Carta de Marcos Bagno

  • Published on
    04-Aug-2015

  • View
    332

  • Download
    95

Transcript

1http://www.marcosbagno.com.br/art_carta_urgente.htm Site Visitado em 03 de outubro de 2007. Carta de Marcos Bagno para a revista Veja So Paulo, 4 de novembro de 2001 Sr. Editor, Em 1990, o lingista e educador britnico Michael Stubbs escrevia que "toda a rea da lngua na educao est impregnada de supersties, mitos e esteretipos, muitos dos quais tm persistido por sculos e, s vezes, com distores deliberadas dos fatos lingsticos e pedaggicos por parte da mdia". triste constatar que essas palavras, publicadas h mais de uma dcada, se aplicam com preciso impressionante ao que ainda ocorre hoje em dia no Brasil. Afinal, de que outro modo qualificar a reportagem de capa do nmero 1725 de VEJA seno como uma srie de "distores deliberadas dos fatos lingsticos e pedaggicos por parte da mdia"? O texto assinado pelo Sr. Joo Gabriel de Lima demonstra o quanto nossos meios de comunicao de massa se encontram, perdoe-me o lugar-comum, na contramo da Histria quando o assunto lngua. H um absoluto despreparo de jornalistas e comunicadores para tratar do tema (um exemplo gritante disso veio a pblico em outra edio recente de VEJA, a de nmero 1710, com a reportagem "Todo mundo fala assim"). Se falo de contramo porque - passados mais de cem anos de surgimento, crescimento e afirmao da Lingstica moderna como cincia autnoma -, a mdia continua a dar as costas investigao cientfica da linguagem, preferindo consagrar-se divulgao e sustentao das "supersties, mitos e esteretipos" que circulam na sociedade ocidental h mais de dois mil anos. Isso ainda mais surpreendente quando se verifica que, na abordagem de outros campos cientficos, os meios de comunicao se mostram muito mais cuidadosos e atenciosos para com os especialistas da rea. Quando o assunto lngua, porm, o espao maior invariavelmente ocupado por alguns oportunistas que, apoderando-se inteligentemente dessas "supersties, mitos e esteretipos", conseguem transformar esse folclore lingstico em bens de consumo que lhes rendem muito lucro financeiro, alm de fama e destaque na mdia. Basta comparar o espao dedicado, no ltimo nmero de VEJA, ao Prof. Luiz Antnio Marcuschi (reconhecido quase unanimemente hoje no Brasil como o nome mais importante da cincia lingstica entre ns) e aos atuais pregadores da tradio gramatical que infestam o quotidiano dos brasileiros com suas quinquilharias multimiditicas sobre o que "certo" e "errado" na lngua. Seria espantoso ver uma matria de VEJA em que aparecessem zologos falando mal da Biologia, ou engenheiros criticando a Fsica, ou cirurgies maldizendo da Medicina. No entanto, ningum se espanta (e muitos at aplaudem) quando o Sr. Joo Gabriel de Lima, fazendo eco aos detratores da Lingstica (como o Sr. Pasquale Cipro Neto), fala da existncia de "certa corrente relativista" e escreve absurdos como "trata-se de um raciocnio torto, baseado num esquerdismo de

