All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Aulas sobre Batismo

by santos-soares

on

Report

Category:

Documents

Download: 17

Comment: 0

2,508

views

Comments

Description

Download Aulas sobre Batismo

Transcript

IGREJA CRISTÃ MARANATA AULAS DE BATISMO ÍNDICE 1ª AULA AULA BATISMO (significado, trindade e tipos de batismo) (Antes do batismo) IDOLATRIA (Durante o batismo) MORTE E SEPULTAMENTO (Após o batismo) RESSURREIÇÃO: BÊNÇÃOS, LUTAS E PROVAÇÕES CEIA DO SENHOR ARMAS INFALÍVEIS BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS CONSULTA À PALAVRA ORAÇÃO CLAMOR PELO SANGUE DE JESUS MADRUGADA JEJUM LOUVOR DÍZIMO DONS ESPIRITUAIS CORPO CULTO PROFÉTICO HIERARQUIA NA IGREJA 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA AULA 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 1ª AULA - BATISMO O catecúmeno (candidato ao batismo) deve compreender a carreira cristã por que se definiu. Primeiramente, deve visualizar a vida até o momento de ser mergulhado. Em seguida, reconhecer o porquê de seu corpo ser imerso. E enfim, aprender a agir no período entre o emergir e o arrebatamento da igreja. I CONCEITO DE BATISMO BATISMO = Mergulho. O batismo se realiza pela imersão completa. Há casos em que o batismo é feito por aspersão, como a enfermos ou idosos, cuja condição os impossibilite de descer ás águas. II POR QUE BATIZAR? É uma ordenança de Jesus para quem crê no Seu nome. (Mt 28:19). III QUEM PODE? O novo testamento ensina que quem, arrependido dos seus pecados, sinceramente confessar a Jesus como seu único Salvador e definir-se por seguir a Jesus, pode receber o batismo cristão (At 8:35-38; 10:47,48; 16:33) O batizando deve ter convicção de sua salvação (aceitar a Jesus como seu salvador). Quem deseja se batizar, precisa ser provado a fim de que se veja nele bons frutos, bom testemunho, e tenha uma vida totalmente regenerada pelo Filho de DEUS. O batismo é algo sério. É compromisso assumido com o Senhor. Goza de aprovação divina quem tem um coração puro e sincero diante de Deus. Senão, o batismo será apenas um banho. É um ato de obediência a Deus e, ao mesmo tempo, capacita o servo a tornar-se mais útil à Obra do Senhor; fazer parte de grupos e estar em comunhão com o Corpo. O batismo não salva. A Bíblia diz: “batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo” (I Pe 3:21). O batismo é ordenança, e faz parte do processo de salvação. O que salva é a GRAÇA mediante a FÉ em JESUS (Ef 2:8). IV A TRINDADE O batismo é ministrado em nome da Trindade (Mt 28:19). A escritura se refere a um único DEUS que se manifesta de modo específico em três pessoas. O Pai é Deus, mas o E.S. é Deus (Jo 4:24 - II Co 3:17), e Jesus é Deus (Is 9:6; Jo 1:1; Tt 2:13). A Trindade não deve ser entendida pela razão humana, mas, sendo um mistério, deve ser aceita pela FÉ (Mt 3:16, 17; II Co 13:13) V ESPÉCIES DE BATISMO A Bíblia registra 3 tipos de batismo: a) Nas Águas – batismo em nome da trindade, em nome do Senhor, ou em nome de Jesus Cristo (At 8:35-38) b) Com o E. Santo (Jl 2:28, 29; At 2:1-13)  Pode ocorrer antes, durante ou depois do batismo nas águas (At 10:44-48; 19:1-7).  Dons espirituais se manifestam após o batismo com o E.S. (At 19:6).  Línguas estranhas não são a única evidência do batismo com o E.S. Nem todos falam em mistérios (I Co 12:29,30).  Quem batiza com o E.S. é JESUS (Mt 3:11; Mc 1:8).  Há duas grandes finalidades do batismo com o E.S.: - Poder para testemunhar (At 1:18). - Preparo para o arrebatamento (Mt 25:1-13). a) De arrependimento – At 19:4 O batismo de João era preparatório para esperar aquele que viria (JESUS). Esse batismo findou com a morte do profeta João Batista, mas o batismo ordenado por Jesus é para os que crêem em Seu Nome e o aceitam por Salvador de suas almas. 2ª AULA - IDOLATRIA “AINDA QUE ESSES TRÊS HOMENS ESTIVESSEM NO MEIO SENHOR JEOVÁ, QUE NEM A FILHOS NEM A FILHAS LIVRARIAM; SÓ ELES FICARIAM (EZ 14:16) “FILHINHOS, GUARDAI-VOS DOS ÍDOLOS. AMÉM!” (I JO 5:21) “SABEIS QUE, OUTRORA, QUANDO ÉREIS GENTIOS, DEIXÁVEIS CONDUZIR-VOS AOS ÍDOLOS MUDOS, SEGUNDO ÉREIS GUIADOS” LIVRES, E A TERRA SERIA ASSOLADA.” DELA, VIVO EU, DIZ O I CORÍNTIOS 12:2 I CONCEITO DE IDOLATRIA Idolatria é o ato de pôr qualquer coisa ou pessoa no mesmo plano ou acima de Deus.  GENTIO: não tem um pacto (aliança) com DEUS.  ÍDOLO: tudo que se torne mais importante que DEUS em nossas vidas. Não apenas imagens de escultura, mas qualquer objeto de abominação ao SENHOR.  IDÓLATRA não é apenas aquele que adora um ídolo, mas é também o que possui o ídolo, pois o Senhor disse: NÃO TERÁS. Idólatra, em resumo, é aquele que consente o ídolo. Isto é muito sério, pois está escrito: “Ficarão de fora os cães, e os feiticeiros, e os que se prostituem, os idólatras e qualquer que ama ou comete a mentira” (Ap 22:15) “Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia (devassidão, corrupção), idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de DEUS” (Gl 5:19-21). “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8:32). “Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e EU vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de MIM, que sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para as vossas almas” (Mt 11:28, 29). “Mas o fruto do E.S. é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, (fidelidade), mansidão, temperança (domínio próprio). Contra estas coisas não há lei” (Gl 5:22, 23) II O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO “Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagens de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás: porque EU, o Senhor teu DEUS, sou DEUS zeloso” (Ex 20:3-5). “Porque os costumes dos povos são vaidade; pois cortaram do bosque um madeiro, obra das mãos do artífice, com machado. Com prata e com ouro o enfeitam, com pregos e com martelos o firmam, para que não se mova. São como a palmeira, obra torneada, mas não podem falar; necessitam de quem os leve, porquanto não podem andar. Não tenhas receio deles, pois não podem fazer mal, nem tampouco têm poder de fazer bem” (Jr 10:3-5). “Os ídolos das nações são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não vêem; tem ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas. Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles” (Sl. 135:15-18) “Portanto meus amados, fugi da idolatria. Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa dos demônios.” (I Co 10:14, 19-21). “E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar” (Ap 9:20). III EXEMPLOS DE IDOLATRIA a) SIMPATIAS Receita para se ganhar mais dinheiro. b) SUPERSTIÇÃO Não passar debaixo de escadas; medo de gato preto, horóscopo (prática pagã antiga e muito arraigada ao homem – Is 47:13). c) AMULETOS OU TALISMÃS Fitinhas, terços, pé de coelho, ferradura, trevo de quatro pontas, cristais energéticos, pirâmides, baralho, instrumentos de ler a sorte, leitura de mãos, presépio. d) FESTAS IDÓLATRAS Quaisquer eventos em templos onde haja imagens (casamentos, batizados etc.), cultos a padroeiros, festividades marianas, dia de Cosme e Damião, festas juninas. IV JESUS CRISTO, O ÚNICO INTERCESSOR E MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”. (At 4:12) “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem”. (I Tm 2:5) V ANJOS NÃO RECEBEM ADORAÇÃO “E eu, João, sou aquele que vi e ouvi ESTAS COISAS. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do Anjo que mas mostrava para o adorar. E disse-me: Olha não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus”. (Ap 22:8, 9). OBSERVAÇÃO: Quando a Escritura mostra um servo se prostrando diante do anjo, é porque este é o próprio Jesus no Velho Testamento. (Js 5:13-15) VI O QUE A PALAVRA DIZ A RESPEITO DE MARIA “E, falando ele (Jesus) ainda à multidão, eis que estavam fora sua mãe (Maria) e seus irmãos, pretendendo falar-lhe. E disse alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Porém ele, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe”. (Mt 12:46-50) “E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: Antes bemaventurados os que ouvem a palavra de Deus e as guardam”. (Lc 11:27, 28) OBSERVAÇÃO: Não se nega que Maria era uma serva agraciada por Deus (Lc 1:28), mas não há fundamentação bíblica para lhe atribuir a condição de intercessora. Mesmo porque ela própria reconhecia que necessitava de salvação: Disse então Maria: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador, porque atentou na baixeza de sua serva”. (Lc 1:46-48a). VII MATERIALISMO Hoje há uma tendência de se representar Jesus e as coisas espirituais com objetos. Este tipo de comportamento está presente em algumas igrejas ditas evangélicas. Lenços ungidos, o copo santo da água abençoada, a rosa ungida, a bala ungida, e até mesmo o lápis com o qual se faz prova para passar em qualquer concurso. VIII IMPORTANTE “Sendo nós, pois, geração de Deus, não havemos de cuidar que a divindade seja semelhante ao ouro, ou à prata, ou à pedra esculpida por artifício e imaginação dos homens. Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, em todo lugar, que se arrependam, porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dos mortos” (At 17:29-31) “Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência. Porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude. E, se algum dos infiéis vos convidar e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, sem nada perguntar, por causa da consciência. Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude” (I Co 10:25-28). IX CONCLUSÃO O servo do Senhor deve fugir da idolatria, porque esta é uma verdadeira obra da carne (Gl 5:20). 3ª AULA - MORTE E SEPULTAMENTO No batismo, recebemos o selo do Senhor, um revestimento de Cristo em nós. Pelo batismo, tornamonos propriedade PECULIAR de DEUS (Ex 19:5). A Palavra nos revela: “eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos, naquele dia que preparei. Poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve” (Malaquias 3:17). I O QUE A IMERSÃO SIMBOLIZA? Este simbolismo se refere: (A) À morte de JESUS. (B) Ao sepultamento de JESUS. I A MORTE DE JESUS Ao descermos às águas, declaramos publicamente que Cristo morreu em nosso lugar e morremos também com Ele (Rm 6:6). Nosso “homem velho” é crucificado com Cristo para destruir o corpo do pecado e não o servirmos mais (Rm 6:3). A Bíblia diz: “se viverdes segundo a carne, morrereis, mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” (Rm 8:13). Também está escrito: “Já estou crucificado com Cristo, e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim, e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si por mim” (Gl 2:20). Morte = desligamento total da matéria, esquecimento. II O SEPULTAMENTO DE JESUS No batismo, o crente se identifica com a morte de Jesus e se une a Ele sendo momentaneamente “sepultado” nas águas. Enfatiza o apóstolo Paulo que somos sepultados com Ele pelo batismo (Rm 6:4). Todos os que morrem devem ser sepultados, por isso o nosso homem velho tem que ser sepultado para nunca mais aparecer. Existem algumas características daquele que está morto: 1- O cadáver cheira mal (o mundo sente o cheiro do homem velho que morreu). 2- Ninguém do mundo suporta o cheiro; 3- O cadáver começa a se desintegrar (não serve mais para o mundo). I NECESSIDADE DE MUDANÇA (INTERIOR E EXTERIOR) O servo deve ter uma concreta mudança de vida, tanto no falar (evitar gírias pesadas ou palavras pouco edificantes – Ef 4:29; Tt 2:28), quanto no vestir (Dt 22:5). A transformação que Deus opera em nossos corações deve imperiosamente se refletir num comportamento que demonstre a nossa verdadeira vocação Cristã. A Escritura Sagrada nos informa que os que estão na carne não podem agradar a Deus (Rm 8:8), pois a amizade do mundo é inimizade contra Deus (Tg 4:4). 4ª AULA - RESSURREIÇÃO: BÊNÇÃOS, LUTAS E PROVAÇÕES “SEREIS MINHA PROPRIEDADE PECULIAR” (EX 19:5) “PORQUE TODOS QUANTOS FORAM BATIZADOS EM CRISTO, SE REVESTIRAM DE CRISTO” (GL 3:27) “E ASSIM, SE ALGUÉM ESTÁ EM CRISTO, NOVA CRIATURA É: AS COISAS VELHAS JÁ PASSARAM, EIS QUE TUDO SE FEZ NOVO.” (II CO 5:17) “MAS AGORA, LIBERTADOS DO PECADO E FEITOS SERVOS DE DEUS, TENDES O VOSSO FRUTO PARA SANTIFICAÇÃO, E POR FIM A VIDA ETERNA”. (RM 6:22). I II A RESSURREIÇÃO DE JESUS. O ato de sair das águas batismais é o símbolo que Jesus escolheu para nos identificar com sua gloriosa ressurreição, um símbolo de uma nova vida com Deus (Rm 6:4b,5,9-11). Esta ressurreição, também aponta para o arrebatamento da Igreja. (I Co 15:20-23). III BÊNÇÃOS DECORRENTES a) Tornamo-nos membros do Corpo de Cristo (At 2:41; I Co 12:27). b) Ceia: O Senhor nos mostra a necessidade de estarmos em comunhão com Ele e com os demais membros da igreja, pois cada um representa parte de seu corpo (Mc 14:22-24; I Co 11:23-28). I LUTAS E PROVAÇÕES “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana, mas Deus é fiel, e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (I Co 10:13). “E, na verdade, todos os que querem viver piamente em Cristo padecerão perseguições” (II Tm 3:12). “Bem-aventurados os que sofrem perseguições por causa da justiça, porque deles é o reino dos Céus” (Mt 5:10). “Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e vos perseguem” (Mt 5:44). “Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, aborreceu a MIM. Se vós fosseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes EU vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece” (Jo 15:18, 19). 5ª AULA - A CEIA DO SENHOR “E, INDO ELES, (…) PREPARARAM A PÁSCOA. E, CHEGADA A HORA, PÔS-SE À MESA, E, COM ELE, OS DOZE APÓSTOLOS. E DISSE-LHES: DESEJEI MUITO COMER CONVOSCO ESTA PÁSCOA, ANTES QUE PADEÇA, PORQUE VOS DIGO QUE NÃO A COMEREI MAIS ATÉ QUE ELA SE CUMPRA NO REINO DE DEUS. (…) E, TOMANDO O PÃO E HAVENDO DADO GRAÇAS, PARTIU-O E DEU-LHO, DIZENDO: ISTO É O MEU CORPO, QUE POR VÓS É DADO; FAZEI ISSO EM MEMÓRIA DE MIM. SEMELHANTEMENTE, TOMOU O CÁLICE, DEPOIS DA CEIA, DIZENDO: ESTE CÁLICE É O NOVO TESTAMENTO NO MEU SANGUE, QUE É DERRAMADO POR VÓS” (LC 22:13-20). A Ceia do Senhor é o segundo dos dois sacramentos instituídos por Deus. Para compreendermos sua importância na vida de um servo, primeiramente precisamos compreender a sua origem. I A PÁSCOA A Páscoa foi instituída por Deus lá no VT, por ocasião da retirada dos israelitas da escravidão no Egito. Ela deveria ser celebrada todo ano, como memorial da libertação do povo da escravidão e sua condução a uma terra onde manaria “leite e mel”. Após a manifestação clara do poder de Deus em nove pragas, antes que a décima praga fosse lançada, Deus mandou que Seu povo se preparasse para uma passagem (páscoa) a uma nova condição de vida. Essa preparação envolvia, além de vestimentas próprias, 3 elementos: um cordeiro, pães asmos e ervas amargosas. a) O cordeiro Este era o sacrifício inocente (Jesus). Dele, seria retirado o sangue para tingir as portas das casas, a fim de que ficassem imunes à passagem do anjo da morte, que tiraria a vida de todos os primogênitos no Egito. b) Os pães asmos Asmo quer dizer sem fermento. Era um veículo para auxiliar a comer o cordeiro e as ervas. Simbolicamente, falava de do alimento puro, sem misturas (Palavra Revelada). c) As ervas amargosas Este elemento fazia menção de todo o sofrimento que os hebreus haviam passado no tempo da escravidão. Seria para que o sofrimento não fosse esquecido, e o ato libertador valorizado pelos descendentes. II A CEIA Como pudemos perceber pelo texto base, o próprio Senhor Jesus convocou os seus discípulos para “comerem” a Páscoa com Ele. Mas, em vez dos elementos típicos da celebração da Páscoa, Jesus lhes ofereceu um cardápio diferente; deu-lhes uma ceia composta de dois elementos: o Pão e o Vinho. a) O pão Este elemento se repetiu, mas agora com um significado mais abrangente. O próprio Senhor Jesus se declarou “O PÃO DA VIDA”. Ao oferecer-lhes o pão, oferecia-se a si mesmo como alimento para a igreja. Com mais profundidade, dizia-se Ele mesmo a Revelação contida na Palavra. b) O vinho Já não mais deveria ser lembrado o amargor da escravidão. Agora, por memorial, o Senhor nos deu a doçura do vinho. As nossas dores e lutas haveriam de ser vencidas na cruz do Calvário, no derramar de seu sangue. E quanto ao cordeiro? Ora, ali estava presente o Cordeiro vivo que desceu dos céus, o Senhor Jesus. Ele seria dado em sacrifício vicário pelas nossas vidas. III QUANDO CEAMOS? Por revelação, em celebração a uma vitória alcançada pela igreja, ou para a sustentação espiritual. A maioria das igrejas evangélicas serve a Ceia em datas pré-estabelecidas. Nada temos em contrário a tal prática. Também é a mesa do Senhor. Assim como não podemos negar que membros de outras igrejas evangélicas (que estejam em plena comunhão com suas comunidades) participem das Ceias servidas em nossas igrejas. A mesa é do Senhor! IV CONCLUSÃO Quando ceamos, também celebramos a libertação, não do Egito, mas da escravidão do pecado. Os elementos nos trazem à memória o Corpo de Jesus como alimento vivo para a vida da igreja e o seu Sangue, Seu Espírito que nos foi dado sem medida. O Cordeiro? Está na comunhão entre os irmãos (“Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” – Mt 18:20). 