arquitetura uma obra de ao Siegbert Zanettini: uma obra ... ? arquitetura uma obra de ao 13 contestando

  • Published on
    15-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

arquitetura uma obra de ao12Se, no incio da sua carreira nos finais dos anos 50 e 60, Siegbert Zanettini (nascido em 1934), reflete uma influncia de grandes mestres da arquitetura, como por exemplo Le Corbusier ou Oscar Niemeyer, durante a dcada de 70 vamos descobrir um arquiteto mais descomprometido, embrenhado na procura de um percurso e linguagem prpria, com tendncias racionalistas e muito sensvel realidade que o cerca.Uma das particularidades que paulatinamente se foram afirmando como trao peculiar deste arquiteto, formado pela prestigiada Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de So Paulo (FAU-USP) tem a ver com o modo como foi conciliando nos seus projetos a utilizao do ao com diferentes materiais, desde madeira, beto armado ou vidro. Independentemente da complexidade programtica, este mestre brasileiro tem sabido orquestrar as suas obras em domnio pleno e absoluto da pormenorizao construtiva, conseguindo resultados que aparentam notveis performances, indiciando um rigor que suscita o uso de uma tecnologia de ponta, mas que na sua essncia executado com recursos parcos e de inacreditvel artesania. De facto, quer tratando-se da simples moradia ou de um enorme complexo hospitalar, a abordagem rigorosa e quase obsessiva que Zanettini coloca em cada um dos seus Siegbert Zanettini: uma obra de aopor Prof. Vtor MurtinhoUniversidade de CoimbraA nossa ideia da arquitetura brasileira , circunstancialmente, marcada por um naipe brilhante de arquitetos, que, dada a sua importncia no contexto desta arte, ofuscam totalmente muitos outros. O mesmo acontece tambm em Portugal, onde a notoriedade que alguns destes tm tido no enquadramento internacional faz com que, em determinados contextos, outras prticas e modos de fazer em termos de produo arquitetnica no tenham a merecida evidncia ou destaque. No caso concreto brasileiro, a crtica, de um modo geral, tem dado enorme protagonismo arquitetura feita atravs da utilizao dominante do beto armado, e quase ignorado outros mestres que, tendo noutros domnios tcnicos uma obra absolutamente fascinante, tenham sido sistematicamente ignorados e visto passar para segundo plano um exerccio profissional que nalguns aspetos roa a exemplaridade.As dificuldades definem-se como uma obra prvia do autor, so o produto do seu ideal. O trabalho interior antecipa, obsta, coloca em suspenso, lana um repto obra sensvel, obra dos atos.Paul Valryin Apontamentos> A arquitetura como encontro entre o mundo racional e o mundo sensvel segundo Zanettini.arquitetura uma obra de ao13contestando o caminho de prticas com espaos homogeneizados e formas totalmente racionalistas e abstratas, consumado-o na dependncia do contexto geogrfico e histrico , marcadamente, um aspeto que d nfase e corpo a toda a sua j longa prtica. To importante como a resposta ao programa, qualquer proposta deve estruturar-se numa lgica que permita retirar dela uma ideia consistente de contemporaneidade. Qualquer projeto, por mais simples que seja, deve refletir e preconizar um mtodo eficaz de resoluo dos problemas e, simultaneamente, encarnar uma smula do conhecimento que em cada momento e em cada interveno fazem a apologia do novo e do tecnologicamente mais apropriado e evoludo. O Fio de Ariadne para o sucesso projetual de Zanettini tem a ver com o modo como trabalha a questo do espao, num processo de domnio das formas atravs de instrumentao geomtrica espacial. E, em paridade, transporta para o interior do projeto vivncias, cultura e cincia, reforando, cada vez mais, a interdisciplinaridade da sua produo arquitetnica. A natureza desta arquitetura, que certamente motiva a mente e faz despertar um particular deleite esttico, desenvolvido segundo os mais rigorosos preceitos construtivos e tcnicos, existindo