Alvenaria Estrutural Bloco Concreto

  • Published on
    27-Dec-2015

  • View
    21

  • Download
    0

Transcript

  • 1

    UNIVERSIDADE DA AMAZNIA - UNAMA

    CENTRO DE CINCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET

    Breno Lemos de Oliveira Ferreira

    Luiz Gonzaga Chaves Pompeu Junior

    TRABALHO DE CONCLUSO DE CURSO

    ALVENARIA ESTRUTURAL DE BLOCO DE CONCRETO METODO

    EXECUTIVO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SEU USO

    Belm/PA

    2010

  • 2

    UNIVERSIDADE DA AMAZNIA - UNAMA

    CENTRO DE CINCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET

    Breno Lemos de Oliveira Ferreira

    Luiz Gonzaga Chaves Pompeu Junior

    ALVENARIA ESTRUTURAL DE BLOCO DE CONCRETO METODO

    EXECUTIVO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SEU USO

    Trabalho de concluso de curso apresentado

    como exigncia parcial para obteno de titulo

    de graduao do curso de engenharia civil da

    UNAMA Universidade da Amaznia

    Orientado pelo(a) Prof.(a) Jos Zacarias

    Rodrigues da Silva Junior.

    Belm/PA

    2010

  • 3

    UNIVERSIDADE DA AMAZNIA - UNAMA

    CENTRO DE CINCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET

    Elaborado por

    Breno Lemos de Oliveira Ferreira

    Luiz Gonzaga Chaves Pompeu Junior

    ALVENARIA ESTRUTURAL DE BLOCO DE CONCRETO METODO

    EXECUTIVO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SEU USO

    Como requisito parcial para obteno de grau de Engenheiro Civil.

    Data da defesa: __ /__ /___

    Conceito: ___________

    Banca Examinadora:

    _________________________________

    Jos Zacarias Rodrigues da Silva Junior

    (Presidente/Orientador)

    __________________________________________

    Jos Maria Tuma Haber Junior

    (Engenheiro civil)

    __________________________________________

    Evaristo Clementino Rezende dos Santos Junior

    (Professor/Engenheiro Civil)

  • 4

    AGRADECIMENTOS

    Em primeiro lugar, gostaramos de agradecer Deus, pela sua fidelidade nos dando essa vitria.

    Universidade da Amaznia - UNAMA, por tornar possvel nossa formao.

    Ao Professor Jos Zacarias Rodrigues da Silva Junior, orientador deste trabalho, pela dedicao e

    pacincia no exerccio da orientao.

    Aos excelentes professores do curso, por toda dedicao, apoio e conhecimentos repartidos.

    Aos colaboradores da empresa Zappi Construes Ltda, pela ajuda indispensvel ao

    desenvolvimento deste trabalho.

    Aos nossos pais e maiores incentivadores, por todo amor e experincia compartilhados, sendo

    grandes exemplos de tica, profissionalismo e talento.

    nossas famlias, por tudo o que sempre fizeram por ns, pelo exemplo, amizade, e carinho,

    fundamentais na construo do nosso carter.

    Aos colegas e amigos que conquistamos durante o curso, pelos momentos de dificuldade e de

    alegria que passamos juntos, nossos sinceros agradecimentos.

    Aos nossos grandes amigos, por tornarem cada momento ao longo destes anos inesquecvel.

  • 5

    RESUMO

    Trabalho de Concluso de Curso

    Curso de Graduao de Engenharia Civil

    UNAMA Universidade da Amaznia

    ALVENARIA ESTRUTURAL DE BLOCO DE CONCRETO METODO EXECUTIVO,

    VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SEU USO

    Autores: Breno Lemos de Oliveira Ferreira

    Luiz Gonzaga Chaves Pompeu Junior

    Orientador: Jos Zacarias

    O presente trabalho tem como objetivo mostrar o processo de execuo do sistema

    construtivo em alvenaria estrutural de blocos de concretos, mostrando os cuidados que devemos

    ter desde o recebimento dos blocos no canteiro, at a execuo da alvenaria para que se obtenha o

    maximo de qualidade na entrega do empreendimento, alm de expor as principais vantagens e

    limitaes deste mtodo. Este sistema gera mais rapidez, economia e reduo de resduos,

    Fazendo com que fique mais atraente quando comparado com outros mtodos. A elaborao

    deste trabalho foi feita em cinco partes, envolvendo levantamento de informaes sobre o tema, a

    exposio da tcnica construtiva, coleta e analise dos ensaios dos elementos estruturais,

    evidenciar as principais vantagens e desvantagens e as consideraes finais sobre o assunto. Este

    trabalho mostra que alm dos aspectos tcnicos, a questo econmica e prazo de entrega

    influenciam bastante durante a escolha do mtodo que ira ser usado num empreendimento.

    Palavras - chave: Alvenaria estrutural; blocos de concreto; vantagens e desvantagens da

    alvenaria estrutural.

  • 6

    ABSTRACT

    Paper for the conclusion of the course

    Undergraduate degree in civil engineering

    UNAMA Universidade da Amaznia

    MANSONRY STRUCTURAL CONCRETE BLOCK EXECUTIVE METHODS,

    ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF THE USE

    Authors: Breno Lemos de Oliveira Ferreira

    Luiz Gonzaga Chaves Pompeu Junior

    Adivisor: Jos Zacarias

    This paper aims to show the process of implementation of structural masonry construction

    system of concrete blocks, showing the care we should take from receiving the blocks to the

    quarry until the execution of the masonry in order to obtain the maximum quality in delivery of

    the unit, besides exposing the main advantages and limitations of this method. This system is

    done faster, less expensive and produce less waste. Making it becomes more attractive when

    compared with other methods. The preparation of this work was done in five parts, involved

    information gathering about the theme, the exhibition of construction techniques, collection and

    analysis of tests of structural elements, highlighting the main advantages and disadvantages and

    final thoughts on the subject. This study shows that beyond the technical aspects, the economic

    issue and delivery greatly influence when choosing the method that will be used in an enterprise.

    KEYWORDS: structural masonry, concrete blocks, advantages and disadvantages of structural

    masonry.

  • 7

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 01 Cimento recebido em sacos..........................................................................................22

    Figura 02 Cimento recebido em carretas......................................................................................22

    Figura 03 Caminho com agregado sendo cubado.......................................................................22

    Figuras 04 e 05 agregados e cimento sendo levados at o misturador atravs de esteiras............26

    Figuras 06 e 07 Mistura j pronta sendo levada at a vibroprensa...............................................27

    Figuras 08 e 09 Prensagem, vibrao e deforma dos blocos.........................................................27

    Figuras 10 e 11 Confirmao de dimenso dos blocos.................................................................28

    Figuras 12 e 13 Organizao dos blocos nas gaiolas e estocagem para processo de cura............28

    Figura 14 Cura dos blocos em cmera a vapor............................................................................29

    Figuras 15 e 16 Paletizao dos blocos.........................................................................................29

    Figura 17 Plastificao do palete com filme de polipropileno......................................................30

    Figura 18 Bloco paletizado, plastificado, com etiqueta de identificao......................................30

    Figura 19 Paletes sendo carregados para entrega at a obra.........................................................31

    Figura 20 Armazenamento correto dos paletes.............................................................................32

    Figura 21 Armazenamento incorreto dos paletes..........................................................................32

    Figura 22 Armazenamento correto dos paletes.............................................................................32

    Figura 23 Armazenamento incorreto dos paletes..........................................................................32

    Figura 24 Junta seca..................................................................................................................35

    Figura 25 Armao e Groute.........................................................................................................36

    Figura 26 Vista eltrica e hidrulica.............................................................................................36

    Figura 27 Vista superior da borracha no apoio da laje na alvenaria.............................................37

    Figuras 28 e 29 Vistas inferiores da borracha no apoio da laje na alvenaria................................37

    Figura 30 Confirmao do eixo.....................................................................................................41

    Figura 31 Conferncia de esquadro...............................................................................................41

    Figura 32 Janela de groute.........................................................................................................42

    Figura 33 Tela eletrosoldada no encontro de alvenaria estrutural e vedao................................43

    Figura 34 Furos para instalao de caixas eltricas......................................................................44

    Figura 35 Caixas eltricas instaladas............................................................................................44

  • 8

    Figura 36 Alinhamento da canaleta...............................................................................................44

    Figura 37 Prumo da parede...........................................................................................................44

    Figura 38 Nivelamento interno das canaletas...............................................................................45

    Figura 39 Nivelamento das canaletas............................................................................................45

    Figura 40 Grouteamento das canaletas.........................................................................................45

    Figura 41 Canaletas 100% grouteadas..........................................................................................45

    Figuras 42 e 43 Peitoril de janela com rebaixo de 2 cm de groute...............................................46

    Figura 44 Gabarito de vo de janela.............................................................................................47

    Figura 45 Esquadria de alumnio instalada...................................................................................47

    Figura 46 Passantes deixados na alvenaria...................................................................................47

    Figura 47 Alvenaria sem passantes...............................................................................................47

    Figura 48 Janela de groute com deformao.................................................................................48

    Figura 49 Janela de groute corrigida.............................................................................................49

    Figura 50 2 elevao concluda....................................................................................................49

    Figura 51 Limpeza aps concluso da alvenaria...........................................................................49

    Figura 52 Planta baixa de marcao da 1 fiada da alvenaria.......................................................50

    Figura 53 Planta de modulao de parede, armao e embutidos na alvenaria............................50

    Figuras 54 e 55 Escoramento e madeiramento da laje..................................................................51

    Figuras 56 e 57 execuo da forma da laje...................................................................................52

    Figuras 58 - Segregao de nata de concreto...................................................................................52

    Figura 59 Execuo de armao, instalao eltrica e hidrulica.................................................53

    Figura 60 Concretagem da laje.....................................................................................................53

    Figura 61 Cura da laje com manta geotextil.................................................................................54

    Figura 62 Prensa para ensaio a compresso..................................................................................56

    Figura 63 a 66 Processo de capeamento dos blocos.....................................................................58

    Figura 67 Passo a passo do preparo do prisma oco.......................................................................65

    Figura 68 Passo a passo do preparo do prisma cheio....................................................................66

    Figuras 69 e 70 Aplicao de revestimento cermico direto no bloco..........................................74

    Figura 71 e 72 Gesso e Reboco aplicado direto sobre blocos.......................................................75

  • 9

    LISTA DE TABELAS

    Tabela 01 Demonstrativo de reduo de custo devido a reduo do trao de groute...................18

    Tabela 02 Demonstrativo de reduo de ao................................................................................19

    Tabela 03 Resistncia mnima dos elementos da alvenaria..........................................................20

    Tabela 04 Massa mnima por amostra de ensaio..........................................................................23

    Tabela 05 Certificado de ensaio....................................................................................................25

    Tabela 06 Dimenses Padronizadas..............................................................................................33

    Tabela 07 Tipos de blocos.............................................................................................................34

    Tabela 08 Amostragem aps fase de qualificao do fornecedor Quantidades mnimas..........44

    Tabela 09 - resultados dos blocos com resistncia de 16 Mpa........................................................60

    Tabela 10 - resultados dos blocos com resistncia de 14 Mpa.......................................................61

    Tabela 11 - resultados dos blocos com resistncia de 12 Mpa.......................................................62

    Tabela 12 - resultados dos prismas..................................................................................................67

    Tabela 13 - resultados dos Groutes .................................................................................................69

    Tabela 14 - resultados das Argamassas............................................................................................71

    Tabela 15 - resultados do concreto...................................................................................................73

  • 10

    LISTA DE GRFICOS/ANEXOS

    Grfico 01 Evoluo da resistncia dos blocos 16 Mpa...........................................................61

    Grfico 02 Evoluo da resistncia dos blocos 14 Mpa..........................................................62

    Grfico 03 Evoluo da resistncia dos blocos 12 Mpa..........................................................63

    Grfico 04 Evoluo da resistncia dos Groutes....................................................................70

    Grfico 05 Evoluo da resistncia da argamassa...................................................................72

    Anexo 01 Manual do Proprietrio...........................................................................................80

  • 11

    SUMARIO

    TEMA: ALVENARIA ESTRUTURAL DE BLOCO DE CONCRETO METODO

    EXECUTIVO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SEU USO.

