Cartilha Intoxicacao - Agentes Qumicos

  • Published on
    24-Jun-2015

  • View
    2.245

  • Download
    13

Transcript

e C ol

Doenas e UNIFICADOS Acidentes de Trabalho

o

TEMA 2

2009 Sindicato Qumicos Unificados Campinas - Osasco - Vinhedo

2

COLEO Como controlar o risco....................14 Reconhecimento do risco........................14Avaliao do risco...................................15 Controle do risco.....................................16 Medidas de controle na fonte...................16 Controle na propagao do agente...........18 Medidas de controle relativas ao trabalhador.........................................18

ndiceIntroduo..................................... 05 O que as substncias qumicas podem causar .............................. 06 Danos sade................................. 06Como as substncias podem penetrar no corpo.................................. 06 Como podem afetar............................... 08 Que fatores contribuem para o risco....... 10

Os produtos qumicos..................... 22 Defenda seus direitos e proteja sua sade.........................24 Veja se tem direito a receber o adicional insalubridade......................24 Contato proibido - substncias cancergenas...........................25 a 31 Outros agentes possveis de gerar insalubridade....................32

Fatores ambientais........................ 10 Produto qumico. .............................. 10Condies da exposio no local de trabalho.................................... 12 Caractersticas da exposio.................. 12 Danos ao meio ambiente....................... 13

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

3

ApresentaoO Sindicato Qumicos Unificados desenvolve muitos programas e aes em defesa da sade e da vida dos trabalhadores. E isso fundamental, pois, os patres, sempre com o propsito de acumular lucro a qualquer preo no investindo para que as trabalhadoras e trabalhadores fiquem livres da exposio a risco sade, que podem levar a acidentes, invalidez e mesmo morte. E com o objetivo de divulgar junto categoria informaes e orientaes sobre como bem defender a sade no local de trabalho que o Unificados programou a publicao de uma coleo especial sobre doenas e acidentes de trabalho. O primeiro nmero, em formato de cartilha toda ilustrada, lanada em setembro de 2008, trata de questes relativas LER/DORT (Leses por Esforos Repetitivos ou Distrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), verdadeira epidemia na categoria qumica. Agora, o Sindicato Qumicos Unificados apresenta a segunda cartilha. Ela aborda a intoxicao no local de trabalho, um tema que preocupa muito as trabalhadoras e trabalhadores qumicos. A luta contra a contaminao qumica, humana e ambiental, sempre foi prioridade para o Unificados. Uma delas, que ganhou destaque internacional, a dos ex-trabalhadores contaminados pela Shell Brasil e pela Basf S.A., na planta industrial localizada no bairro Recanto dos Pssaros, em Paulnia. Se houver dvidas, questionamentos ou necessidade de mais informaes, o Sindicato Qumicos Unificados deve ser procurado. O trabalhador vende a fora de trabalho para o patro. Isto no inclui sua sade e nem a vida!

A diretoria

2009

4

COLEOciais. Existem cerca de um a dois milhes de produtos comerciais. Estas substncias esto presentes em vrias atividades dirias, seja no trabalho ou em casa. So usadas para prevenir e controlar doenas, na construo dos objetos, nos alimentos, no ar enfim, em inmeras coisas que facilitam e at permitem a vida. Porm, ao lado dos benefcios que

INtrODUOExistem mais de 20 milhes de substncias qumicas conhecidas, das quais cerca de 200 mil so usadas mundialmente. Estas substncias so principalmente encontradas como misturas em produtos comer-

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOStrazem, podem tambm provocar danos a sade, ao meio ambiente e at incndios e exploses. Para avaliar os benefcios ou os problemas possveis necessrio considerar todo o ciclo de vida da substncia, da produo ao destino final. So muitas as substncias consideradas teis para uma determinada atividade e que se descartadas de

5

forma no apropriada podem provocar graves danos ambientais ou sade. O detergente caseiro um exemplo. muito til para a lavagem de roupas e na cozinha. Porm, se descartado de forma descontrolada nos rios, pode provocar a mortandade de peixes. Outro exemplo so as baterias usadas em celulares e em outros aparelhos portteis. So muito teis para que estes aparelhos funcionem, mas, quando descartadas no lixo comum podem provocar srias contaminaes ambientais devido aos metais txicos usados na sua fabricao. Estes exemplos mostram que o dano que uma substncia qumica pode provocar vai depender de uma srie de fatores. A simples presena da substncia no representa um risco. A substncia em si um fator de risco e, no necessariamente, um risco. O risco que pode vir a apresentar depender de existirem outras condies. Por isso que entendida como risco a possibilidade de uma substncia provocar dano. Por exemplo: se em vez de se jogar as baterias usadas no lixo comum elas serem enviadas para o fabricante para reaproveitamento, no deveria haver risco de contaminao do meio ambiente.

2009

6

COLEOdero causar vo depender do tipo de substncia respirada. Algumas podero provocar irritao j no nariz e na garganta. Outras provocam dor e presso no peito e outras podem ir at o pulmo. As substncias que chegam ao pulmo podem causar problemas como a slica e o amianto que causam a silicose e a asbestose, doenas graves. Estas substncias so normalmente duras e no se dissolvem em gua. Outras substncias que vo at o pulmo podem ou no provocar algum problema. Tambm podem passar para o sangue e serem levadas para outras partes do corpo. o caso do benzeno, por exemplo. Quando respirado, ele chega ao pulmo e passa para o sangue que o carrega at a medula ssea, que o lugar onde o sangue produzido. A, o benzeno pode provocar vrios tipos de danos. Outro modo de contaminao pela pele. A, a substncia qumica pode agir de duas formas: direto na pele ou penetrando nela. Se a substncia for corrosiva, pode provocar queimadura diretamente na pele. Algumas substncias tambm causam reao alrgica e a pele fica cheia de ferimentos ou pode inchar. Outras substncias tm a capaci-

O qUE AS SUbStNCIAS qUmICAS pODEm CAUSAr Danos sadeAs substncias qumicas podem provocar vrios tipos de danos sade. Mas a primeira condio para isso que entrem em contato ou penetrem no corpo.

