Apostila de Introducao a Ergonomia

  • Published on
    23-Jul-2015

  • View
    117

  • Download
    21

Transcript

1

SUMRIO

1. Os precursores da ergonomia 2. As mquinas no lutam sozinhas 3. O batismo da ergonomia 4. A evoluo da ergonomia 5. A ergonomia e os novos conflitos homem X mquina 6. Definies de ergonomia 6.1 Ergonomia: cincia ou tecnologia 6.2 Uma proposta de definio 7. Afluentes, efluentes e fronteiras da ergonomia 8. Tipificao da ergonomia 8.1. Quanto ao objeto de atuao 8.2. Quanto ao objetivo da interveno 8.3. Quanto s nfases 9. Ergonomia: segurana, produtividade e qualidade 10. Temas atuais em ergonomia 11. A ergonomia no Brasil 11.1 A implantao da Ergonomia no Brasil 11.2 A Associao Brasileira de Ergonomia 11.3 O SisCEB Sistema de Certificao do Ergonomista Brasileiro 12. Bibliografia recomendada em Ergonomia 12.1 Livros 12.2 Jornais cientficos na rea de Ergonomia 12.3 Jornais cientficos em reas afins a Ergonomia [portugus]

2 7 9 10 13 16 18 20 24 27 27 29 31 37 38 42 42 44 47 47 49 50

44

2

1. OS PRECURSORES DA ERGONOMIA1

Desde civilizaes antigas, o homem sempre buscou melhorar as ferramentas, os instrumentos e os utenslios que usa na sua vida cotidiana. Existem exemplos de empunhaduras de foices, datadas de sculos atrs, que demonstram a preocupao em adequar a forma da pega s caractersticas da mo humana, de modo a propiciar mais conforto durante sua utilizao. Enquanto a produo se dava de modo artesanal, era possvel obter formas teis, funcionais e ergonmicas sem excessivos requisitos projetuais. A produo em srie - em larga escala ou mesmo em poucas unidades - impossibilita, no entanto, tcnica e economicamente, a compatibilizao e a adequao de produtos a partir do uso e de adaptaes sucessivas. Paradoxalmente, a evoluo tecnolgica, com suas maravilhosas mquinas informacionais, voadoras e inteligentes, exigiu e enfatizou a necessidade de conhecer o homem. Depois de contnuos avanos em engenharia, onde o homem se adaptou, mal ou bem, s condies impostas pelos maquinismos, evidenciou-se que os fatores humanos so primordiais. Mais ainda, em sistemas complexos, onde parte das funes classicamente executadas pelos homens pode ser alocada s mquinas, uma incorreta adequao s capacidades humanas pode invalidar a confiabilidade de todo o sistema. Assim, faz-se necessrio conhecer a priori os fatores determinantes da melhor adaptao de produtos, mquinas, equipamentos, trabalho e ambiente, aos usurios, operadores, operrios, manutenidores (aqueles responsveis pela manuteno), indivduos em geral e pessoas portadoras de deficincias. A ergonomia se constituiu a partir da reunio de psiclogos, fisilogos e engenheiros. A psicologia e a fisiologia so as duas principais cincias que fornecem aos ergonomistas referncias sobre o funcionamento fsico, psquico e cognitivo do homem. O desempenho do homem no trabalho cada vez mais complexo e a ergonomia ampliou progressivamente o campo de seus fundamentos cientficos. A inteligncia artificial, a semitica, a antropologia e a sociologia passaram a fazer parte do acervo de conhecimentos do ergonomista. Embora, como veremos adiante, o nascimento oficial da ergonomia possa ser definido com preciso, o seu primrdio remonta ao primeiro homem pr-histrico, quando este escolheu uma pedra ou pedao de madeira, de formato que melhor se adaptasse a forma e movimentos de sua mo, para us-los como arma. Durante sculos o homem dependeu de ferramentas e utenslios rsticos construdos para abrig-lo, auxili-lo na sobrevivncia e tornar sua vida mais tolervel. Esta adaptao de objetos artificiais ao ambiente natural foi produzida de forma artesanal at o advento da era mecanizada. Com a revoluo industrial, e a conseqente produo em srie de bens de consumo, a relao direta entre produtor e consumidor passou a incorporar a figura do intermediador (ou revendedor). O produto que era antes encomendado de acordo com as necessidades especficas do usurio, passou a ser produzido em srie de forma a atender as necessidades de um universo bem mais amplo de usurios. O sculo 18 testemunhou o surgimento das primeiras fbricas mecanizadas, que caracterizavam-se por ser sujas, barulhentas, perigosas, escuras e as jornadas de trabalho atingiam correntemente 12, 14 ou mesmo 16 horas por dia, com o emprego de crianas na produo industrial, algumas vezes a partir dos 3 anos e, mais freqentemente, a partir dos 7 anos. Tal prtica veio a se consolidar, no sculo seguinte, como um perodo de desenvolvimento do capitalismo1

Esta apostila faz parte do primeiro captulo do livro ERGONOMIA E INTERVENO ERGONOMIZA-DORA: PESQUISA E AO TECNOLGICA, atualmente em elaborao, tendo como autores os Professores Anamaria de Moraes e Marcelo Mrcio Soares..

3

industrial com um substancial crescimento da produo, xodo rural e concentrao de novas populaes urbanas. DEJOUR (1998) aponta esta poca como sendo de absoluta falta de higiene, promiscuidade, esgotamento fsico, acidentes de trabalho, subalimentao com a criao para condies de uma alta morbidade, alta mortalidade e de uma longevidade dramaticamente reduzida. Ainda, segundo o autor, a luta pela sade entre os operrios do sculo passado, identifica-se com a luta pela sobrevivncia: viver, para o operrio, no morrer. A fase de incubao da Ergonomia durou aproximadamente um sculo, comeando em cerca de 1850 e permanecendo at o trmino da Segunda Guerra Mundial. Nesta fase h diversas tentativas de aplicar os conhecimentos emergentes de fisiologia, antropometria e psicologia para melhorar o trabalho humano. De acordo com LAVILLE (1986), MONOD e VALENTIN (1979) e VALENTIN (1978), so vrios os estudos e pesquisas que antecederam a criao da ergonomia. Um resumo destes apresentado a seguir. [i] Fsicos e fisilogos As informaes sobre os componentes humanos dos sistemas humanos-mquinas comearam a ser sistematicamente coletadas antes do aparecimento oficial da ergonomia. So os pesquisadores - fsicos e fisiologistas -, que se interessam pelo estudo do homem em atividade, para compreender o funcionamento do organismo humano, que geram as primeiras informaes sistemticas sobre a mquina humana. Cumpre registrar a contribuio de trs grandes gnios: a) Leonardo da Vinci (em 1500) que descreveu a amplitude dos movimentos articulares, estudou os segmentos funcionais e o deslocamento do centro de gravidade; b) Coulomb (1736-1806) que publicou em 1775 suas primeiras memrias Sobre a fora dos homens, avaliando atravs de experincias e clculos, os meios de trabalho cotidianos e as reaes compensatrias dos trabalhadores; e c) Lavoisier (1743-1794) que realizou experincias sobre O homem em trabalho e em repouso, baseado na anlise de gases respiratrios a partir de uma tarefa descrita com preciso (mtodo utilizado atualmente). No incio deste sculo, Jules Amar fornece as bases da ergonomia do trabalho fsico estudando os diferentes tipos de contrao muscular (dinmica e esttica). Interessa-se pelos problemas de fadiga, pelas influncias do meio ambiente (temperatura, rudo, iluminao). Multiplica os sistemas de registro. Seu livro "O motor humano", de 1914, descreve mtodos de avaliao e tcnicas experimentais e fornece as bases fisiolgicas do trabalho muscular e relaciona-as com as atividades profissionais. [ii] Mdicos e higienistas Os mdicos higienistas preocuparam-se, desde cedo, com a sade do trabalhador. Os primeiros registro apontam para Arnauld de Villeneuve (1235-1313) que no sculo XIII estudou o que denominou como os males das profisses, com referncias sistemticas a fatores ambientais - como calor, umidade, toxidez - e problemas posturais de operadores de diversos ofcios. No sculo XVII, Ramazzini, verdadeiro criador da medicina do trabalho, interessa-se pelas conseqncias das condies de trabalho e descreve, atravs de monografias, as primeiras doenas profissionais: problemas oculares de pessoas que fabricam pequenos objetos, custos humanos posturais dos alfaiates, danos a coluna vertebral relacionados a movimentao de cargas pesadas, surdez dos caldeireiros de Veneza.

4

No sculo XVIII, Tissot interessa-se pela climatizao dos locais de trabalho e prope a criao de servios nos hospitais para atender artesos doentes. No mesmo perodo, Patissier realiza as primeiras estatsticas sobre mortalidade e morbidade da populao operria. No sculo seguinte, Villerm faz estudos sobre as condies de trabalho em vrias fbricas de diversas regies da Frana, que resultam num relatrio (de 1840) sobre o estado fsico dos operrios. Este documento propicia as primeiras medidas legais de proteo criana no trabalho e de limitao da jornada de trabalho. [iii]) Psiclogos Os psiclogos criam na Alemanha, nos Estados Unidos e, depois, na Inglaterra, a partir do incio do sculo, os primeiros institutos e centros de pesquisa com o objetivo de estudar o trabalho. Na Frana, pode-se citar o trabalho de J.M. Lahy, cuja repercusso foi profunda e influencia correntes atuais at hoje. A preocupao da psicologia empresarial com mtodos para avaliar as diferenas individuais, de modo a definir critrios de recrutamento, privilegiou a psicologia diferencial e enfatizou pesquisas sobre liderana. parte algumas tentativas isoladas, somente na metade deste sculo que a psicologia passa a desenvolver pesquisas sobre a atividade do homem no trabalho. Entretanto, os mtodos de pesquisas nas reas de recrutamento, seleo e treinamento sofreram adaptaes. Como conseqncia, o estudo do comportamento nas empresas passou a ser supervisionado por pesquisadores que, antes, no se identificavam com a psicologia empresarial. Por volta de 1930, alguns especialistas passaram a defender a necessidade de modificar o estilo das relaes entre os trabalhadores e a chefia, em vez de mudar apenas os aspectos materiais do trabalho. O estudo de Elton Mayo e de Rothis Berger na Western Electric origina a Escola de Relaes Humanas - Estados Unidos, que se prope a enfrentar os problemas de produo mas tambm os acidentes, a fadiga industrial, a psicopatologia do trabalho, etc. Com a Segunda Guerra Mundial, desenvolveu-se uma nova categoria de maquinaria que no necessita da fora muscular do operador, mas de suas aptides sensoriais, de percepo, cognio, resoluo de problemas e tomada de decises. O desempenho da tarefa de um operador de radar, por exemplo, no exige, virtualmente, nenhum esforo fsico, mas impe severas condies quanto a capacidade sensorial, ateno e competncia para decidir. Esta nova espcie de mquinas levantou questes complexas e inusitadas sobre as habilidades psquicas e mentais do homem. Condies de trabalho adversas caracterizados por ambientes fsicos (temperatura, presso, rudo, vibrao, etc), qumicos (produtos manipulados, vapores, gases txicos, poeiras fumaas, etc) e biolgicos (vrus, bactrias, parasitas, fungos), aliados a uma organizao do trabalho (diviso do trabalho, contedo da tarefa, relaes de poder, etc) desumanos podem repercutir na sade mental e no estado fsico dos trabalhadores. Esta rea particularmente investigada por uma disciplina conhecida como psicopatologia do trabalho. [iv] Engenheiros e organizadores do trabalho Os engenheiros e organizadores do trabalho estudam as atividades profissionais na perspectiva de aumentar o rendimento do homem no trabalho. Vauban, no sculo XVII, e Belidor, no sculo XVIII, tentam medir a carga do trabalho fsico dirio nos prprios locais de trabalho. Declararam que uma carga demasiadamente elevada acarreta esgotamento e doenas, preconizando uma melhor organizao das tarefas para elevar o rendimento.

5

Mais tarde, engenheiros como Vaucanson e Jacquard implantariam os primeiros dispositivos automticos para suprimir alguns postos de trabalho particularmente penosos, como os da tecelagem. No final do sculo XIX, iniciam-se as investigaes sistemticas para pesquisar como a tarefa que o indivduo desempenha e/ou os mecanismos que o rodeiam determinam a capacidade humana para o trabalho. Dentre os organizadores do trabalho, alguns definem como precursor da ergonomia Frederick Winslow Taylor, pai da administrao cientfica do trabalho, campeo obstinado da racionalizao do trabalho, das anlises e das medidas sistemticas. Em 1911, Taylor publica sua obra Princpios de administrao cientfica, que influencia toda a organizao do trabalho nas empresas dos Estados Unidos, da Europa e dos pases socialistas. Taylor defendia que o trabalho deveria ser cientificamente observado de modo que, para cada tarefa, fosse estabelecido o mtodo correto de execut-la, com um tempo determinado, usando ferramentas apropriadas. A implantao do taylorismo precisou vencer a resistncia dos trabalhadores qualificados. Como dizia Taylor, a anlise do trabalho objetivava a apropriao do saber operrio pela gerncia e, conseqentemente, o controle das tarefas e dos trabalhadores. Como exemplo das investigaes de Taylor, podemos citar seu estudo, de 1918, sobre a movimentao de minrios de ferro e do carvo com auxlio de ps. Taylor concluiu que a carga de trabalho aumentava quando o material era o minrio de ferro. Seu problema era ento determinar qual a carga por p que permitiria que um bom operrio movesse uma quantidade mxima de material por dia. De incio, usaram-se ps grandes que acomodavam cargas maiores por p, depois passou-se a fornecer uma p pequena para o operrio que movimentava o minrio de ferro e uma p grande que era usada para deslocar material mais leve, como cinzas, de tal forma que em ambos os casos o peso de material por p fosse de cerca de nove quilos. Diminuiu-se assim a fadiga do trabalhador e aumentou-se o rendimento no trabalho. Taylor levou esta filosofia ao extremo ao propor que a gerncia determinasse os mtodos e os tempos da produo de modo que o trabalhador se concentrasse unicamente em sua tarefa produtiva. Os trabalhadores deveriam ser controlados, medindo-se a produtividade de cada um e pagando-se incentivos salariais aqueles mais produtivos. Alm de visar apenas a melhoria da produo e no a qualidade de vida dos trabalhadores, o sistema Taylor limitava-se apenas ao estudo das atividades motoras e negligenciava as atividades perceptivas e mentais. Ainda no incio do nosso sculo, Frank e Lillian Gilbreth, com seus estudos de movimentos e gerncia de oficinas, deram continuidade s anlises e medidas sistemticas para a racionalizao do trabalho. No ano de 1911, os Gilbreth publicam o livro "Motion study; a method for increasing the efficiency of workman", com o famoso estudo sobre assentamento de tijolos pelos pedreiros de alvenaria. Gilbreth projetou um andaime que se podia elevar ou descer rapidamente, o que permitia que o operrio trabalhasse no nvel que melhor lhe conviesse. Uma prateleira mantinha os tijolos e a argamassa em suas posies mais adequadas. Cuidou-se tambm de arrumar os tijolos no palete para facilitar a retirada pelo pedreiro e de otimizar a espessura e plasticidade da argamassa. A implantao destas propostas possibilitou que os operrios de construo civil assentassem 350 tijolos homem/hora em vez dos anteriores 120 homem/hora, o que significou um incremento de praticamente 200% na produtividade. Podem-se ainda citar, como exemplo das anlises de Frank e Lillian Gilbreth, o trabalho de equipes cirrgicas em hospitais, que resultaram em procedimentos at hoje em uso: o cirurgio obtm um instrumento solicitando-o instrumentadora, que o colocava sobre a mo do cirurgio na posio correta de uso. Antes do trabalho dos Gilbreth, os cirurgies apanhavam seus instrumentos numa bandeja e, praticamente, gastavam mais tempo procurando os instrumentos do que propriamente operando os pacientes. De acordo com SANDERS e MACCORMICK (1993) o casal Gilbreth pode ser

6

considerado como um dos pioneiros do que, mais tarde, se desenvolveu e transformou-se para dar origem ergonomia. Os estudos de Taylor e do casal Gilbreth deram origem a um ramo da engenharia industrial que hoje se conhece como estudo de tempos e movimentos. Nos anos seguintes, os engenheiros que se ocupavam dos estudos de tempos e movimentos desenvolveram inmeros princpios sobre a economia de movimentos, a programao das atividades da tarefa e o planejamento da organizao do trabalho - princpios que se difundiram por toda a indstria moderna. Seja nos Estados Unidos, na Europa, na Rssia (com o Stakanovismo), at a dcada de 60, os mtodos e propostas da administrao cientfica do trabalho no sofreram qualquer questionamento ou foram objeto de qualquer proposta de mudana. Somente nos anos 70 discutem-se novas formas de organizar o trabalho: o enriquecimento do trabalho, o alargamento das tarefas, o trabalho em equipes. Em relao ao re-planejamento da tarefa, da maquinaria, dos equipamentos, ferramentas e ambiente de trabalho, podem-se considerar os engenheiros especialistas em tempos e movimentos como precursores da ergonomia. No entanto, cumpre observar, que a anlise do trabalho que eles realizavam visava unicamente o aumento do rendimento do trabalho. O principal critrio de avaliao eram os ndices de produo individual. Mais ainda, o modelo de desempenho do homem em que se fundamentavam anlogo ao do funcionamento de uma mquina. A nfase da engenharia de tempos e movimentos centra-se no homem apenas como fonte de fora mecnica, que deve funcionar no mesmo passo da mquina, acompanhar o seu ritmo, de modo ininterrupto, sem qualquer autonomia. O homem transforma-se, assim, num componente padronizado, intercambivel, em uma pea do maquinismo, numa acepo oposta aquela preconizada pela ergonomia.

