Armas Qumicas e Biolgicas: O Futuro do Terrorismo? Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP.

  • Published on
    22-Apr-2015

  • View
    103

  • Download
    0

Transcript

  • Slide 1
  • Armas Qumicas e Biolgicas: O Futuro do Terrorismo? Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP
  • Slide 2
  • Tpicos da Palestra O que Guerra Qumica e Biolgica (CBW) Histria das armas QB Potencial destrutivo e uso provvel Tipos de armas biolgicas Potencial destrutivo e uso provvel O terrorismo e o uso de armas QB Como previnir o desenvolvimento e uso de armas QB
  • Slide 3
  • Guerra Qumica e Biolgica o uso de agentes com ao qumica ou biolgica capazes de destruio em massa de seres vivos, em aes ofensivas na guerra; So menos eficientes que as outras armas conhecidas de destruio em massa (bombas nucleares), mas imensamente mais baratas e fceis de desenvolver
  • Slide 4
  • Histria das Armas QB Desenvolvimento dos primeiros agentes qumicos para uso blico: Europa, incio do sculo XX, antes da I Guerra Mundial Primeiro uso em frente de batalha: front franco-alemo, 1918 (100.000 mortos) Gases de disperso area, como gs mostarda e cloro Efeito devastador e sem defesa eficiente levou todos os beligerantes a renunciarem estrategicamente ao seu uso na I e II Guerras Mundiais
  • Slide 5
  • Ataques de Gs na I Guerra
  • Slide 6
  • Tipos de Armas Qumicas (1) Agentes no letais: gs lacrimognio, p de pimenta. etc. Agem sobre as mucosas dos olhos e sistema respiratrio, incapacitando temporariamente Amplamente utilizados por foras policiais e militares e para defesa pessoal Tm uso restrito, mas no so proibidos
  • Slide 7
  • Tipos de Armas Qumicas (2) Agentes txicos hidrossolveis Envenenamento do suprimento de gua de uma populao Aflatoxina (cancergeno com 1 parte em 10 milhes, sem cheiro ou sabor) Toxina botulnica Organoclorados e organofosforados (pesticidas): agem sobre o metabolismo ou sistema nervoso Projteis envenenados
  • Slide 8
  • Tipos de Armas Qumicas (3) Gases letais (cloro, gs mostarda, fosgnio, sarin, tabun, VX e outros gases de nervos) Agem em concentraes extremamente pequenas, por disperso area e contato Provocam incapacitao instantnea e severa, e levam morte em minutos ou horas Fceis de fabricar e dispersar usando projteis de artilharia ou bombas areas
  • Slide 9
  • Munio Binria Para reduzir o perigo de estocagem, os componentes da reao de sntese da arma qumica so mantidos separados e se combinam ao atingir o alvo Centenas de milhares de munies qumicas binrias com sarin e VX foram produzidas pelos EUA e Unio Sovitica durante a Guerra Fria; parte permanece estocada, difcil destruio
  • Slide 10
  • Uso Recente de Armas Qumicas Letais Ataques contra populaes civis do Ir pelo Iraque na guerra entre os dois paises, uso pelo Iraque contra rebeldes curdos Ataque de sarin no metr de Tquio em 1995 por uma seita fantica japonesa: 12 mortos e mais de 5000 feridos
  • Slide 11
  • Ataque no Metr de Tquio Shoko Asahara Lider da seita Aum Shinrikyo
  • Slide 12
  • Defesas Contra Armas Qumicas Mscaras contra gs Roupas de proteo especiais Antdotos (nem sempre existem) Foras militares carregam kits de proteo, porm nem sempre funcionam a tempo Ataques inesperados contra populaes civis tm proteo quase impossvel
  • Slide 13
  • Tipos de Armas Biolgicas Bactrias e vrus vivos ou em forma esporular Fcil produo e disperso em forma de p ou suspenso lquida No podem ser usadas munies explosivas Letalidade varivel, pode chegar a 90% ou mais Aumento do efeito atravs de epidemias
  • Slide 14
  • Exemplos de Armas Biolgicas (1) Bactria do antraz: Descoberta por Robert Koch Causa doenas comuns em gado Forma esporos resistentes Vacina desenvolvida por Louis Pasteur Altamente letal em seres humanos na forma pulmonar, ao rpida Proteo: vacina, antibiticos
  • Slide 15
  • Formas do Antraz Forma cutnea: fcilmente tratvel, baixa mortalidade Forma digestiva Forma pulmonar: altamente letal, mesmo com antibiticos Carbnculo hemtico
  • Slide 16
  • Cenrios de Ataque (1)
  • Slide 17
  • Cenrios de Ataque (2)
  • Slide 18
  • Exemplos de Armas Biolgicas (2) Vrus de gripe (gripe espanhola em 1918- 1920 matou mais de 40 milhes de pessoas) Vrus Ebola e outras febres hemorrgicas virais (90% de mortalidade, no h defesa possvel) Peste bubnica (Yersinia pestis): doena que mais matou gente no mundo (> 50 milhes) Vrus da varola: doena extinta no mundo, algumas amostras ainda guardadas
  • Slide 19
  • Bactrias Yersinia pestis Salmonella
  • Slide 20
  • Aumento da Letalidade Modificao dos organismos por engenharia gentica, para: Potenciao da ao letal sobre o organismo Criao de cepas resistentes a antibiticos e ao sistema imunitrio Modificao das formas e meios de infeco Maior resistncia a fatores ambientais (temperatura, umidade, etc.), sobrevida longa Produo de organismos hbridos
  • Slide 21
  • Ao Internacional Armas QB tem seu uso proibido na guerra convencional pela Conveno de Genebra Tratado internacional de 1993 assinado por 125 naes: Proibio de fabricao Destruio de todos os estoques at 2007 Paises que no assinaram: Iraque, Libia, Sria e Coria do Norte No impede uso por foras terroristas
  • Slide 22
  • Bombas de Sarin do Iraque
  • Slide 23
  • Pases com Armas QB China Coria do Norte Cuba Egito Estados Unidos Imen ndia Ir Iraque Israel Iugoslveia Lbia Paquisto Rssia Sria Taiwan China Coria do Norte Egito Estados Unidos Ir Iraque Israel Rssia Sria Taiwan Vietn Qumicas Biolgicas
  • Slide 24
  • O Terrorismo e Armas QB Fabricao prpria ou por pases que os apoiam. H cientistas que trabalham para seitas ou grupos terroristas Roubo ou compra clandestina de estoques de potncias militares (principalmente pases da ex-Unio Sovitica)
  • Slide 25
  • Concluses Especialistas concordam que a pergunta no SE o terrorismo usar armas de destruio de massa, mas QUANDO usar As naes esto totalmente despreparadas para a preveno e assistncia populao em caso de ataque O principio da deterrncia no funciona para terroristas, e menos ainda para terroristas religiosos suicidas

Recommended

View more >