Aerovisao218

  • Published on
    11-Jul-2015

  • View
    614

  • Download
    0

Transcript

A revista da Fora Area BrasileiraQue saudade dos tempos de CadeteRonnie Von, ex-Cadete Nogueira, em entrevista exclusiva.Leia tambm: A trajetria de 25 anos das primeiras mulheres militares na FABn 218 - Jan/Mar 2007Distribuio gratuitaAeroviso Aeroviso SumrioExpediente/Editorial Luz de inspiraoConhea a histria do homem que inspirou o atual Comandante da Aeronutica.3 4Dirio de BordoSaiba como foi a volta dos heris da FAB na 2 Guerra Mundial depois da vitoriosa campanha.612Asas do TempoA histria do Patrono da Aviao de Caa por quem conviveu com o Brigadeiro Nero Moura.9Tnel de ventoImagine voar a 25 vezes a velocidade do som. Conhea o experimento realizado pela Aeronutica.12Elas chegaram l14H 25 anos, entravam na FAB jovens tenentes de diversas especialidades. Hoje, elas so tenentes-coronis.Cartas do Front1814 tudo como se fosse uma guerra de verdade. Neste ano, militares participam de vrias operaes.Nossa lida, vossa vida!O Esquadro Aeroterrestre de Salvamento, o Pra-SAR, prepara-se diariamento para salvar.22Azul do Meu Corao26O consagrado cantor Ronnie Von lembra os seus tempos de Cadete-Aviador e revela por que saiu da FAB.Mirage-20002922As primeiras aeronaves F-2000 j esto em plena atuao para defesa area do Brasil.Profissionalismo na bula32Conhea a estrutura do LAQFA, o laboratrio da Aeronutica que produz 130 milhes de comprimidos.SalvadorOs atrativos da capital baiana so destaques nesta reportagem que aborda tambm a chegada dos P-3.36Pginas de um aviadorO ator dson Celulari sentiu-se muito bem de farda, ao interpretar o Tenente-Coronel Slvio.40Destaque do Trimestre43401Aeroviso 2Aeroviso Expediente / EditorialBraslia - DF Ano XXXIII - Jan-Fev-Mar 2007- n 218Ideais nossos de cada diaPrezados Leitores, Laboriosa e quase inexplicvel, a mente costuma nos provocar belas sensaes pelas lembranas. O passado nos surge como um filme em nossa memria, mesmo em meio s agitaes e prioridades do hoje, do agora. As mais marcantes recordaes no so as instantneas, mas aquelas que chegam a nos fazer retomar os sons, os cheiros e tudo o que existe e pode ser definido como emoo de um determinado momento. Uma grande lembrana faz, sim, com que o corao pulse acelerado e, de forma despropositada, provoca uma mgica seleo de nossa vida, em episdios desfragmentados, para que possamos nos inspirar. Esta edio da Revista Aeroviso, ao trazer algumas histrias passadas e como elas sobrevivem em formato ousado de lembranas nas pessoas, no se resume a uma justa homenagem ao ontem, mas ao presente e tudo o que pode tornar mais belo o amanh. A reportagem com o cantor Ronnie Von mostra como um artista consagrado recorda dos seus tempos de Cadete da Fora Area Brasileira como os melhores de sua vida. O primeiro vo, as amizades, as histrias...Tudo continua bem vivo, numa melodia harmoniosa. Mesmo famoso e consagrado por sua arte, sente muitas saudades do tempo em que tocava violo no alojamento. Bem vivos esto tambm os sentimentos de um personagem annimo. O Sargento Tanaka, hoje na reserva da FAB, um personagem interessante. No apenas porque influenciou um jovem que se tornou Comandante da Aeronutica, mas porque suas lies de sabedoria so eternas. A satisfao de exercer o seu ofcio, fazer o bem ao prximo, influenciar... Outras diversas reportagens mergulham na histria, como a incrvel trajetria do Brigadeiro Nero Moura, ou o existoso percurso de 25 anos da mulher na FAB. Outras aprofundam o presente, como a lio de profissionalismo dos militares do Esquadro Aeroterrestre de Salvamento, o PARA-SAR. Chegamos ao futuro com o invejvel desenvolvimento de um tnel de vento que possibilita o teste de aeronaves hipersnicas, numa prova de vanguarda tecnolgica. Seja qual for o tempo a que se recorra, em cada pgina dessa revista esto impressos ideais de pessoas que amam o que fizeram e o que fazem. Ter saudade amanh do que fizemos hoje significa que seguimos o caminho que realmente acreditamos. Convidamos o prezado leitor a seguir pelas prximas pginas. Boa leitura!Produzida pelo Centro de Comunicao Social da Aeronutica (CECOMSAER). Cartas com crticas e sugestes devem ser enviadas para: Esplanada dos Ministrios - Bloco M - 7 andar - 70045-900 - Braslia - DF E-mail: aerovisao@fab.mil.br Redao, diagramao e administrao: Diviso de Produo e Divulgao do CECOMSAER. Circulao dirigida (no Pas e no exterior). DISTRIBUIO GRATUITA. Distribuio: Diviso de Relaes Pblicas do CECOMSAER. Tiragem: 20.000 exemplares. Conselho Editorial: Brigadeiro-do-Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez; Coronel Carlos Machado; Tenente-Coronel Jorge Antonio Arajo Amaral; Tenente-Coronel Amauri Feij de Melo Jnior, Tenente-Coronel Henry Wilson Munhoz Wender; Major Claus Kilian Hardt e Major Antonio Ramirez Lorenzo. Editor-Chefe: Brigadeiro-do-Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez. Colaboradores: Tenente Claudio Cinello Tavares; Tenente Karina Ogo; Tenente Luiz Cludio Ferreira, Tenente Csar Guerrero; Tenente Alessandro Silva. Editor: Major Paulo Csar Andari. Diagramao e arte grfica: Sargento Luiz Carlos Ribeiro; Sargento Renato de Oliveira Pereira; Soldado Vgner Luiz de Azevedo Miguel; Soldado Raul Benevides dos Santos e Soldado Tmaz Alves. Produo Grfica: CECOMSAER Jornalista Responsvel: Tenente Luiz Cludio Ferreira. Registro Profissional: MTB - 2857 - PE Os conceitos emitidos nas colunas assinadas so de exclusiva responsabilidade de seus autores. Esto autorizadas transcries integrais ou parciais das matrias publicadas, desde que mencionados o autor e a fonte e remetido um exemplar para o CECOMSAER. Os originais enviados para publicao no sero devolvidos, mesmo que deixem de ser editados.Tenente-Brigadeiro-do-Ar JUNITI SAITO Comandante da Aeronutica3Aeroviso EntrevistaLuz de inspiracaoO caro leitor se lembra de quem foi a pessoa que o inuenciou ou inspirou a seguir sua carreira prossional? Certamente, essa recordao traz, para muitos, um momento marcante de histria de vida, ntimas exclamaes sobre o comeo da trajetria, o brilho reluzente de quando uma luz se acendeu. Por outra forma, talvez no sabemos quantos inuenciamos, em quanto inspiramos. Essa busca de ir muito alm de si o que costuma gerar sentimento leal de sucesso pela vitria de outra pessoa. Sensibilidade como a que teve um antigo militar ao assistir com lgrimas nos olhos posse do atual Comandante da Aeronutica, Tenente-Brigadeirodo-Ar Juniti Saito. O Sargento da Reserva da FAB Kimyuki Tanaka, no ano de 1958, era aluno da Escola de Especialistas de Aeronutica, em Guaratinguet (SP), quando ao visitar um antigo amigo, conheceu um jovem de 16 anos que se encantou com a farda da Aeronutica. Disse que, se ele estudasse, entraria para a FAB e teria uma farda igual quela. O jovem, hoje, o Tenente-Brigadeiro Saito. Em entrevista exclusiva para Aeroviso, Tanaka, hoje com 70 anos de idade, conta detalhes dessa histria, lembra dos tempos de militar e fala sobre a responsabilidade de vestir uma farda. Aeroviso - Como foi que o senhor conheceu o Comandante da Aeronutica? Nas primeiras frias depois que ingressei na Escola de Especialistas de Aeronutica, em Guaratinguet, em 1958, fui visitar um antigo amigo da minha cidade natal, AsArquivo PessoalPor Tenente Luiz Cludio FerreiraAo centro, Tanaka ladeado pela sua esposa e pelo Comandante da Aeronutica TenenteBrigadeiro-do-Ar Juniti Saito.sai (PR). Ele era meu professor de japons e o nome dele era Yoshida. Ele havia mudado para o bairro de Pinheiros, em So Paulo. Eu estava de farda que, naquela poca, era amarela. Ao visit-lo, conheci o sobrinho dele. Era um jovem de 16 anos, muito educado que me perguntou: Como eu fao para ter uma farda como essa? Como eu fao para entrar para a Aeronutica?. Eu respondi: Juniti, voc precisa estudar bastante e, depois, gostar muito do que faz. Ele ento pediu para experimentar meu quepe e minha tnica. Tnhamos alturas parecidas e todos acharam que aquela farda havia ficado muito bem nele. Ele ficou muito animado. Aeroviso - O que o senhor aconselhou a ele? Eu disse a ele que, como ele j estava no colegial (o ensino mdio de hoje), ele poderia prestar concurso para a Escola Preparatria de Cadetes do Ar (EPCAR). Eleestava fazendo cursinho preparatrio para ingressar no ensino superior. Disse que ele deveria se aplicar nos estudos e senti que ele teria sucesso na prova. Ser militar sempre foi uma carreira importante, que muitos jovens sonhavam. Achei que estava dando a ele um bom conselho. Aeroviso - E depois, como o senhor teve informaes sobre a vida dele? Soube pelo tio dele. Me ligou para dizer o seguinte: sabe o meu sobrinho, que voc incentivou a prestar concurso para a EPCAR? Pois bem, ele passou na prova. Ele e toda a famlia esto muito felizes. Fiquei muito feliz com aquela notcia. Tive a sensao que estava fazendo bem a algum. Depois, soube que ele foi para a Escola de Aviao, no Campo dos Afonsos, ser aviador. Um belo dia, ele foi me visitar no quartel em que eu servia com o espadim recm-recebido. O ento Cadete Saito me disse: Consegui4entrar para o Campo dos Afonsos. Muito obrigado pelo dia que voc me aconselhou a ser militar. Amo minha prosso. Depois, ele me ligou em vrios momentos. Quando ele foi promovido a Ocial-General, por exemplo, foi uma emoo muito grande para mim. E, agora, que ele o Comandante da Aeronutica, no tenho nem palavras para dizer do meu orgulho e da minha felicidade pela conquista dele. Aeroviso - O que o senhor sentiu no dia em que o Tenente-Brigadeiro Saito assumiu o Comando? Uma emoo muito forte. Voltei no tempo e lembrei do dia em que conheci o jovem, de 16 anos, ainda cheio de planos. Hoje vejo que ele subiu no topo da montanha. uma pessoa que venceu e sempre foi muito feliz na prosso que escolheu. Quando a tropa passou deslando, senti vontade de marchar tambm. Chorei no toque da corneta. Me emocionei muito por ele, por mim, por cada um daqueles jovens que estavam na minha frente. Quantos sonhos e esperanas trazemos...Creio que todo militar, mesmo que sirva pouco tempo, lembra-se para sempre de cada dia dessa prosso. Aeroviso - E o senhor, como entrou para a FAB? Meus pais sempre me estimularam a ser militar.Quando eu tinha 18 anos, fui Soldado do Exrcito, num quartel de Cavalaria, em Curitiba. Fiquei encantado com a vida militar e depois que acabou meu tempo no Exrcito, prestei concurso para a Escola de Especialistas de Aeronutica. Eram 200 vagas. Voc no imagina como quei feliz quando passei. Fui o primeiro cidado da minha cidade a entrar para uma escola militar. Quando entrei para EEAR, ingressei no curso de suprimento tcnico. Foram doisanos de muito estudo, muita aplicao. Amava cada aula. As pessoas eram interessadas. Todos voluntrios a abraar a carreira. No vamos a hora de nos formarmos e irmos para os quartis aplicar o que havamos aprendido. Aeroviso - O que o senhor guarda de sua carreira? Sinto muitas saudades. Se eu nascesse de novo, faria tudo igual. Queria estar de novo indo para a Escola de Especialistas. Queria ser mais uma vez sargento da Aeronutica. Depois, fui ser professor universitrio e oriento projetos na rea de farmcia. Aeroviso - O senhor tem influenciado pessoas ao longo da sua vida... O que fazemos to importante quanto o que falamos. No adianta falar algo e fazer diferente. Na vida militar, somos observados pelos companheiros e por toda a sociedade. Isso faz parte da vida de todos ns, todos os dias. O que precisamos pensar em fazer o bem, sermos ticos e fazermos pelos outros o que gostaramos que fizessem por ns mesmos. Foi sempre isso que pensei e z na minha vida. E hoje, ao olhar para trs e para o presente, fico muito contente