APOSTILA PROTEO AUDITIVA 3M

  • Published on
    08-Jul-2015

  • View
    522

  • Download
    1

Transcript

3M SOLUES PARA SADE OCUPACIONAL E SEGURANA AMBIENTAL

DEPARTAMENTO TCNICO Autoria: Glucia C. Gabas

PROGRAMA DE CONSE RVAO AUDITIVAGuia Prtico 3M

Direitos autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao

PRO GR AMA DE CO NSE R VA O A UD IT IVAGui a Pr ti co 3M

ndice1.0- PROPSITO ...........................................................................................................3 2.0- OBJETIVO DO PCA...............................................................................................4 2.1 Benefcios do PCA...............................................................................................5 2.1.1 Benefcios do PCA ao empregado ................................................................5 2.1.2 Benefcios do PCA ao empregador ...............................................................6 3.0- CONCEITOS BSICOS ........................................................................................7 3.1 -O Sistema Auditivo .............................................................................................7 3.2 -O Som, o Rudo e as interaes com os indivduos.....................................8 3.2.1 Durao da Exposio.....................................................................................8 3.2.2 Distncia da fonte .............................................................................................8 3.2.3 Tipos de rudo ...................................................................................................9 3.2.4 Frequncia.........................................................................................................9 3.2.5 Intensidade ........................................................................................................9 3.2.6 Susceptibilidade individual..............................................................................9 3.3 Espectro Audvel e o Decibel (dB) ................................................................. 10 3.3.1 Adio de Nveis de Presso Sonora ........................................................ 11 3.3.2 Curvas de Compensao............................................................................. 11 3.4 Efeitos do Rudo sade do exposto ............................................................ 12 3.4.1 PAIR perda permanente ........................................................................... 13 3.4.2 Trauma Acstico............................................................................................ 13 3.4.3 Mudana Temporria do Limiar Auditivo ou Temporary Treshold Shift (TTS).......................................................................................................................... 13 3.5 Fatores para a Perda da Audio ................................................................. 13 3.5.1 Agentes Qumicos e Perdas na Audio................................................... 14 3.6 Caracterizao da PAIR .................................................................................. 15 4.0 Aspectos Legais................................................................................................... 16 4.1 Ministrio Do Trabalho e Emprego ................................................................ 16 5.0 Passos para a implementao do PCA ............................................................ 18 5.1. Procedimento para a elaborao do Documento-base do PCA.......... 18 5.1.1 Introduo ....................................................................................................... 18 5.1.2 Poltica da Empresa ...................................................................................... 18 5.1.3 Objetivo do PCA ...................................................................................... 19 5.1.4 Responsabilidades .................................................................................. 19 5.2 Requerimentos mnimos do programa .......................................................... 22 5.2.1 Avaliao da Exposio ............................................................................... 23Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 1

5.2.2 Seleo dos Protetores Auditivos ......................................................... 23 5.2.3 Distribuio dos Protetores Auditivos .................................................. 24 5.2.4 Limpeza, higienizao, armazenamento e manuteno......................... 24 5.2.5 Treinamento ............................................................................................. 25 5.2.6 Monitoramento do uso .................................................................................. 25 5.2.7 Exame mdico Audiometrias.................................................................... 25 5.3 Avaliao da eficcia do Programa de Conservao Auditiva .................. 26 5.4 Registro dos dados ..................................................................................... 26 6.0- PROCEDIMENTO PARA O MONITORAMENTO DAS EXPOSIES ..... 27 6.1 Medies e Avaliaes ............................................................................... 29 6.2 Tipos de Avaliaes e Instrumentao .................................................... 30 6.3 Dosimetria de Rudo Monitoramento Pessoal da Exposio............ 31 6.3.1 Limites de Tolerncia para Rudo Contnuo ou Intermitente ............ 31 6.3.2 Limites de Exposio para Rudo de Impacto .................................... 35 6.3.3 Aspectos Legais....................................................................................... 37 6.3.4 Registros dos dados ............................................................................... 38 7.0 TESTES AUDIOMTRICOS ............................................................................... 39 7.1 Objetivos ....................................................................................................... 39 7.2 Critrios Adotados ............................................................................................ 39 7.3 A importncia das Audiometrias no PCA ................................................ 40 8.0 -SELEO E USO DE PROTETORES AUDITIVOS ..................................... 42 8.1 Controle da Exposio ao Rudo.................................................................... 42 8.2 Tipos de Protetores Auditivos.................................................................... 43 8.3 Recomendaes para Seleo e Uso...................................................... 47 8.3.1 Seleo de Protetores Auditivos ........................................................... 47 8.3.2 Colocao e Uso Corretos ..................................................................... 49 9.0 Indicaes de Manuteno e Higienizao................................................. 53 10.0 Qualidade da Vedao no canal auditivo .................................................... 55 11.0 Porcentagem do Tempo de Uso ................................................................... 57 12.0 Atenuao dos Protetores Auditivos ............................................................ 58 12.1 Clculo da Atenuao pelo Mtodo Longo ............................................. 61 12.2 Reduo de Rudo Estimada para os Usurios ..................................... 63 12.3 Comparando os valores de atenuao entre diferentes protetores auditivos .................................................................................................................... 64 13.0 TREINAMENTO E MOTIVAO.................................................................. 65 13.1 Contedo mnimo para Treinamento dos usurios de protetores Auditivos.................................................................................................................... 65 14.0 Uso de Proteo Dupla .................................................................................. 66 (Protetor Auditivo do Tipo Insero + Protetor Auditivo do Tipo Concha) ......... 66 Frequncias, Hz ......................................................................................................... 67 Frequncias, Hz ......................................................................................................... 68 15.0 Durabilidade e Substituio dos Protetores Auditivos............................... 69 Bibliografia.................................................................................................................... 71

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 2

1.0- PROPSITO

O propsito deste guia da 3M do Brasil apresentar os requerimentos mnimos aplicveis para a elaborao, execuo e administrao de um Programa de Conservao Auditiva, para que a sade dos trabalhadores expostos a nveis de rudo perigosamente altos seja preservada. A abordagem generalizada, para o entendimento inicial de cada etapa que faz parte do programa, necessitando que o contedo seja desenvolvido por cada empresa, por apresentarem situaes e oportunidades diferentes em cada caso. um direcionador que menciona as etapas que no podem ser deixadas de lado em um programa O responsvel pela conservao auditiva dentro de cada empresa deve analisar se particularidades desta proposta de trabalho so viveis ou no, em cada PCA, de cada planta industrial, fazendo o melhor julgamento de como adaptar a proposta para atender as necessidades da empresa, a fim de alcanar a efetiva preveno da perda auditiva ocupacional.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 3

2.0- OBJETIVO DO PCAO principal objetivo de um PCA na indstria proteo da sade do trabalhador, ou seja, prevenir que os trabalhadores expostos a nveis de rudo perigosamente altos desenvolvam perda auditiva induzida pelo rudo ocupacional (PAIR). O rudo um dos contaminantes mais comum, encontrado facilmente tanto no nosso dia a dia como em grande parte dos processos industriais. O controle do rudo , portanto, uma questo de considervel importncia econmica e social e esta importncia tem crescido progressivamente nos ltimos anos. Cada vez mais, uma ampla variedade de profissionais compartilham um interesse vital por este problema: tcnicos, engenheiros, arquitetos, urbanistas, oficiais do governo, higienistas ocupacionais, mdicos, fonoaudilogos, entre outros. A caracterstica multidisciplinar do PCA faz com que as habilidades, conhecimentos e experincias de cada profissional envolvido no programa sejam aproveitadas ao mximo, integrando os trabalhadores expostos, aumentando consideravelmente as chances de sucesso. Os requisitos propostos por este material para a elaborao, execuo e administrao de um Programa de Conservao Auditiva esto baseados nos requisitos apresentados pela OSHA (Occupational Safety and Health Administration) nos USA, que promulgou essas regulamentaes depois que a PAIR ocupacional foi reconhecida como um problema de sade, onde esto especificados requerimentos mnimos que as empresas devem cumprir e no que est estabelecido no documento da FUDACENTRO Programa de Proteo Respiratria Recomendaes para Seleo, Manuteno e Uso de Equipamentos de Proteo Respiratria, como as etapas mnimas que tambm poderiam ser aplicadas em um Programa de Conservao Auditiva. totalmente possvel atingir o objetivo de preveno da perda auditiva induzida pelo rudo ocupacional se os requisitos mnimos forem cumpridos na organizao de um PCA. No entanto, simplesmente cumprir com os mesmos, no garante que um programa ser eficaz na preveno da perda auditiva ocupacional. Experincias com indstrias nos Estados Unidos indicam que no existe uma correlao significante entre a quantidade de dinheiro gasto no estabelecimento de um

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 4

Programa de Conservao Auditiva e sua respectiva eficcia ( livro: Hearing Conservation Programs- Practical Guideline for Success Royester&Royester) Um bom PCA ou um PCA pouco efetivo despender praticamente dos mesmos recursos de tempo, dinheiro e pessoal. Todas as etapas (definio de estratgias de medio, aquisio dos equipamentos de medio, realizao das medies, as tomadas de deciso quanto ao uso de EPIs, sua aquisio, distribuio, armazenamento e cuidados, avaliaes audiomtricas peridicas, treinamentos dos envolvidos, etc...) podem ser realizadas de uma maneira mais eficaz ou menos eficaz. Mas, independentemente disso, os recursos necessrios sero basicamente os mesmos.

2.1 Benefcios do PCA possvel conseguir motivao tanto dos empregadores quanto dos empregados para uma implementao eficaz de um PCA em uma empresa, pois muitos benefcios podem ser observados para ambas as partes, como exemplificado a seguir.

2.1.1 Benefcios do PCA ao empregadoBenefcio direto: preveno da PAIR ocupacional Melhoria da qualidade de vida: a perda auditiva afeta a capacidade de comunicao do indivduo, que essencial para viver bem em sociedade. Reduo dos impactos no organismo: menor nervosismo, estresse, doenas cardiovasculares e outros males ocasionados pela exposio excessiva ao rudo. Melhoria no trabalho: habilidade em dar e receber orientaes, utilizar o telefone, ouvir sinais de alerta e sons de mquinas, aumento das chances de mobilidade de funo dentro da empresa. Disponibilidade para o mercado: a perda auditiva diminui o potencial do indivduo em conseguir um novo emprego. Manuteno da Sade: preveno de problemas auditivos de origem no-ocupacional, que podem ser detectados pelos exames anuais que fazem parte do PCA.Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 5

2.1.2 Benefcios do PCA ao empregadorBenefcio direto: aumento da produtividade do empregado, pela reduo do estresse e fadiga, relacionados exposio ao rudo. Diminuio do ndice de acidentes na empresa: ganhos monetrios diretos e indiretos Manuteno da imagem da empresa: prtica de polticas que dizem respeito sade e segurana dos funcionrios Versatilidade dos empregados: aumento das possibilidades de mobilidade de funo, reduzindo gastos extras devidos a novas contrataes e treinamentos. Reduo da rotatividade de pessoal: melhoria do relacionamento entre os funcionrios. Reduo de gastos: preveno de perdas de dinheiro por possveis pagamentos de indenizaes.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 6

3.0- CONCEITOS BSICOS

3.1 -O Sistema AuditivoO nosso sistema auditivo est dividido em trs partes principais: orelha externa, orelha mdia e orelha interna. De uma maneira bem simplificada, podemos dizer que a Orelha Externa composta pelo pavilho da orelha, que uma fina cartilagem elstica recoberta de pele, que capta e direciona as ondas sonoras, canalizando-as at o tmpano e pelo meato acstico externo, que um canal que se estende at a membrana do tmpano e bastante sinuoso. Este canal tem aproximadamente 3.5 cm, variando de uma pessoa para outra. Fazem parte da Orelha Mdia a membrana timpnica, que constituda por um material muito fino de espessura de 0,1 mm, os trs ossculos (bigorna, estribo, martelo), que transmitem as vibraes da membrana e a tuba auditiva, que mantm o arejamento das cavidades da orelha mdia, atravs de uma abertura intermitente que se d no ato de deglutir, bocejar ou espirrar. No final da Orelha Mdia, est a janela oval. A janela oval est ligada Orelha Interna, que composta por um conjunto de cavidades. Uma delas a cclea, parecida com um caracol e possui duas e meia espiras enroladas ao redor de uma rea central, repleta de clulas ciliares externas e internas, responsveis por transmitir as vibraes do lquido coclear para o nervo acstico, que leva os impulsos aos centros corticais da audio no crebro, onde se d o fenmeno consciente da sensao sonora. No processo da fala, por exemplo, esto sendo formadas ondas, devido a uma variao de presso no ar. Se esta variao de presso possuir uma intensidade suficiente para vibrar a membrana timpnica, essas vibraes so transmitidas orelha mdia, atravs da alavanca formada pelos trs pequenos ossculos, chegando orelha interna e ao nervo acstico.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 7

3.2 -O Som, o Rudo e as interaes com os indivduos.Podemos entender o Som como qualquer variao de presso em um meio elstico (no ar, gua ou outro meio) que o ouvido humano possa detectar, ou seja, uma vibrao que transmitida na forma de ondas e percebida pelo indivduo como agradvel. O meio mais importante neste trabalho o areo. Quando o som no desejado ou incmodo, ou possui uma combinao no harmoniosa, dizemos que o mesmo se transformou em Rudo ou barulho. Uma das principais caractersticas do rudo a mistura de sons, cujas freqncias no seguem uma regra precisa. Existem alguns fatores responsveis por transformar um som agradvel em um rudo irritante e desagradvel. So eles: Durao da exposio Distncia da fonte geradora de rudo Tipos de rudos Freqncia / Intensidade Susceptibilidade individual

3.2.1 Durao da ExposioQuanto menor o tempo de exposio, menor a probabilidade de desenvolvimento de problemas auditivos. Quanto maior o tempo de exposio ao rudo, maior a possibilidade de desenvolvimento de problemas auditivos.

