A pontuação 2014 (2)

  • Published on
    02-Jan-2016

  • View
    30

  • Download
    0

DESCRIPTION

pontuação

Transcript

  • Ficha informativa 10.º ano Pontuação e sinais auxiliares de escrita Ponto final (.) emprega-se… Exemplo … para assinalar o fim de uma frase declarativa ou imperativa O ano letivo começou.Estuda. … no final de abreviaturas. Dr. (dr.) ; Sr. (sr.). V. Ex.ª … quando se passa de um grupo a outro grupo de ideias, usa-se o ponto parágrafo; assinala uma pausa maior, implicando, na escrita, mudanças de linha. O Búzio não possuía nada, como uma árvore não possuía nada. Vivia com a terra toda que era ele próprio. A terra era a sua mãe e a sua mulher, sua casa e sua companhia, sua cama, seu alimento, seu destino e sua vida. (Sophia de Mello Breyner Andresen, CE, 145) Vírgula ( , ) emprega-se… Exemplo ... para separar os elementos que desempenham a mesma função sintática na frase, quando não ligados por e, ou e nem. O João, a Carla e o Pedro virão no próximo comboio. É o artesanato que pede especialização, ciência, trabalho, tempo e uma estética. … para isolar o vocativo. António, não digas isso! … para separar o nome do lugar, na datação de um texto Esposende, 5 de outubro de 2013. … para separar, ou isolar, alguns conetores, como mas, porém, portanto, pois, etc. Ele já chegou,mas eu ainda não o vi. Ele, porém, não aceitou as condições. … para separar modificadores adverbiais e preposicionais quando aparecem no início / meio da frase. Lá fora, as gaivotas agitam-se. Ele deixou, por distração, os livros na escola. … para separar o modificador apositivo (aposto). O pai, advogado, arranjou-lhe emprego numa empresa de Lisboa. … para separar orações assindéticas. Consegui levantar-me, lembrei-me do café, corri a apagar o fogão, abri as janelas e saí para o terraço. Manuel Alegre, Cão como Nós … para separar uma oração intercalada em citação. Amanhã, prometeu o professor, trataremos do assunto. … para assinalar a elisão de um elemento. Esse livro é meu, o outro da Cátia; o da mesa, da Tina. … para separar uma oração adverbial, principalmente quando colocada antes ou no meio da subordinante. Logo que chegue a casa, telefono-te. O António, porque se distraíra, não chegou a tempo. … para separar as orações coordenadas sindéticas, excetuando-se as ligadas por e ou por ou O Pedro não conseguia concentrar-se, nem refletir, nem organizar as frases, nem sequer responder com lógica. Estava frio, mas ele não o sentia. … para isolar a oração subordinada adjetiva relativa explicativa. A Andreia, que não via há vinte anos, fez-me uma surpresa extraordinária. Nunca se usa a separar o verbo do sujeito, do C. direto, do C. indireto e do predicativo do sujeito Ponto e Vírgula( ; ) emprega-se… Exemplo … para separar orações coordenadas bastante extensas, sobretudo quando já existem vírgulas e quando contêm advérbios conetivos Escrevendo palavras, posso faze frases; com frase posso escrever parágrafos; com parágrafos escreverei um livro. O gato, logo que sentiu mais gente, dispôs-se a correr; o menino, sem tirar- lhe os olhos de cima, fez-nos outro sinal de silêncio; e o silêncio não podia ser maior. Fernando Campos, A Casa do Pó Sentei-me à secretária; primeiramente abri o computador; de seguida, vi o correio; finalmente completei o relatório. … para separar itens de textos enumerativos (leis, regulamentos, etc.) São deveres dos alunos: a. Tratar com respeito e correção qualquer elemento da comunidade escolar; b. Respeitar o exercício do direito à educação e ensino dos outros alunos; c. … … para separar orações coordenadas adversativas e conclusivas, realçando o valor das conjunções. Era inteligente e alegre; mas, nesse dia, parecia nada entender e estava numa profunda tristeza. Dois pontos (:) empregam-se… Exemplo … para introduzir uma explicação / um esclarecimento A escola era punitiva: um erro castigava-se com uma palmatoada. Faz assim: segue em frente e vira à esquerda. Nota: Observação: ou Ob.: Exemplo: ou Ex.: … para introduzir o discurso direto Como ele nada dissesse, o pai perguntou:– Queres ou não queres ires? … para iniciar uma enumeração. Era um rol de fiados: tabaco, fósforos, sabão, rebuçados, açúcar … … para introduzir uma citação. É tal qual como diz a canção: “Já não há estrelas no céu.” Ponto de Interrogação (?) emprega-se… Exemplo … acompanhado de ponto de exclamação para exprimir surpresa. – Ah, és tu?!– Quem é que não conhece a Torre de Belém?! … no final da frase interrogativa. Que livro vais ler? … acompanhado de reticências para exprimir dúvida. Quem está aí?...
