Bicho Mineiro Do Cafeeiro

  • Published on
    12-Jul-2015

  • View
    126

  • Download
    0

Transcript

Bicho Mineiro do cafeeiroAndr Lus T. Fernandes Prof. Dr. Universidade de Uberaba Roberto Santinato Eng. Agrnomo Ministrio da Agricultura a) Aspectos gerais uma mariposa (Perileucoptera coffeella) de mais ou menos 6,5 milmetros de envergadura por 2 milmetro de comprimento, cor cinza claro a brancoprateada com vida em torno de 15 dias. De dia ficam escondidas nas folhas da saia do cafeeiro ou outros vegetais e ao anoitecer saem para acasalar e fazer a postura na parte superior das folhas. Uma fmea coloca cerca de 36 ovos. Dos ovos as larvas saem em 5 a 21 dias e entram na parte superior das folhas, comem o tecido entre as duas pginas das folhas formando minas. Em uma mina pode-se ter uma ou mais lagartas. As lagartas tem de 4 a 5 milmetros, so achatadas de cor branco-amarelado e transparente; duram de 9 a 40 dias. Saem pela parte superior das folhas, descem com um fio de seda e formam pupas nas folhas da saia ou em outros vegetais (mato), ou ainda em folhas secas sob a saia do cafeeiro; formando um casulo em forma de xis. A pupa dura de 5 a 26 dias. Temperatura elevada (20 a 26C), seca, insolao e baixa umidade favorecem a praga e encurtam o ciclo. Em regies com o Outono/inverno de temperatura mdia mensal superior a 19C a infestao alta. Tambm nutrio deficiente, capinas mal feitas com abafamento da saia, cobertura morta, culturas intercalares, excesso de cpricos e poeira beneficiam a praga. Em regies quentes tem-se dois picos de infestao abril/maio e outro em setembro/outubro e nos frios 1 pico de setembro/outubro. b) Prejuzos Diminui a rea foliar fotossinttica e causa desfolha com reflexo imediato na produtividade. Como o ciclo dura de 19 a 87 dias, em mdia, de acordo com a temperatura e outros fatores auxiliares, pode-se ter infestao durante todo o ano. Dependendo da infestao os prejuzos chegam a 80% por: Desfolha drstica at julho: no h formao de botes florais para setembro/outubro, no h frutificao; Desfolha drstica de agosto a outubro; floradas com baixo vingamento.Alm da produtividade, ataques sucessivos depauperam o cafeeiro e diminuem sua longevidade, exigindo podas de recuperao, normalmente drsticas. c) Controle c.1) Cultural Recomenda-se manter a lavoura limpa, sem cultura intercalar, com adubao racional e quebra vento. c.2) Biolgico So feitos por parasitides (microhimenpteros) e vespas predadoras; alm de bactrias e fungos. Os microhimenpteros parasitam e matam as lagartas; as vespas retiram e comem as lagartas. Os fungos e bactrias causam doenas a lagartas. Estes inimigos auxiliam o controle e chegam a ser 70% eficiente no caso dos predadores e 20% nos parasitides. c.3) Qumico O controle qumico pode ser feito atravs de inseticidas sistmicos granulados via solo; inseticidas sistmicos via gua ou insetigao; e via foliar em associao com ovicidas, organofosforados e piretrides. Em qualquer das opes importantssimo conhecer o clima da regio e a flutuao da populao do Bicho Mineiro, para definir a poca correta. De forma geral as regies mais frias, como sul de Minas Gerais, Mogiana, etc o pico de infestao ocorre entre agosto a outubro; nas quentes e quentes e secas tem-se dois picos, um entre maro/maio e outro entre agosto/setembro, como o caso da Alto Paranaba, Tringulo, Vale