Avaliao de Agentes Qumicos

  • Published on
    20-Jan-2016

  • View
    36

  • Download
    1

Transcript

  • 1

    'LVFLSOLQD$JHQWHV4XtPLFRV8QLGDGH0HGLGDVGH&RQWUROH

    $YDOLDomRGH$JHQWHV4XtPLFRV

    O campo de atuao dos higienistas no contexto de uma organizao abrange quatro diferentes nveis de ao:

    Antecipao, Reconhecimento, Avaliao e Controle.

    Conforme j citado, esta atuao requer quase sempre o envolvimento de vrios profissionais com formao acadmica diferenciada, tendo em vista a complexidade do assunto. $QWHFLSDomRGHULVFRV

    A antecipao de riscos envolve basicamente a anlise de projetos de novas instalaes, mtodos ou processos de trabalho ou de modificao dos j existentes, visando identificar e quantificar qualitativamente os riscos potenciais e introduzir proativamente medidas de controle ou alternativas operacionais que eliminam ou reduzam tais riscos.

    Trata-se de uma fase importante e ainda pouco desenvolvida no Brasil, que, quando bem feita e efetivamente implementada -ainda na fase que antecede o incio da nova unidade e/ou processo- gera ambientes e instalaes isentas de situaes insalubres significativas e de condies que impactam severamente o conforto dos trabalhadores, evitando, por conseguinte futuras intervenes corretivas, na maioria das vezes onerosas e impactantes a produo quando o processo j se encontra em operao.

    , portanto uma alternativa tcnica de tratar as futuras situaes de risco de uma forma eminentemente proativa, eficaz e mais econmica, a mdio e longo prazo, j

  • 2

    que elimina ou reduz os riscos sade "ainda na prancheta", ou seja, na fase de concepo das novas estruturas, definio de lay-outs e de processo e de especificao de equipamentos e maquinrios. Nesta circunstncia, pequenas modificaes, muitas vezes sem custo ou com um pequeno custo adicional, podem ser suficientes para se obter ambientes ocupacionalmente adequados, muitas vezes independentes do uso de equipamentos de proteo individual.

    Tambm faz parte desta etapa a anlise das fichas de segurana de produtos qumicos (tambm conhecidas por MSDS Material Safety Data Sheet) e de catlogos tcnicos de equipamentos que os projetistas pretendem inserir no processo. A ttulo de ilustrao destas intervenes, podemos citar o caso de compra de um trator de esteira, cujos nveis de rudo e vibrao de corpo inteiro geralmente ultrapassam os limites de exposio para jornadas de trabalho de 8 horas dirias, quando esta mquina desprovida de cabine e assento anti-vibrao. Caso conste na especificao de compra o fornecimento deste equipamento com cabine aclimatizada, com tratamento acstico e assento anti-vibrao, certamente ter-se- uma melhor condio de trabalho para o operador, dispensando o mesmo do uso de protetores auriculares.

    O profissional que atua nesta etapa, alm de formao e experincia em disciplinas prevencionistas, deve ter tambm um bom conhecimento da rotina da rea de projetos, incluindo os softwares comumente utilizados em engenharia, como por exemplo, AutoCAD. 5HFRQKHFLPHQWRGHULVFRV

    O reconhecimento de riscos compreende a identificao de agentes ambientais reais em um local de trabalho e/ou processo j em operao, incluindo materiais, operaes associadas, manuteno, subprodutos, rejeitos, produtos finais, insumos, etc.

    O item 9.3.3 da NR 9 Programa de Preveno de Riscos Ambientais determina que esta etapa deva conter os seguintes itens, quando aplicveis:

    a) sua identificao,

  • 3

    b) determinao e localizao das possveis fontes geradoras, c) identificao das possveis trajetrias e dos meios de propagao dos

    agentes no ambiente de trabalho, d) identificao das funes e determinao do nmero de trabalhadores

    expostos, e) caracterizao das atividades e do tipo de exposio, f) obteno de dados existentes na empresa indicativos de possvel

    comprometimento da sade decorrente do trabalho, g) possveis danos sade relacionados aos riscos identificados, disponveis na

    literatura tcnica, h) descrio das medidas de controle j existentes.

    A planilha abaixo um exemplo do produto final da etapa de reconhecimento de riscos, especfica para poeira mineral contendo slica livre cristalizada, tomando como referncias os parmetros mnimos exigidos pela NR-9:

    $*(17(POEIRA MINERAL CONTENDO SLICA LIVRE CRISTALIZADA32669(,6'$1266$'( +5(*,67526'('$1266$'("

    Agente potenc ia lmente c ausador de silic ose.

    Sim , segundo informa es da p rpria empresa .

    )217(6*(5$'25$6 0(,26'(3523$*$d2

    Uso de a r c omprimido para limpeza de rodas e pneus usados.

    Ma teria l pa rtic ulado em suspenso no a r, c om granulometria variada.

    &$5*26327(1&,$/0(17((;326726 10(52'((035(*$'26 1$785(=$'$(;326,d2Borrac heiro 01 Hab itua l e intermitente Ajudante de borrac heiro 02 Hab itua l e intermitente &21752/(6(;,67(17(61$(035(6$ No c onsta ta do nenhum tipo de c ontrole espec fic o para o agente em questo.

    Trata-se de umaetapa importantssima, j queaquilo que no reconhecido no avaliado e nem tampouco controlado.

  • 4

    Para desenvolver esta etapa de forma eficaz, o higienista deve ter conhecimento detalhado do processo produtivo, inspecionar detalhadamente os locais de trabalho e contar com a colaborao do pessoal da produo, manuteno e outros setores ligados ao processo industrial, atentando para a possibilidade de que s vezes, at os prprios tcnicos e trabalhadores envolvidos diretamente na operao em estudo possam no ter conhecimento de todos os riscos ambientais que os mesmos produzem ou ento, julgarem que determinadas informaes no sejam importantes para a elaborao deste diagnstico. Consulta a outras empresas que possuem processos similares e literatura especializada podem suprir esta eventual deficincia.

    Reiteramos que a inspeo criteriosa nos locais e postos de trabalho e a entrevista com os trabalhadores envolvidos so fundamentais.

    O nmero de substncias registradas no Chemical Abstract Service (CAS) ultrapassa a casa dos vinte milhes, sendo que deste total, mais de cinco milhes so comercializadas regularmente. Estes nmeros demonstram a dificuldade de se fazer um bom reconhecimento de riscos em operaes qumicas e correlatas, principalmente para aqueles que no possuem formao nesta disciplina, principalmente quando no se dispe de fontes seguras de informaes e pesquisa.

    So pontos importantes na fase de reconhecimento de riscos nos processos qumicos:

    Identificao das substncias presentes ou passveis de ocorrerem; Conhecimento dos seus produtos e sub-produtos de transformao ou

    degradao decorrentes do processo produtivo; Comportamento das substncias, aps sua liberao no local de trabalho; Propriedades fsicas, qumicas e toxicolgicas, tais como vias de penetrao,

    efeitos a curto, mdio e longo prazo, presso de vapor, toxicidade, efeitos aditivos, limites de exposio ocupacional, conseqncia da interao com outros agentes qumicos ou fsicos, etc;

    Estas caractersticas dos agentes qumicos fazem com que em muitos casos, dependendo da complexidade do processo em estudo, faz-se necessrio recorrer

  • 5

    consultoria de um higienista com formao bsica em qumica ou em outras disciplinas afins.

    De uma forma geral, o profissional responsvel pelo desenvolvimento do reconhecimento de riscos deve procurar conhecer e entender: Tecnologia da produo

    3URFHVVRVXVDGRV )OX[RJUDPDV 3DUkPHWURVWpFQLFRVSUHVVmRWHPSHUDWXUDHWF 0iTXLQDVHHTXLSDPHQWRV

    Lay-out das instalaes dos postos de trabalho: 'LPHQV}HV 7LSRGHHGLILFDomR 7LSRGHYHQWLODomRHLOXPLQDomRHWF

    Inventrio dos produtos e dos insumos: 0DWpULDVSULPDV 3URGXWRVLQWHUPHGLiULRV 3URGXWRVGHGHFRPSRVLomR 3URGXWRVGHFRPEXVWmR 3URGXWRVILQDLV $GLWLYRVHFDWDOLVDGRUHV

    Organizao do trabalho: 1RUPDVRSHUDFLRQDLV -RUQDGDVGHWUDEDOKR 6LVWHPDVGHSURWHomRLQWUtQVHFDGDVPiTXLQDVHHTXLSDPHQWRV 6LVWHPDV GH SURWHomR DGLFLRQDO YHQWLODomR XPLGLILFDomR (3,

    HWF 2UJDQRJUDPD *UDXGHPDWXULGDGHJHUHQFLDOGDRUJDQL]DomR )DWRUHV PRWLYDFLRQDLV H GH PLQLPL]DomR GR VWUHVV ItVLFR H

    PHQWDO Condies ambientais

    'LUHomRHLQWHQVLGDGHGDVFRUUHQWHVGHDU 7HPSHUDWXUDGRDU

  • 6

    8PLGDGHUHODWLYDHSUHVVmRDWPRVIpULFD.Propriedades fsico-qumicas dos produtos envolvidos.

