CCB Abril Maio Junho

  • Published on
    29-Mar-2016

  • View
    223

  • Download
    8

DESCRIPTION

CCB - programa de actividades de Abril, Maio e Junho

Transcript

  • Primavera no CCB Programao de Abril a Junho de 2013

    N u N o C e r A

  • abrcalendrio 6 > 7

    ms ica8Miguel angelo: Primeiro

    10Bom dia Msica Fantasias para clarinete e piano Uma viagem do norte da europa at Portugal Iva Barbosa clarinete Paulo Oliveira piano

    12dias da Msica em Belm O Impulso Romntico

    Introduo 13Concertos 19 e 20 de Abril 14>17Concertos 21 de Abril 18>21Espectculos e Oficinas 22>23Prerio 13Informaes 19Actividades paralelas 21

    26H Fado no cais caman

    dana9o reverso das PalavrasTnia Carvalho

    TEaTRO24a estalajadeirade Carlo GoldoniJorge Silva Melo encenao

    l iTERaTuRas E HumanidadEs11ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    ccB /FBR ica das aRTEs27 Mercadinho dos Talentos

    28 cinema de animao

    28 oficina Grados

    maicalendrio 30 > 31

    ms ica32Kaki King convida Frankie chavez

    33rita Guerra & amigos

    34os Violoncelinhos & nancy Vieira

    35Pergolesi - in compagnia damore

    40H Fado no cais Fado antigo Artur Batalha, Beatriz da Conceio, Maria da F e Vicente da Cmara

    41Motion TrioPawe Baranek, Janusz Wojtarowicze Marcin Gaazyn

    42

    Jlio resende Fado and Further

    43orquestra Metropolitana de lisboaSrgio Charrinho trompete

    44recital aristides de Sousa Mendes

    46MazganiCommon Ground

    47custdio casteloInVentus, A Arte da Guitarra Portuguesa

    48Bom dia Msica duo nelson Ferreira e Pedro Ferro

    50Mick Harvey

    52norberto lobo e lula Pena

    54orquestra de cmara PortuguesaPedro Carneiro direco musical

    55 carta-branca a Srgio Godinho Srgio Godinho Carssimas Canes

    dana51ilusionistasVtor Roriz e Joo Lima

    56andiamo! Francisco Camacho / Eira

    TEaTRO24a estalajadeirade Carlo GoldoniJorge Silva Melo encenao

    l iTERaTuRas E HumanidadEs11ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    36ciclo Histria do Teatro Portugus

    38H Fado no cais a cantar e a contarHelena Vasconcelos Aldina DuarteGonalo M. TavaresAlexandre Quintanilha

    49dia carlos Queiroz

    ccB /FBR ica das aRTEs27 Mercadinho dos Talentos

    28 cinema de animao

    45 Projecto Secretoepisdio 1 Radar 360

    53 clinc!Companyia Pep Bou

    57 entre a arte e a educaoFormao

    57 oficina Grados / oficina Midos

    59 Msica pra ti / Mini-concertosJoo Paulo Esteves da Silva

    juncalendrio 62 > 63

    ms ica64Katia Guerreiro em concerto

    65dScH-Schostakovich ensembleFilipe Pinto-Ribeiro pianoRosa Maria Barrantes piano

    66Ute lemper

    67Festival Flamenco de lisboa carmen linaresel Tablao de carmen amaya

    68Sebastio antunes & Quadrilha

    72escola de Msica nossa Senhora do cabo

    74Festival coral de Vero 2013 concerto de aberturacarmina Burana de Carl OrffSummer Fest ChoirFilarmonia das BeirasEugene Rogers direco musicalActuao dos coros ao ar livreConcurso Internacional de Corosconcerto de encerramento

    New Israeli Vocal EnsembleEntrega de Prmios aos Grupos Corais Participantes

    76aurea

    77Michael nyman

    78Big Band Jnior 2012/13orquestra-escola de JazzMsico convidado Carlos Bica

    dana56andiamo! Francisco Camacho / Eira

    70compagnie Marie chouinard

    79Baileorquestra 6 de Portugal

    TEaTRO 73rosencrantz & Guildenstern esto mortosde Tom StoppardEncenao de Marco Martins

    l iTERaTuRas E HumanidadEs36ciclo Histria do Teatro Portugus

    ccB /FBR ica das aRTEs27Mercadinho dos Talentos

    28cinema de animao

    59 Msica pra ti / Mini-concertosSete Lgrimas

    80oficinas Midos

    81entre a arte e a educao Espao de Formao

    81artes nas Frias do Vero

    gaRagEm sulExpOs iEs dE aRqu iTEcTuRa 82arX arquivo/archiveLus Santiago Baptista Curadoria

    84Visitas guiadas exposio

    + CCBoutras actividades

    79 Boxnova concursopara 2014

    87 Mercado do ccbnovo&antigo

    88 Visitas guiadas ao ccB

    89 assinaturas 2013

    91 informaes ccB

    93 Horrios ccB

    93 Sala de leitura

    94 Museu coleco Berardo

    98 Plantas auditrios

  • 5abrJARDIM DAS OLIVEIRAS MARISA LOURENO

  • 3 q u a r ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.8

    Miguel angelo: Primeiro

    abr 21H / Ga / m/3 / P.x

    msica / hora / sala / classificao etria / ver pgina xS18

    152229

    t29

    162330

    q3

    101724

    S5

    121926

    S6

    132027

    d7

    142128

    Ga Grande Auditrio

    Pa Pequeno Auditrio

    Se Sala de ensaio

    cr Centro de reunies

    Fa Fbrica das Artes

    7q4

    111825

    5/6 S e x ta - f e i r a e S b a d o 21H / Pa / m/3 / P.9

    o reverso das PalavrasTnia Carvalho

    7 d o m i n g o10H>18H / cP / todoS / P.87 Mercado do ccBNovo&Antigo

    11H>17H / Jo / todoS / P.27CCB/ FBriCA dAS ArteSMercadinho dos Talentos

    11H / cr / m/3 / P.8 Bom diA mSiCAFantasias para clarinete e piano Uma Viagem do norte da europa at PortugalIva Barbosa clarinetePaulo Oliveira piano

    19/20/21 S e x ta - f e i r a a d o m i n g o

    PArA todoS / P.12 > 19 dias da Msica em BelmO Impulso Romntico

    Mais de 60 concertos, actividades para os mais novos, momentos musicais em vrios espaos do CCB, conferncias, debates e venda de livros e discos.

    26 S e x ta - f e i r a 11H / Fa / 7>10 ANoS / P.28

    cinema de animao

    21H / Pa / m/12 / P.24a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    27 S b a d o 15H30 / Fa / 7>10 ANoS / P.28

    cinema de animao

    21H / Pa / m/12 / P.24a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    28 d o m i n g o 16H / Pa / m/12 / P.24

    a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    29 S e g u n d a - f e i r a 21H / Pa / m/12 / P.24

    a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    30 t e r a - f e i r a 21H / Pa / m/12 / P.24

    a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    21H / Ga / m/3 / P.26H FAdo No CAiScaman

    H Fado no caisNO MUSEU DO FADOeNtrAdA LivreiNFormAeS 218 823 470

    4 q u i n ta - f e i r aCoNFerNCiA 19H cantigas numa lngua antiga com pblicos novosDavid Ferreira e Frederico Carmo

    11 q u i n ta - f e i r a CiCLo 19Hcomposio Musical Tiago Machado, Mrio Pacheco e Paulo de Carvalho

    Co-produo

    CCB / Museu do Fado / EGEAC

    8 S e g u n d a - f e i r a 18H>19H / cr / P.11

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    15 S e g u n d a - f e i r a 18H>19H / cr / P.11

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    msica

    Jazz

    dana

    teatro

    Cinema

    Literatura

    Literatura e Humanidades

  • 8 93 Abr q u a r ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 10d > 19d

    incubadora darteS

    Miguel angelo: Primeiroo Primeiro grande espectculo em Lisboa.miguel Angelo convida-nos a passar a noite do seu aniversrio com ele e com convidados muito especiais. No palco soaro as canes de Primeiro, o seu novo trabalho a solo, e mais algumas, de aniversrios passadosvocalista dos delfins durante 25 anos, banda de que foi fundador, o multifacetado artista arquitecto, vocalista, escritor de canes e de livros, apresentador de programas e actor , que integrou projectos como resistncia e movimento, est agora de volta s canes de sempre, com Primeiro. Precioso, que integra a banda sonora da telenovela Dancin Days, o single de apresentao do lbum, que a este junta 12 outros temas.

    1. P + 2. P 19d // l + cc + cl + Bl + 1.B + 2.B 15d // G 10d // ver PG. 98

    5 e 6 Abr S e x ta - f e i r a e S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 11d e 13,50d

    o reverso das Palavras de tnia Carvalhoestou convencida de que as palavras s me limitam e bloqueiam, diz tnia Carvalho. bvio que no incio da criao existe uma ideia base, esta sim feita de palavras. mas se vou ao encontro dessa ideia, atravs daquele pensamento em imagens; e se avano, por meio de escolhas e de decises que vou tomando intuitivamente. S assim possvel dizer que a pea comea a ganhar uma forma, um sentido, uma linha de evoluo.[] a vida desta pea est no pensamento e na alegria do movimento, no momento em que atravessa um espao liberto de palavras. A natureza, a sequncia do movimento o reverso, o afastamento das palavras: no aquilo que elas escondem atrs de si, mas o instante em que deixam de estar presentes, para darem lugar expresso.

    P 13,50d // l 11d // ver PG. 98 // descontos habituais. desconto Carto Amigo CCB.(No H LuGAreS mArCAdoS)

    direCo e CoreoGrAFiA Tnia carValHomSiCA JUlia WolFe (LAD , sOLO bAgPIPe e aUdio PLAybAck )iNterPretAo Tnia carValHo, lUS GUerra e Marlene MonTeiro FreiTaSmSiCo Jean BlancHarddeSeNHo de Luz Zeca iGlSiaSoPerAdor de Som rGiS eSTreicHF iGuriNoS aleKSandar ProTicreSidNCiA ArtStiCA leS SUBiSTanceS (lyon) e ccnr-cenTre cHorGraPHiQUe naTional (rillieUX-la-PaPe) Produo e diFuSo SoFia MaToSProduo BoMBa SUicidaCo-Produo leS SUBiSTanceS (lyon) e ccnr-cenTre cHorGraPHiQUe naTional (rillieUX-la-PaPe)APoio alKanTara (liSBoa) / inSTiTUTo PoliTcnico de Viana do caSTelo eScola SUPerior de edUcao, MUSeU do TraJe de Viana do caSTelo e ccB (liSBoa)

    Bomba Suicida uma estrutura financiada pela Secretaria de estado da Cultura e pela direco Geral das Artes.

    t

    N

    iA C

    Ar

    vA

    LHo

  • 10 117 Abr d o m i n g o

    SALA LuS de FreitAS BrANCo

    11H / / m/3 / / S/ iNtervALo / / Preo NiCo 5d

    Bom dia MsicaFantasias para clarinete e piano Uma viagem do norte da europa at PortugalFantasias para clarinete e piano um recital que apresenta o universo sonoro interessantssimo destes dois instrumentos. Atravs de um tipo de composio de forma livre, fazemos uma viagem do Norte da europa at Portugal, apresentando compositores to conhecidos do grande pblico como robert Schumann e Johannes Brahms, ao mesmo tempo que descobrimos estilos muito prprios como o de vtor de Faria, jovem trombonista e compositor, que dedica esta obra a iva Barbosa.

    iVa BarBoSa CLAriNetePaUlo oliVeira PiANo

    P r o g r a m a

    robert Schumann Peas de Fantasia para clarinete e piano, op. 73Johannes Brahms Intermezzo em L menor para piano solo das 7 Fantasias, op. 116Vtor de Faria Fantasia para clarinete e piano (obra dedicada a iva Barbosa)Jrg Widmann Fantasia para clarinete soloPhilippe Gaubert Fantasia para clarinete e piano

    SuSANA NeveS Joo vASCo

    8.15 Abr6.13.20 mai SALA LuS de FreitAS BrANCo

    daS 18H S 19H / / durAo 1H / / eNtrAdA Livre mediANte iNSCrio

    Literatura e HumanidadeS

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sculo XX Professor Arnaldo SaraivaGarrett incitou os poetas do Brasil a libertarem-se dos modelos europeus. e a verdade que a partir do Parnaso Brasileiro (1829-1932) de Janurio da Cunha Barbosa, por sinal inspirado pelo Parnaso Lusitano (1826), comeou a ser mais notrio o abrasileiramento potico que o modernismo to explicitamente reclamaria. [] uma poesia que s por limitaes da comunicao ou por estupidez nacionalista no lida e estudada em Portugal como devia ser. [] mais prximos ou mais afastados da tradio potica da lngua portuguesa, escrita e oral, mais voltados para a terra e para a gente do Brasil ou para o homem universal, poetas como Bandeira, drummond, Ceclia, Joo Cabral, etc. do boa conta do que pode a lngua de Cames e de Pessoa, e, na diversidade e complexidade da sua arte verbal, ajudam-nos a enfrentar a diversidade e a complexidade da vida e do mundo. ArNALdo SArAivA

    Programa

    4. SeSSo Joo Cabral de melo Neto5. SeSSo Augusto Campos6. SeSSo Alexei Bueno7. SeSSo Jos Costa Leite (e os poetas de cordel)8. SeSSo Caetano veloso (e os poetas da cano)

    entrada Livre mediante inscrio prvia para:inscricoes.ciclos.humanidades@ccb.pt

    em CoLABorAo Com o CeNtro NACioNAL de CuLturA.o dN APoiA A ProGrAmAo de LiterAturA e HumANidAdeS.

  • 12 1319.20.21 Abr S e x ta a d o m i n g o

    dias da Msica em Belm o impulso romnticoNa viragem para o sculo xix, emerge uma nova sensibilidade, que vai marcar decisivamente os cem anos seguintes. A exaltao do indivduo e da subjectividade, a redescoberta da cultura medieval por contraposio aos mitos greco-romanos que tinham modelado a cultura renascentista, a libertao dos sentimentos e a apologia das paixes por contraposio ditadura da razo, so o terreno explorado pelos romnticos. A ironia e a melancolia so figuras deste estado de dvida e de anseio, de crtica distanciada da sociedade e de sonho de qualquer coisa de novo. Preciso da alma, qualquer coisa que me conduza beira do abismo, escreveu renan, e qualquer romntico subscreveria esta afirmao. o impulso romntico , em primeiro lugar, esse mpeto em direco a uma cultura da libertao, que politicamente encontrara a sua justificao na revoluo Francesa de 1789. mas, com o tempo, e muito por fora do impacte do romantismo sobre a cultura oitocentista, a expresso ganhou um outro sentido, que se prolonga at aos dias de hoje, restringindo-se cada vez mais ao plano afectivo: romntico o enamorado, o apaixonado, o sonhador, o utopista.Na sua stima edio, o festival dias da msica em Belm aborda O Impulso Romntico nestas duas vertentes: a histrico-musical e a popular. de Beethoven a rachmaninov, de Chopin a John Lennon, de Berlioz chanson damour francesa, prope-se um itinerrio musical que nos mergulha nas razes do romantismo e detecta a persistncia do sentimento romntico, erudito ou vulgar, at aos nossos dias. uma forma de nos perguntarmos o que hoje, para ns, o romantismo; ou seja, se ainda se pode ser romntico no sculo xxi?

    concerto de abertura econcerto de encerramentoGrande Auditrio 10,50dGalerias 6d

    restantes concertosGrande Auditrio 9d Galerias 6d

    Pequeno Auditrio e Salas Sophia de mello Breyner, Almada Negreiros, Fernando Pessoa e Lus de Freitas Branco 7d

    Sala Amlia rodrigues 6dBilhetes de recinto 4d

    No h descontos / No se aceitam reservas de bilhetes

    Horrios

    Sexta-feira, dia 19, as portas do Grande Auditrio abrem 1 hora antes do incio do Concerto de Abertura.

    Sbado, dia 20, o recinto abre s 13h.

    domingo, dia 21, o recinto abre s 12h.

    PrerioO IMPULSOROMNTICO

    19 | 20 | 21 abril

    Gerao 1810 (mendelssohn, Chopin, Schumann e Liszt)Sbado b16 / b13 / b5domingo c2 / c24 / c17 / c5

    o esprito romntico fora de tempoSbado b6 / b7 / b23 / b24 / b10domingo c10 / c12 / c21

    a revoluo romnticaSexta a1Sbado b1 / b2 / b3 / b20domingo c1 / c7 / c3

    PaixesSbado b6 / b7 / b24 / b25domingo c18 / c26 / c16 / c13 / c5

    romantismo: Um Percurso europeuSbado b11 / b17 / b29 / b15domingo c14, c19, c4, c5

    diversidadeSexta a1Sbado b6 / b7 / b3 / b14 / b30domingo c6 / c23 / c12 / c25 / c5

    itinerrios

    Produo PAtroCiNAdoreS PArCeiroS MEDIA APoioS

  • 14 15

    concertos 19 e 20 abril

    a1 21H* GrANde Auditrioconcerto de aberturaludwig van BeethovenMissa Solemnis

    coro lisboa cantatensemble Vocal de Freamundeorquestra Metropolitana de lisboacesrio costa direco musicalana Maria Pinto sopranodaniela lehner meio-sopranodavid danholt tenorWojtek Gierlach baixoJorge alves maestro do coroSlvio cortez maestro do ensemble vocal de Freamunde

    b1 14H GrANde Auditrioludwig van Beethoven Sinfonia n. 3 Heroicaorquestra de cmara PortuguesaPedro carneiro direco musical

    b2 16H GrANde Auditriorichard Wagner O dilio de SiegfriedFranz Schubert Sinfonia n. 4orquestra Gulbenkiandavid afkhan direco musical

    b3 18H GrANde AuditrioJoseph Haydn Concerto para Piano e orquestra n. 11; Sinfonia n. 44, Fnebre orquestra acadmica MetropolitanaJean-Marc Burfin direco musicalManuela Gouveia piano

    b4 20H GrANde AuditrioJohannes Brahms Sinfonia n. 3orquestra Gulbenkiandavid afkhan direco musical

    b5 22H GrANde Auditriorobert Schumann Abertura Manfred;Concertoorquestra Metropolitana de lisboacesrio costa direco musicalartur Pizarro piano

    20 S

    BA

    do

    19 S

    extA

    -Fei

    rA

    b6 14H PequeNo AuditrioIl Primo ArdorVivaldi, Handel, Pergolesi e Francisco antnio de almeidaos Msicos do TejoMarcos Magalhes cravo e direco musicalSandra Medeiros soprano

    b7 16H PequeNo AuditrioMadrigali Amorosiclaudio Monteverdila Venexianaclaudio cavina cravo e direco musical

    b8 18H PequeNo Auditriorichard Wagner Preldio do iii Acto da pera Os Mestres Cantores de Nuremberga (verso de A. ritter para quinteto com Piano)Franz Schubert quinteto A Trutaensemble Mediterrain

    b9 20H PequeNo Auditriolus de Freitas-Branco duas melodiasFelix Mendelssohn Concerto para Piano, violino e Cordascamerata alma MaterPedro neves direco musicalelliot lawson violinoJill lawson piano

    b10 22H PequeNo AuditrioOu lit de pleurs 1260-1500 | Sentiments de romantisme au moyen-geobras de Guillaume de Machaut, antoine Busnois, Johannes regis e annimosHuelgas ensemblePaul Van nevel direco musical

    b11 14H LuS de FreitAS BrANCoPiotr ilich Tchaikovsky trio op. 50, Trio em memria de um grande artistadScH Schostakovich ensembleFilipe Pinto-ribeiro pianoPhilippe Graffin violinoMarc coppey violoncelo

    b12 16H LuS de FreitAS BrANCoSergei rachmaninov trio n. 1Felix Mendelssohn trio em r menor, op. 49Membros do Velit QuartettJulian riem pianoKatja lmmermann violinoUli Witteler violoncelo

    b13 18H LuS de FreitAS BrANCoFrdric chopin Balada n. 1Felix Mendelssohn Fantasia escocesaFranz liszt Sonata em Si menorHuseyin Sermet piano

    b14 20H LuS de FreitAS BrANCoBottesini em Lisboa Os recitais em So Carlos, Janeiro de 1881Giovanni Bottesini Souvenir de La Sonnambula de vincenzo Bellini; elegia e tarantella; variaes sobre Nel cor pi non mi sento da Molinara, de Giovanni Paisiello; Sete Canes romnticas adriano aguiar contrabaixonatasa Sibalic sopranolus Pacheco cunha violinoJoo Paulo Santos piano

    b15 22H LuS de FreitAS BrANCoSergei rachmaninov Preldios (seleco); estudos-quadro (seleco); Sonata n. 2 (2. verso)alexei Volodin piano

    a1 > b15

    * Concerto de Abertura s 21h: as portas do Grande Auditrio abrem 1 hora antes do incio do concerto.

