25 Edio (Julho de 2012)

  • Published on
    13-Mar-2016

  • View
    214

  • Download
    2

DESCRIPTION

 

Transcript

  • A QUESTO : MORAL (PARTE 2) Estamos refletindo a respeito de ques-

    tes sobre a moral, tica que envolvem a

    vida humana. Ms passado, falamos sobre

    os anencfalos, para este ms vamos nos

    deter na eutansia.

    Eutansia a prtica pela qual se abre-

    via a vida de um enfermo incurvel de ma-

    neira controlada e assistida por um especi-

    alista.

    So termos, s vezes desconheci-

    dos, mas que esto sendo falados e prati-

    cados em nossa sociedade. Hoje em dia

    muitos hospitais pblicos, particulares tam-

    bm, cometem essas crueldades, esses

    assassinatos. Muitos deles o fazem devido

    lotao que h nos hospitais, sem vagas

    e sem dinheiro para manterem pessoas, o

    jeito descart-las, ou seja, cometer a eu-

    tansia, antecipar a morte, para dar lugar a

    outros doentes mais novos e com mais

    chances de viver.

    Todavia, existem familiares do do-

    ente que, muitas vezes, tambm querem a

    morte, pedem que se desliguem os apare-

    lhos, porque no querem mais sofrimentos.

    E assim vai se praticando a eutansia, a

    rodo por a, sem nenhuma tica profissio-

    nal, sem nenhum respeito para com o ser

    humano. Mdicos, famlias acham que so

    deuses e que podem fazer da vida do en-

    fermo debilitado, sem condies de esco-

    lha, o que quiserem. A lei do mais forte e do

    mais fraco.

    Conjuntamente com a eutansia existe

    a ortotansia (a morte natural, sem interfe-

    rncia da cincia, permitindo ao paciente

    morte digna, sem sofrimento, deixando a

    evoluo e percurso da doena) o que a

    Igreja aceita e incentiva. A distansia

    (prtica pela qual se prolonga, atravs de

    meios artificiais e desproporcionais, a vida

    de um enfermo incurvel).

    Tanto a eutansia, quanto a distansia

    so artificiais, atitudes humanas e no divi-

    na. o homem com a mania de querer ser

    Deus e que no aprende com os aconteci-

    mentos que isso no d certo.

    Nunca teria essa coragem de antecipar

    a morte de ningum, Deus que sabe o

    momento ideal para nascer, viver e morrer.

    Este o processo natural da vida, homem

    nenhum pode ultrapassar essa lei divina:

    No matars. Principalmente se a pessoa

    se diz crist, pois Cristo nos deu a vida, no

    a tirou. Pense nisso!

    Padre Edson R. Morettin

    ANO III | 25 EDIO | JULHO DE 2012

    (17) 3552 3853 WWW.MARTIRLOURENCO.COM.BR PAROQUIASAOLOURENCO@YAHOO.COM.BR

    FESTIVIDADES DO PADROEIRO SO LOURENO

    NOVENA s 19h30

    1/8 Quarta - Bno da gua Padre Gerson Carlos Cavalin Parquia Nossa Senhora do Carmo - Mirassol

    2/8 Quinta - Bno dos Alimentos Padre Rogrio Correia Parquia So Joo Apstolo e NSa. das Dores - Rio Preto

    3/8 Sexta - Bno dos Doentes Padre Eduardo Cristofaro Parquia So Sebastio - Novo Horizonte

    4/8 Sbado - Bno das Famlias Dom Edmilson (Bispo de Barretos)

    5/8 Domingo - Bno dos Jovens Padre Osvaldo Donizeti Barrinha Parquia So Benedito - Sales

    6/8 Segunda - Bno das Chaves Padre Jorge Nahra Parquia So Joo Batista - So Carlos

    7/8 Tera - Bno das Crianas Padre Antonio Marcos Viaro Parquia So Lus Gonzaga - Barretos

    8/8 Quarta - Bno do Trabalho Padre Paulo Csar Mazzi Parquia So Benedito - Jaboticabal