a conscincia de que projetos leva-o a, ciclicamente, questionar-se sobre cada tcnica construtiva ou sistema estrutural, advindo como resultado uma obra to peculiar como inovadora. Tendo uma perceo clara de que a conceo de qualquer edifcio um exerccio geomtrico muito exigente, onde esto em evidncia as percees do espao e o entendimento da tridimensionalidade, este arquiteto paulista reinventa-se em cada interveno, como se cada uma delas fosse simultaneamente a primeira e ltima. Esta particularidade, que no renega todo o processo de aprendizagem obtido em cada processo frtil de experimentao, centrado na maximizao de recursos e no uso adequado do potencial de um operariado que nem sempre, na conjuntura nacional, se apresenta como o mais oportuno para o fim em causa. No entanto, apesar destes constrangimentos intrnsecos, este no se roga de promover, deliberadamente, a potenciao de processos em srie e que fomentam uma inevitvel industrializao.Tendo tido uma lecionao continuada na FAU-USP, este arquiteto sempre soube exaltar a larga experiencia pedaggica para o centro da sua laborao projetual. Os ensaios produzidos pela prtica da arquitetura souberam colher com sapincia e rigor os interminveis subsdios especulativos e conjeturais que certamente o ensino, principalmente o de projeto, tem como potenciador de criatividade. Na conciliao e convergncia de uma atividade escrita continuada, de uma atividade pedaggica profcua e de um trabalho projetual intenso, resulta uma obra cruzada e transversal que, atingindo laivos de peculiaridade nos domnios do terico e da prtica, traduz certamente uma imagem muito holstica da arquitetura. Das mltiplas distines de obra granjeadas por Zanettini, importa salientar a recente distino em So Francisco, Califrnia, com o prmio David Gottfried Global Green Building Entrepreneurship Award (2012) promovido pela World Green Building Council e que formado por mais de noventa agremiaes de outros tantos pases e que constitui um dos galardes mais prestigiados na rea da sustentabilidade arquitetnica.A perceo dos diferentes domnios onde se joga a arquitetura, quer no uso regulado das formas e das propores, quer no conhecimento do mercado e dos agentes da construo civil, quer atravs da posse de uma cultura arquitetnica e terica muito acima da mdia, tornaram exequvel reflexes crticas e produes que, resultando de um projeto individual, apresentam resultados surpreendentes e originais. A boa prtica em arquitetura uma consequncia, nem sempre direta, da convergncia de mltiplos fatores que incidem principalmente sobre questes histricas, tcnicas, estticas, sociais, ambientais e polticas. Nesse sentido, a abordagem zanettiniana faz-se atravs duma dimenso plena na arte, numa conscincia crtica da modernidade, sabendo que nem tudo deve satisfazer a funo no espao e que no domnio da forma algumas materialidades possibilitam experimentos desvinculados que legitimam causas e do plasticidade a uma arquitetura que se reconhece como sua. A procura e posterior construo de um estilo identitrio, > Montagem da estrutura da Sede do Escritrio Zanettini So Paulo, 1987> Sede do Escritrio Zanettini.arquitetura uma obra de ao14cada resultado no constitui um somatrio de partes, mas antes a necessria convergncia de mltiplas valncias e saberes tcnicos. A sua obra tem subjacente um princpio norteador e estrutural, onde a sua viso de conceo tem sempre uma lgica regenerativa e fundacional permanente da arquitetura. Em cada interveno, este apresenta como matriz fundacional o preceito de imprimir ao projeto a viso de processo que nunca se esgota, com o contnuo aprimoramento das linguagens arquitetnicas no uso das tecnologias do concreto, do ao, da madeira, da alvenaria estrutural, da argamassa armada, do solo-cimento e outras tantas.1Na realidade, as exigncias crescentes ao nvel do desempenho dos edifcios, principalmente as questes relacionadas com automatismos e aproveitamento energtico, so fatores