    1 INTRODUO.................................................................................................................14

    1.1 Objetivo..............................................................................................................................15

    1.2 Justificativa.........................................................................................................................15

    2 REVISO BIBLIOGRAFICA........................................................................................15

    2.1 Histrico.............................................................................................................................15

    2.2 Conceitos bsicos sobre alvenaria estrutural.....................................................................16

    2.3 Aspectos tcnicos...............................................................................................................17

    2.4 Aspectos econmicos.........................................................................................................17

    2.5 Situao atual da tcnica em nossa regio.........................................................................21

    3 ELEMENTOS DA ALVENARIA..................................................................................21

    3.1 Bloco de concreto..............................................................................................................21

    3.1.1 Fabricao........................................................................................................................21

    3.1.1.1 Recebimento da matria prima..........................................................................................21

    3.1.1.2 Controle dos agregados......................................................................................................23

    3.1.1.3 Preparao do trao e prensagem dos blocos.....................................................................26

    3.1.1.4 Cura, paletizao e transporte dos locos at a obra...........................................................28

    3.1.1.5 Recebimento e estocagem dos blocos dentro do canteiro..................................................31

    3.1.2 Tipologia.............................................................................................................................33

    3.1.3 Patologia...........................................................................................................................35

    3.1.3.1 Juntas secas.....................................................................................................................35

    3.1.3.2 Pontos eltricos x Pontos de Groute..................................................................................36

    3.1.3.3 Laje de cobertura x Alvenaria estrutural............................................................................36

  • 12

    3.2 GROUTE............................................................................................................................38

    3.3 ARGAMASSA...................................................................................................................38

    4 METODO DE EXECUO............................................................................................39

    4.1 Marcao.............................................................................................................................41

    4.2 Primeira elevao................................................................................................................43

    4.3 Segunda elevao................................................................................................................46

    4.4 Escoramento e forma da laje...............................................................................................51

    4.5 Armao, instalaes e concretagem..................................................................................53

    5 EXPERIMENTOS............................................................................................................55

    5.1 Resistncia a Compresso Dos Blocos............................................................................55

    5.1.1 Corpo-de-prova...................................................................................................................56

    5.1.2 Dimenses...........................................................................................................................59

    5.1.3 Posio do corpo-de-prova.................................................................................................59

    5.1.4 Resultados...........................................................................................................................59

    5.1.5 Apresentao de resultados.................................................................................................60

    5.1.6 Analise de resultados dos blocos........................................................................................63

    5.2 Resistncia a compresso do prisma...............................................................................64

    5.2.1 Apresentao de resultados.................................................................................................67

    5.2.2 Analise de resultados..........................................................................................................68

    5.3 Resistncia a compresso do groute................................................................................68

    5.3.1 Dimenses dos corpos de prova..........................................................................................68

    5.3.2 Apresentao de resultados.................................................................................................69

    5.4 Resistncia a compresso da argamassa.........................................................................71

    5.4.1 Apresentao de resultados.................................................................................................71

    5.4.2 Analise de resultados..........................................................................................................72

    5.5 Resistncia a compresso do concreto................................................................................72

  • 13

    6 VANTAGENS E LIMITAES DA TECNOLOGIA.................................................73

    6.1 Vantagens..........................................................................................................................73

    6.1.1 Diminuio do custo da obra..............................................................................................73

    6.1.2 Diminuio de argamassa nos revestimentos.....................................................................74

    6.1.3 Maior rapidez na execuo.................................................................................................75

    6.2 Desvantagem......................................................................................................................75

    6.2.1 Limitao do projeto arquitetnico.....................................................................................75

    6.2.2 Mo-de-obra no qualificada..............................................................................................76

    6.2.3 Falta de fornecedor para fabricao de blocos com resistncia elevada.............................76

    7 CONSIDERAES FINAIS...........................................................................................77

    8 BIBLIOGRAFIA..............................................................................................................78

  • 14

    1 INTRODUO

    A indstria da construo civil vem crescendo de forma notvel no Brasil, e com esse

    crescimento novos sistemas construtivos crescem juntos e evoluem seus processos e suas tcnicas

    de execuo com o intuito de racionalizar ao Mximo os desperdcios com material, mo-de-obra,

    dentre outros, diminuindo assim custo e tempo de execuo sem perder claro a qualidade.Um

    desses sistemas a alvenaria estrutural, que vem sendo usada em quase todas as regies de nosso

    pas, com o seu baixo custo e as varias vantagens que veremos nesse trabalho, esse mtodo tem

    conquistado seu espao na industria da construo e vem sendo usada no combate ao dficit

    habitacional, que segundo o ministrio das cidades gira em torno de 8.000.000 (oito milhes de

    moradias) sendo que cerca de 80% desse numero, ou seja 6.400.000(seis milhes e quatrocentas

    mil moradias), devem atender os cidados com renda de at 3 salrios mnimos.

    Para atender a esta demanda e proporcionar qualidade, com menor custo, a alvenaria

    estrutural a alternativa mais indicada, pois, alm de sua sustentabilidade, principalmente em

    relao aos sistemas construtivos convencionais que utilizam muito mais materiais e geram muito

    resduos, a alvenaria estrutural no possui pilares nem vigas reduzindo o gasto com forma e ao e

    agredindo muito menos o meio ambiente.

    Segundo a ABNT NBR 10837 (1989), define- se alvenaria estrutural armada de blocos de

    concreto vazado como sendo AQUELA CONSTRUIDAS COM BLOCOS VAZADOS DE

    CONCRETO, ASSENTADO COM ARGAMASSA NA QUAL, CERTAS CAVIDADES SO

    PREENCHIDAS COM GROUTE, CONTENDO ARMADURAS ENVOLVIDAS O SUFICIENTE

    PARA ABSORVER OS ESFOROS CALCULADOS, ALM DAQUELAS ARMADURAS COM

    FINALIDADE CONSTRUTIVA OU DE AMARRAO,

  • 15

    1.1 Objetivo

    Este trabalho tem como objetivo mostrar as fases de execuo, as vantagens e limitaes

    da aplicao da alvenaria estrutural, para isso o empreendimento TOTAL LIFE CLUB HOME,

    localizado na Rodovia Augusto Montenegro, Km 7, Icoaraci, Belm, PA, Ser usado como estudo

    de caso para comprovar o que foi dito anteriormente.

    1.2 Justificativa

    O grande crescimento do uso desta tcnica em nossa regio aliado a pouca informao a

    ns repassada durante o perodo de faculdade e o pouco material referente ao mtodo executivo

    nos levaram a optar por este tema, assim como mostrar as principais vantagens. como reduo de

    custo e prazo de execuo, Simplicidade na execuo do processo, diminuio do desperdcio de

    materiais dentre outros, e as principais desvantagens, como, a falta de empresas para fornecer

    blocos com resistncia elevada, limitao no comprimento dos vos dentre outros.

    2 REVISO BIBLIOGRAFICA

    2.1 Histrico

    O uso de alvenaria como sistema estrutural j vem sendo usada a centenas de anos, desde

    as grandes civilizaes, elas utilizavam essa tcnica na construo de suas habitaes, como

    exemplos podemos citar: O Coliseu, a Muralha da China, o Farol de Alexandria e at mesmo as

    pirmides egpcias foram construdas utilizando esse mtodo; porm somente no ano de 1889 com

    a construo do edifcio Monadnock, em Chicago nos Estados Unidos, que possu 16 andares, 65

    m de altura e parede de 1,80 m de espessura, foi utilizada a alvenaria como conhecemos hoje,

    embora de forma no racionalizada devido a falta de mtodos de dimensionamento que

    conhecemos hoje, Segundo RAMALHO CORREA (2003) se fossem dimensionadas pelos

    mtodos atuais essas paredes teriam espessura inferior a 30 cm trazendo uma grande economia.

    No Brasil, somente na dcada de 80 a alvenaria estrutural atingiu seu auge, quando varias

    empresas, interessadas em tornar esse mtodo mais vantajoso, comearam a investir em pesquisas

    para torn-lo mais vivel, nos dias atuais com a comprovao das grandes vantagens do uso desta

  • 16

    tcnica, houve um aumento enorme do seu uso principalmente em nossa regio onde at pouco

    tempo atrs no se utilizava com tanta freqncia.

    2.2 Conceitos bsicos de alvenaria estrutural

    Segundo Prudncio Jr. (2002), alvenaria estrutural um tipo de estrutura em que as

    paredes so elementos portantes compostos por unidade de alvenaria, unidos por juntas de

    argamassa capazes de resistirem a outras cargas alm do seu peso prprio e devem apresentar

    basicamente as seguintes funes:

    Resistncia s foras do vento;

    Resistncia a cargas verticais;

    Apresentar bom desempenho contra a ao do fogo

    Isolar acstica e termicamente o ambiente;

    Proporcionar estanqueidade a gua da chuva e ao ar.

    Porm, a alvenaria estrutural no deve ser considerada unicamente pelo seu

    comportamento, segundo a engenheira calculista Heloisa Martins Maringoni, a modulao e a

    racionalizao do projeto so as essncias de uma obra feita em alvenaria estrutural, e

    exatamente a presena da integrao entre os projetos arquitetnico, estrutural, eltrico e

    hidrulico das edificaes que gera uma economia em torno de 25% a 30% no custo total da obra

    segundo o arquiteto Carlos Alberto Tauil, membro do conselho da ABCI Associao Brasileira

    da Construo Industrializada (revista Tchne n 24).

  • 17

    2.3 Aspectos Tcnicos

    De acordo com a norma brasileira NBR 10837 (ABNT, 1989) a alvenaria estrutural de

    blocos de concreto classificada em trs categorias: Alvenaria Estrutural no armada de blocos

    vazados de concreto, Alvenaria Estrutural armada de blocos vazados de concreto e Estrutura de

    Alvenaria parcialmente armada com blocos de concreto, nesse trabalho iremos enfatizar a

    alvenaria estrutural armada de blocos vazados de concreto que aquela constituda com blocos

    vazados de concreto, assentados com argamassa, na qual certas cavidades so preenchidas

    continuamente com groute, contendo armaduras envolvidas o suficiente para absorver os esforos

    calculados, alm daquelas armaduras com finalidade construtivas ou de amarrao.