7

2. AS MQUINAS NO LUTAM SOZINHAS

Durante a Segunda Guerra Mundial, o impulso acelerado resultante das mudanas tecnolgicas avies cada vez mais velozes e radares para detectar avies inimigos, submarinos e sonares - colocam o homem em situaes de extrema presso ambiental, fsica e psicolgica. Os equipamentos militares exigem dos operadores decises rpidas e execuo de atividades novas em condies crticas, que implicam quantidade de informaes, novidade, complexidade e riscos de decises que envolvem possibilidade de erros fatais. Exacerbam-se, ento, as incompatibilidades entre o progresso humano e o progresso tecnolgico. Como diz CHAPANIS (1959): "Uma importante lio de engenharia, proveniente da Segunda Guerra Mundial, que as mquinas no lutam sozinhas. A guerra solicitou e produziu maquinismos novos e complexos, porm, geralmente, essas inovaes no faziam o que se esperava delas. Tal ocorria porque excediam ou no se adaptavam s caractersticas e capacidades humanas. Por exemplo, o radar foi chamado olho da armada, mas o radar no v. Por mais rpido e preciso que seja, ser quase intil, se o operador no puder interpretar as informaes apresentadas na tela e decidir a tempo. Similarmente, um avio de caa, por mais veloz e eficaz que seja, ser um fracasso se o piloto no puder vo-lo com rapidez, segurana e eficincia". Assim, cabe ao homem avaliar a informao, decidir e agir. Ao se desconsiderar os fatores humanos, tm-se como resultado as falhas dos sistemas. O projeto de engenharia eficaz, mas o desempenho no eficiente. Buscam-se explicaes e a soluo mais fcil afirmar que a culpa do homem - o erro humano, a falha humana, o ato inseguro. No entanto, acusar o homem de negligncia, descaso, desobedincia ou ignorncia, no resolve o problema. CHAPANIS (1972), apresenta uma ilustrao bastante esclarecedora sobre o erro humano. No final da Segunda Guerra Mundial, em dezembro de 1945, Fitts e Jones deram incio a uma pesquisa para apurar se alguns acidentes areos rotulados de erro do piloto no resultariam, na realidade, de projetos imperfeitos ou inadequados. Entrevistaram-se 500 pilotos e as anlises demonstraram que muitos dos acidentes possuam importantes elementos em comum. Dentre os diversos tipos de avies pesquisados no estudo mencionado estavam o C-47, o B-25 e o C82. A disposio de trs controles crticos no painel de cada um desses avies era a seguinte: Avio B-25 C-47 C-82 Esquerda Afogador Hlice Mistura Centro Hlice Afogador Afogador Direita Mistura Mistura Hlice

8

CHAPANIS (1972) relata, "Coloque-se no lugar de um piloto que j voou centenas de horas num B-25 e, ao aterrissar seu avio - quando acompanha ao mesmo tempo inmeros outros movimentos internos e externos ao avio -, verifica a necessidade de maior rotao nos motores. Naturalmente, por uma questo de hbito, a mo dirige-se ao lugar de sempre, pois, afinal de contas, centenas de horas de experincia o ensinaram a fazer isso e sempre deu certo. Mas, grande surpresa, o comando no nesse lugar! "(...) J no lhe aconteceu alguma vez pedir emprestado o carro de um amigo e ficar confuso porque os comandos - seta, farol, etc. - deste automvel so diferentes? Quando se fica confuso num automvel, quase sempre possvel encostar o veculo numa vaga ou num acostamento at que venha a calma e a recuperao. Mas com o piloto de um avio muito diferente. Ele no tem o mnimo tempo para parar e fazer uma apreciao exata da situao. A falha humana propicia perdas para o sistema: avies atingidos pelos inimigos e que no cumprem a sua misso de bombardear os alvos programados, ou cidades inteiras expostas a ataques por no se detectarem nos radares, a tempo, as informaes sobre violaes do espao areo. Difcil selecionar o homem que no erre, principalmente quando se necessitam mais e mais pilotos para conduzir os modernos bombardeiros. A urgncia e a preciso de renovar os efetivos - pilotos de guerra morrem em combate e h de se renovar a frota e a equipe - tambm impossibilitam intensificar e prolongar o treinamento para corrigir as deficincias da seleo. Avies custam caro. Conquistar a confiana da populao civil fundamental para o esforo de guerra. Existe uma interface no sistema humano-mquina2 cujos aspectos tcnicos devem-se considerar no momento do projeto: h de se adaptar as mquinas s caractersticas fsicas, cognitivas e psquicas do homem. Engenheiros juntam-se aos psiclogos e fisilogos para adequar operacionalmente equipamentos, ambiente e tarefas aos aspectos neuropsicolgicos da percepo sensorial (viso, audio e tato), aos limites psicolgicos de memria, ateno e processamento de informaes, s caractersticas cognitivas de seleo de informaes, resoluo de problemas e tomada de decises, capacidade fisiolgica de esforo, adaptao ao frio ou ao calor, e de resistncia s mudanas de presso, temperatura e biorritmo. Nasce a ERGONOMIA!. A ergonomia enquanto disciplina tem suas origens na II Guerra Mundial, quando se agrava o conflito entre o homem e a mquina e, por outro lado, falham as formas tradicionais de resoluo deste conflito - a seleo e o treinamento.

2

Deve-se chamar a ateno para o fato de existir atualmente uma tendncia internacional para se adotar o termo humanomquina ao invs de homem-mquina. Este novo termo, aqui adotado, contempla mais precisamente ambos os sexos.

9

3. O BATISMO DA ERGONOMIA

O termo Ergonomia utilizado pela primeira vez, como campo do saber especfico, com objeto prprio e objetivos particulares, pelo psiclogo ingls K. F. Hywell Murrel, no dia 8 de julho de 1949, quando pesquisadores resolveram formar uma sociedade para o estudo dos seres humanos no seu ambiente de trabalho - a Ergonomic Research Society (PHEASANT, 1997). Nesta data, em Oxford, criou-se a primeira sociedade de Ergonomia, que congregava psiclogos, fisiologistas e engenheiros ingleses, pesquisadores interessados nas questes relacionadas adaptao do trabalho ao homem. Num sentido amplo, todavia, o termo trabalho aplica-se a qualquer atividade humana com qualquer propsito, particularmente se ela envolve algum grau de experincia ou esforo. Ao definir ergonomia em relao ao trabalho humano, utiliza-se em geral, a palavra trabalho com este sentido amplo. Buscava-se um termo de fcil traduo para outros idiomas, que permitisse derivao de outras palavras - ergonomista, ergonmico, etc. - e que no implicasse que uma disciplina fosse mais importante que outra. Foi proposto o neologismo Ergonomia, que compreende os termos gregos ergo (trabalho) e nomos (normas, regras). Entretanto, a etimologia do vocbulo no define, precisamente, o objeto desta disciplina. A origem do termo ergonomia remonta a 1857, quando o polons Wojciechj Jastrzebowski deu o seguinte ttulo para uma de suas obras: Esboo da ergonomia ou cincia do trabalho baseada sobre as verdadeiras avaliaes da Cincia da Natureza. Define-se ento a ergonomia como a cincia de utilizao das foras e das capacidades humanas. Cumpre registrar a impresso conjunta, em forma de edio comemorativa, do trabalho de Jastrzebowski pelo Instituto Polons de Proteo ao Trabalho e a Associao Internacional de Ergonomia (IEA), na ocasio do seu 14o. Congresso Internacional, em San Diego, nos Estados Unidos, no ano de 2000. O termo Ergonomia utilizado na maior parte do mundo. A exceo fica por conta dos Estados Unidos e Canad, nos quais as expresses que mais se aproximam so: human factors (fatores humanos), human factors engineering (engenharia dos fatores humanos), engineering psychology (esta expresso poderia ser traduzida por ergopsicologia), man-machine engineering (engenharia homemmquina) e human performance engineering (engenharia do desempenho humano). De acordo com, MONTMOLLIN e BAINBRIDGE (1984), embora seja possvel fazer distines entre os termos Ergonomia e Fatores Humanos existe uma tendncia para a adoo do termo Ergonomia. No incio dos anos noventa, a Human Factors Society - Associao Americana de Ergonomia realizou uma consulta junto aos seus associados para a incorporao do termo "ergonomia" na sua denominao oficial (LAUGHERY, 1992), passando ento a ser denominada Human Factors and Ergonomics Society. No Brasil, adotou-se o uso do termo ergonomia, consolidado com a difuso dos primeiros livros aqui escritos: Ergonomia: notas de aulas, IIDA e WIERZZBICKI (1968) e Ergonomia: a racionalizao humanizada do trabalho, VERDUSSEN (1978).

10

4. A EVOLUO DA ERGONOMIA

Aps a guerra, os ergonomistas voltaram a sua ateno para as centenas de mquinas que cercam nosso cotidiano. A, descobriram que muitos dos mesmos erros de projeto que atormentavam marinheiros, soldados e aviadores, existiam - e ainda existem - nas fbricas, nas estradas, na sinalizao urbana, nos tratores, caminhes, automveis e mesmo num fogo domstico. Instrumentos que os operadores interpretam com dificuldade, controles que iludem a dona de casa, sinais de trnsito que confundem motoristas, placas de sinalizao que no orientam os transeuntes - estas e outras centenas de exemplos so todos provas de projetos inadequados, de incompatibilidades no sistema homem-tarefa-mquina, determinados pela falta de adaptao s caractersticas fsicas, psquicas e cognitivas humanas. Fatos marcantes do incio da histria da ergonomia ocorreram na segunda metade da dcada de quarenta. Nesta dcada houve a publicao dos dois primeiros livros em ergonomia: Human factors in air transport design, de autoria de R. C. McFarland, foi publicado em 1946 pela McGraw-Hill e, trs anos aps, foi publicado o livro de Chapanis, Garner e Morgan entitulado Applied experimental psychology: human factors in engineering design. Este ltimo com diversas edies subseqentes. Durante os anos que se seguiram, realizaram-se conferncias, surgiram novas publicaes de ergonomia e novos laboratrios, assim como empresas de consultoria. O ano de 1957 foi um ano importante para a ergonomia uma vez que, na Inglaterra, editou-se o primeiro jornal cientfico nesta rea de conhecimento: Ergonomics, publicado pela Ergonomics Research Society. Nos Estados Unidos, se forma a Human Factors Society. Surge, ainda neste mesmo ano, a primeira edio do livro Human factor engineering and design, de Ernest J. McCormick, atualmente na sua stima edio. Em 1958, J.M. Faverge, J. Leplat e B. Guiguet publicaram, pela Presses Universitaires de France, a obra L'adaptation de la machine l'homme. Em 1959, forma-se a IEA - International Ergonomics Association -, para congregar as vrias sociedades de fatores humanos e ergonomia que j existiam. No mesmo ano, Alphonse Chapanis edita o seu livro Research techniques in human engineering, pela John Hopkins Press. Nos vinte anos seguintes, entre 1960 e 1980, ocorreram um rpido crescimento e expanso da ergonomia. At 1960, nos Estados Unidos, ela concentrava-se essencialmente no complexo militar industrial. Com a corrida pelo espao, a ergonomia torna-se uma importante parte dos programas da NASA. Mais importante ainda: paralelamente a esta expanso alm das fronteiras militares, as indstrias comeam a reconhecer a importncia da contribuio da ergonomia para o projeto de estaes de trabalho e produtos manufaturados. A Ergonomia na dcada de 60, difundiu-se para os meios de transporte e, posteriormente, para os sistemas fabril e agrcola, at atingir o trabalho em escritrios. Apesar disto, a ergonomia continuou desconhecida do pblico em geral. Em 1961, realizou-se o 1o. Congresso da IEA, em Estocolmo, na Sucia, poucos anos mais tarde, em 1963, criou-se a SELF - Socit d'Ergonomie de Langue Franaise - que agrupa profissionais da Frana, da Sua, da Blgica e de Luxemburgo. O quadro 1 apresenta os Congressos da Associao Internacional de Ergonomia ocorridos e os prximos j definidos pela Associao. De acordo com esta tabela, pode-se observar que at o final da dcada de setenta, com apenas uma exceo, todos os congressos ocorreram na Europa. Tal tendncia passou a se alterar nas dcadas seguintes.

11

1961 1o. Congresso da IEA, em Estocolmo, Sucia. 1964 - 2o. Congresso Trienal da IEA, em Dortmund, Repblica Alem, (FRG); 1967 - 3o. Congresso Trienal da IEA, em Birmingham, Inglaterra; 1970 - 4o. Congresso Trienal da IEA, em Strasbourg, Frana; 1973 - 5o. Congresso Trienal da IEA, em Amsterdam, Holanda; 1976 - 6o. Congresso Trienal da IEA, em College Park, Estados Unidos; 1979 - 7o. Congresso Trienal da IEA, em Varsvia, Polnia; 1982 - 8o. Congresso Trienal da IEA, em Tquio, Japo; 1985 - 9o. Congresso Trienal da IEA, em Bournemouth, Inglaterra; 1988 - 10o. Congresso Trienal da IEA, em Sydney, Austrlia; 1991 - 11o. Congresso Trienal da IEA, em Paris, Frana; 1994 - 12o. Congresso Trienal da IEA, em Toronto, Canad; 1997 - 13o. Congresso Trienal da IEA, em Tampere, Finlndia. 2000 14o. Congresso Trienal da IEA, em San Diego, Estados Unidos 2003 15o. Congresso Trienal da IEA, em Seul, Coria 2006 16o. Congresso Trienal da IEA, em Masstricht, Holanda 2009 17. Congresso Trienal da IEA, ChinaQuadro 1 - Relao dos congressos anuais da Associao Internacional de Ergonomia passados e os j agendados

A ergonomia continuou a crescer a partir dos anos 80. Um novo tema ocupa os ergonomistas: o trabalho com terminais de vdeo. A revoluo dos computadores coloca a ergonomia em cartaz. Divulgam-se computadores ergonomicamente projetados, apresentam-se softwares com interfaces amigveis e os fatores humanos no escritrio aparecem em muitos artigos de jornais e revistas que lidam com computadores e pessoas. A tecnologia informatizada propiciou novos desafios para a ergonomia. Novos dispositivos de controle, apresentao de informaes via telas de computador e o impacto de novas tecnologias sobre as pessoas constituem-se em reas de atuao do ergonomista. O papel da ergonomia nas indstrias nucleares e de controle de processo cresce aps os acidentes em Three Miles Island, nos Estados Unidos; Bhopal, na ndia e Chernobyl na Ucrnia. Nos dias atuais, uma outra rea que est contribuindo para o aumento da difuso da ergonomia so os litgios sobre confiabilidade de produtos. As cortes solicitam a avaliao de especialistas em ergonomia na anlise de produtos envolvidos em acidentes durante o uso. Os ltimos vinte anos testemunharam uma ampla revoluo tecnolgica que foi responsvel por novas formas de relao usurio X produto, trabalhador X sistema de produo. Estas novas formas de relao originaram novos conflitos que sero discutidos a seguir. O quadro 2, abaixo, apresenta, de forma sucinta, a evoluo tecnolgica e os enfoques da ergonomia nos ltimos quarenta anos.

12

Anos 40/50 Anos 60/70

Anos 80

Anos 90

Novo sculo

Ergonomia militar Ergonomia civil: siderurgia e meios de transportes Incio da corrida espacial Indstria [estaes de trabalho, produtos manufaturados]. Ergonomia do software Automatizao de escritrios Controle de usinas nucleares e de processo [Three Miles Island, Chernobyl e Bhopal]. Gerao de sistemas de informao, de multimdias, de hipertextos e de programas aplicativos Informatizao de postos de trabalho Participao na elaborao de normas tcnicas Participao em litgios judiciais Macroergonomia Manufatura hbrida, automao e robtica Usabilidade de produtos e sistemas complexos Trfego e transporte Idosos e envelhecimento.

Quadro 2 - Evoluo tecnolgica e enfoques da ergonomia

13

5. A ERGONOMIA E OS NOVOS CONFLITOS HOMEM X MQUINA

Uma anlise especial deve ser direcionada ao que ocorreu a partir da dcada de oitenta, com a participao da ergonomia na renovao produzida pela Informtica. Mais uma vez, a preocupao com os fatores humanos no acompanhou pari passu o progresso tecnolgico. Do mesmo modo que se enfatizava o funcionamento eficaz durante o projeto de mquinas energizadas a vapor, eletricidade e petrleo, com a microeletrnica ocorreu o mesmo. O projeto de computadores, a implantao de centros de processamento de dados, a gerao de sistemas de informao, multimdias, hipertextos e programas aplicativos contemplam primordialmente o funcionamento - a capacidade e velocidade dos componentes, a conservao, a manuteno das mquinas, a rapidez no uso. A interao entre as mquinas e os seus usurios raramente foi uma considerao a priori - e, no caso da informatizao, nada mudou -, da a importncia da ergonomia. A informatizao de postos de trabalho gera mudanas profundas nos hbitos, atitudes e esquemas operatrios das diversas atividades profissionais. As melhorias resultantes da implantao de computadores exigiram o aumento do nvel cultural dos trabalhadores e resultaram na mudana das aspiraes destes, em relao ao trabalho, e na modificao da sua viso sobre as condies de trabalho. A implantao de estaes de trabalho computadorizadas compreende um excelente exemplo de como o progresso tcnico pode ser bem ou mal utilizado em proveito ou prejuzo do operador humano. Quando no se consideram os fatores fisiolgicos e psicolgicos dos usurios, ocorrem insatisfaes e queixas. Caso se contemplem variveis ergonmicas como, entre outras, usabilidade da interface, visibilidade, legibilidade, medidas antropomtricas, propiciam-se bem-estar e conforto para os operadores. A informatizao de tarefas ocasiona a mudana de atividades e funes, a modificao dos espaos e das estaes de trabalho, transformaes da operacionalizao dos servios de escritrio, alteraes na estrutura das comunicaes. Acrescente-se ainda o fechamento de postos de trabalhos com profundas repercusses sociais. A atividade de entrada intensiva de dados, por exemplo, se caracteriza por uma descentralizao horizontal, acompanhada de um aumento de trabalho repetitivo. Ocorreu, ento, uma desqualificao do trabalho devida ao parcelamento da tarefa, falta de significado da informao tratada, especializao restrita dos operadores. Os corolrios so, por um lado, uma sobrecarga pela intensificao do ritmo de trabalho e, por outro lado, uma sub-carga pela monotonia. Nas duas situaes, incrementam-se as possibilidades de erro e de problemas fsicos e psquicos para o operador. A automatizao de sistemas produtivos, como as indstrias de processo - qumica, cimento etc. -, cria situaes de trabalho onde o operador responsvel pelo controle e regulao do sistema permanece isolado e deve manter uma constante vigilncia por muitas horas, seja durante o dia ou noite. Cabe a este operador acompanhar o bom andamento do processo de fabricao e intervir com rapidez em caso de incidentes. Este tipo de tarefa, embora aparentemente no implique em qualquer esforo do operador, ocasiona altos nveis de tenso para o homem. Os incidentes ou acidentes so raros, mas quando ocorrem so de larga proporo e acarretam srios riscos para o sistema e para os prprios operadores, como no caso de exploso de caldeiras, por exemplo. So muitas as informaes a selecionar, as variveis a interpretar e vrias as possibilidades de soluo. Tudo em muito pouco tempo e envolvendo decises que so sempre urgentes.