do Jequitinhonha e Noroeste de Minas, Leste de Gois, etc. Alm dessas situaes em regies quentes e que durante o outono e no inverno a temperatura mdia superior a 19C, como no Oeste da Bahia, o perodo continuo de fevereiro/maro a outubro/novembro, com vrios picos de infestao variveis em funo do ano. Isto ocorre independentemente de qualquer tipo de irrigao com maior ou menor intensidade. c.3.1) Controle via foliar - pulverizaesAs situaes de uso do controle via foliar no plantio circular sob piv central so resumidas basicamente em:Possveis em regies de clima frio com um s pico de infestao: normalmente agosto/setembro; com uso de monitoramento da praga; Em perodos iniciais da cultura 0 6 meses: de forma preventiva e associativa no controle de outras pragas; Quando ocorrem falhas no sistema via solo, geral ou em focos: seja via foliar, geral nos, seja por insetigao via gua. qualquer situao a pesquisa demonstra que associaes deEmorganofosforados, carbamatos - ovicidas e piretrides fornecem maior eficincia. Os organofosforados com baixo residual e boa profundidade (20/30 dias); os piretrides, com reduzida ao de profundidade, e alto residual (50/60 dias) e os carbamatos, com ao ovicida, dissecando os ovos e baixa profundidade. Os produtos a seguir no Quadro 41 so os mais utilizados no controle via foliar do bicho mineiro. Quadro 1 Produtos principais Inseticidas para uso via foliar no controle qumico de Bicho Mineiro. Nome Tcnico 1. Organofosforados Ethion Triazophos Fenthion Fenitrothion Clorpiriphs Pyriphention Dimetoato Comercial ----------------Ethion 500 Hostation 400 Lebaycid 500 Sumithion 500 Lorsban 480 Vexter Clorpir Fersol 480 Ofumak Dimetoato Perfectiom Rogosol Cartap 500 PM Thiobel 500 PM Decis 025 Dose por ha l ou kg/ha ---------------1,0 a 1,5 1,0 a 1,5 1,5 a 2,0 1,5 a 2,0 1,0 a 1,5 1,0 a 1,5 1,0 a 1,5 1,5 1,5 a 2,0 1,5 a 2,0 1,5 a 2,0 0,8 a 1,0 0,8 a 1,0 0,15 a 0,252. Carbamatos Cartap 3. Piretrides DeltametrinaPermetrinaCypermetrina Fenvalerate Esfenvalerate Lambda Cialotrina Alfa Cipermetrina Cyflutrin Betacyflutrin Zetacipermetrina Fenpopathrin 4- Misturas Deltametrina + Clorpiriphs Cipermetrina + ProfenofosTalcord 250 Valon 384 Pounce 384 Piredan 384 Ripcord 100 Nor-Trin 250 Belmark 300 Sumidan 25 Karate 050 Fastac 100 Baytroid 050 Turbo 050 Buldock 125 Fury 180 Danimem 300 Meothrin 300 Deltaphos Polytrin 4000,20 a 0,40 0,12 a 0,15 0,12 a 0,15 0,12 a 0,15 0,10 a 0,15 0,04 a 0,07 0,07 a 0,40 0,25 a 0,40 0,10 a 0,15 0,10 a 0,20 0,12 a 0,20 0,08 a 0,10 0,03 a 0,05 0,03 a 0,05 0,20 a 0,30 0,20 a 0,30 0,20 a 0,30 0,40 a 0,80Alm destes produtos citados, outros como Dipel, Abimex e Vertimec podem ser utilizados, conforme dosagens indicadas pelos fabricantes, sendo os 2 ltimos ainda em estudo e sem registro de uso comercial. Todos os produtos tm ao sobre as mariposas, sendo recomendvel aplicar: 1) Um organofosforado mais um carbamato quando se tem infestao de larvas grandes ou presena de mariposas, indicando revoada recente; 2) Um piretride e um carbamato quando se tem infestao de larvas pequenas; 3) Um piretride e um organofosforado quando alta a presena de mariposas, indicando revoada recente; normalmente 2 a 3 aplicaes, espaadas de 20 a 30 dias tem dado bom controle. No entanto recomendvel o controle com base no monitoramento semanal, feito como segue. Em cada talho uniforme coletam-se 50 a 100 pares de folhas do tero mdio superior dos cafeeiros dos dois lados da rua de caf, ou seja, nas duas linhas; Contam-se as folhas com minas (folhas minadas) e determina-se a porcentagem de folhas minadas; Das folhas minadas contam-se as folhas com minas vivas e determinase a porcentagem de folhas com minas vivas.Em reas frias, sempre que tivemos 20% de folhas com minas vivas procedese o controle qumico. Em reas quentes, o mesmo deve ser iniciado com 5%. No monitoramento deve-se observar tambm a presena de mariposas e a presena de casulos, isto no tero mdio inferior e nos resduos vegetais do solo sob o cafeeiro, que so indicativos do comportamento seqencial da praga. Para plantios novos, procede-se o monitoramento da planta toda e utiliza-se de doses menores, entre 25 a 50%. No plantio circular tambm se tem usado o controle por insetigao com 1,5 a 2,0 litros por aplicao de clorpiriphos (Lorsban, Wester, Fersol 480, etc); normalmente objetivando baixar a populao at que aplicaes com sistmicos via solo entram em ao. c.3.2) Controle via solo granulados e insetigao O controle preventivo neste sistema, em vista de ser necessrio perodos de 20 a 40 dias conforme o ativo dos produtos, para a liberao absoro e translocao do solo as folhas. Os ativos que podem, ser utilizados so: o aldicarb, dissulfoton, carbofuran, terbufos, forate, oxamyle e o mefosfolam, os trs ltimos praticamente de emprego reduzido. Recentemente temos ainda o imidacloprid e o thiametoxan, este ltimo com timos resultados via gua insetigao no plantio circular sob piv central. Para regies do Esprito Santo, Zona da Mata, Paran, etc onde a infestao ocorre de dezembro a fevereiro; normalmente uma aplicao feita em novembro de inseticida isolado ou em associao com triadimenol ou cyproconazole para a ferrugem suficiente. Neste caso utilizando-se de produtos de menor solubilidade como dissulfoton via solo, o thiametoxan, etc. Em regies como o Tringulo e Sul de Minas em que a infestao mais tardia, a aplicao deve ser feita em fevereiro a maro com produtos mais solvel, como o aldicarb ou com tihiametoxan em dezembro/janeiro. Em regies quentes, quentes e secas e ainda de baixa umidade relativa, so necessrias duas aplicaes; uma em outubro a novembro e outra em fevereiro a maro. No Quadro 42 so indicados os produtos via solo para controle do Bicho Mineiro.Quadro 2 Produtos principais inseticidas sistmicos para uso via solo no controle qumico do Bicho Mineiro. Nome Tcnico 1- Aldicarb 2- Dissulfoton 3- Terbufos 4- Phorate 5- Carbofuran Comercial Temik 150G Dysiston 100G Solvirex 100G Counter 50G Granutox 50G Furadan 100G Furadan 350SC Carbof. Fersol 50G Diafuran 50G Ralzer 50G Premier Actara Actara WG Dose por ha Kg ou l/ha 25 a 30 50 a 60 50 a 60 80 a 100 80 a 100 50 a 60 15 a 205 80 a 100 80 a 100 80 a 100 1,8 a 2,2 40 a 50 1,5 a 2,0 Redues em idade 0 a 6 meses 30% Dose 7 a 18 meses 60% Dose 19 a 30 80% Dose meses> 30 meses Dose Cheia6- Imidacloprid 7- ThiametoxanDos produtos do quadro _ recomendado para insetigao o Actara WG, os demais as aplicaes so via solo atravs de granuladoras ou aplicadores de herbicidas para os produtos lquidos, como o Premier e o Furadan 350.Figura 1: Bicho mineiro com controleFigura 2: Bicho mineiro sem controleFigura 3: Pupa bicho mineiroFigura 4: Larva bicho mineiroFigura 5: Adulto bicho mineiro