3.2.2 Distncia da fonteQuanto mais prximo estivermos do rudo, maior a probabilidade de ferirmos ou causarmos traumas acsticos, como rompimento da membrana timpnica. Quanto mais nos afastamos da fonte do rudo, menor ser o nvel ao qual estaremos expostos. Porm, dependendo da intensidade e tempo de exposio a este rudo, ainda corremos riscos de perdas auditivas.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 8

3.2.3 Tipos de rudoO rudo contnuo o que permanece estvel com variaes mximas de 3 a 5 dB(A) durante um longo perodo. Exemplo: mquina trabalhando - furadeira ou britadeira em operao, o trnsito na cidade. O rudo intermitente um rudo com variaes, maiores ou menores de intensidade em perodos muito curtos. Exemplo: o alarme do rdio relgio ou alarme de carros. O rudo de impacto apresenta picos com durao menor de 1 segundo, a intervalos superiores a 1 segundo. Exemplo: o disparo de armas de fogo ou exploses em pedreiras.

3.2.4 Frequncia o nmero de vezes que a oscilao de presso repetida, na unidade de tempo. Normalmente, medida em ciclos por segundo ou Hertz (Hz). Por exemplo: Alta freqncia: so os sons agudos; Baixa freqncia: so os sons graves.

3.2.5 IntensidadePodemos entender a intensidade como o volume do som ou rudo, cuja unidade o decibel (dB). caracterizada por som forte ou fraco. Por exemplo: Alta intensidade: o volume do rdio quando alto. Baixa intensidade: o volume do rdio quando baixo.

3.2.6 Susceptibilidade individualCada indivduo possui uma sensibilidade diferente do outro no que se refere audio. Isto significa que cada pessoa percebe os sons de formas diferentes. A sensibilidade pode e geralmente varia com a idade, sexo, etnia, exposies anteriores. Pessoas jovens geralmente escutam bem, enquanto que pessoas mais idosas, tm diminuio de limiar de audio.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 9

3.3 Espectro Audvel e o Decibel (dB)O alcance da audio humana se estende de aproximadamente 20 Hz at 20.000 Hz de freqncia e de aproximadamente 0 dB at 120 dB de intensidade, para um ouvido jovem e saudvel. Os sons que so produzidos abaixo dos 20 H so denominados z infra-sons e os produzidos acima dos 20.000 Hz, denominados ultra-sons. Dentro do espectro audvel, o ser humano no escuta de maneira linear em todas as freqncias. Existem freqncias em que o sistema auditivo do humano faz menos esforo para entender os estmulos e em outras, esta percepo torna-se um pouco mais difcil. A fala, por exemplo, est compreendida numa faixa de freqncia entre 500 Hz e 4000 Hz, dependendo do locutor, e pode se apresentar numa intensidade que varia entre 50 dB a 80 dB, aproximadamente. Vozes de freqncias mais altas (agudas), so mais fceis de serem percebidas pelo humano. Isso explicado pelo fato do ouvido ser mais sensvel na faixa de 2 KHz a 5KHz e menos sensvel nas mais altas e mais baixas freqncias. A faixa audvel de certos animais, como por exemplo, o cachorro, diferente da faixa do ser humano, iniciando prximo dos 100 Hz e atingindo a regio do ultra-som. O som mais fraco que o ouvido humano saudvel pode detectar de 20 micro Pascais (ou 20 Pa). O mximo que o ouvido humano pode suportar 200 Pa de presso, ou seja, presses um milho de vezes mais alta. Devido a essa grande diferena de escala de presso, outra foi criada o decibel (dB). Podemos dizer que o 0 dB (limiar da audio) corresponde aos 20 Pa ou presso de referncia. Da mesma maneira que 140 dB (limiar da dor) corresponde aos 200 Pa. O Nvel de Presso Sonora (NPS) em dB o parmetro empregado em instrumentos de medio. Sua expresso dada por: NPS (dB) = 20 log P/Po Onde: P = presso sonora a ser medida Po = presso de referncia = 2x10-5 Pa Note-se que o Po corresponde ao limiar da audio ou 0 dB. Para calcular o limiar da dor, temos:

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 10

NPS (dB) = 20 log (2x10 2 / 2x10-5) = 20 log 107 ~ 140 dB

3.3.1 Adio de Nveis de Presso SonoraQuando se utiliza a escala em dB, a soma de NPS no pode ser feita algebricamente. Na realidade, quando se deseja conhecer o valor total da combinao de dois ou mais nveis, preciso transform-los em presso sonora (Pa), som-los e novamente retornar ao dB, atravs da relao logartmica. Para tornar os clculos mais fceis e rpidos, pode ser utilizada a regra de Thumb, como se segue:Grfico para Adio de Nveis Sonoros3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 L1-L2 (dB)

-se a diferena entre dois nveis estiver entre: 0-1 dB => adicione 3 dB ao maior valor 2-3 dB => adicione 2 dB ao maior valor 4-7 dB => adicione 1 dB ao maior valor 8 dB ou mais => adicione 0 A acuidade deste mtodo 1 dB. Exemplo: 90 dB + 90 dB = 93dB Lembrando que este mtodo no deve ser utilizado para estimar exposio individual ao rudo!!

3.3.2 Curvas de CompensaoEstudos demonstraram que o ouvido humano no responde linearmente s diversas freqncias, como visto anteriormente. Um dos estudos mais importantes que revelaram tal no-linearidade foi a experincia realizada por Fletcher e Munson nos

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

LT-L1 (dB)

3Inovao 11

anos 30, que resultaram nas curvas isoaudveis, levando introduo de curvas de compensao nos instrumentos de medio de som, simulando o sistema auditivo.

Destas curvas, a A e a C so as mais empregadas, sendo que a A a mais amplamente empregada na avaliao do rudo ocupacional, pois a que melhor correlaciona Nvel Sonoro com probabilidade de Dano Auditivo.

3.4 Efeitos do Rudo sade do expostoO rudo um fator de risco presente em vrias atividades humanas, fazendo parte do cotidiano da comunidade, no ambiente domstico e tambm na maioria dos processos de trabalho. Sem dvida alguma, a perda auditiva ou diminuio da acuidade auditiva a conseqncia mais imediata causada pela exposio excessiva ao rudo e este risco da leso auditiva aumenta com o nvel de presso s onora e com a durao da exposio, mas depende tambm das caractersticas do rudo e da suscetibilidade individual. Mas, os efeitos do rudo no se limitam a isso. A exposio em excesso ao rudo pode acarretar outros problemas de sade ou pior-los, alm de impactos na qualidade de vida do indivduo exposto. Por exemplo, aumento da presso sangunea, provocar ansiedade, perturbar a comunicao, provocar irritao, fadiga, diminuir o rendimento do trabalho, etc... Entre os danos no aparelho auditivo que a exposio a nveis excessivos de rudo

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 12

pode causar, citamos a Perda Auditiva Induzida pelo Rudo (PAIR), oTrauma Acstico e o Temporary Treshold Shift (TTS) ou Mudana Temporria do Limiar Auditivo.

3.4.1 PAIR perda permanenteEm ambiente ocupacional, tambm denominada por Disacusia, Hipoacusia ou Surdez Ocupacional, causada pela exposio prolongada a nveis elevados de rudo. A perda auditiva induzida pelo rudo indolor, gradual e seus sinais so quase imperceptveis (zumbidos no ouvido durante ou aps a exposio a nveis altos de rudo, dificuldade de manter uma conversao normal, sensao dos sons estarem abafados). Com a destruio das clulas ciliadas da cclea, a orelha interna perde a capacidade de transformar as ondas sonoras em impulsos nervosos e, conseqentemente, o fim da audio. Infelizmente, no se conhece ainda a cura para clulas ciliadas destrudas.

3.4.2 Trauma Acstico conceituado como uma perda auditiva sbita, causa por uma nica exposio a nveis de rudo muito altos. Em geral, acompanha-se de zumbido imediato, podendo acontecer rompimento do tmpano, hemorragia ou danos na cadeia ossicular.

3.4.3 Mudana Temporria do Limiar Auditivo ou Temporary Treshold Shift (TTS).A perda auditiva temporria um efeito em curto prazo de uma mudana temporria do limiar auditivo e depende da suscetibilidade individual, tempo de exposio, intensidade e freqncia do rudo. A audio volta ao normal aps algum tempo longe do rudo ou aps o chamado repouso acstico. O zumbido, aps a exposio a um rudo alto pode ser sinal de perda temporria.

3.5 Fatores para a Perda da Audio

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 13

Existem diversos fatores que podem levar perda na audio, alm da PAIR ocupacional. No ambiente de trabalho, as diversas combinaes entre agentes fsicos agressivos e agentes qumicos facilmente encontrados, tornam-se riscos sade dos expostos. Por esse motivo, as Perdas Auditivas Ocupacionais no devem ser restritas a Perda Auditiva Induzida por Rudo, pois podem ocorrer casos de perdas auditivas ocupacionais e no ocupacionais sem que haja, necessariamente, exposies ao rudo. Outros fatores, alm da PAIR ocupacional, que podem levar perda auditiva: Exposio durante lazer ou segundo ofcio: diversas ocupaes e atividades, pela natureza do trabalho, acabam por expor indivduos a nveis excessivos de rudo, tais como: prtica de tiro ao alvo, msica alta, marcenaria domstica, etc. Presbiacusia, que a perda auditiva ocasionada por envelhecimento do sistema auditivo. Causas patolgicas, como rubola, meningite, infeces do aparelho auditivo. Surdez hereditria Trauma na cabea Drogas Ototxicas: existem casos de problemas auditivos relacionados ao consumo de medicamentos, como por exemplo, certos antibiticos, anti-depressivos, etc... Agentes Qumicos Ototxicos, que por si s ou quando combinados ao rudo, podem causar danos audio. Este ltimo fator merece destaque

3.5.1 Agentes Qumicos e Perdas na AudioExposio a certos agentes qumicos tambm podem resultar em perda auditiva. Em situaes nas quais pode haver exposies simultneas rudo e n-butanol, monxido de carbono, chumbo, mangans, estireno, tolueno ou xileno, recomenda-se a realizao de audiomentrias peridicas, que devem ser cuidadosamente revisadas. Outras substncias sob estudos acerca de efeitos ototxicos so: arsnico, dissulfeto de carbono, mercrio e tricloroetileno. (alterao pretendida no livreto de TLV da ACGIH- traduo da ABHO 2002) Pode-se dizer que um dos mais importantes e complexos desafios na rea de sade

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 14

ocupacional o estudo sobre os efeitos das exposies simultneas. Fica evidente a necessidade de mais estudos nesta rea, quando analisamos o nmero de trabalhadores expostos ao rudo e a quantidade de agentes qumicos potencialmente txicos encontrados na indstria.

3.6 Caracterizao da PAIRAs perdas auditivas induzidas pelo rudo so sempre do tipo neuro-sensorial, geralmente bilaterais e simtricas, iniciando nas freqncias de 4000, 6000 ou 3000 Hz, com uma perda mais acentuada nessas freqncias do que nas freqncias de 500, 1000 ou 2000 Hz. Geralmente a maior perda na faixa de 4000 Hz. As freqncias mais altas e mais baixas que 4000 e 6000 levam mais tempo para serem afetadas. Iniciam-se nos primeiros anos de exposio e atingem um limiar mximo de 10 a 15 anos de exposio. Geralmente no progridem significativamente depois de cessada as exposies.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 15

4.0 ASPECTOS LEGAISDevido ao desconhecimento do nmero real de trabalhadores expostos e ao subregistro ou mesmo no-notificao dos casos, os dados disponveis sobre os acidentes de trabalho, em particular dos traumas acsticos e das doenas profissionais relacionadas a PAIR, nas estatsticas oficiais, no permitem mensurar o impacto do que representa a exposio ocupacional ao rudo em epidemiologia ocupacional, mas existem registros indicando que no Brasil, a surdez a segunda maior causa de doena profissional.

