Comentrios  Nova Norma Regulamentadora 12 (NR 12) slide 0

Comentrios Nova Norma Regulamentadora 12 (NR 12)

  • Published on
    16-Apr-2015

  • View
    106

  • Download
    1

Transcript

  • Slide 1
  • Comentrios Nova Norma Regulamentadora 12 (NR 12)
  • Slide 2
  • Duas estratgias de normatizao de preveno 1.Prescrio de padres para reduo de perigos e riscos especficos em SST(Segurana e Sade no Trabalho). SG-SST Levava 6 a 7 anos aps a entrada do problema 2.Clusula geral de obrigao de oferta de trabalho seguro e saudvel Todo empregador deve fornecer para cada um de seus empregados condies de trabalho livres de perigos reconhecidos como causa provvel ou que estejam causando a morte ou danos graves sade de seus empregados
  • Slide 3
  • Sntese dos 19 Temas Abordados Princpios gerais Instalaes e dispositivos eltricos Dispositivos de partida, acionamento e parada Sistemas de segurana em mquinas e equipamentos Dispositivos de parada de emergncia Transportadores de materiais Aspectos ergonmicos nos trabalhos em mquinas e equip Riscos Adicionais Manuteno, preparao, ajustes e reparos Sinalizao Manuais Procedimentos de segurana Projeto, fabricao, importao, venda, locao, exposio, utilizao e adaptao de mquinas e equipamentos Capacitao
  • Slide 4
  • NR 12 em sequncia publicada (Redao dada pela Portaria SIT n. 197, de 17/12/10) Princpios Gerais. (parte 1) 12.5. A concepo de mquinas deve atender ao princpio da falha segura. Arranjo fsico e instalaes.(parte 2) 12.6. Nos locais de instalao de mquinas e equipamentos, as reas de circulao devem ser devidamente demarcadas e em conformidade com as normas tcnicas oficiais.
  • Slide 5
  • 12.13. As mquinas, as reas de circulao, os postos de trabalho e quaisquer outros locais em que possa haver trabalhadores devem ficar posicionados de modo que no ocorra transporte e movimentao area de materiais sobre os trabalhadores. Instalaes e dispositivos eltricos. (parte 3) 12.14. As instalaes eltricas das mquinas e equipamentos devem ser projetadas e mantidas de modo a prevenir, por meios seguros, os perigos de choque eltrico, incndio, exploso e outros tipos de acidentes, conforme previsto na NR 10.
  • Slide 6
  • 12.23. Os servios e substituies de baterias devem ser realizados conforme indicao constante do manual de operao. Dispositivos de partida, acionamento e parada.(parte 4) 12.24. Os dispositivos de partida, acionamento e parada das mquinas devem ser projetados, selecionados e instalados de modo que: a) no se localizem em suas zonas perigosas; b) possam ser acionados ou desligados em caso de emergncia por outra pessoa que no seja o operador; c) impeam acionamento ou desligamento involuntrio pelo operador ou por qualquer outra forma acidental; d) no acarretem riscos adicionais; e e) no possam ser burlados.
  • Slide 7
  • 12.37. O circuito eltrico do comando da partida e parada do motor eltrico de mquinas deve possuir, no mnimo, dois contatores com contatos positivamente guiados, ligados em srie, monitorados por interface de segurana ou de acordo com os padres estabelecidos pelas normas tcnicas acionais vigentes e, na falta destas, pelas normas tcnicas internacionais, se assim for indicado pela anlise de risco, em funo da severidade de danos e freqncia ou tempo de exposio ao risco. Sistemas de segurana.(parte 5) 12.38. As zonas de perigo das mquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurana, caracterizados por protees fixas, protees mveis e dispositivos de segurana interligados, que garantam proteo sade e integridade fsica dos trabalhadores.
  • Slide 8
  • 12.55.1. Quando a mquina no possuir a documentao tcnica exigida, o seu proprietrio deve constitu-la, sob a responsabilidade de profissional legalmente habilitado e com respectiva Anotao de Responsabilidade Tcnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura ART/CREA. Dispositivos de parada de emergncia.(parte 6) 12.56. As mquinas devem ser equipadas com um ou mais dispositivos de parada de emergncia, por meio dos quais possam ser evitadas situaes de perigo latentes e existentes.
