103147803 Apostila PROJOVEM Instalacoes Hidraulicas

  • Published on
    24-Oct-2015

  • View
    32

  • Download
    10

Transcript

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    1

    Introduo

    A importncia do conhecimento do tema deste manual de evidncia imediata. O

    uso da gua de diversas maneiras nos prdios constitui uma condio indispensvel para o

    atendimento das mais elementares condies de habilidade, higiene e conforto". O

    desconforto e os prejuzos causados por descaso em concepes das execues de

    instalao so realidades bem conhecidas neste trabalho que agora nos propomos a

    desenvolver, visa a conscientizao da nossa equipe tcnica quanto ao bom desempenho de

    nossas edificaes. As instalaes prediais constituem a parte da edificao que dinmica

    e constantemente solicitada por seus ocupantes.

    Propriedades da gua

    A gua pode existir no estado slido (gelo), lquido ou gasoso (vapor de gua). No

    combate a incndios a gua , normalmente, utilizada sob a forma lquida, podendo, no

    entanto e em determinadas situaes, ser aplicada no estado de vapor.

    A gua pode existir em trs estados fsicos.

    A Estado slido; B Estado lquido; C Estado gasoso.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    2

    Se deitar um determinado volume de gua numa proveta graduada e depois se

    deitar essa mesma quantidade de gua num copo graduado, conclu-se que a gua que tinha

    a forma da proveta toma, naturalmente, a forma do copo.

    Assim se conclu que a gua no estado lquido no tem forma prpria, tomando

    sempre a do recipiente que a contm, sendo no entanto o seu volume invarivel.

    No estado lquido e presso normal (1 atmosfera = 1,033 kg/cm2) a sua

    temperatura pode variar entre 0 C e 100 C.

    A temperaturas inferiores a 0 C a gua passa do estado lquido ao estado slido,

    aumentando de volume.

    A temperaturas superiores a 100 C a gua passa do estado lquido ao estado

    gasoso. Uma dada quantidade de gua ao vaporizar-se aumenta o seu volume cerca de

    1700 vezes.

    temperatura ambiente, a gua um lquido pesado (o seu peso especfico

    de 1000 kg/m3), praticamente incompressvel e relativamente estvel.

    A gua ocupa a forma do recipiente que a contm.

    A Vaso graduado; B Copos graduados; C Proveta graduada.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    3

    Recorde-se que a capacidade da gua para a extino de incndios resulta

    essencialmente do facto de poder absorver grande quantidade de calor, at passar ao estado

    gasoso (vapor de gua).

    Assim, por exemplo, cerca de quatro litros de gua, at passarem a vapor, podem

    absorver o calor resultante da combusto de, aproximadamente, 1/2 kg de madeira.

    Noo de caudal

    Caudal (ou dbito) o volume de lquido que se escoa, por exemplo num tubo ou

    conduta em cada unidade de tempo.

    O caudal exprime-se em metro cbico por hora (m3/h), litro por minuto (l/min) ou

    litro por segundo (l/s). A unidade que os bombeiros mais utilizam, na prtica, para medir

    caudais o l/min.

    Se numa conduta de seco S a gua se escoar com a velocidade V, o caudal Q ser

    representado pela seguinte expresso:

    Q = S * V

    Analisando a expresso acima referida pode concluir-se que quanto maior for a

    velocidade de escoamento maior ser o caudal para a mesma seco.

    O caudal de gua numa conduta (ou numa mangueira) sem derivaes sempre o

    mesmo em qualquer ponto dessa conduta, independentemente da sua seco. No entanto,

    se a seco diminuir, a velocidade da gua aumenta, conforme se ilustra na figura abaixo.

    Exemplo da relao entre caudal, velocidade e seco da conduta.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    4

    Quando uma conduta (ou uma linha de mangueira) tem derivaes, o caudal de

    gua na conduta principal igual soma dos caudais nas derivaes, conforme se ilustra

    na figura abaixo.

    Numa derivao o caudal inicial decompe-se: Q0 = Q1 + Q2.

    Abastecimento pblico de gua

    A gua, elemento essencial para a vida humana, disponibilizada maioria das

    habitaes, edifcios e instalaes industriais, por sistemas pblicos de abastecimento.

    Conforme se representa esquematicamente na figura a seguir, o sistema pblico de

    abastecimento composto, essencialmente, por:

    Fontes de abastecimento (captao) de gua;

    Sistemas de bombagem (ou equivalentes) para garantir a movimentao da gua;

    Instalaes de tratamento;

    Condutas adutoras, de grande dimetro, para transporte da gua at s estaes;

    Meios de armazenamento (reservatrios de gua);

    Rede de distribuio aos diversos consumidores (condutas de menores dimetros).

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    5

    Esquema de princpio do sistema pblico de distribuio de gua.

    De entre as principais fontes de abastecimento destacam-se os pontos de gua

    naturais, isto , todos aqueles que existem na Natureza sem terem sofrido, direta ou

    indiretamente, a interveno humana. So exemplos de pontos naturais os rios, lagos,

    ribeiros, ribeiras e nascentes. Utilizam-se, igualmente, pontos de gua onde a

    interveno humana proporcionou a sua disponibilizao em condies de ser aproveitada

    para abastecimento pblico. De entre estes pontos de gua artificiais destacam-se as

    barragens e os furos de captao de gua do subsolo.

    A gua transportada dos locais de captao (pontos de gua naturais ou artificiais)

    at aos diferentes locais de consumo pelas chamadas condutas adutoras (condutas de

    grande dimetro).

    Esse transporte garantido, essencialmente, por estaes de bombagem (ou

    estaes elevatrias), equipadas de modo a garantir o caudal de gua necessrio ao

    consumo.

    A gua sofre ainda processos de tratamento, destinados a garantir que prpria para

    o consumo humano, efetuado em estaes de tratamento (ETA). Estas estaes esto

    freqentemente localizadas junto aos depsitos de gua.

    Estes reservatrios so os locais onde a gua armazenada para garantir o

    abastecimento, mesmo nos perodos em que o caudal de consumo superior ao da

    captao. De acordo com o Regulamento Geral dos Sistemas Pblicos e Prediais de

    Distribuio de gua e de Drenagem de guas Residuais (RGSPPDADAR), esses

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    6

    reservatrios devem dispor de uma reserva para servio de incndio, em funo do risco de

    incndio da zona onde se inserem.

    Finalmente, a gua chega aos diversos consumidores atravs de uma rede de

    distribuio.

    Nas localidades, a distribuio de gua feita generalidade dos domiclios,

    edifcios e instalaes industriais. Para isso, so instaladas ao longo dos arruamentos

    normalmente sob os passeios (a profundidades que no devem ser inferiores a 0,80 m),

    canalizaes (condutas) de vrios dimetros (habitualmente com 60 mm), por onde

    circula a gua para abastecimento dos vrios consumidores.

    Tipos de abastecimentos.

    O abastecimento de gua nos centros urbanos feito a partir da captao e

    tratamento de gua dos rios naturais. Aps o tratamento, a gua levada as edificaes

    atravs da rede pblica de distribuio, que conta de elevatrias e tubulaes. A

    distribuio interna de gua pode ser feita de duas maneiras: pelo sistema indireto, com

    reservatrio, ou pelo sistema direto, sem reservatrio.

    Instalaes de gua Fria (NB- 92/80 ABNT NBR 5626/82)

    Definio

    Corresponde ao conjunto de tubulaes, conexes e acessrios que permitem levar

    a gua davrede pblica at os pontos de consumo ou utilizao dentro da habitao.

    Sistemas

    Sistema direto - todos os aparelhos e torneiras so alimentados diretamente pela rede

    pblica.

    Sistema indireto - todos os aparelhos e torneiras so alimentados por um reservatrio

    superior do prdio, o qual alimentado diretamente pela rede pblica ( caso haja presso

    suficiente na rede) ou por meio de recalque, a partir de um reservatrio inferior.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    7

    Misto parte pela rede pblica e parte pelo reservatrio superior o que mais

    Sistema de entrada de gua fria em residncia

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    8

    Sistema de distribuio de gua fria em residncia

    Termologia de acordo com esquema de distribuio

    1. Distribuidor pblico encanamento componente das rede de distribuio pblica de

    gua.

    2. Colar de bridge (ou derivao) pea aplicada ao distribuidor pblico para

    ligao do ramal predial.

    3. Pescoo de ganso trecho ramal predial, recurvado, com o objetivo de eliminar o

    golpe de ariate.

    4. Registro de fecho registro instalado no ramal predial com o objetivo de

    interromper a passagem de gua, quando for necessrio, de uso exclusivo da

    concessionria.

    5. Caixa de fecho caixa destinada guarda do registro de fecho.

    6. Ramal predial tubulao compreendida entre a rede publica e o alimentador

    predial.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    9

    7. Registro de gaveta registro destinado ao fechamento ou abertura do fluxo de gua.

    No devendo ser utilizado para a reduo de fluxo.

    8. Aparelho medidor ou controlador destina-se a medir ou controlar o fluxo de gua.

    8a. Caixa do medidor caixa destinada a guardar o medidor.

    9. Alimentador predial tubulao compreendida entre o ramal predial e a primeira

    derivao ou vlvula do flutuador do reservatrio.

    10. Caixa piezomtrica caixa de pequena capacidade ligada ao alimentador predial,

    situada na entrada de gua do reservatrio inferior a uma altura de 3.00m do nvel do meio

    fio, com o objetivo de regularizar o nvel de entrada de gua do prdio.

    11. Vlvula do flutuador (bia) vlvula destinada a interromper a entrada de gua no

    reservatrio quando atingir o nvel Maximo.

    12. Reservatrio inferior reservatrio destinado a funcionar com poo de suco da

    instalao elevatria.

    13. Crivo pea colocada na extremidade do encantamento de suco para evitar

    entrada de corpos estranhos na tubulao.

    14. Vlvula de reteno vlvula colocada no encanamento para regular o sentido do

    fluxo da gua.

