17 Aula 17 Teoria Do Consumidor Cap10 e 11 Cont

  • Published on
    25-Oct-2015

  • View
    2

  • Download
    0

Transcript

  • Teoria do Consumidor

    (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells

    Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld

    Caps. 4, 5 e 6 - Varian)

    2 SEMESTRE 2010

    Marta Lemme - IE/UFRJ

  • Consumidor Racional

    Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que

    podem adquirir

    Questes:

    - como determinar as possibilidades de compra?

    => Restrio oramentria

    - como determinar a satisfao fornecida pelas

    cestas?

    Preferncias do consumidor

    -como determinar a combinao de mercadorias

    que maximizaro a satisfao do consumidor?

    Escolhas do consumidor

    Marta Lemme - IE/UFRJ

  • Escolha tima

    A condio de tangncia entre a curva de indiferena e a linha oramentria - isto

    , quando a curva de indiferena e a reta oramentria se tocam determina o pacote de consumo timo.

    Krugman & Wells

    VA/P PTMS

    VAV A /P P /UMUM

    A regra do consumo timo:

    Quando um consumidormaximiza a utilidade, a

    utilidade marginal por dlar

    gasto deve ser a mesma para

    todos os bens e servios no

    pacote de consumo.

    Marta Lemme - IE/UFRJ

  • Escolha tima

    ATENO! A condio de tangncia no vale em todos os casos (mas vale para

    a maioria dos casos interessantes). O que sempre verdadeiro que, no ponto

    timo, a curva de indiferena no pode se cruzar com a reta oramentria.

    Exemplo: timo de Fronteira

    Sorvete (potes por ms)

    Iogurte

    (potes por ms)

    U2 U3U1A TMS no igual a

    PS/PI na cesta

    escolhida

    Varian Captulo 4

    Pindyck & Rubinfeld = Captulo 3

    2006 by Pearson Education do BrasilMarta Lemme - IE/UFRJ

  • Escolha tima

    Interpretando economicamente a igualdade TMS = px1/px2.

    Varian Captulo 4

    Pindyck & Rubinfeld = Captulo 3

    2006 by Pearson Education do Brasil

    80 Alimento (unidades por semana)

    Vesturio

    (unidades

    por semana)

    4020

    20

    30

    40

    0

    U1

    Linha do oramento

    O ponto B no maximiza

    a satisfao porque

    a TMS (-(-10/10) = 1)

    maior do que a razo

    entre os preos (1/2).

    -10V

    +10A

    B

    PV = $2 PA= $1 n = $80

    U2

    A

    No ponto A:

    TMS =PA/PV =0,5

    No ponto A, a linha do

    oramento e a curva de

    indiferena so

    tangentes, e nenhum

    nvel mais elevado de

    satisfao pode ser

    obtido.

    Marta Lemme - IE/UFRJ

  • Varian Cap. 5

    Funo demanda => relaciona a

    quantidade demandada com os

    diferentes preos e rendas

    x1 (p1,p2, n) e x2 (p1, p2, n)

    Escolha tima e Funo Demanda

    A escolha tima corresponder cesta demandada pelo consumidor.

    Marta Lemme - IE/UFRJ

  • Marta Lemme - IE/UFRJVarian Cap. 5

    Escolha tima e Funo Demanda

    Bens Substitutos

    u(x1,x2) = x1 + x2 (declividade = -1)

    x1

    x2

    Linha do oramento

    n/p1, quando p1 < p2

    x1 = qq quantidade entre 0 e n/p1,

    quando p1 = p2

    0, quando p2 < p1

    Consumidor compra o

    bem mais barato!!

  • Marta Lemme - IE/UFRJ - 1 semestre 2010Varian Cap. 5

    Escolha tima e Funo Demanda

    Bens Complementares

    u(x1,x2) = min {x1,x2}

    x1

    x2

    x1 = x2, independentemente dos preos

    Ento: n = p1x + p2x

    x1 = x2 =x = n / (p1 + p2)

  • Marta Lemme - IE/UFRJ - 1 semestre 2010Varian Cap. 5

    Escolha tima e Funo Demanda

    Funo Cobb Douglas

    u(x1,x2) = x1cx2

    d

    x1

    x2

    x1 = (c/c+d)n/p1

    x2 = (d/c+d)n/p2

    Consumidor gasta

    parcela fixa de sua

    renda com cada

    bem!!