    2.4 Aspectos econmicos

    Segundo Ramalho Corra (2003), nos custos usuais, o acrscimo de custo para produo da

    alvenaria estrutural compensa com folga a economia que se obtm com a retirada dos pilares e

    vigas. Entretanto, necessria que se atente para alguns detalhes importantes para que a situao

    no se inverta, passando a ser a alvenaria um processo mais oneroso para a produo da estrutura,

    Porm para a execuo de alvenaria estrutural gera a necessidade de profissionais qualificados

    coisa que em nossa regio a quantidade desses profissionais ainda baixa, o que pode onerar

    economicamente o empreendimento.

    Outro modo para reduo de custo a utilizao de blocos de concreto de varias resistncias

    a compresso, que foi o caso estudado nesse trabalho, a resistncia dos blocos diminui medida

    que sobem os andares, iniciando com resistncia de 16MPa e terminando com resistncia de

    4,5MPa, o mesmo acontece com o groute, a medida de sobem os andares sua resistncia tambm

    diminui, variando entre 32MPa no inicio e terminando com 9,0MPa.

    A tabela abaixo demonstra essa economia, com a alterao da resistncia, o trao altera e o

    consumo de cimento diminui, trazendo a economia espera para este processo construtivo.

  • 18

    Tabela 01 Demonstrativo de reduo de custo devido reduo do trao de groute.

  • 19

    O mesmo acontece com a armao das paredes medida que sobem os andares a

    quantidade e bitola diminuem trazendo uma grande economia, em nosso estudo de caso essa

    reduo foi de 21% comparando os primeiros 5 pavimentos com os 5 pavimentos intermedirios, e

    uma reduo de 30% quando comparados os 5 pavimentos intermedirios com os 5 ltimos

    pavimentos, como mostra a tabela abaixo.

    Tabela 02 Demonstrativo de reduo de ao.

  • 20

    A tabela 03 mostra as resistncias dos componentes estruturais deste empreendimento.

    Tabela 03 Resistncia mnima dos elementos da alvenaria (OBRA TOTAL LIFE)

    Fonte: acervo da obra Total Life.

    fp Resistncia mnima especificada do prisma;

    fbk Resistncia mnima especificada dos blocos;

    fgk Resistncia mnima especificada do groute;

    fak Resistncia mnima especificada da argamassa;

    fck Resistncia mnima especificada do concreto.

  • 21

    2.5 Situao atual da tcnica em nossa Regio

    Nos dias de hoje com o grande crescimento do uso de alvenaria estrutural em nossa regio,

    a busca por novos conhecimentos, e profissionais habilitados para trabalhar com essa tcnica, tem

    aumentado significativamente, e essa falta de mo de obra qualificada um dos problemas que faz

    com que esse mtodo construtivo no se desenvolva ainda mais, porm so notveis as vantagens

    principalmente com relao diminuio de custo e prazo, que como em qualquer regio de

    grande importncia para definio de projetos; outra situao que muito comum em nossa regio

    com relao a alvenaria estrutural a falta de empresas para fabricao e fornecimento de blocos

    com resistncias elevadas, pois hoje em dia j se constri prdios de at 18 pavimentos e a

    resistncias desses blocos devem suportar a essas grandes cargas, porm mesmo com tantas

    dificuldades, a alvenaria estrutural vem conquistando cada vez mais adeptos, pelas vantagens que

    ela traz, e que veremos nesse trabalho.

    3 ELEMENTOS DA ALVENARIA

    3.1 Blocos de concreto

    3.1.1 Fabricao

    3.1.1.1 Recebimento da matria prima

    A fabricao dos blocos se inicia com o recebimento da matria prima, neste caso

    cimento, areia, pedrisco ou p de pedra. O cimento, se recebido em sacos deve ser estocados em

    local livre de intempries, no caso do cimento recebido em carretas, deve ser guardados em silos

    metlicos e liberado imediatamente para o uso.

    As figuras 01 e 02 mostram a recepo do cimento em sacos e em carreta.

  • 22

    Figura 01 Cimento recebido em sacos Figura 02 Cimento recebido em carretas

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Os agregados (areia, pedrisco ou p de pedra) chegam por caminho, deve ser feita a

    cubagem dos materiais onde se obtm o volume total em metros cbicos que est sendo recebido e

    tambm devem ser estocados em locais cobertos ou cobrir com lonas para evitar o contato direto

    com a chuva para evitar que os agregados absorvam muita umidade causando problema na hora de

    rodar o trao, como mostra a figura 03.

    Figura 03 Caminho com agregado sendo cubado

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 23

    Depois de estocados seguimos ao prximo passo para fabricao dos blocos que o ensaio

    granulomtrico dos agregados.

    3.1.1.2 Controle de agregados

    Para este ensaio, devemos fazer a coleta dos agregados, a quantidade mnima da amostra

    definida com base na dimenso mxima caracterstica dos agregados, como mostra a tabela 04,

    para nossos ensaios, por exemplo, a dimenso mxima da areia de 4,8mm e do pedrisco entre

    9,5mm e 25mm, necessrio no mnimo 1 Kg de areia e 5Kg de pedrisco para o ensaio de cada

    um, todos esses dados esto especificado na norma NBR 7217 Agregados Determinao da

    composio granulomtrica, feita a pesagem dos mesmos, para ai sim serem submetidos ao

    peneiramento, onde sero vibrados.

    Tabela 04 Massa mnima por amostra de ensaio

    Fonte NBR 7217 Agregados Determinao da composio granulomtrica

    Dimenso mxima

    caracterstica do

    agregado (mm)

    Massa mnima da

    amostra de ensaio

    (Kg)

    9,5 e

  • 24

    Para o ensaio, as peneiras devem est limpas e formar um nico conjunto de peneiras a

    ordem das peneiras devem ser crescente da base para o topo, aps a colocao das peneiras,

    adicionada a amostra ou poro dela sobre a peneira superior, vibrar o conjunto por tempo

    razovel, para permitir a separao dos diferentes tamanhos de gros da amostra.

    Depois de vibrar o conjunto de peneiras mecanicamente, retirar a peneira superior e agitar

    manualmente com tampa e fundo falsos encaixados, durante 1 min. de agitao continua, at que a

    massa de material passante seja inferior a 1% da massa do material retirado, o material retido na

    peneira deve ser colocado numa bandeja identificada, a tela deve ser escovada em ambos os lados,

    o material removido no lado interno considerado como retirado e o desprendido na parte inferior

    como passante, fazer o mesmo processo para as prximas peneiras depois que acrescentar o

    material passante na peneira superior, at que todas as peneiras tenham sido verificadas.

    Para cada amostra de ensaio, deve se calcular a porcentagem retida em massa, em cada

    peneira, com aproximao de 0,1%. As amostras devem apresentar as mesmas dimenses

    mximas caracterstica, deve s se calcular as porcentagens medias retida e acumulada, em cada

    peneira, com aproximao de 1%, determinar o modulo de finura, com aproximao de 0,01

    Os certificados de ensaio devem conter:

    A porcentagem mdia retida em cada peneira;

    A porcentagem mdia retida acumulada em cada peneira;

    A dimenso mxima caracterstica e modulo de finura;

    A classificao do agregado.

    A tabela 05 descreve o certificado de ensaio de anlise granulomtrica de agregados de

    acordo com as especificaes da ABNT NBR 7211/83, mostrando todos os requisitos

    necessrios para a classificao dos agregados.

  • 25

    Tabela 05 Certificado de ensaio

    ANALISE GRANULOMETRICA DE AGREGADOS NBR 7211 / 83

    IDE

    NT

    IFIC

    A

    O

    LOCAL:

    AMOSTRA:

    R.G: ENSAIO N:

    ABERTURA

    DAS

    PENEIRAS

    PESO

    RETIDO

    PERGENTAGEM

    RETIDA

    PRECENTAGEM

    RETIDA E

    ACUMULADA

    DIMENSO MAXIMA

    CARACTERISTICA (MM):

    (mm) (g) (%) (%)

    MODULO DE FINURA: *50

    38

    *32

    MATERIAL PULVRULENTO (%): *25

    19

    *12,5

    TEOR DE ARGILA (%): 9,5

    *6,3

    4,8

    CLASSIFICAO:

    * SRIE DE PENEIRAS INTERMEDIARIAS

    2,4

    1,2

    0,6

    0,3

    0,15

    FUNDO

    TOTAL

    DATA: LOCAL:

  • 26

    3.1.1.3 Preparao do trao e prensagem dos blocos

    Depois que os agregados so liberados para uso, d-se inicio a fabricao do trao, para o

    preparo do concreto os agregados chegam por esteiras at o misturador, conforme as figuras 04 e

    05, onde ser rodado o trao referente resistncia especificada em projeto, em nosso estudo de

    caso como j foi mostrado na Tabela - 01 - Resistncia mnima dos elementos da alvenaria, as

    resistncias dos blocos variam a medida que os pavimentos vo subindo, iniciando com 16 MPa e

    finalizando com 09 MPa, para isso preciso ter um controle bastante rigoroso no preparo, para

    evitar desperdcio de material e no prejudicar a resistncia dos blocos.

    Figuras 04 e 05 agregados e cimento sendo levados at o misturador atravs de esteiras

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Depois que os elementos chegam no misturador adicionado gua a mistura para dar

    consistncia, essa relao gua / cimento, muito importante para que os blocos quando prensados

    fiquem com qualidade na aparncia e resistncia esperada, pois so eles que vo dar

    sustentabilidade a estrutura do prdio.

    Quando a mistura est pronta, novamente atravs de esteiras, deslocada at a vibropensa,

    como podemos ver nas figuras 06 e 07, onde os blocos sero vibrados, e iro ganhar forma, essa

    vibrao deve durar tempo suficiente para os elementos se unirem e dar rigidez aos blocos para

    que no sofram deteriorao. As figura 08 e 09 mostram a vibrao e desforma dos blocos na

    vibroprensa.

  • 27

    Figuras 06 e 07 Mistura j pronta sendo levada at a vibroprensa

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Figuras 08 e 09 Prensagem, vibrao e deforma dos blocos

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Depois da prensagem dos blocos, devese conferir as dimenses, as figuras 10 e 11

    mostram como essa conferencia deve ser feita e caso haja alguma anomalia em relao a isso j

    resolver de imediato, regulando as dimenses da vibroprensa.

  • 28

    Figuras 10 e 11 Confirmao de dimenso dos blocos

    Fonte: acervo da obra Total Life

    3.1.1.4 Cura, paletizao e transporte dos blocos at a obra

    Depois de medidos, e comprovada s medidas, os blocos so organizados em gaiolas e

    estocados para que seja feita a cura, como vemos nas figuras 12 e 13, algumas empresas para

    acelerar o processo de cura, utilizam cmera a vapor, como ilustra a figura 14, onde os blocos so

    levados nas gaiolas por empilhadeira e submetidos a uma temperatura de 80 C e umidade 100%,

    l os blocos ficam por 12 h at atingirem a resistncia ideal.

