ANOMALIAS OU ABERRAES CROMOSSMICAS

  • Published on
    15-Jul-2015

  • View
    499

  • Download
    0

Transcript

ANOMALIAS OU ABERRAES CROMOSSMICASPROFESSORA FERNANDA

CARITIPO HUMANO NORMAL -Clulas somticas: 46 cromossomos 44A + XX 44A + XY -Gametas: 23 cromossomos 22A + X 22A + X 22A + Y

GENTIPO FENTIPO

TIPOScromossomos (3n - Triploidia; 4n - Tetraploidia) Raros foram os casos que chegaram a termo e, mesmo assim, eram de natimortos ou de morte neonatal A triploidia provavelmente resulta de falha de uma das divises da maturao no ovcito ou, geralmente, no espermatozide.

Euploidias - Alterao do conjunto de

Aberrao cromossmica mais freqente (20%) em abortos espontneos Retardamento severo do crescimento, letalidade precoce (max 5 meses) Nascimento de crianas com malformaes severas muito raro Geralmente causada pela dispermia (dois espermatozides - 1 vulo)

Aneuploidias - Alteraes no nmero (faltaou excesso de alguns cromossomos da espcie) causadas por erros nas divises celulares. H um aumento ou diminuio de um ou mais pares de cromossomos, mas no de todos A maioria dos pacientes aneuplides apresenta trissomia (trs cromossomos em vez do par normal de cromossomo) ou, menos frequente, monossomia (apenas um representante de um cromossomo).

O mecanismo cromossmico mais comum da aneuploidia a no-disjuno meitica, uma falha da separao de um par de cromossomos durante uma das duas divises meiticas. As consequncias da no-disjuno durante a meiose I e a meiose II so diferentes:

Quando o erro ocorre na Meiose I, os gametas apresentam um representante de ambos os membros do par de cromossomos ou no possuem todo um cromossomo.

Quando o erro ocorre na Meiose II, os gametas anormais contm duas cpias de um cromossomo parental ( e nenhuma cpia do outro) ou no possuem um cromossomo.

Muito embora as aneuploidias sejam mais frequentemente decorrentes de erros meiticos, deve-se ter sempre em mente a possibilidade delas resultarem de perda cromossmica ou de falta de disjuno das cromtides durante a primeira diviso mittica do zigoto, ou durante a segmentao de um dos blastmeros. Em outras palavras, os indivduos que manifestam aneuploidias podem ser consequncia de acontecimentos pszigticos.

Autossmicas (cromossomos no sexuais) S. Down - 47, XX ou XY +21 S. Patau - 47, XX ou XY +13 S. Edwards - 47, XX ou XY +18 Mosaicismo 47, XX ou XY +8 / Normal Mosaicismo 47, XX ou XY +9 / Normal

Alossmicas (cromossomos sexuais) S. Turner - 45, X0 S. Klinefelter - 47, XXY S. Triplo X - 47, XXX; 48, XXXX

S XYY - 47, XYY

SNDROME DE DOWN Num relato de 1866 sobre a classificao tnica da idiotia, Down afirmou que "um grande nmero de idiotas congnitos so Mongis tpicos", Down neste trabalho associou vrios tipos de idiotia (termo bastante usado na poca) com aspectos racistas, inclusive explicando a conduta de crianas portadoras desta sndrome "so excelentes imitadoras - trao tipicamente monglico".

47, XX ou XY +21 - Caractersticas: Prega Epicntrica ou simiesca Olhos oblquos Baixa estatura com ossos curtos e largos Deficincia Mental moderada Mandbula retrada Dedos em toco curtos Fertilidade maior em mulheres

Resultados combinados de 11 estudos demonstrou as seguintes freqncias relativas de tipos particulares de alteraes cromossmicas na sndrome de Down: Trissomia 21 completa Trissomia 21/mosaicismo normal Casos de translocao (D/G = G/G) 94,3% 2,4% 3,3%

Grfico mostrado abaixo explicita a relao entre a idade materna e os riscos

Diagnosticando a sndrome de Down na gravidez O diagnstico de certeza da sndrome de Down durante a gestao pode ser feito atravs do estudo de clulas fetais presentes na placenta ou no lquido amnitico. amnitico Estas clulas so coletadas atravs de trs procedimentos: bipsia de vilo corial, amniocentese e cordocentese.