4.1 Ministrio Do Trabalho e EmpregoNR- 7 - Portaria n. 19, de 9 de Abril de 1998: Instrui sobre os parmetros de monitorizao da exposio ocupacional ao risco de exposio a presso sonora elevada. O critrio de aptido dado pelo mdico coordenador do P.C.M.S.O. e no deve ter carter discriminatrio. Alm do audiograma, deve ser levado em considerao a anamnese, idade, exame otoscpico, a demanda auditiva na funo. exposio no ocupacional, capacitao profissional e o P.C.A. da empresa. Tambm instrui que o funcionrio deve ser enquadrado no relatrio anual do P.C.M.S.O. NR-9 - Norma Regulamentadora No. 9 da SSMTb (que disciplina sobre as aes do PPRA): estabelece como condio fundamental no controle dos processos de trabalho em que h produo de rudo, o monitoramento regular das fontes de emisso e a adoo de equipamentos de proteo coletiva - EPC, como enclausuramento ou abafamento e de proteo individual - EPI, os denominados protetores auditivos. O planejamento de Programas de Preveno da Perda Auditiva Induzida pelo Rudo impe-se como principal medida de preservao da capacidade auditiva e de preveno de outros agravos sade da fora de trabalho, decorrentes das PAIR, especialmente o risco a que esto expostos estes trabalhadores a acidentes do trabalho, pela reduo do seu campo de percepo neuro-sensorial. NHO-01 Normas de Higiene Ocupacional da Fundacentro: avaliao da Exposio Ocupacional ao rudo

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 16

O Decreto presidencial 4.882, de 18/11/03, assinado pelo presidente da Repblica, que altera dispositivos do Regulamento da Previdncia Social, transforma em referncia oficial as Normas de Higiene Ocupacional, elaboradas e editadas pela Fundacentro. Portaria n. 48, de 25 de maro de 2003 do Ministrio do Trabalho Estabelece normas tcnicas de ensaios aplicveis aos Equipamentos de Proteo Individual com o respectivo enquadramento no Anexo I da NR 06. NR6- Vida til: Cabe ao empregador quanto ao EPI : a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade; (206.005-1 /I3) b) exigir seu uso; (206.006-0 /I3) c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo rgo nacional competente em matria de segurana e sade no trabalho; (206.007-8/I3) d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservao; (206.008-6 /I3) e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado; (206.009-4 /I3) f) responsabilizar-se pela higienizao e manuteno peridica; e, (206.010-8 /I1) g) comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada. (206.011-6 /I1) Cabe ao empregado quanto ao EPI : a) usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; b) responsabilizar-se pela guarda e conservao; c) comunicar ao empregador qualquer alterao que o torne imprprio para uso; e d) cumprir as determinaes do empregador sobre o uso adequado.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 17

5.0 PASSOS PARA A IMPLEMENTAO DO PCA

Documento Base O Documento-base ser a parte inicial do Programa de Conservao Auditiva. Ele ir agrupar todas as informaes constantes deste documento e deve conter a poltica da empresa referente proteo auditiva em particular e sade do trabalhador no geral; deve definir as responsabilidades de cada pessoa envolvida no PCA; deve enumerar os procedimentos escritos que so partes do PCA (Monitoramento da exposio, testes audiomtricos, seleo dos protetores auditivos, uso, higienizao, guarda e manuteno, treinamentos dos envolvidos) e por ltimo, deve ser avaliado e conter um plano de ao para implementao ou melhorias no sistema.

5.1.

Procedimento para a elaborao do Documento-base do PCA

5.1.1 Introduo

Deve ser escrito o nome da empresa, sua localizao, a estratgia adotada sobre o uso de equipamento de proteo auditiva e como garante a eficcia do uso. Exemplo: A (nome da empresa), estabelecida no municpio (nome da cidade) desde o ano de (ano de fundao), adota o uso de Protetores Auditivos como forma de minimizar a exposio dos trabalhadores ao rudo. Atravs da implementao de um Programa de Conservao Auditiva, conforme especificado a seguir, a empresa garante a eficcia do uso destes equipamentos.

5.1.2 Poltica da Empresa

Essa poltica deve explicitar a posio da empresa em relao s questes referentes proteo da sade do trabalhador exposto a rudos. Exemplo:

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 18

Esta em presa tem como meta primordial assegurar que todos trabalhadores empregados, terceiros e visitantes - no desempenho de suas atividades profissionais em suas reas fabris, tenham suas condies de sade preservadas.

5.1.3 Objetivo do PCAEste item deve refletir o objetivo de um PCA, levando em considerao as particularidades da empresa. Exemplo: Todos os locais de trabalho onde haja a possibilidade de exposio dos indivduos a altos nveis de rudo, o agente fsico Rudo ser avaliado e os trabalhadores monitorados de tal forma que sejam obtidos dados e informaes suficientes para identificar nveis de exposio que possam ser prejudiciais sade de trabalhador exposto. Nos casos em que seja identificado tal risco, a empresa estabelece que deve ser implantado um ou mais dos seguintes mtodos de controle, de acordo com a hierarquia abaixo: Substituio dos equipamentos ou mquinas por outros, que sejam comprovadamente menos ruidosos; implantao de sistemas de controle de rudo na fonte; Alterao no processo produtivo de forma a eliminar ou reduzir esta exposio a nveis aceitveis: isolamento do trabalhador ou do processo produtivo de modo a diminuir ou eliminar a exposio; implantao de sistemas de controle de rudo na trajetria; Adoo do uso de equipamento individual de proteo auditiva, de acordo com os critrios tcnicos e administrativos estabelecido neste documento.

5.1.4 ResponsabilidadesA equipe deve ser multidisciplinar. Cada um dos integrantes do programa ter suas atribuies e deveres dependendo de suas formaes profissionais, experincias e habilidades. Administrador do Programa O Programa de Conservao Auditiva dever ter um administrador, que ser o

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 19

responsvel pelo programa. Esta pessoa tem a autoridade para agir sobre todas as matrias relacionadas administrao e operao do PCA e para isso, possui conhecimentos suficientes, experincia profissional, est atualizado sobre os regulamentos vigentes e capacitou-se em proteo auditiva atravs de cursos de especializao/atualizao. Suas responsabilidades incluem: administrao e operao do programa de conservao auditiva dirigir medies, estimativas ou informaes atualizadas sobre os nveis de rudo na rea de trabalho e nveis de exposio; manuteno de registros e procedimentos escritos de tal maneira, que o programa fique documentado e permita uma avaliao de sua eficcia; avaliao da eficcia do programa, atravs de auditoria peridica. Diretoria, Gerncia e Superviso da empresa Cabe a gerncia, direo e superviso da empresa garantir e suportar o PCA, de forma que este possa trazer os resultados esperados na preservao do bem estar e sade do trabalhador. Fazem parte das atribuies da alta gerncia, as seguintes responsabilidades: Estabelecer e manter o Programa de Conservao Auditiva, provendo recursos financeiros e humanos. Cumprir com os requisitos legais para preservao da sade e integridade fsica do trabalhador Assegurar que a poltica da empresa referente proteo auditiva seja entendida e cumprida por todos envolvidos. Designar e substituir, se necessrio, o administrador do PCA Chefias e encarregados de produo Os chefes e encarregados devem assegurar que os trabalhadores utilizem corretamente o equipamento de proteo individual indicado para as tarefas realizadas. Os chefes e encarregados ainda tm as seguintes responsabilidades: Informar os trabalhadores sobre os riscos existentes nos ambientes de trabalho, nas operaes industriais e reas ruidosas.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 20

Orientar sobre o uso correto dos protetores auditivos e no permitir que trabalhadores ou visitantes entrem em reas de risco ou realize quaisquer operaes ou processos perigosos, sem a proteo necessria. Informar as reas de segurana, sade e higiene ocupacional sobre quaisquer alteraes ocorridas no processo de fabricao ou alteraes de matrias primas utilizadas. Engenharia e Manuteno Os setores de engenharia e manuteno so responsveis pelos projetos e implementao de controles de rudo na empresa. So tambm responsabilidades do setor de engenharia da empresa: Comunicar o administrador do PCA quaisquer alteraes em equipamentos e processos produtivos; Instalao e controle de sistemas de proteo coletiva contra rudos Compras, suprimento e almoxarifado. responsabilidade dos setores de compra e suprimento a elaborao e manuteno de polticas de compras de equipamento de proteo auditiva Esta poltica deve contemplar os seguintes tpicos: Seleo de fornecedores confiveis Manuteno de inventrios de forma a garantir a disponibilidade de produtos para uso quando necessrio Trmites para devoluo e troca. Segurana e Higiene Ocupacional As reas de segurana, higiene e sade do trabalhador exercem papel fundamental na proteo auditiva. Entre suas atribuies esto: Realiza ou conduz avaliaes da exposio do trabalhador Estabelece as medidas tcnicas de controle. Estabelece os parmetros para a seleo dos protetores auditivos Participa na avaliao dos resultados dos ensaios de audiometria Suportar tecnicamente o administrador no desenvolvimento e manuteno do PCA

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 21

Medicina e Fonoaudiologia A rea de medicina e fonoaudiologia determinam a sade e aptido de uma pessoa para o uso de um protetor auditivo especfico, de acordo com as suas atividades, estado de sade e condies de trabalho. So tambm atribuies destes profissionais: Avaliar a audio dos trabalhadores sempre que lhe forem atribudas atividades que exijam o uso de protetores auditivos Determinar sua aptido para uso dos protetores auditivos Participar na seleo de protetores auditivos e treinamentos dos usurios. Reviso dos pronturios Levantamento dos casos de Perda Auditiva e registro das C.A.T. Planejar, atualizar e conduzir os exames audiomtricos em concordncia com as normas legais (PCMSO portaria n 19). Seguir as recomendaes do Comit Nacional de Preservao Auditiva quanto ao diagnstico, interpretao e conceitos mdico-administrativos. Usurios de protetores auditivos Os usurios de protetores auditivos podem ser funcionrios da empresa, funcionrios de empresas contratadas ou visitantes. So responsabilidades do usurio: Utilizar o equipamento de acordo com as instrues recebidas. Cuidar e manter seu equipamento em boas condies de uso. Reportar qualquer dano ou mau funcionamento. Deixar imediatamente a rea ruidosa caso seja observada qualquer irregularidade no funcionamento do equipamento. Reportar qualquer alterao em seu estado de sade

5.2 Requerimentos mnimos do programaOs procedimentos abaixo esto baseados nos requerimentos apresentados pela OSHA (Occupational Safety and Health Administration) nos USA para a elaborao de um PCA e no que est estabelecido no documento da FUDACENTRO Programa de Proteo Respiratria Recomendaes para Seleo, Manuteno e Uso de

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 22

Equipamentos de Proteo Respiratria, como as etapas mnimas que tambm poderiam ser aplicadas em um Programa de Conservao Auditiva: Avaliao da exposio (OSHA e FUNDACENTRO); Seleo dos Protetores Auditivos (OSHA e FUNDACENTRO); Distribuio de protetores auditivos (FUNDACENTRO); Limpeza, higienizao, armazenamento e manuteno (FUNDACENTRO); Treinamento (OSHA e FUNDACENTRO); Monitoramento do uso (FUNDACENTRO); Exame mdico Audiometrias (OSHA e FUNDACENTRO);

5.2.1 Avaliao da ExposioTodas as reas de trabalho onde haja presena de rudo e trabalhadores expostos devem ser avaliadas com mtodos apropriados de anlise quantitativa. Elabore um procedimento escrito que defina claramente como feito o monitoramento de risco na empresa, e que possa garantir que no haver alteraes das condies do ambiente de trabalho que superem as limitaes dos equipamentos elecionado. Este procedimento pode fazer referncias ao Programa de Preveno de Riscos Ambientais (PPRA) da empresa. Um estudo de anlise de riscos, ou informaes contidas nos mapas de riscos, ou informaes sobre processos e/ou operaes similares, ou ainda informaes mdicas dos trabalhadores expostos podem ser teis na identificao de reas onde haja potencial para super exposio do trabalhador. Utilizando-se de tcnicas e instrumentos de acuidade e preciso reconhecidos como prprios para o tipo de avaliao que se deseja executar, os ambientes onde estes riscos esto presentes devero ser amostrados e analisados de modo a identificar os nveis de rudos existentes. Cuidados especiais devem ser tomados nesta avaliao de modo que as operaes e/ou processos que estejam sendo realizadas no momento da amostragem sejam representativas do trabalho dirio no local e que estratgias especficas sejam adotadas, dependendo da resposta que est sendo buscada.

5.2.2 Seleo dos Protetores Auditivos

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 23

A seleo dos protetores auditivos pode ser realizada com base nos elementos da proteo efetiva, discutidos neste guia, porm, deve ficar explcita a metodologia utilizada pela empresa. muito importante considerar os fatores relativos s caractersticas pessoais do trabalhador e das atividades por ele realizadas. O procedimento deve contemplar as consideraes para a escolha do melhor protetor auditivo, como por exemplo, a dose de exposio ao agente e determinao da atenuao mnima desejvel, tipo de ambiente onde ser utilizado o protetor, outros contaminantes presentes, necessidade de compatibilidade com uso de outros EPIs, conforto proporcionado ao usurio, vedao no canal auditivo, tipo de trabalho executado, entre outros.

5.2.3 Distribuio dos Protetores Auditivos necessrio o estabelecimento de normas ou procedimentos por escrito para promover a distribuio e reposio do protetor auditivo, visando a garantir as condies de proteo originalmente estabelecidas. A distribuio requer cuidados do profissional que executa tal funo, garantindo assim que o usurio tenha em mos o produto adequado ao uso a que se destina. Para tal, pode ser definida uma planilha de controle de distribuio de protetores auditivos, contendo informaes mnimas, tais como: Nome do usurio, Situao de risco/exposio, Data das retiradas, Modelo utilizado, Parte substituda, Motivo da substituio, Comentrios...