  • Slide 9
  • 12.63.1. A localizao dos acionadores de rearme deve permitir uma visualizao completa da rea protegida pelo cabo. Meios de acesso permanentes.(parte 7) 12.64. As mquinas e equipamentos devem possuir acessos permanentemente fixados e seguros a todos os seus pontos de operao, abastecimento, insero de matrias-primas e retirada de produtos trabalhados, preparao, manuteno e interveno constante.
  • Slide 10
  • 12.76.1. As gaiolas de proteo devem possuir: a) dimetro de 0,65m (sessenta e cinco centmetros) a 0,80 m (oitenta centmetros), conforme Figura 4 do Anexo III; e b) vos entre grades protetoras de, no mximo, 0,30 m (trinta centmetros), conforme Figura 3 do Anexo III. Componentes pressurizados.(parte 8) 12.77. Devem ser adotadas medidas adicionais de proteo das mangueiras, tubulaes e demais componentes pressurizados sujeitos a eventuais impactos mecnicos e outros agentes agressivos, quando houver risco.
  • Slide 11
  • 12.84.1 Para o atendimento ao disposto no item 12.84, a fora exercida no percurso ou circuito de segurana deve estar limitada a 150 N (cento e cinquenta Newtons) e a presso de contato limitada a 50 N/cm2 (cinquenta Newtons por centmetro quadrado), exceto nos casos em que haja previso de outros valores em normas tcnicas oficiais vigentes especificas. Transportadores de materiais.(parte 9) 12.85. Os movimentos perigosos dos transportadores contnuos de materiais devem ser protegidos, especialmente nos pontos de esmagamento, agarramento e aprisionamento formados pelas esteiras, correias, roletes, acoplamentos, freios, roldanas, amostradores, volantes, tambores, engrenagens, cremalheiras, correntes, guias, alinhadores, regio do esticamento e contrapeso e outras partes mveis acessveis durante a operao normal.
  • Slide 12
  • 12.93.1. As medidas de segurana previstas no item 12.93 devem priorizar a existncia de reas exclusivas para a circulao de cargas suspensas devidamente delimitadas e sinalizadas. Aspectos ergonmicos.(parte 10) 12.94. As mquinas e equipamentos devem ser projetados, construdos e mantidos com observncia aos os seguintes aspectos: a) atendimento da variabilidade das caractersticas antropomtricas dos operadores; b) respeito s exigncias posturais, cognitivas, movimentos e esforos fsicos demandados pelos operadores; c) os componentes como monitores de vdeo, sinais e comandos, devem possibilitar a interao clara e precisa com o operador de forma a reduzir possibilidades de erros de interpretao ou retorno de informao; d) os comandos e indicadores devem representar, sempre que possvel, a direo do movimento e demais efeitos correspondentes; e) os sistemas interativos, como cones, smbolos e instrues devem ser coerentes em sua aparncia e funo; f) favorecimento do desempenho e a confiabilidade das operaes, com reduo da probabilidade de falhas na operao; g) reduo da exigncia de fora, presso, preenso, flexo, extenso ou toro dos segmentos corporais; h) a iluminao deve ser adequada e ficar disponvel em situaes de emergncia, quando exigido o ingresso em seu interior
  • Slide 13
  • 12.105. O bocal de abastecimento do tanque de combustvel e de outros materiais deve ser localizado, no mximo, a 1,50 m (um metro e cinquenta centmetros) acima do piso ou de uma plataforma de apoio para execuo da tarefa. Riscos adicionais.(parte 11) 12.106. Para fins de aplicao desta Norma, devem ser considerados os seguintes riscos adicionais: a) substncias perigosas quaisquer, sejam agentes biolgicos ou agentes qumicos em estado slido, lquido ou gasoso, que apresentem riscos sade ou integridade fsica dos trabalhadores por meio de inalao, ingesto ou contato com a pele, olhos ou mucosas; b) radiaes ionizantes geradas pelas mquinas e equipamentos ou provenientes de substncias radiativas por eles utilizadas, processadas ou produzidas; c) radiaes no ionizantes com potencial de causar danos sade ou integridade fsica dos trabalhadores; d) vibraes; e) rudo; f) calor; g) combustveis, inflamveis, explosivos e substncias que reagem perigosamente; e h) superfcies aquecidas acessveis que apresentem risco de queimaduras causadas pelo contato com a pele.
  • Slide 14
  • 12.110. Devem ser elaborados e aplicados procedimentos de segurana e permisso de trabalho para garantir a utilizao segura de mquinas e equipamentos em trabalhos em espaos confinados. Manuteno, inspeo, preparao, ajustes e reparos. (parte 12) 12.111. As mquinas e equipamentos devem ser submetidos manuteno preventiva e corretiva, na forma e periodicidade determinada pelo fabricante, conforme as normas tcnicas oficiais nacionais vigentes e, na falta destas, as normas tcnicas internacionais.