Diagnosticando a sndrome de Down na gravidez- Diagnstico pr-natal pr A bipsia de vilo corial consiste em retirar fragmentos de placenta entre 11 e 14 semanas de gestao atravs da aspirao por agulha fina guiada por ultrasom; a amniocentese consiste na aspirao de lquido amnitico, tambm por agulha fina, partir de 16 semanas; a cordocentese a coleta de sangue do cordo umbilical por agulha fina, partir de 20 semanas.

As clulas obtidas recebem um tratamento especial em laboratrio (cultura) e, num perodo que varia de 7 a 21 dias, so analisadas para determinao do caritipo. No entanto, tanto a bipsia de vilo corial quanto a amniocentese ou a cordocentese, por serem procedimentos invasivos, implicam em risco de perda fetal, que varia entre 0,5 a 1%. Portanto, no so procedimentos que so utilizados rotineiramente em todas as gestantes.

Translucncia nucal

translucncia nucal em um feto de 11 semanas

Todos os fetos possuem uma quantidade varivel de lquido acumulada na parte posterior da nuca ao final do primeiro trimestre. Este acmulo de lquido facilmente visualizado ao ultra-som e chamado de translucncia nucal .A medida da translucncia nucal realizada entre 11 e 14 semanas, ou seja, quando o feto tem um comprimento da cabea at a ndega entre 45 e 84 mm. A medida varia conforme o tamanho do feto (quanto maior o embrio, maior a translucncia nucal). Fetos com translucncia nucal aumentada (Figura) tm um risco maior de apresentar a sndrome de Down, anomalias cardacas e uma srie de outras anormalidades estruturais.

-Estima-se que aproximadamente 80% dos fetos com sndrome de Down tenham uma translucncia nucal aumentada entre 11 e 14 semanas. - importante frisar que, apesar de identificar um nmero expressivo de fetos de risco, o teste no detecta todos os fetos acometidos pela doena. Alm disso, fetos absolutamente normais podem apresentar uma translucncia nucal aumentada. -Portanto, a medida da translucncia nucal entre 11 e 14 semanas um teste utilizado para rastreamento populacional, ou seja, para identificar fetos com maior risco para sndrome de Down ou outras anormalidades. -Nos fetos com translucncia nucal aumentada oferece-se habitualmente a possibilidade de colher clulas estudo mais detalhado da anatomia fetal.

SNDROME DE TURNER

45, X0 - Caractersticas: Geralmente estreis ou subfrteis Baixa estatura; Tendncia a obesidade Pescoo Alado Defeitos Cardacos Sem cromatina sexual Ausncia de ginecomastia

SNDROME DE KLINEFELTER 47, XXY - Caractersticas: Homens subfrteis Desenvolvimento de seios Timbre Feminino Membros alongados Problemas comportamentais Com cromatina sexual

48, XXXY - 49, XXXXY - Caractersticas: Quanto maior a aneuploidia mais severa ser a deficincia mental e fsica. Hipogenitalismo Maturao ssea tardia Desenvolvimento de seios Problemas comportamentais, incluindo irritabilidade, agitao, hiperatividade. Membros alongados 48, XXXY = 1 / 25.000

XXY

XXXY

XXXY

XXXXY

SNDROME XXX e XXXX47, XXX ou 48, XXXX ou 49, XXXXX Caractersticas: Mulheres com genitlia normal e leve retardamento mental Geralmente h deficincia de crescimento pr-natal, baixa estatura (XXXXX) Ocorrncia 1/1000 nascimentos do sexo feminino

XXXXX

SNDROME XYY47, XYY - Caractersticas: A maioria dos Homens com XYY fenotipicamente normais Crescimento ligeiramente acelerado na Infncia Homens com estatura muito elevada antigamente associada a comportamento anti-social, porm so relatados problemas comportamentais como distrao, hiperatividade e crises de fria na infncia e incio da adolescncia, sendo que o comportamento agressivo usualmente no problema e eles aprendem a controlar a raiva medida que crescem. Ocorrncia 1/1.000 nascimentos do sexo masculino

Recommended

View more >