Celos - Balano de Gesto 2011

  • Published on
    28-Mar-2016

  • View
    217

  • Download
    4

DESCRIPTION

Relatrio Anual Celos, fundo de penso dos funcionrios da Celesc, relativo ao ano de 2011.

Transcript

  • Balano de Gesto 2011

    O futuro em construo

    99122314842009-DR/SCCELOS

    ENVELOPAMENTO FECHADOPODE SER ABERTO PELA ECT

  • Apresentao

    PRODUO

    Quorum Comunicao

    EDIO E REPORTAGEMSrgio M. de Andrade (SC145JP) Gasto Cassel (DRT/RS 6166)

    PROJETO GRFICOAudrey Schmitz Schveitzer

    INFOGRAFIATas Massaro

    FOTOGRAFIASnia Vill

    IMPRESSOGrfica FloriprintTiragem de 5.000 exemplares

    DIRETORIA EXECUTIVA

    Diretor PresidenteMilton de Queiroz Garcia

    Diretor de SeguridadeJoo Paulo de Souza

    Diretor Administrativo-FinanceiroArno Veiga Cugnier

    CONSELHO DELIBERATIVOAdriano Lima Medeiros - PresidenteJos Braulino StahelinAdemir Zanella Benhour de Castro Romariz Filho Edalcio Cruz dos AnjosHenri Machado Claudino Leandro Nunes da SilvaJanice Meriz de SouzaOsmar SoaresJoo Henrique da Silva Luiz Alberto Kallenberger

    CONSELHO FISCALJos Lemos de Carvalho Jr. - PresidenteFabiano Moreira de MatosIzaias Ulyssa JniorGiselle Floriano Coelho Luciano Peixoto Portella Cnido Wagner de Brito Mario Cesar Silva Alberto Kobs

    COMIT DE INVESTIMENTOS

    Arno Veiga Cugnier

    Marcos Alberto D. Cunha

    Benhour de C. Romariz Filho

    Joo Henrique da Silva

    Henri Machado Claudino

    COMIT PREVIDENCIRIO

    Joo Paulo de Souza

    Maria Emilia A. Gungel

    Janice Meriz de Souza

    Ademir Zanella

    Henri Machado Claudino

    COMIT ASSISTENCIAL

    Joo Paulo de Souza

    Ruth Dutra Seara

    Janice Meriz de Souza

    Joo Henrique da Silva

    Henri Machado Claudino

    COMIT DE GESTO DE PESSOAS

    Arno Veiga Cugnier

    Ademir Zanella

    Rosangela Campos Maciel

    Marcelo Silva

    Isabele Lima Pamplona Lisba

    Este relatrio, incluindo as Demonstraes Financeiras, tambm est disponvel no Portal da Celos: www.celos.com.br

    Caso seja de sua preferncia receber as Demonstraes Financeiras na verso impressa, solicite Celos pelo telefone 0800 483030

  • 3Apresentao

    Primeiro vem a escolha do terreno, limpeza e terra-planagem. Depois, a ela-borao e aprovao dos proje-tos. A definio do oramento. Da, vem a obra, propriamente dita. As fundaes, estaquea-mentos, elevao das alvena-rias, a preparao do concreto, as lajes, as coberturas, o rebo-co das paredes, as tubulaes e instalaes eltricas e sanit-rias, os revestimentos de pisos e paredes, as aberturas, portas e janelas, pinturas, os acaba-mentos diversos.

    Desde as cavernas at os mais altos arranha-cus, os ho-mens se dedicam construo. Com o seu trabalho moldam e modulam a natureza, realizan-do obras como estradas, pon-tes, escolas, igrejas, indstrias. Uma simples casa para abrigar a famlia, protegida das intem-pries, ou um grande monu-mento para resistir ao prprio passar do tempo, como as pir-mides do Egito.

    Os Fundos de Penso tam-bm so produto de uma cons-truo humana. Um esforo de constituio de uma poupana

    coletiva, com o objetivo de as-segurar conforto e segurana para geraes de trabalhadores. H quase 40 anos, a Celos vem sendo construda, tijolo por tijo-lo, com este mesmo propsito. Nossa Fundao, que hoje ad-ministra um patrimnio de R$ 2,5 bilhes, foi erguida e alicer-ada na cooperao e na relao solidria entre milhares de parti-cipantes, ativos e assistidos.

    com essa viso que man-temos nossa f e confiana nas posies que sero adotadas e aes que sero realizadas nos prximos anos. Sabemos clara-mente que temos a obrigao de administrar de forma compe-tente e transparente os planos previdencirios e assistenciais, transmitindo segurana ao par-ticipante. Sem jamais perder de vista aspec-tos essenciais como a sus-tentabilidade, tanto econ-mica-financei-ra, como s-cio-ambiental.

    Seja para corrigir rumos

    Uma construo permanente

    ou superar os obstculos. Seja para crescer e evoluir, sempre ser necessrio contar com o trabalho, a competncia, a dedi-cao e o empenho de empre-gados, gerentes, diretores, con-selheiros, alm da necessria ateno da Patrocinadora e do in-dispensvel aconselhamento das Associaes e dos Sindicatos.

    Toda obra de construo ci-vil, at a sua concluso, resul-tado de uma complexidade de operaes e do trabalho pesa-do de muita gente. A constru-o diria da Celos, ao longo de quase quatro dcadas, muito semelhante. Com, pelo menos, uma grande diferena: nossa obra perene.

    Maio de 2012.

    Diretoria da Celos.

    Uma obra com um patrimnio de R$ 2,5 bilhes e que protege 8.100 famlias de Participantes, com mais de 19 mil usurios do Plano de Sade.

  • Administrativo

  • 5Se ningum levanta uma parede, sem plano, ima-gina um empreendi-mento do tamanho da Celos. Na atualidade, o planejamento estratgico um importante e irrenuncivel instrumento de gesto para as organizaes. atravs dele que os dirigentes e suas equipes estabelecem os parmetros que vo direcio-nar as entidades, empresas e organizaes em um determi-nado espao e em um certo perodo de tempo. O planeja-mento estratgico contribui de forma significativa para forne-cer a todos os envolvidos dire-tamente com a Celos, informa-es essenciais para a tomada de deciso, permitindo que atuem de forma proativa, ante-cipando-se s mudanas, pre-vendo obstculos e aproveitan-do oportunidades.

    Dever e necessidadeA Celos j incorporou a pr-

    tica de atuar de forma profissio-nal e planejada no seu cotidiano.

    Valores, misso e objetivos definemrumos da construo

    Planejamento estratgico contribui para fornecer informaes que permitam prever obstculos e aproveitar oportunidades.

    O planejamento estratgico, portanto, est plenamente inte-grado gesto democrtica e governana corporativa, que so marcas da Ce-los, alm de somar-se ao conjunto de instrumentos e procedimen-tos de contro-les internos (compliance), visando uma gesto em conformidade com as normas, regulamentos e a le-gislao. Dessa forma, o prin-cipal beneficiado o participan-te que ganha uma Fundao de Seguridade cada vez mais sli-da e organizada.

    O planejamento realizado em maro de 2011 definiu 22 projetos estratgicos que sero executados por ordem de priori-dade at o final de 2015.

    Tambm em relao a me-didas de gesto, desde mar-o, os trs Diretores Executi-vos esto trabalhando em uma

    2007 8,852008 8,802009 8,802010 8,752011 8,85

    Geral Celos

    Pesquisa de satisfao

    nica sala. No se trata ape-nas de uma mudana fsica, mas de deciso de governana que visa ampliar a integrao,

    a transparncia e agilidade dos gestores responsveis pelo co-mando da Fundao.

  • 6 [ Administrativo ]

    ValoresA Celos j tem bem claro

    e definido sua misso, viso e valores. No entanto, como toda organizao que envolve interesses e responsabilida-des de milhares de pessoas, necessrio revisar com perio-dicidade esses princpios nor-teadores de todas as aes e posies da Fundao. O pla-nejamento revisou a Misso da Fundao e definiu os ob-jetivos e aes prioritrias, se antecipando a ameaas e identificando oportunidades. Na verdade no foi bem uma reviso, mas sim uma neces-sria atualizao.

    Os valores estabelecidos pelo Planejamento:

    Conduta tica (respeito; ti-ca e transparncia)

    Valorizao humana e profis-sional (desenvolvimento pesso-al e profissional; reconhecimen-to profissional)

    Transparncia e confiabilida-de (credibilidade; confiana)

    Responsabilidade scio-am-biental

    Inovao Comprometimento (compro-metimento e motivao; espiri-tualidade)

    Eficcia e eficincia (exceln-cia dos servios; solidez)

    Misso anterior:

    Administrar planos previden-cirios e assistenciais, para pro-porcionar benefcios e contribuir com a qualidade de vida dos par-ticipantes e beneficirios.

    Milton de Queiroz GarciaDiretor Presidente da Celos

    SolidezEstamos enfrentando uma crise internacional mui-

    to extensa e nos saindo bastante bem. Nossa rentabili-dade sempre foi positiva, apesar do cenrio complexo e instvel. Enfrentamos, internamente, questes delicadas como a fiscalizao da Previc. Embora possa causar al-gum impacto inicial, preciso reconhecer os aspectos po-sitivos do rigor na auditoria, porque nos permite explicar melhor alguns procedimentos e corrigir outros. Posso ci-tar tambm a segregao dos ativos dos planos, iniciada em 2008, e que avanou bastante no ano passado. Esta-mos antecipando um processo que a legislao iria nos impor mais cedo ou mais tarde.