6ª AULA - ARMAS INFALÍVEIS TUDO, FICAI FIRMES” ESTAR FIRMES CONTRA AS ASTUTAS CILADAS DO INIMIGO, PORQUE NÃO TEMOS QUE LUTAR CONTRA A CARNE E O SANGUE, MAS SIM CONTRA OS PRINCIPADOS, CONTRA AS POTESTADES, CONTRA AS HOSTES ESPIRITUAIS DA MALDADE NOS LUGARES CELESTIAIS. “NO DEMAIS, IRMÃOS MEUS, FORTALECEI-VOS NO SENHOR E NA FORÇA DO SEU PODER, REVESTI-VOS DE TODA A ARMADURA DE DEUS, PARA QUE POSSAIS (EF 6:10-13). PORTANTO, TOMAI A AMADURA DE DEUS E HAVENDO FEITO Conceito de graça: Graça é bênção ou favor IMERECIDO. Como o E.S. nos concede a Sua graça: De inúmeras formas. A graça de Deus é MULTIFORME (I Pe 4:10). A palavra multiforme no grego original está como MULTICOLORIDA. Ou seja, a graça do Senhor toma sempre a cor das nossas necessidades. Como alcançar a graça: Através dos recursos que o E.S. nos coloca à disposição para crescimento espiritual e permanência na presença do Senhor. São chamados de Meios de Graça. I MEIOS DE GRAÇA São armas infalíveis do servo de Deus. Com eles, alcançamos vitória sobre as lutas, santificação, respostas às súplicas, dúvidas são dissipadas… enfim, recebemos a graça de Deus em nossas vidas. Não há lugar certo para o exercício dos meios de graça. Há uma condição: comunhão. Em casa, no trabalho, na escola, na condução ou onde quer que esteja, o servo tem à disposição tais armas espirituais. Os meios de graça são CINCO: 1. MADRUGADA “E, levantando-se de manhã muito cedo fazendo ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava” (Mc 1:35). 2. ORAÇÃO “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” (II Cr 7:14) 3. JEJUM “Então, disse Ester (...): Vai, e ajunta todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas moças também assim jejuaremos; e assim irei ter com o rei, ainda que não é segundo a lei; e, perecendo, pereço. Então, Mardoqueu foi e fez conforme tudo quanto Ester lhe ordenou. (...)E sucedeu que, vendo o rei a rainha Ester, que estava no pátio, ela alcançou graça aos seus olhos; e o rei apontou para Ester com o cetro de ouro, que tinha na sua mão, e Ester chegou e tocou a ponta do cetro.”(Et 4:15-17; 5:1,2) 4. LOUVOR “Invocarei o nome do SENHOR, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos” (Sl 18:3). 5. LEITURA À PALAVRA “Não se aparte da tua boca, o livro desta lei, antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito, porque então farás prosperar o teu caminho, e então prudentemente te conduzirás” (Js 1:8). “Examinai as escrituras. Porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de MIM testificam” (Jo 5:39). I FREQÜÊNCIA AOS CULTOS Embora não haja um lugar determinado para exercitarmos os meios de graça, a igreja tem as condições ideais para a graça de Deus manifestar-se. Lá temos perfeita comunhão com o Senhor. A Casa do Senhor tem o ambiente onde o poder de Deus se manifesta com profunda liberdade. É onde o Corpo de Cristo se reúne, e onde o Sangue de Jesus (E.S.) circula, trazendo vida e calor ao servo de Deus. Onde podemos crescer e ser úteis a Deus. Em cada culto, os meios de graça são exercitados. A Palavra é lida, louvores são entoados, orações são feitas, e ao espírito é dada primazia sobre a carne. “Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor” (Sl. 122:1). “E estavam sempre no templo, louvando e bendizendo a DEUS” (Lc 24:53).”Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros, e tanto mais, quando vedes que se vai aproximando aquele dia” (Hb 10:25). 7ª AULA - BÍBLIA A PALAVRA DE DEUS “EXAMINAIS AS ESCRITURAS, PORQUE VÓS CUIDAIS TER NELAS A VIDA ETERNA, E SÃO ELAS QUE DE MIM TESTIFICAM” (JOÃO 5:39). Através da leitura à Palavra de Deus, passamos a conhecer mais intimamente seu autor (Deus), Seu projeto para a vida do homem (salvação) e a expressão de Seu amor (Jesus). A palavra é o alimento que sustenta a vida de um servo, que lhe dá força para a sua caminhada e lhe mantém acesa a chama da fé. 1. NOME — A palavra Bíblia vem do grego livros. Ela é um conjunto de livros que constituem uma só realidade: as “Escrituras Sagradas” ou A Palavra de Deus. 2. PARTES — A Bíblia se divide em Velho e Novo Testamentos. Testamento é aliança (de DEUS com os homens). O velho testamento (VT) mostra a criação do mundo, do homem, a história de Israel e as profecias sobre a vinda do Senhor Jesus. O novo testamento (NT) narra o nascimento de Jesus, Seu ministério, o início da Igreja, a expansão do Evangelho, as doutrinas e as revelações do Apocalipse. 3. LÍNGUA, ÉPOCAS E ESCRITORES — O VT foi escrito em cerca de 1500 anos, quase todo em hebraico. Algumas partes, porém, foram escritas em aramaico. O NT foi escrito em grego durante o 1º século D.C. Entre o VT e NT, houve o período interbíblico, um espaço de 400 anos chamado de “ SILÊNCIO PROFÉTICO”. Ambos os testamentos foram escritos por homens de épocas, níveis sociais, profissões e culturas diversas. Salomão e Davi1, por exemplo, eram reis, Amós2, boiadeiro, Pedro3, pescador, Paulo4, fabricante de tendas e Lucas5, médico. Apesar disso, todos foram inspirados pelo ESPÍRITO SANTO. Daí, a bênção de sua impressionante unidade6. 1. (Pv 1:11 e Ec 2. (Am 7:14) 3. (Mc 1:16) 4. (At 18:3) 5. (Cl 4:14) 6. (Gl 1:11, 12 e II Pe 1:19- 4. LIVROS — A Bíblia contém 66 livros considerados canônicos, ou “inspirados por Deus”. São 39 livros no VT e 27 no NT (veja tabela). 5. LEITURA DIÁRIA — “Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica, pois receberam a Palavra com toda a avidez, examinando as escrituras todos os dias para ver se as coisas eram de fato assim” (At 17:11). LIVROS DA LEI (PENTATEUCO) LIVROS HISTÓRICOS LIVROS PROFÉTICOS VEL HO TES TAM ENT O 5 12 5 Gênesis (GN), Êxodo (EX), Levítico (LV), Números (NM), Deuteronômio (DT) Josué (JS), Juizes (JZ), Rute (RT), 1º Samuel (1SM), 2º Samuel (2SM), 1º Reis (1RS), 2º Reis (2RS), 1º Crônicas (1CR), 2º Crônicas (2CR), Esdras (ED), Neemias (NE), Ester (ET) Jó, Salmos (SL), Provérbios (PV), Eclesiastes (EC) (ou O Pregador), Cantares (CT) (ou Cântico dos Cânticos) PROFETAS MAIORES PROFETAS MENORES N O V O T E S T A M E N T O 5 12 4 1 14 7 Isaías (IS), Jeremias (JR), Lamentações (LM), Ezequiel (EZ), Daniel (DN) Oséias (OS), Joel (JL), Amós (AM), Obadias (OB), Jonas (JN), Miquéias (MQ), Naum (NA), Habacuque (HC), Sofonias (SF), Ageu (AG), Zacarias (ZC), Malaquias (ML) Mateus (MT), Marcos (MC), Lucas (LC), João (JO) Atos (AT) Romanos (RM), I Coríntios (1CO), II Coríntios (2CO), Gálatas (GL), Efésios (EF), Filipenses (FP), Colossenses (CL), I Tessalonicenses (1TS), II Tessalonicenses (2TS), I Timóteo (1TM), II Timóteo (2TM), Tito (TT), Filemom (FM), Hebreus (HB) Tiago (TG), I Pedro (1PE), II Pedro (2PE), I João (1JO), II João (2JO), III João (3JO), Judas (JD) Apocalipse (AP) (ou Revelação) EVANGELHOS (BIOGRAFIA DE JESUS) LIVRO HISTÓRICO EPÍSTOLAS (CARTAS) PAULINAS EPÍSTOLAS (CARTAS) GERAIS OU UNIVERSAIS LIVRO PROFÉTICO 1 8ª AULA - BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS SABES AS SAGRADAS LETRAS, QUE PODEM FAZER-TE SÁBIO PARA A SALVAÇÃO, PELA FÉ QUE HÁ EM “TU, PORÉM, PERMANECE NAQUILO QUE APRENDESTE E DE QUE FOSTE INTEIRADO, SABENDO DE QUEM O TENS APRENDIDO. E QUE, DESDE A TUA MENINICE, CRISTO JESUS. TODA ESCRITURA DIVINAMENTE INSPIRADA É PROVEITOSA PARA ENSINAR, PARA REDARGÜIR, PARA CORRIGIR, PARA INSTRUIR EM JUSTIÇA, PARA QUE O HOMEM DE DEUS SEJA PERFEITO E PERFEITAMENTE INSTRUÍDO PARA TODA BOA OBRA” (II TM 3:14-17). (A) As cartas de Paulo foram escritas a povos ou pessoas. Já as gerais não possuíam destino específico, mas orientações para o povo de Deus. Por exemplo, Pedro escreveu 2ª Pedro, mas Paulo escreveu 2ª Timóteo. (B) Das 14 cartas “Paulinas”, Paulo comprovadamente escreveu 13. A exceção é a carta aos Hebreus (escritor anônimo). (C) Os Profetas Maiores têm tal denominação pela maior repercussão de seus ministérios diante do povo e seus governantes. Os