  • Slide 15
  • 12.115. Nas manutenes das mquinas e equipamentos, sempre que detectado qualquer defeito em pea ou componente que comprometa a segurana, deve ser providenciada sua reparao ou substituio imediata por outra pea ou componente original ou equivalente, de modo a garantir as mesmas caractersticas e condies seguras de uso. Sinalizao.(parte 13) 12.116. As mquinas e equipamentos, bem como as instalaes em que se encontram, devem possuir sinalizao de segurana para advertir os trabalhadores e terceiros sobre os riscos a que esto expostos, as instrues de operao e manuteno e outras informaes necessrias para garantir a integridade fsica e a sade dos trabalhadores.
  • Slide 16
  • 12.124. Para advertir os trabalhadores sobre os possveis perigos, devem ser instalados, se necessrios, dispositivos indicadores de leitura qualitativa ou quantitativa ou de controle de segurana. 12.124.1. Os indicadores devem ser de fcil leitura e distinguveis uns dos outros. Manuais.(parte 14) 12.125. As mquinas e equipamentos devem possuir manual de instrues fornecido pelo fabricante ou importador, com informaes relativas segurana em todas as fases de utilizao.
  • Slide 17
  • 12.129. No caso de mquinas e equipamentos fabricados ou importados antes da vigncia desta Norma, os manuais devem conter, no mnimo, as informaes previstas nas alneas b, e, f, g, i, j, k", l, m, n e o do item 12.128. Procedimentos de trabalho e segurana.(parte 15) 12.130. Devem ser elaborados procedimentos de trabalho e segurana especficos, padronizados, com descrio detalhada de cada tarefa, passo a passo, a partir da anlise de risco.
  • Slide 18
  • 12.132.1. Os servios em mquinas e equipamentos que envolvam risco de acidentes de trabalho devem ser precedidos de ordens de servio OS - especficas, contendo, no mnimo: a) a descrio do servio; b) a data e o local de realizao; c) o nome e a funo dos trabalhadores; e d) os responsveis pelo servio e pela emisso da OS, de acordo com os procedimentos de trabalho e segurana. Projeto, fabricao, importao, venda, locao, leilo, cesso a qualquer ttulo, exposio e utilizao.(parte 16) 12.133. O projeto deve levar em conta a segurana intrnseca da mquina ou equipamento durante as fases de construo, transporte, montagem, instalao, ajuste, operao, limpeza, manuteno, inspeo, desativao, desmonte e sucateamento por meio das referncias tcnicas indicadas nesta Norma, a serem observadas para garantir a sade e a integridade fsica dos trabalhadores.
  • Slide 19
  • 12.134. proibida a fabricao, importao, comercializao, leilo, locao, cesso a qualquer ttulo, exposio e utilizao de mquinas e equipamentos que no atendam ao disposto nesta Norma Capacitao.(parte 17) 12.135. A operao, manuteno, inspeo e demais intervenes em mquinas e equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados, qualificados, capacitados ou autorizados para este fim.
  • Slide 20
  • 12.147.2. O instrutor do curso de capacitao para operadores de injetora deve, no mnimo, possuir: a) formao tcnica em nvel mdio; b) conhecimento tcnico de mquinas utilizadas na transformao de material plstico; c) conhecimento da normatizao tcnica de segurana; e d) capacitao especfica de formao. Outros requisitos especficos de segurana.(parte 18) 12.148. As ferramentas e materiais utilizados nas intervenes em mquinas e equipamentos devem ser adequados s operaes realizadas.
  • Slide 21
  • 12.152. Para fins de aplicao desta Norma os anexos so obrigaes complementares, com disposies especiais ou excees a um tipo especfico de mquina ou equipamento, alm das j estabelecidas nesta Norma, sem prejuzo ao disposto em Norma Regulamentadora especfica. Disposies finais.(parte 19) 12.153. O empregador deve manter inventrio atualizado das mquinas e equipamentos com identificao por tipo, capacidade, sistemas de segurana e localizao em planta baixa, elaborado por profissional qualificado ou legalmente habilitado.