    9/8 Quinta - Bno de Imagens e Objetos de Devoo Padre Hamilton Raimundo Baltazar Parquia Senhor Bom Jesus - Guaraci

    10/8 Sexta - Dia do Padroeiro Carreata s 9h Corte do Bolo s 9h30 Procisso e Missa s 18h

    SO LOURENO, AJUDAI-NOS A VIVER E ANUNCIAR O EVANGELHO

    EM PROL A REFORMA DO SALO PAROQUIAL

    28/7 Sbado Quermesse

    1/8 Quarta Show de Prmios e Pastel

    4/8 Sbado Costelo

    5/8 Domingo Arroz Carreteiro, Leitoa Passarinho e Salada (Almoo)

    9/8 Quinta Noite Italiana

    10/8 Sexta Churrasco

    11/8 Sbado Quermesse

  • SACRAMENTOS DA INICIAO CRIST: EUCARISTIA O sacramento da Eucaristia um dos sacramentos da iniciao crist, ao lado do batismo e crisma. a presena real e viva do prprio Cristo encarnado no santssimo sacramento eucarstico. Institudo por Ele mesmo na Santa Ceia, a eucaristia foi uma forma que Deus encontrou para permane-cer no meio do seu povo. O sacramento da eucaristia pode ser recebido todos os dias na Santa Missa, pois o padre, na hora da consagrao, co-mo representante de Jesus, agindo In Per-sona Christi (na pessoa de Cristo) preside a Orao Eucarstica, quando ocorre a transubstanciao, ou seja, a transforma-o das espcies do po e vinho em real presena do corpo e sangue de Cristo. O prprio Jesus, instituidor desse mis-trio sacrossanto, mandou que os apsto-los repetissem seu ato feito na ltima ceia Fazei isto em memria de mim Lc 22, 19. atravs da eucaristia que o cristo se alicera para vencer os problemas da vida, sendo, esse sacramento, o alimento para a vida do cristo, sem o qual, este no pode participar plenamente dos mistrios de Cristo aqui na Terra. Numa prtica de f, ao comungar o corpo e sangue de Cristo ns abrimos es-pao para que Ele possa agir em nossa vida quando tornamo-nos apenas um como dizia So Paulo: No sou eu mais quem

    vive, mas Cristo quem vive em mim. Gl 2,20 Muitas vezes, os cristos no valori-zam verdadeiramente a Eucaristia, pois ela mais do que o ato de ingerir um po e um vinho quaisquer, mas para ter a totalidade espiritual dessa comunho, esse deve es-tar de corao aberto para transformaes, partilhar e viver em comunidade. Esse ato de comunho entre o ser-humano, ferido pelo pecado, e o Santssi-mo Jesus, filho de Deus, to importante e nico para a vida de cristo que esse deve estar, para receber esse sacramento, em tempo integral na misericrdia do Pai, com o corao livre de quaisquer mgoas e res-sentimentos. Por isso, juntamente com a Eucaristia, liga-se o sacramento da recon-ciliao que abordaremos numa prxima edio nesta coluna. O que torna-se indiscutvel a neces-sidade de uma vida baseada na comunho eucarstica de todos os cristos que visam uma vida santa e uma espiritualidade rica. Para tanto, os catlicos da parquia de So Loureno contam com sete missas durante a semana, quando podem comungar-se com o Cristo e com os irmos. O cristo deve procurar a eucaristia, pois Cristo deve ser o centro de sua vida, como nos disse Mateus no Evangelho: Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus

    e a sua justia, e todas essas coisas vos sero dadas por acrscimo. Mateus 6, 33

    ARRAIAL DA CATEQUESE No sbado, 23, vspera de So Jo-o, a Pastoral Catequtica promoveu mais um Arraial da Catequese que acon-teceu na praa Pe. Peretti, ao lado da Matriz e acolheu as crianas da cateque-se e crisma para a festa. Aps a tradicional missa da cateque-se, as crianas foram convidadas a parti-cipar da quadrilha que contou com uma pequena encenao, com comidas e be-bidas tradicionais da poca junina. Todos os que danaram a quadrilha na arraial foram convidados para danar novamente na festa junina promovida pe-la pastoral familiar . So Joo, rogai por ns!