com tudo o que aconteceu.CECOMSAER5Aeroviso Dirio de BordoDe volta para casaPor Tenente Luiz Cludio FerreiraMesmo consagrados historiadores que estudam conflitos como a 2 Guerra Mundial so categricos ao afirmar que s quem vive algo assim pode tentar descrever com fidelidade o que foram aqueles malogrados dias. Da mesma forma, entende-se que apenas os prprios combatentes conseguem apontar o que significa o esperado final de um conflito. Um alvio que surge como uma bomba bendita, um estardalhao tormentoso, que muitos falam, poucos definem e todos procuram. Algo conhecido como paz. Depois de um ano e quatro meses no front, as bombas cessaram para os ouvidos do ento tenente, de 26 anos de idade, agora Major-Brigadeiro Rui Moreira Lima, um dos heris brasileiros, autor do livro Senta a Pua, hoje com 87 anos de vida e ainda muita histria para contar. Depois de declarado o fim da guerra na Itlia, em 2 de maio de1945, ele foi um dos 19 aviadores escalados pelo comandante do 1 Grupo de Aviao de Caa, o ento Tenente-Coronel Nero Moura, para voltar pilotando a sua aeronave de combate P-47 para o Brasil. Da sada da Itlia at pisar em sua terra novamente, o percurso dessa esperada volta est registrado em sua caderneta de vo que ele guarda com um carinho especial em sua casa. A pedido da Revista Aeroviso, o Brigadeiro Rui reabre sua antiga caderneta. Desta vez, no para abordar alguma de suas 94 misses de guerra, mas para relembrar a mais esperada viagem de sua vida. Estava regressando vivo de uma guerra sangrenta. Isso foi uma grande vitria, afirma. Os dias mais felizes do ano de 1945 comearam no incio de maio. A partir de ento, era uma contagem regressiva. Todos os brasileiros na Itlia j preparavamseus coraes para voltar para casa. Uma viagem que comearia no ms seguinte passando por vrias cidades italianas como Piza, Roma e Npoles. reas que antes viviam sob as sombras da morte e da devastao. Os pilotos viram cenrios de filmes de terror em que o nico consolo para a tristeza era que o pesadelo tinha acabado. Em meados de junho, o grupo atravessou o Atlntico e chegou nos Estados Unidos. Em Nova Iorque, os brasileiros j respiraram outros ares. De l, seguiram para San Antonio (Texas), onde reencontraram seus P-47 em Kelly Field. Sobrevoaram o Mxico e toda a Amrica Central, fazendo uma parada de saudade na zona de defesa do Canal do Panam para rever ex-instrutores e amigos na Base Area de gua Dulce. A contagem regressiva pareceu mais acelerada quando os 19 pilotos chegaram no dia 10 de6Aeroviso O M a j o r- B r i g a d e i r o Rui Moreira Lima, 94 misses na 2 Guerra Mundial, reabre sua caderneta de vo do ano de 1945, especialmente para a Revista Aeroviso, para contar sobre uma viagem inesquecvel.julho a Trinidad e Tobago. No mesmo dia, decolaram para Pa r a m a r i b o , n o Suriname. Era o ltimo pouso antes de chegar ao Brasil. Finalmente, o 1 Grupo de Caa chegou ao Brasil no dia 11 de julho. Pousaram numa pista na Cidade do Amap (AP), a primeira do pas a receber os heris da guerra. Os pilotos pernoitaram no local e partiram no dia seguinte para Belm. Foi oficialmente a primeira base area a receber o grupo. Eles foram recepcionados por banda de msica e por desfile das tropas da ento 1 Zona Area, como na poca era denominada a regio administrativa da Aeronutica na capital paraense. Foi, de fato, muito emocionante para todos ns. Um evento solene que jamais esqueceremos, diz o Brigadeiro Rui. Nesse caminho de volta, o heri tambm no esquecer de um momento em particular. Foi quando me reencontrei com os meus pais em So Lus (MA). Em1943, quando soube que iria para a guerra no tive coragem de dizer para minha famlia. Eles s foram avisados depois por carta. Na volta, precisava encontr-los,abra-los e mostrar que eu estava bem. Na seqncia da viagem, o grupo chegou no dia 13 de julho na capital pernambucana. Na Base Area do Recife, mais uma grande recepo aos pilotos, incluindo a presena do Governador do Estado e outras autoridades. No dia seguinte, o grupo chegava na Base Area de Salvador. Uma solenidade parou a cidade. Na rota, foi includa uma parada no dia 15 na cidade de Vitria (ES), onde foram todos mais uma vez homenageados. Foi oferecidoA felicidade dos pilotos numa parada no Panam, em seu roteiro de volta ao Brasil.Arquivo Pessoal7Aeroviso Dirio de Bordoem entrevista Aeroviso, lembra com muita emoo do reencontro. Ns nos abraamos demoradamente. No falamos quase nada. No consigo encontrar palavras para descrever o que aconteceu. Iramos continuar nossa vida, diz. E foi ela quem preparou a casa para que o marido conhecesse sua pequena filha sem mais ningum por perto. Foi um dos momentos mais fortes da minha vida, diz Rui Moreira Lima. Tudo isso aconteceu h 61 anos. O Brigadeiro lembra de cada detalhe como se os fatos tivessem ocorrido ontem. A caderneta de vo abre essas folhas do passado como uma velha companheira da sempre jovem memria. Ao trmino dessas pginas, o caminho feliz que todos queriam. O prossional, voar todos os dias pela paz. O homem, sorrir e chorar diante da lha de sete meses. A vida assim mesmo. por isso que o Brigadeiro guarda sua caderneta. por isso que o homem acalenta seu corao.Hoje, aos 87, o Brigadeiro Rui: emoo e lembranas.Arquivo PessoalAo lado, a despedida. Abaixo, o Tenente Moreira Lima j na misso.8III COMARum verdadeiro banquete e um baile com toda a sociedade capixaba. Em todos os lugares em que pousamos, ramos tratados com muito carinho pelo povo, diz. O dia 16 de julho ficou reservado para o pouso no Rio de Janeiro. Antes da decolagem, ficou combinado como iria ser a chegada. O Ministro da Aeronutica Salgado Filho entrega as medalhas Cruz Partindo de de Aviao e da Campanha da Itlia. 20 mil ps, num vo picado a grande velocidade naquela poca. O mergulho dade, comeando na Praa Mau, no Rio de Janeiro foi algo indescrionde em formatura de cobrinha, tvel. Relembrar esses momentos faramos passagens individuais, sempre me deixa com o corao relembra. Quando apontamos mais acelerado, emociona-se. na Baa de Guanabara, o cu estaO Brigadeiro Rui estava ansioso va absolutamente azul. Fizemos porque sabia que iria conhecer sua uma passagem pela Avenida Rio filha Snia, ento com apenas sete Branco, prosseguindo na Ensemeses de vida. ada de Botafogo at o Forte de Quando desci do avio, pisei Copacabana. Recebemos ordens forte no cho do Campo dos Afondo nosso comandante para no sos. A pude ter certeza que tinha descermos abaixo do Edifcio da chegado em casa. Minha esposa me Noite, que era o mais alto da ciesperava. Julinha Moreira Lima,Arquivo PessoalArquivo PessoalAeroviso Asas do TempoUm patriota, um lderBrigadeiro Nero Moura comandou a vitoriosa campanha do recm-criado Primeiro Grupo de Aviao de Caa (1 GAVCA) na Segunda Guerra MundialPor Tenente Karina OgoNo! Essa era a resposta que, de imediato, todos recebiam quando faziam um pedido a ele. Mas, ao contrrio do que se poderia imaginar, no era uma pessoa contrariada, chata e ranzinza. Seus subordinados no precisavam esperar tanto para comprovar o chefe exigente, mas de grande carter, que tinham: logo aps a sonora negativa, vinha sempre um est bem, pode fazer... Nada como a histria que construiu ao longo dos anos de sua existncia para provar que essa era apenas mais uma de suas facetas... Assim era Nero Moura, o lder que, se soubesse que um de seus excomandados necessitava de assistncia mdico-hospitalar, dizia para um de seus veteranos, Major-Brigadeirodo-Ar Rui Moreira Lima: Procure o pessoal da sade e resolva o problema. Se houver diculdade, eu resolverei pessoalmente... E resolvia. Nascido a 30 de janeiro de 1910, na atual Cachoeira do Sul (RS), Nero era um dos trs lhos homens (ele tinha mais duas irms) do proprietrio rural Gilberto Moura e de sua esposa, Maria Emlia Marques Moura. Depois dos estudos iniciais feitos na prpria cidade, Nero foi com seu irmo mais velho, Osmar, estudar no Colgio Militar de Porto Alegre. Ao nal do curso, foi matriculado na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro. Seu contato, desde a infncia, com a vida no campo, no o tornou um fazendeiro. Resolveu ser aviador e optou pela Arma da Aviao, recm-criada no Exrcito, no Campo dos Afonsos (RJ). Em 1930, foi declarado Aspirantea-Oficial-Aviador. Naquele mesmo ano, conheceu a pessoa que teria papel determinante em sua vida: o presidente Getlio Vargas, que comandou o governo provisrio do Brasil aps a Revoluo de 1930, na qual Washington Luiz foi derrubado. Com a convivncia, nasceu uma grande amizade entre ambos. Em 1932, participou de suas primeiras misses de combate, contra a Revoluo Constitucionalista de So Paulo, que visava depor Getlio. Fez cerca de 60 misses, sob a liderana do ento Major Eduardo Gomes, Comandante do Grupo Misto de Aviao. Ele integrou o grupo de pilotos que participou do Correio Areo Militar, embrio do Correio Areo Nacional, e, em 1934, j como capito, foi para a Frana, aprovado em primeiro lugar em concurso, para realizar um curso de aperfeioamento, envolvendo ttica area, tiro e bombardeio. No retorno ao Brasil, cumpriu misses contra a revoluo comunista, em 1935. Implantou em Jacarepagu (RJ) o primeiro campo de tiro e bombardeio no Brasil. Em seguida, foi comandar o Terceiro Regimento de Aviao, em Santa Maria (RS), e depois voltou Escola de Aviao Militar, no Rio, para chear a instruo area e o emprego operacional do avio como arma de guerra. Nessa mesma poca, foi designado para ser o piloto do presidente Getlio. Com o incio da Segunda Guerra Mundial, em 1 de setembro de 1939, por iniciativa de Getlio Vargas, Nero Moura fez parte de um selecionado grupo de ociais que estudou a ne-Brigadeiro Nero Moura comandou o Primeiro Grupo de Aviao de Caa na Segunda Guerra Mundial.cessidade de criao do Ministrio da Aeronutica, assim como j havia ocorrido em outros pases. Assim, em 20 de janeiro de 1941, era criado o novo Ministrio, unindo as Aviaes Militar e Naval, sendo nomeado para ministro Joaquim Pedro Salgado Filho, poltico de grande projeo nacional e homem de conana de Getlio. Nero participou do Gabinete como assistente militar e chefe da Seo de Avies de Comando, atual Grupo de Transporte Especial (GTE). Na poca, j era Major e estava casado com dona Marieta Cunha Fabrcio, quando, em 1942, foi declarado estado de guerra no Brasil em razo dos ataques de pases do Eixo (Alemanha, Itlia e Japo), cujos submarinos haviam torpedeado navios brasileiros. Diante dessa situao, em setembro de 1943, foi criada a Fora Expedicionria Brasileira (FEB), uma Diviso Expedicionria de 25.000 homens. Em 18 de dezembro do mesmo ano, foi formado o Primeiro Grupo de Aviao de Caa (1 GAVCA), com o efetivo de 418 homens, entre eles, 49 pilotos.CECOMSAER9Aeroviso Asas do TempoO comando do 1 GAVCA foi disputado entre os majores Nero Moura e Jos Vicente Faria Lima. O primeiro era aviador e o segundo, engenheiro. Nero venceu a concorrncia com o argumento de que, se ele fosse abatido em combate, a Fora Area Brasileira perderia um piloto, ao passo que o abatimento de Faria Lima implicaria perda de um piloto e engenheiro. Salgado Filho nomeou ento Nero comandante. Todos os componentes do grupo, por exigncia de Nero Moura, foram voluntrios e passaram por um treinamento no Panam em avies P-40 e nos Estados Unidos em aeronaves Thunderbolt P-47. Embarcaram para a Itlia, chegando a Livorno em 6 de outubro de 1944 e estabelecendo-se no dia seguinte na Base Area de Tarqunia. Com 34 anos, Nero Moura, j tenentecoronel, foi um combatente exemplar. Executou 62 misses de guerra, revelando-se um lder militar. Lembro-me de um dia em que Nero Moura, aps cumprir, no Passo do Brenner, uma misso vitoriosa, estava no clube Senta a Pua, vendo as