A Leitura Do Texto Potico Popular

  • Published on
    28-Jan-2016

  • View
    29

  • Download
    0

DESCRIPTION

Sequencia didtica

Transcript

Universidade Estadual da ParabaCentro de Cincias Humanas e Exatas- Poeta pinto do MonteiroPrograma Institucional de Bolsas de Iniciao Docncia - PIBIDCurso de Licenciatura em Letras- Lngua PortuguesaCoordenador de rea: Prof. Dr. Marcelo Medeiros da SilvaBolsista: Maria Rosel da Silva Pereira

Sequncia Didtica

1. Pblico: Alunos do 6, 7, 8 e 9 ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental II Bento Tenrio de Sousa.2. Espao: Sala de informtica3. Durao: 4. Contedo: Leitura do texto potico5. Objetivos:5.1 Objetivo geral:Proporcionar aos alunos situaes de aprendizagem de leitura e de escrita a partir de atividades dinmicas, interativas e, sobretudo, ldicas com a poesia de expresso popular.5.2 Objetivos Especficos:Espera-se que ao final desta sequncia os alunos sejam capazes de: Valorizar a poesia em suas diversas formas de expresso. Apreciar as produes culturais de expresso popular. Relacionar as experincias apresentadas nas poesias prpria vida. Socializar oralmente e/ou por escrito suas impresses e seus conhecimentos prvios. Apropriar-se das marcas esttico-formais dos gneros lidos e produzir outros trava-lnguas e advinhas. 6. Procedimentos:1 Momento: Aspecto ldico da poesia de tradio oral Iniciaremos esse momento fazendo a seguinte pergunta: Vocs gostam de poesia?Em seguida, convidaremos os alunos para participarem de um momento ldico, em que podero a partir de vrias atividades de motivao ativar seus conhecimentos prvios ao relembrarem das poesias de tradio oral que se fizeram presentes em suas brincadeiras durante a infncia. Para tanto, levaremos sala de aula, poesias das mais variadas formas de expresso, como quadrinhas, trava-lnguas, advinhas, cantigas de roda e parlendas. A execuo das atividades ldicas preparadas para esse momento poder ocupar uma faixa de 08 aulas de 45 minutos cada. Assim sendo, iniciaremos convidando os alunos para participarem de um domin potico, em que ser entregue a cada um, alguns versos de parlendas. Em seguida, pediremos que o aluno que estiver com o primeiro verso de uma das parlendas, coloque-o no centro da mesa. Depois, os demais alunos, um por um, devem encaixar os demais versos nos lugares corretos at que o texto esteja devidamente completo. Para essa brincadeira utilizaremos as parlendas que tem como versos iniciais Cad o queijinho que estava aqui?, Um, dois, feijo com arroz, Borboletinha amarelinha, O burrinho em Jeric e Hoje domingo. Em seguida, convidaremos os alunos para um desafio a partir da leitura oral de trava-lnguas, em que devero l-los de modo rpido pronunciando as palavras corretamente. Para esse momento, utilizaremos os seguintes trava-lnguas: Olha o sapo dentro do saco,/ o saco com sapo dentro,/ o sapo batendo papo/ e o papo soltando vento; L vem o velho Flix/ Com o fole velho nas costas./ Tanto o fole do velho fede/ Quanto fede o velho Flixe O peito do p de Pedro preto!/ Quem disser que o peito do p de Pedro preto,/ Tem o peito do p mais preto/ Do que o peito do p de Pedro. O terceiro momento ldico ser desenvolvido a partir da leitura de quadrinhas, para tanto faremos um baralho potico, em que entregaremos a cada aluno quatro cartas, em cada uma delas constar apenas versos isolados. O procedimento dessa atividade de motivao deve ocorrer do seguinte modo: aps a entrega das cartas aos alunos, dever ser realizado um sorteio a fim de que o participante sorteado inicie a brincadeira, o qual dever retirar do centro da mesa uma carta que lhe interesse, mas nesse momento deve eliminar outra que est em sua posse. Esse procedimento dever ser seguido por todos os participantes at que cada