Artigo - Pesquisa Qualitativa em Administracao Scielo.pdf

  • Published on
    04-Jan-2016

  • View
    69

  • Download
    0

Transcript

  • RAC, v. 9, n. 2, Abr./Jun. 2005: 203-206 203

    Resenhas Bibliogrficas

    PESQUISA QUALITATIVA EM ADMINISTRAO.Marcelo Milano Falco Vieira e Deborah Moraes Zouain (Orgs.). Rio de Janeiro:Editora FGV, 2004. 224 p. ISBN 85-225-0472-5.

    por Claudiani Waiandt (PPGAdm/UFES)

    O livro Pesquisa Qualitativa em Administrao contribui para oaperfeioamento da metodologia da pesquisa, abordando questes tericas eepistemolgicas e apresentando diferentes aplicaes da pesquisa qualitativa nosestudos em organizaes. Em busca desse objetivo, os organizadores dividiram aobra em duas partes: a primeira apresenta uma ampla teoria para compreendera pesquisa qualitativa em administrao. A segunda prope diferentes aplicaesdessa abordagem no campo dos estudos organizacionais.

    A primeira parte do livro contempla cinco captulos de diferentes autores quese preocupam com o aperfeioamento da pesquisa qualitativa, refletindo sobre adicotomia objetividade versus subjetividade; apontando uma aplicao atual dosseus tipos ideais weberianos; propondo uma leitura distinta de Marx, Bourdieu eDeleuze e ressaltando o mtodo de carter fenomenolgico para aplicao naspesquisas em cincias da gesto.

    No primeiro captulo, Vieira defende que a utilizao de mltiplos mtodos depesquisa e investigao na anlise dos fenmenos administrativos e organizacionaispode abrir novos horizontes para a sua compreenso, tentando assim dissolver adicotomia entre pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa. A primeira parteexplica os dois tipos de metanarrativas no campo da metodologia: a qualitativae a quantitativa, ressaltando que por vezes difcil classificar um mtodo comoqualitativo ou quantitativo, uma vez que informaes qualitativas podem sercontadas e informaes quantitativas podem ser interpretadas (VIEIRA, 2004,p. 15). Deste modo, o ideal que os diferentes problemas sejam investigados, deuma maneira complementar, a partir de vises tanto qualitativas como quantitativas.A segunda parte descreve algumas caractersticas da pesquisa qualitativa,caractersticas essas geralmente criticadas por pesquisadores que assumemuma posio dogmtica em favor da pesquisa quantitativa, criando e sustentando,assim, uma falsa dicotomia.

  • 204 RAC, v. 9, n. 2, Abr./Jun. 2005

    No captulo seguinte, Peci proporciona uma reflexo acerca da limitadaclassificao objetividade-subjetividade dos estudos organizacionais e apresentatrs possibilidades que superam as fronteiras disciplinares e metodolgicas impostaspor tal (pr)suposio. A autora analisa as contribuies de Michel Foucault e deBruno Latour, argumentando que esses autores operam, implcita ou explicitamente,a partir da premissa de rejeio da classificao objetividade-subjetividade. A autorafinaliza considerando que a principal questo refere-se superao de fronteirasdisciplinares mantendo em suspense as organizaes sem consider-las comoprodutos dados e acabados e metodolgicas o esforo deste tipo de pesquisapode inserir-se na tentativa de superao do monismo metodolgico e abrir espaopara inovao e ousadia em termos de fontes e instrumentos de coleta de dados,assim como de sua apresentao (PECI, 2004, p. 30).

    Alves retoma no terceiro captulo a discusso sobre o conceito de tipo ideal,aspecto bsico da doutrina epistemolgica de Max Weber, e a sua importnciapara os estudos na rea de administrao, em geral, e de organizacionais, emparticular. O autor observa que a concepo de tipo ideal refere-se a umaconstruo parcial da realidade em que o pesquisador seleciona um certo nmerode caractersticas, ressalta elementos observados e constri um todo inteligvelentre vrios outros possveis (ALVES, 2004, p. 52). Assim, Alves debate sobreos tipos de ao social e as formas de dominao legtimas sob a perspectivaweberiana e, em seguida, apresenta uma aplicao da abordagem dos tipos ideaisa partir de uma breve descrio do modelo multidimensional de Alves (2002),cuja configurao bsica a organizao empresarial do tipo equiparativo-adaptadora que tem como componentes estruturais a liderana com traoscarismticos mitigados, o patriarcado renovador e a burocracia flexvel.

    No quarto captulo, Misoczky produz um denso ensaio onde aposta napossibilidade de produzir conhecimento crtico em administrao, e, portanto, doreconhecimento da existncia de intelectuais orgnicos orientados para a crticaem organizaes de ensino e pesquisa em administrao. Assim, a autoracaracteriza a tradio da pesquisa em estudos organizacionais, criticando-a eapontando trs abordagens com potencial para apoiar o desenvolvimento deestudos crticos. Essas abordagens, de bases epistemolgicas e metodolgicasdiferentes compartilham a nfase nas relaes e a preocupao com aemancipao o materialismo dialtico de Marx, a teoria na prtica de Bourdieue a alegria da prtica de Deleuze.

    Thiry-Cherques apresenta no quinto captulo um programa para aplicao domtodo fenomenolgico s pesquisas em cincias humanas e sociais, com destaquepara a pesquisa em cincias da gesto. O autor num primeiro momento sintetiza

  • RAC, v. 9, n. 2, Abr./Jun. 2005 205

    a linha metodolgica criada por Edmund Husserl a qual agrega diversascontribuies, tanto filosficas como no-filosficas. Como resultado, apresentae esclarece um programa de investigao segundo a orientao fenomenolgicacom o objetivo de orientar o leitor em suas pesquisas.