livros em geral têm um número maior de capítulos. Os Profetas Menores possuem quantidade menor de capítulos (para os judeus são uma única obra). Os livros de Oséias e Zacarias (profetas menores), porém, têm mais capítulos (14) que o livro de Daniel (12). (D) Sinais convencionais usados : — separam capítulo de versículo. - — seqüência de capítulos ou de versículos. , — separa versículos de um mesmo capítulo. ; — separa capítulos do mesmo livro ou de livros diferentes. a, b, c — acompanham o versículo, aludindo à uma parte do versículo. (E) Versículo é diminutivo de verso. Um conjunto de versículos forma um capítulo. Um conjunto de capítulos, um livro. Os versículos e capítulos da Bíblia são numerados. Observe os seguintes exemplos: Gn 5:4-7 e 17; 8:2; Mt 3:4 — Lê-se: “Gênesis, capítulo 5, versículos 4 a 7 e 17, capítulo 8, versículo 2 e Mateus capítulo 3, versículo 4”. Sl. 119:105a — Lê-se Salmo 119, versículo 105, parte inicial (Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra). Como o livro dos salmos é uma coletânea de hinos, sua divisão não se dá em capítulos formais. Por isso, fazemos referência ao salmo individualmente (no singular), identificando-o pelo seu número. Sl. 119:105b — Lê-se Salmo 119, versículo 105, segunda parte (E luz para o meu caminho). (F) Há livros precedidos por ordinais arábicos (1º) ou romanos (I): II Cr. — Lê-se, segundo livro das crônicas (ou segundo crônicas). O numeral está no masculino em virtude de concordar com livro, e não com crônicas. 2ª Co. — Lê-se, segunda carta/ epístola aos coríntios (ou segunda coríntios). O numeral está no feminino por concordar com carta e não com coríntios. OBS — Os livros do VT precedidos por numerais (Sm, Rs e Cr) em princípio não eram divididos. O foram por adaptação a um novo idioma. Os do NT (Co, Ts, Tm, Pe e Jo) não são divididos. São mais de uma carta com mesmo destinatário ou escritor. (G) As versões bíblicas em geral trazem títulos que resumem trechos do texto sagrado. Tais títulos não são revelados, não fazem parte do original. Na versão revista e corrigida (IBB), por exemplo, após Gn 29:31 lê-se O nascimento a Jacó de DOZE filhos e uma FILHA. Encontramos, porém, onze descendentes. O 12º (Benjamim) terá seu nascimento narrado no cap. 35. (H) Versões Não Utilizadas a) Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas (Sociedade Torre de Vigia para Bíblias e Tradutores) Essa versão foi elaborada pelas Testemunhas de Jeová. Entre outras heresias, eles não aceitam a divindade de Cristo. Sua Bíblia, principalmente o novo testamento, é uma versão espúria e deturpada. Em: Jo 1:1 eles registram: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus” (“D”) e o Verbo era deus (“d”)”. Ou seja, eles consideram Jesus um deus menor, doutrina absolutamente descabida. b) Tradução na Linguagem de Hoje (Sociedade Bíblica do Brasil) Essa é uma versão ecumênica elaborada por católicos e protestantes. Foram feitas concessões, cuja conseqüência foi o distanciamento da pura verdade bíblica. À guisa de ilustração, pode-se verificar que o texto substituiu a palavra SANTO (designação daquele que é servo, separado) pelo vocábulo POVO, termo mais aceito pelos católicos. Para eles, Santo é sinônimo de Padroeiro ou Canonizado. c) Versões Católicas (Edições Brasil e Paulinas) Versões exclusivamente católicas contêm 73 livros. 7 livros APÓCRIFOS foram somados ao texto original:  Tobias  Judite  I Macabeus  II Macabeus  Sabedoria  Eclesiástico  Baruque Em abril de 1546, no Concílio de Trento (Itália), a igreja Romana incluiu 7 livros à edição da bíblia. São livros chamados apócrifos por terem sido escritos após encerrado o cânon sagrado. Não foram inspirados por Deus, nem têm aprovação divina. Contêm práticas pagãs, ensinos de feitiçaria (Tobias 6 e 8), louvor ao suicídio (2º Macabeus 14) e até pedidos de desculpas aos leitores, prova evidente da ausência de inspiração divina. São obras humanas, novelas e romances sem qualquer edificação, blasfêmia às escrituras sagradas. Nas versões católicas também há trechos apócrifos em livros autênticos, como o episódio de BEL e o DRAGÃO, no livro de Daniel. 9ª AULA - CONSULTA À PALAVRA “E FOI ANUNCIADO A DAVI, DIZENDO: EIS QUE OS FILISTEUS PELEJAM CONTRA QUEILA E SAQUEIAM AS EIRAS. E CONSULTOU DAVI AO SENHOR, DIZENDO: IREI EU E FERIREI ESTES FILISTEUS? E DISSE O SENHOR A DAVI: VAI, E FERIRÁS OS FILISTEUS, E LIVRARÁS QUEILA. (I SM 23:1, 2). “E, CHEGANDO A NAZARÉ, ONDE FORA CRIADO, ENTROU NUM DIA DE SÁBADO, SEGUNDO O SEU COSTUME, NA SINAGOGA E LEVANTOU-SE PARA LER. E FOI-LHE DADO O LIVRO DO PROFETA ISAÍAS; E, QUANDO ABRIU O LIVRO, ACHOU O LUGAR EM QUE ESTAVA ESCRITO: O ESPÍRITO DO SENHOR É SOBRE MIM, POIS QUE ME UNGIU PARA EVANGELIZAR OS POBRES, ENVIOU-ME A CURAR OS QUEBRANTADOS DO CORAÇÃO, A APREGOAR LIBERDADE AOS CATIVOS, A DAR VISTA AOS CEGOS, A PÔR EM LIBERDADE OS OPRIMIDOS, A ANUNCIAR O ANO ACEITÁVEL DO SENHOR. E, CERRANDO O LIVRO E TORNANDO A DÁ-LO AO MINISTRO, ASSENTOU-SE; E OS OLHOS DE TODOS NA SINAGOGA ESTAVAM FITOS NELE. ENTÃO, COMEÇOU A DIZER-LHES: HOJE SE CUMPRIU ESTA ESCRITURA EM VOSSOS OUVIDOS. (LC 4:1621). “HAVENDO DEUS, ANTIGAMENTE, FALADO, MUITAS VEZES E DE MUITAS MANEIRAS, AOS PAIS, PELOS PROFETAS, A NÓS FALOU-NOS, NESTES ÚLTIMOS DIAS, PELO FILHO” (HB 1:1). Quando alguém é chamado pelo SENHOR para a sua OBRA, uma das primeiras coisas que ele aprende é consultá-lo, pois o seu desejo agora é fazer a vontade daquele que o chamou e não mais a sua (Gl 2:20). I CONDIÇÕES a) FÉ (Rm 1:17); b) CLAMOR; c) OBEDIÊNCIA; d) TEMOR; e) SABEDORIA. II DEFINIÇÃO DA RESPOSTA Não existe critério estabelecido. As experiências variam neste aspecto:  Pode-se, após o clamor, marcar com o dedo o versículo a ser lido;  Pode-se também pedir ou mencionar o nº do versículo pelo qual se deseja obter a resposta à consulta;  Ou onde os nossos olhos focalizarem. Obs: A resposta virá em um só versículo, se estamos sós; ou por três versículos se estamos em grupo (II Co 13:1). I QUANDO CONSULTAR a) Manifestações do E.S. que careçam de confirmação na Palavra (em grupo de intercessão ou com o pastor, sempre que possível); b) Deliberações que envolvam a Obra (em reunião do Presbitério); c) A vida e resoluções dos servos (com parentes da Obra ou irmãos chegados); d) Para fazer toda a boa Obra. Para se fazer má obra, não se consulta. I ASPECTOS PRÁTICOS NÃO SE CONSULTA... Para pecar; ASPECTOS GERAIS O conhecimento da Bíblia é fundamental para discernir a vontade de DEUS na Palavra. Caso não entenda o versículo, o servo deve buscar auxílio com o pastor ou com um diácono; A consulta recai apenas num único versículo. Não consultamos um trecho da Escritura, pois Deus vai falar apenas em um versículo da palavra; Para saber se a orientação do pastor está certa ou errada; Sobre assuntos irrelevantes, Se cair nas páginas em branco (as folhas divisórias entre o VT como para comprar caixa e e o NT), então deve ser feita nova consulta; fósforo ou beber refrigerante; Se pedirmos antes um versículo, devemos evitar a escolha de Para saber se tem que ir para um número alto, como o versículo nº 177, por exemplo, pois a Igreja; pode não existir. Os problemas graves, como doenças, cirurgias, mudança de Para saber se deve ir para o emprego ou de cidade, devem ser levados ao pastor, antes até trabalho; de qualquer consulta pessoal; Mais de 1 vez sobre o Se há viagem a trabalho, não tenho o que consultar; mesmo assunto; Com papéis ou marcadores A consulta deve ser sábia e coerente. Se, ao consultar-se para de páginas na Bíblia que viajar, Deus disser não, não se fará nova consulta pedindo que comprometam a consulta; o Senhor diga se é para permanecer na cidade. 10ª AULA - ORAÇÃO “VIGIAI, POIS, EM TODO O TEMPO, ORANDO, PARA QUE SEJAIS HAVIDOS POR DIGNOS DE EVITAR TODAS ESSAS COISAS QUE HÃO DE ACONTECER E DE ESTAR EM PÉ DIANTE DO FILHO DO HOMEM.” (LC 21:36) A oração é uma conversa com Deus. Por essa “troca de idéias” com Deus, o servo confessa suas mágoas, expõe as suas dores e alegrias, explica-Lhe suas necessidades, dá-Lhe sua gratidão, pedeLhe conselhos e expõe seu coração. Isso agrada muito ao Senhor, que tem prazer em ouvir a nossa oração. I CLASSIFICAÇÃO A) Intercessão B) Glorificação C) Clamor [pelo (poder do) Sangue de Jesus] II CARACTERÍSTICAS Fé (Hb 10:22), Perseverança (Lc 18:1-8), Sabedoria (Mt 6:7), Constância (I Ts, 5:17), Ao Pai, em nome de JESUS (Jo 15:16b). III COMENTÁRIOS PRÁTICOS  A oração feita em cultos públicos ou em reuniões deve estar na 1a. pessoa do plural (nós te louvamos… e não eu te louvo…), para evitar ênfase à pessoa que ora e também para que seja fortalecida a noção de Corpo.  