um deles consiga recolher todos os versos que completam a quadrinha que deseja concluir. No baralho potico sero utilizadas as seguintes quadrinhas:No tem machado que corte/ a raiz do nosso amor./ Quanto mais corta, mais cresce,/ e mais depressa brota flor;Queria ser uma lgrima/ Para em seus olhos nascer/ Correr em sua face/ E em sua boca morrer; Meu passarinho to manso,/ Das minhas mos escapou./ Para mais penas me dar,/ Penas nas mos me deixou; Atirei um limo verde/ L na torre de Belm;/ Deu no cravo, deu na rosa/ Deu no peito de meu bem; Meu corao de vidro/ Feito de mil travaes;/ Com qualquer coisa se quebra,/ No atura ingratides.; Batatinha quando nasce/ esparrama pelo cho./ Menininha quando dorme/ Pe a mo no corao; Em seguida, ser realizada uma brincadeira com cantigas de roda, para tanto faremos um quebra-cabea, que funcionar da seguinte forma: inicialmente, dividiremos a turma em duplas e entregaremos a cada uma delas uma sacola, na qual haver cinco cantigas de roda. No entanto, constaro apenas versos isolados, os quais, os alunos devero juntar para descobrir de que cantiga se trata. Quando todas as duplas conseguirem montar o quebra-cabea, solicitaremos que cantem a canes em conjunto. As cantigas de roda que sero utilizadas nesse momento ldico tm como versos iniciais: Caranguejo no peixe...; O cravo brigou com a rosa Pirulito que bate bate; A barata diz que mora numa casa de sobrado e Ciranda, cirandinha. Para trabalharmos com as advinhas aplicaremos o jogo da forca potica, que funcionar da seguinte forma: entregaremos a cada aluno um papel, no qual constar uma advinha. Caso o aluno no consiga responder, colocaremos no quadro a quantidade de traos que correspondem ao nmero de letras referente resposta. Cada aluno deve dizer uma letra at que algum descubra a resposta. Em cada papel, constar uma das advinhas que sero apresentadas a seguir: So luzes que no tm fio/ Quietas e agitadas./ Dormem por todo o dia,/ Mas a noite esto acordadas (estrelas);Quando saio pelas ruas,/ s vezes fico guardado./ S vou para cima/ Quando a chuva vem pra baixo. (guarda-chuva); De tantoesquentar a cabea/ Acaba morrendo queimado. (fsforo); gota e no vem da chuva,/ E nem da terra nasceu./ Salgada sem vir do mar,/ Todo mundo j lambeu.(lgrima); Em que lugar o ontem vem depois de amanh/ E o amanh vem antes de ontem? (dicionrio); Zigue-zague vai passando/ Vai comendo sem querer./ O que come vai pra fora,/ engolir no pode ser. (tesoura); Verde por fora,/ Branco por dentro./ Uma caixinha fechada/ Que est sempre molhada. (coco); Mudo, cego e surdo/ fao bem vaidade./ Mesmo sem nunca falar,/ Dizem que falo a verdade. (espelho); Costuma ser pontual,/Mas pode vir de repente./ Quando viva, incomoda/ S morta fica contente. (fome;) O mundo inteiro em sua mo/ Preto e branco ou colorido,/ Vamos, me diga quem sou eu,/ Com este meu olhar de vidro. (Televiso)Diga-me que bicho esse/ Caminha dando sopapo/ Come brasa, engole fogo/ canta feio e bate papo/ Solta espuma, mora em loca/ O nome dele ? (sapo); Anda sempre em rebanho/ E faz festa tardinha/ Gosta muito de igreja/ Se esconde de manhzinha/ Nem pombo e nem marreco/ Que ave essa? (andorinha); Maior do que um cavalo/ muito liso o seu pelo/ Ele atravessa o deserto/ Corcundo por desmantelo/ Passa dias sem beber/ Que bicho esse? (camelo). Ao final solicitaremos aos alunos que pesquisem junto aos seus familiares e amigos textos poticos de nossa tradio oral. 2 Momento: Poesia de expresso popular No segundo momento, os alunos devero apresentar as poesias de tradio oral que pesquisaram. 