que quotidianamente definem novas matrizes e caminhos de pesquisa. Os sucessivos processos de normalizao e certificao de mtodos analticos seguros que resgatam a qualidade arquitetnica tm evoludo no sentido da minimizao do desperdcio e da maximizao do uso do potencial de reciclagem, com preocupao deliberada sobre os impactos atmosfricos das edificaes e dos processos construtivos ou de fabrico que a elas conduzem. A generalizao do recurso tecnologia constitui um facto incontornvel, tendo como meta a qualidade do edifcio, a condensao dos tempos de obra, a diminuio dos custos de construo ou a durabilidade dos materiais. Tendencialmente, no estaleiro da obra, processa-se cada vez menos produo de materiais ou aplicao de rebocos e alvenarias. A fiabilidade da nova arquitetura agora e frequentemente o local de montagem dos componentes, deixando menos reduto para a falha ou a imperfeio. Todos estes e outros aspetos tm, certamente, como domnio, uma preocupao evidente com o legado passado desta arte milenar da construo, mas, sobretudo, porque essa uma das essncias da arquitetura, deixar marca indelvel para o futuro. E, se em mltiplos aspetos, alguns arquitetos se preocupam somente com o coser das tessituras existentes, em Zanettini subsiste um enorme desejo de deixar lastro visvel no porvir. O cadinho frtil que constitui a tecnologia, e em especial o potencial intrnseco ao uso exploratrio do ao, com as suas geometrias variveis e ampla disseminao espacial, constitui uma fonte inesgotvel em termos de recurso lingustico ou programtico, um manancial to sedutor como libertino. Para Siegbert, a arquitetura vem avolumando fundamentos que colocam na sua esfera de obrigaes novas contingncias que passam pelo aproveitamento maximizado das condies climatricas naturais, incorporando formas de energia menos poluentes e, se possvel, geradas no prprio edifcio. Essa lgica passa, sobretudo, pela correta integrao no meio onde se insere a arquitetura, com a criao de ambientes utilizando ventilao e luz natural, de modo ecoeficiente e com sustentabilidade. Nesse contexto, na obra de Zanettini, subsiste uma persistncia deliberada do uso de elementos sombreadores, de painis termoacsticos para dispersar 1 Zanettini Siegbert, A Obra em Ao de Zanettini, J. J. Carol Editora, So Paulo, 2011, p. 12.< Incio da demolio da estrutura da Sede do Escritrio Zanettini.< Demolio da estrutura com aproveitamento dos componentes em ao.arquitetura uma obra de ao15a reflexo e reverberao acsticas, a abertura de vos potenciando o aproveitamento de ventos dominantes, introduo de painis fotovoltaicos, aproveitamento de guas pluviais, incorporao de espaos verdes, etc. Para alm disso, reiteradamente, promove edifcios livres de barreiras e com acessibilidade, denotando uma preocupao mpar para com pessoas condicionadas fisicamente e com as questes da segurana.Conforme explicitou, novamente, Zanettini em conferncia recente2, a arquitetura, enquanto disciplina, proporciona o encontro equilibrado entre o mundo racional e o mundo sensvel. Na realidade, a arquitetura o resultado da conjugao de situaes e respostas que tendo subjacente um princpio de satisfao ou resoluo de uma determinada necessidade, ela incorpora, na sua gnese, um universo relacionado com o conhecimento e um outro universo relacionado com a criao. Ou seja, na aparncia a obra zanettiniana respeita uma espcie de dualidade, marcada pelos aspetos referidos, mas, por sua vez, no modo como surgem concretizados, metamorfoseiam-se em um s. De facto, este arquiteto paulista faz constantemente, nas suas obras, uma sntese consciente e deliberada daquilo que concerne criatividade humana, elevando a sua produo a arte, com aquilo que tem a ver com a cientificidade, tornando a sua arquitetura um corolrio normativo da boa e adequada construo. Nesta sua caracterizao, Siegbert, considera que, no mundo das ideias, fluem determinados sentimentos e efeitos. Estes so, essencialmente, a emoo, o