Conforto, Segurana e Produtividade: a ergonomia no trabalho

  • Published on
    09-Jan-2017

  • View
    225

  • Download
    7

Transcript

  • 222000111000

    FORMAO EM REGIME DE E-LEARNING

    CONFORTO, SEGURANA E PRODUTIVIDADE:

    a ergonomia no trabalho

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 2

    GUIA DO CURSO

    CONFORTO, SEGURANA

    E PRODUTIVIDADE:

    A ergonomia no trabalho (em regime de e-learning)

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 3

    O Homem no uma mquina

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 4

    NDICE

    A Universidade Aberta

    5

    Enquadramento 10

    Sinopse do curso 11

    Objectivos do curso

    12

    Competncias a desenvolver 13

    Objectivos dos mdulos

    14

    Pblicos-alvo 16

    Pr-requisitos dos formandos

    17

    Durao e estrutura do curso

    18

    Calendarizao do curso 19

    Actividades dos formandos

    20

    Metodologia e sistema de tutoria

    21

    Recursos de aprendizagem

    23

    Sistema de avaliao

    24

    Compromissos

    25

    Coordenador e Formadores 26

    Acompanhamento do curso 27

    Inscrio e custos 28

    Contactos 29

    Anexos

    Roteiro de Contedos

    E-actividades

    Plataforma Informtica Moodle

    Modelo do Certificado de Formao

    30 31 34 37 40

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 5

    UNIVERSIDADE ABERTA 1

    Universidade Pblica de Ensino a Distncia

    A Universidade Aberta, universidade pblica de ensino a distncia estatutariamente

    tem como misso, no contexto universitrio portugus e de acordo com a lei que o

    enquadra, a criao, transmisso e difuso da cultura, dos saberes, das artes, da

    cincia e da tecnologia, ao servio da sociedade, atravs da articulao do estudo, do

    ensino, da aprendizagem, da investigao e da prestao de servios.

    A Universidade uma pessoa colectiva de direito

    pblico (NPC 502 110 660) e goza de autonomia

    estatutria, pedaggica, cientfica, cultural,

    administrativa, financeira, patrimonial e disciplinar,

    podendo, na prossecuo dos seus fins, por si s

    ou em cooperao com outras entidades,

    universitrias ou outras, tanto pblicas como privadas, criar ou incorporar no seu

    mbito pessoas colectivas de direito privado.

    A Universidade tem a sua sede em Lisboa e dispe de delegaes nas cidades do

    Porto e de Coimbra, podendo criar outras delegaes ou entidades de apoio, no

    territrio nacional ou fora dele, necessrias realizao dos seus objectivos.

    Nos termos da lei, so atribuies da Universidade:

    a) Realizar ciclos de estudos visando a atribuio de graus acadmicos, bem como de

    outros cursos ps -secundrios, de cursos de formao ps -graduada e de outros,

    nos termos da lei, destinados a populaes que procurem o ensino a distncia;

    b) Promover a aprendizagem ao longo da vida,

    nomeadamente atravs de aces de formao,

    qualificao e reconverso profissional, em domnios

    estratgicos para o desenvolvimento e a actualizao de

    conhecimentos;

    c) Garantir que, a todo o tempo, ser considerada a especificidade dos estudantes de

    ensino a distncia, atravs do apoio e enquadramento pedaggico, bem como da

    salvaguarda dos respectivos direitos;

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 6

    d) Realizar investigao e apoiar a participao dos seus docentes e investigadores

    em instituies cientficas;

    e) Conceber, produzir e difundir recursos educacionais mediatizados e em rede,

    susceptveis de utilizao atravs das tecnologias de informao e comunicao,

    destinados ao ensino formal e no formal a qualquer nvel, defesa e promoo da

    lngua e da cultura portuguesas, no Pas e no estrangeiro, com especial relevo para os

    pases e comunidades de lngua portuguesa;

    f) Contribuir para a difuso e a promoo da sociedade do conhecimento,

    incentivando, pela sua metodologia prpria, a incluso digital, a apropriao e a

    autoconstruo de

    saberes e a transferncia e a valorizao econmica do conhecimento cientfico e

    tecnolgico;

    g) Promover a cooperao e o intercmbio cultural, cientfico e tcnico com instituies

    congneres, nacionais e estrangeiras;

    h) Contribuir, no seu mbito de actividade, para a cooperao internacional e para a

    aproximao entre os povos, com especial destaque para os pases de lngua oficial

    portuguesa e os pases europeus;

    Estas atribuies abrangem o territrio nacional, podendo ser extensivas a estruturas

    delegadas, para esse fim criadas no estrangeiro.

    Fundada em 1988, a Universidade Aberta (UAb) a nica instituio de ensino

    superior pblico vocacionada para o ensino a distncia. Desde o incio, a UAb tem

    estado orientada para a educao de grandes massas populacionais geograficamente

    dispersas, tendo-se j proporcionado formao de nvel superior a mais de 10 mil

    estudantes, em 33 pases dos cinco continentes, licenciando-se mais de 9 mil

    estudantes, concedendo-se mais de um milhar de graus de mestre e cerca de uma

    centena de graus de doutor.

    Pioneira no ensino superior a distncia em Portugal, a UAb tem promovido aces

    relacionadas com a formao superior e a formao contnua, contribuindo igualmente

    para a divulgao e a expanso da lngua e da cultura portuguesas, com especial

    relevo nos pases e comunidades lusfonos.

    Ao longo dos 20 anos de existncia da UAb, os seus docentes e investigadores tm

    desenvolvido actividades de investigao cientfica atravs da utilizao das

    tecnologias da informao e da comunicao, concebendo e produzindo materiais

    pedaggicos nas reas da tecnologia do ensino e da formao a distncia, e da

    comunicao educacional multimdia.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 7

    Com mais de 400 ttulos editados, de 3500 horas de produes audiovisuais e de 6000

    horas de emisses televisivas, produzidas nos seus estdios, a UAb tem procurado

    sobretudo incentivar a apropriao e a autoconstruo de saberes, concebendo e

    leccionando cursos, formando tcnicos e docentes, de acordo com uma filosofia de

    prestao de servio pblico.

    Estudantes-alvo

    A UAb assume como misso fundamental formar estudantes que, por vrias razes,

    no puderam, no seu tempo prprio, encetar ou prosseguir estudos universitrios. Por

    outro lado, a UAb procura corresponder s expectativas de quantos, tendo

    eventualmente obtido formao superior, desejam reconvert-la ou actualiz-la; o que

    significa que, por vocao, tenta ir ao encontro das expectativas de um pblico adulto,

    com experincia de vida e normalmente j empenhado no exerccio de uma profisso.

    Assim, condio necessria para ingressar na UAb ter mais de 21 anos de idade e

    realizar provas de acesso a esta universidade, que no integra o concurso nacional de

    acesso ao ensino superior. As licenciaturas da UAb no tm numerus clausus . A UAb

    tambm efectua provas especialmente destinadas a Avaliar a Capacidade para a

    Frequncia do Ensino Superior (ACFES) dos maiores de 23 anos.

    Pioneira no E-Learning em Portugal

    Enquanto universidade pioneira no Ensino Superior a Distncia em Portugal, e tendo

    em conta a sua responsabilidade como principal centro nacional de competncia nesta

    rea, a UAb desenvolveu um inestimvel know-how, que lhe permitiu constituir a maior

    bolsa de oferta de cursos online do Pas.

