Boletim 02 da Gesto Ambiental das obras de duplicao da BR-116/RS

  • Published on
    09-Mar-2016

  • View
    212

  • Download
    0

DESCRIPTION

Essa a segunda edio do boletim da Gesto Ambiental das obras de duplicao da BR-116/RS

Transcript

  • BOLETIM 02abril - maio

    2013

    Superintendente Regional do DNIT no RS, Pedro Luzardo Gomes afirma que o Estado vive momento mpar na infraestrutura.

    Equipe realiza atividades com colabora-dores e comunidade escolar.

    A cidade de Cristal, localizada ao longo da BR-116/RS, comemorou 25 anos de emanci-pao poltica no dia 29 de abril.

    Pgina 05

    Pgina 06

    Pgina 06

    Pgina 03

    Entrevista

    Educao Ambiental

    MunicpiosFauna monitorada na rodovia

    Dois Programas da Gesto Ambiental tm o objetivo de complementar os conhecimentos sobre animais da regio e contribuir com o manejo e conservao das espcies.

    Duplicao toma forma e muda a paisagem da regioPgina 04

  • Duplicar Proteger Avanar2

    Editorial

    Expediente

    SobreUma das preocupaes do Departamento Na-cional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) durante a duplicao da BR-116/RS mitigar os impactos que o empreendimento pode causar fauna que habita os trechos adjacentes rodovia. Por isso, a Gesto Ambiental (STE S.A.) executa os Programas de Monitoramento e Controle de Atro-pelamento de Fauna e Monitoramento de Fauna e Bioindicadores. O objetivo de ambos subsidiar aes de manejo e conservao das espcies em seus hbitats naturais, conforme mostra a repor- tagem da pgina 03. Para sensibilizar as comuni-dades lindeiras sobre a importncia da biodiversi-dade local, estes programas fazem interface com o Programa de Educao Ambiental. Nesta edio, voc vai conhecer um resumo das atividades j re-alizadas pela equipe com colaboradores da obra e comunidade escolar dos onze municpios direta-mente beneficiados pela duplicao. A seo do boletim que trata do andamento das obras - p-gina 04 e mosaico fotogrfico na contracapa - vai mostrar que a paisagem da regio est em constan-te modificao devido ao avano dos trabalhos nos nove lotes de obra entre Guaba e Pelotas. A realidade do transporte rodovirio no Rio Grande do Sul analisada pelo Superintendente Regio- nal do DNIT no Estado, Pedro Luzardo Gomes, que na sua entrevista tambm fala sobre legislao e cuidados ambientais. Confira ainda um pouco da histria do municpio de Cristal, que completou 25 anos de emancipao poltica no dia 29 de abril. Leia estas e outras notcias sobre a duplicao da BR-116/RS neste boletim ou no site www.br116rs.com.br. Para comentrios ou sugestes, envie email para comunicacaobr116rs@stesa.com.br ou ligue 0800 60 11 116.

    Este boletim produzido pela Equipe de Comunicao Social da STE - Servios Tcni-cos de Engenharia S.A., empresa contrata-da pelo DNIT para realizar a Gesto Ambi-ental das obras de duplicao da rodovia BR-116/RS. Por meio dele voc ficar saben-do das aes de monitoramento e conser-vao do meio ambiente da regio, basea-das nos Programas Ambientais previstos no Plano Bsico Ambiental (PBA) para serem desenvolvidos no empreendimento.Boa leitura!

    Realizao: Departamento Nacional de Infraes-trutura de Transportes (DNIT)Execuo: STE - Servios Tcnicos de Engenharia S.A.Conselho Editorial: Athos Roberto Albernaz Cordeiro, Ruy Carlos Tolentino, Fernanda Costa, Juliana ChristmannJornalistas Responsveis: Amanda Montagna (14.958 DRT/RS) Manoela Nogueira Soares (15.624 DRT/RS)Fotografias: Divulgao STE S.A.Projeto Grfico: FT Design