Durante os cultos, deve-se evitar orações de conteúdo íntimo ou pessoal.  Oração não é o mesmo que reza. Jesus proíbe as “vãs repetições” (Mt 6:7). O tradicional PAI NOSSO foi uma oração-modelo, para servir de padrão aos discípulos, ajudando-os a aprender o modo correto de orar. O PAI NOSSO de modo nenhum pode ser conceituado como um conjunto de frases que devem ser literalmente repetidas, de maneira contínua (Mt 6:9-13). Note que o pedido dos discípulos foi “SENHOR, ENSINA-NOS A ORAR” (Lc 11:1), e não “SENHOR, ENSINA-NOS UMA ORAÇÃO”. IV CONCLUSÃO A ORAÇÃO SE RESUME EM VERDADEIRA TRANSFERÊNCIA DE VIDA. 11ª AULA - CLAMOR PELO SANGUE DE JESUS “E QUASE TODAS AS COISAS, SEGUNDO A LEI, SE PURIFICAM COM SANGUE; E SEM DERRAMAMENTO DE SANGUE NÃO HÁ REMISSÃO.” (HB 9:22) “TENDO, POIS, IRMÃOS, OUSADIA PARA ENTRAR NO SANTUÁRIO, PELO SANGUE DE JESUS, PELO NOVO E VIVO CAMINHO QUE ELE NOS CONSAGROU, PELO VÉU, ISTO É, PELA SUA CARNE” (HB 10:19,20) I II DEFINIÇÃO dá a idéia de súplica com empenho, veemência no pedir, pressa na resposta ao pedido. É um DIREITO que o servo tem de penetrar no Santo dos Santos pelo Sangue do Cordeiro. É o único meio capaz de nos esconder da vista do inimigo. O clamor não é só um dever de cada crente, mas também uma grande necessidade. CLAMOR III FUNÇÕES DO CLAMOR A- Alimento, nutriente espiritual (Jo 6:53-56). B- Proteção (Ap 12:11a). C- Purificação (I Jo 1:7). IV QUANDO CLAMAR Individualmente  No “lugar secreto” da oração;  No lar, na escola, no trabalho diário;  Ao enfrentar momentos difíceis;  Nos momentos de decisões;  Antes de consulta à Palavra;  Ao deparar-se com oprimidos ou possessos;  Em ambientes desfavoráveis;  Na solidão. Coletivamente:  No início dos cultos;  No início de reuniões de oração, do grupo de intercessão, do Presbitério, nos lares, ou em qualquer reunião de duas ou mais pessoas em nome de JESUS;  Antes de fazer uma consulta á Palavra. I ASPECTOS PRÁTICOS A) Não podemos vulgarizar a oração de CLAMOR, usando-a em vão, repetindo “O Sangue de Jesus tem poder” a qualquer momento, sem critério. Por sabedoria, não faremos o Clamor em voz audível em muitos casos, mas só no coração, para evitar o escárnio do ímpio; B) Clama-se pelo Sangue de Jesus sobre vidas humanas, não sobre coisas; C) Não clamamos por sangue biológico; D) O Clamor, como meio de graça, SÓ APROVEITA AO SERVO; E) Clamamos para ganhar VIDA. 12ª AULA - MADRUGADA “EU AMO AOS QUE ME AMAM, E OS QUE DE MADRUGADA ME BUSCAM ME ACHARÃO” (PV 8:17). A Palavra é rica em nos dar exemplos de como Deus se agrada daquele que se dispõe a buscá-Lo cedo pela manhã, quando muitos ainda estão dormindo. I O MANÁ “E, alçando-se o orvalho caído, eis que sobre a face do deserto estava uma coisa miúda, redonda, miúda como a geada sobre a terra. E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? (…) Disse-lhes, pois, Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer. Eles, pois, o colhiam cada manhã; cada um, conforme ao que podia comer; porque, aquecendo o sol, derretia-se” (Ex 16:14,15,21) O povo no deserto bem cedo se levantava para buscar o pão que Deus lhes dava para seu sustento. Esse pão, o maná, somente poderia ser colhido de madrugada, não poderia ser estocado. Caso não o fizessem, passariam fome naquele dia. Assim também são as bênçãos de sustento do nosso Deus. Cedo pela manhã alcançamos o alimento que nos sustentará pelo dia. As bênçãos colhidas num dia não nos servirão para outros dias. Devemos nos abastecer de Deus diariamente. II O EXEMPLO DE GIDEÃO “E assim sucedeu; porque, ao outro dia, se levantou de madrugada, e apertou o velo, e do orvalho do velo espremeu uma taça cheia de água.” (Jz 6:38). Ao levanta-se de madrugada, Gideão recebeu a resposta que pediu a Deus num sinal de maravilhas. O velo de lã simboliza a vida do servo fiel que, a despeito de toda a aridez do mundo que o cerca, é capaz de ter uma experiência com o Espírito de Deus (orvalho), e de ser “encharcado” das bênçãos do Senhor. Recolheu Gideão uma taça cheia… A taça nos fala de uma experiência de morte e ressurreição com Jesus. É santificação, vida eterna, vitória sobre as nossas próprias limitações. III O EXEMPLO DE MARIA MADALENA “E, no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro” (Jo 20:1). A experiência de Maria Madalena nos apresenta a eficácia do ato de buscar ao Senhor Jesus na madrugada. Ela tinha consigo uma grande tristeza, mas foi de madrugada buscar ao Senhor Jesus e encontrou a pedra do sepulcro revolvida. Foi a primeira a testemunhar a vitória de Jesus contra a morte. Sua tristeza se transformou em júbilo, seu problema em uma experiência esplêndida com Jesus ressurreto! IV O EXEMPLO DAS OVELHAS O Salmo 23 nos traz o ponto de vista da ovelha: “Leva-me para junto das águas de descanso”. O PASTOR sabe onde encontrar as águas de descanso que podem saciar o rebanho e mantê-lo forte e resistente. Uma das principais fontes de água para o rebanho vem do orvalho da relva. Por isso, o bom pastor as desperta de madrugada para pastar. Bem cedo, a vegetação está coberta de água pura e limpa e o rebanho se mantém com a quantidade de líquido ingerida. Os servos mais confiantes e capacitados a enfrentar as lutas são os que se levantam cedo para se alimentar da Palavra de Deus. É de madrugada que são guiadas às águas tranqüilas, onde bebem de Cristo. É uma realidade: saímos revigorados na mente e no espírito destas horas de meditação e comunhão com Cristo. 13ª AULA – JEJUM “APREGOEI ALI UM JEJUM (...) PARA NOS HUMILHARMOS DIANTE DA FACE DE NOSSO DEUS, PARA LHE PEDIRMOS CAMINHO DIREITO PARA NÓS E PARA NOSSOS FILHOS E PARA TODA A NOSSA FAZENDA” (ESDRAS 8:21). “HÁ QUATRO DIAS ESTAVA EU EM JEJUM ATÉ ESTA HORA, ORANDO EM MINHA CASA À HORA NONA. E EIS QUE DIANTE DE MIM SE APRESENTOU UM VARÃO COM VESTES RESPLANDECENTES E DISSE: CORNÉLIO, A TUA ORAÇÃO FOI OUVIDA, E AS TUAS ESMOLAS ESTÃO EM MEMÓRIA DIANTE DE DEUS” (AT 10:30,31). O jejum não significa apenas abstinência de alimentos, mas é algo profundamente espiritual que, se observado conforme a orientação do Senhor, redundará em grandes bênçãos e experiências. Ao mortificar a carne, o servo dá espaço para que seu espírito prevaleça e as bênçãos de Deus recaiam sobre ele. É um ato de dedicação e separação a Deus, que sempre resulta em graça. I EXEMPLOS No V.T. – Dt 9:9  “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o SENHOR fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi e água não bebi.” No N.T. – At 9:8,9  “E Saulo levantou-se da terra e, abrindo os olhos, não via a ninguém. E, guiando-o pela mão, o conduziram a Damasco. E esteve três dias sem ver, e não comeu, nem bebeu.” II JESUS Jesus jejuou: Mt 4:2  “Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome”. Jesus orientou como jejuar: Mt 6:16-18  “E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas, porque desfiguram o rosto, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Porém tu, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto, para não pareceres aos homens que jejuas, mas sim a teu Pai, que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará”. III CONDIÇÕES A) Fé B) Revelação C) Sabedoria IV ASPECTOS DE CUNHO PRÁTICO a) Quem está em jejum, não bebe água nem qualquer outro líquido; b) A Ceia do Senhor e remédios NÃO quebram o jejum; c) Quem tem problema gástrico ou outro problema de saúde que imponha uma alimentação contínua e regular não precisa e nem deve jejuar; d) O início do jejum se chama consagração e o término, entrega; e) Existem jejuns pessoais, jejuns da Igreja local e aquele que é de toda a Obra. (ex: o jejum do domingo); f) O novo convertido deve tomar cuidado com jejuns muito prolongados. 