Brasileiros Ilustres - Sergipe

  • Published on
    09-Oct-2015

  • View
    39

  • Download
    0

Transcript

DedicatriaLIBERATO BITENCOURTHOMENS DO BRASIL SERGIPEOrganizado a parcialmente anotado por Luiz Antonio BarretoDEDICATRIA(Apenas 1 edio)A Pequena Bitencourt, a mais modesta e uma das mais nobres filhas de Sergipe, na superioridade arguta da inteligncia, como na pureza do sentir sempre honesto, emrita formadora do meu esprito e santa purificadora do meu carter, eu dedico este livro, pequeno nas dimenses quanto na sinceridade avantajado. Ele foi de feito escrito pela minha mo; foi, porm, ditado pelo exemplar proceder dessa dedicada Amiga de quinze anos, mxima no desinteresse e abnegao sublime, exemplo vivssimo de Mulher brasileira, o que importa afirmar das mais elevadas qualidades de corao e dos mais puros atributos do carter. Praza aos cus as Sergipanas de manh, nas douras atraentes do lar, imitar consigam essa Esposa estremecida e essa Me carinhosssima.Rio, 4 de setembro de 1912.Liberato BitencourtUM DICIONRIO SERGIPANOA falta de informaes biogrficas e bibliogrficas dos autores brasileiros impede que se tenha uma melhor compreenso da histria literria. Todos os Estados sofrem do mesmo mal, reclamam do mesmo modo e se valem das poucas fontes, procurando aqui e ali um dado qualquer que ajude a elucidar as dvidas, produzindo um conhecimento mnimo, necessrio histria e crtica.O Brasil teve em Sacramento Blake um pioneiro, a organizar o Dicionrio Bibliogrfico Brasileiro, em 1883, reeditado pelo Conselho Federal de Cultura, com anotaes do bibligrafo sergipano, radicado no Rio de Janeiro, Antonio Simes dos Reis, em 1970. Armindo Guaran, que organizaria um Dicionrio Biobibliogrfico Sergipano, editado em 1925, foi um dos colaboradores, fornecendo a Sacramento Blake pequenas biografias de sergipanos. Por longo perodo, o livro do autor baiano, de vrios volumes, permaneceu nico, como repositrio de biografias, atendendo a curiosidade dos interessados. Nas Provncias raras foram as obras com os mesmos propsitos, ainda que uma delas, o Dicionrio Biogrfico de Pernambucanos Clebres, de 1882, no fosse exatamente um livro de biografias de intelectuais. No Cear Guilherme Studart, com seu Dicionrio Bibliogrfico Cearense, deu seqncia aos esforos de registrar a vida cultural brasileira. Outros autores deram continuidade, ainda que cada um tomasse direo isolada, sem qualquer preocupao de mtodo. O militar e professor Liberato Bittencourt tomou para si, a partir de 1912, a tarefa de organizar uma grande obra, seriada, intitulada de Brasileiros Ilustres, saindo a pedir ajuda aos intelectuais e instituies estaduais, para montar os diversos volumes. O primeiro e dos poucos volumes publicados tomou o ttulo de Homens do Brasil Sergipe, editado pela primeira vez em 1913 e reeditado em 1917, com 216 pginas, contendo 451 nomes, distribudos em verbetes alfabticos, alguns pequenos e pobres de informaes, outros acrescidos de textos e opinies. Por ser pioneiro, um trabalho desbravador, que abre caminho a Armindo Guaran, por exemplo, que se valeu muito do livro de Liberato Bittencourt.Nascido na antiga cidade do Desterro, atual Florianpolis, em 30 de outubro de 1869, Manoel Liberato Bittencourt estudou na Escola Militar, no Rio de Janeiro, da qual tornou-se professor a partir de 1902, lecionando as disciplinas Mineralogia e Botnica, , efetivado em 1910. Positivista, foi scio e assduo freqentador das sesses da Sociedade Brasileira de Filosofia. Publicou cerca de 25 livros, alguns deles de crtica literria. Casado com a sergipana Isaura de Oliveira Policiano, conhecida como Pequena, natural de Laranjeiras, Liberato Bittencourt passou a ter relaes estreitas com Sergipe e com intelectuais sergipanos, sendo parceiro do tambm militar Samuel de Oliveira, igualmente nascido em Laranjeiras, no compndio de Geometria Algbrica, publicado em 1896. Em 1912, tornou-se Scio Honorrio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe, que naquele ano era fundado em Aracaju, graas a ao intelectual de Florentino Menezes. Admirador incondicional de Tobias Barreto candidatou-se, em 1932, Academia Brasileira de Letras, justo na Cadeira que tem o pensador sergipano como Patrono. Dedicou sua Histria da Literatura Brasileira, em 1944, a Tobias Barreto e escreveu ainda sobre o poeta de Dias e Noites, Um atleta do pensamento ou O Homem sol do Imprio, romance psicobiogrfico, em 1940, alm da Carta Crtico-literria ao presidente da Academia Brasileira de Letras, de candidatura Cadeira de Tobias Barreto, em 1932. Escreveu diversos outros livros, mantendo relao com Silvio Romero, Samuel de Oliveira e outros autores sergipanos. Liberato Bittencourt morreu no Rio de Janeiro, em 14 de dezembro de 1948, passando naquele mesmo ano a ser Patrono de uma das Cadeiras da Academia Catarinense de Letras, recebendo tambm a homenagem da Academia de Histria Militar Terrestre do Brasil, como Patrono da Cadeira 23.O livro Homens do Brasil Sergipe obra referencial, permanentemente consultada, e sua reedio, depois de quase 90 anos, oferece s novas geraes de estudiosos uma oportunidade de leitura, recuperando um texto e um autor que permaneceram praticamente ignorados. Ao promover a 3 edio, a Secretaria de Estado da Cultura, pela viso sensvel e responsvel do Secretrio Jos Carlos Teixeira, aviva na bibliografia um livro verdadeiramente sergipano, na mesma estante de outros clssicos recentemente reeditados, de autores como Antonio Jos da Silva Travassos, Baltazar de Ges, Dom Marcos Antonio de Souza, Padre Filadelfo Jnatas de Oliveira, Joel Macieira Aguiar, Padre Antonio Carmelo, dentre outros.Luiz Antonio BarretoCOMO INTRODUONa 1 edio deste livro, em 1913, publiquei o seguinte e sincero prefcio:PREFCIO DA 1 EDIONa fria histria do passado que se encontram os melhores ensinamentos conquista brilhante do futuro.L.B.Este livro, apesar de trabalhado com sinceridade e amor, no passou de um mero ensaio histrico. o primeiro dos vinte e um que pretendo publicar sucessivamente, um ou dois por ano, em honesto preparo a um grande tentamen histrico.Reconhecendo, certo dia, a falta de dados a respeito dos maiores da nossa curta mas j sugestiva histria, a ponto de bem no se saber o verdadeiro sitio de naturalidade de muitos deles, pensei no agentar esse desgosto s geraes futuras, desde logo planejando um grosso volume, onde meno se fizesse cuidadosa da vida e obras dos vultos notveis, em todos os ramos da atividade e do saber, de 1500 aos nossos dias. Na fria histria do passado que se encontram os melhores ensinamentos conquista brilhante do futuro. Brasileiros Ilustres devia ser o nome daquele trabalho empreendedor, vasto na erudio, eminentemente sugestivo na histria e no patriotismo, quanto na pesquisa imensurvel. Destinava-se mocidade das escolas primrias, queles que amanh tm que dirigir, porventura com mais acerto e mais amor, os altos destinos desta grande ptria. E pus mos obra, na doce esperana de pblicos favores. Imprimi circulares s centenas. Apelei para as autoridades estaduais e federais. Dirigi-me enfim aos eruditos, em todos os recantos do Brasil. Pouqussimas, porm, as respostas conquistadas. E estas em maioria com a categrica afirmao de que me seria impossvel qualquer auxlio. A situao era ingrata. Desanimar faria o mais tenaz batalhador. Mas eu, corajoso porque soldado, tinha que seguir avante, ladeando como pudesse as dificuldades encontradas. Arquitetei ento o seguinte plano de campanha: cuido separadamente de cada Estado e do Distrito Federal; ouo os comentrios feitos; corrijo as inadvertncias apontadas; completo em sucessivas edies os ensaios feitos; e depois, fundindo estes, poderei ento dar corpo e vulto grande construo em princpio arquitetada. Resta agora que os Estados me auxiliem, j no digo com algum dinheiro para pagar as despesas feitas e as edies sempre custosas, mas ao menos tornando obrigatria a leitura dos ensaios, nas respectivas escolas primrias e grupos escolares.Eles so escritos com sinceridade e amor, sem preocupao partidria de espcie alguma, apenas com um fim, nobilssimo porque patritico: ensinar o lidador de amanh, em cada Estado do Brasil, a respeitar e bem querer os grandes cidados de ontem e de hoje. Seria mais que ingratido, porque seria injustia, afast-los portanto das inteligncias juvenis, s quais eles se destinam. Nem por sombra me passa pela mente ingratido tamanha.Sai hoje o primeiro dos ensaios. sobre Sergipe. A preferncia explica-se. Filho de Santa Catarina mas sergipano de corao, tive a dita de ver ali, ninho de guias, o meu tentamen francamente aceito e divulgado. Mais ainda: fizeram-me desde logo scio correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico, que se acabava de fundar, ato contnuo me aumentando a distino, com a graduao cativante de honorrio da douta associao. Pago assim em parte a grande dvida contrada, com esta expressiva e natural preferncia.Publicarei a seguir Paraibanos Ilustres, sincera homenagem douta instituio nortista, que espontaneamente me deu a honra subida de me associar, membro correspondente, sua evoluo e as suas glrias. Os outros viro com vagar e tempo, que as despesas a fazer so muitas e o trabalho a empregar insano.O primeiro dos ensaios, apesar de hercleo esforo empregado em sua feitura e arranjamento, no vai nem pode ir perfeito. Contm como todo humano trabalho, graves lacunas e defeitos. Os sergipanos de amor ao bero que me apontem aquelas e me indiquem estes, para ver se menos defeituosa lhe sai a segunda e prxima edio. E como provvel traga esta a fotografia dos lidadores nela contemplados, peo a quem interessar possa todo o auxlio possvel. Isto : aceitarei com prazer mximo o retrato dos vultos includos e a incluir no corpo do livro, e bem assim as explanaes e correes, honestamente apontadas, sobre naturalidade, datas, feitos e publicaes de qualquer deles.Ainda um pedido, valoroso sobremaneira: os sergipanos vivos, real servio me prestariam remetendo-me para o Rio de Janeiro, Rua S. Francisco Xavier 866, um exemplar de cada obra por eles escrita, publicada ou reimpressa. S assim poderei manter em dia, como pretendo, as edies a seguir.Eis a o que eu dizia sinceramente primeira edio do livro. No fui, porm, entendido pelos jacobinos de Sergipe, os quais caram desapiedadamente contra mim, querendo-me destruir a reputao e ainda os ossos. S me no chamaram de santo. No me abalei, porm: acostumado luta, bati porta fidalga do nosso maior crtico literrio. E Silvio Romero, que sergipano da gema, me respondeu com a seguinte e expressiva carta, com que ora, trs anos passados, fulmino de vez aquela meia dzia de cegos jacobinos:Queridssimo amigo, camarada e chefe em muitos pontos.Saude.Recebi sua prezada carta de 19 deste. No faa caso das crticas. So vmitos de despeitados. O seu livro, para o fim que teve em mira, excelente.Sinto, como no pode avaliar, no poder escrever o prefcio: porque todos os meus velhos incmodos esclerticos e cardacos se acham agravados de meter medo. No posso fazer nada. Alguma coisa que tem aparecido na Revista da Academia e Revista Americana so coisas antigas, feitas h muito tempo.Peo-lhe que me desculpe e tenha pena de mim. Se melhorar, a coisa ser outra.De seu velho amigo muito dedicado,Silvio RomeroIcara, 24-08-1913.Aparado assim o golpe, que se pensou mortal em Aracaju, dirijo-me aos homens de bem, de Sergipe e do Brasil inteiro.PREFCIO DA 2 EDIOQuandoque bnus dormiat HomerusHORACIOO excelente livro norte-americano Whos who in Amrica (Quem sou eu na Amrica), publicao bienal comeada em 1899-1900, traz a stima e ltima edio, 1912-1913, 18.794 biografias de vultos distintos em todos os ramos da atividade e do saber, na poltica, na magistratura, na militncia, nas artes, no comrcio e na indstria. E para poder comportar to elevado nmero de valorosos representantes, uma condio se imps indispensvel: absoluta sntese no cuidar cada um deles. Transcrevo a seguir, mesmo em ingls, a biografia de um artista da palheta, uma mulher, o que ocupa o nmero dois na composio daquele livro, a fim de que vejam os entendidos o modo porque a grande publicao americana executar pde o seu programa.ABBATT, Agnes Dean, artist; b. New York, June 23, 1847; d. William D. and Agnes Alice (Dean) A; sister of William A. (q.v.) showed talent as child; entered Cooper Union Art. Sch., 1873; studied at Nat. Acad. Design and under R. Swain Gifford and James D. Smillie. Paints landscapes, coast scenes, flowers; oil and water colors and black and white; also wax modeling, plants, and flowers. Medals at Cooper Union Art. Sch. and Mass. Charitable Mechanics Assn.; first prize in oil painting San Antonio (Texas) Internat. Fair. Mem. Am. Water Color Soc, since 1880. Address: Westchester, New York.Pois bem: influenciado fundamente por esse livro valioso, pensei para o Brasil em anloga publicao. O autor ou os autores norte-americanos s tratam dos homens vivos, os quais reaparecem nas sucessivas edies, at que a morte lhes seja a anunciada. Depois do fatal desenlace, cedem definitivamente o lugar aos novos que chegam.No Brasil, porm, no me era lcito seguir esse mesmo programa, sem grave injustia aos principais obreiros da nossa nacionalidade, que j desertaram da vida. Esses tinham por fora que ser contemplados, pelo menos s primeiras edies. Mas de modo algum se lhes podia dar biografia um desenvolvimento, alm dos justos limites traados sensatamente pela grande publicao norte-americana: porque assim no fora para centenares deles.Pensando justamente desse modo, e querendo tornar realidade o pensamento, fiz imprimir a seguinte e textual circular, largamente espalhada por todo o Brasil:BRASILEIROS ILLUSTRESvivos e mortos em todos os ramos da atividade e do saber: nas cincias, nas belas artes, nas letras, na filosofia, na medicina, na engenharia, no magistrio, na tribuna, na religio, na magistratura, na imprensa, no comrcio, na lavoura, na avicultura, na propaganda, no exrcito, na marinha, na feitura em suma da nossa nacionalidade, de 1500 a 1912.ANTONIO DE MORAES REGO Nasceu no Maranho em 1859. verificou praa na marinha em 1875, entrando mais tarde para o exrcito, em 1879, no mesmo ano em que obteve demisso do posto de guarda-marinha. Foi nomeado alferes-aluno em 1881; 2 tenente, em 1883; 1 tenente em 1887; capito em 1890; major, em 1892; tenente-coronel por merecimento, em 1900; Dr. em matemtica e cincias fsicas; engenheiro militar; lente catedrtico da antiga Escola Militar do Brasil. Em 1893 foi um dos mais dedicados e dos mais competentes auxiliares do marechal Floriano. Era de baixa estatura e de delicada constituio fsica, mas de grande inteligncia e vasta ilustrao. Pelas suas notveis qualidades intelectuais e morais, era uma das glrias do magistrio militar. Em colaborao com seu irmo Alfredo de Moraes Rego (V. este nome) publicou valiosssimos tratados de matemtica elementar e superior, alm de muitos escritos na imprensa diria, sobre vrios ramos do saber. Morreu no Rio de Janeiro em 1903, aos 44 anos de idade.Exmo. Sr.Desejando que o Estado de... seja fiel e fartamente representado na grande obra acima referida, obra que de modo algum poder ser da lavra de um nico homem, peo encarecidamente o vosso valioso auxlio, em prol do grandioso e patritico empreendimento. Estendo o pedido imprensa, s associaes literrias ou no desse glorioso Estado, e ainda a todos os homens que acompanham com amor a prosperidade crescente do Brasil. O auxlio que solicito pode ser realidade transcrevendo-se esta circular nos jornais do Estado, e especialmente remetendo-se-me dados biogrficos relativos a todos os vultos, vivos ou mortos, que com seu esforo individual concorram ou tenham eficazmente concorrido para a grandeza material ou moral do Estado ou do Pas. Com tais dados, que podero ser extensos ou mesmos reduzidssimos, organizarei pequenas mas sugestivas biografias, de que acima se v um modelo da letra A, para fazerem parte do livro j projetado e j em elaborao. Contando com o vosso precioso auxlio construo de tamanho flego histrico, subscrevo-me,Patrcio, e admirador agradecido, etc.No logrando s circulares o sonhado responder, vi-me forado a mudar o plano em princpio arquitetado, projetando ento, no um grosso volume, seno vinte e um ensaios, um para cada Estado e o ltimo para o Distrito Federal. Depois ento cuidaria da definitiva edio do grande e difcil tentamen histrico primitivamente planejado.Tudo isso se acha honestamente exposto ao prefcio da 1 edio do primeiro ensaio Sergipe. Alguns sergipanos escritores, porm, alheios a tudo que h de prtico nesta terra vastssima, inquinaram-me o livro de defeituoso e falho, por no tratar minuciosamente de cada biografado! Que eu devia falar disto de Tobias, daquilo de Fausto Cardoso, daquilo outro do Padre Olmpio, de Bitencourt Sampaio ou de Silvio Romero!...Como pr a um livro muitos milhares de vultos, tratando amiudadamente de todos, quando entre eles centenares existem, como Tobias Barreto, Rui Barbosa, Pedro Amrico ou Jos Bonifcio, capazes de exigir um grande nmero de pginas s para a fiel narrao de seu viver atribulado?O erudito crtico literrio dO Pas, ao qual sou bastante grato, chegou at a dizer que raro o meu biografado ao qual no fosse necessrio acrescentar alguma coisa, devido pressa com que dei cabo ao meu trabalho. E citou ento um escritor que h trs decnios j, qual beneditino, trabalha, sem esperanas de terminar, em livro anlogo, sobre Sergipe apenas.Que Deus seja louvado!Se eu, que pretendo agora escrever vinte e um volumes, fosse esperar to longo prazo para cometer o primeiro deles, que tempo ento precisaria de viver?Os termos da anterior circular, como o fiel modelo que lhe vem apenso, provam evidncia que eu no quis nem quero fazer extensas monografias, seno ligeiros mas sugestivos perfis biogrficos to somente.Ainda me censuraram, escritores incompetentes e apaixonados de Sergipe, por trs motivos: 1 - por haver posto s pginas do livro vultos de pequena importncia, como homens moos sem grande posio administrativa, professores, rbulas, msicos, padres e at soldados; 2 - por ali includo ter sergipanos que no so natos; 3 - por haver dado crdito a informaes por eles julgadas sem valia.Defendo-me por completo da injustia e leviana argio.Tripla a vida do homem a vida fsica, a intelectual e a moral. Aquela, a vida fsica, posta ao servio da inteligncia, como as duas o so ao servio do carter. Pelas qualidades intelectuais o homem se destaca dos irracionais. E pelos atributos morais que ele se distingue dos seus semelhantes. Importa isso em afirmar peremptoriamente que no somente os homens de fortes qualidades intelectuais, como querem porventura aqueles incultos e apaixonados escritores sergipanos, o direito, podem ter de ilustres.Na feitura consciente de uma nacionalidade destacam-se sempre certos e determinados vultos nas cincias, nas letras, nas artes, no comrcio e na indstria. Pois a esses homens de ntido destaque social, eruditos ou sem erudio, que compete, com inteiro rigor histrico, aquele e sugestivo qualificativo. Um bom msico, um bom poeta, um professor primrio e um bom delegado de polcia podem ser to ilustres como um virtuoso padre, um advogado de fama, um pedreiro clebre, um calafate modelo, um soldado valente ou um gemetra de notveis qualidades intelectuais. Uns e outros, a meu julgar, no podem de modo algum fugir composio do livro. Os prprios termos da circular bem o acusam: Brasileiros Ilustres, em todos os ramos da atividade e do saber, de 1500 aos nossos dias.Quanto ao fato de se ver s pginas do livro certos moos de talento, mas ainda sem grande posio administrativa, eis categrico e formal responder: s s geraes futuras cabe o apurar com acerto a dvida, porque as atuais, cegas de despeito, crdito no me podem merecer.Anlogo sentir respeito aos sergipanos pelos servios e no pela naturalidade. A verdadeira ptria de um homem no nem pode ss aquela onde ele nasceu, e sim aquela a que ele se dedicou e bem serviu. Gonalves Crespo nasceu no Brasil, mas no pode nem deve figurar nossa histria literria: escritor portugus da gema. O padre Anchieta nasceu em Tenerife; mas quem poder com conscincia afast-lo da ptria histria, a que serviu superiormente, verdadeiro apstolo, por mais de quarenta anos? No h negar: os homens que concorrem feitura de uma dada nacionalidade no lhe podem fugir respectiva histria. Inclu no volume sobre Sergipe vultos no sergipanos natos, como fiz incluir conscientemente, no volume paraibanos, prestimosos lidadores que a fortuna no tiveram de ver na Paraba, pela vez primeira, a luz do dia.Por fim: na feitura honesta deste livro, eu, que me prezo de ser honesto e nobre, que queria e quero fazer obra duradoura e capaz, no dei nem poderia dar crdito a informaes levianas ou infundadas. Apenas de pessoas cultas e honradas, que me mereciam toda a f, recebi esclarecimentos e histrico auxlio. E a elas o meu decidido e franco agradecer.Ainda cinco e interessantes observaes:1 No ardor cego da peleja que bem se podem conhecer as boas qualidades da arma que se maneja. Para me fortalecer contra futuros e levianos embustes de crticos apaixonados, resolvi mudar em tempo o ttulo e sub-ttulo da obra iniciada com a publicao do volume relativo a Sergipe: Homens do Brasil, quero crer, melhor se presta ao livro que Brasileiros Ilustres, do mesmo modo que o sub-ttulo aqui adotado mais sugestivo e prtico que o anteriormente preferido e divulgado. Ao erudito Sr. Dr. Helvcio Monte, alagoano de nascimento, mas sergipano pela meninice e cearense pelo corao, devo essa frmula feliz, que espero seja recebida com satisfao e simpatia pelos sergipanos de boa vontade.2 Arraigada me era a inteno de ilustrar o perfil dos poetas prosadores, com a transcrio de um trabalho escrito pelo prprio punho de cada um deles: assim o livro, que se destina especialmente mocidade das escolas, ficaria menos pesado, seno muito mais atraente. Mas, apesar do grande esforo empregado, no foi j tanto possvel. Ficar o objetivo para a 3 edio, se os sergipanos de amor ao bero, sobretudo os escritores, quiserem me auxiliar no rduo empreender.3 Imitando a americana publicao em princpio citada, todos os oficiais superiores da terra e mar so includos no corpo do livro: ningum chegar pode a to alta posio, sem uma boa soma de servios ao pas.4 Para manter em dia, melhorando sempre, este volume, aceitarei, com satisfao mxima, um exemplar das obras que hajam sido escritas ou reimpressas, todas de autores sergipanos.5 Correes e ampliaes, honestamente apontadas, sero recebidas com alegria pelo autor, sua residncia, no Rio de Janeiro, rua S. Francisco Xavier, n. 866.SERGIPEAABDIAS BEZERRA Professor. Nasceu na vila de Siriri a 9 de setembro de 1881, filho legtimo do professor Joo Antonio Bezerra. rfo de pai aos sete anos, entrou para o comrcio, como caixeiro de pequena casa, mas assaz contrariado, por se sentir com disposio de estudar, de saber. Em 1899 foi residir em Aracaju em companhia de um seu tio, o genial sergipano Guilhermino Amncio Bezerra, a se matriculando no Ateneu Sergipano. Nesse ano, porm, no pde prestar exames, devido morte de seu estremecido progenitor. Em 1898 freqentou os cursos particulares dos professores Teixeira de Faria, Brcio Cardoso e Alfredo Montes. Em 1899 fundou a Sociedade Literria Tobias Barreto e escrevia na imprensa, ao passo que estudava preparatrios, em cujos exames, quase todos, foi distinguido. Depois disso seguiu para a Escola Militar do Realengo, onde se fez soldado, apesar de um grande desejo de cursar a academia de medicina. Fazia o seu curso militar com brilho, quando, em 1904, metendo-se na revolta de 14 de novembro, foi desligado e remetido preso para a Bahia. A serviu no 16 de infantaria, como amanuense do quartel general. Expulso logo depois do exrcito, voltou casa do tio. Anistiado, no mais quis voltar ao exrcito, entrando com o p direito no magistrio, para o que tinha especial pendor. Adquiriu ento muitos alunos, colaborando em seguida com o professor Alfredo Montes Jnior, lecionando especialmente matemtica no Ginsio Sergipense. Revelou ento brilhantes dotes pedaggicos. Na revolta de 10 de agosto de 1905, fez parte da Assemblia que apoiou Fausto Cardoso. Em 1908, vaga a cadeira de aritmtica da Escola Normal, pretendeu obt-la por concurso. Este, porm, no foi aberto, graas reforma ento realizada e conseqente nomeao de um feliz pretendente. Em 1911 obteve por concurso brilhante a cadeira de francs do Ateneu, sendo depois, por vontade prpria, transferido para a cadeira de aritmtica e mais tarde para a de portugus. E em cada uma dessas disciplinas, como sustenta Baltazar Ges, se tem revelado mestre perfeito, prudente, justiceiro, competente.ABDIAS DE OLIVEIRA Magistrado. Nasceu em Itabaiana. presentemente desembargador no Supremo Tribunal de Justia, de Pernambuco, onde goza da mais larga e merecida simpatia pblica, por seus grandes dotes morais.ABREU FIALHO Mdico e professor. Natural de Sergipe. Formou-se em medicina, dedicando-se com superior competncia, no Rio de Janeiro, clnica oftalmolgica. Tambm professor da faculdade de medicina na capital do pas.A. DIAS DE BARROS Mdico e professor. Nasceu em Aracaju. Formando-se em medicina, pouco depois, em concurso brilhante, era nomeado professor de histologia da faculdade do Rio de Janeiro. Foi interno de clnica psiquitrica e de molstias nervosas, durante trs anos, da Faculdade e do Hospcio de Alienados. Dirigiu este ltimo estabelecimento. Secretariou e presidiu a Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio. Foi vice-presidente de uma das mais importantes seces do Congresso Cientfico latino-americano, reunido capital do pas, e por fim deputado federal por Sergipe, na legislatura passada. Homem de grande talento e de profunda erudio cientfica e mdica, orador exmio, professor emrito, goza nas rodas profissionais do Rio de Janeiro de mui justa e merecida popularidade. Alm de sua tese, tem publicado vrios trabalhos mdicos, de valia incontestvel, um dos quais lhe deu a honrosa posio de membro efetivo da Academia Nacional de Medicina. scio correspondente da sociedade mdico-cirrgica de Lisboa, da sociedade mdica de Santiago do Chile e um clnico de muito merecimento profissional.ADOLFO VILA LIMA Professor e jornalista. Nasceu na Estncia, a 20 de agosto de 1882. Entrando mui jovem para o comrcio, foi durante doze anos comerciante e caixeiro na Bahia, sempre com o desejo ardente de fugir a esse grande cativeiro. Para isso estudou, convencido, s horas vagas, o curso de humanidade. Em 1904 foi ao Rio de Janeiro, com o firme propsito de se matricular na Escola Militar de Realengo. Voltando a Aracaju, fez a aquele curso, matriculando-se em 1906 na faculdade livre de direito da Bahia, como assistente, por no haver ainda concludo todos os preparatrios. Em fins de 1906 foi promotor pblico de Propri, sendo em 1909 transferido para a Estncia, onde se entregou tambm advocacia. Em 1910 formou-se em direito no Recife, com doze distines em todo o curso. Em 1913 foi nomeado inspetor geral do ensino pblico. Em 1915 fez concurso em Aracaju para a cadeira de pedagogia, cargo que atualmente ocupa com grande ardor e brilho. uma organizao delicada no fsico, forte na inteligncia e agigantado nas mximas virtudes morais. Dotado de grande nobreza de sentir, sumamente dedicado aos seus, trabalhador infatigvel, tem o direito, conquistado fora de vontade e a golpes de talento, de figurar com destaque s pginas sinceras deste livro. scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. Quando publicou seu primeiro livro A Academia na Vida Prtica, Clovis Bevilaqua lhe enviou a seguinte e honrosa carta: Ao ilustre moo, Sr. vila Lima, agradecemos penhorados a remessa de seus bem elaborados escritos, enfeixados no volume A Academia na Vida Prtica, onde tivemos ocasio de apreciar um esprito culto e seguro, no obstante a sua pouca idade, possuidor de boa dialtica e exposio clara. Por isso, com os nossos agradecimentos, enviamos as nossas sinceras felicitaes ao distinto bacharelando.vila Lima gosta tambm do jornalismo, a que se entrega com ardor em Sergipe. Do seu excelente trabalho pedaggico No domnio da filosofia pedaggica, publicado em setembro de 1913 pelo Estado de Sergipe, transcrevemos as seguintes linhas iniciais, para se julgar o escritor:Nos domnios da filosofia pedaggica moderna, discute-se, mais ou menos caprichosamente, a questo de saber se a religio da f deve ou no ser ensinada nas escolas primrias.Opinies, mais ou menos bem orientadas, tm sado a campo, pronunciando-se ora pela afirmativa, ora pela negativa.Assim que publicistas de vrios matizes metafsicos fazem questo cerrada de fazer a religio da f parte integrante das disciplinas escolares.Confundindo as idias do dever e do bem com a religio, na sua simplicidade triste, chegam a pensar que a religio uma das bases fundamentais da tica, que, como todos sabemos, a cincia da reta conduta, tendo por precpuo objeto a preparao do carter humano para as lutas benfazejas da civilizao e do progresso.Outros pensadores, porm, menos exagerados e mais justos para com o sentimento contemporneo, que v num ideal de moralidade a salvao do homem, opinam pelo ensino da religio nos institutos educativos primrios, apenas sob o ponto de vista histrico, isto , como existia ela no tempo e no espao, como vive ainda no corao do povo, e quais os efeitos, que h produzido, nas suas relaes com a evoluo da humanidade.Depois destas duas correntes, que tm expressivos pontos de contato e de dessemelhana entre si, vem a terceira falange dos chamados impropriamente materialistas modernos, combatendo os fundamentos das duas primeiras escolas filosficas acima citadas, pretendendo, aprioristicamente, que a religio da f, sob qualquer ponto de vista, no passa de um dogma de carter ontolgico, de um mito; e que, como tal, estando fora da natureza e da cincia, uma quimera, uma iluso, uma utopia, no devendo, por isso, ser ministrada nos colgios primrios, por carecer, ainda mais, de base experimental.Os outros trabalhos deste escritor so: Orao (Conferncia cvica), Escravido e Liberdade (conferncias), e Boletim Geral sobre movimento escolar.vila lima tambm era poeta e msico distinto: a sua valsa Sempre Terna um trabalho inspirado, em tempo francamente aplaudido, e o Cepticismo, a seguir, confirma a primeira parte da afirmao:ScepticismoJ por tudo que passei cantando alegremente,Da vida as iluses e os risos da esperana;E agora s me resta o tdio do descrente,Porque j l se foi meu tempo de criana.Cheguei mocidade, fase da pujana,Onde a crena perdi aflito e maldizente,Daquela histria antiga e cheia de bonana,Que Moiss espalhou em todo o peito crente.Que de novo h na vida, alm da luta ingrata,Constante evoluir duma aflio, que mata,A pobre humanidade a imagem da misria?Assim como da fora escravo o movimento,E deste o velho mundo, o mundo do tormento,Assim tudo que existe um misto de matria!...1908.ALCINO BATISTA MONTEIRO Advogado e poltico. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito em Pernambuco. Passando a residir na Bahia, foi a chefe de polcia, advogado de fama, gro-mestre da maonaria e deputado geral em vrias legislaturas. Era homem, portanto, de grande talento.ALEXANDRE PINTO LOBO Magistrado. Entrou em chapa senatorial com o Baro de Maroim. Era sergipano.ALEXANDRE RODRIGUES DA SILVA CHAVES Bacharel em direito. Foi o 31 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 31 de julho de 1863.ALFREDO CABRAL Professor e jornalista, em Aracaju, onde nasceu a 7 de agosto de 1887. Aos 12 anos de idade j fazia versos e escrevia contos. Aos 15 anos terminava o curso de humanidades capital sergipana. E aos vinte conclua o seu curso de direito, quase todo com distino, na cidade do Recife. Foi, pois, de admirvel precocidade intelectual. Voltando a Sergipe depois de formado, foi promotor pblico em trs cidades sucessivamente: Estncia, Laranjeiras e Maruim. Em 1909 fez uma viagem de recreio e estudos ao sul do Brasil, demorando-se algum tempo no Rio e em S. Paulo. E, esprito arguto, ao chegar em Aracaju escreveu uma srie de artigos Em S. Paulo, em que analisava com superioridade de vistas os notveis progressos do grande estado paulistano. Em 1910 fez concurso para a cadeira de histria do ateneu sergipense, a qual hoje se acha sob a sua direo. Tem uma cabea enorme, mesmo sergipana; de baixa estatura e franzina constituio, cheio de inteligncia, na atividade grande e na modstia mximo. Conhece o francs e o ingls, o espanhol e o italiano. Vive em perfeito isolamento. Fala com maestria e escreve com grande beleza e correo. Em vrias revistas baianas, na imprensa do Recife, no Dirio Popular de S. Paulo, no Estado de Sergipe e no Dirio da Manh de Aracaju tem colaborado com freqncia, assinando trabalhos literrios de valor nas cincias sociais, nas belas letras e na filosofia, com o prprio ou com o pseudnimo de Nubio. O Estado da Filosofia, nas colunas do Dirio da Manh, um estudo filosfico sensato e sugestivo. Em 1912 foi eleito secretrio da congregao do ateneu e presentemente scio do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano, numismata apaixonado e filatelista convencido. Tem em mos duas obras de grande valimento, com as quais se h de firmar definitivamente alm das fronteiras sergipanas: Da influncia da filosofia na evoluo social e Histria Universal. Das suas qualidades literrias damos este exemplo sugestivo, tomando ao Dirio da Manh de 22 de setembro de 1912:GABINETE DAS LETRASPginas EsquecidasIIDestacamos de Trionfo della Morte, bela obra desse escritor pago, bria de forma e sentimento, que dAnnunzio, um dos mais interessantes trechos.Escritor pago, dissemos. Porque ningum, neste fecundo sculo vinte, sonha com o esplendor do Olmpio, com esses deuses, essas ninfas, esses heris da lenda antiga, que o romancista italiano. Tem a alegria de um fauno. Na sua sensibilidade de artista, radicaram-se estes santos entusiasmos por essa cultura amvel, que floresceu entre os gregos, cultores do ideal, admiradores da vida, criadores jocundos do amor. um dos mais nobres representantes da arte realista. Mas o inimitvel mestre se peja de reproduzir o brutal das paixes e o despudorado das cenas, a no ser para pintar esta parte ntima e sublime da natureza humana, que a alma. Os seus personagens requintam pela espiritual finura. Respiram uma atmosfera impregnada de sonho, de exaltao e de grandeza, como se a civilizao e todo o progresso moral fosse uma larga caudal de ddivas e mercs, que se desoprimisse nos seus vastos peitos.G. dAnnunzio possui um forte e esquisito temperamento. Sensual com a sua raa, ele reflete no livro, com nervos ansiosos e cruis, a graa capitosa dos cus, dos campos e dos mares de sua ptria. Filho do pas da Arte e da Histria, bebeu a longos tragos o vinho tpido e dourado do classicismo e formou a sua complicada psicologia na intimidade triste das runas, dos mosteiros, das esttuas silentes e das criptas famosas.ALFREDO DE SIQUEIRA MONTES Professor e educador. Nasceu a 1 de janeiro de 1848, no stio de Florncia, municpio do Socorro, filho legtimo do major Teodorico Montes. Fez com brilho seus preparatrios, no antigo Liceu Sergipense. rfo de pai, para poder amparar a famlia, aos quinze anos de idade aceitava a nomeao de oficial da 2 seco da secretaria do governo. Isso a 17 de abril de 1863. e abandonou a idia de uma prxima e notvel formatura acadmica. A 5 de maio de 1871 foi nomeado chefe da 1 seco. Logo depois de empregado pblico atirou-se com ardor ao magistrio, para o que havia fadado a natureza. A 28 de junho de 1877 obteve, em brilhante concurso, a cadeira de ingls do Ateneu Sergipense, onde ento comea a sua ao proficiente e benfica, no preparo da juventude sergipana. Em 1888 fundou e dirigiu o Ginsio Sergipense, que vigorou at 1898, e onde preparou uma pliade de sergipanos, que por todo o Brasil veneram o nome exemplar do mestre inolvidvel. Colaborou na imprensa local, foi presidente do conselho municipal e diretor da Escola Normal. Faleceu no Aracaju, a 1 de agosto de 1906. era de baixa estatura, deveras concentrado, cheio de belas qualidades de inteligncia e de carter. Deixou indita uma Gramtica portuguesa.AMANCIO JOS PEREIRA DE ANDRADE Bacharel em direito. Foi o 22 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 17 de outubro de 1849.AMINTAS JOS JORGE Marinheiro. Nasceu em Aracaju a 11 de julho de 1860, alistando-se na marinha em 1880. Foi guarda-marinha em 1882; 2 tenente, em 1884; 1 tenente por merecimento, em 1890; capito-tenente por bravura, em 1894; capito de fragata por merecimento, em 1907; capito de mar e guerra, ainda por merecimento, em 1912; contra-almirante reformado, nesse mesmo ano. Homem de regular estatura e de robusta constituio fsica, audacioso e bravo, prestou reais servios legalidade em 1894 e tambm em 1904. Comandou as seguintes unidades navais: monitor Rio Grande, Vidal de Negreiros, Greenhalgh, Piraj, Pedro Afonso, Tupi, Deodoro, Barroso e Minas Gerais. Foi capito do porto de Aracaju e inspetor do arsenal da marinha do Par. Como imediato de Benjamin Constant, percorreu em misso diplomtica vrios estados da Europa e da Amrica. Gozava na sua classe justa estima e popularidade, graas s suas excelentes qualidades profissionais. Pena que desgostos profundos o tivessem levado to cedo reforma. Seria um grande almirante, porque era um adestrado e perfeito marinheiro, amigo da ordem, da disciplina e da lei. Em agosto de 1913, ao entrar no ministrio o almirante Alexandrino, foi nomeado encarregado do depsito naval no Rio de Janeiro, cargo de que foi mais tarde dispensado. scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe.ANACLETO JOS CHAVANTES Advogado. Nasceu em S. Cristvo, a 1 de novembro de 1801. Como escrivo da Ouvidoria, obteve proviso do Tribunal da Relao da Bahia para advogar, passando a exercer essa profisso em Laranjeiras. Pelos relevantes servios a prestados em 1855, por ocasio da epidemia do clera, foi agraciado com o Habito de Cristo. Quando o Imperador visitou Sergipe, em 1859, sendo vereador e presidente da cmara de Laranjeiras, foi agraciado com a Comenda da Rosa. Em 1872, com toda a famlia, foi residir na Corte, onde faleceu em 1877. Era de regular estatura, cheio de corpo, de excelentes modos e maneiras.ANDR RAMOS ROMERO Poltico e capitalista. Nasceu em Portugal, vindo criana para o Brasil e fixando residncias no Lagarto, onde desposou D. Maria de Vasconcelos. o progenitor de Silvio Romero. Chefe do partido liberal no Lagarto, capitalista, homem influente, foi cavaleiro da ordem da Rosa e de Cristo e ainda comendador pelos grandes servios prestados ptria adotiva. Faleceu a 3 de julho de 1894.ANGELO FRANCISCO RAMOS Bacharel em direito. Sendo 3 vice-presidente, assumiu a presidncia da Provncia a 5 de novembro de 1865.ANIBAL FREIRE DA FONSECA Poltico e jornalista. Nasceu no Lagarto a 7 de julho de 1884. Fazendo seus estudos primrios com a professora D. Etelvina Amlia de Siqueira, revelou brilhantes qualidades intelectuais, depois confirmadas no curso de humanidades e por fim na academia de direito. Bacharelou-se no Recife, havendo iniciado seus estudos jurdicos no Rio de Janeiro. E durante o tempo de acadmico dedicou-se com brilho vida jornalstica. Foi secretrio do governo de Pernambuco, que representou superiormente na cmara dos deputados no Rio. Sua pena considerada mui brilhante.ANSELMO FRANCISCO PERETTI Bacharel. Foi o 15 presidente de Sergipe. Tomou posse a 28 de dezembro de 1842.ANTONIO BEMVINDO RAMOS Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 9 de novembro de 1867, verificando praa no exrcito em 1885. Matriculando-se na Escola Militar da Corte, foi promovido a alferes de infantaria em 1893; a tenente por bravura, em 1897, na campanha de Canudos; a capito, em 1906; a major por merecimento, em 1913. Em 1893 timos servios prestou causa legal. Fez com bravura a campanha de Canudos. Tomou parte na concentrao do vale do Amazonas em 1904. de regular estatura e de robusta constituio fsica.ANTONIO CANDIDO DA CUNHA LEITO (Dr.) Foi o 37 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 11 de maio de 1871.ANTONIO CARMELO Sacerdote, literato e professor. Nasceu em S. Cristvo a 9 de fevereiro de 1870, abraando aos verdes anos a carreira religiosa. Ordenou-se na Bahia. Homem de regular estatura e de robusta compleio, dotado de lcida inteligncia, escreve com grande brilho e correo o vernculo idioma. Em 1910 publicou no Rio de Janeiro um volume de duzentas pginas Olimpio Campos perante a histria, o qual foi recebido com geral simpatia pela imprensa da capital do pas. Desse volume j impressa a 2 edio. Em 1912 publicou dois novos volumes Uma visita minha terra e Impresses e Saudades, ficando ento consagrado emrito prosador. Em 1914 deu a lume os seus Aspectos Sergipenses, obra de erudio geogrfica e histrica. O padre Carmelo dedica-se tambm ao magistrio particular, sendo presentemente um dos mais conceituados instrutores do Ginsio Federal. A leciona latim e francs no 3 ano do curso secundrio. A Revista Pedaggica, desse superior estabelecimento de ensino, lhe tem publicado excelentes produes, de grande alcance pedaggico e moral. Curiosidades o ttulo da seco por ele mantida quela publicao. Do merecimento literrio do escritor segue a brilhante mostra, das suas Impresses e Saudades:PartindoMinha me no quis trazer-me a bordo. Era natural a escusa: furtava-se dor que castiga e mata o corao materno... derivava dalma o ardor da saudade que mais forte estuaria, se ela visse fugir aos olhos, confiado apenas, a leve batel, oscilante veia dgua, o primeiro filho que por amor a mseros fragmentos de cincia, desertou o lar, confiando aos outros irmos o cultivo do convvio e do carinho fraterno. Meu pai, porm, no. Forte, calmo, veio comigo at a extrema ponte onde amarrava minsculo transatlntico que deveria levar-me Bahia. No tenho lembrana, ainda vaga, de me terem vindo trazer suas despedidas colegas e amigos de infncia; no me recordo mesmo, se l vi irmos, tanto nele, em meu pai, tinha posto o corao, olhos e alma. O que, entretanto, nunca a mo do tempo pde, nem poder jamais o esquecimento obliterar em minha memria; o que a distncia no conseguir nunca nublar, por mais que na ordem do tempo dela me afaste, aquela cena, modestssima embora, mas que tem sua alma nas emoes do que fica e nas tristezas do que parte.O quadro, de dimenses alis exguas, criara-se e momentaneamente movera-se em uma tela que se no de grande impresso e inspiraes para a arte, todavia de viva recordao para mim. Assim desenhava-se ele: ao fundo uma montanha deselegante, de aspecto spero, quase inculta, seno de cultura pobre e miservel. Na base um casaro a desabar, um trapiche sem porta boca que se abria hiante como a devorar tudo. Corria aos lados, farfalhando ao vento, crescida e basta floresta de mangues colorida de verde escuro, de onde se destacavam, como nota alegre, raras folhas amarelas e outras vermelhas, que ao menor abalo do vento rolavam deslizando flor das guas. Por cpula o cu azul, algodoado de nuvens brancas que se redoiravam e poliam luz de um sol queimante e belo.O plano em que nos levantamos, eu e ele (meu pai), era feito de traves pesados, toscamente falquejados e mal unidos, deixando ver, por entre frinchas, verdadeiros hiatos, to largos que engoliriam um p e a perna, crustceos a correr na lama e peixes a disputar tona dgua, o esporo gordo que caa da cozinha de bordo.Um vento grosso, mas fresco, que comeava de soprar da barra trazendo o urro surdo das vagas a escachoar na areia, era sinal de guas montantes a repontar no canal, l fora, e pois era necessrio partir. De momento, um silvo forte, inesperado, agudo, que eu nunca ouvira, sacode-me brutalmente os nervos que estalam, fere os ares e ecoando ao longo morre num fragor de trovoadas, sobre o dorso liso do Vasa-barris que alm serpea sem majestade e sem beleza.Ia zarpar a nau. Maquinalmente tomei a mo dele e beijando-a deixei-a para abra-lo e ento partir.ANTONIO DA MOTA RABELO um sergipano de valor, do qual nada nos possvel adiantar presentemente.ANTONIO DE ARAUJO DE ARAGO BALCO Bacharel em direito. A 20 de outubro de 1867 tomou posse da presidncia de Sergipe. Foi o 34 presidente da Provncia.ANTONIO DO REGO TRAVASSOS Mdico. Nasceu em Japaratuba em 1859, formando-se em medicina no Rio de Janeiro em 1882. Graas s suas grandes qualidades intelectuais, foi um dos melhores estudantes de sua turma. Voltando a Sergipe depois de formado, a faleceu flor da idade, um ano depois, em 1883. Era de media estatura, magro, moreno e dotado de nobres predicados de carter.ANTONIO DIAS COELHO E MELO, Baro da Estncia Agricultor. Senador do Imprio, comendador e segundo sogro do grande sergipano coronel Jos de Faro. Era homem influente, mas sem cultivo intelectual bastante. Como 2 vice-presidente da Provncia, de onde era natural, trs vezes assumiu a presidncia: em 21 de junho de 1863, 24 de fevereiro de 1864 e 2 de janeiro de 1866.ANTONIO DIAS DE PINA JUNIOR Poltico. Formou-se em direito, sendo companheiro do Dr. Jos Luiz Coelho e Campos. Foi deputado provincial. um grande distinto.ANTONIO DINIZ COELHO E MELO Industrial. De poderosa famlia, agricultor abastado, proprietrio do engenho Caicira no vale do Cotinguiba, era homem de vida concentrada, dedicado ao seu servio, fora da atividade poltica. Inesperadamente includo em lista trplice senatorial, em 1859, ele e o Baro de Cotinguiba, como verdadeiros cunhas, como ento se dizia, para forarem a escolha do Baro de Maruim, foi nessa ocasio inesperadamente escolhido senador. Era o ltimo da lista. Homem austero, inteiramente inculto, regular na estatura, dedicado de corpo, era um vigilante continuo, em sua propriedade, dos seus bens de fortuna. Faleceu em 1884.ANTONIO DINIZ DANTAS E MELO Agricultor. Fez parte da junta governativa aclamada e empossada a 17 de novembro de 1889, em Aracaju.ANTONIO DOS PASSOS MIRANDA Bacharel. Foi o 41 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 15 de janeiro de 1874.ANTONIO DOS SANTOS JACINTO Mdico. Nasceu em Laranjeiras a 3 de maio de 1827, formando-se em medicina na Bahia em 1852. Por sua grande inteligncia e aplicao, foi considerado um dos primeiros alunos do seu tempo. Fez-se clnico depois no Maranho, onde foi comissrio vacinador, e depois mdico da polcia, da cadeia, da misericrdia e do exrcito. Latinista de valimento e conta, escreveu em latim a sua tese de formatura. Sustenta-se ser ele o autor de um livro que apareceu contra a maonaria e intitulado As Sociedades Secretas.ANTONIO FERNANDES DA SILVEIRA Presbtero. Nasceu na Estncia, nos fins do sculo XVIII. Foi presbtero do habito de S. Pedro, monsenhor da capela imperial, conselheiro do Imperador, comendador de Cristo e deputado provincial e geral em diversas legislaturas. Homem influente e de notvel inteligncia, escreveu em 1835 Resposta carta dirigida ao ministro do Imprio por diversos deputados, e tambm um Ofcio sobre preciosas minas de ferro e um rio subterrneo na Provncia de Sergipe. Cabe-lhe a glria da instalao do primeiro jornal sergipano, em setembro de 1833 O Recopilador Sergipano. Faleceu na Bahia, a 30 de janeiro de 1862.ANTONIO GARCIA ROSA Mdico. Nasceu em 1845 em Japaratuba, onde iniciou os seus estudos de humanidades. Em 1862 seguiu para a Bahia, a concluindo aqueles estudos e se matriculando na faculdade de medicina. Formado em 1870, clinicou em Feira de Santana, na Bahia, e em Maruim, em 1873. Faleceu flor dos anos, em 1877. Era de regular estatura e delicada constituio, sempre prazenteiro e afvel no exerccio de sua profisso, por isso mesmo querido e estimado em toda a parte.ANTONIO GARCIA ROSA Poeta e professor. Nasceu em Sergipe, onde se entrega com proveito ao magistrio pblico e s belas letras, apesar de formado em farmcia. Dotado de grandes dotes intelectuais, assaz modesto, tem um jeito especial para as belas letras, a poesia sobretudo. A Desdenhosa, a seguir, uma das suas ltimas e interessantes composies, e