    Fale Conosco

    0800 60 11 116

    comunicacaobr116rs@stesa.com.br

    Visite nossa pgina

    br116rs.com.br

    Curta nossa fanpage

    fb.com/BR116rs

  • Boletim Abril/Maio 2013 3

    Para propor medidas que possam minimizar os impac-tos da duplicao da BR-116/RS sobre os animais que vivem prximos rodovia, o DNIT, por meio da Gesto Ambiental das obras (STE S.A.), desenvolve dois Pro-gramas Ambientais especficos: Monitoramento de Fauna e Bioindicadores e o de Monitoramento e Con-trole de Atropelamento de Fauna.Ambos tm o objetivo de complementar os conhe-cimentos sobre os animais que existem na regio e contribuir com o manejo e conservao das espcies em seus hbitats. Para realizar este trabalho, equipes especializadas desenvolvem diferentes metodologias para registrar a presena de mamferos (pequeno, m-dio e grande porte), anfbios, rpteis, aves e peixes em lugares lindeiros BR-116/RS. J registramos a pre-sena de animais ameaados de extino que vivem na regio como o tamandu-mirim, bugio-ruivo, ga-

    to-mourisco e lontra, conta a biloga da Gesto, Mi-chele Camargo.Alguns destes animais fazem parte da estatstica de atropelamentos na BR-116/RS, cuja campanha rea- lizada a cada dois meses. Com a duplicao, o nme-ro de animais atropelados deve diminuir, j que sero construdas estruturas para servir como passagens de fauna, ou seja, tneis por onde os animais passam por baixo da rodovia, sem contato com o trfego. Para sensibilizar as comunidades lindeiras sobre a importncia da biodiversidade local, o Programa de Educao Ambiental aborda, em suas atividades, os cuidados com o meio ambiente durante as obras e que devem fazer parte da rotina de cada ser humano. O conjunto de aes dos Programas Ambientais da Gesto da BR-116/RS auxilia na preservao da fauna nativa, explica Michele.

    Ateno, usurios!

    - Dirija com cuidado, principalmente noite, horrio de atividade da maioria das espcies que vivem na regio;- Ateno redobrada nos locais prximos a pontes e com vegetao perto da rodovia;- Siga a orientao das placas que atentam para os limites de velocidade e pontos de ultrapas-sagem;- No pegue a estrada com sono;- Se puder optar, viaje de dia.

    Fauna

    Programas monitoram fauna da regio

    Campanhas de controle de atropelamento ocorrem a cada dois meses

    O resgate de animais uma das atribuies da equipe de faunaO gavio enfeita a paisagem do bioma Pampa no sul do Estado

  • Duplicar Proteger Avanar4

    Trafegar pela BR-116/RS encontrar uma paisagem em constante modificao devido ao avano das obras na rodovia. Mquinas, colaboradores e equipamentos de sinalizao anunciam a presena do empreendimento que vai mudar a cara da regio sul do Estado. Mais de 60% dos 211, 22 quilmetros que sero duplicados, entre Guaba e Pelotas, passam por servios de supresso da vegetao, decapagem e terraplenagem. Esto em anda-mento, tambm, os trabalhos em quatro Obras de Arte Especiais (OAE), como pontes, viadutos e passarelas.

    A mais adiantada delas a ponte sobre o Arroio Grande (lote 08, km 482), divisa entre So Loureno do Sul e Turuu, que est em fase de instalao da mesoestrutura (pilares). J as pontes sobre os arroios Velhaco (lote 04, km 378), Santa Isabel (lote 07, km 448) e Pomonga (lote 08, km 477) recebem estacas para etapa de fundao. No lote 06, km 429, os colaboradores j esto mobilizados para o incio das obras na ponte sobre o Arroio Evaristo, no municpio de Cristal. Alm disso, j foram construdas mais de 170 Obras de Arte Correntes (OAC), como bue-iros, caixas coletoras, canais para escoamento de gua, entre outras.

    Outra novidade do perodo - abril e maio - foi a emisso, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Re-cursos Naturais Renovveis (IBAMA), de Licenas de Operao relativas s atividades de explorao de argila

    Ponte sobre o Arroio VelhacoLote 04 - km 378 - Camaqu/ArambarEtapa: Fundao

    Ponte sobre o Arroio Santa IsabelLote 07 - km 448 - So Loureno do SulEtapa: Fundao

    Ponte sobre o Arroio GrandeLote 08 - km 482 - Turuu/So Loureno do SulEtapa: Mesoestrutura