    No ano lectivo 2008-2009, a UAb tornou-

    se na primeira e nica universidade

    (pblica) em Portugal a leccionar todas as

    licenciaturas e mestrados pela Internet, em regime de e-learning, atravs de um

    Modelo pedaggico virtual indito no Pas e desenvolvido por esta instituio.

    A UAb tambm considerada um dos mega-providers de e-learning europeus,

    desempenhando um papel preponderante na leccionao de cursos de 1. Ciclo

    (licenciaturas) e de 2. Ciclo (mestrados), em domnios das Humanidades, das

    Cincias e Tecnologia, da Educao e Ensino a Distncia, das Cincias Sociais e da

    Gesto. Todos os cursos de licenciatura e mestrado da UAb esto adequados ao

    Processo de Bolonha.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 8

    Modelo pedaggico virtual

    O modelo pedaggico da UAb assenta no regime de e-learning e na utilizao

    intensiva das novas ferramentas de comunicao online. Promovendo a interaco

    entre estudantes e docentes, este modelo est fortemente centrado no estudante,

    enquanto indivduo activo e construtor do seu conhecimento. Permite ainda uma maior

    flexibilidade na aprendizagem, onde a comunicao e a interacose processam de

    acordo com a disponibilidade do estudante, partilhando recursos, conhecimentos e

    actividades com os seus pares. A avaliao dos conhecimentos e competncias,

    baseada na avaliao contnua, assume solues diversificadas. Nos cursos de

    graduao, o estudante possui um carto de aprendizagem onde investe ao longo do

    seu percurso, realizando e-flios, creditando e-valorese efectuando provas

    presenciais. Nos cursos de ps-graduao, a avaliao desenvolve-se de formas

    muito variadas, recorrendo, por exemplo, a portflios, blogs, projectos, ensaios,

    resoluo de problemas, participao em discusses, relatrios e testes.

    Incluso digital

    A frequncia da UAb factor de incluso social pela vertente da alfabetizao digital: o

    ensino online exige competncias especficas por parte do

    estudante, pelo que todos os programas de formao certificados

    pela UAb incluem um mdulo prvio, de frequncia gratuita. Deste

    modo, os novos estudantes podem adquirir as competncias

    necessrias frequncia do curso ou do programa de formao

    em que se inscrevem.

    A actual expanso da Internet e da Word Wide Web (WWW) e o desenvolvimento ainda

    mais recente dos programas informticos de gesto do ensino/aprendizagem, vieram

    modificar o panorama do ensino a distncia, permitindo a criao de espaos virtuais

    de ensino com designaes diversas, centro de ensino virtual, escola virtual, etc., onde

    a palavra virtual apenas significa que esses espaos no tm implantao e realidade

    fsicas palpveis. pois no espao virtual de formao/aprendizagem da UAb (em

    http://www.moodle.univ-ab.pt/moodle/) que se vai desenvolver o curso de

    aprendizagem ao longo da vida Conforto, Segurana e Produtividade: A ergonomia

    no trabalho.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 9

    A Universidade Aberta como instituio de direito pblico dependente do

    Ministrio da Cincia, Tecnologia e Ensino Superior, encontra-se abrangida pelo

    Art. 2. da Portaria n. 782/97 de 29 de Agosto e, por fora dos seus estatutos,

    no carece de acreditao como entidade formadora por parte Direco de

    Servios de Qualidade e Acreditao da Direco-Geral do Emprego e das

    Relaes de Trabalho (DGERT) ou de qualquer outra entidade.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 10

    ENQUADRAMENTO 2

    A produtividade um factor muito importante na competitividade e na sobrevivncia

    das empresas e, por isso mesmo, na manuteno dos postos de trabalho. O factor

    produtividade depende de variados parmetros designadamente dos que afectam

    directamente as condies de conforto, de sade e da segurana dos trabalhadores.

    A relao dos trabalhadores com o seu ambiente de trabalho torna-se cada vez mais

    importante, neste tempo de incertezas e de competitividade extremada. O aumento da

    produtividade, a diminuio dos acidentes de trabalho e a baixa do absentismo por

    doenas profissionais so objectivos perseguidos por todos os empreendedores que

    se querem manter na corrida e vencer a concorrncia e, todos estes aspectos, esto

    ligado com a ergonomia, entendida esta como um conceito alargado que estuda toda a

    interaco entre os trabalhadores e os respectivos ambientes e postos de trabalho.

    A legislao em vigor sobre segurana e sade no trabalho, faz com que as empresas

    se preocupem com a forma como os seus trabalhadores se relacionam fsica e

    emocionalmente com o seu local, com o ambiente, com os postos de trabalho e, ainda

    com os instrumentos e utenslios utilizados. Todos estes motivos tm levado a uma

    actuao cada vez maior nos diferentes domnios da ergonomia, quer na chamada

    ergonomia de concepo, quer na ergonomia de correco.

    A Estratgia Nacional sobre Sade e Segurana no Trabalho para 2008-2012,

    inspirada pela comunicao da Comisso Melhorar a qualidade e a produtividade do

    trabalho: estratgia comunitria para a sade e a segurana no trabalho representa

    um importante passo na promoo da qualidade e das condies de trabalho em todo

    o espao nacional, envolvendo tambm as Regies Autnomas doa Aores e da

    Madeira. Efectivamente a Estratgia Nacional tem como objectivos gerais dar resposta

    adequada a exigncias de natureza social derivadas dos elevados ndices de

    sinistralidade que so travo do desenvolvimento das empresas. Esta resposta deve

    ser sustentada na qualificao dos trabalhadores mas tambm na promoo de

    ambientes laborais que no ponham em causa a sade fsica e psicolgica, a

    segurana e o bem-estar dos trabalhadores.

    neste contexto geral que a Universidade Aberta, instituio pblica de ensino e

    formao, vem oferecer ao mercado o presente curso, a desenvolver em regime de e-

    learning, ciente da sua importncia actual para para os pblicos-alvo que se

    pretendem atingir.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 11

    SINOPSE DO CURSO

    O curso Conforto, Segurana e Produtividade: a ergonomia no trabalho engloba

    matrias que permitiro aos participantes, sejam tcnicos superiores e tcnicos de

    SHST, sejam empregadores ou aos seus representantes em matria de SHST ou

    ainda a trabalhadores designados ou a quaisquer outros interessados, a actualizao

    de conhecimentos sobre o tema da ergonomia dos locais e postos de trabalho,

    designadamente sobre nova legislao e tendncias.

    Os contedos do curso esto estruturados em Mdulos e estes em Unidades

    Didcticas.