    Figuras 12 e 13 Organizao dos blocos nas gaiolas e estocagem para processo de curra

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 29

    Figura 14 Cura dos blocos em cmera a vapor

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Depois de curados, os blocos sero organizados em paletes de madeira, como mostram as

    figuras 15 e 16, com no Maximo 6 fiadas, e plastificados com filme de polipropileno com a

    etiqueta de identificao dos paletes, para que seja transportado at a obra, como podemos ver na

    figura 17, porm esse transporte s ser feito aps 7 dias da data de fabricao, depois que

    comprovado atravs de teste de compresso a resistncia exigida em projeto.

    Figuras 15 e 16 Paletizao dos blocos

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 30

    Figura 17 Plastificao do palete com filme de polipropileno

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Essa etiqueta de identificao deve conter:

    Produto (Tipo de bloco);

    Nome da empresa fornecedora do bloco;

    Resistncia do bloco;

    Quantidade;

    Numero do lote;

    Data de fabricao.

    A figura 18 nos mostra o palete pronto para serem entregues na obra.

    Figura 18 Bloco paletizado, plastificado e com etiqueta de identificao

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 31

    O transporte dos paletes feito atravs de caminhes, o paletes so levados at o caminho

    com a ajuda de empilhadeira ou munck, no permitida a colocao de um palete em cima do

    outro na hora do transporte, como podemos ver na figura 19.

    Figura 19 Paletes sendo carregados para entrega at a obra

    Fonte: acervo da obra Total Life

    3.1.1.5 Recebimento e estocagem dos blocos dentro do canteiro (logstica de recebimento)

    Para o recebimento dos blocos dentro da obra, existem alguns cuidados que devemos

    tomar como:

    Armazenamento setorizado conforme local de utilizao, protegidos a exposio de

    intempries, sempre paletizados.

    Os blocos devem ser protegidos de intempries evitando saturao e conseqentemente atrasos.

    Para caso de armazenagem sobre lajes, considerar a laje reescorada com 1 escora/palete em

    todos os nveis at o solo.

  • 32

    As figuras 20 e 22, mostram o correto armazenamento dos paletes no canteiro de obra, e as

    figuras 21 e 23 ilustram o incorreto armazenamento, esses cuidados so essenciais para uma boa

    qualidade dos blocos.

    ARMAZENAMENTO CORRETO ARMAZENAMENTO INCORRETO

    Figura 20 Armazenamento correto dos paletes Figura 21 Armazenamento incorreto dos paletes

    Fonte Site Gafisa gesto Fonte Site Gafisa gesto

    ARMAZENAMENTO CORRETO ARMAZENAMENTO INCORRETO

    Figura 22 Armazenamento correto dos paletes Figura 23 Armazenamento incorreto dos paletes

    Fonte Site Gafisa gesto Fonte Site Gafisa gesto

  • 33

    3.1.2 Tipologia

    De acordo com a NBR 6136 BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES PARA

    ALVENARIA ESTRUTURAL, os blocos so classificados em M-15 e M-20 como mostra a

    tabela 06 abaixo.

    Tabela 06 Dimenses Padronizadas

    Fonte NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria estrutural

    Essa classificao feita pelas diferentes larguras dos blocos, neste trabalho ser explorado

    o uso dos blocos M-15, blocos com dimenses padronizadas de 14 cm, que so os blocos usados

    em nosso estudo de caso.

    Alm dos blocos 14 x 19 x 39 e 14 x 19 x 19 cm, mostrados na tabela acima, existem

    outros tipos de blocos que fazem parte do mesmo grupo, que permitem uma melhor modulao e

    qualidade na execuo da alvenaria estrutural, conforme mostra a tabela 07, esses blocos foram

    todos os modelos utilizados e nosso estudo de caso, sendo que os blocos usados com mais

    freqncia, so os blocos inteiros (39 x 14 x 19), os blocos T (54 x 14 x 19) e os blocos L (35 X

    14 X 19).

  • 34

    Tabela 07 Tipos de blocos

    Fonte Acervo da obra

    Esses diferentes tipos de blocos devem ser assentados de acordo com o projeto de

    modulao de cada parede, de modo que no tenhamos sobra desses materiais, pois pela

    modulao sabemos a posio de cada pea, evitando assim problemas com embutidos eltricos

    pontos de groute, vos de portas e janelas, alm e claro de economizar na hora de realizar a

    compra dos blocos, pois pela modulao sabemos exatamente quantos blocos sero usados e cada

    tipo e onde cada bloco ser assentado.

  • 35

    3.1.3 Patologia

    Durante a execuo da alvenaria estrutural, so inmeros os problemas que podem

    aparecer como juntas secas, pontos de groute no preenchidos por completos, pontos eltricos

    coincidindo com pontos de groute, e esses problemas podem estar relacionados a vrios fatores,

    m execuo do servio, Projetos no compatibilizados, Problemas com a qualidade dos materiais

    que sero usados, dentre outros, e esses problemas podem causar danos prejudicando a qualidade

    do servio, por isso iremos mostrar Algumas dessas patologias e os danos que podem trazer para a

    obra.

    3.1.3.1 Juntas secas

    Um dos Problemas mais comuns so as juntas secas, como podem os ver na figura 24,

    onde os blocos ficam em contato direto um com o outro no contento a presena da junta de

    amarrao, essas juntas so responsveis por distribuir uniformemente as tenses geradas por

    cargas verticais, deformaes estruturais e movimentaes higrotrmicas, geradas por umidade e

    temperatura.

    A presena de juntas secas diminui a resistncia ao cisalhamento da alvenaria, podendo

    ocasionar fissuras nas paredes, ela tambm diminui a resistncia ao fogo, e o desempenho

    termoacstico.

    Figura 24 Junta seca

    Fonte Fonte: acervo da obra Total Life

  • 36

    3.1.3.2 pontos eltricos x ponto de groute

    Outro problema que pode ocorrer durante a execuo da alvenaria estrutural so os pontos

    eltricos coincidindo com os pontos de groute, por isso importantssimo que antes que se inicie a

    execuo da alvenaria, seja feita a compatibilizao dos projetos eltricos com os projetos

    estruturais, e que durante a execuo se tenha em mos os projetos de modulao de cada parede e

    que se confira cada parede, pois essas paredes tm funo estrutural e que um eventual furo nelas

    pode causar a perda de resistncia.

    As figura 25 mostra os pontos da alvenaria que sero grouteados, e a figura 26 os pontos

    eltricos que sero embutidos na alvenaria, a compatibilizao entre esse dois projetos que

    devemos ficar atentos.

    Figura 25 Armao e Groute Figura 26 Vista eltrica e hidrulica

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    3.1.3.3 Laje de cobertura x Alvenaria

    Devido constante exposio ao clima, a laje de cobertura sofre dilatao trmica,

    provocando esforos na alvenaria causando fissuras, para evitar esse tipo de dano, alguns

    procedimentos podem ser adotados, como a instalao de juntas de dilatao ou adotar apoios

  • 37

    deslizantes, com o uso de matrias como o neoprene entre a laje e a alvenaria, como mostram as

    figuras 27, 28 e 29, ou tambm fazer o seccionamento da parede do ultimo pavimento, que no caso

    desta obra em estudo, foi a soluo adotada.

    Figura 27 Vista superior da borracha no apoio da laje na alvenaria

    Fonte Loturco (2005)

    Figuras 28 e 29 Vistas inferiores da borracha no apoio da laje na alvenaria

    Fonte Loturco (2005)

  • 38

    3.2 Groute

    O graute consiste em um concreto fino (micro-concreto), formado de cimento, gua,

    agregado mido e agregados grados de pequena dimenso (at 9,5mm), devendo apresentar

    como caracterstica alta fluidez de modo a preencher adequadamente os vazios dos blocos onde

    sero lanados.

    Funes Aumentar a resistncia da parede

    Propiciar aderncia com as armaduras

    Propriedades Trabalhabilidade (Fluidez)

    Adequada resistncia compresso

    3.3 Argamassa

    o componente utilizado na ligao entre os blocos, evitando pontos de concentrao de

    tenses, sendo composta de cimento, agregado mido, sendo que algumas argamassas podem

    apresentar adies para melhorar determinadas propriedades. Algumas argamassas

    industrializadas vm sendo utilizadas na construo de edifcios de alvenaria estrutural.

    Segue abaixo algumas caractersticas da argamassa:

    Unir as unidades

    Funes Garantir a vedao

    Propiciar aderncia com as armaduras nas juntas

    Compensar as variaes dimensionais das unidades

    Reteno d'gua

    Propriedades Conveniente resistncia compresso

    Trabalhabilidade

  • 39

    A resistncia compresso da alvenaria o resultado da combinao da resistncia da

    argamassa presente nas juntas e dos blocos, em nosso estudo de caso essa resistncia a compresso

    de 5 MPa, e se mantm constante em todos os pavimentos. Trs tipos de ruptura compresso

    podem ocorrer na alvenaria:

    Ruptura dos blocos: freqentemente se manifesta pelo surgimento de uma fissura vertical

    que passa pelos blocos e juntas de argamassa;

    Ruptura da argamassa: quando ocorre o esmagamento das juntas, sendo freqente a

    constatao do esfarelamento da argamassa presente na junta;

    Ruptura do conjunto: a situao desejvel, quando a ruptura se d pelo surgimento de fissura

    vertical no conjunto, porm precedida de indcios de ruptura conjunta da argamassa.

    Assim, a combinao ideal entre blocos e argamassas deve ser a que conduza, nos ensaios

    laboratoriais, a uma ruptura do conjunto como um todo, ou seja, das juntas e dos blocos

    simultaneamente, que seria o ensaio de prisma.

    4 METODO DE EXECUO

    Em todos os processos executivos estruturais, existem alguns cuidados que devemos tomar

    antes de iniciar, com a alvenaria estrutural, no diferente; para sua execuo alguns itens devem

    ser analisados em projeto, antes de comear, para evitar futuros problemas

    A existncia de caixinhas eltrica coincidindo com ponto de groute;

    Pontos de amarrao de alvenaria estrutural com alvenaria de vedao;

    Passagem de eletrodutos perpendicular a vergas das portas;

    Desnvel sala / varanda;

    Caminhamento de gs pelo piso.

  • 40

    A analise desses itens de grande importncia pra uma boa execuo da alvenaria,

    trazendo eficincia e qualidade para a obra.

    Outro cuidado que devemos tomar, em relao s ferramentas e equipamentos que sero

    usados, certificar que tudo est em mos e funcionando perfeitamente, segue abaixo algumas

    ferramentas usadas na execuo:

    Nvel alemo;

    Conjunto de gabarito, para vos de portas e janelas;

    Carrinho para transporte de argamassa e groute;

    Carrinho para carregar blocos;

    Masseira de PVC ou metlica;

    Paleta de madeira;

    Trena metlica (5,00 ou 30,00 m);

    Rgua de alumnio;

    Marreta de borracha;

    Andaime e cavaletes plataforma de acordo com a norma;

    Esquadro (1,20 x 0,80 m) de alumnio reforado;

    Rgua tcnica de nvel (2,5 m);

    Prumo de face e centro;

    Serra mrmore manual com discos;

    Colher de pedreiro;

    Linha de nylon;

    Ponteiro;

    Talhadeira;

    Nvel de mo metlico ou de madeira;

    Funil metlico para grouteamento de canaletas.