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Escolha tima e Mudanas de RendaBem Normal

    n > 0 => x1 > 0; n < 0 => x1 < 0

    Krugman & Wells

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Escolha tima e Mudanas de RendaBem Inferior

    n > 0 => x1 < 0; n < 0 => x1 > 0

    Krugman & Wells

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Curva de Renda Consumo e Curva de Engel

    O caminho de expanso da renda

    mostra as cestas de bem consumidas

    para vrios nveis de renda. Essa

    curva tambm chamada de curva de

    renda-consumo. Se ambos os bens

    so normais, a curva de renda-

    consumo tem inclinao positiva.

    A curva de Engel relaciona a

    quantidade demandada de um bem

    com o nvel de renda, todo o resto

    constante. Portanto, usamos a funo

    de demanda para achar a forma da

    curva de Engel, considerando apenas

    a renda e a quantidade como as

    variveis no grfico.

    Lara Rezende, JG Notas de Aula 6 Graduao - UnB

    IGORUnderline

    IGORUnderline

    IGORUnderline

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Curva de Engel e Preferncias Homotticas

    Lara Rezende, JG Notas de Aula 6 Graduao - UnB

    As Curvas de Engel geradas por preferncias Cobb Douglas, assim como no caso de

    bens substitutos e complementares perfeitos, so linhas retas. Isso ocorre por que essas

    so preferncias homotticas.

    As preferncias so homotticas se todas as curvas de indiferena so relacionadas por

    expanses proporcionais ao longo de raios:

    se x ~ y; ento x ~ y; para qualquer 0

    Se conhecemos uma nica curva

    de indiferena gerada por uma

    preferncia homottica, somos

    capazes de descrever todas as

    curvas de indiferena geradas

    por essa preferncia, pois todas

    as curvas de indiferena sero

    verses aumentadas ou

    diminudas umas das outras.

    IGORUnderline

    IGORUnderline

    IGORUnderline

    IGORUnderline

    IGORHighlight

    IGORUnderline

    IGORHighlight

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Escolha tima e Mudanas de Preo

    Bens em Geral (exceto Giffen)

    p1 > 0 => x1 < 0; p1 < 0 => x1 > 0

    x1

    x2

    Aumento do preo de x1

    Nova cesta tima => reduo da

    quantidade demandada de x1

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    x1

    x2

    Escolha tima e Mudanas de Preo

    Bem de Giffen

    p1 > 0 => x1 > 0; p1 < 0 => x1 < 0

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Decompondo os Efeitos da Mudana de Preo

    Efeito Substituio (Hicks) e Efeito Renda

    O efeito substituio se refere substituio de um bem que agora relativamente mais caro por outro bem que agora relativamente mais barato,

    mantendo constante a utilidade total. (Efeito Substituio de Hicks)

    Quando uma mudana de preo altera o poder de compra do consumidor, amudana de consumo que da resulta o efeito renda.

    Para bens normais, os efeitos renda e substituio funcionam na mesmadireo.

    Para bens inferiores, esses efeitos funcionam em direes opostas

    Bens de Giffen efeito renda se sobrepe ao efeito substituio.

    Krugman & Wells

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Decompondo os Efeitos da Mudana de Preo

    Efeito Substituio (Hicks) e Efeito Renda

    Krugman & Wells

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Curva de Preo-Consumo e Curva de Demanda

    Varian Cap. 6Lara Rezende, JG Notas de Aula 5 Graduao - UnB

    A curva preo-consumo mostra as

    cestas de bem consumidas, medida

    que o preo de x1 varia

    A curva de demanda relaciona a quantidade

    demandada de um bem com o preo desse

    mesmo bem, todo o resto constante.

    x1 (p1)

    Se considerar p1(x1)

    => Curva de Demanda Inversa

    x1

    p1

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    Demanda Individual e Demanda de Mercado

    Krugman & Wells

  • Marta Lemme - IE/UFRJ

    ExerccioFulana possui renda de $ 20.000/ano. O preo da gasolina de $1/litro. E Fulana

    consome 5.000 litros/ano a este preo.

    Trace a curva de indiferena de Fulana (preferncia bem comportada), considerando

    que o eixo horizontal representa o consumo de gasolina e o eixo vertical o consumo

    dos demais bens e indique a sua cesta tima de consumo.

    De forma a reduzir o consumo de gasolina o governo limitou o seu consumo a 2.000

    litros/ano. A situao de Fulana ir melhorar ou piorar? Por qu? (Utilize o grfico em

    sua resposta)

    Pindyck & Rubinfeld = Captulo 3

    2006 by Pearson Education do Brasil

    B

    20.000

    A

    Gasolina

    (gales por ano)

    Gasto

    em outros

    bens ($) 20.000

    5.000

    U2

    C15.000

    2.000

    D

    Com um limite de

    2.000 gales,

    o consumidor se move

    para uma curva de

    indiferena mais baixa

    (menor nvel de

    utilidade).

    18.000

    U1