A Fonte se nos apresenta um dos mais belos sonetos ultimamente publicados em vernculo idioma.DesdenhosaFormosa, sim, reconheo;Mas no me enganes. PareceFranzir-te o lbio travessoO motejo em vez da prece.Minhalma, em doido arremesso,Quando passas, se embevece...Es como a jia de preo,Que deslumbra e no aquece.Lindo mrmore impassvel!Teu seio em flor nunca vibra,Na nsia divina de amar.Lembras-me a estrela intangvel,Que l no azul se equilibra,E nos convida a sonhar.A FonteNo seio umbroso da floresta antigaDesliza a fonte, a murmurar, sonora.Se raia o sol, que lmpida cantiga!Se o sol transmonta, abaixa a voz e chora.Ao sapo, fera, ao pssaro mitigaA sde que os persegue, abrasadora;Reflete o galho em flor drvore amiga,De mistura com o verme que o devora. prpria pedra que lhe estorva, bruta,O livre curso musical, de jeito,A dar-lhe face uns frmitos de luta, prpria pedra d mais lindo aspeito...Oh! Musa ingnua, oh! minha Musa, escuta:Tens nessa fonte um smbolo perfeito.ANTONIO JOS DA SILVA TRAVASSOS (Comendador Travassos) Advogado e proprietrio, um dos maiores sergipanos de todos os tempos. Nasceu em Sergipe, no Engenho Rio Vermelho, em Japaratuba, a 5 de julho de 1804. Homem de grande atividade e lcida inteligncia, foi advogado, proprietrio rural e diretor de vrias empresas de melhoramentos locais. Faleceu em Sergipe, a 24 de maro de 1872. Gozava de grande estima e de grande popularidade. Era comendador da Imperial Ordem da Rosa e cavaleiro da Ordem de Cristo, por servios relevantes prestados a Sergipe. Pedro II o admirava muito. Era de alta estatura, robusto sem corpulncia, constituio sangunea, alvo, cabelos castanhos claros quase ruivos, muito cho no viver, bonacho no tratar. Uma particularidade notvel: no tinha apego ao dinheiro: quanto ganhava, gastava consigo ou com os necessitados. Um tipo moral superior, portanto. Em 1856 fundou e redigiu em Santo Amaro o jornal O Conciliador, em cujas colunas propagava com ardor a liga dos partidos polticos, que impediam o desenvolvimento da Provncia com suas exaltaes e disputas. Mas muito antes j se fizera conhecido, na regncia e no segundo reinado. Como que sintetiza esse homem inteligente e patriota um esprito nobre de revolta contra retrgrados mandes da querida terra. Em 1865 publicou a Navegao dos Rios Pomonga e Japaratuba, e em 1875, depois de sua morte, publicavam-se os Apontamentos histricos e topogrficos de Sergipe, obra tambm de sua lavra. Eis aqui algumas e textuais palavras desse grande lidador:Nesse ano (1856) apareceu o programa poltico de conciliao, apresentado pelo governo imperial, e o presidente convidou-me a propalar as idias que eu adotava, e ento passei a publicar na Vila de Santo Amaro o jornal Conciliador, cujo prospecto foi aquele programa de conciliao, mostrando a necessidade de se acabar com os partidos e influncias nocivas deles, a fim de cuidar-se dos melhoramentos materiais de que tanto precisava a Provncia, que no podia prosperar, por causa desses partidos de ndole de famlia, que tanto a dilaceravam, devendo substitu-los uma poltica larga, generosa e tolerante.ANTONIO GERVASIO DE S BARRETO Advogado e jornalista em Aracaju. Nasceu em Itabaiana a 5 de outubro de 1873. Fazendo o curso de humanidades em Laranjeiras, estudou depois consigo mesmo vrias disciplinas literrias e cientficas. Foi promotor pblico em Maruim e na Capela, procurador fiscal e deputado estadual em duas legislaturas. Fixando residncia em Aracaju, dedicou-se advocacia e ao jornal, especialidades para as quais tem decidida vocao. Homem de baixa estatura, de delicada compleio fsica e de grande lucidez de inteligncia, dotado de excelentes atributos morais, entre os quais predominam a energia e a vontade, redigiu em Laranjeiras O Cotinguiba, O Novo Sculo e O Municpio, e em Aracaju colaborou fortemente no Estado de Sergipe, na Folha de Sergipe e no Dirio da Manh. Ultimamente, vencendo mil obstculos, conseguiu fundar na capital sergipana uma revista ilustrada Vida Sergipana, brilhante e duplo atestado: de fora de vontade mscula e amor muito grande ao jornalismo. Escreveu um interessante livro sobre a poesia popular em Sergipe, do qual j publicou alguns excertos na imprensa de Aracaju. major da guarda nacional, scio efetivo do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano e secretrio do Tribunal de Relaes de Sergipe. Do seu valimento literrio d uma ntida idia a transcrio seguinte, da Vida Sergipana de 3 de novembro de 1912:CrnicaPassou ontem o dia de finados, a mais piedosa data e a mais humana memorao que os homens cultos preiteiam.Na morada triste em que vicejam os goivos, no terreno santo da morgue, orvalhado pelas lgrimas, os mortos receberam ontem a visita dos vivos.Sublime comunho da vida com a morte, esta festa da saudade exprime o que de mais delicado e afetivo existe no corao do homem. bem certo que na terra revolta do campo santo, sob o mrmore dos mausolus, no h ouvidos que ouam os soluos, nem bocas que respondam s saudaes, nem mos que recolham as flores; mas por isso mesmo que esse culto assume um carter mais nobre e requintado.Que somos ns seno a herana dessas geraes que dormem o eterno sono nessa cidade triste da Morte?Que so essas brancas ossadas, seno as razes da vida que palpitam em nosso ser?Que so os tmulos seno os casulos de onde partimos, em revoada, como outras borboletas, efmeras e frgeis, para o tmulo da existncia?Assim entendido, o culto dos mortos a prestao de uma dvida que no se extingue, porque se prolonga na continuidade da vida, passando de gerao em gerao. nisso, sobretudo, que se distingue o homem civilizado do resto dos seres.A ave abandona o ninho onde se emplumou e, uma vez senhora do espao, no recorda a rvore amiga onde balouou o seu bero.S o homem culto guarda o preito s aras do passado e volta piedosamente a rever com saudades o sagrado stio onde jazem os restos dos seus maiores.O dia de finados , por isso, o mais precioso documento da civilizao.ANTONIO JOAQUIM ALVES DO AMARAL Comendador. Foi o 18 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 15 de abril de 1845.ANTONIO LEONARDO DA SILVEIRA DANTAS Padre e poltico. Nasceu em Sergipe, que presidiu em maro de 1896, como presidente da Assemblia, na ausncia do presidente eleito, coronel Valado. Deposto a 4 de setembro, foi reposto no dia seguinte pelo governo federal. Homem de baixa estatura, mas de vigorosa constituio, um tanto coxo, pleno de inteligncia e de erudio, foi excelente pregador em quase todas as cidades sergipanas, onde muito conhecido e estimado.ANTONIO MILITO DE BRAGANA Clnico em Laranjeiras, onde nasceu a 31 de julho de 1860. Seguindo para a Bahia a fim de estudar humanidades, ali se formou em medicina em 1883. Embarcou ento para o Rio, onde durante quatro meses freqentou os hospitais e a policlnica, que se acabava de fundar. Clinicou um ano em Laranjeiras, seguindo depois para a cidade de Po de Acar (Alagoas), onde conseguiu numerosa clientela, dessa e das vizinhas Provncias. Por exigncias da famlia, voltou cidade natal em 1902, onde hoje tem uma vasta clnica, que abrange quase todo o Estado. mdico do hospital de caridade e delegado de higiene. Homem de regular estatura e robusta constituio, muito inteligente e culto, dedicado de corpo e alma sua especialidade, publicou em 1912 um interessante folheto, sobre a epidemia de Varola em Laranjeiras. Dele tiramos as seguintes e iniciais palavras, para dar uma idia do escritor:Por entre cansaos e tristezas, quase, talvez, no trmino de meu tirocnio clnico, foraram-me as circunstncias a enfrentar de perto o quadro ttrico em que, com cores negras, se desenharam os horrores por que passou Laranjeiras, assolada por espao de oito longos meses pela no h muito extinta epidemia de varola, de amargas, pungentes e dolorosssimas recordaes.Pesadssimo tributo pagou esta velha terra a to terrvel morbus, roubando-lhe este vidas preciosas, ceifando-lhe esperanas legtimas, aniquilando-lhe o comrcio de h muito freqentado, cerceando-lhe, finalmente, todas as manifestaes de sua vida social e material.ANTONIO MUNIZ DE SOUZA Naturalista e filsofo. Bisav de Tobias Barreto. Nasceu em Sergipe mais ou menos em 1790, dedicando-se ao estudo das cincias naturais. Acrescentava sempre ao seu nome o ttulo de Homem da Natureza, pelo qual era vulgarmente conhecido. Em 1834 publicou o volume I da sua Viagem e Observaes de um Brasileiro. Faleceu em 1840 mais ou menos. Em 1845 um seu amigo lhe publicava as Mximas e Pensamentos. E em 1846 foi oferecido ao Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro mais uma das suas obras Descobertas Curiosas. A lhe vem acrescentado o sobrenome de Oliveira.ANTONIO MUNIZ TELES Telogo, orador sacro e latinista profundo. Nasceu em Laranjeiras.ANTONIO PEDRO DA SILVA MARQUES Magistrado. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito no Recife. Foi juiz municipal em Socorro, e logo depois deputado provincial. Passando a residir em Pernambuco, a foi juiz de direito, chefe de polcia no governo Barbosa Lima, questor policial por muito tempo, desembargador do Supremo Tribunal de Justia, vice-governador do Estado e presidente do Senado. Eleito deputado federal por Sergipe, revelou-se um orador fluente e capaz. Homem de franzina constituio, sucumbiu inesperadamente, ainda moo. Seu relatrio, como questor policial em Pernambuco, mereceu dos competentes os mais lisonjeiros comentrios.ANTONIO PEREIRA MARINHO Capito-mor em 1790, dois sculos depois da conquista por Cristvo de Barros.ANTONIO PINHEIRO DE CARVALHO Administrador de Sergipe desde 1607. Coube-lhe a idia de mudar a cidade de S. Cristvo, do outeiro junto ao rio Poxim, onde havia sido construda, para uma elevao mais prpria, nas margens do Piramopama, afluente do Vaza-barris, onde se deu a invaso holandesa em 1637. A 19 de maio de 1611 foi substitudo por Joo Mendes.ANTONIO PREGO DE CASTRO Foi o primeiro sergipano que teve a glria de dirigir os destinos de Sergipe. Homem riqussimo, descendente do clebre explorador e fazendeiro Belchior Dias, morreu pobre, por se haver envolvido em uma ao sobre a administrao do morgado da Capela do Desterro do Rio Real. Esprito inteligente, foi educado por um professor vindo de Portugal. Tinha foros de fidalgo. Era sargento-mor, sendo nomeado em junho de 1878 capito-mor da capitania, em substituio a Joo Munhos.ANTONIO RIBEIRO PACHECO DVILA Magistrado. Nasceu na Estncia, mais ou menos em 1840, bacharelando-se em direito no Recife. Foi em tempo magistrado integrrimo, sendo hoje advogado no interior de Minas Gerais e homem de grande conceito e valia.ANTONIO DE SIQUEIRA HORTA Industrial e chefe poltico. Homem de alta estatura e de robusta constituio, proprietrio do engenho Junco, municpio de Laranjeiras, onde gozava de real influncia. Era dotado de predicados morais bastante nobres, a que deveu ele a alta posio atingida no Estado: chegou a vice-presidente de Sergipe, tendo mesmo estado em exerccio, em poca quase revolucionria. Foi um dos signatrios do manifesto republicano de Laranjeiras e fez parte da 1 junta governativa, aclamada e empossada a 17 de novembro de 1889, sendo vice-governador em exerccio a 25 de dezembro de 1890.ANTONIO TEIXEIRA FONTES Sergipano.ANTONIO VIEIRA Capito-mor, nomeado por carta rgia de 19 de julho de 1713. esteve em exerccio at 1717.APULCRO MOTA Jornalista de grande mrito em Aracaju. Nasceu em Sergipe a 7 de outubro de 1857. Entrando muito jovem para o funcionalismo pblico, foi sucessivamente subindo, graas sua atividade e inteligncia, at atingir posio de inspetor da alfndega. Foi secretrio geral do Estado de Sergipe, presidente da Assemblia, como tal chegando a entrar no exerccio de presidente do Estado a 14 de agosto de 1899, com a renncia do Dr. Martinho Garcez. Homem de alta estatura e de robusta compleio, inteligente e ativo, ardoroso e enrgico, tem para o jornal uma decidida vocao. Foi em tempo poltico influente e apaixonado, sempre, porm, visando a grandeza da terra natal. Hoje, retirado da poltica, dedica-se de corpo e alma ao Dirio da Manh, jornal de grande circulao e estima em Aracaju, e por ele fundado e redigido. E a, com uma coragem estica, se tem dedicado s mais srias e urgentes necessidades do Estado, como por exemplo o inadivel melhoramento do porto. Por isso mesmo goza de real influncia em Sergipe. Tambm foi o fundador da Gazeta de Sergipe e redator do Eco Liberal, de A Reforma e do Jornal de Sergipe. coronel da Guarda Nacional e scio do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano, ao qual prestado h servios relevantes. Entre os jornalistas em atividade em terras sergipanas sem questo figura de destaque. Um exemplo sugestivo e brilhante, do Dirio da Manh de 9 de abril de 1911:O momento polticoNo ocioso insistir na condenao dos processos polticos que esto postos em jogo, entre governistas e oposicionistas, para a soluo do intrincado problema da sucesso presidencial.Mais de uma vez temos tornado claro que, por uma deprimente inverso dos princpios elementares do regime a que obedecemos, os dirigentes dos nossos destinos no querem solicitar ao povo o mandato que os habilite a se apoderarem das posies que pretendem desfrutar.Ao invs deste passo, que o nico meio legtimo, o caminho nico para a conquista do poder, preferem entregar ao arbtrio dos poderosos nomes da Repblica a deciso de um litgio da competncia privativa do elemento popular. o que informa a imprensa interessada no pleito, o que dizem, lado a lado, os satlites e caudilhos das faces em dissdio: o problema da sucesso presidencial de Sergipe est entregue ao arbtrio do marechal presidente da Repblica.No pode haver para os caracteres ainda no atingidos pela degenerao que lavra nas regies polticas, maior tristeza, vergonha maior.Esta gerao que vai escalando pela vida afora, h de deixar aos filhos o legado da mais abjeta escravido.O espetculo que oferecemos aos olhos da mocidade o de uma multido de cervizes dobradas, no culto da humilhao.Aqui, o povo ludibriado e escravo, despojado dos seus direitos e sem nimo de reagir; mais acima, so os que tiranizam o povo, curvados por sua vez ante o poder supremo, beijando as plantas do pontfice mximo do pas e da famulagem de sua privana.E em todo esse estendal que a viso interna da conscincia abrange, s h a escravido espontnea e satisfeita, pior do que a plebe romana, porque esta ainda tinha a coragem de exigir panem et circenses.E parece no haver um reativo prtico e pronto para essa enfermidade moral. O carter se atrofiou; os rgos da reao esto ankilosados. Perdeu-se a noo da dignidade cvica.Nesta deplorvel situao em que jazemos, s h um partido a tomar: definir o momento em toda a sua crueza, pondo em relevo todo o aviltamento que nos desonra, para deixar este quadro posteridade, com o encargo de remir os nossos vcios e fugir dos nossos exemplos.Se nossa voz tivesse eco nas alturas do governo, imploraramos em nome da dignidade de Sergipe, que reagisse, mesmo sem esperana, contra o avassalamento dos direitos do povo.ARAUJO FILHO, JOS M. MACHADO DE A. F. Poeta. Nasceu em Sergipe, onde estudou as primeiras letras, sob a direo de Baltazar Ges. A inteligncia desenvolveu-se-lhe tardiamente, mas segura e boa. O soneto seguinte, de uma espontaneidade que encanta, d-lhe uma idia da lira maviosa e sedutora:Antes e depoisTransparecia nela tal candura,Tanta inocncia, ingenuidade tanta,Que s vezes, em lugar de criatura,Supunham, com razo, ser uma santa.Via-a crescer. Um riso de tristeza,Que nessa idade sempre nos espanta,Tornava essa criana uma pinturaQue quanto mais se v, mais nos encanta.Algum tempo se havia j passadoQuando lhe assisti s bodas do noivado,Deste dia feliz, de amor, de gozo...E, em vez daquele riso de tristeza,Nos lbios, com alguma travessura,Brincava-lhe um sorrir malicioso.ARQUIBALDO RIBEIRO Sacerdote. Nasceu na Estncia, mais ou menos em 1887, formando-se em cnones e ordenando-se em Roma ainda aos verdes anos. Publicou um belo livro, editado em Paris em 1912, As Maravilhas de Lourdes face da cincia e da Histria, e tambm uma brilhante traduo da Flor Extica, do escritor colombiano Rivas Groot. Dessa traduo, editada em Tours, tiraram-se seis mil exemplares. No conheo pessoalmente o erudito religioso sergipano, mas o fato de ser ele presentemente secretrio particular do Arcebispo Metropolitano de S. Paulo, uma prova evidente de grande valor intelectual e religioso. Do escritor e do homem moral se tem uma sugestiva prova com a seguinte e fulgente defesa, desse escritor genial que Gilberto Amado:Gilberto AmadoMinha visita a Gilberto Amado, no curso de julho, fortemente acendrou a velha amizade que de h muito eu lhe consagrava. Crianas, meninos ainda, abraamo-nos certa vez na Estncia, neste delicioso e querido recanto do sul do Estado de Sergipe, que o nosso torro natal.Ficamo-nos querendo bem.Eu cursava preparatrios na Bahia, e ele revelava talento e colhia louros nos principais colgios de Aracaju. Separados, fui para muito longe, onde vi realizada a plenitude sagrada de meu ideal de moo, e Gilberto ficou no pas, trabalhando sempre cheio de coragem e sempre cheio de vitrias. Passados anos, encontrei-o numa alta posio de destaque, enchendo o Brasil com seu nome festejado, inspirando respeito e amor no esprito dos homens superiores e assanhando o despeito e a inveja no crculo das celebridades balofas e baratas. De fato, como porfiosas lhe foram as campanhas dos pequeninos!Aos vinte e poucos anos de idade, gozando de uma juventude fecunda e gloriosa, Gilberto Amado, professor de nomeada e deputado federal, filsofo erudito e escritor notvel, havia de despertar, por fora, as malquerenas e as iras dos invejosos sem mrito!De um temperamento combativo, triunfantemente tem subjugado os obstculos de sua carreira!E nessas lutas no raro lhe ferveu o sangue revoltado, diante das iniqidades humanas. Esqueceu, de quando em quando, como todo moo esquece, os ditames calmos da razo, para ceder a violncia do sentimento, funda e justamente abalado.Foi sempre um orgulhoso, dizem, de sua personalidade genial. Se certo, no louvo o defeito. A humildade a suprema beleza do homem privilegiado.A conscincia do valor sem embargo, acostumada a rebater os ataques impetuosos dos nulos, no geral d a quem a possui, e Gilberto Amado a possua com grandes e fulgidas vantagens, essa inflexibilidade poderosa, que foi a nota caracterstica do esprito culto de Tobias Barreto. Gilberto, formado na escola dos fortes, era de uma fortaleza decisiva!Todo o mundo recorda aquela noite triste em que uma afronta de Anbal Tefilo causou duas desgraas irreparveis: Anbal aviltara a dignidade de Gilberto. E Gilberto, o literato ardente e de valor, no teve a tranqilidade da alma, alis, muito cruel e muito difcil no memento, para postergar a injria de Anbal Tefilo, o literato indelicado e leviano.Sentiu-se amesquinhado, diante da prpria esposa estremecida e amada, diante dos amigos que se agrupavam nos sales claros de uma festa pblica.E querendo defender a honra, de verdade ultrajada, feriu de morte o agressor atrevido.Duas infelicidades se fundiram: Anbal na escurido sombria de um tumulto, e Gilberto na recluso silenciosa de um crcere.E se o mavioso poeta rio-grandense criador de piedade, o eminente escritor sergipano no merece as torpes apreciaes, esvurmadas pela imprensa sem justia e pela coligao dos homens letrados.Os adversrios, sobretudo os de ocasio, apareceram, na tentativa devoradora de eliminar um rival poderoso, com o insulto e o improprio.Felizmente, o fragor dessa campanha formidvel no perturbou um s minuto o esprito sobranceiro do ilustre deputado! Ningum melhor do que ele, e a Chave de Salomo um luminoso atestado, conhece e sabe desdenhar as anormalidades do juzo trfego dos homens, arvorados em tribunais gratuitos, onde o cime e a maldade imperam.Gilberto, um provinciano do Norte, fora uma revelao para a capital da Repblica. Atraiu a ateno dos sbios e dos eruditos. Os literatos da metrpole sentiram a realidade do mrito. proporo que a inteligncia do conterrneo ilustre resplandecia nas colunas de O Pas, mais densa se tornava a vaga espumante de seus inimigos os inimigos da superioridade.E este o homem para quem o jornalismo do Rio, cedendo influncia de espritos enciumados, abriu uma campanha de dio e de desprezo.Para tal imprensa, a catstrofe do saguo do Jornal do Comrcio era um crime sem atenuante. E para acentuar a culpa, a lembrana de Anbal Tefilo vestiu todos os brilhos de uma verdadeira apoteose: era um justo, um imaculado, um santo!No entanto, personagens de responsabilidade me tm assegurado, e todo mundo sabe, que Anbal Tefilo, materialista e ateu, sem alma, sem f, separado da esposa e sem amor para com os prprios filhos, vazio dos sentimentos nobres de famlia e do homem de bem, era contumaz em despejar sobre Gilberto a blis de um dio travante e inferior. Por toda parte o insulto, em todos os encontros o deboche. Longe de dar uma nota da mais preliminar educao, o poeta no respeitou, no Jornal do Comrcio, nem o lugar, nem mesmo a senhora ilustre, esposa dedicada, que Gilberto trazia ao brao.A afronta brotou inqua, e a defesa como uma fatalidade!Carlos de Laet, essa inteligncia perfeitamente equilibrada, sbrio quando no rigoroso em seus juzos, certo dia me falou de Gilberto Amado com intenso carinho e apreo, mau grado divergncias sensveis em matria de filosofia e estudo.Admirava os mritos incontestados do publicista sergipano, que, no meio da gerao moderna dos intelectuais brasileiros, quase todos literatos sem literatura, primava pelo talento e pelas verdadeiras conquistas da glria de escritor. H tempo, fora alvo de seu voto franco e leal para a entrada na Academia de Letras.De Anbal Tefilo, depois de dizer-me quanto dele sofrera Gilberto, que desfeitas inmeras atirou ao abandono infmias mal contidas, concluiu com esta exclamao: era um bomio crapuloso!No mundo poltico, Gilberto foi sempre respeitado e querido. Poucos meses esteve na Cmara, e foi suficiente para aparecer e destacar-se na primeira linha de ao, onde figuram deputados da mais alta respeitabilidade nacional.A justia e o corao mandam lamentemos o desastre.Se Gilberto Amado, que breve ser submetido a julgamento, no tem os meus aplausos, para ele se convergem meus sentimentos de amigo, de amigos dos bons e dos maus tempos, que v na catstrofe que lhe amargurou a vida um triste infortnio, mas, em ocasies e circunstncias idnticas, repetido em muitos homens de bem e de dignidade. o destino!A existncia um direito inviolvel; infelizmente h quem a exponha, deslembrado de que a Histria a cada pgina nos ensina que simples ameaas tm enublado espritos calmos de ordinrio, os quais, como dizia H. Bluchner, espezinhados pela injria, alucinados por uma vingana indomvel, defendem, fora de si, a honra e o nome com o punho e com a bala.A vida do homem, escreveu Spencer, o hbito. E Gilberto Amado tem o hbito da bondade e da virtude.Fazemos votos, portanto, para que o talentoso deputado estanciano volte, dentro de pouco, ao convvio de seus pares, ao campo da vida pblica, para trabalhar com esforo pela prosperidade de Sergipe e pela grandeza do Brasil.01-02-1916.ARISTIDES FERREIRA BANDEIRA Bacharel. Foi o 50 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 27 de julho de 1885.ARTHUR DA SILVA REGO Magistrado. Nasceu em Aracaju, formando-se em direito no Recife. Seguindo a magistratura, foi promotor em Palmares e Nazar, advogado em Recife, juiz de direito em Taquaretinga e Caruaru, e finalmente, no Recife, scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. homem de talento, cheio de nobres qualidades morais, magistrado honesto e puro.ARTHUR FORTES Poeta. Nasceu em Sergipe e ainda muito moo. Conversa admiravelmente bem. Tem gosto e jeito para as belas letras, havendo j publicado um livro de versos Evangelho de um Triste. Franzino na constituio, no entanto um forte nas qualidades intelectuais.ARTHUR XAVIER MOREIRA Militar e engenheiro. Nasceu em Laranjeiras a 9 de outubro de 1871, alistando-se no exrcito em 1890. Foi promovido a 2 tenente de artilharia, em 1894; a 1 tenente de engenharia, em 1908; a capito, em 1909. Tem o curso de estado maior e de engenharia. Em 1893 bons servios prestou causa legal. Homem de regular estatura e forte constituio, cheio de inteligncia e de fora de vontade, foi um dos engenheiros construtores da vila militar Deodoro, no Rio de Janeiro, gozando na sua arma de grande simpatia.ASCENDINO NGELO DOS REIS Mdico e educador. Nasceu em S. Cristvo, provavelmente em 1847, porque se formou em medicina na Bahia aos 27 anos de idade, em 1874. No dispondo de recursos materiais, buscou tirar do magistrio particular os meios de que necessitava para a desejada formatura. A Provncia ento lhe adiantou, por emprstimo, uma pequena quantia, prontamente paga logo depois, com os recursos adquiridos em sua clnica. No Ateneu de Aracaju foi lente de ingls e de histria. Tambm professou na Escola Normal, e foi mdico do exrcito. Em 1879 inaugurou e manteve durante quatro anos, em segura direo, o Parthenon Sergipense, internato e externato, onde se habilitaram centenas de moos distintos. Da saram Joo Ribeiro, Fausto Cardoso e Gumercindo Bessa, alm de muitos outros, a quem o Dr. Ascendino dispensou favores de toda a ordem. Passou depois a residir em S. Paulo. Era um excelente educador.AUGUSTO CSAR DA SILVEIRA Oficial superior da marinha. Foi o 2 governador provisrio de Sergipe, depois da Repblica. Sua posse data de 17 de agosto de 1890.AUGUSTO FRANCISCO RAMOS Bacharel em direito. Sendo 3 vice-presidente, tomou posse da presidncia a 20 de junho de 1863.AVELINO DE MEDEIROS CHAVES Capitalista residente no Acre. Nasceu na cidade da Capela, mais ou menos em 1872, alistando-se no exrcito em 1890. Tendo baixa do servio dez anos mais tarde, depois de j ser oficial, fixou residncia no Amazonas e depois no Acre, onde hoje proprietrio, capitalista, sub-prefeito e coronel da Guarda Nacional. Homem de regular estatura e delicada constituio, de grande atividade e jeito para negcios de vulto, em pouco tempo conseguiu se impor populao do Acre, tendo ali real e slida influncia. Esprito observador e progressista, muito viajado, tem prestado quela regio servios de conta e valimento. Em 1893 timos servios prestou causa legal, tendo como recompensa a sua promoo ao posto de alferes.BBALTAZAR DE QUEIROZ Foi o primeiro capito-mor que teve Sergipe, depois que passou de novo ao domnio portugus. Foi provavelmente nomeado em 1648. E como a nomeao era feita por trinio, em 1651 foi substitudo pelo capito Joo Ribeiro Vila Franca.BALTAZAR GES Clebre professor e educador, em Laranjeiras e no Aracaju. Nasceu em Itaporanga, em 1853. Fez seus primeiros estudos no Ateneu Sergipense, repelindo em 1873 uma subveno provincial, a fim de ser admitido no seminrio da Bahia. Em 1877, com a morte do pai, tomou a si os encargos da famlia, sendo por concurso funcionrio pblico. Foi da demitido, por haver perguntado algumas vezes, a um chefe ignorante, se devia copiar as minutas com os erros de gramtica que citava. Homem de regular estatura e constituio, pleno de inteligncia e de cultura lingstica, como tambm de notveis predicados morais, foi professor pblico de francs e aritmtica, diretor de colgio em Laranjeiras, e depois professor de lnguas no Aracaju. Tinha uma queda especial para o magistrio, a que se dedicou com vantagem toda a sua vida. Nunca foi excedido na severidade e na justia do julgar. Verdadeiro Cato, de uma feita reprovou em exame a prpria filha do governador do Estado. Moralmente, era um tipo superior, agigantado mesmo. Publicou a Histria da Repblica em Sergipe, Apostilas de Pedagogia, Zuca e a Biografia de Horacio Hora, tendo inditos diversos e interessantes trabalhos didticos, inclusive uma excelente Gramtica da Lngua Portuguesa. Era considerado como um dos mais competentes educadores que tem tido Sergipe nestes ltimos tempos. Faleceu em Aracaju em 1913. Da maneira de escrever do educador insigne damos aqui um bom exemplo, com as seguintes palavras, da Biografia de Horacio Hora:Se algum parente ou amigo do infeliz pintor sergipano quiser um dia visitar a sua sepultura, poder sem dificuldade encontr-la no cemitrio de Leste Pre Lachaise, com as seguintes indicaes:Nmero de concesso; 61.811; 4 diviso; 1 seco; 4 linha.Sobre o esquife, de carvalho, est fixada uma placa de chumbo, com a inscrio de seu nome, prenome e indicaes necessrias para reconhec-lo.Descansa na paz do tmulo da famlia de seus mais fiis amigos, dessa nobre e generosa Frana, onde aperfeioou o seu talento artstico.Sua famlia pobre; no lhe pode erigir um monumento; e, quando pudesse ter essa vaidade, no devia realiz-la, roubando o direito ptria, a quem pertencem, de preferncia, os homens que se elevam, por seus talentos e virtudes, acima do nvel comum.Baltazar Ges foi tambm um ardente propagandista republicano, fazendo parte do governo de Sergipe, ao ser a proclamada a Repblica.BALTAZAR VIEIRA DE MELO Mdico. Nasceu em Divina Pastora, formando-se em medicina no Rio de Janeiro, onde clinicou ao lado de Moncorvo e Silva Arajo. Redigiu a Gazeta Mdica do Rio. Era homem de superior inteligncia, sobremodo cultivada em assuntos mdicos.BELQUIOR DIAS MOREJA Ousado explorador de usinas brasileiras no sculo XVII. o rei da ao em terras sergipanas. Nasceu em 1542 na Bahia, tomou parte na conquista de Sergipe em 1590, acompanhando a coluna de Cristvo de Barros. Fixando depois residncia na terra conquistada, edificou a capela onde hoje se acha a vila de Campos, nas margens do rio Real. Homem inteligente, audacioso e de grande atividade, iniciou a profisso pastoril em Sergipe, tornando-se em pouco o maior fazendeiro do tempo. Desejou muito ser Baro. Tinha foros de fidalgo, e foi o tronco da grande famlia sergipana dos Caramurus. Seus descendentes muito se ramificaram, constituindo diversos e importantes apelidos: Pregos, Dias, vilas e Fonseca Saraiva. Instituiu um morgado que ocasionou srias contendas, trazidas at aos dias do Imprio. Morreu em sua fazenda de Jabeber s margens do rio Real, em 1622, na avanada idade de 80 anos, deixando um filho, Rubelio Dias, havido com a ndia Lourenza, da aldeia do Ger. Foi um grande pesquisador de minas, centro do grande movimento da minerao do Tempo. E como com a busca de ricos minerais vinha fatalmente a colonizao, pode-se dizer, sem receio de contestao sria, haver sido ele o maior e mais sensato colonizador das terras fertilssimas, por Cristvo de Barros conquistadas bravamente aos gentios do sculo XVII. Foi vrias vezes a Portugal em servio de minas; e sua fazenda afluram os exploradores de ento, onde a honra teve ainda de receber o governador da Bahia e tambm o de Pernambuco.BEMVINDO PINTO LOBO (Dr.) Homem de grande inteligncia, sergipano de nascimento.BENILDE ROMERO Magistrado integrrimo. Nasceu em Sergipe em 1858 e era irmo de Silvio Romero. Formando-se em direito no Recife, abraou a magistratura, para a qual tinha especial vocao. Chegou elevada posio de desembargador da relao de Aracaju, onde faleceu h poucos anos. Homem de grande talento e de superior cultura, dotado de excelentes qualidades morais, tinha em seu tempo grande influncia, assim na magistratura como nas letras.BENTO DE MELO PEREIRA, Baro de Cotinguiba Agricultor, natural de Sergipe, coronel da guarda nacional. Tomou posse da presidncia de Sergipe a 9 de maro de 1836 e, pela segunda vez, em 8 de setembro do mesmo ano.BENTO JOS DE OLIVEIRA Capito-mor em 1776. Passou a administrao em 1782 ao coronel Jos Caetano da Silva Loureiro.BERNARDINO ANTONIO DO AMARAL Militar honesto e bravo. Nasceu em Sergipe a 9 de outubro de 1867, alistando-se no exrcito em 1885. Foi 2 tenente de artilharia, em 1890; 1 tenente, em 1893; capito por bravura, em 1898; major por merecimento, em 1910. Bacharel em matemticas, cincias fsicas e naturais, formado em odontologia e engenheiro militar. Em 1893 serviu com bravura causa legal, e em 1897, em Canudos, confirmou brilhantemente essa notvel qualidade moral. de mdia estatura, de robusta constituio, de lcida inteligncia e de uma firmeza inquebrantvel. Poeta lrico, tem composto e publicado boas composies poticas. Tambm tem grande amor msica e um hbil cirurgio-dentista. Serve atualmente na guarnio do Rio, onde sobremodo estimado pelas suas grandes qualidades morais.BERNARDINO JOS DE SOUZA Jornalista e professor. Nasceu em Vila Cristina (Engenho Murta), a 8 de fevereiro de 1875, formando-se em direito na Bahia em 1904, depois de um curso brilhantssimo, com 14 distines. Tinha ento 19 anos de idade apenas. Foi o orador da turma, produzindo uma orao, publicada depois em folheto, que foi uma verdadeira revelao oratria. Abraando o magistrio, foi em 1905 professor de geografia no ginsio Carneiro Ribeiro, onde estudara humanidades, e tambm no instituto de cincias e letras. Em 1906 foi nomeado por concurso professor de direito pblico, internacional e diplomacia, sendo hoje lente extraordinrio da 1 seo. Homem de baixa estatura mas forte, inteligentssimo e de notvel cultura cientfica e literria, tem prestado s letras e ptria, apesar de sua pouca idade, os mais assinalados servios. Deputado provincial em 1906, reeleito depois, mostrou-se cmara baiana um orador diserto e fluente, assim como um lutador valente e tenaz. Delegado do Instituto Histrico Baiano ao 1 congresso de geografia em 1909, leu duas excelentes memrias, hoje em folheto, ambas aceitas e elogiadas: Nomenclatura Geogrfica Peculiar ao Brasil e Remodelao do Ensino de Geografia. Ao 3 congresso remeteu um estudo sobre Limites do Brasil. Em 1911 dirigiu a cadeira de geografia do Educandrio dos Perdes. Em 1912, comissionado pelo Instituto Histrico, produziu um excelente discurso sobre o Baro do Rio Branco, publicado depois em folheto, e remeteu para o congresso de geografia de 1913 uma interessante memria Esboo Corogrfico de Pernambuco. Colaborou no Dirio da Bahia e assiduamente no Jornal de Notcias, em cujas colunas mantm duas seces: Leituras Geogrficas e Pelo Mundo. Alm dos folhetos j referidos, publicou a Corografia do Piau e Por Mares e Terras, tendo em preparo a Geografia Geral e a Corografia do Brasil. Esse lidador infatigvel e competente scio do Instituto Histrico Baiano e do de Sergipe, do do Cear, da sociedade de geografia do Rio e ainda da The National Geographic Society de Washington. As seguintes palavras, comeo de seu discurso em homenagem a Rio Branco, do uma idia do orador e escritor:Senhores!Contam-se hoje 18 anos de fecunda existncia para esta tenda de luz e trabalho.Os sentimentos jubilosos, que nesta fausta data nos senhorearam sempre os recessos da alma, recatavam-se num discreto silencio, quando se memorava a vida dos companheiros tomados em meio do spero caminhar.A nossa comemorao resumia-se em ofcios de piedade e votivas oblaes do nosso reconhecimento e de nossa saudade: magnfica lio de virtudes cvicas aos que ficavam a lustrar a trilhada ngreme e embalsada de tropeos, retemperando-lhes o nimo nos lances adversos da fortuna.So da mesma essncia as homenagens de hoje.Pertencem a Rio Branco, um smbolo.E por isso o Instituto Histrico e Geogrfico da Bahia inclina-se reverentemente ante a imagem do vulto homrico do excelso brasileiro. Depe junto s aras da ptria os tributos de sua inexcedida admirao pelo mais amado de seus filhos ilustres, numa justssima apoteose de amor.BITENCOURT SAMPAIO, Francisco Leite de B. S. Poeta lrico de grande merecimento. Nasceu em Laranjeiras em 1836, formando-se em direito em S. Paulo em 1859. Em 1863 foi eleito deputado geral, sendo reeleito na legislatura seguinte. Presidiu a Provncia do Esprito Santo em 1867. Foi advogado no Rio de Janeiro, e diretor da Biblioteca Nacional, que reformou com vantagem, logo depois da proclamao da Repblica. Homem de talento superior e de notvel cultura literria, dedicou-se com ardor assim poesia como ao espiritismo. Publicou os seguintes livros: Flores silvestres, A no da liberdade, Cartas dalm tmulo, A divina epopia, Evangelho de S. Joo, O poema da escravido, etc. Foi um dos mais distintos colaboradores das Lamartianas, poesias de Lamartine em tempo traduzidas por poetas brasileiros. Faleceu no Rio de Janeiro de 1896. Era de alta estatura, louro, plido, olhos grandes e azuis, longos cabelos, uma verdadeira figura de poeta. A seguinte poesia, de sua lavra, um brilhante atestado do seu valor literrio:A CiganaL corre a morena, levando faceiraNa cinta punhal,Veloz como a ema saltando ligeiraPor montes e val!Gentil, engraada,Disseres levadaPor arte de amor!Agora fugindo,SorrindoInocenteL vai de repentePulando...Brincando...Falando...No prado coa flor.A linda trigueira cansada sentou-seNo verde tapiz;Mas logo um momento de p levantou-seContente e feliz. Travessa menina,Vem ler minha sina,No fujas, vem c!Chegou-se a cigana,Que enganaInocenteCom ditos a gente,Saltando...Cantando...No seu patu.L corre a morena, levando faceiraNa cinta punhal,Que vida de louca! Que amores! Que ditos!Que voz que ela tem;Seus olhos so grandes, so pretos bonitos Reluzem to bem!...Que nome engraado!Seu p delicadoMal toca no cho!Arfava-lhe o seioDe enleioInocente!Olhou-se de frente,Parando...Corando...Cismando...Travou-me da mo.Medita enleiada, talvez vergonhosa Das graas que fez.Agora tremendo parece uma rosaCaindo de vez! Que sentes, morena?Acaso tens penaQue eu morra por ti?Que sorte, querida!Que vida,Inocente!Viver docementeTe amando...Brincando...Beijando...Teus lbios aqui!Olhou-me raivosa, seus lbios tremendoDe vivo coralSo mudos, no falam. Nos ares movendoMostrou-me o punhal. Que gnio to forte!Me ds cruel mortePor beijos, flor?!Crueza de ingrata!Pois mata,Inocente!Queu saiba somente,Te amando...Brincando...Folgando...Que a morte de amor!A linda cigana tirando do seioDe clicia um boto,Falou s folhinhas com susto e receio,Contando-as na mo.Agora sem medoMansinha de dedoTirou-me um anel.Ento j fugindo,Sorrindo,Inocente,Me diz de repente,Pulando...Voando...Cantando...Serei-te fiel!E foi-se a cigana, levando faceiraNa cinta punhal,Veloz como a ema saltando ligeiraPor serras e val.BRAZ DA ROCHA CARDOSO Capito-mor, nomeado por carta rgia de 29 de maro de 1681. Em dezembro de 1682 prestou juramento na Bahia, nesse mesmo ms se apresentando cmara de S. Cristvo, e tomando posse. Exerceu o cargo at maro de 1687.BRAZ DINIZ Profundo em latinidades. Modesto, porm, em demasia, nada deixou de si s geraes futuras, seno a fama de modesto e profundo sabedor em S. Cristvo, quando essa cidade era a mais adiantada de Sergipe. Faleceu em avanada idade, nos fins do sculo que se foi.BRAZ SOARES DE PASSOS Capito-mor em janeiro de 1690, um sculo depois da fundao de S. Cristvo por Cristvo de Barros. Tomou posse em junho daquele mesmo ano, estando em exerccio at outubro de 1692.BRICIO CARDOSO Professor e jornalista, considerado grande vocabulista em Aracaju. Nasceu na Estncia a 9 de julho de 1844. Como estudante, foi professor adjunto da cadeira de geometria, na qual havia sido aprovado com distino, com o voto de Pedro II, ento de passagem quela cidade. Seguindo para a Bahia, a completou o curso secundrio, sendo logo depois professor de latim e catecismo no Ateneu baiano. Homem de regular estatura e constituio, embora um tanto desproporcionado, cheio de inteligncia e erudio, com grande amor ao magistrio e s belas letras, ao jornal sobretudo, foi professor em Sergipe de quase todo o curso secundrio, no Ateneu, na Escola Normal e em vrios colgios, e colaborou com erudio e sucesso em muitos jornais e revistas, da Bahia e de Sergipe. A 1 de agosto de 1912, depois de 42 anos de pblicos servios, foi jubilado. Vtima, porm, da nostalgia do ensino, aceitou logo depois a diretoria do colgio Tobias Barreto e ainda a regncia da cadeira de portugus. um benemrito servidor. Entregando-se em tempo poltica, foi deputado provincial e depois estadual em vrias legislaturas, secretrio do Estado de Sergipe, presidente do conselho municipal. Tambm foi delegado dos exames de preparatrios, membro do conselho superior de instruo pblica, diretor da instruo pblica, do ateneu sergipense e da Escola Normal. Sua obra intelectual vasta. Impressos contam-se os seguintes volumes: Filha da Cega (drama), Escravo Educado (comdia), Noite do Seminrio, Opsculo Poltico, Estncia Mantibus Patriis. Tem inditos vrios trabalhos, entre os quais sobressai uma Gramtica da Lngua Verncula, aprovada pelo conselho superior de instruo pblica da Bahia. Uma interessante particularidade: afvel nos modos e maneiras, sempre a exibir os alvos incisivos, num sorriso atraente e bom.CCAMILO DE LELIS Religioso. Nasceu em Propri. Era religioso de S. Francisco e um notvel latinista.CARIVALDO JOS CHAVANTES Mdico. Nasceu em Sergipe, formando-se em medicina. Era mdico da casa imperial e condecorado com as comendas da Rosa e de Cristo, pelos bons servios que prestou ao pas. Faleceu no Rio de Janeiro.CARLOS CZAR BURLAMAQUI Militar. Foi o primeiro governador que teve Sergipe, depois de separado da Bahia. Nomeado por carta rgia de 24 de outubro de 1820, tomou posse a 20 de fevereiro de 1821. No conseguiu, porm, fazer governo capaz, porque a Bahia, pela fora, reduziu o governo sergipano ao que dantes era dependncia do governo baiano. Nasceu em Portugal, na segunda metade do sculo XVIII, verificando praa no exrcito e naturalizando-se brasileiro por ocasio da independncia. Em 1806, capito de infantaria, foi governador da capitania do Piau, sendo em 1810 suspenso do exerccio, preso e com seus bens confiscados por ordem do capito general do Maranho. Por carta rgia do ano seguinte foi posto em liberdade, com a posse de seus bens e soldados atrasados. Em 1825 vivia ainda no Brasil, no posto de tenente-coronel. Foi depois coronel e brigadeiro. Escreveu dois trabalhos: Mapas gerais da populao da capitania do Piau e Memria Histrica dos sucessos de Sergipe. Era um militar inteligente e culto.CARVALHO ARANHA, Augusto A. de C. A. Poeta delicadssimo. Nasceu em Sergipe. Com um gosto especial para as belas letras, para a poesia especialmente, conta um grande nmero de poesias de grande delicadeza e suavidade. O seguinte soneto, Domus urea, uma prova brilhante do valimento da sua lira maneirosa e afinada:Domus ureaSobre a montanha de meu tdio erguida,Cheia de luz, alvssima, sonora,Minha alma como encantadora ermida,Onde podeis entrar, gentil senhora.Ressoa o salmo que a cismar convida,E vai subindo ao cu, espao em fora.Quem reza? O amor que me ilumina a vidaD sangue idia e os versos me avigora.Paira em redor indefinido e vago,Rumor vindo de Alm, tal sobre o lago,Desliza o pescador, cantando ao longe.De joelhos, Santa! o nosso ideal que passaFazendo ao vir do almo pas da Graa,Gemer nesta alma as vsperas de um monge.CASIMIRO JOS DA COSTA Professor. Nasceu em Propri. Seguindo para a Provncia de Alagoas, a se dedicou ao magistrio, com satisfao e vontade. Filiado ao partido liberal, sofreu ento inmeras remoes. Certa ocasio, antes mesmo de se transferir para o Passo de Camaragibe, para onde havia sido removido, recebeu nova ordem de transferncia para Palmares. Com a subida do partido liberal, no ltimo gabinete monrquico, foi promovido para Macei, onde faleceu mais ou menos em 1904. A redigiu um jornal oposicionista A Gazeta, entregou-se advocacia e foi solicitador da fazenda estadual. Era um homem de luta, irmo do clebre advogado Teotnio Flix da Costa.CESRIO FERREIRA DE BRITO TRAVASSOS Mdico e fazendeiro. Nasceu no engenho Rio Vermelho, Vila Japaratuba, a 13 de fevereiro de 1864, formando-se em medicina na Bahia em 30 de agosto de 1886. Seguindo para S. Paulo, a se dedicou com vantagem agricultura e com brilho medicina. Deputado estadual, jornalista, diretor e redator do Jornal de Santa Rita do Passa Quatro, colaborador de diversos peridicos, fazendeiro em S. Joo da Boa Vista, goza em S. Paulo de justa estima e popularidade.CESRIO JOS DE CHAVANTES Magistrado. Nasceu em Laranjeiras, em fevereiro de 1835. Fez seus primeiros estudos na Bahia, no colgio do padre Pereira, matriculando-se em 1856 na faculdade de direito de S. Paulo, onde cursou trs anos, e depois na do Recife, onde se bacharelou em 1860. em 1862 foi nomeado juiz municipal e de rfos em Itapemerim, no Esprito Santo, e em 1868, juiz de direito em Caapava, no Rio Grande do Sul. Foi depois chefe de polcia em Minas, juiz de direito no Paran e por fim desembargador da Relao de Porto Alegre, cargo em que se aposentou em 1891. Era um homem corpulento, embora de mdia estatura, talhado superiormente para a magistratura.CRISTVO DE BARROS Conquistador de Sergipe e fundador da antiga capital sergipana. Portugus de nascimento, chegou ao Rio de Janeiro em 1567, a bordo da esquadra enviada pelo Rei a Mem de S. Foi um audaz e bravo lidador, firmando de vez seu nome em campo de batalha, no Rio de Janeiro e Cabo Frio. Foi governador do Rio de Janeiro, sucedendo a Salvador Corra de S. Fazendo parte do governo da Bahia, quis conquistar Sergipe aos ndios, a fim de vingar o passamento de seu pai, morto pelos Caets junto ao rio S. Francisco. Para isso, em fins de 1589 organizou um exrcito numeroso, com seis peas de bronze, frente do qual partiu da Bahia, ao longo do mar, confiando a vanguarda a Antonio Fernandes e a retaguarda a Sebastio de Faria. A 23 de dezembro de 1589 consegue bater os ndios, colocados em excelente posio defensiva. E em 1 de janeiro de 1590, na vrzea do Vaza-barris, completa a conquista, matando cerca de 1.600 ndios e aprisionando mais de 4.000. Destruindo ento os elementos contrrios povoao do solo conquistado, construiu um forte junto foz do Cotinguiba, ao lado fundando um arraial, a que deu o nome de S. Cristvo, em honra ao santo que lhe tinha o nome. Doou terras queles que lhe ajudaram a conquista, dando de sesmaria a seu filho Antonio Cardoso de Barros, a 9 de abril de 1590, o territrio compreendido entre os rios Cotinguiba e S. Francisco. Entregou depois a direo da nova capitania a Thom da Rocha, ordenou a Rodrigues Martins que perseguisse o gentio em retirada para o norte, e voltou Bahia.CINCINATO PINTO DA SILVA Mdico. Foi o 32 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 20 de junho de 1864. foi denunciado criminalmente por Jos Augusto do Nascimento.CONRADO LVARES DE CRDOVA LIMA Advogado. Nasceu na Estncia, formando-se em direito no Recife. Foi advogado de nota cidade natal e orador assaz distinto. Dizem haver sido excomungado por Pedro II.CONSTANTINO JOS GOMES DE SOUZA Mdico, poeta e dramaturgo. Nasceu em Sergipe, formando-se em medicina em 1853. Dedicou-se clnica e s belas letras, mais a estas que quelas: por isso mesmo lutou sempre com srias dificuldades para poder viver. Homem robusto e alto, inteiramente descuidado de si prprio, o tipo acabado do bomio convencido. Mas tinha grande talento literrio e foi poeta de valor, o decano dos poetas sergipanos, prosador e dramaturgo de muito merecimento. Faleceu no Rio de Janeiro a 2 de setembro de 1875, em absoluta penria, sem ter residncia nem ao menos com que se lhe fizesse o enterro. Tais os seus dramas: A filha do salineiro, O espectro da floresta, O enjeitado, Os trs companheiros, Vingana por vingana, Os libertinos, Os ladres titulares. Eis os seus romances: O desengano, A filha sem me, O cego e Alfeno e Clorinda (em verso). Fundou e redigiu A poca literria e A agricultura. Tambm escreveu um belo livro de versos Hinos da minha alma. E para que se lhe veja o valor do estro, aqui citamos as trs primeiras estrofes do seu Adeus vida:Adeus vidaCus! neste abismo de horroresEm que desespero e gemoJulgava j ter das doresAtingido ao grau supremo.Porm, mentira! a desgraaPreparava nova taaDe um martrio novo, estranho...Tenho saudades, meu Deus,Dos passados males meus vista de um mal tamanho!Sob o cu tempestuosoDa minha existncia escuraVi passar, eu desditosoVi passar como a figuraSe de anjo ou mulher ignoro;Mas passou qual meteoroE estendido aps de si;Por onde a fulgir passouUm sulco de luz deixouO anjo, ou a mulher que eu vi.Ou anjo ou mulher que dela?Em que abismo se sumiuLuz que assim fulgiu to bela,Que to bela assim fulgiu?Deus! o mimoso claroImpresso na negridoDa minha vida extingui,Se que eu tenha de morrerSem que torne mais a verO anjo ou a mulher que eu vi!COSTA E SILVA Poeta inspirado. Nasceu em Sergipe. A bela poesia que se segue, melodiosa e suave, plena de doura e de naturalidade, est a mostrar evidncia que se trata de um poeta inspiradssimo, capaz dos mais altos surtos poticos:OntemOntem, quando chegavas janelaCom seu vestido celico azulado,Preso o cabelo, o rosto serenado,Prostrada a fronte em languidez singela;Aberta a boca a trescalar perfumes,Boca que um lindo cravo a no iguala!Arfante o seio, divinal a fala,Olhos luzentes como vaga-lumes;Os braos meio nus, os lbios castos,Que matavam de inveja a violeta,Senti minhalma, como borboleta,Ir oscular os teus cabelos bastos!Meu corao voraz quis agarrar-te,Louco de amor, repleto de desejos,E, com nsia frentico, ensopar-teNum dilvio frentico de beijos!CUSTDIO RABELO PEREIRA Capito-mor em dois trinios sucessivos: de 1717 a 1720 e de 1721 a 1724.CIPRIANO DE ALMEIDA SEBRO Bacharel. Como 1 vice-presidente, trs vezes assumiu o governo; a 5 de novembro de 1872, a 14 de novembro de 1873 e a 30 de abril de 1875.CIRO FRANKLIN DE AZEVEDO Diplomata de valor. Nasceu em Sergipe a 18 de abril de 1858.34 Bacharelando-se em direito, foi delegado de polcia na Corte, e depois, abraando a diplomacia, ministro brasileiro no Peru, no Japo e no Uruguai. Homem de grande talento e de grande erudio, com sensvel amor s lutas da palavra, redigiu O americano e publicou diversos volumes, dos quais devem ser citados: Estudos Sociais e Literrios, Um discurso e Propaganda republicana35.DDAMASCENO RIBEIRO Poeta sergipano.DANIEL CAMPOS Mdico. Como presidente da Assemblia, assumiu a presidncia do Estado a 8 de julho de 1898, durante o impedimento do presidente eleito, Dr. Martinho Garcez. mdico distinto, assaz conceituado em sua terra.DEODATO MAIA Poeta e escritor socialista. Nasceu em Maruim, em 1875, formando-se em direito no Rio de Janeiro, em 1891. ainda moo e tem um jeito especial para a filosofia e para as belas letras. Por isso mesmo as suas poticas composies, sempre bem feitas, deixam ver em cada verso o pensador. O seguinte soneto uma prova frisante dessa grande verdade:O CoraoSob um cu soturnal, catico, de espanto,Traja pompas de Horror a noite tenebrosa,O Vcio abre os sales, na torva e desdenhosaCaverna do sofrer goteja a dor e o Pranto.Qual uma ave infernal, a Fria pavorosa,Tatala a asa em meu peito, e grasina o seu canto,Afugentando assim do Templo sacrossantoO bando de iluses de sonhos cor de rosa...Ribomba o Velho Mar, e cavo o torvo espoucaOndas, numa soberba e forte orgia louca,Amordaando a terra o covil da Traio...Babei de minha vida ao largo enfuna a vela...Talvez o Velho Mar, entre uivos de Procella,Entenda este outro Mar bravio O Corao!Deodato Maia era advogado no Rio de Janeiro quando foi nomeado chefe de Polcia em Aracaju. autor de um livro muito interessante A Regulamentao do Trabalho, publicado em 1914. Pr-Sergipe, Contas Correntes, Pelo Divrcio e Recurso Extraordinrio so tambm trabalhos seus, de notria valia. homem de mdia estatura e de franzina compleio fsica, mas dotado de belas qualidades intelectuais, brilhantemente reveladas nos seus atos e escritos. Tem em mos dois livros sugestivos, esperados com justa ansiedade Problemas Sociais Contemporneos e Estrias.DIOGO DE QUADROS Foi o terceiro governador que teve Sergipe, depois de conquistado ao gentio por Cristvo de Barros. Em 1595 foi investido desse alto cargo, e em 1596 batia os franceses nas guas do Rio Real. E como os habitantes da S. Cristvo no pudessem bem vigiar os inimigos que quisessem tentar contra a cidade qualquer surpresa, mudou-a para uma eminncia, num outeiro junto barra do rio Poxim. Em julho de 1600 deixou o governo, tendo sido sua administrao muito ativa e proveitosa. Seu substituto foi Manoel de Miranda Barbosa.DIONSIO RODRIGUES DANTAS Bacharel em direito. Sendo 2 vice-presidente, tomou posse da presidncia a 8 de novembro de 1869 e depois a 14 de agosto de 1871.DOMINGOS JOS DE OLIVEIRA RIBEIRO Advogado. Nasceu em Laranjeiras, mais ou menos em 1829, formando-se depois em direito e entregando-se com vantagem advocacia. Era um homem alto e muito inteligente, sobremodo estimado terra natal. Faleceu em avanada idade. (V. pg. 105, 9 srie de Almeida Nogueira).DOMINGOS JOO VIEGAS Capito-mor em 1746. Foi substitudo no ano seguinte por Manoel Francisco.DOMINGOS QUIRINO DE SOUZA Bispo virtuoso de Gois. Nasceu na Estncia a 2 de outubro de 1815. Presbtero secular com residncia em Sergipe, foi nomeado bispo de Gois, sendo preconizado em consistrio secreto em 18 de maro de 1861. Seguindo a ocupar sua nova posio em companhia de sua velha me e de trs irms solteiras, teve a grande desdita de ver loucas duas destas e tambm aquela, ante os duros tormentos experimentados durante a viagem. Mas, homem de excelentes virtudes, talhado como que a Cristo, jamais pronunciou uma s queixa. Pouco falava, tristssimo sempre. Faleceu em Gois a 12 de setembro de 1863. A outra irm enlouqueceu ato contnuo, ficando ento as quatro desditosas senhoras na mais extrema penria. Escreveu e publicou uma Carta Pastoral e foi afamado professor na cidade do seu nascimento.DUARTE FERNANDES LOBO PONTES Foi capito-mor durante alguns meses em 1755.DIONSIO ELEUTRIO DE MENEZES Artista mecnico. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1820. Foi amigo e mestre do Zuca, Jos Francisco da Silva, de quem escreveu uns ligeiros traos biogrficos, publicados depois de 1900, pelo Dr. Baltazar Ges. Era provavelmente formado, porque o chamavam de Dr. Dionsio, naqueles traos biogrficos. Em trabalhos de torno, era um artista verdadeiramente superior. Para uma certa exposio, que devia ser aberta no Rio de Janeiro, fez um jarro e bacia, torneados em pau darco amarelo, cujas paredes tinham a mesma espessura de um vaso de porcelana, e tambm xcara e pires da mesma madeira e ambos caprichosamente executados. Devia ter sido um trabalho artstico de valor, que se perdeu ento por incria governamental. Como ele prprio o confessa, naquele seu escrito, atiro-me menos mal ao trabalho de torno, seja qual for o material madeira, metal, osso ou marfim. Faleceu em idade muito avanada, provavelmente depois de 1900.EELZIRIO PINTO poeta lrico de grande inspirao. Nasceu em Sergipe em 1840. Viveu alguns anos na terra natal, residiu depois na Bahia, peregrinou por fim no Rio de Janeiro, a falecendo em 1897, na mais extrema pobreza. Era cavaleiro da ordem da Rosa. Pelos jornais e revistas, publicou muitas composies em diversos gneros, parecendo-lhe a nota predominante a poesia pica soberanamente delicada, a que bem se pode dar o nome de pico-lrica, como faz judiciosamente Silvio Romero Histria da Literatura Brasileira. O Festim de Baltazar, composio de notvel valimento, no gnero pico-lrico. como que um poemeto e talvez a melhor produo potica de Elzirio da Lapa Pinto. muito extensa. Mas o seguinte soneto, Lua, d-lhe uma idia da lira maviosa e afinadssima: LuaVem, lua, contar-me as tuas dores,Teus segredos damor: deixa um instanteEssa louca estrelinha rutilanteQue desdenha cruel os teus amores.Vem aqui derramar os teus palores,Vem dizer-me qual o teu amante,Se aquela menor, menos brilhante,Ou aquela que tem mais esplendores.Pobre lua! tu gemes, tu deplorasA sorte sempre avessa a ingratidoDe uma linda estrelinha a quem namoras.Mas eu, pobre de mim! louca paixoMe tortura a existncia! Ah! se tu choras,Eu sou mais infeliz; no choro, no.EPIFNIO DA FONSECA DRIA E MENEZES Bibliotecrio em Aracaju. Nasceu no povoado Poo Verde, municpio de Campos, a 7 de abril de 1884. Em 1905 fundou na vila de Boquim um clube literrio, de que foi secretrio, durante o tempo em que ali residiu. Em 1907 foi secretrio do Gabinete de Leitura de Maruim. Passando depois a residir em Aracaju, foi a nomeado bibliotecrio da biblioteca pblica, que organizou cuidadosamente, de modo a tornar fcil a consulta e leitura de qualquer obra, revista e jornal. Escreveu um Memorial, mostrando ao governo do Estado a necessidade da criao do arquivo pblico e tambm uma Exposio sobre o movimento daquela repartio em 1911, ambos publicados depois em um nico folheto. Em 1915 deu a lume um folheto a respeito do Dr. Pelino Nobre. Nos jornais de Sergipe tem publicado diversos escritos e guarda indita uma monografia sobre a biblioteca provincial de Sergipe. um empregado inteligente, ativo, trabalhador e honesto, superiormente talhado para o cargo que ocupa.ERASMO DE LIMA Oficial superior do exrcito. Nasceu na Estncia, a 1 de junho de 1867, verificando praa no exrcito em 1886. Matriculando-se na Escola Militar em 1888, foi promovido a alferes da infantaria em 1890; a 1 tenente, em 1902; a capito por estudos, em 1906; e a major por merecimento, em 1913. Tem o curso das armas pelo regulamento de 1898. Em 1893 bons servios prestou causa legal. de regular estatura e de robusta constituio, com justia considerado um bom oficial de infantaria.RICO PRETEXTATO DA FONSECA Advogado e orador.ERNESTO GARCEZ CALDAS BARRETO Advogado. Nasceu em Laranjeiras a 15 de maro de 1874, formando-se em direito no Rio de Janeiro, depois de haver feito os quatro primeiros anos no Recife. Foi deputado estadual pernambucano, delegado auxiliar e intendente municipal no Rio de Janeiro. Atualmente entrega-se com vantagem advocacia, na Capital Federal.ERNESTO LOBO CEDRO (Dr.) Dizem-me ser um sergipano de grande talento. Nada mais me possvel adiantar presentemente.ESTVO DE FARIA DELGADO Foi capito-mor em 1737.ETELVINA AMLIA DE SIQUEIRA Professora. Nasceu na Itabaiana, a 5 de novembro de 1862, fazendo ali seus estudos primrios, com distino, sob a direo da professora D. Esmeralda Melo. Por morte de seu pai, mudou-se para Aracaju, entrando logo para a Escola Normal, onde se diplomou a 5 de novembro de 1884. Pouco depois abriu um colgio, sempre muito freqentado, em cuja direo esteve durante dezesseis anos. Em novembro de 1900 foi provida vitaliciamente na cadeira da aula prtica anexa Escola Normal, em cuja funo esteve at setembro de 1912, quando foi nomeada para reger a cadeira de portugus daquela escola. Dotada de excelentes virtudes morais e de acentuadas qualidades intelectuais, poetisa inspirada, conta muitas produes inditas e raras publicadas pela imprensa local. Entre os seus discpulos figuram Anbal Freire, Jackson de Figueiredo, Armando Mesquita, Otaviano Melo, Edgard Coelho, Alfredo Cabral, Jos Cabral, lvaro Brito, Otvio Brito, Marcilac Mota, Genulfo Freire, e muitos mais, quase todos laureados por escolas superiores.EUGNIO BRANDO Engenheiro. Nasceu em Laranjeiras a 13 de novembro de 1869, alistando-se no exrcito em 1889, como aluno da Escola Militar. Fez com brilho o curso de matemticas naquela academia, tendo baixa do servio em 1894, s vsperas de ser nomeado alferes-aluno. Matriculou-se ento na Escola Politcnica do Rio de Janeiro, onde concluiu o curso de engenheiro civil. Homem de baixa estatura mas de forte constituio, pleno de inteligncia e nobres qualidades morais, foi um estudante distinto e um engenheiro muito hbil. Dedicou-se quando muito moo ao magistrio particular: explicando matemticas, conseguiu custa de mltiplos esforos a carta que possui. Foi depois engenheiro de estradas e presentemente engenheiro fiscal na repartio geral dos telgrafos, onde conta grandes simpatias pelo seu acentuado valor profissional. um sergipano concentrado e modesto, que honra sobremodo a terra em que nasceu.EUGNIO GUIMARES REBELO Mdico e professor. Nasceu em Sergipe em 1847, formando-se em medicina na Bahia. Serviu durante algum tempo no corpo de sade da armada e depois na inspetoria geral de higiene. Lecionou na Escola Normal do Rio de Janeiro e foi mais tarde professor de francs na Escola Naval. Homem cheio de inteligncia e de fora de vontade, redigiu a Revista de Higiene, foi orador da turma que com ele se formou em 1869, e publicou em francs, lngua em que era mui entendido, um estudo sobre a Escola Militar do Rio de Janeiro.EUGNIO JOS DE LIMA Propagandista estremado e valeroso. Nasceu talvez em Itabaiana, Sergipe, em cujo progresso e desenvolvimento empregou toda a sua atividade e toda a sua fortuna. Quis a todo o transe a construo de uma estrada de ferro, para o feliz aproveitamento da zona uberrima; tambm quis a abolio e a Repblica. Estas o prazer teve de ver realidade. No, porm, aquela. Gastando em propaganda quanto possua, teve depois de procurar fora de Sergipe os meios necessrios prpria subsistncia. Foi um propagandista tenaz e valeroso. Deixou um nome imaculado em Sergipe. E no dizer insuspeito de Baltazar Ges (V. este nome) foi um carter de fina tempera, uma inteligncia perspicaz, um cidado modelo. Vivia em Sergipe em 1870.EUSTQUIO PINTO Poeta de grande valimento. Nasceu em Sergipe. O seguinte exemplo, mavioso como um canto de pssaro s horas matinais, d uma idia ntida do valor potico de Eustquio Pinto:Teu sorrisoVi teu sorriso! inebriou minhaalmaDe amor, de crena, de sonhares mil!Vi teu sorriso! e da ventura a palmaVi dentre abrolhos rebentar gentil!Qual num deserto de abrasada areiaDe sede exausto o viajar definha,E em balde os olhos alongando anseiaPor verde osis, e a gemer caminha.Assim da vida no Saara ardenteEm vo buscava da esperana a flor!Tudo era pedra! e o corao descrenteJ comeava a sucumbir de dor!Tudo era estril! S cruis espinhosVia cobrirem da existncia a estrada!De falsos risos, de fatais carinhosEu via sempre uma mulher amada!Me pareciam de seu rosto as rosasDe astuta serpe as cambiantes cores;E as meigas falas, que faltava airosas,Sutil veneno a rescender odores.Mas hoje apostlo de uma nova crenaLhe erijo tronos, lhe consagro altares.Sei que ela fonte de ventura imensa,Que em riso muda os mais cruis pesares,J vejo o monte se tocar de relva,J vejo o prado se vestir de flores;J ouo o pombo soluar na selva;J ouo a brisa suspirar de amores.J tem o sol um esplendor mais puro;A terra inteira me sorri agora...Tu me salvaste, que de meu futuroMudaste as trevas em risonha aurora!...Sou teu escravo, teus grilhes aceito;Pede-me a vida e ta darei contente,Mas guarda sempre no teu casto peitoDe amor a chama divinal, ardente.EUTQUIO DE NOVAES LINS Professor. Nasceu no Lagarto em princpios de 1852, filho legtimo de Joaquim da Pdua Lins. Desde a puercia revelou uma bela inteligncia, que o tem sempre distinguido, acentuadamente no Ateneu Sergipense, entre cujos estudantes mais distintos foi figura de destaque. Tem pendor especial para a matemtica elementar, guarda-livros reputadssimo e maneja muito bem o vernculo idioma. Gosta imenso da literatura jurdica, assunto que sempre viu com entusiasmo. Regular na estatura, cheio de corpo, gozando boa sade, tem ainda ao seu dispor nobres qualidades de carter. lente do Ateneu.EUTQUIO SOLEDADE Poeta inspirado e mavioso. Aqui vo as primeiras estrofes de uma sentida e maviosa composio de sua lavra:No aniversrio de Leopoldo AmaralDezenove anos, meu Deus, que idade belapara quem, como tu, vive de amores,Passa a vida a cantar!De santas iluses, de afetos purosTens a alma rica se entreabrindo em risosE vives a sonhar!Inda o riso dos cnicos no pdeCrestar-te os lbios, de tua alma virgemMatar iluses!Foge, criana, desse mundo impuro,Vai bem longe das vistas dos profanosTanger tuas canes. triste ver-se poluindo o gentio,Semelhante a Azevedo suicidar-seNa crpula fatal.Ou qual Junqueira ter por mos austerasForada a vocao de um estro ingente,Nublado o seu punhal.Canta, poeta, os hinos de tua alma,Abre as asas ao gnio que se expandeDos anos ao ardor;Canta a vida, a mulher, e seus encantosComo a flor exalando os seus perfumesDa aurora ao albor.Canta, poeta, a ptria, cujos brios,Com a espada no campo das batalhas,Correstes a sustentar!Soldado, canta os feitos portentososDos heris, e dos bravos cujo sangueTu viste derramar!...Segue a estrada que encetaram bravos,Mostrou-te Camerino o astro augustoDum brilhante porvir.A teu lado Calazans brio de glrias,O estandarte abraando brasileiro,Caiu, mas a sorrir!EVANGELINO DE FARO Magistrado. Nasceu no municpio de Laranjeiras, a 24 de junho de 1865, formando-se em direito no Recife em 1885. Abraando a magistratura, foi promotor pblico em Itabaiana, depois em Riachuelo e por fim em Laranjeiras, em 1889. Nomeado juiz municipal, deixou esse cargo logo depois, para ser fiscal do governo junto ao Banco Unitrio, no Rio de Janeiro. Em 1891 foi juiz de direito em Itabaiana; em 1894, deputado estadual; em 1897, diretor da instruo pblica; em 1898, juiz de direito em Maruim e logo depois em Laranjeiras. Em 1899, no aceitando a remoo para Vila Nova, foi posto em avulso e logo depois em disponibilidade, entregando-se ento com ardor advocacia e educao da mocidade. Fundou em Laranjeiras um colgio, em 1909 transferido para Aracaju. Em 1913, desembargador do Superior Tribunal da Relao, foi indicado por seus colegas para entregar ao presidente do Estado, General Siqueira de Menezes, uma caneta de ouro cravejada de brilhantes, oferta dos magistrados e advogados sergipanos, para com ela ser assinado o Cdigo de Organizao Judiciria do Estado. Produziu ento um excelente discurso, cujo exordio aqui transcrevemos:Exmo. Sr. General Siqueira de Menezes:Aprouve generosidade de meus colegas escolher-me orador, intrprete dos sentimentos de entusiasmo de que nos achamos justamente possudos ao assinardes o Cdigo da Organizao Judiciria do Estado de Sergipe. Outro, que no eu, poderia melhor desempenhar esta nobilssima tarefa, com abundncia de luz e maior encanto no dizer; mas, permiti que vos diga francamente: Exmo. Sr. General, com mais sinceridade na apreciao dos vossos patriticos atos nenhum.Evangelino de Faro tambm um agricultor inteligente e adiantado. Sobre esse assunto tem feito diversas conferncias todas j publicadas. Em 1912, como diretor do Grmio Escolar, fez uma conferncia pedaggica, que tem servido de modelo aos inspetores de ensino em sua terra.EVARISTO FERREIRA DE VEIGA Bacharel em direito. Foi o 35 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 27 de novembro de 1868.FFABRCIO CARNEIRO DOS TUPINAMBS VAMPR Mdico sergipano.FAUSTO CARDOSO, F. de Aguiar C. Orador eloqentssimo e filsofo de alta envergadura. Nasceu em Sergipe em 1862, formando-se em direito no Recife em 1884. Foi delegado de polcia na Capital Federal, professor da faculdade livre de direito e deputado geral pelo seu Estado. Homem de baixa estatura e de regular constituio, talento superior, filsofo emrito, orador eloquentssimo, jornalista de pulso, professor de grande brilho e cotao, Fausto Cardoso, esquecendo-se em parte das lutas filosficas, para as quais havia especial pendor, como Tobias ou como Silvio, atirou-se apaixonadamente um dia s questes da poltica partidria, sendo em 1905 assassinado barbaramente s ruas de Aracaju, cujo governo acabava de pr por terra, em luta ingente. No tinha ainda quarenta e quatro anos, e era porventura o maior talento filosfico brasileiro, em atividade na ocasio. Intelectualmente foi uma verdadeira calamidade o trgico fim desse esprito superior, talhado antes e acima de tudo a vasto empreendedor filosfico e social. Em 1892 publicou a sua Cosmogenia poltica americana, livro de rara erudio filosfica, e ainda dois outros excelentes trabalhos de erudio e filosofia: A hereditariedade psicolgica e A iluso teleolgica. Publicou depois diversos trabalhos de vulto, e colaborou com lustre e brilho na Unio Federal, no Dirio de Notcias e em vrios outros peridicos. Em 1912 foi-lhe erigida uma esttua em Aracaju. uma das guias sergipanas.FELINTO ELSIO DO NASCIMENTO Poeta delicadssimo. Nasceu em Sergipe. Empregado de fazenda desde os verdes anos, sucessivamente foi subindo de posio, at chegar a inspetor da alfndega de Santos, no Estado de So Paulo. Homem de regular estatura e robusta compleio, cheio de inteligncia e de atividade, com um jeito especial para as belas letras, a poesia sobretudo, ocupa entre os lricos sergipanos, o que importa dizer no Brasil, uma posio de simpatia e destaque. de uma delicadeza to melodiosa e to suave que encanta. As Lgrimas das coisas, a seguir, no deixam margem mnima dvida. Pena que, como quase todo o poeta sergipano, um pouco descuidado tenha a lngua!Lgrimas das coisasSempre, toda a manh, se ouvia um cantoPara alm do cercado,Um canto tal, to doce e modulado,To terno, to dolente,Que penetrava o ntimo da gente,Desafiando o pranto.Nem que fosse um relgio a horas certas,Quando mal despertava a natureza,L vinha aquela nota de tristezaCasar-se ao hino das manhs desertas!Era talvez arranco de saudadeCruel, devastadora,Talvez... do corao dave cantoraAo avistar o ninhoDonde roubara-lhe o gentil filhinhoA mo da impiedade.O amor que fecunda em seus prazeres,E fonte perene de ventura,Vive em tudo na humana criatura,At, meu Deus, nos pequenos seres!FELISBELO FREIRE, F. Firmo de Oliveira F. Poltico influente no Rio de Janeiro. Nasceu em Itaporanga a 30 de janeiro de 1858, formando-se em medicina na Bahia em 1881. Dedicando-se ento clnica e ao jornal, em Laranjeiras, ganhou logo reputao slida e dupla: como mdico abalizado e como jornalista competente. Criou em Sergipe o partido republicano e foi o primeiro governador que teve o Estado em 1889. Eleito deputado federal, ocupou na cmara posio muito saliente, sendo orador da comisso de organizao dos Estados, depois o do movimento de 23 de novembro de 1891, o do julgamento do congresso sobre a constitucionalidade do stio de 1892 e ainda o do projeto de anistia. Era homem alto e forte, inteligente e culto, com um gosto decidido para a histria e para a msica. Flautista de primeira ordem e pianista de grande merecimento. Foi ministro da fazenda em 1893, com o marechal Floriano, e deputado federal at aos seus ltimos dias, tendo abandonado completamente a medicina, para a qual havia especial pendor. Seria um msico de fama, como um clnico de vulto, se no houvesse erradamente trocado a arte de Bellini e a de Charcot pelos mistrios da poltica partidria. Redigiu superiormente O Republicano, de Laranjeiras, e A Tribuna do Rio. Publicou, alm de folhetos vrios, a Histria de Sergipe, A Histria constitucional da Repblica, a Histria territorial do Brasil (publicado apenas o vol. I) e a Histria da Cidade do Rio de Janeiro. Era scio do Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro e tambm do Instituto Sergipano. Faleceu no Rio de Janeiro a 7 de maio de 1916.FLIX DINIZ BARRETO Poeta e professor. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1845. Dedicando-se com ardor ao magistrio e s belas letras, foi exmio professor do Ateneu sergipense e colaborou com freqncia nos jornais de Aracaju, em prosa e verso. Era de regular estatura, de forte compleio, ativo, inteligente e dotado de excelentes predicados morais. Durante muito tempo dirigiu um internato em Aracaju, passando depois a explicar particularmente em vrios colgios, alm da sua cadeira no Ateneu. Faleceu em Aracaju, pouco antes de 1910.FENELON DA SILVA MONTE Advogado. Nasceu na vila de Japaratuba, a 15 de fevereiro de 1848. Iniciou os estudos acadmicos em Olinda, concluindo-os em S. Paulo. Depois de formado, voltou a Sergipe, onde pouco se demorou. Foi promotor em uma das cmaras do interior da Bahia. Exerceu a profisso de advogado. Por fim, doente, retirou-se para o Rio de Janeiro, a falecendo a 2 de fevereiro de 1889. Era irmo do Dr. Joo do Monte, sendo o mais novo dos cinco e considerado o mais inteligente de todos eles. Falava e escrevia com grande brilho e facilidade. Amava a arte musical, sendo cantor mui apreciado, voz de bartono, nas reunies familiares. Comps vrias poesias lricas. E as arias que cantava em sales eram geralmente produes suas, adaptadas a trechos musicais de sua predileo ou de sua prpria composio. Era um homem alto, esguio e alvo, de agradvel porte e lindas maneiras. Nunca se casou e vivia sempre a rir, satisfeito e feliz.FERNO LOBO DE SOUZA Capito-mor, em 1704.FIRMINO RODRIGUES VIEIRA Propagandista republicano. Formando-se em engenharia, dedicou-se com ardor propaganda da Repblica em Sergipe, chegando a ser secretrio do governo sergipano, depois do feito de 15 de novembro. Homem inteligente e culto, colaborou na Nova Era e em vrios outros jornais.FLORENTINO TELES DE MENEZES Doutor em sociologia. Funcionrio pblico e escritor de largo descortino social e filosfico. Nasceu em Aracaju a 7 de novembro de 1886, iniciando na Bahia o estudo de humanidades, que concluiu em Sergipe. Tendo gosto decidido para as matemticas, seguiu logo depois para o Recife, a fim de cursar engenharia. Atacado ato contnuo de beri-beri, voltou gravemente doente para Sergipe, onde esteve paraltico durante seis meses. Restabelecido, seguiu para o Rio, a fim de se matricular na Escola Politcnica. A falta, porm, de pecunirios recursos f-lo voltar ao Estado natal, onde, visando carreira mais acessvel, concluiu os preparatrios que lhe faltavam para o curso mdico. Em 1906, de feito, matriculou-se na faculdade de medicina do Rio e, j com o 3 ano, teve de interromper definitivamente o curso, por exigncias pecunirias. Voltou de novo a Aracaju, onde de corpo e alma se entregou geografia, histria, poltica e filosofia. Em 1913 foi nomeado 2 escriturrio do tesouro de Sergipe. de alta estatura, muito forte, inteligentssimo e dotado de valiosas qualidades morais. Na atividade intelectual, poucos nomes lhe levaro a palma, nos atributos do corao, certamente nenhum. Fala e escreve bem. Conhece o espanhol e o francs. Fundou o Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe e colabora com proficincia e vantagem nos jornais sergipanos. Publicou quatro interessantes volumes: Estudo Corogrfico e Social do Brasil, Leis da Sociologia e Escola Social Positiva, Desenvolvimento Intelectual dos Povos, tendo em preparo sua Nova Orientao ao Estudo da Moral. um trabalhador honesto e ativssimo. E como a seu dispor talento tem de sobra, h de ser por isso mesmo, se vida houver, um polgrafo de conta e valimento. Os enormes acleos ao caminho encontrados feriram o engenheiro e desmantelaram o mdico, deram, porm, seiva ao escritor, que condecorado com a medalha de prata e a medalha de ouro da Societ Acadmique de Historie Internationale, com o Ramo de Ouro da Academie Latine de Sciences, Art et Belles Letres, com a medalha de 1 classe da Academia Fsico Qumica Italiana de Palermo e com o ttulo de Membre dhonneur da dita academia, e ainda scio de quase todos os Institutos Histricos e Geogrficos do Brasil. Para dar uma idia do seu valor literrio, aqui transcreveremos as seguintes linhas, das suas Leis da Sociologia:Lei geral da conservao socialEsta lei interpretada em Sociologia como exprimindo a forma porque toda a sociedade uma vez constituda tende a manter-se.Segundo Schopenhauer, uma das formas do querer viver universal.Em Nietzche encontra-se relativamente ao indivduo a vontade de potncia, que vem a ser esse desejo invencvel de domnio que existe nos homens superiores e que, aplicado s sociedades, se manifesta como expusemos.Segundo a lei que estudamos, a fim de que uma sociedade se mantenha, necessrio que todas as energias disponveis se focalizem com o fim nico de sua conservao.Para atingir esse desideratum ela pe em prtica todos os meios, aniquilando tudo que possa obstar o seu desenvolvimento.E aquela que isto no conseguir estar bem prxima do termo de sua jornada.Infelizmente no Brasil as coisas passam-se de um modo contrrio.Todas as nossas energias no podem ser aproveitadas em benefcio da ptria comum.Muito pelo contrrio elas so desviadas por maneiras diversas. enorme a soma de foras perdidas.FLORIVALDO LINHARES - Professor. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1890, formando-se em direito em S. Paulo, em 1910. Logo depois conquistava, por concurso brilhante, uma posio de destaque no magistrio paulistano. E como foi o orador da turma, na festa de colao de grau, pode-se afirmar com segurana o seu grande valor intelectual. Seu discurso foi logo publicado em folheto. Quem l sombra dos Enigmas, observa logo no jovem bacharel um esprito fino e culto, apaixonado pela filosofia e pelo direito. Tal o bem feito exordio desse discurso original e msculo: sombra dos Enigmas(Discurso pronunciado na colao de grau aos bacharelandos de direito pela Faculdade de S. Paulo, em 1910).Alvoroa-nos a expectativa de uma vida nova. Anseios de largas conquistas, fortes esperanas estuam com desassombro, impetuosamente, a revolver um amontoado de ingnuas iluses que se foram, aos poucos, sumindo no patrimnio comum da Academia...As emoes do momento, em que eu trago aos mestres e aos colegas o ltimo adeus da minha turma, transportam, concentrando-se s sombras longnquas do passado que nos acalentou o esprito, por cinco anos, atravs da simplicidade profunda desses claustros.Outrora, em situao semelhante, gritava o esprito acadmico metforas arrogantes; enchia-se a tribuna de colos nus e de auroras revolucionrias.A cerimnia, quando no tinha a jovialidade encantadora das serenatas, como que deslizava lgubre, sinistra, de par com a tristeza cansada dos poetas.Era, na vasta acepo do termo, um vulco ativo, chamejante, a intelectualidade de outros tempos, que a onda invasora do progresso colheu, para transmiti-la, outra, rejuvenescida, ao cenrio complicadssimo em que se movimenta a mocidade de hoje... Tudo que passa no mais do que um smbolo - disse-o Goethe. Ns representamos a eternidade desses recuados anelos. Abalados por uma vontade imensa de viver, somos tambm evadidos de tremenda luta pelo po, pioneiros infatigveis do ideal, em busca da incgnita fugidia do destino... Eu, impenitente amigo dos enigmas, eu vejo assim a vida acadmica.FRANCISCO ALVES DA SILVA - Capito-mor de 1765 a 1766. FRANCISCO CAMERINO - Heri da guerra do Paraguai. Nasceu a 21 de agosto de 1841. Aos 13 anos seguiu para a Bahia, empregando-se no comrcio. Jovial e prazenteiro, gastava quanto ganhava, alegando s se sentir bem quando sem dinheiro. Caridoso em demasia, aos pobres dava parte do que adquiria em trabalho perseverante e honesto. Dedicado aos seus, por morte da Progenitora desistiu de pequena herana, em favor de sua irm, por cujo futuro seriamente se empenhava. Queria, com o prprio sacrifcio, conquistar um nome, que pudesse ser dela e de toda a famlia. Sonhava com a guerra, para se ilustrar. Ao menor desacato internacional, queria que o Brasil pegasse em armas. Quero me experimentar na guerra; s parece que nasci para ela. Como seria feliz, se pudesse cantar um hino, ao ribombar da artilharia, arrebentando-me os miolos!. Estudava apaixonadamente a histria, preocupando-se muito com as conquistas e as cruzadas. Sabia a biografia inteira de Napoleo. Quando caixeiro na Bahia, o patro lia-lhe um dia feitos militares: Anbal hesitou na passagem dos Alpes... Coriolano cedeu a tantas instncias... E ele, convencido e herico, interrompeu o leitor: Pois eu no cederia nem hesitaria!... Declarada a guerra contra o Paraguai, no querendo se subordinar s exigncias da disciplina, que temia, seguiu como voluntrio paisano. Tomou um fardamento especial, armou-se e, sem ser alistado, acompanhou o exrcito em operaes. Seguiu sua prpria custa, sem receber do governo um s real. Era um heri, o mancebo de vinte e quatro anos. Entrou no terrvel combate de Curuz, onde se portou com grande herosmo. A 22 de setembro entrou no combate de Curupait, s 7 horas da manh, com um valor porventura acrescido ao barulho da metralha. Sua carabina no cessava de fuzilar, e ele seguia avante, esperanado e herico. Uma bomba paraguaia cai-lhe ao lado; arrebenta; fragmenta-se por inteiro, e o heri tomba de bruos, banhado em seu prprio sangue. No pde mais de erguer: tinha as apfises espinhosas das vrtebras dorsais e lombares de todo descobertas. Recolhido ao hospital de sangue, sereno e imperturbvel, quase sem vida, alguns amigos o cercaram, um deles tomando-o aos braos. Camerino abriu os olhos, sorriu, sem soltar um gemido sequer. Depois abriu os lbios, recitando com voz suave e clara os seguintes versos, do saudoso poeta do D. Jayme:Ou morre o homem na lidaFeliz, coberto de glria,Ou suja o homem com vidaMostrando em cada feridaO hino de uma vitria.E expirou. Os seus companheiros de armas levantaram-lhe um tmulo modesto dentro da prpria fortaleza de Curuz, que ele heroicamente ajudara a conquistar. um dos grandes heris daquela campanha memorvel.FRANCISCO CARNEIRO NOBRE DE LACERDA Magistrado e jornalista. Nasceu em Sergipe a 12 de maio de 1869. Por morte do pai, seguiu para o Recife, onde fez o curso de humanidades e tambm o de direito. Antes de formado, colaborou em diversos jornais e, ainda no 4 ano, foi distinguido com a nomeao de promotor pblico de Maruim. Foi depois juiz municipal de Aracaju e juiz de direito de Garar, cargo que s exerceu por alguns dias, devido dissoluo, ento praticada, da magistratura estadual. Mais tarde serviu como promotor fiscal do tesouro de Sergipe, gerente da Caixa Econmica e delegado fiscal dos exames de preparatrios. Homem de regular estatura e delicada constituio, generoso e justo, inteligente e erudito, audaz e nobre, representou em tempo papel muito saliente na imprensa oposicionista. Foi redator da Folha de Sergipe e correspondente de trs jornais do Rio: Jornal do Comrcio, Gazeta de Notcias e Jornal do Brasil. Mudando-se para Pernambuco por questes polticas, foi ali secretrio da prefeitura de polcia, juiz de direito de guas Belas e por fim juiz seccional em Aracaju. scio fundador do Instituo Histrico Sergipano. Com grande amor s belas letras, jornalista de pulso, tambm conta bastantes composies poticas de valor, sendo autor da Dcada Republicana em Sergipe, interessantssimo trabalho de histria poltica, e do folheto de versos Evangeliarios (com Prado Sampaio). A seguinte e excelente composio d-lhe uma idia do estro delicado e maneiroso: PaisagensAsas ao vento dando e dando ao espaoAs melodias do esquisito hinrio,Clebre passa, em clebre esvoao,O pintassilgo irrequieto e vario. a hora em que o sol, como um pelouro,Vara do acaso o fervido regao;E vai, heri de algum combate mouro,A fronte repousar de atroz cansao.Nos tons arroxeados do sol posto,Eu vejo a cor da humana nostalgia;Da saudade o sendal vela-me o rosto...Ah! como triste o eplogo do dia!Lusco-fusco. Por sobre a naturezaA treva, como o oceano, se prolonga,E no espesso da murmria devzaPerde-se o ltimo canto da araponga.............................................................Noite; nem um fulgor. Dorido acentoDalma descrente em mgoas lanceada,No denso candial, dir-se-ia ao vento,Que vai perder-se alm pela quebrada.Fundo silencioso em torno; apenas ouo,De longe em longe o eco prolongadoDos uivos lancinantes dum molosso,Na solido da noite abandonado.No entanto pelo quarto onde medito,Onde estes versos plidos escrevo,Entraram cicios do inocente ritoDo amor dos pirilampos pelo trevo.E enquanto vibra a alma da naturaDo pequenino inseto flor nevada,Minhalma se recolhe selva escuraDo tdio onde jamais luz alvorada...Alvorada do riso e da bonana,Que a felicidade doura em seus matizes,Ah! como doce um raio de esperanaQuando ele em nosso ser faz cicatrizes!Que seria da ptria, que seriaDesse que a sorte em seu favor esquece,Se no fosse esperana que irradiaE o esprito conforta como a prece?Porque a esperana como uma flor que nascePor entre os cardos de um rochedo nu,Como um sol que de noite flutuasseEspalhando um claro intenso e cru.FRANCISCO DA COSTA Capito-mor duas vezes: de 1733 a 1737 e de 1741 a 1746.FRANCISCO FLARIS Militar. Nasceu em Sergipe em 1860, alistando-se no exrcito em 1875. Foi alferes de infantaria em 1888; tenente por servios relevantes, em 1890; capito, em 1892; major por merecimento, em 1902; tenente-coronel pelo mesmo princpio, em 1907; coronel ainda por merecimento, em 1911; general reformado, em 23 de dezembro de 1914. Homem de alta estatura e de robusta constituio, abnegado, patriota e bravo, prestou reais servios legalidade em 1893 e fez com distino a campanha de Canudos em 1897. Condecorado com a medalha de ouro, por contar mais de trinta anos de bons servios ptria, era oficial de muito merecimento, como claramente indicam os seus ltimos acessos na hierarquia militar. Comandava ultimamente as foras situadas em Mato Grosso, como chefe da 13 inspeo permanente, e gozava na sua arma e na classe de grande e merecida simpatia.FRANCISCO FLIX DE FREITAS BARRETO Agricultor e patriota extremado e bravo. Nasceu em Sergipe a 25 de outubro de 1827. Homem de regular estatura e de robusta constituio, inteligente e nobre, audacioso e bravo, era coronel da guarda nacional e chefe poltico influente em Laranjeiras, em cujo municpio possua um engenho de acar, a que dispensava toda a sua atividade. Declarada a guerra contra o Paraguai, deixou margem os interesses pecunirios e organizou um batalho de voluntrios que, sua prpria custa transportou para o Rio de Janeiro. E, como comandante do mesmo, seguiu para o campo de batalha. A foi um verdadeiro heri, tombando gloriosamente sem vida a 5 de julho de 1866, em S. Thomaz de Corrientes. Contava apenas 39 anos de idade. Era condecorado por atos de bravura.FRANCISCO FONTES DA SILVA Militar e engenheiro. Nasceu em Sergipe em 1871, alistando-se no exrcito em 1890. Foi alferes-aluno em 1893; 2 tenente de artilharia, em 1894; 1 tenente, em 1904; capito, em 1908. Bacharel em matemticas e cincias fsicas, engenheiro militar, chefe da comisso de estudo das obras de melhoramentos do porto de Aracaju. Homem de regular estatura e de robusta constituio, inteligente, ativo e tenaz, prestou em 1893 timos servios causa legal. Tem a Sergipe uma amizade exagerada, nobilssima. oficial de grande futuro profissional.FRANCISCO DE GOUVEIA CUNHA BARRETO Bacharel. Foi o 48 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 25 de agosto de 1883.FRANCISCO ILDEFONSO RIBEIRO DE MENEZES Bacharel. Foi o 43 presidente da antiga Provncia, havendo tomado posse a 15 de maro de 1878.FRANCISCO JOS CARDOSO JNIOR Engenheiro militar. Foi o 36 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 2 de dezembro de 1869.FRANCISCO JOS MARTINS PENA Jornalista e orador notvel. Nasceu em S. Cristvo, a 28 de agosto de 1837. Formando-se em direito no Recife, foi a advogado, delegado de polcia e deputado provincial. Seguindo ento para sua cidade natal, foi juiz municipal, deputado provincial em vrias legislaturas, orador de nota e jornalista de grande merecimento. Faleceu a 9 de maio de 1884. Era homem de superior inteligncia, de notvel cultura e de grande popularidade. Escreveu o drama Flores e Espinhos.FRANCISCO MELO Capitalista. Nasceu em So Cristvo a 18 de setembro de 1870. Influncia poltica em Aracaju, onde por duas vezes exerceu o cargo de intendente municipal, deu exemplos frisantes de grande fora de vontade e de rara capacidade administrativa. uma das mais slidas fortunas do Estado e homem de grande atividade. o maior acionista do Banco de Sergipe, abasteceu de gua a capital do Estado, e agora cuida com ardor da rede de esgotos da referida capital. S esses trs servios mximos lhe do honrosa entrada nas pginas sinceras deste livro.FRANCISCO DE PAULA PRESTES PIMENTEL Bacharel. Foi o 53 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 30 de julho de 1888.FRANCISCO SEROA DA MOTA Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 24 de julho de 1868, alistando-se no exrcito em 1875. Foi 2 tenente de artilharia, em 1890; 1 tenente de Estado maior, em 1893; capito, em 1900; major de infantaria, em 1911. Bacharel em matemticas e cincias fsicas e engenheiro militar. Homem de baixa estatura mas de forte constituio, de grande atividade e inteligncia, condecorado com a medalha de prata, por contar mais de vinte anos de bons servios ptria.FRANCISCO SOARES VIEIRA DE MELO Poltico. Nasceu em Sergipe, filho de pai portugus. Dotado de lcida inteligncia, ocupou vrios cargos de eleio em Sergipe, comandou o corpo policial em S. Cristvo e a guarda nacional em Laranjeiras, administrou o tesouro sergipano e foi juiz de direito na Capela. Faleceu no engenho Alegrete, de sua propriedade. Era um homem alto e robusto, com o foro de fidalgo.FRANCISCO TEIXEIRA DE FARIA Advogado. Nasceu em Itabaiana, provavelmente em 1823, filho legtimo do portugus Valentim Teixeira de Faria. Concluindo seus estudos, talvez no antigo Liceu de S. Cristvo, dedicou-se com vantagem advocacia. Foi um cidado distinto, por seus dotes morais, sempre se entregando defesa de causas justas. Militando nas fileiras do antigo partido conservador, foi chefe poltico de prestgio no sul da Provncia, mxime na Estncia, onde residiu at o fim de sua vida. Dispondo de grande cultura jurdica, pretendeu como Rebouas o ttulo de doutor, que s por dois votos lhe deixou de conferir a assemblia geral, apesar de fora do poder o seu partido. Durante algum tempo foi promotor pblico, cargo solicitado a fim de deixar a famlia o necessrio montepio. Enquanto o partido conservador no poder, foi sempre deputado provincial, sempre estimado e respeitado por suas eminentes qualidades e virtudes. Faleceu a 7 de setembro de 1885. Era conhecido na Provncia como o Comendador Teixeira.FRANCISCO TEIXEIRA DE FARIA Professor de latim, de francs e de matemtica. filho do Comendador Teixeira. Nasceu na Estncia a 14 de julho de 1860, ali mesmo estudando primeiras letras, francs e latim. Seguindo para a Bahia, com o fim de abraar a carreira eclesistica, entrou para um seminrio, mas voltou a Sergipe dois anos depois, por falta de recursos e principalmente por no se sentir com vocao para a vida religiosa. Concluindo o curso de humanidades no ateneu sergipense, voltou de novo Bahia, onde se hospedou no Convento do Carmo, refgio de todo o estudante pobre. Dias depois foi da afastado pelo douto fillogo Ernesto Carneiro Ribeiro, em cujo colgio se empregou, passando as horas vagas a estudar farmcia e a se dedicar com ardor, ao lado de estudantes cearenses, s lutas abolicionistas. Terminando o curso de farmcia, pretendia estudar medicina: grave enfermidade do seu progenitor, porm, obrigou-o a seguir ato contnuo para a cidade natal. Com a morte do pai, teve de enfrentar encargos da famlia. Fez concurso para a cadeira de latim e francs, ento vaga, sendo nela provido vitaliciamente, na Estncia. Anos depois centralizou-se em Aracaju a instruo secundria, e foi nomeado lente de matemticas da Escola Normal, passando por fim a dirigir a cadeira de geometria e trigonometria do ateneu sergipense. homem de tristonho aspecto, de lcida inteligncia e de notveis atributos morais, alto na estatura e delicado na constituio. Conta com 28 anos de ativo servio no magistrio, gozando em Aracaju de justo e merecido conceito.GGEMINIANO BRASIL DE OLIVEIRA GOES Advogado de grande nomeada no Rio de Janeiro, no Imprio e na Repblica. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito e entregando-se com vantagem e brilho advocacia e poltica. Foi presidente da Provncia e deputado geral. Em Sergipe era considerado homem de grande talento e um bom orador.GEMINIANO COSTA Nasceu em Itabaiana a 15 de setembro de 1865, formando-se em direito no Recife em 1891. Abraando ento a magistratura, foi promotor pblico em Porto Feliz (S. Paulo) e depois em S. Carlos, onde fixou residncia. Em 1897 abandonou a promotoria, com grande prejuzo pecunirio, para tomar para si gratuitamente a defesa dos Britos (sergipanos natos), barbaramente linchados em Araraquara. Sendo j muito conhecido no foro de S. Carlos, tornou-se respeitado em todo o Estado, depois deste clebre processo, em que se achavam envolvidos homens de notvel influncia poltica e social. de mdia estatura e de robusta constituio, com dotes invejveis de esprito e de carter. Em S. Paulo tem publicado diversos trabalhos forenses de valia incontestvel.GEMINIANO PAES DE AZEVEDO Poeta de grande inspirao. Nasceu em Sergipe. Homem alto e de delicada constituio, cheio de inteligncia e de erudio lingstica, de bondade e de nobreza, conhecia a fundo a lngua de Corneille e de Racine, da qual foi abalizado professor na Escola Normal e no Ateneu Sergipense, amado por todos os seus discpulos. Gozava em Aracaju do mais alto e merecido conceito. Com grande amor s belas letras, poesia sobretudo, publicou sucessivas e interessantes composies poticas, qual mais delicada, mais maviosa e atraente. Foi um dia chamado com felicidade o poeta dos olhos. O seguinte exemplo um belo atestado das precedentes afirmaes:Teus olhosFormosa, teus olhos to meigos luzentes,Resumem da florAs graas, os mimos, os doces perfumes;E falam de amor.Celeste deidade, teus olhos travessosEncantos que so!Se brandos queixumes teus lbios respiram,Cados to langues, teus olhos inspiram,Ardente paixo.Contei-te que, em sonhos, fitavam meus olhosUns olhos assim!...Alegre, louquinha, cismavas, sorrias,Vaidosa pra mim.Isento de amores, que magos encantosEnto eu senti!...Rosinha, no sabes? teus olhos escurosDeveras parecem, to lindos, to puros,Os olhos que vi!Momentos na vida felizes mais belosJamais eu gozei,Nem sonhos dourados mais lindos, mimosos,Tamanha ventura, nem dias ditososEu nunca sonhei.Cativa minha alma, cada em desmaio,Amou, sem amar.Risonha miragem de um anjo fagueiroMe veio enlear...Escuta. Tu foges! Eu amo teus olhosLuzidos, brilhantes,Lacinhos que prendem nos doces enlevosOs ternos amantes!So lindos, encantam teus olhos travessosAssim a brincar:To vivos, serenos, s vezes dormentes,Eu amo teus olhos to meigos, luzentes,Sem fito a pensar.GIL ANTONIO DIAS DE ALMEIDA Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 3 de maio de 1874, verificando praa no exrcito em 1889. Matriculando-se na Escola Militar, foi promovido a alferes de infantaria em 1894; a tenente por estudos, em 1904; a capito, ainda por estudos, em 1908; a major, por merecimento, em 1913. Tem o curso das trs armas pelo regulamento de 1898. Em 1893 timos servios prestou causa legal. homem de regular estatura e de robusta constituio fsica, com justia considerado no exrcito como um excelente oficial de infantaria. Serve na Brigada Policial do Rio de Janeiro, como comandante de um dos regimentos daquela milcia.GILBERTO AMADO Orador, jornalista, literato, poltico, filsofo e crtico. o sergipano de mais talento em atividade intelectual presentemente. Nasceu na Estncia em 1887, fazendo os preparatrios, quase todos com distino, em Aracaju. Com dez anos apenas j contava trs exames finais. Em 1903 formou-se em farmcia na Bahia, com distino em todo o curso. Pretendia formar-se em medicina logo depois. Mas a sua vocao literria era j to pronunciada, com a sucessiva publicao de crnicas, fantasias e contos, que o progenitor, aconselhado, resolveu envi-lo a Pernambuco. E antes de seguir para a, foi nomeado professor de cincias fsicas e naturais da Escola Normal, estando presentemente em disponibilidade. Matriculando-se na academia do Recife, colaborou em diversas revistas e logo depois no Dirio de Pernambuco, onde manteve durante trs anos, diariamente, uma crnica literria sob o pseudnimo de Auceo. Em 1907 fez sua primeira conferncia literria Nuvem, no salo nobre do colgio Ayres da Gama, conferncia que causou sucesso, e que sem questo uma das suas melhores produes literrias. Contava ento duas dezenas de primaveras apenas. Por sucessiva delegao de seus colegas, fazia nesse tempo na academia brilhantes discursos, como diversas alocues polticas e literrias no teatro Santa Izabel e em vrios outros centros de cultura intelectual. Durante trs anos manteve brilhante polmica, em Recife, com a Provncia e o Correio de Recife, tornando-se famosa a que dizia respeito a Nietzche, cujas obras teve a glria de vulgarizar no meio literrio pernambucano. Em 1909, to grande lhe era a influncia, que foi nomeado presidente e leader da comisso de estudantes que representou a faculdade de Recife no congresso de estudantes em S. Paulo. A representou papel sobremodo saliente, sobretudo com a sua tese sobre a filosofia do direito, que o tornou muito conhecido em S. Paulo. Eleito pelo Congresso para saudar o Conde de Affonso Celso, presidente da ltima sesso, assim como os estudantes franceses e deputados federais presentes, confirmou de modo cabal seus altos dotes oratrios. De volta a Pernambuco, escreveu uma srie de artigos, transcritos no Estado de S. Paulo e no Correio Paulistano. Terminado o curso jurdico, todo quase com distino, com direito ao prmio de viagem, que lhe foi concedido por motivos polticos, seguiu para o Rio de Janeiro em 1910 e a, a 13 de fevereiro, entrava superiormente nas grandes rodas literrias, com seu profundo estudo crtico sobre Luiz Delfino, publicado no Jornal do Comrcio desse dia, estudo que lhe valeu ativa e brilhante colaborao nos melhores jornais do Rio e de S. Paulo. Em 1911 foi nomeado professor de direito criminal da faculdade de Recife. Em 1912 foi Europa em comisso do governo. Nesse mesmo ano pleiteou em vo uma cadeira na cmara dos deputados. Em 1915, eleito deputado federal por Sergipe, com grande influncia no meio literrio e poltico da capital do pas, se viu inesperadamente envolvido em uma lamentvel cena de sangue, em um dos sales do Jornal do Comrcio, de que resultou a morte do malogrado poeta Anbal Tefilo. Foi ento recolhido Brigada Policial, disposio da pblica justia. Entanto em carta ntima, a 1 de fevereiro de 1915, ele me dizia convencido: desejo o bem de todo o mundo, e s concebo a vingana como ao reflexa de defesa. Foi depois absolvido. Gilberto Amado de baixa estatura, mas de robusta compleio, talhado superiormente para as lutas arriscadas do pensamento. Tem um pequeno cacoete: quando comea a falar gagueja um pouco, mas depois que se entusiasma uma verdadeira torrente. Tem talento de sobra e erudio inacreditvel sua pouca idade. Fala muito bem. Escreve admiravelmente. um dos gigantes do pensamento no Brasil. Se houvesse dado a lume as suas poesias, escritas todas na priso, seria j um dos nossos maiores poetas. Publicou um volume excelente A Chave de Salomo. Mas se fosse a reunir os trabalhos literrios j produzidos, poticos inclusive, poderia contar uma boa dzia deles. Eis uma amostra brilhantssima do escritor, tirada de A Chave de Salomo, e uma das mais belas pginas do lusitano idioma:A existncia annima da gota dgua, contm o segredo mais profundo da natureza. Na sua mudez trmula, ela concentrou tudo o que quis guardar para si, tudo o que no quis revelar. A gota dgua o seu cofre-forte. Est cheia de coisas secretas. No dia que se explicar a gota dgua, ter-se- tudo explicado. o ponto inicial. E que maravilhosa perfeio! As coisas belas que a natureza tem laboriosamente composto com graa e enlevo, no so assim to puras. A rosa, o seio da mulher, a cabea do poeta, a prola do mar e a estrela do cu, ainda que obras primas de misteriosa combinao, no so assim to belas. H rosas sem beleza e h prolas tortas. S a gota sempre igual a si mesma, redonda, trmula, silenciosa, exprimindo a maior arte e a mais divina inteno. Todas as coisas belas, so mais belas na luz do sol. Mas a gota irisada o prisma, a natureza exprimindo-se a si prpria, e o orvalho, lgrimas que a noite chora na angstia de criar o dia, que seno um eflorescer? esplndido de gotas?Agora uma mostra sublime do pensador: mais sbia de todas as palavras de Cristo foi aquela em que ele disse: Vivei com os lrios. Esta palavra s, consagraria um deus.Uma das maiores dificuldades dos meus estudos tem sido conciliar a natureza de Cristo com a sua origem judaica. Nem a legenda, nem os historiadores, nem os intrpretes psiclogos me satisfazem ainda. Cristo foi, de todos os pensadores, o que formulou em termos mais claros a moral do individualismo contemplativo, a filosofia da ociosidade ilustre. A sua maior habilidade, querendo ser um objeto de amor universal, foi renunciar ao culto da justia.Ele era originalssimo; tinha horror de todos os lugares-comuns, verbais ou de atitude. O perdo da adltera, a paga dos operrios relapsos, a simpatia pelos vagabundos, o horror a doutores, a sacerdotes, e a toda vulgaridade pretensiosa, a suave injustia que redimiu Madalena, e seu anarquismo radical e potico, tudo isto me admira tenha aparecido na cabea de um judeu. A sua compreenso da vida no a dos judeus. Qualquer stico moderno perfeitamente cristo, sem alterar em nada a doutrina de cristo, pelo menos como eu a entendo. E que Nietzche no o tenha compreendido uma das maiores estranhezas das que tenho deparado na obra deste grande homem. A sua moral toda de simpatia, de indulgncia; ele no tinha nenhuma confiana no homem, nem para salvar-se, nem para perder-se; e a sua admirvel ironia, ironia que na sua vida no descontinuou um momento, fez com que ele nunca tomasse a srio, nem a dedicao de Pedro, nem os seus prprios atos.Ele no tinha nada da combatividade de Jeov. No h maior contradio do que a que separa o novo do velho testamento. Pode-se aprender bem esta diferena estudando na Itlia Rafael e Miguel ngelo. Rafael um cristo, enquanto que Miguel ngelo judaico. Ambos so florentinos. Mas Miguel ngelo filho de um contraste. to atico, to greco-renascena, isto , florentino, como Rafael, mas um florentino monstruoso, um monstro trovo e devorante que se nutriu do velho testamento. A a sua singularidade. Cristo foi um deus regular, harmonioso, helnico. Rafael compreendeu-o assim porque tinha a alma regular, harmoniosa, helnica e colhia a perfeio na sua alma com a facilidade com que num jardim se colhe uma rosa. Quem sofreu a marca do velho testamento, quem viu o dilvio, os patriarcas, J, o deserto, Agar, o horror desses trgicos primitivos, guarda para sempre o espanto na alma. Por mais suave que seja a harpa de Davi, ela no pode adormecer este espanto. Por isso Miguel ngelo o oposto de Rafael. um duplo, um monstro. Tem dentro de si J e Fidias. Imagine o contraste! Agar e Helena, Judite e Frin. Por isso se enganam os que procuram nele e em seus discpulos os traos do suave Cristo de Rafael.Cristo foi um deus pouco dramtico, apesar das cenas complicadas em que o envolveram. Detestava os gestos violentos e a nfase. Tinha um grande temperamento artstico e as suas palavras, a despeito da confuso que alguns dos seus discpulos carinhosamente espalharam nelas, ainda o revelam. Esta, por exemplo, divina No te preocupes com o dia seguinte. A alma superior ao corpo, como o corpo superior vestimenta.Ns vivemos, ao contrrio, preocupados com o futuro. Idia dominante esta do dia de amanh.Todos ns vivemos em vista de um futuro. Olhai aquele homem que ali passa, curvado, os olhos ardentes, correndo. Ele leva o fardo das suas recordaes: foi o passado que o curvou e que ainda lhe queima o corao; o futuro que o arrebenta. Ele um vo do que foi ao que vai ser. Nem um minuto ele pousa no momento presente. Vede-o que se senta no jardim. A hora clida, a sombra que cai da rvore balsmica, crianas brincam de redor dele, pondo no ar uma algazarra festiva, guas dos repuxos cantam uma harmonia fresca, e em torno a vida cria os seus mil movimentos sonoros. uma simpatia rude s vezes, mas sempre sugestiva e rica de imagens. O mundo est interessante. Todavia, ele no v o mundo. Tem os olhos fixos no cho; os seus gestos so automticos e o seu pensamento est longe. Est no passado ou no futuro. Pensa num amor que se extinguiu, pensa numa humilhao que sofreu, pensa num negcio que no realizou; pensa nos amores que vai ter no futuro, na humilhao que novamente vai sofrer, nos negcios que talvez nunca chegue a realizar. Todos os seus atos so em considerao de um futuro; atos bons ou maus. Ele s no v o momento que passa. s vezes, esse momento belo como a rosa, doce como o som. Mas ele no o v, nem o ouve. O homem , neste sentido, mais infeliz que os outros animais. O animal s vive o momento presente. Quantas vezes o gozo do momento que passa no turvado pela recordao! Um beijo da mulher amada lembra outros lbios que talvez tivessem pousado na mesma carne querida; um sinal de amor quantos vestgios do passado no revivesce e no creia! Todas as tragdias da vida, o dio, a tristeza, o cime, as paixes que tem nutrido os dramas e que dominam os homens provm da memria. Pode-se definir o homem, o animal que se lembra. O homem o nico animal que tem histria.GONALO DE AGUIAR TELES DE MENEZES Magistrado. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito. Abraando a magistratura, chegou ao alto posto de desembargador, na Paraba, antes da Repblica. Era homem de superior inteligncia, porventura um dos mais distintos membros da grande famlia sergipana dos Teles de Menezes. Casou-se com a Jureminha, fato que deu lugar a vrias lutas armadas entre as famlia Faro e Leandro Maciel. A me de Jureminha, que teve o marido assassinado, sendo depois raptada e casada fora com Faro Mota, viu este em luta com os Macieis, pelo rapto da enteada...GONALO DE FARO ROLEMBERG Mdico. Como vice-presidente do Estado, assumiu a presidncia a 11 de dezembro de 1894, por haver entrado no gozo de licena o presidente eleito coronel Valado.GONALO DE LEMOS MASCARENHAS Capito-mor, nomeado por carta rgia de 23 de outubro de 1692. Completado o trinio, foi substitudo no cargo, em 1695, por Sebastio Nunes Colares.GONALO PAES DE AZEVEDO FARO Magistrado. Nasceu no Rosrio do Catete a 27 de fevereiro de 1864. Formando-se em direito no Recife, abraou logo a magistratura. Foi depois chefe de polcia na Paraba, em Alagoas e no Cear. Aposentou-se como juiz de direito, passando ento a viver na cidade de Olinda. Escreveu em 1877 o Regimento das colnias orfanolgicas, agrcolas e industriais da Estrela. Era homem robusto, de regular estatura, talvez um tanto impulsivo em suas resolues.GONALO PRADO Agricultor influente. Reside no municpio de Rozani, onde goza de real prestgio. capitalista e coronel da guarda nacional.GONALO VIEIRA DE CARVALHO E MELO Advogado. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1828, bacharelando-se em direito provavelmente em 1852. Em 1849 cursou o segundo ano da academia paulistana. Entregou-se ento com extrema facilidade poesia, dizendo ter em mos, quase pronto, um poema pico, no qual contava as glrias sergipanas.GRACILIANO ARISTIDES DO PRADO PIMENTEL - Jornalista e poltico de merecimento. Nasceu em S. Cristvo a 15 de agosto de 1841. Bacharelando-se em direito, foi promotor e juiz municipal em Sergipe, deputado geral duas vezes, secretrio da Provncia do Esprito Santo e da de Minas, presidente de Alagoas, do Maranho e de Minas Gerais. Por fim entregou-se advocacia no Rio. Homem de grande talento e de ao, dedicou-se com vantagem ao jornalismo. Redigiu na Provncia natal o Correio Sergipense e o Eco Liberal e no Rio de Janeiro os seguintes peridicos: Correio do Povo, A Reforma e a Tribuna Liberal. Escreveu diversos relatrios e publicou um interessante panfleto As confidncias de um morto.GUILHERME JOS NABUCO DE ARAJO Poltico. Foi presidente de Sergipe em 1823.GUILHERME PEREIRA RABELO Era formado, pai do mdico que lhe traz o nome, e homem de superior inteligncia. Natural de Sergipe, no consegui saber a poca do nascimento, provavelmente em 1825 mais ou menos.GUILHERME PEREIRA RABELO Mdico e professor na Bahia. Nasceu em Sergipe a 5 de junho de 1854. Formando-se em medicina em 1878, na Bahia, entrou logo depois para o corpo docente da faculdade, onde foi mais tarde catedrtico de patologia geral. Homem inteligente e erudito, regular na estatura, pouco corpulento, colaborou com sucesso em vrios jornais e revistas mdicas. Publicou em folheto um discurso acadmico e passou para o ingls, lngua que lhe era familiar, uma excelente memria sobre o Estado da Bahia. scio do Instituto Histrico e Geogrfico Baiano.GUILHERME DE SOUZA CAMPOS poltico. Nasceu em Itabaiana, formando-se em direito no Recife. Foi advogado no Lagarto, presidente do tribunal da Relao, 6 presidente de Sergipe, empossado a 24 de outubro de 1905, deposto a 10 de agosto de 1906, e reposto pelo governo federal a 28 de agosto do mesmo ano. Foi depois senador federal sergipano.GUILHERMINO AMNCIO BEZERRA Advogado. Nasceu em Itabaiana. Homem de superior talento, orador eloquentssimo, sobremodo dedicado aos desprotegidos da fortuna, era considerado o advogado natural dos pobres e oprimidos, sinal evidente de sua grande superioridade moral. Era formado em farmcia e foi durante muito tempo deputado em Sergipe.GUMERCINDO BESSA, G. de Arajo B. Jurisconsulto e jornalista de muito valimento. Nasceu na Estncia a 2 de fevereiro de 1857. Estudou humanidades na Bahia, seguindo depois para o Recife, onde se bacharelou em direito em 1885. Abraando a magistratura, foi promotor pblico em So Cristvo. Em desinteligncia com o juiz de direito, pediu demisso do cargo e atirou-se triunfantemente advocacia e ao jornalismo. Redator de A Reforma, os seus artigos fizeram poca. Era um jornalista de pulso. Defendendo no criminal, a sua violncia e a sua lgica sempre se mostravam acima da atualidade. Era um advogado brilhantssimo, invencvel. Em Sergipe a sua palavra ardente, nos domnios do Direito, chegou a ter o peso de um dogma. To grande lhe era a superioridade intelectual. Foi ainda juiz de casamentos, desembargador da primeira Relao, chefe de polcia, deputado constituinte sergipana, deputado federal e advogado de nota em Aracaju e em outras cidades sergipanas. Homem de regular estatura e constituio, estrbico em demasia, pleno de talento e de erudio jurdica, de energia e de vontade, orador eloqente e jornalista de escol, gozava em Sergipe, que representou superiormente na cmara federal, da mais justa e notvel popularidade. No mesmo ano de sua formatura escreveu uma erudita monografia Que direito?, posta em apndice 1 edio da Filosofia do Direito de Silvio Romero. Em 1891 escreveu um projeto de constituio para Sergipe, e na imprensa diria, em sua terra, sempre deu superiores mostras de valor intelectual, de energia e de combatividade. O seu Memorial em prol dos acreanos mereceu as mais honrosas referncias das sumidades em direito no Brasil. Foi um dos mais distintos discpulos de Tobias, que lhe admirava a erudio e sobretudo a assombrosa memria. , sem questo, uma das glrias intelectuais do pequeno Estado do norte. Faleceu em Aracaju, a 24 de agosto de 1913, deixando a famlia em pobreza mxima. O deputado Dias de Barros, a 1 de setembro daquele mesmo ano, apresentou cmara um projeto de lei, concedendo-lhe viva e filhos uma penso mensal de 300$000, que ainda no chegou a ser realidade. Do temperamento literrio desse jurista agigantado vai aqui erudita e sugestiva mostra:O Brasil no terra de juristas. No h energia moral no povo, no h cultura suficiente nas classes dirigentes, para que o direito se eleve altura de uma coisa venerada e digna do culto nacional. Juzes, advogados, professores, todos os rgos da vida jurdica nacional so ganha-pes, preferem ser peitveis a ser respeitveis. Os nossos legistas so compulsadores da massa das leis, sem sistema, sem alvo cientfico, por intuitos mercantis, por estmulos sempre egosticos.Um s homem entre ns teve o mrito de levantar uma construo jurdica filosfica, de procurar, por puro interesse cientfico, o Direito nos direitos, de abstrair do direito local e temporal uma idealizao do direito.Precisarei nome-lo?Tobias Barreto entrou com a sua quota para a soluo do problema sempre renascente.Direito, diz ele, a disciplina das foras sociais, ou o princpio da seleo legal da luta pela vida.Esta intuio grandiosa; mas, perdoe-me o venerando mestre, incorre na censura das outras, porque deixa sem raias traadas o campo das aes espantosas e das que devem ser obrigatrias.Arrojo, audcia digna de reprimenda a minha por certo!Eu ter uma definio completa do direito, depois de ter rejeitado as de tantos vares imortais! Tole! Tole! ho de vociferar os parvos, cujo nmero infinito.Que esbravejem vontade esses miolos de gua chilra.Sou uma conscincia que se satisfaz de si prpria. E basta.Das minhas viglias, dos meus estudos comparativos surgiu uma frmula do direito, a nica que me satisfaz, a nica a qual o meu esprito presta adeso incondicional; essa a que tenho por verdadeira.No fao cabedal de imp-la aos outros; se ficar com o meu assentimento, solitrio e obscuro, no me parecer por isso menos verdadeira.Quem no puder fazer coisa igual, ria-se de mim, isso d ares de sabedoria.Se algum esprito a aceitar, no me atribua o mrito dela. O meu trabalho uma colheita no terreno que aqueles chefes de fila desbravaram, semearam e cultivaram.HHELVCIO DE ANDRADE Mdico e professor. Nasceu na Capela a 6 de maio de 1864, formando-se depois na Bahia, a princpio em farmcia e depois em medicina. Voltando a Sergipe, dedicou-se clnica em Propri. Fixou residncia em S. Paulo em 1889, sendo em Santos inspetor sanitrio e delegado de ensino. Em 1893 prestou reais servios, como mdico do 54 batalho da guarda nacional, ento aquartelado, e tambm como mdico adjunto do exrcito, o que lhe valeu as honras de capito honorrio do exrcito. Voltando novamente a Sergipe em 1900, foi delegado federal no ateneu sergipense, lente de pedagogia e depois de cincias fsicas e naturais da Escola Normal, diretor dessa escola e da instruo pblica. Alm da sua tese de formatura publicou os seguintes e valiosos trabalhos: Sobre a febre amarela de 1892, Apontamentos sobre a histria da peste bubnica, Que homeopatia, Os trs grandes flagelos da humanidade, Geografia e climatologia mdica de Sergipe, A quem deve caber a responsabilidade do ensino primrio, Leitura analtica e Lies de Pedagogia.HELVCIO DA SILVA MONTE Mdico. Filho de pai cearense e de me sergipana, nasceu acidentalmente em Penedo, a 25 de novembro de 1840, por estar ali foragida sua famlia, devido a perseguies polticas em Sergipe. Em 1842, pacificados os nimos, passou a residir na vila Japaratuba, onde fez seus primeiros estudos. Em 1855 seguiu para a Bahia, e a, sob a direo de Frei Arsnio da Natividade, no pequeno seminrio, verteu para o portugus, sob o anonimato, alguns trabalhos religiosos de valor. Em 1864 formou-se em medicina. Convidado ento para encorporar-se ao exrcito em operaes, no corpo de sade, recusou o convite, seguindo para o Cear em visita famlia do seu progenitor. Fixou residncia em Sobral, onde constituiu famlia, sendo sucessivamente mdico da municipalidade, membro de diversas comisses higinicas e mdico da estrada de ferro Camocin, cargo que deixou para exercer o mandato de deputado provincial nos binios de 1878 e 1880, sendo neste ltimo o presidente da Assemblia. Na grande seca de 1877 a 1879 prestou gratuitamente relevantes servios profissionais e humanitrios, sendo sua principal ao o salvamento das crianas abandonadas s estradas, grande nmero delas mantidas sua prpria custa. Esse nmero chegou a 635. Passada a crise foram as crianas reclamadas pelas respectivas famlias, com exceo apenas de 36. Em 1886 passou a residir em Fortaleza, e a foi mdico da Santa Casa e da Escola de Aprendizes Marinheiros, e professor de cincias naturais e depois de biologia no Liceu, desempenhando importantes comisses mdicas e pedaggicas. Em 1893 foi eleito senador estadual, em 1894 deputado federal, reeleito em 1897. Terminado o mandato em 1899, fixou residncia no Rio de Janeiro, sendo nomeado mdico de higiene, e de corpo e alma se entregando ao saneamento da capital do pas. Nesse cargo se aposentou em 1909. O Dr. Helvcio de regular estatura e regular constituio, de lcida inteligncia superiormente cultivada e dotado sobretudo de superiores qualidades de carter. um venerando brasileiro, cuja destra gentil a gente tem prazer em apertar cordialmente. Alm de sua tese de formatura, publicou vrios discursos e diversos relatrios sobre instruo e higiene.HERCULANO MARCOS INGLEZ DE SOUZA Bacharel. Foi o 46 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 18 de maio de 1881.HERMENEGILDO JOS DE OLIVEIRA Comerciante e tipo de honestidade. Nasceu em Laranjeiras a 13 de abril de 1829, seguindo para a Bahia como caixeiro, em luta ingente com a sorte. Ali constituiu famlia, lutou sobremodo e voltou a Laranjeiras, onde se estabeleceu com uma loja de fazendas. Dirigiu depois o engenho de acar denominado Brejo, voltando mais tarde ao comrcio, onde ganhou invejvel reputao de honestidade. Nunca enganou ao balco quem quer que fosse, nem mesmo as crianas da mais tenra idade. Estas lhe iam loja, conduzindo s vezes notas de alta valia: e o troco era rigoroso, como rigoroso o peso e excelentes os gneros oferecidos. Com grande gosto pela homeopatia, gratuitamente curava meio mundo em Laranjeiras. Era popularmente conhecido por Seu Begi. Homem de baixa estatura e de robusta compleio, inteligente e justo, austero e nobre, foi um excelente delegado de polcia em Laranjeiras, sempre em herica e audaz perseguio ao vcio e ao crime. Era capito da guarda nacional. Faleceu de febre violente quela cidade, a 21 de julho de 1894. E como irmandade de Bomfim houvesse em vida prestado reais servios, foi enterrado igreja do mesmo nome, perto do altar mor. Era um carter ilibado: detestava o jogo e o lcool, a perversidade e os baixos sentimentos, o vcio e o crime.HERMES FONTES Poeta e romancista. Nasceu em Boquim, a 28 de agosto de 1888. Chegou no Rio de Janeiro aos dez anos de idade. Bacharelou-se em direito em 1911. Dedicando-se ao jornalismo, foi redator da poca e do Dirio de Notcias, tendo colaborado em quase todos os jornais do Rio. Em 1909, durante a campanha civilista, extremou-se em suas idias, publicando veementes artigos e stiras que lograram larga transcrio no pas inteiro. Como poeta, considerado um dos maiores em atividade. Seu primeiro volume de versos Apoteoses, causou sucesso em 1908, o mesmo acontecendo Gnese e ao Ciclo de Perfeio em 1913, e provavelmente ao Osis, em vsperas de publicidade. Escreveu uma comdia infantil Po de L e um poema dramtico, ambos infelizmente extraviados. Seus dois futuros romances Passarinho... e Indigno Amor, so esperados com justa ansiedade nas boas rodas literrias. Hermes Fontes de baixa estatura e delicada compleio, empregado modestssimo do correio e um dos maiores poetas da atualidade. O seguinte soneto, do seu ltimo livro, verdadeiramente admirvel:A uvaProla vegetal do escrnio de Pamona,Rima de ouro de um pomar inviso o Paladar Bem haja, Uva, a estao que o ovrio te sazona,Para a mo te colher e o lbio te sugar.Gota de gua que foste espumejaste, tonaDa parreira esse rio areo (a Flora o mar...)Beijo cristalizaste em fruto, que impressionaPelo gosto sutil, pela cor singular.Dentro de teu bojo oval h um mundo pequenino:Um mundo de sabor, em que se dissimulaA conscincia da falta, o dio cego e vilo.Plula do Demnio s tu, cujo destino excitar-nos a sede, iludir-nos a gulaE pontuar pingo verde a Embriaguez e a Traio...Mas eu prefiro os dois seguintes, que falam direito ao corao do filho e do soldado:Lenda russaNa Sibria, talvez numa noite de luar,rfo de me, nasceu o pequenino ser.De cedo, muito cedo, habituou-se a afrontarTudo o que de mpio e mau se pode conceber.Amou e foi soldado. Entre o amor e o dever,Foi pelo ltimo embora exemplo singular Sentisse o corao a bater... a bater,Ao despedir-se dEla, em doloroso olhar...Na guerra pelejou, foi um tigre a rugir...Quando lhe doa nalma a lembrana do amor,Ele fitava os cus e esperava o porvir!... At que, um dia, com um sanguinrio astr,Amanheceu baleado e enterrou-se, ao sol-pr,Dentro do corao marcial de Porto-Arthur...MePara dizer quem foi a minha me, no achoUma palavra prpria, um pensamento bom.Digenes busco-o em vo: falta-me a luz de um facho. Se acho som, falta a luz; se acho a luz, falta o som!Teu nome, minha me, tem o sabor de um cachoDe uvas difanas, cor de ouro e prola, comPolpa de beijos de anjo... Ouvi-lo ouvir um riachoMerencrio, a rezar, no seu eterno tom...Minha me! minha me! eu no fui qual devra!Morreste e no bebi em teus lbios de cera,A doura que as mes, ainda mortas, contm...Ao p de nossas mes, todos ns somos crentes...Um filho que tem me tem todos os parentes... Eu no tenho por mim, minha me, ningum...HOMERO DE OLIVEIRA Magistrado. Emrito orador e jornalista. Nasceu acidentalmente em Pernambuco, a 14 de abril de 1858, formando-se em direito no Recife em 1879. homem de baixa estatura e de delicada constituio, cheio de inteligncia, de energia, de erudio e de vontade, foi promotor em Aracaju, juiz de direito em Maruim e desembargador em Aracaju. Com grande amor s lutas da inteligncia, falava admiravelmente bem, sendo mesmo considerado ultimamente um dos melhores oradores sergipanos. Tambm escrevia com habilidade e destreza nos jornais de Sergipe, onde suas belas qualidades intelectuais cada vez mais se desenvolviam e se impunham. Faleceu no Aracaju a 17 de dezembro de 1910, como presidente do Supremo tribunal sergipano.HORCIO HORA Pintor de grande merecimento e uma das mais belas organizaes artsticas do norte do Brasil: to grande na pintura, quanto Carlos Gomes na msica. E se no houvesse falecido aos 36 anos de idade apenas, certo no Brasil e no estrangeiro fama teria igual do grande compositor do Guarani. Nasceu em Laranjeiras, a 17 de setembro de 1853 e, pauprrimo, sem ter quem lhe tomasse ao srio a grande vocao artstica, em tenra idade j pintava com maestria expressivas figuras, na cal das paredes da cidade, zombando dos burgueses apatacados. Deram-lhe ento um mestre em S. Cristvo. Resultado: o charlato ps ao seu servio o grande talento do jovem disciplinado. Ao invs de educao, corrupo. Fizeram ento do artista, que trazia do bero a glria do pincel, um aprendiz de relojoeiro. Mas Horcio Hora, ao deixar em repouso lupa, rodinhas e pinas, descansava pintando retratos. Retratou a lpis uma jovem vizinha de defronte, para isso aproveitando os poucos instantes, em pose mltipla, em que ela chegava janela. Desenhou de memria o busto de um amigo ausente. E de um colega espirituoso, que lhe no poupava o sossego, em contnuos epigramas, vingou-se desenhando o retrato a subjugar um burro pelas orelhas, com o seguinte e causticante dizer: Podes ter mais juzo que eu; porm fora... Sergipano de valor, entre os quais o Dr. Martinho Garcez, ao lhe apreciarem os mritos, resolvem mand-lo Europa em estudos. Votada por unanimidade lei provincial a respeito, ele embarca em Laranjeiras, via Aracaju, Estncia e Bahia, com destino Frana, a 5 de junho de 1875. E, ao contemplar extasiado o grande museu de Louvre, afirma convencido: Hei de ser um artista!, repetindo sem o saber o gesto pernambucano de Tobias Barreto alguns anos antes: Hei de ser um grande homem!. Matriculou-se na Escola de Belas-artes em outubro de 1875, e 8 meses depois conseguiu o 1 prmio no concurso geral das escolas parisienses. Em novembro de 1876 alcanou o 1 prmio num concurso de desenho por estampa. Em 1878 conseguiu o 3 prmio, trs medalhas de prata e uma de bronze. Em 1877 copiou do natural a Virgem de Murilo, quadro j de grande merecimento, considerado em Paris uma das melhores cpias existentes, e remetido com grande sacrifcio para a matriz de Laranjeiras, porque as prestaes de sua subveno no lhe chegavam nunca a tempo, por causa da crise financeira por que passava Sergipe. A 29 de junho de 1881 chegou a Sergipe, de volta da Europa, sendo festivamente recebido em Aracaju e depois em Laranjeiras. E trabalhou ento como um mouro, a copiar... retratos. Estou transformado em maquina, dizia ele com tristeza. Mas conseguiu assim pintar Pery e Cecy, talvez a melhor das suas telas. Foi depois a Estncia, onde pintou a clebre Misria e Caridade, hoje no hospital de misericrdia dessa cidade. Em 1884 vai a Laranjeiras em despedida famlia, volta a Estncia e da segue para a Bahia, onde exps 42 quadros, recebendo ento da academia de belas artes, como prmio aos trabalhos expostos, o diploma de membro correspondente e acadmico de mrito. Logo depois embarcava para Paris. Em 1886 concluiu ali o clebre quadro Flores do Outono, inspirado em poesia de Victor Hugo. E fagueira lhe corre a existncia, at que, apaixonado por uma mulher desgraciosa e m, a engomadeira Matilde Lafage, vai aos poucos, sorrateiramente, perdendo sade e valimento. Lutou ento com srias dificuldades para viver. Vendeu a prpria roupa. Por ltimo, vendeu at o cavalete. E, pauprrimo, morre de pneumonia dupla, em casa de um nobre e generoso amigo, em Paris, a 1 de maro de 1890. Tinha apenas 36 anos de idade. Loin de mon pays!... foram as suas ltimas palavras. Homem de regular estatura e forte constituio, pleno de nobres sentimentos, de fronte espaosa e olhar inteligente, de uma tristeza inexplicvel e profundssima aos ltimos anos de viver atribulado mas honesto, Horcio Hora apresenta-se crtica imparcial e competente como um verdadeiro artista, como um pintor de gnio. Seis anos antes de sua morte diz Gumercindo Bessa, extasiado ante as mltiplas belezas do quadro Pery e Cecy: Horcio Hora um predestinado da imortalidade. No direi que ele sofra a nevrose do gnio; mas posso afirmar sem medo de erro que seu talento de primeira ordem e potenciado por uma educao artstica irrepreensvel. Se, como diz Buffon, le genie est une longue patience, o que o pe na categoria das coisas que se pode adquirir pelo trabalho perseverante, no ser de estranhar que, mais tarde, Horcio Hora seja glorificado como um artista de gnio. Por fim, como uma dupla homenagem, as seguintes palavras, de uma carta por ele dirigida da Estncia, a 14 de setembro de 1883, ao clebre educador Baltazar Ges: Jesuis en train de faire un tableau dont le sujet est Le Colibri de Tobias Barreto, dans le but do loffrir lauteur de la posie de ce titre: que dis tu de cela? Le tableau est dj ebauch et promet. Du reste, tu dois comprendre quil faut que soit bien soign.IINCIO DIAS DE OLIVEIRA Militar. Presidente da Provncia duas vezes: em 1835 e 1836.INCIO JOAQUIM BARBOSA Bacharel em direito. Foi o 25 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 17 de novembro de 1853.INCIO JOS VICENTE DA FONSECA Militar. Presidente da antiga Provncia em 1828.IVO DO PRADO MONTE PIRES DA FRANCA Militar. Nasceu em S. Cristvo a 10 de dezembro de 1860, alistando-se no exrcito em 1878. Foi alferes-aluno em 1884; 2 tenente de artilharia, em 1887; 1 tenente por servios relevantes, em 1890; capito, nesse mesmo ano; major, em 1902; tenente-coronel por merecimento, em 1910; coronel, ainda por merecimento, em 1913. Tem o curso de sua arma e tambm o de estado maior. de alta estatura e de robusta constituio, muito inteligente e dotado de predicados morais excelentes. Prestou reais servios ao Brasil na proclamao da Repblica, sendo por isso mesmo eleito deputado federal constituinte de 1891. Propaga ardoroso e convencido as grandezas e valimento de Sergipe, a que ama acendradamente. enfim um militar honesto e digno e um cidado entusiasmado e patriota. Tem profunda simpatia s mltiplas indagaes prticas do espiritismo.IZAURA DE OLIVEIRA POLICIANO Professora de piano em Aracaju. Nasceu acidentalmente em S. Flix (Bahia), a 13 de agosto de 1860, indo com um ano de idade apenas para a cidade de Laranjeiras. Com decidida vocao para as belas artes, a estudou msica e piano com o clebre professor Manoel Bahiense, que logo depois a apresentava orgulhoso ao pblico, uma das suas mais distintas alunas. Tinha ento treze anos de idade. E em qualquer reunio familiar em Laranjeiras, quando pediam ao ilustre maestro para tocar alguma das suas mais inspiradas composies, ele satisfeito cometia logo a misso menina Izaura. Era j exmia pianista. Desposou em 1876 o sr. Francisco Custdio de Magalhes Policiano, sendo em 1878 me da pequenina Izaura, apelidada Pequena em Laranjeiras. Por imperiosas necessidades domsticas, fixou residncia em Aracaju no ano de 1890, onde se via forada a lecionar piano, a fim de auxiliar o marido enfermo nas imperiosas necessidades do lar. E, exmia professora, tornou-se ento grandemente estimada, sem tempo bastante para atender s alunas, que cresciam de dia para dia. Viva em 1895, tirava do piano, em Aracaju, o suficiente para nobremente se sustentar a si e aos tenros descendentes. Com o casamento de sua filha Pequena, hoje Madame Liberato Bitencourt e a autora principal do presente livro, teve que abandonar de vez o ensino, seguindo para o Rio de Janeiro, onde hoje reside em companhia daquela sua filha e dos seus netos.JJACKSON DE FIGUEIREDO Poeta e prosador. Nasceu em Sergipe, em outubro de 1891. Em 1908, contando apenas dezesseis anos de idade, publicou o seu primeiro livro de versos Bater de Asas. Em 1910, na Bahia, fazia imprimir o seu segundo livro, ainda de versos, Zngaros, com um ligeiro prefcio do festejado escritor baiano Almquio Diniz. E em 1913, jogava aos quatro ventos um excelente estudo literrio, Xavier Marques, sobre o grande romancista baiano do mesmo nome. E foi ento sagrado escritor por todo o pas, sendo vezes diversas o seu nome citado s melhores rodas literrias do Rio de Janeiro. um prosador de grande futuro, sem questo ainda mais valeroso que o jovem poeta dos Zngaros. Em 1916 publicou um outro trabalho de crtica, Garcia Rosa. O seguinte soneto, de sua lavra, muito bem feito:MoscaMOSCA! existe em teu ser, no teu leve zumbido,Algo no sei de que, de irritante e malvado...Em ti ouvindo passar, zunindo-me ao ouvido,Lembro um triste chins ao sino condenado...Gosta de ti o Sol, doura-te o vil tecidoDa aza, e volteias no ar, um pingo douro alado...Mas sempre o teu cantar a balada do Ouvido,E s o gnio talvez do que foi Deslembrado...Fulges de ouro e de azul, zimbras o ar de safira,E o teu corpo, no ar, de si mesmo um fio,E uma aranha s ento que luz do Sol delira!...E te esquivas do Sol, e a tua cor se enchumba;E o teu ser triangular um duende sombrio,Que parece fugiu do seio de uma tumba!...E o excerto a seguir, do Xavier Marques, d uma boa idia do prosador:Em meio de todas essas preocupaes da arte moderna, em meio da aluvio de teorias, dos nefelibatas, dos prerafaelistas, dos futuristas, de tudo isso que em nossa terra vem mostrar somente as suas piores qualidades, Xavier Marques um homem parte. Toda essa agitao o deixa indiferente, enfarado, talvez. O meio provinciano ajudou de certo a sua natureza retrada. Nunca ele valorizar a obra de ningum, nem muito menos um produto seu, pelo escndalo produzido. Esta teoria do sucesso escandalizante ser sempre aos seus olhos um absurdo criminoso. Na verdade todo o livro feito neste sentido deveria sofrer, ante a justia dos sensatos, dos homens de gosto, uma pena na proporo do alarma. Isto se houvesse um tribunal literrio. Mas aqui, no Brasil, nem o Estado suportaria a manuteno dos criminosos... Sergi no admite a evoluo da Arte; para o pensador italiano ela foi sempre superior ou inferior e pelo tempo adiante apenas tem variado de tema e contedo. No deu Filosofia este carter, no sei se diga estacionrio (porque no evoluir no imobilidade, como involuir movimento) mas disse que ela ainda a primitiva, a de todos os tempos, pelos mesmos caminhos, solitria e indagadora. Assim as aristocratizou, mxime primeira, Arte, que ele fez a primognita entre as mais elevadas manifestaes da atividade humana. Este modo de ver desclassificada em questo de Arte os mercantilizadores, quem quer que a veja em cada novidade. Sob este ponto de vista Xavier Marques o artista perfeito um aristocrata, sbrio, delicado, arredio. Nunca foi homem das multides; o artista sem vizinhos numa cidade enorme. Os olhos de sua observao passeiam por toda parte sua prpria custa. Dentro do meio em que vive como a Ilha em que nasceu, olhando silenciosamente a cidade distante. Separa-as a gua esmeralda, a gua abenoada de Todos os Santos.JASON VALADO Poeta de grande inspirao. De sua longa e interessante poesia Ave Libertas transcrevemos as duas e extremas estrofes, a fim de poder de certo modo avaliar a lira do delicado vate:Ave LibertasUm dia um povo sem luzes,Sem direito e sem razo,Dormia ata na relva...Sob o lenol da amplido!Olhando pra o firmamentoNas esplanadas dos cus!...E os astros por entre sombras,Deixavam ver as alfombrasDo grande trono de Deus!...............................................Salve! filhos da cincia,Navegantes do porvir;Quem caminha para a glria,Vai no infinito cair!Marchai ao sopro dos ventos,Por bssola os pensamentos,Por farol a instruo!Quem trabalha pela IdiaPlanta sempre uma epopia,Pra vindoura gerao.JERNIMO SODR PEREIRA Mdico. Foi o 54 e ltimo presidente da antiga Provncia: porque o 55, Dr. Manoel Joaquim de Lemos, chegou a Sergipe a 17 de novembro de 1889, depois de proclamada a Repblica. A posse do Dr. Sodr teve lugar a 5 de julho de 1889.JOO ANTONIO FERREIRA DA SILVA Advogado. Nasceu na Capela a 7 de outubro de 1852, formando-se em direito em Pernambuco, em 1871. Entregando-se brilhantemente advocacia, ainda hoje em Aracaju um advogado de justa nomeada. Publicou os seguintes folhetos: Processo de falncia do Sr. Joo Luiz as Silva, Questo do Engenho Rio Vermelho (2 folhetos), Defesa do ex-presidente de Sergipe Coronel Dantas Horta. Eis o seu discurso, beira do tmulo de Gumercindo Bessa:Senhores! Que poderei dizer-vos borda deste tmulo, que se abre para guardar para sempre os despojos sagrados daquele que se se partiu dentre ns?Sinto a voz quebrada pela dor e pela saudade, sinto-me quase mudo nesse silncio, nesse augusto recolhimento, sem nimo de interromper com o meu murmrio a santidade desta augusta cerimnia, deste preito piedoso que todos ns vimos hoje render quele que foi para seus contemporneos, para a gerao de que fez parte, honra e luminar.Pavoroso problema o dos nossos destinos! Ser e no ser! Nascer e morrer!Por que a vida e por que a morte? esta o aniquilamento, a volta ao nada?Que sabemos disto depois de tantas cogitaes em torno desse temeroso problema?A humanidade um vasto rio, de curso indefinido, cujas guas vo sempre passando para o oceano do desconhecido, e vo sempre se renovando, em constante enchente, pelas que vem chegando...E por que e para que esta caudal indefinida, que vai passando no tempo e no espao?Seria o destino do homem sair do nada pelo nascimento, atormentado, trabalhado, pelo ideal do bem e do justo, do verdadeiro e do belo, pelo ideal, em suma, de sua perfeio moral e intelectual, correr incessante em busca desse ideal, vendo-o apresentar-se aos seus olhos ainda mais ntido, a cada passo dado; e depois, afadigado, em sua louca jornada, tombar, sem atingi-lo, no aniquilamento, no nada, com a morte?!Que sei eu, senhores, de tudo isto? E que sobre tudo isto tm dito e dado as filosofias todas e todas as religies?Dvidas e esperanas, tristezas que s o tempo apaga, e doces consolaes. margem de um tmulo como esse que este problema mais se alevanta e nos desassossega.A gota dgua do imenso rio, que vimos sumir-se aos nossos olhos arrastada na impetuosidade de sua correnteza, no era uma simples e despercebida gota desse oceano humano, era uma onda vasta, colossal, capaz de sublevar em seu imenso dorso os Titanics... possvel que com a desorganizao da matria, nesses restos, se tivesse extinguido o belo e grande esprito de Gumercindo Bessa, o seu nobre e magnnimo corao, essa admirvel organizao moral e intelectual que nos guiou com os seus ensinamentos e os seus conselhos durante tanto tempo? E viu ele realizado, nesta vida, esse ideal, de que vos falei, e que ele via to ntido?No, senhores, ele no morreu, no morreu nele o que era da essncia divina; os seus restos materiais a ficam, mas o seu nobre e grande esprito, cumprida aqui sua misso, foi habitar esferas mais luminosas e mais felizes. Seus despojos materiais voltam para a terra desorganizados, mas a sua imagem no se apagar de nossa memria; a permanecer imorredoura a lembrana de sua grande individualidade intelectual e moral; a permanecero os seus ensinamentos, as suas idias, a sua obra eficaz e a influncia benfica que exerceu sobre o meio em que viveu.E brilha no alm, grande amigo! Ns todos, os teus colegas, que te admiramos pelos teus raros talentos, e que te amamos pelo teu grande corao, vimos te dizer o ltimo adeus pela voz flbil do mais humilde dentre eles. No te direi boa noite, dorme em paz que no entraste na regio das sombras; eu te direi bom dia! Brilha, astro peregrino, nos espaos para onde te foste e manda-nos de l as tuas inspiraes, como nos deste aqui as tuas luzes.JOO ANTONIO DA SILVA RIBEIRO JNIOR Oficial superior da marinha. Nasceu em Maruim, a 10 de maro de 1875, alistando-se na marinha em 1890. Foi guarda-marinha em 1896; 2 tenente, em 1897; capito-tenente, em 1899; capito de corveta, em 1911. Como aluno da Escola Naval, tomou parte ativa na revolta da armada, sob as ordens do almirante Saldanha. Serviu na flotilha do Amazonas, fez viagem Europa a bordo do Benjamim Constant, foi capito do porto de Sergipe e imediato do Repblica.JOO ANTONIO DE OLIVEIRA Advogado. Nasceu em Itabaiana a 20 de junho de 1872. Estudou teologia no seminrio da Bahia, foi empregado pblico na capital do pas e depois na alfndega de Aracaju. Formando-se em cincias sociais na Bahia e em cincias jurdicas no Rio, foi promotor no interior de Minas e juiz substituto na comarca de Patrocnio. Advogou durante cinco anos em S. Paulo, foi presidente do banco de Sergipe e, em Aracaju, chefe de Polcia. Tomou parte ativa no movimento poltico havido durante a presidncia Rodrigues Dria, foi membro do conselho superior da instruo pblica e presentemente juiz de direito da capital. Homem de grande talento e de grande cultura jurdica, mdio na estatura mas assaz robusto na compleio, justiceiro e severo sempre, goza em Aracaju o mais elevado conceito pblico. Pelo Dirio da Manh, em uma srie de fulgurantes artigos, comentou com brilho o projeto da reforma constitucional do Estado, ora uma realidade.JOO BARRETO, J. Pereira B. Poeta inspirado. Nasceu na Estncia a 13 de janeiro de 1874. Indo para o Rio de Janeiro em 1900, com grande dose de talento e de vontade, disposto luta, obteve por concurso o lugar de redator dos debates da cmara dos deputados. Perdendo a esposa, ficou um tanto desequilibrado no viver normal, atirando-se ento a excessos que lhe podiam comprometer o fsico, o esprito e o carter. Nessa irregularidade de viver, casou segunda vez e, excessivamente ciumento, julgando-se erradamente desonrado, uma noite em que se lhe recolhia ao lar, na forma de costume, fora de horas, assassinou alucinado a esposa, ento em estado interessante, e fugiu para lugar ignorado. Isso se deu em Niteri na madrugada de trs de dezembro de 1912. A 13 de julho de 1913 apresentou-se justia pblica, e foi a jri, meses depois. Foi condenado a forte pena, sendo depois absolvido. Homem de regular estatura e constituio, cheio de inteligncia e de cultura literria, jornalista e sobretudo poeta de muito merecimento, lido e estimado nas rodas literrias cariocas e fluminenses, publicou muitos versos esparsos, muitos trabalhos em prosa e o volume de poesias Selvas e Cus, recebido com geral agrado pela imprensa do Rio de Janeiro. A superioridade do seu estro pode em parte ser aquilatada pelo magnfico exemplo a seguir:Basta!Ai! basta!... eu luto, eu morro:morro lutando e desvairado rio!...Por entre sombras tropeando corro,e s vejo em redor tudo vazio!...Nem um astro no cu, nem flor na terraderrama sobre mim a luz e o aroma!!Tudo foge de mim!... Estranha guerra,O fantasma da dor acena e assoma!...E sigo taciturno o meu caminhosem um raio de amor! desventura,no se me d pedir o teu carinho,e o carinho fatal da sepultura!...Quem no amou? quem no sentiu nos lbioso estranho calor de um beijo cheiode tantas harmonias e resabios,que quer da vida, que pedir-lhe veio?Oh! virgem, se pudera no meu versodesfiar o rosrio de meu pranto,talvez soubesse o martrio terso,que eu choro s vezes e s vezes canto.Pouco, entretanto, eu te pedia... ou nada: o vislumbre que rola de teus olhosat ao fundo dalma desvairadados que vo triste tateando escolhos.Pouco negaste-me apontando a morte!...E eu quero o riso, a esperana, a vida,pois pulsa ainda estoicamente forteminhalma que, estortega-se ferida...JOO BATISTA DA COSTA CARVALHO Magistrado. Como presidente do Tribunal da Relao, assumiu o governo do Estado a 9 de maio de 1894, durante o impedimento legal do governador eleito, capito Jos Calazans.JOO BATISTA MONTEIRO Advogado. Nasceu no Maranho, em 1817. Muito criana ainda, fugiu da casa materna, internando-se sem recursos pelo pas a dentro. Meses depois, cansado e abatido, chegou a Sergipe, empregando-se na vila do Rosrio, como servente em um cartrio. E, muito inteligente, dotado de frrea vontade, atirou-se resoluto aos estudos, vindo a ser um bom advogado, com residncia fixa em Laranjeiras. Liberal de princpios, reformador de costumes, esprito atilado e culto, com grande amizade s crianas, pregava novas doutrinas de educao, tendo por base a cultura fsica para aperfeioamento do esprito e do carter. E assim se foi popularizando, at se fazer eleger deputado geral sergipano na legislatura de 1857 a 1860. Perseguido, porm, pelo partido conservador, ento no poder, com processos de crimes fantasiados, transportou-se em viagens noturnas para Vila Nova, atravessou o S. Francisco e seguiu para Macei. A tomou vapor e seguiu para o sul em companhia de Cndido Mendes de Almeida que, da comisso de verificao, concorreu poderosamente logo depois para o seu reconhecimento. A no fez carreira, por ter chicoteado e ameaado a revlver o deputado suplente mineiro Salatiel de Andrade. Em 1859, quando o Imperador de visita a Sergipe, em companhia do ministro do Imprio conselheiro Almeida Pereira, indagava do comendador Travassos as coisas polticas de Sergipe, no foi esquecido Batista Monteiro, inabilitado para ser de novo representante da nao. E ele, convencido disso, abandonou de vez a poltica. Finou-se nonagenrio, em Aracaju, como funcionrio pblico, j cansado para a advocacia. Era uma linda estampa: alvo, fisionomia atraente, traos viris regulares, robusto de corpo, musculatura vigorosa. Intelectual e moralmente era um tipo superior. Viveu em Sergipe e para Sergipe. E como a ptria do homem deve ser aquela onde ele viveu e bem serviu, Sergipe no se deslustrar dando a Batista Monteiro lugar condigno entre seus filhos ilustres.JOO BELISRIO JUNQUEIRA Jornalista, msico e professor. Natural de Laranjeiras. Com decidido amor s belas artes e luta, bem moo ainda fundou cidade natal um jornal humorista e depois, em Aracaju, quatro outros do mesmo gnero: A Ordem, O Guarani, O Cansano e A Zorra. Tambm se dedicava com verdadeira paixo msica, cantor exmio, sobremodo mavioso, podendo competir, diz o professor Baltasar, com os melhores tenores italianos. Tocava violino com muito sentimento, se bem que, como compositor, pouco acima estivesse da vulgaridade. No ltimo quartel da vida, professor e empregado de Fazenda, teve uma forte decada: entregou-se demasiado aos prazeres nocivos do lcool. Gozava em Sergipe de funda e merecida simpatia.JOO CARLOS WILLAGRAN CABRITA Militar bravo na campanha contra o Paraguai. Nasceu em Montevidu a 30 de dezembro de 1820. Verificando praa no exrcito em 1840, nesse mesmo ano se matriculou na Escola Militar, sendo nomeado alferes-aluno em 1842. Em 1843 foi promovido a 2 tenente de artilharia; em 1844, a 1 tenente. Em 1847 bacharelou-se em matemticas. Em 1852, j capito, foi a Sergipe em comisso de engenharia, fixando residncia em Aracaju, com o major Jos Baslio Pirro. Nessa poca, tendo o comendador Antonio Jos da Silva Travassos em mira, de acordo com aquele major, do corpo de engenheiros, a construo do canal Pomonga, facilitando as comunicaes do rio Japaratuba com outros, para a rapidez de transporte de acar, dos engenhos no vale de Japaratuba para Maruim e Aracaju, foi o capito Cabrita encarregado de levantar a planta e organizar parte do trabalho projetado com o major Pirro, por isso deixando, em um dos portos do canal, o seu nome, como imorredoura lembrana dos servios profissionais ento prestados a Sergipe. Promovido a major em 1862, foi instrutor do exrcito na campanha contra o Paraguai, para onde marchou em 1863. Bravo at ao herosmo, faleceu em combate a 10 de abril de 1866, em uma pequena ilha em frente ao forte de Itapir, ilha que depois lhe tomou o nome. Foi ento citado em ordem do dia do exrcito