    SOLENIDADE DE SO PEDRO E SO PAULO

    Celebrar So Pedro e So Paulo celebrar a Igreja, fundada sobre os seus ministrios, fecundada com os seus san-gues. Foram nossos pais na f que nos geraram para a vida nova. Pedro a pedra escolhida para fundamento vis-vel da Igreja; Paulo o vaso de elei-o para levar a f aos incrdulos. Para a sua condio, Pedro trazia qualidade de chefe e um corao magn-nimo. Aprendeu, na prpria fragilidade, a lio do amor humilde e o servio de mandar. Antes de ser investido como chefe da Igreja, foi examinado no amor. E Paulo era perseguidor da Igreja. Derrubado no caminho de Damasco, transformou-se em fogo de Deus, luz de Cristo no anncio do Evangelho. Tam-bm ele mudou o nome, porque mudou de vida. De perseguidor, fez-se persegui-do. Corao de Paulo, corao de Cristo. Agarrado por Ele, tudo considera perda e lixo, comparado com o conhecimento, que dEle tem. No queria saber mais na-da seno Jesus Cristo Crucificado. A minha vida Cristo (Fl 1,29). Na solenidade de So Pedro e So Paulo, ns cristos, revivemos a graa do nosso Batismo.

    As chaves de Pedro confirmam-nos na F, e a espada de Paulo abre caminhos ao amor. Ser cristo acreditar naquilo em que Pedro acredita e Paulo nos pre-ga. Acreditemos em Jesus, entendamos que Ele , confiemos nEle sem dvidas, coloquemo-nos nas Suas mos e Ele cui-dar de ns. Abramos-lhe o nosso corao e a nos-sa mente, e deixemo-nos cuidar por Ele.

  • CELEBRAES DE MISSAS

    MATRIZ: Quarta, s 19h30 1 Sexta do ms, s 19h30 Sbado, s 20h Domin-go, s 7h30. SANTURIO: Domingo, s 19h30 SO JOS: Domingo, s 18h. SO JUDAS: Domingo, s 9h. SO JOO: Sbado, s 18h. CAPELA DO HOSPITAL: 3 Sexta do ms s 15h. ASILO: 4 Sexta do ms s 15h.

    ATIVIDADES PASTORAIS

    SEGUNDA: Rede de Comunidades TERA: P.L.C. s 20h QUINTA: Grupo de Orao s 20h Encon-tro da Pastoral Familiar s 20h . Reunio da Pastoral da Sobriedade s 20h. DOMINGO: Curso de Batismo no 2 Domin-go do ms s 8h30 Batismo no 2 Domin-go de cada ms s 10h30.

    Horrios sujeitos mudanas mediante necessidade.

    ATIVIDADES DE JULHO

    14 Quermesse em louvor a So Joo Batista em So Joo de Itagua.

    20-22 II JSM. Inscries na secretaria ou com o Grupo de Jovens (at 10/7).

    22 Leilo do Gado com Churrasco s 10h em So Joo de Itagua.

    28 Quermesse em louvor a So Louren-o na Matriz s 20h.

    A FESTA DE CORPUS CHRISTI

    No dia 7 de junho, toda a Igreja Catli-ca celebrou com alegria a festa de Cor-pus Christi, o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, solenidade que enfatiza a presen-a real e viva de Cristo na Eucaristia. o nico dia em que a Igreja sai pelas ruas com o santssimo sacramento, para a adorao popular, mostrando a todos que Cristo no est s dentro do templo, mas quer estar em todos os lugares, em todos coraes abertos para acolh-Lo e am-Lo. Em nossa parquia, foram enfeitadas a igreja e suas escadarias para a missa que comeou s 16h30. Logo aps a missa, os fiis saram em procisso pelas

    ruas da cidade com o Santssimo, mes-mo debaixo de uma fina garoa. Padre Edinho ressaltou: Ns cremos num Deus ressuscitado, e professamos isso dentro e fora da igreja, mostrando, para todos o Deus maravilhoso em que acreditamos. Uma festa muito antiga, tradicional em nossa Igreja em que nos comemora-mos, exaltamos e adoramos o Deus vivo e real presente na Eucaristia atravs do po vivo no qual Ele mesmo nos deixou o seu mandato: Eis o meu Corpo eis o meu sangue, disse padre Edinho em uma entrevista exclusiva a Pastoral da Comunicao;