Como as substncias podem penetrar no corpoNo trabalho, a forma com que mais freqentemente a substncia penetra no corpo pela respirao. Durante a respirao o ar entra pelo nariz e junto com ele podem vir vrias substncias qumicas que estiverem no ambiente. Os danos que as substncias po-

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

7

dade de penetrar atravs da pele. Neste caso, elas entram na corrente sangunea e vo para outras partes do corpo, da mesma forma que na respirao. O dano vai depender do tipo de substncia. Algumas, como o benzeno, provocam problemas na produo do sangue. Outras levam a problemas nos rins, fgado, corao

ou outra parte do corpo. Como a pele razoavelmente resistente, a quantidade de substncia que penetra por ela menor, em geral, do que a que invade pela respirao. Algumas substncias exercem ao irritante ou corrosiva diretamente nos olhos, e outras, como o lcool metlico ou metanol, quando caem no

2009

8

COLEO

olho podem provocar grande irritao levando at a perda da viso. A substncia qumica tambm pode penetrar no corpo pela forma digestiva, isto , pela boca. Em geral, isto ocorre acidentalmente, por contaminao quando se tem o hbito de comer, beber ou fumar no ambiente de trabalho. Por isto, muito importante sempre lavar as mos antes das refeies. Outras formas contaminao por esta via seriam relativas a formas inadequadas de trabalho, como a prtica que ainda se v em alguns laboratrios onde o trabalhador faz transferncia de lquidos sifonandoos (chupando-os) com a boca. o que ocorre tambm, quando se chupa gasolina do carro com um tubinho de plstico. Neste caso, a substncia pode provocar queimadura ou irritao j na boca, ou no caminho entre a boca e o estmago. Algumas no provocam estes tipos de problemas nestes locais, mas, sero levadas pelo sangue para outras partes do corpo. Por isso que depois que se ingere alguma bebida alcolica e ela ser absorvida e o lcool carregado at o sistema nervoso, aparecem os sintomas de bebedeira: tontura, euforia, mudana de personalidade e, muitas vezes, uma grande dor de cabea.

Como podem afetarA ao da substncia no corpo, ento, vai depender muito das suas caractersticas qumicas. Se a substncia for, por exemplo, um cido forte, como o cido muritico usado para limpar restos de cimento quando se faz uma aplicao de cermica no cho, podem ocorrer queimaduras na pele se o cido cair na mo ou outra parte do corpo. Ou queimaduras no nariz e at na garganta se respirado o gs que sai do frasco. Quando usada uma tinta com solvente que tem um cheiro forte, se respirado o vapor que sai da tinta pode-se ter dor de cabea, tontura, enjo, sentir dificuldade para dormir, fraqueza e, com o tempo, perda de memria e outros sintomas. Existem algumas doenas que s vezes s aparecem depois de muitos anos de exposio. Nestes casos, podem surgir problemas na pele, no estmago, rins, fgado e no sangue. Alguns destes problemas, quando descobertos a tempo pelos mdicos, podem ser curados com o simples afastamento do trabalhador do contato com a substncia. Outras vezes, o tratamento mais

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOScomplexo e algumas vezes a descoberta da doena s ocorre em seu estgio avanado. Mas, mesmo no caso das doenas que podem ser curadas com medicamento necessrio que o trabalhador no fique mais em ambiente contaminado. Se assim no for, ele ficar novamente doente, normalmente mais rapidamente

9

do que na primeira vez. E s vezes podem aparecer doenas graves, como o cncer, que nem sempre tem cura. Nem sempre fcil para o mdico descobrir se uma doena devido ao trabalho com um produto qumico. Isto porque os sintomas de muitas intoxicaes so comuns a vrias doenas que no tm origem no

2009

10

COLEOmesmo produto, todos os trabalhadores esto saudveis. E h outras ainda nas quais existem poucos deles com alguma reclamao. Isto ocorre porque o risco de se ter um dano trabalhando com produto qumico depende de vrios fatores.So os chamados de fatores de risco.

trabalho. Por exemplo, se um trabalhador vai ao medico e se queixa de dor de cabea, tontura, que no consegue dormir a noite, que anda muito irritado, o mdico pode achar que ele anda muito cansado, ou com algum problema psicolgico. Mas, s vezes, o que ocorre que o trabalhador pintor e cheira tinta o dia todo. O cheiro da tinta que provoca os sintomas e as queixas. A no adianta tomar remdio. preciso parar de cheirar tinta. Existem formas de se trabalhar sem sentir o cheiro. As intoxicaes qumicas podem ocorrer durante um determinado perodo, mas a doena pode vir a se manifestar em at 20 anos aps a intoxicao.

FAtOrES AmbIENtAISOs fatores ambientais so aqueles que esto presentes no ambiente de trabalho, incluindo os produtos qumicos.

Que fatores contribuem para o riscoMuitas vezes, porm, no ambiente no qual que se trabalha com um tipo de substncia qumica existem muitos trabalhadores doentes, ou pelo menos com queixas. Enquanto isso, em outra empresa que usa o

Produto qumicoComo j visto, o dano possvel depende, em primeiro lugar, do tipo de substncia com a qual se lida. Algumas podero provocar queimaduras, outras irritaes, asfixia (quando a pessoa fica sem poder respirar), problemas na pele, tontura, e em vrias outras partes do corpo que s vezes causam doenas facilmente curveis e outras mais graves, como

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSo cncer, silicose, asbestose, e que causam morte. Outras substncias tambm so causa de incndios ou exploses. Algumas substncias provocam efeitos a curto prazo. Logo que penetram no corpo ou caem sobre a pele j causam danos. o caso de cido forte, que queima a pele logo aps ter cado sobre ela. Outras apresentam efeitos retardados. Os danos s comeam a aparecer aps alguns anos de trabalho, ou mesmo aps a aposentadoria. o caso de grande parte dos casos de cncer. O cncer que provocado pelo amianto, por exemplo, pode aparecer de 15 a at 30 anos aps a exposio. Algumas substncias tm efeitos locais. So as que provocam problemas na pele ou no pulmo, por exemplo. Outras vo provocar leses em alguma parte do corpo. So os chamados efeitos sistmicos, isto , que vo aparecer em algum sistema do organismo: sistema respiratrio, sistema digestivo ou outro. Outras substncias causam intoxicao aguda. Os danos so sentidos assim que o produto penetra no corpo. Este tipo de intoxicao ocorre, por exemplo, quando se entra em um local fechado, como uma garagem,