em operaes, como um dos grandes bravos na luta ingente. No havia ainda completado quarenta e cinco anos de idade.JOO DABNEY DE AVELAR BROTERO (Dr.) Foi o 27 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 5 de agosto de 1857.JOO DANTAS MARTINS DOS REIS Agricultor. Sendo coronel da guarda nacional e 1 vice-presidente, assumiu a presidncia a 19 de setembro de 1885 e a 5 de maro de 1888.JOO DVILA FRANCA Militar de grande valor. Nasceu na Estncia a 23 de junho de 1860, alistando-se no exrcito em 1877. Foi 2 tenente de artilharia em 1881; 1 tenente, em 1889; capito de estado maior por servios relevantes, em 1890; major, em 1894; tenente-coronel, em 1902; coronel de infantaria, em 1909; general de brigada reformado, em 1913. Engenheiro gegrafo, bacharel em matemticas e cincias fsicas e engenheiro militar. de baixa estatura, forte bastante, com grande lucidez de inteligncia e notvel erudio profissional. Em revistas e jornais tem escrito artigos de grande valor tcnico. E no Jornal do Comrcio do Rio de Janeiro, em defenso a uma santa causa jurdico-militar, demonstrou evidncia ser um argumentador arguto e slido. scio correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe, modesto em demasia e ornado de raros atributos morais. Em 1893, como proclamao da Repblica, relevantes servios prestou ao Brasil. Foi durante muito tempo secretrio da Escola Militar da Praia Vermelha, professor de fsica e redator da Revista do Estado maior.JOO ESTEVES DA SILVEIRA Literato e orador. Nasceu na Estncia. homem de superior talento, orador fluente e escritor de conta.JOO FELIPE PINHEIRO Religioso. Nasceu no Lagarto e professou no convento dos franciscanos da Bahia, com o nome de Frei Joo do Lado de Cristo, ali recebendo as santas ordens. Mais tarde, com o breve de missionrio apostlico, percorreu os sertes do Brasil. Achava-se em Gois, quando constou ao governo que ali pregava idias subversivas. Exonerado da comisso, recolheu-se ao convento e, obtido o breve de secularizao, foi vigrio encomendado de Itapemerim, advogado com proviso da relao, presidente da cmara municipal e vigrio da vara com honras de arcipreste. Sofrendo um processo quela cidade, mudou-se para o Rio de Janeiro, sendo depois proco encomendado em Macac. Homem de grande inteligncia, publicou em 1867 Diretrio Paroquial, Instrues catequistas e As noites de Santa Maria Madalena. Era oficial da ordem da Rosa.JOO FERREIRA DE BRITO TRVASSOS Mdico. Nasceu na Vila do Rosrio, em 19 de agosto de 1820, formando-se em medicina na Bahia em 1845, sob a proteo de seu irmo, o comendador Travassos, indo logo depois clinicar terra natal. No exerccio da profisso, chegou a conhecer uma distinta viva, da famlia Boto, senhora do engenho Canoa, municpio do Rosrio, com a qual contratou casamento. Quando este se ia efetuar, ocasio em que Brito Travassos entrava com seus convidados por uma das cancelas do Engenho, por outra saa a viva, acompanhada de parentes, para ser forada no dia seguinte a desposar um primo. Profundamente magoado com a afronta, neurastnico, querendo abandonar Sergipe e a clnica, foi aconselhado a casar-se com uma sobrinha, filha daquele comendador. Realizado o casamento em 1848 mais ou menos, entregou-lhe o sogro o engenho Rio Vermelho, passando a residir na vila S. Amaro das Brotas, lugar que melhorou sensivelmente, construindo diversas obras e benfeitorias. Na matriz por ele a construda celebraram-se ento as melhores festas da semana santa em toda a Provncia, fazendo-se a ouvir os melhores pregadores sergipanos, como Barroso e S. Ceclia. Com a lei do ventre livre, falta de braos para a lavoura do engenho, abandonou este e, j velho, dedicou-se de novo clnica no sul da Provncia, sendo depois diretor geral da instruo pblica, cargo em que faleceu a 25 de junho de 1885. Era de regular estatura e forte compleio, moreno, cheio de inteligncia e de bondade, exemplar no proceder, sobremaneira estimado por todos. Escreveu as seguintes obras: Teses de formatura, Representao da lavoura de Sergipe e Breve Explicao.JOO FERREIRA DE ARAJO PINHO Bacharel. Foi o 42 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 24 de fevereiro de 1876.JOO GOMES DE MELO, Baro de Maruim Nasceu mais ou menos em 1816, provavelmente em Maruim. Era pequeno agricultor, vivendo modestamente do transporte de acar dos grandes engenhos nos vales de Japaratuba e Cotinguiba para a casa Sharamm & Cia, estabelecida em Maruim. Casando-se com uma parenta viva e rica, adquiriu grande fortuna. Os donativos que fez matriz de Aracaju e vrios outros servios na mudana da capital fizeram-lhe receber do governo imperial o ttulo de Baro de Maruim. Titular e rico, entrou para a poltica, sendo vrias vezes deputado geral. A 27 de setembro de 1855, sendo 1 vice-presidente, tomou posse da presidncia da Provncia. Em 1859 entrou para a lista trplice senatorial. Entrando novamente em lista, foi escolhido senador em 1861. Inculto, sem capacidade bastante para ilustrar o alto cargo poltico, era em todo o caso de bom senso prtico e de boa compostura moral, sinal evidente de que no lhe faltavam superiores qualidades de luta.JOO JOS DO MONTE Jurista. Nasceu em Japaratuba a 17 de junho de 1843. Formando-se aos 21 anos de idade na faculdade de direito do Recife, passou a lecionar filosofia em vrios colgios no Rio de Janeiro, para enfrentar com vantagens as despesas necessrias sua manuteno. Exerceu depois a advocacia no interior da Provncia do Rio e mais tarde na corte, nos escritrios de Silveira Lobo e Saldanha Marinho, da seguiu como secretrio da presidncia do Rio Grande do Sul, sendo depois deputado provincial sergipano em diversas legislaturas, deputado geral em 1879 e advogado no Rio de Janeiro em seguida. Com a proclamao da Repblica foi convidado para presidente de Sergipe e para vereador, cargos que recusou. Homem de superior inteligncia e de vasta cultura jurdica, fundou e redigiu na capital do pas a clebre revista O Direito, que ainda existe, cada vez mais procurada e valerosa. Regular na estatura e robusto na constituio, tinha ao seu dispor excelentes qualidades e virtudes: meninos sergipanos pobres ele os tomava sua conta, ensinando-lhes logo a arte tipogrfica e empregando-os em seguida na feitura do Direito. Assim protegeu nobremente a muita gente. Publicou os seguintes volumes: Processo e julgamento do bispo do Par, Manual dos tribunais e o clebre discurso Secularizao dos cemitrios. Faleceu no Rio de Janeiro a 28 de maro de 1907. Era catlico ultramontano.JOO LINS VIEIRA CANSANO DE SINIMB Poltico. Foi o 13 presidente da Provncia. Tomou posse a 16 de junho de 1841.JOO MARIA LOUREIRO TAVARES Magistrado. Como presidente interino do Tribunal da Relao, assumiu a presidncia do Estado a 10 de agosto de 1906, em perodo francamente revolucionrio.JOO MARTINS DVILA Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 25 de outubro de 1866, alistando-se no exrcito em 1885. Foi alferes-aluno em 1890; alferes de infantaria, em 1894; tenente por estudos, nesse mesmo ano; capito por bravura, em 1897; major por merecimento, em 1908; tenente-coronel pelo mesmo princpio, em 1911; coronel, ainda por merecimento, em 1914. Tem o curso de sua arma. Homem de regular estatura e constituio, inteligente e nobre, ardoroso e bravo, prestou timos servios legalidade em 1893 e fez com bravura a campanha de Canudos em 1897. oficial de muito merecimento profissional, como atestam brilhantemente as suas ltimas promoes.JOO MENDES Administrou Sergipe duas vezes: de 19 de maio de 1611 a 1614, e de 1621 a 1623.JOO MENEZES Jornalista. Nasceu em Sergipe a 11 de outubro, no sculo passado. proprietrio e redator do Correio de Aracaju, deputado estadual e secretrio do Ateneu Sergipense. Tem decidido gosto pela vida jornalstica, a que se entrega com vantagem. Suas Pginas em Branco, artigos de oposio, causaram sucesso em Aracaju, o mesmo acontecendo com suas xistosas Cartas sem selo, escritas sob o pseudnimo de Cnego Maravilha, em oposio sistemtica primeira edio deste livro, que ainda no est feito. Foi conselheiro municipal vrias vezes.JOO MUNHOS Capito-mor por portaria de 27 de junho de 1671. Homem de grande energia e prudncia, conciliador e honesto, chegou a S. Cristvo em ocasio pssima, conseguindo porm dar capitania a paz e a calma necessrias sua prosperidade. Fez um governo longo e proveitoso. Durante ele fizeram-se as primeiras exploraes das Minas de Itabaiana, por D. Rodrigo de Castelo Branco, com a contribuio de quinhentos mil ris por parte do governo, a fim de sustentar a fora que acompanhou o explorador. Em maio de 1678, obteve licena para tratar de sua sade, sendo substitudo pelo sargento-mor Antonio Prego de Castro, primeiro sergipano que teve a glria de dirigir os destinos de Sergipe.JOO PEDRO DA SILVA FERREIRA Militar. Como coronel, foi o 12 presidente de Sergipe. Tomou posse a 19 de outubro de 1840 e depois, reassumindo o cargo, a 15 de junho de 1841.JOO PORTATIL DA COSTA Pacificador de ndios. Nasceu em Sergipe e ainda vivo e forte. Para que bem se avalie da capacidade real desse modesto lidador sergipano, transcrevemos a seguinte varia do Jornal do Comrcio de 26 de agosto de 1915:O Sr. Coronel Rondon, atualmente em Cambuquira, enviou ao Sr. Ministro da Agricultura o seguinte telegrama:Com vivo prazer comunico-vos que a Comisso Telegrfica, ao encerrar seus grandes trabalhos, que se estenderam de Cuiab ao Madeira, estabeleceu relaes de amizade com os ndios Parentintis, cuja pacificao acaba de ser realizada no Madeira, com excepcional felicidade. Esses ndios eram ali considerados irredutveis, eram dos tais que, s exterminando-os, diziam os habitantes do Madeira, poderia a regio gozar de sossego. Pois bem, a pacificao se fez sem armamento de espcie alguma e s com a coragem e abnegao de um homem, o estico sergipano Joo Porttil da Costa, a quem em junho do ano passado confiei a perigosa misso, auxiliado com recursos materiais do proprietrio do seringal Clamo, o Dr. Asensi, interessado na pacificao. Apresento-vos por isso minhas efusivas felicitaes.JOO PRNCIPE DA SILVA Oficial superior do exrcito. Nasceu em Japaratuba em 1860, verificando praa no exrcito a 14 de abril de 1883. Matriculando-se depois na Escola Militar da Corte, foi promovido a alferes de infantaria em 1890. Tirando o curso das armas pelo regulamento de 1898, foi promovido a tenente por estudos em 1900, a capito tambm por estudos em 1904. Transferido para o corpo de intendente, foi a major em 1908 e tenente-coronel em 1914. de regular estatura e regular constituio fsica, com trinta e dois anos de bons servios ptria. Foi um dos educandos do instituto tipogrfico da revista O Direito.JOO PAULO VIEIRA DE MELO Mdico e poltico. Nasceu a 26 de junho de 1832, no Stio do Meio, municpio de Propri. Formando-se em medicina na Bahia em 1858, passou a clinicar em Maruim e depois em Itaporanga, onde se entregou lavoura e poltica. Militando no partido liberal, foi deputado provincial em vrias legislaturas, sempre querido e estimado. Faleceu em Aracaju, a 10 de fevereiro de 1875. Era de baixa estatura e de grandes dotes intelectuais e morais.JOO RIBEIRO, J. R. Fernandes Grande poeta, grande prosador e grande fillogo. Nasceu em Laranjeiras a 24 de junho de 1860, ali mesmo fazendo seus estudos de humanidades. Em 1881 seguiu para o Rio de Janeiro, disposto a se matricular em uma das academias da grande capital. Entregou-se, porm, ao magistrio, como lente do colgio Almeida Martins. E com tal ardor se dedicou filologia, que chegou a ser nela grande sabedor. Em 1893 bacharelou-se em direito. Foi oficial da biblioteca nacional, de onde passou, mediante concurso, a lente do ginsio Pedro II. Homem de regular estatura e de regular constituio, de superior inteligncia e de notvel cultura literria e filolgica, poeta exmio, prosador emrito e historigrafo de grande valimento, Joo Ribeiro goza nas rodas literrias da capital do pas da mais justa e merecida popularidade. membro da academia brasileira de letras, cadeira Pedro Luiz, e um dos melhores manejadores do lusitano idioma. ainda profundo em lnguas vivas, como tambm em latim. E a sua obra intelectual grande e slida: Idlios modernos, Dias de sol, Arena e Citara so trs livros de versos; Estudos filolgicos, Morfologia e colocao dos pronomes, Gramtica portuguesa (curso primrio, curso mdio e curso superior), Dicionrio gramatical, Autores contemporneos, Seleta clssica, Livro de exerccios, Frases feitas (2 volumes), Pginas estticas, Pginas escolhidas e Fabrdo, Histria antiga, Historia do Brasil (curso primrio), Histria do Brasil (curso superior), O Corao (trad. do italiano). Os dois seguintes exemplos mostram evidncia, a validade literria de Joo Ribeiro:A execuo de TiradentesNo dia 19 de abril entrava na cadeia pblica do Rio de Janeiro rodeado de outros ministros da justia, o desembargador Francisco Alves da Rocha, para ler a sentena aos rus, que desde a noite da vspera haviam sido transferidos de vrios segredos da cidade para a sala chamada do Oratrio. Eram onze os criminosos que ali esperavam algemados e cercados de fora embalada, a ltima palavra de seus destinos.A leitura da sentena, erudita e cheia de citaes, durou duas longas horas; ao cabo dela, eram todos os infames condenados forca e a alguns cabia ainda mais o horror de, insepultos e esquartejados, servirem os seus membros, espetados em postes, de padro da execrvel perfdia.Quando o desembargador se retirou, diz uma testemunha do acontecimento, viu-se representar a cena mais trgica que se podia imaginar. Mutuamente pediram perdo e o deram; porm cada um fazia imputar a sua infelicidade ao excessivo depoimento do outro.Como tinham estado trs anos incomunicveis, era neles mais violento o desejo de falar que a paixo que a tal sentena cavaria nos cansados coraes.Nesta liberdade de falarem e de acusarem mutuamente estiveram quatro horas; mas, quando se lhes puseram os grilhes e manietados viram-se obrigados a deitar se, por menos incomoda posio, abateram-se-lhes os espritos e entraram ento a meditar sobre o abismo da sua sorte. Dentro em pouco, porm, um raio de esperana iluminou-lhes a torva existncia. O mesmo ministro que lera a rude sentena veio hora depois anunciar a clemncia da rainha, que aos conjurados, exceto Tiradentes, poupava o suplcio da morte. Ento foram grandes os extremos da alegria e com aquela inesperada piedade sentiram-se rejuvenescer. Tiradentes tambm, conforme o seu corao bem formado e leal, participou desses transportes e dizia que s ele, em verdade, devia ser a vtima da lei e que morria jubiloso por no levar a si tantos infelizes que desencaminhara. Tiradentes era um esprito grandemente forte e na religio achou mais largo e substancioso conforto do que os outros companheiros, de esprito leviano ou inconsiderado.Na manh de 21 de abril entrou na sua cela o algoz para vestir-lhe a alva e ao despir-se dizia ao mrtir que o seu Redentor morrera por ele tambm nu.O CalifaNo outro tempo, em Bagd, Almansor, o Califa,Um palcio construiu de ouro todo: a alcatifaDe jaspe, a colunata em porfiro e o frontalDe toda a pedraria asitica, oriental;E em frente desse asilo, em piscinas de luxo,Chovem urea poeira as fontes em repuxo.Ora, ali perto havia em frente ao monumentoUma choa mesquinha, esfarrapada ao vento,Quase a cair, humilde e tristonha mansoDe um velho pobre, velho e simples tecelo.Essa msera casa, ao certo, transtornavaA suntuosa impresso do palcio. CausavaNo sei que dor, talvez asco. Desagradvel,Tanta riqueza ao p da choa miservel!Convinha, pois, destru-la. E ao velho teceloOferecem dinheiro. E o velho disse: No!Guardai vosso ouro todo; esta casa que habitoNunca ser vendida, antes seja eu maldito!Arrasai porquanto -vos fcil poder.Nela morreu meu pai, e nela hei de eu morrer.E, resposta do velho, o califa AlmansorEsteve a meditar. Um dos servos: Senhor!Sois poderoso e rei, vs podeis, sem vexame,Essa casa arrasar, j e j, sem exame.Retrocedeides, vs, diante de um tecelo! Almansor, o califa, ergueu-se e disse: No!Eu no quero destruir a mesquinha choupana...Quero-a de p, bem junto a mim, essa cabana...Porquanto a gerao dos meus filhos se expande,E quero que cada um, a refletir sem custoVendo o palcio, diga: Ave! Almansor foi grande!E vendo a pobre choa: Ele foi mais: foi justo!.JOO RIBEIRO VILA FRANCA Capito-mor de Sergipe no trinio de 1651 a 1653. Homem deveras autoritrio, sua administrao foi de luta contnua, at mesmo com o prprio governador da Bahia.JOO RODRIGUES MOLENAR Governador de Sergipe em 1636, quando se deu a invaso holandesa. Tinha sido nomeado para aquele elevado cargo a 1 de outubro de 1631.JOO VIEIRA LEITE Mdico. Como presidente da Assemblia Legislativa, assumiu a presidncia do Estado a 11 de setembro de 1894.JOAQUIM BALTAZAR DA SILVA Militar. Como comandante da guarnio federal, no posto de major, assumiu o governo do Estado, a 24 de novembro de 1891, por haver abandonado o cargo o governador eleito Coronel Vicente Ribeiro.JOAQUIM BENTO DE OLIVEIRA JNIOR Bacharel. Foi o 39 presidente da antiga Provncia, havendo tomado posse a 16 de julho de 1872.JOAQUIM CNDIDO DA SILVEIRA CARVALHO Literato. Nasceu em S. Cristvo mais ou menos em 1860. Muito jovem ainda seguiu para Pernambuco, onde fez sua educao literria, passando depois a exercer o cargo de escrivo do Tribunal da Relao. Transferindo-se para o Rio de Janeiro, foi a princpio empregado do banco do Brasil e por fim solicitador. Atacado de grave enfermidade, seguiu para S. Cristvo, onde faleceu a 2 de maro de 1896. Homem de lcida inteligncia e com decidido amor s belas letras, publicou em 1886 uma apoteose em cinco quadros Jos Mariano, e deixou escritos os seguintes dramas: Rosa, O sculo e o Clero, Lcia, Miguel Strogoff. Tambm escreveu Um casamento indecente (fato verdadeiro), a revista O pelintra e um volume de versos intitulado Flores do corao.JOAQUIM DE CALAZANS Poeta delicadssimo. Nasceu em Sergipe. A seguinte composio, de uma naturalidade que encanta, prova evidncia a grande validade deste vate inspiradssimo:No leitoPodem outros achar em beijos tmidosDe tmidas donzelasSabor de mel com mbar misturadoE outras bagatelas.Podem achar essncias peregrinasDas vestes no roarE encanto sutil, areo passoNa relva a resvalar. coma, atada com jasmins e rosas,Prendem-se outros, que eu no;Por olhos que de tmidos se abaixamEu no sinto paixo.Beijo-te a perna torneada e lisa,Descada no leito,E a pequenina mo toda escondida sombra do teu peito.Ah! Oh! Sim! a te vejo bela,Te vejo qual tu s,E posso at beijar as unhasDos teus mimosos ps.JOAQUIM DO PRADO SAMPAIO LEITE Advogado e professor. Nasceu em Aracaju, a 3 de julho de 1865. Fez o curso de humanidades no Ateneu sergipano, formando-se depois em direito na faculdade do Recife. Abraando ento a magistratura, foi promotor pblico em Aracaju, juiz municipal no municpio de Vitria (Pernambuco), secretrio da polcia no Recife e juiz de direito no Lagarto e em Garar. Foi deputado constituinte sergipana e hoje advoga em Aracaju e ocupa o cargo de professor de direito pblico e de lgica no Ateneu sergipense. Homem de baixa estatura e forte constituio, dispondo de inteligncia e de cultura assim literria como filosfica, cultiva com ardor a cincia das cincias, e com vantagem as belas letras. Colaborou em quase todos os jornais de Sergipe, e no Jornal do Recife, quando ainda acadmico. Atualmente escreve na Revista Americana, no O Direito do Rio de Janeiro e na Via Lctea da Bahia. scio fundador do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano. Escritor operoso e competente, com grande amor terra natal, conta sua folha de servios as seguintes unidades literrias: Retaliaes (versos), Sobre uma nova intuio do direito, Lendas Sergipanas, Vida Sergipana, O Poema do Lar, Sergipe, Ensaios de Lgica, Cntico dos Cnticos (poema hebreu), A Literatura Sergipana. A seguinte transcrio, final de um discurso, deixa bem ver o escritor:Enquanto, porm, novos e melhores dias no lhe chegam com um futuro melhor, derivado dos conhecimentos que, por meio duma forte educao integral, o homem adquire na natureza que o circunda, enquanto as nossas energias, pois a ptria somos ns, no forem transformadas em fonte perene de bens e vantagens sociais, faamos votos para que o povo sergipano, forte e apto para a grande transformao do momento humano que atravessamos, a fase que a do vapor, a da eletricidade, a da grande cultura, a da grande indstria, a da concorrncia universal, a da grande oficina do trabalho, a da extraordinria produo mecnica, faamos votos, Exmo. Sr., para que continuemos a representar impvidos no seio da Federao Brasileira a misso histrica que nos tem levado a defender a integridade territorial do Pas, a concorrer para a sua prosperidade econmica e a levar a vida periferia do organismo nacional por meio da nossa fora expansiva, povoando o Amazonas, o Acre e regies at agora inabitadas. E, acima de tudo, que o culto do dever e da justia, como manifestao mxima da psicologia de um povo, seja o estmulo que nos guie os passos pela larga estrada do futuro e intermina trajetria das civilizaes humanas.Pois esta ptria, Exmo. Sr. General, que j hoje, no cumprimento dum alto dever patritico, preste felizmente mais que um culto de sincera justia aos mritos de V. Ex., porque rende, desta arte, inconcussa venerao a fatos psicolgicos que nunca se apagam, que nunca morrem nesse intermino revolucionar do esprito humano para a luz e para a glria.JOAQUIM ESTEVES DA SILVEIRA Poeta e clnico. Nasceu em Santa Luzia a 31 de janeiro de 1832. Formando-se em medicina na Bahia em 1853, com 21 anos de idade apenas, seguiu logo depois para a Estncia, um tanto afetado dos pulmes. Agravado o mal, por se haver recolhido a um convento na Bahia uma sua prima, por quem tinha verdadeira paixo, voltou Bahia, onde faleceu tuberculoso a 22 de outubro de 1855. Moo de delicada constituio mas de muito talento, jornalista e poeta, fundou e redigiu O acadmico, revista de combate s velhas praxes da faculdade. A tambm publicou algumas das suas poticas composies, muitas outras deixando inditas. So do final de uma daquelas, A novia, os encantadores e sentidos versos seguintes:No profiras o voto! A voz tolhidaEspire-te nos lbios, quando o tentes!...Primeiro do que Deus fui teu esposo.Ele mesmo conhece os meus direitos,Ouviu teu juramento, abenoou-o!Que rompas no lhe apraz a f jurada,Nem quer pra si a noiva, que espontnea,Por voto tambm santo era j minha.Eia! espera-te o mundo com sorrisos,Deixa, Virgem, o claustro, Olha o futuro...No vs um paraso? Ah! ns somenteSomos, querida Amlia,Seus nicos ditosos habitantes;Vem, vem depressa comigo tomar posseDesse osis feliz, que amor nos abre:A, posto a teus ps, serei poeta,E tu, donosa noiva, o casto arcanjoDa minha inspirao! Ah! vem Amlia, da vontade do cu, e amor nos chama!JOAQUIM FONTES Poeta. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito no Recife. Homem de alta estatura e forte compleio, cheio de inteligncia e de notveis qualidades morais, ativo, trabalhador, honesto e com um jeito especial para a cultura das rosas e para as belas letras. A poesia ento cultiva com ardor, havendo publicado em diversas pocas specimens dos mais interessantes e atraentes, em Sergipe e em S. Paulo. O exemplo seguinte, melodioso quanto natural, pleno de graa e de beleza, d uma idia ntida de sua lira delicadssima:Pelo azulEle, janela, inclina-se para o ladoOnde ela est. Vizinha? Ah... Vizinho! Que bela flor eu vejo extasiado... Qual delas ? So tantas e cheirosas...Aqui nesta varanda? lrio? rosas?... No me refiro a estas. Mas a qual? A essa rosa rubra, de coral, tua boca... Oh, deixa-me colh-la!... Mas como assim? Com um beijo... Ah! diz elaSorrindo com meiguice divinal. Permites? Torna o moo docemente...Se quiseres... responde. Ele, ardente,Senta-se a cavaleiro, na janela,Inclina-se para a outra onde est ela,E salta em uma alcova sorridente.E com lbios em braza, tresloucado,Entre os braos tendo o delicadoCorpinho de princesa, colhe a flor,Que o tinha cegamente apaixonado,Que lhe causara na alma tanto ardor! Ai, vizinho! Que vizinha? EntoTu no me havias dado? Sim; mas, no... Mas o que? Suspirou a feiticeira: Mas no se colhem rosas pondo ao choPor este modo o p de uma roseira.Joaquim Fontes, que vive no interior de S. Paulo, membro titular da Societ Franaise de Revisionistes.JOAQUIM HONRIO Msico afamado. Nasceu em S. Cristvo, mais ou menos em 1857. Com um jeito especial para a msica, aos verdes anos, com os dedos muito curtos e muito grossos, o caboclinho esforava-se por abri-los sobre os furos da clarineta, que aprendia faclimamente. Conhecido o instrumento, em que se tornou o primeiro, atirou-se composio com xito jamais desmentido. A propsito de uma aventura amorosa de criana, escreveu a polka Conversa na cerca, que caiu no goto da rapaziada de Jubal, passando logo da cerca para as saudosas serenatas de ento. Seguiram-se depois valsas e contradanas, saltitantes e alegres, respeitadas por todos os cantos de Sergipe. E Joaquim Honrio se popularizou. Em 1874 havia entre os estudantes do Ateneu um bom esprito musical Felisbelo Freire. Por iniciativa de Baltazar Ges, formou-se uma filarmnica composta principalmente de estudantes, da qual fizeram parte o Joo Belizrio, o Leonidio, o Leo Magno, o Fausto Correia, o Chiquinho Ges e outros. Joaquim Honrio nunca deu muito para as letras. Mais instrudo e aspectoso, Felisbelo foi o Mestre da Euterpe e Joaquim, o contra-mestre. No obstante, as msicas originais que iam para a estante foram do contra-mestre, fertilssimo em pensamentos felizes em qualquer gnero sobre que preferia escrever. Pouco tempo esteve Felisbelo mostrando a Euterpe; acabados seus preparatrios, foi para a Escola de Medicina da Bahia. A direo da msica passou para o Joaquim. Cessando uma pouca cerimnia, talvez de suscetibilizar ao colega e amigo, foi de ver como ele expandiu, ento, seu gnio em multiplicadas composies, das quais a Euterpe mal tinha tempo de ensaiar uma e j era atacada com outra. Os dobrados Laranjeiras, Santo Amaro, Aracaju, Maruim, Sonmbulo e outros; marchas, polkas, hinos, fizeram uma caudal enorme de seu gnio inventivo, original. Com muita felicidade interpretou modinhas e canes; comps peas fnebres, msicas de igrejas. Fez lindos arranjos; copiou com suma fidelidade peas de realejo e caixas de msica... Era inesgotvel e sempre original. A arte entre ns morre annima. Mesmo em vida, nossos artistas de natureza so apenas conhecidos numa determinada circunspeo do Estado. Encantava ver com que felicidade ele escrevia msica. Ignorava o contra-ponto. Ns no temos escolas. Nem de msica, nem de coisa alguma. por isso mesmo que admira, que espanta haver entre ns manifestaes artsticas, como o foram Horcio Hora, Joaquim Honrio e tantos outros. De Aracaju passou Joaquim para a Estncia, onde foi estimado e admirado, como homem, que era um excelente corao, e como artista, que o era um dos mais talentosos msicos de Sergipe. Mas a sua celebridade dali no se espalhar muito alm do terreno banhado pelo Pirapetinga; principalmente hoje, que a Estncia to bela, to cheia de talentos, to rica de comrcio e de lavoura outrora, est pobre de tudo, est decadente. Faleceu na Estncia em meados de abril de 1904, aos quarenta e sete anos de idade. Com Manoel Bahiense e Jos Bochecha forma Joaquim Honrio a grande trindade musical sergipana.JOAQUIM JACINTO DE MENDONA Bacharel em direito. Foi o 30 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 1 de junho de 1861.JOAQUIM JOS DE OLIVEIRA Mdico, literato e msico. Nasceu em S. Cristvo em 1820. Depois de formado em medicina na Bahia, em 1844, voltou a Sergipe e foi deputado provincial, comissrio vacinador, provedor da sade pblica, capito cirurgio-mor da guarda nacional e vice-presidente da Provncia. Esteve algum tempo no governo provincial; em 1863 foi inspetor da tesouraria, cargo em que se aposentou, e por fim inspetor da alfndega de Aracaju, depois da do Maranho e mais tarde da de Pernambuco. Era mdico homeopata, distinto literato e msico de influncia. Tocava piano admiravelmente. Indo ao Rio de Janeiro em busca de alvio aos seus sofrimentos, ali faleceu a 16 de setembro de 1872. Homem de talento pujante, escreveu: Histria de Sergipe, Histrias perdidas, Apontamentos para a Histria de Sergipe, e diversas composies musicais sacras e profanas.JOAQUIM JOS MONTEIRO Capito-mor em 1797.JOAQUIM JOS PACHECO Bacharel. Foi o dcimo presidente de Sergipe. Tomou posse a 21 de janeiro de 1839.JOAQUIM JOS TEIXEIRA Bacharel. Foi o vigsimo presidente da antiga Provncia, havendo sido denunciado criminalmente por Carvalho Aranha. Tomou posse em 14 de agosto de 1847.JOAQUIM MARCELINO DE BRITO Natural de Sergipe. Homem formado em direito, de grande inteligncia e ilustrao. Presidente de Sergipe durante a regncia, de 1831 a 1833. Dotado de excelentes qualidades de carter, foi ouvidor em 1825, colocando ento a justia acima de tudo. Erigiu a vila de Laranjeiras em 9 de agosto de 1832, cuidou seriamente das vias de comunicao e canalizao dos rios. Deixou o governo em fins de 1833.JOAQUIM MARTINS FONTES Agricultor. Como 1 vice-presidente da Provncia, tomou posse da presidncia a 23 de julho de 1839, depois em 1840, em 1841 duas vezes. Era capito-mor honorrio.JOAQUIM MAURICIO CARDOSO sergipano.JOAQUIM TIBURCIO FERREIRA GOMES Bacharel em direito. Sendo 1 vice-presidente, tomou posse da presidncia a 1 de junho de 1861.JORGE DE BARROS LEITE Capito-mor, nomeado por carta rgia de 14 de maro de 1687. Prestou juramento em junho e assumiu o cargo em setembro. Terminado o trinio em 1690, um sculo depois da conquista, foi substitudo por Braz Soares dos Passos. Em 1711 foi de novo capito-mor, estando em exerccio at 1713. Por carta rgia de 23 de julho de 1711 foi nomeado marechal de campo. Prestou juramento na Bahia a 13 de janeiro de 1712.JOS ACIOLY DE BRITO Advogado. Nasceu em Laranjeiras a 29 de janeiro de 1852, formando-se em direito em S. Paulo em 1875. Homem inteligente e culto, foi magistrado em Minas Gerais e Santa Catarina, presidente de Gois em 1884-1885, e advogado no Rio de Janeiro. Faleceu no Cear a 21 de junho de 1889.JOS ALVES PITANGUEIRA Talento polimrfico qual o de Eusbio de Matos. Demasiado modesto, porm, nada quase deixou dessa bela qualidade intelectual s gerao futuras. Era padre, e sobressaiu no tempo, na cidade do Lagarto, no s no jornalismo e na poltica, como tambm em latinidades, em que era profundo, e ainda no foro, em que era habilssimo.JOS ANTONIO DE MOURA Oficial superior da marinha. Nasceu em Japaratuba.JOS ANTONIO DE OLIVEIRA E SILVA Bacharel em direito. Foi o 23 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 19 de junho de 1851.JOS AUGUSTO CZAR FERRAZ Grande e adiantado industrial em Aracaju. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1845. Homem de regular estatura e constituio, dotado de grande energia e atividade, como de nobres outras qualidades, fundou e dirigiu a Sergipe Industrial, excelente fbrica de tecidos em Aracaju, capaz de rivalizar, em instalao e produo, com as melhores fbricas do Rio e de S. Paulo. Faleceu em 1907, mais ou menos, na cidade de Aracaju.JOS AYRES DO NASCIMENTO Bacharel. Foi o 47 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 22 de maio de 1882.JOS BARRETO DOS SANTOS Poeta e professor de msica. Nasceu na vila de Campos a 22 de maro de 1881, sendo sobrinho em segundo grau de Tobias Barreto. Sua inclinao para a msica tal, que aos 11 anos de idade j compunha e escrevia. S teve por mestre uma velha artinha que lhe dera seu pai. Aos 13 anos de idade seguiu para a Bahia, em cujo comrcio serviu sete anos. E a foi um dos fundadores da Nova Cruzada, onde publicou algumas poesias. Foi tambm o autor do hino dessa sociedade literria. Voltando a Aracaju, em 1902, fez o curso de humanidades, passando depois a funcionrio pblico. hoje auxiliar do diretor dos grupos escolares de Aracaju. E, franzino de corpo, mas de inteligncia fulgurosa, dedicado s artes, tem a publicar um livro de poesias e um compndio de msica e exerccios de solfejo.JOS BERNARDO DA COSTA Desembargador.JOS BASLIO PIRRO Engenheiro militar. Em 1852, estando residindo em Aracaju, foi encarregado pelo comendador Antonio Jos da Silva Travassos, dos estudos e planta do canal de Pomonga, para facilitar o transporte de acar do vale riqussimo de Japaratuba para Maruim e Aracaju. Em tal empresa foi auxiliado pelo ento capito Wilagran Cabrita. No volume escrito pelo comendador Travassos, sobre a capitania de Sergipe, h uma carta geogrfica da Provncia sergipana, de que Pirro o autor. Viveu largos anos em Aracaju. Em 1864 ou 1865, estando no Recife, foi da retirado para comandar o presdio de Fernando Noronha. Era um militar inteligente e de grande cultura profissional.JOS CAETANO DA SILVA LOUREIRO Capito-mor em 1782. Passou a administrao em 1790 a Antonio Pereira Marinho. E fez-se depois sacerdote, por causa dos dissabores sofridos em um processo crime.JOS CAETANO MARQUES Poeta e jornalista. Nasceu em Sergipe, provavelmente na Estncia, cedo se dedicando imprensa, poesia e propaganda republicana. um dos signatrios do manifesto republicano da Estncia e homem de lcida inteligncia, suficientemente cultivada.JOS CALAZANS Oficial superior do exrcito. Nasceu em Itabaiana a 17 de setembro de 1863, alistando-se no exrcito em 1881. Foi alferes-aluno em 1886; 2 tenente de artilharia, em 1889; tenente de estado maior por servios relevantes, em 1890; capito de engenheiros, em 1892; major por merecimento, em 1906; tenente-coronel, em 1911; coronel por merecimento, em 1913. Tem o curso de engenharia militar; foi engenheiro ajudante da construo da vila militar no Rio de Janeiro. Homem de baixa estatura e robusta constituio fsica, cheio de inteligncia e atividade, prestou relevantes servios ao pas em 1889 e em 1893. E, com grande honestidade e competncia, dirigiu os altos destinos do seu Estado natal, obras srias empreendendo, pagando em dia os funcionrios e deixando os cofres do Estado em florescente situao econmica. Comandou o 1 batalho de engenharia, encarregado da construo daquela vila. scio correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. Reformou-se no posto de general de brigada em 1916.JOS CNDIDO RODRIGUES Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 27 de agosto de 1858, alistando-se no exrcito a 30 de dezembro de 1875. Foi alferes de infantaria em 1882; tenente, em 1892; capito, em 1896; major, em 1908; tenente-coronel por merecimento, em 1913. Homem de alta estatura e delicada constituio, pleno de atividade e de ardor militar, inteligente e dedicado legislao profissional, que bem conhece, prestou grandes servios legalidade em 1893. Na imprensa do Rio tem publicado alguns e interessantes artigos profissionais. condecorado com a medalha de ouro, por contar mais de trinta anos de bons servios ptria. presentemente fiscal do 2 regimento de infantaria.JOS CORREA DE MELO BITENCOURT Mdico oculista. Nasceu em S. Cristvo a 22 de dezembro de 1859. Formando-se em medicina no Rio, foi em seguida Europa, onde fez estudos especiais de oftalmia, sendo chefe de clnica de clebres especialistas em Paris e Berlim. No exerccio de sua profisso, percorreu depois o norte do pas e parte do sul, fixando por fim residncia no Rio de Janeiro. Quando acadmico, dirigiu um externato e lecionou geografia e histria. Foi deputado provincial sergipano. Homem de lcida inteligncia e de grande cultura mdica, robusto e forte, de regular estatura, sempre preocupado com grandezas para si e para sua famlia, conseguiu deixar regular fortuna. Escreveu Estudos patolgicos do organismo, Dos estados patolgicos do organismo e suas manifestaes oculares, Elementos de geografia fsica e vrios trabalhos mdicos em jornais e revistas. Faleceu em casa prpria rua do Bispo, na capital do pas. Era um dos genros do Baro da Estncia.JOS DA ANUNCIAO PEREIRA LEITE Msico de fama, um dos maiores artistas sergipanos. Vulgarmente conhecido como Jos Bochecha, foi mavioso e delicado compositor. Nasceu em S. Cristvo, provavelmente em 1820, sendo mais ou menos da mesma idade do Dr. Joaquim Jos de Oliveira, a quem ouvia sempre em questes musicais. Com Joaquim Honrio e Manoel Bahiense, com quem constitui a grande trindade musical sergipana destes ltimos tempos. Suas melodias arrebatam. Suas obras, apesar de no conhecer o contra-ponto, so sobremaneira harmoniosas. Tem-nas de toda a ordem, exceto peras: militares, patriticas, bailantes, religiosas. E neste ltimo gnero como que fica em plano superior. A Domine, tu mihi considerada sublime pelos entendidos. Modinhas, canes, hinos, passos, marchas e danas comps inmeros, qual mais original e mais harmonioso. Ps em msica duas composies poticas de Tobias Barreto, Quando mesa dos prazeres e Houve tempo em que meus olhos..., ambas deliciosas, de uma riqueza de tons que encantam. A marcha n 11 e o Carter Sergipense so verdadeiramente pomposas, cheias de elevados pensamentos. Era enfim um msico de primeira plana, comparvel a Carlos Gomes, se porventura se tivesse educado em grande centro. Tinha umas originalidades, que lhe atestam a superioridade artstica: andava sempre a assobiar baixinho algum pensamento musical; no gostava do canto dos pssaros; no suportava a mnima desafinao. noite, se em orquestra houvesse um instrumento desafinado, no conciliava o sono, e no raro saa rua, procura de quem fosse avisar o msico desafinado para se corrigir. Alma segura de artista. Em Aracaju quase todos os msicos eram discpulos de Jos Bochecha, a quem idolatravam. Suas composies, que nunca foram impressas, andam por a, em arquivos particulares, desconhecidas, abandonadas s traas. Mas seu nome vai passando de gerao a gerao, cada vez mais querido e respeitado.JOS DA CUNHA PIRES Militar e engenheiro. Nasceu em Sergipe a 30 de setembro de 1861, alistando-se no exrcito em 1880. Foi alferes-aluno em 1884; 2 tenente de artilharia, em 1888; 1 tenente de Estado Maior, em 1890; capito, em 1891; major por merecimento, em 1900; tenente-coronel, em 1911; coronel por merecimento, em 1912. Bacharel em matemticas e cincias fsicas e engenheiro militar. Oficial inteligente e nobre, tem a medalha de ouro, por contar mais de trinta anos de bons servios ptria, e foi durante muitos anos fiscal do corpo de bombeiros da Capital Federal.JOS DANTAS DE SOUZA LEITE Especialista em molstias nervosas. Nasceu em Santa Luzia, a 11 de maio de 1859. Formando-se em medicina em 1880, com 21 anos de idade apenas, foi a Paris, onde recebeu o grau de doutor na respectiva faculdade. Depois de brilhante concurso, foi interno em hospitais daquela cidade francesa, acompanhando em seu laboratrio o clebre professor Charcot, que o distinguia com sua estima e amizade. Especialista em molstias nervosas, em dia com os progressos cientficos nessa especialidade, estabeleceu-se depois no Rio de Janeiro, onde com brilho exerce a profisso mdica. Homem de grande inteligncia e de acentuada erudio profissional, colaborou com sucesso em vrios peridicos e nas seguintes revistas europias: Progrs mdical, Revue nevrologique, Revue de medicine, Comptes Rendus de la societ de biologie, Annales medico-psychologiques. Publicou: Novos estudos sobre a histria, Etudes de pathologie nerveuse, De lacromegalie (tese de concurso em Paris), Estudos sobre os sinais precursores das perturbaes nervosas da infncia.JOS DA TRINDADE PRADO, Baro de Propri Agricultor e coronel da guarda nacional. Natural de Sergipe. Sendo 2 vice-presidente, tomou posse da presidncia em 10 de setembro de 1855, e novamente em 10 de abril de 1857, 10 de agosto de 1868, 18 de junho de 1869 e 21 de agosto de 1871.JOS DE ARAJO RIBEIRO Msico e compositor. Nasceu em Sergipe. Com grande vocao para as belas artes, tocava violino admiravelmente, e foi exmio compositor no seu tempo. Faleceu na Estncia a 20 de dezembro de 1881. E aos ltimos momentos, pedindo que o erguessem do leito de morte, escreveu com a mo trmula a valsa ltimos momentos, composio musical suavssima no dizer dos entendidos. Tambm escreveu Elementos de msica prtica, alm de muitas composies em vrios gneros. A Gazeta de Aracaju, ao lhe fazer o necrolgio, escreveu as seguintes e expressivas palavras: teria sido um Carlos Gomes, se melhor lhe iluminasse o bero.JOS DE VILA GARCEZ Engenheiro militar. Nasceu em Sergipe a 29 de outubro de 1872, alistando-se no exercito em 1890. Foi 2 tenente de artilharia, em 1894; 1 tenente, em 1908; capito, em 1911. Bacharel em matemticas e cincias fsicas e engenheiro militar. Homem de baixa estatura, mas muito forte, inteligente e dotado de excelentes predicados morais. Em 1893 timos servios prestou causa legal. um oficial de futuro, graas s suas notveis qualidades profissionais.JOS DE BARROS ACIOLY DE MENEZES Industrial. Nasceu em Japaratuba, no engenho Cabral, em 1841. Em 1859 e 1860 esteve na Bahia, onde concluiu os seus estudos secundrios. No querendo continuar os estudos superiores, voltou a Sergipe, entregando-se indstria agrcola em seu engenho Murta, na Capela. Quando o Imperador andou pelo norte do pas, foi agraciado com o oficialato da Rosa. Dedicava-se com vantagem s belas letras e era dotado de notveis qualidades intelectuais. Alto na estatura, regular na constituio, prazenteiro sempre, aparentava grande robustez fsica, quando faleceu repentinamente, aos quarenta e poucos anos de idade apenas.JOS DE BARROS ACIOLY DE MENEZES JNIOR Mdico. Nasceu em Sergipe e reside em S. Paulo, onde influente proprietrio.JOS DE BARROS PIMENTEL Militar. Foi presidente de Sergipe, tendo tomado posse em 1823.JOS DE BARROS PIMENTEL Poltico e advogado. Nasceu em Sergipe a 11 de maio de 1817, fazendo os estudos secundrios em Paris. A cursava a academia de medicina, quando a famlia, por interesses polticos, o levou a estudar tambm direito. Voltando a Sergipe, foi secretrio do governo sergipano e pouco depois deputado geral, vrias vezes reeleito. Na cmara distinguiu-se duplamente: por seu esprito independente e por sua freqncia na tribuna. Referindo-se sesso de 1843, e depois de falar de Nabuco, Wanderley, Ferraz e Cansao, escreveu a seu respeito Joaquim Nabuco: Os jovens da Cmara no tinham em grau notvel o esprito de venerao: Barros Pimentel, o Benjamem da pliade, lembra lorde Randolfo Churchill principiante, exasperando o banco ministerial com seu talento, sua petulncia, seus golpes pessoais. Nos ltimos anos ocupava-se de preferncia, na Cmara, com as questes internacionais, tendo tomado parte, em 1864, na discusso da clebre interpelao Evaristo da Veiga, um dos acontecimentos de maior importncia que precederam a guerra do Paraguai. Faleceu em avanada idade no Rio de Janeiro, a 6 de maio de 1893. Na advocacia foi figura de destaque na antiga Corte.JOS DE CALAZANS BARBOSA FONSECA Tenente-coronel. Sendo 2 vice-presidente, assumiu a presidncia a 18 de julho de 1883.JOS DE FARO ROLEMBERG Capitalista. Chefe poltico de grande influncia em Sergipe, onde nasceu mais ou menos em 1840. Era proprietrio de vrios engenhos de acar e gozava de prestgio real no interior da antiga Provncia, chefe liberal que era estimadssimo. Presidiu o Conselho Municipal de Maruim, onde prestou assinalados servios polticos e administrativos. Foi deputado provincial e vice-presidente da Provncia em exerccio em 1885. Homem de alta estatura e de robusta constituio, pelos seus servios polticos foi coronel da guarda nacional e deu o seu nome, sempre honrado, a uma das belas praas de Aracaju. Faleceu a 1 de outubro de 1889. Era dotado de excelentes qualidades e virtudes, e foi em seu tempo o chefe poltico de mais conceito e popularidade. Para isso concorreu poderosamente o seu notvel gesto abolicionista, libertando um dia, no ptio de um de seus engenhos, toda a escravatura que possua.JOS DE MATOS HENRIQUE Capito-mor em 1755. Durante sua administrao foi elevada a vila a aldeia de Ger, criando-se o respectivo municpio, por carta rgia de 22 de novembro de 1758. Em tal carta eram declarados livres os ndios de Sergipe. Os lugares da cmara da nova vila deviam ser exercidos por naturais da aldeia. Morreu em S. Cristvo, a 30 de dezembro de 1759.JOS DE S BITENCOURT CMARA Brigadeiro. Foi o 17 presidente de Sergipe. Tomou posse a 15 de julho de 1844.JOS DE SANTA CECLIA, Frei Msico e orador notvel. Nasceu em S. Cristvo pelo ano de 1809, sendo chamado no sculo Jos Pacfico de Sales. Religioso franciscano, professou a 9 de maro de 1827, em sua ordem vrios cargos exercendo, quais o de presidente do convento de S. Cristvo e o de guardio no convento de Penedo, onde lecionou teologia, moral e latim finalmente. Homem de superior inteligncia, com decidida vocao tanto para as belas letras como para as belas artes, foi um grande orador sacro, como um msico de notvel valimento. Escreveu muito, poesias inclusive. Mas suas composies ficaram inditas, com exceo apenas de um sermo. Foi apelidado o Frei Bastos Sergipano, graas vida licenciosa que levava, em tudo igual do licencioso Frei Bastos da Bahia. Faleceu em Sergipe a 6 de setembro de 1859. E antes de expirar, j sacramentado, mandou iluminar o quarto, improvisou seu ltimo sermo comovente orao Virgem Santssima, e recitou a seguinte quadra:J disse adeus ao ParnasoE pendurei minha lira;Agora vou respirarOnde o Eterno respira.Foi a sua ltima composio.JOS DE SIQUEIRA MENEZES Militar. uma das glrias atuais do exrcito. Nasceu em S. Cristvo a 7 de dezembro de 1852, alistando-se no exrcito em 1870. Foi alferes-aluno em 1876; 2 tenente, em 1877; tenente de estado maior, em 1878; capito, em 1880; major, em 1890; tenente-coronel, em 1892; coronel por merecimento, em 1898; general de brigada, em 1904; general de diviso, em 1910; marechal reformado, em 1916. Engenheiro militar, ex-presidente do Estado de Sergipe, senador federal e membro efetivo do diretrio do partido republicano conservador. de mdia estatura, de delicada compleio fsica, de grande lucidez de inteligncia cuidadosamente cultivada, e de notveis qualidades militares, brilhantemente reveladas em 1897, na campanha de Canudos. Euclides da Cunha, nos Sertes, lhe fez as mais rasgadas e justas referncias. Esteve no Acre, como pacificador e como prefeito, de setembro de 1903 a janeiro de 1904. Foi comandante da Escola Militar do Cear, da brigada policial do Rio de Janeiro, de uma brigada de infantaria no R. G. do Sul, inspetor geral da arma de artilharia e chefe da 7 regio de inspeo, comisses todas desempenhadas com grande brilho administrativo. Contava 46 anos de bons servios ptria, prestados com dedicao e superior competncia, nas douras da paz como nas agruras da guerra. scio fundador do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe e uma das glrias atuais do exrcito, onde goza de real e merecido prestgio.JOS DINIZ BARRETO- Advogado e latinista. Nasceu em Itabaiana a 18 de maio de 1845, bacharelando-se em direito no Recife. Foi lente de latim do ginsio pernambucano, recebendo depois o ttulo de doutor, pela faculdade de direito, para onde entrou como lente substituto. Homem de superior inteligncia e de grande erudio, foi distinto advogado em Pernambuco, assim como colaborador emrito de vrios peridicos. Publicou em 1882 Explicaes dos Lusadas e diversos outros trabalhos. Faleceu em Olinda a 29 de setembro de 1892, contando apenas 47 anos de idade.JOS DINIZ VILAS BOAS Vive em S. Cristvo, onde se entrega com vantagem s lides jornalsticas. homem de lcida inteligncia.JOS ELOI PESSOA DA SILVA Tenente-coronel. Foi o primeiro administrador que teve Sergipe, depois da independncia do Brasil. Foi nomeado pelo Labatut, em nome do Imperador, a 15 de novembro de 1822, tomando posse em S.Cristvo a 22 do mesmo ms e ano. Presidiu depois a Provncia em 1837.JOS FIEL DE JESUS LEITE Magistrado, orador e jornalista. Nasceu em Laranjeiras, mais ou menos em 1843. Formando-se em direito no Recife, voltou terra natal, onde foi advogado, procurador fiscal da fazenda, lente de histria e deputado provincial. Dedicando-se ento magistratura, foi promotor pblico, juiz municipal e juiz de direito, homem de grande lucidez de