5.2.4 Limpeza, higienizao, armazenamento e manuteno.Os procedimentos para manuteno, limpeza e higienizao de protetores auditivosDireitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 24

podem ser documentados parte. Este documento deve mencionar como e por quem ser realizada a manuteno dos equipamentos. Cada tipo ou modelo de Protetor Auditivo exige diferentes nveis de manuteno, limpeza e higienizao. Estes procedimentos de manuteno muitas vezes constam na embalagem dos produtos ou so disponibilizados atravs de bulas ou dados tcnicos fornecidos pelo fabricante do Equipamento de Proteo Individual (EPI).

5.2.5 TreinamentoTodos os trabalhadores de reas ou atividades que requerem o uso de protetores auditivos devero ser instrudos sobre suas responsabilidades no PCA. Eles devem ser treinados sobre a necessidade, uso, limitaes e cuidados com os protetores. O contedo especfico do treinamento dever ser provido por instrutor habilitado e com formao mnima de Tcnico de Segurana do Trabalho. O contedo mnimo deve estar descrito neste procedimento. Devem ser estipuladas as datas para os retreinamentos, num intervalo de no mximo 12 meses. Os registros deste treinamento devero ser arquivados pelo administrador do programa.

5.2.6 Monitoramento do uso

muito importante que fique claro como sero feitas as checagens sobre o uso correto dos protetores auditivos e que providncias so tomadas em caso de se encontrar alguma irregularidade no uso deste EPI.

5.2.7 Exame mdico Audiometrias

Todos os trabalhadores que forem includos no programa de conservao auditiva devero passar por uma avaliao mdica, que contemplar tambm as audiometrias. Devero ser estipulados os critrios de periodicidade destas avaliaes. Outro papel fundamental do mdico/fonoaudilogo o de permitir ou restringir o uso de um determinado Equipamento de Proteo. No necessrio que o mdico

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 25

divulgue informaes sobre o estado de sade do trabalhador. Ele deve apenas informar se o trabalhador est apto ou no ao uso do Equipamento. O objetivo assegurar que o trabalhador se encontra fsica e psicologicamente habilitado a executar suas atividades e utilizar o Protetor Auditivo.

5.3 Avaliao da eficcia do Programa de Conservao AuditivaEste programa dever ser revisto e avaliado a cada 12 meses, no mnimo, pelos auditores definidos pelo Administrador do programa. Todos os requerimentos mnimos do programa devero ser contemplados em todas as auditorias. Ser elaborado um relatrio escrito desta avaliao. Para cada no conformidade encontrada, ser estabelecido um plano de aes corretivas com um cronograma estabelecido para a concluso de cada ao. O Administrador do programa no poder ser um dos auditores, mas dever estar presente em todas as auditorias, pois quem concentra todas as informaes necessrias para o atendimento das questes que venham ser levantadas. . Uma lista anexa a este documento deve conter os nomes dos profissionais que esto habilitados a realizar as auditorias.

5.4

Registro dos dados

Devem ser criados, para cada etapa, planilhas de controle e relatrios, que devem ser claros e objetivos, preparados com as informaes sobre os resultados das avaliaes realizadas. Recomenda-se que os relatrios tcnicos sejam abordados de forma a possibilitarem a compreenso por leitor qualificado sobre o trabalho desenvolvido e documentarem os aspectos relevantes que foram utilizados no estudo.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 26

6.0- PROCEDIMENTO PARA O MONITORAMENTO DAS EXPOSIESOs dados de medio de rudo, obtidos atravs de pesquisas e avaliaes, so necessrios para determinar o grau de exposio ao risco e para tomada de decises sobre como proteger os trabalhadores expostos. Diferentes instrumentos e metodologias de medies podem ser empregados, dependendo do tipo de informao que se deseja obter e profundidade da avaliao que est sendo conduzida. Os resultados das avaliaes do rudo so necessrios por muitas razes: Definir, identificar ou prever as reas da planta com nveis perigosos de rudo; Identificar os trabalhadores a serem includos no PCA; Classificar o tipo de exposio dos trabalhadores, a fim de definir polticas de uso de Protetores Auditivos e priorizar reas com enfoque em controle de rudo; Determinar se o nvel de rudo representa um risco em relao a interferncias na comunicao e percepo de sinais de alerta; Avaliar fontes geradoras de rudo com propsito de controle; Documentar os nveis de rudo e nveis de exposio dos trabalhadores para fins legais, etc. A partir do momento que decidido conduzir pesquisas e avaliaes do rudo para tomada de deciso perante os resultados obtidos, a qualidade com que estas avaliaes sero realizadas e o nvel de confiana e conhecimento do profissional em relao s estratgias adotadas, objetivos das pesquisas, planejamentos, investimentos necessrios, recursos financeiros e humanos se tornam muito importantes, pois de seus resultados e concluses dependem o futuro da empresa e dos trabalhadores expostos. Muitas estratgias, equipamentos e tcnicas de avaliao esto disponveis e cabe ao profissional decidir por aquela que acredita ser mais conveniente e que apresente os resultados mais confiveis para a pesquisa a ser realizada. Um critrio de Avaliao da Exposio Ocupacional ao Rudo (contnuo, intermitente e de impacto) aceitvel o apresentado na NHO-01 - Norma de Higiene Ocupacional da FUNDACENTRO.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 27

Caracterizao Bsica Segundo a AIHA (American Industrial Hygiene Association), o primeiro passo na avaliao da exposio caracterizar o ambiente de trabalho. A caracterizao bsica deve identificar as exposies potenciais para cada empregado ou grupo de empregados alocados em determinado local de trabalho, identificar os limites de tolerncia apropriados e definir os Grupos Similares de Exposio (GSE) ou Grupos Homognios de Exposio (GHE). Sendo assim, a Caracterizao Bsica possui quatro componentes principais: - Caracterizao do Ambiente de Trabalho Conhecimento do ambiente Descrio dos processos Atividades envolvidas Agentes existentes

- Caracterizao da Populao Exposta Atividades realizadas por cargo/funo/subfuno Caractersticas da populao - Caracterizao dos Agentes Ligados ao local de trabalho/atividade/tarefas Efeitos sade Normas relacionadas Estudos dos limites de exposio aplicveis - Formao preliminar dos GSE ou GHE um grupo de trabalhadores com idnticas probabilidades de exposio a um dado agente Permite inferncias estatsticas informao representativa das exposies Sua determinao envolve observao, a partir de funes, reas de trabalho, agentes, atividades.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 28

Com os GSE preliminares estabelecidos, deve-se partir para a prxima etapa do trabalho, que a realizao de uma classificao qualitativa da exposio, estabelecendo uma graduao de prioridade para as avaliaes e monitoramentos dos GSE.

6.1

Medies e Avaliaes

O conjunto de medies deve ser representativo das condies reais de exposio do grupo, com os perodos adequadamente escolhidos, entendendo e considerando os ciclos de trabalho nos processos (ciclos repetitivos; ciclos no regulares). As medies no devem interferir nas condies de trabalho e devem ser realizadas medies isoladas de exposies no rotineiras, alm de serem coletadas informaes administrativas e de campo, essenciais para interpretao dos resultados e tomada de decises. As avaliaes devem ser realizadas periodicamente anualmente ou mais frequentemente caso haja suspeita que as exposies dos trabalhadores tipo mdias ponderadas no tempo alteraram significantemente (para mais ou para menos). Nesse sentido, so apresentadas algumas dicas importantes retiradas do livro Hearing Conservation Programs Practical Guidelines for Success Royster & Royster, para que os objetivos do trabalho sejam definidos e os investimentos bem aplicados: Mantenha uma previso das avaliaes, com seus objetivos claramente definidos e limite seu escopo, para obter as informaes necesrias para direcionar as decises; Planeje e coordene com o pessoal responsvel pela produo (operrios e supervisores), para obter as informaes necessrias e confiveis nas avaliaes do rudo e responder a relevantes questes sobre como proteger os expostos. Atravs da familiaridade do pessoal da produo com o ambiente produtivo, processos, ciclos, mquinas, juntamente com a explicao do

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 29

propsito da pesquisa, erros podem ser evitados tanto nas estratgias quanto nas avaliaes propriamente ditas; Registre e documente os dados com um nvel de detalhe suficiente para que outra pessoa possa compreend-los e replicar os resultados, caso nada tenha sido alterado no ambiente de trabalho; A participao do trabalhador essencial para o sucesso das avaliaes, mantendo sua rotina de trabalho quando solicitado, ou para notificar qualquer informao aos membros coordenadores do PCA, em portar e zelar pelos equipamentos de avaliao, indicar aos responsveis necessidades de novas avaliaes; A comunicao dos resultados deve ser realizada com nvel de informaes adequadas para cada interessado. Os interesses da gerncia e a superviso podem ser nos resultados gerais de avaliao do rudo das reas. Um resumo completo pode ser de interesse dos membros do PCA. O mapa de rudo atualizado da planta pode ser explicado aos trabalhadores durante os programas de treinamentos. Estimativa de exposio mdia dos trabalhadores pode ser transcrita nos resultados de exames audiomtricos para referncias e interpretaes e enviados a cada trabalhador exposto;

6.2

Tipos de Avaliaes e Instrumentao

Nas avaliaes bsicas do rudo, um medidor instantneo de nvel de presso sonora (decibelmetro) pode ser utilizado para identificar as reas de trabalho onde claramente no existe um problema de rudo e as reas as quais existe um potencial de ambiente perigosamente ruidoso. As avaliaes bsicas de rudo determinam os departamentos onde os trabalhadores podem necessitar serem incluidos no PCA devido aos resultados das exposies dirias ao rudo. (uma combinao entre os nveis de rudo e sua correspondente durao da exposio). Nas avaliaes detalhadas do rudo, um medidor instantneo de nvel de preso

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 30

sonora (decibelmetro) e um cronmetro e/ou um medidor integrador de uso pessoal (dosmetro) podem ser utilizados para estimar a dose diria de rudo de um trabalhador e a equivalente mdia ponderada no tempo. Nas avaliaes para controle de engenharia um medidor instantneo de nvel de preso sonora (decibelmetro), filtros de banda de oitava e outros instrumentos podem ser utilizados para medir o nvel de rudo produzido por uma mquina em vrios modos de operao a fim de avaliar o potencial para aplicao de controles de engenharia (na fonte, trajetria)

6.3

Dosimetria de Rudo Monitoramento Pessoal da Exposio

A Dosimetria deve ser realizada sempre que se desejar informaes de exposio da populao que no assume uma posio fixa junto a um equipamento, e sim, possui uma rotina de trabalho por vrias reas ou locais da empresa. Porm, sabe-se que praticamente no existem tarefas profissionais nas quais o indivduo exposto a um nico e perfeitamente constante nvel de rudo durante a jornada. O que ocorre so exposies por tempos variados a nveis variados de rudos.

6.3.1 Limites de Tolerncia para Rudo Contnuo ou IntermitenteA Dose de rudo calculada de acordo com os tempos de exposio permitidos para cada nvel de rudo. No Brasil, a Portaria 3214 do Ministrio do Trabalho, NR15, no seu Anexo 1, estabelece tais limites, partindo de 85 dB(A) para uma exposio de 8 horas e um fator de 5 dB(A) para a reduo metade da exposio, conforme tabela que se segue.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 31

Tabela 4 Portaria 3214 NR15 Anexo 1 Limites de Tolerncia para Rudo Contnuo ou Intermitente Nvel de Rudo (dBA) 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 Mxima Exposio Diria 8h 7h 6h 5h 4.5h 4h 3.5h 3h 2h40min 2h15min 2h 1h45min 1h15min 1h 45min 35min 30min 25min 20min 15min 10min 8min 7min

Conforme descrito na Referncia Normativa NHO-011997/1998:

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 32

Dose: parmetro utilizado para caracterizao da exposio ocupacional ao rudo, expresso em porcentagem de energia sonora, tendo por referncia o valor mximo da energia sonora diria admitida, definida com base em parmetros preestabelecidos. Os dosmetros comparam os tempos efetivos de exposio a diferentes nveis com os tempos de exposio permitidos por lei, depois somam todas as contribuies, conforme expresso abaixo: D = C1 + C2 + C3 + ...+ Cn T1 T2 T3 Tn

Se D > 1 ou 100%, a exposio est acima do L.T. onde: C - Tempo real de exposio ao rudo sob um determinado nvel T - Tempo mximo permitido a este nvel de rudo, segundo o critrio de avaliao adotado (norma). Observao: Em casos de avaliao de doses em tempos inferiores aos da jornada, o valor da dose pode ser obtido atravs da extrapolao linear simples (regra de trs), como no exemplo: Tempo de avaliao 6h30min. Dose encontrada = 87%. Qual a dose para 8h? D= 87 x 8 = 107% 6,5 Todavia, esta extrapolao pressupe que a amostra feita de 6.5 h foi representativa da jornada!!! Nvel Mdio (Lavg) o nvel ponderado sobre o perodo de medio, que pode ser considerado como Nvel de Presso Sonora contnuo, em regime permanente, que produziria a mesma dose de exposio que o rudo real, flutuante, no mesmo perodo de tempo.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 33