    II JSM REUNIR MAIS DE CEM JOVENS

    Nos dias 20, 21 e 22 de julho acontecer, na parquia, o II JSM (Juventude Sentinelas da Manh), que pretende trazer mais de cem jovens de Urups e diversas cidades da regio para a Casa de Cursos paroquial. As inscries esto abertas desde junho e sero fechadas no dia 10 de julho. Os jovens que tm ao menos catorze anos ou que completaro ca-torze at o final de julho podero parti-cipar do curso que contar com novi-dades. Os integrantes do grupo Sentine-las da Manh, empenhados na realiza-o do curso, promoveram o sorteio de um anel (tero) de ouro com o intui-to de arrecadar fundos para o encon-tro. A ganhadora do tero foi Eliana

    Cabrera Sanches, sorteada com o n-mero 503. Senti-me muito surpresa e fiquei muito feliz por ter ganho o tero ressaltou Eliana em uma entrevista a PASCOM. O curso deste ano ter como te-ma: Jovem, toma tua cruz e siga-me, sugestivo para a juventude de hoje em dia; um resgate de almas, inspirou-se Evandro Gimenez Teixeira, um dos membros do grupo de jovens. Entretanto ser um curso para todos os jovens, tanto aqueles que nunca estiveram na Igreja, quanto aqueles que esto engajados nela. Quem quiser participar dever procurar um dos integrantes do Senti-nelas da Manh ou a secretaria paro-quial para fazer a inscrio.

    Da direita para a esquerda: Marco Csar Sanches, Eliana Sanches, Douglas Segantini (vendedor da rifa premiada) e Carlos de Lima (coordenador do grupo de jovens)

    SO JOO BATISTA: O PRECURSOR

    Com muita alegria, a comunidade de So Joo de Itagua, comemorou no dia 24 de junho a natividade do seu padroeiro So Joo Batista. O incio dessa comunidade deu-se por volta de 1954, com a colaborao das famlias Furlan, Cherutti, Cupaioli, Carrega e outras. A primeira igreja foi construda onde hoje o Salo Paroquial, logo, depois de muito esforo e trabalho, comearam as obras da atual igreja. O local era um campo de futebol que deu es-pao para essa comunidade crescer. As festividades comea-ram com a celebrao da San-ta Missa, procisso e em segui-da o tradicional tero que h dez anos acontece no distrito. So Joo Batista, o precur-

    sor, anunciava a palavra, pregava aos fiis mudana de vida e ao batismo de penitncia, ele preparou o caminho do Senhor, dizia: "Eu vos batizo na gua, em vista da converso; mas aquele que vem depois de mim mais forte do que eu: eu no sou digno de tirar-lhe as san-dlias; ele vos batizar no Esprito San-to" (Mateus 3,11).

  • Encenao no dia de Pentecostes

    Apresentao no dia de Corpus Christi

    Novos membros do Apostolado da Orao recebendo a fita

    Ornamentao para a festa de Corpus Christi

    Coroao de Nossa Senhora em So Joo

    Encontro com as famlias

    CasaBela materiais para construo

    (17) 3552-3901

    3552-2149 / 3552-2634

    3552-1903 / 8127-6613

    AGROPECURIA

    Paulo Carid e Filhos (17) 3552-3384

    3552-3306

    3552-3249 9715-1249

    + REDE MultiDrogas FARMCIA MODELO

    (17) 3552-1719

    Varejo do Produtor Marlene e Dema

    (17) 3552-2651

    Furlan & Pereira

    CORRETORA DE SEGUROS

    (17) 3552-3769