inteligncia, em histria erudito, orador assaz fluente e desde os verdes anos jornalista, colaborou em diversos peridicos e redigiu a Faculdade do Recife, o Jornal de Sergipe, A atualidade, O cidado e a A voz do povo. Faleceu em Alagoas a 11 de maio de 1890. era de baixa estatura e de franzina constituio, com srio defeito em uma das vistas.JOS FERREIRA SOUTO Bacharel. Foi o 19 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 30 de outubro de 1846.JOS FRANCISCO DA SILVA, Zuca Artista. Nasceu em Japaratuba, mais ou menos em 1835. Conhecido em Sergipe pelo nome de Zuca, um dos mais notveis artistas sergipanos. Sobremodo curioso, com decidido gosto para a pintura e sobretudo para as artes mecnicas, ele entendia de todas elas, tudo fazendo com percia e arte. Era o homem dos sete instrumentos. Em Aracaju, no carnavalesco Club Cordovinico, criou fama, que se espalhou por todo o Estado. Seu carro Aurora, no carnaval de 1896, era de grande valor artstico. Na Exposio Nacional exps um quadro, que lhe valeu uma medalha de ouro. Foi Europa, para tornar realidade uma mquina de costura de sua inveno, a qual recebeu o nome de Zuca. Dela tirou brevet em Paris. Mas no lhe serviu de nada e sim para enriquecer estrangeiros sem escrpulos e espertos. Voltou da Europa desanimado, em 8 de fevereiro de 1879. Foi aprendiz de ourives, fogueteiro, soldado, industrial e alfaiate. Neste ltimo posto, em Laranjeiras, chegou a ser a melhor tesoura. E como voluntrio, durante a guerra contra o Paraguai, prestou reais servios, ocupando o posto de alferes, pois tinha essa patente na guarda nacional. Voltando desanimado a Sergipe, depois de sua longa peregrinao pela Europa e pelo Rio de Janeiro, passou a viver humildemente em Aracaju, onde faleceu em avanada idade, mais ou menos em 1900. Era um homem alto sem grande robustez fsica, de grande e no cultivada inteligncia, dotado de superiores e raras qualidades de carter.JOS FRANCISCO DE MENEZES SOBRAL Padre. Presidente da Provncia. Tomou posse a 4 de maio de 1831. Era conselheiro do governo.JOS FRANCISCO DE CARVALHO NOBRE Advogado. Nasceu em Sergipe, mais ou menos em 1855, formando-se em direito em S. Paulo em 1860. No 5 ano acadmico publicou um romance histrico, que no foi muito bem recebido pela crtica acadmica. Era de baixa estatura e franzina compleio, muito moreno. Casou-se como estudante. No abandonou o seu co de fila. Gostava de caa. Tinha um gnio pouco comunicativo. Residia na Faxina, em S. Paulo, mudando-se depois para o sul do pas.JOS FRANCISCO DE MOURA Oficial superior da marinha. Nasceu em Japaratuba, a 23 de janeiro de 1869, alistando-se na marinha em 1887. Foi promovido a 2 tenente em 1891; a 1 tenente, em 1892; a capito-tenente, em 1894; a capito de corveta, em 1906; a capito de fragata, em 1913. Foi o nmero um na sua turma de guarda-marinha, em 1890, sinal evidente de grande merecimento intelectual. Foi imediato do Barroso e do Tamoio, comandou o Santa Catarina, serviu trs anos na flotilha de Mato Grosso, foi capito do Porto de Sergipe e inspetor do arsenal de marinha do Par.JOS GOMES DA CRUZ Capito-mor por carta rgia de 4 de abril de 1763. Administrou at 1776, sendo substitudo por Bento Jos de Oliveira.JOS GONALVES BARROSO Presbtero, latinista e grande orador. Nasceu em Laranjeiras a 21 de maro de 1821. Abraando a vida religiosa, foi presbtero secular e vigrio colado na matriz de S. Cristvo. Antes, porm, de se ordenar, obteve por concurso a cadeira de latim da cidade da Capela, ocupando-a com destaque e brilho. Em S. Cristvo regeu depois a cadeira de filosofia, na qual se jubilou. Vigrio geral em Sergipe, pediu demisso, para poder pleitear uma cadeira na Assemblia provincial. E a esteve durante dois decnios, porventura como o seu mximo representante na tribuna. Depois de uma calorosa sesso, em que s ele era toda a oposio, eu o vi entrar em casa de meu av, (o comendador Travassos), cheio ainda de calor do debate, sustentando com a grandeza de sua inteligncia genial, em referncia aos Britos, os homens ricos e melhores da terra: Comendador! Havemos de vencer e libertar nossa terra do domnio desta gente. Havemos de vencer, porque do nosso lado que est o dom divino da inteligncia pelo progresso humano, contra o obscurecimento dos ignorantes opressores. Era um lutador. Homem superior na inteligncia e na erudio, latinista afamado, foi orador eminente na tribuna parlamentar, como pregador exmio na sacra tribuna. um dos maiores pregadores sergipanos, talvez igualado apenas por S. Ceclia. Esteve em 1866 e 1867 no Rio de Janeiro, onde confirmou plenamente os seus brilhantes dotes oratrios, e onde regeu superiormente, no colgio Santo Antonio, as cadeiras de latim e de filosofia. Faleceu em S. Cristvo a 17 de setembro de 1882. Era de cor morena, de regular estatura e de vigorosa constituio. Possua a comenda de Cristo. Publicou apenas dois discursos parlamentares e deixou inditos muitos sermes e oraes sagradas. Um seu contemporneo, ainda vivo, diz-me que nele havia o desequilbrio das altas inteligncias, em que o bom senso quase sempre prejudicado consciente e inconsciente. Seja como for, o vigrio Barroso uma das guias sergipanas.JOS HERMENEGILDO PEREIRA GUIMARES Mdico jornalista e notvel propagandista republicano. Homem de superiores qualidades intelectuais e morais, foi candidato do partido republicano na ltima eleio geral da monarquia e tambm representante do dito partido, no congresso republicano brasileiro. Pelas colunas do O Laranjeirense e do O Republicano combateu energicamente o antigo regime, como convencidamente defendeu a Repblica.JOS INCIO DE BARROS PIMENTEL Clnico. Nasceu em Maruim a 20 de julho de 1832, formando-se em medicina na Bahia em 1857. Fez depois concurso brilhante, sendo em 1859 nomeado para o cargo de opositor de uma das seces da faculdade mdica baiana. Prestou valiosos servios mdicos em 1855, por ocasio do clera na Bahia, e em 1864, por ocasio da guerra do Paraguai. Renunciando o lugar de lente, estabeleceu-se como clnico em Montevidu, onde adquiriu fundas amizades e invejvel reputao profissional. Atacado de sria enfermidade, embarcou para o Rio de Janeiro, onde faleceu a 29 de setembro de 1888. Era cavaleiro de Cristo, em ateno aos servios prestados no Paraguai. S escreveu a tese de formatura e a de concurso. Baixo na estatura mas vigoroso na constituio fsica, jovial e puro, tinha ao seu dispor notveis qualidades de corao. Era um homem distinto.JOS JOAQUIM GEMINIANO DE MORAES NAVARRO Presidente da Provncia. Tomou posse a 29 de outubro de 1833. Homem de grande inteligncia e ilustrao, dotado de excelentes predicados morais, sergipano de nascimento, conseguiu fazer uma patritica administrao, imitando assim o seu ilustre antecessor. Deixou o governo em comeos de 1835. Em sua administrao foi impresso o primeiro jornal da Provncia, Noticiador Sergipense.JOS JOAQUIM PEREIRA LOBO Oficial superior do exrcito. Nasceu em S. Cristvo a 22 de janeiro de 1864, alistando-se no exrcito em 1882. Foi alferes-aluno em 1889; 2 tenente de artilharia, em 1890; 1 tenente por servios relevantes, nesse mesmo ano; capito, em 1893; major, em 1908; tenente-coronel por merecimento, em 1911. Bacharel em matemticas e cincias fsicas, engenheiro militar, ex-fiscal do 3 regimento de artilharia. de regular estatura, bastante inteligente e dedicado com ardor s mltiplas exigncias da profisso. Foi vice-presidente de Sergipe, tendo exercido a presidncia em 1897, durante o impedimento do presidente eleito, Dr. Martinho Garcez; foi fiscal da fortaleza de Santa Cruz, e diretor da colnia militar de Iguass, cargos que desempenhou com dedicao, honestidade e patriotismo. Homem de grande atividade, geralmente estimado em todo o meio em que se apresentava, s tem virtudes, quando analisado no ponto de vista moral. um filho que honrar sabe a ptria que lhe serviu de bero. Atualmente representa o seu Estado no Senado Federal.JOS JOAQUIM RIBEIRO DE CAMPOS Bacharel. Sendo 3 vice-presidente, assumiu a presidncia a 22 de fevereiro de 1882.JOS JORGE DE SIQUEIRA Poeta inspiradssimo. Nasceu em Laranjeiras a 1 de fevereiro de 1845, formando-se em direito no Recife, onde foi companheiro de Tobias Barreto, de Castro Alves e de Fagundes Varela, e como eles poeta de grande valia e popularidade. Esprito to lcido quanto retrado, descrente porventura das coisas do mundo, no chegou a reunir em volume as suas inspiradas composies, espalhadas pelos jornais de Pernambuco umas e inditas outras. Faleceu em Itabaiana flor dos anos, em 4 de janeiro de 1870. No tinha ainda um quarto de sculo de existncia. E do seu espolio literrio, com o Dr. Adolfo Generino dos Santos, consta um volume de Poesias, dividido em trs partes Nymphas&, Solfatara e Stradivarios. No Liberal Acadmico, de que foi o principal redator, existem vrias das suas composies. Ao general Jos Incio foi negada sepultura em sagrado, e Jos Siqueira lhe dedicou ento uma herica poesia O general das massas, cujo final o seguinte:Curvai-vos e passai. O p revoltoDessa tumba modesta a resguardadaUrna pejada de centelhas de astros.Aos ps dela rastejam reis da terra.Subiu to alto quanto sobe o apstoloQue em mos tem da verdade o grande lbaro!Sua prpura? o palio da cincia.Seu verbo grandioso? a liberdade.Curvai-vos e passai... Seu nome agoraIde segui-lo do equador ao trpico.Deste oceano aos Andes perguntai-o.Pedi-o histria e de Bolvar aos filhos.Qual foi seu nome? O General das Massas.Passai como o silncio ante esse morto...As estrelas do cu velam-lhe o sono,As estrelas da glria o iluminam!JOS LEANDRO MARTINS SOARES Advogado e literato. Nasceu em Pacatuba a 5 de maio de 1836. Depois de freqentar 3 anos o seminrio de Bahia, a fim de se ordenar, seguiu para o Recife, onde se formou em direito em 1869. Foi advogado em Sergipe e depois em Alagoas, procurador dos feitos da fazenda, deputado Assemblia sergipana, da qual chegou a vice-presidente, chefe de polcia e vice-presidente da Provncia, duas vezes em exerccio, em 1880 e 1881. Homem de lcida inteligncia, com grande amor s belas letras, foi poeta distinto e jornalista muito apreciado. Quando acadmico, fundou e redigiu A idia e o Liberal acadmico. Tambm redigiu a Arcdia Pernambucana e o Eco Liberal, peridicos nos quais se encontram muitas poesias suas. Escreveu um romance de costumes As duas vtimas. De regular estatura, seco de corpo, louro, pensativo sempre, dotado de nobres predicados de carter, tinha talvez um ponto fraco era um tanto vingativo. No lhe sei a data do passamento, que suponho se ter dado em Vila Nova, onde ultimamente residia.JOS LORENO DE MAGALHES Mdico distintssimo. Nasceu na Estncia a 11 de setembro de 1831, formando-se em medicina na Bahia. Indo ento Europa, ouviu com amor as maiores sumidades mdicas da Frana e da Alemanha. Foi especialista em molstias dos olhos, sem porm descurar os outros ramos da medicina. Fez estudos acurados sobre as febres que mais assolam o Brasil e descobriu um processo para a cura da morfa, estabelecendo para tanto um instituto modelo em Cascadura (subrbio do Rio de Janeiro). Homem de superior inteligncia e de vasta cultura mdica, alto na estatura e na constituio delicado, escreveu muito sobre vrias questes de medicina, tanto em portugus como em francs. Era membro titular da academia de medicina e scio de vrias associaes. Dentre as suas publicaes podemos citar: Do Glaucoma, Das febres palustres em Sergipe, Da oftalmologia dos recm-nascidos, A morfia no Brasil, A morfia contagiosa?, Questes de Higiene, Saneamento da Capital Federal, Considrations sur la lpre au Brsil e vrios escritos em revistas nacionais e estrangeiras, sobre patologia, teraputica e higiene. Seus trabalhos sobre oftalmia, febre e lepra so considerados de grande validade profissional. Faleceu em S. Paulo em 1911.JOS LUIZ COELHO E CAMPOS Magistrado. Nasceu em Sergipe a 4 de fevereiro de 1841, formando-se em direito no Recife. Abraando logo a magistratura, foi durante algum tempo promotor em Capela e Japaratuba. Atirando-se carreira poltica, foi diversas vezes deputado provincial em Sergipe e por fim deputado geral, at proclamao da Repblica. Continuou depois a representar o Estado, sendo mais tarde eleito senador, e, por fim, em outubro de 1913, nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal. Homem de regular estatura e de delicada compleio fsica, com grande lucidez de inteligncia e profunda cultura jurdica, goza no Senado, como goza no Supremo e em todo o pas, de alta estima e considerao, pela sua notvel cultura intelectual, revelada sucessivamente em brilhantes pareceres e discursos, muitos deles publicadas em avulso. No Congresso Jurdico Americano, reunido no Rio de Janeiro, representou o Senado, sendo um dos vice-presidentes do grande centro jurdico.JOS MARIA GOMES DE SOUZA Poeta lrico inspirado. Nasceu na Estncia em 1837, onde foi a princpio farmacutico prtico e depois inspetor da tesouraria provincial. Abandonando o pblico funcionalismo, fixou residncia na Bahia e depois em Minas. Homem dotado de grande inteligncia e de notvel fora de vontade, poeta sobremodo inspirado, publicou em 1868 um volume de poesias, a que deu o nome de Estncias, e em 1892 um outro, tambm de versos, denominado Mocidade e velhice. Faleceu em extrema pobreza em 1893, na cidade de Barbacena. A seguinte composio d idia do seu valor como poeta:A palavraO que s tu, o que s tu, alto prodgio,Que, pousando no barro, o barro ergueste altura do Increado?Quem s, que aos astros a carreira estorva?Quem s, que fazes redivivo erguer-seO Lzaro prostrado?Tu que dos lbios de Moiss fulmineosCaste ungida de eternais verdadesAo clandor da procela?Vens de um a outro sculo rompendoAo travez das runas e extermnioSempre inclume e bela?s bela quando cintilante trasNo Senado de Roma, e a fulminasA traio e o traidor.s bela quando inspiras-te de cleraE irrompes dalma apaixonada e livreDe Cato, o censor.Crias tronos e tronos despedaas,Do povo as iras de improviso acendes,De improviso subjugas;Qual do Senhor voz ruge a procelaE de sbito para, amenizandoDo oceano as rugas!Podes por cima dos longnquos mares,Levar o fio eltrico instantneo,O pensamento escrito!Ao cadver de um sculo passadoS tu podes dizer surge e caminha!Parodiando o Cristo!E eu vejo erguer-se o sculo futuro,Como uma salamandra gigantesca,Inundado de luz!E a nossa gerao purificadaQuebrando o sabre, bendir somenteA palavra e a Cruz!JOS MARIA MOREIRA GUIMARES Oficial superior do exrcito. Nasceu em Laranjeiras a 4 de novembro de 1864, alistando-se no exrcito em 1882. Foi alferes-aluno em 1889; 2 tenente de artilharia, em 1890; 1 tenente por servios relevantes, nesse mesmo ano; capito, em 1891; major do Estado Maior, em 1908; tenente-coronel de cavalaria por merecimento, em 1911. Bacharel em matemticas e cincias fsicas, ex-deputado federal, engenheiro militar e antigo instrutor, por concurso, da extinta escola de tiro no Realengo. de alta estatura e de robusta constituio, de grande lucidez de inteligncia e de notvel cultura literria e cientfica. Com um jeito especial para as lnguas vivas, fala fluentemente o alemo, o japons, o francs e o ingls. Com decidida vocao para as belas letras, fala com eloqncia e escreve com correo. Foi orador da sociedade nacional de geografia e como tal, no tmulo do Baro de Paranagu, fez um discurso que uma verdadeira jia literria. Tem feito muitos outros discursos e conferencias, como publicado tem excelentes artigos literrios, cientficos e profissionais na imprensa diria. Suas composies poticas so tambm inspiradas e artsticas. Serviu legalidade com bravura em 1893. Fez a guerra russo japonesa, como adido militar brasileiro, adquirindo assim a respectiva medalha de ouro. em suma um oficial que honra a classe e um cidado que enobrece a ptria. Seus livros so os seguintes: Noes de artilharia, Escritos militares, Disciplina militar e liberdade humana, Jogo da guerra, No extremo oriente e Estudos e Reflexes. O prlogo dos Estudos, a seguir, d uma boa idia do escritor:Primeiras palavrasPara a apresentao deste livro sou inquestionavelmente suspeito, uma vez que sobre ele no posso emitir opinio. Mas seria exigncia demasiada, seno absurda e ilgica, essa de me revestir de absoluta imparcialidade para dizer diante do pblico do valor de um trabalho que fruto de meu esforo.Certo, ser-me-ia fcil aqui o declaro sem louvores que me no cabem conseguir valiosa recomendao de algum amigo de renome na literatura ptria. E ento, sem a menor dvida, esta obra que denomino Estudos e reflexes, seguiria triunfante conquistando, pela sinceridade que ma inspirou, admiradores por toda a parte.Alenta-me por conseguinte a convico de que fiz mal escrevendo, de meu prprio punho, estas linhas...Com esse mal, entretanto, serei recompensado pelo bem que h de fazer-me a crtica, mediante os seus conselhos, ensinando-me, abrindo-me as largas estradas por onde se caminha iluminado pelo sol vivificante da verdade.JOS MARIANO DALBUQUERQUE CAVALCANTI Tomou posse da presidncia da Provncia a 19 de janeiro de 1837. Foi o oitavo presidente de Sergipe.JOS MARTINS FONTES magistrado. Foi presidente da Provncia em 1877 e juiz de direito em Itabaiana e Riachuelo. Era um magistrado de talento, sobremodo ntegro, formado em direito. Era natural de Sergipe.JOS MATEUS DE AGUIAR CARDOSO Socilogo e professor. Nasceu em Divina Pastora a 26 de abril de 1864, formando-se em direito no Recife. Irmo de Fausto Cardoso. Homem de msculo talento e de notvel cultura jurdica, lente de sociologia e moral do instituto nacional superior do Amazonas. Foi em tempo magistrado em Sergipe, no Rio e por fim no Amazonas, onde faleceu a 2 de maio de 1895, contando apenas 31 anos de idade. S deixou publicado um folheto O Problema do sculo, erudita introduo a um livro indito.JOS MATEUS LEITE SAMPAIO Sergipano muito notvel, conforme ao que se me informa. Nada mais, porm, me possvel adiantar por ora a seu respeito.JOS PEREIRA DA SILVA MORAES Bacharel em direito. Foi o 33 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 1 de fevereiro de 1866.JOS PEREIRA DE ARAJO Fra capito-mor em 1727. Inimigo pessoal do ouvidor Antonio Soares Pinto, no pde por isso mesmo fazer governo capaz. Sua administrao foi uma srie de denncias ao governador.JOS PEREIRA FILGUEIRAS Grande na fora fsica. Nasceu em Santo Amaro, provavelmente em comeo do sculo passado. Sua fora fsica era tal que, uma vez, passando sobre uma barana, segurou-se aos galhos da rvore e, com as pernas apenas, suspendeu do solo o cavalo em que montava. No sei se ser o mesmo que, capito-mor, enche a crnica cearense do primeiro quarto do sculo dezenove.JOS PINTO DE CARVALHO Agricultor. Presidente da Provncia. Tomou posse a 4 de fevereiro de 1833.JOS RODRIGUES DA COSTA DRIA Mdico e professor. Nasceu em Propri a 25 de junho de 1859. Formando-se em medicina na Bahia, em 1882 fixou residncia em Laranjeiras, de onde saiu em 1885, para ocupar, por concurso brilhante, o cargo de adjunto de medicina legal na Bahia. Fez depois concurso para a cadeira de patologia, sendo por fim, em 1892, catedrtico de botnica e zoologia. Tambm foi lente de medicina legal na faculdade livre de direito da Bahia. Em 1896 foi eleito membro do conselho municipal baiano e, no ano seguinte, deputado federal por seu Estado natal. Reeleito sucessivamente, em 1908 foi escolhido para reger os altos destinos do Estado, tomando posse em 24 de outubro do mesmo ano. A prestou ao Estado relevantes servios econmicos, administrativos e polticos. Foi o 7 presidente de Sergipe. Homem de grande lucidez de inteligncia e acentuada cultura profissional, importantes estudos h escrito nas revistas de medicina, na Gazeta Mdica da Bahia sobretudo. Em 1897 publicou em folheto um dos seus discursos na cmara dos deputados.JOS SIZENANDO AVELINO PINHO Mdico. Nasceu em Vila Nova em 1819. Formou-se na Bahia, a princpio em farmcia e logo depois em medicina. Foi clnico em Alagoas e depois na antiga Provncia do Rio de Janeiro, onde diversas vezes foi eleito deputado provincial. Faleceu em Cantagalo a 16 de junho de 1882. Escreveu, alm da tese de formatura, Apontamentos para a topografia fsica e mdica de Macei.JOS SOTERO VIEIRA DE MELO Magistrado. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito no Recife. Abraando a magistratura, homem de rara constituio moral, foi sucessivamente subindo de posio, at chegar ao alto cargo de desembargador, presidente do Tribunal da Relao de Sergipe. Depois de aposentado, entregou-se agricultura, h pouco tempo. scio do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano.JOSINO MENEZES Poltico influente. Nasceu em Laranjeiras, mais ou menos em 1866, formando-se em farmcia e anos depois em direito. Dedicando-se poltica, foi secretrio geral do Estado, deputado estadual, deputado federal e por fim o 5 presidente do Estado, empossado a 24 de outubro de 1902. Homem de regular estatura e de robusta constituio, inteligente e culto, patriota e nobre, tem prestado terra natal reais e utilssimos servios. Presentemente vive no Rio de janeiro, um tanto afastado da poltica partidria. Tem sua folha de servios dois feitos brilhantssimos: abolicionista extremado, bateu-se violentamente pela abolio, na tribuna e no jornal; republicano ardoroso, foi acrrimo defensor da idia em Laranjeiras e em Penedo. Fundou o Laranjeirense e O Republicano, dos quais foi redator de prestgio, em defesa quelas grandiosas idias. Tambm colaborou no O Horizonte, na Unio Liberal e em vrios outros peridicos.JOVINIANO ROMERO Orador, mdico e poltico de fama. Nasceu em Sergipe em 1857 e era irmo de Silvio Romero. Formando-se em medicina na Bahia em 1881, foi poltico militante em Sergipe, no antigo 2 distrito (sul da ento Provncia), onde gozava de extraordinria influncia, por seu tino verdadeiramente superior. Foi mdico de grande cultura e rara sagacidade, e deputado provincial influente em vrias legislaturas. Em 1885 foi eleito deputado geral, mas ao chegar Cmara, foi esta dissolvida 48 horas depois. Reeleito em 1889, chegou ao Rio a 14 de novembro, vspera da proclamao da Repblica. Abandonou ento de vez a poltica, no mais voltando a Sergipe. Fixou residncia no Rio de Janeiro e a faleceu anos depois. Era homem de superior talento, de notvel cultura e com uma queda especial para a palavra falada. Orava muito bem. Como escritor, era dotado de uma verve especial.JUSTINIANO DE MELO E SILVA Professor e jornalista. Nasceu em Laranjeiras a 8 de janeiro de 1853. Comeou sua educao literria naquela cidade, concluindo-a depois em Pernambuco. Regressando a Sergipe em 1871, obteve por concurso a cadeira de ingls do Ateneu sergipano. Tinha ento 18 anos de idade. Em 1874, por motivo de molstia, fez uma viagem ao sul do Brasil, indo tambm s repblicas do Prata. E em sua volta, em 1876, foi nomeado secretrio do governo do Paran. A lecionou vrias disciplinas no instituto paraense, foi nomeado lente de pedagogia da Escola Normal e por fim eleito deputado provincial durante quatro legislaturas. Voltando a Sergipe, continuou no magistrio, lecionando mais tarde histria universal e da civilizao. Homem de lcido esprito e de grande saber, se bem que um tanto desequilibrado, dedicou-se com vantagem s belas letras, ao jornalismo especialmente. Redigiu no Paran vrios jornais e revistas, sobretudo o Jornal do Comrcio e a Revista Azul, e escreveu as seguintes obras: Leis da educao, Direito constitucional, O amor materno, Histria da revoluo do Paran em 1894 Fetichismo e idolatria. Do seu estro, maneiroso e suave, tem-se uma brilhante mostra, na composio potica a seguir:Corre!Da noite no sepulcro achaste flores,Perla de amor no pranto das auroras...E reclinada num leito de venturasTu sonhaste com Deus bem longas horas.Correste... Nuvem rsea do horizonteVeio na fronte leda te beijar...E sempre a virgindade, louro sonho,Nas gazes de tua alma a doudejar!Sorriste, os lumes todos se extinguiram.Sorriste... os astros todos palpitaram!Entre as nvoas da terra errantes sombrasNos bafos de teus lbios se ebriaram.Nos ombros as madeixas flutuavam...Nos seios, a inconstncia das esferas...A ternura das auras no faltava,Era a festa gentil das primaveras.Quiseram que falasse... melodiasDos cus, do mundo vieram te ameigar...O mundo deu-te o riso da esperana,O cu deu-te os mistrios do luar.Corre... que os anjos todos te procuram...Nas alfombras do cu no vs sonhar!Nas dlias deste templo h resplendores,Podes... vem no meu peito ressonar.Nas praias deste amor as conchas douroNum dia azul mimoso encontrars,Da inocncia a flor se abrindo trmula,Seus perfumes singelos sentirs.Corre. A onda mansa, a terra muda,Ali na igara Leste remador...Os descantes da noite se finaram,Bebem da brisa os mares, o frescor.Nessa carreira louca da existnciaNo vs as crenas dalma assim perder... Sonmbula na volpia desviada, Mariposa na chama a fenecer.Oh! pra! Tantas almas te contemplam,Tanta lava guardada a se aquecer...Abre teu peito s vagas do infinito,Vem neste vcuo imenso te conter!JUVNCIO DE SIQUEIRA MONTES Empregado pblico. Nasceu em S. Cristvo a 5 de junho de 1856, fazendo com brilho seus preparativos no Ateneu Sergipense. Destituindo de recursos, fez-se empregado pblico, como arquivista da tesouraria provincial. Mais tarde foi escriturrio da mesma repartio, e depois secretrio da instruo, professor particular de vrias disciplinas, 2 escriturrio da Alfndega por concurso. Perdeu, porm, este lugar, por terem suas provas sido injustamente inquinadas de cola, pois revelavam uma habilitao de que no o julgavam capaz. Passou ento a secretrio na tesouraria da fazenda de Sergipe, depois a 3 escriturrio do Tesouro Nacional, por fim a inspetor da Alfndega do Cear. A subiu de cotao; foi logo conferente da Alfndega da Bahia e depois 2 escriturrio do Tribunal de Contas. Demitido desse emprego, atirou-se ao magistrio particular no Rio de Janeiro, onde faleceu a 25 de setembro de 1906. Era homem de grandes qualidades intelectuais.LLADISLAU PEREIRA BARRETO Mdico. Nasceu na Estncia, a 27 de junho de 1862, formando-se em medicina no Rio de Janeiro. Clinicou vantajosamente em diversos Estados do Brasil, fixando por fim residncia em uma cidade do interior de S. Paulo. Faleceu na capital desse Estado, a 30 de setembro de 1899. Homem de grande talento e vasto saber profissional, deixou vrios trabalhos, entre os quais avultam Jesus Cristo perante a cincia, A tuberculose e o seu tratamento (indito) e o Formulrio Mdico (tambm indito). Consta-me que ainda escreveu sobre partos, porventura no seu livro indito Memorial Prtico do Cirurgio. Como estudante foi endiabrado, com a alcunha de Z Nabo, no velho Ateneu, onde estudou humanidades: no abandonava ento o riso nem a pandega. Apesar de tanto, foi sempre excelente estudante.LAUDELINO FREIRE Advogado e professor. Nasceu na cidade do Lagarto a 26 de janeiro de 1873, ali mesmo iniciando os seus estudos, sob a direo habilssima do notvel educador Baltazar Ges. Em 1890 alistou-se no exrcito, como aluno da Escola Militar, onde fez o curso completo de matemticas. Cursava o 2 ano do curso geral em 1893, ano em que seria nomeado alferes-aluno, quando resolveu trocar a carreira das armas pela do magistrio, sendo ento nomeado professor adjunto do Colgio Militar do Rio de Janeiro, onde atualmente conceituadssimo catedrtico de aritmtica e geometria. Formou-se logo depois em direito, dedicando-se tambm advocacia. Em 1895 foi eleito deputado Assemblia de Sergipe, sendo reeleito nas duas e seguintes legislaturas. Homem de regular estatura e regular compleio fsica, nas qualidades nobres e nos feitos valorosos, com grande inteligncia e cultura literria e filosfica, membro do instituto da ordem dos advogados, vice-presidente da enciclopdia nacional de ensino e scio correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. Sua obra intelectual farta e slida. Durante um lustre foi redator em chefe da Revista Didtica, oficial publicao do colgio militar, e v de roda, a lhe engrandecer a brilhante folha de servios, as seguintes e valerosas unidades, cronologicamente enumeradas: Escritos diversos, Corografia de Sergipe (prefaciada pelo Baro do Rio Branco), Histria de Sergipe, Silvio Romero, Linhas de Polmica, Um crtico e um poeta, Histria do Brasil, Sonetos Brasileiros, Discurso Oficial, Ensaios de Moral, Os processos da crtica e Estudos de filosofia e moral. um dos mais operosos escritores sergipanos na atualidade. Da sua feio literria um bom exemplo se tem com a seguinte transcrio, dos seus Ensaios de Moral:A moral entre os grandes filsofosComo conjunto de princpios, como sistema organizado para regular a conduta dos indivduos e da sociedade a moral a criao da filosofia clssica. To antiga quanto o homem, foi em sua origem uma fmula da religio e um dos objetos imediatos das crenas e dos dogmas. Era sempre um Deus, ou qualquer princpio emanado do cu que regulava as aes; inadmissvel seria ento um Deus estranho e indiferente conscincia moral do seu povo. Revestida do carter sobrenatural, passava da religio poltica e da poltica poesia. Quando na histria surgiu o pensamento helnico, ela sem perder as primitivas formas mstica, poltica e potica - embebida ainda das velhas cosmogonias, passa s mximas da sabedoria gnomica e a ser tambm assunto de opinies isoladas de um Demcrito ou de Pitgoras. Nessa poca absorviam-se os pensamentos no estudo da natureza, ficando de lado quaisquer indagaes referentes psicologia humana. Era o domnio da cosmologia. Confundindo os sofistas com o seu esprito de observao, Scrates foi o primeiro que tratou de trazer ao mesmo plano dos estudos do mundo exterior, os estudos sobre a natureza do homem; e na sua filosofia que a moral adquire foros de cincia.LEANDRO BEZERRA MONTEIRO Advogado. Nasceu no Cear, mais ou menos em 1835, formando-se em direito em Pernambuco, em 1858 aproximadamente. Indo durante as frias a Sergipe, em companhia de Leandro Maciel, consorciou-se na famlia deste sergipano. Montou escritrio de advocacia na Vila do Rosrio, com ao continua em Maruim, Laranjeiras, Capela e Japaratuba. Para a legislatura de 1861 a 1863, auxiliado igualmente por liberais e conservadores, foi eleito deputado geral sergipano. Terminado o mandato, entregou-se na Provncia do Rio de Janeiro advocacia e lavoura. Faleceu h pouco com a avanada idade de oitenta anos. Era de regular estatura, de delicada constituio fsica, cheio de bons predicados intelectuais e morais. Havido era um conservador primoroso e inimitvel.LEANDRO DINIZ DE FARO DANTAS Engenheiro e industrial. Nasceu em Pacatuba, formando-se em engenharia. Abolicionista extremado e republicano convencido. Fez parte do clube republicano de Laranjeiras e do grupo de Itaporanga e dedicava-se com afinco vida agrcola e industrial.LEANDRO RIBEIRO DE SIQUEIRA MACIEL Poltico influente. Nasceu em Sergipe, formando-se em direito no Recife. Homem alto e de fraca constituio, cheio de vontade e de inteligncia, representou Sergipe na cmara dos deputados do Imprio e depois no Senado da Repblica nos ltimos anos de sua existncia atribulada. Foi um lutador adestrado, com decidido tino prtico.LEOPOLDO AMARAL Poeta. dos voluntrios guerra contra o Paraguai. Nasceu na Estncia e homem de superior inteligncia, dedicado com brilho s belas letras. A seguinte composio d idia do seu valor como poeta:Lembro-me aindaEras criana... eu tambm...E nessa quadra risonha,Quem no sente amor, no sonha,Quem no nutre uma iluso?...Quem no tem na terra um anjo,Que ao porvir lhe guie os passos,E do amor nos brandos laosLhe cative o corao?Eras criana... eu brincavaCoas tranas dos teus cabelos,To negros, meu Deus! To belos,Lustrosos como o cetim...Ai! quantas vezes, sorrindo,Pegava deles... do pente...Penteava-os docemente,Pedia um cacho pra mim...Eras criana... te lembras?E, tu ficavas... zangada...Fugias toda apressada,Sem me dizer sim ou noE eu corria a buscar-te:E, tu de mim te escondias;Se te encontrava sorrias...E eu te lia o corao...Eras criana... inocente.Como o jasmim da floresta,Nas quentes horas da sestaA debruar-se gentil...Eras a branca aucenaDe maio nas madrugadas;A mais formosa das fadas,Que vira o sol do Brasil...Eras criana... me lembra,Eras tu a minha estrela:A viso querida e belaQue velava os sonhos meus...Sentada sobre o meu colo,Assim de branco vestida,Me matavas, davas vida,No volver dos olhos teus...Eras criana... uma tarde,Eu tocava os teus cabelos.Nunca, ento com tanto zeloMe pulsara o corao...Era bela a natureza;Corria perto um regato;Eu pintei o teu retratoAo tanger de uma cano...Eras criana... te lembras,Como eras feiticeiraDesta vez, a vez primeiraQue me inspiraste... a huri?...Que fizeste destes versos,De to ingnua poesia,Cheia de tanta harmoniaQue s dei a ler a ti?Eras criana... eu tambm...Mas ao longe ruge a guerra,Corro a vingar minha terra,A enobrecer-me ou morrer...Meu pai me deu uma espadaJurei fazer-te rainha.Juraste ser minha, Aninha,Teu Germano eu jurei ser.Eras criana... hoje s moa...Quem sabe um s momentoTe vir ao pensamento,Essa quadra to gentil?Inda s a mesma aucenaDas madrugadas de maio,Que por ver-te em teu desmaioTe beija o sol do Brasil?...LEOPOLDO DORTAS DO AMARAL Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe, a 27 de outubro de 1869, verificando praa no exrcito em 1886. Matriculando-se na Escola Militar, foi promovido a 2 tenente de artilharia em 1897; a 1 tenente, em 1897; a capito de engenheiros, em 1903; a major, em 1913. bacharel em matemticas e cincias fsicas, engenheiro militar, com o curso das armas e do Estado Maior. Em 1893 bons servios prestou causa legal. de regular estatura e forte constituio fsica.LIBRIO DE SOUZA MONTEIRO Magistrado. Nasceu no Lagarto, mais ou menos em 1868, matriculando-se em 1884 na Academia de Direito do Recife. Depois de formado, voltou terra natal, onde foi advogado, chefe de polcia e finalmente magistrado. Hoje ocupa o alto cargo de desembargador da Relao, gozando de invejvel reputao por seus talentos e conhecimentos jurdicos. um esprito forte, servido por uma organizao forte. Tem escrito pouco, mas sempre revelando lucidez de inteligncia e pureza de dico.LIMA JNIOR, Francisco Antonio de Carvalho L. J. Poeta inspirado. Nasceu em Itabaiana a 4 de junho de 1856. Foi bibliotecrio em Aracaju, no governo Felisbelo Freire. Antes, porm, havia sido professor pblico e ardoroso defensor da idia republicana, na tribuna e no jornal. Com Josino Menezes (V. este nome) fundou em Penedo um Clube Republicano e com o mesmo propagandista bateu-se valentemente pela abolio e pela Repblica, nas colunas do Laranjeirense, dO Republicano e da Unio Liberal. Homem de alta estatura e de robusta compleio, inteligente e ativo, com grande amor s belas letras, especialmente poesia, um cantor mavioso, dulcssimo. Suas composies tem um encanto especial, de que se tem um exemplo eloqente na transcrio a seguir:Um colquioVem oh! bela e feiticeira,Vem ligeira,Vem sentir-se junto a mim,Vem a mim, no temas nada,Vem oh! fada,Vem meu lindo querubim.Chega a cadeira mais perto,Para abertoTe mostrar o peito meu,Pois te quero assim sorrindo,S me ouvindoFalar-te de um novo cu.Repara bem, tem no fundoMais profundoRecanto do corao,Uma pgina de minhalmaPura e calmaEm fervorosa orao.Se no sabes por quem oraToda a horaEstalma que toda tua,Pergunta ao sol dos teus olhos,Meus abrolhos,Consulta, segreda lua.Olha alm como to bela,Luz a estrelaPeregrina do pastor!RadianteEstrela do meu amor.Vamos, anda, vem juntinho,Mais pertinho;Quando brilhas no meu cu,No sei se sonho ou deliro,Num suspiroBebendo o perfume teu.Assim que eu leve consenteDocementeTua destra aos lbios meus.Para lidar com ternuraA mais puraUm favo de mel dos cus.Mas tuas mozinhas tuasAi! recuasCom medo no sei de quem,Supes por acaso OndinaPeregrinaQue aqui nos espreita algum!No tenhas receio oh! bela,Grata estrela,Que iluminas o meu ser!Consente em tua mo breveBem de leveUm beijo puro morrer.Ora est, que mal fez isto,Pois se vistoNo foi de profano olhar!J tarde, passarinho,Busca o ninho,Que te chama a repousar.LOURENO FREIRE DE MESQUITA DANTAS Bacharel e 2 vice-governador do Estado. Tomou posse do governo a 4 de novembro de 1890.LUIZ LVARES DE AZEVEDO MACEDO Bacharel. Foi o 38 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 17 de fevereiro de 1872.LUIZ ALVES LEITE DE OLIVEIRA BELO Bacharel. Foi o 45 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 28 de julho de 1880.LUIZ ANTONIO PEREIRA FRANCO Bacharel. Foi o 24 presidente da antiga Provncia. Tomou posse de to elevado cargo a 14 de julho de 1853.LUIZ CAETANO MUNIZ BARRETO Bacharel. Foi o 49 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 7 de setembro de 1884.LUIZ FRANCISCO FREIRE Magistrado. Nasceu em Sergipe a 1 de janeiro de 1862. Formando-se em direito no Recife, abraou logo depois a magistratura, sendo a princpio promotor pblico, depois juiz municipal e por fim juiz de direito em Aracaju. Foi deputado provincial na ltima legislatura monrquica e deputado constituinte sergipana. Sobremodo infeliz em sua vida particular, faleceu, talvez de desgostos, a 14 de outubro de 1894, contando apenas 32 anos de idade. Escreveu um Projeto de Constituio do Estado de Sergipe. Era um esprito superior, cheio de grandes virtudes morais.LUIZ JOS DA COSTA FILHO Poeta e jornalista. Nasceu em Propri, a 3 de outubro de 1886. Esteve matriculado na academia de direito. Foi deputado estadual vrias vezes, e jornalista de mrito incontestvel. Publicou em 1905 as suas produes poticas Alma do Sol, Poema das Plantas e Festum Lucis e mais tarde os seguintes folhetos, de valia indiscutvel: O Governo nos Estados Livres, A Liberdade e a Igreja, O Santo Governo, Um grande sergipano, Leis e um conceito jurdico, Em prol da Alemanha, Pedro de Calazans, Memria, Aspectos Jurdicos e a Vida do Direito. Deste ltimo citamos o seguinte excerto, para se fazer uma idia do escritor:Eu afirmo que o Direito, essa fora homrica e inigualvel que tem sido at hoje a maravilha indefinvel da cultura humana, a nica forma permanente de equilbrio das sociedades; no fosse ele, mal chegariam os indivduos a se constiturem rudimentarmente em gregrios dispersos e facilmente destrutivos, quanto mais em compactos, fortes e civilizados corpos sociais, como os que nos deslumbram, sbia e naturalmente distribudos pela vasta superfcie do globo.Faltasse o Direito e no existia essa prodigiosa harmonia que regula e consolida as relaes da existncia social, relaes imprescindveis, necessrias, indispensveis, sem as quais tornar-se-ia impossvel no s a comunho poltica entre os homens e as Naes, como tambm o seu desenvolvimento, o seu progresso e o seu bem estar relativo.Costa Filho de mdia estatura mas de forte compleio. Fez-se por si prprio. Alm de notveis qualidades intelectuais, tem ao seu dispor valiosos predicados de carter. um homem honesto e nobre, major da guarda nacional, scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. A Santa F Apostlica Romana condecorou-o com uma Bno Papal, assinada por S. S. Pio X, pelos relevantes servios de ordem intelectual prestados Santa Madre Igreja. A seguinte poesia de sua lavra:Impresses do olharNingum que guarde nalma a luz de um sonho,Ou mesmo a rstia de um feliz sonhar,Poder refletir calmo e risonho,O penetrante sol de um forte olhar.Olhares de mulher, profundos, ternos,Plenos de amor e de melancolias,lgidos uns, como tufes de Invernos,Outros ardentes como claros dias,Esses que queimam a pupila, e cantamA louca estrofe das fatais paixes,Eternos vibram e seus raios plantamNos arraiais sem fim dos coraes.Olhares de mulher piedosos, puros,Das esposas, das mes, das filhas caras,Sois estrelas do Cu, fanais seguros,Nesta vida de lgrimas amras.Muito sois diferentes dos olharesDessas mulheres outras, sedutoras;Pois os vossos so feitos de luares,E os daquelas de chamas matadoras.Olhares de mulher, msticos, dceis,Pontos de luz na treva da existncia,Antes vs todos, tafues olhos, fsseisUngidos de bondade e de clemncia. Agosto 913 COSTA FILHO.LUIZ MENDES DE MORAES General. Como tenente-coronel, foi o 8 governador do Estado, havendo tomado posse a 26 de janeiro de 1891.LOURIVAL DE MENEZES SOBRAL Agricultor. Reside em Riachuelo onde goza de grande influncia e prestgio. capito da guarda nacional.MMANOEL ALVES MACHADO Professor e propagandista republicano. Nasceu em Propri em abril de 1852, indo com um ano para Laranjeiras e logo depois para Aracaju, onde fez o curso primrio e tambm alguns exames do curso secundrio. Fez depois concurso, sendo ento nomeado adjunto avulso de uma cadeira pblica. Deixou mais tarde o cargo, dedicando-se ento ao magistrio particular. Quando se pronunciou como poltico, era republicano extremado. Quis uma feita fundar um clube republicano em Aracaju, com Jos de Siqueira. E mudando-se para Propri, a propagou as idias democrticas com elevao e calor, chegando mesmo, em janeiro de 1889, a arregimentar alguns cidados que se conservaram firmes at 15 de novembro. Sua propaganda no se limitava palavra falada: pelas colunas do S. Francisco, de que era redator, muito defendeu e amparou a idia em marcha. Finalmente conseguiu fazer a proclamao da Repblica em Propri, de modo assaz regular. E logo depois, achando-se quase abandonada a cadeia da cidade, segurou uma carabina e foi, juntamente com o Dr. Davino Nomsio, montar guarda quele estabelecimento. com justia considerado um dos mais puros republicanos de Sergipe.MANOEL ARMINDO CORDEIRO GUARAN Magistrado, advogado e pesquisador rarssimo. Nasceu em S. Cristvo a 4 de agosto de 1848. Formando-se em direito no Recife em 1871, seguiu logo depois para Sergipe, onde foi sucessivamente promotor pblico, procurador fiscal do tesouro, juiz de direito, deputado provincial, chefe de polcia e juiz dos casamentos. Foi secretrio do governo no Piau e no Cear, e tambm juiz de direito e professor de latim no Piau. Na primeira organizao judiciria do Esprito Santo foi nomeado desembargador e depois, em disponibilidade, entregou-se advocacia no Rio de Janeiro, sendo mais tarde, em 1902, juiz federal no Cear, aposentando-se em 1905. Homem de grande atividade e lcida inteligncia, cheio de virtudes raras, baixo na estatura e na compleio delicado, scio fundador do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano e scio correspondente do Instituto do Cear e do Instituto Arqueolgico Pernambucano, e condecorado com o busto do libertador Simo Bolvar. Redigiu o Democrata de Aracaju, colaborou em vrios jornais do Piau, Cear, Sergipe e Rio de Janeiro. Escreveu o Vocabulrio geogrfico dos nomes indgenas de Sergipe e dois folhetos sobre questes jurdicas. Foi notvel auxiliar do escritor baiano Sacramento Blake, na organizao do seu Dicionrio Bibliogrfico, e tem em adiantada elaborao o Dicionrio Bio-Bibliogrfico Sergipano. Em 1907 foi escolhido pelo Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro para organizar o Catlogo da imprensa sergipana, para a exposio nacional de 1908, trabalho depois publicado em um dos nmeros da revista do mesmo instituto.MANUEL BAHIENSE Msico de grande inspirao em Laranjeiras, onde nasceu a 14 de junho de 1851. Verdadeiro gnio musical, teve como professor de violino o clebre padre Cipriano Chaves. E em 1866, aos quinze anos de idade apenas, era professor de msica de grande reputao em Laranjeiras, onde, quela poca, j se faziam ouvir com prazer algumas composies do menino maestro. de baixa estatura e de delicada constituio fsica, mas de superior inteligncia e com queda decidida para a arte sublime. Pauprrimo, nunca saiu de Laranjeiras, cidade de cinco mil habitantes. Mas se se tivesse educado na Itlia, mesmo no Rio de Janeiro, certo seria um dos mais clebres compositores brasileiros: porque nada absolutamente falta a esse homem, porventura feio no fsico, mas de uma beleza moral agigantada, como Hrcules na arte que dignifica e honra em toda a sua modstia e valimento. Sua marcha fnebre Pio X de grande merecimento musical. Quem a ouvir, dificilmente conter as lgrimas. Mas no lhe essa a nica composio de mrito. Em 1889, aberto o concurso para o Hino da Repblica, conquistou o 3 lugar. E nunca saiu de Sergipe. Quando houve a exposio nacional, enviou ao grande certame o Hino da Exposio, depois decretado como Hino Oficial. Quando morreu Carlos Gomes, escreveu a Marcha Carlos Gomes, oferecida ao Estado de S. Paulo: pouco depois recebia um ofcio do presidente do glorioso Estado, em agradecimento ao tributo memria do grande morto. Ainda podemos citar, entre as suas composies: Noite de Carnaval, Viva S. Joo (popularssima), Ave Maria, Dores e Flores, 52 hinos, vrias msicas sacras, dobrados, valsas, marchas, fantasias, etc., etc. Ainda vive quela mesma cidade, a ensinar piano e msica s geraes que se sucedem, e cada vez mais respeitado e mais querido dos seus alunos e dos seus admiradores. um dos grandes artistas sergipanos.MANOEL BATISTA ITAJA (Dr.) Como vice-presidente do Estado, assumiu a presidncia a 10 de julho de 1909, durante o impedimento legal do Dr. Rodrigues Dria.MANOEL BARBOSA DE ARAJO Latinista notvel. Nasceu na Estncia em 1832, onde pouco depois era professor de latim. Seguindo para Pernambuco, formou-se em direito, sendo mais tarde diretor de colgio. Tinha um jeito especial para o magistrio. E como era grande sabedor em latinidades, escreveu e publicou uns Elementos de gramtica latina. Faleceu no Recife a 21 de setembro de 1894.MANOEL CALDAS BARRETO NETO Magistrado. Nasceu a 28 de julho de 1871, na cidade de Aracaju, seguindo muito jovem para o Recife, onde se matriculou na faculdade de direito. Cursando o 3 ano, foi nomeado praticante da contabilidade da E. F. Central de Pernambuco, sendo mais tarde promovido a 2 escriturrio. Fez com brilhantismo o curso jurdico, terminando-o em 1892, com 21 anos incompletos. Deixando ento o cargo que ocupava naquela estrada de ferro, foi eleito juiz municipal do 5 distrito, Boa Vista, e depois nomeado juiz municipal do 4 distrito criminal, no Recife, vrias vezes exercendo o cargo de juiz de direito dos feitos da fazenda estadual e municipal. Recebeu estrondosa manifestao de apreo, ao sair de Pernambuco para Garar. Em 1904 foi juiz de direito do Rio Real (Sergipe); em 1908, desembargador do Tribunal da Relao de Sergipe, de que foi eleito presidente em 1912, sendo em 1913 reeleito por unanimidade de votos. Homem de regular estatura e constituio, de grande inteligncia e de notvel cultura jurdica, dotado de superiores qualidades morais, em Aracaju geralmente apontado como magistrado austero e justiceiro. Publicou vrios trabalhos jurdicos em Recife e concorreu reforma da constituio sergipana, tirando em folheto as excelentes modificaes ali apresentadas, trabalho depois promulgado pelo poder competente, como lei bsica sergipana. Nomeado membro da comisso do Cdigo da Organizao Judiciria de Sergipe, foi um dos mais provectos obreiros dessa codificao. um dos esforados fundadores do Instituto Histrico e Geogrfico Sergipano, e goza em seu Estado, como em todo o Brasil, a justa reputao de um magistrado ntegro e erudito, amigo da liberdade e da justia, da ordem e da lei. Por isso mesmo h de ocupar slida e invejvel posio na mais alta magistratura do pas. As seguintes, tomadas do Relatrio do Tribunal da Relao correspondente ao ano de 1912, do-lhe uma idia da linguagem, do estilo e do notvel saber jurdico.Miranda Souza & C., pessoa jurdica, com sede na cidade do Recife, capital do Estado de Pernambuco, credores do coronel Jos Cardoso e do farmacutico Antonio Batista Bittencourt, domiciliados nesta capital, propuseram contra estes a ao executiva cambial, para haverem o pagamento do ttulo de fls. 4. princpio constitucional, firmado na letra D do art. 60, do nosso Pacto Fundamental, que: os litgios entre cidados de Estados diversos na competncia dos Juzes ou Tribunais Federais.Este princpio de ordem absoluta no pode ser violado ou alterado pelas leis ordinrias, quer da Unio, quer dos Estados, nem a competncia a definida pode ser submetida vontade dos contratantes.V-se, portanto, da simples leitura do texto constitucional, que a ao no pode ser aforada