14

Em dezembro de 1984, o escapamento de gases txicos na usina da Union Carbide, em Bhopal, na ndia, provocou a morte de cerca de 2.500 pessoas. Como escreveu MONTMOLLIN (1996), as concluses de uma enquete do New York Time, que o Le Monde reproduziu em 30 de janeiro de 1985, diziam que os empregados ao descobrirem um escapamento comunicaram o fato a um contramestre, que lhes respondeu que verificaria o problema depois de tomar seu ch. Este mesmo contramestre declarou, no entanto, que apenas fora informado de um escapamento de gua. A matria do New York Times, ainda segundo MONTMOLLIN, declara que os empregados disseram que, em desacordo com o regulamento, a direo da fbrica desativara uma unidade de resfriamento de gs, vrios meses antes do acidente. Em continuao, o New York Times afirma que o escapamento comeou duas horas depois que um trabalhador - cuja formao no era adequada - recebeu a ordem de limpar uma tubulao cuja vedao no estava perfeita - contrariamente, mais uma vez, s normas de segurana. Os trabalhadores estimaram que a reao qumica que desencadeou a catstrofe provavelmente teve este fato como origem. De acordo com os parmetros da ergonomia, as comunicaes, a oposio entre o prescrito e o real, a formao dos trabalhadores encontra-se entre as principais causas de acidentes desse tipo. Por mais que se tente sanar as falhas humanas e eliminar o erro humano atravs de sistemas automatizados, no se consegue prescindir do homem como controlador - a ele cabe inclusive intervir e decidir nos momentos de pane total. O papel do profissional de ergonomia nas indstrias nucleares e de controle de processo cresceu substancialmente aps os acidentes das usinas de Three Mile Island, nos Estados Unidos, e Bhopal, na ndia. Nos Estados Unidos, a US Nuclear Regulatory Commission determinou, a partir do acidente na usina de Three Mile Island, que todas as salas de controle de usinas nucleares passassem por uma reviso ergonmica para identificar e corrigir deficincias de projeto. Do mesmo modo que o radar no o olho da armada, o computador no pensa. Entretanto, buscam-se mquinas inteligentes que resolvam problemas e tomem decises sozinhas, desconsiderando-se as capacidades humanas. A automao e a robtica esto a, a exigir novos equipamentos e a colocar novos problemas - como a produo de sistemas de apoio a deciso, expert systems, etc. A revoluo industrial substituiu o trabalho humano no que se refere energia fsica necessria para manipular materiais. A automao vem substituir o trabalho humano no processamento de informaes, na determinao do que fazer e como fazer. A ergonomia mais uma vez sai em campo para adaptar estes programas s caractersticas cognitivas do operador humano. O trabalho das salas de controle dos operadores de terminais de vdeo e o projeto de ajudas informatizadas e de sistemas de comunicao so agora campos de atuao do ergonomista. Parafraseando CHAPANIS (1959), tem-se que: "Uma importante lio de engenharia, proveniente das catstrofes, que as mquinas no controlam sozinhas. A automao solicitou e produziu maquinismos novos e complexos, porm, geralmente, essas inovaes no fazem o que se espera delas. Tal ocorre porque excedem ou no se adaptam s caractersticas e capacidades humanas. Por exemplo, o computador foi chamado sistema inteligente, mas o computador no pensa. Por mais rpido e preciso que seja, ser quase intil, se o operador no puder interpretar as informaes apresentadas na tela e decidir a tempo. Similarmente, um sistema de controle, por mais informatizado e eficaz que seja, ser um fracasso se o controlador no puder monitor-lo e regul- lo com rapidez, segurana e eficincia".

15

A ergonomia passa a ter ento a sua importncia alicerada no estudo dos limites, limiares, capacidades do homem, suas caractersticas fsicas e psquicas. Sendo assim, qualifica-se para definir parmetros ergonmicos para o projeto de produtos, processos produtivos (mtodos e planejamento, programao e controle da produo), sistemas de informao, ambientes arquiteturais e treinamento para o trabalho de forma a propiciar segurana, sade, conforto, bem estar e melhoria da qualidade de vida das pessoas.

16

6. DEFINIES DE ERGONOMIA

A IEA Associao Internacional de Ergonomia, em seu 15o. Congresso, ocorrido no ano de 2000, na cidade de San Diego, Estados Unidos, apresentou a seguinte definio de ergonomia: A ergonomia (ou fatores humanos) a disciplina cientfica relacionada ao entendimento das interaes entre os seres humanos e outros elementos do sistema e a aplicao da teoria, princpios, dados e mtodos ao design a fim de otimizar o bem-estar humano e a melhoria de desempenho do sistema.

Assim, de acordo com a IEA, os praticantes da ergonomia devem: Contribuir para o planejamento, projeto e a avaliao de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas para torna-los compatveis com as necessidades, habilidades e limitaes das pessoas. Intervir, a partir de uma compreenso abrangente na abordagem do trabalho, levando em conta consideraes de ordem fsica, cognitiva, social, organizacional, ambiental e outros aspectos relevantes.

O Quadro 1.2, abaixo, apresenta os domnios de especializao da ergonomia, apontados pela IEA.

Ergonomia Fsica Refere-se as caractersticas da anatomia humana, antropometria, fisiologia e biomecnica em sua relao a atividade fsica. Estuda: a postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distrbios msculo-esqueletais relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurana e sade.

Ergonomia Cognitiva Refere-se aos processos mentais, tais como percepo, memria, raciocnio e resposta motora conforme afetam interaes entre seres humanos e outros elementos de um sistema.

Ergonomia Organizacional Refere-se a otimizao dos sistemas scio-tcnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, polticas e de processos.

Estuda: comunicaes, projeto de trabalho, organizao Estuda: carga mental de temporal do trabalho, trabalho trabalho, tomada de deciso, em grupo, projeto participativo, performance especializada, novos paradigmas do trabalho, interao homem computador, cultura organizacional, stress e treinamento, conforme organizaes em rede, estes se relacionam aos projetos teletrabalho e gesto da envolvendo seres humanos e qualidade. sistemas.

Tambm importante registrar a definio que a IEA apresentou para a ergonomia em seu Congresso realizado em 1969: A ergonomia o estudo cientfico da relao entre o homem e seus meios, mtodos e espao de trabalho. Seu objetivo elaborar, mediante a contribuio de diversas disciplinas cientficas que a compem, um corpo de conhecimentos que, dentro de uma perspectiva de aplicao, deve resultar numa melhor adaptao ao homem dos meios tecnolgicos e dos

17

ambientes de trabalho e de vida (Congresso da Associao Internacional de Ergonomia, 1969). Cumpre observar que diversos autores apresentaram definies de ergonomia. Alguns a classifica como cincia, outros como tecnologia. Alguns destacam os aspectos sistemticos e comunicacionais, enquanto outros focalizam a questo da adaptao da mquina ao homem. Algumas, das mais significativas definies, esto apresentadas a seguir. "Ergonomia o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente e, particularmente, a aplicao dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na soluo dos problemas surgidos desse relacionamento" (Ergonomic Research Society e IV Congresso Internacional de Ergonomia, 1969). uma disciplina que pretende ajudar os membros individuais da fora de trabalho a produzirem a nveis economicamente aceitveis para o empregador, enquanto, ao mesmo tempo, desfrutam de um alto padro de bem-estar fisiolgico e emocional (TICHAUER, 1978). Ergonomia o estudo do comportamento humano em relao ao seu trabalho. O objeto desta pesquisa o homem no seu trabalho em relao com o seu ambiente espacial. A pesquisa ergonmica usada na adaptao das condies de trabalho natureza fsica e psicolgica do homem e isto resulta no mais importante princpio da Ergonomia adaptar a tarefa ao homem (GRANDJEAN, 1980). o conjunto de conhecimentos cientficos relativos ao homem e necessrios para a concepo de ferramentas, mquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o mximo de conforto, segurana e eficcia (WISNER, 1987). A Ergonomia o estudo da adaptao do trabalho ao homem. O trabalho aqui tem uma acepo bastante ampla, abrangendo no apenas aquelas mquinas e equipamentos utilizados para transformar os materiais, mas tambm toda a situao em que ocorre o relacionamento entre o homem e seu trabalho. Isto envolve no somente o ambiente fsico, mas tambm os aspectos organizacionais de como esse trabalho programado e controlado para produzir os resultados desejados (IIDA, 1990). A nica e especfica tecnologia da ergonomia a tecnologia da interface homem-sistema. A ergonomia como cincia trata de desenvolver conhecimentos sobre as capacidades, limites e outras caractersticas do desempenho humano e que se relacionam com o projeto de interfaces, entre indivduos e outros componentes do sistema. Como prtica, a ergonomia compreende a aplicao de tecnologia da interface homem-sistema a projeto ou modificaes de sistemas para aumentar a segurana, conforto e eficincia do sistema e da qualidade de vida. No momento, esta tecnologia nica e especial possui pelo menos quatro componentes principais identificveis que, do mais antigo ao mais recente, so os seguintes: tecnologia da interface homem-mquina ou ergonomia de hardware; tecnologia da interface homemambiente ou ergonomia ambiental; tecnologia da interface usurio-sistema ou ergonomia de software e tecnologia da interface organizao-mquina ou macroergonomia (HENDRICK, 1991). A Ergonomia objetiva o design de equipamentos, sistemas tcnicos e tarefas de forma a melhorar a segurana, sade, conforto e desempenho do homem. () As situaes

18

inseguras, no saudveis, desconfortveis ou ineficientes no trabalho ou na vida diria so evitadas levando-se em conta as capacidades fsicas e psicolgicas e as limitaes humanas (DUL e WEERDMEESTER, 1994). Ergonomia um corpo de conhecimentos sobre as habilidades, limitaes e outras caractersticas humanas que so relevantes para o design. Projeto ergonmico a aplicao da informao ergonmica ao design de ferramentas, mquinas, sistemas, tarefas, trabalhos e ambientes para o uso humano seguro, confortvel e efetivo. A palavra significante nestas definies design, porque ela nos separa de disciplinas puramente acadmicas como antropologia, fisiologia e psicologia (CHAPANIS, 1996). A Ergonomia, tambm conhecida como fatores humanos, uma disciplina cientfica que trata da interao entre os homens e a tecnologia. A Ergonomia integra o conhecimento proveniente das cincias humanas para adaptar tarefas, sistemas, produtos e ambientes s habilidades e limitaes fsicas e mentais das pessoas (KARWOWSKI, 1996). PHEASANT (1997), afirma que a abordagem ergonmica em relao ao design pode ser resumida como: O princpio do design centrado no usurio Se um objeto, um sistema ou um ambiente projetado para o uso humano, ento seu design deve se basear nas caractersticas fsicas e mentais do seu usurio humano. O objetivo alcanar a melhor integrao possvel entre o produto e seus usurios, no contexto da tarefa (trabalho) que deve ser desempenhada. Em outras palavras: Ergonomia a cincia que objetiva adaptar o trabalho ao trabalhador e o produto ao usurio. O aspecto singular que particulariza a ergonomia e que faz dela uma disciplina nica a interseo do domnio comportamento com a tecnologia fsica, principalmente o design de equipamentos. Eu sei de muitos especialistas em ergonomia que a consideram como uma forma de psicologia, mas eu contexto esta assuno veementemente ela deslegitima a ergonomia. A psicologia no trata da tecnologia, a engenharia no se interessa pelo comportamento humano, a no ser quando a ergonomia exige. O foco principal da ergonomia o desenvolvimento de sistemas, que a traduo dos princpios comportamentais para o design de sistemas fsicos (MEISTER, 1998). Diante das diversas definies expostas, pode-se observar que cada qual representa a formao ou linha de pensamento do respectivo autor. Muitas classificam a ergonomia como cincia, outras como tecnologia. Tal distino ser detalhadamente discutida a seguir. 6.1 Ergonomia: cincia ou tecnologia? Como foi visto anteriormente, alguns autores classificam a ergonomia como cincia, outros como tecnologia. Alguns destacam os aspectos sistemticos e comunicacionais, enquanto outros focalizam a questo da adaptao da mquina ao homem. No entanto, a questo onde aparecem mais divergncias , sem dvida, o carter cientfico da ergonomia. como se os ergonomistas, no af de afirmar a seriedade da nova disciplina, buscassem no termo cincia um status que a tecnologia, por sua proximidade com a tcnica, no possui. Cabe, portanto, esclarecer este ponto, para que a ergonomia possa se definir como tecnologia. Segundo BUNGE (1980), entende-se habitualmente por tecnologia a tcnica que emprega o conhecimento cientfico. Por exemplo, distingue-se a tcnica da costureira da tecnologia da indstria

19

da confeco. Em geral, no se distingue a tecnologia moderna da engenharia. Caso se aceite esta igualdade, onde situar a bioengenharia, a tecnologia educacional e outras disciplinas que no participam da produo? Para evitar tais dificuldades, deve-se adotar uma definio de tecnologia que considere os fins e os meios da tecnologia. "Um corpo de conhecimento uma tecnologia se, e somente se, 1) compatvel com a cincia contempornea e controlvel pelo mtodo cientfico, e 2) empregado para controlar, transformar ou criar coisas ou processos, naturais ou sociais". (BUNGE, op. cit.). Observe-se que, segundo esta definio, uma tecnologia pode ter ou no uma interseo com alguma cincia. Todas as tecnologias tradicionais - as engenharias e as tecnologias biolgicas - tm algo em comum com a cincia, parte o mtodo. Ao contrrio, algumas das tecnologias novas, tais como a pesquisa operacional e a informtica, apenas partilham com a cincia seu mtodo. Logo, compreendem-se como tecnologia todas as disciplinas orientadas para a prtica, sempre que usem o mtodo cientfico. Em qualquer processo tecnolgico de alto nvel, como o observado numa refinaria de petrleo, numa rede telefnica, num hospital moderno, tanto os pesquisadores (no tanto, porm, os tcnicos) como os administradores ou dirigentes utilizam numerosas ferramentas conceituais, como a qumica orgnica, o eletromagnetismo, a teoria das filas de espera e a teoria das decises. No caso de serem inovadores ou criativos, os pesquisadores ou aqueles que tm o poder decisrio tentaro ou mesmo inventaro novas teorias ou novos procedimentos. Em suma, a tecnologia no est separada da teoria nem mera aplicao da cincia pura: tem uma componente criativa particularmente manifesta na pesquisa tecnolgica e no planejamento de polticas tecnolgicas. Uma teoria tecnolgica pode ser relevante para a ao, seja porque fornea conhecimento sobre os objetos da ao (mquinas, por exemplo) seja porque trate da prpria ao (por exemplo, as decises que precedem e controlam a fabricao ou o uso das mquinas). Os dois tipos de teoria consistem em teorias tecnolgicas. A do primeiro exemplo uma teoria tecnolgica substantiva - e compreende, essencialmente, aplicaes das teorias cientficas a situaes aproximadamente reais. o caso do gelogo que realiza prospeces de petrleo utilizando a paleontologia - embora nem a paleontologia nem a geologia se ocupem diretamente da indstria petrolfera. A do segundo exemplo uma teoria tecnolgica operativa - e se refere s operaes de complexos humano-mquina em situaes aproximadamente reais. O que as teorias tecnolgicas operativas utilizam no o conhecimento cientfico substantivo, mas sim o mtodo da cincia. Ainda, de acordo com a exposio baseada em BUNGE, no h porque tratar tecnologia como algo menor e, conseqentemente, desnecessrio classificar a ergonomia como cincia para valid-la. A ergonomia constitui-se claramente como tecnologia substantiva quando aplica teorias cientficas, como a fisiologia, a psicologia, a sociologia, para adaptar mquinas e equipamentos s caractersticas humanas. Por outro lado, ao construir modelos das relaes entre homens e mquinas, ao utilizar conceitos probabilsticos, ao absorver informaes empricas e enriquecer seu quadro de predies, ao ser, portanto, empiricamente contrastvel, embora sem o mesmo rigor da cincia, a ergonomia afirma-se como teoria tecnolgica operativa. Apesar das diferenas entre cincia, estudo cientfico e tecnologia, todos os ergonomistas, entretanto, consideram os seguintes aspectos:

20

a utilizao de dados cientficos sobre o homem; a origem multidisciplinar destes dados (anatomia, fisiologia, neurofisiologia, psicofisiologia, psicologia, sociologia, antropologia) e a interdisciplinaridade da ergonomia; a aplicao ao dispositivo tcnico, organizao do trabalho e ao treinamento dos parmetros e recomendaes propostos pela ergonomia; a perspectiva do uso destes dispositivos tcnicos pela populao normal dos trabalhadores, com suas capacidades e limites, sem implicar numa seleo que escolha os homens certos; a adaptao ao homem de mquinas, ambientes e trabalho; os objetivos de segurana, conforto e bem-estar.

