ACERVO BIBLIOGRÁFICO DOS CURSOS A SEREM OFERECIDOS PELA UNIMONTES EM PARCERIA COM OS DIVERSOS MUNICÍPIOS, CONFORME EDITAL DE SELEÇÃO DA UAB nº 01/2006. O Acervo Bibliográfico, abaixo arrolado, é referente aos Cursos que serão ofertados pela Unimontes em parceria com os municípios, conforme disciplina o Edital de Seleção da UAB nº 01/2006. Ressaltamos que, de cada Referência Bibliográfica, é necessário a aquisição de no mínimo 02 (dois) exemplares. Artes/Teatro – Licenciatura Artes/Música – Licenciatura Artes/Plástica – Licenciatura • • • • • • • • • • • COELHO, Maria Josefina Rodrigues e SANTOS, Manoel de Souza. Comunidade criativa: fazer brincando. 2 ed. SP: Edições Paulinas, 1988. FISCHER, Ernst. A necessidade da Arte. RJ: Guanabara, 1987. MARTINS, Mirian Celeste F. Dias. Aprendiz da Arte: trilhas do sensível olhar pensante. SP: Espaço Pedagógico, 1992. CAMPOS, Denise Álvarez. Oficina de Música: Uma Caracterização de Sua Metodologia. Goiânia: Cegraf UFG,1988. FERNANDES, José Nunes. Oficina de Música no Brasil: Rio de Janeiro: Papéis e Cópias, 1997. CHACRA, Sandra. Natureza E Sentido Da Improvisação Teatral. SP: Ed. Perspectiva. COUTNEY, Richard. Jogo Teatro E Pensamento. SP: Ed. Perspectiva. REVERBEL, Olga. Jogos Teatrais. SP: Ed. Scpione, 1989. ____________.Oficina De Teatro. RGS: Ed. Kuarup, 1993. READ, H. Educação pela arte. São Paulo: Companhia Editora Nacional,1987. KURY, Adriano da Gama e OLIVEIRA, Ubaldo Luíz de. Gramática objetiva. SP:Atras, 1985. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • ARGAN, G. C. Arte e crítica da Arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1988. BACHELARD, G. O direito de sonhar. SP: Difel, 1986. BOSI, A. Reflexões sobre a Arte. SP: Ática, 1985. CANCLINI, N. G. A. A socialização da Arte. Teoria e prática na América Latina. RJ: Cultrix, 1984. COELHO, Maria Josefina Rodrigues e SANTOS, Manoel de Souza. Comunidade criativa: fazer brincando. 2 ed. SP: Edições Paulinas, 1988. MARTINS, Mirian Celeste F. Dias. Aprendiz da Arte: trilhas do sensível olhar pensante. SP: Espaço Pedagógico, 1992. ____________________________. Temas e técnicas em Artes Plásticas. SP: ECE, 1979. ROCHA, C. Maria Mettig. Educação Musical “Método Willems”. Salvador: Faculdade de Educação da Bahia, 1990. WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. LOPES, Joana. Pega Teatro. SP: Ed. Papirus. KOUDELA, Ingrid. O Texto E O Jogo. SP: Ed. Perspectiva. REVERBEL, Olga. O Texto No Palco RGS: Ed. Kuarup, 1993. SPOLIN, Viola. O Jogo Teatral No Livro Do Diretor. SP: Ed. Perspectiva, 1999. HOFFMAN, Jussara. Avaliação: Mito ou Desafio – Uma perspectiva Construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: Plano de Ensino – Aprendizagem e Projeto Educativo. SP: Libertad, 1996. _______________________________. Construção do Conhecimento em Sala de Aula. SP: Libertad, 1996. VEIGA, Ilma Passos A. Didática: Uma retrospectiva histórica. In. VEIGA, I.P.A(org) Repensando a Didática. Campinas: Papirus, 1989. p. 25-40. ____________________. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 1998. ____________________. A Didática: o ensino e suas relações. São Paulo: Papirus, 1996.] BORDENAVE, Juan Diaz. Estratégia de ensino aprendizagem. 4º ed. Petrópolis: Vozes, 1977. CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma Nova Didática. Petrópolis: Vozes, 1994. BARBOSA, A. M. e SALES, H. M. (orgs.). O ensino da arte e sua história. SP: MAC/USP, 1990. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • BRUNER, J.S. O processo da educação. SP: Companhia Editora Nacional, 1987. DELORS, J. Educar para o futuro. Correio da Unesco. (6), ano 24, RJ: 1996. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (org.).Metodologia da Pesquisa Educacional. SP:Cortez,1997 FRANÇA, J. Lessa. Manual para Normalização de Publicações TécnicoCientíficas. 5 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001. LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. SP: Atlas, 1987. ALDRICH, Virgil. Filosofia da Arte. RJ : Zahar. BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é cultura. 8 ed. SP: Editora Brasiliense, 1989. CASSIER, Ernst. Ensaios sobre o homem. Introdução a uma Filosofia da Cultura Humana. SP: Martins Fontes, 1984. ECO, Humberto. Obra aberta. SP: Perspectiva, 1968. BARROS, Samuel R. Estrutura e funcionamento do ensino de 1ª e 2ª graus. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985. BREJON, Moysés (org.). Estrutura e funcionamento do ensino de 1ª e 2ª graus. 17ª ed. São Paulo: Pioneiras, 1983. FÁVERO, Osmar (org.). A educação nas constituintes brasileiras – 1823-1988. Campinas-SP: Autores Associados, 1996. (Coleção Memória da Educação). SOUZA, Cecília de. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: Vozes, 1998. P. 31-50. DUARTE, Simone Viana. Manual para Elaboração de Monografia e Projetos de Pesquisa. Montes Claros: UNIMONTES, 1999. BAZIN, Germain. História da Arte: da Pré-História até os Nossos Dias. RJ: Martins Fontes, 1986. FERREIRA, Olavo Leonel. Visita à Grécia Antiga. SP: Moderna. GOMBRICH. E. H. A História da Arte. Trad. Álvaro Cabral. RJ: Zahar, 1993. GRIMAL, Pierre. Dicionário de Mitologia Grega e Romana. RJ. Bertrand Brasil, s.d. SANTOS, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte. 6ª Ed. – SP: Ática, 1995 ESCOLA DE ARTE. Coleção. Volumes 1 e 2. Editora Globo, 1999. HALLAWELL, Philip. À Mão Livre, A Linguagem do Desenho. Círculo do livro Ltda. SP, 1995. MAY, Rollo. A Coragem de Criar. Editora Nova Fronteira. SHREVE, Norris e BRINK, Joseph. Indústrias de Processos Químicos. 4ª Ed. Editora Guanabara Koogan S.A. MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Séries Iniciais do Ensino Fundamental). Brasília, 1998. MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Ensino Fundamental). Brasília, 1998. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Ensino Médio). Brasília, 1998. MEC. Referencial Curricular para Educação Infantil. Brasília, 1998. ARIES, P. História social da criança e da família. RJ: Guanabara, 1981. GARDNER, H. A criança pré-escolar. Como pensa e como a escola pode ensinála. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988. PIAGET, J. Fazer e compreender. SP: Melhoramentos/Edusp, 1978. CASCUDO, Luiz da Câmara. Dicionário Folclórico Brasileiro. Instituto Nacional do Livro, 1954. MARTINS, Saul. Folclore em Minas Gerais. 2 ed. BH: UFMG, 1991. AVILA , Affonso . Barroco Mineiro - Glossário de Arquitetura e ornamentação. Belo Horizonte : Fundação João Pinheiro , 1996. SANTO, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte . 6. Ed. SP : Ática, 1995. CAVALCANTI, Carlos. Como entender a pintura moderna. 5 Ed. RJ: , 1981. PONTUAL, Roberto. Arte Brasileira Contemporânea. Ed. G. C, 1994. CURSO DE DESENHO E PINTURA – Coleção Editora Globo, 1996. ESCOLA DE ARTE. Volumes 1 a 20. Editora Globo, 1999. KNELLER, George. Arte e Ciência da Criatividade – Instituição Brasileira de Difusão Cultural-AS, 1978. Escola de Arte. Coleção. Volume 1 e 2. Editora Globo. 1999 FERREIRA, Herculano. Materiais populares na Educação Artística. Belo Horizonte: Secretaria do Estado do Governo, 1993. MOTA, Edson. Iniciação à pintura. Editora Nova Fronteira. MEDEIROS, João. Manual do Pintor. Editora Parma Ltda. SHREVE, Norris e BRINK. Joseph. Industrias de processos químicos. 4º ed. Editora Guanabara Koogan S.A. FORSILND, Ann. Pinturas – jogos e experiências. São Paulo: Callis, 1997. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda.Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª edição. Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 1999. Dicionário Oxford de Arte. Editora Martins Fontes. São Paulo, 1996. Enciclopédia e Dicionário Ilustrado Koogan /Houaiss. Edições Delta. Rio de Janeiro – RJ. 1997 Curso Prático de Pintura. 5 volumes. Editora Nova Cultura Ltda. São Paulo – SP. Curso Prático de Desenho e Pintura. 12 volumes. SP: Editora Globo, 1999. DUFRENNE, Mikel. Estética e filosofia. São Paulo: Perspectiva, 1976. FOUCAULT, Michel, As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000. ECO, Humberto. A definição da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1981. • • • • • • • • • • PAREYSON, L. Os problemas de estética. São Paulo: Martins Fontes, 1984. ARGAN, G. C. Arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2000. CHIPP, Heischel B. Teorias da Arte Moderna. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo: Marinsin Fontes, 1988. CURSO PRÁTICO LAROUSSE. Desenhe e pinte. Vol. 3 e 4. Edições Altaya, s.d. ARNHEIN, Rudolf. Intuição e intelecto na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1991. CUMMING, Robert. Para entender a arte. São Paulo: Ática, 1992. MALINS, Frederick. Mirar un cuadro. Hermann Blume Ediciones. Madrid, 1986. MOTA, Edson. Iniciação à pintura. Editora Nova Fronteira, 1975. SHREVE, Norris; BRINK, Joseph. Indústrias de processos químicos. 4. ed. Guanabara Koogan S/A. BARBOSA, Ana Mae (org.). História da arte-educação. A experiência de Brasília. I Simpósio Internacional da História da Arte-Educação. São Paulo: ECA-USP – Max Limonad, 1986. • • • • • • __________________. Arte-Educação no Brasil: das origens ao modernismo. São Paulo: Perspectiva, 1978. __________________. A imagem do ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 1981. FUSARI, Maria Felismina de Resende; FERRAZ, Maria Heloísa. A arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992. CUMMING, Robert. Para entender a arte. São Paulo: Ática, 1992. READ, Herbert. O sentido da arte. São Paulo: IBRASA, 1968. ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. 6ªed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1997. • HALLAWELL, Philip. À Mão Livre - a linguagem do desenho. São Paulo: Círculo do Livro, 1995. • • KANDINSKY, Wassily. Curso da Bauhaus. São Paulo: Martins Fontes, 1997. __________________. Do Espiritual na Arte. 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. • __________________. Ponto e Linha sobre Plano. São Paulo: Martins Fontes, 1997. • • • • • • • • • • • • • • • • • • PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente. 7ed. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial LTDA, 1999. SOUZA, Alcídio. Artes Plásticas na Escola. 4ed. São Paulo: Ed. Bloch, 1985. WOORDFORD, Susan. Arte de ver a arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. ARGAN, G. M. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995. GOMBRICH, E. H. Norma e forma. São Paulo: Martins Fontes, 1990. KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. MULIN, Salete. A arte contemporânea: confronto ao final do século, após... pós. São José dos Campos: Bienal de Gravura, 1994. TÁVORA, Maria Luiza Luz. O lirismo na abstração de Fayga Ostrower. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1990. CORREA, Carlos Humberto P. Quatro artistas da cerâmica. Florianópolis: UFSC, 1978. (Arte e Artesanato – V. 1). KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. LOURENÇO, Maria Cecília Franca (org.). Obras escultóricas em espaços externos da USP. São Paulo: Edusp, 1997. WOLLHEIM, R. A arte e seus objetos. São Paulo: Martins Fontes, s.d. LEMOS, Celina. Batik, a técnica para tingir. Tecidos com formas e figuras. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1979. OSTROWER, Fayga. Universos da arte. Rio de Janeiro: Campus, 1983. URSIN, Annelies. Pintura em tecidos. Editora Tecnoprint S/A, 1984. SEE - MG. Programa para o Ensino Fundamental (5a a 8a série) Educação Artística. Belo Horizonte, 1995. _________. Programa para o Ensino Médio – Artes. Belo Horizonte, 1995. BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002. • • __________________. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998. FERRAZ, Maria Heloísa C. de T; FUSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do Ensino de Arte. 2ed. São Paulo: Cortez, 1999. • FERREIRA, Sueli (org.). O ensino das artes: construindo caminhos. 2ed. Campinas, SP: Papirus, 2003. • HERNANDEZ, Fernando. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. • Ministério da Educação e Cultura – MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais / Artes – Ensino Médio. Brasília, 1998. • PERRENOUD, Philippe. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • ___________________. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. • PICONEZ, Stela C. Bertholo. (coord.) A Prática de ensino e o estágio supervisionado. 2ed. Campinas: Papirus, 1994. • IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: Sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003. • • Ministério da Educação e Cultura – MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais / Artes – Ensino Fundamental. Brasília, 1998. PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 3ed. São Paulo: Cortez, 1997. • BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002. • MARQUES, Mário Osório. A formação do profissional da educação. 3ed. RS: UNIJUI, 2000. • • OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. 7ed. Rio de Janeiro, 1991. _________________. Acasos e criação artística. 2ed. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1995. • PEDROSA, Mário. Forma e percepção estética - textos escolhidos II. São Paulo: EDUSP, 1996. • • FISCHER, Ernest. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987. Ministério da Educação e Cultura – MEC. Referencial Curricular para a Educação Infantil. Brasília, 1998. • MORAIS, Regis (org.). Sala de aula: que espaço é esse? 7ed. Campinas, SP: Papirus, 1994. • PERRENOUD, Philippe. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • • PICONEZ, Stela C. Bertholo. (coord.) A Prática de ensino e o estágio supervisionado. 2ed. Campinas: Papirus, 1994. BIANCHI, A.C.M;ALVARENGA; BIANCHI R. Orientação para Estágio em Licenciatura. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. • HERNANDÉZ, Fernando. Transgressão e Mudança na Educação os projetos de trabalho; trad. Jussara Haubert Rodrigues - Porto Alegre: ArtMed, 1998. • FERRAZ, Maria Heloísa C. de T; FUSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do Ensino de Arte. 2ed. São Paulo: Cortez, 1999. • FERREIRA, Sueli (org.). O ensino das artes: construindo caminhos. 2ed. Campinas, SP: Papirus, 2003. • • LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nº 9394/96. MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, Maria Terezinha Telles. Didática do ensino da arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998. • MENEGOLLA, M.; SANTANNA, I.M. Porque planejar? Como Planejar? (currículo – área – aula). Petrópolis: Vozes, 1992. • PERRENOUD, Philippe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. • ____________________. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • • VASCONCELOS, C. S. Planejamento (plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo). São Paulo: Libertad, 1995. ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. Ciências Biológicas – Licenciatura • • • • • • • • • • • • DE ROBERTS, E.D.P. e DE ROBERTS, Jr. E.M.F. Bases da Biologia Celular e Molecular. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003 339 p. ALBERTS, B; et all. Fundamentos da Biologia Celular Porto Alegre: ArtMed Editora 2001. p.780 JUNQUEIRA, L.C.U.; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. 7ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 339 p. ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. p. 1549 Cellular and Molecular Immunology - Abul K. ABBAS, Andrews H. Lichtman, Jordan S. Rober. ÁVILA, Geraldo Severo de Souza. Cálculo 1 - Funções de uma variável . 6ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1994. BATSCHELET, E. Matemática para Biocientistas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997. GUIDORIZZI, Luiz Hamilton. Um Curso de Cálculo. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1987. AGUIAR, Alberto Flávio Alves et all. Cálculo para Ciências Médicas e Biológicas. São Paulo: Harbra, 1998. ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1997. MARCONI M. A. & LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003,311P. FILHO, D. P. & Santos, J. A. Metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Futura, 2003.277p. • • BOOTH, W. C.; COLOMB, G. G.; WILLIANS J. M. A arte da pesquisa São Paulo: Martins fontes, 2000. 351p. PORTELA, P. O. Apresentação de Trabalhos Acadêmicos de acordo com as normas de documentação da ABNT: Informações Básicas. Uberaba. UNIUBE, 2005 57P. • • • • • • • • • • • • • • • • SANTOS, G. C. & PASSOS, R. Citação bibliográfica: padrão ABNT.Campinas: UNICAMP, 2005. PRIMACK, RB & Rodrigues, E. 2001 Biologia da Conservação, Londrina 328p. Wilson, E.O. 1997. Biodiversidade Nova Fronteira COSTA, S.M.R. e colaboradores 1998. Biodiversidade em Minas Gerais: Um Atlas para sua conservação. Fundação Biodiversitas. Belo Horizonte. MENEZES , L. C (org). Professores: formação e profissão. Campinas: Autores Associado; São Paulo: Nupes, 1996 GODOTTI, Moacir , Boniteza de um sonho. São Paulo , Grubhas,2003 FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa . São Paulo: Paz eterna, 1996. CARVALHO, A. M. P.; Gil –PEREZ, D. Formação de Professores de Ciências: tendências e inovações. São Paulo : Cortez , 1993. RUSSEL, J.B Química Geral, Mc Graw Hill, 2º ed, 1994. LEE;.J. D. Química Inorgânica. São Paulo: E. Blucher, 1980. ATKINS. P.; JONES, L. Principios de Quimica: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, 2001. SKOOG.D. A; WEST, D. M. Fundamentos de Quimica analitica. 2. ed. Barcelona: Reverte, 1983. 981 p. W.L. Masterton & E.M. Slowinsky. Química Geral Superior. Editora Interamericana . 1997. JUNQUEIRA, L. C. e CARNEIRO, J. Histologia Básica. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. BURKITT, H. G.; YOUNG, B.; HEATH, J. W. Histologia Funcional 3a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1994. 409p. JUNQUEIRA, L.C.U.; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. 6ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 432 p. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. 1549p. HAM, A. W. e CARMACK, D. M. Histologia 8a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A.,1993, 907p. ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência: Introdução ao Jogo e a suas regras . 5a ed. São Paulo: Loyola, 2002. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda e MARTINS, Maria Helenena Pires. Filosofando: Introdução à Filosofia. 2a ed. São Paulo: Moderna, 2000. CARRAHER,David William. Senso Crítico: do dia-a–dia às Ciências Humanas. São Paulo, Pioneira, 1993. CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982. CHASSOT, Áttico. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 2002. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1996. ___________. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas . 3. ed. São Paulo: Moderna, 1984. DEMO, Pedro. Ciência, Ideologia e Poder.São Paulo, Atlas, 1989. COLLI, Giorgio. O Nascimento da Filosofia. Trad. Frederico Carotti. 2a Campinas: Editora da UNICAMP, 1992. JOLIVET, Régis. Curso de Filosofia. Trad. Eduardo Prado de Mendonça. 18o ed. Rio de Janeiro: Agir, 1990. KUNH,T. A Estrutura das Revoluções Cientificas. São Paulo: Perspectiva, 1975. POPPER, K. A lógica da Investigação Cientifica. São Paulo: Abril Cultural,1980. RAVEN, P. H.; EVERT, R. F. & EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2000. 906 p. ROUND, F. E. Biologia das Algas. Editora Guanabara Dois, Rio de Janeiro, 1973. 263p. SMITH, G. M. Botânica Criptogâmica - Vol. 1 e 2: Algas e fungos . Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1987. BOLD, C.B. The Plant Kingdom. New Jersey: Prentice Hall, 1977. 310 p. BICUDO, C. E. M & BICUDO, R. T. Algas de águas continentais brasileiras. Fundação Brasileira para o desenvolvimento do ensino de Ciências, São Paulo, 1970. 228p. ed. • BRANCO, S. M. Hidrobiologia Aplicada à Engenharia Sanitária. CETESB, São Paulo, 1986. 616p. • • • • • • • • • • • • • • • • • DI BERNARDO, L. Algas e suas influências na qualidade das águas e nas tecnologias de tratamento. ABES, 1995. 127p. FERRI, M. G.; MENEZES, N. L. & MONTEIRO-SCANAVACCA, W. R. Glossário Ilustrado de Botânica. EDUSP, São Paulo, 1978. 199p BUSSAB; W. Oliveira; MORETIN, Pedro A. Estatística básica. 5 ed. Saraiva, 2004. TRIOLA, Mario F. Estatística Básica. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos Editora, 1978. MEYER, P. I. Probabilidade e aplicações à estatística. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1984. SOLOMONS, G. FRYHLE, C. Química Orgânica. 7ed. Rio de Janeiro: LTC. 2002. 2v BARBOSA, L. C B– Introdução a Química Orgânica.4ed UFV, Viçosa,2004 ALLINGER. L. Norman . Química Orgânica. 2ed Rio de Janeiro: Guanabara. OKUNO, Emico; CALDAS, IBERÊ LUIZ; CHOW,Cecil, Física para Ciências Biológicas e Biomédicas, São Paulo, Editora Atheneu, 2000. CAMBRAIA, J.; RIBEIRO, M.; OLIVEIRA, J. A.; PACHECO, S. Introdução à Biofísica. 1ªed. Viçosa: Editora UFV. 1998. HENEINE, Ibrahun Felippe, São Paulo, Editora Atheneu, 2000. Livros da coleção polêmica da editora Moderna. BRANCO, Samuel Murgel, Água – Origem, Uso e Preservação, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 10a. impressão, Editora Moderna, 1999. BRANCO, Samuel Murgel, O Meio Ambiente em Debate, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 30a. impressão, Editora Moderna, 1999. BRANCO, Samuel Murgel, Energia e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 12a. ed., Editora Moderna, 1995. BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. Livros Técnicos e científicos, Rio de Janeiro: 1978. 255p. v 1 BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. UFV. Viçosa, 1991. 377p.v 2 BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. UFV, Viçosa, 1991. 326p.v 3 • WALTER S. JUDD; CHRISTOPHER S. CAMPBELL; ELIZABETH A. KELLOGG; PETER F. STEVENS; MICHAEL J. DONOGHUE; Plant Systematics: A Phylogenetic Approach 2º ed Sinaver Associates, Inc. Publishers, 2002. • • • • • • • • • • • • FERRI, M. G. MENEZES, N. L. E MONTEIRO - SCANA VACCA, W. R. Glossário Ilustrado de Brandão. Botânica . EDUSP, SÃO PAULO, 1978. 199p. JOLY AYLTOHON BRANDÃO. Botânica - Introdução a Taxonomia Vegetal. 4 ed. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1997. 777p. SCHULTZ, Alarich - Introdução à Botânica Sistemática. 6 ed. Sagra da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1990 .414p. VIDAL, W. N. e VIDAL, M. R. R. Botânica - Organofrafia . 3 ed. UFV. Viçosa, 1984. 114p. DAMIÃO FILHO, C. F. Morfologia Vegetal, Livraria Triângulo Editora Ltda, Jaboticabal, 1993. 243p. FERRI, M.G.; Botânica - Morfologia externa das plantas - Organografia. Nobel, São Paulo, 1981. 149p. FLORA BRASILEIRA - Primeira Enciclopédia de Plantas do Brasil . Três Livros e fascículos. São Paulo 1984 - 3 Volumes 460p. MARANCA, Guido - Plantas Aromáticas na Alimentação - Nobel, 1986 121p. RAVEN, P. H. ,EVERT, R. F. e EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1996. 727p. SALLE, Jean - Luc. O Totum em Fitoterapia - Abordagem de Fitobioterapia - Robe Editorial - 1996. 239p. SANTOS, Eurico, Nossas Madeiras. Itatiaia Ltda, 1987 309p. TESKE, MAGRID e TRENTINI, Amny Margaly M. Herbarium - Compêndio de Fitoterapia – 3 ed. Editado e publicado por Herbarium Laboratório Botânico - 1995 - 317p. • • • • RICKLEFS, R.E. 2003. A economia da natureza. 5a ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. PINTO-COELHO, Ricardo M. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 252p. BEGON, M., Townsend, C.R., Harper, J.L. 1996. Ecology: individuals, populations and communities. 3a ed. Blackwell Science Inc. OLIVEIRA, F. Bioética: uma face da cidadania. São Paulo: Moderna, 1997. 144p. • • • • PESSINI, L. & BARCHIFONTAINE, C. P. Fundamentos da bioética. São Paulo: Paulus, 1996. 241p. SGRECCIA, E. Manual de bioética II. Aspectos médicos-sociais. São Paulo: Loyola, 1997. 455p. MEC – SEMTEC . Parâmetros Currículares Nacional de ensino médio (PCN+EM): ciências da natureza, linguagem e tecnologia. MORIN, Edgar. Educação e Complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Ed. Ver. São Paulo: cortez, 2004SADLER, T.W. Embriologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. • • • • • • • LENNINGER, A. L. Bioquímica, 2 ed. São Paulo. Edgard Blücher, 1976. MARZZOCO, A; TORRES, B.B. Bioquímica Básica. 1 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 1990. 230p. CHAMPE, P. C. Bioquímica Ilustrada, 2 ed. Porto Alegre. Artemed,1996. VOET, D.; VOET, J. G. e PRATT, C.W. Fundamentos de Bioquímica. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2002. 1040p. STRYER, L. Bioquímica. 5a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2004. 1104p GRIFFITHS, A.J.F., MILLER, J.H., LEWONTIN, R.C., GELBART, W.M. Genética moderna. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2001. GRIFFITTS, A.J.F., MILLER, J.H., SUZUKI, D.T., LEWONTIN, R.C., GELBART, W.M.Introdução à genética. Tradução de Paulo Armando Motta. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1998. 856 p. Tradução de: An introduction to genetic analysis. • • PASSARGE, E. Genética: texto e atlas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. BURNS, G.W., BOTTINO, P.J. Genética. Tradução de João Paulo de Campos e Paulo Armando Motta. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1991.381 p.Tradução de: The science of genetics. • GARDNER, E.J., SNUSTAD,D.P. Genética. Tradução de J. Fernando P. Arena et al. 7.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1987. 497 p. Tradução de: Principles of genetics. • RAMALHO, M.A. P., SANTOS, J.B. dos, PINTO, C.A. B. P. Genética na agropecuária. 2.ed. Lavras: Editora Ufla, 2000. • • • • • CARLSON, B.M. Embriologia Humana e Biologia do Desenvolvimento. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1994. MOORE, K. L. & PERSAUD, T.V.N. Embriologia Básica. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994. MOORE, K. L. & PERSAUD, T.V.N. Embriologia Clínica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. SADLER, T.W. Embriologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. MENESES, João Gualberto de Carvalho, BATISTA Sylvia Helena S.S, (org). Revisitando a Prática Docente: Interdisciplinaridade, Políticas Públicas e Formação - Autores associados Editora Afiliada São Paulo, 2003 Guia Prático • • • • • • • • • • • • • • FOVREZ, Gérord. A construção das ciências. São Paulo: Ed. da USP, 1995 VIEIRA, Elaine (org). Prática interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortes Editora, 1994. MAMEDE, Silva (org). Aprendizagem baseada em problemas. Fortaleza: Hucitec,2001. ZAHA, A. Biologia Molecular Básica. 3ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2003. 421p. VOET, D.; VOET, J. G. e PRATT, C.W. Fundamentos de Bioquímica. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2002. 1040p. STRYER, L. Bioquímica. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2004. 1104p. ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ed. Porto Alegre: ArtMed Editora, 1999. 1549p. De ROBERTS, E.M.F. e HIB, J. De Robertis Biologia Celular e Molecular. 14ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2003. 432p. MATIOLI, S. Biologia Molecular e Evolução. Ribeirão Preto: Holos Editora, 2001. HICKMAN et al., Principios Integrados de Zoologia, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004 RUPPERT, E. E. & BARNES, R. D. Zoologia dos Invertebrados. 6. ed. São Paulo, Roca., 1994. BRUSCA, R. C. & BRUSCA, G. J. Invertebrates. Massachusetts, Sinauer, 2003. APEZZATO-DA-GLÓRIA, B.; CARMELO-GUERREIRO, S.M. Anatomia vegetal. Editora UFV, Viçosa, 2003. 438 p. ESAU, K. Anatomia das Plantas com sementes. Editora Edgard Blucher LTDA, São Paulo, 1986. 293p. Tradução: Morretes, B. L. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • RAVEN, P. H.; EVERT, R. F. & EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2001. 906 p. BOLD, C.B. The Plant Kingdom. New Jersey: Prentice Hall, 1977. 310 p. CUTTER, E.G. Anatomia Vegetal - Parte I: Células e tecidos. Tradução: Catena, G.V.M.C. Roca, São Paulo, 1986. 304p. CUTTER, E.G. Anatomia Vegetal - Parte II: Órgãos Experimentos e Interpretação. Tradução: Catena, G.V.M.C. Roca, São Paulo, 1987. 336p. DAMIÃO FILHO, C. F. Morfologia vegetal. Livraria Triângulo Editora Ltda., Jaboticabal, 1993. 243p ESAU, K. Anatomy of seed plants. 2. ed. New York: Jomnh Wisley & Sons, 1977. 550 p. FAHN, A. Anatomia Vegetal. 3ª edição, Ed. Pirámide, Madrid, 1985. 598p. FAHN, A. Plant Anatomy. Oxford: Pergamon Press, 1977. 611 p. FERRI, M. G. Botânica - Morfologia interna das plantas - Anatomia. Editora Melhoramentos, São Paulo, 1981. 113p. MAUSETH, J.D. Plant Anatomy. Menlo Park, Califórnia: Benjamin/Cummings Publishing Company, 1988. 560 p. RICKLEFS, R.E. 2003. A economia da natureza. 5a ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. BRAGA et al. 2002. Introdução à Engenharia Ambiental. Prentice Hall, São Paulo. 305 pp. PRIMACK, R.B. & E. Rodrigues. 2001. Biologia da Conservação, .Londrina 328 pp. BEGON, M., Townsend, C.R., Harper, J.L. 1996. Ecology: individuals, populations and communities. 3a ed. Blackwell Science Inc. PINTO-COELHO, Ricardo M. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 252p. OLIVEIRA, D.L. Ciências na sala de aula. Porto Alegre: Mediação, 1997 BIZZO, Nilo . Ciências: fácil ou difícil? São Paulo, Ática , 1993. TORTORA, G.J., FUNKE, B.R., & CASE, C.L. Microbiologia. 6ª ed. Menlo Park, Benjamin / Commings Publishing, 2002. BLACK, Jacquelyn G. Microbiologia – Fundamentos e Perspectivas. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, 2002. • • • • • • • • PELCZAR JR., M.J., CHAN, E.C.S. & KRIEG, N.R. Microbiologia – Conceitos e Aplicações. Vol. 1. São Paulo, Makron Books, 1996. MADIGAN, M.T., MARTINKO, J.M. & PARKER, J. Biology of microorganisms. 9th ed. New Jersey. Prentice Hall, 2000. SILVEIRA, V.D. Micologia. Rio de Janeiro, Âmbito Cultural Edições, 1995. NEVES, D. P. Parasitologia humana. Rio de Janeiro: Atheneu, 2000. REY, Luís. Parasitologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1973. KERBAUY, G. B., 2004. Fisiologia Vegetal. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2004. RAVEN, P. H. EVERT, R. F. & EICHHORM, S. E. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. TAIZ, L.; ZEIGER, E. Plant Physiology. Sinauer Associates, Inc., Publishers. 1998. FERRI, M. G. Fisiologia Vegetal. São Paulo: EPU. v. 1 e 2. LARCHER. Ecofisiologia Vegetal. São Paulo: EPU, 2000. CUNHA, L. A. Educação, estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez, 1991. CURV, Jamil; A Legislação Educacional Brasileira. DP& A Editora. RJ. 2000. DEMO, Pedro. Política social, educação e cidadania. Campinas: Papirus, 1995. FREITAG, Bárbara G. Escola, estado e sociedade. São Paulo: Moraes, 1997. SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1988. SEVERINO, A. J. A escola e a construção da cidadania. In: Coletânea CBE, Estado e Educação. São Paulo: Papirus, 1992. WEREBE, M. I. G. Grandezas e misérias do ensino no Brasil (30 anos depois) . São Paulo: Ática, 1994. ______________. Filosofando: introdução à Filosofia. 2.ed. Rev. aum. São Paulo: Moderna, 1993. (Unidade III - 1a e 2a partes). ______________. Filosofando: introdução à Filosofia . 2.ed. Rev. atual. São Paulo: Moderna, 1995. (Unidade III - Cap. 15, p.154-164: O Método Científico). HICKMAN; ROBERTS; LARSSON. Princípios integrados de zoologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan POUGH, F.H.,; HEISER, J.B.; McFARLAND, W.N. A vida dos vertebrados. São Paulo: Atheneu. 1993. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • BOCK, A.M.B. 1995. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia . 7.ed. São Paulo: Saraiva. 319p. CAMPOS, D.M.S. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis: Vozes. CARVALHO, V.B.C.L. 1996. Desenvolvimento humano e psicologia: generalidades, conceitos, teorias. Belo Horizonte: UFMG. KUPFER, M.C.1992. Freud e a educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione. LA ROSA, J. (org.). Psicologia da educação: o significado do aprender. Porto Alegre EDIPUCRS. LIMA, L.O. 1980. Piaget para principiantes. São Paulo: Summus. VIGOTSKY, L.S. 1979. Pensamento e linguagem. Trad. RESENDE, M. Lisboa: Antidoto. VIGOTSKY, L.S. 1988. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. ALVES, Rubem. Alegria de ensinar. São Paulo: Ars Poética, 1994. CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, 1994. CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1995. COMÊNIO, J. A. Didática magna. Lisboa: Fundação Caouste Gulbenkian, 1957. CUNHA, Maria Izabel. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. FERREIRA, F. W. Planejamento sim e não: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997 HICKMAN; ROBERTS; LARSSON. Princípios integrados de zoologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan POUGH, F.H.,; HEISER, J.B.; McFARLAND, W.N. A vida dos vertebrados. São Paulo: Atheneu. 1993. FUTUYMA, D. J. 1992. Biologia Evolutiva. Trad. Mário de Vivo e coord. Fábio de Melo Sene. 2.ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética / CNPq. 646p. GRIFFITHS, A. J. F., et all. 1998. Introdução à genética. Trad. Paulo Armando Motta. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 856p. Proposta curriculares para o ensino de Ciências MEC- 2005 . Secretaria de Estado Educação de Minas Gerais. Propostas Curriculares de Ciências para Educação Básica – 2005 • • • • • • • • • • • • • • • BRANCO, S.M. & BRANCO, F.C.A. 1992. Deriva dos Continentes. São Paulo: Moderna. EICHER, O. L. 1996. Tempo Geológico. São Paulo: Bliicher Edusp. GUERRA, A. T. 1985. Dicionário Geológico – Geomorfológia . Rio de Janeiro: IBGE. LEINZ, V.; AMARAL, S.E. do. 1971. Geologia Geral. São Paulo: Moderna. MENDES, J. C. 1977. Paleontologia Geral. São Paulo: Edusp. BIGARELLA, João José. 1994. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis: Ed. da UFSC. CASSETI, Valter. 1994. Elementos de Geomorfologia. Goiânia. Ed. da UFC. CHRISTOFOLETTI, Antônio. 1980. Geomorfologia. 2ªed. São Paulo. Edgard Blucher. ABBAS, .A K.; LICHTMAN, A. M. and POBER, J. S. , Cellular and Molecular Imumunology, 3 ed., Revinter, 1997. 494p. JANEWAY, C. A. and, TRAVERS, P., Immunobiology . The normune system in health and disease, 3 ed., 1997. Proposta curriculares para o ensino de ciências MEC- 2005 Secretaria de Estado Educação de Minas Gerais. Propostas Curriculares de Biologia para Educação Básica – 2005 BRANCO, S. M. Hidrobiologia aplicada à engenharia sanitária. CETESB, São Paulo, 1986. 616p. BICUDO, C.E.M. & BICUDO, D. (eds). Amostragem em Limnologia. Rima editora, São Carlos(SP). 2003 BICUDO, C. E. M & BICUDO, R. T. Algas de águas continentais brasileiras. Fundação Brasileira para o desenvolvimento do ensino de Ciências, São Paulo, 1970. 228p. • • ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia.. 2ed. Rio de Janeiro: Interciência. 1998. 602 p. BUSS, D. F.; BAPTISTA, D. F.; NESSIMIAN, J.L. Bases conceituais para a aplicação de biomonitoramento em programas de avaliação da qualidade da água de rios. Cad. Saúde Pública : Rio de Janeiro, 19, p.109-118, 2003. • • • • • • • • • • BRANCO, S. M; ROCHA, A. A Poluição, Proteção e usos múltiplos de represas. 1ª ed São Paulo, Ed. Blucher, CETESB, 1977. BRIGANTE, J.; ESPÍNDOLA, E.L.G.(orgs) Limnologia fluvial: um estudo de caso no rio Mogi-Guaçu. 1ªed. São Carlos: Ed. Rima, 2003. DI BERNARDO, L. Algas e suas influências na qualidade das águas e nas tecnologias de tratamento. ABES, 1995. 127p. EDMONDSON, W.T. Freshwater biology. New York: John Wiley & Sons, 1959. 1248p. ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1983. 434 p. PINTO-COELHO, R.M. Fundamentos em ecologia. Soc. Ed. Artes Médicas. ARTMED, Porto Alegre(RS). 2000. 252p. REBOUÇAS, A.C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J.G. (orgs). Águas doces no Brasil. Capital ecológico, uso e conservação. São Paulo, Escrituras Editora, 1999. 338p. RICKLEFS, R.E. Economia da Natureza. 5ª ed..Rio de Janeiro. Ed. Guanabara Koogan S.A., 2001. VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Vol. 1. 2ªed. Belo Horizonte: Ed. FCO, DESA/UFMG, 1996. SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMANN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. (Org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 4.ed. Porto Alegre: UFRGS, Florianópolis: UFSC, 2002. 821 p • • • • • • • MATOS, F.J. Introdução à Fitoquímica Experimental. UFC Edições, Fortaleza. 1997. JOHANSEN. D. A. Plant microtechnique. New York. MacGraw-Hill \Book Co. Inc., 523 p. 1940. KRAUSS, J. E.; ARDUIN, M. Manual básico em morfologia vegetal. Seropédica, R.J: Edur, 1997. 198 p. BEÇAK, W; PAULET. J. Técnicas de citologia e histologia. Vol. 1. Rio de Janeiro. Livros técnicos e científicos editora S/A. 305 p. 1976. BUCHJER. W. Introdução às técnicas microscópicas. Polígono Ltda. 4ª ed. 1972. SASS, J. E. Botamical microthecnique. 2ª ed. Ames, The Yowa State College Press, 391 p. 1951. ZUNDIR, J.B., MIYAZAKI, R.D. 2002. Entomologia didática. 4a ed. Editora da UFPR, Curitiba. 374 pp. • • • • • • • • • • • • • • • • • GULLAN, P.J., CRANSTON, P.S. 2000. The insects: an outline of Entomology. 2a ed. Blackwell Science. 470 pp. BORROR, D.J., TRIPLEHORN, C.A., JOHNSON, N.F. 1989. An introduction to the study of insects. 6a ed. Saunders College Publishing. 875 pp. LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Paulo: Universitária. 1984. 319p. RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural Edições Ltda, 1997. 747p. BENINCASA, M.M.P. Análise de crescimento de planta. Noções básicas. Jaboticabal, FCAV/UNESP, 1988. 41p. SICK H. 1997. Ornitologia Brasileira (segunda edição). Volume I e II. WELTY, J.C. 1982. The Life of Birdis 3º ed. Savnvers College Publishing, Philadelphia PEREIRA E GOMES. Biologia marinha. Rio de Janeiro: Interciência, 2002. HICKMAN JR., Cleveland P.; ROBERTS, Larry S. P rincípios integrados de zoologia. 11.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. 846p. ALLARD, R. W. Princípios do melhoramento genético das plantas. São Paulo: Edgard Blucher, 1971. 381p. BORÉM, A. Melhoramento de plantas. 2.ed. Viçosa: Editora UFV, 1998. KREUZER, H. & MASSEY, A. Engenharia genética e biotecnologia. 2a Ed. Artmed, 2002. BROWN, T. A. Clonagem gênica e análise de DNA – Uma introdução. 4a Ed. Artmed, 2003. ZAHA, A . Biologia molecular básica. Porto Alegre: Mercado aberto, 1996. 336p LEWIN, B. Genes VII. Artmed, 2001. 955p BORÉM, A. & SANTOS, F. R. Biotecnologia Simplificada. Viçosa:UFV. 2001. 241p. FARAH, S.B.. DNA: Segredos e Mistérios. Editora Sarvier. 1997. 276p. GRIFFITHS, A. J. F. , MILLER, J. H., SUZUKI, D.T., LEWONTIN, R. C., GELBART, W.M. Introdução à genética. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A, 1998. 856p. Editora Pedagógica e • FERREIRA. M.E., GRATAPAGLIA. D. Introdução ao uso de marcadores moleculares em análises genéticas. 2 ed., Brasília: Embrapa – Cenargen, 1996. 220p. • MILACH. S. Principais tipos de marcadores moleculares e suas características. In: Milach. S. (ed). Marcadores moleculares em plantas. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS. 1998. p.17-28. • • • • • BRANCO, S. M. & BRANCO, F. C. A. 1992. Deriva dos Continentes. São Paulo: Moderna. EICHER, O. L. 1996. Tempo Geológico. São Paulo: Bliicher Edusp. GUERRA, A. T. 1985. Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. do. 1971. Geologia Geral. São Paulo: Moderna. MENDES, J. C. 1977. Paleontologia Geral. São Paulo: Edusp. Ciências Sociais – Licenciatura Educação Física – Licenciatura BRACHT, Valter. Sociologia Crítica do esporte: uma introdução. Vitória: UFES, 1997. GUEDES, D. P. & GUEDES, J. E. L. P. Exercício Físico na Promoção da Saúde. Londrina: Midiograf,1998. LISTELLO, Auguste. Educação pelas atividades físicas, esportivas e de lazer. São Paulo: E.P.U, 1979. LOVISOLO, Hugo. Educação Física: a arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint, 1995. SOARES, Carmem. Educação Física – Raízes européias e Brasil. São Paulo: Autores associados, 1994. BRUHNS, H.T. (org) Introdução aos estudos do lazer. Campinas: Unicamp, 1997. CAMARGO, L.O.L. O que é lazer. São Paulo, Brasiliense, 1999 FRITZEN, S.J. Dinâmicas de recreação e jogos. Petrópolis: Vozes, 1999 SANTINI, R.C.G. Dimensões do lazer e da recreação. São Paulo, Madras, 1999 SILVA, E.N. Recreação e jogos. Rio de Janeiro, Sprint, 1999 HUIZINGA, J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1999 MARCELLINO, N.C. Lazer e humanização. 3a ed. Campinas: Papirus, 2000. ______. Lazer e educação. 6a ed. Campinas: Papirus, 2000. ______. Pedagogia da animação. Campinas: Papirus, 1990. REVISTA Conexões: educação, esporte e lazer. Campinas: FEF/Unicamp. REVISTA Licere. Publicação do Centro de Estudos de Lazer e Recreação/EEF/UFMG. ZACHARIAS, W. & CAVALLARI, V.R. Trabalhando com recreação. São Paulo, Ícone, 1999. BARROS, Enéas. Português para o ciclo universitário básico. SP: Atlas ______. Nova Gramática da Língua Portuguesa. SP: Atlas. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática da Língua Portuguesa. CUNHA, Celso e CINTRA, L. F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. KASPARY, Adalberto. Redação Oficial. FERNANDES, Francisco. Dicionário de verbos e regimes. ______. Dicionário de substantivos e adjetivos. GARCIA, Othon. Comunicação em prosa GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. ______. O português das Comunicações Administrativas KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. ______. . Ortografia, Pontuação e Crase LUFT, Celso Pedro. Grande Manual de Ortografia Globo. PALNTÂO e FIORIN. Para entender o texto SOARES, Magda et Alii. Técnica de Redação. VAL, M. da Costa. Redação e textualidade. VANOYE. Francis. Usos da linguagem. CAMARGO, Maria Lígia Marcondes de. Música/ movimento: um universo em duas dimensões; aspectos técnicos e pedagógicos na Educação Física. Belo Horizonte: Vila Rica, 1994. FALLBUSCH, Hannelore. Dança moderna e contemporânea - Rio de Janeiro: Sprint, 1990. LABAN, Rudolf von. Dança educativa moderna - Ed. Ícone, São Paulo, 1990. ______. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978. NANNI, Dionísia. Dança educação, princípios, métodos e técnicas. Rio de Janeiro: Sprint, 1995 BOURCIER, Paul. História da dança no Ocidente. São Paulo: Martins fontes, 1987. Coletivo de autores. Metodologia do ensino de Educação Física - São Paulo : Cortez, 1993. Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo : Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, v.7, 1993. FERRAZ, M. H. C. T., e FUSARI, M. F. R. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993. GONZAGA, Luiz. Dança de salão OSSONA, Paulina. A educação pela dança. São Paulo: Summus, 1988. STOKOE, Patrícia. Expressão corporal na pré-escola. São Paulo: Summus, 1987. Textos e artigos da área. DANGELO J. G. e FATTINI, C. A. Anatomia Humana Básica. Rio de Janeiro. Atheneu, 2ª 1987 ______. Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicos. Rio de Janeiro, Atheneu, 1983, 493p. ERHART, E. A. Elementos de Anatomia Humana. 5ª Edição São Paulo. Athene, 1976, 374 p. GARDNER, W.D. e OSBURN, W. A. Anatomia do corpo Humano. 2ª Ed. São Paulo Atheneu, 1980, 571 p. JUNQUEIRA, L. C. e CARNEIRO, J. Noções Básicas de Citologia, histologia e Embriologia. São Paulo, Nobel, 1972, 154 p. GARDNER, Gray Rahilly. Estudo Regional do Corpo Humano. 4B E. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan GRAY, H. Anatomia , Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 19977, 1141 p. MACHADO, A.G.M Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro, Atheneu, 1988, 294. ARANHA, Maria Lúcia (et) Martins, Maria H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo, Moderna, 1995. GILSON, Etiene. A Filosofia da Idade Média. São Paulo, M. Fortes, 1995 JAEYER, Werner Paidéia: A Formação do Homem Grego. São Paulo, M. Fortes, 1995. LACOSTE, Jean. Filosofia da Arte, Vozes, 1988 MANDIM, Batista. Introdução à Filosofia. São Paulo, Paulinas, 1980. BRUGGER, Walter: Dicionário de Filosofia, São Paulo, Herder, 1969. HAHN, Harley; STUOT, Rick. Dominando a internet. São Paulo; Makron Books, 1995. LAPPONI, Juan Carlos. Estatística usando Excel 5 e 7. São Paulo: Lapponi Treinamento e Editora, 1997. (lapponi@node1.com.br) Microsoft Ms Windows 98. São Paulo: Makron Books, 1998. Microsoft PowerPoint 2000. São Paulo: Makron Books, 2000. MOREIRA, Sérgio B. Informática, ciência e atividade física. Rio de Janeiro: Shape, 1998. Treinamento rápido em Microsoft Word 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. Treinamento rápido em Microsoft Access 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. Treinamento rápido em Microsoft Excel 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. WHITE, Ron. Como funciona o computador. Ed. Quark, 1993. DRUMOND, José Geraldo de Freitas. O cidadão e o seu Compromisso Social. Edições Cuatiara, Belo Horizonte. OLIVEIRA, Fátima. Bioética: uma face da cidadania. 1º Edição. Editora Moderna, São Paulo PESSINI, L. e BARCHIFONTAINE, C. P. Problemas Atuais de Bioética. Edições Loyola, São Paulo 1991. ALTER, Michael J., Ciência da Flexibilidade, 2ª ed. Porto Alegre; Artmed, 1999. COSTA, Marcelo Gomes da. Ginástica Localizada: Grupos Heterogêneos: Sprint, 1998 SANTOS, Miguel Angelo Alves do. Manual de Ginástica de Academia: Sprint, 1994. SILVIA, Elizabeth Nascimento. Recreação na sala de aula de 1ª a 4ª série: Sprint, 1997 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. AIRTON MEGRINE Psicopedagógicas , Vol. 2. Aprendizagem e Desenvolvimento Infantil, Perspectivas BEE, Helen. A Criança em Desenvolvimento 7º edição – Artes médicas, 1996. BRONFENBRENNER, Vrie. A Ecologia do Desenvolvimento Humano: Experimentos naturais e planejados/URIE Artes Médicas, 1996. DARTAGNAN Crescimento e Composição Corporal e Desempenho. MATTOS. O Corpo, Movimento e Socialização. BEZIERS O Bebê e a Coordenação Motora ECKERT, HELEN M. Desenvolvimento Motor. Manole 1993 HERREN, H. A Estimulação Motora Precoce/ H. Herrene. M. – P. Herren; Artes médicas, 1998 SCHMIDT, RICHARD A Aprendizagem e Performance Motora: Dos princípios à prática. Richard A Schmidt;Movimento 1993 TOJAL, J. B. A G. Motricidade Humana: o paradigma emergente .Editora da Unicamp.1994 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL.Regras Oficiais de Handebol e Beach Handeball. Rio de Janeiro: Sprint, 1999-2000. MELO, Rogério Silva. Esportes de Quadra. Rio de Janeiro : Sprint, 1999. SANTOS, Rogério dos. Handebol 1000 exercícios. 2.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. ZAMBERLAN, Elói. Handebol escolar e de iniciação. Londrina: Treinamento Desportivo, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL. Regras Oficiais. São Paulo: Phorte, 2004. COSTA, Lamartini Pereira da, Diagnóstico de Educação Física: Desportos no Brasil, Petrópolis, Rio de Janeiro, Ed. Vozes, 1991. OLIVEIRA, Vitor Marinho, O que é Educação Física, 2ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1983. VARGEM, Ângelo Lins, Educação Física e o corpo: a busca da identidade, Rio de Janeiro, Sprint,1990. VOTRE, Sebastião, A representação da mulher na educação física e no esporte, (et al) organizador, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1996. BRASILONE NETTO, JOSË. Natação: a didática moderna da aprendizagem, Rio de Janeiro: grupo palestra sport, C1995 CATTEAU, R E GAROFF, G. Ensino da Natação - 3ª Edição, São Paulo, Manoele, 1990. KLEMM, F. Ensino de Natação ao Principiante - 1ª Edição Rio de Janeiro Tecnoprint, 1982. PALMER, M. L. Ciência do ensino da natação, 1ª ed. SP Manoele, 1990. BREMS, M. O nadador em forma - 1 Edição S.P. Manoele, 1986 BURKHARDT, R e ESCOBAR, M. O. Natação para portadores de deficiências 1ª Ed. R.J. Palestra Edições, 1984 LIMA, WILLIAM DE. Ensinando natação, São Paulo, Phorte, 1999. SKINNER, A. T. E THOMSON, A. M. Duffield: Exercícios na água - 3ª Edição, São Paulo, Manole, 1985 SOUZA, WAGNER ALVES. Treinos especiais crawl e costas. Rio de Janeiro; Sprint, 1998 LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo : Cortez, 1991. LUCHESI, Cipriano Carlos. Avaliação e educação escolar: para além do autoritarismo. In. ANDE, Revista da associação nacional de educação. São Paulo, 1986. PILETTI, C. Didática Geral. São Paulo, 1993.VEIGA, Ilma Passos A. Didática, uma retrospectiva histórica. In. VEIGA, I.P.A Repensando a didática. Campinas: Papirus, 1989. P.25-40. ______. Técnicas de Ensino : porque não ? Campinas: Papirus, 1998 BARRIS, Nelson. Arremesso e Lançamento. Araçatuba : LEME empresa LTDA FERNANDES, J. Luís. Atletismo Corridas. São Paulo: USP, 1978. ______. Atletismo Saltos. São Paulo: USP, 1978. ______. Atletismo Arremessos. São Paulo: USP, 1978. SCHOMOLINSKY, Gerhardt. Atletismo. Lisboa: Estampa, 1982. JOANTH, U. HAAG. E. KREMPEL. R. Atletismo/02. Lisboa: Casa do Livro, 1977. LESSA, AMÁRIO - APOSTILA DE ATLETISMO – Montes Claros, MG: s.e., 2000. BRACHT, Walter. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1993. GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Educação Física progressista: a pedagogia crítico social dos conteúdos e a educação Física brasileira. São Paulo: Loyola, 1988. KUNZ, Elenor . Transformações didático-pedagógica do esporte. Ijuí: UNIJUÍ, 1994. KUNZ, Elenor(Org.). Didática da Educação Física 1. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1998. BRASIL. Ministério da Educação e cultura, Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/secretaria de educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1997. FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física. Scipioni, 1989. OLIVEIRA, Vitor marinho de. O que é Educação física? São Paulo: Brasiliense, 1983. TANI, Go (Educação física escolar; fundamentos de uma educação desenvolvimentista. SP: EPU, 1989. Visão didática da educação Física. Grupo de trabalho pedagógico UFPE/UFSM. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1991. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta . Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. FREIRE, J.B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física . Scipioni, 1989. GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem Desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. BERNE, R.M. e MATTHEW, N.L., Fisiologia. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara/Koogan, 1988.GANNONG, W.F., Fisiologia Médica, 2ª ed. São Paulo – SP: Atheneu, 1972 GUYTON, A C. e HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica, 9ª ed, Rio de Janeiro: Guanabara / Koogan, 1997. ______. Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças, 6ª ed, Rio de Janeiro - RJ: Guanabara / Koogan, 1998. ______. Fisiologia Humana. 6ª ed. Rio de Janeiro – RJ: Guanabara/Koogan, 1988. FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. São Paulo : Phorte, 1998. FONSECA, Gerard Maurício. Treinamento para goleiros. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. MELO, Rogério Silva de. Futsal 1000 exercícios. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. MUTTI, Daniel. Futsal – Da iniciação ao alto nível. São Paulo : Phorte, 1993. SANTOS FILHO, J.L.A. A preparação física no futebol de salão. Rio de Janeiro : Sprint, 1998. LAUDIER, José. Preparação Física. São Paulo, 1998. 1.1.1.1.1.1.1 MENEZES, Maurílio Fonseca. Futsal – Aprimoramento técnico e tático. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. SANTOS FILHO, José Laudier Antunes dos . Manual do futsal. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. FERREIRA, Amarílio; Goellner, Silvana; Bracht, Valter (Orgs.) As ciências do esporte no Brasil. São Paulo: Editores Associados, 1995. GRECO, Pablo J.; Benda, Rodolfo N. Iniciação esportiva universal - da aprendizagem motora: ao treinamento técnico. Belo horizonte: Ed. UFMG, 1998. MAGILL, R.A. Aprendizagem motora: Conceitos e aplicações. São Paulo: Edagard Blucher, 1984. SCHMIDT, R. Aprendizagem e Performance motora. São Paulo: Movimento, 1993. TANI, Go et al. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentalista. São Paulo: EPU/USP, 1998 BOJIKIAN, João Crisóstomo Marcondes. Ensinando voleibol. Guarulhos / SP: Phorte, 1999. UGRINOWITSCH., Carlos, BARBANTI, José Valdir. Ensinando voleibol para jovens. São Paulo: Casa Paulistana de voleibol, 1999. CARVALHO, Oto Marávia de. Voleibol 1000 exercícios. 4.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. SUVOROV, Y.P. GRSHIN, O.N. Voleibol iniciação volume I e II. 3.ed. São Paulo: Phorte, 1997. SHALMANOV, Alexander A. Fundamentos Biomecâmicos do voleibol. São Paulo: Phorte, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLLEYBALL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro: Palestra Sport, 1995. MELO, Rogério Silva. Esportes de quadra. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLLEYBALL. Regras Oficiais. Phorte, 2000-2001 FELLIPE JR, J. Pronto Socorro: Fisiopatologia, Diagnostico, Tratamento. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ganabara, 1990. LANE, J. C. Manual de Reanimação Cardiorrespiratório. 2ª ed. São Paulo: Fundo ed. Byk, 1994. 98 p. MISSIANO, F. Guia para Situações de Emergência: a ajuda que você precisa nas horas difíceis. São Paulo: Pensamento, 1997. NOVAES, J. S. Manual de Primeiros Socorros para Educação Física. Rio de Janeiro: SPRINT, 1994. 169 p. STANWAY, A. Manual de Primeiros Socorros. São Paulo: Record, 1994. 158 p. CRUZ VERMELHA BRASILEIRA. Caderno de Primeiros Socorros. Rio de Janeiro: Cruz Vermelha Brasileira, (19..) ENCYCLOPEDIA BRITANNICA. Primeiros Socorros (Filme Cinematográfico). SP: Britannica, 1993. ALMEIDA, Marcos Bezerra de. Basquetebol – iniciação. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETEBOL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. ALMEIDA, Marcos Bezerra de. Basquetebol – 1000 exercícios. São Paulo: Phorte. CONTURSI,E.B. Marketing Esportivo. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 1996. Marketing de Academia. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint.1994. Marketing de Eventos. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 2ª Edição. 1999. Marketing Esportivo e Social. Londrina; PR. Phorte Editora. 1997. NETO, FRANCISCO PAULO DE MELO. Marketing no Esporte. Rio de Janeiro. PAULA, GIL DE. Fitness Business. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 1999. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. BRASIL. Ministério da Educação e cultura, Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/secretaria de educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1997. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas. GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997 FARINATT, P.T.V., MONTEIRO, W.D., Fisiologia e Avaliação Funcional. 3ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Sprint, 1999. FOX, E.L., BOWERS, R. W., FOSS, M.L., Bases Fisiológicas da Educação Física e dos Desportos. 4ª ed. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara/ Koogan, 1991. GHORAYEB, N., BARROS NETO, T.L. O Exercício - Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. 1ª ed. São Paulo – SP: Ed. Atheneu, 1999. McARDLE, W.D., KATCH, F.I., KATCH, V.L. Fisiologia do Exercício -Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Guanabara, 1998. GUEDES, D.P. & GUEDES, J.E.R.P. Controle de Peso Corporal, Composição Corporal, Atividade Física e Nutrição.1ª ed. Londrina - Paraná: Midiograf, 1998. MARINS, J.C.B., GIANNICHI, R.S. Avaliação e Prescrição de Atividade Física: guia prático. Rio de Janeiro - RJ: Shape, 1996. SHARKEY, B.J. Condicionamento Físico e Saúde. 4ª ed. Porto Alegre - RS: Artmed, 1998. WEINECK,J. Anatomia Aplicada ao Esporte. 3ª ed. São Paulo - SP: Manole, 1990. WOLINSKY, I., HICKSON JR. J.F. Nutrição no Exercício e no Esporte. São Paulo - SP: Roca, 1996. BRUYNE, P. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. 5ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. LAKATOS, E.M & MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991. LUDKE, M. & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986. SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 17a ed. São Paulo: Cortez, 1993. VOTRE, S.J. et al. Pesquisa em educação física. Vitória, ES: UFES, 1993. DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1999. ________. Ciência, ideologia e poder: sátira às ciências sociais. São Paulo, Atlas, 199?. ________. Certeza da incerteza: ambivalência do conhecimento e da vida. São Paulo: Primeira Linha, 199?. MINAYO, M.C.S. et al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa na educação. São Paulo, SP: Atlas, 1987. 175p. CARR, G. Biomecânica dos Esportes – Um Guia Prático. 1ª Ed., São Paulo, 1998 HAMIL,J. e KNUTZEN, K.M., Bases Biomêcanicas do Movimento Humano, Edição. São Paulo: Manole, 1999 RASH, P.J. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. 7ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. SETTINERI,L. Biomecânica – Noções Gerais. Ed. Livraria Atheneu, 1998 WEINECK,J. Anatomia Aplicada ao Esporte. 3ª Ed.. São Paulo: Manole:1990 DANGELO, J.C. E FATTINI, C.A. Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicas. 2ª Ed. Editora Atheneu, 1995 BRUNORO, José Carlos. Futebol 100% profissional. São Paulo, 1997. 1.1.1.1.1.1.2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro Sprint, 1996-1998. FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol. Londrina/ PR, 1998. FRISSELLI, Ariobaldo. Futebol, teoria e prática. São Paulo : Phorte, 1999. VIANA, Adalberto Rigueira. Manual de testes específicos.Viçosa – MG : Imprensa Universitária, 1995. CAMPOS, Dinah M S. Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis : Vozes. CÓRIA SABINI, M. A. Fundamentos de psicologia Educacional. São Paulo : Ática, 1990. LA ROSA, Jorge. (org) Psicologia da Educação : o significado do aprender. Porto Alegre : EDIPUCRS. PULASKI, Mary Ann Spencer. Compreendendo Piaget. Rio de Janeiro : Zahar, 1983. VIGOSTSKY. L.S. A Formação social da mente. São Paulo : Martins Fontes, 1978. CANFIELD, Jefferson T. Aprendizagem Motora, Santa Maria, 1981 CHAZAUD.J. Introdução a Psicomotricidade. São Paulo, 1978 COSTALLART. D.M. Psicomotricidade. Porto Alegre, 1978 COSTE,J.C.. A Psicomotricidade. Curitiba, 1983 HOLLE, Brita. Desenvolvimento motor na criança normal e retardada. São Paulo, 1976 1.1.1.1.1.1.3 Bibliografia Complementar FREIRE, João Batista. A educação do corpo inteiro. São Paulo: Scipione, 1989 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CORREIA, M.I.T.D. Nutrição, Esporte e Saúde. Belo Horizonte: HEALTH, 1996. 128 p. FRANCO, G. Tabela de Composição Química dos Alimentos. 9ª ed. São Paulo: Atheneu, 1999. GHORAYEB, N. BARROS, T. O Exercício: Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. São Paulo: Atheneu, 1999. GUEDES, D. P. Controle do Peso Corporal: Composição Corporal, Atividade Física e Nutrição. Londrina: MIDIOGRAF, 1998. KAMEL, D. & KAMEL, J. Nutrição e Atividade Física. 2ª ed. Rio de Janeiro: SPRINT, 1998. 120 p. LEHNINGER, A.L. Princípios de Bioquímica. São Paulo: Sarvier. 1990.725 p. MCARDLE, W. & KATCH, F. I. Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. PERNETTA, C. Alimento da Criança. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1998. BARROS, S. R. Estrutura e funcionamento do ensino de I grau, 2ª ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves Editora, 1980, 334p. BREJON, M. Estrutura e funcionamento do ensino de 1º e 2º graus, 7ª ed. São Paulo, Pioneira, 1977, 2960p. ARPIN, L., Guia da defesa pessoal- para homens e mulheres, Rio de Janeiro, Ed. Record, 1971 Trad. Ana Maria Oliveira Guanabara VIEIRA, L. R., O jogo da capoeira-cultura popular no Brasil Rio de Janeiro, Sprint, 1999. Educação Física e a Pessoa Portadora de Deficiência: Contribuição à Produção do Conhecimento. Organizadores; Apôlonio Abadio do Carmo, e Rossana Valéria de Souza e Silva. Uberlândia: Impresso Gráfica, 1997 ROSADAS, Sidney de Carvalho. Educação Física Especial para Deficientes. 3ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1991 SOUZA, Pedro Américo de . O Esporte Paraplegia e Tetraplegia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A. 1994 FOX, Edward L., BOWERS, Richard W. e FOSS, Merle L.. Bases Fisiológicas da Educação Física e do Desporto. Rio de Janeiro, RJ, Editora Guanabara Koogan, 1991. GERALDES, Prof. Amandio Gerlades A. R. Ginástica Localizada: Teoria e Prática. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1993. JUCA, Marcos. Aeróbica e Step, Bases Fisiológicas e Metodologia. Rio de Janeiro, RJ, 1993. NETO, Eduardo Silveira e NOVAES, Jefferson. Ginástica de Academia: Teoria e Prática. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1996. PEREIRA, Maynes M. F. Academia, Estrutura Técnica e Administrativa. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1996. ALTER, Michael J. Ciência da Flexibilidade. 2 ed. Porto Alegre, Artmed. 1999. RASCH, Fhilipe J., e BURKE, Roger K. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1977. SANTOS, Miguel Ângelo Alves dos. Manual de Ginástica de Academia. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1994. SOUCHARD, Ph. E. O Stretching Global Ativo. 2 ed. São Paulo, Manole, 1996. VERRY, Mauro. Sportmarketing (for Fitness): Marketing para sua Academia. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1997. ARAUJO, Claudio Gil Soares.Org.Fundamentos Biológicos: Medicina CARNAVAL, Paulo Eduardo. Medidas e Avaliação em Ciências do Esporte. Rio de Janeiro: Sprint,3ª ed.,1998. COSTA, Roberto Fernandes. Avaliação da Composição Corporal. Rio de Janeiro, RJ, Shape Editora,CD ROOM, 1999. Desportiva. Rio de Janeiro, RJ,Ao Livro Técnico, 1985. FILHO, Jose Fernandes. A Pratica da Avaliação Física: Testes, Medidas e Avaliação Física em Escolares, Atletas e Academias de Ginásticas. Rio de Janeiro: Shape Editora, 1999. GIANNICHI, Ronaldo S. & Marins, João C. Bouzas. Avaliação & Marins, Jõao C. Bouzas Avaliação e Prescrição de Atividade Física: Guia Pratico. Rio de Janeiro, RJ, Sharpe Editora,2ª ed.1998. GUEDES, Dartagnam Pinto & GUEDES, J. E. R. P. Controle do Peso Corporal . Londrina, PR, Midiograf,1998. BARBANTI, Valdir J. Teoria e Prática do Treinamento Esportivo. Ed. Edgard Blucer TUBINO, Manoel José Gomes. Metodologia do Treinamento Desportivo. Ed. Ibrasa. WEINECK, Jürgem. Manual do Treinamento Esportivo. São Paulo. Editora Manole. ______.Treinamento Ideal . São Paulo. 1999 Editora Manole 9a Edição. ZAKAROV. Andrei. Ciência do Treinamento Esportivo. Rio de Janeiro. Ed Palestra. 1992. DANTAS, Estélio H. M. A Prática da Preparação Física. Rio de Janeiro. Ed. Shape. 1995. 3a Edição. GRECO, Pablo J. Iniciação Esportiva Universal. BH Ed. UFMG. 1998. HOLLMANN, W. HETTINGER. Th. Medicina do Esporte. São Paulo. Ed. Manole. 1989. WEINECK, Jürgem. Bilogia do Esporte. São Paulo. 1991 Editora Manole. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. GUEDES, P. D.; GUEDES,P. R. E. Joana. Exercício Físico na Promoção da Saúde. Londrina; Editora Medigraf, 1995. POLLOCK, L. M.; WILMORE, H. J. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro-RJ; Editora Medsi; 2ª edição; 1993. CADERNOS CEDES - Educação pré-escolar: desafios e alternativas. São Paulo: Papirus, no 9, 1991. Considerações gerais sobre educação e trabalho no currículo do ensino de 1o grau - SEEMG - Editora "O Lutador". GANDIN, D; CRUZ, C. H. C. Planejamento na sala de aula. Porto Alegre: Editora LaSaile, 1995. McNELL, John D. A avaliação do currículo, cultura e sociedade. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997. PEDRA, José Alberto. Currículo, conhecimento e suas representações. Campinas: Papirus, 1997. REGO, T.C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes, 1995. RODRIGUES, Nelson. Por uma nova escola - o transitório e o permanente na educação . 3.ed. São Paulo: Cortez, 1986. RONCA, Paulo Afonso Caruso e TERZI, Cleide do Amaral. A aula operatória e a construção do conhecimento. 1.ed. São Paulo: Edesplan, agosto, 1995. SAVIANI, N. Saber escolar, currículo e didática. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 1994. SEVERINO, Antônio Joaquim. A formação profissional do educador: pressupostos filosóficos e implicações curriculares. In: Ande, ano 10, no 17, p.29-40. SILVA, L. H. da e AZEVEDO, J. D. de. Paixão de aprender II. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995. PEREIRA JR. Cícero Cerqueira. Peteca: Esporte ou recreação. Indesp, Ouro Preto, MG, 1996. WOOLLARD, Leslie. Tênis de Mesa. Editorial presença. Lisboa/ Portugal. CASCUDO, Luís de Câmara. Folclore do Brasil. Editora Fundo de Cultura. 1967. COLARES, Zezé e RUBINGER, Fernando. A Criança e o Folclore. 1974. FILHO, Mello Moraes. Tradições Populares do Brasil. USP. São Paulo, SP. 1979. RABELO,V. Jogos Infantis na Escola Moderna: Jogos Folclóricos. Editora Itatiaia. Belo Horizonte, 1997. SANTOS, Theobaldo Miranda. Lendas e Mitos do Brasil. 11ª ed. Editora Nacional. São Paulo, SP. 1991. CASCUDO, Luís de Câmara. Histórias de Nossos Gestos. Editora Itatiaia. Belo Horizonte.1987. PAULA, H. Augusto de. Montes Claros, Sua História, Sua Gente, Seus Costumes. Vol.1, 2 e 3. Montes Claros, 1979. RODRIGUES, Nina. Os Africanos no Brasil. 7ª ed. Editora Universidade de Brasília. Brasília, DF. 1988. SANTIAGO, Luis. Pedra Azul: Cinco Visões de uma Cidade. Setor Cultura de Pedra Azul. Pedra Azul, MG. 1996. VIEIRA, Luiz Machado. O Jogo da Capoeira: Corpo e Cultura Popular no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. BARBANTI, Valdir, J., Aptidão Física, um convite à Saúde, São Paulo, SP, Editora Manole, 1990. CORAZZA, M. A., Terceira Idade e Atividade Física,São Paulo, Editora Phorte, 2000. COSTA, Marcelo Gomes, Ginástica Localizada: Grupos Heterogênicos, Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1998. FARINATT, P.T.V., MONTEIRO, W.D., Fisiologia e Avaliação Funcional.3ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Sprint, 1999 GHORAYEB, N., BARROS NETO,T.L. O Exercício - Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. 1ª ed. São Paulo – SP: Ed. Atheneu, 1999. GUEDES,D.P. & GUEDES, J.E.R.P. Controle de Peso Corporal, Composição Corporal, Atividade Fisica e Nutrição.1ª ed. Londrina - Paraná: Midiograf, 1998. GUYTON, A C. e HALL, J. E. – Tratado de Fisiologia Médica, 9ª ed, Rio de Janeiro – RJ: Guanabara / Koogan, 1997. MANIDI, Marie-José; MICHEL, Jean Pierre, Atividade Física para adultos com mais de 55 anos, São Paulo, Aratebi, 2001. McARDLE ,W.D., KATCH, F.I., KATCH, V. L. Fisiologia do Exercício -Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Ed. Guanabara, 1998. NOGUEIRA, E. M.,250 aulas para Terceira Idade, Rio de Janeiro,Sprint, 2001. SHARKEY, B.J. Condicionamento Físico e Saúde. 4ª ed. Porto Alegre - RS: Artmed, 1998. WEINECK, J., Treinamento Ideal, 9ª edição, São Paulo, Manole, 2000. WESTCOTT, W., BAECHLE, T.,Treinamento de força para 3ª idade, , São Paulo, Manole, 2000. ARNOLD, K. ZINKE, E. Ginástica em Aparelhos para Meninos. Tecnoprint. Rio de Janeiro. 1984 CARRASCO, R. Ginástica de Aparelhos – A Atividade do Principiante. Manole, São Paulo. 1982 DIECKERT,K. Ginástica Olímpica – Exercícios Progressivos e Metódicos. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1990 GINÁSTICA OLÍMPICA – Pedagogia dos Aparelhos. Manole, São Paulo, 1982. LEGUET, F. Ações Motoras em Ginástica Esportiva. Manole Ltda, São Paulo. 1987. BARBOSA,A. M.,Arte Educação no Brasil.São Paulo,Perspectiva,1986 TAFFAREL,Celi Nilza Zulke.Criatividade nas aulas de Educação Física. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1985. COLETIVO de autores.Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1993 Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil – Parecer CEB 22/98 e Resolução CEB 01/99.Brasília: CNE 1999 CONSELHO Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental –Parecer CEB 04/98 e Resolução CEB 02/98. Brasília : CNE 1998 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997 Geografia – Licenciatura • • • • CASTRO, J. E.; et all. (Org.). Explorações Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. GOMES, Antônio C.R.. Geografia – pequena história crítica . São Paulo: Hucitec, 1981. MORAES, Francisco e KOZEL, Salete (Org.). Elementos de Epistemologia da Geografia Contemporânea. Curitiba: UFPR, 2002. SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção . São Paulo: Ed. USP, 2002 (Coleção Milton Santos). • • CLARK, S. P. Estrutura da Terra. São Paulo: Edgard Blücher Ltda,1988. FLEURY, José Maria. Curso de geologia básica. Goiânia: UFG, 1995. • FUNBEC (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento do ensino de Ciências). Investigando a Terra. Vol. I. São Paulo: Ed. McGraw- Hill do Brasil, 1973. • GUERRA, Antônio Teixeira. Dicionário Geológico-Geomorfológico. IBGE. Rio de Janeiro: 1987. • POPP, José Henrique. Geologia Geral. Livros técnicos e científicos. Rio de Janeiro, 1981. • TEIXEIRA, Wilson et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. • • • • • • • • • • • • • ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo: Atlas, 1993 GILL, Antônio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 1990. LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1992 RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiências nos estudos. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1991. AYOADE, J. O. Introdução à Climatologia para os trópicos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. DREW, David. Processos interativos homem-meio ambiente. 2º ed. Rio de janeiro: Bertrand Brasil,1989. NIMER, Edmom BRANDÃO, Ana Maria P. M. Balanço hídrico e clima da região dos cerrados. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. NIMER, Edmom. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE, 1989. VIANELLO, R.L., ALVES, A.R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, 1991. ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico . Brasília: UNB, 1982. IANNI, Otávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-ômega, 1975. _______. Sociologia da Sociologia, o pensamento sociológico brasileiro. São Paulo. Ática, 1989. MARTINS, C. B. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1985. • VILA NOVA, Sebastião. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1983. • APEL, Karl-Otto. Estudos de Moral Moderna. Petrópolis: Vozes, 1994. • DEACAMPAGNE, Christiam. História da Filosofia no século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. • HAMLIYN, D. W. Uma história da filosofia ocidental. RJ: Jorge Zahar, 1980. • LAREIERE, Jean. Ética e pensamento científico. São Paulo: Letras e Letras. • LYONS, David. As regras morais e a ética. Campinas: Papirus, 1990. • VASQUEZ, Adolfo. Ética. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1989. • BIGARELLA, João José. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais . Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994. • CASSETI, Valter. Elementos de Geomorfologia. Goiânia. Ed. da UFG, 1994. • CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. 2ªed. São Paulo. Edgard Blucher,1980. • CUNHA, Sandra Baptista da, GUERRA, Antônio J. Teixeira (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. GUERRA, Antônio Teixeira. Dicionário Geológico-geomorfológico. 10ª ed. Rio de Janeiro: IBGE,1988. • PENTEADO, Margarida Maria. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. • ARRUDA, José Jobson A. Revolução Industrial e Capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1984. • BEAUD, M. História do Capitalismo de 1500 aos nossos dias. São Paulo: Brasiliense, 1987. • HUBERMAN, L, História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1983. • DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia Básica. Florianópolis: UFSC, 1986. • _______. Fundamentos de Cartografia. Florianópolis: UFSC, 1995. • MARTINELLI, M. Curso de Cartografia Temática. São Paulo: Contexto, 1991. • _______. Gráficos e Mapas: construa-os você mesmo. São Paulo: Moderna, 1999. • _______. Noções Básicas de Cartografia. Rio de Janeiro: IBGE, 1999. • OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 1983. • • • • • • ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX. São Paulo: UNESP, 1997. CORREA, Roberto L. et al (org.). Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. FIORI, J. L. Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Petrópolis: Vozes, 1999. KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Campus, 1989. VIZENTINI, Paulo (org). Dez anos que abalaram o século XX. Porto Alegre: Novo Século, 1999. BORDENAVE, Juan, PEREIRA, Adair M. Estratégias de Ensino/ Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1983. • 1991. • • • • • • • • • • • • • • • • CANDAU, Vera Mª (org). A didática em questão. 9 ed. Petrópolis :Vozes, FERREIRA, Francisco. Planejamento SIM e NÃO: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979 HOFMANN, Jussara. Avaliação, mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1986. TURRA, Clódia et al. Planejamento de Ensino e Avaliação. Porto Alegre: Sagra de Luzzatto, 1996. FRANCO, Maria de Assunção Ribeiro. Planejamento Ambiental para a cidade sustentável. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2000. GUERRA, Antônio José. T (orgs.). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. _______. (org.). Geomorfologia e Meio Ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998 _______. (orgs.). Geomorfologia: exercício, Técnicas e aplicações . Rio de Janeiro: atualização de bases e conceitos, Rio de Janeiro: Bertrandt Brasil, 1996. VEIGA, José Eli da (org.). Ciência ambiental: primeiros mestrados. São Paulo: Annablume: FAPESP, 1998. HAESBAERT, Rogério. Ática, 1994. _______. (org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: EDUFF, 1998. IANNI, Otávio. O labirinto latino-americano. Petrópolis: Vozes, 1995. KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Campus, 1989. MAGNOLI, Demétrio. A nova geografia – Estudos da Geografia da América. São Paulo: Moderna, 1993. SANTOS, Milton et al (org.). Globalização e espaço latino-americano. São Paulo: Hucitec/ Anpur, 1993. BOCK, Ana M, B. Psicologias. São Paulo: Saraiva, 1996. China entre o Oriente e Ocidente. São Paulo: • • • • • • • • • 1979. • BREGUNCI, e RIBEIRO. Integração em sala de aula: questões conceituais metodológicas. Belo Horizonte: UFMG, 1996. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. COUTINHO, Maria T. Da Cunha . Psicologia da Educação. Belo Horizonte: Lê, 1997. GROISMAN. Moises. Adolescência e Saúde Mental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984. ANDRADE, Manoel Corrêa. O Nordeste e a Questão Regional. São Paulo: Ática, 1992. _______________________. Nordeste, Alternativas da Agricultura. São Paulo: Papirus, 1988. _______________________. Lutas Camponesas no Nordeste. São Paulo: Ática, 1989. IBGE. Região Nordeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1977. MOREIRA, Raimundo. O Nordeste Brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, OLIC, Nelson Bacic et alli. O Brasil em Regiões: Nordeste. São Paulo: Moderna, 1998. • BEAUJEU-GARNIER. J. Geografia da População. São Paulo: EDUSP, 1971. • • • • • • • • DAMIANI, Amélia. População e Geografia. São Paulo: Contexto, 1991. GEORGE, Pierre. Geografia da População. São Paulo: Difel, 1971. HOGAN, Daniel Joseph (Org). Dilemas socio-ambientais e desenvolvimento sustentável. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1995. MARTINE, George (Org.) População, Meio Ambiente e Desenvolvimento: Verdades e contradições. Campinas: Editora da UNICAMP,1996. AGUIAR, José Márcio. Coletânea mãe da Legislação Federal do Ensino. Belo Horizonte: Lancer, 1997. FREIRE, Paulo. Política e Educação. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995. _____________. Educação como prática de liberdade. 19 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. PILLETE, Nelson. Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1º e 2º grau. São Paulo: Ática, 1997. • • • • • • • • • • • • • • • • • 1995. VASCONCELOS. Celso dos. Disciplina. 5 ed. São Paulo: Liberdade, 1995 CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. São Paulo: Contexto, 1991. CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Edgard Blucher, 1981. CUNHA, Sandra Baptista (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 1994. ROSS, J.L.S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto,1990. TUCCI, Carlos E. ( org). Hidrologia: Ciência e aplicação. 2ª ed. Porto Alegre: Ed. UFRES:ABRH, 2000. IBGE- Geografia do Brasil- Região Norte. VI. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. IBGE. Região Norte. Rio de Janeiro: IBGE, 1977. LESSA, Ricardo. Amazônia: As Raízes da Destruição. São Paulo: Atual, 1991. OLIC, Nelson Bacic et alli. O Brasil em Regiões: Norte. São Paulo: Moderna, 1998. OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Amazônia, Monopólio, expropriação e conflitos. Campinas. Papirus. 1991. SILVA, Roberto Gemal. Olho Grande na Amazônia Brasileira. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1991. BECKER, Berta K. et. alli. Geografia e Meio Ambiente no Brasil. Rio de Janeiro: Hucitec, 1995. BOFF, Leonardo. Ecologia: grito da terra, grito dos pobres . São Paulo: Editora Ática, 1996. DREW, David. Processos Interativos Homem/meio Ambiente. São Paulo: Difel, 1986. PINTO, Maria Novaes. (Org.). Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. 2ª ed., Brasília: Edunp, 1993. TROPPMAIR, Helmut. Biogeografia e Meio Ambiente. 4ª ed. Rio Claro, • • • • • • • • • 1998. • • • • 1998. • • • • 1997 • 1991. • • SCHAFER, Alois. Fundamentos de Ecologia e Biogeografia das Águas. Continentais. Porto Alegre: Ed. da UFGS, 1984. HAESBAERT, Rogério.(Org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Rio de janeiro: EDUF, 1998. SANTOS, Milton. Fim de Século e Globalização. São Paulo: Hucitec, 1993. CARLOS, Ana F. A.(org.) Os caminhos da reflexão sobre a cidade e o urbano. São Paulo: EDUSP, 1994. CLARK, David. Introdução à Geografia Urbana. Rio de Janeiro: Berttrand Brasil, 1991. CORREA, Roberto L. A rede urbana. São Paulo: Ática, 1989. _________________. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1989. SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993. ANDRADE, Manuel Correia de.Geografia Econômica. São Paulo: Atlas, BRANCO, S. M. Energia e Meio Ambiente. São Paulo: Moderna, 1989. CARMO, Paulo Sérgio do. O trabalho na economia global. São Paulo: Moderna, 1998 CARLOS, Ana Fani. A. Espaço e indústria. São Paulo : Contexto, 1988. ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia Econômica. São Paulo: Atlas, GOMES, Paulo C. Da C. et al (Org.) Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil 1995. ANDREFF, Wladimir. Multinacionais Globais. Bauru, EDUSC, 2000. DINIZ, J. A. F. Geografia da Agricultura. São Paulo: Difel, 1986. NETO, Wenceslau. G. Estado e Agricultura no Brasil. São Paulo: Hucitec, OLIVEIRA A. O. de. A Geografia das lutas no campo. São Paulo: Contexto, ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Meio Ambiente e dinâmica de inovações na agricultura. São Paulo: Fapesp. 1998. SILVA, Francisco C. T alli ( org.) Mundo rural e política. Rio de janeiro: Campus, 1998. • • • • 1999. • 1996. • • SZMRCSANYI, Tamás. Pequena História da Agricultura no Brasil . São Paulo: Contexto, 1998. COSTA, Wanderley N. da. Geografia Política e geopolítica. São Paulo: EDUSP, 1992. MARTIN, André Roberto. Fronteiras e Nações. São Paulo: Contexto, 1992. MELLO, Leonel J. A. Quem tem medo da Geopolítica. São Paulo: EDUSP, RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, RAMONET, Ignácio. Geopolítica do Caos. Petrópolis: Vozes, 1999. CZAPSKI, Silva. A implantação da educação ambiental no Brasil. Coordenação de Educação Ambiental do Ministério da Educação e do Desporto, Brasília: 1998. • • GRUN, Mauro. Ética e Educação: a conexão necessária. Campinas: Papirus, 1996. MEDINA, Nana Mininni. Breve histórico da educação ambiental. In. PADUA, Suzana Machado, TABANEZ, Marlene Francisca (orgs.). Educação Ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília: Ipê, p.257-269, 1997. • ______________. Educação Ambiental para o século XXI & A construção do conhecimento: suas implicações na Educação Ambiental. Brasília: IBAMA. Série Meio Ambiente, n° 12, 1997. • • • 1980. • 1989. • • Loyola. NOAL, Fernando Oliveira, et alli. Tendências da educação ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1998. Brasil, Uma visão geográfica dos anos 80. Rio de Janeiro: IBGE, 1980. BDMG, Economia Mineira: diagnóstico e perspectivas, Belo Horizonte, CARVALHO, André Barbosa. Breve História de Minas, Rio de Janeiro: Lê, CHIAVENATO, Júlio José. O Bandeirismo. São Paulo: Moderna, 1991. ESTRADA. Maria Lúcia. A produção do espaço e a expressão industrial. • • • • • • • • 293p. COSTA NETO, Pedro, Luís de O. Estatística. São Paulo. Editora Edgard Blücher. 1977. FONSECA, Jairo Simon, MARTINS, Gilberto de Andrade. Curso de Estatística. São Paulo. Editora Atlas. 3ª ed. 1985. SPIEGEL, Murray, R. Estatística. São Paulo. Editora McGaw Hill do Brasil. 2ª ed. 1984. STEVEN, William, J.. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo. Editora Harper & Row do Brasil. 1ª ed. 1981. TOLEDO, Geraldo L., OVALLE, Ivo J. Estatística Básica. São Paulo. Editora Atlas S.A. 2ª ed. 1982. HOFFMANN, R., VIEIRA, S. Análise de Regressão. Uma Introdução à Econometria. São Paulo. Hucitec. 2ª ed. 1987. PIMENTAL GOMES, F. Curso de Estatística Experimental. 3ª ed. Piracicaba, ESALQ-USP. VIEIRA, Sônia. Introdução à Bioestatística. Editora Campus. 5ª ed. 1985. História – Licenciatura BORGES, Vavy Pacheco. O que é História. São Paulo: Brasiliense, 1993. ECO, Humberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1985. FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 5 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001. DAMATTA, R. A Antropologia no quadro das ciências . In.: DAMATTA, R. Revitalizando: uma introdução à Antropologia Social. 5 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997, pp. 17-47. FREYRE, Gilberto. O escravo negro na vida sexual e de família do brasileiro. In: Casa Grande e Senzala. 32 ed. Rio de Janeiro: Record, 1997, pp. 282-409. FRY, P. Feijoada e Soul Food: notas sobre a manipulação de símbolos étnicos e nacionais. In.: FRY, P. Para Inglês Ver. Rio de Janeiro: Zahar, 1982, pp. 47-53. LAPLANTINE, F. O campo e a abordagem antropológicos. In: LAPLANTINE, F. Aprender Antropologia. Tradução: Marie-Agnés Chauvel. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1989, pp. 1333. COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo: Moderna, 1987. FERNANDES, Florestan. Ensaios de Sociologia Geral e Aplicada. São Paulo: Pioneira, 1960. MARCELINO, Nelson C. (org.). Introdução às Ciências Sociais. Campinas: Papirus, 1994. MARTINS, Carlos Brandão. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1984. ANDERSON, P. Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. Editora: Brasiliense. BOUZON, Eamnuel. O Código de Hamurabi. Petrópolis: Paz e terra, 1980. CARDOSO, Ciro F. S.O Egito Antigo. Editora: Brasiliense. DRIOTON, Etiene e VANDIER, Jacques. História do Egito. Buenos Aires: Editora Universal, 1982. PINSKI, Jaime (Org.). 100 textos de História Antiga. 4ª ed. São Paulo: Contexto, 1988. CHÂNTELET, François. Uma História da Razão: entrevistas com Émile Noel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. COLLI, Giorgio. O nascimento da Filosofia. 2 ed. Tradução: Frederico Carotti. Campinas: UNICAMP, 1992. PADOVANI, P, CASTAGNOLA, L. História da Filosofia. 6 ed. São Paulo: Melhoramento, 1964. ANDRADE, M. C. Geografia Econômica. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1975. ______. Espaço, Polarização e Desenvolvimento. São Paulo, 1998. SANTOS, Milton. Novos Rumos da Geografia Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1992. SILVA, Armando Correa. Geografia e lugar social. São Paulo: Contexto, 1991. BASTOS, L. R.; PAIXÃO, L.; FERNANDES, L. M. Manual para a elaboração de Projetos, Relatórios de Pesquisa, teses e dissertações. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1982. CASTRO, Cláudio de Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977. DEMO, Pedro. Avaliação Qualitativa. 3 ed. São Paulo: Cortez, 19991. RUDIO, F. V. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 1986. ALFOLDY, Géza. A História Social de Roma. Lisboa: Presença, 1989. GIBBON, Edward. Declínio e queda do Império Romano . São Paulo: Companhia das Letras, 1989. GIORDANI, Mário Curtis. História de Roma. 8 ed. Petrópolis: 1985, (Antigüidade Clássica II). GUARINELLO, Norberto Luiz. Imperialismo Greco-Romano. São Paulo: Ática. CARDOSO, Ciro F. S. O trabalho compulsório na antigüidade . Rio de Janeiro: Graal, 1989. ______. A cidade-estado antiga. São Paulo: Ática, 1985. FINLEY, M. I. Uso e Abuso da História. São Paulo: Martins Fontes, 1989. FLORENZANO, Maria Beatriz. O mundo antigo: economia e sociedade. 11 ed. São Paulo: Brasiliense, 1991. MOSSÉ, Claude. Atenas: A História de uma Democracia. 2 ed. Brasília: UNB, 1982. HOLANDA, Sérgio Buarque de. História Geral da Civilização Brasileira – do Descobrimento à Expansão Territorial. NOVAIS, Fernando A Portugal e Brasil na crise do antigo Sistema Colonial (1777-1808) . 6 ed. São Paulo: HUCITEC, 1995. PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. 22 ed. São Paulo: Brasiliense, 1979. COSTA, Emília Viotti. Da Senzala à Colônia. 4 ed. São Paulo: UNESP, 1998. ANDERSON, P. Passagens da Antigüidade ao feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1984. BLOCH, March. Os reis taumaturgos. São Paulo: Cia das Letras, 1998. DUBY, Georges. A Europa na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1994. FRANCO JR., Hilário. O Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1993. BEAUD, M. História do capitalismo de 1500 aos nossos dias. São Paulo: Brasiliense, 1987. HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. SWEEZY, Paul. A transição do feudalismo para o capitalismo . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. DONGHI, Túlio Halperin. História da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. KAPLAN, Marcos. Formação do Estado Nacional na América Latina . São Paulo: Eldorado, 1987. POMER, Leon. As independências na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1988. PRADO, Maria Ligia. A Formação das Nações Latino-Americanas. São Paulo: Atual, 1986. COSTA, Emília Viotti da. “O escravo na grande lavoura”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. (org.). História geral da civilização brasileira . II vols. São Paulo: Editora Difel, l960-l98l. vol. 5, pp.l35-l88. ______. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1999. FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. DF: Editora da UNB, 1963. GERSON, Brasil. A escravidão no Império. Rio de Janeiro: Pallas, 1975. MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e Escravidão: trabalho, luta e resistência nas lavouras 1830-1888. São Paulo: Brasiliense, 1987. BRASIL, Henrique de Oliva. Breve História de Minas. Belo Horizonte: Lê, 1989. FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. 2º. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999. SILVEIRA, Marco Antônio. O universo do indistinto: Estado e sociedade nas Minas Gerais Setecentistas (1735-1808). São Paulo: Hucitec. SOUZA, José Moreira. Cidade: movimentos e processos – Serro e Diamantina na formação do norte mineiro no século XIX. São Paulo: Marco Zero, 1993. SOUZA, Laura de Mello e. Norma e Conflito: aspectos da História de Minas Gerais no século XVIII. Belo Horizonte: UFMG, 1999. ______. Desclassificados do Ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1986. AGUIAR, José Márcio. Coletânea Mãe da Legislação Federal do Ensino. Belo Horizonte: Lancer, 1997. FREIRE, Paulo. Política e Educação. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995. PILLETE, Nelson. Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1º e 2º grau. São Paulo: Ãtica, 1997. CANDAU, Vera Maria (org.). A didática em questão. 9 ed, Petrópolis: Vozes, 1991. FERREIRA, Francisco. Planejamento SIM e NÃO: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. HOFFMANN, Jussara. Avaliação. Mito e Desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1986. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Repensando a Didática. 3 ed. Campinas: Papirus, 1989. ANDERSON, P. Linhagens do Estado Absolutista. Rio de Janeiro, 1980. BRAUDEL, Fernand. Civilização material e capitalismo. Século XV-XVIII. Rio de Janeiro: Cosmos, 1970, T. 1. DELUMEAU, Jean. Nascimento e afirmação da reforma. São Paulo: Pioneira, 1989. HUIZINGA, Johan. O declínio da Idade Média. Lisboa: Ulisséia, 1985. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1994. ARAÚJO, Ricardo B. Totalitarismo e revolução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988. ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Cia das Letras, 1989. HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995. LEFORT, Claude. Pensando o político. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991. BOCK, Ana M. B. Psicologias. São Paulo: Saraiva, 1996. CIRINO, Oscar. Psicanálise e Psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. FOULIN, Jean-Noel. Psicologia da Educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. MIRANDA, Margarete Parreira. Adolescência na Escola – soltar a corda e segurar a ponta. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2001. BOSI, Alfredo. Reflexões Sobre a Arte. São Paulo: Ática, 1995. GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Guanabara, 1993. OSTROWER, Fayga Perla. Universo da Arte. 7 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991. SANTOS, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte. São Paulo: Ática, 1995. CARONE, Edgard. A república velha (Instituições e classes sociais). São Paulo: Difel, 1972. CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da república. São Paulo: Cia das Letras, 1990. JANOTTI, Maria de Lourdes Monaco. Coronelismo – uma política de compromissos. São Paulo: Brasiliense, 1981. PINHEIRO, Paulo Sérgio e HALL, Michael M. A classe operária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1981. COGGIOLA, Osvaldo. A revolução Francesa e seus Impactos na América. São Paulo: Nova Strlla, Edusp; Brasília: CNPQ, 1990. HIST, Paul e TOMPSON, Erahame. Globalização em Questão. Petrópolis. RJ.: Vozes, 1998. HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995. MAGNÓLIS, Demétrius. O Mundo Contemporâneo: relações Internacionais (1945-2000). São Paulo: Moderna, 1996. O Período da Ditadura no Brasil. Os entraves e avanços políticos e econômicos. CARONE, Edgard. A Quarta República (1945-1964). São Paulo: Difel, 1980. GORENDER, Jocob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: as ilusões perdidas à luta armada. 5 ed. São Paulo: Ática, 1998. (Serie Temas; v. 3). IGLESIAS, Francisco. Trajetória Política do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1993. WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. BRUIT, Héctor. O imperialismo. São Paulo: Atual, 1995. ______. Revoluções na América Latina. São Paulo: Atual, 1988. (Discutindo a História). PRADO, Maria Lígia. O populismo na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1989. ROSSI, Clóvis. Militarismo na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1989. ANTONACCI, Maria Antonieta M. Qualidade Total na Educação: a que veio. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 09-18. CADERNOS DE HISTÓRIA. Publicação do Laboratório de Ensino e Aprendizagem em História. V. 1, N. 1. Uberlândia: UFU, jan. 1990. ______. Ensino de História no 1º e 2º Graus: reflexões e experiências. ______. Publicação do Laboratório de Ensino e Aprendizagem em História da UFU. V. 6, N. 6. Uberlândia: UFU, janeiro de 95/Dez. de 96. DAVIES, Nicholas. O livro didático: apoio ao professor ou vilão do ensino de História. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 81-86. DUARTE, Geni Rosa. “Formar”, “Reformar” Professores – Contribuição para um debate. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 33-40. FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da História ensinada. 3 ed. Campinas: Papirus, 1992. ______. Ensinar História através de Projeto de Pesquisa . PRESENÇA PEDAGÓGICA, V. 3 N. 18, 1997. MENEGOLL, Maximiliano Sant’Ana Martins. Por que planejar, como planejar? Currículo – Área – Aula. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. PASSOS, Ilma Alencastro Veiga (org.). Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 1991. PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental e Médio). PINSKY, Jaime (et ali). O ensino da História e a criação do fato . São Paulo: Contexto, 1997. RESOLUÇÃO CEE/MG nº 447/2002. Letras/Espanhol – Licenciatura • • • • • • 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. Preço: R$ 52,16 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. R$ 52,16 Uso Elemental. Madrid: Edelsa, 1998. Uso Intermedio. Madrid: Edelsa, 1998. Superior. Madrid: Edelsa, 1998. Neus. Gente 1 Libro del Alumno. Neus. Gente 1 Libro de Trabajo. Neus. Gente 2 Libro del Alumno. 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. Uso R$ 52,16 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. • • • • • • 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 2 Libro de Trabajo. Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 3 Libro del Alumno. Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 3 Libro de Trabajo. Barcelona: Difusión, 1998. 1 (uma unidade) HERMOSO, Gonzalez Alfredo, Conjugar es fácil. Madrid:Edelsa,1996. 1 (uma unidade) SARMIENTO, Ramón. Manual de correcció R$ 52,16n gramatical y de estilo : español normativo, nivel superior . Madrid : Sgel, 1997. 1 (uma unidade) TORREGO, Leonardo Gómez. Gramática Didáctica Del Español.Madrid: SM, 2000. Letras/Inglês – Licenciatura OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. LARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993 BARRAS, Robert. Os cientistas precisam escrever. 1973. BASTOS, L. da R, et. Al. Manual para elaboração de projetos de pesquisa, teses e dissertações. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1982 CASTRO, C de M. A prática da pesquisa. São Paulo : Mcgraw Hill do Brasil, 1977. FRANÇA, Junia et al. Manual de Normalizações. Belo Horizonte: UFMG, 2003. LAKATOS, Eva Maria, ANDRADE, Marina. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática latina. São Paulo: Saraiva, 1985. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. FARIA, Ernesto. Dicionário Escolar latino – Português. Rio de Janeiro: FAE, 1991. CUNHA, Celso, Cintra, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986. COSTA VAL, Mª das Graças. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes. KOCH, Ingedore V. Coesão Textual. 3º ed. São Paulo: Ática, 1993. KOCH, Ingedore V. et al TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. 9º ed. São Paulo: Contexto, 1999. ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Coleção Os Pensadores. HEIDEGGER, Martins. A caminho da linguagem. Trad. Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Petrópolis: Vozes, 2003. HOMERO, Obras completas. Trad. Arturo Marasso. 2. ed. Buenos Aires: El Ateneo, 1957. JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. LEITE, Lourenço. Do simbólico ao racional: ensaio sobre a gênese da mitologia grega como introdução à filosofia. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo (Selo Editorial Letras da Bahia), 2001. MARCONDES, Danilo. Filosofia, linguagem e comunicação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000. NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte. UFMG, 1999. PLATÃO. Crátilo. Vol. IX de Diálogos. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. _______ .República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 1997. Coleção Os Pensadores. WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1996. Coleção Os Pensadores. BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CP/CNE nº 009/2001 – Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, aprovado em 08/05/2001, publicado no DOU de 29/12/2001. VEIGA, Ilma Passos A. (Org). Caminhos da profissionalização do magistério. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1998 (Coleção Magistério – formação e trabalho pedagógico). OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004.ileLARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993. ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. DARENDORE, Ralf. As classes e seus conflitos na Sociedade Industrial. Brasília: UNB, 1982. IANNI, Octávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1975. DURKHEIN, Émile. A divisão do trabalho social. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978. MARX, Karl. Formações Pré-capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. BENTES, A. C. & MUSSALIN, Fernanda.( orgs. ). Introdução à lingüística: dominíos e franteiras S.P.: Cortez, 2001. BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. 12 ed. – Campinas, SP: Pontes, 1998. CÂMARA, JR. Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. RJ: Padrão Livraria Editora, 1989. FIORIN, José Luiz. Introdução à lingüística. S.P.: Contexto, 2002. LYONS, John. Lingua(gem) e lingüística; uma introdução. R. J.: LTC, 1987. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 19 ed. SP, Cultrix, 1996. WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola Editorial. 2002. CÂMARA, JR. Joaquim M. Dicionário de lingüística e gramática. 17 ed. Petrópolis, Vozes, 1996. CRYSTAL, David. Dicionário de lingüística e fonética. R J, Jorge Zahar. 1985. DUBOIS et al. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix, 1998. LUFT, Celso P. Língua e liberdade. 4 ed. SP, Ática, , 1995. ORLANDI, Eni Pulcinelli. O que é lingüística? 4º ed. SP: Brasiliense, Primeiros Passos, 1990. POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, Mercado de Letras, 1996. FILHO, Aires da M. M. Nova ortografia. Belo Horizonte, Editora Vega S.A., 1972. AUERBACH, Erich. Mimesis. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel. Teoria da literatura. Coimbra: Almedina, 1985. LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos da estética da recepção . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, crítica e escritura. 2.ed. São Paulo: Ática, 1993. ROGEL, Samuel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: vozes, 1984. SANTOS, Luís Alberto Brandão, OLIVEIRA, Silvana Pessôa. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Programa para o Ensino fundamental. 5ª a 8ª série – Português. V.1, Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1996. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais do ensino médio – PCNEM. Linguagem, códigos e suas tecnologias, 1999. BRASIL, MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua portuguesa. Brasília: 1997. : Mercado das Letras, 2000. (Coleção as Faces da Lingüística Aplicada). OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2000. SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do Português. São Paulo: Contexto, 1999. BOSI, Alfredo. Ser e Tempo na Poesia. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. JOBIM, José Luís. A poética do fundamento: ensaios de Teoria e História da Literatura . Rio de Janeiro: EDUFF, 1996. GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985. MALLARD, Letícia et al. História da Literatura: ensaios. 2 ed. Campinas: Unicamp, 1995. SAMUEL, Rogel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: Vozes, 1985. TAVARES, Hênio. Teoria Literária. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia, 1986. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1996. CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997. LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. VEIGA, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina. English File Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 1999. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina. English File Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 1999. LARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993. LADEFOGED, Peter. A Course in Phonetics. London: Hartcourt Brace & Jovanovich. Third Edition, International Edition. New York. 1982. ROACH, Peter. English Phonetics and phonology: a practical course. 2nd edition. Cambridge: CUP: 1983. p 8-11 THORNLEY, G. C. ROBERTS, Gwineth. An Outline of English Literature. Hong Kong: Longman, 1989. HIGH, Peter. An Outline of American Literature. Hong Kong: Longman, 1989. ALEXANDER, L. G. Poetry and Prose Appreciation for Overseas Students . Hong Kong: Longman, 1976. KATAMBA, Francis. English Words. London: Routledge, 1994. STEINBERG, Martha. Morfologia Inglesa: noções introdutórias. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 1990. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. BROWN, H. Douglas. Teaching By principles – an interactive approach to language pedagogy. New Jersey: Prentice Hall Regents, 1994. Ministério da Educação e da Cultura - Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. SECRETARIA de Estado da Educação de Minas Gerais. Programa para o Ensino Médio – Inglês. Belo Horizonte, 1995. MENEGOLA, Maximiliano Sant’ana Martins. Por que planejar, como planejar? Currículo – área-aula. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. Letras/Português – Licenciatura COSTA VAL, Mª das Graças. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes. FIORIN, José Luiz. Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática, 2000. KOCH, Ingedore V. A interação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1995. KOCH, Ingedore V. Coesão Textual. 3º ed. São Paulo: Ática, 1993. KOCH, Ingedore V. et al TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. 9º ed. São Paulo: Contexto, 1999. MAINGUENEAU, Dominique. Elementos de lingüística para o texto literário . São Paulo: Martins Fontes, 1996. PLATÃO e FIORIN. Lições de Textos: Leitura e Redação. São Paulo: Ática, 1996. ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. DARENDORE, Ralf. As classes e seus conflitos na Sociedade Industrial. Brasília: UNB, 1982. IANNI, Octávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-omega, 1975. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática latina. São Paulo: Saraiva, 1985. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. FARIA, Ernesto. Dicionário Escolar latino – Português. Rio de Janeiro: FAE, 1991. ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Coleção Os Pensadores. HOMERO, Obras completas. Trad. Arturo Marasso. 2. ed. Buenos Aires: El Ateneo, 1957. JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. LEITE, Lourenço. Do simbólico ao racional: ensaio sobre a gênese da mitologia grega como introdução à filosofia. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo (Selo Editorial Letras da Bahia), 2001. MARCONDES, Danilo. Filosofia, linguagem e comunicação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000. NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte. UFMG, 1999. PLATÃO. Crátilo. Vol. IX de Diálogos. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. _________ .República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 1997. Coleção Os Pensadores. BARRAS, Robert. Os cientistas precisam escrever. 1973. BASTOS, L. da R, et. Al. Manual para elaboração de projetos de pesquisa, teses e dissertações. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1982. CASTRO, C de M. A prática da pesquisa. São Paulo: Mcgraw Hill do Brasil, 1977. FRANÇA, Junia et al. Manual de Normalizações. Belo Horizonte: UFMG, 2003. LAKATOS, Eva Maria, ANDRADE, Marina. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003. BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CP/CNE nº 009/2001 – Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, aprovado em 08/05/2001, publicado no DOU de 29/12/2001. VEIGA, Ilma Passos A. (Org). Caminhos da profissionalização do magistério. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1998 (Coleção Magistério – formação e trabalho pedagógico). BRONCKART, Jean-Paul. Atividades de linguagem, textos e discursos. São Paulo: EDUC-PUC, 1999. DIONÍSIO, Angela Paiva (Orgs.). Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. FARACO, Carlos Alberto & TEZZA, Cristovão.Língua portuguesa para estudantes universitários.Petrópolis, RJ:Vozes,1992. PLATÃO & FIORIN. Lições de Textos: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996. PAULINO, Graça. [et. Al]. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Tornato Editorial, 2001. AUERBACH, Erich. Mimesis. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel. Teoria da literatura. Coimbra: Almedina, 1985. LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos da estética da recepção . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, crítica e escritura. 2.ed. São Paulo: Ática, 1993. ROGEL, Samuel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: vozes, 1984. SANTOS, Luís Alberto Brandão, OLIVEIRA, Silvana Pessôa. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. LIMA, Luiz. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. BOCK, Ana Maria Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria. Psicologias: uma introdução ao estudo da Psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. BRASIL. Ministério da Educação. Representação Social: Contextualização e conceitos apostila de psicologia social – módulo III. Brasília: MEC/FUNDESCOLA, 2001. P.37-43 CARVALHO, Vânia Brina Corrêa Lima de. Desenvolvimento Humano e Psicologia: generalidades, conceitos, teorias. Belo Horizonte: UFMG, 1996. COUTINHO, Maria Tereza da Cunha & MOREIRA, Mércia. Psicologia da educação: um estudo dos processos psicológicos de desenvolvimento e aprendizagem humanos, voltados para a educação. . Belo Horizonte: Lê, 2000. DAVIS, Cláudia & OLIVEIRA, Zilma M. Ramos de. Psicologia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994. LA ROSA, Jorge. Motivação e Aprendizagem. In: ___________. (org). Psicologia da Educação: o significado do aprender. Porto Alegre: Edipurcs. ROGERS, Carl. Stevens, Barry. De pessoa para pessoa: o problema do ser humano: São Paulo: Novos Umbrais, 1978. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1996. CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997. LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. VEIGA, I. P. ª (Org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996. BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro. Parábola Editora,SP,2001. BENTES, A. C. & MUSSALIN, Fernanda.( orgs. ). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001. BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. 12 ed. – Campinas, SP: Pontes, 1998. CÂMARA, JR. Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. RJ: Padrão Livraria Editora, 1989. CRYSTAL, David. A lingüística. 2º Ed., Publicações Dom Quixote, 1977. FIORIN, José Luiz. Introdução à lingüística. S.P.: Contexto, 2002. LYONS, John. Lingua(gem) e lingüística; uma introdução. R. J.: LTC, 1987. ROCHA LIMA, Carlos H. da. Gramática normativa da língua portuguesa. 36 ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1998. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 19 ed. SP, Cultrix, 1996. WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola Editorial. 2002. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Programa para o Ensino fundamental. 5ª a 8ª série – Português. V.1, Imprensa Oficial de minas Gerais, 1996. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais do ensino médio – PCNEM. Linguagem, códigos e suas tecnologias, 1999. BRASIL, MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua portuguesa. Brasília: 1997. http.www.mec.gov.br. Diretrizes curriculares para o ensino fundamental e Médio. COUTO, Hildo Honório. Fonologia e Fonologia do Português. Brasília: Thesaurus, 1997. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2000. SILVA, Albânio Paulino da. Língua Portuguesa: Fonologia. Recife: FASA, 1987. SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do Português. São Paulo: Contexto, 1999. CANDIDO, Antonio. A Educação pela Noite e Outros Ensaios. São Paulo: Ática, 1989. COUTINHO, Antônio. Crítica e teoria literária. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1987. SANTIAGO, Silviano. Vale Quanto Pesa – Ensaios sobre Questões Político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. SCHWARZ, Roberto. Que Horas São? São Paulo: Companhia das Letras, 1997. LIMA, Luís Costa. Pensando nos Trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, Crítica e Escritura – Ensaios. São Paulo: Ática, 1993. CÂMARA JR., Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. Rio de Janeiro: Padrão , 1989. LE Roy. As grandes correntes da lingüística moderna. São Paulo: Cultrix, 1971. LYONS, John. A linguagem e lingüística.: uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar.1981. NEVES, Maria Helena M. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 1997. RAMANZINE, Haroldo. Introdução à lingüística moderna. São Paulo: Ícone, 1990. BOSI, Alfredo. Ser e Tempo na Poesia. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. JOBIM, José Luís. A poética do fundamento: ensaios de Teoria e História da Literatura . Rio de Janeiro: EDUFF, 1996. GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985. MALLARD, Letícia et al. História da Literatura: ensaios. 2 ed. Campinas: Unicamp, 1995. SAMUEL, Rogel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: Vozes, 1985. TAVARES, Hênio. Teoria Literária. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia, 1986. FARIA, Ernesto. Gramática superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. ILARI, Rodolfo. Lingüística Românica. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997. SILVEIRA BUENO, Francisco da. Estudos de filologia portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1963. VIDOS, Benedek Elemér. Manual de Lingüística Românica . Rio de Janeiro: EDVERJ, 1996. D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus, 1999. (Coleção Papirus Educação). ARROIO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 6. ed. Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. CÂMARA JR, J. Mattoso. Estrutura Mórfica da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1977. FREITAS, H. Rolim de. Princípios de Morfologia. Rio de Janeiro: Presença, 1981. KEHDI, Valter. Morfemas do Português. São Paulo: Ática, 2000. __________. Formação de Palavras do Português. São Paulo: Ática, 2001. ROCHA, Luiz Carlos. Estruturas Morfológicas do Português. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. ZANOTTO, Normélio. Estrutura mórfica da língua portuguesa. Caxias: UCS, 1991. ANCHIETA, José de. Auto de São Lourenço. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura brasileira: Momentos Decisivos. v. 1.2. Momentos Decisivos. 7. ed. Rio de Janeiro/ Belo Horizonte: Itatiaia, 1993. COSTA, Cláudio Manuel da. Sonetos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. GONZAGA, Tomás Antônio. Marília de Dirceu. Belo Horizonte: Garnier, 1992. MATOS, Gregório de. Poesias selecionadas. São Paulo: FTD, 2001. AMORA, Antônio Soares et. al. Presença da literatura portuguesa. São Paulo: Difusão do livro, 1961. BERARDINELLI, Cleonice. Estudos Camonianos. Rio de Janeiro: MEC, 1973. CAMÕES, Luís. Os Lusíadas. 3 ed. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de Autores Portugueses, 1994. __________. Sonetos. São Paulo: Martins Claret, 2001. MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. São Paulo: Cultrix, 1995. SARAIVA, Antônio José e LOPES, Óscar. História da literatura portuguesa. Porto: Editora Porto, 1976. VASSALO, Lígia. “O Teatro Medieval”. In: Teatro Sempre. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro (72), Jan.-Mar.,1983. VICENTE, Gil. Autos e farsas. Lisboa: Quimera, 1989. VIEIRA, Pe. Antônio. Sermões. 14. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1997. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Latina. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1987. CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e Estrutura da Língua Portuguesa. 13 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1983. COUTINHO, Ismael de Lima. Pontos de Gramática Histórica. Rio de Janeiro. 1962. ___________ . Gramática Histórica. 6. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. ILARI, Rodolfo. Lingüística Românica. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997. SAID ALI, M. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1964. ANDRADE, Maria M. Introdução à metodologia do trabalho científico . São Paulo: Atlas, 1993. DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 1997. ECO, umberto. Como se faz uma tese. 17 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1990. LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1990. CARONE, Flávia de Barros. Morfossintaxe. 4 ed. São Paulo: Ática, 1998. LIMA, Carlos H. da Rocha. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 23. ed. Rio de Janeiro: J. Olímpio, 1983. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro. 2001. BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1985. HERCULANO, Alexandre. Histórias Heróicas. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d. QUEIRÓS, Eça de. Contos. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d. QUEIRÓS, Eça de. O Primo Basílio. São Paulo: Ática, 2000. VERDE, Cesário. O Livro de Cesário verde. 4 ed. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de Autores Portugueses, 1995. ALENCAR, José de. Iracema. São Paulo: Ática, 1984. ALVES, Castro. Poesias Completas. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d. ASSIS, Machado de. D. Casmurro. São Paulo: Ática, 1987. ASSIS, Machado de. Contos. São Paulo: Ática, 1997. AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Ática, 1987. AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos. São Paulo: FTD, 1999. DIAS, Gonçalves. Poemas. Rio de Janeiro: Ediouro, 1988. BRASIL-MEC. Programa Nacional do Livro Didático. Português. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1997. 9.28-39. GERALDI, João Wanderley (org). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997. LIMA, Maria do Socorro Lucena. A Hora da Prática: reflexões sobre o estágio supervisionado e a ação docente. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2001. MENEGOLLA, Maximiliano. SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como Planejar? Currículo – área –aula. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. Ministério da Educação e da Cultura – Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro: Grifo. CUNHA &CINTRA. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. GARCIA, Othon M. Comunicação em Prosa Moderna. 13. ed. Rio de Janeiro, 1986. KURY, Adriano da Gama. Novas noções de análise sintática. 7. ed. São Paulo: Ática, 1997. PERINI, Mário Alberto. Gramática Descritiva do Português. São Paulo: Ática, 1995. NOBRE, António. Só. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de autores Portugueses, 1989. PESSANHA, Camilo. Clepsidra. São Paulo: Núcleo, 1989. PESSOA, Fernando. O eu profundo e os outros eus. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s.d. REDOL, Alves. Gaibéus. 8 ed. Lisboa: Europa-América, 1983. RÉGIO, José. Poemas de Deus e do diabo. In: Obras Completas. Lisboa: Brasília Editora, 1984. SARAMAGO, José. História do cerco de Lisboa. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. __________ . O Memorial do convento. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2000. SENA, Jorge de. Versos e alguma prosa. Lisboa: Arcádia e Moraes Editora, 1979. ANJOS, Augusto dos. Eu. São Paulo: L&M POCKET, 2000. BALAKIAN, Ana. O simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 1967. CRUZ E SOUSA. Poemas escolhidos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. GUIMARÃES, Alphonsus de. Poesias completas. Rio de Janeiro: Agir, 1987. TELLES, Gilberto Mendonça. Modernismo Brasileiro e Vanguardas européias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1999. LAPA, M. Rodrigues. Estilística da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, s/d. LOPES, Edward. Metáfora: da retórica à semiótica. São Paulo: Atual. BREJON, Moysés (org.). Estrutura e funcionamento do ensino 1° e 2° graus. 17 ed. São Paulo: Pioneiras, 1983. CHAPPINI, Lígia (org). Aprender e ensinar com textos. São Paulo: Cortez, 1997. V 1,2,3,4,5,6. KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 8 ed. Campinas: Pontes, 2001. KAUMAN, Ana Maria; RODRIGUES, Maria Helena. Escola, leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médica, 1995. POSSENTI, Sírio. Porque (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 1996. AZEREDO, José Carlos. Iniciação á sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Zahar. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro: Grifo. CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. 7 ed. São Paulo: Ática, 1997. LEMLE, Míriam. Análise Sintática: Teoria Geral e Descrição do Português. São Paulo: Ática. MATEUS, Maria Helena Min et ali. Gramática do Língua Portuguesa. Coimbra: Almedina PERINI, Mário Alberto. Gramática Descritiva do Português. São Paulo: Ática, 1995. BRANDÃO, Naganime. Introdução à Análise do Discurso. São Paulo: Ática, 1993. MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes, 1997. ORLANDI, E.P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1996. ___________. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, São Paulo, 2001. POSSENTI, Sírio. Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes, 1993. VOGT, Carlos. Linguagem, pragmática e ideologia. Campinas, São Paulo: Hucitec, 1980. ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, ANDRADE, Mário de. Macunaíma. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Vila Rica, 1997. ANDRADE, Oswald. Poesia Pau-Brasil. São Paulo: Globo, 2000. BANDEIRA, Manuel. Antologia poética. 12 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981 MEIRELES, Cecília. Romanceiro da inconfidência. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 1977 MELO NETO, João Cabral. Morte e vida Severina. 2 ed. Rio Janeiro. José Olympio, 1984. ARROYO, Leonardo. Literatura Infantil Brasileira: suas histórias e suas fontes. São Paulo: Melhoramentos, 1968. ARTES, Philipe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1979. BATTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. COELHO, Nelly Novaes. A Literatura Infantil. São Paulo: Quiron, 1984. LAJOLO, Marisa; ZIBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira, histórias e histórias. São Paulo: Ática, 1984. (Fundamentos, 5). BRASIL – MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, 1997. BRASIL- MEC – INEP. Matrizes de referência do SAEB, 1999. GERALDI, João Vanderley. Pontos de Passagem. 1 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. PAULINO, Graça. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato, 2001. ROJO, Roxane. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCN’s . São Paulo: EDUC, 2000. SILVA, Rosa Virgínio Mattos. Contradições no ensino do Português. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2000. VALENTE, André. Aulas de português: perspectivas inovadoras . Rio de Janeiro: Vozes, 1999. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipicione. GENOUVRIER, E. e PEYTARD, Jean. Lingüística e ensino do Português. Coimbra: Almedina ILARI, Rodolfo. A lingüística e o ensino da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes. LANGACKER, Ronaldo W. A lingüística e sua estrutura. Petrópolis: Vozes. LOPES, Edward. Fundamentos da lingüística contemporânea. São Paulo: Cultrix. TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramáticas no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez. POSSENTI, Sírio; ILARI Rodolfo [et all]. Lingüística Aplicada ao Ensino do Português. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1992. BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. 2. ed. São Paulo: Ática, 1990. BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. São Paulo: CuItrix ECO, Umberto. O conceito de texto. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1984 ____________. Os limites da interpretação. Introdução. São Paulo: Perspectiva,1990. ____________. Semiótica e filosofia da linguagem . São Paulo: Ática, 1991. GREIMAS & COURTES. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Ed. Cultrix, 1979. LOTMAN, Iuri M. A estrutura do texto artístico. Lisboa: Editora Estampa, 1978. SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e do pensamento. São Paulo: I Iluminuras, 2001. ILARI, Rodolfo, GERALD, João Wanderley. Semântica. São Paulo: Atual, 1985. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Argumentação e Linguagem. São Paulo: Cortez, 1984. MARQUES, Maria Helena Duarte. Iniciação à Semântica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. SCHAFF, Adam. Introdução à Semântica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1977. CAMPOS, Augusto de. Poesia antipoesia antropofagia. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. São Paulo: Cultrix, 1979. MENEZES, Philadelfo. Poético e visualidade – uma trajetória da poesia contemporânea. São Paulo: UNICAMP, 1991. PIGNATARI, Décio. Semiótica e Literatura. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. BHABHA, Romi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. CARVALHAL, Tania Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 1986. COUTINHO, Eduardo; CARVALHAL, Tânia Franco. (org). Literatura comparada – textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. MARQUES, Reinaldo; BITTENCOURT, Gilda N. (org). Limiares críticos – ensaios de literatura comparada. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. SILVA, Tomaz Tadenda. O que é, afinal, os estudos culturais? Belo Horizonte: Autêntica, 2000. SOUZA, Eneida Maria de. Traço crítico-ensaios. Belo Horizonte: Editora da UFMG/Editora do Rio de Janeiro: 1993. AZAMBUJA, Jorcelina Queiroz de. (org). O ensino de língua Portuguesa para o 2º grau. Uberlândia: EDUFU, 1996. AZEREDO, José Carlos de. (org). Língua Portuguesa em debate: conhecimento de ensino. Petrópolis: Vozes, 2000. BRASIL – MEC – SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLOGIA. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Médio – PCNEM. Linguagem, código e suas tecnologias, 1999. BRASIL – MEC – SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLOGIA. Exame nacional do ensino médio - ENEM. Competências e habilidades. MENEGOLA, Maximiliano Sant’ana Martins. Por que planejar? Como planejar? Currículo – área-aula. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de Gramática no 1º e 2º graus. São Paulo, 1991. TRAVAGLIA, Luiz Carlos; ARAÚLO, Maria Helena dos Santos. Metodologia e Prática de ensino da Língua Portuguesa. Uberlândia: EDUFU, 1995. CLAVER, Ronald. Escrever sem doer: oficina de redação. Belo Horizonte: UFMG, 1994 Matemática – Licenciatura AEBLI, H. A evolução Mental da Criança. Petrópolis: Vozes. ALVES, R. A Alegria de Ensinar. São Paulo: Ars Poética, 1994. ÁVILA, Geraldo. Introdução à Análise Matemática. Editora Edgard Blucher, 1993. BARROSO Leônidas C. e outros. Cálculo Numérico. 2.ed. Editora Harbra. BASTOS, Cleverson & Keller, Vicente. Aprendendo Lógica. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1995. BIAGGIO. Ângela Maria Brasil. Psicologia do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes. Bibliografia Básica BOLDRINI. J.L. et alli. Álgebra Linear. São Paulo: Harper & Row do Brasil. 1984. BOULOS, Paulo. Introdução ao Cálculo. Cálculo Diferencial, Edit.Edgar Blucher Ltda. BOYCE, W. E. e DIPRIMA, R. C. Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno. 3.ed. Editora Guanabara. C.A. Callioli, H.H. Domingues e R.C.F. Costa, Álgebra Linear e Aplicações, São Paulo: Atual. CANDAU, V. M. Rumo a uma Nova Didática. Petrópolis: Vozes, 1994. CARVALHO. Paulo Cezar Pinto. Introdução à Geometria Espacial. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática. COLEÇÃO COMPLETA: Tópicos de História da Matemática. São Paulo: Atual, 1992. COLL. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Psicologia da Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. CRESPO, Antonio Arnot. Estatística Fácil. Editora Saraiva. CRESPO Antônio Arnot. Matemática Comercial e Financeira. Editora Saraiva. CUNHA, M. I. O Bom Professor e sua Prática. Campinas: Papirus, 1997. D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. 4.ed. São Paulo: Papirus, 1998. DAVIS, P.J. e HERSH, R. A Experiência Matemática. Tradução de João B. Pitombeira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986. E.L. Lima, Álgebra Linear. Rio de Janeiro. IMPA, CNPq, 1996 (Coleção Matemática Universitária). E.L. Lima, Elementos de Topologia Geral, Rio de Janeiro. Ao Livro Técnico, 1970. E.L. Lima, Espaços Métricos. Rio de Janeiro. IMPA. CNPq. 1977 (Projeto Euclides). FAZENDA, I. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez. 1997. FLEMMING, D.M. & GONÇALVES, M.B. Cálculo A: Funções, Limites, Derivação. GUIDORIZZI, H. Luiz. Um Curso de Cálculo. São Paulo: Ed. LTC. V. 1, 2, 3 e 4. H.H. Domingues, Espaços Métricos e Introdução à Topologia, São Paulo: Atual, 1982. HEFEZ, Abramo. Curso de Álgebra: Coleção Matemática Universitária. IMPA, 1993, V.1. HOEL, Paul G. Estatística Elementar. HOFFMAN, K.& KUNZE, R. Álgebra Linear. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1976. LURIA, LEONTIEV, VIGOTSKY et alii. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Moraes. MACHADO, Nilson José. Lógica Conjuntos e Funções. Scipione Ltda., 1988. PIAGET, J. Psicologia e Inteligência. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. VERAS, Lilia Ladeiras. Matemática Financeira. Editora Atlas. Pedagogia – Licenciatura GERMANO. José Wlillington. Estado Militar e educação no Brasil . São Paulo: Cortez, 1994. GROSSI, Ester Pillar, BORDIN, Jussara. Paixão de Aprender. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1994. CHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da Educação. São Paulo: Cortez, 1994. GILES, Thomas Ransom. História da Educação. São Paulo: EPU, 1987. MANACORDA, Mário Aliguiero. História da Educação: da antigüidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1995. XAVIER, Maria Elizabete Sampaio Prado (org.) História da Educação: a escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994 (Coleção Ensinar e Aprender) p. 206-303. PILETTI, Nelson e PILETTI, Claudino. Filosofia e História da Educação. 7 ed. São Paulo: Ática, s/d. RIBEIRO, Maria Luísa S. História da Educação Brasileira: a organização escolar. São Paulo: Moraes, 1981. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p.127-143. SILVA, Tomas Tadeu da. Neoliberalismo. Qualidade Total e Educação: visões críticas. 5ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1997. KNELLER, George F. Introdução à Filosofia da Educação . 6 ed. Zahar Editores. Título original: Introdunction to the Philosofhy of Education, Universidade da Califórnia, Los Angeles. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Editora Moderna, s/d. LUCKESI, Carlos Cipriano. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna,1992 PAVIANI, Jayme. Filosofia da Educação. Petrópolis, RJ. Ed. Vozes, 1990. VEIGA, Ilma Passos; CUNHA, Maria Isabel da . Desmitificando a Profissionalização do Magistério. São Paulo: Papirus.1996 BOFF, Leonardo. Ética da Vida. Brasília: Letraviva, 1999. KLEIMAM, Angela. Texto e Leitor: aspectos cognitivos da leitura. 5 ed. Campinas: Pontes, 1997. ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar . São Paulo: Artes Poética, 1995. BARROS, Enéias Martins de. Nova Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Artes, 1985. PIAGET, Jean: Epistemologia Genética. Veiculado pela TV Escola. ANDRÉ, Hildebrando Afonso de. Cursos de Redação. 2 ed. São Paulo: Marco Editorial, 1978. FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo.Cortez.1996 BUFFA, Ester. Educação e cidadania: quem educa o cidadão? 4 ed. São Paulo: Cortez, 1993. PONCE, Anibal. Educação e luta de classes. 4 ed. São Paulo: Cortez, 1983. BRAZIL, Circe Navarro Vital. O jogo e a constituição do sujeito na dialética social. Rio de Janeiro: Forense, 1993. BARROS, Aidil de Jesus Paes, LCHFEL, Neide Aparecida de Souza. Projeto de Pesquisa: propostas epistemológicas. Petrópolis: Vozes, 1990. FAZENDA, Ivani (org.) Metodologia da Pesquisa Educacional . 3 ed. São Paulo: Cortez, 1994. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1995. GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 1973 FRITZEN, Silvino José.Relações Humanas Interpessoais: Convivências Grupais e Comunitárias, 1ª Edição, São Paulo : Editora Vozes,1997 STEVENS, John O. Tornar Presente: Experimentos de Crescimento em Gestalt Terapia, 2ªEdição: São Paulo, Summus 1977. MORAIS, Régis de. (org.) Sala de aula : que espaço é esse? 3º ed. São Paulo. Papirus. 1995 NOSELLA, Paolo. Compromisso Político como horizonte de competência técnica: Revista Educação e Sociedade . v. 14. Editora Abril, 1983. p. 91-97. PIMENTEL, Maria da Glória. O Professor em construção. São Paulo: Papirus, 1993. SILVA, Ezequiel Theodoro da. O Professor e o combate à alienação imposta. São Paulo: Cortez, 1989. (coleção Polêmicas do Nosso Tempo) v. 14. AMBROSETTI, N.B. O eu e o nós: trabalhando com a diversidade na sala de aula . In: ANDRÉ, M. Pedagogia das diferenças em sala de aula . Campinas: Papirus, 1999. ANDRÉ, M.(org.) Pedagogia das diferenças em sala de aula . Campinas: Papirus, 1999. BORDENAVE, J.D. & PEREIRA, A. M. Estratégia de ensino aprendizagem. 4. ed. Vozes. : Petrópolis 1977. OLIVEIRA, Terezinha de Freitas Rodrigues. Estatística aplicada à educação . Rio de Janeiro: LTC, 1974. CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. São Paulo: Saraiva, 1999. MARTINS, Gilberto de Andrade . & DONAIRE, Denis. Princípios de estatística, São Paulo : Atlas s/n. AZEVEDO, Amilcar Gomes de. & CAMPOS, Paulo Henrique Borges de. Estatística básica Rio de Janeiro : Livros Técnicos e Científico. 2001 COBURN, Peter. Informática na educação. Rio de Janeiro, 1988. Livros técnico e científicos. Editora Ltda, trad. Gilda Helena Bernadino. BIAGGIO, Ângela Maria Brasil. Psicologia do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 1978. DAVIS, Cláudia e OLIVEIRA, Zilma M. Ramos de. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1994. DOLLE, Jean-Marie. Para Além de Freud e Piaget. Petrópolis: Vozes, 1993. KUPFER, Maria Cristina. Freud e a Educação - O Mestre do Impossível. São Paulo: Scipione, 1992. LURIA, LEONTIEV, VYGOTSKY et alii. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Moraes. 1991. MORAIS, Regis (org) Sala de aula: Que Espaço é Esse? Papirus. São Paulo: Campinas, 1986. MUSSEN, CONGER, KAGAN. Desenvolvimento e Personalidade da Criança . São Paulo: Harba, 1977. PIAGET,Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990. RAPPAPORT, Clara Regina et alii. Psicologia do Desenvolvimento. Teoria do Desenvolvimento. v. I. São Paulo: EPU, 1982. AEBIL, Hans. Prática de Ensino. São Paulo: EPU, 1982. MACHADO, A. BertoEducação em Revista. v. 9. Belo Horizonte. Jul/89. p. 27-31. . Reflexões Sobre a Organização do Processo de Trabalho na Escola. RAYS, O. Alonso. Planejamento: Um ato político pedagógico. Texto mimeografado. UFSM. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Cadernos Pedagógicos do Libertad nº 1,2,3,4. São Paulo: Centro de Formação e Assessoria Pedagógica, 1995. AGUIAR, José Márcio. Vade-mécum: do pessoal do magistério público do estado de Minas Gerais , Belo Horizonte: Lâncer , 2000 DORNAS, Roberto. Diretrizes e bases da educação nacional , Belo Horiaonte: Modelo editorial, 1997 CATANI, Afrânio Mendes. et alli. Educação e debate. São Paulo: 1998 FREIRE, Paulo. Política e educação. 2 ed. São Paulo : Cortez,1995 MENESES, João Gualberto de Carvalho. et alli . Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo : Pioneira, 2001 MOREIRA, Antônio Flávio B. org. Currículo: questões atuais. Capinas: Papirus, 1997. ______________, Antônio Flávio e TOMÁZ, Tadeu. Currículo cultura e sociedade . 2 ed. São Paulo : Cortez, 1995 SILVA, T. Tadeu. Documento de identidade- uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte : Autêntica, 1999 GOODSON, I..F. Currículo: teoria e história . Petrópolis : Vozes,1996 LOPES, A . C. e MACÊDO , Elizabeth . Currículo : debates contemporâneos , São Paulo: Cortêz, 2002 DOLL, Junior W. Currículo uma perspectiva pós-moderna . Porto Alegre : Artes Médicas, 1997 ALVES, Nilda(org); GARCIA, Regina L. (org). A invenção da escola a cada dia. Rio de Janeiro: DP & A, 2000, p. 7-20. FELDMAN, Daniel, Ajudar a ensinar. Relações entre a didática e o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2001, 81-88. MARPEAU, Jacques. A natureza do processo educativo. Porto Alegre, Artmed, 2002. PERRENOUD, Philippe. Ensinar na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed, 2001, p.13-74 LINHARES, Célia e LEAL, M. Cristina ( orgs.) Formação de professores: uma crítica à razão e á plítica hegemônicas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. SANTOS, C. A. S. & BOTELHO, M. Disciplina e Indisciplina - Termômetro do desejo de aprender. Revista Dois Pontos. Nov. Dez. 1997. SILVEIRA, R. A. A Didática na Formação dos Educadores: Uma Articulação Dialética. Campinas: Papirus, 1998. SOUZA, C. P. (org.) Avaliação do rendimento Escolar. Campinas: Papirus, 1998. TURRA, C. M. G. et alli. Planejamento de Ensino e Avaliação . 11 ed. Porto Alegre: Sagra, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. org. Currículo : questões atuais . Capinas: Papirus, 1997 P ______________, Antônio Flávio e TOMÁZ, Tadeu. Currículo cultura e sociedade . 2 ed. São Paulo : Cortez, 1995 SACRISTÃN, J.G. O currículo- reflexão sobre a prática. Porto Alegre : 1998 SILVA, T. Tadeu. Documento de identidade- uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte : Autêntica, 1999 GOODSON, I..F. Currículo: teoria e história . Petrópolis : Vozes,1996 LOPES, A . C. e MACÊDO , Elizabeth . Currículo : debates contemporâneos , São Paulo: Cortêz, 2002 DOLL, Junior W. Currículo uma perspectiva pós-moderna . Porto Alegre : Artes médicas, 1997 BRASIL – Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – 1º e 2º Ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília, 1997. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. 10 ed. Scipione, São Paulo: 2000. CHIAPINNI, L. (org.) Aprender e ensinar com textos. São Paulo: Cortez, 1997. GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula – Leitura & produção . 6 ed. Cascavel: Assoeste, 1991. HERR, Nicole. Aprendendo a ler com jornal. Trad. André Luzayadio. BH: Dimensão, 1997. JOLIBERT, Josete. Formando crianças produtoras de textos . Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. _____________. Formando crianças leitoras de textos. Porto Alegre: Artes Médicas. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. KAMIL Constance. A criança de o Número. Campinas: Papirus, 1984. _____________. Reiventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. _____________. Novas Perspectivas: implicações da Teoria de Piaget . São Paulo: Papirus, 1992. _____________. Desvendando a Aritmética. Campinas: Papirus, 1995. LIMA, Reginaldo Nars e VILA, Maria do Carmo. Matematizando – Proposta AME . Belo Horizonte, 1988. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado de Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de Ensino de Matemática. Conteúdos Básicos CBA à 4º série. Ensino Fudamental , 1993 – Programa do Curso Normal – 1986 – Guia Curricular de Matemática. v. 1 e 2, 1997. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. KAMIL Constance. A criança de o Número. Campinas: Papirus, 1984. _____________. Reiventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. _____________. Novas Perspectivas: implicações da Teoria de Piaget . São Paulo: Papirus, 1992. _____________. Desvendando a Aritmética. Campinas: Papirus, 1995. LIMA, Reginaldo Nars e VILA, Maria do Carmo. Matematizando – Proposta AME . Belo Horizonte, 1988. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado de Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de Ensino de Matemática. Conteúdos Básicos CBA à 4º série. Ensino Fudamental , 1993 – Programa do Curso Normal – 1986 – Guia Curricular de Matemática. v. 1 e 2, 1997. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. ALLUÉ, Josep M. O grande Livro dos jogos. Belo Horizonte: Leitura, 1998. ALMEIDA, Elmar Soero de. Silêncios na História do Brasil. Espaços da Escola . Ano 9. nº 36. Editora UNIJUAI, abr/jun, pp. 39-46. BORGES, Vavy Pacheco e outros. O ensino de história revisão urgente . SP.: Brasiliense. CALLAI, Jaeme Luiz. História da Vida, História da Família nas Séries Iniciais. Uma introdução à forma de Pensar a História . Espaços da Escola. Ano 4, nº 15. Jan/mar. 1995 Editora UNIJUAÍ. pp. 37-43. CARVALHAES JÚNIOR, Adair. Saber, Poder e Ensino de História no Primeiro Grau. Revista da Educação. V. 18/19. Belo Horizonte: UFMG, 1993. pp. 93-97. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: história, geografia. v. 5. Brasília: MEC/SEF. 1997 GARCEZ, Sabrina. Coletar e Reciclar. Uma Proposta de Educação ambiental para a terceira série. Espaços de Escola. Ano 4 n. 24. Abr/jun 1997. Editora UNIJUAI. p. 45-52 VILLALTA, Luiz Carlos. O Ensino de História e a Metodología da Investigação . Carderno do Professor. Minas Gerais: CERS/SEE-MG. N. 3.1988. Pp. 15-29. CARVALHO, A. M.P. e Gil Peres D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. SP. Cortez, 1993. CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1994. ALVES, R. Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e suas regras . SP. Brasiliense, 1981. BERNAL, J. D. Ciências na história. 7 v. Lisboa BH, 1978. FIGUEIREDO, M. T. É importante ensinar ciências desde as primeiras séries iniciais. Revista de Ensino de Ciências. Funbec, 1989. DEIZOCOV e ANTOGOLTH, J. A Metodologia do ensino de ciências. São Paulo. Cortez 1990. LA TAILLE, Yves de. (et alli). Piaget, Vygostsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussões. Summus. São Paulo: 1992. LURIA, LEONTIEV, VYGOTSKY (et alli). Psicologia e Pedagogia. Moraes. SP.: 1991. MORAIS, Regis (org) Sala de aula: Que Espaço é Esse? Campinas: Papirus, 1986. PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 1990 BOCK, Ana Maria Bahia. at alli . Psicologia uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva, 1991 CAMPOS, D. Martins de Souza. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis : Vozes, 1987 RAPPAPORT. Clara Regina et alii. Psicologia do Desenvolvimento. Teoria do Desenvolvimento. v. I. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Infância Inicial: O bebê e sua mãe. v. 2. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Idade Pré-Escolar. v. 3. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Idade Escolar. v. 4. EPU. SP. 1982. SALVADOR, César Coll. Psicologia da Educação. Artes Médicas Sul. Porto Algre: 1999. VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. Martins Fonseca. 4º ed. São Paulo: 1991. COUTINHO, M. T. da C. ; MOREIRA, Mércia. Psicologia da Educação. Belo Horizonte : Lê, 1992 AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – Ensaios sobre a ética e seus avessos. São Paulo: Summus, 2000. MARPAEAU, Jacques. O processo educativo – A construção da pessoa como sujeito responsável por seus atos. Porto Alegre: Artmed, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,2002. KUENZER, Acácia Z., THERRIEN, Ângela S. et al. Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. PEREIRA, Júlio Emílio Diniz. Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PETITAT, A. Produção/Reprodução da Escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. CABRINI, C. (et all) Reflexões sobre a prática diária no ensino de História. In.: História em quadro negro: escola, ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de História, SP Ed. Marco Zero, nº 19, set. 89 a fev. 90, pp 143-179. CEDES. A prática do ensino de História. São Paulo: Cortez, 1986. CIAMPI, H. A reconstrução Problematizada. In: Memória, História, Historiografia – Revista Brasileira de História, SP, Ed. Marco Zero, nº 25/26, set. 92/ agosto 93, pp 241-164. FONSECA. S. G. A História Ensinada no 1º e 2º Graus e a constituição da memória histórica. In.: Cadernos de História. Uberlândia, nº 2, janeiro de 1991, pp 37-49. NAPOLITANO, M. A televisão como documento. In.: BITTENCOURT, C. (org) O saber histórico na Sala de Aula. SP: Contexto, 1997. LE SANN, J. G.; TORRES, M. E. L. O. Q.; FERREIRA, S. A.. Estudos Sociais e Geografia na Escola Primária. Orientações Metodológicas. Contagem: Ed. Littera Maciel. 1993. PAGANELLI, T. Para a construção do espaço geográfico na criança. In.: Revista Terra Livre. São Paulo: Marco Zero, 1987. PASSINI, Elza Yasuko, Alfabetização Cartográfica. Belo Horizonte: Lê, 1994. SATOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: artes Médicas. RAYS, O. Alonso . Planejamento: um ato político-pedagógico . Mimeo. UFSM. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Planejamento: plano de ensinoaprendizagem e projeto educativo:São Paulo: Libertad, 1996. MACHADO, A . Berto. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho da escola. Educação em Revista. V. 9. Belo Horizonte, jul.89.p.27-31. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília, MEC/ SEF, 1997. CENTURION, Marília. Números e Operações. Conteúdo e Metodologia da Metodologia. São Paulo. Editora Scipione, 1994. KAMII, Constance. A criança e o número. Campinas: Papirus, 1984. ______________. Reinventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. ______________. Novas perspectivas: implicações da Teoria de Piaget. Campinas: Papirus, 1992. ______________. Desvendando a aritmética. Campinas: Papirus, 1995. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado da Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de ensino da matemática. Conteúdos básicos CBA à 4ª série. Ensino Fundamental, 1993. Guia curricular de Matemática, v. 1 e 2, 1997. TOLEDO, Marília; TOLEDO, Mauro. Didática de Matemática: como dois e dois: a construção da Matemática. Matemática. São Paulo: FTD, 1997. ALVES, Rubem. A Alegria de Ensinar. São Paulo: Petah Ars Poética, 1994. CAGLIARI, L.C. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1989. DAVIS, C. e OLIVEIRA, Z. de M.R. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1990. DELVAL, Juan. Aprender a Aprender. Trad. Jonas Pereira dos Santos. São Paulo: Papirus, 1997. FERREIRO, E. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez, 1985. GOULART, Íris Barbosa. Piget – experiências básicas para utilização pelo professor. GROSSI, Esther P. Didática da Alfabetização. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1990. JOBIM, S e KRAMER, S. “O debate Piaget/Vygostsky e as Políticas Educacionais”. In: Cadernos de Pesquisa, 77: 69-80, maio de 1991. KATO, M. A. No Mundo da Escrita. São Paulo: Ática, 1986. MASSINI, Gladis e CAGLIARI, Luiz Carlos. Diante das Letras: a escrita na alfab.. SP.: Fapesp, 1999. NASCOPOLI, Ana Tereza. Didática de Português: leitura e produção de escrita. São Paulo: FTD, 1996. OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento – um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1995. PRETTI, Derio. Sociolingüística: os níveis da fala. São Paulo: Nacional, 1987. REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórica cultural da educação. RJ. Vozes, 1995. SINCLAIR, Hermine. A Produção de Notações nas Crianças. São Paulo: Cortez, 1990. SMITH, Frank. Compreendendo a Leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. SOARES, Magda. Linguagemm e Escola: uma perspectiva social. São Paulo. ______________. Letramento em Texto Didático. In Letramento – Um tema em Três Gêneros BH. Autêntica,1998 pp. 29-60. TEBEROSKY, A. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985. ______________. Aprendendo a Escrever. São Paulo: Ática, 1994. SMITH, Frank. Leitura Significativa. Editora Artes Médicas Sul Ltda – 1999, CARVALHO, A. M.; GIL PÉRES, D. Formação de professores de ciências: tendêcias e inovações. São Paulo: Cortez, 1993. CHASSOT, A. A ciências através dos tempos. São Paulo: Cortez, 1990. DEIZOICOV, D.; ANTOGOTTI, J. A. A metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1990. FIGUEIREDO, M. T. É importante ensinar ciências desde as primeiras séries. Revista de ensino de Ciências. Funbe, nov./1989. FRANCALANZA, H. et al. O ensino de ciências no 1° grau. São Paulo: Atual, 1986. ASSILCHICK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária/ Edusp, 1987. CARBONEL, Jaume. A aventura de inovar: a mudança na escola. Porto Alegre. Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Autonomia da escola: priincípios e propostas. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000. HERNANDEZ, F. Aprendendo com as provações nas escolas. Porto Alegre. RS. Artes Médicas. 2000. PARO, Vitor H. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Àtica, 2002. PERREOUD, Philippe. Pedagogia diferenciada: das intenções à ação. Porto Alegre: Artes Médicas sul, 2000. VEIGA, I. P. A. Didática: o ensino e suas relações. São Paulo: Papirus, 1996. SANTOS, C. A. S. & BOTELHO, M. Disciplina e Indisciplina - Termômetro do desejo de aprender. Revista Dois Pontos. Nov. Dez. 1997. SILVEIRA, R. A. A Didática na Formação dos Educadores: Uma Articulação Dialética. Campinas: Papirus, 1998. SOUZA, C. P. (org.) Avaliação do rendimento Escolar. Campinas: Papirus, 1998. TURRA, C. M. G. et alli. Planejamento de Ensino e Avaliação . 11 ed. Porto Alegre: Sagra, 1996. MATTOS, Lúcia Alves Faria. Gestão colegiada de escola. Belo Horizonte: UFMG,1995. FALCÃO FILHO, José Leão M. A avaliação dos avaliadores. V.3. Rio de Janeiro.p.73-78. _____________. O Papel do Pedagogo na Escola. Revista Amae Educando. nº 31, Belo Horizonte – MG, Maio. 1994. SILVA, Naura Syria F. Correa da. Supervisão Educacional: uma reflexão crítica, Petrópolis: Vozes, 1985. PENTEADO, Jose de A . Didática e prática de ensino . Editora MacGraw-Hill do Brasil, 1979. ALVES, Nilda. Educação e Supervisão: O trabalho Coletivo da Escola. São Paulo, Cortez, 1985. JUNIOR, Celestino Alves da Silva. Supervisão da Educação: do autoritarismo ingênuo à vontade coletiva. São Paulo: Loyola, 1984. FALCÃO FILHO, José Leão M. As relações entre o supervisor pedagógico e os professores. Passado, presente e futuro . (mimeo). _________. As pessoas e as organizações . Belo Horizonte. Edição do Brasil, p. 4, 28\8 a 3\9388 a 11\9\88. MACHADO, A. Berto. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista. Belo Horizonte: v, 9, p. 27 –31, jul\89. CARVALHO, Maria de Lourdes Ramos da Silva. A Função do Orientador Educacional. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. GIRNSPIM, Mirian P. S. Zippin (org). A Prática dos Orientadores Educacionais. São Paulo: Cortez, 1994 IDÉIAS. São Paulo, nº 12, 15, 1992. LUCK, Heloísa. Planejamento em Orientação Educacional. Petrópolis: Vozes, 1982. FRIZZO, Marisa Nunes; BARCELOS, Eronita Silva(org.). Prática de ensino e estágio supervisionado. Cadernos de Educação I – Centro de Educação| FIDENE\UNIJUÍ. Ijuí, RS: Unijuí, 1985. FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. Clima Organizacional. Belo Horizonte:Lemi,1985 MINAS GERAIS. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. (1998). Parecer nº 1.158. Responde consulta da SEE/MG e da Federação de Estabelecimentos de Ensino de Minas Gerais, com as orientações ao sistema estadual de ensino para o-peracionalização do disposto na parecer 1.132/97. NÓVOA, Antônio. Para uma análise das instituições escolares, In.: NÓVOA, Antônio ( coord.). As organizações escolares em análise, 2ª ed., Lisboa: Dom Quixote, p. 139 –160, 1995. COSTA, M.J.E.D. “A questão política da Inspeção Escolar”. Educação em Revista. Belo Horizonte (7): 10-21, julho. 1988. MANUAL DO SUPERVISOR PEDAGÓGICO E DO INSPETOR ESCOLAR – Editora Lâncer, 1996. GFNDARA, Mari. A expressão corporal do deficiente visual – Coreografando o cotidiano. 2ª edição, DF: MEC, Secretaria dos Desportos, 1994. Educação Especial. São Paulo: Cortez,1989 (cadernos cedes; v.23)79p. - LDBEN n.º 9394/96. - Parecer Da Amped sobre a proposta elaborada pelo MEC para o PNE. - Parecer n.º 1132197/97- CEE. - Resolução n.º 444 de 24/04/2001- CEE. - Parecer n.º 5484/2001- CEE. - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental- Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: 1º segmento do Ensino Fundamental: 1ª a 4ª série: introdução/Secretaria de Educação Fundamental, 2002. - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental- Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: 2º segmento do Ensino Fundamental: 5ª a 8ª série: introdução/Secretaria de Educação Fundamental, 2002. - Ministério da educação- SED- Salto para o Futuro- Educação de Jovens e adultos. Brasília, 2000. - MOURA. Tânia Maria de. A prática pedagógica dos alfabetizadores de Jovens e adultos: contribuições de Freire Ferreiro e Vygotsky. São Paulo: Pioneira, 1999. GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Praxis. São Paulo: Cortez, 1995. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. SACRISTAN, J. Gimeno. A educação obrigatória: seu sentido educativo e social. Porto alegre: Artmed, 2001. BRANDÃO, Helena H. Introdução à análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. BRASIL. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 1° e 2° ciclos do ensino fudamental – Língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997. _______________. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/ SEF, 1997. CARNEIRO, Agostinho Dias. Da interpretação à redação. Editora Moderna, [s.d.]. CHALHUB, Samira. Funções da linguagem: leitura e produção e textos. São Paulo: Ática, 1990. CLAVER, Ronald. Escrever com prazer. Belo Horizonte: Dimensão, 1999. GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna. 15. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1992. GERALDI, João Wanderley (Org.). O texto na sala de aula – leitura e produção. 6. ed. Cascavel: Assoeste, 1991. HERR, Nicole. Aprendendo a ler com o jornal. Trad. André Luzayadio. Adap. Jornalística Ana Lagoa. Belo Horizonte: Dimensão, 1997. HOFFMANN, Jussara. Avaliação: Mito e desafio. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1994. MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Conteúdo Básico. v. I. Belo Horizonte, 1994. (Ciclo Básico de alfabetização a 4ª série do ensino fundamental). ________________. Secretaria de Estado da Educação/LAME/UFJF. Boletim pedagógico da língua portuguesa. SOUZA, Jésus Barbosa de. Meios de comunicação de massa – jorrnal, televisão, rádio. São Paulo: Scipione, 1996. (Ponto de Apoio). VANOYE, Francis. Usos da linguagem – problemas e técnicas na produção oral e escrita. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987. WALTY, Ivete; CURY, Maria Zilda. Textos sobre textos: um estudo da metalinguagem. Belo Horizonte: Dimensão, 1999. ZILBERMAAN. Regina. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984. CHAPPINI, Lígia (Coord.). Aprender e ensinar com textos. v. 1, 2 e 3. São Paulo: Cortez, 1997. Dicionários. Revistas, jornais. Revistas: Presença Pedagógica, Nova Escola, Leitura – teoria e prática. PEREIRA, Julio Emilio Diniz. A Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – ensaios sobre a ética e seus avesos. São Paulo: Summus, 2000. ASSUNÇÃO, Maria Madalena Silva de. Magistério primário e o cotidiano escola., São Paulo: editora Autores Associados, 1999. MACHADO, A . Bento. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista, Belo Horizonte: vpç 9, 1989. SACRISTAN, J. Gimeno. Educar e conviver nacultura global – As exigeências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Escola vivida, escola projketada. 2 ed. São Paulo: Papirus, 1995. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. Petrópolis. Vozes. 1994. PEREIRA, Julio Emilio Diniz. A Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – ensaios sobre a ética e seus avesos. São Paulo: Summus, 2000. ASSUNÇÃO, Maria Madalena Silva de. Magistério primário e o cotidiano escola., São Paulo: editora Autores Associados, 1999. MACHADO, A . Bento. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista, Belo Horizonte: vpç 9, 1989. SACRISTAN, J. Gimeno. Educar e conviver nacultura global – As exigeências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Escola vivida, escola projketada. 2 ed. São Paulo: Papirus, 1995. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. Petrópolis. Vozes. 1994. FRITZEN, Silvino J. Relações Humanas Interpessoais. Petrópolis: Vozes, 1992. GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. 3º ed. São Paulo: Cortez, 1994. BRASIL – MEC. José Augusto Dias (versão brasileira). Gestão da Escola Fundamental – Editora Cortez. São Paulo, 2001. LOPES, M. A. & GONÇALVES, R. A. Planejamento na Educação . Montes Claros. Unimontes, 1997. BRASIL – MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional . Lei nº 9.394/96. _____________. Governo Federal – Emenda à Constituição Federal de 1988, nº 14. _____________. Lei 9424/97 – 1997. FERREIRA, O. M. Recursos audivisuais no processo ensino-aprendizagem . São Paulo: E.P.U, 1998. FERRETI. C. J. (org.) Novas Tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. GREENFIELD, Patrícia Marks. O desenvolvimento do Raciocínio na Era da Eletrônica – Os Efeitos da TV, Computadores e Videogames. Summs Editorial, 1988. LEVX, Pierre. As tecnologias da Inteligência – O futuro do Pensamento na Era da Informática. Editora 34, 1993. GRAMIGNA, Maria Rita Miranda. Jogos de Empresa. São Paulo: Makron Books, 1993. HERNANDEZ, Fernando. Aprendendo com as inovações nas Escolas . Porto Alegre: Artmed, 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia – Saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra, São Paulo, 24ª edição, 2002. PIMENTA, Selma Garrido, GHEDIN, Evandro ( orgs.) Professor reflexivo no brasil – gênese e crítica de um conceito. 2ª edição, São Paulo: Cortez, 2002. BECKER, Fernando. A epistemologia do professor – o Cotidiano da escola. 3 ed. Petrópolis, 1993. CANDAU, Vera Maria (org.). Magistério: construção cotidiana, 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1997. APPLE, Michael W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. FERNANDES, A mulher escondida na professora. Porto Alegre; Artes Médicas, 1994. BASSEDAS, Eulália et al. Intervenção educativa e diagnostico psicopedagógico. 