    15. Bomba de suco bomba de ao centrifuga, destinada na suco de recalque de

    gua nas instalaes prediais.

    16. Encanamento de suco trecho do encanamento compreendido entre o crivo e a

    bomba centrifuga.

    17. Chave de bia dispositivo eltrico de acionamento automtico da bomba

    centrifuga.

    18. Encanamento de recalque trecho do encanamento compreendido entre a bomba e

    o reservatrio superior.

    19. Reservatrio superior reservatrio destinado a alimentar a rede predial de

    distribuio.

    20. Extravasor (ladro) tubulao destinada a escoar os eventuais excessos de gua

    nos reservatrios.

    21. Limpeza ou descarga encanamento destinado a retirada total de gua dos

    reservatrios para fins de limpeza.

    22. Coluna de incndio encanamento ligado diretamente ao reservatrio superior que

    alimenta os bocais de incndio.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    10

    23. Bocais de incndio tomadas de gua compostas de registros e bocais aos quais se

    adaptam os mangotes extintores.

    24. Hidrante pea colocada no passeio para alimentao dos bocais de incndio no

    sentido ascendente.

    25. Barrilete conjunto de tubulao que se origina do reservatrio superior e do qual

    se origina as colunas.

    26. Colunas de distribuio tubulao vertical que se deriva do barrilete, destinada a

    alimentar os ramais.

    27. Ramais tubulao que se deriva das colunas destinadas a alimentar os sub-

    ramais.

    28. Sub-ramal tubulao que liga o Ramal a pea de utilizao.

    29. Rede predial de distribuio conjunto de tubulaes constitudo de barrilet,

    colunas, ramais e sub-ramais.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    11

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    12

    Materiais

    Os materiais utilizados nas instalaes de gua fria so o cobre, o ao galvanizado e

    o PVC (Cloreto de Polivinil). Os tubos e conexes de ao so do tipo roscvel e suas

    medidas comerciais so consideradas a partis dos dimetros internos, medidos em

    polegadas so as externas (20; 25; 32 etc.). Os tubos em PVC, que hoje so os mais usados

    para instalaes e gua fria, dividem-se em dois tipos: os roscveis, de cor branca, medidos

    em polegadas (internas) e os soldveis, de cor marrom, medidos em milmetros (externas).

    Os tubos soldveis e roscveis possuem uma correspondncia como podemos ver

    na tabela a baixo:

    Lembrando: Os tubos com roscas possuem as medidas em polegadas e internas, os

    para solda possuem as medidas em milmetros e externas.

    VENTILAO DA COLUNA

    A norma NBR 5626 diz que nos casos de instalaes que contenham vlvulas de

    descarga, a coluna de distribuio dever ser ventilada, porm a TIGRE indica que seja

    ventilada independente de haver vlvula de descarga na rede.

    A norma NB-92/80 diz ainda que, nos casos de instalaes que contenham vlvulas de descarga, a coluna de distribuio dever ser ventilada.

    Essa ventilao dever:

    Ser ligada coluna, aps o registro de passagem existente.

    Ter a sua extremidade superior livre, acima do nvel mximo dgua do reservatrio.

    Ter o dimetro igual ou superior ao da coluna.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    13

    Trata-se de um tubo vertical instalado imediatamente na sada de gua fria do

    reservatrio. Deve-se seguir as seguintes recomendaes:

    - O tubo de ventilao dever estar ligado coluna, aps o registro de passagem existente;

    - Ter sua extremidade superior aberta;

    - Estar acima do nvel mximo d'gua do reservatrio;

    - Ter o dimetro igual ou superior ao da coluna.

    Para o exemplo anterior, o dimetro do tubo ventilador dever ser de, no mnimo, 40 mm

    ou 1 .

    POR QUE VENTILAR?

    pequeno caimento no sentido do fluxa

    de gua e evite formar sifes nas

    instalaes (conforme desenho).

    Tambm, em caso de esvaziamento da rede por falta de gua, pode ocorrer acmulo de ar e, quando volta a mesma a encher, o ar fica preso, dificultando a passagem da gua. Nesse caso, a ventilao permitir a expulso do ar acumulado.

    Caso no haja ventilao, podem ocorrer duas coisas: A primeira seria a possibilidade de contaminao da instalao devida ao fenmeno chamado de retrosifonagem (presses negativas na rede, que causam a entrada de germes atravs do sub-rama do vaso sanitrio, bid ou banheira). A outra, que, nas tubulaes, sempre ocorrem bolas de ar, que normalmente acompanham o fluxo de gua, causando a diminuio das vazes das tubulaes. Se existir o tubo ventilador, essas bolhas sero expulsas, melhorando o desempenho final das peas de utilizao.

    Para melhorar ainda mais o desempenho,

    instale o barrilete com um

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    14

    DIMENSIONAMENTO DE INSTALAES HIDRULICAS PREDIAIS

    Fora

    COMO MEDIR UMA FORA

    Noo de Presso

    Presso o quociente entre uma fora e a seco (superfcie) sobre a qual est

    aplicada.

    A presso pode exprimir-se em diversas unidades, por exemplo: quilograma por

    centmetro quadrado (kg/cm2), bar (bar), atmosfera (atm), milmetros de mercrio (mmHg)

    ou Pascal (Pa).

    Considere-se um objecto com a forma de um prisma quadrangular, com o peso de

    100 g, em que a rea da face menor de 10 cm2 e a da maior de 20 cm2 (fig. 3).

    Se esse objecto se apoiar na sua face menor, a presso que ele exerce sobre a

    superfcie onde se apoia de 100 g/10 cm2, ou seja, 10 g/cm2.

    Porm, se esse objecto se apoiar na sua face maior, a presso que ele exerce sobre a

    superfcie de apoio diminui, passando a ser de 100 g/20 cm2, ou seja, 5 g/cm2.

    Essa fora poder ser maior ou menor,

    dependendo do tamanho do esforo

    que fazer como, por exemplo, para

    empurrar um carro ou uma

    motocicleta.

    Dessa foras, dependendo de cada

    caso, variam de intensidade, isto ,

    podem ser pequenas ou grades.

    Muitas pessoas confundem peso e

    presso. Veremos agora que peso e

    presso so duas coisas bem

    diferentes.

    Para que possamos levantar uma

    caixa, ou mesmo, empurrar um carro

    emperrado, temos que realizar um

    determinando esforo. A este esforo

    muscular aplicado, ns denominamos

    fora.

    Os pesos dos objetos tambm so

    foras com que a terra os atrai para si.

    Sua unidade de medida, portanto,

    tambm o quilograma-fora.

    Popularmente muito comum

    dizermos quilo para as coisas que

    queremos pesar.

    Assim como expressamos as medidas

    de comprimento em metros, a de

    tempo em horas ou a de volume em

    m3,

    dizemos que as foras podem ser

    medidas em quilograma-fora ou kgf.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    15

    Um mesmo objeto exerce presses diferentes segundo a superfcie em que se apoia.

    Os lquidos exercem presso sobre a superfcie dos recipientes que os contm.

    Quando esto em repouso essa presso designa-se por presso hidrosttica.

    Existe um conjunto de princpios que rege a presso nos lquidos, dos quais se

    destacam:

    a) A presso de um lquido exerce-se sempre perpendicularmente superfcie do

    recipiente que o contm (fig. abaixo-A);

    b) A presso num ponto no seio de um lquido exerce-se igualmente em todas as

    direces (fig. abaixo -B);

    c) A presso de um lquido contido num recipiente aberto proporcional altura da

    coluna desse lquido e proporcional sua densidade(1) (fig. abaixo -C);

    d) A presso que um lquido exerce sobre o fundo do recipiente que o contm

    independente da forma desse recipiente (fig. abaixo -D).

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    16

    Ilustrao dos princpios de presso nos lquidos.

    A atmosfera exerce uma fora sobre a superfcie terrestre. A fora por unidade de

    rea, devida coluna de ar que se estende desde a superfcie terrestre ao limite exterior da

    atmosfera, chama-se presso atmosfrica.

    O valor da presso atmosfrica normal de 1,033 kg/cm2 (igual a 1,013 bar ou 1

    atm), sendo equivalente de uma coluna de mercrio (Hg) com uma altura de 760 mm,

    isto , a 760 mm Hg.

    A presso normal tambm equivalente a uma coluna de gua com a altura de

    10,33 m, isto , a cerca de 10 m de coluna de gua.

    Acima do nvel do mar a presso atmosfrica diminui com a altitude, ou seja,

    quanto maior a altitude menor a presso atmosfrica, porque a densidade do ar e a altura

    da camada de atmosfera vo diminuindo.

    A presso medida por aparelhos denominados manmetros (fig. abaixo). No caso

    da presso atmosfrica designam-se por barmetros.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    17

    Exemplos de manmetros.

    PRESSO

    Podemos explicar este fato, dizendo

    que: O efeito que uma fora produz

    depende sempre da superfcie de

    contato sobre a qual ela aplicada.

    A este efeito, ns denominamos de

    presso.

    Neste caso, o que ocorre, que seu

    peso se distribui entre as pequenas

    superfcies dos pregos, resultando em

    uma grande presso sobre o seu corpo.

    Na cama, a superfcie de contato com

    seu corpo grande. Como

    conseqncia, a presso torna-se

    pequena.

    Definido o que uma fora,

    passemos a conceituar o que

    vem a ser presso.

    Voc j imaginou se lhe

    pedissem para que se deitasse

    sobre uma cama cheia de

    pregos como se fosse um

    faquir?

    Evidentemente voc, caso tentasse,

    no poderia suportar a dor em seu

    corpo e pularia rapidamente para

    fora.

    No entanto, ao deitar-se em seu

    colcho, isto no ocorre.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    18

    A PRESSO EM HIDRULICA

    PRESSO NAS INSTALAES

    A primeira idia que nos vem cabea

    a de responder que no tubo A, a gua

    exerce a maior presso sobre o fundo.

    A gua contida em um tubo contm

    peso, o qual exerce uma determinada

    presso nas paredes desse tubo.

    Qual essa presso?