6.2 Uma proposta de definio Com o objetivo de englobar estes aspectos e explicitar o campo de atuao da ergonomia, assim como seus objetivos, prope-se, a partir de MORAES (1990) e MORAES e SOARES (1989), a definio apresentada nos prximos pargrafos. Conceitua-se a ergonomia como tecnologia projetual das comunicaes entre homens e mquinas, trabalho e ambiente. De acordo com a classificao de Mrio Bunge para tecnologia, a ergonomia atua tanto como teoria tecnolgica substantiva quanto como teoria tecnolgica operativa. Como teoria tecnolgica substantiva, a ergonomia busca, atravs de pesquisas descritivas e experimentais, sobre limiares, limites e capacidades humanas (a partir de dados da fisiologia, da neurofisiologia, da psicofisiologia, da psicologia, da psicopatologia, da biomecnica ocupacional, bem como da anatomia e da antropometria), fornecer bases racionais e empricas para adaptar ao homem (i) bens de consumo e de capital, (ii) meios e mtodos de trabalho, (iii) planejamento, programao e controle e processos de produo e (iv) sistemas de informao. Como teoria tecnolgica operativa, a ergonomia objetiva, atravs da ao, resolver os problemas da relao entre homem, mquina, equipamentos, ferramentas, programao do trabalho, instrues e informaes, solucionando os conflitos entre o humano e o tecnolgico, entre a inteligncia natural e a inteligncia artificial nos sistemas homens-mquinas1.Segundo MONTMOLLIN (1971), as comunicaes entre o homem e a mquina definem o trabalho. A partir de COUFFIGNAL (1966), conforme os conceitos da ciberntica, define-se mquina como um mecanismo fsico objetivado, que visa a substituir o homem na execuo de uma ao. De acordo com McCORMICK e SANDERS (1982), MURRELL (1965) e SHACKEL (1974), pode-se afirmar que, quando se diz que o homem funciona como parte de um sistema humano-mquina, o conceito comum de mquina demasiadamente restritivo. Conforme as referncias da ciberntica e para esses autores, ergonomistas, a palavra mquina significa, ento, tudo aquilo que compreende virtualmente qualquer tipo de objeto fsico, artefato, aparato, dispositivo, equipamento, utenslio, meio de trabalho, qualquer coisa, qualquer mecanismo fsico objetivado com o qual o indivduo executa alguma atividade, com um propsito. O lpis com o qual escrevemos, a raquete com que jogamos, a p com a qual cultivamos o jardim, a enxada, o martelo e o serrote, o balde de massa e a p do pedreiro, nessa acepo, so to mquinas quanto o carro ou a bicicleta que dirigimos, o torno mecnico, a serra eltrica manual, a correia transportadora, o painel de controle de uma refinaria, o console de monitorao de uma usina, uma rgua de clculos, uma calculadora, um computador. De acordo com MEISTER & RABIDEAU (1965), por sistema humano-mquina compreendem-se situaes diferentes:1

a combinao homem + utenslios; o posto de trabalho (a dade um homem +uma mquina);

21

Tais conflitos se expressam atravs de custos humanos do trabalho para o operador, como fadiga, doenas profissionais, leses temporrias ou permanentes, mutilaes e mortes. Tambm se expressam atravs de acidentes, incidentes, erros excessivos, paradas no controladas, lentido e outros problemas de desempenho, assim como danificao e m conservao de mquinas e equipamentos. Isto comumente acarreta em reduo no nvel de produo, desperdcio de matriasprimas, baixa qualidade dos produtos - o que acaba por comprometer a produtividade e a qualidade do sistema homens-mquinas. Com base nos enfoques sistmico e informacional, a ergonomia como tecnologia operativa trata de definir para projetos de produtos, estaes de trabalho, sistemas de controle, sistemas de informao, dilogos computadorizados, organizao do trabalho, operacionalizao da tarefa e programas instrucionais, os parmetros interfaciais, instrumentais, informacionais, acionais, comunicacionais, cognitivos, interacionais, movimentacionais, espaciais/arquiteturais, fsico-ambientais, qumicoambientais, securitrios, operacionais, organizacionais, instrucionais, do espao interno, urbanos, psicossociais e de acessibilidade. Exemplos de tais parmetros so apresentados a seguir. interfaciais: configurao, morfologia, arranjo fsico, dimenses, envoltrios acionais de

mquinas, equipamentos, consoles, bancadas, painis e mobilirios; instrumentais: configurao, conformao, arranjo fsico e topologia, priorizao, ordenao, padronizao, compatibilizao e consistncia de painis de superviso (sinpticos, mostradores) e/ou comandos; informacionais: visibilidade, legibilidade, compreensibilidade e quantidade de informao, priorizao e ordenao, padronizao, compatibilizao e consistncia, componentes sgnicos - caracteres alfanumricos e smbolos iconogrficos -, de sistemas de sinalizao de segurana ou de orientao, de painis sinpticos, telas de monitores de vdeo e mostradores, de manuais operacionais e apoios instrucionais; avisos/advertncias e comportamento dos usurios em relao s situaes de risco. acionais: configurao, conformao, apreensibilidade, dimenses, movimentao e resistncia de comandos manuais e pediosos; comunicacionais: articulao e padronizao de mensagens verbais por alto-falantes, microfones e telefonia; qualidade de equipamentos de comunicao oral; cognitivos: compreensibilidade, consistncia da lgica de codificao e representao, compatibilizao de repertrios, significao das mensagens; processamento de informaes, coerncia dos estmulos, das instrues e das aes e decises envolvidas na tarefa, compatibilidade entre a quantidade de informaes, complexidade e/ou riscos envolvidos na tarefa; qualificao, competncia e proficincia do operador; interacionais: navegao em hipertextos, pginas da web, considerando consistncia, orientao X desorientao do usurio (onde estou?, para onde vou?), arquitetura da informao, gerncia de contedo, e-writing, legibilidade, destaque das informaes, metforas e ajudas ao usurio. movimentacionais: limites de peso para levantamento e transporte manual de cargas, segundo a distncia horizontal da carga em relao regio lombar da coluna vertebral, o curso vertical do levantamento ou abaixamento da carga, a conformao da carga, a freqncia de manipulao da carga.

o sistema homens-mquinas - um conjunto de elementos humanos e no humanos submetidos a interaes (como, por exemplo, a torre de controle de um aeroporto, uma central de controle operacional de uma usina, as rotativas de impresso e os operadores encarregados de manipul-la e de manuten-la, a sala de operao com o paciente, o cirurgio, sua equipe, instrumentadores, enfermeiros, aparatos e equipamentos).

22

espaciais/arquiteturais: aerao, insolao e iluminao do ambiente; isolamento acstico e

trmico; reas de circulao e layout de instalao das estaes de trabalho; ambincia grfica, cores do ambiente e dos elementos arquiteturais; fsico-ambientais: iluminao, rudo, temperatura, vibrao, radiao, presso, dentro dos limites da higiene e segurana do trabalho, e considerando as especificidades da tarefa; qumico-ambientais: toxicidade, vapores e aerodispersides; agentes biolgicos (microorganismos: bactrias, fungos e vrus), que respeitem padres de assepsia, higiene e sade; securitrios: controle de riscos e acidentes, pela manuteno de mquinas e equipamentos, pela utilizao de dispositivos de proteo coletiva e, em ltimo caso, pelo uso de equipamentos de proteo individual adequados, pela superviso constante da instalao dos dutos, alarmes e da planta industrial em geral; operacionais: programao da tarefa, interaes formais e informais, ritmo, repetitividade, autonomia, pausas, superviso, preciso e tolerncia das atividades da tarefa, controles de qualidade, dimensionamento de equipes; instrucionais: programas de treinamento, procedimentos de execuo da tarefa; reciclagens e avaliaes; organizacionais: parcelamento, isolamento, participao, gesto, avaliao, jornada, horrio, turnos e escala de trabalho, seleo e treinamento para o trabalho; do espao interno: circulao e fluxo de pessoas, mquinas e materiais, considerao das atividades a serem desempenhadas e de movimentao dos operadores para realiz-las. urbanos: planejamento e projeto do espao da cidade, sinalizao urbana e de transporte, terminais rodovirios, ferrovirios e metrovirios, reas de circulao e integrao, reas de repouso e de lazer. psicossociais: conflitos entre indivduos e grupos sociais; dificuldades de comunicaes e interaes interpessoais; falta de opes de descontrao e lazer. de acessibilidade: sejam equipamentos, meios de transporte ou espaos interiores e exteriores, consideraes em seu planejamento, de forma que possam ser utilizados com autonomia pelas pessoas portadoras de deficincias.

O objeto da ergonomia, seja qual for a sua linha de atuao, ou as estratgias e os mtodos que utiliza, o homem no seu trabalho trabalhando, realizando a sua tarefa cotidiana, executando as suas atividades do dia-a-dia. Esse trabalho real e concreto compreende o trabalhador, operador, o manutenidor, o instrutor ou usurio no seu local de trabalho, enquanto executa sua tarefa, com suas mquinas, ferramentas, equipamentos e meios de trabalho, num determinado ambiente fsico e arquitetural, com seus chefes e supervisores, colegas de trabalho e companheiros de equipe, e mais as interaes e comunicaes formais e informais, num determinado quadro econmico-social, ideolgico e poltico. A ergonomia partilha assim o seu objetivo geral - melhorar as condies especficas do trabalho humano - com a higiene e a segurana do trabalho. Os organizadores do trabalho tambm estudam o trabalho real para determinar procedimentos mais racionais e formas mais produtivas de efetuar a tarefa. Vrias so as nfases, as estratgias, mtodos e tcnicas. No entanto, imprescindvel enfatizar que a ergonomia orienta-se prioritariamente para a aplicao. Cumpre ressaltar que a singularidade da ergonomia est justamente na sua prxis2, que integra o estudo das caractersticas fsicas e psquicas do homem, as avaliaes tecnolgicas do sistema produtivo, a anlise da tarefa, com a apreciao, o diagnstico, a projetao, a avaliao e aprxis Termo em uso deste Aristteles, uma das trs atividades bsicas dos seres humanos (as outras so a theoria, ou teoria, e a poisis, ou produo artstica). Mais tarde tem-se que a subordinao da teoria prtica relaciona-se com a incapacidade da razo para resolver contradies. A prxis, ento, relaciona-se com a atividade livre, autntica e autoconsciente que se ope ao trabalho alienado. (BLACKBURNS, Simon. Dicionrio Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1974, 437 p.)2

23

implantao de sistemas homens-tarefas-mquinas. O ergonomista, junto com engenheiros, arquitetos, desenhistas industrias, analistas e programadores de sistema, organizadores do trabalho, psiclogos, mdicos e enfermeiros do trabalho, prope mudanas e inovaes, sempre a partir de variveis fisiolgicas, psicolgicas e cognitivas humanas e segundo critrios que privilegiam o ser humano. O atendimento aos requisitos ergonmicos possibilita maximizar o conforto, a satisfao e o bemestar; garantir a segurana; minimizar constrangimentos, custos humanos e carga cognitiva, psquica e fsica do operador e/ou usurio; e otimizar o desempenho da tarefa, o rendimento do trabalho e a produtividade do sistema humano-mquina. Finalmente, cabe asseverar que a ergonomia tem como centro focal de seus levantamentos, anlises, pareceres, diagnsticos, recomendaes, proposies e avaliaes, o HOMEM como ser integral. A vocao principal da ergonomia recuperar o sentido antropolgico do trabalho, gerar o conhecimento atuante e reformador que impede a alienao do trabalhador, valorizar o trabalho como agir humano atravs do qual o homem se transforma e transforma a sociedade, como livre expresso da atividade criadora, como superao dos limites da natureza pela espcie humana.

24

7. AFLUENTES, EFLUENTES, E FRONTEIRAS DA ERGONOMIA

O recorte da ergonomia se faz atravs do seu objeto - o ser humano em seu trabalho, trabalhando em situao real -, de seus mltiplos recortes do sistema homem-tarefa-mquina e da nfase na anlise da tarefa (trabalho e atividades). Cumpre, portanto, observar que o sistema humano-tarefa-mquina pode ser um shopping center, um hospital, uma sala de controle, uma agncia bancria, um terminal rodovirio, um laboratrio de anlise, uma galeria de exposies, um parque, uma banca de jornal, um banheiro pblico para deficientes, um sistema de sinalizao de uma universidade, um console de controle, a estao de trabalho de um digitador, um banco de praa, etc. A ergonomia como tecnologia substantiva implica interaes com vrias cincias - as disciplinas afluentes. A ergonomia como tecnologia operativa compreende interaes com diversas tecnologias projetuais - as disciplinas efluentes. Disciplinas afluentes so aquelas que fornecem subsdios (i) sobre os aspectos fsicos e mentais do homem (anatomia, antropometria, biomecnica ocupacional, fisiologia do trabalho, medicina do trabalho, psicologia do trabalho, psicologia experimental, psicologia cognitiva); (ii) sobre as interaes sociais e culturais das relaes de produo (sociologia do trabalho, economia do trabalho, antropologia) e (iii) sobre a comunicao humana (semitica). Disciplinas efluentes so aquelas para as quais a ergonomia - a partir da abordagem sistmica, da modelao das comunicaes, da anlise da tarefa e de experimentos com variveis controladas - define requisitos ergonmicos de projeto de produtos e estaes de trabalho, de ambiente espacial, de elementos de comunicao visual, de ambiente fsico, de operacionalizao da tarefa, de programas de treinamento, de sistemas de informao, de sistemas gerenciais, de projeto de software (hipertextos) e programas de comunicao. So elas: desenho industrial, engenharia do produto, programao visual, plant layout, arquitetura, espao construdo, conforto ambiental, engenharia de segurana, engenharias de produo e de transportes, organizao do trabalho, recursos humanos e engenharias de sistemas e de software.

O Quadro 1.1, a seguir, apresenta, esquematicamente, a relao da ergonomia - e as suas etapas metodolgicas com as disciplinas com as quais apresenta fronteiras. Ao trabalhar as comunicaes nos sistemas humanos-tarefas-mquinas, a ergonomia considera uma interao sistmica e dinmica onde o homem e sua mquina dialogam, influenciam e sofrem as influncias do ambiente operacional, organizacional, da ambincia fsica. Contemplam-se igualmente os aspectos fisiolgicos, biomecnicos, psquicos e cognitivos, a tomada de informaes, a resoluo de problemas, a deciso, a manipulao de comandos. Estudam-se as condies reais de trabalho, as atividades concretas da tarefa, com a viso das restries tecnolgicas do processo produtivo e da

25

Quadro 1.1. - Fronteiras da ergonomia: disciplinas afluentes e efluentes

26

organizao disciplinar do trabalho. Alvenaria, armao, teares, tornos, tratores, computadores, salas de controle, liquidificadores, furadeiras, automveis, etc., so objeto da apreciao, do diagnstico, da avaliao e da projetao ergonmica. Conhecendo os limites, limiares, capacidades do homem, suas caractersticas fsicas e psquicas, o ergonomista passa a participar do processo de gerao de projetos de sistemas, de estaes de trabalho, de equipamentos, de produtos, de organizao do trabalho, dos processos produtivos (mtodos e planejamento, programao e controle da produo), de tarefas, de sinalizao, da ambincia fsica, do ambiente espacial e arquitetural, do entorno urbano, de programas de capacitao e treinamento, de higiene e segurana do trabalho, da seleo e transferncia de tecnologia. Busca-se, essencialmente, definir parmetros ergonmicos que propiciem a segurana, a sade, o conforto e o bem-estar de usurios e trabalhadores em seus ambientes de trabalho e lazer.

27

8. TIPIFICAO DA ERGONOMIA

Pode-se classificar a ergonomia de acordo com (i) o seu objeto de atuao (sistemas, produo/produto, informacional/gestual e transferncia de tecnologia,); (ii) segundo o objetivo de interveno (correo/concepo/transformao, proteo/desenvolvimento) e (iii) os tipos de nfases (comportamental, cognitiva, sciotcnica ou experimental). 8.1 Quanto ao objeto de atuao So os tipos de ergonomia referentes ao seu campo de atuao: ergonomia de sistemas, ergonomia do produto, ergonomia de produo, ergonomia informacional, ergonomia gestual, ergonomia de transferncia de tecnologia. (i) Ergonomia de sistemas Num sistema produtivo ou de controle, a tarefa do operador e a maneira como ele a executa dependem do desempenho de outros postos anteriores. Por outro lado, o produto das atividades do operador alimenta um outro posto com o qual ele pode estar em relao direta, no caso de um trabalho em equipe (informaes numa sala de controle centralizado, por exemplo, ou o material processado, no caso de indstrias de transformao). Ocorrem tambm relaes indiretas, quando o operador recebe ou fornece entradas ou sadas de partes do seu trabalho de, ou para, outros postos com os quais no interage. Estas interaes desenvolvem-se como um fluxo (a nvel horizontal) ou hierarquicamente (num nvel vertical). Considera-se, ento, no o posto de trabalho (a dada humano-mquina) mas o conjunto dos diferentes elementos humanos, informacionais e materiais em interao. Deste modo, objetiva-se definir a configurao do sistema (mais ou menos informatizado), alocao de funes para o homem e para a mquina, a competncia e o dimensionamento da equipe e a repartio de responsabilidades e atividades entre os operadores. A partir de critrios humanos (minimizao da carga fsica, cognitiva e psquica) trata-se de otimizar o funcionamento do sistema como um conjunto holstico e teleolgico. No existe descontinuidade entre a ergonomia dos sistemas e a ergonomia dos postos de trabalho os problemas sociotecnolgicos resultantes das relaes entre as tecnologias e as caractersticas das populaes de trabalhadores propiciam a interao entres estes dois enfoques da ergonomia. (ii) Ergonomia do produto A ergonomia do produto analisa de maneira aprofundada os artefatos e seus efeitos na relao com o homem. Trata da concepo de objetos para fabricao em escala industrial, e prioriza as relaes do usurio, operador, consumidor, manutenidor, com o produto em funo das zonas: interfacial: perfil, dimenses, alcances, arranjo fsico instrumental: arranjo, topologia, de painis informacionais e de comando informacional: visibilidade, legibilidade e compreensibilidade de componentes sgnicos (caracteres alfanumricos e smbolos iconogrficos) acional: apreensibilidade e movimentao de comandos comunicacional: audibilidade e posicionamento de alto-falantes, microfones e telefones.

