Boletim 14 da Gesto Ambiental das obras de duplicao da BR-116/RS

  • Published on
    28-Jul-2016

  • View
    215

  • Download
    0

DESCRIPTION

Essa a 14 edio do Boletim da Gesto Ambiental das obras de duplicao da BR-116/RS.

Transcript

  • BOLETIM 14janeiro - fevereiro - maro

    2016

    Equipe de flora j realocou mais de 760 exemplares de bromlias, orqudeas e cac-tos.

    reas prximas das comunidades recebem ateno especial durante as amostragens.

    Atendimento inclui a reviso em campo das demandas em andamento.

    Pgina 06

    Pgina 06

    Pgina 05

    Pgina 04

    Realocao de epfitas

    Monitoramento de rudos

    OuvidoriasRecursos HdricosSaiba como medido o ndice de Qualidade da gua (IQA), uma espcie de nota final que leva em conta nove parme- tros com pesos relativos.

    DNIT combate focos do Aedes aegypti nas obras de duplicaoPgina 03

  • Duplicar Proteger Avanar2

    Editorial

    Expediente

    Sobre

    Desde o incio de 2016, o DNIT realiza uma srie de aes visando erradicar a presena de locais com potencial de proliferao do Aedes aegypti, risco que durante o vero intensifica-se devido s altas temperaturas e o acmulo de gua parada. De janeiro a maro ocorreram aes de sensibilizao e tambm de eliminao dos possveis criadouros do mosquito na rea de influncia do empreendimento. Os detalhes das atividades esto descritos na matria da pgina 03.

    O monitoramento dos recursos hdricos durante as obras inclui o clculo do ndice de Qualidade da gua (IQA), uma metodologia que facilita a divulgao dos resultados para a sociedade, conforme explica a matria da pgina 04. Confira na pgina 05 as medidas de preservao das epfitas, plantas que habitam rvores sem parasit-las. At o momento, a equipe da Gesto Ambiental j realocou cerca de 760 espcies de bromlias, orqudeas e cactos. Na pgina 06 voc vai conhecer o trabalho da equipe de Comunicao Social na resoluo das demandas recebidas por meio da ouvidoria e tambm poder conferir as novidades da ltima campanha do Programa de Monitoramento de Rudos.

    Na contracapa, no deixe de acompanhar as fotos com o andamento dos nove lotes de obra. Leia estas e outras notcias sobre a duplicao neste boletim ou no site www.br116rs.com.br. Para comentrios ou sugestes, envie e-mail para comunicacaobr116rs@stesa.com.br ou ligue 0800 60 11 116.

    Este boletim produzido pela Equipe de Comunicao Social da STE - Servios Tcnicos de Engenharia S.A., empre-sa contratada pelo Departamento Na-cional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para realizar a Gesto Ambien-tal das obras de duplicao da rodovia BR-116/RS. O material uma medida de mitigao exigida pelo licenciamento am-biental federal, conduzido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovveis (IBAMA). Por meio dele voc ficar sabendo das aes de monito-ramento e conservao do meio ambiente da regio previstas no Plano Bsico Ambi-ental (PBA) do empreendimento.Boa leitura!

    Realizao: Departamento Nacional de Infraes-trutura de Transportes (DNIT)Execuo: STE - Servios Tcnicos de Engenha-ria S.A.Conselho Editorial: Adriano Panazzolo, Fernanda Costa e Juliana ChristmannJornalista Responsvel: Amanda Montagna (14.958 DRT/RS) Fotografias: Divulgao STE S.A.Projeto Grfico: FT Design

    Fale Conosco

    0800 60 11 116

    comunicacaobr116rs@stesa.com.br

    Visite nossa pgina

    br116rs.com.br

    Curta nossa fan page

    fb.com/BR116rs

  • Boletim Janeiro/Fevereiro/Maro 2016 3

    Apresentao para estudantes refora os cuidados para evitar gua parada Vistoria ao empreendimento contou com a presena de especialista

    Construtoras executaram medidas preventivas nos locais com obras

    O DNIT tambm aderiu ao engajamento nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti. Desde o incio de 2016, a Gesto Ambiental da duplicao da BR-116/RS realiza atividades de monitoramento e eliminao dos locais com potencial de proliferao do mosquito que transmite doenas como Dengue, Zika e Chicungunya.

