A historia do cinema 3 d

  • Published on
    07-Jul-2015

  • View
    3.222

  • Download
    3

Transcript

  • 1. Essa nova tecnologia tr az par a o publico a chance de viver ashistorias em tempo r eal, Ou quase, que a qualidade em 3Dcausa a impr esso de estar dentr o da historia vivendo com osmais desejadas Aventur as. uma experincia inovador a eemocionante. O significado da expr esso 3D r ealidade etrs dimenses , ou seja , mostr a em espao r eal a imagem.

2. O surgimento da 3dimenso no cinema sedeve ao inventor,Sebastio Comparato,um italiano chegado aoBrasil com seis meses deidade e cujo maiororgulho era atribuir ainveno ao nosso pas.Dois anos depois, j compatentes internacionais,Sebastio fez suasapresentaes no Rio. 3. Dezessete anos apsessa exibio carioca,no antigo cinemametrpole, a 3D anunciada, comestardalhao, comoltima novidade docinema norte-americano. SebastioComparatoamargurado fecha oseu laboratrio e noquer mais ouvir falarde cinema. 4. Comparato Produziu vrios filmes de curta-metragem einventou tambm um sistema de filme ao ar livre, mostradoao pblico no comeo da dcada de 30, na Praa da S.Apesar da relatividade notoriedade que conseguiu na poca,seus filmes e seus inventos no conseguiram inscrev-lo nahistria do cinema brasileiro. 5. Nem sequer os rarospesquisadores docinema paulistaregistraram o trabalhopioneiro de SebastioComparato. Eleempregou grandeparte de sua vida parainventar a terceiradimenso, ao mesmotempo que a queriacomo uma invenobrasileira, recusandopor isso um convitepara ir trabalhar nosEstados Unidos. 6. No incio dos anos 50, ateleviso j causaragrandes danos ao cinemanos Estados Unidos,embora no Brasil as casasexibidoras aindaestivessem em plenoapogeu. Foi nessa pocaque a terceira dimenso,um dos recursos que aindstria cinematogrficacomeava a usar parafazer frente TV, chegouao Brasil como invenonorte-americana. 7. Dois filmes feitos em 3-D, nome dado ao sistema, foramlanados simultaneamente nos antigos cinemasRepblica e pera de So Paulo. Ambos os filmesexigiam culos para criar a impresso de profundidade.Houve uma natural curiosidade, mas logo depois jningum falava no novo sistema, talvez porque aobrigatoriedade dos culos limitasse sua aceitao. 8. A inveno deComparato, porm,apresentada quase duasdcadas antes, podiaperfeitamente serapreciada a olho nu. Oprprio Comparatopreviu o fracasso da 3-Dda maneira como elaestava sendoapresentada pelos norte-americanos, ementrevista a O Globo, onico jornal que selembrou de procur-lopor ocasio dolanamento dos doisfilmes. 9. A inveno de Comparato dispensava pelcula especial ou qualquerequipamento adicional, durante as filmagens. Todo o segredorepousava num pequeno aparato que podia ser adaptado aprojetores comuns e numa tela especial. A esta, na verdade, cabia opapel mais importante, acondicionada dentro de uma enorme caixa,semelhante a um palco de teatro. Da tela, a imagem era refletidanum espelho parablico que a tornava invisvel, dando a impressoque as cenas transcorriam num palco. 10. Para chegar aomecanismo, Comparatogastou mais de 13 anosde pesquisas,construindo umlaboratrio nos fundosde sua casa. O trabalhofoi precedido de outraspesquisas com relaoao olho humano e, antesde chegar terceiradimenso no cinema,ele se dedicaraintensamente estereoscopia(fotografia em relevo) 11. Comparato, que chegara aanunciar a fundao deuma grande companhiaprodutora para aexplorao do novosistema, alguns anosdepois, j deixavatransparecer as suasmgoas, recusando umconvite que lhe fez aWarner Brothers em 1951,para transferir-se para osEstados Unidos: "Eu jtinha resolvido a desistirde tudo" conta ele, ementrevista a O Globo. 12. A hora em que ela surgiu, certamente, no era oportuna.Poucos anos antes, o cinema havia passado pela revoluodo sonoro e esta inovao quase levara a industriaespecializada norte-americana falncia. Qualquernovidade no poderia ser, portanto, bem-vista, ainda maisque, j recuperada quela altura, a indstria cinematogrficareinava absoluta no campo do entretenimento. 13. A luta maior deComparato, porm,no foi para serreconhecido pelosnorte-americanos.Estes at quevalorizaram o seutrabalho. Se, nosprimeiros temposno se interessaram,em 1945, quandoprocuravam tcnicasinovadoras, no seesqueceram dele. 14. A convite da mesmaWarner, Comparatopassou trs meses nosEstados Unidos. Suarecusa em permanecerdefinitivamente estavapresa ao desejo de quea inveno fosseexplorada porbrasileiros. Para isso,tentou vrioscaminhos, mas nadaconseguiu. A terceiradimenso lanadacomo inveno norte-americana deve ter-lhesido uma plulaamarga. 15. Se nos anos 50, o advento da TV foi o que afugentou opblico dos cinemas, agora em 2010, a internet que faz comque as pessoas passem mais tempo em casa em frente telado computador. Por isso, o 3D resgatado das cinzas com apromessa de levar as pessoas de volta as salas de projeo evivenciarem uma incrvel experincia cinematogrfica. 16. O retorno do 3D aocinema foi emmeados de 2000com a empresaRealD a frente daimplantao datecnologia em salasde cinema. Muitosfilmes dessa faseso documentriossobre esportes,natureza e oespao. 17. Mais do que uma tecnologia, o 3D uma forma dedeixar o espectador mais prximo da histria dofilme. Ele permite a entrada em um mundo ilusrio,afinal de contas o cinema trata de magia. 18. Fonte:http://www.almanackpaulistano.com.br/comparato.htmlhttp://lepto.procc.fiocruz.br:8081/dic/verbetes/FAChttp://www.redetec.org.br/inventabrasil/sebcomp.htmhttp://www.almanack.paulistano.nom.br/comparato.html