encantamento, o espanto, a inveno, a magia, o mistrio, o sonho, a surpresa, a paixo, e o prazer. Pelo que, no campo sensrio, para este autor, a arquitetura remete para o campo das intuies e das percees. Em contrapartida, no domnio mais racional evidencia o saber relacionado com a cincia da construo, mas tambm as cincias humanas, biolgicas e, como no poderia deixar de ser, as exatas. Nesse mbito, a arquitetura 2 Siegbert Zanettini proferiu em 24 de outubro uma conferncia denominada Abordagem sistmica e evolutiva do uso do ao na Arquitetura Brasileira, na Exponor, em Matosinhos, no mbito do IX Congresso de Construo Metlica e Mista & I Congresso Luso-Brasileiro de Construo Metlica Sustentvel, tendo oportunidade para apresentar o modelo terico que preside a toda a sua produo arquitetnica.arquitetura uma obra de ao16pressupe uma busca contnua de perfeio, utilizando para isso fatores, intrnsecos ou endgenos, tais como racionalizao, ordenao, aplicao e desempenho. E, precisamente neste entrecruzar de valncias e objetivos que se estabilizam critrios de aferio de qualidade, correspondendo adequao cultural, ambiental e sustentvel, fazendo com que a arquitetura reflita a evoluo cientfica de cada poca, satisfaa usos, costumes e necessidades, tendo sempre como superior desgnio a razo e a emoo do homem.Nesta senda, um dos materiais de eleio de Zanettini claramente o ao, devido sua capacidade para vencer grandes e amplos vos e a sua grande adaptao modular e facilidade de produo industrial. Uma das obras mais sedutoras deste peculiar arquiteto brasileiro , provavelmente, a sede do seu gabinete de projetos. O edifcio, construdo em So Paulo, em 1987, foi concebido num sistema e estrutura de ao com subsistemas montados encadeadamente, de modo a poder ser construdo rapidamente (foi somente preciso menos de um ms para a montagem das estruturas que j vinham com pintura final de fbrica e dos painis de fachada, tendo a obra demorado, no total, 5 meses, segundo o prprio) e de maneira a apresentar custos de construo bastante baixos. O edifcio era composto por duas grandes trelias onde as lajes faziam de contraventamento, cuja soluo faz dele uma das obras arquitetnicas mais inovadores poca, resultando, por isso, um espao amplo, verstil, muito flexvel e mutante. Os tempos curtos necessrios para a construo s foram possveis graas a um planeamento rigoroso, sendo muitas das tarefas realizadas previamente. No caso das estruturas e dos mltiplos painis, este limitaram-se a ser montados e aparafusados em obra, obrigando a calculados encadeamento de tarefas e de interaes. Especificamente para uma obra de 5 meses, foram gastos previamente 6 meses com o projeto, fazendo jus a uma mxima de Zanettini de que quanto mais se disseca o projeto, menos tempo consome a obra.3 Cumprida a funo do edifcio e depois de 25 anos de uso pleno, este foi desmontado em apenas 10 dias, com preservao das estruturas em ao, com o objetivo de ser montada noutro local, demonstrando-se, assim, a sustentabilidade da construo.A resposta pela arquitetura est certamente nos problemas que dela emergem. No caso da nova Escola Panamericana de Arte (1989), em So Paulo, a dificuldade estava na necessidade de funcionamento da escola > Interior da Escola Panamericana de Arte.> Escola Panamericana de Arte, So Paulo, 1989.> Escola Panamericana de Arte. Maqueta geral.3 Ver Zanettini, Siegbert, Arquitetura razo sensibilidade, edusp, So Paulo, 2002, p. 226 a 231, sobretudo p. 229 para a citao.arquitetura uma obra de ao17existente e da sua compatibilizao com o decurso e processo de obra, bem como na preservao das 196 espcies de rvores existentes no local. A estratgia adotada foi o recurso a estruturas metlicas que, sendo possveis de implementar rapidamente e de modo faseado, ofereceram a soluo para o problema. A escola foi concebida em trs corpos separados, garantindo interstcios suficientes para a manuteno do arvoredo. O faseamento por partes permitiu