No caso da NR15, a relao entre a dose de rudo (D), expressa em porcentagem, e o Nvel Mdio (Lavg), expresso em dB(A), para incremento de duplicao da dose (q) igual a 5, dada pela frmula simplificada: Lavg = 80 + 16,61 log ( 0,16D /T) Onde: T = tempo de amostragem (horas decimais) D = Dose em % No caso da ACGIH e da NHO-01, o critrio de avaliao considera dose mxima diria de 100%, e para exposio de 8 horas, limite de 85 dB(A), e incremento de duplicao da dose (q) igual a 3. A relao entre a dose de rudo (D), expressa em porcentagem, e o Nvel de Exposio equivalente (NE), expresso em dB(A), dada pela frmula simplificada: NE = 10 log ( 480 x D ) + 85 Te Onde: Te = tempo de durao, em minutos, da jornada de trabalho D = Dose diria de rudo, em % Critrio de Julgamento e Tomada de Decises para Rudo Contnuo ou Intermitente O quadro a seguir apresenta a proposta contida na NHO-01 com as consideraes tcnicas e a atuao recomendada em funo da dose diria ou do Nvel de Exposio Normalizado encontrados na condio de exposio avaliada. 100

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 34

DOSE DIRIA (%) 0 a 50 50 a 80 80 a 100

NEN dB(A) at 82 82 a 84 84 a 85

CONSIDERAO TCNICA Aceitvel

acima de 100

> 85

ATUAO RECOMENDADA No mnimo manuteno da condio existente Acima do nvel de ao Adoo de medidas preventivas Regio de incerteza Adoo de medidas preventivas e corretivas visando a reduo da dose diria Acima do limite de Adoo imediata de exposio medidas corretivas

6.3.2 Limites de Exposio para Rudo de ImpactoSeguindo os critrios de avaliao da exposio a rudos de impacto propostos na NHO-01, o limite de exposio dirio ao rudo de impacto determinado pela expresso que se segue: LIMITE DE EXPOSIO Np = 160 - 10 Log n [dB] Onde: Np = nvel de pico, em dB(Lin), mximo admissvel n = nmero de impactos ou impulsos ocorridos durante a jornada diria de trabalho A tabela abaixo, obtida com base na expresso anterior, apresenta a correlao entre os nveis de pico mximo admissveis e o nmero de impactos ocorridos na jornada de trabalho.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 35

Np 120 121 122 123 124 125 126

n 10000 7943 6309 5011 3981 3162 2511

Np 127 128 129 130 131 132 133

n 1995 1584 1258 1000 794 630 501

Np 134 135 136 137 138 139 140

n 398 316 251 199 158 125 100

Critrio de Julgamento e Tomada de Decises O quadro a seguir apresenta a proposta contida na NHO-01, com base nos critrios de avaliao propostos na NHO-01 para avaliao da exposio a rudos de impacto.

Nvel de pico > Np limite de exposio excedido (Np - 3) < Nvel de pico < Np acima do nvel de ao Nvel de pico > 140 dB no permitida a exposio sem proteo adequada

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 36

6.3.3 Aspectos Legais-Para rudo intermitente ou contnuo e para rudo de impacto, o conceito de LT-MP dado para 8 horas de exposio e o conceito de LT-Teto, quando h risco grave e iminente para exposies, mesmo instantneas, sem proteo. LT-MP LT-Teto

Tipos de Rudo

85 dB(A) Rudo Contnuo ou Intermitente circuito de ponderao - "A" circuito de resposta lenta ( slow )

115 dB(A) circuito de ponderao - "A" circuito de resposta - lenta ( slow )

130 dB (linear) circuito linear circuito de resposta- nvel de pico Rudo de Impacto ou 120 dB (C) circuito de ponderao - C circuito de resposta rpida (fast)

140 dB (linear) circuito linear circuito de resposta- nvel de pico ou 130 dB (C) circuito de ponderao - C circuito de resposta rpida (fast)

Para fins de NR-15, Limite de Tolerncia a concentrao ou intensidade mximas ou mnimas, relacionadas com a natureza e o tempo de exposio do agente, que no causar dano sade do trabalhador, durante a sua vida laboral. Para a ACGIH, os Limites de Exposio TLVs - referem-se aos nveis de presso sonora e aos tempos de exposio que representam condies s quais, se acredita que, a maioria dos trabalhadores possa estar exposta, repetidamente, sem sofrer efeitos adversos sua capacidade de ouvir e entender uma conversa normal. Os valores devem ser usados como um guia no controle da exposio a rudos e, devido a susceptibilidade individual, no devem ser considerados uma linha divisria entre nveis seguros e nveis perigosos. Um programa de conservao auditiva com todos seus elementos, incluindo testes

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 37

audiomtricos, necessrio quando os trabalhadores esto expostos a nveis de rudo iguais ou superiores ao limite de exposio.

6.3.4 Registros dos dadosOs relatrios preparados com as informaes sobre os resultados das avaliaes das exposies devem ser claros e objetivos. Recomenda-se que no relatrio tcnico sejam abordados, no mnimo, os aspectos a seguir apresentados, de forma que possibilite a compreenso por leitor qualificado sobre o trabalho desenvolvido e documentar os aspectos relevantes que foram utilizados no estudo, como por exemplo, os parmetros da NHO-01. Mesmo contento nos relatrios todas as informaes de uma forma organizada, as informaes originais sobre as avaliaes das exposies devem ser preservadas para propsitos legais. Relatrio Introduo, incluindo objetivos do trabalho, justificativas e datas ou perodos em que foram desenvolvidas as avaliaes; Critrio de avaliao adotado; Instrumental utilizado; Metodologia de avaliao; Descrio das condies de exposio avaliadas; Dados obtidos; Interpretao dos resultados;

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 38

7.0 TESTES AUDIOMTRICOS

7.1

Objetivos

A fase Avaliaes por Audiometrias de um PCA engloba e interliga todas as outras fases do programa, pois indica se objetivo principal est sendo alcanado: preveno da perda auditiva ocupacional. Se o PCA no est sendo efetivo, os resultados da audiometria acusaro alteraes dos limiares auditivos dos trabalhadores expostos, podendo indicar um diagnstico preliminar, compatvel ou sugestivo de PAIR. Mas, a confirmao s pode ser realizada dentro de um contexto amplo, com uma anlise mais completa de dados.

7.2 Critrios Adotados

Apenas mdicos e fonoaudilogos podem conduziro o exame. Para a realizao das audiometrias, o repouso auditivo fundamental e deve ser de no mnimo 14 horas (Portaria 19 do Ministrio do Trabalho). O ambiente onde o exame ser realizado dever ser adequadamente escolhido, pois ser realizado em cabine acstica, onde os nveis de presso sonora em seu interior no devero ultrapassem as recomendaes internacionais (ANSI 3.1, 1991 ou parmetro OSHA 81, apndice D). Esta cabine deve estar acomodada em local silencioso, distante de fontes de vibrao e isento de interferncias que prejudiquem a execuo do teste e interfiram na ateno do paciente. O Dispositivo gerador dos sons dentro da cabine o audimetro, preparado para produo de tons puros, que so transmitidos aos indivduos em teste atravs de fones de ouvido. A calibrao deste instrumento de extrema importncia para a padronizao da freqncia e da intensidade. O audimetro deve ser submetido aferio anual e calibrao acstica, se necessrio e, a cada cinco anos, a calibrao eletroacstica dever ser realizada. Na avaliao audiolgica ocupacional deve constar a Anamnese, com informaes sobre histria laborativa, existncia de exposio ao rudo ou s substncias ototxicas (atual e pregressa), qual o ambiente de trabalho e a funo (atual eDireitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 39

pregressa); histria familiar, uso prvio de ototxicos, queixas de zumbidos, hipoacusia e a avaliao auditiva propriamente dita, constando exames, como Otoscopia, Audiometria Tonal e Vocal. Para maior segurana e proteo, tanto da empresa quanto do trabalhador, as audiometrias devem ser realizadas no mnimo, no momento da admisso, no 06 (sexto) ms aps a mesma, anualmente a partir de ento, e na demisso nos trabalhadores expostos a nveis de presso sonora acima de 80dBA (avaliaes referenciais, sequenciais, demissionais). Na interpretao dos resultados da avaliao auditiva, existe a necessidade da anlise conjunta dos dados obtidos para d eterminar o grau e o tipo da deficincia auditiva (Diagnstico diferencial das perdas auditivas). Os resultados do exame devem ser fornecidos aos trabalhadores, bem como as orientaes que se fizerem necessrias. A periodicidade deve ser definida segundo este resultado. Na prtica da Audiologia Ocupacional, so encontrados, freqentemente, trabalhadores que simulam ou dissimulam uma perda auditiva. Tambm por este motivo fica claro a necessidade das audiometrias serem conduzidas por Fonoaudilogo, que pode julgar e validar o exame. Uma avaliao correta, ao contrrio de prejudicar, poder beneficiar o trabalhador, evitando o agravamento de uma deficincia auditiva e aumentando suas oportunidades dentro da empresa.

7.3

A importncia das Audiometrias no PCA

As audiometrias identificam os indivduos que esto inadequadamente protegidos, mas somente oferecero dados confiveis e teis para uma interveno se forem conduzidas adequadamente, se os resultados forem avaliados apropriadamente e comunicados para os trabalhadores submetidos aos exames. A audiometria anual um excelente momento, j previsto no programa, onde os trabalhadores tero a oportunidade de uma conversa individual sobre conservao auditiva. Podem ser extradas muitas vantagens deste momento, pois uma das melhores oportunidades de motivao dos trabalhadores em relao conservao auditiva. As audiometrias funcionam como um guia de deteces e tomadas aes corretivas, no apenas documentando a perda auditiva, se houver, e sim, avaliando e

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 40

acompanhando cada caso. importante lembrar que as Audiometrias, somente, no previnem perda auditiva, mas as anlises dos resultados obtidos atravs das audiometrias podem prevenir.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 41

8.0 -SELEO E USO DE PROTETORES AUDITIVOS

8.1 Controle da Exposio ao RudoO controle do rudo uma ao que, em ltima anlise, visa diminuir a exposio dos indivduos ao rudo, ou seja, reduzir a dose de exposio diria. Como o controle do rudo pode se dar em trs nveis fonte, trajetria e indivduo, a dose estaria mais vinculada ao ltimo caso. importante observar que existe uma hierarquia e que a forma ideal de diminuir os riscos de perda da capacidade auditiva dos trabalhadores atravs do Controle por Engenharia, onde as prticas mais comuns so: Reduo do rudo na Fonte: Modificaes ou substituies de mquinas e equipamentos Isolamentos entre superfcie que vibram e dos dispositivos que produzem as vibraes Modificao do processo de produo Manuteno preventiva e corretiva de mquinas e equipamentos Mudanas para tcnicas menos ruidosa de operao. Reduo do rudo na Trajetria: Alterao das caractersticas acsticas do ambiente de trabalho pela introduo de materiais absorventes, revestimentos Assentamento com material anti-vibrante, Isolamento do posto de trabalho do local de transmisso da vibrao. Barreiras, silenciadores, enclausuramentos parciais ou completos Infelizmente, os controles por Engenharia e Administrativos nem sempre resolvem os problemas, podendo ser muito caros e impraticveis, especialmente para pequenas operaes. Quando os controles ou prticas de trabalho no conseguirem a reduo do rudo a um nvel seguro, a maneira mais efetiva de proteger os trabalhadores a Reduo da Exposio ao Rudo no Indivduo, reduzindo a dose de exposio diria:

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 42

Reduo do Rudo no Indivduo: Revezamento entre ambientes, postos, funes ou atividades Posicionamento remoto dos controles das mquinas Enclausuramento do trabalhador em cabine tratada acusticamente Alteraes da posio do trabalhador em relao fonte de rudo ou do caminho da transmisso durante etapas da jornada de trabalho. Uso de equipamento de proteo individual, reduzindo a dose de rudo diria recebida.

NR-9 IDIA PRINCIPAL9.3.5.4. Quando comprovado pelo empregador ou instituio, a inviabilidade tcnica da adoo de medidas de proteo coletiva ou quando estas no forem suficientes ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantao ou ainda em carter complementar ou emergencial, devero ser adotadas outras medidas obedecendo-se seguinte hierarquia: Medidas de carter administrativo ou de organizao do trabalho: Afastar do rudo: fisicamente; diminuir jornada de trabalho; Utilizao de equipamento de proteo individual - EPI 1) seleo do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o trabalhador est exposto e atividade exercida, considerando-se a eficincia necessria para o controle da exposio ao risco e o conforto oferecido segundo avaliao do trabalhador usurio; 2) programa de treinamento dos trabalhadores quanto sua correta utilizao e orientao sobre as limitaes de proteo que o EPI oferece; 3) estabelecimento de normas ou procedimentos para promover o fornecimento, o uso, a guarda, a higienizao, a conservao, a manuteno e a reposio do EPI, visando a garantir as condies de proteo originalmente estabelecidas;

8.2

Tipos de Protetores Auditivos

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 43

Uma vez que existem muitos tipos diferentes de protetores, que podem ser utilizados em diversos ambientes de trabalho, desejvel que se escolha o protetor auditivo mais adequado para cada caso. (Livro: Protetores Auditivos Samir Gerges) Protetores Auditivos de Insero Pr Moldados

So aqueles cujo formato definido, por exemplo, trs flanges ou protetores noroletveis. Podem ser de diferentes materiais: borracha, silicone, PVC. As vantagens dos protetores auditivos pr-moldados so: Diversos modelos; Compatveis com outros equipamentos, como capacetes , culos, respiradores, etc; Reutilizveis ou descartveis; Pequenos e facilmente transportados e guardados; Relativamente confortveis em ambiente quente; No restringem movimentos em reas muito pequenas Podem ser utilizados por pessoas com cabelos longos, barba e cicatrizes, sem interferncia na vedao. As desvantagens so: Movimentos (fala, mastigao) podem deslocar o protetor, prejudicando a atenuao Necessidade de treinamento especfico Bons nveis de atenuao dependem da boa colocao S pode ser utilizado em canais auditivos saudveis Fceis de perder Menor durabilidade

Protetores Auditivos de Insero Moldveis

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 44

Feitos em espuma moldvel, com superfcie lisa que evita irritaes no conduto auditivo. Contornam-se ao canal auditivo do usurio, independentemente do tamanho ou formato do canal. As vantagens dos protetores de insero moldveis so: De espuma macia, no machucam o ouvido; Podem ser utilizados por pessoas com cabelos longos, barba e cicatrizes, sem interferncia na vedao. Se ajustam bem a todos os tamanhos de canais auditivos; Compatveis com outros equipamentos como capacetes, culos, respiradores, etc; Descartveis e de baixo custo; Pequenos e facilmente transportados e guardados; Relativamente confortveis em ambiente quente; No restringem movimentos em reas muito pequenas Quando colocados corretamente, proporcionam excelente vedao no canal auditivo. As desvantagens so: Movimentos (fala e mastigao) podem deslocar o protetor, prejudicando a atenuao; Necessidade de treinamento especfico para colocao; Bons nveis de atenuao dependem da boa colocao; No recomendado o manuseio se o usurio estiver com as mos sujas; S podem ser utilizados em canais auditivos saudveis; Fceis de perder.

