Aula 4 Psicologia Educao_Final-4 (1)

  • Published on
    17-Jul-2015

  • View
    18

  • Download
    0

Transcript

17

Psicologia do Ensino e da Aprendizagem Unidade 4 Desenvolvimento Cognitivo

Parte I: a teoria de Piaget

Esta unidade sobre a capacidade de pensar. Mas o que pensar? entender conceitos; ser capaz de seguir uma linha de raciocnio (encadear conceitos); iniciar sozinho questionamento e linhas prprias de raciocnio (o pensar se apresenta em nveis de complexidade crescente).

O Trabalho de Piaget Jean Piaget (1896-1980): criou uma teoria ampla do desenvolvimento cognitivo (formao conceitual) em crianas: como as crianas formam padres cada vez mais sofisticados de pensamentos? Piaget fundamenta esse desenvolvimento em uma maturao neuro gentica relativamente estvel. Para Piaget, um conceito uma ideia sobre uma classe de objetos ou eventos agrupados por caractersticas como similaridades. Os conceitos formam o sentido do mundo. Todas as novas experincias da criana so processadas na forma de conceitos (no sentido de conhecimento j estabelecido). Ex.: so os conceitos de grande, molhado, aquilo que no gosto etc. Ao se deparar com uma nova experincia a criana tenta descobrir sentido nessa experincia a partir de seus conhecimentos (esquemas ou conceitos) j formados. Se seus conceitos se mostram inadequados, a criana pode ter que modific-los ou desenvolver um novo conceito. A teoria de Piaget atraiu muitas crticas, mas ela foi se corrigindo ao longo dos anos: 1. A criana um ser ativo em busca de informaes.

18

2. O desenvolvimento determinado por maturao biolgica e estmulos ambientais e sociais. 3. A capacidade de formar conceitos, muda conforme o desenvolvimento.

Estgio I: Sensrio Motor Para Piaget esse estgio vai do nascimento ao segundo ano de vida da criana. Logo aps nascer e nas primeiras semanas, as aes do beb so puramente reflexivas e involuntrias. No h pensamento (similar ao reflexo em adultos, que pr-reflexivo). As aes reflexas so direcionadas ao prprio corpo (at 4/8 ms), quando se tornam direcionados ao mundo externo: o comportamento passa gradualmente a ser direcionado por metas (operantes). Esse direcionamento para metas assume na terminologia de Piaget o conceito de esquemas mentais. So esquemas ou sequncias operacionais que evidenciam estruturas cognitivas (uma forma de identificador de regularidades). Entre 12 e 18 ms os esquemas tornam-se mais elaborados. Piaget diz que nessa fase os esquemas mentais so reaes circulares (no escapam do mundo fsico: a representao a ao em si mesma): a criana no pensa em fazer algo, ela simplesmente faz (ela incapaz de interiorizar aes). No fim do estgio sensrio motor cresce no beb a conscincia da permanncia do objeto (surge capacidade de representar) ao final do 18 ms.

Estgio II: Pensamento Pr-operacional Piaget dividiu esse estgio em dois subestgios: (A) Subestgio pr-conceitual (2-4 anos): nessa fase ocorre a formao da atividade simblica. As crianas tornam-se capazes de usar smbolos para representar aes e assim interiorizar essas aes. (Bonecas tornam-se bebs). Para Piaget o smbolo prlingustico (est vinculado a sua forma/imagem).

19

Com o desenvolvimento da atividade simblica, a criana passa a dominar signos (representaes indiretas) incluindo aqui a linguagem como um conjunto de signos. Aprender a usar conceitos no equivale a dizer que a criana pode usar conceitos como adultos. As crianas no sabem ainda formar conceitos genricos (formar classes de palavras). Nem sabem ainda fazer inferncias transitivas (A maior que B; B maior que C; logo A maior que C). (B) Sub-estgio intuitivo (4-7 anos): primeiros anos escolares e a pr-escola. Nesse perodo a cognio simblica da criana dominada por trs processos: Egocentrismo: incapacidade da criana de ver o mundo de outro ponto de vista que no o seu (subjetividade autocentrado). Centrao: centralizao da ateno num nico aspecto da situao representada, em geral o aspecto mais saliente, desprezando os outros aspectos. Irreversibilidade: incapacidade do raciocnio de retroceder as suas etapas iniciais. Sabem somar mais no conseguem subtrair.

Estgio III: Operaes Concretas A criana adquire um sistema simblico de pensamento organizado. Podem organizar hipteses sem qualquer evidncia concreta disponvel, mas sua cognio se fundamenta na experincia concreta (diferindo assim da cognio adulta). Nessa fase a criana tende a alterar a realidade em favor de suas hipteses fantasiosas. Mas o pensamento se torna menos egocntrico, e se torna capaz da reverso (reduo da irreversibilidade) e sua ateno se torna descentralizada (reduo da centrao), modificando-se fundamentalmente do estgio anterior. Para Piaget, com a descentralizao ocorre a ordem da conservao (conservao de substncias; conservao de volume), que consiste na assimilao pela criana de aspectos no imediatos dos objetos (conceitos abstratos sobre eventos concretos). A criana nessa fase tambm desenvolve a capacidade de reconhecer membros de uma classe lgica (agrupamento ou categorizao): as crianas passam a

20

organizar os acontecimentos em termos de suas caractersticas em comum. A partir da categorizao surge a seriao: estabelecer ordem nas categorizaes. Ao final desse estgio as crianas passam a usar a categorizao e a seriao para solucionar problemas: a inteligncia se torna mais saliente.

Estgio IV: Operaes Formais (Lgica abstrata; proposies metafricas) Para Piaget o estgio final da programao gentica do desenvolvimento cognitivo e se desenvolve entre os 12 e 14 anos. (Para neopiagetianos como Patrcia Arlin poderia haver um quinto estgio de operaes ps-formais relacionado com o domnio de lgicas nebulosas e snteses analticas). As crianas (agora adolescentes) conseguem acompanhar a forma do argumento (distanciando-se de seu contedo direto). Aps terem dominado conceitos e categorias importantes de forma isolada (formado esquemas de compreenso das mltiplas facetas do mundo), eles agora formam um sistema de rede (em grade) que integra os esquemas e os seus conhecimentos. Essa rede integrada de esquemas possibilita experimentar vrias combinaes de proposies hipotticas: prever os acontecimentos pelo raciocnio hipotticodedutivo.

Invariantes Funcionais As crianas mudam suas estruturas cognitivas enquanto crescem, mas por outro lado, apresentam outros processos inatos que se mantm constantes por toda sua vida cognitiva. 1. Acomodao: uma adaptao de seu funcionamento cognitivo realidade do mundo. 2. Assimilao: incorporao de novas informaes ao conhecimento j prexistente, em geral alterando seu significado. 3. Organizao: como eventos mentais so agrupados para formar esquemas.