    - Olhando para o desenho ao lado, nos

    perguntamos:

    Em qual dos dois tubos, A ou B,

    exercida a maior presso sobre o fundo

    dos mesmos? No entanto, se ligarmos os dois tubos,

    por um outro menor, observaremos

    que os nveis permanecem exatamente

    os mesmos. Isto significa que: Se as

    presses dos tubos fossem diferentes,

    a gua contida no tubo. A empurraria a

    gua do tubo B transbordando-o.

    As presses, portanto, so iguais em

    ambos os tubos!

    Absurdo? No! isto mesmo o que

    ocorre na prtica. Esta experincia

    chamada de Principio dos Vasos

    Comunicantes.

    Nos prdios, o que ocorre com a presso

    exercida pela gua nos diversos pontos das

    canalizaes, e o mesmo que nos dos exemplos

    anteriores. Isto : a presso s depende da

    altura do nvel da gua, desde um ponto

    qualquer da tubulao, at o nvel dgua do

    reservatrio.

    Nas instalaes prediais, devemos

    considerar dois tipos de presso:

    A presso esttica e a presso de

    servio.

    Com relao presso esttica, a

    norma diz o seguinte:

    Em uma instalao predial de gua

    fria, em qualquer ponto, a presso

    esttica mxima no deve superar a 40

    m.c.a. (metros de coluna de gua).

    Isto significa que a diferena entre o

    nvel mximo do reservatrio superior

    e o ponto mais baixo da instalao

    predial no deve ser maior do que 40

    metros.

    Como podemos, ento, resolver o

    problema, caso tenhamos um edificlo

    com mais de 40 metros de altura?

    A soluo para isto deve ser prevista

    pelo engenheiro projetista, adotando

    uma ou mais caixa dgua

    intermedirias, de tal forma que as

    presses estticas mximas no

    superem os 40 m.c.a. previstos em

    norma.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    19

    COMO PODEMOS MEDIR PRESSO E NAS INSTALAES HIDRAULICAS?

    Nas instalaes prediais as presses so medidas, normalmente, em Metros de Coluna de gua.

    comum tambm estas serem medidas em Kpa (Kilo Pascal) ou MPa(Mega Pascal).

    As relaes entre MCA Kpa Mpa esto na tabela abaixo.

    10mca 1kgf/cm2 100kpa 0,1MPa

    Uma outra soluo, tambm possvel

    de se adotar o uso de vlvulas

    redutoras de presso (ou de quebra

    presso), as quais substituem a

    utilizao dos reservatrios

    intermedirios.

    IMPORTANTE

    Alguns profissionais, que executam instalao

    em prdios com grandes alturas, utilizam, s

    vezes, tubos metlicos, pensando que os

    mesmos so mais fortes e resistem a maiores

    presses. Na realidade, a norma no faz

    distino sobre qual ou quais os materiais que

    devem compor as tubulaes das instalaes.

    Dessa forma, a presso esttica mxima de 40

    m.c.a, deve ser obedecida em qualquer caso,

    independentemente dos materiais dos tubos.

    Tanto faz se foram de PVC, cobre ou ferro.

    Consideramos este tpico da norma

    muito importante, pois, conhecemos

    casos em que as instalaes prediais

    foram executadas com vlvulas de

    descarga inadequadas causadoras de

    sob represses (Golpes), com valores

    de at sete vezes a presso esttica.

    Isto , 7x40m.c.a = 280m.c.a..

    ponto da instalao, maior que 20 m.c.a

    acima da presso esttica neste mesmo

    ponto.

    Isto quer dizer que a presso de servio

    no deve ser superada em 60m.c.a. pois

    o resultado da mxima presso

    esttica, 40 m.c.a somada a mxima sob

    represso (Golpe) 20m.c.a.

    No que diz respeito s presses de

    servio (presses mximas a que se

    pode submeter um tubo, conexo,

    vlvula ou outro dispositivo, quando

    em uso normal), a NB-92/80 diz o

    seguinte:

    O fechamento de qualquer pea de

    utilizao, no pode provocar sobre-

    presso (Golpe de Ariete) em qualquer

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    20

    PERDA DE CARGA

    8

    Perda de carga ao longo da tubulao

    Conseqentemente, a perda de

    energia do liquido ser maior.

    Essa perda de energia e que se traduz

    em forma de perda de presso o que

    ns denominamos de perda de

    carga.

    Da, a grande vantagem em se utilizar

    materiais mais lisos em tubulaes,

    como caso do PVC.

    Alm desses choques, verifica-se que

    ocorrem tambm atritos entre cada

    uma dessas partculas e suas vizinhas,

    durante o escoamento.

    Esses atritos, assim como os choques,

    causam uma resistncia ao movimento,

    fazendo com que o liquido perca parte

    da sua energia E o mesmo que

    dizer:O lquido perde presso.

    Isto ocorre, em grande parte, devido

    rugosidade das paredes da tubulao,

    ou seja:

    Quanto mais rugoso for o material do

    tubo, maior ser o atrito interno, assim

    como maiores sero os choques das

    partculas entre si.

    At agora falamos e, inclusive

    demonstramos, que a presso s varia

    se variamos a altura da coluna de

    gua.

    Como se explica, ento, o fato de que

    podemos aumentar a presso, em um

    chuveiro, por exemplo, simplesmente

    aumentando o dimetro da tubulao

    que abastece

    Esse chuveiro?

    Vejamos:

    Vamos imaginar que a gua que escoa

    em um tubo seja composta de

    minsculas bolinhas.

    Verificaes prticas, mostram que o

    escoamento dos liquido nas tubulaes

    pode ser turbulento. Isto , com o

    aumento da velocidade, o liquido passa

    a se comportar de forma agitada,

    causando grandes choques entre as

    suas partculas.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    21

    PERDA DE CARGA LOCALIZADA

    Vazo

    o volume de gua que flui em um determinado perodo de tempo. Os valores

    podem ser expressos em litros por segundo (l/s); litros por minuto (l/min); metros cbicos

    por hora (m3/h).

    Perda de carga localizada

    Nos casos em que a gua sofre mudanas

    de direes, ts, ou seja, em que ela passa

    por conexes ou registros, ocorre ali uma

    perda de chamada de localizada.

    Isto fcil de entender, se pensarmos que

    nesses pontos h uma grande turbulncia

    concentrada, a qual aumenta os choques

    entre as partculas da gua.

    por isto que, quando maior for o nmero

    de conexes de um trecho de tubulao,

    maior ser a perda de presso ou perda de

    carga nesse trecho, diminuindo a presso

    ao longo da rede.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    22

    Exemplo de Vazo

    Pergunta-se: Onde temos maior vazo (Q)? Onde temos maior velocidade (V)?

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    23

    Velocidade

    a distncia percorrida pela gua em um determinado perodo de tempo.

    Normalmente expresso em metros por segundo (m/s).

    Obs.: Alta velocidade prejudicial para a presso dinmica, por aumentar a perda de carga

    e nveis de rudo.

    GOLPE DE ARIETE

    HISTRICO

    Existe um fenmeno em hidrulica

    conhecido por golpe de arete.

    Antes de falarmos, porem, sobre

    esse assunto, convm que

    saibamos sobre a origem desse

    nome.

    O nome golpe de arete provm

    de uma antiga arma de guerra,

    formada por um tronco, com uma

    pea de bronze semelhante a uma

    cabea de carneiro numa das

    extremidades, que era usada para

    golpear porta e muralhas,

    arrombando-as.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    24

    O GOLPE DE ARIETE EM HIDRULICA

    No Brasil j existem algumas marcas de descarga que possuem dispositivos anti-

    golpe de ariate, os quais fazem com que fechamento da vlvula se torna mais suave,

    amenizando quase que total mente os efeito desses fenmeno.Por isso, ao adquirir ou

    especificar as vlvulas para a sua instalao, verifique antes esse detalhe importante.

    Nas instalaes hidrulicas ocorre um fenmeno

    semelhante quando ocorre um fenmeno semelhante

    quando a gua, ao descer com velocidade elevada

    pele tubulao, bruscamente interrompida, ficando

    os equipamentos da instalao sujeitos a golpe de

    grande intensidade (elevao de preo).

    Explicando: se um liquido ao passar por uma calha,

    tiver sua corrente bruscamente interrompida, seu nvel

    subir rapidamente, passando a escorrer pelos lados

    .se tal fenmeno for observado dentro de um tubo, o

    liquido, no tendo por onde sair, provocar um

    aumento de presso contra as paredes do tubo,

    causando serias conseqncias na instalao .

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    25

    As caixas de descarga, de embutir ou externas, so sempre preferveis em prdios

    residenciais porque consomem menos gua,no fazem barulho e nem provoca golpe de

    ariate. Alem disso, as tubulaes de alimentao das caixas, por serem de bitolas menores

    proporcionam economia de custo nas instalaes.

    Tubulao de Alimentao de Aparelhos

    Os dados referentes ao dimetro normal e posio de sada na parede dos canos

    nos principais aparelhos que utilizam gua em uma residncia so relacionados abaixo:

    a) Vaso sanitrio com vlvula de descarga. Tubo de 1

    b) Vaso sanitrio com caixa de descarga. Tubo de

    c) Lavatrio. Tubo de

    d) Banheira. Tubo de

    e) Bid. Tubo de

    f) Chuveiro. Tubo de ou

    g) Pia de Cozinha. Tubo de ou

    h) Tanque de lavar roupa. Tubo de

    i) Filtro. Tubo de

    j) Torneira de jardim. Tubo de

    k) Ramal domiciliar para alimentao de pequena residncia. Tubo de

    l) Prdios maiores, conforme o projeto.