2meia-pataca, que idealiza tudo o que popular - inclusive a ignorncia, como se ela fosse atributo, e no problema, do 'povo'. O que esses acadmicos preconizam que os ignorantes continuem a s-lo." Seria muito fcil retrucar que estamos aqui diante de um "direitismo de meia-pataca" que acredita na existncia de uma "ignorncia popular", mas, como cientista, prefiro recorrer a outro tipo de argumento, baseado na reflexo terica serena e na experincia conjunta de muitas pessoas que h anos se dedicam ao estudo e ao ensino da lngua portuguesa no Brasil. Segundo a reportagem, as crticas que o Sr. Pasquale Cipro Neto recebe dessa "corrente relativista" deixam-no "irritado". Ora, o que parece realmente irritar o Sr. Pasquale o fato de que, apesar de obter tanto sucesso entre os leigos, nada do que ele diz ou escreve levado a srio nos centros de pesquisa cientfica sobre a linguagem, sediados nas mais importantes universidades do Brasil - centros de pesquisa lingstica, diga-se de passagem, reconhecidos internacionalmente como entre alguns dos melhores do mundo (Unicamp, USP, Unesp, UFRGS, UFPE entre outras). Muito pelo contrrio, se o nome do Sr. Pasquale mencionado nas nossas universidades, sempre como exemplo de uma atitude anticientfica dogmtica e at obscurantista no que diz respeito lngua e seu ensino (em vrios de seus artigos em jornais e revistas ele j chamou os lingistas de "idiotas", "ociosos", "defensores do vale-tudo" e "deslumbrados"). Se o Sr. Pasquale se irrita com os cientistas da linguagem, porque sabe que no tem como responder s crticas que recebe por parte dos pesquisadores, dos tericos e dos educadores empenhados num conhecimento maior e melhor da realidade lingstica do nosso pas. Digo isso com base na experincia de j ter participado de trs debates junto com o Sr. Pasquale e ter conhecido sua estratgia de nunca responder com argumentos consistentes s crticas a ele dirigidas, preferindo sempre retrucar com arrogncia, prepotncia, grosserias e ataques pessoais (chamando os lingistas de "ortodoxos" - seja isso l o que for - e de "bichos-grilos") ou fazendo-se de vtima de alguma perseguio (num desses encontros ele declarou sentir-se como um "boi de piranha"). A razo para essa falta de argumentos consistentes muita simples: o Sr. Pasquale no tem formao cientfica para tratar dos assuntos de que trata. Suas opinies se baseiam exclusivamente na arcaica doutrina gramatical normativo-prescritiva, cuja inconsistncia terica e cujos problemas epistemolgicos graves vm sendo demonstrados e criticados pela Lingstica moderna desde pelo menos o final do sculo XIX. As concepes do Sr. Pasquale de "certo" e de "errado" esto em franca oposio, no s com as teorias cientficas mais atuais, mas at mesmo com a postura investigativa dos gramticos profissionais de slida formao filolgica (coisa que ele definitivamente no ), para no mencionar as diretrizes pedaggicas das instncias superiores da Educao nacional. O documento do Ministrio da Educao chamado Parmetros Curriculares Nacionais, por exemplo, bem explcito em seu volume dedicado ao ensino da lngua portuguesa: A imagem de uma lngua nica, mais prxima da modalidade escrita da linguagem, subjacente s prescries normativas da gramtica escolar, dos manuais e mesmo dos programas de difuso da mdia sobre 'o que se deve e o que no se deve falar e escrever', no se sustenta na anlise emprica dos usos da lngua.E este mesmo documento enftico ao afirmar que:h muitos preconceitos decorrentes do valor social relativo que atribudo aos diferentes modos de falar: muito comum se