Protetores Auditivos Tipo Concha

Formado por um arco plstico ligado a duas conchas plsticas revestidas internamente por espuma, que ficam sobre as orelhas. Possuem as almofadas externas para ajuste

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 45

confortvel da concha ao rosto do usurio, ao redor da orelha.

Podem ser do tipo acoplveis capacetes, no apresentando, neste caso, a haste de interligao das conchas. As vantagens em relao ao uso dos protetores tipo concha so: nico tamanho - serve para todos os tamanhos de cabea; Utilizao simples / Colocao rpida; Pode ser utilizado mesmo por pessoas com infeces mnimas no canal auditivo; Atenuao uniforme nas duas conchas; Partes substituveis: possuem vrias peas de reposio; Higinicos podem ser utilizados em canais auditivos doentes, desde que permitido pelo mdico responsvel. Suas desvantagens so: Desconforto em reas quentes; Dificuldade em carregar e guardar devido ao seu tamanho; Pode interferir com outros equipamentos de proteo como culos, capacetes, etc; Pode restringir movimentos da cabea; Presso dasconchas pode ser desconfortvel para 8 horas de jornada de trabalho; Cabelos longos, barba, uso de culos, cavidades profundas na regio entre o maxilar e o pescoo em muito prejudicaro a atenuao. Protetores Auditivos Tipo Capa de Canal

So formados por uma haste plstica de alta resistncia deformao e rompimento,

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 46

utilizadas abaixo do queixo ou atrs da cabea, com plugues de espuma substituveis em suas extremidades. Acomodam-se na entrada do canal auditivo, possuem formato definido, no entrando em contato com o canal auditivo do usurio. As vantagens dos protetores tipo capa de canal so: Boa durabilidade dos plugues; Plugues descartveis Podem ser utilizados com a haste atrs da cabea ou debaixo do queixo. Podem ser usados com capacetes, culos e outros equipamentos sem que reduza a atenuao e mantendo a eficincia da vedao; Possuem haste que pode ser regulada para no incomodar o usurio, ainda oferecendo certa presso dos plugues, mantendo a atenuao. Excelente opo para usos intermitentes As desvantagens so: No recomendado o manuseio dos plugues com as mos sujas. Pode ser desconfortvel para 8 horas de trabalho. A atenuao depende da boa acomodao dos plugues na entrada do canal auditivo

8.3

Recomendaes para Seleo e Uso

8.3.1 Seleo de Protetores AuditivosA considerao mais crtica na seleo e uso de protetores auditivos a habilidade em ajustar os protetores, a fim deles proporcionarem uma vedao ao rudo de uma maneira confortvel e q a vedao possa ser consistentemente mantida durante ue todas as exposies ao rudo. Outras consideraes importantes incluem: capacidade de reduo de rudos do protetor auditivo (atenuao), a exposio diria ao rudo (uso dirio), variaes no nvel d rudo (dose), preferncias do usurio (conforto), e necessidades de comunicao, perda auditiva (se houver), compatibilidade com outros equipamentos de segurana, habilidades fsicas, clima e outras condies de trabalho e requerimentos de troca, cuidado e uso.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 47

Como selecionar um bom protetor auditivos de responsabilidade das reas de Segurana e Sade/Mdica a escolha pela proteo apropriada, em termos de atenuao mnima necessria, aps a avaliao das exposies dos trabalhadores (dose de exposio). Porm, devero ser consideradas as opinies finais dos usurios em relao a alguns pontos muito importantes, que aumentaro as chances do uso correto e eficcia da proteo. A seleo do protetor auditivo deve ser feita envolvendo o usurio. Uma forma prtica selecionar vrios tipos de protetores auditivos e fornecer ao usurio para que experimentem e escolham o tipo em que melhor se adaptam. (Livro: Protetores Auditivos Samir Gerges) Para que o protetor seja utilizado adequadamente, vrios aspectos devero ser observados, dependendo das condies de trabalho em cada rea e do tipo de rudo existente. Elementos da proteo efetiva Existe uma diferena entre os termos Eficincia dos protetores e sua Eficcia. A Eficincia de atenuao est relacionada capacidade que os protetores tm de amenizar os rudos externos, ou seja, poder de reduo ou nvel de reduo do rudo. Esta medida de eficincia realizada em laboratrio, atravs de uma metodologia de ensaio conforme sugerido em uma norma. Atualmente, no Brasil, so seguidos os critrios da ANSI S12.6/1997 mtodo B, cujo resultado denominado NRRsf (nvel de reduo de rudo subject fit), cujo resultado est explcito no certificado de aprovao (C.A.), emitido pelo Ministrio do Trabalho. No entanto, a Eficcia do protetor depende de alguns fatores, que so os elementos da proteo efetiva: Colocao e uso corretos Qualidade da vedao no canal auditivo Porcentagem do tempo de uso

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 48

Atenuao oferecida Portanto, a seleo do protetor auditivo precisa ser realizada a partir de um trabalho individual, no qual sejam considerados todos os elementos da proteo efetiva, alm das caractersticas pessoais do usurio (formato da cabea e rosto, tamanho do conduto auditivo, tipo de atividade, compatibilidade com outros E.P.I.s) e conforto proporcionado ao usurio pelo protetor, lembrando que o aspecto conforto extremamente subjetivo, ou seja, o protetor no deve incomodar quem o utiliza.

O melhor desempenho dos protetores auditivos somente ser alcanado com esforos direcionados para a correta seleo, colocao, vedao, entrega do EPI e substituio por novos. Pessoas capacitadas e interessadas devem ser selecionadas para conduzir esta fase do PCA, proporcionando-as conhecimentos suficientes para realizarem um bom trabalho. Realizar seleo, juntamente com os trabalhadores, do protetor mais adequado e trein-los no uso correto e cuidados com os protetores muito mais complicado que distribuir culos de segurana. Para isto, os responsveis pelos protetores auditivos necessitam de treinamentos detalhados vindos do administrador do PCA, de materiais e Workshops realizados, vezes, pelos fabricantes de EPIs ou pelas associaes preocupadas em Conservao Auditiva. Os protetores auditivos somente protegero os trabalhadores se for absolutamente reforada a necessidade do uso apropriado como uma condio mandatria. Para o PCA ser efetivo, preciso dar a mesma prioridade no uso dos protetores auditivos como no uso de qualquer outro equipamento de segurana. (Livro: Hearing Conservation Program Practical Guideline for Success Royster&Royster)

8.3.2 Colocao e Uso CorretosEm conseqncia do pouco conforto, pela falta de treinamento e motivao ao uso, os

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 49

protetores auditivos muitas vezes so impropriamente inseridos (plugues) ou ajustados (tipo concha); e finalmente, a partir de algumas horas de utilizao, eles ficam fora de posio - devido ao suor, movimentos da cabea e/ou da boca (para falar, mascar ou bocejar). Por isso necessrio que sejam retirados e recolocados, fora da rea de riscos, aps algumas horas de uso, ajustando-o novamente. O hbito de utilizar tipo concha com a haste atrs da nuca (com as conchas viradas na horizontal), junto com outros E.P.I.s, pode fazer com que o ajuste no fique adequado e haja vazamentos. Mesmo quando bem utilizadas, existe a deteriorizao dos protetores: os plugues podem alterar-se com o calor e suor; os protetores tipo concha podem se danificar ou a haste que une as conchas pode perder a presso contra a cabea. Ou mesmo as espumas externas ficarem ressecadas e prejudicarem o conforto e a vedao. Indivduos podem modificar os protetores para obter melhor conforto. Estas tcnicas incluem a dilatao da haste nos do tipo concha para reduzir a tenso, cortes nos pluguespara utiliz-los em menor tamanho, modificao ou furos nos protetores de espuma para um melhor conforto. Por estas razes, um bom programa de treinamento essencial e os usurios de protetores precisam estar convencidos de que os protetores somente oferecero proteo adequada se a colocao, uso e manuteno tambm forem adequadas. Instrues para Colocao

Antes de utilizar o produto, conforme exigncia na NR. 6 da C.L.T., o usurio deve ser informado pelo empregador sobre a obrigatoriedade do uso e devidamente treinado para a correta utilizao do mesmo. Protetor Tipo Insero Moldvel 1- Com as mos limpas, rolete o protetor deslizando-o entre o seu polegar e os dois primeiros dedos, at que o protetor seja reduzido ao menor dimetro possvel e mantenha-o neste formato. 2 Passe a outra mo ao redor da cabea e puxe o topo de sua orelha para abrir o canal auditivo. 3 Mantendo o canal auditivo aberto, leve a mo, que ainda est pressionando o

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 50

protetor roletado, em direo orelha e insira o protetor no canal auditivo, o mais profundamente possvel. 4- Mantenha a ponta do seu dedo pressionando a extremidade do protetor para dentro do canal auditivo por 10 segundos, para que o protetor se expanda e vede o canal auditivo. Protetor Tipo Insero Pr-Moldado 1-Segure firmemente a haste do protetor auditivo por trs da maior flange. 2-Passe a outra mo por cima da cabea e puxe o topo da orelha para abrir o canal auditivo 3-Insira completamente o protetor no canal auditivo, deixando a haste de fora, para permitir sua remoo. Protetor Tipo Concha 1-Para ajustar a presso aplicada cabea, movimente o cursor lateral do brao da haste para cima e para baixo, at que se obtenha um ajuste confortvel 2-Retire com as mos o mximo possvel o excesso de cabelo que possa interferir no bom contato entre as almofadas dos protetores e a sua cabea. Certifique-se de que a vedao entre as almofadas pretas externas da concha e a cabea no tenha interferncia de objetos, tais como hastes de culos, brincos, a fim de se obter a melhor performance. 3-Com a haste do protetor sobre a cabea, posicione as conchas de maneira a cobrir completamente as orelhas 4-As conchas podem ser deslizadas na haste, para cima ou para baixo, mantendo a haste sobre a cabea, para que se obtenha um ajuste firme e confortvel Tipo Concha Acoplado ao Capacete 1-Deslize a concha at a extremidade da ranhura da haste, para facilitar sua insero no capacete 2-Gire a parte que se encaixa ao capacete, alinhando-a a haste 3-Pressione com o dedo a lmina metlica para abrir a haste 4-Introduza a parte que se encaixa ao capacete na fenda lateral do mesmo 5-Para colocar as conchas em posio de descanso, coloque o dedo indicador sobre a

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 51

lmina metlica e pressione-a para dentro e, ao mesmo tempo, levante a concha Protetor Tipo Capa de Canal 1-Segure a haste do protetor prximo ao plugue e puxe-a para fora 2-Direcione os plugues para a entrada do canal auditivo, movendo-os lentamente para cima e para baixo, at conseguir uma boa vedao. 3-Aps encontrar a posio correta, pressione-os contra a orelha, para uma boa vedao. 4-Os plugues no devem ser inseridos no canla auditivo 5-As hastes podem ser utilizadas ou abaixo do queixo ou atrs da cabea, na nuca.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 52

9.0

INDICAES DE MANUTENO E HIGIENIZAO

Protetores Auditivos Tipo Concha 1- Ao final de cada turno, limpe as conchas e almofadas externas apenas com gua e sabo neutro, para que se mantenham limpas e em condies higinicas de uso. 2- Antes de cada uso, os protetores devem ser inspecionados quanto a possveis danos, deformaes ou desgastes da almofada externa. Se isso ocorrer, elas devero ser removidas do protetor e substitudas por novas antes do uso. 3- Inspecione as conchas quanto a rachaduras. Se isto ocorrer, todo protetor dever ser substitudo. 4- Finalmente, examine a haste, para certificar-se de que est flexvel e ainda mantm fora suficiente para sustentar firmemente as conchas contra as laterais da cabea. 5- Se no for possvel limpar o protetor auditivo ou substituir uma pea danificada, descarte-o e solicite um novo. 6- No utilize nenhum tipo de solvente, como lcool, acetona nos protetores, pois eles podero ser danificados. Protetores Auditivos de Insero Moldveis Deve ser trocado sempre que estiver sujo, em condies no higinicas para uso. Este protetor no deve ser lavado. No utilize nenhum tipo de solvente, como lcool, acetona nos protetores, pois eles podero ser danificados.