    Depois desses itens confirmados, e com os projetos de marcao da 1 e 2 fiada em mos,

    hora de dar inicio a execuo da alvenaria estrutural.

  • 41

    4.1 Marcao

    Para o inicio de toda alvenaria o 1 passo que se deve tomar a marcao e esta inicia com

    a transferncia dos eixos de referncia do pavimento, que dar a referncia para todo o resto da

    marcao, como vemos na figura 30, aps confirmao dos eixos devemos verificar o nivelamento

    da laje para definir a altura da 1 fiada.

    A marcao da primeira fiada de grande importncia para a execuo de uma alvenaria

    com boa qualidade, pois ela ser a referncia para a elevao da alvenaria, deve iniciar pelas

    paredes perifricas, pois elas serviro de referencia para as demais paredes, marcando inicialmente

    os cantos e conferindo, esquadro e nivelamento como mostram as figura 31 abaixo:

    Figura 30 Confirmao do eixo. Figura 31 Conferncia de esquadro

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Devemos tambm confirmar os pontos que sero grouteados, para conferir se as ferragens

    esto posicionadas no local correto e com as bitolas exigidas em projetos; nos pontos de groute,

    no podemos esquecer de deixar j na primeira fiada a janela do groute, como vemos na figura

    33, para que seja feita a limpeza dos resduos que iro se acumular durante e 1 elevao, fazer

    tambm a conferencia dos embutidos eltricos na alvenaria, para evitar futuros problemas.

  • 42

    Figura 32 Janela de groute

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Depois de tudo conferido damos prosseguimento marcao com o Maximo de cuidado

    com o nivelamento, e sempre nos encontros de paredes no se esquecer de conferir o esquadro,

    segue abaixo algumas recomendaes essenciais para conferncia da Marcao.

    Locao Sua tolerncia no pode ser superior a 2mm;

    Alinhamento Sua tolerncia tambm no pode ser superior a 2mm, deve ser avaliado com

    rgua de alumnio encostada nos blocos;

    Nivelamento Deve ser conferido com rgua de bolhas;

    Esquadro Tolerncia no pode ser superior a 2mm na ponta de maior lado, deve ser

    conferido com esquadro de alumnio de 60 x 80 x 100 cm.

    Vo das portas Tolerncia admissvel at 10 mm;

    Armao Deve se verificar locao e bitolas de arranque nos projetos

  • 43

    4.2 Primeira elevao

    Depois da marcao concluda, e com os arranques e embutidos de eltrica conferidos,

    damos inicio a execuo da 1 elevao, esta executada at meia altura ou altura do peitoril e

    termina com o groutemaento das canaletas, durante esta etapa tambm existem alguns cuidados

    que devemos tomar para obter uma alvenaria de qualidade.

    As juntas verticais e horizontais devem ser completamente preenchidas, evitando juntas secas,

    para que haja transferncia de tenso de bloco para bloco;

    Garantir posicionamento, quantidades e bitolas da armao intermediaria antes do

    grouteamento, como especificado em projeto.

    Antes do grouteamento, as janelas de groute deixadas durante a marcao devem ser limpas

    e fechadas;

    Garantir a continuidade da ferragem do para raio;

    Nas paredes onde no h amarrao por interpenetrao, dever ser utilizado tela

    eletrosoldada, como ilustra a figura 33, ou ferro gancho para que a alvenaria de vedao fique

    amarrada a estrutura da torre.

    Figura 33 Tela eletrosoldada no encontro de alvenaria estrutural e vedao

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 44

    Durante esta etapa, devese verificar as instalaes eltricas e todos os embutidos na alvenaria

    as figuras 34 e 35 mostram as caixinhas eltricas instaladas, para este processo, necessria a

    presena de um eletricista.

    Figura 34 Furos para instalao de caixas eltricas Figura 35 Caixas eltricas instaladas

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    No assentamento das canaleta intermediarias, dever ser conferido prumo, alinhamento e

    nivelamento, de acordo com as figuras 36, 37, 38 e 39, que ilustram bem esse processo.

    Figura 36 Alinhamento da canaleta Figura 37 Prumo da parede

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

  • 45

    Figura 38 Nivelamento interno das canaletas Figura 39 Nivelamento das canaletas

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Depois de tudo conferido horas de dar inicio ao grouteamento, que pode ser feito no

    mesmo dia ou no dia seguinte a 1 elevao, devemos garantir o grouteamento por completo das

    canaletas, pois elas serviro de suporte para nosso prximo passo que ser a 2 elevao.

    Antes do grouteamento devemos conferir a armao das canaletas, e nos certificar de que todos os

    pontos de groute vertical sejam preenchidos, para isso podemos utilizar a armao dos groutes

    verticais para vibrar.

    A figura 40 nos mostra o processo de grouteamento das canaletas e a 41 elas 100%

    grouteadas.

    Figura 40 Grouteamento das canaletas Figura 41 Canaletas 100% grouteadas

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

  • 46

    Durante o grouteamento das canaletas dos peitoris de janelas, deve se deixar pelos menos

    2 cm de groute faltando para possveis acertos de fachadas ou janelas, como ilustram as figuras 42

    e 43.

    Figuras 42 e 43 Peitoril de janela com rebaixo de 2 cm de groute.

    Fonte Site Gafisa Gesto

    Assim finalizamos a 1 elevao e aps grouteada iniciamos prximo passo.

    4.3 Segunda elevao

    Alm dos cuidados tomados na execuo da etapa anterior, novos cuidados devero ser

    tomados , pois nesta etapa eu iro ser colocados os vo de portas e janelas; antes de se iniciar

    essa etapa devemos ter o cuidado com a segurana de nossos colaboradores, pois as protees

    perifricas devero estar instaladas

    Segue abaixo alguns cuidados que devemos ter durante a execuo da segunda elevao:

    Como foi feito no inicio da marcao, as janelas de grouteamento devem ser deixadas na 1

    fiada aps as canaletas grouteadas, sero por essas janelas eu ser feita a limpeza dos resduos

    deixados durante a execuo da 2 elevao.

  • 47

    Atentar se para a colocao dos gabaritos de portas e janelas, como vemos na figura 44, eles

    iro garantir a medida correta do vo, para que quando chegue a etapa de instalao da caixilharia,

    seja essa uma etapa rpida e prtica, como ilustra a figura 45, esquadria de alumnio j instalada

    sem fazer arremates no vo.

    Figura 44 Gabarito de vo de janela Figura 45 Esquadria de alumnio instalada

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Verificar em projeto os passantes eltricos e hidrulicos, para que j deixe esses passantes

    durante a execuo da alvenaria, evitando quebra depois, as figuras 46 e 47 ilustram bem a

    necessidade de se atentar para a colocao dos passantes.

    CERTO ERRADO

    Figura 46 Passantes deixados na alvenaria Figura 47 Alvenaria sem passantes

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

  • 48

    No devemos esquecer de colocarmos as vergas nas portas, janelas e balancins, essas vergas so

    feitas com os prprios blocos canaleta grouteados.

    Aps o grouteamento verificar se as janelas de groute sofreram deformao, como vemos na

    figura 48, para que sejam corrigidas enquanto o groute no endureceu, como ilustra a figura 49.

    Figura 48 Janela de groute com deformao Figura 49 Janela de groute corrigida

    Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    At que seja feito o grouteamento dessa segunda etapa, todos os cuidados tomados na

    etapa anterior valem para essa tambm, so eles:

    Nivelamento;

    Preenchimento de juntas;

    Colocao de caixas eltricas;

    Colocao das telas eletrosoldadas;

    Posicionamento, quantidade e bitola da armao;

    Prolongamento do ferro de para raio.

    Depois de tudo conferido se d inicio ao grouteamento da 2 elevao, dando fim a esta

    etapa, e finalizando o processo de execuo da alvenaria estrutural, como vemos na figura 50.

  • 49

    dando inicio a etapa seguinte, porm s inicia se a prxima etapa, aps a limpeza dos resduos

    deixados pela equipe de alvenaria estrutural. Como mostra a figura 51.

    Figura 50 2 elevao concluda Figura 51 Limpeza aps concluso da alvenaria

    Fonte Acervo da obra Fonte cervo da obra

    Depois da alvenaria concluda alguns itens devem ser conferidos, para que se obtenha o

    Maximo de qualidade e trazer economia quando se iniciar o acabamento, dentre eles podemos

    citar os itens relacionados abaixo:

    Prumo de paredes internas e externas Tolerncia admissvel menos ou igual a 2 mm, 100%

    das paredes internas e externas devero ser conferidas;

    Esquadro em reas frias Tolerncia admissvel menos ou igual a 2 mm, dever ser conferido

    com esquadro de alumnio de 0,80 x 1,00 m, sendo posicionado em 3 pontos, rodap, meio e alto.

    Aspectos visuais Sem fissuras ou trincas, juntas verticais e horizontais totalmente

    preenchidas, sem segregao de concreto aps a concretagem, ausncia de arame de amarrao

    das janelas dos groutes.

  • 50

    A figura 52 mostra a planta baixa de marcao da 1 fiada, ela que servir de base para as

    medidas dos ambientes.

    Figura 52 Planta baixa de marcao da 1 fiada da alvenaria

    Fonte: acervo da obra Total Life

    A figura 53 mostra as modulaes das paredes, e atravs desta planta que saberemos

    onde haver ponto de groute, embutidos eltricos, e onde se encaixar cada bloco.

    Figura 53 Planta de modulao de parede, armao e embutidos na alvenaria

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 51

    Aps realizar a elevao completa da alvenaria estrutural, se d inicio a prxima fase que

    executar a forma, armao e instalaes da laje para que seja concretada, porm a execuo dessa

    prxima fase requer alguns cuidados a atenes que veremos a seguir.

    4.4 Escoramento e forma da laje

    Antes de iniciarmos a execuo da laje, devemos ter em mos os projetos de forma, e

    instalaes, assim como os projetos arquitetnicos do pavimento, e nos certificamos que os

    projetos esto compatibilizados para que no saia nada fora do que foi planejado, tendo tudo em

    mos, seguimos para o primeiro passo, que o escoramento e madeiramento, como podemos ver

    nas figuras 54 e 55, que ir receber as formas e ter a funo de suportar as cargas do concreto at

    que este esteja curado, especificado um perodo de 28 dias at a retirada completa do

    escoramento, porm aos 7 dias algumas escoras so tiradas deixando apenas as escoras chamadas

    escoras remanescente, essas escoras so fixadas em pontos chaves da laje, elas quem vo

    sustentar as lajes pelos 28 dias.

    Figuras 54 e 55 Escoramento e madeiramento da laje

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 52

    Depois de escorado e com o madeiramento colocado, seguimos para o segundo passo com a

    colocao da forma, como vemos nas figuras 56 e 57.