    Ponte sobre o Arroio PomongaLote 08 - km 477 - So Loureno do SulEtapa: Fundao

    Obras de Arte Especiais em andamento

    e recuperao de reas degradadas nas jazidas de pro-jetos nos municpios de So Loureno do Sul e Pelotas. O engenheiro Hiratan Pinheiro da Silva, do DNIT, destaca ainda que a Fundao Nacional do ndio (FUNAI) liberou para obras um trecho de 10 quilmetros (km 315 ao km 325) no lote 01 do empreendimento, o qual abrange as cidades de Guaba e Barra do Ribeiro.

    a obra

    Presena de obras muda a paisagem no entorno da rodovia

    A ponte sobre o Arroio Grande, na divisa entre So Loureno do Sul e Turuu, uma das Obras de Arte Especiais em construo ao longo dos 211 km

  • Boletim Abril/Maio 2013 5

    Educao Ambiental realiza atividades

    Colaboradores e comunidade escolar dos onze municpios diretamente beneficiados pela duplicao j conhecem as aes do Programa de Educao Ambiental (PEA). De janeiro a maro, a equipe realizou oficinas de capacitao com 336 trabalhadores das construtoras que compem o empreendimento. A atividade consistiu em uma apresentao dos dados da obra, seus benefcios e o papel da Gesto Ambiental na minimizao dos impactos.

    Os colaboradores ainda participaram de uma dinmica em grupo que abordou o comprometimento de cada um para o sucesso da iniciativa. Apresentar os colaboradores como atores do processo uma ferramenta de

    Mutiro de limpeza na orla do Guaba

    sensibilizao que vem gerando resultado, avalia a educadora ambiental Ciane Fochesatto. O apontador Ivanir da Silva, do lote 09, salientou que a oficina foi uma experincia indita. Aprendi bastante, nunca tive nada parecido em outros trabalhos. s vezes olhamos, mas no prestamos ateno no que est ao nosso redor, afirmou.

    Apresentao para pais e educadores nas escolas

    A abertura do calendrio letivo de 2013 comeou com novidades para os educadores da rea de abrangncia do empreendimento. A Escola Estadual Darcy Peixoto da Silveira, em Cristal, foi a primeira a receber a explanao para docentes. Com outras visitas a instituies de Camaqu, So Loureno do Sul, Turuu e Pelotas, ao todo 372 professores participaram das atividades at o incio de maio. Ciane Fochesatto ressaltou que o professor o grande multiplicador de informaes no processo de semear o cuidado com o meio ambiente.

    Em maro tambm foi a vez de 121 pais de alunos de escolas de Turuu receberem a equipe para uma apresentao, quando houve entrega do primeiro boletim da BR-116/RS. Nossa equipe trabalha para que a informao chegue a todos e para que a obra transcorra da forma menos impactante possvel, disse Ciane.

    Para educadora ambiental, a importncia do PEA percebida quando aes prticas incentivam a transformao de hbitos em qualidade de vida. Trabalhamos com a sensibilizao para uma construo coletiva, absorvendo os saberes das comunidades e buscando a alternativa correta para coloc-los em prtica.

    Um mutiro de limpeza recolheu, no dia 06 de abril, cerca de quatro toneladas de lixo da orla do Guaba, prximo ao per da Avenida Dirio de Notcias, Zona Sul de Por-to Alegre. Pneus, colches, garrafas plsticas e restos de construo so apenas alguns exemplos do que foi retira-do das margens. A ao organizada pelo Instituto Viso Social mobilizou em torno de 150 participantes, entre vo-luntrios, organizaes sociais e empresas.

    O DNIT integrou o evento por meio das Gestes Ambien-tais das BRs 448, 392 e 116, executadas pela STE S.A.. A equipe distribuiu boletins, material ldico para crianas (desenhos para pintar e histrias em quadrinhos) e rea-lizou oficinas de brinquedos com garrafas pet. Uma das principais atraes foi a presena do Tamandu-Mirim, mascote da BR-116/RS.

    A rea escolhida para atividade um espao de lazer que compreende pista de caminhada e ciclovia, alm de ser um novo ponto de embarque e desembarque do cata-mar que liga Porto Alegre a Guaba.

