no municpio de Belo Horizonte no estado de Minas Gerais foram identificados os resduos comumente gerados na construo civil. O objetivo desse trabalho foi estimar a densidade aparente em quilograma por metro cbico (kg/m) dos principais resduos gerados nos canteiros de obras da construo civil em Belo Horizonte, tendo em vista, a importncia deste parmetro para propor um melhor dimensionamento de equipamentos, instalaes de armazenamento dos resduos, melhorias nos mtodos de tratamento e destino final dos resduos e uma possvel previso dos custos da destinao correta destes resduos. Aps a definio dos tipos de resduos que seriam estudados, foram coletadas 24 amostras in situ, com 150 l (0,15m) cada, extradas das reas ou de caambas de armazenamento dos resduos. Sendo 3 amostras por tipo de resduo. Como resultados dos ensaios foi possvel determinar as seguintes densidades aparentes: 5,11 kg/m para isopor, 818,44 kg/m para gesso, 58,67 kg/m para papel, 63,11 kg/m para sacarias, 140,44 kg/m para madeira, 753,56 kg/m para inertes, 43,56 kg/m para plstico e 253,78 kg/m para metal. Extraindo-se uma mdia desses valores, tem-se que a densidade aparente mdia dos resduos da construo civil de Belo Horizonte de 267,08 kg/m3. Esses dados so primrios e esto sendo aprofundados no estudo sobre a gravimetria dos RCC nas obras do municpio.

    PALAVRAS-CHAVE: Resduos da construo, densidade aparente, RCC, construo civil, gesto de resduos. INTRODUO

    Os resduos da construo civil (RCC) so os resduos provenientes de construes, reformas, reparos e demolies de obras de construo civil, e os resultantes da preparao e da escavao de terrenos, tais como: tijolos, blocos cermicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfltico, vidros, plsticos, tubulaes, fiao eltrica etc., comumente chamados de entulhos de obras, calia ou metralha (BRASIL, 2002b). De acordo com a Associao Brasileira de Empresas de Limpeza Pblica e Resduos Especiais (ABRELPE) em sua dcima edio do Panorama dos Resduos Slidos no Brasil foram gerados em 2012 quase 64 milhes de toneladas de resduos slidos, desse total 35 milhes de toneladas so de resduos de construo e demolio (RCD) (ABRELPE,2012). Esse volume encontrado tende a ser ainda maior, considerando que os municpios, via de regra, coletam apenas os resduos lanados nos logradouros pblicos (BRASIL, 2012). Devido aos impactos ambientais que a construo civil proporciona com a gerao excessiva de resduos, existem diversas regulamentaes que tendem a reduzi-los. No Brasil uma delas a Resoluo n 307, de julho de 2002, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), que estabelece diretrizes, critrios e procedimentos para a gesto dos resduos da construo civil e a necessidade dos municpios de licenciar as reas para disposio final, fiscalizar o setor em todo o processo e implementar o Plano Integrado de Gerenciamento de Resduos da Construo Civil (PIGRCC) (BRASIL, 2002). Para elaborao e implantao dos planos de gerenciamento de resduos da construo civil e para a gesto correta dos resduos gerados pela atividade, fundamental que se conhea os fatores de gerao e a composio fsico-qumica dos RCC gerados nos canteiros de obras. Dos parmetros necessrios, destacasse a densidade aparente dos RCC, que possibilita a determinao da capacidade volumtrica dos meios de coleta, tratamento e disposio final dos resduos gerados. O objetivo desse trabalho foi estimar a densidade aparente dos RCC em Belo Horizonte, Minas Gerais, para auxiliar na implantao do gerenciamento dos resduos gerados pelo setor da construo civil exigido pelas legislaes vigentes. METODOLOGIA

    O estudo foi realizado numa rea privada de recebimento de resduos da construo civil em Belo Horizonte no estado de Minas Gerais. O dia estava ensolarado com temperatura mdia de aproximadamente 19 C e com umidade relativa do ar baixa. Como no foram registradas chuvas no dia e na semana antecedente ao estudo considera-se que os resduos estavam secos, sem interferncia de umidade.