28

Tal distino, no entanto, no repercute nos mtodos que o ergonomista utiliza. Parte-se sempre do enfoque sistmico e das comunicaes/interaes entre homens e mquinas, atravs da anlise da tarefa ou das tarefas e tomam-se sempre como parmetros de avaliao os custos humanos fsicos, cognitivos ou psquicos do trabalho. Durante o projeto de produtos de consumo ou de bens de capital, o designer ou o engenheiro de produto consideram, alm das funes estruturais e moventes, de resistncia e produtibilidade, econmicas, semiticas e estticas, as funes de uso do produto. Os mtodos e tcnicas da ergonomia permitem levantar as comunicaes e interaes que expressam tais funes. Os insumos da antropometria propiciam o correto dimensionamento. J as referncias da fisiologia da viso, da percepo e cognio possibilitam a definio dos componentes instrumentais e informacionais apropriados. Finalmente, as informaes da biomecnica permitem a determinao de componentes acionais adequados. Estes elementos em conjunto contribuem para a anlise de usabilidade do produto. Entende-se usabilidade como a adequao entre o produto e as tarefas a cujo desempenho se destina, da adequao com o usurio que o utilizar, e da adequao ao contexto em que ser usado. Para isto, deve incorporar caractersticas como: facilidade de aprendizagem, efetividade, atitude parei (iii) Ergonomia da produo J a ergonomia da produo contempla os meios de produo, os mtodos e processos, o dimensionamento de equipes, a operacionalizao da tarefa, a organizao do trabalho e o ambiente de trabalho. Faz parte de seu mbito, entre outros, o estudo das posturas, esforos fsicos e mentais e os efeitos dos horrios e turnos sobre o organismo humano. Cabe ainda mencionar que a ergonomia de produo implica tambm a ergonomizao dos produtos e meios de trabalho, tais como, mquinas, ferramentas, dispositivos de informao. Do mesmo modo, a ergonomia do produto, ao conceber um objeto a ser fabricado, deve considerar a ergonomizao da produo deste mesmo produto, a partir da seleo de matrias-primas no agressivas, da tecnologia e dos processos e maquinrios menos predatrios fora de trabalho. (iv) Ergonomia informacional A ergonomia informacional contempla a percepo e a cognio (seleo de informaes, resoluo de problemas, tomada de deciso). Campo bastante complexo, como diz FAVERGE (1966), abarca aspectos de linguagem verbal e iconogrfica (significao, codificao e decodificao) e o estudo dos canais de comunicao do ser humano (sensoriais, neurofisiolgicos, motores). Seu objetivo a definio de componentes informacionais. (v) Ergonomia gestual A ergonomia gestual abrange os sistemas de respostas ao nvel psicomotor (movimentos, posturas, deslocamentos). Envolve problemas biomecnicos e musculares e trata da manipulao e movimentao de comandos e cargas. (vi) Ergonomia de transferncia de tecnologia Transferir uma mquina, um processo tcnico de fabricao, uma fbrica inteira, dentro de uma mesma regio, de uma regio para outra num mesmo pas, de um pas para outro, ou de um continente para outro, exige o conhecimento das caractersticas da populao que os utilizar e do local onde se situar. Uma indstria no pode ter as mesmas caractersticas arquiteturais em um pas tropical e em um pas frio.

29

Impossvel importar uma planta ipsis litteris da Sucia para o Brasil - o isolamento trmico, por exemplo, no pode ser o mesmo. H que se observar os aspectos geogrficos, e especificamente climticos, da regio destinatria. A organizao do trabalho deve considerar os hbitos culturais, a nutrio, a higiene e a escolaridade da populao. Deve-se adaptar a concepo das mquinas aos conhecimentos tcnicos dos operadores para as oper-las, manuten-las e repar-las. Cumpre atentar para os aspectos culturais e sociais da populao destinatria. O ergonomista deve participar dessa transferncia e implantao de tecnologia e estudar as caractersticas do trabalho e das populaes. O Quadro 1.3., a seguir, apresenta a ergonomia e seus tipos de atuao, com consideraes e especificidades de cada uma como descrito abaixo: Ergonomia de interao: aborda as questes da comunicao entre o homem e os computadores atravs de interfaces informatizadas. Ergonomia Informacional: destaca-se as questes perceptuais. Ergonomia do Produto: refere-se as interfaces dos bens de consumo, ferramentas e estaes de trabalho. Ergonomia de Sistemas: tm-se os sistemas complexos e dinmicos de controle de indstrias de processos e de transporte. Ergonomia da Produo: so trabalhadas as variveis do processo produtivo. Ergonomia do Ambiente Construdo: refere-se as questes do uso do espao e de sua adequao aos portadores de deficincias.

Acima, direita do quadro, apresentam-se alguns custos humanos do trabalho e no centro, os interlocutores do ergonomista: 8.2 Quanto ao objetivo da interveno A ergonomia classifica-se em trs principais tipos quando relacionada aos seus objetivos de interveno: (i) ergonomia de correo, (ii) ergonomia de concepo, (iii) ergonomia de transformao, (iv) ergonomia de conscientizao. (i) Ergonomia de correo A ergonomia de correo busca melhorar as condies de trabalho em fbricas e estaes de trabalho j instaladas. Sua eficincia limitada pois a correo nem sempre consegue solucionar o problema. Afinal, solucionar o problema do controle de rudo de uma mquina em funcionamento, por exemplo, mais difcil e oneroso do que a sua soluo durante a fase de projeto e prototipagem. Modificar uma sala de controle, quando o sistema no pode parar, implica custos e problemas operacionais. (ii) Ergonomia de concepo A ergonomia de concepo, ao contrrio, ergonomiza a ferramenta, o posto de trabalho, o sistema ou o ambiente durante o projeto. Os testes de prottipo avaliam e validam as solues propostas. A ergonomia de concepo deve considerar a flexibilidade como um parmetro, pois mudanas ocorrem em termos tecnolgicos, econmicos, polticos e sociais.

30

Quadro 1.3. Classificao da ergonomia quanto ao seu objeto de atuao * Trabalhadores * Operadores * Usurios *Consumidores * Manutenidores * Portadores de deficincia * Idosos * Mulheres *Movimentao manual de cargas * Leses por esforos repetitivos * Doenas msculoesquelticas * Fadiga fsica, mental e cognitiva * Reabilitao * Estresse e carga mental

* Circulao * Fluxos * Acessibilidade * Espao Pblico * Espao Social * Espao Pessoal * Espao da Produo * Espao de Lazer *Territorialidade * Privacidade * Personalizao * Privatizao * Apropriao * Gesto * Segurana

* ODAM * Mtodos * Equipes * Alocao de tarefas * Ergonomia participativa * Gerncia da Qualidade Total * Aspectos humanos da manuteno

* Sistemas complexos *Sistemas de controle dinmico * Transportes *Aviao * Indstrias de processo * Transferncia de tecnologia

do Ambiente Construdo

da Produo (iii)

de Sistemas (i)

ERGONOMIAInformacional (iv) do Produto (ii)* Deteco * Discriminao * Identificao * Visibilidade * Legibilidade * Leiturabilidade * Compreensibilidade * Instrues * Advertncias * Alarmes * Rtulos * Manuais * Sinalizao * Mapas * Mostradores * Pictogramas e Grifos * Conforto * Segurana * Usabilidade * Confiabilidade * Manufaturabilidade * Configurao * Conformao * Adaptao * Flexibilidade * Ajustabilidade * Bens de consumo * Utenslios * Equipamentos * Ferramentas * Mquinas * Estaes de trabalho * Erro Humano * Amigabilidade * Usabilidade * Utilidade * Segurana * Navegao * Legibilidade * Compreensibilidade * Telas * Menus * Hipertexto * Multimdia * Realidade virtual * Ajudas informatizadas * Sistemas interativos

da Interao

31

(iii) Ergonomia de transformao Entretanto, pode-se considerar uma empresa como um organismo em permanente transformao em face da introduo de uma nova mquina, ampliao de uma oficina, reorganizao de um servio, modificaes nos mtodos e na organizao do trabalho. Por ocasio da implantao de cada uma dessas mudanas importante considerar os parmetros ergonmicos. Esta a ergonomia de transformao. (iv) Ergonomia de proteo/ergonomia de desenvolvimento A ergonomia de proteo define recomendaes para evitar fadiga, acidentes de trabalho, doenas profissionais. A ergonomia de desenvolvimento procura implementar uma concepo do contedo do trabalho que permita o aumento da capacidade produtiva do trabalhador com a idade. claro que s se implanta a ergonomia de desenvolvimento onde e quando se realiza a ergonomia de proteo. 8.3 Quanto s nfases (i) As geraes da ergonomia Segundo HENDRICK (1987), a ergonomia est na sua terceira gerao. A primeira gerao concentrou-se no projeto de trabalhos especficos, interfaces humano-mquina, incluindo controles, painis, arranjo do espao e ambientes de trabalho. A maioria das pesquisas referia-se antropometria e a outras caractersticas fsicas do homem. Buscava-se, deste modo, obter dados para adaptar a mquina ao homem. Esta aplicao continua a ser um aspecto extremamente importante para a prtica da ergonomia em termos de contribuies para a segurana industrial e para a melhoria geral da qualidade de vida. A segunda gerao da ergonomia se inicia com a nfase na natureza cognitiva do trabalho. Tal ocorreu em funo das inovaes tecnolgicas e, em particular, do desenvolvimento de sistemas automticos e informatizados. O trabalho com computadores implica o processamento de informaes e exige o projeto de programas adequados. Estrutura de software, layout de telas e projetos de menus so importantes reas nas quais a aplicao da ergonomia aumenta a funcionalidade dos sistemas. A ergonomia passa a participar do desenvolvimento e da aplicao da tecnologia da interface usurio/sistema. Este foco no homem-cognitivo influencia o projeto das interfaces e das interaes do dilogo homem-computador e sistemas de controle. Apesar do seu pouco tempo de atuao, esta segunda gerao tem tido um grande impacto. A terceira gerao da ergonomia resulta do aumento progressivo da automao de sistemas em fbricas e escritrios, do surgimento da robtica. Comeou-se a perceber que possvel fazer um trabalho em microergonomia, projetando os componentes de um sistema, mas falhar no que diz respeito ao sistema como um todo, por desconhecimento do nvel macroergonmico. A maioria dos projetos das duas primeiras geraes de ergonomia enfocou trabalhos e interfaces humano-mquina especficos, a terceira gerao passa a se ocupar da organizao como um todo. Assim, a emergente terceira gerao da ergonomia privilegia a macroergonomia ou organizao global ao nvel de mquina/sistema e se concentra no desenvolvimento e na aplicao da organizao da tecnologia mquina/interface. A macroergonomia parte de uma avaliao da empresa de cima para baixo e usa como ferramenta a anlise sociotcnica e o enfoque de sistemas.

32

importante ressaltar, portanto, que ningum pode projetar um microcomponente de um sistema sociotcnico sem primeiro tomar decises sobre a organizao como um todo, inclusive como esta organizao gerenciada. Deve-se, a princpio, colocar as seguintes questes: complexidade, centralizao e formalizao. Estas devem ser ergonomicamente projetadas dentro da estrutura da organizao. Uma vez implementadas as decises sobre a estrutura da organizao, cabe comear o projeto dos subsistemas especficos, tarefas, atividades e estaes de trabalho, que sero compatveis com as recomendaes macroergonmicas para o sistema global. A macroergonomia considera o modo como as organizaes so projetadas e gerenciadas no que se refere s tecnologias (BROWN, 1990). Tambm relaciona-se com quatro nveis de anlises: individual, design do trabalho/estao de trabalho, organizacional e ambiental (IMADA, 1988). (ii) Ergonomia de lngua inglesa e de lngua francesa A ergonomia apresenta dois enfoques bem caractersticos, segundo o tipo de abordagem do homem no trabalho: o enfoque francofnico e o enfoque anglofnico. De acordo com MONTOLLIN (1986), a linha francofnica privilegia as atividades do operador, priorizando o entendimento da tarefa, os mecanismos de seleo de informaes, de resoluo de problemas, de tomadas de deciso. Tudo se inicia com a observao do trabalho, em condies reais. Em seguida, tem-se a verbalizao do trabalho executado pelos prprios operadores especificamente nele envolvidos e considera-se a aprendizagem da tarefa e a competncia do trabalhador. Os ergonomistas da linha anglofnica, por seu lado, preocupam-se, principalmente, com os aspectos fsicos da interface humano-mquina (anatmicos, antropomtricos e fisiolgicos e sensoriais), objetivando dimensionar a estao de trabalho, facilitar a discriminao de informaes dos mostradores e a manipulao dos controles. Para tanto, realizam simulaes em laboratrios (onde medem alcances, esforos, discriminao visual, rapidez de resposta), mantendo constantes algumas variveis - homens com dimenses extremas (5o e 95o percentis), acuidade visual, nvel de instruo etc. Ao se estudar, por exemplo, o trabalho em terminais de vdeo, o enfoque anglofnico contempla: as dimenses do mobilirio; alcances, conformao do teclado; radiao e cor da tela; altura, espessura e desenho dos caracteres alfanumricos; visibilidade e compreensibilidade dos smbolos iconogrficos; iluminao, rudo e temperatura ambiente. Os francofnicos enfatizam os aspectos semnticos e cognitivos da informao que aparecem na tela, seu tratamento mais do que a apresentao, o contedo do trabalho, percepo dos dados e decises implicadas. Ainda, segundoMONTMOLLIN (1986), temos que o enfoque anglofnico, o mais antigo e, hoje em dia, o mais americano, considera a ergonomia como a utilizao das cincias para melhorar as condies do trabalho humano. A anatomia e a fisiologia permitem conceber cadeiras, telas e horrios mais adaptados ao organismo humano, enquanto a psicologia e a semitica possibilitam definir uma melhor apresentao das informaes. O ergonomista orienta-se, prioritariamente, para a concepo de dispositivos tcnicos: mquinas, utenslios, postos de trabalho, telas, impressos, programas etc. O ergonomista desta corrente considera as caractersticas do homem em geral, a mquina humana, para adaptar melhor as mquinas e os dispositivos tcnicos a este homem. A concepo clssica de sistemas humano-mquina, onde a anlise ergonmica privilegia a interface entre os componentes materiais e os componentes (ou fatores) humanos. Seguem-se as caractersticas da mquina humana que, segundo o autor, os ergonomistas praticantes dessa linha consideram:

33

as caractersticas antropomtricas: alturas, comprimentos e larguras de diferentes segmentos corporais; as caractersticas ligadas ao esforo muscular: estudam-se as contraes musculares, diretamente (por eletromiografia), pelo consumo de oxignio e pelo ritmo cardaco; as caractersticas ligadas a influncia do ambiente fsico: o calor e o frio, a poeira, os agentes txicos, o rudo, as vibraes e, mais recentemente, as aceleraes bruscas - estes so domnios onde a ergonomia se identifica com a medicina do trabalho. as caractersticas psicofisiolgicas: o olho e o desempenho visual, o ouvido e o desempenho auditivo, em diversas condies - viso noturna, audio em locais ruidosos; mas tambm o olfato, o tato, e os tempos de reao. Devem-se juntar s caractersticas relacionadas a sensao, como as citadas acima, os fenmenos do sistema nervoso central como a percepo visual (limiar de discriminao de diferentes formas, por exemplo) ou, como a partir dos anos 50 e 60, a ateno e a vigilncia (deteco de sinais raros e aleatrios); as caractersticas dos ritmos circadianos (que regulam a atividade biolgica durante as 24 horas do dia), alternncia viglia-sono, em particular, e a influncia de suas perturbaes (devidas ao trabalho em equipes alternantes, por exemplo) sobre o sono, e mais genericamente sobre a sade.