Protetores Auditivos de Insero Pr-Moldados Limpe-os com pano mido ou lave-os com gua e sabo neutro, enxaguando-os completamente. Caso os plugues estiverem com aparncia de sujo, mesmo aps lavagem, ou danificados, os mesmos devem ser descartados e substitudos. No utilize nenhum tipo de solvente, como lcool, acetona nos protetores, pois eles podero ser danificados.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 53

Protetores Auditivos Tipo Capa de Canal Os plugues de espuma devem ser substitudos por novos sempre que se encontrarem sujos, danificados ou sem condies higinicas de uso. Estes plugues no devem ser lavados. A haste plstica pode ser lavada com gua e sabo neutro ou pano umidecido com gua. No utilize nenhum tipo de solvente, como lcool, acetona nos protetores, pois eles podero ser danificados.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 54

10.0

QUALIDADE DA VEDAO NO CANAL AUDITIVO

Cada tipo de E.P.I. deve ser individualmente testado para verificar seu tamanho e a sua compatibilidade com o usurio. No existem protetores universais, devem-se periodicamente obter informaes junto aos operrios para que sejam reavaliadas as escolhas dos protetores, assegurando que estejam sempre sendo utilizados e de forma correta. Nem todos os protetores so adaptveis a diferentes formatos de cabea e condutos auditivos. Protetores de insero em vrios tamanhos muitas vezes dificultam a implantao de proteo auditiva para todos os funcionrios, na maioria das empresas. Neste caso necessrio medir o tamanho do canal auditivo de cada usurio para se conhecer qual o tipo de protetor que deve ser utilizado. Embora se acredite que os Protetores Tipo Concha, por serem de fcil colocao, se amoldam melhor e a vedao entre a concha e a cabea seja melhor, esta afirmao parcialmente verdadeira. Na verdade, em situaes onde culos so utilizados, o cabelo volumoso na regio prxima s orelhas ou em pessoas cuja cavidade entre o pescoo e o maxilar mais profunda, pode haver uma perda considervel da vedao e conseqentemente, da efetiva atenuao do abafador. A presso da concha tambm um fator importante na vedao do protetor. Outro fator que contribui para a m vedao dos abafadores a m colocao e o uso de almofadas enrijecidas e ressecadas. Os protetores tipo concha, algumas vezes, no proporcionam uma boa vedao quando utilizados com outros equipamentos, como culos, capacetes e respiradores tambm. Cabelos longos, uso de barba e usurios que possuem cavidades na regio entre os maxilares e o pescoo podem ter um prejuzo na atenuao quando so utilizados protetores tipo concha. Verificao da Vedao dos Protetores Tipo Insero Moldveis e Pr-Moldados 1-Sempre ajuste os protetores a fim de vedar o canal auditivo. 2-Quando os protetores esto corretamente inseridos, sua prpria voz deve parecer oca e os sons ao seu redor no devem parecer to altos quanto anteriormente.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 55

3-Tente puxar levemente o protetor auditivo; ele no deve se mover facilmente. Se o protetor se mover facilmente, remova-o e insira-o, com cuidado, mais profundamente possvel no canal auditivo, seguindo as instrues de colocao. 4-Verifique freqentemente a vedao durante o tempo em que est usando o protetor. Se os protetores se deslocarem, a proteo ao rudo pode ser perdida.

Importante: O tamanho e o formato de cada canal auditivo nico. Se no conseguir colocar corretamente este protetor auditivo e de uma maneira confortvel, nos dois ouvidos, o supervisor dever ser avisado ou dever ser considerada a possibilidade de utilizar outro tamanho ou tipo de protetor auditivo.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 56

11.0

PORCENTAGEM DO TEMPO DE USO

O protetor auditivo deve ser utilizado durante todo o tempo em que se estiver exposto ao rudo. Quando o protetor retirado em rea ruidosa, mesmo que por alguns minutos durante a jornada de trabalho, a proteo efetiva ser reduzida. importante ressaltar que a perda da audio est diretamente relacionada ao nvel equivalente Leq dBA ou nvel mdio Lavg dBA de rudo recebido. Estudos realizados mostram que um protetor com atenuao 20 dB, quando utilizado por apenas 50% do tempo em uma jornada de 8 horas, apresentar uma atenuao real de apenas 3 dB. (Livro: Protetores Auditivos Samir Gerges) A correo da atenuao em funo do tempo de no-uso na jornada feita atravs da tabela abaixo:% do tempo de Uso 50% 5 5 4 3 2 75% 10 9 8 6 3 88% 14 13 11 8 4 94% 18 16 13 9 4 98% 22 18 14 10 5 99% 23 19 14 10 5 99,5% 24 19 15 10 5 100% Atenuao Nominal 25 20 15 10 5

240

120

60

30

10

5

2,5

0 Uso tempo integral

Tempo de no uso na jornada* em minutos *jornada de 8 horas (480 minutos) Adaptado do artigo de ELSE, D.A.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 57

12.0

ATENUAO DOS PROTETORES AUDITIVOS

A atenuao proporcionada pelo protetor tambm um fator fundamental na seleo de um protetor auditivo. preciso avaliar a grande variao de atenuaes entre os diferentes tipos e modelos de protetores existentes. Protetores auditivos, aparentemente semelhantes, podem ter eficincias de atenuao diferentes. Um pouco de Histria A atenuao oferecida por protetores auditivos em ambientes de trabalho tem sido motivo de discusses por mais de 15 anos. O Rc Meados da dcada dos anos 80, em um laboratrio do Instituto Eletrotcnico da USP, professores daquele renomado instituto comearam a realizar ensaios com protetores auditivos em uma cmara anecica. Neste mesmo local, foi desenvolvido um equipamento que produzia um som com componentes em praticamente todas freqncias audveis pelo ouvido humano. Este equipamento, com medidores de nvel de rudo apropriados, foi utilizado para avaliao de protetores auditivos. Os valores de atenuao, chamados de Rc, obtidos pelo mtodo ento empregado, chegava a resultados to absurdos quanto 42 dB para protetores de insero. Em vista de distores desta grandeza, formou-se um grupo para discusses e elaborao de um projeto de norma que seria ento submetido ao sistema ABNT de criao de normas de ensaio. Este grupo, aps anos de discusses, criou padres para ensaio de protetores do tipo concha, e criou condies favorveis implantao de um Laboratrio de ensaio de protetores auditivos na Universidade Federal de Santa Catarina (LARI). O Termo de Responsabilidade Ao mesmo tempo em que seguiam discusses para elaborao de normas de ensaio, fabricantes nacionais e internacionais instalados no Brasil, seguiam a comercializao de seus produtos com base em informaes obtidas por laboratrios estrangeiros. Os nmeros representativos do desempenho destes protetores auditivos - Rc ou NRR, dependendo da fonte - eram obtidos atravs de ensaios realizados em laboratrios de

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 58

reconhecimento internacional, em alguns casos; atravs de ensaios realizados sem qualquer padro cientfico e com metodologia duvidosa em outros; ou ainda por similaridade, ou seja, tendo como base resultados obtido com produto similar comercializado no estrangeiro. Em outras palavras, valia qualquer coisa, uma vez que o Ministrio do Trabalho solicitava apenas um Termo de Responsabilidade do Fabricante, no qual constavam valores de atenuao de rudo, sem a necessidade de comprovao da origem destes resultados. O NRR Ao mesmo tempo em que, no Brasil, no se definia uma metodologia padronizada para ensaios de protetores auditivos, nos Estados Unidos as discusses se davam em torno do valor de atenuao NRR, obtidos pelos laboratrios de ensaio segundo norma ANSI S3.19/1974 e sua aplicao como representativo do nvel de atenuao oferecido por este mesmo produto em um ambiente real, de fbrica. Estudos comprovavam que os valores de atenuao constantes das embalagens e folhas de informaes tcnicas sobre desempenho destes produtos estavam muito distantes dos valores reais obtidos na prtica. O resultado de tais discusses foi uma recomendao do NIOSH de 1998 para que os valores de atenuao constantes das embalagens e dados tcnicos sobre o desempenho do produto fossem reduzidos de acordo com o seguinte critrio: 25% para protetores auditivos tipo concha 50% para protetores de espuma moldvel 70% para protetores pr- moldados

O NIOSH ainda recomenda que se faa uma correo de 7 dB nos casos em que o nvel de rudo representativo da exposio do trabalhador tenha sido medido utilizando-se a curva A de compensao. Em outras palavras, o nvel de rudo oferecido por um protetor auditivo, ficaria (NRR X 0,75 7) para protetores auditivos do tipo concha; (NRR X 0,50 7) para protetores auditivos do tipo moldvel; (NRR X 0,30 7) para protetores auditivos do tipo pr-moldados.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 59

O NRRsf As discusses tambm seguiam e ainda seguem nos Estados Unidos para a definio de uma metodologia de ensaio que tenha, como resultado de atenuao, valores mais prximos da realidade. Foi assim que surgiu o Mtodo B da norma ANSI 12.6/97. Este mtodo de ensaio, diferentemente do Mtodo utilizado pelos laboratrios Norte Americanos, tem como principal diferena o uso de pessoas que no possuam qualquer familiaridade com o uso de protetores auditivos para serem submetidos como objetos do ensaio. Os valores de atenuao obtidos atravs desta metodologia so ento definidos como NRRsf. Tendo em vista a capacitao do laboratrio LARI da Universidade de Santa Catarina em realizar tais ensaios, o Ministrio do Trabalho decidiu que somente aceitaria laudos de ensaio deste laboratrio para Renovao / Emisso de novos Certificados de Aprovao. Os valores de atenuao definidos por este mtodo B so em geral bem inferiores aos valores de NRR at ento divulgados pelo fabricante. Portanto, temos hoje valores de atenuao preconizados aos protetores auditivos comercializados no pas de um tero ou menores que aqueles indicados nas embalagens dos mesmos produtos em 1987, sem que necessariamente estes produtos tenham perdido eficincia. O que mudou, de l para c, foram apenas os critrios para ensaio dos referidos produtos. Como usar o NRRsf Para aplicar corretamente o valor de atenuao NRRsf, obtido segundo metodologia de ensaio ANSI 12.6/1997- mtodo B, basta subtra-lo do valor da exposio individual medida em dB(A), como a seguir, lembrando que no se deve fazer nenhum tipo de reduo em seu valor antes de aplic-lo, pois estas salvaguardas j foram consideradas durante a obteno do nmero nico de atenuao, conforme a metodologia acima mencionada: dBA = dBA- NRRsf onde: dBA = rudo entrando no ouvido protegido dBA = rudo equivalente (dose de exposio) medido na escala A

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 60

NRRsf = atenuao do protetor Ensaiar o protetor para quantificar sua atenuao de rudo no significa aprovar ou mostrar a qualidade do E.P.I.. O ensaio apenas fornece os resultados de atenuao medidos em laboratrios, independentemente do protetor ser de boa qualidade ou ruim.

12.1

Clculo da Atenuao pelo Mtodo Longo

A diferena em se escolher utilizar o "mtodo longo" do NIOSH ao invs do nmero nico NRRsf (mtodo curto), para avaliao do nvel de rudo que uma pessoa utilizando protetores auditivos estaria exposta, como o prprio nome diz, que ele mais longo e no mais correto ou mais eficaz. O mtodo longo, onde considerada a variao da atenuao nas diferentes freqncias, mais antigo e tambm possui desvantagens, principalmente se a exposio do trabalhador no for estacionria, pois o trabalhador ficar exposto a diversas frequncias diferentes e intensidades de rudos diferentes durante o longo da jornada. Concluso: perda da exatido, necessitando da abordagem do pior caso no pior espectro da jornada, utilizando decibelmetro, pois ainda no est disponvel no mercado dosmetro com filtro de banda, alm da necessidade de se ter equipamentos caros, com filtros de bandas de oitava para a avaliao da exposio.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 61

Avaliao da Atenuao de um Protetor Auditivos Mtodo Niosh N 1 (Mtodo Longo)

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 62

12.2

Reduo de Rudo Estimada para os Usurios

A- Frequncia (Hz) B- Anlise de freqncia em dB* C- Correlao p/ escala A D- Anlise de freqncia em dBA E- Atenuao do protetor (dB) * F- Desvio Padro em dB (x2) G- Proteo assumida por freqncia (dB) H- Nveis de rudo assumidos com o protetor dBA

125

250

500

1K

2K

4K

8K

101.5

105

105

107

103

95

88

-16.1

-8.6

-3.2

0

+1.2

+1.0

-1.1

85.4

96.4

101.8

107

104.2

96

86.9

13

20

33

35

38

47

41

6

6

6

6

7

8

8

7

14

27

29

31

39

33

78.4

82.2

74.8

78

73.2

57

53.9

83.8 85.2 I- Nvel de rudo assumido com o protetor dBA

79.8

73.2 73.2

53.9

85.4

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 63

Os nveis de reduo de rudo so baseados em testes de laboratrio. No possvel utilizar esses valores de nvel de reduo para prever com confiana o nvel de proteo que ser obtido num especfico ambiente. Quando os protetores auditivos so usados para exposio ocupacional ao rudo, o usurio deve participar de um programa de conservao auditiva. Quando os protetores auditivos so usados para proteo contra rudos fora do ambiente de trabalho, o usurio deve ter avaliao audiomtrica realizada por um profissional habilitado, regularmente.