    3UHVVmRGHYDSRU 'HQVLGDGH 5HDWLYLGDGH

    Aspectos toxicolgicos dos produtos em uso 9LDVGHSHQHWUDomRQRRUJDQLVPR 0HLDYLGDELROyJLFD /LPLWHVGHWROHUkQFLDRXGHH[SRVLomR (VWDELOLGDGH GDV PDWpULDVSULPDV SURGXWRV LQWHUPHGLiULRV H

    ILQDLV Ciclo de trabalho e as atividades dos empregados

    7LSRGHH[SRVLomRKDELWXDOSHUPDQHQWHKDELWXDOLQWHUPLWHQWHRXHYHQWXDO

    ([LJrQFLDVItVLFDVGRWUDEDOKRHIHWXDGR 7LSRGHMRUQDGDGHWUDEDOKR 1~PHURGHWUDEDOKDGRUHVH[SRVWRV 3RVVLELOLGDGH GH DJUXSiORV HP*+( *UXSR +RPRJrQHR GH

    ([SRVLomR &DUJRVPDLVH[SRVWRV

    Programas de manuteno: 3UHYHQWLYDFRUUHWLYDSUHGLWLYDHRVSURFHGLPHQWRVDGRWDGRV

    Resultados de avaliaes existentes: $YDOLDomRDPELHQWDO $YDOLDomRELROyJLFD $YDOLDomRFOtQLFD

    Utilizao de ndices sensoriais QGLFHVROIDWLYRV QGLFHVDXGLWLYRV QGLFHVYLVXDLV

  • 7

    $YDOLDomRGHULVFRV

    A avaliao de risco o processo macro de estimar a magnitude do risco para um indivduo, grupo, sociedade ou meio ambiente e decidir se este risco ou no tolervel ou aceitvel. Riscos classificados como no tolerveis so tratados genericamente em sistemas de gesto como riscos significativos.

    Os conceitos abaixo devem ser bem entendidos para uma melhor compreenso da avaliao de riscos:

    Amostragem: FRQMXQWR GH SURFHGLPHQWRV HPSUHJDGRV QD HVWLPDWLYD GDH[SRVLomR RFXSDFLRQDO TXH SHUPLWHP REWHU DPRVWUDV UHSUHVHQWDWLYDV HUHVXOWDGRVFRPFRQILDELOLGDGHGHWHUPLQDGDHPIXQomRGDSUHFLVmRHH[DWLGmRGDVWpFQLFDVXWLOL]DGDV

    Coleta de amostras: SURFHGLPHQWRSUiWLFRGH FROHWDU XPDSRUomRGRDJHQWHTXtPLFR JHUDOPHQWH SUHVHQWH QD DWPRVIHUD H QD ]RQD UHVSLUDWyULD GH XPIXQFLRQiULRFRPHTXLSDPHQWRGHFROHWDHVSHFtILFR

    Monitorizao ambiental: DYDOLDomR VLVWHPiWLFD H UHSHWLWLYD GD H[SRVLomRRFXSDFLRQDODWUDYpVGDPHGLGDGDFRQFHQWUDomRGHXPGDGRDJHQWHTXtPLFRQR ORFDOGHWUDEDOKRTXHUHSUHVHQWHHVWDH[SRVLomRVHJXLGDGHFRPSDUDomRFRPXPSDGUmRDGHTXDGRHYLVDQGRDLQWURGXomRRXPRGLILFDomRGHPHGLGDVGHFRQWUROHVHPSUHTXHQHFHVViULDV

    Monitorizao biolgica: DYDOLDomR VLVWHPiWLFD H UHSHWLWLYD GD H[SRVLomRRFXSDFLRQDO DWUDYpV GDPHGLGD GD FRQFHQWUDomR GH XPDJHQWH TXtPLFR HPXP IOXLGR ELROyJLFR GH VHX SURGXWR GH ELRWUDQVIRUPDomR RX GH VXD DomRWy[LFDYLVDQGRD LQWURGXomRRXPRGLILFDomRGHPHGLGDVGHFRQWUROHVHPSUHTXHQHFHVViULDV

    Grupo Homogneo de Exposio GHE: JUXSR GH WUDEDOKDGRUHV TXHH[SHULPHQWDPH[SRVLomRVHPHOKDQWHGHIRUPDTXHRUHVXOWDGRIRUQHFLGRSHODDYDOLDomRGDH[SRVLomRGHTXDOTXHUWUDEDOKDGRUGRJUXSRVHMDUHSUHVHQWDWLYRGDH[SRVLomRGRUHVWDQWHGRVWUDEDOKDGRUHVGRPHVPRJUXSRLWHP153RUWDULD

  • 8

    H que se ficar claro que a avaliao de riscos num sentido mais amplo no se restringe unicamente medio da concentrao ou intensidade do agente, com uso de instrumentos especficos, para estimar a exposio de um trabalhador.

    Por outro lado, a presena de substncias agressivas no ambiente de trabalho pode constituir um risco para a sade dos trabalhadores. Isto no significa, entretanto que toda a populao exposta ir contrair uma doena ocupacional. Como j foi dito anteriormente, sua ocorrncia depender, fundamentalmente de alguns fatores, tais como:

    Concentrao do contaminante no ambiente de trabalho, Tempo de exposio, Caractersticas fsico-qumicas do agente, Susceptibilidade individual.

    A determinao das variveis acima sempre envolve uma srie de incertezas, o que nos leva a trabalhar com estimativas.

    A avaliao dos riscos compreende dois tipos de estimativa (sempre haver uma incerteza):

    Estimativa qualitativa do risco, Estimativa quantitativa do risco.

    A estimativa qualitativa feita com base na experincia e julgamento do higienista, a partir de uma matriz de graduao de riscos (severidade x probabilidade), conforme j visto nos captulos iniciais desta matria, baseada na figura abaixo:

  • 9

    Esta anlise qualitativa permite priorizar as medies quantitativas. Se as informaes disponveis na estimativa qualitativa do risco so suficientes, pode-se dispensar a princpio uma estimativa quantitativa, partindo-se diretamente para o desenvolvimento e anlise das opes de controle. Imagine, a ttulo de exemplo, um trabalhador operando diariamente um martelete pneumtico em rocha constituda predominantemente de quartzo, sem qualquer tipo de medida de controle, inclusive EPI, onde fica difcil at mesmo visualiz-lo, em funo da quantidade de poeira em suspenso. No precisamos aguardar o resultado da avaliao quantitativa para prescrever medidas de controle para esta situao.

    Aps a definio e implementao da alternativa de controle far-se- necessrio proceder avaliao quantitativa para avaliar a eficincia da mesma.

    A estimativa qualitativa do risco pode ser complementada com medidas quantitativas com o objetivo de subsidiar o desenvolvimento de medidas de controle adequadas, sem que isto caracterize estimativa quantitativa do risco no sentido restrito. Em geral essas medidas tm carter exploratrio com a finalidade de caracterizar melhor os agentes ambientais, as fontes de emisso e o comportamento desses agentes no ambiente de trabalho (Texto extrado do livro Introduo Higiene Ocupacional FUNDACENTRO).

    A estimativa quantitativa do risco feita com base na integrao da probabilidade, desta vez embasada em resultados de medies ambientais, com a severidade da

  • 10

    respectiva exposio, tambm fazendo uso da matriz de risco mencionada anteriormente. Para esta fase o higienista deve utilizar instrumental adequado para coleta de amostras ou de medio direta. Quando o mtodo adotado for atravs de coleta de amostras deve-se contar ainda com um laboratrio confivel para a realizao das anlises. Esta atividade deve ser tecnicamente planejada, para que se realize um nmero adequado de medies e de forma tal que possam refletir corretamente a exposio dos trabalhadores.

    Os resultados obtidos so comparados com limites de exposio, que so estabelecidos por meio de estudos que correlacionam exposies e efeitos sade. Desta comparao conclui-se se o risco aceitvel ou no. Esta concluso tambm leva em considerao a existncia e eficcia das medidas de controle existentes.

    Estas atividades quando realizadas como parte de um programa, recebem a denominao de monitorizao'(//$526$6,48(,5$H&2/$&,2332

    Portanto, oproduto final da etapa de avaliao de risco um parecer tcnico sobre a tolerabilidade de uma exposio ocupacional frente a um determinado agente ambiental, o que , evidentemente, muito mais complexo que efetuar medies no sentido instrumental. As medies, obviamente, fazem parte da etapa de avaliao. A tolerabilidade amparada pela comparao da informao global de exposio ambiental com um padro adequado e pr-determinado. Este padro, via de regra, o Limite de Exposio ou Limite de Tolerncia (termo utilizado pela legislao brasileira).

    A confiabilidade dos resultados sobre a exposio ocupacional est diretamente relacionada com a aplicao de uma adequada (VWUDWpJLDGH$PRVWUDJHP, a qual no ser tratada nesta apostila por se tratar de um captulo muito importante e especfico da Higiene Ocupacional, aplicvel na caracterizao da exposio de todos os agentes ambientais.

    atravs da Estratgia de Amostragem, que o higienista poder responder com uma margem considervel e rastrevel de confiabilidade as seguintes questes:

    O que medir ou analisar?