  • Ficha informativa 10.º ano Ponto de Exclamação( ! ) emprega-se… Exemplo … em frases com determinado valor que vai além das palavras (ironia, surpresa, dor, tristeza, alegria …) Rara a ousadia a tua! ( a uma pessoa tímida) Como vale a pena viver! … em frases imperativas e depois de interjeições. Não vás por aí!Oh! – disse, admirada. … combinado com o ponto de exclamação. Para que ligaste a esta hora da noite!? Reticências (…) empregam-se… Exemplo … para assinalar a supressão de parte de um texto que se está a citar, colocando-se entre parênteses (sinal auxiliares de escrita). “[…] as leis conhecidas da física perdem a sua validade na singularidade do big bang.” (Stephen W. HawKing) … para realçar palavras ou expressões. Vivia sozinho… Pobrezinho… … para indicar uma interrupção da frase provocada por outra pessoa ou pelo locutor. – Estava a dizer que… – Nada… nada… não tem importância. …para indicar uma enumeração que não ficou concluída. Choveram rosas, cravos, margaridas … Travessão (‒) emprega-se… Exemplo … para isolar elementos intercalados, podendo ser seguido de vírgula. A mais nova, quando sorria – e fazia-o amiúde –, mostrava um dente de ouro mal disfarçado. João de Melo, Gente Feliz com Lágrimas … para anunciar uma conclusão ( idêntico aos dois pontos). Só lhes resta uma solução – desaparecer. … para ligar palavras ou grupos de palavras. A viagem Rio – Lisboa; o percurso Paris – Londres, etc. … para introduzir as falas das personagens. – Ele não quer responder.– Mas porquê? …para separar uma palavra ou outros elementos na frase (função idêntica à dos parênteses e vírgulas) – Acho – e retomou o discurso – que já assustamos demais o nosso amigo. Sinais auxiliares de escrita Parênteses retos [ ] são um sinal que se usa para: Exemplo • intercalar, numa frase, observações próprias. A Comissão propusera [todos pensaram erradamente] uma alteração à ideia. • isolar uma construção que internamente já está separa por parênteses. Ele clarifica [ os parênteses curvos (linhas 7 e 8) servem para juntar um juízo de valor] e propõe uma nova conceção organizacional. • indicar a representação fonética de um fonema ou fonemas de uma palavra. Sábado [sabɐdu]; óleo [olju]; minha [miɲɐ]; filho [fiʎu] • indicar, com reticências incluídas, a supressão de partes de um texto. “ O isocronismo de uma narrativa pode ser definido […] como constante de velocidade […].” Parênteses curvos ( ) são um sinal que se usa para: Exemplo • intercalar informações acessórias, mas úteis; são indispensáveis nas didascálias (indicações cénicas) “Que posso eu fazer? Sim: que posso eu fazer? (dá dois passos em direção ao fundo do palco, detém-se, e continua.) Vê-se a gente livre dos Franceses, e zás!, cai na mão dos Ingleses!” Luís de Sttau Monteiro, Felizmente Há Luar! • isolar um comentário, uma explicação ou uma oração intercalada, para que estes não quebrem a sequência da frase - uso com função equivalente à do travessão duplo. A vida tem destas coisas (disse para o vizinho do lado) que nem sempre compreendemos! • introduzir itens de uma enumeração disposta em alíneas a) … b) … • indicar, junto de uma palavra, as categorias de género e de número alternativos. Professor(a); Senhor(es) Aspas “ “ são um sinal que se usa para: Exemplo • marcar o início e o fim de uma citação. “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”, diz Fernando Pessoa • assinalar vocábulos , quer por não pertencerem ao léxico português (empréstimos), quer por não pertencerem ao registo de língua que o emissor está a usar O “leitmotiv”, ou seja, o motivo condutor, foi celebrizado a propósito da obra de Wagner. Bem simpáticos, estes “tugas” da embaixada em Argel! • destacar o valor significativo de vocábulos ou expressões . Para mim “sonhar” significa “acreditar no futuro”.