12.3

Comparando os valores de atenuao entre diferentes protetores

auditivosDiferenas de atenuao entre protetores auditivos menores que 3dB no so significativas. Muito mais importante a quantidade de tempo que o protetor utilizado em relao ao tempo em que se est exposto a rudos.

Os valores de atenuao e desvio padro so provenientes de dados de natureza estatstica, portanto conceitualmente incorreto afirmar que um determinado indivduo ter atenuao igual ao NRR(SF), ou mesmo que a atenuao em mdia igual a este valor. Quando usado como indicado, a maioria dos usurios (84%) pode obter pelo menos este nvel de reduo de rudo apresentado. Diferenas inferiores a 3 dB no NRR(SF) no so significativas para efeito de avaliao comparativa de eficincia entre modelos diversos de protetores auditivos.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 64

13.0

TREINAMENTO E MOTIVAO

Os programas de treinamento, educao e motivao dos usurios de proteo auditiva so de extrema importncia para que os trabalhadores participem ativamente do PCA e para que seja gerado o suporte do programa por parte da alta gerncia. Atividades regulares de educao, treinamento e motivao estimulam o interesse de todos pelo programa e mantm a importncia do PCA vivo na memria de todos, com o passar do tempo. Se esta fase do programa no for realizada com sucesso, as outras fases tambm tendero a falhar, pois os envolvidos no entendero qual a importncia da cooperao intensa de cada um no PCA e quais os benefcios adquiridos por compreender e seguir o programa. Os treinamentos devem ter uma agenda regular pr-definida, com o contedo de cada um deles estabelecidos e com a recomendao do perfil dos participantes. Alm do treinamento mnimo anual dos usurios de protetores auditivos, toda a equipe multidisciplinar do PCA deve receber treinamento sobre perda auditiva e conservao auditiva, para entender os objetivos e as polticas do PCA; sobre como conduzir suas funes dentro do programa, recebendo treinamentos especficos quando necessrio, treinamentos bsicos sobre colocao/vedao/utilizao de P.A

13.1

Contedo mnimo para Treinamento dos usurios de protetores

Auditivos1- Conhecendo o risco 2.- Efeitos do rudo- como proteger sua audio dentro e fora do trabalho 3.- Seleo do protetor auditivo adequado 4- Instrues de colocao/inspeo/manuteno

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 65

14.0

USO DE PROTEO DUPLA

(PROTETOR AUDITIVO DO TIPO INSERO + PROTETOR AUDITIVO DO TIPO CONCHA)

Devido inexistncia de uma Norma Brasileira de Recomendaes para Seleo, Uso, Cuidados e Manuteno de Protetores Auditivos e da necessidade das empresas, usurias de Protetores Auditivos de possurem este tipo de informao, nos valem as normas internacionais para este fim. Assim, o item 5.3.5 da norma Europia EN 458 sobre Recomendaes, Seleo e Uso de Protetores Auditivos, tem o seguinte texto quanto ao uso de proteo dupla: Trabalhar em condies de rudo muito alto pode requerer proteo maior do que o uso individual de protetores tipo concha ou protetores auditivos de insero usados sozinhos. A atenuao da combinao no a soma das atenuaes individuais dos protetores. Algumas combinaes podem at reduzir a proteo. Recomendaes qualificadas devero ser procuradas considerando-se a habilidade de uma proteo combinada fornecer maior atenuao. Se dados de atenuao da combinao estiverem disponveis, estes produtos devero ser preferidos. Conhecemos vrias recomendaes dadas por regras prticas para o caso de uso de proteo dupla, mas importante notar que o uso de proteo dupla ir aumentar de 5 a 10 dB na atenuao (NRR) do protetor de maior valor de atenuao (Nixon e Berger, 1991- Hearing Protection devices Handbook of Acoustical Measurements and Noise Control 3a. Edio NY; McGraw-Hill, Inc., pp. 21.1 21.24). Veja resultados de um teste de atenuao, realizado pela 3M, com dois de seus produtos usados simultaneamente: um protetor auditivo tipo concha (ref.1440) e um protetor auditivo de insero de espuma moldvel (ref.1100): Nvel de Presso sonora com o uso dos protetores auditivos marca 3M modelos 1100 + 1440:

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 66

Frequncias, Hz Atenuao mdia, dB Desvio () SNR = 41 dB

63 32,0

125 35,6 6,1

250 43,6 5,9

500 49,0 6,1

1000 2000 46,3 4,1 42,6 6,9

4000 54,4 5,2

8000 47,1 4,6

Padro 5,0

Fonte:Teste de atenuao de rudos realizado pela Inspec Laboratories Limited - Inglaterra - com os protetores auditivos marca 3M modelos 1100 e 1440 usados simultaneamente. Para este ensaio foram seguidas as normas BS EN 24869-1:1993 e ISO 4869-1:1990 (Sound Attenuation of Hearing Protectors).

Devemos levar em considerao que os ensaios de NRR (Estados Unidos) e SNR(Europa) levam a valores de atenuao obtidos em laboratrio e como nas condies reais de uso os cuidados de colocao, as freqncias do rudo, assim como o treinamento dos usurios so diferentes dos parmetros usados nos ensaios de laboratrio, a real atenuao do protetor auditivo poder ser bem menor do que a medida em laboratrio. Portanto, o treinamento aos usurios deve ser sempre realizado, para assegurar a vedao apropriada deste EPI, melhorando o seu bom desempenho em atenuar o rudo externo, tentando aproximar os valores durante o uso real aos valores de laboratrio. No existe nenhuma recomendao de reduo no valor de atenuao para uso dos protetores simultaneamente (concha + insero). Portanto, se seguirmos as recomendaes de reduo do valor do NRR do NIOSH e nos basearmos na pior situao, ou seja, fizermos a reduo de 50% (protetor de espuma moldvel) no valor de laboratrio (41dB), teremos uma atenuao de 20,5 dB para o uso conjunto de protetores auditivos. Se utilizarmos a recomendao de reduo do valor do NRR de 25% para protetores auditivos Tipo Concha, teremos uma atenuao de 31 dB para o uso conjunto de protetores auditivos. Como sabemos, existem diversas recomendaes feitas por diferentes rgos regulamentadores nos Estados Unidos. Por outro lado, todas estas recomendaes (como do NIOSH) somente surgiram em virtude de se perceber que poderiam ocorrer perdas auditivas em indivduos expostos, com base nas recomendaes at ento usadas.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 67

Veja a seguir os resultados de um teste de atenuao, realizado pelo LARI, seguindo a ANSI S12.6/1997parte B, que a metodologia de teste utilizada hoje no Brasil, com uso simultneo do protetor auditivo tipo concha (ref. 1440 NRRsf=22 dB) e o protetor auditivo de insero de espuma moldvel (ref. 1100 NRRsf=13dB)), cujo resultado expresso em NRRsf: Frequncias, Hz Atenuao mdia, dB Desvio Padro 8,7 () NRRsf = 27 dBFonte: Teste de atenuao de rudos realizado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Laboratrio de Rudo Industrial (LARI) - com os protetores auditivos marca 3M modelos 1100 e 1440 usados simultaneamente. Para este ensaio foi seguida a norma ANSI S12.6-1997-Parte B.

125

250

500

1000

2000

4000

8000

22,1

31,9 8,0

41,6 8,9

37,7 5,6

38,1 8,5

50,0 7,4

46,1 9,5

Importante: Os dados de atenuao dos protetores auditivos devem ser utilizados de forma cautelosa, a fim de no superestimarem a proteo. Caso o nvel de rudo seja muito alto, procure manter, dentro do possvel, o funcionrio o menor tempo possvel na rea ruidosa enquanto medidas de proteo coletiva estejam sendo providenciadas.

ATENO: DEIXAR DE USAR PROTETORES AUDITIVOS DURANTE 100% DO TEMPO EM QUE SE EST EXPOSTO A RUDOS PERIGOSOS PODE AUMENTAR O RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA PERDA AUDITIVA. SER OBTIDA PROTEO MUITO MENOR SE OS PROTETORES AUDITIVOS FOREM REMOVIDOS, MESMO QUE POR POUCOS MINUTOS, DURANTE O TEMPO EM QUE SE EST EXPOSTO A RUDOS PERIGOSOS.

Outro fator fundamental no desempenho dos protetores auditivos o treinamento dos usurios para a correta colocao. Observe atentamente as informaes contidas nas embalagens, assim como os desenhos de Instrues de Colocao.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 68

15.0

DURABILIDADE E SUBSTITUIO DOS PROTETORES AUDITIVOS

A durabilidade varia bastante dependendo do cuidado, da freqncia de uso, de fatores ambientais e fatores inerentes ao E.P.I. O usurio deve ser treinado para saber identificar quando necessrio substituir seu protetor, bem como seguir as indicaes de limpeza prescritas pelo fabricante. O critrio para descarte e substituio subjetivo, pois o termo condio no higinica para uso no estabelece um parmetro e pode ser interpretada de diferentes formas por diferentes indivduos. Alm disso, existe grande variao entre os ambientes e tipos de trabalho e entre o cuidado que cada indivduo tem com o EPI. Em termos gerais, importante que o Servio de Segurana das empresas oriente os funcionrios quanto ao uso, cuidados e descarte dos protetores e estabelea de acordo com cada rea e tipo de trabalho, um programa de trocas peridicas, que deve considerar tambm as diferenas no manuseio entre os diferentes indivduos. importante tambm, a existncia de um programa de inspeo dos protetores, para que seja garantido o uso do EPI nas condies adequadas. Na inexistncia de programas de trocas peridicas, deve ser permitida aos usurios a troca dos protetores quando, junto ao depto de segurana, julgarem necessrio. Acreditamos que a melhor maneira de manter os protetores auditivos em boas condies de uso seja treinar muito bem o usurio, demonstrando as limitaes de uso e a forma de obter o mximo rendimento dos protetores. Protetores Tipo Insero Moldveis Sendo o material destes protetores espuma, no devem ser lavados, pois isto ocasionaria alteraes nas propriedades do mesmo alm de acumular gua em sua estrutura, podendo assim se tornar um meio de cultura de microorganismos causando problemas a sade dos usurios. Devem ser substitudos sempre que se encontrarem e condio no higinica para uso. Protetores Tipo Insero Pr-Moldados A durabilidade varivel conforme o nvel de cuidado do usurio e ambiente de trabalho. Devem ser trocados sempre que se apresentarem deformados, rasgados, endurecidos ou com alteraes em sua forma, dimenso ou maciez original.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 69

Se forem lavados diariamente com gua e sabo neutro, podero ter sua vida til estendida, porm por se tratar de equipamento de uso individual, o cuidado e a observao do usurio so os fatores principais que determinaro sua vida til, pois assim como roupas e sapatos, o usurio poder por sua ao aumentar ou diminuir sua durabilidade. Protetores Tipo Concha A vida til dos protetores auditivos tipo concha varivel, levando em conta os cuidados tomados pelo usurio e condies do ambiente de trabalho. Este produto deve ser descartado quando estiver fisicamente deteriorado sem possibilidades de recuperao, utilizando apenas as partes substituveis disponveis ou de tal forma sujo, que seja impossvel limp-lo utilizando apenas mtodos convencionais de lavagem com gua e sabo neutro. recomendada substituio das almofadas (pea de reposio) periodicamente, para que seja obtido o melhor resultado no isolamento do rudo externo. Protetores Tipo Capa de Canal Sendo o material dos plugues espuma, no devem ser lavados, pois isto ocasionaria alteraes nas propriedades do mesmo, alm de acumular gua em sua estrutura, podendo assim se tornar um meio de cultura de microorganismos causando problemas a sade dos usurios. Os plugues devem ser substitudos por novos sempre que se encontrarem e condio no higinica para uso. A haste deve ser descartada quando estiver fisicamente deteriorada, ou de tal forma sujo, que seja impossvel limp-lo utilizando apenas mtodos convencionais de lavagem com gua e sabo neutro.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 70

BIBLIOGRAFIAROYSTER, J.D and ROYSTER, L.H. Hearing Conservation. Practical Guidelines for Success. 1st ed, Lewis Publishers, 1190. COSTA, S.S., CRUZ, O.L.M. e OLIVEIRA, J.A. Otorrinolaringologia: Princpios e Prtica. Artes Mdicas, 1994. LEITE, J.C.B. e NOVAES, R.J.S. Audiologia Ocupacional. SESI-RJ/SENAI-RJ, 1998. GIAMPAOLI, E., SAAD, I.F.S.D. e CUNHA, I.A. Norma de Higiene Ocupacional. Procedimento Tcnico. Avaliao da Exposio Ocupacional ao Rudo. Fundacentro Ministrio do Trabalho e do Emprego, 1999. GERGES, S.N.Y. Rudo: Fundamentos e Controle. 2 ed. NR Editora, 2000. GERGES, S.N.Y. Protetores Auditivos. 1ed. NR Editora, 2003.

Direitos Autorais 3M do Brasil 2004 Proibida a reproduo

3Inovao 71