  • VI Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Porto Alegre/RS - 23 a 26/11/2015

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 2

    Na rea em questo realizada a triagem e o transbordo dos resduos da construo civil coletados por esta empresa antes de serem encaminhados para os destinos finais licenciados. Como para cada mtodo construtivo os resduos produzidos podem variar. Foram estabelecidos 8 tipos de resduos que so gerados nos principais processos construtivos, sendo eles: Resduos Inertes resduos classificados como classe A pela Resoluo CONAMA 307/2002, desconsiderando o solo por estar contemplado no projeto de terraplanagem na maioria dos canteiros de obras, Gesso, Isopor, Madeira, Metal, Papel, Plstico, Sacarias de Papel. Aps a definio dos tipos de resduos que seriam estudados, foram coletadas 24 amostras in situ, com 150l (0,15m) cada, extradas das reas ou de caambas de armazenamento final. Sendo 3 amostras por tipo de resduo. Os principais instrumentos utilizados nessa etapa foram uma balana de plataforma de capacidade mxima de 300 kg, uma p metlica e 3 bombonas de 150 l (0,15m) cada. A densidade aparente uma relao entre a massa da amostra pelo volume: kg/m. Para determinar a densidade aparente dos resduos encheu-se as 3 bombonas com um determinado resduo e procedeu-se em seguida a pesagem, conforme a figura 01. Os pesos foram anotados para verificao posterior. O mesmo foi feito com os demais resduos.

    Figura 1- Separao e pesagem da amostra do RCC avaliado

    Lembrando que cada bombona foi preenchida por uma pessoa e em lugares diferentes de coletas, prezando o preenchimento mximo do volume de cada recipiente e reduzindo os vazios que alguns resduos, devido as suas dimenses, poderiam proporcionar. Esta medida foi tomada, pois resduos como os inertes, madeira e metal podem variar suas caractersticas fsicas em um montante ou em partes dele. RESULTADOS OBTIDOS

    Os resultados da densidade aparente mdia (kg/m) dos diversos tipos de resduos da construo civil (RCC) esto apresentados na Figura 02.

    Figura 2 - Densidade aparente mdia dos resduos da construo civil (RCC) estudados

  • VI Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 3

    Como se observa, encontrou-se para cada material em estudo valores mdios de 5,11 kg/m para isopor, 818,44 kg/m para gesso, 58,67 kg/m para papel, 63,11 kg/m para sacarias, 140,44 kg/m para madeira, 753,56 kg/m para inertes, 43,56 kg/m para plstico e 253,78 kg/m para metal. A Tabela 1 traz os valores mximos e mnimos encontrados para a densidade aparente de cada resduo avaliado.

    Tabela 1- Valores mximos e mnimos das densidades aparentes dos RCC

    Resduo Valor Mximo

    (kg/m3) Valor Mnimo

    (kg/m3)

    Gesso 828,67 800,67

    Inertes 916,67 629,33

    Isopor 5,33 4,67

    Madeira 154,67 126,67

    Metal 483,33 77,33

    Papel 62,67 56,00

    Plstico 55,33 36,67

    Sacaria 76,00 53,33

    As diferenas observadas esto diretamente relacionadas s caractersticas fsicas dos resduos, como dito anteriormente. Isto ocorre por se tratarem de resduos de diversas obras, por terem sido coletados em pontos diferenciados dos montantes de resduos e de uma gama extensa de materiais por tipo de resduo. Por exemplo, o metal, que pode variar a densidade do material do resduo de acordo com a sua tipificao: ao, ferro, alumnio, cobre, entre outros. Mais exemplos podem ser observados nas figuras abaixo.