    Na primeira quinzena de janeiro foi realizada uma vis-toria em toda a obra para identificar possveis focos na faixa de domnio da rodovia. A partir do levantamen-to, a equipe deu incio s atividades preventivas e de sensibilizao, incluindo a distribuio de cartazes in-formativos nos postos de sade; visitas s borracharias lindeiras para estimular o descarte correto de pneus; palestras para colaboradores, professores e alunos; e atividades em conjunto com as prefeituras, Ecosul (concessionria do trecho entre os kms 400 e 511 - Ca-maqu a Pelotas) e Conpasul (empresa que realiza os servios de manuteno de pista entre os municpios de Guaba e Camaqu).

    Em fevereiro, a construtora Constran atendeu s solici-taes de fechamento de poos de visita nos kms 337 e 338, em Barra do Ribeiro, e ainda instalou placas no km 300, em Guaba, informando que a colocao de resdu-os na faixa de domnio proibida.

    Uma nova vistoria, desta vez com a participao do especialista em Vigilncia em Sade Paulo Demarco Jnior, foi realizada nos dias 23 e 24 de fevereiro. A atividade originou um inventrio de possveis criadou-ros, ou seja, todo o material inerte ou estrutura com acmulo de gua nas proximidades de comunidades lindeiras.

    O relatrio tcnico subsidiou o desenvolvimento de um plano de ao para os prximos meses, o qual prev o monitoramento mensal das obras, a eliminao dos pontos considerados mais crticos, a expanso de aes de educao ambiental e a ampliao do controle veto-rial realizado pelo Programa de Sade Pblica.

    Equipes mobilizadas para no dar chanceao Aedes aegypti

    preveno

  • Duplicar Proteger Avanar4

    Amostras de 15 cursos dgua interceptados pelas obras de duplicao da BR-116/RS de Guaba a Pelotas foram coletadas, nos dias 14 e 19 de janeiro, pela equipe do Programa de Monitoramento da Qualidade da gua. Esta foi a 14 campanha desenvolvida pelo DNIT, por meio da Gesto Ambiental, com o objetivo de minimizar potenciais impactos nos recursos hdricos da regio.

    O monitoramento acontece sempre em dois pontos diferentes para cada local, sendo um acima (montante) e outro abaixo (jusante) de onde esto as obras. Do conjunto de parmetros analisados, cinco so medidos em campo com o auxlio de aparelhos e os demais so encaminhados para anlise laboratorial, a qual indicar os aspectos bacteriolgicos e fsico-qumicos da gua. De acordo com o Plano Bsico Ambiental (PBA), a seleo dos parmetros considerou os impactos que podem ser causados pelas atividades decorrentes da implantao e operao do empreendimento.

    Os resultados so comparados com os limites de classificao da Resoluo do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) n 357/05, a qual dispe sobre a classificao dos corpos de gua e diretrizes

    ambientais para seu enquadramento, bem como estabelece as condies e padres de lanamento de efluentes. O acompanhamento tambm inclui o clculo do ndice de Qualidade da gua (IQA), uma espcie de nota final (que varia de zero a cem) obtida atravs de uma equao que leva em conta nove parmetros com pesos relativos.

    O engenheiro agrnomo da STE S.A., Lauro Bassi, observa que os mais importantes (com maior peso) na composio do IQA so o Oxignio Dissolvido (OD) os Coliformes Termotolerantes e o pH. Esta metodologia utilizada para facilitar a divulgao dos resultados da qualidade da gua para a sociedade em geral, uma vez que se trata de um ndice que facilita o entendimento das pessoas que no esto familiarizadas com o significado de cada parmetro isoladamente, explica.

    Mesmo que as obras estejam em andamento em 87% dos arroios monitorados, as pontes esto com as fundaes concludas e com atividades como a colocao de supraestruturas e complementao dos aterros de cabeceira. Vale destacar que, at o momento, as anlises no indicam a presena de impactos decorrentes das obras.

    ndice de Qualidade da gua calculado a cada trimestre

    Coleta ocorre em 15 cursos dgua interceptados pelas obras de duplicao Monitoramento realizado a cada trs meses no empreendimento

    Nove parmetros so analisados para o clculo do IQA

    recursos Hdricos

  • Boletim Janeiro/Fevereiro/Maro 2016 5

    Reconhecidas por sua beleza cnica e valor orna-mental, as epfitas tambm so importantes indica-dores ecolgicos. Isso porque a sobrevivncia destas plantas depende da presena de elementos encon-trados em ambientes conservados, como umidade, sombra e substrato arbreo. Visando preservar a diversidade destas e outras espcies da flora nativa da regio das obras de duplicao da BR-116/RS, o DNIT, por meio da Gesto Ambiental, executa aes de resgate e monitoramento nos nove lotes do em-preendimento.