  • 16 17

    concertos 20 abrilb16 14H ALmAdA NeGreiroSJohannes Brahms 2 rapsdias, op. 79robert Schumann Sonata n. 3, op. 14alexei Volodin piano

    b17 16H ALmAdA NeGreiroSSergei rachmaninov danas Sinfnicas; Suite n. 1 para dois PianosJill lawson pianoeleonora Karpukhova piano

    b18 18H ALmAdA NeGreiroSFranz Schubert Fantasia em F menor para Piano a quatro mos, d. 940robert Schumann Bilder aus Ostern, op. 66 para Piano a quatro mosJohannes Brahms Danas Hngaras 1-5 para Piano a quatro mosMarta Zabaleta pianoMiguel Borges coelho piano

    b19 20H ALmAdA NeGreiroSI Love YouJohannes Brahms Liebeslieder Walzer, op. 52;Neues Liebeslieder Walzer, op. 65John corigliano I love youo Guardador de canesTeresa Gardner sopranocarolina Figueiredo meio-sopranoJoo Terleira tenor / Job Tom bartonoJoo Vasco piano / Jos Brando piano

    b20 22H ALmAdA NeGreiroSFranz Schubert Grande Sonata d. 617Johannes Brahms Sonata para dois Pianos em F menor, op. 34bPedro Burmester pianoalexei eremine piano

    20 S

    BA

    do

    b21 14H SoPHiA de meLLo BreYNerJohannes Brahms Intermezzo op. 117, n. 2antonn dvork quinteto para Piano e Cordas, op. 81Quarteto de cordas de MatosinhosPedro Burmester piano

    b22 16H SoPHiA de meLLo BreYNercharles-Marie Widor Suite, op. 34Franz Schubert introduo e variaes sobre o tema trockne Blumen d. 802Sergei Prokofiev Sonata n. 2, op. 94nuno incio flautaPaulo Pacheco piano

    b23 18H SoPHiA de meLLo BreYNerOs trovadores: imagem romntica, msica medievalVozes alfonsinasManuel Pedro Ferreira direco musical

    b24 20H SoPHiA de meLLo BreYNerJoo Madureira A minha solido v-se melhor; melodrama a partir das Cartas de mariana AlcoforadoSuzana Borges narradoranuno Vieira de almeida piano

    b25 22H SoPHiA de meLLo BreYNernuno corte-real Livro de Florbelaarnold Schoenberg A Noite TransfiguradaSara Braga Simes sopranoensemble darcos

    b26 14H SALA FerNANdo PeSSoAanton Bruckner quinteto para Cordasalis Ubbo ensembleana Bela chaves viola

    b27 16H SALA FerNANdo PeSSoAludwig van Beethoven quarteto op. 18, n. 2alexei Borodin quarteto n. 2Quarteto Verazim

    b28 18H SALA FerNANdo PeSSoABluesSamuel James voz e guitarra

    b29 20H SALA FerNANdo PeSSoABedrich Smetana quarteto de Cordas n. 1 Da Minha Vidaleos Janacek quarteto de Cordas n. 2 Cartas ntimasQuarteto Prazak

    b30 22H SALA FerNANdo PeSSoAFados de Amor Derradeiroaldina duarte vozPaulo Parreira guitarra portuguesarogrio Ferreira viola

    b31 16H AmLiA rodriGueSO Poeta dos Sonscatarina Molder (Clara Schumann) sopranorui Baeta (robert Schumann) bartonoangel Gonzalez (Johannes Brahms) piano

    b32 18H AmLiA rodriGueSCiclo Novos TalentosFrdric chopin Preldio op. 45; Scherzo n. 3, op.39Franz liszt En Rve, S. 207; Aprs une Lecture du Dantealban Berg Sonata para Piano, op. 1raul da costa piano

    b16 > b32

  • 18 19

    concertos 21 abrilc1 13H GrANde AuditrioHector Berlioz Sinfonia Fnebre e triunfal Banda Sinfnica da GnrJean-Sbastien Breau direco musical

    c2 15H GrANde AuditrioFelix Mendelssohn Concerto para violino e orquestra em mi menor, op. 64robert Schumann Concerto para violoncelo e orquestraorquestra Metropolitana de lisboacesrio costa direco musicalTamila Kharambura violinoMarc coppey violoncelo

    c3 17H GrANde Auditrioludwig van Beethoven Abertura Coriolano, op. 62Concerto para Piano e orquestra n. 4orquestra de cmara PortuguesaPedro carneiro direco musicalHuseyin Sermet piano

    c4 19H GrANde AuditrioMikhail Glinka Abertura Ruslan e LiudmilaSergei rachmaninov Concerto para Piano e orquestra n. 2orquestra Sinfnica Portuguesarui Pinheiro direco musicalartur Pizarro piano

    c5 21H GrANde Auditrioconcerto de encerramentoFelix Mendelssohn Sonho de Uma Noite de Veroorquestra Sinfnica Portuguesacoro do Teatro nacional de So carlosrui Pinheiro direco musicalTeresa cardoso Menezes sopranoPaula Morna dria meio-sopranoSuzana Borges narradora

    21 d

    om

    iNG

    o

    c6 13H PequeNo Auditrio1813-1918: O Esprito Romnticoclaude debussy Prlude laprs-midi dun fauneGustav Mahler Lieder eines fahrenden Gesellen; Der Abschied (arr. Arnold Schoenberg) Mahler ensemble

    c7 15H PequeNo AuditrioJos Vianna da Motta quarteto de Cordas Cenas da MontanhaFranz Schubert Andamento de quartetoFrdric chopin Concerto para piano n. 2 em F menor, op. 21 (arr. Alejandro erlich oliva)Quarteto lopes-Graaalejandro erlich oliva contrabaixoJorge Moyano piano

    c8 17H PequeNo Auditrioludwig van Beethoven A Grande FugaJohannes Brahms quinteto para Piano e CordasQuarteto PrazakMiguel Borges-coelho piano

    c9 19H PequeNo AuditrioJoly Braga-Santos Concerto p/ cordas em r maiorGiuseppe Verdi quarteto de cordas em mi menor (verso para orquestra de cordas)

    camerata alma MaterPedro neves direco musical

    c10 13H LuS de FreitAS BrANCoAmor Profanoobras de luzzasco luzzaschi, carlo Gesualdo, claudio Monteverdi, lucca Marenzio e Tarquinio Merulala Venexiana

    c11 15H LuS de FreitAS BrANCoernest chausson Concerto para violino, Piano e quarteto de CordasQuarteto de cordas de lisboacarlos damas violinoJill lawson piano

    c12 17H LuS de FreitAS BrANCoOu lit de pleurs 1500-1640 | Sentiments de romantisme dans la renaissanceobras de orlande de lassus, cipriano de rore, Jacob clement, claude le Jeune, luca Marenzio, Michelangelo rossiHuelgas ensemblePaul Van nevel direco musical

    c13 19H LuS de FreitAS BrANCoClara Schumann e os homens da sua vidaclara Schumann romance op. 22, n. 3Joseph Joachim melodia Hebraica op. 9, n. 2robert Schumann 3 Peas de Fantasia, op. 73Johannes Brahms trio op. 114dScH Schostakovich ensemble Grard causs violaMarc coppey violonceloFilipe Pinto-ribeiro piano

    numerao dos concertosCada concerto apresenta uma referncia: nmero + letra. As letras representam o dia do concerto: a > Sexta-feira, b > Sbado e c > domingo. os lugares so ocupados por ordem de chegada. S h lugares marcados no Grande Auditrio. Para facilitar a compra, indique na bilheteira os concertos pela sua numerao.

    Servio de babysittingos pais podem deixar as crianas (dos 0 aos 6 anos) no espao FAdA AmiGA, que estar inteiramente preparado para o efeito, durante os dias 20 (das 13h as 23h30) e 21 (das 12h as 21h). As inscries podero ser feitas no local, nos respectivos dias.o espao tem lotao limitada e um custo de 2d/hora.http://www.fadaamiga.com/formulario_babysitting.html

    nos dias 20 e 21 abril s ser permitida a entrada no ccB ao pblico portador de bilhete para um dos concertos ou bilhete de recinto.

    informaes

    c1 > c13

  • 20 21

    concertos 21 abrilc14 13H ALmAdA NeGreiroSLa Oracin del Toreroobras de isaac albniz, enrique Granados,Joaquin Turina e Manuel de Fallaensemble Mediterrain

    c15 15H ALmAdA NeGreiroSJohannes Brahms quarteto com Piano n. 3, op. 60 WertherVelit Quartett

    c16 17H ALmAdA NeGreiroSPaisagens Nocturnasobras de Georges Bizet, Hugo Wolf, Flix Mendelssohn, Johannes Brahms, robert Schumann, ernest chausson, Fernando lopes-Graa, Berta alves de Sousa, Max reger e Franz Schuberto Guardador de canesTeresa Gardner sopranocarolina Figueiredo meio-sopranoJoo Terleira tenor / Job Tom bartonoJos Brando piano

    c17 19H ALmAdA NeGreiroSFrdric chopin Polonaise-Fantasia, op. 61Barcarola, op. 60robert Schumann Fantasia, op. 17Jorge Moyano piano

    21 d

    om

    iNG

    o

    c18 13H SoPHiA de meLLo BreYNerModinhas Luso-Brasileiras do sculo XIXobras de Jos Francisco leal, Gabriel Fernandes da Trindade, lino Jos nunesJos Joaquim lodi, raphael coelho Machadocarlos Gomes, Joseph Fachinetti, Jaime ovalleSandra Medeiros sopranorogrio Medeiros violonceloFrancisco Sassetti piano

    c19 15H SoPHiA de meLLo BreYNerO Romantismo Nrdicoedvard Grieg Peas Lricas marcha Norueguesa; Primavera; Scherzo; Notturno; Marcha dos Trolls; Sonata para violoncelo e PianoMaria Jos Falco violonceloanne Kaasa piano

    c20 17H SoPHiA de meLLo BreYNerFranz liszt Scherzo e marcha, S.177Franz Schubert Sonata d. 960artur Pizarro piano

    c21 19H SoPHiA de meLLo BreYNerO Amor cantado: a poesia de David Mouro-Ferreira e de Vincius de Moraes na msicaMaria ana Bobone voz e pianoeurico Machado guitarra portuguesarodrigo Serro contrabaixo

    c22 13H FerNANdo PeSSoAludwig van Beethoven quarteto de Cordas op. 18, n. 6carl Maria von Weber quinteto para Clarinete e quarteto de cordasensemble darcosFausto corneo clarinete / Gel rassaert violinoPaula carneiro violino / reyes Gallardo violaFilipe Quaresma violoncelo

    c23 15H FerNANdo PeSSoAUpon a star obras de Saint-Sens, liszt, Fernando obradors, Strauss, Bellini, delibes, Puccini, Mendelssohn e WashingtonTeresa cardoso Menezes sopranocarmen cardeal harpaanabela Malarranha flauta

    c24 17H FerNANdo PeSSoAFelix Mendelssohn quarteto de Cordas n. 1, op. 12; quarteto de Cordas n. 2, op. 13Quarteto de cordas de Matosinhos

    c25 19H FerNANdo PeSSoABluesSamuel James voz e guitarra

    c26 15H AmLiA rodriGueSO Poeta dos Sonscatarina Molder (Clara Schumann) sopranorui Baeta (robert Schumann) bartonoangel Gonzalez (Johannes Brahms) piano

    c27 17H AmLiA rodriGueSCiclo Novos Talentos

    ludwig van Beethoven Sonata para piano n. 23 em F menor, op. 57 AppassionataFranz liszt Valsa Mefisto n. 1, S. 514Joo Bettencourt da cmara piano

    actividades paralelasc14 > c28

    Msica livre Programao 20 abril ensemble vocal de Freamunde (15h); violinhos Acordarte (17h); oCP zero (19h) e Big Band Jnior (21h)

    21 abril violinhos do Colgio moderno (14h); Alunos da Academia de msica de Sta. Ceclia (16h); Classe de Canto da escola de msica do Conservatrio Nacional de Lisboa (18h) e Concerto moderno (20h).

    aqui h conversas com...encontros e palestras informais na Sala de Leitura (Centro de reunies).Programao20 abril Augusto Seabra (15h15); Carlos de Pontes Lea (17h15); Nuno Corte real e Joo madureira (19h15)

    21 abril Huseyin Sermet (14h15); Jean Sebastien Breau e Ana telles (16h15) e Joo Pereira, Ana Paula russo e Paulo Ferreira de Castro (18h15)

    Merchandising, livros, cd, dVdespaos de venda de Cd, livros, partituras e outros objectos alusivos ao Festival.

    oficinas ccB/Fbrica das artes Consulte as pginas 22 e 23 deste Programa.

    eStA ProGrAmAo Pode, Por motivoS imPreviStoS, SoFrer ALterAeS.

  • 22 23Programao para os mais novosdias da msica em Belm 2013

    Para alm dos concertos nos 2 dias, a 20 e 21 de Abril encontra no CCB/Fbrica das Artes um conjunto de oficinas pensadas para os mais novos. As oficinas funcionam Sbado e domingo a partir das 10h, no espao da Fbrica das Artes (situado junto ao Jardim das oliveiras). As marcaes devero ser feitas at ao dia 13 de Abril pelo telefone 213 612 899, ou no CCB/Fbrica das Artes nos dias do festival.

    crianas at aos 7 anos s podem participar nas oficinas acompanhadas por um adulto. a participao nestas oficinas sujeita capacidade das salas, para quem possua um bilhete para um concerto dos dias da Msica, ou um bilhete de recinto. crianas at aos 4 anos no pagam entrada.

    Performance de teatro e msica2 0 e 2 1 a b r i LS b a d o e d o m i n g o

    eSPAo FBriCA dAS ArteS

    11H e 15H30 / / m/3 / / durAo 30 miNutoS / /

    o elefante e a GruaLavnia moreira

    era uma vez um elefante que se derreteu de amores por uma Grua. Como pde tal acontecer? o elefante no um vulgar elefante, um verdadeiro janota, muito elegante! e a Grua s no se deixou encantar, por ser fria e no gostar de poesia.O Elefante e a Grua um espectculo-cano, um dueto que actriz e msicos tecem e entregam, para deleite do pblico de todas as idades.

    CriAo, drAmAturGiA, iNterPretAo laVnia Moreira CeNoGrAFiA, F iGuriNoS, DESIGN SUSana MoUro ComPoSio / tromPete Gonalo MarQUeSCoNtrABAixo carloS cUrToASSiStNCiA de Produo caTarina caSTro

    eSPAo FBriCA dAS ArteS

    12H30/16H30 / / m/6 / / 1H

    o f i c i n a d e m S i c a e d a n a

    danas de roda e namoroPaulo Ferreira rodrigues e marina Henriques

    mal me quer... bem me quer... silncio... quietude... estar presente e lanar olhares enamorados msica. ocupar o espao livre. mal me quer... bem me quer... dar as mos a histrias de ontem e de sempre.deixar-se guiar pelo gesto do acordeo. dar corpo ao imaginrio das palavras cantadas. Partilhar encontros e desencontros. mover-se entre as certezas e as incertezas das tradies danadas... mal me quer... bem me quer... silncio... quietude...

    eSPAo FBriCA dAS ArteS

    10H/13H/16H / / m/6 / / durAo 1H

    o f i c i n a d e m S i c a

    eras de amormanon marques e Lus Almeida

    inspirada no Amor comum e intemporal, uma viagem por retratos cantados: da idade mdia ao expressionismo, do Barroco ao jazz, os amantes permanecem.Bem-querer, desventura, cime, saudade, prazer, rejeio, encontro, desencontro... Falar de amor para qu? entre paixes e desventuras, a cano o passo derradeiro para o assumir, o que os protagonistas revelam, em canes de amigo, rias, chansons, lieder, ballades, serenatas e tangos.