o normal funcionamento do estabelecimento, fazendo a compatibilizao de aulas com as obras, sendo as casas existentes demolidas nas frias escolares. Este projeto, com influncias quer do novo museu do Louvre (de I. M. Pei) quer do Centro Georges Pompidou (de Renzo Piano), tornou-se uma das obras mais emblemticas brasileiras da dcada de 80.4 Aqui, subsiste uma unicidade entre estrutura e arquitetura, com uma mpar racionalidade estrutural, materializada com estruturas em ao e pr-lajes de beto, devidamente tratadas atravs de detalhe minucioso de componentes e de junes. Como sombreamento, foi aproveitada a densa vegetao existente, tendo um carter natural e, simultaneamente, oferecendo-se como fonte inspiradora para os estudantes.< Ampliao do Centro de Pesquisas CENPES Petrobras, Ilha do Fundo, Rio de Janeiro, terminado em 2010. Vista geral.< Cobertura das reas de convivncia e circulao principal do prdio central durante a obra.< Ampliao do Centro de Pesquisas CENPES Petrobras.Cobertura das reas de convivncia e circulao principal do prdio central durante a obra.4 Sobre esta obra consultar Zanettini Siegbert, A Obra em Ao de Zanettini, pp. 24 e 25.arquitetura uma obra de ao18No se pretendendo fazer historial da inmera e excelente obra de Zanettini, prazer que deixamos em aberto para fazer atravs da visita in loco ou pelas publicaes que tratam extensamente a sua produo, dado o contexto, pareceu importante dar nota de algumas das suas realizaes, com especial evidncia sobre as que preconizam a utilizao intensiva de ao. J neste sculo, incontornvel a referncia Ampliao do Centro de Pesquisas CENPES Petrobras, situado na Ilha do Fundo, no Rio de Janeiro, terminado em 2010. Este complexo est implantado num extenso terreno e tem uma rea de construo de cerca de 125.000 m2. Composto por um total de 20 edifcios, trata-se no somente de uma proposta edificada, mas tambm de uma proposta com delineamento urbano, dada a sua dimenso. Este conjunto incorpora sistemas naturais de conforto ambiental e de eficincia energtica, verificando-se uma tentativa de recomposio dos ecossistemas naturais. Para esse efeito, procede-se ao aproveitamento das guas de chuva provenientes das < Ampliao do Centro de Pesquisas CENPES Petrobras.Cobertura das reas de convivncia e circulao principal do prdio central durante a obra.< Ampliao do Centro de Pesquisas CENPES Petrobras.Vista exterior do prdio e Centro de Realidade Virtual.arquitetura uma obra de ao19coberturas e dos pisos de estacionamento para rega ou guas sanitrias, a produo de energia eltrica atravs de painis fotovoltaicos, entre outros aspetos, numa preocupao determinada da minimizao do impacto ambiental da interveno. Este notvel conjunto, com uma arquitetura apelativa, limpa, segura e ecoeficiente, constitui um dos cones brasileiros de arquitetura contempornea sustentvel.5Cada obra, para Zanettini, um pretexto para a reflexo, fazendo com que esta se transforme numa espcie de livro aberto sobre a teoria da prtica e, simultaneamente, a prtica da teoria. O rigor construtivo colocado enfaticamente em cada edificao, acrescentado ao esforo sistemtico de inovao, fazem com que cada interveno seja a revelao permanente de um ato ciclicamente reconstrutor de uma ideia de modernidade e de consumao presente de um futuro que permanentemente est em ebulio. Em cada experincia, Zanettini reinventa o lugar, j que a ambientalidade criada atravs de cada obra, segundo preceitos lgicos e visuais, enuncia uma justa e indisfarvel beleza, uma interveno que exalta a forma e com isso constitui um hino mudo de arquitetura. Perante tal desempenho harmonioso, onde cada material e detalhe construtivo, tal instrumento no contexto de orquestra, exaltam ordens estticas com um silncio to avassalador, to absorvente, que coloca a sua arquitetura como algo que marca o tempo e se define exemplarmente sob a sensibilidade da luz. 5 Ver Zanettini Siegbert, A Obra em Ao de Zanettini, pp. 96 a 107.