    A altura da sada de gua, em relao ao piso, para cada aparelho normalmente :

    a) Vaso sanitrio. 0,20m

    b) Lavatrio. 0,60m

    c) Bid. 0,18m

    d) Chuveiro. 2,10 m

    e) Pia de cozinha. 1,10m

    f) Tanque de lavar roupa. 1,10m

    g) Filtro. 1,80m

    h) Torneira de jardim. 0,75m

    i) Caixa de descarga. 1,70 a 2,15m

    j) Caixa de descarga tipo Montana. 1,40m

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    26

    k) Registros. 0,75m para banheira e 1,20m para chuveiro

    l) Vlvula de descarga tipo primor. 1,10m

    Gabaritos para instalao de aparelhos

    Os dados aqui fornecidos destinam-se a facilitar a instalao dos aparelhos mais

    comuns.

    Banheira - A alimentao se faz por tubulao de gua fria e/ou quente de dimetro

    normal de ou , enquanto o esgotamento, por tubo de 50mm.

    Quadro com as dimenses da banheira de embutir, que so as mais comuns.

    A alimentao se faz por tubulao de gua fria e/ou quente de dimetro normal de

    ou , enquanto o esgotamento, por tubo de 50 mm.

    Bid - O bid deve ser alimentado por ramais de dimetro nominal de para gua

    quente e fria e com sada de esgoto de 40 mm no mnimo.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    27

    Dimenses normais dos bids.

    Vaso sanitrio . A tubulao de entrada de gua no vaso de 1 ou 1 vinda de uma

    caixa de descarga ou uma vlvula de descarga, e de para caixa acoplada .A sada dos

    esgotos dos vasos sanitrios faz-se sempre por tubulao de 100mm.

    Gabarito para a instalao de um vaso sanitrio auto-sifonado tipo Celite P-1.

    Mostra-se a posio da vlvula de descarga.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    28

    Gabarito para a instalao de um vaso sanitrio com sifo externo tipo Celite P-2, com os

    trs tipos de caixa de descarga existentes normalmente e sua posio.

    A tubulao de alimentao das caixas de descarga de , ao passo que as

    vlvulas de descarga (flush valves) devem ser colocadas em tubos de 1 no mnimo,

    sendo melhor de 1 principalmente se colocadas no ultimo pavimento ( o mais alto).

    Lavatrio-. Os lavatrios podem ser com ou sem coluna e tambm tipo bacia, fixado em

    pedra mrmore, formando uma mesa.

    Os lavatrios so alimentados por tubos de gua fria e quente ou apenas por tubo de gua

    fria atravs de tubos de ou , sendo seu esgotamento atravs de tubo de 40mm ou

    50mm.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    29

    Gabarito para a instalao de lavatrio de coluna tipo Celite.

    Chuveiro - Os chuveiros eltricos devem ser instalados em circuito eltrico independente,

    vindo direto do quadro de distribuio de luz e aterrados. Eles so normalmente

    alimentados por tubos de ou .

    Gabarito para a instalao de chuveiro comum com e sem gua quente.

    Pia de Cozinha - As pias de cozinha so alimentadas de gua fria e/ou quente, atravs de

    tubo de ou e esgotadas por tubos de 50mm.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    30

    Dimenses normais das pias e sua numerao padro

    Tanques de Lavar Roupa - So abastecidos por tubos de ou e esgotam-se por

    tubos de 40mm ou 50mm.

    .

    Tanque de lavar roupa de concreto pr-moldado.

    Reservatrios dgua - As caixas dgua so confeccionadas de alvenaria, concreto

    armado, fibra - de vidro ou plstica. As mesmas devem ser corretamente dimensionadas de

    forma a atender as normas pertinentes.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    31

    Caixa dgua de cimento-amianto. Verificam-se as tubulaes de entrada de gua com a torneira de bia, de distribuio, de limpeza e do ladro, com suas posies recomendadas.

    Caixa dgua ou reservatrio superior de concreto armado, compostas pelas tubulaes de alimentao, limpeza, ladro e a torneira-bia.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    32

    Figura 16- Caixa dgua ou reservatrio inferior. Visualiza-se a tubulao de entrada e recalque, a chave-bia e a bomba de recalque. Esse reservatrio tambm conhecido como

    cisterna.

    Caixas d'gua de Polietileno

    As caixas d'gua de Polietileno so destinadas para uso como reservatrio de gua

    em obras residenciais e comerciais, podendo ser utilizadas tambm na agricultura,

    piscicultura, ou qualquer outra atividade que necessite de armazenamento de gua potvel

    temperatura ambiente.

    Fabricadas de Polietileno, material que proporciona s caixas durabilidade, leveza e

    atoxidade, ou seja, no contaminam a gua. Polietileno

    Caractersticas Tcnicas

    Matria-prima: PEMD - Polietileno de Mdia Densidade

    Processo de fabricao: Rotomoldagem.Travamento da tampa atravs de simples

    encaixe, ou atravs de parafusos de polietileno (perfurando-se o produto nos pontos

    indicados sobre a tampa).Acompanha manual de instalao e gabarito.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    33

    Benefcios:

    - Menor altura da categoria, adaptam-se a todo tipo de cobertura;

    - Facilidade de instalao: rebaixos planos na lateral e manual de instrues e leveza;

    - Facilidade de limpeza: superfcie interna lisa que evita incrustaes e sua baixa altura

    facilita acesso ao seu interior;

    - No contaminam a gua pois a matria-prima totalmente atxica;

    - Durabilidade: resiste a intempries.

    Instalao das Tubulaes

    As tubulaes essenciais para a instalao adequada da caixa d'gua so:

    1) de entrada (para alimentao da caixa)

    2) de sada (para distribuio da gua para a edificao)

    3) extravasor (para permitir escoamento de eventual excesso de gua, evitando

    transbordamento)

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    34

    4) de limpeza (para escoamento da gua aps a limpeza da caixa d'gua)

    Esquema de ligao de Caixa D'gua de Polietileno

    Instalao em locais aparentes

    Caixa de 310, 500, 750, 1000 e 1500 litros RT: A tampa destas caixas possui em

    sua superfcie 4 marcaes. Para a fixao dela base de assentamento, perfure duas das

    marcaes indicadas (broca n8) e fixe-a por meio de cabos (arame resistente).

    Para a fixao da tampa, perfure as marcaes restantes e coloque os parafusos que

    acompanham a caixa.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    35

    Base de assentamento

    Recomenda-se que a base para instalao da caixa seja lisa, nivelada, isenta de

    sujeira ou materiais pontiagudos, podendo ser:

    Caso seja de madeira, as tbuas devero ser de mesma espessura e resistncia, sem

    espaamento entre elas.

    IMPORTANTE: A base deve ter resistncia compatvel com o peso da caixa cheia (ex.:

    1000 litros = 1000 kg) e deve ser maior do que a largura do fundo da caixa.

    Furao

    Os furos para colocao das tubulaes devero ser feitos sempre nos rebaixos planos

    existentes na lateral da caixa, atravs de serra-copo.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    36

    Sempre d acabamento na furao executada com uma lima.

    Nos rebaixos planos inferiores, a furao dever ter 3 cm de distncia do fundo da caixa.

    Aquecedores de gua - Destinados a aquecerem a gua para diversos usos, tais como:

    banho, lavagem de loua e de roupa. So geralmente a gs, porm os depsitos, conhecidos

    como boiler, so em geral eltricos.

    Alguns tipos de aquecedores a gs.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    37

    Os modelos de aquecedores disponveis no mercado variam conforme marcas,

    modelos e tamanhos, podendo ser em geral de passagem ou de acumulao.

    Porm, como escolher o aquecedor mais adequado para as vrias situaes de

    projetos de gua quente?

    Vamos verificar, atravs de alguns exemplos, quais so as informaes e os

    mtodos mais adequados para o dimensionamento dos aquecedores.

    Aquecedor de Passagem a Gs

    Vamos supor que uma academia necessite de um projeto de sistema de gua quente para

    atender a um vestirio esportivo com 10 duchas.

    Passo 1: Nesse caso, o primeiro ponto a saber qual a vazo de cada ducha. Este valor

    pode ser encontrado na tabela simplificada da norma brasileira NBR 5626:

    Passo 2: Conhecida a vazo (Q) de uma ducha, devemos multiplic-la pelo nmero de

    duchas do ambiente:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    38

    Passo 3: Como a gua quente estar sendo misturada com a gua fria dentro do aquecedor,

    devemos considerar a metade da vazo calculada (Qnec), portanto:

    Passo 4: Neste momento, devemos escolher um modelo de aquecedor de passagem.Para

    esse exemplo vamos escolher o aquecedor de passagem a gs com vazo de 16

    litros/minuto, facilmente encontrado no mercado.

    Verifique em nosso portal www.tigre.com.br os vrios fabricantes de aquecedores

    recomendados pela TIGRE.

    Passo 5: Escolhido o modelo do aquecedor, precisamos saber quantos aquecedores sero

    necessrios para atender o ambiente. Para isto, dividimos a vazo total que ser necessria

    para este sistema pela vazo unitria do aparelho:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    39

    Como no existe no mercado a quantidade de 3,75 , devemos especificar 4 aquecedores.

    CONCLUSO

    Para atender o vestirio esportivo deste exemplo, garantindo o conforto dos usurios com o

    aquecimento da gua e vazo nos nveis desejveis, devemos utilizar 4 aquecedores com

    vazo de 16 litros/min. instalados em paralelo.

    Aquecedores de Acumulao

    Antes de iniciarmos o dimensionamento dos aquecedores de acumulao, tambm

    conhecidos como boiler, precisamos entender:

    a) O aquecedor de acumulao composto por um reservatrio que armazena a gua

    quente vinda de uma fonte de calor que a aquece. Esta fonte pode ser a gs, eltrica ou

    solar.

    b) necessrio identificar o nmero de pessoas que iro residir no imvel, caso isso no

    seja possvel, utilize os dados da tabela AQ 02:

    c) necessrio verificar quais so os pontos que tero gua quente, tais como: banheira,

    lavatrio, chuveiro, pia de cozinha, tanque, mquina de lavar roupas, etc. Para saber a

    estimativa de consumo dirio de gua quente de cada um destes pontos de consumo, utilize

    os dados da tabela AQ 03:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    40

    Obs. 1 : Geralmente o volume da banheira fornecido pelo fabricante. Para o clculo da

    estimativa do consumo total dirio da banheira, considera-se apenas a metade do seu

    volume total. Isso significa que: se uma banheira tiver, por exemplo, 200 litros, basta

    calcular: 200 = 100 litros.