14ª AULA - LOUVOR E CANTAVAM O CÂNTICO DE MOISÉS, SERVO DE DEUS, E O CÂNTICO DO CORDEIRO, DIZENDO: GRANDES E MARAVILHOSAS SÃO AS TUAS OBRAS, SENHOR, DEUS TODO-PODEROSO! JUSTOS E VERDADEIROS SÃO OS TEUS CAMINHOS, Ó REI DOS SANTOS! QUEM TE NÃO TEMERÁ, Ó SENHOR, E NÃO MAGNIFICARÁ O TEU NOME? PORQUE SÓ TU ÉS SANTO; (...) (AP 15:3,4) O louvor é uma das armas mais eficazes contra as lutas, o desânimo e a frieza espiritual. Pelo louvor, o servo exalta ao Senhor sobre todas as coisas, e invoca íntima comunhão com Ele. I A GRANDIOSIDADE DE DEUS O louvor expressa a grandiosidade de Deus sob duas circunstâncias: a) QUANDO O HOMEM SENTE A PROFUNDIDADE DO AMOR DE DEUS (atos poéticos não expressam de modo espiritualmente eficiente o que o homem sente diante do amor de Deus). B) QUANDO HÁ A GRATIDÃO DA ALMA REMIDA. Tais requisitos conjugados alcançam a eternidade. É o reconhecimento da majestade de Deus. Toda a expressão da grandiosidade de Deus não está na OBRA CRIADORA, da qual somos parte e que passará. Mas o reconhecimento da OBRA REDENTORA traz à tona um cântico de características eternas, permanentes. Sentir o amor de Deus e ser grato a Ele é louvá-Lo perpetuamente. A Obra Criadora foi para o louvor de Deus, para a Sua exaltação. Esse propósito está satisfeito. Entretanto, a alma que alcança libertação (REMIDA), alcança o louvor eterno. Os benefícios do Senhor nesta vida passarão; a eternidade não. II ORIGEM NA ETERNIDADE O cântico de adoração apresenta conteúdo, inspiração e expressão que vêm da eternidade e o identificam como louvor verdadeiro: A) O CONTEÚDO ESPIRITUAL DO LOUVOR  Poesia — É a participação do homem na exaltação do nome do Senhor.  Profecia — É a parte de Deus. Fala da história pregressa e futura da Igreja, proclama suas vitórias e tem um conteúdo que se renova na alma.  Doutrina — É o conteúdo retirado da Palavra. Descreve o que lá está registrado para a nossa edificação. A) A INSPIRAÇÃO DO LOUVOR Cuidado com canções que exaltam a natureza, o homem, o mundo… Nisso está declarada uma adoração à criação, e não ao Criador; ou à Obra Criadora, e não à Obra Redentora. Essa é uma característica Panteísta (vários deuses ou “Deus em tudo”), comum no meio cristão, mas que foge às características de uma doutrina bíblica saudável. O louvor que vem da eternidade se inspira em duas fontes:  A Palavra — Há três coisas fundamentais na Palavra que emolduram o louvor: a Fé, a Esperança e o Amor. (1) A fé fala de um nobre homem que partiu para uma terra distante… da confiança nas promessas. (2) A esperança expressa a expectativa da Igreja. (3) O amor lembra o grito de dor da paixão do Senhor Jesus pelas suas ovelhas.  O Espírito — De maneira alguma o louvor se inspira na carne, mas no autor da Palavra. A) A EXPRESSÃO DO LOUVOR O louvor deve ser solene. Se não houver uma sincera comunhão com o Senhor, o cântico não irá expressar o que Deus espera de seus remidos. Conseqüentemente, não há como “tocar” o coração dos servos. II A CONSOLIDAÇÃO DO PACTO O louvor consolida o pacto libertário, e nos conduz a participar da Obra Redentora. Também nos consolida a herança, o direito da vida eterna. A fé é o instrumento. O Espírito Santo, o agente. A herança é a eternidade. “Tu és a minha ovelha”, “Ele vai voltar”, “Quero que o homem conheça uma amor que nunca viu...” III PROCLAMAÇÃO Ao louvarmos, estamos proclamando. E proclamação é a exposição daquilo que está dentro do coração e daquilo que vivemos. Duas coisas são fundamentais para isso:  Autenticidade — A proclamação é algo espontâneo, autêntico. Não é movido por força ou por constrangimento, mas por comunhão, tanto com Deus quanto com os demais irmãos. Também revela a faceta do compromisso.  O Selo — Como visto acima, a comunhão é fundamental. Por isso a importância do ato do clamor, que nos sela e nos acessa à eternidade, nos conferindo comunhão. Só assim poderemos expressar vida pelo louvor. I OS ATOS LIBERTADORES O louvor fala dos atos de libertação de Deus. Um hino revelado pelo Senhor em geral traz um histórico maravilhoso da atuação dos anjos, umas vezes ditando o hino (Lindo! Lindo! Lindo!), outras agindo (Castelo Forte, Cântico de Vitória). Onde tais atos libertadores se manifestam? No Corpo, na Obra espalhada pelo mundo.A OBRA DO SENHOR É ALGO DE MUITO SÉRIO! 15ª AULA - DÍZIMO “O DÍZIMO SERÁ SANTO AO SENHOR” (LEVÍTICO 27:32B). I PLANO PROFÉTICO DO a) Abraão, Servo Obediente Abraão era rico, mas sua maior riqueza foi sua fidelidade a Deus; era obediente. Seu coração se comprazia em realizar Sua vontade. Foi, portanto, o exemplo nesse ato de fidelidade e fé: dizimar. Neste episódio, Deus instituiu uma ordenança, que seria depois oficializada na lei mosaica. Embora nada ainda fora registrado, Abrão (como ainda se chamava) foi levado pelo próprio Espírito Santo a dar 10% do despojo de guerra que conquistara com a direta intervenção de Deus. Não o fez distribuindo aos pobres ou aos familiares. Mas deu-o a um sacerdote. Temos, portanto, algumas lições a tirar. O ato de dizimar…: … é indiferente para ricos e pobres, pois o valor é sempre 10%. … parte da eternidade. É movido pelo Espírito de Deus. … reflete a fidelidade do servo. É ato de obediência e fé. … é o reconhecimento de que o que temos vem da intervenção de Deus em nossas vidas. …O dízimo é entregue ao sacerdote do Deus Altíssimo (à igreja). “Então, haverá um lugar que escolherá o SENHOR, vosso Deus, para ali fazer habitar o seu nome; ali trareis tudo o que vos ordeno: os vossos A R LEG IA A O ÇÃO D RA holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta (II Co 9:7) (J o 4: 23,24) alçada da vossa mão, e toda escolha dos vossos votos que votardes ao SENHOR” (Deuteronômio 12:11). a)Melquisedeque, rei e sacerdote FÉ (Hb 11:6a) “Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; a quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça e depois também rei de Salém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas, sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos” (Hebreus 7:1-4). “E MELQUISEDEQUE, REI DE SALÉM, TROUXE PÃO E VINHO; E ESTE ERA SACERDOTE DO DEUS ALTÍSSIMO. E ABENÇOOU-O E DISSE: BENDITO SEJA ABRÃO DEUS ALTÍSSIMO, O POSSUIDOR DOS CÉUS E DA TERRA; E BENDITO SEJA O DEUS ALTÍSSIMO(…). E DEU-LHE O DÍZIMO DE TUDO” (GN 14:18-20). Consideremos agora o episódio no sentido profético. Ao dizimar, o servo deve enxergar aquilo que está além do óbvio, deixar de lado a razão e dar lugar à revelação. Porquanto ao dar seu dízimo, cumpre a vontade de Deus. Afinal, quem era Melquisedeque? Observemos suas características:  Era SACERDOTE,  ABENÇOOU a mas também REI. Abraão.  Salém viria a ser  Serviu-lhe PÃO E JERUSALÉM. VINHO.  Era rei DE PAZ  Sem registro de (Salém = paz) e rei DE JUSTIÇA (significado nascimento ou morte (era como que do nome Melquisedeque). ETERNO). Ora, quem é esse Rei e Sacerdote Eterno que em Jerusalém abençoa, dá comunhão através de seu corpo e seu sangue (Espírito), e que oferece um reinado de justiça e paz? É o Senhor Jesus Cristo! Ao dizimarmos, o fazemos primeiramente ao Senhor Jesus! II ASPECTO HISTÓRICO Jacó teve 12 filhos: RUBEM, SIMEÃO, LEVI, JUDÁ, ISSACAR, ZEBULON, DÃ, NAFTALI, GADE, ASER, JOSÉ e BENJAMIN. De seus filhos, formaram-se as 12 tribos de Israel. São as tribos de RUBEM, SIMEÃO, JUDÁ, ISSACAR, ZEBULON, DÃ, NAFTALI, GADE, ASER, MANASSES, EFRAIM e BENJAMIN. Levi e José não foram patriarcas, mas Manasses e Efraim, representando seu pai José (“Porque os filhos de José foram duas tribos, Manassés e Efraim” Js 14:4a). De Levi, uma tribo muito especial foi formada. Tiveram ao Senhor como herança (“Porquanto os levitas não têm parte no meio de vós, porém o sacerdócio do SENHOR é a sua parte” Js 18:7a). Por terem a responsabilidade exclusiva de ministrarem no tabernáculo e preocupação absoluta com as coisas do Senhor (sacerdócio por herança), não poderiam gerar recursos para seu próprio sustento. Pelo que o Senhor decretou: “E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo seu ministério que exercem, o ministério da tenda da congregação. E (…) os levitas administrarão o ministério da tenda da congregação e eles levarão sobre si a sua iniqüidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança herdarão. Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao SENHOR em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança herdareis” (Números 18:21-24). Ainda no novo testamento está registrado: “E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham descendido de Abraão” (Hebreus 7:5). Ora, a função levítica é hoje exercida pela Igreja do Senhor. E, portanto, a ordem do Senhor permanece. III PROMESSA Podemos estabelecer que o Senhor tem por conduta não cobrar, mas conceder, e sempre além do que esperamos. Quando atendemos a voz de Deus, Ele sempre nos oferece um benefício grandioso. A seguinte promessa nos foi feita: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro (…) e depois fazei prova de mim, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança” (Ml 3:10). Observe:  Fazei prova — Deus nos lança um desafio, garantia de que o dízimo vem da eternidade, acompanhado das bênçãos divinas.  