Paralelamente ao estudo das caractersticas citadas, estudam-se os efeitos do envelhecimento, em particular os efeitos fisiolgicos e psicofisiolgicos. Os ergonomistas da corrente anglofnica reuniram uma massa considervel de dados sobre a mquina humana e, em particular, sobre seus limites. No incio e, sem dvida, devido influncia da ergonomia militar, o homem estudado foi quase exclusivamente o homem jovem, branco, com excelente sade e, sobretudo, grande. Depois, diversificaram-se as fontes. Assim, o homem mdio tende a desaparecer em proveito de um homem estatstico em relao a numerosos parmetros. Com toda essa documentao sobre as capacidades e os limites do homem estatstico, a ergonomia trata de persuadir os responsveis pela concepo das mquinas (dos utenslios manuais aos dispositivos tcnicos mais complexos) a consider-la, em primeiro lugar, para evitar acidentes e fadigas excessivas dos usurios e, mais recentemente, a fim de propiciar um controle das mquinas mais eficaz e mais confortvel (e mesmo amigvel, para citar a ltima expresso da moda). Ainda parafraseando MONTMOLLIN (op. cit.), a corrente francofnica, mais recente e mais francesa, considera a ergonomia como o estudo especfico do trabalho humano com o objetivo de melhor-lo. Sem pretender constituir-se em cincia do trabalho completamente autnoma, ela reivindica, no entanto, a autonomia de seus mtodos. Sob este aspecto, ela constitui mais uma tecnologia do que uma cincia. Essa ergonomia enfatiza o conjunto da situao de trabalho do trabalhador, em detrimento do estudo de cadeiras e telas, tomadas isoladamente. Nesta perspectiva, no se podem realmente explicar e diminuir a fadiga e o erro a no ser que se analise detalhadamente a tarefa especfica do operador e a maneira particular como ele a realiza, considerando as singularidades existentes. Pode-se descobrir, assim - para citar apenas um exemplo simples - que, se a cadeira penosa o porque as informaes que aparecem na tela se apresentam de tal forma que impedem o operador de tirar os olhos do monitor, mesmo por pequenos perodos, o que implica uma postura rgida. O ergonomista desta linha orienta-se essencialmente em direo organizao do trabalho: quem faz o que e (sobretudo) como o faz, e se poderia faz-lo melhor. Isto implica, menos freqentemente, uma modificao do dispositivo tcnico e, mais usualmente, dos procedimentos de trabalho, da atividade e das competncias dos trabalhadores. Este enfoque concebe a ergonomia no como a aplicao de conhecimento gerais sobre o organismo humano na concepo de mquinas, trata de priorizar a atividade dos operadores especficos ao realizar suas tarefas particulares. Os ergonomistas da linha americana objetivam melhorar o trabalho de usurios annimos, enquanto os da linha francesa visam melhorar as condies de trabalho de operadores perfeitamente identificados. Estes ltimos privilegiam a dinmica da atividade humana no trabalho, mais do que a

34

constncia de caractersticas fsicas e fisiolgicas. O trabalho analisado como processo, no qual interagem o operador (ator capaz de iniciativas e de reaes) e seu ambiente tcnico - tambm evolutivo e influencivel. A ergonomia francesa, muito mais psicolgica, e mesmo cognitiva, do que antropomtrica ou fisiolgica, no resolve - cumpre repetir - os mesmos problemas que a ergonomia americana. Ela visa menos diretamente a concepo de mquinas pelos projetistas do que a interveno sobre os prprios locais da produo. na oficina, na sala de comando, no escritrio e no servio de mtodos que intervm este ergonomista, a fim de melhorar localmente o trabalho, quer dizer, a interao entre o operador e sua tarefa. O ergonomista francs no se preocupa em levantar uma lista de caractersticas gerais da atividade do operador humano. O olho por toda parte o mesmo, mas no o olhar. O centro de gravidade das pesquisas em ergonomia se desloca, no mais a coleta de dados confiveis sobre os fatores humanos em laboratrio: passa a ser anlise em campo das modalidades especficas da atividade do operador na situao real existente. As publicaes e os manuais tratam de privilegiar os mtodos de anlise do trabalho, os modelos e as teorias que os justificam. O contraste surpreendente: apenas uma pgina ou duas sobre anlise do trabalho nos manuais clssicos, enquanto, na literatura europia (e sobretudo francesa) este o tema principal. Uma certa generalizao possvel, na medida em que as situaes estudadas so similares. As observaes de operadores em salas de comando de processos contnuos comeam a ser suficientemente numerosas para que certas regularidades apaream. Mas o ergonomista da linha francesa se comporta com uma extrema prudncia neste domnio; os dados so ainda terrivelmente dispersos, os conceitos mal consolidados, e as tecnologias muito evolutivas. A ergonomia da atividade humana est ainda na infncia. Esta ergonomia da atividade humana, esta ergonomia de interao entre dois tipos de processos, o do operador e o da mquina, torna evidente uma grave fraqueza, se nos colocamos do ponto de vista da ergonomia clssica: ela no permite estabelecer catlogos de dados gerais utilizveis diretamente para a concepo de dispositivos tcnicos. Ela est muito centrada sobre a singularidade dos episdios do trabalho de um operador especfico que ela observa longamente, para poder transfer-los a outras situaes, mesmo aparentemente similares. Por outro lado, pode-se retrucar que a ergonomia clssica deixa de ser til onde os responsveis pela produo necessitam atualmente de maior nmero de conselhos: as situaes crticas em que as competncias dos operadores (e no somente seu conforto e sua viso) permitem evitar as catstrofes. A oposio entre uma ergonomia de componentes humanos (a melhor traduo da americana human factors, na acepo francfona) e uma ergonomia da atividade humana um fato. No entanto, se uma sntese improvvel, uma articulao possvel. No h contradio entre conceber uma cadeira confortvel e uma tela bem contrastada, para o operador diante de seu terminal de computador e, por outro lado, buscar saber como este operador compreende as mensagens que aparecem sobre a tela. No excludente propor um desenho de um mostrador que permita a percepo exata de uma medida e saber porque num determinado momento da execuo das operaes o operador olha para um ou para outro mostrador. Cabe considerar o olho e olhar. As duas ergonomias no so contraditrias, mas complementares. Em princpio, o mesmo ergonomista pode ser chamado, em funo das circunstncias (ou seja, em funo dos interlocutores, dos decisores e dos financiamentos), para colaborar com um engenheiro na concepo de uma mquina-ferramenta ou, com um outro engenheiro, na implantao de um sistema informatizado. Na prtica, no entanto, os ergonomistas se especializaram de tal modo que os manuais, apenas excepcionalmente, tratam dos dois enfoques.

35

MEISTER (1985) acredita que a ergonomia (human factors) seja uma disciplina distintamente diferente, embora muito influenciada pela psicologia e pela engenharia, entre outras. Os problemas ergonmicos exigem solues especficas. As reas particulares de interesse, como carga de trabalho ou interao homem-computador, podem ser um ramo de pesquisa da ergonomia, mas a ergonomia mais do que a soma de suas partes. Alm das suas reas especficas de interesse, a ergonomia tem suas prprias necessidades de pesquisa, que se orientam em torno do conceito de sistema e de desenvolvimento e operao de sistemas. Como em qualquer disciplina, existe na ergonomia uma contnua tenso entre a pesquisa e a aplicao. No entanto, esta tenso no corretamente apreciada pelos especialistas - particularmente aqueles que transitam na rea acadmica. Para MEISTER, um nmero excessivo de pesquisas est isolado do mundo real e por demais ligado ao paradigma experimental clssico. Sem eliminar tais pesquisas, necessitam-se mais estudos descritivos de sistemas reais e mais nfase em predies e aplicaes. (iii) O caso brasileiro No Brasil, as primeiras vertentes de implantao da ergonomia, junto s engenharias e ao design, tiveram como fundamento de suas especulaes tericas e aplicaes prticas os manuais de McCORMICK, MURRELL e WOODSON e CONOVER e, depois, GRANDJEAN. A vertente da psicologia tinha em FAVERGE o principal autor. Pouco a pouco, surge uma nova bibliografia, com uma abordagem metodolgica, como os livros de MEISTER e CHAPANIS. Estes autores propunham o enfoque sistmico da interao humano-mquina e a observao das atividades da tarefa. A observao sistemtica do trabalho, a anlise da tarefa, ao lado das medidas do ambiente e dos levantamentos antropomtricos, passam a fazer parte da bagagem dos ergonomistas brasileiros. Paralelamente, o acesso bibliografia francesa - SPERANDIO e MONTMOLLIN - e literatura sobre ergonomia e informtica acrescentaram novas ferramentas aos mtodos de diagnstico ergonmico. Desse modo, a probabilidade de sntese das correntes da ergonomia, entre ns, uma realidade. Fazse a anlise da tarefa, estuda-se a situao real de trabalho, definem-se recomendaes para os componentes mquina do sistema homem-tarefa-mquina, a partir do conhecimento das exigncias da tarefa e dos limiares e limites dos componentes humanos. Fazem-se, paralelamente, anlises do trabalho, das interaes entre dois tipos de processos, o do operador e o da mquina, estudos sobre organizao do trabalho, qualificao da mo-de-obra, estudos do erro e de incidentes e avaliaes macroergonmicas sobre o gerenciamento e a organizao global do sistema. (iv) A ergonomia experimental A ergonomia em sua origem americana (human engineering) foi basicamente experimental. Os laboratrio de ergonomia associados as foras armadas eram fortemente influenciados pela psicologia experimental. Pesquisava-se o desempenho de mostradores verticais versus horizontais, caractersticas de radares, tipos de empunhaduras de manetes de avio, etc. O fato da ergonomia americana ter enfatizado durante muitos anos a questo da pesquisa de laboratrio teclado, legibilidade, etc. foi um dos argumentos para que a ergonomia francesa advertisse que o homem no laboratrio no age como na situao real de trabalho. No entanto, cabe ressaltar, que foi justamente a ergonomia cognitiva com as pesquisas sobre usabilidade da interao homem-computador que recolocou a necessidade da pesquisa de laboratrio. Hoje temos pesquisas experimentais sobre comportamento de motoristas, uso de computadores pela populao idosa, etc. Finalmente, vale mencionar a questo do realismo no experimento.

36

9. ERGONOMIA: SEGURANA, PRODUTIVIDADE E QUALIDADE

De acordo com HELANDER (1997), em um sistema de produo industrial a ergonomia raramente um objetivo nela mesma. Segurana e produtividade so objetivos comuns. A ergonomia mais precisamente uma metodologia que pode ser utilizada para atingir a segurana e a produtividade. A principal meta da ergonomia o projeto de sistemas de tal modo que eles se tornem produtivos, seguros e talvez mais confortveis e agradveis. O status de segurana de um sistema pode ser avaliado pela comparao dos requisitos de desempenho do sistema com os limites de desempenho do operador. Se os requisitos de desempenho do ambiente so maiores que os limites de desempenho do operador, h um aumento no risco de ferimentos e acidentes. Antes de esperar que eles aconteam necessrio prever os tipos de problemas de segurana. Faz-se ento a anlise de outros indicadores (ou variveis), tais como erros dos operadores, avaliaes subjetivas e respostas fisiolgicas. O objetivo da ergonomia o reprojeto do ambiente de modo que ele se torne mais seguro. Isto pode ser feito mais eficientemente se as aes e reaes dos operadores so compreendidas pelo projetista. Deste modo, a percepo, o processo decisrio e as aes de controle do operador so sempre fundamentais para a ergonomia. Ainda segundo HELANDER (op. cit.), h dois principais efeitos resultantes das melhorias ergonmicas - os erros dos operadores podem ser reduzidos e a eficincia ou velocidade da operao pode ser aumentada. Talvez seja difcil incrementar simultaneamente a produtividade e a segurana. De forma geral, quanto maior a velocidade (de veculos, maquinrio de produo, etc.) menor ser o tempo disponvel para o operador reagir. Isto pode comprometer a segurana, mas aumentar a produtividade. Os operadores fazem tipicamente uma escolha entre o aumento da velocidade ou da preciso - isto bem conhecido pela pesquisa em ergonomia, e denomina-se relao velocidadeexatido (SATO - speed-accuracy trade-off). Os gerentes de produo geralmente incentivam os empregados a aumentar tanto a velocidade quanto a exatido (produtividade e qualidade). Tal se ope ao conceito de SATO e , portanto, difcil de atingir. Nos sistemas de produo industrial ser, no entanto, possvel melhorar a segurana e a qualidade de produo, ao mesmo tempo. Uma reduo dos erros do operador levar melhoria tanto da segurana quanto da qualidade da produo. Uma nfase na qualidade de produo, portanto, ser mais apropriada e mais efetiva que a abordagem tradicional da industria para aumentar a quantidade de produo.

37

10. TEMAS ATUAIS EM ERGONOMIA

O desenvolvimento da ergonomia aponta para novas reas de atuao: seja em termos de expanso vertical, do sistema homem-tarefa-mquina ao sistema homenstarefas-mquinas ou homens-homens, - da estao de trabalho, fbrica, organizao do trabalho e organizao como um todo; seja quanto as formas de atuao, quando se busca uma participao mais efetiva do usurio / operador / trabalhador / manutenidor / consumidor; seja no que se refere ao objeto de trabalho, o estudo das comunicaes dos homens com computadores, em termos de dilogo entre o homem e a mquina, atravs de hipertextos e de softwares.

Os itens descritos a seguir discutem estas novas reas de atuao e apresentam sucintamente o estado-da-arte e referncias a pesquisadores e instituies de pesquisa das reas em questo. A maior parte das instituies mencionadas podem ser localizadas pela internet. ODAM (Organizational Design and Management) - Projeto e Gerncia Organizacional Uma vez que se identifiquem as necessidades organizacionais e se determinem parmetros para o projeto organizacional num nvel macroergonmico, pode-se empregar vrios mtodos para a interveno ergonomizadora. Um enfoque que propicia a vantagem de considerar os problemas e associ-los s mudanas tecnolgicas a ergonomia participativa que implica a contribuio de muitos nveis da organizao para identificar, analisar e resolver problemas ergonmicos (IMADA, 1988). O emprego das prticas participativas muito mais do que auscultar as idias antes de tomar decises. Envolve desenvolver a capacidade das pessoas para participar na mudana do desempenho do seu trabalho, tanto quanto nos resultados do trabalho do grupo e da organizao, assim como nas tentativas de melhorar a performance da organizao. Existem aspectos humansticos e tcnicos, no papel do gerente participativo (BROWN, 1990). Estudos nesta rea vm sendo desenvolvidos nas Universidades de Southern California e WiscosinMadison, nos Estados Unidos; Universidades de Lule, na Sucia; Universidade de Loughborough, na Inglaterra e Universidade de Hiroshima, no Japo. As principais referncias nesta rea de atuao so Hendrick, Ogden Brown e Imada e Michael J. Smith; Walter Ruth e Ken Eason e Mitsuo Nagamachi. Manufaturas hbridas, automao e robtica A disputa por mercados e a busca de competitividade para os produtos implicam um desafio para as organizaes - mudanas de infraestrutura e implementao de inovaes scio-tcnicas. O enfoque unificado da tecnologia de manufaturabilidade e produo inclui: anlise de valor, automao, interao homem-rob e cultura organizacional. Trabalhos relevantes nesta rea so desenvolvidos na Universidade de Nottingham, Inglaterra; Universidade Eindhoven, Holanda; Universidades de Louisville e de Nova Iorque em Bufalo, ambas nos Estados Unidos e a Diviso de Ergonomia Industrial, da Universidade de Linkoping, na Sucia. As principais referncias na rea inclui: Christina Halesgrave, Harmen Kraget, Waldemar Karwowski, Colin Drury e Martin Helander. Sistemas complexos

38

A atuao dos ergonomistas na segurana de sistemas complexos - indstrias de processos, controle centralizado de plantas nucleares e de distribuio de energia, monitorao de sistemas de transporte areo, ferrovirios, metrovirio e rodovirio - se destacou aps os acidentes como o de Three Miles Island e Bhopal. Enfatizam-se, ento, os aspectos cognitivos da tarefa, o tratamento de informaes dinmicas, as comunicaes entre os diversos nveis de controle (central, local e localssimo) e as estratgias de resoluo de problemas. As pesquisas da ergonomia de sistemas complexos foram lideradas pelos ergonomistas francfanos, como Franois Daniellou, do Laboratrio de Ergonomia dos Sistemas Complexos, da Universit Victor Segalen, em Boudeaux, na Frana. Alm deste, alguns ergonomistas americanos trabalham nestas reas como Prof. W. T. Shepherd, da Federal Aviation Administration, nos Estados Unidos. Na Europa, o Prof. J. Reason, da Universidade de Manchester, na Inglaterra. Trfego e transporte As reas tradicionais de aplicao da Ergonomia nos sistemas de trfego podem ser agrupadas em categorias como o desempenho do motorista, os efeitos do lcool e dos fatores de estresse sob o desempenho, percepo do motorista e processamento da informao, motivao do motorista, exposio ao risco e postos de trabalho nos sistemas de transporte. A necessidade de compreender as interaes humanas (p. ex., adaptao, resposta a carga de trabalho, diviso de tarefas) ser cada vez mais importante em face da aplicao da telemtica aos transportes, com nfase nos sistemas de localizao geogrfica e orientao de rota. Tradicionalmente um tema de interesse para engenheiros e psiclogos, agora os designers tambm se fazem necessrios para acompanhar este avano tecnolgico. So focos mundiais de pesquisa sobre o motorista e seu ambiente a Transportation Canada, Canad, o Laboratrio de Psicologia do Comportamento do INRETS, Frana, a Unidade de Pesquisa em Trfego do Departamento de Psicologia da Universidade de Helsinki, Finlndia, o HUSAT e o Departamento de Cincias Humanas, da Universidade de Loughborough, Inglaterra e o Instituto Politcnico da Virginia, Estados Unidos. Ambiente construdo A preocupao com a utilizao e acessibilidade das edificaes e dos ambientes pblicos tem sido uma freqente fonte de pesquisa para arquitetos e engenheiros. As situaes de risco e segurana nos espaos arquitetnicos e nas cidades tm possibilitado aos ergonomistas uma reflexo sobre o que pode ser melhorado e uma busca de solues. Esta rea tem sido objeto de estudo na Universidade de Npoles, Dipartimento di Configurazione e Attuazione dellArquitetura, na Itlia. Avisos e advertncias (Warnings) A partir do crescimento dos litgios relativos confiabilidade de produtos e em associao com as queixas de leses, provocadas por produtos de consumo, aos usurios, desenvolveu-se a rea de pesquisa sobre avisos e advertncias. Consideraes sobre a desobedincia e a negligncia em relao aos avisos sobre exposio ao perigo e atendimento s instrues de segurana fundamentam-se no estudo do comportamento de consumidores e operadores.