  • Ficha informativa 10.º ano Exercícios de aplicação 1. Lê as seguintes funções dos sinais de pontuação. a. introduzir uma citação, ou seja, uma expressão ou uma frase dita por outra pessoa; b. isolar orações intercaladas; c. anunciar uma enumeração explicativa; d. introduzir uma conclusão, uma síntese; e. marcar o princípio e o fim de uma citação; f. assinalar palavras ou expressos estrangeiras. 1.1. Sublinha as funções que se adequem ao correto uso de dois pontos. 1.2. Procura fazer corresponder as restantes funções a outros sinais de pontuação. 2. Lê as seguintes frases de um texto do escritor Ruy Belo: Um dia, o Maurício faltou à aula das nove. – Ó Maurício, faltaste à aula das nove. E o Maurício, sem responder, imperturbável, continuava a lançar a bola ao cesto. – Ó Maurício, não vens à aula? O Maurício não respondia. Maurício, sozinho, continuava a lançar a bola ao cesto. O Maurício, apesar dos professores, apesar dos contínuos, apesar da campainha, faltara a todas as aulas. 2.1. Tendo em conta as regras de utilização da vírgula, apresenta os motivos pelos quais a vírgula é usada depois de Maurício em algumas frase e não é usada noutras. 3. Vírgula, ponto e vírgula ou ponto? Completa, com recurso a estes sinais, a pontuação das frases seguintes. Justifica as tuas opções. a. Numa primavera partimos para a solidão do Quebeque b. Os costumes da guerra são menos soltos do que se cuida no ânimo do soldado há mais sentimentos delicados nas suas formas há menos rudeza do que se pensa c. O cão vagueando pela casa logo aí encontrou um abrigo d. Lisboa 28 de agosto de 1992 e. Considerando as diferenças entre os países ricos e pobres os recursos limitados de água que têm de se poupar o aquecimento global ainda pouco estudado será prioritária uma ação concertada dos países mais influentes no destino do planeta f. a minha amiga não voltei a vê-la 4. Lê com atenção os textos a seguir transcritos. Repara que não apresentam a pontuação completa. Pontua-os devidamente. Justifica as tuas respostas. a. “A capacidade de reprodução da palavra escrita a partir da descoberta da imprensa por Gutenberg deve ser considerada uma autêntica revolução que se caracterizou sobretudo pela capacidade de aumentar e deslocar a informação no entanto, se a imprensa de Gutenberg tornou possível uma comunicação à distância, não permitia que esta se fizesse em tempo real essa pretensão esse desejo teria de esperar pela telegrafia sem fios, pela telefonia, pela televisão é aqui que verdadeiramente começa a aventura das telecomunicações” b. “A carta é um meio de comunicar por escrito com o semelhante compartilhado por todos os homens quer sejam ou não escritores corresponde a uma necessidade profunda do ser humano” Andrée Rocha, A Epistolografia em Portugal, 2.ª ed., Lisboa, INCM, 1985 5. Tenta encontrar a pontuação adequada ao seguinte texto. Atenção: existem várias possibilidades de resposta. Escolhe a que te parece mais adequada. “Há quinze anos que não tenho quinze anos e não tenho pena nenhuma é uma idade para esquecer mas é inesquecível trataram-me muito mal qualquer pessoa é muito mal tratada se apanharem com quinze anos é a idade em que parece haver qualquer coisa contra nós o que é concretamente é o mundo inteiro ou melhor é o mundo inteiro com a insidiosa colaboração dos pais.” Miguel Esteves Cardoso, Os Meus Problemas, Lisboa, Assírio & Alvim, 1998