3considerarem as variedades lingsticas de menor prestgio como inferiores ou erradas. O problema do preconceito disseminado na sociedade em relao s falas dialetais deve ser enfrentado, na escola, como parte do objetivo educacional mais amplo de educao para o respeito diferena. Para isso, e tambm para poder ensinar Lngua Portuguesa, a escola precisa livrar-se de alguns mitos: o de que existe uma nica forma 'certa' de falar - a que se parece com a escrita - e o de que a escrita o espelho da fala - e, sendo assim, seria preciso 'consertar' a fala do aluno para evitar que ele escreva errado. Essas duas crenas produziram uma prtica de mutilao cultural que, alm de desvalorizar a forma de falar do aluno, tratando sua comunidade como se fosse formada por incapazes, denota desconhecimento de que a escrita de uma lngua no corresponde inteiramente a nenhum de seus dialetos, por mais prestgio que um deles tenha em um dado momento histrico. provvel, no entanto, que o Sr. Pasquale Cipro Neto e o Sr. Joo Gabriel de Lima acreditem que os Parmetros Curriculares Nacionais sejam obra de membros daquela "corrente relativista" que conseguiram se infiltrar no Ministrio da Educao e se apoderar da redao do documento oficial. Vamos, ento, deixar de lado as propostas oficiais de ensino e lanar um olhar sobre a prpria prtica normativo-prescritiva de pessoas como o Sr. Pasquale - assim ficar mais fcil descobrir por que ele no encontra argumentos para reagir s crticas bem-fundadas dos lingistas e educadores srios e por que s consegue fazer sucesso entre os leigos e os que se recusam (certamente por motivaes ideolgicas) a aceitar uma concepo de lngua mais democrtica. Consultando a gramtica que Pasquale Cipro Neto assina em parceria com Ulisses Infante (Gramtica da Lngua Portuguesa, Editora Scipione, So Paulo, 1998), encontra-se, p. 521-522, a seguinte explicao para o uso supostamente "correto" do verbo custar:Custar, no sentido de "ser custoso", "ser penoso", "ser difcil" tem como sujeito uma orao subordinada substantiva reduzida. Observe: Ainda me custa aceitar sua ausncia. Custou-nos encontrar sua casa. Custou-lhe entender a regncia do verbo custar. No Brasil, na linguagem cotidiana, so comuns construes como "Zico custou a chutar" ou "Custei para entender o problema" [...] Na lngua culta, essas construes em que custar apresenta um sujeito indicativo de pessoa so rejeitadas. Em seu lugar, devem-se utilizar construes em que surja objeto indireto de pessoa: "Custou a Zico chutar" (= Custou-lhe chutar")Quero chamar a ateno, aqui, para a seguinte afirmao dos autores: "Na lngua culta, essas construes [...] so rejeitadas". Aqui est um exemplo claro e ntido de uma concepo abstrata da lngua, tratada como uma espcie de entidade viva, de sujeito animado, capaz de "rejeitar" alguma coisa. Ora, que lngua culta essa que supostamente rejeita essas construes? Ser a lngua dos nossos grandes escritores, que sempre serviu de material para o trabalho dos gramticos normativistas? Fui investigar e descobri que no , porque os exemplos de uso do verbo custar com sujeito so mais do que abundantes na nossa melhor literatura: (1) "Seixas custou a conter-se" (Jos de Alencar) (2) "... as moas custavam a se separar" (Clarice Lispector) (3) "Renato custou a acordar" (Carlos Drummond de Andrade) (4) "Felicidade, custas a vir e, quando vens, no te demoras" (Ceclia Meireles)"Ser que Alencar, Clarice Lispector, Drummond e Ceclia Meireles no so

4bons exemplos de usurios da "lngua culta"? Se no na literatura, quem sabe, ento, se recorrermos imprensa contempornea? Ser que l que mora a famosa "lngua culta" que rejeita essas construes? Ora, consultando o jornal onde o prprio Pasquale Cipro Neto escreve (Folha de S. Paulo) e onde presta servios de "consultor de portugus" (seja isso l o que for), encontramos:(6) Quem foi ao show de Maria Bethnia, anteontem noite, depois de assistir o sbrio concerto de Joo Gilberto, custou a crer que estivesse na mesma cidade (22/6/1998, p. 5-10). (7) O tcnico colombiano, Hernn Daro Gmez, [...] custou a admitir a superioridade rival (16/6/1998, p. 4-14).(8) O nome Kubitschek era complicado de pronunciar, custou a ser assimilado pela fontica eleitoral (21/11/1997, p. 4-3).Se lembrarmos que Jos de Alencar morreu em 1877, fica muitssimo claro que essa construo est viva e presente na nossa lngua h muito mais de um sculo! Os autores da gramtica esto proferindo uma inverdade ao dizer que essa construo tpica do "Brasil quotidiano". Os Srs. Pasquale e Ulisses, em vez de se curvar realidade concreta dos fatos, tentam nos convencer de que a opo que eles preferem, s porque a tradicional, que deve ser considerada "a melhor". uma atitude essencialmente dogmtica, que se recusa a empreender a pesquisa emprica mnima necessria para afirmaes sobre o que existe e o que no existe na lngua. Alm disso, essa atitude ainda mais conservadora do que a posio assumida por gramticos de geraes anteriores deles, como Celso Pedro Luft e Domingos Paschoal Cegalla, que reconhecem a vitria da construo "eu custo a crer que"... Esse apenas um pequeno exemplo de como fcil, para um pesquisador munido de instrumental terico consistente e de metodologia cientfica adequada, desautorizar uma a uma, e de modo convincente, as afirmaes presentes no trabalho do Sr. Pasquale Cipro Neto e de outros atuais defensores da doutrina gramatical tradicional mais normativa e mais prescritiva possvel. Por causa de tudo isso que a estria do Sr. Pasquale no programa Fantstico da Rede Globo representa, para a grande maioria dos cientistas da linguagem e dos educadores conscientes, mais um exemplo de como o nosso trabalho ainda est no comeo, apesar de tudo o que j temos dito e feito. O quadro do Sr. Pasquale no Fantstico faz regredir em pelo menos 25 anos os grandes avanos j obtidos pela Lingstica na renovao do ensino de lngua na escola brasileira. No consigo, portanto, deixar de repetir o chavo: ele se encontra na contramo da Histria. Como j enfatizei acima, pessoas como o Sr. Pasquale s conseguem fazer sucesso entre os leigos, porque dizem exatamente o que as pessoas desejam ouvir: os mitos, as supersties e as crenas infundadas que, h mais de dois mil anos, guiam o senso-comum ocidental no que diz respeito lngua. Refiro-me ao sensocomum ocidental porque essa situao de embate entre uma cincia lingstica moderna e uma doutrina gramatical arcaica tambm se verifica em outros pases basta ler os livros Language Myths, publicado na Inglaterra sob organizao de L. Bauer e P. Trudgill, e o Catalogue des ides reues sur le langage, publicado na Frana por Marina Yaguello. por isso que escrevi, acima, que nossa luta ainda est no comeo. uma pena que no possamos contar com a ajuda dos meios de comunicao para dissipar todos esses mitos e preconceitos, que impedem a formao, no Brasil em particular, de uma auto-estima lingstica, uma vez que tudo o que os brasileiros ouvem e lem so os mesmos chaves, repetidos h sculos, de que "brasileiro no sabe portugus" e que a lngua que falamos