    A Celos resultado de uma continuidade administra-tiva. Cada um que passa por aqui coloca um tijolinho. Na Celos, avaliamos como sendo positivo que as pessoas vi-vam mais e melhor. Para ns isso no um problema. Nosso foco sempre ser o coletivo, e por isso, nem sempre poderemos atender demandas individuais. Por essa razo, estamos investindo bastante em educao previdenciria.

    Destaco, finalmente, nossa relao com a Patrocinado-ra, sempre em alto nvel, durante todo esse perodo. Res-salta-se tambm que a Fundao, dentro do Conselho de Administrao da Celesc, muito mais que uma scia mino-ritria, tem postura de cooperao, sempre se pautando pelos interesses do Participante e do prprio Estado de SC.

    Portanto, nesse campo institucional, muito importan-te contar com o apoio e a colaborao das Associaes e os Sindicatos. Isso governana que vem sendo construda h bastante tempo e deve ter sempre continuidade.

    DEPO

    IMEN

    TOS

    Principal misso da Celos administrar de forma sustentvel planos previdencirios e assistenciais. Metas foram definidas para o perodo entre 2011 e 2015.

    Entre vrios objetivos estratgicos, planejamento destacou a educao financeira e previdenciria, alm da importncia da manuteno da natureza pblica da Celesc.

  • 7[ Administrativo ]

    Toda obra de um pulmo

    A rea administrativa uma espcie de pul-mo da obra. Se atrasa uma compra, por exem-plo, atrasa tambm o cronograma no canteiro. Para a Celos, a Diviso de Gesto Administrati-vo-Financeria tem uma funo bastante seme-lhante. Para ter uma ideia, a DVGA responsvel por recursos humanos, emprstimos e cobran-a, digitalizao de documentos, servios ge-rais e terceirizados, manuteno, contas a pa-gar e a receber, faturamento e tesouraria. Com tanta responsabilidade, tudo tem que funcionar dentro do ritmo, para assegurar que todos os objetivos sejam alcanados e viabilizados.

    Em treinamento e cursos, por exemplo, a Celos superou a meta estabelecida, dedicando 2.511 horas aula de capacitao ao seu corpo tcnico, investindo R$ 31 mil reais. Tambm in-tegra-se a essa meta, o Programa de Incentivo

    Misso atual:

    Contribuir para a qualidade de vida dos participantes e be-neficirios, administrando, de forma sustentvel, planos previ-dencirios e assistenciais.

    Objetivos estratgicos: Implementar plano de suces-so e de reteno de talentos Melhorar a Gesto do Co-nhecimento Manter o equilbrio financei-ro e atuarial dos planos previ-dencirios e assistenciais Melhorar a interao/comu-nicao entre as reas

    Proteger a Celos das aes judiciais contra os planos previ-dencirios Efetivar a educao previ-denciria e financeira Oferecer atendimento de ex-celncia aos participantes Preparar-se para eventual pri-vatizao da Celesc ou retirada de patrocnio dos planos previ-dencirios e assistenciais Aumentar o nmero e fideli-zar participantes Aumentar o nmero e fideli-zar patrocinadoras Ampliar a rede CELOS Sade

  • 8 [ Administrativo ]

    Educao Profissional, na gra-duao e ps-graduao.

    Juros menoresA carteira de emprstimos

    que em 2011 realizou mais de 2,6 mil operaes, mobilizando recursos na ordem de R$ 58 mi-lhes, tem novas regras. Em ju-nho entrou em vigor um novo pacote de emprstimos, am-pliando vantagens para os Parti-cipantes. O prazo de pagamen-to foi ampliado para 48 meses (42 meses para quem tem res-trio de crdito). Os valores se-ro corrigidos com a taxa de ju-ros de 1% ao ms. No entanto,

    Taxa de juros para emprstimos foi reduzida e o prazo de pagamento, alongado. Tendncia ampliar vantagens em 2012.

    tes, os que tiverem mais de duas prestaes em aberto ou parcial-mente no pagas, num perodo de 24 meses (na regra atual so considerados os ltimos 18 me-ses). O pacote de medidas apro-vadas certamente um estmulo para manter a carteira como um investimento rentvel e sustent-vel, e tambm visa educar finan-ceiramente o participante que, no final das contas, o principal inte-ressado que o pulmo desta nos-sa obra funcione cada vez melhor.

    para os tomadores que perma-necerem adimplentes, sem res-trio, haver uma taxa especial de 0,8% ao ms. Tambm foi re-duzida a cota de quitao para a faixa acima de 70 anos. Essas vantagens devem ser revistas e ampliadas em 2012.

    Pulso firmeApesar das vantagens em

    relao ao mercado financeiro, a carteira de emprstimos no um benefcio, mas um inves-timento da Fundao. Por isso, junto com a ampliao de van-tagens foram implementadas novas rotinas de concesso de crdito e cobrana.

    Desde o ano passado, as inadimplncias no negociadas esto sendo encaminhadas ao escritrio de cobrana e, se for necessrio, para ao judicial. So considerados inadimplen-

  • 9[ Administrativo ]

    Participantes atribuem credibilidade aos gestores

    Equilbrio uma das qualidades que se bus-ca em qualquer construo. Todos os que investem parte dos seus rendimentos em um Fundo de Penso procuram equilbrio, estabi-lidade e solidez. E ao julgar pelos resultados da Pesquisa de Satisfao/2011, os participantes da Celos esto seguros em relao estabilidade na gesto dos seus investimentos. A pesquisa um trabalho que vem sendo realizado desde 2004. Os nmeros comprovam que h um alto grau de confiabilidade, de crdito e de satisfao com o desempenho do corpo tcnico e dos ges-

    tores. As seguidas avaliaes com notas alta so sinnimos de confiana e uma provocao per-manente para fazer mais e melhor.

    Foram entrevistados 731 participantes, carac-terizados segundo as variveis de sexo, faixa et-ria, escolaridade e renda familiar. A pesquisa foi feita por amostragem probabilstica, com margem de erro de mais ou menos 5% e coeficiente de confiana de 95,5%. Houve conferncia da amos-tra em cerca de 20% do material coletado.

    ContinuidadeOs participantes ativos e assistidos avaliaram

    o desempenho da atual gesto atribuindo-lhe nota mdia de 8,3 e 9 respectivamente, considerando, portanto, positiva a administrao. Em relao comunicao 89,6% dos ativos e 83,4% dos as-sistidos se consideram muito informados ou sim-plesmente informados. Tanto o jornal impresso como o site foram bem avaliados pelos entrevis-tados, recebendo notas prximas de 9.

    Para os ativos, o atendimento pessoal ofereci-do pela Celos nota 10. Os assistidos chegaram perto, atriburam ao servio 9,7 de nota. O relat-rio aponta claramente tambm o grau de satisfa-o com os benefcios, a carteira de emprstimos e o plano de sade que receberam notas mdias entre 8 e 9. No geral, a Celos recebeu nota m-dia de 8,6 dos ativos e 9,1 entre os assistidos. Em relao ao ano anterior, a nota mdia geral variou positivamente um dcimo.

    Pesquisa de Satisfao vem sendo realizada desde 2004. Seguidas avaliaes com notas altas so sinnimos de confiana e uma provocao para fazer mais e melhor.

    2004 7,552006 7,802007 8,402008 8,552009 8,652010 8,402011 8,70

    Diretoria

    Pesquisa de satisfao

  • Atendimento

  • 11

    Dizem que vivemos o s-culo da comunicao, onde o homem tem ex-perimentado avanos jamais vis-tos na histria da civilizao. O fato que hoje impossvel ima-ginar a vida sem os canais de co-municao, sejam os meios tra-dicionais ou as revolucionrias mdias alternativas, acessveis nos computadores, smartpho-nes, celulares, tablets... A lista parece interminvel.

    A Celos est conectada nes-tes novos tempos. Mais tecnolo-gia, mais informao e mais proxi-midade com o participante. Para ter mais, preciso ousar. Desen-volvido com um elevado grau de ousadia, mas inteiramente cala-do na realidade, o Jornal Online da Celos, j est consolidado e caminha para a ampliao.

    Lanado em 2011, o Celos Online um informativo na in-ternet com notcias e servios de interesse do participante. O novo veculo tem uma edi-o dinmica, gil e que atu-

    alizada diariamente, com base nas informaes mais relevan-tes do relacionamento da Ce-los com o participante, das no-tcias do segmento dos Fundos de Penso e outros assuntos de interesse geral, como sade, fi-nanas pessoais, direitos do consumidor, economia etc.

    As pesquisas de satisfao tm indicado que h um cresci-mento exponencial na utilizao da web como canal de acesso preferencial com a Fundao. O participante ativos e assistidos j tem uma cultura de usar o computador para agilizar o aces-so a diversos servios e bene-fcios. O Jornal Online d um passo frente, disponibilizando tambm contedo de interesse geral e especfico a todos. Alm, do Online, tambm foi produzi-do um perfil prprio da Celos no Facebook, com o objetivo de es-treitar laos e ampliar a rede de relacionamentos da Fundao com seus participantes.

    Informao: a argamassa entre a Celos e o Participante

    2007 8,802008 9,002009 9,202010 9,052011 9,20

    Atendimento

    Pesquisa de satisfao

    Pesquisas tm indicado que crescimento no uso da web como canal de contato. Novo portal, jornal online, Facebook. Mais tecnologia e proximidade com o Participante.