    Obs. 2: Para efeito de dimensionamento, os fabricantes de aquecedores recomendam

    adotar um tempo mdio de 10 minutos para o banho de uma pessoa. Isto se deve a

    necessidade do aquecedor recuperar a temperatura da gua at atingir novamente os nveis

    desejveis.

    d) Adotar os seguintes valores de consumo mdio de gua quente por pessoas para

    residncias, conforme tipo de aquecedor escolhido:

    Esses valores so adotados levando em considerao as temperaturas de cada regio

    do Brasil, principalmente a temperatura da gua fria na entrada do aquecedor. O sistema a

    gs tem um poder calorfico maior do que o eltrico e o solar. Isto significa que o

    aquecedor a gs leva um tempo menor para aquecer a gua na temperatura desejada. A

    concluso de que precisamos de um reservatrio maior nos casos de instalao de

    aquecedores eltricos e solares.

    e) Calcular o volume do aquecedor. importante saber que os aquecedores so fabricados

    dentro de volumes padres, que so conhecidos como "Volumes Comerciais". Aps o

    clculo do volume, deve-se identificar qual o volume comercial mais aproximado do

    valor calculado. Consulte sempre a tabela abaixo:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    41

    Obs.: Existe no mercado empresas que fabricam aquecedores de acumulao com volumes

    comerciais que variam de 50 a 1000 litros.

    Exemplo com aquecedor de acumulao a gs

    Vamos calcular o volume de um aquecedor de acumulao a gs para atender uma

    residncia com 02 dormitrios, uma banheira com 180 litros e um quarto de empregados.

    Passo 1: Primeiro devemos determinar o provvel nmero de pessoas que utilizar o

    sistema de gua quente, considerando a seguinte frmula:

    Neste caso: 2 dormitrios = 2 x 2 = 4 pessoas 1 dormitrio de empregados = 1 x 1 = 1

    pessoaTotal: 5 pessoas

    Passo 2: Verificamos qual o consumo mdio por pessoa, considerando o uso de

    aquecedor a gs (tabela AQ 04).

    Passo 3: Com este valor, calculamos o volume em litros de gua quente que ser

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    42

    consumido pelo total de pessoas da casa:

    Passo 4: Calculamos o consumo da banheira:

    Passo 5: Somando os consumos calculados nos passos 3 e 4, teremos o consumo total

    (por dia):

    CONCLUSO

    Com este valor em mos s entrar no catlogo dos fabricantes e escolher o boiler

    que tenha o volume comercial mais prximo do volume calculado. Para o nosso exemplo,

    vamos escolher o boiler de 300 litros.

    Exemplo com aquecedor de acumulao eltrico

    Agora vamos dimensionar um aquecedor eltrico para a mesma residncia (2

    dormitrios, 1 quarto de empregados e uma banheira de 180 litros). Vamos ver qual a

    diferena? O que muda no dimensionamento de um aquecedor a gs para um aquecedor

    eltrico? A diferena est no consumo mdio de gua quente do aquecedor eltrico: 45

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    43

    litros/dia (ver tabela AQ 04).As etapas do clculo permanecem as mesmas do aquecedor a

    gs:

    Passo 1: Primeiro devemos determinar o provvel nmero de pessoas que utilizar o

    sistema de aquecimento eltrico. Como vimos, no exemplo anterior, sero 5 pessoas.

    Passo 2: Identificamos na tabela AQ04 qual o consumo mdio por pessoa,

    considerando o uso de aquecedor eltrico: 45 litros/dia

    Passo 3: Calculamos o volume em litros de gua quente que ser consumido pelo total

    de pessoas da casa: 5 pessoas x 45 litros/dia = 225 litros/dia

    Passo 4: Calculamos o volume da banheira. Como vimos no exemplo anterior, o

    volume ser de 90 litros.

    Passo 5: Calculamos o consumo total (por dia) =225 + 90 = 315 litros.

    CONCLUSO:

    Como o valor calculado de 315 litros est mais prximo do volume comercial de

    300 litros, podemos adotar este volume de 300 litros tambm.

    Exemplo com aquecedor solar

    Vamos agora calcular o volume do reservatrio para um aquecedor solar. Como

    neste caso o aquecimento do tipo solar, temos que calcular tambm o nmero de

    coletores solares necessrios para aquecer este volume calculado.Imagine um cliente que

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    44

    deseja instalar um sistema de gua quente em sua residncia, que tem 2 dormitrios, um

    quarto de empregada e uma banheira de 180 litros. E ele deseja tambm gua quente na pia

    da cozinha.

    Passo 1: Primeiro, devemos determinar o nmero provvel de pessoas que utilizar o

    sistema de aquecimento solar. Considerando a tabela AQ 02: 2 pessoas para cada

    dormitrio e mais 1 para o quarto de empregados.

    Ento: 2 dormitrios = 2 x 2 = 4 pessoas1 dormitrio de empregados = 1 x 1 = 1 pessoa

    Total: 5 pessoas

    Passo 2: Verificamos o consumo mdio de gua quente por pessoa, considerando uso

    de aquecedor solar (tabela AQ 04).

    Passo 4: Calculamos o consumo da banheira:

    Passo 5: Consideramos o consumo da torneira da pia da cozinha (tabela AQ 03):

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    45

    Passo 6: Calculamos ento o consumo total de gua quente por dia:

    Com este valor em mos, verificamos no catlogo dos fabricantes qual o volume

    comercial que atender esse caso. Vamos adotar o aquecedor solar com boiler (chamado de

    reservatrio complementar) de 400 litros (volume comercial conforme tabela AQ 05).

    Para completar o dimensionamento do sistema de aquecimento solar, devemos encontrar o

    nmero de coletores necessrios para o bom funcionamento do sistema.

    Antes disto, importante saber que existem no mercado dois modelos de coletores mais

    frequentemente encontrados, que so classificados conforme sua produo de gua quente

    por dia; veja tabela AQ 06:

    Para o nosso exemplo, vamos adotar um mtodo prtico de clculo:

    Basta dividir o volume do reservatrio encontrado pela produo diria em litros de cada

    coletor. Neste caso vamos adotar o coletor de 1,42 m. Teremos o seguinte clculo:

    Nmero de coletores:

    Sendo assim, adotaremos 4 coletores solares de 1,42 m.

    CONCLUSO

    Concluindo nosso exemplo, para esta residncia teremos 4 coletores solares com

    1,42 m de rea cada, e um reservatrio complementar com capacidade de 400 litros.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    46

    Instalao de Esgoto

    Sistema Coletor de Esgotos

    Os esgotos, antes de serem lanados num rio, lago ou mar precisam ser tratados a

    fim de que no contaminem as pessoas e animais.

    O sistema pblico de esgotos sanitrios consiste principalmente de uma rede de

    canalizaes de coleta, uma ou mais estaes de tratamento dos esgotos e a canalizao de

    lanamento nos rios, lagos ou mar.

    Esquema de um sistema pblico de esgotos.

    Caminho do Esgoto

    O esgoto, ou guas residurias, so os despejos lquidos de casas, edifcios,

    estabelecimentos comerciais, instituies e indstrias.

    Podemos divid-los conforme o tipo de efluente. Veja o esquema:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    47

    Os componentes de um sistema de esgoto so definidos conforme a quantidade de

    lquido escoado, nmero de pessoas, custos, tipo de efluentes, solo, entre outros.

    Daremos aqui maior ateno aos efluentes de esgoto domstico e nas solues TIGRE para

    instalaes prediais de esgoto sanitrio.

    No esquema abaixo resumimos de forma clara as possibilidades existentes quanto

    ao encaminhamento dos esgotos domsticos (guas imundas e servidas).

    Como podemos ver no esquema anterior, os esgotos podem ser levados ao seu

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    48

    destino final com ou sem transporte hdrico, ou seja, utilizando a gua para transporte

    dos dejetos. O transporte hdrico usado em locais onde h abastecimento de gua em

    quantidade suficiente para isto. Onde no possvel o transporte hdrico, utilizado

    normalmente a fossa negra, ou fossa seca.

    Vamos ver agora como funcionam as formas de encaminhamento dos esgotos domsticos

    com transporte hdrico.

    Sistemas de Tratamento Individual

    O sistema individual aquele onde cada uma das casas das cidades possui o seu

    prprio sistema de coleta, afastamento e tratamento dos esgotos domsticos.

    Neste sistema, os esgotos so encaminhados a uma fossa sptica, que uma espcie

    de caixa que recebe todo o esgoto domstico, onde existe a ao de bactrias chamadas

    anaerbias (micro-organismos que vivem em ambientes onde o ar no circula).

    Estas bactrias transformam parte da matria orgnica slida em gases, que saem

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    49

    pela tubulao de ventilao. Durante o processo, depositam-se no fundo da fossa as

    partculas slidas, que formam o lodo. Na superfcie do lquido tambm se forma uma

    camada de crosta, ou espuma, que contribui para evitar a circulao do ar, facilitando a

    ao das bactrias.

    Uma fossa sptica com 1500 litros de capacidade est apta a atender uma residncia

    de at 7 pessoas, prevendo-se a sua limpeza a cada 2 anos. No recomendvel a

    instalao de uma fossa com capacidade menor que 1250 litros.

    O material que permanece diludo no lquido do esgoto segue pela tubulao at ser

    distribudo no terreno. por um dos seguintes sistemas:

    Sumidouro ou poo absorvente

    Sistemas de Tratamento Coletivo

    A outra soluo adotada para coleta, afastamento e tratamento do esgoto com

    transporte hdrico o SISTEMA COLETIVO. o mais recomendado por no despejar no

    solo qualquer tipo de resduo de esgoto, visto que coletado diretamente por uma rede de

    tubulaes, que o encaminha para um adequado tratamento.