  • Ficha informativa 10.º ano Exercícios de aplicação (correção) 1. Lê as seguintes funções dos sinais de pontuação. a. introduzir uma citação, ou seja, uma expressão ou uma frase dita por outra pessoa; (:) b. isolar orações intercaladas; (,) c. anunciar uma enumeração explicativa; (:) d. introduzir uma conclusão, uma síntese; (:) e. marcar o princípio e o fim de uma citação; (“ “) f. assinalar palavras ou expressos estrangeiras. (“ “) manuscrito ou itálico impresso 1.1. Sublinha as funções que se adequem ao correto uso de dois pontos. 1.2. Procura fazer corresponder as restantes funções a outros sinais de pontuação. 2. Lê as seguintes frases de um texto do escritor Ruy Belo: Um dia, o Maurício faltou à aula das nove. – Ó Maurício, faltaste à aula das nove. (vocativo) E o Maurício, sem responder, imperturbável, continuava a lançar a bola ao cesto. (orações intercaladas e modificadores) – Ó Maurício, não vens à aula? (vocativo) O Maurício não respondia. (nunca separa o sujeito do predicado) Maurício, sozinho, continuava a lançar a bola ao cesto. (modificador) O Maurício, apesar dos professores, apesar dos contínuos, apesar da campainha, faltara a todas as aulas. (orações intercalares) 2.1. Tendo em conta as regras de utilização da vírgula, apresenta os motivos pelos quias a vírgula é usada depois de Maurício em algumas frase e não é usada noutras. R.: A vírgula é usada quando Maurício tem a função de vocativo e quando entre o sujeito e o predicado se introduzem constituintes facultativos (orações intercaladas e modificadores); a vírgula nunca separa o sujeito do predicado. 3. Vírgula, ponto e vírgula ou ponto? Completa, com recurso a estes sinais, a pontuação das frases seguintes. Justifica as tuas opções. a. Numa primavera partimos para a solidão do Quebeque R.: Numa primavera, partimos para a solidão do Quebeque. (a vírgula isola uma circunstância temporal – neste caso modificador do grupo verbal; o ponto sinaliza o final de uma frase) b. Os costumes da guerra são menos soltos do que se cuida no ânimo do soldado há mais sentimentos delicados nas suas formas há menos rudeza do que se pensa R.: Os costumes da guerra são menos soltos do que se cuida (;) (:) no ânimo do soldado há mais sentimentos delicados, (;) nas suas formas , (,) há menos rudeza do que se pensa. (enumeração explicativa) c. O cão vagueando pela casa logo aí encontrou um abrigo R.: O cão, vagueando pela casa, logo aí encontrou um abrigo. (intercalar uma oração) d. Lisboa 28 de agosto de 1992 R.: Lisboa , 28 de agosto de 1992 ( isola a localidade) e. Considerando as diferenças entre os países ricos e pobres os recursos limitados de água que têm de se poupar o aquecimento global ainda pouco estudado será prioritária uma ação concertada dos países mais influentes no destino do planeta R.: Considerando as diferenças entre os países ricos e pobres, os recursos limitados de água que têm de se poupar, o aquecimento global ainda pouco estudado, será prioritária uma ação concertada dos países mais influentes no destino do planeta. (apresentar uma enumeração). f. a minha amiga não voltei a vê-la R.: a minha amiga, não voltei a vê-la. (o complemento direto antecede o sujeito) 4. Lê com atenção os textos a seguir transcritos. Repara que não apresentam a pontuação completa. Pontua-os devidamente. Justifica as tuas respostas. a. “A capacidade de reprodução da palavra escrita, a partir da descoberta da imprensa por Gutenberg, deve ser considerada uma autêntica revolução que se caracterizou, sobretudo, pela capacidade de aumentar e deslocar a informação. No entanto, se a imprensa de Gutenberg tornou possível uma comunicação à distância, não permitia que esta se fizesse em tempo real. Essa pretensão, esse desejo, teria de esperar pela telegrafia sem fios, pela telefonia, pela televisão: é aqui que verdadeiramente começa a aventura das telecomunicações.” b. “A carta é um meio de comunicar por escrito com o semelhante. Compartilhado por todos os homens, quer sejam ou não escritores, corresponde a uma necessidade profunda do ser humano.” Andrée Rocha, A Epistolografia em Portugal, 2.ª ed., Lisboa, INCM, 1985 5. Tenta encontrar a pontuação adequada ao seguinte texto. Atenção: existem várias possibilidades de resposta. Escolhe a que te parece mais adequada. “Há quinze anos que não tenho quinze anos e não tenho pena nenhuma. É uma idade para esquecer, mas é inesquecível. Trataram-me muito mal. Qualquer pessoa é muito mal tratada se apanharem com quinze anos. É a idade em que parece haver qualquer coisa contra nós. O que é concretamente? É o mundo inteiro. Ou melhor: é o mundo inteiro com a insidiosa colaboração dos pais.” Miguel Esteves Cardoso, Os Meus Problemas, Lisboa, Assírio & Alvim, 1998