As Lentes do Discurso: letramento e criticidade no mundo digital

  • Published on
    23-Jun-2015

  • View
    188

  • Download
    3

Transcript

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 Trab. Ling. Aplic., Campinas, 46(1): 19-29, Jan./Jun. 2007

AS LENTES DO DISCURSO: LETRAMENTO E CRITICIDADE NO MUNDO DIGITAL1 CLARISSA MENEZES JORDO UFPR

RESUMO Este texto tem como principal objetivo trabalhar a concepo de lngua como discurso e seu impacto na educao no mundo contemporneo, caracterizado por uma classe mdia em processo de globalizao e digitalizao. Para isto, o texto parte da viso ps-estruturalista de discurso para discutir a abordagem educacional do letramento crtico, concebida como partidria desta concepo de lngua. Alm disso, o texto aborda algumas das implicaes do letramento crtico para o papel social das lnguas estrangeiras no mundo, enfocado aqui sob o prisma do que pode ser entendido como transculturalidade virtual. Palavras-chave: letramento crtico; cidadania; lnguas estrangeiras. ABSTRACT This text presents language as discourse and some of the implications of such view to education in the contemporary world. The analysis of the contemporary world made here starts from its characterization as the locus of a middle class in a process of globalization and digitalization, and focuses on a poststructuralist view of discourse as the basis for critical literacy. From such basis, then, the text proceeds to a discussion of the implications of critical literacy to the social role attributed to foreign languages in the world today, seen mainly from the perspective of a so-called virtual transculturality. Key-words: critical literacy; citizenship; foreign languages.

INTRODUO A conceituao de lngua tem sofrido alteraes documentadas desde que a lingstica virou cincia, no incio do sculo XIX. No sculo XX, porm, com a conhecida virada lingstica, a lngua se viu no centro das atenes dos pesquisadores, principalmente nas cincias humanas, mas tambm nas biolgicas e nas exatas, j que de simples cdigo para a transmisso e captao de mensagens, a lngua passou a ser entendida como espao de construo de sentidos e como tal, merecedora de atenes especiais, no restritas ao universo da lingstica. Com o ps-estruturalismo, em meados do sculo XX, a palavra discurso passou a integrar a cena, acrescentando um elemento complicador s j variadas maneiras de entender1 Agradeo imensamente a Laura Amato e Regina Halu pela leitura cuidadosa e pelos comentrios valiosos que fizeram a verses anteriores deste texto.

19

JORDO - As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital o funcionamento da lngua. Ora entendida como cdigo estruturador do pensamento, ora como sistema interpretativo do mundo, a lngua passou a ser concebida por alguns psestruturalistas (como Foucault e Derrida, por exemplo) como discurso, como sistema de construo de sentidos, ao invs de cdigo transmissor de sentidos exteriores a ela. Isso significa dizer que a percepo no apenas da lngua, mas da realidade e de nossa relao com o mundo so diferentes na viso de lngua como discurso e de lngua como cdigo. A maneira como entendemos o mundo influencia nossas concepes educacionais e, evidentemente, condiciona determinadas perspectivas diante do papel das lnguas na formao das pessoas. Mas no s isso: o mundo contemporneo, com uma classe mdia produtiva e globalizada, coloca a interculturalidade e o ensino/aprendizagem de lnguas num espao diferenciado: comunicar-se neste mundo global passa pelo uso de uma lngua, estrangeira ou no, e pela conscincia da prpria cultura e da cultura do outro. As lnguas, especialmente as estrangeiras, adquirem um capital cultural novo, transformadas como esto em commodities, em objetos de compra e venda, em elementos de ascenso social e econmica. Pensemos no mito to conhecido que paira sobre a lngua inglesa, por exemplo, e que para muitos justifica por si s a incluso desta lngua na grade curricular da educao bsica: o de que o domnio da lngua inglesa implica em melhores oportunidades de emprego. Ou ento analisemos como as polticas pblicas de incluso de uma ou outra lngua estrangeira na grade curricular das escolas esto sujeitas s intenes polticas e econmicas do governo de uma nao: basta refletir sobre a recente determinao do MEC quanto obrigatoriedade da oferta de lngua espanhola nas escolas brasileiras, com a clara inteno de fortalecer o moribundo projeto econmico do MERCOSUL. Objetivando esclarecer melhor o desenvolvimento da concepo de lngua como discurso e seu impacto na educao, num mundo como o nosso, de classe mdia marcadamente globalizanda e digitalizanda (porque em processo de, uma vez que populaes inteiras ainda vivem isoladas em regies remotas e sem acesso direto ao mundo digital), este texto partir da concepo de lngua como discurso num vis ps-estruturalista para discutir a abordagem educacional do letramento crtico como partidria desta concepo de lngua, bem como algumas de suas implicaes para o papel social das lnguas estrangeiras no mundo contemporneo, mundo enfocado aqui sob o prisma da transculturalidade virtual.