imagens do que havamos feito de dia e fazendo a crtica do combate. Ele nos reuniu em torno de sua mesa e disse: O que vamos fazer se voltarmos ao Brasil com essa experincia de guerra? Ele mesmo concluiu: No ser preciso mais irmos ao Panam ou aos Estados Unidos para aprender e, quem sabe, nem comprar avio no exterior para combatermos. O que estamos fazendo aqui um verdadeiro mestrado de guerra. Proponho que, se voltarmos, assumiremos o compromisso de fazer a aviao de caa no Brasil, conta o Major-Brigadeiro-do-Ar Rui, um dos pilotos de Nero Moura na Itlia. Alm de homem leal, de carter e discursos ponderados, ele era completo na liderana de vo, completa. Misso cumprida na Europa. A chegada ao Campos dos Afonsos foi em 16 de julho de 1945. Quarenta dias depois, assumiu o comando da atual BaseBrigadeiro Nero Moura (ao centro), entre a lha Leonor e um ocial norte-americano em abril de 1986, durante festividade no Clube da Aeronutica, no Rio de Janeiro, por ocasio do recebimento da Presidential Unit Citation, maior comenda outorgada pelo Governo dos Estados Unidos a unidades de Fora Area, pelo desempenho do 1 GAVCA em ao conjunta com a Fora Area Americana durante a Segunda Guerra Mundial.REPRODUOArea de Santa Cruz (RJ), sede do 1 GAVCA, junto com seus comandados que haviam regressado da Itlia. Em 29 de outubro daquele mesmo ano, Getlio foi deposto. Declarandose favorvel ao presidente e mantendo a sua lealdade para com o amigo, Nero Moura foi preso. Em 7 de dezembro, transferiu-se para a reserva, aos 35 anos. Passou a atuar na aviao civil, trabalhando na Aerovias Brasil e, depois, criou o Lide Areo Nacional. Em 1949, nascia a sua nica lha, Leonor Maria Moura, no Rio de Janeiro. Os meus pais se separaram quando eu ainda era pequena. Fui com minha me para Uruguaiana (RS), mas eu sempre convivi com ele. Depois fomos morar em So Paulo, e ele ia do Rio para l me ver todos os nais de semana, diz Leonor, que ainda morou no Rio de Janeiro, antes de voltar para o Sul do pas, onde vive atualmente com sua famlia e a me, Marieta, de 87 anos. Apesar de separados, eles sempre se deram muito bem, respeitavam-se muito. s vezes, para desespero de muita gente, ele ainda a apresentava como minha mulher, conta Leonor. Nero Moura morava sozinho noRio. Ele jogava golfe diariamente no Itanhang Clube. Anos depois, adquiriu uma doena irreversvel, esclerose do cerebelo. A parte motora foi afetada. Tinha muitos amigos, gostava de se sentar mesa do escritrio e jogar pacincia com cartas. Eu dava palpites, e ele me dizia: No te mete, arma a lha. Era muito divertido, bondoso, tinha um corao de manteiga, mas no gostava de demonstrar. Por isso que ele dizia no aos pedidos. Se ele dissesse sim, seria mais difcil voltar atrs, complementa. Depois de um tempo afastado, sua relao com a Fora Area Brasileira foi restabelecida em 1951, quando Getlio voltou ao poder, aps vencer a eleio, e o convidou para ser o Ministro da Aeronutica. Nero Moura, que havia obtido o posto de coronel ao passar para a reserva, foi promovido, por servio de guerra, a brigadeiro-do-ar. Em sua gesto, houve vrias realizaes importantes: a implantao do Centro de Instruo Militar, no Campo dos Afonsos; a criao do Comando de Transporte Areo (COMTA); a criao da Esquadrilha da Fumaa, que visava incentivar os jovens a entrar na10FAB; a introduo do avio a jato (Gloster-Meteor); a criao das primeiras unidades de busca e salvamento e de reconhecimento e patrulha. Os acontecimentos polticos, entretanto, zeram com que Nero pedisse demisso, em agosto de 1954, quatro dias antes da morte de Getlio. O corao e a cabea dele nunca saram da Aeronutica. Ele respirava isso sempre. Sobre a guerra, ele era mais fechado, falava mais entre eles, mas qualquer referncia Fora Area Brasileira fazia com que os olhos dele entregassem a sua paixo, conta Leonor. Nero nunca se afastou de seus amigos e subordinados. Aps a guerra, duas datas foram institudas para reunies anuais em que relembrariam os feitos daquela poca: 22 de abril (Dia da Aviao de Caa), quando foi realizado o maior nmero de misses na Itlia, e 6 de outubro, data em que chegaram em solo italiano. Em todo primeiro sbado de outubro, os veteranos se reuniam na casa de Nero Moura para a grande confraternizao anual do grupo, quando ele servia aos seus convidados o famoso Picadinho Jesus Est me Chamando. O Brigadeiro Nero pediu que a reunio de 50 anos (1994) e as outras no fossem mais realizadas na casa dele, mas no Clube de Aeronutica. Dissemos a eleque, em sua casa, ele se sentia mais vontade, pois estava com diculdade de andar. No adiantou, a reunio foi feita no Clube. No nal dessa reunio, ele disse: Agora j posso morrer, pois tenho certeza de que essa reunio vai acontecer todo ano, mesmo sem mim, arma o Major-Brigadeiro Rui. Nero Moura faleceu pouco depois, em 17 de dezembro de 1994. Aps o falecimento, fui ao apartamento dele e encontrei Imposto de Renda de 1939. Ele era muito organizado, tinha tudo guardado. Havia agendas de vrios anos, com datas importantes, como aniversrios e o nascimento de meu lho, seu neto, diz Leonor. Em 17 de janeiro de 1995, Nero Moura foi ocialmente declarado Patrono da Aviao de Caa, por portaria ministerial. E, no Instituto HistricoCultural da Aeronutica (INCAER), do qual foi um dos preconizadores, foi eleito Patrono da Cadeira n 16 Nero Moura e o 1 GAVCA receberam vrias condecoraes, nacionais e estrangeiras, em razo de seus feitos na guerra. Medalhas que premiam o esforo de um lder, que soube colocar o patriotismo acima de tudo e reuniu jovens pilotos e comandados em torno de um objetivo maior, obtendo uma campanha vitoriosa. Assim como disse na Ordem do Dia quando doEm fevereiro de 1991, ao lado da lha Leonor, Brigadeiro Nero Moura no escritrio de seu apartamento no Rio, onde morou a partir de 1954, com as cartas de seu jogo de pacincia.hasteamento da bandeira brasileira em Tarqunia, em 14 de outubro de 1944: Camaradas: Para a frente, para a ao, com o pensamento xo na imagem da Ptria, cuja honra e integridade juramos manter inclumes. Cumpre-nos enfrentar, com fortaleza de nimo, a m de manter intacto esse tesouro jamais violado: a honra do soldado brasileiro! E ns o faremos, custe o que custar. Misso cumprida, comandante!Trs irmos na guerraBrigadeiro Nero Moura viveu um drama pessoal durante a permanncia na Itlia. Afora ele, seus outros dois irmos homens tambm estiveram na guerra: o caula, Danilo Marques Moura, por sinal, tambm pertencia ao 1 GAVCA; j Osmar era ocial do Exrcito e integrava a Fora Expedicionria Brasileira (FEB). Em 4 de fevereiro de 1945, Danilo foi abatido em vo e desapareceu. Na verdade, ele deu incio a uma fuga herica e conseguiu retornar Base onde o grupo estava um ms depois, percorrendo trechos em territrio inimigo, a p e de bicicleta, mais de 340 km. Quando o Danilo foi dado como morto, o irmo mais velho deles, Osmar, viajou para Npoles para buscar o que seria o corpo de Danilo e no sabia que o caula estava vivo. O Danilo tinha acabado de voltar e foi um susto grande e muita emoo para o Osmar encontr-lo vivo, conta o Major-Brigadeiro Rui. Leonor Maria Moura, lha de Nero Moura, arma que seu tio Danilo era um bom piloto, mas, ao contrrio de seu pai, desligado. Minha av que quase morria por causa dos trs lhos na guerra. A fuga de Danilo deu origem pera do Danilo, encenao criada durante a prpria guerra pelos criativos tenentes do 1 GAVCA e exibida anualmente por ocasio do Dia da Aviao de Caa.REPRODUOOARQUIVO PESSOAL11Aeroviso Por Karina BarrosForam trs anos de rduas pesquisas e estudos. Mais de 40 pessoas, entre engenheiros, cientistas e tcnicos, alm de quatro indstrias nacionais participaram diretamente de todo o processo. O resultado da parceria entre o Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), localizado em So Jos dos Campos (SP), e a Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (FAPESP), igualou o Brasil a pases como os Estados Unidos, a Austrlia, a Alemanha, a Rssia, o Japo e a Frana. Agora, o pas d os primeiros passos para dominar a tecnologia de aeronaves hipersnicas, que voam em velocidade seis vezes acima do som, e com isso poder competir diretamente no desenvolvimento de novas tcnicas aeroespaciais convencionais, ou aquelas que garantiro ao Brasil o acesso facilitado, eciente e barato ao espao. O equipamento desenvolvido que ser responsvel por esses novos estudos o T-3, o maior tnel de vento hipersnico da Amrica Latina. Utilizado para testar veculos espaciais, sem faz-los voar, o T-3 insere o Brasil em uma rea de pesquisa ainda desconhecida: o desenvolvimento de veculos lanadores de satlites que utilizam sistema de propulso com ar aspirado. Essa uma tecnologia ainda inexistente no mundo. Isso permitir o desenvolvimento de motores que utilizem oxignio atmosfrico fazendo com que futuros veculos lanadores noprecisem carregar pesados tanques de oxignio lquido, dotando-os de maiores capacidades de carga til e alcance, afirma o vice-diretor do Instituto de Estudos Avanados (IEAv), Tenente-Coronel Engenheiro Marco Antonio Sala Minucci, um dos idealizadores do projeto, coordenado por um dos pesquisadores da organizao militar, Dr. Paulo Gilberto de Paula Toro. Pesando 25 toneladas e com 24 metros de comprimento e uma seo de testes de 600 mm de dimetro e 1500 mm de comprimento, o T-3 tem tamanho e condies adequadas para testar, em terra, tudo o que uma veculo aeroespacial enfrentar ao cumprir o percurso da Terra ao espao ou depois, na reentrada da atmosfera. O modelo de at um metro de comprimento ser colocado dentro do tnel e o ar (vento) escoar ao seu redor na velocidade de vo desejada, que poder chegara 25 vezes a velocidade do som, explica o Tenente-Coronel Sala. At os dispositivos que os engenheiros s vislumbram na teoria poder ser testado no T-3. No tnel de vento, os engenheiros que esto projetando as novas aeronaves iro vericar se o que eles previram nos clculos podero realmente acontecer na prtica, conclui. Toda essa tecnologia de ponta foi projetada inteiramente por engenheiros e tcnicos das Divises de Aerotermodinmica e Hipersnica e de Suporte Tecnolgico, do Instituto de Estudos Avanados, uma organizao militar da Fora Area Brasileira, sediada no ComandoGeral de Tecnologia Aeroespacial, em So Jos dos Campos. Todos os componentes mecnicos de alta tecnologia tambm foram feitos em diferentes cantos do Brasil, como no Vale do Paraba e Piracicaba, em So Paulo, e Ponta Grossa, no Sul.Funcionamento do Tnel de Vento12Os testes O funcionamento do tnel hipersnico considerado simples. Uma verso reduzida do veculo a ser estudado colocada na seo de testes do T-3, que fica numa extremidade do tnel. Na extremidade oposta, o gs hlio ou o hidrognio comprimido a altas presses. No tubo do meio do T-3 est o ar seco, aquele que respiramos. A presso A presso do gs hlio empurra o ar que jogado para dentro do tnel onde est o modelo do veculo. do gs hlio empurra o ar que jogado para ceriam o ar em volta do veculo e o se aquele formato de veculo aeroesdentro do tnel onde est o modelo impulsionariam, diz o engenheiro. pacial o adequado, por exemplo. do veculo a velocidades altssimas, Com isso, os veculos cariam mais Ou ainda se a aerodinmica do semelhantes a um vo. Caso a leves para irem ao espao, podendo modelo estudado a certa para que gente queira simular a reentrada de levar mais experimentos do que o o veculo no enfrente problemas ao uma sonda na atmosfera marciana, que levam hoje. ser lanado ao espao. basta substituir o ar atmosfrico Esse projeto faz parte do convAlm de reproduzir as condies pela composio da atmosfera de nio rmado entre o Laboratrio de que naves espaciais e aeronaves Marte, explica o Tenente-Coronel Pesquisas