na justia estadual, por pertencer pela situao das pessoas ao juzo federal, por sua natureza especial.E, desde que se trata de matria de competncia, que de ordem pblica, prevista pela Constituio Federal, lcito ao julgador entrar no conhecimento deste assunto conquanto no provocado por alegao dos litigantes.O Supremo Tribunal Federal, o mais elevado rgo, a quem compete dizer o direito, na ordem constitucional, tem sido uniforme na jurisprudncia de decidir, que a competncia no litgio entre os cidados de Estado diversos privativa da justia Federal.MANOEL CARDOSO DA COSTA LOBO Mdico militar cheio de servios ptria. Nasceu em So Cristvo a 26 de setembro de 1836. Formando-se em medicina na Bahia, foi cirurgio-mor da brigada do exrcito, cavalheiro de Cristo e de S. Bento, oficial da Rosa, condecorado com a medalha da campanha do Uruguai e com a da campanha do Paraguai, e membro honorrio da academia de medicina. Indo a Mato Grosso em servio profissional, voltou depois ao Rio, onde faleceu a 10 de outubro de 1890. Homem de lcida inteligncia, com grande cultura mdica, nos Anais Brasilienses de medicina publicou interessantes estudos mdicos.MANOEL CLEMENTE CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE Presidente da Provncia. Tomou posse a 15 de fevereiro de 1825. Homem honesto e prudente, construiu o palcio de S. Cristvo, calou esta e a cidade de Laranjeiras. Nada mais pde fazer, por haver falecido em dezembro de 1826.MANOEL CURVELO DE MENDONA Professor e jornalista. Nasceu em Riachuelo a 29 de julho de 1870. Formando-se em direito no Recife em 1892, fixou residncia na Capital Federal, sendo ento nomeado chefe de seco da intendncia municipal e logo depois, ao ser instalado o instituto comercial, lente de economia poltica e de direito mercantil, acumulando ainda o cargo de diretor do mesmo instituto. Homem de regular estatura e de regular constituio, ativo, inteligente, erudito e nobre, dedicou-se desde a meninice s lutas jornalsticas, onde ocupou slida posio. Colaborou nos jornais de Laranjeiras e de Aracaju, na Era Nova do Recife e em vrias revistas do Rio. Foi um dos mais eruditos colaboradores do Pas da Capital Federal, muito entendido em questes de economia poltica e de instruo. Publicou em 1896 um belo estudo de crtica e de histria Sergipe republicano e mais tarde Estudos histricos e literrios e A instruo no Brasil. Faleceu em Laranjeiras, a 19 de setembro de 1914. Era scio correspondente do Instituto Geogrfico de Sergipe e um escritor que honrava a terra herica em que nasceu, na serenidade do estilo, na profundeza dos conceitos e sobretudo no amor imenso ao Brasil. O seguinte excerto, que lhe d idia da linguagem e do estilo, tirado da primeira coluna do O Pas de 25 de novembro de 1912:Aps as festas cvicas, ressurgiram as revelaes sobre o avano, maior do que se supunha, dos sindicatos, que justamente destroem o civismo convencional e aparente com que se decoram os gestos dos padrastos da Repblica instituda a bem do povo.A carestia da vida, e particularmente, a carestia da carne, gnero de primeira necessidade, carecia um resultado de causas naturais, um efeito de tarifas protecionistas, de crises diversas nos centros criadores, do estabelecimento de novas e vastas fazendas modernamente aparelhadas para o progresso intenso e fecundo, da nossa velha, honesta e boa indstria pastoril.Puro engano! Eram sindicatos e os monoplios que estavam por trs da calamidade exclusivamente artificial. Contava-se com a reao popular contra a carestia do elemento bsico em nossa depauperada economia domstica. Contava-se com o recurso nico que tinham os poderes municipais desta cidade e que era o apelo s carnes frigorficas, o favorecimento do seu comrcio como um derivativo da crise, com a qual exploravam admiravelmente expertos conhecedores do comrcio de gado do pas. Aambarcando as manadas das regies criadoras, alcanavam um duplo objetivo: o encarecimento cada vez maior da carne verde, a necessidade cada vez maior dos favores dos poderes pblicos aos estabelecimentos frigorficos.MANOEL DANTAS Mdico e professor. Nasceu em S. Cristvo a 15 de abril de 1852. Formando-se em medicina na Bahia, serviu durante algum tempo no corpo de sade do exrcito, sendo por fim nomeado lente de clnica propedutica da faculdade baiana. Com a proclamao da Repblica, foi eleito deputado constituinte baiana. Faleceu em S. Salvador a 26 de janeiro de 1893. Era homem de talento e de notvel cultura mdica. Ainda estudante, fundou e redigiu a revista Ensaios.MANOEL DA CUNHA GALVO (Dr.) Engenheiro. Foi o 28 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 7 de maro de 1859.MANOEL DA CRUZ SILVA Capito-mor de 1751 a 1755.MANOEL DA SILVA ROZA Militar valente na campanha do Paraguai. Nasceu em S. Cristvo a 10 de julho de 1840, alistando-se no exrcito em 1858. Foi gradualmente subindo na hierarquia, at que em 1891 se reformava no alto posto de general de brigada. Militar ardoroso e bravo, era oficial da ordem de S. Bento e foi condecorado com a medalha de mrito militar e com a medalha comemorativa da campanha do Paraguai. Proclamada a Repblica, foi eleito senador federal por Sergipe. Em 1882 publicou um Compendio elementar de sistema mtrico.MANOEL DE ALMEIDA CARDOSO Professor modesto e competente. Nasceu na Capela (Sergipe), em junho de 1851, estudando preparatrios na Bahia e fazendo exames no Recife em 1870. Sem recursos de espcie alguma, teve que abandonar seus estudos. Seguindo para a vila do Pilar em fevereiro de 1871, dedicou-se ao magistrio particular, a princpio ali, depois em Maranguape, por fim no serto, em Santa Luzia. Em 1889 foi nomeado professor pblico de Patos, sendo demitido por exigncias polticas, e com a remessa da portaria de demisso, recebia do governo provisrio a nomeao de professor pblico da Capital. Mais tarde, aborrecido com um mau adjunto, pediu demisso do cargo e entregou-se de novo ao magistrio particular. Enviuvado ento, casou 2 vez, tendo deste consrcio numerosa famlia. Mas com o avanar dos anos a antiga atividade foi afrouxando, e ele ento passou terrveis dias. Em 1912 foi nomeado professor da Escola de Aprendizes Marinheiros, onde sofreu amargas picardias do jovem 2 tenente que a comandava interinamente. Mas os seus antigos e dedicados alunos saram a campo pela imprensa em sua defesa, e o pedido do jovem oficial ao seu ministro no pde ser atendido: o velho professor continuou na sua nobre misso educadora. Em 1913 foi nomeado regente da cadeira de aritmtica, francs e portugus do curso noturno do centro operrio. Demasiado modesto e acanhado, foi e excelente professor de francs, portugus e latim. Homem de regular estatura, com um sotaque especial sua voz compassada, seria, se o quisesse, um escritor correto e elegante. Suas qualidades morais so elevadssimas.MANOEL DE ARAJO GOES Bacharel em direito. Foi o 51 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 27 de outubro de 1885.MANOEL DE DEUS MACHADO Capito-mor. Foi o terceiro presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 2 de novembro de 1826. Era conselheiro do governo. Presidiu Sergipe pela segunda vez em 1828, pela 3 vez em 1830, e pela 4 vez em 1831.MANOEL DE FREITAS GARCEZ Magistrado. Nasceu em 1822, na cidade de Laranjeiras, formando-se em direito no Recife. Abraando a magistratura, foi juiz de direito no Lagarto e mais tarde desembargador, graas s suas superiores qualidades intelectuais e morais. Faleceu em 1871. progenitor do Dr. Martinho Garcez.MANOEL DE MIRANDA BARBOSA Foi o quarto governador que teve Sergipe, depois de conquistado aos ndios pela bravura de Cristvo de Barros. Tomou conta do cargo em julho de 1600, desenvolveu ativamente a colonizao para o norte e para o centro, havendo concedido nada menos de sessenta e quatro doaes de terra, durante a sua administrao. Foi substitudo por Cosme Barbosa, antes de junho de 1602.MANOEL DO CARMO Msico popular em Laranjeiras, onde nasceu mais ou menos em 1840. Improvisava no trombone as belas sinfonias que mais tarde escrevia cuidadosamente. Homem de alta estatura e de delicada constituio, tristonho como um cipreste.MANOEL DO NASCIMENTO DA FONSECA GALVO Magistrado e administrador. Nasceu em Sergipe e irmo do Visconde de Maracaju. Formando-se em direito no Recife, abraou a magistratura, subindo sucessivamente de posio, at ser desembargador da relao de Pernambuco e depois presidente do Superior Tribunal de Justia do Estado, cargo em que se aposentou com mais de cinqenta anos de pblica vida. Foi deputado geral por Santa Catarina, onde, em 1881, publicou um interessante folheto Notas geogrficas e histricas sobre a cidade de Laguna. Administrou a antiga Provncia sergipana em 1873 e publicou diversos relatrios. Faleceu no Recife a 23 de fevereiro de 1916, deixando indita uma boa histria da guerra do Paraguai. Para se avaliar os predicados morais desse notvel lidador, o seguinte fato: quando se aposentou, o povo no Recife lhe ofereceu, por subscrio, uma casa, para repouso de sua velhice.MANOEL DOS PASSOS OLIVEIRA TELES Magistrado, poeta, historigrafo, lingista e professor de alto mrito, o mais operoso talvez dos escritores sergipanos que no abandonaram Sergipe, porventura aquele que melhor lhe conhece a lngua, a poesia, os costumes, as tradies, a geografia e a histria. Nasceu na tristonha vila de Socorro, por trs da Igreja do Amparo, a 29 de agosto de 1860. Passando para Propri e depois para Aracaju, a comeou o seu curso de humanidades, estudando em 1871 latim com seu pai, exmio latinista, o padre Antonio Moniz Teles e tambm com o professor Antonio Diniz. Em 1878 seguiu para o Rio, disposto a se formar em engenharia. Circunstancias imperiosas, porm, o foraram a mudar de rumo, e ele formou-se em direito no Recife, em 1885. Discpulo de Tobias, a este deve sua entrada na vida pblica, no mesmo ano da formatura, como promotor pblico de Mossor. Foi depois promotor pblico e juiz municipal em Itabaiana, mais tarde em S. Cristvo, por fim em Garar. Na presidncia Martinho Garcez, 1898, foi nomeado diretor da instruo pblica e lente de grego do Ateneu, lngua que estudou consigo mesmo. Em 1905 foi juiz de direito da Estncia, sendo em 1906 transferido a pedido para Aracaju. Homem de regular estatura e de regular constituio, de superior inteligncia e de vasta cultura literria e lingstica, profundamente modesto quanto pleno de fora de vontade, ocupa saliente posio na poesia, na lingstica e na histria de sua terra natal. Conhece a fundo o latim e o grego, o francs e o ingls, o espanhol e o italiano, e tem ainda feito srios estudos da lngua tupi. Por sua influncia, conseguiu que o Congresso votasse uma verba de seis contos, para auxiliar a ereo da esttua de Tobias Barreto, uma outra para a compra do prdio onde nasceu o genial lidador sergipano e ainda verba para a impresso das obras completas de Severiano Cardoso. scio fundador do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe e scio correspondente do Cear. Sua obra intelectual, em grande parte indita ou espalhada pelas colunas dos jornais sergipanos, vasta e sugestiva. Apenas citaremos alguns e valiosos exemplares. Na poesia: Itabaiana, A conquista de Sergipe, Nihumita (indito), Cristofancida (indito) e Versos (indito). Em prosa: Sergipenses, Fainas, Folhas que caem, Ensaio sobre a msica popular em Sergipe, Durante a vida, Contos e novelas sergipenses (2 vols.), Aracaju (suas origens e futuro), Olmpio Campos, Ao romper o sculo XX, A carta da liberdade, A palavra, Joaninha a inglesa, Cartas sertanejas, Pelo esprito e pelo po, Dirio de um pessimista etc., etc. Traduzidos de idiomas vrios: Em Kolomea, O moinho dos Floss, Histria da descoberta da Amrica, Jardim de Epicuro, Estudos de Arqueologia e de Histria, Foto o sulista, Geografia fsica, A geologia de Sergipe e Carmes de Horcio (versos rimados). Algumas dessas tradues trazem o pseudnimo Garcia Moniz. Manoel dos Passos tem agora em mos o Dicionrio Corogrfico de Sergipe. Para se fazer uma idia aproximada do poeta, transcrevemos a inspirada composio seguinte:Por teu amorQuisera ser um dia Doge de Veneza.E dar por teu amor a mais rica princesa;A perla mais gentilDo meu gorro formoso; as cidades de Creta;As Cicladas gentis ou a Grcia dileta,As minas do Brasil.Quisera ser um rei oriental, repito,Como um lenol de neve, alvo e bonitoLogo ao raiar daurora,Rolaria meu nome assim de mundo a mundo,Quente de todo abismo arrastador, profundo...Ainda mais, senhora.Bem vs, quisera ser na terra, nesta vida,Tudo por te adorar: viso, sombra querida,Banqueiro, rei, senhor!E de ti nada quero... Oh! nada! Mas aneloSomente este teu rir encantador e belo,Somente o teu amor!Manoel dos Passos tem uma particularidade notvel: trabalha de enxada, em seu stio, a cinco lguas de Aracaju, com a mesma facilidade e prazer com que maneja a pena em inspiradas construes poticas.MANOEL FELIZARDO FREIRE Msico e compositor notvel de Itaporanga e considerado instrumentista notvel, maiormente na flauta, seu instrumento predileto. Foi empregado de fazenda muito tempo, falecendo em Santos, mais ou menos em 1897. Era de regular estatura e de regular constituio, um tipo considerado bonito, sobremodo dedicado aos seus, a quem muito prezava.MANOEL FERNANDES DA SILVEIRA Brigadeiro. Natural da Estncia, nascido em 1755 mais ou menos. Foi o primeiro presidente que teve a Provncia. Chegou a Sergipe em princpios de 1824, em 5 de maro assumindo o exerccio do seu cargo. Tinha ento quase setenta anos de idade, mas patritica e energicamente auxiliado por seu secretrio Antonio Pereira Rebouas, homem de superior talento e de liberal esprito, conseguiu salvar a Provncia da anarquia em que se debatia. A 15 de fevereiro de 1825 deixou a presidncia, retirando-se para a Bahia, onde faleceu a 26 de novembro de 1829.MANOEL FRANCISCO Foi capito-mor em 1747, sendo substitudo no exerccio desse alto cargo em 1751, por Manoel da Cruz Silva.MANOEL FRANCISCO ALVES DE OLIVEIRA Professor. Nasceu em Laranjeiras. Desde a infncia revelou uma lcida inteligncia: discpulo de latim do padre Mucuri, causou espanto o progresso feito. Esteve no seminrio da Bahia; no suportando, porm, o celibato forado, abandonou a carreira encetada, constituiu famlia e se dedicou ao magistrio. Hoje lente da Escola Normal, e vulgarmente tido e havido como um homem bom.MANOEL JOAQUIM DE OLIVEIRA CAMPOS Talento omnimodo, no julgar de Silvio Romero. Mestre de primeiras letras de Tobias Barreto. Lecionou na Vila de Campos e depois na cidade de Lagarto. Como poeta, comps a letra do Hino Sergipano.MANOEL JOAQUIM FERNANDES BARROS Mdico e poltico. Nasceu em Penedo a 17 de maro de 1802 e, alagoano de nascimento mas sergipano de corao, deixou de si e de suas qualidades intelectuais notvel reputao na Frana e ao norte da antiga Provncia. Era formado em medicina pela universidade de Paris, onde foi discpulo do grande qumico Gay Lussac. Desempenhou na Frana vrias comisses cientficas. Escreveu obras de valor sobre qumica e mineralogia. Voltou diretamente da Europa para Sergipe, onde se casou, passando a viver no Engenho Jesus Maria Jos, perto de Laranjeiras. Dedicando-se poltica, foi eleito deputado geral por Alagoas em 1834. Como vice-presidente da antiga Provncia sergipana, desconfiando que o queriam assassinar, mudou-se em 1839 para Macei, abandonando as propriedades que possua em Sergipe. Em 1840 teve necessidade de ir Bahia, em tratamento de sua sade, sendo assassinado em S. Salvador a 2 de outubro daquele mesmo ano. E o assassino ficou impune... Coisas da poltica partidria... Em vista de discursos veementes que pronunciou na cmara, expondo as perseguies sofridas pelos liberais, incorreu no dio dos conservadores. E esse sentimento aumentou de intensidade, quando ele, por seus mritos, conseguiu para Sergipe um presidente, contrrio ao partido dominante na Provncia. Talvez venha da, desse duplo fato poltico, a causa real de seu estpido assassnio. Naquele tempo a poltica era estpida e cega. A 6 de dezembro de 1835 tomou posse da presidncia da Provncia.MANOEL JOS BOMFIM Mdico e professor. Nasceu em Aracaju a 8 de agosto de 1868. Matriculando-se na faculdade de medicina da Bahia, concluiu o curso no Rio de Janeiro em 1890. Tinha ento vinte e dois anos de idade. Com decidido gosto para o magistrio, diretor de Pedagogium, foi diretor geral da instruo pblica e exerce com grande brilho o lugar de professor de pedagogia da Escola Normal da capital do pas. Dotada de lcida inteligncia, superiormente cultivada, mdio na estatura e forte na constituio, publicou a Prtica da Lngua Portuguesa, a Amrica Latina e as Lies de Pedagogia, livros lidos e relidos com prazer por todos os educadores no Brasil. Do ltimo deles tiramos as seguintes linhas, para dar uma ligeira idia do escritor:A educao inicia o indivduo na vida, corrigindo-o e melhorando-o quanto possvel; por isso, dominam no conceito de educao essas duas idias: desenvolvimento e modificao. Eis a frmula geral do processo educativo. assim que, concretamente, se realiza a educao de cada uma das atividades fsicas. Na prtica a educao se faz num trplice programa de: educao fsica, educao intelectual e educao moral; mas a frmula geral se mantm; o processo ntimo da evoluo educativa o mesmo em qualquer dos casos.Podemos, pois, examina-lo e analisa-lo, a fim de conhecer o seu mecanismo de realizao. Esta anlise deve dizer-nos: como se manifesta o necessrio desenvolvimento fsico da criana; quais os atos caractersticos dele; que relaes existem entre as formas do desenvolvimento natural e as influncias educativas; em que consistem psicologicamente as modificaes educativas; como se fazem essas modificaes ou correes; como se garantem as correes obtidas; quais as condies psicolgicas que permitem confiar na eficcia da educao.MANOEL JOS DE MENEZES PRADO Parlamentar e administrador. Nasceu no municpio de Rosrio do Catete, a 6 de fevereiro de 1844. Bacharelando-se em direito no Recife, foi deputado geral por Sergipe, sendo sucessivamente reeleito, at a primeira legislatura ordinria do regime republicano. Presidiu a Provncia do Piau e tambm a do Esprito Santo, e foi secretrio e depois presidente da sociedade promotora da instruo. Faleceu no Rio de Janeiro a 1 de maro de 1896. Homem de inteligncia e de ao, escreveu diversos relatrios e publicou vrios discursos.MANOEL LADISLAU ARANHA DANTAS Cirurgio e professor de mrito. Nasceu em S. Cristvo a 27 de junho de 1810, formando-se em cirurgia em 1832, na antiga Escola Cirrgica da Bahia. No ano seguinte foi nomeado lente substituto dessa escola; em 1835 foi-lhe conferido o grau de doutor, mediante resoluo legislativa. No mesmo ano em que entrou para o corpo docente daquela academia, havia obtido por concurso a cadeira de filosofia na capital sergipana. Declarada a guerra do Paraguai, ofereceu-se para tomar parte nela, naufragando ento nas costas do Uruguai. Depois dos combates do Curuz e de Curupaity, voltou desgostoso para o Brasil. Jubilou-se contando mais de quarenta anos de magistrio. Homem moreno, seco de corpo, regular na estatura, de superior inteligncia e de vasta erudio, cheio de superiores dotes morais, professor abalizado, fillogo, foi membro do conselho de instruo pblica, presidente da comisso de higiene, scio do Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro e do antigo Instituto Histrico da Bahia, membro honorrio da imperial academia de medicina, comendador da Rosa e de Cristo e do conselho do Imperador. Faleceu na Bahia a 4 de novembro de 1875. Escreveu as seguintes obras: Curso de patologia, As feridas envenenadas e diversos discursos e folhetos sobre assuntos profissionais. Apaixonado pela cultura do vernculo idioma, citava constantemente clssicos portugueses, obrigando seus alunos a terem o mesmo proceder.MANOEL LUIZ DE AZEVEDO ARAJO Advogado e jornalista. Nasceu na Estncia a 24 de novembro de 1838. Bacharelando-se em direito no Recife, foi promotor pblico e juiz municipal em Itabaiana, advogado em Laranjeiras, diretor da biblioteca da Assemblia e do asilo de rfos na capital sergipana, diretor do curso noturno, professor gratuito de histria ptria e diretor da instruo naquela mesma capital. Tambm foi deputado em diversas legislaturas. Fixando residncia na Bahia, foi advogado, oficial maior da secretaria da Assemblia e membro da comisso encarregada de rever o regulamento de instruo pblica. Homem de talento e de ao, de regular estatura e delicada compleio, pleno de virtudes mximas, foi scio fundador e presidente da sociedade sergipana propagadora da instruo, scio fundador do jornal O Conservador, redator do Jornal de Aracaju e autor dos seguintes folhetos: O clero e o sr. Deputado Pedro Luiz, Reforma da instruo pblica, Conferncias, Anlise do Cdigo Criminal e Discurso sobre instruo pblica. Faleceu em Aracaju a 21 de outubro de 1883, afetado de alienao mental, por haver perdido na Bahia um filho, que muito prezava, asfixiado por submerso. Tinha apenas 45 anos de idade.MANOEL PESTANA DE BRITO Capito-mor de Sergipe no trinio de 1654 a 1656. Homem autoritrio em extremo, foi suspenso do cargo, sendo depois no mesmo reintegrado. Entre ele e a cmara de S. Cristvo houve sria desarmonia administrativa, recusando-se esta a cumprir as ordens daquele emanadas. Acusado seriamente, chamado Bahia, e resolve se pr frente de uma revoluo, prendendo o conselheiro da cmara e soltando os presos da cadeia. Por fim foi preso e remetido para a Bahia, sendo seus bens confiscados para pagamento da fora que fez a diligncia.MANOEL PRISCILIANO DE OLIVEIRA VALADO Militar e poltico. Nasceu em Sergipe em 1849, alistando-se no exrcito aos quinze anos de idade, em 1864, a fim de seguir para a guerra. Foi alferes de infantaria em 1868; tenente por bravura, em 1869; capito, em 1880, por estudos; major por servios relevantes, em 1890; tenente-coronel por merecimento, nesse mesmo ano; coronel, em 1892; general reformado, em 1902. Tem o curso de sua arma e tambm o de artilharia. Homem de regular estatura e de robusta compleio, cheio de inteligncia, de tenacidade e de bravura, tem prestado ptria, na paz como na guerra, reais e inestimveis servios. Fez com bravura a campanha do Uruguai e tambm a do Paraguai, das quais tem as respectivas medalhas. Prestou timos servios legalidade em 1893. Comandou a brigada policial do Rio de Janeiro. Foi chefe de polcia na Capital Federal, deputado geral, governador de Sergipe em 1894, senador por esse mesmo Estado, e novamente presidente do mesmo, onde goza de grande prestgio. Tambm scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe. Quando aluno da Escola Militar da Praia Vermelha, dedicou-se com vantagem s belas letras, companheiro que era do general Dantas Barreto, escrevendo ento diversos e interessantes artigos e publicando mesmo interessantes poesias satricas. Suas Vozes dAula, pardia s Vozes dfrica de Castro Alves, so muito bem feitas. Infelizmente s podem ser bem compreendidas por alunos militares. Aqui lhe transcrevemos as primeiras estrofes:Vozes dAula(Pardia s Vozes dfrica de Castro Alves)(A Olegrio da Silveira Pinto)Deus! Oh! Deus! Onde estais que no respondes?Por que ao pobre estudante tu te escondes,Deixando-o ao Benjamin?H quase um ano que no caio ngua.Preserva-me, bom Deus, da grande mgoa,Tem d de mim!Qual condenado me jogaste um diaDo Polydoro, na imensa enxovia,Infinito gal!Por abutre, Senhor, me deste um lente,Um compndio de calclo transcedente,Do Sturm, at!Por distrao o Trompowsky e o Fourcy! Coisas mais surradas nunca vi Ambas descomunais!Assymptotas da hiprbole me fustigam,Parmetros da elipse me castigamCom tangentes e normaes!MANOEL RIBEIRO DA SILVA LISBOA Natural de Sergipe, presidente da Provncia em 1835. Homem formado em direito, de grande inteligncia e ilustrao, ardoroso e nobre, impediu a todo o transe o trfico de homem negro, punindo os infratores com severas penas. Deu tambm um outro e decisivo passo na formao do carter sergipano: chamou a contas as autoridades incompetentes e desonestas, assim prestando servio de conta e valimento. Seriamente contrariado pelos interesses que combatia com stoicismo, deixou a administrao em 9 de outubro de 1835.MANOEL SERAPIO PEREIRA LEITE Artista. Nasceu em S. Cristvo, sendo irmo mais moo de Jos Bochecha. Era conhecido em Sergipe por Neco Pintor e tinha um jeito especial para a escultura. Sem a precisa educao tcnica, porque em Sergipe no existia escola apropriada, Neco dedicou-se a trabalhos em madeira, no que chegou a ser perfeito. No Aracaju h, feito por ele, a imagem do Senhor dos Passos, bela representao do Nazareno, sob o peso da cruz, narinas dilatadas pelo cansao, membros delicados, numa tenso extraordinria de esforo, uma legtima obra de arte enfim, digna de figurar nos mais ricos templos da cristandade. Uma outra obra sua de valor a Virgem Me, a Soledade, como lhe chamam os catlicos em Aracaju, formosa mulher de raa hebraica, perfeita nas suas formas e na expresso cativante de sua dor profunda. Em Laranjeiras existe uma linda imagem de S. Paulo, obra de Neco, de um artista que nunca estudou geometria, que nenhuma idia havia de anatomia, completamente ignorante de sua grande capacidade artstica.MANOEL VENTURA DE BARROS LEITE SAMPAIO Magistrado. Nasceu em Sergipe em 1850, formando-se em direito no Recife. Dedicando-se magistratura, foi da por diversas vezes afastado para o exerccio de importantes comisses, como chefe de polcia de Pernambuco e presidente da Paraba, para as quais no se sentia com vocao. Proclamada a Repblica foi juiz de direito do Distrito Federal, de onde, a pedido, foi transferido para Sergipe. A faleceu h pouco tempo. Foi um tipo perfeito do verdadeiro magistrado: uma severidade absoluta o tornava superior a tudo o que no fosse o sentimento da justia. Era filho do coronel Jos Mateus Leite Sampaio, um dos homens de mais talento na antiga Provncia, em cuja Assemblia, apesar da deficincia de sua cultura, por ningum foi excedido na tribuna.MANOEL VIEIRA TOSTA Desembargador. Foi o 16 presidente de Sergipe. Tomou posse a 17 de fevereiro de 1844.MARCELO SANTA F Msico afamado na Estncia. Professor de msica de Tobias Barreto.MARCELINO JOS JORGE Militar e poltico.MARCOLINO EZEQUIEL DE JESUS Industrial e chefe poltico em Laranjeiras. Nasceu provavelmente no municpio de Laranjeiras, dedicando-se ao comrcio a princpio e depois produo de acar. Foi chefe poltico influente, coronel da guarda nacional e diversas vezes deputado provincial. Homem de regular estatura e de forte constituio, chefe dedicado de sua famlia numerosa, dotado de notveis qualidades morais, em tempo possuiu fortuna dissipada entre parentes, correligionrios e amigos. Faleceu em Laranjeiras em avanada idade, octogenrio porventura, a 12 de dezembro de 1912. E um dos jornais do Rio de Janeiro, O Pas de 13, ao lhe fazer o necrolgio, escreveu as seguintes e sensatas palavras:O coronel Marcolino Ezequiel, cujo prestgio muitas vezes decidiu da vitria em pleitos renhidos, era um homem generoso e ativssimo. Comerciante e cheio de numerosa famlia, possuiu fortuna que em grande parte foi dissipada em atos generosos de beneficncia e na poltica.Na oposio era o amparo dos seus amigos e correligionrios. No poder era a garantia dos adversrios, cuja vida defendia heroicamente, vencendo a exaltao dos seus prprios amigos.Da nasciam a fora, a considerao e a estima de que gozava no Estado o coronel Marcolino Ezequiel, ontem falecido.MARIO GUARAN um moo sergipano de talento. Nada mais por ora pode o autor deste livro adiantar.MARTINHO CEZAR DA SILVEIRA GARCEZ Jornalista e jurisconsulto de grande validade. Nasceu em Laranjeiras a 30 de novembro de 1850. Formando-se em direito no Recife, foi promotor pblico em sua Provncia, deputado provincial em vrias legislaturas, juiz municipal em Lagarto e depois na cidade de Juiz de Fora, em Minas. Concluindo o quatrinio, abandonou a magistratura, entregando-se com brilho advocacia. Homem de regular estatura e robusta compleio fsica, na inteligncia superior e na cultura jurdica profundo, audacioso e bravo nas lutas jornalsticas, foi governador de Sergipe em 1896, senador fiscal, fundador e redator do Correio da Tarde, redator da Cidade do Rio e autor do clebre livro Nulidades dos atos jurdicos, premiado pelo instituto da ordem dos advogados, e recebido com gerais aplausos pela imprensa da capital do pas. Tambm tem outras obras de grande valor jurdico: Teoria Geral do Direito Civil, Direito da Famlia, Direito das Coisas e Dos Agravos. scio do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe e uma das glrias intelectuais sergipanas na atualidade. Do seu merecimento como escritor a seguinte mostra, brilhante programa de verdadeiro governo republicano:Em relao ao voto, que o alicerce poderoso do regime republicano, a minha poltica ser a do mais absoluto, mais sincero e mais intransigente respeito liberdade do eleitor.Seria um dia de desonra da minha vida aquele em que, pela violncia, pela ameaa, pela fraude ou pela corrupo, conspurcasse a soberania das urnas ou a vontade do cidado; no s porque, como republicano, quero ver a Repblica forte, nobre e invencvel pelo respeito e amor do povo, como porque venho de uma luta de muitos anos pela imprensa, em prol do direito, da liberdade e da justia.Eleito presidente do Estado, no levarei para o Governo nem paixes, nem dios, nem prevenes.Se por vezes a minha linguagem tem sido rude, mas verdadeira sempre em referncia aos meus adversrios, porque ela salta sangrando do corao ante o quadro desolador e sombrio em que Sergipe se debate e que sinto desenrolar-se na imaginao, quando escrevo ou quando falo.O que puramente, sinceramente, ardentemente desejo fazer uma poltica sergipana, isto , poltica de convergncia e de ao de todos os bons elementos de atividade intelectual e industrial, poltica de congraamento de todos os bons sergipanos que amem o pequeno, belo e feraz, mas infeliz torro, em ordem a desenvolver o seu progresso material, enriquecendo-o pela inteligncia e enobrecendo-o pelo trabalho.O que sinceramente desejo organizar os servios pblicos que carecem ser organizados: prestigiar a justia e a instruo pblica, elevando o nvel desta e tornando aquela independente e sobranceira s paixes polticas; iniciar o servio de colonizao e perfeita localizao dos imigrantes; criar o crdito real no Estado para dar expanso lavoura; impulsionar o comrcio direto com o estrangeiro; levar a efeito a construo da estrada de ferro da Capital a Simo Dias; impulsionar a navegao dos nossos rios; auxiliar lavouras ou indstrias novas; sanificar a Capital do Estado, dando-lhe pelo menos gua, esgoto e iluminao.MARTINHO DE FREITAS VIEIRA DE MELO Advogado e abolicionista. Nasceu em Sergipe a 1 de abril de 1844. Bacharelando-se em direito no Recife, foi sub-diretor dos correios, no exerccio de diretor geral dessa mesma repartio. Tambm foi juiz municipal em vrias cidades da antiga Provncia do Rio de Janeiro e advogado em uma delas a Paraba do Sul. Deputado geral por Sergipe, revelou-se um abolicionista ardoroso e convencido. Fundou em Valena o jornal O Tempo, para a pblica defesa da santa causa e, como diretor geral dos correios, escreveu o Regulamento dos Correios, aprovado pelo governo, e considerado excelente trabalho no ponto de vista administrativo.MAURCIO GRACCHO CARDOSO Poltico e advogado. Nasceu em Sergipe a 9 de agosto de 1872, alistando-se no exrcito em 1889, como aluno da Escola Militar do Cear. Prestou relevantes servios legalidade em 1893, chegando mesmo a embarcar a bordo da esquadra legal. Com baixa do servio, formou-se na Academia do Cear, onde passou a residir, como professor do Liceu. A constituiu famlia e entregou-se de corpo e alma poltica partidria. Foi deputado estadual e sucessivamente deputado federal; mas no logrou ser reconhecido em 1912, pesar de francamente eleito. homem de alta estatura e regular constituio, cheio de inteligncia e de atividade. Fala e escreve bem. Em jornais cearenses tem colaborado com vantagem e com assiduidade e autor de um livro A bordo do cruzador Niteri. Em 1912 sofreu forte revs poltico em Fortaleza. Atualmente secretrio do ministro da agricultura, no Rio de Janeiro.MAXIMINO DE ARAJO MACIEL Mdico, fillogo e professor de extraordinrio valimento. Nasceu na vila do Rosrio a 20 de abril de 1865, formando-se a princpio em direito e depois em medicina. Dedicando-se com ardor ao magistrio, notvel professor de portugus e literatura no colgio militar do Rio de Janeiro; entregando-se apaixonadamente medicina, clnico muito popular no Engenho Novo (subrbio do Rio), cultivando com grande competncia as mdicas cincias, e membro erudito da sociedade de medicina e cirurgia da capital do Pas. Homem alto e forte, com grande lucidez de inteligncia e notvel erudio cientfica, filolgica e literria, fala e escreve com grande correo, assim em portugus como em francs. E, dotado de pasmosa atividade intelectual, pleno de fora de vontade e de justssimo amor glria literria, tem sua brilhante folha de servios, a lhe iluminar os passos, as seguintes unidades literrias, qual mais valerosa e mais profunda: Gramtica Analtica (j 4 edio), Filologia Portuguesa, Gramtica Descritiva, Taxionomia Social, Lies de Botnica Geral, Noes de Agronomia, As Propores do Indivduo Humano, Lies Elementares de Lngua Portuguesa, Discurso, Valeur des diffrentes mthodos de traitement dans la tuberculose, La mdication unique dans la tuberculose, Dillusion des arsenicaux dans la tuberculose, Elementos de Botnica Geral e Elementos de Zoologia. , sem questo, uma das glrias intelectuais do pequenino Estado do Norte, ninho de guias chamado, como tambm uma das figuras de mais destaque do magistrio oficial brasileiro. Do seu merecimento como escritor, aqui vai uma pequena mostra, tomada 4 edio de sus excelente Gramtica Descritiva:Breve retrospecto sobre o ensino da lngua portuguesaAo publicarmos em 1887 a nossa Gramtica Analtica, assegurvamos que a cincia da linguagem atravessava uma poca de transio.De fato, a orientao e o mtodo que nos norteavam na aprendizagem das lnguas, no-los ditavam os antigos gramticos portugueses Soares Barbosa, Bento J. de Oliveira, Lage e outros.Conquanto tambm trabalhos nossos houvesse de certo valor, como os de Sotero dos Reis, Freire (de S. Paulo), Soares Passos, Grivet, Padre Duarte, Gentil Ibirapitinga, Padre Massa, entretanto se adscreviam ao critrio filolgico de ento, em que dos fatos da lngua se divorciavam as doutrinas gramaticais.Nas Provncias ento jazia o ensino da lngua portuguesa na maior imobilidade, salvo no Maranho, em que pontificava Sotero dos Reis e na Bahia o Dr. Ernesto Carneiro, embora os trabalhos que elaborassem se no houvessem de todo desligado dos moldes dos autores portugueses, de onde nos advieram, por assim dizer, os lineamentos gerais a que obtemperava o mtodo adotado.Entretanto, aqui na Capital, j comeavam a esplender as primeiras manifestaes do critrio filolgico, o mtodo histrico e comparativo, aplicado aprendizagem das lnguas, com especialidade ao da verncula.Tornou-se o Colgio de Pedro II o centro de que se ia irradiando a nova orientao, cujos albores se vislumbravam nos concursos de lnguas, a que afluam candidatos a quem eram familiares as doutrinas de Max Mller, Miguel Bral, Gaston Paris, Whitney, Littr, Darmesteter, Ayer, Brunot, Brachet, Frderich Diez, Bopp, Adolfo Coelho e outros, principalmente as dos autores alemes, em que se estavam haurindo os elementos primordiais para esta verdadeira Renascena dos estudos filolgicos do Brasil.MELQUISEDECK CARDOSO Magistrado. Nasceu em Sergipe, formando-se depois em direito. Abraando a magistratura, foi sucessivamente subindo de posio, at chegar ao alto posto de desembargador em Porto Alegre. homem de grande talento e de grande cultura jurdica, professor da academia de direito quela cidade.MIGUEL FLORIANO DE MENEZES DRIA Advogado. Nasceu em Propri, formando-se em direito no Recife. Abraando ento magistratura, foi promotor pblico em Propri e juiz municipal em Garar. Entregou-se depois com grande brilho advocacia. Dotado de grande talento e de slida cultura intelectual, tinha um jeito especial para as belas letras e para as belas artes. Era msico exmio e poeta apreciado.MILITO DE BRAGANA Qumico. Formado em medicina, clinicou brilhantemente em Laranjeiras, onde em 1845 foi um dos diretores do movimento contra o presidente Zacarias de Ges e Vasconcelos. J falecido. Era liberal de carter respeitvel, sobremodo estimado quela cidade sergipense.NNILO MOREIRA GUERRA Militar e literato. Nasceu em Aracaju a 28 de dezembro de 1873, alistando-se no exrcito em 1888. Em 1894 foi promovido a alferes de infantaria, por servios prestados legalidade. Cursou a Escola de Belas Artes, a fim de se aperfeioar em pintura e arquitetura. Em 1898 foi eleito deputado Assemblia sergipana. E em 31 de outubro de 1907 foi reformado, passando a viver no Amazonas. Homem de alta estatura e de delicada constituio, inteligente, com grande amor s belas letras, colaborou em vrios jornais do Rio, de Sergipe e do Rio Grande do Sul. Em 1898 publicou em Aracaju um livro de contos, intitulado Rabiscos.NILO ROMERO Cultor elegante da palavra falada. Nasceu em Sergipe em 1848 e era irmo mais velho de Silvio Romero. Formando-se em direito dedicou-se magistratura, sendo promotor pblico em Lagarto e juiz municipal em Cantagalo (Estado do Rio) e em Santa Maria Madalena. Homem de talento, com decidido amor s letras, publicou, em jornais vrios, diversos trabalhos literrios e jurdicos. Faleceu em comeo deste sculo, provavelmente no Estado onde exercia a magistratura.NORBERTO AUGUSTO VILLAS BOAS Oficial superior do exrcito. Nasceu em Sergipe a 22 de dezembro de 1868, alistando-se no exrcito em 1884. Foi alferes de infantaria em 1890; tenente, em 1894, por estudos; capito, ainda por estudos, em 1901; major por merecimento, em 1911. Tem o curso de sua arma. Homem de baixa estatura e de delicada constituio, pleno de nobres qualidades morais. Em 1893 bons servios prestou causa legal, e em 1894, quando iminente a guerra com o Peru, fez parte das foras que marcharam para o Amazonas. condecorado com a medalha de prata, por contar mais de vinte anos de bons servios ptria.OOCTAVIO COSTA Sacerdote. Nasceu em Propri, em 1869. Ordenando-se em Olinda, foi professor do respectivo seminrio, lugar que abandonou, para ser vigrio em Macei. Orador sagrado de mrito, logo conquistou em sua freguesia franca e justa simpatia. Dedicando-se poltica, foi a princpio deputado e depois senador alagoano. Faleceu em 1908, contando apenas trinta e nove anos de idade. Publicou uma Arte de Msica e vrios artigos de propaganda catlica. Era homem de lcida inteligncia, cheio de nobres virtudes crists.OLMPIO DE SOUZA CAMPOS Sacerdote e poltico de grande influncia. Nasceu na vila de Itabaianinha a 26 de julho de 1853. Fez seus primeiros estudos em Sergipe, seguindo aos treze anos para o Recife, onde pretendia bacharelar-se em cincias jurdicas e sociais. Concluindo o curso preparatrio, com exceo apenas de filosofia e retrica, seguiu em 1869 para a Bahia, matriculando-se no ano seguinte no seminrio, onde em trs anos apenas percorreu a teologia universal necessria carreira eclesistica. Teve, porm, de esperar a idade cannica, para poder ascender ao presbiterado, o que se deu em 1877. Exerceu a profisso por algum tempo, na Bahia e depois em Sergipe, atirando-se por fim de corpo e alma poltica partidria. Colaborou nos jornais sergipanos em defesa de suas idias polticas e foi deputado estadual, representante federal e o 4 presidente do Estado, empossado em 24 de outubro de 1899, cada vez mais prestigiado e influente. Homem de regular estatura e robusta compleio, inteligente e honesto, corajoso e audaz, voluntarioso quanto magnnimo, por suas eminentes qualidades de carter chegou a gozar em Sergipe, em Aracaju especialmente, de grande e justa popularidade. De uma franqueza absoluta, extremamente devotado aos seus, a muito dos quais educou paternalmente, tinha a casa sempre aberta a todos os parentes e a todos os amigos. Demasiado caritativo e generoso, parecia um homem sem dios terra. Morreu tragicamente: assassinado pelos filhos do genial filsofo Fausto Cardoso (V. este nome), no Largo do Pao, Rio de Janeiro, s 3 horas da tarde de 9 de novembro de 1906, quando voltava do senado. Era ento monsenhor e senador da Repblica. Seu cadver foi recolhido ao arsenal de guerra: e os seus mdicos que o examinaram foram de parecer que ele um s rgo no havia afetado. To robusta lhe era a compleio. A causa da morte trgica do eminente cidado assim explicada: os filhos extremosos de Fausto, atribuindo a Olmpio de Campos o assassinato do progenitor querido, no ano anterior, s ruas de Aracaju, vingaram na pessoa deste o brbaro desaparecimento daquele. Muito pode a poltica partidria! Do valor real do monsenhor Olmpio de Campos tem-se uma prova brilhante nesse dito de peso e conta: H homens que sobem por seus talentos e outros que tm o talento de subir. Eu tive o talento de subir e o de manter-me nas posies.OLMPIO JOS CHAVANTES Marinheiro e professor. Nasceu em Laranjeiras a 4 de maio de 1838, alistando-se muito jovem na marinha e subindo gradualmente de posto, at se reformar em 1868, como 1 tenente. Professor de aparelhos e mquinas na Escola Naval, com as honras de capito de fragata, teve mais tarde as de capito de mar e guerra. Jubilou-se em 1890. Tomou parte na batalha naval do Riachuelo, de que tinha a respectiva medalha, e era condecorado com a cruz de mrito naval da Espanha. Faleceu no Rio de Janeiro a 20 de setembro de 1897. Homem regular na estatura e forte na compleio. Era cavaleiro da Rosa e autor de um Compndio de aparelhos dos navios.OLMPIO MANOEL DOS SANTOS VITAL Bacharel. Foi o 52 presidente da antiga Provncia. Sua posse data de 19 de maro de 1888.OLINTO RODRIGUES DANTAS Mdico. Nasceu em Itabaiana a 23 de agosto de 1861. Fazendo o curso de humanidades no ateneu sergipense, matriculou-se depois na faculdade mdica da Bahia, concluindo o curso no Rio de Janeiro. Voltando a Aracaju, foi a clnico, professor, e diretor da Escola Normal e do Ateneu sergipense, presidente da cmara municipal e membro da junta governativa do Estado. Depois dedicou-se clnica em Santos, onde foi diretor do Hospital da Misericrdia, diretor interno de higiene e sade do porto, chefe da comisso sanitria e professor do Liceu Feminino Santista. Homem alto e de robusta compleio, inteligente quanto erudito, colaborou no Republicano de Laranjeiras e no Brasil Mdico do Rio, foi redator do Correio de Sergipe e da Revista Homeoptica Brasileira, colaborador dO Tempo em Aracaju e do Correio Paulistano, da Tribuna de Santos e do Dirio de Santos. Publicou um interessante folheto sobre a Febre amarela, um outro sobre o mesmo assunto Traos epidemiolgicos sobre a febre amarela, e mais os trs seguintes: Carta Aberta ao Povo, Alopatia e Homeopatia e Traos Epidermiolgicos da varola. Para se julgar o escritor, as seguintes linhas, da ltima obra citada:Em 1887, quase dois anos aps minha investidura mdica, fui comissionado pelo ento presidente da ex-provncia, hoje Estado de Sergipe, DR. MANOEL DE ARAJO GES, atualmente senador federal por Alagoas, para prestar servios aos variolosos do povoado Barra dos Coqueiros defronte de Aracaju, de que separado pelo rio Cotinguiba.Soube ento que viera um varioloso de Pernambuco, por via martima, e que fora internado naquele povoado, sendo assim a causa de pequena epidemia; entretanto minhas pesquisas levaram-me a consider-lo como artificial, mau grado todas as facilidades para o contgio indireto. Eu me explico.O doente referido foi conduzido para uma casa de palha, um quarto de lgua, ou mais, distante do povoado, e incumbiram-se do papel de enfermeiros o professor da localidade, no perodo de frias, se bem me recordo, e sua me. boas pessoas essencialmente caridosas.PPEDRO ANTONIO DE OLIVEIRA RIBEIRO Chefe poltico de grande prestgio em Laranjeiras. Industrial, proprietrio de engenho de cana, coronel da guarda nacional, homem de grande nobreza e austeridade, pai do magistrado que lhe traz o nome brilhantemente, no mais alto tribunal do pas.PEDRO ANTONIO DE OLIVEIRA RIBEIRO Magistrado. Nasceu em Laranjeiras a 8 de setembro de 1851. Formando-se em direito no Recife, dedicou-se com ardor magistratura, onde a golpes de talento e custa de saber foi sucessivamente subindo de posio, at sair do Tribunal Superior Paulistano para o Supremo Tribunal Federal. Em 1875 foi deputado provincial em Sergipe, publicando ento um volume dos seus Discursos. Homem dotado de excelentes predicados morais, pleno de talento e de cultura jurdica, reto e justo, tenaz e nobre, apontado na capital do pas, onde goza de grande conceito, como tipo da austeridade e da nobreza de sentir. E no mais alto tribunal do Brasil, de que ornamento, seus trabalhos so sempre lidos com prazer e citados com satisfao. scio correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico de Sergipe e uma das glrias da magistratura.PEDRO ANTONIO DE SOUZA MUCUR Presbtero. Nasceu na Capela em 1812, recebendo ordens na Bahia. Inteligente e trabalhador, com decidida vocao para o magistrio, preparou para a vida das letras, na Capela, um crescido nmero de jovens sergipanos, que ocuparam mais tarde distintas e invejveis posies na sociedade. Passou depois a residir em Japaratuba, onde viveu longo nmero de anos. Lecionava com profundeza latim e francs, e tambm portugus e msica. Era de estatura regular, muito moreno, constituio robusta, maneiroso e gentil, muito amigo da convivncia familiar. Faleceu em avanada idade.PEDRO DE CALAZANS Grande poeta romntico e uma das glrias da literatura nacional. Nasceu na Estncia as 28 de dezembro de 1836. Havendo feito alguns preparatrios no Liceu sergipano, foi complet-los depois no Recife, onde se formou em direito em 1859. Seguindo ento para Sergipe, foi promotor pblico em Estncia, e logo depois, em 1861, deputado geral. Fixando residncia no Rio de Janeiro, dedicou-se advocacia e imprensa. Em 1864 foi Europa, no ano seguinte abandonando a poltica, para se entregar de novo magistratura como juiz municipal, a princpio na Bahia e depois no Rio Grande do Sul, onde o arrastaram novamente poltica, elegendo-o deputado provincial. Perseguido, porm, pela tuberculose, retirou-se para a Bahia, depois para Estncia e por fim, a conselho mdico, para a ilha da Madeira, onde no logrou desembargador: a morte o colheu a bordo, a 24 de fevereiro de 1874, trs dias antes de chegar a Lisboa. Contava 37 anos de idade, a mesma idade quase que Horcio Hora. Homem de superior inteligncia e de notvel cultura literria, foi jornalista, crtico e sobretudo poeta, um dos maiores do seu tempo. Com dezenove anos de idade publicou o seu primeiro volume de versos, Pginas Soltas, esgotado em menos de um ano. Trs anos depois deu a lume ltimas Pginas, e em 1864 Wiesbade e Ofenisia, onde se encontra a seguinte jia: Duas almas que se entendamEm recproca unio,Que mtuas se compreendamPelos fios da atrao:Eis o vero casamento,Eis a perfeita unio;Pois se casa o pensamento,Pois se casa o corao.Camerino, episdio da guerra do Paraguai, uma publicao pstuma. E quando faleceu, tinha um drama escrito Uma cena de nossos dias, e tambm um grosso volume de versos, que pretendia publicar sob a denominao de Pginas Diversas. Pedro Calazans foi durante dois anos redator do Constitucional no Rio de Janeiro. Eis aqui uma das lindssimas composies:A um meninoNa maciez do alvo brao,De tua mo no regaoDormes, infante, a sonhar;Teu sonho plcido e liso,Que um anglico sorrisoTe vem nos lbios parar.Dormiste aos beijos maternos;Entre carinhos to ternos,Como doce o teu dormir!Quando acordares sorrindo,Vers o semblante lindoDe tua me a sorrir.Dorme em sossego, menino,Pois no livro do destinoTens um destino feliz.Dorme em completo abandono,Dourado seja o teu sonoDos sonhos pelo matiz.PEDRO RIBEIRO MOREIRA Mdico e literato. Nasceu em Laranjeiras a 3 de setembro de 1848. Fez o curso de humanidades na Bahia, onde se formou em medicina. Foi por algum