    SALA riBeiro dA FoNte*

    11H > 13H30 / 14H30 > 18H / / FAmLiASeNtrAdA Livre, SuJeitA CAPACidAde dA SALA

    i n S ta L a o i n t e r a c t i va

    Paisagem com msicosos avatares de BeethovenAndr Sier / orquestra de Cmara Portuguesa

    No mbito do Ciclo esprito Beethoven! msica e Liberdade!, a oCP e Andr Sier oferecem ao pblico a oportunidade de interagir com a msica de Beethoven de forma original e espontnea, num ambiente audiovisual reactivo aos movimentos dos espectadores. A complexa simplicidade da instalao no requer conhecimentos musicais nem informticos, antes permitindo que cada um crie uma composio radical a partir do material do genial compositor alemo. CoNCePo Pedro carneiro e andr Sier /ProGrAmAo aV, caPTaeS 3d andr Sier / exeCuo tCNiCA ocP, S373.neT/X | eStdio eLeCtrNiCo S373.neT/X | Co-Produo ccB FBrica daS arTeS, ocP, S373.neT/X

    oficinas 20 e 21 Abr S b a d o e d o m i n g o

    * SALA LoCALizAdA No JArdim dAS oLiveirAS

  • 24 2526 a 30 Abr2 a 4 mai

    S e x ta - f e i r a a S b a d o

    PequeNo Auditrio

    26, 27, 29 e 30 ABriL / 2, 3 e 4 mAio 21H / 28 ABriL 16Hm/12 / / 11d e 13,50d

    a estalajadeirade Carlo Goldoni E vs, senhores, aproveitai de tudo o que vistes para vantagem e segurana dos vossos coraes. E se alguma vez estiverdes numa ocasio de duvidar, quase a ceder, pensai nos artifcios que vistes. E lembrai-vos da Estalajadeira! Carlo Goldoni, A Estalajadeira

    o teatro de Goldoni, teatro novo, ser a amvel anotao deste tempo que passa, deste mundo que muda, teatro ele prprio em mudana (J. S. melo); um teatro mais simples e despido, com personagens e talvez com novas mscaras [] fortemente tipificadas, carregadas de uma forte carga simblica, e por isso capazes de exprimir uma viso crtica mais complexa, em relao a uma sociedade em declnio e sem alternativas claras [] mirandolina [a estalajadeira] faz-nos ver como os homens se apaixonam. Para este fim, usa o instrumento da fico, o teatro: que lhe permite no apenas controlar gestos e palavras no contacto

    com as personagens, em cena, mas tambm anunciar e organizar a prpria comdia, dialogando com o pblico, o qual constitui [] o seu verdadeiro interlocutor. mArio BArAtto

    JorGe SilVa Melo trAduo e eNCeNAo Com aMrico SilVa, anTnio SiMo, caTarina WallenSTein, elMano SancHo, rBen GoMeS, Maria Joo Falco, Maria Joo PinHo, Joo delGado, TiaGo noGUeira CeNoGrAFiA e F iGuriNoS riTa loPeS alVeS / Luz Pedro doMinGoS ASSiStNCiA leonor carPinTeiro / Joo delGado Co-Produo TnSJ/ arTiSTaS UnidoS/ ccB coM o aPoio do cenTro cUlTUral do carTaXo

    eLm

    AN

    o S

    AN

    CH

    o e

    CA

    tAr

    iNA

    WA

    LLe

    NS

    te

    iN

    J

    or

    Ge

    Go

    N

    ALv

    eS

    P 13,50d // l 11d // ver PG. 98. No H LuGAreS mArCAdoS // deSCoNtoS HABituAiS. deSCoNto CArto AmiGo CCB.

    conViTeS / deSconToS / BilHeTeS

    cartoamigo

    ccb

    + info

    Bilheteira/Loja CCB / Linha Amigo CCB 213 612 700 / mail amigoccb@ccb.pt / www.ccb.pt

    iNdividuAL / Jovem / SNior 30% deSCoNto

    20% deSCoNto

    FAmLiA

  • 26 2730 Abr t e r a - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 5d A 18d

    ccb / muSeu do fado / egeac

    H Fado no caiscamanCaman dispensa apresentaes. demonstrando uma rara sensibilidade musical, continua a afirmar-se como uma voz nica na arte de cantar o fado. o fado confunde-se com a vida. e Caman confunde-se com o fado!desde 1995 que os discos de Caman, todos eles com caractersticas prprias e bem definidas, so grandes sucessos.em 2013 o fadista edita uma colectnea com alguns dos seus maiores sucessos, mas, como persiste na procura de boas canes, este novo disco contempla tambm temas originais. este novo trabalho maiores sucessos, temas originais e outras surpresas, incluindo convidados especiais que Caman quer dar a conhecer ao seu pblico.

    1. P+cc 18d // 2. P 16d // 1. B + cl 15d // l + Bl 12,50d // 2. B 7,50d // G 5d // ver PG. 98 // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura H fado no caiS ver PG. 89.

    7 Abr / 5 mai / 2 Junmercadinho dos talentosd o m i n g oJArdim dAS oLiveirAS / 11H S 17HeNtrAdA Livre mediANte iNSCrio

    No Jardim das oliveiras, vamos ter um palco para ti, onde vais poder apresentar, ao vivo, os teus projectos, a solo ou partilhados com os teus amigos e colegas! Agora o centro das atenes s mesmo tu!traz a guitarra, a mala dos truques de magia, o pincel e as tintas, o caderno de poemas, as bolas de malabarismo ou qualquer outra coisa para a qual tenhas um dom especial.Podes tambm trocar ou vender as traquitanas que j no queres, at 13.

    Palco do mercadinho procura candidatosFazes parte de uma banda? A tua escola tem um grupo de teatro?Se tu ou a tua escola quiserem subir ao palco, enviem-nos as propostas para fabricadasartes@ccb.pt ou contactem-nos pelo telefone 213 612 899.

    ccB / FBRica das aRTEs

    APoio divuLGAo

  • 28 29oficina Grados27 Abrg r a d o SS B A d o 1 8 HeSPAo FBriCA dAS ArteS

    durAo 2 HorAS / / Preo 5,35dPBLiCo-ALvo GrAdoS e muito GrAdoS

    o f i c i n a d e m S i c a e d a n a

    danas de rodaPaulo Ferreira rodriguesA dana uma festa em que todos podem participar. deixe-se desafiar pela msica, entre na roda, d as mos... um convite para uma viagem por vrios pases, seguindo as suas tradies danadas... Para (re)descobrir os movimentos do corpo, numa troca de olhares entre culturas. danas simples, para fruir desde o primeiro momento, numa partilha despreocupada. H sempre mais um lugar na roda... venha da!

    ccB / FBRica das aRTEs

    Midos26 / 27 Abr / 17 / 18 mai5 / 6 Jun / 7 / 14 Jul7 a o S 1 0 a n o S2 6 A B r 1 1 H / 2 7 A B r 1 5 H 3 01 7 m A i 1 1 H / 1 8 m A i 1 5 H 3 0 5 e 6 J u N 1 1 H / 7 e 1 4 J u L 1 1 H 3 0 eSPAo CCB/FBriCA dAS ArteS

    durAo 1 HorA / / SemANA 2,20d / Fim-de-SemANA 3,50d

    c i n e m a d e a n i m a ozero em ComPortAmeNto

    cinema para todoso CCB / Fbrica das Artes associa-se zero em Comportamento (organizadora do indieJunior) na apresentao de pequenos filmes de animao, em que se do a conhecer s crianas realidades, linguagens e tcnicas diferentes daquelas que vem na televiso ou no cinema comercial. No final, haver espao para as crianas falarem sobre os filmes que viram, como incentivo reflexo e descoberta da importncia de ouvir a opinio dos outros para formarmos a nossa.

    CiNemA de ANimAo > demASiAdo PriNCiPeziNHo, zoiA troFimovA, FrANA,2002

    29

    maiJARDIM DAS OLIVEIRAS MARISA LOURENO

  • 30 31

    4 S b a d o 21H / Ga / m/3 / P.33

    rita Guerra & amigos

    21H / Pa / m/12 / P.24a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    maiS

    6132027

    t

    7142128

    q18

    152229

    S3

    10172431

    S4

    111825

    d5

    121926

    q29

    162330

    2 q u i n ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.32

    Kaki King convida Frankie chavez

    21H / Pa / m/12 / P.24a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    5 d o m i n g o10H>18H / cP / todoS / P.87 Mercado do ccB Novo&Antigo

    11H>17H / Jo / todoS / P.27CCB/ FBriCA dAS ArteSMercadinho dos Talentos

    16H / Pa / FAmLiAS / P.34 os Violoncelinhos & nancy Vieira

    9 q u i n ta - f e i r a 18H / cr / P.36

    ciclo Histria do Teatro Portugus

    21H / Pa / m/3 / P.35eCm LiSBoN SerieSPergolesi In compagnia d Amore

    H Fado no caisNO CCBSALA LuS de FreitAS BrANCo 18H30 PG. 38eNtrAdA Livre

    9/16CiCLo a cantar e a contar Helena Vasconcelos orientadora Aldina Duarte vozSeSSo i > 9 Maio

    Gonalo M. TavaresCames e a AventuraSeSSo ii > 16 Maio

    Alexandre QuintanilhaShakespeare e a Inveno do Humano

    NO MUSEU DO FADOAuditrio do muSeu 18H30

    23/30CiCLo a cantar e a contar Helena Vasconcelos orientadora Aldina Duarte vozSeSSo iii > 23 Maio

    Pedro MexiaOs Mistrios de PessoaSeSSo iV > 30 Maio

    Jos Tolentino de MendonaDante Alighieri, A Divina Comdia e a ideia da F

    Co-produo

    CCB / Museu do Fado / EGEAC

    10 S e x ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.40

    H FAdo No CAiSFado antigo Artur Batalha, Beatriz da Conceio, Maria da F e Vicente da Cmara

    21H / Pa / m/3 / P.41Motion Trio Pawe BaranekJanusz WojtarowiczMarcin Gaazyn

    11 S b a d o 21H / Pa / m/3 / P.42

    Jlio resende Fado and Further

    12 d o m i n g o 17H / Ga / m/3 / P.43

    temPorAdA CCB / metroPoLitANA orquestra Metropolitana de lisboaSrgio Charrinho trompete

    14 t e r a - f e i r a 21H / Pa / m/3 / P.44

    recital aristides de Sousa Mendes

    15 / 16 / 17 / 18 / 19 15 A 17 11H / 18 15H30

    19 11H30 / Se / m/3 / P.45 CCB / FBriCA dAS ArteS eSTreiaProjecto Secreto - episdio 1Radar 360

    17 S e x ta - f e i r a 11H / Fa / 7>10 ANoS / P.28

    cinema de animao

    21H / Pa / m/3 / P.46 MazganiCommon Ground

    18 S b a d o 15H30 / Fa / 7>10 ANoS / P.28

    cinema de animao

    18H / cr / P.59 CCB / FBriCA dAS ArteSMsica pra ti Mini-concertosJoo Paulo Esteves da Silva

    21H / Pa / m/3 / P.47 custdio casteloInVentus, A Arte da Guitarra Portuguesa

    19 d o m i n g o 11H / cr / m/3 / P.48

    Bom diA mSiCA duo nelson Ferreira e Pedro Ferro

    14H30>19H30 / Pa / P.49 dia carlos Queiroz

    23 q u i n ta - f e i r a 18H / cr / P.36

    ciclo Histria do Teatro Portugus

    21H / Pa / m/3 / P.50Mick Harvey

    24 S e x ta - f e i r a 21H / Se / m/3 / P.51

    BoxNovA eSTreiailusionistas Vtor Roriz e Joo Lima

    25 S b a d o 19H /Se / m/3 / P.51

    ilusionistasVtor Roriz e Joo Lima

    21H / Pa / m/3 / P.52norberto lobo e lula Pena

    29 11H / Se / m/5 / P.53

    CCB / FBriCA dAS ArteS eSTreiaclinc!Companyia Pep Bou

    30 q u i n ta - f e i r a 11H / Se / m/5 / P.53

    CCB / FBriCA dAS ArteSclinc!Companyia Pep Bou

    18H / cr / P.36 ciclo Histria do Teatro Portugus

    21H / Ga / m/3 / P.54orquestra de cmara PortuguesaPedro Carneiro direco musical

    31 S e x ta - f e i r a 11H / Se / m/5 / P.53

    CCB / FBriCA dAS ArteS eSTreiaclinc!Companyia Pep Bou

    21H / Ga / m/3 / P.55carta-branca a Srgio GodinhoCarssimas Canes

    21H / Pa / m/12 / P.56andiamo! Francisco Camacho/Eira

    3 S e x ta - f e i r a 21H / Pa / m/12 / P.24

    a estalajadeirade Carlo Goldoni Jorge Silva Melo Encenao

    6 S e g u n d a - f e i r a 18H>19H / cr / P.11

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    13 S e g u n d a - f e i r a 18H>19H / cr / P.11

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    16 q u i n ta - f e i r a 18H / cr / P.36

    ciclo Histria do Teatro Portugus

    20 S e g u n d a - f e i r a 18H>19H / cr / P.11

    ciclo clssicos da Poesia Brasileira do sc. XX

    Ga Grande Auditrio

    Pa Pequeno Auditrio

    Se Sala de ensaio

    cr Centro de reunies

    Fa Fbrica das Artes

    msica

    Jazz

    dana

    teatro

    Cinema

    Literatura

    Literatura e Humanidades

  • 32 332 mai q u i n ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / Preo NiCo 15d

    ccb / incubadora darteS

    Kaki King convida Frankie chavezA extraordinria cantora e guitarrista Kaki King convida um dos mais promissores talentos da nova msica portuguesa, Frankie Chavez, para um concerto em que partilharo alguns temas e interpretaro outros a solo. Frankie Chavez trar na bagagem os temas de Family Tree e outros a incluir no seu prximo trabalho de originais.Kaki King passou a ltima dcada a reunir, aos elogios da crtica, a admirao dos fs pelo seu virtuosismo sem paralelo, com a guitarra. Considerada deusa da guitarra, pela revista Rolling Stone, Kaki recebeu uma nomeao para Globo de ouro pela sua contribuio para a banda sonora do filme de Sean Penn, Into the Wild.

    4 mai S b a d o

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 10d A 20d

    bravo concertoS

    rita Guerra & amigosCom uma longa e sempre renovada carreira, recheada de xitos e de experincias, com uma voz e uma presena singulares, rita Guerra apresenta-se pela primeira vez no Grande Auditrio do CCB, uma das salas mais emblemticas de Lisboa. e porque a primeira vez sempre especial, a artista protagonizar um concerto tambm especial, porque diferente de tudo o que tem feito at hoje. um espectculo com amigos, convidados especiais, msicas diferentes, tudo numa noite que se pretende irrepetvel e memorvel para todos quantos acompanham a carreira de rita Guerra.

    ritA CArmo1. P + cc + cl 20d // 2. P 17,50d // l 15d // 1. B 15d // Bl + 2. B 12,50d // G 10d // ver PG. 98.

  • 34 355 mai d o m i n g o

    PequeNo Auditrio

    16H / / FAmLiAS / / 1H30 C/ iNtervALo / / 10d e 12d

    academia de mSica de LiSboa

    os Violoncelinhos & nancy Vieirao talento educa-se. sob este mote que mais de cinquenta jovens violoncelistas, com idades entre os 5 e os 15 anos, mostram como se pode fazer msica em conjunto, com alegria, rigor e disciplina.um concerto dedicado s famlias, com um programa acessvel e diversificado, em que todo o destaque dado a um dos mais nobres e antigos instrumentos musicais o violoncelo.A orquestra os violoncelinhos, dirigida por daniela de Brito e ricado mota, conta ainda com a participao de Nancy vieira que nos traz o calor da sua voz e da msica cabo-verdiana.

    P 12d // l 10d // ver PG. 98. deSCoNtoS de 10% PArA meNoreS de 18 e mAioreS de 65.

    9 mai q u i n ta - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 11d e 14d

    ecm LiSbon SerieS

    Pergolesi in compagnia damoreevocada a partir de insondveis espaos siderais, a msica torna-se gradualmente perceptvel, sendo os primeiros sons os de uma cascata que activa rumorejos misteriosos. Fragmentos de sons cristalizados expandem-se gradualmente, clares de notas passam como meteoros. o som de uma voz torna-se mais claro e adquire cor e brilho. A msica de Pergolesi emerge, reconhecvel em crescendo, antes de esvanecer at uma dimenso subtil e superior, como uma splica elevada acima das meras experincias terrenas. Augusta Franco Cardinali, voce della vallesina, 25/9/2011

    o prestgio de Franois Couturier, que garante a direco musical do projecto Pergolesi In Compagnia dAmore, estimulou o encontro de quatro msicos com experincia e trajectos diferenciados, numa msica nem de ontem nem de hoje, mas um pressgio para o futuro.

    Maria Pia de ViTo vozFranoiS coUTUrier PiANoanJa lecHner vioLoNCeLoMicHele raBBia PerCuSSo, eLeCtrNiCA

    P 14d // l 11d // ver PG. 98 // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura ecm LiSbon SerieS ver PG. 89

  • 36 379.16.23.30 mai6 Jun SALA FerNANdo PeSSoA

    18H / / durAo AProx. 1H15 / / eNtrAdA Livre mediANte iNSCrio*

    Literatura e HumanidadeS

    ciclo Histria do Teatro Portugus duarte ivo CruzAtravs de exposio, debate e leitura exemplificativa de pequenos textos dramticos, pretende-se traar uma panormica sobre o teatro portugus, das origens ao sculo xxi, numa perspectiva de modernidade e de actualidade temtica, a partir do enquadramento histrico de cada um dos autores na respectiva poca, mas salientando a qualidade e a modernidade, temticas e dramticas, das peas.duarte ivo Cruz concilia, h mais de 30 anos, a interveno econmica nos sectores pblico e privado, nas reas interna e internacional pblica e privada, com a actividade docente e de investigao ligada a temas de histria do teatro portugus, mas tambm de histria diplomtica e de relaes internacionais.

    inscrio prvia para inscrioes.ciclos.humanidades@ccb.pt

    em CoLABorAo Com o CeNtro NACioNAL de CuLturAPArtiCiPAo dA eSCoLA SuPerior de teAtroo dN APoiA A ProGrAmAo de LiterAturA e HumANidAdeS

    tereSA PimeNtA

    Consulte-nos em eventos@ccb.pt ou pelo telefone 213 612 697

  • 38 399.16 mai SALA LuS de FreitAS BrANCo

    18H30 / / durAo 1H30 / / eNtrAdA Livre

    ccb / muSeu do fado / egeac

    H Fado no caisa cantar e a contarHelena vasconcelos orientadora Aldina duarte vozA partir de uma ideia de Aldina duarte, este ciclo, centrado na figura da cantora e intitulado genericamente A Cantar e a Contar, destina-se a explorar a relao privilegiada entre grandes textos da literatura ocidental, a msica e o canto. Para tal, foram convidadas personalidades, cuja sabedoria, sensibilidade, inteligncia e originalidade em reas da Literatura, da Cincia, da Filosofia, da religio certamente ajudaro a iluminar e a engrandecer estas sesses, tendo por base as obras e os temas propostos.