Abrir as janelas do céu — “Abrir as janelas” nos fala de um novo horizonte, uma experiência nova com Deus.  Derramar (…) uma bênção tal — Deus não nos dá por medida, ou proporcional aos nossos “feitos”, mas derrama sua incomparável bênção sobre nós.  A maior abastança — Riquezas espirituais, experiências com Deus. IV SENSO PRÁTICO “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa” (Ml 3:10a). A Igreja, sob o ponto de vista jurídico, é uma ASSOCIAÇÃO, uma instituição que agrega participantes (membros), realiza reuniões (cultos), tem um estatuto (doutrina), uma direção regimental (presbitério) e sedes (templos). E, como qualquer outra ASSOCIAÇÃO, tem gastos para a manutenção de suas atividades, como: a energia usada na iluminação e no som; a água usada para beber, lavar as mãos, nas descargas sanitárias, para regar os jardins e em eventuais banhos; os impostos pertinentes; as construções, aluguéis e manutenção dos templos; os gastos referentes a novas frentes de trabalho, etc. Outras sociedades civis têm seus meios de arrecadação, como a contribuição sindical, a mensalidade do clube, a taxa de condomínio etc. Para arcar com as despesas de manutenção dos cultos, Deus nos instituiu o dízimo. É importante ainda dizer que a IGREJA CRISTÃ MARANATA não usa da contribuição dos dízimos para assalariar pastores ou zeladores. O ministério e o serviço exercidos em nossas igrejas é não-profissional. Portanto, encontraremos pastores que, para seu sustento, trabalham como professores, militares, padeiros, comerciantes, empresários, funcionários públicos, autônomos, vendedores, bancários, mecânicos, juízes, pedreiros, empregados em empresas particulares etc. Nada temos contra as igrejas que agem de forma diferente. Deus, porém, nos tem levado a compreender e seguir o exemplo do apóstolo Paulo: “Depois disto, partiu Paulo de Atenas e chegou a Corinto. E, achando (…) Áquila (…) e Priscila (…), se ajuntou com eles, e, como era do mesmo ofício, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por ofício fazer tendas” At 18:1-3. 16ª AULA - DONS ESPIRITUAIS “PORTANTO, PROCURAI COM ZELO OS MELHORES DONS; E EU VOS MOSTRAREI UM CAMINHO AINDA MAIS EXCELENTE” (I CO 12:31). “ASSIM, TAMBÉM VÓS, COMO DESEJAIS DONS ESPIRITUAIS, PROCURAI SOBEJAR NELES, PARA A EDIFICAÇÃO DA IGREJA” (I CO 14:12). Os dons espirituais são manifestações do E. Santo no seio da Igreja, tendo como finalidade a edificação dos servos. Deve ser feita a seguinte distinção: KÁRISMA = (Dons Espirituais) DOREA = (Dons gratuitos de Deus) I QUAIS SÃO OS DONS? (I Co 12:1,4,7-11) 1. SABEDORIA — é um dom usado pela Igreja através do Espírito, para colocar as coisas nos seus devidos lugares, sem precipitação nem euforia, que tanto têm atrapalhado a Obra do Senhor. (Tg 1:5) (Pv 8:22-36) (Pv 9:1) (I Rs 3:5-12,16-18) 2. CIÊNCIA (Conhecimento) —é a expressão do conhecimento de Deus revelado ao homem. Dividese em: sonhos, revelações e visões. Não é correto usar as expressões: dom de revelação, dom de visão ou sonho, mas sim Dom de Ciência, que compreende tudo isso. Foi a principal manifestação da vontade de Deus aos profetas do VT. Não se trata de ciência que se aprende na escola (física, química, biologia e etc.), mas de um dom espiritual. (At 9:10,11) (At 10:11) 3. FÉ — é a certeza das coisas que se esperam e a convicção de fatos que se não vêem. Existem na Igreja (1) a fé que significa a vida espiritual do crente, ou seja, a que o servo recebe com o novo nascimento e (2) o dom de fé, como uma bênção especial para o exercício dos demais dons. (I Tm 3:9) (Hb 11:1) 4. DONS DE CURAR (plural) — se manifestam de várias formas, porque o Senhor usa vários servos e de várias maneiras diferentes para operar esta bênção. Seja através do louvor, pregando a Palavra, na imposição de mãos etc. (Mt 8:14,15) 5. MARAVILHAS (Milagres) —são todas as manifestações que não se explicam por causas naturais. (Mt 15:29-37) (Mc 5:35-41) (Jo 2:7-10) (Jo 11:14-45) (At 9:36-43) (At 16:25, 26) (At 28:3-5) 6. PROFECIA — é a proclamação de fatos vindouros (futuros). (Pv 29:18a) (Dn 5:28,30,31) (I. Co 14:3) 7. DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS — é extremamente importante, pois há três tipos de espírito: o Espírito do homem, o Espírito do mal e o Espírito Santo. Este dom faz distinção entre o que é divino e o que não vem de Deus. O discernimento de sonhos e visões não é discernimento de espíritos, mas de sabedoria. (Ne 6:9-12) (Mt 16:21-23) 8. LÍNGUAS ESTRANHAS — não são variedades de palavras em mistério, mas uma alusão ao fato de existirem várias maneiras de o servo ser usado neste dom. O servo pode manifestar o dom como glorificação, como sinal de repreensão ao inimigo, como sinal para o incrédulo, ou como sinal de uma cura. Não se trata de falar grego, alemão ou hebraico (línguas estrangeiras), pois as línguas estranhas, como o próprio nome já diz, são línguas desconhecidas pelo intelecto humano. Deve-se estabelecer a seguinte separação: GLOSSA = língua estranha; DIALECTOS = língua estrangeira. (Dn 5:8,24-28) (Mc 16:17b) 9. INTERPRETAÇÃO DAS LÍNGUAS — não é tradução, pois, como já foi comentado, as línguas dos anjos são estranhas ao conhecimento do homem. (I. Co 14:13,27,28) I CÂNTICOS ESPIRITUAIS NÃO SE TRATA DE UM DOM ESPIRITUAL. A melodia é dada pelo Senhor (Ef 5:19). Obviamente, quem é usado em cânticos, tem o dom de Línguas. 17ª AULA - CORPO TODOS NÓS FOMOS BATIZADOS EM UM “PORQUE, ASSIM COMO O CORPO É UM E TEM MUITOS MEMBROS, E TODOS OS MEMBROS, SENDO MUITOS, SÃO UM SÓ CORPO, ASSIM É CRISTO TAMBÉM. POIS ESPÍRITO, FORMANDO UM CORPO, QUER JUDEUS, QUER GREGOS, QUER SERVOS, QUER LIVRES, E TODOS TEMOS BEBIDO DE UM ESPÍRITO. PORQUE TAMBÉM O CORPO NÃO É UM SÓ MEMBRO, MAS MUITOS” (I CO 12:12-14) A noção de Corpo é fundamental para o crescimento do servo na Obra de Deus. I MEMBROS Ao reconhecer que faz parte de um Corpo espiritual, o homem passa ter um papel a exercer. Ele compreende que não pode caminhar sozinho, bem como o corpo necessita de suas funções. Imagine a igreja local como sendo o corpo, e você, um dedo. O dedo jamais teria condições de viver sem o restante do corpo; o corpo, por sua vez, sente em demasia as dores da perda ou do ferimento daquele dedo. Trata-se de uma interação. Assim, como membro do corpo, temos muita importância realizando a função que Deus nos dá. Quer orando, ensinando, limpando, cantando ou sendo atento no atendimento ao visitante, o Corpo necessita de sua atuação. E você, de estar integrado ao Corpo. “ORA, VÓS SOIS O CORPO DE CRISTO E SEUS MEMBROS EM PARTICULAR” (I CO 12:27) II ORGANISMO “EU SOU A VIDEIRA, VÓS, AS VARAS; QUEM ESTÁ EM MIM, E EU NELE, ESTE DÁ MUITO FRUTO, PORQUE SEM MIM NADA PODEREIS FAZER” (JO 15:5) Chamar a igreja de Corpo é entender que não se trata de uma organização. Empresas, grêmios, grupos e entidades sociais são organizações, ou seja, estruturas que se valem de pessoas (homem) para existir. A igreja não. Ela é um organismo, nela há vida, porque ela nasce do próprio Senhor Jesus! Um organismo tem vida, e gera vida. Enxertados em Jesus (no Corpo), temos condições de produzir frutos, contribuir para o crescimento da igreja. III O SANGUE DE JESUS Um organismo vivo tem como característica o circular de uma substância que conduz vida a todos os membros. A Videira tem a seiva… Um organismo tem sangue… A igreja tem o Espírito Santo, que foinos entregue por Jesus na forma de Seu próprio sangue, derramado na cruz do Calvário. Assim como o sangue percorre todos os pontos do corpo levando oxigênio e alimento para as células de cada membro e retirando as toxinas e impurezas, assim também age o Espírito de Deus no meio da igreja. Ele nos traz vida, nos alimenta, nos sustenta, nos dá fôlego (fé) para a caminhada, retira de nós o desânimo, o cansaço, a tristeza e o que nos prejudica na vida espiritual. IV COMUNHÃO ISTO É O MEU CORPO QUE É “QUEM COME A MINHA CARNE E BEBE O MEU SANGUE TEM A VIDA ETERNA, E EU O RESSUSCITAREI NO ÚLTIMO DIA” (JO 6:54) “O SENHOR JESUS, NA NOITE EM QUE FOI TRAÍDO, TOMOU O PÃO; E, TENDO DADO GRAÇAS, O PARTIU E DISSE: TOMAI, COMEI; PARTIDO POR VÓS; FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM” (I CO 11:23) Quando Jesus partiu o pão e deu-o a seus discípulos, simbolicamente era como se cada membro daquele grupo tivesse uma porção do pão inteiro. Se unissem todos os pedaços, teriam ali 100% do pão. Ao declarar-se “o pão vivo que desceu do céu”, Jesus nos explicava que juntos teríamos mais de Jesus. Quantos mais participamos de um culto, muito mais de Jesus teremos, ou seja, mais do Seu poder se manifestará no seio da igreja. É por isso que é tão importante que estejamos em comunhão, que tenhamos o pedaço de pão que o Senhor pôs em nossas mãos. V CONCLUSÃO Assim, compreendemos que fora do Corpo não há vida. Sem comunhão (Jesus) e sem o circular de Seu Sangue (E.S.) não conseguiremos caminhar, crescer e nos santificar. 