    MDULO 0: Ambientao ao Contexto do E-learning

    Unidade Didctica 1: A plataforma informtica de ensino/aprendizagem Moodle.UAb

    Unidade Didctica 2: Depressa & Bem: pesquisa de informao na Web

    MDULO 1: Ergonomia, Ergonomias

    Unidade Didctica 1: Conceitos de ergonomia

    Unidade Didctica 2: As diferentes ergonomias

    Unidade Didctica 3: Ergonomia dos transportes

    Unidade Didctica 4: Directivas, Normas e Legislao

    MDULO 2: Concepo dos Sistemas de Trabalho

    Unidade Didctica 1: Concepo de processos de trabalho

    Unidade Didctica 2: Concepo dos espaos de trabalho

    Unidade Didctica 3: Postos de trabalho em p e sentados

    MDULO 3: Condies de Trabalho

    Unidade Didctica 1: Anlise das condies de trabalho

    Unidade Didctica 2 Instrumentos de anlise: grelhas, listas e questionrios

    Unidade Didctica 3: Condies de trabalho incmodas ou perigosas

    Unidade Didctica 4: Iluminao para condies ptimas de trabalho

    MDULO 4: O Stresse no Trabalho

    Unidade Didctica 1: O stresse no trabalho hoje

    Unidade Didctica 2: Agentes indutores de stresse

    Unidade Didctica 3: Reaces ao stresse

    Unidade Didctica 4: Como controlar e combater o stresse

    TRABALHO FINAL:

    E-actividade sobre Ergonomia e o Trabalho

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 12

    OBJECTIVOS DO CURSO 4

    Os objectivos do curso so os seguintes:

    Descrever os riscos para as pessoas e para o trabalho da inadaptao ergonmica

    dos instrumentos, utenslios, equipamentos, ambiente, postos e locais de trabalho;

    Avaliar os riscos resultantes da inadaptao ergonmica de dado ambiente, local ou

    posto de trabalho e propor formas de os eliminar ou minimizar;

    Identificar as relaes existentes entre as condies de trabalho e os seus efeitos

    nos trabalhadores.

    O regime de funcionamento online suportado por uma plataforma informtica de

    gesto da formao/aprendizagem permitir ainda alcanar outros objectivos,

    secundrios em relao ao mbito geral deste curso, mas de extrema importncia na

    vida actual, como sejam:

    Proporcionar e/ou treinar competncias no domnio das Tecnologias de

    Informao e Comunicao que lhes permitam no futuro uma mais fcil pesquisa

    de informaes tcnicas de que necessitem para o seu trabalho, mais rpido e

    fcil contacto com os seus pares nacionais e internacionais e ainda facilidades

    para a frequncia de outras aces de formao a distncia na modalidade de e-

    learning .

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 13

    COMPETNCIAS A DESENVOLVER 5

    COMPETNCIAS A ADQUIRIR

    No final do curso espera-se que os participantes tenham adquirido as seguintes

    competncias:

    Reconhecer quando um ambiente, posto ou local de trabalho incorrecto ou

    inadequado sob o ponto de vista da ergonomia e apontar concretamente o que est

    mal e a forma como corrigir;

    Identificar e avaliar os riscos da no preocupao ergonmica;

    Propor medidas concretas de natureza preventiva e/ou correctiva contra os riscos

    com implicaes ergonmicas detectados;

    Optimizar condies de trabalho especficas;

    Intercomunicar online de forma assncrona e sncrona e utilizar de forma eficaz todas

    as ferramentas da plataforma informtica com que trabalharam (Moodle);

    Pesquisar de informao, de forma orientada, na Web.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 14

    OBJECTIVOS DOS MDULOS 6

    O curso Segurana, Conforto e Produtividade: a ergonomia no trabalho est

    estruturado em 4 mdulos de precedidos de um mdulo 0, ou pr-curso, com os

    objectivos que se listam.

    Mdulo 0: Ambientao ao Contexto do E-learning

    Este mdulo tem por objectivos a socializao dos participantes e a criao de um

    grupo de trabalho online, a familiarizao com a utilizao do software de gesto do

    curso (o Learning Management System Moodle, em

    www.moodle.univ-ab.pt), por forma a adquirirem as competncias

    necessrias explorao eficaz de todas as suas funcionalidades de

    intercomunicao, em especial as assncronas, necessrias

    frequncia do curso.

    Durante o Mdulo 0 ser explicada e treinada a forma como pesquisar

    depressa e bem informao na Web e ser pedido aos participantes a procura (na

    Web) de informao relevante sobre os temas que constituem as matrias do curso.

    Mdulo 1: Ergonomia, Ergonomias

    Este Mdulo tem como objectivos das suas diversas Unidades Didcticas:

    Caracterizar os conceitos europeu e americano de ergonomia;

    Caracterizar as diferentes fases por que passou a ergonomia;

    Caracterizar a ergonomia dos transportes, os problemas que lhe esto

    associados e formas de os prevenir.

    Mdulo 2: Concepo dos Sistemas de Trabalho

    Este Mdulo, nas suas diversas Unidades Didcticas, tem como objectivos:

    Identificar e listar os elementos que condicionam e influenciam as condies de

    trabalho;

    Conceber o espao de trabalho ptimo para dada funo;

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 15

    Mdulo 3: Condies de Trabalho

    Este Mdulo tem como objectivos

    Listar as condies ambientais de trabalho;

    Propor medidas para aumentar o bem-estar e a segurana dos trabalhadores

    MDULO 4: O Stresse no Trabalho

    Este Mdulo tem como objectivos a identificao dos factores indutores de stresse

    num local de trabalho e as formas de os eliminar ou controlar.

    TRABALHO FINAL

    O trabalho final consiste numa e-actividade e traduz-se num e-flio, pequeno

    documento digital colocado pelo formando online de modo a ser visualizado pelo

    formador-tutor e pelo conjunto dos formandos (in Modelo Pedaggico Virtual da

    Universidade Aberta) e tem por objectivo a aplicao dos conhecimentos e

    competncias adquiridas.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 16

    PBLICOS-ALVO 7

    O pblico-alvo prioritrio do curso Conforto, Segurana e Produtividade: a

    ergonomia no trabalho so os candidatos renovao do seu CAP de tcnico

    superior ou de tcnico de segurana, higiene e sade no trabalho. A este propsito

    aconselha-se a consulta do stio na Internet da Autoridade para as Condies de

    Trabalho (ACT) em www.act.gov.pt.

    Trata-se portanto de um pblico adulto e este facto deve ser considerado na forma

    como se deve fazer aprender e como motivar para essa aprendizagem.

    O curso pode ainda interessar tambm a um outro tipo de pblico-alvo, muito

    diversificado, constitudo por:

    Empregadores em geral ou seus representantes, interessados no tema;

    Quadros tcnicos de micro, pequenas e/ou mdias empresas e de um modo geral,

    todos quantos nos seus locais de trabalho, tenham alguma capacidade de influenciar

    as condies de conforto e de segurana no trabalho e que necessitem de uma

    formao mais especfica no tema;

    Todos os candidatos interessados numa aprendizagem formal no domnio da

    ergonomia no trabalho.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 17

    PR-REQUISITOS DOS FORMANDOS 8

    Dadas as suas caractersticas prprias, a formao online exige dos formandos

    algumas condies sem as quais dificilmente eles tero xito nesta modalidade de

    formao/aprendizagem. Em primeiro lugar exige-se uma (1) grande motivao por

    parte dos participantes, motivao que lhes permita vencer uma certa sensao de

    solido que possam vir a ter e que os incentive a criar e a cumprir um horrio/hbito de

    trabalho no curso tal como se ele decorresse de forma presencial; em segundo lugar,

    a sua (2) predisposio para interagirem com o(s) formador(es)-tutor(es) na colocao

    de questes ou dvidas sobre a matria; finalmente, a sua (3) disponibilidade de

    tempo livre para estudarem os contedos, elaborarem todas as actividades sugeridas,

    cumprirem as auto-avaliaes propostas e realizar trabalho final.