1. LNGUA COMO DISCURSO: QUE DIFERENA FAZ? Entender o mundo como um conjunto de discursos faz muita diferena na maneira como nos comportamos diante do conhecimento, ou do poder/saber. Tal entendimento nos leva a perceber que as culturas, em suas perspectivas institucionalizadas e hegemnicas, conferem capital diferenciado a determinados valores, aes, produtos; que esse capital cultural atribudo e no intrnseco a eles. Portanto, nossos conhecimentos, atitudes, comportamentos no so hierarquizados por terem em si uma essncia que os determinaria como superiores ou inferiores; a hierarquizao de nossos valores e conhecimentos acontece

20

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 culturalmente e no est determinada por qualidades inerentes aos sujeitos e objetos, mas sim por caractersticas a eles conferidas pela sociedade. Com a noo de discurso vem tambm a noo de que no existem posies mais prximas ou mais distantes de uma suposta verdade, de uma suposta realidade exterior aos sujeitos que a constroem: nessa perspectiva, a cincia e a academia produzem sentidos sempre parciais e incompletos, porque localizados, ideologicamente marcados e sempre passveis de mudana. Assim, a sociedade, com suas perspectivas e suas instituies, que atribui valores especficos a conhecimentos especficos. Em suma, pensar no mundo discursivo pensar em valores atribudos, contingentes, em efeitos de sentido relativos2, de acordo com a cena social (e, claro, cultural) em que so percebidos. Discursos, ento, so sries de acontecimentos que operam no interior do mecanismo geral do poder (Foucault, 2006, p. 254) e esto sujeitos s prticas sociais, ao mesmo tempo em que as sujeitam. Constroem sentidos e so construdos por eles. A lngua, uma dessas sries de acontecimentos, portanto um espao de construo de sentidos. Nela lidamos o tempo todo com pressupostos sobre uma realidade que nunca conhecemos integralmente, mas que permanentemente construda em nossa relao discursiva uns com os outros. Nossa crena de que a verdade dada pelo grau de proximidade que ela estabelece com uma suposta realidade exterior, fixa e objetiva, descartada nesta concepo de discurso. Aqui, a realidade no pode ser separada das subjetividades que a formam: no existe, nesta concepo, a possibilidade de acesso a uma realidade objetiva, neutra, independente das subjetividades que a constituem. As pessoas tm experincias de uma realidade sempre construda cultural e socialmente, construo que se d em processo e est sempre localizada, sempre imersa em relaes de poder. Como interpretaes, elas no podem ser julgadas conforme estejam supostamente em maior ou menor grau de distncia em relao a uma determinada realidade externa objetiva: a verdade no dada, no est fixa na realidade, na concretude das coisas, ou seja, no tem existncia independente de quem pensa sobre ela ou a experimenta. Nossas verdades so interpretaes que construmos da realidade, e tero maior ou menor legitimidade cultural se estiverem sendo construdas a partir de procedimentos interpretativos culturalmente mais ou menos aceitos como reveladores de verdades (Maturana, 2001). A linguagem constri as realidades/verdades que conhecemos: ela nos possibilita interpretar as realidades que percebemos no mundo e assim elaborar nossas verdades sobre ele. Tanto a linguagem quanto a realidade/verdade so sempre ideolgicas e localizadas, determinadas pelas perspectivas dos sujeitos que as constroem e delas fazem uso em procedimentos culturalmente estabelecidos. Desse modo, impossvel conceber2 importante lembrar aqui que referncias relatividadepodem ser entendidas de formas bem diferentes entre si. Este texto pressupe um entendimento de relativo como referente a pontos de vista especficos, mantendo a noo de que o relativo est tambm sujeito s relaes de poder de que nos fala Foucault, e portanto entendido como fundamentalmente diferente da percepo que prefiro chamar de relativismo, entendida, essa sim, como um jogo onde tudo vale, como uma abstrao na qual o poder seria apagado e todas as coisas teriam, supostamente, o mesmo valor, isentas de sua existncia concreta no mundo social, no mundo do poder.