3 Momento: Vamos brincar de ler? Durante esse momento convidaremos os alunos para realizarem a leitura de trs livros, os quais apresentam um conjunto de poesias de tradio oral. O primeiro livro a ser lido ser Lngua de sobra e outras brincadeiras poticas, de Leo Cunha, em seguida Trava-lngua/ Quebra-queixo/ rema-rema/ Remelexo, de Almir correia e, por fim, Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu, de Lenice Gomes. A leitura de tais livros ser realizada atravs de cpias, as quais ficaram no centro da mesa a disposio dos alunos. Com isso, estaremos proporcionando aos alunos um momento ldico, em que podero brincar com o jogo sonoro e gestual das poesias e, sobretudo, jogar com a imaginao. A cada leitura, faremos com que os alunos percebam tambm a intertextualidade presente em tais textos, levando-os a relacionarem as poesias a textos escutados e lidos em experincias anteriores. 4 Momento: Desafio irresistvel No quarto momento lanaremos aos alunos uma proposta, na qual cada um deles deve desafiar um colega a ler um trava-lngua, escolhido pelo desafiador. Para tanto, levaremos a sala de aula um conjunto de trava-lnguas previamente selecionados, os quais sero retirados dos livros que foram lidos durante o encontro anterior. Deixaremos tais textos no centro da mesa a fim de que os alunos escolham os textos de sua preferncia para em seguida, lanarem os desafios. O professor tambm poder solicitar que os prprios alunos pesquisem os trava-lnguas, caso assim, o prefira. Durante esse desafio faremos com que os alunos se divirtam com os sons emitidos ao realizar a leitura dos trava-lnguas em voz alta. Alm disso, podero se divertir ao observar se os desafiados conseguem ler o texto corretamente. Por fim, o professor poder sondar os alunos sobre qual deles realizou a melhor leitura, ou seja, aquele que leu de modo rpido pronunciando as palavras corretamente. Feito isto, poder presentear o aluno vencedor com algum brinde. 5 Momento: Quero ver quem advinha! Nesse momento faremos uma atividade ldica com a inteno de motivar os alunos antes de lanarmos a proposta de produo de uma advinha. Para tanto, faremos uma palavra cruzada, na qual constar a frase: Quero ver quem advinha. Tal frase estar no centro da palavra cruzada. Nos demais espaos constaro apenas quadrinhos em branco, os quais sero preenchidos medida que a brincadeira prosseguir. Tal jogo deve prosseguir do seguinte modo: inicialmente os alunos sero convidados a retirar de dentro de uma sacola as perguntas, ou seja, as advinhas que devero responder. Em seguida, devero l-las oralmente para, ento, apresentar a resposta. Caso a resposta no esteja correta, os demais alunos podero ajudar o colega, indicando uma provvel resposta. Mas se estiver correta, o aluno dever procurar as letras que correspondem palavra, tais letras estaro dentro de uma cesta. Entretanto, ateno: cada advinha vir acompanhada de um nmero, portanto a resposta dever ser escrita nos quadrinhos correspondentes ao referido nmero. As advinhas que sero utilizadas durante essa atividade so as seguintes: 1-Fruta vermelha, doce e saborosa / Quando est madura fica mais gostosa. 2-O que o que , que quanto mais cresce, menos se v? 3-O que o que que sempre se quebra quando se fala? 4- um pssaro brasileiro e seu nome de trs para frente igual. 5-Ele magro pra chuchu, tem dentes, mas nunca come e mesmo sem ter dinheiro, d comida a quem tem fome? 6-O que que tem capa, mas no super-homem, tem folha, mas no rvore, tem orelha, mas no gente, e surdo, mas conta tudo? 7-O que ? O que ? Tem pernas, mas no anda. Tem brao, mas no abraa? 8-O que o que que d muitas voltas e no sai do lugar?9-De leite feito, muito bom e nutritivo / Seu nome rima com beijo. 10-O que que corre a casa inteira e depois vai dormir num canto? 11-O que o que , tem chapu, mas no tem cabea, tem boca, mas no fala, tem asa, mas no voa?12-O que entra na gua e no se molha?13-O que que d um pulo e se veste de noiva?14-Na televiso cobre um pas; no futebol, atrai a bola; em casa incentiva o lazer. O que ? 