18ª AULA - CULTO PROFÉTICO “QUE FAREIS, POIS, IRMÃOS? QUANDO VOS AJUNTAIS, CADA UM DE VÓS TEM SALMO, TEM DOUTRINA, TEM REVELAÇÃO, TEM LÍNGUA, TEM INTERPRETAÇÃO. FAÇA-SE TUDO PARA EDIFICAÇÃO” (I CO 14:26). É o culto revelado por DEUS desde a eternidade. I O que é mais fácil? A) Obedecer ou Desobedecer? D) Animação ou Graça? B) Prática ou Teoria? E) Palavras ou Atos? C) Conhecimento (cultura) ou Piedade?  No sentido prático, o que é mais fácil no culto profético? — Levantar as mãos.  O que tem sido mais difícil na prática do culto profético? — Obedecer  Ao terminar o culto, VOCÊ se levanta, dá as costas ao visitante e vai para casa. Responda: PRÁTICA O que é certo? A) Sacrifício ou Obediência? B) Obra ou Religião? C) Assistir ou Participar? A) Obedeceu? D) Houve atos? G) Que culto foi o seu? B) Participou? E) Houve a prática? H) Qual seria sua nota? (-1) C) Houve Graça? F) Houve Obra? I NECESSÁRIO AO CULTO REVELADO a) Dons; b) Mensagem Revelada; c) Louvor Revelado; d) Participação de toda a igreja, inclusive no levantar das mãos. II BENEFÍCIO DO ATO DE LEVANTAR A MÃO3 a) Benefícios Pessoais: 1) Obediência – Vive a Obra de DAVI; 2) Disciplina – Um bom soldado; 3) Corpo – Está no corpo; 4) Crescimento Espiritual; 5) Comunhão. 6) Graça – Ânimo; b) Benefícios para o visitante: 1) Atendimento Personalizado – Foi valorizado, 2) Ajuda espontânea – Foi colocado à vontade; c) Benefício para a igreja local: 1) Vigor renovado; 2) Novas experiências; d) Benefício para o Pastor: 1) Facilita a identificação; 2) Facilita o diálogo; 3) Poupa tempo do obreiro; 4) Ajuda substancial em tudo; e) Beneficio para a Obra: 1) Cria uma nova Igreja; 2) Uma nova mentalidade; 3) Um novo ministério; 4) Uma dinâmica de trabalho que envolve a todos; III 7) Fortalecimento; 8) Alegria; 9) Recompensa; 10) Experiência; 11)Vida Eterna. 3) Livra-o do inibição; 4) Salvação. constrangimento e da 3) Trabalho compensado; 4) Edificação, alegria e ânimo. 5) Vê e identifica o trabalho da Igreja; 6) Aponta os ministérios e serviços da Igreja; 7) Recompensa do trabalho. 8) Alegria pelos resultados e crescimento do rebanho; 5) Um culto diferente; 6) Uma vida diferente; 7) O culto profético; 8) A OBRA. COMO AGIR EM CADA CULTO a) Preparo individual e da Igreja b) Assistência ao visitante, com a seguinte ação 1. Oferecendo-lhe a coletânea; 3. Identificando-se; 2. Oferecendo-lhe a Bíblia; 4. Levantando imediatamente a mão para que se providencie atendimento. c) Identificação do visitante 1. Entendeu a mensagem? 4. Qual o seu nome? 2. Quer uma oração? 5. É a primeira vez? 3. Tem alguma dúvida? d) Convide-o a voltar. Ore por ele. IV O CULTO PROFÉTICO... … começa no momento em que o último visitante for atendido; … não se limita aos minutos antes do culto em si. Em casa ou no trabalho, Deus pode conceder sinais; … torna importante a busca por uma benção de aperfeiçoamento no uso dos dons espirituais (I Co 14:12); … deve complementar-se com o atendimento feito por servos da mesma idade e sexo do visitante (sabedoria); … não permite atitudes mecânicas com o visitante. Atenda-o naturalmente; … é solene. Não devemos conversar em demasia no Templo, principalmente durante a assistência ao visitante; … não é só para o visitante. Os sinais podem se referir a membros; … não visa ter sinais que mostrem somente as dificuldades na vida do visitante. As visões e revelações também podem indicar, por exemplo, que o visitante está contente por determinado motivo; I CONCLUSÃO Todos os grupos da Igreja deverão se adaptar a esse entendimento (à vontade do SENHOR). Deverão se perguntar o que Ele deseja de si e de seu grupo no culto. O culto profético é unicamente a vontade de Deus, quando a profecia sobressai. Portanto, o grande objetivo do culto profético é a consecução da eternidade na vida do servo e a salvação do homem. 19ª AULA - HIERARQUIA NA IGREJA M I N I S T É R “E, quando iam passando pelas cidades, lhes entregavam, para serem observados, os decretos que haviam sido estabelecidos pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém” (At 16:4). “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue” (At 20:28). “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo” (Ef 4:11,12). I O “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?); não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo” (I Tm 3:1-7). “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver” (Hb 13:7) “Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” (Hb 13:17) “Ora, naqueles dias, crescendo o número dos discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas eram desprezadas no ministério cotidiano. E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas. Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete varões de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. E este parecer contentou a toda a multidão, e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, e Prócoro, e Nicanor, e Timão, e Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia; e os apresentaram ante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos” (At 6:1-6). “Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância, guardando o mistério da fé em uma pura consciência. E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis. Da mesma sorte as mulheres sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo. Os diáconos sejam maridos de uma mulher e governem bem seus filhos e suas próprias casas. Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus” (I Tm 3:8-13). D I A C O N A T O O pastorado é um ministério. O diaconato não: é serviço. A palavra “diakonos” vem do grego servo. O ministério e o diaconato são exercidos apenas por HOMENS. Não há pastoras ou diaconisas na ICM por ausência de fundamentação bíblica. Devemos entender o seguinte: ANCIÃO = PASTOR = BISPO = PRESBÍTERO. Entre estes quatro nomes, inexiste diferença hierárquica ou de função, pois são palavras sinônimas. ANCIÃO e PASTOR são termos usados pelas igrejas onde judeus predominavam. BISPO foi um termo mais utilizado pelos Romanos. E PRESBÍTERO é uma palavra de origem grega. Observe essa ordem hierárquica PASTOR UNGIDO DIÁCON U N GI D O ↑ ↑ Levantamento Ordenação Levantamento Unção de de Pastor Ungido    Possui uma situação temporária, um período de provações. Caso obtenha a aprovação no exercício da unção, será confirmado no ministério (ordenado). Há 2 tipos de ungidos: AO MINISTÉRIO DA PALAVRA (depois de ordenado, torna-se pastor) e AO MINISTÉRIO DE EVANGELISTA (depois de ordenado, torna- se evangelista). Ambos recebem o tratamento de pastor após a ordenação. O B R EI R O DI V E R S O S O B S Não há levantamento de obreiro. Obreiros são todos aqueles responsáveis pela Obra do Senhor, abrangendo desde o Pastor até o Diácono, inclusive os que estão à frente de grupos de assistência, grupo de louvor etc. Os Ministérios são CINCO (Ef 4:11). Os Dons Espirituais são NOVE (I Co 12:1, 4-11). Os Serviços são diversificados, não possuindo número preciso. Pela confusão de muitas pessoas, cabe aqui um esclarecimento, com base na análise de idéias errôneas:  Não existe o MINISTÉRIO DA CURA, porque cura não é ministério, mas DOM ESPIRITUAL;.  Não há MINISTÉRIO COM CRIANÇAS. Ser professor não é ter um ministério, mas um SERVIÇO;  Ninguém tem o DOM DE ORAR. A oração é MEIO DE GRAÇA e não um dom espiritual.
Fly UP