Apostila 02 - Prev Estoque06

  • Published on
    07-Jun-2015

  • View
    4.685

  • Download
    1

DESCRIPTION

Apostila 02 - Previso de Estoques

Transcript

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

APOSTILA 3 - PREVISO PARA ESTOQUES:Segundo Dias, toda a teoria de estoques esta pautada na previso do consumo do material. A previso do consumo ou da demanda estabelece estas estimativas futuras dos produtos acabados comercializados pela empresa. Estabelece, portanto, quais produtos, quanto desses produtos e quando sero comprados pelos clientes. Algumas das caractersticas bsicas da previso so: - o ponto de partida de todo planejamento empresarial; - no uma meta de vendas; e - sua previso deve ser compatvel com o custo de obt-la. As informaes bsicas, que permitem decidir quais sero as dimenses e a distribuio no tempo da demanda dos produtos acabados, podem ser classificadas em duas categorias: a) QUANTITATIVAS: - evoluo das vendas no passado; - variveis cuja evoluo e explicao esto ligadas diretamente as vendas. Por exemplo: criao e vendas de produtos infantis, rea licenciada de construes, vendas futuras de materiais de construo; - variveis de fcil previso, relativamente ligadas as vendas ( populaes, renda, PNB); e - influncia da propaganda e promoes. b) QUALITATIVAS: - opinio dos gerentes; - opinio dos compradores; e - opinio dos vendedores; - pesquisas de mercado.

Outros aspectos a serem analisados so: DEMANDA SAZONAL: flutua dependendo da poca do ano; pode ser em funo do clima, do perodo de frias ou eventos particulares; DEMANDA ALEATRIA: muitos fatores afetam a demanda durante perodos especficos, sendo que ocorrem em uma base aleatria; DEMANDA CCLICA: em vrios anos ou dcadas , aumentos ou diminuies ondulatrias na economia influenciam a demanda; DEMANDA ESTVEL x DINMICA: para alguns produtos ou servios mudam ao longo do tempo, enquanto outros permanecem constante; as mudanas dinmicas podem afetar a tendncia, a sazonalidade ou o carter aleatrio da demanda real; quanto mais estvel a demanda, mais fcil fazer a previso.Histrico do Consumo Anlise do Histrico do Consumo Formulao do Modelo Avaliao do Modelo/ Gerao Previso Correo da Previso Aps um Perodo Comparao previsto / realizado Continuidade da Previso Inicial ou Reformulada

Previso Confirmada?

Sim

Sim

Modelo Vlido?

Outros Fatores / Informaes

No

Quadro 1 - Comportamento Dinmico do Processo de Previso (Dias, 1995)

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

TCNICAS DE PREVISAO DO CONSUMO: a) Projeo: so aquelas que admitem que o futuro ser repetio do passado ou as vendas evoluiro no tempo; segundo a mesma lei observada no passado,este grupo de tcnicas e de natureza essencialmente quantitativa. b) Explicao: procura-se explicar as vendas do passado mediante leis que relacionem as mesmas com outras variveis cuja evoluo e conhecida e previsvel. So basicamente aplicaes de tcnicas de regresso e correlao. c) Predileo: funcionrios experientes e conhecedores de fatores influentes nas vendas e no mercado estabelecem a evoluo das vendas futuras. Fatores que podem influenciar o comportamento do consumo: - influncias polticas - influncias conjunturais - influncias sazonais - alterao do comportamento dos clientes - inovaes tcnicas - tipos retirados de produo - alterao da produo - preos competitivos dos concorrentes MTODOS QUANTITATIVOS PARA CLCULO DE PREVISAO DE CONSUMO: 1 - Mtodo do ltimo perodo: Utiliza como previso para o perodo seguinte as quantidades (atravs das estatsticas de vendas). vendidas no perodo anterior

2 - Mtodo da mdia mvel: Neste mtodo a previso para o prximo perodo e obtida calculando-se a mdia dos valores de consumo nos n perodos anteriores. um mtodo muito simples, no muito confivel. Exemplo: O consumo em quatro anos de um determinado produto foi de ( em milhares): 2004 = 660 Qual dever ser o consumo previsto para 2005, 2003 = 630 utilizando-se o mtodo da mdia mvel, com n igual a 3 ? 2002 = 600 2001 = 720 720 + 600 + 630 ---------------3 600 + 630 + 660 --------------3 = 650 (previso p/2004)

= 630 (previso p/2005)

3 - Mtodo da mdia mvel ponderada: Este mtodo uma variao do modelo anterior em que os valores mais recentes recebem peso maior que os valores mais afastados da data atual. A determinao dos pesos, ou fatores de importncia, deve ser de tal ordem que a soma perfaa 100 % . Exemplo:

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

ANOS VOL. VENDAS (1000) PESOS (%) ------------------------------------------------------------2001 720 50 2002 600 25 2003 630 20 2004 660 5 Previso para 2005 = (600 x 1.25) + (630 x 1.20) + (660 x 1.05) = 2.199 / 3 = 733 unidades 3 ANOS V.V (1000) PESOS (%) ------------------------------------------------------------2004 90 5 2003 87 10 2002 91 20 2001 75 25 2000 82 40 Previso para 2005 (com n = 4) = (75 x 1.25) + (91 x 1.20) + (87 x 1,10) + (90 x 1,05) = 98,29 3 Previso para 2005 (com n = 3) = (91 x 1.20) + (87 x 1,10) + (90 x 1,05) = 3 99,8

4 Mtodo da Mdia com Ponderao Exponencial Este mtodo tem a vantagem de um menor manuseio de informaes passadas, dando maior valor aos dados mais recentes. Para esse tipo de previso so necessrios 3 valores: 1) a previso do ltimo perodo, 2) o consumo no ltimo perodo e 3) uma constante que determina o valor ou ponderao dada aos valores mais recentes. Vamos supor que fizemos uma previso de consumo de 100 unidades, e que o consumo real foi de 95 unidades. Temos ento que determinar quanto dessa diferena foi por causas aleatrias e quanto pode ser atribudo a uma mudana no padro de consumo. Se a causa foi aleatria, mantemos a previso de 100. Se foi mudana de comportamento adotamos o mtodo do ltimo perodo e projetamos 95 unidades para o prximo ms. Mas se decidirmos que somente 20% da diferena podem ser atribudas a alteraes de consumo (e 80% variao aleatria) ento nossa prxima previso ser de 99 unidades (20% do erro (100-95) = 1). Portanto Prxima Previso = Previso Anterior + Constante de Amortecimento x Erro de Previso Ou Xt = . Xt + ( 1 - ) . Xt 1 Exemplo: o nvel de consumo de um item mantm uma oscilao mdia. A empresa utiliza o clculo de mdia ponderada exponencial. Em 2003, a previso de consumo era de 230 unidades, tendo o ajustamento um coeficiente de 0,10. Em 2004 o consumo foi de 210 unidades. Qual a previso de consumo para 2005: Xt = . Xt + ( 1 - ) . Xt 1 Xt = 0,10 . 210 + (1 0,1) . 230 Xt = 21 + 207 = 228

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

5 - Mtodo dos mnimos quadrados: Este mtodo e usado para determinar a melhor linha de ajuste que passa mais perto de todos os dados coletados, ou seja, a linha de melhor ajuste que minimiza as diferenas entre a linha reta e cada ponto levantado. Uma linha reta esta definida pela equao Y = a + b.x Nas sries temporais, Y e o . valor previsto em um tempo x medido em incrementos, tais como anos, a partir do ano base. O objetivo e determinar "a", o valor de Y e "b", a inclinao da reta. Usam-se duas equaes para determinar "a" e "b". Obtemos a primeira multiplicando-se a equao da linha reta pelo coeficiente "a" e somando os termos. Sendo o coeficiente "a" igual a 1 e sabendo-se que N e o nmero de pontos, a equao se modifica para:

Y = N . a + b. XA segunda equao e desenvolvida de maneira semelhante. O coeficiente de "b" e X. Ao multiplicarmos os termos por X e soma-los, teremos:

XY

= a X + b X 2

Estas duas equaes so denominadas equaes normais. As quatro somas necessrias resoluo das equaes so obtidas de forma tabular, tendo em vista que X igual ao nmero de perodos a partir do ano base. Depois da obteno das quatro somas, estas so substitudas nas equaes normais, onde os valores de "a" e "b" so calculados e substitudos na equao da linha reta para obteno da formula da previso: Yp = a + b.x Exemplificando: Determinada empresa quer calcular a previso de vendas do seu produto NK-342 para o ano de 2005. As vendas dos cinco anos anteriores foram (vendas em milhares de unidades):Ano (x) Vendas (y)

x 1 2 3 4 5 15 6

X 1 4 9 16 25 55

2000 2001 2002 2003 2004 2005

324 357 330 366 390 1767 396

x.y 324 714 990 1.464 1.950 5.442

De onde resultam as equaes normais:

1767 = 5a + 15b 5442 = 15a + 55b

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

5a + 15b = 1767 (-3) 15a + 55b = 5442 -15a - 45b = -5301 15a + 55b = 5442 ________________ 10b = 141Substituindo "b" na 1. equao (original):

b = 14,1

1767 = 5a + (15 x 14,1) 1767 = 5a + 211,5 5a= 1555,5 a = 311,1Logo a previso para 2005 :

Yp = 311,1 + (14,1 x X) Yp = 325,2 + (14,1 x 6) Y2005 = 395,7 = 396 unidades

Exerccio: O Consumo do item AB-432, nos ltimos 8 anos foi, respectivamente, 500/580/520/630/510/590/570/560. Calcule pelo Mtodo dos Mnimos Quadrados o consumo previsto para os prximos 02 anos.FRMULAS Mtodo Quadrados Y = a + b.x

dos

Mnimos

Y = N . a + b. X XY = a X + b X

2

ADMINISTRAO DE MATERIAIS

QUESTES DE REVISO SOBRE AS AULAS INICIAIS: 1. O QUE CODIFICAO GENERICA? A FORMA DE CODIFICAO QUE ESTABELECE UM CDIGO COMUM A ITENS DA MESMA NATUREZA. 2. O QUE NOME BASICO? A DENOMINAO MAIS ELEMENTAR DE UM MATERIAL, EVITANDO-SE O USO DE PLURALIDADE E SINONIMOS, USO DE PALAVRAS ESTRANGEIRAS, GIRIAS OU REGIONALISMOS.

3. O QUE NOME PADRONIZADO? A NOMECLATURA ADOTADA PARA REPRESENTAR AGRUPAMENTOS DE BENS SIMILARES VISANDO ABOLIR O USO DE PALAVRAS REFERENTES A MARCAS COMERCIAIS REGISTRADAS, GIRIAS E REGIONALISMOS, PLURALIODADE DE SINONIMOS, TERMOS ALIENIGENAS. 4. QUAL A IMPORTNCIA DA DESCRIO COMPLEMENTAR? A REUNIO DE INFORMAES RELACIONADAS A UM DETERMINADO MATERIAL PERMITINDO SUA IDENTIFICAO CLARA E PRECISA. 5. O QUE VOCE SABE SOBRE IDENTIFICAO AUXILIAR? O CONJUNTO DE INFORMAES DESTINADAS A COMPLEMENTAR OS DADOS DESCRITIVOS, CONSTITUINDO-SE NUMA FONTE DE AUXILIO AOS SERVIOS DE IDENTIFICAO.

PRINCPIOS DO SIGNIFICATIVOS DOS DADOS PRINC DA PADRONIZAO DE UM BEM PADRONIZAOExemplo Papel p/correspondncia Apergaminhado, branco, formato A4medindo 210x297mm, gramatura de 75g/m2. Acondicionado em pacote com 500 folhas. UN. Ref.: CHAMEX 500. Nome Bsico Nome Modificador Nomenclatura Comlementar Descrio Detalhada Caractersticas Fsicas Aplicao Papel p/correspondncia apergaminhado, branco formato A-4 medindo 210x297mm, gramatura de 75g/m2 geral

Nome Padronizado

Dados Descritivos dos Bens

Perserv. Embal. Acond. Identificao Auxiliar Unid. Estocagem Ref. Comercial Cdigo do Fornecedor

pacote c/500 folhas

Unidade (500 folhas) Chamex 500