15-O que , o que ? Cai em p e corre deitado? 16-O que o que que anda com os ps na cabea? 17-O que , o que que, quando dizemos o seu nome, ele deixa de existir? Tem cabea, tem dente, tem barba, no bicho nem gente, o que ? 19-O que , o que ? Caminha sem ps, voa sem asas e pousa onde quiser.6 Momento: Vamos produzir uma advinha? Nesse momento, convidaremos os alunos para produzirem uma advinha. Aps, cumprirem com o que lhes foi pedido, iremos ler e discutir cada texto produzido e, nos casos em que for necessrio, procederemos reescrita dos textos. Quando a segunda verso ficar pronta, os alunos devero transcrev-la num papel carto, utilizando lpis e canetas de cores diversas. Por fim, haver a apresentao de todas as advinhas produzidas.7 Momento: Poesia encantada Nesse momento faremos a leitura de um conjunto de poemas de Srgio Capparelli levando os alunos a relacionarem os textos a poesias de expresso popular escutadas e/ou lidas em experincias anteriores. Para tanto, realizaremos a leitura dos poemas: Estao caf, Crocodilo, A traa poliglota, Entro ou no entro, Ecologia, O cobrador, Bia e pio, Pintando o sete e o Tamanho do A. Entregaremos a cada aluno a cpia dos poemas e em seguida iniciaremos a leitura em voz alta, entretanto algumas palavras estaro incompletas, ou seja, os espaos de algumas slabas estaro em branco. Isto ser feito com o intuito de levarmos os alunos a treinarem o processo de escrita de algumas slabas, pois percebemos durante a produo das advinhas que a maioria deles sente bastante dificuldade ao escreverem palavras que so compostas por slabas complexas. 8 Momento: Vamos travar a lngua? Nesse momento apresentaremos aos alunos trava-lnguas em udio. Ao final os desafiaremos a repetir oralmente os trava-lnguas escutados. Faremos essa atividade com o intuito de motiv-los antes de lanarmos a proposta de produo de um trava-lngua. 9 Momento: Criando um trava-lngua No nono momento, lanaremos aos alunos a proposta de produo de um trava-lngua. Quando a primeira verso ficar pronta, realizaremos a leitura e discusso de todos os textos produzidos. Em seguida, faremos uma reescrita coletiva, para tanto iremos transcrever no quadro os textos produzidos para que os demais alunos possam contribuir na reescrita dos textos dos colegas. Reescrita feita, os alunos devero transcrever num carto os trava-lnguas produzidos. 10 Momento: Poesia, leitura e brincadeira No dcimo momento, faremos a leitura de um conjunto de poemas de Manoel Bandeira, a fim de que os alunos percebam que autores eruditos tambm bebem da fonte da poesia popular. Para tanto, realizaremos a leitura dos poemas Evocao do Recife, Rond do Capito, Berimbau, Trem de Ferro, Boca de Forno, Seu rei mandou dizer, levando-os a fazer uma relao de tais textos com as poesias de tradio oral lidas e/ou escutadas por eles. Entregue os poemas aos alunos, a professora ir l-lo, em voz alta, e pedir que tentem relacion-los as poesias de tradio oral de que lembram. Neste momento, os alunos ficaro livres para discutirem acerca dos textos lidos, ou recit-los novamente.

Referncias BibliogrficasBATISTA, Maria de Ftima Barbosa de Mesquita; SANTOS, Idelette Muzart Fonseca dos (Org.). Cancioneiro da Paraba. Joo Pessoa: GRAFSET, 1993. CAPPARELLI, Srgio. 111 poemas para crianas. Porto Alegre: L&PM, 2013. CORREIA, Almir. Trava-lngua quebra-queixo rema-rema remelexo. So Paulo: Cortez, 2010.CUNHA, Leo. Lngua de sobra e outras brincadeiras poticas. So Paulo: Cortez, 2014. GOMES, Lenice. Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu. So Paulo: Cortez, 2009. GOMES, Lenice; MORAES, Fabiano. Alfabetizar letrando com a tradio oral. So Paulo: Cortez Editora, 2013.