    SeSSeS iii e iV do ciclo no MUSeU do Fado23 Maio > Pedro mexia Os Mistrios de Pessoa30 Maio> Jos tolentino mendona Dante Alighieri, A Divina Comdia e a ideia da F

    SeSSo i

    9 MaioGonalo M. TavaresCames e a Aventura

    Como ler os Lusadas, hoje? Como levar a cabo a nossa comum Viagem ndia e entender Lus Vaz, o homem que tudo arriscou, o amante fogoso e aventureiro batido pelas tempestades, que viajou para longe e experimentou o amor e a guerra, para acabar os seus dias beira Tejo, no momento da desagregao do universo que ele conhecera, to longe do calor do Oriente, dos mares encapelados, dos marinheiros audazes, turbulentos e sensuais, das mulheres exticas, fortes e arrebatadoras, dos adamastores ferozes e dos caprichosos deuses olmpicos? Que msica era aquela que se escapava dos lbios das sereias e que certamente ele continuou a ouvir, naufragado em Portugal? Que sons lhe foram chegando, arrastados pelos ventos ocenicos?GoNALo m. tAvAreS

    FAdoS1. Antes de qu2. Ah quanta melancolia3. Cai Chuva do Cu Cinzento

    SeSSo ii

    16 Maioalexandre QuintanilhaShakespeare e a Inveno do Humano

    Hamlet, de William Shakespeare, o grande texto da criao e da morte. No 2. Acto (Cena 2), o prncipe da Dinamarca, com a sua forma muito peculiar de se questionar, murmura, perante Rosenkrantz: Que obra-prima o homem! Quo nobre , pela razo! Quo infinito pelas suas qualidades! Quo significativo e admirvel na forma e nos movimentos! Nos actos quo semelhante aos anjos! Na apreenso, como se aproxima dos deuses, adorno do mundo, modelos das criaturas! No entanto, o que para mim essa quintessncia de p? A soturna ironia de Hamlet tem- -nos mantido atentos questo primordial: afinal, de que matria somos ns feitos? O que nos diz a Cincia, a esse propsito? Poder a mesma Cincia, alguma vez, solucionar os dilemas existenciais do ser humano? ALexANdre quiNtANiLHA

    FAdoS1. estao dos Lrios2. Paraso Anunciado3. estao das Cerejas

    iLuStrAo (PormeNor) de StuArt CArvALHAiS PArA CAPA dA PArtiturA SUITE DE FADOS @ CoLeCo muSeu do FAdo

    H Fado no cais Programao > 2013 / 2014

    CoNCertoS1, 2, 3, 8, 9 e 10 agosto PequeNo Auditrio, 19H *

    era uma vez o FadoHelder moutinho e convidadosArtistas Convidados maria da Nazar (voz), Filipa Cardoso (voz) e ricardo Parreira (guitarra portuguesa)Msicos ricardo Parreira (guitarra portuguesa), marco oliveira (viola) e Fernando Arajo (viola baixo)

    * concerTo + JanTar no reSTaUranTe coMMenda FAA A SuA reServA Com ANteCedNCiA AtrAvS do teL.213 612 627 / iNFormAeS em WWW.CCB.Pt

    12 outubroPequeNo Auditrio, 21H

    miguel Capucho

    25 outubroGrANde Auditrio, 21H

    Ana moura e Antnio zambujo

    30 novembroGrANde Auditrio, 21H

    Carlos do Carmo

    2014Prmio david mouro-Ferreira

    BiLHeteSoS BiLHeteS PArA oS CoNCertoS Podero Ser AdquiridoS NA BiLHeteirA do CCB ou AtrAvS dA BiLHeteirA oNLiNe.deSCoNtoS diSPoNveiS NA ComPrA dA ASSINATURA FADO ou AtrAvS do CArto AmiGo CCB.

  • 40 4110 mai S e x ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 5d A 18d

    ccb / muSeu do fado / egeac

    H Fado no caisFado antigo Artur Batalha, Beatriz da Conceio, maria da F e vicente da Cmaraespectculo que rene quatro testemunhas de uma gerao marcante da histria do fado, cujos vrios estilos do corpo. das casas de fado aos grandes palcos do mundo, da aristocracia aos bairros populares de Lisboa, neles se juntam o tempo, a alma, o canto e o encanto da cano de Lisboa.Artur Batalha um dos mais aclamados intrpretes do fado castio. Beatriz da Conceio reconhecida pelos grandes fadistas actuais como uma das referncias da histria do fado. maria da F, cujo contributo foi decisivo para a internacionalizao do fado, fundadora da casa de fado Sr. vinho, hoje importante espao cultural de Lisboa. vicente da Cmara, fadista aristocrata, tanto por bero como por, nas suas palavras, ser aquele que sobressaiu, autor da letra do icnico A moda das tranas Pretas.

    1. P+cc 18d // 2. P 16d // 1. B + cl 15d // l + Bl 12,50d // 2. B 7,50d // G 5d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura H fado no caiS ver PG. 89

    HeLder SoAreS

    10 mai S e x ta - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 10d e 12d

    ccb / embaixada da rePubLica da PoLnia em LiSboa

    Motion TrioPawe BaranekJanusz Wojtarowiczmarcin Gaazyneste trio de acordees foi fundado em 1996 por Janusz Wojtarowicz - lder e autor da maioria das composies. Considerados um fenmeno da msica europeia e mundial, Janusz Wojtarowicz, Pawe Baranek e marcin Gaazyn so apontados como sendo trs dos melhores acordeonistas do mundo. distinguem-se por estarem continuamente a explorar as novas possibilidades do acordeo, tendo contribudo at para mudarem a maneira como este instrumento era visto, fazendo-o chegar aos seus limites e tirando partido de todas as suas possibilidades.

    P 12d // l 10d // ver PG. 98 // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura mSica de cmara ver PG. 89

    izA deGArdo

  • 42 4311 mai S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 11d e 13,50d

    jazz

    Jlio resendeFado and FurtherJlio reSende PiANo

    MaTT PenMan CoNtrABAixo

    Jlio resende um dos mais jovens e promissores pianistas da actualidade. depois do seu aclamado disco You Taste Like a Song editado em Fevereiro de 2011 pela Cleanfeed, apresenta-se no Centro Cultural de Belm, num espectculo surpreendente e que viajar entre o jazz e o fado.Como Gonalo m. tavares escrevia h dias (...) neste concerto, sem voz, nesse lugar do meio, no centro, a levantar-se a partir do essencial, est o piano e, como existe caminho, avana-se.e o Jlio...avanou.

    P 13,50d // l 11d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. aSSinatura jazz ver PG. 89

    12 mai d o m i n g o

    GrANde Auditrio

    17H / / m/3 / / durAo AProx. 1H10 / / 5d A 15d

    temPorada ccb / metroPoLitana

    orquestra Metropolitana de lisboaSrgio Charrinho trompeteHummel, aqui ofuscado entre mozart e Haydn, foi o ponto de partida na concepo deste programa. No sendo dos mais tocados nas nossas salas, na sua poca a mesma de Beethoven o msico austraco gozava de enorme reconhecimento europeu. este concerto, msica de grande efeito, foi estreado no banquete de Ano Novo de 1804 na corte imperial de viena, tocado por Weidinger, um extraordinrio virtuoso do trompete. Cabe agora a vez a Srgio Charrinho, o primeiro trompete da omL. As sinfonias Haffner, de mozart, e A Galinha, de Haydn revelam estreitas afinidades com a partitura de Hummel que foi aluno de mozart e sucedeu a Haydn na corte de esterhzy , na qual possvel reconhecer alguns motivos musicais emprestadas das sinfonias daqueles grandes mestres do classicismo musical.

    1. P + 2. P + cc + cl 15d // 1. B 12,50d // l + Bl 10d // 2. B 7,50d // G 5d // ver PG. 98 // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura orqueStraS ver PG. 89

    P r o g r a m a

    Wolfgang amadeus MozartSinfonia n. 35, Haffner

    Johann nepomuk HummelConcerto para trompete e orquestra

    Joseph HaydnSinfonia n. 83, A Galinha

  • 44 4514 mai t e r a - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 C/ iNtervALo / / Preo NiCo 5d

    ccb / fundao ariStideS de SouSa mendeS

    recital aristides de Sousa MendesNuma homenagem ao Cnsul de Bordus, Aristides de Sousa mendes que, no ano de 1940, durante a Segunda Guerra mundial, desobedecendo a ordens de Salazar, concedeu vistos a milhares de refugiados em fuga do nazismo, os intrpretes deste recital aceitaram generosamente trabalhar pro bono. A venda dos bilhetes reverter para a Fundao Aristides de Sousa mendes, cujos objectivos prioritrios incidem na divulgao e defesa dos direitos Humanos e na salvaguarda e recuperao da Casa do Passal, memria do cnsul que a habitou e que sacrificou os interesses pessoais em prol dos refugiados.

    Pedro cacHado teNorariana rUSSo SoPrANoana ToMS SoPrANoTereSa dUarTe SoPrANocarloS MonTeiro teNorriTa TaVareS MEzzO -SoPrANonUno Vieira de alMeida PiANo

    P r o g r a m a

    Mendelssohn 4 LiederVictor Ullmann 3 Sonetos dos Portugueseserich W. Korngold dois Lieder das Canes de Despedida; da pera Die tote Stadt Cano de marieta

    Britten Canticle 2 Abrao e Isaac

    4515 a 19 mai q u a r ta - f e i r a a d o m i n g o

    SALA de eNSAio

    15 A 17 11H / 18 15H30 / 19 11H30 50 miNutoS / / 3,20d SemANA / 5,35d Fim-de-SemANA m/3

    ccb / fbrica daS arteS

    espectculo de danaestreia absoluta

    Projecto Secretoepisdio 1radar 360um espao vivo, funcional e dinmico em cujos cantos e recantos se fazem experincias cientficas. tempo de jogotempo de investigar e de aprofundar o projecto secretoo espao divide-se em dois. duas personagens o habitam s vezes cientistas, investigadores, equilibristas e voadores outras vezes irritados, tensos e com fome, tropeam num livro que cai do outro lado explode uma bomba de experincia falhada aqui no se dorme um ciclo sucessivo de experimentaes

    CeNoGrAFiA a2G nGela FriaS e Gonalo diaSiNterPretAo anTnio oliVeira e JUlieTa rodriGUeSF iGuriNoS JUlieTa rodriGUeSAdereoS e PLAStiCidAde dA CeNoGrAFiA eManUel SanToSSoNoPLAStiA nUno aroSodrAmAturGiA, direCo de ACtoreS JoHn MoWaTdeSeNHo de Luz WilMa MoUTinHoAPoioS CriAo FBrica da rUa da aleGria e aTelier re.al Co-Produo radar 360 e ccB / FBrica daS arTeS

    eSPeCtCuLo eNComeNdAdo PeLo ccB / FBrica daS arTeS

  • 46 4717 mai S e x ta - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / durAo AProx: 1H15 S/ iNtervALoPreo NiCo 12d

    ccb / ProdutoreS aSSociadoS

    MazganiCommon GroundNeste espectculo de apresentao de Common Ground, o cantor e compositor mazgani quer superar a extraordinria recepo ao seu lbum anterior de originais, Song of Distance (2010), que logo entrou no toP20 dos discos mais vendidos em Portugal e levou mazgani a uma srie de espectculos no nosso pas, internacionalizando-se depois por espanha, Benelux, escandinvia, Frana e Holanda, com destaque para a actuao no Festival europavox.Common Ground, disco acabado de lanar, foi produzido por John Parish (PJ Harvey) e teve a colaborao de mick Harvey (ex-Nick Cave & the Bad Seeds). Com to qualificados padrinhos, de esperar um concerto memorvel, que supere o realizado no final de 2011, perante um teatro Aberto completamente esgotado.

    r itA CArmo

    18 mai S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 13d e 15d

    ccb / bartiLotti ProdueS

    custdio casteloInVentus, A Arte da Guitarra PortuguesaPrmio Amlia rodrigues 2010 para melhor guitarra de fado, Custdio Castelo o nome maior da guitarra portuguesa da actualidade. o virtuoso msico vem apresentar ao CCB o seu recente lbum de originais, InVentus. interpretadas em quinteto, as composies de Custdio Castelo reinventam a matriz cultural do fado, elevando o gnero musical a outros nveis, atravs da quase imperceptvel incorporao de suaves aromas da morna, de tons picos do tango e de improvisos do jazz, novas linguagens que foram contaminando um caminho musical de 25 anos. Acima de tudo, o som magistral de uma guitarra portuguesa nica.

    P 15d // l 13d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98.

    cUSTdio caSTelo ComPoSio, ArrANJoS, GuitArrA PortuGueSAcarloS Garcia GuitArrA CLSSiCAcarloS MeneZeS CoNtrABAixoianina KHMeliK vioLiNoPedro ladeira CLAriNete

    CoNvidAdoSricardo SilVa GuitArrA PortuGueSA / MiGUel carValHinHo GuitArrA 10 CordAS

    P r o g r a m a

    Temas 1. Inquietude; 2. Sobre Lisboa; 3. Homenagem a Amlia; 4. Homenagem a Carlos Paredes; 5. Sinos de Waibel e Tempus; 6. Terra de P; 7. Fins do Sol; 8. Variaes em L; 9. Ausente; 10. In-Distance; 11. NAldeia; 12. A casa; 13. Declarao de amor saudade; 14. Miss Morna

  • 48 4919 mai d o m i n g o

    SALA LuS de FreitAS BrANCo

    11H / / m/3 / / 1H15 C/ iNtervALo / / Preo NiCo 5d

    Bom dia Msicaduo nelson Ferreira e Pedro Ferroeste recital composto por obras do sculo xx, que representam vrios estilos e diferentes abordagens escrita para violoncelo e piano.Na primeira parte, pretende-se divulgar a msica e recordar duas das figuras de maior destaque do panorama musical portugus: Fernando Lopes-Graa Trs Canes Populares Portuguesas, op. 80 e Lus de Freitas Branco Sonata para Violoncelo e Piano.Na segunda parte, homenageia-se Francis Poulenc, um dos compositores franceses mais importantes da sua gerao, no cinquentenrio da sua morte. Para encerrar o recital num clima em que visvel a alternncia entre seces bastante enrgicas e momentos de grande lirismo, ser interpretado Le Grand Tango, de Astor Piazzolla.

    nelSon Ferreira vioLoNCeLoPedro Ferro PiANo

    P r o g r a m a

    Fernando lopes-Graatrs Canes Populares Portuguesas, op. 80

    lus de Freitas BrancoSonata para violoncelo e Piano

    Francis PoulencSonata para violoncelo e Piano

    astor PiazzollaLe Grand Tango

    19 mai d o m i n g o

    PequeNo Auditrio

    daS 14H30 S 19H30 / / eNtrAdA Livre

    Literatura e HumanidadeS

    dia carlos QueirozCarlos queiroz (1907-1949) um dos grandes poetas do segundo modernismo. Autor de Desaparecido (1935) e de Breve Tratado de No Versificao (1948) foi amigo de Fernando Pessoa e decisivo contacto com o movimento da Presena. Compreendeu especialmente a fora da criao potica e afirmou: todos os poetas so acompanhados s vezes mesmo tiranicamente perseguidos por entes invisveis que se exprimem numa linguagem desconhecida de natureza mais musical do que idiomtica. disse-o assim de Pessoa, mas poderia ser um auto-retrato.

    em CoLABorAo Com o CeNtro NACioNAL de CuLturAo dN APoiA A ProGrAmAo de LiterAturA e HumANidAdeS

    v irGN iA CArvALHe iro

  • 50 5123 mai q u i n ta - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 11d e 13,50d

    ccbeat

    Mick Harveymick Harvey sempre pensou em si como um colaborador.Fora dos Bad Seeds, de que foi fundador, e dos seus discos a solo, em que predominam interpretaes de outros autores, produziu discos de novas bandas, como os the Nearly Brothers, tocou em concertos e gravou com rowland S. Howard, seu camarada nos Birthday Party, comps e gravou bandas sonoras de filmes e colaborou na gravao do aclamado LP Let England Shake, de PJ Harvey.At que encontrou tempo para terminar Sketches From the Book of the Dead, primeiro lbum totalmente escrito por si, uma incurso pelo seu profundo mundo pessoal e uma investigao profunda sobre uma pouco explorada rea da condio humana. o mesmo Harvey que se superou nesta obra de arte nica que traz este concerto ao CCB.

    MicK HarVey voz, GuitArrA

    roSie WeSTBrooK BAixo

    JP SHilo GuitArrA, vioLiNo, teCLAS

    JaMeS crUicKSHanK orGo, GuitArrA

    cHriS HUGHeS BAteriA e PerCuSSeS

    (elenco suje i to a a l teraes)P 13,50d // l 11d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

    24 e 25 mai S e x ta - f e i r a e S b a d o

    SALA de eNSAio

    24 21H / 25 19H / / m/12 / / durAo AProx. 55miN. / / Preo NiCo 6,50d

    boxnova

    estreia nacional

    Vtor roriz e Joo limailusionistaseste o quarto projecto em que Joo Lima e vtor roriz se encontram. espectculo intrigante, Ilusionistas prope uma experincia atravs da linguagem e da representao, entre o ver e o ser visto e a incessante construo do eu e do outro. o espao e a cena revelam-se em constante transformao. interessamo-nos por possibilidades de ir para alm dos sentidos. Aqui estamos, entre fantasias, diferenas e bem-vindos malentendidos. Ilusionistas apresenta-se como coisa, coisa viva, dizem os autores. indito em Portugal, j conta com apresentaes agendadas em Barcelona e no rio de Janeiro.

    CriAo e iNterPretAo Joo liMa e VTor roriZ direCo ArtStiCA Joo liMa deSeNHo de Som claUdio ndeSeNHo de Luz Joo liMa , VTor roriZ e SaUlo UcHaFotoGrAFiAS Breno cSarProduo e diFuSo dancerdanGer@GMail.coM reSidNCiAS cenTro cVico BarceloneTa e cenTro de ForMao e PeSQUiSa daS arTeS cnicaS aPolo-HerMilo.

    eSte ProJeCto Foi CoNtemPLAdo Com o Prmio FuNArte KLAuSS viANNA

    tr iStN Prez-mArt iN

  • 52 5325 mai S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 2H C/ iNtervALo / / 10d e 12,50d

    ccbeat

    norberto lobo e lula PenaNoite muito especial no CCB para celebrar a vida e obra de dois to distintos cidados da capital, cmplices na tica e na atitude criativa, em dois concertos a solo. Norberto Lobo o aclamado guitarrista de Mel Azul, seu quarto registo de estdio, que foi considerado um dos melhores lbuns nacionais de 2012 pelas principais publicaes e pelo mundo online da especialidade, com destaque para o prmio de disco do ano da Time Out Lisboa.Lula Pena, a incomparvel phadista de Lisboa, cada vez mais um tesouro partilhado por todos os lusfonos de corao, fruto da sua fascinante abordagem cano popular global, radicada numa expresso artstica singular, cuja actividade ao vivo se tem vindo a expandir pela europa e pelo Brasil.

    norBerTo loBo GuitArrA ACStiCA

    lUla Pena voz e GuitArrA

    P 12,50d // l 10d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

    LuLA PeNA CLudiA vAreJo

    29 a 31 mai 1 e 2 Jun

    q u a r ta - f e i r a a d o m i n g o

    SALA de eNSAio / / 29 A 31 11H / 1 15H30 / 2 11H30 60 miNutoS / / 3,20d SemANA / 5,35d Fim-de-SemANA m/5

    ccb / fbrica daS arteS / fimfa Lx13

    espectculo de teatro de objectos e bolas de sabo

    clinc!Companyia Pep Bou (espanha)

    Clinc! um gesto, um movimento, uma atitude que nos d conscincia da beleza de tudo o que nos rodeia, que nos recorda que podemos sempre melhorar o nosso ambiente. um convite a investigar e a experimentar a realidade quotidiana, a ultrapassar os limites da imaginao, na busca dos sonhos. um espectculo que estimula a imaginao e ajuda a lidar com os medos que vivem dentro de ns, numa linguagem singular para um pblico universal.