3 ed. Porto Alegre: Artes Médicas. ALVES, Nilda, MELLO, Giomar, N. de. Educação & supervisão: o trabalho coletivo na escola. São Paulo: Cortez, 2000 JUNIOB, Celestino Alves da Silva, RANGEL, Mary ( orgs). Nove olhares sobre a supervisão. Campinas, SP: Papirus, 5ª ed. 2000. SILVA, Naura syria Ferreira Côrrea da. Supervisão educacional: uma reflexão crítica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000 ALVES, Nilda . O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais, 6ª edição. Edições Loyola, São Paulo, 1994. PINO, Ivany Rodrigues. Supervisão educacional: novos caminhos.São Paulo: Papirus, 1991. GADOTTI, Moacir. Organização do trabalho escolar. São Paulo: Àtica, 1996. FREITAS, Luís Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico da didática. São Paulo: Ed; Papirus,1995. ALVES, Nilda. O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. São Paulo: Loyola, 1994. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo . Petrópolis, RJ: Vozes,1995 VEIGA, Ilma Passos D’Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Papirus,2001 Constituição da República Federativa do Brasil. A nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação. FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. Clima Organizacional. Belo Horizonte:Lemi,1985 MANUAL DO SUPERVISOR PEDAGÓGICO E DO INSPETOR ESCOLAR – Editora Lâncer, 1996. PARO, Vitor Henrique. Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo: Atica, 1996 Serviço Social – Bacharelado FERNANDES, Florestan – Ensaios de Sociologia Geral e Aplicadas, SP: Pioneira, 1960. MARTINS, Carlos B. O que é Sociologia São Paulo: Brasiliense, 1984. COSTA, Cristina Castilho. Sociologia Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo: Moderna, 1997. QUINTANEIRO, Tânia, et all. Um toque clássico Durkheim, Marx e Weber. BH: Ed. UFMG, 1995. Coleção Grandes Cientistas Sociais – Durkheim, Marx e Weber. SP: Ática. MARX, Karl. Contribuição a Crítica da Economia Política. Lisboa: Editora Estampa, 1973. MARX, Karl & ENGELS. Friedrich – A ideologia Alemã – Teses sobre Feuerbach . São Paulo: Editora Moraes, 1984. WEBER, Max. Conceitos Básicos de Sociologia. São Paulo: Editora Moraes, 1987. __________ Economia e Sociedade. Distrito Federal: Editora Universidade de Brasília, 1994. __________ Metodologias das Ciências Sociais. Parte 1 e 2. São Paulo: Cortez Editora, 1992. __________ Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar,1979. COHN, Gabriel. Para ler os clássicos. São Paulo: Livros Técnicos Científicos. JAPIASSU, Hilton e MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. CASTRO, Manuel Manrique. Historia do Serviço Social na América Latina . 5 ed., São Paulo: Cortez, 2000. ESTEVÃO, Ana Maria R. O que é Serviço Social? Coleção Primeiros Passos. 6 ed., São Paulo: Brasiliense, 1992. FALEIROS, Vicente de Paula. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social . São Paulo: Cortez, 9 ed., 1999. IAMAMOTO, Marilda V. A, Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 1 ed., São Paulo: Cortez, 1982. NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992. WANDERLEY, M. Metamorfoses do desenvolvimento de comunidade. 2 ed., São Paulo: Cortez, 1998. ANDER - EGG, Ezequiel. História del Trabajo Social. Buenos Aires: Humanitas, 1985. IAMAMOTO, Marilda V. A. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: Ensaios Críticos. 2 ed, São Paulo: Cortez, 1994. LIMA, Boris Aléxis. Contribuição à Metodologia do Serviço Social. Belo Horizonte: Interlivros, 1973. OLIVEIRA, Jaime A. A. de e Teixeira, Sonia Maria Fleury. A imprevidência social. Petrópolis: Vozes/ABRASCO, 1986. SPOSATI, Aldaíza et alli. Assistência na trajetória das Políticas Sociais Brasileiras. 6 ed, São Paulo: Cortez, 1995. ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência. São Paulo: Ars Poética, 1996. BOTOMÉ, Sílvio Paulo. Pesquisa Alienada e Ensino Alienante o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes, 1996. DEMO, Pedro. Pesquisa: Princípio Científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1996. DUARTE, Simone Viana, FURTADO, Maria Sueli. Manual para Elaboração de Monografias e Projetos de Pesquisa. Montes Claros: UNIMONTES, 1999. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1987. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 1993. SIQUEIRA, Sueli. O trabalho e a pesquisa científica na construção do conhecimento . Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce, 1999. Manual Normas Técnicas – UFMG ALVES, R. Filosofia da Ciência: São Paulo: Ars Poética. 1996. CARRAHER,David William. Senso Crítico: do dia - a – dia às Ciências Humanas. São Paulo, Pioneira, 1993. LUNGARZO, Carlos. O que é Lógica.Primeiros Passos. São Paulo, Brasiliense, 1989. DEMO, Pedro. Ciência, Ideologia e Poder.São Paulo, Atlas, 1989. JUNIOR, João Francisco Duarte. O que é realidade. Primeiros Passos nº 115 São Paulo, Brasiliense, 1984. REZENDE, Antônio. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1986. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. PIRES, Maria Helena. Temas de Filosofia. São Paulo, Moderna, 1992. BOBBIO, Norberto e outros.Dicionário de Política.Brasília: Unb, 1986. República Velha. Revolução de 30. Instauração e colapso do Estado Novo. Urbanização, industrialização e surgimento dos novos sujeitos políticos. Nacionalismo e desenvolvimentismo e a inserção dependente no sistema capitalista mundial. O período pós-64. Transição democrática. O neoliberalismo. Particularidades sócio-históricas regionais. 1.1.1.1.2 CARVALHO, José Murilo de. República e cidadanias. In: Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Cia das Letras, 1987, p.66-90. __________. A formação das Almas. O imaginário da república no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1990, p.55-74,129-140. DECCA, M. A G. A. A vida fora das fábricas. Cotidiano operário em São Paulo 1920 – 1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. (Oficinas da História). DEL PRIORE,M.(org.) História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000, p.210230; 259-316. FAUTO, B. A revolução de 1930. In. MOTA, C.G. (org.) Brasil em perspectiva. 20 ed. São Paulo: Bertrand do Brasil, 1995, p.227-256. IGLÉSIAS, Francisco. Trajetória Política do Brasil: 1500 – 1974. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. MALUF, M. MOTT, M.L. Recônditos do mundo feminino. In: NOVA, F. (org.) História da Vida privada no Brasil.V.3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p.365-421. MENDONÇA S.R. As bases do conhecimento capitalista dependente: da industrialização restringida à internacionalização. In: LINHARES, M. Y. (org.) História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p.327-350. NEVES, L.A. Trabalhismo nacionalismo e desenvolvimentismo: um projeto para o Brasil (1945 – 1964) In: FERREIRA, J. (org.) O populismo e sua história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p. 169-203. PEREIRA DE QUEIROZ, M. I O coronelismo numa interpretação sociológica. In: FAUSTO,B. (Org.) História da civilização brasileira.O Brasil republicano. São Paulo: Difel, T. III, V1, 1977. SEVCENKO, N. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso . In:NOVAIS,F (org.) História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, v.3, p.7-48. SOLA, L. O golpe de 37 e o Estado Novo. In: MOTA, C.G.(org.) Brasil em perspectiva. 20 ed. São Paulo: Bertrand do Brasil, 1995, p. 256-282. WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira.Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 61-78. 1.1.2. COSTA, J.F. Ordem Médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989. DIÉRGUES JUNIOR, M. Imigração, urbanização e industrialização. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1964. FAUTO, Boris. Revolução 1930: história e historiografia. 16 ed. São Paulo: Companhia da Letras, 2000. FONSECA, C. Ser mulher, mãe e pobre. In DEL PRIORE, M. (Org.) História das Mulheres no Brasil.São Paulo: Contexto, 1997, p. 510-553. JANOTTI, M.L. O coronelismo uma política de compromissos. 8 ed. São Paulo: Brasiliense, 1992. SADER, Emir, GENTILI, Pablo. Pós-Neoliberalismo: A Políticas Sociais e o Estado Democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. V. I e II. ABESS. Proposta Básica para o Projeto de Formação Profissional. Recife: ABESS, 1995. BONETTI, D. A. et alli (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3ª Ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5ª Ed., São Paulo: Cortez, 2001. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL –O Serviço Social no Século XXI - nº 50. São Paulo: Ed Cortez, 1996. SÁ, J. M. Serviço social e interdisciplinaridade - 4ª Ed., São Paulo: Cortez. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Módulo 01, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais . Módulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas. 1995. KAMEYAMA, N. A trajetória da produção de conhecimento em Serviço Social: avanços e tendências (1975-1997). In: Cadernos ABESS, nº 8, Diretrizes Curriculares e Pesquisa em Serviço Social. São Paulo: Cortez,1998. SILVA, Maria Ozanira da. Formação Profissional do Assistente Social. 2ª Ed., São Paulo: Cortez,1995. BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 1998. __________ “Ao leitor”; “O espaço dos pontos de vista”; “Compreender”. In: A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000. COHN, Gabriel. Weber: Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas. DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999. __________Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fonts, 1995. ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. GIDDENS, Anthony..As conseqüências da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1996. IANNI, Octávio (Org.). Marx: Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas. LAKATOS, Eva Maria. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 1996. QUINTANEIRO, Tânia. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber . Belo Horizonte: UFMG, 1995. WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UnB, 1999. BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980. __________ A construção social da realidade. Petrópolis, RJ, 1987. DICIONÁRIO de sociologia. São Paulo: Globo, 1961. GALLIANO, A. G. Introdução à sociologia. São Paulo: Harbra, 1981. GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: EDUSP, 1996. __________As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991. HAGUETTE, Teresa Maria Frota. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. SANTOS, B. de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade . São Paulo: Cortez, 1996. WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1999. ABRAMIDES, M.B.C. e CABRAL, M. do S. R. O Novo Sindicalismo e o Serviço Social: Trajetória e Luta de uma Categoria: 1978-1988. São Paulo: Cortez, 1995. AGUIAR, A. G. de. Serviço Social e Filosofia: Das Origens a Araxá. 4 ed., São Paulo: Cortez, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. A. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: Ensaios Críticos. 2 ed, São Paulo: Cortez, 1994. NETTO, José P. Ditadura e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991. __________. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. São Paulo: Cortez, 1995. SANTOS, Leila L. Textos de Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1993. SILVA e Silva. M. O.(coord.). O Serviço Social e o popular - resgate teórico metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 1995. SIMIONATTO, I. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influencia no Serviço Social . São Paulo: Cortez/UFSC, 1995. FALEIROS, V. P. Confrontos teóricos do movimento de reconceituação do Serviço Social na América Latina. Serviço Social e Sociedade . Ano VIII, nº 24. São Paulo: Cortez, agosto de 1987. __________. Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez. __________. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social . São Paulo: Cortez, 9ª Ed, 1999. DA MATA, Roberto. “A antropologia no Quadro das Ciências” .In relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1990, pp. 17-27. MERCIER, P. História da Antropologia. Rio de Janeiro: Eldorado, 1974, cap. 1 e 2. VELHO, G. Observando o Familiar. In: Individualismo e Cultura. Notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro, 1994, p. 121-132. OLIVEIRA NUNES, E. (Org.) A Aventura Sociológica. LAPLATINE, F. Aprender Antropologia. 3 ed. Brasiliense. 1988. LEVI-STRAUSS, Caude. Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1975. MELLO, Luiz Gonzaga. Atropologia Cultura. Ed. Voz. ROCHA, Everardo P. Guimarães. O que é etinocentrismo. São Paulo. Brasiliense, 1984 (Primeiros passos). MALINOSWSKI, Bronilaw. Argonautas do Pacífico, Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da nova guiné Melanésia. 2 ed. São Paulo. Abril Cultural, 1978 (Os pensadores). BOCK, A.M.B. (2000). Psicologias: Uma Introdução ao estudo da Psicologia . São Paulo: Editora Saraiva. DA VIDOFF, L.L. (1983). Introdução à Psicologia. São Paulo: McGraw – Hill MYERS, G. Davis.(1999). Introdução a Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC TELLES, M.L.S. O que é Psicologia. São Paulo: Brasiliense: 1999. FIGUEIREDO, L.C.M. Matrizes do Pensamento Psicológico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991. KELLER, F. Aprendizagem do reforço. São Paulo: EPU, 1973. BRENNER, C. Noções Básicas de Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1987. VYGOTSKI, L.S. LURIA, A.R. e LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Cone, 1991. LANE,S.T.M.. O que é Psicologia Social? São Paulo: Ed. Brasiliense, 1981. __________Psicologia Social: O Homem em Movimento. São Paulo: Ed. Brasilense, 1986. CASTEL. R. As metamorfoses da questão social. Ed. Vozes, 2001. MONTANÕ, Carlos. Terceiro Setor e Questão Social: crítica ao poder emergente de intervenção social. 1ª Ed., São Paulo: Cortez, 2002. POCHMANN, M. e AMORIM, R. Atlas da exclusão Social no Brasil. São Paulo: Cortez ROSANVALON. P. A. A Nova Questão Social. Repensar o Estado Providencia . Petrópolis: Vozes, 1998. WANDERLEY, L.E. BOGUS, L.M.M. E YASBECK, M.C. Desigualdade e Questão Social. São Paulo: Educ, 2000. WANDERLEY, L. E. et alli. Questão Social e desigualdade social no Brasil . São Paulo: Hucitec, 1998. ASSMANN, H. Critica a lógica da exclusão. Ensaios sobre economia e teologia . São Paulo: Paulus, 1994. FURTADO. Celso. O capitalismo global. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. FALEIROS, V. de P. La Nouvelle Question Sociale. In: Serviço Social e Sociedade nº 54. São Paulo: Cortez, 1997. IANNI, O. A Questão Social. In: São Paulo e Perspectiva, vol. 5, nº1. São Paulo: SEADE, 1991. TELLES, V. de S. Questão Social: afinal de que se trata? In: São Paulo e Perspectiva, vol 10, nº 4, outubro/dezembro de 1996, São Paulo: SEADE. 1996. HUNT & SHERMAN. História do Pensamento Econômico. 3 ed, RJ: Editora Vozes, 1982. HUNT, E.K. História do Pensamento Econômico. 4 ed, RJ: Editora Campus, 1986. ARAÚJO, Carlos R.V. História do Pensamento Econômico – Uma Abordagem Introdutória. 1 ed, SP: Editora Atlas, 1986. HÉLIO, Jaguaribe. Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Político. RJ: Paz e Terra, 1969. KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do juro e da Moeda. SP: Abril, 1983. Revista de Economia Política – Vol I, II, III e IV. Editora Brasiliense. SOUZA, Nali de Jesus.Desenvolvimento Econômico. SP: Atlas, 4ª edição, 1999. ANDER-EGG, Ezequiel. Introdução ao Trabalho Social. São Paulo, Ed. Vozes, 1995. CADERNOS ABESS (No. 3). A Metodologia em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1989. CHACUR, Alice. Construção do objeto no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1983. FALEIROS, V. de P. Saber profissional e poder institucional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 1985. __________ . Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1999. GENTILLI, R. de M. Representações e práticas: identidade e processo de trabalho no Serviço Social. São Paulo: Veras, 1998. GUERRA, Y. A Instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 2001. KARSCH, Úrsula. O Serviço Social na era dos Serviços. 3 ed., São Paulo: Cortez, 1998. MARTINELLI, M.L.; RODRIGUES, M.L. E MUCHAIL, S.T. (Organizadoras). O Uno e o Múltiplo nas Relações entre as Áreas do Saber. São Paulo: Cortez, EDUC, 1995. MARTINELLI, M L. Serviço Social: Identidade e Alienação. São Paulo: Cortez, 1989. NETO, J.P. & Falcão. M.C.B. Cotidiano: conhecimento e Crítica. São Paulo: Cortez, 1987. PONTES, R. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1985. SERRA, ROSE (org.) Trabalho e Reprodução. 1 ed., São Paulo: Cortez, 2001. SOUZA, Maria Luiza de. Serviço Social e Instituição - A Questão da Participação . São Paulo: Cortez, 1982. VASCONCELLOS, Ana Maria de. Serviço Social e Prática Reflexiva . In: Revista em Pauta No 10. Rio De Janeiro: Faculdade de Serviço Social da Uerj. , Julho/1997. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. CARDOSO, F. G. Organização das Classes Subalternas - Um desafio para o Serviço Social. São Paulo: Cortez/São Luiz: EDUFMA, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. A, Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 1 ed., São Paulo: Cortez, 1982. NETO, J.P. Notas para a discussão da sistematização prática e teoria em Serviço Social . In: Caderno ABESS, nº 3. A metodologia do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1989. MARTINELLI, M. L.; KOUMROUYAN. Um novo olhar para a questão dos instrumentais técnico-operativos em Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, nº 4. São Paulo: Cortez, 1994. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE – Modernidade – Sombras e Lutas. São Paulo: Ed Cortez, 2000. VASCONCELLOS, Eduardo Mourão. Serviço Social e Interdisciplinaridade: O Exemplo da Saúde Mental. In: Serviço Social e Sociedade No. 54, São Paulo, Ed. Cortez, Julho/1997. BOBBIO, Norberto. A era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992. BRASIL. Constituição. Constituição da Federativa do Brasil, de 5.10.1988. Brasília: Senado, 2003. BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. Lei 8.069/90. CARVALHO, Jeferson Moreira. Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: J. de Oliveira, 2000. 224 p. (Manual funcional). COLIN, Denise R. Arruda, FOWIER, Marcos Bittecourt.Lei Orgânica da Assistência Social anotada. São Paulo: Veras, 1999. GUIMARÃES, Giovane Serra Azul. Adoção, tutela e guarda. São Paulo: J. de Oliveira, 2000. p. 224 . SIMÕES, Carlos. Legislação do serviço social. São Paulo: J. de Oliveira, 1998, p.192. COMMAILLE, Jacque; BARRETO, Vicente (Org.). A nova família: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Renovar, 1997. p.198 . FLÓRIDO, Luiz Augusto Irineu. Lições de legislação social. São Paulo: LEUD, 1983. LIMA, Luiz Tenório de. Movimento sindical e luta de classes . São Paulo: J. de Oliveira, 1998. p.28 MADALENO, Rolf. Novas perspectivas no direito de família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000. p.184 . MARTINS, Sergio Pinto. Direito da seguridade social. São Paulo: Atlas, 2000. 502 p. ALMEIDA, N. L. T. de. Considerações para o exame do processo de trabalho do Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, nº 52, ano XVII. São Paulo: Cortez, dez. 1996. ALVES, Rubem. O senso comum e a ciência IN Filosofia da Ciência – Introdução ao jogo e suas regras. S.P., Brasiliense, 1991. ANDER-EGG, Ezequiel. Introduccíon a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história IN Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 5ª ED.S.P: Brasiliense, 1993. BRUSCHINI, Cristina. O uso de abordagens quantitativas em pesquisas de relações de gênero IN COSTA: Albertina de Oliveira e BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero R.J: Rosa dos Tempos, 1992. DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1981. FAUSTO NETO, Ana Maria Quiroga. Produção científica e formação profissional - os paradigmas do conhecimento e seu rebatimento no cotidiano do ensino, da pesquisa e do exercício profissional. IN Cadernos ABESS nº 6, S.P: Cortez, 1993. HIRANO, Sedi & ABRAMO, Perseu [et. all.]. Pesquisa Social: projeto e planejamento. São Paulo: São Paulo. 1979. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1985. MADURO Otto. Mapas para a Festa - Reflexões latino-americanas sobre a crise e o conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1994. MINAYO, M. C. S (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. SELLTIZ et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974 SETUBAL, Aglair. Pesquisa em Serviço Social: Utopia e Realidade. 2ª Ed., São Paulo: Cortez, 2002. THOMPSON, E. P. Intervalo: a lógica histórica IN A miséria da teoria ou um planetário de erros. R.J. : Zaharr Editores, 1981. TRIVINOS, Augusto N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. Atlas. Editora, 1987. UMBERTO, Eco. Como se faz uma tese. 18. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2002. BONETTI, D. A. et all (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis . São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3 ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. CHAUÍ, M. A filosofia moral in Convite à filosofia.São Paulo: Editora Ática, 1995. GALVÃO, A. M. A crise da ética; o neoliberalismo como causa da exclusão social . Rio de Janeiro: Vozes, 1997. SAUTET, M. Um Café para Sócrates. Como a Filosofia Pode Ajudar a Compreender o Mundo de Hoje. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997. VASQUEZ, A.S. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Módulos 01-02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. GRAMSCI, A. Concepção Dialética da Historia. 3 ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. LUKÁCS, G. As bases ontológicas da atividade humana. In Temas, nº4, São Paulo: Ciências Humanas, 1978. NETTO, José Paulo. Razão, ontologia e práxis. In Serviço Social e Sociedade nº 44. São Paulo: Cortez, 1994. __________Capitalismo e reificação. São Paulo: Ciências Humanas, 1981. __________ Para a crítica da vida cotidiana. In Neto, J.P. e Falcão, M.C. Cotidiano: conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 1987. SCHONS, S. M. Assistência Social na Perspectiva do Neoliberalismo. Revista Serviço Social e Sociedade. N° 49, ano XVI. São Paulo: Cortez, nov 1995. TERTULIAN, N. O grande projeto da ética. In Ensaios Ad Hominen, São Paulo: Edições Ad Hominem, 1999. BIGNOTTO, Newton. Maquiavel republicano. São Paulo: Loyola,1991. CHEVALLIER, Jean Jacques. As grandes obras políticas de Maquiavel em nossos dias. Rio de Janeiro: Agir, 1990. HOBBES, Thomas. In: col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984. MAAR,Wolfang Leo. O que é política. São Paulo: Brasiliense, 1982. MAQUIAVEL, N.B. O príncipe. Tradução de Roberto Grassi. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1985. __________. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Brasília: UNB. LOCKE, John. In: Col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1982. RIBEIRO, Renato Janine. Ao leitor sem medo: Hobbes escrevendo contra o seu tempo. Belo Horizonte: ed: UFMG, 1999. ROUSSEAU, Jean Jacques. In: col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984. WEFFORT, Francisco C. Os clássicos da política I. São Paulo: Ática, 1999. MASCARO, S.A. O que é velhice. São Paulo: Brasiliense,(coleção primeiros passos),1997, 93p. Constituição Federal Estatuto do Idoso BRASIL, SEAS. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, setembro, 2004. BEAUVOIR, Simone de. A velhice. tradução de Maria Helena Franco Monteiro, 1908 à 1986, 2ªEdição, Editora Nova Fronteira S/A Botafogo, Rio de Janeiro. HADDAD, Eneida G. de Macedo. O Direito a Velhice: os aposentados e a Previdência Social. Cortez Editora – Volume 10 – São Paulo: 1993. (Coleção Questões da nossa época). _____________________________. A Ideologia da Velhice, São Paulo: Cortez, 1986. LOPES, Gerson Pereira. Sexualidade e envelhecimento: [et al]; Câmara Brasileira do livro. BASTO, Paulo A. A idéia do tempo e o Envelhecimento. Cadernos da Terceira Idade São Paulo SESC(6), 1980. CANOAS, Cilene Sevain. A Condição Humana do Velho. São Paulo: Cortez, 1985. FRAIMAN, Ana Perwin, Sexo, Afeto na Terceira Idade. São Paulo: Editora Gente, 1994. Câmara Brasileira do Livro. GONÇALVES, Iva Ferreira. Os Direitos dos Idosos. MT, Brasil, set. 1997, 1ª Edição, Conselho Municipal de Defesa do Direitos da Pessoa Idosa (Cartilha). NERY, Anita Liberalesco, et all. Qualidade de vida e Idade Madura. Papirus Editora, 1993, (Coleção Viva Idade) Campinas, SP. PEREIRA, Leda Lúcia Lima, at Cora Martins Vieira. A Terceira Idade, Guia para viver com saúde e sabedoria. 2 ed., 1996. FERNANDES, M. das G. M. e FRAGOSO, K. S. de M. Violência Doméstica contra Idosos. A Terceira Idade, São Paulo: SESC, nº 25, p. 27-35, agosto 2002. ABREU, M.M. A Relação entre o Estado e a Sociedade Civil- a questão dos Conselhos de Direitos e a participação do Serviço Social . In: Revista Serviço Social e Movimento Social. São Luiz: EDFUMA, nº1, 1999. CARDOSO, F.G. Organização das classes subalternas – Um desafio para o Serviço Social. São Paulo: Cortez/São Luiz: EDUFMA, 1995. CASTELLS, M. A sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1994. CHILCOTE, R.H. Teoria de classes. In: BIB - Boletim Informativo e bibliográfico de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Anpocs/Relume Dumará, nº39, 1995. DEMO, P. Charme da exclusão social. Campinas: Edit.Autores Associados, 1998. _______ Combate à pobreza: desenvolvimento como oportunidade . Campinas. S.P. – Autores Associados, 1996. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 2001. JACOBI, P. - Movimentos Sociais e Políticas Publicas. São Paulo: Cortez, 1989. MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Poder Municipal. 2 ed. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 1999. RAUTA, R. Mutações tecnológicas portadoras de novas potencialidades: as redes de cooperação política. In Rauta R. (coord.) Mutações societais e gestão de políticas Urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 1999 (no prelo). RAICHELIS, R. Esfera Pública e Conselhos de Assistência Social.- Caminho da Construção Democrática. São Paulo: Cortez, 1998. SILVA, Jackqueline Oliveira. Práticas do Serviço Social. Espaços tradicionais e emergentes. Porto Alegre. Da casa, 1998. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais . Modulo 04, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. ALAYON, Norberto. Assistência e Assistencialismo – controle dos pobres ou erradicação da pobreza? SP: Cortez, 1995. CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1988. FALEIROS, Vicente de Paula. A política social do estado capitalista: funções da previdência e assistência sociais. São Paulo, Cortez, 1995. GUEIROS, Maria José Galvão. Serviço Social e cidadania. Rio de Janeiro, Agri, 1990 BECKER, Howard S. Evidencias do trabalho de campo. IN Métodos de Pesquisa em Ciência Sociais. S.P., Hucitec, 1993. MINAYO, Maria Cecília de Souza et. alii (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. SILVA e Silva. M. O. Refletindo a Pesquisa Participante. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1991. SOUZA, Amaury de. Método e improvisação, ou como conseguir uma entrevista naquele setor que vai dos fundos da igreja Matriz até o córrego e dali às margens do Rio - Bahia In.: NUNES, Edson de Oliveira (org.) A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método de pesquisa social. R.J.: Zahar Editores, 1978. THIOLLENT, Michel. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997. VELHO Gilberto. (1987). Observando o familiar IN Individualismo e Cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. R.J., Jorge Zahar Editor, 2 ed. CARDOSO, Ruth. As aventuras de antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In.: CARDOSO, Ruth (org.) Aventura Antropológica. R.J.: Paz e Terra, 1986. ANDREOLA, Balduíno A. Dinâmica de grupo, jogo da vida e didática do futuro . 10 ed. Petrópolis: Vozes, 1995. 86 p. ARMANI, Domingos. Como elaborar projetos? Guia prático para elaboração e gestão de projetos sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000. 94 p. BAREMBLITT, Gregório F. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1996. 235 p. CAMPELLO, L. M. F. Serviço social organizacional: teoria e prática em empresa. São Paulo: Cortez, 1983. CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações. Rio de Janeiro: Campus: 1999. COVRE, M. de L. M. A função da técnica. In BRUNO, L. e SACARDO, C. (orgs) Organização, trabalho e tecnologia. São Paulo: Atlas, 1986. FALEIROS, Vicente de Paula. Saber profissional e poder institucional . São Paulo: Cortez Editorial. __________. Estratégias em serviço social. São Paulo: Cortez Editorial, 1999. FRITZEN, Silvino José. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. São Paulo: Cortez, 1991. GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. 1 ed. São Paulo: Cortez, 1995. LEITE, M.P. Novas Formas de Gestão de Mão de Obra . In: O Mundo do Trabalho. Crise e mudança no final do século. São Paulo: Scritta, 1994. WEISSHAUPT, Jean Robert. As funções sócio-institucionais do serviço social. São Paulo: Cortez, 1985. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. AGUILAR, M. J. ; Ander-Egg, E. Avaliação de serviços e programas sociais. Petrópolis: Vozes, 1994. FERNANDES, E. Qualidade de Vida no Trabalho. Como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade, 1996. LOPES, J. B. Objeto e especificidade do serviço social: pensamento Latino-Americano . São Paulo: Cortez, Moraes. KARSCH, Ursula M. Simon. O serviço social na era dos serviços. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1989. RICO, E. de M. Teoria do serviço social de empresa: objeto e objetivos . São Paulo: Cortez, 1982. RICO, E.M. e RAICHELIS, R. (orgs.). Gestão Social: uma Questão em Debate. São Paulo: Educ/IEE, 1999. SUCUPIRA, J. A. Ética nas empresas e balanço social. Revista Democracia Viva nº 6. Rio de Janeiro: Ed. Segmento/Ibase, 1999. BAVA, S.C. As ONGs e a Nova Conjuntura Democrática. São Paulo: ABONG, 1996. BRAGA, R. A restauração do capital: um estudo sobre a crise contemporânea . São Paulo: Xamã, 1997. CATTANI, A. D. Gestão Participativa. In: CATTANI, Antonio David (org.). Trabalho e tecnologia: dicionário crítico. 2. Ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p.107-114. COHN, M. da G. Sem terra, ONGs e Cidadania (Os). 2 ed., São Paulo: Cortez. 2000. FERNANDES, R. C. Privado porém público: o terceiro setor na América Latina . Rio de Janeiro. __________ O que é o Terceiro Setor. In: 3º Setor, Desenvolvimento Social Sustentado. São Paulo: Paz e Terra, 1997. LANDIM, L. Para Além do Mercado e do Estado? Filantropia e Cidadania no Brasil . Rio de Janeiro Serie Textos de Pesquisa. Núcleo de Pesquisa/ISER, 1993. __________ (Org.) Ações em Sociedade: Militância, Caridade, Assistência ... Rio de Janeiro: NAU, 1998. MARTINELLI, C. Empresa Cidadã: uma visão inovadora para uma ação transformadora. In: 3º Setor, Desenvolvimento Social Sustentado. São Paulo: Paz e Terra, 1997. MOTA, A. E. (Org.) A nova fabrica de consensos. São Paulo: Cortez, 1998. RECH, D. Cooperativas: uma alternativa de organização popular. Rio de Janeiro: Fase, 1995. TELLES, V.S. Sociedade Civil e a Construção de Espaços Públicos. São Paulo: Brasilense, 1994. __________. Sociedade Civil, Direitos e Espaços Públicos. In: Revista PÓLIS, nº 14, Participação Popular nos Governos Locais - Fórum Nacional de Participação Popular nas Administrações Democráticas. São Paulo, 1992. ABRAMIDES M.B. C. e CABRAL M.S. Novo Sindicalismo e o Serviço Social. 1ª Ed., São Paulo: Cortez. 1995. BURAWOY, M. A transformação dos regimes fabris no capitalismo avançado. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo: Vertece, nº 13, dezembro/1990. HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos: O Breve Século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995. MOTA, Ana Elizabete. O feitiço da ajuda: as determinações do serviço social na empresa. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1998. PALMA, Diego. A Prática Política dos Profissionais: o caso do Serviço Social. 2ª Ed., São Paulo: Cortez. 1993. PEREIRA, Potyara A. P. Necessidades Humanas: subsídios a critica dos mínimos sociais. 1ª Ed., São Paulo: Cortez. 2000. AZEVEDO, M.A. e GUERRA, V.N.A. (Org.).Crianças vitimadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu Editora, 1989. __________.Infância e violência domestica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, 1993. __________. “Que terminologia empregar?”. In: 3º Telecurso do LACRI sobre a violência domestica contra crianças e adolescentes. São Paulo: LACRI, 1997. CERVINI, R. e BURGER, F. “O menino trabalhador no Brasil urbano dos anos 80”. In: O trabalho e a rua, crianças e adolescentes no Brasil urbano dos anos 80, Unicef, FLACSO, CBIA. São Paulo: Ed. Cortez, 1992. COELHO, Ailta, B.R. “Política de proteção à infância e adolescência e descentralização”. In: Revista Serviço Social e Sociedade, nº 60, ano XX, julho de 1999, São Paulo: Ed. Cortez. DEL PRIORE, M. (Org) Historias de crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, 1997, Lei nº 8.068/90. GUERRA, V.N.A. Violência de pais contra os filhos: a tragédia revisitada. 3º Edição rev. E ampl. São Paulo: Cortez, 1998. LIBERATI, W. D. CYRINO P.C.B. Conselhos e fundos no Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: Malheiros Editores, 1993. MARCILIO, M. L. Historia Social da Criança Abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998. PILOTTI, F.e RIZZINI. I. (Org.) A arte de governar crianças: a historia das políticas sociais, da legislação e da assistencia à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Nino. Ed. Universitária Santa Úrsula, Amais Livraria e Editora, 1995. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 04, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. MOTTA, Maria A. P. Mães Abandonadas: a entrega de um filho em adoção São Paulo: Cortez. PAICA, Rua (org) Meninos e meninas em situação de rua - Políticas integradas para a garantia de direitos. São Paulo. Cortez. BRAVO, Maria Inês de S. Serviço Social e Reforma Sanitária: luta sociais e práticas profissionais. 1 ª Ed. São Paulo, Cortez, 1996. COHN, Amélia e outros (org.). A Saúde como direito e como serviço. São Paulo: Cortez. FLEURY S. T. ( Org.) Reforma Sanitária em busca de uma teoria. 2ª Ed. São Paulo: Cortez, 1995. LUZ, Mordel T. Notas sobre as políticas de saúde no Brasil – Saúde e Debate, 1992. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE –Saúde, Qualidade de Vida e Direitos - nº 74. São Paulo: Ed Cortez, 2003. VASCONCELOS, Mourão Eduardo. Saúde Mental e Serviço Social. 1ª Ed. São Paulo: Cortez, 2000. VASCONCELOS, Ana Maria. A Prática do serviço Social - cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. São Paulo. Cortez COSTA, Maria Dilva Horácio da. O trabalho nos serviços de saúde e a inserção dos (as) assistentes sociais. Serviço Social & Sociedade, nº 62, ano XXI, São Paulo: Cortez, p. 3572, mar. 2000. SILVA, Jackqueline Oliveira. Práticas do Serviço Social. Espaços tradicionais e emergentes. Porto Alegre. Da casa, 1998. MOTA, Ana Elizabete. Cultura da Crise e Seguridade Social. São Paulo: Cortez, 1995. CARTAXO, Ana. Estratégias de Sobrevivência: A Previdência e os Serviços Sociais. São Paulo. Cortez, 1995. FALEIROS, Vicente de Paula. A política do estado capitalista: as funções da previdência e assistência social. São Paulo: Cortez, 1980. FLEURY, Sonia. Estado sem Cidadãos - Seguridade Social na América Latina. Rio de Janeiro. Ed. FIOCRUZ, 1994. OLIVEIRA, Jaime A. de Araújo; TEIXEIRA, Sônia M. Fleury. (Im) Previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil.Rio de Janeiro: Vozes, 1986. SANTOS, B.S. Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade. 4ª Ed. São Paulo: Cortez, 1997. SILVA, I. F. A Seguridade Social e o Controle Como Exercício de Cidadania. Rio de Janeiro: UFRJ - TCC, 1997. SPOSATI, Aldaíza & FALCÃO, Maria do Carmo. A Assistência Social Brasileira: Descentralização e Municipalização. São Paulo: EDUC, 1990. SPOSATI, Aldaíza. Cidadania ou Filantropia, Um Dilema Para o CNAS. São Paulo: Núcleo de Seguridade e Assistência Social. PUC/SP, 1994. TEIXEIRA, A. Do Seguro à Seguridade: A Metamorfose Inconclusa do Sistema Previdenciário Brasileiro. Rio de Janeiro: IE/UFRJ/ANPRC, 1990. __________ “O Conceito de Seguridade e a Constituição de 1988”. Previdência em Dados. Rio de Janeiro: MTPS, vol 7, jan/mar 1992, p 5-9. AFONSO, M.L. (org.) Oficinas em Dinâmicas de Grupo: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000. ARRUDA, Angela. Representações sociais: emergência e conflito na psicologia social, Anuário do Laboratório de Subjetividade e Política, UFF, Baptista, L.A.S. (org.) 1991-92, 1(1): 115-131. BELOTTI, Elena. Educar para a submissão. Petrópolis, Vozes, 1988. ENRIQUEZ, Eugène. O vínculo grupal, in Mata Machado, M. e Roedel, S. (orgs.) Psicossociologia - Análise social e intervenção. Petrópolis, Vozes, 1994. FARR, Robert. As raízes da psicologia social moderna. Petrópolis, Vozes, 1998. LANE, Silvia T.M. O que é Psicologia Social. São Paulo, Brasiliense, 1981. LANE, S.T.M. & SAWAIA,B, B. (orgs) Novas Veredas da Psicologia Social.São Paulo: Brasiliense: EDUC, 1995. LEWIN, Kurt. Problemas psicológicos e sociológicos de um grupo minoritário. Problemas de dinâmica de grupo, São Paulo, Cultrix, 1973. LEYENS, Jacques Philippe. Psicologia Social. Lisboa, Edições 70, 1981. PICHON - RIVIÉRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1982. BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Previdência Social, nº 8213, de 24/07/91, atualizada e publicada no D.O.U. de 11/04/96. BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Previdência Social, nº 8742, de 07/12/93, publicada no D.O.U. de 08/12/93. BRASIL, MPAS/SEAS, Política Nacional de Assistência Social, publicada no D.O.U. de 16/04/99. BRASIL, MPAS/SEAS, Norma Operacional Básica, publicada no D.O.U. de 16/04/99. FALEIROS, Vicente de Paula. A política do estado capitalista: as funções da previdência e assistência social. São Paulo: Cortez, 1980. MENEZES, Maria T. C.G. Em busca da Teoria: Política de Assistência Publica. São Paulo/ Rio de Janeiro: Cortez, UERJ, 1998. PEREIRA, P.A. A Assistência Social na Perspectiva do Direito – Crítica aos Padrões Dominantes de Proteção aos Pobres no Brasil. Brasília: Thesaurus, 1996. RAICHELIS, Raquel. Esfera Pública e Conselhos de Assistência Social. São Paulo: Cortez. 1998. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL – Assistência e Proteção Social - nº 68. São Paulo: Ed Cortez, 2002. SCHONS, Selma. Assistência Social: Entre a Ordem e a “desordem”. São Paulo: Cortez. 1999. SPOSATI, Aldaíza & FALCÃO, Maria do Carmo. A Assistência Social Brasileira: Descentralização e Municipalização. São Paulo: EDUC, 1990. SPOSATI, A. (Org.) Renda Mínima e Crise Mundial. São Paulo: Cortez, 1997. __________. Os Direitos dos Desassistidos Sociais. São Paulo: Cortez, 1989. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 03, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. CORDEIRO, José Lucas. Gasto federal com a assistência social e suas fontes de financiamento - 1990-1997. Serviço Social & Sociedade, nº 62, ano XXI, São Paulo: Cortez, p. 113-143, mar. 2000. GOMES, Ana Lígia et alii. O programa de garantia de renda mínima: análise introdutória à luz dos pressupostos da assistência social. Serviço Social & Sociedade, nº 47, ano XVI, São Paulo: Cortez, abr. 1995. SCHONS, S. M. “Assistência Social na Perspectiva do Neoliberalismo”. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, n° 49, ano XVI, nov 1995. SPOSATI, Aldaíza et alli. Assistência na trajetória das Políticas Sociais Brasileiras, 6ºed, São Paulo: Cortez, 1995. YAZBEK, Maria Carmelita. Classes Subalternas e Assistência Social. São Paulo. Cortez. 1993. ACKER MAN, N.W. Diagnóstico e tratamento das relações familiares. Porto Alegre. Artes Médicas – 1986. BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999. CARTER, B et. all. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. MIOTO, R. C. T. Família e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1997. __________.Família e Saúde Mental. In: Katálysis. 2ª Ed., Florianópolis: UFSC, 1998. PAUGAM, S. Fragilização e Ruptura dos Vínculos Sociais: Uma dimensão essencial no processo de desqualificação social. In: Serviço Social e Sociedade, nº 60, São Paulo: Cortez, 1999. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL – Famílias - nº 71. São Paulo: Ed Cortez, 2002. AGUILAR, M. J. e ANDER-EGG, E. Avaliação de serviços e programas sociais. 2ª Ed., Petrópolis: Vozes, 1994. CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 2ª ed., São Paulo: Makron Books, 1994. COHEN, E. e FRANCO R. Avaliação de projetos sociais. Petrópolis: Vozes, 1993. COUTO, Berenice Rojas. O processo de trabalho do assistente social na esfera municipal. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 2, 1999. FRITSCH, Rosângela. Planejamento estratégico: instrumental para a intervenção do Serviço Social? Serviço Social & Sociedade, nº 52, ano XVII, São Paulo: Cortez, p. 127145, dez. 1996. GENRO, T. e SOUZA, U. Orçamento Participativo. A Experiência de Porto Alegre. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1997. IAMAMOTO, Marilda. O trabalho do assistente social frente às mudanças do padrão de acumulação e de regulação social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 1, 1999. MAXIMIANO, Antonio Cesar. Introdução à administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995. MONTANA, Patrick; CHARNOV, Bruce. Administração. São Paulo: Saraiva, 1998. PAZ, Rosangela Dias de Oliveira. As organizações não-governamentais e o trabalho do assistente social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 2, 1999. RICO, Elizabeth de Melo; RAICHELIS, Raquel. Gestão social - uma questão em debate. São Paulo: Educ, 1999. NOGUEIRA, V.M. “Planejamento de Políticas Sociais-Planos-Programas-Projetos”. In: Curso de Formação Profissional: Um Projeto de Atualização, Cadernos de Textos nº 4, CRESS/12r., Florianópolis: 1998. SÁNCHES, Félix. Orçamento participativo: teoria e prática. Coleção Questões de Nossa Época vol. 97. 1ª Ed. São Paulo: Ed.Cortez, dez. 2002. OLIVEIRA & RODRIGUES. Formação Social e Econômica do Norte Minas. Montes Claros: Ed. Unimontes. 2000. LESSA, S. Montes Claros. “Uma cidade nas principais vias do sertão”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.4, No. 4, 83-110. 1999. MATA-MACHADO, B.N. História do sertão noroeste de Minas Gerais (1690-1930). Belo Horizonte: Imprensa Oficial. 1991. OLIVEIRA & RODRIGUES. “Traços do processo de desenvolvimento do Brasil e da região nordeste: 1960 a 1990”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.5 No. 5, 732. 2000. OLIVEIRA, M. F. M. “O Nordeste começa aqui”. ”. Revista do Legislativo, Belo Horizonte, No. 28, abril/setembro de 2000. (www.almg.gov.br). PEREIRA, L. “Trabalho e Relações Sociais em Montes Claros na década de 1950”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.5 No. 5, 91-102. 2000. PEREIRA, L. M. A cidade do Favor: Montes Claros em meados do século XX. Montes Claros: Ed. Unimontes. 2002. SUDENE – Legislação de recriação da NOVA SUDENE. www. mir.gov.br FALEIROS, A questão da metodologia em serviço social: reproduzir e representar-se. Cadernos ABESS, São Paulo: Cortez, n. 3, 1989. GIL; A. C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. HIRANO, Sedi (Org.). Pesquisa Social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. MINAYO, M. C. S (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. SELLTIZ et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974. SEVERINO, J. A. Metodologia do Trabalho Científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002. UMBERTO, Eco. Como se faz uma tese. 18. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. ANDER-EGG, Ezequiel. Introduccíon a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1981. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1985. BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 1ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002. __________. “Bases para uma reflexão sobre ética e Serviço Social” in Revista Serviço Social nº 39. São Paulo: Cortez, 1993. _________ . “O novo Código de Ética Profissional dos assistentes sociais”. in Revista Serviço Social nº 41. São Paulo: Cortez, 1993. BONETTI, D. A. et alli (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3ª Ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. Tecnologia da Gestão em Informação KORTH, Henry F.; SILBERSCHARTZ, Abrahan; SUDARSHAN, S. Sistemas de banco de dados. 3º Ed., Makron books, 1999. CHEN, Peter. Modelagem de Dados. Editora Makron Books. 1990. HAY, David. Princípios de Modelagem de Dados. Ed. Makron Books. 1999. TANENBAUM, Andrew S., Redes de Computadores. Editora Campus, 1999. SOARES, Luiz Fernando Gomes. Redes de computadores: das LANS, MANS e WANS as redes ATM. Ed. Campus, 2000. COMER, Douglas E. Redes de computadores e Internet. Ed. Bookman, 2000. BOCHENSKI, Barbara. Implementando Sistemas Cliente/Servidor de Qualidade. Editora Makron Books, 1995. RENAUD, Paul E. Introdução aos Sistemas Cliente/Servidor. Editora Ibpi Press, 1994. GAGLIARDI, Gary. Cliente-servidor. Ed. Makron Books, 1996. SOARES, Luiz Fernando G., Redes de Computadores: das Lans, Mans e Wans às redes ATM. Ed.Campus, 2000. TANENBAUM, Adrew S., Redes de Computadores. Ed.Campus,1999. KUROSE, James F. ROSS Keith W. Redes de Computadores e a Internet.Ed. Addison Wesley, 2003. ROSINI, Alessandro Marco; PALMISANO, Ângelo. Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. Ed. Thomson, 2003 CAVALCANTI, Marcos; GOMES, Elisabeth; PEREIRA, André . Gestão de empresas na sociedade do conhecimento. Ed. Campus, 2001 FLEURY, Maria Teresa Leme. Gestão estratégica do conhecimento. Ed. Atlas, 2001 O'BRIEN, James A. Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet . Ed. Saraiva, 2001 BIO, Sérgio Rodrigues. Sistemas de Informação: Um Enfoque Gerencial .Ed.ATLAS, 1996 STAIR, Ralph M. Princípios de sistemas de informação. Ed. LTC, 2002 CUNHA, Celso Ferreira & CINTRA, contemporâneo. Ed. Nova Fronteira, 1985. Lindley. Nova gramática do português NICOLA, José de & INFANTE, Ulisses. Gramática Contemporânea da língua portuguesa. Ed. Scipione, 1998. SACCONI, Luiz Antônio. Nossa gramática: teoria e prática. Ed. Atual, 1997. MONTEIRO, Mario A. Introdução a Organização de Computadores. Ed. LTC, 2001 TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores Ed. LTC, 2001 STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. Ed. PRENTICE HALL BRASIL, 2002. VELOSO, Paulo A. S. Estruturas de Dados. Ed. Campus, 1983. GUIMARÃES, Angelo de Moura. Algoritmos e estruturas de dados. Ed. Livros Técnicos e Científicos, 1994. LAFORE, Robert. Aprenda em 24 horas estrutura de dados e algoritmos. Ed. Campus, 1999. TENENBAUM, Aaron M.. Estruturas de dados usando C. Ed. Makron Books, 1995. TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. Ed. Bookman, 2000. SILVERSCHATZ, Abraham. Sistemas Operacionais. Ed. Campus, 2001. MACHADO, Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de Sistemas Operacionais. Ed.LTC, 1997. BARBIERI, Carlos. BI – Business Intelligence, Ed. Axcel Books, 2001. GOMES, Elisabeth. Inteligência Competitiva, Ed. Campus, 2001. ALBERTIN, Alberto Luiz. Administração de Informática. 4ª ed. Ed. Atlas, 2002. NETO, João Augusto Mattar. Metodologia Científica na era da informática. Ed. Saraiva, 2002. DEMO, Pedro. Metodologia do Conhecimento Científico. Ed. Atlas, 2000. LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. Ed. Atlas, 1991. SOUSA, Sergio. Tecnologias da Informação. Ed. Brasport, 2000. KEEN, Peter G. W. Guia gerencial para a tecnologia da informação: conceitos essenciais e terminologia para empresas e gerentes Ed. Campus, 1996. SLEIGHT, Steve. Como Usar a Tecnologia da Informação. Ed. Publifolha, 2000. GANE,Chris. Análise Estruturada de Sistemas. Editora LTC, 2002. BARBIERE, Carlos. Modelagem de Dados. IBPI Press, 1994. PAGE-JONES, Meillir. Projeto Estruturado de Sistemas. McGraw-Hill, 1988. YOURDON, Edward. Análise Estruturada Moderna. Editora Campus, 1990. CANTU, Marco. Dominando Delphi 6: a Bíblia. Ed. Makron Books, 2002. LEAO, Marcelo. Borland Delphi 6 & Kylix: curso completo. Ed. Axcel Books, 2001. FELIPE, Eduardo Ribeiro. Conectividade utilizando Delphi 6. Ed. ERICA, 2002. DATE, C.J. Introdução a sistemas de banco de dados. 3º Ed. Rio de Janeiro. Campus. 2000. KORTH, Henry F.; SILBERSCHARTZ, Abrahan; SUDARSHAN, S. Sistemas de banco de dados. 3º Ed., Makron books, 1999. ELSMARI, Ramez. NAVATHE, Shambkant B. Fundamentals of Database systems. 3º Ed., Addison Wesley, 2000. SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. Ed. Saraiva, 2003. CAMACHO, Joel. Psicologia organizacional, Ed. EPU, 1984. WAGNER III, John A. O comportamento organizacional - criando vantagem competitiva. Ed. Saraiva, 1999. BERGAMINI, Cecília. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. Ed. Atlas, 1997. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. Ed. Makron Books, 1995. CASAROTTO F., N., FÁVERO, S. F., CASTRO, J. E. E. Gerência de Projetos. Ed. ATLAS, 1999. PÁDUA, Wilson. Engenharia de software: fundamentos, métodos e técnicas, Ed. LTC, 2003. LAUDON, Jane Price; LAUDON, Kenneth C. Gerenciamento de Sistemas de Informação. Ed. LTC, 2001. MANAS, Antonio Vico. Administração de sistemas de informação. Ed. Érica, 2000. ROSINI, Alessandro Marco; PALMISANO, Angelo . Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. Ed. Thomson, 2003. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. Ed. Makron Books, 1995. GANE, Chris.SARSON, Trish. Análise estruturada de sistemas. Ed. LTC, 1999. PÁDUA, Wilson. Engenharia de software: fundamentos, métodos e técnicas, Ed. LTC, 2003. ULLMAN, Larry. PHP para a World Wide Web. Ed. Campus, 2001. BUYENS, Jim. Aprendendo MySQL e PHP. Ed. Makron Books, 2002. GOODMAN, Danny. JavaScript: a Bíblia. Ed. Campus, 2001. WEISSINGER, A. Keyton. ASP – o guia essencial. Ed. Campus, 2000. JUNIOR, Jose Mauricio Di B. ASP.Net – fundamentos para desenvolvimento de aplicações Web. Ed. Berkeley Brasil, 2001. CAMACHIONE JR., Edgard Bruno. Sistemas integrados de gestão. Ed. Atlas, 2001. SOUZA, Cesar Alexandre de; SACCOL, Amarolinda Zanela. Sistemas Erp no Brasil Teoria e Casos Ed. ATLAS, 2003. CORREA, Henrique L. GIANESI, Irineu G. N. CAON, Mauro. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP; conceitos, uso e implantação . Ed. Atlas, 2001. CORREA, Henrique L. GIANESI, Irineu G. N. Just in time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. Ed. Atlas, 1996. COMER, Douglas E. Redes de computadores e Internet. Ed. Bookman, 2000. HILLS, Mellanie. Intranet como groupware. Ed. Berkeley do Brasil, 1997. CRUZ, Tadeu. E-Workflow. Ed. Cenadem, 2001. PFAFFENBERGER, Bryan. Estratégias de Extranet. Ed. Berkeley Brasil, 1998. MEIRA Jr., Wagner. Sistemas de Comércio Eletrônico: projeto e desenvolvimento. Ed. CAMPUS, 2002. JR, Carlos F Franco. E-Business – tecnologia de informação e negócios na internet. Ed. ATLAS, 2003. LIMEIRA, Tania M. Vidigal. E-Marketing:. O marketing na internet com casos brasileiros. Ed. Saraiva. 2003. ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. Ed. ATLAS, 2002.
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Como Entender a Pintura Moderna

by 123mau

on

Report

Category:

Documents

Download: 1

Comment: 0

120

views

Comments

Description

Download Como Entender a Pintura Moderna

Transcript

ACERVO BIBLIOGRÁFICO DOS CURSOS A SEREM OFERECIDOS PELA UNIMONTES EM PARCERIA COM OS DIVERSOS MUNICÍPIOS, CONFORME EDITAL DE SELEÇÃO DA UAB nº 01/2006. O Acervo Bibliográfico, abaixo arrolado, é referente aos Cursos que serão ofertados pela Unimontes em parceria com os municípios, conforme disciplina o Edital de Seleção da UAB nº 01/2006. Ressaltamos que, de cada Referência Bibliográfica, é necessário a aquisição de no mínimo 02 (dois) exemplares. Artes/Teatro – Licenciatura Artes/Música – Licenciatura Artes/Plástica – Licenciatura • • • • • • • • • • • COELHO, Maria Josefina Rodrigues e SANTOS, Manoel de Souza. Comunidade criativa: fazer brincando. 2 ed. SP: Edições Paulinas, 1988. FISCHER, Ernst. A necessidade da Arte. RJ: Guanabara, 1987. MARTINS, Mirian Celeste F. Dias. Aprendiz da Arte: trilhas do sensível olhar pensante. SP: Espaço Pedagógico, 1992. CAMPOS, Denise Álvarez. Oficina de Música: Uma Caracterização de Sua Metodologia. Goiânia: Cegraf UFG,1988. FERNANDES, José Nunes. Oficina de Música no Brasil: Rio de Janeiro: Papéis e Cópias, 1997. CHACRA, Sandra. Natureza E Sentido Da Improvisação Teatral. SP: Ed. Perspectiva. COUTNEY, Richard. Jogo Teatro E Pensamento. SP: Ed. Perspectiva. REVERBEL, Olga. Jogos Teatrais. SP: Ed. Scpione, 1989. ____________.Oficina De Teatro. RGS: Ed. Kuarup, 1993. READ, H. Educação pela arte. São Paulo: Companhia Editora Nacional,1987. KURY, Adriano da Gama e OLIVEIRA, Ubaldo Luíz de. Gramática objetiva. SP:Atras, 1985. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • ARGAN, G. C. Arte e crítica da Arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1988. BACHELARD, G. O direito de sonhar. SP: Difel, 1986. BOSI, A. Reflexões sobre a Arte. SP: Ática, 1985. CANCLINI, N. G. A. A socialização da Arte. Teoria e prática na América Latina. RJ: Cultrix, 1984. COELHO, Maria Josefina Rodrigues e SANTOS, Manoel de Souza. Comunidade criativa: fazer brincando. 2 ed. SP: Edições Paulinas, 1988. MARTINS, Mirian Celeste F. Dias. Aprendiz da Arte: trilhas do sensível olhar pensante. SP: Espaço Pedagógico, 1992. ____________________________. Temas e técnicas em Artes Plásticas. SP: ECE, 1979. ROCHA, C. Maria Mettig. Educação Musical “Método Willems”. Salvador: Faculdade de Educação da Bahia, 1990. WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. LOPES, Joana. Pega Teatro. SP: Ed. Papirus. KOUDELA, Ingrid. O Texto E O Jogo. SP: Ed. Perspectiva. REVERBEL, Olga. O Texto No Palco RGS: Ed. Kuarup, 1993. SPOLIN, Viola. O Jogo Teatral No Livro Do Diretor. SP: Ed. Perspectiva, 1999. HOFFMAN, Jussara. Avaliação: Mito ou Desafio – Uma perspectiva Construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: Plano de Ensino – Aprendizagem e Projeto Educativo. SP: Libertad, 1996. _______________________________. Construção do Conhecimento em Sala de Aula. SP: Libertad, 1996. VEIGA, Ilma Passos A. Didática: Uma retrospectiva histórica. In. VEIGA, I.P.A(org) Repensando a Didática. Campinas: Papirus, 1989. p. 25-40. ____________________. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 1998. ____________________. A Didática: o ensino e suas relações. São Paulo: Papirus, 1996.] BORDENAVE, Juan Diaz. Estratégia de ensino aprendizagem. 4º ed. Petrópolis: Vozes, 1977. CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma Nova Didática. Petrópolis: Vozes, 1994. BARBOSA, A. M. e SALES, H. M. (orgs.). O ensino da arte e sua história. SP: MAC/USP, 1990. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • BRUNER, J.S. O processo da educação. SP: Companhia Editora Nacional, 1987. DELORS, J. Educar para o futuro. Correio da Unesco. (6), ano 24, RJ: 1996. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (org.).Metodologia da Pesquisa Educacional. SP:Cortez,1997 FRANÇA, J. Lessa. Manual para Normalização de Publicações TécnicoCientíficas. 5 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001. LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. SP: Atlas, 1987. ALDRICH, Virgil. Filosofia da Arte. RJ : Zahar. BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é cultura. 8 ed. SP: Editora Brasiliense, 1989. CASSIER, Ernst. Ensaios sobre o homem. Introdução a uma Filosofia da Cultura Humana. SP: Martins Fontes, 1984. ECO, Humberto. Obra aberta. SP: Perspectiva, 1968. BARROS, Samuel R. Estrutura e funcionamento do ensino de 1ª e 2ª graus. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985. BREJON, Moysés (org.). Estrutura e funcionamento do ensino de 1ª e 2ª graus. 17ª ed. São Paulo: Pioneiras, 1983. FÁVERO, Osmar (org.). A educação nas constituintes brasileiras – 1823-1988. Campinas-SP: Autores Associados, 1996. (Coleção Memória da Educação). SOUZA, Cecília de. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: Vozes, 1998. P. 31-50. DUARTE, Simone Viana. Manual para Elaboração de Monografia e Projetos de Pesquisa. Montes Claros: UNIMONTES, 1999. BAZIN, Germain. História da Arte: da Pré-História até os Nossos Dias. RJ: Martins Fontes, 1986. FERREIRA, Olavo Leonel. Visita à Grécia Antiga. SP: Moderna. GOMBRICH. E. H. A História da Arte. Trad. Álvaro Cabral. RJ: Zahar, 1993. GRIMAL, Pierre. Dicionário de Mitologia Grega e Romana. RJ. Bertrand Brasil, s.d. SANTOS, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte. 6ª Ed. – SP: Ática, 1995 ESCOLA DE ARTE. Coleção. Volumes 1 e 2. Editora Globo, 1999. HALLAWELL, Philip. À Mão Livre, A Linguagem do Desenho. Círculo do livro Ltda. SP, 1995. MAY, Rollo. A Coragem de Criar. Editora Nova Fronteira. SHREVE, Norris e BRINK, Joseph. Indústrias de Processos Químicos. 4ª Ed. Editora Guanabara Koogan S.A. MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Séries Iniciais do Ensino Fundamental). Brasília, 1998. MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Ensino Fundamental). Brasília, 1998. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • MEC. Parâmetros Curriculares Nacional de Artes (Ensino Médio). Brasília, 1998. MEC. Referencial Curricular para Educação Infantil. Brasília, 1998. ARIES, P. História social da criança e da família. RJ: Guanabara, 1981. GARDNER, H. A criança pré-escolar. Como pensa e como a escola pode ensinála. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988. PIAGET, J. Fazer e compreender. SP: Melhoramentos/Edusp, 1978. CASCUDO, Luiz da Câmara. Dicionário Folclórico Brasileiro. Instituto Nacional do Livro, 1954. MARTINS, Saul. Folclore em Minas Gerais. 2 ed. BH: UFMG, 1991. AVILA , Affonso . Barroco Mineiro - Glossário de Arquitetura e ornamentação. Belo Horizonte : Fundação João Pinheiro , 1996. SANTO, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte . 6. Ed. SP : Ática, 1995. CAVALCANTI, Carlos. Como entender a pintura moderna. 5 Ed. RJ: , 1981. PONTUAL, Roberto. Arte Brasileira Contemporânea. Ed. G. C, 1994. CURSO DE DESENHO E PINTURA – Coleção Editora Globo, 1996. ESCOLA DE ARTE. Volumes 1 a 20. Editora Globo, 1999. KNELLER, George. Arte e Ciência da Criatividade – Instituição Brasileira de Difusão Cultural-AS, 1978. Escola de Arte. Coleção. Volume 1 e 2. Editora Globo. 1999 FERREIRA, Herculano. Materiais populares na Educação Artística. Belo Horizonte: Secretaria do Estado do Governo, 1993. MOTA, Edson. Iniciação à pintura. Editora Nova Fronteira. MEDEIROS, João. Manual do Pintor. Editora Parma Ltda. SHREVE, Norris e BRINK. Joseph. Industrias de processos químicos. 4º ed. Editora Guanabara Koogan S.A. FORSILND, Ann. Pinturas – jogos e experiências. São Paulo: Callis, 1997. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda.Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª edição. Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 1999. Dicionário Oxford de Arte. Editora Martins Fontes. São Paulo, 1996. Enciclopédia e Dicionário Ilustrado Koogan /Houaiss. Edições Delta. Rio de Janeiro – RJ. 1997 Curso Prático de Pintura. 5 volumes. Editora Nova Cultura Ltda. São Paulo – SP. Curso Prático de Desenho e Pintura. 12 volumes. SP: Editora Globo, 1999. DUFRENNE, Mikel. Estética e filosofia. São Paulo: Perspectiva, 1976. FOUCAULT, Michel, As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000. ECO, Humberto. A definição da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1981. • • • • • • • • • • PAREYSON, L. Os problemas de estética. São Paulo: Martins Fontes, 1984. ARGAN, G. C. Arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2000. CHIPP, Heischel B. Teorias da Arte Moderna. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo: Marinsin Fontes, 1988. CURSO PRÁTICO LAROUSSE. Desenhe e pinte. Vol. 3 e 4. Edições Altaya, s.d. ARNHEIN, Rudolf. Intuição e intelecto na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1991. CUMMING, Robert. Para entender a arte. São Paulo: Ática, 1992. MALINS, Frederick. Mirar un cuadro. Hermann Blume Ediciones. Madrid, 1986. MOTA, Edson. Iniciação à pintura. Editora Nova Fronteira, 1975. SHREVE, Norris; BRINK, Joseph. Indústrias de processos químicos. 4. ed. Guanabara Koogan S/A. BARBOSA, Ana Mae (org.). História da arte-educação. A experiência de Brasília. I Simpósio Internacional da História da Arte-Educação. São Paulo: ECA-USP – Max Limonad, 1986. • • • • • • __________________. Arte-Educação no Brasil: das origens ao modernismo. São Paulo: Perspectiva, 1978. __________________. A imagem do ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 1981. FUSARI, Maria Felismina de Resende; FERRAZ, Maria Heloísa. A arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992. CUMMING, Robert. Para entender a arte. São Paulo: Ática, 1992. READ, Herbert. O sentido da arte. São Paulo: IBRASA, 1968. ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. 6ªed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1997. • HALLAWELL, Philip. À Mão Livre - a linguagem do desenho. São Paulo: Círculo do Livro, 1995. • • KANDINSKY, Wassily. Curso da Bauhaus. São Paulo: Martins Fontes, 1997. __________________. Do Espiritual na Arte. 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. • __________________. Ponto e Linha sobre Plano. São Paulo: Martins Fontes, 1997. • • • • • • • • • • • • • • • • • • PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente. 7ed. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial LTDA, 1999. SOUZA, Alcídio. Artes Plásticas na Escola. 4ed. São Paulo: Ed. Bloch, 1985. WOORDFORD, Susan. Arte de ver a arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. ARGAN, G. M. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995. GOMBRICH, E. H. Norma e forma. São Paulo: Martins Fontes, 1990. KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. MULIN, Salete. A arte contemporânea: confronto ao final do século, após... pós. São José dos Campos: Bienal de Gravura, 1994. TÁVORA, Maria Luiza Luz. O lirismo na abstração de Fayga Ostrower. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1990. CORREA, Carlos Humberto P. Quatro artistas da cerâmica. Florianópolis: UFSC, 1978. (Arte e Artesanato – V. 1). KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. LOURENÇO, Maria Cecília Franca (org.). Obras escultóricas em espaços externos da USP. São Paulo: Edusp, 1997. WOLLHEIM, R. A arte e seus objetos. São Paulo: Martins Fontes, s.d. LEMOS, Celina. Batik, a técnica para tingir. Tecidos com formas e figuras. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1979. OSTROWER, Fayga. Universos da arte. Rio de Janeiro: Campus, 1983. URSIN, Annelies. Pintura em tecidos. Editora Tecnoprint S/A, 1984. SEE - MG. Programa para o Ensino Fundamental (5a a 8a série) Educação Artística. Belo Horizonte, 1995. _________. Programa para o Ensino Médio – Artes. Belo Horizonte, 1995. BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002. • • __________________. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998. FERRAZ, Maria Heloísa C. de T; FUSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do Ensino de Arte. 2ed. São Paulo: Cortez, 1999. • FERREIRA, Sueli (org.). O ensino das artes: construindo caminhos. 2ed. Campinas, SP: Papirus, 2003. • HERNANDEZ, Fernando. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. • Ministério da Educação e Cultura – MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais / Artes – Ensino Médio. Brasília, 1998. • PERRENOUD, Philippe. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • ___________________. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. • PICONEZ, Stela C. Bertholo. (coord.) A Prática de ensino e o estágio supervisionado. 2ed. Campinas: Papirus, 1994. • IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: Sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003. • • Ministério da Educação e Cultura – MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais / Artes – Ensino Fundamental. Brasília, 1998. PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 3ed. São Paulo: Cortez, 1997. • BARBOSA, Ana Mae. (org.) Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002. • MARQUES, Mário Osório. A formação do profissional da educação. 3ed. RS: UNIJUI, 2000. • • OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. 7ed. Rio de Janeiro, 1991. _________________. Acasos e criação artística. 2ed. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1995. • PEDROSA, Mário. Forma e percepção estética - textos escolhidos II. São Paulo: EDUSP, 1996. • • FISCHER, Ernest. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987. Ministério da Educação e Cultura – MEC. Referencial Curricular para a Educação Infantil. Brasília, 1998. • MORAIS, Regis (org.). Sala de aula: que espaço é esse? 7ed. Campinas, SP: Papirus, 1994. • PERRENOUD, Philippe. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • • PICONEZ, Stela C. Bertholo. (coord.) A Prática de ensino e o estágio supervisionado. 2ed. Campinas: Papirus, 1994. BIANCHI, A.C.M;ALVARENGA; BIANCHI R. Orientação para Estágio em Licenciatura. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. • HERNANDÉZ, Fernando. Transgressão e Mudança na Educação os projetos de trabalho; trad. Jussara Haubert Rodrigues - Porto Alegre: ArtMed, 1998. • FERRAZ, Maria Heloísa C. de T; FUSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do Ensino de Arte. 2ed. São Paulo: Cortez, 1999. • FERREIRA, Sueli (org.). O ensino das artes: construindo caminhos. 2ed. Campinas, SP: Papirus, 2003. • • LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nº 9394/96. MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, Maria Terezinha Telles. Didática do ensino da arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998. • MENEGOLLA, M.; SANTANNA, I.M. Porque planejar? Como Planejar? (currículo – área – aula). Petrópolis: Vozes, 1992. • PERRENOUD, Philippe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. • ____________________. A Prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002. • • VASCONCELOS, C. S. Planejamento (plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo). São Paulo: Libertad, 1995. ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. Ciências Biológicas – Licenciatura • • • • • • • • • • • • DE ROBERTS, E.D.P. e DE ROBERTS, Jr. E.M.F. Bases da Biologia Celular e Molecular. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003 339 p. ALBERTS, B; et all. Fundamentos da Biologia Celular Porto Alegre: ArtMed Editora 2001. p.780 JUNQUEIRA, L.C.U.; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. 7ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 339 p. ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. p. 1549 Cellular and Molecular Immunology - Abul K. ABBAS, Andrews H. Lichtman, Jordan S. Rober. ÁVILA, Geraldo Severo de Souza. Cálculo 1 - Funções de uma variável . 6ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1994. BATSCHELET, E. Matemática para Biocientistas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997. GUIDORIZZI, Luiz Hamilton. Um Curso de Cálculo. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1987. AGUIAR, Alberto Flávio Alves et all. Cálculo para Ciências Médicas e Biológicas. São Paulo: Harbra, 1998. ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1997. MARCONI M. A. & LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003,311P. FILHO, D. P. & Santos, J. A. Metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Futura, 2003.277p. • • BOOTH, W. C.; COLOMB, G. G.; WILLIANS J. M. A arte da pesquisa São Paulo: Martins fontes, 2000. 351p. PORTELA, P. O. Apresentação de Trabalhos Acadêmicos de acordo com as normas de documentação da ABNT: Informações Básicas. Uberaba. UNIUBE, 2005 57P. • • • • • • • • • • • • • • • • SANTOS, G. C. & PASSOS, R. Citação bibliográfica: padrão ABNT.Campinas: UNICAMP, 2005. PRIMACK, RB & Rodrigues, E. 2001 Biologia da Conservação, Londrina 328p. Wilson, E.O. 1997. Biodiversidade Nova Fronteira COSTA, S.M.R. e colaboradores 1998. Biodiversidade em Minas Gerais: Um Atlas para sua conservação. Fundação Biodiversitas. Belo Horizonte. MENEZES , L. C (org). Professores: formação e profissão. Campinas: Autores Associado; São Paulo: Nupes, 1996 GODOTTI, Moacir , Boniteza de um sonho. São Paulo , Grubhas,2003 FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa . São Paulo: Paz eterna, 1996. CARVALHO, A. M. P.; Gil –PEREZ, D. Formação de Professores de Ciências: tendências e inovações. São Paulo : Cortez , 1993. RUSSEL, J.B Química Geral, Mc Graw Hill, 2º ed, 1994. LEE;.J. D. Química Inorgânica. São Paulo: E. Blucher, 1980. ATKINS. P.; JONES, L. Principios de Quimica: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, 2001. SKOOG.D. A; WEST, D. M. Fundamentos de Quimica analitica. 2. ed. Barcelona: Reverte, 1983. 981 p. W.L. Masterton & E.M. Slowinsky. Química Geral Superior. Editora Interamericana . 1997. JUNQUEIRA, L. C. e CARNEIRO, J. Histologia Básica. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. BURKITT, H. G.; YOUNG, B.; HEATH, J. W. Histologia Funcional 3a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1994. 409p. JUNQUEIRA, L.C.U.; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. 6ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 432 p. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. 1549p. HAM, A. W. e CARMACK, D. M. Histologia 8a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A.,1993, 907p. ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência: Introdução ao Jogo e a suas regras . 5a ed. São Paulo: Loyola, 2002. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda e MARTINS, Maria Helenena Pires. Filosofando: Introdução à Filosofia. 2a ed. São Paulo: Moderna, 2000. CARRAHER,David William. Senso Crítico: do dia-a–dia às Ciências Humanas. São Paulo, Pioneira, 1993. CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982. CHASSOT, Áttico. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 2002. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1996. ___________. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas . 3. ed. São Paulo: Moderna, 1984. DEMO, Pedro. Ciência, Ideologia e Poder.São Paulo, Atlas, 1989. COLLI, Giorgio. O Nascimento da Filosofia. Trad. Frederico Carotti. 2a Campinas: Editora da UNICAMP, 1992. JOLIVET, Régis. Curso de Filosofia. Trad. Eduardo Prado de Mendonça. 18o ed. Rio de Janeiro: Agir, 1990. KUNH,T. A Estrutura das Revoluções Cientificas. São Paulo: Perspectiva, 1975. POPPER, K. A lógica da Investigação Cientifica. São Paulo: Abril Cultural,1980. RAVEN, P. H.; EVERT, R. F. & EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2000. 906 p. ROUND, F. E. Biologia das Algas. Editora Guanabara Dois, Rio de Janeiro, 1973. 263p. SMITH, G. M. Botânica Criptogâmica - Vol. 1 e 2: Algas e fungos . Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1987. BOLD, C.B. The Plant Kingdom. New Jersey: Prentice Hall, 1977. 310 p. BICUDO, C. E. M & BICUDO, R. T. Algas de águas continentais brasileiras. Fundação Brasileira para o desenvolvimento do ensino de Ciências, São Paulo, 1970. 228p. ed. • BRANCO, S. M. Hidrobiologia Aplicada à Engenharia Sanitária. CETESB, São Paulo, 1986. 616p. • • • • • • • • • • • • • • • • • DI BERNARDO, L. Algas e suas influências na qualidade das águas e nas tecnologias de tratamento. ABES, 1995. 127p. FERRI, M. G.; MENEZES, N. L. & MONTEIRO-SCANAVACCA, W. R. Glossário Ilustrado de Botânica. EDUSP, São Paulo, 1978. 199p BUSSAB; W. Oliveira; MORETIN, Pedro A. Estatística básica. 5 ed. Saraiva, 2004. TRIOLA, Mario F. Estatística Básica. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos Editora, 1978. MEYER, P. I. Probabilidade e aplicações à estatística. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1984. SOLOMONS, G. FRYHLE, C. Química Orgânica. 7ed. Rio de Janeiro: LTC. 2002. 2v BARBOSA, L. C B– Introdução a Química Orgânica.4ed UFV, Viçosa,2004 ALLINGER. L. Norman . Química Orgânica. 2ed Rio de Janeiro: Guanabara. OKUNO, Emico; CALDAS, IBERÊ LUIZ; CHOW,Cecil, Física para Ciências Biológicas e Biomédicas, São Paulo, Editora Atheneu, 2000. CAMBRAIA, J.; RIBEIRO, M.; OLIVEIRA, J. A.; PACHECO, S. Introdução à Biofísica. 1ªed. Viçosa: Editora UFV. 1998. HENEINE, Ibrahun Felippe, São Paulo, Editora Atheneu, 2000. Livros da coleção polêmica da editora Moderna. BRANCO, Samuel Murgel, Água – Origem, Uso e Preservação, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 10a. impressão, Editora Moderna, 1999. BRANCO, Samuel Murgel, O Meio Ambiente em Debate, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 30a. impressão, Editora Moderna, 1999. BRANCO, Samuel Murgel, Energia e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Coleção Polêmica, 12a. ed., Editora Moderna, 1995. BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. Livros Técnicos e científicos, Rio de Janeiro: 1978. 255p. v 1 BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. UFV. Viçosa, 1991. 377p.v 2 BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. UFV, Viçosa, 1991. 326p.v 3 • WALTER S. JUDD; CHRISTOPHER S. CAMPBELL; ELIZABETH A. KELLOGG; PETER F. STEVENS; MICHAEL J. DONOGHUE; Plant Systematics: A Phylogenetic Approach 2º ed Sinaver Associates, Inc. Publishers, 2002. • • • • • • • • • • • • FERRI, M. G. MENEZES, N. L. E MONTEIRO - SCANA VACCA, W. R. Glossário Ilustrado de Brandão. Botânica . EDUSP, SÃO PAULO, 1978. 199p. JOLY AYLTOHON BRANDÃO. Botânica - Introdução a Taxonomia Vegetal. 4 ed. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1997. 777p. SCHULTZ, Alarich - Introdução à Botânica Sistemática. 6 ed. Sagra da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1990 .414p. VIDAL, W. N. e VIDAL, M. R. R. Botânica - Organofrafia . 3 ed. UFV. Viçosa, 1984. 114p. DAMIÃO FILHO, C. F. Morfologia Vegetal, Livraria Triângulo Editora Ltda, Jaboticabal, 1993. 243p. FERRI, M.G.; Botânica - Morfologia externa das plantas - Organografia. Nobel, São Paulo, 1981. 149p. FLORA BRASILEIRA - Primeira Enciclopédia de Plantas do Brasil . Três Livros e fascículos. São Paulo 1984 - 3 Volumes 460p. MARANCA, Guido - Plantas Aromáticas na Alimentação - Nobel, 1986 121p. RAVEN, P. H. ,EVERT, R. F. e EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1996. 727p. SALLE, Jean - Luc. O Totum em Fitoterapia - Abordagem de Fitobioterapia - Robe Editorial - 1996. 239p. SANTOS, Eurico, Nossas Madeiras. Itatiaia Ltda, 1987 309p. TESKE, MAGRID e TRENTINI, Amny Margaly M. Herbarium - Compêndio de Fitoterapia – 3 ed. Editado e publicado por Herbarium Laboratório Botânico - 1995 - 317p. • • • • RICKLEFS, R.E. 2003. A economia da natureza. 5a ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. PINTO-COELHO, Ricardo M. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 252p. BEGON, M., Townsend, C.R., Harper, J.L. 1996. Ecology: individuals, populations and communities. 3a ed. Blackwell Science Inc. OLIVEIRA, F. Bioética: uma face da cidadania. São Paulo: Moderna, 1997. 144p. • • • • PESSINI, L. & BARCHIFONTAINE, C. P. Fundamentos da bioética. São Paulo: Paulus, 1996. 241p. SGRECCIA, E. Manual de bioética II. Aspectos médicos-sociais. São Paulo: Loyola, 1997. 455p. MEC – SEMTEC . Parâmetros Currículares Nacional de ensino médio (PCN+EM): ciências da natureza, linguagem e tecnologia. MORIN, Edgar. Educação e Complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Ed. Ver. São Paulo: cortez, 2004SADLER, T.W. Embriologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. • • • • • • • LENNINGER, A. L. Bioquímica, 2 ed. São Paulo. Edgard Blücher, 1976. MARZZOCO, A; TORRES, B.B. Bioquímica Básica. 1 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 1990. 230p. CHAMPE, P. C. Bioquímica Ilustrada, 2 ed. Porto Alegre. Artemed,1996. VOET, D.; VOET, J. G. e PRATT, C.W. Fundamentos de Bioquímica. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2002. 1040p. STRYER, L. Bioquímica. 5a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2004. 1104p GRIFFITHS, A.J.F., MILLER, J.H., LEWONTIN, R.C., GELBART, W.M. Genética moderna. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2001. GRIFFITTS, A.J.F., MILLER, J.H., SUZUKI, D.T., LEWONTIN, R.C., GELBART, W.M.Introdução à genética. Tradução de Paulo Armando Motta. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1998. 856 p. Tradução de: An introduction to genetic analysis. • • PASSARGE, E. Genética: texto e atlas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. BURNS, G.W., BOTTINO, P.J. Genética. Tradução de João Paulo de Campos e Paulo Armando Motta. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1991.381 p.Tradução de: The science of genetics. • GARDNER, E.J., SNUSTAD,D.P. Genética. Tradução de J. Fernando P. Arena et al. 7.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1987. 497 p. Tradução de: Principles of genetics. • RAMALHO, M.A. P., SANTOS, J.B. dos, PINTO, C.A. B. P. Genética na agropecuária. 2.ed. Lavras: Editora Ufla, 2000. • • • • • CARLSON, B.M. Embriologia Humana e Biologia do Desenvolvimento. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1994. MOORE, K. L. & PERSAUD, T.V.N. Embriologia Básica. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994. MOORE, K. L. & PERSAUD, T.V.N. Embriologia Clínica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. SADLER, T.W. Embriologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. MENESES, João Gualberto de Carvalho, BATISTA Sylvia Helena S.S, (org). Revisitando a Prática Docente: Interdisciplinaridade, Políticas Públicas e Formação - Autores associados Editora Afiliada São Paulo, 2003 Guia Prático • • • • • • • • • • • • • • FOVREZ, Gérord. A construção das ciências. São Paulo: Ed. da USP, 1995 VIEIRA, Elaine (org). Prática interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortes Editora, 1994. MAMEDE, Silva (org). Aprendizagem baseada em problemas. Fortaleza: Hucitec,2001. ZAHA, A. Biologia Molecular Básica. 3ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2003. 421p. VOET, D.; VOET, J. G. e PRATT, C.W. Fundamentos de Bioquímica. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2002. 1040p. STRYER, L. Bioquímica. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2004. 1104p. ALBERTS, B.; et all. Biologia Molecular da Célula. 4ed. Porto Alegre: ArtMed Editora, 1999. 1549p. De ROBERTS, E.M.F. e HIB, J. De Robertis Biologia Celular e Molecular. 14ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2003. 432p. MATIOLI, S. Biologia Molecular e Evolução. Ribeirão Preto: Holos Editora, 2001. HICKMAN et al., Principios Integrados de Zoologia, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004 RUPPERT, E. E. & BARNES, R. D. Zoologia dos Invertebrados. 6. ed. São Paulo, Roca., 1994. BRUSCA, R. C. & BRUSCA, G. J. Invertebrates. Massachusetts, Sinauer, 2003. APEZZATO-DA-GLÓRIA, B.; CARMELO-GUERREIRO, S.M. Anatomia vegetal. Editora UFV, Viçosa, 2003. 438 p. ESAU, K. Anatomia das Plantas com sementes. Editora Edgard Blucher LTDA, São Paulo, 1986. 293p. Tradução: Morretes, B. L. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • RAVEN, P. H.; EVERT, R. F. & EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2001. 906 p. BOLD, C.B. The Plant Kingdom. New Jersey: Prentice Hall, 1977. 310 p. CUTTER, E.G. Anatomia Vegetal - Parte I: Células e tecidos. Tradução: Catena, G.V.M.C. Roca, São Paulo, 1986. 304p. CUTTER, E.G. Anatomia Vegetal - Parte II: Órgãos Experimentos e Interpretação. Tradução: Catena, G.V.M.C. Roca, São Paulo, 1987. 336p. DAMIÃO FILHO, C. F. Morfologia vegetal. Livraria Triângulo Editora Ltda., Jaboticabal, 1993. 243p ESAU, K. Anatomy of seed plants. 2. ed. New York: Jomnh Wisley & Sons, 1977. 550 p. FAHN, A. Anatomia Vegetal. 3ª edição, Ed. Pirámide, Madrid, 1985. 598p. FAHN, A. Plant Anatomy. Oxford: Pergamon Press, 1977. 611 p. FERRI, M. G. Botânica - Morfologia interna das plantas - Anatomia. Editora Melhoramentos, São Paulo, 1981. 113p. MAUSETH, J.D. Plant Anatomy. Menlo Park, Califórnia: Benjamin/Cummings Publishing Company, 1988. 560 p. RICKLEFS, R.E. 2003. A economia da natureza. 5a ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. BRAGA et al. 2002. Introdução à Engenharia Ambiental. Prentice Hall, São Paulo. 305 pp. PRIMACK, R.B. & E. Rodrigues. 2001. Biologia da Conservação, .Londrina 328 pp. BEGON, M., Townsend, C.R., Harper, J.L. 1996. Ecology: individuals, populations and communities. 3a ed. Blackwell Science Inc. PINTO-COELHO, Ricardo M. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 252p. OLIVEIRA, D.L. Ciências na sala de aula. Porto Alegre: Mediação, 1997 BIZZO, Nilo . Ciências: fácil ou difícil? São Paulo, Ática , 1993. TORTORA, G.J., FUNKE, B.R., & CASE, C.L. Microbiologia. 6ª ed. Menlo Park, Benjamin / Commings Publishing, 2002. BLACK, Jacquelyn G. Microbiologia – Fundamentos e Perspectivas. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, 2002. • • • • • • • • PELCZAR JR., M.J., CHAN, E.C.S. & KRIEG, N.R. Microbiologia – Conceitos e Aplicações. Vol. 1. São Paulo, Makron Books, 1996. MADIGAN, M.T., MARTINKO, J.M. & PARKER, J. Biology of microorganisms. 9th ed. New Jersey. Prentice Hall, 2000. SILVEIRA, V.D. Micologia. Rio de Janeiro, Âmbito Cultural Edições, 1995. NEVES, D. P. Parasitologia humana. Rio de Janeiro: Atheneu, 2000. REY, Luís. Parasitologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1973. KERBAUY, G. B., 2004. Fisiologia Vegetal. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2004. RAVEN, P. H. EVERT, R. F. & EICHHORM, S. E. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. TAIZ, L.; ZEIGER, E. Plant Physiology. Sinauer Associates, Inc., Publishers. 1998. FERRI, M. G. Fisiologia Vegetal. São Paulo: EPU. v. 1 e 2. LARCHER. Ecofisiologia Vegetal. São Paulo: EPU, 2000. CUNHA, L. A. Educação, estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez, 1991. CURV, Jamil; A Legislação Educacional Brasileira. DP& A Editora. RJ. 2000. DEMO, Pedro. Política social, educação e cidadania. Campinas: Papirus, 1995. FREITAG, Bárbara G. Escola, estado e sociedade. São Paulo: Moraes, 1997. SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1988. SEVERINO, A. J. A escola e a construção da cidadania. In: Coletânea CBE, Estado e Educação. São Paulo: Papirus, 1992. WEREBE, M. I. G. Grandezas e misérias do ensino no Brasil (30 anos depois) . São Paulo: Ática, 1994. ______________. Filosofando: introdução à Filosofia. 2.ed. Rev. aum. São Paulo: Moderna, 1993. (Unidade III - 1a e 2a partes). ______________. Filosofando: introdução à Filosofia . 2.ed. Rev. atual. São Paulo: Moderna, 1995. (Unidade III - Cap. 15, p.154-164: O Método Científico). HICKMAN; ROBERTS; LARSSON. Princípios integrados de zoologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan POUGH, F.H.,; HEISER, J.B.; McFARLAND, W.N. A vida dos vertebrados. São Paulo: Atheneu. 1993. • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • BOCK, A.M.B. 1995. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia . 7.ed. São Paulo: Saraiva. 319p. CAMPOS, D.M.S. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis: Vozes. CARVALHO, V.B.C.L. 1996. Desenvolvimento humano e psicologia: generalidades, conceitos, teorias. Belo Horizonte: UFMG. KUPFER, M.C.1992. Freud e a educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione. LA ROSA, J. (org.). Psicologia da educação: o significado do aprender. Porto Alegre EDIPUCRS. LIMA, L.O. 1980. Piaget para principiantes. São Paulo: Summus. VIGOTSKY, L.S. 1979. Pensamento e linguagem. Trad. RESENDE, M. Lisboa: Antidoto. VIGOTSKY, L.S. 1988. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. ALVES, Rubem. Alegria de ensinar. São Paulo: Ars Poética, 1994. CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, 1994. CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1995. COMÊNIO, J. A. Didática magna. Lisboa: Fundação Caouste Gulbenkian, 1957. CUNHA, Maria Izabel. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. FERREIRA, F. W. Planejamento sim e não: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997 HICKMAN; ROBERTS; LARSSON. Princípios integrados de zoologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan POUGH, F.H.,; HEISER, J.B.; McFARLAND, W.N. A vida dos vertebrados. São Paulo: Atheneu. 1993. FUTUYMA, D. J. 1992. Biologia Evolutiva. Trad. Mário de Vivo e coord. Fábio de Melo Sene. 2.ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética / CNPq. 646p. GRIFFITHS, A. J. F., et all. 1998. Introdução à genética. Trad. Paulo Armando Motta. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 856p. Proposta curriculares para o ensino de Ciências MEC- 2005 . Secretaria de Estado Educação de Minas Gerais. Propostas Curriculares de Ciências para Educação Básica – 2005 • • • • • • • • • • • • • • • BRANCO, S.M. & BRANCO, F.C.A. 1992. Deriva dos Continentes. São Paulo: Moderna. EICHER, O. L. 1996. Tempo Geológico. São Paulo: Bliicher Edusp. GUERRA, A. T. 1985. Dicionário Geológico – Geomorfológia . Rio de Janeiro: IBGE. LEINZ, V.; AMARAL, S.E. do. 1971. Geologia Geral. São Paulo: Moderna. MENDES, J. C. 1977. Paleontologia Geral. São Paulo: Edusp. BIGARELLA, João José. 1994. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis: Ed. da UFSC. CASSETI, Valter. 1994. Elementos de Geomorfologia. Goiânia. Ed. da UFC. CHRISTOFOLETTI, Antônio. 1980. Geomorfologia. 2ªed. São Paulo. Edgard Blucher. ABBAS, .A K.; LICHTMAN, A. M. and POBER, J. S. , Cellular and Molecular Imumunology, 3 ed., Revinter, 1997. 494p. JANEWAY, C. A. and, TRAVERS, P., Immunobiology . The normune system in health and disease, 3 ed., 1997. Proposta curriculares para o ensino de ciências MEC- 2005 Secretaria de Estado Educação de Minas Gerais. Propostas Curriculares de Biologia para Educação Básica – 2005 BRANCO, S. M. Hidrobiologia aplicada à engenharia sanitária. CETESB, São Paulo, 1986. 616p. BICUDO, C.E.M. & BICUDO, D. (eds). Amostragem em Limnologia. Rima editora, São Carlos(SP). 2003 BICUDO, C. E. M & BICUDO, R. T. Algas de águas continentais brasileiras. Fundação Brasileira para o desenvolvimento do ensino de Ciências, São Paulo, 1970. 228p. • • ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia.. 2ed. Rio de Janeiro: Interciência. 1998. 602 p. BUSS, D. F.; BAPTISTA, D. F.; NESSIMIAN, J.L. Bases conceituais para a aplicação de biomonitoramento em programas de avaliação da qualidade da água de rios. Cad. Saúde Pública : Rio de Janeiro, 19, p.109-118, 2003. • • • • • • • • • • BRANCO, S. M; ROCHA, A. A Poluição, Proteção e usos múltiplos de represas. 1ª ed São Paulo, Ed. Blucher, CETESB, 1977. BRIGANTE, J.; ESPÍNDOLA, E.L.G.(orgs) Limnologia fluvial: um estudo de caso no rio Mogi-Guaçu. 1ªed. São Carlos: Ed. Rima, 2003. DI BERNARDO, L. Algas e suas influências na qualidade das águas e nas tecnologias de tratamento. ABES, 1995. 127p. EDMONDSON, W.T. Freshwater biology. New York: John Wiley & Sons, 1959. 1248p. ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1983. 434 p. PINTO-COELHO, R.M. Fundamentos em ecologia. Soc. Ed. Artes Médicas. ARTMED, Porto Alegre(RS). 2000. 252p. REBOUÇAS, A.C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J.G. (orgs). Águas doces no Brasil. Capital ecológico, uso e conservação. São Paulo, Escrituras Editora, 1999. 338p. RICKLEFS, R.E. Economia da Natureza. 5ª ed..Rio de Janeiro. Ed. Guanabara Koogan S.A., 2001. VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Vol. 1. 2ªed. Belo Horizonte: Ed. FCO, DESA/UFMG, 1996. SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMANN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. (Org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 4.ed. Porto Alegre: UFRGS, Florianópolis: UFSC, 2002. 821 p • • • • • • • MATOS, F.J. Introdução à Fitoquímica Experimental. UFC Edições, Fortaleza. 1997. JOHANSEN. D. A. Plant microtechnique. New York. MacGraw-Hill \Book Co. Inc., 523 p. 1940. KRAUSS, J. E.; ARDUIN, M. Manual básico em morfologia vegetal. Seropédica, R.J: Edur, 1997. 198 p. BEÇAK, W; PAULET. J. Técnicas de citologia e histologia. Vol. 1. Rio de Janeiro. Livros técnicos e científicos editora S/A. 305 p. 1976. BUCHJER. W. Introdução às técnicas microscópicas. Polígono Ltda. 4ª ed. 1972. SASS, J. E. Botamical microthecnique. 2ª ed. Ames, The Yowa State College Press, 391 p. 1951. ZUNDIR, J.B., MIYAZAKI, R.D. 2002. Entomologia didática. 4a ed. Editora da UFPR, Curitiba. 374 pp. • • • • • • • • • • • • • • • • • GULLAN, P.J., CRANSTON, P.S. 2000. The insects: an outline of Entomology. 2a ed. Blackwell Science. 470 pp. BORROR, D.J., TRIPLEHORN, C.A., JOHNSON, N.F. 1989. An introduction to the study of insects. 6a ed. Saunders College Publishing. 875 pp. LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Paulo: Universitária. 1984. 319p. RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural Edições Ltda, 1997. 747p. BENINCASA, M.M.P. Análise de crescimento de planta. Noções básicas. Jaboticabal, FCAV/UNESP, 1988. 41p. SICK H. 1997. Ornitologia Brasileira (segunda edição). Volume I e II. WELTY, J.C. 1982. The Life of Birdis 3º ed. Savnvers College Publishing, Philadelphia PEREIRA E GOMES. Biologia marinha. Rio de Janeiro: Interciência, 2002. HICKMAN JR., Cleveland P.; ROBERTS, Larry S. P rincípios integrados de zoologia. 11.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. 846p. ALLARD, R. W. Princípios do melhoramento genético das plantas. São Paulo: Edgard Blucher, 1971. 381p. BORÉM, A. Melhoramento de plantas. 2.ed. Viçosa: Editora UFV, 1998. KREUZER, H. & MASSEY, A. Engenharia genética e biotecnologia. 2a Ed. Artmed, 2002. BROWN, T. A. Clonagem gênica e análise de DNA – Uma introdução. 4a Ed. Artmed, 2003. ZAHA, A . Biologia molecular básica. Porto Alegre: Mercado aberto, 1996. 336p LEWIN, B. Genes VII. Artmed, 2001. 955p BORÉM, A. & SANTOS, F. R. Biotecnologia Simplificada. Viçosa:UFV. 2001. 241p. FARAH, S.B.. DNA: Segredos e Mistérios. Editora Sarvier. 1997. 276p. GRIFFITHS, A. J. F. , MILLER, J. H., SUZUKI, D.T., LEWONTIN, R. C., GELBART, W.M. Introdução à genética. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A, 1998. 856p. Editora Pedagógica e • FERREIRA. M.E., GRATAPAGLIA. D. Introdução ao uso de marcadores moleculares em análises genéticas. 2 ed., Brasília: Embrapa – Cenargen, 1996. 220p. • MILACH. S. Principais tipos de marcadores moleculares e suas características. In: Milach. S. (ed). Marcadores moleculares em plantas. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS. 1998. p.17-28. • • • • • BRANCO, S. M. & BRANCO, F. C. A. 1992. Deriva dos Continentes. São Paulo: Moderna. EICHER, O. L. 1996. Tempo Geológico. São Paulo: Bliicher Edusp. GUERRA, A. T. 1985. Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. do. 1971. Geologia Geral. São Paulo: Moderna. MENDES, J. C. 1977. Paleontologia Geral. São Paulo: Edusp. Ciências Sociais – Licenciatura Educação Física – Licenciatura BRACHT, Valter. Sociologia Crítica do esporte: uma introdução. Vitória: UFES, 1997. GUEDES, D. P. & GUEDES, J. E. L. P. Exercício Físico na Promoção da Saúde. Londrina: Midiograf,1998. LISTELLO, Auguste. Educação pelas atividades físicas, esportivas e de lazer. São Paulo: E.P.U, 1979. LOVISOLO, Hugo. Educação Física: a arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint, 1995. SOARES, Carmem. Educação Física – Raízes européias e Brasil. São Paulo: Autores associados, 1994. BRUHNS, H.T. (org) Introdução aos estudos do lazer. Campinas: Unicamp, 1997. CAMARGO, L.O.L. O que é lazer. São Paulo, Brasiliense, 1999 FRITZEN, S.J. Dinâmicas de recreação e jogos. Petrópolis: Vozes, 1999 SANTINI, R.C.G. Dimensões do lazer e da recreação. São Paulo, Madras, 1999 SILVA, E.N. Recreação e jogos. Rio de Janeiro, Sprint, 1999 HUIZINGA, J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1999 MARCELLINO, N.C. Lazer e humanização. 3a ed. Campinas: Papirus, 2000. ______. Lazer e educação. 6a ed. Campinas: Papirus, 2000. ______. Pedagogia da animação. Campinas: Papirus, 1990. REVISTA Conexões: educação, esporte e lazer. Campinas: FEF/Unicamp. REVISTA Licere. Publicação do Centro de Estudos de Lazer e Recreação/EEF/UFMG. ZACHARIAS, W. & CAVALLARI, V.R. Trabalhando com recreação. São Paulo, Ícone, 1999. BARROS, Enéas. Português para o ciclo universitário básico. SP: Atlas ______. Nova Gramática da Língua Portuguesa. SP: Atlas. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática da Língua Portuguesa. CUNHA, Celso e CINTRA, L. F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. KASPARY, Adalberto. Redação Oficial. FERNANDES, Francisco. Dicionário de verbos e regimes. ______. Dicionário de substantivos e adjetivos. GARCIA, Othon. Comunicação em prosa GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. ______. O português das Comunicações Administrativas KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. ______. . Ortografia, Pontuação e Crase LUFT, Celso Pedro. Grande Manual de Ortografia Globo. PALNTÂO e FIORIN. Para entender o texto SOARES, Magda et Alii. Técnica de Redação. VAL, M. da Costa. Redação e textualidade. VANOYE. Francis. Usos da linguagem. CAMARGO, Maria Lígia Marcondes de. Música/ movimento: um universo em duas dimensões; aspectos técnicos e pedagógicos na Educação Física. Belo Horizonte: Vila Rica, 1994. FALLBUSCH, Hannelore. Dança moderna e contemporânea - Rio de Janeiro: Sprint, 1990. LABAN, Rudolf von. Dança educativa moderna - Ed. Ícone, São Paulo, 1990. ______. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978. NANNI, Dionísia. Dança educação, princípios, métodos e técnicas. Rio de Janeiro: Sprint, 1995 BOURCIER, Paul. História da dança no Ocidente. São Paulo: Martins fontes, 1987. Coletivo de autores. Metodologia do ensino de Educação Física - São Paulo : Cortez, 1993. Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo : Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, v.7, 1993. FERRAZ, M. H. C. T., e FUSARI, M. F. R. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993. GONZAGA, Luiz. Dança de salão OSSONA, Paulina. A educação pela dança. São Paulo: Summus, 1988. STOKOE, Patrícia. Expressão corporal na pré-escola. São Paulo: Summus, 1987. Textos e artigos da área. DANGELO J. G. e FATTINI, C. A. Anatomia Humana Básica. Rio de Janeiro. Atheneu, 2ª 1987 ______. Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicos. Rio de Janeiro, Atheneu, 1983, 493p. ERHART, E. A. Elementos de Anatomia Humana. 5ª Edição São Paulo. Athene, 1976, 374 p. GARDNER, W.D. e OSBURN, W. A. Anatomia do corpo Humano. 2ª Ed. São Paulo Atheneu, 1980, 571 p. JUNQUEIRA, L. C. e CARNEIRO, J. Noções Básicas de Citologia, histologia e Embriologia. São Paulo, Nobel, 1972, 154 p. GARDNER, Gray Rahilly. Estudo Regional do Corpo Humano. 4B E. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan GRAY, H. Anatomia , Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 19977, 1141 p. MACHADO, A.G.M Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro, Atheneu, 1988, 294. ARANHA, Maria Lúcia (et) Martins, Maria H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo, Moderna, 1995. GILSON, Etiene. A Filosofia da Idade Média. São Paulo, M. Fortes, 1995 JAEYER, Werner Paidéia: A Formação do Homem Grego. São Paulo, M. Fortes, 1995. LACOSTE, Jean. Filosofia da Arte, Vozes, 1988 MANDIM, Batista. Introdução à Filosofia. São Paulo, Paulinas, 1980. BRUGGER, Walter: Dicionário de Filosofia, São Paulo, Herder, 1969. HAHN, Harley; STUOT, Rick. Dominando a internet. São Paulo; Makron Books, 1995. LAPPONI, Juan Carlos. Estatística usando Excel 5 e 7. São Paulo: Lapponi Treinamento e Editora, 1997. (lapponi@node1.com.br) Microsoft Ms Windows 98. São Paulo: Makron Books, 1998. Microsoft PowerPoint 2000. São Paulo: Makron Books, 2000. MOREIRA, Sérgio B. Informática, ciência e atividade física. Rio de Janeiro: Shape, 1998. Treinamento rápido em Microsoft Word 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. Treinamento rápido em Microsoft Access 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. Treinamento rápido em Microsoft Excel 2000. São Paulo: Berkeley, 2000. WHITE, Ron. Como funciona o computador. Ed. Quark, 1993. DRUMOND, José Geraldo de Freitas. O cidadão e o seu Compromisso Social. Edições Cuatiara, Belo Horizonte. OLIVEIRA, Fátima. Bioética: uma face da cidadania. 1º Edição. Editora Moderna, São Paulo PESSINI, L. e BARCHIFONTAINE, C. P. Problemas Atuais de Bioética. Edições Loyola, São Paulo 1991. ALTER, Michael J., Ciência da Flexibilidade, 2ª ed. Porto Alegre; Artmed, 1999. COSTA, Marcelo Gomes da. Ginástica Localizada: Grupos Heterogêneos: Sprint, 1998 SANTOS, Miguel Angelo Alves do. Manual de Ginástica de Academia: Sprint, 1994. SILVIA, Elizabeth Nascimento. Recreação na sala de aula de 1ª a 4ª série: Sprint, 1997 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. AIRTON MEGRINE Psicopedagógicas , Vol. 2. Aprendizagem e Desenvolvimento Infantil, Perspectivas BEE, Helen. A Criança em Desenvolvimento 7º edição – Artes médicas, 1996. BRONFENBRENNER, Vrie. A Ecologia do Desenvolvimento Humano: Experimentos naturais e planejados/URIE Artes Médicas, 1996. DARTAGNAN Crescimento e Composição Corporal e Desempenho. MATTOS. O Corpo, Movimento e Socialização. BEZIERS O Bebê e a Coordenação Motora ECKERT, HELEN M. Desenvolvimento Motor. Manole 1993 HERREN, H. A Estimulação Motora Precoce/ H. Herrene. M. – P. Herren; Artes médicas, 1998 SCHMIDT, RICHARD A Aprendizagem e Performance Motora: Dos princípios à prática. Richard A Schmidt;Movimento 1993 TOJAL, J. B. A G. Motricidade Humana: o paradigma emergente .Editora da Unicamp.1994 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL.Regras Oficiais de Handebol e Beach Handeball. Rio de Janeiro: Sprint, 1999-2000. MELO, Rogério Silva. Esportes de Quadra. Rio de Janeiro : Sprint, 1999. SANTOS, Rogério dos. Handebol 1000 exercícios. 2.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. ZAMBERLAN, Elói. Handebol escolar e de iniciação. Londrina: Treinamento Desportivo, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL. Regras Oficiais. São Paulo: Phorte, 2004. COSTA, Lamartini Pereira da, Diagnóstico de Educação Física: Desportos no Brasil, Petrópolis, Rio de Janeiro, Ed. Vozes, 1991. OLIVEIRA, Vitor Marinho, O que é Educação Física, 2ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1983. VARGEM, Ângelo Lins, Educação Física e o corpo: a busca da identidade, Rio de Janeiro, Sprint,1990. VOTRE, Sebastião, A representação da mulher na educação física e no esporte, (et al) organizador, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1996. BRASILONE NETTO, JOSË. Natação: a didática moderna da aprendizagem, Rio de Janeiro: grupo palestra sport, C1995 CATTEAU, R E GAROFF, G. Ensino da Natação - 3ª Edição, São Paulo, Manoele, 1990. KLEMM, F. Ensino de Natação ao Principiante - 1ª Edição Rio de Janeiro Tecnoprint, 1982. PALMER, M. L. Ciência do ensino da natação, 1ª ed. SP Manoele, 1990. BREMS, M. O nadador em forma - 1 Edição S.P. Manoele, 1986 BURKHARDT, R e ESCOBAR, M. O. Natação para portadores de deficiências 1ª Ed. R.J. Palestra Edições, 1984 LIMA, WILLIAM DE. Ensinando natação, São Paulo, Phorte, 1999. SKINNER, A. T. E THOMSON, A. M. Duffield: Exercícios na água - 3ª Edição, São Paulo, Manole, 1985 SOUZA, WAGNER ALVES. Treinos especiais crawl e costas. Rio de Janeiro; Sprint, 1998 LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo : Cortez, 1991. LUCHESI, Cipriano Carlos. Avaliação e educação escolar: para além do autoritarismo. In. ANDE, Revista da associação nacional de educação. São Paulo, 1986. PILETTI, C. Didática Geral. São Paulo, 1993.VEIGA, Ilma Passos A. Didática, uma retrospectiva histórica. In. VEIGA, I.P.A Repensando a didática. Campinas: Papirus, 1989. P.25-40. ______. Técnicas de Ensino : porque não ? Campinas: Papirus, 1998 BARRIS, Nelson. Arremesso e Lançamento. Araçatuba : LEME empresa LTDA FERNANDES, J. Luís. Atletismo Corridas. São Paulo: USP, 1978. ______. Atletismo Saltos. São Paulo: USP, 1978. ______. Atletismo Arremessos. São Paulo: USP, 1978. SCHOMOLINSKY, Gerhardt. Atletismo. Lisboa: Estampa, 1982. JOANTH, U. HAAG. E. KREMPEL. R. Atletismo/02. Lisboa: Casa do Livro, 1977. LESSA, AMÁRIO - APOSTILA DE ATLETISMO – Montes Claros, MG: s.e., 2000. BRACHT, Walter. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1993. GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Educação Física progressista: a pedagogia crítico social dos conteúdos e a educação Física brasileira. São Paulo: Loyola, 1988. KUNZ, Elenor . Transformações didático-pedagógica do esporte. Ijuí: UNIJUÍ, 1994. KUNZ, Elenor(Org.). Didática da Educação Física 1. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1998. BRASIL. Ministério da Educação e cultura, Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/secretaria de educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1997. FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física. Scipioni, 1989. OLIVEIRA, Vitor marinho de. O que é Educação física? São Paulo: Brasiliense, 1983. TANI, Go (Educação física escolar; fundamentos de uma educação desenvolvimentista. SP: EPU, 1989. Visão didática da educação Física. Grupo de trabalho pedagógico UFPE/UFSM. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1991. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta . Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. FREIRE, J.B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física . Scipioni, 1989. GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem Desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. BERNE, R.M. e MATTHEW, N.L., Fisiologia. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara/Koogan, 1988.GANNONG, W.F., Fisiologia Médica, 2ª ed. São Paulo – SP: Atheneu, 1972 GUYTON, A C. e HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica, 9ª ed, Rio de Janeiro: Guanabara / Koogan, 1997. ______. Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças, 6ª ed, Rio de Janeiro - RJ: Guanabara / Koogan, 1998. ______. Fisiologia Humana. 6ª ed. Rio de Janeiro – RJ: Guanabara/Koogan, 1988. FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. São Paulo : Phorte, 1998. FONSECA, Gerard Maurício. Treinamento para goleiros. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. MELO, Rogério Silva de. Futsal 1000 exercícios. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. MUTTI, Daniel. Futsal – Da iniciação ao alto nível. São Paulo : Phorte, 1993. SANTOS FILHO, J.L.A. A preparação física no futebol de salão. Rio de Janeiro : Sprint, 1998. LAUDIER, José. Preparação Física. São Paulo, 1998. 1.1.1.1.1.1.1 MENEZES, Maurílio Fonseca. Futsal – Aprimoramento técnico e tático. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. SANTOS FILHO, José Laudier Antunes dos . Manual do futsal. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. FERREIRA, Amarílio; Goellner, Silvana; Bracht, Valter (Orgs.) As ciências do esporte no Brasil. São Paulo: Editores Associados, 1995. GRECO, Pablo J.; Benda, Rodolfo N. Iniciação esportiva universal - da aprendizagem motora: ao treinamento técnico. Belo horizonte: Ed. UFMG, 1998. MAGILL, R.A. Aprendizagem motora: Conceitos e aplicações. São Paulo: Edagard Blucher, 1984. SCHMIDT, R. Aprendizagem e Performance motora. São Paulo: Movimento, 1993. TANI, Go et al. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentalista. São Paulo: EPU/USP, 1998 BOJIKIAN, João Crisóstomo Marcondes. Ensinando voleibol. Guarulhos / SP: Phorte, 1999. UGRINOWITSCH., Carlos, BARBANTI, José Valdir. Ensinando voleibol para jovens. São Paulo: Casa Paulistana de voleibol, 1999. CARVALHO, Oto Marávia de. Voleibol 1000 exercícios. 4.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. SUVOROV, Y.P. GRSHIN, O.N. Voleibol iniciação volume I e II. 3.ed. São Paulo: Phorte, 1997. SHALMANOV, Alexander A. Fundamentos Biomecâmicos do voleibol. São Paulo: Phorte, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLLEYBALL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro: Palestra Sport, 1995. MELO, Rogério Silva. Esportes de quadra. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLLEYBALL. Regras Oficiais. Phorte, 2000-2001 FELLIPE JR, J. Pronto Socorro: Fisiopatologia, Diagnostico, Tratamento. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ganabara, 1990. LANE, J. C. Manual de Reanimação Cardiorrespiratório. 2ª ed. São Paulo: Fundo ed. Byk, 1994. 98 p. MISSIANO, F. Guia para Situações de Emergência: a ajuda que você precisa nas horas difíceis. São Paulo: Pensamento, 1997. NOVAES, J. S. Manual de Primeiros Socorros para Educação Física. Rio de Janeiro: SPRINT, 1994. 169 p. STANWAY, A. Manual de Primeiros Socorros. São Paulo: Record, 1994. 158 p. CRUZ VERMELHA BRASILEIRA. Caderno de Primeiros Socorros. Rio de Janeiro: Cruz Vermelha Brasileira, (19..) ENCYCLOPEDIA BRITANNICA. Primeiros Socorros (Filme Cinematográfico). SP: Britannica, 1993. ALMEIDA, Marcos Bezerra de. Basquetebol – iniciação. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETEBOL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. ALMEIDA, Marcos Bezerra de. Basquetebol – 1000 exercícios. São Paulo: Phorte. CONTURSI,E.B. Marketing Esportivo. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 1996. Marketing de Academia. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint.1994. Marketing de Eventos. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 2ª Edição. 1999. Marketing Esportivo e Social. Londrina; PR. Phorte Editora. 1997. NETO, FRANCISCO PAULO DE MELO. Marketing no Esporte. Rio de Janeiro. PAULA, GIL DE. Fitness Business. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Ed. Sprint. 1999. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. BRASIL. Ministério da Educação e cultura, Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/secretaria de educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1997. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas. GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997 FARINATT, P.T.V., MONTEIRO, W.D., Fisiologia e Avaliação Funcional. 3ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Sprint, 1999. FOX, E.L., BOWERS, R. W., FOSS, M.L., Bases Fisiológicas da Educação Física e dos Desportos. 4ª ed. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara/ Koogan, 1991. GHORAYEB, N., BARROS NETO, T.L. O Exercício - Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. 1ª ed. São Paulo – SP: Ed. Atheneu, 1999. McARDLE, W.D., KATCH, F.I., KATCH, V.L. Fisiologia do Exercício -Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Guanabara, 1998. GUEDES, D.P. & GUEDES, J.E.R.P. Controle de Peso Corporal, Composição Corporal, Atividade Física e Nutrição.1ª ed. Londrina - Paraná: Midiograf, 1998. MARINS, J.C.B., GIANNICHI, R.S. Avaliação e Prescrição de Atividade Física: guia prático. Rio de Janeiro - RJ: Shape, 1996. SHARKEY, B.J. Condicionamento Físico e Saúde. 4ª ed. Porto Alegre - RS: Artmed, 1998. WEINECK,J. Anatomia Aplicada ao Esporte. 3ª ed. São Paulo - SP: Manole, 1990. WOLINSKY, I., HICKSON JR. J.F. Nutrição no Exercício e no Esporte. São Paulo - SP: Roca, 1996. BRUYNE, P. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. 5ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. LAKATOS, E.M & MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991. LUDKE, M. & ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986. SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 17a ed. São Paulo: Cortez, 1993. VOTRE, S.J. et al. Pesquisa em educação física. Vitória, ES: UFES, 1993. DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1999. ________. Ciência, ideologia e poder: sátira às ciências sociais. São Paulo, Atlas, 199?. ________. Certeza da incerteza: ambivalência do conhecimento e da vida. São Paulo: Primeira Linha, 199?. MINAYO, M.C.S. et al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa na educação. São Paulo, SP: Atlas, 1987. 175p. CARR, G. Biomecânica dos Esportes – Um Guia Prático. 1ª Ed., São Paulo, 1998 HAMIL,J. e KNUTZEN, K.M., Bases Biomêcanicas do Movimento Humano, Edição. São Paulo: Manole, 1999 RASH, P.J. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. 7ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. SETTINERI,L. Biomecânica – Noções Gerais. Ed. Livraria Atheneu, 1998 WEINECK,J. Anatomia Aplicada ao Esporte. 3ª Ed.. São Paulo: Manole:1990 DANGELO, J.C. E FATTINI, C.A. Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicas. 2ª Ed. Editora Atheneu, 1995 BRUNORO, José Carlos. Futebol 100% profissional. São Paulo, 1997. 1.1.1.1.1.1.2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL. Regras Oficiais. Rio de Janeiro Sprint, 1996-1998. FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol. Londrina/ PR, 1998. FRISSELLI, Ariobaldo. Futebol, teoria e prática. São Paulo : Phorte, 1999. VIANA, Adalberto Rigueira. Manual de testes específicos.Viçosa – MG : Imprensa Universitária, 1995. CAMPOS, Dinah M S. Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis : Vozes. CÓRIA SABINI, M. A. Fundamentos de psicologia Educacional. São Paulo : Ática, 1990. LA ROSA, Jorge. (org) Psicologia da Educação : o significado do aprender. Porto Alegre : EDIPUCRS. PULASKI, Mary Ann Spencer. Compreendendo Piaget. Rio de Janeiro : Zahar, 1983. VIGOSTSKY. L.S. A Formação social da mente. São Paulo : Martins Fontes, 1978. CANFIELD, Jefferson T. Aprendizagem Motora, Santa Maria, 1981 CHAZAUD.J. Introdução a Psicomotricidade. São Paulo, 1978 COSTALLART. D.M. Psicomotricidade. Porto Alegre, 1978 COSTE,J.C.. A Psicomotricidade. Curitiba, 1983 HOLLE, Brita. Desenvolvimento motor na criança normal e retardada. São Paulo, 1976 1.1.1.1.1.1.3 Bibliografia Complementar FREIRE, João Batista. A educação do corpo inteiro. São Paulo: Scipione, 1989 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CORREIA, M.I.T.D. Nutrição, Esporte e Saúde. Belo Horizonte: HEALTH, 1996. 128 p. FRANCO, G. Tabela de Composição Química dos Alimentos. 9ª ed. São Paulo: Atheneu, 1999. GHORAYEB, N. BARROS, T. O Exercício: Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. São Paulo: Atheneu, 1999. GUEDES, D. P. Controle do Peso Corporal: Composição Corporal, Atividade Física e Nutrição. Londrina: MIDIOGRAF, 1998. KAMEL, D. & KAMEL, J. Nutrição e Atividade Física. 2ª ed. Rio de Janeiro: SPRINT, 1998. 120 p. LEHNINGER, A.L. Princípios de Bioquímica. São Paulo: Sarvier. 1990.725 p. MCARDLE, W. & KATCH, F. I. Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. PERNETTA, C. Alimento da Criança. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1998. BARROS, S. R. Estrutura e funcionamento do ensino de I grau, 2ª ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves Editora, 1980, 334p. BREJON, M. Estrutura e funcionamento do ensino de 1º e 2º graus, 7ª ed. São Paulo, Pioneira, 1977, 2960p. ARPIN, L., Guia da defesa pessoal- para homens e mulheres, Rio de Janeiro, Ed. Record, 1971 Trad. Ana Maria Oliveira Guanabara VIEIRA, L. R., O jogo da capoeira-cultura popular no Brasil Rio de Janeiro, Sprint, 1999. Educação Física e a Pessoa Portadora de Deficiência: Contribuição à Produção do Conhecimento. Organizadores; Apôlonio Abadio do Carmo, e Rossana Valéria de Souza e Silva. Uberlândia: Impresso Gráfica, 1997 ROSADAS, Sidney de Carvalho. Educação Física Especial para Deficientes. 3ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1991 SOUZA, Pedro Américo de . O Esporte Paraplegia e Tetraplegia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A. 1994 FOX, Edward L., BOWERS, Richard W. e FOSS, Merle L.. Bases Fisiológicas da Educação Física e do Desporto. Rio de Janeiro, RJ, Editora Guanabara Koogan, 1991. GERALDES, Prof. Amandio Gerlades A. R. Ginástica Localizada: Teoria e Prática. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1993. JUCA, Marcos. Aeróbica e Step, Bases Fisiológicas e Metodologia. Rio de Janeiro, RJ, 1993. NETO, Eduardo Silveira e NOVAES, Jefferson. Ginástica de Academia: Teoria e Prática. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1996. PEREIRA, Maynes M. F. Academia, Estrutura Técnica e Administrativa. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1996. ALTER, Michael J. Ciência da Flexibilidade. 2 ed. Porto Alegre, Artmed. 1999. RASCH, Fhilipe J., e BURKE, Roger K. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1977. SANTOS, Miguel Ângelo Alves dos. Manual de Ginástica de Academia. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1994. SOUCHARD, Ph. E. O Stretching Global Ativo. 2 ed. São Paulo, Manole, 1996. VERRY, Mauro. Sportmarketing (for Fitness): Marketing para sua Academia. Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1997. ARAUJO, Claudio Gil Soares.Org.Fundamentos Biológicos: Medicina CARNAVAL, Paulo Eduardo. Medidas e Avaliação em Ciências do Esporte. Rio de Janeiro: Sprint,3ª ed.,1998. COSTA, Roberto Fernandes. Avaliação da Composição Corporal. Rio de Janeiro, RJ, Shape Editora,CD ROOM, 1999. Desportiva. Rio de Janeiro, RJ,Ao Livro Técnico, 1985. FILHO, Jose Fernandes. A Pratica da Avaliação Física: Testes, Medidas e Avaliação Física em Escolares, Atletas e Academias de Ginásticas. Rio de Janeiro: Shape Editora, 1999. GIANNICHI, Ronaldo S. & Marins, João C. Bouzas. Avaliação & Marins, Jõao C. Bouzas Avaliação e Prescrição de Atividade Física: Guia Pratico. Rio de Janeiro, RJ, Sharpe Editora,2ª ed.1998. GUEDES, Dartagnam Pinto & GUEDES, J. E. R. P. Controle do Peso Corporal . Londrina, PR, Midiograf,1998. BARBANTI, Valdir J. Teoria e Prática do Treinamento Esportivo. Ed. Edgard Blucer TUBINO, Manoel José Gomes. Metodologia do Treinamento Desportivo. Ed. Ibrasa. WEINECK, Jürgem. Manual do Treinamento Esportivo. São Paulo. Editora Manole. ______.Treinamento Ideal . São Paulo. 1999 Editora Manole 9a Edição. ZAKAROV. Andrei. Ciência do Treinamento Esportivo. Rio de Janeiro. Ed Palestra. 1992. DANTAS, Estélio H. M. A Prática da Preparação Física. Rio de Janeiro. Ed. Shape. 1995. 3a Edição. GRECO, Pablo J. Iniciação Esportiva Universal. BH Ed. UFMG. 1998. HOLLMANN, W. HETTINGER. Th. Medicina do Esporte. São Paulo. Ed. Manole. 1989. WEINECK, Jürgem. Bilogia do Esporte. São Paulo. 1991 Editora Manole. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. GUEDES, P. D.; GUEDES,P. R. E. Joana. Exercício Físico na Promoção da Saúde. Londrina; Editora Medigraf, 1995. POLLOCK, L. M.; WILMORE, H. J. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro-RJ; Editora Medsi; 2ª edição; 1993. CADERNOS CEDES - Educação pré-escolar: desafios e alternativas. São Paulo: Papirus, no 9, 1991. Considerações gerais sobre educação e trabalho no currículo do ensino de 1o grau - SEEMG - Editora "O Lutador". GANDIN, D; CRUZ, C. H. C. Planejamento na sala de aula. Porto Alegre: Editora LaSaile, 1995. McNELL, John D. A avaliação do currículo, cultura e sociedade. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997. PEDRA, José Alberto. Currículo, conhecimento e suas representações. Campinas: Papirus, 1997. REGO, T.C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes, 1995. RODRIGUES, Nelson. Por uma nova escola - o transitório e o permanente na educação . 3.ed. São Paulo: Cortez, 1986. RONCA, Paulo Afonso Caruso e TERZI, Cleide do Amaral. A aula operatória e a construção do conhecimento. 1.ed. São Paulo: Edesplan, agosto, 1995. SAVIANI, N. Saber escolar, currículo e didática. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 1994. SEVERINO, Antônio Joaquim. A formação profissional do educador: pressupostos filosóficos e implicações curriculares. In: Ande, ano 10, no 17, p.29-40. SILVA, L. H. da e AZEVEDO, J. D. de. Paixão de aprender II. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995. PEREIRA JR. Cícero Cerqueira. Peteca: Esporte ou recreação. Indesp, Ouro Preto, MG, 1996. WOOLLARD, Leslie. Tênis de Mesa. Editorial presença. Lisboa/ Portugal. CASCUDO, Luís de Câmara. Folclore do Brasil. Editora Fundo de Cultura. 1967. COLARES, Zezé e RUBINGER, Fernando. A Criança e o Folclore. 1974. FILHO, Mello Moraes. Tradições Populares do Brasil. USP. São Paulo, SP. 1979. RABELO,V. Jogos Infantis na Escola Moderna: Jogos Folclóricos. Editora Itatiaia. Belo Horizonte, 1997. SANTOS, Theobaldo Miranda. Lendas e Mitos do Brasil. 11ª ed. Editora Nacional. São Paulo, SP. 1991. CASCUDO, Luís de Câmara. Histórias de Nossos Gestos. Editora Itatiaia. Belo Horizonte.1987. PAULA, H. Augusto de. Montes Claros, Sua História, Sua Gente, Seus Costumes. Vol.1, 2 e 3. Montes Claros, 1979. RODRIGUES, Nina. Os Africanos no Brasil. 7ª ed. Editora Universidade de Brasília. Brasília, DF. 1988. SANTIAGO, Luis. Pedra Azul: Cinco Visões de uma Cidade. Setor Cultura de Pedra Azul. Pedra Azul, MG. 1996. VIEIRA, Luiz Machado. O Jogo da Capoeira: Corpo e Cultura Popular no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1998. BARBANTI, Valdir, J., Aptidão Física, um convite à Saúde, São Paulo, SP, Editora Manole, 1990. CORAZZA, M. A., Terceira Idade e Atividade Física,São Paulo, Editora Phorte, 2000. COSTA, Marcelo Gomes, Ginástica Localizada: Grupos Heterogênicos, Rio de Janeiro, RJ, Sprint, 1998. FARINATT, P.T.V., MONTEIRO, W.D., Fisiologia e Avaliação Funcional.3ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Sprint, 1999 GHORAYEB, N., BARROS NETO,T.L. O Exercício - Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Aspectos Especiais e Preventivos. 1ª ed. São Paulo – SP: Ed. Atheneu, 1999. GUEDES,D.P. & GUEDES, J.E.R.P. Controle de Peso Corporal, Composição Corporal, Atividade Fisica e Nutrição.1ª ed. Londrina - Paraná: Midiograf, 1998. GUYTON, A C. e HALL, J. E. – Tratado de Fisiologia Médica, 9ª ed, Rio de Janeiro – RJ: Guanabara / Koogan, 1997. MANIDI, Marie-José; MICHEL, Jean Pierre, Atividade Física para adultos com mais de 55 anos, São Paulo, Aratebi, 2001. McARDLE ,W.D., KATCH, F.I., KATCH, V. L. Fisiologia do Exercício -Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed. Rio de Janeiro -RJ: Ed. Guanabara, 1998. NOGUEIRA, E. M.,250 aulas para Terceira Idade, Rio de Janeiro,Sprint, 2001. SHARKEY, B.J. Condicionamento Físico e Saúde. 4ª ed. Porto Alegre - RS: Artmed, 1998. WEINECK, J., Treinamento Ideal, 9ª edição, São Paulo, Manole, 2000. WESTCOTT, W., BAECHLE, T.,Treinamento de força para 3ª idade, , São Paulo, Manole, 2000. ARNOLD, K. ZINKE, E. Ginástica em Aparelhos para Meninos. Tecnoprint. Rio de Janeiro. 1984 CARRASCO, R. Ginástica de Aparelhos – A Atividade do Principiante. Manole, São Paulo. 1982 DIECKERT,K. Ginástica Olímpica – Exercícios Progressivos e Metódicos. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1990 GINÁSTICA OLÍMPICA – Pedagogia dos Aparelhos. Manole, São Paulo, 1982. LEGUET, F. Ações Motoras em Ginástica Esportiva. Manole Ltda, São Paulo. 1987. BARBOSA,A. M.,Arte Educação no Brasil.São Paulo,Perspectiva,1986 TAFFAREL,Celi Nilza Zulke.Criatividade nas aulas de Educação Física. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1985. COLETIVO de autores.Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1993 Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil – Parecer CEB 22/98 e Resolução CEB 01/99.Brasília: CNE 1999 CONSELHO Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental –Parecer CEB 04/98 e Resolução CEB 02/98. Brasília : CNE 1998 CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro, 1994. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas COLETIVO DE AUTORES. Metodologia de ensino de Educação Física . São Paulo, Cortez, 1992. GOTANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. CASTELANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil – A história que não se conta. Campinas GO TANI. Educação Física Escolar – Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. TEIXEIRA, Houdson Ventura. Educação Física e desporto. São Paulo. Editora Saraiva, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997 Geografia – Licenciatura • • • • CASTRO, J. E.; et all. (Org.). Explorações Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. GOMES, Antônio C.R.. Geografia – pequena história crítica . São Paulo: Hucitec, 1981. MORAES, Francisco e KOZEL, Salete (Org.). Elementos de Epistemologia da Geografia Contemporânea. Curitiba: UFPR, 2002. SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção . São Paulo: Ed. USP, 2002 (Coleção Milton Santos). • • CLARK, S. P. Estrutura da Terra. São Paulo: Edgard Blücher Ltda,1988. FLEURY, José Maria. Curso de geologia básica. Goiânia: UFG, 1995. • FUNBEC (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento do ensino de Ciências). Investigando a Terra. Vol. I. São Paulo: Ed. McGraw- Hill do Brasil, 1973. • GUERRA, Antônio Teixeira. Dicionário Geológico-Geomorfológico. IBGE. Rio de Janeiro: 1987. • POPP, José Henrique. Geologia Geral. Livros técnicos e científicos. Rio de Janeiro, 1981. • TEIXEIRA, Wilson et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. • • • • • • • • • • • • • ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo: Atlas, 1993 GILL, Antônio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 1990. LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1992 RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiências nos estudos. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1991. AYOADE, J. O. Introdução à Climatologia para os trópicos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. DREW, David. Processos interativos homem-meio ambiente. 2º ed. Rio de janeiro: Bertrand Brasil,1989. NIMER, Edmom BRANDÃO, Ana Maria P. M. Balanço hídrico e clima da região dos cerrados. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. NIMER, Edmom. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE, 1989. VIANELLO, R.L., ALVES, A.R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, 1991. ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico . Brasília: UNB, 1982. IANNI, Otávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-ômega, 1975. _______. Sociologia da Sociologia, o pensamento sociológico brasileiro. São Paulo. Ática, 1989. MARTINS, C. B. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1985. • VILA NOVA, Sebastião. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1983. • APEL, Karl-Otto. Estudos de Moral Moderna. Petrópolis: Vozes, 1994. • DEACAMPAGNE, Christiam. História da Filosofia no século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. • HAMLIYN, D. W. Uma história da filosofia ocidental. RJ: Jorge Zahar, 1980. • LAREIERE, Jean. Ética e pensamento científico. São Paulo: Letras e Letras. • LYONS, David. As regras morais e a ética. Campinas: Papirus, 1990. • VASQUEZ, Adolfo. Ética. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1989. • BIGARELLA, João José. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais . Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994. • CASSETI, Valter. Elementos de Geomorfologia. Goiânia. Ed. da UFG, 1994. • CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. 2ªed. São Paulo. Edgard Blucher,1980. • CUNHA, Sandra Baptista da, GUERRA, Antônio J. Teixeira (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. GUERRA, Antônio Teixeira. Dicionário Geológico-geomorfológico. 10ª ed. Rio de Janeiro: IBGE,1988. • PENTEADO, Margarida Maria. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. • ARRUDA, José Jobson A. Revolução Industrial e Capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1984. • BEAUD, M. História do Capitalismo de 1500 aos nossos dias. São Paulo: Brasiliense, 1987. • HUBERMAN, L, História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1983. • DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia Básica. Florianópolis: UFSC, 1986. • _______. Fundamentos de Cartografia. Florianópolis: UFSC, 1995. • MARTINELLI, M. Curso de Cartografia Temática. São Paulo: Contexto, 1991. • _______. Gráficos e Mapas: construa-os você mesmo. São Paulo: Moderna, 1999. • _______. Noções Básicas de Cartografia. Rio de Janeiro: IBGE, 1999. • OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 1983. • • • • • • ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX. São Paulo: UNESP, 1997. CORREA, Roberto L. et al (org.). Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. FIORI, J. L. Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Petrópolis: Vozes, 1999. KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Campus, 1989. VIZENTINI, Paulo (org). Dez anos que abalaram o século XX. Porto Alegre: Novo Século, 1999. BORDENAVE, Juan, PEREIRA, Adair M. Estratégias de Ensino/ Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1983. • 1991. • • • • • • • • • • • • • • • • CANDAU, Vera Mª (org). A didática em questão. 9 ed. Petrópolis :Vozes, FERREIRA, Francisco. Planejamento SIM e NÃO: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979 HOFMANN, Jussara. Avaliação, mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1986. TURRA, Clódia et al. Planejamento de Ensino e Avaliação. Porto Alegre: Sagra de Luzzatto, 1996. FRANCO, Maria de Assunção Ribeiro. Planejamento Ambiental para a cidade sustentável. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2000. GUERRA, Antônio José. T (orgs.). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. _______. (org.). Geomorfologia e Meio Ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998 _______. (orgs.). Geomorfologia: exercício, Técnicas e aplicações . Rio de Janeiro: atualização de bases e conceitos, Rio de Janeiro: Bertrandt Brasil, 1996. VEIGA, José Eli da (org.). Ciência ambiental: primeiros mestrados. São Paulo: Annablume: FAPESP, 1998. HAESBAERT, Rogério. Ática, 1994. _______. (org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: EDUFF, 1998. IANNI, Otávio. O labirinto latino-americano. Petrópolis: Vozes, 1995. KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Campus, 1989. MAGNOLI, Demétrio. A nova geografia – Estudos da Geografia da América. São Paulo: Moderna, 1993. SANTOS, Milton et al (org.). Globalização e espaço latino-americano. São Paulo: Hucitec/ Anpur, 1993. BOCK, Ana M, B. Psicologias. São Paulo: Saraiva, 1996. China entre o Oriente e Ocidente. São Paulo: • • • • • • • • • 1979. • BREGUNCI, e RIBEIRO. Integração em sala de aula: questões conceituais metodológicas. Belo Horizonte: UFMG, 1996. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. COUTINHO, Maria T. Da Cunha . Psicologia da Educação. Belo Horizonte: Lê, 1997. GROISMAN. Moises. Adolescência e Saúde Mental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984. ANDRADE, Manoel Corrêa. O Nordeste e a Questão Regional. São Paulo: Ática, 1992. _______________________. Nordeste, Alternativas da Agricultura. São Paulo: Papirus, 1988. _______________________. Lutas Camponesas no Nordeste. São Paulo: Ática, 1989. IBGE. Região Nordeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1977. MOREIRA, Raimundo. O Nordeste Brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, OLIC, Nelson Bacic et alli. O Brasil em Regiões: Nordeste. São Paulo: Moderna, 1998. • BEAUJEU-GARNIER. J. Geografia da População. São Paulo: EDUSP, 1971. • • • • • • • • DAMIANI, Amélia. População e Geografia. São Paulo: Contexto, 1991. GEORGE, Pierre. Geografia da População. São Paulo: Difel, 1971. HOGAN, Daniel Joseph (Org). Dilemas socio-ambientais e desenvolvimento sustentável. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1995. MARTINE, George (Org.) População, Meio Ambiente e Desenvolvimento: Verdades e contradições. Campinas: Editora da UNICAMP,1996. AGUIAR, José Márcio. Coletânea mãe da Legislação Federal do Ensino. Belo Horizonte: Lancer, 1997. FREIRE, Paulo. Política e Educação. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995. _____________. Educação como prática de liberdade. 19 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. PILLETE, Nelson. Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1º e 2º grau. São Paulo: Ática, 1997. • • • • • • • • • • • • • • • • • 1995. VASCONCELOS. Celso dos. Disciplina. 5 ed. São Paulo: Liberdade, 1995 CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. São Paulo: Contexto, 1991. CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Edgard Blucher, 1981. CUNHA, Sandra Baptista (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 1994. ROSS, J.L.S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto,1990. TUCCI, Carlos E. ( org). Hidrologia: Ciência e aplicação. 2ª ed. Porto Alegre: Ed. UFRES:ABRH, 2000. IBGE- Geografia do Brasil- Região Norte. VI. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. IBGE. Região Norte. Rio de Janeiro: IBGE, 1977. LESSA, Ricardo. Amazônia: As Raízes da Destruição. São Paulo: Atual, 1991. OLIC, Nelson Bacic et alli. O Brasil em Regiões: Norte. São Paulo: Moderna, 1998. OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Amazônia, Monopólio, expropriação e conflitos. Campinas. Papirus. 1991. SILVA, Roberto Gemal. Olho Grande na Amazônia Brasileira. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1991. BECKER, Berta K. et. alli. Geografia e Meio Ambiente no Brasil. Rio de Janeiro: Hucitec, 1995. BOFF, Leonardo. Ecologia: grito da terra, grito dos pobres . São Paulo: Editora Ática, 1996. DREW, David. Processos Interativos Homem/meio Ambiente. São Paulo: Difel, 1986. PINTO, Maria Novaes. (Org.). Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. 2ª ed., Brasília: Edunp, 1993. TROPPMAIR, Helmut. Biogeografia e Meio Ambiente. 4ª ed. Rio Claro, • • • • • • • • • 1998. • • • • 1998. • • • • 1997 • 1991. • • SCHAFER, Alois. Fundamentos de Ecologia e Biogeografia das Águas. Continentais. Porto Alegre: Ed. da UFGS, 1984. HAESBAERT, Rogério.(Org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Rio de janeiro: EDUF, 1998. SANTOS, Milton. Fim de Século e Globalização. São Paulo: Hucitec, 1993. CARLOS, Ana F. A.(org.) Os caminhos da reflexão sobre a cidade e o urbano. São Paulo: EDUSP, 1994. CLARK, David. Introdução à Geografia Urbana. Rio de Janeiro: Berttrand Brasil, 1991. CORREA, Roberto L. A rede urbana. São Paulo: Ática, 1989. _________________. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1989. SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993. ANDRADE, Manuel Correia de.Geografia Econômica. São Paulo: Atlas, BRANCO, S. M. Energia e Meio Ambiente. São Paulo: Moderna, 1989. CARMO, Paulo Sérgio do. O trabalho na economia global. São Paulo: Moderna, 1998 CARLOS, Ana Fani. A. Espaço e indústria. São Paulo : Contexto, 1988. ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia Econômica. São Paulo: Atlas, GOMES, Paulo C. Da C. et al (Org.) Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil 1995. ANDREFF, Wladimir. Multinacionais Globais. Bauru, EDUSC, 2000. DINIZ, J. A. F. Geografia da Agricultura. São Paulo: Difel, 1986. NETO, Wenceslau. G. Estado e Agricultura no Brasil. São Paulo: Hucitec, OLIVEIRA A. O. de. A Geografia das lutas no campo. São Paulo: Contexto, ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Meio Ambiente e dinâmica de inovações na agricultura. São Paulo: Fapesp. 1998. SILVA, Francisco C. T alli ( org.) Mundo rural e política. Rio de janeiro: Campus, 1998. • • • • 1999. • 1996. • • SZMRCSANYI, Tamás. Pequena História da Agricultura no Brasil . São Paulo: Contexto, 1998. COSTA, Wanderley N. da. Geografia Política e geopolítica. São Paulo: EDUSP, 1992. MARTIN, André Roberto. Fronteiras e Nações. São Paulo: Contexto, 1992. MELLO, Leonel J. A. Quem tem medo da Geopolítica. São Paulo: EDUSP, RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, RAMONET, Ignácio. Geopolítica do Caos. Petrópolis: Vozes, 1999. CZAPSKI, Silva. A implantação da educação ambiental no Brasil. Coordenação de Educação Ambiental do Ministério da Educação e do Desporto, Brasília: 1998. • • GRUN, Mauro. Ética e Educação: a conexão necessária. Campinas: Papirus, 1996. MEDINA, Nana Mininni. Breve histórico da educação ambiental. In. PADUA, Suzana Machado, TABANEZ, Marlene Francisca (orgs.). Educação Ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília: Ipê, p.257-269, 1997. • ______________. Educação Ambiental para o século XXI & A construção do conhecimento: suas implicações na Educação Ambiental. Brasília: IBAMA. Série Meio Ambiente, n° 12, 1997. • • • 1980. • 1989. • • Loyola. NOAL, Fernando Oliveira, et alli. Tendências da educação ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1998. Brasil, Uma visão geográfica dos anos 80. Rio de Janeiro: IBGE, 1980. BDMG, Economia Mineira: diagnóstico e perspectivas, Belo Horizonte, CARVALHO, André Barbosa. Breve História de Minas, Rio de Janeiro: Lê, CHIAVENATO, Júlio José. O Bandeirismo. São Paulo: Moderna, 1991. ESTRADA. Maria Lúcia. A produção do espaço e a expressão industrial. • • • • • • • • 293p. COSTA NETO, Pedro, Luís de O. Estatística. São Paulo. Editora Edgard Blücher. 1977. FONSECA, Jairo Simon, MARTINS, Gilberto de Andrade. Curso de Estatística. São Paulo. Editora Atlas. 3ª ed. 1985. SPIEGEL, Murray, R. Estatística. São Paulo. Editora McGaw Hill do Brasil. 2ª ed. 1984. STEVEN, William, J.. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo. Editora Harper & Row do Brasil. 1ª ed. 1981. TOLEDO, Geraldo L., OVALLE, Ivo J. Estatística Básica. São Paulo. Editora Atlas S.A. 2ª ed. 1982. HOFFMANN, R., VIEIRA, S. Análise de Regressão. Uma Introdução à Econometria. São Paulo. Hucitec. 2ª ed. 1987. PIMENTAL GOMES, F. Curso de Estatística Experimental. 3ª ed. Piracicaba, ESALQ-USP. VIEIRA, Sônia. Introdução à Bioestatística. Editora Campus. 5ª ed. 1985. História – Licenciatura BORGES, Vavy Pacheco. O que é História. São Paulo: Brasiliense, 1993. ECO, Humberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1985. FRANÇA, Júnia Lessa. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 5 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001. DAMATTA, R. A Antropologia no quadro das ciências . In.: DAMATTA, R. Revitalizando: uma introdução à Antropologia Social. 5 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997, pp. 17-47. FREYRE, Gilberto. O escravo negro na vida sexual e de família do brasileiro. In: Casa Grande e Senzala. 32 ed. Rio de Janeiro: Record, 1997, pp. 282-409. FRY, P. Feijoada e Soul Food: notas sobre a manipulação de símbolos étnicos e nacionais. In.: FRY, P. Para Inglês Ver. Rio de Janeiro: Zahar, 1982, pp. 47-53. LAPLANTINE, F. O campo e a abordagem antropológicos. In: LAPLANTINE, F. Aprender Antropologia. Tradução: Marie-Agnés Chauvel. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1989, pp. 1333. COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo: Moderna, 1987. FERNANDES, Florestan. Ensaios de Sociologia Geral e Aplicada. São Paulo: Pioneira, 1960. MARCELINO, Nelson C. (org.). Introdução às Ciências Sociais. Campinas: Papirus, 1994. MARTINS, Carlos Brandão. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1984. ANDERSON, P. Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. Editora: Brasiliense. BOUZON, Eamnuel. O Código de Hamurabi. Petrópolis: Paz e terra, 1980. CARDOSO, Ciro F. S.O Egito Antigo. Editora: Brasiliense. DRIOTON, Etiene e VANDIER, Jacques. História do Egito. Buenos Aires: Editora Universal, 1982. PINSKI, Jaime (Org.). 100 textos de História Antiga. 4ª ed. São Paulo: Contexto, 1988. CHÂNTELET, François. Uma História da Razão: entrevistas com Émile Noel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. COLLI, Giorgio. O nascimento da Filosofia. 2 ed. Tradução: Frederico Carotti. Campinas: UNICAMP, 1992. PADOVANI, P, CASTAGNOLA, L. História da Filosofia. 6 ed. São Paulo: Melhoramento, 1964. ANDRADE, M. C. Geografia Econômica. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1975. ______. Espaço, Polarização e Desenvolvimento. São Paulo, 1998. SANTOS, Milton. Novos Rumos da Geografia Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1992. SILVA, Armando Correa. Geografia e lugar social. São Paulo: Contexto, 1991. BASTOS, L. R.; PAIXÃO, L.; FERNANDES, L. M. Manual para a elaboração de Projetos, Relatórios de Pesquisa, teses e dissertações. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1982. CASTRO, Cláudio de Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977. DEMO, Pedro. Avaliação Qualitativa. 3 ed. São Paulo: Cortez, 19991. RUDIO, F. V. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 1986. ALFOLDY, Géza. A História Social de Roma. Lisboa: Presença, 1989. GIBBON, Edward. Declínio e queda do Império Romano . São Paulo: Companhia das Letras, 1989. GIORDANI, Mário Curtis. História de Roma. 8 ed. Petrópolis: 1985, (Antigüidade Clássica II). GUARINELLO, Norberto Luiz. Imperialismo Greco-Romano. São Paulo: Ática. CARDOSO, Ciro F. S. O trabalho compulsório na antigüidade . Rio de Janeiro: Graal, 1989. ______. A cidade-estado antiga. São Paulo: Ática, 1985. FINLEY, M. I. Uso e Abuso da História. São Paulo: Martins Fontes, 1989. FLORENZANO, Maria Beatriz. O mundo antigo: economia e sociedade. 11 ed. São Paulo: Brasiliense, 1991. MOSSÉ, Claude. Atenas: A História de uma Democracia. 2 ed. Brasília: UNB, 1982. HOLANDA, Sérgio Buarque de. História Geral da Civilização Brasileira – do Descobrimento à Expansão Territorial. NOVAIS, Fernando A Portugal e Brasil na crise do antigo Sistema Colonial (1777-1808) . 6 ed. São Paulo: HUCITEC, 1995. PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. 22 ed. São Paulo: Brasiliense, 1979. COSTA, Emília Viotti. Da Senzala à Colônia. 4 ed. São Paulo: UNESP, 1998. ANDERSON, P. Passagens da Antigüidade ao feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1984. BLOCH, March. Os reis taumaturgos. São Paulo: Cia das Letras, 1998. DUBY, Georges. A Europa na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1994. FRANCO JR., Hilário. O Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1993. BEAUD, M. História do capitalismo de 1500 aos nossos dias. São Paulo: Brasiliense, 1987. HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. SWEEZY, Paul. A transição do feudalismo para o capitalismo . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. DONGHI, Túlio Halperin. História da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. KAPLAN, Marcos. Formação do Estado Nacional na América Latina . São Paulo: Eldorado, 1987. POMER, Leon. As independências na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1988. PRADO, Maria Ligia. A Formação das Nações Latino-Americanas. São Paulo: Atual, 1986. COSTA, Emília Viotti da. “O escravo na grande lavoura”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. (org.). História geral da civilização brasileira . II vols. São Paulo: Editora Difel, l960-l98l. vol. 5, pp.l35-l88. ______. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1999. FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. DF: Editora da UNB, 1963. GERSON, Brasil. A escravidão no Império. Rio de Janeiro: Pallas, 1975. MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e Escravidão: trabalho, luta e resistência nas lavouras 1830-1888. São Paulo: Brasiliense, 1987. BRASIL, Henrique de Oliva. Breve História de Minas. Belo Horizonte: Lê, 1989. FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. 2º. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999. SILVEIRA, Marco Antônio. O universo do indistinto: Estado e sociedade nas Minas Gerais Setecentistas (1735-1808). São Paulo: Hucitec. SOUZA, José Moreira. Cidade: movimentos e processos – Serro e Diamantina na formação do norte mineiro no século XIX. São Paulo: Marco Zero, 1993. SOUZA, Laura de Mello e. Norma e Conflito: aspectos da História de Minas Gerais no século XVIII. Belo Horizonte: UFMG, 1999. ______. Desclassificados do Ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1986. AGUIAR, José Márcio. Coletânea Mãe da Legislação Federal do Ensino. Belo Horizonte: Lancer, 1997. FREIRE, Paulo. Política e Educação. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995. PILLETE, Nelson. Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1º e 2º grau. São Paulo: Ãtica, 1997. CANDAU, Vera Maria (org.). A didática em questão. 9 ed, Petrópolis: Vozes, 1991. FERREIRA, Francisco. Planejamento SIM e NÃO: um modo de agir num mundo em permanente mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. HOFFMANN, Jussara. Avaliação. Mito e Desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 1995. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1986. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Repensando a Didática. 3 ed. Campinas: Papirus, 1989. ANDERSON, P. Linhagens do Estado Absolutista. Rio de Janeiro, 1980. BRAUDEL, Fernand. Civilização material e capitalismo. Século XV-XVIII. Rio de Janeiro: Cosmos, 1970, T. 1. DELUMEAU, Jean. Nascimento e afirmação da reforma. São Paulo: Pioneira, 1989. HUIZINGA, Johan. O declínio da Idade Média. Lisboa: Ulisséia, 1985. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1994. ARAÚJO, Ricardo B. Totalitarismo e revolução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988. ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Cia das Letras, 1989. HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995. LEFORT, Claude. Pensando o político. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991. BOCK, Ana M. B. Psicologias. São Paulo: Saraiva, 1996. CIRINO, Oscar. Psicanálise e Psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. FOULIN, Jean-Noel. Psicologia da Educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. MIRANDA, Margarete Parreira. Adolescência na Escola – soltar a corda e segurar a ponta. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2001. BOSI, Alfredo. Reflexões Sobre a Arte. São Paulo: Ática, 1995. GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Guanabara, 1993. OSTROWER, Fayga Perla. Universo da Arte. 7 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991. SANTOS, Maria das Graças Vieira Proença dos. História da Arte. São Paulo: Ática, 1995. CARONE, Edgard. A república velha (Instituições e classes sociais). São Paulo: Difel, 1972. CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da república. São Paulo: Cia das Letras, 1990. JANOTTI, Maria de Lourdes Monaco. Coronelismo – uma política de compromissos. São Paulo: Brasiliense, 1981. PINHEIRO, Paulo Sérgio e HALL, Michael M. A classe operária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1981. COGGIOLA, Osvaldo. A revolução Francesa e seus Impactos na América. São Paulo: Nova Strlla, Edusp; Brasília: CNPQ, 1990. HIST, Paul e TOMPSON, Erahame. Globalização em Questão. Petrópolis. RJ.: Vozes, 1998. HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995. MAGNÓLIS, Demétrius. O Mundo Contemporâneo: relações Internacionais (1945-2000). São Paulo: Moderna, 1996. O Período da Ditadura no Brasil. Os entraves e avanços políticos e econômicos. CARONE, Edgard. A Quarta República (1945-1964). São Paulo: Difel, 1980. GORENDER, Jocob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: as ilusões perdidas à luta armada. 5 ed. São Paulo: Ática, 1998. (Serie Temas; v. 3). IGLESIAS, Francisco. Trajetória Política do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1993. WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. BRUIT, Héctor. O imperialismo. São Paulo: Atual, 1995. ______. Revoluções na América Latina. São Paulo: Atual, 1988. (Discutindo a História). PRADO, Maria Lígia. O populismo na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1989. ROSSI, Clóvis. Militarismo na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1989. ANTONACCI, Maria Antonieta M. Qualidade Total na Educação: a que veio. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 09-18. CADERNOS DE HISTÓRIA. Publicação do Laboratório de Ensino e Aprendizagem em História. V. 1, N. 1. Uberlândia: UFU, jan. 1990. ______. Ensino de História no 1º e 2º Graus: reflexões e experiências. ______. Publicação do Laboratório de Ensino e Aprendizagem em História da UFU. V. 6, N. 6. Uberlândia: UFU, janeiro de 95/Dez. de 96. DAVIES, Nicholas. O livro didático: apoio ao professor ou vilão do ensino de História. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 81-86. DUARTE, Geni Rosa. “Formar”, “Reformar” Professores – Contribuição para um debate. In: Cadernos de História, v. 6, n. 6. Uberlândia: UFU, jan. 95/dez. 96, pp. 33-40. FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da História ensinada. 3 ed. Campinas: Papirus, 1992. ______. Ensinar História através de Projeto de Pesquisa . PRESENÇA PEDAGÓGICA, V. 3 N. 18, 1997. MENEGOLL, Maximiliano Sant’Ana Martins. Por que planejar, como planejar? Currículo – Área – Aula. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. PASSOS, Ilma Alencastro Veiga (org.). Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 1991. PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental e Médio). PINSKY, Jaime (et ali). O ensino da História e a criação do fato . São Paulo: Contexto, 1997. RESOLUÇÃO CEE/MG nº 447/2002. Letras/Espanhol – Licenciatura • • • • • • 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. Preço: R$ 52,16 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. R$ 52,16 Uso Elemental. Madrid: Edelsa, 1998. Uso Intermedio. Madrid: Edelsa, 1998. Superior. Madrid: Edelsa, 1998. Neus. Gente 1 Libro del Alumno. Neus. Gente 1 Libro de Trabajo. Neus. Gente 2 Libro del Alumno. 1 (uma unidade) CASTRO, Francisca. Uso R$ 52,16 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Barcelona: Difusión, 1998. • • • • • • 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 2 Libro de Trabajo. Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 3 Libro del Alumno. Barcelona: Difusión, 1998. 3 (três unidades) PERIS, Ernesto M. e SANS Neus. Gente 3 Libro de Trabajo. Barcelona: Difusión, 1998. 1 (uma unidade) HERMOSO, Gonzalez Alfredo, Conjugar es fácil. Madrid:Edelsa,1996. 1 (uma unidade) SARMIENTO, Ramón. Manual de correcció R$ 52,16n gramatical y de estilo : español normativo, nivel superior . Madrid : Sgel, 1997. 1 (uma unidade) TORREGO, Leonardo Gómez. Gramática Didáctica Del Español.Madrid: SM, 2000. Letras/Inglês – Licenciatura OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. LARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993 BARRAS, Robert. Os cientistas precisam escrever. 1973. BASTOS, L. da R, et. Al. Manual para elaboração de projetos de pesquisa, teses e dissertações. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1982 CASTRO, C de M. A prática da pesquisa. São Paulo : Mcgraw Hill do Brasil, 1977. FRANÇA, Junia et al. Manual de Normalizações. Belo Horizonte: UFMG, 2003. LAKATOS, Eva Maria, ANDRADE, Marina. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática latina. São Paulo: Saraiva, 1985. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. FARIA, Ernesto. Dicionário Escolar latino – Português. Rio de Janeiro: FAE, 1991. CUNHA, Celso, Cintra, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986. COSTA VAL, Mª das Graças. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes. KOCH, Ingedore V. Coesão Textual. 3º ed. São Paulo: Ática, 1993. KOCH, Ingedore V. et al TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. 9º ed. São Paulo: Contexto, 1999. ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Coleção Os Pensadores. HEIDEGGER, Martins. A caminho da linguagem. Trad. Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Petrópolis: Vozes, 2003. HOMERO, Obras completas. Trad. Arturo Marasso. 2. ed. Buenos Aires: El Ateneo, 1957. JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. LEITE, Lourenço. Do simbólico ao racional: ensaio sobre a gênese da mitologia grega como introdução à filosofia. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo (Selo Editorial Letras da Bahia), 2001. MARCONDES, Danilo. Filosofia, linguagem e comunicação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000. NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte. UFMG, 1999. PLATÃO. Crátilo. Vol. IX de Diálogos. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. _______ .República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 1997. Coleção Os Pensadores. WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1996. Coleção Os Pensadores. BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CP/CNE nº 009/2001 – Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, aprovado em 08/05/2001, publicado no DOU de 29/12/2001. VEIGA, Ilma Passos A. (Org). Caminhos da profissionalização do magistério. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1998 (Coleção Magistério – formação e trabalho pedagógico). OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Elementary: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004.ileLARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993. ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. DARENDORE, Ralf. As classes e seus conflitos na Sociedade Industrial. Brasília: UNB, 1982. IANNI, Octávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1975. DURKHEIN, Émile. A divisão do trabalho social. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978. MARX, Karl. Formações Pré-capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. BENTES, A. C. & MUSSALIN, Fernanda.( orgs. ). Introdução à lingüística: dominíos e franteiras S.P.: Cortez, 2001. BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. 12 ed. – Campinas, SP: Pontes, 1998. CÂMARA, JR. Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. RJ: Padrão Livraria Editora, 1989. FIORIN, José Luiz. Introdução à lingüística. S.P.: Contexto, 2002. LYONS, John. Lingua(gem) e lingüística; uma introdução. R. J.: LTC, 1987. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 19 ed. SP, Cultrix, 1996. WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola Editorial. 2002. CÂMARA, JR. Joaquim M. Dicionário de lingüística e gramática. 17 ed. Petrópolis, Vozes, 1996. CRYSTAL, David. Dicionário de lingüística e fonética. R J, Jorge Zahar. 1985. DUBOIS et al. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix, 1998. LUFT, Celso P. Língua e liberdade. 4 ed. SP, Ática, , 1995. ORLANDI, Eni Pulcinelli. O que é lingüística? 4º ed. SP: Brasiliense, Primeiros Passos, 1990. POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, Mercado de Letras, 1996. FILHO, Aires da M. M. Nova ortografia. Belo Horizonte, Editora Vega S.A., 1972. AUERBACH, Erich. Mimesis. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel. Teoria da literatura. Coimbra: Almedina, 1985. LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos da estética da recepção . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, crítica e escritura. 2.ed. São Paulo: Ática, 1993. ROGEL, Samuel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: vozes, 1984. SANTOS, Luís Alberto Brandão, OLIVEIRA, Silvana Pessôa. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Programa para o Ensino fundamental. 5ª a 8ª série – Português. V.1, Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1996. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais do ensino médio – PCNEM. Linguagem, códigos e suas tecnologias, 1999. BRASIL, MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua portuguesa. Brasília: 1997. : Mercado das Letras, 2000. (Coleção as Faces da Lingüística Aplicada). OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 2004. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina & SELIGSON, Paul. New English File Pre-Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 2004. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2000. SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do Português. São Paulo: Contexto, 1999. BOSI, Alfredo. Ser e Tempo na Poesia. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. JOBIM, José Luís. A poética do fundamento: ensaios de Teoria e História da Literatura . Rio de Janeiro: EDUFF, 1996. GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985. MALLARD, Letícia et al. História da Literatura: ensaios. 2 ed. Campinas: Unicamp, 1995. SAMUEL, Rogel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: Vozes, 1985. TAVARES, Hênio. Teoria Literária. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia, 1986. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1996. CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997. LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. VEIGA, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina. English File Intermediate: student´s book. Oxford: Oxford University Press, 1999. OXENDEN, Clive & LATHAM-KOENIG, Christina. English File Intermediate: workbook. Oxford: Oxford University Press, 1999. LARSEN-FREEMAN, D. (Series Director). Grammar Dimensions: form, meaning and use. Boston: Heinle & Heinle, 1993. LADEFOGED, Peter. A Course in Phonetics. London: Hartcourt Brace & Jovanovich. Third Edition, International Edition. New York. 1982. ROACH, Peter. English Phonetics and phonology: a practical course. 2nd edition. Cambridge: CUP: 1983. p 8-11 THORNLEY, G. C. ROBERTS, Gwineth. An Outline of English Literature. Hong Kong: Longman, 1989. HIGH, Peter. An Outline of American Literature. Hong Kong: Longman, 1989. ALEXANDER, L. G. Poetry and Prose Appreciation for Overseas Students . Hong Kong: Longman, 1976. KATAMBA, Francis. English Words. London: Routledge, 1994. STEINBERG, Martha. Morfologia Inglesa: noções introdutórias. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 1990. SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works: a grammar practice book. Oxford: Oxford University Press, 1997. BROWN, H. Douglas. Teaching By principles – an interactive approach to language pedagogy. New Jersey: Prentice Hall Regents, 1994. Ministério da Educação e da Cultura - Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. SECRETARIA de Estado da Educação de Minas Gerais. Programa para o Ensino Médio – Inglês. Belo Horizonte, 1995. MENEGOLA, Maximiliano Sant’ana Martins. Por que planejar, como planejar? Currículo – área-aula. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. Letras/Português – Licenciatura COSTA VAL, Mª das Graças. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes. FIORIN, José Luiz. Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática, 2000. KOCH, Ingedore V. A interação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1995. KOCH, Ingedore V. Coesão Textual. 3º ed. São Paulo: Ática, 1993. KOCH, Ingedore V. et al TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A Coerência Textual. 9º ed. São Paulo: Contexto, 1999. MAINGUENEAU, Dominique. Elementos de lingüística para o texto literário . São Paulo: Martins Fontes, 1996. PLATÃO e FIORIN. Lições de Textos: Leitura e Redação. São Paulo: Ática, 1996. ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. DARENDORE, Ralf. As classes e seus conflitos na Sociedade Industrial. Brasília: UNB, 1982. IANNI, Octávio. Sociologia e Sociedade no Brasil. São Paulo: Alfa-omega, 1975. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática latina. São Paulo: Saraiva, 1985. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. FARIA, Ernesto. Dicionário Escolar latino – Português. Rio de Janeiro: FAE, 1991. ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Coleção Os Pensadores. HOMERO, Obras completas. Trad. Arturo Marasso. 2. ed. Buenos Aires: El Ateneo, 1957. JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. LEITE, Lourenço. Do simbólico ao racional: ensaio sobre a gênese da mitologia grega como introdução à filosofia. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo (Selo Editorial Letras da Bahia), 2001. MARCONDES, Danilo. Filosofia, linguagem e comunicação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000. NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte. UFMG, 1999. PLATÃO. Crátilo. Vol. IX de Diálogos. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. _________ .República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 1997. Coleção Os Pensadores. BARRAS, Robert. Os cientistas precisam escrever. 1973. BASTOS, L. da R, et. Al. Manual para elaboração de projetos de pesquisa, teses e dissertações. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1982. CASTRO, C de M. A prática da pesquisa. São Paulo: Mcgraw Hill do Brasil, 1977. FRANÇA, Junia et al. Manual de Normalizações. Belo Horizonte: UFMG, 2003. LAKATOS, Eva Maria, ANDRADE, Marina. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003. BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CP/CNE nº 009/2001 – Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, aprovado em 08/05/2001, publicado no DOU de 29/12/2001. VEIGA, Ilma Passos A. (Org). Caminhos da profissionalização do magistério. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1998 (Coleção Magistério – formação e trabalho pedagógico). BRONCKART, Jean-Paul. Atividades de linguagem, textos e discursos. São Paulo: EDUC-PUC, 1999. DIONÍSIO, Angela Paiva (Orgs.). Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. FARACO, Carlos Alberto & TEZZA, Cristovão.Língua portuguesa para estudantes universitários.Petrópolis, RJ:Vozes,1992. PLATÃO & FIORIN. Lições de Textos: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996. PAULINO, Graça. [et. Al]. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Tornato Editorial, 2001. AUERBACH, Erich. Mimesis. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel. Teoria da literatura. Coimbra: Almedina, 1985. LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos da estética da recepção . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, crítica e escritura. 2.ed. São Paulo: Ática, 1993. ROGEL, Samuel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: vozes, 1984. SANTOS, Luís Alberto Brandão, OLIVEIRA, Silvana Pessôa. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. LIMA, Luiz. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. BOCK, Ana Maria Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria. Psicologias: uma introdução ao estudo da Psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. BRASIL. Ministério da Educação. Representação Social: Contextualização e conceitos apostila de psicologia social – módulo III. Brasília: MEC/FUNDESCOLA, 2001. P.37-43 CARVALHO, Vânia Brina Corrêa Lima de. Desenvolvimento Humano e Psicologia: generalidades, conceitos, teorias. Belo Horizonte: UFMG, 1996. COUTINHO, Maria Tereza da Cunha & MOREIRA, Mércia. Psicologia da educação: um estudo dos processos psicológicos de desenvolvimento e aprendizagem humanos, voltados para a educação. . Belo Horizonte: Lê, 2000. DAVIS, Cláudia & OLIVEIRA, Zilma M. Ramos de. Psicologia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994. LA ROSA, Jorge. Motivação e Aprendizagem. In: ___________. (org). Psicologia da Educação: o significado do aprender. Porto Alegre: Edipurcs. ROGERS, Carl. Stevens, Barry. De pessoa para pessoa: o problema do ser humano: São Paulo: Novos Umbrais, 1978. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1996. CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1997. GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1997. LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. VEIGA, I. P. ª (Org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 1996. BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro. Parábola Editora,SP,2001. BENTES, A. C. & MUSSALIN, Fernanda.( orgs. ). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001. BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. 12 ed. – Campinas, SP: Pontes, 1998. CÂMARA, JR. Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. RJ: Padrão Livraria Editora, 1989. CRYSTAL, David. A lingüística. 2º Ed., Publicações Dom Quixote, 1977. FIORIN, José Luiz. Introdução à lingüística. S.P.: Contexto, 2002. LYONS, John. Lingua(gem) e lingüística; uma introdução. R. J.: LTC, 1987. ROCHA LIMA, Carlos H. da. Gramática normativa da língua portuguesa. 36 ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1998. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 19 ed. SP, Cultrix, 1996. WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola Editorial. 2002. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Programa para o Ensino fundamental. 5ª a 8ª série – Português. V.1, Imprensa Oficial de minas Gerais, 1996. BRASIL, MEC. Parâmetros curriculares nacionais do ensino médio – PCNEM. Linguagem, códigos e suas tecnologias, 1999. BRASIL, MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua portuguesa. Brasília: 1997. http.www.mec.gov.br. Diretrizes curriculares para o ensino fundamental e Médio. COUTO, Hildo Honório. Fonologia e Fonologia do Português. Brasília: Thesaurus, 1997. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2000. SILVA, Albânio Paulino da. Língua Portuguesa: Fonologia. Recife: FASA, 1987. SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do Português. São Paulo: Contexto, 1999. CANDIDO, Antonio. A Educação pela Noite e Outros Ensaios. São Paulo: Ática, 1989. COUTINHO, Antônio. Crítica e teoria literária. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1987. SANTIAGO, Silviano. Vale Quanto Pesa – Ensaios sobre Questões Político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. SCHWARZ, Roberto. Que Horas São? São Paulo: Companhia das Letras, 1997. LIMA, Luís Costa. Pensando nos Trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto, Crítica e Escritura – Ensaios. São Paulo: Ática, 1993. CÂMARA JR., Joaquim M. Princípios de lingüística geral. 7 ed. Rio de Janeiro: Padrão , 1989. LE Roy. As grandes correntes da lingüística moderna. São Paulo: Cultrix, 1971. LYONS, John. A linguagem e lingüística.: uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar.1981. NEVES, Maria Helena M. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 1997. RAMANZINE, Haroldo. Introdução à lingüística moderna. São Paulo: Ícone, 1990. BOSI, Alfredo. Ser e Tempo na Poesia. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. JOBIM, José Luís. A poética do fundamento: ensaios de Teoria e História da Literatura . Rio de Janeiro: EDUFF, 1996. GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985. MALLARD, Letícia et al. História da Literatura: ensaios. 2 ed. Campinas: Unicamp, 1995. SAMUEL, Rogel. Manual de Teoria Literária. Petrópolis: Vozes, 1985. TAVARES, Hênio. Teoria Literária. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia, 1986. FARIA, Ernesto. Gramática superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. ILARI, Rodolfo. Lingüística Românica. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997. SILVEIRA BUENO, Francisco da. Estudos de filologia portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1963. VIDOS, Benedek Elemér. Manual de Lingüística Românica . Rio de Janeiro: EDVERJ, 1996. D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus, 1999. (Coleção Papirus Educação). ARROIO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 6. ed. Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. CÂMARA JR, J. Mattoso. Estrutura Mórfica da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1977. FREITAS, H. Rolim de. Princípios de Morfologia. Rio de Janeiro: Presença, 1981. KEHDI, Valter. Morfemas do Português. São Paulo: Ática, 2000. __________. Formação de Palavras do Português. São Paulo: Ática, 2001. ROCHA, Luiz Carlos. Estruturas Morfológicas do Português. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. ZANOTTO, Normélio. Estrutura mórfica da língua portuguesa. Caxias: UCS, 1991. ANCHIETA, José de. Auto de São Lourenço. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura brasileira: Momentos Decisivos. v. 1.2. Momentos Decisivos. 7. ed. Rio de Janeiro/ Belo Horizonte: Itatiaia, 1993. COSTA, Cláudio Manuel da. Sonetos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. GONZAGA, Tomás Antônio. Marília de Dirceu. Belo Horizonte: Garnier, 1992. MATOS, Gregório de. Poesias selecionadas. São Paulo: FTD, 2001. AMORA, Antônio Soares et. al. Presença da literatura portuguesa. São Paulo: Difusão do livro, 1961. BERARDINELLI, Cleonice. Estudos Camonianos. Rio de Janeiro: MEC, 1973. CAMÕES, Luís. Os Lusíadas. 3 ed. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de Autores Portugueses, 1994. __________. Sonetos. São Paulo: Martins Claret, 2001. MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. São Paulo: Cultrix, 1995. SARAIVA, Antônio José e LOPES, Óscar. História da literatura portuguesa. Porto: Editora Porto, 1976. VASSALO, Lígia. “O Teatro Medieval”. In: Teatro Sempre. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro (72), Jan.-Mar.,1983. VICENTE, Gil. Autos e farsas. Lisboa: Quimera, 1989. VIEIRA, Pe. Antônio. Sermões. 14. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1997. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Latina. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1987. CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e Estrutura da Língua Portuguesa. 13 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1983. COUTINHO, Ismael de Lima. Pontos de Gramática Histórica. Rio de Janeiro. 1962. ___________ . Gramática Histórica. 6. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969. FARIA, Ernesto. Gramática Superior da Língua Latina. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1958. ILARI, Rodolfo. Lingüística Românica. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997. SAID ALI, M. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1964. ANDRADE, Maria M. Introdução à metodologia do trabalho científico . São Paulo: Atlas, 1993. DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 1997. ECO, umberto. Como se faz uma tese. 17 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1990. LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1990. CARONE, Flávia de Barros. Morfossintaxe. 4 ed. São Paulo: Ática, 1998. LIMA, Carlos H. da Rocha. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 23. ed. Rio de Janeiro: J. Olímpio, 1983. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro. 2001. BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1985. HERCULANO, Alexandre. Histórias Heróicas. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d. QUEIRÓS, Eça de. Contos. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d. QUEIRÓS, Eça de. O Primo Basílio. São Paulo: Ática, 2000. VERDE, Cesário. O Livro de Cesário verde. 4 ed. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de Autores Portugueses, 1995. ALENCAR, José de. Iracema. São Paulo: Ática, 1984. ALVES, Castro. Poesias Completas. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d. ASSIS, Machado de. D. Casmurro. São Paulo: Ática, 1987. ASSIS, Machado de. Contos. São Paulo: Ática, 1997. AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Ática, 1987. AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos. São Paulo: FTD, 1999. DIAS, Gonçalves. Poemas. Rio de Janeiro: Ediouro, 1988. BRASIL-MEC. Programa Nacional do Livro Didático. Português. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1997. 9.28-39. GERALDI, João Wanderley (org). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997. LIMA, Maria do Socorro Lucena. A Hora da Prática: reflexões sobre o estágio supervisionado e a ação docente. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2001. MENEGOLLA, Maximiliano. SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como Planejar? Currículo – área –aula. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. Ministério da Educação e da Cultura – Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro: Grifo. CUNHA &CINTRA. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. GARCIA, Othon M. Comunicação em Prosa Moderna. 13. ed. Rio de Janeiro, 1986. KURY, Adriano da Gama. Novas noções de análise sintática. 7. ed. São Paulo: Ática, 1997. PERINI, Mário Alberto. Gramática Descritiva do Português. São Paulo: Ática, 1995. NOBRE, António. Só. Lisboa: Biblioteca Ulisséia de autores Portugueses, 1989. PESSANHA, Camilo. Clepsidra. São Paulo: Núcleo, 1989. PESSOA, Fernando. O eu profundo e os outros eus. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s.d. REDOL, Alves. Gaibéus. 8 ed. Lisboa: Europa-América, 1983. RÉGIO, José. Poemas de Deus e do diabo. In: Obras Completas. Lisboa: Brasília Editora, 1984. SARAMAGO, José. História do cerco de Lisboa. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. __________ . O Memorial do convento. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2000. SENA, Jorge de. Versos e alguma prosa. Lisboa: Arcádia e Moraes Editora, 1979. ANJOS, Augusto dos. Eu. São Paulo: L&M POCKET, 2000. BALAKIAN, Ana. O simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 1967. CRUZ E SOUSA. Poemas escolhidos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. GUIMARÃES, Alphonsus de. Poesias completas. Rio de Janeiro: Agir, 1987. TELLES, Gilberto Mendonça. Modernismo Brasileiro e Vanguardas européias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1999. LAPA, M. Rodrigues. Estilística da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, s/d. LOPES, Edward. Metáfora: da retórica à semiótica. São Paulo: Atual. BREJON, Moysés (org.). Estrutura e funcionamento do ensino 1° e 2° graus. 17 ed. São Paulo: Pioneiras, 1983. CHAPPINI, Lígia (org). Aprender e ensinar com textos. São Paulo: Cortez, 1997. V 1,2,3,4,5,6. KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 8 ed. Campinas: Pontes, 2001. KAUMAN, Ana Maria; RODRIGUES, Maria Helena. Escola, leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médica, 1995. POSSENTI, Sírio. Porque (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 1996. AZEREDO, José Carlos. Iniciação á sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Zahar. BECHARA, Evanildo. Lições do Português pela análise sintática. Rio de Janeiro: Grifo. CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. 7 ed. São Paulo: Ática, 1997. LEMLE, Míriam. Análise Sintática: Teoria Geral e Descrição do Português. São Paulo: Ática. MATEUS, Maria Helena Min et ali. Gramática do Língua Portuguesa. Coimbra: Almedina PERINI, Mário Alberto. Gramática Descritiva do Português. São Paulo: Ática, 1995. BRANDÃO, Naganime. Introdução à Análise do Discurso. São Paulo: Ática, 1993. MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes, 1997. ORLANDI, E.P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1996. ___________. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, São Paulo, 2001. POSSENTI, Sírio. Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes, 1993. VOGT, Carlos. Linguagem, pragmática e ideologia. Campinas, São Paulo: Hucitec, 1980. ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, ANDRADE, Mário de. Macunaíma. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Vila Rica, 1997. ANDRADE, Oswald. Poesia Pau-Brasil. São Paulo: Globo, 2000. BANDEIRA, Manuel. Antologia poética. 12 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981 MEIRELES, Cecília. Romanceiro da inconfidência. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 1977 MELO NETO, João Cabral. Morte e vida Severina. 2 ed. Rio Janeiro. José Olympio, 1984. ARROYO, Leonardo. Literatura Infantil Brasileira: suas histórias e suas fontes. São Paulo: Melhoramentos, 1968. ARTES, Philipe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1979. BATTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. COELHO, Nelly Novaes. A Literatura Infantil. São Paulo: Quiron, 1984. LAJOLO, Marisa; ZIBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira, histórias e histórias. São Paulo: Ática, 1984. (Fundamentos, 5). BRASIL – MEC. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, 1997. BRASIL- MEC – INEP. Matrizes de referência do SAEB, 1999. GERALDI, João Vanderley. Pontos de Passagem. 1 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. PAULINO, Graça. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato, 2001. ROJO, Roxane. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCN’s . São Paulo: EDUC, 2000. SILVA, Rosa Virgínio Mattos. Contradições no ensino do Português. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2000. VALENTE, André. Aulas de português: perspectivas inovadoras . Rio de Janeiro: Vozes, 1999. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipicione. GENOUVRIER, E. e PEYTARD, Jean. Lingüística e ensino do Português. Coimbra: Almedina ILARI, Rodolfo. A lingüística e o ensino da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes. LANGACKER, Ronaldo W. A lingüística e sua estrutura. Petrópolis: Vozes. LOPES, Edward. Fundamentos da lingüística contemporânea. São Paulo: Cultrix. TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramáticas no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez. POSSENTI, Sírio; ILARI Rodolfo [et all]. Lingüística Aplicada ao Ensino do Português. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1992. BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. 2. ed. São Paulo: Ática, 1990. BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. São Paulo: CuItrix ECO, Umberto. O conceito de texto. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1984 ____________. Os limites da interpretação. Introdução. São Paulo: Perspectiva,1990. ____________. Semiótica e filosofia da linguagem . São Paulo: Ática, 1991. GREIMAS & COURTES. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Ed. Cultrix, 1979. LOTMAN, Iuri M. A estrutura do texto artístico. Lisboa: Editora Estampa, 1978. SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e do pensamento. São Paulo: I Iluminuras, 2001. ILARI, Rodolfo, GERALD, João Wanderley. Semântica. São Paulo: Atual, 1985. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Argumentação e Linguagem. São Paulo: Cortez, 1984. MARQUES, Maria Helena Duarte. Iniciação à Semântica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. SCHAFF, Adam. Introdução à Semântica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1977. CAMPOS, Augusto de. Poesia antipoesia antropofagia. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. São Paulo: Cultrix, 1979. MENEZES, Philadelfo. Poético e visualidade – uma trajetória da poesia contemporânea. São Paulo: UNICAMP, 1991. PIGNATARI, Décio. Semiótica e Literatura. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. BHABHA, Romi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. CARVALHAL, Tania Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 1986. COUTINHO, Eduardo; CARVALHAL, Tânia Franco. (org). Literatura comparada – textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. MARQUES, Reinaldo; BITTENCOURT, Gilda N. (org). Limiares críticos – ensaios de literatura comparada. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. SILVA, Tomaz Tadenda. O que é, afinal, os estudos culturais? Belo Horizonte: Autêntica, 2000. SOUZA, Eneida Maria de. Traço crítico-ensaios. Belo Horizonte: Editora da UFMG/Editora do Rio de Janeiro: 1993. AZAMBUJA, Jorcelina Queiroz de. (org). O ensino de língua Portuguesa para o 2º grau. Uberlândia: EDUFU, 1996. AZEREDO, José Carlos de. (org). Língua Portuguesa em debate: conhecimento de ensino. Petrópolis: Vozes, 2000. BRASIL – MEC – SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLOGIA. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Médio – PCNEM. Linguagem, código e suas tecnologias, 1999. BRASIL – MEC – SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLOGIA. Exame nacional do ensino médio - ENEM. Competências e habilidades. MENEGOLA, Maximiliano Sant’ana Martins. Por que planejar? Como planejar? Currículo – área-aula. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de Gramática no 1º e 2º graus. São Paulo, 1991. TRAVAGLIA, Luiz Carlos; ARAÚLO, Maria Helena dos Santos. Metodologia e Prática de ensino da Língua Portuguesa. Uberlândia: EDUFU, 1995. CLAVER, Ronald. Escrever sem doer: oficina de redação. Belo Horizonte: UFMG, 1994 Matemática – Licenciatura AEBLI, H. A evolução Mental da Criança. Petrópolis: Vozes. ALVES, R. A Alegria de Ensinar. São Paulo: Ars Poética, 1994. ÁVILA, Geraldo. Introdução à Análise Matemática. Editora Edgard Blucher, 1993. BARROSO Leônidas C. e outros. Cálculo Numérico. 2.ed. Editora Harbra. BASTOS, Cleverson & Keller, Vicente. Aprendendo Lógica. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1995. BIAGGIO. Ângela Maria Brasil. Psicologia do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes. Bibliografia Básica BOLDRINI. J.L. et alli. Álgebra Linear. São Paulo: Harper & Row do Brasil. 1984. BOULOS, Paulo. Introdução ao Cálculo. Cálculo Diferencial, Edit.Edgar Blucher Ltda. BOYCE, W. E. e DIPRIMA, R. C. Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno. 3.ed. Editora Guanabara. C.A. Callioli, H.H. Domingues e R.C.F. Costa, Álgebra Linear e Aplicações, São Paulo: Atual. CANDAU, V. M. Rumo a uma Nova Didática. Petrópolis: Vozes, 1994. CARVALHO. Paulo Cezar Pinto. Introdução à Geometria Espacial. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática. COLEÇÃO COMPLETA: Tópicos de História da Matemática. São Paulo: Atual, 1992. COLL. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Psicologia da Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. CRESPO, Antonio Arnot. Estatística Fácil. Editora Saraiva. CRESPO Antônio Arnot. Matemática Comercial e Financeira. Editora Saraiva. CUNHA, M. I. O Bom Professor e sua Prática. Campinas: Papirus, 1997. D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. 4.ed. São Paulo: Papirus, 1998. DAVIS, P.J. e HERSH, R. A Experiência Matemática. Tradução de João B. Pitombeira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986. E.L. Lima, Álgebra Linear. Rio de Janeiro. IMPA, CNPq, 1996 (Coleção Matemática Universitária). E.L. Lima, Elementos de Topologia Geral, Rio de Janeiro. Ao Livro Técnico, 1970. E.L. Lima, Espaços Métricos. Rio de Janeiro. IMPA. CNPq. 1977 (Projeto Euclides). FAZENDA, I. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez. 1997. FLEMMING, D.M. & GONÇALVES, M.B. Cálculo A: Funções, Limites, Derivação. GUIDORIZZI, H. Luiz. Um Curso de Cálculo. São Paulo: Ed. LTC. V. 1, 2, 3 e 4. H.H. Domingues, Espaços Métricos e Introdução à Topologia, São Paulo: Atual, 1982. HEFEZ, Abramo. Curso de Álgebra: Coleção Matemática Universitária. IMPA, 1993, V.1. HOEL, Paul G. Estatística Elementar. HOFFMAN, K.& KUNZE, R. Álgebra Linear. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1976. LURIA, LEONTIEV, VIGOTSKY et alii. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Moraes. MACHADO, Nilson José. Lógica Conjuntos e Funções. Scipione Ltda., 1988. PIAGET, J. Psicologia e Inteligência. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. VERAS, Lilia Ladeiras. Matemática Financeira. Editora Atlas. Pedagogia – Licenciatura GERMANO. José Wlillington. Estado Militar e educação no Brasil . São Paulo: Cortez, 1994. GROSSI, Ester Pillar, BORDIN, Jussara. Paixão de Aprender. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1994. CHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da Educação. São Paulo: Cortez, 1994. GILES, Thomas Ransom. História da Educação. São Paulo: EPU, 1987. MANACORDA, Mário Aliguiero. História da Educação: da antigüidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1995. XAVIER, Maria Elizabete Sampaio Prado (org.) História da Educação: a escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994 (Coleção Ensinar e Aprender) p. 206-303. PILETTI, Nelson e PILETTI, Claudino. Filosofia e História da Educação. 7 ed. São Paulo: Ática, s/d. RIBEIRO, Maria Luísa S. História da Educação Brasileira: a organização escolar. São Paulo: Moraes, 1981. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p.127-143. SILVA, Tomas Tadeu da. Neoliberalismo. Qualidade Total e Educação: visões críticas. 5ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1997. KNELLER, George F. Introdução à Filosofia da Educação . 6 ed. Zahar Editores. Título original: Introdunction to the Philosofhy of Education, Universidade da Califórnia, Los Angeles. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação. São Paulo: Editora Moderna, s/d. LUCKESI, Carlos Cipriano. Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna,1992 PAVIANI, Jayme. Filosofia da Educação. Petrópolis, RJ. Ed. Vozes, 1990. VEIGA, Ilma Passos; CUNHA, Maria Isabel da . Desmitificando a Profissionalização do Magistério. São Paulo: Papirus.1996 BOFF, Leonardo. Ética da Vida. Brasília: Letraviva, 1999. KLEIMAM, Angela. Texto e Leitor: aspectos cognitivos da leitura. 5 ed. Campinas: Pontes, 1997. ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar . São Paulo: Artes Poética, 1995. BARROS, Enéias Martins de. Nova Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Artes, 1985. PIAGET, Jean: Epistemologia Genética. Veiculado pela TV Escola. ANDRÉ, Hildebrando Afonso de. Cursos de Redação. 2 ed. São Paulo: Marco Editorial, 1978. FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo.Cortez.1996 BUFFA, Ester. Educação e cidadania: quem educa o cidadão? 4 ed. São Paulo: Cortez, 1993. PONCE, Anibal. Educação e luta de classes. 4 ed. São Paulo: Cortez, 1983. BRAZIL, Circe Navarro Vital. O jogo e a constituição do sujeito na dialética social. Rio de Janeiro: Forense, 1993. BARROS, Aidil de Jesus Paes, LCHFEL, Neide Aparecida de Souza. Projeto de Pesquisa: propostas epistemológicas. Petrópolis: Vozes, 1990. FAZENDA, Ivani (org.) Metodologia da Pesquisa Educacional . 3 ed. São Paulo: Cortez, 1994. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1995. GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 1973 FRITZEN, Silvino José.Relações Humanas Interpessoais: Convivências Grupais e Comunitárias, 1ª Edição, São Paulo : Editora Vozes,1997 STEVENS, John O. Tornar Presente: Experimentos de Crescimento em Gestalt Terapia, 2ªEdição: São Paulo, Summus 1977. MORAIS, Régis de. (org.) Sala de aula : que espaço é esse? 3º ed. São Paulo. Papirus. 1995 NOSELLA, Paolo. Compromisso Político como horizonte de competência técnica: Revista Educação e Sociedade . v. 14. Editora Abril, 1983. p. 91-97. PIMENTEL, Maria da Glória. O Professor em construção. São Paulo: Papirus, 1993. SILVA, Ezequiel Theodoro da. O Professor e o combate à alienação imposta. São Paulo: Cortez, 1989. (coleção Polêmicas do Nosso Tempo) v. 14. AMBROSETTI, N.B. O eu e o nós: trabalhando com a diversidade na sala de aula . In: ANDRÉ, M. Pedagogia das diferenças em sala de aula . Campinas: Papirus, 1999. ANDRÉ, M.(org.) Pedagogia das diferenças em sala de aula . Campinas: Papirus, 1999. BORDENAVE, J.D. & PEREIRA, A. M. Estratégia de ensino aprendizagem. 4. ed. Vozes. : Petrópolis 1977. OLIVEIRA, Terezinha de Freitas Rodrigues. Estatística aplicada à educação . Rio de Janeiro: LTC, 1974. CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. São Paulo: Saraiva, 1999. MARTINS, Gilberto de Andrade . & DONAIRE, Denis. Princípios de estatística, São Paulo : Atlas s/n. AZEVEDO, Amilcar Gomes de. & CAMPOS, Paulo Henrique Borges de. Estatística básica Rio de Janeiro : Livros Técnicos e Científico. 2001 COBURN, Peter. Informática na educação. Rio de Janeiro, 1988. Livros técnico e científicos. Editora Ltda, trad. Gilda Helena Bernadino. BIAGGIO, Ângela Maria Brasil. Psicologia do Desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 1978. DAVIS, Cláudia e OLIVEIRA, Zilma M. Ramos de. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1994. DOLLE, Jean-Marie. Para Além de Freud e Piaget. Petrópolis: Vozes, 1993. KUPFER, Maria Cristina. Freud e a Educação - O Mestre do Impossível. São Paulo: Scipione, 1992. LURIA, LEONTIEV, VYGOTSKY et alii. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Moraes. 1991. MORAIS, Regis (org) Sala de aula: Que Espaço é Esse? Papirus. São Paulo: Campinas, 1986. MUSSEN, CONGER, KAGAN. Desenvolvimento e Personalidade da Criança . São Paulo: Harba, 1977. PIAGET,Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990. RAPPAPORT, Clara Regina et alii. Psicologia do Desenvolvimento. Teoria do Desenvolvimento. v. I. São Paulo: EPU, 1982. AEBIL, Hans. Prática de Ensino. São Paulo: EPU, 1982. MACHADO, A. BertoEducação em Revista. v. 9. Belo Horizonte. Jul/89. p. 27-31. . Reflexões Sobre a Organização do Processo de Trabalho na Escola. RAYS, O. Alonso. Planejamento: Um ato político pedagógico. Texto mimeografado. UFSM. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Cadernos Pedagógicos do Libertad nº 1,2,3,4. São Paulo: Centro de Formação e Assessoria Pedagógica, 1995. AGUIAR, José Márcio. Vade-mécum: do pessoal do magistério público do estado de Minas Gerais , Belo Horizonte: Lâncer , 2000 DORNAS, Roberto. Diretrizes e bases da educação nacional , Belo Horiaonte: Modelo editorial, 1997 CATANI, Afrânio Mendes. et alli. Educação e debate. São Paulo: 1998 FREIRE, Paulo. Política e educação. 2 ed. São Paulo : Cortez,1995 MENESES, João Gualberto de Carvalho. et alli . Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo : Pioneira, 2001 MOREIRA, Antônio Flávio B. org. Currículo: questões atuais. Capinas: Papirus, 1997. ______________, Antônio Flávio e TOMÁZ, Tadeu. Currículo cultura e sociedade . 2 ed. São Paulo : Cortez, 1995 SILVA, T. Tadeu. Documento de identidade- uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte : Autêntica, 1999 GOODSON, I..F. Currículo: teoria e história . Petrópolis : Vozes,1996 LOPES, A . C. e MACÊDO , Elizabeth . Currículo : debates contemporâneos , São Paulo: Cortêz, 2002 DOLL, Junior W. Currículo uma perspectiva pós-moderna . Porto Alegre : Artes Médicas, 1997 ALVES, Nilda(org); GARCIA, Regina L. (org). A invenção da escola a cada dia. Rio de Janeiro: DP & A, 2000, p. 7-20. FELDMAN, Daniel, Ajudar a ensinar. Relações entre a didática e o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2001, 81-88. MARPEAU, Jacques. A natureza do processo educativo. Porto Alegre, Artmed, 2002. PERRENOUD, Philippe. Ensinar na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed, 2001, p.13-74 LINHARES, Célia e LEAL, M. Cristina ( orgs.) Formação de professores: uma crítica à razão e á plítica hegemônicas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. SANTOS, C. A. S. & BOTELHO, M. Disciplina e Indisciplina - Termômetro do desejo de aprender. Revista Dois Pontos. Nov. Dez. 1997. SILVEIRA, R. A. A Didática na Formação dos Educadores: Uma Articulação Dialética. Campinas: Papirus, 1998. SOUZA, C. P. (org.) Avaliação do rendimento Escolar. Campinas: Papirus, 1998. TURRA, C. M. G. et alli. Planejamento de Ensino e Avaliação . 11 ed. Porto Alegre: Sagra, 1996. MOREIRA, Antônio Flávio B. org. Currículo : questões atuais . Capinas: Papirus, 1997 P ______________, Antônio Flávio e TOMÁZ, Tadeu. Currículo cultura e sociedade . 2 ed. São Paulo : Cortez, 1995 SACRISTÃN, J.G. O currículo- reflexão sobre a prática. Porto Alegre : 1998 SILVA, T. Tadeu. Documento de identidade- uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte : Autêntica, 1999 GOODSON, I..F. Currículo: teoria e história . Petrópolis : Vozes,1996 LOPES, A . C. e MACÊDO , Elizabeth . Currículo : debates contemporâneos , São Paulo: Cortêz, 2002 DOLL, Junior W. Currículo uma perspectiva pós-moderna . Porto Alegre : Artes médicas, 1997 BRASIL – Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – 1º e 2º Ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília, 1997. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. 10 ed. Scipione, São Paulo: 2000. CHIAPINNI, L. (org.) Aprender e ensinar com textos. São Paulo: Cortez, 1997. GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula – Leitura & produção . 6 ed. Cascavel: Assoeste, 1991. HERR, Nicole. Aprendendo a ler com jornal. Trad. André Luzayadio. BH: Dimensão, 1997. JOLIBERT, Josete. Formando crianças produtoras de textos . Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. _____________. Formando crianças leitoras de textos. Porto Alegre: Artes Médicas. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. KAMIL Constance. A criança de o Número. Campinas: Papirus, 1984. _____________. Reiventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. _____________. Novas Perspectivas: implicações da Teoria de Piaget . São Paulo: Papirus, 1992. _____________. Desvendando a Aritmética. Campinas: Papirus, 1995. LIMA, Reginaldo Nars e VILA, Maria do Carmo. Matematizando – Proposta AME . Belo Horizonte, 1988. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado de Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de Ensino de Matemática. Conteúdos Básicos CBA à 4º série. Ensino Fudamental , 1993 – Programa do Curso Normal – 1986 – Guia Curricular de Matemática. v. 1 e 2, 1997. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. KAMIL Constance. A criança de o Número. Campinas: Papirus, 1984. _____________. Reiventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. _____________. Novas Perspectivas: implicações da Teoria de Piaget . São Paulo: Papirus, 1992. _____________. Desvendando a Aritmética. Campinas: Papirus, 1995. LIMA, Reginaldo Nars e VILA, Maria do Carmo. Matematizando – Proposta AME . Belo Horizonte, 1988. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado de Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de Ensino de Matemática. Conteúdos Básicos CBA à 4º série. Ensino Fudamental , 1993 – Programa do Curso Normal – 1986 – Guia Curricular de Matemática. v. 1 e 2, 1997. BRASÍLIA – MEC – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática – 1997. CENTURION. Marília – Números e Operações – Conteúdo e Metodologia da Matemática. São Paulo: Scipione, 1994. DUARTE, N. O ensino da Matemática na Educaçao de Adultos . São Paulo: Cortez, 1979. ALLUÉ, Josep M. O grande Livro dos jogos. Belo Horizonte: Leitura, 1998. ALMEIDA, Elmar Soero de. Silêncios na História do Brasil. Espaços da Escola . Ano 9. nº 36. Editora UNIJUAI, abr/jun, pp. 39-46. BORGES, Vavy Pacheco e outros. O ensino de história revisão urgente . SP.: Brasiliense. CALLAI, Jaeme Luiz. História da Vida, História da Família nas Séries Iniciais. Uma introdução à forma de Pensar a História . Espaços da Escola. Ano 4, nº 15. Jan/mar. 1995 Editora UNIJUAÍ. pp. 37-43. CARVALHAES JÚNIOR, Adair. Saber, Poder e Ensino de História no Primeiro Grau. Revista da Educação. V. 18/19. Belo Horizonte: UFMG, 1993. pp. 93-97. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: história, geografia. v. 5. Brasília: MEC/SEF. 1997 GARCEZ, Sabrina. Coletar e Reciclar. Uma Proposta de Educação ambiental para a terceira série. Espaços de Escola. Ano 4 n. 24. Abr/jun 1997. Editora UNIJUAI. p. 45-52 VILLALTA, Luiz Carlos. O Ensino de História e a Metodología da Investigação . Carderno do Professor. Minas Gerais: CERS/SEE-MG. N. 3.1988. Pp. 15-29. CARVALHO, A. M.P. e Gil Peres D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. SP. Cortez, 1993. CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1994. ALVES, R. Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e suas regras . SP. Brasiliense, 1981. BERNAL, J. D. Ciências na história. 7 v. Lisboa BH, 1978. FIGUEIREDO, M. T. É importante ensinar ciências desde as primeiras séries iniciais. Revista de Ensino de Ciências. Funbec, 1989. DEIZOCOV e ANTOGOLTH, J. A Metodologia do ensino de ciências. São Paulo. Cortez 1990. LA TAILLE, Yves de. (et alli). Piaget, Vygostsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussões. Summus. São Paulo: 1992. LURIA, LEONTIEV, VYGOTSKY (et alli). Psicologia e Pedagogia. Moraes. SP.: 1991. MORAIS, Regis (org) Sala de aula: Que Espaço é Esse? Campinas: Papirus, 1986. PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 1990 BOCK, Ana Maria Bahia. at alli . Psicologia uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva, 1991 CAMPOS, D. Martins de Souza. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis : Vozes, 1987 RAPPAPORT. Clara Regina et alii. Psicologia do Desenvolvimento. Teoria do Desenvolvimento. v. I. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Infância Inicial: O bebê e sua mãe. v. 2. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Idade Pré-Escolar. v. 3. São Paulo: EPU, 1982. _______________. A Idade Escolar. v. 4. EPU. SP. 1982. SALVADOR, César Coll. Psicologia da Educação. Artes Médicas Sul. Porto Algre: 1999. VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. Martins Fonseca. 4º ed. São Paulo: 1991. COUTINHO, M. T. da C. ; MOREIRA, Mércia. Psicologia da Educação. Belo Horizonte : Lê, 1992 AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – Ensaios sobre a ética e seus avessos. São Paulo: Summus, 2000. MARPAEAU, Jacques. O processo educativo – A construção da pessoa como sujeito responsável por seus atos. Porto Alegre: Artmed, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,2002. KUENZER, Acácia Z., THERRIEN, Ângela S. et al. Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. PEREIRA, Júlio Emílio Diniz. Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994. PETITAT, A. Produção/Reprodução da Escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. CABRINI, C. (et all) Reflexões sobre a prática diária no ensino de História. In.: História em quadro negro: escola, ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de História, SP Ed. Marco Zero, nº 19, set. 89 a fev. 90, pp 143-179. CEDES. A prática do ensino de História. São Paulo: Cortez, 1986. CIAMPI, H. A reconstrução Problematizada. In: Memória, História, Historiografia – Revista Brasileira de História, SP, Ed. Marco Zero, nº 25/26, set. 92/ agosto 93, pp 241-164. FONSECA. S. G. A História Ensinada no 1º e 2º Graus e a constituição da memória histórica. In.: Cadernos de História. Uberlândia, nº 2, janeiro de 1991, pp 37-49. NAPOLITANO, M. A televisão como documento. In.: BITTENCOURT, C. (org) O saber histórico na Sala de Aula. SP: Contexto, 1997. LE SANN, J. G.; TORRES, M. E. L. O. Q.; FERREIRA, S. A.. Estudos Sociais e Geografia na Escola Primária. Orientações Metodológicas. Contagem: Ed. Littera Maciel. 1993. PAGANELLI, T. Para a construção do espaço geográfico na criança. In.: Revista Terra Livre. São Paulo: Marco Zero, 1987. PASSINI, Elza Yasuko, Alfabetização Cartográfica. Belo Horizonte: Lê, 1994. SATOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: artes Médicas. RAYS, O. Alonso . Planejamento: um ato político-pedagógico . Mimeo. UFSM. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Planejamento: plano de ensinoaprendizagem e projeto educativo:São Paulo: Libertad, 1996. MACHADO, A . Berto. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho da escola. Educação em Revista. V. 9. Belo Horizonte, jul.89.p.27-31. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília, MEC/ SEF, 1997. CENTURION, Marília. Números e Operações. Conteúdo e Metodologia da Metodologia. São Paulo. Editora Scipione, 1994. KAMII, Constance. A criança e o número. Campinas: Papirus, 1984. ______________. Reinventando a aritmética. Campinas: Papirus, 1986. ______________. Novas perspectivas: implicações da Teoria de Piaget. Campinas: Papirus, 1992. ______________. Desvendando a aritmética. Campinas: Papirus, 1995. MINAS GERAIS. Secretaria do Estado da Educação. Superintendência de Desenvolvimento Educacional. Programa de ensino da matemática. Conteúdos básicos CBA à 4ª série. Ensino Fundamental, 1993. Guia curricular de Matemática, v. 1 e 2, 1997. TOLEDO, Marília; TOLEDO, Mauro. Didática de Matemática: como dois e dois: a construção da Matemática. Matemática. São Paulo: FTD, 1997. ALVES, Rubem. A Alegria de Ensinar. São Paulo: Petah Ars Poética, 1994. CAGLIARI, L.C. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1989. DAVIS, C. e OLIVEIRA, Z. de M.R. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1990. DELVAL, Juan. Aprender a Aprender. Trad. Jonas Pereira dos Santos. São Paulo: Papirus, 1997. FERREIRO, E. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez, 1985. GOULART, Íris Barbosa. Piget – experiências básicas para utilização pelo professor. GROSSI, Esther P. Didática da Alfabetização. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1990. JOBIM, S e KRAMER, S. “O debate Piaget/Vygostsky e as Políticas Educacionais”. In: Cadernos de Pesquisa, 77: 69-80, maio de 1991. KATO, M. A. No Mundo da Escrita. São Paulo: Ática, 1986. MASSINI, Gladis e CAGLIARI, Luiz Carlos. Diante das Letras: a escrita na alfab.. SP.: Fapesp, 1999. NASCOPOLI, Ana Tereza. Didática de Português: leitura e produção de escrita. São Paulo: FTD, 1996. OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento – um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1995. PRETTI, Derio. Sociolingüística: os níveis da fala. São Paulo: Nacional, 1987. REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórica cultural da educação. RJ. Vozes, 1995. SINCLAIR, Hermine. A Produção de Notações nas Crianças. São Paulo: Cortez, 1990. SMITH, Frank. Compreendendo a Leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. SOARES, Magda. Linguagemm e Escola: uma perspectiva social. São Paulo. ______________. Letramento em Texto Didático. In Letramento – Um tema em Três Gêneros BH. Autêntica,1998 pp. 29-60. TEBEROSKY, A. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985. ______________. Aprendendo a Escrever. São Paulo: Ática, 1994. SMITH, Frank. Leitura Significativa. Editora Artes Médicas Sul Ltda – 1999, CARVALHO, A. M.; GIL PÉRES, D. Formação de professores de ciências: tendêcias e inovações. São Paulo: Cortez, 1993. CHASSOT, A. A ciências através dos tempos. São Paulo: Cortez, 1990. DEIZOICOV, D.; ANTOGOTTI, J. A. A metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1990. FIGUEIREDO, M. T. É importante ensinar ciências desde as primeiras séries. Revista de ensino de Ciências. Funbe, nov./1989. FRANCALANZA, H. et al. O ensino de ciências no 1° grau. São Paulo: Atual, 1986. ASSILCHICK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária/ Edusp, 1987. CARBONEL, Jaume. A aventura de inovar: a mudança na escola. Porto Alegre. Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Autonomia da escola: priincípios e propostas. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000. HERNANDEZ, F. Aprendendo com as provações nas escolas. Porto Alegre. RS. Artes Médicas. 2000. PARO, Vitor H. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Àtica, 2002. PERREOUD, Philippe. Pedagogia diferenciada: das intenções à ação. Porto Alegre: Artes Médicas sul, 2000. VEIGA, I. P. A. Didática: o ensino e suas relações. São Paulo: Papirus, 1996. SANTOS, C. A. S. & BOTELHO, M. Disciplina e Indisciplina - Termômetro do desejo de aprender. Revista Dois Pontos. Nov. Dez. 1997. SILVEIRA, R. A. A Didática na Formação dos Educadores: Uma Articulação Dialética. Campinas: Papirus, 1998. SOUZA, C. P. (org.) Avaliação do rendimento Escolar. Campinas: Papirus, 1998. TURRA, C. M. G. et alli. Planejamento de Ensino e Avaliação . 11 ed. Porto Alegre: Sagra, 1996. MATTOS, Lúcia Alves Faria. Gestão colegiada de escola. Belo Horizonte: UFMG,1995. FALCÃO FILHO, José Leão M. A avaliação dos avaliadores. V.3. Rio de Janeiro.p.73-78. _____________. O Papel do Pedagogo na Escola. Revista Amae Educando. nº 31, Belo Horizonte – MG, Maio. 1994. SILVA, Naura Syria F. Correa da. Supervisão Educacional: uma reflexão crítica, Petrópolis: Vozes, 1985. PENTEADO, Jose de A . Didática e prática de ensino . Editora MacGraw-Hill do Brasil, 1979. ALVES, Nilda. Educação e Supervisão: O trabalho Coletivo da Escola. São Paulo, Cortez, 1985. JUNIOR, Celestino Alves da Silva. Supervisão da Educação: do autoritarismo ingênuo à vontade coletiva. São Paulo: Loyola, 1984. FALCÃO FILHO, José Leão M. As relações entre o supervisor pedagógico e os professores. Passado, presente e futuro . (mimeo). _________. As pessoas e as organizações . Belo Horizonte. Edição do Brasil, p. 4, 28\8 a 3\9388 a 11\9\88. MACHADO, A. Berto. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista. Belo Horizonte: v, 9, p. 27 –31, jul\89. CARVALHO, Maria de Lourdes Ramos da Silva. A Função do Orientador Educacional. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. GIRNSPIM, Mirian P. S. Zippin (org). A Prática dos Orientadores Educacionais. São Paulo: Cortez, 1994 IDÉIAS. São Paulo, nº 12, 15, 1992. LUCK, Heloísa. Planejamento em Orientação Educacional. Petrópolis: Vozes, 1982. FRIZZO, Marisa Nunes; BARCELOS, Eronita Silva(org.). Prática de ensino e estágio supervisionado. Cadernos de Educação I – Centro de Educação| FIDENE\UNIJUÍ. Ijuí, RS: Unijuí, 1985. FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. Clima Organizacional. Belo Horizonte:Lemi,1985 MINAS GERAIS. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. (1998). Parecer nº 1.158. Responde consulta da SEE/MG e da Federação de Estabelecimentos de Ensino de Minas Gerais, com as orientações ao sistema estadual de ensino para o-peracionalização do disposto na parecer 1.132/97. NÓVOA, Antônio. Para uma análise das instituições escolares, In.: NÓVOA, Antônio ( coord.). As organizações escolares em análise, 2ª ed., Lisboa: Dom Quixote, p. 139 –160, 1995. COSTA, M.J.E.D. “A questão política da Inspeção Escolar”. Educação em Revista. Belo Horizonte (7): 10-21, julho. 1988. MANUAL DO SUPERVISOR PEDAGÓGICO E DO INSPETOR ESCOLAR – Editora Lâncer, 1996. GFNDARA, Mari. A expressão corporal do deficiente visual – Coreografando o cotidiano. 2ª edição, DF: MEC, Secretaria dos Desportos, 1994. Educação Especial. São Paulo: Cortez,1989 (cadernos cedes; v.23)79p. - LDBEN n.º 9394/96. - Parecer Da Amped sobre a proposta elaborada pelo MEC para o PNE. - Parecer n.º 1132197/97- CEE. - Resolução n.º 444 de 24/04/2001- CEE. - Parecer n.º 5484/2001- CEE. - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental- Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: 1º segmento do Ensino Fundamental: 1ª a 4ª série: introdução/Secretaria de Educação Fundamental, 2002. - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental- Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: 2º segmento do Ensino Fundamental: 5ª a 8ª série: introdução/Secretaria de Educação Fundamental, 2002. - Ministério da educação- SED- Salto para o Futuro- Educação de Jovens e adultos. Brasília, 2000. - MOURA. Tânia Maria de. A prática pedagógica dos alfabetizadores de Jovens e adultos: contribuições de Freire Ferreiro e Vygotsky. São Paulo: Pioneira, 1999. GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Praxis. São Paulo: Cortez, 1995. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. SACRISTAN, J. Gimeno. A educação obrigatória: seu sentido educativo e social. Porto alegre: Artmed, 2001. BRANDÃO, Helena H. Introdução à análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. BRASIL. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 1° e 2° ciclos do ensino fudamental – Língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997. _______________. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/ SEF, 1997. CARNEIRO, Agostinho Dias. Da interpretação à redação. Editora Moderna, [s.d.]. CHALHUB, Samira. Funções da linguagem: leitura e produção e textos. São Paulo: Ática, 1990. CLAVER, Ronald. Escrever com prazer. Belo Horizonte: Dimensão, 1999. GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna. 15. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1992. GERALDI, João Wanderley (Org.). O texto na sala de aula – leitura e produção. 6. ed. Cascavel: Assoeste, 1991. HERR, Nicole. Aprendendo a ler com o jornal. Trad. André Luzayadio. Adap. Jornalística Ana Lagoa. Belo Horizonte: Dimensão, 1997. HOFFMANN, Jussara. Avaliação: Mito e desafio. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1994. MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Conteúdo Básico. v. I. Belo Horizonte, 1994. (Ciclo Básico de alfabetização a 4ª série do ensino fundamental). ________________. Secretaria de Estado da Educação/LAME/UFJF. Boletim pedagógico da língua portuguesa. SOUZA, Jésus Barbosa de. Meios de comunicação de massa – jorrnal, televisão, rádio. São Paulo: Scipione, 1996. (Ponto de Apoio). VANOYE, Francis. Usos da linguagem – problemas e técnicas na produção oral e escrita. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987. WALTY, Ivete; CURY, Maria Zilda. Textos sobre textos: um estudo da metalinguagem. Belo Horizonte: Dimensão, 1999. ZILBERMAAN. Regina. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984. CHAPPINI, Lígia (Coord.). Aprender e ensinar com textos. v. 1, 2 e 3. São Paulo: Cortez, 1997. Dicionários. Revistas, jornais. Revistas: Presença Pedagógica, Nova Escola, Leitura – teoria e prática. PEREIRA, Julio Emilio Diniz. A Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – ensaios sobre a ética e seus avesos. São Paulo: Summus, 2000. ASSUNÇÃO, Maria Madalena Silva de. Magistério primário e o cotidiano escola., São Paulo: editora Autores Associados, 1999. MACHADO, A . Bento. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista, Belo Horizonte: vpç 9, 1989. SACRISTAN, J. Gimeno. Educar e conviver nacultura global – As exigeências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Escola vivida, escola projketada. 2 ed. São Paulo: Papirus, 1995. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. Petrópolis. Vozes. 1994. PEREIRA, Julio Emilio Diniz. A Formação de professores, pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. AQUINO, Júlio Groppa. Do cotidiano escolar – ensaios sobre a ética e seus avesos. São Paulo: Summus, 2000. ASSUNÇÃO, Maria Madalena Silva de. Magistério primário e o cotidiano escola., São Paulo: editora Autores Associados, 1999. MACHADO, A . Bento. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista, Belo Horizonte: vpç 9, 1989. SACRISTAN, J. Gimeno. Educar e conviver nacultura global – As exigeências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002. GADOTTI, Moacir. Escola vivida, escola projketada. 2 ed. São Paulo: Papirus, 1995. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. Petrópolis. Vozes. 1994. FRITZEN, Silvino J. Relações Humanas Interpessoais. Petrópolis: Vozes, 1992. GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. 3º ed. São Paulo: Cortez, 1994. BRASIL – MEC. José Augusto Dias (versão brasileira). Gestão da Escola Fundamental – Editora Cortez. São Paulo, 2001. LOPES, M. A. & GONÇALVES, R. A. Planejamento na Educação . Montes Claros. Unimontes, 1997. BRASIL – MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional . Lei nº 9.394/96. _____________. Governo Federal – Emenda à Constituição Federal de 1988, nº 14. _____________. Lei 9424/97 – 1997. FERREIRA, O. M. Recursos audivisuais no processo ensino-aprendizagem . São Paulo: E.P.U, 1998. FERRETI. C. J. (org.) Novas Tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. GREENFIELD, Patrícia Marks. O desenvolvimento do Raciocínio na Era da Eletrônica – Os Efeitos da TV, Computadores e Videogames. Summs Editorial, 1988. LEVX, Pierre. As tecnologias da Inteligência – O futuro do Pensamento na Era da Informática. Editora 34, 1993. GRAMIGNA, Maria Rita Miranda. Jogos de Empresa. São Paulo: Makron Books, 1993. HERNANDEZ, Fernando. Aprendendo com as inovações nas Escolas . Porto Alegre: Artmed, 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia – Saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra, São Paulo, 24ª edição, 2002. PIMENTA, Selma Garrido, GHEDIN, Evandro ( orgs.) Professor reflexivo no brasil – gênese e crítica de um conceito. 2ª edição, São Paulo: Cortez, 2002. BECKER, Fernando. A epistemologia do professor – o Cotidiano da escola. 