  • Slide 22
  • HSE Princpios gerais Instalaes e dispositivos eltricos Dispositivos de partida, acionamento e parada Sistemas de segurana em mquinas e equipamentos Dispositivos de parada de emergncia Transportadores de materiais Aspectos ergonmicos nos trabalhos em mquinas e equipamentos Riscos Adicionais Manuteno, preparao, ajustes e reparos Sinalizao Manuais Procedimentos de segurana Projeto, fabricao, importao, venda, locao, exposio, utilizao e adaptao de mquinas e equipamentos Capacitao Informaes gerais Eliminao de perigos, reduo de riscos Hardwares Protees, interlocks,dispositivos de paradas d emergncia Isolamentos e dispositivos de lock off Procedimentos Sistemas de trabalho seguros Energy isolation lockoffs Manuteno de rotinas e inspeo de partes relac segurana Sistemas de gesto Gerenciando e organizando sist de trabalho seguros Nova NR 12
  • Slide 23
  • Interveno segura - Segurana de mquinas (HSE): itens para comparar Informaes gerais Eliminao de perigos, reduo de riscos Hardwares Protees, interlocks,dispositivos de paradas de emergncia Isolamentos e dispositivos de lock off Procedimentos Sistemas de trabalho seguros Energy isolation lockoffs Manuteno de rotinas e inspeo de partes relac segurana Sistemas de gesto Gerenciando e organizando sist de trabalho seguros
  • Slide 24
  • Princpios gerais 1.Equilibrar dimenses tcnica e social da norma Tcnica esforo de incorporao detalhada da evoluo de conhecimentos sobre produo de mquinas e sobre segurana de componentes de mquinas Social implantao da nova NR parece visto como medida tcnica, no percebendo que a mudana necessria exige um novo tipo de gesto de segurana 2.Considerar a idia e as experincias europias de envolvimento de trabalhadores da concepo de mquinas (www.etuc.org/tutb)www.etuc.org/tutb 3.Superar noo tradicional de perigo e risco: problemas objetivveis, fsicos, antecipveis. 4.Valorizar caractersticas gerais do sistema de segurana: 5.Considerar rapidez de evoluo de conhecimentos, atualizao constante
  • Slide 25
  • 1 Equilibrar dimenses tcnica e social da norma Reforar a introduo de prticas gerenciais de produo e de segurana que ressaltem a integrao necessria entre as duas e mais A aplicao da norma exige SGSST com status (poder) capaz de dinamizar a introduo de mudanas: Investimentos na adequao de todas as mquinas; Exigir recenseamento da situao de mquinas e proposta de cronograma de adequaes Conhecimentos sobre largo elenco de conceitos Desenvolver nota tcnica, filmes para difuso Auditorias e equipes de vigilncia preparadas para ir alm de intervenes burocrticas, como pedir projeto, pedir ART, etc Capacitar para avaliar in loco a montagem dos sistemas de proteo, reconhecer dispositivos da NR
  • Slide 26
  • 3 Superar abordagem Tradicional de Perigo e Riscos Adotar abordagem sistmica, psico- organizacional Acrescentar noo de riscos associados variabilidade de desempenhos, atividade do operador Considerar variabilidades possveis, normais e incidentais Considerar evoluo assncrona fator potencial de acidentes Resilincia de sistemas
  • Slide 27
  • 4 Caractersticas gerais do sistema de segurana Incluir medidas de preveno (evitar o AT) e de proteo (minimizar, mitigar consequncias) conforme projeto Sirena Considerar de ciclo de vida de sistemas de segurana Concepo, implantao/fabricao, operao, manuteno Possuir caractersticas de sistema ideal: detectar, diagnosticar, agir e monitorar-se Definir objetivos, aes ou operaes a serem feitas, quem ou o que as far; como o sistema forar o executor da ao. Como o operador ou dispositivo far; parmetros disponveis ao operador antes e durante ao; feedback recebidos pelo operador e pelo controlador sobre operaes e resultados
  • Slide 28
  • Outros Comentrios Sobre Princpios Gerais Considerar falibilidade humana, errar humano e a resilincia do sistema
  • Slide 29
  • Sobre a concepo de ser Humano adotada no sistema A concepo de mquinas deve respeitar ao mximo as caractersticas (fsicas, psquicas, fisiolgicas) do ser humano minimizando: Chances de armadilhas cognitivas (armazenar comandos no obedecidos, no fornecer feedback claro de aes realizadas, etc) Gesto que desconsidere que o ser humano adota diferentes modos de gesto psquica em diferentes tipos de situao (rotina, trabalho novo, etc) Incentivo a omisses de passos de tarefas (lista de Reason & Hobbs) Exigncias que beirem ou ultrapassem as capacidades fisiolgicas do ser humano: Ateno o tempo todo todo?