    Epfitas so plantas que habitam rvores sem pa- rasit-las. Ou seja, elas no prejudicam as suas hos-pedeiras, apenas as utilizam como suporte para obter luz, umidade e nutrio. Nas reas prximas BR-116/RS so encontradas espcies de bromlias, orqudeas e cactos. Entre elas destacam-se os in-divduos das famlias Orchidaceae, Bromeliaceae e Cactaceae. Recebem ateno especial as que so citadas no PBA do empreendimento: Aechmea caly-culata (bromlia), Billbergia nutans (bilbergia) e Til-landsia geminiflora (cravo-do-mato). A remoo e o transporte das epfitas so efetuados manualmente e com cuidado para no causar danos ao vegetal, enquanto ocorrem as atividades de supresso da vegetao na obra. A engenheira florestal da Gesto

    Ambiental, Aline Ceolin, explica que a realocao ocorre em local previamente selecionado, onde as epfitas so amarradas em caules de casca rugosa para facilitar a fixao.

    Para a definio das reas, informa Aline, observa-se se o ambiente florestal compatvel ao requisitado pelas espcies. As plantas so georreferenciadas e monitoradas periodicamente durante trs anos. O sucesso do procedimento verificado atravs da frutificao e florao dos indivduos no novo des-tino. Desde o incio das atividades do Programa de Monitoramento e Conservao da Flora, a equipe re-alocou 761 exemplares, sendo que 60% destes esto vivos e adaptados.

    CURIOSIDADES

    Voc sabia que o abacaxi uma bromlia? As espcies de cactos epfitos tm pouco ou

    nenhum espinho. As orqudeas so comuns em reas com clima

    quente e mido, por isso so encontradas em grandes quantidades e variedade no Brasil.

    epfitas

    A remoo e o transporte das espcies ocorrem durante a supresso vegetal e so efetuados manualmente para no causar danos planta

    Mais de 760 plantas epfitas realocadas durante as obras

  • Duplicar Proteger Avanar6

    Visando qualificar a resoluo das demandas de ouvidoria recebidas durante a duplicao, a equipe da Gesto Ambiental realiza vistorias em conjunto com as construtoras para monitorar a situao dos registros em andamento. A verificao em campo facilita o entendimento das solicitaes feitas por telefone e permite o contato direto com os moradores, garantindo assim maior eficincia no atendimento populao. A implantao da ferramenta uma das iniciativas do DNIT para manter um relacionamento permanente com as comunidades lindeiras.

    Em um primeiro momento, tcnicos da Superviso Ambiental avaliam a procedncia das demandas e encaminham o pedido de soluo aos responsveis. J a reviso dos pontos no trecho acompanhada pela equipe do Programa de Comunicao Social, a quem compete gerenciar o sistema de ouvidoria de forma que ele atenda aos objetivos do licenciamento ambiental. A relaes pblicas da Gesto Ambiental, Juliana Christmann, destaca que esta rotina auxilia na busca por solues rpidas e que minimizem possveis transtornos comunidade. Acredito que este procedimento nos coloca em sintonia tanto com o morador quanto com a construtora. Nos d mais segurana na hora de atender as ligaes e repassar as informaes tcnicas da obrade forma clara e acessvel, completa.

    Operando desde janeiro de 2013, o canal da ouvidoria busca esclarecer dvidas, coletar sugestes e prevenir impactos que possam ser causados pelo empreendimento. Os dados so digitalizados em planilhas, georreferenciados e categorizados por tipologia (drenagem, acesso, eroso, etc.). At o final de fevereiro, a equipe realizou 928 atendimentos pelo telefone 0800 60 11 116, sendo que o percentual de resoluo das chamadas de 98%.

    Equipe monitora em campo o andamento de ouvidorias

    Reviso dos registros inclui dilogo com os moradores lindeiros

    98% das demandas resolvidas

    O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) da BR-116/RS estima um aumento nos nveis de poluio sonora durante o perodo de execuo do empreendimento. Para minimizar estes efeitos so implementadas medidas de controle dos possveis impactos decorrentes das obras. Uma delas o Programa de Monitoramento de Rudos, cuja 21 campanha foi realizada no ms de fevereiro. De acordo com o engenheiro ambiental Jackson Pilger, supervisor dos lotes 1, 2 e 3, a equipe dispensa maior ateno aos pontos considerados sensveis, os quais incluem a presena de comunidades lindeiras e escolas prximas rodovia. No entanto, vale ressaltar que at o momento no foram registrados impactos significativos oriundos dos rudos da obra, afirma. Com o uso de um decibelmetro, os nveis de presso sonora so medidos de acordo com as diretrizes da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT), considerando ainda a velocidade do vento, a temperatura e umidade relativa do ar. Essas normas estabelecem o nvel de rudo permitido em cada localidade e o tempo mximo de exposio, fatores que podem impactar a populao e os colaboradores da obra. Os resultados subsidiam as aes de mitigao da equipe de Superviso Ambiental, a qual responsvel por fiscalizar e recomendar melhorias na rotina de atividades com potencial para emisso de rudos.