da Fora Area Americamuito velozes enfrentam, o T-3 tem Engenheiro Sala. na (AFRL) e o Comando-Geral de outra novidade, que o torna nico Por causa da velocidade hipersTecnologia Aeroespacial (CTA) para no mundo: a capacidade de reanica, tudo muito rpido. Os testes trocar dados sobre Mecanismos lizar ensaios de propulso a laser. duram milsimos de segundos. Bsicos em Aerodinmica HipersEnquanto os ventos hipersnicos Mesmo assim, todas as informaes nica. Todo esse investimento em atingem a nave pela frente, os raios do teste so colhidas por sensores tecnologia de ponta tem um nico atingem por trs. Esse poderoso ultra-rpidos instalados no modelo objetivo: contribuir com a aspirao feixe de radiao a laser transfere de ensaio e no prprio tnel. Esses da sociedade brasileira em garantir ao veculo a sua energia para o vo. dados so armazenados em um o acesso comercial e cientco do O objetivo criar um motor movicomputador para a interpretao dos Brasil ao espao, conclui o coordo a feixes de laser de alta energia fenmenos ocorridos. Dependendo denador do projeto. emitidos do solo. Esses raios aquedo resultado do teste, pode-se saberCTA13Aeroviso Elas chegaram lDia 30 de abril: data de promoo das primeiras Tenentes-Coronis da Fora Area Brasileira. Uma histria de vitria para mulheres que devotaram seu profissionalismo ao Pas.Por Karina BarrosOano: 1982. O local: o legendrio Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro. Foi ali que a vida de 150 mulheres tomou um destino diferente. Psiclogas, enfermeiras, analistas de sistemas, assistentes sociais, fonoaudilogas, nutricionistas e biblioteconomistas, de norte a sul do pas, decidiram seguir um rumo incomum. Eu vi aquela oportunidade como um desao na minha vida. Em minhas mos eu tinha a possibilidade de desbravar uma rea em que nenhuma mulher tinha entrado at ento, conta a Major Enfermeira Cynthia Maria da Silva, 50 anos, a militar mais antiga do Quadro Feminino de Ociais. Vinte e cinco anos depois daquele primeiro de agosto, muitas histrias para contar e muitas coisas para comemorar. Cynthia e mais 22 militares da Turma Demoiselle , como as jovens caram conhecidas na poca, so as primeiras mulheres da Fora Area Brasileira (FAB) promovidas a TenenteCoronel. Desde 30 de abril, elas so as mulheres com o posto mais alto dentro dos quartis da Aeronutica. So 25 anos de pioneirismo. Sempre fomos as primeiras ociais nas unidades em que trabalhvamos. Sempre tivemos essa responsabilidade de dar exemplos para as outras que ingressaram depois da nossa turma, arma a Major-Nutricionista Mrcia Cristina Tani, do Hospital de Aeronutica de Braslia (HFAB). E que responsabilidade! Em apenas quatro meses elas tiveram que aprender toda a doutrina militar e se adaptarPioneiras: as 150 mulheres da turma Demoiselle abriram o caminho para a trajetria feminina na FAB.ARQUIVO PESSOAL nova vida que tinham abraado. Muitas ainda eram jovens, buscavam estabilidade e tinham acabado de sair da faculdade. Um exemplo a Major Mrcia Cristina Tani, que se formouCheguei na minha unidade como chefe da seo. Nunca foi preterida a nada por ser mulherna Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e logo em seguida prestou o concurso para ingressar na FAB. Outras vinham de uma experincia prossional anterior, mas buscavam novos desaos.Mesmo assim, tudo dentro do Centro de Instruo Especializada da Aeronutica, no Rio de Janeiro, era diferente para elas. Quando eu desci do avio que me levou de So Paulo para o Rio eu nem imaginava o que me esperava. Nem car em forma ou marchar eu sabia. O que nome de guerra, ento? Fiquei sabendo s l mesmo, relembra a Major Cynthia. Eram horrios rgidos, aulas tericas, educao fsica e marcha. E quanto marcharam... Elas seriam as primeiras mulheres da Fora Area Brasileira a deslar no 7 de setembro, no Rio de Janeiro. Tinham apenas um ms e seis dias para aprender. O resultado de tanto esforo lembrado com muita emoo. Foi um dia marcante. Aquela tropa com 150 mulheres em forma pas-14sando pela Avenida Rio Branco, sendo aplaudida pelo pblico. Recebemos at um elogio individual pelo nosso desempenho, porque nos destacamos naquele dia, conta a Major-Psicloga Maria Luiza Pigini, do Hospital de Aeronutica de So Paulo (HASP). Se para as mulheres era novidade, para os homens que, pela primeira vez iriam trabalhar com o sexo oposto, tambm era diferente. O que os ociais queriam mesmo era facilitar a insero das mulheres na instituio atravs da escola. Era incrvel a diferena dos relacionamentos. Nossas instrutoras da Marinha eram mais duras e exigentes. J os militares da FAB nos tratavam com maior cuidado, arma a Major Maria Luiza Pigini. A conquista Parentes, amigos e namorados. Todos a postos para ver a formatura das primeiras mulheres da Fora Area Brasileira. Solenidade oficial, com a presena de autoridades civis e militares. O Ministro da Aeronutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Dlio Jardim de Maos, tambm compareceu. Banda de Msica e desle. Tudo previsto conforme o cerimonial. Foi um coroamento de um desao. Esse dia marcou o nal de uma fase e o incio de outra, recorda a Major-Psicloga Maria Luiza Pigini. O assunto ganhou destaque nos veculos de comunicao da FAB. A emoo tomava conta de todos os presentes. Das jovens, por terem concludo uma etapa. A partir daquele momento, a Turma Demoiselle seria dividida, e cada uma iria trabalhar em uma unidade diferente da Aeronutica. Elas teriam um novo desao pela frente. Construir suas histrias em cada unidade onde iriam trabalhar. O desempenho individual de cada uma foi falando por si. A cada dia era uma nova vitria. Cheguei na minha unidade como chefe da seo. Nunca foi preterida a nada por ser mulher, esquerda, a ento estagiria Mrcia Cristina Tani no Campo dos Afonsos.ARQUIVO PESSOALarma a Major Maria Luiza Pigini. Dos pais, pelo orgulho incontido. Todos os meus vizinhos sabiam que eu iria fazer parte da FAB. Minha me espalhava para todo mundo que eu optei por servir o pas, conta a Major Mrcia Cristina, que depois da escola foi designada para o Hospital de Aeronutica do Galeo (HFAG), onde ficou por 17anos, antes de ser transferida para Manaus e depois para Braslia. Meu pai me disse que sempre quis ter um filho militar, mas achava que seria meu irmo, e no eu, lembra a Major Cynthia, que aps concluir o curso de enfermagem na15Aeroviso Universidade de So Paulo (USP), escolheu vestir azul e trabalhou por vrios anos no Hospital de So Paulo (HASP), antes de ser transferida tambm para Braslia (DF). Todos esses detalhes esto na memria de cada uma delas. Hoje, com mais maturidade relembram com carinho daquela poca. Vinte e cinco anos depois, elas tambm se dividem em diversas jornadas. Sero tenentes-coronis, so militares, esposas, mes e filhas. As 24 horas do dia so bem divididas, para que tudo seja feito perfeitamente. s vezes era complicado deixar meu filho em casa para ficar de servio no hospital. Mas umaFoi pouco mais de um ms de treinamento para fazer bonito no 1 desle de 7 de setembro com tropa feminina da FAB.caracterstica da profisso que escolhi, diz Major Maria Cristina. Se esto arrependidas da carreira que escolheram? No. Meu pai tinha razo. Essa carreira, alm de estar servindo o Pas, me deu segurana profissional. Graas aARQUIVO PESSOALFAB, sou mestre em Psicossomtica da Aviao. A juno da carreira militar com a minha especialidade s me trouxe bons frutos, afirma a Major Maria Luiza Pigini, que est concluindo o doutorado em psicologia.A 1 turma do Quadro Femino de Ociais virou notcia nos veculos de comunicao da FAB. O grupo foi assunto de capa da revista Aeroviso de 1982.16Mulheres nas Foras ArmadasAs mulheres foram incorporadas s Foras Armadas no Brasil no ano de 1980. A Marinha foi a primeira a faz-lo, com a criao de um corpo de mulheres para prestar suporte administrativo ao seu efetivo. Um ano depois, a Aeronutica tambm criou o Corpo Feminino da Reserva da Aeronutica, permitindo a entrada de mulheres com ensino fundamental, mdio ou superior. Mas o curso de adaptao comeou somente no segundo semestre de 1982. As ociais foram treinadas no Centro de Instruo Especializada da Aeronutica, no Rio de Janeiro, e as graduadas no Centro de Instruo de Graduados da Aeronutica, atualmente Centro de Instruo e Adaptao da Aeronutica, em Belo Horizonte (MG). No primeiro concurso da FAB, aproximadamente 3200 pessoas se inscreveram para concorrer as 150 vagas oferecidas as ociais (ensino superior), e foram feitas quase 4500 inscries para as 152 vagas de graduadas (ensino fundamental e mdio). Anos mais tarde, foi a vez da entrada das tenentes do Quadro Complementar de Oficiais, em diversas reas, como da sade, das cincias exatas e humanas. Atualmente, elas correspondem a 70% do efetivo que sai do Centro de Instruo e Adaptao da Aeronutica, em Belo Horizonte (MG). Mas na Academia da Fora Area (AFA), em Pirassununga (SP), onde so formados os militares que podem alcanar as mais altas patentes dentro dos quartis, s foi permitida a entrada de mulheres em 1996, quando as garotas ingressaram no Curso de Formao de Ociais Intendentes, responsveis por desempenhar as atividades administrativas da Fora Area. Em 2006, a Aeronutica formou a primeira turma de brasileirasHoje, a Tenente-Coronel Mria Cristina integra a equipe de 4 mil mulheres da FAB, que aos poucos conquistam cada vez mais espao.CECOMSAERaviadoras. Foram quatro anos de curso para que pilotar avio militar no fosse mais privilgio de homens. Ao todo, 20 jovens se interessaram por esta carreira, mas nove desistiram ou no puderam terminar o curso. Hoje, trs esto sendo treinadas na aviao de caa, duas na de asas rotativas (helicptero), e seis optaram pelasaviaes de patrulha, transporte e reconhecimento. Atualmente, so mais de quatro mil mulheres nas leiras da Aeronutica, que decidiram servir ao Brasil. Aos poucos, elas ocupam cargos que antes eram exclusivos aos homens e, com isso, conquistam cada vez mais espao na Fora Area Brasileira.17Aeroviso Cartas do FrontTreinamentos bem reaisPor Tenente CinelloH que se treinar muito... Se no decorrer deste ano, voc ver uma aeronave de combate da Fora Area Brasileira (FAB) cruzando os cus da sua cidade - no se espante. Toda essa atividade area faz parte do intenso treinamento que a FAB desenvolve, cumprindo misses especcas e programadas. Homens e mulheres da FAB, esto envolvidos, em 2007, em diversas operaes e exerccios militares, com o objetivo maior de treinar e aprimorar procedimentos contribuindo, assim, para promoo da segurana do Pas e dos seus cidados. Com um total de 26 operaes e uma previso de voar mais de 8.000 horas, a FAB participa, de forma combinada, com a Marinha e Exrcito Brasileiros, para aprimorar procedimentos aplicveis em operaes aeronavais e aeroterrestres, com avies de caa, patrulha, transporte e de busca e salvamento. Alm disso, adotar Medidas de Policiamento do Espao Areo (MPEA) contra trfegos ilcitos em regies de fronteira do Brasil com pases vizinhos; inte-grar Foras Multinacionais em um contexto de uma Fora de Coalizo, a m de incrementar a interoperabilidade entre as Naes participantes; combate a extrao ilegal de recursos naturais. Tudo isso visando ao treinamento do pessoal em cenrios muito prximos da realidade. Temos presenciado que atividades ilegais como o trco de drogas e o contrabando de armas vm, ao longo dos anos, causando um pesadelo constante e crescente para a populao mundial, sobretudo das grandes cidades. Autoridadesfederais, estaduais e municipais tm procurado combater esses inimigos. Inserida nesse contexto, a FAB realiza, ano aps ano, operaes binacionais de Defesa Area em comum acordo com Foras Areas amigas, a m de coibir o trfego areo, supostamente