    Cumulativamente, os formandos devem possuir:

    Habilitaes mnimas ao nvel do 12 ano (ou equivalente) ou

    experincia profissional considerada suficiente pela coordenao do

    curso;

    Conhecimentos e prtica de informtica como utilizadores, em

    ambiente Windows;

    Alguma prtica de utilizao de browsers de navegao na WWW, muito em especial

    do Internet Explorer (IE) da Microsoft;

    Uma conta de correio electrnico activa e alguma prtica na sua utilizao;

    Disponibilidade mdia mnima de 10 horas por semana para:

    ? participao nos fora de discusso e nos chats;

    ? realizao do auto-estudo dos contedos disponibilizados;

    ? cumprimento das tarefas determinadas pelos formadores;

    ? elaborao das auto-avaliaes e avaliaes formativas e sumativas.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 18

    DURAO E ESTRUTURA DO CURSO

    Para realizarem o curso Conforto, Segurana e Produtividade: a ergonomia no

    trabalho considera-se que os formandos tero uma carga de trabalho estimada em 52

    horas, qual correspondem 2 ECTS1.

    O curso est estruturado em 5 partes sequenciais, designadas mdulos, precedidas

    de um perodo inicial de uma semana para adaptao, integrao e ambientao

    online dos formandos.

    Mdulo 0

    5 horas

    1 semana

    Mdulo 1

    5 horas

    1 semana

    Mdulo 2

    14 horas

    1 semana

    E-actividade

    1

    Mdulo 3

    14 horas

    1 semana

    E-actividade

    2

    Mdulo 4

    10 horas

    1 semana

    Trabalho final

    4 horas

    1 O ECTS (Sistema Europeu de Transferncia de Crditos) foi desenvolvido pela Comisso Europeia. Os crditos ECTS representam o volume de trabalho que o estudante/formando deve produzir. Na UAb 1 ECTS equivale a 26 horas de trabalho.

    5 semanas 52 horas 2 ECTS

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 19

    CALENDARIZAO DO CURSO 10

    MDULOS/UNIDADES DIDCTICAS

    DATAS

    Mdulo 0

    Integrao e familiarizao com a Plataforma Moodle e com o ambiente online Treino com as diversas ferramentas de comunicao sncrona e assncrona do Moodle Integrao e socializao dos participantes num frum informal (Caf do Curso). Apresentao individual de cada formando Pesquisa de informao orientada na Web Formador: Cndido Gaspar

    11Out2010 a

    17Out2010 1

    Mdulo 1 Unidade Didctica 1

    Unidade Didctica 2

    Unidade Didctica 3

    Formador: Jorge Gregrio

    18Out2010

    a 24Out2010

    Mdulo 2 Unidade Didctica 1

    Unidade Didctica 2

    Unidade Didctica 3

    Unidade Didctica 4

    Formador: Jorge Gregrio

    25Out2010

    a 31Out2010

    Mdulo 3 Unidade Didctica 1

    Unidade Didctica 2

    Unidade Didctica 3

    Unidade Didctica 4

    Formador: Jorge Gregrio

    01Nov2010

    a 07Nov2010

    Mdulo 4 Unidade Didctica 1:

    Unidade Didctica 2:

    Unidade Didctica 3

    Unidade Didctica 4

    Formador: Jorge Gregrio

    08Nov2010 a

    15Nov2010

    Trabalho final E-actividade versando um assunto ligado tema do curso

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 20

    ACTIVIDADES DOS FORMANDOS 11

    MDULOS

    ACTIVIDADES DOS FORMANDOS

    Mdulo 0 (Modulo de integrao) Familiarizao com a Plataforma Moodle e socializao no ambiente online

    Consultar o Guia do Curso Consultar o Guia do Formando Online Consultar o tutorial sobre a Plataforma Moodle Inscrio na Plataforma Moodle e no curso Editar o seu perfil e colocar uma fotografia na plataforma Efectuar a apresentao individual na plataforma Moodle e no curso Executar as pesquisas de informao pedidas e colocar os resultados no Frum de Discusso Participar no frum de discusso e no chat

    Mdulo 1 Ergonomia, Ergonomias

    Estudar a matria do Mdulo colocada online (ou no CD) Interagir com o formador-tutor e os outros formandos nos fora de discusso. Esta interaco objecto de avaliao.

    Fazer as auto-avaliaes das Unidades Didcticas Elaborar a e-actividade e envi-la para a plataforma

    Mdulo 2 Concepo dos Sistemas de Trabalho

    Estudar as matrias do Mdulo colocada online (ou no CD) Interagir com o formador-tutor e os outros formandos nos fora de discusso. Esta interaco objecto de avaliao. Visionar o vdeo A Ergonomia dos Locais e Postos de Trabalho Fazer as auto-avaliaes das Unidades Didcticas Elaborar a e-actividade e envi-la para a plataforma

    Mdulo 3 Condies de Trabalho

    Estudar a matria do Mdulo colocada online Interagir com o formador-tutor e os outros formandos nos fora de discusso. Esta interaco objecto de avaliao.

    Resolver as actividades do Mdulo Fazer a s auto-avaliaes das Unidades Didcticas Elaborar a e-actividade e envi-la para a plataforma

    Mdulo 4 O Stresse no Trabalho

    Estudar a matria do Mdulo colocada online Interagir com o formador-tutor e os outros formandos nos fora de discusso. Esta interaco objecto de avaliao. Fazer a s auto-avaliaes das Unidades Didcticas Elaborar a e-actividade e envi-la para a plataforma

    Trabalho Final (e-actividade)

    Recolha de informaes Redaco do texto Colocao do relatrio da e-actividade no curso criado na plataforma Moodle ou execuo online de e-actividade do tipo teste.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 21

    METODOLOGIA E SISTEMA DE TUTORIA 12

    O presente curso segue um modelo no qual a instituio formadora que define os

    objectivos, contedos, percursos de aprendizagem e meios e mtodos de avaliao.

    Este modelo pressupe a existncia de canais de comunicao fceis e sempre

    disponveis entre a instituio e os formandos e entre estes e os professor(es)-

    tutor(es), canais esses que no caso esto integrados na plataforma Moodle a utilizar.

    A metodologia seguida neste curso a estabelecida no Modelo Pedaggico Virtual da

    UAb para aces de aprendizagem ao longo da vida a desenvolver em regime de e-

    learning, e adopta o modelo de ensino/aprendizagem de 5 nveis de que fala Gilly

    Salmon (2000).

    A forma de trabalho utilizada neste curso compreende (1) a leitura e reflexo

    individuais dos contedos disponibilizados ou de outros sobre os mesmos temas

    obtidos pelos prprios formandos, (2) a partilha da reflexo e do estudo com os

    colegas, assim como tambm (3) o esclarecimento de dvidas nos fruns moderados

    pelo formador e a (4) realizao das e-actividades propostas.

    A leitura e a reflexo individuais devem acontecer ao longo de todo o processo de

    aprendizagem de forma a habilitar os formandos a participar nos fruns previstos, bem

    como a realizar com sucesso as actividades programadas.

    A aprendizagem est estruturada por Tpicos que correspondem a mdulos do

    curso. Em cada Tpico ser criado um frum moderado pelo

    formador e que permanecer aberto ao longo de todo o curso, para

    esclarecimento das dvidas e das dificuldades sentidas e

    apresentadas pelos formandos, proporcionando assim uma

    possibilidade de interaco permanente dos formandos entre si e

    com o formador.