    Os esgotos das casas e comrcios em geral so encaminhados pelo coletor predial at uma

    rede coletora chamada de coletor pblico. Este passa pelas ruas da cidade, enterrado,

    encaminhando-se at um local onde se efetua o tratamento do esgoto: A ESTAO DE

    TRATAMENTO DE ESGOTO ETE.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    50

    Projetos de Instalao de Esgotos

    Com base nas plantas baixas e cortes dos diversos pavimentos, so elaborados os

    projetos de instalao de esgotos prediais que consistem de:

    a) Planta geral da instalao;

    b) Esquema vertical;

    c) Desenhos de detalhe.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    51

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    52

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    53

    Smbolos grficos usados no municpio do Rio de Janeiro em projetos de esgotos.

    Planta geral da instalao de esgotos sanitrios de uma pequena residncia com um nico

    pavimento. Logradouro sem coletor pblico.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    54

    Planta geral de esgotos sanitrios de um prdio. Logradouro com coletor pblico.

    Esquema de instalao de esgotos de prdio com 2 pavimentos em localidade onde

    existe rede pblica de esgotos.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    55

    Planta de instalao de residncia em local onde existe rede coletora pblica de esgotos.

    No necessria fossa sptica.

    Desenho vertical de instalao de esgotos de prdio de vrios pavimentos.

    Tubulao de Esgotamento dos Aparelhos

    Indicamos os dimetros mnimos que devem ser usados em cada aparelho.

    Vaso Sanitrio (privada) tubo de PVC de 100 mm (4)

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    56

    Lavatrio tubo de PVC 30 mm (1 ) ou 40 mm (1 ).

    Banheira tubo de PVC de 40 mm (1 ).

    Bid tubo de PVC de 40 mm ( 11/2 ).

    Fossa Sptica

    Se no logradouro no existe rede pblica de esgotos, h necessidade de fazer um

    tratamento dos esgotos sanitrios antes de lan-los numa vala, rio, lagoa ou mar e na

    existncia deste, faz-los infiltrar no terreno.

    A fossa sptica um reservatrio de forma, dimenso e constituio que permitem

    a fermentao das fezes nela depositadas, produzindo-se a digesto pelas bactrias

    desenvolvidas. uma estao de tratamento simples e eficiente, uma vez que a gua que

    sai da mesma relativamente livre de germes nocivos.

    Exemplo de fossa feita de alvenaria ou concreto armado.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    57

    Dimenses de fossas retangulares para construo na obra.

    Instalao de Rede de Esgotos

    As canalizaes de esgotos devem permitir que a gua e os materiais slidos em

    suspenso corram como rios ou canais, sem que fiquem plenamente cheias.

    Regras para instalao:

    a) O dimetro, a seo, dos tubos deve ter folga suficiente que permita o

    funcionamento como canal (seo e inclinaes de acordo com a norma NB-19).

    b) As tubulaes devem ser retas e com caimento uniforme entre duas caixas.

    c) Mudanas de direo da tubulao devem ser feitas em caixas de inspeo.

    d) Nas instalaes de esgotos prediais, os ramais horizontais devem ter caixas

    distantes no mximo 15 m uma da outra para facilitar a limpeza e o desentupimento .

    e) Os ramais dos aparelhos devem ter dimetro mnimo de 30 mm (1.1/4), com

    caimento de 3 a 5%.

    f) A declividade, caimento ou inclinao dos tubos, deve ser, no mnimo, a indicada

    na figura 26.

    Tubulao DECLIVIDADE

    75 mm ( 3 ) 3%

    100 mm ( 4 ) 2%

    150 mm ( 6 ) 0,7%

    Nmero de

    Pesoas

    Comprimento Largura Profundidade Capacidade

    (litros)

    4 1.80 0,90 1.50 1.900

    6 1.90 0,90 1.50 2.270

    8 2.30 1.10 1.50 2.580

    10 2.60 1.10 1.70 3.400

    12 2.60 1.20 1.70 4.150

    Dimenses Internas (m)

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    58

    200 mm ( 8 ) 0,45%

    230 mm ( 9 ) 0,375%

    Declividades mnimas indicadas pela norma NB-19 para coletores e ramais prediais e

    ramais prediais para tubos at 230 mm (9).

    Cavada a vala na direo por onde correra a tubulao, colocar cavaletes nas posies de

    duas caixas nivelado-os com nvel de tubo .

    Cavada a vala e feito seu fundo com a declividade deseja, apiloar o fundo e materializar

    com um arame de ao ou fio de nilon a parte superior dos tubos, que iro sendo

    colocados por baixo do fio .

    Dimensionamento das Tubulaes de Esgoto

    As quantidades (ou vazes) de esgoto que escoam pela instalao predial

    (tubulaes, caixas sifonadas, caixas de inspeo) variam em funo das contribuies de

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    59

    cada um dos aparelhos desta instalao.

    Para esclarecer este aspecto e demonstrar as etapas de dimensionamento das

    instalaes de esgotos, trazemos um exemplo de uma instalao predial de uma residncia

    onde iremos calcular o dimetro dos ramais de descarga, ramais de esgoto, tubos de

    ventilao e subcoletores.

    EXEMPLO

    Vamos dimensionar o sistema de esgoto e ventilao de uma residncia que possui:

    1 vaso sanitrio;

    1 lavatrio;

    1 chuveiro;

    1 banheira;

    1 pia de 2 cubas na cozinha;

    1 tanque de 2 cubas;

    1 mquina de lavar roupas.

    Dimensionamento dos Ramais de Descarga

    Para determinarmos os dimetros dos ramais de descarga dos diversos aparelhos,

    devemos consultar a seguinte tabela:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    60

    Dimetros mnimos dos ramais de descarga

    Assim sendo, para a instalao de nosso exemplo, teremos os seguintes ramais de

    descarga para cada aparelho:

    banheiro:

    1 vaso sanitrio DN 100

    1 lavatrio DN 40

    1 chuveiro DN 40

    1 banheira DN 40

    cozinha:

    1 pia de 2 cubas DN 50

    lavanderia:

    1 tanque de 2 cubas DN 40

    1 mquina de lavar roupas DN 50

    DN 40DN 50]

    Dimensionamento dos Ramais de Esgoto

    Quando dois ou mais ramais de descarga se encontram, formando uma nica

    tubulao, essa tubulao passa a se chamar ramal de esgoto. Nos banheiros, por exemplo,

    os ramais de descarga (exceto o do vaso sanitrio) podem ser conectados a uma caixa

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    61

    sifonada, de cuja sada deriva o ramal de esgoto.

    Veja que em nosso exemplo os ramais de descarga do lavatrio, do chuveiro e da

    banheira esto conectados a uma caixa sifonada, e a partir da segue o ramal de esgoto.

    Para determinarmos os dimetros dos ramais de esgoto do banheiro, da cozinha, da

    rea de servio e a caixa sifonada ideal para o banheiro, podemos utilizar a tabela EG02:

    Dimetros mnimos dos ramais de esgoto

    Em nosso exemplo o banheiro possui 1 lavatrio, 1 chuveiro e 1 banheira.

    Verificando a tabela, todos estes aparelhos se encaixam no item "com banheira mais

    aparelhos". Logo, o dimetro do ramal de esgoto do banheiro ser DN 75.

    Assim, a caixa sifonada dever possuir tambm uma sada de DN 75, garantindo

    assim o adequado escoamento do esgoto.

    Neste caso, podemos indicar a Girafcil DN 150 TIGRE.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    62

    Na cozinha teremos 1 pia com 2 cubas. Olhando este item na tabela EG02, o

    dimetro do ramal de esgoto ser DN 50. Sabemos que o ramal que sai da pia da cozinha

    no despejado em uma caixa sifonada, pois segundo a norma NBR 8160, este ramal deve

    ser conectado a uma caixa de gordura.

    Para estes casos a TIGRE oferece a Caixa de Gordura, fabricada de polietileno,

    com entrada DN 50 e sada DN 100, conforme a NBR 8160.

    Na lavanderia teremos 1 tanque de 2 cubas e 1 mquina de lavar roupas. Na tabela

    EG02, identificamos que estes aparelhos correspondem ao item "com mquina de lavar

    roupas e tanque". Ou seja, o dimetro ser DN 75, com uma caixa sifonada de sada DN

    75.

    Dimensionamento da Tubulao de Ventilao

    A ventilao em uma instalao de esgoto extremamente importante, uma vez que

    impede o rompimento dos fechos hdricos dos desconectores, alm de impedir a sada dos

    gases do esgoto para a atmosfera.

    Lembre-se: fecho hdrico a camada de gua que permanece constantemente nos

    desconectores (aparelhos como o vaso sanitrio, sifes e caixas sifonadas) e que veda a

    passagem dos gases.

    Em nosso exemplo, por se tratar de uma residncia, no ser necessria uma coluna

    de ventilao. Teremos apenas o ramal e o tubo de ventilao no mesmo dimetro. Antes

    de iniciarmos os clculos precisamos conhecer um conceito importante: a Unidade Hunter

    de Contribuio (UHC).

    UHC um nmero que representa a contribuio de esgoto dos aparelhos sanitrios

    em funo da sua utilizao habitual. Cada aparelho sanitrio possui um valor de UHC

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    63

    especfico, conforme pode ser visto na tabela EG03, fornecida pela norma NBR 8160.

    Para o nosso exemplo, ser necessria 1 tubulao de ventilao para atender ao

    ramal de esgoto do banheiro.Vamos iniciar fazendo o somatrio em UHC de cada

    aparelho. Tomando os valores fornecidos pela tabela EG03, temos:

    Lavatrio: 1 UHC

    Chuveiro: 2 UHC

    Banheira: 2 UHC

    Vaso sanitrio: 6 UHC

    Fazendo o somatrio, obtemos o valor de 11 UHC.

    Este valor utilizado para encontrar o dimetro do ramal de ventilao atravs da

    tabela EG04, fornecida pela norma NBR 8160.

    A situao de nosso exemplo se encaixa na coluna "grupos de aparelhos com bacias

    sanitrias". Como o valor encontrado no ultrapassa 17 UHC, o dimetro do ramal de

    ventilao do banheiro ser DN 50.