envolvido em atividades ilegais. Neste ano, foram escolhidas as fronteiras com a Guiana Francesa (Operao Urubu, em maro), Argentina (Operao Prata V, em junho) e Colmbia (Operao Colbra II, em julho), quan-do sero treinadas as Medidas de Posicionamento do Espao Areo. Nesse tipo de operao, uma aeronave-alvo simula uma atividade ilcita e invade o espao areo do pas vizinho. Assim que detectada e identicada pelos rgos de controle de trfego areo dos pases envolvidos, feita a devida coordenao e, ento, uma aeronave de caa (pertencente ao pas invadido) acionada para decolar e realizar a interceptao e orientao para pouso do invasor (aeronave-alvo). Outras operaes semelhantes j foram realizadas nas fronteiras com o Peru, Paraguai e Venezuela. Na Regio Amaznica, a FAB possui uma imensa rea de 21.588 Km, onde se localiza o Campo de Provas Brigadeiro Veloso (CPBV), na Serra do Cachimbo-PA - s para efeito de comparao, corresponde quase rea do estado de Sergipe, que de 21.954 Km. Essa regio, rica em recursos naturais, tem sido alvo do extrativismo ilegal e de ocupao irregular de terreno, por parte de grileiros. Com o objetivo de coibir tais ilcitos, ser desenvolvida a Operao So Benedito II, que contar ainda com a participao da PolciaCECOMSAERCECOMSAER18CECOMSAERFederal e do IBAMA. Essa operao ser realizada em trs etapas: a 1 foi em maro, a 2 em junho e a ltima em novembro. O Estado-Maior de Defesa, rgo de assessoramento do Ministrio da Defesa (MD), com o intuito de continuar incrementando um modelo mais moderno de atuao das trs Foras Armadas, programou as Operaes Solimes (Amaznia Ocidental), Albacora (Rio de Janeiro e Vitria), Pantanal (Mato Grosso do Sul) e Charrua (Regio Sul), nas quais, ser possvel aumentar a interoperabilidade entre as foras participantes. Nessas operaes do MD, alm de um aperfeioamento de militares em operaes combinadas da Marinha, Exrcito e Aeronutica, so realizadas aes assistenciais a populaes ribeirinhas, em localidades de difcil acesso, como na Amaznia, por exemplo. So prestados, ainda, atendimentos mdico-odontolgi-cos, em parceria com outros rgos, emisso de certides de nascimento, cdulas de identidade, alm de exposio de palestras educativas. Outro segmento da sociedade que se benecia com a realizao de operaes do MD so os estudantes dos cursos de Comunicao Social das diversas Instituies de Ensino Superior do Brasil, tanto federal, quanto particular. Esses estudantes tm a oportunidade de desenvolver trabalhos de assessoria de imprensa e Relaes Pblicas ao Comando das operaes. So, na verdade, possibilidades mpares de se aplicar aprendizados acadmicos em um ambiente de guerra simulada, o que certamente contribui para o crescimento prossional daqueles jovens. Alm de treinar o combate ao narcotrfico nas fronteiras, coibir o extrativismo ilegal e integrar operaes do MD, a FAB estar participando em novembro da Operao Ceibo, nacidade de Mendoza, na Argentina. Trata-se de um exerccio militar que envolver outras Foras Areas da Amrica do Sul. Para essa operao foi criado um cenrio ctcio, no qual um pas invade outro com motivaes escusas, o que levar a ONU determinar a interveno de uma Fora de Coalizo para normalizar a situao na regio invadida. Durante a Ceibo, a FAB ter, mais uma vez, a oportunidade de treinar o planejamento e a execuo de uma operao area em um contexto multinacional, quando se poder ampliar o grau de integrao operacional entre as organizaes do Comando da Aeronutica e destas com outras Foras Areas Amigas. Outras operaes e exerccios militares sero ainda desenvolvidos pela FAB ao longo de 2007. As mangas j foram arregaadas... Promover a segurana do Brasil e dos seus cidados o maior objetivo, mas para isso H que se treinar muito!OperaesLocal / DataCachimbo-PA, 19 mar a 6 abrTipoEmprego de meios areos em apoio tropa de infantaria, visando represso dos invasores e combate extrao ilegal de recursos naturais da rea de CachimboSo Benedito IICachimbo-PA, 11 a 29 jun Cachimbo-PA, 15 out a 2 novUrubu Prata V Colbra II Solimes Albacora Pantanal Charrua CeiboCaiena - Guiana Francesa, 7 a 15 mar Santa Maria-RS, 11 a 15 jun So Gabriel da Cachoeira-AM, 16 a 20 jul Amaznia Ocidental, 1 a 10 ago Rio de Janeiro-RJ e Vitria-ES, 12 a 21 set Mato Grosso do Sul-MS, 5 a 14 nov Regio Sul, 12 nov Mendoza-Argentina, 19 a 25 nov Operao Multinacional Operaes Combinadas do Ministrio da Defesa Operao Binacional de Defesa AreaCECOMSAERCECOMSAERCECOMSAER19Aeroviso To longe, to pertoAeonaves da FAB chegam em Taracu (AM), distrito isolado em meio Amaznia, onde vivem indgenas. Eles foram atendidos por militares da rea de sade de vrias especialidades.Por Tenente Csar GuerreroOC-98 Caravan do Stimo Esquadro de Transporte Areo (7ETA) acompanha o sinuoso desenho do rio Uaups. Em meio densa floresta, surge a fachada de um edifcio de trs pavimentos, com 45 janelas debruadas sobre a margem do rio. Ao seu lado, sobressai imponente uma igreja com duas torres de sinos. Esta paisagem improvvel a marca mais forte da presena dos Missionrios Salesianos na comunidade de Taracu, a 970 km de Manaus, onde vivem hoje 420 ind-genas da etnia Tucano. A aeronave da FAB descreve a curva para a direita e aproa a pista de piarra. So quase mil metros de leves solavancos at a parada completa e o corte do motor. Na cabeceira, Albino Menezes, um indgena de 66 anos, corre para o avio. Vestindo uma impecvel camisa branca com o emblema do Stimo Comando Areo Regional estampado no bolso esquerdo, ele se apresenta como guarda campo de Taracu. Embaixo do brao traz o livro onde registra, desde 1978, o pouso de todas as aeronaves, incluindo a ltima visita da FAB regio, em 28 de abril de 1992. Quinze anos depois, o Correio AGabriel da Cachoeira. A viagem de barco no leva menos de dois dias. Essa distncia diculta o atendimento mdico e a remoo de pacientes de urgncia. A nossa comunidade no tem nenhum mdico. Quando algum precisa de atendimento ns temos de levar de barco at So Gabriel, explica a missionria Salesiana Irm ngela Maria, responsvel pelo hospital e uma das duas religiosas no-ndias que vivem na localidade. Ela conta que pela falta de mdicos j chegou a receitar remdios em emergncias e teve de tomar decises importantes para tentar salvar vidas. A presena de um mdico aqui, mesmo que apenas um dia por ms, vai ser uma beno pra todos ns, assegura a religiosa. A notcia da chegada dos mdicos levou uma pequena multido ao Hospital Nossa Senhora dasA presena de um mdico aqui, mesmo que apenas um dia por ms, vai ser uma beno pra todos nsreo Nacional retorna localidade para levar assistncia mdica e odontolgica aos moradores. A equipe constituda por especialistas em oalmologia, pediatra, clnica geral, odontologia e prtese dentria. uma alegria receber a Fora Area de novo. Vocs zeram muita falta por aqui, ressalta Sebastio Duarte, o lder comunitrio. Taracu ca a quarenta minutos de vo da sede do municpio de SoNo livro do ndio Albino Menezes est registrado, desde 1978, o pouso de todas as aeronaves da FAB em Taracu.VII COMAR20e ao mesmo tempo so alimentos abrasivos e acabam desgastando a dentio avalia a Tenente Juliana Figueiredo Rocha. Dentista da misso, ela realizou 21 procedimentos e tirou moldes para a produo de dentaduras. A demanda pelos servios odontolgicos levou programao de outra misso, quando foram atendidos outros 44 pacientes. A comunidade de Taracu ser integrada a uma das linhas do CAN e receber a visita mensal de mdicos e dentistas da Aeronutica. Ns precisamos estar nas localidades mais afastadas, onde os nossos mdicos e dentistas so mais necessrios, diz o Coronel Aviador Jos Hugo Volkmer, comandante da aeronave e um dos oficiais que trabalham no planejamento das misses humanitrias do CAN, na Amaznia Ocidental. Estas misses atendem mensalmente 42 municpios espalhados pela Amaznia Ocidental. uma alegria receber a Fora Area de novo. Vocs fizeram muita falta por aquiDores, cujo corpo clnico se resume boa vontade de duas enfermeiras. Mantido ao lado do convento, o prdio citado no incio deste texto, o hospital oferece sobretudo um ambiente limpo e adequado para a realizao dos atendimentos. Ao todo foram realizados 125 consultas, com destaque para a odontologia. A alimentao deles composta por farinha de mandioca e car, que provocam crieO CAN voltou a Taracu depois de 15 anos. A viagem de barco cidade mais prxima no leva menos que dois dias, o que diculta o atendimento mdico.VII COMARVII COMAR21Aeroviso Por Tenente Alessandro SilvaNem bem raiou o dia e as mochilas esto nas costas. O barulho de helicpteros rompe o silncio da Fazenda Jarin e anuncia que a misso de resgate est para recomear. L se vai uma semana do maior acidente aeronutico da histria do pas, bem no meio da selva amaznica. Os rostos cansados, por incrvel que parea, ainda mostram a mesma resignao dos primeiros dias de trabalho. Uma corrida para o embarque. Um a um, sentados como peas de um quebra-cabea, mais devinte se apertam no helicptero. Decolam. Vinte minutos depois, a clareira improvisada para o pouso aparece na mata fechada. L embaixo, as asas do avio em meio aos destroos. Ao lado, um pequeno acampamento improvisado para abrigar os que nem conseguiram sair dali no dia anterior. Pouso. Rapidamente, os militares saltam para fora do helicptero, que nem corta o motor para repetir a viagem com novos reforos. Pela frente, tero uma longa jornada contra a selva fechada, ataques de abelhas e muito calorali, um homem chega a perder at trs quilos de lquido num turno de trabalho. Distante dali, o pas e, mais particularmente os familiares das 154 vtimas do acidente, esperam ansiosamente por respostas: querem sepultar aqueles que perderam. Essa foi a rotina diria de trabalho do Esquadro Aeroterrestre de Salvamento - Esquadro PARASAR, uma das unidades da Fora Area Brasileira (FAB) envolvidas na operao de resgate de corpos do acidente com o vo 1907. Em 46 dias, os homens do PARA-SAR,22Juramento dos militares que atuam na busca e salvamentocom o apoio de outros esquadres areos, inclusive do Exrcito, e suas equipes de resgate, ajudaram a encontrar e a retirar da mata fechada todas as 154 vtimas da tragdia, numa rea total de busca de cerca de 250 mil metros quadrados o equivalente a quase 62 campos de futebol de selva fechada. Os pernoites na selva nos primeiros dias eram primordiais. Precisvamos acordar cedo no dia seguinte. Porm nem noite tnhamos descanso: as redes de selva, mochilas, coletes tticos e tudo que fosse diferente do am-biente eram comidos por formigas vorazes. Vrios companheiros acordavam no cho. E a chuva, nossa companheira inseparvel, no perdoava. O cansao era maior e dormamos mesmo molhados, lembra o Tenente-Coronel Josbecasi Moreira Lima, comandante do PARA-SAR. Um a um, os corpos foram encontrados, iados com a ajuda de helicpteros e levados Fazenda Jarin, de onde partiam para Braslia. Ao final dos dias, a dureza do trabalho era visvel nos rostos dos resgateiros. Mas quem so esses homensque se cumprimentam com a frase: Nossa lida, vossa vida, saltam de pra-quedas, mergulham e escalam montanhas? Eles formam a unidade de operaes especiais da fora area, e so, tambm, o principal grupo de busca e resgate da FAB. Anualmente, formam cerca de 470 especialistas, inclusive de outras instituies policiais e militares e Naes Amigas nas mais diversas atividades relacionadas com a misso do esquadro: salto, sobrevivncia na selva, resgate em combate, busca e resgate e comandos, entre outros. O nome PARA-SAR,23JOHNSON BARROS/CECOMSAER meu dever, como membro do servio de busca e salvamento socorrer feridos e salvar vidas, estarei pronto em qualquer ocasio, para cumprir com este dever Colocando acima do meu bem estar e interesses pessoais, e