    No Tpico 1 e de acordo com o modelo de ensino/aprendizagem de Salmon cumprem-

    se os nveis 1 e 2, respectivamente acesso e motivao e a socializao on-line;

    dependendo do grupo concreto de formandos iniciar-se- ou no o nvel 3 de

    processamento de contedos onde a tutoria se consubstancia no apoio na utilizao

    de materiais pedaggicos e nas tarefas, nesta fase apenas em relao ao modo como

    fazer pesquisa orientada em WWW. Nos Tpicos seguintes cumprem-se todos os

    restantes nveis do modelo de Gilly Salmon, processamento de contedos centrado

    na interaco com os materiais de aprendizagem e com os restantes participantes do

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 22

    curso (colegas e tutores), construo do conhecimento onde natural

    que o papel do tutor se dilua e explorao, nvel onde o suporte tcnico disponibiliza

    novas fontes de informao e a tutoria d apoio e resposta a questes.

    Integram a leitura e a reflexo individuais (1) um conjunto de actividades (formativas)

    includas nos manuais de contedos de apoio ao curso (2) testes de auto

    avaliao igualmente includos no manual.

    Em dado momento do curso, o formador envia aos formandos as e-actividades que

    devem realizar no prazo previsto e enviar ao formador para avaliao.

    Dada a natureza do tipo de trabalho a realizar pelos participantes, o acompanhamento

    dos mesmos exige grande disponibilidade por parte dos formadores-tutores, pelo que

    cada turma virtual no deve ter mais de 25 a 30 e-formandos por turma.

    Nesta aco de formao os formandos tero,

    sequencialmente, acesso aos contedos dos

    diversos mdulos, para o seu estudo e para a

    execuo das actividades solicitadas, em situaes

    on e offline. O acesso off-line possibilita a

    leitura/estudo dos contedos dos mdulos por parte

    dos formandos sem necessidade de ligao Internet. Esta uma possibilidade a que

    damos a maior relevncia sobretudo pensando nos formandos residentes em zonas

    fora dos grandes centros urbanos onde as ligaes Internet podero ser

    tecnicamente mais deficientes.

    A tutoria a prestar pelos e-formadores activa e permanente e far-se-

    preferencialmente atravs dos fora de discusso abertos nos diversos tpicos

    (mdulos) na plataforma Moodle; no se exclui no entanto a possibilidade de

    realizao de intercomunicao sncrona atravs de chats. As sesses sncronas de

    discusso online (chats), sero em datas e horrios e locais (Tpicos da Moodle) a

    comunicar antecipadamente pelos formadores-tutores.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 23

    RECURSOS DE APRENDIZAGEM 13

    Recursos pedaggicos

    Os materiais pedaggicos a fornecer aos formandos para utilizao no curso so: Texto base sobre o tema Ergonomia, colocado online no

    curso criado na plataforma Moodle e/ou na Web em servidor a

    indicar aos participantes para procederem o seu download.

    Videograma em formato digital sobre Ergonomia;

    Apresentaes multimdia diversas concebidas pelo

    formador para situaes de aprendizagem especficas;

    Tutorial sobre a forma de utilizar a plataforma Moodle na

    situao de e-formando;

    Guia do Curso;

    Guia do Formando Online

    Guia Depressa & Bem: procura de informao na Web.

    Recursos tcnicos

    Plataforma informtica Moodle, em http://www.moodle.univ-ab.pt/moodle/, apoiada por

    4 servidores e utilizando uma ligao com 200 MB de largura de banda.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 24

    SISTEMA DE AVALIAO 14

    A avaliao em formao online tem uma importncia acrescida em relao

    avaliao em regime presencial em virtude da natureza particular do contexto de

    ensino-aprendizagem. Os instrumentos de avaliao devem ser variados por forma a

    anular, ou reduzir ao mnimo admissvel, a possibilidade de fraude intelectual quanto

    autoria dos trabalhos. Por isso, todos os aspectos da avaliao devem ser muito claros

    e explcitos e a avaliao deve ser definida e planeada a par com o percurso formativo

    que se deseja e estar intimamente relacionada com os objectivos a atingir.

    Deste modo a avaliao do curso realiza-se a distncia e integra:

    Uma componente de avaliao contnua (que vale 50%), realizada ao longo do curso

    e baseada na pertinncia, relevncia e oportunidade da participao de cada

    formando nos fruns de discusso2 (10%) e na realizao de actividades propostas

    (40%);

    Uma componente de avaliao final (que vale 50%) baseada na elaborao de um

    pequeno trabalho (e-actividade3) sobre o tema do curso.

    Consideram-se com aproveitamento no curso os formandos que obtiverem a

    classificao de 10 valores numa escala de 20.

    A todos os formandos com aproveitamento entregue um Certificado de Formao

    profissional (ver modelo em anexo). A todos os outros, e a seu pedido, ser entregue

    um Certificado de Frequncia.

    2 Na anlise das mensagens enviadas ser considerada a quantidade e a qualidade das mensagens, esta avaliada de acordo com as categorias a que se refere Philips (2000)

    3 Uma e-actividade traduz-se num e-flio, pequeno documento digital, elaborado pelo formando, colocado online de modo a ser visualizado pelo formador-tutor e pelo conjunto dos formandos, e constitui uma amostra esclarecedora de que o autor desenvolveu (ou adquiriu) uma dada competncia (in Modelo Pedaggico Virtual da Universidade Aberta)

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 25

    COMPROMISSOS 15

    Assumidos pelos formadores-tutores Os formadores-tutores do curso assumem o compromisso de:

    Estar disposio dos formandos para acompanhamento e apoio durante todo o

    curso;

    Aceder plataforma informtica que suporta o curso no mnimo 2 vezes por dia

    (manh e tarde/noite) para responder s mensagens que lhes so enviadas pelos

    formandos ou, por iniciativa prpria, para colocar questes e/ou dar informaes aos

    mesmos formandos;

    Exercer uma tutoria assncrona pr-activa e permanente, atravs dos fora de

    discusso e do correio electrnico, se e quando necessrio;

    Dar resposta s questes ou dvidas apresentadas pelos formandos em 24 horas.

    A assumir pelos formandos Para que o curso atinja os nveis de eficcia e de eficincia que se ambiciona, torna-se

    necessrio que os formandos, voluntariamente, assumam e

    interiorizem os seguintes compromissos:

    Conseguir uma disponibilidade para o curso (on e offline) de cerca

    de 10 horas por semana;

    Aceder plataforma onde decorre o curso um mnimo de 2 a 3 vezes por semana e

    participar em todos os chats e fruns de discusso enviando pelo menos 1 mensagem

    de contedo relevante por tema;

    Executar as actividades pedidas ao longo dos mdulos e outras que o formador-tutor

    venha a indicar;

    Fazer os testes de avaliao final dos mdulos, quando os houver;

    Colaborar activamente em todas as tarefas de grupo ou individuais que lhes forem

    propostas;

    Elaborar a e-actividade de avaliao.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 26

    COORDENADOR E FORMADORES 16

    O curso Conforto, Segurana e Produtividade: a ergonomia no trabalho

    coordenado pela Unidade de Aprendizagem ao Longo da Vida (UALV) da UAb, na

    pessoa do seu colaborador Eng. Cndido Dias Gaspar.