    Unidade Hunter de Contribuio dos AparelhosSanitrios e Dimetro Nominal

    Mnimo dos Ramais de Descarga

    Dimensionamento de ramais de ventilao

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    64

    importante saber que para a ventilao funcionar com eficincia, a distncia de qualquer

    desconector (caixa sifonada, vaso sanitrio) at a ligao do tubo ventilador que o serve

    dever ser de no mximo 1,80m.

    Dimensionamento..dos..Sub-coletores

    Os sub-coletores so tubulaes que levam o esgoto da residncia para a rede

    coletora pblica ou para a fossa sptica. Devem possuir dimetro mnimo de 100 mm,

    intercalados por caixas de inspeo.

    Deve-se prever tambm uma declividade mnima de 1% para os tubos sub-

    coletores, para o perfeito funcionamento do esgoto. Explicando melhor, 1% significa 1cm

    de desnvel para cada 1m de tubulao.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    65

    Canalizao de gua Pluvial

    A gua proveniente de chuvas, ou seja, a gua pluvial, precisa ser coletada dos

    telhados e terrenos que circundam os prdios, e conduzidas para a rede pblica de gua

    pluvial ou para uma vala.

    A seo da calha deve ser adequada conduo da quantidade de gua da chuva que

    cai sobre o telhado e vai ter na mesma. O telhado mais seguro aquele que deixa a gua

    cair livremente sem calhas, rinces, condutores etc.

    Procedimentos para dimensionar corretamente uma calha.

    a) Dividir o comprimento da calha em trechos de 15metros no mximo.

    b) determinar quantos metros quadrados de telhado iro jogar gua sobre cada trecho da

    calha. Tomar 1cm2 de sesso molhada de calha para cada 1m2 de telhado contribuinte.

    c) Dar declividade calha de 0,5% a 1%.

    Cada trecho de calha deve levar a gua a um condutor vertical, que por sua vez,

    deve ter capacidade de conduzir para o solo a gua derramada pelo telhado sobre a calha.

    Dimenses de um condutor de gua pluvial

    a) ter dimetro mnimo de 50mm (2) caso no haja possibilidade de cair folhas na calha e

    75mm (3) caso seja possvel cair folhas na calha.

    b) Para sesso de condutor, considerar 1cm2 para cada 1 a 5m2 de telhado ou terrao

    contribuinte.

    Um condutor de 100 mm ( 4 ) de dimetro adequado para atender a cerca de 80m2

    de telhado ou terrao at 400m2 . Um condutor mnimo de 50 mm ( 2 ) de dimetro atende

    bem a um telhado de 20m2 at 100m2 de telhado ou terrao.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    66

    Ferramentas do Bombeiro Hidrulico

    - Chave de fenda.

    - Chave de inglesa

    - Chave de grifo

    Marreta Martelo

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    67

    Alicate

    - Torno comum

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    68

    - Torno ou morsa

    - Arco de serra

    Lima

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    69

    - Maquina de furar

    - Tarraxa

    Talhadeira

    Tubos em PVC

    Os tubos em PVC (plsticos) so os mais usados hoje em dia por causa da sua

    facilidade de uso.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    70

    Tipos de tubos em PVC:

    a) tubo rgidos para gua fria (branco) roscvel

    b) Tubos rgidos para gua fria (marrom) soldveis.

    c) Tubos rgidos para gua quente (acquaterm) soldveis

    d) Tubos rgidos para esgoto (branco) com anel de vedao

    e) Tubos flexveis.

    Os tubos so encontrados em diversas bitolas (padro NBR).

    So fceis e rpidos de instalar.

    Hoje em dia existe grande variedade e acessrios.

    Materiais da Linha Soldvel

    Tubo de PVC

    Soldvel

    Adaptador

    Soldvel Curto com Bolsa

    e Rosca

    Adaptador

    Auto-Ajustvel Soldvel

    com Rosca Interna para

    Reservatrios

    com Junta de Vedao

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    71

    Adaptador Soldvel

    para Caixa dgua de Concreto

    Bucha de Reduo

    Soldvel Longa

    Bucha de Reduo

    Soldvel Curta

    Cap

    Soldvel

    Curva 90

    Soldvel

    Curva 45

    Soldvel

    Curva de Transposio

    Soldvel

    Joelho 45

    Soldvel

    Joelho 90

    Soldvel

    Joelho de Reduo 90

    Soldvel

    Luva

    Soldvel

    Luva de Reduo

    Soldvel

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    72

    Luva de Correr para Tubo

    Soldvel

    T

    Soldvel

    T de Reduo

    Soldvel

    Unio

    Soldvel

    Joelho 90

    Soldvel e com Rosca

    (LR)

    Luva

    Soldvel e com Rosca

    (LR)

    T

    Soldvel e com Rosca (LR)

    Borracha de Vedao

    do Adaptador para

    Reservatrios

    Joelho 90

    Soldvel e com Bucha de

    Lato

    Luva

    Soldvel e com Bucha de Lato

    T

    Soldvel e com Bucha de

    Lato

    Adesivo Plstico Bisnaga

    para Tubos e Conexes de

    PVC

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    73

    Materiais da Linha Roscvel

    Tubo de PVC

    Roscvel

    Adaptador

    Auto-Ajustvel Roscvel

    para Reservatrios com

    Junta de Vedao

    Flange

    Roscvel

    Bucha de Reduo

    Roscvel

    Cap

    Roscvel

    Curva 90

    Roscvel

    Joelho 45

    Roscvel

    Joelho 90

    Roscvel

    Joelho de Reduo 90

    Roscvel

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    74

    Luva

    Roscvel

    Luva de Reduo

    Roscvel

    Luva de Correr para

    Tubo

    Roscvel

    Nipel

    Roscvel

    Plug

    Roscvel

    T

    Roscvel

    T de Reduo

    Roscvel

    Unio

    Roscvel

    Fita Veda Rosca

    Registros

    Registro Esfera VS

    Compacto Soldvel

    Registro Gaveta Docol

    JET 30 Bruto

    Registro de Chuveiro

    PVC Cromado

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    75

    Vlvula de Descarga

    Definio

    Aparelho hidrulico destinado a permitir a descarga de gua na vazo adequada para

    promover a limpeza de bacias sanitrias, mediante acionamento manual e fechamento

    automtico.

    Histrico

    Porque foi desenvolvida

    Por necessidade do mercado brasileiro, nasceu a primeira Soluo para o Planeta

    gua. Na dcada de 70 os modelos existentes no mercado apresentavam o golpe de arete -

    fechamento brusco do uxo de gua. No podendo vender tubos de PVC para a instalao

    com aquelas vlvulas de descarga, a Tigre procurou a Docol para em parceria desenvolver

    uma vlvula que no apresentasse este problema. Comea a o excepcional trabalho de

    desenvolvimento da vlvula de descarga Docol.

    Quando foi lanada

    A Docol em parceria com uma empresa alem desenvolve e lana em 1976 a

    primeira Vlvula de Descarga (VD) do mercado nacional isenta do Golpe de Arete,

    possibilitando a expanso do PVC no mercado nacional.

    Prmio Inovaes Tecnolgicas

    - Na primeira edio do Prmio Inovaes Tecnolgicas concedido pela ANAMACO

    (Associao Nacional dos Revendedores de Material de Construo). As revendas de todo o

    Brasil escolheram a Vlvula de Descarga Docol, lanada no mercado h mais de 20 anos,

    tamanha a importncia, qualidade e inovao da tecnologia Docol.

    12

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    76

    Caractersticas Tcnicas

    Aplicao

    Vlvula de Descarga 1 - Dentro das classes de presso 1,5 mca at 15 mca, ou

    seja, casas trreas, sobrados e os trs ltimos pavimentos de um edifcio.

    Vlvula de Descarga 1 - Dentro das classes de presso 10 mca at 40 mca, ou

    seja, edifcios exceto os trs ltimos pavimentos.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    77

    Instalao

    As vlvulas de descarga Docol podem ser instaladas em qualquer tipo de tubulao

    normatizada (PVC, F.F.,

    Galvanizada, etc.). Observar se a tubulao e reservatrios esto limpos,

    verificando as prumadas (coluna de gua) em todas as direes para ento fazer a

    instalao do produto.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    78

    Quando a vlvula estiver instalada em ramal derivado de coluna que distribui gua

    em diversos andares, a coluna deve ser provida de tubo de ventilao, de mesma bitola,

    ligado aps o registro geral.

    Instalao da Vlvula de Descarga

    Na seqncia apresentaremos os componentes da vlvula de descarga Docol e sua

    instalao passo a passo.

    Capa de Proteo

    Componente plstico descartvel com a finalidade de:

    1. Proteo contra a entrada de detritos ou massas na

    regio da tampa frontal.

    2. Orientar a profundidade de instalao. O

    revestimento final da parede dever ficar sobre as faces

    laterais da capa.

    3. Orientar o recorte dos revestimentos final da parede ao redor

    da mesma.

    Registro Integrado

    Fechamento para manuteno:

    Na VD Docol no necessrio a instalao do registro de gaveta acima da vlvula,

    pois o registro integrado quem faz o fechamento para se realizar a manuteno,

    reduzindo peas e custo na hora da instalao e facilitando a manuteno.

    Regulagem do volume de gua na descarga:

    Girando-se a chave de regulagem do registro integrado, obtem-se a vazo ideal de

    acordo com a presso hidrulica existente e o tipo de loua, resultando em uma boa

    performance e economia de gua.

    Aps a regulagem, mantenha a chave na posio horizontal.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    79

    Para a esquerda Maior volume de gua.

    Para a direita Menor volume de gua.

    OBS.: O registro integrado vem fechado de fbrica

    Regulagem da Vazo

    Transcrio da norma: Bacia sanitria Verificao de funcionamento.

    Cortar sete tiras de papel higinico, tendo cada uma delas o comprimento de 87 cm.

    O papel higinico dever ser do tipo comum com aproximadamente 5mm de

    largura, com tempo de absoro de gua igual a 5 segundos.

    Preparar a carga de ensaio amassando cada uma as tiras de modo a formar sete

    bolas de papel de aproximadamente 3 cm de dimetro.

    Verificar se o fecho hdrico est completo. Com o fecho hdrico completo, colocar

    a carga de ensaio no poo da bacia e acionar o aparelho de descarga.

    Devero ser removidas cinco bolas de papel, ficando na bacia apenas duas

    (NBR6452).

    OBS: Este ensaio realizado com tiras de papel higinico tem como finalidade regular a

    vazo de um sistema de descarga, tornando-o eficiente e evitando o uso excessivo da gua.

    importante ressaltar que para o perfeito funcionamento de qualquer sistema de descarga,

    no se deve levar em considerao apenas o produto que acionado (vlvulas ou caixas de

    descarga), mas sim todo o sistema hidrulico ao qual ele est ligado.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    80

    Deve ser observado:

    Se os produtos esto instalados dentro da classe de presses previstas pelo

    fabricante.

    Bitolas, instalaes e dimensionamento das tubulaes e conexes.

    A correta regulagem da vazo para a Vlvula de Descarga.

    Utilizao de vasos sanitrios de descarga reduzidos ou econmicos j

    comercializados no mercado nacionais.

    Alguns modelos possuem uma descrio do tipo 1.6 gpf/6 lpf (1.6 gales por fluxo

    ou 6 litros por fluxo), ou seja, para executarmos a limpeza destes vasos, s necessitamos de

    no mximo 6 litros de gua.

    Verificar se foi previsto ventilao do tubo de alimentao e do esgoto para

    favorecer a sifonagem do vaso sanitrio.

    Verificar se foi prevista a ventilao do esgoto, favorecendo a sifonagem do vaso

    sanitrio. (verificar instalao).

    Instalao Passo a Passo

    1 Passo:

    Verificar ferramentas necessrias

    para instalao da vlvula

    de descarga.

    1. Vlvula de descarga

    2. Vedante

    3. Fita veda-rosca

    4. Caneta ou lpis

    5. Lixa

    6. Chave de cano

    7. Serra

    8. Trena

    9. Tubo de descarga

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    81

    2 Passo:

    Deixar a extremidade do tubo livre

    para a instalao da vlvula de

    descarga antes de embutir (fi xar)

    o tubo.

    3 Passo:

    Deve-se selar a rosca com fi ta

    veda-rosca aplicada na rosca

    do adaptador.

    4 Passo:

    Fixar o adaptador j com fi ta

    veda-rosca na vlvula de descarga

    apertando-a posteriormente com a

    chave de cano.

    5 Passo:

    No intuito de preencher os requisitos

    ergonmicos, a vlvula de descarga

    deve ser instalada a uma altura de

    aproximadamente 1,10m do cho

    ao centro da mesma (verifi car altura

    em que o piso ir fi car depois de

    pronto). Utilize uma fi ta mtrica

    (trena) e uma caneta para marcar

    a altura correta no tubo. Depois de

    realizado a marcao, com o auxilio

    da serra corte o excesso de tubo.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    82

    6 Passo:

    Use adesivo plstico para tubo de

    PVC para unir o adaptador com a

    vlvula de descarga, tendo certeza

    de que eles estejam alinhados com

    a parede.

    7 Passo:

    O tubo est pronto para receber

    o reboco e ser fi xado junto com a

    vlvula de descarga. A parte inferior

    da vlvula de descarga dever

    permanecer com o tampo de

    proteo que acompanha o produto

    e livre para depois ser instalado o

    tubo de descarga.

    8 Passo:

    Agora a vlvula de descarga est

    fi xa e rebocada deixando um espao

    aberto para instalar o tubo de

    descarga.

    9 Passo:

    Com o vaso sanitrio devidamente

    alinhado, marque onde o tubo

    de descida deve ser cortado.

    Corte o tubo onde foi marcado

    anteriormente.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    83

    10 Passo:

    Una e cole o cotovelo azul no final

    do tubo. No esquea de colocar

    primeiro a porca de acoplamento

    que acompanha a vlvula de

    descarga Docol entre o encaixe do

    cotovelo e o final do tubo.

    11 Passo:

    Introduza o tubo na sada da vlvula

    de descarga e parafuse a porca,

    apertando at o final.

    12 Passo:

    Introduza o tubo cromado no

    cotovelo azul e depois no vaso

    sanitrio (para facilitar, pode-se usar

    um pouco de vaselina).

    13 Passo:

    Antes de colocar o acabamento, recomendamos um

    acionamento para limpeza da tubulao:

    Com o registro integrado fechado, acione a vlvula.

    Mantendo acionada, gire a chave da VD no sentido anti-horrio

    at a abertura total.

    Continue acionando por alguns segundos para que toda

    a sujeira saia da tubulao.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    84

    14 Passo:

    A instalao est completa. Antes de fechar a parede com

    cimento e azulejo, teste o sistema para checar se no existe

    nenhum vazamento.

    15 Passo:

    Ajuste da vazo conforme item Regulagem de Vazo.

    Instalao de Acabamentos

    A Docol possui uma grande variedade em acabamentos atendendo as diversas

    necessidades do mercado. Todos os acabamentos para VD Docol se adaptam as bases de

    1 e 1.

    E para iniciarmos a instalao dos acabamentos precisamos ajustar o parafuso fi xado na

    extremidade do eixo como podemos ver na fi gura abaixo.

    Esta regulagem evita dois problemas.

    1. Muito folgado pouca vazo.

    2. Muito justo vazamento para o vaso.

    OBS.: Importante o aperto da contra-porca do parafuso de ajustagem para que no haja a

    desregulagem do parafuso.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    85

    Instalao do Acabamento Clssico

    1 Passo:

    Rosquear os prisioneiros(A) no corpo da vlvula.

    2 Passo:

    Assente a canopla(C) sobre os azulejos.

    3 Passo:

    Encaixe os niples(B) na canopla(C) e aperte os

    mesmos nos prisioneiros(A) at que a canopla(C)

    esteja fi xada.

    Manuteno de Vlvula de Descarga

    Antes de iniciar a desmontagem do acabamento deve-se tampar o vaso sanitrio (baixar a

    tampa) para evitar que as

    peas caiam em seu interior.

    1 Passo:

    Retire o acabamento da vlvula de descarga

    removendo os parafusos.

    2 Passo:

    Soltar os dois prisioneiros das orelhas da vlvula

    e o parafuso de ajustagem.

    3 Passo:

    Fechar manualmente o registro integrado, girando a chave

    de regulagem para a direita at o seu fechamento total

    (no force). Acione a vlvula de descarga para verifi car

    a existncia de possveis detritos que difi cultem

    a completa vedao.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    86

    4 Passo:

    Retirar a chave e a mola. Para desencaixar a chave

    de regulagem do eixo, pressione e desloque a mesma

    para o lado.

    5 Passo:

    Retirar a tampa frontal da vlvula de descarga utilizando

    ferramenta adequada. Com a tampa frontal solta, retire o conjunto

    interno puxando-o pelo eixo, com movimentos laterais.

    6 Passo:

    Para trocar o pisto:

    Retire a tampa frontal e a sede, do eixo.

    Solte o anel de presso.

    Retire o pisto do eixo e realize a troca do mesmo.

    Importante:

    Nunca tente consertar o pisto e sim o substitua por um novo.

    7 Passo:

    Para trocar o retentor:

    Retire a tampa frontal do eixo.

    Utilizando a chave da vlvula, solte o nipel da tampa.

    Com a ajuda de uma pina retire o retentor e proceda

    a troca do mesmo.

    Para realizar a montagem do produto, executar o processo inverso

    ao da desmontagem.

    Obs.:

    Na montagem do retentor, introduza primeiro o eixo na tampa

    frontal e depois coloque o retentor direcionando suas aletas para o

    interior da vlvula. Isto evita danos ao retentor.

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    87

    DICAS:

  • Apostila de Instalaes Hidrulicas - PROJOVEM - Ronald Wagner A. Palmela - 10 Perodo de Eng. Civil

    88

    Referncias Bibliogrficas

    - MACINTYRE, Archibald Joseph. Manual de instalaes hidrulicas e sanitrias. Ed.

    Guanabara. 1990.

    - CREDER, hlio. Instalaes hidrulicas e sanitrias. Ed. Livros Tcnicos e Cientficos.

    1990.

    - TUBOS E CONEXES TIGRE SA. Manual tcnico de instalaes hidrulicas e

    sanitrias. Ed. Pini Ltda. l987. 2 ed.

    - BORGES, Ruth Silveira e Wellington Luiz. Manual de instales prediais

    hidrulicosanitrias e de gs. Ed. Pini. 1992. 4. ed.

    - MELO, Vanderley de Oliveira e AZEVEDO, Jos M. Neto. Instalaes prediais

    hidrulicosanitrias.

    - Ed. Edgard Blcher Ltda. S. Paulo 1990. TANAKA, Takudy. Instalaes prediais

    hidrulicas e sanitrias. Livros Tcnicos e Cientficos - Editora S.A. 1986

    - FUNDAO DE APOIO A ESCOLA TCNICA - Apostila de Bombeiro Hidrulico

    FAETEC

    - AMANCO - Catlogo Predial 2011

    - CEHOP - Manual de Instalaes Sanitrias da Companhia de Estadual de Habitao

    e obras Pblicas.

    - DOCOL - Curso tcnico de Produtos DOCOL

    Normas Tcnicas da ABNT:

    - NBR 5626 - Instalaes Prediais de gua Fria

    - NBR 7198 - Instalaes Prediais de gua Quente

    - NBR 8160 - Instalao Predial de Esgoto Sanitrio

    - NBR 7229/92 - Projeto, construo e operao de sistemas de tanques spticos

    - NB 611/81- Instalaes Prediais de guas Pluviais

    - NB 24/65 - Instalaes Hidrulicas Prediais contra Incndio, sob Comando

    - NBR 13969 - Tanques spticos