5"portugus estropiado". (O pesquisador canadense Christophe Hopper localizou lamrias e queixas sobre a "runa" e a "decadncia" do francs em textos publicados em 1933, 1905, 1730 e 1689, o que prova a antiguidade desse discurso alarmista e preconceituoso sobre o fenmeno da mudana das lnguas ao longo do tempo!) Outro fato lamentvel, na reportagem de VEJA, que seu autor no tenha prestado o grande favor sociedade de identificar quem so os membros dessa "certa corrente relativista", para que todos, pblico leitor em geral e lingistas profissionais em particular, pudssemos nos precaver contra o suposto "raciocnio torto" de um "esquerdismo de meia-pataca" dos que acreditam que ensinar a norma-padro no seria til para as classes sociais desfavorecidas. Minha curiosidade ficou especialmente aguada porque, como pesquisador dedicado h muitos anos ao estudo das relaes entre lngua, ensino de lngua e fenmenos sociais, at hoje no encontrei uma nica obra - assinada por lingista de formao ou por educador profissional - que negasse a importncia do ensino da normapadro na escola brasileira, que pregasse a idia torpe de que no se deve ensinar as formas prestigiosas da lngua, ou que "preconizam que os ignorantes continuem a s-lo", para citar as palavras infelizes da reportagem de VEJA. Entre os membros da comunidade acadmico-cientfica que no se intimidam diante da presso esmagadora das "supersties, mitos e esteretipos" sobre a lngua podemos citar a Profa. Magda Soares (reconhecida como uma das mais importantes educadoras brasileiras de todos os tempos) e o Prof. Srio Possenti (que nunca teve papas na lngua para denunciar e demolir cientificamente os absurdos proferidos por gente como Pasquale Cipro Neto). Ora, j em 1986, Magda Soares, em seu livro (um clssico da educao brasileira) Linguagem e Escola (Editora tica), escrevia, sem hesitao (p. 78):Um ensino de lngua materna comprometido com a luta contra as desigualdades sociais e econmicas reconhece, no quadro dessas relaes entre a escola e a sociedade, o direito que tm as camadas populares de apropriarse do dialeto de prestgio, e fixa-se como objetivo levar os alunos pertencentes a essas camadas a domin-lo, no para que se adaptem s exigncias de uma sociedade que divide e discrimina, mas para que adquiram um instrumento fundamental para a participao poltica e a luta contra as desigualdades sociais.Tambm em seu muito divulgado livro Por que (no) ensinar gramtica na escola (Ed. Mercado de Letras, 1996), Srio Possenti faz questo de enfatizar (p. 17-18):O PAPEL DA ESCOLA ENSINAR LNGUA PADRO [...] adoto sem qualquer dvida o princpio (quase evidente) de que o objetivo da escola ensinar o portugus padro, ou, talvez mais exatamente, o de criar condies para que ele seja aprendido. Qualquer outra hiptese um equvoco poltico e ideolgico. E eu mesmo, que no tenho hesitado em combater abertamente a manuteno das concepes arcaicas e preconceituosas de lngua, escrevi em meu mais recente livro publicado (Portugus ou Brasileiro? Um convite pesquisa, Parbola Editorial, 2001):[...] como responder a pergunta (invariavelmente presente na fala dos professores de lngua): qual o objeto de ensino nas aulas de portugus? O que devemos ensinar a nossos alunos em sala de aula? Uma resposta concisa e rpida seria: devemos ensinar a norma-padro. J que s se pode ensinar algo que o aprendiz ainda no conhece, cabe escola ensinar a norma-padro, que no lngua materna de ningum, que nem sequer lngua,