11

onde um carro ficou funcionando algum tempo. Do escapamento do veculo sai um gs chamado monxido de carbono, que muito txico. Alguns poucos minutos neste ambiente podem provocar desmaio e at a morte. Outras intoxicaes so chamadas de crnicas. Os sintomas no aparecem rapidamente e podem demorar at anos para o surgimento. Normalmente, comeam com sintomas leves e que aumentam com o tempo. o caso dos trabalhadores em fbricas de recuperao de baterias de chumbo. Os danos do chumbo aparecem aps algum tempo e, em geral, so motivos de leves dores no estmago ou outras queixas e que pioram com o tempo. Podem se tornar muito graves se o trabalhador no for diagnosticado, se o mdico no descobrir a causa da doena e no houver o afastamento do trabalho. Pode chegar a provocar danos que deixam o trabalhador sem possibilidade de cura. O esforo fsico exercido durante o trabalho tambm pode aumentar a probabilidade de algum dano. No trabalho leve a respirao menos intensa do que no trabalho pesado. Assim, se houver alguma contaminao no ar, ser respirado muito mais

2009

12

COLEO

dela quando o trabalho pesado do que quando leve.

Condies da exposio no local de trabalhoEntre estes fatores se incluem todas as condies do ambiente de trabalho: a dos equipamentos onde esto os produtos, sua manuteno, se so usado abertos ou fechados, se possuem sistemas de exausto para gases ou poeiras eventualmente formadas, se existem formas seguras para descartar os resduos entre outras condies. Situaes em que possam ocorrer derrames, vazamentos, acidente de transporte como o tombamento de caminho com produto qumico, locais com gases com origem em decomposio como silos de armazenamento de gros, ambientes confinados (fechados) como bueiros, poos, manuseio inadequado, armazenagem inadequada e descarte no apropriado de substncias so alguns dos fatores que aumentam a possibilidade de aparecer um dano sade.

Caractersticas da exposioO risco de o trabalhador apresentar um dano tambm depender da intensidade da exposio ao produto, de sua quantidade que contamina o ar respirado, o quanto cai na pele, ou,

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

13

Danos ao meio ambienteQuando se preocupa em evitar os danos provocados pelos produtos qumicos, deve-se levar em conta tambm o meio ambiente, todo o entorno do local onde o produto utilizado, assim como para onde sero levados os resduos do uso. H necessidade de se evitar que haja contaminao do ar, do solo e da gua. Se o produto qumico vai para o ar, pode ser respirado pelos trabalhadores, mas, a populao vizinha, animais e plantas tambm estaro expostos a danos. Se ele jogado no solo, com a ao do tempo e das condies climticas pode criar problemas. Quando chove, possvel que uma parte penetre na terra e atinja o lenol de gua subterrneo (fretico) que abastece a populao e usado por diversas plantas. O vento carrega parte para outros locais e os contamina. Se jogada no esgoto normal, a substncia qumica chegar a algum rio e matar peixes e plantas, provocar mau cheiro e at contaminar pessoas que utilizam a gua.

ainda, quanto tomado pela boca. Depende tambm do tempo que o trabalhador fica exposto. Quanto maior o tempo de exposio, maior a possibilidade de ocorrncia de dano. Depende ainda da freqncia com que se trabalha com o produto. Quanto mais vezes trabalhar, maior a chance de ficar doente.

2009

14

COLEOqual produto este vem a formar. Se o produto modificado, quais ficam na prpria empresa para uso e quais so vendidos. um direito de todo trabalhador saber quais produtos manipula. Este trabalho de conhecimento vai permitir saber o que existe. Mas, a simples presena do produto qumico, como j foi visto, no significa risco ou possibilidade de acontecer algum dano sade, ao meio ambiente ou acidente. Sabendo o que existe, preciso conhecer que tipo de problemas os produtos podero causar. Que tipo de ao ele provocar no corpo ou no meio ambiente. Ou ainda, se pode explodir ou pegar fogo. Nos produtos prontos e embalados estas informaes esto em seus rtulos. Isto se for um rtulo bem feito. possvel conseguir mais informaes nas Fichas de Informaes de Segurana de Produto Qumico (FISPQ), que devem acompanhar os materiais. Porm, nem sempre se consegue isso, pois, muitas vezes, o produto tem um nome, dado pelo fabricante, que no tem nada a ver com a composio qumica e vendido sem a FISPQ.

A contaminao pode chegar at ao mar, que a levar a lugares bastante distantes. J foram encontradas contaminaes em pinguins do Plo Sul, onde praticamente no se usa produto qumico.

COmO CONtrOLAr O rISCOControlar o risco significa diminuir e, se possvel, eliminar a possibilidade do produto qumico vir a provocar algum dano. No entanto, s possvel controlar aquilo que conhecido. Ento, a primeira ao o reconhecimento dos riscos presentes no ambiente de trabalho.

Reconhecimento do risco preciso conhecer quais os produtos qumicos que esto na empresa, se so usados como chegam ou se so modificados. Quando modificados, que outros produtos foram formados. preciso tambm saber se sobra algum resduo, e

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSIsso exige procurar saber a composio por outras formas: fazendo contato com o fabricante, com alguma associao de fabricantes, consultando instituio pblica como a Fundao Jorge Duprat Figueiredo de Segurana e Medicina do Trabalho (Fundacentro) ou algum centro de atendimento de intoxicaes ou de sade do trabalhador. Este trabalho pode ser ajudado pelo sindicato. Quando o produto fabricado na empresa para seu prprio uso, ou quando se forma algum resduo para ser descartado, as informaes sobre a substncia devem ser procuradas em livros e banco de dados que podem ser encontrados na internet ou biblioteca especializada.