    Figuras 56 e 57 execuo da forma da laje

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Durante a execuo da forma devemos tomar cuidado com o encontro da forma com a

    alvenaria, temos que deixar esse encontro bem vedado para que no haja segregao do concreto

    nas paredes, como ilustra a figura 58.

    Figuras 58 - Segregao de nata de concreto.

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 53

    4.5 Armao, instalaes e concretagem

    Com a forma da laje concluda, damos inicio a execuo da armao positiva e negativa, e

    as instalaes, como vemos abaixo na figura 59, nesse processo devemos tambm estar com os

    projetos em mos, necessria a conferencia de todas as ferragens e posicionamento de pontos

    eltricos e hidrulicos, essa conferencia feita atravs de FVSs, que so as fichas de verificao

    de servio, somente depois de conferida e confirmado os dados atravs das fvs de forma, ao e

    instalaes, libera se a laje para a concretagem, depois de concretada, como ilustra a figura 60,

    feita a cura durante um perodo de 3 dias, essa cura pode ser feita apenas molhando a laje para que

    no haja retrao, ou com manta geotextil, como mostra a figura 61, aps os trs dias inicia a

    marcao da alvenaria iniciando novamente o ciclo da alvenaria.

    Figura 59 Execuo de armao, instalao eltrica e hidrulica. Fonte: acervo da obra Total Life

    Figura 60 Concretagem da laje Fonte: acervo da obra Total Life

  • 54

    Figura 61 Cura da laje com manta geotextil

    Fonte: acervo da obra Total Life

    Para que tenhamos uma laje com qualidade existem alguns cuidados que devemos ter em

    cada uma das etapas de execuo.

    Execuo da forma:

    Aplicao de desmoldante na forma, evitando aderncia entre o concreto e a forma de

    madeira, facilitando a desforma;

    Fazer o nivelamento da laje, evitando imperfeies aps a desforma, e diminuindo o

    consumo de concreto;

    No permitir que as emendas entre as chapas de compensado sejam superiores a 3mm, isso

    evita o vazamento do concreto preservando o pavimento inferior.

    Execuo da armao:

    Durante a execuo da armao devemos confirmar a quantidade, bitola, transpasse,

    recobrimento e comprimento das barras.

    Devemos tambm preserva a integridade fsica da armao, evitando danos posteriores a laje.

  • 55

    Execuo das instalaes eltrica e hidrulica:

    Verificar se os pontos eltricos e hidrulicos esto de acordo com o projeto;

    Concretagem:

    Devemos ter cuidado com a espessura da laje, evitando desperdcio no consumo do

    concreto;

    Devemos nos preocupar com o acabamento da laje, evitando retrabalhos aps a

    concretagem para regularizar superfcies;

    Durante o lanamento do concreto, vibrar o concreto fazendo com que fique homogneo,

    evitando vazios;

    E por fim fazer a cura da laje, evitando a retrao.

    5 EXPERIMENTOS

    5.1 Resistncia a compresso dos blocos

    Para a execuo do ensaio necessria uma prensa que atenda as seguintes condies:

    Ser equipada com 2 pratos de apoio, de ao, um dos quais articulados, que atuem na face

    superior do corpo-de-prova.

    As superfcies planas e rgidas dos pratos e placas de apoio no devem apresentar desnveis

    superior a 8 x 10 mm para cada 4 x 10 mm.

    As placas monolticas de ao devem ter espessuras de no mnimo 50 mm.

    Possuir instrumentos que permitam a medida e a leitura de carga mxima com

    aproximao de +-2%.

  • 56

    Ser provida de dispositivo que assegure distribuio uniforme dos esforos ao corpo-de-

    prova e ser capaz de transmitir a carga do modo progressivo e sem choque.

    Caso as dimenses dos pratos de apoio no forem suficientes para cobrir o corpo de prova,

    uma placa de ao pode ser colocada entre os pratos e o corpo de prova.

    Figura 62 Prensa para ensaio a compresso.

    Fonte: acervo da obra Total Life

    5.1.1 Corpo-de-prova

    De cada lote definido, devem ser tirados ao acaso, blocos inteiros que constituiro a

    amostra para efeito de ensaios, conforme tabela 08 abaixo:

  • 57

    Tabela 08 Amostragem aps fase de qualificao do fornecedor Quantidades mnimas.

    Fonte ABNT NBR 6136/1994 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria estrutural.

    NUMERO DE BLOCOS

    DO LOTE

    NUMERO DE BLOCOS

    DE AMOSTRA

    NUMERO DE BLOCOS

    PARA ENSAIO

    COMPRESSO

    NUMERO DE BLOCOS

    PARA ENSAIO DE

    ABSORO MASSA

    ESPECIFICA,

    UMIDADE E AREA

    LIQUIDA

    At 20.000 9 6 3

    20.001 a 40.000 10 7 3

    40.001 a 60.000 12 8 4

    60.001 a 80.000 13 9 4

    80.001 a 100.000 15 10 5

    Depois de coletada a amostra, para execuo do ensaio, procede - se da seguinte forma:

    Regularizao das faces de trabalho dos corpos-de-prova, com pasta ou argamassa

    capazes de resistir s tenses do ensaio, As faces dos corpos-de-prova tambm devem ser

    regularizadas por meio de uma retfica adequada;

    A pasta ou argamassa deve ser colocada sobre o molde de capeamento, cuja superfcie

    no deve se afastar do plano mais que 8 x 10- mm para cada 4 x 10 mm, previamente untado

    com leve camada de leo;

    A superfcie do molde deve ser suficientemente rgida e estar apoiada de modo a evitar

    deformaes visveis durante a operao de capeamento.;

    Comprimir a superfcie a ser capeada de encontro a pasta ou argamassa, obrigando que

    as faces laterais do bloco fiquem perpendiculares referida superfcie, com tolerncia de no

    mnimo 5;

  • 58

    O capeamento deve apresentar se plano e uniforme no momento do ensaio, no sendo

    permitidos remendos;

    A espessura mdia do capeamento no deve exceder 3mm.

    As figuras 63, 64, 65 e 66, mostra o processo de capeamentos dos blocos.

    Figura 63 Forma previamente untada com leo Figura 64 Aplicao de argamassa na forma Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Figura 65 Assentamento do bloco sobre argamassa Figura 66 Nivelamento do bloco Fonte: acervo da obra Total Life Fonte: acervo da obra Total Life

    Figura 63 a 66 Processo de capeamento dos blocos

    Fonte: acervo da obra Total Life

  • 59

    5.1.2 Dimenses

    As dimenses do corpo-de-prova devem ser medidas com preciso de 0,5 mm, a rea

    bruta do corpo-de-prova deve ser calculada com valor mdio das dimenses totais da seo de

    trabalho do corpo de prova, sem descontos das reas de furos de reentrncia.

    5.1.3 Posio do corpo-de-prova

    Todos os corpos de prova devem ser ensaiados de modo que a carga seja aplicada na

    direo do esforo que o bloco deve suportar durante seu assentamento, ele deve ser colocado na

    prensa de modo que o seu centro de gravidade esteja no eixo de carga dos pratos da prensa.

    Os comandos da prensa devem ser de forma que a tenso aplicada, calculada em relao a

    rea bruta, se eleve progressivamente razo de (0,05 +- 0,01) Mpa/s ou (5 +- 1) n/cm ou

    0,5kgf/cm/s.

    5.1.4 Resultados

    Aps a coleta e capeamento dos blocos, esses corpos-de-prova, devem aguardar as datas

    de 07, 14, 21 e 28 dias para que sejam rompidas, em nosso estudo de caso essas datas so

    definidas de acordo com a necessidade da obra.

    Depois de rompidos a empresa responsvel pelo controle tecnolgico deve emitir um

    relatrio com as informaes referente ao ensaio, nesse relatrio devem constar a seguintes

    informaes:

    Valor mdio de cada uma das dimenses dos blocos, em mm, sendo:

    - h = altura;

    - b = largura;

    - l = Comprimento.

  • 60

    A idade dos corpos-de-prova, sempre de declarada;

    O valor da carga mxima em N, referente a cada corpo-de-prova ensaiado;

    O valor da resistncia compresso para cada corpo-de-prova, expresso em MPa,

    obtido dividindo se a carga mxima em Newtons, observada durante o ensaio, pela mdia das

    reas das duas faces de trabalho, sem desconto das reas dos furos e reentrncias, em milmetro

    quadrado.

    5.1.5 Apresentao de resultados

    A tabela abaixo mostra os resultados de resistncia dos blocos com resistncia de projeto

    de 16 Mpa aos 28 dias de cura.

    Tabela 09 - resultados dos blocos com resistncia de 16 MPa.

    Fonte Obra Total Life

  • 61

    O grfico 01 mostra a evoluo da resistncia dos blocos coletados e rompidos da

    tabela acima.

    Grfico 01 Evoluo da resistncia dos blocos 16 MPa

    A tabela abaixo mostra os resultados de resistncia dos blocos com resistncia de projeto de

    14 Mpa aos 28 dias de cura.

    Tabela 10 - resultados dos blocos com resistncia de 14 MPa.

    Fonte Obra Total Life

  • 62

    O grfico 02 mostra a evoluo da resistncia dos blocos coletados e rompidos da tabela

    acima.

    Grfico 02 Evoluo da resistncia dos blocos 14 MPa.

    A tabela abaixo mostra os resultados de resistncia dos blocos com resistncia de projeto de

    12 Mpa aos 28 dias de cura.

    Tabela 11 - resultados dos blocos com resistncia de 12 MPa.

    Fonte Obra Total Life

  • 63

    O grfico 03 mostra a evoluo da resistncia dos blocos coletados e rompidos da tabela

    acima.

    Grfico 03 Evoluo da resistncia dos blocos 12 MPa.

    5.1.6 Analise de resultados dos blocos

    Na analise dos blocos com resistncia de 16 MPa aos 28 dias de idade, notamos que a

    resistncia esperada no foi atingida, como mostra a tabela 08 - resultados dos blocos com

    resistncia de 16 MPa, atingindo aos 28 dias de idade fbk = 15.5 MPa, por isso foi necessrio

    fazer a contra prova para a liberao do lote para uso no canteiro; aps a contra prova, j com

    idade de 35 dias, os blocos atingiram resistncia de fbk = 18.0 MPa, sendo liberado para uso.

  • 64

    Como a necessidade da obra pedia uma resistncia inicial elevada, para dar continuidade a

    execuo e no parar a produo da mo de obra (pedreiros), foi necessrio aumentar o consumo

    de cimento alterando o trao dos blocos e fazendo com que a resistncia inicial se elevasse

    bastante, e foi o que aconteceu com os blocos de 14 MPa, como mostra a tabela 09 - resultados

    dos blocos com resistncia de 14 Mpa, que aos 3 dias de idade atingiu uma resistncia de fbk =

    11.35MPa, sendo liberado imediatamente para uso, aos 7 dias atingiu fbk = 12,61MPa, e aos 28

    dias fbk = 15,29MPa. O mesmo aconteceu com os blocos de 12 MPa, com o aumento do consumo

    de cimento atingiram resistncia inicial bastante elevada, sendo liberados imediatamente para uso,

    com resistncias aos 3 dias de fbk = 10.66MPa, aos 7 dias fbk = 12.60 MPa e aos 28 dias fbk =

    15,38MPa.