    CriAo e direCo PeP BoUiNterPretAo iSaiaS anToln, edUardo TelleTXea, aGUST SanlleHmovimeNto MarTa carraScoCeNoGrAFiA caSTellS PlanaS de cardedeUF iGuriNoS rUi alVeSmSiCA coMPanyia PeP BoUFotoGrAFiA daVid rUano PePa arnal Produo exeCutivAcoMPanyia PeP BoU ProduoCom o APoio do inSTiTUT caTal de leS indSTrieS cUlTUralS ( icic) Com A CoLABorAo de caSTellS de cardedeU, PaTronaTo MUniciPal de cUlTUra de cardedeU Co-Produo ccB/FBricadaSarTeS / FiMFa lX 13

  • 54 5530 mai q u i n ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 C/ iNtervALo / / 5d A 15d

    ocP eSPrito beetHoven mSica e Liberdade

    orquestra de cmara PortuguesaPedro Carneiro direco musical o ltimo concerto da orquestra de Cmara Portuguesa no CCB, antes do vero, inteiramente dedicado a Beethoven, com duas das suas mais entusiasmantes sinfonias; a stima e a quinta.A quinta Sinfonia estreou em viena h 205 anos e logo conquistou o pblico, com a magia que nos dias de hoje a oCP, com o seu empenho e autenticidade performativa, promete reinventar.mas o concerto comea com a Stima Sinfonia, que surgiu cinco anos depois, em 1813, e ter sido escrita durante a estadia de Beethoven no Spa de teplice. o pblico da oCP, orquestra em residncia no CCB, ter, assim a oportunidade de usufruir de um concerto fulgurante, pleno de sade artstica e de energia musical.

    P r o g r a m a

    ludwig van BeethovenSinfonia n. 7 em L maior, op. 92Sinfonia n. 5 em d menor, op. 67

    1 P + 2 P + cc + cl 15d // 1 B 12,50d // l + Bl 10d // 2 B 7,50d // G 5d // ver PG. 98. deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB // aSSinatura orqueStraS ver PG. 89

    meCeNAS PAtroCiNAdor oCP zero

    APoioPAtroCiNAdor oCP SoLidriA

    PArCeiro iNStituCioNAL

    ivo Corde iro

    31 mai S e x ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 5d A 18d

    carta-branca a Srgio GodinhoCarssimas CanesPara Srgio Godinho, cumpre-se, neste concerto, o desejo de fazer as canes do livro Carssimas 40 Canes Srgio Godinho & As Canes dos Outros regressar sua vocao primeira, a de terem um palco e um pblico cmplice, quer ambos se conheam quer no.Porque so elas os seus incentivos criadores e ldicos, e nelas cabem todos os sentimentos, dos mais distendidos aos mais extremados, e porque uma verso tem de ser uma outra forma de acto criativo, das quarenta, o escritor de canes eleger algumas, para essa funo transformadora da sua vida no palco. e acrescenta que com essas cruzar pontes para as suas prprias canes no da escolha mais bvia, mas uma vez mais as escolhidas, e como as outras, carssimas canes, concluindo Afinal, as canes dos outros so as minhas tambm.

    1. P + cc 18d // 2. P 16d // cl + 1. B 15d // l + Bl 12,50d // 2. B 7,50d // G 5d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

    PAuLo SeGAdeS

    AuditorComuNiCAo e mediA

    ComnUno raFael e Helder GonalVeS iNStrumeNtAo e direCo muSiCAL

  • 56 5731 mai e 1 Jun S e x ta - f e i r a e S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/12 / / 11d A 13,50d

    ccb / guimareS 2012 / tagv

    Francisco camacho/eiraAndiamo! o cenrio evoca uma cratera de vulco, remetendo para a iminncia da catstrofe e para o poder da criao. Na passagem por estas paragens, vrias pessoas forjam as suas identidades. Atravs das interaces iniciais, descobrimos a necessidade mesquinha de cada um querer o controlo das situaes, no perdendo uma oportunidade de dominar os outros; difcil, porm, dizer quem controla quem e o qu.A certo ponto enfrentaro um recm-chegado, ante o qual so desafiados, na sua individualidade e na ateno ao outro, o que os levar ao estilhaar das personas por si adoptadas, revelando o seu desespero. Face necessidade de aco, a sua resposta ser imaginar e reinventar, ser criar. uma figura no identificada e ignorada das outras olha-nos, a ns espectadores, durante todo o decurso da aco.

    P 13,50d // l 11d // No H LuGAreS mArCAdoS // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

    direco arTSTica e coreoGraFia FrANCiSCo CAmACHoco-criao e inTerPreTao ANtoNiA BureSi , dAvid mArqueS, roBerto mArtiNez, mAriANA teNGNer BArroS e t iAGo CAdeteCeNrio e AdereoS raFael alVareZ,F iGuriNoS carloTa laGidoParTiciPaeS eSPeciaiS CArLotA LAGido e S LviA reALMSica oriGinal SrGio PeLGioadMiniSTrao e ProdUo eirAco-ProdUo GuimAreS 2012 - CAPitAL euroPeiA dA CuLturA; FuNdAo CeNtro CuLturAL de BeLm, teAtro ACAdmiCo GiL viCeNte

    A eirA umA eStruturA FiNANCiAdA PeLo GoverNo de PortuGAL / SeCretrio de eStAdo dA CuLturA / direCo-GerAL dAS ArteS

    ccB / FBRica das aRTEs

    entre a arte e a educao espao de Formao

    4 maia r t i S ta S , m e d i a d o r e S c u Lt u r a i S , P r o f e S S o r e S , a n i m a d o r e S S o c i o c u Lt u r a i S , b i b L i o t e c r i o S e c u r i o S o S

    S B A d o 1 1 H S 1 7 H (Com PAuSA PArA ALmoo)eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 5 HorAS

    Preo 5,35d F im-de-SemANA

    Msica e MovimentoPaulo rodrigues

    Para um encontro com os desejos de arte que se insinuam irrequietos por dentro de todas as idades, vamos desvendar caminhos para escutar, cantar, danar, criar... Numa atitude de partilha, esta formao prope a vivncia de situaes prticas com potencial educativo em msica e dana e uma sistematizao de procedimentos didcticos que contribua para a qualidade da interveno artstica e pedaggica, em contextos educativos diversos.

    oficinas grados

    23 maig r a d o S

    q u i N tA - F e i r A 1 5 HeSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 2 HorAS

    Preo 3,20d

    o f i c i n a d e t e at r o d e o b j e c t o S

    Fazedores de HistriasCarla maciel / mnica Garnel

    e se nos derem um caixote cheio de memrias por inventar? Pedaos de vida por contar?objectos guardados numa caixa que contam histrias. As nossas. ou outras.este workshop procura explorar o trabalho do actor atravs das histrias que se escondem nos objectos.e inventa-se um mundo, criam-se gestos e partilha-se. o que nosso. ou do outro.trabalhar a partir da sugesto e do improviso. material: um caixote de carto, qualquer tipo de objectos e imaginao.

    e

    irA

  • 58 59

    ccB / FBRica das aRTEs

    oficinas Midos

    6 a 12 maim / 36 A 1 0 1 0 H e 1 1 H1 1 e 1 2 1 0 H 3 0 , 1 1 H 3 0 , 1 5 H e 1 6 HeSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 30 miN.

    Preo 3,20d diAS teiS / 5,35d F im-de-SemANA

    P e r formance d e t e at r o e m S i c a

    o elefante e a GruaLavnia moreira

    era uma vez um elefante que se derreteu de amores por uma Grua. Como pde tal acontecer? o elefante no um vulgar elefante, um verdadeiro janota, muito elegante! e a Grua s no se deixou encantar, por ser fria e no gostar de poesia.o Elefante e a Grua um espectculo-cano, um dueto que actriz e msicos tecem e entregam, para deleite do pblico de todas as idades.

    CriAo, drAmAturGiA e iNterPretAo laVnia Moreira / CeNoGrAFiA e deSiGN SUSana MoUro / mSiCA (ComPoSio e iNterPretAo) Gonalo MarQUeS e carloS cUrTo / direCo de ACtoreS Snia araGo / deSeNHo de Luz roBerT FUcHS / CoNSuLtoriA ArtStiCA Snia araGo / APoio voCAL Sara Belo / Produo caTarina caSTro

    ccB / FBRica das aRTEs

    oficinas Midos

    18 mai / 15 JunPa r a t o d o SS B A d o S 1 8 HSALA euGNio de ANdrAde (diA 18)

    eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS (diA 15)

    durAo 30 miN.

    Preo NiCo 2,50d

    m i n i - c o n c e r t o S

    Msica pra tiJoo Paulo esteves da SilvaSete Lgrimas

    um espao, um msico, um instrumento e uma cadeira.Concertos informais dirigidos a famlias.uma vez por ms convidamos msicos a tocar durante 20 minutos e, no final, a responder s perguntas do pblico curioso. Aqui, a msica um momento intimista, no qual o conhecimento e a experincia do msico so oferecidos a crianas e adultos.

    18 mAi > Joo PaUlo eSTeVeS da SilVa PiANo

    15 JuN > SeTe lGriMaS (mSiCA ANtiGA)

    SuSANA mouro

  • 60 61

    ccB / FBRica das aRTEs

    oficinas Midos

    20 mai a 2 Jun0 a o S 5 a n o S2 0 > 2 4 , 2 8 > 3 1 1 0 H 3 0 ( j a r d i n S i n fa n t i S ) 2 5 e 2 6 / 1 e 2 1 1 H 3 0 ( fa m L i a S )eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 30 miN.

    Preo 3,20d diAS teiS / 5,35d F im-de-SemANA

    e S P e c t c u L o d e t e at r o Pa r a b e b S

    FrgilCarla maciel / mnica Garnel / rita redshoes

    Aos ziguezagues vai esta histria,Havia um caixote pequenino,e havia um caixote grandalhoque desequilibrados se encontraram.e quando aos trambolhes se tocaramem rodopios no mais se largaram.Contaram histrias que caam ao cho,e danaram com os pedaos que apanhavam,um caco quebradoum pedao despedaado...Caixote, caixoto, digam l o que escondem ento?

    CriAo e iNterPretAo carla Maciel, Mnica Garnel

    mSiCA riTa redSHoeS

    61

    junJARDIM DAS OLIVEIRAS MARISA LOURENO

  • 62 63

    2 d o m i n g o10H>18H / cP / todoS / P.87 Mercado do ccBNovo&Antigo

    11H>17H / Jo / todoS / P.27CCB/ FBriCA dAS ArteSMercadinho dos Talentos

    11H30 / Se / m/5 / P.53 CCB / FBriCA dAS ArteSclinc! eSTreiaCompanyia Pep Bou

    17H / Pa / m/3 / P.65mSiCA de CmArA dScH-Schostakovich ensembleFilipe Pinto-Ribeiro pianoRosa Maria Barrantes piano

    junS

    3101724

    t

    4111825

    q

    5121926

    S

    7142128

    S18

    152229

    d29

    162330

    q

    6132027

    7 S e x ta - f e i r a 21H / Pa / m/3 / P.67

    FeStivAL FLAmeNCo de LiSBoAel Tablao de carmen amayaHomenagem a Carmen Amaya

    8 S b a d o 21H / Pa / m/3 / P.68

    Sebastio antunes & Quadrilha20 Anos de carreira

    14 S e x ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.70

    compagnie Marie chouinard Henri Michaux: MouvementsGymnopdies (Estreia Mundial)

    15 S b a d o 18H / Fa / P.59

    CCB / FBriCA dAS ArteSMsica pra ti Mini-concertosSete Lgrimas

    21H / Ga / m/3 / P.70compagnie Marie chouinard Henri Michaux: MouvementsGymnopdies (Estreia Mundial)

    19 q u a r ta - f e i r a 21H / Pa / m/12 / P.73

    rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins encenao

    22 S b a d o 11H / m/3 / P.74

    FeStivAL CorAL de vero 2013 actuao dos coros ao ar livre

    21H / Pa / m/12 / P.73rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins Encenao

    23 d o m i n g o Ga / m/3 / P.74

    FeStivAL CorAL de vero 2013 concurso internacional de coros

    16H / Pa / m/12 / P.73rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins Encenao

    24 S e g u n d a - f e i r a 19H / Ga / m/3 / P.74

    FeStivAL CorAL de vero 2013 concerto de encerramentoNew Israeli Vocal Ensembleentrega de Prmios aos Grupos corais Participantes

    21H / Pa / m/12 / P.73rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins Encenao

    27 q u a r ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.76

    aurea Soul Notes

    28 S e x ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.77

    Michael nyman

    29 S b a d o 16H>19H / T / m/12 / P.79

    BaileOrquestra 6 de Portugal

    21H / Pa / m/3 / P.78Big Band Jnior 2012/13orquestra-escola de JazzTwist Msico convidado carlos Bica

    17 S e g u n d a - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.72

    escola de Msica nossa Senhora do caboVoz para Vs

    5 q u a r ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.67

    FeStivAL FLAmeNCo de LiSBoAcarmen linaresRemembranzas

    6 q u i n ta - f e i r a 18H / cr / P.36

    ciclo Histria do Teatro Portugus

    1 S b a d o 15H30 / Se / m/5 / P.53

    CCB / FBriCA dAS ArteSclinc! eSTreiaCompanyia Pep Bou

    21H / Pa / m/12 / P.56andiamo! Francisco Camacho/Eira

    21H / Ga / m/3 / P.64Katia Guerreiro em concerto

    21H / Ga / m/3 / P.xmsica / hora / sala / classificao etria / ver pgina x

    Ga Grande Auditrio

    Pa Pequeno Auditrio

    Se Sala de ensaio

    cr Centro de reunies

    Fa Fbrica das Artes

    T tenda

    msica

    Jazz

    dana

    teatro

    Cinema

    Literatura

    Literatura e Humanidades

    Baile

    3 S e g u n d a - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.66

    Ute lemperLast Tango in Berlin

    20 q u i n ta - f e i r a 21H / Pa / m/12 / P.73

    rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins Encenao

    21 S e x ta - f e i r a 21H / Ga / m/3 / P.74

    FeStivAL CorAL de vero 2013 carmina Burana Summer Fest ChoirFilarmonia das BeirasEugene Rogers direco musical

    21H / Pa / m/12 / P.73rosencrantz & Guildenstern esto mortos de Tom StoppardMarco Martins Encenao

  • 64 651 Jun S b a d o

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 10d A 27,50d

    uau

    Katia Guerreiro em concertouma das mais internacionais fadistas portuguesas, Katia Guerreiro, abraou o seu fado h 12 anos. Com 6 lbuns editados, tem apresentado o fado por todo o mundo, sendo aplaudida unanimemente pelo pblico, pela crtica e pelo seus pares. em Janeiro de 2012 pisou, pela primeira vez, o mtico palco do olympia, em Paris. uma noite inesquecvel, num espectculo pleno de emoes, registado em dvd, a lanar em maio.em Junho, Katia Guerreiro revisita este momento nico na sua carreira e partilha-o com o seu pblico, no CCB.

    co 27,50d // 1. P + cc 25d // 2. P + cl 22,50d // l 20d // 1. B 17,50d // Bl 15d // 2. B 12,50d // G 10d // ver PG. 98. deSCoNtoS 15% PArA meNoreS de 25 ANoS e mAioreS de 65 (vLido S PArA 2. PLAteiA e BALCeS.

    JorGe S imo

    2 Jun d o m i n g o

    PequeNo Auditrio

    17H / / m/3 / / C/ iNtervALo / / 10d e 12d

    mSica de cmara

    dScH-Schostakovich ensembleContos de Fadas a quatro mosCriado em 2006, ano do centenrio do nascimento de dmitri Schosta- -kovich, o dSCH Schostakovich ensemble, resulta do encontro de msicos notveis, mestres nos seus instrumentos, que se movem pelo prazer de fazer msica e por uma profunda cumplicidade artstica. esta cumplicidade torna-se evidente neste concerto de piano a quatro mos, com Filipe Pinto-ribeiro, director artstico, e rosa maria Barrantes, colaboradora frequente do dSCH. o Quebra-Nozes, A Bela Adormecida, O Polegarzinho, A Bela e o Monstro e Petrushka contm algumas das personagens de contos de fadas escolhidas para este concerto, com obras de tchaikovsky, ravel, Faur e Stravinsky.

    FiliPe PinTo-riBeiro PiANoroSa Maria BarranTeS PiANo

    P r o g r a m a

    Piotr ilich TchaikovskySuite O Quebra-Nozes, op. 71a(verso para piano a quatro mos por e. Langer)

    Maurice ravelMa mre lOie (A minha me Ganso)

    Gabriel FaurDolly

    igor Stravinskytrs andamentos de Petrushka(verso para piano a quatro mos pelo autor)

    P 12d // l 10d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 94 // aSSinatura mSica de cmara ver PG. 89

    Leone l de Cas t ro

  • 6766 5 a 7 Jun q u a r ta - f e i r a a S e x ta

    vrioS eSPAoS

    ccb / feStivaL fLamenco de LiSboa

    Festival Flamenco de lisboa

    5 JUn co 40d // 1. P 35d // 2. P + l 32d // cc + 1. B 30d // 2. B + cl 25d // Bl 22d 7 JUn P 25d // l 20d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98.PBLiCo que APreSeNte BiLHete do CoNCerto de 2011 do FeStivAL LoS vivANCoS: 10% de deSCoNto

    5 Jun espectculoGrANde Auditrio / / 21H / / 1H30 / / m/3

    carmen linaresRemembranzas o seu canto poderoso e autntico enriquecido pelos conhecimentos da arte flamenca; Carmen Linares consegue emocionar de forma espontnea e sincera o pblico sem dvida nenhuma o Flamenco cresceu com ela.

    Com Carmen Linares (cante), Salvador Gutirrez (guitarra), eduardo Pacheco (guitarra) Pablo Surez (piano), Ana mara Gonzlez e rosario Amador (coros e palmas)

    P r o g r a m a

    Sole, Fandangos, Buleras, Tangos, Taranta, Ton, Alegras com letras populares e letras de poetas - Federico Garca Lorca, miguel Hernandez, Juan ramn Jimnez.