21

JORDO - As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital espaos de neutralidade: nossos valores, nossas perspectivas, nossos ideais so estabelecidos conforme as lentes de que nos utilizamos para perceber o mundo. Tais lentes, mesmo que mutveis, so usadas permanentemente: so elas que nos possibilitam entender o mundo, ao mesmo tempo em que nos limitam nessa percepo. Somos seres discursivos, sempre ideologicamente marcados, sempre localizados, e os entendimentos que construmos, sejamos ns cientistas ou gente simples do povo, so sempre tingidos por ideologias, por perspectivas relacionadas a quem somos, onde estamos e para onde queremos e nos achamos capazes de ir. A lngua, pensada assim como discurso, um sistema de construo de sentidos, desenvolvido culturalmente e adquirido socialmente em relaes de confronto e poder.

2. LETRAMENTO O CRTICO FUNDAMENTAL Muito se tem falado sobre cidadania, esprito crtico, participao ativa na sociedade, no mais das vezes como se tais conceitos fossem pressupostos comuns a todos, e representassem o desejo da coletividade tanto e de tal modo que eles acabaram na boca de todos, apresentados por muitos como sendo necessariamente o que se deve desejar para toda a populao. Vida cidad tornou-se expresso corriqueira em textos sobre educao, e escola foi dada a funo de transformar os alunos em cidados crticos e participativos, engajados na vida de suas comunidades. Como se antes da escola, ou sem passar por ela, as pessoas no fossem cidads, no tivessem direitos ou deveres sociais. Mas a questo da cidadania ser tratada mais adiante, na seo 4. Neste momento, gostaria de enfocar especificamente a noo de ser crtico na perspectiva do letramento crtico, que considero diferente daquela de algumas correntes marxistas. Para esta ltima, criticidade significava conscincia da opresso sofrida por muitos, impetrada por poucos, mas passvel de resistncia, em movimentos de oposio e luta que, se bem estruturados, levariam igualdade entre as pessoas; significava que os cidados deveriam ser formados para que fossem capazes de lutar contra a hegemonia das minorias e buscar relaes de justia e igualdade entre as pessoas, uma vez que o poder era visto como essencialmente pernicioso. O pensamento de Foucault, entretanto, traz uma noo produtiva de poder, da qual as concepes de letramento crtico se beneficiam, sob a perspectiva de que as relaes de poder geram resistncias potencialmente positivas, que produzem conhecimento nas relaes que estabelecem ou modificam entre diferentes formas de conhecimento. Nestas relaes atuam os sujeitos crticos, que so capazes de examinar os pressupostos e as implicaes das diferentes formas de pensar e agir. A noo de que todo conhecimento, toda ao e todo sujeito so localizados (Bhabha, 1994), ou seja, de que eles pressupem realidades construdas culturalmente nas relaes que estabelecem entre diferentes vises de mundo, implica em uma concepo de criticidade especfica, distinta, por exemplo, daquela preconizada pela pedagogia crtica (Jordo, 2004). Na perspectiva ps-estruturalista, que considera os diferentes caminhos tomados na valorao dos conhecimentos e dos sujeitos, 22