39

Os avisos e advertncias so componentes de sistemas informacionais que apresentam opes e indicaes. A pesquisa em avisos e advertncias lida com o projeto e a avaliao de alarmes visuais e sonoros e de informaes verbais em produtos (signos, formulrios, mapas, legibilidade, smbolos grficos) em manuais de instruo, rtulos e sistemas de sinalizao. So centros de referncias sobre o tema as seguintes instituies: Universidade de Brunel, Inglaterra; Universidade de Delft, na Holanda; Universidade de Rice, Estados Unidos; Universidade de Plymouth, Inglaterra e Universidade de New South Wales, Austrlia. Usabilidade de Produtos (Design and Usability) A partir de SOARES (1995), tem-se a usabilidade do produto definida pela ISO como o grau em que um usurio especfico pode alcanar metas especficas em um ambiente particular - efetivamente, eficientemente, confortavelmente e de modo aceitvel. Quando ocorrem incidentes ou acidentes resultantes da utilizao de produtos, a primeira reao acusar o operador/consumidor de mau uso. Hoje, no entanto, enfatizam-se as deficincias na comunicao humano-mquina, a falta de informaes no produto ou a ineficcia dos manuais de instruo. Produtos ergonomicamente bem projetados consideram uma ampla variedade de usurios - o usurio de todo dia, o curioso, pessoas idosas, crianas, mulheres, homens, saudveis ou no e oferecem segurana, eficincia, conforto e satisfao esttica, em condies normais de uso, e em condies previsveis de mau uso. Embora, em geral, nem todos os fatores relativos satisfao do usurio sejam necessariamente ergonmicos, produtos ergonomicamente bem projetados objetivam garantir a satisfao e segurana do usurio/ consumidor. Segundo LEONARD e DIGBY (1992), a Ergonomia desempenha um papel importante na garantia de usabilidade e, conseqentemente, melhor desempenho dos produtos de consumo. A Ergonomia tornou-se uma disciplina conhecida e respeitada e passou-se a considerar amplamente os atributos ergonmicos, tais como facilidade de uso, facilidade de aprendizagem, alta produtividade, conforto, segurana e adaptabilidade. Constatou-se tambm que estes elementos acrescentam qualidade aos produtos e, mais ainda, so percebidos pelos consumidores como necessrios ao atendimento de suas necessidades. Instituies com reconhecida reputao nesta rea de pesquisa so: a Philips Corporate Design, em Eindhover, na Holanda; o Departamento de Design e Tecnologia da Universidade de Loughboroguh, Inglaterra; a Faculdade de Engenharia e Desenho Industrial, da Universidade de Delft, na Holanda e; a Universidade de Camberra, na Austrlia. Ergonomia e Interao Homem-Computador A interao homem-computador compreende a definio da utilidade, da usabilidade, da amigabilidade, da lgica do sistema, do encadeamento das informaes, da navegao atravs de menus e telas, das metforas, dos cdigos e modos de apresentao das informaes. Tais estudos ergonmicos aplicam-se ao projeto de ajudas inteligentes ao operador - sistemas assistidos por computador, "knowledge based systems" e "expert systems" de hipertextos, multimdias e pginas da internet. As incompatibilidades da interao homem-computador, que propiciam erros durante a operao dos sistemas e implicam dificuldades para o usurio, devem-se ao desconhecimento, por parte do projetista do "software", da tarefa, do modo operatrio e da estratgia de resoluo de problemas do componente humano do sistema humano-mquina (BENYON e DAVIES, 1990).

40

De acordo com SCAPIN (1993), a ergonomia da interao homem computador significa o aumento da compatibilidade entre as caractersticas comportamentais humanas e o processamento/representao da informao pelo computador. Os problemas que surgem na interao homem computador expressam-se no dilogo atravs da interface. O termo interface compreende todos os aspectos de sistemas computadorizados que influenciam a participao do usurio numa tarefa computadorizada (SCAPIN, apud MORAES, 1994). Segundo DAVIES, KELLER e PREECE (1990), a interface com o usurio de um sistema computadorizado o meio atravs do qual o usurio se comunica com o computador. A forma da interface influencia fortemente como o usurio v e entende a funcionalidade do sistema. A interface com o usurio compreende os aspectos do sistema com os quais o usurio entra em contato tanto fsica quanto perceptualmente e cognitivamente. Para MAYHEW (1992), a interface um dos subsistemas componentes do sistema homem-computador, representada pela interseo entre o subsistema homem e o subsistema computador. Reconhece-se como centros de referncias na pesquisa sobre o tema ergonomia e Interao HomemComputador a Universidade de Maryland e a Sun Corporation, nos Estados Unidos; a Universidade de Londres; Universidade de Loughborough, na Inglaterra; o INRIA (Institut National de Recherche en Informatique et en Automatique), na Frana; e o Instituto de Ergonomia para a Pesquisa das Cincias Sociais e Ocupacionais, em Berlim, na Alemanha. Ergonomia e Trabalho com Terminais de Vdeo A informtica constitui atualmente um dos principais objetos da Ergonomia. Trabalham-se (i) os aspectos fsicos dos postos de trabalho (arranjo, conformao, dimenses, cadeiras e mesas); (ii) os aspectos ambientais (arquitetura, circulao, iluminao, rudo, temperatura); e dos terminais informatizados (telas, teclados, mouses, trackballs, touch screens, dispositivos de entrada e de sada do sistema); (iii) os aspectos organizacionais (circuito de comunicaes, parcelamento das tarefas, formao e qualificao do pessoal) e (iv) os aspectos cognitivos do dilogo homem-computador. So centros de referncia: o Washington State Department of Labor and Industries; e o NIOSH, ambos nos Estados Unidos e a Universidade de Estocolmo, na Sucia. Leses por Esforos Repetitivos e Doenas Msculoesquelticas O trabalho com teclados, com ferramentas mal projetadas, em linhas de montagem e em terminais, tem produzido leses por esforos repetitivos. As leses so designadas diferentemente em cada pas, a saber: no Brasil: DORT - Doenas osteomusculares relacionadas ao trabalho; LER leses por esforos repetitivos; LTC leses por traumas cumulativos na Inglaterra e Austrlia: RSI Repetitive Strain Injuries na Inglaterra: Repetitive strain injuries no Japo OCD Ocupation Cervicobrachial Disorder nos Estados Unidos: RMI Repetitive Motion Injuries e CTD Cumulative Trauma Disorders na Frana: LATR Lesion Attribuable au Travail Rptitive.

Aumenta, conseqentemente, o nmero de estudos que buscam nexos causais, diagnsticos seguros e solues sobre a mencionada patologia. A ergonomia, a partir da anlise das atividades da tarefa, das posturas assumidas, da movimentao de braos, mos e pernas prope novas estaes de trabalho, ferramentas e formas de organizar o trabalho.

41

Como referncia nos estudos desta rea, destacam-se o NIOSH e a Universidade de WiscosinMilwaukee, nos Estados Unidos. Idosos e envelhecimento Em face do envelhecimento das populaes, este um tema que preocupa reabilitadores, terapeutas ocupacionais, mdicos e psiclogos, Adaptaes dos espaos arquiteturais, das habitaes, dos meios de transporte, dos equipamentos pblicos e domsticos, dos programas de computadores, so objetos de trabalho dos ergonomistas. Mais ainda, procura-se evitar o envelhecimento precoce associado s condies de trabalho. Esta uma rea em que os trabalhos do Prof. Antoine Laville, do Laboratoire dErgonomie Psychologique et Cognitive de lcole Pratique des Hautes tudes, na Frana, apresentaram-se como precursores. Como principais centros de pesquisa desta rea, destaca-se o do Instituto Finlands de Sade Ocupacional, em Helsinki, Finlndia; o Departamento de Psicologia da Universidade de Gergia, Estados Unidos; a Universidade de Sade Ocupacional e Ambiental, no Japo e a Universidade de Amsterdam, na Holanda. Movimentao Manual de Materiais Este tema tem ocupado mdicos, engenheiros e psiclogos em todo mundo em face dos enormes gastos com absentesmo, afastamentos e reabilitao. Durante muito tempo enfatizou-se a maneira correta de movimentar cargas. Os psiclogos e engenheiros de segurana replicaram programas de treinamento. Atualmente, estudos longitudinais (referentes ao acompanhamento de uma mesma populao atravs do tempo) mostram a ineficcia desta prtica. Outro momento foi o da busca de limites de peso com destaque para os trabalhos do NIOSH e suas equaes. A necessidade da ergonomia se afirma quando se ressalta a importncia do estudo das atividades da tarefa para que se torne possvel selecionar e treinar corretamente e para que se definam, a partir de critrios de freqncia, posio da carga e posturas assumidas, os limites a serem aplicados. A prioridade passa a ser, ento, a mudana das condies de trabalho. Cabe mencionar os mtodos OVAKO, INRS e os trabalhos desenvolvidos no NIOSH, no Laboratrio de Biodinmica, da Universidade do Estado de Ohio (The Ohio State University), no Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan e na Universidade de Cincinnati, todos nos Estados Unidos; na Unidade de Pesquisa de Ergonomia da Postura e do Movimento, em Milo, na Itlia. Reabilitao A ergonomia normalmente teve como foco para a populao dita normal, de 20 a 65 anos. Porm ao longo dos anos, necessidades de populaes especficas passaram a ser objeto de estudo: portadores de deficincia fsica e/ou motora e os idosos, em sua maioria, com habilidades visuais, auditivas e motoras limitadas. A reabilitao visa restaurar estes impedimentos/deficincias em relao s condies normais ou o mais prximo de tal condio. Por outro lado, a ergonomia pode possibilitar a identificao das habilidades/ capacidades e sugerir modificaes especficas visando otimizar a adaptao de espaos, processos e produtos. Desta forma, estas duas disciplinas, em conjunto, podem desenvolver estratgias para melhorar a qualidade de vida de populaes especiais. Ergonomistas em todo o mundo dedicam ateno a este assunto. Um dos pesquisadores de referncia sobre estudos ergonmicos na rea de reabilitao o Prof. Shrawan Kumar, da Universidade de Alberta, no Canad.

42

11. A ERGONOMIA NO BRASIL

11.1 A implantao da Ergonomia no Brasil A difuso da ergonomia no Brasil estabelecida, partir de MORAES e SOARES (1989), em seis principais vertentes (Quadro 1.4, na prxima pgina). So elas: a rea de engenharia de produo, na Escola Politcnica da Universidade de So Paulo (USP) a engenharia de produo, situada no Programa de Ps-graduao de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ) o curso de desenho industrial, a partir da Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro o curso de psicologia, na USP de Ribeiro Preto a rea de psicologia, na Fundao Getlio Vargas(FGV), no Rio de Janeiro; e o Conservatoire National des Arts et Mtiers (CNAM), em Paris - Frana.

CNAM/Paris 1974 Prof. Alain Wisner ISOP/FGV 1973 Prof. Franco Seminrio

Escola Politcnica/ USP 1960 Prof. Sergio Penna Kehl

COPPE/UFRJ 1970 Prof. Itiro iida

Vertentes de difuso da Ergonomia no Brasil

USP/Ribeiro Preto Profs. Rozenstrat e Stephaneck

ESDI/UERJ 1966 Prof. Karl Heinz Bergmiller

Quadro 1.4 Vertentes de difuso da ergonomia no Brasil. A primeira vertente tem incio com o professor Srgio Penna Kehl, na Escola Politcnica da USP, com a abordagem do tpico "O Produto e o Homem", na disciplina Projeto de Produto, no curso de Engenharia de Produo. O modelo da Poli se aplicar ao currculo mnimo e s outras escolas de engenharia de produo. o mesmo Srgio Kehl que funda o GAPP (Grupo Associado de Pesquisa e Planejamento), empresa que passa a oferecer a ergonomia como um dos itens de consultoria e difunde este saber por vrias instituies de economia mista brasileiras, como a Companhia Siderrgica Nacional e o METR de So Paulo.

43

A segunda vertente constitui-se a partir do trabalho do Prof. Itiro Iida, na COPPE/UFRJ. Aluno e depois professor da Escola Politcnica da Universidade de So Paulo, o professor publica, em 1978, um dos primeiros livros de ergonomia no Brasil: "Ergonomia: notas de aula". Em seguida, Iida dirige-se ao Rio, onde passa a lecionar na ps-graduao de Engenharia de Produo/rea de Engenharia do Produto, da COPPE/UFRJ. Esta instituio constitui-se, ento, como um centro de irradiao de conhecimentos da ergonomia, com uma rea de concentrao que produziu vrias teses e dissertaes sobre o tema. Cumpre mencionar o trabalho denominado "Aspectos Ergonmicos do nibus Urbano", coordenado pelo Prof. Itiro Iida, na COPPE/UFRJ, e publicado, em 1976, pelo Ministrio da Indstria e Comrcio e Secretaria de Tecnologia Industrial. Tal trabalho contribuiu para uma mudana significativa no design dos veculos de transporte urbanos. A terceira vertente localiza-se na ESDI (Escola Superior de Desenho Industrial), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Nesta escola, o professor Karl Heinz Bergmiller inicia o ensino de ergonomia para o desenvolvimento de projetos de produtos, segundo o modelo de Toms Maldonado, da Escola de Ulm, na Alemanha. O professor Itiro Iida busca as lies de Bergmiller, na ESDI, para a elaborar a tese de doutorado denominada A ergonomia do manejo, defendida em 1971na Escola Politcnica da USP. Esta constitui-se como a primeira tese de doutoramento defendida no Brasil. O professor Itiro passa tambm a ensinar ergonomia na ESDI. A partir desta experincia, a ergonomia se insere como disciplina nos cursos de desenho industrial. Quando da discusso de um novo currculo mnimo, aprovado em 1979, durante o 1 ENDI - Encontro Nacional de Desenho Industrial, no Rio de Janeiro, a ergonomia torna-se disciplina obrigatria nas duas habilitaes vigentes nas escolas de design na poca: projeto de produto e comunicao visual. Este novo currculo aprovado pelo Conselho Federal de Educao, em janeiro de 1987. O papel da ergonomia no desenvolvimento de projetos de desenho industrial e sua posio no currculo das duas habilitaes explica o grande nmero de scios designers da ABERGO (Associao Brasileira de Ergonomia). Curiosamente, tal fato, s ocorre no Brasil. Tambm importante mencionar que esta peculiaridade marcou a nfase da ergonomia brasileira quanto ao projeto ergonmico. S recentemente americanos, ingleses e franceses passaram a se ocupar da relao denominada "ergonomics and design". A quarta vertente comea na Europa, de onde vm os professores Rozestraten e Stephaneck, que se instalam na USP de Ribeiro Preto. A implantam uma linha de pesquisa relacionada a psicologia ergonmica, com nfase na percepo visual e com aplicao no estudo do trnsito - treinamento de motoristas e estudos de acidentes virios. A quinta vertente compreende as aes do professor Franco Lo Presti Seminrio no ISOP (Instituto Superior de Estudos e Pesquisas Psicossociais), da Fundao Getlio Vargas. Esta instituio promove, em 1974, o 1O. Seminrio Brasileiro de Ergonomia, marco fundamental na histria da ergonomia brasileira, e implanta, em 1975, o primeiro Curso de Especializao em Ergonomia, no Brasil. Por este curso passaram vrios ergonomistas que hoje lecionam em diferentes cursos e trabalham na estruturao de grupos de ergonomia nas empresas. Em maro de 1990, face s iniciativas do Plano Collor, desativou-se parte da FGV, extinguiu-se o ISOP e, conseqentemente, o curso de ergonomia que, desde 1975 at 1989, s no havia sido realizado por dois anos. A sexta vertente se d a partir da iniciativa do professor Franco Lo Presti Seminrio, que implementa a vinda ao Brasil do professor Alain Wisner do Conservatoire National des Arts et Mtiers (CNAM). O professor Wisner tornou-se um grande incentivador da ergonomia brasileira e orientou um dos primeiros trabalhos de ergonomia da Fundao Getlio Vargas, sobre a plantao de cana de acar na rea rural da cidade de Campos, no Rio de Janeiro. Incentivados pelo Prof. Wisner, vrios brasileiros dirigiram-se para o CNAM em buscam de uma formao em ergonomia, a nvel de psgraduao. Em seu retorno, os egressos desta instituio francesa distribuem-se por vrios estados e cidades brasileiras, tais como o Rio de Janeiro, So Paulo, Florianpolis, Belo Horizonte e Braslia, e so responsveis pelo desenvolvimento de diversas pesquisas e programas de ps-graduao em universidades brasileiras .

44

11.2 A Associao Brasileira de Ergonomia A ABERGO, fundada em 31 de agosto de 1983, conta atualmente com cerca de 600 scios oriundos de todas as regies do pas e com formao em diversas reas de conhecimento, tais como, administrao de empresas, arquitetura, assistncia social, biologia, desenho industrial, enfermagem, engenheiras diversas, fisioterapia, medicina, psicologia, terapia ocupacional, etc. A ABERGO foi criada com o objetivos de estimular a formao, pesquisa e desenvolvimento cientfico e tecnolgico no campo da Ergonomia atravs da promoo e apoio a reunies, cursos, eventos e outras atividades que contribuam para o desenvolvimento, formao, difuso e o intercmbio de conhecimentos em Ergonomia no Brasil. A ABERGO constituda hoje por duas instncias que auxiliam no seu funcionamento: [i] Os Grupos Tcnicos da ABERGO Tm como objetivo considerar asquestes relacionadas aos interesses do Grupo Tcnico e analisar as implicaes destas questes sob a perspectiva da ergonomia e estimular a pesquisa, aplicao e ensino da ergonomia no campo de interesse do Grupo Tcnico. GT 1 Educao em Ergonomia GT 2 Normalizao e Certificao de Produtos GT 3 Preveno de Leses Msculo-Esquelticas/Reabilitao GT 4 Certificao de Ergonomistas GT 5 Acessibilidade Integral GT 6 Ergodesign

[ii] O Conselho Cientfico da ABERGO Atualmente composto por 20 membros, o Conselho Cientfico o rgo de assessoria Diretoria para a formulao e o estabelecimento de polticas de Formao, Acreditao e Certificao da ABERGO. Hoje, o Brasil ocupa uma posio hegemnica na ergonomia latino-americana e uma situao de destaque quando se consideram os pases de lngua portuguesa e espanhola. O Brasil, at 1994, foi o nico pas de lngua portuguesa membro da IEA - International Ergonomics Association. Nesta anlise da ergonomia no Brasil, cumpre salientar os eventos de maior significao da ergonomia brasileira. Trata-se dos congressos e seminrios promovidos pela ABERGO (Associao Brasileira de Ergonomia). Tais eventos, apresentados no Quadro 1.5, a seguir, representam um canal para a difuso e divulgao da produo tcnico-cientfica da ergonomia no nosso pas. Atualmente os Congressos da Abergo - anteriormente denominados Seminrios - constituem-se em eventos consolidados de bastante representatividade no meio cientfico nacional e com expressiva participao de pesquisadores do Brasil e do exterior.