    Figura 3 - Diferenas das dimenses e dos materiais que compem os resduos

    Figura 4 - Diferenas dos materiais que compem o resduo

    Quando extraindo uma mdia total dos valores mdios de cada resduo analisando, tem-se que a densidade aparente mdia dos RCC gerados nas obras de Belo Horizonte de 267,08 kg/m. No entanto, o valor encontrado no pode ser

  • VI Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Porto Alegre/RS - 23 a 26/11/2015

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 4

    comparado com as literaturas pesquisadas: Pinto (1999), Tozzi (2006), Novaes e Mouro (2008) e Costa (2012), onde os RCC de diversas cidades no Brasil apresentam uma densidade aparente entre 1000 a 1300kg/m, por se tratar de estudos com metodologias diferentes. Neste estudo foram consideradas as densidades de cada tipo de resduos comumente encontrados na construo civil e no de um montante de resduos misturados sem uma triagem prvia. J nas bibliografias consultadas a densidade dos RCC foi definida a partir da coleta de resduos dispostos em bota fora clandestinos ou de obras com resduos no segregados. CONCLUSES

    As densidades encontradas podero ser aplicadas para melhoria dos projetos de gerenciamento de resduos nos canteiros de obras e para incentivar a destinao correta dos resduos gerados nas obras. Visto que, com a caracterizao dos RCC pode-se melhorar o dimensionamento de equipamentos utilizados para a logstica dos resduos, aperfeioar os mtodos de tratamento e destino final dos resduos e obter uma previso dos custos da destinao correta destes resduos, considerando ainda a economia com a comercializao de alguns resduos para empresas de reciclagem. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    1. ABRELPE, ASSOCIAO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PBLICA E RESDUOS ESPECIAIS. Panorama de Resduos Slidos no Brasil - 2012. 10. ed. So Paulo: ABRELPE, 2012. 116 p. Disponvel em: . Acesso em: 17 jan. 2014.

    2. BRASIL. Ministrio do Meio Ambiente. Planos de gesto de resduos slidos: manual de orientao: apoiando a implementao da poltica nacional de resduos slidos: do nacional ao local. Braslia: MMA, 2012. 157 p. Disponvel em: Acesso em: 10 dez. 2013.

    3. BRASIL. Resoluo n. 307, de 5 de julho de 2002. Dirio Oficial da Unio, Braslia, DF, 17 jul. 2002. Disponvel em: Acesso em: 10 dez. 2013.

    4. COSTA, R, V. G. Taxa de gerao de resduos da construo civil em edificaes na cidade de Joo Pessoa. 67f.: il. Dissertao Ps-Graduao em Engenharia Urbana e Ambiental do Centro de Tecnologia da Universidade Federal da Paraba, PB, 2012. Disponvel em: < http://www.ct.ufpb.br/pos/ppgecam/images/arquivos/dissertacoes/2010/26-2010.pdf> Acesso em: 05 mar. 2014.

    5. NOVAES, M. V.; MOURO, C. A. M. A. Manual de Gesto Ambiental de Resduos Slidos na Construo Civil. Coopercon Cooperativa da Construo Civil do Estado do Cear, 1 Ed. Fortaleza, CE. 2008.100 p.

    6. PINTO, T. P. Metodologia para a Gesto Diferenciada de Resduos Slidos da Construo Urbana. 1999. 189 p. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) Departamento de Engenharia de Construo Civil, Escola Politcnica, Universidade de So Paulo. So Paulo, 1999. 66. Disponvel em: . Acesso em: 26 mar. 2014.

    7. TOZZI, R.F. Estudo da Influncia do Gerenciamento na Gerao dos Resduos da Construo Civil (RCC) Estudo de Caso de Duas Obras em Curitiba/PR. 2006. 117 p. Dissertao (Mestre em Engenharia de Recursos Hdricos e Ambiental) - Universidade Federal do Paran. Curitiba, PR, 2006. Disponvel em: < http://www.ppgerha.ufpr.br/publicacoes/dissertacoes/files/123-Rafael_Fernando_Tozzii.pdf > Acesso em: 05 mar. 2014.

Recommended

View more >