    Porm com o aumento de consumo de cimento para a obteno de uma resistncia inicial

    elevada, o custo com a fabricao dos blocos tambm foi elevado. Uma vez que o cimento usado

    na fabricao era fornecido pela obra, e mesmo com esse grande aumento no custo, ainda sim

    continuava sendo menor quando comparado com os custo de uma obra construda nos mtodos

    convencionais.

    5.2 Resistncia a compresso do prisma

    Para a execuo do ensaio, necessrio o uso de uma prensa que acomode o corpo de

    prova com altura mnima igual ao dobro da dimenso modular correspondente a altura dos blocos

    de concreto em questo, porm existem dois tipos de prisma, o prisma oco e o prisma cheio, a

    diferena entre os dois que o oco no preenchido com groute enquanto que o cheio

    preenchido, porm para nosso estudo de caso foi executado apenas ensaio com prisma oco, abaixo

    mostramos como se prepara cada tipo de prisma.

    Como podemos observar na figura 67 que nos mostra o processo do prisma oco, o mais

    importante execut-lo com o Maximo de preciso, deixando bem ajustado com nvel e prumo,

    esse cuidado nos dar um resultado com maior exatido, j figura 68, vemos o processo do prisma

    cheio, demos ter os mesmo cuidados do prisma oco, entretanto, para este devemos aplicar o groute

    aps 24h do assentamento do 2 bloco, para que o groute no interfira na composio da

    argamassa e vice-versa.

  • 65

    Figura 67 Passo a passo do preparo do prisma oco.

    Fonte Acervo da obra Total Life

  • 66

    Figura 68 Passo a passo do preparo do prisma cheio.

    Fonte Acervo da obra Total Life

  • 67

    5.2.1 Apresentao de resultados

    A tabela abaixo mostra os resultados dos prismas dos blocos do 1 pav. cobertura

    Tabela 12 - resultados dos prismas

    Fonte Obra Total Life

  • 68

    5.2.2 Analise de resultados dos prismas

    Analisando os resultados obtidos com o rompimento dos prismas, podemos observar que

    mesmo com todos os prismas sendo ocos, foi possvel alcanar o resultado esperado, porm

    importante ressaltar que a resistncia real da alvenaria executada pode ser inferior a que obtemos

    nesse resultado, pois vrios fatores podem influenciar, importante que a mo de obra seja

    qualificada e execute de forma correta, outro motivo que pode influenciar so os materiais, esses

    tem que ser de primeira qualidade, s assim o resultado real pode chegar prximo do obtido em

    laboratrio.

    5.3 Resistncia a compresso do Groute

    Para a execuo do ensaio de resistncia a compresso do groute, devemos primeiramente

    fazer a coleta, e o essencial que essa coleta seja feita em duas etapas, uma logo aps a fabricao

    caso o groute seja batido na obra, ou se usinado logo que o caminho chegar obra, e a outra

    etapa fazer essa coleta in loco, ou seja, enquanto esse groute est sendo usado, esse

    acompanhamento nos d uma real situao de como esse groute est sendo utilizado pela mo de

    obra, muitas da vezes a mo de obra acrescenta gua, para deixar mais fcil de manusear e esse

    acrscimo de gua faz com que a resistncia do groute caia, por isso bom alm desse controle,

    manter a mo de obra treinada para que isso no acontea.

    Aps a moldagem, o corpo de prova deve ser imediatamente devem ser cobertos com

    materiais no reativos e no absorventes, com a finalidade de evitar a perda de gua do concreto e

    proteg-lo da ao das intempries.

    5.3.1 Dimenses dos corpos de prova

    As condies bsicas escolhidas devem ser: 100mm, 150mm, 250mm ou 450mm, de

    forma que obedea seguinte relao:

    d > 3D

  • 69

    Onde:

    d = dimenso bsica

    D = Dimenso mxima caracterstica do agregado, determinado conforme a NBR 7211

    Os corpos de prova cilndricos devem ter dimetro igual a d e altura igual a 2d.

    5.3.2 Apresentao de resultado

    A tabela abaixo mostra o resultado de resistncia dos groutes, assim como o trao e o

    consumo de cimento de cada resistncia.

    Tabela 13 - resultados dos Groutes

    Fonte Obra Total Life

  • 70

    O grfico 04 mostra a evoluo da resistncia dos blocos coletados e rompidos da tabela

    acima.

    Grfico 04 Evoluo da resistncia dos Groutes.

  • 71

    5.4 Resistncia a compresso da argamassa

    Para a execuo do ensaio a compresso da argamassa, devemos seguir o mesmo

    procedimento do item 5.3 Resistncia a compresso do groute, porm para este o cuidado com

    seu uso bem maior, ele ser responsvel pela ligao entre os blocos ento devemos fazer um

    acompanhamento bem mais minucioso.

    5.4.1 Apresentao de resultados

    A tabela abaixo mostra o resultado de resistncia da argamassa, assim como o trao e o

    consumo de cimento.

    Tabela 14 - resultados das Argamassas

    Fonte Obra Total Life

    O grfico 05 mostra a evoluo da resistncia dos blocos coletados e rompidos da tabela

    acima.

  • 72

    Grfico 05 Evoluo da resistncia da argamassa.

    5.4.2 Analise de resultados

    Analisando os resultados obtidos com o rompimento dos corpos de prova referente a

    argamassa podemos observar que o consumo de cimento no primeiro trao (1 ; 5,5 ; 0,48) estava

    muito elevado, aos 3 dias de idade j atingiu a resistncia de fak = 4,55 MPa, aos 7 dias fak = 5.1

    MPa e aos 28 dias fak = 12,2 MPa, quando em projeto se pedia uma resistncia de fak = 5 MPa

    aos 28 dias de idade, como a resistncia estava mais que o dobro do esperado, o trao foi

    modificado, para que se tivesse uma economia no consumo de cimento, passando a ser adotado (1

    ; 7,2 ; 0,48), j com esse trao a resistncia esperada foi alcanada chegando aos 28 dias de idade a

    fak = 6,87 MPa.

    5.5 Resistncia a compresso do concreto

    A tabela abaixo mostra o resultado de resistncia do concreto coletado na execuo do 4

    pavimento da torre 1C.

  • 73

    Tabela 15 - resultados do concreto

    Fonte Obra Total Life

    6 VANTAGENS E LIMITAES DA TECNOLOGIA

    6.1 Vantagens

    6.1.1 Diminuio do custo da obra

    Uma das principais vantagens para optar em executar uma obra em alvenaria estrutura,

    com certeza a economia, essa reduo de custo pode chegar a 30% quando comparada com os

    mtodos construtivos atuais, uma vez que no h o uso de madeira para formas de vigas nem

  • 74

    pilares, reduzindo assim custo com material e mo de obra dos carpinteiros, o baixo volume de

    concreto e ferragem, tambm um dos aliados da alvenaria estrutural reduzindo bastante o custo

    da obra.

    6.1.2 Diminuio de argamassa nos revestimentos

    Como a aplicao do revestimento cermico feita diretamente sobre os blocos de

    concreto, como ilustram as figuras 69 e 70, no h necessidade de reboco, emboo ou chapisco,

    reduzindo o custo com esse materiais e a mo de obra para sua execuo, como podemos ver nas

    figuras abaixo.

    Figuras 69 e 70 Aplicao de revestimento cermico direto no bloco.

    Fonte Acervo da obra

    O mesmo acontece quando a parede revestida com gesso ou apenas rebocada, como a

    aplicao desses revestimentos e diretamente nos blocos, no h necessidade de chapisco, como

    vemos nas figuras 71 e 72, e a espessura mdia diminui, trazendo reduo de gastos com

    materiais, mos de obra, e tempo de execuo, as figuras abaixo mostram a aplicao desses

    revestimentos.

  • 75

    Figura 71 e 72 Gesso e Reboco aplicado direto sobre blocos

    Fonte Acervo da obra

    6.1.3 Maior rapidez na execuo

    Por possuir uma tcnica de execuo simplificada, a alvenaria estrutural ganha rapidez na

    execuo, claro que a mo de obra tem que ser qualificada para que essa rapidez no se

    transforme em prejuzo, com a reduo de mo de obra e alguns tipos de materiais como j vimos

    acima, e a facilidade de projeto, detalhamento e superviso da obra, podem afirmar que a alvenaria

    estrutura com certeza um dos mtodos executivos com menor custo e menor prazo de entrega.

    6.2 Desvantagem

    6.2.1 Limitao do projeto arquitetnico

    Alm das limitaes nos vos das paredes e as restries em caso de reformas por

    possurem funo estrutural, as paredes da edificao no podem ser removidas. Por esse motivo

    impossvel fazer modificaes nas paredes sem substitui ls por outro elemento de mesma

    funo, portanto impossvel efetuar modificaes na disposio arquitetnica original deixando

    o projeto arquitetnico mais restrito.

  • 76

    6.2.2 Mo-de-obra no qualificada

    Devido ao elevado grau de preciso exigido na execuo da alvenaria estrutural, a equipe

    deve possuir treinamento e qualificao, o que demanda tempo e recursos financeiros, no entanto,

    por no permitir improvisaes no canteiro de obra, este sistema limita a funo do pedreiro.

    6.2.3 Falta de fornecedor para fabricao de blocos com resistncia elevada.

    Em nossa regio, mais precisamente na regio metropolitana de Belm, onde o numero de

    construes em alvenaria estrutural cresce cada vez mais, a falta de fabricantes para fornecer

    blocos com resistncias elevadas, implica em atraso em algumas obras, so poucas as empresas

    que conseguem fornecer blocos com resistncia de 14MPa, 16 MPa ou 18 MPa, a falta desses

    blocos acabam fazendo com que algumas construtoras, desistam de executar seu empreendimento

    em alvenaria estrutural mesmo com todas as vantagens que ela oferece.

  • 77

    7 CONSIDERAES FINAIS

    So inmeras as vantagens que a alvenaria de blocos de concreto estrutural pode oferecer,

    tanto na reduo de custo quanto na reduo de prazo, que so os pilares de uma construo de

    mdio ou baixo custo. Por esse motivo, esse mtodo vem sendo cada vez mais empregado no s

    em nossa regio, mas no Brasil todo como principal aliado no combate ao dficit habitacional que

    gira em torno de oito milhes de moradias.

    Um dos fatores de extrema importncia para o sucesso de um empreendimento em

    alvenaria estrutural o uso dos elementos estruturais de primeira qualidade. O acompanhamento

    das empresas de controle tecnolgico aliado a mo de obra qualificada um passo decisivo para a

    boa execuo dos blocos de alvenaria estrutural. Um empreendimento construdo por este mtodo

    depende diretamente dessa boa execuo para obter tal qualidade.

    O sistema construtivo em alvenaria estrutural, como os demais sistemas, apresenta

    limitaes que devem ser observadas com ateno para que se tenha um resultado satisfatrio,

    tanto sob aspecto da segurana e dos custos, quanto da qualidade final do produto.