tempo cirurgio do exrcito, secretrio do governo do Paran, diretor da instruo pblica, lente do liceu paranaense, mdico da polcia no Rio e cnsul brasileiro no Paraguai, depois em Odessa e por fim em Frankfort. Foi o ltimo presidente que teve a Provncia de Alagoas, havendo tomado posse no mesmo dia em que se proclamou a Repblica. Mais tarde foi inspetor de higiene no Par e mdico das colnias desse Estado. Homem de mrito incontestvel, na inteligncia superior, das belas letras legtimo representante, publicou quando acadmico excelentes composies poticas e colaborou em vrios peridicos. Em 1897 publicou um folheto no Par Estudos sobre questes de emigrao, e em 1900 deu a lume um outro Escolas agrcolas da Unio. Do valor de sua lira harmoniosa e pura tem-se uma prova tem-se uma prova excelente, com as seguintes quadras, primeiras dos seus mimosos Recuerdos:RecuerdosOntem noite, deslumbrante, altiva,Como sultana que abandona o vu,Por sobre alfombra de macias nuvensCortava a lua a vastido do cu.Alva, nitente no docel augustoQual meiga diva a derramar fulgores,A louca amante prateava os mares,Enchia rindo o corao de amores.Como era doce o murmurar do vento!Nos ares plcidos se esfolhava um canto,E ao peso enorme do arquejante seioDormia a terra no letargo santo.Longe as espumas flutuavam lcidas...Mais longe o bosque se estrelava em flores,Enquanto os lbios segredavam trmulosPuros idlios de febris amores.Sob as accias dos jardins silentesVoavam quentes sensuais desejos,E as claras ondas do luar tocavamBocas mimosas estalando beijos.E os astros belos invejam tmidosPor entre a gaze do infinito azulOs resplendores das pupilas negrasDas lindas filhas do pas do sul!Ah! quando a vida universal douravaDo mundo inerte as formaes sombrias,E o bando humilde das ondinas plidasSe iluminava sobre as guas frias;E a flor, o inseto, a solido, os maresDiriam hinos de um concerto imenso,Vozes que vibram nos espaos fulgidosAlm... alm do nevoeiro denso:Pensava em ti... em teu amor, querida...Eras meu dolo. Me esqueci de Deus,E o teu olhar adelgaava as trevasDa longa noite dos suplcios meus.Amo-te muito! A inspirao, o gnioFez de minha alma a projeo da tua...Tu s a aurora, eu a vaga altivaOnde ela sempre vem mirar-se nua!PEDRO VIEIRA DE MELO Militar. Governador de Sergipe, nomeado pelo governo baiano a 6 de fevereiro de 1821. Tomou posse do cargo a 20 de maro do mesmo ano.PEDRO VIEIRA DE MELO PINA Oficial superior da marinha. Nasceu na vila do Rosrio do Catete, a 29 de julho de 1871, alistando-se na marinha em 1889. Foi promovido a guarda-marinha em 1891; a 2 tenente, em 1893; a capito-tenente, em 1896; a capito de corveta por merecimento, em 1909. Foi imediato do Tamoio e fiscal, na Europa, da construo de monitores.PELINO FRANCISCO DE CARVALHO NOBRE Poltico. Nasceu em Laranjeiras a 5 de dezembro de 1840, formando-se em direito no Recife. Foi poltico influente no Imprio e nos primeiros anos da Repblica. Como vice-presidente da antiga Provncia, por duas vezes dirigiu os altos destinos sergipanos, em 1888 e 1889. Foi diretor geral da instruo e chefe do partido conservador. Na Repblica por duas vezes foi eleito vice presidente do Estado. Deposto a 10 de agosto de 1906, com o ento presidente Dr. Guilherme Campos, salvou a situao poltica, conseguindo a sua e a reposio do presidente. Tambm exerceu o cargo de juiz federal. J falecido.PERMNIO CARNEIRO LEO Militar e professor. Nasceu em Aracaju a 3 de novembro de 1873, alistando-se no exrcito em 1893. Foi alferes-aluno em 1899; alferes de infantaria, em 1904; 1 tenente de engenharia, em 1908; capito, em 1912. Bacharel em matemtica e cincias fsicas, engenheiro militar e lente de eletricidade da Escola Militar. Homem de regular estatura e constituio, pleno de inteligncia e de cultura cientfica e filosfica, foi um dos engenheiros construtores da Vila Militar Deodoro, no Rio de Janeiro, e goza naquela escola, como em sua classe, de justa e merecida simpatia. Suas qualidades morais so invejveis porque nobilssimas. um oficial de muito merecimento.POSSIDNIA MARIA DE SANTA CRUZ BRAGANA Clebre educadora em Laranjeiras, ao tempo em que esta cidade era um dos grandes centros intelectuais sergipanos. Nasceu provavelmente ali, mais ou menos em 1835; e, com grande amor ao magistrio, educou superiormente geraes sucessivas, daquela cidade e das imediaes. Era professora pblica e diretora de um internato, onde recebia e educava as moas dos engenhos prximos. Senhora de alta estatura e de robusta constituio, estimadssima em Laranjeiras, onde era popularmente conhecida pela Professora Dodona, prestou a Sergipe, educando-lhe honestamente as filhas, servios de valor inestimvel. Era progenitora do Dr. Antonio Milito de Bragana e faleceu em Laranjeiras em comeos do sculo atual, em avanada idade. Ensinava primeiras letras, msica, piano e todos os trabalhos de agulha, em que era mui perita. Tambm ensinava religio. O ms de Maria, por ela feito em Laranjeiras, deixou poca. Sua ao como educadora foi tal, que as alunas todas lhe osculavam em pblico a fidalga destra. Mesmo depois de casadas, com os tenros rebentos ao lado, ainda as moas sergipanas, ao avistarem a Professora Dodona, lhe beijavam a mo j trmula. Foi uma educadora honesta e boa. Morreu em 11 de maio de 1905.PRIAMO MUNIZ TELES Oficial superior da marinha. Nasceu na Vila do Socorro a 26 de maio de 1874, alistando-se na marinha em 1891. Foi promovido a guarda-marinha, em 1895; a 2 tenente, em 1896; a 1 tenente, em 1897; a capito-tenente, em 1899; a capito de corveta, em 1911. Como aspirante, tomou parte ativa na revolta da armada, sob as ordens do almirante Saldanha da Gama. Serviu no vapor Andrada, conduzindo presos polticos para Fernando Noronha; foi Europa no Benjamin Constant, comandou a Escola de Aprendizes Marinheiros de Sergipe, exerceu o cargo de instrutor da Escola Naval e o de ajudante do arsenal de guerra do Rio de Janeiro. Atualmente capito do porto terra natal.QQUINTINO MARQUES Pintor. Nasceu em Laranjeiras. Tem uma queda especial para a pintura, contando em Aracaju um bom nmero de quadros. Graas aos seus mritos artsticos, foi nomeado lente de desenho do Ateneu Sergipano.RRAIMUNDO BRULIO PIRES LIMA Bacharel. Sendo 1 vice-presidente, assumiu a presidncia a 10 de maro de 1879.RODOLFO RAMOS FONTES Oficial superior da marinha. Nasceu em S. Cristvo, a 8 de fevereiro de 1866. Alistando-se na marinha em 1881, foi promovido a 2 tenente em 1883; a 1 tenente, em 1885; a capito-tenente, em 1890; a capito de corveta, em 1894; a capito de fragata por merecimento, em 1907; a capito de mar e guerra, ainda por merecimento, em 1912. Como aspirante, foi colaborador da Revista da Sociedade Phenix. Exerceu importantes comisses navais. Reformando-se por ocasio da revolta da armada, foi capito do porto em Sergipe e deputado estadual. Revertendo atividade no posto de capito de corveta, comandou o Benjamin Constant e o Comandante Freitas e foi sub-chefe do Estado Maior da armada.ROSENDO GARCIA ROSA Militar. Nasceu em Japaratuba em dezembro de 1849, seguindo aos dezesseis anos para a guerra contra o Paraguai. Tomou parte ativa nos combates de Curuz, Curupati e Tuiuti (3 de novembro), em que foi gravemente ferido, perdendo ento o brao esquerdo. Invlido para a campanha, voltou para o Rio de Janeiro, e da para Sergipe, como alferes honorrio do exrcito. Foi depois escrivo de rfos na Capela, chefe da recebedoria de Sergipe e deputado estadual duas vezes. tenente-coronel do exrcito, pelos relevantes servios prestados naquela guerra, e homem de mdia estatura e de grande robustez de corpo.RUBELIO DIAS o primeiro sergipano nato que aparece, com valimento, histria de Sergipe. Nasceu provavelmente em comeos do sculo XVII, seno nos ltimos anos do sculo do descobrimento. Era filho do grande explorador de minas Belquior Dias, o rei da ao em sergipanas terras, com a ndia Lourenza da aldeia de Ger. Como testamento de seu pai, riqussimo, em sesso da misericrdia de S. Cristvo, onde morava, tomou o compromisso de alimentar o exrcito em operaes, durante sua estadia na capital sergipana. Em janeiro de 1636 arrendou por nove anos, a vinte mil ris por ano, um stio de criao de gado na fazenda paterna de Jabebiri. Em novembro de 1637, quando o fugitivo exrcito de Bagnuolo passou por S. Cristvo, l se achava ele residindo. pai do coronel Belquior da Fonseca Saraiva Dias Moreia, Moribeca chamado.RUFINO ENAS GUSTAVO GALVO Militar distinto e engenheiro de mrito, conhecido no exrcito por Visconde de Maracaj. Nasceu em Laranjeiras a 2 de julho de 1831, alistando-se no exrcito em 1843, com 12 anos de idade apenas. Matriculou-se na Escola Militar, onde se bacharelou em matemticas e foi sucessivamente subindo de posto, at alta patente de tenente-general, em que se reformou, depois de 48 anos de relevantes servios ptria, na paz e na guerra. Militar de lcida inteligncia, erudito e bravo, disciplinador e justo, severo e nobre, exerceu no exrcito a na administrao as mais honrosas comisses: foi presidente e comandante das armas no Amazonas, no Par e em Mato Grosso; membro da comisso de limites entre o Brasil e o Uruguai; inspetor geral da medio de terras em S. Paulo; membro da comisso encarregada de explorar o Alto Uruguai; chefe da comisso de engenheiros do exrcito de reserva no Rio Grande do Sul; deputado do quartel mestre general e chefe da comisso de engenheiros dos corpos em operaes no Paraguai; engenheiro fiscal das estradas de ferro; diretor das obras militares de So Paulo; chefe da comisso de limites entre o Brasil, o Paraguai e a Bolvia; conselheiro de guerra; deputado geral; ministro da guerra no ltimo gabinete monrquico e por fim Ministro do Supremo Tribunal Militar. Fez com bravura a campanha do Uruguai e a do Paraguai, de que havia as respectivas medalhas. Era dignatrio da Rosa e do Cruzeiro e comendador de S. Bento. Desenhou muitas plantas e cartas geogrficas, organizou muitos projetos e publicou diversos relatrios e falas (discursos). Faleceu no Rio de Janeiro a 18 de fevereiro de 1910, com 79 anos de idade.SSABINO OLEGRIO LUDGERO PINHO O mais notvel mdico homeopata que teve o norte do Brasil. Nasceu em Vila Nova a 11 de julho de 1820. Fez o curso de humanidades na Bahia, onde se doutorou em medicina em 1845. Casado no Maranho com uma senhora histrica, D. Umbelina, devido ao tratamento dela, descrente da alopatia, se tornou homeopata. E secretrio fervoroso das doutrinas de Hahnemann, fez diversas excurses pelas Provncias do norte, em servio de propaganda. Viajou pela Europa em 1860 e 1861. Foi deputado Assemblia de Pernambuco e scio de diversas associaes cientficas e literrias do pas e do estrangeiro. Homem de boa estatura, corpulento, claro, forte, de superior inteligncia e de grande cultura mdica, escreveu muitos artigos sobre medicina para jornais e revistas do norte do Brasil e da Europa. Faleceu ainda moo em Pernambuco, a 17 de novembro de 1869. Deixou os seguintes volumes: Propaganda Homeoptica, Tesouro Homeoptico (2 vols.), Discursos (2 folhetos), Dirio de um Mdico e vrios folhetos sobre questes homeopticas.SALUSTIANO ORLANDO DE ARAJO COSTA Poltico e magistrado. Nasceu em S. Cristvo, a 8 de junho de 1834. Formando-se em direito no Recife, abraou a magistratura, subindo rapidamente de promotor pblico em Sergipe a desembargador das relaes do Par e do Rio Grande do Sul. Foi chefe de polcia no Par e tambm no Amazonas, onde dirigiu a instruo pblica. Eleito deputado provincial em Sergipe, foi reeleito no binio seguinte. Pelo Rio Grande do Sul foi eleito deputado constituinte republicana. Homem de lcida inteligncia, cheio de corpo, mdio na estatura, do Conselho do Imperador, fidalgo cavaleiro portugus, comendador da Ordem de Vila Viosa, cavaleiro de Cristo, escreveu o Cdigo Comercial convenientemente anotado, obra que j chegou 6 edio. Era de gnio prazenteiro, a todos acessvel. Faleceu cego em 1907 no Rio de Janeiro, de nefrite albuminurica, na ocasio em que cuidava de uma reviso do seu Cdigo.SALVADOR CORREA DE S E BENEVIDES Bacharel em direito. Foi o 26 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 27 de fevereiro de 1856.SALVADOR DA SILVA BRAGANA Capito-mor de 1708 a 1711.SAMUEL AUGUSTO DE OLIVEIRA Militar e escritor emrito. Nasceu em Laranjeiras a 25 de outubro de 1867, alistando-se no exrcito em 1888. Foi promovido a 2 tenente de artilharia, em 1890; a 1 tenente, em 1896; a capito de engenheiros, em 1902; a major por merecimento, em 1909, quando ajudante de ordens do presidente da Repblica Dr. Nilo Peanha; a tenente-coronel por antiguidade, em 1915. Bacharel em matemticas e cincias fsicas, engenheiro civil e militar, ex-professor de mecnica na Escola Militar Praia Vermelha e adjunto do gabinete do ministro de guerra. de baixa estatura e de forte compleio, cheio de inteligncia e de cultura cientfica e filosfica. Fala muito bem e escreve de modo anlogo. Tem grande queda para a msica, provecto pianista, com muita execuo e uma especialidade notvel o seu vastssimo repertrio quase todo de cr. um palestrador admirvel: atrai, escraviza, domina pela conversa. Na imprensa diria tem publicado interessantes e sugestivos artigos sobre poltica, cincias sociais e filosficas. Em 1893 bons servios prestou causa legal, chegando mesmo a andar embarcado em navios de guerra. Suas obras so: Concepo da Filosofia, A verdadeira reviso constitucional, Geometria Algbrica (colab. com o autor deste livro) e Tratado de Aritmtica (colab. com o autor deste livro). Do seu valimento como escritor damos a seguinte mostra, prefcio Concepo da Filosofia:PrefaoSou um adepto fervoroso do evolucionismo spenceriano. Acredito muito na superioridade da larga e fecunda sntese concebida pelo grande gnio ingls sntese que no tem par na histria inteira do pensamento humano. mister, porm, dizer, para que possam julgar com exatido, que o meu entusiasmo por Spencer nunca degenerou em fanatismo, que a minha admirao pela obra do grande homem jamais se converteu em servilismo intelectual. Aceitando a doutrina do exmio filosfico em suas linhas principais, reservo-me o direito de pensar por mim no modo de interpretar e discutir certos pontos de no somenos importncia.As pessoas versadas nos assuntos filosficos vero muito bem tudo isso no presente trabalho, e mais ainda em minha Coordenao da Filosofia, obra cujo plano est todo traado, achando-se j escritos alguns dos captulos de maior interesse.Quer nos parecer que este ilustre sergipano errou de todo a vocao: se se formasse em direito, para o que tem especial pendor, seria por ventura um dos primeiros jurisconsultos do Brasil.SANCHO DE BARROS PIMENTEL Jurista. Filho de pai sergipano, nasceu na Bahia a 16 de outubro de 1849, formando-se em direito no Recife. Foi advogado nos auditrios da antiga Corte, lente do Ateneu Sergipense e presidente do Paran, do Cear e de Pernambuco, onde revelou larga capacidade administrativa. Eleito deputado geral por Sergipe, na legislatura de 1878 a 1881, reeleito no gabinete Ouro Preto, assistiu como representante da nao queda do Imprio. Entregou-se ento advocacia na Capital Federal, com grande brilho profissional. Por alguns anos foi professor de uma das academias de direito da capital do pas. Homem de baixa estatura, corpulento, de trato mui ameno, de vasto saber jurdico, goza no foro do Rio de Janeiro da mais brilhante e justa nomeada.SEBASTIO ANDRADA Agricultor e capitalista. Reside em Simo Dias. comendador e homem de influncia e prestgio local.SEBASTIO GASPAR DE ALMEIDA BOTO Agricultor e poltico de grande influncia. Nasceu a 17 de setembro de 1802, no engenho Maroim Cima, Vila de Santo Amaro, falecendo a 31 de maio de 1884, no engenho Poxim, S. Cristvo, cuja matriz lhe guarda os restos mortais. Devia ter sido homem de grande lucidez de inteligncia: porque conseguiu dominar completamente Sergipe, no largo perodo que vai de 1836 a 1852, de sua vontade firme dependendo quase todas as deliberaes administrativas. Mas no era dotado, ao que parece, de grandes qualidades polticas, sendo porventura o principal causador, embora inconsciente, do atraso da Provncia naquele tempo. Serviu bravamente ao pas, aos verdes anos, durante a independncia, desempenhando depois, durante quarenta anos de agitada vida pblica, os mais elevados cargos administrativos e polticos. Membro do Conselho da Provncia, deputado provincial, deputado geral em duas legislaturas, vice-presidente da Provncia quatro vezes em exerccio e presidente efetivo logo depois, comandante da guarda nacional, comendador de Cristo, chefe poltico sempre chegou a gozar de grande influencia em toda a Provncia. Perdeu por fim o prestgio de que gozava, mais por no se opor criminosa mudana da capital da Provncia, de S. Cristvo, local sdio, para o paludoso areial, onde erradamente se alevantou Aracaju, que mesmo pelo assassinato poltico que lhe foi injustamente atribudo porventura. Recolheu-se a vida privada em 1863.SEBASTIO NUNES COLARES Capito-mor, nomeado por carta rgia de 15 de dezembro de 1695.SEBASTIO PINTO DE CARVALHO Advogado, professor e jurisconsulto. Nasceu em Maruim a 12 de janeiro de 1827. Formando-se em leis na Universidade de Coimbra, regressou a Sergipe e fixou depois residncia na Bahia. A ento passou toda a sua longa vida, dedicando-se com brilho advocacia e com distino ao magistrio. Por concurso, foi nomeado lente de filosofia do Liceu, em cuja cadeira se jubilou. Foi tambm lente de direito comercial, deputado provincial e diretor da Faculdade Livre de Direito da Bahia. Dotado de grande inteligncia e de notvel erudio, jurisconsulto assaz conceituado no seu tempo, escreveu apenas um Compndio de Filosofia, que no chegou a ser impresso, mas muito lido na Bahia. Faleceu em S. Salvador em 24 de novembro de 1899, na avanada idade de 72 anos. Era um homem corpulento e sobremodo amvel para com todos. Sustentou tese no Recife, perante a Academia, para poder se entregar diretamente advocacia.SEBASTIO SOLEDADE Propagandista republicano em Laranjeiras. Prestou reais servios ao clube republicano dessa cidade, onde era tipgrafo, e um dos escritores do O Republicano e do O Laranjeirense.SERAFIM VIEIRA DE ALMEIDA Mdico e propagandista republicano. Nasceu em Itaporanga, a 5 de abril de 1868, fazendo o seu curso de humanidades no Aracaju e formando-se em medicina na Bahia em 1888. Durante a vida acadmica, atirou-se com ardor defesa da Repblica e depois, clinicando em Riachuelo, continuou com entusiasmo a defender o seu ideal de moo, at o dia 15 de novembro de 1889. Em 1890 seguiu para S. Paulo. Hoje clnico em S. Carlos (Estado de S. Paulo), onde goza de real influncia. Homem de alta estatura e de robusta constituio fsica, com grande amor profisso abraada, tem publicado diversos folhetos sobre vrios assuntos mdicos. Em 1909 esteve praticando nos hospitais de Paris, onde fez estudos especiais de cirurgia e obstetrcia. Colaborou na Revista Mdica de S. Paulo, e scio correspondente da sociedade de medicina e cirurgia do Rio de Janeiro. Hoje s se entrega profisso. Seus trabalhos mdicos so os seguintes:Responsabilidade Mdica Tese inaugural, 1888.Tcnica e indicaes da curetagem do tero (Rev. Md. de So Paulo, 1905).Acidentes ocasionados nas crianas pelo clorureto de etila como anestsico geral (Rev. Md. de So Paulo, 1903).Um caso de estiomene de vulva acompanhado de tumor clitoridiano (Rev. Md. de So Paulo, 1904) e broch. acompanhada de 2 gravuras. S. Paulo, 1904.Estudo clnico sobre o tracoma. Sua profilaxia no Estado de So Paulo (Rev. Md. de So Paulo, n. 14 de 31 de julho de 1905). Broch. ampliada com diversos anexos. S. Paulo. Ty. Brasil de Rothschild & C. 1905.O tracoma em S. Paulo. Reviso nosogrfica e estudo clnico. (Trabalho apresentado ao 6 Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia). Tip. Brasil de Rothschild & C., S. Paulo 1907.Varola ou Varicele? (Polmica Cientfica). Srie de artigos publicados em colaborao com os Drs. Deolindo Galvo e A. Gomes, em S. Carlos. Broch. Tip. Duprat & C. S. Paulo, 1908.Acidentes de cloroformizao. (Trabalho apresentado ao 7 Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, reunido em Belo Horizonte em 1912).Tratamento do tracoma. (Trabalho apresentado ao 7 Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, reunido em Belo Horizonte em 1912).Embalsamento, 1915.SEVERIANO CARDOSO Poeta, dramaturgo e jornalista de grande merecimento e popularidade. Nasceu na Estncia. Homem de baixa estatura e de forte constituio fsica, cheio de inteligncia, de alegria, de verve e de slida cultura literria. Com grande queda para as belas letras, cultivou com ardor o jornalismo, com paixo o drama, a revista e a comdia, com delicadeza e superioridade na poesia. Foi em Aracaju um dos mais populares escritores do seu tempo. Sua obra intelectual, indita uma parte, e grandemente espalhada pelos jornais e revistas do seu tempo uma outra, daria para muitos volumes. Uma lei estadual j foi votada para tanto. A ento poder-se- bem julgar o ativssimo literato, fora das fronteiras sergipanas. Rimas Sertanejas constituem uma das suas melhores obras. O belo soneto, que se segue, uma plida mostra do seu merecimento literrio:Deixa!Deixa beber-te essa aroma em sorvos,De teu corpo embriagado pela essncia,De sob a cabeleira cor dos corvosQue vela tua virgem florescncia!s bela como o dia e pura como a luz,Pequena baunilheira aberta em flor;Lembras, chorando, o pranto de Jesus;Lembras, sorrindo, o canto do Thabor!s triste como triste e fria a horaEm que o sol, como um sicrio, corre em foraA esconder-se na furna do ocidente!E eu gosto da tristeza! Deixa, pois, consenteDo aroma de teus beijos de repenteEu sorva os bagos, ao sorrir da aurora!SIMO DIAS Grande e notvel fazendeiro, morador em Sergipe desde 1599. No comeo do sculo XVII obteve sesmaria na Itabaiana. Possuindo vasta fazenda e curral de gado, deu o nome atual cidade de Simo Dias, construda posteriormente em terras de sua legtima propriedade.SILVRIO FONTES Mdico. Nasceu em S. Cristvo. Foi um dos mais conceituados clnicos da cidade de Santos. Homem de grande talento e erudio.SILVIO ROMERO Polgrafo de grande envergadura e valimento, o verdadeiro criador da nossa histria literria. Nasceu em Lagarto a 21 de abril de 1851, formando-se em direito no Recife em 1873. Dois anos depois requereu defesa de tese; mas na ocasio de sustenta-la, teve com um dos lentes uma sria discusso, respeito metafsica, e que deu em resultado, depois de suspenso o ato, ser mandado processar pelo crime de injria. Foi, porm, absolvido. Indo para o Rio de Janeiro, obteve em brilhante concurso a cadeira de filosofia do internato Pedro II, depois de haver sido promotor pblico, juiz municipal e deputado provincial. Foi um dos fundadores da Academia Livre de Direito do Rio e da Academia Brasileira de Letras, onde ocupava a cadeira Hiplito da Costa. Foi tambm deputado federal sergipano. Homem de alta estatura e de robusta compleio, superior na inteligncia e na cultura literria, jurdica e filosfica, crtico e filsofo, polemista e historiador, e ainda poeta, socilogo, professor, investigador das nossas tradies, panfletista e orador, Silvio Romero, o verdadeiro criador da nossa histria literria, porventura o mais nacional e um dos mais frteis dos nossos escritores. Sua obra intelectual, na extenso vasta e no contedo slida, o atesta exuberantemente. At hoje nenhum outro escritor brasileiro se lhe pode comparar na capacidade produtiva, na prodigiosssima atividade intelectual, no acendrado amor s coisas ptrias enfim. Faleceu no Rio de Janeiro, pauprrimo, a 19 de julho de 1914. Contava sessenta e muitos anos de idade, todos consagrados s letras e ptria. E nessa idade avanada, ainda pensava e produzia como se ao vio dos anos. Goza no Brasil intelectual de funda simpatia, seno de perfeita e justssima popularidade. Dentre as suas obras, quase sem conta, deve ser citada em primeiro lugar a maior delas, a Histria da Literatura Brasileira, s por si capaz de a reputao fazer de um autor. Ainda no est de todo concluda; mas os dois e grossos volumes publicados constituem forte manancial, capaz de desalterar com vantagem as geraes a vir. Depois dessa devemos citar outras, tendentes a mostrar o talento multiforme desse lidador agigantado: Etnografia Brasileira, Estudos de Literatura Contempornea, A Literatura Brasileira e a Crtica Moderna, Outros Estudos de Literatura Contempornea, Compndio de Histria de Literatura Brasileira (colab. com Joo Ribeiro), ltimos harpejos, Estudos sobre a Poesia Popular no Brasil, Cantos Populares, Parnaso Sergipano, Contos Populares, A Filosofia no Brasil, Ensaios de Filosofia do Direito, Provocaes e Debates, Doutrina contra Doutrina, Ensaios de Filosofia e Literatura, Histria do Antigo Direito na Espanha e em Portugal, Ensaios de Crtica Parlamentar, Parlamentarismo e Presidencialismo no Brasil, Histria do Brasil ensinada pela biografia dos seus heris, O Alemanismo no Brasil, etc., etc. H ainda a acrescentar folha de servios do eminente polgrafo a publicao pstuma das obras completas de Tobias Barreto, inestimvel servio por ele ainda prestado ptria literatura. Para que bem se lhe possa apreciar a linguagem e o estilo, o temperamento literrio em suma, aqui deixamos duas mostras brilhantes:Evaristo da VeigaNo meio dos homens notveis do primeiro reinado e da regncia, entre os que figuram distintamente e notavelmente influram, ele teve certas notas que foram s dele: era o mais novo, o que no tinha tradies, o que no possua ttulos acadmicos, o que apareceu mais inesperada e rapidamente, o que morreu mais moo, mais a tempo e mais a jeito; foi o que nunca saiu do Brasil. Estas circunstncias tm mais valor do que primeira vista pode parecer. Para bem compreend-lo basta comparar Evaristo da Veiga aos seus amigos ou adversrios. Os Andradas, os Silvas Lisboas, os Ferreiras Franas, os Vilelas Barbosas, os Carneiros de Campos e outros na poltica do tempo entraram levados por prestgio de famlia, entraram como influncias tradicionais e locais, entraram quase como nobres, entraram quase par droit de naissance, e suas idias representavam o doutrinarismo acadmico, letrado, abstrato da Universidade de Coimbra. Ele no; ele saa sem ttulos nenhuns dos fundos de uma loja de livros; representava o individualismo persistente e honesto, pertinace e calmo. Bem como na ordem literria era preciso que indivduos sados do povo e inspirados, no seu sentir, levantassem o brado contra o academicismo clssico, assim na esfera social era mister que um homem sado do povo, em nome da simples justia e bom senso do mesmo povo, se fizesse adorado deste, desse batalha aos poderes do dia, e desmantelasse as malhas do velho classismo poltico.O macaco e o coelhoConto de origem africanaO macaco e o coelho fizeram um contrato para o macaco matar as borboletas e o coelho as cobras. Estando o coelho dormindo, veio o macaco e puxou-lhe pelas orelhas, julgando que eram borboletas. Zangado por esta brincadeira, o coelho jurou vingar-se.Estando o macaco descuidado, assentado numa pedra, veio o coelho devagarzinho, arrumou-lhe uma paulada no rabo, o macaco sarapantado gritou e subiu por uma rvore acima a guinchar.Ento o coelho ficou com medo e disse:Por via das dvidas,Quero me acautelar;Por baixo das folhasTenho de morar.(Dos Contos populares do Brasil.)E mais a seguinte e sugestiva profisso de f poltica:ProtestoEu tambm sou pintorCORREGIOEu tambm nasci na Arcdia!...SCHILLEREu tambm sou poeta: adoro a glria,E a natureza inteira me cativa;Gosto das auras, das manhs cheirosas,De tudo quanto tem uma alma viva...De uns olhos de donzela o forte brilho,Que fala das paixes que ardem no seio,Tambm me faz arfar; sim, eu me curvoDe um corpo airoso ao lnguido meneio...A alegria por vezes me visita, velha companheira que estremeo;Quem no gosta dos risos das crianas,Da vida forte em rpido arremesso?A pobreza, bem sei, sagrou-me ousado,A luta do futuro alevantou-me;Contra os erros e contra o despotismoA coragem no peito despontou-me.O sofrimento meu amigo antigo,O mistrio do cu tambm me abala:Ai! por Deus no penseis que eu seja surdo dor das multides que a todos fala.Eu tambm sou poeta! As formas virgensDo ideal que se desfaz em sonhos ledos,Tambm se me traduzem em suspiros,Cismas, risos, encantos e folguedos...SIMFRNIO CARDOSO Poeta. Nasceu em Sergipe. Em 1879 publicou o volume de versos Indianas, no Rio de Janeiro. E em 1901 dava a lume Louros Esparsos, versos em homenagem a Floriano Peixoto. A seguinte e belssima composio d-lhe uma idia da lira maneirosa:A topadaEra numa encruzilhada,Que ali o caminho faz;Ouvi uma barulhada,Recuei logo pra traz.Que matinada era estaDo dia no corao?Cerca a! que desembesta,Cerca a besta! paspalho.O cabra vinha danado,Na asa mesmo, a voar.Quando num tronco roladoFoi topada de rachar.O sangue corria em bica,Vermelho como aafro;Ou como a saia da ChicaQue feita de baeto.L se foi de meio a meio,A unha do polegar!Da miralhada no seioTrota a besta a relinchar.Foi ele gritar comigoE aquele tronco rolou...Parece at um castigo,Na mesma hora pagou.Toma conta deste caso,No faas pouco em ningum,Seno l vai tudo raso,Quem sorri, chora tambm.Sabia mais do que um livro,A defunta minha av;Fazendo renda de crivo,Na tripa lhe deu um n.Este mundo um engano,Quem se engana porque quer;Ave de papo tucano,Bicho de capa mulher.Toca! toca pela estrada,Regala o olho alaso!Topada chama topada,Enterra o casco no cho.TTERNCIO SAMPAIO Sergipano.TERTULIANO ANTONIO PEREIRA BARRETO Militar. Nasceu em Sergipe a 27 de abril de 1872, verificando praa no exrcito a 25 de janeiro de 1889 e matriculando-se na Escola Militar da Corte. Foi promovido a alferes-aluno, em 1893; a 2 tenente de artilharia, em 1894; a 1 tenente, em 1901. Faleceu durante o ano de 1908 no Rio Grande do Sul, onde servia. Tinha o curso das trs armas. Era de regular estatura e robusta compleio, parecendo ter vida para muitos anos. Em 1907 publicou um excelente livro, Instruo Moral, destinado educao moral do soldado brasileiro.TEODURETO ARCANJO DO NASCIMENTO Clnico em S. Paulo e depois no Rio de Janeiro. Nasceu no Lagarto a 16 de setembro de 1866, formando-se em medicina na Bahia aos vinte anos de idade, prova incontestvel de grande lucidez de inteligncia. Clinicou a princpio em S. Paulo. Andou em viagem pela Europa. Voltou a Sergipe, e foi ao Cear em comisso do governo sergipano, apresentando ento uma monografia A cultura de manioba, publicada nas colunas do Estado de Sergipe e depois em avulso. Hoje dedica-se clnica no Rio de Janeiro.TEFILO FERNANDES DOS SANTOS Bacharel em direito. Foi o 44 presidente da antiga Provncia. Tomou posse a 10 de maro de 1879.TEOTNIO FLIX DA COSTA Professor. Nasceu em Propri, mais ou menos em 1850. Dedicando-se ao magistrio, foi durante muitos anos professor em Pacatuba e depois em Aquidab. A faleceu mais ou menos em 1902. Tambm foi um bom advogado nos auditrios sergipanos, tendo em tempo publicado um interessante drama. Orador fluente e inflamado, registra-se em sua vida de advogado um fato sensacional, quando no jri de Propri, defendendo um ru que assassinou a esposa adltera, terminou a defesa sob as lgrimas de todo o auditrio, do Juiz de Direito inclusive. O ru foi unanimemente absolvido. Em Aquidab era chefe do partido liberal.THOMAZ ALVES JNIOR Bacharel em direito. A 15 de agosto de 1860 assumiu a presidncia da antiga Provncia. Foi o 29 presidente de Sergipe.THOMAZ RODRIGUES DA CRUZ Mdico. Como 1 vice-presidente, tomou posse da presidncia a 24 de outubro de 1889.THOM DA ROCHA Foi o segundo governador que teve a capitania de Sergipe, depois de conquistado aos ndios por Cristvo de Barros, em janeiro de 1590. Auxiliou poderosamente a conquista, que durou oito meses de incessante lidar, partindo da Bahia para esse fim, depois de Cristvo de Barros. Provavelmente em fins de 1590 assumiu aquele alto posto: porque em 1591, estando na administrao, teve ocasio de prestar reais servios a um excursionista do Rio S. Francisco, que naufragara em Sergipe. Em 1593 bateu os franceses e entre 1594 e 1595 passou a administrao a Diogo de Quadros. S. Cristvo contava ento mais de cem fogos, tendo sido deveras prspera a administrao. Em 1603 foi segunda vez governador de Sergipe, desenvolvendo fortemente a colonizao e a lavoura de cana. Em 1606 foi substitudo por Nicolau Faleiro de Vasconcellos.TILEMONT FONTES Mdico e professor. Nasceu em Sergipe, formando-se depois em medicina. Homem de grande talento e de grande erudio mdica, foi um clnico distintssimo e um notvel lente da Academia de Medicina da Bahia. Entregava-se com brilho aos estudos de psiquiatria, gozando naquela faculdade do mais justo e merecido conceito profissional. Era de cor morena e de delicada compleio fsica.TITO ANDRADE Professor.TITO ANTONIO DA FRANCA AMARAL Militar, poeta e romancista. Nasceu na Estncia a 4 de janeiro de 1854, alistando-se no exrcito em 1871. Matriculando-se na Escola Militar, foi alferes-aluno, 2 tenente, 1 tenente de engenharia, capito e major da mesma arma, de que tinha o respectivo curso. Era tambm bacharel em matemticas e cincias fsicas e membro da 1 seco da diretoria das obras militares. Homem de grande inteligncia, de notvel perfeio moral e dotado de ardente imaginao, dedicou-se com vantagem poesia e ao romance, de que deixou brilhantes provas no seu esplio literrio. Devia parte de sua educao ao Conde dEu: e quando se proclamou a Repblica, declarou resolutamente ao seu chefe, nas obras militares, que era monarquista e que continuaria a s-lo. Fez mais: hora da morte, pediu ao seu sogro que escrevesse quele prncipe, noticiando-lhe o passamento e informando-lhe que jamais esquecera os benefcios recebidos. Faleceu no Rio de Janeiro a 15 de abril de 1896, deixando publicados, com o pseudnimo de Piapitinga, os seguintes romances: O Cime, O Monge Escravo e a Natureza, A Aurora da Redeno, Proculo o Itabaiana, e ainda o poema Os Nautas da Redeno. Inditos lhe ficaram os seguintes trabalhos: A Cabana Legendria (romance), Meus Cantos (versos) e o Celeste no Terrestre (prosa e verso).TOBIAS BARRETO, T. B. de Menezes Poeta, jurista, orador, literato, filsofo e professor de extraordinrio merecimento. No ponto de vista intelectual, foi um dos maiores brasileiros do seu tempo. Talento descomunal. Erudio pasmosa. Nasceu na Vila de Campos a 7 de junho de 1839. Indo para a Bahia, muito cedo, depois de j haver sido lente de latim por concurso, inteiramente desprotegido da fortuna, chegou a entrar para o Seminrio Arquiepiscopal. Seguindo depois para o Recife, lecionava a latim e filosofia, ao mesmo passo que estudava os preparatrios que lhe faltavam para o curso de direito. Fez este com brilhantismo, com brilhantismo defendeu tese e se fez lente da faculdade, onde em pouco tempo ganhou fama universal, como filsofo emrito e jurista eminente. Poeta, foi um dos nossos melhores lricos. Compunha mesmo em latim, desde os verdes anos. Sua poesia Beija Flor est traduzida em quase todas as lnguas vivas. Horcio Hora, grande pintor, ps na tela as cenas principais dessa lrica formosssima. Foi ainda o principal fundador da Escola Condoreira; e seus Dias e Noites constituem um dos melhores livros de versos existentes no Brasil. Como filsofo e jurista, fundou no pas a escola cientfica, por seus desafetos apelidada teuto-sergipana, escola que fez poca no Recife. Como polemista, orador, crtico ou palestrador, no encontrava rival no Brasil inteiro, o mesmo lhe acontecendo no violo, que tocava maravilhosamente, cantando, excelente bartono que era, patriticas composies poticas, que improvisava com facilidade extrema. Era repentista de mrito incontestvel. Seus ltimos versos, horas antes de morrer, quando no trem lhe perguntavam por que razo voltava do campo to cedo, bem o demonstram:Por que volto? A razo muito simples:No posso suportar tamanho exlio,Pois a vida buclica e campestreS me agrada nos versos de Virglio.Conhecia a fundo o alemo e o latim, o francs e o ingls, o italiano e o russo. Tinha uma fora fsica desmedida: aos vinte e muitos anos pegava um touro bravio pelas aspas, sozinho, corajoso e destemido. Gostava imenso das matemticas. E no seu tempo foi o brasileiro mais conhecido na Europa. Regular na estatura, na compleio robusto, teria vida para um sculo, se no fora to descuidado das imperiosas exigncias da natureza. Apaixonado pelo sexo frgil, levava o viver em patente irregularidade. Por isso mesmo faleceu na capital de Pernambuco, com grande mgoa do pas inteiro, ao qinquagsimo ano de existncia apenas, a 26 de julho de 1889. Sua obra intelectual, ainda no bem apreciada no sul do Brasil, de uma solidez profundssima, como slidos e profundos so os discpulos que deixou nos domnios vastos da filosofia e do direito. Silvio Romero, o grande polgrafo, fez-lhe cuidadosamente uma edio pstuma, hoje representada pelas seguintes e brilhantes unidades: Dias e Noites, Menores e Loucos em Direito Criminal, Ensaios e Estudos de Filosofia e Crtica, Estudos Alems, Estudos de Direito, Vrios Escritos, Discursos e Polmicas. A essas devem ser acrescentadas as seguintes, em alemo escritas: Deutcher Krampfer Zeitungsblatt, Brazilian soi excitin Literaresher, Hinsicht betrachtel, ein Skizze. Eis a poesia acima citada e tambm uma outra, que ele recitava apaixonadamente:O Beija FlorEra uma moa franzina,Bela viso matutinaDaquelas que raro ver,Corpo esbelto, colo erguido,Molhando o branco vestidoNo orvalho do amanhecer.Vede-a l: tmida, esquiva...Que boca! a flor mais viva,Que agora est no jardim;Mordendo a polpa do lbio,Como quem suga o ressabioDos beijos de um querubim!...Nem viu que as auras gemeram,E os ramos estremeceramQuando um pouco ali se ergueu...Nos alvos dentes, viosa,Paste o talo de uma rosa,Que docemente colheu.E a fresca rosa orvalhada,Que contrasta de coradaDe seu rosto e nvea tez,Beijando as mozinhas suas,Parece que diz: ns duas!...E a brisa emenda: ns trs!...Vai nesse andar descuidoso,Quando um beija-flor teimosoBrincar entre os galhos vem;Sente o aroma da donzela,Peneira na face dela,E quer-lhe os lbios tambm.Treme a virgem de surpresa,Leva do brao em defesa,Vai com o brao a flor na mo;Nas asas da ave mimosaQuebrar-se a flor melindrosa,Que rola esparsa no cho.No sei o que virgem fala,Que abre o peito e mais trescala,Do trescalar de uma flor;Voa em torno o passarinho...Vai j tocando o biquinhoNos lbios da rubra cor.E a moa, que se envergonhaDe correr, meio risonhaProcura se desviar;Neste empenho os seios ambosDeixa ver; inconhos jambosDe algum celeste pomar!...Forte luta, luta incrvelPor um beijo! impossvelDizer tudo o que se deu.H tanta coisa se esqueceNa vida! Mas me parece,Que o passarinho venceu!...Conheo a moa franzinaQue a fronte cndida inclinaAo sopro do casto amor;Seu rosto fica mais lindo,Quando ela conta sorrindoA histria do beija-flor...O BeijoQue silncio, que calmaNo teu olhar!Querubim de minha alma,Vamos voar?Algum canto suaveNo bosque ouvir?Ou no ninho de uma aveJuntos dormir?Vamos, longe do mundo,Que um pal,Espelhar-nos no fundoDo cu azul?Sei dum ermo encantado,Que existe alm;J corremos o prado,Caminha, vem!Dentro deste arvoredoNingum nos v...Vamos, tremes de medo?Medo de que?Olha as frutas vermelhasDo meu vergel...Quanto enxame de abelhas!Tu queres mel?Olha... que passarinhoLindo a cantar!...Vou peg-lo no ninhoPara to dar.Quanta sombra... Repousa,Descansa aqui,Vou dizer-te uma coisa,Que eu sei de ti.Mas s digo na boca,No ouvido, no...Anda, espera; que louca!...Retira a mo!...Suspirar-te um segredoDeixa, que tem?Cuidas que no arvoredoBuliu algum?Foi o vento; ora essa!...Ningum buliu;Chega, d-me depressa...Est!... Quem viu?TOBIAS MAGALHES Notvel pianista e compositor sergipano. Residia ultimamente na Bahia.TOBIAS RABELO LEITE Mdico e educador afamado, um dos mais puros caracteres do seu tempo. Nasceu em Sergipe a 6 de abril de 1827, formando-se em medicina no Rio de Janeiro, aos 22 anos de idade apenas. Como interno do hospital da misericrdia, na antiga Corte, a observou em 1848 o primeiro caso de febre amarela, na enfermaria dos estrangeiros. Foi mdico do corpo de polcia e da casa de correo, sendo duas vezes comissionado pelo governo em difcil emergncia: 1, para socorrer enfermos atacados de febre amarela; 2, as vtimas do clera em Sergipe. Em 1859 foi nomeado chefe da nova seco da sade pblica e depois diretor do Instituto de surdos-mudos, estabelecimento que fundou e engrandeceu. Homem de talento, de grande saber e probidade exemplar, baixo na estatura e forte na compleio, disse ao representante do presidente da Repblica, no dia em que naquele instituto se inaugurava o retrato do monarca deposto: Este instituto foi fundado por Pedro II, com os escassos recursos do seu bolsinho, amparando-o sempre contra a ignorncia de muitos, protegendo-o contra a m vontade de alguns, animando-o com suas freqentes visitas e do exlio lhe dizendo ainda no se esquea do nosso instituto. Eleito deputado geral na dcima legislatura, abandonou depois o cargo com averso poltica. Era um homem puro na mais perfeita acepo social do termo. Faleceu no Rio de Janeiro a 3 de agosto de 1896, com 69 anos de idade. Escreveu os seguintes trabalhos: Notcia do Instituto dos surdos-mudos, Noes da Lngua Portuguesa (para surdos-mudos), Regimento Interno dos surdos-mudos, Compndio para o ensino dos surdos-mudos, Contos Morais para surdos-mudos (trad.), Lies de Metrologia, Salva Guarda do surdo-mudo e Ensaio da Pr-histria da literatura clssica alem.UURBANO DA SILVA MONTE Presbtero de grande erudio. Nasceu em Japaratuba, a 4 de julho de 1844. Presbtero secular, doutor em direito cannico pela Universidade Romana de Sapincia, bacharel em teologia pelo liceu gregoriano de Roma, cnego honorrio da antiga capela imperial e capelo no Cear. Grande sabedor em lingstica, fundou na Bahia um notvel estabelecimento de ensino secundrio, de onde saiu o grande Francisco de Castro. Foi professor de portugus no Liceu cearense e lente de italiano na Escola Normal de Campos. Durante alguns anos paroquiou a freguesia de Santa Rita no Rio de Janeiro e a de Santos em S. Paulo. Escreveu diversos Sermes e trs teses para o concurso de italiano e grego no colgio Pedro II. Falava aquela lngua com grande fluncia e correo. Mudando-se para o Cear em 1897, foi a professor de grego e proco da freguesia de Porangaba. Faleceu no Cear a 3 de julho de 1905. Era de estatura regular, cheio de corpo, um homem de grande bondade.VVALRIO DOS SANTOS Capito-mor em 1793.VENCESLAU FREIRE DE CARVALHO Militar diligente e bravo. Nasceu no Lagarto a 28 de setembro de 1841. Alistando-se muito jovem no exrcito, foi sucessivamente subindo de posio, na arma de infantaria, at chegar ao posto de coronel. Fez com bravura a campanha do Uruguai e a do Paraguai, das quais tinha a respectiva medalha, assim como tambm a de mrito militar. Comandou a brigada policial no Rio de Janeiro e, por seus servios ptria, foi oficial da Rosa e cavaleiro de S. Bento e do Cruzeiro. Faleceu no Rio de Janeiro a 16 de setembro de 1893. Escreveu as seguintes obras: Pronturio dos processos militares, Instruo para o fuzileiro armado a Comblain e Breve Tratado sobre a espingarda Mini.VENTURA LEITE SAMPAIO um distinto sergipano, cuja biografia vir talvez na prxima edio. Agora foi impossvel, apesar dos grandes esforos empregados para tanto.VICENTE LUIZ DE OLIVEIRA RIBEIRO Industrial e poltico. Nasceu em Laranjeiras mais ou menos em 1850. Homem de regular estatura e de robusta constituio, pleno de predicados morais nobres, inteligente e honesto, era coronel da guarda nacional, e chefe poltico em Laranjeiras. A 19 de novembro de 1889 entrou para a junta governativa do Estado. A 28 de maio de 1891 entrou na posse do cargo de vice-governador. A 11 de junho desse mesmo ano foi eleito governador, estando em exerccio do cargo, que abandonou a 24 de novembro de 1891, por lhe faltar o apoio da fora federal. Faleceu mais ou menos em 1895, na cidade de Laranjeiras, em cujo municpio tinha um engenho de acar.VICTOR CNDICO BARRETO Marinheiro e professor. Nasceu em Sergipe a 4 de julho de 1848. Alistando-se muito jovem na marinha, foi gradualmente subindo na hierarquia, at que em 1900 se reformou no alto posto de contra-almirante. Homem alto, inteligente e forte. Fez a campanha do Paraguai, de que tinha a respectiva medalha. Foi a Londres e aos Estados Unidos fazer estudos sobre torpedos, em que era sabedor afamado. E na Escola Prtica de Artilharia e Torpedos foi professor de eletricidade e torpedos. Faleceu em Niteri a 4 de julho de 1900. Escreveu um Curso Elementar de torpedos, mandado adotar pelo ministrio da marinha.VIRGLIO DO VALE VIANA Farmacutico muito popular em Laranjeiras, onde provavelmente nasceu, em 1850 mais ou menos. Homem de mdia estatura e de regular constituio, dotado de excelentes predicados e virtudes, tinha um gosto especial para a profisso preferida. Laranjeiras em peso o conhecia e estimava. Tinha vrios preparados seus, empregando-os sempre com vantagem. Era um farmacutico inteligente, caritativo e bom. Muitas e muitas vezes serviu de mdico populao desprotegida daquela cidade. Faleceu h poucos anos cidade natal.WWENCESLAU DE OLIVEIRA BELO Militar. Foi o 11 presidente de Sergipe. Tomou posse a 28 de agosto de 1839.ZZACARIAS DE GES E VASCONCELOS Bacharel em direito. Foi o 21 presidente da antiga Provncia, tendo tomado posse a 28 de abril de 1848. Nota do autor: Whos who in Amrica page one, 1912-1913, vol. VII. Batalho 1912. 1912/1914 vila Lima foi promotor ainda estudante, o que era permitido. Joo Gomes de Melo. Sergipano de Itabaiana, desembargador do Tribunal de Relao de Pernambuco. Caieira Comendador da Ordem de Cristo. Mnuscrito existente na Seo de Manuscritos da Biblioteca Nacional 1832. Nota do autor: Um de seus sobrinhos me afirma haver o Comendador nascido na Vila de Santo Amaro. O primeiro nmero saiu em 1 de julho de 1856 O Comendador Travassos entregou um exemplar, manuscrito, ao Imperador Pedro II, em Aracaju, em 1860. Nome dado a Antigo magistrado romano. Como Capito-Mor, de 1678 a 1679. Belchior, tambm dito Melchior, Dias Moria. Magistrado, desembargador do Tribunal de Relao de Sergipe. Escola secundria de Aracaju. A Gramtica foi divulgada como Apostila. Tambm conhecido como o Moribeca. Ligou-se as lendrias minas de prata de Itabaiana. Foi magistrado. Antiga Chapada, ou Chapada dos ndios, hoje Cristinpolis. Baro do Rio Branco, falecido em 1912. Exerceu a Secretaria do Governo da Provncia Em janeiro de 1860. Brcio Cardoso morreu em 1924, em Aracaju. Nascido em 1847 e falecido em 1896. Como jornalista assumiu a ortodoxia do Catolicismo, condenando novenas e outras prticas devocionais. Nascido em Maroim, em 1876, e morreu no Rio de Janeiro. Nas proximidades de Aracaju. Elzirio, tambm grafado Elizirio, Prudncio da Lapa Pinto. Nasceu em 1827 e morreu em 1891. Atual Nepolis. Nascido em 1852, faleceu em 1909. Felinto Elsio do Nascimento organizou e editor a Lira Sergipana, antologia da poesia sergipana. Nota do autor: Da monografia Que direito?. Nota do autor: Sergi Evoluo humana Nota do autor: Em Sergipe, pessoas estranhas famlia Boto no podiam fazer parte dela, ainda que as moas solteiras ou vivas o quisessem. Casos houve em que, mesmo obtido o consentimento paterno, a famlia se reunia e, deliberando o contrrio, raptava a noiva, forando-a ato contnuo a desposar um parente achegado. E quando por acaso se dava um casamento inesperado fora da famlia, o marido era assassinado e a noiva violentamente entregue em novo consrcio a um parente, sob ameaa de morte. Assim se casou Felipe de Faro Mota com a filha do proprietrio do engenho Jurema, viva do Dr. Daniel, assassinado pelos parentes da senhora meses depois de casado. Arrastada de casa alta noite no dia imediato ao do assassnio do marido, em trajes menores amarrada sela de um cavalo, foi conduzida vila do Rosrio, onde um pobre frade, peitado por dinheiro e ameaado de morte, Jos Dias, casou-a com o raptor, dois ou trs dias depois, por no mais poder suportar as crescentes torturas que lhe infligiam barbaramente.