o cumprirei, PARA QUE OUTROS POSSAM VIVER !Aeroviso na verdade, uma sigla em ingls e signica: Parachutist (pra-quedistas), Search and Rescue (busca e resgate). O militar do PARA-SAR precisa ser voluntrio, enfrentar um conselho operacional e passar pelos cursos bsicos de busca e resgate e de pra-quedismo. No nada simples. Todos recebem uma preparao fsica especfica para dar conta do treinamento puxado. Na terceira reprovao num desses cursos, o militar-candidato cede a vaga para outro interessado. Aos aprovados, fica a expectativa pelo prximo chamado de ajuda, mesmo que ele venha de outros cantos do mundo. Mal saram do resgate do vo 1907, eles acabaram na Bolvia, auxiliando no resgate das vtimas das enchentes que atingiram aquele pas. Pastor o ttulo operacional outorgado aos militares que se qualificam como pra-quedistasPARA SAROs pernoites na selva nos primeiros dias eram primordiais. Precisvamos acordar cedo no dia seguinteJOHNSON BARROS/CECOMSAER24PARA SARPARA SARespecializados em operaes especiais, entre elas a atividade especial de busca e resgate. No seria diferente. O apelido veio do co dessa raa, considerado adestrado, amigo, leal, vigilante e, se necessrio, agressivo. Em uma situao de conflito, os PARA-SAR seriam, por exemplo, os anjos-da-guarda dos pilotos e tripulantes abatidos em territrio inimigo. Em tempos de paz, essa estrutura voltada para o socorro de populaes emsituaes de risco, em ocorrncias de tragdias e em acidentes aeronuticos.ns no deixamos ningum para trsEsse treinamento de anos e a vivncia em tragdias conseguiu redu-zir o impacto do trabalho da rea do acidente com o vo 1907. Durante todos os dias de busca e de resgate dos corpos, esta era a nossa rotina, infelizmente no encontramos sobreviventes. Porm acreditamos ter colaborado um pouco para diminuir a dor dos familiares ao devolver todos os corpos aos entes queridos, arma o comandante do PARA-SAR. E assim, outro importante lema do esquadro foi mantido: ns no deixamos ningum para trs.Histria do PARA-SARhistria do esquadro est ligada ao incio do praquedismo na Fora Area Brasileira. Em 1943, a atividade foi introduzida na Escola de Aeronutica do Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, pelo franco-marroquino Achile Garcia Charles Astor, ento instrutor de ginstica acrobticaAno corpo de cadetes. Com o avano da 2 Guerra Mundial, surgiu a necessidade de uma tropa organizada e especializada, empregando pra-quedistas na atividade de salvamento e resgate. Em 1944, o Exrcito Brasileiro inicia o preparo dos pioneiros pra-quedistas e, em 1959, so formados os primeiros pra-quedistas militares da Aeronutica no Ncleo de Diviso Aeroterrestre daquela Fora. Com o aumento do trfegoareo no pas e a ocorrncia de acidentes, h a necessidade de se criar um grupo treinado para atuar nesse tipo de caso. Em 1963 criada a Primeira Esquadrilha Aeroterrestre de Salvamento, com sede na Escola de Aeronutica e formada por militares da Base Area dos Afonsos e de Cumbica. Mais tarde, essa unidade deu origem ao Esquadro Aeroterrestre de Salvamento, PARA-SAR, criado pelo Decreto n 73.1743, de 20/11/1973.25JOHNSON BARROS/CECOMSAERAeroviso Azul do Meu CoraoA FAB foi o norte da minha vidaQuero todo universo sem fim As alturas vou subir vejo o espao acima de mim e por ele vou sumir vou vagar em pleno ar vou voar vou voar... em meu brilhante pssaro de prata vou navegar pelas nuvens soltas leve para o alto toda minha vida meu aeroplano combustvel, metal e poema minha mquina voadora vejo os homens de cima em cena entre a msica de um motor vou vagar em pleno ar vou voar vou voar....26Por Tenente Luiz Claudio FerreiraO cantor e apresentador Ronnie Von, hoje com 62 anos de idade, revela que deixar a carreira militar foi uma das maiores tristezas de sua vida. Em entrevista exclusiva para Aeroviso, recorda, emocionado, os inesquecveis tempos de Cadete-Aviador e fala da saudade de vestir a farda azul.A foto do Cadete Nogueira uma boa lembrana para o artista.1 EM 1 MILHO - O terceiro ano do curso da EPCAR era especialmente importante para ele e sua turma, conhecida at hoje como Brasinhas. Foi quando voamos pela primeira vez. Jamais esquecerei o dia em que pilotei o T-22. Seguramente, um dos dias mais importantesde toda a minha vida. Ainda hoje consigo ter a sensao de felicidade daquela ocasio, aponta. Signicava o trmino do curso como aluno e o caminho para uma nova fase na Escola de Aeronutica, no Campo dos Afonsos, onde iria se formar piloto militar. Num dos dias nesse ltimo ano do curso, lembra que a EPCAR recebeu a visita do ento ministro da Aeronutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Clvis Monteiro Travassos. Ao assistir chegada da autoridade, Nogueira comentou com um amigo de turma: ser que algum de ns ocupar o mais alto posto na Aeronutica?. O amigo respondeu: Acho muito difcil. Acontece com um em um milho. muito difcil chegar l. A conversa se encerrou e foi retomada apenas 45 anos depois.27ARQUIVO PESSOALOs versos, na pgina ao lado, compostos, no ano de 1970, para a msica A mquina voadora so inspirados numa das maiores paixes da vida de Ronnie Von. Para entender o que signica a aviao para o artista consagrado, preciso voar no tempo e voltar dcada de 60, quando ele era apenas um annimo adolescente que adentrou os portes da Escola Preparatria de Cadetes-do-Ar (EPCAR). Cheguei FAB aos 15 anos de idade. Tenho, atualmente, 62 anos e me lembro de tudo como se fosse hoje. Digo com absoluta certeza de que a FAB foi o norte da minha vida, arma. O carioca Ronaldo Von Schilgan Cintra Nogueira, que mais tarde iria se notabilizar como o Prncipe da Jovem Guarda com o apelido de Ronnie, lembra que sempre foi apaixonado poraviao. Na alfabetizao, pedia para minha me revistas com avies, arma. Ele prestou exame, em 1960, para a EPCAR, que at hoje sediada em Barbacena (MG). Ele tinha 15 anos e entrou em 72 lugar, entre 4 mil candidatos, onde apenas 240 foram aprovados. Foi a grande escola da minha vida, comenta. Foi l, inclusive, nos horrios de descanso no alojamento, que ele aprendeu a tocar violo. Comecei a pensar em msica dentro do quartel. Tinha um grande amigo, o Alexandre Bukowitz, que tocava muito bem. A amizade foi um dos maiores ensinamentos que compartilhvamos, considera. Alm de msico, o Aluno Nogueira era considerado uma liderana entre os colegas de turma. Fui diretor recreativo da sociedade acadmica. Eu pude comear a exercitar a msica. Tocvamos rock e twist. ramos todos meninos em uma poca maravilhosa. Mas era somente uma distrao. Jamais imaginei ser cantor. O que sempre quis era ser piloto da Aeronutica, arma. Ronnie Von considera que a EPCAR teve um poder catalisador para o seu amadurecimento pessoal.Aeroviso Azul do Meu Coraoprecisei de psiclogos. pos o sentimento de fraternidade, da Sonhei, durante anos, convivncia, da descoberta da vida, todas as noites que alegrias, satisfao, com pessoas de estava voltando para todos os lugares, de vrias origens... o quartel, relata. Essa possibilidade de todos terem Ronnie Von saiu oportunidades de crescerem. Pxa, da Aeronutica, mas tudo isso me d um grande aperto no a instituio e todos corao, emociona-se. Ronnie Von os sonhos que o rapaz encontra sempre um tempo em sua guardava no saram atribulada rotina para participar de de dentro dele. Por todas as reunies de turma e sentir pouco tempo ficou tudo de novo. como diretor finanO artista fez de sua vida uma O artista j recebeu condecoraes da Fora Area. ceiro. Aquilo no era poesia baseada na emoo, no sentio que ele gostava. Foi do nico de voar. As lembranas se nesse momento em transformaram em versos de comNeste ano, recebi uma ligao que me lancei para fazer outra coisa bustvel, metal e poema e entre a noite. Era meu amigo dizendo que apreciava que era cantar. Tudo msica do motor, Ronnie Von canta, `Ronnie, quero que voc saiba que deu muito certo. Ganhei muito vibra, chora. As recordaes saem um de ns chegou l. O amigo dinheiro nessa poca. A primeira de sua voz como quem caminha at o atual Comandante da Aeronutica, atitude que tive foi comprar um o avio para dar sempre uma nova Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saiavio para lembrar daqueles tempos partida. to. Chorei ao telefone de felicidade. de Cadete. Tudo voltou memria. Meu grande Da para frente, o que amigo chegou ao cargo mais alto aconteceu histria que da instituio. Ele sempre foi uma o Brasil inteiro conhece. pessoa muito competente em tudo Tornou-se um artista cono que fez, comenta. sagrado, comparado ao Rei Roberto Carlos e foi DRAMA - Depois de se formar na chamado de prncipe. EPCAR, Ronnie Von chegou, em autor de sucessos que per1963, como Cadete, ao Campo dos duram por dcadas, como Afonsos para o primeiro ano do cura msica Meu Bem. Atuso. Eu era o Nogueira 72, nmero almente apresentador que a gente traz como identicao. do Programa Todo Seu, Sonhvamos com esse momento de grande audincia na em que o curso comeava para nos TV Gazeta de So Paulo tornarmos pilotos militares. Aos 18 e proprietrio de agncia. anos de idade, j havia voado as aeMinhas atividades me ronaves T-21, T-22 e T-6. Foi neste tomam o dia inteiro. ano que uma deciso mudaria para Vez por outra, convisempre a sua vida. dado para visitar organizaTive uma presso muito forte es da Aeronutica e remesmo da minha famlia para que ceber homenagens. Toda eu passasse a cuidar exclusivavez que passo pelo corpo mente das nossas empresas. Era da guarda me surge uma meu segundo ano como aviador, emoo indescritvel. Deno primeiro como Cadete. Senti-me tro de casa, guardo fardas e obrigado a deixar tudo para atender fotos. No corao, caram s expectativas deles. Foi a pior Ronnie Von pouco depois de ingressar na EPCAR. todas as minhas lembrandeciso que tomei em toda a mias. Guardo daqueles temnha vida. Depois que deixei a FAB,ARQUIVO PESSOAL28ARQUIVO PESSOALAeroviso Imagine algo a 2.338 quilmetros por hora. , de fato, difcil de imaginar. A velocidade apenas uma das qualidades do Mirage-2000, que militares da FAB operam desde o comeo do ano.Por Tenente Luiz Claudio FerreiraAaviao de caa brasileira vive mais um momento glorioso em sua histria to singular. O captulo atual o recebimento, desde o ano passado, das novas aeronaves F2000, do modelo Mirage, de fabricao francesa. Quatro aeronaves j esto em plena atividade no Primeiro Grupo de Defesa Area (1 GDA), situado na Base Area de Anpolis (GO). Os oito avies restantes que o Brasil ainda vai receber, conforme prev o contrato, chegam at 2008, sendo que quatro devem pousar nas nossas pistas ainda este ano. Os pilotos e mecnicos da FAB garantem j estar totalmente adaptados a essa incrvel mquina de caa, de altssima tecnologia e que colocou o Pas entre as potncias da defesa area mundial.De acordo com pilotos consultados para esta reportagem, a utilizao desse novo avio, que engloba todos os seus equipamentos em um sistema nico e integrado, exigiu deles um maior tempo de preparao para o vo.29Carlos LorchAeroviso 1 GDAA aeronave foi concebida para que o piloto pudesse ter a sua disposio uma innidade de informaes, com um mnimo de estresse. Isso porque, hoje, o piloto utiliza muito mais a sua ateno no gerenciamento de informaes e menos na pilotagem em si.O F-2000 possui um equipamento denominado crtica-vdeo, que permite a filmagem do visor, onde so mostrados todas as informaes do vo. Neste mesmo sistema, possvel efetuar a gravao de voz, possibilitando a verificao das diversas fases dasmisses. Alm disso, possvel a reproduo de outras imagens geradas a partir do radar e do seu sistema de autodefesa, formando uma imagem tridimensional. Todas essas facilidades permitem a identificao de erros que vo agregar valor formao e manuteno