    Formadores Mdulos

    Eng. Cndido Gaspar Ambientao ao E-learning

    Eng. Jorge Gregrio 1, 2, 3 e 4

    Cndido Dias Gaspar licenciou-se em Engenharia Electrotcnica (ramo

    telecomunicaes e electrnica) e em Cincias Militares para a Arma de Transmisses

    (Instituto Superior Tcnico/Academia Militar-1970) e concluiu a ps-graduao em

    Comando e Direco no Instituto de Altos Estudos Militares em 1980. Realizou

    diversos cursos relacionados com telecomunicaes e electrnica, segurana, higiene

    e sade no trabalho, formao pedaggica online, formao em e-learning, gesto

    global e auditoria da formao profissional. autor de publicaes nas reas da

    Segurana, Higiene e Sade no Trabalho, das Telecomunicaes, das Mquinas

    Elctricas, da Iluminao, da Climatizao e da Manuteno Elctrico-Electrnica.

    Foi/ professor na Universidade de Luanda, Instituto Tecnolgico de Luanda,

    Academia Militar, Universidade Aberta e Faculdade de Medicina Dentria de Lisboa.

    formador, em regimes presencial e a distncia (e-learning), em diversas organizaes

    pblicas e privadas. Possui CAP de formador emitido pelo IEFP, vlido at 2013.

    Jorge Manuel Pereira Gregrio licenciou-se em Engenharia Mecnica (ramo de

    Termodinmica e Mecnica de Fluidos) na Faculdade de Cincias e Tecnologia da

    Universidade de Coimbra em 1990. Concluiu o Mestrado em Engenharia Mecnica

    (ramo de Termodinmica e Mecnica de Fluidos) na Faculdade de Cincias e

    Tecnologia da Universidade de Coimbra em 2000. Concluiu a ps-graduao de

    projectista de redes de gs em 1999 no Instituto Pedro Nunes. Concluiu o curso de

    projectista de Segurana Contra Incndios em Edifcios da ANET em 2010. Concluiu o

    curso geral de Segurana Higiene e Sade no Trabalho por E-learning na

    Universidade Aberta em 2010.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 27

    Realizou diversos cursos relacionados com, formao pedaggica presencial,

    formao pedaggica online, formao em e-learning e formao em sistemas de

    gesto da qualidade. Foi Responsvel pelo sector de Manuteno da Dartluso

    (Tupperware) em 1991.

    docente desde 1991 na Escola Superior de Tecnologia e Gesto do Instituto

    Politcnico da Guarda, onde lecciona entre outras a disciplina de Higiene e Segurana

    no Trabalho ao curso de Gesto de Recursos Humanos. formador, em regimes

    presencial nas reas de Manuteno Industrial e Mecatrnica, rea em que tem

    colaborado com a AFTEBI, NERGA e Planica. formador, em regime presencial de

    cursos de formao contnua de professores na rea das energias renovveis

    nomeadamente a energia solar. Lidera desde a sua fundao, em 1998, o Projecto

    Egiecocar destinado a conceber e desenvolver veculos energeticamente mais

    eficientes, mais ergonmicos e design inovador. vice-presidente do Conselho

    Pedaggico da ESTG. Auditor do sistema de gesto da qualidade. Director do

    curso de Engenharia do Ambiente da ESTG do IPG. Tem sido membro de jri de

    avaliao dos trabalhos finais de cursos de Tcnicos Superiores de Segurana

    Higiene e Sade no Trabalho. Tem proferido palestras e worshops sobre transportes

    e veculos mais eficientes, desenvolvimento sustentvel e energias renovveis. Desde

    Dezembro de 2009 que se encontra a realizar os trabalhos conducentes ao grau de

    Doutor em Engenharia Aeronutica na Universidade da Beira Interior, que consistem

    no desenvolvimento de um motor alternativo de combusto interna de mbolos

    opostos.

    Possui CAP de formador emitido pelo IEFP, vlido at 2013.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 28

    ACAMPANHAMENTO DO CURSO 17

    Para efeitos de acompanhamento permanente e de

    coordenao do curso o Coordenador est inscrito, como

    observador, no curso criado na plataforma Moodle da UAb.

    Desta forma garante-se que tudo o que se passe online naquele

    espao virtual de formao ser do seu conhecimento imediato

    e sem necessidades de ser objecto de qualquer relatrio, permitindo desta forma uma

    interveno mais atempada sempre que as situaes a justifiquem.

    A plataforma Moodle da UAb a utilizar como suporte do curso permite a edio

    automtica de relatrios dirios, por perodos e totais dos acessos ao curso de cada

    um dos participantes, bem como o monitorizao do percurso de cada um sempre que

    acede ao espao, registando datas, horas e tempos gastos. Permite ainda a

    contabilizao automtica das mensagens colocadas por cada participante em cada

    um dos fruns de discusso criados.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 29

    INSCRIO E CUSTOS 17

    As inscries para este curso decorrem entre as 6 e as 3 semanas anteriores ao incio

    do curso e devero ser efectuadas atravs do preenchimento de um formulrio

    acessvel a partir do site da Universidade Aberta em http://www.univ-ab.pt/ualv/.

    O custo do curso de 260 , podendo fazer-se em 2 prestaes.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 30

    CONTACTOS

    Unidade para a Aprendizagem ao Longo da Vida (UALV)

    Rua da Escola Politcnica, n. 147

    1269-001 Lisboa

    Portugal

    Telefones: (00351) 213 916 447/50/51

    Atendimento telefnico de 2 a 6-feira, das 09h00 s 16h30

    E-mail: alv.info@univ-ab.pt

    C. Dias Gaspar

    UALV

    Telefone: (00351) 213 916 447

    E-mail: cdgaspar@univ-ab.pt

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 31

    ANEXOS

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 32

    ANEXO 1

    ROTEIRO DE CONTEDOS Os contedos programticos deste curso, organizados em mdulos, so os seguintes:

    Mdulo 0 - Ambientao ao Contexto do E-learning

    Este mdulo preparatrio e de integrao dos formandos no sistema de ensino em

    regime de e-learning da UAb, dever ser seguido por todos os participantes, sejam

    eles formandos ou formadores.

    Os assuntos a abordar so:

    1. A plataforma informtica (PI) Moodle

    O que so as PI de gesto do ensino/aprendizagem;

    Caractersticas gerais das PI;

    Ferramentas de comunicao sncrona e assncrona das PI;

    Familiarizao com o ambiente de trabalho online;

    Acesso Universidade Aberta Virtual;

    Explorao sistemtica das funcionalidades da PI Moodle como e-formando;

    Treino com as diversas ferramentas de intercomunicao sncrona e

    assncrona;

    Outros recursos para a formao online;

    Alojamento e partilha de documentos online

    2. Pesquisa de informao orientada, na Web, utilizando motores e meta-motores de

    busca.