    Campanha de rudos foca em reas sensveis

    Pontos prximos das comunidades recebem ateno especial

    notcias

  • Boletim Janeiro/Fevereiro/Maro 2016 7

    O registro da fotgrafa Maris Strege mostra o encantador nascer do sol visto a partir do per de Guaba, um dos doze municpios beneficiados

    pela duplicao.

    Envie sua foto para o e-mail comunicacaobr116rs@stesa.com.br e participe da coluna O Fotgrafo Voc.

    o fotgrafo voc

    HOSPEDEIRO - Animal ou planta que d abrigo a, ou nutre outros organismo.

    INERTE - Que no facilmente modificado por ao qumi-ca.

    MICROCEFALIA - Malformao congnita, em que o cre-bro no se desenvolve de maneira adequada.

    NATIVO - Que natural; congnito. Que nasce; que pro-cede.

    ORNAMENTAL - O que usado como adorno ou enfeite.

    PARMETRO - Critrio, padro, norma de comparao ou avaliao.

    RUGOSO - Em que h rugas; encarquilhado, engelhado. s-pero ao tato.

    SUBSTRATO - Substncia ou material que serve de base ou suporte.

    VETOR - Que serve de veculo ou intermedirio para os ger-mes patognicos ou parasitos; hospedeiro intermedirio.

    VRUS - Agente infeccioso muito diminuto, visvel ape-nas ao microscpio eletrnico, sem metabolismo prprio, donde a necessidade de parasitar clulas vivas.

    VERO SESC - A Gesto Ambiental participou, em janeiro, do projeto Brincando nas Frias do Servio Social do Comrcio (SESC). A equipe do Programa de Educao Ambiental realizou atividades ldicas e educativas com 36 crianas de 4 a 10 anos de idade. Na hora do conto foram trabalhados assuntos relacio-nados rodovia e aos animais e plantas nativos da regio. J a importncia de destinar corretamente os resduos foi tema de uma dinmica que ensina a correta separao do lixo.

    GESTANTES - O aumento dos casos de microcefalia associados ao Zika vrus tem exigido das gestantes cuidados adicionais no combate ao mosquito Aedes aegypti. Para isso, a equipe do Pro-grama de Sade Pblica divulga medidas preventivas em pa-lestras para mulheres grvidas atendidas nos postos de sade da regio.

    DIA DA GUA - Em aluso ao Dia Mundial da gua, comemora-do em 22 de maro, a equipe realizou palestra sobre a temtica dos recursos hdricos para mes que frequentam o Centro de Referncia em Assistncia Social (CRAS) do bairro Getio Var-gas, em Camaqu.

    ATROPELAMENTOS - Na segunda semana de maro foi realizada a 21 campanha do Programa de Monitoramento e Controle de Atropelamento de Fauna, cujo objetivo inventariar os ani-mais silvestres vitimados por atropelamentos na rodovia, bem como quantificar os bi-tos, a espacialidade e a tempo-ralidade das ocorrncias.

    Fontes: Dicionrio Aurlio, Dicionrio Michaellis, Ministrio da Sade.

    Glossrio notcias curtas

  • BOLETIM 14janeiro - fevereiro - maro

    2016

    Andamento da Obra

    Lote 01 - Interseo de acesso a Barra do Ribeiro, no km 319, na etapa de solo ar-mado.

    Lote 02 - Base da pavimentao imprima-da no km 347, em Tapes.

    Lote 03 - Pavimentao no km 370, em Tapes.

    Lote 04 - Base da pavimentao ao longo do km 375, em Tapes. Lote 05 - Base da pavimentao no km 406, em Camaqu.

    Lote 06 - Terraplenagem em execuo no km 443, em Cristal.

    Lote 07 - Ponte concluda sobre o Arroio Santa Isabel, no km 448, em Cristal.

    Lote 08 - Pavimentao no km 473, em So Loureno do Sul.

    Lote 09 - Viaduto de acesso a Arroio do Pa-dre, no km 511, em Pelotas, est concludo.

    Lote 01

    Lote 04

    Lote 07 Lote 08 Lote 09

    Lote 05 Lote 06

    Lote 02 Lote 03

Recommended

View more >