15

Avaliao do riscoDepois de saber o que existe e o que as substncias podem causar, necessrio avaliar o risco. Se o risco pequeno, mdio ou grande. O risco, como j visto, depende de uma srie de fatores. Nem sempre se consegue conhecer bem as substncias. E, alm do tipo, necessrio conhecer como elas so recebidas na empresa,

onde e como so guardadas, como so usadas, como os resduos so jogados fora ou, se so vendidas, como so guardadas at a venda e como so transportadas tanto dentro da empresa at a entrega ao comprador. preciso tambm se informar sobre as queixas e sintomas que os trabalhadores relatam, como so suas atividades, qual a durao da jornada de trabalho, se em turnos, qual a atividade fsica, hbitos de higiene, se h revezamento no trabalho, se usa algum Equipamento de Proteo Coletiva (EPC) ou Individual (EPI), se existe informao de algum trabalhador doente ou afastado por acidente com produto qumico no local. O conhecimento dos fatores relacionados empresa tambm ajudam a saber se o trabalhador corre algum risco. E estes dados devem ser levados em considerao. s vezes preciso fazer alguma avaliao com aparelhos especiais para saber qual a quantidade de substncia qumica presente no ar que o trabalhador respira. a chamada avaliao quantitativa, feita por pessoal especializado. Ela, porm, uma avaliao cara e que, quando necessria, deve ser

2009

16

COLEO

custeada pela empresa. A avaliao quantitativa pode fornecer informao importante sobre os sistemas de controle instalados, como exaustores, cabines fechadas etc. Permite saber se esto funcionando bem ou no. Se o trabalhador tiver os dados citados acima poder saber o quanto est exposto ao produto. Isto o ajuda a saber se corre risco de sofrer algum acidente ou dano sade. Feita a avaliao de risco, preciso saber como controlar.

Medidas de controle na fonteA medida mais eficiente de controle a substituio do produto perigoso por outro menos perigoso. Sempre que possvel deve-se procurar substituir o produto. Por exemplo: em vez de lavar as mos cheias de graxa com gasolina, usar gua e sabo. Graxa e mesmo sujeira de tinta tambm podem ser tiradas com pano ou algodo embebido em leo de cozinha. E depois lavar as reas com gua e sabo. Quando no d para substituir o produto deve-se fazer a substituio ou a modificao de processos e de equipamentos. Por exemplo: quando necessrio o uso de uma empilhadeira em ambientes fechados, prefervel que ela seja eltrica a motor a combusto. Quando ocorre queima do combustvel para a empilhadeira funcionar gases txicos so produzidos, soltos no ar, e sero respirados pelos trabalhadores. Claro que neste caso preciso verificar se a eletricidade no ir causar um outro risco, como em ambientes com vapores de solventes.

Controle do riscoPara que o controle do risco seja eficiente preciso primeiro restringir sua manipulao, para que ele no se espalhe pelo ambiente (medidas de controle na fonte). Se no for possvel, preciso evitar que entre em contato com o trabalhador (medidas de controle na propagao do produto no ambiente) e, finalmente, caso isto tambm no seja possvel, ainda, a soluo proteger diretamente o trabalhador (medidas no trabalhador).

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

17

Outra forma importante de diminuio do risco na fonte fazer o controle e manuteno de processos e equipamentos. O controle de equipamentos, como, por exemplo, o ajuste de motores que funcionam com gasolina ou leo diesel, permite que se libere menos substncia

poluente para o ambiente. A manuteno no deve ser feita s quando o equipamento estiver vazando ou quebrar. preciso fazer sempre manuteno preventiva, isto , de tempos em tempos, mesmo que o aparelho ainda no apresente problemas.

2009

18

COLEO

Controle na propagao do agentePara evitar que a substncia se esparrame pelo ambiente possvel trabalhar de vrias formas. Uma delas colocar algum tipo de ventilao. Esta ventilao pode ser feita com trabalho em local bem aberto, sem paredes, como um galpo, ou com portas e janelas abertas, ou ainda com a ajuda de ventilador. Este processo chamado de ventilao geral ou diluidora. A ventilao tambm pode ser feita colocando um exaustor em cima da fonte, isto no lugar de onde o produto qumico pode sair, a chamada ventilao local exaustora. Pode-se tambm fazer um isolamento. A fonte de produto qumico isolada ao se coloc-la em um lugar fechado, ou isolar o trabalhador, fazendo com que ele fique dentro de uma cabine de operao. Deixar a fonte longe do trabalhador tambm alternativa. O trabalho com produtos perigosos deve ser realizado em momentos e locais onde houver o menor nmero possvel de trabalhadores.

Medidas de controle relativas ao trabalhadorAs medidas de controle diretamente sobre o trabalhador precisam complementar as medidas ambientais. Os trabalhadores no podem ser vistos como os principais responsveis na preveno dos acidentes e doenas. Raramente estes tipos de medidas substituem as relativas ao ambiente de trabalho. Veja as medidas relativas ao prprio trabalhador: l Limitao no tempo de exposio; l Educao; l Capacitao; l Vigilncia mdica; l ltimo recurso equipamento de proteo individual (EPI) Limitao do tempo significa fazer com que o trabalhador fique menos tempo exposto ao produto perigoso. Isto pode ocorrer por meio da diminuio da jornada ou da rotao das pessoas que trabalham com

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

19

o produto. Esta medida pode, em alguns casos, diminuir o risco de aparecimento de danos, mas, no muito eficiente para alguns tipos de substncias como as que provocam cncer ou reaes alrgicas. Uma substncia cancergena pode provocar o desenvolvimento de cncer mesmo que o trabalhador fique exposto a pequenas quantidades. Em relao s substncias que provocam alergia, depois que o trabalhador j

ficou alrgico qualquer quantidade dela far com que os sintomas apaream. Os trabalhadores devem receber orientao sobre como evitar se intoxicar com o produto. Ele precisa ser informado sobre: l Medidas de higiene pessoal e das roupas; l Lavagem das mos antes de se alimentar;