    Gesto ambiental

    Mais de 300 educadores j assistiram primeira apresentao da equipe

    Mascotes da Gesto Ambiental tambm participaram da ao

  • Duplicar Proteger Avanar6

    Entrevista

    Cidade localizada ao longo da BR-116/RS, Cristal comemorou 25 anos de emancipao poltica no dia 29 de abril. Durante a semana de aniversrio, a Prefeitura levou diversos servios populao do interior e organizou uma grande festa de encerramento na Praa Os Pioneiros. Cristal surgiu dentro da propriedade histrica da famlia de Bento Gonalves da Silva, heri da Revoluo Farroupilha. Em 20 de dezembro de 1987 foi realizado um plebiscito e, sob a Lei n 8583, de 29 de abril de 1988, foi criado oficialmente o municpio. Com a duplicao da rodovia, a prefeita Fbia Richter vislumbra um futuro promissor para cidade. A curto prazo, vejo Cristal aparecendo no mapa do Rio Grande do Sul e do Brasil. Hoje somos uma cidade de passagem, mas quero que se torne de chegada, projeta.

    Pedro Luzardo Gomes o Superintendente Regio-nal do DNIT no RS desde outubro de 2012. O enge-nheiro foi tambm Chefe de Engenharia e Coorde-nador Aquavirio do rgo, entre outras funes.

    GA: Mais de 60% das cargas transportadas nacio-nalmente so deslocadas por meio das rodovias. Em termos de investimento, o setor passou por um re-nascimento nos ltimos anos. Como o senhor avalia a situao deste modal no Rio Grande do Sul?

    Pedro: O DNIT no Rio Grande do Sul passa por um mo-mento mpar de projetos bem estruturados e verbas que esto sendo alocadas. O Governo Federal como um todo pensa no RS e para ns, funcionrios do rgo, isso muito importante. Hoje temos um setor de pla-nejamento especfico pensando no futuro do Estado. Isso a gente pode ver em duplicaes que esto sen-do iniciadas, duplicaes que j esto em andamento e estudos de viabilidade tcnica e ambiental de futuras duplicaes e melhorias de capacidade.

    GA: A BR-116/RS o principal acesso zona portu-ria do Rio Grande do Sul. O DNIT entende esta obra como estratgica para o Estado?

    Pedro: A ligao ao Porto do Rio Grande muito impor-tante para o Estado. Ns acreditamos que essa duplica-o vai atender em grande parte ao escoamento da safra. Alm disso, ns j estamos pensando numa melhoria da BR-392 ligando Pelotas a Santa Maria. Precisamos, sem-pre que possvel, duplicar estas rodovias para fecharmos o acesso ao porto e para que fique solucionada a logstica de transporte rodovirio no RS.

    GA: Quais peculiaridades deste empreendimento o senhor destacaria?

    Pedro: Por ser o principal acesso zona porturia de Rio Grande, a BR-116 uma rodovia com um trnsito ele-vado, especialmente de caminhes. Essa duplicao vai melhorar significativamente as condies de trnsito e reduzir o nmero de acidentes. Por ser uma rodovia em trechos planos, tem como peculiaridade em sua margem uma grande quantidade de rios e banhados, o que torna a execuo dos servios mais difcil.

    GA: O DNIT atua em compasso com os rgos ambien-tais para atender a legislao nesta rea. Como o se-nhor avalia esta relao entre obras e meio ambiente?

    Pedro: No caso da BR-116, as licenas esto sendo libera-das pelo IBAMA e IPHAN (Instituto do Patrimnio Histri-co e Artstico Nacional) a par e passo com a obra. Enfren-tamos algumas dificuldades que precisaram ser sanadas com a FUNAI, devido ao reassentamento da populao indgena que vive em alguns pontos que sero afetados. Mas tendo o apoio da Gesto Ambiental possvel reali-zar um trabalho dentro da legislao e com mais tranqui-lidade para todos os envolvidos. GA: Qual a importncia da Gesto Ambiental nesta obra e que legado ela pode deixar populao?