  • 12 [ Atendimento ]

    Menos maisA partir da edio 177, o Jornal impresso da Ce-

    los passou a ter a tiragem reduzida de nove mil para cinco mil exemplares. Esta ao visa dar agili-dade ao processo de disseminao da informao, atender a poltica interna de reduo de custos e como forma de contribuir com a natureza, minimi-zando os impactos ambientais com a reduo de emisso de papel. Deste modo, a edio impressa est sendo direcionada para os participantes que j esto fora da Patrocinadora: aposentados, pen-sionistas e autopatrocinados. Simultaneamente distribuio do jornal impresso, a verso eletrni-ca est sendo disponibilizada na pgina principal do Portal da Celos, no menu: Institucional/Jornal da Celos e tambm no Jornal Online. Alm disso, um link para a publicao enviado por e-mail.

    Autoatendimento recebe quase 200 mil acessos

    Ningum inicia uma construo sem informa-o e orientao. Informao a chave para a to-mada de deciso. a chave para as definies e escolhas que fazemos todos os dias. Em 2011, muita gente, mas muita gente mesmo, procurou a Celos em busca de informao e orientao. E saiu bem satisfeita, com o retorno.

    Foram quase 200 mil. Para ser exato: 197.873. Esse o nmero de acessos ao autoatendimento do Portal da Celos registrados durante todo o ano passado. Do total de 8.200 participantes, 57% es-to cadastrados e utilizam com frequncia o servi-o do autoatendimento. Esta uma das maneiras

    de colaborar para a sustentabilidade e a imagem institucional da Fundao.

    O autoatendimento a rea privativa onde es-to disponveis as informaes do cadastro de cada participante e o registro da movimentao em cada plano contratado. uma ferramenta que inclui quesitos de segurana e personalizao e que foi desenvolvida internamente com recursos prprios. Outras tantas melhorias foram imple-mentadas ou esto sendo pensadas diariamente para atender as necessidades dos participantes, suprir as demandas existentes e manter a rede de colaboradores informada.

    Ferramenta que inclui quesitos

    de segurana e personalizao,

    foi desenvolvida internamente com recursos

    prprios.

  • 13[ Atendimento ]

    13

    Antnio Gavazzoni

    Presidente da Celesc

    Segurana e tranquilidadeOferecer segurana e tranquilidade

    aos celesquianos a grandiosa misso que a Celos abraa h mais de trs d-cadas. O patrimnio construdo pela Fun-dao em seus 39 anos de existncia d conta da grandeza do esforo empreendi-do por seus dirigentes que, em ltima ins-tncia, representam a vontade da Patro-cinadora, dos participantes ativos e dos assistidos, para ofertar planos capazes de proporcionar maior qualidade de vida. No entanto, a velocidade com que o mundo se transforma requer um olhar cada vez mais crtico em relao ao futuro, pois tecnologias mais avanadas so inseridas em nossos tratamentos de sade, aumen-tando ainda mais a longevidade dos par-ticipantes e seus dependentes, exigindo maior robustez do Fundo de Penso. Para enfrentar os desafios que se apresentam preciso ser criativo na gesto dos recur-sos e investir em projetos e aes que ga-rantam sua sustentabilidade.

    imprescindvel ressaltar que os resul-tados alcanados credenciam a Celos con-tinuar assegurando os atuais benefcios, e preciso assegurar o crescimento de seu portflio de negcios com aes que pro-movam maior segurana ao Plano e contri-buam para o desenvolvimento do Estado de Santa Catarina, no sentido de cooperar decisivamente para assegurar sua perpetu-ao diante dessa realidade dinmica. Nos-sos sinceros parabns a esta jovem, porm madura Celos, que tem plenas condies de continuar a ser o porto seguro de nossos empregados por muitas outras dcadas.

    DEPO

    IMEN

    TOS

    Acessos ao autoatendimento (portal) - 2011

    Atendimentos realizados - 2011

  • 14 [ Atendimento ]

    Programa Integrado de Educao Financeira e Previdenciria tem aes para os prximos cinco anos

    Construir essencialmente um ato de an-tecipar o futuro. Um passo muito grande em direo a um futuro sustentvel e pla-nejado foi dado com a formulao do Programa Integrado de Educao Financeira e Previdenci-ria dos participantes da Celos e seus familiares. O Programa, que atende recomendao legal e o Planejamento Estratgico, tem atividades previs-tas para o perodo 2012 2016, e foi estruturado para nortear as aes de informao, orientao e instruo promovidas pela Entidade.

    O Programa foi concebido e desenvolvido em conjunto com outras 13 entidades de previdncia complementar de Santa Catarina, a partir das ex-perincias, dos conhecimentos e das expectati-vas de seus participantes, dirigentes e gestores. A unio das entidades visa maximizar esforos e otimizar recursos, alm de agregar a sinergia que

    Proposta foi desenvolvida em conjunto com outras 13 entidades de previdncia complementar de Santa Catarina. Ideia maximizar esforos e otimizar recursos, alm de agregar sinergia.

  • 15[ Atendimento ]

    proporciona a integrao das equipes respons-veis pela sua realizao.

    Entre os objetivos prprios est a meta de en-volver, por meio de um programa de incluso di-gital, a parcela de participantes assistidos (43%) que ainda no tm o hbito de acessar o Portal. Alm disso, est previsto um portal especfico so-bre educao financeira e previdenciria que ser desenvolvido e mantido pelas entidades que inte-gram a ASCPrev (Associao Catarinense das En-tidades de Previdncia Complementar).

    So objetivos definidos no Programa: disse-minar a cultura previdenciria entre os participan-tes da Entidade e seus familiares, pela promoo de aes que visem orientar, instruir e informar; estimular a poupana de longo prazo; possibili-tar o reconhecimento do planejamento financei-ro-familiar como forma de dar sustentabilidade financeira s famlias na fase da aposentadoria; desenvolver aes que possibilitem o enfrenta-mento dos problemas da Entidade em relao aos planos e aos participantes.

    Representantes de diferentes pases, autori-dades governamentais, segmentos da iniciativa privada e organizaes no governamentais tm enfatizado a necessidade prudencial de se ins-truir do ponto de vista financeiro e previdenci-rio, cada vez mais, os cidados. A Celos est conectada com esta exigncia porque sabe, h bastante tempo, que educao o cimento de toda grande obra.

    Foco cultura previdenciria. Entre as muitas aes e metas, est o projeto de incluir os 43% de Participantes Assistidos que ainda no tm o costume de acessar o Portal.

    Leandro Nunes da Silva

    Coordenador da Intercel

    Vida longaA participao proativa dos sindica-

    tos que compem a Intercel tornou a Ce-los uma entidade mais prxima dos seus participantes. Podemos afirmar que hoje os trabalhadores tratam a Celos como algo a que pertencem e por isso procu-ram cuidar para que o seu desempenho seja cada vez melhor. A gesto da Funda-o ao longo dos ltimos anos deixou de ser uma caixa preta. As discusses sobre o rumo das polticas assistenciais e pre-videncirias passaram a fazer parte do cotidiano dos celesquianos. Esta postu-ra vem sendo respaldada nos processos eleitorais e nas pesquisas de satisfao que confirmam a aprovao do trabalho at aqui desenvolvido.

    Todas as vezes que foi necessrio, mobilizamos companheiros ativos e apo-sentados para fazer frente s decises de governos ou da Patrocinadora que fossem lesivas aos beneficirios. Justa-mente porque a administrao da Celos transparente, primando pelo contato direto com os participantes nas diversas reunies, seja para prestao de contas, tomada de decises ou simplesmente de formao financeira e previdenciria, permitiu-se criar um ambiente propcio ao entendimento. Afinal queremos um plano que tenha vida longa. Pensamos na Celos para os prximos cem anos. E isso no nada fcil nesse mundo per-meado por crises e incertezas provoca-das pelos especuladores que, no cassino global, procuram o lucro imediato.

    DEPO

    IMEN

    TOS

  • Previdencirio

  • 17

    Retorno de mais de R$ 143 milhes em benefcios

    Qualquer obra exige de-dicao e trabalho. E uma grande obra, como a Celos, envolve o esfor-o de muita gente na sua edifi-cao. Para ser preciso: 8.183 pessoas o nmero de partici-pantes, inscritos na Fundao at dezembro de 2011. Quan-do se investe na construo de uma casa, um prdio, busca-se sempre um retorno de qualida-de de vida, de segurana. Os participantes da Celos sabem muito bem disso.

    Durante o ano passado, em prestao nica (CIAP, peclio, penso e resgate), a Fundao pagou aos seus participantes R$ 10,9 milhes. No caso dos be-nefcios de prestao continua-da (aposentadorias e penses mensais), os integrantes dos Planos Misto e Transitrio rece-beram R$ 132,5 milhes. Uma grande obra exige muitos inves-timentos para dar retorno de qualidade de vida e segurana para as pessoas.

    Participantes por plano

    Reajuste dos benefcios foi 7,3%Em 2011, foi utilizado pela

    primeira vez o IPCA (ndice de Preos ao Consumidor Amplo) como indexador oficial para re-ajuste dos benefcios de apo-sentadoria e penso da Celos. O acumulado de outubro/2010 a setembro/2011 resultou em 7,3099% que foi aplicado aos be-nefcios pagos no final do ms de outubro. O valor do piso mnimo, pago pela Celesc, por meio da Celos, foi fixado em R$ 331,95.