    MDULO 1: Ergonomia, Ergonomias

    Unidade Didctica 1: Conceitos de ergonomia

    O que a ergonomia

    Conceitos, europeu e americano, de ergonomia

    Unidade Didctica 2: As diferentes ergonomias

    Ergonomia de concepo e ergonomia de correco

    Ergonomia antropomtrica, ergonomia informacional, ergonomia dos sistemas

    e ergonomia de previso

    Unidade Didctica 3: Ergonomia dos transportes. Riscos ergonmicos associados

    conduo. Riscos associados carga transportada. Boas prticas.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 33

    Unidade Didctica 4: Directiva, Normas e Legislao

    Directivas comunitrias sobre ergonomia

    Normas sobre ergonomia

    Legislao nacional relacionada com ergonomia

    MDULO 2: Concepo dos Sistemas de Trabalho

    Unidade Didctica 1: Concepo de processos de trabalho

    Vertentes de actuao

    Medidas a adoptar

    Unidade Didctica 2: Concepo dos espaos de trabalho

    Alturas, reas, espaos

    rgos de comando

    Posturas correctas e incorrectas

    Unidade Didctica 3: Postos de trabalho em p e sentados

    Inconvenientes do trabalho em p; formas de os diminuir

    Vantagens do trabalho sentado; posturas a adoptar; mobilirio

    MDULO 3: Condies de Trabalho

    Unidade Didctica 1: Anlise das condies de trabalho

    Ambiente fsico do trabalho

    Ambiente psicossociolgico

    Cargas do trabalho

    Unidade Didctica 2 Instrumentos de anlise: grelhas, listas e questionrios

    Grelha LEST

    Grelha do Instituto Finlands de Sade Ocupacional

    Manual de Auto-auditoria da CE

    Listas de controlo do stresse

    Unidade Didctica 3: Condies de trabalho incmodas ou perigosas

    Rudo, vibraes, calor/frio, ventilao, poeiras, gases e vapores

    Especificao das condies de trabalho

    Unidade Didctica 4: Iluminao para condies ptimas de trabalho

    Viso e ambiente e viso e trabalho

    Novas formas de produo de luz; luz do estado slido; rendimentos

    energticos;

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 34

    Nveis de iluminao, distribuio da luz, aparelhos de iluminao, fontes de

    luz, temperatura de cor, ndice de restituio de cores, efeitos perigosos da

    iluminao

    Iluminao dos postos de trabalho com ecrs

    MDULO 4: O Stresse no Trabalho

    Unidade Didctica 1: O que o stresse. A relevncia actual do

    stresse na actividade laboral

    Definio de stresse

    Geradores de stresse

    O stresse como factor de risco no trabalho

    Unidade Didctica 2: Agentes indutores de stresse

    Tipos de indutores de stresse

    Listagem de indutores de stresse

    Unidade Didctica 3: Reaces ao stresse

    Reaco pessoal

    Reaces tpicas dos rgos e do corpo

    Unidade Didctica 4: Como controlar e combater o stresse

    Identificao dos factores de stresse

    Listas de controlo do stresse

    Medidas de combate ao stresse

    TRABALHO FINAL:

    E-actividade a apresentar pelo formador sobre o tema geral Ergonomia e Trabalho

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 35

    ANEXO 2

    E-ACTIVIDADES

    Designam-se e-actividades as actividades a realizar pelos formandos de cursos

    desenvolvidos em regime online. Este termo provm da analogia com o termo ingls

    de e-tivities enunciado por Gilly Salmon. Segundo Salmon, as e-actividades devem

    incluir um conjunto de sete caractersticas:

    1. Possuir um ttulo apelativo e motivador. Salmon defende que os ttulos que os

    formadores online do s e-actividades so muito importantes; os ttulos devem dar

    informao, mobilizar os formandos e distinguir entre si as vrias actividades.

    2. Ter um elemento (fasca) que espolete a actividade e motive o envolvimento dos

    participantes. Esta fasca pode ser um estmulo, um desafio, uma informao.

    3. Ter um conjunto de objectivos (e de competncias) que os participantes podem

    esperar adquirir ou desenvolver com a actividade. Os objectivos e competncias so

    desenvolvidos de modo diferente pelo tipo de actividade que foi concebida. O desenho

    e concepo da e-actividade pelo formador deve considerar esse aspecto.

    4. Instrues que descrevem como o formando deve participar: por exemplo, explicitar

    que se espera que o estudante participe com, pelo menos, uma contribuio para a

    discusso e responda, pelo menos, a uma contribuio feita por um colega.

    5. A lista de leituras bibliogrficas ou de outros recursos relevantes para a sua

    resoluo.

    6. Instrues sobre o que os participantes devem fazer. De acordo com a autora,

    difcil criar instrues claras e concisas, e esta competncia desenvolve-se apenas

    com a prtica e com o feedback de outros. Normalmente, as instrues criadas so

    ambguas e incompletas, podendo gerar grandes dificuldades aos formandos (pois no

    incluem todas as aces necessrias para a sua realizao).

    De acordo com o Modelo Pedaggico Virtual da UAb as e-actividades podem adquirir

    variadas formas designadamente: pesquisas direccionadas, definio de problemas,

    projectos, snteses, relatrios, testes, escrita crtica, estudos de caso, anlise de

    contedos, etc., etc.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 36

    EXEMPLO DA ESTRUTURA DE UMA E-ACTIVIDADE

    E-ACTIVIDADE DO CURSO ..

    Trabalho organizado meio caminho andado

    Em qualquer actividade os factores que influenciam positiva ou negativamente as condies de trabalho podem ser materiais, ambientais, psicossociais ou associados organizao do trabalho. Os factores referentes organizao do prprio trabalho Esta actividade integra o percurso formativo do curso.e ser apresentada aos formandos no final da x semana, devendo ser devolvida ao professor at s 23h55 da 2-feira da y semana, o que significa que o aluno ter x dias teis para a sua realizao. Objectivos e competncias a adquirir Consolidar conhecimentos sobre organizao e gesto do trabalho; Aplicar os conhecimentos adquiridos na anlise de situaes concretas de trabalho; Identificar os factores de risco para a trabalhadora da situao de trabalho apresentada; Propor medidas preventivas para minimizar/eliminar os factores de risco identificados.

    Participantes Esta actividade deve ser realizada individualmente por todos os formandos do curso Durante esta actividade cada formando deve: Fazer uma nova leitura dos contedos .. Elaborar a sua resposta, que passa a constituir o seu e-flio; Enviar o e-flio ao formador at data-limite estabelecida no Calendrio;

    Estrutura da actividade Esta actividade realizada em apenas uma fase e deve dar origem apenas a 1 ficheiro. Calendrio da actividade

    Domingo (../..)

    2-Feira (../..)

    3-Feira (../..)

    4-Feira (../..)

    5-Feira (../..)

    6-Feira (../..)

    Apresentao da e-Actividade (e-

    Flio ) no Tpico x

    no Moodle

    Reviso dos contedos

    Anlise da

    situao laboral

    Reviso dos contedos

    Anlise da situao laboral

    Reviso dos contedos

    Anlise da situao laboral

    Reviso dos contedos

    Redaco da

    actividade

    Redaco da

    actividade Envio da e-

    actividade para o Moodle

    Instrues e sugestes aos formandos At ao dia ./.vai realizar esta e-actividade na qual deve demonstrar que adquiriu conhecimentos e competncias que lhe permitiram analisar a situao proposta e indicar medidas que possibilitem prevenir os factores de risco que identificou.

    Na sua anlise os formandos, medida que lem o caso prtico, devem ir anotando aquilo que lhes parece ser um potencial factor de risco e ir esboando as medidas preventivas que julga mais adequadas. Por exemplo, logo no incio do texto da situao laboral diz-se que Jos Manuel trabalha tarefa. Ser este facto um factor de risco ou no? Como poder ser combatido?