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 nos julgamentos emitidos sobre a qualidade das aes e dos valores que as direcionam, existe a percepo de que qualquer conhecimento e qualquer ao esto sempre marcados por pressupostos culturais, ideolgicos e morais que tm valorao diferente, socialmente atribuda por diferentes comunidades. Conforme o prestgio de uma comunidade em relao outra, tanto mais ou menos legitimidade tero os procedimentos interpretativos e os conhecimentos que deles derivam e que ela avaliza. Desse modo, o valor dos conhecimentos e dos sujeitos est nas relaes que as sociedades atribuem a eles e aos procedimentos adotados para constru-los, e no em uma suposta essncia que eles teriam em comum e que lhes conferiria valor intrnseco universal. Nesta concepo, a hierarquizao existe, assim como existem valores, mas eles no so uma conseqncia de caractersticas internas ou essenciais das idias ou dos sujeitos: a hierarquizao e os julgamentos de valor que fazemos so conseqncia de formas de entendimento adquiridas culturalmente e atribudas aos objetos que construmos. Os valores no se encontram portanto na essencialidade, naquilo mesmo que supostamente caracterizaria um sujeito, um objeto, uma idia, uma ao, mas sim nos entendimentos que deles construmos. Tal perspectiva se faz em meio a um mundo em que as formas de aprender so caractersticas de uma contemporaneidade que pressupe rapidez de resultados, interconexo entre saberes e aes; um mundo repleto de estmulos novos, variados e freqentes, onde o contato com as diferenas entre culturas propicia o surgimento constante de novas maneiras de conhecer. Comeam a se popularizar as teorias da complexidade do pensamento, especialmente na obra de Edgar Morin, e elas influenciam enormemente a educao. Comease a discutir conceitos como a no-linearidade do pensamento e da aprendizagem (Demo, 2002), a inseparabilidade entre a realidade e o observador (Maturana, 2001), a sustentabilidade da educao (Sterling, 2001). Tanta informao e rapidez fazem com que tenhamos contato muito mais imediato com outras partes do mundo, com outras formas de pensar e fazer que constantemente interagem com nossos pensares e agires particulares. O local e o global se afetam mutuamente, e as antigas certezas ficam permanentemente abaladas pelas constantes mudanas nos rumos das sociedades e das cincias. Essa instabilidade possibilitada pela intercomunicao rpida entre diferentes culturas (intra e inter-nacionais) pode exercer um efeito bastante produtivo se entendermos a positividade dos confrontos entre perspectivas e percebermos a aprendizagem como um embate constante entre diferentes vises de mundo. Este um mundo desordenado, repleto de imprevistos, que exige de ns uma improvisao constante, mas os modelos mentais que prevalecem para conferir sentidos a este mundo ainda tentam imprimir ordem ao caos, iluminar a escurido da imprevisibilidade, conferir razo ao que no faz sentido lgico. Para entender melhor o caos, a complexidade e a desordem, precisamos urgentemente de novos procedimentos interpretativos, pois para que possamos pensar uma reforma preciso que tenhamos j reformado o pensamento (Morin, 2004). A educao pode construir tais procedimentos, buscando a positividade do caos, a produtividade das relaes de poder, preparando os cidados para a agncia efetivamente 23

JORDO - As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital engajada e crtica, para um ser no mundo que nos permita perceber a localizao de nossas perspectivas e as implicaes de nossas atitudes. A escola pode ensinar as pessoas a reconhecerem que aquele que fala, fala sempre de algum lugar, para outros que se posicionam em lugares tambm especficos. E que o falar e o agir, portanto, sendo localizados, vm de determinadas perspectivas ideolgicas, culturais, coletivamente construdas, e tm sempre implicaes nas construes identitrias daqueles que com eles interagem. O reconhecimento da multimodalidade que nos cerca, acompanhado do trabalho escolar com a variedade de formas de comunicao utilizadas pelas sociedades hoje e seu inter-relacionamento, um campo bastante rico para se tomar conscincia desta mirade de maneiras de construir sentidos de que dispomos no mundo contemporneo. O letramento, conceito mais abrangente do que alfabetizao e capaz de englobar a variedade de linguagens do mundo atual, chama nossa ateno para diferentes formas de construo e compartilhamento de sentidos possveis. Tais formas, que representam procedimentos interpretativos especficos, no podem prescindir de um trabalho escolar crtico, sem o qual podem ter os mesmos efeitos limitados e limitadores que a educao vem oportunizando historicamente. O letramento crtico, ento, apresenta-se como uma alternativa para ressaltar aos nossos olhos a multiplicidade de maneiras de construir sentidos e entender o mundo, as relaes de poder que se estabelecem entre elas, a produtividade dos confrontos decorrentes de tais relaes, e a necessidade de especular sobre o que possibilita a existncia de cada uma das perspectivas, bem como quais podem ser suas conseqncias no mundo. Abordar a aprendizagem por tal vis significa pensar no mundo multimodalmente, ou seja, considerar a diversidade de maneira crtica, percebendo nela a potencialidade construtiva e destrutiva dos confrontos entre diferentes vises de mundo.

3. DISCURSO, LETRAMENTO CRTICO, TRANSCULTURALIDADE VIRTUAL Diante disso tudo, fica fcil entender a afirmao de que a cultura tambm est longe de ser um sistema estruturado e fixo de valores ou formas de comportamento: ela um processo dinmico de produo de sentidos possveis, aceitveis, legtimos, mantido e reforado tanto por coletividades (instituies sociais como a famlia, a religio, a escola) quanto por indivduos. a partir de tal perspectiva que a noo de lngua tem sido substituda pela de discurso: ao invs de um cdigo que faz a intermediao entre o sujeito e o mundo, a lngua passa a ser entendida como uma srie de procedimentos interpretativos que constroem os sentidos do mundo, ou melhor, que constroem os nossos mundos. No sculo XXI, esses mundos so cada vez mais influenciados e tornados possveis pela virtualidade, que contribui para determinar os sentidos que podemos construir. O mundo digital afeta nossos procedimentos interpretativos, mesmo quando no fazemos contato direto com computadores, com a internet, com o mundo virtual, porque as formas de comunicao possveis so expandidas e o processo comunicativo em geral se reconfigura a partir das possibilidades que a virtualidade e a simultaneidade apresentam. Alm disso, 24

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 num certo sentido, todos os mundos podem ser percebidos como virtuais, uma vez que concebemos a realidade como sendo construda por ns cultural e coletivamente: se assim for, ento as construes de sentido que chamamos de realidade so na verdade mundos virtuais, que apenas parecem exteriores a ns, objetivos, fixos, independentes de quem os observa, mas que so construdos por nossas leituras de mundo, por nossas ideologias, nossos valores, nossas culturas. Neste mundo assim concebido, as relaes interculturais so negociaes de sentidos possveis, resultados de embates ideolgicos entre culturas heterogneas e mveis, hierarquicamente avaliadas por diferentes sociedades, por diferentes comunidades interpretativas (Fish, 1995). Tais comunidades entram em contato no apenas com base nas experincias vividas no contato pessoal entre alguns de seus representantes, mas tambm no mundo digital, que virtualmente se apresenta em identidades mveis e multi-facetadas, numa arena virtual de conflitos em analogia metfora usada por Bakhtin para definir sua concepo de lngua (Bakhtin, 1988). Esta arena se estabelece virtualmente com a ampla possibilidade de acesso imediato a diferentes leituras de mundo, a diferentes construes de identidades, inclusive as que acontecem dentro de uma mesma nao. Em outras palavras, no mundo virtual da internet, por exemplo, temos acesso simultneo a vrias comunidades interpretativas, a inmeras leituras, a infindveis lentes que interagem com nossas maneiras particulares de ver o mundo, e que o fazem a partir de procedimentos interpretativos diferenciados. A linguagem verbal, especialmente a escrita, j no mais o nico nem o principal meio disponvel para construirmos sentidos vlidos: podemos lanar mo de mltiplos recursos, que incluem a linguagem escrita, mas no se limitam a ela a linguagem visual e a auditiva, por exemplo, assim como a interatividade do hipertexto e a multimodalidade de websites abrem uma gama enorme de procedimentos interpretativos que influenciam nossas maneiras de construir sentidos, mesmo junto s camadas da populao global que ainda vivem supostamente margem das sociedades digitais em vrios pases. Com isso quero dizer que a virtualidade (que no o contrrio de realidade, mas sim uma forma especfica de construir realidades possveis) afeta nossos modos de fazer sentidos, nossas maneiras de interpretar o mundo influenciando a comunicao como um todo, e no apenas as formas de comunicao que acontecem explicitamente em recursos informatizados. Diante disso, nossa maneira de entender o outro e se relacionar com ele tambm se altera, bem como se altera nossa concepo de ns mesmos, nossas identidades possveis e as maneiras de constru-las e percebe-las. As formas de construo de sentidos (e de identidades) circulam agora por caminhos intensamente mais variados e simultneos, por gneros discursivos mltiplos que se entrecruzam e modificam uns aos outros. O corpo fsico no mais um limite embora as tecnologias de controle do corpo continuem ditando comportamentos (Foucault, 2006): nossas identidades virtuais podem ser descorporificadas, e a possibilidade de contato com o outro est literalmente ao alcance das mos num teclado. O imediatismo e a simultaneidade so caractersticas das trocas interculturais virtuais, que acontecem tanto por escrito quanto oralmente, em processos que transformam a linguagem verbal e no verbal, assim como os usos que se fazem dela. 25

JORDO - As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital Transformam tambm as maneiras de perceber outras culturas, permitindo a construo de uma noo de transculturalidade que se relaciona com a impossibilidade de identificar culturas fixas ou homogneas, delimitadas por fronteiras geogrficas; na noo de transculturalidade no h uma preocupao em traar limites entre culturas, muito menos em distinguir grupos culturais entre si. A interculturalidade pode ser definida como um espao de entrecruzamentos de formaes discursivas, um lcus no qual diferentes culturas se integram e se distinguem simultaneamente, abandonando a linearidade da lgica tradicional e entrando no domnio do caos e da complexidade. Nesse contexto, os pilares da linearidade so desafiados: a ordem e a regularidade, a separabilidade de organismos em unidades discretas e a evidncia fornecida pela racionalidade esto sendo desintegrados pela percepo do jogo dialgico, das qualidades emergenciais dos sistemas, da necessidade de religao dos saberes, dos limites da lgica racional (Morin, 2002). A constatao que a comunicao virtual permite de queo desafio da complexidade se intensifica no mundo contemporneo j que nos encontramos numa poca de mundializao, que prefiro chamar de era planetria. Isto significa que todos os problemas fundamentais que se colocam num contexto francs ou europeu o ultrapassam, pois decorrem cada um a seu modo, dos processos mundiais. Os problemas mundiais agem sobre os processos locais que retroagem por sua vez sobre os processos mundiais. Responder a esse desafio contextualizando-o em escala mundial, quer dizer globalizando-o, tornou-se algo absolutamente essencial, apesar de sua extrema dificuldade. (Morin, 2002, p. 62)

Isso equivale a dizer que o mundo hoje exige um pensamento complexo, articulador e multidimensional, capaz de criar-se e recriar-se durante o prprio caminho (Morin, Motta & Ciurana, 2003, p. 59), reconhecendo a incompletude e a incerteza do pensamento. Essas so tambm as caractersticas do mundo virtual, especialmente da comunicao pela internet: o hipertexto, a wikipdia, os blogs; a interao virtual, em todo seu esplendor, demanda um pensamento no-linear, uma percepo do inacabamento de um processo sempre processual e permanentemente interativo, enfim, um pensamento complexo.

4. E AS LNGUAS ESTRANGEIRAS, CIDADO? VO BEM, OBRIGADA Nessa dimenso planetria, em meio aos estudos ps-coloniais, a necessidade de reviso de conceitos passa tambm pela noo de cidadania, que precisa ser pensada agora a partir de outros aspectos alm da tradicional insero no mercado de trabalho, no mundo produtivo das relaes do capital. O primeiro aspecto que nos permite redefinir a noo de cidadania est relacionado concepo de transculturalidade, j abordada na seo anterior deste texto. Trata-se da subjetividade e do conhecimento sendo concebidos como resultado transitrio do entrecruzamento de formaes discursivas, sem limites de fronteiras geogrficas ou polticas, seguindo determinaes culturais que atravessam as fronteiras convencionais entre os pases e permitem a formao de comunidades interpretativas transnacionais, transdisciplinares, ontologicamente fluidas e inconstantes. 26

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 Uma outra dimenso da cidadania planetria a noo de naes como comunidades imaginadas, estabelecidas culturalmente e no geograficamente. Isso significa dizer que aprendemos, em nossas culturas, que as divises polticas entre os pases implicariam em diferenas culturais marcantes que delimitariam as identidades daqueles que vivem nas fronteiras convencionadas; nossas culturas nos ensinam que, uma vez estando dentro de determinado permetro geogrfico, deveramos necessariamente nos identificar uns com os outros, formar nossas identidades coletivamente dentro destes permetros. Tais crenas se mantm mesmo aps percebermos que nossas identidades no se constroem de maneira to previsvel ou homognea, e que elas no esto limitadas a fronteiras geopolticas. Aceitamos com certa facilidade que nossa identidade pessoal se diferencie da identidade nacional em alguns aspectos, mas em geral buscamos explicaes para justificar as razes que levam um indivduo nascido no Brasil a no gostar, por exemplo, de futebol ou Carnaval. A identidade pessoal, conforme a percebemos em ns mesmos, pode no corresponder ao esteretipo, mas a identidade coletiva parece ainda levantar suspeitas e permitir explicaes tnicas e/ou experienciais quando foge dele. Essa dificuldade em aceitar identidades globais em detrimento de identidades nacionais estereotipadas, por exemplo, evidencia como nossas construes identitrias so fortemente influenciadas pelos sentidos legitimados cultural, ideolgica, social e localmente. As necessidades de reconhecermos que as presses culturais ainda so foras bastante determinantes de nossas identidades, e de que precisamos desaprender esses limites impostos culturalmente a nossos procedimentos identitrios esto hoje intensificadas pela virtualidade da comunicao no mundo contemporneo. O contato quase imediato entre pessoas de diferentes partes do planeta facilita a percepo de que existem identidades transnacionais e procedimentos interpretativos comuns a pessoas diferentes em naes diferentes; as conhecidas comunidades interpretativas so mais facilmente reconhecidas no mundo contemporneo. Mas mesmo assim a arbitrariedade das fronteiras culturais/ polticas ainda apenas superficialmente percebida: basta observar como certos governos tentam justificar uma declarao de guerra ou a imposio de sanes a determinados pases alegando supostos rompimentos diante de uma pretensa universalidade de direitos e deveres que determinaria pensamentos, objetivos e culturas desejveis. Esta universalidade, que pode ser entendida como a projeo de anseios particulares disfarados de vontades globais, mascara a violncia da imposio do pensamento local como vontade de todos e serve como justificativa para o desejo de homogeneizao e submisso das culturas. Uma terceira dimenso do conceito de cidadania passa pela noo de terceiro espao, tambm oriunda das discusses ps-coloniais sobre identidade, especialmente relacionadas ao pensamento de Homi Bhabha. Para ele, as identidades das ex-colnias sofrem um processo de hibridizao e passam a constituir um espao identitrio que no nem o espao da colnia, nem o da metrpole, mas um terceiro espao que, por sua vez, tambm no uma simples combinao entre o primeiro e o segundo, mas se caracteriza por um espao de confronto entre eles, um espao de crise e construes provisrias, que talvez possa ser aproximado da arena de conflitos a que se referiu Bakhtin quando falava sobre construo 27

JORDO - As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital de sentidos. As subjetividades traduzidas que habitam esse espao existem em constante processo de traduo, num espao entre culturas, constituindo uma terceira cultura hbrida, fluida, que se faz e refaz constantemente; essas subjetividades ocupam portanto um lugar entre, que no nem uma coisa, nem seu oposto, nem uma terceira independente das outras duas, mas que se move entre elas historicamente como camuflagem, como agncia contestadora, antagonstica (Spivak, 1994, p. 193). Finalmente, existe ainda uma quarta dimenso na noo de cidadania: sua relao com a lngua, entendida como discurso, como espao de construo de sentidos. E especialmente sua relao com as lnguas estrangeiras. Se entendemos que a lngua constri sentidos, ento uma lngua estrangeira se apresenta como um espao de construo de sentidos outros, que ampliam e alteram os processos de construo de sentidos da primeira lngua. Uma vez que os sentidos se constroem na lngua, com a lngua e pela lngua (assim como a democracia!), ento aprender lnguas aprender procedimentos interpretativos. E aprender procedimentos interpretativos criticamente aprender a exercer a cidadania construir sentidos dentro da conscincia das relaes de poder em seus aspectos positivos e negativos; estar em processo de letramento crtico, sendo capaz de elaborar entendimentos sobre o que possibilita a construo de certos pontos de vista e suas implicaes para a vida do e no planeta. Aprender e ensinar uma lngua estrangeira, portanto, aparece nessa perspectiva como elemento extremamente importante na formao dos cidados. na lngua que as pessoas se inserem nas relaes polticas locais e mundiais, e nela tambm que so promovidos nossos entendimentos dos outros e de ns mesmos, bem como do que h ou no h de ns em outros e de outros em ns. na lngua, particularmente na lngua estrangeira, que nos deparamos mais abertamente com nossa alteridade, que encontramos e confrontamos o diferente, que podemos ampliar significativamente nossa percepo das formaes discursivas que nos permeiam, e a partir do confronto promovido entre elas, construir sempre novos procedimentos interpretativos. A est a relao entre os vrios aspectos abordados neste texto e anunciados na introduo: todos passam pelo conceito ps-estruturalista de lngua como discurso, que pressupe nossas identidades, assim como os conhecimentos que produzimos, sempre inacabados, sempre em processo de construo dialgica. Essa perspectiva percebe que identidades e conhecimentos se apresentam multifacetados, e se constroem em modalidades discursivas variadas; que essas modalidades precisam ser entendidas e confrontadas criticamente, examinadas em seus pressupostos e implicaes; que uma das maneiras mais efetivas para tal confronto pode ser o engajamento constante com a transculturalidade, ou seja, com perspectivas diferentes, ideolgica e culturalmente construdas; e que nosso confrontar constante dessas perspectivas acontece de modo especial ao aprendermos lnguas, estrangeiras ou no, uma vez que precisamos ser poliglotas no mundo planetrio, tanto em nossa prpria lngua, como afirmou o fillogo Evanildo Bechara (2001), quanto em outras lnguas, a fim de que possamos construir sentidos poliglotalmente na multimodalidade que caracteriza os mundos presenciais, concebidos todos como de certo modo virtuais. 28

Trab.Ling.Aplic., Campinas, 46(1) - Jan./Jun. 2007 REFERNCIAS BIBLIOGRFICASBAKHTIN, M. (1988). Marxismo e Filosofia da Linguagem. So Paulo: Hucitec. _______. (1992). Esttica da Criao Verbal. So Paulo: Martins Fontes. BECHARA, E. (2001). Norma Culta e Democratizao do Ensino. Palestra proferida em 4 de julho, na Academia Brasileira de Letras, disponvel em http://www.novomilenio.inf.br/idioma/ 20000704.htm.Acesso em 13 de maro de 2007. BHABHA, H. (1994). The Location of Culture. Londres: Routledge. CELANI, M.A. (2004). Culturas de Aprendizagem: Risco, Incerteza e Educao. In: MAGALHES, M.C. (org.) A Formao do Professor como um Profissional Crtico. Coleo Linguagem e reflexo. Campinas, SP: Mercado de Letras, p.37-56. DEMO, P. (2002). Complexidade e Aprendizagem: a dinmica no-linear do conhecimento. So Paulo: Atlas. FISH, S. (1995). Is There a Text in This Class? The Authority of Interpretive Communities. Cambridge: Harvard University Press JORDO, C. M. (2005). Agir brandindo a espada e fomentando o caos? A educao em tempos psmodernos. In: GIMENEZ, T., et al (orgs.). Perspectivas Educacionais e o Ensino de Ingls na Escola Pblica. Pelotas: Educat. _______. (2006). O Ensino de Lnguas Estrangeiras: de cdigo a discurso. IN: VAZ BONI, Valria. Tendncias Contemporneas no Ensino de Lnguas. Unio da Vitria: Kaygangue. _______. (2004). Thinking Critically of Critical Thinking: critical pedagogies revisited. Situation Analysis. Nottingham, v. 4, p. 21-30. MATURANA, H. (2001). Cognio, Cincia e Vida Cotidiana. Belo Horizonte: UFMG. MORIN, E. (2002). Educao e Complexidade: os sete saberes e outros ensaios. So Paulo: Cortez. MORIN, E. MOTTA, R. & CIURANA, E.R. (2003). Educar para a Era Planetria. Lisboa: Instituto Piaget. FOUCAULT, M. (2006). Ditos e Escritos. Vol IV Estratgia, Poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitria. SPIVAK, G. C. (1994). Marginality in the Teaching Machine. In: SPIVAK, G.C. Outside in the Teaching Machine. New York: Routledge. STERLING, S. (2001). Sustainable Education: revisioning learning and change. Green Books: Bristol.

29

Recommended

View more >