    CATEGORIAPLANO

    TRANSITRIOPLANOMISTO

    Ativos 5 3.833

    Remido (*BPD) 1 15

    Aposentados 1.454 1.783

    Pensionistas 898 194

    TOTAL POR PLANO 2.358 5.825TOTAL GERAL 8.183

    * BPD - Benefcio Proporcional Diferido (Base atuarial dez/2011)

    Mais de oito mil Participantes nos Planos. A confiana de contar com uma previdncia complementar estruturada e bem administrada.

  • 18 [ Previdencirio ]

    Trabalho coletivo a base de grandes obras. Em 2011, as Divises de Gesto Previdenciria e de Relacionamento com os Participantes junta-ram foras e realizaram a campanha de atualiza-o das informaes referentes aos beneficirios do plano peclio e que tm direito cobertura fi-nanceira, em caso de morte natural ou acidental dos empregados ativos e aposentados por inva-lidez. Para fazer uso do benefcio fundamental que o beneficirio seja devidamente identifica-do e designado pelo titular. O que, infelizmente, nem sempre acontece.

    Para evitar aborrecimentos e contratempos necessrio manter o cadastro atualizado. A Celos desenvolveu internamente um sistema prprio que garante um atendimento rpido e eficiente. A campanha voltada a todos os empregados da Celesc e aos aposentados por invalidez.

    Plano peclio: campanha para atualizar cadastro

    Atualizao

    cadastral de ativos

    e beneficirios,

    adequees no

    Plano Transitrio,

    boletos para

    autopatrocinados.

    Gesto eficiente

    dos Planos

    prioridade.

    Adriano Lima MedeirosPresidente do Con-selho Deliberativo

    Na palma da moA nova Diretoria muito experiente,

    conhece a Celos na palma da mo, e vem enfrentando os obstculos com compe-tncia e tranquilidade. Foi um ano difcil, vrios problemas assombraram a ges-to: crise econmica, default de alguns investimentos, autos de infrao da Pre-vic, planos deficitrios, mas tudo foi vis-to como oportunidade de aprendizado e aperfeioamento, das deficincias apon-tadas surgiram novos processos, com mais controle e qualidade. Em 2011 en-frentamos muitas dificuldades no cen-rio econmico. O ano de 2012 ser bem melhor, tenho total certeza disso, pois te-mos uma gesto atuante e capacitada, em que os problemas so enfrentados como possibilidade de crescimento.

    Os desafios so enormes e o Conselho Deliberativo no vem se omitindo deles. Estamos passando um momento de tran-sio, chegamos a um patamar de mais de R$ 2,5 bilhes de ativos e mais de oito mil participantes, e com esse crescimento pre-cisamos nos preocupar com os mecanis-mos de controle, para isso criamos uma rea de compliance, reestruturando a rea de investimentos, de atendimento e de sade, enfim, nos adequando s melhores prticas de gesto dos Fundos de Penso. No adianta crescer sem qualidade, este o grande desafio do momento. Nossa pa-lavra de ordem construo. Sem perder autonomia e independncia, os rgos es-tatutrios da Celos, em conjunto com todo o corpo funcional, vm construindo alicer-ces slidos e robustos, buscando garantir uma aposentadoria a todos os participan-tes de qualidade e perenidade.

    DEPO

    IMEN

    TOS

    Benefcios pagos em 2011

    TIPO DE BENEFCIO TRANSITRIO MISTO

    Prestao Continuada- Aposentadoria- Penso

    R$ 64.516.226 R$ 67.990.656

    Pagamento nico- Resgate- Peclio Previdencirio- Saque Ciap- Saque Ciap Penso

    ----- R$ 10.673.130

    TOTAL POR PLANO R$ 64.516.226 R$ 78.663.786TOTAL GERAL R$ 143.180.012

    Fonte: DVGP/Contbil - 12/2011

  • 19[ Previdencirio ]

    A Celos encaminhou em 2011 para avaliao e aprovao da Previc (Superintendncia Nacional de Previdncia Complementar) adequaes no Plano Transitrio. So duas alte-raes no Regulamento. A primeira refere-se ao pagamento de joia, quando houver incluso/alte-rao de beneficirio vitalcio. Assim, se o par-ticipante se separar ou divorciar, ou ficar vivo, e vier a se casar novamente, com pessoa mais nova, e quiser inclu-la como sua nova benefici-ria, dever pagar uma joia. A segunda alterao no pargrafo 2 do artigo 68 do Regulamento, fei-ta para permitir que o participante, aps comple-tar as condies integrais de aposentadoria na Celos, possa optar por pagar apenas a Contribui-o Administrativa, at o momento que rescindir o contrato de trabalho com a Celesc.

    ProcessoPara promover essas adequaes, a propos-

    ta passou por um longo processo de avaliao e debate. Foram envolvidos alm dos quadros tcnicos da Celos, consultores atuarial e jurdi-co externos. Tambm foram consultados o Comi-t Previdencirio, a Diretoria Executiva, o Conse-lho Deliberativo e a Patrocinadora Celesc. Aps a aprovao pela Previc, o processo conclu-do com a adequao dos sistemas e uma nova comunicao aos participantes, dando conta da aprovao da proposta.

    Regulamento do Plano Transitrio recebe adequaes

    Os planos O Plano Transitrio um plano

    de natureza previdenciria, na mo-dalidade Benefcio Definido, em que todos os participantes con-tribuem para um fundo comum e cujo benefcio calculado no mo-mento da aposentadoria, em de-corrncia da mdia dos ltimos 36 Salrios de Contribuio, de-duzido o Valor Piso Celos - VPC. um plano fechado em 31/12/1996, e no qual no h mais ingresso de participantes. Integram este Pla-no, os participantes inscritos na Celos at 31/12/1996 e os que no migraram para o Plano Misto em 1999/2000. J o Plano Misto um plano de capitalizao indi-vidual, em que o valor acumulado convertido em benefcio no mo-mento da aposentadoria, levando em considerao a expectativa de vida do participante, conforme ta-bela de mortalidade AT-83. So in-tegrantes do Plano Misto os par-ticipantes que se inscreveram na Celos desde 01/01/1997 e os par-ticipantes que migraram do Plano Transitrio em 1999/2000.

    AtivosA Celos desenvolveu tambm uma campanha

    de recadastramento de 1.500 participantes ativos que esto com, pelo menos, um dado de seus de-pendentes incompletos na base cadastral, totalizan-do 5.604 dependentes. A meta estipulada pela Dire-toria da Celos de 90% de recadastramento desses casos at o final do primeiro trimestre de 2012.

    BoletosPara atender uma demanda dos autopatroci-

    nados, desde o ms de outubro a Celos est en-viando por correio os boletos de pagamento para esses Participantes. Implantou-se na rea previ-denciria o mesmo padro operacional j adotado na rea assistencial.

    Idade mdia dos aposentados/pensionistas

    PARTICIPANTE TRANSITRIO MISTOAPOSENTADO 71 60

    PENSIONISTA 74 58

    (Base atuarial dez/2011)

    Concesso de aposentadoria

    IDADE MDIA NO INCIO DO BENEFCIOFEMININO 52

    MASCULINO 54

    (Data de Incio do Benefcio - DIB)

    2009 7,90

    2010 7,70

    2011 8,2

    Planos de Aposentadoria

    Pesquisa de satisfao

  • Investimentos

  • 21

    Quem investe em uma construo para mo-rar ou num empreendi-mento para trabalhar precisa fa-zer projees de mdio e longo prazo. O desempenho de um Fundo de Penso, do ponto de vista dos investimentos finan-ceiros, deve ser avaliado tam-bm com essa perspectiva.

    A crise financeira de 2008 trouxe e ainda traz diversos im-pactos na economia mundial. No Brasil, a crise foi sentida de forma menos destrutiva. Mas, mesmo assim, algumas empre-sas quebraram e muitos bancos apuraram prejuzos milionrios. Apesar do cenrio catico, com inflao em alta, em 2008, a Ce-los obteve uma rentabilidade po-sitiva de 9,64%, representando uma rentabilidade nominal de mais de R$ 176 milhes.

    Em 2009, houve a recupera-o da Bolsa de Valores de So Paulo e o pas retornou ao pro-cesso de crescimento econ-mico. No entanto, os impactos

    Tijolo por tijolo, erguendo patrimnio de R$ 2,5 bilhes

    da crise ainda continuaram a ser sentidos, com repercusses mais fortes na Europa, que se re-fletiram em empresas brasileiras, principalmente ligadas exporta-o e prestao de servios. Em 2009, a Celos obteve rentabi-lidade de 11,45%, que represen-tou mais de R$ 222 milhes.

    CautelaNo ano seguinte, 2010, os

    agentes econmicos percebe-ram que no seria to fcil livrar--se dos impactos causados pela crise de 2008 e todos passaram a agir com mais cautela. Neste ano, a Bovespa, registrou alta de 1,04%. Praticamente no ofere-ceu rentabilidade aos investido-res. Mesmo assim, a Celos ob-teve rentabilidade de 13,66% e pagou, em benefcios, aproxima-damente R$ 126 milhes.

    Um dos indicadores mais uti-lizados pelo mercado para medir a rentabilidade dos investimentos o CDI - Certificado de Depsi-tos Interbancrios. Em 2010, CDI

    Rentabilidade do ano passado foi quase 60% superior ao resultado da caderneta de poupana e superou tambm o CDI - Certificados de Depsitos Interbancrios.

  • 22 [ Investimentos ]

    obteve uma rentabilidade de 9,76%, enquanto o ICP (ndice de Correo do Patrimnio) da Celos alcan-ou praticamente 140% da rentabilidade do CDI.

    Acima da mdiaA Celos encerrou 2011 com uma rentabilidade

    de 11,86%. Em valores nominais esse resulta-do representa R$ 272 milhes. Um desempenho que , por exemplo, 59,19% superior ao rendi-mento gerado pelos investimentos em poupan-a, no mesmo perodo.

    A rentabilidade mdia da carteira de investi-mentos das fundaes no pas, no ano passa-do, foi de 10,93%, ante a uma meta atuarial de 12,44%, segundo levantamento da Associao Brasileira das Entidades Fechadas de Previdncia Complementar (Abrapp). Para a Entidade, acrise fiscal europeia aliada s presses inflacionrias, em 2011, e trajetria descendente da taxa b-sica de juro comprometem o desempenho dos Fundos de Penso brasileiros.

    Embora os investimentos da Celos tenham al-canado rentabilidade acima dos juros interban-crios (11,47%), por exemplo, esse desempe-nho no foi suficiente para bater a meta atuarial (13,04%), como fora planejado.

    Para cima, sempreA Celos realiza seus investimentos observan-

    do o perfil indicado para fundos de penso que de alocao em ativos de longo prazo, com renta-bilidade constante, adequando-se, assim, ao sobe e desce do mercado.

    A regra : subir sempre, s vezes mais lento, mas sempre para cima. Uma prova disso , por exemplo, o resultado da rentabilidade da Celos que, entre 2003 e 2011, alcanou 261%.

    Distribuio do patrimnio

    Setores de investimentos - Renda Fixa

    Diversificao da Carteira de Investimentos d maior segurana e diminui exposio a riscos.

  • 23[ Investimentos ] 23

    Poltica de Investimentos adequada ao perfil do Participante e tem um objetivo permanente: honrar compromissos da Fundao.

    Longo prazoDe acordo com a legislao

    que regulamenta as entidades fechadas de previdncia comple-mentar, do total do patrimnio, at 70% pode ser investido em ativos de renda varivel. A Pol-tica de Investimentos da Celos ainda mais conservadora que a prpria legislao, permitin-do apenas um limite mximo de 35% do patrimnio exposto com investimentos em renda varivel. Esse conservadorismo se deve ao risco elevado e volatilidade do mercado de aes. Em 2011, a Celos investiu em torno de 19% do patrimnio neste mercado.

    Em renda fixa, foram aplicados 65% e outros 12% em investi-mentos estruturados.

    A anlise da rentabilidade obtida no passado pelos investi-mentos da Celos comprova que a Poltica de Investimento est adequada ao perfil do partici-pante e em conformidade com o estudo de ALM. Foi esse de-sempenho que permitiu, por exemplo, que em 2011 a Celos pudesse disponibilizar na cartei-ra de emprstimos R$ 58,1 mi-lhes aos seus participantes - o que ser ampliado em 2012.

    A gesto financeira da Celos tem um objetivo permanente: o

    Arno CugnierDiretor Administrativo-

    Financeiro da Celos

    Sempre para a frenteViemos desde 1974 construindo uma entidade que saiu

    praticamente do nada e hoje tem mais de R$ 2,5 bilhes de patrimnio, mais de oito mil famlias participantes e 19 mil inscritos no plano de sade. Tudo isso significa uma base muito slida para enfrentar novos desafios.

    O ano de 2011 exigiu que todos nos desdobrssemos. No aspecto administrativo enfrentamos uma anlise profun-da de custos internos, com a reviso de todos os contratos, o plano de cargos e salrios, avaliaes de desempenho.

    Ampliamos e melhoramos as caractersticas da politica de investimentos. H problemas localizados, com alguns ttulos privados, que estamos tratando um a um. Nossa rentabilida-de est acima da maioria das fundaes e acima dos certifi-cados que os bancos trocam entre si CDIs. No atingimos a meta, que bastante alta, em poca de taxas de juros baixas, mas no podemos nos lamentar e seguir buscando novas oportunidades sem perder nosso foco. Estamos buscando investimentos que estejam calados na economia real, cada vez mais longe da especulao diria de papis e moedas.

    Nossa rentabilidade voltada para honrar compromissos de aposentadoria e penso de mdio e longo prazo e exige um constante acompanhamento tcnico especializado.

    Vivemos uma nova realidade econmica no Brasil. A taxa de juros deve seguir caindo e isso muito positivo para o pas. Quem investe deve ter isso em mente. Ou seja, precisamos - dirigentes, assessores, comit de investimen-tos - estar cada vez mais capacitados para este novo cen-rio e necessrio tambm um rigor, sempre muito bem--vindo, por parte dos rgos fiscalizadores.

    Esta nova realidade exige uma nova postura dos parti-cipantes. Por isso, estamos investindo em educao finan-ceira e previdenciria. Aposentadoria com qualidade de vida no uma ddiva, exige preparao e instruo. A Fundao tem que se capacitar todos os dias para o futuro, nosso participante tambm. uma construo permanen-te, s vezes mais devagar, mas sempre para frente.

    DEPO

    IMEN

    TOS

  • 24

    de honrar seus compromissos agindo com cau-tela, responsabilidade e conservadorismo na ad-ministrao de um patrimnio de mais de R$ 2,5 bilhes. Um obra dessa envergadura precisa ser erguida em terreno firme e apoiada em pilares que possam permitir que se aproveite ao mxi-mo as oportunidades nos tempos de bonana e que, nas tormentas, os efeitos da instabilidade sejam enfrentados com tranquilidade e seguran-a. Essa a meta permanente da Celos.

    [ Investimentos ]

    Cautela e

    responsabilidade.

    Objetivo

    permanente honrar

    compromissos

    contratados.

    Perfil de investimentos de longo prazo. Resultado um patrimnio financeiro erguido em bases slidas.

    Evoluo patrimonial

    ICP X meta X indicadores - acumulado 2011

    2003 2004 2005 2010 2011Patrimnio inicial 905.219 1.111.240 1.301.520 2.122.487 2.333.008

    (+) Contribuies 29.973 36.678 39.180 70.471 76.644

    (+) Rentabilidade 232.714 223.531 172.789 278.053 272.412

    (-) Pagto de benefcios (56.666) (69.929) (81.507) (131.085) (*147.192)

    (-) Custeio Adm (6.918) (7.530)

    (=) Patrimnio Final 1.111.240 1.301.520 1.431.982 2.333.008 2.527.341* Neste valor esto includos aes judiciais e processos contabilizados na Celos.

  • 25[ Investimentos ]

    Processo de segregao de ativos avana

    Por conta do compromisso de aprimorar ainda mais a ad-ministrao dos recursos, est em andamento na Celos, des-de 2008, o processo de segre-gao real do patrimnio dos planos previdencirios Mis-to e Transitrio. At o final do ano, a Celos realizou toda a etapa administrativa, prepara-tria para a precificao dos ativos a mercado.

    Segregao real do patrim-nio significa controlar de forma autnoma os recursos e movi-mentaes financeiras dos pla-nos previdencirios e assisten-ciais. O principal motivo para realizar a segregao real do patrimnio tornar possvel a administrao dos recursos de acordo com a necessidade de utilizao de cada plano.

    Diversos estudos tcnicos e simulaes foram realizados, pela equipe da Celos e consul-tores externos, para avaliar os impactos bem como, para esco-lher a melhor forma de implan-tar a segregao real dos ativos financeiros. Os planos possuem caractersticas prprias e distin-tas, portanto, se faz necessrio administr-los de forma diferen-te, com poltica de investimen-tos especfica.

    Edalicio Cruz dos Anjos

    Presidente da Apcelesc

    Ps no choEu vejo a Celos nos ltimos anos,

    com um crescimento grande e sustent-vel. Isso se deve ao fato do estilo de go-vernana praticado pela Diretoria, com a participao de todos, Ativos, Assistidos, dos Sindicatos e de seus funcionrios. Sentimos que um crescimento ordena-do, capacitado e com os ps no cho.

    Com toda essa competncia, a pers-pectiva que nos traz de um futuro de tranquilidade e segurana para todos. O que nos deixa ainda mais satisfeitos, a participao efetiva da Associao dos Aposentados e Pensionistas nesse pro-cesso, no aspecto social e assistencial.

    Sentimo-nos orgulhosos por participar to intensamente. E temos certeza que o nosso futuro, com esse tipo de governan-a estar garantido. Em nome da Apce-lesc, s temos que agradecer pelo traba-lho e dedicao destas pessoas e pela a oportunidade de participar de forma ativa da gesto da Celos.

    Carteira de emprstimos

    DEPO

    IMEN

    TOS

    Com a segregao real dos ativos financeiros, os recur-sos sero aplicados de maneira mais adequada, tendo em vis-ta que cada plano tem um per-fil diferenciado de participantes e uma necessidade de desem-bolso prpria.

    Iniciada em 2008, separao de ativos financeiros visa criar condio de administrar cada plano previdencirio de acordo com suas necessidades e especificidades.

  • Gesto

  • 27

    Para um plano previdenci-rio equilbrio e equidade so essenciais. A Celos tem convico em relao a es-ses princpios e por essa razo se dedicou ao debate de um tema de natureza complexa, mas irre-nuncivel: as aes de participan-tes que vo Justia buscar be-nefcios para os quais no houve a correspondente contribuio.

    Uma questo que envolve di-reitos, mas tambm deveres e principalmente a noo do enor-me risco invisvel que envolve os fundos. Governantes, juzes, mercado e os prprios partici-pantes tendem a enxergar as entidades apenas pelos seus ativos, e esquecem dos com-promissos que precisam honrar, a curto, mdio e longo prazo.

    Os Fundos de Penso so sustentados por dois verdadei-ros pilares: equilbrio atuarial, que o compromisso com o fu-turo e representa a obrigao dos gestores, patrocinadores e participantes; e equidade, no

    sentido de que, aquilo que no pode ser dado a todos, no pode ser dado a ningum. A demanda judicial em massa e estimulada por terceiros - especialmente por advogados com viso meramen-te financeira e contbil - uma sria ameaa a esses dois princ-pios. , dessa forma, uma grave ameaa ao compromisso inadi-vel de pagar aos titulares ou be-neficirios os benefcios de com-plementao de aposentadorias ou penso contratados.

    Entre 2008 e 2010, os pla-nos previdencirios da Celos, desembolsaram ou vo desem-bolsar, com o pagamento de aes, entre parcelas vencidas e vincendas, algo em torno de R$ 30,7 milhes. Boa parte dis-so, cerca de 20%, ou seja, mais de R$ 6 milhes, destinada ao pagamento de honorrios dos escritrios de advogados que acionam a Fundao. O paga-mento dos mais R$ 30 milhes no ameaa a solvncia da Ce-los, mas, sim, a noo da im-

    Equidade e equilbrio sustentam nossa construo

    Demandas judiciais em massa, estimuladas por terceiros, corroem recursos que so resultado de poupana coletiva e abalam princpio da equidade entre todos e equilbrio atuarial dos planos previdencirios.

  • 28 [ Gesto ]

    Posse e eleio marcam o ano

    O ano de 2011 iniciou com a cerimnia de posse da nova Di-retoria e do Conselho Deliberati-vo da Celos. Foi essencialmente um ato poltico solene, como re-quer a importncia da Fundao, mas tambm e principalmente, um encontro emocionante de amigos e companheiros de uma jornada comum. Um evento marcado pelo resgate dos qua-se 39 anos de um projeto que tem a ampla confiana de todos que de, alguma forma, esto en-volvidos com o seu sucesso.

    Arno Veiga Cugnier e Joo Paulo de Souza assumiram as

    diretorias Administrativo-Finan-ceiro e de Seguridade, respecti-vamente. A aposentada Janice Meriz de Souza foi empossada como membro titular do Con-selho Deliberativo e Milton de Queiroz Garcia foi reconduzido Presidncia da Entidade. Na pos-se, os dirigentes fizeram ques-to de destacar que a solidez da Celos resultado da gesto compartilhada entre ativos, as-sistidos e a Patrocinadora, com o apoio institucional dos Sindica-tos e da Associao dos Aposen-tados, tranformando a Celos em uma construo coletiva.

    portncia de preservar o equil-brio atuarial e a equidade entre todos participantes.

    A Celos tem se dedicado em promover diferentes aes de acesso educao previdenci-ria, esclarecendo aos participan-tes, com toda a tranquilidade e transparncia, sobre os efeitos dessas aes. No se trata de abrir mo de um suposto direito, mas refletir muito bem sobre as consequncias, e antes de tomar uma atitude, procurar sempre ou-vir a prpria Celos, a Apcelesc e os Sindicatos, verdadeiros defen-sores dos interesses dos partici-pantes e assistidos.

    No comeo do

    ano, Presidente

    e Diretores de

    Seguridade e

    Administrativo-

    Financeiro tomam

    posse em evento

    marcado pela

    emoo e de

    resgate histrico.

  • 29[ Gesto ]

    Transparncia e credibilidade na base da obra

    Em junho, a Celos recebeu a fiscalizao da Previc (Superintendncia Nacional de Previ-dncia Complementar) rgo estatal fisca-lizador das entidades fechadas de previdncia com-plementar (EFPC). As auditorias da Previc fazem parte da rotina das EFPC e so instrumentos privile-giados de controle e melhoria de prticas de gesto.

    O principal resultado do programa de fiscaliza-o e auditoria garantir a segurana, solvncia e liquidez dos planos de benefcios administrados e operados pelos Fundos de Penso. Temos, no Brasil, um dos maiores sistemas de previdncia complementar do mundo e necessrio que haja uma intensa fiscalizao e que se exija uma alta responsabilidade dos gestores.

    A Celos colocou todos os dados e documentos solicitados disposio e nem poderia ser dife-

    rente. Em novembro, a Diretoria da Celos recebeu os Relatrios de Fiscalizao da Previc. Em vista disso, autos de infrao em busca de melhores prticas de gesto. Os apontamentos do Relat-rio da Previc ensejaram a tomada de providncias saneadoras dos mtodos e processos de adminis-trao e controle por parte dos rgos estatut-rios (COD, COF e DEX).

    No entendimento dos auditores fiscais houve infraes a normas das Leis Complementares n 108 e n 109, ambas de 2001, bem como a dispo-sitivos das Resolues n 3456 e n 3792, ambas

    Em eleies

    diretas, novos

    integrantes dos

    Conselhos Fiscal e

    Deliberativo foram

    indicados.

    Legislao e rgos de fiscalizao so extremamente detalhistas e rigorosos nas avalies dos Fundos de Penso. Isso muito positivo para gestores e participantes.

    J na parte final do ano foi realizada eleio para escolher representantes dos participantes Assistidos nos Conselhos Fiscal e Deliberativo. Mostrando a vitalidade da Entidade, duas chapas se inscreveram para as vagas do Conselho Deli-berativo e dois candidatos se apresentaram para disputar a vaga para suplente no Conselho Fiscal. Para oConselho Fiscal foi eleitoAlberto Kobs. J para o Conselho Deliberativo foram eleitos, Be-nhour de Castro Romariz Filho/Edalcio Cruz dos Anjos; eJanice Meriz de Souza/Osmar Soares.

    Jos Lemos de Carvalho Jr.

    Presidente do Conselho Fiscal

    Forte e pereneDentre as atribuies do Conselho Fis-

    cal da Celos, talvez, a principal delas diz respeito ao zelo por mecanismos de con-troles internos adequados ao porte e com-plexidade de nossa Fundao. E nesse sentido foram conduzidos os trabalhos ao longo de 2011. Manifestamos nossas opi-nies, dialogamos, registramos nossas recomendaes, cobramos, dialogamos mais, ouvimos atentamente as considera-es das gerncias e da Diretoria Executi-va. Certamente tem valido a pena.

    A Administrao da Celos (Conselho De-liberativo e Diretoria), sensvel ao tema, iniciou a caminhada inadivel, aprovando mudanas na estrutura administrativa e funcional da Celos. A intensidade dos avan-os no padro regulatrio da Previdncia Complementar, no ambiente macroecon-mico e nas caractersticas demogrficas da populao exige a construo de uma enti-dade forte e perene. O Conselho Fiscal tem contribudo no mbito de suas atribuies!

    DEPO

    IMEN

    TOS

  • 30 [ Gesto ]

    Provisionamento, como garantia de segurana financeira

    Mesmo bastante slidas, paredes s ve-zes necessitam tambm de um bom escoramento. Normas contbeis base-adas nos princpios da prudncia e do conservado-rismo indicaram a necessidade de a Celos realizar, no ano passado, com o conhecimento e aprovao dos Conselhos Fiscal e Deliberativo, provisiona-mento financeiro na ordem de R$ 10.705.776,23 motivado pela inadimplncia em cdulas de cr-dito bancrio (CCBs), emitidas pela empresa Sa-

    do Conselho Monetrio Nacio-nal CMN e Resoluo n 13 do CGPC (Conselho de Gesto da Previdncia Complementar).

    Todo esse processo foi am-plamente divulgado e comu-nicado diretamente aos par-ticipantes, Apcelesc e aos Sindicatos. Os Autos de Infra-o se baseiam em supostas infraes administrativas. So apenas divergncias de inter-pretao entre o que foi reali-zado e o que os auditores fis-cais entenderam que deveria ter sido feito. Nenhum apontamen-to, tanto no Relatrio da Fiscali-zao quanto nos Autos de In-frao, questionou a lisura e a honestidade dos atos dos dire-tores e conselheiros autuados.

    O escritrio de advocacia que faz a defesa dos autuados avalia que todos os atos ques-tionados, do ponto de vista ju-rdico, so regulares e providos de total retido.

    A fiscalizao necessria e faz parte do cotidiano que en-volve as EFPCs. A ao fiscal e a orientao dos rgos regu-ladores conduzem busca de melhores prticas de governan-a e gesto da Celos.

    Controles internosFoi justamente o que a

    Celos fez.Tambm por essa razo, a Celos resolveu pro-mover melhorias nos proces-sos e procedimentos, bem como introduzir mecanismos

    mais eficazes de controles internos. Para tanto, desde o segundo semestre, est em implantao a Assessoria de Controle de Gesto e Com-pliance, com equipe prpria. Esta nova rea, ser respon-svel pela verificao da con-formidade da gesto, assegu-rando o correto cumprimento das normas e disposies le-gais, estabelecendo procedi-mentos alinhados s exign-cias dos rgos reguladores competentes e s estrat-gias da Entidade.

    Transparncia e credibilida-de. Assim como cimento e fer-ragens, podem at sobrar numa obra, mas nunca so demais e nem devem ser negligenciados.

    Est em implantao nova assessoria que ser responsvel pelo controle e conformidade internas. Objetivo assegurar o cumprimento das normas e exigncias dos rgos reguladores.

    mcil, uma das pioneiras na rea de plano de sade no Brasil.

    O provisionamento uma prtica contbil, disposta na Resoluo n 8 do CNPC (Con-selho Nacional de Previdncia Complementar) e visa assegu-rar a transparncia, a sade fi-nanceira e a sustentabilidade da Entidade, resguardando o

    patrimnio dos planos previdencirios, atenden-do as melhores prticas de governana indica-das pela Previc.

    Para resguardar o patrimnio dos fundos, a Ce-los tem realizado negociaes e tomado providn-cias, do ponto de vista administrativo e jurdico, para o recebimento dos valores devidos. Como parte dessa poltica, em 2011, a Celos recuperou R$ 19,7 milhes, formalizados em CCIs, com ga-rantias imobilirias reais.

  • 31[ Gesto ]

    Direito reafirmado A Celos mobilizou-se, no incio do ano, para

    manter um direito assegurado por Acordo de Acio-nistas e Lei estadual: garantir a participao de um representante nas reunies do Conselho de Administrao da Celesc.

    A participao uma conquista da Celos e da qual se beneficiam seus participantes e a prpria Celesc, em razo da importncia e da represen-tatividade da Celos. A Legislao vem sendo res-peitada e o Acordo firmado em 2000 foi mantido, assegurando a representao da Celos e seus parti-cipantes no Conselho de Administrao da Celesc.

    Ampliar participao acionriaInvestir na Celesc um excelente negcio do

    ponto de vista estratgico. Alm do que, a pr-pria rentabilidade das aes da Empresa tambm

    Ao realizada assegurou direito previsto em acordo e na legislao, garantindo a representao da Fundao e seus Participantes.

    deve ser considerada. Mas h um outro componente igual-mente importante: a repercus-so social e econmica das ativi-dades da Celesc, que uma das maiores distribuidoras de ener-gia eltrica do pas.

    O controle de aes da Em-presa confere Celos legitimi-dade para participar de decises que movimentam a economia do estado e que podem, ou no, im-pulsionar o desenvolvimento da sociedade catarinense, fomen-tando emprego e renda. Confere tambm condio para atuar de forma decisiva na manuteno do carter pblico da Empresa.

    A Celos o segundo maior acionista minoritrio e preten-de adquirir aes, at o limite de 8,5% das aes ordinrias, bus-cando garantir a indicao de um membro do Conselho de Ad-ministrao, independende do Acordo de Acionistas em vigor.

  • Assistencial

  • 33

    Qual a localizao das janelas? Onde ser a rea de servio? Quantos andares ter o pr-dio? Piso de cermica ou lami-nado? Apesar da necessria e indispensvel assessoria tcni-ca, no final das contas, a de-ciso sempre de quem vai usar a casa, o prdio, a esco-la. Atendendo a uma reivindi-cao de ativos e assistidos, Associao de Aposentados e Sindicatos, a Celos efetivou um compromisso de gesto, previsto no Planejamento Es-tratgico da Fundao, e que vai ao encontro da sua misso previdenciria e assistencial.

    Os participantes pediram e desde o ano passado contam com um novo produto e mais um servio com a marca de qua-lidade da Celos: o Plano Agrega-dos. Trata-se de um Plano de sade, devidamente registrado na Agncia Nacional de Sade ANS, totalmente administra-do pela Celos. destinado a de-pendentes maiores de idade e ou parentes dos participantes e assistidos, titulares inscritos no Plano CELOS Sade.

    O Beneficirio Agregado ser atendido em mbito nacio-

    Mais amparo e proteonal pela Rede CELOS Sade ou pela rede Unimed.

    No Plano CELOS Sade Agregados os valores das con-tribuies cobradas cumprem ri-gorosamente as determinaes impostas pela ANS, so cres-centes, conforme a faixa etria de cada usurio. De maneira ge-ral, para se obter a preciso no clculo atuarial, foram avaliados os custos dos servios ofereci-dos, tipo e frequncia de utili-zao, quantidade de usurios, idade e grau de inadimplncia, alm de impostos, custos admi-nistrativos e fundos legais.

    ImpedimentoA Resoluo Normativa

    195/2009 da ANS modificou as regras para a contratao dos planos na modalidade coleti-va empresarial, impedindo a in-cluso dos Agregados no Plano AMHA, que era registrado na ANS pela Unimed. Conforme a norma seria necessrio provar vnculo entre titular e beneficirio dentro da mesma operadora de sade que faz a gesto do plano.

    Buscando amparar esse gru-po, em 2010, a Celos junto com a consultoria especializada em planos de sade, realizou um

    2004 7,452006 7,852007 8,952008 8,852009 8,702010 8,852011 8,80

    Plano de sade e odontolgico

    Pesquisa de satisfao

    Novo Plano Agregados atende reinvindicao e demanda. Apesar do pouco tempo de implantao j um sucesso: mais de quatro mil pessoas esto protegidas por um plano com a marca da qualidade.

  • 34 [ Assistencial ]

    Joo Paulo de SouzaDiretor de Seguridade da Celos

    Rigor e exatidoO ano de 2011 foi bastante difcil, especialmente do pon-

    to de vista econmico. A crise internacional de 2008 ainda reflete no desempenho das organizaes e a Celos no est imune a estes efeitos. Apesar disso, no que diz respeito ao cumprimento da sua misso, do planejamento estratgico, est seguindo normalmente e com bons resultados.

    Na Diretoria de Seguridade destaco a regularidade no pa-gamento dos aposentados e pensionistas. Cumprimos todos os cronogramas com exatido e rigor. O reajuste de outu-bro, por exemplo, foi aplicado o IPCA, conforme definido no regulamento, garantindo o poder de compra do benefcio. Cabe destacar tambm, o grande passo que foi a formatao de um novo servio: a rede prpria, alternativa Unimed, ampliando a rede de assistncia mdica, hospitalar e odon-tolgica. Estamos em fase de teste, na regio da Grande Flo-rianpolis e gradualmente vamos estender a todo o estado.

    Atendemos tambm, em 2011, a demanda com a organi-zao do Plano Agregados, com a qualidade da Celos. Um sucesso, porque no apenas incorporou os integrantes do Plano AMHA, como acolheu centenas de pessoas que espe-ravam, h mais de um ano, para incluir seus parentes. Hoje o CELOS Sade Agregados tem mais participantes do que o prprio CELOS Sade, de onde foi derivado.

    Nossa meta agora fazer com que os planos sejam admi-nistrados de acordo com o perfil do nosso participante. Ou seja, garantir, rigorosamente, o cumprimento do regulamento, ampliando a confiana que nosso participante sempre teve em relao aos contratos firmados com a Celos. Por outro lado, te-mos tambm que enfrentar o problema dos custos cada vez mais elevados da assistncia mdica/odontolgica. necess-rio tornar compatvel o nvel de qualidade com os custos que sero cobrados do nosso participante e da Patrocinadora. Mu-danas devem ser implementadas. Mudanas que atendam as exigncias legais, as necessidades dos participantes, bene-ficirios e agregados, principalmente em relao questo da internao hospitalar com custo zero, ou coberto com as pr-prias contribuies sem nenhuma coparticipao a mais.

    DEPO

    IMEN

    TOS

    Em 2011, foram gastos para cobrir as despesas com o uso dos servios mdicos e odontolgicos, cobertos pelo CELOS Sade, R$ 49,1 milhes, beneficiando mais de 19 mil usurios.

    Resultados CELOS Sade - 2011 (R$ mil)

    Idade mdia dos usurios CELOS Sade - 2011

    Resultados Plano Agregados - 2011 (R$ mil)

    Receita 42.696.493,97

    Despesa 49.112.109,39

    Saldo (R - D) (6.415.615,42)

    % R x D -15%

    Saldo FUNDO 18.562.457,31

    Receita 2.588.454,24

    Despesa 1.734.870,46

    Saldo (R - D) 853.583,78

    % R x D 33%

    Saldo FUNDO 3.418.494,92

  • 35[ Assistencial ]

    estudo sobre a estrutura econmico-financeira, atuarial e legal para elaborar uma proposta de custeio e regulamento para plano prprio des-tinado aos agregados de participantes e assis-tidos. Com o projeto formulado, demonstrando viabilidade, o passo seguinte foi buscar junto ANS o registro do novo produto, o que efetiva-mente ocorreu em 29/12/2010.

    Por essa razo, em setembro de 2011, foi efetuada a transferncia de todos os agregados vinculados ao Plano AMHA para o novo Plano CELOS Sade Agregados. No dia 1 de outu-bro todos os beneficirios Agregados do Plano AMHA passaram a ter vnculo direto com a Ce-los atravs do cadastramento no Plano CELOS Sade Agregados.

    O Plano Agregados tornou-se, assim, uma so-luo para milhares de pessoas. uma reafirma-o da misso previdenciria da Celos e uma for-ma concreta de promover qualidade de vida aos familiares de participantes e assistidos.

    At dezembro, 4.122 agregados foram inscri-tos no Plano CELOS Sade Agregados. So mais de quatro mil vidas que estariam sem coberturas e hoje esto protegidas pelo novo plano de sade. E de cobertura a Celos entende.

    Plano Agregados uma reafirmao da misso previdenciria da Celos e uma forma concreta de promover qualidade de vida aos familiares de participantes e assistidos.

  • 36 [ Assistencial ]

    Menos burocracia, mais sade

    Um convnio firmado entre a Celos e a Celesc est permi-tindo aos funcionrios ativos mais facilidade para realizar os exames mdicos peridicos. Antes, cada agncia regional da Celesc era responsvel por fazer a organizao do proces-so para os funcionrios de sua rea junto s clnicas e mdi-cos. Desde o ano passado, est sendo utilizada a estrutura da Celos para o cumprimento das

    normas de segurana, medicina e higiene do trabalho.

    Alm de diminuir a burocra-cia e os gastos envolvidos no processo de realizao dos exa-mes mdicos peridicos, a mu-dana parte de um plano de ao com foco na preveno e promoo da sade.

    Na mesma direo, tambm est sendo planejado um novo programa que visa estabele-cer atividades para o condicio-

    Convnio possibilita que funcionrios ativos da Celesc tenham acesso mais gil aos exames mdicos peridicos. Ao faz parte de programa com foco em preveno e promoo de sade.

  • 37[ Assistencial ]

    namento fsico dos funcionrios ativos. A ideia associar o condicionamento fsico com a reduo dos acidentes de trabalho.

    Equilbrio A Celos tambm est participando do Pro-

    grama Equilbrio, resultado de uma parceria da Celesc com o Sesi, para a aplicao de questio-nrios aos empregados da Celesc, como forma de diagnosticar a sade e a qualidade de vida dos empregados. A ideia conhecer a incidn-cia de doenas no transmissveis (hipertenso, diabetes, cardiopatias, entre outras) e dos fato-res de risco associados a elas, como obesidade, estresse, tabagismo, consumo de lcool e se-dentarismo. Com a aplicao de questionrios, procura-se mapear as possveis doenas e defi-nir quais so os grupos de risco.

    Custo cobertura mdico-hospitalar/odonto - dez 2011 (R$ mil)

    Analtico DESPESAS Custo lquido Utilizao %

    Despesa Mdica 36.259.565,35 582.278 74%

    Despesa Odontolgica 8.467.166,85 90.600 17%

    Despesa Administrativa (taxas/tributos/ANS) 4.385.377,19 - 9%

    Despesa Total 49.112.109,39 672.878 100%

    Usurios por Agncia Regional Celesc - 2011

    Analtico DESPESAS MDICAS Custo lquido Utilizao %

    Internao 18.658.796,49 4.073 51%

    Servios 6.820.032,93 129.218 19%

    Exame 6.201.725,25 317.394 17%

    Consulta 2.522.119,90 108.392 7%

    Reembolso 958.018,90 14.221 3%

    Farmcia 680.699,03 8.980 2%

    Rede Celos 418.172,85 - 1%

  • 38 [ Assistencial ]

    CELOS Sade: rede prpria amplia atendimento

    Para a Celos, sade no tem preo, mas tem um custo. Para ser preciso, em 2011, foram gastos para cobrir as despesas com o uso dos servios mdicos e odontolgicos, cobertos pelo Plano CELOS Sade, R$ 49,1 mi-lhes, beneficiando 19.109 usurios. Estes usu-rios, inclusive, primeiramente os residentes na regio da Grande Florianpolis, j esto utilizan-do o novo carto da Rede Prpria de Sade. A distribuio em Florianpolis e Regio um pro-jeto piloto e a previso atender gradativamente todas as demais regionais. Junto com o carto, todos esto recebendo tambm o Manual do

    Usurio e uma relao dos prestadores de servi-o contratados pela Celos.

    O novo carto ser utilizado na rede assisten-cial diretamente contratada pela Celos, distribuda em consultrios, clnicas, laboratrios, Uniodonto, farmcias, psiclogos e fonoaudilogos. A rede est em processo de montagem e ser gradual-mente ampliada.

    Com o lanamento do carto de identificao dos Planos Assistenciais da Celos, os usurios tm duas identificaes: uma para o acesso Rede Unimed, e outra para acesso aos servios dos prestadores da rede prpria da Celos.

    Rede Prpria est em implantao e, por isso, acessvel para 6,4 mil usurios da Grande Florianpolis. Gradualmete, servio vai alcanar todo Estado.

    Usurios Plano CELOS Sade - por faixa etria

  • 39[ Assistencial ]

    Novos cartes de acesso rede de prestadores de servios representam a concretizao de uma meta do planejamento que envolveu meses de trabalho e dedicao de dezenas de pessoas.

    AbrangnciaQuanto a rea de abrangncia do Plano CE-

    LOS Sade estadual, sendo que o beneficirio poder ser atendido no estado de Santa Catari-na, por meio da: Rede credenciada da Celos, da rede Unimed e da rede Uniodonto. Para presta-dores no includos nessas redes, o atendimento pelo sistema de livre escolha (reembolso), con-forme estabelecido em Regulamento do CELOS Sade. O beneficirio poder ser atendido ainda em mbito nacional por meio da Rede Unimed (carto Unimed) ou pelo sistema de livre escolha, em casos de urgncia e emergncia.

    Os novos cartes de aces-so rede de prestadores de servios significam a realizao de um compromisso e de uma meta que envolveu meses de trabalho e a dedicao de deze-nas de pessoas. Este novo ser-vio ser estendido a todo es-tado, ampliando ainda mais o atendimento de sade com qua-lidade e credibilidade.

    Usurios Plano Agregados - por faixa etria

  • Tecnologia

  • 41

    A Celos vem realizando in-vestimentos na rea de tecnologia da informa-o nos ltimos anos apoiada em trs pilares: agilidade, eco-nomia e segurana. Com esse foco, foi lanado, em 2011, o novo Portal na internet com layout mais moderno e uma s-rie de recursos que facilitam a navegao e o acesso aos ser-vios oferecidos pela Entidade.

    Contedos foram revistos, assuntos reorganizados, novos recursos de interatividade incor-porados. O novo Portal Institu-cional foi desenvolvido e cons-trudo sob a base tecnolgica de uma ferramenta de gerencia-mento de contedo (Microsoft Share Point 2010), que uma das mais utilizadas mundialmen-te. O contedo do Portal foi or-ganizado em cinco grupos de assuntos de interesse, localiza-dos nos menus superiores: Ins-titucional, Atendimento, Previ-dncia, Sade e Finanas.

    Alm destes, na pgina ini-cial existem menus laterais: Destaques e Outros Servios. No menu Destaques so colo-cados os links mais acessados. No menu Outros Servios esto acessveis, entre outros Links teis, Legislao e Do-wnloads. Um recurso muito in-teressante disponvel agora a pesquisa de contedo, acess-vel pelo campo Pesquise este Site, localizado ao lado dos me-nus superiores. Por meio des-sa ferramenta, possvel lo-calizar todas as pginas e/ou documentos que citam o termo buscado. De forma a facilitar o acesso ao Autoatendimento, a barra de login fica disponvel e visvel em todas as pginas do Portal Institucional.

    OnlineAlm disso, a integrao en-

    tre o Jornal Online (www.celos.net.br) e o Portal Institucional (www.celos.com.br) foi apri-

    morada e ampliada. medi-da que as notcias do Jornal Online so atualizadas, esse processo se reflete de ma-neira automtica no Portal Institucional. a tecnologia a servio da transparncia, disponibilizando informaes sempre atualizadas e de utili-dade aos participantes.

    O novo Portal parte mais vi-svel do trabalho nesta rea. No entanto, internamente a equi-pe da Diviso de Gesto de Tec-nologia da Informao tambm tem se dedicado ao desenvol-vimento e aperfeioamento de ferramentas que do suporte ao trabalho interno ou consultas e demandas dos participantes.

    Acompanhando a tendncia neste segmento, o trabalho nos ltimos meses est concentrado na virtualizao dos dados e servi-dores. A ideia evitar a ociosida-de de equipamentos e manter-se apoiado nos trs pilares: agilida-de, economia e segurana.

    Novo portal d acesso rpido e seguro a informaes e servios

  • 42 [ Cartola ]

    O futuro no um lugar onde estamos indo, mas um lugar que estamos criando. O caminho para ele no encontrado, mas construdo e o ato de faz-lo muda tanto o realizador quanto o destino.Antoine de Saint-Exupery

  • 43[ Cartola ]

  • Administrativo[ ] Mudou-se [ ] Falecido [ ] Desconhecido [ ] Ausente [ ] Recusado [ ] No Procurado [ ] Endereo Insuficiente[ ] No Existe N Indicado[ ] Fora Permetro Entrega[ ] Zona Rural [ ] Outros[ ] Informao Prestada pelo Porteiro ou Sndico

    Reintegrado ao Servio Postal em ......./......./........

    Em......../.........../............ _________________________ RESPONSVEL

    Av. Herclio Luz, 639 | Ed. Alpha Centauri | 6 andar | CEP 88020-000

    Florianpolis | Santa Catarina | Fone: (48) 3221 95 00 | Fax: (48) 3221 96 96

    www.celos.com.br | Atendimento ao participante: 0800 483030

    Papel proveniente de florestas geridas de forma

    ecologicamente sustentvel