operacional dos pilotos, explica o Comandante do 1 GDA, Tenente-Coronel-Aviador Arnaldo Silva Lima Filho. JAGUAR com o nome desse feroz animal que cada piloto de defesa area passa a ser denominado. Cabem a eles estarem sempre prontos para o combate, a qualquer dia, hora, lugar... A chegada da nova aeronave foi celebrada pelos jaguares. A capacidade do novo avio se coaduna com a necessidade da misso, de detectar, vericar e abater, se for preciso. A entrada em servio, na Fora Area, de uma aeronave capaz de executar diversas misses, no atual cenrio de combate mundial, trouxe uma motivao muito grande para todos os militares do 11 GDA30GDA. O entusiasmo visvel em cada rosto daqueles que tiveram a honra de compor o mais seleto grupo de militares que voam, que fazem voar ou que apiam o vo do F-2000, disse o Comandante do 1 GDA. TREINAMENTO Pilotos e mecnicos realizam o curso terico e prtico da nova aeronave nas cidades de Dijon e Orange, na Frana. Ficaram aptos, no Brasil, para multiplicar os conhecimentos adquiridos. Em sua passagem internacional, os brasileiros provocaram admirao dos instrutores europeus. Os elogios eram motivados pelo alto grau de profissionalismo, a criatividade, a inventividade, a curiosidade e a alegria dos militares brasileiros.Militares brasileiros checam todos os detalhesA Fora Area Brasileira mantm, na Frana, uma comisso de recebimento das novas aeronaves. feito um acompanhamento dirio dos servios de manuteno realizados nos avies que foram comprados. O objetivo assegurar que os itens controlados sejam entregues com o potencial especicado pelo contrato. Para se ter uma idia, foram recebidos mais de dois mil itens de material de aviao. So realizados testes nos equipamentos, o que assegura que o material enviado ao Brasil esteja em perfeito estado de funcionamento. De acordo com o CoronelAviador Heraldo Luiz Rodrigues, ocial da comisso de recebimento das novas aeronaves, existe uma verdadeira parceria entre as foras areas dos dois pases. Em todos os nveis, a convivncia entre brasileiros e franceses acontece de forma espontnea, o que torna o ambiente excelente para a troca de informaes e aprendizado com o maior ganho possvel. Desde a chegada dos primeiros militares brasileiros a Orange, constatou-se a receptividade e o apoio incondicional dos militares da Arme de lAir (a Fora Area da Frana), o que nos propiciou facilidades para trabalhar.JOHNSON BARROS/CECOMSAER31Carlos LorchAeroviso A Fora Area FazPor Karina BarrosLAQFA32DO Laboratrio Qumico-Farmacutico da Aeronutica produz 132 milhes de comprimidos que chegam aos mais afastados rinces brasileiros.e repente, surge aquela dor no peito. A sensao de malestar no quer passar. A cabea comea a doer, a viso fica embaada e a tontura causa desconforto. Esses sintomas so da hipertenso, uma doena do aparelho circulatrio que atinge milhes de brasileiros. De acordo com o Ministrio da Sade, dos pacientes cadastrados no Sistema nico de Sade (SUS), 74,23% tm hipertenso. O que corresponde a mais de quatro milhes de pessoas. Para auxiliar no tratamento e ajudar a controlar a doena dessas pessoas carentes, a Fora Area Brasileira (FAB) tambm oferece sua contribuio. Por ano, mais de 132 milhes de unidades farmacuticas, que so produzidas no Laboratrio Qumico-Farmacutico da Aeronutica (LAQFA), no Rio de Janeiro, so distribudas em mais de 400 municpios da regio Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil. Os medicamentos, como os comprimidos do Captopril e de Propranolol, escolhidos pelo Ministrio da Sade para o tratamento da hipertenso, chegam aos lugares mais distantes do Pas. Como o caso da cidade de Ferreira Gomes, no interior do Amap. Os pacientes, do municpio de apenas quatro mil habitantes, tambm so beneficiados com os remdios produzidos pelos farmacuticos que vestem azul. O mesmo acontece com Airo, uma pequena cidade do Estado do Amazonas, com uma populao estimada em 10 mil pessoas. atravs desses programas que a Aeronutica mantm com o Ministrio da Sade que a populao carente, nos lugares mais remotos do Brasil, tem acesso a medicamentos de qualidade para a cura de doenas ainda to presentes nas comunidades isoladas e menos favorecidas, afirma a33Aeroviso A Fora Area Fazprios profissionais. Elas so as responsveis por garantir a estabilidade do medicamento durante seu prazo de validade, assim como permite que no momento de sua utilizao o princpio ativo seja liberado no organismo, proporcionando assim, o feito teraputico esperado, explica a Capito Andreia. Para atender demanda, os farmacuticos, qumicos, tcnicos e auxiliares de laboratrio trabalham a todo vapor. Por dia, mais de 500 mil compridos saem dos laboratrios. Em um ano, so 132 milhes. J as cpsulas gelatinosas, correspondem a quase cincoPor dia, mais de 500 mil comprimidos saem dos laboratrios.LAQFAchefe da Subdiviso de Produo, Capito Farmacutica Andreia Brum Sampaio. Desde 1972, o Laboratrio Qumico-Farmacutico da Aeronutica participa ativamente de programas do Governo Federal. Uma das parcerias para atender o HIPERDIA, um Sistema de Cadastramento e Acompanhamento d e H i p e r t e n s os e Di a b t i cos, criado pelo Ministrio da Sade para mapear essas duas doenas no Pas. Alm desse programa, o LAQFA fornece medicamentos para o combate da hansenase,asma, renite e tuberculose. Todos eles so distribudos pelo prprio Ministrio da Sade. A populao recebe gratuitamente os remdios em Hospitais e Postos de Sade dos Estados e Municpios, tendo que apresentar somente o receiturio do SUS. Outros medicamentos tambm so produzidos no laboratrio da Aeronutica. Ao todo, mais de 34 produtos, de diferentes classes teraputicas, so produzidos pela unidade. Antitrmicos, antibiticos, antiemticos, antiinflamatrios, diurticos, suplementos vitamnicos e at medicamentos sujeitos controle especial, como psicotrpicos e entorpecentes, so desenvolvidos no LAQFA. Nossas frmulas so desenvolvidas pelos nossos pr-Nossas frmulas so desenvolvidas pelos nossos prprios profissionaismilhes dos produtos totais do LAQFA. Um novo parque fabril est sendo construdo para adequar o LAQFA aos mais modernos conceitos da indstria farmacutica mundial. Alm disso, sero adquiridos novos equipamentos. Com isso, em 2009, poderemos ultrapassar a marca de 700 milhes de unidades farmacuticas por ano, afirma o Chefe da Diviso de Logstica Farmacutica, Major Farmacutico Luiz Eduardo Ghetti. Os prossionais no cam para trs. Eles tambm esto constantemente em contato com novas tcnicas. Dos 30 farmacuticos,Reproduo3490% possuem cursos de ps-graduao em nvel de especializao nas reas de Tecnologia Farmacutica, Gerenciamento de Pessoal e de Estoque, Logstica e Administrao de Recursos. Vrios prossionais tm mestrado concludo ou em fase de concluso. O LAQFA ainda mantm convnios com Universidades para a troca de experincias, diz o Diretor do LAQFA, TenenteCoronel Farmacutico Nilceu Jos Oliveira. O prximo vo do laboratrio com destino a produo de medicamentos genricos. A instituio comeou uma srie de testes em laboratrios referenciados pela Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria, a ANVISA, para que ela possa ter, num futuro breve, um medicamento genrico. O Captropil de 25mg foi o produto escolhido para ser oUm novo parque fabril est sendo construdo para adequar o LAQFA aos mais modernos conceitos da indstria farmacutica mundial.LAQFApioneiro. Se os testes forem positivos, o Laboratrio Farmacutico da Aeronutica ter dado um passo a mais na produo de medicamentosgenricos, considera o Chefe da Subdiviso de Planejamento, Major Farmacutico Luiz Antonio de Angelis Junior.LAQFA produz h 36 anosPreste muita ateno nas embalagens dos medicamentos! Voc pode estar consumindo um produto feito pela Fora Area Brasileira. H 36 anos, o Laboratrio Farmacutico da Aeronutica responsvel por produzir medicamentos para os militares da Fora e seus dependentes. Alm disso, desde sua criao participa ativamente de diversos programas do Governo Federal. S para o efetivo da Aeronutica, o LAQFA desenvolve por ano mais de quatro milhes de unidades farmacuticas que so vendidas para os militares por preo reduzido em comparao ao comrcio formal. Para algumas patentes, o medicamento chega a ser distribudo gratuitamente. Ao todo, 37 organizaes militares da Aeronutica, como hospitais, ambulatrios e postos de atendimento so beneciados com os remdios.A outra parte da produo destinada ao Ministrio da Sade para ser distribudo para a populao carente, credenciada ao Sistema nico de Sade (SUS). E todos os medicamentos so submetidos a requisitos rgidos de qualidade, aprovados pela ANVISA. Recebemos da ANVISAo Certicado de Boas Prticas de Fabricao da nossa linha de slidos. Dessa forma, ela reconheceu a eccia dos nossos medicamentos, a competncia tcnica para prestar servios fabris para outras indstrias farmacuticas e a capacidade de produzir medicamentos genricos, diz o Diretor do LAQFA.35SalvadoPor Tenente Luiz Claudio FerreiraAeroviso TurismoSALVADOR36EMTURSAor(es)Cidade do Carnaval, lugar da multicultura brasileira, Roma Negra, conjuno do sincretismo religioso, espao de todas as msicas...inmerasdefinies e impresses podem ser atribudas para Salvador, a capital baiana. Ao percorr-la, o visitante conhece vrias cidades dentro de uma. So Salvador(es)! Alm de ser um dos principais destinos tursticos brasileiros, cujos cenrios so cartes-postais venerados pelo mundo inteiro, a cidade, que foi a primeira capital brasileira, situa-se numa posio bastante estratgica. Fica praticamente no meio da costa nacional. Por isso mesmo, trata-se de um importante ponto de partida para um trabalho pouco conhecido da Fora Area Brasileira , a patrulha dos mares. Misses para que o cenrio permanea belo, soberano e pacfico. Dentro do seu programa de reaparelhamento, a FAB adquisediada na Base Area de Salvador (BASV). Militares da FAB iniciaram, em maio deste ano, o treinamento com a nova aeronave na Espanha. Em breve, ficaro prontos para oper-las no Brasil. Dentro da misso dos militares que atuam com aeronaves de patrulha, encontra-se o trabalhode vigilncia de at 200 milhas da costa (o equivalente a 321,87 quilmetros), e tambm a busca e localizao de embarcaes perdidas. A aviao demuitas oportunidades so chamados de salvadores. Mas falemos da cidade de Salvador. Os militares que atuam em Salvador esto numa regio, de fato, privilegiada. A formao geogrfica da cidade, de forma triangular e cercada pelo mar em trs lados, oferece cenrios singulares.patrulha pode ser considerada a sentinela dos mares . Parafraseando o nomeda cidade, militares, tambm, emA Pennsula de Itapagipe, onde fica a capital baiana,compreende um brao de terra que avana har-riu 12 aeronaves do modelo P-3 Orion, de fabricaoespanhola. Os avies que sero entregues para o Brasil chegam em sua verso modernizada. Dessas 12, trs sero desmontadas e suas peas ficaro como reserva. Nove delas sero colocadas em vo. As aeronaves P-3 chegaro para oPrimeiro Esquadro do Stimo Grupo de Aviao (1/7 GAV) , unidade area 37EMTURSAEMTURSAAeroviso TurismoEMTURSAmoniosamente para a Baa de Todos os Santos. Foi o local ideal para a fundao de Salvador. Trinta e seis ilhas com cerca de 1,1 mil quilmetros quadrados de espelho dgua compem a Baia de Todos os Santos. Entre elas, algumas famosas como a depromessa feita pelo capito da marinha portuguesa Teodozio Rodrigues de Faria durante uma tempestade em alto mar.A imagem de Nosso Senhor do Bonfim adorada por romeiros catlicos que chegam de todos os lugares e pelas baianas que vendem acaraj, praticantes do candombl, e que fazem a lavagem do adro e dasItaparica.A pennsula divide-se em trs reas tursticas que podem ser conhecidas na s visita: a Ribeira,EMTURSAo Bonfim e a Boa