    Pedro: O local onde esta rodovia foi inicialmente constru-da muito bonito. Com o cuidado que a Gesto Ambien-tal est trabalhando nesta rea, deixar para as prximas geraes a oportunidade de conviver com o que l j exis-te e tambm com uma rodovia duplicada e mais segura.

    entrevista

    Cristal comemora 25 aniversrio

    Superintendente servidor de carreira do DNIT desde 1987

    Ponte sobre o Rio Camaqu: local histrico onde surgiu a cidade

  • Boletim Abril/Maio 2013 7

    O engenheiro ambiental Jackson Pilger registrou o fim de tarde na Prainha de Camaqu, local propcio para o contato com a natureza e os esportes.Oportunidade nica de acompanhar um belo pr do sol na companhia de amigos depois de um longo dia de trabalho nas obras de duplicao da BR-116/RS.

    Envie sua foto para o e-mail comunicacaobr116rs@stesa.com.br e participe da coluna O Fotgrafo Voc.

    o FotGraFo voc

    BIODIVERSIDADE - Existncia de uma grande variedade de espcies animais, vegetais e de microorganismos em deter-minado hbitat natural.

    BIOINDICADORES - Espcies, grupos de espcies ou comu-nidades biolgicas cuja presena, abundncia e condies so indicativos biolgicos de uma determinada condio ambiental.

    DECAPAGEM - Remoo da camada de terra vegetal e do terreno de cobertura.

    HBITAT - Local especfico ou regio onde se desenvolvem ou vivem seres vivos de forma organizada.

    IBAMA - rgo federal criado em 1989 e que responsvel pela preservao, controle e fiscalizao do meio ambi-ente.

    IMPACTO AMBIENTAL - Alterao no meio ambiente por determinada ao ou atividade humana.

    FUNAI - rgo federal responsvel pelo estabelecimento e execuo da poltica indigenista brasileira em cumprimento ao que determina a Constituio de 1988.

    JAZIDAS - Depsito natural, mineral ou fssil, existente no subsolo ou aflorando superfcie e que tenha valor econmico.

    LOGSTICA - Ramo da gesto cujas atividades esto volta-das para o planejamento da armazenagem, circulao (terra, ar e mar) e distribuio de produtos.

    RUDOS - O Programa de Monitoramento de Rudos reali-zou campanha em diversos pontos da rodovia. A medio dos nveis de presso sonora ocorre por meio do uso de decibelmetro, conforme parmetros da Associao Brasi-leira de Normas Tcnicas (ABNT). O nvel mximo de som permitido definido de acordo com a caracterizao am-biental do local e seu pblico-alvo.

    REUNIES - A Gesto Ambiental das obras de duplicao foi apresentada no Congresso de Desenvolvimento Re-gional, promovido pela Associao Comercial e Industrial de Camaqu (ACIC), na reunio do DNIT com prefeitos dos 11 municpios diretamente beneficiados com o em-preendimento, e na reunio do Comit de Gerenciamen-to da Bacia Hidrogrfica do Rio Camaqu.

    CRISTAL - Moradores lindeiros BR-116/RS, no municpio de Cristal, foram informados pela equipe de Comunica-o Social sobre o aumento das atividades das mquinas na localidade, em virtude das obras. Eles receberam ma-terial com o telefone da ouvidoria.

    PRF - A equipe de Educao Ambiental fez parceria com a Polcia Rodoviria Federal (PRF) do posto de Camaqu para as aes reali-zadas nas escolas do municpio. Alguns inte-grantes j participaram de atividades falando sobre drogas, trnsito, embriaguez ao volante, imprudncia, etc.

    Glossrio notcias curtas

  • BOLETIM 02abril - maio

    2013

    Andamento da Obra

    Lote 01 - FUNAI libera trecho de 10 quilmetros para obras.

    Lote 02 - Execuo de bueiros antecede incio da terraplenagem.

    Lote 03 - Terraplenagem avana nas proximidades do km 352.

    Lote 04 - Comea fundao da ponte so-bre o Arroio Velhaco.

    Lote 05 - Sinalizao alerta para obras de decapagem na rodovia.

    Lote 06 - Equipe realiza topografia em local onde haver corte de rocha, em Cristal.

    Lote 07 - Construtora finaliza remoo da cama-da vegetal entre os kms 462 e 464.

    Lote 08 - Bate-estaca prepara fundao da pon-te sobre o Arroio Pomonga.

    Lote 09 - Obras de terraplenagem no km 495 da rodovia.

    Lote 01

    Lote 04

    Lote 07 Lote 08 Lote 09

    Lote 05 Lote 06

    Lote 02 Lote 03

Recommended

View more >