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 37

    O relatrio correspondente situao de trabalho analisada deve: Ter no mximo 2 folhas A4, com margens de 2 cm, escritas a Arial 10 ou equivalente e um

    espaamento de 1,5 linhas. Ser enviado ao professor em formatos doc. ou pdf. Nos seus relatrios os formandos devem demonstrar que adquiriram as seguintes

    competncias: Capacidade para identificar os factores de risco riscos que podem afectar a organizao do

    trabalho e o trabalhador; Capacidade para indicar medidas preventivas concretas para anular ou minimizar os riscos

    detectados e atribuir-lhes prioridades, se for o caso. Os relatrios devem ainda ser redigidos em linguagem simples e terem uma estrutura que facilite a sua consulta. Devem ser identificados todos os riscos, sejam fsicos, qumicos, biolgicos, psicossociais ou com implicaes ergonmicas. Recursos para a actividade Contedos sobre .... Guia Orientador da Avaliao de Riscos nos Locais de Trabalho Recursos eventualmente obtidos pelo estudante Aces e tempo do formador Tornar visvel na Moodle esta e-actividade, no Tpico E-ACTIVIDADE Avaliar e classificar (at x valores) os relatrios individuais dos estudantes (e-flio) durante a

    semana seguintes ao final da actividade. A carga total de trabalho do professor de 3 horas para a concepo da actividade, acrescida de 20 minutos vezes o n de relatrios recebidos para leitura/correco/avaliao e insero da classificao na plataforma. Aces e tempo do formando Espera-se que cada formando: Releia os contedos .. Elabore um pequeno relatrio individual de 2 pginas, sobre a avaliao de riscos que

    efectuou; Coloque o seu relatrio (o seu e-flio) no curso, na plataforma. Esta actividade exige a cada estudante uma carga de trabalho estimada de 2 a 3 horas.

    Avaliao da actividade Esta uma actividade de avaliao sumativa que vale um mximo de x valores. Na avaliao do relatrio considera-se:

    a correco na identificao dos factores de risco (at x valores) a correco da medidas de preveno apresentadas (at x valores)

    Situao de trabalho para anlise Snia uma jovem trabalhadora de uma microempresa que repara circuitos de

    microelectrnica, onde o qualidade da iluminao do posto de trabalho fundamental para o

    seu bom desempenho.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 38

    ANEXO 3

    A PLATAFORMA MOODLE E AS SUAS FUNCIONALIDADES

    Martin Dougiamas, graduado em informtica e mais tarde tambm em educao, aps

    vrios anos ligado gesto informtica do CMS comercial WebCT, na Universidade de

    Perth (Austrlia), iniciou o desenvolvimento de software mais prtico e eficaz para

    utilizao em ambiente educativo e colaborativo online.

    Em 1999, lanou a primeira verso do Moodle (modular object-

    oriented dynamic learning environment) cuja base pedaggica

    a abordagem social-construccionista da educao. Outras

    premissas do desenvolvimento deste software so o desenho

    modular, permitindo a evoluo rpida das funcionalidades, e

    ainda uma filosofia open source na distribuio e desenvolvimento. O conceito

    fundamental consiste numa pgina, onde professores disponibilizam recursos e

    desenvolvem actividades com e para os alunos. Uma eventual metfora para a pgina

    Moodle poderia ser a sala de aula ubqua. A cada utilizador registado est associado

    um perfil e uma fotografia podendo comunicar com qualquer outro, reforando a

    componente social desta plataforma. Actualmente, na verso 9, com milhares de

    utilizadores e developers, e traduzido para mais de 73 lnguas, o Moodle tem-se

    revelado um importante Learning Managemt System devido flexibilidade, valor

    educativo e facilidade de utilizao graas interface simples e amigvel, mesmo para

    os utilizadores menos experientes.

    O Moodle como sistema de gesto de ensino e aprendizagem apresenta

    funcionalidades com forte componente de participao, comunicao e colaborao

    entre formandos, formadores e pares. Enquanto software educativo, a componente de

    avaliao (assessment and inquiry) no poderia ser esquecida. So oferecidas

    ferramentas de avaliao especficas de diversas actividades, como a possibilidade de

    classificar (pelos formadores ou pares), atravs de escala elaborada para o efeito,

    discusses de frum, trabalhos enviados ou realizados online, lies com questes,

    entradas de glossrio, etc.

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 39

    As principais funcionalidades so:

    Frum uma ferramenta de discusso por natureza, mas pode ter outro tipo de uso,

    como por exemplo uma mailing list, um blogue, um wiki ou mesmo um espao de

    reflexo sobre um determinado contedo. Os fruns do Moodle podem ser

    estruturados de diversas maneiras (discusso geral, uma nica discusso, sem

    respostas, etc.) e podem permitir classificao de cada mensagem, (inclusivamente

    pelos alunos). As mensagens podem incluir anexos (imagem, pdf, doc, vdeo, udio,

    zip).

    Trabalho - os trabalhos permitem ao professor classificar e comentar na pgina

    Moodle materiais submetidos pelos alunos, ou actividades offline como por exemplo

    apresentaes (texto, powerpoint, grficos/desenhos, etc.). As notas so do

    conhecimento do prprio aluno e o professor pode exportar os resultados para uma

    folha em Excel.

    Chat facilita a comunicao sncrona, atravs de pequenas mensagens, entre

    formadores e formandos. Pode ser til como espao de esclarecimento de dvidas,

    mas pode ter outros usos. A sesso de chat pode ser agendada, com repetio.

    Referendo - pode ser usado de diversas formas, como recolha de opinio ou inscrio

    numa determinada actividade, sendo dado aos formandos a escolher de uma lista de

    opes definida pelo formador.

    Dilogo permite a comunicao privada entre dois participantes da disciplina. O

    formador pode abrir um dilogo com um formando, o formando pode abrir um dilogo

    com o formador, e podem existir dilogos entre dois formandos.

    Glossrio - possibilita aos participantes da disciplina criar dicionrios de termos

    relacionados com a disciplina, bases de dados documentais ou de ficheiros, galerias

    de imagens ou mesmo links que podem ser facilmente pesquisados. Cada entrada

    permite comentrios e avaliao.

    Lio - associa a uma lgica de delivery uma componente interactiva e de avaliao.

    Consiste num nmero de pginas ou diapositivos, que podem ter questes

    intercaladas com classificao e em que o prosseguimento do aluno est dependente

    das suas respostas. Um conceito baseado na aprendizagem programada de Skinner.

    Teste - o formador pode construir uma base de dados de perguntas e respostas. Os

    testes podem ter diferentes formatos de resposta (verdadeiro ou falso, escolha

    mltipla, resposta curta ou numrica, correspondncia, etc.) e possvel escolher

    perguntas aleatoriamente, corrigir respostas automaticamente e exportar os dados

    para Excel.

    Questionrio - permite construir inquritos quer a participantes de uma pgina, quer a

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 40

    participantes do Moodle. possvel manter o anonimato dos inquiridos,

    e os resultados podem ser exportados para Excel.

    Wiki - torna possvel a construo de um texto (com elementos multimdia) por vrios

    participantes, onde cada um d o seu contributo e/ou rev o texto. possvel aceder

    s vrias verses do documento e verificar diferenas entre verses. Quem no

    conhece a Wikipedia (http://pt.wikipedia.org/)?

    (in O Moodle e as comunidades virtuais de aprendizagem, por Paulo Legoinha, Joo Pais & Joo Fernandes)

  • ANEXO 4

    MODELO DO CERTIFICADO DE FORMAO

  • uuuu Segurana, Higiene e Sade no Trabalho 42

    4

    5 horas 5 horas

    14 horas

    14 horas

    10 horas 4 horas

Recommended

View more >