  • 11

    Onde medir ou coletar amostras? Quantas amostras coletar? Quantos e quais funcionrios avaliar? Por quanto tempo deve-se coletar uma amostra? Quando avaliar novamente? A avaliao ambiental deve ser simultnea com a avaliao biolgica?

    $63(&726,03257$17(6(080$$02675$*(0'($*(17(6480,&26

    O grau de exposio de um indivduo a um determinado agente qumico determinado a partir da avaliao da concentrao do agente no ar, da durao da exposio e da possibilidade de entrada no organismo (via respiratria, pele, ingesto).

    O risco para a sade dos expostos depender, fundamentalmente, de fatores, tais como:

    Concentrao do contaminante no ambiente; Tempo de exposio; Caractersticas fsico-qumicas do agente, e Susceptibilidade individual.

    Portanto, a quantificao da concentrao do agente no ar deve ser feita da forma mais correta e exata possvel, cuidando para que as medies sejam efetuadas com aparelhagem adequada e que sejam o mais representativo possvel da exposio real a que esto submetidos os trabalhadores.

    A coleta de amostras de agentes qumicos na atmosfera uma importante fase da avaliao ambiental e antes de se planejar as atividades de coleta deve-se alm da identificao da substncia, conhecer como esta se apresenta dispersa na atmosfera.

    Em qualquer tipo de medio efetuada, sempre existe uma incerteza intrnseca ao processo como um todo.

  • 12

    Nas medies que envolvem equipamentos e instrumentos, como o caso dos levantamentos ambientais, a exatido de um valor medido ser sempre limitada pela preciso do instrumento de medida. Outros erros consistentes e aleatrios tambm podem ocorrer como, por exemplo, equipamentos descalibrados ou mal aferidos, flutuaes no funcionamento do instrumento durante a medio, uso de uma frmula errada, aplicao de uma metodologia imprpria, percepo ou interpretao equivocada do responsvel pelas medies, etc.

    Estas limitaes devem ser sempre levadas em considerao quando se analisa e se apresentam os resultados e so minimizadas pela aplicao de princpios de estatstica, dentre os quais se destacam a mdia, desvio padro e outros critrios relativos probabilstica.

    A coleta de amostras representativas uma tarefa complexa, j que a concentrao de uma substncia em suspenso varia no tempo e no espao, em funo da movimentao do ar, dos ciclos dos processos, da variabilidade das tarefas e atividades, da distncia do trabalhador fonte, etc. Ao serem coletadas amostras em diferentes pontos de um local de trabalho, certamente sero obtidas diferentes concentraes. Mesmo em um mesmo ponto, poder haver diferenas, quando se fizer coletas em dias ou at mesmo turnos diferentes.

    Outro problema a ser considerado o estudo das concentraes de substncias muito txicas, com limites de exposio rigorosos. Estas concentraes geralmente so muito baixas e, para sua determinao, necessita-se de mtodos e instrumental altamente sensveis.

    As questes acima ratificam a importncia de se aplicar uma estratgia de amostragem consistente, j que no se pode confiar nos resultados de uma nica amostragem, desprovida de uma anlise prvia bem elaborada, como representativa da concentrao real a que o indivduos est exposto.

  • 13

    7LSRVGH$PRVWUDJHP

    De uma forma geral, as amostragens de agentes ambientais podem ser de dois tipos:

    Amostragem instantnea ou de curta durao e Amostragens contnuas.

    Amostragens instantneas ou de curta durao so realizadas em um curto espao de tempo (no mximo 5 minutos) e os resultados correspondem concentrao existente nesse intervalo.

    As principais vantagens deste tipo de amostragem so: Registro das concentraes mais altas e mais baixas durante a jornada de

    trabalho, quando podem ser antecipados os momentos de mximos e mnimos de exposio.

    Possibilidade de calcular a concentrao mdia, por meio da mdia estatstica das amostragens instantneas (para adequado uso estatstico, as amostras devem ser aleatrias).

    Avaliar a concentrao de substncias que tenham valor teto ou valor mximo associado ao LT tipo mdia ponderada e TLVC da ACGIH.

    Este tipo de amostragem tambm conhecido como amostras pontuais de curta durao (JUDEVDPSOHV

    Esta forma amostral a de menor poder de deciso estatstico. Para se obter benefcio estatstico desta forma amostral, recomenda-se tomar pelo menos 9 a 11 amostras durante a jornada. A legislao nacional estipula em um mnimo de 10 amostragens, coletadas com um intervalo mnimo de 20 minutos. A partir das mesmas, obter-se- a exposio mdia dessa jornada de trabalho.

    A amostragem contnua realizada em perodo de tempo que varia de fraes de hora at uma jornada de trabalho, com uma ou mais amostras. Tem a vantagem de fornecer, como resultado, uma mdia ponderada das condies existentes no

  • 14

    perodo de avaliao, mas, em geral, no registra as variaes da concentrao da concentrao dos contaminantes durante a jornada de trabalho, o que impossibilita a determinao das mximas concentraes alcanadas, no podendo ser verificado se o valor mximo ou valor teto foi ultrapassado. Este tipo de amostragem comumente empregada para substncias que possuem LE - mdia ponderada. No entanto, como mesmo estas substncias tm uma valor mximo que no pode ser ultrapassado (VM = FD x LT), h necessidade s vezes de se efetuar uma amostra instantnea ou de curta durao, que nos indicar se este valor mximo foi ou no ultrapassado.

    A amostragem contnua pode ser dividida em: Amostra nica de perodo completo ()XOO3HULRG6LQJOH6DPSOH): Esta amostra

    tomada sobre toda a base de tempo do limite de exposio. Esta forma amostral a segunda melhor forma do ponto de vista estatstico, para decises sobre a exposio de uma jornada.

    Amostras consecutivas de perodo completo ()XOO 3HULRG &RQVHFXWLYH6DPSOHV): Esta forma amostral utiliza vrias amostras, sendo que o tempo total das mesmas equivale base de tempo do limite. As amostras no se superpem no tempo, nem h qualquer perodo da base de tempo que no seja amostrado; ou seja, as amostras so consecutivas e justapostas. As amostras no necessitam ter a mesma durao. Esta forma amostral a de melhor benefcio do ponto de vista estatstico, para deciso sobre a exposio de uma jornada.

    Amostras de perodo parcial (3DUWLDO3HULRG&RQVHFXWLYH6DPSOHV): Consistem em uma ou mais amostras que no cobrem integralmente a base de tempo do limite. Esta forma amostral muito limitada do ponto de vista estatstico, no sendo recomendada, a menos que o higienista tenha um bom conhecimento das atividades e do processo, capaz de fazer inferncias confiveis sobre os perodos no amostrados. Caso contrrio, o tratamento estatstico da exposio fica comprometido.

    A figura abaixo ilustra as modalidades de amostragens acima mencionadas:

  • 15

    Os dois tipos de amostragens (instantneas ou contnuas) so de grande utilidade na pesquisa da presena de agentes qumicos no local de trabalho. Depender do bom senso e da experincia do higienista, determinar a amostragem mais apropriada em cada caso, visando sempre obter resultados representativos da exposio real.

    Para alcanar este objetivo, duas regras bsicas devem ser obedecidas: 1 em todos os casos, a amostragem deve ser feita nas condies normais

    de trabalho, j que de outra forma, a exposio avaliada no ser representativa das condies reais;

    2 a maioria dos processos apresenta ciclo de trabalho bem definido, que se repetem vrias vezes ao dia. A amostragem dever ser feita cobrindo, no mnimo, um ciclo de trabalho.

    Os conceitos acima no so exclusivos da amostragem de agentes qumicos. Os mesmos so utilizados para a avaliao de qualquer fator de risco ambiental.

    7LSRVGH$PRVWUDVHP)XQomRGD=RQDGH$PRVWUDJHPDe acordo com a localizao dos equipamentos de avaliao (amostrador), podemos ter os seguintes tipos de coleta de amostras:

  • 16

    Coleta de amostras pessoais ou individuais, Coleta de amostras na zona corporal de interesse, e Coleta de amostras no ambiente.

    &ROHWDGHDPRVWUDVSHVVRDLVRXLQGLYLGXDLVSo amostragens realizadas com o equipamento de avaliao sendo portado pelo prprio indivduo amostrado, situado na zona de amostragem de interesse (por exemplo, zona auditiva ou zona respiratria). o tipo prefervel e mais comumente adotado para amostragem de exposio ocupacional, por sua adequada representatividade da exposio experimentada pelo indivduo ao longo do perodo de coleta. No caso de agentes qumicos as amostras, de preferncia, devem ser coletadas na zona de respirao do trabalhador (regio do espao que compreende uma distncia de aproximadamente 150 50 mm a partir das narinas, sob a influncia da respirao), por ser esta a via mais importante de penetrao de substncias txicas no organismo. Praticamente no apresenta maiores dificuldades operacionais, sendo as limitaes apenas restritas aos aspectos de recursos instrumentais disponveis e econmicos da amostragem.

    &ROHWDGHDPRVWUDVQD]RQDFRUSRUDOGHLQWHUHVVHSo amostras realizadas com o amostrador sendo portado por um terceiro, geralmente o do prprio higienista, instalado na zona corporal de interesse (por exemplo, auditiva, respiratria e torcica), quando invivel a fixao do equipamento no corpo do prprio trabalhador avaliado (amostra pessoal ou individual).

    No a condio mais indicada, mas trata-se de umtipo aceitvel para amostragem de exposio ocupacional, podendo representar adequadamente a exposio experimentada pelo indivduo, respeitadas as limitaes amostrais e a anlise estatstica aplicvel.

    So amostras limitadas a funes ou tarefas de pouca movimentao em rea fisicamente restrita, durante a tomada de cada amostra.

  • 17

    &ROHWDGHDPRVWUDVQRDPELHQWHSo amostras tomadas em pontos fixos da rea de trabalho, no vinculadas ao trabalhador, normalmente indicadas para estudar o grau de contaminao de um posto de trabalho num determinado perodo de tempo. Este tipo de avaliao muito empregado para determinar medidas de controle de engenharia contra riscos ambientais. A localizao do aparelho amostrador pode no ser necessariamente, o centro do local de trabalho, devendo-se considerar a localizao dos pontos de origem da disperso dos contaminantes, a fim de no situar o aparelho na trajetria dos poluentes, determinada pelas correntes de ar.

    No um tipo indicado para amostragem de exposio ocupacional, j que estas amostras de rea no guardam relao especfica com a exposio dos trabalhadores, no permitindo nenhuma inferncia estatstica sobre a exposio de pessoas a partir de amostras de rea.

    As consideraes deste item no se aplicam ao Anexo 13 A da NR-15 que tem como objetivo regulamentar aes, atribuies e procedimentos de preveno da exposio ocupacional ao benzeno, visando a proteo da sade do trabalhador, visto tratar de um produto comprovadamente cancergeno.

    ,QVWUXPHQWRV8WLOL]DGRV

    A seleo do instrumento depende de vrios fatores, dentre os quais podemos citar: portabilidade do instrumento, facilidade de operao, confiabilidade da resposta do aparelho sob diferentes condies de uso (principalmente temperatura e presso), tipo de informao desejada, disponibilidade do equipamento no comrcio, servio de manuteno acessvel, mtodo especificado de avaliao e preferncia pessoal baseada na experincia do usurio.

    Dependendo da forma como o contaminante se encontra na atmosfera, de suas propriedades fsicas e qumicas e ainda do tempo de coleta de amostra necessrio,

  • 18

    diversos meios de coleta podem ser empregados atravs de trs modalidades de equipamentos:

    Equipamentos de leitura direta, Amostradores de ar total, e Amostradores de separao do contaminante do ar.

    Os equipamentos de leitura direta so aqueles detectam a presena e at estimam com uma preciso considervel a concentrao de uma substncia no ar, instantaneamente e no prprio local de uso. So utilizados geralmente para medies de gases e vapores, e para alguns poucos particulados.

    Nesta categoria, esto includos os papis reativos, tubos indicadores ou instrumentos de leitura direta.

    Papis reativos podem ser empregados de maneira simples apenas como identificao da presena da substncia, como por exemplo, gs sulfdrico utilizando-se papel impregnado com soluo de acetato de chumbo, este fica cinza ou negro pela formao de sulfeto de chumbo e podem ser utilizados apenas como alerta.

    Tubos indicadores utilizam aproximadamente a mesma tcnica de reaes coloridas, porm mais elaborados, permitindo estimar a concentrao pela intensidade ou tamanho da cor desenvolvida. So bastante prticos no exigem grande treinamento, mas por outro lado so especficos para cada substncia ou grupo de substncias e so basicamente indicados para avaliaes de curta durao.

    Instrumentos de leitura direta podem ser simples genricos, que apenas detectam a presena de uma substncia sem identific-la; ou mais sofisticados, como os cromatgrafos portteis, que podem identificar e quantificar a concentrao de um determinado agente qumico presente na atmosfera. Temos ainda equipamentos portteis, com sensores especficos para algumas substncias, como monxido de carbono, dixido de enxofre, formaldedo etc. So, todavia, equipamentos de elevado custo, devendo ser manuseados por tcnicos treinados e geralmente

  • 19

    dedicados a avaliaes de curta durao, sendo de bastante utilidade em situao de emergncia ou no rotineira.

    Os amostradores de ar total coletam volumes conhecidos de ar juntamente com os contaminantes porventura existentes na atmosfera avaliada, para posterior anlise em laboratrios, atravs de mtodos qumicos ou instrumentais. No fornecem, portanto, a indicao direta da concentrao. Tais anlises no laboratrio devem ser bastante sensveis, j que a quantidade de contaminante coletada geralmente muito reduzida.

    No so indicados para coleta de particulados, pois as partculas destes aerodispersodes podem se depositar nas superfcies internas do dispositivo de coleta e comprometer a determinao correta da concentrao.

    Uma forma relativamente simples de se coletar uma amostra obter um volume de toda atmosfera, por exemplo, coleta de alguns litros de ar em um saco plstico. Muitas limitaes deste mtodo no permitem uma aplicabilidade prtica.

    So particularmente indicados para coleta em ponto fixo e em elevadas concentraes como gs de escapamento de automveis ou emisses fugitivas, quando se quer identificar qualitativamente os gases ou vapores presentes.

    A amostragem de ar total pode ser feita por dois princpios bsicos: a) Deslocamento de ar, que consiste na abertura, no local de amostragem, de

    um frasco ou embalagem plstica a vcuo. O ar contaminado ocupa o lugar do vcuo. O deslocamento de ar tambm pode ser feito atravs da utilizao, no local de coleta, de bombas de vcuo, que vo extraindo o ar do interior do frasco, permitindo a entrada do ar existente na atmosfera em estudo. Aps passar 5 a 6 vezes o volume do frasco, ter-se- praticamente ocupado o frasco com o ar contaminado.

    b) Deslocamento com lquido, que consiste em se esvaziar, no local de amostragem, um frasco cheio de lquido (geralmente gua). Desta forma o ar contaminado ocupar o lugar do lquido. A desvantagem deste mtodo a solubilidade de alguns contaminantes no lquido existente no frasco, o que

  • 20

    poder induzir a erros na determinao da avaliao do laboratrio. Para minimizar esta probabilidade de erro, j existem frascos especiais que so dotados de uma abertura na parte inferior para reduzir o contato entre o ar contaminado e o lquido.

    Os amostradores de separao dos contaminantes do ar, como o prprio nome indica, fazem com que o ar contaminado passe atravs de um meio coletor adequado, separando-se assim os contaminantes do restante do ar. Tambm no fornecem diretamente a concentrao do agente avaliado.

    Neste tipo de instrumento tambm necessrio que se conhea o volume de ar total que passou atravs do meio coletor, para que, na posterior anlise em laboratrio, no qual nos ser informado a massa do contaminante, possa ser determinada a concentrao dos contaminantes.

    Concentrao = massa/volume

    Existem aparelhos especficos, tanto para amostragens de gases e vapores, como para a coleta de particulados, onde mais empregado. Para particulados, o mtodo mais comumente utilizado utiliza um elemento de captao acoplado a uma bomba aspirante, que geralmente porttil e deve ter sua vazo conhecida e calibrada antes e depois de cada coleta e o volume final coletado corrigido para as condies usuais a que se referem os limites de exposio ocupacional (ACGIH, 2002). Para uma correta anlise do material coletado, importante haver um contato prvio com o laboratrio responsvel pelas anlises das amostras coletadas no campo para definio do elemento de captao mais apropriado, tempo de coleta e condies de armazenamento e transporte corretos, alm do fornecimento de outras informaes necessrias para a anlise, como temperatura de coleta, presso e ou altitude e definio clara do que deve ser analisado.

  • 21

    0HWRGRORJLDVA coleta de qualquer agente qumico deve ser feita de acordo com normas legais e tcnicas especficas. No que se refere legislao, tanto trabalhista como previdenciria, compulsrio acatar as normas oficiais que tratam da questo. Normalmente estas regulamentaes no especificam o como fazer e sim o que deve ser feito.

    Do ponto de vista tcnico, a FUNDACENTRO disponibiliza em seu site vrios procedimentos de amostragem para alguns agentes ambientais. A ABNT tambm dispe de normas tcnicas sobre o assunto. Estas normas detalham o como fazer.

    Abaixo algumas destas normas: NBR 10.562/1988 Calibrao de Vazo pelo Mtodo da Bolha de Sabo. NBR 14.725/2001 FISPQ Ficha de Informao Segurana de Produtos

    Qumicos. NHO 03 Anlise Gravimtrica de Aerodispersides Slidos Coletados

    Sobre Filtros e Membranas. Fundacentro, 2001. NHO 04 Mtodo de Coleta e Anlise de Fibras em Locais de Trabalho.

    Fundacentro, 2001. NHO 07 Calibrao de Bombas de Amostragem Individual pelo Mtodo da

    Bolha de Sabo. Fundacentro, 2002.

    O laboratrio responsvel pelas anlises das amostras coletadas no campo deve ainda dispor de metodologia validada para as anlises, ou seja, utilizar mtodos reconhecidos ou recomendados, utilizar padres certificados, geradores de atmosfera padro e seguir os protocolos de validao recomendados por entidades reconhecidas, verificando a estabilidade, condies de armazenamento, recuperao, sensibilidade, preciso, exatido, saturao etc., alm de seguir ainda programas de controle de qualidade intra e extra-laboratorial o que determina a confiabilidade dos resultados (CHASIN ET al 1994; AZEVEDO e COLACIOPPO, 1986).

  • 22

    Dentre os tipos de anlise praticados pelos laboratrios atualmente, destacam- se os seguintes:

    9ROXPH Partindo-se de uma soluo com volume conhecido e fazendo-se a leitura do volume final, aps a amostragem, determina-se o volume do contaminante, pela diferena entre o volume inicial e o final;

    7LWXODomR Partindo-se de uma soluo com pH conhecido e fazendo-se a leitura aps a amostragem determina-se a massa ou volume do contaminante, pela alterao no valor do pH e comparao com a curva de calibrao do medidor;

    *UDYLPHWULD Pesa-se o amostrador antes e depois da amostragem e compara-se os valores de massa, sendo a diferena entre as pesagens a massa de contaminante;

    3UHFLSLWDomR Provoca-se a separao de fases em uma soluo e determina-se o volume do contaminante contido na soluo;

    ([WUDomR Extrai-se de um meio slido ou lquido, atravs da adio de um solvente, e determina-se o volume ou a massa do contaminante extrado;

    (VSHFWURIRWRPHWULD GH ,QIUDYHUPHOKR 8OWUDYLROHWD HRX /X] 9LVtYHO Prepara-se a amostra e faz-se a leitura da absoro ou disperso de uma onda com comprimento nas faixas do infravermelho, ultravioleta ou luz visvel, que aplicada na amostra. O resultado da absoro ou disperso proporcional a quantidade de contaminante contido na amostra. O resultado da leitura comparado com a curva de calibrao;

    'LIUDomR GH 5[ Prepara-se a amostra e faz-se a leitura da difrao do Raios-X que incide no material da amostra. O resultado da difrao proporcional a quantidade de contaminante contido na amostra. O resultado da leitura comparado com a curva de calibrao;

    (VSHFWURIRWRPHWULDGH$EVRUomR$W{PLFDPrepara-se a amostra e faz-se a leitura da caracterstica do espectro de radiao do material contido na amostra. O resultado obtido pela caracterstica do espectro, que identifica a substncia em si, e pela variao do espectro, que determina a quantidade. A massa ou volume contido na amostra determinado pela comparao do espectro obtido na anlise com o da curva de calibrao;

  • 23

    &URPDWRJUDILD*DVRVD Prepara-se a amostra e faz-se a leitura do tempo de reteno da substncia que injetada em uma coluna interna do instrumento. O tempo de reteno na coluna, entre a injeo e a sada de cada elemento, determina o tipo de substncia encontrada na amostra. O resultado da leitura comparado com a curva de calibrao determinando a massa da substncia.

    5HJLVWURVGH&ROHWDGH$PRVWUDVQR&DPSRAs observaes realizadas e os registros feitos na folha de campo contribuiro para a elaborao do relatrio final.

    Entre os dados a serem registrados, destacam-se: Nome da empresa Data da amostragem Nmero de srie, marca e modelo do instrumento utilizado Nmero ou cdigo do filtro utilizado (quando for o caso) Tipo de amostragem realizada Setor ou rea de operao onde se realizou a amostragem Nome do trabalhador Funo do trabalhador descrita minuciosamente Horrio em que o equipamento foi acionado Horrio em que o equipamento foi desativado Tempo de amostragem Vazo de calibrao da bomba (quando for o caso) Observaes feitas durante a amostragem Nome do tcnico responsvel pela amostragem Dia, hora, turno da coleta Registro de quantidade de litros amostrada (volume) Registro do nmero ou cdigo do tubo Tipo de tubo Nmero do lote do tubo Nmero do branco de campo

  • 24

    Data de validade do tubo ou da soluo Registro de EPC (tipo/ conservao) Registro do EPI, estado de conservao, tempo real de uso, c. A.

    $02675$*(16'(*$6(6(9$325(6Gases e vapores formam uma mistura homognea com o ar, no se separando deste atravs de meios mecnicos.

    A amostragem de gases e vapores pode ser feita por coleta de ar total, ou por separao dos contaminantes gasosos, atravs da reteno destes em meio slido (adsoro) ou em meio lquido (absoro), ou ainda, por condensao destes gases e vapores.

    Quando a concentrao do contaminante a ser analisado for expressa em partes por milho (ppm) deve-se optar pelo mtodo de separao do contaminante do ar.

    As formais mais usuais de coleta de gases e vapores so:

    7XERVFRORULPpWULFRV

    So dispositivos de leitura direta que utilizam mtodos qumicos e fornecem a concentrao existente no ambiente pela alterao da cor, ocorrida devido a uma reao qumica.

    Os tubos colorimtricos ou tubos detectores so tubos de vidros preenchidos com componentes qumicos especficos. Esses componentes so substncias reativas colorimtricas depositadas ou em fitas de papel ou em material slido, como gros de slica gel, areia e slica ou ainda alumina ativada.

  • 25

    Consistem fundamentalmente em se passar uma quantidade conhecida de ar por meio de um reagente, o qual sofrer alterao de cor, caso a substncia contaminante esteja presente.

    A concentrao lida diretamente de uma escala impressa no tubo: pela comparao da intensidade e extenso da alterao de cor resultante,

    com escalas padronizadas, que podem estar tanto gravadas no prprio tubo como impressas na carta informativa que o acompanha;

    por comparao da cor obtida com cores-padro.

    Para se fazer passar o ar por meio do reagente so utilizadas bombas aspiradoras, que podem ser tanto do tipo pisto ou do tipo fole.

    importante salientar que, quando utilizamos uma bomba aspiradora de determinado fabricante, devemos utilizar os tubos indicadores do mesmo fabricante, caso contrrio poder obter concentraes com erros.

    As principais fontes de erros desta metodologia so: Preciso limitada. Compostos interferentes causam reaes e leituras similares no tubo. Afetado pela temperatura e umidade. Diferenas subjetivas no julgamento da mudana de cor para determinar o

    resultado. 7XERVGHFDUYmRDWLYDGRVtOLFDJHOHRXWURVPHLRVFRQYHQLHQWHVGHUHWHQomR

    Utilizaremos esse tipo de amostradores acompanhados de uma bomba.

  • 26

    A amostragem consiste em passar um determinado volume de ar conhecido, por intermdio de bomba gravimtrica calibrada com vazo adequada, por tubo de carvo ativado ou slica gel. Tanto para a vazo adequada como para o tipo de tubo a ser utilizado devem ser consultadas as metodologias especficas de cada contaminante.

    A amostra posteriormente enviada para anlise de laboratrio.

    Tubos de carvo ativado so utilizados para coleta dos vapores orgnicos (benzeno, tolueno, xileno, tricloroetileno, acetona etc.) e os tubos de slica gel para outras substncias (tais como anilina, cidos, aminas etc.).

    um dos amostradores que requerem maiores cuidados, pois consiste em passar um volume de ar conhecido, por meio de bomba gravimtrica calibrada, por um lquido absorvente especfico para cada tipo de contaminante a ser coletado. Nesse tipo de amostragem, podem ocorrer acidentes com a soluo dentro do circuito interno da bomba, vindo esta a ser danificada pela soluo absorvedora. Para evitar esse problema, o que se costuma fazer utilizar sempre um amostrador vazio prximo tomada de vcuo da bomba; ele funcionar como um retentor (WUDS) de lquido em caso de sua suco indesejada para fora do amostrador principal.

  • 27

    $PRVWUDJHP FRP UHWHQomR HP ILOWURV GH 39& pVWHU GH FHOXORVH RX ILEUD GHYLGUR

    Consiste em fazer passar um volume de ar conhecido, utilizando bomba gravimtrica devidamente calibrada, conforme mtodo utilizado para o contaminante, por meio de filtros especficos (PVC, ster celulose ou fibra de vidro).

    O filtro contendo o contaminante ser analisado em laboratrio por meio de anlise qumica especfica, segundo a metodologia.

    Para cada tipo de substncia ou grupo devem-se consultar os mtodos do NIOSH, que fornecem toda a metodologia de amostragem de campo (vazo, tempo de coleta, tipo de meio de reteno) e anlise laboratorial. Eles podem ser consultados RQOLQHna internet, no VLWHdo NIOSH, www.cdc.gov/niosh.

    Alguns laboratrios de Higiene Ocupacional disponibilizam resumos de mtodos para serem consultados, para que o profissional que busca informaes sobre determinado contaminante saiba quais os passos que dever seguir caso decida monitorar uma determinada substncia.

    Temos de fazer algumas perguntas antes de tomar uma deciso em relao ao contaminante, como:

    A substncia possui limite de tolerncia? Possui metodologia para amostragem de

    campo? Possui metodologia de anlise? Essa metodologia j foi implantada?

    Se a resposta for sim, existir um valor (custo) de anlise; caso no tenha sido implantada, esse custo ser bem mais alto, pois essa substncia no uma substncia de rotina para o laboratrio, e este, por sua vez, ter de desenvolver tal metodologia.

  • 28

    0RQLWRUHVSDVVLYRV290

    Os monitores passivos ou, como so chamados no comrcio especializado nos Estados Unidos, 2UJDQLF9DSRU0RQLWRUV, so dispositivos de coleta de amostras de gases e vapores que se fundamentam no fenmeno de Difuso Adsoro, sem usar bombas de suco ou outro mecanismo que fornea a passagem forada de ar.

    Durante a coleta da amostra, podemos distinguir as seguintes fases: fase de difuso-permeao fase de adsoro

    A etapa de difuso se caracteriza pela passagem das molculas do gs ou vapor de um ambiente de maior concentrao para um ambiente isento ou de baixa concentrao de contaminante, por intermdio de um meio permevel (Lei de Henry).

    Na parte posterior da cmara de difuso colocada uma placa ou disco de carvo ativo, ou outro adsorvente especfico, onde se completa a fase de adsoro. O laboratrio tem meios de indicar o elemento de captao (filtro, tubo absorvente etc.) mais adequado coleta pretendida, alm de fornecer indicaes do tempo mnimo e mximo de coleta, conservao de amostras etc., o que pode inclusive determinar a escolha do equipamento.

    (;(03/2

    Ao avaliarmos a concentrao de amnia (LT NR 15 = 20 ppm) num local de trabalho com um equipamento de leitura direta, verificou-se que o trabalhador fica exposto: 3 horas a 10 ppm e 5 horas a 25 ppm.

  • 29

    Qual a concentrao mdia?

    Concentrao mdia = (10 x3) + 25 x 5)/ 8 = 19,3 ppm < LTmp.

    Analisando o valor mximo: VM = FD x LT = 1,5 x 20 = 30 ppm

    Portanto, a maior concentrao obtida (25 ppm) < VM

    Como o LT-mp e o VM no foram ultrapassados, podemos concluir que, de acordo com o Anexo 11 da NR-15 a concentrao amostrada no ultrapassou os limites de tolerncia, porm est acima do nvel de ao (metade do LT), o que exige certas medidas de preveno.

    $02675$*(0'(3$57,&8/$'26

    A avaliao quantitativa de particulados uma questo complexa, j que, normalmente, trata-se de misturas complexas, de tamanhos, formas, estado de agregao, velocidade de sedimentao e composio diferentes. Por este motivo, nenhuma magnitude pode definir completamente uma concentrao de um aerodispersode, o que no ocorre quando se avalia gases ou vapores.

    Para avaliar o grau de exposio do trabalhador s poeiras, bem como para qualquer material particulado, necessrio medir a &21&(175$d2 das mesmas na zona respiratria (aproximadamente 20 cm do nariz) e comparar com os limites de exposio encontrados, por exemplo, na NR-15 da Portaria n 3.214/78 do Ministrio do Trabalho e Emprego, nos valores de referncia ou, nas publicaes da ACGIH, mais precisamente nas edies anuais dos Limites de Exposio (TLVs) para Substncias Qumicas e Agentes Fsicos & ndices Biolgicos de Exposio (BEIs).

    Portanto, para avaliar o risco de exposio a particulados em um ambiente de trabalho, deve-se determinar, da forma mais correta possvel, a concentrao do

    &21&(175$d2 0DVVDRXSHVRGDDPRVWUDPJ9ROXPHGHDUDPRVWUDGRP

  • 30

    aerossol em suspenso, cuidando para que as medies sejam efetuadas com aparelhagem adequada e em perfeitas condies de operao e que sejam o mais representativas da exposio real a que esto submetidos os trabalhadores. O tempo de exposio deve ser estabelecido atravs de uma anlise da tarefa do trabalhador. Esta anlise dever incluir todos os movimentos efetuados durante as operaes normais, incluindo os tempos de descanso e movimentao fora do local de trabalho propriamente dito.

    A avaliao quantitativa de qualquer risco ambiental, para ser eficaz, precisa refletir a realidade do ambiente de trabalho no podendo ser determinado apenas por uma nica avaliao no ambiente. Devero se coletadas quantas amostras forem necessrias, em dias e turnos aleatrios, de modo que sejam levados em considerao todos os parmetros que interferem na concentrao deste agente ao nvel respiratrio do trabalhador, tais como, intempries, nvel de produo, ventos, variaes operacionais e de processo, dentre outros. Deste modo, os dados obtidos nas diversas situaes devero sofrer tratamento esttico.

    A avaliao da exposio exige um planejamento prvio da HVWUDWpJLD GHDPRVWUDJHP antes da coleta da primeira amostra.

    A estratgia de amostragem permite embasar afirmaes, minimiza o esforo necessrio para decidir se uma situao est ou no satisfatria e discute questes prticas que surgem ao avaliar a exposio: quais os trabalhadores devero ter a sua exposio avaliada; onde colocar o dispositivo de amostragem; quantas amostras devem ser tomadas em cada dia de trabalho, quanto tempo deve durar cada amostragem; quantas jornadas devem ser avaliadas durante o ano e quando? A AIHA e o NIOSH apresentam informaes teis sobre o tema.

    A metodologia abaixo baseada na norma NHT-02 A/E 1985 da FUNDACENTRO para avaliao da exposio ocupacional a particulados slidos, ou seja: poeiras que possam conter slica livre cristalizada, partculas incmodas e poeiras e fumos metlicos, em ambientes de trabalho atravs de coleta de amostras ambientais individuais com equipamento de amostragem de baixa vazo.

  • 31

    'HILQLo}HV

    &LFORQH: dispositivo usado no equipamento de amostragem para separao de partculas slidas contidas no fluxo de ar, em tamanhos pr-definidos.

    )LOWURPHPEUDQD: filtro de malha rgida, de material polmero, na forma de uma pelcula, com poros de tamanho uniforme determinados com preciso.

    3RUWDILOWURSDGUmR: conjunto para reteno da amostra, composto por um suporte de poliestireno de 2 ou 3 peas, contendo um suporte de papelo para o filtro e um filtro de 37 mm.

    3RUWDILOWUR EUDQFR porta-filtro contendo um filtro que sofre o mesmo preparo e manuseio que os portas-filtros a serem utilizados para a coleta de amostras, exceto que neste no passa ar atravs dele, ou seja, o mesmo no utilizado.

    !

    "

    #

    $

    % &

    ')(

    #

  • 32

    3DUWLFXODGRWRWDO: total de partculas contidas em uma amostra gasosa.

    3DUWtFXODV UHVSLUiYHLV: partculas contidas em uma amostra gasosa que apresentam dimetro aerodinmico equivalente inferior a 10 m.

    3DUWtFXODVLQF{PRGDV: todas as partculas que no causam alteraes pulmonares. Atualmente so designadas de PNOS - Particulados Insolveis No Classificados. =RQD UHVSLUDWyULD: regio do espao que compreende uma distncia de aproximadamente 150 50 mm a partir das narinas, sob a influncia da respirao.

    ,QVWUXPHQWDO1HFHVViULRBomba de amostragem que fornea uma vazo de ar entre 1 e 3 litros por minuto, provida de um sistema de controle de vazo e fonte de alimentao eltrica independente. Este equipamento tambm conhecido como AMOSTRADOR GRAVIMTRICO.

  • 33

    Ciclone padro de 10 mm que separe as partculas com as seguintes caractersticas de granulometria:

    ',0(752$(52',10,&2(48,9$/(17('$3$57&8/$

    P

    '(3$57,&8/$'2,1$/9(/

    2 90 2,5 75 3,5 50 5,0 25

    Menor ou igual a

    10,0 0

    Porta-filtro padro provido de suporte e filtro adequado para a coleta do material particulado a ser avaliado.

    Cronmetro de qualquer natureza com preciso mnima de 1 minuto.

    Barmetro porttil.

    Termmetro de preciso mnima de 1C.

    &DOLEUDomRGR(TXLSDPHQWRA bomba de amostragem deve ser calibrada antes e depois da avaliao, para ajuste e verificao da manuteno da vazo. Variaes acima de um determinado percentual entre a vazo inicial e final podem prejudicar e at mesmo invalidar a amostragem. Os mtodos mais utilizados so:

    0pWRGRGD%ROKDGH6DEmR: que consiste no emprego de uma bureta de 1000 ml invertida e graduada, ligada linha de suco da bomba, com ciclone conectado em srie com o porta-filtro, no caso de coleta de poeira respirvel, ou com o kitazato

  • 34

    conectado em srie com o porta-filtro e a bureta, para conter a umidade proveniente da bolha de sabo, no caso de coleta de poeira total.

    As etapas bsicas para calibrao atravs do mtodo da bolha de sabo so: a) ligar a bomba gravimtrica durante 15 a 20 minutos para estabilizao da

    voltagem; b) medir a voltagem e verificar junto ao manual da bomba se a mesma est

    dentro das especificaes do fabricante; c) fazer teste de vazamento da bomba, certificando, se for o caso, o rotmetro; d) acoplar a bomba a bureta, atravs da mangueira; e) umedecer a bureta com bolhas de sabo de modo a lubrificar a parte interna

    da mesma; f) tomar uma bolha e cronometrar o tempo de percurso de 0 (zero) a 1000 ml. O

    tempo que a bolha deve levar para percorrer a bureta funo do volume e vazo requeridos:

    4 9WORJRW 94[

    Onde: Q = vazo (l/min) V = volume (l) T = tempo (min)

    Para avaliao de poeira respirvel, utilizando o ciclone, a vazo requerida, segundo a norma NHT-02 A/E da FUNDACENTRO 1,7 l/min. Para avaliao de poeira total (sem ciclone), poeiras metlicas e fumos, a vazo requerida, segundo a mesma norma 1,5 l/min.

    Quando avaliao de outros contaminantes no citados na norma da FUNDACENTRO, sugere-se consultar os mtodos padronizados do NIOSH, em sua publicao 0DQXDORI$QDOLW\FDO0HWKRGV

    Este mtodo encontra-se normatizado pela FUNDACENTRO, atravs da norma NHO 07.

  • 35

    6LVWHPDGHFDOLEUDomRGRDPRVWUDGRUSDUDSRHLUDUHVSLUiYHOHWRWDO,QGLFDGRU GH )OX[R 'LJLWDO RX (OHWU{QLFR: Dispositivo eletrnico para ajuste e indicao da vazo do amostrador. O porta-filtro conectado no indicador de fluxo, juntamente com o ciclone, para poeira respirvel ou sem o ciclone, no caso de poeira total. O fluxo ajustado de acordo com o material a ser coletado.

  • 36

    Tal procedimento deve ser feito antes e depois da amostragem.

    &DOLEUDGRU D VHFR: Dispositivo lanado recentemente no mercado, cujo funcionamento baseado no deslocamento preciso de pistes, que dispensa o uso da bolha de sabo. de fcil manuseio e os seus resultados so excelentes.

    2%6(59$d2: Quando a calibrao da vazo feita em local com temperatura e presso significativamente diferentes dos valores do local de amostragem, caso de coleta de particulado em minerao subterrnea e calibrao na superfcie deve-se corrigir a vazo atravs da seguinte expresso:

    4F 4D33[77 *!+ ,

    Onde: Qa = vazo mdia da amostragem Qc = vazo mdia corrigida P1 = presso baromtrica do local de calibrao P2 = presso baromtrica do local de amostragem T1 = temperatura do local de calibrao T2 = temperatura do local de amostragem.

    Exemplo: Qa = 1,5 l/min P1 = 960 bar P2 = 1050 bar T1 = 24 C T2 = 31 C

    Qc = 1,5 (960/1050 x 31/24)1/2 = 1,5 (1,086) = 1,63 l/min 3URFHGLPHQWRSDUDFROHWDGHSRHLUDVTXHSRVVDPFRQWHU6L2 ,-

    a) O equipamento de amostragem deve ser preparado de acordo com as instrues do fabricante.

  • 37

    b) Preparar o porta-filtro padro com um filtro membrana de PVC, pr-pesado, com 37 mm de dimetro e 5 m de poro, para determinaes analticas por gravimetria e difrao de Raios X.

    c) Montar o porta-filtro em um ciclone e lig-lo atravs de mangueira bomba de amostragem, para a coleta de poeira respirvel.

    d) Ajustar a vazo da bomba para 1,7 l/min., conforme instrues do fabricante e/ou procedimentos normativos.

    3URFHGLPHQWRSDUDFROHWDGH3DUWtFXODV,QF{PRGDVRX3126

    a) O equipamento de amostragem deve ser preparado de acordo com as instrues do fabricante.

    b) Preparar o porta-filtro padro com um suporte de papelo e um filtro-membrana de PVC, pr-pesado, com 37 mm de dimetro, para determinaes gravimtricas. O poro do filtro definido conforme o material particulado a ser coletado, atendendo ao disposto nas normas do 1,26+1DWLRQDO,QVWLWXWHRI2FFXSDWLRQDO6DIHW\DQG+HDOWK quando houver.

    c) Ligar o porta-filtro padro, atravs da mangueira, diretamente bomba de amostragem, para a coleta de particulado total.

    d) Ajustar a vazo da bomba de amostragem para 1,5 l/min., conforme instrues do fabricante e/ou procedimentos normativos, a menos que haja

  • 38

    recomendao especfica de outra vazo inicial em funo do tipo de partcula a ser coletada.

    3URFHGLPHQWRSDUDFROHWDGH3DUWtFXODV0HWiOLFDVH)XPRVa) O equipamento de amostragem deve ser preparado de acordo com as

    instrues do fabricante. b) Preparar o porta-filtro padro com um suporte de papelo e um filtro-

    membrana de ster de celulose de 37 mm de dimetro e 0,8 m de poro, para determinaes analticas por absoro atmica.

    c) Ligar o porta-filtro padro, atravs da mangueira, diretamente bomba de amostragem, para a coleta de particulado total.

    d) Ajustar a vazo da bomba de amostragem para 1,5 l/min., conforme instrues do fabricante e/ou procedimentos normativos.

    2%6(59$d2: Para cada 10 portas-filtros preparados, separar um porta-filtro branco com um filtro do mesmo lote dos que sero utilizados na amostragem. Este procedimento vlido para qualquer tipo de particulado a ser coletado.

    $ERUGDJHPGR$PELHQWHGH7UDEDOKRDeve ser feito um reconhecimento prvio do local a ser avaliado, definindo-se os trabalhadores que devero portar o equipamento de amostragem, conforme o estabelecido no prximo tpico, e desenhando ou fotografando todos os pontos ou ciclos de trabalho a serem avaliados.

  • 39

    A caracterizao da exposio deve ser feita basicamente de maneira individual, ou seja, os dados devem ser coletados de forma a se poder definir a situao de exposio de cada um dos trabalhadores expostos.

    Havendo a possibilidade de se agruparem trabalhadores que apresentem iguais caractersticas de exposio, a avaliao pode considerar um nmero menor de amostragens, desde que estas sejam suficientes para a caracterizao da situao de exposio do grupo considerado. Desta forma podem ser estabelecidos *+(*UXSR+RPRJrQHRGH([SRVLomR, os quais seriam representados por um ou mais trabalhadores que representem a exposio tpica do referido grupo. Usualmente isso poder ser conseguido para uma mesma funo operacional dentro do ambiente. O importante que o conjunto de amostras deve representar a totalidade das situaes de exposio existentes no ambiente, isto , de todos os trabalhadores expostos. Havendo dvidas quanto possibilidade de reduo do nmero de amostras atravs do GHE, a amostragem dever considerar a totalidade dos expostos.

    O perodo de amostragem e o nmero de amostras coletadas devem representar estatisticamente a exposio dos trabalhadores em jornadas integrais de trabalho.

    2SHUDomRGR(TXLSDPHQWRGH$PRVWUDJHPA bomba de amostragem deve ser presa na cintura do trabalhador, atravs de um cinto, em posio que no atrapalhe a operao que ele estiver realizando e que permita o acompanhamento do funcionamento da bomba pelo responsvel pela amostragem.

    O elemento de amostragem deve ser posicionado na zona respiratria do trabalhador.

  • 40

    Deve-se observar que a mangueira de amostragem no sofra estrangulamento e que o elemento de amostragem fique em posio oposta da bomba.

    O equipamento deve ser ligado e durante o tempo de operao devem ser feitas observaes com relao a seu funcionamento, quantidade de material coletado e com relao ao ambiente de trabalho.

    3UHHQFKLPHQWRGD3ODQLOKDGH&DPSRDevem ser registradas as seguintes informaes na planilha de campo:

    o nmero da bomba de amostragem; o cdigo do filtro; o horrio em que a bomba de amostragem foi ligada e desligada; o nome do trabalhador avaliado, o seu cargo e as atividades desenvolvidas

    durante a amostragem; a identificao do posto de trabalho e suas caractersticas fsicas; a presso atmosfrica e a temperatura do ar do local de avaliao; as fontes geradoras do particulado amostrado; os dispositivos de proteo existentes no local e os EPI utilizados pelo

    trabalhador avaliado; outras informaes que o responsvel pela avaliao julgar necessria.

  • 41

    9DOLGDomRGDV$PRVWUDVAs amostras consideradas vlidas, que podem ser enviadas para o laboratrio, so aquelas que:

    no apresentem excesso de material, o que ocasiona o seu desprendimento do filtro;

    no tenham sofrido contaminao de qualquer tipo; tenham sido coletadas atravs de bombas de amostragem que apresentaram

    boas condies de funcionamento; cujo porta-filtro no apresenta prejuzo sua integridade; para as quais se tenha todos os dados de amostragem anotados com

    preciso.

    Ocorrendo invalidao de uma amostra, a mesma deve ser refeita. A amostra invlida pode ser guardada para outros efeitos que no os de avaliao, cuidando-se que sejam feitas as devidas anotaes na planilha de campo e no porta-filtro.

    (QYLRGRV3RUWDV)LOWURV$PRVWUDGRVSDUDR/DERUDWyULRAs amostras coletadas devero ser enviadas ao laboratrio acompanhadas dos dados necessrios para o processamento analtico.

    Os portas-filtros devero ser transportados com a face amostrada para cima e com os orifcios de entrada e sada do ar vedados com os plugs especficos. Utilizar um plug vermelho na face amostrada e um plug azul na outra face.

    Transport-los de modo que no sofram choques.

    A massa mnima necessria para que o laboratrio possa efetuar a anlise de slica livre de 0,01 mg e a mxima recomendada de 2,0 mg.

    Assim sendo, quando se obtm uma determinada amostra com massa inferior a 0,01 mg significa que o tempo da amostragem dever ser aumentado, mesmo que isso implique utilizar o mesmo filtro de duas a trs vezes ou de dois a trs dias.

  • 42

    Quando houver amostra que se desprende do filtro, significa que o tempo de amostragem dever ser reduzido, inutilizando-se a amostra com excesso de material.

    Quando a massa da amostra estiver compreendida na faixa entre 0,1 e 2,0mg, significa que a amostragem est otimizada, no precisando sofrer alteraes.

    Outra situao poder ocorrer ainda: quando a amostra estiver dentro da faixa (0,1 e 2,0 mg), mas o laboratrio no detecta massa de slica livre. No significa, necessariamente, que no exista slica livre na amostra. O que ocorre, na verdade, que a quantidade de slica presente naquela amostra inferior ao limite de deteco do equipamento de raios x do laboratrio (geralmente o limite de 0,01 mg de slica).

    &iOFXORGD&RQFHQWUDomRCom o tempo e a vazo de amostragem, determina-se o volume de amostra:

    9ROXPHP . YD]mRPpGLDOPLQ[WHPSRGHDPRVWUDJHPPLQA vazo mdia a mdia aritmtica das vazes inicial e final (Qf + Qi/2)

    Uma vez determinada a vazo inicial (Qi) e final (Qf), calcula-se a vazo mdia da amostragem, utilizando-se a seguinte frmula:

    Qm = Qi + Qf l/min, onde 2

    Qm = vazo mdia da amostragem, em l/min. Qi = vazo inicial requerida na amostragem, em l/min Qf = vazo final aferida aps amostragem, em l/min

    Passa-se, ento, determinao do volume, em litros: Va = Qm x ta,

  • 43

    onde: Va = volume de amostragem, em litros. Qm = vazo mdia, em l/min ta = tempo amostrado, em min

    Como os limites de tolerncia normalmente so expressos em mg/m3, ento: Va = Qm x ta,

    1000

    em que: Va = volume de amostragem, em m3 Qm = vazo mdia, em ta = tempo amostrado, em 1000 = fator de converso de litros para m3

    A concentrao obtida dividindo-se a massa da amostra (mg), fornecida pelo laboratrio, pelo volume de ar da amostra (m3):

    &RQFHQWUDomRPJP . PDVVDGDDPRVWUDPJYROXPHGHDUGDDPRVWUDP .

    Abaixo, o roteiro para o clculo da concentrao, sabendo-se que esta obtida mediante a seguinte frmula:

    C = Ma , em mg/ m3 Va

    em que: C = concentrao de poeira, em mg/ m3

    Ma = massa da amostra coletada, em mg Va = volume de amostragem, em m3

    Caso seja necessrio aplicar o limite de tolerncia critrio ACGIH, deve-se calcular a concentrao de slica da amostra, de forma anloga ao clculo da

  • 44

    concentrao de poeira

    C = Ms, em mg/ m3 Va

    em que: C

    s = concentrao de slica livre, em mg/m3 Ms = massa de slica na amostra coletada, em mg Va = volume de amostragem, em m 3

    ,QWHUSUHWDomRGRV5HVXOWDGRVA caracterizao das situaes de exposio avaliadas deve ser efetuada comparando-se os valores de concentrao obtidos com os limites de tolerncia ou de exposio estabelecidos pela legislao nacional, ou, na ausncia destes, com limites constantes nas publicaes da ACGIH $PHULFDQ &RQIHUHQFH RI*RYHUQPHQWDO ,QGXVWULDO +\JLHQLVWV, com a devida adequao para a jornada de trabalho em vigor no Brasil.

    6H&!/7([LVWHULVFR6H&/71mRKiULVFR

    A adequao deve ser feita atravs de um fator de reduo calculado segundo a frmula abaixo, originadas de estudos realizados por BRIEF & SCALA:

    )5 K[K

    Onde: FR = Fator de reduo h = total de horas de exposio por semana.

    O limite de tolerncia ajustado calculado da seguinte forma:

  • 45

    /7K /7KV[)5

    Onde: LT(h) = Limite de tolerncia para exposio de h horas por semana. LT(40 h/s) = Limite de tolerncia para exposio de 40 horas por semana

    (ACGIH)

    7UDWDPHQWR(VWDWtVWLFRGRV'DGRV

    O trabalho de higiene ocupacional, para ser mais completo e confivel, refletindo a realidade da exposio efetiva do trabalhador, no dever ser ater a apenas uma avaliao quantitativa. Devero ser coletadas amostras de particulados, em dias e turnos aleatrios, de modo que sejam levados em considerao todos os parmetros que interferem na concentrao do agente pesquisado.

    Existem estudos que ajudam a determinar o nmero mnimo de amostras para se obter o mximo de representatividade, geralmente com ndice de confiabilidade variando entre 90 e 95%. Estes estudos devem ser levados em considerao na etapa de planejamento das avaliaes, onde dever ser definida a melhor estratgia de amostragem para cada situao. 2%6(59$d2: A amostragem por filtros tem dominado a prtica dos higienistas ocupacionais, porm novos equipamentos vm surgindo no mercado com o objetivo de tornar a avaliao muito mais simples. So, por exemplo, os monitores eletrnicos por difrao de luz (6FDWWHULQJ/LJKW). As partculas ao passarem por um feixe de luz, emitido pelo sensor, provocam reflexo ptica, proporcional concentrao, cuja leitura dada instantaneamente em um visor digital.

    Embora, se obtenha os resultados in loco, a concentrao lida no expressa a composio do material particulado.

    Uma vez obtidos os resultados da amostragem convm responder criteriosamente s seguintes perguntas:

  • 46

    O que representam as amostras? Com que grau de confiabilidade? Os valores obtidos podem ser extrapolados para os perodos no

    amostrados? E para as futuras exposies?

    (;(03/2

    Numa amostragem de poeira foram obtidos os seguintes dados:

    -peso inicial = 12,0 mg -peso final = 13,0 mg -vazo inicial = 1,70 l/min -vazo final = 1,60 l/min -hora inicial = 12:00 horas -hora final = 17:00 horas -% SiO2 = 4% -amostragem de poeira respirvel (com ciclone)

    O limite de tolerncia foi superado?

    Resposta: a peso da amostra (PA) = 13,0 12,0 = 1,0 mg b vazo mdia (Qm) = Qf + Qi/2 = 1,7 + 1,6/2 = 1,65 l/min. c volume amostrado (V) = Qm x t/1000 = 1,65 x 300/1000 = 0,495 m3 d Concentrao de poeira (C) = massa ou peso/volume = = 1,0 mg/0,495 m3 = 2,02 mg/m3 e Limite de Tolerncia (LT) = 8/%SiO2 + 2 = 8/4 + 2 = 1,33 mg/m3 f Concluso: C > LT, isto , o LT foi superado porque 2,02 mg/m3 > 1,33 mg/m3 (;(03/2

    Efetuou-se uma avaliao de poeira metlica contendo chumbo em uma fundio. De acordo com os dados abaixo, qual a concentrao de chumbo desta poeira?

  • 47

    O LT foi superado?

    Dados:

    Vazo mdia da bomba de amostragem = 1,50 l/min Hora do incio da amostragem = 9:42 Hora da interrupo da amostragem = 12:02 Hora de reincio da amostragem = 13:30 Hora de trmino da amostragem = 16:48 Peso inicial do filtro fornecido pelo laboratrio = 13,87 mg Peso final do filtro fornecido pelo laboratrio = 15,13 mg

    Resposta: D&iOFXORGDFRQFHQWUDomR & PDVVDYROXPH 0DVVD SHVRILQDOSHVRLQLFLDO 0DVVD PJ 9ROXPH YD]mR[WHPSR 9ROXPH OPLQ[PLQ OLWURV P & PJP PJPE /LPLWH GH WROHUkQFLD GR FKXPER GHDFRUGR FRPR$QH[RGD15 PJPF&RQFOXVmR$FRQFHQWUDomRGHFKXPERQDDPRVWUDpPDLRUTXHRVHXUHVSHFWLYR/7!FDUDFWHUL]DQGRXPDVLWXDomRGHULVFRSDUDDVD~GHGRWUDEDOKDGRU