  • Slide 30
  • Dvidas Sobre Medidas Tcnicas de preveno e proteo - 1 Sistemas tcnicos interligados em que h mais de um ponto (ex: painel de operao e final de linha) em que pode ser parado: Comando em um ponto deve ser informado nos demais pontos. Segundo comando de parada (outro ponto) deve estabelecer segundo bloqueio? Re-ligao s aps desbloqueio de todos demais pontos? Sistema em que coincidem incidente de alimentao e checagem de produto final ambas exigindo parada
  • Slide 31
  • Dvidas Sobre Sobre Medidas Tcnicas de preveno e Proteo - 2 Feedback de comando no obedecido DEVE INFORMAR O estado do sistema opera em modo automtico Situao dos principais parmetros necessrios compreenso do que o sistema faz no momento No deve armazenar ordens no cumpridas.
  • Slide 32
  • Dvidas Sobre Medidas Tcnicas de preveno e Proteo E se ao ser parada a mquina s reinicia com nova entrada dessa ou de nova programao (custo humano) Sugesto: Princpios gerais? A concepo de mquinas deve minimizar chances de bypass previsvel (tampering, burla): Incentivo a bypass previsveis. Mquinas no devem permitir operao na vigncia de bypass
  • Slide 33
  • Bypass previsvel (Burla,tampering) Norma DIN ISO 1088 A1: 2007, Mquinas no devem operar na vigncia da burla Em nenhum dos modos de operao e em nenhum dos usos da mquina o bypass deve propiciar benefcio ao operador. Exemplos de benefcios que a desativao de protees no deve permitir: Maior facilidade ou convenincia (menor custo humano para o operador) Aumento da produtividade ou da rapidez de realizao Aumento da preciso de movimentos Melhora da visibilidade, Menor esforo fsico:Reduo de deslocamentos, Aumento da liberdade de ou melhora no fluxo de movimentos Evitar interrupes [...] e outros que venham a ser confirmados como tal com a evoluo do conhecimento
  • Slide 34
  • Mquinas com mltiplos usos Como a Norma trata a segurana de mquinas usadas em diferentes tarefas, com diferentes ferramentais, etc. Como conseguir boa segurana em todos os usos
  • Slide 35
  • 12.5.5 Dispositivos de segurana 7 tipos A incluso de itens como esse deve ser acompanhada de Anexos e outras iniciativas de carter educativo, inclusive com recursos audiovisuais, incluindo Tipos de dispositivos e conceitos que precisam ser conhecidos: Exs: os 7 itens de 12.5.5; conceitos como atuao de modo positivo, etc Fotos e caractersticas mais importantes Explicao sobre lgicas de funcionamento Exemplos de uso e de instalao adequada Modos prevalentes de falhas Cuidados a serem adotados em instalao, manuteno e operao
  • Slide 36
  • 12.9.4 Transportadores motorizados de materiais Possuir sistema de frenagem Proibida reverso de movimento para frear Questo E se falta freio? Qual a estratgia a ser usada pelo trabalhador?
  • Slide 37
  • Ergonomia Considerar que o trabalho muda Recensear variabilidades (reduo temporria de efetivo, presena de novatos em equipes; panes ou defeitos, mudana na ql de materiais, atraso de fornecedores; etc) mais frequentes de componentes e de uso de mquinas e equipamentos, identificando: suas origens, estratgias usadas pelos operadores para correo implicaes dessas estratgias para a segurana. Introduz novos riscos?