2009

20

COLEOl Prticas adequadas de trabalho para armazenamento, transporte, manuseio, descarte ou derrame acidental de produtos qumicos; l Procedimentos que assegurem a eficincia das medidas de controle e sobre as eventuais limitaes da proteo que ofeream; l Leitura e compreenso dos rtulos dos produtos; l Uso de fichas de segurana de leitura fcil e compreensvel e mantidas sua disposio; l Primeiros socorros; l Uso adequado de equipamento de proteo individual (EPI); l Combate a incndio. Os trabalhadores precisam tambm da chamada vigilncia mdica. Devem passar por exame mdico admissional, peridico e demissional. Estes exames devem ser feitos de forma apropriada para possibilitar que qualquer alterao de sade seja percebida o mais cedo possvel. Devem tambm ajudar a identificar possveis trabalhadores mais sensveis ao produto usado, alm de facilitar a descobrir mudanas na sade, mesmo que no sejam devido ao trabalho. Os exames que o trabalhador deve fazer dependem dos materiais com que

l Banho e troca de roupa aps a jornada de trabalho (s vezes necessrio mesmo antes das refeies); l Nunca comer, fumar ou beber no ambiente de trabalho; l Nunca levar roupas ou outros materiais contaminados para casa. A empresa deve fornecer instalaes adequadas para as refeies, e os banheiros. Caso contrrio, de nada vale orientar sobre a necessidade de higiene se os trabalhadores so obrigados a comer em locais sujos e sem banheiros limpos para usar. Ela precisa tambm providenciar a lavagem e troca constante de roupas contaminadas. Os trabalhadores no devem levar para casa roupa contaminada, que poder atingir toda sua famlia. Outro fator importante e que nunca deve ser deixado para trs a capacitao do trabalhador para manusear com o produto perigoso. Todo trabalhador tm o direito de conhecer os riscos a que est exposto no ambiente de trabalho. E de ser capacitado adequadamente para evitar a exposio, ou pelo menos minimiz-la, quando isso dele depender. O trabalhador deve receber orientao sobre:

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOStrabalha e dos outros fatores de risco que podem estar no ambiente. Por isso, o mdico da empresa deve fazer o Programa de Controle Mdico de Sade Ocupacional (PCMSO) levando em conta os fatores realmente existentes. Estes fatores deveriam estar relacionados no Programa de Preveno de Riscos Ambientais (PPRA). O EPI s deve ser usado como ltimo recurso, quando todas as outras medidas no puderem ser feitas. Por isso ele s deve ser indicado para operaes espordicas, isto , feita uma vez ou outra, por exemplo: para trabalhos de manuteno, quando apenas um ou

21

poucos trabalhadores esto expostos, ou ainda como soluo temporria para casos de emergncia. Mas quando o EPI for necessrio preciso que ele seja de muito boa qualidade, prprio para o agente qumico presente no ambiente e que os trabalhadores saibam us-lo de forma certa. Eles devem estar sempre limpos. E como so equipamentos de proteo individual preciso que cada trabalhador tenha o seu prprio EPI. Alm disso, o EPI uma soluo temporria, para usar enquanto se providencia o EPC (Equipamento de Proteo Coletiva).

2009

22

COLEO

OS prODUtOS qUmICOSVeja a seguir a lista com os produtos mais freqentes a que as trabalhadoras e trabalhadores esto expostos na indstria qumica.

tabela 1 poluentes OrgnicosSubstncia poluenteAminas aromticas Amnia

De onde vemIndstria qumica Utilizada como matria-prima na indstria de fertilizantes e outras

EfeitosCncer de bexiga Reaes inflamatrias agudas nos olhos, nariz, laringe e traqueia at obstruo das vias areas; edema pulmonar e hemorragia Cncer de fgado; aborto; defeitos em recm-nascido Leucemia (cncer do sangue); leucopenia, anemia e plaquetopenia; distrbios do comportamento Cncer de fgado Conjuntivite; dor de garganta; dor torcica; falta de ar; tosse; expectorao rsea; asfixia e edema pulmonar Cncer; irritao dos olhos, nariz e garganta e crise de bronquite

Ascarel (polifenila bicromada) Benzeno

Utilizado em transformadores de energia eltrica Refinarias de petrleo; siderrgicas (coqueria) e indstria qumica Indstria qumica e de plsticos Acidentes nas indstrias ou no transporte de produtos clorados

Cloreto de vinila Cloro (Cl2)

Formaldedo

Matria-prima da indstria qumica e txtil; presente em colas, compensados, fibras plsticas e forros de tapetes Solventes; tintas; colas; resinas e cosmticos

Tolueno e xileno

Irritao dos olhos, nariz e garganta

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

23

tabela 2 metais pesadosSubstncia poluenteAlumnio

De onde vemProduo de artefatos de alumnio; serralheria; soldagem e de medicamentos (anticidos) e tratamento convencional de gua Metalurgia; manufatura de vidros e fundio Soldas; tabaco; baterias e pilhas Fabricao e reciclagem de baterias de autos; indstria de tintas; pintura em cermica; soldagem Preparo de ferramentas de corte e furadoras Indstria de corantes, esmaltes, tintas, ligas com ao e nquel; cromagem de metais Veneno para baratas; rodenticidas (tipo de inseticida usado na lavoura) e fogos de artifcio Moldes industriais; certas indstrias de cloro-soda; garimpo de ouro; lmpadas fluorescentes Baterias; aramados; fundio e niquelagem de metais; refinarias Vapores (de cobre, cdmio, ferro, mangans, nquel e zinco) da soldagem industrial ou da galvanizao de metais

EfeitosAnemia por deficincia de ferro; intoxicao crnica

Arsnico Cdmio Chumbo

Cncer (seios paranasais) Cncer de pulmes e prstata; leso nos rins Saturnismo (clicas abdominais, tremores, fraqueza muscular, leso renal e cerebral) Fibrose pulmonar (endurecimento do pulmo) que pode levar morte Asma (bronquite); cncer

Cobalto Cromo

Fsforo amarelo

Nuseas; gastrite; odor de alho; fezes e vmitos fosforescentes; dor muscular; torpor; choque; coma e at morte Intoxicao do sistema nervoso central Cncer de pulmo e seios paranasais Febre dos fumos metlicos (febre, tosse, cansao e dores musculares) parecido com pneumonia

Mercrio

Nquel Fumos metlicos

2009

24

COLEO

DEFENDA SEUS DIrEItOS E prOtEjA SUA SADEVeja se tem direito a receber o adicional insalubridadeVrios companheiros e companheiras constantemente procuram o sindicato para obter informaes se tm ou no direito a receber o adicional insalubridade devido atividade que exercem e aos produtos que manipulam ou a que esto expostos. Nossa luta sempre tem sido no caminho da eliminao dos riscos no local de trabalho, para que ningum exponha sua sade e sua vida a riscos. Entretanto, muitas empresas, alm de continuarem a expor os trabalhadores ao risco ocupacional, ainda arranjam inmeras formas ou despistes para no pagar o adicional a que tm direito, conforme garantido no acordo coletivo e na legislao. Para melhor se preparar no enfrentamento desta questo, o Sindicato Qumicos Unificado realizou um curso e treinamento para seus dirigentes, no qual um engenheiro do trabalho deu informaes e orientaes sobre a insalubridade no local de trabalho. Nas pginas seguintes, veja uma lista com alguns produtos qumicos e atividades que podem gerar a insalubridade, que deve ser comprovada por laudo tcnico. Alm destes, podem existir ainda outras causas mais como o rudo e o calor. Se voc tem alguma dvida sobre a questo insalubridade ou contaminao em seu local de trabalho, procure imediatamente um dirigente do Unificados nas regionais de Campinas, Osasco ou Vinhedo. Voc receber todas as orientaes e informaes necessrias para defender seus direitos, principalmente sua sade e sua vida.

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

25

CONtAtO prOIbIDO - SUbStNCIAS CANCErgENASPara as seguintes substncias ou processos no permitida nenhuma exposio ou contato, por qualquer via:

l Amido difenil (p-xenilamina). l Produo de Benzidina. l Betanaftilamina. l Nitrodifenil. Nenhuma exposio ou contato significa tornar hermtico, bem fechado, o processo ou operao, por meio dos melhores mtodos prati-

2009

26

COLEO

cveis de engenharia, sendo que o trabalhador deve ser protegido adequadamente de modo a no permitir nenhum contato com a substncia causadora de cncer. Sempre que os processos ou operaes que envolvem as quatro substncias citadas no forem hermetizados, ser considerada como situao de risco grave e iminente para o trabalhador, alm de insalubridade de grau mximo.

Insalubridade de grau mdiol Bronzeamento em negro e verde com compostos de arsnico. l Conservao e peles e plumas; depilao de peles base de compostos de arsnico. l Descolorao de vidros e cristais base de compostos de arsnico. l Emprego de produtos parasiticidas, inseticidas e raticidas base de compostos de arsnico. l Fabricao de cartas de jogar, papis pintados e flores artificiais base de compostos de arsnico. l Metalurgia de minrios arsenicais (ouro, prata, chumbo, zinco, nquel, antimnio, cobalto e ferro). l Operaes de galvanotcnica base de compostos de arsnico. l Pintura manual (pincel, rolo e escova) com pigmentos de compostos de arsnico em recintos limitados ou fechados, exceto com pincel capilar.

ArsnicoInsalubridade de grau mximol Extrao e manipulao de arsnico e preparao de seus compostos. Fabricao e preparao de tintas a base de arsnico. l Fabricao de produtos parasiticidas, inseticidas e raticidas contendo compostos de arsnico. l Pintura a pistola com pigmentos de compostos de arsnico, em recintos limitados ou fechados. l Preparao do Secret. l Produo de trixido de arsnico.

Insalubridade de grau mnimol Empalhamento de animais

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSbase de compostos de arsnico. l Fabricao de tafet sire. l Pintura a pistola ou manual com pigmentos de compostos de arsnico ao ar livre.

27

fcies nas operaes a seco, com britadores, peneiras, classificadores, carga e descarga de silos, de transportadores de correia e de telefrreos.

CarvoInsalubridade de grau mximol Trabalho permanente no subsolo em operaes de corte, furao e desmonte, de carregamento no local de desmonte, em atividades de manobra, nos pontos de transferncia de carga e de viradores.

ChumboInsalubridade de grau mximol Fabricao de compostos de chumbo, carbonato, arseniato, cromato mnio, litargrio e outros. l Fabricao de esmaltes, vernizes, cores, pigmentos, tintas, ungentos, leos, pastas, lquidos e ps base de compostos de chumbo. l Fabricao e restaurao de acumuladores, pilhas e baterias eltricas contendo compostos de chumbo. l Fabricao e emprego de chumbo tetraetila e chumbo tetrametila. l Fundio e laminao de zinco velho, cobre e lato. l Limpeza, raspagem e reparao de tanques de mistura, armazenamento e demais trabalhos com gasolina contendo chumbo tetraetila. l Pintura a pistola com pigmentos de compostos de chumbo em re-

Insalubridade de grau mdiol Demais atividades permanentes do subsolo compreendendo servios, tais como: operaes de locomotiva, condutores, engatadores, bombeiros, madeireiros, trilheiros e eletricistas.

Insalubridade de grau mnimol Atividades permanentes de super-

2009

28

COLEOl Fabricao de cromatos e bicromatos. l Pintura a pistola com pigmentos de compostos de cromo, em recintos limitados ou fechados.

cintos limitados ou fechados. l Vulcanizao de borracha pelo litargrio ou outros compostos de chumbo. l Insalubridade de grau mdio l Aplicao e emprego de esmaltes, vernizes, cores, pigmentos, tintas, ungentos, leos, pastas, lquidos e ps base de compostos de chumbo. l Fabricao de porcelana com esmaltes de compostos de chumbo. l Pintura e decorao manual (pincel, rolo e escova) com pigmentos de compostos de chumbo (exceto pincel capilar), em recintos limitados ou fechados. l Tinturaria e estamparia com pigmentos base de compostos de chumbo.

Insalubridade de grau mdiol Cromagem eletroltica dos metais. l Fabricao de palitos fosfricos base de compostos de cromo (preparao da pasta e trabalho nos secadores). l Manipulao de cromatos e bicromatos. l Pintura manual com pigmentos de compostos de cromo em recintos limitados ou fechados (exceto pincel capilar). l Preparao por processos fotomecnicos de clichs para impresso base de compostos de cromo. l Tanagem a cromo.

Insalubridade de grau mnimol Pintura a pistola ou manual com pigmentos de compostos de chumbo ao ar livre.

FsforoInsalubridade de grau mximol Extrao e preparao de fsforo

CromoInsalubridade de grau mximo

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSbranco e seus compostos. l Fabricao de defensivos fosforados e organofosforados. l Fabricao de projteis incendirios, explosivos e gases asfixiantes base de fsforo branco. l Insalubridade de grau mdio l Emprego de defensivos organofosforados. l Fabricao de bronze fosforado. l Fabricao de mechas fosforadas para lmpadas de mineiros.

29

das de hidrocarbonetos cclicos. l Pintura a pistola com esmaltes, tintas, vernizes e solventes contendo hidrocarbonetos aromticos.

Insalubridade de grau mdiol Emprego de defensivos organoclorados: DDT (diclorodifeniltricloretano) DDD (diclorodifenildicloretano), metoxicloro (dimetoxidifeniltricloretano), BHC (hexacloreto de benzeno) e seus compostos e ismeros. l Emprego de defensivos derivados do cido carbnico. l Emprego de aminoderivados de hidrocarbonetos aromticos (homlogos da anilina). l Emprego de cresol, naftaleno e derivados txicos. l Emprego de isocianatos na formao de poliuretanas (lacas de desmoldagem, lacas de dupla composio, lacas protetoras de madeira e metais, adesivos especiais e outros produtos base de poliisocianetos e poliuretanas). l Emprego de produtos contendo hidrocarbonetos aromticos como solventes ou em limpeza de peas.

Hidrocarbonetos e outros compostos de carbonoInsalubridade de grau mximol Destilao do alcatro da hulha. l Destilao do petrleo. l Manipulao de alcatro, breu, betume, antraceno, leos minerais, leo queimado, parafina ou outras substncias cancergenas afins. l Fabricao de fenis, cresis, naftis, nitroderivados, aminoderivados, derivados halogenados e outras substncias txicas deriva-

2009

30

COLEOmanentes no subsolo, em minas e tneis (operaes de corte, furao, desmonte, carregamentos e outras atividades exercidas no local do desmonte e britagem no subsolo). l Operaes de extrao, triturao e moagem de talco. l Fabricao de material refratrio, como refratrios para frmas, chamins e cadinhos; recuperao de resduos.

l Fabricao de artigos de borracha, de produtos para impermeabilizao e de tecidos impermeveis base de hidrocarbonetos. l Fabricao de linleos, celulides, lacas, tintas, esmaltes, vernizes, solventes, colas, artefatos de ebonite, guta-percha, chapus de palha e outros base de hidrocarbonetos. l Limpeza de peas ou motores com leo diesel aplicado sob presso (nebulizao). l Pintura a pincel com esmaltes, tintas e vernizes em solvente contendo hidrocarbonetos aromticos.

Operaes diversasInsalubridade de grau mximoOperaes com cdmio e seus compostos, extrao, tratamento, preparao de ligas, fabricao e emprego de seus compostos, solda com cdmio, utilizao em fotografia com luz ultravioleta, em fabricao de vidros, como antioxidante, em revestimentos metlicos, e outros produtos.

FsforoInsalubridade de grau mximol Fabricao e manipulao de compostos orgnicos de mercrio.

SilicatosInsalubridade de grau mximol Operaes que desprendam poeira de silicatos em trabalhos per-

Operaes com as seguintes substnciasl ter bis (clorometlico).

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSl Benzopireno. l Berlio. l Cloreto de dimetilcarbamila. l Diclorobenzidina. l Dixido de vinil ciclohexano. l Epicloridrina. l Hexametilfosforamida. l Metileno bis (2-cloro anilina). l Metileno dianilina. l Nitrosaminas. l Propano sultone. l Betapropiolactona. l Tlio. l Produo de trixido de amnio ustulao de sulfeto de nquel.

31

l Operaes com bagao de cana nas fases de grande exposio poeira. l Operaes de galvanoplastia: dourao, prateao, niquelagem, cromagem, zincagem, cobreagem, anodizao de alumnio. l Telegrafia e radiotelegrafia, manipulao em aparelhos do tipo Morse e recepo de sinais em fones. l Trabalhos com escrias de Thoms: remoo, triturao, moagem e acondicionamento. l Trabalho de retirada, raspagem a seco e queima de pinturas. l Trabalhos na extrao de sal (salinas). l Fabricao e manuseio de lcalis custicos. l Trabalhos em convs de navios.

Insalubridade de grau mdiol Aplicao a pistola de tintas de alumnio. l Fabricao de ps de alumnio (triturao e moagem). l Fabricao de emetina e pulverizao de ipeca. l Fabricao e manipulao de cido oxlico, ntrico sulfrico, bromdrico, fosfrico, pcrico. l Metalizao a pistola. l Operaes com o timb.

Insalubridade de grau mnimol Fabricao e transporte de cal e cimento nas fases de grande exposio a poeiras. l Trabalhos de carregamento, descarregamento ou remoo de enxofre ou sulfitos em geral, em sacos ou a granel.

2009

32

COLEO

Outros agentes possveis de gerar insalubridadel Poeiras minerais

Slica livre cristalizadal Sempre ser entendido que quartzo significa slica livre cristalizada.

Agentes qumicosl Acetaldedo l Acetato de cellosolve l Acetato de ter monoetlico de etileno glicol l Acetato de etila l Acetato de 2- etxi etila l Acetileno l Acetona l Acetonitrila l cido actico l cido ciandrico l cido clordrico l cido crmico (nvoa) l cido etanico l cido fluordrico l cido frmico l cido metanico l Acrilato de metila l Acrilonitrila l lcool isoamlico l lcool n-butlico l lcool isobutlico l lcool sec-butlico (2-butanol) l lcool terc-butlico

Asbestol Aplica-se a todas e quaisquer atividades nas quais os trabalhadores esto expostos ao asbesto no exerccio do trabalho.

mangans e seus compostosl O limite de tolerncia para as operaes com mangans e seus compostos referente extrao, tratamento, moagem, transporte do minrio, ou ainda a outras operaes com exposio a poeiras do mangans ou de seus compostos de at 5mg/m3 no ar, para jornada de at 8 (oito) horas por dia. l O pagamento do adicional de insalubridade por parte do empregador no o desobriga da adoo de medidas de preveno e controle que visem minimizar os riscos dos ambientes de trabalho.

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOSl lcool etlico l lcool furfurlico l lcool metil amlico l lcool metlico l lcool n-proplico l lcool isoproplico l Aldedo actico l Aldedo frmico l Amnia l Anidro sulfuroso l Anilina l Argnio l Arsina (arsenamina) l Brometo de etila l Brometo de metila l Bromo l Bromoetano l Bromofrmio l Bromometano l Butadieno l Butano l Butano l sec-Butanol l Butanona l Butanotiol l Butilamina l Butil cellosolve l Butil mercaptana l Butxi etanol l Cellosolve l Chumbo l Cianeto de metila l Cianeto de vinila l Cianognio l Ciclohexano l Ciclohexanol l Ciclohexilamina l Cloreto de carbonila l Cloreto de etila l Cloreto de fenila l Cloreto de metila l Cloreto de metileno l Cloreto de vinila l Cloreto de vinilideno l Cloro l Clorobenzeno l Clorobromometano l Cloroetano l Cloroetlico l Clorodifluometano (freon 22) l Clorofrmio l Cloro - nitropropano l Cloroprene l Cumeno l Decaborano l Demeton l Diamina Dibramoetano l Diclorobenzeno l Diclorodifluormetano (freon 12) l Dicloroetano l Dicloroetano l Dicloreotileno

33

l Dicloroetileno l Diclorometano l Dicloro - nitroetano l Dicloropropano l Diclorotetrafluoretano (freon 114) l Dietil amina l Dietil l Diisocianato de tolueno (TDI) l Diisopropilamina l Dimetilacetamida l Dimetilamina l Dimetiformamida l Dimetil hidrazina l Dixido de carbono l Dixido de cloro l Dixido de enxofre l Dixido de nitrognio l Dissulfeto de carbono l Estibina l Estireno l Etanol l Etano l Etanol l Etanotiol l ter decloroetlico l ter etlico l ter monobutlico do etileno glicol l ter monoetlico do etileno glicol

2009

34

COLEOl Mercrio (todas as formas, exceto orgnicas) l Metacrilato de metila l Metano l Metanol l Metilamina l Metil cellosolve l Metil ciclohexanol l Metilclorofrmio l Metil demeton l Metil etil cetona l Metil isobutilcarbinol l Metil mercaptana (metanotiol) l Metoxi etanol l Monometil hidrazina l Monxido de carbono l Negro de fumo l Nenio l Nquel carbonila (nquel tetracarbonila) l Nitrato de n-propila l Nitroetano l Nitrometano l Nitropropano l xido de etileno l xido ntrico (NO) l xido nitroso (N2O) l Ozona l Pentaborano l n-Pentano l Percloroetleno l Piridina l n-Propano l n-Propanol l Iso-Propanol l Propanona l Propileno l Propileno imina l Sulfato de dimetila l Sulfeto de hidrognio l Systox l Tetrabromoetano l Tetracloreto de carbono l Tetracloroetano l Tetracloroetileno l Tetrahidrofurano l Tolueno (toluol) l Tolueno - diisocianato (TDI) l Tribromometano l Tricloreto de vinila l Tricloroetano l Tricloroetano l Tricloroetileno l Triclorometano l Tricloropropano l Tricloro - trifluoretano (freon 113) l Trietilamina l Trifluormonobramometano l Vinibenzeno l Xileno (xilol)

l ter monometlico do etileno glicol l Etilamina l Etilbenzeno l Etileno l Etilenoimina l Etil mercaptana l Etil morfolina l Etoxietanol l Fenol l Fluortriclorometano (freon 11) l Formaldedo (formol) l Fosfina (fosfamina) l Fosgnio l Freon l Freon 12 l Freon 22 l Freon 113 l Freon 114 l Gs amonaco l Gs carbnico l Gs ciandrico l Gs clordrico l Gs sulfdrico l Hlio l Hidrazina l Hidreto de antimnio l Hidrognio l Isobutanol l Isopropilamina l Isopopil benzeno

INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO

UNIFICADOS

35

bibliografial Cadernos de Sade do Tra-

balhador, Riscos Devido a Substncias Qumicas Instituto Nacional de Sade no Trabalho (INST) junho/2000.l Revista Meio Ambiente, Sa-

de e Trabalho Central nica dos Trabalhadores (CUT) - Rio de Janeiro/2000.l Riscos Qumicos- Fundao

Jorge Duprat Figueiredo de Segurana e Medicina do Trabalho (Fundacentro)- So Paulo/1995.

EXpEDIENtEA COLEO - DOENAS E ACIDENTES DE TRABALHO uma publicao do Sindicato Qumicos Unificados (Campinas, Osasco e Vinhedo). O TEMA 2 - INTOXICAO NO LOCAL DE TRABALHO foi compilado e organizado pelo gestor ambiental Jos Vitor Charaba e revisado pelo doutor Roberto C. Ruiz, consultor em Medicina do Trabalho. Contatos: Regional Campinas - fone (19) 3735.4900; Regional Osasco - fone (11) 3608.5411; Regional Vinhedo (19) 3876.2915quimicosunificados@quimicosunificados.com.br www.quimicosunificados.com.br

2009

Sindicato Qumicos UnificadosCampinas - Osasco - Vinhedo

www.quimicosunificados.com.br