    6 Jun mesa-redondaSALA LuS de FreitAS BrANCo / / 19H / / m/3

    Fado e Flamenco

    7 Jun espectculoPequeNo Auditrio / / 21H / / durAo 1H / / m/3

    el Tablao de carmen amayaHomenagem a Carmen Amaya

    O Tablao de Carmen presta homenagem grande bailaora Carmen Amaya, nascida em 1913 no Somorrostro, o bairro cigano que existia no local onde se situa actualmente a vila olmpica de Barcelona. Carmen estreou-se em 1929 para o rei Alfonso xiii, nos terrenos que hoje ocupa o tablao de Carmen, por ocasio da inaugurao do Poble espanyol de montjuic.

    Com manuel Jimenez Bartolo, miguel Fernandez Yiyo, La Piona e el Perla, Juan Fernandez Juaneke, manuela rios e Lucia Alvarez

    3 Jun S e g u n d a - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 20d A 28,50d

    incubadora darteS

    Ute lemperLast Tango in Berlinute Lemper regressa a Portugal para um espectculo nico Last Tango in Berlin.Numa noite do repertrio clssico de ute Lemper, o espectculo uma viagem musical desde as canes de cabaret germnico de Brecht e Weill, s poticas chansons francesas de Brel e de Piaf e ao sensual tango nuevo argentino de Astor Piazzolla.

    co 32,50d // 1. P + 2. P 28,50d // cc 27,50d // l + cl 25d // 1. B 22,50d // 2. B + Bl + G 20d // ver PG. 98

  • 68 698 Jun S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 12,50d e 15d

    aLain vacHier

    Sebastio antunes & Quadrilha20 anos de carreira Neste concerto, Sebastio Antunes partilha os momentos actuais, marca reencontros e percorre uma histria que cruza sentimentos, junta influncias, amigos e a alegria da partilha. recorda os caminhos trilhados em nome das paixes que as cantigas nos despertam.Participam entre outros convidados Galandum Galundaina, Sara vidal e miguel quitrio. esta uma noite de celebrao.

    P 15d // l 12,50d // ver PG. 98. PAuLo mAriA

    S a l a s F o y e r s A u d i t r i o s

    J a r d i n s T e r r a o s

    S e r v i o s C a t e r i n g

    P a i s a g e m

    H i s t r i a

    a r q u i t e c t u r a

    2 0 a n o s d e e x p e r i n c i a

    E x p o s i e s

    C o n f e r n c i a s

    E s p e c t c u l o s

    C o n g r e s s o s

    A c e s d e

    f o r m a o

    F e s t a s

    A p r e s e n t a e s

    C o l q u i o s

    c e n t r o d e r e u n i e sc e n t r o c u l t u r a l d e B e l m

    e v e n t o s @ c c b . p t / 2 1 3 6 1 2 6 9 7

  • 70 7114 e 15 Jun S e x ta - f e i r a e S b a d o

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / durAo 1H20 / / 7,50d A 20d

    compagnie Marie chouinard Henri Michaux: Mouvementsestreia mundial

    Gymnopdies Henri Michaux: Mouvements BAiLAdo em 1 ACto PArA 11 BAiLAriNoSA partir do livro Mouvements, de Henri michaux, poeta e pintor belga, em que o autor explora, ao longo de um poema de 15 pginas e 64 desenhos a tinta-da-china, a sua experincia interior, aps consumo de mescalina, marie Chouinard faz uma leitura em que descodifica as figuras multiformes de michaux como se estas fossem apontamentos coreogrficos. os desenhos de michaux so projectados em pano de fundo, dando assim a possibilidade aos espectadores de fazer simultaneamente

    uma leitura pessoal da composio do artista. os bailarinos, vestidos de preto, danam sobre uma superfcie branca, fazendo eco da apresentao visual de cada pgina branca desenhada a preto. esta pea inclui um solo j coreografado por Carol Prieur em 2005.

    gymnopdiesbailado em 1 acto para 11 bailarinosem torno da forma do duoenquanto que ao som do piano, os bailarinos, vez, interpretam as gimnopdias de Erik Satie

    trabalho o duoa sua transfiguraoo alvoroo da belezaa sua delicadeza

    seja embora o assunto aparente desta nova criao o duo, amoroso, ertico,o verdadeiro assunto talvez o inesperado, o tempo, a dana em si mesma, o milagre de outro modo, a apario do presente,o algures sbita e poderosamente aqui, enfim

    mais profundamente ainda, o assunto seria simplesmente a formaa forma perturbadora e efmera que corresponderia aopressentimento que me fez empreender este trabalho em torno do duoencontrar essa forma, d-la aos espectadores

    o meu assunto o meu caminho para ti.

    mArie CHouiNArd, Paris, Janeiro de 2013

    Henri Michaux: Mouvements durAo 35 MinUToS

    direCo ArtStiCA e CoreoGrAFiA Marie cHoUinardi LumiNAo, CeNoGrAFiA Marie cHoUinardmSiCA loUiS dUForTF iGuriNoS Marie cHoUinard e Marilne BaSTientexto e ProJeCo de deSeNHoS Henri MicHaUX , BASeAdo NA oBrA mouvemeNtS (1951), Com A PermiSSo doS direitoS de Autor de HeNri miCHAux e dAS ditioNS GALLimArdBAiLAriNoS PaiGe cUlley, Valeria GallUccio, leon KUPFerScHMid, lUcy M. May, MariUSZ oSTroWSKi, SacHa oUelleTTe-deGUire, carol PrieUr, Grard reyeS, doroTea SayKaly, JaMeS ViVeiroS, MeGan WalBaUM

    umA Produo dA ComPAGNie mArie CHouiNArd Com o APoio de imPuLStANz (vieNA).

    gymnopdies eSTreia MUndialdurAo 45 MinUToSdireCo ArtStiCA, CoreoGrAFiA e eNCeNAo Marie cHoUinardmSiCA riK SaTie, GyMnoPdieS n. 1, n. 2, n. 3CriAo de Luz alain lorTie CeNoGrAFiA GUillaUMe lord eT Marie cHoUinardF iGuriNoS liZ VandalBAiLAriNoS PaiGe cUlley, Valeria GallUccio, leon KUPFerScHMid, lUcy M. May, MariUSZ oSTroWSKi, SacHa oUelleTTe-deGUire, carol PrieUr, Grard reyeS, doroTea SayKaly, JaMeS ViVeiroS, MeGan WalBaUM

    umA Produo dA ComPAGNie mArie CHouiNArd, em Co-Produo Com LeS NuitS de Fourvire (LYoN), e APoio de CAroLiNA PerFormiNG ArtS (CHAPeL HiLL) .

    A ComPAGNie mArie CHouiNArd AGrAdeCe Ao CoNSeiL deS ArtS et deS LettreS du quBeC, CoNSeiL deS ArtS du CANAdA e Ao CoNSeiL deS ArtS de moNtrAL.

    1. P + cc 20d // 2. P 18d // 1. B 15d // 2. B 7,50d // deSCoNtoS HABituAiS. CArto AmiGo CCB. ver PG. 98.

  • 72 7317 Jun S e g u n d a - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 5d e 10d

    emnSc

    Voz para Vsescola de msica Nossa Senhora do Cabo voz para vs um espectculo em que o canto se revela como o fio que nos conduz por um repertrio musical que atravessa alguns dos ltimos sculos. A escola de msica Nossa Senhora do Cabo prope-se, nesta apresentao de final do ano lectivo, juntar diversas classes (coros, orquestra, piano, sopros, cordas) em torno da celebrao da voz.

    orqueStrA e CANtoorQUeSTra, coroS, alUnoS e ProFeSSoreS da eScola de MSica noSSa SenHora do caBodireCo muSiCAL HenriQUe PiloToeNCeNAo Joana leVydeSeNHo de Luz carla MoraiSCoreoGrAFiA clUdia FinoTe

    10d // G 5d // ver PG. 98.

    19 a 24 Jun q u a r ta - f e i r a a S e g u n d a - f e i r a

    PequeNo Auditrio

    19, 20, 21, 22 e 24 21H / 23 16H / / m/12 / / 11d e 13,50d

    arena enSembLe / tnSj / ccb

    rosencrantz & Guildenstern esto mortos de tom Stoppardencenao marco martinsestreado em 1966, Rosencrantz and Guildenstern are Dead um texto essencial da dramaturgia contempornea e do ps-modernismo no teatro. enviados pelo tio de Hamlet para tentarem conter a ira do seu sobrinho e desvendar a origem da sua loucura, rosencrantz e Guildenstern, personagens secundrias de Hamlet, de Shakespeare, vem-se perdidos na sua misso e incapazes de saber quem so, numa magnfica reflexo sobre a espera e a inevitabilidade da morte.A presente proposta centra a encenao nessas duas personagens e no Actor, reflectindo sobre as vrias possibilidades de existncia

    P 13,50d // l 11d // No H LuGAreS mArCAdoS // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB.

    ANtHoNY GoiCoLeA

    de uma mesma personagem, sobre a unidade existencial do individuo, sobre a instabilidade permanente da existncia e sobre as questes do actor e da representao, num texto que se decompe em mltiplos sentidos e se desmultiplica em divertidos jogos de palavras.

    texto ToM SToPPard / eNCeNAo Marco MarTinStrAduo Joo PaUlo eSTeVeS da SilVa / CeNoGrAFiA arTUr PinHeirodeSeNHo de Luz nUno Meira / F iGuriNoS iSaBel carMona / mSiCA oriGiNAL e iNterPretAo Ao vivo noiSerV / ASSiStNCiA de Produo Pedro crUZeiro / direCo de Produo narciSa coSTa

    iNterPretAo Gonalo WaddinGTon, nUno loPeS, BrUno noGUeira, BeaTriZ BaTarda, roMeU coSTa, Joana de Verona, JorGe MoTa, Pedro crUZeiro e 5 eSTUdanTeS de TeaTro

  • 74 7521 a 24 Jun S e x ta - f e i r a a S e g u n d a - f e i r a

    GrANde Auditrio / PrAA CCB / vrioS HorrioS

    integrado naS feStaS de LiSboa

    Festival coral de Vero 2013 o Festival Coral inaugura o vero de 2013 com o concerto de abertura no Grande Auditrio. Nele se assinala a estreia do Summer Fest Choir, o qual se apresentar em parceria com a Filarmonia da Beiras, cantando a Carmina Burana, de Carl orff, sob direco do maestro eugene rogers. o recentemente criado Summer Fest Choir, coro residente do festival, formado por jovens cantores vindos de todo o mundo, em parceria com o World Youth Choir, a universidade de michigan e a escola Superior de msica de Lisboa.No Sbado, dia 22, todos os coros participantes no festival, provenientes de destinos to diversos como israel, uSA, rssia, entre outros, iro apresentar-se em pblico na zona de Belm (Praa CCB, Jardim de Belm, museu edP e Claustros do mosteiro dos Jernimos) em concertos de entrada livre.

    No domingo, dia 23, no Grande Auditrio, decorrer a competio internacional, tambm com porta aberta ao pblico. o jri ser constitudo por consagrados directores corais, oriundos de quatro continentes e representantes de pases com grande tradio coral.Na segunda-feira, dia 24, no Grande Auditrio, realizar-se- o concerto de encerramento, que ter como coros convidados o New israeli vocal ensemble e o Summer Fest Choir, que apresentar uma seleco de msica coral de todo o mundo, e em que sero entregues os prmios do concurso internacional.

    21 Jun S e x ta - f e i r aGrANde Auditrio / / 21H

    S/ iNtervALo / / m/3 / / 12d e GALeriAS 6d

    concerto de abertura

    carmina Burana de Carl orffSummer Fest Choir (composto por membros do World Youth Choir, university of michigan, Coro Sinfnico da universidade de Aveiro eescola Superior de msica de Lisboa)Filarmonia das Beiraseugene rogers direCo

    isabe Alcobia SoPrANoJohn russel teNorStephen Lancaster BArtoNo

    22 Jun S b a d oPrAA CCB / / 11H

    eNtrAdA Livre

    Actuao dos Grupos Corais ao ar livre

    A actuao de coros ao ar livre prolonga- -se por outros espaos, em Belm, em diversos horrios, tambm com entrada livre:

    15H > 19H Jardim de Belm16H museu edP21H30 Claustro do mosteiro dos Jernimos

    23 Jun d o m i n g oGrANde Auditrio / / Horrio A deFiNir

    eNtrAdA Livre

    Concurso internacional de Coros

    24 Jun S e g u n d a - f e i r aGrANde Auditrio / / 19H

    S/ iNtervALo / / m/6 / / 8d e GALeriAS 4d

    concerto de encerramento

    new israeli Vocal ensembleSummer Fest Choir

    entrega de Prmios aos Grupos corais Participantes

    JoS FrAde

  • 76 7727 Jun q u i n ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / 1H30 S/ iNtervALo / / 15d A 38d

    incubadora darteS

    aureaSoul NotesCom a edio do lbum Soul Notes, Aurea inicia uma nova etapa do seu percurso, apresentando nos palcos nacionais e internacionais um novo espectculo, que contar com alinhamento, cenrio e energia renovados; um espectculo de alma e corao, cheio de soul notes.Seguindo a linha de composio do primeiro trabalho, que atingiu a marca de dupla platina, Soul Notes exclusivamente constitudo por temas originais, canes intemporais com as quais os amantes da msica facilmente se identificaro, no fossem elas reflexo de episdios, vivncias e emoes que inspiraram urea, e que por todos os motivos a cantora desejou partilhar.

    co 38d // 1. P 28d // 2. P + cc + l 25d // 1. B + cl 22,50d // 2. B + Bl 20d // G 15d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

    28 Jun S e x ta - f e i r a

    GrANde Auditrio

    21H / / m/3 / / S/ iNtervALo / / 20d A 40d

    uguru

    Michael nymanCompositor de uma obra vasta e reconhecida, michael Nyman uma das mais notveis referncias da msica contempornea. o pianista regressa agora a Portugal, para apresentar, a solo, a sua msica profundamente potica. A ntima relao que possui com o piano manifesta-se na sua discografia e em bandas sonoras para filmes, sobressaindo a de O Piano, de Jane Campion, e as de filmes de Peter Greenaway. tambm autor de peras, como Facing Goya ou Sparkie: Cage and Beyond, Nyman j foi condecorado pela Casa real Britnica e distinguido com prmios to notveis como o ivor Novello e o Golden Globe e, entre outros momentos altos de uma irrepreensvel carreira, foi escolhido para tocar em quioto, 2007, no Live earth.

    co 40d // 1. P 35d // 2. P + l 32d // cc + 1. B 30d // cl + 2. B 25d // Bl 22d // G 20d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. ver PG. 98

  • 78 7929 Jun S b a d o

    PequeNo Auditrio

    21H / / m/3 / / 7,50d e 10d

    jazz

    Big Band Jniororquestra-escola de JazzTwistmsico convidado: Carlos Bica semelhana do que aconteceu na temporada anterior, a Big Band Jnior convidou para este concerto final da temporada 2012/13 um grande msico do jazz nacional: Carlos Bica. Ao longo de uma semana de trabalho intensivo, o contrabaixista ir partilhar com os alunos da orquestra a sua experincia e acompanh-los em palco neste concerto, que, alm de grandes clssicos do repertrio de Big Band, incluir temas de Carlos Bica e temas de Claus Nymark.Na sua misso de estimular o gosto pelo jazz entre a juventude, a BBJ, que conta j com 20 elementos, no se cinge formao dada aos seus alunos; os seus concertos constituem em si uma excelente oportunidade para dar a conhecer o jazz aos mais novos.

    P 10d // l 7,50d // deSCoNtoS HABituAiS // deSCoNto CArto AmiGo CCB. aSSinatura jazz ver PG. 89

    direCo ArtStiCAJoo GodinHo aleXandra Vila TrindadedireCo muSiCAL e direCo PedAGGiCAclaUS nyMarKCo-ProduoccB / HoT clUBe de PorTUGal

    29 Jun S b a d o

    teNdA

    16H > 19H / / m/12 / / 3d

    Baile de Junhoorquestra 6 LatinosAo som da orquestra 6 de Portugal, bem conhecida pelos frequentadores dos bailes do CCB. qualquer pretexto bom para mais uma tarde de dana!

    P r o g r a m a

    La ComparcitaOle ToreroValsa da Meia-NoiteNew YorkMy WayIts Now Or NeverRelease MeA VoltaAs BaleiasA Quinta Sinfonia

    A Ternura dos 40Na hora do adeusEmoesMa VieUn altra teMorna sensualQuando um homem SonhaAte o baile acabarOh meu qual a tuaVirgen de MacarenaMichelle

    Boxnova um espao para a dana

    BoxNova podem candidatar-se todos os coregrafos que desejem apresentar as suas criaes mais recentes, por estrear ou que ainda no tenham sido apresentadas em Lisboa. Para tal, podem contar com dois a trs dias para a montagem e ensaios seguidos de duas apresentaes pblicas, a uma sexta-feira (21h) e a um sbado (19h), sempre que possvel.

    Participao do ccB:Cedncia do espao pelo tempo acima referido;tcnicos e material adstrito Sala de ensaio;Custos referentes frente de casa para dois espectculos;Publicidade e divulgao;Programa de sala;valor de 3000g ilquidos para despesas de produo, pago directamente ao grupo,

    companhia, coregrafo ou responsvel pela produo.Com o intuito de promover a sustentabilidade das criaes da BoxNova, nossa inteno dar a conhecer os projectos recebidos a outros responsveis por programaes nacionais. favor mencionar de forma explcita a autorizao para tal.

    apresentao de propostas e informaes:As propostas devem ser enviadas, sempre que possvel, por e-mail para o endereo boxnova.2014@ccb.ptoutras informaes adicionais sobre as propostas (vdeos, dvd, ou outros suportes) devem ser enviadas para:Centro Cultural de Belm, dana (BoxNova 2014), Praa do imprio1449-003 Lisboa

    aS ProPoSTaS PodeM Ser enViadaS

    aT dia 15 SeTeMBro 2013.

    entrega de novas propostas para 2014

  • 80 81

    ccB / FBRica das aRTEs

    oficinas Midos

    8 e 9 Jun0 a o S 6 a n o S8 S 1 0 H / 1 1 H 3 0 / 9 S 1 0 H / 1 1 H 3 0 / 1 5 H 3 0eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 40 miN.

    5,35d F im-de-SemANA

    o f i c i n a d e m S i c a

    Pea a Pea opus 2Companhia de msica teatral

    Opus 2 tece-se a partir de dilogos entre uma actriz e uma harpista. este dueto faz parte de um conjunto de pequenas peas msico-teatrais, associadas a instalaes sonoras / universos plsticos, da iniciativa Pea a Pea, do Projecto opus tutti.visando proporcionar a pais e crianas pequeninas um primeiro contacto com a arte, estas pequenas peas destinam-se a inspirar pais e cuidadores para, no dia a dia, estarem atentos s descobertas dos seus pequeninos.

    CoNCePo e Produo coMPanHia de MSica TeaTral

    iNtrPreteS ana diaS e laVnia Moreira

    APoio ProJecTo oPUS TUTTi | FUndao caloUSTe GUlBenKian

    entre a arte e a educao espao de Formao

    8 Juna r t i S ta S , m e d i a d o r e S c u Lt u r a i S , P r o f e S S o r e S , a n i m a d o r e S S o c i o c u Lt u r a i S , b i b L i o t e c r i o S e c u r i o S o S *

    S B A d o d a S 1 1 H 3 0 S 1 7 H 3 0eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / / durAo 3 HorAS

    Preo 5,35d F im-de-SemANA

    Variaes sobre Pea a Pea Paulo maria rodrigues (Companhia de msica teatral)

    Pea a Pea um conjunto de pequenas peas msico- -teatrais dirigidas primeira infncia. Foram criadas no mbito do projecto opus tutti a partir da explorao do territrio comum da ludicidade e da arte, e evoluram atravs de um cuidado processo de reflexo para se tornarem projectos de grande portabilidade, capazes de contribuir para um acesso generalizado a experincias artsticas de qualidade. esta aco de formao pretende desconstruir e partilhar, de forma prtica, aspectos do processo de criao, contedos, princpios e metodologias que esto na base de Opus 2, bem como das diversas peas que constituem o Pea a Pea.

    * os participantes nesta formao podero assistir oficina Pea a Pea Opus 2 na sesso do dia 8, s10h.

    artes nas Frias do Verooficinas Midos

    24>28 Jun1>5 Juld o S 5 a o S 1 0 a n o SS e G u N d A - F e i r A A S e x tA - F e i r A , 8 3 d a S 1 0 H S 1 7 H( A C o L H i m e N t o A PA r t i r d A S 9 H 3 0 )eSPAo CCB / FBriCA dAS ArteS / /

    Preo SemANA ComPLetA 85,30d / diA ComPLeto 21,30d / meio-diA 10,65d

    a minha rua uma paisagem!A partir de um dos objectivos do desenvolvimento do milnio (7. qualidade de vida e respeito ao meio Ambiente), propomos pensar o mundo, mais especificamente, a rua em que queremos viver. Como se fossemos arquitectos da paisagem, vamos projectar / sonhar o nosso bairro dedicando um espao Natureza. reutilizando objectos do nosso lixo ou do quotidiano, vamos criar esculturas-vaso, onde plantaremos as flores que gostaramos de ver na nossa rua, na nossa vida

    Com PaTrcia PaiS, ndia noGUeira, MarTa celorco, dioGo MarTinS, dioGo andrade

  • 82 83

    Horrio

    tera-feira a domingo, das 10h s 18h.encerra Segunda-feira.

    Preo entrada

    2 (descontos aplicveis)aceSSo

    entrada pelo Jardim das oliveiras.

    Linha de informao sobre o acesso Garagem Sul / exposies de Arquitectura, para pessoas com deficincia motora Tel: 213 612 666

    viSitaS guiadaS

    Consulte a pgina 84.

    21 mar > 21 Jul t e r a - f e i r a a d o m i n g o . e n c e r r a S e g u n d a - f e i r a

    eNtrAdA PeLo JArdim dAS oLiveirAS

    10H > 18H / / 2d

    garagem SuL - exPoSieS arquitectura

    arX arquivo/archiveLus Santiago Baptista CurAdoriA

    em 1993, inaugurava o Centro Cultural de Belm uma pequena exposio, denominada Realidade-Real, integrando o ento prometedor atelier Arx Portugal. Passados 20 anos, a exposio arX arquivo/archive vem justificar essa aposta, na altura no isenta de risco, numa prtica portuguesa emergente.

    esta exposio mostra que essa aposta deu e continua a dar frutos. A actividade dos irmos Nuno e Jos mateus tem marcado a arquitectura portuguesa, evidenciando uma constante acutilncia crtica e vontade experimental. A sua singularidade emerge da explorao intensiva do projecto arquitectnico. mas o projecto , para a Arx Portugal, mais do que a resoluo de um programa, a expresso de uma tcnica e a integrao num lugar. , no essencial, uma nova forma de prtica arquitectnica, assente na resposta criativa a um determinado contexto fsico e social. manifesta-se por isso nas prprias estratgias projectuais e nos processos de formalizao arquitectnica, informados por uma abertura inquiridora ao mundo e experimentados, quase obsessivamente, sobre a

    matria fsica e tridimensional da maqueta. A fora das obras da Arx Portugal reside, precisamente, nessa investigao do potencial do projecto arquitectnico.

    arX arquivo/archive uma exposio centrada na construo de um arquivo. um arquivo que se constitui, dando--se a ver, mostrando-se. Proporciona, assim, a experincia de habitar este arquivo, com as suas formas surpreendentes de referenciao e classificao do processo arquitectnico. da o convocar das figuras arquivsticas do Atlas, Gabinete de Curiosidades e Cinema.

    APoioS iNStituCioNAiS do CCB PArA A GArAGem SuL-exPoSieS de ArquiteCturA:ordem dos Arquitectos / trienal de Arquitectura de Lisboa

    APoioS meCeNtiCoS do CCB PArA A GArAGem SuL-exPoSieS de ArquiteCturA:robbialac / Pladur uralita / interescritrio / Siemens

    Arx PortuGAL, Sr ie de mAquetAS dA AmPL iAo do muSeu mArt imo de LHAvo, 2009-12 Arx PortuGAL

  • 84 85

    Visitas Guiadas7 a b r / 1 4 H 3 0

    Lus Santiago Baptista expr ARX

    5 m a i / 1 4 H 3 0

    Nuno mateus ARX: Taxonomia e Operatividade

    2 j u n / 1 4 H 3 0

    Jos mateus ARX: Linguagem e experimentao

    7 j u L / 1 4 H 3 0

    Lus Santiago Baptista Arquivar ARX

    apresentao Monografia + conferncia + debate

    2 1 j u n H o / 1 8 H 3 0

    Apresentao: Lus Santiago Baptista editar ARX

    Conferncia: Nuno mateus O processo na ARX

    Jos mateus O tempo na ARX

    debate: Pedro Falco + diogo Seixas Lopes

    viSitaS guiadaS SujeitaS a marcao

    tel. 213 612 650 ou visitasguiadas@ccb.pt

    + CCBoutras actividades

    Arx PortuGAL, v iStA exter ior dA AmPL iAo do muSeu mArt imo de LHAvo, 2009-13Arx PortuGAL

  • 86 87

    Servilimpe / SoV / Siemens / Millennium bcp

    7 Abr / 5 mai / 2 Jun 1 . d o m i n g o d e c a d a m SCAmiNHo PedoNAL + PrAA CCB 10H > 18H

    Mercado do ccBnovo&antigoAntiguidades e velharias, Gastronomia, moda, decorao, Plantas e espectculos

    o Centro Cultural de Belm, explorando a sua dimenso e expresso fsica de cidade, aberta a todos os pblicos, vai realizar nas suas ruas e praa central um mercado especial, que cruza uma expresso cultural e artstica com objectivos comerciais. em edies sucessivas, no primeiro domingo de cada ms, salvo algumas excepes ou edies de carcter temtico, entre as 10 e as 18 horas, ter lugar o mercado do CCB Novo&Antigo.o ponto de partida para a organizao deste acontecimento foi o mercadinho dos talentos, que tem j uma longa histria de sucesso no CCB. realizando-se junto Praa do icnico Centro Cultural de Belm, no seu Jardim das oliveiras, este mercadinho destinado aos mais novos, a crianas e jovens at aos 17 anos, passar, a partir de 7 de outubro, a ter uma edio tambm mensal, em coincidncia com este novo acontecimento, o mercado do CCB Novo&Antigo, destinado a todos os que quiserem participar.

    Assim, e logo entrada do CCB, ao longo da sua rua principal, encontrar msicos e artistas, poder comprar e vender artigos originais, assistir, no Palco do mercado a pequenas apresentaes musicais. Antiguidades e velharias, gastronomia, moda, decorao, plantas, tanto nas vertentes da criao como da reutilizao, isto , novo e antigo, so as reas deste mercado singular, com uma vocao simultaneamente cultural e comercial. em cada mercado poder ainda obter, excepcionalmente, bilhetes para os espectculos integrados na programao com 30% de desconto.

    durante os dias 20 e 21 de abril, integrado no Festival dias da Msica em Belm, haver uma edio especial do Mercado do ccB, dedicado ao tema O Impulso Romntico.

    oS iNtereSSAdoS em veNder oS SeuS tALeNtoS e/ou oS SeuS ProdutoS, NovoS ou ANtiGoS, NAS reAS dAS ANtiGuidAdeS e veLHAriAS, GAStroNomiA, modA, deCorAo, PLANtAS, devero CoNtACtAr o CCB AtrAvS do e-mAiL MercadoccB@ccB.PT / PArA mAiS iNFormAeS CoNSuLte WWW.ccB.PT

  • 88 89

    PreoS GruPoS orGANizAdoS e viS itAS em iNGLS: 5 /PArtiCiPANte mNimo de PArtiCiPANteS: 10 / mximo de PArtiCiPANteS: 25

    GruPoS orGANizAdoS de eSCoLAS, meNoreS de 12 ANoS e mAioreS de 65, e CArto AmiGo CCB: 2,5 / PArtiCiPANte. mNimo de PArtiCiPANteS: durANte A SemANA, 14 / SBAdoS, 16 / viS itAS em iNGLS, 18.

    mximo de PArtiCiPANteS: 25

    PArA GruPoS eSCoLAreS requeridA A PreSeNA de um AduLto Por CAdA 10 CriANAS, reSPoNSveL

    PeLo GruPo durANte A viS itA.

    PaGaMenTo Ser eFeCtuAdo NA reCePo do CeNtro de reuNieS do CCB ANteS dA viS itA, PArA

    eFeCtuAr o PAGAmeNto, Pede-Se A ComPArNCiA No LoCAL 10 miNutoS ANteS dA viS itA.

    dUrao AS viS itAS GuiAdAS tm A durAo de umA HorA e meiA, AProximAdAmeNte.

    o CCB reServA-Se o direito de eNCerrAr ALGuNS eSPAoS doS AuditrioS A viS itAS, Por rAzeS tCNiCAS

    ou ArtStiCAS, ou Por outrAS CirCuNStNCiAS que ASSim o exiJAm. o CCB reServA-Se o direito de

    ProCeder CoBrANA dA viS itA NA NteGrA, CASo eLA No SeJA ANuLAdA Com o mNimo de 24 HorAS de

    ANteCedNCiA. o CCB reServA-Se o direito de CANCeLAr A viS itA Se o Nmero de iNSCrieS No AtiNGir

    o mNimo de 10 PeSSoAS (mediANte CoNtACto At 48 HorAS ANteS)

    Visitas guiadas d e S e g u n d a - f e i r a a S b a d o 1 0 H30 > 1 8 HTodaS aS MarcaeS de ViSiTaS GUiadaS So FeiTaS aTraVS do ccB

    teLF. 213612650 ou e-mAiL ViSiTaSGUiadaS@ccB.PT

    ccB - Uma leitura Geral do edifcioo edifcio do CCB, projectado pelos arquitectos vitorio Gregotti e manuel Salgado, constitui um ponto de encontro inegvel da cidade de Lisboa. Capaz de conciliar exposies, espectculos, reunies, comrcio e servios ele prprio uma micro-cidade. Nesta visita, abordamos as dinmicas dos espaos e das funes, dando a conhecer o edifcio atravs da histria da sua localizao, da envolvente paisagstica e das intenes da equipa de arquitectos.

    CoNCePo e orieNtAo FaBrcia ValenTe / MariBel SoBreira

    ccB - Uma cidade Beira-rioCom esta visita pretende-se uma abordagem s mltiplas relaes que o CCB estabelece com o seu envolvente.Poder-se- falar de um tringulo histrico e arquitectnico em Belm? que relaes formais e estticas estabelecemos entre o Centro Cultural de Belm, o mosteiro dos Jernimos e as referncias exposio do estado Novo?

    CoNCePo e orieNtAo FaBrcia ValenTe / MariBel SoBreira

    assinaturasPara a temporada 2013, o Centro Cultural de Belm criou uma srie de oito Assinaturas, com base num modelo que muito popular em todo o mundo e que permitir o acesso a uma grande parte dos espectculos e concertos programados pelo CCB a preos mais baixos. A opo Assinatura B, permite conciliar uma maior flexibilidade na escolha, com um valor de bilhetes tambm inferior ao habitual.

    Pretendemos, com estas Assinaturas, distinguir o pblico que nos visita com mais regularidade e adquire os seus bilhetes com mais antecedncia. mas queremos tambm possibilitar a quem no costuma fazer planos com tanta antecedncia, ou quem simplesmente tem menos tempo disponvel, escolher os concertos a que quer assistir e tambm usufruir de um desconto no valor dos bilhetes.

    assinatura

    ccB 20 anos8 espectculos - 40% desconto(para espectculos produzidos pelo CCB acima dos 10f)A diversidade da programao do CCB permite a criao de uma nova assinatura - CCB 20 anos, que possibilita a escolha de oito espectculos nas diferentes reas artsticas da programao de 2013, desde que a escolha dos mesmos no incida inteiramente em espectculos inseridos numa assinatura temtica. o pblico pode agora seleccionar nas reas de msica, teatro, dana, Artes Performativas, os espectculos a que deseja assistir ou oferecer aos seus amigos

    assinatura orquestrasaSSinaTUra a 8 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 4 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    orquestra metropolitana de Lisboa26 Janeiro 21h / 27 Janeiro 11h30 / 24 maro 17h / 12 maio 17h27 outubro 17h / 24 Novembro 17h

    orquestra de Cmara Portuguesa9 Fevereiro 21h / 30 maio 21h / 2 Novembro 21h

    orquestra Sinfnica Portuguesa15 dezembro 17h

    assinatura BarrocoaSSinaTUra a 4 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 2 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    19 e 20 Janeiro 21h e 16h msicos do tejo / 27 Janeiro 17hGrupo vocal olissipo / 23 maro 21h divino Sospiro / 21 e 22 Setembro 21h e 17h Gios re di Giud

    assinatura ecM lisbon SeriesaSSinaTUra a 4 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 2 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    14 Fevereiro 21h Bobo Stenson trio / 1 maro 21h Savina Yannatou & Primavera en Salonico / 9 maio 21h Pergolesi - in Compagnia dAmore / 3 outubro 21h marcin Walisewski

    >>>>

  • 90 91

    assinatura Msica de cmaraaSSinaTUra a 9 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 4 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    2 Fevereiro 21h msica de Cmara na Jangada de Pedra / 10 Fevereiro 17h ensemble dArcos / 23 Fevereiro 21h quarteto Pavel Haas / 27 Fevereiro 21h CantePiano - uma msica contempornea do Alentejo / 10 maro 17h Pavel Gomziakov / Artur Pizarro / 10 maio 21h motion trio - Accoustic Accordions13 outubro 17h voces Caelestes / 10 Novembro 17h Pedro Burmester / 17 Novembro 17h Lieder e duetos do romantismo Alemo / 23 Novembro 21h / dSCH com Grard Causs e renaud e Gautier Capuon

    assinatura JazzaSSinaTUra a 6 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 3 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    8 Fevereiro 21h Grip 5 - ricardo Freitas / 22 Fevereiro 21h mrio Laginha trio / 8 maro 21h ogre - maria Joo / 11 maio 21h Jlio resende trio / 29 Junho 21h Big Band Jnior / 2 Novembro 21hHugo Alves trio / 14 dezembro 21h Big Band Jnior

    assinatura Fado H Fado no CaisaSSinaTUra a 7 concertos, 30% desconto (40% Carto Amigo CCB)aSSinaTUra B 3 concertos, 25% desconto (35% Carto Amigo CCB)

    16 Janeiro 21h marco oliveira / 22 maro 21h Gisela Joo /10 maio 21h vicente da Cmara, Beatriz da Conceio, Artur Batalha e maria da F / 1, 2, 3, 8, 9 e 10 Agosto 19h Helder moutinho e convidados / 12 outubro 21h miguel Capucho

    assinatura

    ccB / Fbrica das artesoferecemos agora a possibilidade de aquisio de Assinaturas CCB/Fabrica das Artes que englobam uma vasta oferta de espectculose oficinas do projecto educativo do CCB. estas assinaturas livrespermitem-lhe escolher antecipadamente os espectculos e oficinas quepretende frequentar, beneficiando ao mesmo tempo de um descontono valor dos bilhetes (a escolha dever ser feita na altura da aquisioda assinatura). Propomos trs tipos de assinatura para si: Assinaturaescola, Assinatura Criana e Assinatura Famlia.

    aSSinaTUra eScola (vlido para 1 criana, durante os dias de semana)aSSinaTUra criana (vlido para 1 criana, durante os fins-de-semana)aSSinaTUra FaMlia (vlido para 3 pessoas, durante os fins-de-semana)TriMeSTre 15% desconto (Apenas para os dois primeiros trimestres)2 espectculos (1. trimestre) ou 2 espectculos (2. trimestre)3 oficinas (1. trimestre) ou 3 oficinas (2. trimestre)anUal 20% desconto 4 espectculos e 8 oficinas (durante o ano)

    informaesgeraistudo sobre o CCB e a sua programao em

    www.ccb.ptinformaes / reservas

    213 612 62713h > 20h

    BilhetesPode adquirir os seus bilhetes em www.ccb.pt e apresentar a respectiva impresso entrada do espectculo. Pode tambm adquirir os bilhetes na Bilheteira, todos os dias das 11h s 20h. Para espectculos em horrios especiais, a bilheteira funciona excepcionalmente meia hora antes depois do incio dos mesmos. Pode tambm adquirir bilhetes nos seguintes locais: lojas Fnac, Worten, Agncias Abreu, Casino de Lisboa, centros comerciais dolce vita, mmm e mundicenter, el Corte ingls, Galeria Comercial Campo Pequeno ou online em www.ticketline.pt.

    reservasreserve os seus bilhetes pelo telefone 213 612 627, pelo e-mail bilheteiraccb@ccb.pt. os bilhetes tero de ser levantados na

    Bilheteira CCB nas 48 horas seguintes reserva. Para as oficinas do CCB/Fbrica das Artes, as reservas devem ser efectuadas nos seguintes contactos: telefone 213 612 899 (todos os dias teis das 11h s 18h) ou por e-mail fabricadasartes@ccb.pt.

    descontoscarto amigo ccb. desconto de 20% ou 30% para os cartes individual, Famlia, Jovem ou Snior. S o Carto Famlia permite descontos nas actividades CCB Fbrica das Artes. grupos. desconto de 20% na aquisio de bilhetes para grupos entre 10 a 50 pessoas.jovens seniores. desconto de 25% para espectadores at aos 25 anos e a partir dos 65 anos. No Grande Auditrio, este desconto s vlido para a 2. plateia e balces. carto fnac. desconto de 5% para portadores de Carto Fnac (exclusivo para espectculos que decorrem no Grande ou no Pequeno Auditrio). Profissionais ou estudantes da rea do espectculo. Bilhete nico de 5e (nmero limitado de bilhetes e aquisio na Bilheteira CCB). desconto no acumulvel, vlido unicamente para espectculos de produo CCB. Para beneficiar de descontos necessrio a apresentao do respectivo comprovativo: Carto Amigo CCB, Carto de Cidado, Carto Fnac, Carto Profissional ou Carto de estudante. os eventos no produzidos pelo CCB podem no permitir descontos ou apresentar descontos diferentes consulte a pgina do espectculo respectivo.

    oficinasAs oficinas do CCB Fbrica das Artes abrangem vrios pblicos. de segunda a sexta as oficinas so normalmente dedicadas s escolas ou a grupos organizados e, aos fins-de-semana e feriados s famlias. Confirme o grupo etrio a que

  • 92 93

    a oficina se destina. As oficinas para pblico snior decorrem simultaneamente semana e ao fim-de-semana. Para participar nas oficinas necessrio efectuar uma marcao prvia pelo telefone 213 612 899 (todos os dias teis das 11h s 13h e das 15h s 18h), fax 213 612 899 ou ainda pelo e-mail fabricadasartes@ccb.pt. o custo de participao nas oficinas que decorrem nos dias teis de 3,20e por pessoa (nos grupos escolares, a entrada dos professores gratuita), e de 5,35e por pessoa aos fins-de- -semana e feriados. As oficinas realizam-se, preferencialmente, nos espaos CCB/Fbrica das Artes, no Jardim das oliveiras.