3 ed. Petrópolis, 1993. CANDAU, Vera Maria (org.). Magistério: construção cotidiana, 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1997. APPLE, Michael W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. FERNANDES, A mulher escondida na professora. Porto Alegre; Artes Médicas, 1994. BASSEDAS, Eulália et al. Intervenção educativa e diagnostico psicopedagógico. 3 ed. Porto Alegre: Artes Médicas. ALVES, Nilda, MELLO, Giomar, N. de. Educação & supervisão: o trabalho coletivo na escola. São Paulo: Cortez, 2000 JUNIOB, Celestino Alves da Silva, RANGEL, Mary ( orgs). Nove olhares sobre a supervisão. Campinas, SP: Papirus, 5ª ed. 2000. SILVA, Naura syria Ferreira Côrrea da. Supervisão educacional: uma reflexão crítica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000 ALVES, Nilda . O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais, 6ª edição. Edições Loyola, São Paulo, 1994. PINO, Ivany Rodrigues. Supervisão educacional: novos caminhos.São Paulo: Papirus, 1991. GADOTTI, Moacir. Organização do trabalho escolar. São Paulo: Àtica, 1996. FREITAS, Luís Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico da didática. São Paulo: Ed; Papirus,1995. ALVES, Nilda. O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. São Paulo: Loyola, 1994. GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo . Petrópolis, RJ: Vozes,1995 VEIGA, Ilma Passos D’Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Papirus,2001 Constituição da República Federativa do Brasil. A nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação. FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. Clima Organizacional. Belo Horizonte:Lemi,1985 MANUAL DO SUPERVISOR PEDAGÓGICO E DO INSPETOR ESCOLAR – Editora Lâncer, 1996. PARO, Vitor Henrique. Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo: Atica, 1996 Serviço Social – Bacharelado FERNANDES, Florestan – Ensaios de Sociologia Geral e Aplicadas, SP: Pioneira, 1960. MARTINS, Carlos B. O que é Sociologia São Paulo: Brasiliense, 1984. COSTA, Cristina Castilho. Sociologia Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo: Moderna, 1997. QUINTANEIRO, Tânia, et all. Um toque clássico Durkheim, Marx e Weber. BH: Ed. UFMG, 1995. Coleção Grandes Cientistas Sociais – Durkheim, Marx e Weber. SP: Ática. MARX, Karl. Contribuição a Crítica da Economia Política. Lisboa: Editora Estampa, 1973. MARX, Karl & ENGELS. Friedrich – A ideologia Alemã – Teses sobre Feuerbach . São Paulo: Editora Moraes, 1984. WEBER, Max. Conceitos Básicos de Sociologia. São Paulo: Editora Moraes, 1987. __________ Economia e Sociedade. Distrito Federal: Editora Universidade de Brasília, 1994. __________ Metodologias das Ciências Sociais. Parte 1 e 2. São Paulo: Cortez Editora, 1992. __________ Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar,1979. COHN, Gabriel. Para ler os clássicos. São Paulo: Livros Técnicos Científicos. JAPIASSU, Hilton e MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. CASTRO, Manuel Manrique. Historia do Serviço Social na América Latina . 5 ed., São Paulo: Cortez, 2000. ESTEVÃO, Ana Maria R. O que é Serviço Social? Coleção Primeiros Passos. 6 ed., São Paulo: Brasiliense, 1992. FALEIROS, Vicente de Paula. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social . São Paulo: Cortez, 9 ed., 1999. IAMAMOTO, Marilda V. A, Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 1 ed., São Paulo: Cortez, 1982. NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992. WANDERLEY, M. Metamorfoses do desenvolvimento de comunidade. 2 ed., São Paulo: Cortez, 1998. ANDER - EGG, Ezequiel. História del Trabajo Social. Buenos Aires: Humanitas, 1985. IAMAMOTO, Marilda V. A. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: Ensaios Críticos. 2 ed, São Paulo: Cortez, 1994. LIMA, Boris Aléxis. Contribuição à Metodologia do Serviço Social. Belo Horizonte: Interlivros, 1973. OLIVEIRA, Jaime A. A. de e Teixeira, Sonia Maria Fleury. A imprevidência social. Petrópolis: Vozes/ABRASCO, 1986. SPOSATI, Aldaíza et alli. Assistência na trajetória das Políticas Sociais Brasileiras. 6 ed, São Paulo: Cortez, 1995. ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência. São Paulo: Ars Poética, 1996. BOTOMÉ, Sílvio Paulo. Pesquisa Alienada e Ensino Alienante o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes, 1996. DEMO, Pedro. Pesquisa: Princípio Científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1996. DUARTE, Simone Viana, FURTADO, Maria Sueli. Manual para Elaboração de Monografias e Projetos de Pesquisa. Montes Claros: UNIMONTES, 1999. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1987. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 1993. SIQUEIRA, Sueli. O trabalho e a pesquisa científica na construção do conhecimento . Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce, 1999. Manual Normas Técnicas – UFMG ALVES, R. Filosofia da Ciência: São Paulo: Ars Poética. 1996. CARRAHER,David William. Senso Crítico: do dia - a – dia às Ciências Humanas. São Paulo, Pioneira, 1993. LUNGARZO, Carlos. O que é Lógica.Primeiros Passos. São Paulo, Brasiliense, 1989. DEMO, Pedro. Ciência, Ideologia e Poder.São Paulo, Atlas, 1989. JUNIOR, João Francisco Duarte. O que é realidade. Primeiros Passos nº 115 São Paulo, Brasiliense, 1984. REZENDE, Antônio. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1986. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. PIRES, Maria Helena. Temas de Filosofia. São Paulo, Moderna, 1992. BOBBIO, Norberto e outros.Dicionário de Política.Brasília: Unb, 1986. República Velha. Revolução de 30. Instauração e colapso do Estado Novo. Urbanização, industrialização e surgimento dos novos sujeitos políticos. Nacionalismo e desenvolvimentismo e a inserção dependente no sistema capitalista mundial. O período pós-64. Transição democrática. O neoliberalismo. Particularidades sócio-históricas regionais. 1.1.1.1.2 CARVALHO, José Murilo de. República e cidadanias. In: Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Cia das Letras, 1987, p.66-90. __________. A formação das Almas. O imaginário da república no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1990, p.55-74,129-140. DECCA, M. A G. A. A vida fora das fábricas. Cotidiano operário em São Paulo 1920 – 1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. (Oficinas da História). DEL PRIORE,M.(org.) História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000, p.210230; 259-316. FAUTO, B. A revolução de 1930. In. MOTA, C.G. (org.) Brasil em perspectiva. 20 ed. São Paulo: Bertrand do Brasil, 1995, p.227-256. IGLÉSIAS, Francisco. Trajetória Política do Brasil: 1500 – 1974. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. MALUF, M. MOTT, M.L. Recônditos do mundo feminino. In: NOVA, F. (org.) História da Vida privada no Brasil.V.3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p.365-421. MENDONÇA S.R. As bases do conhecimento capitalista dependente: da industrialização restringida à internacionalização. In: LINHARES, M. Y. (org.) História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1990, p.327-350. NEVES, L.A. Trabalhismo nacionalismo e desenvolvimentismo: um projeto para o Brasil (1945 – 1964) In: FERREIRA, J. (org.) O populismo e sua história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p. 169-203. PEREIRA DE QUEIROZ, M. I O coronelismo numa interpretação sociológica. In: FAUSTO,B. (Org.) História da civilização brasileira.O Brasil republicano. São Paulo: Difel, T. III, V1, 1977. SEVCENKO, N. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso . In:NOVAIS,F (org.) História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, v.3, p.7-48. SOLA, L. O golpe de 37 e o Estado Novo. In: MOTA, C.G.(org.) Brasil em perspectiva. 20 ed. São Paulo: Bertrand do Brasil, 1995, p. 256-282. WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira.Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 61-78. 1.1.2. COSTA, J.F. Ordem Médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989. DIÉRGUES JUNIOR, M. Imigração, urbanização e industrialização. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1964. FAUTO, Boris. Revolução 1930: história e historiografia. 16 ed. São Paulo: Companhia da Letras, 2000. FONSECA, C. Ser mulher, mãe e pobre. In DEL PRIORE, M. (Org.) História das Mulheres no Brasil.São Paulo: Contexto, 1997, p. 510-553. JANOTTI, M.L. O coronelismo uma política de compromissos. 8 ed. São Paulo: Brasiliense, 1992. SADER, Emir, GENTILI, Pablo. Pós-Neoliberalismo: A Políticas Sociais e o Estado Democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. V. I e II. ABESS. Proposta Básica para o Projeto de Formação Profissional. Recife: ABESS, 1995. BONETTI, D. A. et alli (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3ª Ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5ª Ed., São Paulo: Cortez, 2001. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL –O Serviço Social no Século XXI - nº 50. São Paulo: Ed Cortez, 1996. SÁ, J. M. Serviço social e interdisciplinaridade - 4ª Ed., São Paulo: Cortez. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Módulo 01, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais . Módulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas. 1995. KAMEYAMA, N. A trajetória da produção de conhecimento em Serviço Social: avanços e tendências (1975-1997). In: Cadernos ABESS, nº 8, Diretrizes Curriculares e Pesquisa em Serviço Social. São Paulo: Cortez,1998. SILVA, Maria Ozanira da. Formação Profissional do Assistente Social. 2ª Ed., São Paulo: Cortez,1995. BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 1998. __________ “Ao leitor”; “O espaço dos pontos de vista”; “Compreender”. In: A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000. COHN, Gabriel. Weber: Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas. DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999. __________Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fonts, 1995. ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. GIDDENS, Anthony..As conseqüências da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1996. IANNI, Octávio (Org.). Marx: Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas. LAKATOS, Eva Maria. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 1996. QUINTANEIRO, Tânia. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber . Belo Horizonte: UFMG, 1995. WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UnB, 1999. BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980. __________ A construção social da realidade. Petrópolis, RJ, 1987. DICIONÁRIO de sociologia. São Paulo: Globo, 1961. GALLIANO, A. G. Introdução à sociologia. São Paulo: Harbra, 1981. GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: EDUSP, 1996. __________As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991. HAGUETTE, Teresa Maria Frota. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. SANTOS, B. de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade . São Paulo: Cortez, 1996. WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1999. ABRAMIDES, M.B.C. e CABRAL, M. do S. R. O Novo Sindicalismo e o Serviço Social: Trajetória e Luta de uma Categoria: 1978-1988. São Paulo: Cortez, 1995. AGUIAR, A. G. de. Serviço Social e Filosofia: Das Origens a Araxá. 4 ed., São Paulo: Cortez, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. A. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: Ensaios Críticos. 2 ed, São Paulo: Cortez, 1994. NETTO, José P. Ditadura e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991. __________. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. São Paulo: Cortez, 1995. SANTOS, Leila L. Textos de Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1993. SILVA e Silva. M. O.(coord.). O Serviço Social e o popular - resgate teórico metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 1995. SIMIONATTO, I. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influencia no Serviço Social . São Paulo: Cortez/UFSC, 1995. FALEIROS, V. P. Confrontos teóricos do movimento de reconceituação do Serviço Social na América Latina. Serviço Social e Sociedade . Ano VIII, nº 24. São Paulo: Cortez, agosto de 1987. __________. Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez. __________. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social . São Paulo: Cortez, 9ª Ed, 1999. DA MATA, Roberto. “A antropologia no Quadro das Ciências” .In relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1990, pp. 17-27. MERCIER, P. História da Antropologia. Rio de Janeiro: Eldorado, 1974, cap. 1 e 2. VELHO, G. Observando o Familiar. In: Individualismo e Cultura. Notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro, 1994, p. 121-132. OLIVEIRA NUNES, E. (Org.) A Aventura Sociológica. LAPLATINE, F. Aprender Antropologia. 3 ed. Brasiliense. 1988. LEVI-STRAUSS, Caude. Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1975. MELLO, Luiz Gonzaga. Atropologia Cultura. Ed. Voz. ROCHA, Everardo P. Guimarães. O que é etinocentrismo. São Paulo. Brasiliense, 1984 (Primeiros passos). MALINOSWSKI, Bronilaw. Argonautas do Pacífico, Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da nova guiné Melanésia. 2 ed. São Paulo. Abril Cultural, 1978 (Os pensadores). BOCK, A.M.B. (2000). Psicologias: Uma Introdução ao estudo da Psicologia . São Paulo: Editora Saraiva. DA VIDOFF, L.L. (1983). Introdução à Psicologia. São Paulo: McGraw – Hill MYERS, G. Davis.(1999). Introdução a Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC TELLES, M.L.S. O que é Psicologia. São Paulo: Brasiliense: 1999. FIGUEIREDO, L.C.M. Matrizes do Pensamento Psicológico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991. KELLER, F. Aprendizagem do reforço. São Paulo: EPU, 1973. BRENNER, C. Noções Básicas de Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1987. VYGOTSKI, L.S. LURIA, A.R. e LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Cone, 1991. LANE,S.T.M.. O que é Psicologia Social? São Paulo: Ed. Brasiliense, 1981. __________Psicologia Social: O Homem em Movimento. São Paulo: Ed. Brasilense, 1986. CASTEL. R. As metamorfoses da questão social. Ed. Vozes, 2001. MONTANÕ, Carlos. Terceiro Setor e Questão Social: crítica ao poder emergente de intervenção social. 1ª Ed., São Paulo: Cortez, 2002. POCHMANN, M. e AMORIM, R. Atlas da exclusão Social no Brasil. São Paulo: Cortez ROSANVALON. P. A. A Nova Questão Social. Repensar o Estado Providencia . Petrópolis: Vozes, 1998. WANDERLEY, L.E. BOGUS, L.M.M. E YASBECK, M.C. Desigualdade e Questão Social. São Paulo: Educ, 2000. WANDERLEY, L. E. et alli. Questão Social e desigualdade social no Brasil . São Paulo: Hucitec, 1998. ASSMANN, H. Critica a lógica da exclusão. Ensaios sobre economia e teologia . São Paulo: Paulus, 1994. FURTADO. Celso. O capitalismo global. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. FALEIROS, V. de P. La Nouvelle Question Sociale. In: Serviço Social e Sociedade nº 54. São Paulo: Cortez, 1997. IANNI, O. A Questão Social. In: São Paulo e Perspectiva, vol. 5, nº1. São Paulo: SEADE, 1991. TELLES, V. de S. Questão Social: afinal de que se trata? In: São Paulo e Perspectiva, vol 10, nº 4, outubro/dezembro de 1996, São Paulo: SEADE. 1996. HUNT & SHERMAN. História do Pensamento Econômico. 3 ed, RJ: Editora Vozes, 1982. HUNT, E.K. História do Pensamento Econômico. 4 ed, RJ: Editora Campus, 1986. ARAÚJO, Carlos R.V. História do Pensamento Econômico – Uma Abordagem Introdutória. 1 ed, SP: Editora Atlas, 1986. HÉLIO, Jaguaribe. Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Político. RJ: Paz e Terra, 1969. KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do juro e da Moeda. SP: Abril, 1983. Revista de Economia Política – Vol I, II, III e IV. Editora Brasiliense. SOUZA, Nali de Jesus.Desenvolvimento Econômico. SP: Atlas, 4ª edição, 1999. ANDER-EGG, Ezequiel. Introdução ao Trabalho Social. São Paulo, Ed. Vozes, 1995. CADERNOS ABESS (No. 3). A Metodologia em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1989. CHACUR, Alice. Construção do objeto no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1983. FALEIROS, V. de P. Saber profissional e poder institucional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 1985. __________ . Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1999. GENTILLI, R. de M. Representações e práticas: identidade e processo de trabalho no Serviço Social. São Paulo: Veras, 1998. GUERRA, Y. A Instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 2001. KARSCH, Úrsula. O Serviço Social na era dos Serviços. 3 ed., São Paulo: Cortez, 1998. MARTINELLI, M.L.; RODRIGUES, M.L. E MUCHAIL, S.T. (Organizadoras). O Uno e o Múltiplo nas Relações entre as Áreas do Saber. São Paulo: Cortez, EDUC, 1995. MARTINELLI, M L. Serviço Social: Identidade e Alienação. São Paulo: Cortez, 1989. NETO, J.P. & Falcão. M.C.B. Cotidiano: conhecimento e Crítica. São Paulo: Cortez, 1987. PONTES, R. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1985. SERRA, ROSE (org.) Trabalho e Reprodução. 1 ed., São Paulo: Cortez, 2001. SOUZA, Maria Luiza de. Serviço Social e Instituição - A Questão da Participação . São Paulo: Cortez, 1982. VASCONCELLOS, Ana Maria de. Serviço Social e Prática Reflexiva . In: Revista em Pauta No 10. Rio De Janeiro: Faculdade de Serviço Social da Uerj. , Julho/1997. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. CARDOSO, F. G. Organização das Classes Subalternas - Um desafio para o Serviço Social. São Paulo: Cortez/São Luiz: EDUFMA, 1995. IAMAMOTO, Marilda V. A, Carvalho, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 1 ed., São Paulo: Cortez, 1982. NETO, J.P. Notas para a discussão da sistematização prática e teoria em Serviço Social . In: Caderno ABESS, nº 3. A metodologia do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1989. MARTINELLI, M. L.; KOUMROUYAN. Um novo olhar para a questão dos instrumentais técnico-operativos em Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, nº 4. São Paulo: Cortez, 1994. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE – Modernidade – Sombras e Lutas. São Paulo: Ed Cortez, 2000. VASCONCELLOS, Eduardo Mourão. Serviço Social e Interdisciplinaridade: O Exemplo da Saúde Mental. In: Serviço Social e Sociedade No. 54, São Paulo, Ed. Cortez, Julho/1997. BOBBIO, Norberto. A era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992. BRASIL. Constituição. Constituição da Federativa do Brasil, de 5.10.1988. Brasília: Senado, 2003. BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. Lei 8.069/90. CARVALHO, Jeferson Moreira. Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: J. de Oliveira, 2000. 224 p. (Manual funcional). COLIN, Denise R. Arruda, FOWIER, Marcos Bittecourt.Lei Orgânica da Assistência Social anotada. São Paulo: Veras, 1999. GUIMARÃES, Giovane Serra Azul. Adoção, tutela e guarda. São Paulo: J. de Oliveira, 2000. p. 224 . SIMÕES, Carlos. Legislação do serviço social. São Paulo: J. de Oliveira, 1998, p.192. COMMAILLE, Jacque; BARRETO, Vicente (Org.). A nova família: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Renovar, 1997. p.198 . FLÓRIDO, Luiz Augusto Irineu. Lições de legislação social. São Paulo: LEUD, 1983. LIMA, Luiz Tenório de. Movimento sindical e luta de classes . São Paulo: J. de Oliveira, 1998. p.28 MADALENO, Rolf. Novas perspectivas no direito de família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000. p.184 . MARTINS, Sergio Pinto. Direito da seguridade social. São Paulo: Atlas, 2000. 502 p. ALMEIDA, N. L. T. de. Considerações para o exame do processo de trabalho do Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, nº 52, ano XVII. São Paulo: Cortez, dez. 1996. ALVES, Rubem. O senso comum e a ciência IN Filosofia da Ciência – Introdução ao jogo e suas regras. S.P., Brasiliense, 1991. ANDER-EGG, Ezequiel. Introduccíon a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história IN Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 5ª ED.S.P: Brasiliense, 1993. BRUSCHINI, Cristina. O uso de abordagens quantitativas em pesquisas de relações de gênero IN COSTA: Albertina de Oliveira e BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero R.J: Rosa dos Tempos, 1992. DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1981. FAUSTO NETO, Ana Maria Quiroga. Produção científica e formação profissional - os paradigmas do conhecimento e seu rebatimento no cotidiano do ensino, da pesquisa e do exercício profissional. IN Cadernos ABESS nº 6, S.P: Cortez, 1993. HIRANO, Sedi & ABRAMO, Perseu [et. all.]. Pesquisa Social: projeto e planejamento. São Paulo: São Paulo. 1979. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1985. MADURO Otto. Mapas para a Festa - Reflexões latino-americanas sobre a crise e o conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1994. MINAYO, M. C. S (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. SELLTIZ et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974 SETUBAL, Aglair. Pesquisa em Serviço Social: Utopia e Realidade. 2ª Ed., São Paulo: Cortez, 2002. THOMPSON, E. P. Intervalo: a lógica histórica IN A miséria da teoria ou um planetário de erros. R.J. : Zaharr Editores, 1981. TRIVINOS, Augusto N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. Atlas. Editora, 1987. UMBERTO, Eco. Como se faz uma tese. 18. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2002. BONETTI, D. A. et all (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis . São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3 ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. CHAUÍ, M. A filosofia moral in Convite à filosofia.São Paulo: Editora Ática, 1995. GALVÃO, A. M. A crise da ética; o neoliberalismo como causa da exclusão social . Rio de Janeiro: Vozes, 1997. SAUTET, M. Um Café para Sócrates. Como a Filosofia Pode Ajudar a Compreender o Mundo de Hoje. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997. VASQUEZ, A.S. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Módulos 01-02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. GRAMSCI, A. Concepção Dialética da Historia. 3 ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. LUKÁCS, G. As bases ontológicas da atividade humana. In Temas, nº4, São Paulo: Ciências Humanas, 1978. NETTO, José Paulo. Razão, ontologia e práxis. In Serviço Social e Sociedade nº 44. São Paulo: Cortez, 1994. __________Capitalismo e reificação. São Paulo: Ciências Humanas, 1981. __________ Para a crítica da vida cotidiana. In Neto, J.P. e Falcão, M.C. Cotidiano: conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 1987. SCHONS, S. M. Assistência Social na Perspectiva do Neoliberalismo. Revista Serviço Social e Sociedade. N° 49, ano XVI. São Paulo: Cortez, nov 1995. TERTULIAN, N. O grande projeto da ética. In Ensaios Ad Hominen, São Paulo: Edições Ad Hominem, 1999. BIGNOTTO, Newton. Maquiavel republicano. São Paulo: Loyola,1991. CHEVALLIER, Jean Jacques. As grandes obras políticas de Maquiavel em nossos dias. Rio de Janeiro: Agir, 1990. HOBBES, Thomas. In: col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984. MAAR,Wolfang Leo. O que é política. São Paulo: Brasiliense, 1982. MAQUIAVEL, N.B. O príncipe. Tradução de Roberto Grassi. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1985. __________. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Brasília: UNB. LOCKE, John. In: Col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1982. RIBEIRO, Renato Janine. Ao leitor sem medo: Hobbes escrevendo contra o seu tempo. Belo Horizonte: ed: UFMG, 1999. ROUSSEAU, Jean Jacques. In: col. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984. WEFFORT, Francisco C. Os clássicos da política I. São Paulo: Ática, 1999. MASCARO, S.A. O que é velhice. São Paulo: Brasiliense,(coleção primeiros passos),1997, 93p. Constituição Federal Estatuto do Idoso BRASIL, SEAS. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, setembro, 2004. BEAUVOIR, Simone de. A velhice. tradução de Maria Helena Franco Monteiro, 1908 à 1986, 2ªEdição, Editora Nova Fronteira S/A Botafogo, Rio de Janeiro. HADDAD, Eneida G. de Macedo. O Direito a Velhice: os aposentados e a Previdência Social. Cortez Editora – Volume 10 – São Paulo: 1993. (Coleção Questões da nossa época). _____________________________. A Ideologia da Velhice, São Paulo: Cortez, 1986. LOPES, Gerson Pereira. Sexualidade e envelhecimento: [et al]; Câmara Brasileira do livro. BASTO, Paulo A. A idéia do tempo e o Envelhecimento. Cadernos da Terceira Idade São Paulo SESC(6), 1980. CANOAS, Cilene Sevain. A Condição Humana do Velho. São Paulo: Cortez, 1985. FRAIMAN, Ana Perwin, Sexo, Afeto na Terceira Idade. São Paulo: Editora Gente, 1994. Câmara Brasileira do Livro. GONÇALVES, Iva Ferreira. Os Direitos dos Idosos. MT, Brasil, set. 1997, 1ª Edição, Conselho Municipal de Defesa do Direitos da Pessoa Idosa (Cartilha). NERY, Anita Liberalesco, et all. Qualidade de vida e Idade Madura. Papirus Editora, 1993, (Coleção Viva Idade) Campinas, SP. PEREIRA, Leda Lúcia Lima, at Cora Martins Vieira. A Terceira Idade, Guia para viver com saúde e sabedoria. 2 ed., 1996. FERNANDES, M. das G. M. e FRAGOSO, K. S. de M. Violência Doméstica contra Idosos. A Terceira Idade, São Paulo: SESC, nº 25, p. 27-35, agosto 2002. ABREU, M.M. A Relação entre o Estado e a Sociedade Civil- a questão dos Conselhos de Direitos e a participação do Serviço Social . In: Revista Serviço Social e Movimento Social. São Luiz: EDFUMA, nº1, 1999. CARDOSO, F.G. Organização das classes subalternas – Um desafio para o Serviço Social. São Paulo: Cortez/São Luiz: EDUFMA, 1995. CASTELLS, M. A sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1994. CHILCOTE, R.H. Teoria de classes. In: BIB - Boletim Informativo e bibliográfico de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Anpocs/Relume Dumará, nº39, 1995. DEMO, P. Charme da exclusão social. Campinas: Edit.Autores Associados, 1998. _______ Combate à pobreza: desenvolvimento como oportunidade . Campinas. S.P. – Autores Associados, 1996. IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5 ed., São Paulo: Cortez, 2001. JACOBI, P. - Movimentos Sociais e Políticas Publicas. São Paulo: Cortez, 1989. MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Poder Municipal. 2 ed. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 1999. RAUTA, R. Mutações tecnológicas portadoras de novas potencialidades: as redes de cooperação política. In Rauta R. (coord.) Mutações societais e gestão de políticas Urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 1999 (no prelo). RAICHELIS, R. Esfera Pública e Conselhos de Assistência Social.- Caminho da Construção Democrática. São Paulo: Cortez, 1998. SILVA, Jackqueline Oliveira. Práticas do Serviço Social. Espaços tradicionais e emergentes. Porto Alegre. Da casa, 1998. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais . Modulo 04, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. ALAYON, Norberto. Assistência e Assistencialismo – controle dos pobres ou erradicação da pobreza? SP: Cortez, 1995. CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1988. FALEIROS, Vicente de Paula. A política social do estado capitalista: funções da previdência e assistência sociais. São Paulo, Cortez, 1995. GUEIROS, Maria José Galvão. Serviço Social e cidadania. Rio de Janeiro, Agri, 1990 BECKER, Howard S. Evidencias do trabalho de campo. IN Métodos de Pesquisa em Ciência Sociais. S.P., Hucitec, 1993. MINAYO, Maria Cecília de Souza et. alii (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. SILVA e Silva. M. O. Refletindo a Pesquisa Participante. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1991. SOUZA, Amaury de. Método e improvisação, ou como conseguir uma entrevista naquele setor que vai dos fundos da igreja Matriz até o córrego e dali às margens do Rio - Bahia In.: NUNES, Edson de Oliveira (org.) A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método de pesquisa social. R.J.: Zahar Editores, 1978. THIOLLENT, Michel. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997. VELHO Gilberto. (1987). Observando o familiar IN Individualismo e Cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. R.J., Jorge Zahar Editor, 2 ed. CARDOSO, Ruth. As aventuras de antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In.: CARDOSO, Ruth (org.) Aventura Antropológica. R.J.: Paz e Terra, 1986. ANDREOLA, Balduíno A. Dinâmica de grupo, jogo da vida e didática do futuro . 10 ed. Petrópolis: Vozes, 1995. 86 p. ARMANI, Domingos. Como elaborar projetos? Guia prático para elaboração e gestão de projetos sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000. 94 p. BAREMBLITT, Gregório F. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1996. 235 p. CAMPELLO, L. M. F. Serviço social organizacional: teoria e prática em empresa. São Paulo: Cortez, 1983. CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações. Rio de Janeiro: Campus: 1999. COVRE, M. de L. M. A função da técnica. In BRUNO, L. e SACARDO, C. (orgs) Organização, trabalho e tecnologia. São Paulo: Atlas, 1986. FALEIROS, Vicente de Paula. Saber profissional e poder institucional . São Paulo: Cortez Editorial. __________. Estratégias em serviço social. São Paulo: Cortez Editorial, 1999. FRITZEN, Silvino José. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. São Paulo: Cortez, 1991. GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. 1 ed. São Paulo: Cortez, 1995. LEITE, M.P. Novas Formas de Gestão de Mão de Obra . In: O Mundo do Trabalho. Crise e mudança no final do século. São Paulo: Scritta, 1994. WEISSHAUPT, Jean Robert. As funções sócio-institucionais do serviço social. São Paulo: Cortez, 1985. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. AGUILAR, M. J. ; Ander-Egg, E. Avaliação de serviços e programas sociais. Petrópolis: Vozes, 1994. FERNANDES, E. Qualidade de Vida no Trabalho. Como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade, 1996. LOPES, J. B. Objeto e especificidade do serviço social: pensamento Latino-Americano . São Paulo: Cortez, Moraes. KARSCH, Ursula M. Simon. O serviço social na era dos serviços. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1989. RICO, E. de M. Teoria do serviço social de empresa: objeto e objetivos . São Paulo: Cortez, 1982. RICO, E.M. e RAICHELIS, R. (orgs.). Gestão Social: uma Questão em Debate. São Paulo: Educ/IEE, 1999. SUCUPIRA, J. A. Ética nas empresas e balanço social. Revista Democracia Viva nº 6. Rio de Janeiro: Ed. Segmento/Ibase, 1999. BAVA, S.C. As ONGs e a Nova Conjuntura Democrática. São Paulo: ABONG, 1996. BRAGA, R. A restauração do capital: um estudo sobre a crise contemporânea . São Paulo: Xamã, 1997. CATTANI, A. D. Gestão Participativa. In: CATTANI, Antonio David (org.). Trabalho e tecnologia: dicionário crítico. 2. Ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p.107-114. COHN, M. da G. Sem terra, ONGs e Cidadania (Os). 2 ed., São Paulo: Cortez. 2000. FERNANDES, R. C. Privado porém público: o terceiro setor na América Latina . Rio de Janeiro. __________ O que é o Terceiro Setor. In: 3º Setor, Desenvolvimento Social Sustentado. São Paulo: Paz e Terra, 1997. LANDIM, L. Para Além do Mercado e do Estado? Filantropia e Cidadania no Brasil . Rio de Janeiro Serie Textos de Pesquisa. Núcleo de Pesquisa/ISER, 1993. __________ (Org.) Ações em Sociedade: Militância, Caridade, Assistência ... Rio de Janeiro: NAU, 1998. MARTINELLI, C. Empresa Cidadã: uma visão inovadora para uma ação transformadora. In: 3º Setor, Desenvolvimento Social Sustentado. São Paulo: Paz e Terra, 1997. MOTA, A. E. (Org.) A nova fabrica de consensos. São Paulo: Cortez, 1998. RECH, D. Cooperativas: uma alternativa de organização popular. Rio de Janeiro: Fase, 1995. TELLES, V.S. Sociedade Civil e a Construção de Espaços Públicos. São Paulo: Brasilense, 1994. __________. Sociedade Civil, Direitos e Espaços Públicos. In: Revista PÓLIS, nº 14, Participação Popular nos Governos Locais - Fórum Nacional de Participação Popular nas Administrações Democráticas. São Paulo, 1992. ABRAMIDES M.B. C. e CABRAL M.S. Novo Sindicalismo e o Serviço Social. 1ª Ed., São Paulo: Cortez. 1995. BURAWOY, M. A transformação dos regimes fabris no capitalismo avançado. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo: Vertece, nº 13, dezembro/1990. HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos: O Breve Século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995. MOTA, Ana Elizabete. O feitiço da ajuda: as determinações do serviço social na empresa. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1998. PALMA, Diego. A Prática Política dos Profissionais: o caso do Serviço Social. 2ª Ed., São Paulo: Cortez. 1993. PEREIRA, Potyara A. P. Necessidades Humanas: subsídios a critica dos mínimos sociais. 1ª Ed., São Paulo: Cortez. 2000. AZEVEDO, M.A. e GUERRA, V.N.A. (Org.).Crianças vitimadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu Editora, 1989. __________.Infância e violência domestica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, 1993. __________. “Que terminologia empregar?”. In: 3º Telecurso do LACRI sobre a violência domestica contra crianças e adolescentes. São Paulo: LACRI, 1997. CERVINI, R. e BURGER, F. “O menino trabalhador no Brasil urbano dos anos 80”. In: O trabalho e a rua, crianças e adolescentes no Brasil urbano dos anos 80, Unicef, FLACSO, CBIA. São Paulo: Ed. Cortez, 1992. COELHO, Ailta, B.R. “Política de proteção à infância e adolescência e descentralização”. In: Revista Serviço Social e Sociedade, nº 60, ano XX, julho de 1999, São Paulo: Ed. Cortez. DEL PRIORE, M. (Org) Historias de crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, 1997, Lei nº 8.068/90. GUERRA, V.N.A. Violência de pais contra os filhos: a tragédia revisitada. 3º Edição rev. E ampl. São Paulo: Cortez, 1998. LIBERATI, W. D. CYRINO P.C.B. Conselhos e fundos no Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: Malheiros Editores, 1993. MARCILIO, M. L. Historia Social da Criança Abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998. PILOTTI, F.e RIZZINI. I. (Org.) A arte de governar crianças: a historia das políticas sociais, da legislação e da assistencia à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Nino. Ed. Universitária Santa Úrsula, Amais Livraria e Editora, 1995. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 04, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. MOTTA, Maria A. P. Mães Abandonadas: a entrega de um filho em adoção São Paulo: Cortez. PAICA, Rua (org) Meninos e meninas em situação de rua - Políticas integradas para a garantia de direitos. São Paulo. Cortez. BRAVO, Maria Inês de S. Serviço Social e Reforma Sanitária: luta sociais e práticas profissionais. 1 ª Ed. São Paulo, Cortez, 1996. COHN, Amélia e outros (org.). A Saúde como direito e como serviço. São Paulo: Cortez. FLEURY S. T. ( Org.) Reforma Sanitária em busca de uma teoria. 2ª Ed. São Paulo: Cortez, 1995. LUZ, Mordel T. Notas sobre as políticas de saúde no Brasil – Saúde e Debate, 1992. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE –Saúde, Qualidade de Vida e Direitos - nº 74. São Paulo: Ed Cortez, 2003. VASCONCELOS, Mourão Eduardo. Saúde Mental e Serviço Social. 1ª Ed. São Paulo: Cortez, 2000. VASCONCELOS, Ana Maria. A Prática do serviço Social - cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. São Paulo. Cortez COSTA, Maria Dilva Horácio da. O trabalho nos serviços de saúde e a inserção dos (as) assistentes sociais. Serviço Social & Sociedade, nº 62, ano XXI, São Paulo: Cortez, p. 3572, mar. 2000. SILVA, Jackqueline Oliveira. Práticas do Serviço Social. Espaços tradicionais e emergentes. Porto Alegre. Da casa, 1998. MOTA, Ana Elizabete. Cultura da Crise e Seguridade Social. São Paulo: Cortez, 1995. CARTAXO, Ana. Estratégias de Sobrevivência: A Previdência e os Serviços Sociais. São Paulo. Cortez, 1995. FALEIROS, Vicente de Paula. A política do estado capitalista: as funções da previdência e assistência social. São Paulo: Cortez, 1980. FLEURY, Sonia. Estado sem Cidadãos - Seguridade Social na América Latina. Rio de Janeiro. Ed. FIOCRUZ, 1994. OLIVEIRA, Jaime A. de Araújo; TEIXEIRA, Sônia M. Fleury. (Im) Previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil.Rio de Janeiro: Vozes, 1986. SANTOS, B.S. Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade. 4ª Ed. São Paulo: Cortez, 1997. SILVA, I. F. A Seguridade Social e o Controle Como Exercício de Cidadania. Rio de Janeiro: UFRJ - TCC, 1997. SPOSATI, Aldaíza & FALCÃO, Maria do Carmo. A Assistência Social Brasileira: Descentralização e Municipalização. São Paulo: EDUC, 1990. SPOSATI, Aldaíza. Cidadania ou Filantropia, Um Dilema Para o CNAS. São Paulo: Núcleo de Seguridade e Assistência Social. PUC/SP, 1994. TEIXEIRA, A. Do Seguro à Seguridade: A Metamorfose Inconclusa do Sistema Previdenciário Brasileiro. Rio de Janeiro: IE/UFRJ/ANPRC, 1990. __________ “O Conceito de Seguridade e a Constituição de 1988”. Previdência em Dados. Rio de Janeiro: MTPS, vol 7, jan/mar 1992, p 5-9. AFONSO, M.L. (org.) Oficinas em Dinâmicas de Grupo: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000. ARRUDA, Angela. Representações sociais: emergência e conflito na psicologia social, Anuário do Laboratório de Subjetividade e Política, UFF, Baptista, L.A.S. (org.) 1991-92, 1(1): 115-131. BELOTTI, Elena. Educar para a submissão. Petrópolis, Vozes, 1988. ENRIQUEZ, Eugène. O vínculo grupal, in Mata Machado, M. e Roedel, S. (orgs.) Psicossociologia - Análise social e intervenção. Petrópolis, Vozes, 1994. FARR, Robert. As raízes da psicologia social moderna. Petrópolis, Vozes, 1998. LANE, Silvia T.M. O que é Psicologia Social. São Paulo, Brasiliense, 1981. LANE, S.T.M. & SAWAIA,B, B. (orgs) Novas Veredas da Psicologia Social.São Paulo: Brasiliense: EDUC, 1995. LEWIN, Kurt. Problemas psicológicos e sociológicos de um grupo minoritário. Problemas de dinâmica de grupo, São Paulo, Cultrix, 1973. LEYENS, Jacques Philippe. Psicologia Social. Lisboa, Edições 70, 1981. PICHON - RIVIÉRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1982. BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Previdência Social, nº 8213, de 24/07/91, atualizada e publicada no D.O.U. de 11/04/96. BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Previdência Social, nº 8742, de 07/12/93, publicada no D.O.U. de 08/12/93. BRASIL, MPAS/SEAS, Política Nacional de Assistência Social, publicada no D.O.U. de 16/04/99. BRASIL, MPAS/SEAS, Norma Operacional Básica, publicada no D.O.U. de 16/04/99. FALEIROS, Vicente de Paula. A política do estado capitalista: as funções da previdência e assistência social. São Paulo: Cortez, 1980. MENEZES, Maria T. C.G. Em busca da Teoria: Política de Assistência Publica. São Paulo/ Rio de Janeiro: Cortez, UERJ, 1998. PEREIRA, P.A. A Assistência Social na Perspectiva do Direito – Crítica aos Padrões Dominantes de Proteção aos Pobres no Brasil. Brasília: Thesaurus, 1996. RAICHELIS, Raquel. Esfera Pública e Conselhos de Assistência Social. São Paulo: Cortez. 1998. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL – Assistência e Proteção Social - nº 68. São Paulo: Ed Cortez, 2002. SCHONS, Selma. Assistência Social: Entre a Ordem e a “desordem”. São Paulo: Cortez. 1999. SPOSATI, Aldaíza & FALCÃO, Maria do Carmo. A Assistência Social Brasileira: Descentralização e Municipalização. São Paulo: EDUC, 1990. SPOSATI, A. (Org.) Renda Mínima e Crise Mundial. São Paulo: Cortez, 1997. __________. Os Direitos dos Desassistidos Sociais. São Paulo: Cortez, 1989. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 03, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. CORDEIRO, José Lucas. Gasto federal com a assistência social e suas fontes de financiamento - 1990-1997. Serviço Social & Sociedade, nº 62, ano XXI, São Paulo: Cortez, p. 113-143, mar. 2000. GOMES, Ana Lígia et alii. O programa de garantia de renda mínima: análise introdutória à luz dos pressupostos da assistência social. Serviço Social & Sociedade, nº 47, ano XVI, São Paulo: Cortez, abr. 1995. SCHONS, S. M. “Assistência Social na Perspectiva do Neoliberalismo”. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, n° 49, ano XVI, nov 1995. SPOSATI, Aldaíza et alli. Assistência na trajetória das Políticas Sociais Brasileiras, 6ºed, São Paulo: Cortez, 1995. YAZBEK, Maria Carmelita. Classes Subalternas e Assistência Social. São Paulo. Cortez. 1993. ACKER MAN, N.W. Diagnóstico e tratamento das relações familiares. Porto Alegre. Artes Médicas – 1986. BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999. CARTER, B et. all. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. MIOTO, R. C. T. Família e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1997. __________.Família e Saúde Mental. In: Katálysis. 2ª Ed., Florianópolis: UFSC, 1998. PAUGAM, S. Fragilização e Ruptura dos Vínculos Sociais: Uma dimensão essencial no processo de desqualificação social. In: Serviço Social e Sociedade, nº 60, São Paulo: Cortez, 1999. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE-ESPECIAL – Famílias - nº 71. São Paulo: Ed Cortez, 2002. AGUILAR, M. J. e ANDER-EGG, E. Avaliação de serviços e programas sociais. 2ª Ed., Petrópolis: Vozes, 1994. CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 2ª ed., São Paulo: Makron Books, 1994. COHEN, E. e FRANCO R. Avaliação de projetos sociais. Petrópolis: Vozes, 1993. COUTO, Berenice Rojas. O processo de trabalho do assistente social na esfera municipal. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 2, 1999. FRITSCH, Rosângela. Planejamento estratégico: instrumental para a intervenção do Serviço Social? Serviço Social & Sociedade, nº 52, ano XVII, São Paulo: Cortez, p. 127145, dez. 1996. GENRO, T. e SOUZA, U. Orçamento Participativo. A Experiência de Porto Alegre. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1997. IAMAMOTO, Marilda. O trabalho do assistente social frente às mudanças do padrão de acumulação e de regulação social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 1, 1999. MAXIMIANO, Antonio Cesar. Introdução à administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995. MONTANA, Patrick; CHARNOV, Bruce. Administração. São Paulo: Saraiva, 1998. PAZ, Rosangela Dias de Oliveira. As organizações não-governamentais e o trabalho do assistente social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social, Brasília, CEAD, módulo 2, 1999. RICO, Elizabeth de Melo; RAICHELIS, Raquel. Gestão social - uma questão em debate. São Paulo: Educ, 1999. NOGUEIRA, V.M. “Planejamento de Políticas Sociais-Planos-Programas-Projetos”. In: Curso de Formação Profissional: Um Projeto de Atualização, Cadernos de Textos nº 4, CRESS/12r., Florianópolis: 1998. SÁNCHES, Félix. Orçamento participativo: teoria e prática. Coleção Questões de Nossa Época vol. 97. 1ª Ed. São Paulo: Ed.Cortez, dez. 2002. OLIVEIRA & RODRIGUES. Formação Social e Econômica do Norte Minas. Montes Claros: Ed. Unimontes. 2000. LESSA, S. Montes Claros. “Uma cidade nas principais vias do sertão”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.4, No. 4, 83-110. 1999. MATA-MACHADO, B.N. História do sertão noroeste de Minas Gerais (1690-1930). Belo Horizonte: Imprensa Oficial. 1991. OLIVEIRA & RODRIGUES. “Traços do processo de desenvolvimento do Brasil e da região nordeste: 1960 a 1990”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.5 No. 5, 732. 2000. OLIVEIRA, M. F. M. “O Nordeste começa aqui”. ”. Revista do Legislativo, Belo Horizonte, No. 28, abril/setembro de 2000. (www.almg.gov.br). PEREIRA, L. “Trabalho e Relações Sociais em Montes Claros na década de 1950”. Revista Caminhos da História, Montes Claros, v.5 No. 5, 91-102. 2000. PEREIRA, L. M. A cidade do Favor: Montes Claros em meados do século XX. Montes Claros: Ed. Unimontes. 2002. SUDENE – Legislação de recriação da NOVA SUDENE. www. mir.gov.br FALEIROS, A questão da metodologia em serviço social: reproduzir e representar-se. Cadernos ABESS, São Paulo: Cortez, n. 3, 1989. GIL; A. C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. HIRANO, Sedi (Org.). Pesquisa Social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. MINAYO, M. C. S (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. SELLTIZ et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974. SEVERINO, J. A. Metodologia do Trabalho Científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002. UMBERTO, Eco. Como se faz uma tese. 18. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. ANDER-EGG, Ezequiel. Introduccíon a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1981. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1985. BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 1ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002. __________. “Bases para uma reflexão sobre ética e Serviço Social” in Revista Serviço Social nº 39. São Paulo: Cortez, 1993. _________ . “O novo Código de Ética Profissional dos assistentes sociais”. in Revista Serviço Social nº 41. São Paulo: Cortez, 1993. BONETTI, D. A. et alli (orgs) Serviço Social e ética: convite a uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 1996. CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei de Regulamentação da Profissão (Lei 8.662/93). 3ª Ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 1997. V.V.A.A. Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. Modulo 02, Brasília: NED/CEAD - Universidade de Brasília, 1999. Tecnologia da Gestão em Informação KORTH, Henry F.; SILBERSCHARTZ, Abrahan; SUDARSHAN, S. Sistemas de banco de dados. 3º Ed., Makron books, 1999. CHEN, Peter. Modelagem de Dados. Editora Makron Books. 1990. HAY, David. Princípios de Modelagem de Dados. Ed. Makron Books. 1999. TANENBAUM, Andrew S., Redes de Computadores. Editora Campus, 1999. SOARES, Luiz Fernando Gomes. Redes de computadores: das LANS, MANS e WANS as redes ATM. Ed. Campus, 2000. COMER, Douglas E. Redes de computadores e Internet. Ed. Bookman, 2000. BOCHENSKI, Barbara. Implementando Sistemas Cliente/Servidor de Qualidade. Editora Makron Books, 1995. RENAUD, Paul E. Introdução aos Sistemas Cliente/Servidor. Editora Ibpi Press, 1994. GAGLIARDI, Gary. Cliente-servidor. Ed. Makron Books, 1996. SOARES, Luiz Fernando G., Redes de Computadores: das Lans, Mans e Wans às redes ATM. Ed.Campus, 2000. TANENBAUM, Adrew S., Redes de Computadores. Ed.Campus,1999. KUROSE, James F. ROSS Keith W. Redes de Computadores e a Internet.Ed. Addison Wesley, 2003. ROSINI, Alessandro Marco; PALMISANO, Ângelo. Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. Ed. Thomson, 2003 CAVALCANTI, Marcos; GOMES, Elisabeth; PEREIRA, André . Gestão de empresas na sociedade do conhecimento. Ed. Campus, 2001 FLEURY, Maria Teresa Leme. Gestão estratégica do conhecimento. Ed. Atlas, 2001 O'BRIEN, James A. Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet . Ed. Saraiva, 2001 BIO, Sérgio Rodrigues. Sistemas de Informação: Um Enfoque Gerencial .Ed.ATLAS, 1996 STAIR, Ralph M. Princípios de sistemas de informação. Ed. LTC, 2002 CUNHA, Celso Ferreira & CINTRA, contemporâneo. Ed. Nova Fronteira, 1985. Lindley. Nova gramática do português NICOLA, José de & INFANTE, Ulisses. Gramática Contemporânea da língua portuguesa. Ed. Scipione, 1998. SACCONI, Luiz Antônio. Nossa gramática: teoria e prática. Ed. Atual, 1997. MONTEIRO, Mario A. Introdução a Organização de Computadores. Ed. LTC, 2001 TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores Ed. LTC, 2001 STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. Ed. PRENTICE HALL BRASIL, 2002. VELOSO, Paulo A. S. Estruturas de Dados. Ed. Campus, 1983. GUIMARÃES, Angelo de Moura. Algoritmos e estruturas de dados. Ed. Livros Técnicos e Científicos, 1994. LAFORE, Robert. Aprenda em 24 horas estrutura de dados e algoritmos. Ed. Campus, 1999. TENENBAUM, Aaron M.. Estruturas de dados usando C. Ed. Makron Books, 1995. TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. Ed. Bookman, 2000. SILVERSCHATZ, Abraham. Sistemas Operacionais. Ed. Campus, 2001. MACHADO, Francis Berenger; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de Sistemas Operacionais. Ed.LTC, 1997. BARBIERI, Carlos. BI – Business Intelligence, Ed. Axcel Books, 2001. GOMES, Elisabeth. Inteligência Competitiva, Ed. Campus, 2001. ALBERTIN, Alberto Luiz. Administração de Informática. 4ª ed. Ed. Atlas, 2002. NETO, João Augusto Mattar. Metodologia Científica na era da informática. Ed. Saraiva, 2002. DEMO, Pedro. Metodologia do Conhecimento Científico. Ed. Atlas, 2000. LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. Ed. Atlas, 1991. SOUSA, Sergio. Tecnologias da Informação. Ed. Brasport, 2000. KEEN, Peter G. W. Guia gerencial para a tecnologia da informação: conceitos essenciais e terminologia para empresas e gerentes Ed. Campus, 1996. SLEIGHT, Steve. Como Usar a Tecnologia da Informação. Ed. Publifolha, 2000. GANE,Chris. Análise Estruturada de Sistemas. Editora LTC, 2002. BARBIERE, Carlos. Modelagem de Dados. IBPI Press, 1994. PAGE-JONES, Meillir. Projeto Estruturado de Sistemas. McGraw-Hill, 1988. YOURDON, Edward. Análise Estruturada Moderna. Editora Campus, 1990. CANTU, Marco. Dominando Delphi 6: a Bíblia. Ed. Makron Books, 2002. LEAO, Marcelo. Borland Delphi 6 & Kylix: curso completo. Ed. Axcel Books, 2001. FELIPE, Eduardo Ribeiro. Conectividade utilizando Delphi 6. Ed. ERICA, 2002. DATE, C.J. Introdução a sistemas de banco de dados. 3º Ed. Rio de Janeiro. Campus. 2000. KORTH, Henry F.; SILBERSCHARTZ, Abrahan; SUDARSHAN, S. Sistemas de banco de dados. 3º Ed., Makron books, 1999. ELSMARI, Ramez. NAVATHE, Shambkant B. Fundamentals of Database systems. 3º Ed., Addison Wesley, 2000. SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. Ed. Saraiva, 2003. CAMACHO, Joel. Psicologia organizacional, Ed. EPU, 1984. WAGNER III, John A. O comportamento organizacional - criando vantagem competitiva. Ed. Saraiva, 1999. BERGAMINI, Cecília. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. Ed. Atlas, 1997. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. Ed. Makron Books, 1995. CASAROTTO F., N., FÁVERO, S. F., CASTRO, J. E. E. Gerência de Projetos. Ed. ATLAS, 1999. PÁDUA, Wilson. Engenharia de software: fundamentos, métodos e técnicas, Ed. LTC, 2003. LAUDON, Jane Price; LAUDON, Kenneth C. Gerenciamento de Sistemas de Informação. Ed. LTC, 2001. MANAS, Antonio Vico. Administração de sistemas de informação. Ed. Érica, 2000. ROSINI, Alessandro Marco; PALMISANO, Angelo . Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. Ed. Thomson, 2003. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. Ed. Makron Books, 1995. GANE, Chris.SARSON, Trish. Análise estruturada de sistemas. Ed. LTC, 1999. PÁDUA, Wilson. Engenharia de software: fundamentos, métodos e técnicas, Ed. LTC, 2003. ULLMAN, Larry. PHP para a World Wide Web. Ed. Campus, 2001. BUYENS, Jim. Aprendendo MySQL e PHP. Ed. Makron Books, 2002. GOODMAN, Danny. JavaScript: a Bíblia. Ed. Campus, 2001. WEISSINGER, A. Keyton. ASP – o guia essencial. Ed. Campus, 2000. JUNIOR, Jose Mauricio Di B. ASP.Net – fundamentos para desenvolvimento de aplicações Web. Ed. Berkeley Brasil, 2001. CAMACHIONE JR., Edgard Bruno. Sistemas integrados de gestão. Ed. Atlas, 2001. SOUZA, Cesar Alexandre de; SACCOL, Amarolinda Zanela. Sistemas Erp no Brasil Teoria e Casos Ed. ATLAS, 2003. CORREA, Henrique L. GIANESI, Irineu G. N. CAON, Mauro. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP; conceitos, uso e implantação . Ed. Atlas, 2001. CORREA, Henrique L. GIANESI, Irineu G. N. Just in time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. Ed. Atlas, 1996. COMER, Douglas E. Redes de computadores e Internet. Ed. Bookman, 2000. HILLS, Mellanie. Intranet como groupware. Ed. Berkeley do Brasil, 1997. CRUZ, Tadeu. E-Workflow. Ed. Cenadem, 2001. PFAFFENBERGER, Bryan. Estratégias de Extranet. Ed. Berkeley Brasil, 1998. MEIRA Jr., Wagner. Sistemas de Comércio Eletrônico: projeto e desenvolvimento. Ed. CAMPUS, 2002. JR, Carlos F Franco. E-Business – tecnologia de informação e negócios na internet. Ed. ATLAS, 2003. LIMEIRA, Tania M. Vidigal. E-Marketing:. O marketing na internet com casos brasileiros. Ed. Saraiva. 2003. ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. Ed. ATLAS, 2002.
Fly UP