45

1. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1974, Rio de Janeiro 2. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1984, Rio de Janeiro 3. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1987, So Paulo 4. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1989, Rio de Janeiro 5. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1991, So Paulo 6. Seminrio Brasileiro de Ergonomia 1993, Florianpolis/SC 7. Congresso Brasileiro de Ergonomia 1995, Rio de Janeiro 8. Congresso Brasileiro de Ergonomia 1997, Florianpolis 9. Congresso Brasileiro de Ergonomia -1999, Salvador, BA 10. Congresso Brasileiro de Ergonomia -2000, Rio de Janeiro 11. Congresso Brasileiro de Ergonomia 2001, Gramado - RS 12. Congresso Brasileiro de Ergonomia 2002, Recife/PE 13. Congresso Brasileiro de Ergonomia 2004, Fortaleza/CEQuadro 1.5 Relao dos congressos da ABERGO desde a sua fundao.

No momento, podem-se citar vrios ncleos de pesquisa consolidados que trabalham com ergonomia em diversas universidades e instituies brasileiras, entre os quais: Programa de Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal da Paraba Departamento de Design da Universidade Federal de Pernambuco Programa de Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal de Pernambuco. Departamento de Artes Visuais da Universidade de Braslia Departamento e Psicologia Social do Trabalho da Universidade de Braslia Departamento de Engenharia de Produo da Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Desenho Industrial da Universidade do Estado de Minas Gerais Programa de Mestrado em Design da Pontifcia Universidade Catlica do Rio de Janeiro Coordenao dos Programas de Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ) Fundao Osvaldo Cruz (FIOCRUZ/RJ) Instituto Nacional de Tecnologia (INT/RJ)/Unidade de Desenho Industrial FUNDACENTRO/SP Departamento de Sade Ambiental da Faculdade de Sade Pblica da USP Departamento de Psicologia da USP Departamento de Engenharia de Produo da USP Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal de So Carlos Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de So Carlos Departamento de Engenharia de Produo e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Das instituies relacionadas acima, cumpre esclarecer que algumas possuem cursos de psgraduao ao nvel de doutorado, mestrado e/ou especializao em reas que tm a ergonomia como linha de pesquisa. No entanto, tambm importante chamar a ateno que at o presente no existe,

46

no Brasil, cursos de ps-graduao strictu sensu (doutorado ou mestrado), que sejam especificamente em ergonomia e que, conseqentemente, concedam um diploma de doutor ou mestre em ergonomia. 11.3 O SisCEB Sistema de Certificao do Ergonomista Brasileiro O Sistema de Certificao do Ergonomista Brasileiro [SisCEB] um conjunto de normas e procedimentos que tem como objetivo certificar pessoas, equipes e empresas prestadoras de servios de ergonomia com a garantia de assegurar a competncia tcnica para o fornecimento de tais servios aos seus clientes. A submisso ao SisCEB um ato voluntrio para aqueles que queiram ter a sua competncia profissional reconhecida pela Associao Brasileira de Ergonomia. O SisCEB foi elaborado a partir de um estudo comparativo entre os sistemas norte-americanos, europeus, asiticos e africanos de certificao de Ergonomistas, e conta com o apoio da Associao Internacional de Ergonomia e do Ministrio do Trabalho e Emprego. O SisCEB traduz o engajamento da ABERGO no Sistema Internacional de Certificao de Ergonomistas e o primeiro a ser implantado na Amrica Latina. Para obter a Certificao em Ergonomia a pessoa, equipe ou empresa dever se submeter s normas estabelecidas pelo SisCEB. O SisCEB tambm regula, atravs de normativa prpria, os cursos formadores de ergonomistas ao nvel de ps-graduao lato sensu [especializao]. A ABERGO ir certificar os primeiros ergonomistas brasileiros na cerimnia de encerramento do XIII Congresso Brasileiro de Ergonomia, que ocorrer no dia 02 de setembro de 2004. As candidaturas de equipes e empresas s sero avaliadas a partir de 2005. O SisCEB foi originalmente aprovado na Assemblia Geral Ordinria da ABERGO, realizada durante o ABERGO 2002 - XII Congresso Brasileiro de Ergonomia, ocorrido na cidade de Recife, Pernambuco, no dia 4 setembro de 2002. Em seguida, foi homologado e complementado no 1. Frum de Certificao do Ergonomista Brasileiro, ocorrido na cidade de Ouro Preto, Minas Gerais, em 24 de outubro de 2003. De acordo com a Norma ERG BR 0000, que cria o Sistema de Certificao do Ergonomista Brasileiro, atravs do processo de certificao o candidato obter o ttulo de Ergonomista Certificado. No verso do diploma de certificao emitido pela ABERGO dever constar o nvel alcanado pelo candidato no processo de certificao [ERG BR 3001] que poder ser o de Ergonomista Snior ou Ergonomista com Certificados de Nveis I, II ou III. Para submeter a sua candidatura ao ttulo de Ergonomista Certificado no Sistema de Certificao do Ergonomista Brasileiro da ABERGO, o candidato dever consultar a homepage da associao: www.abergo.org.br.

47

12. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA EM ERGONOMIA

12.1 Livrosa) Manuais Gerais Bridger, R.S. Introduction to ergonomics. New York, McGraw-Hill, 1995. Um manual geral que enfatiza os aspectos de antomia e fisiologia do trabalho. O texto direcionado a estudantes de graduao e ps-graduao cobrindo os aspectos fsico e cognitivos do trabalho. Couto, H. A [1991]. Guia prtico: tenossinovites e outras leses por traumas cumulativos nos membros superiores de origem ocupacional. Belo Horizonte, Ergo Editora. Guia prtico que objetiva, dentre outros, apresentar noes fundamentais sobre a forma pela qual o trabalho acarreta leses nos membros superiores do trabalhador. Couto, H. A [1996]. Ergonomia aplicada ao trabalho: o manual tcnico da mquina humana [vols. 1 e 2]. Belo Horizonte, Ergo Editora. Manual em dois volumes que aborda diversos aspectos relacionados ao trabalho e as demandas fisiolgicas relacionadas. Coury, Helenice Gil, 1995 (2. Ed.). Trabalhando sentado: manual para posturas confortveis. So Carlos, S.P., Editora da UFSCar. Objetiva a descrio dos principais problemas da postura sentada e sugere algumas alternativas simples para a mudana de ambiente, moblia e hbitos posturais. Donkin, Scott W. (1996). Sente-se bem, sinta-se melhor: guia prtico contra as tenses do trabalho sedentrio. So Paulo, Editora Harbra. Este livro analisa qual a melhor disposio dos equipamentos de trabalho, como us-los, alm de apresentar sugestes para exerccios e intervalos a fim de amenizar as tenses sofridas nos ambientes de trabalho. Dul, J. e Weerdmeester, B. (1995). Ergonomia prtica. So Paulo, Editora Edgard Blcher. Objetiva no apenas a leitura, mas tambm para ser consultado na soluo de problemas prticos.. uma traduo do clssico holands Vademecum Ergonomie. Fialho, Francisco e Santos, Neri dos. 1997. Manual de anlise ergonmica no trabalho. Curitiba, Gnesis Editora. Segundo os autores, a proposta deste livro pragmtica: fornecer, de forma interdisciplinas, uma ferramenta; um mapa, um roteiro que auxilie prossionais na anlise dos postos de trabalho. Iida, Itiro. Ergonomia: projeto e produo. So Paulo, Editora Edgard Blcher, 1990. a mais completa referncia sobre Ergonomia em lngua portuguesa. Aborda aspectos relacionados ao projeto de produto, mquinas, equipamentos e ambientes de trabalho. Montmollin, M. Lergonomie. Paris, La Dcouverte, 1996. Enfatiza os aspectos cognitivos do trabalho com uma metodologia particular que privilegia as atividades do operador, o entendimento da tarefa, os mecanismos de seleo da informao, de resoluo do problema e tomada de deciso. Montmollin, M. Lintelligence de la tche: lments dergonomie cognitive. Berna, Peter Lang, 1986. Texto clssico da ergonomia francofnica, tem as mesmas caractersticas do livro anterior. Moraes, Anamaria de e MontAlvo, Cludia. Ergonomia: conceitos e aplicaes. 2a. ed. Srie Design. Rio de Janeiro, Editora 2AB, 2000. A mais recente publicao sobre ergonomia em lngua portuguesa, apresenta as fases da interveno ergonmica partir de uma abordagem sistmica. A aplicao do mtodo descrito apresentado em uma situao real de trabalho. Moraes, Anamaria de e Soares, Marcelo M. Ergonomia no Brasil e no mundo: um quadro, uma fotografia. Rio de Janeiro, Univerta/ABERGO/ESDI-UERJ, 1989. Trata-se de um registro da histria da ergonomia no Brasil, com entrevistas com os pioneiros da ergonomia brasileira, explicitao das diversas correntes da ergonomia, trabalhos publicados pelos ergonomistas brasileiros e institutos e universidades de pesquisa no mundo. Vidal, Mario Csar Rodrguez, 2003. 3. Edio. Ergonomia na empresa: til, prtica e aplicada. Rio de Janeiro, Editora Virtual Cientfica.

48

Este livro apresenta a disciplina ergonomia e trata de sua prtica. Neste sentido, a ateno se foca na utilidade da ergonomia, trazendo exemplos e esquemas que orientem os estudiosos emprenhados em encontrar solues aos problemas da atividade das pessoas nos sistemas de produo e no uso e manuseio dos produtos. Sanders, M.S. e McCormick, E.J. Human factors in engineering and design. 7a. ed. New York, McGraw-Hill, 1993. A stima edio deste manual de referncia internacional contempla todos os aspectos essenciais para a avaliao e o projeto de produtos, postos e ambientes de trabalho. indicado para aqueles que desejam maior aprofundamento na rea. Salvendy, G. (ed.). Handbook of human factors. New York, Wiley, 1987. Trata-se de um manual de mais de 1.000 pginas que rene, em um s volume, artigos de diversos autores cobrindo todas as reas de atuao da ergonomia. Santos, Neri dos et al., 1997. Antropotecnologia: a ergonomia dos sistemas de produo. Curitiba, Gnesis Editora. Este livro aborda as dificuldades encontradas na adaptao de uma determinada tecnologia transferida uma nova realidade, levando-se em considerao as diversas dimenses do empreendimento, para garantir os resultados esperados , em termos de produtividade de sade dos trabalhadores. Wilson, J.R. e Corlett, E.N (eds). Evaluation of human work: a practical ergonomics methodology. 2a. ed. London, Taylor and Francis, 1995. Este livro enfatisa os mtodos ergonmicos com explicao detalhada de todos os princpios que compreendem os referidos mtodos. Leitura essencial para aqueles que pretendem aprofundarem-se na rea. Wisner, A. Por dentro do trabalho: ergonomia, mtodo e tcnica. So Paulo, Obor, 1987. Discute as condies de trabalho sob o ponto de vista da ergonomia francofnica.

b) Biomecnica, antropometria, postura e design Chaffin, D. e Andersson, G.B.J. Occupational biomechanics. New York, Wiley, 1984. Referncia bsica sobre biomecnica ocupacional recomendada particularmente para engenheiros mecnicos e industriais. Clark, T.S. e Corlett, E.N. The ergonomics of workspace and machines: a design manual. London, Taylor and Francis, 1984. Um manual compacto com farta informao recomendada para designers e engenheiros. Panero, J.Z. Human dimension and interior space. New York, Whitney Library of Design, 1979. Recomendado para designers, arquitetos e engenheiros industriais. O livro bastante ilustrado o que ajuda no entendimento e aplicao dos dados antropomtricos no design de produtos e ambientes de trabalho. Existe uma verso em espanhol denomina Las dimensiones humanas en los espacios interiores. Pheasant, S. Bodyspace: anthropomety, ergonomics and design. 2a. ed. London, Taylor & Francis, 1996. Referncia bsica sobre antropometria incluindo tabelas com medidas de diversas populaes de usurios. Roebuck Jr., J.A. Anthropometric methods: designing to fit the human body. Santa Monica, USA, Human Factors and Ergonomics Society, 1995. Este livro parte de uma srie sobre ergonomia publicado pela sociedade de ergonomia dos Estados Unidos. c) Ergonomia e Sade Ocupacional Grandjean, E. Ergonomics and health in modern office. London, Taylor and Francis, 1984. Uma compilao de diversos artigos incluindo relacionadas a toxicologia que normalmente no coberta pela literatura de ergonomia. Oborne, D.J. Ergonomics at work. 3a. ed. London, John Wiley & Sons, 1995. Terceira edio de um manual clssico na rea da ergonomia de produo. Pheasant, S.T. Ergonomics, work and health. Gaithersburg, MD, Aspen, 1991. um livro de fcil leitura recomendado para os no especialistas na rea que tenham interesse em sade ocupacional.

49

e) Outras reas da ergonomia Anshel, J. Visual ergonomics in the workplace. London, Taylor and Francis, 1998. Este livro apresenta, entre outros, uma discusso sobre como o sistema visual trabalha, a interao do monitor com a viso, segurana e conforto visual na indstria. Bergman, E. [ed.]. Information appliances and beyond: interaction design for consumer products. San Francisco, USA, Morgan Kaufmann Publishers, 2000. Apresenta uma srie de estudos-de-caso aonde a interface usurio produto examinada em detalhes. Chapanis, A. Human factors in systems engineering. New York, John Wiley & Sons, 1996. Cushman, W.H. e Rosenberg, D.J. Human factors in product design. Amsterdam, Elsevier, 1991. Literatura essencial para os estudantes e profissionais de desenho industrial. Apresenta a aplicao dos mtodos de interveno ergonmica no design de produtos. Jordan, P.W. An introduction to usability. London, Taylor & Francis, 1998. Indicado para estudantes e profissionais de desenho industrial apresenta diversos casos de aplicao dos princpios de usabilidade ao design de produtos. MontAlvo, C. Design de adverncia para embalagens. Rio de Janeiro, Editora 2AB, 2000. Guia sucinto com os princpios e normas bsicas sobre as advertncias para embalagens relacionadas aos riscos no uso de produtos de consumo. Moraes, Anamaria de e Frisoni, Bianka Cappuci, 2001. Ergodesign: produtos e processos. Rio de Janeiro, Editora 2AB. Este livro uma coletnea de trabalhos que demonstram passo a passo a interveno ergonomizadora em situaes como o conforto de pacientes hospitalares, condies de trabalho do piloto do metr, o uso de cinto de segurana, as carteiras universitrias e o posto de trabalho do cadista. Moraes, A. e Mario, S. Ergodesign para trabalho com terminais informatizados. Editora 2AB, 2000.

Compilao e anlise de dados sobre o projeto de estaes de trabalho com terminais de vdeo informatizados. O manual apresenta uma seleo de equipamentos disponveis no mercado.

Stanton, N. (ed.) Human factors in consumer product. London, Taylor & Francis, 1998. Seleo de vrios estudos de caso de aplicao da ergonomia em projeto de produto. Reason, J. Human error. New York, Cambridge University Press, 1990. Publicao especfica sobre o estudo do erro humano em diversas situaes aonde essencial a decodificao correta da informao para a tomada de deciso. Viel, Eric e Esnault, Michele 2000. Lombalgias e cervicalgias da posio sentada: conselhos e exerccios. So Paulo, Editora Manole Ltda. Este livro prope uma nova abordagem das dores nas costas, tratando no apenas das lombalgias de esforo mas tambm das dores relacionadas posio sentada prolongada, aprimorando as condies de vida e sobretudo os hbitos de trabalho.

12.2 Jornais cientficos na rea de ErgonomiaErgonomics Publicado pela Taylor & Francis, o jornal da Sociedade de Ergonomia do Reino Unido. O jornal contem artigos de todas as reas da ergonomia, mas com a maioria direcionada mais aos aspectos fsicos que psicolgicos. Foi o primeiro jornal exclusivo sobre ergonomia no mundo e publicado regularmente desde a dcada de 60. Human Factors o jornal da Human Factors and Ergonomics Society dos Estados Unidos. Artigos sobre todos os aspectos da ergonomia, com maior nfase nos aspectos psicolgicos. International Journal of Industrial Ergonomics Publicado pela Elsevier em colaborao com a Associao Internacional de Ergonomia, enfatiza artigos na rea da prtica industrial.

50

Applied Ergonomics Publicado pela Butterworths, cobre uma grande variedade de reas da ergonomia e voltado mais aos aspectos prticos que os acadmicos. Behavior and Information Technology Publicado pela Taylor & Francis, direcionado aqueles mais interessados no design de interfaces e sistemas interativos que os aspectos fsicos do trabalho. Obs.: Todas as editoras aqui mencionadas possuem pginas na internet. Para a eventual compra de livros via internet sugere-se a livraria Amazon (www.amazon.com).

12.3 Jornais cientficos em rea afim a Ergonomia [portugus]Estudos em Design Publicado pela AEND - Associao de Ensino de Design do Brasil Caixa Postal 38-36 22.452-970 Rio de Janeiro, R.J. Produto e Produo Publicado pelo Programa de Ps-Graduao em Engenharia de Produo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul