Apostila 01 - Ergonomia

  • Published on
    05-Mar-2016

  • View
    8

  • Download
    0

DESCRIPTION

Ergonomia

Transcript

  • ERGONOMIA E SADE OCUPACIONAL

    CAPTULO 1 O que Ergonomia

    Autor: Rodrigo Silva

    Introduo

    Prezado(a) aluno(a)

    Este componente curricular, Ergonomia e Sade Ocupacional, foi confeccionado com o principal objetivo de permitir a voc, futuro Tecnlogo, o entendimento e a importncia da Ergonomia e da Sade Ocupacional ao longo da vida profissional de um Tecnlogo em Segurana do Trabalho. Com a chegada deste componente fica claro que no se podem acolher velhos procedimentos no projeto de trabalho, em que os trabalhadores eram considerados somente como braos operacionais. Os trabalhadores devem ser considerados, do ponto de vista da ergonomia e da sade ocupacional, como seres humanos em constante desenvolvimento, colaborando para uma concepo de trabalho mais humana/confortvel, segura e eficiente.

    Trazemos aqui alguns conhecimentos sobre as estaes de trabalho e a organizao empresarial

    Para isso, dividimos este componente em 4 captulos. Nos dois primeiros iremos focalizar a Ergonomia e a Usabilidade. Nos dois captulos seguintes versaremos sobre a interao entre Sade, Trabalho e Ergonomia.

    Neste primeiro capitulo iremos tratar, como titulo principal O que Ergonomia. No seu contedo teremos idias das definies de ergonomia, a influencia de pensadores como Taylor, Fayol e Ford na ergonomia, o valor de uma interveno ergonmica e qual a funo de um

  • ergonomista. Iremos citar tambm quem pode e como se tornar um ergonomista.

    No perca esta oportunidade, todo este material foi construdo especialmente para voc!!

    Aproveitem!!

    Objetivos

    Estimado(a) aluno(a),

    Ao final dos estudos propostos neste captulo esperado que voc seja capaz de:

    Saber como surgiu a ergonomia e quais as definies de ergonomia;

    Estabelecer relaes entre os perodos industriais e a ergonomia; Identificar como os princpios da administrao adotados pelos

    pensadores atingiram a ergonomia; Compreender as formas de emprego da ergonomia; Compreender a funo de um ergonomista.

    Esquema

    1. Definio da Ergonomia 2. Taylorismo e o Alcance da ergonomia 2.1. Taylorismo 2.2. Alcance da Ergonomia 3. Despesas com o emprego da ergonomia 4. O papel do Ergonomista Resumo Leituras Atividades Referncias

  • 1. Definio da Ergonomia

    Neste inicio, vamos manter uma viso panormica dos fundamentais e principais campos do bom emprego da ergonomia e discusses sobre questes ergonmicas, incluindo sua aplicabilidade e surgimento. Iremos citar algumas definies de ergonomia descritas pelos mais variados autores. No entanto, comearemos informando que a palavra Ergonomia de origem grega, e, ERGO, significa trabalho e NOMOS, significa regras, normas, leis. Podemos entender que seria as regras/normas/leis para a execuo do trabalho. Se considerarmos como cincia, poderemos dizer que a cincia aplicada a facilitar o trabalho executado pelo homem, sendo que interpreta-se aqui a palavra trabalho como algo muito abrangente, em todos os ramos e reas de atuao.

    Em outros pases como os Estados Unidos, utiliza-se, como sinnimo de ergonomia o termo, human factors (ou seja, fatores humanos). Podemos inferir que a ergonomia vem sendo tratada como sendo uma cincia aplicada concepo e melhor reconhecimento de projeto de maquinrios, ferramentas e execuo das tarefas, com o propsito final de assegurar a segurana, bem-estar, comodidade e melhores resultados para os funcionrios e nos postos de trabalho.

    Sendo desta forma, uma cincia que pesquisa, estuda, desenvolve e aplica regras e normas a fim de organizar o trabalho, tornando este ltimo compatvel com as caractersticas fsicas e psquicas do ser humano.

    Alguns autores a consideram como cincia e outros como tecnologia. Segundo Montmollin, M., a ergonomia uma cincia interdisciplinar, que compreende a fisiologia e a psicologia do trabalho.

    Murrel, K.F., define ergonomia como o estudo cientfico das relaes entre o homem e o seu ambiente de trabalho.

    Self, cita que ergonomia rene os conhecimentos da fisiologia e psicologia, e das cincias vizinhas aplicadas ao trabalho humano, na perspectiva de uma melhor adaptao ao homem dos mtodos, meios e ambientes de trabalho.

    Wisner explica ergonomia como sendo o conjunto dos conhecimentos cientficos relacionados ao homem e necessrios concepo de

  • instrumentos, mquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o mximo de conforto, segurana e eficincia.

    Couto, define ergonomia como um conjunto de cincias e tecnologia que procura a adaptao confortvel e produtiva entre o ser humano e seu trabalho, basicamente procurando adaptar as condies de trabalho s caractersticas do ser humano.

    J Leplat, J., nos informa que ergonomia uma tecnologia e no uma cincia, cujo objetivo a organizao dos sistemas homem-mquina.

    Segundo a Ergonomics Research Society, Ergonomia o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e ambiente e, articularmente, a aplicao dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na soluo dos problemas surgidos desse relacionamento.

    Parada obrigatria

    Segundo a International Ergonomics Association (IEA), a Ergonomia a disciplina cientfica preocupada com o entendimento das interaes entre seres humanos e outros elementos de um sistema e a profisso que aplica teorias, princpios, dados e mtodos para projetar de modo a otimizar o bem-estar humano e a performance geral do sistema.

    Importante!

  • Algumas consideraes sobre interaes entre homem e seus ambientes de trabalho foram encontradas em alguns documentos da Grcia Antiga, em alguns outros artigos mediervais com mais de cem anos na Alemanha.

    Lida (2005) aponta que seu incio possivelmente se deu com os homens das cavernas que teve como ferramenta a pedra criando assim um contorno apropriado a movimentos para sua melhor utilizao e no esquecendo da funo de arma para caa e sobrevivncia do meio. Os instrumentos dialogavam assim com o domnio e promoviam inmeras facilidades para que esse homem conseguisse suas necessidades primrias.

    Deste modo, o sentido de ateno em acomodar o ambiente a qual se encontrava e arquitetar artefatos sofisticados para atender s suas necessidades, continuamente esteve presente nos seres humanos bem previamente nos perodos primrdios.

    Esse contexto propiciou o surgimento do que chamamos de Revoluo Industrial.

    As primeiras indstrias passaram a existir sem qualquer similaridade com uma indstria que conhecemos hoje. Sua realidade basicamente se dava em conviver com espaos imundos, de baixa iluminao, barulhento e que constantemente mantinham perigos crticos aos trabalhadores que ali trabalhavam. O tempo de trabalho nas fbricas, de acordo com alguns autores, chegavam a atingir um perodo de, pelo menos 16 horas por dia, sem descanso, sendo considerados como meras peas das fbricas, trabalhando sobre imposio por empresrios autoritrios, arrogantes e

    Em 1960 a OIT (Organizao Internacional do Trabalho) define a ergonomia como sendo a: Aplicao das cincias biolgicas conjuntamente com as cincias da engenharia para lograr o timo ajustamento do homem ao seu trabalho, e assegurar, simultaneamente eficincia e bem-estar.

    Importante!

  • impiedosos que aplicavam sem d e nem piedade punies extremas aos seus empregados.

    Paralelo aos Estados Unidos, a Europa comea a traar pesquisas e estudos no que diz respeito s condies corretas de realizar trabalho. A tentativa de comear a averiguar dados e informaes sobre a fisiologia do trabalho acaba tomando conta dos laboratrios de pesquisas. Com esse interesse, comearam a surgir estudos sobre as condies do trabalho na Europa, pois assim comeava-se a instalar uma preocupao generalizada com ambientes de trabalho que provocassem algum tipo de risco ou dano fsico ao trabalhador, at mesmo porque quando comeou o interesse de estudos voltados a essa temtica, j estvamos no perodo de 1900, momento da histria marcado pelas inmeras aberturas das minas de carvo e outras tantas fundies.

    Existiram dois momentos extremamente importantes aps a Revoluo Industrial, a I Grande Guerra e a II Grande Guerra, que iremos aprofundar um pouco mais a frente.

    Na I Grande Guerra Mundial, surgiu concomitantemente a Comisso de Sade dos Trabalhadores e para compor essa comisso foram chamados fisiologistas, psiclogos e pesquisadores da poca sobre a temtica ergonomia, com o objetivo de contribuir de fato para melhorias ergonmicas. No final deste mesmo perodo, os rumos da historia tomam um novo percurso, originando ento o Instituto de Pesquisa da Fadiga Industrial que segue com a preocupao em melhorar as condies de trabalho dos empregados que operavam as minas de carvo.

    O Instituto da Fadiga ganha traos mais pertinentes ao trabalho e se transforma em Instituto de Pesquisa sobre Sade no Trabalho, conseqentemente ampliando assim a sua viso e atuao, lanando-se no intuito de exclusivamente buscar respostas sobre as melhores condies que envolvem a postura no trabalho, a carga exigida na tarefa executada, os componentes como a iluminao, ventilao entre tantas outras questes ergonmicas. de extrema importncia o caminho que o Instituto segue em atrelar estudos e pesquisas interdisciplinares, dialogando assim como novos conhecimentos de outras reas da cincia, a fim de melhorar o ambiente do trabalho.

    No perodo da II Grande Guerra, houve a necessidade de adaptao

    Registrando

  • Para Abraho e Pinho (2002), a importncia da ergonomia nos anos 1940 se deu pela abordagem do trabalho humano e suas interaes no contexto social e tecnolgico, buscando mostrar a complexidade dessas interaes.

    Para Dul (2004), a ergonomia examina um leque variado de aspectos, como a postura e os movimentos fsico-corporais, fatores de ordem ambiental, de ordem da comunicao, afinidades entre as diversas formas de executar uma tarefa. Ainda nos informa que a reunio e comunho apropriada desses fatores conseqentemente cogitaro atmosferas mais seguras, benficas, adequadas e eficientes, tanto no trabalho realizado como no dia a dia de qualquer individuo.

    A ergonomia trouxe a idia de proteger o trabalhador dos riscos fsicos, ambientais e psicolgicos, provocados principalmente pelo Sistema Capitalista, que visa sempre o lucro atravs do aumento da produo. Promovendo a intensificao da carga de trabalho, implementao do tempo de trabalho, sem se preocupar com o conforto do funcionrio. Podemos exemplicar com o que aconteceu nos EUA, quando os norteamericanos construram o projeto da cpsula espacial, em que o homem tentou adaptar qualquer tipo de mquina s caracteristicas humanas. Mas o desconforto provocado aos astronautas no primeiro

    O Instituto da Fadiga ganha traos mais pertinentes ao trabalho e se transforma em Instituto de Pesquisa sobre Sade no Trabalho, conseqentemente ampliando assim a sua viso e atuao, lanando-se no intuito de exclusivamente buscar respostas sobre as melhores condies que envolvem a postura no trabalho, a carga exigida na tarefa executada, os componentes como a iluminao, ventilao entre tantas outras questes ergonmicas. de extrema importncia o caminho que o Instituto segue em atrelar estudos e pesquisas interdisciplinares, dialogando assim como novos conhecimentos de outras reas da cincia, a fim de melhorar o ambiente do trabalho.

    No perodo da II Grande Guerra, houve a necessidade de adaptao das armas utilizadas no combate ao homem, com o principal objetivo de obter vantagens sobre o adversrio, alem de preservar a prpria sobrevivncia.

  • prottipo da cpsula espacial, fez com que houvesse a necessidade de replanejar o tempo e os meios para a viagem ao espao.

    importante citarmos que o conforto do trabalhador necessrio para que tenha uma boa relao com o trabalho. Dentro das atribuies da ergonomia temos alguns domnios de especializao com competncias mais profundas. So elas:

    1. Ergonomia Fsica 2. Ergonomia Cognitiva 3. Ergonomia Organizacional

    Ergonomia Fsica versa sobre s caractersticas humanas anatmicas, antropomtricas, fisiolgicas e biomecnicas que se relacionam com a atividade fsica. Os tpicos relativos incluem posturas de trabalho, manipulao de materiais, movimentos repetitivos, leses msculo-esquelticas relacionadas com o trabalho, layout do posto de trabalho, segurana e sade.

    Ergonomia Cognitiva relata sobre os processos mentais, como a percepo, memria, raciocnio, e resposta motora, que afetam as interaes entre humanos e outros elementos de um sistema. Os tpicos relevantes incluem a carga de trabalho mental, tomada de deciso, desempenho especializado, interao homem-computador, fiabilidade humana, stress do trabalho, e formao relacionadas com a concepo homem-sistema.

    Ergonomia Organizacional diz respeito otimizao de sistemas scio-tcnicos, incluindo as suas estruturas organizacionais, polticas e processos. Os tpicos relevantes incluem comunicao, gesto de recursos de equipes, concepo do trabalho, organizao do tempo de trabalho, trabalho em equipe, concepo participativa, community ergonomics, trabalho cooperativo, novos paradigmas do trabalho, cultura organizacional, organizaes virtuais e gesto da qualidade.

    Explicando melhor

  • Segundo HENDRICK (1992),

    A ergonomia possui quatro componentes identificveis:

    Tecnologia de interface homem-mquina ou ergonomia de Hardware aplicada no projeto de controles, displays e arranjo das estaes de trabalho para otimizar a performace do sistema e diminuir as probabilidades de erros humanos;

    Tecnologia da interface homem-ambiente ou ergonomia ambiental que consiste no estudo das capacidades e limitaes humanas em relao s demandas impostas pelas variaes do ambiente. utilizada a fim de minimizar o estresse ambiental para a performance humana, e tambm para proporcionar maior conforto e segurana, alem do aumento da produtividade;

    Tecnologia de interface usurio-sistema ou ergonomia de Software estuda como as pessoas conceitualizam e processam as informaes. frequentemente chamada de ergonomia cognitiva. A maior aplicao desta tecnologia no projeto ou modificao de sistemas para aumento da usabilidade;

    Tecnologia da interface homem-organizao-mquina ou Macroergonomia o foco central das trs tecnologias da ergonomia o operador individual, no time de operadores ou em nveis de subsistemas. A macroergonomia tem seu foco na estrutura do sistema de trabalho como um todo, ou seja, em suas interfaces com os avanos tecnolgicos, com o sistema oganizacional e com a interface homem-mquina.

    Quando falamos em ergonomia temos que levar em considerao alguns pontos como:

    Produtividade da empresa; Qualidade do produto; Condies de trabalho; Qualidade de vida dos trabalhadores.

    Alguns objetivos devem sempre ser levados em considerao, tais como: Melhoria das condies ambientais; Preveno de acidentes de trabalho; Preveno de Leses por esforo repetitivo.

  • Outra considerao que devemos ter quando se trata de ergonomia, a sua trade bsica de sustentao, composta por:

    EFICINCIA SEGURANA CONFORTO

    Atravs desta trade podemos observar que a eficincia de uma interveno ergonmica muito importante, tanto para justificar o trabalho do ergonomista, como para melhoria das condies da empresa (financeira, econmica, social ou profissional). Alm da prpria melhoria da eficincia dos trabalhadores.

    A segurana de extrema importncia tanto para os trabalhadores, como para os empregados. A diminuio dos riscos indica uma maior preocupao com os funcionrios.

    O conforto nos mostra que o individuo, quando em situaes satisfatrias, produzem e trabalham mais e com melhor humor.

    CONFORTOSEGURANA

    EFICINCIA

    ERGONOMIA

    Ponto chave

  • 2. Taylorismo e o Alcance da ergonomia

    2.1. Taylorismo

    Quando ns falamos no surgimento e evoluo da ergonomia, no podemos esquecer de alguns indivduos que criaram, influenciaram e ate modificaram os modelos de planejamento de trabalho, ocorridos neste momento. Iremos aqui revisar alguns itens que foram mostrados logo acima para reforar

    Em se tratando de adaptaes para a melhoria do trabalho, desde antigamente quando os indivduos utilizavam as pedras como armas, em especial, no momento que ajustam as pedras, fazendo pontas ou gumes para facilitar o seu trabalho. Este tipo de fabricao denominada artesanato, onde os objetos eram criados de forma no-mecanizada, o que gerava uma inquietao devido ao aumento da demanda e incapacidade de suprir as necessidades cada vez mais intensas.

    Uma inveno muito importante para a humanidade foi a criao da roda, que possibilitou a facilitao dentre outras coisas, do transporte de cargas.

    Aps esse momento foram aparecendo algumas invenes que facilitavam o trabalho do homem, ate que a Revoluo Industrial, apareceu espantosamente alterando o trabalho

    Os indivduos comearam a utilizar os utenslios de barro para auxiliar a na cozinha ou cozimento de alimentos e para tomar gua.

    Exemplificando!

  • que era artesanal para o trabalho mecanizado. Esse momento foi marcado pela alterao, no s do processo produtivo, mas tambm da atividade comercial. Foi uma evoluo social, tecnolgica e econmica. Essa evoluo foi capaz de tecnificar a produo, isolando inicialmente as fases de produo.

    Antes dessa Revoluo, o individuo participava de todas as fases, desde a coleta da matria-prima ate a comercializao do produto. Aps esta poca, o individuo perde o controle do processo produtivo, ele no participa mais de todas as fases da produo e passa a ter um trabalho direcionado ou controla alguma maquina da fabrica.

    Aps a Revoluo Industrial, o grande evento que ocorreu, marcando a evoluo da ergonomia, e tambm da humanidade, foi a Primeira Grande Guerra.

    O Taylorismo foi um modelo/mtodo de planejamento e de controle do tempo e dos movimentos de realizao do trabalho, desenvolvido pelo americano Frederick Winslow Taylor (1856-1915).

    Taylor, foi um engenheiro que nasceu na Pensilvnia (E.U.A.), no subrbio da Filadlfia, numa regio chamada Germantown. Nasceu no dia 20 de maro de 1856 e morreu em 1915. Ele era filho de famlia de classe mdia e pde estudar em bons colgios. Ele, aos 22 anos, conseguiu emprego como operrio, na empresa Midvale Steel Company, construo de mquinas. Foi operrio, contador da firma, torneiro, mestre de tornos, chefe de seo, contramestre, chefe de oficina e engenheiro chefe. Sendo que todas essas promoes ocorreram num curto perodo de 6 anos.

    Caractersticas do Taylorismo: Diviso das tarefas de trabalho dentro de uma empresa;

  • Especializao do trabalhador; Treinamento e preparao dos trabalhadores

    de acordo com as aptides apresentadas; Anlise dos processos produtivos dentro de

    uma empresa como objetivo de otimizao do trabalho;

    Adoo de mtodos para diminuir a fadiga e os problemas de sade dos trabalhadores;Implantao de melhorias nas condies e ambientes de trabalho;

    Uso de mtodos padronizados para reduzir custos e aumentar a produtividade;

    Criao de sistemas de incentivos e recompensas salariais para motivar os trabalhadores e aumentar a produtividade;

    Uso de superviso humana especializada para controlar o processo produtivo;

    Disciplina na distribuio de atribuies e responsabilidades; Uso apenas de mtodos de trabalho que j foram testados e

    planejados para eliminar o improviso.

    Henri Fayol, engenheiro, nascido em Istambul no dia 29 de julho de 1841 e morto em 19 de novembro de 1925, concluiu que a administrao de uma empresa deveria ser desvinculada das demais funes (produo, comercial e financeira). Ele foi o primeiro a definir administrao como um processo de planejar, organizar, dirigir e controlar. Fayol sintetizou a administrao em 14 princpios:

    Autoridade e responsabilidade; Disciplina; Centralizao; Diviso do trabalho tarefas especficas para cada indivduo,

    separao de poderes; Unidade de comando cada indivduo tem apenas um superior

    direto;

    Unidade de direo um conjunto de operaes que visam o mesmo objetivo; Subordinao do interesse particular ao interesse geral; Remunerao do pessoal; Hierarquia a srie dos chefes desde o primeiro at o ltimo escalo; Ordem;

  • Equidade o tratamento das pessoas com benevolncia e justia, no excluindo a energia e o rigor quando necessrios; Estabilidade pessoal; Iniciativa; Unio do pessoal esprito de equipe.

    O Fordismo, criado por Henry Ford, nascido na cidade de Dearborn, em 30 de Julho de 1863 e faleceu no dia 07 de Abril de 1947, baseou-se na implantao da esteira rolante para controlar os movimentos e criando o trabalho em serie. Alguns princpios do fordismo so:

    Sempre que possvel, o trabalhador no dar um passo suprfluo;

    No permitir, em caso algum, que ele se canse inutilmente, com movimentos direita ou esquerda, sem proveito algum;

    Tanto os trabalhadores quanto as peas devem ser dispostas na ordem natural das operaes, diminuindo o caminho da pea ou aparelho na esteira de montagem;

    Empregar planos inclinados ou aparelhos semelhantes, de modo que o operrio coloque as peas que trabalhou no mesmo lugar e ao seu alcance.

    O casamento entre essas teorias, predominou em vrias industrias ate o final do sculo XX. Este casamento apresentou algumas caractersticas como;

    Padronizao e produo em srie como condio para a reduo de custos e elevao dos lucros;

    Trabalho de forma intensa, padronizado e fragmentado, na linha de produo proporcionando ganhos de produtividade.

    O taylorismo consiste ainda na dissociao do processo de trabalho das especialidades dos trabalhadores, ou seja, o processo de trabalho deve ser independente do ofcio, da tradio e do conhecimento dos

  • trabalhadores, mas inteiramente dependente das polticas gerenciais.

    Esse tipo de modelo predominou na grande indstria capitalista ao longo do sculo XX, e ainda predomina em muitas organizaes, a despeito das inovaes. A crise deste modelo comeou com resistncia crescente dos trabalhadores ao sistema de trabalho em cadeia, a monotonia e alienao do trabalho super fragmentado.

    Diante da revolta dos trabalhadores, provocados principalmente pela insatisfao com a forma que o trabalho era organizado e realizado, comearam a surgir novas teorias e idias a respeito da organizao do trabalho, em grande parte contrrias ao taylorismo.

    Taylor separa a concepo da execuo. Nega ao trabalhador qualquer manifestao criativa ou participativa.

    Importante!

    Segundo Chang Junior (1995), a escola de Relaes Humanas no Trabalho, nasceu de uma reao Administrao Cientfica. E, a partir dela evoluiu-se de uma avaliao mecanicista do ser humano para uma concepo mais progressista. O indivduo tem necessidades sociais e precisa trabalhar em grupo.

    Importante!

  • Nesse momento, ps Taylor e Ford, surgiu principalmete duas idias. Uma a de enriquecimento de cargos, e a outra e a de semi-autonomos. A idia de enriquecimento de cargos, procura eliminar o inconveniente do trabalho parcelado e montono, ampliando o numero de tarefas realizadas pelo trabalhador.

    A idia semi-autonomos, permitia melhor relao entre os trabalhadores. Cada equipe de trabalho tem liberdade de distribuir as tarefas entre os componentes. No entanto o trabalho proposto bastante definido e previamente racionalizado, o que faz permanecer o tempo de execuo do produto.

    Importante ressaltar, que mesmo nessas outras teorias os princpios do taylorismo e fordismo no foram abandonados, apenas a sua aplicao de uma forma mais suave. Na verdade uma tentativa de adequar o Taylorismo e Fordismo s mudanas scio-econmicas da poca. Inmeras insatisfaes da grande maioria dos trabalhadores, devido ao descontentamento e conduo obrigatria do trabalho deram incio a algumas escolas e teorias sobre as melhorias nas condies de trabalho. Com as crises de 1960/70, o Capitalismo ingressa em uma metamorfose, sob interveno do programa neoliberal de reduo da influncia do Estado e da atividade produtiva, entrando em crise o Fordismo.

    Destaca-se o Toyotismo, sistema de organizao voltado para a produo de mercadorias. Criado no Japo, aps a Segunda Guerra Mundial, pelo engenheiro japons Taiichi Ohno, o sistema foi aplicado na fbrica da Toyota (origem do nome do sistema). O Toyotismo espalhou-se a partir da dcada de 1960 por vrias regies do mundo e at hoje aplicado em muitas empresas.

    Principais caractersticas do Toyotismo:

    - Mo-de-obra multifuncional e bem qualificada. Os trabalhadores so educados, treinados e qualificados para conhecer todos os processos de produo, podendo atuar em vrias reas do sistema produtivo da empresa.

    - Sistema flexvel de mecanizao, voltado para a produo somente do necessrio, evitando ao mximo o excedente. A produo deve ser ajustada a demanda do mercado.

  • - Uso de controle visual em todas as etapas de produo como forma de acompanhar e controlar o processo produtivo.

    - Implantao do sistema de qualidade total em todas as etapas de produo. Alm da alta qualidade dos produtos, busca-se evitar ao mximo o desperdcio de matrias-primas e tempo.

    - Aplicao do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessrio, no tempo necessrio e na quantidade necessria.

    - Uso de pesquisas de mercado para adaptar os produtos s exigncias dos clientes.

    Na dcada de 1950, foi criado um novo conceito chamado de Administrao de Qualidade Total, trazendo a idia de que a conformidade com os padres de qualidade passa a ser problema de todos.

    Todos que esto ligados empresa precisam sentir-se confortveis e felizes com a organizao como um todo, somente assim podero utilizar todas as suas capacidades. Esse conceito foi amplamente utilizado nas organizaes japonesas.

    Segundo ROCHA 2000, o trabalho na organizao japonesa, atribudo ao grupo e no ao indivduo. Cabendo ao grupo se organizar e dividir o trabalho entre seus membros. A autora ainda refora que a forte motivao dos japoneses social e no econmica, para eles, ser excludo do grupo de trabalho equivale a ser excludo da prpria vida.

    Nos EUA e Europa comea os sinais de que a idia do fordismo comea a entrar em crise. Aparecendo neste momento o Ps-fordismo, um novo modelo de regulao da economia, flexibilizando o processo de produo.

    Conforme Heloani (2002), .... a adeso do trabalhador aos programas de elevao de produtividade se transformou em uma questo de importncia fundamental e, para obt-la, foram criadas as novas formas de gesto da produo.

    Nesse perodo dataram as experincias que alguns autores chamaram de administrao participativa.

  • 2.2. ALCANCE DA ERGONOMIA

    Para Lida (2005) a ergonomia pode dar vrios subsdios para aperfeioar as condies do ambiente de trabalho. Nas organizaes, estas condies podem sofrer algumas variaes, segundo ao passo em que acontecem. Em determinados momentos, Lida aponta que so de grande alcance e importncia, interagindo com o conhecimento dos vrios setores administrativos e conseqentemente dos vrios profissionais que envolvem essas organizaes.

    Entre esses profissionais da rea de ergonomia, destacamos sobe o ponto de vista de Lida (2005):

    Mdicos do trabalho: auxiliam na identificao dos ambientes de trabalhos que geram acidentes ou doenas ocupacionais;

    Engenheiros de projeto: auxiliam, especialmente no mbito mais tcnico, transformando o maquinrio adequado para o ambiente de trabalho;

    Engenheiros de produo: colaboram incisivamente para a organizao do trabalho como um todo, constituindo um fluxo mais produtivo e sem erros nos procedimentos nos ambientes de trabalho;

    Tcnicos em segurana do trabalho: localizam ambientes e maquinrios em situao de grande potencial de insalubridade (risco) para os funcionrios;

    Designs industriais: auxiliam na adequao de maquinrio e ferramentas, projetando assim os ambientes de trabalho mais seguro;

    Analistas de trabalho: auxiliam, principalmente na anlise de metodologias, prticas, tempos para melhor adequar os ambientes de trabalho;

    Psiclogos: interagem com a apreciao dos procedimentos, seleo e treinamento do funcionrio, podendo auxiliar na fundao de novas metodologias que visem segurana e conforto no ambiente de trabalho;

    Enfermeiros/ fisioterapeutas: colaboram na recuperao de funcionrios com qualquer tipo de doena ocupacional;

    Programadores responsveis pela produo: colaboram para conquistar a designao de um fluxo mais ajustado do ambiente de trabalho, erradicando os possveis retrabalhos e trabalhos

  • desgastantes; Gestores: investigam novas formas de adequar plano de cargos e

    salrios mais justos, auxiliando no bem estar do funcionrio; Compradores: responsvel pela compra de maquinrios,

    ferramentas e materiais mais seguros.

    Vrios desses profissionais j citados por Lida tiveram alguma chance de conviver com essa temtica em cursos de ps-graduao, por exemplo, e se especializaram para agir profissionalmente neste campo que se trata da ergonomia, como vocs futuros Tecnlogos em Segurana do

    Trabalho esto fazendo agora!! Por isso fiquem atentos a essa temtica to importante!!

    Atualmente Lida retrata que o verdadeiro alcance e efeitos mais velozes so a finalidades sob a composio de um especialista no mbito da ergonomia a fim de compor um cenrio na organizao em que trabalha.

    Ele sabe quando e porque deve ser convidado cada um desses profissionais, para determinar as dificuldades.

    Sendo essa uma afirmativa, Lida dialoga da seguinte forma, sendo este indispensvel ao apoio e suporte da alta gesto da organizao a fim de promover a facilidade, coragem ou at mesmo determinar a incluso de todos esses profissionais na resoluo de dificuldades ergonmicas. Apesar disso, vale ressaltar que cada um deles tem uma linha de atividade prpria e fundamental no mbito da organizao, com o intuito de deixar seguro o ambiente de trabalho.

    Para Lida o melhor modo de realizar isso com a promoo de reunies recorrentes, de curto tempo, com esses profissionais, para debater opinies, propor solues e conseqentemente mant-los avisados sobre o progresso dos trabalhos realizados.

    Veremos agora a contribuio da ergonomia, de acordo com o momento em que composta, podendo levar as seguintes nomenclaturas: de concepo, correo, conscientizao (Wisner, 1987) apud Lida (2005) e participao conceitos dados por Lida (2005).

  • Ergonomia de concepo

    Segundo Lida, acontece esse tipo de ergonomia quando h uma contribuio ergonmica de fato, realizada durante o projeto ou concepo de um produto, de um maquinrio, ambiente do posto de trabalho. Para Lida esta a melhor circunstncia, visto que no ambiente de trabalho vrias so as necessidades que podero ser vastamente analisadas, entretanto, alm disso, se determina maior informao e conhecimento, porque as decises so adotadas como pilar em circunstncias s vezes incertas, mesmo sem uma oposio concreta.

    Brandamente, essas circunstncias podem ser apresentadas pela informtica atravs de programas especficos, com utilizao de modelos de softwares virtuais em 3D, 4D entre outros.

    Resumindo abaixo segue uma representao da ergonomia de concepo:

    Ergonomia de correo

    Conforme Lida empregada em circunstncias reais, j praticada, a fim de solucionar dificuldades que reflitam segurana, fadiga, doena ocupacional de um modo geral. Vrias vezes, a sada mais correta no se trata de uma sada perfeitamente coerente, por isso que ela pode determinar e demandar um gasto d energia muito superior na sua implantao.

    Em certos momentos, h alguns progressos relata Lida, como sendo uma promoo de alterao das posturas dos funcionrios, emprego de aparelhos para promover a segurana e ampliao da iluminao podem ser praticadas com coerente eficcia enquanto, em outros momentos, com a diminuio da responsabilidade mental ou at mesmo de barulhos, tornam-se muito complicado.

    Resumindo abaixo segue uma representao da ergonomia de correo:

  • Ergonomia de conscientizao por (Wisner, 1987) apud Lida (2005)

    Para Lida esta especificidade da ergonomia busca habilitar os funcionrios envolvidos da tarefa da organizao no intuito de compreender e retificar as suas dificuldades do cotidiano ou mesmo aqueles de carter urgente. Tendo em vista que as dificuldades ergonmicas no so inteiramente resolvidas. Por conta de novas dificuldades que podero emergir a qualquer perodo, em se tratando da prpria dinmica instvel do ambiente de trabalho. Acabam incidindo deteriorao do prprio maquinrio e ferramentas, transformaes inseridas pelos servios de conservao, modificao da linha de produtos e tambm do processamento que envolve a produo, ingresso de novas aparelhagens, transferncia de funcionrios dentre outros. Lida nos convida a seguinte reflexo, pontuando que as sbitas situaes podem emergir a qualquer ocasio e os funcionrios devem procurar estarem organizados para submet-los. Profere-se que o processo produtivo e os ambientes de trabalho igualam-se a mecanismos vivos (seres vivos) em constante mutao e adequao. Assim sendo, significante conscientizar o tempo todo os funcionrios, por meio de cursos, palestras, vivncias, workshopings de treinamento e assduos momentos de reciclagens profissionais, ensinando-o a melhor e mais saudvel forma de trabalhar seguramente, distinguindo as ocasies de maior risco que pode aparecer a qualquer ocasio.

    Resumindo abaixo segue uma representao da ergonomia de conscientizao:

    Ergonomia de participao

    Sob a luz de Lida a ergonomia de participao busca abranger o prprio funcionrio no conceito da tarefa envolvida, na resoluo de dificuldades ergonmicas. Podendo ser o prprio funcionrio, no fato de um ambiente de trabalho ou at mesmo cliente, no momento de produo para ser consumido. Esse comeo fundamentado na confiana de que eles sejam donos prvios de um conhecimento experiente, cujos pormenores podem passar despercebidos ao olhar da ergonomia. Diante de vrios procedimentos ou produtos no so operacionalizados no modo coerente, ou simplesmente, como foi concebido, estruturado e sugerido a sua prtica por seus ergonomistas.

  • 3. DESPESAS E RETORNOS DA ERGONOMIA

    Os gastos com ergonomia, que antes eram considerados sem retorno, hoje mostram para ns que era uma viso administrativa errada. Mafra cita, mostrando para ns que o investimento em ergonomia inicialmente se deu atravs da exigncia legal.

    Os empresrios seguiam essas orientaes com a finalidade de cumprir a lei, se preocupando apenas com o gasto imediato que isso provocaria, sem atentarem para o retorno econmico, produtivo e em qualidade que poderia aparecer com a ergonomia. sabido que a ergonomia traz benefcios reais aos negcios.

    Ento, vrios ergonomistas reconhecidos no mercado informam que o maior problema mostrar, de uma forma objetiva, para as empresas e organizaes o quanto a interveno ergonmica vivel. No caso dos empresrios eles esto preocupados principalmente com a viabilidade econmica da ergonomia.

    Investir em ergonomia significa mais segurana, sade e conforto para os colaboradores. E isso, claro, tem que ocorrer em funo de equipamentos e ambientes adaptados s normas, alm de palestras sobre postura adequada e informando a importncia das sees de alongamento promovidas ao longo do dia no ambiente laboral.

    Utilizando-se da ergonomia a empresa atende legislao vigente e ainda reduz as despesas com sade, multas e at com processos trabalhistas.

    A Ergonomia, aliada ao movimento de Gesto de Qualidade, uma base para a melhoria contnua dos processos produtivos. Porm, diferentemente da qualidade, que uma exigncia de mercado (Normas ISO), a Ergonomia tem, no Brasil, exigncia de lei, pela Norma Regulamentadora 17 (NR-17), do Ministrio do Trabalho e Emprego.

    Ponto chave

  • Os questionamentos principais entre ergonomistas e empresrios so citados abaixo:

    O custo de uma interveno ergonmica est relacionado com o tipo de trabalho realizado, o ambiente onde se realiza, as condies prvias da estrutura de trabalho, possibilidades de adaptaes, perfil dos funcionrios, etc. importante lembrar que o prprio oramento fornecido pelo ergonomista s deve ser vlido aps uma visita e avaliao a todos os locais da empresa que sofrero intervenes. Inclusive alguns ergonomistas, j reconhecidos no mercado, cobram financeiramente das empresas o prprio oramento.

    Relacionados ao tempo despendido para orar. Levando em considerao o momento de incio da interveno, deve ser observado o grau de deteriorao do ambiente de trabalho a ser avaliado, pois, em alguns casos, possvel e at recomendvel realizar pequenas correes (o que pode, de uma certa forma, justificar a cobrana do oramento).

    Atravs da conversa com os empresrios, pode-se inferir o grau de interesse desses indivduos no seu servio e ganh-los de vez no momento do oramento.

    O ponto de viabilidade ergonmica pode ser observado atravs de dois pontos de vista:

    Primeiro, a idia que a interveno ergonmica passa a ser vivel desde o momento de sua implantao, ou seja, desde o oramento. Pois esse fato indica inteno de melhora;

    Segundo ponto quando a empresa passa a economizar

    Quanto custa uma interveno ergonmica; Quando iniciar a interveno; Quando ela ser vivel economicamente; Como demonstrar uma situao subjetiva, com valores objetivos.

    Importante!

  • financeiramente com a egonomia. Quer dizer que o momento em que a economia financeira da empresa provocada pela interveno ergonmica, supera ou iguala o investimento da empresa nesta interveno. Esse momento da interveno muito difcil de ser determinado, pois existem vrios fatores que podem influenciar. Desde fatores internos da prpria empresa (alterao do objetivo, por exemplo) ou fatores externos (crises no mercado financeiro, por exemplo). O ergonomista deve ser bastante criterioso ao divulgar uma data para atingir este ponto. Dever divulgar uma previso no momento do oramento e periodicamente tentar mostrar resultados que o aproximem da previso.

    Outra situao difcil a demonstrao econmica dessa melhoria, que inicialmente subjetiva, mas os empresrios querem visualizar resultados objetivos, seja atravs de grficos ou de planilhas. Existem alguns caminhos para demonstrao dessas vantagens. Uns se utilizam de um modelo de caso de negcio, outros utilizam estruturas mais elaboradas ou qualitativas. Sendo, talvez, a principal delas, as abordagens atravs de planilhas. Alguns autores exemplificam essa dificuldade, alm de mostrar que no h ainda uma ferramenta administrativa, financeira para demonstrar os custos/benefcios da interveno ergonmica.

    Stanton e Baber (2003) mencionaram que um dos estudos clssicos de efetividade de custos da ergonomia ocorreu nos anos 70, com o dispositivo de luz de freio colocada no centro e no alto do vidro traseiro nos automveis. Esse tipo de colocao da luz de freio oferece vantagens cognitivas sobre as luzes de freio convencionais. Estudos posteriores mostraram que os custos eram pequenos (US$ 10 por carro) e os benefcios bem maiores (estimados em torno US$ 900 milhes de economias anuais) do que tinham sido antecipados.

    Os ergonomistas lamentam que nem todas as intervenes sejam de justificativas to claras quanto essa.

    Nesse sentido, Hendrick (2003) argumenta que o ergonomista profissional precisa colocar suas propostas ergonmicas em termos econmicos, ou seja, necessrio falar na mesma linguagem, j que as decises a respeito de mudanas devem ser racionalizadas em bases financeiras. So identificadas trs categorias principais para a informao financeira:

    Custos poupados identificao correta do problema raiz: ao invs de gastar dinheiro corrigindo o problema errado, procurar aumento da

  • produtividade, reduo de danos, melhoria no moral, aumento de competncia, entre outros;

    Custo evitado perda de vendas, aumento do treinamento, melhoria de suporte e manuteno, melhoria nas taxas de rejeio;

    Novas oportunidades projetos de sistemas flexveis, expanso de mercados para negcios e maior mbito de usurios.

    Pode-se utilizar a Anlise Ergonmica para fazer uma anlise e previso dos custos e do possvel retorno da interveno ergonmica.

    Na viso econmica de grande parte dos empreendimentos, primeiramente implica numa viso mais ampla da conjuntura e da posio relativa da empresa dentro desse contexto, ou seja, traa-se o histrico e a caracterizao da empresa no estado anterior dentro de um cenrio mais amplo.

    Num segundo momento, passa-se a avaliar as condies internas de operacionalidade, apontando-se uma Estimativa Inicial, que ser a estimativa de Custo Ergonmico, seguida pela identificao dos problemas com as perspectivas de custo, o que culminar com o mapeamento dos problemas identificados em determinadas situaes. Situao ideal para se montar o Quadro de Custos Ergonmicos numa empresa. Com base nesse quadro de custos determinam-se os focos principais do quadro, o que podem ser indicadores de perdas ergonmicas na empresa. Baseado nesse quadro e seus focos, possvel prever os possveis ganhos (expectativas de retornos dos projetos) e fazer uma avaliao inicial de custo/benefcio. Aps as anlises sistemticas nos focos, ser possvel aferir, com mais preciso, os problemas e seus custos, revendo as expectativas de retorno dos projetos de transformao

    A dificuldade de adequao no desenvolvimento do trabalho ao trabalhador nem sempre tem uma resoluo simplicista, informa Lida (2005) que possa ser solucionado na primeira experincia de resoluo do problema.

    Lida aponta que comumente trata de uma dificuldade complicada, com vrias partidas e chegadas, para o qual no existe resposta padres, praticamente formuladas. Os estudos munem de um estoque de

  • informaes, procedimentos de um modo geral, medidas fundamentais das necessidades fsicas e fisiolgicas do trabalhador e tecnologias para serem aproveitadas na concepo de um projeto e funcionamento dos maquinrios, metodologias e posto de trabalho.

    Em qualquer que seja a ocasio, a ergonomia destacada por Lida (2005) deve ser aproveitada desde as primeiras fases do projeto de um maquinrio, procedimento, ou posto de trabalho. Sendo que os procedimentos devem sempre abranger o funcionrio como um de seus elementos. Assim sendo, as necessidades do funcionrio trazidas por Lida devem ser analisadas em conjunto com as necessidades ou excees dos componentes automticos, dos seus procedimentos e melhor ambiente de trabalho.

    Torna-se imprescindvel muitas vezes aceitar que determinadas resolues sejam de comum acordo no mbito da ergonomia, isso implica dizer que aquilo que importante, dentro das excees inerentes, mesmo que no seja a proposta imaginada e pr-concebida pelos gestores da organizao. Essas excees apontadas por Lida (2005) normalmente incidem no comando econmico, prazos estabelecidos ou, facilmente, costumes conservadores. Nesse sentido, a condio mais significante no se deve realizar pelo simples consentimentos, como o exemplo da segurana do ambiente de trabalho, visto que no existe coisa nenhuma que pague as aflies, mutilaes e desgastes no esforo em atividade desenvolvidas nos postos de trabalhos de alto risco.

    Primeiramente, Lida aponta que as aplicaes da ergonomia limitaram-se no primeiro momento no campo da indstria e logo em seguida ao setor militar e tambm aeroespacial, ultimamente, atingiram-se no campo da agricultura, setor de servios e tambm no cotidiano das pessoas. Isso determinou novas informaes, como as caractersticas de trabalho desenvolvidas pelas mulheres, pessoas de terceira idade e portadores de quaisquer deficincias.

    Ergonomia aplicada na indstria:

    Vale ressaltar que a ergonomia colabora para melhoria da eficincia no trabalho, a credibilidade e a qualidade na execuo das tarefas industriais. Isso pode ser realizado essencialmente por trs acessos, vejamos os pontos importantes destacados por Lida (2005):

  • Aprimoramento da interface homem-mquina-ambiente, Organizao correta de conduo do trabalho, e Melhora ma qualidade dos postos de trabalho.

    O aprimoramento da interface homem-mquina-ambiente trazida por Lida pode acontecer tanto na etapa de projeto de maquinrios, ferramentas e ambientes de trabalho, como na iniciao de transformaes em procedimentos j praticados, adaptando-os s habilidades e excees do prprio funcionrio.

    Pode-se citar como exemplo uma cabine de um carro transportador, relata Lida (2005) utilizada em uma companhia siderrgica, deparava com inmeros problemas de ordem operacional. Essa cabine, para Lida (2005) tinha os botes dispostos de maneira imprpria, do lado do operador deste carro, dificultando sua viso para a manipulao correta dos botes, e assim inutilizando os procedimentos de suas tarefas, que derivavam em habituais batidas entre o carro e o material a ser transportado, que precisariam ser levantados com o auxlio do carro transportador. A sugesto, citada por Lida (2005) para a transformao da posio dos botes para ajudar na viso do funcionrio sobre a conduo dos botes para o melhor movimento da cabine, foi considerado mnimo, ou seja, um investimento que seria reconquistado em cerca de algumas semanas de tarefa.

    Um segundo grupo de desempenhar a ergonomia est pautada conforme Lida com os atributos organizacionais do ambiente de trabalho, buscando diminuir a sensao de fadiga e monotonia, especialmente pelo cancelamento da execuo do trabalho de forma muitas vezes em tarefas mecanicistas estabelecidas ao funcionrio, e a carncia de motivao provocada pela insuficiente interao do mesmo nas deliberaes sobre o ambiente organizacional, vemos aqui um breve resgate as idias aplicadas por Taylor idealizador da escola cientfica, que ser discutida mais frente por este material.

    Uma terceira condio segundo Lida se trata do progresso que desenvolvido pelo diagnstico das condies dos postos de trabalho, como terapeutas ocupacionais, excesso de rudos, gases poluentes e pouca iluminao. Exemplificando, podemos destacar uma iluminao

  • precria em um dado posto de trabalho que exija bastante iluminao para que se consiga uma preciso da mesma, pode ser muito exaustivo.

    O bom emprego ordenado da ergonomia no campo industrial realizado aproximando-se dos postos de trabalho onde inseri dificuldades ergonmicas mais problemticas. Podendo ser distinguidos por sintomas como: erros excessivos, acidentes na execuo das tarefas, doenas ocupacionais, absentesmos (excessos de faltas) e rotatividade (tournoover) dos funcionrios. Diante de tantos elencos de sintomas podem estar acontecendo uma no-adaptao dos maquinrios, erros na organizao dos postos de trabalho ou falhas nas tarefas, que geram dores fsicas e conflitos psquicos nos funcionrios derivando todas essas doenas ocupacionais

    Ergonomia no campo da agricultura, minerao e engenharia civil:

    A ergonomia no campo da agricultura, minerao e engenharia civil ainda no acontecem com a amplitude aconselhvel, carecendo de modo aparentemente disperso dessas atividades e tambm a insuficincia capacidade de organizao e exigncia dos profissionais de minas, garimpos, profissionais do campo e da construo civil. Do mesmo modo que se pode proferir tambm ao setor petroqumico, que tem grande participao econmica e ativa no territrio brasileiro como um todo.

    Determinadas pesquisas, aponta Lida (2005) que tm se levantados dados de negcios empresariais no setor agrcola.

    H afazeres que incluem os servios de colheita, transporte e armazenamento de produtos.

    Trazendo como panorama o nosso prprio pas, h vrios estudos que foram desempenhados sobre os cortadores de cana-de-acar, em virtude de uma grande expanso nesse setor desde o perodo colonial, destaca Lida (2005).

    A nfase dessa pesquisa se d tambm sobre as implicaes malficas e perigosas dos agrotxicos sobre a sade de seus trabalhadores. De modo recente, dificuldades anlogas esto passando a existir com os trabalhadores em garimpos, devido o contgio com o mercrio, na tarefa de garimpar.

  • No mbito da construo civil seguindo a linha de pensamento de Lida aspira uma grande parcela de trabalhadores como um todo na sociedade, comumente as pessoas com menor escolaridade. Este tipo de trabalho acaba incidindo em tarefas intensas e danosas a sade. Em virtude dessa realidade inmeras empresas do setor de construo civil j conseguem ter um arranjo organizacional hbil e tarefas bem elaboradas, no entanto, infelizmente esse cenrio acaba no incorporando a maioria das construtoras, abarcando empresas de pequeno porte e tambm as informais, de um modo mais contundente.

    Deste modo, para Lida (2005), no campo da agricultura, do minrio e no campo da rea civil, alocam-se grande parte das tarefas mais intensas, devido anlise citada anteriormente. Os maquinrios e equipamentos conforme Lida fazem parte desses setores so de uma totalidade muito incipiente e arcaica, e necessitariam de passar espantosamente por inmeros aprimoramentos com base nas concepes ergonmicas j estudadas e trabalhadas.

    Ergonomia para a rea de servios:

    Na rea de servios a modernidade impera a todo instante. Em virtude da chegada de uma era onde mquinas tomam posse de postos de trabalhos no campo da agricultura e h uma crescente robotizao no campo da indstria, os trabalhadores bem preparados dessas reas j citadas esto sendo esmagados dia aps dia pelo setor de servios em forte crescimento no mercado. O campo de servios vem aumentado, instituindo novas tendncias no mercado em constante e crescente dinamismo. Podemos tomar como exemplo, a ampliao de diversas mdias interativas como a Internet, que no sculo XX, pode ser considerada com um grande play, o que acabou originando profisses e servios at ento nunca imaginada. Progresso esse to significativo que talvez pudssemos comparar com a grande popularizao e massificao da telefonia celular. A ergonomia vem dialogando com muitos projetos e programas de sistemas de informao, anlise e maturao de informaes, projeto em seus perifricos, como: teclados, mouses, telas de computadores, e at em adequaes nos postos de execuo do trabalho, enfim uma infinidade de reas. A ergonomia est inserida desde o contexto de prestao de servio sade at a de um plo industrial. Por esse dois tipos de servios

  • contarem com bem elaborados maquinrios que de forma alguma podem descansar, na incluso de diversos trabalhadores que inmeras vezes so alocados em seus postos de trabalhos atravs de turnos de trabalho ininterruptos, por conta disso treinamento e acompanhamentos ergonmicos sero necessrio a toda equipe de trabalho. Os estudos ergonmicos podem ser aplicados tambm a servios como: bancos, supermercados, faculdades, entre outros.

    Ergonomia no dia-a-dia das pessoas conforme a viso de Lida (2005):

    Pasmem a ergonomia tem conquistado seu espao para melhorar nos auxiliar no cotidiano de nossas vidas, revolvendo de forma saudvel e prtica os modos de execuo das tarefas de forma mais adequadas e 100% seguras, por exemplo, podemos citar o mobilirio, equipamentos eletroeletrnicos de nossas residncias a cada dia que passa vo se tornando mais confortvel e seguros conviver com todos eles, o que podemos chamar de grande evoluo.

    Pesquisas pontuam que hoje h uma ramificao da ergonomia que j se preocupa com os testes de qualidade dos produtos e servios ofertados para o consumo de um modo geral. Podemos encontrar esses servios esto junto aos rgos de defesa dos consumidores, que analisam, julgam, ponderam a atuao e performance dos produtos e servios, divulgando assim para toda a sociedade.

    Nos casos de produtos que apresentam riscos e maiores danos para a sociedade, como as turbinas de avies, fundamental haver uma preparao e conversa prvia com o fabricante desse componente, para que haja um teste em um rgo de pesquisa especfico para esse fim. Caso no haja esse teste previamente, o fornecedor deste produto ficar ento impossibilitado de comercializar tal produto. Isso acontece com maior freqncia, naqueles produtos ligados e com forte propenso a causar algum tipo de dano a sade e segurana a sociedade de um modo geral.

    Fica ento a clara percepo de que a ergonomia no est diretamente ligada ao campo industrial. At porque fica claro e evidente discutir as pesquisas ergonmicas em diversos campos de atuao, o que acaba contribuindo para melhoria no s dos nossos lares e residncias, como tambm na prpria lgica do movimento da sociedade, auxiliando pessoas de terceira idade, crianas em suas diversas idades, e no

  • podendo esquecer das que possuem algum tipo de deficincia fsica entre inmeras situaes.

    PAPEL SOCIAL DA ERGONOMIA

    A ergonomia tem como objetivo principal resolver uma grande parcela das dificuldades encontradas pela sociedade no que diz respeito ao campo da sade, segurana, comodidade e eficcia (efeito absoluto) afirma Dul (2004). Inmeras situaes de acidentes acabam sendo originadas em virtude dos erros das prprias pessoas. Possivelmente os acidentes envolvidos com avies, carros, tratores, tarefas do lar e tantos outros, podem estar relacionado com a no prtica da ergonomia em seus componentes. Ao analisar desse ponto de vista pode-se concluir algumas possveis causas do mecanismo inapropriado entre os executantes e suas operaes. A expectativa de acontecimento dos acidentes pode ser minimizada quando se respeitam apropriadamente as habilidades e barreiras do prprio ser humano e sendo assim acabam compreendendo as notrias distines do prprio projeto e conseqentemente o ambiente de trabalho.

    No decorrer das nossas tarefas nos deparamos com inmeras situaes de risco, sejam elas nos prprio ambiente de trabalho ou at mesmo em nossas casas. As doenas ocupacionais que envolvem principalmente dores nas costas, e no podemos nos esquecer daquelas dores de ordem psicolgicas como o estresse, constituindo assim para elevar ainda mais os grficos de absentesmo e de no possibilidade de executar a tarefa de trabalho, para inmeras empresas. Aes essas que podem ser aplicadas sob pena da m utilizao do projeto de layout de determinada empresa, como, por exemplo, no podendo esquecer claro de um dos grandes viles para a ergonomia que se trata da m utilizao de maquinrios e equipamentos ligados a tarefas dos funcionrios. Por conta disso a ergonomia vem contribuindo significativamente para minimizar e tambm erradicar qualquer tipo de problema dessa ordem. Compartilhando com a importncia da ergonomia, inmeras naes j se preocupam em alocar seus ergonomistas em boa parte dos servios prestados sociedade.

    Por fim fica evidente que a ergonomia nos auxilia junto preveno de possveis erros, melhorando substancialmente a atuao seja em qualquer atividade. Um exemplo bem explorado o da mquina de lavar

  • roupas usadas em residncias, que no inicio causou alguns problemas para as donas de casa, em virtude de grandes acidentes terem acontecidos devido a uma no existncia de uma programao que desligasse a mquina quando alguma pessoa abrisse sua tampa em funcionamento. No projeto de reviso e nova concepo da mquina de lavar a ergonomia aparece trazendo grandes contribuies no que diz respeito, a um novo programa que inibisse a mquina no momento em que a dona de casa simplesmente quisesse abrir o seu compartimento da tampa a fim de colocar algum produto no processo de lavagem. Mais uma vez a ergonomia surge no nosso cenrio como sendo um do fator de grande relevncia na diminuio considervel dos possveis erros funcionais, acabando assim por vez a incidncia de acidentes com a mquina de lavar roupas.

    A ergonomia chega a tal magnitude que foram transformados em normas oficiais, com o intuito real e pragmtico de suscitar a aplicabilidade ergonmica. Estas normas ergonmicas podem ser encontradas na ISSO (International Standardization Organization), ou tambm nas normas europias como a EM da CEN (Comit Erupen de Normalisation), ao mesmo passo que tambm nas normas nacionais, como sendo a norma ANSI (Estados Unidos) e BSI (Inglaterra), relata Dul (2004). Alm do mais, h normas particulares de aplicao ergonmica no que tange as empresas dos setores de ramo industriais conforme Dul (2004).

    No nosso pas o Brasil, tambm contamos com uma norma ergonmica, que se trata da Norma Regulamentadora a NR 17-

    Ergonomia, Segundo a Portaria n 3.214 de 8.6.1978 do Ministrio do Trabalho, foi trocada pela Portaria n 3.571 de 23.11.1990 do

    Ministrio do Trabalho.

    Um ponto de grande relevncia para a aplicabilidade da ergonomia est no que se insere a recomendao de equipamentos de seguranas (EPIs), projetos e aes que devem ser cumpridas de um modo geral. A ergonomia lida com inmeras particularidades, sejam elas no modo individual ou no modo total, os planos ergonmicos, geralmente, convencionou-se a cumprir cerca de 95% dessa totalidade, conforme Dul (2004). O que acaba implicando cerca de 5% da sociedade, segundo Dul (2004) como as pessoas acima do peso, com alturas elevadas, ou mesmo aqueles pequenos de mais, mulheres em situao de parto, pessoas na terceira idade ou os portadores de deficincias, sendo os planos

  • ergonmicos de uso grupal, ressalta Dul (2004). Em virtude dessas particularidades, importante e fundamental promover projetos ergonmicos personalizados para esse pblico to especfico.

    Diversas naes, retrata Lida (2005) e especialmente as naes europias, h uma grande obstinao em propagar as informaes basilares da aplicabilidade no que diz respeito ergonomia para uma expressiva parcela da sociedade. Os rgos de classes ou tambm chamados de sindicatos executam uma tarefa importante e fundamental na procura em conscientizar os profissionais, divulgando informaes a cerca dos ambientes danosos sade desses profissionais, para que eles no possam se submeter a tarefas que exponham as suas sade e proteo fsica, ressalta Lida (2005). Alm de ter como tarefa propagar os efeitos de um trabalho danoso sade do trabalhador, fica sobe orientao desses sindicatos a elaborao e encaminhamento de cartilhas educativas e tambm na promoo de palestras para os trabalhadores. O que j uma constante em inmeros pases tambm contar com o apoio de rgos de defesa dos consumidores, que tem como propsito maior, sempre procurar chamar a ateno dos mesmos a respeito de produtos e/ou servios que acabem causando qualquer tipo de dano sociedade como um todo, por isso devemos sempre nos informar sobre o rgo de defesa do consumidor que esteja alocado em sua regio.

    Sabe-se que a ergonomia conta com um aliado muito forte, o instrumento: pesquisas que geralmente acontecem por meio de universidades e rgos de pesquisa que se preocupem em estudar sobre essa temtica. Essa reunio de dados e conhecimentos coletados, segundo Lida (2005), primeiramente so divulgados atravs de feiras e congressos cientficos e tambm como produto final dessas pesquisas, pode-se ocorrer brilhantes publicaes em peridicos cientficos, em forma de artigos, dissertaes e teses sobre esta temtica.

    No que tange a difuso do conhecimento cientfico e a sociedade de um modo geral, a Associao Internacional de Ergonomia, comenta Lida (2005) que preocupada com essa propagao de conhecimento estabelece apenas cinco nveis de como difundir esses conhecimentos, vejamos os nveis apud Lida (2005):

  • Nvel 1: conhecimento igual a um nmero pequeno de pesquisadores e professores.

    Nvel 2: conhecimento fruto de pesquisas por especialistas da rea sejam eles estudantes de ps-graduao.

    Nvel 3: conhecimento tambm originado por estudantes de nvel superior.

    Nvel 4: conhecimento tambm se d por intermdio de executivos, governo e pessoas em geral, que tomam decises de interesse geral.

    Nvel 5: conhecimento igual ao processo informativo que ser veiculado por toda a sociedade.

    Por conta dessas informaes, possvel evidenciar que at o nvel 3, de acordo com Lida (2005) que os conhecimentos perpassam exclusivamente por intermdio dos pesquisadores e estudantes de nvel superior. Em direo ao nvel 4, Lida (2005) aponta que o conhecimento toma vos mais altos, pois so vinculadas as pessoas que no so necessariamente da rea de estudo. No nvel final, Lida (2005) nos chama a ateno sobre como as prateleiras do mercado p. 16, ou seja, se tomarmos como aluso a um po bem fresquinho chegando as nossas mesas de manh bem cedinho, pois assim fica disponvel a qualquer pessoa tomar conhecimento sobre o assunto ergonomia. Sabe-se que por meio de vrios autores que estudam a temtica ergonomia, as nomenclaturas que identificam cada um dos nveis podem receber diversas denominaes. Tendo como base a trajetria de todos os nveis, fica evidente que para se formar um conjugado de conhecimentos em se tratando de ergonomia, a linha do tempo que se forma para expandir todo esse conhecimento mais complexo e por isso acaba que demorando chegar nas residncias da populao.

    Temos como base algumas informaes no que tange cada um de seus nveis, e por conta desses dados sabe-se que em alguns pases do primeiro mundo, a temtica ergonomia j conseguiu alcanar os nveis 4 e 5, conforme Lida (2005), pelo fato dos conhecimentos j se alocarem em uma esfera que a legislaes e normas tcnicas insere e aplica todos os seus conhecimentos. No entanto em nosso pas o Brasil, pode apreciar que apenas foi alcanado o nvel 1 em contra partida corre a passos lentos em caminho aos nveis 2 e 3, ressalva Lida (2005).

    importante levar em considerao que a contribuio ergonmica pode

  • acabar sofrendo oscilaes, devido a sua amplitude, intensidade e alcance do prprio tema, que tem como um de seus grandes focos analisar o posto de trabalho.

    Analisando os sistemas, segundo o olhar de Lida (2005):

    Esta apreciao, conforme Lida tem o cuidado e por que no dizer a cautela em gerir uma equipe no seu trabalho desde que utilize um ou mais maquinrios. Compreende diversas amplitudes, desde a repartio de tarefas entre o funcionrio e o maquinrio, o uso de formas mecnicas na execuo do trabalho entre outras. Nesta anlise deve ponderar essencialmente se uma especfica tarefa deve ser destinada ao funcionrio ou ao prprio maquinrio, esta anlise deve compreender de forma planejada todos os custos envolvidos com cada opo (funcionrio ou maquinrio), competncia, segurana dentre outros.

    Analisando os postos de trabalho, segundo o olhar de Lida (2005):

    auferindo e concomitantemente analisando os postos de trabalho, conforme Lida (2005) que a ergonomia concebe sistematizar e ordenar de forma eficaz e sem danos a integridade fsica dos funcionrios o espao onde atua determinado (s) ambiente (s) de trabalho. A aplicabilidade ergonmica no que diz respeito a um posto de trabalho traz consigo particularidades importantes e fundamentais para o estudo do posto. Tendo como reflexo um estudo num posto sem complexidade, onde o funcionrio atua exclusivamente com um maquinrio, sendo assim a anlise deste posto deve acontecer de forma que integre a seguinte interface: homem-mquina-ambiente (interao desses trs elementos).

    Essa anlise um tanto quanto moderna em relao a outras anlises mais pragmticas, pois na abordagem mais pragmtica o que realiza o estudo do projeto pensa primeiro o arranjo local do maquinrio e depois que se interessa em alocar o profissional que ir manejar respectivo maquinrio, fazendo assim mnimas alteraes. Em virtude dessa lgica pragmtica, o que mais acontece a complexidade em transformar um maquinrio em funo da adaptao do funcionrio, por isso acabam acontecendo danos irreversveis para os funcionrios.

  • Caracterizao da forma de trabalhar sob uma ptica moderna, segundo o olhar de Lida (2005):

    Em tempos de hightec, tenologia e modernidade, so poucos os funcionrios que operam em tarefas que necessitem de plena fora fsica, no entanto especialmente ligados aos aspectos de informao e compreenso da melhor forma de trabalhar com especfico maquinrio. O modo de melhor conduzir o trabalho, conforme Lida (2005), nos remete pensar sobre o processo de compreender sua tarefa, memorizar passo a passo qual a melhor forma de executar especfica tarefa e utilizao das informaes a cerca de uma especfica tarefa ou ao.

    Infelizmente at nos dias de hoje, com toda uma modernidade a flor da pele, o conceito de trabalho modernizado a simples idia de um funcionrio que execute seu trabalho de forma sentada, operando um sistema computacional, se possvel em forma de painel, onde se utiliza quase nenhum esforo fsico e, portanto assim sendo essa realidade, sobrar tempo disponvel para liderar pessoas e tomar decises eficazes para qualquer organizao.

    Sabe-se que a ergonomia vem se modificando junto a grandes transformaes de conceitos histricos, pode-se assim ser considerada. Nas primeiras dcadas do seu surgimento os ergonomistas, destaca Lida (2005), foram reconhecidos inevitavelmente como apenas pesquisadores de botes (os chamados knogs). Por se preocupar naquela poca com apenas de uma mnima ou especfica parte do maquinrio. Num segundo momento, dialoga Lida (2005), que os ergonomistas passaram a serem enxergados como profissionais corretos e no mais uma farsa, tendo como foco o homem interligado ao maquinrio, no processo homem-mquina-ambiente. Num terceiro momento, enfatiza Lida (2005) que houve um boom da informtica e conseqentemente um boom dos ergonomistas, a partir de agora se inicia uma nova era onde os estudos e pesquisas relacionados s integraes homem-computador e a utilizao dos variados softwares esto sob o campo de pesquisa da ergonomia.

    Sabe-se que a era do trabalhador modernizado recebe a todo instante um bombardeamento de informaes, e por conta disso este trabalhador deve acrescer na tomada de decises. Na maioria das vezes, essa enxurrada de decises podem acabar decorrendo uma infinidade de riscos de percas, sejam elas produtivas ou at mesmo de vidas dos

  • profissionais, explicando o quo importante desenvolver modernas e contnuas pesquisas, estudos no que tange o tema ergonomia.

    Segundo Lida (2005), tem-se ainda como caracterstica do trabalhador moderno a face de realizar cada vez mais e melhores inter-relaes, no intuito de promover capacidades sejam elas pessoais, idiomas e culturas diferentes, na crescente relao entre as pessoas.

    A nova onda - Macroergonomia, segundo o olhar de Lida (2005):

    Lida (2005) aponta que o conceito ergonomia desbravou-se por todo o mundo. E por conta dessa ampliao, houve uma extenso em sua magnitude, o que acabou gerando uma nova denominao: a macroergonomia. Indo de encontro a esse ponto de vista, a ergonomia toma parmetros macros, onde h uma aplicabilidade da tecnologia seguindo uma interface homem-mquina, num nvel amplo, macro, seja ela em toda a empresa. Tendo como base um cenrio dinmico e global que toda e qualquer empresa est inserida, a ergonomia por conta dessa magnitude deve envolver-se com o todo e no exclusivamente com as partes. Deste modo, a ergonomia passou a ter e interagir com novas vises, onde a concepo e gesto de forma ergonmica de qualquer execuo do trabalho andam de mos dadas.

    Com este novo olhar ergonmico, as decises referente a este campo, por incrvel que parea ser partem dos nveis mais altos das empresas, o que implica em fatores de maior segurana, motivao, reduo de erros e conseqentemente acidentes, e acrscimo da produtividade na organizao em sua totalidade.

    A nova era da modernidade no trabalho acaba implicando um excesso de tecnologia. O que acaba impactando em novos postos de emprego, qualificao de funcionrios, layout dos postos de trabalho e insero de fundos para todos esses investimentos. A macroergonomia vem angariar pontos positivos melhorando substancialmente a abordagem micro e especfica de alguns modos de trabalhar, sejam eles individuais ou em coletividade.

  • PAPEL DO ERGONOMISTA

    O ergonomista hoje um profi ssional que a cada dia vem sendo mais solicitado nas empresas, por um motivo legal, pois algumas defesas judiciais e avaliaes so melhor elaboradas e mais aceitas quando feitas por um ergonomista e, por outro lado, pela melhora da qualidade do trabalho, segundo os prprios trabalhadores.

    Os ergonomistas so profissionais de diversas reas que se especializam em ergonomia e contribuem para o planejamento, projeto e a avaliao de tarefas, alm de avaliarem postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas com a finalidade de compatibilizar o trabalho com as necessidades, habilidades e limitaes das pessoas.

    Segundo a IEA International Ergonomics Associacion, por meio da ABERGO (Associao Brasileira de Ergonomia), o ergonomista, atravs das suas competncias, o indivduo que:

    1 Investiga e avalia as demandas de projeto ergonmico no sentido de assegurar a tima interao entre trabalho, produto ou ambiente e as capacidades humanas e suas limitaes:

    1.1 - Entende as bases tericas para planejamento ergonmico e checagem da situao de trabalho; 1.2 - Aplica abordagem sistmica em suas anlises; 1.3 - Entende as exigncias para a segurana, os conceitos de risco, avaliao de riscos e gerenciamento de riscos; 1.4 - Entende e pode conviver com a diversidade de fatores que influenciam desempenho humano e qualidade de vida e suas interrelaes; 1.5 - Demonstra uma compreenso de mtodos de mensurao pertinentes para avaliao e projeto em Ergonomia; 1.6 - Reconhece o escopo pessoal de competncia.

    2 Analisa e interpreta os achados das investigaes em ergonomia:

    2.1 - Avalia produtos ou situaes de trabalho em relao a expectativas de desempenho livre de erros; 2.2 - Aprecia o efeito de fatores que influenciam a sade e o desempenho humano;

  • 2.3 - Consulta de forma adequada observaes e interpretao de dados de seus levantamentos; 2.4 - Analisa diretrizes, normas e legislao relativas s variveis que influenciam a atividade; 2.5 - Toma decises justificveis mediante critrios pertinentes que influenciam um novo projeto ou as solues de um problema especfico.

    3 Documenta de forma adequada os achados ergonmicos:

    3.1 - Prov um relatrio sucinto em termos compreensveis pela Gerncia a que se vincula e apropriados ao projeto.

    4 Determina a compatibilidade da capacidade humana com as solicitaes planejadas ou existentes:

    4.1 - Aprecia a extenso da variabilidade humana que influencia o projeto; 4.2 - Determina as bases e a interao entre as caractersticas, habilidades, capacidades e motivaes, de uma pessoa, e a organizao, os ambientes planejados ou existentes, os produtos manuseados, equipamentos, sistemas de trabalho, mquinas e tarefas; 4.3 - Identifi ca reas e tarefas de alto risco potenciais ou existentes; 4.4 - Determina se um problema tratvel por uma interveno ergonmica.

    5 Desenvolve um plano para projeto ergonmico ou interveno ergonmica:

    5.1 - Adota uma viso holstica da ergonomia no desenvolvimento de solues; 5.2 - Incorpora abordagens que buscam a melhoria de qualidade de vida no ambiente de trabalho; 5.3 - Desenvolve estratgias para implementar um novo projeto que estabelea um local de trabalho saudvel e seguro; 5.4 - Considera alternativas para otimizar as interaes entre a pessoa e o produto, a tarefa ou o ambiente que possibilitem alcanar um bom desempenho; 5.5 - Desenvolve um plano balanceado para controle de risco; 5.6 - Comunica-se de forma efetiva com a Gerncia a que se vincula e as pessoas com quem interage profissionalmente.

  • 6 Faz recomendaes apropriadas para projeto ou interveno ergonmica:

    6.1 - Entende as hierarquias dos sistemas de controle; 6.2 - Esboa recomendaes apropriadas para projeto ou interveno; 6.3 - Esboa recomendaes apropriadas para o gerenciamento e a gesto organizacional; 6.4 - Faz recomendaes relativas seleo de pessoal; 6.5 - Desenvolve recomendaes apropriadas para educao, treinamento e desenvolvimento, baseadas em princpios ergonmicos.

    7 Implementa recomendaes para otimizar o desempenho humano:

    7.1 - Relaciona-se com a Gerncia a que se vincula e com as que assessora em todos os nveis de seu pessoal; 7.2 - Supervisiona a aplicao do plano ergonmico; 7.3 - Gerencia a implementao das mudanas.

    8 Avalia os resultados da implementao das recomendaes ergonmicas:

    8.1 - Monitora efetivamente os resultados do projeto ou interveno ergonmica; 8.2 - Produz reflexo ou pesquisa avaliativa relevante para a Ergonomia; 8.3 - Elabora julgamentos pessoais acerca da qualidade e efetividade de projeto ou interveno ergonmica; 8.4 - Modifica o programa de ergonomia conforme resultados de suas avaliaes, onde for necessrio.

    9 Demonstra comportamento profissional:

    9.1 - Demonstra um compromisso com uma prtica tica e com altos padres de desempenho e de atos em conformidade a exigncias legais; 9.2 - Reconhece foras e limitaes pessoais e profissionais bem como reconhece as habilidades de outros; 9.3 - Mantm conhecimento atualizado de estratgias nacionais e internacionais relevantes para a prtica de Ergonomia; 9.4 - Reconhece o impacto da Ergonomia na vida das pessoas. A qualificao de ergonomista se d atravs de um curso de especializao em ergonomia, pois no existem, no Brasil, cursos de

  • graduao para habilitao em Ergonomia. Alm disso, o indivduo deve atualizar-se periodicamente atravs de congressos e cursos.

    Ainda dentro destas caractersticas temos que o ergonomista contribui para o planejamento, projeto e avaliao de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas de modo a torn-los compatveis com as necessidades, habilidades e limitaes das pessoas.

    Dentro dessas caractersticas, conclumos que o ergonomista um profissional essencial s empresas, necessitando de atualizao constante.

    As certificaes em ergonomia comearam a ser discutidas em 1996 atravs da ABERGO.

    J existem quatro normas prontas para entrar em vigor, so elas:

    ERG BR 1000 que cria o sistema de certificao profissional; ERG BR 1001 estabelece as competncias focais para a ergonomia; ERG BR 1002 estabelece o cdigo de Deontologia; ERG BR 1003 estabelece a acreditao de programas universitrios de terceiro grau em ergonomia.

    Alm das normas, a ergonomia ja conta com normas internacionais ISO, criadas a partir de 1981, certificando atividades envolvendo o uso de dispositivos de informao.

  • REFERNCIAS

    ABRANTES, Antnio Francisco. Atualidades em Ergonomia Logsticas, Movimentao de Materiais, Engenharia Industrial, Escritrios. So Paulo: IMAN, 2004.

    AGRA, Caio. As perspectivas do trabalho multifuncional em processos de reestruturao produtiva. Dissertao de mestrado PPGA/UFRGS, maro, 1998.

    AKTOUF, Omar. A administrao entre a tradio e a renovao. So Paulo: Atlas, 1996.

    ALBRECHT, Karl. O gerente e o estresse: faa o estresse trabalhar para voc. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

    ALBUQUERQUE, L. e FRANA, As Estratgias de recursos humanos e gesto da qualidade de vida no trabalho: o stress e a expanso do conceito de qualidade total. So Paulo: RA, v.33, n.2, abr/jun. 1998. p. 40-51.

    ALBUQUERQUE, Lindolfo G. de. Estratgias de recursos humanos para a competitividade. In: VIEIRA, M. M. F. e OLIVEIRA, L. M. B. (Org.) Administrao Contempornea: perspectivas estratgicas. So Paulo: Atlas, 1999. p. 215-237.

    ALENCAR, Eunice Lima S. de. Desenvolvendo a criatividade nas organizaes o desafio da inovao. In: Revista de Administrao de Empresas, v.35, n.6, p.6-11, nov./dez. 1995.

    ALENCAR, Eunice Lima S. de. Promovendo um ambiente favorvel criatividade nas organizaes. In: Revista de Administrao de Empresas, v.38, n.2, p.18-25, abr./jun. 1998.

    ANTUNES, Elaine Di Diego e PINHEIRO, Ivan. A. Sistema de Promoo e Avaliao do Comprometimento Organizacional dedicado s empresas com Programas de Qualidade em pases de capitalismo tardio. In: VIEIRA, M. M. F. e OLIVEIRA, L. M. B. (Org.) Administrao Contempornea: perspectivas estratgicas. So Paulo: Atlas, 1999. p.187-211.

  • ARBACHE, J. S. e ALBUQUERQUE, L.C.C. Salrios indiretos: consideraes tericas e evidncias para o Brasil na dcada de 80. Relatrio de pesquisa. Coordenadoria de poltica social IPEA, RJ, 1993.

    ARBACHE, J. S. Uma introduo aos salrios indiretos no Brasil. In: Encontro Nacional de Estudos do Trabalho. So Paulo, 28 e 29 de setembro de 1995. Anais. p. 1297-1322.

    ARROBA, T.; KIM J. Presso no trabalho Stress: um guia de sobrevivncia. So Paulo: McGraw-Hill, 1988.

    ARROBA, Tanya; JAMES, K. Presso no trabalho-stress: um guia de sobrevivncia. So Paulo: McGraw-Hill, 1988.

    ASSIS, M. T. de. Plano de Benefcios optativos usado para atrair talentos. Jornal O Globo, Novembro de 1999, In: Revista Eletrnica de Recursos Humanos.

    BAKER, Edward M. Administrao do desempenho humano. In: JURAN, J. M.; GRYNA, Frank M. Handboock Controle da qualidade: componentes bsicos da funo qualidade. v. II. So Paulo: McGraw-Hill/Makron, 1991.

    BARNES, R. Estudo de movimentos e de tempos: projeto e medida do trabalho. So Paulo: Edgard Blcher, 1977.

    BELMONTE, Gecy. Indstria substitui reajustes salariais por benefcios. Jornal O Estado de So Paulo, Dezembro de 1999, In: Revista Eletrnica de Recursos Humanos.

    BERGAMINI, Ceclia W. Desenvolvimento de recursos humanos: uma estratgia de desenvolvimento organizacional. So Paulo: Atlas, 1990.

    BERGAMINI, Ceclia Witaker. Reviso crtica dos conceitos tradicionais de motivao e levantamento de um perfil motivacional brasileiro. So Paulo, 1983. Tese (Doutorado em Administrao) Faculdade de Economia e Administrao, Universidade de So Paulo.

  • BEULKE, Rolando e BERT, Dalvio Jos. Gesto de Custos e Resultado na Sade. Editora Saraiva, 1997.

    BNDES, CNI, SEBRAE. Indicadores de qualidade e produtividade na indstria brasileira, 1997. BNDES, CNI, SEBRAE. Rio de Janeiro: BNDES; CNI; Braslia. DF: SEBRAE, 1998.

    BOWDITCH, James L. Elementos de comportamento organizacional. So Paulo: Pioneira Thonsom, 2002.

    BORGES, L.O. Os atributos e a medida do significado do trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, v.13, n.2, p.211-220, 1997.

    BORGES, L.O. Significado do trabalho e socializao organizacional: um estudo emprico entre trabalhadores da construo habitacional e de redes de supermercados. Braslia, 1998. Tese (Doutorado em Psicologia) Universidade de Braslia.

    BRITO, Valria G. P. Comprometimento e stress no trabalho: um estudo do vnculo professor-universidade. Belo Horizonte: CEPEAD/FACE/UFMG, 1995. (Dissertao, Mestrado)

    CHIAVENATO, Idalberto. Introduo teoria geral da administrao. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

    -----. Administrao de recursos humanos: fundamentos bsicos. 5 ed. So Paulo: Atlas, 2003.

    ___. Manual de Ergonomia em casa. Rio de Janeiro. Qualitmark, 2004. CYBIS, Walter. Ergonomia e usabilidade: conhecimentos, mtodos e aplicaes. So Paulo: Novatec Editora, 2007.

    DANIELLOU, Franois. A Ergonomia em busca de seus princpios: debates epistemolgicos. So Paulo: Edgard Blucher, 2004.

    DUL, Juan. Ergonomia prtica. 2 ed. So Paulo: Edgard Blucher, 2004.

    FALZON, Pierre. Ergonomia. Editora Blucher, 2007.

    FIGUEREDO, Fabiana. Ginstica Laboral e ergonomia. Rio de Janeiro: Sprint, 2005.

  • GURIN, F. Compreender o trabalho para transform-lo: a prtica da ergonomia. So Paulo: Edgard Blucher: Fundao Vanzoline, 2001.

    KROEMER, K. H. E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

    LIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produo. 2 ed. So Paulo: Edgard Blucher, 2005.

    MARCONI, Mariana de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho cientfico: procedimentos bsicos, pesquisa bibliogrfica, projeto e relatrio, publicaes e trabalho cientficos. 6 ed. So Paulo: Atlas, 2001.

    MOEIRA, Daniel Augusto. Introduo Administrao da produo e operao. So Paulo: Pioneira, 1998.

    OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouas de. Sistemas, organizao e mtodos: Uma abordagem gerencial. 13 ed. So Paulo: Atlas, 2002.

    ROCHA, Geraldo Celso. Trabalho, sade e ergonomia. Ed. ABDR, 2004.