6nem dialeto, nem variedade, como enfatizei acima. Ensinar o padro se justificaria pelo fato dele ter valores que no podem ser negados - em sua estreita associao com a escrita, ele o repositrio dos conhecimentos acumulados ao longo da histria. Esses conhecimentos, assim armazenados, constituiriam a cultura mais valorizada e prestigiada, de que todos os falantes devem se apoderar para se integrar de pleno direito na produo/conduo/transformao da sociedade de que fazem parte.Tenho, portanto, a conscincia muito tranqila (como decerto tambm a tm Magda Soares, Srio Possenti e, de fato, a maioria dos lingistas e educadores brasileiros comprometidos com a democratizao de nossa sociedade) de no fazer parte daquela "corrente relativista" e de no poder ser acusado de ter um "raciocnio torto". Por isso, volto a lamentar que o Sr. Joo Gabriel de Lima no tenha dado nome aos bois, para que, juntos, pudssemos combater esse suposto "esquerdismo de meia-pataca". No nomear seus adversrios no plano intelectual, no entanto, prtica corrente de pessoas como Pasquale Cipro Neto que, embora alegando referir-se a "alguns" lingistas, nunca se d ao trabalho de dizer quem so os "idiotas", "ociosos" e "deslumbrados" a que se refere. A grande diferena entre os lingistas e educadores que defendem o ensino da norma-padro e os apregoadores da doutrina gramatical arcaica est no fato de que j se sabe hoje em dia que, para aprender as formas mais padronizadas e prestigiosas da lngua, no necessrio conhecer a nomenclatura gramatical tradicional, as definies tradicionais, nem praticar a velha e mecnica anlise lexical e muito menos a torturante anlise sinttica. Em seu depoimento a VEJA, o Sr. Pasquale Cipro Neto lamenta que ningum mais saiba diferenciar "sujeito" de "predicado", nem mesmo os professores. Ora, todo um longo trabalho de investigao terica e de pesquisa em sala de aula - no Brasil e no resto do mundo -, trabalho que se faz h pelo menos trinta anos, j deixou muito claro que no decorando as pginas da gramtica normativa que uma pessoa ser capaz de falar, ler e escrever adequadamente s diversas situaes. O j citado M. Stubbs escrevia, em 1987, queMuita gente lamenta o fim do ensino da gramtica formal (anlise sinttica e coisas assim), alegando que ele ajudava as crianas a escrever melhor, com mais preciso e assim por diante. [...] duvidoso que aquele ensino jamais tenha ajudado muita gente a escrever melhor, e ntido que ele afugentou um grande nmero de pessoas. A relao entre anlise e compreenso, e entre compreenso consciente e produo de linguagem efetiva, difcil de demonstrar.E o pedagogo canadense Gilles Gagn, em 1983, j dizia:"O uso da lngua procede da inteno para a conveno", conclui McShane (1981), ao passo que a escola procede infelizmente ao contrrio, isto , das convenes lingsticas para as intenes de comunicao; intenes, alm disso, quase sempre artificiais e impostas ou sugeridas pelo mestre.E aquele que considerado hoje, inclusive internacionalmente, como o nome mais importante da pesquisa cientfica sobre o portugus brasileiro contemporneo - o Prof. Ataliba T. de Castilho, da USP, atual presidente da Associao de Lingstica e Filologia da Amrica Latina e coordenador do grande Projeto da Gramtica do Portugus Falado (projeto apresentado de maneira distorcida e preconceituosa no nmero 1710 de VEJA) - escreve com toda clareza em seu livro A lngua falada e o ensino de portugus (Ed. Contexto, 1998, p. 21-22):[...] os recortes lingsticos devem ilustrar as variedades scio-culturais da Lngua Portuguesa, sem discriminaes contra a fala verncula do aluno, isto , de sua fala familiar. A escola o primeiro contato do cidado com o Estado, e seria

7bom que ela no se assemelhasse a um "bicho estranho", a um lugar onde se cuida de coisas fora da realidade cotidiana. Com o tempo o aluno entender que para cada situao se requer uma variedade lingstica, e ser assim iniciado no padro culto, caso j no o tenha trazido de casa. Desse modo, prossegue o autor (p. 23),a gramtica deixar de ser vista pelos alunos como a disciplina do certo e do errado, reassumindo sua verdadeira dimenso, que a de esquadrinhar atravs dos materiais lingsticos o funcionamento da mente humana. Afinal, o que aconteceu, ao longo dos sculos, segundo Castilho, foi quea gramtica, que no era uma disciplina autnoma, assumiu na escola uma vida prpria, desgarrada de suas origens, e concentrada apenas na sentena, na palavra e no som, obscurecendo-se sua argumentao e empobrecendo-se seu alcance. Se existe, porm, uma grande resistncia contra o redimensionamento do lugar do ensino da gramtica na escola porque todos sabemos que, ao longo do tempo, o conhecimento mecnico da doutrina gramatical se transformou num instrumento de discriminao e de excluso social. "Saber portugus", na verdade, sempre significou "saber gramtica", isto , ser capaz de identificar - por meio de uma terminologia falha e incoerente - o "sujeito" e o "predicado" de uma frase, pouco importando o que essa frase queria dizer, os efeitos de sentido que podia provocar etc. Transformada num saber esotrico, reservado a uns poucos "iluminados", a "gramtica" passou a ser reverenciada como algo misterioso e inacessvel - da surgiu a necessidade de "mestres" e "guias", capazes de levar o "ignorante" a atravessar o abismo que separa os que sabem dos que no sabem portugus... Em concluso, Sr. Editor, gostaria de lhe pedir que, uma vez que to amplo espao foi concedido aos defensores da idia medieval de que "os brasileiros no sabem falar bem", caberia agora a VEJA conceder igual espao aos verdadeiros especialistas, s pessoas que dedicam toda sua energia, toda sua inteligncia, toda sua vida, enfim, ao estudo dos fenmenos da linguagem humana e proposio de novos mtodos de ensino, capazes de dar voz aos que, por fora de tantas estruturas sociais injustas, sempre foram mantidos no silncio. Talvez assim VEJA possa se livrar do risco de ser acusada de promover "distores deliberadas dos fatos lingsticos e pedaggicos".Atenciosamente,MARCOS BAGNO Doutor em Lngua Portuguesa pela Universidade de So Paulo Mestre em Lingstica pela Universidade Federal de Pernambuco Escritor com mais de 20 livros publicados Tradutor profissional de ingls, francs, espanhol e italiano Membro da Associao Brasileira de LingsticaAutor das seguintes obras sobre lngua e educao, amplamente adotadas nas universidades brasileiras: A Lngua de Eullia. Novela sociolingstica - Ed. Contexto, 1997 (em 10a edio, mais de 50.000 exemplares vendidos) Pesquisa na escola: o que , como se faz - Ed. Loyola, 1998 (em 8 edio, mais de 30.000 exemplares vendidos) Preconceito lingstico: o que , como se faz - Ed. Loyola, 1999 (em 10a edio, mais de 50.000 exemplares vendidos) Dramtica da Lngua Portuguesa: tradio gramatical, mdia & excluso social Ed. Loyola, 2000 Portugus ou Brasileiro? Um convite pesquisa - Parbola Editorial, 2001 (1a edio esgotada em menos de dois meses) Norma lingstica (seleo e traduo de textos de autores estrangeiros sobre a

8questo da norma) - Ed. Loyola, 2001 MARCOS BAGNO