    A segunda parte do livro composta por mais cinco captulos trata da apresentaode diversas aplicaes da pesquisa qualitativa em administrao. Contempla entoestudos empricos que ressaltam a gerao de modelos tericos a partir de estudosde casos mltiplos, o grupo focal como mtodo e anlise simblica da organizaoe da sociedade, a utilizao da construo de desenhos como tcnica de coletade dados, a utilizao de mtodos qualitativos de pesquisa em comportamento doconsumidor, e, as prticas de desenho e implementao de pesquisa empricasobre aprendizagem tecnolgica e inovao industrial.

    No sexto captulo, Jia indica como os estudos de casos mltiplos podem serusados para gerao de modelos heursticos teis aos atuais gestores. Para tanto,o autor realiza uma reviso metodolgica de estudos de casos muito utilizadosnas cincias sociais, mas constantemente criticados pela dificuldade em generalizar e uma reflexo sobre o conceito e modelos de heurstica. Por fim, o autordesenvolve uma metodologia para gerao de modelos heursticos de tomada dedeciso e resoluo de problemas a partir de estudos de casos mltiplos,aplicando-a a casos reais. Na vertente prtica, o autor apresenta dois estudos decasos relativos implantao de empreendimentos G2G (government-to-government) e o conseqente modelo heurstico gerado, relativo implantaodesses processos.

    No prximo captulo, Ruediger e Riccio debatem a utilizao dos grupos focaiscomo instrumento de anlise qualitativa de alto poder analtico, pois o mesmocaracteriza-se pela possibilidade de interveno em tempo real no curso da anlisee de confrontao das percepes de participantes, em suas similitudes econtradies a respeito de um tema ou grupo de temas relacionados ao objeto depesquisa. O autor afirma que por meio dessa tcnica possvel enfatizar noapenas as percepes individuais, mas tambm aquela oriunda das interaes docoletivo, expressa nas estruturas discursivas e na defesa ou crtica de temas easpectos relevantes da pesquisa.

    Vergara apresenta no antepenltimo captulo a tcnica de construo dedesenhos no contexto da pesquisa qualitativa, de campo e da coleta de dadosvisuais. A autora afirma que tal tcnica pouco utilizada se comparada a outrastcnicas qualitativas, contudo tem mais chance de revelar a subjetividade daspessoas, cuja expresso bastante limitada pelo uso de palavras orais ou escritas,

  • 206 RAC, v. 9, n. 2, Abr./Jun. 2005

    e ainda, remete a subjetividade, sempre presente nas interaes humanas. Sendoassim, esta tcnica pode facilitar a compreenso dos fenmenos organizacionais.A autora aborda ainda, a obteno de dados por meio de imagens, apresentandooutras tcnicas de coleta, alm da construo de desenhos, fornecendo exemplosde pesquisas. Finalmente, ela indica as limitaes dessa tcnica e faz algumasconsideraes sobre a sua utilizao.

    No penltimo captulo, Ayrosa e Sauerbronn orientam, de forma genrica einicial, a utilizao da pesquisa qualitativa em marketing. Assim, discutem o papelda pesquisa como forma de produzir conhecimento e, em seguida, apresentamalguns exemplos de como mtodos qualitativos tm sido usados na pesquisaacadmica em comportamento do consumidor. Nesse intuito, os autores discutema contestao entre abordagens de natureza dita objetiva e as interpretativas nombito da gerao do conhecimento cientfico em sua rea especfica, concluindoque mais seguro admitirmos que a abordagem interpretativo-indutiva no pior nem melhor que a hipottico-dedutiva, ou mesmo que abordagens qualitativasno so nem melhores nem piores que quantitativas. So apenas diferentes!(AYROSA; SAUERBRONN, 2004, p. 196).

    No ltimo captulo, Figueiredo relata questes prticas subjacentes ao desenhoe contribui no conhecimento das decises dos pesquisadores qualitativos na reade gesto da aprendizagem tecnolgica e inovao industrial. O autor descrevemaneiras de combinar certos elementos de desenho e mtodos de pesquisaemprica, isto , questes, estratgias, fontes e tipos de informao, eprocedimentos de anlise, voltados para a obteno de evidncias empricas eexplicaes sobre a realidade da inovao industrial no contexto de uma economiaemergente - ou de industrializao recente - como a do Brasil. Figueiredo (2004,p. 220) considera que cada novo projeto de pesquisa traz novos desafios e quecabe ao pesquisador aprimorar as suas habilidades para enfrent-los de maneiraa obter novas evidncias que permitam gerar explicaes originais, substanciadase convincentes sobre relacionamento entre as variveis que est examinando.

    O livro recomendado para acadmicos de administrao, bem como parareas afins como psicologia, sociologia, comunicao e economia. Suacontribuio est em fornecer uma reflexo qualificada sobre as diversas questessobre a metodologia qualitativa e proporcionar subsdios para a compreenso dacomplexidade dessa abordagem por meio de investigaes atuais no contextoorganizacional, levando a repensar a presente dicotomia entre a pesquisa qualitativae a pesquisa quantitativa nos estudos organizacionais.

    RAC, v. 9, n. 2, Abr./Jun. 2005

Recommended

View more >