    Pela pesquisa efetuada conclui-se que necessria a integrao total entre todos os

    participantes das equipes envolvidas, desde a etapa da concepo do projeto, ou seja, entre o

    arquiteto e o engenheiro estrutural, at a fase construtiva da edificao, quando so envolvidos os

    engenheiros e os encarregados tcnicos de todas as instalaes. Portanto, nos projetos de alvenaria

    estrutural fundamental que ocorra essa interao, pois o resultado final baseado na inter-

    relao dos diversos projetos e na harmonia do conjunto

    Outro ponto crucial, tambm no discutido na presente pesquisa, mas que foi observado

    durante o acompanhamento executivo da obra, a falta da mo-de-obra qualificada. A

    desqualificao da fora de trabalho tem afetado todos os setores na construo civil,

    principalmente, as reas que exigem melhor conhecimento dos trabalhadores, como o sistema

    construtivo em alvenaria estrutural. Alm disso, a melhoria e os avanos tecnolgicos desse

    sistema dependem fundamentalmente dessa mo-de-obra qualificada.

    Na presente pesquisa concluiu-se que o sistema construtivo com blocos estruturais de

    concreto foi e continua sendo uma resposta gil s demandas habitacionais. Alm disso, permite

    reduzir a gerao de resduos na fase de construo e na economia de materiais utilizados.

  • 78

    8 BIBLIOGRAFIA

    ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 6120: Cargas para o clculo de

    estruturas de edificaes . Rio de Janeiro, 1980.

    ______. NBR 8215: Prismas de blocos vazados de concreto simples para alvenaria estrutural

    Preparo e ensaio compresso. Rio de Janeiro, 1983.

    ______. NBR 7217: Agregados Determinao da composio granulomtrica. Rio de Janeiro.

    ______. NBR 8798 : Execuo e controle de obras em alvenaria estrutural de blocos vazados de

    concreto. Rio de Janeiro, 1985.

    ______. NBR 6123: Foras devidas ao vento em edificaes. Rio de Janeiro, 1988.

    ______. NBR 10837: Clculo de alvenaria estrutural de blocos vazados de concreto. Rio de

    Janeiro, 1989.

    ______. NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro, 1994a.

    ______. NBR 6136: Bloco vazado de concreto simples para alvenaria estrutural. Rio de Janeiro,

    1994b.

    PRUDNCIO JR, L.R.; OLIVEIRA A. L.; BEDIN, C.A. Alvenaria Estrutural de Blocos de

    Concreto. Florianpolis: Editora Grfica Pallotti, 2002.

    RAMALHO, M.A.; CORREA, M.R.S. Projeto de Edifcios de Alvenaria Estrutural. So Paulo:

    Pini, 2003.

    SANCHEZ, Emil. Alvenaria Estrutural: Novas Tendncias Tcnicas e de Mercado. Editora

    Intercincia. SENAI. Rio de Janeiro, 2002.

  • 79

    YOSHITO, . Sistemas Construtivos em Alvenaria Estrutural de blocos de Concreto, 2005.

    GRANDI, S. L. Revista Prisma, N 5. So Paulo, 2002. Alvenaria estrutural: a memria de um

    sistema construtivo. Disponvel em .Acesso

    em 10/10/2010.

    SADP, Dados dos Projetos. Disponvel em . Acesso

    em 20/10/2010.

    TAUIL, C.A. Revista Tchne, Entrevista, ed 158. Maio, 2010. Construo Fcil. Disponvel em

    . Acesso em

    14/08/2010.

    UOL, Notcias. Braslia, Maro 2009. Dficit Habitacional no Brasil. Disponvel em

    . Acesso em 20/04/2010

    ROCHA, Silvrio. Paredes Estruturais. Revista Tchne, set/out. 1996. n 24, p. 22-24.

    TAUIL, C.A. Revista Tchne, Entrevista, ed 24. Maio, 2010. Construo Fcil. Disponvel em

    . Acesso em

    14/08/2010.

  • 80

    MANUAL DO PROPRIETRIO ANEXO 01

  • 81

    CARTA AOS PROPRIETRIOS

    Este Manual do Proprietrio foi elaborado para ajudar na correta utilizao e

    manuteno do imvel.

    importante que leia atentamente todo o Manual, pois contm recomendaes para a

    manuteno preventiva da edificao, responsabilidades e garantias existentes e dicas para um

    uso seguro da edificao.

    O Manual do Proprietrio foi elaborado a partir do disposto no Sistema de Gesto da

    Qualidade.

    O imvel que voc adquiriu passou por um rigoroso controle de qualidade desde a fase de

    planejamento e projeto at o momento de entrega das chaves, alm de garantir a sua tranqilidade

    no perodo de uso, atravs do Setor de Assistncia Tcnica.

    Os processos e produtos passam por um processo contnuo de aperfeioamento, pois

    nossa meta a total satisfao dos clientes.

  • 82

    RECOMENDAES

    O uso inadequado das instalaes e/ou equipamentos pode acarretar em despesas extras e/ou perda de garantia. Fique atento aos procedimentos e manuteno preventiva

    apresentados neste manual.

    O Proprietrio se obriga a efetuar a manuteno preventiva e corretiva de seu imvel, conforme orientaes constantes nestes termos como tambm neste Manual.

    ATENO

    A Construtora no se responsabiliza por danos causados pelo uso inadequado do imvel

    ou por reformas e alteraes feitas no projeto original, mesmo que ainda esteja vigente o prazo de

    garantia estipulado no contrato.

  • 83

    CONSERVAO E MANUTENO PREVENTIVA

    Com o intuito de manter o padro de qualidade dos imveis construdos pela Construtora

    por um perodo prolongado de tempo, importante que o usurio utilize de forma correta e

    promova a manuteno preventiva de sua unidade.

    ATENO

    A perda da Garantia dos itens descritos abaixo acontecer sempre que no forem observados os

    cuidados mencionados na conservao e manutenes preventivas, alm das especificaes

    descritas no prprio item.

    ALVENARIA

    Estrutura/Paredes

    As paredes da sua unidade so estruturais, por isso NO PERMITIDO fazer cortes e nem remov-las.

    Cuidados no uso:

    No caso de uma eventual reforma ou alterao no seu apartamento certifique-se de que no

    seja danificada qualquer parte da estrutura;

    Podem ocorrer fissuras verticais entre o muro e o encontro do prdio e fissuras horizontais

    entre o piso e o prdio/muro, que so juntas de

    dilatao decorrentes das movimentaes

    naturais da estrutura, no sendo caracterizado

    problema estrutural. Essas trincas devem ser

    calafetadas sempre que houver necessidade;

    No sobrecarregue as estruturas e paredes alm dos limites normais de utilizao previstos no projeto, pois esta sobrecarga pode gerar fissuras ou at comprometer os elementos estruturais

    e de vedao;

    Evite bater as portas, pois poder fissurar o gesso ou abalar os azulejos e cermicas;

    CUIDADOS AO PERFURAR

    PAREDE

    Antes de perfurar:

    Consulte os projetos ou croquis para no perfurar

    as tubulaes de gua ou energia embutidas nas

    paredes.

    Caso o local escolhido tenha pilares e vigas, siga

    as instrues deste manual.

  • 84

    Perda da Garantia:

    Retirada de quaisquer elementos estruturais (exemplo: pilares, vigas, painis, lajes, paredes, etc.);

    Se forem alterados quaisquer elementos de vedao com relao ao projeto original;

    Se forem identificadas sobrecargas nas estruturas e paredes alm dos limites normais de utilizao previstos;

    Se no forem tomados os cuidados de uso ou no for feita a manuteno preventiva necessria.

    GARANTIAS E ASSISTNCIA TCNICA

    Nos termos da NBR 5674 Manuteno de edificaes - Procedimentos, da Associao Brasileira de Normas Tcnicas, o proprietrio responsvel pela manuteno preventiva de sua

    unidade e co-responsvel pela realizao e custeio de manuteno preventiva e inspees das

    reas comuns, obrigando-se a permitir o acesso do profissional destacado pela Construtora para

    proceder s vistorias tcnicas necessrias, sob pena de perda da garantia.

    CRONOGRAMA DE INSPEES E MANUTENES PREVENTIVAS

    ITEM

    MANUTENO: PERIODICIDADE

    (at 5 anos de uso)

    MANUTENO: PERIODICIDADE

    (aps 5 anos de uso)

    Alvenaria Estrutural 01 ano 04 anos

    Alvenaria de Vedao 01 ano 04 anos

    Antena Coletiva 06 meses 02 anos

    Automao de Portes 06 meses 02 anos

    Caixas e Vlvulas de Descarga 06 meses 02 anos

    Esquadrias de Alumnio/ Metlicas 01 ano 02 anos

    Esquadrias de Madeira 01 ano 02 anos

    Estrutura de Concreto 01 ano 01 ano

    Ferragens das Esquadrias 01 ano 01 ano

    Forro de Gesso 01 ano 02 anos

    Iluminao Automtica 06 meses 02 anos

    Impermeabilizao 06 meses 02 anos

    Impermeabilizao da Cobertura 06 meses 06 meses

    Instalaes de Combate Incndio 01 ms 01 ano

    Instalaes Eltricas 01 ano 02 anos

    Instalaes de Gs 06 meses 06 meses

    Instalaes Hidro-sanitrias 01 ano 01 ano

    Instalaes de Interfones 06 meses 02 anos

    Instalaes Telefnicas 01 ano 02 anos

  • 85

    Junta de Dilatao nas Fachadas 01 ano 01 ano

    Louas Sanitrias 01 ano 02 anos

    Metais Sanitrios 06 meses 02 anos

    Motobombas 06 meses 01 ano

    Pintura Externa / Interna 02 anos 02 anos

    Proteo SPDA 01 ano 02 anos

    Revestimentos Cermicos 06 meses 02 anos

    Vidros 01 ano 02 anos

    PRAZOS DE GARANTIAS

    Datas vlidas a partir da data do Auto de Concluso do Imvel

    ITEM CARACTERSTICAS PRAZOS

    Estrutura Defeitos que comprometam a solidez ou a segurana da edificao

    5 anos

    Impermeabilizao e vedaes

    Infiltrao decorrente de mau desempenho da vedao entre caixilho e alvenaria

    1 ano

    Infiltrao decorrente de falha no desempenho de impermeabilizao ou vedao

    5 anos

    Infiltrao decorrente de mau desempenho do revestimento da fachada

    2 anos

    Instalaes eltricas Espelhos danificados, mal colocados Vistoria de entrega

    Mau funcionamento da instalao eltrica em geral 1 ano

    Interfone

    Desempenho do equipamento Especificado pelo

    fabricante

    Problemas com instalao 1 ano

    Instalaes de telefone

    Desempenho do equipamento Especificado pelo

    fabricante

    Problemas com instalao 1 ano

    Instalaes hidrossanitrias

    Fissuras, riscos, quebras No ato da entrega

    Problemas de instalao, vedao e funcionamento 1 ano

    Fonte: Manual de Garantias do Sinduscon 3 edio - 2007 Obs.: Os prazos de garantia de reas comuns iniciam-se a partir do Auto de Concluso do Imvel (Habite-se).

Recommended

View more >