    Salasno permitido entrar nas salas aps o incio dos espectculos, salvo indicao em contrrio dos assistentes de sala. o Grande e o Pequeno Auditrio dispem de um servio de bengaleiro gratuito e de um servio de cafetaria antes e durante os intervalos dos espectculos. em todas as salas proibido fumar, comer ou beber, e efectuar qualquer tipo de registo de som ou de imagem. No se esquea de desligar o seu telemvel ou outro objecto emissor de som durante o espectculo. utilize os programas ou folhas de sala para melhor acompanhar os espectculos. Para qualquer informao ou urgncia contacte um assistente de sala.

    estacionamentoos dois parques de estacionamento do CCB (acessos pela rua Bartolomeu dias e pela Praa do imprio) funcionam todos os dias das 8h s 24h. a partir das 20h, utilize a tarifa especial de estacionamento de 3e. evite demoras efectuando logo chegada o pagamento nas caixas automticas. tambm pode

    efectuar o pagamento nos bengaleiros dos auditrios. Para maior comodidade, utilize o sistema via verde.

    TransportesH vrias opes para chegar ao CCB utilizando os transportes pblicos.autocarros: 28 714 727 729 751. elctrico: 15. comboio: estao Belm da linha Cais do Sodr Cascais.ligao fluvial: Belm Porto Brando trafaria. Confirme sempre os horrios e as carreiras disponveis nos perodos noturnos, aos fins-de-semana e nos feriados.

    Horrios ccBRecepo PiSo 1 do CeNtro de reuNieSSemANA 8h > 20h / SBAdoS, domiNGoS e FeriAdoS 10h > 18h

    Bilheteira CAmiNHo PedoNAL CAmiNHo de JoS SArAmAGo11h > 20h

    sala de leitura JuNto reCePo CCB (P iSo 1 do CeNtro de reuNieS)SemANA 10h > 19h / SBAdoS 10h > 17h30 eNCerrA AoS domiNGoS e FeriAdoS

    salas de EspectculosGrande e Pequeno AuditrioACeSSo PeLo CAmiNHo PedoNAL CAmiNHo de JoS SArAmAGo

    Sala de ensaio ACeSSo PeLA eNtrAdA do PequeNo Auditrio, CAmiNHo PedoNAL CAmiNHo de JoS SArAmAGo

    Sala Lus de Freitas Branco PiSo 1 do CeNtro de reuNieS

    garagem sul-Exposies de arquitectura eNtrAdA PeLo JArdim dAS oLiveirASterA A domiNGo 10h > 18heNCerrA SeGuNdA-FeirA

    Restaurante commenda JuNto reCePo CCB (P iSo 1 do CeNtro de reuNieS)

    todoS oS diAS 12h30 > 15h (at s 16h Ao domiNGo)SBAdoS 19h30 > 23h durANte A SemANA ABre PArA JANtAreS PArA GruPoS SuPerioreS A 10 PeSSoAS

    Bar Terrao Servio de CAFetAriA e ALmooS (SELF-SERVICE)PiSo 3 do CeNtro de reuNieS

    SeGuNdA A SextA-FeirA 12h30 > 20hSBAdoS, domiNGoS e FeriAdoS 10h > 18hsanduche BarServio de CAFetAriA JuNto reCePo do CCB (P iSo 1 do CeNtro de reuNieS)

    8h > 17h30

    Sala de leituranovo Horriode SeGuNdA-FeirA A SextA-FeirA

    10h > 19h

    SBAdoS

    10h > 17h30

    domiNGoS e FeriAdoS

    encerrada

    A Sala de Leitura, situada no piso 1 do Centro de reunies, um espao essencialmente consagrado ao livro, aos escritores e leitura. inaugurada em 2007, tem merecido interesse crescente do pblico e aumentado significativamente o seu catlogo, que conta j com 12.667 ttulos.A programao deste espao inclui conferncias, palestras, ciclos, comunidades de leitores, lanamento de livros, entre outros.esperamos por si na Sala de leitura.

    desfrute de uns momentos calmos de leitura, ou ento requisite simplesmente um livro para lhe fazer companhia em sua casa. Visite-nos e leia mais.

  • 94 95

    enquanto espao museolgico de referncia em Lisboa, o visitante pode desfrutar de obras de artistas dos mais diversos contextos culturais e variadas expresses que construram a histria da arte do ltimo sculo, tanto na mostra permanente da Coleo Berardo como no leque muito variado de exposies temporrias. o museu conta tambm com um diversificado programa de atividades para todas as idades que, de uma forma original e pedaggica, do a conhecer os grandes nomes da arte nacional e internacional, como marcel duchamp, Pablo Picasso, Salvador dal, Francis Bacon ou Helena Almeida. estando o museu aberto todos os dias, no faltaro oportunidades para uma visita!

    o museu coleo berardo define-se como o grande museu de arte moderna e contempornea, desgnio esse institudo na sua misso e papel insubstituvel no contexto portugus.

    museu coleo berardo

    PRAA DO IMPRIO, 1449-003 LISBOA

    TEL 213 612 878 FAX 213 612 570

    muSeuberardo@muSeuberardo.Pt

    www.museuberardo.pt

    a B E R T O T O d O s O s d i a s d a s E m a n aDAS 10H S 19H (LTIMA ENTRADA S 18H30)

    E n T R a d a g R a T u i T aNO MUSEU COLEO BERARDO COM O APOIO

    me

    Ce

    NA

    S

    Museu coleo Berardo 1900-1960A PArtir de 17 mAio

    No piso 2 do museu proposto um percurso pela arte moderna, que se inicia nos primeiros anos do sculo xx com Picasso e a inveno do Cubismo e com duchamp e a interrogao do readymade. A rpida e vertiginosa sucesso de vanguardas, que inventaram novos entendimentos do espao, encontra a sua representao nos ncleos dedicados ao dadasmo, Construtivismo, Neo-plasticismo, Surrealismo e Abstraction-Cration. Com o ps-guerra os novos movimentos emergentes esto representados pelo informalismo, o expressionismo Abstrato, a Nova escola de Paris, a Arte Cintica, o Grupo zero, o espacialismo, as diferentes perspetivas da figurao ou o Colour Field. A emergncia do Neo-dadasmo, com o Nouveau ralisme e a Pop Art, veio permitir redescobrir, no gesto de duchamp e na inveno do readymade, como o sentido se tornou um acontecimento singular e no programado por uma razo.

    Museu coleo Berardo 1960-2010

    A apresentao da coleo prossegue, no piso -1, dedicada ao perodo que se inicia em 1960 e vem at aos nossos dias. A exposio segue uma ordem cronolgica e agrupa os mais significativos movimentos artsticos das neo-vanguardas, como sejam o minimalismo, o Conceptualismo, o Ps-minimalismo, a Land Art ou a Arte Povera, entre outros. No curso destes movimentos o objeto artstico sofreu uma profunda reconfigurao das suas categorias tradicionais, pelo que a sua manifestao implicou a realizao de pressupostos apenas vislumbrados pelas vanguardas histricas que se apresentam no piso 2 e um refazer no depois desse tempo.

    viStA dA exPoSiCAo_mCB_1900-1960 dAvid LuCiANoviStA dA exPoSio mCB_ riGo, teKo mBArAte STRUGGLE FOR LIFE, 2005-2008_ dAvid LuCiANo

  • 96 97

    BeSphoto 201317 ABriL > 26 mAio | P iSo 0

    o BeSphoto uma iniciativa do Banco esprito Santo em parceria com o museu Coleo Berardo e com o instituto tomie ohtake, que visa promover a criatividade e integrao dos artistas plsticos contemporneos de lngua portuguesa no panorama internacional.albano da Silva Pereira (Portugal), Filipe Branquinho (moambique), Pedro Motta (Brasil) e Sofia Borges (Brasil) so os artistas selecionados para a 9 edio do prmio. A exposio apresentada no museu Coleo Berardo itinera para o instituto tomie ohtake (So Paulo) onde estar patente entre 18 de junho e 28 de julho de 2013.

    Na loja do museu Coleo Berardo para alm de todos os catlogos das exposies do museu, encontra outras publicaes relacionadas com arte moderna e contempornea, e ainda artigos ldico-pedaggicos.

    PubLicaeS em deStaque

    coleo Sem TtuloMuseu Coleo Berardo

    este conjunto de publicaes traz a pblico uma srie de ensaios de autores convidados a partirem das obras da Coleo Berardo para uma reflexo sobre arte moderna e contempornea, abordando temticas diversas, convocando conceitos e propostas de outros autores e expondo diferentes pontos de vista e interpretaes.

    A LoJA do muSeu CoLeo BerArdo eSt ABertA diAriAmeNte eNtre AS 10H e AS 19HAPreSeNtANdo o CArto AmiGo CCB todoS oS ArtiGoS tm um deSCoNto de 10%

    Loja museu coleo berardo

    o museu Coleo Berardo continua a apostar numa programao direcionada aos diversos pblicos - famlias, bebs, crianas, jovens, adultos

    envolva-se!

    museu Berardo no indie Jnior13o Servio educativo do museu Coleo Berardo preparou uma programao especial para famlias, para assinalar a 10 edio do Festival indie Lisboa.

    Projeo do documentrio Pelas Sombras de Catarina mouro6 e 7 de aBril

    MUSeU coleo Berardo16H | Auditrio PiSo -1 | Sem mArCAo PrviA | SuJeito Ao Nmero de LuGAreS diSPoNveiS | eNtrAdA GrAtuitA

    a magia do cinema+ 9 anoS > 20 e 25 aBril+ 12 anoS > 21 e 27 aBril

    o mundo do cinema mgico, como descobri-lo? Com desenhos? Fotos? Pintura? No mundo virtual, criado em paralelo com as novas tecnologias utilizadas no cinema de animao e com o apoio doArt Academy e da consola Nintendo 3dS

    xL, ou no mundo real com o trabalho em oficina. 16H | 1H30 | SALA 2 do CiNemA S. JorGeN. mNimo: 8 CriANAS + AComPANHANteS N. mximo: 12 CriANAS + AComPANHANteS / iNSCrio: 2 PArtiCiPANte / iNSCrieS At doiS diAS ANteS dA dAtA dA AtividAde

    dia internacional dos museus18 e 19 Maio

    visite o museu e participe nas atividades gratuitas que propomos para assinalar esta data.

    Frias de vero no museu1 JUlHo a 6 SeTeMBro4 aoS 6 anoS / 7 aoS 12 anoS

    dAS 9H30 S 17H30, mediANte mArCAo PrviA ( iNCLui ALmoo)CoNdieS eSPeCiAiS PArA SCioS ACP, LeitoreS eStreLAS & ourioS, CoLABorAdoreS CP, eNtre outroS.

    Atividades para famliasaTiVidadeS doS 2-5 anoS*

    abril, histrias mil no Museu Berardo 7, 14 e 20 aBril 10H15 **

    estas histrias so feitas de muitas artes: temos de as ouvir de olhos bem abertos e

    envolver Programa de atividades do Servio educativoFamlias, Jovens e adultos

    viv-las com o corpo inteiro. o convite descobrir palavras e imagens de livros fantsticos nas salas do museu Berardo como se nelas morssemos. voando das pginas como borboletas, histrias iro cruzar-se com muitas outras histrias. Ns estaremos l para as contar!

    cozinhart *Maio (consulte o Serv io educat ivo)**

    aTiVidadeS doS 5-10 anoS* doMinGoS dAS 15H S 17H30**

    aTiVidadeS Para FaMliaS a elaBorar coM o arT acadeMy Parceria coM a ninTendo doMinGoS 15H30 / doS 6 AoS 12 ANoSiNSCrio: 5 Por PArtiCiPANte**

    aniVerSrioS TeMTicoS doS 4 aoS 12 anoS Preo SoB CoNSuLtA*iNSCrio 2 Por PArtiCiPANte** mediANte mArCAo PrviA (At S 16H dA SextA-FeirA ANterior)

    Para TodoS oS ViSiTanTeS viSitAS orieNtAdAS S exPoSieS temPorriAS e CoLeo (um Fim-de-SemANA Por mS / GrAtuitA / dAtA SoB CoNSuLtA)

    PArA mAiS iNFormAeS e mArCAeS, Por FAvor CoNtACte Servio eduCAtivo SerVico.edUcaTiVo@MUSeUBerardo.PT/ teL 213 612 800 ProGrAmAo e dAtAS SoB CoNSuLtA em WWW.MUSeUBerardo.PT

  • 99999999

    Gra

    nde

    Aud

    itrio

    Pequ

    eno

    Aud

    itrio

    P r o g r a m a d e a c t i v i d a d e S do CeNtro CuLturAL de BeLma b r i L a j u n H o 2 0 1 3

    edio n. 142dePSiTo leGal n. 71741/93 iSSn n. 0872-5993TiraGeM 50 000 exemPLAreSiMPreSSo > SogapalcaPa > Fotografia de Nuno CeradiSTriBUio GraTUiTaProGrAmA editAdo SeGuNdo A ANtiGA ortoGrAFiA. A ProGrAmAo APreSeNtAdA NeStA edio Pode, Por motivoS imPreviStoS, SoFrer ACtuALizAeS ou ALterAeS APS o FeCHo dA edio.CoNSuLte A ProGrAmAo SemPre ACtuALizAdA em WWW.ccB.PT

    c e n t r o c u Lt u r a L d e b e L mPrAA do imPrio, 1449-003 L iSBoAteLeFoNe 213 612 400 FAx 213 612 500mAiL CCB@CCB.PtWWW.CCB.P

    cO CAdeirAS de orqueStrA1. p 1. PLAteiA2. p 2. PLAteiAp PLAteiAcc CAmAroteS CeNtrAiScl CAmAroteS LAterAiSl LAterAiS1. B 1. BALCo2. B 2. BALCoBl BALCo LAterALg GALeriAS

    p PLAteiAl LAterAiS

    c c b conSeLHo de adminiStraovASCo GrAA mourA PreSideNtedALiLA rodriGueS voGALmiGueL LeAL CoeLHo voGAL

    ANdr dourAdo direCtor CoordeNAdor

    direco de arteS do eSPectcuLoCLudiA BeLCHior direCtorA PAuLA FoNSeCA ASSiSteNte ANdr CuNHA LeAL CoNSuLtor PArA A reA dA mSiCA FerNANdo LuS SAmPAio CoNSuLtor PArA dANA e mSiCAS PLurAiS r itA BAGorro ASSiSteNte de ProGrAmAo Produo iNS CorreiA PAtrCiA SiLvA HuGo Cortez verA roSA iNS LoPeS JoNAS omBerG direCtor de CeNA CoordeNAdor Pedro rodriGueS PAtrCiA CoStA JoS vALrio direCtoreS de CeNA tNiA AFoNSo Joo LemoS direCo de CeNA YoLANdA SeArA SeCretAriAdo rui mArCeLiNo CHeFe tCNiCo de PALCo Pedro CAmPoS LuS SANtoS rAuL SeGuro tCNiCoS PriNCiPAiS F. CNdido SANtoS v tor PiNto CSAr NuNeS JoS CArLoS ALveS HuGo CAmPoS mrio SiLvA riCArdo meLo rui CroCA tCNiCoS exeCutivoS NuNo GrCio CHeFe tCNiCo de AudioviSuAiS rui Le ito eduArdo NASCimeNto LuS GArCiA SANtoS NuNo BizArro PAuLo CACHeiro NuNo rAmoS tCNiCoS de AudioviSuAiS S iAmANto iSmAiLY CHeFe tCNiCo de GeSto e mANuteNo Joo SANtANA LuS teixeirA v tor HortA tCNiCoS de mANuteNo SoFiA mAtoS SeCretAriAdo de direCo tCNiCA

    direco de comunicao e marketing mAdALeNA reiS direCtorA mANueLA ALveS ASSiSteNte coMUnicao > SoFiA mNtuA CoordeNAdorA SANdrA GriLo PLAtAFormAS WeB SoFiA CArdim ANA BrAvo ASSeSSoriA de imPreNSA mAdALeNA FrAde edieS PAuLA CArdoSo PAuLo FerNANdeS mAriSA LoureNo SANdrA SALGueiro GABiNete GrFiCo / LCiA oLiveirA SeCretAriAdo MarKeTinG > ritA CorreiA CoordeNAdorA / CAtAriNA PiNto mAriA Joo mArqueS PAuLA CAtitA SoFiA FerreirA GeStorAS de eveNtoS miGueL mANtA ProJeCtoS eSPeCiAiS CoNCeio PiNHeiro SeCretAriAdo relaeS PBlicaS > iSABeL roquette CoordeNAdorA verA meStriNHo GeSto de BASeS de dAdoS ANA ArNAuL CLudiA ANtuNeS F iLomeNA roSA PAtrCiA SALeiro reCePo CeNtro de reuNieS \ teLeFoNiStAS mAriA JoS BeSteiro ANA SiLvA CArLA CAStro dANieL BiCHiNHo iSA BAStoS iNS mAuriCio mArGAridA mArqueS NuNo mArtiNS r iCArdo mAriA rui mArtiNS vANdA mArtiNS BiLHeteirAS \ GArAGem SuL

    ccb / fbrica daS arteS mAdALeNA WALLeNSteiN CoordeNAdorAmANueL moreirA / tNiA Guerreiro / mAriA JoS SoLLAcadeiras de orquestra

  • 100

    ABerturA de BiLHeteirA: 21 de MaroLiNHA de APoio AoS diAS dA mSiCA em BeLm: Tel. 213 612 555 (todoS oS diAS dA SemANA, dAS 10H S 18H).

    O IMPULSOROMNTICO

    19 | 20 | 21 abrilwww.ccb.pt