Viagem.A Baia de Todos os Santos foi o porto seguro das embarcaes que vinham da Europa para o Brasil. A rea do Bonfim tem como ponto de referncia a colina onde foi erguida, no sculo 18, a Igre-escadarias da igreja com gua de flores em janeiro.O Centro Histrico de Salvador abrange oncleo original da cidade col on i a l e sua expanso geogrfica at o final do sculo A URS EMT 18. Da Praa Municipal aoja de Nosso Senhor do Bonfim uma das quatro baslicas de Salvador. O templo, com fachada voltada para a entrada da Baia de Todos os Santos, o cumprimento de uma 38Largo de Santo Antnio Alm do Carmo, campo de batalha onde se enfrentam soldadosbrasileiros e holandeses da Companhia das ndias Ocidentais em 1683 , existem monumentos da arquitetura civil, religiosa e militar formados atravs dos sculos. No centro, situa-se o principal marco visual de Salvador, o elevador Lacerda. Teve sua primeira torre construda em 1873 passou a abrigar duas cabines de transporte de passageiros movidas por um sistema hidrulico. Com quatro ascensores eltricos, o elevador o principal acessos Cidades Alta e BaixaRSA EMTUe na sua parte alta proporciona uma vista panormica dacidade.Opes de hospedagens para militaresCassino de Oficiais: Cassino de SO/Sgts: Clube de Amaralina do Exrcito: Hotel de Trnsito da Marinha: Tel.: Tel.: Tel.: Tel.: (71) (71) (71) (71) 3377 - 8356 / 8353 3377 - 8358 3248 - 8640 3320 - 3739EMTURSAEMTURSA39Aeroviso Personalidadetica, idealismo e paixo pela profisso foram caractersticas que o consagrado ator dson Celulari ressaltou em cores vivas no seu mais recente personagem na teledramaturgia, o Tenente-Coronel Slvio, da FAB. Ainda que numa histria totalmente ccional, sua atuao foi considerada uma homenagem aos militares.40Por Tenente Luiz Cludio FerreiraArtistas costumam dizer que interpretar um personagem como visitar um local desconhecido. Voar por paisagens novas, remeter olhares inditos ao que comum, redescobrir todos os encantos, emocionar-se com a vida, a histria de outro algum... Interpretei um homem comum em busca de seus sonhos, que luta pra conquistar seus objetivos, disse o ator dson Celulari, de 49 anos, em entrevista exclusiva para a Aeroviso. A trajetria desse personagem foi acompanhada por milhes de pessoas que assistiram novela das oito da Rede Globo, Pginas da Vida, escrita por Manoel Carlos e encerrada em maro deste ano. Os telespectadores, por intermdio da trama, conheceram mais da misso da FAB, assistiram a vos da aeronave de caa A-1 e se encantaram com um aviador apaixonado pela prosso. dson Celulari, para fazer o personagem, se aprofundou na rotina do ofcio, conversou com diversos militares e viveu um pouco do dia-a-dia do Primeiro Esquadro do Dcimo Sexto Grupo de Aviao, Esquadro Adelphi, sediado na Base Area de Santa Cruz (no Rio de Janeiro). Entre as revelaes, o ator contou para Aeroviso que j teve o sonho de voar. Hoje realizo sonhos atravs dos meus personagens, diz. Leia a seguir a entrevista: Aeroviso - Quando voc soube que faria um militar da FAB, quais foram seus primeiros pensamentos com relao caracterizao do personagem? Quando o (escritor) Manuel Carlos me convidou para viver um oficial da Aeronutica, eu logo pensei: ele tem que ser antes de tudo humano, de verdade. E no um esteretipo de militar, um homem de coluna perma-REDE GLOBOnentemente ereta e de falar duro. No caso do Tenente-Coronel Slvio Duarte ele estaria se casando nos primeiros captulos da novela, portanto comeando uma nova vida cheia de esperanas. Enm, interpretei um homem comum em busca de seus sonhos, que luta pra conquistar seus objetivos. Um militar humanizado. Aeroviso - Qual era a sua opinio com relao FAB? Essa impres-so alterou-se de alguma forma aps o personagem? Quando pequeno, eu j admirava a disciplina, a seriedade, o valor dos objetivos das Foras Armadas. E hoje, depois da novela, minha admirao s cresceu. Quando eu vejo um ocial da FAB eu percebo o orgulho e o respeito de pertencer instituio. Aeroviso - Como foi o processo de pesquisa e quanto foi41Aeroviso Personalidadedescoberto por voc durante a novela? Eu sempre fui um curioso sobre as Foras Armadas. Quando z o Capito Hlio em Aquarela do Brasil, mini-srie da TV Globo, tambm z uma longa pesquisa sobre o Exrcito Brasileiro na dcada de 40. E agora para viver o Tenente-Coronel Slvio Duarte, em Pginas da Vida, procurei saber sobre a FAB, a instituio, sua histria, suas operaes e, claro, sobre as aeronaves. Aeroviso - Como foi gravar em organizaes da FAB? Qual aeronave chamou mais a sua ateno? Todos ns, atores, diretores, coordenadores, produtores, equipe tcnica e artstica, fomos muito bem recebidos na Base Area. O TenenteCoronel Morei acompanhou todas gravaes e nos deu, junto com uma grande equipe, todo o apoio para que nosso trabalho se realizasse da melhor maneira. A aeronave que eu tive maior contato foi com o A-1 (AM-X), uma aeronave fantstica, com muitos recursos e que pode chegar a uma velocidade de mais de 1.000Km/h. Aeroviso - Como foi o convvio com militares? Foram poucos dias na Base e outros tantos dias no prprio PROJAC (onde cam os estdios de gravao da Rede Globo no Rio de Janeiro), onde pudemos manter contato com militares da FAB. Mas foi o suciente para acontecer uma integrao e agradvel convvio entre todos. Espero poder usufruir do convite para conhecer o Simulador de Vo. Um convite que interessou, tambm, ao meu lho Enzo, de 9 anos. Aeroviso - Alguma vez, quando criana ou adolescente, voc j sonhou em ser piloto ? Todo garoto sonha voar, seja comREDE GLOBOasas prprias ou com aparelhos mirabolantes. Eu, confesso, sonhei em voar pendurado em pipas gigantes. Hoje realizo sonhos atravs de meus personagens. Mas o mais importante voc acreditar nos seus sonhos. Foi assim que conseguimos chegar a essas mquinas supersnicas Aeroviso - Quais so os seus novos projetos de trabalho que possam ser divulgados? H um ano e meio estou envolvidocom a adaptao de Don Quixote, de Miguel de Cervantes. Um trabalho rduo que o cineasta Ruy Guerra topou fazer. E que nalmente cou pronta. um projeto para teatro e que devemos estrear em agosto deste ano. Um personagem fascinante que nos ensina a importncia de se acreditar nos sonhos, e que devemos correr atrs deles, mesmo quando esses nossos sonhos parecem impossveis. Santos Dumont transformou seu sonho quixotesco em realidade. Sorte a nossa!42Aeroviso Destaque do TrimestreSua foto na AerovisoMande suas fotos preferidas com o registro de momentos especiais que voc viveu nas asas da FAB.A foto do trimestre, do Sargento Johnson Barros, registra a aeronave P-95A Bandeirulha durante a XXV Reunio da Aviao de Patrulha, realizada no ms de maio na cidade de Florianpolis (SC).Regulamento: 1. A foto dever ser enviada, em papel fotogrco, para CECOMSAER - Esplanada dos Ministrios, Bloco M - 7 andar - 70045-900 - Braslia-DF. 2. O proprietrio da foto dever enviar, dentro do envelope, nome, endereo e telefone para contato. 3. Caso o proprietrio seja menor deidade, devem estar anexos os dados do seu responsvel legal. 4. As fotos sero selecionadas pelo Conselho Editorial da revista Aeroviso, e a melhor imagem ser publicada no prximo nmero. 5. O proprietrio da foto escolhida concorda em ceder revista Aero-viso, sem qualquer nus adicional, todos os direitos autorais ou patrimoniais, eventualmente existentes na imagem, para que a revista possa fazer uso deste material livremente. 6. O Comando da Aeronutica no se responsabiliza pelo custo da postagem do material.43Saiba como ingressar nCURSO DE CADETES DO AR ESCOLA PREPARATRIA DE CADETES DO AR (EPCAR) Escolaridade: Ensino Fundamental (para o 1 ano) e 2 srie do Ensino Mdio (para o 3 ano); Sexo: Masculino; Idade: (1 ano) No possuir menos de 14 anos na data da matrcula nem completar 18 anos de idade at 31/dez; Idade: (3 ano)No possuir menos de 16 anos na data da matrcula nem completar 20 anos de idade at 31/dez; Provas: (1 ano) Portugus e Matemtica (3 ano) Portugus, Matematica e Ingls; Provas: Portugus e Matemtica; Durao: 3 anos (1 ano) e 1 ano (3 ano); Inscries (previso): maio a junho; Local de curso: Barbacena - MG. ESTGIO DE CAPELES CENTRO DE INSTRUO E ADAPTAO DA AERONUTICA (CIAAR) Escolaridade: Ensino Superior; Sexo: Masculino; Idade: Mximo 40 anos; Durao: 13 semanas; Inscries (previso): junho a julho; Local de curso: Belo Horizonte MG. VESTIBULAR PARA ENGENHARIA AERONUTICA INSTITUTO TECNOLGICO DE AERONUTICA (ITA) Escolaridade: Ensino Mdio; Sexo: Ambos os sexos; Idade: Mximo 23 anos at 31/12; Provas: Fsica, Matemtica, Qumica, Portugus e Ingls; Durao: 05 anos; Inscries (previso): 01/ago a 15/set; Local de curso: So Jos dos Campos SP. CURSO DE ADAPTAO DE MDICOS, DENTISTAS E FARMACUTICOS CENTRO DE INSTRUO E ADAPTAO DA AERONUTICA (CIAAR) Escolaridade: Ensino Superior; Sexo: Ambos os sexos; Idade: Possuir menos de 32 anos na data de matrcula; Provas: Exame de escolaridade (Portugus para todas as especialidades); conhecimetos especializados e provas de ttulos (especco para cada especialidade) Durao: 18 semanas; Inscries (previso): setembro a outubro; Local de curso : Belo Horizonte MG. ESTGIO DE OFICIAS TEMPORRIOS CENTRO DE INSTRUO E ADAPTAO DA AERONUTICA (CIAAR) Escolaridade: Ensino Superior; Sexo: Ambos os sexos; Idade: Mximo 42 anos na data de inscrio; Provas: Exame de escolaridade (Portugus para todas as especialidades),conhecimetos especializados e provas de ttulos (especco para cada especialidade) Durao: 13 semanas; Inscries (previso): julho a agosto; Local de curso: Belo Horizonte MG.AFA - Academia da Fora Area ITA - Instituto Tecnolgico de Aeronutica EEAR - Escola de Especialistas de Aeronutica EPCAR - Escola Preparatria de Cadetes do Ar CIAAR - Centro de Instruo e Adaptao de Aeronuticana Fora Area BrasileiraESTGIO DE ADAPTAO GRADUAO DE SARGENTOS ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONUTICA (EEAR) Escolaridade: Tcnico / Ensino Mdio; Sexo: Ambos os sexos; Idade: No ter completado 24 anos at a data da matrcula; Provas: Conh. Especializado, Portugus e Prtica (Msica); Durao: 24 semanas; Inscries (previso): setembro a outubro; e Local de curso: Guaratinguet SP. CURSO DE FORMAO DE TAIFEIROS COMANDOS AREOS REGIONAIS (COMAR) Escolaridade: Ensino Mdio; Sexo: Masculino; Idade: No possuir menos de 18 anos na data de matrcula nem completar 24 anos de idade at 31/dez no ano da matrcula; Provas: Portugus e Matemtica; Durao: 16 semanas; Inscries (previso): novembro a dezembro; e Local do curso: Comandos Areos Regionais. CURSO DE FORMAO DE SARGENTOS ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONUTICA (EEAR) Escolaridade: Ensino Mdio; Sexo: Ambos os sexos; Idade: No ter completado 24 anos at a data da matrcula Provas: Portugus, Matemtica, Fsica e Qumica; Durao: 02 anos; Inscries (previso): set e out/2007 para CFS 2/2008; Local de curso: Guaratinguet SP. CURSO DE OFICIAIS AVIADORES, INTENDENTES E DE INFANTARIA ACADEMIA DA FORA AREA (AFA) Escolaridade: Ensino Mdio; Sexo: Ambos os sexos (Aviadores e Intendentes) e Masculino (Infantaria); Idade:No possuir menos de 17 anos na data de matrcula nem completar 21 anos de idade at 31/dez; Prova: Portugus, Matemtica, Fsica e Ingls; Durao: 04 anos; Inscries (previso): maio a junho; Local de curso: Pirassununga SP.Informaes e Material de InscrioI COMAR (BELM) II COMAR (RECIFE) III COMAR (RIO DE JANEIRO) IV COMAR (SO PAULO) V COMAR (CANOAS) VI COMAR (BRASLIA) VII COMAR (MANAUS) CECOMSAER (BRASLIA) - (91) 3238-3500 / 3231-2989 - (81) 2129-7097 / 2129-7023 - (21) 2101-6015 / 2101-6026 - (11) 3346-6145 / 3346-6109 - (51) 3462-1204 / 3462-1644 - (61) 3364-8205 / 3365-1393 - (92) 2129-1735 / 2129-1708 - (61) 3313-2574 / 3313-2592Informaes sujeitas a modicao pelo Comando da Aeronutica.