Aula 4 monitoria presso atmosfrica

  • Published on
    10-Jul-2015

  • View
    2.087

  • Download
    0

Transcript

Presso Atmosfrica

Presso Atmosfricahelainehsm@gmail.comedinardo-santos@hotmail.commonitoriadeclima@gmail.comPresso Atmosfrica:Para compreender a dinmica dos movimentos do ar na Troposfera preciso conhecer a distribuio espacial do ar na superfcie. Umas das maneiras de entender essa distribuio por meio da presso atmosfrica.

A presso numa determinada altitude simplesmente o peso do ar. E o ar nada mais do que molculas de gases.

A presso tomada ao nvel do mar e representada nas cartas do tempo, chamadas de cartas sinpticas, formada por linhas que unem pontos de mesma presso do ar, chamadas de isbaras.O aparelho usado para medir a presso do ar chama-se barmetro;

Em termos mdios a presso atmosfrica corresponde a 1kg/cm ao nvel mdio do mar; entretanto, a unidade de medida mais utilizada o milibar (mb), sendo recentemente tambm empregado o hectopascal (hPa) um milibar igual a 100 Pascal. Sendo assim, a presso atmosfrica tomada como padro ao nvel mdio do mar de 1.013 mb.

Devido ao gravitacional da Terra, vale dizer que a presso do ar varia verticalmente na razo aproximada de 1 mb para cada 10 m de ascenso.O ar tem sua densidade alterada com a altitude, como resultado da ao gravitacional. J a variao da presso do ar em superfcie se d em decorrncia da distribuio de energia e de umidade no globo, bem como da dinmica de seus movimentos.

O aquecimento do ar conduz ao aumento da energia cintica das molculas, o que produz um maior choque entre elas. Com isso, as molculas passam a se distanciar umas das outras, ocasionando uma expanso do ar e consequentemente, uma diminuio na presso exercida por ele.

Nas cartas sinpticas, essas reas de baixas presses so indicadas pela letra B.

Ao contrrio, quando o ar se resfria, as molculas tm seu movimento cintico reduzido, diminuindo as possibilidades de choques entre elas.

Em consequncia, a densidade do ar eleva-se, caracterizando uma rea de alta presso, representada pela letra A nas cartas sinpticas.

Presso Atmosfrica:A repartio espacial da presso em superfcie pode comear a ser entendida tomando-se a distribuio de energia no globo, representada pelas zonas climticas.

Assim, nas zonas de baixas latitudes, onde se tem elevada concentrao de energia solar, o forte aquecimento conduz expanso do ar, caracterizando uma zona de baixas presses.

Na zona fria das altas latitudes, o dficit de energia possibilita a gerao de reas de altas presses.

Por ser gasoso, o ar obedece s leis da dinmica dos fluidos, de tal forma que, considerando-se duas reas contguas com distintas presses, o ar mais denso ir fluir em direo rea de menor presso, at que se estabelea um equilbrio baromtrico entre elas.

Ao processo de deslocamento do ar de uma rea de alta presso para outra de baixa presso, d-se o nome de adveco, que tem como resultado a gerao de vento.

A velocidade do vento ser controlada pelo gradiente de presso estabelecido entre duas reas, dado pela diferena da presso do ar entre duas superfcies contguas, de tal forma que quanto maior for o gradiente, mais veloz ser o vento.

Ventos:A rugosidade do solo um fator redutor da velocidade dos ventos em superfcie, uma vez que desempenha um efeito de frico sobre os ventos.

Assim, os oceanos favorecem a formao de ventos velozes, enquanto os continentes , devido heterogeneidade da cobertura de suas superfcies ( vegetao, presena de cidades) e s suas caractersticas geomorfolgicas, tendem a reduzi-la.

Velocidade de Vento (m/s) O vento, ar em movimento na horizontal, um elemento que influencia nas dinmicas da temperatura, da a necessidade de estud-lo em clima e poder medir sua fora e compreender sua dinmica.

A Escala de Beufort possibilita atravs da observao do pesquisador estimar a fora dos ventos. Essa escala surgiu atravs do Contra-Almirante britnico Francis Beaufort, que em 1806 descreveu em seu dirio, pela primeira vez, a escala que leva seu nome para estimar a velocidade do vento. No entanto, a escala Beaufort foi oficialmente utilizada, pela primeira vez, em 1831, a bordo do HMS Beagle, na famosa expedio em que Charles Darwin participou. Direo de Vento - Segundo Ayoade (1996:54) os ventos predominantes e as correntes ocenicas tambm influenciam as temperaturas de ar, porque podem transportar ou transmitir por adveco o calor ou o frio de uma rea para outra, dependendo das caractersticas trmicas junto s reas que influenciam, faz-se necessrio conhecimento sobre a direo do vento.

Referncias Bibliogrficas:AYOADE, J.O. Introduo Climatologia para os Trpicos. Rio de Janeiro, Editora Bertrand Brasil, 1996.FERREIRA, A.G. Metereorologia Prtica. So Paulo, Oficina dos Textos, 2006.MENDONA, F. A.; DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia: noes bsicas e climas do Brasil. So Paulo, Oficina de Textos, 2007.

Recommended

View more >