  • Slide 38
  • Ergonomia Considerar importncia da compreenso dos operadores para a segurana dos processos Design respeitando caractersticas de seres humanos, em especial no tocante percepo e atribuio de sentido s informaes detectadas. Importncia das noes de Variveis teis para conhecimento do estado e desenvolvimento do processo Feedback de aes
  • Slide 39
  • Gesto de segurana e Gesto de produo Retomadas de produo: estratgias usadas para fazer face a atrasos de produo e suas implicaes para a segurana Introduo de mquinas novas Como lidar com variabilidades menores se visita de fabricante s ocorre em n meses? Redues temporrias de efetivo
  • Slide 40
  • Manuteno Gesto de manuteno deve adotar controle estatstico, com diagrama de controle e outras prticas de avaliao dos resultados, firmando critrios de avaliao associados a Gatilho de providncias Nveis de alertas, necessidades de estudos complementares, etc Paradas de mquinas / equipamentos Os controles devem permitir identificar razes dos problemas, definir sobre sua aceitabilidade e qualidade das prticas de manuteno e do gesto do servio
  • Slide 41
  • Acidentes na recuperao manual de incidentes Recensear sistemas e situaes em que ocorram incidentes tcnicos seguidos de recuperao manual Detalhar origens dos incidentes Caso anlise revele uso de incidentes como estratgia de obteno de pausas, a diviso de tarefas, estabelecimento de metas, etc deve ser revisto Estratgias adotadas face aos mesmos Implicaes dessas estratgias para a segurana Cronograma de solues propostas
  • Slide 42
  • Sobre Sistemas de Gesto Implantao da NR 12 deve ser pensada na perspectiva de ala de controle do sistema: Controlador: Quem ? Quais seus objetivos? Como: O que prope: O que deve ser feito? Quem deve fazer o que? O que faz para forar a implantao dos controles? Processo controlado / Meios: qual o processo controlado? com que meios materiais? Com que aes? Em que circunstncias? Quais os parmetros controlados? como apresenta informaes sobre o seu desenvolvimento? Feedback: como o controlador informado sobre desenvolvimento das aes? Como avalia se atinge os objetivos?
  • Slide 43
  • SGSST ps entrada em vigor Empresas ficam obrigadas a elaborarem recenseamento da situao de suas mquinas e equipamentos, descrevendo a adequao das mesmas s exigncias dessa NR e estabelecendo cronograma de correes. Caso haja proposta de diviso das correes no tempo, a empresa deve explicitar critrios de escolha de prioridades Situaes j associadas a acidentes graves anteriores na empresa ou ramo de atividade ou mesmo tipo de equipamento devem resultar em parada do equipamento e soluo que preceda sua recolocao em uso
  • Slide 44
  • Manuais Incluir consideraes sobre variablidade
  • Slide 45
  • 12 15 Procedimentos de segurana Considerar noo de variabilidades
  • Slide 46
  • Capacitao Incluir novos contedos: nfase: aprender a reconhecer situaes de variabilidade e possibilidade de implicaes para a segurana Adotar processos participativos, com problematizaes e vivncias de participantes Introduzir critrios de avaliao quanto a objetivos Produzir com segurana como compromisso cognitivo, ou produto de negociao de interesses em produzir bem, com segurana e menor custo humano. Estimular a aprendizagem dos formatos assumidos por esses compromissos em cada realidade.
  • Slide 47
  • Anlise de Acidentes Criar banco de dados de anlises, livre acesso Categorizar ocorrncias em 3 tipos: Nenhuma barreira, parte das barreiras, todas barreiras Acidentes na operao normal inaceitveis Variabilidades: O que ocorre? Quem detecta e diagnostica? Quem age e como? Que implicaes a correo traz para a segurana? Fonte de atualizao e aprimoramento da norma
  • Slide 48
  • Anlise de risco do Apndice 2 Duas compreenses sobre perigo, riscos e segurana: Normas fazem a Segurana Atividade e Segurana Incluir temas de variabilidades, Espao para exemplos de vivncias, suas implicaes para a segurana e sua situao na histria de trabalho do sistema
  • Slide 49
  • Pontuais Definies de perigo e risco 12.13.4.1 Baixa velocidade em glossrio (rever ou acrescentar em todos os momentos e tipos de uso) Aparncias enganam Definies de controlador configurvel de segurana e controlador lgico programvel incluem ltima frase que fala de falha humana de modo que precisa ser revisto. (surge como nica fonte de problemas) Ruptura positiva acho que exemplo com o contrrio tambm poderia ajudar a deixar mais clara a definio
  • Slide 50
  • ANEXOS: I: DISTNCIAS DE SEGURANA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENA OPTOELETRNICOS II: CONTEDO PROGRAMTICO DA CAPACITAO. III: MEIOS DE ACESSO PERMANENTES IV: GLOSSRIO V: MOTOSSERRAS VI: MQUINAS PARA PANIFICAO E CONFEITARIA VII: MQUINAS PARA AOUGUE E MERCEARIA VIII: PRENSAS E SIMILARES IX: INJETORA DE MATERIAIS PLSTICOS X: MQUINAS PARA FABRICAO DE CALADOS E AFINS XI: MQUINAS E IMPLEMENTOS PARA USO AGRCOLA E FLORESTAL

Recommended

View more >